1

A TRAJETÓRIA DO NEGRO NO BRASIL E A IMPORTÂNCIA DA
CULTURA AFRO

INTRODUÇÃO
Desde o momento em que os portugueses, levados pela escassez de mão de obra
no período colonial no Brasil, decidiram importar escravos, não tinham conhecimento
do tratamento desumano que seria impostos aos cativos. Por certo, também não
tinham ciência de que os descendentes desta raça sofrida, viveriam, séculos mais
tarde, contribuindo para o mundo das artes, dos esportes, da política, enfim, da vida
social brasileira.
Dos negros trazidos para o Brasil e feitos escravos, restou sua cultura que orgulha
não somente as pessoas que são definidas como descendentes afro-brasileiro, mas
a todos os que vivem neste país. São tradições, costumes, fatos e mais uma
infinidade de coisas que se transmitem de forma duradoura por várias gerações.
Conclui-se que os estudos nas escolas do Brasil se apresentam pouco generosos
com relação a trajetória dos negros em nosso país. Não exatamente por omissão,
mas pela ausência da conscientização de que o negro foi importante para o Brasil,
de que sua cultura deve ser preservada e conhecida, além de que a cultura afrobrasileira é a de todos os que vivem neste país. Vive-se num país aparentemente
sem preconceitos raciais.
Vibra-se com gols de jogadores negros, com músicas que embalam os momentos
inesquecíveis, mas ainda se convive com um preconceito retido no fundo das almas.
Seja no tratamento, seja nos espetáculos televisivos ou teatrais, no ambiente de
trabalho, sente-se que os espaços ainda não estão devidamente preenchidos por
esta parcela tão sofrida da sociedade.
Objetivou-se no presente estudo mostrar aos alunos um pouco mais da história do
negro no Brasil, sua trajetória, sua vida em nosso país, sua cultura, seus momentos

2

de amargura que não raras vezes se transformavam em danças, músicas e
momentos em que esqueciam o sofrimento do dia a dia.
Teve-se ainda a intenção de conscientizar sobre o preconceito que existe em nossos
dias. Ele está contido nas frases, nas ações, nos espetáculos, ou seja, em tudo que
influenciam a mídia. Considera-se ser preciso arrancar as raízes que existem as
pessoas que orgulham de ser preconceituosas e não compreendem o negro como
um irmão que está do lado do bem.

1 DEFININDO CULTURA
A cultura é uma palavra que tem vários significados. Pode ser referente aos
conhecimentos que uma pessoa tem sobre artes, ou seja, ligados ao saber como
forma geral. No entanto, no sentido que interessa como estudo e pesquisa seu
sentido é bem maior. No fim do século XIX começaram a ser definidas as idéias de
cultura como o conjunto de modos de pensar, sentir, agir de um determinado grupo
de pessoas.
Os estudiosos da vida do ser humano e das sociedades acreditam que na base da
vida social é que se encontra a capacidade de simbolizar o ser humano, atribuindo a
eles as palavras, os gestos, comportamentos, que permitem aos mesmos a
transmissão de sentimentos, idéias, e regras estabelecidas. A maneira de como se
compartilham os sentidos é o que formam a cultura, com propriedades do seu grupo,
fazendo com que se acredite nas mesmas coisas, entenda os mesmos gestos
gráficos e saiba se comportar diante de situações diversas.
Conforme observa Souza (2008):
É claro que muitas vezes pode haver mal-entendidos entre os membros de
uma mesma cultura, assim como e possível entender coisas de culturas às
quais não pertencemos. Mas no geral, para entendermos bem outra cultura,
temos de passar por um aprendizado dos seus códigos básicos, senão
estaremos apenas projetando sobe os significados que aprendemos na nossa
própria formação, ao longo do nosso processo de socialização, de nos
tornarmos parte de um corpo social. A cultura é algo que nos permite fazer
parte de um grupo e nos dificulta sermos um membro integral de um grupo
que não o nosso, a não ser que nos transformemos radicalmente. (SOUZA,
2008, p. 87)

3

O Brasil é um país rico em diversidade cultural. Conseqüências de uma colonização
construída por diversos povos que aqui se integraram trazendo juntamente com
suas esperanças e planos, o seu patrimônio cultura. Nosso povo adotou essas
culturas em sua bagagem cultural, na música, na religião, no modo de falar. Pode-se
definir, em nível de Brasil, que a cultura que cerca seus habitantes é uma herança
social provinda dos portugueses, italianos, espanhóis, índios e negros. Sobretudo os
últimos deixaram sua cultura evidente principalmente considerando sua trajetória
pelo Brasil, sua história carregada de sofrimentos e preconceitos que se perpetuam,
ao lado da cultura, até os dias de hoje. A história do negro no Brasil, contada nas
escolas, em sua maioria, vale-se de descrever o período da escravidão e os
horrores do caminho percorrido, e menciona superficialmente a cultura afro-brasileira
e a tradição negra.
Araujo definiu:
Penso, por fim, na ambigüidade desta nossa história de que são vítimas os
negros, numa sociedade que os exclui dos benefícios da vida social, mas
que, no entanto, consome os deuses do candomblé, a música, a dança, a
comida, a festa, todas as festas de negros, esquecida de suas origens. E
penso também em como, em vez de registrar simplesmente o fracasso dos
negros frente às tantas e inumeráveis injustiças sofridas, esta história
termina por registrar a sua vitória e a sua vingança, em tudo o que eles
foram capazes de fazer para incorporar-se à cultura brasileira. Uma cultura
que guarda, através de sua história, um rastro profundo de negros africanos
e brasileiros, mulatos e cafuzos, construtores silenciosos de nossa
identidade. E não se pode dizer que não houve afetividade ou cumplicidade
nessa relação. A mestiçagem é a maior prova dessa história de pura
sedução, da sedução suscitada pela diferença, que ameaça e atrai, mas
acaba sendo incorporada como convívio tenso e sedutor, em todos os
momentos da nossa vida. Tudo isso é memória. Tudo isso faz parte da
nossa história. Uma história escamoteada que já não poderá mais ficar
esquecida pela história oficial. (ARAUJO. 2007, p.5)

Já foi escrito por vários autores que o Brasil é um país culturalmente pobre e que a cultura
não é valorizada. Segundo eles, as escolas se restringem a assegurar aos alunos um pouco
sobre os índios, o que apesar de ser importante não é suficiente para se ensinar aos alunos,
conceito de cultura de um país. Perguntam onde está a cultura dos portugueses, italianos,
japoneses, alemães que está limitada ao seu meio, sem que as demais regiões tenham
conhecimento dela. Novamente se salienta a cultua afro-brasileira como a que deixou mais
marcas e que se vê na quase totalidade do país.
Para se falar sobre a cultura afro-brasileira não se poderia deixar de mencionar o período
escravo que se constitui numa mancha difícil de apagar. É impossível se falar sobre a

4

cultura dos negros, sua passagem pelo Brasil e seus dias atuais se não for escrito sobre a
escravidão e suas conseqüências. Este estudo pretende abranger, entre outros assuntos, a
escravidão, seus conhecidos males, sua travessia pelo Atlântico, seu período angustiante, a
abolição, suas conseqüências imprevisíveis e a trajetória dos negros após a liberdade. É
importante salientar que o Brasil carrega um amargo detalhe na sua História; foi a última
nação do mundo a abolir a escravidão.

