POLÍCIA E SOCIEDADE: uma análise da história da segurança pública brasileira
Reginaldo Canuto de Sousa 1
Maria do Socorro Almeida de Morais 2

Resumo: Este artigo apresenta um resgate histórico sobre a Segurança
Pública brasileira, compreendendo seu período de surgimento aos dias
atuais, analisando os aspectos político-social-históricos e as constantes
mudanças sofridas pelas Instituições Policiais. Buscou-se, sobretudo,
traçar uma cartografia da Segurança Pública do Brasil. A investigação
científica identifica as principais funções assumidas pela Polícia nos
diferentes períodos históricos do Brasil. Para tal intento a metodologia se
baseou em pesquisa explicativa, bibliográfica, com abordagem qualitativa
e dialética. Após a análise dos dados, constatou-se que a Segurança
Pública brasileira passou por várias transformações e busca consolidar
uma identidade dentro do novo contexto constitucional.
Palavras-chaves: Segurança Pública. Polícia. Função. Transformação.
História.
Abstract: This article presents a historical survey about Public Safety in
Brazil, including its period of emergence to the present day, analyzing the
social-political aspects and the changing historical seized in police
institutions. Sought, above all, draw a map of Public Security in Brazil. The
research identifies the main functions undertaken by the Police in different
historical periods in Brazil. For this purpose the methodology was based on
explanatory research, literature, both qualitative and dialectic. After
analyzing the data, it was found that the Brazilian Public Security has
undergone several transformations and search staking an identity within
the new constitutional context.
Keywords: Public Safety. Police. Function. Transformation. History.

1 INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas, a questão da Segurança Pública passou a ser considerada
problema fundamental e principal desafio ao Estado de Direito no Brasil. A Segurança
Pública ganhou enorme visibilidade e tornou-se presente nos debates tanto de
especialistas como do público em geral.

1
2

Mestre. Universidade Estadual do Piaui (UEPI). [email protected]
Especialista. Universidade Estadual do Piaui (UEPI). [email protected]

A configuração da Segurança Pública atual tem suas origens na própria formação
sócio-político-cultural do Brasil. A discussão sobre a Segurança Pública ganhou destaque
em virtude do crescimento das taxas de criminalidade, o aumento da sensação de
insegurança, sobretudo nos grandes centros urbanos, e a aparente ineficácia da ação
policial da prevenção da violência criminal. Tais situações representam desafios para a
Segurança Pública na perspectiva de consolidação política da democracia brasileira.
Desta forma, o estudo sobre a historia evolutiva das Instituições policiais brasileira
é importante para compreensão da realidade da Segurança Pública atual, bem como
pode subsidiar Políticas Públicas para prevenção e enfrentamento da violência e da
criminalidade brasileira.
2 CONCEITO DE POLÍCIA

O conceito da instituição Polícia indica sua própria função, e essa vem se
moldando no decorrer da história, conforme o contexto sócio-econômico-cultural vigente.
Porém alguns habitus3 persistem, de acordo com a pesquisa realizada por Costa (2004),
através da análise de duas Instituições Policiais: a Polícia do Rio de Janeiro e a Polícia de
Nova York, onde o mencionado autor constata que muitas práticas policiais do tempo da
ditadura brasileira ainda vivem na operacionalidade policial carioca e das demais
corporações policiais do Brasil.
Pode-se dizer que Polícia é a instituição que tem a legitimidade de agir, quando
alguma coisa que não deveria acontecer, caso aconteça, algo tem que ser feito.
Polícia é, então, a organização administrativa (vale dizer da polis, da civita, do
Estado = sociedade politicamente organizada) que tem por atribuição impor limitações à
liberdade (individual ou coletivo) na exata (mais, será abuso) medida necessária à
salvaguarda e manutenção da Ordem Pública, segundo Lazzarini (2008).

3

Para Bourdieu (1992) habitus é uma forma de disposição à determinada prática de grupo ou classe, ou seja,
é a interiorização de estruturas objetivas das suas condições de classe ou de grupos sociais que geram
estratégias, respostas ou proposições objetivas ou subjetivas para a resolução de problemas postos de
reprodução social.

