A HISTÓRIA DOS CRISTÃOS-NOVOS NO BRASIL COLONIAL:
ESCRITA E REPRESENTAÇÕES NOS LIVROS DIDÁTICOS NOS
ÚLTIMOS VINTE ANOS
THE HISTORY OF THE NEW-CHRISTIANS IN THE COLONIAL BRAZIL:
WRITING AND REPRESENTATION IN THE TEXTBOOKS (1980 - 2007)

1

Helena Ragusa

_______________________________________________________
RESUMO: Neste trabalho, propõe-se realizar uma reflexão das
representações encontradas em alguns livros didáticos do ensino fundamental
e médio no que se refere ao estudo do período colonial, em especial, os
cristãos-novos entendendo-os como sujeitos históricos atuantes na formação
da sociedade brasileira. O objetivo é refletir sobre a escrita que vem sendo
produzida em torno desses personagens nos últimos 20 anos, de forma a
observar as diferenças e semelhanças entre as obras escolhidas, e em que
medida esses saberes estão dialogando com a nossa historiografia. Os
cristãos-novos, que em tais livros são apresentados de forma não
problematizada, simplista e naturalizada, foram responsáveis não só por
grande parte do desenvolvimento econômico ocorrido logo nos primeiros
anos, como também pelas heranças deixadas na sociedade e que até hoje se
fazem presentes.
Palavras-chave: História e Ensino. Livros Didáticos. Escrita. Representações.

_________________________________________________
ABSTRACT: This work studies the reflection of these representations found in
some textbooks adopted for the medium and high school system. These
representations refer to the study of the colonial period, most particularly to
the New-Christians, bearing in mind that these historical characters lived and
acted within the Brazilian society. The main purpose of this work is the
reflection upon the writing that has been done about these characters during
the last 20 years. This will allow us to observe the differences and similarities
among the chosen works and up to a point, how this knowledge is related to
our historiography. The New-Christians - that in the textbooks are not
presented in-depth, but rather in a superficial way - were responsible not only
for a great portion of the economic development occurred in the early times,
but also for the contribution given to the society which is still part of our
present.
Keywords: History and Teaching. Textbooks. Writing. Representation.

1

Mestranda em História Social pela Universidade Estadual de Londrina.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
77

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

Este estudo constitui-se em parte de uma pesquisa em andamento
que tem como material de análise a questão da representação dos cristãosnovos na escrita produzida pelos livros didáticos. Uma das finalidades é
trabalhar com a ideia de que tais personagens tiveram uma intensa
participação no processo de formação da sociedade brasileira, e, durante
todo o período colonial. Também proporcionar outro olhar para os
conteúdos apresentados nesses materiais em relação aos cristãos-novos e
ao papel que exerceram aqui.
Refletindo acerca das problematizações que envolvem o estudo desse
tipo de ensino, depreende-se que os avanços no sentido de uma
aproximação mais consistente entre saber acadêmico e o saber escolar é
demasiado tímido. Fanaia (2008, p.13- 22), buscando um diálogo entre
História, saber acadêmico e saber escolar, entende a formação universitária
e ensino fundamental e médio como duas faces de uma mesma moeda,
porém paradoxalmente postos em dois mundos que são próximos ao
mesmo tempo que distantes.
Ainda que as abordagens feitas pelos livros didáticos pareçam
corresponder às novas tendências historiográficas, a distância é visível. A
presença dos cristãos-novos no Brasil Quinhentista, por exemplo, embora
bastante conhecida e estudada pela nossa historiografia, no que se refere à
literatura

didática,

é

pouco

explorada

levando-nos

então

a

alguns

questionamentos em relação à forma como a História do Brasil, mais
especificamente,

da

formação

da

sociedade

brasileira

vem

sendo

apresentada. A impressão que se tem a respeito do livro didático é que a
construção de identidades hegemônicas não foram superadas:
A crítica fundamental e que tem sido repetida inúmeras vezes
por historiadores, especialmente os que se dedicam ao ensino,
é a de que a História do Brasil tem sido ensinada visando
construir um passado único e homogêneo, sem atentar para
os diferentes setores sociais e étnicos que compõe a sociedade
brasileira (BITTENCOURT, 2003, p. 198).

O fato é que os cristãos-novos ou descendentes dos mesmos quando
aportaram em solo brasileiro, vieram muitos deles, com a missão de

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
78

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
participar do projeto colonizador português ocupando até mesmo, cargos de
confiança a mando do rei.
Assumindo o livro didático enquanto documento, ao realizar uma
leitura crítica, o historiador deverá inquirir o que os textos revelam sobre o
fato a ser estudado ou investigado, lembrando que: "Restabelecer as tênues
vozes de indivíduos perdidos entre fragmentos de documentação permite
reconhecer a diversidade humana dentro da História; conferir dignidade ao
relato miúdo, e até ouvir de outra forma vozes consagradas de grandes
personagens" (BELLOTTI, 2005, p. 15).
É certo que a prática historiográfica alterou-se de forma significativa
nas últimas décadas do século XX, surgindo então novos objetos, sujeitos,
problemas e abordagens, além de uma verdadeira renovação no que se
refere aos temas que até então eram ausentes na História, como por
exemplo, o estudo das mentalidades, da criança, do medo, das tradições,
questões essas que modificaram o lugar da história, isto é, deixou de
pertencer ao grupo das disciplinas dominantes. O objetivo passou a ser
identificar como em diferentes espaços e tempos uma determinada
realidade social é pensada e construída agregando o trabalho do historiador
a outros saberes, como a sociologia, a antropologia e a literatura, calcando
a história em novos princípios de legitimidade, além daqueles que lhe são
inerentes.
Percebida a inserção do cristão-novo em algumas obras didáticas da
década de 1980 e aquelas mais contemporâneas, verificamos um esforço
dessa aproximação entre a historiografia e o conhecimento histórico
escolar. Porém, o que nos preocupa é a forma como esse saber, no caso, da
presença cristã-nova no Brasil foi e vem sendo apropriada, e, em que
contexto está sendo representado.
Para tanto, selecionamos alguns dos livros aprovados pela comissão
composta pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) do
governo federal, destacando, no caso das coleções atuais, aqueles que
tiveram uma maior circulação e que também, nortearam minha prática em
sala de aula, enquanto professora tanto do ensino Fundamental, quanto do
Ensino Médio. Assim, pautamos nossa pesquisa por meio desses critérios ao

