Capítulo 4 - Industrialização e comercialização do leite de consumo no Brasil

INDUSTRIALIZAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DO
LEITE DE CONSUMO NO BRASIL
Daniela Rodrigues Alves
A formação do setor industrial de leite
Origens (... - 1920)
A origem do leite de consumo no Brasil está intimamente ligada à
exploração do gado trazido durante o período de colonização. O gado
foi utilizado primeiramente como força de trabalho nos engenhos de
cana de açúcar e posteriormente a pecuária de corte se desenvolve
em regiões como Goiás e o Sul do país. Até meados do Séc. XIX o
consumo de leite teve caráter secundário, com poucas vacas sendo
mantidas para essa atividade. A pequena disponibilidade do produto
impediu que o consumo de leite se tornasse um hábito naquela
época.
Por volta de 1870, o Vale do Paraíba, região em que até então
concentrava a maior produção cafeeira e os setores mais ricos do
país, passa pelo esgotamento de seu solo, redução da produtividade
e conseqüentemente das margens de lucro. A produção do café segue
para o Oeste Paulista. Surge no Vale do Paraíba a oportunidade para
uma nova atividade: a produção de leite.
A partir de então, diversos desenvolvimentos tecnológicos foram
aplicados ao leite de consumo até caracterizar seu mercado atual.
Novos tratamentos térmicos, novas embalagens, novos sistemas de
transporte e outras tecnologias, permitiram que o leite antes
consumido sem nenhum tipo de tratamento, direto da vaca, pudesse
chegar ao consumidor, em ótimas condições de consumo e
armazenamento, seguro, com maior durabilidade, diferentes teores
de gordura, quantidades de vitaminas, sabores, nutrientes etc...

75

Daniela Rodrigues Alves

Nascimento (1920-1970)
No Brasil, até o início do Século XX, o leite era consumido sem
nenhum tipo de tratamento, podendo por isso causar uma série de
doenças aos consumidores. O transporte do leite que era feito pelos
escravos, em latão, passou a ser feito pelos vaqueiros que o
produziam nas periferias das cidades. Entregue diretamente ao
consumidor, tinha um curtíssimo prazo de validade.
Mesmo com o crescimento das cidades, no início do Século XX, e
com o distanciamento dos produtores de leite, da zona urbana
consumidora, o leite ainda era entregue de porta em porta,
transportado em latões, trazidos pelas carrocinhas puxadas por
cavalos.
A partir da década de 20, algumas indústrias para beneficiamento e
distribuição de leite começam a surgir, oferecendo aos consumidores
leite tratado pelo processo de pasteurização lenta (30 minutos à
temperatura maior que 60o C), tecnologia que surgia no país. O leite
era engarrafado em frascos de vidro retornáveis. Tal avanço
proporcionava ao consumidor um produto seguro, com prazo de
validade maior do que o leite entregue pelos vaqueiros.
As primeiras empresas processadoras de leite dedicavam-se a
produção de queijo, com tecnologia bem rudimentar. Em 1918 surge
no Brasil a primeira fábrica de leite em pó, sendo o produto
comercializado principalmente para outras indústrias como insumo
ou ingrediente. Em 1920, inicia-se a produção de leite condensado.
Segundo Meireles (1983), na formação do setor industrial de leite
podiam ser identificados três segmentos industriais: "o segmento das
queijarias, pouco exigentes em tecnologia e volume de produção, mas
bastante adequadas às condições dos locais onde se instalavam,...; o
segmento das envasadoras de leite in-natura, com exigências mínimas
de tecnologia, ainda que importada, com usinas ou entrepostos
localizados nos grandes centros de consumo, e com escalas variáveis
de produção; e finalmente, o segmento das industrializadoras,
bastante exigentes em termos de investimentos e tecnologia, mas que
superavam em grande parte as deficiências de estradas e as
dificuldades de estocagem ..."
76

