História da lingüística no Brasil
José Borges Neto1
1

Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Há uns meses atrás, a diretoria do GEL me mandou um e-mail em que me
convidava para essa conferência e em que sugeria que o assunto a ser abordado fosse a
"História da Lingüística no Brasil". Imediatamente me ocorreu que havia uma
ambigüidade interessante nesse título: tanto poderia lê-lo como História [da Lingüística
no Brasil] quanto como [História da Lingüística] no Brasil. Ou seja, o assunto desta
conferência tanto poderia ser a Lingüística no Brasil quanto o fazer historiográfico sobre
a lingüística brasileira.
Escolher a primeira possibilidade ­ e fazer um pouco de história da lingüística ­
teria a vantagem de atender melhor às expectativas de quem vem assistir a uma
conferência com este título, além de ser bastante apropriado para um Seminário como
este, que tem Joaquim Mattoso Câmara Jr como tema.
Um "passeio" pela história da Lingüística no Brasil me permitiria tocar em
vários assuntos pouco explorados. Para ficar só com a parte da história que teve Curitiba
como cenário, poderia explorar a criação, em 1953, do Círculo Lingüístico de Curitiba
que, embora tivesse vida efêmera ­ desapareceu em 1956 ­, deu origem à Revista
Letras, que circula ininterruptamente desde 1953 (e é, portanto, a revista brasileira mais
antiga da área em circulação) e que teve em Mattoso Câmara um colaborador assíduo
nos primeiros anos; poderia explorar um pouco a obra do Prof. Rosário Farâni Mansur
Guérios, indo-europeísta de renome internacional, não obstante pouco conhecido no
Brasil; ou mesmo a obra do Prof. Aryon Rodrigues, aluno e professor da UFPR, um dos
fundadores do Círculo Lingüístico de Curitiba, e primeiro brasileiro doutor em
Lingüística, com formação regular, a atuar em nossas universidades. Poderia, também,
fazer um balanço do movimento que surgiu em Curitiba no final dos anos sessenta,
liderado pelos professores Eurico Back e Geraldo Mattos, que ficou conhecido como
"Lingüística Construtural" e que pode ser considerada a primeira proposta de teoria
lingüística feita no Brasil (movimento que Anthony Naro, em seu trabalho "Tendências
Atuais da Lingüística e da Filologia no Brasil", escrito em 1974 e publicado no Brasil
em 1976, afirma ser: "o único grupo que, até agora, ousou fazer inovações dentro de
uma orientação teórica" (p. 95)). Posso estar enganado, mas creio que apenas uma outra
proposta de inovação teórica substancial foi feita até hoje no Brasil ­ a teoria de Carlos
Franchi ­ que, infelizmente, permanece desconhecida da maior parte dos lingüistas
brasileiros.
De qualquer maneira, fiquei convencido de que essa tarefa não me cabia ­ ao
menos não neste momento. Não só porque demandaria levantamentos de dados e
interpretações que o pouco tempo disponível tornaria, inevitavelmente, superficiais, mas
também porque não me sinto com competência para um estudo desta natureza: não vejo
em mim o perfil de historiador que essa tarefa exige.

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 4 / 13 ]

