Compêndio de História do Brasil, de Borges Hermida: produção, editoração e circulação.
FERRARO, JULIANA RICARTE
As práticas escolares não têm seus limites impostos apenas pelo conjunto de textos
oficiais, leis, normas e instruções que fixam seus conteúdos, programa, métodos e finalidades,
mas também pelos próprios livros e manuais escolares que tornam "possível" o ensino da
disciplina. Contudo, não se pode limitar a materialidade do livro didático às suas relações com
o Estado, como se fosse um mero conjunto de normativas e diretrizes legislativas
educacionais. O livro deve ser visto como produto cultural, fruto das idéias de seus múltiplos
agentes, como o editor, o revisor e o ilustrador, que intervêm em todo o processo, de sua
concepção à sua comercialização. (MUNAKATA, 1997; CHOPPIN, 2004)
Para Alain Choppin (1998), o manual escolar deve servir a dois senhores e, por isso,
"oscila entre dois objetivos dificilmente conciliáveis: por um lado, deve modelar indivíduos
de acordo com as normas sociais? Ou dar-lhes uma informação que lhes permita exercer
livremente seu espírito crítico na urbanidade? O manual, que constitui a elaboração concreta
dos objetivos de aprendizagem, flutua necessariamente entre duas funções: veicular uma
ideologia, um sistema de valores, ou então expor conhecimentos objetivos".
A função de formar os "espíritos", embutida nas finalidades do ensino de História,
encontra espaço nos meios impressos, como o livro didático. O aumento de sua produção está
diretamente relacionado ao aumento de seu poder de alcance, sendo utilizado como material
indispensável para a qualificação e otimização do ensino em sala de aula. A universalização
do uso de livros e manuais didáticos, como difusores e divulgadores dos conhecimentos
propostos pelas diversas disciplinas, traz novas oportunidades ao estudo dos conteúdos
escolares.
O livro didático aparece para atender a necessidade de simplificar o conteúdo do saber
científico e acadêmico, vulgarizando a "ciência de referência" e possibilitando que os alunos
Professora Assistente da UFT ­ Universidade Federal do Tocantins, Departamento de História, Campus de
Porto Nacional - TO, Doutoranda em Educação, pela FE ­ Faculdade de Educação, USP, na linha de História da
Educação e Historiografia, sob orientação do Prof. Dr. Nelson Schapochnik. Este artigo é parte do trabalho de
doutorado em andamento, intitulado: "O Compêndio de História do Brasil de Borges Hermida: entre textos e
imagens (1962-1975)". [email protected]


2

estabeleçam com ela um contato mais rápido e que, ao menos parcialmente, a assimilem.
Segundo Chervel (1990), o livro e manual escolar não passariam de uma "vulgata" 1. Robert
Darton (1990: 15) questiona se a indústria cultural e editorial não teria se organizado para
tornar seus produtos de fácil consumo, a tal ponto de conseguirem "tornar a cultura digerível,
transformando-a num mingau sensacionalista?" A simplificação dos temas e concepções
históricas em meros fatos, reprodutora de uma memória oficial, encontrou no livro didático de
História, em consonância com os currículos e a legislação oficial, a via perfeita e privilegiada
para a difusão do discurso pretendido.
As concepções, os métodos, os conteúdos, os capítulos e a organização do
conhecimento são muitas vezes parecidos, se não idênticos, registrando-se apenas pequenas
variações, o que identificaria o fenômeno da "vulgata" segundo Chervel (1990: 33). Para
David Hamilton (2001: 46), não passa de nova roupagem para "fontes e idéias clássicas",
dando ao antigo nova percepção que pudesse ser "adotada por seus contemporâneos".
São estas pequenas novidades e variações que justificam, em grande parte, a
publicação de novas edições "revistas e ampliadas" o que inclui, até mesmos, os manuais e os
livros didáticos. Registram-se períodos de relativa estabilidade quando uma nova versão é
publicada e toma o lugar do seu precedente no mercado. Seu "sucesso editorial" somente será
perturbado quando novas variações sobre o mesmo tema vierem à luz. Há, também, períodos
em que o antigo e o novo se entrelaçam e coabitam, como se pode observar, nas décadas de
1960 e 1970, entre os livros de Joaquim Silva, Borges Hermida e Sérgio Buarque de
Hollanda.
No Brasil, a definição de livros e compêndios atende aos preceitos de simplificação e
vulgarização da "ciência de referência". Em 1938, com o Decreto Lei nº 1.006, aparece pela
primeira vez uma definição de livro didático e que, com o Decreto Lei nº 8.460, de 1945, se
mantém até os dias atuais:
Artigo 2º - Para os efeitos da presente lei, são considerados livros didáticos os
compêndios e os livros de leitura de classe. § 1º: Compêndios são livros que
exponham total ou parcialmente a matéria das disciplinas constantes dos

1

Vulgata é a forma latina abreviada de vulgata editio ou vulgata versio ou vulgata lectio, respectivamente
"edição, tradução ou leitura de divulgação popular". A Vulgata foi produzida para ser mais fácil de compreender.

