A HISTÓRIA DA PUBLICIDADE BRASILEIRA
Emilly Furtado Severino1
Natália Moura Gomes1
Samila Vicentini 1

Orientador: Profº. Ms. Paulo Cinti
Resumo: O objetivo deste artigo é discutir a história da publicidade brasileira e como ela foi
influenciada com os acontecimentos de cada época. Antigamente a única forma de
propaganda era boca-a-boca, hoje existem diversas mídias e profissionais preparados para
desenvolver qualquer tipo de campanha publicitária. Para tanto, os procedimentos
metodológicos empregados foram os estudos bibliográficos e a pesquisa documental e de
observação. Pesquisas em artigos e leituras atuais foram feitas para que as informações deste
artigo pudessem ser completas e recentes.

Palavras-chaves: publicidade; história; propaganda; brasileira.
.
Introdução
A propaganda é extremamente ligada à cultura e a sociedade. Segundo Pyr
Marcondes, no livro "Uma história da Propaganda Brasileira", ela tem o poder de transformar
tendências da moda, ampliar a escala de alcance da informação e de um sem número de
valores, transformar aspirações em consumo e mensagens comerciais em vendas e lucro. No
Brasil a propaganda surgiu em jornais no final do século XIX, influenciadas pela publicidade
que já existia no exterior. Conforme foram os acontecimentos de cada época, como a Primeira
e a Segunda Guerra Mundial, a chegada do rádio, a revolução feminista, a ditadura e a
chegada da televisão, a propaganda foi influenciada e influenciou a população. Hoje, existem
vários tipos de propagandas, mídias, agências, produtoras e várias formas de se falar com os
consumidores. A publicidade se aperfeiçoou na imaginação e na criatividade e se tornou parte
do cotidiano de todos nós, por isso, o Brasil possui vários prêmios de festivais internacionais
e é considerado a terceira potência mundial em criação publicitária.

__________________
1

Alunas regularmente matriculadas no 6º semestre do curso de Comunicação Social do Uni-FACEF

1

1 DEFINIÇÃO DE PUBLICIDADE
A palavra publicidade sempre designou o ato de divulgar ou de tornar público.
Teve origem no latim publicus (que significava público), dando origem ao termo publicité, em
língua francesa. Antigamente, o termo publicité referia-se à publicação ou leitura de leis,
éditos, ordenações e julgamento. No século XIX, o termo publicidade perdeu o seu sentido
ligado a assuntos jurídicos e adquiriu o significado comercial: "Qualquer forma de
divulgação de produtos ou serviços, através de anúncios geralmente pagos e veiculados sob a
responsabilidade de um anunciante identificado, com objetivos de interesse comercial".
(RABAÇA, Carlos A. e BARBOSA, Gustavo. Dicionário de comunicação. Ática, São Paulo,
1987, p. 481).
Ao longo do tempo a publicidade teve diversos significados e conceitos. A
definição de publicidade dada por Malanga é: "conjunto de técnicas de ação coletiva no
sentido de

promover o lucro de uma atividade comercial conquistando, aumentando e

mantendo clientes." (LEDUC, Robert. Propaganda. Atlas, São Paulo, 1977, p. 29-30).
Recentemente, com o advento da era industrial, a concentração econômica e a
produção em massa trouxeram como consequência a necessidade de aumentar o consumo dos
bens produzidos. Para atender a esta necessidade, as técnicas publicitárias foram se
aperfeiçoando. A publicidade tornou-se mais persuasiva, perdendo o sentido inicial, de caráter
exclusivamente informativo.

2 A HISTÓRIA DA PUBLICIDADE MUNDIAL
A palavra propaganda vem do latim moderno com o significado de "para ser
espalhado". Existem vários relatos da propaganda no antigo império Romano, mas nessa
época a propaganda era feita de boca-a-boca e as pessoas ainda não tinha a consciência de sua
existência. Foi na Igreja Católica no século XVII que o termo "propaganda" foi utilizado pela
primeira vez. Nessa época a Igreja Católica possuía um grande poder e a propaganda foi
utilizada como meio de propagação e na manutenção da fé da população.
Em jornais semanais na Inglaterra as propagandas começaram a aparecer no
final do século XVII, anunciavam livros, jornais e medicamentos que eram muito requisitados
no período, devido a grande incidência de doenças devastadoras no continente Europeu.
No século XIX, com o aumento da economia ouve uma expansão nas
propagandas, um exemplo é os Estados Unidos, onde os classificados tornaram -se bem
2

