Um passeio pela História da Imprensa:
O espaço público dos grunhidos ao ciberespaço1
A tour through Media History: the public space from primal grunts to cyberspace
Patricia Bandeira de Melo
Pesquisadora assistente da Fundação Joaquim Nabuco
Doutoranda em Sociologia e Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de
Pernambuco
E-mail: [email protected]

Resumo
Este artigo tem como objetivo fazer uma retrospectiva histórica de evolução da comunicação na
civilização humana até a chegada das novas tecnologias, visando a discutir o novo espaço público
em formação na era nas inovações que atingem a mídia. Com isso, tratamos desde os primórdios do
espaço público, quando as relações humanas se davam de forma direta, até o novo(ciber) espaço
criado pelos avanços das novas tecnologias midiáticas, mediador das relações na atualidade. Na era
atual, mostramos como a comunicação é contaminada pela hegemonia cultural, ressaltando como
isso ocorreu desde a origem da história do homem e, especialmente, na história da imprensa no
Brasil.
Palavras-chave: história da comunicação, novas tecnologias, espaço-público.

Abstract
This article shows a historical retrospective about the communication evolution in human
civilization until the arrival of new technologies, generating discussions about the ever
increasing public space that in this age of innovations is shaping the media. Based on this,
a study is made from the early days of the public space, when human relations were made
in a direct basis until the cyberspace created by the ever growing new tecnologies
throughou the media, as a mediator in the actual relationships betweem people. It shows
how the media is influenced by the cultural hegemony and how it has been happening since
the beginning of the human history, especially in the Brazilian media history.
Keywords: communication history, new technologies and public space.

Dos primeiros sons ao alfabeto
Comunicar é fazer uma transação, negociar para se estender. Os discursos são práticas
sociais historicamente datadas, ou seja, são compreendidos dentro do contexto sociocultural
em que se dão. Dessa forma, a comunicação passeou pela história humana: olfato, tato,
visão, audição, na pré-história, e depois rosnados, gritos, posturas físicas, linguagens
corporais. Com o desenvolvimento social em grupo, o homem precisou dar nomes aos
objetos. Os sons surgiram para isso. Em seguida, chegaram o alfabeto e a escrita, para
perpetuar a comunicação.
1

Este artigo foi originalmente publicado na Revista Comunicação & informação, da Faculdade de
Comunicação e Biblioteconomia da Universidade Federal de Goiás, V. 8, n. 1, (jan./ jun. 2005).

O alfabeto, que permitiu a construção na história, foi uma conquista de muitas sociedades:
Índia, China, Coréia, Japão, Mesopotâmia, Egito, regiões da Europa e dos povos maias e
astecas. Na Mesopotâmia, a escrita ­ ou a transcrição da língua falada ­ surgiu de início
com a pictografia, que representava, pela associação de palavras, um objeto ou um ser. Essa
associação exigiu do homem a capacidade de interpretar o signo para além do concreto,
entrando numa realidade abstrata. Assim, a escrita se afastou da imagem e se associou a
uma representação analógica dos objetos. Para melhor exercer a comunicação, o homem
chegou ao alfabeto, à escrita, que são o suporte estável da comunicação. Afinal, é a forma
mais eficaz, duradoura e decifrável da mensagem, o que não ocorria antes com o som, o
fogo ou, simplesmente, com a memória. A chegada à escrita é um processo resultante de
fatores econômicos, como um sistema de controle e de contabilidade dos bens trocados.
De acordo com o conceito de Habermas, espaço público, ou esfera pública, é o local "onde
se formam as opiniões e as decisões políticas e onde se legitima o exercício do poder"
(SOUSA, 2003, 51). Estudar a formação da linguagem e aquisição da escrita nos ajuda a
entender como o homem chegou ao exercício da democracia e à capacidade de expor idéias
em público, como ocorria já na sociedade ateniense, quando os cidadãos participavam do
processo de discussão política, troca de informações e de opiniões em plena rua, em
pregações e debates. Assim, deu-se a evolução da comunicação: dos sons à discussão no
espaço público. Hoje, esse espaço se deslocou: de início, para a imprensa escrita, e em
seguida para o rádio, a TV e a Internet. Os debates, antes nas ruas, passam a ser mediados
pela imprensa.

O espaço público como espaço para as idéias
O surgimento da esfera pública como espaço para a burguesia discutir, entre si, assuntos
relacionados à sociedade civil e ao Estado abriu caminho para uma informação mais
especializada, exigindo novas formas para a exposição de idéias. Somente no século XV foi
produzido o papel maleável, permitindo a impressão de livros de forma prática. Porém,
apenas em 1840 o papel passou a ser produzido de resina das árvores, reduzindo o
problema da escassez de material para sua produção. O papel é fundamental par o início da
produção de textos e da comunicação impressa, para romper com o estado de segredo de
informações, antes controladas pelo o Estado e pela Igreja. O espaço público gerou uma
demanda pela a troca de informações, intensificada cada vez mais pelo acesso da população
à leitura e à escrita. A viabilização do papel foi o que permitiu uma outra descoberta, o
tipógrafo. A produção da cultura foi acelerada pelo uso do papel e pela impressão em larga
escala. Para Thompson, "os meios de comunicação são rodas de fiar no mundo moderno e,
ao usar estes meios, os seres humanos fabricam teias de significação para si mesmos"
(THOMPSON, 1998, 20).
A reprodução de textos teve início com os copistas e os escribas, que, com o
desenvolvimento da escrita, do pergaminho e do papel, puderam fazer cópias de textos
religiosos, literários e filosóficos. Até a Idade Média, as informações eram restritas e
controladas, mas com o ciclo das navegações e a expansão da atividade comercial, a partir
do século XIII, veio a troca de mercadorias e também de informações. O crescimento
econômico da época favoreceu o acesso à alfabetização, reduzindo cada vez mais a
necessidade de que textos fossem lidos em público para a população iletrada.