3
programas escolares; § 2º: livros de leitura de classe são os livros usados para a
leitura dos alunos em aula. (BRASIL, 1945)

Nos anos 1940 encontramos algumas normativas para o livro didático que indicam o
crescimento da relação entre Estado, legislação, ensino e livro didático. Esta relação se tornou
mais visível na década de 1960, principalmente durante o regime militar, quando foram
estabelecidas algumas alianças entre os governos brasileiros e americanos, originando os
acordos MEC/USAID2.
Em meados da década de 1960, através de convênios firmados entre os governos
brasileiro e americano, foi criada a Comissão do Livro Técnico e do Livro Didático
(COLTED), colocando o MEC e o Sindicato Nacional dos Editores dos Livros (SNEL) como
responsáveis apenas pela edição, sendo que os órgãos da USAID "exerceriam todo o controle,
como detalhes técnicos, elaboração, ilustração, editoração e distribuição de livros, além da
orientação às editoras brasileiras no processo de compra de direitos autorais dos editores não
brasileiros, vale dizer, americanos." (BALDISSERA, 1994: 18)
Segundo Fonseca (1995: 55):
Deste modo, os conteúdos a serem ensinados na escola, em todas as áreas do
conhecimento, são planejados e sistematizados, pelos órgãos governamentais e suas
equipes de profissionais especialmente formados para este fim. O ensino de História
passa a ser objeto de controle dos Conselhos e a discussão mantém-se basicamente
limitada aos programas de ensino elaborados pela Secretarias de Educação e aos
livros didáticos escritos à semelhança dos programas adotados em grande escala.

O mercado editorial dos livros didáticos, a partir dos acordos firmados, teve um
intenso crescimento na sua produção e distribuição para os diversos níveis escolares. O
governo, através do Banco do Brasil, passava a financiar a sua produção, a fim de "estimular
seu aperfeiçoamento e a reduzir seu preço" (BRASIL, 1961a) que, até então, era elevado, o
que impossibilitava sua aquisição pelos estudantes e onerava "de modo excessivo o
orçamento familiar" (BRASIL, 1964). Concomitantemente, estabeleceu-se a distribuição de

2

Série de acordos produzidos, nos anos 1960, entre o Ministério da Educação brasileiro (MEC) e a United States
Agency for International Development (USAID). Visavam estabelecer convênios de assistência técnica e
cooperação financeira à educação brasileira. Entre junho de 1964 e janeiro de 1968, período de maior
intensidade nos acordos, foram firmados 12, abrangendo desde a educação primária (atual ensino fundamental)
ao ensino superior. (MINTO, Lalo Watanabe. Verbete: MEC-USAID. IN: Glossário HISTEDBR Unicamp.
http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/glossario/verb_c_mec-usaid%20.htm,
Disponível
em:
Consultado em 27/12/2011).

4

livros didáticos através da Campanha Nacional do Material Didático, que tinha como objetivo
produzir e distribuir materiais didáticos para as escolas públicas.
Além da determinação de que as obras a serem publicadas e oferecidas ao mercado
devessem apresentar parecer favorável emitido pelos órgãos competentes, era imprescindível
que uma tiragem mínima garantisse redução significativa dos custos de produção (1961a) que
se refletisse nos preços ao consumidor, embora os lucros das editoras, que se vinculavam ao
Estado, estivessem sempre garantidos pelas relações comerciais, de compra e venda,
estabelecidas entre ambos. Em 1967, a Campanha Nacional do Material Didático deixava de
ser apenas uma empreitada de duração limitada e tornava-se permanente, com o nome de
Fundação Nacional do Material Didático (FENAME), sendo responsável pela produção e
distribuição dos livros didáticos para as instituições escolares, tendo como objetivo a
distribuição de mais de 30 milhões de livros por todo o território nacional.
As editoras que firmaram seu foco na produção de livros e materiais didáticos,
principalmente quando seus títulos passavam pelo crivo do Ministério da Educação, viram
seus mercados ampliados em função de aumento substancial de novas matrículas nas escolas,
muito além do crescimento demográfico (Quadro 1), em consequência das diretrizes
estabelecidas pelas novas LDBs (1961 e 1971) que, respectivamente, tornavam obrigatórios o
ensino primário e o ensino de primeiro grau (dos 7 aos 14 anos).
Apoiando-se em acordos e subsídios governamentais, a indústria editorial brasileira
conseguiu lugar de destaque entre as maiores do mundo. No Quadro 1 ficam evidentes os
números que lhe garantiu alavancar seus ganhos, graças à produção e vendagem em massa de
livros e manuais escolares e didáticos. Entre as décadas de 1950 e 1970, enquanto o
crescimento populacional variou entre 148,20% e 276,86%, as taxas de matrículas variaram
entre 430,92% e 1.653,64%, graças às novas políticas de universalização do ensino de
primeiro grau.
Quadro 1: Evolução da população e da escolarização
1950/1970
Ano