2 A ESCRAVIDÃO COMO MÃO DE OBRA
Para se falar sobre a cultura afro-brasileira não se poderia deixar de
mencionar o período escravo que se constitui numa mancha difícil de
apagar. É impossível se falar sobre a cultura dos negros, sua
passagem pelo Brasil e seus dias atuais se não for escrito sobre a
escravidão e suas conseqüências. Este estudo pretende abranger,
entre outros assuntos, a escravidão, seus conhecidos males, sua
travessia pelo Atlântico, O índio brasileiro era tão desprezível na
avaliação portuguesa que o preço de cada um não ultrapassava a casa dos
quatro mil-réis, enquanto o negro nunca era vendido por menos de cem milréis, isto na inicio da escravidão. Eram, pois, os africanos, mercadoria de
alto valor na época. Para isso concorria, de certo, sua fácil adaptação a
faina agrícola, uma vez que, acostumados a outras condições de vida,
decorrentes de civilização maias adiantada, seus hábitos e temperamento
muito diferiam do nomadismo indígena. [...] (LUNA, 1968, p. 16)

Mais tarde, aproximadamente na década de 1690, as regiões de Angola e de Costa da
Mina forneceram escravos para o Brasil. Os provenientes da Costa da Mina se destinaram
em especial à Bahia, enquanto que os que vieram de Angola foram localizados na região do
Rio de Janeiro. No século XIX, foram exportados para o Atlântico, aproximadamente 3,5
milhões de escravos.
Na primeira metade do século XX a região Centro Ocidental da África exportou 1,5 milhão,
tendo a triste marca de ser o maior fornecedor de cativos. As exportações de escravos
passaram a ser cada vez mais lucrativas e na região acima se iniciou uma escassez de
pessoas. Começaram então as capturas por outras regiões, desde a costa até as savanas.
Os portugueses comerciavam os escravos principalmente nas regiões de Luanda e
Benguela, nas quais os capturados eram trocados por tecidos, armamentos e por
aguardente brasileira.
As negociações envolviam várias etapas, eram lentas e com gestos cheios
de significados simbólicos. Os navios tinham que pagar taxas de
ancoragem, e os capitães ofereciam presentes para os chefes locais ou

5

para os representas dos reis, que moraram no interior do continente. Estes
geralmente eram presenteados com tecidos finos, como brocados, veludos
e sedas, com botas de couro, chapéus emplumados, casacos agaloados,
punhais e espadas trabalhadas, pipas de bebidas destiladas, cavalos e uma
variedade de produtos que indicavam prestigio. (Souza, 2008, p. 59)

O processo de ancoragem e da negociação dominava um grande espaço de tempo. A cada
dia as trocas de escravos por mercadorias se arrastavam. Devido a este processo lento um
navio poderia levar até seis meses para completar a carga e retornar ao ponto de origem.
As regiões onde viviam os que foram escravizados e trazidos para o Brasil, possuíam
costumes, línguas, organizações de sociedade, religiões completamente diferentes umas
das outras. Quando eram condenados pelas rígidas leis da sua sociedade, capturados nas
pequenas aldeias, ou até mesmo nas pequenas guerras, nos caminhos que percorriam,
quase indiferentes ao que se passava, viam perspectiva de incertezas.
Souza descreve que (2008, p.84):
"Além de serem afastados das aldeias nas quais cresceram e que eram o centro de seu
universo, muito poucas vezes conseguiam se manter próximas de conhecidos e familiares
mesmo quando todos eram capturados juntos".
Depois de capturados, em sua terra de origem, os que seriam vendidos, eram ligados, uns
aos outros com elos de ferro que impediam as possíveis tentativas de fuga. Iniciavam a
marcha até o porto, muitas vezes açoitados. O alimento e a água eram insuficientes, pois
não se podia gastar muito tempo para alimentação, diante da pressa dos compradores. Os
maus tratos e indiferença por suas vidas ocasionavam muitas mortes pelo caminho. Essas,
quando ocorriam, o cadáver era desprendido da argola de ferro e jogado em um ponto
qualquer do caminho. Os que sobreviviam eram levados ao navio, atirados nos porões onde
os espaços eram mínimos e tão escuros que não se sabia se era dia ou noite.
Empilhados nos porões, recebendo parcas rações de comida e de água, era
natural que o morticínio fosse acentuado. Perdia-se, invariavelmente, 10%
da carga, na melhor das hipóteses, e casos houve em que morreu a metade
dos indivíduos transportados. Amontoados no porão, quando o navio jogava,
a massa de corpos negros agitava-se como um formigueiro, para beber um
pouco desse ar lúgubre que se escoava pela estilha gradeada de ferro.
(MACEDO, apud. MARTINS, 1974, p. 29)

É importante mencionar que na medida em que a caravana de escravos se aproximava do
local de embarque, o número deles crescia, com a adesão obrigatória de novos negros nas
feiras. Por serem pessoas com culturas diferentes era natural que se sentissem sozinhas na

6

nova etapa da vida que se iniciava, uma vez que os escravos trazidos não se destinavam a
uma só região. Infelizmente sobraram poucos, quase inexistentes relatos dos que viverem
os horrores da travessia nos navios negreiros. Enquanto isso, nas livrarias, sobram obras
que tentam explicar, com lógica, a prática deste transporte e da escravidão. Logo que eram
capturados e negociados com os europeus, começavam as privações. Por medida de
economia recebiam uma alimentação ínfima, composta de um pouco de carne seca, farinha
de mandioca e arroz.

3 A TRAVESSIA DO ATLÂNTICO E A CHEGADA DOS AFRICANOS
AO BRASIL
A média de escravos em cada porão dos navios negreiros eram de 440 pessoas. A viagem
durava em média 43 dias, caso a viagem partisse do centro sul da África. Nas partidas de
Moçambique dobravam os dias da viagem assim como as mortes que podiam chegar a
20%. Nos porões dos navios, a falta de alimentação e o contato muito próximo, uma vez que
viajavam amontoados, o calor e a exposição dos corpos àquela situação degradante,
fizeram com que se disseminassem as doenças. Uma das doenças mais comuns era o
escorbuto, contraída pela falta de vitamina C.
Apesar de, no inicio do século XIX, as condições das embarcações terem
melhorado um pouco, comparando-se com os séculos anteriores, pois
passaram a contar com a presença de ao menos um cirurgião-barbeiro, de
capelães, de uma botica, além da separação entre homens e mulheres, as
viagens continuavam sendo muito penosas, com porões superlotados de
africanos, que se apertavam para conseguir dormir durante meses sobre o
chão duro. Eles passavam quase todo o tempo acorrentados e, no momento
do embarque, ou ainda nos barracões costumavam ter o corpo marcado a
ferro quente com as iniciais ou símbolos dos proprietários. (MATTOS, 2007,
p. 100)

Havia ainda o medo crucial do comandante do barco e de seus auxiliares, de uma revolta
dos negros. Estes passaram, apesar do sacrifício da viagem, a contar com solidariedade
entre eles, levada pelo convívio prolongando. Chegavam a cogitar um motim e para que isso
fosse evitado, era destacado algum tripulante capaz de entender o assunto travado entre os
escravos.
O primeiro passo para se alterar a trajetória dos africanos no Brasil, foi a Lei Eusébio de
Queiróz, promulgada pelo mesmo, então Ministro da Justiça entre1848 e 1852. Aprovada

