CAIO PRADO JÚNIOR
HISTÓRIA ECONÔMICA
DO BRASIL
Digitalização: Argo
www.portaldocriador.org

SUMÁRIO
PRELIMINARES (1500-1530)
1. O meio geográfico
2. Caráter Inicial e Geral da Formação Econômica Brasileira
3. Primeiras Atividades. A Extração do Pau-Brasil
A OCUPAÇÃO EFETIVA (1530-1640)
4. Início da Agricultura
5. Atividades Acessórias
EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO (1640-1770)
6.
7.
8.
9.

Novo Sistema Político e Administrativo na Colônia
A Mineração e a Ocupação do Centro-Sul
A Pecuária e o Progresso do Povoamento no Nordeste
A Colonização do Vale Amazônico e a Colheita Florestal

APOGEU DA COLÔNIA (1770-1808)
10. Renascimento da Agricultura
ll. Incorporação do Rio Grande do Sul -- Estab. da Pecuária
12. Súmula Geral Econômica no Fim da Era Colonial
A ERA DO LIBERALISMO (1808-1850)
13. Libertação Econômica
14. Efeitos da Libertação
15. Crise do Regime Servil e Abolição do Tráfico
O IMPÉRIO ESCRAVOCRATA E A AURORA BURGUESA (1850-1889)
16.
17.
18.
19.
20.

Evolução Agrícola
Novo Equilíbrio Econômico
A Decadência do Trabalho Servil e Sua Abolição
Imigração e Colonização
Síntese da Evolução Econômico do Império

A REPUBLICA BURGUESA (1889-1930)
21.
22.
23.
24.
25.

Apogeu de um Sistema
A Crise de Transição
Expansão e Crise da Produção Agrária
A Industrialização
O Imperialismo

A CRISE DE UM SISTEMA (1930-?)
26. A Crise de um Sistema
27. A Crise em Marcha
POST SCRIPTUM EM 1976
ANEXOS
Moeda Brasileira
População do Brasil em Diferentes Épocas
Comércio Exterior do Brasil de 1821 a 1965
Bibliografia

PRELIMINARES
1500-1530

1
O Meio Geográfico

EM CONJUNTO, o Brasil se apresenta em compacta massa territorial, limitada a leste por uma linha costeira extremamente regular, sem sinuosidades acentuadas nem endentações, e por isso, em
geral, desfavorável à aproximação humana e utilização nas comunicações marítimas; e a oeste, por territórios agrestes, de penetração e ocupação difíceis (e por isso, até hoje ainda, muito
pouco habitados), estendidos ao longo das fraldas da Cordilheira
dos Andes, e barrando assim as ligações com o litoral Pacífico do
continente. O Brasil, embora ocupe longitudinalmente a maior parte
do território sul-americano, volta-se inteiramente para o Atlântico.
Passemos rapidamente em revista este cenário geográfico imenso
(mais de 8 ½ milhões de km2) onde se desenrola a história econômica
que vamos analisar. Sua primeira unidade regional, e historicamente a mais importante, é constituída pela longa faixa costeira que
borda o Oceano. De largura variável, mas não excedendo nunca algumas dezenas de quilômetros de profundidade (além dos quais o meio
geográfico já muda de feição), ela conserva apreciável unidade de
condições desde o Extremo-Norte até aproximadamente o paralelo de
26°, onde a influência da latitude mais elevada já começa a se fazer sentir no clima, e se refletirá por conseguinte na vida econômica. Esta faixa, embora com variações locais mais ou menos importantes, é, em regra, formada de terras baixas, submetidas a clima
nitidamente tropical, de calores fortes e regulares, e com chuvas
abundantes (salvo, quanto a este último elemento, em trecho relativamente curto, compreendido entre os paralelos de 2°30' e 6º,
que é extremamente seco). Seus solos são férteis, e prestam-se admiravelmente, por tudo isto, à agricultura tropical que efetivamente servirá de base econômica não somente da sua ocupação pelos
colonos europeus, mas de ponto de partida e irradiação da colonização de todo o país.
Para trás desta faixa litorânea estendem-se as demais regiões
brasileiras. Com uma exceção apenas, o Extremo-Norte, a bacia amazônica, elas se apartam nitidamente, do ponto de vista geográfico,
do litoral. Na saliência do Nordeste, grosseiramente entre os paralelos de 2º e 15°, seguem-no para o interior extensos territórios semi-áridos, imprestáveis em geral para a agricultura
corrente. Tal circunstância deteve a expansão do povoamento que se

aglomerou nos núcleos litorâneos, ficando o interior quase ao abandono, e apenas ralamente ocupado por dispersas fazendas de gado.
Ao sul do paralelo de 15°, outra circunstância geográfica oporá uma barreira à penetração: o relevo. Acompanhando a faixa costeira, estende-se daí para o sul o desenvolvimento abrupto da Serra do Mar que forma o rebordo oriental de um elevado planalto de
altitudes médias oscilando entre 600 e mais de 1.000 metros, e que
em vez de inclinar-se para o mar, volta-se para o coração do continente; o que faz com que os rios excepcionalmente se dirijam para a costa. A maior parte deles, e sobretudo os de maior volume,
correm para o interior em demanda da bacia do rio Paraná.
As condições para a penetração do território não são portanto,
aí, muito favoráveis. E até hoje constituem sério embaraço oposto
às comunicações para além do litoral. Mas ao contrário do interior
nordestino, o planalto centro-meridional brasileiro oferece esplêndidas condições naturais para o estabelecimento do homem. Além
do clima temperado pela altitude, solos férteis e bem regados por
chuvas regulares e um sistema hidrográfico normal -- ao contrário
do interior nordestino semi-árido, onde a maior parte dos rios é
de curso intermitente. Finalmente, o planalto brasileiro encerra
abundantes recursos minerais. Tudo isto atraiu para ele a colonização, que o procurará desde o início, mas particularmente, em
grandes massas humanas, a partir do século XVIII. Ele concentra
hoje a maior parcela da população brasileira.
Compreende-se nele o território de vários dos atuais Estados:
a parte ocidental do Rio de Janeiro, Minas Gerais, grande parte de
Goiás (a outra pertence mais à bacia amazônica), sul de Mato Grosso, e a maior parcela (com exceção apenas do litoral) dos quatro
Estados meridionais: São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.1 É muito variável na sua paisagem geográfica. Pode ser
grosseiramente dividido em três setores: um setentrional, de grande altitude (até mil metros e mais) e relevo acidentado. Compreende-se aí sobretudo o Estado de Minas Gerais, cujo nome já indica
sua função econômica essencial: a mineração, do ouro e dos diamantes no passado, e hoje em dia, principalmente do ferro, além de
outros minerais. O setor meridional do planalto estende-se de São
Paulo para o sul. Desaparecem aí as serranias alcantiladas de Minas Gerais, substituídas por um relevo mais uniforme e unido que
se reveste de uma sucessão de florestas sub-tropicais (os excessos
da latitude são corrigidos pela altitude) e de campos naturais. No
lugar daquelas, onde o solo é mais fértil, instalou-se a agricultura, avantajada por um clima privilegiado em que se dão perfeitamente, lado a lado, as mais variadas espécies vegetais, desde as
dos trópicos até as das zonas temperadas. Os campos se aproveitaram para a pecuária.
A parte ocidental do planalto, onde ele descamba para o rio
Paraguai (que corre em altitude inferior a 300 m), forma um setor
à parte, composto de um conjunto de planícies herbosas e terrenos
alagadiços. Localizado em situação de difícil acesso, sem grandes

Em rigor, a parte meridional deste último fica além do planalto, cujo rebordo
sul atravessa o Estado, pelo centro, de leste para oeste.

1

recursos naturais, este setor esperará até o séc. XIX para ser efetivamente ocupado pela colonização; será a pecuária sua principal e quase única atividade econômica.
Resta-nos, para completar este rápido esboço da geografia brasileira, o Extremo-Norte. Nesta altura, o interior, ao contrário
das outras partes do país, abre-se para o mar pelo delta do Amazonas, desembocadura de um imenso sistema hidrográfico, sem paralelo no mundo, que se estende sobre uma área de 6.400.000 km2
(dos quais 3.800.000 em território brasileiro) e é formado de cursos d'água de grande volume, em boa parte perfeitamente navegáveis
até por embarcações de vulto. A penetração foi, por isso, muito
fácil. É a isto aliás que a colonização luso-brasileira deveu o
domínio sobre o vasto interior do continente sul-americano que de
direito cabia aos hispano-americanos segundo os primeiros acordos
ajustados entre as duas coroas ibéricas. Mas estes últimos, vindos
do Ocidente, esbarraram com o obstáculo da Cordilheira dos Andes,
onde os detiveram, aliás, as minas de metais preciosos e a abundante mão-de-obra indígena que lá encontraram. Não se opuseram por
isso ao avanço de seus concorrentes tão avantajados pela geografia. Mas se os rios amazônicos oferecem esplêndida via de penetração
e trânsito, e são assim altamente favoráveis ao homem, doutro lado
a floresta equatorial que os envolve, densa e semi-aquática -- nas
enchentes as águas fluviais alagam extensões consideráveis das
margens. -- representa grande obstáculo à instalação e progresso
humanos. Em particular ao europeu, afeiçoado a climas mais frios e
desconcertado ante as asperezas da selva bruta. A colonização apenas encetará muito modestamente o ataque da floresta, e estenderse-á numa ocupação rala e linear pelas margens dos rios, caminho
da penetração e única via possível de comunicações e transportes
até os dias de hoje.
São estas as condições naturais que os colonizadores europeus
encontraram no território que formaria o Brasil. Outra circunstância ainda pesará muito nos seus destinos econômicos: a população
indígena que o habitava. Ao contrário do México e dos países andinos, não havia no território brasileiro senão ralas populações de
nível cultural muito baixo. Não seria grande, por isso, o serviço
que prestariam aos colonos que foram obrigados a se abastecer de
mão-de-obra na África. Os indígenas brasileiros não se submeteram
com facilidade ao trabalho organizado que deles exigia a colonização; pouco afeitos a ocupações sedentárias (tratava-se de povos
semi-nômades, vivendo quase unicamente da caça, pesca e colheita
natural), resistiram ou foram dizimados em larga escala pelo desconforto de uma vida tão avessa a seus hábitos. Outros se defenderam de armas na mão; foram sendo aos poucos eliminados, mas não
sem antes embaraçar consideravelmente o progresso da colonização
nascente que, em muitos lugares e durante longo tempo, teve de avançar lutando e defendendo-se contra uma persistente e ativa agressividade do gentio.

2
Caráter Inicial e Geral
da Formação Econômica Brasileira

PARA SE compreender o caráter da colonização brasileira é preciso recuar no tempo para antes do seu início, e indagar das circunstâncias que a determinaram. A expansão marítima dos países da
Europa, depois do séc. XV, expansão de que a descoberta e colonização da América constituem o capítulo que particularmente nos interessa aqui, se origina de simples empresas comerciais levadas a
efeito pelos navegadores daqueles países. Deriva do desenvolvimento do comércio continental europeu que até o séc. XIV é quase unicamente terrestre e limitado, por via marítima, a uma mesquinha
navegação costeira e de cabotagem. Como se sabe, a grande rota comercial do mundo europeu que sai do esfacelamento do Império do
Ocidente, é a que liga por terra o Mediterrâneo ao mar do Norte,
desde as repúblicas italianas, através dos Alpes, dos cantões suíços, dos grandes empórios do Reno, até o estuário do rio onde estão as cidades flamengas. No séc. XIV, mercê de uma verdadeira revolução na arte de navegar e nos meios de transporte por mar, outra rota ligará aqueles dois pólos do comércio europeu: será a marítima que contorna o continente pelo estreito de Gibraltar. Rota
que subsidiária a princípio, substituirá afinal a primitiva no
grande lugar que ela ocupava. O primeiro reflexo desta transformação, a princípio imperceptível, mas que se revelará profunda e revolucionará todo o equilíbrio europeu, foi deslocar a primazia comercial dos territórios centrais do continente, por onde passava a
antiga rota, para aqueles que formam a sua fachada oceânica, a Holanda, a Inglaterra, a Normandia, a Bretanha, a Península Ibérica.
Este novo equilíbrio firma-se desde princípios do séc. XV. Dele derivará, não só todo um novo sistema de relações internas do
continente como, nas suas conseqüências mais afastadas, a expansão
européia ultramarina. O primeiro passo estava dado, e a Europa
deixará de viver recolhida sobre si mesma para enfrentar o Oceano.
O papel de pioneiro nesta nova etapa caberá aos portugueses, os
melhores situados, geograficamente, no extremo desta península que
avança pelo mar. Enquanto os holandeses, ingleses, normandos e
bretões se ocupam na vida comercial recém-aberta, e que bordeja e
envolve pelo mar o ocidente europeu, os portugueses vão mais longe, procurando empresas em que não encontrassem concorrentes mais
antigos já instalados, e para o que contavam com vantagens geográficas apreciáveis: buscarão a costa ocidental da África, traficando aí com os mouros que dominavam as populações indígenas. Nesta
avançada pelo Oceano descobrirão as Ilhas (Cabo Verde, Madeira,
Açores), e continuarão perlongando o continente negro para o sul.
Tudo isso se passa ainda na primeira metade do séc. XV. Lá por meados dele, começa a se desenhar um plano mais amplo: atingir o Oriente contornando a África. Seria abrir para seu proveito uma rota que os poria em contacto direto com as opulentas Índias das

preciosas especiarias, cujo comércio fazia a riqueza das repúblicas italianas e dos mouros, por cujas mãos transitavam até o Mediterrâneo. Não é preciso repetir aqui o que foi o périplo africano,
realizado afinal depois de tenazes e sistemáticos esforços de meio
século.
Atrás dos portugueses lançam-se os espanhóis. Escolheram outra
rota: pelo Ocidente, ao invés do Oriente. Descobrirão a América,
seguidos de perto pelos portugueses que também toparão com o novo
continente. Virão depois dos países peninsulares, os franceses,
ingleses, holandeses, até dinamarqueses e suecos. A grande navegação oceânica estava aberta, e todos procuravam tirar partido dela.
Só ficarão atrás aqueles que dominavam o antigo sistema comercial
terrestre ou mediterrâneo, e cujas rotas iam passando para o segundo plano: mal situados geograficamente com relação às novas rotas, e presos a um passado que ainda pesava sobre eles, serão os
retardatários da nova ordem. A Alemanha e a Itália passarão para
um plano secundário a par dos novos astros que se levantavam no
horizonte: os países ibéricos, a Inglaterra, a França, a Holanda.
Em suma e no essencial, todos os grandes acontecimentos desta
era a que se convencionou com razão chamar de "descobrimentos",
articulam-se num conjunto que não é senão um capítulo da história
do comércio europeu. Tudo que se passa são incidentes da imensa
empresa comercial a que se dedicam os países da Europa a partir do
séc. XV e que lhes alargará o horizonte pelo Oceano afora. Não têm
outro caráter a exploração da costa africana e o descobrimento e a
colonização das Ilhas pelos portugueses, o roteiro das índias, o
descobrimento da América, a exploração e ocupação de seus vários
setores. É este último o capítulo que mais nos interessa aqui; mas
não será, em sua essência, diferente dos outros. É sempre como
traficantes que os vários povos da Europa abordarão cada uma daquelas empresas que lhes proporcionarão sua iniciativa, seus esforços, o acaso e as circunstâncias do momento em que se achavam.
Os portugueses traficarão na costa africana com marfim, ouro, escravos; na Índia irão buscar especiarias. Para concorrer com eles,
os espanhóis, seguidos de perto pelos ingleses, franceses e demais, procurarão outro caminho para o Oriente; a América, com que
toparam nesta pesquisa, não foi para eles, a princípio, senão um
obstáculo oposto à realização de seus planos e que devia ser contornado. Todos os esforços se orientam então no sentido de encontrar uma passagem cuja existência se admitiu a priori. Os espanhóis, situados nas Antilhas desde o descobrimento de Colombo, exploram a parte central do continente: descobrirão o México; Balboa
avistará o Pacífico; mas a passagem não será encontrada. Procurase então mais para o sul: as viagens de Solis, de que resultará a
descoberta do Rio da Prata, não tiveram outro objetivo. Magalhães
será seu continuador, e encontrará o estreito que conservou o seu
nome e que constitui afinal a famosa passagem tão procurada; mas
ela se revelará pouco praticável e será desprezada. Enquanto isto
se passava no sul, as pesquisas se ativam para o norte; a iniciativa cabe aqui aos ingleses, embora tomassem para isto o serviço
de estrangeiros, pois não contavam ainda com pilotos bastante práticos para empresas de tamanho vulto. As primeiras pesquisas serão
empreendidas pelos italianos João Cabôto e seu filho Sebastião. Os

portugueses também figurarão nestas explorações do Extremo Norte
com os irmãos Corte Real, que descobrirão o Labrador. Os franceses
encarregarão o florentino Verazzano de iguais objetivos. Outros
mais se sucedem, e embora tudo isto servisse para explorar e tornar conhecido o novo mundo, firmando a sua posse pelos vários países da Europa, não se encontra a almejada passagem que hoje sabemos não existir2. Ainda em princípios do séc. XVII, a Virgínia Company of London incluía, entre seus principais objetivos, o descobrimento da brecha para o Pacífico que se esperava encontrar no
continente.
Tudo isto lança muita luz sobre o espírito com que os povos da
Europa abordam a América. A idéia de povoar não ocorre inicialmente a nenhum. É o comércio que os interessa, e daí o relativo desprezo por estes territórios primitivos e vazios que formam a América; e inversamente, o prestígio do Oriente, onde não faltava objeto para atividades mercantis. A idéia de ocupar, não como se fizera até então em terras estranhas, apenas com agentes comerciais,
funcionários e militares para a defesa, organizados em simples
feitorias destinadas a mercadejar com os nativos e servir de articulação entre rotas marítimas e os territórios cobiçados, mas ocupar com povoamento efetivo, isto só surgiu como contingência, necessidade imposta por circunstâncias novas e imprevistas. Aliás,
nenhum povo da Europa estava em condições naquele momento de suportar sangrias na sua população, que no séc. XVI ainda não se refizera de todo das tremendas devastações da peste que assolara o
continente nos dois séculos precedentes. Na falta de censos precisos, as melhores probabilidades indicam que em 1500 a população da
Europa ocidental não ultrapassava a do milênio anterior.
Nestas condições, "colonizar" ainda era entendido como aquilo
que dantes se praticava; fala-se em colonização, mas o que o termo
envolve não é mais que o estabelecimento de feitorias comerciais,
como os italianos vinham de longa data praticando no Mediterrâneo,
a Liga Hanseática no Báltico, mais recentemente os ingleses, holandeses e outros no Extremo-Norte da Europa e no Levante, como os
portugueses fizeram na África e na Índia. Na América a situação se
apresenta de forma inteiramente diversa: um território primitivo,
habitado por rala população indígena incapaz de fornecer qualquer
coisa de realmente aproveitável. Para os fins mercantis que se tinham em vista, a ocupação não se podia fazer como nas simples feitorias, com um reduzido pessoal incumbido apenas do negócio, sua
administração e defesa armada; era preciso ampliar estas bases,
criar um povoamento capaz de abastecer e manter as feitorias que
se fundassem, e organizar a produção dos gêneros que interessavam
seu comércio. A idéia de povoar surge daí e só daí.
Aqui, ainda Portugal foi um pioneiro. Seus primeiros passos
neste terreno são nas ilhas do Atlântico, postos avançados, pela
identidade de condições para os fins visados, do continente americano; e isto ainda no séc. XV. Era preciso povoar e organizar a
produção: Portugal realizou estes objetivos brilhantemente. Repe
Também se tentou, a partir de meados do séc. XVI, a passagem para o Oriente pelas regiões árticas, a Europa e Ásia. A iniciativa cabe ao mesmo Sebastião Cabôto, que já encontramos na América, e mais uma vez a serviço dos ingleses (1553).

2

ti-lo-á na América.
Os problemas do novo sistema de colonização, implicando a ocupação de territórios quase desertos e primitivos, terão feição variada, dependendo em cada caso das circunstâncias particulares com
que se apresentam. A primeira delas será a natureza dos gêneros
aproveitáveis que cada um daqueles territórios proporcionará. A
princípio, naturalmente, ninguém cogitará de outra coisa que não
sejam produtos espontâneos, extrativos. É ainda quase o antigo
sistema de feitorias puramente comerciais. Serão as madeiras de
construção ou tinturarias (como o pau-brasil entre nós), na maior
parte deles; também as peles de animais e a pesca no ExtremoNorte, como na Nova Inglaterra; a pesca será particularmente ativa
nos bancos da Terra Nova onde, desde os primeiros anos do séc.
XVI, possivelmente até antes, se reúnem ingleses, normandos, vasconhos. Os espanhóis serão os mais felizes: toparão desde logo nas
áreas que lhes couberam com os metais preciosos, a prata e o ouro
do México e do Peru. Mas os metais, incentivo e base suficiente
para o sucesso de qualquer empresa colonizadora, não ocupam na
formação da América senão um lugar relativamente pequeno. Impulsionarão o estabelecimento e a ocupação das colônias espanholas citadas; mais tarde, já no séc. XVIII, intensificarão a colonização
portuguesa da América do Sul e levá-la-ão para o centro do continente. Mas é só.3 Os metais, que a imaginação escaldante dos primeiros exploradores pensava encontrar em qualquer território novo,
esperança reforçada pelos prematuros descobrimentos castelhanos,
não se revelaram tão disseminados como se esperava. Na maior extensão da América ficou-se, a princípio, exclusivamente nas madeiras, nas peles, na pesca; e a ocupação de territórios, seus progressos e flutuações subordinam-se por muito tempo ao maior ou menor sucesso daquelas atividades. Viria depois, em substituição,
uma base econômica mais estável, mais ampla: seria a agricultura.
Não é meu intuito entrar aqui nos pormenores e vicissitudes da
colonização européia na América. Mas podemos, e isto muito interessa nosso assunto, distinguir duas áreas diversas, além daquela
em que se verificou a ocorrência de metais preciosos, em que a colonização toma rumos inteiramente diversos. São elas as que correspondem respectivamente às zonas temperada, de um lado, tropical
e subtropical, do outro. A primeira, que compreende grosseiramente
o território americano ao norte da Baía de Delaware (a outra extremidade temperada do continente, hoje países platinos e Chile,
esperará muito tempo antes de tomar forma e significar alguma coisa), não ofereceu realmente nada de muito interessante, e permanecerá, ainda por muito tempo, adstrita à exploração de produtos espontâneos: madeiras, peles, pesca. Na Nova Inglaterra, nos primeiros anos da colonização, viam-se até com maus olhos quaisquer tentativas de agricultura que desviavam das feitorias de peles e pesca as atividades dos poucos colonos presentes. Se esta área temperada se povoou, o que aliás só ocorre depois do séc. XVII, foi por
circunstâncias muito especiais. É a situação interna da Europa, em
particular da Inglaterra, as suas lutas político-religiosas que
desviam para a América as atenções de populações que não se sentem

Se excetuarmos, quase em nossos dias, o rush da Califórnia e do Alasca.

3

à vontade e vão procurar ali abrigo e paz para suas convicções.
Isto durará muito tempo; pode-se mesmo assimilar o fato, idêntico
no fundo, a um processo que se prolongará, embora com intensidade
variável, até os tempos modernos, o século passado. Virão para a
América puritanos e quakers da Inglaterra, huguenotes da França,
mais tarde morávios, schwenkjelders, inspiracionalistas e menonitas da Alemanha meridional e Suíça. Durante mais de dois séculos
despejar-se-á na América todo o resíduo das lutas políticoreligiosas da Europa. É certo que se espalhará por todas as colônias; até no Brasil, tanto afastado e por isso tanto mais ignorado, procurarão refugiar-se huguenotes franceses (França Antártica,
no Rio de Janeiro). Mas concentrar-se-á quase inteiramente nas da
zona temperada, de condições naturais mais afins às da Europa, e
por isso preferidas para quem não buscava "fazer a América", mas
unicamente abrigar-se dos vendavais políticos que varriam a Europa
e reconstruir um lar desfeito ou ameaçado.
Há um fator econômico que também concorre na Europa para este
tipo de emigração. É a transformação econômica sofrida pela Inglaterra no correr do séc. XVI, e que modifica profundamente o equilíbrio interno do país e a distribuição de sua população. Esta é
deslocada em massa dos campos, que de cultivados se transformam em
pastagens para carneiros cuja lã iria abastecer a nascente indústria têxtil inglesa. Constitui-se aí uma fonte de correntes migratórias que abandonam o campo e vão encontrar na América, que começa a ser conhecida, um largo centro de afluência. Também estes elementos escolherão, de preferência e por motivos similares, as
colônias temperadas. Os que se dirigem mais para o sul, para as
colônias incluídas na zona subtropical da América do Norte, porque
nem sempre lhes foi dado escolher seu destino com conhecimento de
causa, fá-lo-ão apenas, no mais das vezes, provisoriamente; o maior número deles refluirá mais tarde, e na medida do possível, para
as colônias temperadas.
São assim circunstâncias especiais que não têm relação direta
com ambições de traficantes ou aventureiros, que promoverão a ocupação intensiva e o povoamento em larga escala da zona temperada
da América. Circunstâncias aliás que surgem posteriormente ao descobrimento do novo continente, e que não se filiam à ordem geral e
primitiva de acontecimentos que impelem os povos da Europa para o
ultramar. Daí derivará também um novo tipo de colonização que tomará um caráter inteiramente apartado dos objetivos comerciais até
então dominantes neste gênero de empresas. O que os colonos desta
categoria têm em vista é construir um novo mundo, uma sociedade
que lhes ofereça garantias que no continente de origem já não lhes
são mais dadas. Seja por motivos religiosos ou meramente econômicos (estes impulsos aliás se entrelaçam e sobrepõem), a sua subsistência se tornara lá impossível ou muito difícil. Procuram, então, uma terra ao abrigo das agitações e transformações da Europa,
de que são vítimas, para refazerem nela sua existência comprometida. O que resultará deste povoamento, realizado com tal espírito e
num meio físico muito aproximado do da Europa, será naturalmente
uma sociedade que embora com caracteres próprios, terá semelhança
pronunciada com a do continente de onde se origina. Será pouco
mais que um simples prolongamento dele.

Muito diversa é a história da área tropical e subtropical da
América. Aqui a ocupação e o povoamento tomarão outro rumo. Em
primeiro lugar, as condições naturais, tão diferentes do habitat
de origem dos povos colonizadores, repelem o colono que vem como
simples povoador, da categoria daquele que procura a zona temperada. Muito se tem exagerado a inadaptabilidade do branco aos trópicos, meia verdade apenas que os fatos têm demonstrado e redemonstrado falha em um sem-número de casos. O que há nela de acertado é
uma falta de predisposição em raças formadas em climas mais frios,
e por isso afeiçoadas a eles, em suportarem os trópicos e se comportarem similarmente neles. Mas falta de predisposição apenas,
que não é absoluta e se corrige, pelo menos em gerações subseqüentes, por um novo processo de adaptação. Contudo, se aquela afirmação, posta em termos absolutos, é falsa, não deixa de ser verdadeira no caso vertente, isto é, nas circunstâncias em que os primeiros povoadores vieram encontrar a América. São trópicos brutos
indevassados que se apresentam, uma natureza hostil e amesquinhadora do homem, semeada de obstáculos imprevisíveis, sem conta, para o que o colono europeu não estava preparado e contra o que não
contava com defesas suficientes. Aliás, a dificuldade do estabelecimento de europeus civilizados nestas terras americanas entregues
ainda ao livre jogo da natureza, é comum também à zona temperada.
Respondendo a teorias apressadas e muito em voga (são as contidas
no livro famoso de Turner, The frontier in American History) um
recente escritor norte-americano analisa este fato com grande atenção, e mostra que a colonização inglesa na América, realizandose embora numa zona temperada, só progrediu à custa de um processo
de seleção de que resultou um tipo de pioneiro, o característico
ianque, que dotado de aptidão e técnica particulares, foi marchando na vanguarda e abrindo caminho para as levas mais recentes de
colonos que afluíam da Europa.4 Se assim foi numa zona que afora o
fato de estar indevassada, se aproxima tanto por suas condições
naturais do meio europeu, que não seria dos trópicos?
Para estabelecer-se aí o colono tinha que encontrar estímulos
diferentes e mais fortes que os que o impelem para as zonas temperadas. De fato assim aconteceu, embora em circunstâncias especiais que, por isso, também particularizarão o tipo de colono
branco dos trópicos. A diversidade de condições naturais, em comparação com a Europa, que acabamos de ver como um empecilho ao povoamento, revelar-se-ia por outro lado um forte estímulo. É que
tais condições proporcionarão aos países da Europa a possibilidade
da obtenção de gêneros que lá fazem falta. E gêneros de particular
atrativo. Coloquemo-nos naquela Europa anterior ao séc. XVI, isolada dos trópicos, só indireta e longinquamente acessíveis, e imaginemo-la, como de fato estava, privada quase inteiramente de produtos que se hoje pela sua banalidade, parecem secundários, eram
tão prezados como requintes de luxo. Tome-se o caso do açúcar, que
embora se cultivasse em pequena escala na Sicília, era artigo de
grande raridade e muita procura; até nos enxovais de rainhas ele
chegou a figurar como dote precioso e altamente prezado. A pimen
Marcus Lee Hansen, The immigrant in American History -- veja-se o capítulo
Immigration and Expansión.

4

ta, importada do Oriente, constituiu durante séculos o principal
ramo do comércio das repúblicas mercadoras italianas, e a grande e
árdua rota das índias não serviu muito tempo para outra coisa mais
que para abastecer dela a Europa. O tabaco, originário da América,
e por isso ignorado antes do descobrimento, não teria, depois de
conhecido, menor importância. E não será este também, mais tarde,
o caso do anil, do arroz, do algodão e de tantos outros gêneros
tropicais?
Isto nos dá a medida do que representariam os trópicos como
atrativo para a fria Europa, situada tão longe deles. A América
por-lhe-ia à disposição, em tratos imensos, territórios que só esperavam a iniciativa e o esforço do homem. É isto que estimulará a
ocupação dos trópicos americanos. Mas trazendo este agudo interesse, o colono europeu não traria com ele a disposição de pôr-lhe a
serviço, neste meio tão difícil e estranho, a energia do seu trabalho físico. Viria como dirigente da produção de gêneros de grande valor comercial, como empresário de um negócio rendoso; mas só
a contragosto, como trabalhador. Outros trabalhariam para ele.
Nesta base realizar-se-ia uma primeira seleção entre os colonos que se dirigem respectivamente para um e outro setor do novo
mundo: o temperado e os trópicos. Para estes, o europeu só se dirige de livre e espontânea vontade quando pode ser um dirigente,
quando dispõe de recursos e aptidões para isto; quando conta com
outra gente que trabalhe para ele. Mais uma circunstância vem reforçar esta tendência e discriminação. É o caráter que tomará a
exploração agrária nos trópicos. Esta se realizará em larga escala, isto é, em grandes unidades produtoras -- fazendas, engenhos,
plantações (as plantations das colônias inglesas) -- que reúnem,
cada qual, um número relativamente avultado de trabalhadores. Em
outras palavras, para cada proprietário (fazendeiro, senhor ou
plantador), haveria muitos trabalhadores subordinados e sem propriedade. Voltarei em outro capítulo, com mais vagar, sobre as
causas que determinaram este tipo de organização da produção tropical. A grande maioria dos colonos estava assim, nos trópicos,
condenada a uma posição dependente e de baixo nível; ao trabalho
em proveito de outros e unicamente para a subsistência própria de
cada dia. Não era para isto, evidentemente, que se emigrava da Europa para a América. Assim mesmo, até que se adotasse universalmente nos trópicos americanos a mão-de-obra escrava de outras raças, indígenas do continente ou negros africanos importados, muitos colonos europeus tiveram de se sujeitar, embora a contragosto,
àquela condição. Ávidos de partir para a América, ignorando muitas
vezes seu destino certo, ou decididos a um sacrifício temporário,
muitos partiram para se engajar nas plantações tropicais como simples trabalhadores. Isto ocorreu particularmente, e em grande escala, nas colônias inglesas: Virgínia, Maryland, Carolina. Em troca do transporte, vendiam seus serviços por um certo lapso de tempo. Outros partiam como deportados; também menores, abandonados ou
vendidos pelos pais ou tutores, eram levados naquelas condições
para a América a fim de servirem até a maioridade. É uma escravidão temporária que será substituída inteiramente, em meados do
séc. XVII, pela definitiva de negros importados. Mas a maior parte
daqueles colonos só esperava o momento oportuno para sair da con-

dição que lhes fora imposta; quando não conseguiam estabelecer-se
como plantador e proprietário por conta própria -- o que é exceção
naturalmente --, emigravam logo que possível para as colônias temperadas, onde (ao menos tinham um gênero de vida mais afeiçoado a
seus hábitos e maiores oportunidades de progresso. Situação de
instabilidade do trabalho nas plantações do Sul que durará até a
adoção definitiva e geral do escravo africano. O colono europeu
ficará então aí na única posição que lhe competia: a de dirigente
e grande proprietário rural.
Nas demais colônias tropicais, inclusive no Brasil, não se
chegou nem a ensaiar o trabalhador branco. Isto porque nem na Espanha, nem em Portugal, a quem pertencia a maioria delas, havia,
como na Inglaterra, braços disponíveis e dispostos a emigrar a
qualquer preço. Em Portugal, a população era tão insuficiente que
a maior parte do seu território se achava ainda, em meados do séc.
XVI, inculto e abandonado; faltavam braços por toda parte, e empregava-se em escala crescente mão-de-obra escrava, primeiro dos
mouros, tanto dos que tinham sobrado da antiga dominação árabe,
como dos aprisionados nas guerras que Portugal levou desde princípios do séc. XV para seus domínios do norte da África; como depois, de negros africanos, que começam a afluir para o reino desde
meados daquele século. Lá por volta de 1550, cerca de 10% da população de Lisboa era constituída de escravos negros. Nada havia,
portanto, que provocasse no Reino um êxodo da população; e é sabido como as expedições do Oriente depauperaram o país, datando de
então, e atribuível em grande parte a esta causa, a precoce decadência lusitana.
Além disso, portugueses e espanhóis, particularmente estes últimos, encontram nas suas colônias indígenas que se puderam aproveitar como trabalhadores. Finalmente, os portugueses tinham sido
os precursores desta feição particular do mundo moderno: a escravidão de negros africanos; e dominavam os territórios que os forneciam. Adotaram-na por isso, em sua colina, quase de início --
possivelmente de início mesmo --, precedendo os ingleses, sempre
imitadores retardatários, de quase um século.5
Como se vê, as colônias tropicais tomaram um rumo inteiramente
diverso do de suas irmãs da zona temperada. Enquanto nestas se
constituirão colônias propriamente de povoamento (o nome ficou
consagrado depois do trabalho clássico de Leroy-Beau-lieu, De la
colonisation chez les peuples modernes) escoadouro para excessos
demográficos da Europa, que reconstituem no novo mundo uma organização e uma sociedade à semelhança do seu modelo e origem europeus; nos trópicos, pelo contrário, surgirá um tipo de sociedade
inteiramente original. Não será a simples feitoria comercial que
já vimos irrealizável na América. Mas conservará, no entanto, um
acentuado caráter mercantil; será a empresa do colono branco que
reúne à natureza pródiga em recursos aproveitáveis para a produção
de gêneros de grande valor comercial, o trabalho recrutado entre

Não se sabe ao certo quando chegaram os primeiros negros ao Brasil; há grandes
probabilidades de terem vindo já na primeira expedição colonizadora em 1531. Na
América do Norte, a primeira leva de escravos africanos foi introduzida por traficantes holandeses em Jamestown (Virgínia) em 1619.

5

raças inferiores que domina: indígenas ou negros africanos importados. Há um ajustamento entre os tradicionais objetivos mercantis
que assinalam o início da expansão ultramarina da Europa, e que
são conservados, e as novas condições em que se realizará a empresa. Aqueles objetivos, que vemos passar para o segundo plano nas
colônias temperadas, manter-se-ão aqui, e marcarão profundamente a
feição das colônias do nosso tipo, ditando-lhes o destino. No seu
conjunto, e vista no plano mundial e internacional, a colonização
dos trópicos toma o aspecto de uma vasta empresa comercial, mais
complexa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter que
ela, destinada a explorar os recursos naturais de um território
virgem em proveito do comércio europeu. É este o verdadeiro sentido da colonização tropical, de que o Brasil é uma das resultantes;
e ele explicará os elementos fundamentais, tanto no social como no
econômico, da formação e evolução histórica dos trópicos americanos. Se vamos à essência da nossa formação, veremos que na realidade nos constituímos para fornecer açúcar, tabaco, alguns outros gêneros; mais tarde, ouro e diamante; depois algodão, e em
seguida café, para o comércio europeu. Nada mais que isto. É com
tal objetivo, objetivo exterior, voltado para fora do país e sem
atenção a considerações que não fossem o interesse daquele comércio, que se organizarão a sociedade e a economia brasileiras. Tudo
se disporá naquele sentido: a estrutura social, bem como as atividades do país. Virá o branco europeu para especular, realizar um
negócio; inverterá seus cabedais e recrutará a mão-de-obra de que
precisa: indígenas ou negros importados. Com tais elementos, articulados numa organização puramente produtora, mercantil, constituir-se-á a colônia brasileira.
Este início, cujo caráter manter-se-á dominante através dos
séculos da formação brasileira, gravar-se-á profunda e totalmente
nas feições e na vida do país. Particularmente na sua estrutura
econômica. E prolongar-se-á até nossos dias, em que apenas começamos a livrar-nos deste longo passado colonial. Tê-lo em vista é
compreender o essencial da evolução econômica do Brasil, que passo
agora a analisar.

3
Primeiras Atividades
A Extração do Pau-Brasil

DESDE OS últimos anos do séc. XV as costas brasileiras começam
a ser freqüentadas por navegantes portugueses e espanhóis. Não interessa discutir aqui prioridades, o que muitos historiadores, ocupados mais em procurar glórias nacionais que em escrever história verdadeira, já fizeram à saciedade; aliás sem maiores resultados. De início aquelas viagens eram apenas de exploração. Tratavase no momento, como foi lembrado, de resolver um problema geográfico de grande importância: descobrir o caminho das Índias. Os
portugueses tinham procurado a solução na rota do Oriente, contornando a África; os espanhóis, partindo da premissa de que a Terra
era redonda, dirigem-se para o Ocidente. Uns e outros topariam com
a América: os espanhóis, porque ela se encontrava em seu caminho
natural; e perlongando-a em busca da passagem que os levaria às
Índias, tocariam as costas brasileiras. Os portugueses, por seu
turno, arrastados pelos azares da navegação, e interessados em observar o que os espanhóis estavam realizando, afastar-se-ão da sua
rota ao longo da África e também chegarão ali.
Descoberto assim o território que haveria de constituir o Brasil, não se tardou muito em procurar aproveitá-lo. As perspectivas
não eram brilhantes. O famoso Américo Vespúcio, que viajou como
piloto alternadamente com espanhóis e portugueses, e que nos deu
com suas cartas a primeira descrição do novo mundo, escreverá a
respeito: "Pode-se dizer que não encontramos nada de proveito". E
devia ser assim para aqueles navegantes-mercadores que se tinham
lançado em arriscadas empresas marítimas unicamente na esperança
de trazerem para o comércio europeu as preciosas mercadorias do
Oriente. Que interesse tinha para eles uma terra parcamente habitada por tribos nômades ainda na idade da pedra, e que nada de útil podiam oferecer? Assim mesmo contudo, o espírito empreendedor
daqueles aventureiros conseguiu encontrar algo que poderia satisfazer suas ambições. Espalhada por larga parte da costa brasileira, e com relativa densidade, observou-se uma espécie vegetal semelhante a outra já conhecida no Oriente, e de que se extraía uma
matéria corante empregada na tinturaria. Tratava-se do pau-brasil,
mais tarde batizado cientificamente com o nome de Caesalpinia echinata. Os primeiros contactos com o território que hoje constitui o Brasil, devem-se àquela madeira que se perpetuaria no nome
do país.
São os portugueses que antes de quaisquer outros ocupar-se-ão
do assunto. Os espanhóis, embora tivessem concorrido com eles nas
primeiras viagens de exploração, abandonarão o campo em respeito
ao tratado de Tordesilhas (1494) e à bula papal que dividira o
mundo a se descobrir por uma linha imaginária entre as coroas portuguesa e espanhola. O litoral brasileiro ficava na parte lusitana, e os espanhóis respeitaram seus direitos. O mesmo não se deu

com os franceses, cujo rei (Francisco I) afirmaria desconhecer a
cláusula do testamento de Adão que reservara o mundo unicamente a
portugueses e espanhóis. Assim eles virão também, e a concorrência
só se resolveria pelas armas.
Mas, com ou sem direitos, o certo é que até quase meados do
séc. XVI, encontraremos portugueses e franceses traficando ativamente na costa brasileira com o pau-brasil. Era uma exploração rudimentar que não deixou traços apreciáveis, a não ser na destruição impiedosa e em larga escala das florestas nativas donde se
extraía a preciosa madeira. Não se criaram estabelecimentos fixos
e definitivos. Os traficantes se aproximavam da costa, escolhendo
um ponto abrigado e próximo das matas onde se encontrava a essência procurada, e ali embarcavam a mercadoria que lhes era trazida
pelos indígenas. É graça aliás à presença relativamente numerosa
de tribos nativas no litoral brasileiro que foi possível dar à indústria um desenvolvimento apreciável. Só as tripulações dos navios que efetuavam o tráfico não dariam conta, a não ser de forma
muito limitada, da árdua tarefa de cortar árvores de grande porte
como o pau-brasil, que alcança um metro de diâmetro na base do
tronco e 10 a 15 m de altura, transportá-las até a praia e daí às
embarcações. Não foi difícil obter que os indígenas trabalhassem;
miçangas, tecidos e peças de vestuário, mais raramente canivetes,
facas e outros pequenos objetos os enchiam de satisfação; e em
troca desta quinquilharia, de valor ínfimo para os traficantes,
empregavam-se arduamente em servi-los. Para facilitar o serviço e
apressar o trabalho, também se presenteavam os índios com ferramentas mais importantes e custosas: serras, machados. Assim mesmo,
a margem de lucros era considerável, pois a madeira alcançava
grandes preços na Europa. O negócio, sem comparar-se embora com os
que se realizavam no Oriente, não era desprezível, e despertou
bastante interesse.
Indiretamente, a exploração do pau-brasil deu origem a alguns
estabelecimentos coloniais. A concorrência de franceses e portugueses, que se resolvia sempre em luta armada quando os contendores se deparavam uns com os outros, o que acontecia freqüentemente apesar da extensão da costa, levou ambas as facções a procurar fortificar certos trechos da costa mais ricos e proveitosos.
Construíram, para isto, pequenos fortins onde se abrigavam em caso
de ataque. Serviam igualmente para armazenar o pau-brasil à espera
de transporte. Também se utilizavam para a defesa contra alguma
tribo hostil de índios. Porque é de notar que embora estes a princípio recebessem amigavelmente os europeus, sem distinção de nacionalidade, não tardou que as rivalidades que dividiam os brancos
os contaminassem. Separam-se então em tribos aliadas respectivamente aos portugueses e franceses, e cada parcialidade defendia
contra a outra os interesses de seus amigos.
Tais estabelecimentos militares, contudo, não tiveram futuro.
Eram guarnecidos unicamente quando os respectivos traficantes andavam recolhendo seus produtos, o que às vezes durava meses. Depois eram abandonados. De sorte que a exploração do pau-brasil,
mesmo desta forma indireta, não serviu em nada para fixar qualquer
núcleo de povoamento no país. Nem era de esperá-lo. Não havia interesse em localizar-se num ponto, quando a madeira procurada se

espalhava aos azares da natureza e se esgotava rapidamente pelo
corte intensivo. A indústria extrativa do pau-brasil tinha necessariamente de ser nômade; não era capaz, por isso, de dar origem a
um povoamento regular e estável.
Não são muitos os dados que possuímos sobre esta primeira forma de atividade econômica no Brasil. No que se relaciona com os
portugueses, sabemos que a extração do pau-brasil foi, desde o início, considerada monopólio real. Para dedicar-se a ela tornava-se necessária uma concessão do soberano. Era esse aliás o sistema
empregado por Portugal com relação a todas as atividades comerciais ultramarinas. Assim foi com o comércio das especiarias na
Índia, do ouro, marfim ou escravos na África, e agora com o paubrasil na América. Tudo isto constituía privilégio da coroa, que
cobrava direitos por sua exploração. A primeira concessão relativa
ao pau-brasil data de 1501 e foi outorgada a um Fernando de Noronha (que deixou seu nome a uma ilha do Atlântico que hoje pertence ao Brasil), associado a vários mercadores judeus. A concessão era exclusiva, e durou até 1504. Depois desta data, por motivos que não são conhecidos, não se concedeu mais a ninguém, com
exclusividade, a exploração da madeira que passou a ser feita por
vários traficantes.
Os franceses tiveram sempre uma política mais liberal que os
portugueses. Embora conheçamos ainda menos de suas atividades, sabe-se que nunca instituíram monopólios ou privilégios reais. O que
se explica, porque era sem direito algum que traficavam na costa
brasileira, concedida como ela estava ao Rei de Portugal pela autoridade do Papa, então reconhecida universalmente entre povos
cristãos. Não podia pois o soberano francês arrogar-se um direito
que ninguém lhe reconhecia; e as atividades de seus súditos no
Brasil representavam iniciativa puramente individual que o Rei,
aliás, nunca endossou oficialmente.
Foi rápida a decadência da exploração do pau-brasil. Em alguns
decênios esgotara-se o melhor das matas costeiras que continham a
preciosa árvore, e o negócio perdeu seu interesse. Assim mesmo
continuar-se-á a explorar esporadicamente o produto, sempre sob o
regime do monopólio real, realizando uma pequena exportação que
durará até princípios do século passado. Mas não terá mais importância alguma apreciável, nem em termos absolutos, nem relativamente aos outros setores da economia brasileira. São estes, que
passaremos agora a analisar, que ocuparão depois de 1530 o cenário
econômico do país.

A OCUPAÇÃO EFETIVA
1530-1640
4
Início da Agricultura

NO TERCEIRO decênio do séc. XVI o Rei de Portugal estará bem
convencido que nem seu direito sobre as terras brasileiras, fundado embora na soberania do Papa, nem o sistema, até então seguido,
de simples guardas-costas volantes, era suficiente para afugentar
os franceses que cada vez mais tomam pé em suas possessões americanas. Cogitará então de defendê-las por processo mais amplo e seguro: a ocupação efetiva pelo povoamento e colonização. Mas para
isto ocorria uma dificuldade: ninguém se interessava pelo Brasil.
A não ser os traficantes de madeira -- e estes mesmos já começavam
a abandonar uma empresa cujos proveitos iam em declínio -- ninguém
se interessara seriamente, até então, pelas novas terras; menos
ainda para habitá-las. Todas as atenções de Portugal estavam voltadas para o Oriente, cujo comércio chegara neste momento ao apogeu. Nem o Reino contava com população suficiente para sofrer novas sangrias; os seus parcos habitantes, que não chegavam a dois
milhões, já suportavam com grande sacrifício as expedições orientais. Nestas condições, realizar o povoamento de uma costa imensa
como a do Brasil era tarefa difícil. Procurou-se compensar a dificuldade outorgando àqueles que se abalançassem a ir colonizar o
Brasil vantagens consideráveis: nada menos que poderes soberanos,
de que o Rei abria mão em benefício de seus súditos que se dispusessem a arriscar cabedais e esforços na empresa. Assim mesmo,
poucos serão os pretendentes. Podemos inferi-lo da qualidade das
pessoas que se apresentaram, entre as quais não figura nenhum nome
da grande nobreza ou do alto comércio do Reino. São todos (doze
apenas, aliás), indivíduos de pequena expressão social e econômica. A maior parte deles fracassará na empresa e perderá nela todas
as suas posses (alguns até a vida), sem ter conseguido estabelecer
no Brasil nenhum núcleo fixo de povoamento. Apenas dois tiveram
sucesso; e um destes foi grandemente auxiliado pelo Rei.
O plano, em suas linhas gerais, consistia no seguinte: dividiu-se a costa brasileira (o interior, por enquanto, é para todos
os efeitos desconhecido), em doze setores lineares com extensões
que variavam entre 30 e 100 léguas.6 Estes setores chamar-se-ão capitanias, e serão doadas a titulares que gozarão de grandes regalias e poderes soberanos; caber-lhes-á nomear autoridades administrativas e juízes em seus respectivos territórios, receber taxas e impostos, distribuir terras, etc. O Rei conservará apenas

Légua é uma antiga medida portuguesa equivalente aproximadamente a 6 quilômetros.

6

direitos de suserania semelhantes aos que vigoravam na Europa feudal. Em compensação, os donatários das capitanias arcariam com todas as despesas de transporte e estabelecimento de povoadores.
Somas relativamente grandes foram despendidas nestas primeiras
empresas colonizadoras do Brasil. Os donatários, que em regra não
dispunham de grandes recursos próprios, levantaram fundos tanto em
Portugal como na Holanda, tendo contribuído em boa parte banqueiros e negociantes judeus. A perspectiva principal do negócio está
na cultura da cana-de-açúcar. Tratava-se de um produto de grande
valor comercial na Europa. Forneciam-no, mas em pequena quantidade, a Sicília, as ilhas do Atlântico ocupadas e exploradas pelos
portugueses desde o século anterior (Madeira, Cabo Verde), e o Oriente de onde chegava por intermédio dos árabes e dos traficantes
italianos do Mediterrâneo. O volume deste fornecimento era contudo
tão reduzido que o açúcar se vendia em boticas, pesado aos gramas.
Já se conhecia o bastante do Brasil para esperar que nele a
cana-de-açúcar dar-se-ia bem. O clima quente e úmido da costa serlhe-ia altamente favorável; e quanto à mão-de-obra, contou-se a
princípio com os indígenas que, como vimos, eram relativamente numerosos e pacíficos no litoral. Estas perspectivas seriam amplamente confirmadas; o único fator ainda ignorado antes da tentativa, a qualidade do solo, revelar-se-ia surpreendentemente propício, em alguns pontos pelo menos da extensa costa. Foi o caso,
particularmente do Extremo-Nordeste, na planície litorânea hoje
ocupada pelo Estado de Pernambuco; e do contorno da baía de Todos
os Santos (o Recôncavo baiano, como seria chamado). Não seriam aliás os únicos: de uma forma geral, toda a costa brasileira presta-se ao cultivo da cana-de-açúcar.
É nesta base, portanto, que se iniciarão a ocupação efetiva e
a colonização do Brasil. Sem entrar nos pormenores das vicissitudes sofridas pelos primeiros colonos, seus sucessos e fracassos,
examinemos como se organizará sua economia. O regime de posse da
terra foi o da propriedade alodial e plena. Entre os poderes dos
donatários das capitanias estava, como vimos, o de disporem das
terras, que se distribuíram entre os colonos. As doações foram em
regra muito grandes, medindo-se os lotes por muitas léguas. O que
é compreensível: sobravam as terras, e as ambições daqueles pioneiros recrutados a tanto custo, não se contentariam evidentemente
com propriedades pequenas; não era a posição de modestos camponeses que aspiravam no novo mundo, mas de grandes senhores e latifundiários. Além disso, e sobretudo por isso, há um fator material
que determina este tipo de propriedade fundiária. A cultura da cana somente se prestava, economicamente, a grandes plantações. Já
para desbravar convenientemente o terreno (tarefa custosa neste
meio tropical e virgem tão hostil ao homem) tornava-se necessário
o esforço reunido de muitos trabalhadores; não era empresa para
pequenos proprietários isolados. Isto feito, a plantação, a colheita e o transporte do produto até os engenhos onde se preparava
o açúcar, só se tomava rendoso quando realizado em grandes volumes. Nestas condições, o pequeno produtor não podia subsistir.
São sobretudo estas circunstâncias que determinarão o tipo de
exploração agrária adotada no Brasil: a grande propriedade. A mesma coisa aliás se verificou em todas as colônias tropicais e sub-

tropicais da América. O clima terá um papel decisivo na discriminação dos tipos agrários. As colônias inglesas do Norte, pela
contiguidade aí de zonas diferentes e variedade de tentativas e
experiências ensaiadas, bem como pelo fato de serem todas da mesma
origem nacional, nos oferecem esplêndido campo de observação. Nas
de clima temperado (Nova Inglaterra, Nova Iorque, Pensilvânia, Nova Jérsei, Delaware) estabeleceu-se a pequena propriedade do tipo
camponês; às vezes encontramos a grande propriedade, como em Nova
Iorque, mas parcelada pelo arrendamento; a pequena exploração em
todo caso, realizada pelo próprio lavrador, proprietário ou arrendatário, auxiliado quando muito por um pequeno número de subordinados. Ao sul da baía de Delaware, nesta planície litorânea úmida
e quente, onde já nos encontramos em meio físico de natureza subtropical, estabeleceu--se pelo contrário a grande propriedade trabalhada por escravos, a plantation. Na mesma altura, mas para o
interior, nos elevados vales da cordilheira dos Apalaches, onde a
altitude corrige a latitude, reaparece novamente a colonização por
pequenas propriedades. A influência dos fatores naturais é tão
sensível nesta discriminação de tipos agrários que ela acaba se
impondo mesmo quando o objetivo inicial e deliberado de seus promotores é outro. Assim na Geórgia e Carolina, onde nos achamos em
zona nitidamente subtropical, a intenção dos organizadores da colonização (neste caso, como em geral nas colônias inglesas, companhias ou indivíduos concessionários) foi constituir um regime de
pequenas propriedades de área proporcional à capacidade de trabalho próprio de cada lavrador; com este critério iniciou-se a colonização e a distribuição das terras. Mas frustrou-se tal objetivo, e o plano inicial fracassou, instituindo-se em lugar dele o
tipo geral das colônias tropicais.
Nas ilhas de Barbados passou-se qualquer coisa de semelhante.
A primeira organização que se estabeleceu aí foi de propriedades
regularmente subdivididas, e não se empregou o trabalho escravo em
escala apreciável. Mas pouco depois, introduzia-se na ilha a cultura eminentemente tropical da cana-de-açúcar: as propriedades se
congregam, transformando-se em imensas plantações; e os escravos,
em número de pouco mais de 6.000, em 1643, sobem, 23 anos depois,
para mais de 50.000.
A grande propriedade será acompanhada no Brasil pela monocultura; os dois elementos são correlatos e derivam das mesmas causas. A agricultura tropical tem por objetivo único a produção de
certos gêneros de grande valor comercial, e por isso altamente lucrativos. Não é com outro fim que se enceta, e não fossem tais as
perspectivas, certamente não seria tentada ou logo pereceria. É
fatal portanto que todos os esforços sejam canalizados para aquela
produção; mesmo porque o sistema da grande propriedade trabalhada
por mão-de-obra inferior, como é a regra nos trópicos, e será o
caso no Brasil, não pode ser empregada numa exploração diversificada e de alto nível técnico.
Com a grande propriedade monocultural instala-se no Brasil o
trabalho escravo. Não somente Portugal não contava com população
bastante para abastecer sua colônia de mão-de-obra suficiente, como também, já o vimos, o português, como qualquer outro colono europeu, não emigra para os trópicos, em princípio, para se engajar

como simples trabalhador assalariado do campo. A escravidão tornase assim uma necessidade: o problema e a solução foram idênticos
em todas as colônias tropicais e mesmo subtropicais da América.
Nas inglesas, onde se tentaram a princípio outras formas de trabalho, aliás uma semi-escravidão de trabalhadores brancos, os indentured servants, a substituição pelo negro não tardou muito. É aliás esta exigência da colonização dos trópicos americanos que explica o renascimento, na civilização ocidental, da escravidão em
declínio desde fins do Império Romano, e já quase extinta de todo
neste séc. XVI em que se inicia aquela colonização.
Assinalei que no Brasil se recorreu, a princípio, ao trabalho
dos indígenas. Estes já se tinham iniciado na tarefa no período
anterior da extração do pau-brasil; prestar-se-iam agora, mais ou
menos benevolentemente, a trabalharem na lavoura de cana. Mas esta
situação não duraria muito. Em primeiro lugar, à medida que afluíam mais colonos, e portanto as solicitações de trabalho, ia decrescendo o interesse dos índios pelos insignificantes objetos com
que eram dantes pagos pelo serviço. Tornam-se aos poucos mais exigentes, e a margem de lucro do negócio ia diminuindo em proporção.
Chegou-se a entregar-lhes armas, inclusive de fogo, o que foi rigorosamente proibido, por motivos que se compreendem. Além disto,
se o índio, por natureza nômade, se dera mais ou menos bem com o
trabalho esporádico e livre da extração do pau-brasil, já não acontecia o mesmo com a disciplina, o método e os rigores de uma
atividade organizada e sedentária como a agricultura. Aos poucos
foi-se tornando necessário forçá-lo ao trabalho, manter vigilância
estreita sobre ele e impedir sua fuga e abandono da tarefa em que
estava ocupado. Daí para a escravidão pura e simples foi apenas um
passo. Não eram passados ainda 30 anos do início da ocupação efetiva do Brasil e do estabelecimento da agricultura, e já a escravidão dos índios se generalizara e instituíra firmemente em toda
parte.
Isto não se fez, aliás, sem lutas prolongadas. Os nativos se
defenderam valentemente; eram guerreiros, e não temiam a luta. A
princípio fugiam para longe dos centros coloniais; mas tiveram logo de fazer frente ao colono que ia buscá-los em seus refúgios.
Revidaram então à altura, indo assaltar os estabelecimentos dos
brancos; e quando obtinham vitória, o que graças a seu elevado número relativamente aos poucos colonos era freqüente, não deixavam
pedra sobre pedra nos núcleos coloniais, destruindo tudo e todos
que lhes caíam nas mãos.
Foi este um período agitado da história brasileira. Às guerras
entre colonos e indígenas acrescentaram-se logo as intestinas destes últimos, fomentadas pelos brancos e estimuladas pelo ganho que
dava a venda de prisioneiros capturados na luta. De toda esta agitação eram os índios naturalmente que levavam o pior; mas nem por
isso os colonos deixaram de sofrer muito. São inúmeros os casos
conhecidos de destruição total dos nascentes núcleos; certos setores do litoral brasileiro sofreram tanto dos ataques indígenas que
nunca chegaram a se organizar normalmente; e vegetaram na mediocridade, assistindo periodicamente à destruição de suas lavouras e
povoações. Estão no caso o sul do atual Estado da Bahia e o Espírito Santo. Até princípios do século passado ainda sofrerão dura-

mente da agressividade dos índios.
Para fazer frente a este estado de coisas, a metrópole procurará legislar na matéria. Data de 1570 a primeira carta régia a
respeito. Estabelece-se nela o direito da escravidão dos índios,
mas limitada aos aprisionados em "guerra justa". Era entendida como tal aquela que resultasse de agressão dos indígenas, ou que
fosse promovida contra tribos que recusavam submeter-se aos colonos a entrarem em entendimentos com eles. A esta lei sucederam-se,
a jato contínuo, outras sucessivas que seria muito longo analisar
aqui. Mas todas mantiveram em princípio a escravidão dos índios,
que somente será abolida inteiramente em meados do séc. XVIII.
Manter-se-á, aliás, mesmo depois, embora mais ou menos disfarçada.
A questão indígena e os atritos dela resultantes nunca serão
resolvidos no Brasil senão indiretamente pelo recurso a outras
fontes de trabalho, como veremos abaixo, o que aliviará os índios.
Mesmo assim, sobretudo em regiões mais pobres que não poderão pagar o elevado preço dos escravos africanos, os colonos nunca abrirão mão de sua pretensão de constranger os índios ao trabalho; e
não houve lei ou limitação que os detivesse. Este será, entre outros, o caso de São Vicente (hoje São Paulo). A luta aí continuará
vivíssima pelo séc. XVII adiante, e os paulistas irão buscar os
índios em fuga nos mais longínquos territórios. Daí estas expedições conhecidas por "bandeiras", que percorrerão todo o interior
do continente e que alargarão consideravelmente, embora sem consciência disto, os limites das possessões portuguesas. Entre suas
vítimas estarão as missões dos Jesuítas, que se tinham localizado
com seus índios domesticados numa sucessão de núcleos estendidos
pelo coração do continente, desde o rio Uruguai, no Sul, até o alto Amazonas. Periodicamente, estas missões serão atacadas pelas
bandeiras, que levarão os índios encontrados em cativeiro. Em muitos casos, os padres desalojados abandonarão a partida; e o território, antes ocupado por eles (e incluídos por isso até então,
porque eles eram de origem espanhola, nos domínios castelhanos)
ficará livre para a expansão da colonização portuguesa. A caça ao
índio será um dos principais fatores da grandeza atual do Brasil.
Além da resistência que ofereceu ao trabalho, o índio se mostrou mau trabalhador, de pouca resistência física e eficiência mínima. Nunca teria sido capaz de dar conta de uma tarefa colonizadora levada em grande escala. Está aí o exemplo da Amazônia, onde
não chegou a ser substituído em escala apreciável por outro trabalhador e onde, em grande parte por isso, a colonização estacionou
até quase nossos dias. É que, de um lado, seu número era relativamente pequeno; doutro, o índio brasileiro, saindo de uma civilização muito primitiva, não podia adaptar-se com a necessária rapidez
ao sistema e padrões de uma cultura tão superior à sua, como era
aquela que lhe traziam os brancos. O Brasil, neste assunto, estava
em situação radicalmente diversa do México e dos países andinos.
Aqui será o negro africano que resolverá o problema do trabalho. Os portugueses estavam bem preparados para a substituição; já
de longa data, desde meados do séc. XV, traficavam com pretos escravos adquiridos nas costas da África e introduzidos no Reino europeu onde eram empregados em várias ocupações; serviços domésticos, trabalhos urbanos pesados, e mesmo na agricultura. Também se

utilizavam nas ilhas (Madeira e Cabo Verde), colonizadas pelos
portugueses na segunda metade daquele século. Não se sabe ao certo
quando apareceram pela primeira vez no Brasil; há quem afirme que
vieram já na primeira expedição oficial de povoadores (1532). O
fato é que na metade do século eles são numerosos.
O processo de substituição do índio pelo negro prolongar-se-á
até o fim da era colonial. Far-se-á rapidamente em algumas regiões: Pernambuco, Bahia. Noutras será muito lento, e mesmo imperceptível em certas zonas mais pobres, como no Extremo-Norte (Amazônia), e até o séc. XIX em São Paulo. Contra o escravo negro havia um argumento muito forte: seu custo. Não tanto pelo preço pago
na África; mas em conseqüência da grande mortandade a bordo dos
navios que faziam o transporte. Mal alimentados, acumulados de
forma a haver um máximo de aproveitamento de espaço, suportando
longas semanas de confinamento e as piores condições higiênicas,
somente uma parte dos cativos alcançavam seu destino. Calcula-se
que, em média, apenas 50% chegavam com vida ao Brasil; e destes,
muitos estropiados e inutilizados. O valor dos escravos foi assim
sempre muito elevado, e somente as regiões mais ricas e florescentes podiam suportá-lo.
Mas seja com escravos africanos, escravos ou semi-escravos indígenas, a organização das grandes propriedades açucareiras da colônia foi sempre, desde o início, mais ou menos a mesma. É ela a
da grande unidade produtora que reúne num mesmo conjunto de trabalho produtivo, um número mais ou menos avultado de indivíduos sob
a direção imediata do proprietário ou seu feitor. Ê a exploração
em larga escala, que conjugando áreas extensas e numerosos trabalhadores, constitui-se como uma única organização coletiva do trabalho e da produção. Opõe-se assim à pequena exploração parcelaria
realizada diretamente por proprietários ou arrendatários.
O seu elemento central é o engenho, isto é, a fábrica propriamente, onde se reúnem as instalações para a manipulação da cana e
o preparo do açúcar. O nome de "engenho" estendeu-se depois da fábrica para o conjunto da propriedade com suas terras e culturas:
"engenho" e "propriedade canavieira" se tornaram sinônimos. Embora
o proprietário explore, em regra, diretamente suas terras (como
ficou entendido acima), há casos freqüentes em que cede partes delas a lavradores que se ocupam com a cultura e produzem a cana por
conta própria, obrigando-se contudo a moerem sua produção no engenho do proprietário. São as chamadas fazendas obrigadas; o lavrador recebe metade do açúcar extraído da sua cana, e ainda paga pelo aluguel das terras que utiliza urna certa porcentagem, variável
segundo o tempo e os lugares, e que vai de 5 a 20%. Há também os
lavradores livres, proprietários das terras que ocupam, e que fazem moer a sua cana no engenho que entendem; recebem então a meação integral. Os lavradores, embora estejam socialmente abaixo dos
senhores de engenho, não são pequenos produtores, da categoria de
camponeses. Trata-se de senhores de escravos, e suas lavouras, sejam em terras próprias ou arrendadas, formam como os engenhos
grandes unidades.
A razão por que nem todas as propriedades dispõem de engenho
próprio são as proporções e o custo das instalações necessárias. O
engenho é um estabelecimento complexo, compreendendo numerosas

construções e aparelhos mecânicos: moenda (onde a cana é espremida); caldeira, que fornece o calor necessário ao processo de purificação do caldo; casa de purgar, onde se completa esta purificação. Além de outras, o que todas as propriedades possuem é, em regra, a casa-grande, a habitação do senhor; a senzala dos escravos;
e instalações acessórias ou suntuarias: oficinas, estrebarias,
etc. Suas terras, além dos canaviais, são reservadas para outros
fins: pastagens para animais de trabalho; culturas alimentares para o pessoal numeroso; matas para fornecimento de lenha e madeira
de construção. A grande propriedade açucareira é um verdadeiro
mundo em miniatura em que se concentra e resume a vida toda de uma
pequena parcela da humanidade.
O número de trabalhadores é naturalmente variável. Nos bons
engenhos, os escravos são de 80 a 100. Chegam às vezes a muito
mais; há notícias, embora isto já se refira ao século XVIII, de
engenhos com mais de 1.000 escravos. Os trabalhadores livres são
raros, apenas nas funções de direção e nas especializadas: feitores, mestres, purgadores, caixeiros (são os que fazem as caixas em
que o açúcar é acondicionado), etc. São, aliás, mais freqüentemente, antigos escravos libertos.
Além do açúcar, extrai-se também da cana a aguardente. É um
subproduto de grande consumo na colônia, e que se exportava para
as costas da África, onde servia no escambo e aquisição de escravos. A par das destilarias de aguardente anexas aos engenhos, há
os estabelecimentos próprios e exclusivos para este fim; são as
engenhocas ou molinetes, em regra de proporções mais modestas que
os engenhos, pois as instalações para o preparo da aguardente são
muito mais simples e menos dispendiosas. A aguardente é uma produção mais democrática que o aristocrático açúcar. Há no entanto
destilarias com dezenas de escravos.
Durante mais de século e meio a produção do açúcar, com as características assinaladas, representará praticamente a única base
em que assenta a economia brasileira. Aliás sua importância, mesmo
internacional, é considerável. Até meados do séc. XVII o Brasil
será o maior produtor mundial de açúcar, e é somente então que começarão a aparecer concorrentes sérios: as colônias da América
Central e Antilhas. Contando com tal fator, a colonização brasileira, superados os problemas e as dificuldades do primeiro momento, desenvolveu-se rápida e brilhantemente, estendendo-se cada vez
mais para novos setores. E cada extensão corresponde efetivamente
a um alargamento da área canavieira. Os dois grandes núcleos iniciais estão, como já foi referido, na Bahia e em Pernambuco. Num
segundo plano está São Vicente. De Pernambuco, a colonização se
alargou para o sul e norte, acompanhando sempre a fímbria costeira; para o interior esbarraria com a zona semi-árida do sertão
nordestino. Na direção setentrional interrompe-se a expansão no
Rio Grande do Norte; além, desaparecem os solos férteis, que são
substituídos por extensões arenosas impróprias para qualquer forma
de agricultura. Somente pequenos núcleos de importância mínima vão
surgir esparsos na costa setentrional do Brasil: no Maranhão, na
foz do rio Amazonas.
Na Bahia o movimento mais ou menos estacionou em torno da baía
de Todos os Santos; mas tomará tamanho vulto que não será superado

por nenhum outro setor da colônia. Localiza-se aí o maior centro
produtor. Na costa meridional da Bahia (Porto Seguro, Ilhéus) formam-se pequenos centros açucareiros; mas a hostilidade permanente
dos índios, bem como outras condições menos favoráveis, como a
qualidade do solo, impediram qualquer progresso apreciável. No Espírito Santo dá-se mais ou menos a mesma coisa. Para o sul, finalmente, a produção de açúcar concentrar-se-á na vizinhança do Rio
de Janeiro e em São Vicente. Também estes centros, devido sobretudo à sua posição excêntrica e afastamento dos mercados europeus
onde se consumia o açúcar brasileiro, não gozarão nesta primeira
fase da história brasileira de grande prosperidade. Até o séc.
XVIII permanecerão num apagado segundo plano.
Além do açúcar, embora em escala relativamente pequena, começará a cultivar-se também, desde princípios do séc. XVII, o tabaco. Trata-se, como se sabe, de uma planta indígena da América, e
cujo produto teve logo crescente aceitação na Europa. Mas não é só
com este objetivo que se cultivou no Brasil, e sim também para ser
utilizada no tráfico de escravos; o tabaco servirá para adquirilos pelo escambo na costa da África, e será em grande parte em
função deste negócio que se desenvolverá a cultura brasileira.
Quando em princípios do séc. XIX começam a se estabelecer restrições ao tráfico, a produção entrará paralelamente em crise. Mas
até esta época será próspera, e embora de segundo plano e muito
inferior à do açúcar, merece algum destaque.
O centro principal da produção é na Bahia, e como a do açúcar
desta região, no contorno do Recôncavo, particularmente na vila de
Cachoeira. Outras zonas produtoras serão em Sergipe e Alagoas.

5
Atividades Acessórias

NUMA ECONOMIA como a brasileira -- particularmente em sua primeira fase -- é preciso distinguir dois setores bem diferentes da
produção. O primeiro é dos grandes produtos de exportação, como o
açúcar e o tabaco, que vimos no capítulo anterior; o outro é das
atividades acessórias cujo fim é manter em funcionamento aquela
economia de exportação. São sobretudo as que se destinam a fornecer os meios de subsistência à população empregada nesta última, e
poderíamos, em oposição à outra, denominá-la economia de subsistência. A distinção é muito importante, porque além das características próprias que acompanham um e outro setor, ela serve para
conclusões de grande relevo na vida e na evolução econômica da colônia. No primeiro capítulo em que procurei destacar o caráter geral da colonização brasileira, já se verificou que ele é o de uma
colônia destinada a fornecer ao comércio europeu alguns gêneros
tropicais de grande expressão econômica. É para isto que se constituiu. A nossa economia subordinar-se-á por isso inteiramente a
tal fim, isto é, se organizará e funcionará para produzir e exportar aqueles gêneros. Tudo mais que nela existe, e que, aliás, será
sempre de pequena monta, é subsidiário e destinado unicamente a
amparar e tornar possível a realização daquele objetivo essencial.
Inclui-se aí a economia de subsistência de que trataremos agora. Ao contrário da cana-de-açúcar, onde encontramos a exploração
em larga escala, neste setor são outras formas e tipos de organização que vamos observar. Eles são aliás variáveis. Encontramos a
produção de gêneros de consumo, em primeiro lugar, incluída nos
próprios domínios da grande lavoura, nos engenhos e nas fazendas.
Estes são em regra autônomos no que diz respeito à subsistência
alimentar daqueles que os habitam e neles trabalham. Praticam-se
aí, subsidiariamente, as culturas necessárias a este fim, ou nos
mesmos terrenos dedicados à cultura principal, e entremeando-a, ou
em terras à parte destinadas especialmente a elas. Parte é realizada por conta do proprietário, que emprega os mesmos escravos que
tratam da lavoura principal e que não estão permanentemente ocupados nela; outra, por conta dos próprios escravos, aos quais se
concede um dia por semana, geralmente o domingo, e até às vezes,
no caso de um senhor particularmente generoso, mais outro dia
qualquer, para tratarem de suas culturas. Assim, de um modo geral,
pode-se dizer que a população rural da colônia ocupada nas grandes
lavouras e que constitui a quase totalidade dela, provê suficientemente a sua subsistência com culturas alimentares a que se dedica subsidiariamente, e sem necessidade de recorrer para fora.
Não está nestas condições a urbana. É certo que no primeiro
século e meio da colonização os centros urbanos são muito pequenos. Assim mesmo, incluem uma população dedicada sobretudo à administração e ao comércio que não tem tempo nem meios para ocupar-se
de sua subsistência, e cujo número é suficiente para fazer sentir

o problema da sua manutenção. Em parte, abastecem-na com seus excessos os grandes domínios. Parte pequena, freqüentemente nula. O
açúcar se encontra numa fase de prosperidade ascendente; os preços
são vantajosos", e os esforços se canalizam no máximo para sua
produção. Não sobra assim grande margem para atender às necessidades alimentares dos centros urbanos. Por este motivo constituem-se
lavouras especializadas, isto é, dedicadas unicamente à produção
de gêneros de manutenção. Forma-se assim um tipo de exploração rural diferente, separado da grande lavoura, e cujo sistema de organização é muito diverso. Trata-se de pequenas unidades que se aproximam do tipo camponês europeu em que é o proprietário que trabalha ele próprio, ajudado quando muito por pequeno número de auxiliares, sua própria família em regra, e mais raramente algum escravo. A população indígena contribuiu em grande parte para esta
classe de pequenos produtores autônomos. Os primeiros colonos chegados tiveram naturalmente que apelar, de início, para os índios a
fim de satisfazerem suas necessidades alimentares; ocupados em organizarem suas empresas, não lhes sobrava tempo para se dedicarem
a outras atividades. Os índios, que no seu estado nativo já praticavam alguma agricultura, embora muito rudimentar e seminômade,
encontraram neste abastecimento dos colonos brancos um meio de obter os objetos e mercadorias que tanto prezavam. Muitos deles foram-se por isso fixando em torno dos núcleos coloniais e adotando
uma vida sedentária. Mestiçando-se depois aos poucos, e adotando
os hábitos e costumes europeus, embora de mistura com suas tradições próprias, constituirão o que mais tarde se chamou de "caboclos", e formarão o embrião de uma classe média entre os grandes
proprietários e os escravos.
Quanto aos produtos desta pequena agricultura de subsistência,
eles foram em grande parte procurados na cultura indígena. Assim,
diferentes espécies de tubérculos, em particular a mandioca (manihot utilissima, Pohl). Este gênero será a base da alimentação vegetal da colônia, e cultivar-se-á em toda parte. Depois da mandioca vem o milho, cujo valor é acrescido pelo fato de tratar-se de
excelente forragem animal. O arroz e o feijão seguem nesta lista.
As verduras, pelo contrário, sempre foram pouco consumidas na colônia. A abundância de frutas substituiu suas qualidades nutritivas; não somente a flora nativa do Brasil conta com grande número
de frutas comestíveis e saborosas, como algumas espécies exóticas
(a banana e a laranja, sobretudo), introduzidas desde o início da
colonização, foram largamente disseminadas.
O papel secundário a que o sistema econômico do país, absorvido pela grande lavoura, vota à agricultura de subsistência, determinou um problema dos mais sérios que a população colonial teve
de enfrentar. Refiro-me ao abastecimento dos núcleos de povoamento
mais denso, onde a insuficiência alimentar se tornou quase sempre
a regra. Naturalmente a questão aparece mais seriamente no séc.
XVIII, quando os centros urbanos adquirem relativa importância;
mas o problema já existe desde o princípio da colonização, e a legislação preocupa-se muito com ele. Estabelecem-se medidas obrigando os proprietários a plantarem mandioca e outros alimentos;
gravam-se as doações de terras com a obrigação de se cultivarem
gêneros alimentares desde o primeiro ano da concessão. E assim ou-

tras. Todas estas medidas eram mais ou menos frustradas na prática. As atenções estavam fixas no açúcar, cuja exportação deixava
grande margem de lucros, e ninguém dará importância aos gêneros
alimentares. Um grande senhor de engenho chegará a lançar seu formal desafio às leis que o compeliam ao plantio da mandioca; "Não
planto um só pé de mandioca, escreverá ele dirigindo-se. às autoridades, para não cair no absurdo de renunciar à melhor cultura do
país pela pior que nele há..." Compreende-se aliás esta atitude
dos grandes proprietários e senhores de engenho. O problema da carestia e da falta de alimentos não existia para eles, e convinhalhes muito mais plantar a cana, embora pagassem preços mais elevados pelos gêneros que consumiam. E como eram eles que detinham a
maior e melhor parte das terras aproveitáveis, o problema da alimentação nunca se resolverá convenientemente. A população colonial, com exceção apenas das suas classes mais abastadas, viverá
sempre num crônico estado de subnutrição. A urbana naturalmente
sofrerá mais; mas a rural também não deixará de sentir os efeitos
da ação absorvente e monopolizadora da cana-de-açúcar que reservara para si as melhores terras disponíveis.
As importantes conseqüências deste fato, que podem ser avaliadas sem necessidade de maior insistência na matéria, justifica
suficientemente só por si a necessidade de distinguir na economia
brasileira aqueles dois setores em que se dividem suas atividades
produtivas: o da grande lavoura e o da subsistência. Se não, não
se explicaria este quadro característico da vida colonial: de um
lado abastança, prosperidade e grande atividade econômica; doutro,
a falta de satisfação da mais elementar necessidade da grande massa da população: a fome.
Neste setor da subsistência também entra a pecuária. Ela também se destina a satisfazer as necessidades alimentares da população. A carne de vaca será um dos gêneros fundamentais do consumo colonial. Mas a pecuária, apesar da importância relativa que
atinge, e do grande papel que representa na colonização e ocupação
de novos territórios, é assim mesmo uma atividade nitidamente secundária e acessória. Havemos de observá-lo em todos os caracteres
que a acompanham: o seu lugar será sempre de segundo plano, subordinando-se às atividades principais da grande lavoura, e sofrendolhe de perto todas as contingências.
A começar pela sua localização. A cultura da cana não permitiu
que se desenvolvesse nos férteis terrenos da beira-mar. Relegou-a
para o interior mesmo quando este apresentava os maiores inconvenientes à vida humana e suas atividades, como se dá em particular
no sertão do Nordeste. Alia-se aí uma baixa pluviosidade à grande
irregularidade das precipitações. Estas se concentram em dois ou
três meses do ano; e isto nos casos mais felizes, porque são freqüentes as secas prolongadas, de anos seguidos de falta completa
de chuvas. Um tal regime determinou condições fisiográficas particulares e muito desfavoráveis. Com a exceção de uns raríssimos rios, todos os cursos d'água desta vasta região que abrange mais
1.000.000 km2, são intermitentes, e neles se alterna a ausência
prolongada e total de água, com cursos torrenciais, de pequena duração, mas arrasadores na sua violência momentânea. A vegetação
compõe-se de uma pobre cobertura de plantas hidrófilas em que pre-

dominam as cactácias. Unicamente nos raros períodos de chuvas nelas se desenvolve uma vegetação mais aproveitável que logo depois
das precipitações é crestada pela ardência do sol.
Ê nesta região ingrata que se desenvolve a pecuária que abastecerá os núcleos povoados do litoral norte, do Maranhão até a Bahia Pode-se avaliar como seria baixo seu nível econômico e índice
de produtividade. Basta dizer que neste milhão de quilômetros quadrados, praticamente todo ocupado, o número de cabeças de gado não
alcançará talvez nunca 2 milhões, umas duas cabeças em média por
quilômetro. Quanto à qualidade, ela também é ínfima: as reses, em
média, não fornecerão mais de 120 kg de carne por animal; e carne
de pouco valor.
Apesar das condições desvantajosas -- em parte graças a elas
porque forçaram uma grande dispersão --, as fazendas de gado se
multiplicaram rapidamente, estendendo-se, embora numa ocupação
muito rala e cheia de vácuos, por grandes áreas. Seu centros de
irradiação são a Bahia e Pernambuco. A partir do primeiro, elas se
espalham sobretudo para norte e noroeste em direção do rio São
Francisco, que já é alcançado em seu curso médio no correr do séc.
XVII. De Pernambuco, o movimento também segue uma direção norte e
noroeste, indo ocupar o interior dos atuais Estados da Paraíba e
do Rio Grande do Norte. Um núcleo secundário que também deu origem
a um certo movimento expansionista de fazendas de gado é o Maranhão: elas se localizam aí ao longo do rio Itapicuru.
A rapidez com que se alastraram as fazendas no sertão nordestino se explica, de uma parte, pelo consumo crescente do litoral onde se desenvolvia ativamente a produção açucareira e o povoamento; doutra, pela pequena densidade econômica e baixa produtividade da indústria. Mas também pela facilidade com que se estabeleciam as fazendas: levantada uma casa, coberta em geral de
palha -- são as folhas de uma espécie de palmeira, a carnaubeira,
muito abundante, que se empregam --, feitos uns toscos currais e
introduzido o gado (algumas centenas de cabeças), estão ocupadas
três léguas (área média das fazendas) e formado um estabelecimento. Dez ou doze homens constituem o pessoal necessário:
recrutam-se entre índios e mestiços, bem como entre foragidos dos
centros policiados do litoral: criminosos escapos da justiça, escravos em ruga, aventureiros de toda ordem que logo abundam numa
região onde o deserto lhes dá liberdade e desafogo.
Uma fazenda se constitui em regra com três léguas dispostas ao
longo de um curso d'água, por uma de largura, sendo meia para cada
margem. Daí aliás o nome genérico de "ribeira" que se dá às várias
regiões do interior nordestino: a designação vem da estrutura do
povoamento que se origina nas fazendas que margeiam os rios. Entre
cada fazenda medeava uma légua de terras que se conservam devolutas; nesta légua nenhum dos confinantes pode levantar construções
ou realizar quaisquer obras. Ela serve apenas de divisa, providência necessária onde, por falta de materiais apropriados, não se
usam cercas ou quaisquer outras tapagens. Evitam-se assim as incursões do gado em fazendas vizinhas e confusão dos rebanhos.
O trabalho é em regra livre. Nestes territórios imensos, pouco
povoados e sem autoridades, é difícil manter a necessária vigilância sobre trabalhadores escravos. A fazenda é dirigida por um

administrador, o vaqueiro; o proprietário, em regra senhor de muitas fazendas, é um absentista que reside ordinariamente nos grandes centros do litoral.
Para o abastecimento dos núcleos coloniais do Sul (Rio de Janeiro, São Vicente), formam-se outras regiões criatórias. O Rio de
Janeiro se abastece, sobretudo nesta primeira fase da colonização,
nos chamados Campos dos Goitacases, que ficam a leste do atual Estado da Guanabara, margeando o baixo curso do rio Paraíba. São Vicente -- e subsidiariamente também o Rio de Janeiro -- recebem seu
gado dos Campos Gerais estendidos para o sul dos atuais Estados de
São Paulo e Paraná. Nestas regiões as condições naturais são muito
superiores às do Nordeste. A qualidade do gado é por isso melhor,
sua densidade mais elevada. E em conseqüência as fazendas não se
dispersaram tanto como no Nordeste. Em parte também porque o Rio
de Janeiro e São Vicente constituem, nos dois primeiros séculos,
núcleos secundários e muito menos povoados que os do Norte; as suas necessidades de carne são por isso menores.

EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO
1640-1770

6
Novo Sistema Político e
Administrativo na Colônia

DE 1580 A 1640 a coroa portuguesa esteve reunida à da Espanha.
O reino de Portugal não foi englobado na monarquia espanhola; embora sob a dominação do mesmo monarca, conservou sua autonomia,
sendo governado por um Vice-Rei em nome do soberano espanhol. Foi
um período sombrio da história portuguesa. Descuraram-se por completo seus interesses; e o reino teve de participar da desastrosa
política guerreira dos Habsburgos na Europa, contribuindo para ela
com gente e avultados recursos. Portugal sairia arruinado da dominação espanhola, a sua marinha destruída, o seu império colonial
esfacelado. Os Países-Baixos e a Inglaterra, com que a Espanha estivera em luta quase permanente, ocuparão, para não mais a devolver, boa parte das possessões portuguesas. Estava definitivamente
perdido para Portugal o comércio asiático; as pequenas colônias
que ainda conservará no Oriente não têm expressão apreciável. Efetivamente só lhe sobrariam do antigo império ultramarino o Brasil
e algumas posses na África. Estas aliás só valerão como fornecedores de escravos para o Brasil. Na própria colônia americana a soberania portuguesa correrá grande risco. Além de incursões esporádicas de ingleses e holandeses, estes últimos ocuparão efetivamente durante longos anos boa parte da colônia. Em 1630 instalam-se
em Pernambuco, e daí estendem suas conquistas para o sul até Alagoas, e para o norte até o Maranhão. É somente depois de restaurada a independência portuguesa que os holandeses serão definitivamente expulsos do Brasil (1654).
Todas estas circunstâncias determinarão profunda modificação
da política de Portugal com relação à colônia. A prosperidade, a
própria existência do Reino europeu passavam a depender exclusivamente dela. Tratava-se pois de tirar-lhe o maior proveito e
partido possíveis. Doutro lado, o empobrecimento de Portugal, privado do comércio asiático que durante mais de um século lhe fornecera o melhor de seus recursos, força o êxodo em larga escala de
sua população que procurará na colônia americana os meios de subsistência que já não encontrava na mãe pátria. A emigração para o
Brasil será, a partir de meados do séc. XVII, considerável. Ameaçou por vezes despovoar regiões importantes de Portugal, como o
Minho; e tomaram-se em conseqüência enérgicas medidas repressoras.

As leis que coíbem a emigração se sucedem sem interrupção por um
século; e a sua própria freqüência nos mostra que eram ineficazes.
Para o Brasil, naturalmente, este fato terá largas conseqüências. Determinará um rápido crescimento da população e extensão da
colonização. Até a primeira metade do séc. XVII esta se limitara a
uma estreita faixa ao longo do litoral, ou antes, pequenos núcleos
esparsos por ele; e um início de rala ocupação do interior nordestino. Depois daquela data, não somente se avolumará rapidamente
nos setores já ocupados, mas estender-se-á largamente pelo território, invadindo importantes áreas que pertenciam legitimamente à
Espanha. Em um século a contar de 1650, os portugueses terão ocupado efetivamente, embora de forma dispersa, todo o território que
ainda hoje constitui o Brasil. Quando em 1750 e posteriormente se
redigem os grandes tratados que limitariam definitivamente as possessões portuguesas e espanholas neste continente, a Espanha será
obrigada a reconhecer a soberania de Portugal sobre toda esta metade da América do Sul que forma o Brasil e que de direito lhe cabia na maior parte. E isto graças apenas à ocupação efetiva que,
antes dos espanhóis, realizara o colono e povoador português. A
ruína de Portugal significara o desenvolvimento desmesurado do
nosso país.
Mas a afluência ininterrupta de grandes levas de colonos não
terá no Brasil apenas este efeito. Provocará um grande distúrbio
do equilíbrio econômico e social da colônia. A concorrência dos
recém-vindos que procuram naturalmente desalojar os já estabelecidos de suas posições, dará origem a um conflito permanente que
não raro degenerou em luta armada. Os últimos anos do séc. XVII e
primeira metade do seguinte caracterizam-se por uma sucessão de
atritos mais ou menos graves entre os naturais da colônia è os adventícios. O reforçamento da administração pública e da coação metropolitana conseguirão superar a situação em meados do séc. XVIII,
impedindo-a de degenerar em violências. Mas as rivalidades continuarão a lavrar surdamente e irão explodir afinal, em princípios
do século passado, nas lutas pela emancipação.
De fato, ao mesmo tempo que progride o afluxo de novos colonos, a administração colonial se reforça. A começar pela alta direção governamental. No primeiro século da colonização não havia
em Portugal aparelhamento algum destinado especialmente à administração da colônia. Os assuntos relativos a ela corriam pelas repartições ordinárias da administração portuguesa. Sob o domínio
castelhano, criou-se em Portugal, à imitação do que havia em Sevilha, um Conselho das Índias. Isto se fez em 1604. Mas, aos poucos
voltar-se-á à situação anterior, dispersando-se novamente os serviços administrativos da colônia. Um dos primeiros cuidados do soberano português restaurado em 1640 (D. João IV), foi restabelecer
a unidade administrativa criando o Conselho Ultramarino, cujo regulamento data de 14 de julho de 1642, e que permanecerá até o fim
da era colonial.
No que diz respeito à administração local, a centralização e
reforçamento do poder real é sensível. Os antigos donatários das
capitanias serão cada vez mais subordinados a governadores nomeados pelo Rei. Já em 1584, diante do fracasso da maior parte dos
donatários, criara-se um governo geral que embora respeitando os

direitos daqueles senhores feudais das capitanias, exercerá sobre
eles uma supervisão geral e auxiliá-los-á quando necessário. Este
governo geral foi, em épocas distintas, separado em dois, repartindo-se entre eles o território da colônia, e reunido novamente
num só. Mas a partir dos fins do séc. XVII, os poderes e a jurisdição dos donatários serão cada vez mais restringidos e absorvidos
pelos governadores reais. Aqueles ficarão aos poucos reduzidos unicamente aos direitos pecuniários que auferiam de suas capitanias. Quem administrava efetivamente a colônia eram os delegados do
Rei. Aliás os donatários desaparecerão logo completamente, pois a
coroa resgatar-lhes-á por compra os direitos hereditários de que
gozavam. Compelindo-o muitas vezes a isto contra sua vontade. Em
meados do séc. XVIII todas as capitanias terão voltado ao domínio
direto da coroa, e serão governadas por funcionários de nomeação
real.
Ainda mais importante que este aspecto da evolução centralizadora da política e administração metropolitanas relativas ao
Brasil, é a decadência das autoridades locais. Refiro-me às Câmaras municipais. Repetindo aqui as instituições do Reino, tinhamse criado órgãos eletivos para a administração local. As Câmaras,
em Portugal, já tinham perdido a maior parte de sua importância
quando se inicia a colonização do Brasil. Mas suas congêneres da
colônia adquirirão, desde logo, um poder considerável. É fácil explicá-lo pelo isolamento em que viviam os colonos e a debilidade
de uma administração longínqua e mal representada aqui por donatários indiferentes por tudo quanto não fosse a percepção de proveitos pecuniários. Grande parte dos negócios públicos, inclusive matérias relevantes de caráter geral, eram tratados e resolvidos nas
Câmaras, que chegaram num momento a legislar sobre quase todos os
assuntos governamentais.
Isto vai desaparecer com a nova ordem instituída em meados do
séc. XVII. Os representantes diretos do poder real irão aos poucos
reivindicando para si toda a autoridade, e acabam transformando as
Câmaras em simples executoras de ordens deles emanadas. Um dos
maiores golpes desferidos nas franquias locais foi a introdução
dos juízes-de-fora no Brasil em substituição aos juízes ordinários
de eleição popular. Além de suas funções jurisdicionais, cabia aos
juízes a presidência das Câmaras. É em 1696 que são criados os
primeiros juízes-de-fora de nomeação do Rei: na Bahia, no Rio de
Janeiro e em Pernambuco, isto é, nas três principais vilas da colônia. Na Bahia (capital então do Brasil) foi-se ainda mais longe,
pois nessa época deixaram os vereadores (membros da Câmara) de ser
eleitos, passando a ser escolhidos por nomeação régia.
Além destas, ainda outras medidas indicam a progressiva centralização da administração pública em benefício do poder régio e
em detrimento da autonomia local. Tudo isto, embora não pertença
propriamente à história econômica, tem grande reflexo nela, pois
assistiremos paralelamente ao desenvolvimento de uma nova política
econômica, derivada das mesmas causas e apoiando-se naquele sistema administrativo absorvente e centralizador. Até então a política
metropolitana se caracterizara por um largo liberalismo. Afora o
monopólio de certas atividades, como o da extração do pau-brasil e
de outras de somenos importância, os colonos não encontram embara-

ço algum de ordem econômica. Seus trabalhos e seu comércio eram
inteiramente livres, tanto dentro da colônia, como nas suas relações com o exterior.
Um dos aspectos deste liberalismo (de grande significação econômica) se manifesta no tratamento dispensado a estrangeiros. Era
facultado a estes não somente estabelecerem-se livremente na colônia, como exercerem nela quaisquer atividades; o comércio direto
entre o Brasil e países estrangeiros também não sofria restrição
alguma. No primeiro século da colonização encontramos não somente
grande número de alienígenas estabelecidos no Brasil, como ainda
transações mercantis regulares com nações estranhas, a Inglaterra
por exemplo. Com o domínio espanhol começaram as restrições; a Espanha estenderia para as colônias portuguesas, agora sob seu domínio, as normas que sempre caracterizaram sua política econômica.
Mas não foi fácil vencer desde logo os hábitos adquiridos; apesar
das determinações legais, vemos manter-se ainda por muito tempo
uma liberdade de fato que se tornava agora em contrabando. Provamno as repetidas determinações legais coercitivas que mostram corno
eram desrespeitadas.
Portugal independente não só manterá a mesma política, mas
torna-la-ás mais severa. Penas rigorosas serão impostas em 1660
àqueles que permitissem ou facilitassem o comércio de navios estrangeiros no Brasil. A estes só seria facultado penetrar nos portos da colônia por arribada forçada. Somente algumas potências obterão certas facilidades, mais ou menos impostas ao soberano português que apenas ascendera ao trono e ainda não se consolidara
nele. Assim a Inglaterra, a Holanda, a França. Ser-lhes-á permitido mandar seus navios ao Brasil; mas incorporados às frotas ou
comboios que se organizavam em Portugal com destino à colônia, e
fora dos quais era proibido navegar para lá. Encontraremos, ainda
em fins do séc. XVII e princípios do seguinte, alguns mercadores
estrangeiros estabelecidos no Brasil; um dos principais bairros do
Rio de Janeiro ainda conserva até hoje o nome de Flamengo, de uma
colônia de comerciantes daquela origem lá instalados. Haverá mesmo, nos principais centros, cônsules estrangeiros. Mas à medida
que avançamos pelo século XVIII tudo isto vai desaparecendo. Quando chegamos pelos fins do período que nos ocupa, meados daquele
século, o comércio brasileiro e o direito de se estabelecer no país estarão reservados exclusivamente aos nacionais portugueses.
Mas não são apenas os estrangeiros que se atingem com a nova
política econômica. As restrições alcançam também os súditos portugueses, os colonos do Brasil em particular. Já citei acima o
sistema de frotas, isto é, da navegação conjunta para o Brasil estabelecida de uma forma geral e definitiva em 1660 quando se proíbem as viagens isoladas; tanto na ida como na volta, os navios deviam viajar em comboio que, em época fixa, se organizava e seguia
seu destino. Isto foi estabelecido em parte para fugir ao ataque
de corsários que então infestavam os mares; mas também para facilitar a fiscalização do comércio e evitar contrabandos.
Já antes disto tinha sido adotado um sistema de monopólio comercial mais amplo. Trata-se das companhias privilegiadas, já adotadas por ingleses e holandeses em suas possessões, e que consistia em reservar a certas pessoas o direito exclusivo de reali-

zar o comércio externo da colônia. A primeira companhia privilegiada é estabelecida no Brasil em 1647.7 É-lhe concedido privilégio
do comércio em toda extensão da costa desde o Rio Grande do Noite
até São Vicente; isto é, o setor mais rico da colônia. Este privilégio teria a duração de vinte anos, prorrogável por mais dez à
vontade dos concessionários. Além de muitas outras vantagens, teria a Companhia o monopólio de todo vinho, azeite, farinha de trigo e bacalhau necessários ao consumo do Brasil. Esta última concessão levantou tamanhos protestos, e prejudicou tanto os colonos
pela deficiência de fornecimentos, que foi abolida doze anos depois, em 1659, embora se indenizasse largamente a Companhia pelo
prejuízo sofrido.
A parte da colônia que ficava para fora do privilégio, Pará e
Maranhão, terá também a sua companhia em 1682. É a Companhia do
Maranhão e Pará, que gozará de iguais concessões. E provocará por
isso no Maranhão uma revolta de conseqüências muito sérias (a chamada "revolta de Beckmann").
Esta política de privilégios e monopólios ainda se encontrará
em outros setores. Um monopólio que particularmente afetará a população colonial será o do sal. A venda deste gênero será reservada no Brasil com exclusividade a certos comerciantes; e, para
impedir o contrabando, proíbe-se sua produção no Brasil (1665). A
partir de 1647 encontramos também uma sucessão de medidas contra a
fabricação da aguardente, que se acreditava fazer concorrência aos
vinhos produzidos em Portugal. É de notar que neste caso a metrópole estava de mãos dadas com os senhores de engenho; a estes não
interessava muito a fabricação de aguardente, e a medida proibitiva forçava os proprietários mais modestos que não tinham recursos
para instalar engenhos de açúcar, a lhes venderem sua cana. Estas
medidas contudo nunca tiveram execução integral, difícil de obter
dada a abundância da matéria-prima e simplicidade da fabricação de
um produto de largo e muito disseminado consumo.
À medida que a população colonial vai crescendo e procura outras iniciativas em que aplicar suas atividades, a política de
restrições econômicas se acentua. Procura-se impedir a produção de
qualquer gênero que não interessasse diretamente à metrópole e seu
comércio, ou que fizesse concorrência à sua produção nacional. Assim se deu com o cultivo da oliveira, da vinha (duas das principais riquezas de Portugal), e das especiarias (em particular da
pimenta e da canela) que vinha interferir com o comércio asiático
e os interesses metropolitanos no Oriente. E quando em 1688 corre
a notícia da descoberta de jazidas de ferro no Maranhão -- notícia
aliás falsa, -- declara-se em Carta Régia que não convinha sua exploração, pois isto seria em grave dano ao comércio do Reino por
ser o ferro a melhor mercadoria com que negociava na colônia.8
Não precisamos ir adiante nesta enumeração. O que ficou dito
basta para caracterizar a nova política econômica da metrópole
portuguesa, que ao liberalismo do passado substituía um regime de

Notemos que seus participantes, segundo declaração expressa da lei de concessão, são "da nação hebiéia".
8 O ferro não era produzido em Portugal; mas era através do seu comércio que chegava ao Brasil.
7

monopólios e restrições destinados a dar maior amplitude possível
à exploração e aproveitamento da colônia, e canalizar para o Reino
o resultado de todas suas atividades. Procura-se compensar assim o
que se perdera no setor oriental, onde holandeses, ingleses e pouco depois franceses tinham para sempre desbancado os portugueses.
O que estes aspiravam para sua colônia americana é que fosse uma
simples produtora e fornecedora de gêneros úteis ao comércio metropolitano e que se pudessem vender com grandes lucros nos mercados europeus. Este será o objetivo da política portuguesa até o
fim da era colonial. E tal objetivo ela o alcançaria plenamente,
embora mantivesse o Brasil, para isto, sob um rigoroso regime de
restrições econômicas e opressão administrativa; e abafasse a maior parte das possibilidades do país.