População
de 5 a 19
anos

Matrícula
no ensino
primário

Matrícula
no ensino
médio

Total de
matrícula

Taxa de
escolariz
ação

Cresc.
Populacional
*

Cresc.
Matrícula*

5
1950

18.826.409

4.366.792

477.434

4.924.226

26,15

148,20

430,92

1960

25.877.611

7.458.002

1.177.427

8.635.429

33,37

203,71

755,70

1970

35.170.643

13.906.484

4.989.776

18.896.260

53,72

276,86

1.653,64

Quadro 1: Evolução da População e da Escolarização, 1950/1970.
Fontes: IBGE, Anuário Estatístico do Brasil, 1970; IBGE, Estatística da Educação Nacional, 1960-1971; INEP/MEC. Revista Brasileira
de Estudos Pedagógicos. Nº 101.
Nota: (*) Tomando-se como base 100 o ano de 1920.

As editoras já não têm qualquer preocupação com um "Brasil que não lê" e desistem
de todas as estratégias de venda relacionadas ao estímulo dos hábitos de leitura e do livro
como "bom companheiro", praticamente abandonando a divulgação das obras de literatura em
geral e reforçando o foco nos livros didáticos3. Toda a propaganda4 agora se direcionava para
as novas edições escolares, enfatizando a qualidade textual e material do próprio livro em seus
catálogos. O consumo era garantido pelos próprios professores quando se decidiam pela
escolha de determinado título. A Companhia Editora Nacional, entre outras, desde os anos
1940, distribuía gratuitamente os manuais e livros didáticos para apreciação pelos
profissionais da educação, numa clara estratégia de conquista dos principais formadores de
opinião e que lhes garantiam ritmos crescentes de vendas e de domínio de importantes fatias
do mercado editorial educacional.
Durante as décadas de 1960 e 1970 os programas e indicações nacionais para o ensino
das disciplinas, como História, por exemplo, demonstram uma tendência a uma produção,
pode-se afirmar, padronizada dos livros didáticos. Estes livros se estruturavam e se
organizavam de formas idênticas na seleção de temas e assuntos, pautados pela declaração
que estavam de acordo com o programa oficial do Ministério da Educação e Cultura,
confirmado pela informação direta impressa em suas capas e contracapas: "Este livro está de
acordo com as indicações do Conselho Federal de Educação. (Lei de Diretrizes e Bases)".

3

João do Rio, em artigo de 1903, na Gazeta de Notícias (RJ), intitulado O Brasil lê, registrava a alta dos preços
e das vendagens dos livros didáticos já no início do século XX.
4
Na CEN, entre os anos aqui pesquisados, a divulgação e propaganda se davam por anúncios nos jornais de
grande circulação à época, como a Folha de São Paulo, e por pequenos encartes com os lançamentos de novos
títulos nos próprios livros vendidos.

6

Chervel (1990: 33) afirma que esta quase uniformidade entre os manuais, a
inexistência de variações de maior vulto e os temas que persistem indefinidamente são
características de um movimento cíclico e repetitivo das "vulgatas" que se quebra:
pouco a pouco, [com] um manual mais audacioso, ou mais sistemático, ou mais
simples do que os outros, [que] destaca-se do conjunto, fixa os "novos métodos",
ganha gradualmente os setores mais recuados do território, e se impõe. É a ele que
doravante se imita, é ao redor dele que se constitui a nova vulgata.

A Companhia Editora Nacional, fundada em 1925 sob a direção de Monteiro Lobato e
Octalles Marcondes Ferreira, sucessora da Monteiro Lobato & Cia (1919), inova a incipiente
indústria editorial brasileira, trazendo ao público leitor uma visão do livro como objeto
gráfico industrial. Implantando um processo de modernização editorial, eram nítidas suas
preocupações com os aspectos gráficos da produção, assim como com a abertura de novos
mercados.
A CEN foi considerada uma das maiores editoras mundiais entre os anos de 1930 e
1970 e uma das maiores editoras de livros didáticos no Brasil, possuindo milhares de
representantes e pontos de venda espalhados pelo território nacional, e na segunda metade do
século XX, a CEN passou a liderar o mercado nacional, produzindo, segundo Hallewell
(2005), aproximadamente um terço de toda a produção de livros no Brasil. Seus produtos
podiam ser encontrados não apenas em bancas e livrarias, mas também em farmácias e
armazéns de todos os tipos. Estava presente em qualquer lugar em que pudesse existir um
possível leitor. Era esta a visão de Monteiro Lobato, seu fundador, frente ao novo mercado
que despontava naquela primeira metade do século XX. Sua principal mercadoria, o livro
didático, era rentável, sendo tais retornos garantidos por uma grande vendagem, cujos
números totais podiam ser calculados antecipadamente e com razoável precisão, praticamente
eliminando a ocorrência de riscos por encalhes ou perdas de qualquer outra ordem
(HALLEWELL, 2005; SIMIONATO, 2010).
A CEN se adaptava às novas determinações legais com rapidez e isto pode ser
constatado pela produção do livro de História do Brasil-1ª série ginasial de Borges Hermida e
os de História do Brasil (1ª a 4ª série ginasial) de Joaquim Silva. Publicados durante muitos
anos sem qualquer alteração, até 1961, rapidamente são reorganizados para que passem a se
apresentar, já no ano seguinte, em volume único destinado ao curso médio. Tal mudança foi

