História das polícias militares no Brasil
e da Brigada Militar no Rio Grande do Sul.1
Lucas Cabral Ribeiro2
A origem e a história das Polícias Militares no Brasil
O foco desta análise é demonstrar como se dá a formação das polícias militares
no Brasil e assim buscar compreender um pouco do que é, e para que serve o trabalho
policial. Por muitas vezes acaba se tornando um trabalho mal compreendido pela
sociedade em geral. Sendo assim, procuraremos definir como se forma a polícia militar,
bem como compreender o papel dessa instituição na sociedade onde está inserida.
Seguindo em busca de definir a formação da polícia militar, e conhecer a sua
história, mesmo que brevemente, é importante destacar alguns elementos para uma
maior compreensão da instituição Brigada Militar.
Para compreender a polícia militar e sua formação se faz necessário desenvolver
um pequeno histórico desta instituição, é também pertinente conhecer um pouco da
origem das Forças Armadas Brasileiras. Por meio dessas é que podemos identificar as
primeiras composições de polícias militares no Brasil, desta forma faremos um pequeno
aparato sobre as Forças Armadas e as polícias desde o Império até a década de 1960.
Nos primeiros anos do Brasil Império não se pode fazer uma referencia a uma
polícia militar profissionalizada, na verdade o que encontramos sobre a realidade dessas
polícias é que eram frágeis, incapacitadas, pouco articuladas e disciplinadas, mas que
servia para as necessidades daquela época. Só com passar dos anos e com a
consolidação do Império, que veremos a polícia recebendo funções mais específicas e
uma organização urbana e todas as atribuições jurídicas necessárias para o
funcionamento de uma polícia militar.
O ponto marcante dessa consolidação da polícia militar no Brasil ocorre no
momento da abdicação de Dom Pedro I e o estabelecimento do período regencial,
1
2

Artigo produzido para o XXVI Simpósio Nacional de História da ANPUH.
Mestrando, bolsista Capes do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo
Fundo.
[email protected]

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

1

momento onde o então ministro da justiça e padre Diogo Antônio Feijó, ordena em
1831, extinguir todos os corpos policiais existentes e manda criar um único corpo a
Guarda Municipal de Voluntários por Provinciais, chamado de Corpo de Guardas
Municipais Permanentes, que tinha como função "exercer as funções da extinta Guarda
Real, bem como as tarefas de fiscalização da coleta de impostos" (MUNIZ2001:192)
.Sobre as Guardas Municipais vale ressaltar quem poderia ser recrutado aos trabalhos
nessa força. Segundo Nelson Werneck Sodré:
"o recrutamento é uma singularidade: feito na base dos "cidadãos em
condições de serem alistados eleitores" correspondia a premeditada e
rigorosa seleção por cima, de vez que o eleitorado era constituído à
base da renda e a restrição da área eleitoral era dos traços definidores
do domínio daquela classe. Tratava-se, pois, de força constituída por
elementos de posses" ( SODRÉ,1979:118)

Sobre as Guardas Municipais é importante lembrar que essas não conseguem
atender as necessidades do momento e que por isso abrem as condições necessárias para
a criação de outra organização que suprisse a sua incapacidade.
Desta forma, no mesmo ano da criação dos Corpos de Guardas Municipais
Permanentes, vemos a criação da Guarda Nacional no ano de 1831. Segundo Nelson
Werneck Sodré, a Guarda Nacional pode ser definida da seguinte maneira "A guarda
Nacional era, segundo a lei que a criou, uma organização permanente, consistindo o seu
serviço ordinário, dentro e fora dos municípios, em destacamentos à disposição dos
juízes de paz, criminais, presidentes de províncias e ministro da Justiça". As pessoas
que poderiam compor as fileiras dessa guarda eram geralmente:
"todos os homens maiores de dezoito anos, com exceção dos militares
de terra e mar da ativa, senadores, deputados, conselheiros do Estado,
clérigos, carcereiros, oficiais de justiça e da Polícia, maiores de
cinqüenta anos, reformados do Exército e da Marinha, empregados
postais e os provadamente inaptos para o serviço das armas" (SODRÉ,
1979: 119)

A criação dessa Guarda Nacional é representativa, pois ela aproxima alguns
segmentos das elites nacionais ao controle do aparelho estatal existente no período

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

2

como nos lembra Nelson Wenerck Sodré "Criando a Guarda Nacional em 1831, a classe
dominante dos senhores de terras e de escravos ou de servos, numa fase em que travava
intensa luta para manter-se no controle do aparelho de Estado, estava forjando o
instrumento militar de que necessitava, e empreendendo a neutralização das forças
armadas regulares" (SODRÉ, 1979:117). Nesse sentido podemos perceber que essas
forças existentes na Guarda Nacional representavam um poder ligado as classes
senhoriais.
Sendo assim, essa nova polícia que começa a se constituir no Brasil a partir do
Império, deveria começar a criar um corpo organizacional, ou seja, definir uma
hierarquia, disciplinar seus integrantes, bem como procurar torna - lá mais permanente
aos ofícios policiais, ou seja, tornar seu trabalho uma forma integral e assalariada.
Focando mais a nossa análise sobre as origens das polícias militares estaduais,
pois até então focamos em uma ampla discussão, vemos que as polícias militares
surgem a partir de 1809, temos como marco dessa criação a Guarda real de polícia, que
vai dar origem as atuais polícias militares estaduais. Essas organizações eram
subordinadas ao Ministério da Guerra e da Justiça Portuguesa, e sua estruturação seguia
o modelo de um exército, uma característica que pode ser percebida até hoje, segundo
Muniz: "A guarda real era um força de tempo integral, organizada em moldes militares"
e subordinada ao" Ministério da guerra e a intendência de polícia pagava seus uniformes
e salários", tinham como função "atribuição de patrulha para reprimir o contrabando,
manter a ordem, capturar e prender escravos, desordeiros, criminosos e etc..."
(MUNIZ,2001:192)
Em 1830 temos uma mudança importante em relação a subordinação das
polícias militares, ou seja, a partir dessa data a sua subordinação passa a ser direta ao
ministério da Justiça e o exército cedia alguns oficiais para as fileiras dos corpos de
policia.
A guerra do Paraguai faz com que ocorra outra relevante mudança, onde
policiais militares passam a servir nas unidades de infantaria, é neste momento que estes
policiais também começam a ser parte de uma força aquartelada, e passam a atuar como