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
79

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

definirmos nossa fonte a ser pesquisada e nela investigarmos o lugar do
cristão-novo na História do Brasil, mais especificamente, ao início dela.
Correspondendo ao primeiro recorte de tempo ­ 1980 ­ focaremos
nossa análise nas obras de Raymundo Campos História do Brasil e Francisco
de Assis Silva e Pedro Ivo de Assis Bastos História do Brasil: Colônia,
Império e República, ambos voltados para o 2º ano do Ensino Médio.
Já no que tange ao contexto contemporâneo, selecionamos três
obras, sendo duas delas parte de uma coleção, a primeira delas, História
em projetos Velhos mundos e mundos novos: encontros e desencontros ­
do século XV ao XVIII, das autoras Conceição Oliveira, Carla Miucci e
Andrea Paula, conteúdo programático voltado para a 6ª série que
corresponde atualmente ao 7º ano do Ensino Fundamental2, e, voltada para
o Ensino Médio, sobre a autoria de Antônio Pedro e Lizânias de Souza Lima,
História da Civilização Ocidental, ambas buscando pautar-se na abordagem
de uma História Integrada. Também, direcionado o Ensino Médio, o livro de
Roberto Catelli Junior, História: texto e contexto, sobre a perspectiva de
uma História temática.
Ressaltamos que os livros aqui em questão foram editados pelas
principais editoras de livros didáticos da década de 1980, da mesma forma
que com aqueles que correspondem aos dias atuais: Moderna, Atual, Ática,
Scipione, e FTD.
No que diz à literatura didática utilizada pela comunidade judaica,
focaremos nossa análise a um estudo de caso, ou seja, a uma obra
específica da década de 1970, de Renato Mezan, Caminhos do povo judeu,
destinado ao Ensino Médio, mais especificamente ao 3º ano, buscando
compreender como se constrói a escrita da historia em torno dos
neocristãos quando esses estavam aqui no período colonial.
Sobre a utilização do livro didático de História do Paraná, nossa
pesquisa se deu em torno do chamado Livro Público do professor, dentro de
uma proposta bastante inovadora, destinado a princípio, apenas para as
três últimas séries do ensino médio.

2

Como colocado no verso da obra, "História em projetos foi a única coleção de História que
recebeu conceito ótimo em todos os critérios de avaliação PNLD/2008".

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
80

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
Num primeiro momento, buscamos o entendimento de Abud, sobre a
forma em que são construídas as narrativas didáticas, ou seja, de maneira
simples e compreensível, haja vista o público ao qual se destina, no caso, a
clientela escolar (ABUD, 1986: 81). No entanto, a autora chama a atenção
para os cuidados que se deve ter durante esse processo, evitando o
aparecimento de distorções ou exclusões.
Em nossa análise foi possível identificar, como veremos mais adiante,
que mesmo havendo evidências documentais sobre a participação dos
cristãos-novos na formação da sociedade colonial, tais livros, não trazem
em sua escrita uma preocupação em dimensionar, aprofundar ou descrever
sobre a atuação e os diferentes papéis assumidos por esses personagens na
colônia luso - portuguesa.
Num primeiro momento, buscamos o entendimento de Kátia Abud
(1986, p.81) sobre a forma em que são construídas as narrativas didáticas,
ou seja, de forma simples e compreensível, haja vista o público ao qual se
destina, no caso, a clientela escolar. No entanto, a autora chama a atenção
para os cuidados que se deve ter durante esse processo, evitando o
aparecimento de distorções ou exclusões.
Em nossa análise foi possível identificar ­ como veremos mais
adiante ­ que mesmo havendo evidências documentais sobre a participação
dos cristãos-novos na formação da sociedade colonial, além das exclusões,
existem distorções daquilo que eles realmente representavam fosse no
aspecto político, econômico, cultural ou religioso.
Oliveira (2007, p. 68), define a escrita como um artefato que pode
problematizar

as

memórias

elaboradas

historicamente

e

lançar

questionamentos sobre aquilo que se convencionou chamar de memória
cristalizada; como uma prática que institui rostos. Por se tratar de um
artefato bastante utilizado no processo de ensino e aprendizagem, o
conhecimento produzido pelo livro didático acaba, muitas vezes não sendo
questionado, como se as realidades que se apresentam nos textos fossem
mudas e não pertencessem a lugar ou tempo algum.
Objetivou-se dimensionar a relevância dispensada ao tema da
participação dos cristãos-novos na formação de nossa sociedade, pois como

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
81

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

já apontado não se trata de uma "presença esvaziada"3, mas ao contrário,
bastante atuante.
Refletindo acerca da forma como os cristãos novos estão inseridos
nos textos propostos, não foi possível verificar uma preocupação dos
autores em investigar, ampliar ou discutir o papel desses sujeitos na
História da formação do Brasil:

No princípio da colonização, quando tudo era insipiente e
difícil, os elementos mais esclarecidos tinham que ser
aproveitados, pois do contrário nem se estabeleceria o
municipalismo, conforme preceituara o regime das donatárias.
Afora a nação hebréia, raras as pessoas sabiam redigir uma
carta, pelo menos. As próprias autoridades sentiam-se na
necessidade de recorrer a tal gente, sem levar em conta etnia,
ou a condição de exilado ou se exercia atividade mecânica.
(SALVADOR, 1978, p. 127)

Este é apenas um dos exemplos que demonstra a importância, que
os cristãos-novos representavam para a metrópole portuguesa. Não só a
serviço da Coroa, mas também, envolvidos em diversas funções, os
neocristãos foram se estabelecendo, passando a fazer parte do cotidiano da
população a qual estavam inseridos, conforme mostram os estudos.

A Trajetória Historiográfica em Torno Do Cristão-Novo na Colônia
Brasileira.
A partir da segunda metade do século XVI, um grande fluxo de
judeus neoconversos oriundos da Espanha e de Portugal, chegava ao Brasil
fugido de perseguições ibéricas. O ano de 1390 teria sido a década-chave
para se compreender o surgimento do fenômeno dos conversos que
atravessaria o país no século XV, irradiando-se posteriormente para
Portugal. Nessa época, uma onda massiva de conversões ao catolicismo fez
surgir à comunidade marrana ou conversa de Espanha, até que no ano de
3

A expressão foi utilizada por Luis Felipe Miguel no artigo, Retrato de uma ausência: a mídia
nos relatos da história política do Brasil. In: Artigo. Revista Brasileira de História. São
Paulo, v. 20, no 39, p.190-199. 2000.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
82

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
1492,

foi

decretada

a

expulsão

geral.