7
A mineração e ocupação do
Centro-sul

O INTERESSE da metrópole pelo Brasil e o desenvolvimento conseqüente de sua política de restrições econômicas e opressão administrativa tomarão considerável impulso sobretudo a partir de
princípios do séc. XVIII quando se fazem na colônia as primeiras
grandes descobertas de jazidas auríferas. A mineração do ouro no
Brasil ocupará durante três quartos de século o centro das atenções de Portugal, e a maior parte do cenário econômico da colônia.
Todas as demais atividades entrarão em decadência, e as zonas em
que ocorrem se empobrecem e se despovoam. Tudo cede passo ao novo
astro que se levanta no horizonte; o próprio açúcar, que por século e meio representara o nervo econômico da colonização e sua própria razão de ser, é desprezado.
Os metais preciosos tinham preocupado os portugueses desde o
início da colonização. As prematuras descobertas castelhanas no
México e no Peru incendiaram as imaginações, e tornara-se crença
arraigada que qualquer território da América encerrava necessariamente os preciosos metais. Com a esperança de encontrá-los, não
foram poucos os aventureiros que desde o primeiro momento da ocupação do litoral brasileiro se tinham internado pelo território
desconhecido. Deles ficariam notícias vagas, pois quase todos se
perderam: quando escapavam dos obstáculos de uma natureza agreste,
iam acabar às mãos dos indígenas.
O fato é que não se encontravam os cobiçados metais. Ao contrário do que ocorrera no México e no Peru, os indígenas, de um
nível cultural muito baixo, não se tinham interessado por eles; e
sua presença não fora ainda revelada ao homem. Durante quase dois
séculos seriam procurados inutilmente.
Isto não é bem exato, porque já nos fins do primeiro século se
iniciara na capitania de São Vicente (São Paulo) uma pequena mineração aurífera de lavagem; mas tão insignificante que passou quase
despercebida e teve um caráter estritamente local. É somente nos
últimos anos do séc. XVII que se realizam os primeiros achados de
importância. Devem-se àquelas expedições acima referidas às bandeiras paulistas que andavam devassando o interior da colônia à
cata de índios destinados ao cativeiro. Lá por 1696 fazem-se as
primeiras descobertas positivas de ouro no centro do que hoje
constitui o Estado de Minas Gerais (onde atualmente se acha a cidade de Ouro Preto). Os achados depois se multiplicaram sem interrupção até meados do séc. XVIII, quando a mineração do ouro atinge
no Brasil sua maior área de expansão geográfica, e alcança o mais
alto nível de produtividade.
Ao contrário do que se deu na agricultura e em outras atividades da colônia (como na pecuária), a mineração foi submetida desde
o início a um regime especial que minuciosa e rigorosamente a dis-

ciplina. Já por ocasião daqueles insignificantes achados em São
Vicente e referidos acima, tinha-se promulgado um longo regulamento sobre a matéria. Os seus princípios fundamentais permaneceriam
definitivamente, apesar das modificações posteriores: estabeleciase a livre exploração, embora submetida a uma fiscalização estreita, e a coroa reservava-se, como tributo, a quinta parte de todo
ouro extraído. Depois das descobertas feitas em Minas Gerais, a
antiga lei é substituída pelo Regimento dos superintendentes,
guardas-mores e oficiais deputados para as minas de ouro, datado
de 1702. Este regimento, com algumas modificações posteriores que
não lhe alteraram a feição essencial, manter-se-ia até o fim da
era colonial.
Em resumo, o sistema estabelecido era o seguinte: para dirigir
a mineração, fiscalizá-la e cobrar tributo (o quinto, como ficou
denominado), criava-se uma administração especial, a Intendência
de Minas, sob a direção de um superintendente; em cada capitania
em que se descobrisse ouro, seria organizada uma destas intendências que independia inteiramente de governadores e quaisquer outras autoridades da colônia, e se subordinava única e diretamente
ao governo metropolitano de Lisboa.
O descobrimento de jazidas era obrigatoriamente e sob penas
severas comunicado à intendência da capitania em que se fizera. Os
funcionários competentes (os guardas-mores) se transportavam então
ao local, faziam a demarcação dos terrenos auríferos, e em dia e
hora marcados e previamente anunciados, realizava-se a distribuição entre os mineradores presentes. Qualquer pessoa podia
comparecer e participar da distribuição, mas não se aceitava representação de terceiros. A distribuição se fazia por sorte e proporcionalmente ao número de escravos com que cada pretendente se
apresentava; mas antes desta distribuição geral, o descobridor da
jazida tinha direito de escolher livremente sua data (era o nome
dado às propriedades mineradoras); e depois dele, a Fazenda Real
também reservava uma para si. Ela aliás nunca explorou suas minas,
e as vendia em leilão logo depois de adquiridas.
Entregues as datas aos contemplados, deviam eles dar início à
exploração no prazo de quarenta dias, sob pena de devolução. Transações com as datas não eram permitidas, e somente se autorizava a
venda na hipótese devidamente comprovada da perda de todos os escravos. Neste caso o minerador só podia receber nova data quando
provasse que adquirira outros trabalhadores. Mas isto somente uma
vez, pois da segunda que alienasse sua propriedade perdia definitivamente o direito de receber outra.
Como já referi, a Fazenda Real impusera sobre a mineração um
tributo avultado: a quinta parte de todo ouro extraído. A cobrança
deste quinto do ouro tem uma história longa e agitada. Os mineradores naturalmente sempre procuraram se furtar a um tão grande
desfalque da sua produção; e compreende-se como devia ser difícil
a fiscalização. Viveu-se por isso nas minas em luta constante: o
fisco reclamando e cobrando seus direitos, os mineradores dissimulando o montante da produção... Tentaram-se meios indiretos para a
cobrança: assim a capitação dos escravos, isto é, um tributo fixo,
pago em ouro, que recaía sobre cada trabalhador empregado nas minas. Este sistema não deu resultado, porque se pagava o tributo

mesmo quando se tratava apenas de trabalhos preliminares de pesquisa que muitas vezes não produziam o fruto esperado. Depois de
muitas hesitações e variações, estabeleceu-se afinal um processo
que se tornaria definitivo. Criaram-se Casas de Fundição em que
todo o ouro extraído era necessariamente recolhido; aí se fundia,
e depois de deduzido o quinto e reduzido a barras marcadas com o
selo real (chamava-se isto "quintar ouro") era devolvido ao proprietário. Somente nestas barras quintadas (de que até hoje se
conservam muitos exemplares) podia o ouro circular livremente. O
manuseio do ouro sob outra forma -- em pó ou em pepitas, como é encontrado na natureza, ou em barras não marcadas -- era rigorosa e
severamente proibido.9 Quem fosse encontrado com ele sofria penas
severas, que iam do confisco de todos os bens até o degredo perpétuo para as colônias portuguesas da África.
Mas não ficaram nestas providências as medidas legais destinadas a proteger os interesses da Fazenda Real. O ouro era mercadoria muito facilmente escondida graças a seu alto valor em pequenos volumes. E para obviar os descaminhos que apesar de toda
fiscalização ainda se verificassem, fixou-se uma certa quota anual
mínima que o produto do quinto devia necessariamente atingir. Esta
quota, depois de algumas oscilações, foi orçada em 100 arrobas
(cerca de 1.500 quilos). Quando o quinto arrecadado não chegava a
estas 100 arrobas, procedia-se ao derrame, isto é, obrigava-se a
população a completar a soma. Os processos para consegui-lo não
tinham regulamento especial. Cada pessoa, minerador ou não, devia
contribuir com alguma coisa, calculando-se mais ou menos ao acaso
suas possibilidades. Criavam-se impostos especiais sobre o comércio, casas de negócio, escravos, trânsito pelas estradas, etc.
Qualquer processo era lícito, contanto que se completassem as 100
arrobas do tributo. Pode-se imaginar o que significava isto de violências e abusos. Cada vez que se decretava um derrame, a capitania atingida entrava em polvorosa. A força armada se mobilizava, a
população vivia sob o terror; casas particulares eram violadas a
qualquer hora do dia ou da noite, as prisões se multiplicavam. Isto durava não raro muitos meses, durante os quais desaparecia toda
e qualquer garantia pessoal. Todo mundo estava sujeito a perder de
uma hora para outra seus bens, sua liberdade, quando não sua vida.
Aliás os derrames tomavam caráter de violência tão grande e subversão tão grave da ordem, que somente nos dias áureos da mineração se lançou mão deles. Quando começa a decadência, eles se tornam cada vez mais espaçados, embora nunca mais depois de 1762 o
quinto atingisse as 100 arrobas fixadas. Da última vez que se projetou um derrame (em 1788), ele teve de ser suspenso à última hora
pois chegaram ao conhecimento das autoridades notícias positivas
de um levante geral em Minas Gerais, marcado para o momento em que
fosse iniciada a cobrança (conspiração de Tiradentes). E nunca
mais se recorreu ao expediente. A decisão firme de um povo é mais
forte que qualquer poder governamental.
Vejamos um outro aspecto da indústria mineradora: como se or
Pequenas quantidades em pó, que não eram suficientes para completar uma barra,
podiam ser trocadas por certificados nas Casas de Fundição. Um número suficiente
de certificados era recambiado em ouro quintado.

9

ganiza e funciona a exploração das jazidas. Encontramos aí dois
tipos de organização: o primeiro é o das lavras, que se emprega
nas jazidas de certa importância. As lavras são estabelecimentos
de algum vulto, dispondo de aparelhamento especializado, e onde
sob direção única e trabalhando em conjunto, reúnem-se vários trabalhadores. A mão-de-obra é quase totalmente constituída de escravos africanos; o trabalho livre é excepcional (embora ocorra, por
vezes, sobretudo pelos fins do século) e o índio não é empregado.
À organização em lavras, que corresponde ao período áureo da mineração, quando ainda havia grandes recursos e produção abundante, o
que torna possível empresas em larga escala e obras de vulto, opõe-se a pequena extração realizada por indivíduos isolados que
não empregam senão uns poucos instrumentos rudimentares. São os
chamados falseadores. Não se fixam, em regra, num ponto determinado, como se dá com a lavra; são móveis e nômades, indo catar o ouro indiferentemente neste ou naquele lugar não ocupado por outro.
Reúnem-se às vezes em grande número, num ponto franqueado a todos,
como se dá em alguns distritos especiais; porém cada qual trabalha
por si e isoladamente. Parte deles é de condição livre, colhendo o
ouro por conta própria; outros são escravos aos quais os senhores
fixam uma certa medida de ouro que devem entregar, guardando o excesso com que provêem à sua manutenção e resgatam sua liberdade
quando são muito felizes em seus achados.
Em maior ou menor proporção, esta atividade de faiscadores
sempre existiu na mineração aurífera da colônia. Mas naturalmente
seu volume tende a aumentar com a decadência das minas. Não somente estas se vão esgotando e o rendimento deixa de remunerar convenientemente instalações mais custosas, como os recursos começam a
faltar. Aparece então o faiscador que aproveita as áreas empobrecidas e abandonadas. Isto se torna particularmente sensível pelos
fins do séc. XVIII, quando a mineração entra no Brasil em processo
franco de decomposição.
A decadência da mineração do ouro (que já começa a se fazer
sentir desde meados do século) deriva de várias causas. A principal é o esgotamento das jazidas. O ouro brasileiro é, na maior
parte, de aluvião, e se encontra sobretudo no leito dos cursos dágua e nas suas margens mais próximas. Ele resulta de um processo
geológico milenar em que a água, tendo atacado as rochas matrizes
onde antes se concentrava o metal, o espalhou por uma área superficial extensa. Daí a pequena concentração em que foi encontrado e
o esgotamento rápido dos depósitos, mesmo os mais importantes. O
que sobra é de um teor aurífero tão baixo que não paga trabalhos
de vulto, e dá apenas para o sustento individual de modestos faiscadores isolados. Esta situação se prolonga aliás até hoje. Em toda a região do Brasil central (compreendendo os Estados de Minas
Gerais, Goiás, boa parte de Mato Grosso e Bahia) ainda se encontra
ouro em quase todos os rios e margens adjacentes. Mas numa porcentagem tão baixa que sua exploração se torna antieconômica. A ela
se dedicam apenas uns pobres faiscadores que mal conseguem apurar
o seu sustento diário.
A ocorrência de rochas matrizes, isto é, grandes concentrações
primitivas de ouro que resistiram ao processo geológico de desagregação, é no Brasil muito rara. E mesmo as concentrações exis-

tentes têm um teor aurífero baixo. A maior e mais rica mina de ouro do país há poucos anos abandonada, a de Morro Velho em Minas
Gerais, tinha um teor de 10,4 gramas de ouro por tonelada de minério, quando o das minas consideradas de boa produtividade nos
grandes centros auríferos da atualidade (a Austrália, p. ex.) atinge o dobro daquela taxa. Mas além da raridade e pobreza das rochas matrizes, outro obstáculo impediu os mineradores do séc. XVII
de as explorarem: a sua técnica deficiente. Enquanto se tratou de
depósitos superficiais de aluvião, não foi difícil extrair o metal. Mas quando foi preciso aprofundar a pesquisa, entranhar-se no
solo, a capacidade dos mineradores fracassou; tanto por falta de
recursos como de conhecimentos técnicos. Tentou-se às vezes, mas
raramente, obviar ao primeiro inconveniente pela associação de esforços, organizando ligas ou sociedades para as quais entravam vários proprietários. Mas isto foi excepcional porque faltava o necessário espírito associativo. Quanto às deficiências técnicas, é
preciso lançar a culpa principal sobre a administração pública,
que manteve a colônia num isolamento completo; e não tendo organizado aqui nenhum sistema eficiente de educação, por mais rudimentar que fosse, tornou inacessível aos colonos qualquer conhecimento técnico relativo às suas atividades. O baixo nível intelectual
na colônia, que não tem talvez paralelo na América, não cabe em
nosso assunto; mas é preciso lembrá-lo porque interfere aqui diretamente com a economia do país. Não resta a menor dúvida que a ignorância dos colonos portugueses sempre constituiu um óbice muito
sério oposto ao desenvolvimento de suas atividades econômicas; na
mineração como nas outras também.
Não é aliás apenas pelos obstáculos opostos à difusão de conhecimentos que a administração entravou o progresso da mineração
e apressou sua decadência. O sistema geral que adotou ao regulamentá-la contribuiu também consideravelmente para isto. Nunca se
cogitou seriamente de outra coisa que os quintos, o tributo que os
mineradores deviam pagar. Que fosse satisfeito, por bem ou à força; o mais não tinha importância. Mas com derrames e tudo, o quinto foi minguando; e durante meio século em que o rendimento baixou
em Minas Gerais (são os únicos dados de que temos notícias certas,
e representam aliás a maior parte da contribuição colonial) de 118
arrobas em 1754, máximo percebido, para 35 apenas, exatamente cinqüenta anos depois, não ocorreu sequer uma só vez à administração
outra explicação que a fraude. Donde as violências referidas acima. Não se deu um passo para introduzir na mineração quaisquer melhoramentos; em vez de técnicos para dirigi-la, mandavam-se para
cá cobradores fiscais. O pessoal com que se formavam as intendências eram burocratas gananciosos e legistas incumbidos de interpretar e aplicar os complicados regulamentos que se destinavam,
quase unicamente, a garantirem os interesses do fisco. Não se encontra nelas, durante um século de atividade, uma só pessoa que
entendesse de mineração. E enquanto os mineradores se esgotavam
com o oneroso tributo que sobre eles pesava, qualquer crítica, objeção ou simples dúvida era imediatamente punida com castigos severos.
Nestas condições não é de admirar a prematura decadência da
mineração. Chega-se em fins do séc. XVIII a um momento em que já

se tinham esgotado praticamente todos os depósitos auríferos superficiais em toda a vasta área em que ocorreram. A mineração sofre então seu colapso final. Nada se acumulara na fase mais próspera para fazer frente à eventualidade. Os recursos necessários
para restaurar a mineração, reorganizá-la sobre novas bases que a
situação impunha, tinham-se volatizado, através do oneroso sistema
fiscal vigente, no fausto da corte portuguesa e na sua dispendiosa
e ineficiente administração; as migalhas que sobravam desta orgia
financeira também se foram na dissipação imprevidente dos mineradores e na compra de escravos importados da África. A ignorância,
a rotina, a incapacidade de organização nesta sociedade caótica
que se instalara nas minas, e cuja constituição não fora condicionada por outro critério que dar quintos a um rei esbanjador e à
sua corte de parasites, e no resto satisfazer o apetite imoderado
de aventureiros, davam-se as mãos para completar o desastre.
Além do ouro, exploraram-se também, na mesma época, os diamantes. O Brasil foi o primeiro grande produtor moderno desta pedra,
que antes provinha apenas, e em pequenas quantidades, da Índia; e
somente no último quartel do século passado se descobrirão as jazidas da África do Sul. O Brasil teve assim, no século XVIII, o
monopólio da produção. Mas apesar disto, sua importância relativa
a do ouro é entre nós pequena. Os primeiros achados, devidos aos
mineradores de ouro (pois os diamantes ocorrem no Brasil em terrenos auríferos), datam de 1729. A princípio adotou-se para com a
extração dos diamantes o mesmo sistema que vigorava na do ouro: a
livre extração com pagamento do quinto. Mas era difícil calcular e
separar o quinto de pedras muito diferentes umas das outras, em
tamanho e qualidade; e como além disto ocorressem apenas em áreas
limitadas, adotou-se logo outro processo mais conveniente à percepção do tributo -- em todas as matérias da sua administração, a
metrópole portuguesa sempre colocava este assunto em primeiro e
quase único lugar. Demarcou-se cuidadosamente o território em que
se encontravam os diamantes, isolando-o completamente do exterior.
Este território, que se chamou o Distrito Diamantino, é o que circunda a atual cidade de Diamantina, em Minas Gerais. E a exploração foi outorgada como privilégio a determinadas pessoas que se
obrigavam a pagar uma quantia fixa pelo direito de exploração. Em
1771 modifica-se este sistema, passando a Real Fazenda a fazer ela
mesma, diretamente, a exploração. Organizou-se uma Junta da administração geral dos diamantes, sob a direção de um intendente, para ocupar-se da matéria. Esta administração, como se dava com as
Intendências do ouro, independia completamente de quaisquer autoridades coloniais, e somente prestava contas ao governo de Lisboa.
Sua autonomia ainda era maior, porque se estendia soberana sobre
todo um território. Verdadeiro corpo estranho enquistado na colônia, o Distrito Diamantino vivia inteiramente isolado do resto do
país, e com uma organização sui generis: não havia governadores,
câmaras municipais, juízes, repartições fiscais ou quaisquer outras autoridades ou órgãos administrativos . Havia apenas o Intendente e um corpo submisso de auxiliares que eram tudo aquilo ao
mesmo tempo, e que se guiavam unicamente por um regimento colocado
acima de todas as leis e que lhes dava a mais ampla e ilimitada
competência. Na área do Distrito ninguém podia estabelecer-se, nem

ao menos penetrar ou sair sem autorização especial do Intendente,
e a vida de seus habitantes (que pelo final do séc. XVIII montavam
a 5.000 pessoas) achava-se inteiramente nas mãos daquele pequeno
régulo que punha e dispunha dela a seu talante. Seus poderes iam
até o confisco de todos os bens e decretação da pena de morte civil10 sem forma de processo ou recurso algum. Um naturalista alemão
que em princípio do séc. XIX visitou o Distrito,11 assim se refere
a ele: "Única na história esta idéia de isolar um território no
qual todas as condições da vida civil de seus habitantes ficassem
sujeitas à exploração de um bem da coroa".
Além do Distrito Diamantino, outras áreas da colônia onde se
encontram diamantes também foram destacadas e isoladas, proibindose o acesso a qualquer pessoa: rio Jequitinhonha (Minas Gerais);
rio Claro e Pilões (Goiás); sudoeste da Bahia; alto Paraguai (Mato
Grosso). Estas áreas não foram aproveitadas e se conservaram desertas.
A decadência da mineração dos diamantes, que é mais ou menos
paralela à do ouro, tem também causas semelhantes. Veio agravá-la
um fator: a depreciação das pedras, devido ao seu grande afluxo no
mercado europeu. O governo português tentou impedir a queda dos
preços restringindo a produção e a venda; mas seus crônicos apertos financeiros obrigavam-no freqüentemente a abrir mãos das restrições e lançar inoportunamente no mercado grandes quantidades de
pedras. O seu valor veio assim, de queda em queda, até princípios
do séc. XIX. Ao mesmo tempo, uma administração inepta e ineficiente foi incapaz de racionalizar a produção e reduzir o custo da extração; tudo se conservou até o fim na mesma rotina de sempre. O
desastre foi completo, e a exploração de diamantes deixou inteiramente de contar como atividade econômica de alguma expressão desde
fins do séc. XVIII.
A mineração teve na vida da colônia um grande papel. Durante
três quartos de século ocupou a maior parte das atenções do país,
e desenvolveu-se à custa da decadência das demais atividades. O
afluxo de população para as minas é, desde o início do séc. XVIII,
considerável: um rush de proporções gigantescas, que relativamente
às condições da colônia é ainda mais acentuado e violento que o
famoso rush californiano do séc. XIX. Isto já seria o suficiente
para desequilibrar a vida do país e lhe transformar completamente
o aspecto. Em alguns decênios povoa-se um território imenso até
então desabitado, e cuja área global não é inferior a 2 milhões de
km2. Povoamento esparso, bem entendido (em princípios do séc. XIX
não será superior a 600.000 habs., ou seja um quinto da população
total do Brasil de então), e distribuídos em pequenos núcleos separados entre si por áreas desertas imensas. Esta será uma forma
característica ao povoamento do Brasil centro-sul que se perpetuará
até nossos dias. A sua significação econômica pode ser avaliada pela dificuldade que representa estabelecer-se um sistema de trans
Esta pena desapareceu do direito moderno; não vai até a execução capital, mas
significa a cessação de todos os direitos do indivíduo "como se a pessoa deixasse de existir", definem as leis da época.
11 Trata-se de Carl Friedrich Philip von Martius. (1794-1868), um dos grandes botânicos modernos.
10

portes eficiente e econômico em região tão irregularmente ocupada.
Será este o maior ônus legado pela mineração do séc. XVIII.
Mas de outro lado, o impulso desencadeado pela descoberta das
minas permitiu à colonização portuguesa ocupar todo o centro do
continente sul-americano. É este mais um fato que precisa ser contado na explicação da atual área imensa do Brasil.
As transformações provocadas pela mineração deram como resultado final o deslocamento do eixo econômico da colônia, antes localizado nos grandes centros açucareiros do Nordeste (Pernambuco e
Bahia). A própria capital da colônia (capital mais de nome, pois
as diferentes capitanias, que são hoje os Estados, sempre foram
mais ou menos independentes entre si, subordinando-se cada qual
diretamente a Lisboa) transfere-se em 1763 da Bahia para o Rio de
Janeiro. As comunicações mais fáceis das minas para o exterior se
fazem por este porto, que se tornará assim o principal centro urbano da colônia.
De um modo geral, é todo este setor centro-sul que, graças em
grande parte à mineração, toma o primeiro lugar entre as diferentes regiões do país; para conservá-lo até hoje. A necessidade
de abastecer a população, concentrada nas minas e na nova capital,
estimulará as atividades econômicas num largo raio geográfico que
atingirá não somente as capitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro propriamente, mas também São Paulo. A agricultura e mais em
particular a pecuária desenvolver-se-ão grandemente nestas regiões. É de notar que o território das minas propriamente (sobretudo
das mais importantes localizadas no centro de Minas Gerais) é impróprio para as atividades rurais. O solo é pobre e o relevo excessivamente acidentado. Nestas condições, os mineradores terão de
se abastecer de gêneros de consumo vindos de fora. Servir-lhes-á
sobretudo o sul de Minas Gerais, onde se desenvolve uma economia
agrária que embora não contando com gêneros exportáveis de alto
valor comercial -- como se dera com as regiões açucareiras do litoral --, alcançará um nível de relativa prosperidade.

8
A Pecuária e o Progresso do
Povoamento no Nordeste

A OCUPAÇÃO do interior nordestino, que vimos no capítulo 5 em
seu início, continua a processar-se ativamente no período que ora
nos ocupa. Sua base econômica será sempre a pecuária, e os grandes
focos de irradiação continuarão sendo Bahia e Pernambuco. Partindo
do primeiro e alcançando em meados do séc. XVII o rio São Francisco, a disposição das fazendas de gado tomará daí por diante duas
direções. Uma delas subirá pelo rio acompanhando seu curso. Tornar-se-á mais acentuada e rápida quando começa o povoamento das
minas, que servirão de mercado para a carne produzida nas fazendas
do alto rio: Estas sofrerão, é verdade, a concorrência da região
muito mais favorecida que fica para o sul das minas e que descrevemos no capítulo anterior. Além disto, a administração pública,
sempre ocupada em) evitar possíveis descaminhos do ouro, procurará
fechar as comunicações com o Norte: concentrará sua fiscalização
no caminho do Rio de Janeiro, e esta devia ser a única via de acesso para as minas. Embora não consiga realizar inteiramente seu
objetivo, embaraçará contudo grandemente as relações comerciais
que se faziam com o Norte, dificultando assim o fornecimento de
gado feito pelas fazendas dessa região.
A outra direção que toma a progressão das fazendas de gado depois de atingido o rio São Francisco, é para o Norte. O rio é
transposto, e em fins do séc. XVII começa a ser ocupado o interior
do atual Estado do Piauí. As condições naturais já são aí melhores
que no setor ocupado anteriormente: pluviosidade mais elevada e
melhor distribuída, cursos de água permanentes. Daí também uma
forragem natural de melhor qualidade. As fazendas do Piauí tornarse-ão logo as mais importantes de todo o Nordeste, e a maior parte
do gado consumido na Bahia provém delas, embora tivesse de percorrer para alcançar seu mercado cerca de mil e mais quilômetros de
caminho.
A progressão das fazendas não cessará no Piauí: elas transporão o rio Parnaíba, e irão confluir no Maranhão com aquelas que
do litoral subiam pelo rio Itapicuru. Para leste também transbordarão no Ceará, onde o movimento confundir-se-á com o outro que
em direção contrária vinha de Pernambuco acompanhando grosseiramente o contorno do litoral.
Completa-se assim a ocupação de todo o interior nordestino.
Ocupação muito irregularmente distribuída. De uma forma geral, escassa e muito rala: o pessoal das fazendas de gado, únicos estabelecimentos da região, não é numeroso, como já foi descrito. Donde também um comércio, afora a condução de gado, pouco intenso;
resultando disso aglomerações urbanas insignificantes e largamente
distanciadas umas das outras. Mas dentro desta baixa densidade demográfica geral, o povoamento e as atividades econômicas se concentram mais em algumas áreas. Os fatores naturais, em particular
a ocorrência de água, tão preciosa neste território semi-árido,
têm aí um papel relevante. É sobretudo na margem dos poucos rios

perenes que se condensa a vida humana: no São Francisco, nos rios
do Piauí e do alto Maranhão. Intercalam estas regiões mais favorecidas extensos desertos a que somente as vias de comunicações emprestam alguma vida. Ao longo delas estabelecem-se alguns moradores, apesar das dificuldades locais, para prestarem concurso aos
viajantes e às boiadas que transitam na proximidade, ou para recolherem a baixo preço alguma rês estropiada pelas longas caminhadas, e constituírem assim uma pequena fazenda. As "cacimbas" (poços dágua) congregam quase todo resto do povoamento; assim, onde o
lençol de águas subterrâneas é mais permanente e resiste mais às
secas prolongadas, bem como onde ele é mais acessível aos processos rudimentares de que dispõe a primitiva e miserável população
local, o povoamento se adensa. "Olho-d'água" é uma designação que
aparece freqüentemente na toponímia do interior nordestino: a atração do líquido é evidente.
À parte a pecuária, reduzida é a atividade desta área extensa.
A agricultura é praticada subsidiarimente e em pequena escala para
subsistência das próprias fazendas. Existem no entanto algumas regiões de populações cultivadoras. Mas são raras. Destaca-se a vertente norte da Chapada do Araripe, no Ceará, onde as águas brotam
com certa abundância dos flancos da montanha; formou-se aí um verdadeiro oásis no agreste deserto cearense. Outra região agrícola
borda as margens do Parnaíba e seus afluentes principais. Em menor
escala, as do Jaguaribe, no Ceará. O gênero de vida determinou
nestas regiões agrícolas esparsas e raras um povoamento mais adensado; acresce nelas o comércio, pois são todas pontos de contacto
e de trânsito de certa importância. Também no rio São Francisco
encontram-se outras atividades além da pecuária: no trecho médio
do seu curso exploram-se algumas pobres jazidas de sal de rocha
cujo produto serve para abastecer boa parte do sertão baiano, do
mineiro e até Goiás.
Em meados do séc. XVIII o sertão do Nordeste alcança o apogeu
do seu desenvolvimento. O gado nele produzido abastece, sem concorrência, todos os centros populosos do litoral, desde o Maranhão
até a Bahia. O gado é conduzido através destas grandes distâncias
em manadas de centenas de animais. Cruzando regiões inóspitas, onde até a água é escassa e não raro inexistente (contentando-se então os homens e os animais com as reservas líquidas de certas
plantas hidrófilas), o gado chega naturalmente estropiado a seu
destino. A carne que produz, além de pouca, é de má qualidade. Assim, somente a falta de outras fontes de abastecimento alimentar
explica a utilização para isto de tão afastadas e desfavoráveis
regiões. Em fins do século elas ainda sofrerão golpes mais severos. As secas prolongadas, que sempre foram aí periódicas, se multiplicam e estendem ainda mais,12 dizimando consideravelmente os
rebanhos que se tornarão de todo incapazes de satisfazerem às necessidades de seus mercados consumidores. Serão substituídos pela
carne-seca importada do sul da colônia. Voltaremos noutro capítulo, com mais vagar, sobre esta questão que interessa um setor do

Segundo as aparências, pois os estudos a respeito ainda não são completos, o
Nordeste brasileiro se acha num período de secação que se prolonga ainda em nossos dias.

12

país que ainda não foi referido porque de fato até esta época se
conservara fora dos limites e da vida da colônia: o Rio Grande do
Sul.

48
A Colonização do Vale Amazônico
e a Colheita Florestal

ENQUANTO SE processava a grande corrida para as minas, uma
lenta infiltração penetra a intrincada rede hidrográfica do Amazonas. Já no primeiro período da história brasileira vemos a colonização portuguesa ocupar a foz do grande rio, onde a atual cidade
de Belém do Pará é fundada em 1616. São antes motivos políticos
que determinaram a fundação. Holandeses e ingleses tinham tentado,
antes de Portugal, estabelecer-se na região. Naquela data são todos definitivamente expulsos, e os portugueses se instalam sem
concorrentes. A base econômica da colonização será a princípio,
como nos demais núcleos do litoral, a lavoura da cana-de-açúcar.
Mas a agricultura nunca progredirá aí; as condições naturais lhe
são desfavoráveis. Na mata espessa e semi-aquática que borda o
grande rio; em terreno baixo e submetido a um regime fluvial cuja
irregularidade, com o volume enorme de águas que arrasta, assume
proporções catastróficas, alagando nas cheias áreas imensas, deslocando grandes tratos de solo que são arrancados às margens e arrastados pela correnteza; nesta remodelação fisiográfica ininterrupta de um território longe ainda do equilíbrio, o homem se amesquinha, se anula. Além disto, a pujança da vegetação equatorial
não lhe dá tréguas. A luta exige esforços quase ilimitados se quiser ir além da dócil submissão às contingências naturais. E tais
esforços, a colonização incipiente não os podia fornecer. A agricultura, que requer um certo domínio sobre a natureza, apenas se
ensaiou. A conquista do vale amazônico tinha de contar com outros
fatores.
E foi o que se verificou. Encontraram os colonos na sua floresta um grande número de gêneros naturais aproveitáveis e utilizáveis no comércio: o cravo, a canela, a castanha, a salsaparrilha
e sobretudo o cacau. Sem contar as madeiras e produtos abundantes
do reino animal: peixes, caça, a tartaruga. Na extração destes
produtos encontrará a colonização amazônica sua base econômica. A
mão-de-obra também foi relativamente fácil. Os indígenas eram numerosos, e embora de nível cultural baixo, facilmente se conformaram com o trabalho que deles se exigia; o que, vimo-lo anteriormente, só foi o caso em forma muito limitada em outros lugares.
Explica-se a diferença. No vale amazônico os gêneros de atividade se reduzem praticamente a dois: penetrar a floresta ou os
rios para colher os produtos ou capturar o peixe; e conduzir as
embarcações que fazem todo o transporte e constituem o único meio
de locomoção. Para ambos estava o indígena admiravelmente preparado. A colheita, a caça, a pesca já são seus recursos antes da vinda do branco: como pescador, sobretudo, suas qualidades são notáveis, e os colonos só tiveram neste terreno que aprender com ele.
Remador, também é exímio: ninguém, como o índio, suporta os longos
trajetos, do raiar ao pôr do sol, sem uma pausa; ninguém espreita

e percebe, como ele, os caprichos da correnteza, tirando dela o
melhor partido: ninguém compreende tão bem o emaranhado dos canais
que formam esta rede complicada e variável de época para época em
que se dividem e subdividem os rios amazônicos. Empregado assim em
tarefas que lhe são familiares, ao contrário do que se deu na agricultura e na mineração (nesta última, aliás, nunca foi ensaiado), o índio se amoldou com muito mais facilidade à colonização e
domínio do branco. Não se precisou do negro.
A infiltração pelo vale acima do rio Amazonas inicia-se francamente na segunda metade do séc. XVII. Sua vanguarda serão as ordens religiosas, em particular jesuítas e carmelitas. Não é aqui o
lugar próprio para indagar quais os objetivos que animavam os missionários; se o puro zelo religioso da conversão de almas pagãs,
se outros projetos mais amplos e não confessados. Quanto aos jesuítas, parece fora de dúvida que tinham na América um plano de
grandes proporções: nada menos que assentar nela um imenso império
temporal da Igreja Católica e sob sua direção. Não se explica de
outra forma a empresa sistemática, e em parte realizada, de conquistar todo o coração do continente sul-americano; o que se revela nesta linha estratégica de missões que se estendem do Uruguai e
Paraguai, pelos Moxos e Chiquitos da Bolívia, até o alto Amazonas
e Orenoco. Reunidas estas missões, de origem espanhola, às portuguesas que subiram pelo Amazonas, o conjunto apresenta-se como um
bloco imenso e coeso de territórios plantados em cheio na América.
Nem se pode dizer que os jesuítas realizavam o objetivo tradicional de todas as missões religiosas, isto é, abrir caminho entre
populações indígenas para o avanço dos colonos europeus. Lutaram
contra estes com todas as armas, inclusive a força, tentando desesperadamente afastá-los e manter sua hegemonia própria.
Mas seja como for, os padres realizaram uma grande tarefa econômica no vale amazônico. A eles cabe a iniciativa do desbravamento de todo este território imenso, semeando suas missões num
raio de milhares de quilômetros. Estas missões, no aspecto que nos
interessa aqui, constituem importantes empresas comerciais. Reunidos os índios em aldeias -- para o que os padres contavam com dons
de persuasão que fazem honra a seu instinto psicológico e habilidade política, -- eram eles submetidos a um regime disciplinado e
rigoroso de trabalho e de vida em geral. Conseguiam os padres o
que os colonos leigos foram sempre incapazes de obter. Debaixo da
ordem de diretores e mestres, os indígenas construíam as instalações da missão -- as casas de habitação, a igreja com sua escola
anexa, os armazéns e depósitos. Depois destes trabalhos preliminares, enquanto uma parte dos nativos se destinava à cultura dos gêneros alimentícios necessários à sustentação da comunidade, os outros partiam para expedições de colheita dos produtos da floresta,
de caça e de pesca. Os gêneros assim obtidos eram exportados, pagando-se com isto não somente a manutenção das missões (que aliás
quase se bastavam a si mesmas), mas deixando saldos apreciáveis
que com os de outras procedências, iriam enriquecer consideravelmente as Ordens respectivas e dar-lhes, na primeira parte do séc.
XVIII, grande poder e importância financeira.
Os colonos leigos vieram atrás dos padres. Tiveram de enfrentar da parte destes uma grande resistência, e pouco realizaram até

meados do séc. XVIII. Nesta época, a administração portuguesa que
por iniciativa do Marquês de Pombal, ministro de D. José I, se libertara da influência jesuítica até então dominante na corte, resolve abrir luta contra o poder excessivo dos padres na América,
que ameaçava subtrair à coroa portuguesa o domínio efetivo de
grande parte da colônia. Em 1755 é abolido o poder temporal dos
eclesiásticos nas missões indígenas. As aldeias são entregues a
administradores leigos, e os padres conservaram apenas os poderes
espirituais. Aliás pouco depois (1759) os jesuítas, que resistiram
à secularização das aldeias, são expulsos de todos os domínios
portugueses. Os carmelitas e outras ordens se mostraram mais dóceis e foram conservados.
As reformas de Pombal não ficam nisto. A escravidão dos índios
é definitiva e integralmente abolida; eles são em tudo equiparados
aos colonos brancos, e seu trabalho obrigatoriamente pago com salários em moeda e fixados pelas autoridades. Tudo isto sob a fiscalização de diretores leigos nomeados para as aldeias.
Haverá ainda, naturalmente, fricções e abusos dos colonos
brancos. Os diretores de índios nem sempre saberão cumprir seu dever, e em muitos casos eles mesmos se tornarão os exploradores do
trabalho indígena. Mas de uma forma geral, pode-se dizer que a escravidão estava abolida. A exploração de que os índios serão vítimas daí por diante, já não é a de escravos, mas de semiassalariados, embora ainda com muitos traços servis.
Com a secularização das aldeias indígenas, o colono leigo infiltrar-se-á por toda parte aproveitando a ausência dos padres
seus adversários. Os índios domesticados e já mais ou menos preparados que as habitam, representam para ele mão-de-obra abundante à
sua disposição; é nelas que se fixará de preferência, e é por isso
que a quase totalidade das atuais cidades da Amazônia tem sua origem em antigos aldeamentos missionários.
Vejamos como se distribui este povoamento cuja estrutura não
se modificou com a substituição do padre pelo colono. Ele se amolda às contingências da colheita natural. As espécies vegetais utilizadas no seu estado nativo precisam naturalmente ser procuradas
lá onde o acaso as colocou; e aí, além de irregular, a freqüência
não é em regra elevada. Daí, a considerável dispersão amazonense,
cuja população, que em fins do séc. XVIII não alcançava uma centena de mil habitantes (incluídos os índios domesticados), já se espalha, embora numa ocupação linear e rala, ao longo de milhares de
quilômetros de cursos d'água. Outro efeito este do gênero de vida
adotado: a atração dos rios; não pela água em si, mas pelo caminho
que oferece. Numa forma de atividade em que as fontes de produção
se dispersam irregularmente, sem pontos de concentração apreciável, não são elas, como se deu na agricultura ou na mineração, que
fixam o povoador; mas sim a via de comunicação. Não é esta que
procura aquele, como acontece normalmente; mas o inverso. Não foi
apenas a dificuldade de acesso e ocupação da floresta que fez o
colono preferir com exclusividade a margem dos rios; se fosse conveniente, aquela dificuldade teria sido vencida, como o foi em outros lugares. Mas por que buscar um lugar afastado da esplêndida
via natural que oferecem as "estradas líquidas", quando em qualquer outro se estaria igualmente ou muito pouco melhor situado com

relação a fontes de produção exploradas? A área que um simples colhedor de produtos espontâneos tem de abarcar é por natureza imensa; mais que isto, ela é variável, porque o esgotamento das fontes
não tarda nesta forma primitiva de exploração. A via de comunicação natural e fácil como a que oferecem os cursos dágua constituirá, por isso, o único pólo forte e estável de atração do povoamento.
A organização da produção também reflete as condições em que
ela se realiza. Não tem por base a propriedade fundiária, como na
agricultura e na mineração. A exploração se realiza indiferentemente na floresta imensa aberta a todos. E faz-se esporádica, coincidindo com as épocas próprias da colheita. Processa-se por arrancos bruscos, que são as "expedições" (é o nome empregado), que
saem no momento oportuno em busca dos produtos naturais, e a que
se segue a longa inatividade da estação morta. Um empresário reúne
os homens necessários, índios que engaja, como vimos, sob a fiscalização das autoridades públicas. Esta operação nem sempre é simples, pois além da má vontade dos índios que se concretiza em fugas e deserções freqüentes (é uma das formas que toma aí a luta de
classes), há também a concorrência dos interessados nesta insuficiente mão-de-obra. E além dos colonos, a administração pública
também intervém neste mercado de trabalhadores com suas obras;
muitas destas obras se realizaram na segunda metade do século:
construção de quartéis, fortalezas, hospitais. Sem contar os índios recrutados pelas comissões de limites que por esta época andavam trabalhando e fixando as fronteiras das possessões espanholas e portuguesas. Esta intervenção dos poderes públicos é considerável, desfalcando as aldeias de povoadores e os colonos de braços.
De tal disputa em torno dos trabalhadores indígenas -- que infelizmente de nada serviu para eles, incapazes que estavam de tirar proveito de uma situação vantajosa mas inacessível ao seu entendimento -- resultam rixas e violências freqüentes; em muitos casos foi-se obrigado a destacar autoridades especiais para cuidar
da matéria. Escolhia-se, dentre os moradores, um juiz que procedia
oficialmente à repartição dos braços disponíveis.
Organizada a expedição, ela segue fortemente guarnecida, porque é sempre de temer a hostilidade de tribos selvagens; muitas
delas, de armas na mão, ainda resistiam à colonização em pleno
séc. XIX. Às vezes a guarnição é mesmo de tropa regular especialmente cedida pelas autoridades. E assim vai a frota, composta de
dezenas de embarcações, navegando rio acima em demanda dos pontos
favoráveis, às vezes a distâncias enormes da partida. Ega, p. ex.,
é o lugar de embarque das expedições que exploram os rios Japurá,
Içá, Juruá, Jataí e Javari, num raio de centenas de quilômetros.
Feito o carregamento, o que demora semanas e até meses, a expedição retorna: os índios são dispensados, pagos quase sempre, apesar
das disposições legais em contrário, in natura; o empresário entrega o seu produto aos comerciantes que se incumbem de o despachar, rio abaixo, aos seus correspondentes do Pará, donde se exportam.
Outras atividades extrativas, como a colheita dos ovos de tartaruga de que se extrai um óleo empregado na iluminação e na ali-

mentação, e gênero de grande comércio, se fazem mais ou menos da
mesma forma. A desova dos quelônios é nos meses de outubro e novembro, quando em bandos incontáveis procuram certas praias de eleição e lá enterram seus ovos na areia onde o calor do sol os deve chocar. A tarefa dos colhedores consiste simplesmente em espreitá-los, no momento oportuno, nestas praias que de antemão já
conhecem, e depois que os animais, terminada a postura, se retiram, ir desenterrar e recolher o produto. A preparação do óleo se
faz imediatamente e nas próprias canoas que serviram para o transporte dos colhedores.
A pesca é mais sedentária, e mais continuadas as atividades
que nela se empregam. A que se pratica da mão para a boca é naturalmente geral: toda a população rural, que vive à beira dos rios,
aproveita suas águas abundantes e a habilidade que traz no sangue.
O peixe é seu alimento básico. Mas a par desta pesca, há outras de
maior vulto, organizadas comercialmente. Realizam-se nos "pesqueiros", instalações onde se captura, prepara e salga o peixe para a
venda. Alguns são temporários, montando-se em lugar e época indicados para determinada pesca. Mais freqüentes contudo, e mais importantes são os pesqueiros fixos que às vezes atingem grande vulto, como o maior de todos, o do Lago Grande de Vila Franca, na atual cidade deste nome, onde em dois anos se mataram, só de tartarugas e peixes-bois13, 8.500 exemplares.
Há pesqueiros particulares; há também os Reais, que se exploram por conta do Erário público. A mão-de-obra é naturalmente sempre o índio. O peixe é fornecido salgado, e em maior quantidade
seco; e constitui uma das maiores exportações da região.
Tais são, em suma, os traços principais e mais característicos
deste gênero de vida de colheita natural que forma a principal e
quase única base de colonização do vale amazônico. Os resultados
que apresenta são, em conjunto, muito pequenos. A instabilidade e
incerteza de vida que aquelas formas de atividades determinaram, o
complexo problema da assimilação de grandes massas indígenas que
indiretamente provocam, fazem da colonização amazonense muito mais
uma aventura que a constituição de uma sociedade estável e organizada. Os caracteres gerais da colonização brasileira, esta empresa
exploradora dos trópicos, se revelam aí em toda sua crueza e brutalidade. Não viriam atenuá-los, como em outras partes da colônia,
elementos paralelos e concorrentes que frutificariam com o tempo,
dando formas sociais mais orgânicas e elevadas. A evolução brasileira, de simples colônia tropical para nação, tão difícil e dolorosa, e cujo processo, mesmo em nossos dias, ainda não se completou, seria lá muito retardada. A Amazônia ficou, neste sentido,
muito atrás das demais regiões ocupadas e colonizadas do território brasileiro.
Quanto a seus resultados materiais, eles também são minguados.
É frisante o contraste entre o que apresentam e o que deles esperava a imaginação escaldante do branco europeu em contacto com os
trópicos. A exploração das reservas naturais da imensa floresta

Este é um mamífero aquático de grandes dimensões e carne muito saborosa, de
natureza dócil e por isso fácil de ser apanhado. Foi destruído em larga escala,
e hoje praticamente desapareceu.

13

que se supunha esconder tesouros incalculáveis, não deu mais que
uns miseráveis produtos de expressão comercial mínima e em quantidades restritas. E não foi possível ampliar as bases desta produção e dar-lhes pela agricultura mais estabilidade. A Amazônia ficará na pura colheita; e por isso vegetará, assistindo impotente
ao arrebatamento de suas maiores riquezas naturais por concorrentes melhor aparelhados. Deu-se isto com o cacau, antes seu monopólio no Brasil, e cuja hegemonia passará, entre nós, para a Bahia.
Dar-se-á o mesmo, um século depois, em proporções muito maiores e
dramáticas, com a borracha. A colonização do vale amazônico ainda
é hoje uma incógnita.

APOGEU DA COLÔNIA
1770-1808
10
Renascimento da Agricultura

VIMOS ACIMA até que ponto a mineração absorveu as atividades
econômicas da colônia. A contrapartida da fulgurante ascensão das
minas foi a decadência da agricultura. Coincide com esta causa interna de decadência o novo equilíbrio internacional do séc. XVIII.
Desenvolve-se plenamente, então, a política colonial adotada desde
o século anterior pelas grandes potências concorrentes de Portugal
no ultramar; particularmente pela França e Inglaterra. É a chamada
política do "Pacto colonial" destinado a reservar o mercado nacional de cada país às produções de suas respectivas colônias, e o
comércio à marinha de sua bandeira. Este exclusivismo nacionalista
colocará Portugal e suas colônias em muito má posição; sem marinha
(esfacelara-se sob o domínio espanhol a que possuía), e não contando com um mercado nacional apreciável, restringe-se a saída para seus produtos coloniais. E os concorrentes do Brasil na produção do açúcar, em particular as Índias Ocidentais, começam a ganhar terreno sobre ele. Elas estão aliás melhor situadas que o
Brasil. Em primeiro lugar pela proximidade maior dos mercados consumidores; além disto, pelo próprio fato de se desenvolverem em
época mais recente. Repete-se o caso tão freqüente da concorrência
de uma indústria mais jovem, que livre da rotina que embarga os
passos da mais antiga, conta com trunfos maiores para a vitória.
Esta circunstância explicará talvez, em grande parte, o atraso
técnico relativo, no séc. XVIII, da indústria açucareira do Brasil. Fato que será constatado e reconhecido pelos observadores
contemporâneos.
Seja como for, a primeira metade do séc. XVIII é um período
sombrio para a agricultura brasileira. Mas a situação modificarse-á completamente na sua última parte. Apontei acima os fatores
que trouxeram o declínio da mineração; em seu lugar ressurgirá novamente a agricultura, que volta a ocupar a posição dominante que
desfrutara nos dois primeiros séculos da colonização. Mas não será
apenas este fator negativo que estimula o refluxo das atividades
da colônia para o cultivo da terra. Estendiam-se novamente os mercados para seus produtos. Para isto contribui particularmente o
desenvolvimento considerável da população européia no correr do
séc. XVIII; a par disto, o incremento das atividades econômicas e
relações comerciais em todo o mundo, este prenúncio da nova era
que se inaugura na segunda metade daquele século, a era da Revolu-

ção Industrial. Isto se reflete intensamente no mundo colonial.
Seus mercados se alargam, seus produtos se valorizam. A importância do comércio colonial para os países da Europa, neste período,
se manifesta nas lutas que em torno dele se acendem. Todos os conflitos europeus, pode-se dizer que desde a guerra de Sucessão da
Espanha, e inclusive as guerras napoleônicas, têm sempre, como ultima ratio, o problema colonial.
Aliás estas guerras, cujo teatro principal é quase sempre nas
grandes rotas marítimas, vão contribuir para a valorização dos
produtos do ultramar, embaraçando e tornando escasso o seu fornecimento. Quem estará então bem colocado é Portugal. Potência já
então de segunda ordem entre os países coloniais da Europa, abrigado à sombra poderosa de seu aliado inglês, o Reino é dos países
europeus que menos se envolveram nos conflitos. Desta sua posição
de neutralidade dúbia, que terminaria num desastre, ele foi tirando, enquanto pôde, vantagens consideráveis. Durante um certo tempo
dominou mesmo o comércio colonial, e com isto recobrou uma posição
que desfrutara dois séculos antes, e que parecia já irremediavelmente perdida para sempre.
Mas se Lisboa se tornara, pelos fins do século, o grande empório do comércio colonial, a sua colônia americana não seria menos avantajada pela posição privilegiada da metrópole. Todos os
demais produtores de gêneros tropicais se viam atingidos pela luta
em que se envolviam suas respectivas metrópoles. A neutralidade
portuguesa se estendia sobre o Brasil e seu comércio. Podia ele,
em paz, desenvolver suas riquezas e vender sem empecilhos seus
produtos. Mas não é só: nos últimos anos do século seus principais
concorrentes ainda sofrem golpes mais profundos que a guerra. São
as agitações políticas e sociais que transtornam a vida das colônias inglesas e francesas das Antilhas, sobretudo o grande colapso
de São Domingos (Haiti), em 1792. No comércio dos produtos tropicais a posição do Brasil se tornará ímpar.
Ainda ocorre na segunda metade do século mais um fator particular que estimula a agricultura brasileira. Até então, o grande
gênero tropical fora o açúcar. Outro virá emparelhar-se a ele, e
sobrepujá-lo-á em breve: o algodão. Embora conhecido imemorialmente, o papel do algodão nunca fora de destaque; em particular na
Europa, onde nada havia que o avantajasse às fibras de produção
local então utilizadas para os mesmos fins que ele: o linho ou a
lã. Os progressos técnicos do séc. XVIII permitirão o seu aproveitamento em medida quase ilimitada, e ele se tornará a principal
matéria-prima industrial do momento, entrando para o comércio internacional em proporções que este desconhecia ainda em qualquer
outro ramo. Arkwright constrói o seu fuso em 1769, no mesmo ano em
que Watt obtém patente para a máquina a vapor que tornaria possível o emprego desta energia em larga escala. Em 1787 Cartwright
inventa o tear mecânico. São datas preciosas para o Brasil. O consumo do algodão na Inglaterra, o grande centro da indústria têxtil
moderna, acompanha estas datas. Não ia no qüinqüênio 1771/5 além
de 4,76 milhões de libras (peso); no penúltimo do século (1791/5),
logo depois da introdução do tear mecânico, atingirá 26 milhões.
Já não bastavam para este volume considerável os antigos e
tradicionais fornecedores do Oriente; e a América, aproveitando

suas reservas imensas de terras virgens, virá preencher a falta e
tornar-se-á o grande produtor moderno do algodão. O Brasil terá
sua parte que a princípio não é pequena, neste surto sem paralelo
no passado do comércio algodoeiro.
O algodão é produto nativo da América, inclusive do Brasil, e
já era utilizado pelos nossos indígenas antes da vinda dos europeus. Com a colonização o seu cultivo se difundiu. Fiado e tecido
em panos grosseiros, servia para vestimenta dos escravos e classes
mais pobres da população. Exportou-se mesmo, ocasionalmente, em
pequenas quantidades; e na falta da moeda, os novelos de fio e panos de algodão chegaram a circular em certas regiões como tal; hábito que tanto se arraigou, que no Maranhão, p. ex., exprimiam-se
ainda naquelas mercadorias, em princípios do séc. XIX, os valores
monetários locais: novelo de fio, por 100 réis: e rolo de pano,
por 10$000. Mas até o terceiro quartel do séc. XVIII, quando começa a ser exportado regularmente, o algodão nada mais representa
que uma insignificante cultura de expressão local e valor mínimo.
É somente quando se torna mercadoria de grande importância no mercado internacional que o algodão começa a aparecer, tornando-se
mesmo uma das principais riquezas da colônia. Verifica-se aí, mais
uma vez, o papel que representa na economia brasileira a função
exportadora: é ela o fator único determinante de qualquer atividade econômica de vulto. E isto se comprovará novamente neste mesmo
setor da produção algodoeira, pouco depois do período que ora nos
ocupa, quando vem o reverso da medalha e a fibra brasileira é desbancada e quase excluída do mercado internacional pelos seus concorrentes. A produção decairá logo em seguida, e as regiões produtoras que não contaram com um substituto, encerram com um colapso
sua brilhante e curta trajetória.
A primeira remessa de algodão brasileiro para o exterior (com
exclusão daquela remessa pequena e intermitente exportação do séc.
XVI, referida acima e que não progrediu), data, ao que parece, de
1760, e provém do Maranhão que neste ano exporta 651 arrobas. De
Pernambuco exporta-se a partir de 1778, sendo em quantidade insignificante até 1781. A Bahia e o Rio de Janeiro seguirão o passo.
Mas é no Maranhão que o progresso da cultura algodoeira é mais interessante, porque ela parte aí do nada, de uma região pobre e inexpressiva no conjunto da colônia. O algodão dar-lhe-á vida e
transformá-la-á, em poucos decênios, numa das mais ricas e destacadas capitanias. Deveu-se isto em particular à Companhia geral do
comércio do Grão-Pará e do Maranhão, concessionária desde 1756 do
monopólio desse comércio. É esta companhia que fornecerá créditos,
escravos e ferramentas aos lavradores; que os estimulará a se dedicarem ao algodão, cuja favorável conjuntura começava a se delinear. A Companhia não colherá os melhores frutos do seu trabalho:
extingue-se em 1777 com a cessação do seu privilégio que não é renovado. Mas o impulso estava dado, e o Maranhão continuará em sua
marcha ascendente. Será ultrapassado mais tarde por Pernambuco e
Bahia, que contavam ao se lançarem na empresa com recursos de gente e capitais muito mais amplos. Mas o Maranhão terá, pelo menos

num momento, seu lugar no grande cenário da economia brasileira.14
A cultura do algodão disseminar-se-á largamente pelo território brasileiro. Sua área de difusão estende-se desde o ExtremoNorte (onde até o Pará tem sua pequena exportação), até o planalto
dos Campos-Gerais (atual Estado do Paraná); e avança, na base da
Serra, mais para o sul, até a latitude de 30°2, nas proximidades
de Porto Alegre. Para o interior, até Goiás produzia e exportava
algodão. O país inteiro será atingido pelo boom, e alinhar-se-á
entre os grandes produtores mundiais da fibra. Mas não será mais
que um momentâneo acesso. Com o declínio dos preços, que se verificará ininterruptamente desde o começo do séc. XIX, conseqüência
sobretudo do considerável aumento da produção norte-americana e do
aperfeiçoamento da técnica que o Brasil não acompanhou, a nossa
área algodoeira vai-se restringindo; e estabilizar-se-á com índices muito baixos, em dois ou três pontos apenas.
Na localização, o algodoeiro não acompanhará as antigas e tradicionais culturas tropicais brasileiras: o açúcar e o tabaco. Rebelde à umidade, e particularmente à irregularidade das precipitações que na época em que se abrem as maçãs deterioram a fibra, as regiões mais arredadas do litoral, onde as chuvas são menos freqüentes e mais regulares, se avantajam sobre os setores que
foram os de eleição para a cana e o tabaco. No Maranhão, as culturas se internam subindo as margens do Itapicuru, e se concentram
sobretudo em Caxias. No Ceará, elas invadem a bacia do Jaguaribe,
e seu principal centro localizar-se-á no alto interior, Icó. Fato
semelhante se verifica no Nordeste: a cana ocupara as planícies de
beira-mar; o algodão fixar-se-á numa faixa intermediária entre elas e o interior propriamente, o agreste, como se denomina a região.
O interior mais remoto também se aproveita da preferência do
algodão por climas mais secos. No alto interior da Bahia e de Minas Gerais, na região limítrofe destas duas circunscrições administrativas, forma-se uma região algodoeira de certa importância;
bem como em Goiás, como já foi referido. Como se vê, a lavoura algodoeira abrira perspectivas agrícolas para zonas que até aí só
tinham conhecido o pastoreio ou a mineração. Mas como assinalei,
será precária em todas elas; o afastamento dos portos de embarque
e a dificuldade do transporte acabarão sufocando-as. A concorrência internacional e a queda de preços eliminarão estas regiões
mais desfavorecidas; e sobrarão apenas, mas em posição medíocre,
internacionalmente falando, o Nordeste e o Maranhão.
O progresso da lavoura algodoeira foi muito facilitado pela
relativa simplicidade da produção. Ao contrário do açúcar, ela
quase nada exige além da cultura propriamente; seu benefício se
limita à separação do caroço e ao enfardamento, operações simples
que não exigem senão instalações sumárias. E mesmo para isto, realizar-se-á uma certa separação entre a cultura e o beneficiamento, forrando-se assim o lavrador do ônus e das dificuldades do

Não é somente economicamente que se transforma; a mudança é mais profunda. Com
o algodão vieram os escravos africanos -- ou vice-versa, preferivelmente --; modifica-se a feição étnica da região, até então composta na sua quase totalidade,
salvo a minoria dos colonos brancos, de índios e seus derivados mestiços. O algodão, apesar de branco, tornará preto o Maranhão.

14

preparo do seu produto, o que era em regra feito por comerciantes
que adquiriam a mercadoria em bruto. Mas nem por isso a cultura do
algodão tem um tipo de organização diversa da que tem a cana; aí,
como nesta última, é a grande exploração que domina. Embora de manipulação menos complexa que a do açúcar, o algodão se afeiçoa
mais, comercialmente, a este tipo. Aliás, a mão-de-obra abundante
que exige, em particular por ocasião da colheita, já é por si uma
circunstância favorável à cultura em larga escala. Encontramo-la
assim, particularmente nas grandes regiões produtoras, Maranhão e
Pernambuco, concentrada em fazendas de vulto, trabalhadas como as
da cana por numerosos escravos negros.
O açúcar não ficará atrás do algodão neste surto agrícola do
final do séc. XVIII. As velhas regiões produtoras, como a Bahia e
Pernambuco, decadentes havia quase cem anos, se renovam e brilharão outra vez como nos dois primeiros séculos da colonização. Abrem-se novas regiões de grande produção, como nos Campos dos Goitacazes, que logo adquirirão posição de primeiro plano. Em São
Paulo também, os progressos serão sensíveis. A velha capitania de
São Vicente (cujo nome se mudara para São Paulo em princípios do
século XVIII) permanecera até a época que nos ocupa, em plano secundário e apagado. Embora se tivesse iniciado aí a colonização
muito cedo, ao mesmo tempo que em Pernambuco, e embora tivessem
partido daí as expedições que descobriram e primeiro exploraram o
ouro de Minas Gerais, São Paulo, pela sua posição excêntrica, esperará muito tempo para significar alguma coisa. No momento que
nos ocupa começa a se destacar; e é no açúcar, sobretudo, que fundará sua prosperidade. A lavoura de cana se desenvolve no litoral;
mas o planalto interior, embora separado da costa pelo abrupto da
Serra que dificulta singularmente os transportes e comunicações,
também será beneficiado. Em conjunto, São Paulo já figurará no final do séc. XVIII como exportador de açúcar, embora modestamente
com suas 1.000 caixas anuais que vêm depois das 20.000 da Bahia,
14.000 de Pernambuco e 9.000 do Rio de Janeiro.
Passemos rapidamente em revista as demais culturas que aparecem por esta época e que representam algum papel na economia
brasileira. A do arroz adquirirá importância, chegando a figurar
em segundo lugar nas exportações da colônia, embora muito longe do
açúcar, colocado ainda, como sempre no passado, em primeiro lugar.
Cultiva-se sobretudo no Maranhão; e, em menor escala no Pará e no
Rio de Janeiro. O anil será uma grande esperança que se frustrou.
A América se tornou no séc. XVIII a maior produtora mundial, em
substituição à Índia, até então a grande fornecedora. O anil cultivar-se-á sobretudo na Carolina e Geórgia (Estados Unidos) e em
São Domingos. No Brasil procurou-se também introduzir o indigoeiro, lá por volta de 1769; e ele prosperou sobretudo no Rio de Janeiro. A exportação da capitania chegou, em 1796, a 5.000 arrobas.
Mas pela mesma época inicia-se a decadência; aliás, na América em
geral, por efeito da concorrência da Índia, onde a Inglaterra,
tendo perdido suas colônias americanas, estimulara com grandes capitais o renascimento da produção. O Brasil foi particularmente
atingido porque seu produto, mal preparado e fraudado, tinha péssima aceitação nos mercados. A cultura do indigoeiro desaparece
praticamente pouco depois.

Restaria falar do café, que nesta última parte do séc. XVIII
começa a ser cultivado em larga escala. Mas deixemos sua história
para depois (cap. 16), quando atinge a notável importância que faria dele o grande produto da economia brasileira.
Este renascimento agrícola da colônia se faz em contraste frisante com as regiões mineradoras, cujo declínio se torna cada vez
mais acentuado. Elas se voltam, aliás, na medida do possível, para
as atividades rurais. Vimos já como a cultura do algodão aí se desenvolve; a pecuária também adquire importância excepcional, e em
Minas Gerais constituir-se-á o centro criador de mais alto nível
na colônia. Particularmente a indústria de laticínios, que antes
não se praticava no Brasil em escala comercial, torna-se notável.
O queijo aí fabricado será famoso, e até hoje é o mais conhecido
do país (o "queijo de Minas"). Forma-se também, no sul de Minas
Gerais, uma região de cultura do tabaco, que embora não chegue
nunca a rivalizar com a Bahia, tem sua importância.
Tal contraste entre a decadência da mineração e o progresso
das atividades rurais se reflete nas discussões da época; é sensível nelas o prestígio da agricultura, e crescente a descrença na
mineração. O balanço entre ambas é quase unânime em favor da primeira. Somente dela esperavam-se resultados sérios e um futuro
promissor. O país acordara finalmente do seu longo sonho de metais
e pedras preciosas...
A conseqüência máxima, na feição geral da colônia, do renascimento da agricultura, é o novo deslocamento de seu eixo do interior para a marinha. A zona natural da agricultura é a faixa de
territórios que se estende, de norte a sul, ao longo do Oceano. Aí
se fixara de início, e exclusivamente, como vimos, nos dois primeiros séculos. Para a produção dos gêneros tropicais de que então
se tratava, e sobretudo o açúcar de cana, nada mais favorável que
esta baixada litorânea, úmida e quente, em que a qualidade excepcional de certos solos vinha complementar a excelência das condições climatéricas. Ocorria ainda mais uma circunstância favorável
a esta localização. Produzindo exclusivamente para o exterior, as
atividades econômicas da colônia se fixam naturalmente próximo aos
portos de embarque e exportação. A desvantagem das capitanias do
interior, neste terreno, é manifesta. Numa economia essencialmente
exportadora, como a da colônia, sua posição é excêntrica. Só com a
agricultura, a colonização não teria penetrado no interior; e é
por isso que até o século XVII, os portugueses continuavam a "arranhar o litoral como caranguejos", como dirá um cronista da época. Foram a mineração e a pecuária que tornaram possível e provocaram o avanço; a primeira, por motivos óbvios: o valor considerável do ouro e dos diamantes em pequenos volumes e peso anula o
problema do transporte. A segunda, para empregar a pitoresca fórmula de um observador do séc. XVIII "porque os gados não necessitam de quem os carregue, eles são os que sentem nas longas marchas
todo o peso de seus corpos..."
É por isso que as capitanias do centro, que se tinham estabelecido em função das minas agora decadentes, quando passam a dedicar-se a atividades rurais para se ocuparem nalguma coisa, é a pecuária que de preferência escolhem. É o que se verifica, como referi, em Minas Gerais. Mas, seja este o caso, ou subsidiariamente

o da agricultura, tratar-se-á sempre de uma atividade de segundo
plano. A grande lavoura, isto é, a agricultura que produz para a
exportação e que é a única de perspectivas amplas, esta só excepcionalmente se fixará no interior.
O algodão, nos primeiros tempos da febre e dos grandes lucros,
gozando de preços anormalmente altos, constituirá uma destas exceções. Encontrando no interior condições naturais altamente propícias, mão-de-obra relativamente abundante que a decadência da
mineração deslocara e pusera à sua disposição, ela se alastra por
setores inesperados, como foi referido. Mas tratar-se-á sempre de
uma situação precária e que não durará muito. E aqueles centros do
interior não contrabalançarão nunca a faixa de territórios mais
próximos do mar, mesmo neste caso particular do algodão.
O que se passa em São Paulo, neste terreno, se assemelha a um
paradoxo. Assistimos aí à inversão da regra geral. Até fins do
séc. XVIII é ainda o litoral que prevalece sobre o planalto interior; e é nele -- estamos ainda na regra -- que se verificou seu
primeiro ciclo agrícola. Mas no momento em que a agricultura paulista, acompanhando o movimento geral da colônia, toma verdadeiro
impulso, e pela primeira vez passa a representar alguma coisa no
conjunto da economia do país, não é o litoral que escolhe; este
ficará em segundo plano. É no planalto que se localizará a principal região produtora de açúcar com que São Paulo começa sua restauração e progresso.
A exceção à regra se explica. A planície litorânea forma aí
uma faixa muito estreita; e quando se alarga, constitui-se sobretudo de terrenos alagadiços e impróprios para a agricultura. Isto
contrasta vivamente com as grandes vantagens do planalto e de seus
magníficos solos, sem dúvida os melhores do país. Aliás, embora
separado dos portos pelo abrupto da serra, não se afasta deles excessivamente.
Também é o caso de lembrar aqui a lavoura cafeeira, que embora
nos primeiros passos de sua grandiosa trajetória, já começava a
conquistar um pequeno lugar entre as principais atividades agrícolas da colônia. O cafeeiro também foge à baixada litorânea, que
não lhe convém, e procura as encostas da serra que a domina. Assim
mesmo, não se entranhará muito, a não ser bastante mais tarde
(graças então às estradas de ferro), e ficará no bordo oriental do
planalto que sobranceia o mar.
De um modo geral, é assim a faixa de territórios mais próximos
do mar que é atingida pelo renascimento agrícola da colônia. Outro
fato, já referido incidentemente acima, virá reforçar esta tendência geral para a costa: é a decadência da região do interior nordestino, acossada pela seca, e que será substituída, como fornecedora de carne, pelos campos do Rio Grande do Sul. Analisarei este
fato, com mais vagar, em capítulo próximo; mas lembro-o aqui para
completar o quadro desta inversão do movimento colonizador, no
sentido do interior durante o séc. XVII e sobretudo o XVIII, de
retorno para o litoral dos fins deste em diante.
O desenvolvimento da agricultura no período que temos em vista, embora bastante considerável, é muito mais quantitativo que
qualitativo. Daí sua precariedade, e salvo em casos excepcionais,
sua curta duração. No terreno do aperfeiçoamento técnico, o pro-

gresso da agricultura brasileira é naquele período praticamente
nulo. Continuava em princípios do séc. XIX, e mais ou menos nas
mesmas condições continuará ainda por muito tempo, com os mesmos
processos que datavam do início da colonização. Processos bárbaros, destrutivos, explicáveis e mesmo insubstituíveis na primeira
fase da ocupação; mas que começavam já, pela insistência neles, a
fazerem sentir seus efeitos devastadores.
Para a instalação de novas culturas nada de novo se realizara
que o processo brutal e primitivo da "queimada"; para o problema
do esgotamento do solo, outra solução não se descobrira ainda que
o abandono puro e simples do local por anos e anos consecutivos,
com prazos cada vez mais espaçados que o empobrecimento gradual do
solo ia alargando. Para se tornar afinal definitivo. A mata, sempre escolhida pelas propriedades naturais do seu solo, e que dantes cobria densamente a maior parte das áreas ocupadas pela colonização, desaparecia rapidamente devorada pelo fogo. Assim, no litoral do Nordeste, entre outros exemplos, da densa e ininterrupta
floresta que se estendia da Paraíba até Alagoas, sobravam apenas
uns restos nos dois extremos da área. Tentar-se-á defendê-los do
assalto final nos últimos anos do séc. XVII; não aliás em consideração à agricultura ou à necessidade de reservas para o futuro desenvolvimento do país, mas para o fornecimento de madeiras aos arsenais da Marinha Real. Critério estreito, como sempre, de uma administração incapaz, e que será um dos responsáveis pela ineficiência e inutilidade das medidas de defesa adotadas. A destruição
continuará como dantes até a consumação final.
Contribuía particularmente para esta destruição o consumo indiscriminado e descontrolado da lenha. Sobretudo responsáveis os
engenhos de açúcar que absorvem quantidades enormes; não se cogitara ainda em utilizar o bagaço da cana como combustível, coisa
que nas colônias inglesas, francesas e holandesas já se tornara
processo rotineiro.
A devastação da mata em larga escala ia semeando desertos estéreis atrás do colonizador, sempre em busca de solos frescos que
não exigissem maior esforço da sua parte. Graças somente à excepcional fertilidade natural dos terrenos baianos ou pernambucanos é
que foi possível manter aí, durante tanto tempo, a cultura da cana. Mas o vácuo de matas que se ia formando em torno dos engenhos
criava outros problemas igualmente sérios. Tinha-se que ir buscar
lenha a distâncias consideráveis; freqüentemente ela se torna inacessível, e a atividade do engenho cessa. A falta de lenha é uma
das causas mais comuns do abandono de engenhos, e ocorre amiúde.
No trato da terra também nada se fizera no sentido do melhor
aproveitamento, restauração ou mesmo simples conservação das propriedades naturais do solo. O sistema de monocultura e o espírito
que anima o produtor colonial são disto os principais responsáveis. Ela faz convergir para um único fim, com o objetivo de um
máximo e momentâneo proveito, todas as atenções e esforços; verdadeiro processo de bombeamento dos recursos naturais do solo; "agricultura extrativa", já foi ela denominada. A fatal separação
entre a agricultura e a pecuária, corolário daquele sistema, e que
constitui um dos traços mais característicos da economia rural da
colônia, também foi funesta para o trato do solo, privando-o, como

o privou, do único elemento fertilizante de que poderia dispor: o
estrume dos animais. E nem se procurou obviar ao inconveniente daquela separação na medida do possível, aproveitando o gado que se
empregava no manejo dos estabelecimentos rurais, e que era numeroso nos engenhos de açúcar. Nem ao menos a bagaceira (o bagaço da
cana esmagada), inutilmente desperdiçada, se aproveitava como adubo. Quando estorvava pelo volume, incinerava-se. Ignorância e imprevidência em tudo.
Naturalmente de outros melhoramentos mais complexos do solo
nunca se cogitou um instante sequer. Irrigação, tão necessária em
muitos lugares e relativamente fácil em vários casos; drenagem e
outros processos de regularização do fornecimento da água para a
agricultura, ou em defesa dela, providências estas todas tão importantes num clima particularmente sujeito à irregularidade e violência das precipitações pluviais e escoamento das águas, são
praticamente desconhecidas na colônia.
Em matéria de lavra do solo, nada verdadeiramente se praticava
de eficiente, e além da queima e roçada para a limpeza indispensável -- e isto mesmo apenas sumariamente e sem mais que o conhecido
processo da coivara15, -- não se fazia mais que abrir o solo em regos ou covas, conforme o caso, para lançar nele a semente. Aliás,
de instrumentos agrícolas não se conhecia outro que a enxada. Nada
mais primário.
O problema da escolha ou seleção de variedades a serem cultivadas pode-se considerar ignorado. Até princípios do séc. XIX só
se conhecia uma única variedade de cana-de-açúcar, a mesma que se
cultivava desde o início da colonização, e que por isso, quando os
lavradores brasileiros descobriram que não era única, foi apelidada crioula. Só naquela data começou a se difundir outra variedade
mais resistente, a cana de caiena ou otaiti.16 Relativamente ao algodão, aparece mais cedo um rudimento de discriminação; desde o
último decênio do séc. XVIII notara-se que uma variedade particular conhecida por algodão do Maranhão (embora nada tivesse com esta capitania), produzia melhor, e começou-se a adotá-la a partir
de 1796; mas seus progressos foram lentos. Se isto se dava com as
principais lavouras da colônia, pode-se imaginar o que ia pelas
demais.
As indústrias complementares da agricultura também se mantinham na mesma inércia. Os engenhos de açúcar em nada se tinham modificado; existem duas admiráveis descrições contemporâneas deles,
uma de princípios, outra de fins de século; ambas se sobrepõem
perfeitamente.17 Já me referi ao caso do emprego do bagaço como
combustível, que não se praticava ainda no Brasil apesar de já ser
processo velho de mais de meio século; a moagem continuava a se
fazer em aparelhos antiquados de baixo rendimento, apesar dos progressos técnicos no assunto e que já tinham sido adotados havia

15 A coivara consistia em reunir e juntar em pilhas os galhos e outros destroços
da floresta queimada e atear-lhes fogo.
Esta variedade, originária da ilha de Taiti (donde o nome), e trazida para a
América Central e as Guianas, passou para o Brasil entre 1790 e 1803.
17 São elas, respectivamente, a Cultura e Opulência do Brasil, de Antonil (1711),
e as Notícias Soteropolitanas, de Vilhena (1800).
16

muito em outros lugares.
A utilização da água corrente como força motriz das moendas
(engenhos d'água), de rendimento quase dobrado com relação ao da
propulsão animal, também não é muito comum. Numa descrição minuciosa da capitania de Pernambuco, em 1777, sé encontramos referência a 18 engenhos dágua, num total de 309, que era então o efetivo
da capitania. Aliás a força hidráulica é excepcional em qualquer
setor. Emprega-se no monjolo, um rudimentar pilão mecânico trazido
provavelmente do Oriente, e nalguma primitiva roda dágua;18 mas isto é tudo. Das fontes de energia então reveladas ao conhecimento
humano, não se utilizam aqui, em escala apreciável, senão as mais
rudimentares, as que primeiro se impuseram àquele conhecimento: a
força do homem e do animal.
A mesma rotina se verifica no beneficiamento do algodão. No
descaroçamento, apesar da descoberta de Whitney, a saw-gin, que é
de 1792 e logo se difundiu largamente por toda a região algodoeira
dos Estados Unidos, o Brasil continuará a empregar por decênios
ainda o velho princípio do descaroçador de origem imemorial, a
churka do Oriente. Ignorou-se por completo, aqui, a descoberta que
revolucionou a cultura algodoeira, dando-lhe um impulso que a
transformaria. Para o enfardamento ainda se empregarão correntemente velhos processos manuais até princípios do séc. XIX, e só
então se introduzem as prensas mecânicas.
Estes índices da agricultura brasileira revelam, sem margem
para dúvidas, o seu ínfimo nível técnico. A rotina e a ignorância.
O responsável por tal estado de coisas é naturalmente o sistema
geral da colonização, fundada no trabalho ineficiente e quase sempre semi-bárbaro do escravo africano. Seria difícil realizar qualquer coisa de muito melhor com trabalhadores desta natureza. Mas
não é só o trabalho escravo o responsável. De nível bastante superior eram a agricultura e indústria anexas em outras colônias tropicais, contando embora com idêntica mão-de-obra. Já sem contar os
Estados sulinos da União norte-americana, onde o trabalho também é
escravo. A razão da diferença está, não pode haver outra, na natureza do colono português, e sobretudo no regime político e administrativo que a metrópole impôs à sua colônia. Este fora sempre,
pelo menos no último século, de isolar o Brasil, mantê-lo afastado
do mundo e impedindo portanto que aqui chegasse outra coisa qualquer que os reflexos do já baixo nível intelectual do Reino. Doutro lado, não supria o isolamento em que vivia a colônia o mais
rudimentar sistema de educação e instrução que fosse. Não se pode
considerar sistema de ensino as magras cadeiras de primeiras letras, latim e grego, que havia nalguns dos maiores centros da colônia. Criadas aliás só depois de 1776, e que funcionavam ao deusdará, com professores mal pagos, alunos indisciplinados e aulas
desorganizadas. O nível cultural da colônia era da mais baixa e
crassa ignorância. Os poucos expoentes que se destacavam pairam
num outro mundo, ignorados por um país que não os podia compreen
Ainda hoje se encontram desses aparelhos rudimentares que pela simplicidade da
sua construção resistiram ao progresso. As rodas d'água são em geral horizontais, o que facilita a construção quando se empregam em moinhos, pois dispensamse engrenagens. Mas perde-se muito da força-motriz, e o rendimento é limitado.

18

der. E sobre tudo isto pesava uma administração mesquinha, ciosa
unicamente dos rendimentos do fisco e dos particulares dessa chusma de burocratas incapazes e pouco escrupulosos que a metrópole
nos remetia para este lado do Atlântico.
Não vai aqui nenhum exagero, e o que fica dito já dá boa margem para explicar o nível rudimentar das principais atividades econômicas da colônia. Mas ainda há uma consideração de ordem mais
geral a fazer nesta matéria da agricultura colonial. A colonização
européia nos trópicos inaugurou ali um novo tipo de agricultura
comercial extensiva e em larga escala. Aliás durante séculos, até
os tempos contemporâneos, é só nos trópicos que se encontra esta
forma de produção agrária. Hoje ela aparece também na zona temperada, particularmente na produção cerealífera, como nos Estados
Unidos, na União Soviética, na Argentina. Mas aí ela resulta de
progressos técnicos e mecânicos notáveis, e veio depois que estes
progressos conseguiram contrabalançar, em parte pelo menos, os inconvenientes do sistema. Estes não são pequenos, e o regime oneroso e exaustivo a que submete o solo é o mais grave deles.
Na agricultura tropical, pelo contrário, ainda hoje quase não
existem processos racionais de cultura extensiva. No passado, nem
se fala. Acresce ainda que qualquer sistema de produção extensiva
na agricultura exige inversões vultosas de capital e trabalhos
preliminares e paralelos consideráveis. Tudo isto faltou ou não
foi possível realizar nos trópicos quando se começaram a explorálos. A produção contou neles unicamente com os recursos naturais
abundantes, com a exuberância da vegetação e as reservas secularmente acumuladas num solo virgem. Mas tudo isto estava fadado a se
esgotar. Nos primeiros séculos da colonização não foi percebido
que se estava desbaratando um capital, não apenas colhendo seus
frutos. Não se percebeu ou não havia inconvenientes imediatos: sobrava o espaço. É só aos poucos que se foi enxergando o alcance do
mal. No Brasil, em fins do século XVIII e princípios do seguinte,
já se começa a senti-lo e havia consciência do que se passava. O
assunto se discute contemporaneamente; naturalmente, ele é obscurecido por noções erradas, sem contar que se estava diante de um
fato inteiramente novo, desconhecido no passado, quando a exploração dos trópicos ainda estava em seus primeiros passos. Faltavam
conhecimentos científicos que só muito mais tarde se vulgarizariam. Não é compreendido portanto o mal que estava roendo a substância da colônia. Percebem-se os efeitos, e instintivamente se sente
que alguma coisa há para fazer, mas não se sabe ao certo o quê. As
soluções, quando são dadas, se buscam no arsenal da experiência
européia, como o conselho que encontramos num observador contemporâneo que recomendava, para a lavra conveniente da terra, o destocamento dos terrenos de cultura, como se nas extensões enormes das
plantações coloniais fosse possível, sem outro auxílio que o braço
humano e a força animal, realizar o que ainda hoje é quase sempre
impraticável.
A baixa produtividade da agricultura brasileira, e que acabará
numa esterilização quase completa de áreas extensas, não é, em última análise senão conseqüência do que acima ficou dito. E ela já
era bem sensível no momento que nos ocupa. Mas o que nos cabe concluir é que o baixo nível técnico das nossas atividades agrárias e

as conseqüências que teria, não se devem atribuir unicamente à incapacidade do colono. Em muitos casos, nos mais importantes mesmo,
ele não podia fazer melhor. Poderia, é certo, acompanhar os seus
concorrentes de outras colônias, atingir o seu padrão bastante superior. Mas seria pouco ainda. O mal era mais profundo. Estava no
próprio sistema, um sistema de agricultura extensiva que desbaratava com mãos pródigas uma riqueza que não podia repor. E com esta
consideração, se de um lado desculpamos a colonização, doutro a
carregamos muito mais. Porque o problema se torna muito mais difícil. Se não era simples educar os colonos e a população em geral
para que pudessem aperfeiçoar os seus processos e melhorar sua
técnica, muito mais custoso será modificar um sistema, o que exigiria reformas profundas, econômicas e quiçá sociais.
Seja como for, é em condições precárias, apesar do bafejo providencial de conjunturas favoráveis, que a economia brasileira entra no século XIX; século em que a liberdade e a livre concorrência pô-la-iam, em campo aberto, em face de adversários infinitamente mais bem aparelhados. A sua derrota era inevitável; e
mantendo-se, como se mantinha, unicamente na base do comércio exterior, dependendo de mercados sobre que não tinha a mais leve e
remota ação, o colapso não tardaria, se a Providência não viesse
em nosso auxílio... E foi o que ocorreu, embora já estejamos aqui
nos adiantando em nosso assunto; viria o colapso e viria também a
Providência salvadora. Esta chegaria até nós sob a forma de um gênero para cuja produção a Natureza nos aparelhara admiravelmente:
café. Desbaratar-se-ia com ele mais uma grande parcela dos dons
com que a Natureza nos dotara. Mas onde não havia mais destes dons
a gastar, a Providência falhou, e veio o colapso.
Não eram contudo tão sombrias ainda, ao inaugurar-se o século
passado, as perspectivas da agricultura colonial. Pelo contrario,
vimos que a conjuntura internacional e doméstica a favorecia largamente. Os nossos produtos estavam valorizados os possíveis concorrentes debilitados, e internamente a decadência da mineração
punha à disposição dela energias e atividades desocupadas. Tudo
sorria, e ela parecia marchar vitoriosa.

66
Incorporação do Rio Grande do Sul
Estabelecimento da Pecuária

A EXTREMIDADE meridional do território que hoje constitui o
Brasil, permaneceu durante muito tempo fora de sua órbita. Entrará
para a história política e administrativa da colônia em fins do
séc. XVII; mas economicamente só começará a contar no período que
ora nos ocupa, isto é, segunda metade do séc. XVIII. Antes disto é
apenas um território arduamente disputado por espanhóis e portugueses, de armas na mão, e não terá outra forma de ocupação que a
militar. Até aquele final do séc. XVII as fronteiras meridionais
do Brasil se conservam não apenas indecisas, mas desconhecidas e
descuidadas. Tratava-se de uma área deserta e que parecia sem
grande interesse; e por isso ninguém se preocupou em fixar aí o
local onde se tocavam as possessões espanholas e portuguesas. A
linha imaginária do acordo de Tordesilhas (1496) devia passar mais
ou menos na altura da ilha de Santa Catarina; mas nenhuma das duas
coroas ibéricas tratou jamais de a determinar com rigor. Durante a
dominação castelhana em Portugal (1580-1640), a questão não tinha
naturalmente especial interesse, pois tudo pertencia ao mesmo soberano. Mas depois da restauração, o rei de Portugal, grandemente
preocupado com sua colônia americana (já assinalei que era a última possessão ultramarina de valor que lhe sobrava), tratou seriamente de fixar-lhe as fronteiras, sobretudo neste setor meridional
onde os estabelecimentos portugueses e espanhóis mais se aproximavam uns dos outros, e onde portanto os choques eram mais de temer.
Ao se separarem as duas coroas, os limites da ocupação efetiva
eram, quanto aos portugueses, ao sul da capitania de São Vicente
(depois São Paulo). Eles tinham alcançado, embora só nas proximidades da costa, o território hoje ocupado pelo Estado do Paraná.
Os espanhóis, do seu lado, estabelecidos em Buenos Aires, no Rio
da Prata, não tinham ainda passado, para o norte, além deste ponto; salvo pelo interior do continente, subindo ao longo dos rios
Paraná e Paraguai. Um grande vácuo, portanto, separava as duas nações; todo o território a leste do rio Paraná, compreendido entre
o Rio da Prata ao sul e paralelo de 26° ao norte, permanecia deserto e inocupado, embora fosse percorrido intermitentemente, desde princípios do séc. XVII, pelas bandeiras paulistas preadoras de
índios.
Caberá aos portugueses a iniciativa de estender a soberania de
sua metrópole sobre este território. Em 1680, uma expedição partida do Rio de Janeiro vai plantar a bandeira portuguesa e com ela
uma forte guarnição militar, na margem setentrional do Rio da Prata, bem defronte de Buenos-Aires. Data de então a fundação da famosa Colônia do Sacramento, hoje cidade uruguaia de Colônia, que
durante século e meio seria a causa de vivas disputas entre portugueses e espanhóis, primeiro, brasileiros e argentinos, depois.
Não entrarei nos pormenores desta luta que estala logo após a

fundação da colônia. Ela se sucederá com vitórias e reveses de uma
e outra parte, recuos e avanços contínuos das fronteiras. O portugueses acabarão ficando sem a colônia, e seu território é cedido
expressamente pelo tratado de Madri de 1750. Mas a localização do
conflito naquele ponto afastado permitir-lhes-á ocupar com mais
folga o território que fica para trás, mais para o norte, e que se
incorporará assim ao Brasil. Isto se fará desde os princípios do
séc. XVIII. Além das tropas destacadas para a defesa, uma corrente
de povoadores oriunda de São Paulo se irá estabelecendo no território que hoje forma o Rio Grande do Sul. Unicamente a oeste, nas
margens orientais do Rio Uruguai, fixaram-se as missões jesuíticas
de origem espanhola. Com alternativas várias, esta área, ocupada
primeiro pelas missões, também se tornará definitivamente brasileira nos primeiros anos do séc. XIX.
A base econômica da colonização do Extremo-Sul será a pecuária. Os campos imensos que o constituem, com uma vegetação herbosa que dá boa forragem, lhe são altamente favoráveis. O gado
multiplicar-se-á aí tão rapidamente que embora mais ou menos abandonado e sem trato especial algum, adquirirá uma densidade que não
tem paralelo em outra região da colônia. A agricultura somente se
estabelecerá nalguns pequenos setores próximos do litoral: cerca
do local onde hoje está a capital do Rio Grande, a cidade de Porto
Alegre; e em Santa Catarina, na ilha deste nome e na terra firme
que lhe fica fronteira.
Nestes pontos foi tentado um sistema de colonização original
para o Brasil e que oferece particularidades que o distinguem nitidamente no conjunto da nossa colonização. Como não se tratava de
regiões aptas para a produção de gêneros tropicais de grande valor
comercial, como o açúcar ou outros, foi-se obrigado para conseguir
povoadores (providência necessária porque se tratava de territórios contestados pela Espanha), a recorrer às camadas pobres ou
médias da população portuguesa, e conceder grandes vantagens aos
colonos que aceitavam irem-se estabelecer lá. O custo do transporte será fornecido pelo Estado, a instalação dos colonos é cercada
de toda sorte de providências destinadas a facilitar e garantir a
subsistência dos povoadores: as terras a serem ocupadas são previamente demarcadas em pequenas parcelas -- uma vez que não se destinavam às grandes lavouras tropicais -- fornecem-se gratuitamente ou
a longo prazo auxílios vários (instrumentos agrários, sementes,
animais de trabalho etc).
O recrutamento dos colonos se fez sobretudo nas ilhas dos Açores que sempre constituíram um viveiro demográfico a braços com
excessos de populações que o exíguo território do arquipélago não
comportava. Foram escolhidos de preferência camponeses que emigravam em grupos familiares, o que também é quase único na colonização do Brasil. Por todos estes motivos, constitui-se nos pontos
assinalados um tipo de organização singular entre nós. A propriedade fundiária é muito subdividida, o trabalho escravo é raro,
quase inexistente, a população é etnicamente homogênea. Nenhum
predomínio de grupos ou castas, nenhuma hierarquia marcada de
classes sociais. Trata-se em suma de comunidades cujo paralelo encontramos apenas, na América, em suas regiões temperadas, e foge
inteiramente às normas da colonização tropical, formando uma ilha

neste Brasil de grandes domínios escravocratas e seus derivados.
Uma ilha muito pequena, aliás, e sem importância apreciável no
conjunto da colônia. Mesmo computando apenas este setor meridional
de que nos ocupamos, seu papel é reduzido; o que contará nele são
as grandes fazendas de gado do interior, as estâncias.19
A organização econômica definitiva e estável do Rio Grande do
Sul foi protelada pelas guerras incessantes que vão até 1777. Mas
apesar delas, e graças às excelentes condições naturais, o gado
vacum se foi multiplicando rapidamente. É ele aliás, em grande
parte, que tornou possíveis estas lutas prolongadas, pois alimentou com sua carne os exércitos em luta. Segue-se a 1777, quando se
assina a paz entre os contendores, um longo período de tréguas que
iria até as novas hostilidades dos primeiros anos do séc. XIX. Estabelecem-se então as primeiras estâncias regulares, sobretudo na
fronteira, onde mercê das guerras se concentra a população constituída a principio quase exclusivamente de militares e guerrilheiros. Distribuem-se aí propriedades a granel: queria-se consolidar
a posse portuguesa, garantida até então unicamente pelas armas. O
abuso não tardou, e apesar da limitação legal das concessões (3
léguas, equivalentes a 108 km2, para cada concessionário), formamse propriedades monstruosas. Um contemporâneo escreverá: "Um homem
que tinha a proteção do governo, tirava uma sesmaria {nome dado às
doações de terras) em seu nome, outra em nome do filho mais velho,
outras em nome do filho e filha que estavam no berço; e deste modo
há casa de quatro e mais sesmarias". Repetia-se a mesma coisa que
no século anterior se praticara com tanto dano no sertão do Nordeste, e enquistava-se nas mãos de uns poucos privilegiados toda a
riqueza fundiária da capitania. Mas embora eivada no seu nascedouro de todos estes abusos, a pecuária se firma e organiza solidamente, prosperando com rapidez.
O principal negócio foi a princípio a produção de couros, que
se exportam em grande quantidade. A carne era desprezada, pois não
havia quem a consumisse; a parca população local e o pequeno mercado de Santa Catarina não davam conta dos imensos rebanhos. A exportação de gado em pé não ia, ainda em princípios do séc. XIX,
além de 10 a 12.000 cabeças por ano que se destinavam a Santa Catarina e Curitiba. Abatiam-se as reses para tirar-lhes o couro, e
abandonava-se o resto. Não havia mesmo organização regular alguma,
e o gado ainda semibravio e vivendo à lei da Natureza era antes
"caçado" que criado. Dono dele era aquele em cujas terras se encontrava. Até fins do século XVIII os couros formariam a maior
parte da exportação da capitania.
Aos poucos foi-se organizando aquele caos. É quando surge uma
indústria que livraria o Rio Grande do ônus que lhe conferia sua
posição excêntrica relativamente aos mercados consumidores de carne do país. É a do charque (nome local da carne-seca). O seu aparecimento no comércio da colônia coincidiria com a decadência da
pecuária nos setores do Nordeste, incapazes já de atenderem às necessidades do mercado. Ele encontra assim as portas abertas, e
dispõe de vantagens consideráveis: um rebanho imenso que se trata
Somente no Rio Grande as propriedades rurais têm este nome, derivado do castelhano.

19

va apenas de aproveitar. Não se perderá a oportunidade: em 1793 a
capitania já exportava 13.000 arrobas de charque; nos primeiros
anos do século seguinte alcançará quase 600.000. Excluído o rush
do ouro, não se assistira ainda na colônia a tamanho desdobramento
de atividades.20
A indústria do charque, as "charqueadas", localizam-se num
ponto ideal: entre os rios Pelotas e São Gonçalo, nas proximidades
ao mesmo tempo dos grandes centros criatórios da fronteira", e do
porto para o comércio exterior da capitania, o Rio Grande, que embora muito deficiente, é o único possível. Esta localização da indústria dará origem ao centro urbano que seria o primeiro da província depois da capital; mas primeiro absoluto em riqueza e prestígio social: Pelotas.
A pecuária rio-grandense, no alvorecer do séc. XIX, não se apresenta em nível técnico muito superior ao do interior nordestino. Estava-se ainda muito perto de suas tumultuarias origens que
vimos acima. O que às vezes obscurece a comparação é a superioridade flagrante de suas condições naturais, a sua fartura, vista em
confronto com a miséria do Norte. Aquela superioridade empresta à
criação do Rio Grande um aspecto risonho que falta por completo em
sua concorrente. Além disto, estamos aqui num período ascensional,
enquanto lá, em plena fase de decomposição. Isto tudo precisa ser
levado em conta porque na realidade o papel do homem é idêntico
nas duas: o gado também vive aqui num estado semi-selvagem, num
quase abandono e à lei da natureza. Da forma em que veio do tempo
em que vagava sem dono, assim se incorporou às estâncias. Com a
industrialização e comercialização da carne, iniciadas lá por 1780
com as primeiras charqueadas, é que se começou a cogitar de alguma
coisa mais regular. Assim mesmo, ainda em 1810 observa-se que nas
melhores estâncias só uma quarta parte do gado era manso; o restante vivia solto por ali, sem cuidado e em estado ainda bravio.
Vejamos mais de perto a organização das estâncias. Elas são,
como notei, muito grandes, resultado de abusos que não foi possível coibir. Algumas são de 100 léguas (3600 km2). Cada légua pode
suportar de 1.500 a 2.000 cabeças, densidade bem superior à que
encontramos no Norte e em Minas, o que mostra a qualidade dos pastos. O pessoal compõe-se do capataz e dos peões, muito raramente
escravos; em regra, índios ou mestiços assalariados que constituem
o fundo da população da campanha. Seis pessoas no todo, em média,
para cada lote de 4 a 5.000 cabeças. Não há mesmo serviço permanente para um pessoal mais numeroso; e nos momentos de aperto concorrem peões extraordinários que se recrutam na numerosa população
volante que circula pela campanha, oferecendo seus serviços em todo lugar, participando do chimarrão e do churrasco21 aqui para ir
pousar acolá, sempre em movimento e não se fixando nunca. Hábitos
nômades e aventureiros adquiridos em grande parte nas guerras. Esta gente socialmente indecisa concorre sobretudo ao "rodeio", o

Notemos que depois de 1805 o Rio Grande também exportará charque em grande
quantidade para Havana (Cuba).
21 Chimarrão é unia infusão de erva-mate, e constitui bebida popular muito difundida no Sul. Churrasco é a carne de vaca assada no espeto, alimento de base na
região.
20

grande dia da estância que se repete duas vezes por ano, quando se
procede à reunião do gado, inspecção, marcação e castração. Isto
no meio de regozijos em que não faltam as carreiras de cavalos, o
grande esporte dos pampas.
Além disto, os serviços regulares são de pequena monta: queimada dos pastos anualmente (para eliminação de pragas e para fornecer ao gado a forragem mais tenra dos brotos novos); uma vigilância relativamente fácil nestes campos despidos e limpos em que
a rês não se pode esconder como nas brenhas do Nordeste, e onde os
inimigos naturais são muito menos perigosos. O sal não é distribuído regularmente: supre-o, em parte, o teor salino das pastagens
expostas aos ventos marítimos que sopram nestas planícies desprotegidas. Em suma, a pecuária rio-grandense nada tem de particularmente cuidadosa; é a natureza propícia que realiza o melhor, e o
homem confia mais nela que em seus esforços. E por isso a sua produção não é brilhante; o gado aí é largamente inferior ao platino,
cerca de 50% menos produtivo de carne apesar da semelhança das
condições naturais22.
A indústria de lacticínios não é muito desenvolvida, e está
muito aquém da de Minas Gerais. Na exportação de fins do séc. XVIII o queijo figura nos quadros da capitania; mas no seguinte desaparece, e é substituído pela importação, embora em pequena quantidade. Lembremos mais que ao contrário do resto do país, aqui se
produz e se consome a manteiga; diferença com certeza atribuível
ao clima; só as temperaturas mais baixas do Rio Grande comportam
um produto tão facilmente deteriorável pelo calor. Quanto aos demais subprodutos do boi, temos aqui, como nos demais casos similares, o couro, os chifres e as unhas; encontramos ainda na exportação rio-grandense um gênero em que ela é única na colônia: o sebo,
empregado na indústria colonial para a fabricação da graxa que se
utiliza sobretudo na cordoaria e mais apetrechos dos navios, e na
manufatura de um grosseiro sabão. Esta produção de sebo se deve
sem dúvida à qualidade do boi, que não é só o musculoso animal do
sertão nordestino.
A par do gado bovino, criam-se no Rio Grande cavalos e sobretudo muares. Na capitania só se empregam os primeiros, sendo desprezados os outros, e mesmo considerado deprimente montados. É interessante fazer o paralelo entre as várias regiões do país nesta
matéria dos animais de trabalho utilizados. Encontramos o cavalo
no Norte, e a besta, no Centro; o cavalo reaparece no Sul. A topografia é certamente o fato decisivo nesta discriminação: às planícies das chapadas do Norte e dos pampas meridionais, opõe-se a
montanha do Centro-Sul onde a besta, mais lenta, mas muito mais
forte e rude, presta melhores serviços. Mas quem a fornece é o Rio
Grande, e através dele, os países platinos. O Rio Grande exporta,
por terra naturalmente, de 12 a 15.000 bestas por ano em princípios do século passado; mas é difícil apurar quantas destas são
naturais da capitania, e quantas contrabandeadas do Prata. De cavalos exportam-se apenas 4 ou 5 mil. O gado lanígero aparece em
certa quantidade; mas não para a produção de carne (a carne de

O gado platino dava de 16 a 20 arrobas de carne; o rio-grandense não ia além
de 8 a 10.

22

carneiro não se consome na colônia), mas de lã, com que se manufaturam os conhecidos ponchos de que se vestem os peões e as classes
baixas da população.