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

3

cita Sócrates Mezzomo: "Menos nos serviços de proteção da sociedade e mais nas
questões de defesa do Estado" (MEZZOMO,2005:29)
Esta proximidade entre as polícias e o exército, nos faz perceber que as polícias
militares no Brasil se mostraram próximas do Exército e não só na adoção do nome
militar, mas em uma série de práticas comuns existentes entre as duas organizações,
segundo Sócrates Mezzomo: "observa-se que sempre tiveram grande proximidade com
o próprio Exército, com destaque para a adoção do modelo militar, a estrutura
organizacional, e empregadas como "forças auxiliares do Exército regular"" (
MEZZOMO,2005:31).

Muniz também nos ressalta que a polícia a partir dessa

proximidade existente atuava tanto nas guerras quanto "nos conflitos internos, como
rebeliões, motins, revoltas populares, além evidentemente, das operações de grande
porte relacionadas ao controle de fronteiras da nação" (MUNIZ, 2001: 182)
Com a declaração da República em 15 de novembro de 1889, e o
desmembramento da centralização do Império, ocorre que o poder se aproxima dos
estados-membros dessa nova República, possibilitando a busca de uma maior
autonomia para os membros dessa nova República.
Com a formulação da constituição da República que nascia em 1891, os estados
começam a se tornar mais autônomos, e ao mesmo tempo começam a ser criadas as
forças públicas, que seriam uma representação da segurança nesses Estados, ou seja,
servia para a defesa do Governo do Estado perante aos excessos da união, é nesse
momento que a força pública se coloca como uma organização militar dos estados e
passa a viver aquartelado.
Sendo assim, o que se compreende desse processo é que a partir do momento
onde é adotado o modelo republicano os estados membros dessa nova República
ganham mais autonomia o que força os mesmos a organizarem-se em pequenos
exércitos, como relata Sócrates, "as antigas províncias ao se tornarem "estados
autônomos, trataram de se organizar em pequenos exércitos estaduais chamados "forças
públicas" ou "brigada" ou outras designações regionais" (MEZZOMO, 2005:25), tudo
isso era necessário e se justificava, pois era um momento onde estes Estados autônomos
necessitavam se auto afirmarem e também precisavam evitar que o poder central,

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

4

centralizasse novamente as forças do poder e anulasse a autonomia conquistada por
eles.
Reconhecendo a necessidade das recém-formadas forças públicas, os
governantes investem na sua expansão, "um modelo adotado para a formação policial
nesse momento é o modelo da polícia francesa" (BICUDO, 1994:38-39), ou seja, a
partir desse momento a polícia brasileira passa a ser uma polícia hierarquizada,
disciplinada, com remuneração vinda dos cofres públicos bem como a dedicação
exclusiva e permanente dos que pertenciam a esta força. Nesse momento é definida com
maior clareza a função da polícia de "manter a tranqüilidade pública e auxiliar a justiça"
(SOUZA, 1986:10)
É possível perceber na formação e organização das forças públicas a influência
da missão francesa, isso a partir do ano de 1906, onde o então Governador de São
Paulo, Jorge Tibiraçá, comentava sobre a influência da missão francesa sobre as forças
públicas, "Salientou que os Distintos oficiais do Exército Francês elevariam o nível
moral e intelectual da força pública" (BICUDO, 1994:38-39). Ainda sobre essa
influencia da Missão Francesa sobre as Forças Públicas de São Paulo vale ressaltar que
"A contratação da Missão Francesa para instruir a Força Pública marca o início do
processo de profissionalização dos agentes policiais militares paulistas" (FERNANDES,
1978:249). E que esta contratação de uma missão militar é um fato precursor "Esta
Missão chegou a São Paulo em 1906 sendo a precursora das missões militares
estrangeiras no Brasil; o Exército só passaria a receber este tipo de missão, também da
França, em 1918" (FERNANDES, 1978:249).
Com o passar dos anos as forças públicas se reforçavam e se profissionalizavam
cada vez mais, com destaque para as forças dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e
Rio Grande do Sul, que se reforçavam belicamente.
A União, em uma tentativa de aumentar o controle sobre essas forças públicas
que estavam a serviço das organizações estaduais, cria a Lei n° 1860, de 4 de Janeiro de
1909 que em seu artigo 7° e 32°, ordenava o serviço militar obrigatório e colocava as
forças estaduais como forças auxiliares da guarda nacional a disposição da União. Isso
pode ser entendido como uma manobra de segurança feita pela União, decorrente de seu