A Polícia é um órgão governamental, presente em todos os países, politicamente
organizados, cuja função é a de repressão e manutenção da ordem pública através do
uso da força, ou seja, realiza o controle social.
Todas as competências policiais apresentadas refletem a evolução desse serviço
público, que hoje tem como função a manutenção da ordem pública e a implementação
da Segurança Pública, conforme preceitua o artigo 144 da Constituição Federal do Brasil.

3 DISCUSSÃO SÓCIO-HISTÓRICA DA POLÍCIA BRASILEIRA

Inicia-se o estudo sobre a Segurança Pública no Brasil a partir das Instituições
Policiais, nas primeiras fases do Brasil, para depois adentrar em uma discussão mais
ampliada sobre gestão compartilhada da Segurança Pública, que envolve a participação
da sociedade.
A história da Polícia brasileira é marcada por uma herança escravocrata,
clientelista e autoritária, o que se pode observar por uma simples operação policial, nos
tratamentos diferenciados de acordo com o estrato social ao qual pertence o "cidadão",
conforme verificou os estudos de Holloway (1997).
A origem da instituição policial brasileira, conforme documentação existente no
Museu Nacional do Rio de Janeiro, data de 1530, quando da chegada de Martin Afonso
de Souza enviado ao Brasil. Porém, quanto à data precisa de início da atividade policial
brasileira, há uma discussão teórica sobre seu marco regulatório, uma corrente de
pesquisadores do tema acredita que a polícia brasileira nasceu com a primeira guarda
militar em solo brasileiro, a qual acompanhava o 1° Governador Geral da Colônia ­ Martin
Afonso de Sousa ­ início do século XVI (FAORO, 1997).
Outros estudiosos entendem que aquele corpo militar não poderia se caracterizar
como Polícia por não atender aos princípios básicos inerentes à atividade policial, ou seja,
policiar, gerar segurança a coletividade: estes pesquisadores, como Holloway (1997),
atribui o marco inicial da atividade policial à vinda da família real (1808), que possibilitou a
reprodução das instituições burocráticas portuguesas em solo brasileiro, mesmo com toda

subserviência da Polícia brasileira aos interesses das elites portuguesa e brasileira, há
características de atividade policial.
O objetivo não é simplificar a análise, mas sim, pelo contraste, mostrar a evolução
da Segurança Pública brasileira a partir da organização do aparato policial, pontuando o
contexto social em que se desenvolveram tais mudanças e suas relações com a
atualidade.

3.1 Período Imperial (1822-89)

As primeiras policiais foram criadas antes mesmo da independência do Brasil. Foi
nesse período que surgiram as duas principais instituições policiais que se conhecem hoje
no Estado: a Polícia Civil e a Polícia Militar. Esse processo de criação das forças policiais
foi condicionado pelas disputas políticas entre o poder4 central e as lideranças locais, bem
como pela realidade social e econômica da época marcada por uma sociedade
conservadora de base escravista (HOLLOWAY, 1997).
Em 1808 foi criada a Intendência-Geral de Polícia da Corte, com as tarefas de
zelar pelo abastecimento da Capital (Rio de Janeiro) e de manutenção da ordem. Entre
suas atribuições incluíam-se a investigação dos crimes e a captura dos criminosos,
principalmente escravos fujões. O intendente-geral de polícia ocupava o cargo de
desembargador, e seus poderes eram bastante amplos. Além da autoridade para prender,
podia também julgar e punir aquelas pessoas acusadas de delitos menores. Mais do que
as funções de policia judiciária, o intendente-geral era um juiz com funções de polícia,
Costa (2004).
A Intendência-Geral de Polícia da Corte foi a instituição que deu origem as Polícias
Civis ou Polícia Judiciária hoje existente no Brasil, com previsão constitucional (art. 144, §
4°).
4

Weber (1999, p. 219) define Poder como "[...] toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de
uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal oportunidade". De
onde se deduz que, Max Weber entende por poder as oportunidades que um homem, ou um grupo de
homens, têm de realizar sua vontade, mesmo contra a resistência de outros homens que participam da vida
em sociedade. Ter poder, portanto, é conseguir impor sua vontade sobre a vontade de outras pessoas.