7

impulsionada não apenas pela LDB e normas que modificaram a organização do ensino
primário e os programas da disciplina de História, mas também pelo Decreto nº 50.489/61 que
dispunha sobre a produção das obras didáticas e determinava que, de preferência, deveriam
ser publicadas em um volume único contendo "toda a matéria do programa relativo a
determinada disciplina".
A análise dos livros de Borges Hermida e Joaquim Silva demonstra, entretanto, que o
texto base das novas edições não registra mudanças expressivas e que esta rápida adequação
de seus conteúdos às normativas implantadas pela legislação educacional não iam além de
meros ajustes nos índices, a fim de adaptá-los aos novos currículos fixados para o período ao
qual se destina a publicação. Tal fato ­ os textos praticamente inalterados das novas edições ­
corroboram a permanência das mesmas concepções e metodologias do ensino de História.
Esta necessária flexibilidade na produção das editoras, em suas relações com o Estado
e no atendimento das normativas, nem sempre acontecia de maneira harmoniosa. As
mudanças rápidas e constantes na legislação educacional provocavam encalhes nos estoques
das antigas tiragens. No entanto, os documentos do Acervo Histórico da CEN oferecem dela
uma visão empreendedora, que conjugava a situação de mercado com as possibilidades
futuras, o que permitia um planejamento de baixo risco. A CEN não era apenas uma editora
de grandes quantidades de títulos e grandes tiragens lançadas ao mercado, mas também uma
empresa bastante lucrativa5. O volume de suas vendas e de seus lucros garantiam confortável
margem ante a possibilidade de alguma perda pelo descarte de tiragens que não mais
atendiam à legislação.
A agilidade demonstrada pelas editoras nas adaptações de seus catálogos de obras
didáticas não visava ao atendimento do consumidor final, alunos e professores da rede
escolar, mas procurava principalmente atender às exigências de seu maior comprador, o
próprio Estado. A incorporação imediata aos lançamentos, assim como nos catálogos, das
determinações e indicações sobre a produção e a edição de livros didáticos emitidas pela

5

Através dos documentos (fichas de edição, orçamentos e controle de produção), constata-se que o lucro dos
livros didáticos da CEN giravam em torno de 50 a 70% do preço da capa. Segundo Araújo (1986, p. 385) o preço
de capa de um livro era cinco vezes maior que seu preço unitário.

8

legislação facilitavam e garantiam a seus produtos a necessária aprovação pelo Ministério da
Educação e da Cultura para que pudessem ser comercializados e adotados em sala de aula.
Antonio José Borges Hermida (1917-1988) teve suas obras editadas pela Companhia
Editora Nacional durante trinta anos, entre 1959 e 1989, com títulos variados de História do
Brasil e História Geral, sendo constantes em sua periodicidade. Este é um tempo considerado
longo para uma relação comercial entre autor e editora e se justifica pelo sucesso de seus
livros.
O nome do autor do texto estampado nas capas, assim como seus sólidos currículos
impressos nas primeiras páginas, era de extrema importância para a conquista de novos
consumidores do livro escolar. Documentos da própria CEN, citando os nomes de "Sérgio"
(Buarque de Hollanda), "Ilmar" (Rohloff de Mattos) e (Antônio José Borges) "Hermida" 6,
registram anotações sobre a importância de se "achar autores populares" para futuras edições
didáticas. Os livros de Sérgio Buarque de Hollanda, Joaquim Silva e Borges Hermida não
eram conhecidos pelos seus próprios títulos, mas sim pelos nomes dos autores. A questão da
autoria do livro é bastante complexa. Mesmo que na produção de uma obra intervenham
vários outros profissionais ­ editores, ilustradores, revisores, diagramadores ­ geralmente a
autoria é atribuída somente ao responsável pela elaboração do texto base.
Segundo a descrição de Martha Woodmansee (1994: 34), "no uso contemporâneo, um
`autor' é o único indivíduo responsável ­ e, portanto, o único merecedor de crédito ­ pela
produção de um trabalho único, original" 7. Para o teórico João Adolfo Hansen (1992), a
noção de autor está vinculada à individualidade e à ação criadora, autêntica e própria de uma
identidade. Chartier (2001) afirma que o surgimento das leis de direitos autorais representou
para as editoras um meio legítimo de controle sobre as publicações e reproduções das obras e
textos de seus autores contratados.
Inegável a existência de intervenções em textos e obras que, com certeza, seus autores
não imaginariam. Intervenções próprias ao processo produtivo dos livros ­ como formatação,
diagramação e seleção de imagens, textos e legendas ­ podem acarretar importantes
modificações nas concepções iniciais do discurso. Assim, como manter seu nome como autor
6
7

Acervo Histórico IBEP - CEN. Dossiê Borges Hermida. Pesquisa realizada em julho de 2011.
Uso do texto traduzido pelo Prof. Dr. Nelson Schapochnik.