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

5

receio com a autonomia dos estados. Por fim a União também cria a Lei federal n°
3216, que abre um caminho para a vinculação das polícias militares ao exército
brasileiro, o que consolida as polícias militares dos estados como "forças auxiliares do
Exército brasileiro".
Vale nesse momento ressaltar alguns acontecimentos de importante relevância
para a história e que tiveram importante participação das polícias militares neste período
da Primeira República, ou seja, aqui falamos da participação da polícia Baiana na luta
contra a revolta de Canudos, a atuação das polícias nos acontecimentos do contestado ,
também a relevante participação das forças públicas de São Paulo na revolução de 1924
e a atuação da Brigada Militar do Rio Grande do Sul na consolidação da Revolução de
1930, que leva Getúlio Vargas ao governo federal.
A revolta de Canudos surge em um momento de crise da consolidação da
Primeira República, pois a revolta de Canudos se mostra como um movimento que
denunciava as debilidades da República que se formava no Brasil, com isso as forças da
República buscam se mobilizar para conter a evolução desse movimento. Segundo
Nelson Werneck Sodré "A República estava ameaçada era imprescindível mobilizar-se
em sua defesa toda a opinião nacional. Aquele levante camponês travestido de
fanatismo religioso denuncia a realidade, a que limites o latifúndio levara os seus
malefícios já nos fins do século" (SODRÉ, 1979:117). Nesse contexto não poderíamos
deixar de ressaltar a participação da polícia nessa época que juntamente com as Forças
Armadas conduziu a luta contra os revoltos de Canudos e com várias expedições
consegue conter a resistência do povo de Canudos.
Outro importante momento histórico dentro das revoltas que ocorrem durante a
Primeira República e que tem a participação da polícia, é a luta contra a Revolta do
Contestado, revolta que envolveu populares seguidores de líderes de cunho religioso, na
luta contra os interesses dos Estados de Santa Catarina e Paraná. Nesse conflito as
forças Públicas do Estado de Santa Catarina estavam presentes na luta. Podemos
contextualizar essa atuação através de algumas mensagens escritas pelo governador do
Estado de Santa Catarina na época, onde o mesmo faz uma série de referencias sobre a
atuação da força publica no serviço de conter os revoltosos do contestado.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

6

Analisando o discurso do então presidente3 da província de Santa Catarina,
podemos destacar que em seus relatórios este descreve a partir do ano de 1914 a atuação
das forças públicas na contenção dos revoltosos do contestado, bem como a atuação das
Forças Armadas nesse conflito, nesses relatórios se percebe um detalhe sobre quem
comandava e quais as forças que atuavam na luta contra os revoltosos4. Mais
especificamente sobre a atuação das forças públicas no contestado o relatório apresenta
que em 1914, o número de pessoas ligas das forças que participavam dos conflitos "A
Força publica do Estado, representada por 15 officiaes e 301 praças, apezar de
insufficiente para as crescentes necessidades da manutenção da ordem, tem prestado
relevantissimos serviços" 5.
Não menos importante é contextualizar outra grande revolta ocorrida em São
Paulo em 1924 e o papel das Forças Públicas de São Paulo nesse movimento, ou seja,
qual o papel dessa força no movimento de 1924 em São Paulo. A Força Pública a partir
de sua profissionalização pode-se afirmar que se transforma "numa espécie de "poder
miltiar"estadual" (FERNANDES,1978:251), adquirindo mais poder de pressão política
e que transforma essa força em "um aliado interessante aos movimentos da década de
vinte" (FERNANDES,1978:251). Ainda sobre a Força Pública de São Paulo Heloisa
Rodrigues Pereira ressalta "Ao menos desde 22, muitos oficiais da Força Pública
aderem à causa tenentista e estabele-se um certo antagonismo entre os novos oficiais e
os da velha escola. Neste caso destaca-se o Major Miguel Costa, um dos principais
articuladores do movimento paulista de 1924, conseguindo dividir a Força Pública em
duas alas, a legalista e a revolucionária" (FERNANDES,1978:251)
Esse conjunto de revoltas que ocorrem durante boa parte do período da Primeira
República e conduzem o Brasil a um novo cenário político que acaba gerando a
Revolução de 1930, momento que irá representar o fim da Primeira República e começo
de um novo governo, conduzido pela liderança de Getúlio Vargas. Nesse momento
percebemos o forte envolvimento das tropas da Brigada Militar do Rio Grande do Sul,
3
4

5

O termo presidente da província se compara nos dias de hoje a governador do Estado.
Para maiores detalhes sobre o discurso do presidente da provincial sobre o conflito do contestado
analisar o relatório dos presidentes provinciais de 1914, entre as páginas 31-129, onde é apresentado
as ações feitas pelos militares para combater o grupo de revoltosos do contestado.
Relatórios do presidente da província de Santa Catarina do ano de 1914, p 129.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

7

que fornecem grande sustentação para que a revolução fosse vitoriosa. O envolvimento
da Brigada Militar foi intenso em relação a mobilização de seus batalhões, "A Brigada
Militar, como sempre, também se mobilizou. Seguiram para o Rio de Janeiro os 1º,2º e
3º, batalhões de infantaria, o 1º e 2º regimentos de cavalaria e um esquadrão de
Regimento Presidencial" (MARIANTE,1972:163). Mas segundo Helio Moro Mariante
"Poucas Foram as ações bélicas em que se viram envolvidas as unidades brigadianas"
(MARIANTE,1972:163).
O que podemos concluir é que no período que corresponde à primeira República,
a polícia militar teve intensa participação na luta contra as rebeliões e revoltas ocorridas
no território nacional nesse período, ou seja, vemos a ação dessas forças de polícia
desde os primeiros anos da República com a luta contra o movimento de Canudos,
passando por ações no Contestado ao sul e na revolução de 1924 em São Paulo e
também na sustentação da Revolução de 1930.
Voltando a analise para a relação das polícias militares após a revolução de
1930, ou seja, com o começo do Governo Vargas, se percebe uma centralização de
poder e um esvaziamento da autonomia estadual. Vargas em seu governo provisório
provocou um desmantelamento do aparato bélico das polícias militares, isso ocorre por
decorrência de um complexo envolvimento de Vargas com as forças no Exército, até
mesmo envolvendo uma reformulação no aparelhamento das forças do Exército, aqui
podemos citar o esforço na reformulação da ideologia do exército frente a questões
políticas e até mesmo a renovação no quadro dos oficiais da força. Em relação a ligação
de Vargas ao Exército nesse período ressalta José Murillo de Carvalho "A reforma da
organização militar foi sendo realizada sistematicamente sob as benções de Vargas, a
quem interessava um aliado confiável e sólido."(CARVALHO,1999:62)
Por decorrência da ação da força pública de São Paulo na revolta Constitucional
que teve duração de julho até agosto de 1932, vemos a partir deste episódio o começo
da intervenção do Governo Federal para a desmobilização e centralização dos Exércitos
Estaduais que existiam nessa época, após essa intervenção federal a uma mobilização do
Governo Vargas para uma revitalização das forças como lembra Sócrates:

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

8

"Após aquela intervenção federal, o próprio governo Vargas assumiu a
iniciativa

de

dirigir

a

revitalização

das

polícias

militares,

direcionando-as para o exercício de missões de segurança nacional,
dando "inicio a formação do Estado unitário, que se definiu em 1937,
com a configuração do Estado Novo, à feição totalitária dos modelos
nazifascistas". (MEZZOMO, 2005:27)

Com a consolidação do Estado Novo e a aprovação da Constituição, a Segunda
República e o centralismo do Estado sobre as competências das polícias militares
aumenta e é a partir dessa nova constituição que vemos as polícias militares serem
definidas como forças de reserva do Exército voltadas para a segurança interna e
manutenção da ordem. Como relata Sócrates sobre como passa a ser vista as polícias
militares a partir da aprovação da Carta Constitucional do Estado Novo
"no Estado Novo, os próprios interventores não podiam tomar decisões
relativas às Polícias Militares, que não fossem submetidas ao Chefe do
Governo Provisório;" assim, as decisões deveriam ter a provação do
Governo Central". Essa constituição ditava ainda, a exclusividade da
União para deter o poder de legislar sobre o ordenamento e a
utilização das polícias militares" (MEZZOMO,2005:28)

Com o fim do Estado Novo no final dos anos de 1945, Getúlio Vargas é deposto,
por uma ação de civis e militares, mas com uma intensa participação das Forças
Armadas, onde se começa um governo de transição até a eleição do general Eurico
Gaspar Dutra pelo voto direto, este que logo no ano seguinte aprova uma nova
Constituição.
É na Constituição de 1946 que vemos as Forças Armadas aparecendo no texto
constitucional:
"Art. 183. As polícias militares, instituídas para a segurança interna e
a manutenção da ordem nos Estados, nos Territórios e no Distrito
Federal, são consideradas, como fôrças auxiliares, reservas do
Exército.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

9

Parágrafo único. Quando mobilizado a serviço da União em tempo de
guerra externa ou civil, o seu pessoal gozará das mesmas vantagens
atribuídas ao pessoal do Exército" . (CAMPANHOLO, 1984: 259)

Na Constituição de 1946 ainda são mantidos os direitos da União "legislar sobre
a organização, efetivos, instrução, justiça e garantias das polícias militares, incluindo
sua convocação e mobilização" (MEZZOMO,2005:29), nessa carta constitucional de
1946 podemos perceber também o aumento das funções das polícias militares.
Analisando a história da formação das polícias militares podemos perceber que
as suas práticas no decorrer da história cada vez mais foram dando sustentação para as
instituições políticas e a consolidação dos projetos políticos existentes no Brasil. Como
por exemplo, o que foi citado acima no período Vargas, onde as polícias militares,
centralizadas no Estado foram importante instrumento de manutenção do aparelho
ideário e da ditadura de Vargas, segundo Amador "a ação da polícia [...] caracterizou-se
como uma ação explicitamente violenta, muito embora com caráter de justiça e de
legitimidade" (AMADOR, 1999:48-49).
Diferentemente da constituição de 1891, que dava liberdade aos governantes
estaduais de criarem e coordenarem as ações das polícias militares. Nas constituições de
1934/37 e 1946, ocorre uma inversão dessa atitude. Quando essas constituições
tratavam de deliberar que o poder da União para legislar com exclusividade sobre as
forças polícias dos estados, o que acaba com a criação de um poder paralelo.
Como sabemos, ao analisar a trajetória histórica das polícias militares no Brasil,
podemos perceber, que por principio as forças policiais estão vinculadas à manutenção
da ordem, isso em alguns momentos da história do Brasil conduz as forças policiais a
servirem para a sustentação do sistema político, muitas vezes defendido pelas
oligarquias. Mas o poder destas forças e sua autonomia comparada ao Exército os
colocavam em uma situação de inferioridade, isso tudo por decorrência da série de
constituições brasileiras que permitiram a centralização de poder da União sobre as
forças polícias, mostrando a sua fragilidade de ação.
Essa relação de fragilidade de ação e oposição das forças polícias nos ajuda a
compreender muito de suas ações, como pode até mesmo responder por que as forças

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

10

polícias no decorrer de sua história sempre tiveram ao lado dos regimes políticos
existentes, mesmo estes regimes sendo tão diferentes ideologicamente um do outro,
Sobre isso nos lembra Sócrates:
"Percebe-se que as polícias dos estados sempre vivenciaram dupla
atribuição, como "polícia" e "Força Militar" nas questões de
"segurança pública, segurança interna e segurança nacional".
Fizeram-se presentes em todos os "regimes políticos e formas de
governo, [...] não se restringindo aos períodos como a ditadura de
Vargas, em 1937 a 1945 e a ditadura militar de 1964 a 1984. Sempre
foram mobilizadas e empregadas quando da "conveniência da União".
(MEZZOMO,2005:31)