Preferi, portanto, a segunda possibilidade de leitura e organizei um texto que
consiste numa breve reflexão sobre o que acontece, no Brasil, com os estudos de
História da Lingüística. Nesta conferência, portanto, vou tentar explorar as motivações
que levam lingüistas a fazer história e a forma que essas "histórias" assumem.
Quero começar com uma apresentação, geral e simplificada, das idéias
presentes num texto de Friedrich Nietzsche, intitulado "Da utilidade e dos
inconvenientes da história para a vida", que constitui a segunda parte de seu
livro Considerações Intempestivas. Li este texto pela primeira vez num curso de
história da lingüística, lecionado por Michel Lahud, ainda como aluno de doutorado
aqui na Unicamp. O texto me impressionou muito à época (já lá se vão pouco mais de
20 anos!), tanto pela reflexão filosófica quanto como instrumental explicativo da
natureza do fazer historiográfico. A qualidade "literária" do texto de Nietzsche, seu
rigor filosófico, apesar do espírito "metafórico" da apresentação, e sua atualidade me
encantaram e me foram muito úteis. Acredito que as idéias de Nietzsche sobre a
história são úteis a quem, de alguma forma, dedica-se à história, seja à história da
ciência (da ciência lingüística, em particular), como é o meu caso, seja à ciência da
história em geral.
A tese fundamental de Nietzsche é que a história está ao serviço da vida. Em
outras palavras, o homem volta-se para o passado em função de seus interesses e
necessidades do presente.
A memória, a lembrança, o retorno ao passado, a história, enfim, são
características do homem. O animal é não-histórico. Sem a história, o homem perde sua
humanidade e se iguala ao animal.
A história, no entanto, algema o homem ao passado que, como um fantasma,
assombra e perturba a paz do presente. É fundamental, então, aprender a esquecer. Se a
ausência de história animaliza o homem, o excesso de história o destrói.
Não cabe ao homem ser não-histórico: ele perde sua humanidade. Não cabe ao
homem ser completamente histórico: ele passa a viver no passado e se anula como um
ser do presente. É preciso dosar história e não-história.
Enquanto um conhecimento a serviço da vida, a história deve subordinar-se a
ela. As vidas dos indivíduos necessitam diferentemente da história, porque suas
necessidades vitais também são diferentes. Não teremos, então, uma história única,
objetiva, "científica", verdadeira, mas teremos tantas histórias quantas forem as
necessidades de história determinadas pela vida.
À pergunta "Por que se faz história?" Nietzsche dá três respostas: faz-se história
porque se é ativo e ambicioso; faz-se história porque se tem prazer em conservar e
venerar; faz-se história porque se sofre e tem-se necessidade de libertação.
A cada uma dessas razões, corresponde um tipo particular de história.
O homem ativo e ambicioso busca, no passado, aliados para lutar as lutas do
presente e faz história monumental. Esse tipo de história seleciona aspectos do
passado, atribui-lhes uma grandeza perene e os usa como alavanca para um futuro
também de grandeza. A história monumental necessariamente violenta o passado para
que, no presente, o homem de ação construa o futuro.

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 5 / 13 ]

O homem que sente prazer em conservar e venerar faz história tradicionalista.
Esta é a história feita por quem julga que o melhor do presente é o que não altera o
passado. É a história de quem, fascinado pelos detalhes, procura reconstruir o passado
nos seus mínimos detalhes. È a história do antiquário. Embora o historiador
tradicionalista reivindique para si o monopólio da verdade histórica, este tipo de história
também violenta o passado, na medida em que não consegue vê-lo no conjunto: só vê
fragmentos e todos iguais, merecendo o mesmo respeito.
O homem oprimido, sofredor, busca no passado as causas de seu sofrimento. Ele
julga o passado e o condena. Nas palavras de Nietzsche, "Todo passado merece
condenação porque, como acontece com todas as coisas humanas, nele se misturaram a
força e a fraqueza do homem". Este homem faz história crítica. Ao contrário do
historiador tradicionalista, que conserva e venera, o impulso que move o historiador
crítico é o de julgar e destruir o passado.
Nas palavras de Nietzsche:
Cada uma da três variedades de história tem um campo próprio e um
clima próprio; fora, prolifera numa vegetação parasita e devastadora.
Quando o homem que quer criar grandes coisas precisa do passado,
usa a história monumental. Ao contrário, quem quer perpetuar o que
é habitual e venerado de há muito, encara o passado como antiquário
e não como historiador. Aquele que é apanhado pela necessidade
presente, e que se quer ver livre do seu peso, precisará de uma história
crítica, isto é, que julga e que condena. A transplantação imprudente
dessas diversas espécies é fonte de muitas desgraças. O crítico sem
necessidade, o antiquário sem piedade, o perito se poder criador são
plantas que degeneraram, por terem sido arrancadas ao seu terreno.
Para Nietzsche, então, não se trata de escolha. Não é o indivíduo que escolhe o
tipo de história que vai fazer. De certa maneira, o tipo de história se impõe ao indivíduo.
Da mesma forma, não é possível atribuir juízos de valor comparativos entre os três tipos
de história: cada tipo é o melhor possível para uma necessidade vital determinada.
Nenhum dos três tipos de história permite obter uma história mais ou menos
verdadeira. Todos os tipos de história violentam o passado na medida em que,
essencialmente, são apenas formas de usar o passado para resolver questões do
presente. Por trás da história há um homem que vive, que tem necessidades e que só se
volta ao passado em função delas. Ora, as necessidades não são iguais para
todos os homens e, em conseqüência, os modos de voltar ao passado, as experiências
lembradas ou esquecidas, os fatos a serem destacados ou a serem ignorados, a
distinção, enfim, entre o que é e o que não é pertinente no passado, serão diferentes para
diferentes homens. A história, na medida em que serve à vida, é necessariamente
subjetiva.
Que fique claro, desde já, que dizer que a história é subjetiva não equivale a
dizer que a história é arbitrária. Toda história, seja de que tipo for, vai se justificar na
documentação existente e na consistência das interpretações que se podem dar à
evidências documentais. Não obstante, não há uma interpretação única e, em
conseqüência, não há uma história verdadeira. Dado um determinado conjunto de
acontecimentos do passado, é possível um tratamento monumental, um tratamento
Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 6 / 13 ]