7

em 4 de setembro de 1850 devido a pressão exercida pela Inglaterra, que foi o principal
motivo para que a lei fosse sancionada.
No entanto os efeitos imediatos da lei não foram alcançados rapidamente, chegando a haver
uma intensificação na entrada de africanos ilegalmente no Brasil, após a promulgação da
Lei. As pressões se tornaram mais intensas e o tráfico interno de escravos continuou nas
províncias do Rio de Janeiro e São Paulo, que eram os mais produtivos no que se refere ao
cultivo do café.
Os motivos alegados pelo então Ministro, para sua Lei, não se revelavam simplesmente por
questões humanitárias. Explicando as razões, explanava que centenas de fazendeiros, em
especial os do "Norte do Império" atravessavam um período de dificuldades com dívidas
contraídas com traficantes de escravos.
Havia, em sua maioria, os que hipotecaram suas fazendas com grandes traficantes
portugueses. Alegava assim que as possibilidades eram imensas de grandes propriedades
territoriais saírem das mãos de seus legítimos donos e se transformarem em territórios de
especuladores e traficantes. Referia-se assim aos portugueses numa clara alusão às
possibilidades de os lusos voltarem a ameaçar a soberania nacional.
Outra razão demonstrada por Eusébio de Queiroz para sua Lei era a de que se Império
continuasse autorizando a entrada de cativos africanos em grande quantidade, como até
então, poderia haver um desequilíbrio quantitativo entre pessoas livres e escravos, o que
ameaçaria os brancos. A sociedade ficaria desprotegida diante do grande número de
escravos que poderiam, a qualquer momento, rebelar-se e sua insurreição espalharia o
terror entre os cidadãos.
Luna descreve:
A importação não cessou até as vésperas da Abolição. Embora vigorassem
leis proibitivas, os negreiros sempre encontravam meios de burlá-las,
geralmente, com a complacência das próprias autoridades, o que não é de
estranhar, sabendo-se que a classe dominante era constituída de senhores
de escravos, fazendeiros de café e donos de engenhos, seus parentes e
aderentes, transformados, de uma hora para outra, em nobres da Colônia e
do Império [...] (LUNA, 1968, p.98)

4 OS ESCRAVOS NOS PORTOS BRASILEIROS

8

Depois da incerta e terrível viagem chegavam os africanos aos portos do Brasil. Eram
retirados dos porões e repartidos aos lotes independentemente de serem ou não da mesma
região, parentes, pais, mães filhos ou não. Não se dava importância a estes fatos, era como
se eles não tivessem alma, sentimento, amor ou fossem insensíveis a dor, a fome, aos maus
tratos.
Os traficantes sempre traziam alguns escravos a mais, em número superior as encomendas
para serem vendidos nas feiras ou leilões. Desembarcavam quase sem roupas, com apenas
uma faixa de tecido cobrindo uma parte do corpo. Os cabelos e a barba eram cortados,
determinava-se que tomassem um banho, recebiam algumas toscas roupas de tecido
grosseiro, para que melhorassem a aparência e pudessem alcançar um maior preço no
Mercado. Este era um imenso rancho, semelhante a uma cocheira. Os que apresentavam
um quadro de debilidade em virtude de doenças adquiridas no transporte eram isolados e
recebiam cuidados, para mais tarde, serem oferecidos aos compradores.
No Rio de Janeiro o Mercado ficava em Valongo, próximo da Praça Mauá. À porta do
Mercado colocavam um cartaz onde se anunciava: "negros fortes, bons e moços, chegados
na última nau." (MACEDO, 1974)
A chegada dos compradores fazia parte de um ritual considerado inconcebível nos dias de
hoje; os músculos dos negros eram apalpados, tinham os lábios levantados para o exame
dos dentes e eram obrigados a saltar, dançar, para que fosse examinado seu vigor físico.
A arte de comprar exigia experiência do comprador. Havia a prova do suor. O comprador
passava o dedo pelo corpo do escravo exposto e lambia para sentir se era suor verdadeiro
ou efeito de algum óleo para tornar a pele brilhante, uma vez que o suor na pele do escravo
representava bom estado de saúde. Sua barriga era apertada para detectar dor que
manifestasse alguma doença, seu peito era escutado, todo o corpo examinado.
Quando se tratava de mulher, os seios eram bem examinados pois poderia
vir a servir como ama de leite e bem assim as nádegas. Tinha-se interesse
em negras do traseiro grande, bem servido de carnes, porque isso era ­
diziam ­ indicio de força, saúde e qualidade de boa parideira, capaz de dar
novos escravos ao senhor. (MACEDO, 1974, p. 32)

Alguns africanos, no caso de serem descartados, eram levados em comboios em barcos ou
a pé, em direção às cidades do interior onde seriam vendidos a tropeiros, a preços menores,
configurando-se assim o tráfico interno de escravos.

9

O preço dos escravos era definido pelo sexo, idade e especialização, mas dependia,
sobretudo, de sua condição física. O destino dessas peças estava nas mãos dos senhores,
que podiam alugar, vender, hipotecar, segurar ou penhorar suas novas propriedades. O
preço dos escravos variou muito durante os quatro séculos de sua comercialização. Após o
final do tráfico, em 1850, o valor dos cativos dobrou, quase inviabilizando a sua utilização.
Um escravo homem e adulto podia valer mais do que uma casa na cidade ou três toneladas
de café. (MOURA, 1996)

4.1 O INÍCIO DA NOVA VIDA ESCRAVA
Os senhores nomeavam os africanos que eram comprados e passavam a ser mercadoria,
da seguinte maneira. Os que não entendiam, não falavam português e desconheciam os
costumes da terra, eram considerados os boçais. Os que aprendiam a língua portuguesa, os
costumes da nova terra e desempenhavam as funções que lhe eram determinadas eram
chamados de ladinos. Os que nasciam no Brasil e tinham o português como sua primeira
língua falada e se comportavam dentro dos padrões portugueses, diante de seus donos,
eram chamados de crioulos.
No século XIX, a maioria era levada para trabalhar nas plantações de café. "Mas também as
cidades, a essa altura, maiores e com mais necessidade de trabalhadores, absorviam-nos
em grande quantidade". (SOUZA, 2008)
O mundo dos escravos se resumia ao trabalho, único, estafante e obrigatório. No entanto,
havia os que possuíam alguma habilidade, ou a adquiriam e eram os escravos urbanos,
mais bem tratados. É interessante salientar que, diante da mão de obra escrava, tornou-se
uma efetiva desonra uma pessoa livre trabalhar, principalmente em funções mais modestas.
Entretanto, os escravos que trabalhavam nas regiões rurais se constituíam na maioria.
As condições de se conseguir uma alforria eram remotas e o poder, autoridade e crueldade
dos seus proprietários desconheciam limites. A jornada de trabalho era extensa a qual se
iniciava antes do nascer do sol e terminava às onze da noite, nas épocas de colheitas. Havia
ainda os que se tornavam escravos domésticos. Eram escolhidos conforme sua aparência e
eram bem vestidos.
Esse é o universo das mucamas, pajens, amas-de-leite, amas-secas,
cozinheiras, cocheiros, lavadeiras, copeiros e garotos de recado. No
entanto, esses cativos representavam uma minoria e não raro distanciavamse dos demais. Uma velha ladainha dizia: Negro no eito vira copeiro, não óia
mais pra seu parceiro. (MOURA, 1996, p.12)