12
Súmula Geral Econômica
no Fim da Era Colonial

A ERA colonial termina propriamente para o Brasil em 1808, embora a separação oficial date de quatorze anos depois. É que naquela primeira data se transfere para a colônia o governo português na pessoa do soberano reinante e de sua corte que fugiam aos
exércitos napoleônicos invasores do Reino europeu. Esta transferência tornará o Brasil efetivamente autônomo, e as conseqüências
do fato na sua economia são desde logo consideráveis. Convém portanto, nas vésperas desse momento, fazer um balanço geral da obra
colonizadora, ver até que ponto chegara, e qual sua significação e
estrutura.
A colonização ocupava então, de uma forma efetiva, apenas uma
pequena parte do território que politicamente constituía o país.
Esta sua configuração política achava-se fixada pelos diferentes
tratados do séc. XVIII (em particular os de Madrid, de 1750, e de
Santo Ildefonso, de 1777), e sua imensidade, mais de 8 e meio milhões de km2, devia-se justamente à dispersão do povoamento que se
espalhara muito, deixando por isso grandes vácuos onde às vezes
nem o trânsito ou as comunicações denotavam a presença do colono.
Era apenas de 3 milhões o número de habitantes; como se vê, pouco
mais de 0,3 por km2.
A maior concentração do povoamento é na faixa costeira; mas
esta mesmo largamente dispersa. O que havia eram núcleos de maior
ou menor importância distribuídos desde a foz do rio Amazonas até
os confins do Rio Grande do Sul. Mas entre estes núcleos medeava o
deserto, que em regra não servia nem ao menos para as comunicações
que se faziam de preferência por mar. Três daqueles núcleos são de
grande importância: concentram-se em torno de Pernambuco, Bahia e
Rio de Janeiro. Dois outros seguem num segundo plano: Pará e Maranhão. Vem depois uma infinidade de outros de expressão pequena, se
não ínfima, e distribuindo-se com freqüência vária entre aqueles
núcleos maiores acima referidos, e para o sul do Rio de Janeiro.
Se não havia continuidade neste povoamento, havia pelo menos uma
sucessão regular de centros povoados, um colar de núcleos coloniais que mantinham a coesão desta longa faixa de território litorâneo de quase 6.000 km de extensão.
Para o interior, a irregularidade do povoamento é muito maior.

O que encontramos são apenas manchas demográficas, largamente dispersas e distribuídas, à primeira vista, sem regra alguma. No Extremo-Norte (na Amazônia), vimos o povoamento infiltrar-se ao longo dos cursos dágua numa ocupação linear e rala. No sertão nordestino são as fazendas de gado que concentram a população nas regiões de maiores recursos naturais, em particular da água, tão escassa neste território semi-árido. No Brasil central, o povoamento
se condensa em torno das explorações auríferas que se espalham
largamente sobre 2.000.000 km2 de superfície, concentrando-se mais
em três áreas distintas: Minas Gerais em primeiro e principal lugar; Goiás e Mato Grosso (norte), nesta mesma ordem, depois. Para
o sul dos centros mineradores encontramos em primeiro lugar São
Paulo, misto de zona agrícola e centro de comunicações que embora,
até o fim da colônia, de importância secundária, começava já a se
destacar e seria mais tarde a zona mais próspera, mais rica e mais
povoada do Brasil. Finalmente para o sul, o povoamento quase desaparece no planalto interior para ir reaparecer no Extremo-Sul onde
se localizam as estâncias de gado do Rio Grande.
É esta, em linhas gerais, a distribuição do povoamento brasileiro nos primeiros anos do século passado. Os diferentes setores
que o compõem têm uma atividade econômica variável, vimo-lo já nos
capítulos anteriores: as grandes lavouras tropicais, a cana-deaçúcar, o tabaco, o arroz, o anil, o algodão, ao longo do litoral;
aquelas primeiras mais próximas do mar, a última um pouco mais arredada para o interior; a colheita de produtos naturais (sobretudo
o cacau) no Extremo-Norte; a mineração do ouro e dos diamantes no
Centro-Sul; a pecuária no sertão do Nordeste e no Extremo-Sul. Estes são em suma, desprezados os pormenores, os gêneros de vida econômica da população colonial. Um traço os aproxima e sintetiza:
é o caráter geral da economia brasileira, já assinalado na introdução deste livro, e que permanece apesar de todas as vicissitudes
e incidentes de sua evolução; e que vem a ser a exploração dos recursos naturais de um amplo território em proveito do comércio europeu. Não se chegara a constituir na era colonial uma economia
propriamente nacional, isto é, um sistema organizado de produção e
distribuição de recursos para a subsistência material da população
nela aplicada; mas ficara-se, modificando apenas a extensão do
processo, nesta exploração comercial de um território virgem em
proveito de objetivos completamente estranhos à sua população, e
em que essa população não figura senão como elemento propulsor
destinado a mantê-la em funcionamento.
Este é o traço que sintetiza a economia brasileira no momento
em que o país alcança a sua autonomia política e administrativa.
Todas as suas atividades giram em torno deste fim precípuo de fornecer ao comércio internacional alguns produtos tropicais de alto
valor mercantil, metais e pedras preciosas. O mais é secundário,
acessório, e serve apenas para tornar possível a realização daquele fim. Nos capítulos anteriores já abordei as principais daquelas
atividades que constituem o nervo econômico da colonização. Mas
não é sem interesse sintetizar aqui algumas outras de segundo plano. Teremos assim um quadro aproximadamente completo da economia
colonial.

INDÚSTRIAS EXTRATIVAS
Além da mineração do ouro e dos diamantes, e da coleta de produtos naturais na Amazônia, é interessante lembrar algumas outras
produções extrativas que representam certo papel na economia colonial, mas que, por sua particularidade e vulto reduzido, não poderiam ser aqui tratadas com desenvolvimento. São elas a da madeira,
da pesca da baleia, do sal e salitre, e finalmente da erva-mate.
De madeiras, já vimos a utilização do pau-brasil, que constituiu a primeira exploração regular do território brasileiro. Tal
importância é insignificante. Madeiras para construção também foram sempre exploradas. Encontram-se espécies de esplêndida qualidade nas matas do litoral e na Amazônia. As desta última, contudo,
se acham de tal forma dispersas em florestas densas onde preponderam outras espécies não utilizáveis e basta vegetação subarborescente, que o seu aproveitamento econômico é difícil. Serviram por
isso muito mais as matas litorâneas de melhor qualidade e acesso
mais fácil. Sua utilização (além do consumo local) é sobretudo para a construção naval, e houve estaleiros de relativa importância
na Bahia e no Maranhão. Em fins do séc. XVIII as madeiras do Brasil passam a um importante plano das cogitações da administração.
Desleixadas até então, apesar das leis que restringiam o desperdício e que nunca foram efetivamente aplicadas, elas avultam por esta época nas providências administrativas da metrópole; sobretudo
porque se tratava de reconstruir a decadente e já quase extinta
marinha portuguesa. Liga-se isto ao grande programa de reformas e
reerguimento do Reino, lançado por Pombal (que governou como ministro onipotente de D. José I de 1750 a 1777), continuado parcialmente e mal depois dele, e que procurava aproveitar-se da posição singular do Reino nos mares, livre das hostilidades em que se
debatiam as demais e mais poderosas potências ultramarinas da Europa. Para aquela restauração naval portuguesa, a colônia americana devia contribuir com suas madeiras. E de fato assim se fez, observando-se no Brasil um recrudescimento de atividades neste terreno, tanto no corte de madeiras como na construção de embarcações, algumas de certo vulto. A indústria, no entanto, não tomou
pé. Por falta de técnica e de organização eficiente, manteve-se
estacionária depois do primeiro surto, e vegetou daí por diante. O
aproveitamento das madeiras do Brasil tornar-se-á mais intenso depois de 1810, quando é dada aos ingleses a autorização de explorar
as matas da colônia.
A pesca da baleia teve na colônia seus dias de grandeza. Existiam na segunda metade do séc. XVIII diferentes armações para a
pesca espalhadas da Bahia até Santa Catarina, sendo estas últimas
as mais importantes. Constitui a pesca monopólio da coroa, concedendo-se por contrato a concessionários privilegiados. Chegou a
ter certa importância, mas decaiu nos últimos anos do século quando os baleeiros ingleses e norte-americanos começaram a operar nas
ilhas Falkland, impedindo que as baleias nas suas migrações hibernais chegassem, como era dantes seu costume, até as costas do Brasil. Reduziram eles aliás, consideravelmente, a espécie pela de-

vastação praticada em larga escala e com processos aperfeiçoados
de pesca. Em 1801, não encontrando mais pretendentes ao contrato
das baleias, a coroa abandona o monopólio, tornando-se a pesca livre. Ela ainda se manteve, embora sempre em declínio acentuado,
até desaparecer lá pelo terceiro decênio do século passado.
Sobre o sal já fiz referência à exploração das salinas do rio
São Francisco (cap. 8). Sal de rocha também se extraía em Mato
Grosso, mas em escala ínfima. Mais importante é a produção de sal
marinho, que se fazia em vários pontos da costa, desde o Maranhão
até o Rio de Janeiro. O sal constituía monopólio da coroa, tendo
sido um dos mais pesados e onerosos que a colônia teve de suportar, pois afeta um gênero de primeira necessidade, encarecendo-o
consideravelmente. Para defender o monopólio e proteger produção
similar portuguesa (a indústria salineira foi uma das mais importantes de Portugal) dificultava-se o mais possível a produção brasileira, e esta só se fazia contra obstáculos enormes e perseguição tenaz. Se se manteve apesar disto, é que a falta de sal e seu
preço, bem como o abuso e desleixo dos contratadores eram tais que
a repressão ao contrabando se tornava difícil, e de uma forma completa, impossível.
Explorou-se também na colônia o salitre. Desde meados do séc.
XVIII encontram-se iniciativas oficiais neste sentido no interior
da Bahia onde se descobrem ocorrências, se bem que pobres, do mineral. Mas não tiveram sucesso. Mais. tarde, por iniciativa particular, extraiu-se o salitre em escala comercial nas margens de um
pequeno afluente do rio São Francisco, na Bahia; e também na parte
setentrional de Minas Gerais. A produção, sobretudo deste último
setor, chegou a certo vulto, e fornecia as manufaturas reais de
pólvora que havia em Vila Rica (hoje cidade de Ouro Preto) e no
Rio de Janeiro. Exportava-se também, o que foi proibido em 1810,
com grave dano da indústria, que aliás já se achava decadente pelo
esgotamento das jazidas.
A erva-mate (Ilex paraguayensis, St. Hilaire)23 é encontrada em
estado nativo nas matas do rio Paraná, bem como nos Campos Gerais
do sul da colônia (território do atual Estado do Paraná). Foi explorada desde o séc. XVII pelos jesuítas, que tiveram aí algumas
das suas missões indígenas. A colheita e preparação da erva-mate
tomou depois vulto, e constituía uma das principais ocupações no
distrito de Curitiba. Interessante notar que o consumo do produto
se vulgarizou muito mais nos países platinos; Buenos Aires e Montevidéu serão os principais compradores da produção brasileira. No
Brasil, afora as regiões produtoras, ele era desconhecido; e até
hoje ainda se consome muito pouco no país.

ARTES E MANUFATURAS

É preciso reservar aqui um parágrafo especial às artes mecânicas e às manufaturas. Não que tivessem importância apreciável,

A infusão das folhas da erva-mate constitui uma bebida semelhante ao chá, de
largo consumo no sul do Brasil, nos países platinos e no Paraguai.

23

pois a maior parte dos produtos manufaturados de consumo da colônia se importavam do exterior, e a produção local é insignificante; mas porque representam uma função particular com características próprias, bem como porque compreendem uma categoria à parte e
individualizada da sociedade colonial.
Precisamos começar nesta matéria por distinguir os centros urbanos da zona rural. Os ofícios mecânicos se exercem diferentemente nestes dois setores. Fora das grandes aglomerações, de que me
ocuparei depois, as artes mecânicas e industriais constituem um
simples acessório dos estabelecimentos agrícolas ou de mineração.
Para o manejo destes, ou para atender às necessidades de seus numerosos moradores -- proprietário e sua família, escravos e outros
trabalhadores -- torna-se necessário por motivo das distâncias que
os separam dos centros populosos, mercê da extensão dos domínios,
ou por outras considerações de ordem prática e econômica, a presença de toda uma pequena indústria de carpinteiros, ferreiros e
outros, bem como, freqüentemente, até de manufaturas de pano e
vestuário. Em certas regiões ainda, como em Minas Gerais, onde há
ocorrências de minérios de ferro, encontra-se mesmo, por vezes,
uma pequena metalurgia para consumo interno do estabelecimento.
Esta pequena indústria doméstica entregue a escravos mais hábeis,24 ou às mulheres da casa -- como fiação, tecelagem e costura --
, embora obscura e passando à primeira vista despercebida, tem seu
papel na vida da colônia, pois completa essa autonomia dos grandes
domínios rurais, já assinalada mais acima noutros setores, e que
representa traço tão característico e importante da vida econômica
e social da colônia. Além disto, constitui o embrião de uma indústria de mais vulto e expressão que infelizmente a política da metrópole, bem como outros fatores que assinalarei adiante, fizeram
gorar no seu nascedouro.
Como atividades autônomas, os ofícios aparecem, fora dos centros urbanos, nestes artesãos ambulantes que de porta em porta oferecem seus serviços. Destes, os mais freqüentes são os ferreiros
que se ocupam sobretudo em calçar as bestas das tropas que circulam pelo interior. Mas é naturalmente nos centros urbanos de
maior importância que as profissões mecânicas são mais numerosas;
profissões propriamente, desligadas de outras atividades e autônomas, como não se dá em regra no campo.
Ocupam-se nelas, geralmente, os mulatos, que são, ao que parece, os mais hábeis entre os nacionais. Como é regra universal da
época, encontram-se as profissões organizadas em corporações. Nada
há de particular neste terreno que nos diga respeito: as corporações são dirigidas por juízes e escrivães eleitos por seus pares, e funcionam, no mais, em princípio pelo menos, como suas similares da Europa. Em princípio apenas, porque os laços são menos
estreitos, a regulamentação mais frouxa e a fiscalização menos rigorosa; em suma, uma liberdade profissional muito mais ampla e ainda desconhecida na Europa.
Os artesãos coloniais fazem-se geralmente auxiliar por escra
No caso da metalurgia, sabe-se que muitos povos africanos a praticavam no seu
continente. Os escravos trouxeram para cá sua habilidade nativa que prestou
grandes serviços aos colonos.

24

vos. Não pode haver dúvida de que tal oportunidade que lhes oferece o regime servil vigente tenha tido influência muito prejudicial
na formação profissional da colônia, pois contribui para dispensar
a aprendizagem de meninos e adolescentes, o que neste terreno, como se sabe, sempre teve em toda parte, e ainda tem, papel considerável na educação das novas gerações de artesãos e no desenvolvimento das artes mecânicas. Outra categoria de artífices -- embora
mais freqüente em atividades brutas e de esforço puramente físico
-- são "os escravos de serviço", isto é, que seus senhores alugam,
fazendo disto um ramo particular de negócio muito difundido nas
grandes cidades coloniais. Existem mesmo escravos educados e preparados especialmente para este fim.
Pequenas indústrias indispensáveis, bem como outras que constituem especialidades locais, disseminam-se pela colônia. São, entre elas, as olarias para a fabricação de telhas25 e as caieiras
para a preparação da cal. No litoral empregam-se nesta preparação
como matéria-prima as conchas de ostreiras, os sambaquis, que são
abundantes em alguns setores da costa brasileira até hoje.
A cerâmica é largamente disseminada. É uma arte que os índios
conheciam, e embora perdessem com o contacto dos brancos muito da
sua habilidade e espontaneidade nativas, foram nela empregados em
grande escala pela colonização. Os curtumes se disseminam nas regiões ou centros de grande comércio de gado: Rio Grande do Sul,
Bahia, Pernambuco, Rio de Janeiro. Acrescentem-se a esta lista de
indústrias algumas manufaturas de cordoaria, como as do alto Amazonas, onde se emprega na fabricação a fibra da piaçabeira, considerada mais resistente que o cânhamo; os cabos e cordas aí produzidos se empregavam nos arsenais de Belém, e se exportavam mesmo
em pequena quantidade para o exterior.
A lista poderia ser alongada; mas o que aí está serve para dar
uma idéia do caráter da indústria colonial em princípios do século
passado. Destaquemos dois setores mais importantes: as manufaturas
têxteis e do ferro. Em ambas a colônia contava com matéria-prima
abundante e um mercado local relativamente grande. Já assinalei
estas indústrias nos grandes domínios, incluídos na sua organização e produzindo só para eles. Mas iniciadas aí, sua tendência era
para se libertarem destes estreitos limites domésticos, tornaremse autônomas, verdadeiras manufaturas próprias e comercialmente
organizadas. Isto é particularmente o caso da indústria têxtil.
Sobretudo em Minas Gerais, e também na capital, Rio de Janeiro,
aparecem na segunda metade do séc. XVIII manufaturas autônomas e
relativamente grandes. Mas seu progresso não será de longa duração. Temendo por motivos políticos o desenvolvimento da indústria
colonial, e alarmada também com a concorrência que iria fazer ao
comércio do Reino, a metrópole manda extinguir em 1785 todas as
manufaturas têxteis da colônia com exceção apenas das de panos
grossos de algodão que serviam para vestimenta dos escravos ou se
empregavam em sacaria. Era o golpe de morte na indústria da colô
Mas não de tijolos cozidos que não são empregados na construção colonial; em
lugar deles emprega-se simples barro amassado, sustentado por um engradamento de
madeira, nas mais rústicas, ou taipa (barro amassado e armado com formas), nas
melhores; bem como o adobe, que é o tijolo cru apenas seco ao sol.

25

nia; e isto apesar da exceção que a lei incluíra, à sombra da qual
se pôde manter um fio de vida precária e incerta.
Quanto à indústria do ferro, não ficou ela atrás na perseguição que lhe moveu a administração colonial. Favorecia-a, em certas
regiões de Minas Gerais, não só a abundância de minérios ricos e
facilmente exploráveis, como o alto preço do ferro e das ferramentas, onerados como estavam por direitos elevadíssimos de entrada
no país e na capitania, bem como pela dificuldade de transporte da
mercadoria. Estas circunstâncias muito estimulavam a indústria,
proporcionando-lhe bastante perspectivas; o consumo de ferro na
mineração era avultado. E não fosse a tenaz oposição oficial, ela
teria com certeza tomado importância. Mas esta foi tremenda; o
simples fato de saber fundir o metal era suficiente muitas vezes
para tornar alguém suspeito de idéias extremadas e subversivas,
sujeitando a vítima a toda sorte de perseguições. Temia-se a concorrência numa mercadoria que embora não fosse natural do Reino,
dava grandes lucros ao seu comércio; e se temia também a sempre
perigosa independência econômica da colônia, prelúdio da política.
A metalurgia foi entretanto mais feliz que a manufatura de tecidos, e beneficiou-se antes desta aragem de liberalismo e maior
clarividência nos assuntos coloniais que começa a soprar na metrópole desde os últimos anos do séc. XVIII. Já em 1795 permite-se
francamente o estabelecimento das manufaturas de ferro. Mas depois
de sofrer tamanha perseguição, não era de esperar desde logo um
surto de grandes proporções. Contudo as forjas em que se trabalhava com ferro indígena, e também com o importado, se multiplicaram
em Minas Gerais produzindo instrumentos de trabalho e ferraduras,
os gêneros de maior consumo no ramo.
Lembremos ainda o caso similar do ofício de ourives, que também sofreu tenaz oposição porque facilitava o descaminho do ouro,
permitindo fraudar o pagamento do quinto. O exercício da profissão
foi proibido em Minas Gerais em 1751, sendo todos os ourives mandados sair da capitania. Em 1766 a medida será ampliada e estendida para a Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro.
Em suma, achava-se ainda a indústria brasileira, em princípios
do século passado, em seus primeiros e mais modestos passos. É
mesmo só com esforço de imaginação que podemos assimilar as rudimentares atividades descritas com o que propriamente entendemos
por "indústria".Vimos a parte de responsabilidade que cabe por isso à política metropolitana e que não é pequena. Mas seria um erro
atribuí-lo unicamente às leis e atos oficiais que não constituem
senão um aspecto, e dos menos profundos, do sistema geral que presidiu à colonização do Brasil. Se a situação política e administrativa do país, simples colônia de uma metrópole ciosa de seus
privilégios e de vistas muito pouco largas, constitui óbice muito
sério oposto ao seu desenvolvimento industrial, muito mais contribuiu para isto o regime econômico, matéria em que não teríamos aqui senão de repisar considerações já feitas acima e que mostram
os estreitos horizontes desta colônia produtora de alguns gêneros
tropicais destinados precipuamente à exportação.
TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

Houve quem afirmasse que "o caminho cria o tipo social"; certo
ou errado, uma coisa entretanto é sem dúvida verdadeira: a influência considerável que as comunicações e transportes exerceram sobre a formação do Brasil. As distâncias enormes, os obstáculos opostos ao trânsito num território como o nosso, de relevo acidentado, de coberturas florestais, nos pontos estratégicos, de difícil penetração, com uma linha costeira tão parcamente endentada, e
rios, com poucas exceções, de curso cheio de acidentes e traçado
infeliz para os rumos que a colonização tomou; de tudo isto vão
resultar comunicações difíceis e morosas que imprimem às relações
da colônia um ritmo lento e retardado, responsável certamente em
grande parte por este tom geral de vida frouxa que caracteriza o
país.
Para compreender o sistema de comunicações da colônia, vejamos, em síntese, como se formou e evoluiu. O seu desenvolvimento
acompanha naturalmente a progressão do povoamento. Este se instala
primeiro no litoral, e partindo daí, penetra o interior, ou progressivamente (com se deu com as fazendas de gado do Nordeste), ou
bruscamente, espalhando por ele núcleos mais ou menos afastados do
mar (o caso das minas de ouro é característico desta forma de dispersão do povoamento). As vias de comunicação terão estas mesmas
direções iniciais. Algumas se farão por água, como no Amazonas; a
maior parte, contudo, será por terra, porque com a exceção citada,
nenhum outro grande rio ou sistema hidrográfico aproveitável desemboca na costa brasileira; particularmente na proximidade dos
grandes centros litorâneos em que se fixou a colonização: Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro.
Estas vias penetradoras, sejam por terra, sejam pelos rios, e
que articulam e ligam o litoral com o interior, todas elas independentes entre si, vão dar numa disposição fragmentária das comunicações em que cada qual, por si e sem conexão direta com as demais, forma um pequeno sistema autônomo constituído de seus dois
extremos, litoral e interior, ligados pela via e levando uma vida
mais ou menos à parte. Esses sistemas se sucedem de norte a sul ao
longo de toda costa brasileira, desde o mais setentrional, instalado na bacia amazônica, até o último ao sul, no Rio Grande. Eles
se articulam entre si, a princípio, unicamente pela via marítima,
que é a que mantém a unidade de todo. Mas à medida que o povoamento penetra o interior, e com ele as vias que o acompanham, estas,
embora partindo de pontos do litoral às vezes muito apartados um
do outro, acabam convergindo no interior. Este fato, que terá
grande importância na cimentação interna e unidade do país, se deve a duas circunstâncias geográficas particulares: em primeiro lugar, à configuração geral do território brasileiro, limitado por
uma linha costeira que muda abruptamente de direção na altura de
5º Lat. S. onde passa de NO a NE. Embora mantendo a perpendicularidade à costa, as vias de penetração partidas respectivamente do
litoral norte e leste, acabarão naturalmente unindo-se no interior. É o que se observa efetivamente no território do Nordeste brasileiro, desde o Maranhão até a Bahia, onde vamos encontrar uma
série de circuitos que pelo interior unem, entre si, os núcleos
das costas leste e norte. No mapa o leitor poderá acompanhar estes
circuitos.

O outro fator de convergência das linhas penetradoras é o curso dos grandes rios, e portanto a orientação do relevo, que dirigiram a marcha do povoamento. Verificamo-la nas vias que do litoral Centro-Sul demandam as capitanias de Goiás e Mato Grosso, e
que aí se encontram com outras que no litoral Extremo-Norte penetram pelo Amazonas, tomando em seguida pelos grandes afluentes da
margem direita deste: o Tocantins, o Tapajós e o Madeira, cujas
cabeceiras são naquelas capitanias.

Traçado esquemático das grandes comunicações internas, terrestres e fluviais, do Brasil colônia.

Constituem-se assim as grandes linhas de comunicação transcontinental que de costa a costa, pelo interior da colônia, a entrelaçam de norte a sul num vasto sistema que duplica a linha marítima e costeira, a única existente de início. Tal processo, que
vem desde os primeiros anos da colonização, completando-se por
partes sucessivas, chega a seu termo na segunda metade do séc.
XVIII. É neste momento que se abrem as comunicações pelos grandes
tributários do Amazonas (Tocantins, Tapajós, Madeira). Estava realizada a grande obra de articulação interior de todo o território
da colônia. Pela mesma época instalar-se-á também um caminho terrestre ligando o Rio Grande do Sul a São Paulo, e englobando assim
no sistema de comunicações interiores do Brasil a sua extremidade
meridional.
É esta, em linhas gerais, a estrutura fundamental da viação
interna do país. Pode-se desde logo imaginar, dada a sua consideráve1 extensão relativamente à reduzida população colonial, suas
precárias condições técnicas. Dois tipos de vias eram utilizadas:
fluviais e terrestres. Os rios brasileiros, como referi acima, são
com raríssimas exceções muito impróprios à navegação. Salva-se unicamente uma parte (se bem que considerável) da bacia amazônica.
Quase todos os demais rios brasileiros, correndo em território em
regra muito acidentado, têm seu curso interrompido continuamente
por saltos e corredeiras. Daí a impossibilidade do emprego de embarcações de vulto, pois é necessário contornar aqueles obstáculos
por terra, levando às costas as barcas e suas cargas. Acresce que
apesar do volume das águas, elas se espalham freqüentemente em superfície, dando calado pequeno. Usam-se por isso "canoas", tipo de
embarcação indígena de fundo chato, talhada num único tronco inteiriço de árvore, e que oferece por isso dupla vantagem: grande
resistência e pequeno calado. Há canoas cujo comprimento atinge 50
a 60 pés, com 5 de largo, e 3 a 4 de fundo.
A navegação ainda é dificultada pela extrema irregularidade do
regime fluvial em clima tropical como o do Brasil. Na estação das
chuvas, as águas se avolumam e tomam caráter semitorrencial; na
seca, pelo contrário, o leito do rio fica meio descoberto, as rochas do fundo afloram na superfície, semeando o percurso de obstáculos perigosos, não raro intransponíveis, e as águas não dão mais
calado nem para embarcações reduzidas.
Há que acrescentar ainda as dificuldades da travessia de territórios desertos imensos, sem quaisquer recursos próprios, e contando ainda, muitas vezes, com a hostilidade das tribos indígenas
selvagens. Apesar de tudo isto, as vias fluviais se empregaram regularmente, não apenas para expedições ou comunicações esporádicas, mas para relações normais de comércio e intercâmbio entre as
diferentes regiões da colônia. Há percursos de milhares de quilômetros que se fazem assim regularmente, levando meses de viagem. É
o caso, por exemplo, das ligações entre São Paulo e Mato Grosso,
onde se utiliza o rio Tietê até o Paraná, subindo-se pelos afluentes da margem direita deste, passando depois por terra aos rios da
bacia do Paraguai, e alcançando então Cuiabá, que era o centro e
capital da região mineradora de Mato Grosso. Outros percursos regulares eram pelas centenas de quilômetros do Araguaia, Tocantins,

Tapajós e Madeira, afluentes do Amazonas. Somente neste último, e
no baixo curso de seus tributários, a navegação se tornava fácil,
e o curso fluvial não oferecia dificuldades.
As vias por terra não eram mais cômodas. Não havia recursos
para construir em extensões tão consideráveis estradas regulares,
e assim, salvo nas áreas de terreno plano e onde a cobertura vegetal era pouco densa -- como no Nordeste e no Extremo Sul -- as dificuldades de trânsito não eram pequenas. Os caminhos não passavam
de veredas estreitas, acidentadas e tortuosas; e como seu leito
não era revestido, transformavam-se com a chuva em lamaçais intransponíveis. Pontes eram quase inexistentes e os rios se passavam em geral a vau, o que obrigava muitas vezes a voltas consideráveis em busca de lugares próprios para a travessia. Nestas condições não era possível o emprego de veículos, que de fato são
muito raros na colônia. O transporte se fazia praticamente todo no
dorso de animais; o cavalo se empregava de preferência, como já
referi, no Nordeste e no Extremo-Sul; nas zonas montanhosas do
centro, este papel cabe ao burro. Na Amazônia, as comunicações não
se fazem por terra, o que é impedido pela densa mata que cobre a
maior parte da região. Os rios são as únicas vias transitáveis.
Apesar de todas estas insuficiências, o sistema de viação interna do país representa um grande papel na vida e na economia da
colônia. Não terá nunca, é certo, a importância das ligações marítimas, bastando para isto o fato de se concentrar na costa a maior
parte da população colonial. Mas apesar disto, a circulação interior está longe de ser desprezível. Em primeiro lugar porque se
situam longe da costa os centros mineradores, onde se aglomerava
um povoamento relativamente denso. Doutro lado, é do interior que
provinha o gado com que se sustentava a população, litorânea. Finalmente a precariedade da navegação marítima numa costa pouco endentada como a brasileira, e desprovida de bons portos naturais em
número apreciável, bem como um regime de ventos em muitos casos
desfavorável, fizeram preferir freqüentemente as comunicações internas, mesmo entre pontos apartados do litoral. O sistema de viação interna teve assim um importante papel, e contribuiu grandemente para a cimentação interior do pais e a coesão de seus tão
esparsos núcleos de povoamento.

COMÉRCIO

A análise da estrutura comercial de um país revela sempre, melhor que a de qualquer um dos setores particulares de produção, o
caráter de uma economia, sua natureza e organização. Encontramos
aí uma síntese que a resume. O estudo do comércio colonial virá
assim como coroamento e conclusão de tudo que ficou dito relativamente à economia do Brasil colônia.
Podemos desde logo prever o traço fundamental daquele comércio: ele deriva imediatamente do próprio caráter da colonização, organizada como ela está na base da produção de gêneros tropicais e metais preciosos para o fornecimento do mercado internacional. É a exportação desses gêneros, pois, que constituirá

o elemento essencial das atividades comerciais da colônia. O mais
dispor-se-á em torno dela, em dependência direta ou indireta, mas
sempre efetiva.
Para comprová-lo, procuremos retraçar as correntes do comércio
colonial. Há que distinguir, em primeiro lugar, dois setores: o
externo e o interno. Aquele, por motivos óbvios, nos é muito mais
conhecido; naturalmente reteve todas as atenções dos contemporâneos que compreendiam o seu papel, enquanto desprezavam o outro.
Deixaram-nos por isso, a respeito, uma documentação relativamente
grande.
O comércio exterior brasileiro é todo ele, pode-se dizer, marítimo. As nossas fronteiras atravessavam (como ainda atravessam)
áreas muito pouco povoadas e de baixo nível econômico; isto quando
não são inteiramente indevassadas, como acontecia com a maior parte delas. A colonização portuguesa vinda do Atlântico, e a espanhola, quase toda do Pacífico, mal tinham ainda engajado suas vanguardas, de sorte que entre ambas ainda sobravam vastos territórios inocupados. Relações comerciais por ali não se podiam estabelecer. Além disto, as demais colônias nossas vizinhas não oferecem, relativamente ao Brasil, condições favoráveis ao intercâmbio:
sua economia é semelhante à nossa, suas produções da mesma categoria. Acresce ainda o estado de hostilidade latente que sempre nos
separou delas, reflexo da rivalidade das duas coroas metropolitanas e que somente nos tempos modernos desapareceu: hostilidade que
sobretudo na segunda metade do séc. XVIII chegou freqüentemente às
vias de fato, mantendo um estado crônico de guerra.
Há contudo algumas restrições a fazer. Assim no contrabando
mais ou menos vultoso praticado nas fronteiras do Sul, por onde
chegava ao Rio Grande o gado platino, particularmente as bestas
muares; também das antigas missões jesuíticas dos Moxos (Bolívia),
vinham-nos cavalos para Mato Grosso, comércio que se iniciou em
1771. Outras relações, estas um pouco mais freqüentes e regulares,
faziam-se pelo alto Amazonas com as províncias peruanas de Mainas,
Quichas e Macas, servindo de entrepostos para o comércio os portos
fronteiriços e respectivamente luso-brasileiro e hispano-peruano
de Tabatinga e Loreto. Os castelhanos desta vertente oriental dos
Andes abasteciam-se, por esta via, das manufaturas européias que
lhes chegavam mais facilmente pelo grande rio que pelas rotas ordinárias do comércio espanhol. Exportavam também por aí os seus
produtos locais, de igual natureza, aliás, que os da parte brasileira da bacia amazônica. Pelo alto rio Negro (afluente amazônico
da margem esquerda) espanhóis e portugueses também comerciavam um
pouco.
Mas todo este comércio externo por via terrestre é em suma de
pouca monta, desprezível mesmo. O que interessa realmente no assunto é o marítimo. Circunstância esta ditada por contingências
geográficas e econômicas, e que tem grande significação política e
administrativa, pois facilitou, pode-se dizer mesmo que tornou
possível o monopólio do comércio da colônia que a metrópole pretendia para si. Foi bastante reservar-se a navegação, providência
muito mais simples que uma fiscalização fronteiriça que teria sido
difícil, se não impraticável, nos extensos limites do país. Tal
privilégio da navegação, estabelecido desde o séc. XVII (cap. 6),

manteve-se até 1808 quando a corte portuguesa, transferindo-se para o Brasil, franqueia seus portos a todas as nações estrangeiras.
Mas até aquela data o privilégio da navegação, reservada para o
pavilhão português, garantiu-lhe a exclusividade do comércio externo.
Contrabalançava em parte este privilégio o contrabando que
sempre foi bastante grande para merecer citação especial. Já o vimos exercer-se através das fronteiras terrestres, e encontramos aí
uma repressão muito débil, uma quase tolerância. Era-se mais severo com o contrabando marítimo; ele não deixou contudo de existir e
tornou-se mesmo avultado e regular em fins do séc. XVIII. Praticavam-no sobretudo os ingleses, apesar dos privilégios excepcionais
que gozavam em Portugal, e da quase vassalagem em que mantinham
esse país desde a restauração da independência portuguesa em 1640;
nem assim respeitavam suas leis, e o desprezo pelo aliado e amigo
era tal que em Londres e outros portos se anunciava publicamente a
saída de navios mercantes para o Brasil, como se se tratasse da
coisa mais natural e legítima do mundo. O processo do contrabando
era simples. Bastava, sob pretexto de arribada forçada, penetrar
nos portos brasileiros, e aí, sob as vistas complacentes de autoridades subornadas26, descarregar a mercadoria trazida, e lotar os
navios com os produtos da colônia.
Monopolizado legalmente pelos portugueses e contrabandeado pelos ingleses, tais são os caracteres gerais do comércio externo da
colônia nas vésperas da abertura dos portos. Vejamos seu conteúdo.
A exportação consistia, não é preciso repeti-lo, nos gêneros tropicais, no ouro e nos diamantes cuja produção representa o fundamento econômico da colonização e a base em que assenta a vida do
país. É daí o fato, entre outras conseqüências, de coincidirem os
portos de exportação com as maiores cidades da colônia. É à qualidade de entrepostos do comércio exportador que devem sua importância centros como o Rio de Janeiro, Bahia, Recife (Pernambuco), São
Luís (Maranhão) e Belém (Pará): é nas proximidades e alcance deles
que se concentram as maiores atividades da colônia, destinadas antes de mais nada à produção daqueles gêneros que se exportam.
O comércio de importação naturalmente também procura estes
mesmos portos, centros que são das regiões de nível econômico mais
elevado, e portanto de maior consumo. Constitui-se a importação,
além de alguns gêneros alimentícios de luxo, como o vinho, o azeite de oliva e outros, de sal, gênero monopolizado, como vimos noutro capítulo; e sobretudo de manufaturas e metais, o ferro em particular. O ramo mais importante do comércio de importação é contudo o tráfico de escravos que nos vinham da costa da África: representa ele mais de uma quarta parte do valor total da importação,
ou seja, no período 1796-1804, acima de 10.000.000 de cruzados27,
quando o resto não alcançava 30.000.000. É esta mais uma circunstância digna de nota que vem comprovar o caráter da economia colonial: o escravo negro quer dizer, sobretudo, açúcar, algodão, ouro, gêneros que se exportam.

A corrupção da administração portuguesa em geral, e da colônia em particular,
foi sempre considerável.
27 Cruzado é uma antiga moeda portuguesa equivalente a 400 réis
26

Passemos ao comércio interior que nos trará mais um pouco de
luz sobre a essência da organização colonial. Não temos muitos dados; o interesse que despertava, subsidiário como era, foi pequeno, e os contemporâneos nos deixaram poucas informações. Podemos contudo notar com absoluta segurança que o seu movimento principal é constituído ou por mercadorias que se destinam em última
instância à exportação, ou aquelas que provêm da importação. São
os gêneros que circulam do lugar de produção e das mãos do produtor para os portos de embarque e casas exportadoras; e as mercadorias estrangeiras que se distribuem daqueles portos pelo resto do
país. O mais resume-se quase unicamente no comércio de abastecimento dos grandes centros urbanos, pois, quanto às populações e
estabelecimentos rurais, elas são em regra, a este respeito, autônomas; o mesmo se dá com as pequenas aglomerações que se constituem, em geral, de habitantes do campo que as procuram só aos domingos e dias de festa. Os gêneros que esta gente não produz e precisa ir buscar no comércio não são senão os importados do exterior:
ferro, sal, manufaturas. Assim o comércio interno, com exclusão do
setor que vimos acima e que deriva do externo, só aparece com vulto ponderável na convergência de gêneros de subsistência para os
grandes centros urbanos. Isto provoca um comércio de cabotagem
mais ou menos importante ao longo de toda a costa brasileira, e
que se dirige para as grandes cidades e portos do litoral. Aliás
notei a insuficiência deste abastecimento e a carestia reinante,
em regra, naquelas cidades.
O que realmente merece destaque neste terreno é o comércio de
gado. Este sim tem um certo vulto no intercâmbio interno da colônia. E seu papel na formação do Brasil é considerável, pois estendendo-se sobre uma área muito extensa, como vimos, contribuiu
grandemente para ligar entre si as diferentes partes do território
brasileiro e seus núcleos de povoamento que de outra forma ter-seiam conservado em segmentos estanques e sem possibilidades talvez
de se unirem num bloco coeso, num único país, como se deu.
Paralelo ao comércio do gado, mas completamente diverso dele,
desenvolveu-se o do seu substituto, a carne-seca do Rio Grande, o
charque. Embora avultado, ele é muito simples e nada tem de particular, pois realiza-se inteiramente por via marítima, originandose num único produtor e distribuindo-se mais ou menos exclusivamente pelo litoral. O interior da colônia não o consome, pois dispõe de uma produção local e própria de carne mais acessível.
Sumariando estes traços essenciais do comércio colonial, podemos retraçar em esquema as grandes correntes da sua circulação.
Distingamos para este fim três setores: marinha, que são as áreas
de povoamento e atividade do litoral, produtoras de gêneros agrícolas destinados à exportação, e nas quais se localizam os grandes
centros e portos do comércio exterior; sertão, áreas interiores de
criação; finalmente, as minas.28 Teríamos assim, para a circulação
comercial da colônia, o seguinte quadro:

Na marinha podemos incluir a Amazônia, pois efetivamente pela grandeza do rio,
acessível a quaisquer embarcações de alto mar, ele tem o papel de um prolongamento do litoral. Note-se que esta classificação e estas designações são da época que nos ocupa, e aparecem tais quais nos escritos contemporâneos.

28

Podemos agora, com mais conhecimento de causa, sumariar o que
já tenho referido por diversas vezes no curso deste trabalho; o
caráter geral da colonização brasileira e seu sentido econômico.
Assinalei a natureza da economia colonial, empresa mercantil exploradora dos trópicos e voltada inteiramente para o comércio internacional, em que, embora peça essencial, não figura senão como
simples fornecedora dos gêneros de sua especialidade. Nos diferentes aspectos e setores da economia brasileira constatamos repetidamente o fato, que pela sua importância primordial merece tal
destaque, pois condicionou inteiramente a formação social do país.
Observamo-lo no povoamento, constituído, ao lado de uma pequena
minoria de dirigentes brancos, da grande maioria de outras raças
dominadas e escravizadas, índios e negros africanos, cuja função
não foi outra que trabalhar e produzir açúcar, tabaco, algodão,
ouro e diamantes que pediam os mercados europeus. O mesmo se deu
na distribuição daquele povoamento, condensando-se exclusivamente
lá onde era possível produzir aqueles gêneros e se pudessem entregá-los com mais facilidade ao comércio internacional. Na organização propriamente econômica, na sua estrutura, organização da propriedade e do trabalho, encontramos ainda, dominante, aquela influência. E finalmente, neste quadro que sumaria as correntes do
comércio colonial, e com elas a natureza da nossa economia, é a
mesma coisa que se verificará.
Vemos nele a grande corrente de exportação dos produtos tropicais, do ouro e dos diamantes que se destinam, via metrópole, ao
abastecimento do comércio internacional: é este o eixo das atividades coloniais, eixo em torno de que se agrupam todos os seus demais elementos. Em função dele, dispor-se-ão os outros setores acessórios do comércio da colônia, e que não têm outro fim que alimentar e amparar aquela corrente fundamental. O tráfico africano,
em primeiro lugar, que fornece a mão-de-obra com que se produzem
aqueles gêneros que a constituem; vem depois o abastecimento de
produtos necessários à subsistência da população direta ou indiretamente aplicada na produção deles. Em proporções ínfimas, os que
fazem um pouco mais agradável a vida daquelas que dirigem a empresa. É isto, em substância e nas finalidades, o comércio da colô-

nia.
Portugal, que se coloca a meio caminho daquela grande corrente
de produtos tropicais, de ouro e de diamantes, far-se-á intermediário imposto entre a colônia produtora e os mercados de consumo. Enquanto mantém sua posição privilegiada de metrópole, prestes
aliás a se extinguir no momento que nos ocupa, fruirá dela no máximo: é graças a isto somente que contará como quantidade ponderável no concerto europeu. Os dados do comércio português da época
são a este respeito meridianamente claros. Cerca de dois terços da
exportação do Reino para outros países se fazia com mercadorias da
colônia; e os dados conhecidos não incluem o ouro e os diamantes,
cuja produção, embora decadente no período que nos ocupa, contribuía ainda razoavelmente para a riqueza da metrópole. Ela se aperceberá aliás muito bem do que lhe trazia a colônia americana quando esta começa a se desprender. Com a transferência da corte portuguesa para o Brasil em 1808, abertos os portos da colônia logo
em seguida, e rotos, se não legalmente, pelo menos de fato os laços que a prendiam a Portugal, este sofrerá um abalo profundo de
que não se erguerá mais; De grande potência que fora no passado
(sée XVI), de medíocre em seguida, passará então definitivamente
para um dos últimos lugares da Europa.

A ERA DO LIBERALISMO
1808-1850

88
Libertação Econômica

OS DOMÍNIOS coloniais ibéricos, isto é, das coroas espanhola e
portuguesa representam, pode-se dizer que desde o séc. XVII, mas
sobretudo no seguinte, um anacronismo. As duas decadentes monarquias ainda conservavam a maior e melhor parte de seus imensos domínios, incorporados na fase brilhante de sua história: sécs. XV e
XVI. Situação anômala, porque já não correspondia mais ao equilíbrio mundial de forças econômicas e políticas. Depois daquele passado já remoto do apogeu luso-espanhol, outras potências tinham
vindo ocupar o primeiro lugar no plano internacional: os PaísesBaixos, a Inglaterra, a França. No entanto, os domínios ibéricos
ainda formavam os maiores impérios coloniais. Corpos imensos de
cabeças pequenas... Sustentara-se a situação graças sobretudo às
rivalidades e lutas que dividiam aquelas grandes potências. No
séc. XVIII, uma delas, os Países-Baixos, é ofuscada; mas permanecem em campo a Inglaterra e França, digladiando-se sem cessar. É
esta rivalidade que será a mais efetiva proteção dos impérios ibéricos. Cada uma das duas monarquias se ampara num dos contendores:
a Espanha, na França, Portugal, na Inglaterra. Foi-lhes possível
assim atravessar mais ou menos incólumes um século de lutas, não
sem sofrer por vezes amputações de certa gravidade.
A situação voltar-se-á inteiramente contra as monarquias ibéricas na segunda metade do séc. XVIII. O antigo sistema colonial,
fundado naquilo que se convencionou chamar o pacto colonial, e que
representa o exclusivismo do comércio das colônias para as respectivas metrópoles, entra em declínio. Prende-se isto a uma transformação econômica profunda: é o aparecimento do capitalismo industrial em substituição ao antigo e decadente capitalismo comercial.
Até o séc. XVII o capital que domina de uma forma quase pura é
o comercial. A indústria ainda não entrara na fase capitalista e
se acha inteiramente nas mãos do artesanato. É apenas excepcionalmente que encontramos neste setor algumas primeiras formas de capitalismo, como na indústria têxtil dos Países-Baixos. Mas tratase, ainda aí, do capital comercial, que fornecendo a matéria-prima
aos artesãos e vendendo seus produtos acabados, interpõe-se como
simples intermediário entre o produtor e o mercado.
Somente no séc. XVIII se esboça um verdadeiro capitalismo industrial, isto é, aparece um capital industrial propriamente dito,
autônomo e independente do comercial, e dedicado exclusivamente à

produção manufatureira. É então que vai desaparecendo o artesão, o
pequeno produtor independente que trabalha diretamente para o consumidor -- excepcionalmente, como referi, para o grande comerciante
--, e que é substituído pelas grandes unidades produtoras, as manufaturas propriamente que reúnem grande número de trabalhadores, já
agora simples assalariados, sob a direção de um patrão que dispõe
do capital.
A indústria capitalista toma logo tamanho vulto que ofusca o
capitalismo comercial e assume cada vez mais o domínio da economia
européia. Resultará daí o declínio do antigo sistema colonial representado pelo pacto que é uma expressão perfeita do capitalismo
comercial. O interesse do comércio no pacto é óbvio, pois o fim
deste não é senão reservar para a metrópole, e portanto a seus comerciantes, o privilégio das transações coloniais em prejuízo dos
concorrentes estrangeiros. E por isso o pacto se mantém enquanto o
capital comercial domina. Mas para o industrial, sem interesse direto no comércio, e cujo único objetivo é colocar seus produtos, a
situação criada pelo pacto é desfavorável. O monopólio comercial,
de que não participa porque não é comerciante, não lhe traz benefício algum; e pelo contrário, restringindo as relações mercantis,
efeito necessário de qualquer monopólio, dificulta seu acesso aos
mercados que é tudo quanto o interessa. Para o industrial -- naturalmente o industrial dessa primeira fase em que os mercados não
faltam e quando o único problema é chegar a eles --, só pode haver
um ideal: é um comércio absolutamente livre que estabeleça o maior
intercâmbio possível, seja por quem for, nacional ou estrangeiro,
entre sua produção e os mercados mundiais.
O progresso do capitalismo industrial na segunda metade do
séc. XVIII voltar-se-á assim contra todos os monopólios; e a destruição completa destes parece cada vez mais como condição necessária do seu desenvolvimento. Os impérios coloniais ibéricos, fundados puramente no monopólio, achavam-se por isso condenados.
Transformarem-se, adaptando-se à nova situação -- como fez a Inglaterra com seus domínios, e também, embora menos acentuadamente a
França --, não lhes era possível. Sua indústria não se desenvolvera, suas atividades giravam exclusivamente em torno do comércio
colonial. Não podiam abrir mão de um privilégio que representava
sua própria razão de ser, constituía o cimento aglutinador de seus
vastos domínios. E assim, quando em fins do sec. XVIII os conflitos internacionais se agravam, arrastando as monarquias ibéricas,
elas não resistirão ao choque, e seu império se desagrega. Desta
desagregação sairá a independência das colônias americanas; e para
o mundo em geral, uma nova ordem. Terá sido removido afinal este
obstáculo de dois impérios imensos que fechados hermeticamente
dentro de um conservantismo colonial obsoleto, estavam obstruindo
a marcha dos acontecimentos mundiais. Aos estanques impérios ibéricos substituir-se-ão as livres nações ibero-americanas, abertas
ao comércio e intercurso do universo. Desafogava-se o mundo, livre
daqueles tropeços imensos que lhe embargavam o desenvolvimento.
A par destas forças exteriores e gerais que condicionam a libertação do Brasil, existem outras, internas, que lhes vieram ao
encontro. Analisei no capítulo anterior a situação da colônia relativamente à sua metrópole, e por aí já se pôde verificar que

Portugal chegara nestas relações ao limite extremo de sua capacidade realizadora e colonizadora. A sua obra, neste terreno, achava-se terminada; e o Reino se tornara em simples parasito de sua
colônia. Protegido pelo monopólio comercial, impunha-se como intermediário forçado das suas transações, tanto na exportação como
na importação. Simples intermediário, de fato, porque o Reino não
era nem consumidor apreciável dos produtos coloniais que se destinavam sobretudo a outros mercados, nem fornecedor dos artigos consumidos no Brasil. Simples intermediário imposto e parasitário.
Não é difícil avaliar como seria pesado para a colônia este
domínio de uma metrópole empobrecida, e de recursos econômicos mínimos. Nem aquele papel medíocre de mero intermediário ela estava
em condições de preencher satisfatoriamente. A arruinada marinha
mercante portuguesa atendia muito insuficientemente às necessidades da colônia; o que explica aliás o escandaloso contrabando referido anteriormente e a tolerância com que era admitido. E para
proteger e manter este ineficiente comércio, Portugal via-se na
contingência de impor à colônia as mais drásticas e severas medidas restritivas; impedir que ela substituísse com produção própria
tudo quanto alimentava o comércio marítimo metropolitano: manufaturas, sal e outros gêneros vitais para a economia brasileira. Sem
contar outros privilégios e monopólios que embaraçavam consideravelmente seu progresso.
O regime colonial representa assim no momento que nos ocupa,
um obstáculo intolerável oposto ao desenvolvimento do pais. A situação se tornara tanto mais grave que por efeito dos estímulos
que vimos anteriormente, as forças produtivas do Brasil se encontravam em franca expansão; sentiam-se assim muito mais vivamente,
às restrições de que o país era vítima. Será pelo favor de circunstâncias internacionais que este sistema de restrições cairá
por terra; a começar pelo monopólio do comércio externo que é abolido em virtude de circunstâncias quase fortuitas. Mas, iniciada
por aí a desagregação do regime colonial, o resto não tardará. Será toda a estrutura que nos vinha de três séculos de formação colonial que é abalada: depois do monopólio do comércio externo e
dos demais privilégios econômicos, virão os privilégios políticos
e sociais, os quadros administrativos e jurídicos do país. Mais
profundamente ainda, será abalada a própria estrutura tradicional
de classes e mesmo o regime servil. Finalmente é o conjunto todo
que efetivamente fundamenta e condiciona o resto que entra em crise: a estrutura econômica básica de um país colonial que produz
para exportar e que se organizara, não para atender a necessidades
próprias, mas para servir a interesses estranhos. É na base das
contradições geradas por este sistema que resultará a paulatina
transformação do regime, em todos seus aspectos, de colônia em nação.
Todas estas transformações encontram-se mais ou menos maduras
quando pelo favor de circunstâncias de caráter internacional que
ocorrem nos primeiros anos do século passado, apresenta-se oportunidade favorável à sua eclosão. Desencadeiam-se então as forças
renovadoras latentes que daí por diante se afirmarão cada vez mais
no sentido de transformarem a antiga colônia numa comunidade nacional e autônoma. Será um processo demorado -- em nossos dias ain-

da não se completou --, evoluindo com intermitências e através de
uma sucessão de arrancos bruscos, paradas e mesmo recuos.
É esta a linha de desenvolvimento que caracteriza a evolução
brasileira desde princípios do século passado. Restringindo-nos
embora unicamente a seus aspectos econômicos (que são o objeto
deste trabalho), procuraremos acompanhá-la neste capítulo e nos
que seguem.
Em 1807, para forçar a adesão de Portugal ao bloqueio continental decretado contra a Inglaterra, os exércitos napoleônicos
invadem e ocupam o Reino. O Regente D. João, que governava em nome
de sua mãe demente, a Rainha D. Maria, resolve, depois de longas
hesitações entre a adesão ao sistema napoleônico e a fidelidade à
sua aliada tradicional, a Inglaterra, emigrar para sua colônia americana. Fugindo diante do invasor, transporta-se com sua corte,
grande parte do funcionalismo e uma comitiva imensa, (um total de
cerca de 10.000 pessoas) para o Rio de Janeiro, que se transforma
assim, de um momento para outro, em sede da monarquia portuguesa.
Este acontecimento, das mais largas conseqüências, seria o
precursor imediato da independência do Brasil. É impossível determo-nos aqui, sem sair do nosso assunto, nas diferentes repercussões de ordem política e social que ocasionou a transferência
da corte portuguesa para o Rio de Janeiro. Interessam-nos somente
as econômicas; são aliás as mais importantes e fundamentais. Deixando o Reino europeu ocupado pelos franceses, e fixando-se na colônia, o soberano rompia efetivamente todos os laços que ligavam o
Brasil à sua metrópole. O mais seguiria quase automaticamente desta situação imprevista e revolucionária.
É assim que o Regente, apenas desembarcado em terra brasileira, e ainda na Bahia onde arribara em escala para o Rio de Janeiro, assina o decreto que abre os portos da colônia a todas as
nações, franqueando-os ao comércio internacional livre. Destruíase assim, de um golpe, a base essencial em que assentava o domínio
colonial português. Medida de tamanho alcance, tomada assim de afogadilho, explica-se pelas circunstâncias do momento, pois o comércio português ultramarino achava-se virtualmente interrompido
pela ocupação inimiga do território metropolitano; e a menos de
isolar completamente o Brasil do mundo exterior, não havia senão
franqueá-lo ao comércio e à navegação de outros países. A medida
foi aliás tomada em caráter provisório (o texto do decreto o declara expressamente); e isto já mostra que não foi ditada por nenhuma alta consideração política ou por uma nova orientação imprimida deliberadamente aos negócios coloniais, mas por simples contingências imperiosas do momento. Manter-se-á em vigor mesmo depois que os exércitos napoleônicos são definitivamente expulsos do
território português (1809); mas isto é porque já não era mais
possível voltar atrás.
É preciso lembrar aqui o papel da Inglaterra em todos estes
acontecimentos. No conflito com Napoleão, que depois da ascensão
de José Bonaparte ao trono espanhol e do tratado de Tilsit reunira
a Europa toda no seu sistema de dominação continental, restara à
Inglaterra apenas o aliado português. Aliado precioso, não somente
pela brecha que por aí se abrira no bloqueio napoleônico, como pela base que os portos portugueses ofereciam para a esquadra britâ-

nica e suas operações navais. A Inglaterra lutou por isso até o
fim para conservar Portugal na sua órbita de influência. Não pôde
contudo oferecer-lhe auxílio eficaz contra os exércitos franceses
que se apossam, quase sem resistência, do pequeno Reino.
Mas esta derrota será bem aproveitada pelos ingleses. Perdendo
o Reino europeu, tratarão de compensar-se com sua grande colônia
americana. Situação contemporânea e semelhante é a da Espanha com
a ascensão de José Bonaparte a seu trono. A Inglaterra voltar-se-á
imediatamente para as colônias espanholas, e estava se preparando
para intervir nelas quando a revolução na península modificou os
planos primitivos. É aliás o próprio exército que se aprontava na
Irlanda com destino à América que servirá na guerra peninsular.
Assim mesmo tentará aquelas duas pequenas expedições contra Buenos
Aires e Montevidéu que a história registra.
O plano inglês de compensar-se de suas derrotas no continente
europeu com a conquista das colônias ibero-americanas é óbvio. No
caso do Brasil, as circunstâncias favoreceram e facilitaram este
plano. Não precisará aí de exércitos e de intervenções armadas,
pois o soberano português, temendo a sorte de Fernando VII de Espanha, entendeu mais conveniente aceitar o oferecimento inglês e
embarcar sob proteção britânica para o Brasil. Conservava com isto
sua coroa e títulos, mas terá cedido ao aliado inglês a sua independência e liberdade de ação. A monarquia portuguesa não será daí
por diante mais que um joguete nas mãos da Inglaterra. O soberano
permanecerá no Rio de Janeiro sob a guarda de uma divisão naval
inglesa, aí estacionada permanentemente; e na Europa, serão os ingleses que se incumbirão de dirigir a luta contra a ocupação francesa. Um general inglês, Beresford, será o comandante supremo do
exército português e o efetivo governador do Reino libertado em
1809.
A Inglaterra se prevalecerá largamente deste domínio; no que
se refere ao Brasil, cuidará zelosamente de preservar a liberdade
do seu comércio de que se fizera a grande beneficiária. A abertura
dos portos brasileiros representa assim uma concessão que embora
de caráter provisório, estava assegurada pelos dominantes interesses ingleses. Fazia-se impossível o retorno ao passado. E o Brasil
entra assim definitivamente na nova etapa do seu desenvolvimento.
Desfazia-se a base essencial em que assentava o domínio metropolitano e que consistia, vimo-lo anteriormente, precisamente no monopólio do comércio colonial. Com a abertura dos portos brasileiros
e a concorrência estrangeira, sobretudo inglesa, contra que Portugal não se achava em condições de lutar, estava abolido de um golpe o que havia de realmente substancial na dominação metropolitana. Daí por diante esta se pode considerar virtualmente extinta.
A situação ainda se agrava com o tratado de comércio firmado
com a Inglaterra em 1810. O soberano português concede aí tais favores à sua aliada, que praticamente exclui Portugal do comércio
brasileiro. No decreto de abertura dos portos fixara-se um direito
geral de importação para todas as nações de 24% ad valorem. As
mercadorias portuguesas seriam beneficiadas pouco depois com uma
taxa reduzida de 16%. Pelo tratado de 1810, a Inglaterra obterá
uma tarifa preferencial de 15%, mais favorável portanto que a própria outorgada a Portugal. Tão estranha e absurda situação, que

mostra a que ponto chegara a subserviência do soberano português e
o predomínio da Inglaterra nos negócios da monarquia, manter-se-á
até 1816, quando se equipararão as tarifas portuguesas às inglesas. Mas mesmo nestas condições de igualdade, Portugal não poderá
lutar, com seus parcos recursos, contra o admirável aparelhamento
comercial da Inglaterra, amparada por uma indústria nacional então
sem paralelo no mundo e uma marinha mercante sem concorrentes. O
comércio e a navegação portugueses serão praticamente excluídos do
Brasil.
Aos ingleses virão juntar-se, logo depois da paz na Europa
(1815), as demais nações, a França em particular. Mas o que Portugal perdia, ganhava o Brasil. Aos precários recursos do pobre e
rotineiro comércio português, mantido até então unicamente pelo
privilégio do monopólio, substituem-se as largas possibilidades de
um livre intercâmbio com todas as nações do mundo.
Paralelamente, ocorrem outras circunstâncias determinadas pela
fixação da corte portuguesa no Rio de Janeiro que vão estimular as
atividades econômicas do Brasil. Tornado em centro da monarquia,
para aí aflui boa parte dos recursos e se concentram as atividades
do império português, que embora tão decadente de seu antigo esplendor, ainda conservava alguns domínios em todas as partes do
mundo: além da Europa e América, na África e Ásia. A corte e a
presença do soberano constituirão um ponto de referência e atração
que centraliza no Rio de Janeiro a vida política, administrativa,
econômica e financeira da monarquia. Também para boa parte da América meridional a capital brasileira será um centro de atração. As
colônias espanholas que compunham os antigos vice-reinados de Buenos-Aires e do Peru, separadas da sua metrópole e ainda mal constituídas em nações independentes, orientam-se comercialmente, e
muitas vezes politicamente também, para o Rio de Janeiro que arvorava o título prestigioso de sede de um trono europeu, e onde se
instalara o quartel-general diplomático e do comércio inglês nesta
parte do mundo. As íntimas relações do Brasil com aquelas colônias
deixaram um testemunho concreto e sensível na circulação monetária
do país que nesta época se constituirá em grande parte de pesos
espanhóis de prata cunhados no Peru e que se batiam no Brasil com
as armas e os valores portugueses.29
Além destes fatores que estimulam as atividades brasileiras, a
fixação da corte no Rio de Janeiro terá na política do soberano
influência muito favorável para a colônia. Ela será muitas vezes
impressionada pelo meio e pelo ambiente em que se tomam as deliberações; pela ação dos interesses que cercam mais de perto o Rei, e
que embora portugueses de origem, se vão identificando com a colônia pela longa permanência nela das principais personagens da monarquia. A evolução no sentido de ligar-se cada vez mais a esta
nova pátria do exílio que é o Brasil, com o esquecimento paralelo
do Reino europeu, é sensível em muitos daqueles elementos mais
chegados ao trono e portanto de maior influência e prestígio políticos. A permanência da corte se prolongará por treze anos (18081821). Até 1815, o estado de guerra na Europa atemorizará o tímido

Os pesos espanhóis eram obtidos com o valor de 960 réis; adquiriam-se contudo
por 820 a 830 réis, deixando pois uma boa margem de lucro para o Erário público.

29

Regente que não ousa por isso retornar à pátria abandonada, embora
ela estivesse livre de inimigos havia seis anos. Depois daquela
data, já os interesses de boa parte de sua larga comitiva de fidalgos e funcionários estarão de tal forma ligados ao Brasil, que
se formará entre eles um forte partido oposto ao retorno. O Reino
europeu, empobrecido e devastado pela guerra, não oferecia mais
grandes atrativos; sobretudo em contraste com a colônia, jovem,
pujante e cheia de promessas tentadoras. Muitas daquelas altas
personagens terão adquirido propriedades no Brasil; outras casarão
nas mais ricas famílias da colônia orgulhosas de se ligarem com
grandes nomes da nobreza e da administração; boa parte organizará
aqui definitivamente sua vida... Um dos mais influentes políticos
portugueses da época, o Conde da Barca, que foi ministro de Estado
e diretor geral da política portuguesa até sua morte, ocorrida em
1817, meter-se-á no Brasil em grandes negócios, adquirindo estâncias de gado no Rio Grande do Sul e envolvendo-se no comércio de
couros. O próprio Regente, logo depois Rei D. João VI com a morte
da Rainha sua mãe, ocorrida em 1816, não escondia suas preferências pela nova pátria. Homem pacífico e indolente por natureza,
sorria-lhe muito mais a suave existência que desfrutava no Rio de
Janeiro, longe dos angustiosos problemas em que se debatia a Europa, que enfrentar as atribulações e agitações que o esperavam em
Lisboa. Somente se decidirá a partir quando a revolução portuguesa, vitoriosa em 1820, abala-lhe os fundamentos do trono e lhe põe
em risco a coroa.
Nestas condições, é compreensível que a política e administração portuguesas com relação ao Brasil, caracterizadas até então
pela ignorância completa de seus interesses próprios, e dominadas
unicamente por influências metropolitanas, pendessem agora mais
para a colônia. Assim se verifica efetivamente, pois ao mesmo tempo que vemos os interesses portugueses ao abandono (como se deu no
citado exemplo das tarifas alfandegárias), os brasileiros eram
tratados com atenção. No terreno econômico, sucedem-se as medidas
que não somente libertam a colônia dos entraves que três séculos
de sujeição tinham acumulado em oposição ao seu livre desenvolvimento (entre outras a revogação da lei que proíbe as manufaturas),
como também as que procuram estimular as atividades do país. Constroem-se estradas (as primeiras de boa qualidade no Brasil), melhoram-se os portos (como o de Recife), introduzem-se novas espécies vegetais (entre outras o chá), promove-se a imigração de colonos europeus, tenta-se aperfeiçoar a mineração do ouro. Estes
são apenas exemplos colhidos quase ao acaso. De um modo geral, a
administração da corte portuguesa no Brasil velará, embora dentro
das possibilidades limitadas de um aparelhamento burocrático oneroso, complexo e muito ineficiente, pelos interesses da colônia.
Os resultados, muitas vezes sobrestimados, não deixaram contudo de
contribuir para o desenvolvimento econômico do Brasil; e sobretudo
assinalam um primeiro passo nesta grande transformação que se ia
operar no país.

14
Efeitos da Libertação

O ESTÍMULO econômico trazido pela liberdade comercial e demais
medidas resultantes da transferência da corte para o Brasil, se
revela nos dados do comércio exterior, índice fundamental numa economia como a nossa. As estatísticas que possuímos para a época
não são completas nem muito seguras. Pode-se contudo aceitar algumas pelo menos para orientação. Assim em 1812, a exportação cifrase em cerca de 4.000 contos de réis, e a importação em 2.500; em
1816 estes números sobem respectivamente para 9.600 e 10.300; e em
1822 (ano em que foi proclamada a Independência), 19.700 e 22.500.
A ascensão continua em seguida ininterruptamente. Isto se deve em
parte, é verdade, à desvalorização da moeda que em ouro vai num
contínuo declínio. Mesmo contudo com esta desvalorização monetária, o progresso do intercâmbio exterior do Brasil é muito grande30.
Aliás o progresso econômico do país é geral, e em todos os setores sente-se o influxo da grande transformação operada pela revogação da política de restrições que até 1808 pesara sobre a colônia. O depoimento deixado por grande número de viajantes estrangeiros que por esta época percorreram o Brasil graças à tolerância
antes inexistente e que agora lhes abria as portas do país, é o
mais positivo e concludente. Mas este desdobramento de atividades
econômicas não deixa de ser acompanhado de graves perturbações. A
mais geral e profunda observar-se-á na balança comercial externa.
Dentro da antiga mediocridade da vida colonial, e graças a ela,
achavam-se ao menos equilibradas as nossas contas externas. A uma
produção embora sem grande vulto, e ainda amputada largamente no
seu valor e rendimento pelos proveitos extorsivos do comércio português e pela voracidade do fisco, que drenavam para a metrópole
boa parte deles, correspondia um padrão de vida na colônia também
medíocre. A pequena entrada efetiva de numerário era assim compensada por importações também reduzidas.
A franquia dos portos e a transformação dos hábitos que resulta dos novos contactos com o estrangeiro e do exemplo de uma
corte que embora longe de faustosa, aberrava contudo inteiramente
de quanto a colônia conhecera até então, estimulam largamente as
necessidades e o consumo do país; e isto muito mais ativa e rapidamente que sua capacidade produtiva, cujo progresso dependia de
fatores mais complexos que operariam lentamente. Deriva daí, como
conseqüência imediata que se faria profundamente sentir, o desequilíbrio da vida financeira do país. O comércio internacional do
Brasil se torna quase permanentemente deficitário. Entre 1821 (a

30 Em libras esterlinas-ouro os dados são os seguintes:
ANOS
1812........................
1816........................
1822........................

EXPORTAÇÃO
1.233.000
2.330.000
4.030.000

IMPORTAÇÃO
770.000
2.500.000
4.590.000

partir de quando possuímos estatísticas anuais e regulares) e 1860
(quando por causas que ainda veremos a situação se inverte) só excepcionalmente ocorrem anos com balanços positivos; e este período
se encerra com um deficit global de 233.923 contos de réis. E notemos que aí não está computada a importação de escravos africanos
que representa cifras consideráveis, embora difíceis de precisar.
Podem-se avaliar as perturbações produzidas por este desequilíbrio comercial crônico num país que não contava com outros ingressos exteriores normais além dos provenientes da exportação. O
deficit será saldado pelo afluxo de capitais estrangeiros, sobretudo empréstimos públicos, que efetivamente começam a encaminharse para o Brasil desde que o país é franqueado ao exterior. Mas
isto representava apenas solução provisória que de fato ia agravando o mal para o futuro, pois significava novos pagamentos sob
forma de juros, dividendos, amortizações, e portanto novos fatores
de desequilíbrio da balança externa de contas. A economia brasileira ficará na dependência de um afluxo regular e crescente daqueles capitais estrangeiros de que não poderá mais passar sem as
mais graves perturbações; e estas se verificarão cada vez que por
um ou outro motivo tal afluxo é interrompido ou diminui seu ritmo.
Mas este mesmo afluxo não impedirá a drenagem de todo ouro existente e daquele que continuava a ser produzido no país. Pouco
depois da transferência da corte, o ouro terá desaparecido da circulação, e a produção das minas brasileiras, aliás muito reduzida,
não chegava nem a aparecer nela. Substituem-no a princípio os já
referidos pesos espanhóis de prata; mesmo estes contudo começarão
logo a escassear, e em seu lugar aparecerá uma moeda depreciada de
cobre; e finalmente papel-moeda de valor instável e sempre em acelerado declínio.
Nestas condições toma-se evidentemente impossível o estabelecimento de um sistema monetário sólido e são. Já não me refiro ao
controle do volume da circulação que dependerá sempre de circunstâncias ocasionais e estranhas às verdadeiras necessidades das
transações; mas ao valor da moeda cujas oscilações serão da maior
violência e precipitando-se numa rápida linha descendente. Em 1808
o mil-réis valia em moeda inglesa (é a equivalência oficial usada
em nosso câmbio até a última guerra), 70 dinheiros; em 1822 já estava a 49; e em 1850 caíra para 28, já tendo estado antes (em
1831) a 20, mínimo do período que nos ocupa. É somente na segunda
metade do século que se conseguirá uma relativa estabilidade por
motivos que ainda havemos de analisar.
Outra grave perturbação provocada pela fraqueza comercial, ocorrerá em certos setores da produção nacional. Afora a produção
dos gêneros destinados à exportação, a economia brasileira não poderá concorrer com as mercadorias importadas do estrangeiro. Ao
decretar-se a liberdade do comércio estabelecera-se, como vimos,
uma pauta geral ad valorem de 24% sobre todas as importações. Veio
depois a tarifa preferencial outorgada à Inglaterra de 15%, privilégio concedido com caráter permanente e que o Império independente respeitará. E assim, quando o Brasil depois da Independência

assinou tratados de comércio com as demais nações31, foi obrigado a
conceder-lhes igual tratamento, pois a situação anterior de desigualdade em favor da Inglaterra em nada beneficiava o país e apenas assegurava um quase monopólio aos ingleses.
Ficou portanto estabelecida na taxa ínfima de 15% a pauta geral das alfândegas brasileiras32. Só em 1844 ela será modificada,
contra os veementes protestos, aliás, das nações estrangeiras, da
Inglaterra em particular. Mas enquanto perdurou a tarifa primitiva, tornou-se impossível desenvolver a produção nacional num país
como o Brasil, pobre de recursos, de defeituosa organização produtiva, frente à concorrência quase sem restrições da produção estrangeira. A produção brasileira reduzir-se-á cada vez mais aos
poucos gêneros de sua especialidade e que se destinavam à exportação. Prolongava-se e se agravava assim, embora por efeito de outras circunstâncias, o sistema econômico colonial a que já nos temos repetidamente referido. O Brasil, já com tantas dificuldades
para sair deste sistema que lhe tinham legado três séculos de formação colonial, e em função de que se organizara a sua vida, assistia agora a seu reforçamento: em lugar das restrições do regime
de colônia, operava agora a liberdade comercial no sentido de resguardar e assegurar uma organização econômica disposta unicamente
para produzir alguns poucos gêneros destinados à exportação.
Aperfeiçoa-se e se completa mesmo tal sistema. Até a abertura
dos portos, as deficiências do comércio português tinham operado
como barreira protetora de uma pequena indústria local, pobre indústria artesã, é verdade, mas assim mesmo suficiente para satisfazer a uma parte do consumo interno. Esta pequena indústria não
poderá sobreviver à livre concorrência estrangeira, mesmo nos mais
insignificantes artigos. A qualidade, os preços, a própria moda
(fator que não se deve esquecer) farão desprezar seus produtos.
Tudo passa a vir do estrangeiro; até caixões de defunto, refere um
contemporâneo, chegar-nos-ão da Inglaterra já estofados e prontos
para serem utilizados. E esta situação tenderá sempre a se agravar
com o correr dos anos, graças ao aperfeiçoamento contínuo da indústria européia e conseqüente barateamento e melhoria dos seus
produtos. O artesão brasileiro, que por força das circunstâncias e
ambiente desfavorável terá ficado nos seus modestos padrões do
passado, perde terreno cada vez mais.
É sobretudo interessante, neste particular, o caso das indústrias mais importantes do país, a manufatura de tecidos e a metalurgia, que apesar de todos os obstáculos opostos pela política
portuguesa com relação à colônia, tinham conseguido se estabelecer
no Brasil. Vimos em capítulo anterior que lutando embora com as
maiores dificuldades, mas contando com as vantagens de matériaprima abundante e mercados locais apreciáveis, aquelas duas indústrias vinham desde o séc. XVIII ensaiando seus primeiros e modestos passos entre nós. A fixação da corte no Rio de Janeiro e a abolição, logo em seguida, de todas as restrições legais até então

Foram elas: França, Áustria, Prússia, Hamburgo, Lubeck, Bremen, Dinamarca, Estados Unidos. Países-Baixos e Bélgica.
32 Uma lei de 1828 estenderá esta pauta a todas as importações, independentemente
de tratados.
31

em vigor, bem como algumas medidas de fomento, tiveram inicialmente o efeito de as estimular. Pequenas manufaturas têxteis surgiram em diferente pontos de Minas Gerais, que era a província a
este respeito mais avantajada, tanto pela relativa densidade da
população e abundância da matéria-prima de produção local, como
pelo seu afastamento dos portos e isolamento. Na metalurgia deu-se
a mesma coisa; o interesse da administração se tornara grande na
matéria, e contrataram-se pela primeira vez técnicos capazes --
dois alemães, Eschwege e Varnhagen -- que respectivamente em Minas
Gerais e São Paulo, organizaram empresas metalúrgicas de certa importância, E seu exemplo é seguido por várias iniciativas privadas.
Esses ensaios industriais que se apresentavam tão promissores
foram contudo em breve baldados. A concorrência de mercadorias importadas não tardará em inutilizá-los, e a indústria brasileira
continuará a vegetar sem perspectiva alguma. Somente na segunda
metade do século, como veremos, e quando a situação já se modifica
sensivelmente, surgirão na indústria têxtil as primeiras manufaturas de certo vulto. Quanto à metalurgia, só em época muito recente aparecerá qualquer coisa de apreciável.
A liberdade comercial não terá apenas o efeito de comprometer
o futuro desenvolvimento da produção indígena. Resultará em perturbações sociais importantes. A ruína da pequena indústria local,
referida acima, lançará na desocupação um artesanato que embora
modesto, reunia assim mesmo, sobretudo nos maiores centros urbanos, uma parte apreciável da população. Crescerão as dificuldades
e a instabilidade desta camada social, já antes pouco próspera pelo ambiente desfavorável de uma colônia de poucos recursos. E isto
se refletirá em graves agitações sociais e políticas de que será
teatro a época que nos ocupa. Passará muito tempo até que se reajuste aquela situação de desequilíbrio.
Não é apenas tal categoria da população que será atingida assim de cheio pela concorrência estrangeira. O comércio também sofrerá; quase só ingleses a princípio, franceses e outros logo depois, tornar-se-ão senhores absolutos deste ramo de atividades.
Aos ingleses caberão sobretudo o grande comércio, as transações
financeiras; aos franceses, o negócio de luxo e de modas. Os brasileiros propriamente, isto é, os nativos da colônia, não sofrerão
tanto com esta concorrência, pois sempre tinham sido portugueses
que se ocupavam com o comércio; e depois de 1822 aqueles serão estrangeiros como os demais. Há contudo uma diferença, porque embora
nascidos fora do Brasil, os portugueses representam uma categoria
já perfeitamente entrosada na vida do país, o que não ocorre naturalmente com os adventícios de data recente. A concorrência que
sofrem reflete-se assim mais desvantajosamente na vida e na população nacional.
O resultado de tudo isto observar-se-á na eclosão e desenvolvimento de uma crescente animosidade contra o estrangeiro. Este,
com seus recursos, sua iniciativa e oportunidade fáceis que encontra em concorrência com os habitantes de uma pobre colônia que vivera até então num estado de isolamento completo, gozará de vantagens consideráveis, e se coloca logo em posição de grande relevo.
Isto naturalmente não podia deixar de ferir melindres e interesses

já estabelecidos, e desencadeia-se contra os estrangeiros uma hostilidade geral. É o caso em particular dos ingleses, mais numerosos e de espírito mercantil mais acentuado, e que cedo se tornam
verdadeiros árbitros da vida econômica do país. Além do comércio
que lhes caberá nos seus setores mais importantes, serão deles as
primeiras grandes empresas e iniciativas, como na mineração; e são
deles ainda os empréstimos públicos que teriam tamanho papel na
evolução econômica do Brasil. É em grande parte em função dos interesses comerciais ingleses que se disporá a nova economia brasileira.
Ainda ocorrem outras circunstâncias provocadoras de desajustamento e derivadas da nova situação criada com a transferência
da corte portuguesa para o Rio de Janeiro. A súbita transformação
dos hábitos, a introdução de um conforto e luxo desconhecidos ainda na colônia e trazidos por estrangeiros e seus costumes, bem como pelo exemplo de uma corte e seus fidalgos que todo mundo quer
naturalmente imitar, desequilibrarão as finanças de certas classes
da população que conformadas até então com a mediocridade da vida
colonial, tomam-se subitamente de aspirações e sentem necessidades
antes ignoradas, embora estivessem muitas vezes mal preparadas para isto. A vaidade, sobrepondo-se a quaisquer outras considerações, contará com um fator econômico de primeira ordem. Não serão
poucos aqueles que se arruinarão na ânsia de se aproximarem da
corte e nela figurarem, alcançarem títulos, condecorações e honrarias. Situação que o Rei, sempre em aperturas financeiras, não
deixará de explorar largamente.
Será este mais um fator a ser contado nas agitações e intranqüilidade que acompanham o processo da emancipação política da colônia e se prolongam depois até meados do século. Mas não é apenas
no setor privado que observaremos o desequilíbrio financeiro que
provoca a irrupção de novas necessidades antes desconhecidas e que
se tornam em pesado fardo. Mais grave ainda será o que se passa
nas finanças públicas. Transferindo-se para o Brasil, o governo
metropolitano trará consigo um complexo aparelhamento administrativo que substituirá bruscamente, sem transição de qualquer espécie, a reduzida administração que até então existia na colônia.
Instalam-se aqui grandes repartições públicas e serviços da corte.33 Centenas de funcionários, sem contar a chusma de palacianos
que cercam o Trono e vivem direta ou indiretamente à custa das
rendas públicas. As pobres finanças da colônia não estavam aparelhadas para tamanhos gastos. Há que acrescentar as guerras em que
se empenhou o soberano português logo à sua chegada: no Prata (ocupação da Banda Oriental, hoje República do Uruguai), na Guiana
francesa (ocupada em 1809).
Parte das novas despesas representava necessidades impostas
pela criação de serviços indispensáveis: ampliação das forças ar
Notemos aliás a sua ineficiência na maior parte das vezes. Organizadas para um
pequeno reino como Portugal, e para um vasto império ultramarino, não se amoldavam evidentemente às necessidades brasileiras, um grande pais é verdade, mas semidespovoado e primitivo. Condições tão especiais exigiam soluções administrativas também novas. Isto não se fez; a administração da corte no Brasil será idêntica à de Lisboa. O seu elevado custo não será assim compensado por um rendimento paralelo.

33

madas, instrução pública, higiene, povoamento, abertura de novas
estradas, obras de urbanismo no Rio de Janeiro, etc. Boa parte
contudo, provavelmente a maior, não era mais que desperdício e
destinava-se a sustentar os fidalgos que tinham acompanhado o soberano no exílio e que este entendia acertado premiar. Era evidentemente fardo excessivo para as débeis forças econômicas da colônia.
O império independente, que sob muitos aspectos não será mais
que um prolongamento da situação anterior (conservar-se-á até mesmo a dinastia reinante em Portugal, sendo coroado imperador o herdeiro presuntivo da coroa portuguesa), nada alterará neste assunto
de que nos ocupamos. Permanecerão os mesmos quadros administrativos, na maior parte das vezes até as mesmas pessoas; e os processos não se modificarão. Tudo isto até certo ponto se explica -- embora sem eliminar os danos financeiros e econômicos resultantes.
Não era evidentemente possível governar e administrar um nação independente e soberana, prenhe de necessidades até então inatendidas, com o rudimentar aparelhamento administrativo da colônia, onde a justiça era um mito, a ordem legal precária, as forças armadas reduzidas e sem organização eficiente, a saúde pública, a instrução, os serviços de fomento quase nulos, as relações externas
inexistentes. Foi preciso criar tudo isto ou desenvolver o existente; e em meio de agitações internas e guerras externas (em 1826
o Brasil teve de enfrentar as Províncias Unidas), que drenavam
fortemente as finanças do Estado. Os compromissos públicos ainda
se agravarão com os juros e amortizações de uma dívida contraída
na Inglaterra em 1825, no valor de 3.000.000 de libras, que se dilapidaram em despesas mal controladas (em boa parte comissões de
intermediários, agenciadores e banqueiros). Outros empréstimos externos, aliás, virão a jacto contínuo.34
Para fazer face a este aumento considerável de gastos, o Tesouro público não contava com grande coisa. O sistema financeiro
até então existente era excessivamente rudimentar e inelástico.
Seria preciso uma remodelação completa; mas isto não se fez. Em
parte por incapacidade (pois herdamos com os quadros administrativos da metrópole, a rotina burocrática de uma nação decadente como era Portugal); noutra, porque efetivamente não era fácil organizar uma arrecadação eficiente num território tão vasto
como o brasileiro, e parcamente habitado por uma população dispersa e mal estruturada. A renda mais segura e fácil de ser cobrada era constituída pelos impostos alfandegários que de fato produziam a maior parte da arrecadação pública. Mas esta fora limitada
pelos tratados internacionais à taxa insignificante de 15% ad valorem.

400.000 libras em 1829; 312.000 em 1839; 732.000 em 1843; 1.040.600 em 1852.
Isto para o período que nos ocupa. Depois virão outros mais. Estes empréstimos
eram realizados em condições onerosíssimas, verdadeiras operações de agiotagem.
O de 1829 bateu todos os recordes, pois se contratou ao tipo de 52! Das 400.000
libras do valor nominal do empréstimo, o Brasil não receberia mais do que
208.000. Os juros, nominalmente de 5%, alcançavam assim, de fato, quase 10%. Os
banqueiros ingleses (foram quase sempre a casa Rothschild), conluiadas com os
desonestos altos dignatários do Império, lançavam-se sem piedade sobre esta presa inerme que era a nação brasileira.

34

Nestas condições, o Brasil viverá em deficit orçamentário forçoso e permanente. Desde a transferência da corte em 1808, pelos
anos afora, as contas públicas saldar-se-ão cada ano, quase sem
exceção, em débito.35 Isto se resolverá em regra pelo não pagamento
sumário dos compromissos. Funcionalismo em atraso, dívidas proteladas, são fatos não somente comuns na vida financeira do Brasil,
mas antes a regra poucas vezes infringida. Outro expediente serão
as emissões de papel-moeda de curso forçado que se sucedem a jacto
contínuo; finalmente os empréstimos externos, pois dentro do país
nem havia capitais para cobrir as necessidades do Tesouro público,
nem este gozava de suficiente crédito para atrair prestamistas; os
credores brasileiros não dispunham dos meios de coação do estrangeiro para forçar o governo à satisfação de seus compromissos. Mas
os empréstimos externos representam apenas alívio momentâneo: já
vimos seus efeitos nocivos sobre o balanço externo de contas; eles
não serão menos desfavoráveis com relação às finanças públicas,
sobrecarregando-o em proporção crescente de compromissos que logo
ultrapassam sua capacidade normal de pagamento. Em meados do século, o serviço das dívidas já absorvia quase 40% do total da receita.
Cada qual destes expedientes terá suas conseqüências sobre que
não é preciso insistir porque são as normais em casos semelhantes
e já muito conhecidas: descrédito público, desvalorização da moeda, inflação, encarecimento da vida, etc. Todos eles, cada qual
com sua quota própria, contribuirão para acentuar ainda mais e agravar o geral desequilíbrio e instabilidade da vida econômica do
país.
Em suma, o que se verifica é que a transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, a nova política por ela aqui inaugurada e a subseqüente emancipação da colônia, assinalam uma nova
fase bem caracterizada em nossa evolução econômica. Embora se conserve a estrutura anterior e fundamental que presidiu à formação e
evolução colonial brasileira (isto é, um organismo econômico primário, destinado a produzir alguns gêneros tropicais para o comércio internacional), entramos então nitidamente num período diferente do anterior. É aliás na base das contradições geradas por
aquela estrutura na nova situação e ordem para ela criada, que evoluirão os acontecimentos. Existe um desacordo fundamental entre
o sistema econômico legado pela colônia e as novas necessidades de
uma nação livre e politicamente emancipada. Todos os desajustamentos que passamos em revista -- e poderíamos acrescentar outros de
natureza política e social que não entram no programa deste livro
-- não são mais, em última instância, que reflexos e resultantes
daquela contradição básica. Ela nos levará a uma evolução também
contraditória: de um lado, como vimos, assistiremos à ampliação
considerável das nossas forças produtivas e progresso material acentuado e rápido. Para este progresso concorrem também, é certo,
fatores estranhos; assim, em particular, o desenvolvimento técnico

Os números oficiais enganam freqüentemente quando indicam saldos, aliás raros.
Nestes casos, examinando-se as coisas mais de perto, verifica-se que na receita
são computadas importâncias provenientes de empréstimos; e as despesas aparecem
reduzidas pela transferência dos pagamentos de um ano para outro.

35

do séc. XIX que permitirá aparelhar convenientemente o país e impulsionar suas atividades econômicas. A navegação a vapor (inaugurada no Brasil em 1819), entre outros, terá considerável significação neste país de larga extensão costeira, onde se concentra a
maior parte da população, e de transportes terrestres tão difíceis. A mesma coisa se dirá da mecanização das indústrias que permitirá ampliar as atividades agrárias e outras; também das estradas de ferro, embora somente apareçam já no fim do período que ora
nos ocupa em particular (1854). Assim mesmo contudo, a emancipação
do Brasil representa um ponto de partida bem nítido para o novo
surto econômico do país, porque dentro dos quadros políticos e administrativos coloniais, e ligado a uma metrópole decadente que se
tornara puramente parasitária, ela não encontraria horizontes para
utilizar-se das facilidades que o mundo do séc. XIX lhe proporcionava.
Mas a par daquele progresso econômico sofremos também, como
vimos, um desequilíbrio profundo que afeta todos os setores da
nossa vida e que se agrava sem cessar. Esta situação se prolonga
até meados do século, quando então, mercê de circunstâncias surgidas deste mesmo processo contraditório de evolução que acabamos de
ver, entramos numa nova etapa de relativo ajustamento. Mas antes
de analisarmos este reajustamento, acompanhemos a evolução da mais
profunda e larga contradição desencadeada em conseqüência da nova
situação criada pela transferência da corte: a questão do trabalho
escravo, que pela sua importância particular deixamos para um capítulo à parte.

103
Crise do Regime Servil
e Abolição do Tráfico

O SISTEMA de trabalho servil atravessa nesta fase que nos ocupa uma crise muito séria; prelúdio, embora muito antecipado ainda,
de sua abolição final. O processo difícil e complicado da emancipação política do Brasil, pondo em evidência todas as contradições
do regime anterior, vai polarizar as forças políticas e sociais em
gestação e desencadeia o embate, não raro de grande violência, entre os diferentes grupos e classes em que se divide a sociedade
colonial. Os escravos, apesar de sua massa que representa cerca de
um terço da população total, não terão neste processo, ao contrário do ocorrido em situações semelhantes noutras colônias americanas, como por exemplo em São Domingos (Haiti), um papel ativo e de
vanguarda. Acompanharão por vezes a luta, participarão debilmente
de alguns movimentos, despertando aliás com isto grande terror nas
demais camadas da população. Mas não assumirão por via de regra
uma posição definida, nem sua ação terá continuidade e envergadura. Isto se deve sobretudo ao tráfico africano, que despejando
continuamente no país (e nesta época em grandes proporções) novas
e novas levas de africanos de baixo nível cultural, ignorantes ainda da língua e inteiramente desambientados, neutralizava a ação
dos escravos já radicados no país e por isso mais capazes de atitudes políticas coerentes. É preciso levar em conta também a divisão reinante entre grupos de escravos oriundos de nações africanas
distintas e muitas vezes hostis umas às outras; coisa de que a administração pública e os senhores sempre cuidaram muito, procurando impedir a formação de aglomerações homogêneas. Na Bahia, por
exemplo, onde chegou a haver na massa escrava certa unidade nacional (aliás de nações sudanesas de nível cultural mais elevado), é
que vamos encontrar o maior número de agitações e revoltas servis.
Seja como for, a participação dos escravos nos movimentos da
época não terá vulto apreciável; e isto constituirá talvez o motivo principal por que a estrutura fundamental da economia brasileira, assente como estava no trabalho deles, não sofre abalos suficientes para transformá-la desde logo. Contudo, mesmo esta débil
participação e até, na falta dela, a simples presença desta massa
de escravos surdamente hostis à ordem vigente num momento de agitações e convulsão social, era o bastante para desencadear a crise
do sistema servil e pôr em equação o problema da escravidão.
Isto se observa particularmente na atitude que assumem, com
relação a ele os diferentes setores da opinião pública. A escravidão vai aceleradamente perdendo sua base moral, não somente na
opinião comum, mas até em círculos conservadores. Logo depois da
Independência já a vemos alvo da crítica geral. Aceita-se e se
justifica, mas como uma "necessidade", um mal momentaneamente inevitável. Ninguém ousa defendê-la abertamente; e seu desaparecimento num futuro mais ou menos próximo é reconhecido fatal. A discus-

são se trava apenas em torno da oportunidade. Tal posição dúbia
explica aliás a atitude incoerente e contraditória das opiniões da
época: enquanto se critica a escravidão, sustenta-se energicamente
sua manutenção; reconhecem-se seus males, mas raros ousam ainda
combatê-la francamente e propor medidas efetivas e concretas para
sua extinção.
É que realmente a escravidão constituía ainda a mola mestra da
vida do país. Nela repousam todas as suas atividades econômicas; e
não havia aparentemente substituto possível. Efetivamente, é preciso reconhecer que as condições da época ainda não estavam maduras para a abolição imediata do trabalho servil. A posição escravista reforçar-se-á aliás depois da Independência, com a ascensão
ao poder e à direção política do novo Estado, da classe mais diretamente interessada na conservação do regime: os proprietários rurais que se tornam sob o Império a força política e socialmente
dominadora.
Assim sendo, e não representando ainda os escravos uma classe
politicamente ponderável, não é tanto de admirar a persistência da
escravidão, como pelo contrário, a posição se não prática pelo menos teoricamente antiescravista que de forma tão generalizada então se desenvolve no Brasil. Dois fatores sobretudo concorrem para
isto. Em primeiro lugar, a contradição profunda que representava a
vigência do sistema servil na estrutura social do novo Estado,
cindindo sua população em castas nitidamente diferenciadas e opostas uma à outra. Na colônia, sob a pressão externa da metrópole
européia, ao mesmo tempo dominadora e aglutinadora, aquela contradição se fazia menos sentir, e a estrutura social e econômica do
Brasil mantinha-se neste terreno em relativo equilíbrio. Já as
coisas se tornavam diferentes com a separação política e a independência, e o desaparecimento daquela pressão exterior. Os contemporâneos terão consciência disto, e um dos argumentos principais contra a separação que encontramos repetido mesmo por ardentes patriotas, será precisamente a ameaça latente que representava
a população escrava. E muitas vezes, no curso do processo da Independência, ela se tornará efetiva, forçando para trás a evolução
dos acontecimentos.
A contradição estrutural que representa a escravidão para a
jovem nação recém-libertada do regime colonial, tomar-se-á patente
quando se trata de organizá-la politicamente em Estado autônomo.
Nesta ocasião, um dos espíritos mais lúcidos da época, José Bonifácio de Andrada e Silva, primeiro ministro do Brasil independente
e deputado à Assembléia Constituinte, escreverá a respeito palavras bem claras: "É tempo de irmos acabando gradualmente até os
últimos vestígios da escravidão entre nós, para que venhamos a
formar em poucas gerações uma nação homogênea, sem o que nunca seremos verdadeiramente livres, respeitáveis e felizes. É da maior
necessidade ir acabando tanta heterogeneidade física e civil; cuidemos pois, desde já, em combinar sabiamente tantos elementos discordes e contrários, em amalgamar tantos metais diversos para que
saia um Todo homogêneo e compacto, que se não esfarele ao pequeno
toque de qualquer nova convulsão política." Não é possível compreender e interpretar melhor os fatos.
Outro fator que condicionará a tendência antiescravista do

Brasil independente é a questão do tráfico africano. Esse último e
a escravidão achavam-se indissoluvelmente ligados; esta não se podia manter sem aquele. Coisa que já se compreendia então perfeitamente, e que os fatos posteriores comprovariam; abolido o tráfico,
a escravidão seguir-lhe-ia o passo a curto prazo. A razão é que o
crescimento vegetativo da população escrava sempre foi diminuto,
sobretudo porque a importação de mulheres era menor que a de homens naturalmente preferidos para o fim a que se destinavam os escravos. Além do que, as precárias condições de vida, e em particular das relações da família na escravidão, eram altamente desfavoráveis à sua multiplicação. Em épocas diferentes, sobretudo depois
do movimento que nos ocupa, tomar-se-ão várias medidas para fazer
face a esta contingência e assegurar a conservação e desenvolvimento da população escrava nativa; assim o fomento de casamentos,
a proibição de separar casais ou tirar filhos de seus pais. Nada
disto contudo deu jamais resultados apreciáveis. Não possuímos ainda dados estatísticos seguros e de conjunto que nos forneçam
conclusões definitivas e completas a respeito; e possivelmente
nunca os teremos. Mas de uma forma geral, é exato afirmar-se que a
população escrava, sem o reforço permanente do tráfico, vai sempre
em declínio. Já era esta aliás a opinião corrente na época; e ela
se verificará efetivamente depois de 1850, quando é extinta a importação de africanos.
Nestas condições compreende-se que qualquer golpe sofrido pelo
tráfico terá necessariamente grande repercussão na estabilidade da
instituição servil. Ora enquanto esta última era no Brasil mais
uma questão doméstica, da sua economia interna e fora portanto do
alcance de qualquer força ou ação exterior, o tráfico pelo contrário constituía assunto internacional que afetava a comunhão de todos os países e nações do mundo. A sua legitimidade e legalidade
tornavam-se assim muito mais vulneráveis, pois envolvia interesses
internacionais contrários e hostis. Desta forma, através da oposição internacional ao tráfico, será atingida a escravidão brasileira.
Já nos primeiros anos do séc. XIX a condenação geral do tráfico africano achava-se consumada. Encabeça o movimento a Inglaterra, o que é tanto mais de admirar pois que este país fora quem, no
século anterior, se tornara o maior interessado no comércio humano. Não discutiremos aqui esta brusca mudança de atitude de uma
potência que chegou a se envolver em guerras para obter e conservar a prioridade sobre as demais nações no tráfico ultramarino de
escravos, e que ainda nos últimos anos do séc. XVIII realizava
mais da metade de todo este comércio. O fato é que a Inglaterra,
depois de abolir em 1807 o tráfico nas suas colônias, torna-se o
paladino internacional da luta contra ele. É sob sua influência ou
pressão -- diplomática muitas vezes, mas não raro também militar --
que o tráfico será sucessivamente abolido por todos os países do
mundo.
Quem resiste mais é Portugal e seu sucessor, o Brasil. O vulto
de interesses envolvidos na matéria explica esta resistência de
quase meio século. O primeiro golpe inglês será tentado logo depois da transferência da corte portuguesa para o Rio de Janeiro.
Aproveitando a ascendência que então gozava junto ao soberano, a

diplomacia britânica empenhar-se-á a fundo em obter a extinção do
comércio escravo. Mas apesar de toda sua força, não lhe será possível obter de momento mais que as concessões que se encontram no
tratado de aliança de 181036: o soberano português prometia vagamente cooperar na campanha contra o tráfico, e restringia a ação
de seus súditos aos territórios africanos sob o domínio de Portugal. Esta última cláusula pouco representava, porque efetivamente
os traficantes portugueses não operavam senão nas colônias portuguesas, que aliás bastavam fartamente a seus propósitos. Mas a Inglaterra tirará da concessão conseqüências muito largas. O tráfico, inteiramente legal até então, tornava-se em certos casos ilícito -- isto é, quando realizado fora dos domínios portugueses. Estava criado o pretexto de que a Inglaterra precisava para perseguir os negreiros. Qualquer presa feita em alto mar pelos seus
cruzeiros justificar-se-ia com a alegação de que os escravos
transportados provinham de territórios não portugueses. A prova
contrária era difícil, e o governo inglês fazia-se surdo às reclamações portuguesas, deixando que se arrastassem longamente pelas
vias diplomáticas. O seu plano era patente: que o fato sobrepujasse o direito, e que suprimido virtualmente o tráfico pela perseguição contra ele encetada, esta abolição imposta à margem da lei
se tornasse em situação consumada. O plano era realmente hábil;
mas apesar de todo seu poder marítimo, não podia a Inglaterra policiar com eficiência toda a imensidade dos mares; não nos esqueçamos que se estava ainda na era dos veleiros. Cinco anos depois
do tratado de 1810, fatigada e verificando que seu plano não surtira os efeitos esperados, ela procura novo acordo. Este é assinado em 1815 em Viena, onde os países da Europa se tinham reunido
para reorganizar o continente convulsionado pelo furacão napoleônico. Aí a Inglaterra reconhece a ação ilegal dos seus cruzeiros
nos cinco anos precedentes, e obriga-se a indenizar os prejudicados oferecendo para isto a soma considerável de 300.000 libras.
Mas obtém em troca uma nova concessão: a abolição do tráfico ao
norte do Equador. Excluíam-se com isto as possessões portuguesas
que mais contribuíam para alimentar a população escrava do Brasil,
em particular a Costa da Mina.
Os acordos de Viena conservaram-se mais ou menos letra morta
até 1817, continuando a situação anterior, inclusive a ilegal perseguição realizada pelos cruzeiros ingleses. A ação deles tornarase aliás mais fácil pela inclusão da cláusula relativa ao tráfico
ao norte do Equador, o que ampliava os pretextos da perseguição.
Naquele ano é assinada uma convenção adicional que, ratificando o
estabelecido em 1815, acrescenta mais uma concessão favorável aos
ingleses: o direito de visita em alto mar a navios suspeitos de
tráfico ilegal. Discursando no Parlamento, o ministro inglês declarará que os anais internacionais registravam pela primeira vez
concessão tão importante feita por uma nação soberana a outra,
pois o direito de visita em alto mar fora até então limitado estritamente a tempo de guerra e para nações beligerantes. Tal esti
Este não é o tratado de comércio referido em capítulo anterior. Em 1810 assinaram-se efetivamente dois tratados entre Portugal e Inglaterra: um de comércio,
outro de aliança e amizade.