tradicionalista e um tratamento crítico desses acontecimentos, todos os três tratamentos
absolutamente consistentes, absolutamente verossímeis. Nenhum dos tratamentos, no
entanto, pode pretender a verdade dos fatos: todos os tratamentos são parciais e, num
certo sentido, falsos.
Feita esta apresentação da concepção de história de Nietzsche, quero começar a
me aproximar da História da Lingüística mostrando como os historiadores da lingüística
acabam por recuperar essas idéias nietzschianas quando tentam estabelecer "tipologias"
das formas de historiar a ciência. Vou emprestar um trecho do texto "Memórias da
lingüística na lingüística brasileira", publicado por Cristina Altman na Revista da
ANPOLL nº 2 (1996, p. 183), em que ela apresenta uma tipologia das histórias da
lingüística proposta pelo importante historiador da lingüística Konrad Koerner. Nas
palavras de Altman:
... Koerner identificou três tipos gerais de texto historiográfico em
ciências da linguagem. O primeiro tipo, que denomina `históriaresumo' ... é a história geralmente escrita por um pesquisador
proeminente na área em que atua, já pelo final da sua carreira
acadêmica, convencido de que os principais objetivos de sua disciplina
já foram conquistados e de que o trabalho que resta para as novas
gerações consiste no que Kuhn ... denominou `operações-limpeza'. Do
ponto de vista deste historiador, o quadro teórico da disciplina já está
suficientemente amadurecido para que o pesquisador comum execute
suas investigações, sem que sejam necessárias revisões importantes na
metodologia geral de trabalho, já suficientemente estabelecida.
Um segundo tipo de texto historiográfico apontado por Koerner
nos artigos citados pode ser caracterizado como aquele em que a
principal motivação do historiador ­ em geral, mais jovem do que no
tipo anterior, e em estágios iniciais da atividade acadêmica ­
representa um grupo específico da disciplina disposto a relançá-la sob
`novas' bases, geralmente em franca oposição com a geração
imediatamente precedente. O conhecimento produzido sobre a
linguagem, anterior ao momento que lhe é contemporâneo é, na sua
proposição, um estágio a ser ultrapassado e sua argumentação,
freqüentemente polêmica, se baseia em reiteradas reivindicações de
`novidade' e `originalidade'.
O terceiro tipo de trabalho historiográfico, caracterizado por
Koerner como o ideal desejável a ser buscado pela historiografia da
lingüística contemporânea, não visa nem a defesa de um paradigma
particular, nem a reivindicação de uma revolução científica no interior
da disciplina. Trata-se da tentativa desinteressada de estabelecer,
sine-ira-et-studio, o conjunto de fatos historicamente pertinentes na
cronologia da disciplina, a partir de um conjunto de princípios préestabelecidos.
A semelhança entre a classificação de Nietzsche e a classificação de Koerner
para os tipos de História salta aos olhos.

