1

www.derphilosopher.supralus.com

derPhilosopher

TRAJETÓRIA DO
ENSINO DE FILOSOFIA
NO BRASIL
Norberto Mazai
Índice
1. INTRODUÇÃO ................................................................................................... 2
2. O ENSINO DE FILOSOFIA NO BRASIL ....................................................... 3
3. REFORMAS POMBALINAS ............................................................................ 4
4. O POSITIVISMO NO BRASIL ......................................................................... 6
5. A FILOSOFIA BRASILEIRA DO SÉCULO XX ............................................ 7
6. O MOVIMENTO PENDULAR DA FILOSOFIA NOS CURRÍCULOS....... 8
7. CONCLUSÃO ..................................................................................................... 11
8. BIBLIOGRAFIA ................................................................................................. 12

www.derphilosopher.supralus.com

2

www.derphilosopher.supralus.com

TRAJETÓRIA DO ENSINO
DE FILOSOFIA NO BRASIL
Norberto Mazai1

RESUMO
O presente artigo desenvolveu-se mediante pesquisa bibliográfica, com o objetivo de
traçar, ainda que sucintamente, a trajetória do ensino de filosofia no Brasil, desde a chegada dos
jesuítas (séc XVI) até os nossos dias. Traz à tona de certo modo, a polêmica sobre o retorno da
disciplina de filosofia no Ensino Médio, sua importância e seu papel a ser desempenhado na
construção da consciência crítica no âmbito escolar. Dos dados obtidos, chegou-se as seguintes
conclusões: a) o movimento pendular de inclusão e exclusão da disciplina de filosofia dos
currículos no Brasil, foi fortemente marcado por razões ideológicas que inibiam o pensar crítico,
b) faz-se necessário repensar a volta da disciplina de filosofia no Ensino Médio, a fim de torna-la
eficaz no processo de ensino-aprendizagem, bem como para o exercício consciente da cidadania.

PALAVRAS-CHAVE
Filosofia. História. Ensino.

1. INTRODUÇÃO

Pensar o exercício da Filosofia no Ensino Médio Brasileiro, requer a contextualização
do problema e uma retomada de sua história, tarefa que aqui se propõe realizar. Desenvolverse-á
nesta pesquisa a questão relativa ao papel que a filosofia desempenhou ao longo da história da
educação brasileira, de modo a chamar a atenção para as razões ideológicas, ou seja, o processo
que inibia o pensar crítico e ainda, seu movimento pendular nos currículos, desde o século XVI
até nossos dias, bem como dar pistas, sobre o papel que se entende que deva ser desempenhado
por esta disciplina, no atual momento vivido pela educação brasileira. A pesquisa foi elaborada
em conformidade com as regras do trabalho monográfico, do discurso-filosófico-argumentativo e
da investigação bibliográfica referente ao tema.
1

