HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL
Janaine Krevellin Cavalheiro (PIBIC/PAICaf-Fundação Araucária-UNICENTRO),
Debora Gomes (Orientadora), e-mail: [email protected]
Universidade Estadual do Centro-Oeste/Departamento de Educação Física Campus
Irati
4.00.00.00-1 Ciências da Saúde, 4.09.00.00-2 Educação Física
Palavras-chave: educação física, história, Brasil.
Resumo:
O presente estudo teve como objetivo analisar a história da Educação Física no Brasil. Para
tanto, foi realizado uma pesquisa de cunho qualitativo onde se utilizou como principais
fontes bibliográficas livros, artigos e documentos nacionais. Diante das análises, verificou-se
que a Educação Física percorreu uma longa história que vem lhe conferindo diversos papeis
atrelados às necessidades sociais. Neste sentido, diferentes proposições foram feitas e ao
longo dos séculos XIX, XX e XXI a Educação Física no Brasil passou de atividade
responsável por cuidar e disciplinar o corpo, para disciplina obrigatória a qual deve organizar
aulas que efetivem o processo de ensino aprendizagem diante das novas necessidades
educacionais, dentre elas, o trato do aluno como sujeito ativo que deve se apropriar das
práticas corporais entendo-as enquanto manifestações da cultura corporal de movimento, as
quais são dotadas de sentidos e significados.

Introdução
Compreender a Educação Física no Brasil tem sido um dos desafios que permeiam
os debates desta área desde a década de 1980, portanto, compreender sua história
constitui-se um aspecto relevante para tal fim, uma vez que como afirma Vieira Pinto
(1979, p.90-91), "o conteúdo de todo conceito é a sua história".
A Educação Física ao longo de sua história, assim como as demais
disciplinas curriculares presentes na escola, sempre buscou cumprir uma função
social que esteve atrelada aos interesses da sociedade vigente. Desta forma, este
estudo teve como objetivo analisar a história da Educação Física no Brasil, a fim de
compreender os fatores que influenciam as práticas pedagógicas em torno da
disciplina na contemporaneidade.
Revisão de Literatura
No Brasil, diferentes fatos são atribuídos ao início da Educação Física, dentre eles
as atividades físicas realizadas pelos índios que aqui habitavam, atividades estas,
decorrentes das necessidades de sobrevivência (corrida, natação, luta, caça, pesca,
canoagem, arco e flecha), porém, alguns autores afirmam que por estas atividades
Anais da XIX Semana de Iniciação Científica
25 e 26 de setembro de 2014, UNICENTRO, Guarapuava ­PR, ISSN ­ ISSN: 2238-7358

não serem realizadas no tempo ocioso, criando hábitos esportivos, este fato não
pode ser considerado o início da história da Educação Física no Brasil. Os negros
africanos trazidos como escravos para o Brasil, também são destacados como
influência no início da história da Educação Física no Brasil, por meio da atividade
que realizavam e que era descrita como uma mistura de luta e dança (chamada
posteriormente de capoeira) (GOMES, 2013).
O fato mais encontrado quando estudamos sobre a história da Educação
Física no Brasil, é a chegada da família real em 1808, a qual determina dois anos
depois, a fundação da Academia Real Militar, destinada a formar engenheiros civis e
militares, sendo que a Ginástica era uma atividade que compunha o escopo de
formação.
Em 17 de fevereiro de 1854, por meio do ministro do Império, Luiz Pedreira de
Couto Ferraz, foi baixado o decreto n°1.331-A, o qual aprovou o "Regulamento para
reforma do ensino primário e secundário do Município da Corte" e que ficou
conhecido como "Reforma Couto Ferraz". Embora voltado para o Município da
Corte, "[...] além do efeito-demonstração e do caráter de modelo que, durante todo o
Império, a legislação do município da corte teve para as províncias, o Regulamento
de 1854 explicitamente buscava alcançar a instrução pública provincial [...]"
(SAVIANI, 2007, p. 131).
No artigo 47 do Regulamento de 1854, aparece que o currículo básico das
escolas primárias de segundo grau, responsáveis pela instrução primária superior,
ou seja, instrução ocorrida após a classe de instrução primária elementar, deveria
ser enriquecido com dentre outras disciplinas a ginástica (SAVIANI, 2007, grifo
nosso).