36

pulação teria a duração de quinze anos depois da abolição total do
tráfico que Portugal se comprometia formalmente a decretar no mais
breve prazo possível.
Enquanto isto se passava no terreno dos acordos internacionais, a idéia da extinção do tráfico e até da própria escravidão
começa a fazer caminho no Brasil. Até a data da fixação da corte
portuguesa no Rio de Janeiro, ninguém pusera aqui seriamente em
dúvida a legitimidade do tráfico e muito menos da instituição servil. Uma ou outra voz isolada e sem repercussão que às vezes se
fazia ouvir, não tinha expressão alguma. A eclosão e desenvolvimento de um verdadeiro espírito antiescravista no Brasil prende-se
claramente aos fatores internacionais que agiam contra o sistema
servil. O assunto encontrar-se-á pela primeira vez debatido entre
nós e francamente exposto num periódico que embora em língua portuguesa, se publicou em Londres (é de notar a coincidência sintomática) de 1808 a 1823, e que era largamente lido no Brasil: o
Correio Brasiliense. O seu redator37, brasileiro de origem e que
escrevia para seu país, mostrava não somente a fatalidade da extinção próxima do tráfico, como tirava daí a lembrada conclusão da
resultante abolição da própria escravidão. Estas considerações do
Correio Brasiliense, que logo farão escola, contribuem grandemente
para a condenação do sistema. A lógica de seus argumentos era irrespondível e repete-se o que tantas vezes se observa: o que as
contingências históricas destinam ao desaparecimento não tarda em
perder sua base moral. É o que efetivamente e mais uma vez se dá:
apesar da resistência dos interesses materiais contrários, a escravidão vai perdendo terreno no conceito comum. Por ocasião da
revolta de 1817 em Pernambuco, durante a qual se estabeleceu naquela província um governo revolucionário que se manteve três meses no poder, a escravidão, se não é abolida, é pelo menos formalmente condenada, e se promete expressamente sua breve extinção. E
notamos que a revolta de 1817 contou entre seus elementos com as
próprias classes escravocratas por natureza: os proprietários e
senhores rurais. Por aí se verifica o caminho andado pela contradição escravista.
Mas, com tudo isto, a situação ainda não amadurecera suficientemente por ocasião da Independência (1822) para dar então por
terra com o tráfico africano. Este se mantinha ativo, apesar da
perseguição inglesa e das claras manifestações contrárias a ele
que então aparecem nos círculos de maior projeção política e social. Calcula-se que naquela ocasião aportavam anualmente no Brasil cerca de 40.000 escravos, número superior ao que se pode atribuir a qualquer período passado; o que se explica pelo desenvolvimento econômico que então se verificava no país e que repousava no trabalho servil.
A Inglaterra tentará novo golpe por ocasião do reconhecimento
da independência. Jogava então com um grande trunfo. Para normalizar a situação e recompor sua vida profundamente abalada pela crise da emancipação, o nascente Império necessitava imperiosamente

Chamava-se Hypólito José da Costa Pereira, e era natural da Colônia de Sacramento, hoje cidade uruguaia de Colônia, que pertenceu ao Brasil até 1750 e novamente de 1817 a 1826.

37

do seu reconhecimento internacional. Se os Estados Unidos, orientando-se por uma política americanista que rompia abertamente com
a tradição européia, não hesitavam em entrar desde logo em relações normais com a nova nação, as potências do velho mundo, muito
mais importantes e em cuja decisão se situava a questão nevrálgica
da efetiva soberania do novo Estado no plano internacional, se recusavam a qualquer passo naquele sentido. Derivava esta atitude do
princípio da "legitimidade", que constituía então o fundamento da
política européia e tinha atrás de si a força e o prestígio da
Santa Aliança.
A Inglaterra, muito reticente com relação à Santa Aliança e
seus princípios, e não querendo comprometer a vantajosa posição
comercial que adquirira no Brasil, assumirá então o papel de medianeira38. Por sua intervenção será obtida a aceitação, da parte
do soberano português, da Independência brasileira. Este será o
caminho aberto, não só para a Inglaterra mas para todas as demais
nações da Europa, para o reconhecimento do novo Estado. Estava
salvaguardado, na forma pelo menos, o princípio da legitimidade.
Neste sentido far-se-á ainda mais, pois a separação da ex-colônia
será nominalmente outorgada por uma lei emanada do soberano português, e este assumirá o título, embora puramente decorativo, de
Imperador do Brasil. Tudo se fazia, aparentemente, dentro dos quadros jurídicos, e era o Rei quem no uso de seus atributos divinos
de legítimo soberano, concedia ao Brasil a independência. Não era
preciso mais para remover os escrúpulos dos legitimistas da Santa
Aliança, burguesmente ávidos em tirarem também o seu proveito do
comércio brasileiro.
A Inglaterra, autora de toda esta hábil trama, cobrará naturalmente o preço da sua intervenção. Com relação ao tráfico (sua
pretensão número um) exigirá do Brasil medidas definitivas. Elas
serão consubstanciadas numa tratado assinado em 1826, em que o
Brasil se compromete a proibir o tráfico inteiramente dentro de
três anos depois da troca de ratificações, o que se deu em 1827.
Depois deste prazo o comércio humano seria considerado "pirataria"
e punido como tal. Ao mesmo tempo ratificavam-se os acordos feitos
com a antiga metrópole em 1815 e 1817 (proibição do tráfico ao
norte do Equador, direito de visita em alto-mar a navios suspeitos
de tráfico ilícito). Este direito de visita manter-se-ia durante
15 anos depois da data em que o tráfico se tornasse definitivamente ilegal.
Cumprindo sua promessa, o Brasil promulga em 1831 a lei de 7
de novembro, em que o tráfico africano é proibido, considerando-se
livres os indivíduos desembarcados no país a partir daquela data.
Esta lei ficará, contudo, da parte das autoridades brasileiras,
letra morta. Em 1831, com a abdicação do primeiro imperador (D.
Pedro I), a classe dos proprietários rurais tornara-se no Brasil
todopoderosa. Antes disto, contrabalançara-lhe a influência a ação
pessoal do Imperador que cercado de uma corte e uma burocracia sa-


Em linhas gerais, coisa semelhante se deu com relação a todas as jovens nações
ibero-americanas.

38

ídas diretamente da antiga administração portuguesa39, governava
com certa autonomia, não se deixando influir senão muito pouco pelo elemento propriamente nacional. E é isto que sobretudo leva o
país à revolta de 1831, quando Pedro I abdica em favor de um filho
em tenra idade em cujo nome governará uma regência tirada do seio
das classes que representavam o maior baluarte oposto a qualquer
medida que afetasse a escravidão: os proprietários e senhores rurais. A lei de 7 de novembro de 1831, promulgada neste momento,
não representava mais que uma satisfação de forma a compromissos
internacionalmente assumidos. Mas ninguém cuidava seriamente em
aplicá-la. Guardar-se-á com relação ao assunto uma hipócrita reserva; e se ninguém se levanta para defender o tráfico proibido e
criticar a lei em vigor, deixa-se contudo que ele continue como
dantes.
Quem se incumbirá de executar a lei brasileira será mais uma
vez a Inglaterra, cujos cruzeiros, livres agora de qualquer restrição, redobram de atividade. Mas a repressão, apesar do direito
de visita em alto mar, lutava com uma grande dificuldade: é que os
navios negreiros, quando se viam acossados pelo inimigo e não lhe
podiam escapar, lançavam ao mar sua carga humana, destruindo assim
o corpo de delito comprometedor, e inocentando-se com isto perante
os tribunais internacionais que os deviam julgar40. Para fazer face
a esta eventualidade, esforçava-se a Inglaterra, desde longa data,
em obter uma nova cláusula em seus tratados, pela qual a incidência no tráfico ilegal se provasse não apenas pela presença de escravos a bordo dos navios negreiros, mas por qualquer indício que
tornasse evidente o emprego da embarcação com aquele fim; como por
exemplo a descoberta a bordo de grilhetas ou outros ferros para
acorrentar os cativos, disposições internas que denunciassem os
objetivos a que se destinava o navio, quantidades anormais de mantimentos e de água potável, etc. Em 1823 Portugal fizera esta concessão aos ingleses; mas ela não atingia o Brasil, independente
desde o ano anterior. E quando se elaborou o tratado de 1826 acima
referido, a oposição que levantou no país fora tal que a Inglaterra tivera de abrir mão de mais esta exigência, contentando-se com
o muito que já alcançara. Voltará à carga depois de 1831, argumentando com a inexecução da lei e ineficiência da repressão.
Mas o Brasil resistirá tenazmente. Num certo momento o governo
chega a ceder, aceitando um novo tratado nos termos pedidos pela
Inglaterra. Mas a Câmara dos Deputados negar-lhe-á aprovação. Surgirá em 1834 mais um projeto destinado a reforçar a lei de 1831 e
dar-lhe efetiva aplicação: encontrará decidida oposição no Parlamento e será rejeitado. O tráfico, embora condenado pela lei e pela opinião confessada de todo mundo (já ninguém mais ousava defendê-lo), se mantinha como dantes, protegido pela tolerância das au
O próprio Imperador, como já foi referido, era o primogênito do Rei de Portugal, e herdeiro presuntivo da coroa portuguesa. Por ocasião do falecimento do
pai (1826), desiste de seus direitos no reino europeu em favor de uma filha, então menor, que reinará em Portugal com o nome de Maria I.
40 O tratado de 1817, ratificado em 1826, previa a organização de comissões mistas anglo-portuguesas (agora anglo-brasileiras) de julgamento. Os escravos atirados ao mar iam com pesadas pedras atadas ao pescoço a fim de submergirem logo
e não serem avistados.
39

toridades e da generalidade do país.
Ganhará mesmo, neste momento, algum terreno. A repressão inglesa, arrogante e sem medidas, começava a ferir as suscetibilidades brasileiras. O tráfico se tornara quase uma questão de honra
nacional. Se ninguém o aprova abertamente, a oposição também começa a tomar as cores de uma aliança com poderes estranhos que comprometem a soberania do país. Escusado acrescentar que os traficantes e demais interesses ligados ao comércio de escravos explorarão largamente a situação; e muitas vítimas dos cruzeiros ingleses serão aureoladas e consagradas quase como heróis.
Esta singular posição em que se coloca a questão do tráfico
reforça-se ainda com a prevenção que havia no Brasil, embora por
outros motivos, contra os ingleses. Já me referi a isto ao falar
da ascendência que tinham conseguido nos negócios e na vida econômica do país. Tudo isso se aliará em favor do tráfico; e ainda menos se fará para o reprimir. A tarefa continua assim a pesar inteiramente nos ombros da Inglaterra, que não contando com outros
meios de ação que seus cruzeiros, se desorientava na imensidade
das costas africanas e do oceano onde os traficantes passavam facilmente despercebidos; e se por acaso apanhados, eximiam-se de
sanções pelo simples expediente de largarem sua carga no mar. Prejuízo ocasional que a grande margem de lucros que o tráfico produzia comportava facilmente. Não é de admirar, portanto, que a importação de escravos no Brasil mantivesse seu ritmo crescente,
correspondendo com isto ao desenvolvimento econômico que então se
processava no país e que era alimentado pelo trabalho dos negros.
O número médio de africanos introduzidos anualmente na fase que
precede a extinção do tráfico subirá para mais de 50.000.
Naturalmente isto ia agravando as relações do Brasil com a Inglaterra, dando origem a sucessivas questões diplomáticas e a uma
tensão muito séria. Chega-se em 1845 a um momento agudo da crise.
Devia expirar no ano seguinte o prazo de quinze anos posteriores à
abolição legal do tráfico (decretada como vimos em 1831) depois do
qual, segundo os tratados vigentes, cessava o direito de visita em
alto mar a navios suspeitos de comércio ilegal. A Inglaterra ia
perder, com isto, sua principal e verdadeiramente única arma de
repressão. Não obtendo a renovação do prazo, e negando-se o governo brasileiro a qualquer nova concessão na matéria, ela decide então agir por conta própria. Em 8 de agosto de 1845 é aprovado no
Parlamento inglês um ato (que tomou, do nome de seu proponente, a
designação de Bill Aberdeen), que declara lícito o apresamento de
qualquer embarcação empregada no tráfico africano, e sujeita os
infratores a julgamento por pirataria perante os tribunais do Almirantado. Este ato, aberrante de todas as normas internacionais,
foi recebido com enérgico protesto do governo brasileiro; o que
não impediu que se tornasse efetivo, iniciando-se então uma perseguição ao tráfico sem paralelo no passado. A Inglaterra, livre agora de limitações e considerações diplomáticas (embora por ato
unilateral de sua vontade), decidira-se firmemente a liquidar o
assunto de uma forma definitiva, recuperando o tempo perdido em
quase meio século de meias medidas. As ordens que distribui a seus
cruzeiros serão as mais severas, e as embarcações de guerra inglesas não respeitarão nem as águas territoriais brasileiras, nem as

praias e portos do país. Onde quer que se refugiasse um navio traficante, lá ia procurá-lo o cruzeiro fazendo fogo quando necessário sobre a costa, e desembarcando mesmo suas forças para perseguir em terra os condutores de escravos e tomar-lhes a presa.
Tal situação correspondia a um quase estado de guerra. A soberania brasileira era violada permanentemente, e aos protestos do
governo, desprovido de recursos materiais para fazer frente ao poderoso adversário, respondia este ou com o desprezo, ou reafirmando sua inabalável decisão de liquidar o tráfico fosse por que meio
fosse. Não resta a menor dúvida que neste momento os ingleses iriam até a guerra declarada se necessário fosse: a ameaça se proferiu várias vezes no Parlamento britânico, e a opinião pública não
lhe era adversa. O mais grave para o Brasil é que a ação inglesa
ultrapassava freqüentemente seus próprios fins, indo interferir
com o comércio lícito; não era sempre fácil distinguir os navios
traficantes daqueles que na extensa costa brasileira realizavam a
maior parte das comunicações mesmo internas do país; a distinção
tornava-se tanto mais difícil que as embarcações empregadas neste
transporte puramente nacional -- e portanto além de qualquer pretensão inglesa -- levavam quase sempre escravos a bordo, coisa perfeitamente natural e mesmo necessária num país onde a escravidão
existia. Mas na dúvida, os cruzeiros ingleses não hesitavam, confundindo inocentes e culpados, e fazendo igualmente pesar sobre
todos os suspeitos a força do seu poder. Notemos ainda que a repressão inglesa dava margem para abastecer de mão-de-obra as colônias britânicas das índias Ocidentais: os africanos contrabandeados e apresados pelos cruzeiros se transportavam usualmente para
aquelas colônias onde embora a escravidão estivesse abolida, satisfaziam assim mesmo às grandes necessidades locais de trabalhadores. Esta prática estimulava naturalmente os abusos na repressão
do tráfico brasileiro.
Tudo isto não podia evidentemente durar muito tempo; diante da
intransigência inglesa que nada abalava, comprometia-se cada vez
mais a soberania brasileira e desorganizava-se a vida do país. De
um modo ou de outro, era preciso sair do impasse, e afinal a política brasileira cede. Em 1850 adotam-se medidas efetivas de repressão ao tráfico: não só leis eficientes, mas uma ação severa e
continuada. Destaca-se entre as medidas a expulsão do país de traficantes notórios, portugueses na maioria, o que contribui muito
para desorganizar o negócio.
É preciso lembrar que nesta altura um novo fator veio em auxílio da administração brasileira e em favor das pretensões inglesas. Os traficantes se tinham tornado uma potência financeira, e
apesar do desprestígio social que os cercava, faziam sombra com
seu dinheiro às classes de maior expressão política e social no
país: os fazendeiros e proprietários rurais, em regra seus devedores pelo fornecimento de escravos. Os atritos entre estas categorias se tomavam assim freqüentes, e os últimos, apesar do interesse que tinham no tráfico, já começavam a olhar com menos simpatia
para um negócio que enriquecendo desmesuradamente seus adversários
e credores, deixava-os na penumbra e na dependência de indivíduos
que desprezavam. Isto facilitou grandemente a violenta reação contra o tráfico iniciada pelo governo brasileiro em 1850. Seus re-

sultados foram magníficos. No ano anterior, a introdução de africanos no Brasil fora de 54.000 indivíduos; já naquele ano desce
para menos de metade: 23.000, caindo em seguida (1851) para pouco
mais de 3.000. Em 1852 ainda entram no país 700 e poucos escravos,
para cessarem em seguida completamente. Dois pequenos desembarques
clandestinos efetuados em 1855 e em 1856, respectivamente em Serinhaém (Pernambuco) e São Mateus (Espírito Santo), foram logo surpreendidos, a carga confiscada e os infratores punidos41. O tráfico
africano deixara para sempre de existir no Brasil.
Com a abolição do tráfico de escravos encerra-se a fase de
transição que se estende desde a transferência da corte portuguesa
para o Brasil em 1808. Ela será o último toque desta série de reformas consideráveis que se sucedem desde aquele momento e que modificariam tão profundamente o país, tornando-o de colônia inteiramente submetida ao exclusivismo mercantil da metrópole portuguesa, em Estado soberano, aberto à livre concorrência internacional.
Embora aquelas reformas econômicas políticas e sociais se escalonem numa série ininterrupta que cobre todo esse quase meio século
de evolução, é somente a partir de 1850 que elas se completam e
ajustam plenamente, integrando o país na nova etapa do seu desenvolvimento. Circunstâncias políticas e sociais -- como são Independência e o que segue -- bem como econômicas -- a convulsão provocada
pelo rompimento do equilíbrio colonial -- fazem desse período que
vai até a metade do século, uma época revolucionária, de bruscos
saltos e transformações violentas. É somente pelo fim dela que se
ajusta de novo a vida do país, embora em outro plano, e serenam em
conseqüência as agitações sociais e políticas anteriores. O Brasil
encontrara outro equilíbrio dentro do qual toma um novo ritmo evolutivo.
A questão do tráfico africano terá representado naquela fase
de desajustamento um papel de primeira ordem. Ela afetará o mais
profundo do sistema colonial, a própria estrutura de base que nos
legara o regime de colônia; e põe em cheque o conjunto daquela estrutura assente na produção extensiva de gêneros tropicais destinados ao comércio internacional. O processo de decomposição de tal
sistema, iniciado pelo elo mais fraco, o tráfico africano, continuará depois em seu curso e ainda não se completou em nossos dias.
Mas chega-se com a interrupção da corrente escravista a uma etapa
decisiva. O sistema econômico colonial conseguirá ainda adaptar-se
momentaneamente, através de ajustamentos e compromissos mais ou
menos felizes, à nova situação criada pelo estancamento da fonte
africana de trabalhadores escravos. Acompanharemos adiante aqueles
ajustamentos que permitiriam estabilizar provisoriamente a vida
econômica e, em conseqüência, a social e política do país. Mas o
sistema estava desde aquele momento definitivamente comprometido e
condenado ao desaparecimento.
A abolição do tráfico africano introduz assim na evolução econômica do Brasil um elemento fundamental de dissociação. Mas, além
desta conseqüência geral e profunda, ela terá direta e imediatamente outros efeitos que se farão sentir logo em seguida. O tráfi
Assinalemos que este último desembarque de escravos no Brasil foi efetuado pela escuna norte-americana Mary Smith.

41

co absorvera até então uma parcela considerável de atividades e
constituía, pode-se dizer, o maior negócio brasileiro da época.
Cinqüenta mil escravos importados anualmente, num valor global de
outros tantos contos de réis, equivaliam aproximadamente à importação total de outras mercadorias pela mesma época. Subitamente
cessa o negócio (porque a abolição do tráfico fora, como vimos,
brusca), e as atividades e pessoas nele ocupadas achar-se-ão deslocadas, e com elas os capitais invertidos que nas finanças restritas da época representam parcela avultada. Assistiremos então
àquilo que é normal em situações semelhantes: a ativação dos negócios noutros setores, e logo em seguida, a inflação.
O país conhecerá, pela primeira vez, um destes períodos financeiros áureos de grande movimento de negócios. Novas iniciativas
em empresas comerciais, financeiras e industriais se sucedem ininterruptamente; todos os índices de atividade sobem de um salto. A
circulação monetária é fantasticamente alargada pela faculdade emissora concedida ao Banco do Brasil e pelo abuso de emissão de
vales e outros títulos pelos demais estabelecimentos de crédito,
firmas comerciais e até simples particulares. Tudo isto terminará
num desastre tremendo -- a crise de 1857, seguida logo por outra
mais grave em 1864. O Brasil estreava nos altos e baixos violentos
da vida financeira contemporânea. Mas ficarão algumas iniciativas
que marcam época no país: a primeira estrada de ferro inaugurada
em 185442, as primeiras linhas telegráficas construídas em 1852,
bem como outras.
A abolição do tráfico ainda terá outro efeito indireto: põe
termo ao longo conflito com a Inglaterra; e das relações políticas
que então se estabelecem com aquele país, resultará novo afluxo de
suas iniciativas e capitais para o Brasil. A expansão dos negócios
ingleses retomará seu ritmo normal e progressivo, que declinara
muito nos anos anteriores de atritos e desentendimentos. A opinião
inglesa olhará de novo com simpatia para esse país que afinal se
conformava com o neo-humanitarismo britânico despertado em princípios do séc. XIX. Este incremento das atividades inglesas no Brasil é mais um fator importante a ser levado em conta na fase que
ora se inaugura; como o declínio delas, no período anterior, não
pode deixar de ser computado entre os fatores de perturbação e do
desequilíbrio então verificado.


Um pequeno trecho de 18 km nas proximidades do Rio de Janeiro. No ano seguinte
inicia-se a construção da estrada de ferro que seria a maior e mais importante
do país: a D. Pedro II, hoje Central do Brasil, que liga o Rio de Janeiro com
São Paulo, e serve boa parte do Estado do Rio de Janeiro e Minas Gerais.
42

O IMPÉRIO ESCRAVOCRATA
E A AURORA BURGUESA
1850-1889

16
Evolução Agrícola

NAS TRANSFORMAÇÕES ocorridas no Brasil no curso do séc. XIX,
nenhuma terá contribuído para modificar a fisionomia do país como
a verdadeira revolução que se opera na distribuição de suas atividades produtivas. Tal revolução já se pode observar em seus começos na primeira metade do século; mas é na segunda que se caracteriza propriamente e se completa. E como e nela que sobretudo se
fundam os acontecimentos econômicos desta última fase, por aí começaremos a análise do período histórico que ora nos ocupa.
Dois fatos (aliás, intimamente relacionados) a constituem; um
de natureza geográfica: é o deslocamento da primazia econômica das
velhas regiões agrícolas do Norte para as mais recentes do CentroSul (o Rio de Janeiro e partes limítrofes de Minas Gerais e São
Paulo). Outro é a decadência das lavouras tradicionais do Brasil --
da cana-de-açúcar, do algodão, do tabaco --, e o desenvolvimento
paralelo e considerável da produção de um gênero até então de pequena importância: o café, que acabará por figurar quase isolado
na balança econômica brasileira.
O renascimento agrícola iniciado em fins do séc. XVIII e grandemente impulsionado, como vimos, depois da abertura dos portos e
da emancipação política do país, favorece sobretudo, de início, as
regiões agrárias mais antigas do Norte: as províncias marítimas
que se estendem do Maranhão até a Bahia. Elas voltam então a ocupar a posição dominante desfrutada no passado e que tinham parcialmente perdido em favor das minas. Mas este novo surto do Norte
brasileiro não durará muito; já na primeira metade do séc. XIX o
Centro-Sul irá progressivamente tomando a dianteira nas atividades
econômicas do país. E na segunda, chega-se a uma inversão completa
de posições: o Norte, estacionário, senão decadente; o Sul, em
primeiro lugar, em pleno florescimento.
A explicação geral disto encontra-se sobretudo na decadência
das lavouras tradicionais daquele primeiro setor; decadência para
que não se encontrou, como se deu no Sul com o café, um substituto
adequado. Decadência aquela cuja causa precípua se encontra na
desfavorável conjuntura internacional. No que diz respeito à cana,
aparece no séc. XIX um sucedâneo para a produção do açúcar que a
levará de vencida: a beterraba. Os países europeus, e também os
Estados Unidos, que são os grandes consumidores de açúcar e prin-

cipais mercados para a produção dos trópicos americanos, tornamse, com a utilização da beterraba, de consumidores em produtores;
e não somente para suas necessidades próprias, mas ainda com excessos exportáveis. Estes se procurarão escoar com bonificações e
prêmios concedidos aos produtores, despesas estas de que se ressarcem os respectivos governos taxando pesadamente as importações
do açúcar de cana. Será uma concorrência tremenda cuja história é
conhecida e que vai dar nos primeiros grandes acordos internacionais em matéria de produção econômica; acordos aliás que nunca se
cumpriam regularmente.
A crise dos países produtores de cana é geral. As colônias ainda gozarão de certas regalias nos mercados de suas metrópoles
respectivas. Mas os produtores independentes não contarão com outra coisa que suas próprias forças. O Brasil, entre eles, será
particularmente atingido. Desvantajava-o uma posição geográfica
excêntrica; mas sobretudo o nível rudimentar de sua técnica de
produção, a que já me referi anteriormente. A sua contribuição ao
mercado internacional irá assim, em termos relativos, em declínio:
já em meados do século estará colocado em quinto lugar entre os
produtores mundiais de cana-de-açúcar, com menos de 8% da produção
total43. O declínio em termos absolutos virá pelos fins do século.
Dentro do Brasil, é o Norte que sofrerá mais com esta situação. Além da concorrência externa, ele suporta a do Sul, para
onde terras virgens e frescas atraem o povoamento e as atividades.
As velhas regiões setentrionais, exploradas havia séculos, já começavam a sentir os efeitos de uma longa utilização imprevidente e
depredadora que devastava os recursos da natureza sem nada lhes
restituir. Já me referi anteriormente a este caráter primitivo da
agricultura brasileira e que não se corrigirá tão cedo.
As outras produções clássicas do Norte sofrerão igualmente. O
seu algodão, que num momento se colocara entre os grandes fornecimentos mundiais, será deslocado do comércio internacional pela
produção norte-americana e a oriental. Quanto ao tabaco, as restrições opostas ao tráfico africano e que lhe tiram um dos principais mercados44, o prejudicam grandemente. Trata-se aliás de um gênero de segunda importância econômica.
Entre os fatores que contribuíam para a decadência do Norte é
preciso contar também a cessação, em 1850, da corrente de escravos
importados da África. Abalado já pela conjuntura internacional
desfavorável e pelo esgotamento de suas reservas naturais, o Norte
sofrerá consideravelmente com este novo golpe que o privava de
mão-de-obra fácil e relativamente barata. O Sul seria menos atingido porque se encontrava em fase ascendente de progresso e se refará mais rapidamente. Poderá mesmo resolver momentaneamente o seu
problema importando escravos do Norte depauperado, embora agravando assim ainda mais a situação deste. E recorrerá afinal à imigração européia, o que o Norte não pôde fazer porque nem as condições
econômicas, nem o seu clima acentuadamente tropical ofereciam a
Acima dele vêm, nesta mesma ordem: Cuba, Egito, Java, Maurício.
É sobretudo no tráfico mantido pela Bahia com as regiões africanas ao norte do
Equador (proibido, como vimos, depois de 1815), que se empregava o tabaco como
mercadoria de escambo.

43
44

trativos suficientes para esta nova corrente de colonos.
Mas o que sobretudo favoreceu o Sul em contraste com o Norte,
é que nele se aclimatou admiravelmente a cultura de um gênero que
se tornaria no correr do séc. XIX de particular importância comercial: o café. Apesar de sua relativa antigüidade no país (pois foi
introduzido em 1727), a cultura do café não representa nada de apreciável até os primeiros anos do século passado. Disseminara-se
largamente no país, do Pará a Santa Catarina, do litoral até o alto interior (Goiás); mas apesar desta larga área de difusão geográfica, o cafeeiro tem uma expressão mínima no balanço da economia brasileira. Sua cultura, aliás, destina-se mais ao consumo doméstico das fazendas e propriedades em que se encontra, e quando
muito local. Comercialmente seu valor é quase nulo.
Não era mesmo grande na época a aceitação do café. É somente
no correr do século XVIII que ele adquire importância nos mercados
internacionais, tornando-se então o principal alimento de luxo nos
países do Ocidente. E é isto que estimulará largamente sua cultura
nas colônias tropicais da América e Ásia. O Brasil entrará muito
tarde para a lista dos grandes produtores; em princípios do século
XIX ainda ocupa posição muito modesta. Explica-se pelo fato de ter
sido o séc. XVIII absorvido pela mineração; a agricultura não despertava grande interesse, e muito menos uma cultura nova que não
fizera ainda sua experiência. É o renascimento da agricultura em
fins daquele século que despertará as atenções para o café. Pouco
de início: a cana-de-açúcar e o algodão ainda estavam no seu apogeu. Mesmo nas regiões do Centro-Sul do país onde o café se difundiria mais tarde tão largamente, ele será desprezado em benefício
do açúcar.
Mas não tardará que as esplêndidas possibilidades naturais do
Brasil, tanto em clima como em solos favoráveis, se aproveitem em
favor de um produto que rapidamente ganhava terreno na cotação do
comércio internacional. É preciso lembrar aqui um fator que particularmente estimulará a produção brasileira. É a libertação e desenvolvimento do mercado norte-americano. As colônias inglesas da
América do Norte, separando-se em 1786 da sua metrópole, inauguram
então uma política econômica própria e independente dos interesses
ingleses e europeus em geral45. Surgia deste lado do Atlântico uma
nova potência internacional. O comércio cafeeiro também sentirá o
influxo deste novo equilíbrio de forças. Os grandes produtores tinham sido, até então, as Índias Ocidentais sob o domínio direto ou
indireto da Inglaterra; e a Insulásia, em particular Java e Sumatra, colônias neerlandesas. Os centros controladores do comércio
internacional do café eram por isso Londres e Amsterdam -- este último com sua conhecida ligação e dependência do primeiro.
Os Estados Unidos, grandes consumidores de café, voltar-se-ão
por isso logo, de preferência, para novos produtores mais livres
da dominação britânica. Em particular o Brasil, favorecido além do
mais, com relação a eles, pela sua posição geográfica. A produção
brasileira de café encontrará nos Estados Unidos um de seus principais mercados; em meados do século, quando o café se torna o

Notemos de passagem que não é isto que se observou nas demais colônias americanas, no Brasil inclusive.

45

grande artigo da exportação brasileira, aquele país absorverá mais
de 50% dela. E esta porcentagem ainda crescerá com o tempo.
Não existem dados muito seguros das primeiras exportações de
café brasileiro; mas alguns deles nos podem dar uma idéia da rapidez com que se desenvolveram. O Rio de Janeiro, que será durante
três quartos de século o principal produtor, não exportou em 1779
mais que a insignificância de 79 arrobas que se embarcaram para
Lisboa e Porto. Em 1796 a exportação já era de 8.495 arrobas, para
atingir, em 1806, 82.24546.
Este rápido progresso é tanto mais de admirar que o café, ao
contrário da produção dos outros gêneros clássicos do Brasil, oferece particulares dificuldades. Em primeiro lugar, de natureza física: o café, em confronto com a cana-de-açúcar, é uma planta delicada. Os limites de temperatura dentro dos quais prospera favoravelmente são muito estreitos: 5 e 33.° C. O cafeeiro é muito
sensível tanto às geadas como ao calor e insolação excessivos. Requer doutro lado chuvas regulares e bem distribuídas, e é muito
exigente com relação à qualidade do solo. Finalmente, ao contrário
da cana-de-açúcar e também do algodão, é uma planta permanente e
tem de atravessar por isso todas as estações e anos sucessivos sem
substituição. Outra dificuldade da lavoura cafeeira é que a planta
somente começa a produzir ao cabo de 4 a 5 anos de crescimento; é
um longo prazo de espera que exige pois maiores inversões de capital.
Tudo isto contribuirá para que o Norte fique logo em atraso
com relação ao Sul no que diz respeito à cultura do café, embora
tenha tido lá o seu início no Brasil. Sem contar que naquele primeiro setor já existia uma longa tradição agrícola canavieira e
algodoeira que embaraçará naturalmente a aceitação do café. Este
encontrará no Sul condições que se podem considerar ideais. Além
de grandes reservas de terras virgens e inexploradas com solos
magníficos, um clima que não lhe podia ser mais favorável: temperaturas amenas, pluviosidade bem distribuída. Haverá sempre no
Norte uma pequena produção de café: no Pará, no Ceará, em Pernambuco; na Bahia também, não em sua velha região açucareira, no Recôncavo, mas no Extremo-Sul da província: Ilhéus e Porto Seguro.
Mas, tudo isto contará sempre muito pouco. É no Rio de Janeiro sobretudo, logo depois nas regiões contíguas de Minas Gerais e São
Paulo, e finalmente no Espírito Santo (este último com índices já
muito menores) que se localiza realmente a riqueza cafeeira do
Brasil.
Seu ponto de partida será na vizinhança próxima do litoral. As
montanhas que circundavam a cidade do Rio de Janeiro e em cujos
vales ela hoje se estende, é onde se fizeram as primeiras plantações. As matas da Tijuca, hoje um dos mais importantes e aprazíveis arrabaldes da ex-capital, já foram cafezais. Para o sul do
Rio de Janeiro onde a serra que aqui acompanha o litoral se apro
46 Depois de 1821 a exportação brasileira em milhares de sacas de 60 kg foi, por
decênios, a seguinte:
1821-30 ........
1831-40 ........
1841-50 ........
1851-60 ........

3.178
10.430
18.367
27.339

1861-70 ........ 29.103
1871-80 ........ 32.509
1881-90 ........ 51.631

xima do mar até mergulhar diretamente nele, os cafezais lhe vão
revestindo a encosta. Assim na altura de Angra-dos-Reis e Parati;
e na província de São Paulo, em Ubatuba, Caraguatatuba e São Sebastião. Esta faixa costeira, já em princípios do século passado,
é uma importante zona produtora.
Mas tudo isto é apenas um pequeno começo; o primeiro grande cenário da lavoura cafeeira no Brasil é o vale do rio Paraíba, no seu
médio e depois alto-curso. As condições naturais são aí esplêndidas. Uma altitude que oscila entre 300 e 900 m mantém a temperatura, embora em latitude tropical, dentro dos limites ideais para a
planta, e regulariza as precipitações. Região muito acidentada, não
lhe faltam encostas bem protegidas contra o vento (fator importante
numa planta arbustiva de grande porte como o cafeeiro) e convenientemente expostas. A mata virgem que a revestia deu solos magníficos. O vale do Paraíba tornou-se assim um grande centro condensador
de lavouras e de população; em meados do séc. XIX reúne-se aí a
maior parcela da riqueza brasileira. Subindo pelo rio, os cafezais
invadem e ocupam largamente a parte oriental da província de São
Paulo. Tomam-lhe também a vertente setentrional, estendendo-se pela
região fronteiriça de Minas Gerais.
Até o terceiro quartel do século passado, toda esta área que
abrange a bacia do Paraíba e regiões adjacentes será o centro por
excelência da produção cafeeira do Brasil. Geograficamente forma
uma unidade: assinalei suas características naturais e que lhe são
comuns: altitudes médias, clima temperado, relevo acidentado, revestimento natural de florestas subtropicais. Comercialmente, orienta-se para o Rio de Janeiro, que é o porto de escoamento do produto, e por isso seu centro financeiro e controlador. Pouco depois
da metade do século passado, esta área representa o setor mais rico e progressista do país, concentrando a maior parcela de suas
atividades econômicas. Atinge também, pela mesma época, o auge do
seu desenvolvimento; logo virá o declínio. Repetia-se mais uma vez
o ciclo normal das atividades produtivas do Brasil: a uma fase de
intensa e rápida prosperidade, segue-se outra de estagnação e decadência. Já se vira isto (sem contar o longínquo caso do paubrasil) na lavoura da cana-de-açúcar e do algodão no Norte, nas
minas de ouro e diamantes do Centro-Sul. A causa é sempre semelhante: o acelerado esgotamento das reservas naturais por um
sistema de exploração descuidado e extensivo. Isto será particularmente sensível no caso que temos agora presente. Esses terrenos
de fortes declives onde se plantaram os cafezais, não suportarão
por muito tempo o efeito do desnudamento de florestas derrubadas e
da exposição do solo desprotegido à ação das intempéries. O trabalho da erosão foi rápido. Agira-se sem o menor cuidado e resguardo: a mata foi arrasada sem discernimento, mesmo nos altos; plantou-se o café sem atenção a "outra idéia que um rendimento imediato. O desleixo se observa na própria distribuição das plantas em
que se adotou o plano simplista e mais cômodo e expedito de fileiras em linha reta, perpendiculares à encosta: não havia disposição
mais favorável à ação da erosão. O resultado de tudo isto foi desastroso: bastaram uns poucos decênios para se revelarem rendimentos aceleradamente decrescentes, enfraquecimentos das plantas, aparecimento de pragas destruidoras. Inicia-se então a decadência

com todo seu cortejo sinistro: empobrecimento, abandono sucessivo
das culturas, rarefação demográfica.
Isto não aparecerá nos dados em conjunto do país porque outra
região viera já substituir aquela área tão próspera e agora fadada
ao aniquilamento. É o oeste da província de São Paulo, centralizando-se em Campinas e estendendo-se numa faixa daí para o norte
até Ribeirão Preto. Esta região era até fins do séc. XVIII muito
pouco povoada. Atravessava-a o caminho que de São Paulo conduzia
para Goiás, e ao longo do qual se tinham espalhado pequenos núcleos destinados quase unicamente a amparar os transportes e comunicações que se faziam por aí. E era este o único sinal de ocupação humana. Naquela época se inicia um povoamento e exploração
mais ativos; sua base econômica será então quase só a cana-deaçúcar. Assinalam-se culturas cafeeiras em Campinas e suas proximidades já antes de 1800; mas coisa de pouca importância, e que
será assim até meados do século. É neste momento que a região toma
francamente tal caminho voltando-se com grande atividade para o
café. Em pouco tempo se torna o grande centro produtor do país.
Ela é fisicamente bem distinta da primeira de que nos ocupamos
mais acima. Estendida para além das serras do Mar e da Mantiqueira,
que formam os cordões montanhosos que separam o litoral do altiplano interior, apresenta-se com uma topografia em geral unida e apenas ondulada. Isto terá grande influência na distribuição das lavouras de café. No primeiro setor que analisamos, a irregularidade
do terreno, a dispersão das encostas bem situadas com relação à exposição ao sol e ao abrigo contra ventos excessivos, espalharam os
cafezais em pequenos núcleos separados e desarticulados entre si.
Já nesta nova região do oeste paulista, de relevo unido, as culturas se estendem em largas superfícies uniformes de plantações ininterruptas que cobrem a paisagem a perder de vista. Verdadeiro "mar
de café": este nome lhes foi dado e é merecido.
Resulta daí uma concentração maior da riqueza e densidade econômica mais elevada. E não é só. A dessemelhança topográfica das
duas áreas terá outras conseqüências econômicas de relevo. Embora
plantados com o mesmo descuido, os cafezais da nova região sofrerão menos da ação dos agentes naturais. A declividade menor do
terreno oferecerá certa proteção ao solo que conserva assim mais
longamente suas qualidades. Doutro lado, as comunicações e transportes serão mais fáceis nesta zona de topografia regular e riqueza mais concentrada. Enquanto no primeiro setor estabelecer-se-ão
a muito custo algumas deficientes e onerosas vias férreas, o novo
contará muito cedo com uma boa rede de estradas. São vantagens apreciáveis, a que vem juntar-se ainda a superior fertilidade de um
tipo de solo ímpar no Brasil, particularmente para a cultura do
café47.
Ainda resultará um importante efeito do deslocamento para oeste das principais lavouras cafeeiras, o que quer dizer da maior e
quase única fonte de riqueza do país naquele momento. Até então o
Rio de Janeiro fora o grande empório do comércio de café; e seu
grande progresso não deriva somente de sua qualidade de capital,

É a chamada "terra roxa", resultante da decomposição de rochas basálticas de
origem vulcânica.

47

mas também daquele fato. Agora a situação já é outra: a orientação
geográfica do oeste paulista não é para o Rio de Janeiro, mas para
a capital da província, São Paulo, e através dela, para o porto de
Santos. Data de então, e por tal motivo, o grande surto contemporâneo da cidade de São Paulo e do seu apêndice portuário e brecha
para o exterior que é Santos. Será o primeiro passo para a concorrência, hoje ainda em disputa, entre a ex-capital do Brasil e São
Paulo.
É de Campinas, como referi, que parte a expansão cafeeira que
se alastrará pelo oeste paulista. Um fato sobretudo orientará a
princípio a marcha: é a ocorrência dos citados solos de terra roxa
que se sucedem em manchas próximas umas das outras de Campinas para o norte. Estas manchas aproveitar-se-ão até a última polegada;
e os cafezais recobri-las-ão uniforme e monotonamente por superfícies que abrangem por vezes dezenas de quilômetros quadrados sem
interrupção. Paisagem agrícola até hoje ainda quase única no Brasil, em regra tão irregular e desordenadamente explorado. Esta
"onda verde" de cafezais, como tão expressiva e apropriadamente se
denominou a expansão da lavoura que então fundamentava a riqueza
brasileira, marchará rapidamente, alcançando no penúltimo decênio
do século a região do rio Mogiguaçu na sua confluência com o Pardo; aí se formará o núcleo produtor do melhor e mais abundante café brasileiro. O "café de Ribeirão Preto" (centro da região) se
torna mundialmente famoso.
A marcha não se deterá; lança-se para ocidente, e internandose, avança progressivamente para o Rio Paraná. Mas isto já será um
pouco mais tarde que o período que ora temos em vista. A ocupação
do Centro e Extremo-Oeste da província (Estado, depois da República proclamada em 1889) pertence sobretudo ao século atual.
Em matéria de organização, a lavoura cafeeira seguiu os moldes
tradicionais e clássicos da agricultura do país: a exploração em
larga escada, tipo "plantação" (a plantation dos economistas ingleses), fundada na grande propriedade monocultural trabalhada por
escravos negros, substituídos mais tarde, como veremos noutro capítulo, por trabalhadores assalariados. Contribuem para fixar este
sistema de organização as mesmas circunstâncias assinaladas para
as demais culturas brasileiras. Reforçam-nas aliás agora, a tradição já formada no país e seu regime social; sem contar que o cafeeiro, sendo uma planta de produção retardada, exige para seu cultivo maior inversão de capitais. Torna-se assim ainda menos acessível ao pequeno proprietário e produtor modesto.

A importância e extensão dos domínios cafeeiros será naturalmente
muito variável. De início encontram-se lavouras de algumas dezenas
de mil plantas no máximo. O primeiro setor explorado -- o vale do
Paraíba e suas adjacências -- não se prestava mesmo, devido à conformação irregular e variedade do terreno, a concentrações maiores48. Tratava-se além disto dos primeiros tempos da grande lavoura
cafeeira, e nem o capital nem a mão-de-obra disponíveis e a experiência acumulada bastavam ainda para empresas de maior vulto. Estas começarão a se formar com mais freqüência nas zonas novas do
oeste paulista. Instalam-se aí muito cedo propriedades que reúnem
centenas de milhares de plantas. E lá pelos fins do século, começam a surgir fazendas imensas que ultrapassam o milhão49.
Além das plantações, a fazenda conta com diferentes instalações e dependências que fazem dela um conjunto complexo, vultoso
e em grande parte auto-suficiente. É a repetição do que já se observara nos engenhos de açúcar. Assim, as destinadas ao preparo e
beneficiamento do produto: tanques onde o grão é lavado logo depois da colheita, terreiros onde ele é exposto ao sol para secar,
máquinas de decorticação, triagem, etc. Além destas, a residência
do proprietário (em regra absentista, mais visitando sua propriedade na época da colheita, de maio a agosto), a senzala dos escravos (grande edificação térrea com os alojamentos dispostos ao redor de um pátio central) ou "colônias" de trabalhadores livres,
agrupamento de casinholas em geral alinhadas ao longo de uma rua e
dando o aspecto de uma pequena aldeia; finalmente as cocheiras,
estrebarias e oficinas diversas de carpintaria, ferreiro, etc. Tudo isto forma uma aglomeração que nas fazendas importantes toma
grande vulto, abrindo uma clareira de habitações e edificações em
meio da floresta de cafeeiros que as cerca de todos os lados. Exatamente como o engenho de açúcar, a fazenda de café é um mundo em
miniatura quase independente e isolado do exterior, e vivendo inteiramente para a produção do seu gênero.
A lavoura do café marca na evolução econômica do Brasil um período bem caracterizado. Durante três quartos de século concentrase nela quase toda a riqueza do país; e mesmo em termos absolutos
ela é notável: o Brasil é o grande produtor mundial, com um quase
monopólio, de um gênero que tomará o primeiro lugar entre os produtos primários no comércio internacional. A frase famosa, "o Brasil é o café", pronunciada no Parlamento do Império e depois largamente vulgarizada, correspondia então legitimamente a uma realidade: tanto dentro do país como no conceito internacional o Brasil
era efetivamente, e só, o café. Vivendo exclusivamente da exportação, somente o café contava seriamente na economia brasileira. Para aquela exportação, o precioso grão chegou a contribuir com mais
de 70% do valor.
Social e politicamente foi a mesma coisa. O café deu origem,
cronologicamente, à última das três grandes aristocracias do país,

O que não impede, como freqüentemente acontecia, o caso de um mesmo proprietário para muitas propriedades ou fazendas diferentes.
49 Chegará a mais de 3 milhões de pés a maior fazenda brasileira de café. É a fazenda S. Martinho, da família Silva Prado, na região de Ribeirão Preto, aberta
no penúltimo decênio do século e que atinge aquela cifra de plantações no século
atual.
48

depois dos senhores de engenho e dos grandes mineradores, os fazendeiros de café se tornam a elite social brasileira. E em conseqüência (uma vez que o país já era livre e soberano) na política
também. O grande papel que São Paulo foi conquistando no cenário
político do Brasil, até chegar à sua liderança efetiva, se fez à
custa do café; e na vanguarda deste movimento de ascensão, e impulsionando-o, marcham os fazendeiros e seus interesses. Quase todos os maiores fatos econômicos, sociais e políticos do Brasil,
desde meados do século passado até o terceiro decênio do atual, se
desenrolam em função da lavoura cafeeira: foi assim com o deslocamento de populações de todas as partes do país, mas em particular do Norte, para o Sul, e São Paulo especialmente; o mesmo
com a maciça imigração européia e a abolição da escravidão; a própria Federação e a República mergulham suas raízes profundas neste
solo fecundo onde vicejou o último soberano, até data muito recente, do Brasil econômico: o rei café, destronador do açúcar, do ouro e diamantes, do algodão, que lhe tinham ocupado o lugar no passado.

17
Novo Equilíbrio Econômico

O CONSIDERÁVEL desenvolvimento da lavoura cafeeira contará como primeiro fator no reajustamento da vida econômica do Brasil,
tão abalada desde a transferência da corte portuguesa para o Rio
de Janeiro e a emancipação política do país. As crescentes exportações de café que tomam logo um vulto que deixa a perder de vista
o intercâmbio comercial do passado50, permitirão não somente restaurar o balanço das contas externas do país, tão comprometidas na
fase anterior, mas restaurá-lo em nível nitidamente superior a tudo quanto o Brasil conhecera no passado. A partir de 1860, o comércio exterior começa a se saldar invariavelmente com superavits
crescentes. E isto apesar de uma importação que se avolumava; o
que permitiu aliás não somente uma ascensão sensível do padrão de
vida da população -- pelo menos de certas classes e regiões -- mas
também o aparelhamento técnico do país, inteiramente dependente,
neste terreno, do estrangeiro. Refiro-me a estradas de ferro e outros meios de comunicação e transportes, mecanização das indústrias rurais, instalação de algumas primeiras manufaturas, etc.
Pode-se dizer que é nesta época que o Brasil tomará pela primeira
vez conhecimento do que fosse o progresso moderno e uma certa riqueza e bem-estar material.
Mas não será apenas esta a conseqüência mais imediata do desenvolvimento da lavoura cafeeira. Ele terá também o efeito de reforçar a estrutura tradicional da economia brasileira, voltada inteiramente para a produção intensiva de uns poucos gêneros destinados à exportação. Graças ao amparo de um artigo como o café, de
largas facilidades de produção no país e de considerável importância comercial nos mercados mundiais, aquela estrutura, momentaneamente abalada pelas transformações sofridas pelo país na primeira
parte do século, consegue se refazer e prosperar mesmo consideravelmente ainda por muito tempo. E com ela se reforçarão também os
diferentes elementos econômicos a ela ligados e que já discriminamos ao tratar da colônia cujo sistema econômico se perpetuara no
Brasil independente: a grande propriedade monocultural trabalhada
por escravos. Apesar das contradições inerentes a tal sistema no
momento de que nos ocupamos, foi possível ainda reestabilizar na
sua base a vida do país.
Mas há outras circunstâncias que a par do progresso da lavoura
cafeeira, e acompanhando-o, contribuíram para esta reestabilização. Já foi lembrado o efeito que teve o restabelecimento de relações normais com a Inglaterra depois do longo período de atritos e
hostilidades derivados da questão do tráfico africano. A Inglaterra voltará a concorrer, como nos primeiros tempos da abertura dos
portos, com suas atividades e capitais. Fossem quais fossem os e
No apêndice, o leitor encontrará uma súmula do comércio exterior do Brasil de
1821 em diante.

50

feitos remotos disto (voltarei sobre a matéria quando eles começam
a se fazer sentir), o fato é que no momento o concurso inglês contribuiu grandemente para estimular as forças do país. Com o capital inglês (bem como de outras nacionalidades, embora em menores
proporções) construir-se-ão estradas de ferro, montar-se-ão indústrias, aparelhar-se-ão portos marítimos. Além disto, o afluxo de
capitais estrangeiros permitirá equilibrar normalmente as finanças
externas sem sacrifício das importações, de tão fundamental importância para o Brasil. Será possível manter em dia os pagamentos
exteriores.
Não existem dados seguros e completos para se avaliar o montante das inversões inglesas no Brasil. Conhecemos contudo uma de
suas parcelas, com certeza a mais importante, que são os empréstimos públicos. Até 1852 eles tinham sido apenas quatro, na importância total de uns dois e meio milhões de libras51. Depois daquela
data eles se multiplicam rapidamente; até o fim do Império o Brasil contratará na Inglaterra mais onze empréstimos num valor global de uns 60 milhões de libras52. Este afluxo considerável de capitais, embora não representasse muitas vezes entradas efetivas,
mas apenas consolidação de dívidas mais antigas vencidas e não pagas, trouxe assim mesmo grande reforço ao equilíbrio financeiro do
país.
Outra conseqüência da abolição do tráfico agirá também no mesmo sentido: é que desaparecia com ele um dos itens mais vultosos
do nosso comércio importador, representado anualmente por dezenas
de milhares de escravos cujo valor, embora difícil de precisar,
andaria na época em nível igual ao montante das demais importações. Era como se estas se reduzissem subitamente à metade do que
eram anteriormente; o que constitui, é claro, um grande desafogo
para as finanças do país.
Finalmente, mais um fator ainda virá contribuir para o reajustamento econômico e financeiro do Brasil: será a modificação de
sua política tarifária, o que se verifica em 1844. Vimos em capítulo anterior que devido ao tratado de 1810 com a Inglaterra, ratificado depois da Independência, o Brasil fora obrigado a manter
suas tarifas alfandegárias no baixo nível de 15% ad valorem. Isto
constituíra, como também já foi notado, uma das principais causas
do desequilíbrio comercial então verificado, bem como das finanças
públicas. Sem contar o sufocamento da produção nacional, esmagada
pela concorrência estrangeira. Em 1844, no auge do descalabro financeiro, e sem a possibilidade sequer do recurso a empréstimos
exteriores, uma vez que nosso grande prestamista, a Inglaterra,


Embora nominalmente já se elevasse o débito brasileiro a mais de 5 milhões que

51

incluíam juros atrasados e parcelas de outras origens, algumas muito difíceis
hoje de precisar. Esta questão das dívidas externas do Brasil sempre foi das
mais confusas, e ainda em nossos dias não está bem esclarecida.
52 Tais empréstimos foram os seguintes: 1858 -- 1.526.500; 1859 -508.000; 1860 400.000; 1863 - 3.855.307; - 1865 - 6.363.613; 1871 -3.000.000; 1875 5.301.200; 1883 - 4.599.600; 1886 - 6.431.000; 1888 - 6.297.300; 1889 19.875.000. Notemos que estes empréstimos foram contratados em melhores condições de tipo, juro e prazo que os anteriores a 1850.

nos fechava as portas,53 o governo imperial resolve decretar novas
pautas alfandegárias mais elevadas. Fazia isto fundado em que o
tratado de 1810, renovado em 1826 por mais quinze anos, tinha expirado em 1841. Recupera o Brasil sua liberdade de ação monetária,
uma vez que com os demais países não havia outra coisa que a cláusula da "nação mais favorecida". Era-lhe perfeitamente lícita uma
modificação qualquer das tarifas, contanto que fosse geral. O que
não impedirá que a Inglaterra proteste energicamente. Mas o estado
das suas relações com o Brasil era tal, e tamanha a hostilidade
que levantava a abusiva ação dos seus cruzeiros contra o tráfico
africano, que a intervenção foi ineficaz. Os direitos de importação serão sensivelmente elevados, fixando-se em redor de 30%, isto
é, o dobro dos anteriores.
As rendas públicas crescerão bastante depois disto, e embora
persista o deficit orçamentário (pois as despesas cresceram na
mesma proporção), isto permitirá desafogar grandemente o tesouro
público e ampliar suas possibilidades e realizações. Além disto, e
sobretudo, a reforma de 1844 quebrará o respeito que havia pelos
primeiros tratados comerciais do país e o regime de ampla liberdade neles estabelecido, abrindo um precedente que permitirá utilizar mais tarde as tarifas alfandegárias como medida de amparo à
produção nacional. Já a pauta daquele ano, embora não se destinasse a isto e não tivesse mais que objetivos fiscais, proporcionará
algumas oportunidades à indústria indígena que começa a sair do
marasmo em que se encontrava. E depois de 1860, quando os direitos
serão elevados para um nível médio de 50%, aparecem as primeiras
manufaturas de certo vulto. Este fomento da produção interna, além
do fortalecimento que traz à economia em geral do país, representará mais um fator de ajustamento e equilíbrio do nosso balanço
exterior de contas.
De tudo isto que acabamos de ver, bem como do apaziguamento
paralelo na política do Império, que então se estabiliza. (depois
de 1850 serenam as agitações e entra-se pela primeira vez depois
da Independência num momento de normalidade política e administrativa), resultará esta evolução mais tranqüila e equilibrada que
observamos a partir de meados do século, e que contrasta tão vivamente com o período anterior. Mas apesar desta estabilidade aparente, as contradições profundas do sistema, atenuadas embora, mas
lavrando ainda ativamente na base da estrutura econômica e social
do país, não tardarão em provocar novos desajustamentos e dar origem a outros conflitos. Entre eles, destaca-se em primeiro plano o
referente à questão do trabalho servil.


No ano anterior (1843) a Inglaterra concedera um empréstimo de 700 e tantas
mil libras. Mas este empréstimo destinou-se unicamente a saldar um compromisso
que o Brasil assumira para com Portugal por ocasião do reconhecimento da Independência, e que representava uma parte do débito desse país com a Inglaterra
naquela época; separando-se da metrópole, o Brasil tomara a seu cargo uma parte
da dívida externa portuguesa.

53

18
A Decadência do Trabalho Servil
e Sua Abolição

NO CAPITULO em que me ocupei da extinção do tráfico africano
(cap. 15), foi definida a posição do problema escravista no Brasil
por ocasião da emancipação política do país. Vimos aí que a escravidão, embora mantida e reforçando-se mesmo com o incremento considerável do tráfico -- coisa que duraria até meados do século --,
atingira entretanto o ponto culminante de sua trajetória e já dava
mostras dos primeiros sinais de decomposição. Apesar disto e das
fortes causas que contra ela atuavam, o problema da escravidão
propriamente e da sua manutenção conserva-se, durante a primeira
metade do século, em segundo plano; a questão paralela do tráfico,
que lhe era tão intimamente ligada, absorverá nesta fase todas as
atenções, e é nela que se centraliza a luta. Observamos mesmo alguns outros sintomas exteriores de fortalecimento da instituição
servil, como a drástica lei de 183554. É somente depois de suprimida a importação de escravos, e resolvida assim a primeira e natural etapa do problema escravista, que se ataca o conjunto da questão.
Mas não é para dizer que naquele período se esquecesse por
completo a escravidão em si para cogitar unicamente daquele seu
aspecto secundário que era o tráfico. Ela volta por vezes à baila
tanto na imprensa como no Parlamento, onde em 1831 é apresentado
um projeto de abolição da escravidão de que, entretanto, a Câmara
recusou tomar conhecimento. Trata-se contudo antes de manifestações ocasionais e sem seguimento; a questão era excessivamente ampla e envolvia interesses grandes demais para se emparelhar desde
logo com o problema premente e imediato do tráfico.
Não devemos contudo aventurar-nos muito em conclusões fundadas
unicamente em manifestações expressas, e julgar a questão somente
por elas. Na análise desta matéria é preciso muitas vezes ler nas
entrelinhas dos fatos que chegaram até nosso conhecimento para se
avaliar, com alguma segurança, o seu estado em cada momento. Notase em torno dela uma conspiração de silêncio que pode iludir e iludiu muitas vezes os historiadores. O que se encontra na imprensa, nas demais publicações da época, no Parlamento -- que são nossas melhores fontes de informação -- não corresponde certamente, no
mais das vezes, à importância que o problema escravista efetivamente representava aos olhos dos contemporâneos. Todas as forças
conservadoras (e são elas e seus órgãos que naturalmente mais se
fazem ouvir) preferem calar-se e recusam abrir debate público em

Esta lei estabelecia a pena de morte para a insurreição ou qualquer ofensa física-cometida pelos escravos. O julgamento era pelo júri (composto em regra de
proprietários, e portanto severo) e sem recurso algum. Para ofensas leves a pena
era de açoites, na proporção da sua gravidade; a lei não estabelecia discriminação alguma, e o número de açoites era deixado ao arbítrio do julgador. Note-se
que a aplicação desta pena trazia freqüentemente a morte da vítima; e quando não
isto, pelo menos graves lesões.

54

torno de um assunto tão delicado e capaz das mais graves repercussões. Não devemos esquecer o temor que despertava a presença desta
massa imensa de escravos que permeava a sociedade brasileira por
todos os seus poros. Ninguém podia saber ao certo das suas possíveis reações, da atitude que teriam os escravos, curvados ao trabalho, humildes e até então, em geral, pacíficos, se acaso lhes
sorrisse, embora longinquamente, uma sorte melhor. Não é de admirar portanto que as mais leves referências públicas à escravidão
despertassem, como de fato despertavam o mais justificado alarma.
Mesmo depois que se começou a tratar da matéria nas esferas oficiais, e quando portanto a questão já estava em vésperas de ser resolvida, sempre se cercaram os debates e deliberações, nos primeiros tempos pelo menos, do mais rigoroso segredo.
Nestas condições, é muitas vezes difícil, para nós hoje em
dia, avaliar com segurança a importância que em cada momento se
emprestava ao assunto. A ausência de manifestações expressas não
significa sempre esquecimento ou desprezo; mas pelo contrário,
muitas vezes, excesso de preocupação. Seja como for, o certo é que
a escravidão só entra em debate franco depois que se começa a reprimir efetivamente o tráfico em 1850, e ele é de fato extinto,
como vimos, pouco depois.
Naquele mesmo ano, e de novo em 1852, aparecem no Parlamento
vários projetos emancipacionistas, visando à liberdade dos nascituros e à obrigatoriedade da alforria dos escravos pelos quais se
oferecesse o respectivo preço. O alvoroço que levantaram estes
projetos -- o presidente da Câmara chega a cassar a palavra de um
deputado que os defendia -- indica bem claramente a impressão profunda que ainda causava a matéria. E os projetos não chegam nem a
ser considerados objeto de deliberação.
Mas nos anos que se seguem, a maturação do problema se precipita. Os efeitos da suspensão do tráfico começam logo a se fazer
sentir. Cessara bruscamente, e ainda no momento sem nenhum substituto equivalente, a mais forte corrente de povoamento do país representada anualmente por algumas dezenas de milhares de indivíduos. A lavoura logo se ressentirá da falta de braços, e o problema se agrava de ano para ano. Estava-se com a progressão da cultura do café num período de franca expansão das forças produtivas, e
o simples crescimento vegetativo da população trabalhadora não lhe
podia atender às necessidades crescentes. As medidas então projetadas para assegurar a conservação e estimular o aumento da escravatura existente (como leis de proteção da saúde física dos escravos, incentivo aos casamentos e defesa da família), mostram como o
problema era sentido; mas não servirão para grande coisa.
Efeito capital desta situação será o de desviar os escravos
para as regiões mais prósperas em prejuízo das outras; a mão-deobra no Norte começará a afluir para o Sul, onde graças ao café,
ela se pagava com bons preços. Isto se percebeu e sentiu tão cedo
que já em 1854 aparece no Parlamento um projeto de lei proibitiva
do tráfico interprovincial de escravos. Seu autor é um dos mais
destacados representantes do Norte, intimamente ligado aos grandes
senhores de engenho de Pernambuco e da Bahia (João Maurício Wanderley, Barão de Cotegipe). A idéia não teve andamento; mas se
substituiu, em algumas províncias setentrionais, por taxas locais

impostas sobre a saída de escravos55. Esta situação desfavorável
criada para o Norte será uma das causas que farão amadurecer lá
mais rapidamente as idéias emancipacionistas. O Centro-Sul formará
o reduto principal da reação escravocrata; e com sua grande riqueza relativa e influência política poderosa, torna-se com o tempo
um dos maiores freios do movimento libertador.
Por aí já se percebe como a extinção do tráfico africano veio
bruscamente acentuar e aprofundar as contradições do regime escravista. A escassez de braços e o desequilíbrio demográfico entre
as diferentes regiões do país acrescentavam-se aos problemas que
antes já derivavam dele. Aliás a transferência de escravos do Norte para o Sul, se prejudicava grandemente aquele, não resolvia senão muito precariamente as dificuldades do último. Era preciso uma
solução mais ampla e radical. Ela será procurada na imigração européia. Já no auge da campanha contra o tráfico, e na previsão do
que brevemente ia acontecer, começara-se a apelar para este recurso. A corrente imigratória se intensifica depois de 1850; e veremos coexistir, nas lavouras de café, trabalhadores escravos e europeus livres. A estranha combinação não surtirá efeito e logo se
verificará sua impraticabilidade, terminando num fracasso esta
primeira tentativa de preencher com colonos europeus os vácuos
deixados pela carência de escravos. Somente mais tarde e em outras
condições, que serão oportunamente analisadas, renovar-se-ão as
correntes imigratórias da Europa, resolvendo-se então com elas o
problema do trabalho na agricultura do café. Mas ter-se-á confirmado pela experiência a incompatibilidade das duas formas de trabalho; e este será um dos mais importantes fatores do crescente
descrédito da escravidão.
Outra circunstância que pela mesma época acentua e precisa os
caracteres negativos da escravidão, é o início da indústria manufatureira no país. Nela não se empregarão trabalhadores servis, a
não ser para tarefas secundárias e acessórias; a sua ineficiência
para os serviços mais delicados e complexos de manufaturas56 será
logo percebida; sem contar a vantagem financeira maior que representa na indústria o pagamento de salários em vez do preço de escravos.57 Testemunho contemporâneo desta opinião encontra-se no relatório da seção de artes liberais e mecânicas da primeira Exposi
Desde 1835 as províncias gozavam de certa autonomia, com um governo local próprio, embora o chefe do seu executivo fosse de nomeação imperial.
56 Não esqueçamos que o escravo brasileiro era em regra o africano boçal recrutado entre as nações de mais baixo nível cultural do continente negro. Os povos
negros mais cultos são os do Sudão, isto é, de regiões situadas ao norte do Equador onde o tráfico se proibira desde 1815.
57 Em rigor, isto se dá também na agricultura. Esta matéria é muito complexa para
ser discutida aqui a fundo. De um modo geral, e de um ponto de vista estritamente financeiro e contabilístico, o trabalho escravo, outras circunstâncias iguais, é mais oneroso que o assalariado. O escravo corresponde a um capital fixo
cujo ciclo tem a duração da vida de um indivíduo; assim sendo, mesmo sem considerar o risco que representa a vida humana, forma um adiantamento a longo prazo
de sobretrabalho eventual a ser produzido; e portanto um empate de capital. O
assalariado, pelo contrário, fornece aquele sobretrabalho sem adiantamento ou
risco algum. Nestas condições, o capitalismo é incompatível com a escravidão; o
capital, permitindo dispensá-la, a exclui. É o que se deu com o advento da indústria moderna.
55

ção Nacional realizada em 1861, onde o atraso das manufaturas no
Brasil é expressamente atribuído ao emprego do trabalho escravo no
país.
É na base desta acentuação e deste agravamento das contradições do regime escravista, que se processará sua decomposição. A
partir de 1860 a pressão dos acontecimentos já é bastante forte
para provocar uma larga tomada de posições: o problema da escravidão, o da sua subsistência, é então aberto e francamente posto em
foco. Menos no Parlamento que fora dele. Começa a surgir, a propósito, um grande número de escritos de toda ordem: livros, folhetos, artigos de imprensa e outras publicações. A questão é analisada e debatida a fundo; seus diferentes aspectos, econômico, social e político, são esmiuçados. São grupos intelectuais que tomam, primeiro, posição: bacharéis em direito, advogados, juristas,
que formam cronologicamente a primeira classe pensante do país.
Notemos que a mais antiga manifestação franca e decidida em favor
da emancipação dos escravos, partida de um órgão coletivo, é do
Instituto de Advogados do Rio de Janeiro. O problema da abolição
da escravidão entra nesta época definitivamente para o cartaz da
política brasileira, para não sair mais dele até a solução final
do assunto. Com vicissitudes e alternativas várias, ele se torna o
centro principal de todas as atenções.
Em geral, não se irá ainda neste primeiro momento ao extremo
de pedir a abolição total e imediata do regime servil: procuram-se
meios de chegar a uma solução conciliatória que harmonize na medida do possível os interesses em jogo e traga a extinção gradual e
suave da escravidão, sem choques graves e comprometedores do equilíbrio econômico e social do país. A liberdade dos nascituros será
uma destas soluções. Era o exemplo estrangeiro: em toda parte onde
anteriormente se abolira a escravidão, a emancipação dos filhos de
escravos precedera quase sempre as medidas definitivas. É em torno
disto que então se centralizam os debates.
Uma circunstância que nesta época acentuará as contradições
ideológicas do regime escravista, contribuindo grandemente para a
evolução da questão, é a posição internacional do Brasil, que depois de 1865 (quando é abolida a escravidão dos Estados Unidos),
será com Cuba o único país da civilização ocidental a admiti-la58.
Este isolamento terá grande influência sobre a opinião pública no
Brasil, sobretudo quando começam a aparecer manifestações internacionais hostis a estes últimos países que conservavam um regime
social universalmente condenado. Será, aliás, depois de um apelo
feito em 1865 pela Junta Francesa de Emancipação e assinado pelos
nomes prestigiosos de Guizot, E. Laboulaye, o príncipe e o duque
de Broglie, Henri Martin e outros, que o Imperador do Brasil, até
então desinteressado pela questão, levará o ministério a tomar conhecimento oficial dela59, e na Fala do Trono de 186760 aborda o as
Mantinha-se ainda nas colônias portuguesas; mas uma lei de 1858 estabelecera
que, no prazo de vinte anos, todos os escravos pertencentes a súditos portugueses seriam considerados livres.
59 O Imperador D. Pedro II, homem medíocre intelectualmente, tinha contudo pretensões literárias, e se lisonjeava muito com a amizade e consideração dos intelectuais de renome mundial. A vaidade imperial contribuiu assim para quebrar a
58

sunto e, embora de modo muito discreto (não lhe dedica mais que um
pequeno parágrafo), sugere que se iniciem as reformas necessárias.
A insinuação foi fortemente criticada e muito mal recebida nos
círculos políticos então de maior influência. Mas partindo de quem
partia, a mais alta personalidade do país, e manifestada assim publicamente, não podia deixar de frutificar no terreno já tão preparado da opinião pública. O próprio Conselho de Estado, apesar do
reacionarismo que o caracteriza, começa a estudar as medidas possíveis a serem adotadas.
No momento contudo, a questão não progrediu muito. O Brasil se
empenhara em 1865, com a Argentina e o Uruguai, na guerra contra o
Paraguai; e isto servirá de pretexto para adiar o debate. Mas não
impede a radicalização cada vez maior da opinião pública. A idéia
de emancipação começa a conquistar forças políticas importantes, e
isto faz com que o Imperador, esquecido de suas fumaças progressistas, organize em 1868 um ministério fortemente conservador e
francamente escravocrata, cujo primeiro ato é dissolver uma Câmara
já excessivamente libertadora61. Este fato terá grande repercussão
na evolução política do Brasil, pois provocará a polarização das
forças conservadoras e reformistas. No mesmo ano constitui-se um
novo partido liberal que apresentará largo programa de reformas,
inclusive a emancipação dos escravos, que pela primeira vez aparece entre os princípios oficiais de um partido. Dois anos mais tarde, a ala extrema deste partido agrupar-se-á sob a bandeira republicana.
Definem-se assim nitidamente os campos em luta. E enquanto se
alarga a base antiescravista, a reação encastelada no poder lhe
opõe total inércia. A pressão se torna particularmente forte ao
terminar a guerra do Paraguai. Não somente desfazia-se o pretexto
até então invocado para não tratar do assunto, mas acrescentam-se
então novas circunstâncias em favor da causa libertadora. A guerra
pusera em relevo as debilidades orgânicas de um país em que a massa da população era constituída de escravos62.
Encontraram-se as maiores dificuldades no recrutamento de tropas, e foi-se obrigado a recorrer a escravos, desapropriando-os de
seus senhores e concedendo-lhes alforria. Também em muitos lugares
foi impossível mobilizar em número suficiente os homens livres,
pois isto seria desamparar tais lugares deixando-os à mercê da
massa escrava tão temida e perigosa. A escravidão revelava mais um
dos seus aspectos negativos. Além disto o Brasil, embora vitorioso, saía da guerra humilhado, não somente em face dos aliados, mas

resistência conservadora do Conselho de Estado e dos grupos políticos mais fortes naquele momento.
60 Fala do Trono era o discurso oficial com que em cada ano o Imperador abria as
sessões da Assembléia Geral.
61 Esta dissolução não foi um golpe de estado, porque pelo regime parlamentar em
vigor no Brasil, a dissolução era licita. Mas teve o mesmo efeito, porque a Câmara seguinte, formada sob pressão eleitoral, levará para o Parlamento uma quase
unanimidade de reacionários e escravocratas que embaraçará grandemente a marcha
da emancipação.
62 Numa população de menos de 10.000.000, mais de um e meio milhão eram escravos.
A proporção era maior nas regiões mais ricas e florescentes, e cuja colaboração
na guerra tivera particular importância.

dos próprios vencidos, com suas tropas de recém-egressos da escravidão. A questão da abolição do regime servil se tornará, daí por
diante, um ponto de honra nacional.
Diante de tudo isto, e balda de recursos protelatórios, a reação sente-se forçada a concessões. O Imperador, sem modificar fundamentalmente a situação no poder, mas remodelando-a com a inclusão no governo de uma fração mais tolerante dos conservadores, revive os antigos projetos discutidos no Conselho de Estado seis anos antes, e amenizando-os muito, faz votar nas Câmaras a chamada
lei do Ventre Livre (28 de setembro de 1871), em que se declaram
livres os filhos de escravos nascidos daquela data em diante, e se
dão algumas providências para estimular a alforria dos escravos
existentes.
Tudo isto pareceu no momento de grande significação. Os setores menos radicalizados e mais conciliadores da campanha libertadora entenderam mesmo que com a lei do Ventre Livre a obra da abolição estava terminada. Um raciocínio simplista, embora lógico à
primeira vista, fazia concluir que decretada a liberdade dos nascituros, a escravidão estava praticamente extinta. Tratava-se apenas de uma questão de tempo.
É a eterna ilusão (quando não má-fé) dos reformistas de todos os
tempos. Uma reforma qualquer, quando não é compreendida como simples etapa, mero passo preliminar para ulteriores reformas mais
amplas e completas, torna-se em força de reação. E foi o que efetivamente se deu no caso que analisamos. A lei de 28 de setembro
nada produzirá de concreto, e servirá apenas para atenuar a intensidade da pressão emancipacionista. Ela estabelecera para os filhos de escravos, até a sua maioridade, um regime de tutela exercida pelo proprietário dos pais. Ele teria obrigação de sustentálos, mas podia utilizar-se de seus serviços. De modo que continuaram escravos de fato, o mesmo que os pais. Calcula-se que por este
processo a escravidão ainda levaria de cinqüenta a sessenta anos
para desaparecer no Brasil. No pé em que se encontravam as coisas,
isto constituía na realidade uma vitória da reação escravista. Com
relação às outras medidas previstas pela lei (como o fundo de emancipação para resgate dos escravos existentes), elas permaneceram praticamente letra morta; os governos que se sucedem depois de
1871, todos eles do mesmo espírito e orientação política, nada realizaram de efetivo e concreto.
A lei do Ventre Livre não resultou assim, em última análise,
senão numa diversão, uma manobra em grande estilo que bloqueou
muito mais que favoreceu a evolução do problema escravista no Brasil. Foi preciso um decênio para que renascesse o movimento libertador, que terá de esperar que as contradições inerentes à escravidão cheguem ao auge da crise. Isto efetivamente se verificará
a partir de 1880. A gradual diminuição da população escrava que
havia quase trinta anos deixara de ser alimentada pelo tráfico africano, tornara premente o problema do fornecimento de braços para a lavoura. O Norte, embora mais ou menos estacionário, sofria
porque o Sul, em particular São Paulo, drenava toda sua mão-deobra; e este, apesar de tal recurso, não tinha mãos a medir para
atender às necessidades da cultura cafeeira cujo ritmo de crescimento, graças à forte valorização do produto depois de 1880, che-

gara a um nível considerável63. A malograda experiência de anos anteriores tornara patente que, dentro do sistema escravista vigente, não era possível a solução do problema com trabalhadores europeus. Tentara-se também importar coolies chineses, e chegou-se
mesmo a formar uma corrente imigratória do Oriente. A idéia não
foi contudo por diante, porque a Inglaterra não verá com bons olhos esta ressurreição, sob nova forma, do tráfico de escravos; e
não lhe foi difícil matá-la no nascedouro.
Todas estas circunstâncias, acrescidas ao caminho já andado
pela questão servil, emprestam-lhe extrema violência quando depois
de 1880 retorna ao primeiro plano das preocupações do país.
Era como se as comportas se abrissem para águas longamente represadas. Tá não se tratará mais de soluções parciais e preparatórias: a abolição irrestrita, sem condições e imediata, inscrevese desde logo na ordem do dia. Além disto, o assunto já não se
restringirá mais a círculos políticos e partidários, acompanhados
mais ou menos passivamente pela opinião pública. A campanha se
desloca para a rua. O povo, particularmente no Rio de Janeiro, começa a participar ativamente das agitações. Em 1880, organizam-se
na capital do país duas sociedades abolicionistas: a Sociedade
Brasileira contra a Escravidão e a Associação Central Emcncipacionista. Através de reuniões, conferências, banquetes, estas sociedades agitam o ambiente e mantêm a opinião pública permanentemente
alertada. Vários jornais e revistas trazem logo sua cooperação ao
movimento. Ele será imitado nas províncias, e em 1883 organiza-se
a Confederação Abolicionista, destinada a centralizar a campanha e
que reúne em seu seio todas as sociedades e agrupamentos antiescravistas do país. Pela mesma época alarga-se consideravelmente
a agitação pela entrada em cena dos maiores e mais diretos interessados: os próprios escravos. Até então eles se tinham mantido
apenas como espectadores passivos da luta que se travava em seu
benefício; agora se tornam participantes dela, reagindo contra seu
estado por meio de fugas coletivas e abandono em massa das fazendas.
Toda essa agitação repercute fundamente na Assembléia Legislativa. A sua maioria, saída de eleições em que a palavra pertence
sobretudo à classe conservadora e diretamente interessada na matéria, os grandes proprietários e fazendeiros, é por natureza escravocrata. A manipulação das urnas eleitorais incumbe-se de eliminar
as vozes discordantes. Mas uma depuração completa nem sempre é
possível; e em frente à maioria esmagadora de escravocratas, erguem-se sempre adversários resolutos, pouco numerosos é verdade,
mas contando com a opinião da imensa maioria do país e sustentados
pela agitação das ruas. A reação não se sente por isso com forças
para lutar abertamente: procura ladear o assunto com evasivas e
tangentes proteladoras. Sucedem-se assim as combinações ministeriais, cada qual com seus ensaios de conciliação. Nenhuma poderá durar porque já não havia mais meio termo possível entre os extremos
da questão: escravidão ou abolição total e imediata. E os gabine
A ascensão de preços começa efetivamente depois de 1884. Entre 1880 e 1889, o
número de cafeeiros na província de São Paulo passa de 106 milhões para 220. No
decênio anterior o crescimento fora de 37 milhões apenas.

63

tes sucumbem uns atrás dos outros numa sucessão caleidoscópica.
Entre 1880 e 1885, revezam-se no poder sete ministérios64. Somente
um deles alcançará um ano completo de existência: outro não durará
mais que três meses. Todas as tentativas de repetir o tão bem sucedido golpe de 1871 com medidas que amainassem a tempestade desencadeada, fracassarão. E entre outras a lei de 28 de setembro de
1885 que concedeu liberdade aos escravos maiores de sessenta anos:
uma estrondosa gargalhada repercutirá pelo país. Ninguém levou a
sério o que a reação escravocrata pretendia apresentar como uma
larga e generosa concessão.
Ela recorre então a meios extremos; e como sempre se dá nestes
momentos de agonia de uma situação, abaixa a máscara e abre luta
franca. Naquele mesmo ano (1885), é chamado ao governo o grupo político mais intransigentemente escravista, que sem reservas descobre suas armas contra o abolicionismo. Abandonava-se a tática de
meios brandos e concessões. A luta era agora de vida ou morte.
O contragolpe não se faz esperar. Amplia-se a agitação popular, e desta vez é sobretudo entre os escravos que ela se desencadeia. O abandono das fazendas se torna diuturno; os abolicionistas, organizados em sociedades e agrupamentos fortemente constituídos e ramificados em toda parte, estimulam e protegem as fugas.
Estava quebrada a disciplina das senzalas, e as mais enérgicas medidas do governo para restabelecê-las se mostravam inócuas. Faltava-lhe o apoio que a opinião pública dispensava largamente aos libertadores. As próprias forças armadas convocadas para fazerem
frente à situação e restabelecerem a ordem gravemente ameaçada, se
recusavam a intervir. O abolicionismo marchara muito no seu seio;
a oficialidade, recrutada em regra nas classes médias da população, e por isso desligada de quaisquer compromissos com a escravidão, era-lhe na maioria contrária. Desde 1880 havia mesmo entre
ela duas sociedades abolicionistas que funcionavam na Escola Militar e apanhavam assim os jovens oficiais no período mesmo de sua
formação ideológica. A tarefa de capturar escravos fugidos será
considerada humilhante, e o exército se recusará abertamente á
cumpri-la.
Nestas condições, o vulto que o movimento tornado incontrolável adquirira, punha o país na iminência da mais completa desordem. Começa então a debandada nos meios escravocratas fundamente
alarmados com as perspectivas de um desenlace trágico cuja aproximação tudo indicava. Os seus setores mais previdentes compreendem
que a resistência tomara-se inútil, e insistir nela seria apenas
levar a questão para o terreno da violência declarada e aberta.
Quase 800.000 escravos, numa população total que não ultrapassava
14 milhões, eram uma ameaça tremenda; ainda mais que eles se concentravam em maioria nos agrupamentos numerosos das fazendas e
grandes propriedades isoladas no interior e desprovidas de qualquer defesa eficaz.
A campanha estava ganha para os abolicionistas. Os próprios
interessados diretos na escravidão abandonavam o terreno da luta.
Em março de 1888 cai o último governo escravocrata do Brasil; dois

Note-se que desde a Independência até 1880, ou sejam cinqüenta e oito anos, o
número total dos ministérios fora apenas de vinte e sete.

64

meses depois, a Assembléia Geral, abrindo suas sessões, vota em
poucos dias, com uma quase unanimidade, a lei de 13 de maio que
duma penada punha termo à escravidão no Brasil65.


A lei de 13 de maio de 1888, a Lei Áurea como foi denominada, não continha
mais que duas frases: Artigo 1.°: É declarada extinta a escravidão no Brasil.
Artigo 2.°: Revogam-se as disposições em contrário. Quanta luta, quanto heroísmo
também para arrancar estas duas frases tão simples, mas tão eloqüentes ao mesmo
tempo, do reacionário e escravocrata Império brasileiro!

65

136
Imigração e Colonização

A QUESTÃO da imigração européia do século passado está intimamente ligada à da escravidão. Vimo-lo aliás ao tratar desta última
no capítulo anterior. Trata-se efetivamente de dois aspectos, embora distintos, de um mesmo acontecimento fundamental da evolução
brasileira, e que é grande transformação do regime de trabalho no
país. Notemos, antes de mais nada, que a imigração européia do
séc. XIX representa para o Brasil um tipo original de corrente povoadora. O povoamento brasileiro se realizara até então mercê do
afluxo espontâneo de colonos brancos (portugueses na sua grande
maioria e quase totalidade), da importação de escravos africanos,
e finalmente pela incorporação de indígenas. A corrente demográfica que ora nos interessa será constituída de trabalhadores braçais
de origem européia, cujo afluxo e fixação no país serão provocados
e estimulados por uma política oficial e deliberada de povoamento,
ou pela iniciativa privada de particulares interessados na obtenção de mão-de-obra.
É certo que se encontram no passado alguns exemplos deste tipo
de povoamento; são, contudo, excepcionais. Empregou-se sobretudo
para povoar e ocupar regiões de valor estratégico que a imigração
espontânea deixava ao abandono; foi o caso de alguns setores fronteiriços da colônia que a metrópole desejava ver ocupados e assim
defendidos contra a concorrência espanhola. É o que se deu em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. Empregaram-se aí sobretudo colonos naturais das ilhas dos Açores, concedendo-se-lhes facilidades para o transporte e o estabelecimento66. Em menor escala passou-se coisa semelhante no Extremo-Norte, no Pará.
A imigração e colonização provocadas tiveram nestes casos, como se vê, objetivos políticos e militares. É somente depois da
transferência da corte portuguesa para o Brasil em 1808, que sua
finalidade se torna própria e exclusivamente demográfica; e ao
mesmo tempo se amplia muito. Quando os acontecimentos na Europa
obrigam o rei, sua corte e seu governo a se mudarem para a colônia
e nela erigirem a sede da monarquia portuguesa, impor-se-á desde
logo, como já foi referido, a necessidade de considerar o Brasil
mais que uma simples colônia. Julgou-se mesmo um momento que o
território metropolitano, o reino europeu, estava definitivamente
perdido para a coroa e a monarquia lusitana, e que o Brasil seria
o seu substituto. É certo que tal alternativa não vingou; o reino
europeu seria restituído, e as contingências da política nacional
e internacional portuguesa forçariam o retorno do soberano, e mesmo uma tentativa frustrada de fazer o Brasil voltar ao antigo estatuto, em parte já ultrapassado, de simples colônia. Mas seja co
O assunto já foi referido anteriormente. Veja-se o capítulo 11. Observamos que
a Espanha agiu da mesma forma e com o mesmo objetivo no território da atual República Oriental do Uruguai, utilizando para isto colonos das Canárias. Esta foi
a origem do povoamento de Montevidéu.

66

mo for, durante a permanência do soberano português e de seu governo no Rio de Janeiro, seguir-se-á com relação ao Brasil uma nova política. Política cheia de contradições, é certo, em que o país se considerará alternativa e muitas vezes até simultaneamente,
colônia e nação; mas assim mesmo suficiente para revolucionar o
antigo sistema colonial puro. Foi este, entre outros, o caso estudado acima das diferentes medidas de caráter econômico que então
se adotaram, e que embora não visassem deliberadamente este fim,
romperam muitas das conexões coloniais do Brasil. É também o que
se deu, em certo sentido, na questão da política de povoamento.
Não foi difícil compreender que o sistema até então seguido, isto
é, aquele que a par de uma débil corrente de colonos brancos, trazia para o Brasil a massa volumosa de escravos africanos, se convinha a uma simples colônia destinada a fornecer gêneros tropicais
ao comércio da metrópole, já não se enquadrava evidentemente nas
exigências de uma nação. A heterogeneidade que resultava de um tal
sistema, tanto racial como cultural e social, era situação por demais imprópria para um país que se tornara sede de uma monarquia
européia. As condições que os dirigentes portugueses encontraram
no Brasil quando nele instalaram o trono e o governo nacionais,
eram mais que inconvenientes; faziam-se alarmantes. Não lhes foi
difícil compreender a necessidade de reformas.
Num caso particular e concreto eles tiveram logo a medida das
dificuldades com que esbarravam para reorganizarem no Brasil a monarquia portuguesa privada de sua base européia. Era preciso reconstituir suas forças armadas, matéria sobretudo importante num
momento como aquele de graves dificuldades internacionais: o território metropolitano ocupado pelo inimigo, sérias ameaças pesando
sobre os demais domínios lusitanos, as rotas marítimas vitais para
o comércio português parcialmente interrompidas, a própria soberania da nação entregue às boas graças de um poder estranho como a
Grã-Bretanha. A reconstituição da força armada da nação era o primeiro passo necessário para o restabelecimento da plena soberania
e da personalidade internacional da monarquia portuguesa, tão gravemente comprometidas e afetadas. Acresce que as questões do Prata
que surgem logo após a chegada do soberano no Brasil, envolvem o
país em novos conflitos muito sérios.
Impõe-se assim o problema de como organizar no Brasil uma força armada eficiente, contando para isto apenas com uma população
dispersa e rarefeita, composta de quase 50% de escravos e outra
grande parcela de elementos heterogêneos e mal assimilados, Nunca
foi possível resolver devidamente este problema, e o soberano português teve de contar até o fim de sua permanência no Brasil com a
boa vontade de seu aliado inglês; e para sua ação no Prata foi obrigado a recorrer a tropas recrutadas em Portugal depois da expulsão dos franceses. Mas a existência do problema serviu de estímulo para reformas da política de povoamento do país.
Coisa semelhante se passará com relação à segurança interna. O
soberano, a corte, seu séquito numeroso de fidalgos e funcionários, ligados ao reduzido núcleo da classe dominante de colonos
brancos que vieram encontrar aqui, nunca se sentirão suficientemente tranqüilos e seguros em meio desta massa de escravos, libertos e similares que formava o corpo da população do país e na

qual, na falta de outra, tinham de recrutar suas forças armadas.
As tropas nativas terão de continuar sendo enquadradas, como sempre fora no passado, por forças portuguesas. O problema subsistirá
aliás depois da Independência, e se apelará para tropas mercenárias alemãs e irlandesas.
Tais são, entre outras semelhantes, as circunstâncias que tornam indispensável uma nova política de povoamento, capaz de transformar esse aglomerado heterogêneo de populações mal assimiladas
entre si que constituíam o país, numa base segura para o trono
português e para sede de uma monarquia européia. Não é de esquecer
também que sobre o tráfico africano que representava a principal
corrente povoadora deste território semideserto, pesava uma ameaça
latente e fatal: a sua extinção num prazo mais ou menos remoto,
mas já então reconhecida como certa. E isto dizia muito de perto
com os interesses da grande lavoura necessitada de braços. A formação de novas correntes demográficas constituía assim uma necessidade inadiável, e a ela aplicou-se a administração portuguesa.
Mas como em todas as iniciativas em que se meteu, sua ação será fraca e dúbia. Às suas deficiências orgânicas e que já vinham
de séculos, acrescentava-se então a posição incerta em que se encontrava, deslocada no Brasil e hesitante na linha política a seguir com relação à colônia. Sua contribuição durante a permanência
da corte no Brasil não passará do estabelecimento de um punhado de
núcleos coloniais formados com imigrantes alemães, suíços e açorianos, e distribuídos no Espírito Santo, no Rio de Janeiro, e em
menor escala em Santa Catarina. Para a História, terão mais importância as intenções que os resultados numericamente mínimos.
Os governos que se seguem depois da partida do Rei (governos
de um Brasil já independente) continuarão a tarefa empreendida e
que já contavam com tais antecedentes. As agitações políticas do
momento e as graves dificuldades financeiras em que se debatem não
lhes darão contudo oportunidade para uma ação mais eficaz. Aliás o
problema da imigração européia para o Brasil oferecia grandes dificuldades. Contra ela atuavam vários fatores: o clima tropical
desfavorável a colonos europeus (considerado como tal, pelo menos); a organização social e econômica pouco atraente que o país
oferecia; o regime político vigente, em que, embora sob a capa de
instituições parlamentares, a liberdade mesmo civil era inexistente para a massa da população, mesmo com exclusão dos escravos. Havia ainda as restrições de ordem religiosa que punham sério embaraço à imigração dos países protestantes da Europa, que eram justamente aqueles que forneciam então os maiores contingentes emigratórios. A Alemanha em particular.
A corrente imigratória será ainda por muito tempo fraca. Não
terá aliás no momento que nos ocupa grande interesse imediato. O
tráfico africano continuava a despejar anualmente no país algumas
dezenas de milhares de indivíduos que supriam abundantemente as
necessidades de mão-de-obra. Longe de confirmar as previsões pessimistas que haviam sido feitas e que a atitude intransigente da
Inglaterra parecia à primeira vista corroborar, a importação de
escravos achava-se como nunca florescente. Será somente com a iminência de sua extinção (lá por volta de 1840 e tantos), e sua efetiva interrupção pouco depois, que a questão da imigração européia

e da colonização volta a ocupar um primeiro plano das cogitações
brasileiras. Reativa-se a política de povoamento, e a par das colônias oficiais ou mesmo particulares, mas organizadas segundo o
sistema tradicional que consistia em distribuir aos colonos pequenos lotes de terra agrupados em núcleos autônomos, aparece um novo
tipo de colonização: fixação dos colonos nas próprias fazendas e
grandes lavouras, trabalhando como subordinados e num regime de
parceria. Este tipo de colonização representa uma transição do
sistema primitivo que resultava na formação de pequenos proprietários e camponeses independentes, para aquele que se adotará mais
tarde quase exclusivamente: a colonização por assalariados puros.
E corresponde a um período em que começa a se manifestar a premência do problema imediato da mão-de-obra: convinha mais encaminhar
os imigrantes diretamente para as grandes lavouras necessitadas de
braços.
O ideador do novo sistema será um grande proprietário de São
Paulo, lavrador de café e figura prestigiosa na política do país:
o Senador Nicolau de Campos Vergueiro. Introduziu ele na sua fazenda de Ibicaba, entre 1847 e 1857, 177 famílias de alemães, suíços, portugueses e belgas. O exemplo foi imitado por muitos outros
lavradores de café da província de S. Paulo, e em menor escala
noutros lugares. Os resultados do sistema foram, a princípio bons,
e São Paulo chegou a contar cerca de 70 destas colônias. Mas aos
poucos foram-se evidenciando seus inconvenientes. Os proprietários, habituados a lidar exclusivamente com escravos, e que continuavam a conservar muitos deles trabalhando ao lado dos colonos,
não tinham para com estes a consideração devida à sua qualidade de
trabalhadores livres; os contratos de trabalho que os emigrantes
assinavam antes de embaraçar na Europa e desconhecendo ainda completamente o meio e as condições do país onde se engajavam, eram
geralmente redigidos em proveito exclusivo do empregador e não raro com acentuada má-fé. Além disto, a coexistência nas fazendas,
lado a lado, de escravos que formavam a grande massa dos trabalhadores, e de europeus livres fazendo o mesmo serviço que eles, não
podia ser muito atraente para estes últimos e representava uma
fonte de constantes atritos e indisposições. Doutro lado, o recrutamento de colonos na Europa se fazia sem maior cuidado; os agentes dele incumbidos não tinham outra preocupação que o número,
pois por ele se calculava sua remuneração. Aceitavam qualquer candidato, sem indagar da sua prestabilidade para o trabalho agrícola, e sobretudo o pesado esforço exigido por uma agricultura tropical de desbravamento. Chegavam a emigrar para o Brasil não raro
até enfermos e velhos inválidos. Pode-se imaginar o desapontamento
e a indisposição dos fazendeiros para com seus colonos quando, depois de longa e demorada espera, recebiam destas turmas de trabalhadores imprestáveis a que se tinham prendido por contratos que
eram obrigados agora a cumprir!
Nestas condições, não é de admirar que de parte a parte começassem a surgir descontentamentos. Os proprietários vão perdendo
interesse por um sistema tão cheio de percalços e dificuldades.
Doutro lado, alarma-se a opinião pública na Europa, em particular
na Alemanha e em Portugal, donde provinha então a maior parte da
imigração para o Brasil, com a sorte aqui reservada para seus com-

patriotas emigrados. Sucedem-se os inquéritos oficiais, e em grande maioria eles são desfavoráveis e desaconselham a emigração. Desencadeia-se então contra ela forte campanha, e a emigração para o
Brasil chega a ser proibida na Alemanha em 1859. A corrente de imigrantes alemães tornar-se, depois de 1862, quase nula; quanto à
portuguesa, diminuirá de mais de 50%.
Interrompe-se assim novamente o fornecimento de trabalhadores
europeus para as fazendas. Aliás a região onde o problema da mãode-obra era mais agudo, o oeste despovoado de São Paulo, e onde se
desenvolvia mais ativamente a lavoura do café, começará por esta
época a encontrar maiores facilidades em abastecer-se de escravos,
graças ao fato de outras regiões cafeicultoras (o vale do rio Paraíba e adjacências) alcançarem então o apogeu do seu desenvolvimento e entrarem numa fase de estabilização precursora da próxima
decadência; reduzia-se assim sua concorrência no mercado de mãode-obra.
A situação voltará a tornar-se aguda em 1870, em virtude sobretudo do considerável incremento da lavoura cafeeira no decênio
anterior. Além disto, como vimos, é então que a escravidão recebe
seus primeiros grandes golpes que fazem prenunciar sua próxima extinção; isto constituirá um forte estímulo para medidas de fomento
à imigração. Elas viriam ao encontro de uma situação internacional
favorável: de um lado, inicia-se nos Estados Unidos uma política
de restrições da imigração; esta tinha de procurar outras direções, e o Brasil, em pleno florescimento econômico, será uma delas. Doutro lado, entrava em cena um novo país de grande emigração, a Itália, como resultado das perturbações políticas e sociais
por que atravessava. E o italiano, tanto pela questão de clima,
como de afinidade maior com as condições do Brasil, adaptar-se-á
melhor e mais facilmente que o alemão e outras populações do norte
da Europa que dantes formavam os principais contingentes emigratórios que se dirigiam para a América. Além disto, o italiano é um
trabalhador mais rústico e menos exigente; aceitará de boa vontade
as duras tarefas da lavoura brasileira. A emigração italiana para
o Brasil, muito escassa até 1875, subirá em 1876 para quase 7.000
indivíduos; e no ano seguinte, com mais de 13.000, superará largamente todas as demais correntes, inclusive a portuguesa, até então
na vanguarda e que mal atingirá 8.000. Daí por diante e até o século atual, a imigração italiana conservará sempre, e com grande
vantagem, este primeiro lugar.
Nesta fase que ora se inicia, a imigração no Brasil tomará um
novo rumo. Abandona-se o sistema de parceria adotado anteriormente, e os trabalhadores serão fixados nas fazendas como simples assalariados; isto é, a sua remuneração deixará de ser feita com a
divisão do produto, passando a realizar-se com o pagamento de salários. Obviavam-se com isto alguns dos principais inconvenientes
do sistema anterior, fazendo desaparecer as dúvidas que sempre
surgiam por ocasião da fixação das quotas que cabiam respectivamente ao empregador e ao empregado. Além disto, em vez de preceder
à vinda do imigrante com contratos já assinados na Europa, o governo tomará o assunto a seu cargo, limitando-se a fazer a propaganda nos países emigratórios e pagando o transporte dos imigrantes até o Brasil. Chegando aqui, eles eram distribuídos pelas di-

ferentes fazendas de acordo com as necessidades delas e os pedidos
feitos.
Este processo de recrutamento e fixação dos imigrantes passou
a ser denominado "imigração subvencionada", reservando-se o nome
de "colonização" ao primitivo sistema de localização dos imigrantes em pequenas propriedades agrupadas em núcleos. Ambos os sistemas terão seus partidários. A "imigração" tem naturalmente a preferência dos maiores e mais diretos interessados: os proprietários
necessitados de braços. Resolviam com ela, desde logo e sem delongas, o seu problema de trabalho. O plano da "colonização" não apresentava solução tão pronta e imediata; mas suas perspectivas
eram mais amplas. Argumentavam seus partidários que o principal
era incrementar o povoamento do país; a questão de braços para a
grande lavoura resolver-se-ia naturalmente no futuro como conseqüência de tal incremento: dos núcleos coloniais sairiam logo os
trabalhadores necessários. E havia a vantagem de tornar a imigração para o Brasil muito mais atraente, oferecendo aos candidatos,
desde logo, a possibilidade de se tornarem proprietários. Sem contar as vantagens de ordem social, pois formavam-se assim verdadeiros povoadores, fixados na terra e com ela identificados, em vez
de populações flutuantes e desenraizadas de mercenários.
A razão última estava com eles, certamente. Mas nada puderam
contra o interesse poderoso dos proprietários necessitados de braços e que precisavam de uma solução imediata para o problema premente de mão-de-obra que enfrentavam. Sobretudo nas regiões onde a
grande lavoura dominava de uma forma absoluta, particularmente em
São Paulo, nunca se cuidará em escala apreciável da organização de
núcleos coloniais de pequenas propriedades. Os imigrantes que chegavam eram poucos para as necessidades da lavoura cafeeira sempre
em franco progresso, e a quase totalidade deles se fixarão nas fazendas como simples assalariados.
O sistema de "colonização" terá mais sucesso no Extremo-Sul do
país (Rio Grande, Santa Catarina, Paraná), e em maiores proporções
no Espírito Santo, longe nestes casos da ação perturbadora e absorvente da grande lavoura. Encontrará aí o interesse e o estímulo
dos governos locais das províncias, que procurarão solucionar com
ele o problema de seus territórios quase desertos, e fomentar com
o povoamento as atividades econômicas e as rendas públicas. Para o
norte do Brasil a questão não se proporá: esta parte do país nunca
receberá uma corrente apreciável de imigrantes europeus, apesar do
interesse que muitas vezes se tomou lá pelo assunto. Havia aí o
obstáculo do clima, menos atraente para as populações da Europa,
bem como de uma situação econômica estacionária, se não decadente.
O Sul, pela sua riqueza e prosperidade, e favorecido ainda por um
clima mais favorável, tornara-se o pólo único de atração, no Brasil, das correntes imigratórias.
Em conjunto, a "imigração" (no sentido restrito dado à palavra) superará sempre, de muito, a "colonização". As principais dificuldades que tornaram tão difícil, no primeiro momento, o engajamento de trabalhadores livres nas fazendas, serão vencidas nesta
segunda fase mais madura e ativa da imigração européia. De um lado
os proprietários, já com dificuldades muito maiores de mão-deobra, e contando cada vez menos com outros recursos além do imi-

grante europeu, procurarão ter com ele mais considerações e tratálo de acordo com sua condição de homem livre. Mais tarde, aliás,
começará também a intervir uma legislação protetora que assegurará
algumas garantias e melhores condições de vida para os trabalhadores rurais. Doutro lado, o abandono do sistema de parceria e a adoção do salariado afastou, como vimos, uma das principais causas
de atritos e desentendimentos; um salário fixo, em regra por tarefa e estabelecido por normas e praxes gerais, eliminou qualquer
margem para dúvidas. Finalmente, na região em que sobretudo se iriam agora fixar os imigrantes, o oeste de São Paulo, a proporção
dos escravos para os trabalhadores livres se reduziria muito; a
massa escrava, em declínio desde a abolição do tráfico, já não era
suficiente para suprir os setores de ocupação mais recente; os escravos eram aí em minoria. A maior parte das fazendas de café instaladas depois de 1880, contará sobretudo e quase unicamente com
trabalhadores livres. Desaparece assim mais uma circunstância geradora de dificuldades para o trabalho livre, e que era sua coexistência nas mesmas fazendas e em iguais tarefas com o trabalho
servil.
O progresso da imigração no último quartel do século será rápido. Ela começa a crescer depois de 1871, atingindo em 1886 pouco
mais de 30.000 indivíduos. No ano seguinte, quando a abolição do
regime servil se mostrava já iminente, salta bruscamente para
55.000; e no próprio ano da abolição (decretada como vimos em maio
de 1888) sobe para mais do dobro deste número (133.000). Daí por
diante, e até o fim do século, a imigração conservar-se-á sempre
num nível médio anual largamente superior a 100.000.
Mas se este progresso do trabalho livre foi em grande parte
condicionado pela decadência do regime servil, inversamente ele
acelerará consideravelmente a decomposição deste último. Pondo em
evidência as suas contradições no que diz respeito à sua insuficiência, tanto quantitativa como qualitativa, irá cada vez mais
minando suas bases e apontando para o caminho do futuro. Doutro
lado, a presença do trabalhador livre, quando deixa de ser uma exceção, torna-se forte elemento de dissolução do sistema escravista. Através do exemplo e da palavra, ela conspira permanentemente
contra a disciplina e submissão do escravo. Se dantes a servidão
corrompia o homem livre, agora é a liberdade que corrompe o escravo. Quando os abolicionistas começam a agir nas fazendas, pregando
a revolta e a fuga dos cativos, seus principais colaboradores serão os trabalhadores livres que levam aos escravos o exemplo e a
palavra benfazejos da liberdade.