Filósofo e mestrando em Educação

3

www.derphilosopher.supralus.com

2. O ENSINO DE FILOSOFIA NO BRASIL

O ensino de filosofia aportou em nosso país com os religiosos da Companhia de
Jesus, no século XVI(1553). Foram eles que exerceram maior influência na primeira fase da
História da Educação no Brasil. Os Jesuítas eram os responsáveis pela educação e catequese
dos povos das colônias procurando sempre propagar e fortalecer a Fé cristã. Em uma carta Pe.
Anchieta relatou as atividades exercidas no Brasil:
"...Mas, embora o nosso principal cuidado fosse ensinar e
inculcar a eles os rudimentos da fé, também lhes ensinavam as
letras; pois eram de tal modo aficionados a aprender a
doutrina, que na mesma ocasião eram levados a aprender a
doutrina da salvação; davam conta daquilo que pertencia à fé,
instruídos segundo algumas fórmulas de interrogações
(catecismo), alguns até sem elas..."(Lukács,I,1965:614-5 in
Schmitz.1994. p.48).
Como se pode observar do que foi dito, os jesuítas exerciam de certa forma uma
espécie de teocracismo, suscitando assim, um monopólio do pensamento e afastando Portugal
das contribuições do movimento científico da época, com Descartes, Bacon, Galileu e outros.
A educação, estava na época, voltada para os setores da elite dirigente, com conteúdo
livresco, formalista, retórico, gramatical, sem base natural e nacional, servindo de deleite ao
colono branco, rico e católico. A cultura filosófica passa a ser "mero comentário teológico,
fundado principalmente na renovação da escolástica aristotélica" (Cartolano. 1985 p. 20). Era
uma simples reprodução de idéias.
"A filosofia era assim considerada uma disciplina livresca.
Da Europa ela nos vinha já feita. Era sinal de grande cultura o
simples fato de saber reproduzir as idéias mais recentemente
chegadas. A novidade supria o espírito de análise, a curiosidade
supria a crítica" (Costa. 1967:8).
Todo este contexto deixou traços marcantes no processo educativo do povo da
colônia. No que diz respeito à filosofia, ela se constitui mais precisamente como assimilação,
"registro, comentário, eco de escolas e correntes estrangeiras" ( Costa. 1967).
A Ratio Studiorum foi a máxima expressão do esforço de sistematização do
conhecimento, que constituiu a organização e o plano de estudos dos Jesuítas. Subordinava o
ensino superior à teologia e ao dogmatismo (filosofia da salvação), que se alicerçava, por sua
vez, na procura de uma ortodoxia definida pelos próprios jesuítas e que levava a expurgar os
textos dos autores que se afastassem das idéias de Sto.Tomás de Aquino e Aristóteles. Lê-se na
terceira regra
"os intérpretes de Aristóteles que desmerecem da religião
cristã não sejam lidos nem mencionados na escola, sem grande
escolha; e acautele-se que os discípulos se lhes não afeiçoem"
(Costa.1960).

4

www.derphilosopher.supralus.com

A filosofia servia para incutir uma determinada doutrina, a prevenir possíveis desvios
em relação a ela, e bem como, defende-la. Isto prova o papel militante e teológico da filosofia
na época. Destinava-se ao preparo da elite intelectual marcada pela maneira árida de pensar e
de interpretar a realidade. Os estudos se compunham
" de quatro séries de gramática(assegurar expressão clara
e exata), uma de humanidades(assegurar expressão rica e
elegante), e uma de retórica (assegurar expressão poderosa e
convincente)"(Cartolano. 1985, p. 22).
Por motivos de ordem unicamente política, o Marquês de Pombal expulsou os jesuítas
da colônia, sob o pretexto de que o ensino deveria preparar o cidadão para servir ao Estado
Civil e não à Igreja. Neste momento, no Brasil começam, então, a chegar idéias modernas da
França, tais como: de igualdade, de liberdade, defesa de um anticristianismo. A fé e as
convicções tradicionais são fortemente criticadas. A filosofia procura ultrapassar a questão do
escolaticismo visando os resultados da ciência aplicada. O pensamento era ao mesmo tempo
racionalista e revolucionário.
"Pretende pôr e resolver as questões de uma vez para
sempre, matematicamente, sem tomar em consideração as
circunstâncias históricas; por outro lado, a teoria do
conhecimento dominante é o empirismo sensualista"
(Cartolano. 1985 p. 23).
Essas idéias eram difundidas através da Enciclopédia (enciclopedismo) no período de
1750-1780. O seu teor consistia na difusão das idéias iluministas, "com certa prudência e
habilidade infiltrava os pensamentos críticos e atacava a Igreja e todas as convicções
vigentes" (Cartolano. 1985, p. 23). O enciclopedismo permeou assim, os meios intelectuais e
religiosos da época. A razão é entendida como a única fonte do conhecimento, em
contraposição as orientações teológicas (filosofia da salvação).
Devido a essas idéias, todo o movimento enciclopedista foi severamente considerado
como subversivo e com idéias totalmente contrárias a ordem. Assim, em 1794, várias pessoas
foram presas, principalmente em Minas Gerais. Era considerado crime propagar esse
movimento, crime se voltar contra o despotismo da Igreja. Continuava o intento de nos tornar
passivos frente à realidade, bem como, sem nenhuma autonomia de pensamento. Todo esse
movimento causava o medo de que as pessoas vislumbrassem novos horizontes intelectuais.