A grande influência médica desencadeada na Europa a partir do século XVIII,
faz com que no Brasil, no início do século XIX, a concepção médica chegue
repercutindo na organização da família brasileira que passa a ser tratada "[...] como
instância primeira e imediata da medicalização dos indivíduos [...]", além de
assumirem a responsabilidade diante de "leis morais essenciais da família", com um
"[...] corpo sadio, limpo, válido, o espaço purificado, límpido e arejado [...]", ou seja,
princípios mais tarde denominados "higienistas" e que passam fazer parte das aulas
de Educação Física (CASTELLANI FILHO, 2013, p. 31).
Em síntese, no Brasil a partir do século XIX, a Educação Física foi
compreendida como fenômeno necessário a formação de homens hábeis e fortes, e
ao assimilar princípios da área da medicina, a mesma foi associada a estruturação
familiar e organização da sociedade, adquirindo assim o caráter higienista (cuidados
específicos com a saúde e higiene).
Na terceira década do século XIX, com o auto índice de taxa da mortalidade
infantil e precárias condições de vida, implantou-se no Brasil uma Educação Moral,
Intelectual e Sexual, que de acordo com Costa apud Castellani Filho (2013, p. 32),
deveria "[...] assegurar a saúde e o vigor dos corpos, aumentar a reprodução e
longevidade dos indivíduos, incrementar a população do país e melhorar os
costumes privados e a moral pública [...]", função esta que os higienistas receberam
destaque para cumprir, na busca pela "construção do Estado Agrário".
Os higienistas passam então a se utilizar da Educação Física que assume o
papel de formar um "[...] corpo saudável, robusto e harmonioso organicamente",
concepção esta que traz a tona os preconceitos raciais e sociais pois "[...] ao assim
fazê-la, em oposição ao corpo relapso, flácido e doentio do indivíduo colonial,
acabou contribuindo para que [...] este corpo, eleito representante de uma classe e
de uma raça, [...] servisse para incentivar o racismo e os preconceitos sociais a eles
Anais da XIX Semana de Iniciação Científica
25 e 26 de setembro de 2014, UNICENTRO, Guarapuava ­PR, ISSN ­ ISSN: 2238-7358

ligados". Portanto, cabe à Educação Física neste período, segundo os preceitos
higienistas "[...] transformar homens e mulheres em reprodutores e guardiães de
proles e raças puras [...]" (CASTELLANI FILHO, 2013, p. 33-34).
Mesmo servindo para atender aos interesses da sociedade vigente, as aulas
de Educação Física denominadas então como Ginástica, sofreram resistência por
parte da classe dominante, que valorizavam para seus filhos as atividades
intelectuais e não físico/corporais. Em 1874, o conselheiro Josino do Nascimento
Silva, da Província do Rio de Janeiro, relata que a Educação Física sofreu certa
"repugnância" por parte da opinião pública, principalmente no caso de mulheres que
eram proibidas por seus pais de realizarem os exercícios ginásticos, mesmo que
isso implicasse na perda do ano/carreira (MARINHO apud CASTELLANI FILHO,
2013).
O primeiro destaque à prática da Ginástica foi feito por meio do parecer de
Rui Barbosa no projeto de n° 224, denominado Reforma do Ensino Primário,
proferido na sessão de 12 de setembro de 1882 na Câmara dos Deputados. Nos
incisos primeiro e quarto do parecer foi previsto, a "instituição de uma sessão
especial de ginástica em escola normal; a equiparação, em categoria e autoridades,
dos professores de ginástica aos de todas as outras disciplinas; a inserção da
ginástica nos programas escolares como matéria de estudo em horas distintas das
do recreio [...]".
Por meio do "Regulamento do Serviço de Inspeção Médica Escola do Distrito
Federal", do ano de 1916 (Decreto n° 1058, de 29 de janeiro), foi conferido aos
médicos "a competência de dirigir a Educação Física dos alunos proporcionada as
necessidades e capacidade de cada idade e sexo". Observa-se que fica explícito
nesse decreto a condução da Educação Física de maneira diferente de acordo com
o gênero. Gondra (2004, p.140), aponta neste sentido a prescrição do Dr. Portugal:
"no caso dos rapazes [...] elevar a quantidade de recreios, de modo a distrair os
jovens do 'fogo de suas vontades' com o artifício da ginástica [...], práticas dos
exercícios corporais [...], como antídoto contra os vícios", no caso das meninas tais
práticas estavam preocupadas em regular a moral para "evitar o desenvolvimento
prematuro dos órgãos". Esta é o que denominou-se de Educação Física Higienista.