9

de um texto ou de uma imagem que estão distantes de seus reais propósitos e objetivos e
sendo utilizado, principalmente, para garantir a determinado livro a comercialização e a
aceitação pelo público leitor e consumidor?
Chartier (1999:55), citando Petrarca, escreve sobre o impulso e, até mesmo, a
necessidade dos autores, desde o século XVI, de controlar o modo de publicação e de
circulação de seus textos, desde a escolha do papel ao formato final:
Para impedir a corrupção introduzida em suas obras pela radical divisão do
trabalho entre o autor e o copista ­ a ponto, diz ele, `de não conseguir mais
reconhecer os textos que ele mesmo compôs' ­, Petrarca propõe outra fórmula,
capaz de assegurar o firme domínio do autor sobre a produção e a transmissão de
seu texto. Produto de uma escritura autógrafa (e não copiado por um escriba)
destinado à circulação limitada, subtraído às reproduções errôneas dos copistas
profissionais, o ` livro do autor' deve manifestar, sem que elas sejam traídas ou
deterioradas, as intenções que presidiram a composição da obra.

No acervo histórico da CEN, especificamente no Dossiê de Borges Hermida,
encontram-se cartas do gerente editorial, Carlos Rizzi8, endereçadas ao departamento editorial
e que atestam as intervenções na composição final do produto, algumas vezes com a anuência
do autor e outras não. Exemplifica bem o poder e a forma de atuação da indústria, e as
consequentes limitações impostas aos autores sobre os seus próprios textos, o seguinte trecho
de recomendação sobre o envio de amostras da versão final de um livro a seu autor: "Leve-as
pessoalmente, de preferência à tarde, e traga-as de volta no mesmo dia. Importante é não dar
oportunidade ao Autor para que faça modificações. Diga-lhe que necessitamos delas para os
fotolitos, razão por que não poderá retê-las."(CEN, Dossiê Borges Hermida)
A exclusão do autor nas decisões e modificações em sua obra, no caso da CEN ou de
qualquer outra editora, era certamente fruto dos compromissos que tem a indústria com seus
resultados e isto envolve a questão dos tempos de produção que devem ser sempre os menores
possíveis9.
A garantia de continuidade das vendagens e dos lucros incentivou as editoras a
incorporarem novas formas de exploração do livro como objeto gráfico, desde sua produção
8

Pelos documentos encontrados no Acervo Histórico IBEP-CEN, Carlos Rizzi, atuou como gerente editorial de
1976 a 1980. Segundo Másculo (2008, p. 40), a partir de 1976, Carlos Rizzi passava a ser o diretor da Coleção
Sérgio Buarque de Holanda. No período anterior, segundo o Acervo Histórico IBEP-CEN, o gerente do
departamento editorial fora Thomaz Aquino de Queiroz.
9
Pelos documentos de `Movimentos de Dossiês' de Borges Hermida, observa-se que o tempo médio da chegada
dos originais do autor até a sua publicação é de 8 a 10 meses.

10

até sua diagramação final. Era preocupação constante reunir os novos elementos gráficos,
como as ilustrações a cores, a soluções mais baratas, como as dimensões dos livros, para obter
uma boa da qualidade de produção gráfica e visual.
Livros em formatos atrativos e baratos, como uma das estratégias de conquistar o
público e, consequentemente, o mercado não surgiram apenas nos 1950 ou 1960. Desde as
décadas de 1920 e 1930, o mercado editorial brasileiro já demonstrava certa preocupação com
a qualidade da produção gráfica. Na nova organização comercial do meio editorial, os
formatos são modificados, a encadernação de tipo brochura e o formato de livro popular (18,5
x 13 centímetros) ganham as prateleiras. (CARDOSO, 2005).
As editoras não possuíam o seu próprio parque industrial. Em uma linguagem dos
tempos atuais, a materialização dos livros era realizada de forma terceirizada por diversas
empresas tipográficas. Em todas as suas edições, a tipografia responsável pela impressão do
Compendio de Borges Hermida foi a São Paulo Editora. Outras tipografias se encarregaram
da impressão de outros de seus títulos lançados pela CEN: IBEP10, IBEP-FAE11, A.G.G.S12,
Bloch Editores, Monsanto e Melhoramentos.
Em 1918, já procurando inovar e melhorar a qualidade da produção gráfica na
impressão de livros, Lobato criou a moderna e bem equipada Companhia Gráfica Editora
Monteiro Lobato que, porém, veio à falência em 1925 em razão de uma sequência de fatores
como racionamento de energia elétrica, inatividade provocada pela Revolução de 1924, crise
bancária, entre outros. Em 1925, em sociedade com Octalles Marcondes Ferreira, cria a CEN,
desprovida de setor gráfico próprio, e, na busca por solução para a massa falida, convence
antigos sócios ­ Natal Dauito e Savério D'Agostini ­ a adquirirem o maquinário importado e
a montarem a São Paulo Editora S. A. para imprimir, exclusivamente, as suas publicações.
Em Hallewell (2005: 38) lemos:
As máquinas e as instalações que Lobato importara para criar sua magnífica
empresa gráfica evidentemente não desapareceram fisicamente quando da falência
10