Apesar

das

controvérsias

historiográficas sobre as causas da proibição do judaísmo em Portugal, o
fato é que a comunidade de cristãos-novos em Portugal formou-se no ano
de 1496, quando sobre as ordens do rei D. Manuel, os portugueses
assistiram à conversão forçada de milhares de judeus batizados em pé.
(VAINFAS; HERMANN, 2005, p. 35).
O objetivo era se livrar do estigma de cristãos-novos sem que fosse
preciso se adaptar a uma realidade muito diferente daquela que já estavam
habituados, mantendo a língua e a organização social, como foi o caso do
Brasil que possuía tais características:

Aqui, eles trabalharam, enriqueceram ou empobreceram,
como outros migrantes Vigiados por um tribunal católico,
mais de um milhar foi processado por costumes familiares,
que então eram considerados crimes sob o nome de "culpas
do judaísmo", presos ou desterrados para a metrópole, vinte
e um deles foram assassinados legalmente e muitos outros
morreram nas prisões infectadas (VALADARES, 2007, p. 24).

Desempenharam os mais diversos papéis nos diferentes setores da
sociedade desde os primórdios da colonização até os dias de hoje, "com a
ocupação territorial e a exploração econômica do açúcar, sobretudo no
Nordeste, a importância desses personagens seria notável" (VAINFAS;
ASSIS, 2005, p. 45).
Foi mais precisamente durante as décadas de cinquenta e sessenta
que os estudos começaram a tratar da presença dos cristãos-novos em
nosso território. A perspectiva trazida por eles era de que o Brasil seria uma
excelente rota de fuga, e, os cristãos-novos seriam então, os mártires da
Inquisição, entendidos como elemento não adaptado à nova realidade
ibérica (SILVA, 2007, p.10).
Nessa mesma época a pesquisa histórica em torno do cristão-novo no
Brasil, cresceu não só em quantidade, mas também em qualidade a partir
das inúmeras contribuições dos estudos dedicados ao período colonial.
Alguns trabalhos referiam-se ao Brasil como um lugar de excelentes
oportunidades de enriquecimento, compreendendo que essa seria uma
razão bastante forte para que os judeus batizados tivessem interesse em se

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
83

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

estabelecer no país na esperança de encontrar um ambiente próspero e
favorável. (SALVADOR , 1976, p.48).
Apesar de haver uma maior documentação sobre a participação dos
neocristãos no nordeste açucareiro, Salvador (1978, p. 379), parte de um
trabalho voltado para a economia interna das capitanias do Sul, que teriam
desempenhado um papel notável no Atlântico Meridional dentro da
conjuntura econômica portuguesa, concentrando seus estudos na área
compreendida pelos atuais estados do Espírito Santo, São Paulo e Rio de
Janeiro.
Dentre os vários trabalhos voltados para a presença do cristãosnovos no Brasil, Novinsky novamente, em outro trabalho (2001) num
estudo publicado sobre os cristãos-novos na região de Minas Gerais no
século XVIII, aponta para uma grande diversidade de comportamento
desses agentes, além de uma rica atuação nos diversos setores que
comportavam a sociedade na época, segundo ela "as atividades que
passaram a exercer no país4 indicavam sua rápida inserção na sociedade,
estabelecendo relações que ao longo do tempo foram se consolidando".
Com o passar do tempo, a produção historiográfica ampliou-se e cada
vez mais surgiam indícios de que a participação dos cristãos-novos na
história nacional havia sido bem mais complexa do que se supunha, não se
limitando apenas à um determinado setor, nem tampouco à um único
espaço, "a mobilidade dos cristãos-novos na colônia brasileira foi freqüente
e ininterrupta" (NOVINSKY, 2001, p. 168).
Já Francisco Moreno de Carvalho, por exemplo, ao estudar a presença
dos cristãos-novos no Rio de Janeiro do século XVIII, remete-se a eles
como homens de negócio, diretamente ligados à atividade agrícola do
açúcar enquanto senhores de engenho e donos de escravos, ao mesmo
tempo, em que também atuavam em outras atividades como, médicos e
advogados. De acordo com o autor, os cristãos-novos que moravam no Rio
de Janeiro nessa época, viviam nas mesmas ruas ocupadas pela camada
4

Anita Novinsky, tida como pioneira no assunto, abriu novos horizontes para a pesquisa
histórica acerca da questão judaica no Brasil. Grande parte de sua produção, demonstra as
várias atividades exercidas pelos cristãos-novos ao longo do período colonial e além dele,
como é o caso da obra em questão. Esse é o caso da obra "Cristãos-Novos na Bahia: A
Inquisição", "Inquisição: prisioneiros do Brasil, séculos XVI a XIX".

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
84

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
elitista, encontrando-se entre os mais ricos senhores da época. (CARVALHO,
2005, p. 145-146).
Ao perceber o considerável aumento no número de cristãos - novos
que aportavam aqui, estudos começaram a surgir na historiografia brasileira
redimensionando o lugar que estes passaram a ocupar no passado colonial,
isto é, entendendo-os como agentes históricos, sujeitos de sua própria
ação5. O sentido de se narrar uma história sobre tais personagens no
mundo luso-brasileiro seria compreender sua atuação na sociedade e as
dificuldades que enfrentaram diante das perseguições que sofreram por
parte da mesma e pela Inquisição, indicando resistências em relação à
cultura6 e à religião que lhes eram impostas.
O

"sincretismo

religioso",

característica

marcante

da

colônia

brasileira, onde toda a diversidade cultural e religiosa era vivida e, portanto,
inserida no dia-a-dia das populações que aqui se encontravam, apresentava
traços católicos misturados a outras formas de crença, estando entre elas, o
judaísmo.
Assim, as relações cotidianas que ao longo do tempo foram se
consolidando entre cristão-novos e os demais habitantes da colônia
tornaram-se objeto de uma grande variedade de estudos. As manifestações
culturais da religião foram transmitidas de uma geração para outra, e,
embora existam aqueles que apontem para certo afastamento do judaísmo,
é possível perceber que a prática da tradição judaica não foi abandonada, e
aos poucos, não todos, mas alguns neoconversos trataram de inseri - lá na
esfera pública à qual pertenciam. Nesse caso, seria interessante observar
que

cada

cristão-novo

criou

uma

individualidade

própria,

com

características e especificidades próprias também. Muitos cristãos-novos, de
fato, deixaram o judaísmo de lado, tentando aceitar o cristianismo,
renegando o judaísmo, descontentes com as desconfianças de que eram
vítimas por carregarem o sangue de um neocristão.