populares preenchendo muitas páginas de jornal com pequenos anúncios de itens variados. No
começo do rádio em 1920 não existiam propagandas, mas com o passar do tempo e com a sua
popularização cada programa passou a ser patrocinado por um anunciante, onde era feito
apenas uma menção simples no inicio e outra no final. No decorrer da Primeira Guerra
mundial a propaganda foi uma arma muito utiliza para persuadir a opinião publica a favor da
Inglaterra, com seu ponto forte na promoção do ódio.
Durante a Segunda Guerra Mundial os conceitos de propaganda obtiveram
grande avanço, tanto os norte americanos quanto os ingleses faziam propagandas
preconceituosas, com a intenção de manipular os seus soldados contra seus inimigos. Do lado
alemão as propagandas falavam sobre a superioridade racial ariana sobre os judeus. O título
de ministro da propaganda é atribuído ao alemão Paul Joseph Goebbels, que criou as famosas
frases "Para convencer o povo a entrar na guerra, basta fazê-lo acreditar que está sento
atacado..." e "Toda propaganda deve ser popular, adaptando seu nível ao menos inteligente
dos indivíduos."
Com o advento da era industrial, a produção em massa e a consequente
necessidade de aumentar o consumo dos bens produzidos, a técnica publicitária foi-se
aperfeiçoando, passando a ser mais persuasiva nas suas mensagens e perdendo, quase que por
completo, o seu sentido unicamente informativo. A concorrência entre as várias marcas,
praticamente obrigou o aparecimento de um tipo de publicidade mais agressiva, chamada
publicidade combativa, com a tentativa de impor um produto, ao invés de sugeri -lo. Isto deu
origem a muitos excessos que só foram barrados com a entrada em vigor da legislação que
regulou a atividade publicitária.

3 A HISTÓRIA DA PUBLICIDADE BRASILEIRA
Antigamente, a única forma de propaganda era boca-a-boca, até surgir o jornal.
Em 1808 surgiu o primeiro jornal, a Gazeta do Rio de Janeiro, e nele o primeiro anúncio. O
anúncio inaugural, de imóvel, fundou os classificados. Logo, os anúncios imperaram por todo
século com propagandas de aluguel, compra, venda de imóveis, escravos, carruagens, que
ofereciam produtos ou serviços ( ANEXO 1). Rapidamente, os artigos se multiplicam, e os
serviços também. Logo após o jornal vieram alguns cartazes, painéis pintados e panfletos
avulsos, que eram pregados em locais movimentados, como restaurantes e bares, ou entregues
nas ruas em locais comerciais.

3

No inicio de 1900, começam a aparecer no Brasil as revistas, que eram mais
voltadas as crônicas sociais, começaram a surgir os primeiros anúncios de página inteira, com
até duas cores e ilustrações mais aprimoradas. As acomodações da fase anterior cederam lugar
às novidades, aos desenhos e às cores admiráveis, por isso houve uma visível superposição.
Surgiu então, o agenciador de anúncios, uma profissão no começo interna, que foi se
ampliando ao ganhar a rua e o cliente. Foi visto então que os primórdios do negócio
publicitário estão ligados ao veículo. O agente, sozinho ou associado a outro, se transformaria
em uma agência, uma empresa desenvolvida para servir o jornal e a revista, naquilo que
significasse propaganda, do anunciante ao anúncio.
A primeira agência de publicidade teria surgido provavelmente em 1913, em
São Paulo, e se chamava Eclética. Nessa época as propagandas estrangeiras já estavam bem
mais aprimoradas, então os brasileiros começaram a importar algumas, então os brasileiros
começaram a importar algumas como exemplo, o que não tinha muito a ver com a cultura
brasileira da época. Mesmo assim, o apelo americano servia para a divulgação dos produtos.
Por volta de 1930 chegou ao Brasil a primeira agência de propaganda norte-americana, que
trouxe a publicidade com fotos aos anúncios brasileiros.
Segundo Marcondes, "a propaganda incorpora os avanços e as conquistas da
sociedade, e os coloca a serviço da comunicação comercial. A evolução das técnicas e dos
recursos da fotografia produz um impacto enorme na sociedade. O jornalismo incorpora
rapidamente esses avanços e, em pouquíssimo tempo, tem sua própria forma de abordagem
fotográfica, o fotojornalismo ." (MARCONDES, Pyr. Uma história da Propaganda Brasileira. Pg.24)
A grande inovação para o Brasil e para a propaganda viria em 1930 com a
chegada do rádio, por que a partir daí a propaganda teria sons, vozes e até músicas. Nasceram
assim os spots e os jingles; e logo após as novelas Gessy ( ANEXO 2) e o repórter Esso que se
transformaram em marcos dessa época. Grandes empresas, que existem até hoje, já
anunciavam na época, como: Guaraná Antarctica (ANEXO 3), Nestlé e Coca-Cola (ANEXO 4).
No dia 18 de setembro de 1950 nasceu, em São Paulo, a primeira TV do Brasil:
a TV Tupi, que revolucionária a publicidade brasileira de uma forma que nunca havíamos
visto. Na época não havia vts, então as imagens iam para o ar ao vivo, e a maioria das
propagandas eram feitas por mulheres, já que o público mais atingido eram as mulheres.
Começou a acontecer uma disputa maior em relação ao mercado e as publicidades passaram a
ser mais elaboradas. Em 1953 os consumidores passaram a ter em sua disposição várias
marcas de um mesmo produto nas gôndolas dos supermercados.
4