Segundo Habermas (HABERMAS, 1984, apud SOUZA, 2003), o espaço público surgiu no
seio da democracia ateniense, mas foi no século XVIII que o conceito se firmou na versão
da era moderna. Se, de início, o espaço público era o local das discussões políticas, da
formação de opiniões e da legitimação do poder, com a imprensa ocorreu o deslocamento
desse espaço para os jornais. A imprensa foi a primeira instância mediadora do espaço
público, antes concretizado pelos debates em clubes, ruas e praças. No entanto, como os
meios de comunicação não atendem a todos os segmentos sociais que desejam ou tentam
participar do debate estabelecido na mídia, os grupos excluídos da esfera midiática são, por
conseqüência, excluídos do espaço público. Ou seja, a imprensa favoreceu a "privatização
do espaço público". Porém, é interessante observar que sempre houve e possivelmente
sempre haverá excluídos do espaço público, aqueles que por alguma razão não estiveram
aptos a discutir e polemizar, seja por razões econômicas ou educacionais.

O livro e a imprensa, os novos condutores do pensamento
A máquina impressora foi um divisor de água, permitindo a reprodução de informações em
escala e velocidade consideradas impossíveis para a época. Em 1452 (essa data varia de
acordo com a fonte consultada), Gutenberg imprimiu a Bíblia de 42 linhas. Foi o
aprimoramento do comércio entre Europa e Ásia que favoreceu o desenvolvimento da
tecnologia gráfica. Os tipos de metal surgiram na Coréia, em 1390, e os de cerâmica são de
dois séculos antes, na China. Observa-se que a visão teocêntrica do mundo vai sendo
substituída pela visão antropocêntrica, como destaca Sousa (2003). Segundo ele, o que
detonou a explosão da comunicação foram os grandes descobrimentos, o crescimento do
comércio e a invenção da tipografia.
Gutenberg foi o responsável pela criação dos tipos móveis, com capacidade de impressão
em papel, com uma tinta fabricada por ele. Uma série de obras começou a ser impressa,
lançando também as bases para a publicidade impressa. Para Giovannini (1987, 111), "o
livro, com tudo aquilo que contém, envolve interesses jurídicos, econômicos e comerciais,
tanto mais relevante quanto mais se desenvolve o seu potencial de difusão popular". É
interessante observar que o livro passou a ser o novo fio condutor das idéias. Filósofos,
intelectuais e poetas passaram a expressar seus pensamentos em livros, fazendo suas idéias
circularem na sociedade de forma mediada.
Surgiram as primeiras impressões sobre a humanidade: as gazetas, com informações úteis
sobre atualidade; os pasquins, folhetos com notícias sobre desgraças alheias; e os libelos,
folhas de caráter opinativo. A combinação desses três tipos de impressos resultou, no
século XVII, no jornalismo. O papel da imprensa periódica, na emergência da esfera
pública, revestiu-se de importância especial. O aparecimento dos jornais no final do século
XVII e princípios do século XVIII fomentou um novo espaço público para o debate. De
início, esses jornais eram dedicados a assuntos literários e culturais, mas a temática foi se
alargando para questões de interesse social e político. Gerou-se uma demanda por essas
informações, pois o público queria entender e participar do processo decisório das
instâncias de poder. Nesse novo espaço público, a sociedade começou a obrigar o poder a
justificar-se perante a opinião pública.
O surgimento da imprensa foi, segundo Sousa (2003), o primeiro passo para a
democratização da cultura, mesmo tendo desencadeado a estandardização e a simplificação
das mensagens. Antes da indústria da comunicação, compreensão do tempo passado e de