10

Outro fato digno de descrição era a desproporção entre homens e mulheres escravos. Este
fato dificultava os casamentos entre eles, sendo as uniões pouco toleradas pelos senhores.
No entanto, em 1869 foi criada uma lei que proibia que o marido fosse separado da mulher e
dos filhos com idade inferior a quinze anos.
O escravo era considerado um patrimônio, uma demonstração de ostentação. Perder um
escravo significa um prejuízo de grandes proporções. Em 1863 funcionava no Rio de
Janeiro a Cia. Mútua de Seguro de Vida dos Escravos, que se incumbia do ressarcimento,
ao senhor, dos prejuízos causados por alguma eventual perda. Nos conventos havia
escravos e Nóbrega, em carta ao Rei, pedia escravos.
Macedo descreve:
"Os conventos, a Sociedade de Jesus, frades e padres individualmente possuíam escravos,
por mais difícil que seja entender como podiam conciliar a doutrina de Cristo com a
exploração do homem pelo homem. (MACEDO, 1974, p. 36)"

5 AS REVOLTAS DOS NEGROS CONTRA A ESCRAVIDÃO
A vida dos escravos não era só submissão. Apesar de se definirem os cativos como pessoas
que apenas aceitavam os maus tratos e a índole violenta da maioria dos senhores, havia
entre eles os que se rebelavam e carregavam consigo o desejo de vingança. As reações
podiam se constituir em fugas, revoltas, massacres contra a família dos seus donos; até as
mais pacíficas, como a negociação de uma carta de alforria. Esta poderia ser mediante a um
pagamento em ouro ao seu proprietário, assim como poderia ser adquirida gratuitamente.
No entanto, a carta era revogável em qualquer das duas hipóteses.
Mattos descreve:
A maioria das cartas de alforria era onerosa, pelas quais o escravo deveria
pagar uma quantia em dinheiro para ressarcir o prejuízo do proprietário ou
recompensá-lo indiretamente com a prestação de serviços, permanecendo
em sua companhia até a morte, servindo e não "ser ingrato ou dar desgosto.
(MATTOS, 2007, p 122.)

As formas de resistência não partiam apenas de grandes e programadas insurreições, de
levas de escravos. Na sua maioria eram de pequenos grupos ou até mesmo de escravos
solitários que se aventuravam, embrenhando-se nas matas e não poucas vezes morriam de
fome, isso quando não retornavam ou eram resgatados. Há de se considerar que após a
revoltas de escravos em certos lugares, em alguns casos passou a haver um temor da força
dos grupos que se uniam e na calada da noite planejavam revoltas.

11

Nada havendo mais nada a perder, ameaçavam a integridade física das famílias dos
senhores trazendo-lhes grandes inquietações. Quando algum escravo tentava uma fuga
frustrada, em alguns casos, logo que era capturado por um Capitão do Mato, diante dos
castigos que lhe seriam aplicados, tentava o suicídio. O banzo era o mais comum deles.
Constituía na ingestão de terra, dia após dia, levando-o a uma morte lenta. Por imposição
dos senhores, o escravo passava a portar uma máscara de flandres com uma espécie de
tranca na nuca, que lhe cobria a boca, evitando assim que ele ingerisse qualquer tipo de
bebida ou alimento anormal.
Outro modo de suicídio era por afogamento que além de os livrarem da vida amarga e dos
castigos que lhe eram impostos, acreditavam que morrendo nas águas dos rios, libertariam
a alma para fazer a travessia de volta à sua terra.
Conforme escreve Moura:
"A escrava Anastácia permanece na memória popular como uma mulher que, ao reagir ao
cativeiro, foi obrigada a usar permanentemente uma dessas máscaras."

(MOURA, 1996, p. 22).
Diante das fugas era preciso tomar alguma medida que as contivessem, tendo a dupla
finalidade; recuperar o escravo e dar uma lição aos que ainda pensavam em se aventurar a
cometer a fuga. Surgiu então a figura dos Capitães do Mato. Estes eram contratados para
capturar os escravos nas matas ou onde estivessem, mediante recompensa. Seu prestigio
social entre os escravos, evidentemente, era mínimo, assim como objeto de vingança por
parte dos mesmos, se por um acaso lhe caíssem nas mãos.
Mas eram também considerados inimigos da sociedade pela função ignóbil que
desempenhavam. Muitas vezes denominados de cães perdigueiros, podiam ser exescravos, assim como pessoas que deviam favores ou dividas aos fazendeiros e pagavam
assim, com seu repugnante trabalho, as obrigações contraídas.
Diante das vinganças impostas pelos escravos quando conseguiam, numa inversão de
papéis, capturar um capitão do mato, a profissão deixou de causar interesse. Houve casos
de fazendeiros que ficavam estáticos diante das fugas maciças de escravos e chegavam a
oferecer a enorme quantia de duzentos mil-réis para quem desempenhasse a função.
Conforme pensamento de Luna:

12

"Mas quando as fugas se tornaram calamidade nas fazendas paulistas, havia quem pagasse
até duzentos mil-réis à pessoa que capturasse um escravo foragido." (LUNA, 1968, p.111).

5.1 OS QUILOMBOS

Os escravos que conseguiam fugir, quando não eram recapturados, passavam a viver nos
quilombos. No início, apenas aglomerados de palhoças entregues a própria sorte e sem
uma organização que os protegessem. O que inicialmente representavam apenas um
esconderijo de negros que temiam uma captura passou a ser o seu mundo temido pelos
brancos que por ali se aventurassem. Os rebelados, agora livres, passaram então a pensar
não só na sobrevivência, mas em assaltar, matar quando fosse preciso, espalhando o
pânico entre as cidades. As fazendas mais vulneráveis eram saqueadas e se carregavam
mantimentos, armas, munição e em alguns casos, escravos das senzalas que se
dispusessem a acompanhá-los.
A partir de 1740 todas as habitações com mais de cinco pessoas eram consideradas um
quilombo. Havia quilombos com mais de vinte mil pessoas, formando uma verdadeira cidade
onde havia um ponto comum que era fundamental a qualquer quilombo: a defesa
militar, importante para se proteger contra os ataques dos portugueses.
Os maiores tinham uma organização governada por chefes escolhidos pela sua
capacidade e cujo voto era efetuado com grão de milho ou feijão. Os quilombos mais
célebres foram Palmares e Zumbi.
Palmares e Zumbi se tornaram importes símbolos da resistência contra
a escravidão, sendo exemplo mais espetacular de um tipo de ação
largamente adotada pelos escravos de todo o período escravista. Os
quilombos, nos quais os escravos fugidos reconquistavam sua
liberdade, podiam estar afastados de qualquer núcleo de colonização
ou mais próximos de um arraial ou uma cidade. Nos mais isolados, os
quilombolas viviam do cultivo da terra, da caça, da pesca, produzindo
seus tecidos, seus potes, suas cestas, seus instrumentos de trabalho e
armas. (SOUZA, 2008, p. 98)