Outra instituição criada no século XIX foi a Guarda Real de Polícia, que
posteriormente deu origem às Polícias Militares do Brasil. Criada em 1809 e organizada
militarmente, a Guarda Real possuía amplos poderes para manter a ordem. Era
subordinada ao Intendente-geral de Polícia e não possuía orçamento próprio. Seus
recursos financeiros vinham de taxas públicas, empréstimos privados e subvenções de
comerciantes locais. Seus métodos espelhavam a violência e a brutalidade da vida nas
ruas e da sociedade em geral, segundo Holloway (1997).
Como resultado da ineficácia no gerenciamento das crises da época (século XIX),
a Guarda Real foi extinta, seus oficiais redistribuídos pelas unidades do Exército e os
praças5, dispensados do serviço. Em seu lugar foi criado, no mesmo ano, o Corpo de
Guardas Municipais Permanente6.
Outra característica da sociedade brasileira da época era a escravidão. A maior
parte do trabalho físico, urbano ou rural, era realizada pela mão-de-obra escrava. Em
meados do século XIX, a população escrava, estimada em 2,5 milhões, representava
entre um terço e um quarto da população brasileira, conforme Carvalho (2007).

3.2 Primeira República (1889-1930)

A Proclamação da República, em 1889, inaugurou uma nova ordem política e
houve a reorganização do aparato repressivo estatal. Embora o advento da República não
tenha significado uma alteração fundamental na composição da classe dominante, a nova
ordem política modificou consideravelmente as relações entre as diferentes elites
políticas, e também alterou as relações entre as classes dominantes e subalternas. A
abolição da escravidão, a instauração de um federalismo altamente descentralizado e o
rápido crescimento urbano das principais cidades brasileiras exigiram profundas
modificações nas instituições policiais.
No aspecto social, a abolição da escravidão afetou profundamente o trabalho
policial. O papel das polícias no controle social concentrava-se na vigilância das classes
5

Militar de baixa patente, compreendido entre: soldado, cabo, sargento. Ver tabela 03.
Em 1866, o Corpo de Guardas Municipais Permanentes ganhou a denominação Corpo Militar de Polícia da
Corte e, em 1920, recebeu a designação de Polícia Militar.
6

urbanas perigosas e, com o fim da escravidão, as polícias reinterpretaram sua função na
estrutura de controle social. Uma das primeiras tarefas impostas ao aparelho policial foi o
controle da população rural que migrou em massa para os principais centros urbanos.
Novos

instrumentos

e

mecanismos

de

controle

social

precisaram

ser

desenvolvidos. Sob forte influência do direito positivo, o Código Penal foi reformado em
1890. Uma vez que a ênfase deveria recair sobre o criminoso e não sobre o ato criminal,
o novo código passou a dar maior importância às práticas comuns das ditas classes
perigosas como vadiagem, prostituição, embriaguez e capoeira. A ideia era permitir um
melhor controle dos grupos perigosos, na medida em que seus hábitos passaram a ser
considerados crime, segundo Holloway (1997).

3.3 Era Vargas (1930-45)

O golpe de 1930 pôs fim ao arranjo político da Primeira República, já corroído pelo
clientelismo e pelo localismo. Getúlio Vargas chega ao poder com a intenção de inaugurar
uma nova ordem política baseada num Estado forte o suficiente para conduzir a
sociedade a novos rumos. O regime autoritário de Vargas consolidado em 1937 é
marcado pela excessiva centralização no plano federativo e pela limitação dos canais de
participação no plano partidário, segundo Costa (2004).
A polícia iria assumir papel fundamental na construção e manutenção desse
regime autoritário. Suas tarefas foram ampliadas, sendo de sua competência o controle
dos grupos políticos dissidentes. Aqueles vistos como inimigos do Estado (comunistas,
judeus, dissidentes políticos, entre outros) deveriam ser vigiados e controlados,
juntamente com as classes pobres perigosas (CARVALHO, 2007).
As polícias sofreram várias transformações para se adequarem as novas
configurações constitucionais. Logo, nos primeiros meses do governo Vagas, promoveuse uma ampla reforma nos quadros da Polícia Civil do Distrito Federal e de alguns outros
Estados. Delegados foram exonerados e substituídos por pessoas de estrita confiança do
regime. Esse foi o primeiro passo para o redimensionamento do aparato policial brasileiro.
Em 1934, foi implementada uma ampla reforma na estrutura da Polícia ­ Decreto
n° 24.531, de 2 de junho de 1934. Além de redefinir funções e responsabilidades dos