A formação da Brigada Militar no Rio Grande do Sul
A história da polícia militar no Rio Grande do Sul se confunde com a própria
história do Estado, pois o território onde hoje se localiza o Estado do Rio Grande do
Sul, desde sua fundação foi palco de conflitos, que de certa forma sempre exigiram dos
habitantes uma determinada organização bélica, para manutenção e sustentação de seus
territórios. Segundo Nelson Werneck Sodré
"A fisionomia militar sulina oferece, assim, características que não se
repetem no resto da colônia. Não só as necessidades da guerra externa,
levada quase sempre a territórios vizinhos, como as contigências
regionais, com os traços pertinentes ao regime pastoril, criam ali
condições específicas" (SODRÉ, 1979: 56)

Desta forma vemos o Rio Grande do Sul ser um Estado que desde sua formação
é militarizado, por decorrência dos vários entraves ocorridos pelas disputas de terras e
demarcação de fronteiras que aqui ocorrem. Pois é justamente dessa necessidade que
surgem as primeiras forças militares organizadas no Estado do Rio Grande do Sul.
Na antiga capitania geral do Rio Grande de São Pedro, o serviço policial era
basicamente feito pelas "milícias e ordenanças".
Sobre as ordenanças na Província nesse período, já em 1750 estavam presentes e
atuando. Algumas ordens e determinações do Vice-Rei nos ajudam a esclarecer um

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

11

pouco sobre como funcionava as ordenanças, como a ordem-régia dada pelo Vice-Rei
em 1776 "alistamento de todos os moradores das terras do Continente do Rio Grande de
São Pedro, sem excepção de nobres,plebeus,brancos, mestiços e pretos, ingênuos ou
libertos" (MARIANTE,1972:56)

e esta mesma ordem-régia determinava mais, "à

proporção que tiver alistado cada um das referidas classes, o governador forme os terços
de auxiliares e ordenanças, assim de cavalaria como de infantaria, criando para cada um
deles

um

sargento-mor,

escolhido

dentre

os

oficiais

das

tropas

pagas"

(MARIANTE,1972:56), demonstrando que a presença das ordenanças no território do
Rio Grande do Sul, podemos perceber que no ano de 1750 "existiam oito companhias,
comandadas pelo sargento-mor Cristovam da Costa Freire" (MARIANTE,1972:55).
Voltando o olhar para as milícias que também eram um importante meio de
serviço policial da época, vemos que a partir de 1765, "as milícias eram representadas
no Rio Grande como o Regimento de Cavalaria do continente de São Pedro do Rio
Grande" (MARIANTE,1972:56), essas milícias eram separadas por toda a província, se
fazendo ser representada por quase todo território da província. Na região das missões,
por exemplo, encontramos o Regimento de Milícias dos Guaranis, que tinha como
função "a missão militar de defesa do seu território, exercendo, também, funções
policiais" (MARIANTE,1972:56). Vemos também a criação de outras milícias como a
Companhia de Milícias dos homens pardos em 23 de dezembro de 1822, na capital e
também em 1830 existia em Porto Alegre a "Milícia dos Henriques", força formada de
pretos livres, que faziam o policiamento da cidade.
Mas no Rio Grande do Sul podemos considerar oficialmente formada a "Força
Policial da Província de São Pedro" a partir da data de 18 de novembro de 1837. Esta
força em geral tinha como função principal auxiliar a justiça e manutenção da boa
ordem, como lembra Sócrates: "No tocante a sua missão, teria por fim auxiliar a justiça,
manter a boa ordem, a segurança pública na capital e em seus subúrbios, como nas
comarcas, por destacamentos não podendo ser distraída daquele serviço, exceto em caso
de invasão" (MEZZOMO, 2005:34).
No que se refere ao ingresso nas forças policiais, nesse período provincial não
havia nenhum tipo de concurso, a seleção era feita conforme o art 5° das leis provinciais
da Província do Rio Grande de São Pedro, que dizia Preenchida por meio de

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

12

engajamento de nacionais ou estrangeiros de 18 a 40 anos, com boa conduta moral e
civil, atestado pelo juiz de paz respectivo, na falta de engajados era apelado para o
recrutamento, sobre o recrutamento neste período lembra Sócrates,
"Aproveitavam-se, assim, os recrutas do Exército para a Força Policial
do Rio Grande do Sul. Naquele período, ao que consta, eram obrigados
a servir levados mesmo contra a vontade, pois não tinham muita
escolha,

visto

que

representavam

mão-de-obra

qualificada,

dispensando treinamento." (MEZZOMO, 2005:34).

A lei que regulamentava a forma de ingresso nas forças policiais embora tenha
sido editada no ano de 1837, passa a valer e a ser regulamentada só a partir de 5 de maio
de 1841 (SIMÕES,2022:41). A justificativa usada para tal demora na regulamentação
da lei, foi a Revolução Farroupilha, que estava em pleno andamento. A partir do
termino e a com regulamentação das forças policias através da lei criada em 1837, a
força policial da província é batizada de "Corpo Policial", considerado o primeiro nome
dado a corporação, sendo assim a partir de 14 de julho deste mesmo ano passa a exercer
as funções que lhe competiam por lei, na capital e na localidade de Rio Grande.
A estruturação do Corpo Policial se segue por quase todo o período do Segundo
Reinado (1840-1889), encerrado este ciclo somente com o envolvimento do Rio Grande
do Sul na Guerra contra o Paraguai (1864-1870), onde houve grande mobilização das
forças e soldados do Sul. Após este episódio chegamos a extinção do Corpo Policial e a
criação da Força Policial, através de uma lei provincial editada no ano de 26 de abril de
1873, "que encarregava esta força do policiamento ostensivo da Província"
(SIMÕES,2002:46). Essa denominação se manteve até o fim do Império.
Com o início da República, a Força Policial criada no período imperial é logo
extinta dando lugar a Guarda Cívica do Estado, onde se observava na formação desta
Guarda Cívica um caráter muito mais militar, que tinham como objetivos impor um
maior respeito e disciplina assim mantendo a tranquilidade pública e auxiliando a
justiça, que eram suas principais funções.
A partir do ano de 1892, data de inicio de uma junta governativa e que é muitas
vezes reconhecida pela história como "governicho", marca também uma mudança da