Pouco a pouco os quilombos começaram a adquirir a simpatia de pessoas que não se
sentiam prejudicadas com as fugas dos escravos e não vislumbravam nenhum prejuízo com
o fim da escravidão. Mas não ficaram indiferentes. Iniciou-se uma campanha para custear
as construções dos redutos dos rebelados. Fortificavam-se assim os quilombos enquanto
novas concentrações surgiam. O que era simplesmente um esconderijo passou, com o

13

tempo, a ser um verdadeiro exercito de guerrilheiros negros. Eram milhares de pessoas
dispostas a viver em liberdade em seu pequeno mundo e temidas por todos.
Os locais escolhidos para a construção dos quilombos eram geralmente próximos a áreas
bem servidas de água. Pelo lado de fora da comunidade eram abertos fossos onde eram
colocados troncos com pontas afiadas, com o objetivo de impedir a passagem de estranhos
que por ali se aventurassem. Nos grandes quilombos como Palmares e Zumbi, não eram
admitidos, a indisciplina, a indolência, o roubo e a traição. Os dois últimos eram punidos
com a pena de morte, aplicada pelos denominados executores da justiça.
Macedo descreve:
De então por diante não cessaram as fugas de escravos para a região de
Palmares. As notícias, os relatos a respeito da vida boa e livre que se levava
nos Palmares eram transmitidos a boca pequena, murmurados á noite no
silêncio das senzalas, revelados em cochichos durante os trabalhos no
canavial. (MACEDO. 1974. p. 86)

A maioria dos quilombos tinha existência passageira, pois uma vez descobertos, a
repressão era marcada pela violência por parte dos senhores de terras e de escravos. A
busca tinham a dupla finalidade de

se apossar dos escravos fugitivos e de punir

exemplarmente alguns deles, visando atemorizar os demais cativos. Sendo assim alguns
foram dizimados por freqüentes expedições militares com finalidade de destruir os
quilombos.
O quilombo dos Palmares representa no dias de hoje o verdadeiro símbolo da luta do
movimento negro. Este foi formado pouco a pouco, a partir de 1604 por 40 escravos.
Durante um século sofreu todo tipo de ataque e opressão por parte de inimigos. Ganga
Zumbi foi o penúltimo rei (chefe do quilombo) de que se tem notícia. Foi assassinado por
seu sobrinho Zumbi que divergia do tio no acordo feito com os portugueses. Neste acordo
os habitantes do Quilombo se comprometiam a não mais resgatar escravos, nas senzalas,
ainda sob poder dos fazendeiros. Zumbi liderou a resistência, mas foi morto e o quilombo
destruído em 20 de novembro de 1695, data escolhida para se comemorar o
Consciência Negra.

Dia da

14

6 A CULTURA E AS RELIGIÕES DOS ESCRAVOS NAS SENZALAS E
QUILOMBOS

Os africanos, apesar dos percalços da vida escrava, dos maus tratos, jamais abandonaram
seus costumes e sua religião. Não obstante o trabalho estafante, o pequeno ciclo de vida, o
escravo teve seus momentos de diversão. Organizavam suas festas, os adornos no corpo e
esquecendo temporariamente seus desencantos com a sorte, em festas, lembravam suas
origens. Uma das mais típicas e interessantes era a do Rei do Congo, também conhecida
por Congada, festa ao mesmo tempo profana e religiosa.
Na sua música, os sons e as expressões eram carregados de sofrimento e faziam um
curioso contraste com os raros momentos de alegria. A língua de origem sobressaia no
canto. Com autorização dos senhores, os escravos organizavam pequenos desfiles em
torno da casa grande, dançando e cantando. A Congada tinha um rei, eleitos pelos
companheiros, uma rainha, os príncipes, os fidalgos e os embaixadores.
Sobre a cultura dos escravos sabe-se que a arte de cantar e dançar fez parte de sua alma
sofrida. Outra dança muito apreciada era o batuque, batidas de tambores e demais
primitivos instrumentos de percussão que acompanhavam as danças.
"Um bambolear sereno do corpo, acompanhado de um pequeno movimento dos pés, da
cabeça e dos braços" (MACEDO apud ALMEIDA, 1974, p. 62).
O Jongo era uma dança apreciada pelos cativos em virtude do grande número de
participantes, além de ser uma exibição de talentos individuais de cada um. O cantador, com
um chocalho que ele mesmo agitava, embalado pelo som de três tambores, situava-se no
meio de uma roda. Cantava um verso que era respondido pelo coro, enquanto sapateava
freneticamente.
Quase ao final do coro o cantador passava a participar do circulo de pessoas que
respondiam e um assistente ia para o centro da roda vazio. O novo cantador cantava os
versos que poderiam ser repetidos ou não, dependendo de sua habilidade. Acontecia de, às
vezes, um homem era provocado por uma mulher que dançava no centro da roda, travandose entre os dois um duelo de dança e sapateado entre os dois.
Outra dança nascida nas senzalas da Bahia foi o Lundu. Era marcado pela introdução de
palmas e pelo movimento do corpo de forma constante. Era também chamado de umbigada,

15

uma vez que era realizada aos pares e em determinados momentos os corpos dos
participantes avançavam um em direção ao umbigo do outro. Veio para o Brasil diretamente
de Angola e do Congo e era objeto de estimação entre os escravos. Com o passar o tempo
foi introduzido na sociedade, chegando a ser perseguida e posteriormente proibida pelas
autoridades que viam nela uma sensualidade e lascívia pouco coerentes com a época.
Como música era dolente e sentimental, como coreografia era sensual.
Os participantes desta dança acham-se sentados à espera do início do
folguedo. Uma mulher levanta-se e dirige-se para o centro do círculo, com
meneios provocantes. Um homem teve a atenção despertada pelos seus
requebros e segue seus movimentos. Os instintos entram em ebulição. E a
volúpia apodera-se dos dançarinos em escala crescente. E dançam em
volteios sensuais até que a mulher cai nos braços do homem e cobre o
rosto com um lenço que traz, para ocultar a sua emoção. (MACEDO. 1974.
p; 65)

Outra cultura trazida pelos escravos foi a capoeira, que mistura luta, dança, cultura popular
e

música. Desenvolvida no Brasil, é caracterizada por golpes e movimentos ágeis e

complexos, utilizando os pés, as mãos, a cabeça, os joelhos, cotovelos, e algumas vezes,
golpes desferidos com bastões e facões. Uma característica que a diferencia das artes
marciais é o fato de ser acompanhada por música. Seu desenvolvimento se deu durante a
escravatura, certamente com finalidade de extravasar sentimentos e paralelamente
perpetuar a cultura.
A capoeira foi, no inicio, praticada nas senzalas, à noite, ocasião em que os escravos
ficavam com os braços acorrentados. Justifica-se assim o fato de a capoeira ser praticada
com os pés. No entanto existe outra versão para a origem da capoeira. Era quando os
negros, denominados negros de ganho, escravos ou libertos que vendiam alimentos pelas
ruas viam as perspectivas de suas mercadorias serem roubadas. Para protegerem sua
mercadoria movimentavam o corpo numa coreografia diferente e com o movimento brusco
dos pés, afastavam os que os ameaçavam. Como sua mercadoria ficava em cestos
chamados de capoeiras, os movimentos de defesa passaram a ter este nome.
Alguns historiadores escreveram que o Quilombo dos Palmares certa vez se defendeu dos
invasores portugueses em busca de escravos amotinados, utilizando as habilidades de
capoeiristas. Apesar de armas dos oponentes e de maior número, foram necessárias várias
outras incursões ao local para derrotar a técnica de ginga, braços e pernas.
A cultura se perpetuou após a Lei Áurea e passou a ser não mais um esporte praticado por
negros. Em 1932 a primeira academia de capoeira do Brasil foi fundada em Salvador, Bahia,
por Mestre Bimba, apelido dado a Manoel dos Reis Machado, que desenvolveu uma técnica