quadros, ampliou-se o poder do Chefe de Polícia e se expandiu a estrutura policial. Como
resultado dessas reformas, a chefia de Polícia suplantou a estrutura do Ministério da
Justiça e exerceu poder direto sobre os órgãos de repressão federais e estaduais,
conforme Costa (2004).
A repressão política empreendida por Vargas apoiava-se no tripé: polícia política,
legislação penal sobre crimes políticos e Tribunal de Segurança Nacional. O controle
desse aparato repressivo estava diretamente subordinado ao Presidente da República.
No âmbito nacional, a vigilância política era centralizada no Distrito Federal, cuja Polícia
Civil coordenava as ações policiais dos demais estados (FAORO, 1997).
Além desse vínculo formal, o Exército também fornecia equipamento às polícias e
completava a formação da oficialidade. A partir desse período ocorre o sucateamento das
PMs, haja vista só utilizar armamento e treinamento aprovado pelo Exército brasileiro, o
que gerou uma defasagem de tecnologia que até hoje atinge as Polícias Militares.

3.4 Regime Militar (1964-85)

Em 1964, o golpe militar que pôs fim à "experiência democrática" dos anos 1950,
estabeleceu um regime burocrático-autoritário, conduzido por militares e civis, que iria se
estender até 1985. O regime militar restringiu a participação política e ampliou o poder
das Forças Armadas. Essa nova ordem política era justificada a partir da noção de inimigo
interno inscrita na Doutrina de Segurança Nacional, desenvolvida pela Escola Superior de
Guerra do Exército brasileiro (CARVALHO, 2007).
A exemplo da Era Vargas, o aparato policial foi utilizado para conter a oposição
política. Para tal, usou e abusou da repressão, da tortura e das prisões. A violência
policial foi o instrumento utilizado contra a dissidência política. Entretanto, diferentemente
do que ocorreu na ditadura de Vargas, não foram apenas as Polícias que praticaram a
repressão política, mas também as Forças Armadas que, nesse período, detiveram o
monopólio da coerção político-ideológica (COSTA, 2004).
Para tanto, foi necessário reorganizar o aparato policial existente, ampliando sua
competência e subordinando-o ao controle das Forças Armadas, especialmente do

Exército. A Constituição Federal de 1967, seguindo a tradição brasileira, manteve as
Polícias Militares como reserva e forças auxiliares do Exército. Entretanto, introduziu uma
novidade: a fim de facilitar o controle do aparato policial, extinguiu as Guardas Civis e
incorporou seus efetivos às Polícias Militares, que passariam a ser as únicas forças
policiais destinadas ao patrulhamento ostensivo das cidades e sob tutoria do Exército
brasileiro.
Em 1967 foi criada a Inspetoria-Geral das Polícias Militares do Ministério do
Exército (IGPM) - Decreto-lei n° 317, de 13 de março de 1967, e Decreto-lei n° 667, de 2
de junho de 1969 - destinada a supervisionar e controlar as Polícias Militares estaduais.
Cabia à IGPM estabelecer normas reguladoras da organização policial, controlar os
currículos das academias de polícia militar, dispor sobre os programas de treinamento,
armamentos, manuais, e regulamentos utilizados pelas Polícias, além de manifestar-se
sobre as promoções dos Policiais Militares, esse controle irá influenciar profundamente o
perfil das Polícias brasileiras. (CARVALHO, 2007).
Para completar o aparato repressivo, foi decretada em 1967 a Lei de Segurança
Nacional (LSN), em que eram detalhados os vários crimes contra a Segurança Nacional.
O efeito dessa lei foi devastador para as liberdades individuais no Brasil. Cabia à Justiça
Militar julgar os crimes previstos na LSN. Sua função era dar um caráter de legalidade ao
sistema repressivo montado.