Capítulo 4 - Industrialização e comercialização do leite de consumo no Brasil

Durante muito tempo, mesmo nas grandes cidades como São Paulo,
o leite pasteurizado era ofertado simultaneamente ao leite sem
nenhum tipo de tratamento. Somente em 1939 o governo do Estado
de São Paulo decreta que todo o leite distribuído à população deveria
ser obrigatoriamente pasteurizado. Neste mesmo decreto são
definidos, pela primeira vez, os tipos de leite pasteurizado: A, B e C.
Esta determinação posteriormente seria estendida a todo país com a
publicação do Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de
Produtos de Origem Animal (RIISPOA), em 1952.
Em 1940, outras exigências passam a ser feitas na comercialização
do leite pasteurizado. As garrafas de vidro deveriam possuir fecho
inviolável, além de trazer a marca da empresa e a data de validade. O
consumidor passa a ter acesso ao leite com padrão conhecido e
maior confiabilidade.
Após 1940 a pasteurização lenta passa a ser substituída pela
pasteurização rápida (HTST - alta temperatura em curto tempo) que
consiste em elevar a temperatura do leite de 72 a 76o C por 15 a 20
segundos, seguida de rápido resfriamento. A maior rapidez do
processo veio facilitar as operações industriais. Este avanço, que
levou ao aumento da produtividade das empresas, poderia significar
uma melhoria na lucratividade das mesmas. Entretanto, a
intervenção do governo no setor, a partir de 1945, modificaria este
quadro.
O tabelamento do leite iniciado em 1945 no Rio de Janeiro, que se
estendeu a todo país desde então, durou quase cinquenta anos.
Todavia, ao contrário do propósito declarado pelo governo federal, o
tabelamento que fixava preços e margens ao produtor, usina e
consumidor não estimulou a produção de leite, nem tampouco a
regularização do abastecimento, mas acabou inibindo o
desenvolvimento do setor.
As margens estreitas das usinas não impediram, no entanto, que
ocorresse algum desenvolvimento tecnológico. Na década de 60 uma
nova tecnologia é lançada no mercado de leite fluido: a embalagem
descartável. A primeira tentativa foi a embalagem cartonada
revestida de polietileno em formato tetraédrico, principalmente para
o leite tipo B. Mas é no final dos anos 60 que as embalagens
77

Daniela Rodrigues Alves

descartáveis ganham destaque no setor de leite fluido, com o
lançamento do leite tipo C em saquinho de polietileno.
Em 1955 é desenvolvido no Brasil o 1º caminhão tanque para
transporte de leite, com capacidade de 17.500 litros, feito de aço
inox, revestido com chapas de ferro, porém sem isolamento térmico.
Somente durante a década de 60 o semi-reboque rodoviário
substituiria o vagão de trem e o latão no transporte de leite resfriado.
O mesmo desenvolvimento, porém, não aconteceu na distribuição do
leite pronto para consumo. Inicialmente o leite em garrafas de vidro
era transportado da indústria ao consumidor pelo leiteiro, em
carroças de tração animal. Mesmo quando o leite pasteurizado
passou a ser distribuído por caminhões, sua refrigeração continuou
a ser feita com barras de gelo. Inicialmente, não havia tecnologia
disponível para o uso de refrigeradores e quando isso ocorreu,
também neste caso o tabelamento rigoroso do governo federal inibiu
os investimentos necessários. A ausência de uma cadeia de frio
adequada prejudicou a qualidade e impediu a extensão do prazo de
validade do leite pasteurizado ofertado ao consumidor.
Modernização (1970-1991)
Nos anos 70 todo o leite pasteurizado passa a ser envasado em
embalagens descartáveis. Consumidores e indústrias ganham com a
redução das operações de recolhimento e higienização das
embalagens
retornáveis.
Além
disso,
o
segmento
das
industrializadoras passa por um processo de grandes inovações,
como o lançamento dos iogurtes e sobremesas lácteas em
embalagens descartáveis e bastante atrativas.
Em 1972, é lançado no Brasil o leite submetido a um novo tipo de
tratamento térmico: a ultrapasteurização. Neste processo, a
temperatura do leite é elevada a 130­150 o C por 2 a 4 segundos.
Como
resultado,
eliminam-se
do
leite
não
apenas
os
microorganismos patogênicos, mas todos aqueles também
responsáveis pela deterioração do produto. O consumidor passa a ter
acesso a um produto seguro, com extenso prazo de validade e que
pode ser armazenado à temperatura ambiente.
78