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

13

estruturação e a reorganização da Guarda Cívica e que novamente tem seu nome
alterado para "Corpo Policial do Estado", mas que logo é alterado novamente para
"Guarda Cívica".
Uma das primeiras medidas tomadas pela administração do "governicho", foi a
reorganização da instituição através do presidente do Estado interino, Fernando Abott,
"Através do ato n° 357, de 15 de outubro de 1892, Abott criou a Brigada Militar do
Estado, extinguindo a Guarda Cívica" (MARIANTE,1972:12) e por outro ato o de n°
371, de outubro, foi aprovado o Regimento Interno da Brigada Militar, onde constava as
competências da Brigada Militar, que eram "zelar pela segurança pública" e manter "a
República e o Governo do Estado, fazendo respeitar e executar as Leis"
(SIMÕES,2002:61)
Com essa reestruturação que ocorre a partir do "governicho", podemos perceber
uma tentativa de maior profissionalização e mudança na mentalidade da instituição. No
comando do coronel José Carlos Pinto Junior (1897-1909), é citada a ativação de um
setor cultural, "que foi ativado, de modo a incutir nos seus integrantes a necessidade de
um sempre crescente preparo, que técnico, quer intelectual" (MARIANTE,2005:129).
Outras medidas tomadas no sentido de conduzir a Brigada a uma maior
profissionalização foi a criação de Escolas Regimentais, que segundo Helio Moro
Mariante tinha a "finalidade de alfabetizar os praças" (MARIANTE, 2005:129), nesse
sentido também é criado os cursos de preparatórios para oficiais que tinha como
finalidade a formação dos oficiais.
Um momento de importantes mudanças na Brigada Militar, foi a partir de 3 de
outubro de 1930, como o movimento revolucionário nacional que teve como um dos
Estados líderes o Rio Grande do Sul.
No século XX, mais especificamente entre os anos de 1923 a 1932 a Brigada
Militar entra em um momento histórico, que é conhecido como o "decênio histórico" ou
como "Segundo Período Bélico".
Analisando os relatórios anuais do presidente da província da primeira
República entre os anos de 1920 a 1930, conseguimos ter uma noção grande de porque
nesse período a instituição Brigada Militar passa pelo conhecido "decênio histórico",

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

14

nas mensagens deixadas pelos então presidentes provinciais percebe-se a todo o
momento uma exaltação e um grande orgulho destes sobre essa força, é comum nos
relatórios aparecer as ações da Brigada Militar, bem como os investimentos feitos pelo
governo na corporação nesse período. No relatório de 1924, vale ressaltar um momento
onde é apresentado na pagina de número 12 sobre o envolvimento do Exército na
instrução militar da Brigada Militar, "A instrucção militar continua a ser
effecientemente ministrada pela missão de officiais do Exercito"6. No decorrer dos anos
os relatórios quando fazem referencia as tropas da Brigada Militar apontam uma série
de investimentos em termos de estruturação, isso é percebido principalmente entre os
relatórios dos anos de 1925 a 1929, anos que comportam o chamado "decênio histórico"
ou "segundo período bélico"
Com o fim, da Primeira República, a Brigada Militar entra em um período de
transição, havendo uma forte modificação e investimentos na mudança da mentalidade,
procurando voltar as atividades das forças policias para uma polícia ostensiva e de
preservação da ordem.
No dia 1º de fevereiro de 1936, o comandante João de Deus Canabarro Cunha,
apresenta uma proposta para o governo do Estado de reorganização da Brigada Militar,
estas reformas serviriam para alinhar a Brigada Militar com os novos rumos que o país
começava a tomar a partir da revolução de 1930. Buscando também tornar as atividades
desenvolvidas pela Brigada, em atividades próprias de polícias ostensivas e de
preservação da ordem pública. Sobre essa mudança nos relata Sócrates
"Não era mais possível ser mantida essencialmente como força militar
do estado, situação esta vigente desde o ano de 1892, quando da sua
transformação. Então, a adequação da Brigada Militar para a sua fase
policial ocorreu de maneira gradual; era preciso investir, sobretudo,
nas novas gerações, a fim de que fosse formada uma cultura
verdadeiramente policial, num processo que seria implementado nos
quarenta anos seguintes." (MEZZOMO, 2005:38)

6

Relatórios dos presidentes das províncias do Brasil de 1830-1930. Relatório do ano de 1924, p 12.
http://crl.edu/brazil/provincial/rio_grande_do_sul-

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

15

Sendo assim, em agosto de 1948 é aprovado o primeiro Regulamento Geral da
Brigada Militar (RGBM), que ajuda a esclarecer o funcionamento da Brigada Militar,
bem como nortear suas ações, e neste documento consta que " a Brigada Militar,
instituída para a segurança interna e manutenção da ordem no Estado e organizada com
base na hierarquia e na disciplina militar, é considerada Força Auxiliar e Reserva do
Exército Nacional nos termos da Constituição Federal"7, com isso fica definida algumas
funções e competências da Brigada Militar.
"Exercer as funções da vigilância e garantia da ordem Pública, a
prevenção de incêndio e combate ao fogo, na conformidade das leis" e
"Atender à convocação pelo Governo Federal nos casos e mobilização
ou de guerra, de acordo com a legislação da União" (SIMÕES, 2002:
94)