5

Além dos estudos realizados pela historiadora Anita Novinsky, outros estudiosos
contribuíram para a constituição de uma historiografia judaica no Brasil, como é o caso
José Gonçalves Salvador (1976), Sônia Siqueira (1978), Egon e Frieda Wolff (1975), Elias
Lipiner (1977), etc.
6
O conceito de cultura o qual nos referimos seria aquele defendido por Geertz (1989) a
partir de Max Weber, ou seja, como uma teia de significados.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
85

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

A ocorrência do criptojudaísmo e sua intensidade variam no tempo,
no espaço e em cada caso. Quanto mais próximos do período em que
ocorreu a conversão forçada, mais possível encontrarmos cristãos-novos
judaizantes. Com o tempo, muitas práticas e o conhecimento do judaísmo
pelas novas gerações foram caindo no esquecimento. O que sobreviveu
mesmo, mais do que o criptojudaísmo, é uma identidade marrana, um
sentimento de pertença a um grupo que é vítima de preconceitos e
perseguições sociais as mais diversas.
Devemos ressaltar que o estudo do neocristão no Brasil colonial não é
tarefa simples, visto que sua origem está dissolvida entre os povoadores e
imigrantes portugueses, confundindo-se entre eles7. Contudo, o interesse
de estudiosos que buscam compreender as diversas maneiras do cristãonovo lidar com essa ascendência, suscitou pesquisas voltadas para as
movimentações e adaptações decorrentes da expulsão e conversão forçada
ao cristianismo, assim como os múltiplos comportamentos possíveis,
enquanto mantenedores ou não da cultura judaica.
Nesse sentido, foi se abrindo e abre-se ainda cada vez mais, um
universo de possibilidades, haja vista, as inúmeras fontes existentes que
tornam possível identificar e desvendar os papéis desenvolvidos por tais
personagens

em

nosso

território,

relacionados

aos

costumes,

ao

comportamento e às tradições que eles traziam.
A começar pela conversão forçada a qual os cristãos-novos foram
submetidos, leituras recentes apontam para o fato de que esse processo
não foi determinante para que os judeus abandonassem seus hábitos e
costumes. Havia sim aqueles que membros de uma mesma família
seguiram caminhos diferentes, isto é, alguns optando por permanecerem
dentro do cristianismo, professando-o com convicção, mas eram muitos
aqueles que ignorando o batismo forçado decidiram pela volta às raízes
judaicas, ou retornavam a elas na primeira oportunidade. (PERNIDJI, 2005,
p. 63 ).

7

Valadares num estudo sobre a genealogia dos cristãos-novos no Brasil nos possibilita ter
uma boa dimensão de como se deu a sucessão genealógica dos judeus convertidos em
1497 e os descendentes cristãos-novos no Brasil, ocultados pelos mecanismos de
assimilação criados pelo Estado. (VALADARES, 2007)

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
86

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
Ainda que estivessem frente a duas realidades incompatíveis, uma
cristã e a outra judaica grande parte dos cristãos-novos vivenciavam o
judaísmo secretamente, ou em alguns casos, no sentido de sobrevivência,
acabaram transformando suas tradições religiosas.
Os documentos derivados dos procedimentos inquisitoriais contra a
prática do judaísmo, dentre eles as listas provenientes dos autos-da-fé,
constituem um rico material, na medida em que carregam não só elementos
ligados à religiosidade dos neocristãos, mas também relacionados à sua
vida

cotidiana

em

seus

mais

corriqueiros

aspectos,

fornecendo

ao

pesquisador um vasto campo a ser investigado. Talvez, a fragilidade da
estrutura eclesiástica na América Portuguesa e a distância da vigilância e do
risco de punição inquisitorial favoreceram a continuidade da religião
proibida (HERMANN, 2005, p.90). Em contrapartida, há aqueles que
consideram a ligação com a fé judaica razão suficiente para que a tradição
não fosse esquecida, levando para as prisões portuguesas centenas de
cristãos-novos acusados de criptojudaísmo8.
Mas, o fato, porém, é que esses documentos, essas fontes,
propiciaram

e

propiciam

ao

historiador

desvendar

outras

faces

do

neoconverso e de sua atuação no Brasil Português, de maneira que sua
presença não seja entendida apenas dentro de uma perspectiva. Por de trás
das atividades exercidas pelos cristãos-novos no Brasil enquanto colônia,
muitos elementos culturais e religiosos ­ se codificados - podem revelar a
existência de uma memória histórica que legitima a importância de se
estudar a presença desses personagens na construção do Brasil.

O Lugar dos Cristãos­Novos na Escrita do Livro Didático

8

É sabido que a abordagem do Santo Ofício sobre os cristãos-novos na Europa foi muito
mais violenta gerando um grande número de mortes. Contudo, é fato que as perseguições
sofridas pelos que aqui se encontravam levou a uma perda significativa da cultura judaica.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
87

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

Ao contrário do que pode nos oferecer as diferentes pesquisas
realizadas a respeito da história do cristão-novo no Brasil colonial, a escrita
produzida nos livros didáticos acerca desses agentes acabam limitando e
restringindo a importância de sua atuação no território.
Quando trabalhamos com a questão das representações, Chartier
(1990,

p.17)