Na década de 50 aconteceram várias mudanças na sociedade brasileira e as
propagandas acompanharam essas doenças. As mulheres ficavam em casa ou saiam para fazer
compras, eram sempre atualizadas do que acontecia. Os homens esbanjavam sensualidade e
não respeitavam alguns tabus. Os garotos e garotas nunca mais seriam os mesmos ( ANEXO 5).
Por causa dessas mudanças a publicidade da época passa a venerar os homens, que passam a
aparecer em vários anúncios.
De acordo com Marcondes, "a linguagem publicitária passa, então, a
incorporar as liberdades e a sensação de progresso que toda a sociedade nacional está
respirando. O tom ufanista e a tônica da modernização se fazem presentes em praticamente
todas as mensagens que a propaganda emite nessa época. A publicidade começa a ter na
sociedade o papel que exerce tão bem hoje: de espelho no qual todos nos olhamos e onde
temos uma referência aceita e comum de quem somos, o que andamos fazendo de bom, o que
é moderno e o que não devemos perder de jeito nenhum, sob o risco de ficarmos por fora dos
avanços da história.
A lei da propaganda surgiu em 1968 para se decidir as regras da publicidade,
isso fez com que a propaganda se tornasse um setor de negócio de verdade. Nessa época
surgiu a sofisticação de técnicas e ferramentas do marketing, que passam a ser trabalhados de
forma integrada: promoção, vendas, publicidade. O setor de criação ficou mais forte e surgiu a
dupla de criação que é usada até hoje.
Na ditadura militar aconteceu a censura, por isso era proibido dizer o que se
pensava diretamente, por outro lado, o governo investiu muito em publicidade para difundir
seus valores. No final do ano de 1970 e parte dos anos de 1980 a propaganda passou pela fase
de ouro na imaginação e originalidade (ANEXO 6). O Brasil ganhou vários prêmios em
festivais publicitários internacionais. Em 1980 foi oficializada a existência do Conselho
Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar), que defende até hoje os
consumidores de propagandas ruins ou enganosas.
Na década de 80 a publicidade perdeu toda a força que havia obtido, mas
sobreviveu nos dez anos seguintes. Os anunciantes não possuíam verbas para investir em
propaganda por causa da inflação que assombrava todo o país. O setor não soube criar
alternativas para sair da decadência por isso as agências perderam o alto poder que
conquistaram na ditadura militar.
Nos anos de 1990 o fato mais importante foi a consolidação da internet. Com a
presidência de Fernando Collor de Melo e com o congelamento dos preços, as agências
começaram a ter vários problemas financeiros, tiveram que diminuir o quadro de funcionários
5

e o seu desempenho foi péssimo com pouca verba para o setor. Em 1994, Fernando Henrique
Cardoso cria um novo plano econômico para o Brasil e uma nova moeda: o real. Ass im
acontece a retomada dos investimentos em propaganda e inicia-se a fase mais importante do
setor. Desde então, o Brasil é considerado a terceira potência mundial em criação publicitária,
pelos elogios que recebe dos países de Primeiro Mundo e pela quanti dade de prêmios que
conquistou em festivais internacionais.
4 ALGUMAS CAMPANHAS MARCANTES DA PUBLICIDADE BRASILEIRA
Durante a década de 1990 a expressão "Não é assim nenhuma Brastemp" foi
usada para várias situações do dia-a-dia de muitas pessoas, e até hoje é usada. Criada pelo
redator e diretor de criação Ricardo Freire, da Talent, a campanha (ANEXO 7) ganhou Leão no
Festival de Cannes, além de todos os prêmios nacionais e sul-americanos que existem. A
marca passava nas propagandas um padrão de qualidade muito alto, que as concorrentes não
possuíam, por isso despertava nos consumidores o desejo de possuir uma Brastemp.
A DM9DDB mobilizou todo o país, de crianças a adultos, com a campanha
Mamíferos da Parmalat (ANEXO 8). A propaganda possuía uma delicadeza que as demais
propagandas brasileiras não possuíam, e gerou uma promoção com a venda dos bichinhos,
estima-se que foi distribuído mais de dois milhões de bichinhos.
Muitas pessoas não conhecem o ator Carlos Moreno pelo nome, e sim como o
garoto Bombril. A Bombril foi a primeira empresa a direcionar para a publicidade uma verba
muito alta, e mesmo com altos índices de rejeição pela população, o garoto Bombril deu tão
certo que até hoje faz parte das propagandas da marca. Várias agências já tiveram a conta da
Bombril, mas tudo começou pela DPZ, que conseguiu fazer a maioria dos brasileiros se
referirem à palha de aço como Bombril. (ANEXO 9)
O comercial brasileiro que mais ganhou prêmios internacionais e é visto por
muitos como o case mais importante da história da publicidade brasileira é o Primeiro
Soutien(ANEXO 10). O filme conta a história de uma garota que ganha um sutiã com uma
sensibilidade de se invejar, foi criado por Camila Franco e Rose Ferraz da agência W/Brasil.
Semana, um comercial da revista Época, fez o Brasil ganhar o Grand Prix do
Clio Awards, o maior prêmio internacional em mídia eletrônica da propaganda brasileira. O
filme é simples, contém apenas uma sequência de imagens preto-e-branco com frases de
coisas que acontecem no dia-a-dia em intervalos de sete dias(ANEXO 11). O resultado foi
surpreendente, já que a agência W/Brasil ganhou o primeiro Grand Prix brasileiro.