20
Síntese da Evolução
Econômica do Império

A SEGUNDA metade do séc. XIX assinala o momento de maior
transformação econômica na história brasileira. É certo que se
trata de um prolongamento da fase anterior, e resulta em última
análise da emancipação do país da tutela política e econômica da
metrópole portuguesa. Mas a primeira metade do século é de transição, fase de ajustamento à nova situação criada pela independência
e autonomia nacional; a crise econômica, financeira, política e
social que se desencadeia sobre o Brasil desde o momento da transferência da corte portuguesa em 1808, e sobretudo da emancipação
política de 1822, prolonga-se até meados do século; e se é verdade
que já antes deste momento se elaboram os fatores de transformação, é somente depois dele que amadurecem e produzem todos os frutos que modificariam tão profundamente as condições do país. Expandem-se então largamente as forças produtivas brasileiras, dilatando-se o seu horizonte; e remodela-se a vida material do Brasil.
Isto já se começa a observar nitidamente logo depois de 1850.
Como já foi referido anteriormente (cap. 15), a abolição do tráfico africano consumada naquele ano, terá por efeito imediato desencadear as forças renovadoras em gestação. O país entra bruscamente num período de franca prosperidade e larga ativação de sua
vida econômica. No decênio posterior a 1850 observam-se índices
dos mais sintomáticos disto: fundam-se no curso dele 62 empresas
industriais, 14 bancos, 3 caixas econômicas, 20 companhias de navegação a vapor, 23 de seguros, 4 de colonização, 8 de mineração,
3 de transporte urbano, 2 de gás, e finalmente 8 estradas de ferro. Boa parte destes empreendimentos e outros semelhantes que aparecem pela mesma época não representa mais que especulação estimulada pela súbita libertação dos capitais dantes invertidos no tráfico africano, bem como pela inflação de crédito e emissões de papel-moeda que então se verificam. E como também foi notado, esta
especulação terminará no grave desastre das crises financeiras de
1857 e 1864.
Há contudo um fundo mais sólido e um progresso efetivo. O Brasil inaugurava-se num novo plano que desconhecera no passado, e
nascia para a vida moderna de atividades financeiras. Um incipiente capitalismo dava aqui seus primeiros e modestos passos. A incorporação das primeiras companhias e sociedades, com seu ritmo
acelerado e apesar dos exageros e certo artificialismo, assinala
assim mesmo o início de um processo de concentração de capitais
que embora ainda acanhado, representa ponto de partida para uma
fase inteiramente nova. Ele servirá de motor para a expansão das
forças produtivas do país cujo desenvolvimento adquire um ritmo
apreciável. Sem contar os grandes empreendimentos como estradas de
ferro e empresas de navegação a vapor, instalam-se, embora ainda
muito rudimentares, as primeiras manufaturas de certo vulto; o co-

mércio, em todas suas modalidades, se expande. Mas é sobretudo na
agricultura que se observará este crescimento da produção brasileira. A lavoura do café, gênero então de largas perspectivas nos
mercados internacionais, contará com uma base financeira e de crédito, bem como um aparelhamento comercial suficiente que lhe permitirão a considerável expansão analisada em capítulo anterior
(cap. 16).
Todo este progresso, embora através de crises de crescimento
mais ou menos graves e prolongadas, estender-se-á daí por diante
sempre em marcha segura, até o século presente. Haverá uma interrupção mais grave e de conseqüência mais profunda: a guerra em que
o Brasil se empenha, ao lado da Argentina e do Uruguai, contra o
Paraguai, e que envolve o país durante cinco anos (1865-1870) na
mais séria crise internacional de sua história. Sem preparo suficiente e em plena crise de formação e crescimento, o Brasil enfrentará uma guerra longa e árdua que porá à prova todos seus recursos. Sairá vitorioso, mas muito abatido. No terreno econômico
os resultados da vitória serão nulos; nada se podia lucrar da derrota de um vizinho que embora militarmente forte e bem aparelhado,
era economicamente débil e ficou reduzido pela guerra à última extremidade. O Paraguai não poderá nem pagar uma parcela sequer da
dívida de guerra, que ficará em suspenso até época recente em que
é graciosamente cancelada. O único resultado positivo da vitória
brasileira -- além da ocupação de pequena área fronteiriça sem maior interesse --, será assegurar o franqueamento definitivo da livre
navegação dos rios Paraguai e Paraná, de grande importância no
Brasil para as comunicações com a província de Mato Grosso. Mas
isto mesmo não terá grande significação econômica imediata: Mato
Grosso, província pobre e ainda sem perspectivas no momento, não
poderá aproveitar-semuito das vantagens obtidas com esta liberdade
de comunicações. Aliás, a via fluvial perderá mais tarde sua importância vital quando Mato Grosso se liga ao litoral Atlântico
por estrada de ferro direta.
Mas se não produziu resultados positivos de expansão econômica
apreciável, a guerra do Paraguai, inversamente, comprometeu seriamente as finanças do Brasil. As grandes despesas com que arcou
contam entre os principais fatores do desequilíbrio da vida financeira do país então verificado e de tão funestas repercussões durante um longo período posterior. Não poderá mais o Império equilibrar seus orçamentos, que se achavam em estado precário e se encontram agora irremediavelmente gravados. Acentuam-se os males resultantes de empréstimos, sobretudo externos, e emissões vultosas
de papel inconversível a que se foi obrigado a recorrer a fim de
custear as despesas da guerra. O saneamento das finanças públicas
e o estabelecimento de um sistema monetário estável e sólido, problema de solução já tão difícil nas condições normais do Brasil,
serão definitivamente comprometidos pela guerra; e o Império extinguir-se-á vinte anos depois dela sem ter podido ainda estabelecer no país a ordem financeira, tão necessária à sua consolidação
econômica. A guerra do Paraguai tem nisto uma parcela importante
de responsabilidades.
Mas apesar disto, o progresso material do Brasil, já bem lançado antes do conflito, e embora atenuado no seu curso, retoma lo-

go depois um ritmo ascensional rápido e seguro. O decênio que o
segue imediatamente, e que vai de 1870 a 1880, será contado como
um dos momentos de maior prosperidade nacional. Prova da capacidade de recuperação de um organismo econômico em pleno crescimento.
O surto de atividades observado desde 1850, ganha novo impulso e
não se interrompe mais. Os diferentes empreendimentos industriais,
comerciais e sobretudo agrícolas continuam a se multiplicar em
ritmo crescente; e já se começa a observar a concentração de capitais de certo vulto. Esta acumulação capitalista provém sobretudo
da agricultura, cuja prosperidade é notável e oferece larga margem
de proveitos. Além disto, a substituição dos escravos por trabalhadores livres (que neste período, como vimos, começa a se intensificar) mobiliza os capitais que dantes se invertiam e imobilizavam naquela propriedade humana. Os grandes lavradores já não precisarão, como no passado, inverter a maior parte dos seus recursos
em escravos, recorrendo para isto muitas vezes a créditos onerosos; e grandes disponibilidades de capital até então fixos, se
tornam circulantes e desembaraçados para outras aplicações além do
pagamento do trabalho agrícola.
Doutro lado, aparelha-se a vida financeira do país. A multiplicação dos bancos, das empresas financeiras em geral, das companhias de seguros, dos negócios de bolsa, permitem captar e mobilizar em escala que se vai fazendo significativa, as fontes da acumulação capitalista. Aparecerá no Brasil uma réplica, modesta
embora e muito afastada de seus modelos, das grandes praças financeiras da Europa e dos Estados Unidos, com uma atividade e ritmo
de vida que procuram aproximar-se delas. Numa palavra, a antiga
colônia segregada e vegetando na mediocridade do isolamento, se
moderniza e se esforça por sincronizar sua atividade com a do mundo capitalista contemporâneo.
Com as iniciativas privadas colaborará o Estado, arrastado no
movimento67; e sobretudo o capital estrangeiro (o inglês em particular), ávido de captar em seu benefício as atividades de uma jovem nação em pleno florescimento. Os grandes empreendimentos industriais (estradas de ferro, aparelhamento portuário, obras urbanas, etc), embora indispensáveis e condição essencial de qualquer
realização posterior, estavam ainda, na maior parte, além das possibilidades do capital privado indígena que apenas ensaiava seus
primeiros passos. O capital estrangeiro e o Estado tomam-nos a seu
cargo. Este último, aliás, no mais das vezes, não servirá senão de
empresário, levantando empréstimos no exterior para realizar os
empreendimentos. Em outros casos, como se deu na maior parte das

Não é do programa deste livro a história política e social do Brasil. Mas convém lembrar aqui o papel que o império representou nesta conjuntura. Ele sempre
constituiu uma força conservadora, não raro reacionária, que só muito prudentemente acompanhava o surto de renovação que perpassava na vida brasileira. Quando
cedia à pressão dos acontecimentos, era para firmar-se logo depois numa imobilidade intransigente. Já vimos isto, embora muito incidentemente, no caso da escravidão. O Império não se mostrará mais progressista com relação às demais reformas econômicas e sociais exigidas pela conjuntura do momento. E será esta
quiçá a causa fundamental do seu desaparecimento. Notemos que por "Império" não
entendo aqui unicamente a administração pública e a estrutura política, mas o
conjunto das instituições, bem como a posição ideológica dominante no regime imperial.

67

estradas de ferro, intervirá apenas estimulando o capital estrangeiro com a concessão de garantia de juros.
Tudo isto resultará numa completa remodelação material do Brasil. O Império, quando em 1889 se extingue e é substituído pela
República, terá coberto uma larga e importante etapa da evolução
econômica do país. Vejamos alguns índices ilustrativos do nível
atingido. A população crescera para 14 milhões de habitantes; nas
categorias mais elevadas desta população vamos encontrar riqueza e
bem-estar que de certa forma se emparelham com suas correspondentes do velho continente, o que não observamos em nenhum outro momento do passado. Há fortunas de certo vulto, e não são excepcionais; e um nível de vida elevado a que não falta nenhum requinte
contemporâneo da abastança. O intercâmbio comercial externo do
Brasil cifrava-se em cerca de 500.000 contos (50 milhões de libras
esterlinas-ouro), o que colocava o país entre os participantes
significativos do comércio internacional. As rendas públicas nacionais ascendiam a 150.000 contos (15 milhões de libras)68; e a
riqueza total do país avaliava-se em 20.000.000 de contos (embora
este cálculo seja meramente apreciativo, pois faltam dados para
uma avaliação aproximadamente segura).
O aparelhamento técnico se desenvolvera bastante. As estradas
de ferro, cujo estabelecimento data de 1852, somavam cerca de
9.000 km de linhas em tráfego, e outros 1.500 em construção. A navegação a vapor se estendera largamente, e além das linhas internacionais, articulava todo o longo litoral brasileiro desde o Pará
até o Rio Grande do Sul; prolongava-se ainda para o Sul, e pelo
Rio da Prata e rios Paraná e Paraguai, comunicava Mato Grosso com
o resto do país. No Amazonas também subia as águas do rio até Tabatinga, na fronteira do Peru, e ramificava-se pelos principais
afluentes: Madeira, Negro, Tocantins. A navegação fluvial a vapor
se instalara também em outros rios menores distribuídos ao longo
da costa brasileira e penetrando o interior: Itapicuru (Maranhão),
Parnaíba (limite do Maranhão e do Piauí), Paraguaçu (Bahia), Itajaí (Santa Catarina), Guaíba e Pardo (Rio Grande do Sul); bem como
no São Francisco, o grande rio que estabelecia a única ligação
central entre o norte e o sul do país. Esta navegação somava ao
redor de 50.000 km de linhas em tráfego regular.
Menos ampla era a rede rodoviária; pouco se terá feito para
transformar ou melhorar os deficientes caminhos herdados da colônia. O que se explica: não chegara ainda a era do automóvel, e nas
grandes distâncias em terreno acidentado e difícil que separam o
Brasil (exigindo portanto vias de grande custo), o transporte por
viaturas de tração animal não representava solução vantajosa e
preferível ao antigo processo da carga; continuar-se-á por isso,
onde não havia transporte ferroviário ou fluvial, com o sistema
tradicional, o lombo de burro, para que os velhos caminhos eram
suficientes. De estradas de rodagem de certo vulto, o Império legará apenas a "União e Indústria", entre Petrópolis e Juiz de Fora, isto é, ligando as províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais; e a estrada de "Graciosa" que vencia a Serra do Mar entre

Não são computadas aqui as rendas provinciais e municipais que constituem aliás quota relativamente pequena.

68

Curitiba e Antoninana província do Paraná
Assim, de um modo geral, o Brasil realizara um grande avanço
no sistema de transportes, e apesar de suas deficiências (como em
particular a desconexão das linhas e falta de um plano geral e de
conjunto), terá lançado as bases de todo seu desenvolvimento futuro. Em termos relativos, o progresso no período que ora nos ocupa
será mais acelerado que em qualquer outro momento posterior. É interessante observar aqui uma conseqüência de ordem geral importante que resulta da introdução do vapor na navegação marítima, e que
vem a ser uma mudança profunda na orientação das grandes articulações do país. Desde fins do séc. XVIII estas se tinham voltado para a via terrestre ou fluvial, mas interior, com tendência a duplicar e mesmo substituir as ligações marítimas entre os pontos
extremos do território. Embora a população se distribuísse sobretudo ao longo da faixa costeira, é por terra preferentemente, em
virtude da dificuldade da navegação a vela e deficiência de portos
naturais, que começavam a se articular os diferentes setores do
país. O emprego do vapor facilitará e avantajará de tal forma a
navegação marítima, que esta desbancará completamente aquelas comunicações terrestres que começavam a se estabelecer e desenvolver. Serão abandonadas, ou quase, e o país voltará ao primitivo
sistema dos primeiros tempos de completo isolamento, por via interior, dos diferentes núcleos esparsos ao longo do litoral, que se
ligarão doravante unicamente pela via marítima69.
Além das vias de transporte, o império deixará também uma desenvolvida rede telegráfica de quase 1.000 km de linhas, articulando todas as capitais e cidades mais importantes do país. Isso
sem contar os cabos submarinos transoceânicos que o ligavam a diferentes partes da Europa e América.
Realizara-se também um relativo "progresso industrial; das manufaturas têxteis em particular, de que se contam no fim do Império cerca de cem estabelecimentos de certo vulto. A localização
dos centros têxteis obedecerá a dois critérios que naturalmente
são fundamentais: densidade demográfica (donde facilidade de mãode-obra e mercados próximos) e vizinhança das fontes de produção
da matéria-prima (quase só algodão). A questão da energia nestas
indústrias relativamente pequenas era ainda secundária. Concentrase assim a indústria têxtil no Rio de Janeiro (capital e algumas
cidades maiores próximas); em Minas Gerais, particularmente Juiz
de Fora, cidade que surge depois da Independência e se tornará a
principal da província; centros do Nordeste (de população densa e
larga produção algodoeira): Pernambuco e Bahia, sobretudo. Finalmente, no Maranhão, e precisamente em Caxias, centro importante de
produção algodoeira. São Paulo, que será no século atual, e com
imensa vantagem, o grande núcleo industrial do Brasil, ainda figura em segundo plano.
A questão de mão-de-obra nestes centros maiores e onde se localiza a indústria, resolver-se-á facilmente e a baixo preço. O
que será aliás o fator máximo da sua prosperidade. Aí a população

Só muito recentemente, graças ao progresso ferroviário e ao emprego do automóvel e do caminhão, e bem em nossos dias, do transporte aéreo, as rotas interiores do Brasil se vão novamente reconstituindo.

69

marginal, sem ocupação fixa e meio regular de vida, era numerosa,
fruto de um sistema econômico dominado pela grande lavoura trabalhada por escravos. A população livre, mas pobre, não encontrava
lugar algum naquele sistema que se reduzia ao binômio "senhor e
escravo". Quem não fosse escravo e não pudesse ser senhor, era um
elemento desajustado, que não se podia entrosar normalmente no organismo econômico e social do país. Isto que já vinha dos tempos
remotos da colônia, resultava em contingentes relativamente grandes de indivíduos mais ou menos desocupados, de vida incerta e aleatória, e que davam nos casos extremos nestes estados patológicos da vida social: a vadiagem criminosa e a prostituição. Ambos
se disseminavam largamente em todas as regiões de certa densidade
demográfica. A indústria nascente, para que o trabalho escravo
mostrar-se-á desde logo ineficaz, encontrará naqueles setores da
população um largo, fácil e barato suprimento de mão-de-obra. E
será esta a origem do proletariado industrial brasileiro, o que
explicará no futuro muito das suas características e da sua evolução.
É este um dos aspectos mais progressistas, se não o maior deles, da nascente industrialização brasileira, pois permitirá entrosar no trabalho produtivo normal uma categoria importante da
população que vivera até aí à margem dele. Apesar destes começos,
a indústria brasileira não sairá tão cedo da sua mediocridade, e
lutará com dificuldades que lhe limitam consideravelmente os horizontes. Também não resolverá por isso, de uma forma ampla, nenhuma
das contradições e dos problemas econômicos e sociais do país. Todas as condições vigentes, a começar pelo próprio sistema fundamental da nossa organização econômica, conspiravam contra ela.
Mantivera-se a estrutura legada pela colônia em que domina uma atividade produtiva assente no trabalho escravo e voltada inteiramente para uns poucos gêneros agrícolas destinados à exportação.
Nisto se concentrava e disto dependia ainda a vida do país, apesar
de todas as transformações operadas. Continuava assim a não sobrar
margem apreciável para outras atividades; sem contar que em particular as manufaturas dependiam de condições e habilitações técnicas que a rudimentar e primitiva comunidade escravocrata brasileira não estava em condições de proporcionar. Faltava sobretudo o
que a moderna indústria fabril e mecanizada exige como condição
essencial de vida: um mercado amplo e em contínua expansão, o que
as condições sociais e econômicas da grande massa da população
brasileira não podiam oferecer. Não era assim possível às manufaturas nacionais concorrerem com a importação estrangeira proveniente de indústrias altamente desenvolvidas, em constante e acelerado progresso. Era a esta que caberia satisfazer às necessidades
limitadas do país; as manufaturas indígenas só excepcionalmente
estariam em condições de supri-las.
A economia brasileira estava assim presa num círculo vicioso
de que somente transformações futuras de vulto a poderiam livrar:
ela se fundava e hauria suas forças precisamente naquilo que constituía sua fraqueza orgânica, a grande lavoura produtora de gêneros de exportação. Se era nesta que se baseavam a riqueza e a produtividade nacionais, era ela também, em última análise, a responsável pelas acanhadas perspectivas do país. Disfarçava-se momenta-

neamente esta profunda contradição graças ao virtual monopólio, de
que gozava o Brasil, da produção de um gênero cuja procura nos
mercados internacionais não cessava de se expandir: o café. Alguns
outros produtos da mesma categoria econômica reforçavam, embora em
plano muito inferior e modesto, esta situação: o açúcar, já nos
estertores de uma agonia próxima; o algodão, mais ou menos estacionário e sem perspectiva; a borracha, que graças aos automóveis
e seus pneumáticos estará destinada a um futuro magnífico, e que,
nativa do vale amazônico, daria momentaneamente ao Brasil o monopólio de uma mercadoria de grande consumo internacional; o cacau,
também nativo da Amazônia e que se cultivará sobretudo em Ilhéus
(Bahia). Estes produtos representam praticamente a totalidade da
exportação brasileira dos últimos anos do Império; o que quer dizer, numa economia como a nossa, a melhor parte das atividades
produtivas do país e o que havia de fundamental na sua estrutura.
Base econômica, como se vê, muito precária, e dependendo de conjunturas incertas e inteiramente fora do nosso alcance; o que o
correr do tempo, aliás, se incumbiria de dolorosamente mostrar.
Mas está-se ainda longe deste momento fatal em que nos faltariam sob os pés os fundamentos da nossa vida econômica. Estamos
ainda numa fase em que graças sobretudo e quase unicamente ao café, a economia brasileira se expande; as finanças públicas, apesar
dos deficits constantes, podiam fazer face às mais prementes necessidades administrativas e realizar algumas obras de vulto; até
a moeda, sempre tão precária, fortalecer-se-á e gozará de certa
estabilidade nos últimos anos da monarquia (basta dizer que o ouro
e a prata chegaram a circular normalmente sem que os expulsasse a
massa de papel inconversível que formava o meio circulante do país); o crédito brasileiro no exterior era sólido, o que assegurava
inversões crescentes de capitais estrangeiros, sobretudo empréstimos públicos. Este afluxo constante de capitais vindos de fora,
garantia o equilíbrio do balanço de contas exteriores e das finanças públicas que sem ele, e mesmo com todos os progressos do país,
não se teria podido manter. A economia brasileira ajustar-se-á inteiramente a este sistema de equilíbrio, e embora ele representasse um saque ilimitado sobre o futuro, não apresentava no
momento inconveniente algum. O único risco seria o estancamento
súbito desta fonte larga e generosa, o que naturalmente traria o
colapso de todo sistema. Mas nada fazia supor tal eventualidade,
pois tudo corria admiravelmente bem para ambas as partes. Ainda
nas vésperas da República, no mesmo ano em que esta é proclamada
(1889), o governo imperial levantará em Londres seu último e mais
vultoso empréstimo, da importância considerável de quase 20 milhões de libras, destinado a converter diferentes créditos anteriores e pagar juros e amortizações, vencidos. Isto já se tornara um
recurso normal: quando não se podia pagar uma dívida vencida, ela
se saldava com um novo empréstimo...
Está claro que este processo de equilíbrio, embora proporcionasse uma prosperidade momentânea, não deixava de evidenciar suas
debilidades congênitas. Já referi anteriormente que isso tornava
impossível o estabelecimento de um sistema monetário e financeiro
sólido e normal. O Império viveu neste terreno de expedientes e ao
sabor das circunstâncias do momento. As oscilações do volume do

meio circulante independiam quase inteiramente do estado dos negócios, e eram função apenas da situação das finanças públicas. São
os déficits do Tesouro que regulam o montante da moeda emitida. O
que impediu conseqüências mais graves é que ocorreu, neste período
que analisamos, uma certa coincidência entre os déficits crônicos
das finanças públicas (donde emissões repetidas) e a contínua expansão da economia do país. Ela contou assim sempre, de um modo
geral, com numerário suficiente; e as emissões não degeneravam em
inflação papelista. Assim as fortes emissões realizadas durante a
guerra do Paraguai foram logo absorvidas normalmente; e poucos anos depois, em 1875, já se faziam sentir restrições do meio circulante; lançou-se então mão do expediente de emissões bancárias
(embora inconversíveis). Em 1878, novas emissões para cobrir despesas públicas extraordinárias70; e apesar disto, sete anos depois,
uma sensível retração monetária que faz recorrer novamente ao processo de bancos emissores.
Logo se vê o que há de precário e irregular nesta política monetária orientada pelo acaso e por expedientes de momento. Ela não
podia impedir, como não impediu, um desajustamento crônico e mais
ou menos amplo. Donde a instabilidade financeira permanente, as
violentas oscilações da moeda, refletidas no câmbio exterior e no
seu poder aquisitivo interno; as não menos bruscas e fortes contrações e expansões do meio circulante, do crédito, das atividades
financeiras, sem correspondência alguma com a situação econômica
real do país. Não gozou o Brasil sob o Império, apesar de todos os
progressos realizados, em nenhum momento, pode-se dizer, de estabilidade e segurança financeira. O que isto representou como obstáculo ao seu desenvolvimento normal é difícil de avaliar; mas não
há dúvida de que tal instabilidade é o principal responsável pela
falta de consolidação da vida econômica e social brasileira e pela
feição caótica que toma a evolução da nossa economia. Todas as iniciativas terão sempre vida aleatória; a produção viverá sempre
em sobressaltos; todas as atividades terão caráter acentuadamente
especulativo, e tanto podem levar à fortuna súbita e inesperada,
como à ruína, sem margem para previsões medianamente seguras.
O resultado disto observar-se-á, entre outros efeitos, na singular instabilidade das fortunas privadas e das situações financeiras dos indivíduos. Raros serão os patrimônios brasileiros que
atravessariam mais de uma geração, e os casos de vários extremos
financeiros no curso de uma só existência são quase normais. Naturalmente outros fatores sociais e também políticos contribuem para
isto; mas o papel da instabilidade financeira do país foi sempre,
sem dúvida, dos mais relevantes neste panorama de insegurança que
caracteriza a vida brasileira desde a segunda metade do século
passado.
Dominando contudo estas contradições da evolução econômica do
Brasil nesta fase que nos ocupa, está sem dúvida, como já foi assinalado, a questão do trabalho. A decadência da escravidão, representada concretamente pela ininterrupta redução da massa escrava e a crise crônica de mão-de-obra, punha o país constantemente

Com uma revolta local, mas muito intensa, no Nordeste; e com o socorro aos
flagelados pela seca naquela mesma região.

70

na iminência do colapso de seu sistema produtivo. O alarma despertado pelo assunto foi sempre, aliás, considerável, e isto se refletia em largas agitações políticas no Parlamento, na imprensa,
nas acirradas polêmicas da época. Não faltava quem visse na abolição da escravidão o termo da economia da grande lavoura; considerava-se que não seria possível ajustar a ela o trabalho livre e
assalariado. Sobretudo do imigrante europeu. Um observador holandês, destacado pelo governo do seu país para estudar a cultura cafeeira no Brasil71 e que escreverá o melhor trabalho que possuímos
sobre o assunto, chega em 1883, depois de longas e cuidadosas observações, à conclusão de que efetivamente o progresso da lavoura
cafeeira, em face da iminência da abolição do trabalho escravo,
estava irremediavelmente comprometido. E cita a propósito a opinião da maioria das pessoas por ele consultadas no curso de suas viagens e seus estudos. Falhará a previsão, e a expansão da lavoura
do café continuará como dantes, se não com ritmo ainda mais acentuado, sob o regime do trabalho livre de imigrantes europeus. Mas
a adaptação não será fácil, e não se fará sem um compromisso de
que resultaria um tipo de relações de trabalho que sem serem servis, conservarão traços acentuados do regime abolido. E será esta
aliás, uma das principais fontes de contradições econômicas e sociais da fase que seguirá.
Resta uma última ordem de considerações relativamente ao período que ora se encerra. É a grande modificação do equilíbrio demográfico e geo-econômico do país no curso da segunda metade do século passado. Este fato já foi assinalado quando se estudou o desenvolvimento das regiões cafeicultoras do Centro-Sul (Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo) e a decadência do Nordeste. Do empobrecimento deste último setor, densamente povoado desde a colônia, vão resultar correntes demográficas fortes e constantes que
dali se dirigem em demanda de regiões com melhores perspectivas.
Este movimento de populações tornar-se-á particularmente ativo depois da grande seca de 1877-80, que despovoará o interior nordestino do Ceará até a Bahia. As regiões beneficiadas por esta emigração serão o vale amazônico (graças à extração da borracha); o
sul da Bahia (produção de cacau em progresso); finalmente e sobretudo São Paulo, o grande pólo de atração. O desequilíbrio em favor
deste último, que já começava a beneficiar-se com a larga imigração estrangeira, tornar-se-á cada vez mais profundo, e vai preparando o novo São Paulo tão diferente dos nossos dias; um São Paulo
que econômica, social e demograficamente contrasta tão profundamente com o resto do país. Fato este prenhe das mais amplas e graves conseqüências.
De menor importância, mas assim mesmo de grande expressão no
futuro, será outro fato demográfico que pertence à segunda metade
do século passado: é a colonização estrangeira no Extremo Sul do
país; particularmente no Rio Grande, e menos intensamente em Santa
Catarina e no Paraná. Ao contrário de São Paulo, nestas regiões
temperadas onde não existe a grande lavoura tropical, o imigrante
não se fixa como assalariado, mas encontra facilidades para aqui
Van Delden Laèrne. O assunto interessava à Holanda por causa da sua colônia de
Java, cuja riqueza consistia precisamente na produção do café.

71

sição de pequenas propriedades, e é nestas condições que se estabelece. O sistema de "colonização" acima definido, aqui predomina
inteiramente. Constitui-se assim, nesta parte do Brasil, um setor
cuja organização econômica e social é bem distinta da do resto do
país: grande parcelamento da propriedade fundiária, ausência do
latifúndio; em vez de grandes lavouras do tipo do café, do açúcar
ou do algodão, que produzem sobretudo para o comércio exterior,
pequenas culturas e outras atividades de caráter local e destinadas ao abastecimento interno do país: cereais, vinho, produtos de
granja, etc. Isto terá a princípio muito pequena significação na
economia geral brasileira, mas começará a impor-se com o tempo e
hoje, um século decorrido daquele início, já pesa sensivelmente na
vida econômica do Brasil.
Um último fato demográfico e geo-econômico que cumpre registrar é a progressiva ocupação, no Centro-Sul, do grande vácuo deixado entre os núcleos povoados de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, e aqueles, de origem espanhola, fixados ao longo dos rios Paraguai e Paraná (hoje compreendidos na República do Paraguai). Este miolo de territórios desertos compreendidos dentro dos limites
ainda teóricos do Brasil, começa a ser povoado na segunda metade
do século passado por fazendas de gado. A origem dos povoadores da
região e Minas Gerais, mais densamente ocupada por efeito da intensa mineração do séc. XVIII, agora praticamente extinta. Na sua
marcha para o sudoeste, os mineiros ocuparão primeiro o chamado
Triângulo Mineiro, o território situado no ângulo formado pela
confluência dos rios Parnaíba e Grande, formadores do Paraná. Esta
região, que em meados do século não contava mais de uns 6.000 habitantes, compreendidos 4.000 índios semicivilizados, reunirá em
fins do Império acima de 200.000 indivíduos, com um centro urbano
já de certa importância: Uberaba. O avanço do povoamento seguirá
daí para a região que forma o sul da província de Mato Grosso,
descendo pelo rio Paraná. Esta província, que não contava por ocasião da Independência 37.000 habitantes, e pouco mais que isto em
meados do século (as estatísticas oficiais dão 40.000), somará em
fins do Império acima de 200.000. E quase todo, senão todo este
considerável aumento se pode computar na região pastoril do Sul,
onde também, em certos pontos, se explora a erva-mate nativa que
aí se encontra. O Norte das minas de ouro decaíra para sempre. A
principal cidade não será aliás mais a capital que por tradição se
conservará em Cuiabá, antigo centro minerador decadente, mas Corumbá, que pertence ao Sul.

A REPÚBLICA BURGUESA
1889-1930

21
Apogeu de um Sistema

A LARGA EXPANSÃO das forças produtivas e o progresso material
a que assistimos nos últimos decênios do Império ainda se ativarão
mais com o advento da República. Os anos que se seguem e o primeiro decênio do século atual assinalam o apogeu desta economia voltada para a produção extensiva e em larga escala, de matériasprimas e gêneros tropicais destinados à exportação, e que vimos em
pleno crescimento no período anterior. Em nenhum momento ou fase
do passado o país tivera diante de si, neste sentido, perspectivas
mais amplas. Para isto concorrem ao mesmo tempo, estimulando-se
reciprocamente, fatores externos e internos. Entre aqueles encontramos o grande incremento adquirido pelo comércio internacional;
era o fruto do considerável desenvolvimento da população européia
e norte-americana em particular, da ascensão do seu nível de vida,
da industrialização, e finalmente, do aperfeiçoamento técnico,
tanto material -- os sistemas de transporte -- como da organização
do tráfico mercantil e financeiro. E tudo isto condicionado e estimulado pelo amplo liberalismo econômico que proporcionava a todos os países e povos da terra uma igual e equitativa oportunidade
comercial. Como resultado disto, alargavam-se os mercados para as
matérias-primas e gêneros alimentares tropicais de países como o
Brasil.
A conjuntura interna, igualmente favorável, completará este
quadro para oferecer ao país um máximo de possibilidade no terreno
econômico. A solução do problema da mão-de-obra, a grande questão
do passado, fora completa: de um lado, pela abolição da escravidão
se removera o obstáculo oposto ao desenvolvimento do trabalho livre; doutro, pela imigração subvencionada e contando com o superpovoamento de várias regiões da Europa, se conseguira canalizar
para o Brasil uma forte e regular corrente de trabalhadores. Não
se devendo esquecer que este afluxo considerável de imigrantes só
foi possível graças ao aperfeiçoamento técnico da navegação, bem
como ao próprio desenvolvimento econômico do país, de que ele seria um dos principais estimulantes. O entrelaçamento de causas e
efeitos é neste caso, como sempre, completo. É, aliás em boa parte
o progresso da técnica moderna que permitirá aquele acentuado desenvolvimento da produção brasileira, pondo a seu serviço não somente a maquinaria indispensável (sem os aperfeiçoados processos
de preparação do café não teria sido possível a larga expansão da
sua cultura) e a energia necessária para acioná-la (a eletricida-

de), como também os transportes ferroviários e marítimos indispensáveis para a movimentação através de grandes distâncias, dos volumes imensos da produção agrícola do país.
A par destes fatores imediatos, concorre nesta fase para o estímulo das atividades econômicas brasileiras a convulsão ocasionada pelo advento da República. Não que esta tivesse profundezas políticas ou sociais; a mudança de regime não passou efetivamente de
um golpe militar, com o concurso apenas de reduzidos grupos civis
e sem nenhuma participação popular. O povo, no dizer de um dos
fundadores da República, assistira "bestializado" ao golpe, e sem
consciência alguma do que se passava. Mas a República agiu como
bisturi num tumor já maduro; rompeu bruscamente um artificial equilíbrio conservador que o Império até então sustentara, e que
dentro de fórmulas políticas e sociais já gastas e vazias de sentido, mantinha em respeito as tendências e os impulsos mais fortes
e extremados que por isso se conservavam latentes. Estes se fazem
então sentir com toda sua força longamente reprimida, abrindo
perspectivas que a monarquia conservadora contivera ou pelo menos
moderara muito. No terreno econômico observaremos a eclosão de um
espírito que se não era novo, se mantivera no entanto na sombra e
em plano secundário: a ânsia de enriquecimento, de prosperidade
material. Isto, na monarquia, nunca se tivera como um ideal legítimo e plenamente reconhecido. O novo regime o consagrará. O contraste destas duas fases, anterior e posterior ao advento republicano, se pode avaliar, entre outros sinais, pela posição respectiva do homem de negócios, isto é, do indivíduo inteiramente voltado
com suas atividades e atenções para o objetivo único de enriquecer. No Império ele não representa senão figura de segundo plano,
malvista aliás e de pequena consideração. A República levá-lo-á
para uma posição central e culminante. A transformação terá sido
tão brusca e completa que veremos as próprias classes e os mesmos
indivíduos mais representativos da monarquia, dantes ocupados unicamente com política e funções similares, e no máximo com uma longínqua e sobranceira direção de suas propriedades rurais, mudados
subitamente em ativos especuladores e negocistas. Ninguém escapará
aos novos imperativos da época. Os próprios governantes terão sua
parte nestas atividades, e até o espetáculo de ministros e altas
autoridades metidos em negócios -- coisa que nunca se vira no Império -- será freqüente. A primeira crise governamental logo após a
proclamação da República, e que deu por terra com todo um ministério, teve por origem imediata a questão da concessão de um porto
marítimo no Rio Grande do Sul, e até o presidente da República aparecerá envolvido no assunto. O Império, em suas sucessivas crises do governo, nunca assistira a nada que a isto se assemelhasse;
naquele tempo, um dos homens mais capazes e empreendedores que o
Brasil jamais produziu, Mauá, fora posto no índex da nação somente
porque, como deputado, ousara defender no Parlamento interesses
privados. Estes se tornavam agora, com o consentimento de todo
mundo, um dos principais eixos das atividades políticas...
Em suma, a República, rompendo os quadros conservadores dentro
dos quais se mantivera o Império apesar de todas suas concessões,
desencadeava um novo espírito e tom social bem mais de acordo com
a fase de prosperidade material em que o país se engajara. Trans-

punha-se de um salto o hiato que separava certos aspectos de uma
superestrutura ideológica anacrônica e o nível das forças produtivas em franca expansão. Ambos agora se acordavam. Inversamente, o
novo espírito dominante, que terá quebrado resistências e escrúpulos poderosos até havia pouco, estimulará ativamente a vida econômica do país, despertando-a para iniciativas arrojadas e amplas
perspectivas. Nenhum dos freios que a moral e a convenção do Império antepunham ao espírito especulativo e de negócios subsistirá;
a ambição do lucro e do enriquecimento consagrar-se-á como um alto
valor social. O efeito disto sobre a vida econômica do país não
poderá ser esquecido nem subestimado.
Outro fator ainda virá estimular as atividades brasileiras. É
a finança internacional que entra a participar delas ativamente. A
ação direta dos interesses comerciais estrangeiros já se fazia
sentir desde longa data. Referi-me anteriormente aos empréstimos
públicos que vêm desde os primeiros anos da Independência e que
tiveram tamanho papel na evolução do Brasil; lembrei também as iniciativas do capital estrangeiro em alguns setores privados (estradas de ferro, empresas de mineração, linhas de navegação, etc).
Não esqueçamos também a participação de tantos estrangeiros nas
atividades econômicas do país, e ocupando sobretudo no comércio e
na indústria posições de relevo. Mas tudo isto ficará a grande
distância do que ocorre nesta nova fase que agora se inaugura, em
que é propriamente a finança internacional, multiforme e ativa, e
não apenas indivíduos ou inversões esporádicas de capital, que vem
interferir na vida brasileira procurando participação efetiva,
constante e crescente em todos os setores que oferecessem oportunidades e perspectivas de bons negócios. O estabelecimento de filiais dos grandes bancos estrangeiros (ingleses, alemães, franceses, norte-americanos e outros) e o largo impulso que logo adquirem seus negócios serão sintoma desta situação inteiramente nova.
Dentro em pouco encontraremos a ação progressiva dos interesses
financeiros internacionais alastrando-se e se infiltrando ativamente em todos os setores fundamentais da economia brasileira, até
colocá-la inteiramente a seu serviço. A produção cafeeira, em particular, a grande atividade econômica do país, será naturalmente
logo atingida, e veremos adiante a luta internacional que se travará em tomo dela.
Tudo isto trará, é natural, um grande estímulo às atividades
do Brasil, pois põe a serviço delas os amplos recursos e a larga
experiência da finança internacional. Serviço bem remunerado é
certo, e prenhe de graves problemas futuros; mas no momento, sem
dúvida, estimulante poderoso que contará por muito no surto econômico brasileiro desta fase. O largo incremento da lavoura cafeeira, por exemplo, não teria sido possível sem os capitais e créditos fornecidos pela finança internacional. Boa parte dos fundos
necessários ao estabelecimento das plantações e custeio da produção provém de bancos ingleses e franceses, ou então de casas exportadoras do produto ou outros intermediários, muitos deles firmas estrangeiras ou financiadas com capitais estrangeiros.
O grande surto econômico resultante direta ou indiretamente de
todos estes fatores que vimos analisando, se verifica sobretudo no
desenvolvimento do comércio externo, índice máximo numa economia

como a brasileira. Apesar das oscilações e vicissitudes de cada um
de seus ramos em particular, o progresso no conjunto será estupendo, e com um ritmo de crescimento sem paralelo em qualquer outro
período da história brasileira. Ao café acrescentam-se, na lista
dos grandes produtos exportáveis, a borracha, que chegará quase a
emparelhar-se a ele, o cacau, o mate, o fumo. O Brasil tornar-se-á
neste momento um dos grandes produtores mundiais de matériasprimas e gêneros tropicais. Dedicará aliás a isto, em proporção
crescente, todas suas atividades, já não sobrando mais margem alguma para outras ocupações. Em conseqüência, decairá a produção de
gêneros de consumo interno que se tornam cada vez mais insuficientes para as necessidades do país, e obrigam a importar do estrangeiro a maior parte até dos mais vulgares artigos de alimentação.
Os gêneros alimentícios figurarão na importação com porcentagens
consideráveis, cerca de 30 e mais por cento, situação paradoxal e
inteiramente anômala num país exclusivamente agrário como o Brasil.
As exportações maciças compensam contudo estas grandes e indispensáveis importações; e obtêm-se mesmo saldos comerciais apreciáveis. Os maiores que o país jamais teve são aliás deste período, cifrando-se, no primeiro decênio do século atual, numa média
anual de 273 mil contos (15.700.000 libras esterlinas). E são estes saldos vultosos que permitirão fazer frente regularmente aos
grandes compromissos externos em ascensão contínua e paralela ao
desenvolvimento do país; serviço da dívida pública, pagamento de
dividendos e lucros comerciais das empresas estrangeiras operando
no Brasil; e mais uma nova parcela, quase ignorada no passado e
que começa então a tomar vulto e pesar seriamente nas finanças
brasileiras: as remessas de fundos feitas pelos imigrantes a seus
países de origem.
Para atender a estes compromissos, e em reforço dos saldos comerciais, concorrem as inversões de capitais estrangeiros, e em
particular os empréstimos públicos. Agora não é mais apenas o governo central que recorre ao crédito estrangeiro; os Estados, tornados autônomos pela República, dele se utilizam largamente; e as
simples municipalidades seguem o exemplo. A dívida externa do Brasil cresce de pouco menos de 30 milhões de libras por ocasião da
proclamação da República, para quase 90 milhões em 1910. Em 1930
alcançará a cifra espantosa de mais de 250 milhões. As inversões
em atividades privadas também são consideráveis, embora difíceis
de computar. É graças a este concurso que as finanças externas do
país conseguem se equilibrar, saldando-se normalmente durante certo prazo a sua balança de contas com o estrangeiro. Isto se refletirá no câmbio externo, que depois de 1900 e passada a crise do
primeiro decênio da República, estabilizar-se-á com forte tendência para a alta; tão forte que se sentirá a necessidade de limitar
suas oscilações fixando artificialmente a taxa. Normalizou-se assim, durante algum tempo, o sistema monetário.
Mas ao mesmo tempo que se ampliavam as forças produtivas do
país e se reforçava o seu sistema econômico, acentuavam-se os fatores que lhe comprometiam a estabilidade. A concentração cada vez
maior das atividades na produção de uns poucos gêneros exportáveis, e a estruturação de toda a vida do país sobre base tão

precária e dependente das reações longínquas de mercados internacionais fora do seu alcance, tornavam aquele sistema essencialmente frágil e vulnerável. E paradoxalmente, cada passo no sentido
de ampliá-lo mais o comprometia porque o tornava mais dependente.
Os efeitos desta contradição logo serão sentidos: no auge da prosperidade começarão a abater-se sobre o Brasil as primeiras crises
e desastres graves que comprometerão irremediavelmente o futuro da
sua organização econômica. No caso do café, já se principiam a
sentir perturbações sérias desde os primeiros anos do século, se
não já antes: superprodução, queda de preços, dificuldade de escoamento normal da produção. Mais grave será a crise da borracha,
que depois de 1910 começa a ser excluída dos mercados internacionais pela concorrência do Oriente. Em menor escala se passará coisa semelhante com o cacau; e a vida econômica do Brasil, apoiada
na exportação destes gêneros, entra numa crise que a levaria até o
desastre final.
Não é aliás apenas esta contradição máxima do sistema econômico brasileiro que lhe comprometerá a estabilidade. Outras ainda
decorrem de sua própria estrutura, e vamos encontrá-las nos mesmos
fatores que sob outros aspectos vistos acima, o favorecem e impulsionam. Assim no trabalho livre, em particular do imigrante europeu. Se de um lado a transformação do regime de trabalho assegurou
o progresso do sistema produtivo do país, doutro ela se revelará
um dos mais fortes elementos de desintegração da estrutura básica
daquele sistema: a grande propriedade agrária. A adaptação do trabalhador livre ao regime da grande lavoura não se mostrará fácil.
Em primeiro lugar, porque introduz um novo elemento desfavorável e
desconhecido sob o regime anterior da escravidão: a instabilidade
da mão-de-obra. O trabalhador livre não estará, como o escravo,
preso a seu empregador e obrigado, por isso, a sofrer passivamente
todas as vicissitudes da exploração do seu trabalho. Logo às primeiras dificuldades o abandonará em busca de situação mais favorável. Tal contingência, particularmente grave num país de baixa
densidade demográfica, e portanto de poucas disponibilidades de
mão-de-obra, forçará a adoção de um sistema de relações no trabalho que obrigasse o empregado, embora juridicamente livre, a conservar-se no seu lugar. O processo para chegar a este fim e que
mais se difundiu no Brasil será o de reter o trabalhador por dívidas. Pagando salários reduzidos, e vendendo-lhe ao mesmo tempo,
por preços elevados, os gêneros necessários ao seu sustento, o empregador conseguirá com relativa facilidade manter seus trabalhadores sempre endividados, e portanto impossibilitados de o deixarem. Este sistema tornar-se-á geral em muitas regiões do país; em
particular na indústria da extração da borracha. Torna-se fácil
estabelecê-lo por causa das distâncias que em regra separam as explorações rurais dos centros urbanos e do comércio, o que faz do
proprietário, quase sempre, um fornecedor obrigatório dos gêneros
consumidos por seus trabalhadores. Doutro lado, o baixo nível cultural da massa trabalhadora do país, tão recentemente egressa da
escravidão, facilita o manejo arbitrário das contas sempre em prejuízo do empregado.
A adoção de tais expedientes é naturalmente mais difícil no
caso do imigrante europeu. Este dispõe de outros recursos de defe-

sa dos seus interesses; além disto, localiza-se sobretudo em regiões que a lavoura cafeeira, em largo e rápido progresso, e ele
próprio com a sua presença, tinham elevado a um nível econômico e
social relativamente alto. Além disto, a concorrência no mercado
do trabalho, a demanda de trabalhadores é aí muito mais forte, anulando assim em benefício do trabalhador, os recursos de que em
outros lugares os proprietários podem lançar mão para reterem os
empregados contra a própria vontade. Verifica-se assim no caso do
trabalhador europeu uma instabilidade muito maior que chega a determinar crises gerais muito graves. Em última instância, ele tem
sempre o recurso da emigração e retorno a seu país de origem; ou
então a procura dos outros países onde as condições lhe sejam mais
favoráveis. Muitos imigrantes europeus, depois de um estágio mais
ou menos longo no Brasil, irão fixar-se na Argentina. Esta emigração de trabalhadores agrícolas constituiu sempre, entre nós, um
fato normal e permanente. Nos primeiros tempos da imigração, contudo, a entrada de grandes contingentes novos compensava sempre
largamente, no conjunto, as saídas. Em 1900, porém, verifica-se
pela primeira vez um deficit imigratório, tendo as saídas superado
as entradas. Isto se reproduzirá em 1903 com um excesso de saídas
de mais de 18.000 indivíduos.
Não é somente na emigração para o exterior, mas também na mudança freqüente de uma para outra propriedade que se verificará a
instabilidade da mão-de-obra agrícola. O trabalhador também deixará as fazendas para se estabelecer por conta própria. Lutará para
isto com grandes dificuldades: o alto valor das terras aproveitáveis, e sobretudo a pouca disposição dos grandes proprietários em
cederem parcelas de suas posses. A regra neste assunto de transações imobiliárias era a venda global das propriedades, e só muito
excepcionalmente parte delas. Virão em auxílio dos pretendentes a
pequenas propriedades as crises sucessivas que atravessa a agricultura, quando na falta de outro meio de resolver uma situação
difícil, o fazendeiro se vê na contingência de retalhar sua propriedade. Também o Estado, com o objetivo de estimular a imigração, tornando-a mais atraente, tomará a iniciativa de às vezes facilitar a aquisição de pequenas propriedades, lançando mão para
isto do processo dos núcleos coloniais já descrito anteriormente.
Esta iniciativa contudo, ditada por interesses muito diferentes
que propriamente o objetivo de desenvolver a pequena propriedade,
sofrerá vicissitudes consideráveis e não terá continuidade. Será
tomada nos períodos de crise de mão-de-obra, quando a imigração
declina; mas abandona-se logo depois. E no conjunto, nunca terá
amplitude apreciável.
Em todo caso, nenhum destes obstáculos antepostos à livre circulação dos trabalhadores conseguirá garantir a sua estabilidade.
Ainda sob outro aspecto o trabalho livre comprometerá o sistema da
grande lavoura. É que substitui à subordinação passiva do antigo
escravo uma luta permanente por direitos e reivindicações que afeta muito seriamente a normalidade das relações de trabalho. A diferença notar-se-á desde logo; em particular no caso do imigrante
europeu que não precisará de um estágio preparatório, como o exescravo, para ter consciência de sua situação de homem livre. Os
atritos se multiplicam e agravam porque em regra os fazendeiros,

formados até então no antigo regime servil, não se habituarão facilmente a lidar com trabalhadores livres. E no caso dos trabalhadores europeus, estes atritos chegarão mesmo a ter larga repercussão internacional, obrigando os governos de origem da imigração
brasileira a intervirem em favor de seus nacionais. Será entre outros o caso da Itália, que neste período fornecia o maior contingente imigratório. Diante dos abusos praticados nas fazendas contra trabalhadores italianos, chegou-se a propor no Parlamento daquele país a proibição terminante da emigração para o Brasil; e os
cônsules aqui acreditados andavam constantemente às voltas com as
reclamações de seus compatriotas maltratados nas fazendas.
Esta situação terá grande importância na evolução da legislação brasileira; em particular no Estado de São Paulo, o grande
receptáculo da imigração estrangeira. A administração pública ver-se-á forçada a adotar medidas de proteção ao trabalhador rural
contra excessos de seus patrões que estavam comprometendo o bom
nome do país e a continuidade das correntes imigratórias de tão
grande importância para a sua prosperidade. Dentre as principais
providências tomadas, destaca-se a reorganização do aparelhamento
policial para tirar os delegados de polícia da influência direta
em que se encontravam dos grandes proprietários rurais, e conceder-lhes liberdade suficiente para a defesa dos mais elementares
direitos e interesses dos trabalhadores. Organizar-se-ão, também
com o mesmo fim, aparelhos judiciários e administrativos que velarão pelo cumprimento, pelos proprietários, dos contratos de trabalho.
Em suma, a substituição do trabalho escravo pelo livre, determinará para a grande propriedade contingências muito graves e que
ameaçarão seriamente sua solidez. Provocando de um lado a instabilidade da mão-de-obra; introduzindo doutro nas relações de trabalho um estado permanente de atritos, e mesmo de conflitos mais
graves que enfraquecem consideravelmente a antiga posição dominadora e incontrastável do grande proprietário, ela muito lhe compromete a existência. Atinge-lhe mesmo diretamente, em muitos casos, a própria margem de proveitos: a necessidade de concorrer num
mercado livre de trabalho, a pressão por melhoria de salários e
condições gerais de vida do trabalhador, afetarão gravemente a base financeira das explorações de menor rendimento, apressando assim o seu colapso. É o que efetivamente se verificará em grande
escala nas regiões mais antigas, de condições naturais já tornadas
precárias por uma longa exploração. Assim, nas velhas zonas cafeicultoras do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e mesmo partes de São
Paulo, onde não se resistirá às dificuldades criadas pelo novo regime de trabalho livre. Em muitos lugares a produção agrícola será
aniquilada, e em seu lugar, onde o latifúndio se consegue manter,
desenvolver-se-á quando muito a pecuária, onde o problema da mãode-obra é menos premente. Mas uma pecuária extensiva, de nível econômico muito baixo. Em suma, a estagnação, a decadência, o despovoamento.
Em
outros
lugares,
nem
esta
grande
propriedade
semiimprodutiva e espectro de um passado brilhante se consegue manter.
Ela é eliminada por um novo tipo de exploração agrária, baseado na
pequena e média propriedade, que a substitui e vai assim des-

truindo o antigo sistema agrário do país. Este processo de substituição da grande pela pequena propriedade, será uma das grandes
forças com que contará o Brasil para remodelar a sua estrutura econômica e partir de uma outra base para uma nova etapa do desenvolvimento de suas forças produtivas. Este assunto, que ainda é
dos dias que hoje correm, é de fundamental importância na contemporânea evolução econômica do Brasil, e sobre ele voltarei com
mais vagar em capítulo próximo.
Nas zonas açucareiras do Nordeste apresentar-se-á uma forma
particular de evolução. Também aí a grande lavoura do tipo tradicional sofre um rude golpe com a abolição do trabalho escravo.
E, dada a decadência em que já se encontrava, não resistirá e entra num processo geral de decomposição. Em lugar do engenho aparecerá a grande usina, unidade tipicamente fabril e maquinofatureira, que passará a produzir o açúcar extraído da cana fornecido
pelas lavouras dos antigos engenhos transformados assim em simples
produtores de matéria-prima; divisão de funções que será o germe
de novas e profundas contradições em que se oporão a usina absorvente, que tende a recompor em seu benefício uma grande propriedade de novo tipo, e os engenhos (que de engenhos conservam quase
sempre apenas o nome, pois já não passam de simples lavouras fornecedoras de cana-de-açúcar) que procuram tenazmente, mas sem sucesso nem perspectivas, se conservar.
Não ficam neste capítulo do trabalho e da produção as contradições do sistema econômico brasileiro desta fase que nos ocupa.
Funcionando sua produção, sobretudo e quase exclusivamente, para a
exportação, fazem-se necessárias -- como aliás já vimos -- grandes
importações dos gêneros indispensáveis ao consumo do país e manutenção da sua população. Daí, avultados pagamentos no exterior, a
que se acrescentam outros, também ligados diretamente àquele sistema e dele derivados: a remuneração dos capitais estrangeiros invertidos no país, o serviço das dívidas públicas, as remessas ou
retiradas de. fundos pelos imigrantes. Tais pagamentos agirão como
fatores constantes de desequilíbrio das finanças externas do país,
e comprometerão com isto muito seriamente a estabilidade daquele
nosso sistema econômico que, sobretudo depois do primeiro decênio
deste século, evoluirá através de crises graves. Mas, noutro sentido, tal desequilíbrio será fecundo, pois contribuirá para uma
tendência à diferenciação das atividades econômicas e produtivas
do país a fim de livrá-lo da dependência excessiva em que ficara
do exterior, e restabelecer o equilíbrio rompido. E assim, enquanto de um lado vemos que se restringem cada vez mais aquelas atividades, centralizando-se a economia brasileira na produção de um
pequeno número de gênero exportáveis, com desprezo de tudo mais,
desabrocha em oposição uma evolução em sentido contrário, para tirar daqueles gêneros a exclusividade de que gozavam. O interessante é que será justamente em São Paulo, onde aquela restrição de
atividades alcançara talvez sua expressão extrema com a monocultura do café levada ao máximo do exagero, que se encontrarão as primeiras iniciativas no sentido de diversificar a produção. A administração pública terá aí um papel considerável, criando e multiplicando campos de experimentação, onde será cultivada e selecionada toda sorte de produtos agrícolas, e postos zootécnicos. Tais

iniciativas permanecerão longamente sem grandes resultados; mas
terão no futuro efeitos econômicos consideráveis.
Mas é sobretudo num outro setor que esta diferenciação de atividades sairá logo de seu estado potencial, assumindo rapidamente
importância e determinando conseqüências de vulto: na indústria
manufatureira. E neste caso, como veremos em seu lugar próprio, o
progresso das atividades estará direta e imediatamente ligado às
circunstâncias derivadas do desequilíbrio crônico das finanças externas do país. É assim do íntimo das contradições inerentes ao
sistema econômico do país que brotam as forças que com o tempo o
vão transformando.
Vemos portanto que são vários os fatores que atuam nesta fase
que nos ocupa, no sentido de desintegrar o sistema econômico brasileiro fundado na grande propriedade agrária e voltado para a
produção exclusiva de alguns gêneros exportáveis de grande expressão comercial nos mercados mundiais. É pois sob a ação de fatores
contraditórios que evoluirá a nossa economia: por um lado assistiremos ao desenvolvimento daquele sistema, que atinge então um máximo de expressão com o largo incremento, sem paralelo no passado,
de umas poucas atividades de grande vulto econômico, com exclusão
de tudo mais. Mas doutro, veremos resultar daquele mesmo desenvolvimento os germes que evoluirão no sentido de comprometer a princípio, e afinal destruir (se bem que o processo não esteja ainda
terminado nos dias que correm) a estrutura econômica tradicional
do país. Vejamos agora, em particular, cada um dos principais aspectos deste processo evolutivo.

22
A Crise de Transição

OS PRIMEIROS anos que se seguem imediatamente à proclamação da
República serão dos mais graves da história das finanças brasileiras. A implantação do novo regime não encontrou oposição nem resistência aberta sérias. Mas a grande transformação política e administrativa que operou não se estabilizará e normalizará senão
depois de muitos anos de lutas e agitações. Do império unitário o
Brasil passou bruscamente com a República para uma federação largamente descentralizada que entregou às antigas províncias, agora
Estados, uma considerável autonomia administrativa, financeira e
até política. Além disto, o caráter nitidamente militar do golpe
republicano de 15 de novembro de 1889 introduziu na política do
país um novo elemento que antes não figurara nela senão muito discretamente: a espada. Ele representará daí por diante um papel de
grande relevo. O militar político tornar-se-á um dos personagens
centrais do novo regime, e o apelo às armas se faz, em conseqüência, freqüente. Isto se verifica logo nos primeiros anos da República em que à agitação política se acrescentam golpes de força e
a guerra civil que desencadeada em 1893, lavrará até 1895.
Paralelamente abater-se-á sobre o país uma forte crise financeira. A origem desta crise -- embora complicando-se depois com outros fatores -- está no funcionamento do sistema monetário e no
sempre recorrente apelo a emissões incontroláveis e mais ou menos
arbitrárias de que o passado já dera, como vimos, tantos exemplos.
Destinando-se inicialmente a atender às necessidades da circulação
monetária em face da intensificação das transações e da vida econômica e financeira em geral, as emissões acabarão afinal desenvolvendo-se muito além de qualquer medida.
A falta de meio circulante suficiente já se começara a fazer
sentir nos últimos anos do Império. O progresso das atividades econômicas, muito acentuado nesse período, determinara uma relativa
escassez de moeda que por falta de um sistema organizado e normal
de emissões que mantivesse automaticamente certo equilíbrio entre
o volume monetário e as necessidades financeiras, tinha por isso
de ser atendida, como já fora em outras conjunturas semelhantes,
por medidas de emergência e mais ou menos arbitrárias. A carência
de meio circulante ainda se agravara com a libertação dos escravos, transformados bruscamente em assalariados; calcula-se que nada menos de 50.000 contos anuais se tinham tornado necessários para este novo pagamento de salários. Importância considerável numa
circulação total que no momento mal ultrapassava 200.000.
Ainda outra circunstância levará o governo imperial a autorizar emissões: a necessidade de contentar uma classe importante
como os antigos proprietários de escravos, fundamente atingidos
pela abolição que se fizera sem nenhuma indenização. As novas emissões destinar-se-iam em grande parte a auxiliar com créditos a
lavoura prejudicada pela libertação dos escravos.

A faculdade emissora concedida a vários bancos (emissões sobre
lastro-ouro e títulos da dívida pública interna), não chegará contudo a ser utilizada, pois logo ocorre o golpe republicano. Mas o
novo regime ia defrontar-se com uma situação financeira que não se
modificara; e não podia por isso abandonar o projeto de emissão
legado pelo Império. Acresce que não seria prudente da parte de um
regime que acabava de se instalar e que não sabia ainda ao certo
nem como iria ser recebido no país, recusar uma medida ansiosamente esperada. Houve mesmo, a princípio, grandes temores, aliás infundados, de uma reação monárquica. Nestas condições o novo governo republicano não somente confirmou a faculdade emissora concedida pouco antes pelo Império, mas ainda a ampliou consideravelmente.
Estará assim dado o primeiro passo de uma aventura que levaria
muito longe. Desde logo diferentes fatores novos irão concorrer
para estimular cada vez mais as emissões. A mudança do regime, o
efeito psicológico que produziu, determinarão, como já vimos, um
recrudescimento de atividades. Elas encontrarão no meio circulante
em expansão um farto alimento; mas inversamente, estimulam aquela
expansão pela pressão financeira que determinam.
Virá reforçar este apelo a novas emissões a situação do Tesouro público, a braços com a perturbação produzida pela mudança de
regime, o que não somente desorganiza no primeiro momento a normal
arrecadação das rendas, mas logo depois transfere para os Estados
alguns tributos, com grande desfalque para as finanças nacionais.
E enquanto diminui a receita (ou pelo menos não aumenta na devida
proporção; diminuição absoluta só houve de 1891 para 1892), cresciam consideravelmente os encargos com as insurreições armadas e
golpes que se sucedem a partir de 1891. Para cobrir o deficit
crescente o governo não terá outro recurso que as emissões de papel inconversível. Com o país econômica, financeira e politicamente convulsionado não se estava em posição de apelar para o crédito.
Sob a ação deste jorro emissor não tardará que da citada ativação dos negócios se passe rapidamente para a especulação pura.
Começam a surgir em grande número novas empresas de toda ordem e
finalidade. Eram bancos, firmas comerciais, companhias industriais, de estradas de ferro, toda sorte de negócios possíveis e impossíveis. Entre a data da proclamação da República e o fim da aventura (1891) incorporar-se-ão no Rio de Janeiro sociedades com
capital global de 3.000.000 de contos; ao iniciar-se a especulação, isto é, em novembro de 1889, o capital de todas as sociedades existentes no país apenas ultrapassava 800.000 contos. Quintuplicara-se quase este capital em pouco mais de dois anos!
Naturalmente a quase totalidade das novas empresas era fantástica e não tinha existência senão no papel. Organizavam-se apenas com o fito de emitir ações e despejá-las no mercado de títulos, onde passavam rapidamente de mão em mão em valorizações sucessivas. Chegaram a faltar nomes apropriados para designar novas
sociedades, e inventaram-se as mais extravagantes denominações. Ao
lado de projetos irrealizáveis, como estradas de ferro transcontinentais, grandes empresas de navegação, colonização de territórios
os mais afastados e inacessíveis do país, surgem negócios de todo

disparatados. Ninguém se lembrava nunca de indagar da exeqüibilidade de uma empresa, das perspectivas do negócio. Tudo era apenas
pretexto para incorporação de sociedades, emissão de títulos e especulação.
Está claro que tal situação não podia durar. Em fins de 1891
estoura a crise e rui o castelo de cartas levantado pela especulação. De um momento para outro desvanece-se o valor da enxurrada de
títulos que abarrotava a bolsa e o mercado financeiro. A débâcle
arrastará muitas instituições de bases mais sólidas mas que não
resistirão à crise; e as falências se multiplicam. O ano de 1892
será de liquidação; conseguir-se-á amainar a tempestade, mas ficará a herança desastrosa legada por dois anos de jogatina e loucura: a massa imensa de papel inconversível em circulação. Esta subira, entre 1889 a 1892, de 206.000 contos para 561.000. E como
não será possível estancar de súbito este jorro emissor, a inflação ainda continuará nos anos seguintes.
Ao mesmo tempo agrava-se a situação da balança externa de contas. Embora os saldos comerciais se mantivessem no nível médio anterior, a geral retração dos capitais estrangeiros alarmados pela
convulsão política e financeira em que se debatia o Brasil, vai-se
refletir no equilíbrio das finanças externas do país. A mudança de
regime, a agitação política, a desordem financeira, a impressão
geral de anarquia que tudo isto provocava nos centros financeiros
do exterior, determinam neles não somente a suspensão de remessas
de novos capitais para o Brasil, mas ainda a liquidação apressada
de todas suas disponibilidades.
Será o deficit e o desequilíbrio das contas externas do país.
Este fato, aliado às emissões imoderadas, provocarão uma rápida
desvalorização da moeda nacional e queda do câmbio. Ao proclamarse a República, este se cotava na taxa de 27 d. por mil-réis; no
curso do ano de 1892 oscilará entre 16 e 10. Esta considerável depressão cambial trazia por seu turno graves conseqüências para o
Tesouro público, obrigado ao vultoso serviço da dívida externa que
se fazia em ouro. Agravam-se seus compromissos calculados em papel; e isto, unido às despesas sempre crescentes que exigiam as
sucessivas insurreições armadas, obrigava a novas e novas emissões. E assim, embora tivesse desaparecido sua causa inicial que
fora a especulação de 1890-91, a circulação aumenta dos 561.000
contos que encontramos em 1892, para um máximo de 780.000, em
1898. Neste mesmo período o câmbio descerá para o nível ínfimo de
menos de 6 d., complicando assim, cada vez mais, a situação.
Concomitantemente viriam ainda perturbar os horizontes da convulsionada vida econômica e financeira do país os primeiros sinais
de fraqueza, nos mercados internacionais, do grande produto em que
se apoiava a vida brasileira: o café. Até então ele gozara de uma
situação impecável: preços em ascensão contínua, o consumo acompanhando perfeita e folgadamente a produção. Em 1896 o café brasileiro enfrenta sua primeira dificuldade comercial: os preços declinam, estoques invendáveis começaram a se acumular. Estava-se
diante de uma situação nova e inteiramente insuspeitada no passado: a superprodução.
A todos estes fatores acrescenta-se um último que vem agravar
fortemente as dificuldades: é a ação perturbadora da finança in-

ternacional que procura se imiscuir e penetrar cada vez mais profundamente na vida econômica do país. O momento lhe era favorável:
as dificuldades políticas e financeiras do governo abriam-lhe caminho para junto dele e lhe proporcionavam posições seguras. Forçará, entre outros expedientes, empréstimos e compromissos onerosos; o desequilíbrio financeiro, tanto interno como das contas internacionais, dará ampla margem para especulação. O jogo de câmbio, em particular, será fácil e largamente proveitoso. E é neste
momento ainda que a finança internacional conquistará suas primeiras posições, fortes e sólidas, no terreno da maior riqueza do país: o comércio do café, que passará daí por diante a ser estreitamente controlado em função dos seus interesses. Isto já aparecerá
claramente por ocasião da crise cafeeira de 1895 acima referida. O
aumento da produção será aproveitado para forçar a baixa do preço
do produto (que declinará daí por diante até 50% apenas do seu valor primitivo); mas com o controle do comércio e da exportação,
impedir-se-á que os excessos cheguem até os mercados consumidores
onde o preço se manterá sem modificação. Os intermediários, que em
última instância não são senão agentes diretos ou indiretos da finança internacional, embolsarão assim grossas diferenças. Esta
sorte de especulação com o grande gênero da produção brasileira se
repetirá depois com modalidades várias, mas sempre com o mesmo resultado de tirar do produto brasileiro o máximo, e um máximo que
representará porcentagem considerável do seu valor efetivo.
Todas estas dificuldades somadas vão dar na crise e bancarrota
de 1898. O país achava-se na iminência de uma nova débâcle financeira semelhante à de 1891-92. As falências se multiplicavam, e o
Tesouro, exausto de forças, não podia mais fazer frente a seus
compromissos (a receita não cobria então nem a metade da despesa).
O primeiro passo do governo para enfrentar a crise foi apelar
para uma moratória dos credores externos. Eram de fato os compromissos para com eles que mais pesavam nas finanças do país. A suspensão dós pagamentos regularizaria momentaneamente a situação do
tesouro público e aliviaria o mercado de câmbio fortalecendo a moeda cuja desvalorização chegara, como vimos, a proporções consideráveis.
Houve a princípio algumas dificuldades. Afinal, por intervenção do London & River Plate Bank e à custa de graves compromissos,
chegou-se a um acordo com os portadores dos títulos brasileiros. O
serviço das dívidas seria suspenso, pagando-se os juros a vencer
nos próximos três anos com novos títulos de dívida que se acrescentariam à dívida principal. Quanto às amortizações, elas somente
seriam retomadas em 1911. Também se adiavam, convertendo-se em dívidas consolidadas, os pagamentos devidos por conta da garantia de
juros de que gozavam várias companhias inglesas e francesas de estradas de ferro.
O acordo resolvia momentaneamente a angustiosa situação financeira do país. Desafogavam-se o Tesouro público e o mercado cambial; renascia a confiança perdida no descalabro dos anos anteriores. Era possível iniciar uma política enérgica de restauração,
condição aliás imposta pelos credores e que obrigará o país a sacrifícios consideráveis. As despesas públicas serão cortadas com
grande prejuízo para a administração; os impostos agravados. Alie-

nam-se bens públicos (assim como navios de guerra recentemente
construídos), e serão arrendadas ferrovias do Estado. Constituirse-á com estas medidas um fundo de amortização do papel-moeda, saneando-se a circulação e revigorando a moeda. Mas a súbita retração do meio circulante e a ascensão do câmbio que resultarão disto, entorpecem a vida financeira e trazem a ruína de muitas iniciativas.
O grande beneficiário das reformas de 1898 foi sem dúvida a
finança internacional. Representada neste caso pelo London & River
Plate Bank, intermediário do acordo com os credores, ganhará novas
posições no Brasil e junto a seu governo. Os seus representantes
assumirão o direito de velarem diretamente pelo cumprimento do acordo feito, e fiscalizarão oficialmente a execução das medidas
destinadas a restaurar as finanças do país. Entrelaçam-se assim
intimamente seus interesses e suas atividades com a vida econômica
e administrativa brasileira. E ela não lhes poderá mais tão cedo
fugir. Consolidara-se uma situação de dependência que se vinha
formando havia muito, mas que somente agora encontrará seu equilíbrio definitivo. O Brasil se torna um largo e seguro campo para a
inversão de capitais, estes encontrarão melhor acolhida, e abrirse-ão para eles as mais vantajosas aplicações. Onde quer que se
apresente uma perspectiva favorável, no setor financeiro como no
econômico, lá estarão eles como primeiros candidatos à oportunidade, e procurando tirar do país toda a margem de proveitos que ele
era capaz de proporcionar. E com a posição dominante que ocupavam,
sua segurança era absoluta.
Efetivamente, o capital estrangeiro começará a fluir para o
Brasil em proporções consideráveis. E isto permitirá não somente
restabelecer o equilíbrio das contas externas do país, tão gravemente atingidas na crise dos anos anteriores, mas restabelecê-lo
em nível muito alto, tomando possível um largo aparelhamento material e uma sensível ascensão dos padrões da vida nacional. Instalar-se-ão grandes e modernos portos, a rede ferroviária crescerá
rapidamente, inauguram-se as primeiras usinas de produção de energia elétrica (de tão grande importância num país pobre de carvão
mineral), remodelam-se com grandes obras as principais cidades (em
particular o Rio de Janeiro, que muda inteiramente de aspecto). E
tudo mais acompanhará este ritmo de crescimento.
Para isto contribuirá também o forte incremento da produção e
das exportações (assunto que abordarei no próximo capítulo), que
fornecerão ao país outras largas disponibilidades para satisfação
de seus pagamentos no exterior, tanto a remuneração dos capitais
estrangeiros aqui invertidos e grandes remessas de alienígenas radicados no Brasil, como das importações maciças de bens e serviços
que transformariam tão singularmente a face do país.
São estes dois fatores -- a situação folgada do comércio internacional e o reforçamento das inversões de capital estrangeiro --
que permitirão ao Brasil equilibrar sua vida financeira e consolidar sua posição econômica. Este será o traço característico do período, brilhante para a nossa história econômica, que se abre com
o século atual. Mas todo este progresso não representará um efetivo e real passo para diante. Ele se fará dentro dos quadros tradicionais da economia brasileira; não se terá modificado, mas apenas

ajustado a um novo ritmo de crescimento, a estrutura fundamental
do país. Continuará ele essencialmente produtor de uns poucos gêneros de grande expressão no comércio internacional; e esta produção repousará, em última instância, na mesma organização herdada
do passado: a grande propriedade e exploração fundiária.
A difícil e tormentosa transição do fim do Império para este
momento de restauração que nos ocupa, não terá sido assim mais que
uma crise de crescimento. Ou antes, o efeito de um esforço de adaptação a uma nova ordem internacional que terá chegado até nós
nesta fase final do séc. XIX. A abolição da escravidão e a conseqüente transformação do regime de trabalho (com a imigração estrangeira por corolário); o rompimento dos quadros conservadores
da monarquia e a eclosão de um novo espírito de negócios e especulação mercantil; a acentuação e consolidação do domínio da finança
internacional na vida econômica do país (e são estes, em suma, os
fatores que direta ou indiretamente interferem na vida brasileira
desde os últimos anos do século passado e vão provocar a crise de
transformação por que passou), estes fatores não são senão passos
preliminares e preparatórios que farão do Brasil uma nação ajustada ao equilíbrio mundial moderno, e engrenada, se bem que no lugar
próprio de semicolônia para que a preparara a evolução anterior,
no círculo internacional do imperialismo financeiro. Da súbita irrupção destes fatores na vida brasileira decorrerão as perturbações sofridas. Mas aos poucos o país se afeiçoará à nova situação.
Ajustará a ela as suas relações internacionais (econômicas, financeiras e políticas); e recomporá internamente, em função dela,
seus quadros econômicos e políticos.

23
Expansão e Crise
da Produção Agrária

COMO NO passado, a produção agrária continuará compartimentada
e distribuída pelas diferentes regiões do país, com um gênero para
cada uma; e desenvolvendo-se cada qual independentemente das demais e voltada inteiramente para fora do país, isto é, para a exportação. É como se fossem diferentes unidades econômicas mais ou
menos acidentalmente reunidas no corpo de uma só nação e levando
vida à parte. Esta velha e tradicional estrutura da economia brasileira, que ainda permanece tal qual na fase que ora nos vai ocupar, determina o esquema em que deverá ser analisada: passaremos
em revista, sucessiva e separadamente, os diferentes setores da
produção agrária. O que os aproxima e sintetiza é apenas o caráter
fundamental de todos eles, e que por isso também caracteriza a economia brasileira em conjunto: o fato, já tantas vezes assinalado, de serem produtos (gêneros alimentares e matérias-primas tropicais) de exportação. Une-os também, embora dentro de grandes diferenças particulares e ritmos diferentes de evolução, um mesmo
destino que será como que uma autoliquidação e perecimento deles
todos em prazos mais ou menos longos. Conjugam-se assim, para resultar nesta crise geral do sistema econômico do Brasil que alcança seu apogeu e também sua fase de liquidação final no período que
temos agora em vista.

CAFÉ

De todos os produtos brasileiros modernos, o primeiro e soberano lugar cabe ao café. Já o encontramos na fase anterior, sob
o Império, em marcha ascendente e avassaladora das principais e
melhores atividades do país. Encontrá-lo-emos agora na República
atingindo o zênite da sua grandiosa trajetória, e colocando--se em
nível que deixará definitivamente numa sombra medíocre todas as
demais produções brasileiras. Mesmo em termos absolutos e mundiais, o café adquirirá posição de relevo. Ele se classificará, no
século atual, entre os primeiros, se não o primeiro gênero primário do comércio internacional; e o Brasil, com sua quota de 70% da
produção, gozará de primazia indisputada.
As condições naturais do país, ou antes, de algumas de suas
regiões (o clima, a qualidade do solo) contribuem para isto, naturalmente, em grande e primordial parte. Mas o fator decisivo que
permitiu o enorme surto da lavoura cafeeira do Brasil neste último
meio século, foi sem dúvida a imigração européia que forneceu os
braços e o trabalho necessário. A íntima dependência do progresso
cafeeiro com relação à imigração foi aliás sempre notória e muito
bem compreendida. A administração do Estado de São Paulo (o prin-

cipal e grande produtor, e que se tornará autônomo com a implantação do novo regime republicano federativo) fez da questão imigratória o programa central de suas atividades e resolveu-a dentro de
um sistema que se pode considerar perfeito e completo. O imigrante
(o italiano sobretudo) será trazido, com todo auxílio e amparo oficiais, desde seu domicílio na mais recôndita aldeia dos Apeninos
ou de outra região qualquer, até a fazenda de café, através de uma
organização que vai da propaganda do Brasil na Europa à distribuição perfeitamente regularizada dos trabalhadores entre as diferentes propriedades do Estado. Para este complexo e dispendioso serviço que será a mola mestra da prosperidade paulista, a administração de São Paulo destinará sempre o melhor dos seus esforços e
rendas. Com sucesso e resultados notáveis, pois do ano da República até 1930, o Estado receberá mais de 2 milhões de imigrantes
(sendo que cerca da metade subvencionados), de que a parte substancial se destinará à cultura do café. Esta não resulta assim do
acaso ou de circunstâncias fortuitas; mas de um longo e persistente esforço conduzido com inteligência e notável capacidade de organização.
O desenvolvimento da lavoura cafeeira do Brasil, desde o último decênio do séc. XIX, admirável no conjunto, foi entretanto muito irregular se considerarmos as diferentes regiões do país. Não
houve de modo algum crescimento uniforme e harmônico; e à expansão
em alguns setores correspondeu o declínio, e mesmo o aniquilamento
completo em outros. Já observamos sob o Império esta evolução cíclica do café, sucedendo-se em cada zona produtora, no espaço de
poucos decênios, uma fase ascendente seguida de outra próxima de
decadência. A grande área de progresso neste momento que nos ocupa
é o oeste de São Paulo; tratava-se de uma região quase deserta que
será rapidamente conquistada e ocupada pelas novas culturas.
Coisa muito diversa dar-se-á em outros setores de ocupação
mais antiga; mesmo em São Paulo, na sua parte oriental, bem como
no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. A decadência da lavoura cafeeira, já iniciada aí no Império, chegará agora em boa parte destas
regiões à sua consumação final. Somente as ruínas de velhas mansões senhoriais, antigas residências de opulentos fazendeiros, denotam nelas a rápida passagem da riqueza do café; as plantações
desapareceram e em seu lugar não encontramos outra coisa que uns
pobres pastos que alimentam um gado miserável e ralo. O que sobra
de café são apenas culturas decadentes e esparsas, em processo
contínuo de aniquilamento. Só em Minas Gerais se observará um certo progresso, mas modesto e em setores reduzidos, onde se aproveitarão umas últimas sobras de terras utilizáveis.
Fora de São Paulo (e da zona limítrofe do norte do Paraná que
é alcançado pela marcha paulista para oeste), somente o Espírito
Santo verá desenvolver-se apreciavelmente sua lavoura cafeeira.
Serão usadas para isto as reservas de terras virgens que a colonização incipiente da região respeitara até esse momento. E se contará para isto, como em São Paulo, mas em proporções muito reduzidas, com uma regular corrente imigratória. Mas o Espírito Santo
não irá muito longe porque ao contrário de São Paulo, faltar-lhe-á
a abundância de terras aproveitáveis que caracteriza este último
Estado; e a sua lavoura será sempre, por isso, relativamente medí-

ocre. Quanto às regiões produtoras do Norte (Bahia, Pernambuco, e
também um pouco o Ceará), estas não conseguirão nunca sair da posição de terceiro plano em que sempre se tinham mantido. O fator
solo, isto é, a carência de terras propícias ao café, será aí a
explicação principal da estagnação. O clima, mais acentuadamente
tropical e por isso menos atraente para o trabalhador europeu, terá também a sua parte de responsabilidade.
Em suma, a concorrência das terras virgens do oeste de São
Paulo, com seus magníficos solos, sua topografia regular que proporciona boas facilidades para o transporte, e com seu clima a que
o trabalhador europeu se adaptou fácil e admiravelmente, desviou
para elas os melhores esforços e recursos do país; e lá se concentrou a maior e melhor parcela da lavoura cafeeira do Brasil; mais
da metade do número total de seus cafeeiros, com uma produção que
ultrapassa 60% da produção global do país. É sobretudo com esta
considerável parcela paulista que o Brasil contará para colocar-se
tão esplendidamente, como vimos acima, no comércio internacional
do café.
O progresso quantitativo da cultura cafeeira no Brasil não foi
contudo acompanhado de igual progresso qualitativo. Continuarão
sendo empregados, mais ou menos, os mesmos processos agrícolas rudimentares do passado. Haverá certa melhoria no preparo e beneficiamento do produto: a lavagem e decorticação dos grãos. Para isto
se empregarão maquinaria e instalações mais aperfeiçoadas. Mas no
que diz respeito à cultura propriamente (trato do solo e da planta, seleção de variedades, etc.) ficar-se-á em conjunto onde se
estava. E esta será a razão principal do invariável decréscimo da
produtividade das culturas, que observamos mesmo nas regiões de
melhores solos e de condições altamente favoráveis.
O único progresso sensível e de vulto na agricultura desta fase que nos ocupa será ainda a introdução geral do trabalho livre,
e particularmente do imigrante europeu, o que melhorará consideravelmente as condições da exploração agrária em confronto com o
que se dava antes com o emprego do escravo. Na generalidade da lavoura cafeeira, em São Paulo em particular, adotar-se-á nas relações de trabalho um sistema que combina o salariado (um salário
fixo anual, mais uma quota por ocasião da colheita e variável na
proporção desta última), com o direito concedido ao trabalhador de
utilização de certas áreas de terra em proveito próprio. Haverá ao
lado deste tipo de trabalhador (o colono, como se chama), mas geralmente em número muito menor, o assalariado puro que será simples jornaleiro. Para todos a fazenda fornecerá residência mas não
os instrumentos de trabalho. Estes aliás são muito simples, pois
não passam da enxada; na cultura do café, que é planta permanente
e cuja colheita é manual, não se emprega maquinaria.
Outro aspecto da produção cafeeira, muito mais importante na
sua história, como também na evolução da economia brasileira em
geral, são as vicissitudes financeiras que sofreu no período que
segue à República. Se a larga expansão da produção trouxe para o
país riqueza e progresso, não lhe faltou, e muito cedo, a contrapartida da superprodução que acompanhará a vida da economia cafeeira do Brasil desde poucos anos depois do início do seu grande
ciclo de crescimento até os dias de hoje; e isto com toda ordem de

repercussões profundas na evolução geral da economia brasileira.
Já assinalei que em 1896 se observarão os primeiros sinais de desequilíbrio. Era o resultado das grandes plantações efetuadas nos
primeiros anos da República, e que começavam agora a produzir
(lembremos novamente que o cafeeiro é uma planta cuja produção se
inicia aos quatro ou cinco anos de idade). Verificam-se então os
sintomas clássicos de superprodução: declínio de preços, formação
de estoques invendáveis.
Nos primeiros anos da queda de preços a situação ainda se dissimulará em parte com a desvalorização da moeda brasileira; em papel, o preço do café não oscilará muito. É com a estabilização da
moeda, depois da restauração financeira de 1898, que se sentirá
todo o efeito da depreciação. Esta será até 1905, em ouro, de mais
de 50%. E, paralelamente, acumular-se-ão estoques cada vez maiores
de mercadoria invendável. Eles serão, em 1905, de 11 milhões de
sacas de 60 kg que representavam 70% do consumo mundial de um ano.72
O maior responsável da crise era sem dúvida o aumento das culturas. No período de 1890 a 1900 as plantações de São Paulo tinham
duplicado (220 e 520 milhões de cafeeiros respectivamente). Procura-se remediar o mal restringindo as culturas, e estabelecer-se-á
em São Paulo (1902) um imposto sobre novas plantações. Aliás, a
própria queda de preços e dificuldades de venda tinham, já por si,
reduzido muito o ritmo de crescimento. No decênio seguinte ao citado (1901-10), os cafeeiros paulistas aumentarão apenas de 150
milhões. Aliás, o mesmo fato observar-se-á nos demais países concorrentes do Brasil, onde se verifica mesmo um decréscimo da produção. Mas tudo isto não impedirá um desequilíbrio crônico entre a
produção e o consumo mundiais. Alcançara-se nitidamente um teto de
produção cafeeira pela saturação dos mercados consumidores.
É certo que a produção será sempre muito variável, com grandes
oscilações que provêm da sucessão de anos ou períodos de condições
climáticas mais ou menos favoráveis. Influirá também nas oscilações o trato mais ou menos conveniente dado às plantações, e que
variou igualmente segundo a situação financeira dos produtores e
as perspectivas do mercado. Compensar-se-iam assim, em regra, os
excessos de um momento com as faltas de outro seguinte. Tomando-se
em conjunto períodos mais ou menos dilatados, a produção marchará
sensivelmente de par com a exportação. Só mais recentemente, depois de 1925, verificar-se-ão excessos permanentes que obrigarão à
destruição de grandes quantidades do produto. Mas aquele equilíbrio a longo prazo não impedirá superproduções momentâneas que às
vezes se prolongam por vários anos consecutivos. Daí crises sucessivas que se tornarão quase permanentes e que encherão a história
do café até os dias que correm.
A especulação comercial jogará largamente com a situação. E
este fator será de grande importância não somente no setor particular da produção e do comércio cafeeiro, mas em geral na vida econômica e financeira do Brasil. Dependendo como ela dependia do
seu principal produto, sofrerá todas as contingências pelas quais

A média do consumo mundial de um ano, no qüinqüênio 1901-1905, foi de 17 milhões.

72

ele passará. Já assinalei como a especulação comercial começa a
intervir nos negócios do café depois de 1896. E a partir daí, seus
manejos condicionarão em grande parte a evolução da economia cafeeira. As grandes colheitas serão aproveitadas para a formação de
reservas que pesarão sobre os preços, e que se escoarão mais tarde, nos anos de produção menor, em condições vantajosas. Os fazendeiros, obrigados a ceder desde logo seu produto para atenderem
aos encargos da produção, perdiam a diferença para os intermediários que em última instância não eram senão grandes casas financeiras e bancos internacionais que operavam na sombra. Aquela manobra se verificava mesmo dentro do período de um único ano agrícola. A colheita do café se faz no Brasil num período relativamente curto de quatro meses (maio a agosto), quando então a produção
aflui para os portos exportadores forçando a baixa dos preços. Segue-se depois um período de carência do produto, e então os preços
sobem. Os intermediários do comércio serão compradores na primeira
fase, vendedores na segunda. Abarcaram assim, em detrimento dos
produtores, a maior parte dos lucros do negócio.
É a necessidade de se defenderem contra tal estado de coisas
que levará os produtores a pleitearem medidas destinadas a sustentarem e estabilizarem os cursos do café. Elas se verificarão
pela primeira vez em 1906, quando efetivamente se chegara a uma
situação muito grave. Os preços, em declínio desde muito, chegam
agora, com a valorização da moeda, a um nível nitidamente abaixo
do custo de produção. Os prejuízos da lavoura eram consideráveis.
Entretanto a posição mundial do comércio cafeeiro não era desfavorável. Nos anos anteriores a produção se mantivera abaixo do
consumo; graças a um forte aumento deste, compensara-se o alargamento da produção e haverá no período de 1901-5 um deficit de quase 5.000.000 de sacas. Podia-se esperar com confiança que os estoques acumulados seriam rapidamente absorvidos. E é de notar que
apesar do declínio dos cursos, os preços pagos pelo consumidor se
mantinham inalteráveis. A crise era pois somente do produtor.
São estas circunstâncias que determinam a primeira intervenção
oficial no mercado cafeeiro. Tudo se teria resolvido com um sistema de crédito que amparasse os produtores e não os deixasse na
contingência de venderem precipitadamente a sua produção. Não será
esta a solução escolhida. Optar-se-á por um expediente oportunista
que consistirá em intervir no mercado com compras maciças para
forçar a alta. É difícil averiguar hoje até onde teriam as manobras de interesses ocultos contribuído para uma solução tão precária e de caráter especulativo. Os grandes proveitos que dela tirarão grupos financeiros que nada tinham de comum com os produtores,
autorizam-nos contudo suposições verossímeis. Os produtores propriamente serão beneficiados, não há dúvida, embora momentaneamente apenas; mas a parcela maior dos proveitos não irá para eles.
Mas seja como for, o plano proposto encontrou a melhor acolhida em muitos e importantes setores do país, e em favor dele se
desencadeará uma larga campanha pela imprensa e no Congresso Nacional. A oposição não será menos forte, tanto no país como fora
dele. O próprio governo federal hesitará muito antes de aceitá-lo,
e o encargo de sua realização recairá sobre os principais Estados
produtores (São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais). E é São

Paulo, o maior interessado e o único que contava com recursos financeiros suficientes, que assumirá efetivamente a incumbência.
Compreende-se a oposição quando se considera o vulto dos interesses atingidos pela intervenção oficial que vinha perturbar o
livre jogo da especulação. Mas os partidários da valorização, com
o apoio de uma classe forte como a dos fazendeiros que embora iludidos, viam nela a solução única da grave crise em que se debatiam, acabarão vencendo inteiramente a partida. Conseguem mesmo, em
1903, levar para o governo federal um aliado declarado e decidido,
o Presidente Afonso Pena. A política de valorização terá então sua
consagração.
A primeira dificuldade foi obter os recursos necessários. Não
se podia contar unicamente, para operação de tamanho vulto, com as
débeis finanças nacionais; e o apelo ao crédito estrangeiro esbarrou com a recusa dos banqueiros e agentes financeiros do Brasil no
Exterior (a casa Rotchschild e seu grupo em particular). Direta ou
indiretamente, eles estavam por demais ligados aos interesses estabelecidos para aceitarem qualquer modificação no funcionamento
em vigor do negócio cafeeiro. Entram então em cena outros grupos
financeiros que se aproveitarão da oportunidade (se é que não foram eles mesmos que a prepararam...) para escamotearem em seu favor o controle do comércio do café. Será a princípio, uma grande
firma exportadora alemã Theodor Wille & Cia. Era chegada a vez do
imperialismo alemão que até esta data não participara senão modestamente das transações brasileiras. Atrás de Theodor Wille alinham-se os principais grupos financeiros daquele país: o Disconto
Geselkchaft e o Dresdner Bank. Com eles se ligarão banqueiros ingleses e franceses que formavam oposição, em seus países, aos grupos que tinham em mãos os interesses brasileiros. São eles J. Henry Shröder & Co., de Londres, e Societé Générale, de Paris. A esta
coligação virá juntar-se também o National City Bank of New York.
Ela fornecerá a São Paulo os recursos necessários para levar adiante o plano da valorização, abrindo créditos na importância de
4.000.000 de libras.
Diante disto, Rothschild, vendo inutilizada sua anterior recusa, e não querendo ficar de fora e comprometer suas posições,
apressa-se em fornecer o seu concurso, e consegue impô-lo. São
Paulo receberá por seu intermédio mais 3.000.000 de libras. Mas
nem todos os adversários da valorização cedem tão facilmente. O
Banco de França, representando os interesses financeiros e comerciais já estabelecidos no negócio cafeeiro, declarará recusar-se a
aceitar warrants de café calculados numa base superior a 40 francos a saca (o preço atingido pelo café oscilava então em torno de
50 francos); esperava com isto neutralizar os manejos da valorização. Ao mesmo tempo, as firmas importadoras do Havre, o grande
centro francês do comércio cafeeiro, desencadeiam forte campanha
de descrédito contra os empréstimos que estavam sendo lançados pelo Brasil na Europa.
A batalha será contudo ganha pelos altistas. Para consolidar
os empréstimos anteriores e levar a cabo a operação, serão obtidos
mais 15 milhões; e continuar-se-á a intervir no mercado até 1910
quando, cessada a tensão e firmados os preços, se interrompem afinal as compras. No período de 1906 a 1910 tinham sido retirados do

mercado livre cerca de 8.500.000 sacas.
Os interesses financeiros envolvidos na operação venciam assim
a partida. E serão eles, muito mais que os produtores em cujo nome
se agira, que colherão seus melhores frutos. A mercadoria adquirida na fase das operações anteriores será agora revendida com larga
margem de lucros; e os estoques oficiais retirados do mercado ficarão nas suas mãos para com eles manobrarem. Para geri-los e proceder à sua liquidação, constituir-se-á um organismo especial, a
Comissão do Café do Estado de São Paulo, em que os banqueiros terão quase unanimidade (cinco membros contra um de nomeação do governo paulista). Ficam assim efetivamente e por muito tempo com o
controle completo do mercado cafeeiro. A importância deste controle se poderá avaliar pelos protestos que levanta nos meios que ficaram fora do negócio, nos grupos financeiros concorrentes que viam escapar-lhes as oportunidades agora reservadas aos felizes agentes do Plano de valorização. A questão repercutirá até nos parlamentos alemão e francês, onde se proporão medidas drásticas para
forçar a Comissão do Café a entregar seus estoques. O pretexto será o interesse dos consumidores (pretexto inteiramente infundado,
porque o preço pago pelo consumidor nunca se modificara, nem na
baixa anterior nem na alta subseqüente), e os partidos socialistas
em particular, arrastados pela demagogia, tomarão o assunto a peito sem suspeitarem que estavam servindo de meros instrumentos de
despeitados interesses financeiros. Nos Estados Unidos a questão
tomará outra feição, e sob alegação de que a retenção de estoques
infringia a lei Sherman contra os trustes, obrigou-se judicialmente a Comissão a liquidar a mercadoria depositada naquele país. Nos
demais, ela continuará com o controle do mercado até a I Grande
Guerra, quando se terão esgotado as reservas remanescentes, com
exceção da parte conservada na Alemanha que será confiscada pelo
governo desse país quando o Brasil lhe declara guerra73.
Enquanto os agentes financeiros da valorização usufruíram assim largamente a operação, os produtores, embora obtivessem durante alguns anos melhores e mais estáveis preços, arcarão depois
com todo o ônus dela. São eles que assumem a responsabilidade das
grandes dívidas contraídas para executá-la. Para isto se estabelecerá um novo imposto de 5 francos-ouro sobre cada saca de café exportada. Com este imposto pagar-se-ão os juros e amortizações da
dívida que até hoje, mais de cinqüenta anos depois, e quando a valorização de 1906-10 já passou inteiramente para o domínio da história, ainda não foi de todo resgatada. Os momentâneos proveitos
da valorização custariam muito caro aos produtores e à economia
brasileira em geral.
É esta em suma a história da primeira valorização, de tão funda importância na evolução econômica do Brasil. Ela se repetirá,
embora em escala muito menor, no curso da guerra 1914-18, quando a
desorganização do comércio internacional e a retração dos mercados
consumidores determinarão nova queda de preços e redução das exportações brasileiras. Desta vez a solução final virá com uma
grande geada que em 1918 devasta os cafezais paulistas, reduzindo

Depois da guerra, o Brasil será indenizado com vários navios mercantes alemães
que tinham sido embargados nos portos brasileiros durante o conflito.

73

a produção de vários anos consecutivos e refazendo assim o equilíbrio.
Terminada a guerra, o café terá, graças ao restabelecimento da
normalidade na Europa e ao grande surto de atividades econômicas
que o acompanham, um novo período de prosperidade. O consumo mundial se alarga, os preços sobem. Ocorrerá apenas uma pequena crise, reflexo das dificuldades financeiras que abalam a Europa em
1921. Mas logo depois restabelece-se o curso ascendente. A produção é estimulada, para o que concorre sobretudo o boom financeiro
de após-guerra, que se refletirá no Brasil com a intensificação
geral de seus negócios, o alargamento do crédito, e depois de
1923, o recurso a grandes emissões de papel-moeda destinadas a fazerem frente ao surto dos negócios e ativação da vida financeira
que se verificara. Tudo isto provocará um grande incremento das
plantações de café. Entre 1918 e 1924 o número de cafeeiros paulistas passará de 828 milhões para 949. E repete-se novamente a
velha história da superprodução.
Mas desta vez (1924) tomar-se-ão medidas muito mais amplas. Em
vez de simples expedientes e operações momentâneas (como fora em
1906), adota-se um largo esquema de valorização permanente. É que
as condições já são outras. A Grande Guerra modificara profundamente as condições do comércio cafeeiro; e ele deixara de ser, como no passado, o terreno agitado em que se digladiavam os interesses financeiros de numerosos grupos concorrentes. Do grande conflito de 1914-18 resultara, neste como nos demais grandes setores
da economia mundial, a formação de novos e muito maiores trustes
financeiros que agora imperam sós, cada qual em seu terreno e sem
concorrentes apreciáveis. É sob os auspícios de um destes grandes
grupos internacionais que se realizará no Brasil a nova operação
de valorização. E sem oposição, ele implantará um novo domínio financeiro muito maior e absoluto que o de seus predecessores de
1906, no campo da economia brasileira do café. Este grupo será o
de Lazara Brothers & Co. Ltd., de Londres.
Criar-se-á em São Paulo um órgão especial, o Instituto do Café, destinado a controlar inteiramente o comércio exportador do
produto, regulando as entregas ao mercado e mantendo o equilíbrio
entre a oferta e a procura. Para isto, o Instituto terá o direito
de reter a produção de café, sem limite de quantidade, conservando-a armazenada e liberando-a apenas na medida das necessidades do
comércio exportador. Assim, ao contrário do plano de 1906 e dos
posteriores, o órgão valorizador não intervém diretamente no mercado comprando e vendendo o produto; apenas regula as entregas,
procurando equilibrá-las com o ritmo da exportação.
Resultava daí a necessidade de financiar os produtores que ficavam com suas colheitas retidas. Através de um banco oficial do
Estado de São Paulo far-se-á o financiamento que será até 50% do
valor da mercadoria retida. O mesmo banco operará também com hipotecas de propriedades agrícolas. O Instituto e todo o plano eram
de iniciativa paulista, e somente se ocupavam com o café e o comércio de São Paulo. Por acordo, os demais Estados produtores adotaram medidas semelhantes e paralelas com relação ao seu produto.
Para todas estas operações, Lazard Bros. adiantavam os recursos
necessários; e criava-se sobre o café um novo imposto de mil-réis-

ouro por saca (isto é, 2 s. 3 d. em moeda inglesa) destinado às
despesas com a execução do plano e serviço das dívidas contraídas.
Todo este esquema, destinado inicial e aparentemente só a regularizar o escoamento da produção brasileira e manter a estabilidade dos preços, não tardará em transformar-se num comer imenso do
café. Com os 60 e tanto por cento que representavam sua contribuição para o consumo mundial, o Brasil poderá lançar-se numa grande
manobra especulativa destinada a forçar a alta dos preços. É o que
se fará, particularmente depois de 1926. Para isto não se terá
mais que reduzir as ofertas na proporção conveniente, o que o aparelhamento do Instituto do Café facultava. Os banqueiros e demais
interesses internacionais que atrás da cortina manobravam o Instituto, recolherão da manobra consideráveis proveitos.
Mas o resultado seria o acúmulo de estoques retidos e que se
avolumavam cada vez mais. Situação que se ia agravando de ano para
ano porque os altos preços estimulavam grandemente a produção. Só
em São Paulo, o número de cafeeiros subirá dos 949 milhões em que
o vimos em 1924, para 1.155.000.000 em 1930. Este aumento se fizera quase todo à custa de largos apelos ao crédito, e a lavoura
achava-se pesadamente endividada. O que ainda agravava o problema
é que se alargava também a produção dos concorrentes do Brasil, da
Colômbia em particular. A sustentação dos preços exigia, por isso,
retenções consideráveis.
Aparentemente a situação da lavoura era próspera: os altos
preços do café prometiam larga margem de lucros. Prometiam apenas,
porque efetivamente não se vendia e exportava senão uma parte da
produção. O resto permanecia retido à espera de oportunidade que
nunca chegará. O pior é que depois de alguns anos de funcionamento
do plano, não havia mais como sair da situação artificial e precária que se criara. É na base de preços altos que se tinham contraído as dívidas da lavoura; era preciso, pois, mantê-los. E isto se
tornará cada vez mais difícil, exigindo retenções que aumentavam
de ano para ano, e portanto novas dívidas para o financiamento de
uma produção que não era vendida.
O desenlace fatal virá com o craque da Bolsa de Nova Iorque em
outubro de 1929. O curso do café não resistirá ao abalo sofrido em
todo mundo financeiro, e declinará bruscamente de 30%. A queda ainda será depois mais acentuada. Ao mesmo tempo estanca-se o crédito externo e suspende-se o financiamento do café retido; processa-se à liquidação dos débitos contraídos. Lazard Bros. ainda lançarão na fogueira mais 20 milhões de libras para tentar a salvação
dos últimos restos do desastre. Mas isto de pouco servirá: os novos preços do café não eram suficientes para fazerem face aos débitos anteriormente contraídos pelos lavradores. A sua ruína era
completa.
O resto da história não será mais que a liquidação da massa
falida deixada pela aventura valorizadora. Mas ela entra num quadro muito mais amplo que é o da crise geral de todo o sistema econômico do Brasil. Ficará pois para o capítulo final em que veremos
em conjunto todos os aspectos desta crise que se processa ainda,
com novas modalidades, sob nossas vistas atuais.