nos

lembra

que

na

grande

maioria

das

vezes

as

representações sociais são determinadas pelos grupos que as forjam. Dessa
forma, seria interessante averiguar a relação existente entre o discurso
promovido nas narrativas contidas nos livros didáticos e a apropriação das
mesmas por aqueles que irão de certa maneira mediar à leitura e
interpretação das mesmas.
Em se tratando dos conteúdos, o autor ainda aponta para o fato de
que os mesmos não são selecionados de forma aleatória, são imbuídos de
estratégias e práticas sociais, escolares e políticas que tendem a impor uma
autoridade à custa de outros, por elas menosprezados, a legitimar um
projeto reformador ou a justificar, para os próprios indivíduos, as suas
escolhas e condutas (Idem).
É o que ocorre com os livros didáticos, quando levamos em
consideração toda a complexidade que os envolve, ou seja, entendendo-os
como objetos que não se constroem por si só, mas sim a partir de um
contexto, que envolve as políticas que os definem como é o caso das
exigências do currículo e do PNLD; o mercado, e, portanto, as exigências
das editoras; as necessidades dos professores que de certa forma acabam
sendo os "mediadores culturais" no processo de ensino e aprendizagem,
enfim tudo aquilo que os permeia e que os torna reais.
Talvez, exatamente por conta dessa complexidade, é que estudiosos
do assunto chamam nossa atenção para o fato de que algumas ideias ainda
baseiam-se no mito de um Brasil forte e unificado construído por uma
sociedade homogênea e pacífica, quando se sabe da existência de grupos
sociais, culturais e economicamente diferentes (BITTENCOURT, 2003, p.
198).
No início da década de 1980 as propostas curriculares refletiam o
contexto social e político que a sociedade brasileira passava. Embora

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
88

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
imbuídas de concepções teóricas diferentes, a ideia era ampliar os objetos e
o conceito de História através da investigação, trazer uma nova noção de
História como um conhecimento que estivesse próximo da sociedade e das
ações e relações que nela se constituem. Surgia uma necessidade em
problematizar as experiências sociais vividas no cotidiano, assim como,
incluir novos sujeitos até então silenciados ou excluídos (FONSECA, 1993,
p. 85-86).
Deixemos claro que não existe de fato qualquer menção ou demanda
sobre a obrigatoriedade ou a necessidade de estudar a história dos cristãosnovos nos livros didáticos, assim como também não existe qualquer
movimento que esteja reenvidicando essa memória. No entanto, mesmo
que timidamente, é possível verificar que desde a década de 1980 sua
presença não foi ignorada em nosso território, e sua história vem sendo
escrita nos processos históricos tratados pelos livros didáticos, pelo menos
naqueles aos quais nos propusemos a pesquisar.
O que nos intriga é o lugar que os cristãos-novos ocupam nesses
manuais escolares, ou seja, sem uma discussão mais aprofundada que
busque desnaturalizar sua presença em nosso território, limitando o papel
que exerceram na sociedade brasileira no período colonial e as heranças
que nela deixaram e que ainda hoje se fazem presentes.
Dentre as possíveis discussões relativas à identidade dos cristãosnovos no conjunto das representações, destacamos como os autores dos
livros didáticos que estamos analisando se referem ao cristão-novo; a
compreensão que se faz sobre sua presença em nosso território, mais
especificamente durante o período da colonização, observando os diferentes
discursos e as possíveis interpretações; e, por último, a disposição das
imagens trazidas nas obras, trazendo uma reflexão sobre a forma como
estão dialogando com os textos propostos nos mesmos.
Comecemos pelas obras referentes à década de 1980 citadas
anteriormente ( ambas voltadas para o 2º grau). Em História do Brasil de
Raymundo Campos o cristão-novo surge no seguinte contexto:

As árvores de pau-brasil localizavam-se especialmente na
costa do Nordeste e da Bahia. A exploração era monopólio da

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
89

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

Coroa portuguesa, ou seja, tratava-se de produto estancado.
O governo da metrópole realizou periódicos arrendamentos
pelos quais empresários particulares podiam explorar o
produto. O primeiro destes arrendamentos foi concedido a
Fernão de Noronha e outros comerciantes cristãos novos de
1501 a 1504 (CAMPOS, 1983, p. 33).

Este parágrafo, por exemplo, nos permite a possibilidade de explorálo a partir da historiografia que se dedica ao estudo dos cristãos-novos no
Brasil, apontando-os como aqueles que teriam tido um papel decisivo no
povoamento e colonização de nosso território. Tudo teria começado quando
Fernão de Noronha passou a liderar um consórcio de cristãos-novos em
nossas terras ao receber do rei D. Manuel o privilégio de arrendar o
comércio do pau-brasil (VAINFAS; ASSIS, 2005, p. 45).
A análise poderia incorporar de forma mais esclarecedora a inclusão
dos neocristãos no projeto colonizador português, atentando para os
interesses e as relações que ali existiam. Também, admitindo-se a presença
significativa

desses

personagens

em

nosso

território

em

termos

quantitativos, a análise poderia ter suscitado possíveis razões que teriam
motivado sua vinda e que levaram ao seu estabelecimento.
Observemos outra passagem do mesmo autor, comentando o
interesse holandês por nossas terras no período açucareiro: Os holandeses
tinham certo conhecimento do terreno. Desembarcaram na praia do Pau
Amarelo e avançaram para o Recife e Olinda, seus principais objetivos.
Contavam com a ajuda de espiões, há algum tempo na terra, como o
cristão ­ novo Antônio Dias, o "Papa Robalos" (CAMPOS, 1983, p. 46).
Aqui se denota alguns fatores que se aproximam da produção
historiográfica pelo menos nesse período, como por exemplo, a existência
de uma relação entre os cristãos-novos e os holandeses; indícios de que
havia certa sociedade em relação ao fator que teria incentivado a invasão
dos holandeses nessa região do Brasil; a participação dos cristãos-novos
nos interesses que os holandeses demonstravam por nossa prática
açucareira; e, por fim, a liberdade religiosa que parecia fazer parte do novo
cenário ocupado e administrado pelos holandeses.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
90

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
Percebam, por exemplo, como a presença neocristã é vista sobre
outra perspectiva no livro História do Brasil: Colônia, Império e República
dos autores Francisco de Assis Silva e Pedro Ivo de Assis Bastos:

A extração do pau-brasil, cujo nome deriva de sua cor
avermelhada, era monopólio (estanco) régio. O primeiro
grupo econômico a explorá-lo foi o dos cristãos-novos (
judeus convertidos), liderado por Fernando de Noronha, que
arrendou o Brasil. (SILVA; BASTOS, 1983, p. 16).