16

diferente que dava mais elasticidade e acrescentou movimentos de artes marciais. Passou a
ser um jogo matreiro, cheio de malícia no qual a violência cedeu seu lugar a ludibriarão.
Mattos explica:
A capoeira pode ser vista, da mesma forma que as irmandades religiosas e
as reuniões em batuques, como um espaço construído por escravos e
libertos, africanos e crioulos, para encontros e afirmação de apoio e de
solidariedade entre os membros de um mesmo grupo. Esses grupos
distintos de capoeira eram conhecidos por maltas. [...] (MATTOS. 2008,
p.185)

Após dias e dias de trabalho penoso, normalmente aos domingos, dias santos e festas
religiosas, escravos e libertos deslocavam-se de seus recantos e fazendas indo para
povoados e cidades para se encontrar com seus companheiros africanos de várias origens e
crioulos. Ali se divertiam e compartilhavam costumes e manifestações culturais.
Esses encontros eram quase sempre incentivados ou tolerados pelos proprietários, uma vez
que se temia que a proibição poderia gerar um descontentamento que levaria a uma
rebelião, fato que estava se tornando comum na época; "quem se diverte não conspira",
alegavam os mais compreensivos. As manifestações eram severamente vigiadas pelos
membros da sociedade branca temendo que os excessos e o desconforto que lhe causava
se transformassem numa perigosa revolta, uma vez que eram muitos negros em liberdade
nas ruas.
O batuque era uma manifestação cultural marcada pela música e pela dança. Depois de
alguns anos o batuque foi incorporado à prática da religião católica ao ser realizado em
rituais e festas em homenagens aos santos. Para os africanos a música e a dança tinham
uma ligação com o mundo religioso, sendo que através delas, se comunicavam com o
mundo espiritual.
Houve uma época em que o batuque era controlado rigorosamente pelas autoridades, como
já foi destacado anteriormente, uma vez que era uma ocasião oportuna para uma revolta. As
autoridades eclesiásticas também, não viam com bons olhos a prática do batuque
envolvendo a religião católica, condenando o que chamavam de costume bárbaro e imoral
que, movido pelos instrumentos e ritmos, levavam as mulheres a movimentar freneticamente
o corpo, em especial, as ancas.
Foram diversas manifestações culturais que marcaram a época dos escravos. Dependiam
ainda das regiões. O bumba-meu-boi, o maracatu, o busca-pé, eram culturas que se
sobressaiam mais no norte e nordeste. No sudeste era mais comum o lundu e batuque.

17

6.1 AS RELIGIÕES

À medida que o africano se integrou à vida do brasileiro tornou-se afro brasileiro e mais que
isso, tornou-se um brasileiro. O termo afro-brasileiro é usado para indicar produtos das
mestiçagens de ascendentes portugueses e africanos. Além dos traços físicos, nas danças,
na música e na religiosidade é que encontramos a presença dos africanos no nosso sangue.
A religião tem presença marcante na cultura africana. As religiões foram transformadas, ritos
e crenças de alguns povos se misturaram a outros. Houve uma disseminação dos
calunduzeiros que eram pessoas que reverenciavam espíritos com capacidade de proteger
e de orientar aos que a eles recorriam. Os mais conhecidos e de comprovada força junto
aos espíritos, eram procurados até por brancos, senhores de escravos. Todos que tinham já
esgotado os recursos da medicina viam nos calunduzeiros a última esperança para seus
males.
Durante o século XIX foram substituídos por pais e mães-de-santo nos candomblés e das
umbandas. As religiões afro-brasileiras cresceram sempre, não apenas levadas pelo
aumento crescente da população, mas também pelo número de adeptos que crescia a cada
dia. Nos ritos a presença africana é evidente quando se observa, nos terreiros de
candomblé e umbanda, a postura dos corpos, os gestos, a dança em circulo, sempre sob o
som nostálgico dos tambores. Aliás, estes são considerados sagrados e não podem ser
tocados por qualquer um.
[...] Os ritmos acelerados que os tocadores tiram deles acompanham o
transe dos médiuns, por meio dos quais as entidades do além se
manifestam, freqüentemente assumindo posturas corporais e vozes
diferentes. Cada ritmo permite a incorporação de uma entidade
sobrenatural, que tem toque, cores, adereços, roupas, comida e gestos
próprios. Cada terreiro tem seus orixás e espíritos, cada médium recebe
determinadas entidades, em número limitado. SOUZA. 2008,p133)

Os africanos mulçumanos destinaram-se, em especial, à Bahia. Passaram a ser conhecidos
por malês que quer dizer mulçumano. Estes valorizavam os amuletos, patuás e bolsas de
mandingas. Os amuletos, desde a África, eram talismãs que protegiam os africanos de
guerras e qualquer tipo de mal que poderia lhe acontecer. Havia ainda os curandeiros que
praticavam o calundu. Esses tinham grande influência na comunidade, considerados líderes
religiosos.

18

Possuíam conhecimento de "técnicas medicinais". Estas nada mais eram do que ervas,
frutos e produtos naturais encontrados facilmente nas regiões. Os curandeiros eram
considerados feiticeiros ou bruxos, mas com grande força diante de doenças que eram
consideradas incuráveis.
No entanto, não foram apenas as religiões de origem africana que ajudaram a construir
identidades. Aos escravos foi ensinado o catolicismo, como obrigação dos senhores para
compor novas comunidades negras com devoção a algum santo. Os principais santos de
devoção das irmandades de negros eram Nossa Senhora do Rosário, Santa Efigênia e São
Benedito.
Além do culto aos santos, os escravos começaram a valorizar os irmãos mortos, as missas
em favor de suas almas, e amparavam as famílias desconsoladas. Lentamente os negros
se incorporaram ao mundo católico, passando a crer que eram possuidores de almas. No
inicio a religião católica foi imposta aos escravos como religião oficial e obrigatória. Anos
mais tarde com finalidade de atrair os negros livres para a religião católica, foram
canonizados alguns santos negros e foram incorporadas manifestações culturais de origem
africana aos rituais católicos.
Segundo Souza (2008, p.39)
"Outro sinal de que o catolicismo muitas vezes passou a fazer parte da intimidade e da vida
cotidiana de africanos no Brasil são algumas imagens de santos católicos, esculpidas em
madeiras e às vezes em osso."