3. REFORMAS POMBALINAS
Após a expulsão dos Jesuítas pelo Marquês de Pombal, ocorreu uma reforma na
Universidade, em função do surgimento de um espírito novo, moderno, que combateria à
doutrina dos Jesuítas. Surgem livros mais atuais. Cabe ressaltar que professores, em boa parte,
eram selecionados e nomeados por Pombal. A destruição da velha universidade, com seus
colégios jesuíticos, bem como, com seu ensino estático, tornou-se um fato

5

www.derphilosopher.supralus.com

"em consequência da profunda reforma pombalina na
Universidade de Coimbra algumas instituições eclesiásticas
reformaram também os seus planos de estudo e, sobretudo, os
métodos de ensino. Cumpria então dar mostras do repúdio da
metodologia silogística, da rotina didática e das disputas
tradicionais..."(Vita.1969.p.248-255).
A nova universidade, por assim dizer, largamente aberta à luz que vinha dos países de
Newton e Descartes, permaneceu atrelada a causas nacionais. Neste contexto, é preciso não
esquecer a contribuição prestada pelos franciscanos, para o progresso do ensino de filosofia no
Brasil-Colônia. No ano de 1759, o Marquês de Pombal autoriza aos franciscanos a estabelecer
no Rio de Janeiro uma cátedra de filosofia.
Mesmo tendo sido um passo de grande valia para o ensino, as reformas do Marquês
de Pombal não deixam de marcar, todavia, um retrocesso na educação, pois,
"...o ensino orientou-se ainda para os mesmos objetivos
religiosos e livrescos dos jesuítas; realizou-se através dos
mesmos métodos pedagógicos, com apelo à autoridade e à
disciplina estreitas, tendendo a impedir a criação individual a
originalidade. Quanto ao ensino de filosofia, continuou também
no mesmo estilo livresco e escolástico"(Cartolano, 1985, p.25).
Com a vinda de Dom João VI para o Brasil, juntamente com toda a sua corte em
1808, abriam-se às portas para o comércio mundial, contribuindo também, para a vinda de
novas idéias na vida da colônia. Neste período chegou-se a realizar na colônia conferências
filosóficas. Nasciam novos colégios para a preparação da nova classe que iria administrar e
governar a colônia. Os negócios aumentavam e exigiam uma expansão da educação. Neste
clima de transformação, a filosofia no Brasil e o seu ensino, estava voltado para a formação
profissional e não mais como um ensino propedêutico visando a formação sacerdotal e a
propagação da fé cristã.
Em 1834, começaram a ser criados os primeiros cursos superiores profissionalizantes
e o secundário passa a ser preparatório para o ingresso nestes cursos. Em 1838 a filosofia passa
a ser obrigatória e continua arbitrária, retórica e enciclopédica. "... nas províncias, a filosofia já
era incluída obrigatoriamente no currículo dos liceus e dos ginásios do curso secundário,
desde o início do século..."(Cartolano, 1985, p.28).
A Filosofia no Brasil no século XIX foi marcada pelo setor econômico:
"... companhias anônimas, comerciais e industriais, o
Banco do Brasil transforma-se em banco de emissão, inaugurase a linha do telégrafo elétrico e finalmente abre-se ao tráfego a
Estrada Central do Brasil"(Cartolano, 1985, p.29).
Essas relevantes mudanças vieram acompanhadas de novas idéias, as quais, invadem
o meio cultural da época.