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 7 / 13 ]

A `história-resumo' de Koerner, aquela feita pelo pesquisador em fim de carreira
e que tem o objetivo de mostrar como se deu o desenvolvimento da disciplina para que
pudéssemos chegar até ao ponto que chegamos ­ que é, invariavelmente, o conjunto de
propostas teóricas defendidas pelo autor da história ­, não é mais do que a história
monumental nietzschiana. É uma história que olha para o passado e nele seleciona os
"vultos" (os monumentos) que, com sua atividade científica, conduziram a disciplina,
inexoravelmente, à proposta esposada pelo autor, que é vista como a culminação de um
processo unidimensional e progressivo que se constrói no tempo. Em outras palavras, a
função desse tipo de história é a de mostrar que os resultados que se apresentam como
"verdadeiros" no presente são fruto da atividade de "ancestrais" ilustres que colocaram
no bom caminho as investigações (numa paráfrase de Altman, trata-se de uma visão da
história do pensamento lingüístico como uma sucessão de grandes momentos
privilegiados de inspiração). O resultado disso é que invariavelmente esse tipo de
história se apresenta como uma história de grandes autores (grandes lingüistas) do
passado.
O segundo tipo de história descrito por Koerner, aquela história feita
pelo pesquisador jovem que, opondo-se ao pensamento estabelecido, procura mostrar
os "erros" do passado de forma a justificar as novas propostas, não é nada mais do
que a história crítica de Nietzsche. Trata-se de uma história que julga e condena
o passado, aponta os seus erros. Trata-se de uma história que tem como função
"destruir" o passado de forma que se possa construir um novo presente e preparar um
novo futuro.
O terceiro tipo de história de Koerner ­ a que é caracterizada como "o ideal
desejável a ser buscado" ­ nos remete à história tradicionalista de Nietzsche. É uma
história "desinteressada", que procurar estabelecer o passado tal como ele foi. É uma
história que se pretende "isenta" e "objetiva", na medida em que não se sente presa a
questões do presente (não pretende defender nem atacar posições teóricas do presente).
Talvez a grande diferença entre Koerner e Nietzsche, com relação a este tipo de história,
esteja na suposição de Koerner de que esta história é melhor do que as outras, enquanto
Nietzsche, com muito mais clareza, percebe que se trata apenas de uma das muitas
formas que a história pode assumir.
Feita essa longa exposição, digamos, "metodológica", podemos dedicar algum
tempo à exploração das características de alguns trabalhos exemplares de história da
lingüística feitos no Brasil. Embora a produção brasileira na área de historiografia da
lingüística seja muito pequena, não teríamos tempo para ver, com algum nível de
detalhe, senão um ou dois trabalhos. Quero começar com os resultados apresentados por
Cristina Altman no texto que já citei acima (Memórias da lingüística na lingüística
brasileira ­ Revista da ANPOLL nº 2, 1996).
Nesse trabalho, Cristina Altman procura investigar a forma como alguns autores
de manuais brasileiros (de Lingüística Geral, de Filologia, de Lingüística Histórica, de
Sintaxe Gerativa, etc.) escreveram a história dessa disciplina (ou partes dessa história).
Como forma de deixar claro que os autores estudados não tinham a História da
Lingüística como seu objetivo, Altman fala em "retrospecção brasileira das tradições
do conhecimento lingüístico" para caracterizar o trabalho historiográfico incluído nos
manuais.

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 8 / 13 ]