lugares distantes se fazia por pessoas que mantiveram contato com essas realidades. Com a
imprensa, a história passou a ser contada de forma mediada. Segundo Thompson (1998,38),
"nosso sentido de passado e de como ele nos alcança se torna cada vez mais dependente da
expansão crescente de um reservatório de formas simbólicas mediadas".
Somente por meio dos livros, jornais, filmes e propagandas de rádio e TV vai se tornando
possível o contato mediado com a história, mesmo a história recente. Livros, jornais e
revistas transformam a civilização, promovendo a mudança da esfera pública e da cultura.
As mudanças político-sociais são creditadas à circulação de impressos, o que favoreceu a
Revolução Francesa e ascensão da burguesia.Os filósofos da época ­ Voltaire, Montesquieu
e Rousseau ­ eram entusiastas da divulgação e da trocas de idéias. Formalizou-se o
conceito de enciclopédia, que propunha reunir os conhecimentos acumulados naquele
período.
Para Breton e Proulx (2002) e Giovannini (1987), não é tão evidente que a imprensa tenha
sido a causa das grandes mudanças sociais. Segundo os dois primeiros autores, as idéias
renascentistas que favoreceram as revoluções são anteriores às técnicas tipográficas e
contribuíram para o processo mecânico de reprodução de textos. Antes da tipografia, os
livros manuscritos já geravam tanto interesse que algumas obras chegaram a ser copiadas
em até 400 exemplares, manualmente, para atender às encomendas. Ou seja, a imprensa
mecânica veio dar solução a essa grande demanda. Giovannini destaca que não sabe se foi a
impressão tipográfica que promoveu o Renascimento ou se foi a corrente cultural que
favoreceu a imprensa. O que é certo afirmar é que a circulação de idéias em grandes escala
estava presente durante as grandes mudanças sociais.

O sucesso da imprensa e o processo de industrialização
Segundo Sousa (2003), o sucesso da imprensa se deveu ao aperfeiçoamento contínuo das
técnicas de tipografia, à diminuição dos custos e ao aumento das tiragens (que estimulou a
leitura), ao incentivo à instrução e ao gosto de ler, motivado por livros, revistas e jornais, e
ao aumento da curiosidade e da vontade de adquirir conhecimento sobre assuntos do mundo
em geral. A arte de contar histórias, características do jornalismo, embora datada do século
XVII, sempre existiu ao longo da evolução humana.
A partir da invenção da escrita, as cartas se tornaram a principal fonte de informações entre
as pessoas, numa fase anterior à tipografia. Já na Idade Média, as crônicas narravam fatos
importantes e eram enviadas aos nobres e às personalidades importantes. Em seguida,
surgiram na Europa as folhas volantes e as gazetas manuscritas, narrando tanto fatos
verdadeiros como fantasiosos. Já no século XV, surgiu uma variedade de folhetos
informativos, polêmicos, descrevendo eventos particulares, desastres naturais, relações
sensacionalistas ou fenômenos sobrenaturais. De publicação avulsa e irregular, esse
impressos eram vendidos nas ruas como uma grande fonte de informação sobre os
acontecimentos da época.
A regularidade das publicações aconteceu a partir da segunda metade do século XVI, mas a
origem dos jornais modernos está situada nas duas primeiras décadas do século XVII,
quando as notícias passaram a ter mais confiabilidade. Verifica-se que a origem do jornal é
registrada em vários países, em curtos períodos de tempo: Inglaterra, França e Alemanha e,
posteriormente, Estados Unidos. De início, o investimento para editar um jornal era
pequeno, a redação contava com duas ou três pessoas, e os leitores pagavam pelo papel e

pela tinta gasta na impressão e ajudavam a compor o capital do jornal para favorecer a sua
circulação.
Outro fato importante para a evolução do jornalismo foi a industrialização. A mecanização
tornou o processo de impressão mais rápido, barato e dinâmico, o que motivou o aumento
do público leitor. No século XIX, têm início as primeiras inovações nos jornais. Nos EUA,
o progresso da imprensa possibilitou a popularização do jornal sensacionalista, expondo na
primeira página imagens e notícias de caráter extremamente violento. Os jornais norteamericanos já eram, as histórias em quadrinhos ­ seção humorística de grande sucesso até
hoje.
O crescimento da imprensa americana era dificultado pelo tamanho do país. A solução para
o problema foi a criação de cadeias ­ agências que estendiam informações locais em nível
nacional. As cadeias levavam ao controle de centenas de jornais, mas a crise economia
nacional e prejudicou essa sistemática. Surgiu, em seguida, o jornal tablóide, produzido
com a metade do tamanho do jornal padrão e com menor número de páginas.
Na Inglaterra, a imprensa partiu para a inclusão de assuntos variados, para atender a um
público maior. Esportes, entretenimento, manchetes de primeira página já estavam no novo
modelo inglês de jornal. Já na França, após o processo de industrialização, os veículos se
manifestavam em várias tendências, estilos e orientações, identificando jornais de esquerda,
de centro e de direita, além de jornais religiosos e monarquistas. Na II Grande Guerra, os
jornais já dividiam o espaço com o rádio e a televisão, o que gerou novas alterações na
forma de fazer jornal. A publicidade passa a ocupar de modo permanente as páginas dos
jornais, de forma a garantir a sua subsistência econômica.