Assim

como

na

obra

de

Raymundo

Campos,

verificamos

a

participação econômica direta dos cristãos-novos no projeto colonizador
português, e sua importância nos lucros obtidos pela Coroa durante a
exploração do pau-brasil; o fato de ser o primeiro grupo a fazer parte das
intenções comerciais de Portugal em relação ao Brasil; e, uma preocupação
em dar significado, ainda que de forma bastante simples ao termo cristãonovo.
Quanto à abordagem feita sobre o cristão-novo no Brasil colônia,
percebemos que ela se dá de uma forma mais restrita, no sentido de que tal
personagem surge apenas no início do processo colonizador, dando a
impressão de que seu interesse estava voltado exclusivamente para o
aspecto econômico, e, também de que estiveram aqui somente neste
período.
Levando-se em conta o fato de que desde a década de 1970 estudos
já apontavam para importância de se estudar a vinda e a permanência
desses agentes em nosso território, sabe-se que sua atuação foi muito mais
complexa do que a apresentada pelos livros em questão.
Para que seja possível, discutir, relacionar e estabelecer alguns
parâmetros entre as obras escolhidas para essa pesquisa, vamos agora
observar e refletir sobre os manuais mais contemporâneos.
Comecemos

então, pelo

livro

didático

voltado

para

o

Ensino

Fundamental, mais especificamente, o manual da 6ª série que corresponde
hoje ao 7º ano, sobre o título: História em projetos. Velhos mundos e
mundos novos: encontros e desencontros ­ do século XV ao XVIII. Aqui, os
cristãos-novos são citados indiretamente, por meio da obra História do

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
91

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

Brasil de Boris Fausto que trata o período da invasão holandesa o Brasil do
século XVII. A passagem utilizada pelas autoras em caixa de texto é a
seguinte:

[Maurício de Nassau], que era calvinista, foi tolerante com os
católicos e [...] com os israelitas. Os cristãos-novos que
praticavam o antigo culto às escondidas, foram autorizados a
professá-lo, abertamente. Duas sinagogas existiram no
Recife na década de 1640 e muitos judeus vieram da
Holanda (FAUSTO, 2002, p. 86 apud OLIVEIRA; MIUCCI;
SANTOS, 2007, p. 213)

Ao tratar das convivências culturais no cotidiano das colônias
francesas e holandesa, observa-se num primeiro momento que o box ( ou
caixa de texto) em questão estaria supostamente dialogando com uma
imagem da Sinagoga Kahal Zur Israel, disponibilizada no mesmo contexto.
No entanto, a imagem não fornece qualquer tipo de informação que possa
esclarecer a relação existente entre imagem/texto, dificultando, portanto, a
capacidade de interpretação do leitor9.
Em relação ao papel desempenhado pelos cristãos-novos na região
nordeste do país na época retratada, reconhece-se a existência de uma
bibliografia bastante significativa, porém, verificou-se que o livro didático
não apresenta uma abordagem problematizada em torno da questão.
Também, foi observado que até o período holandês, o cristão-novo não
aparece na escrita produzida pelos autores, tornando sua presença restrita
a um único espaço e tempo. Não há uma descrição ou análise que esclareça
ao leitor sobre quem é o cristão-novo, e ao utilizarem-se do termo cristãonovo no mesmo espaço em que estão sendo tratados os judeus, ou
israelitas, dão a impressão de se tratar de sinônimos, levando a
interpretações distorcidas sobre o assunto.
Considerando a forte presença desses personagens na região
nordeste da colônia e a atuação que tiveram nos mais diversos setores
daquela sociedade, o estudo em torno do cristão-novo de forma mais
9

Refletindo sobre as imagens nos livros didáticos, Bueno (2001) entende que a união
texto/legenda/imagem, produzida pelos livros didáticos, resulta em registros históricos que
primam pela exclusão da reflexão da imagem do quadro histórico, como documento de
uma determinada época.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
92

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
apropriada proporcionaria uma melhor compreensão tanto do período,
quanto das transformações ocorridas por conta da nova administração que
ali havia se instaurado.
Vejamos agora o livro História da civilização ocidental e como e em
que contexto o cristão-novo está sendo incorporado: "A resistência
organizada pelo governador de Pernambuco não conseguiu deter o avanço
dos

holandeses.

Estes

foram

ajudados

por

cristãos-novos

(judeus

convertidos) e por alguns índios e mestiços cansados da exploração
portuguesa" (PEDRO; LIMA, 2005, p. 204).
Ao discutirem, no capítulo 15, Política européia e administração do
Brasil, mais especificamente quando abordam o Brasil holandês, os autores
trazem o cristão-novo sobre uma perspectiva limitada no que se refere à
questão do tempo e do espaço. Entretanto, assim como observamos na
obra de Francisco de Assis Silva e Pedro Ivo de Assis Bastos, História do
Brasil: Colônia, Império e República, houve uma preocupação em significar
o termo "cristão-novo", explicando ­ ainda que superficialmente ­ de quem
se tratava, no caso do judeu convertido. Um outro aspecto curioso, é a
forma como tal personagem está representado, ou seja, de forma atuante,
resistente à dominação a qual estavam sujeitos.
Do ano de 2007, o livro História: texto e contexto, os cristãos-novos
aparecem na figura dos judeus portugueses que haviam sido expulsos de
Portugal em 1497, os quais de acordo com Janaína Guimarães da Fonseca e
Silva em seu estudo sobre os cristãos-novos em Pernambuco faz o seguinte
relato:
Muitos elementos estavam ligados por redes de parentesco e
solidariedade com outros cristãos-novos dispersos pelo
mundo, bem como os judeus de origem portuguesa, devido
ao caráter recente da expulsão dos judeus de Portugal em
1496 e conversão forçada, em 1497 (SILVA, 1982, p. 13).

Vejamos então, a escrita produzida por Catelli Junior quando se
refere aos mesmos:
Durante a ocupação holandesa, muitos judeus vieram para
Pernambuco atraídos pela tolerância religiosa definida por

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
93

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

Maurício de Nassau. Grande parte destes eram judeus
portugueses que haviam sido expulsos de Portugal pela Igreja
Católica e que viviam nos Países Baixos. Fundaram, no Recife,
a sinagoga Tzur Israel ( Rochedo de Israel) em 1636. No curso
da administração de Nassau, acabaram por servir como
mediadores entre o novo governo e os negociantes locais, pois
dominavam o idioma e tinham uma relação de fidelidade com
a Holanda. Com a expulsão dos holandeses, muitos judeus
tiveram de deixar a região, indo se refugiar em Nova York, nos
Estados Unidos. Na atualidade, essa sinagoga pode ser
considerada parte do patrimônio e da memória da presença
judaica e da dominação holandesa em Pernambuco (CATELLI,
2007, p. 165).