6

www.derphilosopher.supralus.com

4. O POSITIVISMO NO BRASIL

Entre as correntes filosóficas em ascensão nas últimas décadas do século XIX, por
volta de 1870, o positivismo foi a que mais repercussão teve no seio do pensamento brasileiro e
na educação que se ministrava. A razão fundamental desse fato radica na pré-existente tradição
cientificista que se iniciou com as reformas pombalinas, à luz das quais estruturou-se todo o
sistema de ensino superior, em bases que privilegiaram a ciência aplicada e a instrução
estritamente profissional. Ainda,
"a filosofia européia desse século está toda ela
impregnada de romantismo. O próprio positivismo apresenta
esse caráter romântico"(Costa, 1967, p.69).
Este caráter foi muito acentuado nesta época, e é neste mesmo clima, que
"... a inteligência brasileira vai expressar idéias que nos
chegam de uma Europa em que se travava ainda a luta entre as
idéias tradicionais e aquelas que derivavam da filosofia do
século XVIII" (Cruz Costa, 1967, p.70).
Segundo Cruz Costa, o romantismo nos trouxe o meio de expressão, o instrumento
para a autonomia mental e uma primeira manifestação de espírito verdadeiramente crítico.
certo é que, cansados do ensino verbalístico e estéril da escolástica as mentes mais
abertas abraçam com entusiasmo o positivismo. As idéias positivistas se faziam sentir nas
escolas e notava-se o interesse pela ciência. A ciência era encarada como uma panacéia para a
humanidade, pois continha solução para todos os problemas levantados. O método positivista
buscava renovar os padrões da nossa cultura e libertar a inteligência brasileira da tutela
eclesiástica.
Em 1891, Benjamin Constant decretou uma reforma, a qual consistiu na gratuidade do
ensino primário, a liberdade e laicidade do ensino. Na escola primária notava-se a influência
das idéias positivistas. Para Benjamin Constant o ensino deveria se tornar formador e não
apenas preparador a escolas superiores. Mas o que ocorreu verdadeiramente, em vez de uma
reforma, em toda a extensão do termo, apenas um acréscimo de disciplinas científicas junto as
tradicionais, propiciando assim, um ensino mais enciclopédico.
evolucionismo também deixou na História da Educação Brasileira, pois, estava ligado
ao positivismo. Ele acentuava a relevância das ciências no pensamento europeu e nacional.
"Negando a metafísica e afirmando que todo o
conhecimento está contido nas ciências positivas, o
evolucionismo,como o positivismo, declaravam que o homem
pode apenas investigar o mundo dos fenômenos. Esta filosofia
positiva, naturalista, condizia com a mentalidade das elites
brasileiras" (Costa, 1967, p.279 in Cartolano, 1985, p.35).
Foi uma expressiva luta contra a metafísica!

7

www.derphilosopher.supralus.com

Uma obra de grande valor na época e que hoje também pode suscitar um pensar
crítico sobre o ensino de filosofia no Brasil, foi a de Pereira Barreto, onde ele afirmava:
"são as idéias que governam o mundo. Ora, para nosso
infortúnio são as idéias do outro mundo que, precisamente neste
momento se procura entronizar na direção suprema dos
espíritos. Não é bastante que meia dúzia de cidadãos
emancipados deseje uma pátria grande: é preciso que toda a
massa nacional, unida, compacta, concorra para a efetividade
do intento" ( Costa. 1969).
Com isto, podemos começar a solidificar apriori, o papel importante da filosofia na
construção teórico-crítica do conhecimento, nos libertando assim, de uma ideologia dominante,
que intenta em nos aprisionar na menoridade.É possível uma inteligência aberta, arejada e
possuidora de sua maioridade. Como disse Kant: esclarecida (aufklärung)!
Positivismo no Brasil teve ainda, mais algumas manifestações, a saber: a ortodoxa, a
ilustrada, a política e a militar. Vale ainda ressaltar, que ele foi vigorosamente criticado pela
corrente denominada "Escola de Recife", os germanistas.. O fundador e maior representante
dessa escola, foi Tobias Barreto, bem como, outras figuras dignas de menção, tais como: Sílvio
Romero, Clóvis Beviláqua, Graça Aranha e outros... Os pensadores desta escola
protagonizaram uma clara reação contra as duas formas de pensamento que dominavam o
panorama filosófico nacional no final do século XIX: o ecletismo espiritualista e o positivismo.
A "Escola de Recife" buscava uma fundamentação de tipo transcendental, não só para o
conhecimento em geral, mas também, para toda a ação humana.

5. A FILOSOFIA BRASILEIRA DO SÉCULO XX

Com a queda do império e com a instauração da República em 1889, a preocupação
com a busca de uma sociedade racional tornou-se meta prioritária da elite intelectual brasileira.
Surge novos centros urbano- industriais e um forte processo de desarmonia entre campo e
cidade. No ano de 1908 fundava-se a Faculdade Livre de Filosofia e Letras que possuía uma
orientação puramente neotomista. Neste período também aparecem novos livros de ensino da
filosofia e quase todos possuíam uma orientação católica.
A partir de 1914, com a primeira grande Guerra, acentuou-se um interesse de amor a
terra e das coisas tipicamente nacionais o que até então não se pensava, pois, as portas estavam
sempre escancaradas a todas as idéias provenientes de fora. É nesse momento que outras
modalidades do pensamento europeu representado no Brasil, entram a concorrer mais
seriamente com a até então relevante filosofia de Augusto Comte. É a sociologia que aos
poucos toma conta do meio cultural. Começa a surgir obras e trabalhos que começam a revelar
preocupações sociológicas. Disto,
"verifica-se que a inteligência brasileira se dá melhor, se
assim podemos dizer, melhor condiz, com o trato de problemas
concretos. Isto é assim, porque as questões mais gerais estão