Imprensa opinativa ou ideológica, imprensa popular e imprensa de referência
O jornalismo é a atividade de divulgar informações voltadas para o público, de forma
mediada, periódica e organizada. À luz da democracia, o jornalismo tem como missão
vigiar e controlar o Estado e as organizações privadas de interesse público. Por te sua
atuação delegada pela sociedade ­ que transferiu para a imprensa o papel de "dialogar" com
o poder -, o jornalismo tem que se legitimar continuamente a partir de suas práticas. Ou
seja, para que sua existência tenha sentido, precisa fortalecer o suporte de apoio social que
o justifica. O jornalismo impresso foi a primeira forma de expressão organizada da
comunicação social. Em seguida, o processo de evolução industrial e eletrônica produziu o
radiojornalismo, o telejornalismo, o ciberjornalismo.
No início do século XIX, a imprensa que dominava era a opinativa ou ideológica, ou seja, a
imprensa de partido. Esse tipo de jornalismo imperava em virtude do aumento crescente do
nível de politização da população e, ao mesmo tempo, da falta de matéria-prima para a
produção de notícias factuais, além do baixo índice de alfabetização de grande parte da
sociedade. A partir dos anos 30 do mesmo século, nos Estados Unidos, surgiram os
primeiros jornais mais factuais e menos opinativos, ou seja, as notícias saíram do meio
meramente econômico, político e bélico e ingressaram nos fatos do cotidiano da sociedade,
dando origem às notícias de interesse humano. De acordo com Sousa (2003), o que
contribuiu para essa mudança no perfil dos jornais foi o fortalecimento da alfabetização, a
concentração das pessoas nas cidades (com a conseqüente urbanização), o aumento do
poder aquisitivo, a mudança do conceito de jornal de partido para o de jornal-empresa (com
vista aos lucros), os novos valores sociais e o progresso tecnológico das formas de

impressão, permitindo aumento das tiragens e redução dos preços dos jornais. Nessa fase,a
formatação dos textos jornalísticos começou a ser feita a partir da fórmula de pirâmide
invertida. Essa formatação surgiu em decorrência do uso do telégrafo, que exigia economia
de linguagem, por conta do custo da ligação e devido aos cortes comuns durante a
transmissão.
No fim do século XIX, a segunda geração da imprensa popular se estruturou. Os jornais
ficaram mais baratos e direcionados para a população. Os donos de jornal passaram a focar
seus objetivos nos lucros, dando abertura ao surgimento do jornalismo não só noticioso e
factual, mas sensacionalista. Surgiram novas regras, como a utilização de gráficos e
fotografias. Nessa fase, o sensacionalismo permaneceu, chamado de jornalismo amarelo ou
marrom, com fatos inventados e divulgados, mesmo que depois fossem seguidos de um
desmentido. Esse perfil de imprensa se caracterizou pelo tratamento emocional dado a um
assunto que, construído com vistas à sua comercialização pelo veículo, não se poupava de
mentiras eventuais.
Nesse meio tempo, estabeleceu-se a imprensa de referência, somando qualidades da
imprensa opinativa e da imprensa popular: rigor, exatidão, sobriedade gráfica e de
conteúdos, análise e opinião, independência e culto da objetividade. As características da
imprensa americana são exportadas para Europa, inicialmente para a Inglaterra. A imprensa
evoluiu de modo relativamente homogêneo no Ocidente. De acordo com Sousa (2003), nos
século XVII e XVIII, o domínio foi europeu; já a partir do século XIX, passou para os EUA
o papel de introduzir inovações no jornalismo.Muito tempo se passou até a chegada dos
conceitos que hoje traduzem o jornalismo moderno: publicidade, atualidade, universalidade
e periodicidade. A distinção entre notícias e comentários se solidificou, resultando na
criação de espaços específicos, em cada veículo, para o jornalismo opinativo e informativo.
Com o tempo, a imprensa informativa prevaleceu, ficando o espaço para opinião reduzindo
às páginas editoriais.

Da pirâmide invertida à infografia
Após a definição do processo de pirâmide invertida, outra característica adquirida pelo
jornalismo foi a formação descritiva de seus textos. Após a I e II Guerra Mundial
especificamente em decorrência da I Guerra, quando os jornalistas foram impedidos de ir
ao front acompanhar as batalhas ­ essa tendência determinou uma forma de delegação de
informações ao discurso relatado. Isso significa que textos eram elaborados a partir de
citações e declarações creditadas às fontes jornalísticas. No período das guerras, sem poder
assistir aos episódios da guerra in loco, repórteres narravam fatos creditando-os às suas
fontes de informação: segundo disse, de acordo com, como afirma ...
Esse formato textual separou o comentário do fato, tornando o jornalismo mais descritivo
do que analítico, situação que foi modificada a partir dos anos 60 do século XX, quando os
jornalistas partem para a especialização. O jornalismo de referência caminha, assim, para a
análise, contrapondo-se ao modelo descritivo. Na verdade, o jornalismo interpretativo já
existia, mas foi de certa forma sufocado pelo processo de censura no período de guerra,
com impedimento da presença de jornalistas nos campos de batalha.
Após o processo de pirâmide invertida, nasceu o lide (as clássicas perguntas quem, quê,
quando, onde, como e por quê). Somados ao estabelecimento de gêneros textuais - a
entrevista, a reportagem, a notícia ­ a elaboração de uma linguagem específica levou a uma

crescente afirmação da autoridade profissional dos jornalistas. Os acontecimentos
começaram a ser explicados, simplificados e criticados, como forma de facilitar a sua
compreensão pela sociedade, ajudando a legitimar o jornalista como intérprete dos fatos
sociais, políticos e econômicos. È quando surge o chamado Segundo Novo Jornalismo,
momento em que a imprensa aprofundou investigações, denunciou irregularidades e passou
a desconfiar de suas fontes. O jornalista mergulha no ambiente das pessoas a quem
consulta, nas histórias e na pesquisa, dando um caráter mais humano e literário à sua
produção. Seu papel cresceu no seio da sociedade, tornando-se referência da verdade.
O crescimento de sua função social, porém, não mudou a questão básica que determina o
jornalismo: o fato. Esse fato, narrado pelo jornalista, reveste-se de subjetividade. Com isso,
somente uma parte de seu todo, a parte escolhida pelo repórter como a de interesse público,
vem à tona no texto jornalístico. A seleção é determinada no sentido se que não nos é dado
saber tudo, mas sim saber tudo sobre aquilo que se escolheu dar conhecimento, uma atitude
de caráter subjetivo.