Fundada em 1965, a IBEP adquiriu a CEN em 1980 e, a partir de 1981, começa a imprimir os títulos de
Borges Hermida.
11
FAE ­ Fundação de Assistência ao Estudante, criada em 1983, em substituição a FENAME ­ Fundação
Nacional do Material Didático. (cf. MUNAKATA, 1997; FREITAG, 1987)
12
A.G.G.S. Indústrias Gráficas S.A. (RJ) era a empresa que imprimia os livros da Coleção Sérgio Buarque de
Holanda, conforme indicado nos exemplares.

11
da firma. Os credores, de fato, estavam muito ansiosos por encontrar compradores
para elas, e Lobato e Octalles conseguiram persuadir dois de seus antigos
associados, Natal Daiuto e Savério D'Agostino, a adquirirem parte do equipamento
e construir a São Paulo Editora. [...] o nome "editora" na verdade era uma
denominação incorreta porque foi criada especificamente para prestar serviços
gráficos e, mais que isso, serviços que deveriam ser dedicados exclusivamente às
necessidades da Companhia Editora Nacional.

O Compêndio de História do Brasil, de Borges Hermida, publicado durante os anos
1960 e até meados dos anos 1970 teve como produtores gráficos, de todas as suas edições,
Theobaldo De Nigris e Rubens de Barros Lima, dois dos mais importantes nomes nesta área
naquela época. A qualidade dos projetos gráficos da Editora Nacional, os novos formatos, as
capas ilustradas a cores e a impressão diferenciada ajudariam a mantê-la na liderança do
mercado editorial. As mudanças, as atualizações e uma maior preocupação com a qualidade
do material e do conteúdo se acentuaram a partir dos anos 1970 quando surgem novas
companhias e a concorrência se acentua, forçando a editora a reformular graficamente seus
livros. (HALLEWELL, 2005)
Entre os anos de 1962 e 1970, o Compêndio de História do Brasil foi publicado no
formato 15,4 x 19 cm, o mesmo apresentado pelo livro de Joaquim Silva, e, depois de 1971,
no formato 15,4 x 21 cm, ambos considerados um formato pequeno de livro. A pequena
alteração ocorrida nas últimas edições foi uma tentativa de incorporar novas tendências que se
observavam àquela época, como o da Coleção Sérgio Buarque de Hollanda e os livros de
autoria de Julierme de Abreu e Castro que apresentavam dimensões inovadoras. 13
Entre 1962 e 1972, o papel utilizado para a produção dos livros de Borges Hermida,
assim como os de Joaquim Silva14, ambos de volume único, era o offset de 2ª, de gramatura
de 75gr, e os mesmos tinham a capa dura. Bem diferentes da versão oferecida a partir de
1973, com offset de 1ª e capa do tipo brochura, acompanhando o padrão da Coleção Sérgio
Buarque de Hollanda, publicada de 1971 a 1975. A modificação atendia a exigências do
mercado e, visivelmente, demonstrava preocupação em compensar gastos na produção dos
livros. Nas primeiras versões, ao papel de segunda classe, de cor parda e grande fragilidade,

13

Segundo pesquisa realizada no acervo da LIVRES ­ FE/USP entre os livros editados nos anos 1970, as
dimensões dos livros da Coleção Sérgio Buarque de Holanda e dos livros de autoria de Julierme de Abreu e
Castro eram, respectivamente, de 19 x 26 cm e 21 x 27 cm.
14
O livro citado é História do Brasil - para o curso médio, publicado entre os anos de 1963 a 1971.

12

reunia-se o apelo da capa dura, enquanto que o novo padrão oferecia um papel de primeira
classe, de cor alva e maior resistência, encadernados como brochura.
Segundo Milton Ribeiro (2003: 15), o offset de primeira classe é constituído do
mesmo material que o de segunda classe,
porém é mais fino e mais brilhante. Ambos são fabricados de diversos tamanhos e
peso. O papel acetinado é prensado em calandras, aparelhos compostos de pesados
cilindros superpostos e aquecidos, perdendo um pouco da espessura; permite
melhor impressão de caracteres e ilustrações.