3.5 Estado Democrático de Direito (a partir de 1985)

Em 1985 chega ao fim a Ditadura Militar, passando-se a respirar uma expectativa
de dias melhores. Em 1987 é instaurada a Assembléia Nacional Constituinte, que
culminou com a Constituição Federal do Brasil de 1988, a qual trouxe inovações
importantes na seara da Segurança Pública se comparada ao padrão tradicional7 de
Segurança Pública incorporado à Segurança Nacional da época de exceção.

7

O modelo tradicional da polícia brasileira caracterizar-se por uma ação meramente reativa (repressiva) ao
problema da violência, ou seja, a Polícia só deve agir após o cometimento do delito e em casos de crimes
considerados realmente "graves" pelo aparelho policial. A Polícia Comunitária é o contraponto a tal sistema,
atua de modo preventivo (pro-ativo).

As inovações constitucionais, na seara da Segurança Pública, foram significativas,
há uma tentativa legal de mudança do paradigma reativo para uma ação policial pró-ativa
(preventiva), bem como ocorreu a inserção do princípio da gestão participativa na
resolução dos problemas da violência e da criminalidade, conforme se pode vislumbrar
pela redação do Artigo 144 da Constituição Federal (BRASIL, 2010): "A segurança pública
dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para preservação da
ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio [...]".
A ordem constitucional erigida a partir de 1988 elegeu entre seus objetivos
fundamentais a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, o desenvolvimento
nacional, a erradicação da pobreza, a redução das desigualdades sociais e o respeito à
dignidade da pessoa humana.
No modelo democrático, a Segurança Pública é via de acesso à cidadania plena,
ao garantir o respeito à dignidade da pessoa humana e aos próprios Direitos Humanos
(CARVALHO, 2007; SOARES, 2006).
4 CONCLUSÃO

As inovações das políticas de controle social e prevenção do delito devem ser
compreendidas à luz dos processos de re-organização das competências estatais, que se
tornam mais acessíveis à interação com instituições do setor privado, do setor público
não-governamental e principalmente com a sociedade.
A história da sociedade brasileira reflete a própria evolução da Segurança Pública
do Brasil, inicialmente restrita a ação das forças policiais ­ fase colonial, imperial, 1ª
República e Era Vargas - e a partir da Constituição Federal de 1988 há a previsão legal
de uma gestão compartilhada da Segurança Pública com a sociedade, com ênfase ao
respeito aos Direitos Humanos.
Portanto, a partir dos resultados obtidos através desta investigação científica,
pode-se afirmar que uma Política de Segurança Pública cidadã deve ser rigorosa no
enfrentamento da impunidade e humanista na valorização da participação comunitária nas
questões da Segurança Pública e na inserção de jovens pobres das periferias urbanas ao
mercado de trabalho.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2010.
BOURDIEU, Pierre. Pierre Bourdieu avec Löic Wacquant. réponses. Paris: Seuil, 1992.
CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro,
Civilização Brasileira, 2003.
COSTA, Arthur Trindade Maranhão. Entre a lei e a ordem: violência e reforma nas
Polícias do Rio de Janeiro e Nova York. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.
FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 12. ed. São
Paulo: Globo, 1997.
HOLLOWAY, Thomas H. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa
cidade do século XIX. Tradução de Francisco de Castro Azevedo. Rio de Janeiro: FGV,
1997.
LAZZARINI, Álvaro. Estudos de direito administrativo. São Paulo: Editora Revista dos
Tribunais, 2008.
SOARES, Luiz Eduardo. Segurança pública tem saída. Rio de Janeiro: Sextante. 2006.
WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1999.