8

www.derphilosopher.supralus.com

contidas em problemas concretos e vivos, porque tal tarefa se
nos impõem com insistência, antes de nos lançarmos a
elucubrações mais largas e profundas... E não se diga que essa
tarefa é inglória..."( Costa, 1967, p.353).
Houve um progresso de consciência ou, como disse Tristão de Ataíde dessa época:
"nos libertou de muitos preconceitos".
Uma outra contribuição importante, foi à formulação do método culturalista na
abordagem dos autores, ou seja, antes de identificá-los como membros dessa ou de outra
corrente, era necessário ver qual a problemática que os preocupava, a fim de construir a trilha
seguida pelo seu pensamento. Isso permitiu ao pensamento brasileiro compreender-se a si
mesmo, superando o vício da filosofia apologética.

6. O MOVIMENTO PENDULAR DA FILOSOFIA NOS CURRÍCULOS

Até o início do século XX, inúmeras legislações no campo da educação foram
editadas, porém, nenhuma delas aproximou a disciplina de filosofia da realidade brasileira,
apesar dos grandes apelos, reivindicações e do empenho de professores e intelectuais
partidários aos movimentos reivindicatórios.
Em 1915, a nova reforma educacional, com o decreto n 11.530, colocou a filosofia
como disciplina facultativa. Ressurgiu, então a disciplina de "filosofia" nos currículos, embora
não exercendo o seu verdadeiro papel. Essa reforma surgiu num ambiente de mudanças
políticas, econômicas e sociais. Mesmo assim a filosofia despertava pouco ou nenhum
interesse, pois, a ciência e as pesquisas em moda na Europa eram incompreensíveis e de
nenhuma importância no Brasil, já que havia uma ciência a combater. As novas doutrinas
estavam ligadas com o novo contexto da época, ou seja,
"... as doutrinas filosóficas, no entanto, não surgem por
acaso, mas emergem de um determinado nível de
desenvolvimento material; correspondem aos interesses das
classes sociais e a um certo estágio das relações de produção.
Neste sentido, as novas doutrinas filosóficas também em nosso
país surgiram à medida que passaram a corresponder aos
interesses das classes médias em ascensão, já descrentes das
respostas dadas pelo positivismo e pelo materialismo vulgar aos
problemas do homem e da sociedade. Fez-se sentir, naquele
momento, a presença da Igreja modernizada que aderiu
entusiasticamente à República" (Cartolano, 1985, p.50).
A partir do ano de 1930, houve mais duas reformas que despertaram uma mudança na
educação do ensino médio brasileiro. A primeira se deu em 1931 e determinava que a educação
visasse, não somente a matrícula nos cursos superiores, mas também, a formação do homem
para todos os setores da vida,isto é, uma formação integral que o possibilitasse tomar decisões
claras e seguras em qualquer situação de sua existência. A segunda de 1942, decreto n 4.244,