Com a lei n° 1753 de fevereiro de 1952, é criado o primeiro estatuto da Brigada
Militar, no qual foram redefinidos as formas de ingresso na instituição.
Art.8°
O ingresso na Brigada Militar é permitido a todos os brasileiros,
observadas as condições de cidadania, idade, capacidade física, moral
e intelectual, previstas nas leis e regulamentos especiais da Força.8.
Art.9°
d) Para os soldados em geral, ser brasileiro nato ou naturalizado, ter
17 anos ou menos de 35 de idade e preencher as demais condições
estabelecidas em leis federais ou estaduais, porém para os
especialistas, mais o exame de capacidade profissional9

Podemos concluir através dos artigos publicados nesse estatuto da Brigada
Militar de 1952, que as formas de ingresso na instituição com o passar dos anos também
foram alteradas, junto com as reformas que esta passou no decorrer dos anos. Pelo
estatuto agora a pessoa passa ingressar na carreira de policial deveria ser brasileiro nato
ou naturalizado, o que antes do estatuto de 1952 não era necessário, pois pelo estatuto
7

Coletânea, de Legislação ­ Decretos Estaduais. Gráfica e Editora NBS LTDA, p 94, Estado do Rio
Grande do Sul ­ Brigada Militar. 1979, Porto Alegre.

8

Boletins da Brigada Militar, 3º R.C.(3º Regimento de Cavalaria), 2º trimestre de 1952. P.417.

9

Boletins da Brigada Militar, 3º R.C.( Regimento de Cavalaria), 2º trimestre de 1952. P.418.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

16

de 1937 era permitido o engajamento de estrangeiros, além disso, os novos candidatos
deveriam passar por uma banca avaliativa.
Outro elemento que demonstra a modernização e as mudanças estratégicas de
pensamento na Brigada Militar é o policiamento conhecimento como "Pedro e Paulo",
ou seja, o policiamento em duplas, um modelo adotado na capital do Rio Grande do Sul,
mas que já vinha sendo aplicados em grandes metrópoles, como Paris, Inglaterra, São
Paulo e Rio de Janeiro. Esse tipo de policiamento melhorou a qualidade técnica e
profissional dos que a integravam, bem como a modernização dos materiais que eram
usados para este tipo de policiamento.
Um novo processo de mudança ocorre a partir do ano de 1961, onde novamente
a Brigada Militar passa por um processo de renovação, extinguindo alguns batalhões e
substituindo outros, na tentativa de modernizar e qualificar o trabalho. Essas extinções e
substituições ocorrem com o advento do decreto n° 12.280 de 21 de abril de 1961, e este
determinava "a extinção dos Batalhões de caçadores, que foram substituídos pelos
Batalhões de Guardas e Batalhões policiais; ainda, os regimentos de Cavalaria passaram
a

ser

denominados

de

Regimentos

de

Polícia

montada

(RPMont)."

(MEZZOMO,2005:40)
Também ainda em relação a reorganização dos serviços de policiamento,
ocorrido em 1961, Mariante ressalta "Suas atribuições foram racionalizadas, cabendolhes novo zoneamento de ação e tiveram denominações consentâneas com suas
características" (MARIANTE,1972:241)
Outro momento importante a ser ressaltado é atuação da Brigada Militar nos
conflitos da Legalidade, que por sinal foi intensa, onde houve um grande deslocamento
de tropas e assistência ao Estado para conter a eclosão da desordem, sobre essas
movimentos vale lembrar:
"Intensa foi a movimentação na Brigada Militar. O 1° BG foi colocado
à disposição da 6ª DI e recebeu desta a missão de deslocar-se par ao
litoral nordeste do Estado, região de Torres, com a finalidade de
barrar qualquer penetração do norte para o sul, bem como para
guarnecer e vigiar toda a região, o que executou. Uma Cia. Do 4º BP,

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

17

hoje 5º BPM, deslocou-se de Montenegro para Tramandaí"(
MARIANTE,1972:242)

A Brigada Militar também passa por momentos importantes e decisivos a partir
do ano de 1963, ano em que assume o Coronel Otávio Frota, que logo ao assumir no dia
21 de janeiro de 1963 assina um decreto que "desvincula a Brigada Militar da Secretária
de Segurança Pública, ficando diretamente subordinada ao chefe do poder executivo"
(MARIANTE,1972:242), essa medida foi segundo Helio Moro Mariante "de grande
relevância,

facilitou

sobremaneira

a

execução

das

missões

policiais"

(MARIANTE,1972:245)
Antes mesmo de 1964 data que marca o golpe civil-militar no Brasil, vemos
outra relevante mudança no que se refere a reaparelhamento da Brigada Militar, ou seja,
" sem dúvida , foi no comando do coronel Frota que a Brigada Militar reaparelhou-se
com material e equipamento dos mais modernos" (MARINATE,1972:245). Como nos
lembra Mariante sobre a quantia de material recebido pela Brigada neste período
"Foram adquiridos 108 viaturas diversas, 2.000 revólveres, 99
metralhadoras de mão ponto 45 "INA", 1.000 cassetetes de borracha,
300 de madeira e grande quantidade de outros equipamentos
burocráticos, de saúde, bombeiros e outros. Todos os departamentos da
Força

foram

beneficiados,

modernizando-se

".