Gostaríamos aqui, de elaborar algumas questões: a primeira delas
situa-se na questão da tolerância religiosa que o autor afirma existir
durante a administração Nassoviana. Ora, a literatura em torno da presença
cristã-nova nesse período, aponta para a grande importância dos mesmos
não só enquanto "mediadores entre o novo governo e os negociantes
locais", quanto durante todo o processo de estabelecimento dos holandeses
na região nordeste, ocupando cargos administrativos; como senhores de
engenhos; comerciantes bem sucedidos; traficantes de escravos, etc. Uma
outra questão é quando o autor se refere ao fim da ocupação holandesa e a
fuga dos judeus para Nova York, dando a impressão que os cristãos-novos ­
ou judeus portugueses ­ que ali estiveram, já não existiam mais. O único
vestígio que indicaria sua existência seria a sinagoga Tzur Israel ­ a qual
ele se refere em seu texto, como patrimônio e memória de uma presença
judaica no Brasil e nada mais além disso. Concluímos nesta análise que as
experiências compartilhadas e vivenciadas por esses agentes foram
totalmente desconsideradas, assim como, as possíveis relações de conflito
entre os cristãos-novos ­ envolvidos em uma série de atividades - e os
demais habitantes da região.
Refletindo à cerca da escrita que se dá em torno dos cristãos-novos
nas obras escolhidas para esse estudo, pode-se constatar que em relação
às mais atuais, aquelas pertencentes à década de 1980, parecem tratar a
questão do neocristão sobre uma perspectiva menos limitada e restrita,
lembrando que:

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
94

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
Quando o livro didático se constitui na única fonte de consulta,
seja do aluno, ou do professor, pode-se conduzir a um
entendimento único da história, tendo em vista, inclusive que
pode passar despercebido o entendimento do livro como o
resultado de um conhecimento produzidos por autores
circunscritos a diferentes aspectos sócios-culturais, teóricos
metodológicos, políticos-econômicos. (ALMEIDA, 2005, p. 80)

A discussão desse estudo não se dá em torno do tamanho do espaço
dado aos judeus convertidos que viviam no Brasil quando este era colônia,
mas sim chamar a atenção para as permanências e mudanças adotadas na
produção didática nos últimos vinte anos, e, a distância que persiste entre
aquilo que é produzido na academia e na escola.
Nos parágrafos que fazem referência ao cristão-novo, notamos uma
simplificação da complexa existência dos cristãos-novos no Brasil colonial,
onde não se discute as variadas formas de resistência, ou, as adaptações e
negociações que foram constantes desde sua chegada. Tampouco se discute
a organização social desses sujeitos históricos, impossibilitando se pensar
nas heranças deixadas por eles na sociedade brasileira, além de uma forte
contribuição étnica.
Contudo, embora a presença dos cristãos-novos no período colonial
brasileiro tenha sido pouco explorada nos livros didáticos que aqui nos
propusemos a investigar, o fato é que referente àqueles da década de 80,
se compararmos com as obras mais contemporâneas, curiosamente,
percebe-se algumas diferenças. Uma delas seria em relação ao espaço de
tempo em que o cristão-novo é tratado, ou seja, logo no início de nossa
colonização; outra se deve ao papel que tal personagem vem desempenhar
dentro desse cenário, isto é, ocupando a posição de um comerciante que
estaria envolvido com a exploração do pau-brasil e nos lucros obtidos com a
exploração do mesmo; quanto à relevância dos cristãos-novos em nosso
território, o fato de estarem representados como ativos participantes das
atividades comerciais na colônia, antes mesmo dos portugueses decidirem
tomar posse de nossas terras, nos dá indício de uma provável relação com a
Coroa, principal interessada neste processo.
Observando os textos que tratam do período açucareiro, seria
interessante atentarmos para a forma como os cristãos-novos estão
representados

na

escrita

produzida

pelos

livros

em

questão.

Ora,

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
95

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

observando as obras mais atuais, num primeiro momento, a impressão que
se tem sobre a presença dos cristãos-novos no período apontado, é que
essa teria ocorrido apenas nessa época e, somente por causa da assim
considerada "tolerância religiosa" por parte do governador Maurício de
Nassau. Dessa forma, entende-se que a importância maior estaria na
liberdade religiosa que Nassau teria concedido àqueles que não fossem
católicos, e, não aos cristãos-novos que ali estavam propriamente. O que
queremos dizer, é que devido à existência de uma vasta documentação
sobre os cristãos-novos nesse espaço de tempo e, por conseguinte uma
significativa produção historiográfica que abarca todo esse período em que
estiveram lá estabelecendo relações, desenvolvendo laços, interagindo com
o meio social, econômico, cultural, religioso e político, então talvez o papel
desempenhado por esses sujeitos poderia ser melhor aproveitado.
Isso é o que pareceu-nos ocorrer com os livros da década de 80.
Ainda que esteja representado de forma superficial, o cristão-novo assume
outro papel nos textos trazidos por eles, muito mais atuante e menos
submisso. Ele aparece na figura de um espião a serviço dos holandeses,
contribuindo para o êxito de seu estabelecimento em nosso território.
Também, demonstramos aqui, que em alguns textos o judeu e o
cristão-novo aparecem na condição de um mesmo indivíduo, fato esse
preocupante, tendo em vista que, segundo Antonio Borges Coelho em seu
estudo sobre Cristãos-novos, judeus portugueses e o pensamento moderno
(1998, p.254), não seriam legítimos nem verdadeiros usar os dois
vocábulos, cristão-novo e judeu, como se de sinônimos se tratasse,
podendo assim comprometer a imagem, ou a ideia sobre o que vem a ser
um, ou o que vem a ser o outro.
Seria pertinente, que no início do texto as principais contribuições da
historiografia fossem elencadas e de forma mais sistemática, organizada e
evidente. Além disso, não se pode afirmar que ao analisar concepções
presentes em livros didáticos o pesquisador está aferindo concepções da
escola, mas, diga-se, presentes em impressos didáticos que sofrerão uso
variado, plural e, esperamos, crítico na escola.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
96

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
Considerando que o estudo dos cristãos-novos no Brasil abrange um
espaço significativo na historiografia, entendemos que a trajetória de tais
agentes não pode ser ignorada nos manuais didáticos, ela torna-se
indispensável na medida em que se apresentam enquanto parte integrante
da história política, social, econômica, cultural e religiosa no dia-a-dia da
sociedade brasileira colonial.