9

www.derphilosopher.supralus.com

intitulada Lei Orgânica do Ensino Secundário, dividiu o ensino em dois ciclos: o ginásio que
era cursado em quatro anos e o colegial em três. Ainda o colegial se subdividia em científico e
clássico. O científico visava o ensino das ciências, já o clássico por sua vez, previa uma carga
horária de quatro horas semanais para a filosofia, seria a formação intelectual.
"A filosofia era disciplina comum aos cursos clássico e
cientifica e deveria ser ensinada de acordo com um mesmo
programa para ambos os cursos, apenas com maior amplitude
no curso clássico" (Cartolano, 1985, p.59).
Com o passar do tempo, foi-se reduzindo as horas-aula da disciplina e as séries que
davam um espaço para os conteúdos filosóficos.
No ano de 1961, um marco de grande valia foi a edição da nossa primeira Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional, lei n 4024. Essa lei foi o resultado de inúmeros
debates e lutas ideológicas entre os educadores e políticos da época. A filosofia foi sugerida
como disciplina complementar, perdendo assim, a sua obrigatoriedade no sistema federal de
ensino.
"A filosofia constitui o complemento necessário à
formação do espírito, como instrumento, que é, da grande arte
do raciocínio. Desenvolvendo o espírito crítico, a capacidade de
reflexão pessoal, o senso de liberdade intelectual e o respeito ao
pensamento alheio, a Filosofia não apenas abre, para o
espírito, uma visão que ultrapassa os limites exíguos dos
conhecimentos adquiridos através do estudo de uma ou de outra
disciplina, como lhe permite, ainda, descobrir, acima dos
problemas decisivos, que surgem no plano das indagações
metafísicas" (Cartolano, 1985, p.65).
A metafísica é somente o campo dos problemas decisivos e importantes para a
sociedade?
Já no ano de 1964, com o golpe militar a filosofia foi banida dos currículos, tornandoa facultativa. Algumas disciplinas de ciências humanas também sofreram restrições. A
educação estava marcadamente voltada ao serviço dos interesses econômicos. Abre-se aí o
espaço para a entrada do domínio norte-americano em nossa economia, política e educação.
A expansão econômica impulsionada pela chegada do capital estrangeiro, bem como,
a proteção do governo militar e os investimentos dados a educação, continuaram para a
extinção da filosofia do currículo das escolas. A educação acabou exercendo um papel
ideológico, pois, foram impostos valores culturais estrangeiros, como modelo a serem
seguidos pela educação no Brasil. O modelo educacional a ser seguido era totalmente técnico e
burocrático.
"O ensino de filosofia não atendendo a essas solicitações
tecnoburocráticas e político-ideológicas, já não servia aos
objetivos das reformas que se pretendiam instituir na estrutura
do ensino brasileiro. A sua extinção como disciplina, já optativa
no currículo, em 1968, foi pensadamente preparada através de
uma série de leis e decretos, pareceres e resoluções do

10

www.derphilosopher.supralus.com

Conselho Federal de Educação e do Conselho Estadual de São
Paulo, que, neste caso, centralizavam as decisões da área
educacional."(Cartolano, 1985, P.72).
intuito era de formar pessoas que executassem as idéias vindas de fora e não pessoas
capazes de serem pesquisadoras e que se constituem-se em cidadãos conscientes e críticos.
A educação, neste momento, passou a ser tratada como uma questão do
desenvolvimento do país e da segurança nacional. A filosofia foi aos poucos desaparecendo
como sendo desnecessária às novas diretrizes dadas pelo sistema.
No ano de 1968, quando regime militar tornou-se mais rígido, muitos professores
foram cassados e se pode presenciar freqüentes perseguições a associações e instituições e
inúmeras outras arbitrariedades contra os adeptos a filosofia.
Em 1971, com a lei n 5692, a filosofia é expulsa por completa dos currículos para
somente no ano de 1986 voltar a ter a sua inclusão recomendada nos currículos.
Ainda, a reforma de 1971 conseguiu conduzir o ensino público de nível médio a uma
profunda crise de identidade: pouco profissionaliza, não prepara adequadamente para o
ingresso na universidade e não possibilita uma formação humana e social integrada ao aluno.
Através da Lei de Diretrizes e Bases, LDB 5692/72, imposta verticalmente, o ensino de
Filosofia tornou-se facultativo no Brasil, sendo substituído por componentes doutrinários
como: Moral e cívica e OSPB. Investiu-se no ensino profissionalizante, como acima já
citávamos e com conceitos tecnicistas.
"Ficou muito claro, a partir daí, que o pensar crítico e
transformador característico da atividade filosófica constituía
uma ameaça ao poder e à ordem vigentes, à medida que se
propunha a formar consciências que refletissem sobre os
problemas reais da sociedade. Nesse sentido, procurou-se
aniquilar essa atividade reflexiva, substituindo-a por outra de
caráter mais catequista e ideológico, a nível político. A
educação moral e cívica, sendo também "moral", estava
atendendo ao que se queria que fosse o ensino da filosofia, num
período de grandes agitações estudantis e operárias: apenas
vinculadora de uma ideologia que perpetua a ordem
estabelecida e defende o status quo" (Cartolano, 1985, p.74).
Até então, o ensino da disciplina de Filosofia no Brasil se revestiu sempre com a
roupagem da alienação e do dogmaticismo. Jamais a Filosofia visou a formação do espírito
crítico, pois assumiu o papel de geradora de status social com pensamentos vindos do
estrangeiro, com idéias já prontas, ou seja, tinha função meramente ideológica. A Filosofia
constituiu-se como acrítica e ornamental, ou seja, como teoria longínqua da prática, uma
repetição de doutrinas obscuras.
Com o final da ditadura militar e a redemocratização do país, conseqüentemente
despontaram "novas luzes" para o ensino de Filosofia. A disciplina foi aos poucos retornando
aos currículos das escolas de maneira optativa. É o começo de um grande passo! Renovava-se a
esperança de professores, alunos e entidades pela inclusão do ensino da disciplina de Filosofia
dentro da LDB.