6

5 A PUBLICIDADE ATUAL
Atualmente, a maior parte das mensagens publicitárias é sugestiva e têm por
base os estudos de mercado e de motivações. A publicidade informativa e combativa, não
deixou de existir completamente, seu espaço foi preenchido pelas relações públicas, enquanto
a propaganda ocupou o lugar da publicidade combativa. Alguns sociólogos dividiram em três
épocas o longo caminho percorrido pela publicidade.
Na era primária, limitava-se a informar o público sobre os produtos existentes,
ao mesmo tempo em que os identificava através de uma marca. Isto sem argumentação ou
incitação à compra. Na era secundária, as técnicas de sondagem desvendavam os gostos dos
consumidores e iam orientar a publicidade, que se tornou sugestiva. Na era terciária,
baseando-se nos estudos de mercado, na psicologia social, na sociologia e na psicanálise, a
publicidade atua sobre as motivações inconscientes do público, obrigando-o a tomar atitudes e
levando-o a determinadas ações.
A publicidade contemporânea converte em ídolo o objeto de consumo,
revestindo-o de atributos que frequentemente ultrapassam as suas próprias qualidades e a sua
própria realidade.

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

É assim, então, que concluímos este trabalho, observando que a propaganda é
extremamente ligada à cultura e a sociedade.
Com base teórica, mostramos como surgiu a publicidade no Brasil, e chegamos
à conclusão que a publicidade aconselha e sugere modos de adaptação à vida contemporânea,
e a sua evolução, sugere mudanças de atitude, pois ela anda de mãos dadas com o que
acontece no país.
A publicidade influência estilos de vida porque leva o consumidor a comprar o
que está sendo oferecido, ou, cria no consumidor desejo de obter o produto anunciado. Esse
ciclo vai sempre mudando e evoluindo seus conceitos juntamente com a época em que se
passa, por isso, ele nunca acaba.

7

ANEXO 1

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

8

ANEXO 2

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

9

ANEXO 3

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

10

ANEXO 4

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

11

ANEXO 5

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

12

ANEXO 6

Fonte: MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001

13

ANEXO 7

Fonte: www.mercadocompetitivo.com.br

14

ANEXO 8

Fonte: www.pontogeek.com.br/blog/mamiferos-parmalat/

15

ANEXO 9

Fonte: www.almanaquedacomunicacao.com.br/blog/?m=200806 e expressopublicitario.zip.net/

16

ANEXO 10

Fonte: www.youtube.com/watch?v=JlIAtOVY4qo

17

ANEXO 11

Fonte: www.youtube.com/watch?v=KU7pUs2opis

18

REFERÊNCIAS
Acesso ao site www.slideshare.net/renatofrigo/a-historia-da-propaganda-no-mundo, no dia
29/08/2010.
Acesso ao site www.rg9.org/historia.php, no dia 05/09/2010.
ALDRIGHI, Vera; DIAS, Sérgio Roberto; RIVEIRO, Júlio. Tudo Que Você Queria Saber Sobre
Propaganda, e Ninguém Teve Paciência Para Explicar. São Paulo: Atlas, 1995.
CADENA, Nelson Varón. Brasil - 100 Anos de Propaganda. São Paulo: Edições Referência, 2001.
COBRA, Marcos. O impacto da propaganda. São Paulo: Atlas, 1991.
IBRACO. História da Propaganda no Brasil. Instituto Brasileiro de Altos Estudos de Comunicação
Social, ESPM ­ Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 1990
MARCONDES, Pyr. Uma História da Propaganda Brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

19