BORRACHA

No mesmo momento em que a lavoura cafeeira alcança o zênite da
sua prosperidade (primeiro decênio do século), uma outra atividade
vem quase emparelhar-se a ela no balanço da produção brasileira: a
extração da borracha. Este gênero é fornecido por uma árvore nativa dos trópicos americanos (México, América Central, bacia amazônica), a seringueira, cujo nome científico é hevea brasiliensis, e
foi imemorialmente utilizada pelos indígenas que a empregavam na
confecção de calçados, mantos, seringas e bolas elásticas que serviam nos seus jogos.
A primeira utilização industrial da borracha é devida a Priestley que, em 1770, observou que servia para apagar traços de lápis. Em 1823, Charles Mackinstosh obtém a dissolução da borracha
em essência de hulha, o que tornou possível sua utilização em vestimentas impermeáveis. Mas é depois da descoberta do processo de
vulcanização (1842) simultaneamente por Goodyear nos Estados Unidos e Hancock na Inglaterra, consistindo numa combinação de borracha com enxofre que lhe dá grande flexibilidade e a torna inalterável a qualquer variação de temperatura, que este material se fez
largamente aproveitável na indústria. Além de outros usos (instrumentos cirúrgicos e de laboratório, etc), foi logo empregada para
revestir os aros das rodas de veículos (cerca de 1850). Esta aplicação, aperfeiçoada em 1890 pela introdução do pneumático, e a
larga difusão do automóvel, tornou modernamente a borracha uma das
principais matérias-primas industriais.
O Brasil, possuidor da maior reserva mundial de seringueiras
nativas, verá assim abrir-se mais uma perspectiva econômica de
vulto. A exportação da borracha vem em contínuo aumento desde
1827, quando se registra um primeiro e modesto embarque de 31 toneladas, e atinge em 1880 cerca de 7.000. A partir de então o
crescimento se acelera. É que a produção contará agora com uma
larga disponibilidade de mão-de-obra que até então representara a
grande dificuldade nesta região escassamente povoada da floresta
amazônica. Em conseqüência da grande seca no interior nordestino
que durou de 1877 a 1880, estabelece-se uma forte corrente migratória daí para o Amazonas. Ela se empregará na extração da borracha cuja exportação se eleva em 1887 para mais de 17.000 toneladas. O crescimento continuará ininterrompido durante mais de vinte
anos, de uma parte estimulado pelo crescente alargamento do consumo mundial e ascensão de preços, e facultado doutra pelo afluxo
constante de trabalhadores nordestinos impelidos pelas contingências naturais desfavoráveis de sua região nativa, ou pelas precárias condições de vida numa terra empobrecida e em decadência. No
decênio 1901-10 a exportação da borracha será em média anual de
34.500 toneladas, num valor de mais de 220.000 contos, ou sejam
13.400.000 libras esterlinas-ouro. O que vem a representar 28% da
exportação total do Brasil.
O setor de maior produção será a princípio a baixa bacia do
rio Amazonas (Estado do Pará). O médio rio (onde estava a província, hoje Estado do Amazonas) conquistará o primeiro lugar em
1887. Mas ambas as regiões dividirão mais ou menos igualmente a

produção até os primeiros anos do século atual, quando entra em
cena uma nova zona produtora: a do alto curso dos tributários amazônicos Purus e Juruá. Esta região achava-se até então desabitada,
a não ser por tribos selvagens de índios; e por aí passavam as
fronteiras indecisas e ainda não fixadas entre o Brasil e a Bolívia. O avanço dos exploradores brasileiros da floresta amazônica
irá chocar-se neste território riquíssimo de seringueiras, com os
vizinhos bolivianos que o ocupavam nominalmente com alguns postos
militares. Surgirá daí um conflito internacional resolvido afinal
sem maiores conseqüências com a cessão, por parte da Bolívia de
uma grande área de quase 200.000 km2 pela qual receberá uma indenização de 2.000.000 de libras esterlinas.74 Formar-se-á aí uma
circunscrição, sob administração direta do governo federal, e que
se denominará Território do Acre.
O Território do Acre começará a contribuir com algum vulto para a produção brasileira de borracha em 1904, quando o volume exportado ultrapassa 2.000 toneladas. Já no ano seguinte alcançará
8.000; e em 1907, com mais de 11.0Ó0, coloca-se em primeiro lugar
entre as regiões produtoras do Brasil. Tanto o Pará como o Amazonas ficarão ligeiramente abaixo destes 11.000; os demais Estados
(Mato Grosso e outros de produção insignificante) contribuirão com
pouco mais de 3.000.
A exploração da borracha far-se-á sempre pelos mais rudimentares processos. Será tipicamente uma indústria de selva tropical,
tanto nos seus aspectos técnicos, como nos econômicos e sociais.
Consistirá apenas em descobrir a seringueira e suas concentrações
na floresta em que se distribui muito irregularmente, e colher a
goma.75 As propriedades, extensões imensas dispostas ao longo dos
cursos dágua (únicas vias de comunicação existentes), são divididas em "estradas", isto é, picadas de 4 a 6 km de comprimento abertas na mata e que conduzem do rio através dos pontos em que se
concentram as seringueiras. O trabalhador construirá sua choupana
na boca da estrada, e cada manhã sairá a percorrê-la e colher a
goma. Permanecerá aí isolado durante várias semanas à espera do
transporte fluvial que lhe traz os gêneros de consumo necessários
e que levará o produto. As poucas folgas, largamente espaçadas,
serão aproveitadas para uma visita ao "centro", núcleo e sede da
propriedade, onde reside o seringalista (dono da exploração), ou
mais comumente apenas o administrador. Ele encontrará aí a única
diversão que oferece o desolamento da selva: a "venda" com bebidas
alcoólicas. Aí dissipará prontamente o magro salário adquirido.
Este pronto desembolso do salário faz parte do sistema de exploração da borracha; é preciso impedir que o trabalhador acumule
reservas e faça economias que o tornem independente. Nesta região
semideserta de escassa mão-de-obra, a estabilidade do trabalho tem
sua maior garantia no endividamento do empregado. As dívidas começam logo ao ser contratado: ele adquire a crédito os instrumentos

O Brasil ainda se obrigará a construir uma estrada de ferro contornando as cachoeiras do rio Mamoré que interrompiam a navegação deste rio e embaraçavam a
saída da Bolívia para o Amazonas. A estrada será construída com enormes sacrifícios, mas não terá nunca importância apreciável, vegetando pobremente até hoje.
75 A borracha provém do látex que se obtém sangrando a árvore.
74

que utilizará, e que embora muito rudimentares (o machado, a faca,
as tigelas onde recolhe a goma), estão acima de suas posses, em
regra nulas. Freqüentemente estará ainda devendo as despesas de
passagem desde sua terra nativa até o seringal. Estas dívidas iniciais nunca se saldarão porque sempre haverá meios de fazer as
despesas do trabalhador ultrapassarem seus magros salários. Gêneros caros (somente o proprietário pode fornecê-los porque os centros urbanos estão longe), a aguardente... E quando isto ainda não
basta, um hábil jogo de contas que a ignorância do seringueiro analfabeto não pode perceber, completará a manobra.
Enquanto deve, o trabalhador não pode abandonar seu patrão
credor; existe entre os proprietários um compromisso sagrado de
não aceitarem a seu serviço empregados com dívidas para com outro
e não saldadas. Aliás, a lei vem sancionar este compromisso porque
responsabiliza o patrão que contrata um trabalhador pelas dívidas
deste76. E quando tudo isto não basta para reter o empregado endividado, existe o recurso da força. Embora à margem da lei, ninguém
contesta ao proprietário o direito de empregá-la.
A um tal regime de trabalho e padrão de vida do trabalhador
corresponde necessariamente um sistema rudimentar de exploração
econômica. Não podia ir além da extração brutal e grosseira do
produto nativo. Já sem falar na cultura da seringueira (que praticamente nunca se fará no Amazonas), nenhuma precaução maior será
tomada para a proteção e conservação das plantas. E as árvores
produtoras, submetidas a um regime de extração intensiva e mal
cuidada, irão sendo rapidamente destruídas. Não havia que preocupar-se: as reservas da floresta amazônica eram abundantes, e outras virão sucessivamente substituindo as esgotadas. Mas elas serão cada vez mais de difícil acesso, mais dispersas. Era evidentemente a ruína que se preparava para curto prazo. Porém os preços
altos da borracha e o trabalho miseravelmente pago disfarçavam a
triste realidade.
Precisamente em 1912 a exportação da borracha brasileira alcança seu máximo com um total de 42.000 toneladas. Daí por diante
é o declínio. Os preços também atingem seu teto em 1910, valendo
então a tonelada quase 10 contos FOB, ou sejam 639 libras. Neste
ano a exportação soma 377.000 contos (24.646.000 libras-ouro), e
representa quase 40% da exportação total do país; contra 385.000
contos, ou pouco mais de 40% representados pelo café. Depois, é a
degringolada. A borracha brasileira, explorada nas condições que
vimos, não resistirá à concorrência do produto oriental que em
poucos anos a substituirá quase inteiramente nos mercados mundiais.
A ameaça já vinha de longa data. Em 1873 e 1876 são levadas do
Amazonas para Londres sementes de hevea, e lá semeadas no jardim
botânico de Kew. Transportadas as plantas daí para Ceilão e Singapura77, elas dariam origem às imensas plantações racionalmente conduzidas e selecionadas do Ceilão e da Malásia, que desbancariam
completamente a produção extrativa da América. Em 1919, numa produção mundial de 423.000 toneladas, o Oriente contribuiria com 382

Código Civil Brasileiro, art. 1.230.
Levaram-se mais tarde algumas mudas diretamente do Tapajós à Índia.

76
77

mil; ao Brasil não caberá mais que a modesta soma de 34.000, valendo apenas 105.000 contos (5.686.000 libras).
Não é difícil compreender esta brusca mutação do cenário econômico internacional da borracha. A concorrência que se estabelecera era entre uma região produtora primitiva como a Amazônia, e
outra que contava com todos os grandes recursos técnicos e financeiros da Inglaterra, seguida logo pela França e Holanda. Além
disto, o Brasil nunca passara de mero produtor da matéria-prima;
todo negócio propriamente da borracha, desde o financiamento e o
comércio até a manipulação e o consumo do produto industrializado,
era-lhe alheio. Estava assim inteiramente à mercê de seus concorrentes que dispunham de todos os setores e alavancas econômicas da
economia da borracha.
O colapso da produção brasileira viria como um cataclismo arrasador. A grande riqueza veiculada pela exploração da borracha
nos seus tempos áureos transformara completamente a Amazônia. Sua
população subira de 337.000 habitantes em 1872, para 476.000 em
1890, e 1.100.000 em 1906. Em plena selva erguera-se uma cidade
moderna, Manaus, capital do Estado do Amazonas que orçava, no momento da crise, por 70.000 habitantes. Belém, capital do Pará e
porto internacional da exportação da borracha, velha mas modesta
cidade colonial, atingira então 170.000 habitantes. E o longínquo
território do Acre, entranhado 5.000 km no continente, e deserto
até os primeiros anos do século atual, reunirá em menos de um decênio para mais de 50.000 habitantes.
Uma vida ativa animara o grande rio, e suas margens tinham pela primeira vez conhecido o deslumbramento da riqueza e da prosperidade. Prosperidade de aventureiros que dissipavam a largas mãos,
em despesas suntuárias, uma fortuna rápida e facilmente adquirida.
Menos que uma sociedade organizada, a Amazônia destes anos de febre da borracha terá o caráter de um acampamento. Enquanto a massa
da população, os trabalhadores dos seringais, dispersos e isolados, se aniquilavam nas asperezas da selva e na dura tarefa de colher a goma, os proprietários dos seringais, os comerciantes e toda esta turbamalta marginal e parasitária de todas as sociedades
deste tipo, se rolavam nos prazeres fáceis das cidades, atirando a
mancheias o ouro que lhes vinha tão abundante da mata. A riqueza
canalizada pela borracha não servirá para nada de sólido e ponderável. O símbolo máximo que ficará desta fortuna fácil e ainda
mais facilmente dissipada é o Teatro Municipal de Manaus, monumento em que à imponência se une o mau gosto, e para onde se atraíam,
a peso de ouro, os mais famosos artistas da Europa que embora incompreendidos neste meio de arrivistas, atestavam a riqueza de um
mundo perdido no âmago da selva tropical americana.
É claro que desfeito o castelo de cartas em que se fundava toda esta prosperidade fictícia e superficial, nada sobraria dela.
Em poucos anos, menos ainda que se levara para constituí-la, a riqueza amazonense se desfará em fumaça. Sobrarão apenas ruínas. Nas
cidades, setores inteiros de casas abandonadas e desfazendo-se aos
poucos; a mata, voltando ao isolamento. A terra se despovoa. Vãose os aventureiros e buscadores de fortuna fácil procurar novas
oportunidades em outro qualquer lugar. Ficará a população miserável de trabalhadores que aí se reunira para servi-los, e que trará

estampado no físico o sofrimento de algumas gerações aniquiladas
pela agrura do meio natural; mais ainda, pelo desconforto de uma
civilização de fachada que roçará apenas de leve as mais altas camadas de uma sociedade de aventureiros...
O drama da borracha brasileira é mais assunto de novela romanesca que de história econômica.

CACAU

Com menos dramaticidade que o da borracha, porque não alcançará nunca suas culminâncias, mas com aspectos muito semelhantes,
desenrola-se outro cenário do Brasil econômico moderno: o do cacau. O cacaueiro também é uma árvore nativa da América tropical; e
seu fruto foi aproveitado, como já notei no capítulo 9, desde o
início da colonização. Cultivou-se mesmo, embora em escala pequena, e do Amazonas se difundiu para outras regiões do Brasil. Em
meados do séc. XVIII começa a ser plantado no sul da Bahia onde
encontrará excelentes condições naturais favoráveis.
A exportação do cacau representa durante o período colonial, a
maior fonte de riqueza do vale amazônico. Em termos absolutos,
contudo, a importância comercial do produto foi então sempre pequena. É no século XIX, com o progresso da indústria e consumo do
chocolate na Europa e nos Estados Unidos, que o cacau se torna gênero de grande expressão econômica.
Mas ao contrário da borracha, as regiões que desde o início
deste surto comercial do cacau tirarão dele maior proveito não serão as do habitat nativo da planta. O cacaueiro se difundira largamente pelo mundo, e muito cedo, desde o séc. XVIII, encontra-se
em boa parte da América, na África (Ilha de São Tomé, Nigéria,
Costa do Ouro, Costa do Marfim, Camerum, Fernando Pó), e na Ásia
(Ceilão). No Brasil, a maior região produtora não será mais o vale
amazônico, que ficará em plano modesto e insignificante, mas o sul
da Bahia. É aí que se localiza o grande centro moderno da produção
brasileira de cacau. Aproveitará para isto as admiráveis disposições naturais do local (clima, solo, acesso fácil), e as terras
virgens de uma região que a colonização deixara até o século passado quase intacta. A produção baiana chegará a contribuir com
mais de 90% da produção total do Brasil.
As culturas da Bahia não terão progresso apreciável até princípios do séc. XIX. A primeira exportação oficialmente registrada
será para a Inglaterra em 1825, consistindo de 26,8 modestas toneladas. Depois disto encontramos um crescimento paulatino e regular que atinge em 1880, 1.668 toneladas. Daí por diante é uma ascensão brusca: 3.502 toneladas em 1890; 6.732 em 1895; 13.131 em
1900. Observe-se a data do início deste surto: 1880. É a mesma para igual acontecimento na exportação da borracha.
Não se trata de simples coincidência; as mesmas circunstâncias
atuam num e noutro caso: o afluxo de emigrantes nordestinos.
Mas diversamente da produção de borracha, o Brasil não estará
só nos mercados internacionais. Muitos serão os concorrentes, e
dentre eles pesam sobretudo as regiões produtoras da África, cujo

desenvolvimento ainda será mais rápido que o do Brasil. Assim a
Ilha de São Tomé, que em 1870 não produz mais que 44 toneladas, e
em 1900 vai além de 20.000. Mas apesar disto, o Brasil manterá o
passo; o aumento do consumo mundial era vertiginoso e dava lugar
para todo mundo. As lavouras da Bahia se estenderão em ritmo acelerado, e a época será de larga e ininterrupta prosperidade.
A Bahia conhecerá então mais uma fase de bem-estar e progresso
depois do longo período de estagnação e decadência que se vinha
estendendo desde princípios do século passado, senão dantes. O ciclo do açúcar que no séc. XVII a elevara a culminâncias -- Salvador, a capital, fora então uma das principais cidades da América --
, encerrara-se por completo no sec. XIX. O cacau proporcionar-lheá, depois de tão larga espera, uma nova perspectiva; e como dantes
se vivera da exportação do açúcar, agora se viverá da do cacau.
Para se avaliar o que significaria este gênero na economia baiana,
basta lembrar que mais de 20% das rendas públicas do Estado provinham, em princípios do século atual, de um imposto sobre a exportação do produto. Direta ou indiretamente, quase toda a riqueza
baiana e a vida dos habitantes repousará nos cacauais. E eles lhe
trarão efetivamente um certo bem-estar e desafogo econômico.
Não tardarão contudo algumas sombras neste quadro animador. Em
princípios do século atual surgem as primeiras dificuldades. Começam-se a sentir os efeitos de uma nova concorrência que estava levando de vencida todos os antigos produtores mundiais: a da Costa
do Ouro. Os ingleses repetiam aí a proeza que simultaneamente estavam realizando no Oriente com a borracha. A cultura do cacau se
iniciara na região africana em larga escala e com imensas inversões de capital. O sucesso foi rápido e notável: em 1895, a Costa
do Ouro contribui para o comércio internacional com apenas 13 toneladas de cacau; dez anos depois alcançará 5.620. E com mais um
decênio de desenvolvimento terá ultrapassado largamente todos seus
concorrentes, com uma exportação de 78.574 t. A Costa do Ouro alcançará pouco depois, e a conservará, uma produção que corresponde
a cerca de 40% do total mundial.
Este surto fulminante da colônia inglesa limitará definitivamente as anteriores perspectivas de todos os demais produtores de
cacau. Do Brasil, inclusive. Não cessará, é verdade, o desenvolvimento de suas culturas, e o país manterá o segundo lugar da produção mundial; mas um segundo lugar muito modesto. A exportação do
Brasil crescerá num ritmo que fica a perder de vista do progresso
realizado contemporaneamente na Costa do Ouro; será de 21.090 t.
em 1905; 44.980 em 1915; 64.526 em 1925; 100.000 em 1935 (contra
260.000 neste mesmo ano na Costa do Ouro). E mesmo este progresso
limitado já não se fará como no passado, mas através de dificuldades e crises muito graves. A oportunidade que num momento pareceu
apresentar-se ao cacau brasileiro de se tornar uma grande riqueza
semelhante à do café ou da borracha, não se concretizará. E se não
conheceu um desastre igual ao sofrido por esta última, também não
ultrapassará uma obscura mediocridade. E a região a que tanto prometera, a Bahia, acompanha-lo-á na sua sorte.

AÇÚCAR
As demais atividades agrárias além das que acabamos de ver,
não representam, no conjunto do período republicano até 1930, senão papel medíocre e de insignificante expressão econômica78. Inclui-se aí também o açúcar; mas ocorrem neste caso circunstâncias
particulares que lhe dão relevo na história econômica do período.
Em primeiro lugar porque a produção do açúcar ainda representa a
principal e quase única atividade econômica de grandes regiões do
país (em particular o litoral do Nordeste e a parte oriental do
Estado do Rio de Janeiro), onde se concentra uma população relativamente muito densa. Além disto, a evolução da produção açucareira
nestes últimos cinqüenta anos caracteriza-se por certos aspectos
peculiares que merecem destaque e lançam muita luz sobre o caráter
fundamental da economia brasileira: economia de exportação. Efetivamente, assistiremos aí ao tremendo esforço de adaptação de uma
atividade produtora, organizada em função da exportação, ao mercado interno cuja capacidade de absorção ela ultrapassa largamente.
Tendo perdido seus mercados externos, a produção do açúcar fica
restrita unicamente ao interno. E daí uma crise profunda e de graves conseqüências. A falta de plasticidade da estrutura econômica
brasileira fará as regiões de monocultura açucareira insistirem
numa atividade que já perdera boa parte do seu sentido, em vez de
diversificarem sua economia e procurarem outras perspectivas. Condenam-se com isto a um nível econômico muito baixo e à estagnação.
Já observamos que em fins do séc. XVIII e princípios do seguinte, depois de um breve instante de prosperidade, a produção
açucareira do Brasil, tão grande no passado, entra num longo período de crise. O açúcar brasileiro é progressivamente excluído
dos mercados mundiais onde o substituem produtos de concorrentes
melhor aparelhados ou mais avantajados por outras circunstâncias
favoráveis. Assim mesmo, em termos absolutos, a exportação do país
crescerá (48.000 t., média anual do decênio 1821-30; 200.000 no
decênio 1881-90), mas insuficientemente para dar às velhas regiões
produtoras uma real prosperidade. É que sobretudo o declínio dos
preços acompanha este aumento do volume exportado, caindo de um
para outro dos períodos assinalados, da média por ton. de 24,5 libras-ouro para 10,8 (preços FOB). Para os solos exaustos e a indústria mal aparelhada das principais regiões produtoras do país,
estes preços não eram compensadores. Elas se debaterão por isso em
crises crônicas e dificuldades permanentes, com boa parte da lavoura num regime de perda de substância.
O aumento do preço dos escravos, conseqüência da extinção do
tráfico e da concorrência da lavoura do café em expansão, contará
por muito nestas dificuldades que a abolição da escravidão ainda
multiplicará. Nesta mesma ocasião, a situação se agrava em conseqüência da política adotada pelos grandes países consumidores de

Durante a guerra 1914-18 desenvolveu-se bastante a produção e exportação de
carnes congeladas e outros produtos animais (em particular os couros). Com este
objetivo montaram-se grandes frigoríficos no Rio Grande do Sul e também em São
Paulo. Mas restabelecida a normalidade do pós-guerra, esta indústria declinou
muito.

78

açúcar da Europa e pelos Estados Unidos, de larga proteção tarifária e outras concedidas à produção das respectivas colônias ou zonas de influência econômica (como por exemplo os Estados Unidos
com relação a Cuba). A participação do Brasil no comércio internacional declina então em termos absolutos e já não apenas relativos, e esta situação se prolongará até a II Guerra Mundial. Tomando-se a média anual da exportação brasileira de açúcar nos decênios a partir de 1890, teremos os seguintes dados:
1891-1900 ...... 133.000 t. 1921-1930 ......81.000 t.
1901-1910 ...... 64.000 " 1931-1940 ......40.000 "
1911-1920 ...... 62.000 "
A quota de exportação do Brasil fixada na Conferência Internacional de Londres (1937), será apenas de 1,6%, o que indica a
ridícula participação brasileira no moderno comércio internacional
de açúcar.
Praticamente o Brasil perdera seu mercado externo. Tinha de
satisfazer-se por isso unicamente com o interno. O que neste sentido e durante certo tempo ajudará as velhas regiões de monocultura açucareira (a do Nordeste, da Bahia, do Rio de Janeiro), permitindo-lhes manter-se em vida, embora vida muito precária, será o
desenvolvimento da cultura cafeeira no Sul, em particular São Paulo, e o grande progresso geral deste setor do país. Dedicando-se
exclusivamente ao café, este setor deixará de ser um concorrente
na produção do açúcar, como ameaçara muito seriamente tornar-se na
primeira metade do século passado. E com o desenvolvimento de sua
população e riqueza, faz-se um consumidor apreciável. Assim as velhas regiões açucareiras compensam-se em parte da perda de seus
mercados exteriores. Parte muito modesta, porque mesmo a prosperidade do Sul e sua relativa capacidade de consumo não contrabalançavam o perdido na exportação para fora do país. Apesar disto, elas se apegarão a este recurso com todas as forças, incapazes como
estavam de se orientarem noutro sentido de maiores perspectivas
que a produção extensiva de um único gênero exportável. O vício
profundo da formação econômica e social brasileira se revela aí
claramente.
A situação tornar-se-á catastrófica quando por efeito das crises sucessivas do café, São Paulo começará a aplicar suas atividades, em escala crescente, na produção do açúcar. Como consumidor
que era, sua vantagem sobre outras regiões produtoras que tinham
de exportar quase toda sua produção, era considerável. A produção
paulista que no ano agrícola (junho a maio) de 1894-95 era de
96.000 sacas de 60 kg apenas, subirá em 1930-31 para mais de um
milhão.79 E o crescimento continua sem interrupção:
1930/31 ........ 1.108:510

1932/33 ........ 1.673.998


Nos anos anteriores a esta última data, a produção paulista será gravemente
afetada pelo alastramento do mosaico, a grande praga da cana. A substituição dos
canaviais paulistas por variedades mais resistentes reerguerá a produção do Estado. As regiões do Norte sofrerão menos com a praga e gozarão assim de um período de relativo desafogo. Com a restauração paulista, a crise do Norte chegará
ao máximo.

79

1931/32 ........ 1.656.824

1933/34 ........ 1.826.668

Nesta progressão, São Paulo ameaçava atingir o limite do seu
consumo (pouco mais de 6 milhões de sacas) e tomar-se autosuficiente. E seria a ruína final das velhas regiões produtoras,
em particular do Norte. Limita-se então a produção (1933). Toda a
economia açucareira ficaria daí por diante encerrada dentro de um
rígido sistema de quotas distribuídas entre as diferentes unidades
produtoras (usinas e engenhos) do país, sob a direção de um órgão
oficial do governo federal, o Instituto do Açúcar e do Álcool, que
se incumbiria de manter os preços em nível adequado. Estes seriam
relativamente altos (com grande sacrifício do consumidor) devido
ao baixo rendimento da maior parte da indústria açucareira do país.
Estabilizava-se assim a economia açucareira, livre daí por diante das oscilações de preços e vicissitudes da concorrência de
produtores dentro do país. Evitava-se o colapso da produção do
Norte. Mas, doutro lado, ela se cristalizava numa situação sem
perspectivas; e com o amparo e estímulo do equilíbrio obtido, consolidava-se nas regiões até então de exclusiva produção açucareira
a permanência de seu medíocre teor de vida.
Acompanhando a crise da produção açucareira, observa-se nela
desde a última parte do séc. XIX, mas sobretudo no atual, uma
crescente concentração da produção que terá profundas conseqüências de ordem econômica e social. Esse fato é aliás comum à indústria açucareira moderna em todos os lugares como conseqüência do
considerável desenvolvimento tecnológico verificado; e as unidades
produtoras tendem com ele a se transformarem dos modestos engenhos
do passado nas gigantescas usinas de hoje, com capacidade para moer milhares de toneladas diárias de cana.
A diferença que se observa a este respeito no Brasil é o relativo atraso em que se processou a transformação. A maior antigüidade da indústria brasileira (donde uma rotina mais profundamente
enraizada), o isolamento em que ficou, enquanto outros países produtores recebiam o auxílio material e técnico de grandes centros
financeiros e industriais (a Inglaterra e os Estados Unidos, sobretudo), são os principais responsáveis por ele. Desde muito a
inferioridade técnica da indústria açucareira do Brasil contava
como um dos grandes fatores da perda de mercados internacionais e
da vitoriosa concorrência de outros produtores. A remodelação dos
velhos engenhos se fazia difícil não só porque na crise em que se
debatiam não lhes sobravam recursos suficientes para isto, como
porque as áreas que ocupavam eram insuficientes para manter uma
unidade fabril do vulto exigido pelas novas necessidades técnicas.
Recorreu-se então aos chamados engenhos centrais, grandes unidades
destinadas a moer a cana de um conjunto de propriedades. Para estimular o estabelecimento de engenhos centrais foram-lhes concedidos pelo governo garantia de juros e auxílios financeiros.80 A finalidade dos engenhos foi inicialmente só industrial; não havia
disposição legal expressa neste sentido, mas estava entendido que

Os engenhos centrais começam a se estabelecer no Brasil depois de 1870. Financiou-os de início o capital inglês.

80

eles não teriam lavouras próprias, devendo adquirir toda a matéria-prima que empregassem.
A maior parte dos engenhos se instalou com todos os aperfeiçoamentos da época. Apesar disto, não foi grande seu sucesso. Atribuiu-se o fato e provavelmente com razão, à irregularidade do
fornecimento da cana. As antiquadas e rotineiras lavouras não mantinham um ritmo de produção compatível com as necessidades do processo industrial. Isto tanto na quantidade como na qualidade da
cana fornecida. Não tardou portanto que os engenhos centrais começassem a suprir as falhas do fornecimento com produção própria. E
depois de 1890 começam a se instalar já com o propósito deliberado
de utilizar matéria-prima de produção interna, embora subsidiariamente lançassem mão também da alheia. Iniciava-se assim o processo
de concentração que liquidaria com o tempo os antigos engenhos.
Estes não podiam, na parte industrial, competir com as usinas,
e começam em proporção crescente a vender-lhes sua cana, ficando
unicamente com a parte agrícola da produção. O controle do negócio
passava assim para os usineiros, que se aproveitarão dele para adquirir progressivamente as terras dos engenhos. Asseguravam assim
a sua autonomia, e livravam-se dos fornecedores com os quais suas
relações não podiam ser boas.
Este processo de absorção das terras dos engenhos e liquidação
destes não será mais rápido porque a situação difícil da indústria
açucareira atingia também as usinas. Os seus recursos eram limitados, e ao contrário do que ocorreu nas Antilhas (Cuba, Porto Rico,
São Domingos, etc), o capital estrangeiro não se interessou muito
pelo negócio. As empresas alienígenas na exploração açucareira do
Brasil sempre foram em pequeno número e de importância relativa,
no conjunto, secundária. Assim mesmo contudo formaram-se unidades
de bastante vulto; e embora lentamente, o desaparecimento dos antigos engenhos seguiu sua marcha até a absorção total de toda a
produção de açúcar pelas usinas. As antigas propriedades não conservam mais de "engenho" senão o nome, pois não passam de fornecedores de cana para as usinas.
A par desta progressiva absorção realizada pela usina, e a
conseqüente concentração da riqueza que ela provoca -- fato este da
maior importância social -- desenrola-se o drama das relações entre
ela e seus fornecedores de cana. É uma luta permanente. Não é somente uma questão de maior ou menor preço da cana que está em jogo, mas a própria subsistência, como vimos, do fornecedor. Este é
ameaçado cada vez mais pelo crescimento progressivo das lavouras
próprias das usinas que vão assim, paralelamente, reduzindo suas
aquisições de matéria-prima.
Mas os fornecedores constituem no Norte uma classe numerosa e
ainda politicamente forte. São sucessores e descendentes dos antigos "senhores de engenho", cujo grande prestígio passado ainda se
projeta em nossos dias. Eles fazem frente aos usineiros, e obtêm
leis que fixam obrigatoriamente as quotas de matéria--prima a serem adquiridas por aqueles (1934). Contudo as usinas, mais folgadas com a limitação e contingenciamento da produção (estabelecidas
como vimos em 1933), continuam no seu processo de absorver as propriedades canavieiras. A lei fixara o montante da contribuição de
cada fornecedor; mas nada impedia que as usinas adquirissem a pro-

priedade do fornecedor, e com ela o seu direito ao fornecimento. E
é o que efetivamente se verificará, reduzindo-se cada vez mais, no
conjunto, a parte da cana que as usinas adquirem no exterior dos
seus domínios. Em Pernambuco, o maior produtor do país e onde o
problema é mais agudo, a contribuição percentual dos fornecedores
na produção das usinas desce, entre 1929/30 e 1944/45, de 75% para
46%.
O desaparecimento dos engenhos, mesmo como simples fornecedores autônomos parece hoje apenas uma questão de tempo. Militam a
favor das usinas os grandes recursos financeiros de que dispõem,
os preços de custo da cana mais baixos que são capazes de alcançar,81 os inconvenientes de relações pouco amenas entre usineiros e
fornecedores que lei alguma poderá jamais corrigir e que conspiram
permanentemente contra a subsistência, lado a lado, de categorias
tão diferenciadas pelo interesses respectivos. Dentro da ordem atual, o que não for usina, tanto na fabricação do açúcar como na
cultura da cana, não será afinal mais que uma reminiscência do
passado, ou então resíduo anacrônico perpetuado pela inércia.
PEQUENA PROPRIEDADE82

Um dos mais importantes fatos da moderna fase da economia agrária brasileira é o processo de retalhamento da propriedade fundiária rural e o aparecimento, em escala crescente, da pequena
propriedade, quase ausente no passado. Nos primeiros séculos da
colonização, não havia lugar senão excepcionalmente para esse tipo
de propriedade numa economia como a nossa, voltada exclusivamente
para a exploração em larga escala de produtos de alto valor comercial como o açúcar, o algodão, o café, a borracha, o cacau; e assente no trabalho de escravos ou semi-escravos que formavam a massa camponesa do país. As condições econômicas fundamentais do país
e a estrutura social que sobre elas se constituíra, tornavam evidentemente inviável uma organização agrária democrática e de larga
repartição da propriedade fundiária. E assim a pequena propriedade, quando aparece, é apenas excepcional e ocasionalmente. O assunto já foi aliás abordado em capítulo anterior, e aí se mostrou
que a pequena propriedade não representou no passado, como não podia representar, um elemento ponderável no conjunto da economia
brasileira. É somente no séc. XIX, e mercê de circunstâncias novas
e específicas dessa fase moderna de nossa evolução, que ela começa
a tomar vulto.

É de observar contudo, que com relação a Pernambuco pelo menos (é somente desta região que possuímos observações pormenorizadas no assunto), a cana fornecida
não é de custo mais elevado que a produzida nas usinas. Mas a racionalização da
cultura, que somente a usina com sua grande área e amplos recursos é capaz de
realizar, acabará rompendo o equilíbrio em favor dela. O fornecedor então desaparecerá fatalmente.
82 A expressão "pequena propriedade" é aqui empregada unicamente para contrastar,
com a grande propriedade e tradicional fazenda, a exploração rural em reduzida
escala em que o proprietário intervém pessoal e diretamente nas atividades produtivas, secundado quando muito por um reduzido número de auxiliares.
81

O crescimento e conseqüente adensamento da população, a partilha por sucessão hereditária, a desagregação do regime servil, as
crises atravessadas pelo sistema da grande exploração e sua ruína
em diferentes regiões do país, figuram entre as circunstâncias
principais que favorecem a eclosão de uma nova economia de caráter
camponês e fundada na pequena propriedade. Mas o fator imediato e
mais importante que inicialmente condicionará o estabelecimento e
progresso desse novo tipo de organização agrária, será a grande
imigração européia do século passado, reforçada no atual pela asiática (japoneses). A ambição pela posse da terra forma nesses imigrantes um impulso muito poderoso, e constitui ela com certeza um
dos mais fortes senão o mais forte estímulo que os leva a abandonarem sua pátria onde tal oportunidade lhes é negada. E mesmo
quando não conseguem alcançar desde logo esse objetivo, como efetivamente se deu no Brasil na maior parte dos casos, representa
contudo um ideal sempre presente que influi fortemente na evolução
dos acontecimentos.
É importante assinalar esta circunstância, porque em contraste
ela não ocorre, pelo menos de forma tão definida e intensa, na
grande parte da massa de trabalhadores brasileiros que precedem a
imigração européia. Já sem falar nos escravos, para quem naturalmente a propriedade está fora de cogitações, mas também dos libertos, ainda muito próximos do regime servil e de suas origens semibárbaras para imaginarem a possibilidade de superarem os grandes
obstáculos opostos a seu acesso à propriedade da terra. E assim,
enquanto a massa dos trabalhadores brasileiros entre os quais se
recrutariam os pequenos proprietários for constituída por estes
elementos, incapazes ou mal preparados para se livrarem das contingências econômicas e sociais que os mantém no seu estado dependente e subordinado, a pequena propriedade não encontraria ambiente propício. Tanto as condições objetivas como as subjetivas conspiravam contra ela. Será, no correr do séc. XIX, o grande afluxo
de trabalhadores europeus que romperá inicialmente os primitivos
quadros econômicos e sociais do país e condicionará seu desenvolvimento.
Ele será facilitado pelas próprias condições em que muitas vezes, sobretudo no começo, se realizará tal afluxo. A pequena propriedade encontrará seu primeiro meio propício nas colônias agrícolas, descritas em capítulo anterior, e que começam a ser estabelecidas no Brasil desde a transferência da corte portuguesa em
1808. Durante todo o correr do século passado, e ainda no atual,
multiplicar-se-ão, embora com intensidade variável, estes núcleos
de pequenas propriedades que se difundem largamente no extremo-sul
do país: Rio Grande, Santa Catarina, Paraná.
Nas demais regiões imigratórias, contudo, São Paulo em particular, a pequena propriedade sofrerá a concorrência da grande lavoura cafeeira que absorverá a maior parte dos imigrantes. Nos
primeiros tempos da imigração, quando ela era ainda débil e convinha estimulá-la, ainda se proporcionarão aos imigrantes, ou a uma
parte deles, algumas facilidades para a aquisição de propriedades;
mas este expediente abandonar-se-á depois de 1886, quando por efeito da propaganda e das subvenções, a imigração se intensifica e
torna dispensável o apelo a outros estímulos. Somente se voltará à

política de colonização nos primeiros anos do século atual, quando
os países de emigração para o Brasil (a Itália em particular) começam a adotar medidas restritivas, e de fato a corrente imigratória declina.
Em conjunto, a colonização, seja oficial, seja de iniciativa
particular, não trará em São Paulo contribuição apreciável para o
desenvolvimento da pequena propriedade. A sua difusão verificarse-á aí muito mais em função das vicissitudes da lavoura cafeeira
e do progresso econômico e demográfico do Estado. No seu deslocamento constante, a lavoura cafeeira irá deixando para trás terras
cansadas e já imprestáveis para as grandes lavouras; estas terras
depreciadas serão muitas vezes aproveitadas pelas categorias mais
modestas da população rural que nelas se instalam com pequenas
propriedades. As sobras da grande riqueza acumulada pela produção
cafeeira chegarão até as mãos daquelas camadas sociais que conseguem assim livrar-se do trabalho dependente das fazendas e se estabelecerem por conta própria. Aproveitarão também certas regiões
cujas condições naturais não se prestavam para a cultura do café.
O afastamento da concorrência dessa cultura tem um papel muito importante na distribuição da pequena propriedade em São Paulo. Verifica-se efetivamente que as suas principais áreas de difusão localizam-se em zonas onde a grande lavoura não se desenvolveu ou
decaiu. Aliás o grande progresso da pequena propriedade nos Estados meridionais do Brasil deve-se sobretudo ao fato de ela não ter
sofrido lá a concorrência de nenhuma grande lavoura tropical.
O que muito estimulou a pequena propriedade foi a formação de
grandes aglomerações urbanas e industriais. A produção de gêneros
para o seu abastecimento (verduras, frutas, flores, aves e ovos)
não era compatível com os padrões clássicos da grande propriedade
extensiva e monocultural. A agricultura especializada, trabalhosa
e de pequena margem de lucros que caracteriza a produção daqueles
gêneros, não era possível em larga escala, nem atraente para o
grande proprietário brasileiro. Favorece assim o estabelecimento e
progresso de lavradores mais modestos.
Mas são as crises sucessivas do café que trarão em São Paulo a
maior contribuição para o processo de desintegração do grande domínio agrário e sua substituição pela pequena propriedade. O retalhamento das fazendas e sua venda em lotes de custo acessível aos
trabalhadores rurais representará muitas vezes a única solução para as dificuldades financeiras dos seus proprietários. Nas épocas
de crise aguda (como sobretudo depois de 1930) o progresso da pequena propriedade será particularmente ativo. Doutro lado, o atrativo oferecido pelo negócio que representaria o loteamento e revenda de pequenas propriedades, isto aliado ao declínio da rentabilidade da grande lavoura extensiva do café -- o que diminui a
concorrência que dantes essa lavoura fazia nas terras por ocupar --
favorece e estimula a difusão da pequena propriedade no extremo
oeste de São Paulo e seu prolongamento pelas regiões aí limítrofes
do Paraná.
Estimulada por todos estes fatores, a pequena propriedade irá
em São Paulo num contínuo progresso. Lutará ainda, é certo, com
grandes obstáculos nesta economia e organização social e política
estruturada ainda sobre o grande domínio agrário, decadente não há

dúvida, mas ainda dominante. Haverá momentos em que aquele progresso é praticamente sustado quando, embora esporadicamente, reformam-se conjunturas favoráveis à grande lavoura. É o que se verificou, no correr do decênio de 30, com relação à cultura algodoeira; mais recentemente observa-se coisa semelhante com a pecuária; e depois de 1960, com a cana-de-açúcar, que em conseqüência
do fechamento do mercado norte-americano à produção cubana, oferece novas e inesperadas oportunidades. Abrem-se nesses casos boas
perspectivas à produção dos grandes domínios; declina em conseqüência o processo de sua desintegração, e em muitos casos mesmo,
ele se inverte, recompondo-se novos latifúndios à custa de propriedades mais modestas que são neles reabsorvidos. A concentração
fundiária provocada pela conjuntura favorável do açúcar depois de
1960, foi em São Paulo considerável, e abrangeu mesmo, na zona
central do Estado (a chamada Paulista) numerosas velhas fazendas
de café que se agrupam em imensos latifúndios canavieiros de dezenas de milhares de hectares, o que era inédito em São Paulo.
Mas no conjunto, e tomando-se grandes períodos, a divisão da
terra em São Paulo foi progredindo. Nos Estados meridionais o desenvolvimento da pequena propriedade foi ainda mais intenso. Já
não se contará para isto, como no passado, com grandes correntes
imigratórias que desde a segunda metade do século XIX, se dirigem
sobretudo para São Paulo. Mas fará suas vezes o considerável crescimento vegetativo das primeiras colônias que fornecerá agora, em
substituição do estrangeiro, os contingentes demográficos necessários para ir estendendo cada vez mais o domínio da pequena propriedade. Nas regiões para onde se dirigem os novos colonos (o Oeste,
em direção dos rios Paraná e Uruguai) ela não encontrará, como se
deu em São Paulo, a concorrência de grandes lavouras absorventes e
monopolizadoras da terra. E assim, embora num movimento lento mas
regular e sem obstáculo sério, vai alargando sua área.83 No resto
do Brasil, para o norte de São Paulo, o processo de retalhamento
da propriedade fundiária rural não contará apreciavelmente com o
estímulo trazido pela imigração européia que não se afeiçoou ao
clima mais acentuadamente tropical desse setor do país.84
Aí, contudo, salvo em áreas no conjunto relativamente reduzidas, não se verificou a concorrência avassaladora da grande lavoura comercial, ou então ela não perdurou. Tornou-se possível assim
o estabelecimento e desenvolvimento, em diferentes pontos, de uma
estrutura agrária na base da pequena propriedade, resultante seja
da simples ocupação da terra por povoadores modestos -- é o caso
dos posseiros, ocupantes sem título, de terras ainda desocupadas
em áreas pioneiras, ou então abandonadas -- seja da partilha por
sucessão hereditária de propriedades sem condições de exploração
comercial de conjunto, e que por isso se foram desmembrando. Observa-se isso em algumas partes de Minas Gerais, nas velhas regi
Interessante notar que essa expansão se fará mesmo além dos limites do país,
para a margem direita do rio Uruguai, na Província argentina de Misiones. Parte
apreciável da colonização aí realizada, constituída sobretudo de colonizadores
de origem alemã, e que continua em progresso, tem seu impulso naquela expansão
demográfica a partir das regiões coloniais do Rio Grande do Sul.
84 Com exceção do Espírito Santo, onde se verificou um afluxo imigratório relativamente avultado.
83

ões canavieiras da Bahia, em grandes setores do Nordeste, e igualmente nos Estados do Norte, Maranhão em particular. Nessas partes
do país, e com exceção de seus setores pastoris (onde a grande
propriedade, e mesmo o imenso latifúndio conservam um domínio pleno), o retalhamento da propriedade rural se processou e processa
intensamente, dando mesmo, freqüentemente, no caso extremo do minifúndio, isto é, a propriedade que por sua área excessivamente
reduzida, se torna incapaz de prover razoavelmente à manutenção do
proprietário e sua família.
Assim, de um modo geral e em diferentes setores do país, a
fragmentação da propriedade fundiária rural se vai operando. E esse desenvolvimento da pequena propriedade já começa em nossos dias
a fazer sentir seus efeitos econômicos (além dos sociais e mesmo
políticos sobre que não me posso estender aqui).
Como antítese que é da grande, seu progresso, difícil, lento,
mas seguro, representa um golpe profundo desferido na estrutura
tradicional do Brasil. É toda uma nova organização que está germinando na base desse progresso. Organização esta capaz de assegurar
à massa de trabalhadores rurais -- uma vez devidamente encaminhada
e amparada -- uma perspectiva nova que o trabalho subordinado nos
grandes domínios não oferece nem pode oferecer nas atuais relações
de trabalho do sistema econômico vigente no país.
Ao mesmo tempo, esse tipo de estrutura agrária se mostra habilitado para atender a finalidades em frente às quais o grande domínio comercial se tem mostrado incapaz, e assim é efetivamente. A
saber, a produção da maior parte dos gêneros necessários à subsistência alimentar da população. Nesse terreno, a pequena propriedade já representa na economia brasileira um grande papel. A maior
parte dos gêneros de subsistência consumidos no país (em particular nos centros urbanos) produz-se nela. Enquanto a grande propriedade continuou e continua, indefinidamente, a se dedicar às grandes e extensivas culturas tropicais de que não pode senão excepcionalmente se livrar, a pequena tomou a seu cargo a mais substancial parte do abastecimento alimentar da população brasileira.85 E
se este abastecimento ainda é mais que insuficiente, abrindo portanto perspectivas indefinidas à produção (sobretudo neste novo
Brasil que vai surgindo, em que o problema alimentar deixará de
ser, como até hoje, uma preocupação secundária e sacrificada em
benefício da exportação), as culturas tropicais, sem exceção, alcançaram um limite que tudo indica elas não podem ultrapassar.
Pode-se considerar assim que a pequena propriedade está preenchendo uma função que no passado, sobretudo nos períodos de apogeu
da grande lavoura, cabia à importação. Era do estrangeiro que nos
vinha a maior parte dos gêneros de abastecimento de que o país necessitava. Isto já foi em parte superado. Voltar agora a tal sistema só seria possível com o retorno das exportações maciças e
crescentes que já conhecemos, o que nada faz prever. Além disto,
as exigências do país se alargaram de tal forma, com tendência a

Quando não é a pequena propriedade propriamente, é seu substituto: a pequena
exploração realizada pelo próprio trabalhador dos grandes domínios. Esta divisão
de funções na grande lavoura é quase a regra no Brasil, e vem de um longo passado, como já se assinalou repetidamente em capítulos anteriores.

85

se alargarem cada vez mais, que não será possível satisfazê-las
unicamente com importações, por mais volumosas que elas sejam. Aliás outros fatores contam nesta matéria, como a facilidade e
presteza do abastecimento, incompatíveis com a importação num país
da posição e das condições geográficas do Brasil. E isto ainda sem
computar os aspectos sociais e mesmo políticos da questão.
Ao mesmo tempo contudo em que o retalhamento fundiário rural e
o estabelecimento da pequena propriedade se apresentam com essas
perspectivas que assinalamos, um processo tão profundo de transformação de nosso tradicional sistema agrário não podia deixar de
propor novos e graves problemas. Já sem contar a resistência que
contra ele oferecem as forças conservadoras do país, tanto de ordem econômica, como política e social, tais problemas derivam ainda das circunstâncias em que se realiza aquela transformação. Vimos que é mais freqüentemente em regiões depauperadas que se verifica o retalhamento da propriedade; regiões de solos inferiores,
desprezados pela grande lavoura, ou por onde ela já passou com
seus processos de cultura extensiva e tremendamente dilapidadores;
e de novo aproveitamento difícil. Além disso, quem vai arcar com a
tarefa de instalar e conduzir essa economia de novo tipo é sobretudo uma população que salvo nas zonas de imigração estrangeira,
se constitui em boa parte de indivíduos recém-egressos do estado
servil ou semi-servil; e o que é mais grave, sem tradição camponesa no sentido próprio, sem preparo suficiente para desincumbir-se
satisfatoriamente daquela tarefa; principalmente sem recursos financeiros capazes de fazerem face às exigências de uma atividade
agrícola regular e com alguma perspectiva. É assim desamparada de
qualquer apoio eficaz que a nossa nova economia camponesa, em sua
maior parte, tem de se estruturar e viver. Faltar-lhe-á em geral,
por completo, até mesmo um aparelhamento comercial conveniente e
capaz de atender às suas necessidades, o que a torna presa da mais
desregrada especulação e exploração. Toda a estrutura do país, toda sua organização sê constitui no passado e ainda se orienta sobretudo no sentido de satisfazer às exigências da grande lavoura
monocultural de tipo colonial, na base de que se formou e evoluiu
a economia brasileira. Nas regiões onde esse tipo de economia ainda predomina, como em São Paulo, o sistema funciona, embora com
toda sorte de tropeços e embaraços. Mas onde ela desapareceu, ou
quase, nenhuma organização regular veio substituir aquele sistema.
A economia camponesa que se estabeleceu nos claros da rígida estrutura tradicional brasileira ficou ao desamparo, condenada quase
sempre a marcar passo e vegetar em seu natural primitivismo.
É este, sem dúvida, o aspecto fundamental da questão agrária
brasileira. E forma assim um dos elementos, e certamente dos essenciais, do grande problema econômico, social e político que o
Brasil de hoje enfrenta, e que a crise geral do nosso sistema já
tornou agudo. Trata-se, de uma parte, não somente suprimir as resistências que ainda se opõem, e que são poderosas, contra o processo de retalhamento da propriedade fundiária rural, mas ainda
incentivá-lo e o forçar através de medidas de ordem política e jurídica, inclusive a modificação do direito de propriedade que ainda domina em nosso sistema jurídico, e sem o que muito pouco será
conseguido. Trata-se ainda, e sobretudo, de apoiar decididamente

com medidas de amparo efetivo, técnico e financeiro, ao nosso campesinato em formação. É somente assim que se assegurará o seu pleno desenvolvimento, e o encaminhamento da reestruturação de nossa
economia agrária em novas bases, superando-se com isso, definitivamente, o estágio ultrapassado no plano atual de nossa evolução,
e já anacrônico, da grande propriedade de tipo colonial.

24
A Industrialização

ENTRE A primitiva indústria artesanal da colônia e a moderna
maquinofatura, interpõe-se na evolução econômica do Brasil um
grande hiato. Aquela decaiu e praticamente se anulou antes que a
outra surgisse. Assinalei em capítulo anterior que a abertura dos
portos ao livre comércio exterior em 1808, aniquilou a rudimentar
indústria artesanal que existia na colônia. Não somente se abriram
os portos, mas permitiu-se que as mercadorias estrangeiras viessem
concorrer no mercado brasileiro em igualdade de condições com a
produção interna, graças a tarifas alfandegárias muito baixas (15%
ad valorem) que se mantiveram até 1844. As débeis manufaturas brasileiras, já tão embaraçadas pelas precárias condições econômicas
e sociais do país, sofrem com isto um golpe de morte. Diante da
concorrência dos produtos da indústria européia, de qualidade superior, muito mais variados e de baixo custo, elas não somente se
tornavam incapazes de progredir, mas praticamente se paralisam. E
quando, mercê de novas circunstâncias, a indústria brasileira se
restabelece, terá por isso que partir do nada, já sem tradição manufatureira, sem condições materiais e sobretudo elemento humano
aproveitáveis.
Além das condições gerais que embaraçavam o progresso industrial do Brasil, ocorrem circunstâncias específicas que dificultam sobremaneira o estabelecimento da indústria moderna no país. Em primeiro lugar, a deficiência das fontes de energia. O Brasil é pobre em carvão de pedra; as jazidas existentes, de qualidade inferior, são ainda hoje de exploração difícil e precária.
No século passado podem-se considerar inexistentes. E energia abundante é condição primordial da moderna indústria maquinofatureira; não podiam fornecê-la entre nós, em quantidade apreciável,
nem a lenha nem a força motriz da água ou do vento que eram as únicas fontes (além da humana e da animal) que então possuíamos.
Além da deficiência de energia, faltou ao Brasil outro elemento
fundamental da indústria moderna: a siderurgia. Neste caso, a matéria-prima é abundante; o território brasileiro encerra uma das
principais reservas de ferro do universo, tanto em qualidade como
em quantidade. Mas encontra-se em lugares de difícil acesso para
os grandes centros consumidores do país. E a falta de carvão de
pedra (embora parcialmente substituível pelo de lenha) embaraçava
seu aproveitamento.
Mas o que sobretudo dificultava o estabelecimento da indústria
moderna no Brasil era a deficiência dos mercados consumidores, cuja amplitude encontra na produção em larga escala, que caracteriza
a maquinofatura, uma condição essencial que nada pode suprir. A
situação brasileira, neste particular, era a mais inconveniente. O
nível demográfico e econômico do país e o padrão de vida da sua
população eram ínfimos. Isto ainda se agravava pela estrutura compartimentada das diferentes regiões brasileiras, largamente separadas umas das outras e desarticuladas pela falta de transportes.
A orientação da economia brasileira, organizada em produções regi-

onais que se voltam para o exterior, impedira a efetiva unificação
do país e o estabelecimento de uma estreita rede de comunicações
internas que as condições naturais já tornavam por si muito difíceis. Os poucos milhões de habitantes espalhavam-se ao longo de um
litoral de quase 6.000 km de extensão, e sobre uma área superior a
8 milhões de km2; agrupam-se por isso em pequenos núcleos largamente apartados uns dos outros, e sem contactos apreciáveis. Era
assim constituído o mercado que se oferecia à indústria brasileira; não lhe podia ser mais desfavorável.
Com tudo isto, todavia, contava a indústria com algumas circunstâncias no seu ativo. Em primeiro lugar e sobretudo, a dificuldade que o país sentia de pagar no estrangeiro as manufaturas
necessárias ao seu consumo. As exportações, donde provinham todos
os recursos para saldar os pagamentos externos, não acompanhavam o
ritmo de crescimento da população e de suas necessidades. Isto se
observa em particular no deficit constante do nosso comércio exterior, e que perdurará até meados do século passado. O desequilíbrio geral das contas externas do país se comprova aliás, como já
foi notado, pelo declínio constante do câmbio monetário, coisa que
se observa em toda a evolução financeira do Brasil desde sua independência. E esta queda do câmbio, provocando o encarecimento das
mercadorias de importação, formará por seu turno um dos estímulos
à produção nacional.
Outro lhe virá das tarifas alfandegárias que a partir de 1844
são progressivamente elevadas. Nesta elevação estará às vezes presente a idéia de proteger a indústria do país; mas, sobretudo nos
primeiros tempos, em plano muito secundário. O que realmente determina o progresso das tarifas são as necessidades financeiras do
Tesouro público; o que convém destacar não somente porque explica
convenientemente esta criação de barreiras alfandegárias num país
em que a hegemonia política pertencia ainda a uma classe, a dos
grandes proprietários rurais cujos interesses lhe eram naturalmente contrários, como ainda porque a política tarifária, objetivando
necessidades financeiras e não especificamente proteção à indústria, onerará indiscriminadamente tanto os gêneros da sua produção, como direta ou indiretamente, outros que entram para os seus
custos.
Outro fator favorável à indústria brasileira será a produção
local de uma matéria-prima de grande importância para ela: o algodão. E efetivamente a maquinofatura se iniciará no Brasil com a
indústria têxtil que até muito recentemente representará sua parte
substancial.
Finalmente, uma última circunstância favorável ao estabelecimento de indústria será a disponibilidade de mão-de-obra e seu
baixo preço. Numa economia agrária e escravista como a nossa, e
onde a grande lavoura teve um papel absorvente e monopolizador das
atividades rurais, a grande massa dos homens livres fica à margem.
É o que se verifica efetivamente, e sintoma disto será a desocupação e a vadiagem que representaram sempre o estado normal de uma
grande parte da população da colônia. Aí a indústria nascente encontrará um amplo abastecimento de mão-de-obra; deficiente, é verdade, e muitas vezes precária e incerta. Mas compensando-se com
seu ínfimo preço.

São estas as circunstâncias principais que condicionarão o desenvolvimento de uma pequena indústria, sobretudo têxtil, na segunda metade do século passado. Ela terá um caráter local limitado
a pequenos mercados de curto raio. Já abordei a matéria em capítulo anterior (cap. 20).
Depois de seus modestos princípios, a indústria brasileira terá seu primeiro surto apreciável no último decênio do Império
(1880-89), coincidindo com esta fase já assinalada de geral recrudescimento das atividades do país. O número de estabelecimentos
industriais, de pouco mais de 200 em 1881, ascende no último ano
da monarquia para mais de 600. O capital invertido sobe então a
400.000 contos (cerca de 25 milhões de libras), sendo 60% na indústria têxtil, 15% na de alimentação, 10% na de produtos químicos
e análogos, 4% na indústria de madeira, 3 1/2% na de vestuário e
objetos de toucador, 3% na metalurgia.
Esta fase de progresso industrial prolongar-se-á na República,
correspondendo à febre de iniciativas dos primeiros anos do novo
regime. O brusco declínio de câmbio que então se verifica ainda
virá reforçar a situação próspera da indústria; e o rompimento do
equilíbrio conservador do Império abrirá as portas para uma política de mais consciente amparo à produção do país. As tarifas alfandegárias serão sucessiva e grandemente elevadas, e já desta vez
com o objetivo deliberado de protecionismo industrial.
Entre 1890 e 1895 serão fundadas 425 fábricas, com inversão de
mais de 200.000 contos, isto e, 50% do total invertido no começo
do período. Segue-se a fase de grande crise financeira ,em que o
surto industrial é paralisado. A revalorização da moeda depois de
1898 trará novas dificuldades para as indústrias. Mas a política
de saneamento financeiro as compensará com um fator que sobretudo
no futuro será para elas de grande significação: é a cobrança em
ouro de uma porcentagem dos direitos alfandegários, a chamada
"cláusula ouro". Esta medida, adotada para permitir ao Tesouro público fazer face a seus grandes compromissos externos sem sofrer
as contingências das oscilações cambiais, representará desde logo
um acréscimo considerável de tarifas, pois o mil-réis-ouro valia
27 d. contra 15 para o papel. E funcionaria no futuro como um reforçamento da barreira tarifária em conseqüência de qualquer nova
depreciação cambial, o que aliás se verificará continuamente daí
por diante.
Em 1907 realiza-se o primeiro censo geral e completo das indústrias brasileiras. Serão encontrados 3.258 estabelecimentos industriais com 665.663$000 de capital, e empregando 150.841 operários. Quanto à distribuição geográfica da indústria, 33% da produção cabia ao Distrito Federal (capital da República, a que se podem acrescentar os 7% do Estado do Rio de Janeiro, vizinho e formando geograficamente na mesma unidade); 16% a São Paulo e 15% ao
Rio Grande do Sul. Nenhum outro Estado alcançará 5%. Com exclusão
do Rio de Janeiro, que continuava, como sempre fora no passado, a
encabeçar a produção industrial, a transformação desde o tempo do
Império fora considerável. Seria particularmente notável o caso de
São Paulo que se tornaria logo o maior produtor do país, com a
grande parcela de 40% do total.
Esta concentração da indústria em São Paulo se explica pelo

número de circunstâncias favoráveis que aí se reuniam. A principal
delas é o progresso geral do Estado, graças ao desenvolvimento sem
paralelo de sua lavoura cafeeira, o que lhe trouxera riqueza e população. A imigração concorrerá com a habilitação técnica do trabalhador europeu, muito superior ao nacional recém-egresso da escravidão ou estados similares. Finalmente, mas não de menor importância, será a abundância de energia hidráulica, já agora aproveitável sob a forma de eletricidade, nas proximidades justamente dos
setores mais povoados do Estado; em particular, de sua capital. A
primeira usina elétrica paulista (empresa internacional com capitais ingleses, belgas e franceses, e sede em Toronto, Canadá) começa a funcionar em 1901, com um potencial de 8.000 HP.
A distribuição das atividades industriais ainda mantém em 1907
a estrutura anterior: a indústria têxtil e a de alimentação compreendem a parte substancial do conjunto. Outro caráter a assinalar é sua extrema dispersão. Somente as indústrias de fiação e tecelagem de algodão, lã e juta86 apresentam certa concentração. Nas
demais, encontra-se excepcionalmente algum grande estabelecimento;
o resto são pequenas unidades que não passam realmente de modestas
oficinas com reduzido número de operários e inversão insignificante de capital.
A Grande Guerra de 1914-18 dará grande impulso à indústria
brasileira. Não somente a importação dos países beligerantes, que
eram nossos habituais fornecedores de manufaturas, declina e mesmo
se interrompe em muitos casos, mas a forte queda do câmbio reduz
também consideravelmente a concorrência estrangeira. No primeiro
grande censo posterior à guerra, realizado em 1920, os estabelecimentos industriais arrolados somarão 13.336, com 1.815.156 contos
de capital e 275.512 operários. Destes estabelecimentos, 5.936 tinham sido fundados no qüinqüênio 1915-19, o que revela claramente
a influência da guerra.
Quanto ao caráter desta indústria recenseada em 1920, ela se
conserva mais ou menos idêntica à de 1907, tanto no que diz respeito à sua dispersão como à distribuição percentual da produção.
A modificação mais sensível será a transferência para o primeiro
lugar das indústrias de alimentação, que passam de 26,7% da produção em 1907, para 40,2% em 1920. Isto se deve ao aparecimento de
uma nova indústria que tomará durante a guerra grande vulto: a
congelação de carnes. Estimulara-a o consumo crescente dos países
beligerantes, e a exportação brasileira de carnes, nula antes do
conflito, sobe em 1918 para 60.509 toneladas anuais. Esta industria localiza-se no Rio Grande do Sul, o principal centro pecuário
no país desde o séc. XVIII, e em São Paulo que conta não somente
com seus rebanhos, mas com os do Triângulo Mineiro, Mato Grosso e
também Goiás.
Chegada a este ponto de desenvolvimento, a indústria passara

A indústria da juta, então uma das mais importantes do pais, deve seu desenvolvimento ao café que se acondiciona em sacos dessa fibra. A matéria-prima se
importa a da índia. Hoje é produzida no Brasil (Amazonas e Pará). Lembremos, a
propósito, o nome do pioneiro da industria da juta, Antônio Álvares Penteado,
que instalou sua primeira fábrica em 1892 com capital formado na exploração de
fazenda de café. O pormenor é interessante, porque ilustra a maneira como se financiou em boa parte o início da industria paulista.

86

já a ocupar um lugar de grande relevo na economia do país. Uma boa
parcela dos artigos manufaturados do seu consumo era de produção
interna, dispensando assim importações correspondentes de artigos
estrangeiros. Este será um importante fator, de equilíbrio das
nossas contas externas e da normalidade financeira do país. É nesta conjuntura, aliás, que repousará em grande parte a indústria:
tornara-se um elemento indispensável ao funcionamento normal da
economia brasileira que já não poderá mais dispensá-la sem um distúrbio profundo de todo seu equilíbrio. Isto dará à indústria uma
grande segurança; mas terá ao mesmo tempo conseqüências muito graves. A indústria poderá repousar, e faltar-lhe-á estímulo suficiente para um apreciável progresso qualitativo. A maior parte das
indústrias brasileiras viverá parasitariamente das elevadas tarifas alfandegárias e da contínua depreciação cambial. Não terá havido para elas a luta pela conquista e alargamento de mercados que
constitui o grande estímulo das empresas capitalistas, e o responsável principal pelo progresso vertiginoso da indústria moderna.
Pode-se dizer que os mercados virão a elas, num apelo à produção
interna de artigos que a situação financeira do país impedia que
fossem comprados no exterior. Quanto à concorrência entre os diferentes produtores nacionais, ela sempre será pequena porque o campo era grande demais, e os recursos deles reduzidos para empreendimentos de vulto e aspirações de envergadura. Os industriais brasileiros viverão em família; família pacífica em que fraternalmente se repartem as oportunidades.87
Além disto, a ação indiscriminada das tarifas e da depreciação
monetária tinham estimulado indústrias inteiramente fictícias,
simples atividades de "ajuntamento de peças", que dependiam de
fontes externas e longínquas de abastecimento para todas as suas
necessidades, desde a maquinaria até a matéria-prima e materiais
semi-processados que empregavam. Doutro lado, se as tarifas e a
depreciação monetária asseguravam a existência da indústria, também a oneravam consideravelmente com o encarecimento do material
que precisava adquirir no exterior. Este será o caso, para todas
elas, de pelo menos a maquinaria, que o país não produzia. Constituirá isto sempre um obstáculo muito sério oposto à renovação e
aperfeiçoamento das indústrias. E as já estabelecidas, mesmo quando obsoletas, gozavam com isto de um privilégio contra que dificilmente podiam lutar concorrentes novos88.
De tudo isto, aliado às circunstâncias gerais do país já assinaladas em época anterior e que, embora atenuadas, ainda persistiam (debilidade do mercado interno, dificuldades de trans
A falta de espírito de luta e grandes aspirações na indústria brasileira (efeito das causas apontadas) se observa na facilidade com que ao primeiro sinal
de dificuldades, os industriais se solidarizavam em pools e agrupamentos destinados a controlar, limitar e repartir a produção. Isto sem o menor espírito de
combate ou idéia de eliminar algum terceiro, mas unicamente para usufruírem uma
situação pacífica e cômoda.
88 Procurou-se corrigir este inconveniente, estabelecendo em 1911 tarifas diferenciais que gravavam sobretudo a importação de artigos sem similares na produção nacional, aliviando os demais. Mas isto somente em parte resolvia a situação, porque era a depreciação da moeda que sobretudo contribuía para onerar as
importações. E esta depreciação não somente atingia todas as importações, mas
elevava-lhes as tarifas alfandegárias com o funcionamento da cláusula ouro.
87

porte, deficiência técnica), resultará uma indústria rotineira e
de baixo nível qualitativo. Não haverá no seu conjunto nem progresso técnico sustentado (uma das características essenciais da
indústria moderna)89, nem a paralela e indispensável concentração
da produção.
A maior parte da indústria brasileira continuará como dantes:
largamente dispersa em unidades insignificantes, de rendimento reduzido e produzindo exclusivamente para estreitos mercados locais.
Haverá ainda uma circunstância geral que contribuirá para uma
tão precária situação da indústria: é a carência de capitais. O
baixo nível econômico do país, e sobretudo deficiências estruturais, tornam o processo de capitalização lento e muito débil.
Não se chegara a formar no Brasil nada que se parecesse com um
mercado de capitais semelhante ao de todos os países industriais
da atualidade. Para isto seria necessário o concurso de camadas
apreciáveis da população que tivessem atingido um certo nível de
prosperidade financeira. Isto não era possível nas condições econômicas e sociais predominantes no país. A débil acumulação popular mal dará para os empréstimos públicos. O Estado, sempre grandemente necessitado de recursos, e oferecendo uma aplicação de capital muito mais certa e segura que as indústrias, absorverá todas
as disponibilidades das modestas poupanças acumuladas. E assim os
fundos necessários para a indústria dependerão unicamente do concurso individual de seus iniciadores. Isto se observa particularmente no fato de pertencer a firmas individuais (sociedades de
pessoas e não de capitais) 42% do capital empregado na indústria
brasileira em 1920, segundo o censo desse ano. E mesmo as sociedades anônimas são-no quase sempre muito mais de nome do que de fato; o seu capital pertence efetivamente, no mais das vezes, a simples indivíduos, famílias ou pequeníssimos grupos, a que se associam quando necessário alguns sócios fictícios para completar o
número de sete que a lei exige como mínimo das sociedades anônimas. São certas vantagens práticas, e algumas fiscais, que levam a
preferir esta forma de sociedade mesmo quando realmente se trata
de firmas individuais. Isto se verifica no Brasil, embora mais atenuadamente, até hoje.
A acumulação capitalista ainda é essencialmente no Brasil um
fato individual restrito. Aqueles que têm capitais aplicados na
indústria são unicamente indivíduos que lograram reunir fundos suficientes para se estabelecerem nela por conta própria e independentemente. Alguns obtiveram grandes lucros na lavoura, particularmente do café. Quando depois de 1907, por exemplo, o café produzia larga margem de proveitos graças à política de valorização,
mas o seu plantio estava limitado e havia o perigo da recorrência
da crise, muitos daqueles lucros foram aplicados na indústria que
efetivamente, depois de 1910, se desenvolve com rapidez. Outros se
enriquecerão nos momentos de grande atividade financeira, quando o
crédito é largo e a especulação fácil. É o que ocorreu, entre ou
Em São Paulo, o principal centro industrial do país, as estatísticas oficiais
revelaram em 1939 que das 324.689 máquinas em funcionamento existentes no Estado, 36.610 tinham menos de cinco anos de uso, 45.919 tinham entre cinco e dez
anos, 130.811 tinham mais de 10 anos, e 111.349 tinham idade desconhecida. Estatística industrial, 1938-1939. Departamento de Estatística. São Paulo.

89

tros casos, no período imediatamente posterior ao advento da República. O jogo de bolsa, o de câmbio, representam para aqueles que
conseguiram se salvar do desastre posterior uma fonte de acumulação capitalista que irá em parte alimentar a indústria. É preciso
não esquecer nestas ocorrências e outras semelhantes o papel das
emissões de moeda fiduciária, realizadas ou para alimentar o crédito e o giro dos negócios ou, mais freqüentemente, para atender
às necessidades do Tesouro público. Os excessos do meio circulante, que sempre ocorrem quando as máquinas de imprimir moeda começam a funcionar para atenderem a gastos públicos indiscriminados e
excessivos, ou para atenderem à especulação, vão acumular-se nas
mãos de privilegiados momentaneamente bem situados e dão margem
para a formação de capitais que, de preferência, procurarão a indústria, sempre próspera nestes momentos graças à desvalorização
paralela da moeda. Este fato observar-se-á particularmente no correr da I Grande Guerra (época de grandes emissões), e no período
imediatamente posterior, até 1924, quando cessa o jorro emissor.
Como nestes casos verifica-se uma elevação geral dos preços e encarecimento da vida que não são acompanhados no mesmo ritmo pelos
salários e outros rendimentos fixos, a acumulação capitalista se
faz efetivamente à custa de um empobrecimento relativo da massa da
população, sobretudo de suas classes trabalhadoras, e um acréscimo
de exploração do trabalho. Será esta a verdadeira origem dos novos
capitais formados. É o que na linguagem técnica dos economistas
ortodoxos se denomina "poupança forçada", se bem que se trate no
caso de um tipo curioso de poupança, pois quem "poupa" são os trabalhadores, mas quem se apropria da "poupança" assim realizada,
são os capitalistas seus empregadores...
Outra fonte importante de acumulação capitalista no Brasil tem
sua origem nos próprios lucros diretos e normais da indústria e do
comércio, e é condicionada sobretudo pelo caráter particular de
seus detentores. Analisando-se o tipo dos industriais brasileiros,
observa-se que boa parte deles se constituiu de indivíduos de origem modesta que estabelecendo-se com empreendimentos a princípio
insignificantes, conseguiram graças aos grandes lucros dos momentos de prosperidade e um padrão de vida recalcado para um mínimo
do essencial à subsistência, ir acumulando os fundos necessários
para ampliarem suas empresas. Este será o caso, em particular, de
imigrantes estrangeiros, colocados em situação social que lhes
permitia tal regime de vida. Efetivamente, a maior parte da indústria brasileira encontrou-se logo nas mãos de adventícios de recente data ou seus sucessores imediatos -- os Matarazzo, Crespi,
Jaffet, Pereira Ignacio, etc. E se formou assim por pequenos e sucessivos concursos de economias duramente reunidas. Esta circunstância, devido ao vulto que representa no conjunto da indústria
brasileira, tem no terreno econômico grande significação porque dá
conta não só do grande número de pequenas empresas que não são
mais que escalões de um processo de crescimento potencial (donde
uma das explicações da grande dispersão da produção industrial
brasileira), como sobretudo da debilidade de indústrias que repousam exclusivamente em bases financeiras tão estreitas e precárias.
Não é assim difícil compreender a debilidade orgânica em que
se debaterá a indústria brasileira. E sua grande vulnerabilidade.

A sua sorte estará indissoluvelmente ligada e estreitamente subordinada às vicissitudes de um fator inteiramente estranho a ela e
sobre que não tem a mais remota ação: o comércio exterior e o balanço de contas internacionais do país; bem como o estado das finanças públicas e o ritmo das emissões destinadas a cobrir as despesas do Estado. Qualquer conjuntura favorável das finanças externas brasileiras repercutirá duramente na indústria. Isto se observa em particular no período que se segue à I Grande Guerra. A
prosperidade de que gozara no decurso do conflito prolongar-se-á
no após-guerra, graças sobretudo à desvalorização da moeda e a emissões de vulto. Mas em 1924 inverte-se a situação: cessa a política de emissões, a moeda se revaloriza, e depois de algumas oscilações, estabiliza-se a partir de 1927. Doutro lado, o comércio
externo se fortalece com o aumento do valor das exportações (devido sobretudo à política de valorização do café); e intensifica-se
o afluxo de capitais estrangeiros (empréstimos públicos, inversões
privadas). Estas circunstâncias determinarão uma situação folgada
das contas externas do país. Os saldos financeiros serão consideráveis, o que se observará no grande afluxo de ouro em espécie.
Depois de um largo período de penúria total de ouro, o encaixe metálico do país subirá em poucos anos para 1.266.000 contos (31 milhões de libras)90. Esta situação atingirá profundamente a indústria que não poderá mais fazer frente à concorrência estrangeira
favorecida pela grande folga nas finanças externas do país. A importação de artigos manufaturados que vinha em declínio ou permanecia estacionária desde antes da Grande Guerra, cresce subitamente, desbancando em muitos terrenos e atingindo em quase todos a
produção nacional. O período que vai de 1924 a 1930 será uma fase
sombria para as indústrias brasileiras; muitas fracassam e perecem, e todas ou quase todas se manterão muito próximas do nível
mínimo de subsistência.
Mais sólido é um setor particular da indústria brasileira que
se veio desenvolvendo sobretudo a partir da I Grande Guerra: refiro-me às indústrias subsidiárias de grandes empresas estrangeiras.
Trata-se em regra de empresas que operando já de longa data no
mercado brasileiro onde vendem seus produtos, acabam instalando-se
no país para contornarem o obstáculo das tarifas alfandegárias,
aproveitarem-se de mão-de-obra barata, ou por uma questão de facilidade de transporte. Montam então indústrias subsidiárias no Brasil que são como prolongamentos delas, uma seção de acabamento dos
produtos. O processo da produção fica dividido em duas partes: a
primeira é realizada na matriz; a última, na filial instalada no
Brasil. Naturalmente é muito variável, de uma empresa para outra,
e mesmo para cada qual delas em épocas sucessivas, a parte do processo da produção que cabe a uma e outra seção. Na indústria química e farmacêutica, p. ex., há muitos casos em que a seção brasileira se limita quase só ao acondicionamento de artigos já acabados e produzidos na matriz. A General Motors e a Ford Motor Company instalaram em São Paulo oficinas para montagem de veículos
motores com peças importadas de suas fábricas norte-americanas;

Este valor é atingido nas vésperas do grande craque da Bolsa de Nova Iorque,
em outubro de 1929.

90

aos poucos, algumas destas peças ou partes dos veículos foram sendo fabricadas nessas oficinas. Na fabricação de pneumáticos, a
borracha era toda elaborada no Brasil, mas as lonas se importavam.
Um caso extremo era da indústria de cimento, em que a matéria-prima e sua elaboração é toda nacional; mas ainda aí o combustível (o
óleo, que entra com 70% no valor do produto) se importava. Estes
exemplos servem para mostrar como é variado o tipo das indústrias
subsidiárias. As primeiras indústrias subsidiárias já datam no
Brasil de antes da I Grande Guerra. Entre outras, pode-se citar a
Pullman Standard Car Export Corporation, a primeira de vulto, que
se instalou no Rio de Janeiro, em 1913, com oficinas de montagem
de material ferroviário. Durante a guerra, ou pouco antes, afluem
várias indústrias subsidiárias, mas de um tipo diferente: são os
frigoríficos, que não visam o mercado brasileiro, mas apenas o aproveitamento da matéria-prima abundante no país, e exportação de
carne para a Europa. São eles: Wilson & Company, Armour, Swift,
Continental, Anglo. Toda a indústria brasileira de carnes congeladas (a que se juntou logo a de conservas) foi sempre e ainda é na
maior parte constituída de filiais de grandes empresas estrangeiras, norte-americanas em particular.
Mas é depois da I Grande Guerra que as indústrias subsidiárias
se multiplicam no Brasil. Só as norte-americanas (são as mais numerosas, mais importantes e únicas de que possuímos dados completos) somam 16, todas de grande vulto, estabelecidas entre 1919 e
1932. Os ramos principais da sua produção são: veículos motores,
produtos farmacêuticos e químicos, aparelhamento elétrico, alimentação (farinhas, conservas, etc).
Ao grupo de indústrias filiais de grandes empresas estrangeiras podem ser assimiladas outras que embora formadas com capitais brasileiros, e portanto nacionais (ou com parte apreciável de
capital brasileiro), não fazem mais que montar peças acabadas ou
semi-acabadas que importam. Elas se encontram sobretudo no setor
de aparelhamento elétrico (motores, ascensores, rádios, vitrolas,
etc). Estas indústrias, embora nacionais, são muitas vezes ligadas
intimamente e mesmo subordinadas inteiramente a organizações estrangeiras.
A posição econômica que todas estas indústrias subsidiárias
ocupam é singular. De um lado, não passam efetivamente, muitas vezes, de pouco mais que simples agências comerciais destinadas a
preparar para o consumo artigos já mais ou menos elaborados no estrangeiro. Mas em certos casos adquirem relativa e mesmo completa
autonomia, suprindo com fabricação própria a maior parte da sua
produção. E assim, mesmo quando filiais de indústrias estrangeiras, começam a funcionar, no terreno da produção, como entidades
autônomas e ligadas apenas financeiramente com suas matrizes. Foi
esta aliás a evolução verificada, porque o problema dos transportes, o obstáculo das tarifas alfandegárias, os riscos das oscilações cambiais, e sobretudo a mão de obra mais barata e a necessidade de se adaptarem melhor às condições específicas do mercado
brasileiro, levam as empresas estrangeiras por esse caminho. A que
se virão acrescentar os excepcionais favores que lhes foram concedidos depois da II Guerra Mundial, como se verá nos próximos capítulos. As empresas estrangeiras, sobretudo mais tarde, mas embora

modestamente já no período de que ora nos ocupamos, trarão contribuição decisiva para o desenvolvimento da indústria brasileira. E
será contribuição particularmente importante, porque serão os
principais responsáveis pelo estabelecimento no país de uma indústria de base capaz de iniciar aqui mesmo a elaboração da matéria
prima e a produção do material semi-elaborado, e mesmo a maquinaria destinados às diferentes indústrias que trabalham diretamente
para o consumo final.
Esta consideração nos leva para o terreno mais amplo da indústria de base moderna por excelência, que é a metalurgia do ferro.
O Brasil, com suas imensas reservas de minério de ferro de boa
qualidade, se encontra neste setor, a certos respeitos, bem aparelhado. Já assinalei as dificuldades técnicas fundamentais da metalurgia brasileira: a localização das jazidas, afastada dos principais núcleos de população e de difícil acesso; a pobreza do carvão
de pedra nativo. São circunstâncias que contaram por muito no atraso com que o ferro brasileiro começou a ser explorado em escala
apreciável. É somente durante a I Grande Guerra e depois dela que
a metalurgia começa propriamente a surgir no Brasil.
Ainda ocorrerá outro obstáculo oposto a seu desenvolvimento:
será o controle exercido sobre as principais jazidas brasileiras
de ferro por grupos financeiros internacionais. Desde antes da
guerra, vários desses grupos tinham adquirido a maior parte das
vastas áreas do Estado de Minas Gerais onde se encontram as ocorrências do minério. Dentre elas se destaca a Itabira Iron Ore Co.,
ligada às casas Rothschild, Baring Bros. e E. Sassel, e que fez
suas aquisições em 1911. Mas o objetivo de tais grupos era apenas
obter o controle das reservas brasileiras e impedir seu acesso a
concorrentes; não se interessavam em explorá-las, e por isso permanecerão inativos, apesar dos contratos e obrigações em contrário
existentes.
A I Grande Guerra dará um primeiro impulso sério à exploração
e aproveitamento industrial do minério brasileiro. Uma pequena usina instalada desde 1888 em Itabirito (Minas Gerais) produzirá em
1915, 3.259 toneladas de gusa, que se elevarão em 1921 para
15.316. É neste último ano que se instala a primeira grande empresa siderúrgica, a Belgo-Mineira, formada de capitais franco-belgoluxemburgueses, que estabelece sua primeira usina com alto forno
em Sabará (Minas Gerais). Outras, mas de menor importância, aparecem em seguida. Empregarão todas como combustível o carvão de lenha obtido localmente (trata-se de uma região de florestas) e uma
pequena parte de coque importado. A siderurgia brasileira começa
então a se desenvolver, embora ainda muito lentamente. Em 1931, a
produção total era apenas de 71.000 toneladas entre aço, ferro gusa, laminados, trefilados e peças fundidas91.
A maior parte da produção era de ferro redondo para construções. Mas assim mesmo dará origem a pequenas manufaturas instaladas nos grandes centros (em particular São Paulo e menos no Rio de
Janeiro) que elaboram o ferro produzido em Minas Gerais e fabricam
diferentes artigos acabados de ferro e aço. Nestes centros também

Esta é a produção das usinas de Minas Gerais que empregam como matéria-prima o
ferro extraído do minério nacional.

91

aparecem indústrias de aço que utilizam a sucata que se vai tornando abundante nestas aglomerações de grande vulto. Forma-se assim uma pequena indústria metalúrgica que produz toda a sorte de
artefatos de uso corrente (pregos, ferramenta, cutelaria, etc.) e
até peças e mesmo maquinaria de certa complexidade (como p. ex.
teares, geradores elétricos, etc). Esta indústria, contudo, ainda
será por muito tempo incipiente e rudimentar. Somente a partir da
II Grande Guerra adquirirá certo vulto e atingirá padrões mais elevados.

25
O Imperialismo

A INTERVENÇÃO do capital estrangeiro na economia do Brasil foi
repetidas vezes assinalada nos capítulos anteriores em que se analisaram os diferentes setores e fases das atividades do país. E
por uma questão de método apenas que o exame do conjunto da matéria foi deixado para o fim e apartado daquela análise, porque efetivamente a ação do capital estrangeiro ocupa na economia brasileira contemporânea uma posição central, e é um dos elementos fundamentais do seu condicionamento. Nenhum aspecto dela se compreende suficientemente sem esta consideração.
A situação de dependência e subordinação orgânica e funcional
da economia brasileira com relação ao conjunto internacional de
que participa, é um fato que se prende às raízes da formação do
país, como já foi ampla e repetidamente analisado ao correr de todo este livro. Economia de exportação, constituída para o fim de
fornecer gêneros alimentícios e matérias-primas tropicais aos países e populações das regiões temperadas da Europa e mais tarde
também da América, ela se organizará e funcionará em ligação íntima e estreita dependência do comércio ultramarino em função do
qual se formou e desenvolveu. Será essencialmente uma economia colonial, no sentido mais preciso, em oposição ao que denominaríamos
de economia "nacional", que seria a organização da produção em
função das necessidades próprias da população que dela participa.
Esta é a circunstância principal que tornará o Brasil tão vulnerável à penetração do capital financeiro internacional quando o capitalismo chega a esta fase do seu desenvolvimento. O país far-seá imediata e como que automaticamente, sem resistência alguma, em
fácil campo para suas operações.
A penetração do capital financeiro no Brasil tem sua origem
naqueles primeiros empréstimos concedidos pela Inglaterra, logo
depois da Independência, ao novo governo da jovem nação. Já me referi ao assunto anteriormente. Mas estes empréstimos têm um caráter especial e não representam ainda o papel específico do capital
financeiro dos tempos mais recentes. Sua função é sobretudo política, e sua finalidade puramente comercial. Destinavam-se aqueles
empréstimos a realizar e consolidar a autonomia política do país,
e assegurar com isto a liberdade do seu comércio, o que significava então o predomínio mercantil inglês. Verifica-se isto, aliás,
no interesse direto que o próprio governo britânico tomou na operação, induzindo e estimulando os capitalistas ingleses a fornecerem os créditos necessários. A Inglaterra, bem como outros países
europeus que a acompanharão pouco depois, achava-se ainda na fase
de sua expansão puramente comercial, e queria mercados para suas
indústrias em acelerado crescimento; e era a isto que se subordinava sua política e sua ação no Brasil, como no exterior em geral.
A evolução para o capitalismo financeiro que se processa no
correr do séc. XIX e que chega à maturação na sua última parte,
modificará estas relações primárias e muito elementares entre as

grandes nações capitalistas e os demais povos do universo. Substituiu-se o simples objetivo de vender produtos industriais, a ampla expansão do capital financeiro que, sob todas as modalidades,
procurará explorar em seu proveito as diferentes atividades econômicas do universo. A economia mundial evolui para um vasto sistema
dominado pelo capital financeiro e disputado pelos vários grupos
nacionais que repartem entre si aquele capital. Este sistema em
que se enquadrará o Brasil, como todos os demais países e povos,
servirá o capital financeiro (ou antes, os diferentes grupos que o
detêm) de muitas formas, todas aliás ligadas e articuladas entre
si: 1.°) Permitirá a participação dele em todas as atividades econômicas mundiais, facultando-lhe em maior ou menor proporção a
margem de lucros que oferecem; 2.°) Abrirá mercados para a indústria nacional respectiva, permitindo sua expansão sem prejuízo da
exploração da mais-valia interna; 3.°) Porá à disposição desta indústria as matérias-primas de que necessita, e cuja produção se
espalha fora de suas fronteiras nacionais92.
A primeira participação do capital financeiro na economia do
Brasil será, como já referi, pelos empréstimos públicos. Do ponto
de vista específico dele, tal processo reduz-se a retirar através
do Estado e seus impostos uma quota parte da renda do conjunto das
atividades econômicas do país. Ele vem da fase pré-imperialista, e
tomar-se-á depois menos interessante, pois limita muito a ação e
liberdade de movimento do capital financeiro. Os empréstimos públicos posteriores vão servir sobretudo como arma de penetração e
conquista de posições; tornam-se um meio e não um fim por si. O
caso dos empréstimos concedidos para a realização da política de
valorização do café, que estudamos em capítulo anterior, é entre
outros típico.
É precisamente neste setor do café que a princípio o capital
financeiro mais se empenhará. O que é natural, porque esta produção representa a grande riqueza do país, e oferece portanto maiores perspectivas de remuneração. A economia cafeeira, nas suas diferentes fases, desde a produção até o consumo, será largamente
explorada pelo capitalismo internacional. Através do financiamento
da produção, do comércio, da exportação, ele retirará uma primeira
parcela de lucros, pois embora estas operações se realizem no próprio país, elas se acham direta ou indiretamente em suas mãos, seja por bancos e firmas comerciais da mesma procedência nacional,
seja por casas brasileiras a ele ligadas. Depois que o café é embarcado, a exploração do capital estrangeiro, se torna naturalmente maior e mais fácil; aí vem o transporte, a distribuição nos países consumidores, a industrialização do produto (torração, moagem
e outras manipulações). É todo um grande aparelhamento comercial e
industrial que o café brasileiro vai alimentar; e os lucros de to
Não entrarei aqui nos pormenores da estrutura econômica internacional gerada
pelo aparecimento e desenvolvimento do capital financeiro, o que é assunto amplo
demais para caber na história econômica de um único país como o Brasil, que representa por si só naquela estrutura um setor muito pequeno e de importância reduzida. Limito-me aqui a analisar a ação do imperialismo no nosso caso específico em particular. Será isto apenas um capítulo, talvez não mais que um simples
parágrafo da história do imperialismo que pertence a uma obra de muito maior
vulto, que não é nem pode ser minha intenção abordar aqui.
92

dos estes processos sucessivos (em que entra boa parte de mais-valia brasileira) canalizam-se para a remuneração dos capitais internacionais neles invertidos93.
Coisa semelhante se passa nos demais setores da produção do país.
Onde quer que apareçam oportunidades de negócios rendosos, para lá
afluirá imediatamente o capital financeiro, procurando escamotear
em seu proveito a maior parcela da margem de lucros que oferece.
Outro setor interessante para ele é a especulação financeira. O
Brasil, com as fortes oscilações cambiais da sua moeda, a instabilidade que caracteriza suas finanças, a carência de capitais necessários ao seu giro comercial, as sucessivas e bruscas contrações e expansões do seu mercado financeiro, era presa fácil e proveitosa para a especulação, e com ela jogará largamente o capital
financeiro, sempre senhor da situação graças às suas disponibilidades fartas e ao controle que exerce. O instrumento para isto serão sobretudo as agências, filiais e correspondentes dos grandes
bancos internacionais estabelecidos no país. É em 1863 que se organiza o primeiro banco estrangeiro destinado a operar no Brasil:
o London & Braziliam Bank.94 Pouco depois, forma-se também em Londres e com capitais ingleses, o Banco Brasileiro e Português. Multiplicam-se a partir daí os bancos estrangeiros que operam no Brasil; aos ingleses virão juntar-se franceses, alemães, e, em menor
escala, italianos, holandeses e outros; e durante a I Grande Guerra estabelece-se também a finança norte-americana com o National
City Bank of New York, que já tinha aliás relações anteriores com
o Brasil, tendo sido, entre outras atividades, um dos prestamistas
na operação da valorização do café em 1906. O principal negócio
dos bancos estrangeiros no Brasil será operar com as disponibilidades do país no exterior e provenientes das exportações. A massa
das cambiais (saques sobre o exterior) estará sempre em suas mãos,
porque até data muito recente os bancos brasileiros não operavam
no estrangeiro; concentravam-se por conseqüência, com aqueles, todas as operações de cobrança no exterior. E assim o setor mais importante das finanças brasileiras, o ligado à exportação, será inteiramente por eles controlado.
Outro campo de operações para o capital financeiro internacional no Brasil foram os empreendimentos industriais. Isto se verificou a princípio sobretudo em empresas de serviços públicos: estradas de ferro, serviços e melhoramentos urbanos, instalações

Praticamente e de uma forma completa, é impossível avaliar a parte da riqueza
produzida pelo café brasileiro que permanece no país. Mas um índice do que é absorvido pelo capital estrangeiro nos é dado, entre outros, pelo caso da Great
Atlantie & Pacifie Tea Company, o maior truste que opera neste setor. Através de
uma subsidiária estabelecida no Brasil, a American Coffee Corporation, ela controla uma boa parte da exportação brasileira de café, que depois industrializa e
distribui ao consumo nos Estados Unidos, o maior consumidor mundial do produto.
O vulto de negócios que realiza, e sua importância como empreendimento comercial
e financeiro, deixam longe tudo que a produção propriamente do café brasileiro
representa de atividade econômica.
94 Já antes disto os capitais ingleses operavam nas finanças brasileiras através
de agências. É de destacar o Banco Mauá, McGregor & Cia., firma em que se associaram ingleses e o brasileiro Irineu Evangelista de Souza, Barão e depois Visconde de Mauá. O banco Mauá, McGregor, organizado em 1854, fundiu-se em 1864 com
o London & Brazilian Bank, formando o London Brazilian & Mauá Bank.
93

portuárias, fornecimento de energia elétrica. Praticamente tudo
que se fez neste terreno desde a segunda metade do século passado
é de iniciativa do capital estrangeiro, ou financiado por ele. É
particularmente de notar o caso do maior truste que opera ainda
hoje em tal setor: a Brazilian Traction Light & Power Co. Ltd. Organizou-se em 1904 no Canadá, com capitais internacionais, sobretudo ingleses. Foi-se estendendo aos poucos, e através de várias
empresas filiadas e subsidiárias concentrou em suas mãos a maior
parte dos serviços públicos do Rio de Janeiro, de São Paulo e de
toda a região circunvizinha: luz e energia elétrica, transportes
coletivos urbanos, telefone, gás, esgotos e água. Com a Light &
Power vieram concorrer, em 1927, as Empresas Elétricas Brasileiras, filial da American & Foreign Power (que por seu turno é filial da Electrie Bond & Share, o maior truste mundial de produção e
distribuição de energia elétrica), que assegurarão o fornecimento
de energia elétrica e serviços conexos no Nordeste, na Bahia, interior do Estado de São Paulo, parte de Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
Na indústria manufatureira as inversões de capital estrangeiro
resultam geralmente da luta de grandes empresas pela conquista de
mercados. Para penetrarem no Brasil com seus produtos, começam
instalando agências comerciais. Depois, para contornarem o obstáculo das tarifas alfandegárias, dos transportes, para se aproveitarem da mão-de-obra barata ou para se adaptarem melhor às peculiaridades do mercado brasileiro, transferem para o país, na medida
do possível e das suas conveniências próprias, parte e às vezes
mesmo todo o processo de produção, estabelecendo nele indústrias
subsidiárias. Já me referi a isto no capítulo da industrialização
(cap. 24), e aí foi observado que essa progressiva transferência
de empresas industriais estrangeiras de seus países de origem para
o Brasil (como também de outras de natureza comercial e fornecedora de serviços, embora sejam estas de menor expressão relativa no
conjunto) já data de antes da I Guerra Mundial. É contudo depois
dela, e sobretudo mais recentemente, depois da II Guerra que o fato alcança vulto considerável, e o estabelecimento de empresas
subsidiárias de grandes trustes internacionais no Brasil se torna
a principal via de penetração do imperialismo e de suas operações
na economia do nosso país, assumindo papel relevante e de primeiro
plano no conjunto da vida econômica brasileira. E naturalmente,
como conseqüência, política também. Voltaremos ao assunto em outro
capítulo, ao tratarmos da fase mais recente de nossa história.
Como fonte de matéria-prima para a grande indústria mundial, o
papel do Brasil sempre foi no passado dos mais modestos. A razão é
que apesar da extensão do seu território e das reservas tanto minerais como vegetais abundantes que possui, as condições do país
não eram favoráveis para sua exploração comercial em larga escala.
As grandes distâncias, o relevo acidentado (em particular ao longo
do litoral para onde os produtos tinham de ser levados para serem
exportados), a baixa densidade demográfica nas regiões interiores
mais ricas em matérias-primas, tudo isto contribuiu para que ao
Brasil se preferissem outras regiões do mundo. As reservas brasileiras, particularmente as minerais em que o país é mais rico, esperarão até hoje para serem aproveitadas em escala apreciável. Das

grandes matérias-primas industriais, o Brasil somente fornecerá em
volume considerável, até recentemente, a borracha; mas esta será
excluída pela concorrência da produção oriental depois de 1910.
Durante a I Grande Guerra começará a figurar como fornecedor de
manganês, de que se tornará o terceiro produtor mundial. A produção brasileira de manganês, com as jazidas respectivas (situadas
em Minas Gerais), será a princípio quase toda controlada pela United States Steel Corporation, através de uma sua filial que opera
no país, a Companhia Meridional de Mineração. Em 1950, começou a
ser explorada outra região brasileira com grandes jazidas de manganês: o Território do Amapá. O controle dessa exploração caberá a
outro truste siderúrgico norte-americano, a Bethlehem Steel Corp.,
que opera no Brasil através de sua subsidiária Indústria e Comércio de Minérios S/A "ICOMI".
Recentemente, o Brasil começou a figurar como exportador de
minério de ferro. As reservas brasileiras são consideráveis, como
já foi citado, calculando-se que o país contenha 22% do total das
reservas de ferro conhecidas no mundo. A localização das jazidas,
contudo, no centro do território e em região de difícil acesso
(Minas Gerais), manteve aquela grande riqueza até data próxima
quase inexplorada. Assinalei que desde as vésperas da guerra de
1914, os grandes trustes siderúrgicos internacionais procuram obter o domínio das jazidas brasileiras de ferro, o que efetivamente
conseguiram; mas isto com o fim principal de guardá-las para um
futuro remoto. Não as exploram por isso em escala apreciável, e é
somente depois de 1930 que o Brasil começa efetivamente a exportar
minério.
Além do manganês e do ferro, o Brasil fornece quantidades insignificantes de bauxita e minérios de chumbo, tungstênio e cromo.
Em anos recentes, o país voltou a figurar como grande fornecedor de uma outra matéria-prima industrial de primeira importância, o algodão. Depois da decadência desta produção, que
descrevemos anteriormente, quando o Brasil se viu praticamente excluído dos mercados internacionais, manteve-se apenas uma pequena
produção para o consumo da modesta indústria têxtil indígena. No
presente século contudo, precisamente a partir de 1934, aparece de
novo entre os grandes fornecedores mundiais. Este fato é condicionado pela conjuntura econômica e política internacional do momento; a cisão dos grandes blocos imperialistas, de um lado os Estados Unidos e o Império Britânico (grandes consumidores e que detinham quase o monopólio da produção), e do outro a Alemanha e Japão, grandes consumidores também, mas sem produção própria. A política de valorização norte-americana, a Conferência do Império
Britânico de 1932, em Ottawa (onde se procurou reservar os mercados imperiais à produção das manufaturas inglesas com tarifas protecionistas, o que fez o Japão, em represália, restringir suas
compras de algodão indiano), deram o sinal da luta95. A Alemanha e

A divergência foi na realidade muito mais profunda e ultrapassa largamente o
terreno restrito do algodão que nos interessa aqui. Levará até a II Guerra Mundial, cujo caráter, com a agressão da União Soviética pela Alemanha, se modificou profunda e totalmente, mas que, de começo, não passou efetivamente de um
choque interimperialista. Mas esta matéria é vasta demais para os limites deste
livro.