Capítulo 4 - Industrialização e comercialização do leite de consumo no Brasil

Embora a ultrapasteurização tenha sido desenvolvida nos EUA e
Europa nas décadas de 40 e 50, somente após o desenvolvimento da
embalagem asséptica, na década de 60, na Suécia, que a
comercialização do leite longa vida (UHT) torna-se viável. O leite
longa vida mostrou-se um produto bastante adequado às condições
brasileiras, uma vez que sua comercialização não requer sistemas de
distribuição refrigerados. Posteriormente seria desenvolvida também
a tecnologia de reciclagem total da embalagem cartonada asséptica,
possibilitando minimizar os impactos negativos da embalagem no
meio ambiente.
Ainda nos anos 70, o tabelamento traria outras distorções no
mercado de leite, uma vez que a oferta do produto passaria a ser
insuficiente para atender a demanda das grandes metrópoles. O
governo federal passa a importar, com exclusividade, grandes
quantidades de leite em pó e manteiga para fornecer às empresas
empacotadaras de leite pasteurizado. Estas utilizavam tais produtos
como insumos para a produção de um novo produto: o leite
pasteurizado reconstituído. Com esse recurso, o abastecimento foi
regularizado ao preço de se manter o setor primário nacional sem
incentivo para atender a demanda interna.
Liberalização do Mercado (1992-1995)
Os anos 90 foram marcados por profundas alterações, cujos
principais impactos ocorreram a partir de 1992: a) fim do
tabelamento do leite pasteurizado; b) abertura da economia à
concorrência externa pela redução de barreiras tarifárias e não
tarifárias; c) liberação das importações de leite em pó e demais
produtos lácteos para a iniciativa privada; d) concentração no setor
industrial de laticínios e, principalmente, no setor varejista (grandes
redes de supermercados); e) início do crescimento acelerado das
vendas de leite longa vida.
De 1990 a 1993 as vendas de leite fluido - leite pasteurizado e leite
longa vida declinaram 25%. Entretanto, de 1991 a 1995 as vendas
de leite longa vida cresceram 415%, iniciando-se um processo de
recuperação do mercado de leite fluido. Além dos problemas
causados pelo mau desempenho econômico do país no início daquela
79

Daniela Rodrigues Alves

década, os consumidores de leite pasteurizado estavam descontentes
com o produto principalmente devido a: a) prazo de validade de
apenas 1 dia; b) exigência de compra diária; c) má qualidade
microbiológica - o produto freqüentemente se deteriorava; d)
condições inadequadas de transporte - os veículos de distribuição de
leite não tinha refrigeração; e) falta de diversificação ­ o único tipo de
leite pasteurizado disponível era o branco e integral; f) má qualidade
da embalagem plástica flexível; g) mercados regionalmente
delimitados, favorecendo preços mais elevados por acordos entre os
vendedores locais (cartel).
No início dos anos 90 poucas empresas produziam leite longa vida,
até porque a capacidade industrial instalada era baixa. O
consumidor pouco conhecia o produto. As padarias, principal canal
de vendas do leite fluido, não tinham interesse na distribuição de
leite longa vida, pois dominavam a venda de leite pasteurizado. Para
inibir as vendas de leite longa vida, mantinham seus preços mais
elevados do que os do pasteurizado. Entretanto, o leite longa vida
tinha inúmeras vantagens, que passaram a se impor e ser
reconhecidas pelos consumidores: a) transporte, armazenagem e
exposição no ponto de venda sem necessidade de refrigeração; b)
prazo de validade de até 5 meses; c) existência do produto com
diferentes teores de gordura; d) diversificação da oferta, inclusive de
leites enriquecidos e modificados; e) disponibilidade do produto em
pontos de venda sem equipamentos de refrigeração.
Em 1994, o leite longa vida passou a ter 20% de participação do
mercado de leite fluido. Suas vendas aumentaram 60% em relação
ao ano anterior, levando o mercado de leite fluido a retomar seu
crescimento. Além da recuperação econômica e estabilização
monetária, a partir de 1994, promovidas pelo Governo Federal com o
Plano Real, muitas mudanças levaram ao crescimento das vendas de
leite longa vida. Várias empresas, principalmente com unidades
industriais instaladas no estados exportadores da federação,
identificaram o potencial do novo produto. Perceberam que, o leite
longa vida podia ser comercializado à longa distância, diferentemente
do leite pasteurizado. O leite longa vida superou a delimitação
regional dos mercados de leite fluido. Em 1996, a participação do
leite longa vida no mercado de leite fluido já atingia 39%.