O que é notável, no entanto, é a conclusão apresentada na p. 184, onde Altman
diz: "No que diz respeito à minha amostra, todos os textos, inevitavelmente, podem ser
considerados como historiografias do primeiro tipo apontado por Koerner". Ou seja,
todos os autores fazem histórias monumentais.
E há alguma explicação para isso? A explicação me parece óbvia. Os textos
escolhidos por Altman são todos de manuais e a função dos manuais, em geral, é a de
apresentar, de forma clara, um determinado campo de investigação sob uma
determinada orientação teórica. Em decorrência, a abordagem escolhida (e esposada)
pelo autor que deverá ser entendida como a abordagem "correta" e sua apresentação
deverá supor que o campo de investigação e a abordagem teórica são estáveis e bem
determinadas. Em outras palavras, pela sua própria natureza, os manuais devem
apresentar uma visão parcial da realidade da ciência. A função da história na
economia dos manuais deve ser a de fazer um resumo do passado que justifique a
posição teórica escolhida pelo autor. Assim, a seleção dos "monumentos" que
aparecerão nessa história é estritamente determinada pela posição assumida pelo autor:
a escolha recairá naqueles autores do passado que de alguma forma contribuíram
para que o desenvolvimento da disciplina se desse como se deu. Provavelmente,
nenhum grande lingüista que tenha, no passado, defendido posições divergentes será
lembrado (e se o for, será apenas para mostrar como posições "erradas" atrapalharam o
progresso).
Mas vejamos como a história aparece num desses manuais. De forma
absolutamente aleatória, escolhi o livro Sintaxe Gerativa do Português, publicado por
Lúcia Lobato em 1986 (Belo Horizonte: Vigília). Neste livro, Lúcia Lobato faz, em
cerca de 15 páginas, uma história das teorias sintáticas, iniciando com a gramática
tradicional e chegando à sintaxe gerativa, com duas "escalas": uma página sobre a
gramática comparada e pouco mais de 7 páginas sobre "os estruturalismos lingüísticos".
A própria dimensão das partes já revela a concepção de importância e de pertinência
que cada uma das perspectivas sobre a sintaxe apresenta para a autora. O item referente
ao estruturalismo passa pelos nomes convencionais: Saussure, como representante do
estruturalismo europeu, e Bloomfield, como representante do descritivismo americano.
São apontados, ainda, outros tipos de estruturalismo não-saussuriano. No final do item,
a autora desenvolve mais detalhadamente o que chama de "técnica da análise em
constituintes imediatos" para, no último parágrafo, passar à crítica que Chomsky faz
desse tipo de análise e sua superação pela abordagem gerativista.
Certamente, essa pequena história dos estudos sintáticos é uma "históriaresumo", nos termos de Koerner e seu papel no livro é apenas a de mostrar que houve
momentos anteriores ao gerativismo que, de certa forma, prepararam seu surgimento,
seja como continuação, seja como oposição.
Não vou abordar outros textos da amostra de Altman, mas podemos ter certeza
de que o mesmo acontece em todos eles. A história apresentada é apenas um pequeno
resumo do passado que aponta os nomes principais da área em cada momento e dá à
proposta escolhida pelo autor o caráter de evolução natural do pensamento.
Eu queria agora, para finalizar, fazer um breve passeio sobre a História da
Lingüística de Joaquim Mattoso Câmara Jr. ­ escrito em inglês em 1962 e publicado em
português apenas em 1975, já como obra póstuma. Tenho duas razões para isso: a
primeira é que este livro é, até onde sei, o único trabalho de um brasileiro que tenta
Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 9 / 13 ]

fazer uma história geral da lingüística; e a segunda é que Mattoso Câmara é o tema
deste Seminário do GEL. Vamos a ele.
A história presente no livro de Mattoso é claramente uma história monumental
(ou história-resumo, nos termos de Koerner). Cristina Altman já havia chegado a esta
conclusão em seu texto de 1996. Trata-se de uma história de grandes autores (de nomes
e datas) mais do que uma história que procura recuperar, com um mínimo de
profundidade, as idéias lingüísticas desses autores (seja para concordar com elas ou
discordar delas).
No primeiro capítulo, Mattoso apresenta uma distinção entre pré-lingüística,
paralingüística e lingüística propriamente dita. Por pré-lingüística ele entende o estudo
do certo e errado, o estudo de línguas estrangeiras e o estudo filológico da linguagem;
por paralingüística ele entende o estudo lógico e o estudo biológico da linguagem.
Obviamente, o critério classificatório utilizado está baseado na autonomia da ciência
lingüística: tanto os estudos pré-lingüísticos quanto os estudos paralingüísticos são, por
definição, não-autônomos.
Sobre esses diferentes "estudos", ele afirma que a lingüística é uma ciência
muito nova e que só começou a existir nos início do século XIX. Para ele a lingüística é
uma ciência essencialmente européia e, antes do século XIX ou em civilizações que não
a européia, só iremos encontrar pré e para-lingüística. Em suas próprias palavras:
Uma história da lingüística deveria concentrar sua atenção na Europa
do século XIX até os nossos dias incluindo, naturalmente, a América
como uma extensão da cultura européia e, entrementes, outros países
não-europeus que assumiram os principais traços e tendências do
pensamento científico dominante. (p. 13)
Ainda, para Mattoso, a história é "um desenvolvimento contínuo" e, em
conseqüência, a lingüística evolui das "experiências da pré-lingüística e da
paralingüística na Antigüidade, na Idade Média e nos tempos Modernos antes do
século XIX" (p. 13).
Assim, "[s]omos compelidos a levar em consideração os estudos prélingüísticos e paralingüísticos antes do advento da lingüística no século XIX, na
Europa, como uma introdução à história da lingüística propriamente dita".(p. 13-14)
Consistentemente com sua posição, Mattoso usa apenas cerca de 13 páginas,
distribuídas em 2 capítulos (o II e o III), para dar conta desses estudos que antecederam
a lingüística. O restante do livro, cerca de 165 páginas, organizadas em 29 capítulos (do
IV ao XXXII), trata apenas dos estudos da linguagem dos séculos XIX e XX.
O notável no tratamento que Mattoso dá a este século e meio de história da
lingüística está no fato de que ele não estabelece periodizações muito claras. Não se
encontra, por exemplo, um capítulo (ou um conjunto de capítulos) sobre o
estruturalismo, que o oponha à gramática comparativa. O tratamento é quase que
rigorosamente cronológico e os autores selecionados vão sendo apresentados em
seqüência, sem uma preocupação maior com suas filiações a movimentos ou escolas.
Encontramos, por exemplo, Saussure no capítulo XVII, Meillet, caracterizado como "o
discípulo francês de Saussure", no capítulo XX e o capítulo XXI com a denominação
"Os Estudos do Indo-europeu depois de Meillet". Aliás, o comparativismo ainda retorna
Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 10 / 13 ]