11

www.derphilosopher.supralus.com

Surge depois de um longo período de espera e discussão no âmbito da educação
brasileira a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a LDB 9394/96, e, na seqüência, em
1999, os Parâmetros Curriculares Nacionais, para o ensino brasileiro, que para a decepção de
muitos, apenas recomenda a disciplina de filosofia como complementar aos Temas
Transversais do (PCN). A Filosofia é recomendada, no PCN, como conteúdo e não como uma
disciplina. A idéia norteadora do PCN é de organizar os currículos por competêmcias.
Outro marco de grande valia para a implantação da disciplina de Filosofia no Ensino
Médio, foi o recente projeto de lei complementar 9/00, do então, Deputado Pe.Roque
Zimmermann, que visava garantir a presença obrigatória da disciplina de Filosofia no currículo
do Ensino Médio. O projeto foi vetado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso. Uma das
alegações para o veto é de que não dispomos de mão de obra qualificada em número suficiente
para atender à demanda do projeto. Este argumento é falacioso, pois, o fato de não ter pessoal
preparado não significa banir a filosofia do Ensino Médio.
7. CONCLUSÃO

Após percorrermos, ainda que sucintamente a trajetória do Ensino de Filosofia no
Brasil, podemos constatar que o movimento pendular da disciplina de filosofia, no contexto
educacional brasileiro, foi causado por razões ideológicas que inibiam o pensar crítico, e que,
quando se defende a obrigatoriedade do retorno da disciplina de filosofia no Ensino Médio, se
faz necessário pensar que filosofia aplicar, para quê e para quem.
Nesse sentido, o processo de ensino-aprendizagem da filosofia deve ser crítivoconstrutivo! Ele deve orientar o indivíduo a uma postura consciente, a uma visão ampla e
crítica da realidade que se encontra inserido, pois só assim, poderá assumir a sua cidadania com
dignidade, liberdade e criticidade. Então o que representa a filosofia? "É uma das raras
possibilidades de existência criadora. Seu dever inicial é tornar as coisas mais refletidas, mais
profundas" (Martin Heidegger).
A filosofia,é, portanto, uma prática, um cultivo, um modo de aprender, de conhecer e
pensar, que em sua autonomia, em sua radicalidade crítica constitui na verdade, o vigor e a
própria essência de todo aprender, de todo conhecer, de todo pensar. Quando defendemos a
obrigatoriedade do retorno da disciplina de filosofia nos currículos, queremos, justamente, que
ela venha despertar em cada cidadão o desejo de pensar a realidade com criticidade e
vislumbrar na totalidade os diferentes aspectos que compõem a realidade e assim, olhar para a
sua existência de uma maneira nova.

12

www.derphilosopher.supralus.com

8. BIBLIOGRAFIA

CARTOLANO, Maria Teresa Penteado. 1985. Filosofia no ensino de 2Grau. São
Paulo: Cortez: Autores Associados.
COSTA, Cruz. 1967. Contribuição á História das Idéias no Brasil. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira.
___________. 1960. Panorama da História da Filosofia no Brasil. São Paulo:
Cultrix.
SCHMITZ, Egídio.1994. Os Jesuítas e a Educação. São Leopoldo - RS: Unisinos.
VITA, Luís Washington. 1969. Panorama da Filosofia no Brasil. Porto Alegre:
Globo.