O offset de segunda tem aparência mais rústica e é um "papel muito leve, fofo e
áspero, não acetinado, sendo pouco ou nada calandrado, conservando assim o seu acabamento
áspero e desigual, usado particularmente na impressão de livro. Do francês bouffant, fofo, é
comum entre nós chamar-se bufon" (RIBEIRO, 2003: 15). Embora este papel não seja ideal
para receber impressões a cores, o livro de Hermida apresentava ilustrações coloridas (4x0
cores) que, a partir de 1973, como a utilização de papel se primeira qualidade, se tornaram
mais frequentes e com melhor qualidade de acabamento.
A elevação dos custos provocada pelas principais modificações introduzidas a partir
de 1973 nos livros de Borges Hermida ­ aumento do formato, melhor qualidade do papel e
maior número de ilustrações de cores ­ foi compensada por algumas medidas destinadas a
minimizar estes efeitos: além da substituição da capa dura pela brochura, ocorreu uma
redução de dez por cento no número de páginas (de 340 para 306).
Durante os mais de trinta anos de atividade como autor de livros didáticos de História,
Antônio José Borges Hermida publicou quinze títulos, dos quais foram impressos 6.673.706
exemplares, conforme dados do Acervo Histórico IBEP ­ CEN. Este número o destaca como
um campeão de vendas entre os escritores publicados pela CEN; seus concorrentes mais
diretos, Joaquim Silva e Sérgio Buarque de Hollanda, tiveram publicados, respectivamente,
17 títulos com 3.915.118 exemplares e 3 títulos com 1.085.286 exemplares.
A participação do Compêndio neste número é bastante expressiva; dele foram
publicados 2.439.019 exemplares, representando 36,54% do total de seu autor. Em média,
durante seus quatorze anos de permanência no mercado, foram impressos mais de 174.000
volumes anuais, com picos de 283.125 exemplares em 1968 e 301.943 exemplares em 1965.

13

O menor número de volumes ­ 44.401 ­ ocorreu exatamente em 1975, último ano de sua
publicação.
A tiragem média anual do Compêndio ­ 174.000 exemplares ­ é bastante superior à de
todos os demais títulos publicados por Hermida, equivalendo a mais de duas vezes a média de
tiragem do segundo colocado, o Compêndio de História Geral, que foi de 85.000 exemplares
anuais. Excluído o Compêndio, a tiragem média anual dos demais títulos de Hermida foi de
aproximadamente 50.000 exemplares.
Entre os anos de 1963 e 1971, o principal concorrente do Compêndio era a História do
Brasil (1ª. e 2ª. séries Ginasial), de autoria de Joaquim Silva. Neste período foram publicados
1.886.566 exemplares do Compêndio e 540.164 exemplares do livro de Joaquim Silva, o que
significa que o livro de Hermida teve uma tiragem 250% (duzentos e cinquenta por cento)
maior que o seu mais direto concorrente.
"Ao longo do período de 1971-88, antigos livros didáticos foram revistos e reeditados,
intensificando-se a produção editorial e lançando-se ao mercado uma ampla oferta de obras de
novos autores" (BALDISERRA, 1994: 20).
A partir de 1971, o Compêndio inova em sua produção e editoração gráfica para
competir com as novas obras que estavam entrando no mercado, lançadas até mesmo pela
própria CEN, como o surgimento da primeira edição da Coleção Sergio Buarque de Hollanda
que assume a posição de principal concorrente do Compêndio. Entre 1971 e 1975 a Coleção
publicou 794.821 exemplares, contra os 542.832 do Compêndio, o que representa vendas
cinqüenta por cento superiores. A análise anualizada indica que a diferença foi se acentuando
em favor da Coleção.
O fato de que no ano de 1974 não foi impresso nenhum exemplar do Compêndio
indica claramente que já se podia detectar o encalhe de estoques. A tiragem de uma única
edição ­ a de número cinqüenta ­ que chegara a impressionantes 250.000 exemplares, em
1966, viu-se reduzida a minguados 15.000 volumes em 1975, em sua edição de número
sessenta. Neste mesmo ano, o Compendio circula pela última vez, sendo substituído por
outros títulos e autores.

14

O Compêndio de Borges Hermida, surgido em 1962 como sucesso editorial da CEN,
teve seu fim anunciado. Sua fórmula não mais ofereceria atrativos suficientes para a sua
manutenção no mercado editorial, embora o nome de seu autor continuasse alavancando
novos títulos e novos sucessos editoriais. E, mesmo após 1971, com a entrada de Estudos
Sociais, mas ainda com a presença de livros de História no mercado editorial, o livro de
Borges Hermida ainda encabeçava a lista de solicitações feitas por professores de diversos
estados ­ Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo,
Maranhão e Pará. (MÁSCULO, 2008: 217).
No período de 1978 a 1989, os títulos assinados por Hermida e que substituíram o
Compêndio ­ História do Brasil, quinta e sexta séries ­ continuaram registrando vendas
expressivas: foram 1.343.908 exemplares, ao longo de doze anos, numa média anual de
112.000 exemplares. Deste modo, Borges Hermida, permaneceu no mercado graças aos novos
títulos e aos apelos de um público fiel, deste modo reforça-se a idéia de que os antigos livros
reapareciam em sala de aula apenas repaginados, ainda perpetuando conteúdos e concepções
tradicionais de História.