80

Capítulo 4 - Industrialização e comercialização do leite de consumo no Brasil

Estabilização da Moeda (1996-1999)
Apesar do Plano Real ter sido lançado em 1994, a moeda só se
estabilizaria, plenamente, a partir de 1996. Medida pelo IPCA, a taxa
de inflação caiu de 66%, em 1995, para 15,8% , em 1996,
registrando índices ainda menores nos anos seguintes: 6,93%, em
1997, 3,2%, em 1998 e 4,86%, em 1999.
Com a estabilização da moeda, as empresas de laticínios passaram a
viver num cenário até então pouco conhecido. Muitas alterações
estruturais ocorreram: a) redução das margens de lucros; b) fim dos
grandes ganhos financeiros, principalmente aqueles obtidos pelas
empresas de leite pasteurizado que o vendiam praticamente à vista;
c) necessidade de redução substancial de custos; d) necessidade de
buscar a rentabilidade através da maior rotatividade dos ativos; e)
concentração industrial e intensificação da competição tanto na
captação de leite como na venda de produtos lácteos; f) permanência
de altas importações, feitas principalmente (mais de 75% do total
importado) por empresas fora do setor de laticínios.
Transformações também ocorreram no comportamento de compra do
consumidor. A praticidade dos alimentos, bem como nutrição e
saúde, passaram a ter maior importância. O envelhecimento da
população e o aumento da expectativa de vida contribuíram para as
mudanças no perfil populacional. A nova demanda foi suprida por
novos tipos de leite longa vida e não pelo pasteurizado. A tecnologia
de ultrapasteurização (UHT) estendeu o prazo de validade do leite
fluido, tornando sua diversificação viável economicamente. O mesmo
não se aplicava ao leite pasteurizado, pois o curto prazo de validade
do produto, inviabilizava a produção diária de pequenos lotes exigida
pelos diversos tipos de leite.
Finalmente, o crescimento da importância dos supermercados na
distribuição de alimentos favoreceu o aumento das vendas de leite
longa vida. O produto não ocupava a cara área refrigerada dos
supermercados. Possibilitava maior margem de lucro, mesmo a
preços menores que o leite pasteurizado vendido nas padarias. Além
disso, maior quantidade de leite longa vida podia ser adquirida no
supermercado, evitando a compra diária nas padarias.

81

Daniela Rodrigues Alves

O mercado de leite de consumo
Nos últimos cinco anos da década de 90 (1996/2000) a produção
brasileira de leite cresceu em média 4,05% ao ano. A informalidade
aumentou no período pois o leite sem inspeção oficial cresceu mais:
6,53%. No mesmo período, a participação do volume de leite
importado na oferta total variou de 14,8%, em 1995, até 8,4%, em
2000, a menor participação dos últimos cinco anos.
Do leite ofertado formalmente, incluindo as importações, em 2000,
50% foram destinados a leite de consumo, sendo 12% leite
pasteurizado, 26% leite longa vida e 12% leite em pó de consumo.
Lamentavelmente, as vendas de leite sem tratamento térmico
continuaram elevadas mantendo-se em quase 2 bilhões de litros,
nesse mesmo ano.
Pela sua qualidade, conveniência, praticidade, diversidade,
disponibilidade no mercado e preço competitivo, o leite longa vida
deu uma significativa contribuição na ampliação do mercado de leite
de consumo do Brasil. Dessa forma, conseguiu alcançar em 2000,
uma participação de 52% neste mercado de 6,9 bilhões de litros.
Quadro I ­ Brasil ­ Vendas de Leite de Consumo
BRASIL
UHT

Volume 2000
3.600

Var % 1999/2000
5,1%

Share 2000
52%
40,7%

Pasteurizado

1.630

-4,1%

24%

18,4%



1.640

13,9%

24%

18,6%

Formal

6.870

4,6%

100%

Cru

1.970

3,7%

Total
8.840
4,4%
*Participação da região por tipo de leite no mercado total
Em 1.000.000 litros
Fonte: ABLV

82

22,3%
100%

Capítulo 4 - Industrialização e comercialização do leite de consumo no Brasil

Os desafios
O crescimento do setor industrial de leite de consumo dependerá da
superação de alguns desafios claramente identificáveis:
a) conseguir alcançar a estabilidade de preços tanto na compra
de matéria-prima como na venda do produto acabado;
b) manter as restrições às importações especulativas
(manutenção das tarifas compensatórias);
c) superar as limitações impostas pela crise energética;
d) estimular o consumo de leite, fortalecendo sua posição diante
da oferta crescente de outros produtos alimentícios; e,
e) aumentar a produção interna, reduzindo-se a dependência do
mercado internacional.
Referências Bibliográficas:
MEIRELES, A.J. ­ Leite Paulista ­ História da Formação de Um
Sistema Cooperativista no Brasil, 1983 ­ HRM Editores Associados
MEIRELES, A.J. ­ A DesRazão Laticinista ­ A Indústria de Laticínios
no Último Quartel do Século XX, 1986 ­ Cultura Editores Associados
RELATÓRIO Anual 2000 ­ Associação Brasileira de Leite Longa Vida,
2000
RELATÓRIO Anual do Banco Central do Brasil, vários anos.

83