(MARIANTE,

1972:246)

Neste momento também, a Brigada Militar passar por um período de grande
crise política, o golpe civil-militar de 1964, que conduzem a Brigada Militar a
momentos decisivos e de grande apreensão, pois teriam que se posicionar e fazer a
manutenção da ordem no Estado, apesar da grande instabilidade política.
Sobre a relação da decisão tomada pela Brigada nos lembra Mariante
"Apremiado a colocar a Brigada Militar a disposição do 3° Exército, não obedeceu à
requisição, aguardando ordens do governo do Estado. Este, por sua vez, também se
negou

a

tal,

preferindo

aguardar

a

evolução

dos

acontecimentos"

(MARIANTE,1972:247), o autor também nos relata que esse momentos "foram de
apreensão

em

virtude

da

atuação

de

alguns

dos

suas

integrantes"

(MARIANTE,1972:247), o que demonstra que alguns dos polícias militares que
Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

18

estavam presentes nas forças nesta época acabam por serem perseguidos decorrente de
sua atuação
Neste mesmo ano de 1964, com a consolidação do golpe civil-militar, temos a
transferência do governo estadual para Passo Fundo, onde por 3 dias o 2 ° batalhão
policial, acolheu o governador do Estado e suas casas civil e militar, como lembra
Mariante:
"Durante os dias 2,3,4 de abril o quartel do 2° BP, hospedou o
Governador do Estado, seu secretariado, casas civil e militar,
convivendo com os oficiais e praças daquela unidade, onde entre outros
assuntos, assinou os seguintes decretos: I-convocação de voluntários
em todo o território do Estado. II ­ Requisição, pelas secretarias de
Estado, de viaturas e combustíveis.-III- Convocação de oficiais de
reserva da Força. IV- Promoção ao posto de ten.cel do major Vitor
Hugo Martins, Cmt. Int° do 2°BP." (MARIANTE,1972: 248)

Outro fenômeno relevante de 1964 é a criação dos Batalhões Volantes, que
tinham o objetivo de seguir para o interior do Estado para fazer esclarecimentos aos
populares sobre o que havia ocorrido no cenário político nacional. De certa forma
podemos observar esta atitude da Brigada Militar como um fator de manter o controle
sobre as populações do interior, impedindo outras formas de expressão e rebelião.
Com a nova legislação de 1967, a Brigada Militar passa por novas alterações,
dentre o que foi aprovado para as policias militares temos uma tratamento semelhante as
constituições de 1934 e 1937 e o texto se manteve igual ao de 1946, também dentre
outras coisas temos o decreto-lei n°317, que regulamentou a ação das polícias militares
como órgão de manutenção da ordem e da segurança interna.
Um ano após a aprovação do decreto-lei n° 317, vemos o Governo do Estado
novamente alterando a organização básica da Brigada Militar, mas agora para fazer com
que está estivesse de acordo com a regulamentação federal vigente, e está nova
organização acaba por se consolidar somente no ano de 1974, com o decreto n°
23.245/74, que serviu para organizar as polícias militares no Brasil. Desta forma essa
nova forma organizacional fez com que a Brigada Militar tivesse o papel exclusivo de
polícia ostensiva do Estado.
Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

19

Em linhas gerais analisando a história da Brigada Militar, vemos que esta
sempre teve um papel ativo na busca da manutenção da ordem e na defesa dos poderes
constituídos. Por isso, podemos perceber que não é só do nome militar a influencia do
Exército sobre essa instituição, pois as questões de hierarquia e disciplina se
mantiveram com o passar do tempo, e também podemos perceber isso nas próprias
designações de funções dadas a elas no decorrer de sua história, ou seja, sendo vista
como Força Auxiliar e Reserva do Exército Nacional.

Referencias Bibliográficas
AMADOR, Fernanda Spanier. Violência Policial: Versos e reverso do sofrimento.
Dissertação de Mestrado em Psicologia Social e da Personalidade. Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia, Curso de PósGraduação em Psicologia. PP 145, Maio de 1999, Porto Alegre.
BICUDO, Hélio Pereira. Violência ­ O Brasil cruel e sem maquiagem. Edição
Polêmica, Editora Moderna. 1994, São Paulo.
CARVALHO, José Murillo de. Vargas e os militares: Aprendiz de feiticeiro. In: As
instituições brasileiras na era Vargas.Organizadora Maria Celina D`Araujo.Rio de
Janeiro: Ed UERJ: Ed Fundação Getúlio Vargas, 1999.212pp. p 62
MARIANTE, Hélio Moro, Crônicas da Brigada Militar gaúcha.Porto Alegre. Editora
Imprensa Oficial, 1972.
MEZZOMO, Sócrates Ragnini. O sofrimento psíquico dos expurgados da Brigada
Militar no período da repressão: 1964-1984.Dissertação de Mestrado em História.
Universidade de Passo Fundo.Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Curso de PósGraduação em História. pp 127, Março de 2005,Passo Fundo.
MUNIZ, Jaqueline. A Crise de Identidade das Polícias Militares Brasileiras:
Dilemas e Paradoxos da Formação Educacional. Security and defense Studies
Review. Rio de Janeiro, p 192, v.1, PP 177-198,2001
SODRÉ, Nelson Werneck. A História Militar do Brasil. Editora Civilização brasileira.
Rio de Janeiro 1979. 3º Ed

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

20

SOUZA, Benedito Celso de. A polícia Militar na Constituição. Ed. Universitária de
Direito, 1986, São Paulo.
SIMÕES, Moacir, A História da Brigada Militar ­ Para fins Didáticos e de
Palestras. Editora APESP, POLOST, 2002, Porto Alegre.

OUTRAS FONTES
BOLETINS DA BRIGADA MILITAR, 3º R.C.(3º Regimento de Cavalaria), 2º
trimestre de 1952.
Coletânea, de Legislação ­ Decretos Estaduais. Gráfica e Editora NBS LTDA, p 94,
Estado do Rio Grande do Sul ­ Brigada Militar. 1979, Porto Alegre.
Relatórios dos presidentes das províncias do Brasil de 1830-1930. Encontrado no site
http://crl.edu/brazil/provincial - último acesso 10/08/2011.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

21