Referências
ABUD, K. O livro didático e a popularização do saber histórico. In MARCOS,
A. da S. (Org.). Repensando a história. Rio de Janeiro: Marco Zero/ ANPUH,
1986.
______. Conhecimento histórico e ensino de história: a produção do
conhecimento histórico escolar. In: SCHMIDT, M. A.; CAINELLI, M. R.
(Org.). Perspectiva do ensino de história III. Curitiba: Aos Quatro Ventos,
1999.
______. A História nossa de cada dia: saber escolar e saber acadêmico na
sala de aula. In: Monteiro, Ana Maria e outros (Org.). Ensino de História.
Sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2007.
ALMEIDA, J. P. de. A difusão do conhecimento científico sobre meio
ambiente nos livros didáticos de História. História & Ensino. Londrina, Ed.
UEL, Revista do Laboratório de Ensino de História 2005, p. 75-94.
BELLOTTI, K. K.. Identidade, alteridade e religião na historiografia colonial.
In: Artigo. Revista de História e Estudos Culturais. Campinas: UNICAMP,
2005.
BITTENCOURT, C. Identidade nacional e ensino de História do Brasil. In
KARNAL, L. História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São
Paulo: Contexto, 2003, p. 185-2005.
BUENO, J. B. G. Tecendo reflexões sobre imagens pictóricas (do final do
século XIX e início do século XX) utilizadas nos livros didáticos no Brasil. IV
Anais do Seminário Perspectivas de Ensino de História, Ouro Preto, 2001.
CARVALHO, F. M. Raízes judaicas no Brasil: o arquivo secreto da inquisição.
São Paulo: Nova Arcádia,1992.
CARVALHO, F. M. C. de. O Brasil nas profecias de um judeu sebastianista:
os "Aforismos" de Manuel Bocarro Francês/ Jacob Rosales. In Keila
Grinberg. (org.). Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
97

Helena Ragusa
__________________________________________________________________________

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Trad.
Maria M. Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.
COELHO, B. A. Cristãos-novos, judeus portugueses e o pensamento
moderno. In NOVAES, A. (Org.). A descoberta do homem e do mundo. São
Paulo: Companhia das Letras, 1998.
DEL PRIORE, M.; VENÂNCIO, R. P. O livro de Ouro da História do Brasil. Rio
de Janeiro: Ediouro, 2003.
FANAIA, J. E. A. de. História, Saber Acadêmico e Saber Escolar: Um Diálogo
Possível? Coletâneas do nosso tempo. Rondonópolis ­ MT, v. VII, n. 8,
p.13-22, 2008.
FONSECA, T. N. de L. e. História & ensino de História. Belo Horizonte:
Autêntica, 2006.
FONSECA, S. G. Caminhos da história ensinada. São Paulo: Papirus, 1993.
GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara,
1989.
HERMANN, J. As metamorfoses da espera: messianismo judaico, cristãosnovos e sebastianismo no Brasil colonial. In GRINBERG, K. Os judeus no
Brasil: inquisição, imigração e identidade. Keila Grinberg (Org.). Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 87-111.
MIGUEL, L. F. Retrato de uma ausência: a mídia nos relatos da história
política do Brasil. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, n.39,
p.190-199. 2000.
NOVINSKY, A. Cristãos-novos na Bahia: a inquisição. São Paulo:
Perspectiva, 1992.
______.Ser marrano em Minas Colonial. Revista Brasileira de História. São
Paulo: ANPUH/ Humanitas Publicações, v. 21, n. 40, p. 161-176. 2001.
OLIVEIRA, I. B. A zona do indeterminado: pensando autor, autoria,
produção e consumo de livros didáticos. In OLIVEIRA, M. M. D. de;
STAMATTO, M. I. S. (Org.). O livro didático de história: políticas
educacionais, pesquisas e ensino. 01 ed. Natal: EDUFRN, 2007, v. 01, p.
67-73.
PERNIDJI, J. E. A saga dos cristãos-novos. Rio de Janeiro: Imago, 2005.
SALVADOR, J. G. Os cristãos-novos. Povoamento e conquista do solo
brasileiro (1530-1680). São Paulo, Pioneira, 1976.
______. Os cristãos-novos e o comércio no Atlântico Meridional: com
enfoque nas capitais do Sul, 1530-1680. São Paulo, Pioneira, 1978

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
98

A história dos cristãos-novos no Brasil colonial

______________________________________________________________________
SILVA, J. G. da F. e. Modos de pensar, maneiras de viver: cristãos-novos
em Pernambuco no século XVI. Dissertação de mestrado em História da
Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2007.
VAINFAS, R.; ASSIS, A. A. F. A esnoga da Bahia: cristãos-novos e
criptojudaísmo no Brasil quinhentista. In GRINBERG, K. (Org.). Os judeus
no Brasil: inquisição, imigração e identidade. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2005, p. 43­63.
VAINFAS R; HERMANN, J. Judeus e conversos na Ibéria no século XV:
sefardismo, heresia, messianismo. In GRINBERG, K. Os judeus no Brasil:
inquisição, imigração e identidade. (Org.). Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2005, p. 15 ­ 41.
VALADARES, P. A presença oculta: genealogia, identidade e cultura cristãnova brasileira nos séculos XIX e XX. Fortaleza: Fundação Ana Lima, 2007.
WOLFF, E.; WOLLF, F. Os judeus no Brasil imperial. Uma pesquisa nos
documentos e no noticiário carioca da época. São Paulo, Centro de Estudos
Judaicos, 1975.

Fontes:
SILVA, F. de A.; BASTOS, P. I de A. História do Brasil: Colônia, Império e
República. São Paulo: Moderna, 1983.
CAMPOS, R. História do Brasil. São Paulo: Atual, 1983.
CATELLI JR, R. História. Texto e Contexto. São Paulo: Scipione, 2007.
PEDRO, Al; SOUZA, L.; CARVALHO, Y. História da Civilização Ocidental.
Integrada. Geral e do Brasil. São Paulo: FTD, 2005.
OLIVEIRA, M. da C. C.; MIUCCI, C.; SANTOS, A. P. História em projetos.
Velhos mundos e mundos novos: encontros e desencontros ­ do século XV
ao XVIII. São Paulo: Ática, 2007.

______________________________________________________________________
História & Ensino, Londrina, v. 17, n. 1, p. 77-99, jan./jun. 2011
99