7 A VIDA, OS COSTUMES E A CULTURA PÓS- LIBERDADE

Toda a história do Brasil que se conhece, com raras exceções, ainda não aprofundou na
trajetória da raça negra em nosso país. A decantada abolição da escravatura não conseguiu
livras os negros da discriminação racial e suas conseqüências, tais como, a exclusão e a
miséria. A discriminação de aspectos cruéis e efeitos inimagináveis emergiu após treze de
maio. A opressão continuou durante várias décadas.
O abandono intelectual e econômico aos negros recém libertados foi um ponto crucial para
o aparecimento das favelas, da subcultura, da pobreza trazendo a eles o desencanto com a

19

liberdade. As inquietações com relação às senzalas se perpetuaram no que se refere a
favelas. Como traduz a frase contida no samba enredo da Mangueira de 1988: "Livre do
açoite da senzala, preso na miséria da favela." (Silva, 1988)
[...] As dificuldades da após-Abolição, com a grande massa de libertos sem
ter o que fazer, entregues à própria sorte, não foram cogitadas no momento
devido e tiveram como resultado a desorganização geral que se verificou
depois, prejudicando fundamentalmente a vida nacional.(LUNA, 1968, p.
203)

A abolição foi decretada no Brasil sem que se preparasse para ela. As conseqüências foram
inevitáveis. Os resultados decepcionaram os que lutavam para que ela se concretizasse.
Mesmo os abolicionistas já não acreditavam no sucesso daquele ato. A Lei não previa nada
que trouxesse aos escravos libertos, uma garantia que lhes garantisse algum direito
adicional. Muitos negros continuaram na condição de escravos, não por deixar de entender
a situação em que se encontravam, mas por falta de opção.
Conforme descrição de Luna (1968, p.207):
Da cidade foi o negro, realmente, escorraçado. Com a intensificação da
imigração, os trabalhadores estrangeiros, que gozavam da preferência dos
empregadores, passavam a se concentrar nos centros urbanos mais
desenvolvidos. A região sul, pelas suas condições climatéricas e melhores
possibilidades oferecidas pelo mercado de trabalho, foi a que mais atraiu o
imigrante europeu. As cidades de São Paulo, Curitiba, e Desterro (hoje
Florianópolis) foram, aos poucos, transformando velhos hábitos e costumes
pelo processo de europeização. À medida que isso acontecia, aumentavam
as dificuldades para negros e mulatos no mercado de trabalho, atingindo
também os demais.

Os grandes cafeicultores da época pós-abolição receavam que houvesse, por parte dos
negros, algum tipo de reação levada pela recente liberdade e pela lembrança da violência
que se constituía numa ferida ainda não cicatrizada. De acordo com os pensamentos da
época, havia ainda uma forte tendência a se tomar medidas consideradas como a que
chamavam de "branqueamento do povo". Isso só seria possível com a exclusão dos negros
da sociedade, considerando-os um obstáculo aos estágios avançados da sociedade.
Novamente percebe-se que a abolição não livrou totalmente os negros, pois se acreditava
que o Brasil só atingiria o nível das nações desenvolvidas se eliminasse o lado africano do
país. Restava, aos ex-escravos, poucas opções de sobrevivência. Deparava-se com o
desemprego, a fome, as dificuldades e com uma rotina que havia melhorado sua vida, mas
não como sonhavam.
O ex-escravo que trabalhava no campo muitas vezes preferiu permanecer
nas áreas rurais, ocupando pequenos pedaços de terra, geralmente em

20

sistema de parceria nos quais cedia parte de sua produção ao dono da terra
que cultivava. Mas ao longo do século XX, e principalmente a partir da
década de 1930, a migração de negros e seus descendentes rumo ás
cidades cresceu cada vez mais. Eles geralmente desempenhavam as
funções mais subalternas, uma vez que só alguns poucos afro-brasileiros
conseguiam se educar, prosperar nos negócios e ascender socialmente.
(SOUZA. 2008, p.125)

Depois das Leis e consequentemente da liberdade dos escravos ficaram as histórias desse
tempo, que apesar do esforço dos historiadores, há os que digam que esta não foi contada
com devida crueza. Hoje a maioria que passam pelas escolas tem a escravidão como um
fato vago e em termos suavizados; o herói Zumbi, o senhor desalmado e insensível, a
sinhazinha bondosa que freqüentava a senzala. A realidade foi outra, mais obscura, mais
difícil de digerir. Observa-se que a impiedade, humilhação e o sangue derramado foram
muito além do que contém os livros.
As dificuldades transmitidas pelos ex-escravos errantes pelas ruas, sedentos e
esfomeados, também fazem parte de sua amarga trajetória. No entanto, a originalidade em
tentar esquecer a história e suas partes degradantes, não é só de brasileiros. Os próprios
africanos não gostam de se lembrar que venderam seu povo para ser escravizado.
Mas ficaram suas tradições, seus mitos, sua cultura, para mostrar aos brasileiros que
também houve breves momentos de alegria, de afeto, de religiosidade, de relembrar a
terra distante para qual jamais voltariam. Foi um ciclo da história que se completou. Ficou a
cultura que os negros deixaram, não apenas aos seus descendentes afro, mas a todos que
admitem que sua história tem que ser contada seja ela, amarga ou não.

8 OS DESCENDENTES AFRO E SUA CULTURA

Em todo o país existem descendentes afro que vivem do cultivo da terra, em
comunidades que relembram os quilombos. São os chamados quilombos
contemporâneos. São pedaços da história que dificilmente são lembrados, mas
demonstram o vigor cultural exibindo suas tradições e insistindo em não perder a
sua herança cheia de valores de cultura. São muitos espalhadas pelo Brasil.
O conceito de quilombo contemporâneo não diz respeito apenas ao que se refere à
modernidade da comunidade e seus costumes. É um sentimento enraizado, uma
edificação que se pretende erguer de um entendimento realista de quilombo e

21

quilombada, ou seja, a interpretação fiel de sua identidade como descendente afro
brasileiro.
Atualmente os quilombos são considerados territórios de resistência, não contra os
invasores armados e dispostos a uma luta sangrenta, mas outro tipo de resistência
aquela cultural para manter grupos étnicos e raciais vivos com força suficiente para
perpetuar sua história.
Sem se ater a ritos religiosos, festas, danças e músicas observa-se a culinária
brasileira, em especial na Bahia, onde o uso do azeite de dendê e o uso da pimenta
leva os descendentes afro a acreditarem que seus ancestrais se esqueciam
momentaneamente de seus dissabores.
Acarajé, vatapá, aluá, xinxim de galinha são alguns pratos que não são apenas
nomes exóticos, mas velhos sabores que enriquecem a gastronomia. O inhame, o
cará, a banana, também fazem parte de uma história que deixou um legado que não
se abateu diante do tempo.

8.1 A MESTIÇAGEM
A mestiçagem foi um processo natural, dificilmente tolerada pela maioria das épocas
passadas e pouco pacifica. Iniciou-se com a submissão das negras escravas diante
de seus donos brancos que eram proprietários, não somente das terras, mas dos
corpos das escravas que lhe interessavam.
Vendo dessa maneira tem-se conhecimento de que a mestiçagem não foi um fato
programado e sim uma imposição do dono diante da mercadoria disponível.
Procede-se assim a construção lenta do mestiço. Havia casos em que filhos
mulatos, resultado do cruzamento do senhor com a escrava, eram alforriados,
aprendiam algum oficio, mas não herdavam terras, pois elas estariam disponíveis
apenas aos filhos legítimos e brancos.
[...] Assim, quando falamos em mestiçagem do povo brasileiro, estamos nos
referindo basicamente às misturas entre africanos e os povos que eles
encontraram aqui, principalmente portugueses e indígenas. Foi essa
mestiçagem que, apesar de atormentar as elites brasileiras que tentaram
diluídas com outras misturas, se impôs como conseqüência da importação
de cerca de 5 milhões de africanos ao longo de mais de trezentos anos.
(SOUZA. 2008, p. 129)

22

Assim que o brasileiro deixou a personalidade radical com relação aos negros,
considerados ainda como uma raça inferior que perdeu sua finalidade no país,
iniciou-se uma tímida valorização dos mulatos. Essa importância fez com que se
aumentassem os relacionamentos entre brancos, negros e os próprios mulatos
acentuando a mestiçagem. Houve também uma contribuição para que se
perpetuasse a cultura afro-brasileira e embora os mestiços tivessem o devido
reconhecimento, os preconceitos contra todos ainda perduraram por muitos anos.