95

o Japão procuram outros fornecedores para sua indústria têxtil; a
Itália, em condições semelhantes, é arrastada e torna-se satélite
daquelas potências. O Brasil apresentava excelentes condições para
aquele fim: a decadência da lavoura cafeeira tornara disponíveis
grandes áreas de terras aproveitáveis e já preparadas, mão-de-obra
abundante, recursos técnicos (transportes, aparelhamento agronômico e comercial) que se podiam facilmente aproveitar para a nova
cultura. Foi possível atacá-la em larga escala, e de um momento
para outro a produção brasileira de algodão ascende para altos níveis, começando o país a figurar entre os grandes fornecedores internacionais da fibra96.
Este surto da produção algodoeira no Brasil será em parte apreciável de iniciativa japonesa. O império oriental contará para
isto com a imigração de seus súditos para o Brasil que, embora já
encetada desde longa data (1908), toma grande impulso depois de
1930, sendo então ativamente estimulada e oficialmente amparada.
Os verdadeiros propósitos desta corrente de povoadores eram evidentemente políticos. O governo japonês instalará no Brasil um amplo aparelhamento de controle dos seus nacionais aqui estabelecidos; entre outros, uma grande rede de consulados com poderes soberanos sobre os súditos nipônicos97; organizará sob seus auspícios a
produção deles, fornecendo-lhes amparo técnico, crédito, facilidades comerciais. E um dos seus grandes objetivos será justamente
obter o algodão de que necessitava a indústria japonesa. Quanto à
Alemanha, ela não agirá (neste setor particular do algodão) com
tanta profundidade; mas torna-se o maior comprador de algodão brasileiro, com uma proporção que chegará, em 1935, a quase 60% da
exportação total do Brasil.
Mas este avanço teuto-nipônico não excluirá outros grupos imperialistas que procurarão tirar proveito do impulso que aqueles
tinham dado à produção algodoeira do Brasil. É o caso dos norteamericanos. Não se envolverão diretamente na produção, mas estendem suas garras sobre a indústria do preparara e acondicionamento
da produção (descaroçamento e enfardamento) e atividades financeiras e comerciais paralelas. Não há dados oficiais para isto, mas
ninguém ignora que são grandes firmas norte-americanas, Anderson
Clayton & Cia. Ltda., Me Fadden & Cia., Sociedade Algodoeira do
Nordeste Brasileiro (SANBRA) e outras, que controlariam desta forma boa parte da produção brasileira de algodão98.
Esta discriminação das atividades do capital financeiro inter
96 A exportação anual média do decênio 1924-1933 fora de 18.794 t. e nunca, desde
1874, ela alcançara 50.000, não se aproximando mesmo desse volume senão excepcionalmente. De 1934 em diante, a progressão será a seguinte:
1934 ................ 126.540 t. 1937 ................ 236.181 t.
1935................ 138.630 " 1938 ................ 268.719 "
1936................ 200.313 " 1939 ................ 323.519 "
97 Não é hoje segredo para ninguém que as autoridades japonesas exerciam no Brasil, sobre seus compatriotas, a mais ampla jurisdição. O caráter tão peculiar
desses orientais tornava possível o funcionamento de um tal Estado dentro do Estado brasileiro, sem grandes repercussões. A coisa foi aliás denunciada repetidamente, mas o governo brasileiro achava-se naquela época em franca evolução para os potências que formariam o Eixo...
98 A exclusão do "Eixo" das atividades econômicas do Brasil, depois de 1942, dará
aos americanos, praticamente, o monopólio na matéria.

nacional no Brasil é naturalmente sumária e só exemplificativa. O
imperialismo em conjunto representa muito mais do que isto, porque
não se define somente pela inversão ocasional de capitais nesta ou
naquela atividade. Ele forma um sistema amplo e geral de organização-econômica do mundo, em que tais inversões não constituem mais
que elementos (embora elementos propulsores) de um conjunto que
vale sobretudo como conjunto. O Brasil não será mais que um dos
elos da grande corrente que envolve o universo e mantém ligados
todos os povos numa única estrutura que tem por centro diretor os
grupos controladores do capital financeiro internacional. Tais
grupos são este punhado de gigantescos trustes que imperam respectivamente nos diferentes setores da economia contemporânea, e estendem também para o Brasil seus tentáculos absorventes. O que não
exclui naturalmente as fricções e choques entre eles; choques que
tomam um caráter nacional porque, embora internacionais por essência, apelam nas lutas que têm de sustentar para o poder político
de uma ou de outra nação soberana que se põe a seu serviço. Identificam-se assim com nações e nacionalidades; arvoram uma bandeira, mas efetivamente seu caráter é internacional, e esta bandeira
não é mais que fachada atrás da qual se abrigam.
Neste sistema universal do imperialismo, o Brasil ocupa - e já
vimos como e porquê - uma posição secundária. Sobre ele se desenrola ou perpassa a concorrência capitalista transportada para o
terreno internacional, e que, longe de se ter abrandado pela concentração do capital e formação de imensos monopólios, intensificou-se porque é agora o embate de gigantes em frentes extensas, e
não mais apenas as escaramuças passadas de minúsculos capitalistas
individuais concorrentes. O Brasil é apanhado e arrastado passivamente do vórtice daquela luta, e sua evolução econômica será função de grandes acontecimentos mundiais que se compreendem e explicam apenas no cenário universal e em conjunto com a história geral
da Humanidade. Nestas condições, torna-se impossível medir quantitativamente, ou mesmo definir qualitativamente de uma forma completa a ação específica e isolada do imperialismo com relação ao
Brasil, como de qualquer outro povo em particular. Qualquer tentativa neste sentido não nos daria senão uma pálida idéia do assunto. Trata-se de um processo em vaivéns contínuos, que envolve simultânea e sucessivamente todos os povos da Terra, e que reduzido
às proporções de um só deles, perde seu caráter essencial. O rompimento, por exemplo, de dois setores imperialistas centralizados
em pólos opostos da Terra, a Grã-Bretanha e o Japão, vai estimular
a cultura algodoeira no Brasil, tão distante de um como de outro;
um novo arranjo e reagrupamento das forças internacionais, completamente estranhos ao país, poderá aniquilá-la amanhã, de um momento para outro. Até à I Grande Guerra, os interesses financeiros
internacionais estimulam o desenvolvimento da lavoura cafeeira no
Brasil; uma nova direção dos principais interesses neste setor favorece a concorrência de outras regiões produtoras, antes mais ou
menos estagnadas ou mesmo em decadência, como a Colômbia, a América Central, as colônias, depois países africanos nominalmente soberanos; eles crescem em importância, e o Brasil perde terreno.
Estimulados pelas concorrências, os grandes trustes industriais
resolvem descentralizar sua produção, disseminando suas unidades

pelo mundo e localizando-as nos pontos estratégicos dos mercados e
das fontes de matérias-primas; o Brasil recebe uma quota desta
distribuição e se industrializa; mas qualquer nova conjuntura mundial, econômica ou política, pode tornar outro ponto mais interessante: para lá se abala a indústria recém-criada...99
É assim que se conta a verdadeira história econômica moderna.
O Brasil, como os demais povos de sua categoria, não conta senão
como massa inerte de manobra, não é senão parcela insignificante
num todo imenso em que se dilui e desaparece. A sua vida econômica
não é função de fatores internos, de interesses e necessidades da
população que nele habita; mas de contingências da luta de monopólios e grupos financeiros internacionais concorrentes. O que conta
nele são os braços que podem ser mobilizados para o trabalho, as
possibilidades naturais que seu solo encerra, o consumidor potencial que nele existe e que, eventualmente, uma campanha publicitária bem dirigida pode captar100. Mas estes mesmos valores são por
si, nada; porque contam unicamente como parcelas de um conjunto
que abarca o mundo e somente nele representam algum papel.
Sobrarão nesta internacionalização da vida econômica brasileira, um punhado de atividades marginais que vegetam ao lado e em
torno das grandes iniciativas internacionais de que o país é levado a participar. Não as alcançaram ainda os tentáculos do imperialismo porque não o interessam por ora. A sua existência é obscura
e precária. São como estas pequenas oficinas de artesão que sempre
conseguem sobreviver, por mais obsoletas que sejam, ao lado da
grande usina moderna, poderosa e absorvente. Mas assim mesmo não
se podem considerar de todo autônomas. Condensam-se em torno dos
grandes eixos imperialistas que cruzam o país; e convergem necessariamente para eles, servindo-os em última instância, e se subordinando a seus caprichos e interesses. Não há mais, verdadeiramente, no mundo contemporâneo, história econômica deste ou daquele
país, mas unicamente a de toda a humanidade.
Podemos contudo destacar certos efeitos específicos e mais imediatos da ação do imperialismo no Brasil. A sua análise nos revelará as circunstâncias particulares e internas segundo as quais
se desenrola entre nós o processo imperialista, a par do grande
cenário internacional que não caberia neste trabalho. E ela nos
proporcionará os elementos necessários para compreender algumas
das contradições íntimas e fundamentais do imperialismo que apontam fatalmente para sua consumação com a do sistema capitalista

Como pequena amostra desses deslocamentos de capitais e iniciativas ditados
por interesses imediatistas de trustes internacionais, a seguinte notícia publicada nos jornais canadenses. Na assembléia anual da Brazilian Light & Power Co.
realizada em Toronto em 20 de junho de 1967, o Presidente J. Grant Glassco anunciava e justificava a aquisição, com os lucros auferidos pela Companhia no Brasil, de 1.400.000 ações da cervejaria John Labatt Ltd., de Londres, pelo preço
de 29.400.000 dólares. - O que quer dizer: capital formado e acumulado no Brasil, e invertido na Inglaterra!
100 Caso típico deste tivemos com um produto de qualidade medíocre, a famosa "Coca-Cola" norte-americana, que desejando novos mercados, conseguiu através de uma
ensurdecedora campanha publicitária, bem como, sejamos justos, uma distribuição
perfeita, convencer os consumidores brasileiros a preferirem seu produto às dezenas de similares já existentes no país que não puderam acompanhá-la na propaganda que fez, e passaram por isso a serem considerados piores.
99

que o engendrou.
Em primeiro lugar, o imperialismo atua como um poderoso fator
de exploração da riqueza nacional; não é outro seu objetivo que
acaparar em proveito próprio a mais-valia do trabalho brasileiro
ao seu alcance. Nisto ele age como qualquer outra forma de capital, e não tem aí nada de particularmente interessante. Mas o que
o distingue é que tal exploração não se faz em benefício de uma
classe brasileira, uma burguesia indígena (a não ser grupos insignificantes ligados diretamente ao capital financeiro, e tão internacionais quanto ele), mas de classes e interesses completamente
estranhos ao país. Isto é muito importante, porque neste processo
não é apenas a classe trabalhadora que se desfalca, mas o país em
conjunto que vê escoar-se para fora de suas fronteiras a melhor
parcela de suas riquezas e recursos. As contradições da exploração
capitalista tomam assim caráter muito mais agudo e extremo. Entre
outros efeitos bem patentes estão a deficiência e morosidade da
acumulação capitalista brasileira, essencialmente débil. Falta assim ao país o elemento fundamental de progresso econômico.
Doutro lado, a intervenção totalitária do imperialismo na economia brasileira desvirtua seu funcionamento, subordinando-a a fatores estranhos e impedindo sua estruturação normal na base das
verdadeiras e profundas necessidades da população do país. O exemplo máximo disto se observa no papel que o imperialismo tem representado no sentido de manter a economia brasileira na função primária, que vem do seu passado colonial, de fornecedora de gêneros
tropicais ao comércio internacional. Aos fatores que já hoje se
mostram favoráveis a uma ruptura definitiva com este passado, opõe-se nitidamente, em certos aspectos fundamentais, a ação do imperialismo. O estímulo que traz àquela função (que acabamos de
ver, entre outros, num caso flagrante e bem típico como o do algodão), faz passar a um segundo plano todas as atividades tendentes
a libertar o país de suas contingências coloniais. Em outros casos
a ação do imperialismo é direta e ainda mais nítida; o exemplo da
escamoteação das jazidas de ferro brasileiras, deixadas em abandono para servirem de reservas potenciais para quando e como os
trustes siderúrgicos internacionais julgarem convenientes aproveitá-las, é bastante claro. Poder-se-iam acrescentar as manobras políticas do imperialismo que, graças à profunda penetração do seu
capital, tornam-se fatores de primeiro plano na vida pública do
país, e agem naturalmente em função de interesses completamente
estranhos a ele.
Finalmente, a ação do capital estrangeiro no Brasil atua como
um elemento de constante perturbação das finanças nacionais. As
flutuações do nosso mercado financeiro resultam em geral não de
conjunturas internas e próprias da economia nacional, mas de situações inteiramente estranhas. Qualquer atividade brasileira, embora aparentemente sólida e de perspectivas brilhantes, pode ser
gravemente afetada, mesmo paralisada de um momento para outro em
virtude de ocorrências longínquas nos grandes centros financeiros
do mundo. Uma retração de crédito nestes centros, um apelo a disponibilidades monetárias (o que significa logo um dreno de recursos invertidos no Brasil), cria no país uma situação difícil e artificial porque não tem relação alguma com suas condições pró-

prias. O fenômeno inverso teria efeito correspondente e igualmente
perturbador da vida econômica brasileira. As contradições do capitalismo, o seu funcionamento inorgânico e caótico, assumem nos países de economia colonial ou semicolonial, como o Brasil, um máximo de intensidade. Isto sem contar as manobras artificiosas, as
especulações de câmbio em que o capital financeiro força situações
anormais e oportunistas apenas para tirar delas partido momentâneo, seja embora com o mais grave dano para a economia geral do
país.
Além disto, o capital internacional invertido no Brasil representa um importante fator de desequilíbrio das contas externas
e deficits crônicos. Não há correspondência necessária entre inversões (que exigem, logo depois de realizadas, novos pagamentos
exteriores sob a forma de juros e amortizações), e o aumento da
capacidade do país para efetuar tais pagamentos. Crescem as obrigações exteriores sem um progresso paralelo dos meios de satisfazê-las. Esta tem sido a história financeira contemporânea do Brasil. Os nossos meios normais de pagamentos no exterior provêm unicamente das exportações; e enquanto o seu valor (em ouro) estaciona ou progride lentamente depois de 1910 (com uma queda brusca e
considerável de 1930 em diante), as obrigações resultantes das inversões de capital estrangeiro, pelo contrário, não cessam de
crescer. O desequilíbrio é portanto contínuo e se agrava cada vez
mais. O que o disfarça muitas vezes é o afluxo constante de novos
capitais, o que representa apenas alívio momentâneo, mas que na
realidade agrava o mal. Para avaliar a seriedade da situação, podemos observar uma das parcelas apenas das inversões de capital
estrangeiro: os empréstimos públicos, de que possuímos dados mais
ou menos completos para a época de que tratamos. Em 1930, o serviço anual dos empréstimos públicos exigia mais de um milhão e meio
de contos: entretanto, a exportação de cada ano apenas ultrapassava, no qüinqüênio anterior (1926-30), a média de 3 milhões e 800
mil; e o saldo da exportação sobre a importação era de 454.000 unicamente. Já aí, portanto, encontramos um deficit anual largamente superior a um milhão de contos. Acrescentemos-lhe o necessário
para pagar os demais capitais invertidos no país em atividades
privadas, e sentiremos a profundidade do abismo financeiro que se
abria diante do Brasil, e que somente circunstâncias extraordinárias determinadas pelo advento da guerra irrompida em 1939, protelaram para outra ocasião. Em próximo capítulo, onde analisaremos
a evolução mais recente da economia brasileira, veremos que uma
situação como àquela se repete nos dias que correm (1970).
Mas a par destes aspectos negativos do imperialismo, encontramos nele um lastro positivo. Ele representou sem dúvida um
grande estímulo para a vida econômica do país. Entrosando-a num
sistema internacional altamente desenvolvido como é o do capitalismo contemporâneo, realizou necessariamente nela muitos dos seus
progressos. O aparelhamento moderno de base com que contaria a economia brasileira até as vésperas da II Grande Guerra, foi quase
todo ele fruto do capital financeiro internacional. Já me referi à
sua contribuição no sentido de dotar o país de estradas de ferro,
portos modernos, serviços urbanos, grandes empresas industriais
que sem ele não teria sido possível realizar. O ritmo da vida eco-

nômica e social brasileira, que está, qualitativamente pelo menos,
no nível do mundo moderno, é em grande parte reflexo da ação imperialista. E não foi apenas sua contribuição material que contou:
com ela vieram o espírito de iniciativa, os padrões, o exemplo e a
técnica de países altamente desenvolvidos que trouxeram assim para
o Brasil alguns dos fatores essenciais com que contamos para o
nosso progresso econômico.
A evolução do imperialismo no Brasil (como no resto do mundo)
é assim contraditória. Ao mesmo tempo que estimulou as atividades
e energias do país, e lhe forneceu elementos necessários ao seu
desenvolvimento econômico, foi acumulando um passivo considerável
e tornou cada vez mais perturbadora e onerosa a sua ação. Mas também, favorecendo aquele progresso, acumulou no Brasil os fatores
com que o país contou e continua contando para sua definitiva libertação. O imperialismo é um suicida que marcha seguramente para
sua consumação.

A CRISE DE UM SISTEMA
1930-?

26
A Crise de um Sistema

SEGUNDO VIMOS, o ajustamento do Brasil à nova ordem imperialista se processou sem modificação substancial do caráter fundamental da economia do país, isto é, a produção precípua de gêneros
destinados ao comercio exterior. Esta nova ordem contribuiu mesmo,
de certa forma, para reforçá-lo e o consolidar. Ao mesmo tempo,
contudo, leva ao auge as contradições inerentes a tal sistema. Já
assistimos à eclosão e desenvolvimento destas contradições desde
princípios do século passado quando, libertando-se do exclusivismo
e isolamento coloniais, o país entra a participar largamente do
convívio internacional, e se inaugura em conseqüência para ele uma
fase de grandes transformações. Transformações de toda ordem, políticas, sociais e econômicas. Limitando-nos aqui a estas últimas,
observaremos que elas se verificam sobretudo na ocorrência de novas necessidades e exigências que modificam inteiramente os termos
do problema econômico. Este assunto já foi aliás desenvolvido, e
refiro-o novamente só porque na fase imperialista a que chegamos
pelos fins do século, aquelas transformações atingem seu clímax. É
através do sistema imperialista que o Brasil se integrará, de uma
forma completa, dentro do mundo e ritmo de vida modernos. Este
foi, sem dúvida o resultado máximo, no Brasil, da penetração do
capital financeiro internacional e do imperialismo dela resultante.
É neste momento então que se verificará plenamente a exigüidade da base econômica em que se assentava a vida brasileira. Tornara-se patente a incompatibilidade substancial entre o novo ritmo
de existência e progresso material atingido pelo país, e sua modesta categoria de mero produtor de um punhado de matérias-primas
destinadas ao comércio internacional. Sobre esta base estreita não
era possível manter uma estrutura econômica e social imposta pelas
novas condições do mundo de que o Brasil passara plenamente a participar. Verificamo-lo sem dificuldade quando observamos o problema que consistia em sustentar o ritmo do desenvolvimento adquirido
pelo país com a produção exclusiva de uns poucos gêneros que embora de grande expressão comercial mostrar-se-ão logo de todo insuficiente para a função que deles se exigia. A larga extensão da
cultura cafeeira deu cedo (já nos últimos anos do século passado)
em crises periódicas e logo crônicas de superprodução e desvalorização do produto; e as manobras artificiais de estímulo não trouxeram senão resultados momentâneos e muito precários. Isto sem

contar o desgaste contínuo e precipitado dos recursos naturais naquele regime de exploração extensiva e descuidada. Outras atividades brasileiras alcançam logo também seu limite de expansão (como
foi o caso do cacau), ou então recuam mesmo em termos absolutos,
como se deu com a borracha. Fizeram-se novas tentativas (e continuaram se fazendo) para substituir aquelas produções decadentes.
Mas o resultado será sempre medíocre e de perspectivas acanhadas.
Estes fatos comprovam que não era mais possível manter-se a
economia brasileira e alimentar a vida do país dentro de seu antigo sistema produtivo tradicional. Para promover o progresso do país e de suas forças produtivas, mesmo para simplesmente conservar
o nível adquirido, tal sistema era evidentemente insuficiente. Apresenta-se então a perspectiva de estagnação e decadência; e é o
que efetivamente ocorreu na maior parte do país. Entre outros, o
exemplo da região amazônica é característico; mas está longe de
ser o único. Com poucas exceções, a maior parte do território brasileiro encontrar-se-á logo estagnado, se não em regresso. Mas em
outros setores (e estes ampararão e em certa medida arrastarão o
resto), graças a circunstâncias particulares e muito especiais,
desenvolver-se-ão novas formas econômicas que embora ainda de segunda ordem no conjunto, e à margem do sistema produtivo fundamental do país, conseguirão manter a vitalidade brasileira.
Tais formas representam os primeiros passos de uma economia
propriamente nacional, voltada para dentro do país e as necessidades próprias da população que o habita; uma organização destinada
a mobilizar e coordenar os recursos e o trabalho do país em função
precípua da existência dos indivíduos e da comunidade nela enquadrados; e não servir antes interesses estranhos. Não era isto que
ocorria no Brasil, e nunca fora desde os primórdios de sua formação.
O progresso desta nova economia em germinação é condicionado
sobretudo pela constituição e ampliação de um mercado interno, isto é, o desenvolvimento do fator consumo, praticamente imponderável no conjunto do sistema anterior, em que prevalece o elemento
produção. Concorre para isto, em primeiro lugar, o crescimento da
população e elevação do seu padrão de vida, de suas exigências e
necessidades. A abolição da escravidão, em particular, trouxe neste sentido grande contribuição, pois transformou de um golpe quase
um milhão de indivíduos até então meros instrumentos de trabalho e
produção, em consumidores efetivamente ou pelo menos potencialmente presentes no mercado. Não foi menor o efeito da imigração
maciça de trabalhadores europeus, de nível nitidamente superior ao
do antigo trabalhador brasileiro. A considerável influência que a
imigração teve a esse respeito se verifica na comparação das regiões em que respectivamente aflui ou não com contingentes apreciáveis. O processo de transformação que analisamos foi no primeiro
caso muito mais ativo. O exemplo de São Paulo, e em geral do setor
Sul do país, é bastante ilustrativo.
Outra circunstância que condicionará o desenvolvimento do mercado interno é o progresso tecnológico dos transportes e comunicações; aliás o progresso industrial em geral, que tomará acessível
às grandes massas consumidoras os mais variados artigos antes fora
de seu alcance ou mesmo inexistentes. Trata-se aí, contudo, de

circunstâncias gerais do mundo moderno, e não precisam ser aqui
pormenorizadas.
Nos quadros do tradicional sistema econômico do país, voltado
inteiramente para a produção de gêneros exportáveis, e mal aparelhado para servir o mercado interno, a expansão teve de ser atendida por importações crescentes, o que se tornará cada vez mais
difícil pelo desequilíbrio financeiro que provoca.101 Já foi referido como este desequilíbrio determina situações (como a desvalorização cambial da moeda e instabilidade financeira geral) e condiciona o aparecimento de medidas que estimulam a produção interna
e sua diversificação (tarifas alfandegárias, fomento oficial da
produção; depois de 1930 ainda ocorrem rigorosas restrições cambiais). Aos poucos a produção interna, tanto agropecuária como industrial, poderá ir fazendo frente em proporções cada vez maiores
às solicitações do consumo. A análise do comércio externo do Brasil revela a transformação profunda que se vai operando. Apesar do
crescimento da população e de uma nítida elevação de seus padrões
médios de vida, a tendência é para o declínio e mesmo desaparecimento da importação de vários itens que nela ocupavam posição de
destaque; assim os gêneros alimentares e grande número de manufaturas, sobretudo de bens de consumo. As importações restringir-seão aos pouco e já antes da II Guerra Mundial, a certas mercadorias
muito particulares: combustíveis (de que o Brasil é pobre, salvo
em petróleo que somente começa a se produzir entre nós depois da
II Guerra Mundial), o trigo (cuja produção no país também só muito
recentemente começou a se desenvolver, e ainda é muito insuficiente), matérias-primas industriais, produtos químicos e manufaturas
semiprocessadas que se destinam à elaboração no país, drogas e medicamentos, algumas manufaturas de metal, motores, máquinas e veículos, aparelhos e utensílios especializados de certa complexidade. É que terá crescido, paralelamente, a produção interna dos outros gêneros antes adquiridos no exterior. Na agricultura assistimos a uma diversificação progressiva de atividades, e a par dos
poucos gêneros exportáveis que dantes representavam a massa da
produção brasileira, aparece toda uma gama de artigos de consumo
interno. O consumo de cereais (salvo o trigo), de hortaliças, de
derivados animais (leite, manteiga, ovos, etc), de vinhos e frutas
de mesa européias, gêneros esses adquiridos na maior parte, ainda
em princípios do século atual, no estrangeiro, torna-se na sua
quase totalidade atendido pela produção nacional. Mas é nas indústrias manufatureiras que esta transformação econômica é mais sensível e profunda.A indústria nacional veio progressivamente substituindo com seus produtos a importação de quase tudo o que diz
respeito a bens de consumo corrente; inclusive, depois da II Guerra Mundial, os bens duráveis e parte já significativa dos bens de
produção.
Tal processo se vem desenvolvendo com certa intensidade desde
os princípios do século atual. Mas será no correr da I Guerra Mun
Na primeira parte do século passado, como vimos, tivemos situação semelhante a
esta que se repete no século atual, se bem que agora em escala incomparavelmente
maior. Mas as circunstâncias que permitiram resolvê-la daquela vez já não ocorrerão mais. É o que se verificará no decorrer deste e do próximo capítulo.

101

dial (1914-1918) que toma largo impulso em virtude da perturbação
sofrida pelo comércio internacional e dificuldades de abastecimento exterior do país. A produção interna teve de suprir suas falhas. Contudo, no decênio que se segue à guerra, ele sofrerá grandes vicissitudes quando uma conjuntura favorável estimula fortemente a produção de gêneros exportáveis; particularmente, como vimos noutro capítulo, a do café102. E ao mesmo tempo, a situação financeira do Brasil favorece a importação em prejuízo da produção
indígena. Isto logo se refletirá naquela, onde reaparecem ou se
avolumam muitos itens em franco declínio no período anterior. A
indústria manufatureira, que trabalha só para o consumo interno, é
particularmente atingida e sofre forte crise em virtude da concorrência de manufaturas importadas.
Mas este breve retorno ao passado não representará mais que
uma conjuntura passageira. No conjunto, o setor nacional da economia brasileira se fortalece novamente e ganha cada vez mais raízes
profundas na vida do país. Tanto mais que seu desenvolvimento vem
acompanhado de transformações estruturais de grande importância
que numa ação de retorno o vêm reforçar. É desta natureza o grande
crescimento das aglomerações urbanas em virtude do progresso industrial, e que se constituem em núcleos de elevado nível econômico e grande potencial de consumo. É assim também com a remodelação, modesta embora, do aparelhamento comercial e de distribuição
que se vai adaptando às novas contingências de um grande mercado
interno. É ainda, finalmente, o citado progresso da pequena propriedade agrária em algumas regiões do país, que simultaneamente
cria um potencial de produtividade que nos gêneros da grande lavoura se encontra em relativa inferioridade (e volta-se por isso,
de preferência, para o consumo interno), e eleva o padrão de vida
da população rural.
É depois de 1930 que todo este processo de transformação se
acentua. A crise mundial desencadeada em outubro do ano anterior,
repercutirá gravemente no Brasil. O valor dos produtos fundamentais em que assentava a sua vida econômica (em particular o café),
cai brusca e consideravelmente103. As exportações sofrem em conseqüência grande redução. A média anual do qüinqüênio 1926-1930 fora
em libras esterlinas-ouro de 88.200.000; no qüinqüênio seguinte
(1931-1935) desce para 38 milhões apenas. Ao mesmo tempo, não só
se interrompe o afluxo regular de capitais estrangeiros que dantes
normalmente alimentavam a economia do país e que se tinham tomado
indispensáveis, nas condições vigentes, para o equilíbrio de suas
finanças externas, mas inverte-se o movimento em conseqüência do

Neste período de grande prosperidade da lavoura cafeeira, chegou-se a abolir
quase inteiramente o sistema de permitir aos trabalhadores das fazendas cultivarem gêneros de consumo (feijão, arroz, milho...) por conta própria. Os altos
preços do produto permitiam salários mais elevados, e os trabalhadores passaram
a se dedicar unicamente à lavoura principal do café. Este é um dos casos típicos
que bem ilustram o caráter absorvente das grandes lavouras nos seus momentos de
prosperidade.
103 A cotação da libra-peso de café tipo Santos-4, que se mantivera desde 1924 acima de 20 centavos de dólar norte-americano, oscilará depois da crise em torno
de 10, baixando mesmo para menos de 8 depois de 1938. O preço do café somente se
recuperará no correr e sobretudo depois da II Guerra Mundial.
102

apelo dos grandes centros financeiros internacionais em crise a
todas suas disponibilidades no exterior.
Tudo isto determinará naturalmente um brusco e profundo desequilíbrio das contas externas do país e um deficit considerável. A
moeda se desvaloriza rapidamente apesar das restrições cambiais
adotadas; o valor da libra esterlina em mil-réis sobe de 40, em
1929, para quase 60, em 1934 (e não foi maior devido à desvalorização da própria libra esterlina em 1933). No mercado livre de
câmbio, restabelecido parcialmente em 1934104, o valor da libra
saltará imediatamente para 73$000. O serviço das dívidas externas
é suspenso, e um rígido controle cambial dosará com rigor as remessas e pagamentos no exterior.
Em conseqüência, as importações declinam fortemente. A importação média anual no qüinqüênio 1926-1930 fora de 5.460.000 toneladas, no qüinqüênio 1931-1935 cai para 3.830.000. O consumo do
país sofria assim grande desfalque, o que naturalmente estimulará
a produção interna. Apesar da crise e das dificuldades de toda ordem neste momento de subversão econômica internacional, veremos
crescer a produção brasileira de consumo interno, tanto agrícola
como industrial. Acentua-se assim novamente o processo de nacionalização da economia do país. A grave crise que sofria seu sistema
tradicional de fornecedor de matérias-primas e gêneros tropicais,
resultava no progresso de sua nova economia voltada para necessidades próprias.
Mas este progresso não se fará ainda sem tropeços. Haverá momentâneos retornos ao passado, e contra a transformação que se opera, reagirão forças poderosas que tendem a manter o país em sua
primitiva situação. Sintoma disso, entre outros, é a concentração
de esforços da política oficial no empenho de desenvolver a produção de novos gêneros exportáveis em substituição dos antigos em
decadência, e restaurar assim o perdido equilíbrio do velho sistema. Assim, a produção de frutas de mesa (laranja, abacaxi, banana).105 Mas sobretudo do algodão, como foi assinalado no capítulo
anterior. Também de minérios e produtos extrativos vegetais (oleaginosos, a cera de carnaúba, etc).
Contudo, salvo no caso do algodão, nenhum desses produtos de
substituição terá importância apreciável. Ao estalar a II Guerra
Mundial, a exportação do algodão brasileiro vinha efetivamente em
aumento contínuo, alcançando em 1939 o alto nível de 323.529 toneladas. Já analisei acima as frágeis bases em que assentava este
progresso. Os principais compradores do Brasil eram as potências
do Eixo: Alemanha e Japão; o fechamento destes mercados reduziu
consideravelmente as vendas, cuja média anual, de 1940 a 1945, não

Em setembro de 1931, para fazer frente ao grande desequilíbrio das contas externas determinado pela crise e violenta queda do valor das exportações, suprimira-se o mercado livre de câmbio. A obtenção de moedas estrangeiras passou a
depender de concessão das autoridades monetárias. Em 1934 estabeleceu-se um mercado livre ao lado do oficial, e o valor das cambiais (saques exteriores) era
repartido, numa proporção que variou, entre ambos.
105 A de laranja em particular alcançará certo vulto já antes, mas sobretudo depois de 1930. Um presidente eleito do Brasil, parecendo ter consciência do que
se passava, afirmará (1930) na sua forte convicção conservadora que "a laranja
salvará o café".
104

alcançará 170 mil toneladas. Crescerá nos três anos subseqüentes
(período de recomposição de estoques dissipados no conflito), mantendo uma média anual de quase 300 mil; para se conservar em seguida, salvo raros anos excepcionais, abaixo de 150 mil; e depois
de 1956, abaixo de 100 mil. Mais aliás não era de esperar de um
produto que desfeita a conjuntura imperialista momentânea e excepcional que provocara o surto algodoeiro do Brasil, enfrentaria um
mercado desequilibrado onde o maior produtor, nada menos que os
Estados Unidos, vinha sendo, desde 1933, obrigado a uma política
de restrições e valorização artificial a fim de proteger sua produção.
As perspectivas do Brasil como fornecedor do comércio internacional tornam-se assim mínimas. O café, que durante um século
lhe assegurara neste terreno uma posição notável, já relativamente
pouco lhe poderá dar. Não foi apenas uma crise passageira que atingiu a economia cafeeira em 1929. As dificuldades vêm de mais
longe e são muito mais profundas. 1929 foi apenas uma catástrofe
de maior vulto que veio depois de uma série de crises mais ou menos graves que se repetem desde os últimos anos do século passado.
Mas não se julgue a precariedade da economia cafeeira apenas por
aí, por esses distúrbios financeiros embora tão sérios que vem sofrendo há tanto tempo e que nada são mais que sintomas de mal muito mais profundo. Desde princípios do século, embora através de
fortes oscilações de ano para ano, as exportações brasileiras de
café progrediriam muito pouco106. Pode-se dizer que desde aquela
época o consumo mundial alcançara um teto além do qual, em contraste com o passado, só cresceria lentamente. As perspectivas da
produção se achavam portanto definitivamente circunscritas. Entretanto, insistiu-se na expansão desmesurada das culturas. No café
se apoiava a maior parte da existência do país, e para sustentarlhe o peso era preciso estimulá-lo. Lança-se mão para isso, em diferentes épocas e sob diferentes formas, de expedientes de amparo
e valorização. O resultado foi este que desde 1925, a produção de
café ultrapassa largamente as exportações. O desequilíbrio teve de
ser corrigido à custa de pesados sacrifícios, em particular a destruição de volumes imensos do produto. Depois de 1931 até às vésperas da guerra, incineraram-se ou se lançaram ao mar cerca de 80
milhões de sacas, quatro milhões e oitocentos mil toneladas que
serviriam para alimentar o mundo, no nível atual de consumo (1969)
durante quase dois anos. Providência semelhante se repetiu em seguida com as chamadas "quotas de sacrifício". Nem assim se consegue eliminar os excessos que se foram regularmente acumulando de
ano para ano.
Além disso, é preciso levar em conta que o Brasil já não ocupa
no terreno da produção cafeeira a posição desfrutada durante mais
de meio século, quando dominava incontrastado no comércio internacional do produto. Hoje e já há bastante tempo, seus concorrentes
são numerosos e respeitáveis. Isto se observa no fato que enquanto

106 A exportação por decênios foi a seguinte no correr do século ( em toneladas):
1901-10.......... 7.835.940 1931-40 .......... 8.801.263
1911-20 .......... 7.230.180 1941-50 .......... 8.291.931
1921-30 .......... 8.371.920 1951-60 .......... 9.036.906

as exportações brasileiras estacionam, as deles aumentam sensivelmente, captando todo crescimento do consumo mundial. Logo depois
da guerra de 1914, elas não passavam de 5 milhões de sacas anuais,
o que representava uma quinta parte da exportação brasileira de
então. Em 1927-28107 ascendem a 8 milhões; 10 milhões em 1935-36;
13 milhões ao eclodir a II Guerra Mundial, para alcançarem no período 1958-9 a 1962-3, a média anual de 27,2 milhões; e no de
1963-4 a 1967-8, 33,0 milhões, largamente e crescentemente superiores às médias do Brasil, que são nos mesmos períodos respectivamente de 17,4 e 16,3 milhões.
Que grande futuro se pode esperar da produção de um gênero cuja situação é esta? O mais grave contudo é que a lavoura cafeeira
do Brasil se acha em franca decadência: a sua produtividade e seus
rendimentos declinam, e em boa parte delas os custos (apesar dos
ínfimos salários pagos) tendem a ultrapassar o nível de preços.
Isso é repetição de uma velha história: já foi referido que em todas as zonas sucessivas em que se desenvolveu a cultura do café, a
diminuição da produtividade seguiu de perto a fase de expansão.
Para chegar muitas vezes a um esgotamento total e destruição das
plantações. O crescimento da produção brasileira durante um século
foi possível unicamente porque as regiões esgotadas eram substituídas por outras. O mesmo se repete agora no extremo oeste de São
Paulo, bem como no norte do Paraná por onde se espalhou em sua última etapa a onda verde originada em S. Paulo e que já desbancou o
seu antecessor paulista. O Paraná produz hoje mais café que São
Paulo.
Mas agora já não há mais terras a explorar, praticamente todas
as regiões favoráveis à cultura do café se acham exploradas e na
maior parte esgotadas. E as zonas mais recentes e com reservas de
potencial produtivo, que são hoje as principais produtoras do país, no Oeste paranaense, se mostram menos próprias porque situadas
em latitude excessiva e por isso sujeitas a recorrentes devastações por efeito de geadas, como se deu ainda neste último inverno
de 1969.
É impossível portanto repetir o exemplo do passado. Sobra apenas o recurso de restaurar as antigas plantações decadentes. E de
fato é isso que embora ainda em proporções ínfimas se está realizando em algumas partes de São Paulo e Sul de Minas. Mas o custo e
as dificuldades dessa restauração são tais que não há que esperar
mais, na melhor das hipóteses, que uma simples conservação de valores. Progressos efetivos do conjunto são muito pouco prováveis.
Diante disso tudo seria evidentemente ilusório esperar da economia cafeeira o que ela deu no passado ao Brasil, assegurando a
prosperidade e o desenvolvimento do país. Ela se achava então num
período único de ascensão em que o café começava apenas a ser consumido no inundo, os mercados se alargavam incessante e precipitadamente, concorrentes eram praticamente inexistentes e as lavouras
tinham diante de si um espaço, que ainda parecia ilimitado, de
terras novas a ocupar. A situação se tornou sob todos os aspectos,
como se viu acima, inteiramente diversa.
Em outros setores além do café encontramos situações semelhan
O ano comercial internacional do café vai de julho a junho do ano seguinte.

107

tes: no do algodão cuja posição referimos acima; no do cacau, que
já foi, como vimos, um grande item, e maior ainda esperança da exportação brasileira, e que em face de forte concorrência internacional mal consegue conservar seus medíocres valores... Há neste
capítulo de nossas exportações casos dramáticos, como da borracha
cuja produção, reduzida a uma fração pequena do que foi no passado, já não é suficiente hoje nem para cobrir todas nossas próprias
necessidades... São muito limitadas, portanto, as perspectivas do
Brasil como fornecedor de matérias primas e gêneros tropicais,
função esta em que o país vem fundando sua existência desde os
primórdios da colonização. É preciso não esquecer outra ameaça aos
produtos tropicais brasileiros: a indústria sintética, já vitoriosa no caso da borracha, encaminhando-se para isso no da cera de
carnaúba, e pairando como ameaça potencial sobre quase todas as
nossas matérias-primas. O interesse que o Brasil poderá apresentar
no futuro aos grandes mercados internacionais, nesse setor de matérias-primas, reside quase exclusivamente nos minérios. As nossas
jazidas de ferro, manganês e alguns outros minérios oferecem certamente grandes perspectivas. Mas não como produtos de exportação.
A exportação de minérios do ponto de vista do reerguimento e sustentação de nossa economia, pouco pode significar. Em bruto -- é
assim que o querem nossos eventuais compradores do exterior - seu
valor é ínfimo, e sua simples extração, sem a utilização e processamento na indústria, é incapaz de servir de base a uma atividade
econômica de nível elevado. As exportações de minérios, privandonos de reservas esgotáveis e que não se reproduzem, deixarão no
Brasil pouco mais que os minguados salários dos mineradores.
As perspectivas do nosso intercâmbio externo, nas bases tradicionais em que se acha colocado, não se mostram pois nada favoráveis. E com isto é todo um velho sistema econômico que entra em
decomposição. Tal processo de decomposição vem, como já tenho referido, de longa data. Observando nossa evolução desde princípios
do século atual (para não falar no que já vinha de antes), verifica-se que é então que se situa a última culminância daquele sistema. Saía-se de uma fase de expansão ininterrupta e o futuro ainda
parecia brilhante. Entretanto, verificou-se um estacionamento, e
logo em seguida o declínio que depois de 1930 se torna precipitado.108 Isto evidencia que a base oferecida pelo nosso antigo sistema, voltado precipuamente para o exterior, se torna progressivamente mais estreita e incapaz por isso de sustentar a vida do país. E vindo de tão longa data como vem, este declínio mostra que é
independente de conjunturas momentâneas e representa qualquer coisa de permanente e profundo em nossa evolução. A análise da situação econômica geral do mundo moderno levaria à mesma conclusão.
Dentro da ordem contemporânea do universo, somente conjunturas excepcionais poderiam momentaneamente restaurar um ou outro setor

108 A exportação-ouro média anual per capita foi, por decênio, a seguinte (cálculo
em libras esterlinas ouro):
1871-80 ..........
1881-90 ..........
1891-1900 ........
1901-10 ..........
1911-20 ..........

16,0
16,6
21,0
23,4
26,8

1921-30
1931-40
1941-50
1951-60
1961-67

.......... 25,9
.......... 9,1
.......... 2,7
.......... 2,9
.......... 2,2

particular do nosso comércio exportador.
Paralelamente o imperialismo, tão ligado àquele sistema, também já se encontra em crise. Não me refiro apenas à sua crise geral, mas às vicissitudes financeiras particulares que sofre no
Brasil. O crescimento de sua penetração no país, que ainda mantém
seu ritmo ascendente, não deve iludir quanto ao grave enfraquecimento das bases em que assenta. Estas são representadas, em
última instância, pela remuneração que seus capitais e operações
podem retirar do país. Ora, essa remuneração, depois de 1930, começa a evidenciar a sua precariedade, uma vez que o Brasil se verá
naquela ocasião, pela primeira vez de forma tão radical, na impossibilidade total de a atender. Tal impossibilidade provinha -- vimo-lo anteriormente -- da situação financeira e da nossa deficitária balança de contas externas. No setor das dívidas públicas,
chegou-se ao repúdio puro e simples da maior parte das obrigações.
O simples serviço de juros já ultrapassava largamente as disponibilidades do país e não era materialmente possível satisfazê-lo. E
assim sucessivamente, em 1934, 1940 e ainda em 1944, os credores
estrangeiros do Brasil foram obrigados a aceitar cortes drásticos
de seus créditos que se reduziram a uma pequena fração de seu valor nominal109.
Quanto à remuneração dos capitais invertidos em atividades
privadas, esta também sofreu depois de 1930, e pela primeira vez
na história brasileira, as mais sérias vicissitudes. Boa parte das
empresas estrangeiras que operavam no Brasil viram seus lucros aqui congelados, sendo impossível remetê-los por falta de cobertura
cambial. Para avaliar a situação dos capitais estrangeiros invertidos em atividades privadas brasileiras nas vésperas da II Guerra
Mundial, pode-se tomar como ponto de referência os ingleses, os
mais importantes na ocasião, e cuja remuneração média foi em 1940,
segundo cálculo do South American Journal (então ainda tradicional
órgão oficioso dos interesses britânicos em nosso continente) de
0,96$ apenas. E observe-se que mesmo esta magra remuneração se fazia com incalculáveis sacrifícios do Brasil, que para realizá-la
abria mão da importação de artigos básicos e essenciais para sua
subsistência e desenvolvimento. Situação muito parecida, embora em
conjuntura nova e diferente, verificar-se-á como ameaça pendente,
trinta anos mais tarde, isto é, na atualidade. A ela voltaremos no
próximo capítulo.
São todas essas circunstâncias que levarão a economia brasileira para novos rumos, que são os únicos que lhe sobrariam para
sair das contradições profundas em que se embrenhara. Isto é, refazer-se sobre outras bases, deixar de ser um simples fornecedor
do comércio e dos mercados internacionais, e tornar-se efe
A dívida pública externa do Brasil (governos federal, estadual e municipal)
era em 1930 de 253 milhões de libras esterlinas. Suspendeu-se depois daquele ano
o serviço de juros, que somente por momentos esporádicos se retomou depois. A
dívida efetiva do Brasil já somaria, no pós-guerra, talvez o dobro daquela importância, não fossem as reduções impostas aos credores cujo crédito oficialmente reconhecido se reduziu a apenas 130 milhões, que com mais outros cortes posteriores se foram liquidando por entendimentos parciais com os diferentes credores, através de compensação com créditos brasileiros provenientes de exportações
não pagas que se efetuaram durante a guerra, e que tinham sido congelados.

109

tivamente o que deve ser uma economia nacional, a saber, um sistema organizado de produção e distribuição dos recursos do país para
a satisfação das necessidades de sua população. Romper definitivamente com seu longo passado colonial, e fazer-se função da própria
comunidade brasileira e não de interesses e necessidades alheios.
Essa evolução se encontra, como vimos, em andamento. Mas forças
poderosas contêm o seu ritmo: não somente os interesses fundados
na ordem passada, e ainda essencialmente dominantes, mas a inércia
de toda a parte mais importante e substancial da estrutura e organização econômica do país que se constituiu em função de uma finalidade e é agora solicitada por outra. Uma análise atenta da organização econômica do país nos mostra que o essencial nela, desde a
distribuição da população, a estrutura agrária, a disposição dos
centros urbanos, a rede de transportes, até o aparelhamento comercial e financeiro, se dispõe sobretudo para atender aos objetivos
que desde os remotos tempos de sua formação até nossos dias, a ela
essencialmente se impôs: a produção de gêneros exportáveis. E isto
sem contar poderosos fatores sociais e políticos que agem no mesmo
sentido. Não podia ser de outra forma depois de quatro séculos e
tanto de hegemonia de tal sistema econômico, que somente em época
recente entrou em sua fase de desagregação.
Doutro lado, a transformação parcial que apesar de tudo se operou, fez-se muitas vezes defeituosa, freqüentemente apenas como
expediente oportunista em frente a embaraços que iam surgindo. Exemplo flagrante disso encontramos na indústria manufatureira que
se desenvolveu no passado, e em período tão importante como foi
aquele de sua formação, ao acaso de tarifas alfandegárias ditadas
muito mais por necessidades do Tesouro público que pelo objetivo
deliberado de estimular empreendimentos nascentes capazes de vingarem e se manterem no futuro com suas próprias forças; ao acaso
também das depreciações cambiais, bem como de conjunturas completamente estranhas, como foi o caso da guerra de 1914-18, repetido
com a II Guerra Mundial. A ação indiscriminada de tais fatores ocasionais, e muitos deles adventícios, teve freqüentemente o efeito de estimular indústrias fictícias, simples atividade de "ajuntamento de peças e partes", que dependiam de fontes externas de
abastecimento para todas as suas necessidades, desde a maquinaria
até a matéria-prima ou materiais semiprocessados que empregavam.
Tinha perspectivas de sucesso qualquer atividade que fosse capaz
de substituir, embora mal e com artigos inferiores, uma importação
tornada por qualquer motivo impossível; ou mesmo que unicamente
eliminasse algum custo pago em moeda estrangeira. Isso tinha de
dar, como efetivamente deu, num crescimento industrial desordenado, desconexo, mal estruturado e fundamentado. Os diferentes setores do parque industrial brasileiro não se desenvolverão em função
um do outro, ajustando-se mutuamente para formarem um conjunto
harmônico. Cada indústria nascerá pelo acaso de circunstâncias
fortuitas e objetivando atender alguma pequena necessidade incapaz
de ser satisfeita pela importação; e permanecerá por isso isolada,
continuando a depender muitas vezes, no essencial, da importação.
Indústrias de expressão e significação econômicas secundárias terão por isso precedência sobre outras fundamentais, o que se observa em particular na debilidade e insuficiência, ainda hoje tão

sentidas, das nossas indústrias de base: metalurgia, mecânica,
química, etc.
Doutro lado, se a depreciação monetária assegurava a existência dessa precária indústria graças aos preços elevados que
permitia fossem cobrados pelos seus produtos, aquela depreciação
também onerava a indústria com o encarecimento do material que
precisava adquirir no exterior. Esse será o caso, para todas as
indústrias, de pelo menos a maquinaria que o país não produzia.
Constituirá isso um obstáculo muito sério oposto à renovação e aperfeiçoamento das indústrias; e as estabelecidas, mesmo quando
obsoletas, gozavam com isso de um privilégio contra que dificilmente podiam lutar concorrentes novos. Isso se traduz em índices
deploráveis e que bem mostram a debilidade orgânica da indústria
brasileira; como aqueles, acima citados (nota 89), que revelam o
obsoletismo, nas vésperas da II Guerra, do equipamento industrial
empregado no maior centro do pais, que é São Paulo.
Sintomas como este são muitos. Por força das circunstâncias
peculiares em que se realizou a evolução econômica brasileira, e
que esboçamos acima, a transformação que nela se está operando encontra pela frente grandes embaraços. E por isso é ainda do jogo
das contradições entre o passado colonial, que resiste, e as forças de renovação, que impulsionam o país por novos rumos, que resulta o processamento de nossa evolução econômica. É isso que se
retrata nesta fase mais recente de nossa história que ainda vivemos, e que procuraremos sintetizar no próximo capítulo.

27
A Crise Em Marcha

A II Guerra Mundial (1939-1945) trouxe grandes modificações na
evolução de todos os povos. Ela assinalou uma acentuada deflexão
na marcha dos acontecimentos humanos e os encaminhou por novos rumos que embora já preparados e em gestação em fase anterior, somente então se precisam de forma nítida e decisiva. Mas a guerra,
apesar das repercussões profundas, diretas e indiretas, próximas e
remotas com que se marcou na evolução econômica brasileira, não
alterou essencialmente, como não poderia alterar, o processo de
transformação nela observado nos decênios anteriores e que analisamos no último capítulo. A "crise do nosso sistema colonial" se
manteve, e apesar das circunstâncias especiais e aspectos particulares que nela provocou a conflagração de que participamos passiva
e também ativamente, tal crise se acentuou e precipitou consideravelmente, abrindo novas e largas perspectivas para a transformação
final daquele sistema. Isso dará lugar, de um lado, ao esforço de
adaptação da ordem econômica vigente às contingências criadas, e
de reestruturação do mesmo sistema em formas renovadas; mas isto
sem lhe comprometer a essência colonial. De outro lado, e como
conseqüência, aguçam-se as contradições imanentes na ordem estabelecida e que se projetam agora vivamente no plano social e político. O país ingressa numa fase em que a par do crescimento, sob
certos aspectos, de suas forças produtivas e de diversificação de
suas atividades econômicas -- em particular no que diz respeito ao
progresso industrial -- se verificarão acentuados e crescentes desequilíbrios e desajustamentos que se prolongam na vida social e
política. É esse processo, embora limitado aqui às circunstâncias
de ordem econômica de seu desenvolvimento, que acompanharemos em
seguida.
No curso da guerra, sobretudo em sua última fase e prolongando-se nos anos subseqüentes, assistimos a um revigoramento esporádico do tradicional sistema do passado, abrindo-se para tal sistema (isto é, uma economia exportadora de produtos primários e voltada essencialmente para o exterior), nova e brilhante oportunidade. Com uma intensidade de que havia muito o país não tinha notícia, o Brasil se fazia de novo alvo de forte demanda internacional
de gêneros alimentares e matérias-primas exigidos agora pelas necessidades da luta em que se empenhavam as grandes potências de
que o Brasil era e ainda é tributário.
Essa intensificação da demanda não se reflete tanto no volume
da exportação, cujo aumento não será muito sensível. Circunstância
que devemos notar desde já e que mostra o esgotamento da capacidade produtiva da economia brasileira de exportação110. Mas no valor,

Lembremos o caso da borracha. Quando deflagrou a guerra houve forte apelo, da
parte dos Estados Unidos sobretudo, para a borracha brasileira, porque o Japão
ocupara as regiões produtoras do Oriente, e a produção da borracha sintética ainda se encontrava em seus primeiros passos. Entretanto, não foi possível desen-

110

o efeito será considerável, ascendendo a exportação brasileira de
gêneros alimentícios e matérias-primas para altos níveis.
Ao mesmo tempo que assim se valoriza a exportação, declina a
importação. De um lado, interrompiam-se quase completamente os
fornecimentos dos países europeus isolados de nós pela guerra, ou
empenhados numa luta que lhes absorvia todas as atenções e recursos; doutro, os Estados Unidos, ocupados como também estavam na
produção de guerra, não puderam suprir aquele desfalque de nossos
fornecedores europeus; e em alguns itens importantes não conseguiram nem ao menos manter seu nível de fornecimentos anterior à
guerra.
Há a lembrar ainda a guerra submarina que reduziu consideravelmente o tráfego marítimo. Essa situação resultará em grandes
privações, particularmente sensíveis no que diz respeito aos combustíveis, com a drástica redução das importações de derivados do
petróleo e de carvão; bem como ao trigo. E ao mesmo tempo que se
acelerava, para substituir aqueles combustíveis, a devastação de
matas para extração de lenha e carvão vegetal, começa a se desenvolver em algumas regiões do país, como em São Paulo, e particularmente nas proximidades da capital, uma atividade quase nova entre nós, a silvicultura, destacando-se a do eucalipto.
* * *

Em conseqüência do aumento da exportação e declínio das importações, desaparece momentaneamente o sintoma mais expressivo pelo
qual se manifestam as contradições de nosso sistema econômico, a
saber, o desequilíbrio crônico da balança de pagamentos exteriores, cujo papel relevante em nossa finanças e na vida econômica em
geral do Brasil, já foi caracterizado no curso desta história. E
como efeito disso, a moeda brasileira adquire notável estabilidade
cambial, quase sem precedentes em todo nosso passado. Por outro
lado todavia, o acúmulo de saldos comerciais obrigou a fortes emissões destinadas à aquisição, pelas autoridades monetárias, das
divisas representativas daqueles saldos e que não encontravam compradores no mercado ordinário, isto é, entre importadores. Essas
emissões constituíram o ponto de partida e impulso inicial do processo inflacionário que se prolongará, estimulado mais tarde por
outros fatores, no pós-guerra e até o momento presente.
As restrições do comércio importador ainda terão outra conseqüência importante. Privado do abastecimento externo no que diz
respeito a um sem-número de manufaturas, o mercado interno tem de
recorrer à produção nacional, o que abre amplas perspectivas para
as atividades industriais do país. Repetia-se o que já ocorrera
por ocasião da I Guerra Mundial (1914-18). E desta vez em escala
muito maior, de um lado porque a redução dos fornecimentos exteriores é muito mais drástica, e doutro porque as necessidades do
mercado nacional se tinham tornado maiores. Além disso, partia-se
agora, o que não acontecera em 1914, de um nível industrial já

volver-se a nossa produção em larga escala; e a exportação passou apenas de
9.000 toneladas (1940) para 14.500 (1944).

mais elevado, tornando-se por isso mais fácil o aparelhamento da
indústria no sentido de atender a tais necessidades acrescidas e
insatisfeitas pelo habitual recurso à importação.111
A indústria brasileira não será aliás solicitada unicamente
pelo mercado interno; alguns de seus setores mais desenvolvidos e
habilitados (como em particular a de tecidos de algodão) encontrarão também alguns mercados externos, como nos países da América Latina e na África do Sul, às voltas com as mesmas dificuldades de abastecimento que nós. Os próprios Estados Unidos se tornam
grandes importadores de tecidos brasileiros. A exportação de tecidos constituirá mais um elemento ponderável de reforçamento de
nosso balanço comercial, chegando a figurar em segundo lugar na
pauta das exportações, depois do café, com uma participação no total exportado de quase 13% (1943).
A economia brasileira encontrava assim, graças às circunstâncias excepcionais da guerra, um novo equilíbrio provisório; e apesar dos grandes sacrifícios suportados pelo país, os anos de duração do conflito representam uma fase de nítido progresso. É certo
que este se fazia à custa da massa trabalhadora do pais, que suportou todo o ônus daqueles sacrifícios (por efeito, em particular, das restrições alimentares e do encarecimento considerável da
vida), e são somente as classes possuidoras que dele participarão
efetivamente. A pressão sobre o mercado por efeito de uma oferta
insuficiente de mercadorias (resultado da diminuição da importação
e aumento da exportação sem acréscimo compensador da produção),
bem como a inflação do meio circulante (efeito de pesadas emissões
provocadas por grandes despesas públicas decorrentes direta e indiretamente do estado de guerra112 e pelo financiamento acima lembrado dos saldos do comércio exterior) provocam uma rápida ascensão de preços, que não será acompanhada senão muito tardiamente
pela elevação de salários e da remuneração do trabalho em geral; o
que, em boa parte, será devido ao vigente regime ditatorial e conseqüente restrição às liberdades públicas, que colocava os
trabalhadores em situação desfavorável na luta por melhores
condições de vida. Aquela defasagem entre a progressão do custo de
vida e o nível de salários resulta naturalmente em forte acréscimo
da exploração da força de trabalho e um sobrelucro apreciável que
provoca intensa acumulação capitalista. O considerável enriquecimento das classes possuidoras (ou melhor de alguns de seus
setores mais bem situados para se prevalecerem da situação) ainda
é fomentado pela valorização da propriedade imobiliária, sobretudo
a urbana (reflexo da diminuição do poder aquisitivo da moeda, bem
como do desenvolvimento dos centros urbanos) e pela intensa
especulação que caracterizou a vida financeira do Brasil (e a

Um pequeno pormenor, mas bastante ilustrativo, exemplifica essa nova capacidade e flexibilidade da indústria nacional. Refiro-me à adaptação dos motores de
explosão ao consumo de gases pobres em substituição da gasolina. A produção de
"gasogênios", aparelhos com os quais se faz a adaptação, realizada exclusivamente com recursos do país, atingiu nível relativamente elevado. E, entre outros,
foi possível aparelhar por essa forma, e mantê-la assim em uso, boa parte da
frota de veículos-motores.
112 É de lembrar que a redução das importações desfalcou sensivelmente um dos
principais rendimentos federais, os direitos alfandegários, agravando assim o
desequilíbrio das finanças públicas.
111

que caracterizou a vida financeira do Brasil (e a administrativa e
política também...) no correr da guerra.
Esse momentâneo equilíbrio e artificial prosperidade começam a
declinar na medida em que desaparecem as circunstâncias extraordinárias que os tinham provocado. As antigas contradições que solapavam a economia brasileira, um instante disfarçadas, voltam à tona, muitas delas agravadas; e outras novas se vêm acrescentar a
elas, aprofundando-se em conseqüência, consideravelmente, a crise
em geral do sistema, já agora com grandes repercussões na vida política e social do país.
O impulso dado às exportações, embora mantendo-se depois da
guerra, já não contrabalança o aumento das importações cujo progresso espetacular no imediato após-guerra foi determinado sobretudo por duas ordens de fatores: de um lado a necessidade de repor
o material desgastado e não substituído durante o período de interrupção das importações (material ferroviário, equipamentos industriais em geral etc); doutro, o grande poder aquisitivo acumulado em alguns setores da população, reflexo do enriquecimento das
classes possuidoras que assinalamos acima. Este último fator é facilmente verificado na pauta das importações, em que se destacam
os gêneros e artigos suntuários sem outra significação que a de
alimentarem o bem-estar e luxo de classes possuidoras grandemente
enriquecidas durante a guerra. A esse item de despesas no exterior
é preciso acrescentar outro da mesma natureza que são gastos de
viagem e turismo, que somam em 1947 a importância vultosa de quase
600 milhões de cruzeiros113.
As despesas no exterior, tanto com importações como com viagens (que envolviam geralmente uma grande importação disfarçada de
mercadorias trazidas como bagagem e que não figuram nas estatísticas oficiais nem pagam direitos alfandegários) foi no pós-guerra
fortemente estimulada pelo desnível de preços internos e externos.
Enquanto aqueles se mantinham elevados por força da inflação, os
exteriores eram relativamente reduzidos graças à estabilidade cambial que se escudava nos grandes créditos do Brasil no exterior, e
era mantida, a todo transe, pela política monetária do governo.
Em 1947, o valor das importações ultrapassa o da exportação,
deixando um deficit de US$ 55 milhões114. Nos anos seguintes a situação do balanço comercial melhora ligeiramente, deixando em 1948
e 1949 saldos respectivamente de 88 e 17 milhões. O que é largamente insuficiente para fazer face aos compromissos financeiros no
exterior (em particular os serviços da dívida externa e dos capitais estrangeiros aplicados no país). Nos três anos referidos
(1947, 8 e 9) o deficit de nosso balanço de contas sobe, no total,
a mais de US$335 milhões, que serão cobertos com empréstimos ofi
O câmbio oficialmente fornecido para gastos de viagem ao exterior foi de 593
milhões. A essa importância, contudo, é preciso acrescentar a moeda estrangeira
adquirida no câmbio negro e que não é naturalmente registrada nas estatísticas.
114 Dólares norte-americanos, em que desde a II Guerra Mundial se tornou hábito,
oficialmente consagrado, de computar as nossas transações com o exterior, em
substituição à libra esterlina anteriormente empregada nesse fim. Está computado
nas importações o custo do transporte (fretes e outras despesas) das mercadorias
importadas, desde o lugar onde se origina a exportação para a Brasil até o ponto
de entrada em território brasileiro.
113

ciais e afluxo de novos capitais estrangeiros que representarão
maiores encargos para o futuro e operação assim como novos drenos
apostos às depauperadas finanças brasileiras, aumentando ainda seu
desequilíbrio.
O desequilíbrio provocado pelos deficits era agravado pelo
bloqueio das moedas de que possuíamos maiores saldos acumulados
durante os anos de guerra, resultantes de uma balança mercantil
favorável (Grã-Bretanha, França, etc.) Estes países devedores não
somente se mostravam impossibilitados de liquidarem seus débitos
comerciais atrasados (ou antes, preferiam destinar os recursos
respectivos a outros fins mais interessantes que saldar dívidas
para com países sem grande voz financeira ou política...), como
ainda não conseguiam satisfazê-los em mercadorias. Isto em parte
porque não dispunham de produção exportável suficiente; mas também
porque nosso intercâmbio com eles era embaraçado pelos interesses
norte-americanos que procuravam conservar seus fregueses brasileiros e seu quase monopólio em nosso mercado, conquistado por eles
durante a guerra. O famoso Plano Marshall, destinado oficialmente
à reconstrução e reerguimento econômico dos países europeus devastados pela guerra, teve naquele terreno papel considerável, pois
foi manejado no sentido de cercear os fornecimentos europeus. E
por isso a maior parte de nossos créditos no exterior (particularmente na Grã-Bretanha) foi liquidada com a aquisição pelo governo
brasileiro, em condições desvantajosas para nós, de empresas ferroviárias (a antiga São Paulo Railway, hoje Estrada de Ferro Santos-Jundiaí; a Leopoldina Railway, a Great Western, etc), das
quais somente a primeira constituía mais que ferro velho quase imprestável.
Em conseqüência da posição pesadamente deficitária de nossas
contas externas, acumulam-se no pós-guerra os atrasados comerciais, isto é, débitos em atraso por mercadorias importadas que o
país não tinha recursos em divisas para saldar. Em 1947 esses atrasados cifram-se em US$ 82 milhões, com grande dano para o nosso
crédito comercial no exterior. Muitos fornecedores suspendem suas
remessas para o Brasil; e diferentes indústrias são obrigadas a
reduzir o ritmo de produção se não paralisarem suas atividades por
falta de matérias-primas importadas. Chega a pairar uma certa ameaça até sobre o fornecimento, vital para nós, de combustíveis.
* * *
Recorre-se nesta situação ao controle rigoroso das importações. Pela Lei n.° 262 de 23 de fevereiro de 1948 é estabelecido o
sistema de licença prévia para as importações. Obtém-se com isso
uma dosagem das importações que permitiu conter a expansão verificada nos anos anteriores e mesmo alcançar uma certa redução de que
resultaram os pequenos saldos já referidos nos anos seguintes
(1948 e 1949). Não se fez isso, todavia, sem pesados sacrifícios,
pois as restrições à importação, sem dúvida necessárias no que diz
respeito ao esbanjamento presenciado nos anos que se seguiram imediatamente à guerra (e que a política oficial favoreceu abertamente e em muitos casos até estimulou), vão atingir também importações essenciais ao desenvolvimento do país. Para esse desenvolvi-

mento e em muitos casos para a simples reposição de material produtivo desgastado (é o caso em particular das estradas de ferro),
o Brasil exigia importações de vulto que a situação de nossas contas externas comprometia gravemente. Além disso, a drástica restrição às importações e pois à concorrência de manufaturas estrangeiras importadas, estimulam a alta de preços e o ritmo do processo inflacionário que vinha do período de guerra e a que já se fez
referência. Será esse fato, daí por diante, um dos principais fatores imediatos da precipitada inflação e desvalorização da moeda
brasileira que se prolongam até hoje com graves perturbações da
normalidade econômica do país; e que atingem sobretudo e tão pesadamente as camadas menos favorecidas da população brasileira.
Melhorará a conjuntura com a valorização do café que acompanha
a alta geral de preços das matérias-primas e dos gêneros alimentares, determinada pelo rearmamento norte-americano (iniciado em
1948) e pela ameaça de nova guerra115. O ano de 1950 trará para o
Brasil um saldo comercial vultoso, cerca de US$300 milhões, reequilibrando-se em conseqüência as contas externas do país. Essa
situação coincide com o início do novo governo do Presidente Getúlio Vargas (empossado em 31 de janeiro de 1951), que se aproveitará dela para lançar um programa de fomento da atividade industrial. Abrem-se as comportas para a importação de equipamentos industriais, matérias-primas e semi-processadas, embora sem plano de
conjunto e cuidadosa discriminação como se faria mister, não fossem os objetivos imediatistas e essenciais dessa política, como
realmente foram, de tão-somente favorecer interesses financeiros
privados.116 E na previsão de uma nova guerra (de que a guerra fria
desencadeada pelos Estados Unidos e o conflito da Coréia pareciam
constituir um prenúncio) acumularam-se grandes estoques.
Constituía tudo isso, como os fatos subseqüentes se incumbiriam de mostrar, um jogo muito perigoso, pois em vez de se aproveitar a ocasião para marchar no sentido de uma remodelação profunda e de base da economia brasileira, única maneira de assegurar
um desenvolvimento sólido e de reais perspectivas, preferiu-se assentar o projetado desenvolvimento industrial nos fundamentos precários de uma conjuntura apenas momentaneamente favorável e prenhe
de incertezas. Não somente se apostava na eventualidade de uma
guerra (o que já por si constituía sério erro, pois essa eventualidade poderia ter e teria certamente conseqüências das mais graves para o país), como ainda não se procurou pautar o projetado
desenvolvimento industrial por um plano de conjunto em que se previsse cuidadosamente o aproveitamento máximo dos recursos disponíveis, com a eliminação de quaisquer desperdícios, particularmente
no que se refere aos ocasionais saldos financeiros verificados. Ao
contrário disso, a administração federal se louvou quase exclusi
A cotação do café na Bolsa de Nova Iorque (centavos de dólar por libra-peso do
tipo 4-Santos) passa da média anual de 22,50 em 1948, para 31,80 em 1949; 50,80
em 1950 e 54,30 em 1951.
116 Essa segunda presidência do sr. Getúlio Vargas, resultante de eleições, se caracteriza por forte influência de interesses financeiros e industriais. É o reflexo, na política, da ascensão de grupos econômicos tornados poderosos em conseqüência do intenso processo de capitalização e concentração capitalista verificado no Brasil desde a guerra e a que já nos temos referido.
115

vamente nos estímulos imediatistas e nas diretrizes da iniciativa
privada do mundo dos negócios, limitando-se a presidir a uma liberal, generosa e não raro venal e corrupta distribuição de licenças
prévias para importação daqueles artigos que momentaneamente oferecessem aos felizes beneficiários maiores perspectivas de fáceis
lucros imediatos e, em boa parte, quase puramente especulativos. A
política do governo, se de um lado se inspirou acertadamente na
necessidade de promover o processo de industrialização do país,
fracassou por outro na realização de seus objetivos declarados,
pois levou o país à gravíssima situação que logo veremos e que resultou afinal na agravação dos desajustamentos que vinham acompanhando a vida econômica brasileira e que tão fortemente oneravam a
grande massa da população.
Da experiência dos anos de 1951-52 ficou sobretudo a lição,
infelizmente não bem assimilada, de que o desenvolvimento industrial do país exige medidas muito mais profundas e de natureza
muito mais geral que simples providências fundadas em circunstâncias excepcionais, como foi a momentânea e precária valorização,
nos mercados internacionais, de nossos produtos de exportação.
Graças à política de largas facilidades proporcionadas aos negócios e à especulação, o país conheceu um breve momento de prosperidade que embora restrito a pequenos setores da população, animou e alargou as atividades econômicas, em particular as indústrias. As inversões atingem em 1952 a elevada cifra de 21,7 bilhões de cruzeiros (não se esqueça que o cruzeiro tinha na ocasião
mais de 120 vezes o valor aquisitivo que tem hoje (1970). Logo viria, contudo, o reverso da medalha. Já em fins de 1952 a situação
se apresentava catastrófica. O desequilíbrio da balança comercial
que em 1951 (depois do grande saldo referido de 1950, de quase
US$300 milhões) resultara no deficit de US$ 197 milhões, alcança
em 1952 um recorde que deixa muito longe todos nossos déficits anteriores: 541 milhões. Em conseqüência, acumulam-se os atrasados
comerciais que atingem outro nível recorde: cerca de 550 milhões.
A isso se acrescenta a aceleração do processo inflacionário,
fortemente estimulado pela descontrolada expansão dos negócios e
pelas emissões feitas para atenderem ao vertiginoso crescimento
das despesas públicas que acompanham naturalmente a alta precipitada dos preços provocada por aquela mesma inflação. O país ingressará definitivamente num processo inflacionário autoestimulante e de efeitos cumulativos cujo paradeiro não se enxergará mais e
que se prolongará pelos tempos afora com todas as danosas conseqüências que lhe são inerentes.
Para fazer frente ao desequilíbrio verificado nas contas externas do país e que o colocava em situação semelhante, embora
muito mais grave que a verificada em 1947 e que referimos acima, o
governo volta aos processos clássicos é aos expedientes de emergência destinados precipuamente a resguardarem, o quanto possível,
os interesses das esferas do negócio. A saber, restrições drásticas e no geral indiscriminadas das importações. Ao mesmo tempo,
libera-se parcialmente o câmbio (Lei N. 1807, de 7 de janeiro de
1953), criando paralelamente ao oficial, o mercado livre que seria
alimentado pela venda que nele se autorizava das divisas provenientes da exportação de alguns produtos, divisas essas destinadas à

cobertura de remessas financeiras para o exterior -- somente de
tais remessas, pois as importações continuavam sujeitas à licença
prévia, devendo ser pagas com câmbio adquirido no mercado oficial.
Visava-se obter com o novo sistema dois resultados que se complementavam e destinados a corrigirem o desequilíbrio do balanço de
contas: de um lado, valorizavam-se em moeda nacional as exportações cujo produto em divisas se vendia no mercado livre, uma vez
que nesse mercado as divisas obtinham cotações mais altas que no
oficial. Favoreciam-se assim aquelas exportações. De outro lado,
estimulava-se o afluxo de capitais estrangeiros, pois eram eliminadas quaisquer restrições opostas à remessa de juros, dividendos
e outras formas de remuneração daqueles capitais, bem como ao retorno deles ao país de origem, pois essas remessas se fariam sem
limitações pelo mercado livre de câmbio. Essa generosa concessão
aos interesses imperialistas é bem reflexo da mentalidade colonialista das autoridades brasileiras e da ilusão, sempre recorrente,
de que os distúrbios e as perturbações do nosso sistema colonial
de economia se corrigem com a acentuação e fortalecimento desse
sistema. Logo veremos o efeito contraproducente daquelas medidas.
O novo regime cambial foi parcialmente modificado pouco depois, em outubro de 1953, pela Instrução n. 70 da Superintendência
da Moeda e do Credito (SUMOC),117 por força da qual passaram a se
realizar pela taxa oficial todas as exportações e importações, ficando confinado o mercado de taxas livres às transações de caráter
meramente financeiro -- em particular a entrada e saída de capitais, bem como as remessas de juros, dividendos e outras formas de
remuneração dos capitais estrangeiros publicados no Brasil118. Os
favores, antes concedidos à exportação de algumas mercadorias, que
consistiam na faculdade de vender as divisas provenientes dessas
exportações privilegiadas no mercado livre onde alcançavam cotação
muito superior à oficial, tais favores eram substituídos por "bonificações". Quanto às importações, sujeitavam-se as licenças respectivas à obtenção prévia de "promessas de venda de câmbio" (geralmente conhecidas pela sigla PVC), oferecidas à licitação em
Bolsa. O regime da Instrução n. 70, confirmada pela Lei N. 2.145,
de 29 de dezembro de 1953, se manteve em suas linhas gerais e essenciais até 1961, quando é restabelecida, praticamente em sua integridade, a liberdade cambial.
Observe-se que o novo sistema introduzido pela Instrução n. 70
representava mais um passo no sentido do retorno à plena liberdade
comercial e cambial, em substituição ao controle introduzido, como
vimos, em 1948, pelo sistema da licença prévia para importações.

O Congresso ratificou as reformas introduzidas pela instrução n.° 70 e coonestou assim o inconstitucional ato do Poder Executivo realizado através da SUMOC,
ao promulgar a Lei n.° 2.145, de 29 de dezembro de 1953.
118 Algumas empresas imperialistas (como entre outras o grupo Light & Power) obtiveram o favor especial de remeterem seus rendimentos através do mercado oficial
de câmbio, em que a taxa do dólar norte-americano era de Cr$ 18,50. E como essas
empresas podiam, como aliás qualquer pessoa, vender dólares no mercado livre na
base de taxas que se encontravam naquela ocasião acima de Cr$ 40,00 e chegaram a
alcançar antes da revogação do privilégio, mais de Cr$ 100,00, pode-se avaliar a
bela margem de lucros que lhes proporcionava a especulação cambial facilitada
pela lei.
117

Segundo a lei de 1948 (veja-se acima), a concessão de licença prévia se deveria subordinar a um controle administrativo (exercido
pela Carteira de Exportação e Importação do Banco do Brasil), o
que tornava possível, em princípio, uma seleção das importações
segundo sua essencialidade e as necessidades mais prementes e fundamentais da economia do país. Pelo novo sistema da Instrução n.
70, as licenças prévias ou PVC seriam vendidas em leilão, isto é,
cedidas pelo maior preço oferecido. Isso significava de fato a libertação do câmbio e do comércio exterior, ficando as importações
sujeitas unicamente ao livre jogo do mercado.
É certo que o sistema preconizado na lei de 1948 nunca se aplicara adequadamente e sempre faltou um plano geral e racional
que presidisse à concessão de licenças prévias e subordinasse assim a importação às reais e essenciais necessidades do país. A CEXIM (sigla pela qual se tornou conhecida a Carteira de Exportação
e Importação) se fez aliás notória pelo favorecitismo e corrupção
que presidiu à distribuição por ela realizada das licenças prévias. O felizardo beneficiário de uma licença prévia obtinha o direito de pagar sua importação na base de Cr$18,50 o dólar, para
revendê-la num mercado em que, por força da depreciação do cruzeiro, o valor real do dólar chegara, ao desaparecer a CEXIM, a quase
Cr$80,00! Imagine-se por aí a margem de lucro proporcionado pela
especulação e pelos favores do diretor da CEXIM que não estava legalmente cingido a nenhum plano de importações, plano esse que não
existia, e concedia as licenças prévias praticamente a seu belprazer... Foi aliás esta inqualificável e tão absurda situação,
que dava margem aos maiores abusos que se praticaram em larga escala, foi isso que serviu de principal justificativa para a modificação do sistema. Mas em vez de se sanarem seus defeitos dotando-o de critérios racionais para a concessão de licenças de importação, ele é de fato abandonado e substituído pela liberdade comercial.
Trata-se aí, na realidade, do choque de duas concepções opostas. Uma que reconhece, como é justo, a situação peculiar e toda
especial da economia e das finanças do Brasil que exigem, por sua
debilidade congênita e falta de reservas ponderáveis, uma regulamentação rigorosa da utilização dos parcos e de todo insuficientes
recursos em divisas com que o país conta, a fim de lhes dar a mais
proveitosa aplicação com vistas ao interesse geral e à conveniente
estruturação da economia nacional. Em oposição a isso, encontra-se
a concepção liberal, inspirada por um pensamento econômico sem nenhuma justificação no Brasil e amparada pelos interesses tanto nacionais como estrangeiros direta ou indiretamente ligados à tradicional ordem econômica dominante no país, e que julga preferível
confiar na livre iniciativa privada, deixando a seu cargo, na base
do livre jogo do mercado e da oscilação de preços daí derivada, a
seleção das importações e a utilização das divisas disponíveis.
Com a Instrução n. 70, é esta última solução que se consagrará.
Ora a liberdade do comércio exterior entregue aos impulsos imediatistas da especulação mercantil e aos azares de circunstâncias ocasionais, contra que uma débil e incipiente economia como a
nossa não logra se defender, invariavelmente se traduz em fortes e
bruscas oscilações da conjuntura que afetam gravemente a normali-

dade financeira e comprometem seriamente um desenvolvimento econômico equilibrado e seguro. É o que se verificará de maneira flagrante logo no período que se segue às reformas assinaladas. Ao
terminar o ano de 1953, era extremamente favorável a posição financeira do café, nosso grande produto exportável e principal fornecedor de divisas (na proporção de 60 a 70% na ocasião). A safra
brasileira de 1953 sofrera grandemente de fortes geadas que as reduziram de cerca de 30%; e para se precaverem contra a eventual
falta de disponibilidades, os importadores norte-americanos, principais compradores de café, procuram acumular estoques. Em conseqüência, as exportações brasileiras se intensificam nos últimos
meses de 1953 -- o que constituirá o principal fator do elevado
saldo de nosso balanço comercial verificado naquele ano: US$266
milhões -- e os preços se elevam. A cotação do nosso café na Bolsa
de Nova Iorque, que vinha oscilando nos últimos três anos entre 50
e 55 centavos de dólar a libra-peso do tipo 4-Santos, ultrapassava, ao se encerrar o ano, 65 centavos, para atingir, em abril de
1954, o preço fantástico, nunca antes alcançado (nem depois), de
95 centavos119.
Essa excepcional conjuntura favorável da exportação brasileira
leva aos leilões de câmbio instituídos pela Instrução n. 70, largas disponibilidades de divisas, o que provoca um forte impulso da
importação. Na segunda parte do ano, contudo, a situação se inverte por efeito das boas perspectivas, efetivamente verificadas, da
nova safra cafeeira. A isso se aliava a forte campanha nos Estados
Unidos contra a alta do café. Declinam em conseqüência as cotações, que da altura vertiginosa de 95 centavos atingida em abril,
caem com a mesma rapidez com que tinham subido, voltando aos valores normais anteriores. Isso se reflete imediatamente no balanço
comercial exterior que sofre golpe profundo; e o ano se encerra
com um deficit de US$30 milhões, o que constitui, a par da liquidação dos demais compromissos financeiros externos do país (serviço das dívidas e dos capitais estrangeiros invertidos no país),
fator determinante de forte depreciação cambial do cruzeiro. Assim, o ágio médio ponderado de todas as moedas estrangeiras (isto
é, o preço alcançado por elas no leilão de PVC, reduzido à base
dólar), que por ocasião da instituição do sistema de licitações
(outubro de 1953) era de Cr$ 17,87, se cifra em dezembro de 1954
em Cr$ 42,09. Uma desvalorização, portanto, de quase 60%.
Nessas condições (afora as perturbações graves que tão forte
oscilação cambial não podia deixar de determinar), as importações
se fazem, em grande número de mercadorias, praticamente proibitivas. Este é particularmente o caso de equipamentos industriais, o
que era sumamente grave, pois comprometia de maneira muito séria o
futuro desenvolvimento econômico do país e colocava a indústria e
a iniciativa propriamente nacionais em posição francamente desvantajosa em frente aos empreendimentos, no Brasil, de capitais e
trustes internacionais.
Em face dessa situação e do grave desequilíbrio de nossas contas externas, a política oficial, em vez de extrair da experiência

Para confronto, notamos que essa cotação não atingia, nos últimos anos, 40
ctos., subindo recentemente pouco acima de 50.

119

a devida lição que mostrava de forma tão patente a necessidade de
resguardar a economia do país contra os azares da liberdade comercial sem freios e procurar o necessário equilíbrio dela pelo rigoroso disciplinamento do comércio exterior, em vez disso, lança novamente mão do velho arsenal colonialista, procurando a solução do
problema no estímulo ao afluxo de capitais estrangeiros, o que
traria, alegava-se, não somente a devida correção do desequilíbrio
das contas externas, como ainda favoreceria, pelo impulso da iniciativa de empreendimentos estrangeiros, a industrialização brasileira. Que isso se fizesse à custa do pesado endividamento futuro
do país -- pois as atividades de empreendimentos estrangeiros importavam necessariamente em sua remuneração, e portanto numa sobrecarga de novos compromissos financeiros no exterior -- bem como
de uma submissão ainda mais pronunciada da economia brasileira aos
trustes e à finança internacional, isso não se levava em consideração. E como ingenuamente (ou por outro motivo qualquer...) afirmaria mais tarde o Conselho Nacional de Economia justificando as
medidas adotadas, "depois de certo tempo, o capital estrangeiro
nas diversas unidades de produção passa a ser misto e tende a ser
absorvido pelo nacional".120 É exatamente o contrário que ocorrerá,
como logo veremos e podia ser previsto por quem conhecesse o velho
apólogo do "vaso de barro e do vaso de cobre". O que será absorvido serão o capital e as iniciativas nacionais.
Pela Instrução n. 113, baixada pela Superintendência da Moeda
e do Crédito em 17 de janeiro de 1955, a Carteira do Comércio Exterior do Banco do Brasil era autorizada a emitir licença de importação sem cobertura cambial (isto é, sem licitação prévia nos
leilões de câmbio), de equipamentos industriais que correspondessem a inversões estrangeiras. Praticamente, isso dava aos inversores estrangeiros o direito de trazerem seus equipamentos sem nenhuma despesa cambial, enquanto os industriais nacionais eram obrigados a adquirir previamente, com pagamento à vista, as licenças de importação exigidas para trazerem do exterior os equipamentos de que necessitassem. Os interesses imperialistas eram tão poderosos junto às autoridades brasileiras, que logravam inclusive
favores negados aos próprios nacionais.
Não é sem fundamento, por isso, que os industriais nacionais
se rebelassem contra as medidas adotadas pela Instrução n. 113 da
SUMOC, chegando inclusive a protestos formais levados ao governo
brasileiro pelas suas associações de classe. Nada impediu contudo
que as disposições da Instrução n. 113 se mantivessem em vigor,
tendo sido incorporadas mais tarde ao Decreto n. 42.820, de 16 de
dezembro de 1957, que consolidou e regulamentou o conjunto de leis
e outras disposições atinentes ao regime cambial, de exportação e
importação, às inversões estrangeiras e matéria correlata.
Coincide aliás essa acentuação do favoritismo dispensado aos
empreendimentos estrangeiros pela política econômica do governo
brasileiro (coincidência que, por certo, nada tem de fortuito...)
com o revigoramento da ação imperialista por força, de um lado,
das circunstâncias gerais derivadas da intensificação do processo
de trustificação da economia capitalista contemporânea (o que a

Exposição Geral da Situação Econômica do Brasil, 1959, pág. 85.

120

impele para novas conquistas em países como o Brasil), e doutro
lado, pela final recuperação econômica dos imperialistas europeus,
até então ainda sofrendo as conseqüências devastadoras da guerra.
O efeito no Brasil dessa conjugação de fatores, internos e externos, será de estimular fortemente as inversões estrangeiras não
somente em empreendimentos novos, mas sobretudo em associação com
empreendimentos nacionais já existentes. Será aliás essa associação o caminho adotado por muitos industriais brasileiros, e entre
os maiores e principais, para eludirem a posição desfavorável em
que os colocara a Instrução n. 113. Através de seus novos associados, beneficiavam-se dos favores concedidos a estes últimos. Acabarão mesmo tirando vantajoso partido da situação, porque embora
perdessem com a associação sua anterior e completa independência e
autonomia, terão resolvidos seus principais problemas financeiros
e técnicos com os grandes recursos de seus novos sócios, o que
lhes permitirá verem suas empresas crescerem e prosperarem muito
além daquilo a que poderiam, isolados, aspirar. Quanto aos empreendimentos estrangeiros, a associação com nacionais lhes facilita
a tarefa e abre caminho mais cômodo e politicamente seguro para
sua penetração na economia brasileira. E isso sem maior risco,
pois os amplos recursos com que contam tornam sua posição inexpugnável. Os sócios menores do negócio serão sempre e cada vez mais
acentuadamente, os nacionais.
Todos parecem assim lucrar. Para o conjunto da economia brasileira, contudo, e para a imensa maioria do país que fica fora do
negócio, ele representará o oposto da previsão acima referida do
Conselho Nacional de Economia em sua Exposição de 1959, pois longe
de o capital estrangeiro ser absorvido, ou tender para isso, são
as empresas brasileiras que se dissolvem dentro das grandes organizações financeiras internacionais; e aos poucos a indústria brasileira evolui para a situação a que se verá reduzida e que não
será, fundamentalmente, mais que de uma constelação de filiais e
subsidiárias mais ou menos declaradas de grandes empresas imperialistas.
Acentua-se com isso a deformação do processo de industrialização do Brasil; e os vícios que marcam o início do processo e
que já assinalamos anteriormente, se agravam e aprofundam ainda
mais. Observe-se desde logo que o progresso da penetração imperialista na economia brasileira, longe de trazer com o concurso de
capitais, com que aparentemente contribui, um desafogo às nossas
finanças externas, como se julgava, tende pelo contrário a agravar
o desequilíbrio. Como foi referido, a política de favores dispensados às iniciativas e empreendimentos estrangeiros objetivava essencialmente compensar, com os capitais trazidos por esses empreendimentos, a insuficiência de nossas exportações para fazerem
frente aos pesados encargos da importação e de outros compromissos
no exterior. Reforçar-se-ia com esse afluxo de recursos financeiros o ativo de nosso balanço de contas externas, permitindo assim
não apenas sanar a posição de desequilíbrio crônico dessas contas,
mas ainda incrementar nossas importações, sobretudo de equipamentos industriais necessários ao desenvolvimento econômico do país.
Entretanto, não é isso que se verificará, pois o afluxo de capitais estrangeiros não chegará efetivamente a compensar aquilo

que, por outro lado, os mesmos empreendimentos subtrairão às finanças brasileiras a título de remuneração direta ou indireta de
suas atividades. E o saldo de suas operações será, no geral, negativo. Já sem contar "royalties" e outras formas disfarçadas da remuneração de capitais estrangeiros aplicados no Brasil, e considerando unicamente as rendas das inversões declaradas oficialmente
como tais, o balanço de remessas dessas rendas e das inversões realizadas se comportou da seguinte forma desde 1947 quando se iniciou o cálculo dele. Até 1955 inclusive, temos um período de sucessivos anos deficitários, seguindo-se, de 1956 a 1962, o período
áureo das inversões estrangeiras estimuladas pelos excepcionais
favores e vantagens que lhes são proporcionados e que referi acima. São anos que apresentaram um saldo positivo global de 645 milhões de dólares que encheram de otimismo e doces ilusões os defensores do capital estrangeiro. Segue-se contudo o reverso da medalha: o crescimento desmesurado das remessas de rendas, fruto do
aumento de lucros resultante das volumosas inversões anteriores, e
que novas inversões já não logravam mais cobrir. A partir de 1963
e até 1967, teremos sucessivos e crescentes deficits, como se verifica no quadro abaixo:121
1963
Remessas de rendas ...... -147
Inversões ...............
51
Saldo............... ­ 96

1964
-192
76
-116

1965
-269
75
-194

1966
-291
133
-158

1967
-313
84
-229

Fonte: Boletim do Banco Central

Tal é o balanço final das operações dos empreendimentos estrangeiros no que se refere às finanças externas do país. Logo veremos outros aspectos e efeitos dessas operações. Mas desde já podemos verificar que as inversões de capital estrangeiro, longe de
se apresentarem como solução para o problema do desequilíbrio de
nossas contas externas, constituem pelo contrário um fator de agravamento delas. Embora tais inversões possam momentaneamente e
em certos períodos excepcionais trazer um reforço às finanças exteriores do país, elas tendem a prazo mais ou menos longo, mas
certamente fatal, num sentido oposto. Isso porque a natural expansão das empresas imperialistas instaladas no país, e portanto a
ampliação de seus negócios e lucros, levam a um aumento de suas
remessas para o exterior. Ao mesmo tempo, isso contribui para de
Neste assunto de movimento de capitais privados e da respectiva remuneração
direta ou indireta, declarada ou mais ou menos disfarçada, não são possíveis dados precisos, pois se as entradas de capitais são em regra superavaliadas (uma
vez que se têm constituído, na maior parte, em equipamentos industriais que é do
interesse dos inversores, que os importam, valorizar), verifica-se nos pagamentos exteriores efetuados a título de remuneração dos capitais estrangeiros invertidos no Brasil, a tendência contrária de os disfarçar e reduzir, entre outros por motivos fiscais: evitar a incidência do imposto de renda. E como não há
fiscalização adequada das remessas para o exterior, nem pode haver nas condições
vigentes de liberdade do comércio externo, é preciso examinar cuidadosamente e
procurar interpretar os dados existentes, e não aceitá-los sem maior espírito
crítico, como freqüentemente fazem os defensores das empresas estrangeiras e de
seus interesses.

121

sestimular novas inversões, pois aquelas remessas se fazem mais
difíceis. Elas somente podem ser cobertas com os saldos do nosso
comércio exterior -- pois o expediente que vem sendo adotado, do
recurso a financiamentos, empréstimos e moratórias, não pode evidentemente ser considerado permanente e não resolverá nunca, em
definitivo, a situação. Mas nada faz prever uma ampliação apreciável da nossa capacidade de exportação -- antes pelo contrário, segundo observamos - no capítulo anterior. Assim sendo, diminuirá o
interesse dos inversores estrangeiros em aplicarem capitais quando
não podem esperar a realização de seus lucros, o que somente se
efetiva para eles com as remessas.
Agravar-se-á com isso, ainda mais, o balanço de nossas contas
externas e estimular-se-ão em conseqüência os fatores que contribuem para o desequilíbrio. Tratar-se-á, de fato, de um processo
cumulativo e autoestimulante que se acentuará na própria medida e
por efeito imediato de seu mesmo desenvolvimento. É aliás o que
revelam os dados acima referidos. A saber, uma tendência ao crescimento das remessas para o exterior, com o declínio paralelo das
inversões e reinversões de capitais estrangeiros. E se as conseqüências mais graves de uma tal conjuntura ainda não se fizeram
plenamente sentir, isso se deve exclusivamente a que nossos credores vêm nos últimos anos reforçando suas contribuições extraordinárias em empréstimos de emergência, dilatação de prazos de pagamento, etc... É isso que tem feito possível adiar, provisoriamente
pelo menos, um desenlace que de outra maneira seria fatal. Mas
considerando-se sobretudo os motivos determinantes dessa "generosidade" de nossos credores -- que no referente aos Estados Unidos,
por exemplo, são sem dúvida inspirados no alarme provocado pelos
acontecimentos de Cuba -- conclui-se que não é evidentemente possível fundar em circunstâncias tão precárias e perigosas para nossa
soberania nacional, a política econômica do país.
Mas seja como for e sejam quais forem as circunstâncias ocasionais que possam momentaneamente conceder novo alento ao sistema
colonial dentro do qual se acha enquadrada a economia brasileira,
o certo é que nesse sistema e nas suas contradições internas que
acabamos de apontar, se encontra a raiz do desequilíbrio crônico
de nossas finanças externas, com todas suas graves conseqüências:
instabilidade financeira, inflação, perturbações profundas e incontroláveis que se repetem amiúde, ameaçando de cada vez os próprios fundamentos da economia brasileira. E tornando impossível um
desenvolvimento ordenado e solidamente alicerçado. No seu conjunto, o nosso balanço anual de contas externas (balanço comercial e
financeiro) se vem saldando quase invariavelmente com pesados deficits. O decênio 1951-60 nos trouxe um deficit global de US$
2.275 milhões; no seguinte, o deficit até 1968 já se elevara a 862
milhões.
* * *
Direta ou indiretamente, o desequilíbrio de nossas contas externas conta como fator de primeira ordem no processo geral de
nossa evolução econômica. Desde longa data -- já vimos isso
anteriormente -- mas acentuando-se sobretudo no período consecutivo
à II Guerra Mundial, isto é, quando a crise do nosso sistema

Guerra Mundial, isto é, quando a crise do nosso sistema colonial
(a que tal desequilíbrio, como já se observou, se liga tão intimamente) atinge a fase de seu desenlace final. Destaquemos em primeiro lugar, como reflexo do desequilíbrio de nossas contas externas, a precipitada e considerável desvalorização cambial da moeda,
que fixada oficialmente, por ocasião da convenção internacional de
Bretton Woods de julho de 1944, na paridade de Cr$ 18,50 por dólar, se reduziu hoje (janeiro de 1970) a 4.350 cruzeiros velhos
por dólar.
A queda do poder aquisitivo interno do cruzeiro seguiu naturalmente o mesmo caminho122. Este processo inflacionário tem sua
origem imediata, como referimos anteriormente, nas largas emissões
realizadas durante a II Guerra Mundial e grande escassez de mercadorias então verificada. Acentuou-se em seguida pelo efeito cumulativo de diferentes fatores, dentre os quais o desequilíbrio de
nossas contas externas (que determinou a desvalorização cambial do
cruzeiro e forçou a uma rigorosa dosagem das importações) entra
como componente essencial que por efeito direto ou indireto atua
decisivamente sobre os demais.
A inflação de preços, que se vem acelerando cada vez mais,
constitui certamente um dos traços essenciais da evolução econômica brasileira em todo período que temos sob as vistas. Suas
repercussões sobre o rumo e a natureza dos acontecimentos têm sido
de toda a espécie, mas o que sem dúvida prima sobre o resto, como
efeito de ordem mais geral, tem sido o poderoso estímulo que a inflação vem provocando na acumulação capitalista, isto é, no processo de formação de capitais. Não precisamos insistir aqui nesse
fato óbvio que a alta de preços, que somente é acompanhada com
larga defasagem pela elevação dos salários, determina uma elevação
das receitas das empresas relativamente às suas despesas essencialmente constituídas pela remuneração do trabalho. Eleva-se em
conseqüência a margem de lucros que vão alimentar a acumulação capitalista. E se isto de um lado implica na intensificação da exploração do trabalho -- o que é aliás de fácil observação no baixo
nível de vida da população trabalhadora, quase estagnado, se não
freqüentemente em regresso, quando comparado com o rápido e largo
enriquecimento das classes possuidoras e daquelas categorias soci
122 O índice de preços variou, desde a II Guerra Mundial, da seguinte forma (base:
média mensal de 1953 = 100):
1944..........
35
1945..........
41
1946..........
47
1947..........
53
1948..........
56
1949..........
60
1950..........
67
1951..........
78
1952..........
87
1953..........
100
1954..........
127
1955..........
148
1956..........
177
Fonte: Conjuntura Econômica

1957..........
1958..........
1959..........
1960..........
1961..........
1962..........
1963..........
1964..........
1965..........
1966..........
1967..........
1968..........