Bibliografia
ARAÚJO, Emanuel. 1986. A construção do livro: princípios da técnica de editoração. Rio de
Janeiro, Brasília, INL.
BALDISSERA, José Alberto. O livro didático de história: uma visão crítica. Porto Alegre:
Evangraf, 1994.
BRASIL. 1961a. Decreto nº 50.489, de 14 de abril de 1961. Dispõe sobre o financiamento e a
redução dos custos de obras didáticas e dá outras providências.
BRASIL. 1961b. Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da
Educação Nacional (LDB).
BRASIL. 1964. Decreto nº 53.583, de 21 de fevereiro de 1964. Dispõe sobre edição de livros
didáticos dando outras providências.
BRASIL. 1971. Lei nº 5. 692, de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o
ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências (LDB).

15

BRASIL. Decreto Lei nº 1.006, de 30 de dezembro de 1938. Estabelece as condições de
produção, importação e utilização do livro didático.
BRASIL. Decreto Lei nº 8.460, de 26 de dezembro de 1945. Consolida a legislação sobre as
condições de produção, importação e utilização do livro didático.
CARDOSO, Rafael. 2005. `O Início do Desing de Livros no Brasil'. In: _________________.
O design brasileiro, antes do design: Aspectos da história gráfica, 1870-1960. São Paulo:
Cosacnaify, pp. 168-196.
CHARTIER, Roger. 1999. A ordem dos livros. Brasília: ed. Universidade de Brasília.
CHARTIER, Roger. 2001. Cultura escrita, literatura e história. Porto Alegre: Artmed.
CHERVEL, A. 1990. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de
pesquisa. Teoria e Educação, Porto Alegre, Panonica, nº 2, p. 177-229.
CHOPPIN, Alain. 1998. `Os manuais escolares na França e a formação do cidadão'. In:
Veritas. Porto Alegre, v.43, nº especial.
CHOPPIN, Alain. 2004. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. In:
Educação e Pesquisa. [online]. São Paulo, v. 30, n. 3, pp. 549-566.
DARTON, Robert. 1990. O beijo de Lamourette. São Paulo: Companhia das Letras.
FONSECA, Selva Guimarães. 1995. Caminhos da História Ensinada. Campinas, SP: Papirus.
HALLEWELL, Laurence. 2005. O livro no Brasil: sua história. São Paulo: Edusp.
HAMILTON, David. 2001. `Notas de Lugar Nenhum: sobre os primórdios da escolarização
moderna'. In: Revista Brasileira de História da Educação. São Paulo, nº1, jan/jun. p. 9-43
HANSEN, José Adolfo. 1992. `Autor'. In: JOBIM, José Luís (org.). Palavras da crítica. Rio
de Janeiro: Imago. pp. 11-43.
HERMIDA, José Antônio Borges. Compêndio de História do Brasil para as 1ª e 2ª séries do
Curso Médio. São Paulo: Companhia Editora Nacional. (1962 a 1975)
HOLLANDA, Sérgio Buarque de (et. all). História do Brasil 1: das origens à Independência
­ Curso Moderno. São Paulo: CEN, 1972. (Coleção Sérgio Buarque de Hollanda)
HOLLANDA, Sérgio Buarque de (et. all). História do Brasil 2: da Independência aos nossos
dias ­ Curso Moderno. São Paulo: CEN, 1971. (Coleção Sérgio Buarque de Hollanda)
MÁSCULO, José Cássio. 2008. A coleção Sérgio Buarque de Hollanda: livros didáticos e
ensino de História. Teses de Doutorado, PUC-SP, São Paulo, SP.

16

MUNAKATA, Kazumi. 1997. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. Dissertação de
Mestrado em História e Filosofia da Educação. São Paulo: PUC/ SP.
RIBEIRO, Milton. 2003. Planejamento visual gráfico. Brasília: LGE.
SILVA, Joaquim. História do Brasil ­ primeira série ginasial. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 1961. (100ª e 112ª edição)
SILVA, Joaquim. História do Brasil para o Curso Médio (1ª e 2ª séries). São Paulo:
Companhia Editora Nacional.
SIMIONATO, Juliana Siani. 2010. Monteiro Lobato & Cia.: uma experiência editorial. São
Paulo: Com-Arte.
VIÑAO, Antonio. 2000. `El espacio y el tiempo escolares como objeto histórico.'. In:
Contemporaneidade e educação (Temas de história da educação). Rio de Janeiro: Instituto de
Estudos da Cultura da Educação, ano 5, nº 7, p. 93-110.
WOODMANSEE, Martha. 1994. Genius and the Copyright. In: The author, art and the
market. Rereading the history of aesthetics. New York: Columbia University Press, pp. 34-55.