mais à frente, no capítulo XXV, que recebe um nome que mais parece ementa de
disciplina do que título de capítulo: "Novas tendências no comparativismo lingüístico.
Investigações pré-indo-européias. A nova doutrina de Marr. Empréstimo como causa
de agrupamento lingüístico. Glotocronologia".
Note-se que isso é completamente consistente com a posição assumida por
Mattoso de que a história é um desenvolvimento contínuo.
Fica, no entanto, a impressão de que a tipologia de Nietzsche (ou a de Koerner)
não se presta para uma caracterização exata do texto de Mattoso. Ora, é difícil dizer que
Mattoso está procurando, no passado, "aliados" que venham reforçar sua posição em
embates de que participa no presente, que ele está procurando justificar as escolhas
teóricas que fez ou que está "preparando o terreno" para apresentar, em seguida, sua
posição como o ápice evolutivo do que o antecedeu. A caracterização ­ ligeira e
superficial ­ de Mattoso como o primeiro estruturalista no Brasil não permitem
compreender o modo como ele apresenta a lingüística comparativa.
Uma análise mais cuidadosa da posição teórica de Mattoso parece ser necessária.
Esta análise se encontra registrada na dissertação de mestrado de Ângela França,
intitulada "Texto e contexto nos escritos lingüísticos de Mattoso Câmara (1941-1954)",
orientada por Cristina Altman e defendida na USP em 1998. Vou me valer de alguns
dados aí registrados e de algumas informações ­ valiosíssimas ­ que a Ângela, em
comunicação pessoal, pode me oferecer.
Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que Mattoso nunca se opôs à
perspectiva histórica no estudo das línguas: o seu estruturalismo convivia muito bem
com o comparativismo.
Mattoso se opunha à prática dos comparativistas brasileiros, porque eles não
entendiam a língua (=langue) como sistema, embora eles falassem de Saussure e
Trubetzkoy (Serafim da Silva Neto foi o primeiro a resenhar Trubetzkoy, em 1941,
na Revista Filológica 10: 87-88). Para esses comparativistas, estudar a língua era
apenas um meio para conhecer e dar a conhecer a cultura de um povo. Nesse sentido, a
prática dos comparativistas brasileiros os aproximava dos filólogos clássicos e sua
atividade acadêmica não podia ser caracterizada como lingüística, mas como prélingüística.
Obviamente, isso nada tinha a ver com a teoria histórico-comparativa em si, mas
apenas com a prática dos cientistas brasileiros.
Como boa parte dos lingüistas estruturalistas, a origem teórica do Mattoso era o
comparativismo: Mattoso foi aluno-ouvinte do curso de Filologia Latina e Neo-Latina
ministrado por Millardet em 1937. Como bom leitor de Saussure, Mattoso achava que a
lingüística sincrônica e a diacrônica são duas partes igualmente respeitáveis da
Lingüística.
Cito Ângela França, fazendo algumas adaptações de texto:

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 11 / 13 ]