202
229
316
407
559
848
1.473
2.811
4.423
6.115
7.862
9.767

ais parasitárias que vivem à sua sombra --, resulta de outro no aumento das inversões e portanto das atividades produtivas. É a indústria, favorecida não somente pela política oficial (na qual os
interesses de grupos financeiros ligados às atividades industriais
começam nitidamente a se fazer sentir, como foi notado), em particular através de facilidades de financiamento proporcionadas direta ou indiretamente por organizações oficiais; como favorecida
também por contingências determinadas pela possibilidade de substituir com produção interna, bens cuja importação se tornara proibitiva por efeito da desvalorização cambial da moeda e demais obstáculos criados pela situação precária do balanço de contas externas, é a indústria que mais se beneficia com a forte corrente de
inversões determinada pelo incremento da capitalização verificada.
É essa circunstância, aliada à já referida ampliação do afluxo de
capitais e iniciativas de empreendimentos estrangeiros, que constitui o principal fator determinante do grande impulso industrial
de que o Brasil foi teatro no pós-guerra, quando o volume físico
da produção mais que triplicou entre 1947 e 1961123. Além de ter
melhorado sensivelmente a sua composição orgânica, com a participação já ponderável, e antes quase ausente, de bens de produção:
maquinaria, motores, material elétrico e equipamentos industriais
em geral; e mais toda uma gama de complexos bem duráveis, entre os
quais se destacam os veículos motores cuja produção subiu, em
1962, a 191.194 unidades.
É preciso aqui lembrar a participação da iniciativa estatal no
desenvolvimento da indústria brasileira. Embora a potencialidade
dessa iniciativa ainda esteja longe de adequado aproveitamento em
face dos imperativos da conjuntura atual da economia brasileira, a
ação do Estado se tem marcado por empreendimentos que não somente
demonstram a improcedência da tese da incapacidade do poder público como gestor de atividades econômicas, mas ainda, o que é mais
importante, comprovam decisivamente que a iniciativa estatal constitui elemento da maior importância e freqüentemente insubstituível na estruturação da nossa economia. Isso é particularmente sensível no que diz respeito a setores fundamentais e essenciais em
que, por um ou outro motivo, a iniciativa privada nacional se mostra deficiente. Setores esses, portanto, que ou retardariam grandemente em face das necessidades do país, como efetivamente retardam quando falta a intervenção estatal, ou ficam expostos à penetração e dominação imperialistas em suas mais graves e lesivas
formas.
Aquela primeira eventualidade se observa no caso da siderurgia, que somente começou a se desenvolver seriamente no Brasil graças à iniciativa estatal, no caso representada pela Companhia Siderúrgica Nacional (Volta Redonda) organizada no curso da II Guerra Mundial. Seguiram-se outras empresas siderúrgicas de iniciativa
do Estado e por ele contratadas. Essas empresas estatais detêm hoje em torno de 60% da capacidade do parque siderúrgico nacional.
Onde contudo a iniciativa estatal oferece o mais belo exemplo
de ação benéfica e sucesso empresarial é no caso do petróleo. É

Depois dessa data, o processo de industrialização praticamente estagnou. Tocaremos nesse ponto mais adiante.
123

conhecida, e ainda da maior atualidade, a ação dos trustes norteamericanos, e em particular da Standard Oil Company, no sentido de
acapararem em seu benefício os proveitos da indústria petrolífera
que representa, internacionalmente, um dos maiores e mais rendosos
negócios da atualidade. Os trustes norte-americanos encontraram
todavia pela frente, poderosa oposição da opinião pública do país
que conseguiu derrotar o projeto do Estatuto do Petróleo enviado
ao Congresso pelo então Presidente Eurico Gaspar Dutra em fevereiro de 1948, projeto este que, transformado em lei, significaria a
entrega do petróleo brasileiro à discrição dos trustes norteamericanos124. Essa vitória dos interesses nacionais foi coroada,
depois de longa e árdua luta, pela promulgação da Lei n. 2.004, de
3 de outubro de 1953, que instituiu para a exploração do petróleo
brasileiro o regime do monopólio estatal, incumbindo dela uma entidade paraestatal, a Petróleo Brasileiro S/A (Petrobrás). Desde
então a Petrobrás se vem desenvolvendo precipitadamente, constituindo hoje a maior empresa operando no Brasil (sem exclusão das estrangeiras), com um capital em giro de NCR$ 2.846.530 mil, e se
dedicando à extração do petróleo (com que já satisfaz uma proporção de mais de 50% do consumo brasileiro), transporte marítimo do
petróleo importado, e refino (que está realizando numa proporção
de 90% do óleo bruto processado no Brasil).
Infelizmente, como foi notado, ainda se está longe no Brasil
de dar à iniciativa estatal o papel que lhe cabe nas atividades
econômicas, em face das exigências da atual fase de nosso desenvolvimento. Tenazmente combatida por interesses financeiros
privados e sobretudo por aqueles ligados ao imperialismo para o
qual a iniciativa estatal constitui, dentro do país, o único adversário temível, essa iniciativa se tem mostrado freqüentemente
débil, deixando seus empreendimentos vegetarem (como foi o caso da
Fábrica Nacional de Motores, que acaba aliás de ser cedida à empresa italiana Alfa Romeu), ou não lhes imprimindo ritmo adequado
(como é o caso da Companhia Nacional de Álcalis, que organizada no
correr da II Grande Guerra Mundial para servir de base indispensável à indústria química brasileira, somente inaugurou sua primeira
e ainda modestíssima unidade produtora, a fábrica de barrilha, em
1960; e continua praticamente marcando passo). Em outros casos, a
iniciativa estatal em vez de objetivar o fim que realmente lhe
compete, que é de contribuir para a estruturação de uma economia
efetivamente nacional, se põe a serviço de empreendimentos imperialistas, como se tem verificado no caso da energia elétrica, e
mais recentemente (dezembro de 1968) neste setor econômico essencial e básico que é a petroquímica em cuja exploração o Estado vem
aceitando a posição de impulsionador, auxiliar ou de sócio menor
daqueles empreendimentos.
Em suma, embora a iniciativa estatal já tenha alcançado lugar
destacado na vida econômica brasileira, ela ainda está longe de
assumir integralmente a responsabilidade da grande tarefa que lhe

Sobre o assunto existe
debates parlamentares da
go de Fernando Luís Lobo
nho de 1948: A luta pelo

124

uma copiosa literatura esparsa nos jornais, revistas e
época. Uma boa síntese da matéria se encontra num artiCarneiro para a revista FUNDAMENTOS, de São Paulo, jupetróleo brasileiro.

compete em nossa atual fase de evolução econômica e que vem a ser
a de operar como fator e elemento decisivo na correção dos vícios
e deformações de que padece o processo brasileiro de industrialização.
*

*

*

Efetivamente, o progresso industrial observado no Brasil e o
destacado papel que as atividades manufatureiras já ocupam na economia brasileira, se de um lado se apresenta como um grande passo
no sentido da transformação de nossa estrutura econômica -- e sob
esse aspecto se revela um poderoso fator de destruição do velho
sistema colonial --, doutro lado ainda se insere nesse sistema, alimenta-se de suas contradições e assim lhe sofre as contingências. Daí, as fracas bases em que ainda assenta e suas limitações,
reveladas entre outras circunstâncias no fato tão flagrante que
apesar da mediocridade do nível atingido pela indústria brasileira, tanto em confronto com os padrões contemporâneos, como em face
das necessidades do país (em particular no que respeita a insuficiência de novas frentes de ocupação e trabalho por ela gerados125,
o ritmo relativamente acelerado de seu desenvolvimento na década
de 50, se interrompeu em seguida para dar lugar à estagnação em
que ainda nos encontramos (1970) e sem perspectivas sérias, dentro
da ordem atual, de uma retomada do vigor perdido. Este fato, que
tem o consenso da generalidade dos observadores da economia brasileira na atualidade, tem sua explicação em algo muito mais profundo que algumas circunstâncias ocasionais apontadas pelos economistas conservadores. Essa explicação encontra suas raízes verdadeiras nas condições gerais em que se alicerça e nas quais se estrutura o processo brasileiro de industrialização.
Referimo-nos no capítulo anterior aos vícios originários e orgânicos de que padece o processo de industrialização no Brasil e
que gravemente o deformam. Esses vícios se perpetuaram com o sistema retrógado em que a economia brasileira se enquadra e em cuja
dependência a industrialização se vem realizando. Eles se vão mesmo fazendo ainda mais sensíveis na medida em que o progresso industrial começa a atingir níveis em que necessita cada vez mais,
para avançar e mesmo se manter, de perspectivas amplas que os acanhados horizontes do obsoleto sistema colonial da economia brasileira, mesmo com suas parciais adaptações e as distorções que vem
sofrendo, são incapazes de lhe proporcionar. A indústria brasileira, em geral surgida e se desenvolvendo por força de circunstâncias ocasionais derivadas de embaraços opostos às importações (se
O crescimento da indústria brasileira, mesmo nos seus anos de maior prosperidade, não logra absorver e dar ocupação à mão-de-obra disponível que o aumento
populacional vai por isso jogando para uma posição marginal. Fato esse claramente patenteado, entre outros, na maioria dos centros urbanos de certa importância
da maior parte do país onde se acumula uma crescente população de desocupados ou
semi-ocupados permanentes. Calcula-se que nas capitais do Nordeste cerca de
500.000 pessoas vivem nessas condições. Coisa semelhante se observa inclusive no
Rio de Janeiro e em algumas das principais cidades do Rio Grande do Sul. Mesmo
em São Paulo, a principal e mais ativa região industrial do país, fato idêntico
já começa a se fazer sentir.

125

ja por efeito das duas grandes guerras mundiais, seja sobretudo em
conseqüência de dificuldades cambiais), constituiu sempre no passado e constitui ainda no presente, em boa parte, fruto de expedientes ocasionais destinados a resolverem problemas prementes de
abastecimento. Daí a improvisação que geralmente nela se observa,
bem como o desordenamento da expansão industrial, que nas circunstâncias de imediatismo que a cercam, se concentrou sobretudo em
esparsas e desconectadas atividades produtoras de bens direta ou
indiretamente ligados ao consumo de restritos setores de maior poder aquisitivo, sem o atendimento suficiente das necessidades gerais e fundamentais do país. E sobretudo sem a complementar e indispensável difusão pelas atividades rurais que ainda constituem a
principal base da economia brasileira.
Esses vícios de origem, que se perpetuaram, vêm sendo de certa
forma reforçados por efeito do imperialismo e papel por ele representado na industrialização do país. Como já foi observado, os empreendimentos estrangeiros que se instalam no Brasil, o fazem no
mais das vezes com a finalidade única de conservarem e expandirem
um mercado que já era deles e que forneciam através da exportação
para o Brasil realizada pelas suas matrizes instaladas nos respectivos países de origem. As dificuldades e restrições opostas às
importações no Brasil induzem esses empreendimentos a transferirem
para cá sua produção, ou parte dela. Considerando com isto a participação crescente e já hoje em proporções amplíssimas, desses
empreendimentos imperialistas na indústria brasileira de que ocupam os postos-chaves e de significação econômica decisiva, verifica-se que o processo de industrialização se faz entre nós simples
expressão da política internacional de vendas de organizações estranhas que têm seus centros diretivos completamente fora do alcance da economia brasileira e de seus interesses próprios. É ao
acaso -- acaso para nós -- dos impulsos e iniciativas desses centros
que se está desenvolvendo e se desenvolverá sempre mais, a persistirem as circunstâncias vigentes, o processo da industrialização
do Brasil. Não é difícil avaliar o que isso significa em matéria
de deformação daquele processo.
Note-se que tais fatos não são produto de circunstâncias ocasionais ligadas à uma fase preliminar de nosso desenvolvimento e
que tenderiam, com o decorrer do tempo, a se corrigirem automaticamente e por si sós, como infelizmente ainda se julga muitas vezes. Efetivamente, há quem, reconhecendo embora os inconvenientes
que os empreendimentos estrangeiros apresentam em países como o
nosso, considera todavia que eles são indispensáveis por constituírem um impulso inicial necessário para o desenvolvimento industrial. Dado esse impulso, que seria simples ponto de partida, estaríamos em condições de prosseguir num desenvolvimento próprio e
autônomo e já livre, por conseguinte, das perturbações de um elemento estranho cujo papel se iria natural e gradualmente reduzindo. E lembra-se, a propósito, o exemplo dos Estados Unidos, cujo
desenvolvimento também contou inicialmente com o concurso de iniciativas e capitais estrangeiros originários da Europa.
O paralelo não se justifica, dada a profunda diversidade das
situações, tanto de lugar como de época. Deixemos de lado a considerável diferença que existe entre a formação histórica dos Esta-

dos Unidos e a do Brasil, e que por si só excluiria qualquer paralelo entre os dois países no que se refere à respectiva evolução
econômica. E consideremos apenas as condições econômicas gerais de
hoje que são bem distintas das do capitalismo do séc. XIX, em que
se processou o desenvolvimento norte-americano. Analise-se a natureza do capital imperialista de nossos dias e a dos empreendimentos em que ele se inverte no Brasil. Logo se impõe a observação de
que nos encontramos num mundo bem diferente, no qual (em contraste
com o do século passado) o cenário internacional, bem como o nacional das grandes potências cujo capital nos procura, se acha dominado direta ou indiretamente por essas imensas organizações que
são os trustes e monopólios que partilham entre si a maior e principal parte das atividades produtivas e dos mercados nos mais importantes e fundamentais setores da economia, deixando aos produtores independentes uma margem cada vez mais acanhada. Observe-se
também que uma tal situação decorre do próprio desenvolvimento natural e espontâneo do capitalismo, e que não há que esperar, portanto, um retorno dele para formas passadas já definitivamente superadas; mas antes, o que se pode prever é uma acentuação e extensão permanentes, para novos setores, do processo de concentração
das atividades econômicas, da monopolização e trustificação crescentes que se realizarão em ritmo cada vez mais acelerado. O caráter expansionista dos trustes constitui para essas organizações
uma necessidade vital, faz parte de sua própria natureza e é mesmo
condição de sua sobrevivência.
Ora, são desses trustes os empreendimentos que se estabelecem
no Brasil por efeito das inversões de capital estrangeiro, ou pelo
menos da maior e mais significativa parte deles. Tais empreendimentos, seja qual for o rótulo ou disfarce com que se apresentam, não passam na realidade de apêndices e extensões dos grandes trustes internacionais; e como tal, nada mais significam que
elementos e fatores de expansão deles e seus negócios.
Não se pode assim considerá-los como simples "cooperadores" e
impulsionadores do desenvolvimento econômico brasileiro, prontos a
cederem o lugar, ou pelo menos se retraírem logo que iniciativas
nacionais estiverem em condições de promoverem, por si sós, o desenvolvimento econômico do país. Pelo contrário, eles se erguerão
sempre como obstáculos a essas iniciativas que são de concorrentes
que precisam ser eliminados. E obstáculos tanto mais sérios que se
acham ligados a organizações imensas, internacionalmente amparadas
e dispondo por isso de poderosos recursos. O capitalismo de nossos
dias, que é o capitalismo em sua mais elevada fase de desenvolvimento, é algo bem distinto do capitalismo clássico que costuma ser
descrito nos manuais correntes de economia política, em que se
costumam louvar aqueles que defendem as atividades e iniciativas
de empresas internacionais em nosso país. O moderno capitalismo
não se caracteriza mais pela simples aplicação e inversão produtiva de uma certa disponibilidade de valores que constituiria o capital do empreendimento. O moderno lucro capitalista (que, ao contrário do passado, se apresenta hoje nas operações e finanças dos
trustes com mil formas e disfarces que vão desde a remuneração de
diretores e gerentes até os proventos derivados de manipulações
financeiras), o lucro capitalista na atualidade é função muito me-

nos da soma de capital originário e legítimo com que se constituiu
a empresa, que da extensão que ela atinge e da proporção de poder
aquisitivo da massa consumidora sobre que o empreendimento consegue lançar o seu domínio. Daí porque conta menos, para os empresários e grupos dirigentes dos trustes, a propriedade do capital que
o simples controle dele. É esse controle que importa, mesmo que
outros sejam os proprietários, como aliás é hoje a regra, porque é
desse controle que deriva o lucro principal e não da soma de capital efetivamente possuído.
Não se pode portanto considerar o moderno empreendimento capitalista, que é o truste, como simples inversão de capital destinada a proporcionar um certo lucro a esse capital, segundo o modelo
já largamente ultrapassado do capitalismo clássico. O truste é um
empreendimento essencialmente dinâmico e conquistador insaciável
de controle e domínio econômicos, que constituem para ele a fonte
principal de lucro. Assim sendo, a sua expansão internacional, que
é o que aqui nos interessa, longe de constituir mera inversão de
capitais excedentes em busca de aplicação no exterior, é sobretudo
instrumento de controle e domínio econômicos. A inversão em si e
os lucros diretos daí derivados formam tão pouco a finalidade objetivada pelo truste, e tanto a inversão constitui para ele unicamente um meio de que lança mão para conseguir seu verdadeiro fim,
que o vemos captar e absorver o próprio capital indígena e as poupanças dos países em que se estabelece, como vem ocorrendo cada
vez mais acentuadamente no Brasil126.
Em suma, como todo empreendimento capitalista, o que o truste
visa é naturalmente o lucro. Mas o lucro, no sistema atual do capitalismo, deriva menos da importância do capital de propriedade
do grupo financeiro empreendedor e dirigente do truste, que da medida do controle e comando exercidos por esse grupo sobre atividades produtivas e mercados. Num tal sistema, evidentemente, o papel
de empreendimentos estrangeiros no Brasil e demais países do nosso
tipo não é o de simples impulsionador e iniciador do desenvolvimento industrial. O objetivo de um truste instalado no Brasil com
suas filiais, subsidiárias e satélites será fatalmente o de se expandir ao máximo, destruindo todos os obstáculos que se anteponham
a essa expansão e captando em seu proveito os benefícios daquele
desenvolvimento na medida restrita em que ele se realizar.
Efetivamente, o nosso desenvolvimento econômico, enquadrado no

Não será esse aliás, num futuro bem próximo, se já não é presente, dos menores
obstáculos que os empreendimentos estrangeiros podem opor ao desenvolvimento das
iniciativas nacionais, pois as privarão do próprio capital disponível no país. A
concorrência dos empreendimentos estrangeiros no mercado financeiro, graças ao
prestígio de que gozam e dos poderosos recursos de que dispõem, não poderá ser
enfrentada pelas iniciativas nacionais. Acrescenta-se a isso que na medida do
seu crescimento relativo, que é inevitável, as empresas estrangeiras participarão cada vez mais das fontes de acumulação capitalista presentes na economia
brasileira que se encontram no processo da produção que será por elas senhoreada
em proporção crescente. No funcionamento do sistema produtivo do capitalismo, o
capital não é apenas nem sobretudo um elemento inicial do processo da produção
(um dos "fatores de produção", como costumam dizer os manuais ortodoxos da Economia Política), e sim representa principalmente e essencialmente um resultado
da sucessão dos ciclos produtivos. A saber, do lucro que vai progressivamente
derivando daqueles ciclos e de que se alimenta a acumulação capitalista.

126

sistema imperialista -- e é isso que se propõe como o apelo ao concurso de empreendimentos imperialistas e que de fato se está no
momento realizando no Brasil -- pautar-se-á necessariamente pelos
interesses dos trustes aqui instalados que se farão, como já acontece e será cada vez mais o caso, o elemento principal e fator decisivo de nossa economia. São trustes que fixarão as normas, o
ritmo e os limites do desenvolvimento, para eles naturalmente
determinados pelo montante dos lucros que a economia brasileira é
capaz de proporcionar. E que limites são esses? Encontramo-los na
margem de saldos financeiros que o Brasil oferece nas suas contas
externas; a saber, aqueles que resultam do nosso intercâmbio com o
exterior.
De fato, o lucro auferido pelos empreendimentos imperialistas
no Brasil somente se podem liquidar (e somente então constituirão
para eles verdadeiros lucros) com os saldos do nosso comércio exterior, uma vez que é da exportação que provêm nossos recursos
normais em moeda internacional. Descontada a parte desses recursos
que se destina a pagar as importações, é o saldo restante e somente dele que poderá sair o lucro dos empreendimentos aqui instalados pelos trustes. Na base do previsível para esse saldo, portanto, fixarão os trustes o limite de suas atividades; e portanto, em
conseqüência, o do desenvolvimento brasileiro que no sistema vigente é por eles enquadrado. A esse propósito, notemos que são sem
dúvida as desfavoráveis perspectivas de nossas contas externas que
contaram muito no declínio já referido das inversões estrangeiras
no Brasil depois de 1961, o que constituiu fator importante da estagnação do processo de industrialização verificado depois daquela
data.
Observamos aqui muito bem a ligação do imperialismo com o nosso velho sistema colonial fundado na exportação de produtos primários, pois é dessa exportação que provêm os recursos com que o imperialismo conta para realizar os lucros que são a razão de ser de
sua existência. Considerada do ponto de vista geral do imperialismo, a economia brasileira se engrena no sistema dele como fornecedor de produtos primários, cuja venda nos mercados internacionais
proporciona os lucros dos trustes que dominam aquele sistema. Todo
funcionamento da economia brasileira, isto é, as atividades econômicas do país e suas perspectivas futuras, se subordinam assim, em
última instância, ao processo comercial em que os trustes ocupam
hoje o centro. Embora numa forma mais complexa, o sistema colonial
brasileiro continua em essência o mesmo do passado, isto é, uma
organização fundada na produção de matérias-primas e gêneros alimentares demandados nos mercados internacionais. É com essa produção e exportação conseqüente que fundamentalmente se mantém a
vida do país, pois é com a receita daí proveniente que se pagam as
importações essenciais à nossa subsistência e os dispendiosos serviços dos bem remunerados trustes imperialistas aqui instalados e
com que se pretende contar para a industrialização e desenvolvimento econômico do país.
Mas não é somente pelos motivos apontados, a saber, a dependência da precária liqüidez das contas externas do país, que o enquadramento do processo de industrialização no sistema do imperialismo limita as perspectivas do desenvolvimento desse processo.

Mais grave ainda -- já sem falar naturalmente no aspecto político
da questão e conservando-nos aqui unicamente no plano econômico --,
são as restrições e obstáculos que essa posição determina no referente ao progresso tecnológico do país, e conseqüentemente à vitalidade de suas forças produtivas. Não se ignora o papel singular,
sem paralelo no passado, que as rápidas e contínuas transformações
da tecnologia representam na indústria moderna. Já não se trata
apenas, como ocorria há poucos decênios passados, do problema do
aperfeiçoamento da indústria e da sua promoção e ampliação. O progresso tecnológico e a introdução contínua de inovações representa
na indústria de nossos dias, em particular naqueles seus setores
básicos e decisivos -- como a indústria química, a eletrotécnica e
outras semelhantes --, condição essencial e precípua de sua própria
subsistência. O obsoletismo, e obsoletismo que se propõe aqui a
cada momento, pode-se dizer, não é no caso apenas inconveniente ou
mesmo intolerável. É simplesmente impossível. Transformar-se e
progredir continuamente, ou então perecer, é esta a única alternativa que se apresenta. Daí a importância que significa a pesquisa
científica destinada a traduzir permanentemente em aperfeiçoamentos técnicos e aplicá-los praticamente em modificações do processo
industrial, os rápidos e ininterruptos progressos da ciência que
se vêm verificando em nossos dias num ritmo cada vez mais acentuado. A continuidade, a mesma permanência da indústria moderna depende essencialmente e estritamente desse trabalho paralelo e permanente de pesquisa.
Ora os centros de pesquisas dessas grandes empresas internacionais e imperialistas que operam em países como o nosso, se
localizam naturalmente, como não podia deixar de ser, nos países
de origem, nas respectivas matrizes dessas empresas. E suas subsidiárias no exterior, que seria o nosso caso, somente recebem por
isso a sua informação técnica em segunda mão, já elaborada e formalizada em suas fontes originárias. O que naturalmente retira dos
cientistas e técnicos indígenas de países como o Brasil, as melhores oportunidades do trabalho de pesquisa, e os liga umbilicamente
e em dependência completa a seus remotos informadores. E isso sem
perspectiva de saírem de tal situação que somente tenderá a se agravar. Não pode haver dúvidas que em países onde não se realiza
pesquisa técnico-científica de primeira mão, própria e autônoma, e
diretamente integrada no processo industrial respectivo, nesses
países estabelece-se um vínculo irremovível de dependência e subordinação que elimina qualquer perspectiva, por remota que seja,
de um progresso tecnológico original independente e impulsionado
por forças e necessidades próprias. O que significa a entrega e
submissão de mãos e pés atados, do processo de industrialização e
portanto da sorte futura da economia nacional estreitamente dependentes daquele progresso tecnológico, às contingências, às vicissitudes e aos azares ditados pelos interesses financeiros e comerciais das empresas imperialistas cujas subsidiárias no país em
questão enquadram e fundamentam o seu parque industrial e sua vida
econômica.
É precisamente o que se dará e que já está aliás se dando em
nosso caso, com os setores estratégicos da indústria brasileira
cada vez mais penetrados e dominados por empreendimentos in-

ternacionais. É difícil imaginar, numa situação como essa, um desenvolvimento industrial e portanto econômico em geral, que seja
mais que reflexo longínquo e apagado do que vai, em matéria de
progresso e desenvolvimento, pelos grandes centros do mundo contemporâneo.
Não passaremos nunca de retardatários cada vez mais distanciados, um complemento periférico e simples apêndice daqueles centros. E se isto pode ser situação aceitável para os reduzidos setores mais ou menos internacionalizados da população brasileira
que lograrem acolher-se ao âmbito dos interesses imperialistas,
não o será certamente para o restante dela, e sobretudo para o país em conjunto.
Em suma, não é com empreendimentos imperialistas que podemos
contar para um real desenvolvimento. Ao contrário desse desenvolvimento, o que os empreendimentos imperialistas determinam na atual conjuntura brasileira, é uma deformação e amesquinhamento do
que deveria ser o nosso processo de industrialização. E representam assim um reforçamento do sistema colonial que é o principal
responsável pelas nossas deficiências, limitando o desenvolvimento
aos acanhados horizontes daquele sistema.
Outro aspecto negativo da industrialização no Brasil, que tende a se agravar, são as circunstâncias em que, mercê de sua origem
e dos fatores que a impulsionam, ela se realiza. A saber, através
de crises e distúrbios financeiros graves que afetam profundamente
as condições de vida da massa da população brasileira. É uma rápida desvalorização da moeda e conseqüente alta desmesurada e desordenada dos preços e do custo de vida que, em geral, acompanham os
surtos da indústria brasileira; e constituem mesmo, como se vêm
tão claramente verificando neste último período que estamos considerando, dos seus principais estímulos e fatores. Daí pesados sacrifícios para todos aqueles, que são a grande maioria, não incluídos no número dos que direta ou indiretamente se beneficiam de
tais surtos da atividade industrial. O progresso se faz assim paradoxalmente em meio de grandes perturbações que afetam consideráveis setores da população; e ele não é acompanhado de uma prosperidade geral que constituiria importante circunstância para um desenvolvimento econômico harmônico e bem fundamentado, que asseguraria à própria indústria uma base mais segura e estável que aquela de que hoje dispõe.
É precisamente essa falta de uma larga e sólida base, isto é,
de um entrosamento nas necessidades gerais e fundamentais da população brasileira tomada em conjunto, que constitui a grande debilidade e vício profundo do nosso processo de industrialização. Enquanto a produção industrial brasileira não for mais que o substitutivo da importação encontrado para suprir necessidades (que no
conjunto da vida do país se podem considerar quase suntuárias) de
uma pequena parcela da população que conseguiu ultrapassar o baixo
teor geral do país e atingiu um padrão apreciável de existência,127

127 Isso se pode afirmar inclusive dos principais setores de nossa indústria, como
a siderurgia, metalurgia, cimento, vidro, etc, que se fundam sobretudo, embora
indiretamente, naquele consumo suntuario, pois se destinam em sua maior parte à
produção final de bens de consumo durável cujo mercado é restrito a pequenos se-

enquanto esse for o caso da nossa indústria, como ainda é no essencial, faltar-lhe-á base para um verdadeiro progresso de amplas
perspectivas.
Realmente, a industrialização brasileira não se apresenta ainda, até o momento, como um verdadeiro processo, que deve ser, de
elevação do nível tecnológico geral e de conjunto do país no qual
se inserisse a produção industrial como instrumento daquela elevação. A industrialização somente fará isso e integrar-se-á efetivamente na vida brasileira tornando-se um fator orgânico de seu progresso, quando se desenvolver na base da introdução extensiva da
técnica moderna nas atividades econômicas em geral da população do
país; quando se puser a serviço da solução dos problemas fundamentais do Brasil, aqueles mesmos que os povoadores vêm enfrentando
no curso da história brasileira e ainda enfrentam com técnicas de
baixo nível apenas levemente tocadas pelas conquistas do conhecimento moderno. Problemas esses que dizem respeito às tarefas de
ocupação, colonização e humanização do território brasileiro, a
saber, a conquista desse território pelo homem e a domesticação de
uma natureza hostil e ainda entregue em sua maior parte a si própria. O que se concretiza no plano do conveniente estabelecimento
do homem -- sua localização e instalação (habitação, etc), bem como
intercomunicação eficiente --, do bom aproveitamento e utilização
da água, e do aparelhamento das atividades agrárias -- irrigação,
drenagem, proteção contra a erosão, beneficiamento e industrialização da produção etc. --, do saneamento enfim e da defesa biológica e promoção cultural do povoador. São essas as tarefas que nas
condições do Brasil e de seu imenso território, apenas de leve tocado, onde o homem ainda é quase inteiramente submisso às contingências naturais, são tais tarefas que se propõem e que a técnica
moderna há de enfrentar em substituição às práticas empíricas e


tores da população brasileira, como sejam: automóveis, aparelhos eletrodomésticos etc, bem como edificações urbanas de luxo (prédios de apartamentos e
de escritórios de alto custo). No que se refere à siderurgia, enquanto a construção civil absorve 26,1% do aço consumido no país, e a indústria automobilística, 12,6%, as atividades de interesse mais geral e que dizem respeito mais de
perto às necessidades da massa da população, se mantêm em índices bem mais modestos: 7,4% para as ferrovias; 2,0% para a construção naval; 1,3% para o equipamento agrícola. (Dados extraídos da exposição do Grupo Consultivo da Indústria
Siderúrgica Nacional, 1968).
Esse caráter essencialmente "suntuário" da principal parte de nossa indústria, se patenteia bem claramente no exemplo da indústria alimentícia, onde a
par do elevado nível de desenvolvimento tecnológico e refinamento na produção de
artigos de alta elaboração industrial, enlatados e pré-acondicionados, artigos
esses de consumo limitado a reduzidas categorias da população, a farinha de mandioca, este alimento universal da grande massa da população brasileira, o seu
sustentáculo já com toda justiça denominado o "pão brasileiro", é produzida em
condições tecnológicas das mais rudimentares, o que não somente encarece a produção -- suprema ironia, no caso -- mas ainda resulta num produto de má qualidade,
em todos os sentidos, inclusive, e sobretudo importante, no seu baixo valor nutritivo que poderia ser facilmente corrigido com a introdução de conhecidas técnicas de enriquecimento, o que teria efeitos certamente consideráveis no que
respeita a saúde e bem-estar do povo brasileiro. E contribuiria muito mais para
o progresso e desenvolvimento em geral do país, que o zelo hoje dispensado à sofisticada indústria alimentícia de enlatados, pré-acondicionados e similares.

técnicas anacrônicas que ainda predominam128. E será a difusão daquela técnica moderna, e na medida em que ela se realizar, que
constituirá o propulsionador do que verdadeiramente se poderá considerar o processo da industrialização brasileira.
Fora disso, poderemos ter, como efetivamente temos algumas esparsas, quase insuladas e desconectadas atividades industriais modernas fornecedoras dè certos bens que amenizam a vida de pequenas
parcelas da população do país e adornam estritos setores de seu
território. Isso contudo não significará propriamente "industrialização", no sentido que interessa, pois não se constituirão por
essa forma as condições necessárias para um desenvolvimento industrial em larga escala, a saber, um processo contínuo e autoestimulante, alimentando-se de suas próprias forças e propagando-se por
elas; isto é, a técnica impulsionando e determinando novas técnicas; as atividades econômicas abrindo perspectivas para outras e
mais largas atividades e tornando possível a sua realização. E sem
um processo dessa natureza, não há que esperar um verdadeiro e
largo desenvolvimento industrial.
É o que nos mostra a moderna evolução econômica nos países industrialmente avançados. A industrialização constitui neles um
processo onde a atividade industrial se fez sempre e desde logo,
poderoso fator determinante e impulsionador de novas atividades. E
é uma tal circunstância que assegurou àquele processo a projeção
que teve e a precipitação de sua marcha. Haja vista, por exemplo,
o que ocorreu na Europa e nos Estados Unidos com o estabelecimento
das estradas de ferro, que não representaram apenas a introdução
de um eficiente meio de transporte, e portanto fonte direta de
produção e progresso econômicos. A construção e depois manutenção
das estradas de ferro, bem como outras circunstâncias mais ou menos próximas que cercaram o planejamento, estabelecimento e posterior funcionamento delas, constituíram forte estímulo para um semnúmero de atividades que estimulando-se e se impulsionando reciprocamente, irradiaram pela economia dos países afetados e precipitaram neles um largo processo de industrialização e de geral desenvolvimento técnico-produtivo.
Ao contrário disso, as iniciativas industriais no Brasil não
apresentam, nos seus efeitos, nada de comparável. É que não significam a integração, com os elos faltantes, de um largo entrosamento econômico já predisposto e envolvendo necessidades essenciais
da população do país. Destinam-se unicamente, pela sua própria natureza, à satisfação de uma necessidade limitada, antes suprida
por via do comércio exterior e insulada no organismo econômico do
país. Tornam-se assim, fora de tais limites, quase totalmente estéreis.
Em contraste com o exemplo acima citado, considere-se o caso
das estradas de ferro brasileiras e a insignificante repercussão
que teve o estabelecimento delas fora dos limites fixados pela fi
Quando se considera que mesmo nos maiores centros urbanos brasileiros, a começar por São Paulo, o maior deles, uma parte considerável da respectiva área ainda se encontra somente semi-urbanizada e às vezes nem isso, tem-se desde logo e
sem ir muito longe, a medida da distância que ainda separa o nosso país dos modernos padrões de todo mundo civilizado, e do muito que haveria de fazer para o
integrar nesses padrões.

128

nalidade restrita a que se destinaram e que foi, na generalidade
dos casos, a de carrearem para os portos de embarque os produtos
primários destinados à exportação. O que deu como resultado e continua dando, a precipitada decadência delas, até mesmo sua franca
decomposição e total desaparecimento logo que se interrompe a conjuntura favorável do produto exportável para cujo transporte elas
se estabeleceram.
Por que se dá isso? Por que uma tal limitação e estreiteza de
perspectivas? É porque as atividades econômicas do Brasil não se
entrosam num conjunto ditado pelas necessidades gerais e fundamentais do país; ou antes, esse entrosamento não se faz ou permanece
débil porque a natureza colonial da economia brasileira se orientou essencialmente para o exterior; e é de lá, portanto, que provêm seus principais e fundamentais estímulos. É no plano do comércio externo que efetivamente se entrosou a estrutura fundamental
da economia brasileira. Na medida que dele se afastam, as atividades econômicas se vão pulverizando e fazendo estanques umas às outras. Já não logram, por isso, estimular-se mutuamente, pois se
acham entre si desligadas.
Em suma, o problema da indústria brasileira está sobretudo na
natureza do seu mercado, que não é apenas quantitativamente acanhado por força do baixo padrão dominante no país, mas sobretudo
qualitativamente mal disposto e coordenado por efeito da defeituosa estruturação da nossa economia, que organizada essencialmente
como fornecedora de produtos primários para os mercados exteriores, não se apóia e articula nas necessidades e atividades fundamentais e essenciais da massa da população brasileira e do país em
geral. Sem um largo mercado em que aquelas necessidades e atividades se intercomuniquem e entrosem estreitamente entre si, estimulando-se mutuamente, não haverá como esperar um desenvolvimento industrial de amplas perspectivas, propagando-se e se difundindo extensiva e intensivamente pelo conjunto da coletividade brasileira.
* * *
Alcançamos com isso o ponto nevrálgico da economia brasileira:
a estrutura agrária do país, responsável principal, sem dúvida,
pelo baixo nível e padrão econômico da população brasileira; e
portanto, entre outras conseqüências, das insuficiências quantitativas e qualitativas do mercado interno do país. Não nos estenderemos aqui sobre o assunto porque não ocorreu, fundamentalmente,
nenhuma modificação daquela estrutura que continua caracterizada
essencialmente pela grande concentração da propriedade fundiária.
Assim, dentro dos limites dessa história, a matéria já se acha suficientemente desenvolvida129. Assinalaremos unicamente as ocorrências e tendências principais verificadas em nossa economia agrária
nos últimos decênios.
De um modo geral, prosseguiu e prossegue ainda a expansão geográfica da ocupação rural, como particularmente, com alguma inten
A análise da estrutura agrária brasileira, com base nos dados do Recenseamento
de 1950, bem como das relações entre essa estrutura e os baixos padrões de vida.
da população trabalhadora rural, encontra-se em: Caio Prado Júnior, Contribuição
para a Análise da Questão Agrária no Brasil. Revista Brasiliense, n.° 28 -- março-abril de 1960.

129

sidade e expressão econômica, na região limítrofe dos Estados do
Espírito Santo e de Minas Gerais (bacia do Rio Doce); no sul de
Goiás (para o norte da ponta dos trilhos, que fica em Anápolis, em
direção ao Rio Tocantins e pelo traçado da rodovia BelémBrasília); nos Estados meridionais (de São Paulo para o sul), sobretudo no extremo oeste deste último; e com o impulso provindo
daí, no noroeste do Paraná e sul de Mato Grosso. É no Paraná que
hoje se localiza a zona pioneira por excelência do país. Nela se
situa a mais recente e provavelmente a última avançada (por contingência de espaço geográfico) da cultura cafeeira; e se repete,
ou continua a velha história da "caça ao humo", isto é, a busca e
ocupação de novos solos virgens e frescos cuja natural fecundidade
é capaz de proporcionar, sem maior esforço técnico, abundante produção de um gênero como o café, de alto valor comercial nos mercados internacionais para os quais se destina.
Com se vê, não há nisso, para a história econômica do Brasil,
nada de original. E considerando-se que essa avançada se faz à
custa do depauperamento de regiões de exploração mais antiga onde
decai a cultura do solo, verifica-se que o Brasil persiste nos
seus tradicionais métodos de agricultura itinerante, verdadeira
extração e "bombeamento" de recursos naturais em benefício de uma
fugaz atividade econômica que não cria raízes. Isso que ocorre com
a cultura cafeeira no Centro-Sul, não constitui aliás senão repetição em ponto grande daquilo que, em proporções mais modestas, se
verifica na agricultura brasileira em geral. É assim que segundo
um inquérito da extinta Comissão Nacional de Política Agrária, o
desbravamento de regiões florestais e o deslocamento conseqüente
de atividades agrícolas, se processa normal e permanentemente em
nada menos de 253 municípios da zona leste (Estado do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia).
Um tal fato é tanto mais importante e impressionante que a base essencial da economia agrícola brasileira, bem como da própria
riqueza do país tomada em conjunto, se encontra naquela atividade
pioneira de desbravamento; e se sustenta assim, em última instância, à custa sobretudo da ocupação de terras novas. É o caso em
particular da produção cafeeira, que com o subsídio do algodão,
contribui substancial e decisivamente para o total das nossas exportações e assegura com isso a própria subsistência do país e de
sua população. É graças à marcha e deslocamento das lavouras cafeeira e algodoeira para terras novas, que o nível de produção desses gêneros se tem conseguido manter. A principal e substancial
parte da produção brasileira de café e algodão provém de regiões
de ocupação recente: extremo-oeste de São Paulo e noroeste do Paraná; e não há assim exagero na observação do geógrafo francês,
Pierre Monbeig, de que "a atividade econômica do Estado de São
Paulo, centro vital da economia brasileira, recebe seu mais forte
impulso da existência de zonas novas"130.
Isso mostra bem claramente como são precários os fundamentos
atuais da economia brasileira, por mais complexa e vistosa que exteriormente ela se apresente em alguns lugares. Estes seus fundamentos se constituem de uma reserva, aliás largamente desfalcada e

Pierre Monbeig, Pionniers et Planteurs de São Paulo. Paris, 1952. Pág.ll.

130

prestes a se esgotar, de solos virgens e férteis. Nesse sentido,
muito pouco progredimos em nossa evolução econômica, e qualquer
apreciação da economia brasileira atual há de tomar esse fato em
primeira e principal linha de conta.
* * *
A natureza e o caráter da expansão geográfica da ocupação e
exploração rural brasileira se refletem nos dados estatísticos que
resumimos abaixo e que são dos Recenseamentos de 1940, 1950 e
1960, e do Cadastro de propriedade imóvel do Instituto Brasileiro
de Reforma Agrária (1967).

1940
1950
1960
1967
________________________________________________________________________________
Área total dos
estabelecimentos
rurais (h.),
e % de aumento:
Área de lavouras (h.)
e % de aumento

197.720.247
-

232.211.106
17,4%

249.862.142
7,5%

307.250.348
22,9%

18.885.430
--

19.095.057
1,0%

29.759.784
55,7%

37.212.692
24,9%

Área de lavouras
% da área total

9,5

Pastagens (h.)
e % de aumento:

88.141.733
­

107.547.262
22,0%

-

Pastagens
% da área total

44.4

46,2

--

Bovinos
e % de aumento:
área de pastagem
por cabeça(h.)

8.1

44.600.000

46.891.208
4.9%

1,9

2,2

11,9

55.692.653
18,7%
--

12,1

122.670.251
14,0%

39,9
90.153.000(x)
61,87o (x)
1,3 (x)
(x) 1966

O particularmente notável nestes dados é o considerável aumento da pecuária, em que se compreende tanto o gado vacum de corte,
como o leiteiro -- este último concentrado sobretudo no leste de
São Paulo, oeste do Rio de Janeiro e sul de Minas Gerais. Esse
crescimento da pecuária se explica essencialmente pelo aumento do
consumo de carne, do leite e seus derivados, nos grandes centros
urbanos do centro leste, em particular São Paulo e Rio de Janeiro
(Guanabara). Entre 1940 e 1967, as pastagens aumentam de quase 35
milhões de hectares, e o rebanho bovino mais que dobrou.
Em parte, a considerável expansão das pastagens se fez em terras antes desocupadas, como em certas regiões pioneiras de São
Paulo, Goiás e Mato Grosso, onde aliás a expansão prossegue em
ritmo acelerado, correspondendo às perspectivas de intensificação
das exportações de carne. Em boa parte contudo, a extensão das

pastagens representa uma substituição da agricultura pela pecuária
e revela a decadência das atividades agrícolas nas zonas de exploração mais antiga, que esgotada a fertilidade natural do solo,
conseguem com a pecuária manter um resto de vitalidade econômica.
Não exigindo mão-de-obra numerosa, como a agricultura, satisfazendo-se com um custeio reduzido e com solos de baixa fertilidade e
exauridos, e sendo de fácil instalação, a pecuária representa uma
atividade de substituição ideal nas terras cansadas, erodidas e
desgastadas onde os rendimentos agrícolas se tornaram excessivamente baixos.
Uma tal substituição da agricultura pela pecuária já constitui
fato antigo em nossa história econômica, e observamo-la em quase
todas as velhas regiões agrícolas, particularmente no Centro-Sul
do país (Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo). Ela contudo se
acentuou consideravelmente nos últimos anos, graças à valorização
do gado de corte em virtude da forte demanda de carne, durante a
guerra e logo depois, nos mercados consumidores do exterior; e
também nos grandes centros urbanos brasileiros em forte expansão,
como já foi acima referido, desde a guerra até hoje.
Como resultado dessa transformação, assistimos à extensão de
pastagens por terras, inclusive de primeira qualidade, antes ocupadas pela agricultura. Tal fato, se representa uma solução para
grandes propriedades decadentes e em crise, significa doutro lado
um nítido retrocesso econômico. A densidade econômica da agricultura (produção por unidade de área) é sensivelmente superior à da
pecuária; particularmente da pecuária de corte e extensiva, tal
como geralmente se pratica entre nós. Além disso, a criação de gado significa o despovoamento, com todas suas graves conseqüências,
que não é preciso aqui relembrar, pois não somente exige muito menos trabalhadores que a agricultura, como ainda alimenta menor número de atividades subsidiárias. A substituição da agricultura pela pecuária, tal como ocorre entre nós na generalidade dos casos,
significa, em última análise, decadência no rigor da palavra.
Temos aliás uma prova patente disso onde o fato é mais recente
e conserva ainda testemunhos vivos. Assim em certos setores rurais
do Estado de São Paulo, outrora regiões agrícolas florescentes e
de elevado nível de riqueza, hoje reduzidos a pastagens de baixo
teor econômico e semidespovoados, onde o grande número de habitações rurais abandonadas e em ruínas são um atestado eloqüente e
doloroso de decadência. É o que ocorre em diversas partes do nordeste dõ Estado, nas chamadas zonas "velhas" (embora mal contem
cem anos, note-se bem), percorridas pelas estradas de ferro Paulista e Mojiana. É aliás sensível e notório o deslocamento da população rural dessas regiões (bem como, através delas, do vizinho
Estado de Minas Gerais e mesmo do longínquo nordeste do país) para
as pontas de trilho do oeste do Estado e para o norte do Paraná; e
a invasão da pecuária conta nisso como um fator importante.
Em extensas regiões de Minas Gerais, interior da Bahia e Estados do nordeste verifica-se coisa semelhante, com intensidade agravada e repercussões sociais profundas. Em muitos lugares, o gado vem literalmente expulsando a população local que já não encontra meios suficientes de subsistência que antes tirava da agricultura, substituída agora, progressivamente, por pastagens. Para os

grandes proprietários que senhoreiam a maior parte e quase totalidade das terras naquelas extensas regiões, a pecuária, com os elevados preços do gado de corte, é comercialmente muito mais interessante que a agricultura de meação praticada por miseráveis lavradores nos melhores solos de tais regiões. E assim esses solos
vão sendo progressivamente entregues ao gado. É difícil avaliar,
assim de longe, o drama social que se abriga por detrás desse fato, aparentemente simples e aliás já bastante grave como fenômeno
econômico. Representa ele a pauperização total de milhares de famílias cujo único recurso está na emigração, sempre difícil e muitas vezes nem mesmo possível. Uma boa parte dessa população flutuante que se aglomera em todos os centros urbanos de maior importância do Nordeste, e que oscila entre a mendicância e ocupações
precárias e esporádicas, tem sua origem naquele fato que assinalamos. E é somente uma parcela mais feliz daqueles agricultores
expulsos pelo gado que consegue emigrar para mais longe, em busca
de terras novas e pioneiras onde há lugar para suas atividades e
possibilidade de subsistência, de ínfimo padrão embora.
* * *
Apesar contudo desses aspectos negativos, o largo desenvolvimento da pecuária de corte, estatisticamente expresso no incremento do rebanho brasileiro cujos efetivos passam, como vimos, de
44,6 milhões de cabeças em 1940 para 90 milhões em 1966, revela o
fato geral da constituição de um amplo mercado interno, servido
por uma atividade produtiva também interna e própria do país. E
dado o vulto que essa atividade e demais a ela ligadas vão adquirindo (abate, industrialização da carne, distribuição e comércio),
aquele fato ganha considerável relevo, pois nele se estrutura um
conjunto de atividades econômicas de largas perspectivas onde, em
contraste com o sistema colonial de economia, produção e consumo
se integram nacionalmente. Isto é, em que se conjugam, num sistema
nacional íntima e totalmente entrosado, as diferentes atividades
ligadas à produção e ao consumo, desde a produção primária e através das atividades de transformação industrial e distribuição, até
o último ato do consumo final e da satisfação das necessidades
próprias da população do país. Em um tal sistema entram em jogo
todos os estímulos recíprocos que as atividades econômicas podem
proporcionar umas às outras, quando assim articuladas entre si; e
não é mais apenas o consumo que impulsiona a produção, mas também
esta última, em todas suas fases sucessivas, que pela fonte de
rendimentos que cria, impulsiona reciprocamente o consumo. É o que
não ocorre no sistema colonial, isto é, na produção primária para
a exportação, por força da desarticulação em que nele se encontram
as atividades ligadas respectivamente à produção e ao consumo que
se extremam em organismos econômicos à parte e largamente diferenciados. A pecuária de corte, com todas as atividades econômicas
que a ela se ligam direta ou indiretamente, não apenas forma um
importante setor da economia brasileira; mas ainda, e graças a essa importância que adquiriu, constitui hoje um importante elemento
e fator do novo sistema nacional de economia que vai surgindo em

substituição à velha estrutura colonial brasileira131.
Em outros setores da agropecuária assiste-se a fatos semelhantes. O mais saliente caso é o açúcar que, eliminado da categoria
de produto essencialmente de exportação (na qual desempenhou no
passado tão grande papel), se reconstituiu na base, nova para ele,
do consumo interno. E não apenas como produto final, mas também
como matéria-prima de uma indústria já de grande importância na
economia brasileira; a de doces, confeitos e conservas. O desenvolvimento da lavoura canavieira foi considerável, pois a área por
ela ocupada ascendeu de menos de 500.000 hectares nas vésperas da
II Guerra Mundial, para 1.680.763 hectares em 1967. É de se notar
que o principal centro da produção açucareira se transferiu de sua
tradicional localização no nordeste, para São Paulo, que é hoje o
maior produtor do país, com cerca de 30% do total da área canavieira e 36% da produção132. O progresso da lavoura canavieira no
Brasil, tanto quanto o da pecuária de corte, não se deu sem o acompanhamento de graves conseqüências de ordem econômica e social,
em particular a grande concentração da propriedade fundiária por
ele provocada e a que já me referi. Esse último fato é muito sensível tanto no nordeste como em certas regiões de São Paulo onde o
desenvolvimento da cultura canavieira foi mais pronunciado. Além
desse efeito, o progresso da cultura canavieira, realizada em bases onde se acentuaram nitidamente os traços característicos das
relações capitalistas de produção, isto é, a introdução do assalariado puro, com o abandono de práticas anteriores (como o direito
de o trabalhador produzir ele próprio seus gêneros de subsistência

É interessante lembrar que a produção de carne se estabeleceu no Brasil, em
bases modernas e amplas, nas vésperas da I Guerra Mundial, por iniciativa de empreendimentos ingleses e norte-americanos (Armour, Swift, Anglo, Wilson), destinando-se originariamente ao fornecimento do mercado europeu. Através de vicissitudes várias, a produção de carne tornou-se hoje, fundamentalmente, uma atividade integrada na vida brasileira, isto é, voltada essencialmente para as necessidades próprias do país e de sua população. Como resíduo do passado, todavia, ficaram as grandes empresas frigoríficas estrangeiras, esses trustes internacionais que continuam dominando quase toda ou, pelo menos, a principal parte
da economia brasileira de carne. Notemos aqui o interesse que empreendimentos
internacionais vêm ultimamente manifestando pela cria e engorda de gado no Brasil, ameaçando com isto introduzir uma nova cunha em nosso negócio de carnes. De
anos para cá, o famoso King Ranch Inc., do Texas, Estados Unidos, cujas propriedades se estendem, além de nos Estados Unidos, pela Austrália, Venezuela e Argentina, voltou-se para o Brasil, onde associado aos frigoríficos Swift & Co. e
à empresa financeira Deltee International (que maneja, entre outros, note-se
bem, poupanças brasileiras), adquiriu, com fazendas em São Paulo e Minas Gerais,
de área global de mais de 20 mil hectares, mais 70 e tantos mil hectares ao sul
de Belém, Pará, a que se acrescentarão mais cerca de 50 mil em negociações
(1969). No recente debate em torno da aquisição de vastas glebas de terra no
Brasil por norte-americanos, e que serviu para algumas solenes afirmações de fé
"nacionalista", falou-se muito nas compras fraudulentas de aventureiros cujo noticiário não merecia talvez ultrapassar a crônica policial. Mas não se fez referência alguma aos negócios da King Ranch, Inc. e associados. Possivelmente porque se trata hoje de empresa nacional, "King Ranch do Brasil". Ou teria o sensacionalismo daquelas aventuras imobiliárias servido de pára-choque e cortina de
fumaça para os "legítimos" negócios imperialistas poderem desenvolver-se em sossego?
132 Em 1967, São Paulo teve 496.287 hectares cultivados com cana-de-açúcar, e sua
produção foi de 27.900.551 toneladas. Os números globais para o Brasil foram
respectivamente, no mesmo ano, 1.680.763 hectares e 77.086.529 toneladas.
131

em terras cedidas pelo proprietário), resultou em acentuada deterioração do nível de vida do trabalhador. O que mostra que a problemática proposta pelo velho sistema colonial da economia brasileira e a herança por ele legada, não se resolvem essencialmente,
nem mesmo fundamentalmente com a evolução e transformação ocorrida
e o desenvolvimento de ordem apenas econômica e tecnológica verificada.
Onde, neste setor da agropecuária, a superação do sistema colonial mais se afirma, é numa série de atividades de grande especialização e relativo alto nível tecnológico que atingiram grande
vulto nesta última fase da história econômica do Brasil que vimos
considerando, como a fruticultura, a viticultura, as culturas hortenses, a avicultura e a produção de leite e derivados, que vêm
assumindo em certas regiões, particularmente no sul do país e em
São Paulo muito destacadamente, uma importância considerável. Essas atividades já contribuem decisivamente para fazer de uma ponderável parte da economia rural brasileira algo bem diferente do
passado. Graças a ela, a economia agrária do país já não consiste
unicamente, nem mesmo de forma essencial, como foi sempre o caso
até época muito próxima, na produção primária destinada ao fornecimento dos mercados internacionais. Em importantes setores, já de
considerável expressão no conjunto da vida brasileira, a nossa economia agrária se acha a serviço direto das necessidades próprias
da população brasileira e se dispõe num amplo sistema nacional em
que o conjunto e todos os elementos componentes, desde a produção
primária até o consumo final, se articulam imediata e inteiramente
entre si; e por isso se estimulam e impulsionam reciprocamente. O
sistema colonial da economia brasileira, também no setor da agricultura onde ele tem suas principais raízes, abre-se em brechas
por onde penetram e em que se estabelecem os elementos renovadores
da velha estrutura, substituída gradualmente por uma organização
econômica que seja função das necessidades próprias do país e capaz, por conseguinte, de atender efetivamente ao bem-estar e prosperidade de seus habitantes.
* * *
Em conclusão, na crise do sistema colonial brasileiro, já
francamente desencadeada no período imediatamente anterior à II
Guerra Mundial, e precipitando-se nos anos decorridos desde então,
geram-se as forças e fatores renovadores que desvendam largas
perspectivas para a reestruturação da economia brasileira em bases
novas, mais condizentes com o nível atingido pelo nosso povo. Tais
perspectivas ainda são contudo, no fundamental, obstadas pelos remanescentes do velho sistema. Encontram--se aí as raízes das dificuldades e perturbações econômicas que atingem tão profundamente,
na atualidade (1970), a vida do país e de seu povo.
Trata-se pois de apressar o processo de transformação e orientá-lo convenientemente, realizando com isto a reforma estrutural
da economia brasileira capaz de a elevar a um novo plano inteira e
definitivamente liberto de seu passado colonial.

POST SCRIPTUM EM 1976
Nos últimos parágrafos e conclusão da HISTÓRIA ECONÔMICA DO
BRASIL foi notado que "as largas perspectivas para reestruturação
da economia brasileira em bases novas, mais condizentes com o nível atingido pelo nosso povo, ... são contudo, no fundamental,
obstadas pelos remanescentes do velho sistema". E é em tal circunstância que se encontram "as raízes das dificuldades e perturbações econômicas que atingem tão profundamente a vida do país".
Tais observações, que já datam de muitos anos, encontram nos
dias que hoje vivemos (1976) a mais flagrante comprovação; e é isso que se procurará mostrar nas linhas que seguem. Isto é, que a
política e orientação econômica adotadas nestes últimos anos, a
saber, o chamado "modelo brasileiro de desenvolvimento", que não é
outra coisa, em última análise, senão precisamente a consagração e
oficialização daqueles "remanescentes do velho sistema da economia
brasileira" acima referidos, em particular o nosso enquadramento
no sistema internacional do capitalismo, que vem a ser o imperialismo, na posição de simples dependência dele, um tal modelo é o
grande responsável pela atual situação de dificuldades que atravessamos.
É curioso notar que na análise desse tão louvado e incensado
modelo brasileiro de desenvolvimento que se elevou à categoria de
"milagre econômico", e que em linguagem mais simples e despretensiosa, e sobretudo mais verdadeira, quer dizer "o comportamento
imprimido à economia brasileira em sua fase mais recente e atual",
é curioso notar que na análise dele não se tenham os economistas,
em regra, lembrado suficientemente, e mesmo, muitas vezes, dado
sequer atenção, à circunstância que sem dúvida representa o principal, e pode-se mesmo dizer, o decisivo papel no desenrolar dos
acontecimentos. Refiro-me à situação, no essencial, de dependência
e subordinação da economia brasileira com respeito ao contexto internacional do capitalismo em que nos enquadramos, e onde comandam
os centros financeiros do sistema: as matrizes dos velhos trustes
conhecidos hoje pela eufêmica designação de "multinacionais". Numa
palavra, o imperialismo, para empregarmos a expressão consagrada,
nos meios menos ortodoxos, há três quartos de século.
Essa falha da análise econômica em nosso país se observa, nos
dias que correm, inclusive em muitos daqueles que embora reconhecendo uma tal subordinação da economia brasileira, não vão contudo
às suas derradeiras e mais profundas conseqüências. E destaco esses
economistas porque dos demais nem é bom falar. São os ortodoxos da
Economia que rezam fielmente e exclusivamente pela cartilha dos
consagrados autores norte-americanos e assemelhados, e que infelizmente ainda são os teóricos de maior influência e poder de decisão
na política econômica do país. Estes sonham num mundo keynesiano
(ou "neo-keynesiano", como preferem designar-se) modelado à imagem
das grandes potências capitalistas, como se o Brasil fosse qualitativamente seu semelhante, com apenas um PIB mais modesto. E não,
como é de fato -- tanto quanto a maioria dos seus iguais do mundo

subdesenvolvido --, um simples setor periférico e satélite do capitalismo internacional de onde lhe vêm todos os impulsos e freios
que comandam o seu comportamento econômico. E por isso tais economistas -- e muitas vezes, infelizmente, outros menos apegados aos
esquemas consagrados da ortodoxia capitalista -- empregam linguagem
e conceitos inspirados naquela ortodoxia que precisamente tem por
um de seus essenciais objetivos disfarçar as contradições do sistema capitalista, como esta que confina os países da nossa categoria
na situação de dependência e subordinação em que se encontram.
É assim interessante recapitular aqui, embora seja fartamente
conhecida, a evolução econômica capitalista internacional neste
período que nos interessa aqui, à fim de compreender melhor o que
se passou e passa ainda entre nós como reflexo que somos daquela
evolução.
No imediato pós-guerra, a economia capitalista, e particularmente os Estados Unidos, que dão as palavras de ordem do sistema,
conheceram uma fase de forte crescimento graças sobretudo ao estímulo dos negócios proporcionado, de um lado, pela folgada situação
financeira em que se encontravam os Estados Unidos -- a par de larga liquidez resultante do financiamento da guerra e das restrições
ao consumo no correr dela, e conseqüente explosão da demanda fortemente contida no correr das hostilidades por efeito daquelas
mesmas restrições. Doutra parte, impulsionariam os negócios a considerável tarefa de reconstrução da Europa devastada e a reorganização da vida convulsionada do continente. São bem conhecidos o
papel e a projeção, no caso, do famoso Plano Marshall.
O impulso adquirido, com a liquidez que o acompanha, se prolongarão muito além das conseqüências e dos efeitos imediatos da
guerra, tanto por obra da política financeira do governo norteamericano, de largo financiamento dos gastos públicos e privados,
como sobretudo, no plano internacional, pela reorganização financeira mundial na base do acordo de Bretton Woods. Contribuirá então particularmente, para a liquidez da economia capitalista, o
fato da liberação do dólar que se erigira em padrão e moeda internacional a ser oficialmente recebida e convertida em moeda nacional pelos países signatários do acordo. É essa a origem dos famosos eurodólares que determinariam, como era natural, larga disponibilidade financeira em todo mundo capitalista; e a par da inflação de preços, a conseqüente intensificação, sem precedentes, dos
negócios e a paralela sofreguidão na busca de aplicação e inversão
dos capitais assim formados.
Quem se beneficiará particularmente dessa conjuntura de largueza financeira, abrindo-lhe perspectivas e oportunidades imensas, serão naturalmente, em primeiro lugar, os grandes trustes e
monopólios norte-americanos, e logo em seqüência, das demais potências capitalistas, em especial a Alemanha e o Japão. O crescimento dos monopólios capitalistas -- esse rebento do capitalismo
desenvolvido, e fruto da natural tendência para a concentração do
capital -- será tal, e a sua expansão internacional, onipresença e
papel de tamanho vulto e importância, que de ignorados e, até mesmo muitas vezes, negados pela ortodoxia econômica, adquirem foros
de fato reconhecido, e com a eufêmica designação de "multinacionais" se fazem personagens aceitos pela teoria econômica oficial.

E aqui entra em cena o caso brasileiro. O nosso país não ficaria à margem da tremenda ofensiva, pelo mundo afora, do capitalismo internacional mobilizado pelos grupos financeiros e monopólios,
e que encontraria aqui larga e generosa acolhida graças à orientação política entre nós adotada. Os primeiros, à busca de aplicações para os excessos de liquidez proporcionada pelos eurodólares
e outras fontes abundantes de capitais na época disponíveis; os
outros, os monopólios, como bons negociantes, à cata de quaisquer
oportunidades de novos negócios que relativamente abundavam, e, de
imediato, muito bons, nas áreas do Terceiro Mundo semivirgem ainda
do progresso capitalista mais recente, onde quase tudo, no nível
desse progresso, estava por fazer ou introduzir. E oferecendo por
isso boas perspectivas em que se associavam, de um lado, à ânsia
de uma relativamente escassa, mas, em conjunto, apreciável minoria
de consumidores potenciais melhor aquinhoados e aspirantes sedentos dos padrões da sociedade de consumo norte-americana e européia
(é o que os economistas chamam de "efeito de demonstração"). De
outro lado a presença naquele Terceiro Mundo de abundante disponibilidade de mão-de-obra de baixo custo e sem as impertinentes exigências -- ou liberdade de exprimi-las -- que tornavam tão incômodas
e onerosas as relações de trabalho no mundo do capitalismo desenvolvido.
Tais são os fatores que impulsionarão o afluxo de iniciativas,
capitais (a "poupança externa", como dizem os economistas) e a
tecnologia dos grandes centros para os países de nossa categoria,
imprimindo-lhes o momentâneo surto de que tivemos no Brasil -- embora relativamente tarde -- tão belo exemplo nestes últimos anos. E
que nos promoveu, sempre no jargão dos economistas, de "subdesenvolvidos", para "países em desenvolvimento".
Foi a isso que assistimos nestes recentes tempos de "milagrosa" evolução econômica. E se a nossa participação no assunto, em
particular à política nele seguida, queremos dar o nome de "modelo", como tem sido feito, esse modelo terá essencialmente consistido em preparar, facilitar, recepcionar, acomodar e favorecer
mais e o melhor possível aquela enxurrada imperialista que submergirá a economia brasileira.
Mas antes de procedermos ao balanço final do "milagre" quando
ele entra, como está entrando, para discreto retiro, retomemos por
ora o fio do desdobramento da conjuntura internacional que nos informa tão claramente, como se viu, a respeito do surto de atividades verificado ultimamente no Brasil; e nos informará também do
seu naufrágio.
Os precários fundamentos financeiros em que se apoiava a expansão do sistema capitalista (e que somente um Chefe de Estado
capitalista, o General De Gaulle, soube prever, ou pelo menos atrever-se a denunciar e, embora debilmente, a criticar e combater), organização financeira aquela por certo muito engenhosa,
pois tornou possível disfarçar artificialmente durante três decênios a tendência estrutural do sistema capitalista à estagnação,1

Impossível entrar aqui nos pormenores do assunto. Remeto o leitor interessado à obra de Paul A. Baran e
Paul M. Sweezy: Monopoly Capital, publicada em 1966 pela Monthly Review Press, New York, e traduzida
no mesmo ano por Zahar Editores.
1

com apenas breves momentos de pequenas e suaves recessões, aqueles
precários fundamentos assentados nos acordos de Bretton Woods cederão afinal, como tinham mais dia menos dia que ceder. O que se
revelará nitidamente por volta de 1971/72, por forte e generalizado processo inflacionário de preços, acompanhado, em particular
nos Estados Unidos, de crescente desemprego e capacidade industrial ociosa. Desenhava-se com isso uma situação jamais ocorrida e
inconcebível na teoria econômica ortodoxa: a ocorrência simultânea
da inflação e de estagnação crescente. E enquanto se aguarda uma
interpretação coerente e explicação do fato dentro das concepções
ortodoxas -- o que até hoje não se propôs, nem parece possível propor -- consolam-se os economistas com batizá-lo, inventando um estranho nome: "estagnação".
E, com isso, começa a se desconjuntar o sistema financeiro armado no pós-guerra e que tanto favorecera e tomara possível o
crescimento e expansão da economia capitalista internacional. Desequilibra-se grandemente a balança de contas externas dos Estados
Unidos, regente e grande mentor do sistema, fazendo periclitar suas reservas de ouro. O padrão do dólar é quebrado -- não havia outro recurso -- e suspende-se sua convertibilidade. O que leva também à suspensão da compra de dólares pelos bancos centrais dos países da Comunidade Econômica Européia (C.E.E.), precipitando-se a
desvalorização da moeda norte-americana, que chega a perder mais
de 3/4 partes de seu valor.
Note-se que essa degringolada e insegurança do dólar tem por
efeito colateral momentâneo o aumento da disponibilidade de eurodólares que, na falta de melhor, encontrará aplicação em empréstimos a países como o Brasil, pesadamente endividados e necessitados
urgentemente de recursos para cobrir os crescentes déficits de suas contas externas.
Mas sobre isso voltaremos adiante na análise da repercussão
desses fatos ocorridos no âmbito internacional, na situação econômica de nosso país. O importante aqui é registrar o completo desmoronamento das finanças internacionais do capitalismo, e o retorno à descontrolada oscilação cambial em todos os países centrais
do sistema e instabilidade do valor relativo de suas respectivas
moedas. Instabilidade essa que tanto afligia a economia desses países e sobretudo embaraçava o comércio internacional no préguerra. A estabilidade cambial e a rigorosa limitação das oscilações das principais moedas relativamente umas às outras -- que foi
a grande realização de Bretton Woods -- constituíra sem dúvida o
principal fator do considerável impulso dado às transações internacionais, o que tanto contribuíra para a fase de prosperidade do
pós-guerra.
É nesta altura dos acontecimentos, que tão gravemente afetavam
a normalidade econômica do mundo capitalista, que se desencadeia o
tremendo golpe desferido pela súbita e brutal elevação do preço do
petróleo, o que representa um considerável deficit das contas internacionais das principais potências capitalistas européias (que
não produzem petróleo) e do Japão, deficit que assume mesmo, em
boa parte, a prazo pelo menos médio, o aspecto de algo estrutural.
Será o dobrar de sinos da moribunda ordem financeira e do equilíbrio econômico do pós-guerra que assegurara a relativa estabilida-

de e desenvolvimento do sistema capitalista internacional nos quase trinta anos decorridos desde então. E ninguém sabe ainda por
enquanto (janeiro de 1976), nem aproximadamente, como se sairá do
verdadeiro caos em que o mundo capitalista afundou e em que se debate.
Quem sofrerá mais em tal situação são os países do Terceiro
Mundo não produtores em escala apreciável de petróleo. Por dois
motivos: o alto e inatingível preço, para eles, do precioso mineral; e mais que isso ainda (o que será em particular o caso, entre
outros, do Brasil) o ponto final que a nova conjuntura porá à liquidez internacional até então desfrutada, com o que se estancará
a fonte de que se vinha alimentando e graças à qual subsistia e
aparentemente prosperava a economia desses países artificialmente
estimulada e empurrada para frente, e altos índices do PIB graças
à larga e generosa liberalidade creditícia internacional. Até mesmo os desmoralizados eurodólares, último recurso para o endividamento do Terceiro Mundo, começarão a se fazer escassos, desviados
que são para a aplicação preferencial, e cada vez mais forçada e
absorvente, na liquidação das gordas faturas dos produtores de petróleo. Ter-se-ão transformado em "petrodólares", e já não afluirão com a facilidade passada para o Terceiro Mundo.
O Brasil estará incluído, como não podia deixar de ser, entre
as vítimas dessa brusca reviravolta da conjuntura internacional.
Vão-lhe faltar os recursos suficientes de créditos e inversões externas que vinham estimulando e assegurando o processamento normal
de suas atividades econômicas. E o país se verá na iminência de
situação gravíssima, de conseqüências finais ainda imprevisíveis,
mas que começam a despontar e de que já estamos sofrendo o antegosto.
Será o resultado de uma inconseqüente política econômica -- em
termos das reais necessidades do país e da massa de seu povo -- que
iludida com as facilidades proporcionadas pelo abundante afluxo de
recursos externos que uma conjuntura internacional muito mais especulativa que outra coisa qualquer tinha determinado, julgou -- ou
quis julgar, preferivelmente -- que o Brasil entrara em nova etapa
de sua evolução econômica, um take-of rostoviano, isto é, a decolagem descrita nos textos ortodoxos da teoria econômica, que em
breve período elevaria o país à categoria de grande potência...
A dependência em que se encontrava e se encontra ainda o funcionamento normal da economia brasileira, tal como se acha estruturada, do financiamento do exterior, já não para alcançar qualquer coisa que mesmo longinquamente se assemelhe aos enganadores
índices especulativa e artificialmente atingidos nestes últimos
anos -- pois isso nem pode entrar em cogitação --, mas simplesmente
para subsistir normalmente, uma tal dependência do financiamento
externo pode-se avaliar pela maneira como vem evoluindo e a situação a que chegaram nossas contas externas. Destacam-se aí os nossos vultosos compromissos em débitos que montam a mais de 20 bilhões de dólares, paralelamente a uma acentuada e crescente restrição relativa dos meios e recursos de que o país dispõe para fazer face a tais compromissos.
De fato, a única fonte significativa de divisas com que contamos para saldar os nossos compromissos externos são os saldos que

sobram do valor exportado uma vez pagas as importações mais alguns
serviços como sejam fretes, seguros, viagens internacionais, etc.
Ora, essa balança comercial e de serviços vem encerrando-se com
deficits crescentes desde 1967, o que, dado o tempo decorrido e a
tendência verificada, mostra tratar-se de situação que não é excepcional e meramente conjuntural e momentânea, e sim que se prende a circunstâncias profundas que, pelo menos no que respeita a
nossa organização econômica atual, podem considerar-se quase como
de natureza estrutural. Os dados estatísticos são, no último decênio, os seguintes (milhões de dólares):

1965
467

1966
172

1967
-57

1968
-302

1969
-49

1970
-230

1971
-901

1972
-974

1973
-1017

1974
-6095

Fonte: BOLETIM DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

Note-se de passagem que esse desequilíbrio de nossas contas
externas não se deve essencialmente ao brusco encarecimento do petróleo, que tem sido apontado como responsável pela situação em
que nos encontramos. Esse encarecimento data de fins de 1973, e
somente começou a produzir plenos efeitos no ano seguinte. Se a
alta dos preços do petróleo agravou a situação (como aliás os dados acima indicam), o responsável principal do desequilíbrio de
nossas contas externas já vem de muito antes. E tudo indica, como
foi notado, que se trata de situação fundamente implantada no funcionamento normal de nossa economia, tal como ela se acha estruturada e é conduzida pela política oficialmente adotada. Tudo faz
crer que nas condições atuais ela é, em prazo previsível, irremovível. Não há nenhuma perspectiva razoável, dentro do que se pode
prever, nem de um aumento relativamente apreciável da exportação,
nem tampouco de redução substancial, como seria necessário, da importação e despesas com os serviços referidos. Os valores respectivos poderão variar, e com grandes esforços e sacrifícios vamos
admitir-se tornem mais favoráveis. Mas acredito que ninguém com um
mínimo de informação sobre a situação vigente, e com sinceridade,
sustentará que há qualquer perspectiva, dentro do previsível, de
uma reviravolta tal de nossa balança comercial capaz de proporcionar ao país saldos positivos apreciáveis.
Ora, é de grandes, mais que isso, consideráveis saldos que necessitamos para fazer frente aos compromissos assumidos por efeito
do tipo de nossa economia umbilicamente ligada e subordinada ao
imperialismo e cujos inconvenientes se agravaram consideravelmente
em virtude da orientação adotada nestes últimos anos de institucionalizar, já sem nenhum disfarce ou atenuante, aquela subordinação erigida em norma, e digna de todos os incentivos.
Tais compromissos se podem avaliar pelos pagamentos que vimos
fazendo ao exterior como remuneração dos capitais aqui aplicados
sob diferentes formas, e cujo montante cresce a ritmo acelerado.
São esses pagamentos os seguintes:

1965
478

1966
547

1967
701

1968
712

1969
756

1970
1025

1971
1270

1972
1722

1973
2384

1974
2823

Incluem-se nesses pagamentos rendas de capital e amortizações.
Para avaliarmos a gravidade do nosso progressivo endividamento, e
as perspectivas que apresenta, é de notar que tais amortizações
não estão trazendo uma redução do débito total que, pelo contrário, cresce aceleradamente, ascendendo de 4.403,3 milhões em 1969,
para 18.360,9 milhões em março de 1975 (últimos dados publicados),
com um ritmo de crescimento que se verifica na variação do nível
do débito de ano para ano:

1969/70
891,9

1970/71 1971/72 1972/73 1973/74
1.326,4 2.899,4 3.050,5 4.594,20

1974/75 (março)
1.195,20 (3 meses)

Como se vê, os nossos compromissos para com o capital imperialista crescem violentamente e apontam para um crescimento cada vez maior. Isso porque, para fazer face a eles, bem como aos
deficits de nossa balança comercial e dos serviços que referimos,
não houve outro recurso, e haverá cada vez menos, senão apelar para comprometimentos ainda maiores através de novas e crescentes
aplicações de capital estrangeiro. Foram elas as seguintes no último decênio decorrido:

1965
433

1966
582

1967
606

1968
646

1969
1390

1970
1656

1971
2692

1972
4657

1973
5669

1974
8011

Esses dados nos mostram claramente que de fato estamos satisfazendo nossos compromissos com outros ainda maiores. Isso já vem
de longa data, de antes mesmo da exacerbação do processo de comprometimento com o capital estrangeiro verificado nestes últimos
anos. De fato, a evolução da economia brasileira é, e tem sido,
nesse sentido de satisfazer obrigações externas com novas obrigações ainda maiores. Na gíria popular, "tapando buracos com outros
buracos". E maiores ainda que os tapados.
Em suma, o que os dados de nossas contas externas evidenciam é
a marcha cada vez mais acelerada para a insolvência -- se é que já
não se chegou aí --, faltando apenas o reconhecimento expresso da
situação. Bem como suas graves conseqüências imediatas, entre as
quais se destacam os "atrasados comerciais" de que já tivemos no
passado pequenas e momentâneas experiências, e que agora ameaçam
tornar-se crônicos e assumindo grande vulto. Isto é, a impossibilidade de satisfazer o pagamento de fornecimentos do exterior, implicando a restrição e suspensão mais ou menos ampla deles, com
tudo que isso representa para o funcionamento normal e continuado
de boa parte de nossas atividades econômicas, em particular as industriais, tão dependentes daqueles fornecimentos: componentes,

equipamentos, etc. E com isso, a perspectiva da perda do que ainda
sobra de autonomia econômica e livre disposição de nossos recursos. A ameaça que pesa sobre o monopólio da exploração do petróleo
é bem uma amostra disso.
Enxerga-se aí muito bem no que foi dar o chamado "milagroso"
modelo brasileiro que se apresentou - ou antes se apresentava,
porque as ilusões a respeito já se foram para a maior parte, pelo
menos, dos brasileiros - como destinado a abrir ao nosso país a
perspectiva de marcha acelerada para o estatuto de grande potência. Muito longe disso, e até, de certa forma em sentido contrário, o que a situação presente e o futuro previsível mostram, é
que tal milagre não passou de breve surto de atividades econômicas, condicionado por momentânea e excepcional conjuntura internacional cujo fatal encerramento, como de fato ocorreu, trouxe a degringolada catastrófica do castelo de cartas que se lograra erigir
e por um momento sustentar.
De fato, o que vai sobrar desse breve surto de atividades econômicas verificado no decurso dos últimos anos é muito pouco, quase nada, em termos de contribuição efetiva e solidamente alicerçada para um real progresso e consistente desenvolvimento futuro do país; e integração dele e da massa de sua população nos padrões do mundo moderno, que é o que efetivamente nos está faltando, e infelizmente ainda de muito. Os índices econômicos, nossos
famosos e tão alardeados índices, nos apresentam um razoável ganho
no crescimento industrial que seria, como se vangloriavam os arautos da política econômica oficial, e muitos acreditaram, passo decisivo de um legítimo processo de industrialização auto-estimulante e senão quantitativamente, pelo menos qualitativamente semelhante àquele dos países efetivamente industrializados do mundo
moderno.
É de indagar, contudo, o que de fato se disfarça atrás dos enganadores números revelados nas estatísticas. O que se encontrará
é fundamentalmente, e no essencial, uma indústria de bens de consumo durável substitutiva de importações, sem infra-estrutura apreciável, e dependente, do exterior, no fornecimento de seus
principais e essenciais insumos. E mais, da tecnologia empregada,
que na falta de elaboração própria, que o mesmo sistema de nossa
dependente economia torna inacessível, faz-se em simples repetição
mecânica de modelos que nos vêm prontos e acabados, em seus mínimos pormenores, do exterior. Concretamente, uma indústria pouco ou
quase nada mais que modesto fim de linha de estruturas industriais
exteriores ao país. De fato, a indústria brasileira, naquilo que
apresenta de mais significativo em termos modernos, não vai qualitativamente além, tanto quanto no passado, e sob certos aspectos
ainda mais acentuadamente, de uma dispersa constelação de filiais
ou dependências periféricas, em maior ou menor grau, de grandes
empresas internacionais (as chamadas eufemicamente de "multinacionais") que, originariamente exportadoras de seus produtos, transferem para as proximidades do mercado local brasileiro, como fazem
para a generalidade do mundo subdesenvolvido a que pertencemos,
uma ou outra fase de suas atividades, para com isso aproveitarem
mão-de-obra mais barata e menos reivindicadora, contornarem problemas de transporte e obstáculos alfandegários, ou para melhor se

adaptarem a situações e circunstâncias específicas do mercado local que exploram.
Nada, como se vê, que se assemelhe a um processo de industrialização digno desse nome e comparável àquele que se verificou
e, em alguns casos se verifica ainda, nos autênticos centros do
progresso industrial moderno.
Eis aí o que vai por detrás dos belos índices numéricos de
nossas estatísticas. E se voltamos as vistas de particularidades
do crescimento econômico verificado nesta última etapa de nossa
evolução que estamos considerando -- a etapa do "modelo milagroso"
-- para o panorama geral sócio-econòmico do país, é ainda mais flagrante, talvez, para o observador prevenido e que não se deixa enganar por aparências ilusórias, o pouco que andamos no sentido de
um real progresso em profundidade e superação do passado. Posta de
lado a acelerada urbanização -- fruto do defeituoso processo de industrialização que analisamos --, e mais ainda que outra coisa
qualquer, contrapartida da estagnação e decadência, sob tantos aspectos, das atividades rurais que transportaram para os centros
urbanos a miséria tornada intolerável no campo (haja vista o caso
máximo e tão característico dessa transformação urbanizadora do
Brasil, que é São Paulo), posto de lado esse congestionamento urbano, com os leves retoques de modernismo de fachada que acrescentou aqui e acolá à paisagem brasileira, não se assinala efetivamente no decurso da fase que presenciamos nestes últimos anos (e
já lá vai mais de uma dezena deles) nenhum sinal significativo de
mudança essencial e fundamental das arcaicas estruturas herdadas
de nosso passado colonial. Embora numa forma mais complexa e exteriormente revestido de aspectos mais conformes com maneiras de ser
dos dias de hoje, o que é fato universal, o sistema sócioeconômico brasileiro continua, no essencial, o mesmo daquele passado. Isto é, uma sociedade apoiada inteiramente, em última instância, e essencialmente organizada com esse objetivo, na produção
primária de gêneros demandados em mercados estranhos. É com essa
produção e exportação conseqüente que fundamentalmente se mantém a
vida do país, pois é com a receita daí proveniente que se pagam
importações essenciais à nossa subsistência, inclusive e em particular a instalação e manutenção da rudimentar e precária atividade
industrial que é a nossa; bem como se pagam os serviços financeiros e outros dos bem remunerados trustes imperialistas -- as "multinacionais", se preferirem -- aqui operando. Atividades e serviços
esses com que se enfeita a existência de relativamente restritos
setores da população, de um conforto e trem de vida que aspiram a
canhestramente imitar a sociedade de consumo dos grandes centros
capitalistas do mundo moderno. Relegando-se para o outro lado do
abismo que separa esses setores do resto da população -- tal como
no modelo que nos legou o passado de nossa formação histórica -- a
massa popular que vegeta, material e culturalmente, no nível da
simples subsistência física e do mínimo de desenvolvimento intelectual; ou excepcionalmente pouco mais que isso.
A política econômica e social do milagroso modelo brasileiro,
para dizer dele o melhor, se se orientou e soube acomodar o caminho -- façamos-lhe essa justiça -- para o aproveitamento máximo da
especulação em que ferveu nestes últimos anos o mundo capitalista,

no sentido de promoção da economia brasileira dentro de seu tradicional modelo colonial, não lhe imprimiu, nem cogitou disso, nenhum desvio de seus velhos padrões que manteve praticamente intactos. Como deixou com isso intactas e em aberto no mesmo pé em que
se encontravam as grandes e fundamentais questões que se propõem
no Brasil desde longa data, e de cujo equacionamento e solução depende a integração da nação brasileira nos níveis da civilização
deste século em que vivemos. Em conclusão, o "milagre" brasileiro
não passou - e já (janeiro de 1976) se começa, mesmo fora do círculo de economistas, a senti-lo e a compreender muito bem -- não
passou de breve surto de atividades estimulado por conjuntura internacional momentânea e fruto de circunstâncias excepcionais. A
inflação de eurodólares em particular. Encerrado o ciclo dessa situação excepcional, e invertida a conjuntura, como não podia deixar de mais dia menos dia acontecer, o Brasil retorna à sua medíocre normalidade amarrada ao passado. Com a agravante agora de fazer frente ao oneroso custo de seu instante de euforia e sonho de
seus dirigentes com um Brasil "plenamente desenvolvido" e "grande
potência" a curto prazo.
Janeiro de 1976

ANEXOS
Moeda Brasileira

A unidade monetária herdada pelo Brasil de Portugal, foi o
mil-réis: Rs. 1$000 (1.000$000 = um conto de réis) substituído pelo cruzeiro, de igual valor, por força do Decreto-Lei n.° 7491, de
5 de outubro de 1942.
O padrão monetário, ao se fazer a Independência, era de Rs.
1$000 por oitava de ouro (3.586 gramas), o que dava para o milréis o valor de 67d. (dinheiros ou pence -- singular: penny --, moeda inglesa em que, até a última guerra, sempre se computou o câmbio oficial brasileiro). Contudo, o valor do papel-moeda, que se
começou a emitir no Brasil em 1808, variou muito. Ele nunca foi
conversível em ouro. Em 1833, devido à grande desvalorização, quebrou-se o padrão monetário brasileiro, que passou a ser de Rr.
2$500 por oitava de ouro de 22 quilates (lei de 8 de outubro de
1833). Nesta base o mil-réis valia 47 1/5 d. Em 1846, nova quebra
do padrão (lei 11 de setembro), passando a oitava de ouro a valer
Rs. 4$000, correspondendo ao câmbio sobre a Inglaterra de 27d. Este padrão vigorou legalmente até 1948, pois a reforma monetária de
1926 (mil-réis de 200 miligramas de ouro do toque 900 mg.) não
chegou a seu termo. Mas isso não impediu a desvalorização contínua
do mil-réis (depois cruzeiro) papel.
Pela convenção de Bretton Woods, EE.VU. (julho de 1944), de
que participaram 44 países, inclusive o Brasil, e que instituiu o
Fundo Monetário Internacional, obrigaram-se os signatários a fixar
definitivamente a paridade de suas moedas respectivas. Em julho de
1948, o Brasil deu cumprimento a essa obrigação, tendo comunicado
ao Fundo a nova taxa oficial de sua moeda: Cr$ 18,36 por dólar
norte-americano. A equivalência em ouro do cruzeiro ao par tornouse assim 0,0484 gramas de ouro, o que representa um valor quase 19
vezes menor que o do mil-réis do padrão de 1846. Essa paridade foi
em seguida e sucessivamente alterada na medida da desvalorização
efetiva do cruzeiro.
Pelo Decreto n.° 60.190, de 8 de fevereiro de 1967, foi instituído o cruzeiro novo (NCR$) do valor de 1.000 (mil) cruzeiros
velhos. A paridade no momento (janeiro de 1970) do cruzeiro novo é
de NCr$ 4,35 por dólar.

População do Brasil
Anos
1576.......
1776.......
1800.......
1823 .......
1850.......
1872 (recens.)
1887.......

Livre
2.000.000
2.813.351
5.520.000
8.601.255
-

Escravos
1.000.000
1.147.515
2.500.000
1.510.806
723.419

Total
57.000 (?)
1.900.000 (?)
3.000.000 (?)
3.960.866
8.020.000
10.112.061

(censo of.)
1890.......
1900.......
1920 (recens.)
1940 (" )
1950 (" )
1960 (" )
1970 ( est. )

-

-

14.333.915
17.438.434
30.635.605
41.236.315
51.944.397
70.799.352
95.305.000

Comércio Exterior do Brasil
Exportação e Importação
Decênios
Contos de Réis
1821-1830........
243.263
265.164
1831-1840........
348.258
385.742
1841-1850........
487.540
540.944
1851-1860........
900.534
1.016.686
1861-1870........ 1.537.175
1.347.514
1871-1880........ 1.963.718
1.621.251
1881-1890........ 2.411.006
2.102.297
1891-1900........ 7.349.258
6.397.324
1901-1910........ 8.123.578
5.391.775
1911-1920........ 12.300.768
9.960.223
1921-1930........ 32.797.144
27.321.166
1931-1940........ 41.978.656
36.650.153
Qüinqüênios
1941-1945........
1946-1950........
1951-1955........
1956-1960........
1961-1965........

NCr$ 1.000
45.880
106.172
188.115
440.457
4.494.123

32.983
97.764
211.993
623.875
4.765.792

Export. e Import.
£ 1.000 Ouro
39.097
42.504
45.205
54.291
54.680
60.999
102.007 115.280
149.433 131.866
199.685 164.929
220.725 192.361
291.017 252.817
476.222 318.843
688.038 546.906
805.848 674.479
377.024 300.349
US$ 1.000.000
2.334
1.625
5.680
5.183
7.712
8.232
6.667
6.911
7.048
6.781

Bibliografia
A bibliografia da história econômica brasileira é em geral pobre e fragmentária, estando quase toda dispersa em monografias,
pequenos trabalhos e ensaios muito particulares e incompletos. Reuni aqui algumas obras fundamentais que têm pelo menos valor documentário. Para a época mais recente, constituem fontes importantes
as revistas: OBSERVADOR ECONÔMICO E FINANCEIRO (1936 - encontramse nessa revista, além dos assuntos de atualidade, alguns bons
trabalhos propriamente de história econômica -) e CONJUNTURA ECONÔMICA (1947) -- publicação da Fundação Getúlio Vargas.
GERAL
História do Brasil, José Francisco da Rocha Pombo. 10 vols.Rio de
Janeiro.
Nessa história geral encontram-se capítulos informativos e interessantes a respeito da história econômica do Brasil.
História Geral da Civilização Brasileira, sob direção de Sérgio
Buarque de Holanda. 5 vols. publicados (1967).
A história econômica acha-se bem cuidada nessa obra geral, cujos volumes publicados alcançam o Brasil monárquico.
Formação Econômica do Brasil. Celso Furtado. Rio de Janeiro, 1959.
Interpretação sobretudo monetária da história econômica, ou
nas palavras do próprio autor, "análise dos processos econômicos e
não reconstituição dos eventos históricos que estão por trás desses processos".
Dicionário Histórico, Geográfico e Etnográfico do Brasil. Rio de
Janeiro, 1922.
Este Dicionário, organizado pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, contém artigos especializados sobre história
econômica e os diferentes setores da economia brasileira.
Brazil, A study of economic types. J. F. Normano, Chapel Hill,
1935.
Trabalho superficial e apressado, com algumas perspectivas de
conjunto interessantes.
COLÔNIA
História Econômica do Brasil 1500-1820. Roberto C. Simonsen. 2
vols. 1937.
Trabalho sobretudo informativo.
Pontos de partida para a História Econômica do Brasil. Brito Lemos, 2ª ed., 1939.
O autor estuda diferentes aspectos da evolução econômica brasileira no período colonial, mas sem unidade e com pouco espírito
crítico.

Formação do Brasil Contemporâneo. Colônia. Caio Prado Júnior. 9.a
ed. São Paulo, 1969
A presente História Econômica do Brasil, no que se refere à
Colônia, é em grande parte resumo desse livro.
Cultura e opulência do Brasil. André João Antonil. Reedição de
1923.
Esse livro, publicado pela primeira vez em 1711, é uma esplêndida descrição da economia colonial brasileira.
AÇÚCAR
Embora a produção do açúcar representasse até a primeira metade do século passado, a principal riqueza brasileira, e ainda hoje
de uma parte considerável da sua população, ela ainda não mereceu
um estudo de conjunto.
Existe no entanto uma série muito interessante de monografias
sobre o assunto, da autoria de um técnico, o sr. Gileno de Carli,
do Instituto do Açúcar e Álcool. Destaque-se também a revista especializada BRASIL AÇUCAREIRO, publicada desde 1933 pelo Instituto
do Açúcar e do Álcool.
CAFÉ
Rapport sur Ia culture du café em Amérique, Asie et Afrique. C. F.
van Delden Laèrne.La Haye. Paris, 1885.
Notável estudo sobre a cultura cafeeira do Brasil, analisada
sob todos seus aspectos: geográfico, econômico, financeiro, comercial, técnico.
História do Café no Brasil. Afonso de E. Taunay.15 vols.1939-1943.
É a história exaustiva da cultura do café no Brasil desde a
introdução do cafeeiro no País, em 1727. Obra prolixa, desordenada, sem nenhum espírito crítico; mas que reúne informações indispensáveis e que não se encontram noutra parte.
Roteiro do café e outros estudos. Sérgio Milliet.São Paulo, 1939.
Breve análise estatística da expansão da lavoura cafeeira em
São Paulo e sua implantação nas diferentes regiões do Estado.
Grandeza e Decadência do Café. Stanley J. Stein.Trad. port. de Edgar Magalhães. S. Paulo, 1961.
Admirável trabalho descritivo e interpretativo da evolução do
ciclo cafeeiro numa região típica do Rio Paraíba: Vassouras.
MINERAÇÃO
As minas do Brasil e sua legislação. João Pandiá Calógeras. 3
vols. 1904-5.
Trabalho excelente, tanto do ponto de vista histórico, como
econômico e técnico.

Recursos Minerais do Brasil. Sylvio Fróis de Abreu. 2 vols. Instituto Nacional de Tecnologia. Rio de Janeiro, 1960-1962.
Trabalho sobretudo técnico, com algumas informações históricas
e extensa bibliografia.
O Petróleo no Brasil. Traição e Vitória. Lourival Coutinho e Joel
Silveira. Rio de Janeiro, 1957.
Histórico da exploração do petróleo no Brasil e da luta pelo
monopólio estatal. Transcreve a legislação a respeito, desde 1938
até 1957.
INDÚSTRIAS EXTRATIVAS
L'Amazonnie Brésilienne.Paul Le Cointe.2 vols.Paris, 1922.
É um estudo sobre o Vale do Amazonas em geral. Mas estuda particularmente a indústria da extração da borracha.
INDÚSTRIA MANUFATUREIRA
A evolução industrial do Brasil. Roberto C. Simonsen. Setembro,
1939. (São Paulo).
Síntese interessante e informativa. É um trabalho muito sumário, mas único no assunto. Seu autor fala com a autoridade e experiência de um dos grandes industriais brasileiros.
Evolução industrial de São Paulo. Heitor Ferreira Lima. São Paulo
(1953).
Trabalho sobretudo informativo, com dados biográficos de alguns dos pioneiros da indústria paulista e brasileira.
Industry in Latin America. George Wythe. New York, 1945.
Traz um longo capítulo dedicado ao Brasil.
The Brazilian Cotton Manufacture. Stanley J. Stein. Harvard
University Press. Cambridge. Massachussets, 1957.
Histórico exaustivo da mais antiga e até hoje importante atividade industrial brasileira, desde suas origens até o presente.
A luta pela industrialização do Brasil (1808 a 1930). Nícia Vilela
Luz. São Paulo, 1961.
Histórico da política econômica brasileira no que respeita a
indústria manufatureira, e análise dos fatores e circunstâncias
que influíram nessa política e contribuíram para impulsionar a industrialização.
A Industrialização e o Desenvolvimento Econômico do Brasil. Werner
Baer. Tradução do inglês de Paulo de Almeida Rodrigues. Fundação
Getúlio Vargas.Rio de Janeiro, 1966.
Analisa particularmente o desenvolvimento industrial brasileiro no período posterior à II Guerra Mundial, mas considera unicamente os aspectos financeiros do assunto. Seu maior interesse
encontra-se nas informações que traz, sobretudo no que respeita
dados estatísticos.

TRANSPORTES
Tropas e Tropeiros na Formação do Brasil. José Alípio Goulart. Rio
de Janeiro, 1961.
Primeiro trabalho de conjunto sobre matéria de máxima importância para a história econômica brasileira.
Monções. Sérgio Buarque de Holanda.Rio de Janeiro, 1945.
Descrição da navegação fluvial realizada em canoas e que constitui uma das principais formas de comunicação e transporte utilizadas no Brasil colonial.
Public and Private Operation of Railvvays in Brazil. Julian Smith
Duncan New York, 1932.
Esta obra, embora objetivando uma finalidade restrita -- a de
fazer o confronto entre a administração pública e privada nas estradas de ferro --, constitui o único trabalho de conjunto sobre a
evolução histórica do transporte ferroviário brasileiro.
História da Viação Pública de São Paulo (Brasil). Adolpho Augusto
Pinto São Paulo. 1903.
Unicamente descritiva e informativa, com minuciosos dados, inclusive estatísticos, acerca das diferentes linhas que formam a
maior e mais importante rede ferroviária brasileira.
ESCRAVIDÃO
L'Esclavage au Brésil.Louis Couty.Paris, 1881.
É uma boa análise social da escravidão no Brasil.
A Escravidão no Brasil. João Dornas Filho.Rio de Janeiro, 1939.
Resumo histórico da escravidão -- indígena e de africanos -- incluindo um capítulo sobre as insurreições negras e uma extensa bibliografia.
Escravidão Africana no Brasil. (Das origens à extinção do tráfico). Maurício Goulart.São Paulo, 1949.
Interessa-se sobretudo pelo tráfico africano e avaliação do
número de escravos traficados e presentes no Brasil em diferentes
épocas.
Do escambo á escravidão. As relações econômicas de portugueses e
índios na colonização do Brasil 1500-1580. Alexander Marchant.
Tradução de Carlos Lacerda. São Paulo, 1943.
Análise do maior interesse para a explicação da introdução do
regime escravista nas relações de trabalho da colônia.
Da Senzala à Colônia. Emília Viotti da Costa. São Paulo, 1966.
Analisa com rigor e segurança a transição do regime de trabalho, da escravidão para a liberdade, na zona cafeeira.

IMPÉRIO
Le Brésil en 1889. Coletânea organizada por F. J. de Santa-Ana Néri. Paris, 1889.
Traz valiosa colaboração sobre diferentes aspectos da história
econômica, do Império em particular. O artigo sobre imigração e
colonização, da autoria de Eduardo Prado, é o melhor resumo que
possuímos sobre o assunto.
Resenha financeira do Ex-Império do Brasil em 1889. Amaro Cavalcânti. Rio de Janeiro, 1890.
Obra de valor sobretudo documentário, que traz grande número
de dados econômicos e em particular financeiros sobre o Império do
Brasil e suas diferentes províncias.
REPÚBLICA
Le Brésil au XXe. siècle. Pierre Denis. Quatrième édition. Paris,
1911.
A história econômica da República é particularmente pobre, e
nada existe ainda de conjunto sobre ela. Pierre Denis, o conhecido
geógrafo, nos dá aqui uma síntese do Brasil de princípios deste
século, desenvolvendo particularmente os aspectos econômicos do
pais. Os capítulos sobre imigração, cultura e valorização do café
formam excelentes resumos.
Brazil on the March. A Study in International Cooperation. Morris
Llewel-lyn Cooke. New York, 1944.
Comentários acerca do relatório da Missão Técnica Norte-americana que sob a chefia do autor, esteve no Brasil nos anos de
1942 a 1943, a fim de orientar o esforço brasileiro de guerra em
apoio aos aliados. É um bom balanço da economia brasileira daqueles anos; e o relatório, que por assim dizer ele resume, influiu
grandemente na política econômica brasileira do pós-guerra.
HISTÓRIA FINANCEIRA, MONETÁRIA E BANCÁRIA
História financeira e orçamentária do Império do Brasil desde a
sua fundação. Dr. Liberato de Castro Carneiro.Rio de Janeiro,
1889.
O autor acompanha, ano por ano, a história das finanças brasileiras desde a Independência até a proclamação da República, reunindo dados mais ou menos completos sobre receitas e despesas públicas, empréstimos, etc. Cataloga as leis sobre a matéria e descreve as diferentes medidas financeiras adotadas pelo Império. É
puramente documentário e informativo, sem nenhuma preocupação crítica.
La politique monetaire du Brésil. J. P. Calógeras. Rio de Janeiro,
1910.
O autor foi um importante homem público do Brasil, e seu livro
é uma forte crítica, dentro de um espírito acentuadamente conservador, contra as finanças da República nos seus primeiros anos.

Bancos de emissão no Brasil. Antônio Carlos Ribeiro de Andrada.
Rio de Janeiro, 1923.
Muito bom resumo da evolução monetária do pais.
História do Banco do Brasil. Primeira fase 1808-1835. Afonso Arinos de Melo Franco. Instituto de Economia da Associação Comercial
de São Paulo (1948).
Trabalho minucioso, que oferece um histórico seguro e bem traçado da fase inicial das finanças brasileiras.
IMPERIALISMO
British preeminence in Brazil. Its rise and decline. Allan K.
Manchester Ph. D. The University of North Carolina Press. Chapel
Hill, 1933.
É um excelente histórico das relações econômicas e comerciais
entre o Brasil e a Inglaterra. Traz uma desenvolvida análise da
questão do tráfico africano de escravos.
Migration of industry to South America. Dudley Maynard Phelps
Ph.D. McGraw-Hill Book Company, Inc. New York and London, 1936.
Estuda um dos aspectos mais interessantes da penetração imperialista: os empreendimentos industriais. Mas ocupa-se unicamente com empresas norte-americanas.
British Investiments in Latin America.1822-1949. J. Fred Rippy.
University of Minnesota Press. 1959.
Trabalho informativo que contribui com grande número de dados
estatísticos e outros sobre inversões britânicas na América Latina
em geral e Brasil em particular.
The Struggle for South America. J. F. Normano. Boston and New
York, 1931.
Estudo superficial e apressado. Mas indispensável ainda num
assunto de bibliografia particularmente pobre.
Capitais Estrangeiros no Brasil. Aristóteles Moura. 2.a edição.
São Paulo, 1960.
Analisa particularmente o aspecto financeiro das operações do
capitalismo internacional no Brasil.
Britain and the Onset of Modernization in Brasil 1850-1914.
Richard Craham. Cambridge University Press, 1968.
Analisa de um modo geral, e admiravelmente, embora sem perspectiva política, a influência inglesa e participação de ingleses
na vida brasileira; e se bem que acentue os aspectos econômicos do
assunto, a eles não se limita. E dado o papel que efetivamente representaram os ingleses na grande transformação pela qual passou o
Brasil no período considerado, o livro traz grande contribuição
para a compreensão e interpretação do conjunto da evolução econômica brasileira, e mesmo da história geral do país no correr do
2.° Império e até a I Guerra Mundial.

Os dados estatísticos utilizados se acham esparsos nas obras
referidas acima, bem como nas fontes citadas no texto. Destaquemos, pela sua importância, as publicações periódicas (mensais, anuais e outras) do SERVIÇO DE ESTATÍSTICA ECONÔMICA E FINANCEIRA,
do Ministério da Fazenda, o BOLETIM ESTATÍSTICO, do Instituto Brasileiro de Estatística, e o ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO BRASIL que vem
sendo publicado desde 1935.

Biografia do Autor
Caio Prado Júnior, nascido em São Paulo, aí fez seus estudos
secundários no Colégio São Luís, bem como em Eastbourne, Inglaterra.
Formado em 1928 pela Faculdade de Direito, hoje incorporada à
Universidade de São Paulo, obteve nela, em 1956, a Livre Docência
com a sua tese Diretrizes para uma política econômica brasileira.
Deputado estadual em 1947, teve seu mandato cassado em conseqüência do cancelamento do registro do Partido Comunista do Brasil
pelo qual se elegera.
Recebeu o título de Intelectual do Ano de 1966 pela publicação
do seu livro A REVOLUÇÃO BRASILEIRA, sendo agraciado com o prêmio
Juca Pato.
*****
Revisão: Argo ­ www.portaldocriador.org