A censura e a liberdade de imprensa
O crescimento do impresso periódico ocorreu de forma distinta em cada país, mas o
jornalismo em geral sofreu rígidos controles do governo, com a censura, impondo leis
severas para o seu funcionamento. À medida que os jornais ocupavam a mente de seus
leitores, levando-os aos questionamentos e ao debate, gerava no poder central um temor por
colocá-lo em xeque. Para manter o controle sobre as publicações, os governos adotavam
um sistema de concessão de licenças, destinadas às pessoas de sua confiança.
A Revolução Francesa foi determinante, na Europa, para o estabelecimento do Estado
democrático e da ordem social dele decorrente. Além de problemas de ordem tecnológica,
um dos motivos da periodicidade irregular de muitas publicações era a vigência da censura
prévia na Europa. Além da Igreja, também o Estado absolutista fomentou a censura.
È interessante observar que a liberdade de imprensa não é ilimitada. Ela está sujeita à
exigência de um jornalismo responsável e de profissionais com compromissos com a
sociedade. Isso porque, como afirma Kunczic, "não se deve esquecer que a batalha pela
liberdade de expressar uma opinião não foi a luta pela liberdade de imprensa dos
jornalistas, mas sim pelo direito do homem comum de falar o que pensa" (KUNCZIK,
1997,30). Para José Marques de Melo (1985), o jornalismo autêntico com periodicidade
regular, contínua e livre, só surge de fato com a ascensão da burguesia ao poder e o fim da
censura prévia. De acordo com Nilson Lage (2002), três fatores foram fundamentais para a
derrubada da censura: o surgimento de um mercado de massa para os jornais, decorrente
do processo de alfabetização crescente, que elevou os trabalhadores à categoria de leitores e
formadores de opinião; o desenvolvimento do processo do processo de impressão, que
transformou o fazer jornalístico numa indústria; a cobertura dos custos dos jornais pela
publicidade, ajudando a firmar ainda mais o conceito de jornal-empresa.

A censura no Brasil
No Brasil, a censura chegou no período do Império e marcou nossa história. Os
movimentos militares e a ditadura Vargas em 1937, assim como a ditadura militar de
1964, acabaram por amordaçar os periódicos. Nos oito anos da ditadura Vargas, o

jornalismo político foi dizimado. Na ditadura instaurada a partir de 1694, leis foram
publicadas para dar justificativa ao controle estatal da comunicação. Primeiro, a Lei de
Segurança Nacional, e em seguida o ato institucional n° 5. O Brasil viveu seus piores
momentos a partir da década de 1960, quando, com o golpe militar de 1964, a sociedade é
submetida ao terror da violência ideológica, física e moral consentida pelo Estado. Após 21
anos, em 1985, saiu o último presidente militar e assumiu o presidente civil José Sarney,
depois da eleição indireta de Tancredo Neves pelo colégio eleitoral do Congresso Nacional
para a presidência que nunca assumiria, vítima de uma doença que o levou à morte.
Nos 21 anos de véu negro sobre o País, o Congresso Nacional foi fechado três vezes e os
Poderes Judiciário e Legislativo (este reaberto após um período de fechamento e de
cassação de vários parlamentares) foram mantidos em funcionamento para salvar as
aparências. Em 1970, um decreto-lei do presidente Emílio Garrastazu Médici determinou a
censura prévia de periódicos, visando a proibir a publicação de obras que atentassem a
moral e os bons costumes. Vícios, casamentos desfeitos e programas de apelo à caridade
foram censurados, seja por ferir a moral, seja para que não se mostrassem pessoas
defeituosas para o público.
Para reforçar o decreto, o artigo 9 do AI-5 facultou ao presidente da República o recurso de
suspender a liberdade de reunião e associação e de censurar correspondência, imprensa,
telecomunicações e diversões públicas. Em 1968, é criado o Conselho Superior de
Censura. O chamado livro negro da censura é um caderno de capa preta, onde se
encontravam organizadas as regras do que podia e do que não podia ser publicado,
segundo os censores. A conspiração, porém, foi apoiada pela própria imprensa, que antes
do golpe incentivara a saída de Jango, acusando-o de desgovernar o País. A relação que
nasceu, a partir do golpe, entre imprensa e poder não durou muito tempo, pois os próprios
jornais foram empastelados pelos militares.
O rápido esfacelamento da resistência política de esquerda no Brasil favoreceu o regime
militar. Qualquer ordem para definir o que podia e o que não podia constituir informação
pública era dada por meio de avisos escritos ou pelo telefone, com vistas ao controle da
opinião pública. Assim como na ditadura anterior, de Getúlio Vargas, o Brasil voltou a
viver as restrições de liberdade, sem qualquer questionamento mais feroz sobre o golpe.
Um Brasil que antes fervilhava com as ligas camponesas e com o presidente populista João
Goulart assistia ao silenciamento de vozes importantes do cenário nacional, tanto na música
como no teatro, no cinema, na política, nos sindicatos e na imprensa. Muitos foram
torturados e mortos e muitas mortes foram divulgadas como suicídio.
Entre 1960 e 1980, vários jornais de oposição à ditadura foram publicados, como O
Pasquim, Opinião, Movimento e Em tempo. Nos jornais, a censura de matérias dava espaço
à ironia: no local de notícias censuradas eram publicadas receitas de bolo. Carlos Heitor
Cony continuou a dizer piadas sobre o golpe ao qual chamava de "quartelada de 1° de
abril" ou "a revolução dos caranguejos". As pessoas morriam, eram torturadas,
humilhadas, mas o boom econômico acontecia. Inflação em baixa e o crescimento do
Produto Interno Bruto geraram o Milagre Econômico. O exercício do jornalismo foi
cerceado com rigor e foi nesse período que a notícia off the record (quando não se
identifica a fonte) ganhou relevo, espaço para informações passadas no anonimato e para
versões de fatos que muitas vezes não podiam ser checados. O corte de publicidade oficial
nos veículos era uma excelente forma de pressão, pois desestabilizava o jornal
economicamente.