1 Mattoso não rejeita o trabalho do comparatista, ao contrário, é
nos exemplos dele que Mattoso vai buscar ilustrações adequadas
para apresentar a seus alunos-leitores, sob o nome `lingüística
diacrônica de filiação saussuriana'. Com efeito, apenas
examinando o índice de autores [edição de 1941 dos Princípios
de Lingüística Geral] infere-se a confiança de Mattoso no método
de comparação e reconstrução das línguas.
2 Podemos concluir por meio da análise dos autores e temas
lingüísticos, a partir dos quais Mattoso Câmara montou o
primeiro curso de Lingüística no Brasil e elaborou o primeiro
manual de Lingüística de nível universitário em língua
portuguesa, que o autor parece ter buscado alcançar um
equilíbrio entre as duas partes da Lingüística, a sincrônica e a
diacrônica, combinadas em uma síntese dialética (no sentido de
Herder), incorporando o que era válido das revelações do
passado para o momento presente.
3 é possível dizer que, para Mattoso, dialeticamente, os fatos de
hoje ajudam a explicar os fatos de ontem e, às vezes, os fatos de
ontem ajudam a explicar os fatos de hoje. Um exemplo do que
estou dizendo é Portuguese Language: History and Structure,
traduzido no Brasil, depois, com o título de História e Estrutura
da Língua Portuguesa.
4 Para Mattoso, a lingüística estrutural sincrônica está ao lado da
lingüística estrutural histórica. Nesse sentido, as duas
abordagens são complementares, "são as duas abordagens
científicas da linguagem" no entender de Mattoso.
Em suma, a exposição da história da lingüística que Mattoso faz em seu livro é
exatamente o que esperaríamos: apresenta o passado de um jeito que as escolhas e
predileções do presente sejam justificadas. A história de Mattoso pode, adequadamente,
ser tratada como uma história monumental.
Finalmente, gostaria de comentar a razão por que os trabalhos de historiografia
da lingüística feitos no Brasil são majoritariamente monumentais.
Esses trabalhos são quase que exclusivamente feitos por lingüistas, que
paralelamente à atividade de historiador (que quase sempre é marginal) atuam como
cientistas. Ora, um cientista é um homem de ação, que realiza coisas no presente e que
se volta ao passado em busca de justificativas para as posições que defende no presente.
Logo, o que se deve esperar, se Nietzsche está certo, é que a história que fazem seja
mesmo monumental.
E os outros dois tipos de história? Não há exemplos deles na historiografia da
lingüística brasileira?
Quanto à história crítica, creio que há pouquíssimos exemplos claros. Talvez
porque os cientistas brasileiros ­ quase sem exceção, hoje ­ assumem propostas teóricas
Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 12 / 13 ]

desenvolvidas no exterior e a questão do confronto entre os programas de pesquisa, de
modo geral, lhes pareça uma coisa distante. Destaco, no entanto, a Parte I do livro
Diário de Narciso de Maria Irma Hadler Coudry (Martins Fontes, 1988). Parece-me que
aí encontramos um bom exemplo de história crítica.
Quanto à história tradicionalista, o grupo de historiografia da lingüística
brasileira, sediado na USP e dirigido por Cristina Altman, me parece um exemplo bem
claro (volto a repetir, os três tipos de história são igualmente respeitáveis, igualmente
verossímeis e igualmente falsos). Os pesquisadores do grupo não são (ou não se
comportam como se fossem, enquanto historiógrafos) cientistas da linguagem, no
sentido próprio do termo; são historiadores da lingüística. E nessa qualidade, a
história que desenvolvem é claramente distinta da que os lingüistas realizam.
Termino com uma citação de Nietzsche:
São estes os serviços que a história pode prestar à vida. Qualquer
homem e qualquer nação, segundo seus fins, as suas forças e as suas
necessidades, têm necessidade de um certo conhecimento do passado
sob a forma de uma história, que pode ser monumental, tradicionalista
ou crítica. Mas não têm necessidade dela à maneira de uma multidão
de pensadores puros que encaram a vida de fora, nem como indivíduos
ávidos de saber e só de saber. Todas as suas necessidades se orientam
para a vida e estão submetidas ao domínio e à alta direção da vida.
Muito obrigado.

Estudos Lingüísticos XXXIV, p. 4-13, 2005. [ 13 / 13 ]