De acordo com Marinho (2011), tendo em vista a implantação do Estado
Novo, a Educação Física também passou assim como as outras áreas, a ser
utilizada como instrumento ideológico. Os exercícios físicos estiveram associados ao
esporte e ao civismo, e foram praticados de acordo com o método francês, que
pouco depois, em 1932, foi oficializado com o decreto de n° 21.324, é neste período
que a influência militar atinge seu ápice, período em que a Educação Física é
chamada de militarista.
Ressalta-se que apesar da forte influência militar, na década de 1940, ocorreu
um processo chamado "desmilitarização", o qual promoveu a disseminação do
esporte na sociedade por meio das escolas brasileiras. Desta vez, o âmbito escolar
era utilizado como "celeiro de atletas", era onde se reconhecia os talentos
esportivos, principalmente, os que apresentavam caráter natural, talentos natos, os
quais estariam mais próximos do topo da pirâmide e em condições de representar o
país em níveis nacionais e internacionais, temos então o início da Educação Física
esportivista.
"A partir de 1964, a legislação educacional brasileira foi pensada de acordo
com os interesses de um modelo econômico voltado para a entrada de capital e das
indústrias estrangeiras no Brasil" (ALBUQUERQUE, 2009, p. 2252). Desta forma, a
Educação Física assumiu a concepção tecnicista advinda da indústria e a lógica da
Anais da XIX Semana de Iniciação Científica
25 e 26 de setembro de 2014, UNICENTRO, Guarapuava ­PR, ISSN ­ ISSN: 2238-7358

neutralidade científica, inspirada nos princípios de racionalidade, eficiência e
produtividade.
Tanto a Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional de 1964, quanto de
1971, apresentavam a Educação Física como atividade obrigatória e somente em
1996, por meio da nova LDB, n° 9.394, a Educação Física tornou-se componente
curricular obrigatório na Educação Básica (Educação Infantil, Ensino Fundamental e
Ensino Médio), ou seja, a Educação Física passou a fazer parte das disciplinas que
compõem a base nacional comum (língua portuguesa, matemática, ciências,
geografia, história, arte e Educação Física).
Ao se tornar disciplina obrigatória a Educação Física passou a ocupar um
espaço que até então não existia no cotidiano escolar, porém o que tem legitimado a
presença neste espaço e/ou a ampliação do mesmo, são as escolhas pedagógicas
diante das possibilidades teórico-metodológicas da área.
Conclusões
A Educação Física percorreu uma longa história que vem lhe conferindo diversos
papeis atrelados às necessidades sociais. Neste sentido, diferentes proposições
foram feitas e ao longo dos séculos XIX, XX e XXI a Educação Física passou de
atividade responsável por cuidar e disciplinar o corpo, para disciplina obrigatória a
qual deve organizar aulas que efetivem o processo de ensino aprendizagem diante
das novas necessidades educacionais, dentre elas, o trato do aluno como sujeito
ativo que deve se apropriar das práticas corporais entendo-as enquanto
manifestações da cultura corporal de movimento, as quais são dotadas de sentidos
e significados.
Agradecimentos
À UNICENTRO e Fundação Araucária.
Referências
Albuquerque, L. R. A Constituição histórica da Educação Física no Brasil e os
processos da formação profissional. In Anais IX Congresso Nacional de EducaçãoEDUCERE. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, Curitiba, 2009.
Castellani Filho, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. 19. ed.
Campinas-SP: Papirus, 2013.
Gomes, D. Educação Física: a história a define. In Anais XI Encontro de Pesquisa da
UEPG, Ponta Grossa, 2013.
Gondra, J. G. Combater a "Poética Palidez": a questão da higienização dos corpos.
Perspectiva, Florianópolis, v. 22, n. especial, p.121-161, jul./dez. 2004
Marinho, V. O que é Educação Física. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 2011.
Saviani, D. Histórias das ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas-SP: Autores
Associados, 2007.
Vieira Pinto, A. Ciência e Existência. Rio de Janeiro: Ibrasa, 1978.
Anais da XIX Semana de Iniciação Científica
25 e 26 de setembro de 2014, UNICENTRO, Guarapuava ­PR, ISSN ­ ISSN: 2238-7358