Crescimento da imprensa brasileira
A História do Brasil como País "descoberto" por Portugal coincide com o início da História
da Imprensa no mundo. Quando os portugueses chegaram ao País, encontraram povos que
ainda viviam no período cultural da pedra lascada. Seu trabalho foi, então, de subjugar a
cultura indígena, o que ocorreu com a catequese, feita pelos padres jesuítas. Por não haver
leitura nem escrita entre os nativos, os portugueses não precisaram expandir o processo de
dominação cultural, com a instalação de universidades ou da imprensa, no período colonial.
As notícias da colônia eram passadas para Portugal via cartas. O livro, aqui no País, era
destinado apenas aos religiosos e só a eles cabia o manuseio, até mesmo porque o
analfabetismo impedia qualquer compreensão. As bibliotecas existiam em escolas e
mosteiros, não em residências.
Há pouco mais de 500 anos, a chegada dos portugueses foi tratada como a descoberta de
um novo mundo. Quando chegaram, porém, não encontraram um enorme "terreno baldio"
por ser ocupado: o Brasil era um território habitado por cerca de 6 milhões de habitantes,
com culturas diversas e línguas específicas dos mais de 900 povos indígenas (TEXTO
BASE DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2002). O discurso sobre a origem do
Brasil tem como base, entretanto, a chegada do branco e o processo de catequização dos
índios. O discurso que se projetou na época foi "o discurso das descobertas, discurso das
conquistas, discurso da dominação" (ORLANDI, 1990,19). Foi o primeiro silenciamento
dos índios, quando suas línguas e suas práticas culturais foram suplantadas pela língua
portuguesa e pela cultura européia, que dominaram o território brasileiro. Quando começa a
nossa história? A mediação promovida pelos portugueses subverteu a idéia de "começo do
Brasil":
"Vale perguntar: A Itália faz aniversário? A França faz aniversário? Os limites
no tempo e no espaço são fluidos e indeterminados, sujeitos à dúvida. Neste
caso, por que não escolher a data da independência para começar o Brasil?"
(ORLANDI,1990,121).

Fica claro que a presença do índio antes de 1500 é tratada como Pré-história do Brasil. O
país somente passou a ter história com a chegada dos portugueses: eles são os
"fundadores" de nossa cultura e de nosso conhecimento, marcando historicamente o nosso
fazer jornalístico. Segundo Sodré (1999), só no fim do século XVIII pareceram as
bibliotecas particulares. Mesmo com uma literatura inexpressiva , em virtude do
analfabetismo e do controle da corte sobre a colônia brasileira, houve espaço para a sátira
verbal e as folhas volantes, para divulgação informal em feiras e portos, o que poderíamos
chamar de "espaço público possível". A Igreja supria a necessidade de informações quando
os padres, em seus sermões, davam notícias de fatos relevantes ou conselhos à população.
Sob proteção oficial, a imprensa se iniciou no País de forma definitiva, somente a partir de
1808. a iniciativa da corte portuguesa se deveu à vinda de D. João ao Brasil, começando aí
a chamada Impressão Régia. No início do século XIX, o surgimento do Correio Braziliense,
editado em Londres por Hipólito da Costa, fez nascer a crítica contra o poder régio. Era o
único veículo, à época, que mostrava as falhas da administração brasileira.
Ao longo da história, a imprensa brasileira ia se desenvolvendo à medida que a política
nacional ia tomando o rumo pós-independência. À época, eram comuns os pasquins, jornais
de caráter satírico e difamatório. Com a proclamação da República, a grande imprensa