9 OS PRECONCEITOS AOS AFRO-BRASILEIROS NOS DIAS DE
HOJE
Existe um questionamento frequente sobre o preconceito contra os negros no mundo. Em
especial, no Brasil constata-se que, por ter sido seu trabalho a força motriz que impulsionou
o progresso das classes dominantes séculos atrás, foi o que deu a eles esta situação de
desigualdade diante dos brancos. As disparidades são evidentes no aspecto social e
aliadas a esta desproporcionalidade convive-se com o preconceito.
Nas novelas e filmes ainda causa espanto uma atriz branca viver um papel em que mantém
um relacionamento mais intimo com um ator negro. Certa vez, Oda Gonçalves, esposa do
ator Milton Gonçalves que é de descendência afro, disse, em tom de desabafo, que gostaria
de ver seu marido não se limitar a papéis de escravos ou bandido, mas sim beijando alguma
atriz loura das novela da oito. Os papéis desempenhados pelos negros nas novelas, na
maioria das vezes são de bandidos ou de empregados em funções humildes.
O número de pessoas brancas bem sucedidas suplanta enormemente o número de pessoas
negras. Não seria uma situação anormal se não fosse a mentalidade repleta de ironia de
que as coisas feitas pelos negros são mal feitas, ou então quando se refere a um negro
como pessoa de bom caráter, fala-se: "é um negro da alma branca." numa declaração de
que o negro para ser bom tem de ter, necessariamente, alguma coisa branca. São coisas
ditas quase sempre sem maldade, mas que demonstram um preconceito enrustido em cada
um.
[...] Em nosso país, apesar de todos se dizerem avessos ao racismo, não
há quem não conheça cenas de discriminação ou não saiba uma boa piada
sobre o tema. Ainda hoje o trabalho manual é considera aviltante e a

23

hierarquia social reproduz uma divisão que data da época do cativeiro. Com
naturalidade absorvemos a idéia de um elevador de serviço ou de lugares
que se transformam em verdadeiros guetos raciais. É por isso que não
basta condenar a história, ou encontrar heróis delimitados. Zumbi existe em
cada um de nós. É passado e é presente. (MOURA. 1996. P.30)

É comum dizer-se que os próprios descendentes afro-brasileiros se discriminam entre si. É
uma afirmação equivocada. Esta surgiu depois do conceito de branqueamento da população
onde se apregoava que apenas as pessoas brancas seriam portadoras de uma inteligência
apurada. Mesmo simbolicamente cogitou-se este branqueamento visando a eliminar o
material genético que denunciava a presença de negros no Brasil. O racismo, o terrível
preconceito racial, marcam profundamente um ser humano que se identifica com um país no
qual os negros lutam pela sobrevivência.

10 O NEGRO NO BRASIL SÉCULOS DEPOIS
Pergunta-se, muitas vezes, diante do espanto do interlocutor, se após 13 de maio de 1888 o
negro deixou de ser um objeto. Vive-se num país onde o negro ficou com os índices mais
baixos da sociedade. As cotara raciais são discutidas com o objetivo de atenuar o atraso
social. Considera-se um bom começo, mas ainda hoje, apesar de ver fechados os olhos
para a sua situação, o negro ocupa uma posição, na sociedade, de cidadão de segunda
classe.
O desenvolvimento econômico não conseguiu dar melhores condições de vida aos afrobrasileiros. Os processos de industrialização aumentaram a desigualdade e a disparidade
de renda entre os mais pobres e os mais ricos, entre brancos e negros. Quando são
observados os ciclos de crescimento econômico em nosso país, sobressai o conceito de
que sempre existiu uma massa de excluídos que não colhia os frutos da riqueza produzida.
É preciso contar sua história. Não apenas os relatos de sofrimento diante das chibatas na
clausura desumana das senzalas, mas a história de seus feitos, suas glórias, sua ascensão
na sociedade. A obrigatoriedade de inclusão de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana
nos currículos da Educação Básica, apesar de ser uma decisão política, repercute no campo
da pedagogia e na formação dos professores. Além de assegurar as vagas de negros nas
universidades, valoriza sua cultura e paralelamente procura reparar os prejuízos repetidos
durantes séculos no que se refere a identidade e direitos.

24

As instituições escolares são colocadas como responsáveis de se isolar da limitada
concepção de que os africanos e seus descendentes contribuíram apenas para a formação
da nação brasileira, para criar nos alunos a consciência de que não pode existir preconceito
e que o negro pobre e mal vestido, da carteira do lado é nosso irmão, humano e sensível. É
um trabalho que se faz também fora da escola, nos vários segmentos da sociedade já tão
enraizada nos conceitos de racismo. Para que estas ações sejam devidamente conduzidas
é preciso uma educação voltada para as bases da reflexão e do amor ao próximo.

11 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O presente estudo objetivou identificar e ao mesmo tempo, dar conhecimento aos que
tiverem acesso ao mesmo, da trajetória dos negros no Brasil. Tentou-se buscar o
entendimento dos motivos que levaram o país a concretizar uma aventura tão desumana
durante o período em que durou a escravidão.
Procurou-se retratar o percurso efetuado pelos negros desde sua captura até o momento
atual onde convivem com a intolerância racial, passando pelos seus momentos de alegria
diante de suas festas e tradições seculares. Buscou-se evidenciar o afro-brasileiro como
artista, como artesão, como seguidor de sua cultura tão rica, tão poderosa e duradouro.
Durante a elaboração deste trabalho houve uma integração irrestrita ao tema, buscando
expor o caminho percorrido pelos negros durante os últimos séculos, assim como retratar a
relevância e os méritos da cultura afro-brasileira.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ARAUJO, Emanoel. Viva Cultura, Viva o Povo Brasileiro. Museu Nacional: São
Paulo, 2007.
BORGES, Antonio José. Compêndio de História do Brasil.. Nacional: São Paulo,
1972.
BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações
Étnico-Raciais e para o Ensino de História Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Brasília, 2005.
LUNA, Luiz. O Negro na luta contra a escravidão.. Leitura: Rio de Janeiro, 1968.
MACEDO, Sérgio D. T. Crônica do Negro no Brasil. Record: Rio de Janeiro, 1974.

25

MATTOS, Regiane A. História e cultura afro-brasileira. Contexto: São Paulo, 2007.
MOURA, Glória. Navio Negreiro-Batuque no Quilombo. CNNCT. São Paulo, 1996.
RESENDE, Maria Efigênia L. História Fundamental do Brasil . Álvares: Belo
Horizonte, 1971.
SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil Africano. Ática: São Paulo: 2008.
TOLEDO, Roberto P. À Sombra da Escravidão. Veja. São Paulo. p. 52-64, mai.1996