manteve seu crescimento, agora com um pouco mais de prestígio, força e combatividade.
Com a censura da corte, os jornais nasciam sempre controlados e, mesmo com a República,
a imprensa não assumiu um papel mais evidente e contumaz de se posicionar acerca dos
fatos. Sodré ressalta que, mesmo ostentando uma certa independência, os jornais brasileiros
optavam por ocupar suas páginas com publicidade, a "empregar sua influência na
orientação da opinião pública" (SODRÉ, 1999, 252). No fim do século XIX, uma grande
luta pela posse de terras, na Guerra de Canudos, transformou-se na obra Os Sertões, de
Euclides da Cunha. O livro foi considerado a primeira grande reportagem do jornalismo
brasileiro. João do Rio é outro nome marcante, por favorecer o caráter literário do
jornalismo, impondo uma grande fisionomia própria do fazer jornalístico a partir da
observação da realidade, somada ao tratamento literário do texto.
A passagem do século XIX para o XX é significativa no mercado jornalístico, por marcar a
mudança dos jornais de estrutura simples, operando com oficinas tipográficas, para as
empresas jornalísticas dotadas de equipamentos gráficos mais avançados e mais voltadas
para o comércio. Começavam a desaparecer as iniciativas isoladas de jornais panfletários,
aventuras individuais de poucos. Como empresas, os jornais ficaram em número reduzido,
pois os avanços tecnológicos tornaram mais difícil a fundação de um periódico. Com o
progresso da indústria, surgiu a classe de trabalhadores e, com ela, uma imprensa voltada si,
com pequenos jornais anarquistas e socialistas, a maioria de vida curta. Esses jornais
falavam da luta operária e também da I Guerra Mundial, criticando a sua eclosão. A
imprensa operária se desenvolveu ao largo da grande imprensa, sob difíceis condições
financeiras e políticas. O que tornou a imprensa proletária significativa não foi o seu
tamanho: mesmo com circulação reduzida e com poucos recursos materiais, muitas vezes
os jornais da pequena imprensa assumiam posições combativas e incomodavam o poder.
O desenvolvimento da parte gráfica dos jornais, com fotos e gráficos, o uso da cor, em
contraste ao preto e branco, escondiam, segundo Sodré, uma falha do interior do jornalismo
brasileiro: a posição diante dos problemas que noticia. Isso porque um jornal é lido e
procurando pelo que expõe, por seu posicionamento, mas no Brasil o crescimento e a
valorização da reforma gráfica acabou por escantear o essencial, o seu próprio discurso, que
deveria ser esclarecedor, opinativo e capaz de abrir debates sobre as questões nacionais.
Cada vez mais difícil adquirir e produzir jornais, o mercado foi se fechando em torno de
grandes empresas.Isso também dificultava a liberdade de expressão, restrita aos donos dos
grandes negócios da imprensa. A transformação da imprensa em um negócio caro tornou
desnecessária a censura, uma vez que as empresas ­ pela própria condição de mercado,
inseridas na economia como qualquer outra ­ praticam a autocensura naturalmente. Para
Sodré, "de instrumento de esclarecimento, a imprensa capitalista se transformou em
instrumento de alienação, fugindo inteiramente aos seus fins originários" (SODRÉ, 1999,
408).

Internet
A rede mundial de computadores interligados por linhas telefônicas ou qualquer outro meio
permitiu a conexão de milhares de pessoas, em várias partes do mundo, facilitando contatos
e trocas de dados. Sua origem foi militar, para permitir o fluxo de informações, e expandiuse de início no meio acadêmico. Entre os anos de 1968/1969, o governo norte-americano
investiu numa rede experimental de computadores, a Arpanet, que interligava universidades

e institutos de pesquisas, garantindo acesso livre às informações aos professores e
pesquisadores. O objetivo da Arpanet era o compartilhamento de dados e a garantia de sua
sobrevivência caso houvesse uma guerra que destruísse grande parte da infra-estrutura do
país.
O grande avanço da Internet se deu entre 1993/1994, quando uma rede dedicada à pesquisa
acadêmica disponibilizou suas informações, abrindo-se para a sociedade. O sucesso da rede
foi garantido pela criação de um programa capaz de realizar pesquisas, o Mosaico, a partir
de 1992, além da simplificação dos comandos necessários para navegar na Internet. O
crescimento da grande rede sem qualquer controle transformou a Internet na maior rede de
comunicação mundial, mas, ao mesmo tempo, colocou uma enorme quantidade de
informações à disposição, de forma a dificultar a realização de pesquisas sérias, seja pela
qualidade da busca em si, seja pela confiabilidade das informações prestadas.
Em 2000, a ombusdsman da Folha de S. Paulo, Renata Lo Prete, escreveu um artigo sobre a
busca de notícias na Internet e a frustração de alguns leitores. Ela criou o caso do retorno de
Ronaldinho ao futebol, em Roma, depois se de se recuperar de uma contusão. Ela afirmou
que ao procurar novidades na Internet, o leitor "encontrou menos conteúdo do que a
propaganda do novo meio permitia esperar" (LO PRETE apud MORETZSOHN, 2002,
133). Segundo Lo Prete, as fontes básicas do noticiário da Internet eram as agências
internacionais de notícias e a "rapinagem" de informações divulgadas pela televisão, e pelo
rádio, e entre os próprios sites. A ilusão da velocidade da informação provocada pela
Internet faz com que as pessoas recorram a ela constantemente, mas as pesquisas na área
mostram que grande parte das informações advém das agências noticiosas.
Não se pode desmerecer o valor da nova tecnologia como fonte informativa, mas seu
potencial ainda não está sendo plenamente explorado, ou seja, os sites ainda não se
firmaram como empresas virtuais de coleta e divulgação de notícias e informações que elas
mesmas elaboram, um espaço público virtual. Em vez disso, atuam apenas como pistas de
corrida para ganhar do concorrente a preferência do leitor, iludido de que está recebendo
uma notícia em primeira mão, quando recebe, muitas vezes, o produto das tradicionais
agências de notícias ou das edições virtuais dos jornais tradicionais. É verdade que a
entrada na era cibernética baixou os custos da indústria da comunicação, facilitando o
acesso às informações. Segundo Pollyana Ferrari:
"Não se pode negar que a Internet proporcionou um acesso à informação de
maneira única. Achar o endereço de um restaurante sem ter que perguntar para
ninguém, usar o telefone ou folhear a lista telefônica.(...). Enfim, a abrangência
de serviços oferecidos num portal consegue preencher e resolver grande parte
das necessidades do homem moderno" (FERRARI, 2003, 78).

A Internet, de fato, abre as portas para um público mais carente economicamente ter acesso
ao aprendizado, tanto formal quanto informal, mas esse uso depende da vontade política
dos governos de disponibilizar equipamentos para favorecer o acesso e a da garantia de
sites com fontes confiáveis de informação, que pressupõe um controle externo sobre o que
é divulgado na grande rede. A Internet, ao que tudo indica, reúne qualidades, juntamente
com a TV digital e interativa, para garantir que se concretize a expectativa de uma aldeia
global preconizada por Marshall McLuhan.

O futuro da comunicação
A evolução crescente das novas tecnologias tende a facilitar e a baratear o fluxo das
informações, ampliando as possibilidades técnicas da mídia para transmissão de dados.Isso
dá espaço para que se quebrem barreiras físicas e ideológicas de acesso à informação. Em
longo prazo, o homem cada vez mais vai se aparceber de que a notícia é um produto valioso
que ajuda no relacionamento entre os povos e as culturas. O caminho é o fim do conceito de
broadcasting e o fortalecimento do conceito de narrowcasting. O primeiro trata de
informações transmitidas a um público que não se diferencia, misto. O segundo se refere à
difusão de informações para públicos conhecidos e segmentados, ou seja, para nichos do
mercado da comunicação.
Segundo o jornalista Ricardo Noblat (2002), empresários e jornalistas precisam repensar a
forma de fazer jornal. De acordo com ele, proprietários e profissionais devem analisar a
fuga de leitores jovens e a adesão à Internet e sobre as queixas acerca da tinta do jornal, que
suja as mãos e as roupas, os jornais vão morrer, mas não o jornalismo, pois a humanidade
precisa de informações. Noblat defende que a perspectiva futura talvez seja a transformação
das redações em corporações multimídia, investindo na interatividade favorecida pelas
novas tecnologias. A tendência do jornalismo é caminhar para a convergência dos meios,
uma questão considerada essencial para o modelo futuro da comunicação e que irá
promover um novo modelo de espaço público. Contar histórias, dar informações reais 24
horas por dia, fugir da falsa idéia de velocidade da Internet (que em vez de dar notícias
frescas a toda hora ainda está presa às fontes tradicionais de informação) deve ser a saída da
imprensa. Para atender a esse modelo, o jornalista precisa pensar em texto, imagem e som,
para que a informação possa ser colocada em meios impressos, eletrônicos e audiovisuais.

Que há entre comunicação e cultura?
Com tudo que foi visto na história da comunicação, verificamos a convergência entre
comunicação e cultura. Tudo o que o homem adquire, recebe, constrói, produz e altera no
meio em que vive é transmitido pela comunicação, seja por meio midiático, organizacional
ou interpessoal. Ao trocar informações, o homem na verdade permuta valores e permite o
acesso, entre povos diferentes, a informações concernentes a um modo de vida peculiar a
um grupo social e não a outro, ou seja, tradições e crenças são conhecidas e determinadas
pelos meios de comunicação disponíveis em cada sociedade. No caso do brasileiro, a
história da comunicação foi determinada pela presença portuguesa e pela forma como se
processou o desenvolvimento da mídia, totalmente marcado pelo controle resultante da
censura.
Ao consumirmos os produtos da indústria cultural, estamos nos exprimindo culturalmente
num contexto social ao qual pertencemos. Nossas práticas diárias são determinantes e
determinadas pela cultura que vivenciamos. Toda cultura resulta de uma mistura de outras
culturas. A cultura brasileira sofreu influência das culturas européia, indígena e negra, mas
sem dúvida prevaleceu a força da cultura portuguesa, pela sua condição de colonizadora.
Hoje, com a globalização, a comunicação sofre novas intervenções da cultura mundial.
Assim, comunicação e cultura estão associadas de modo intrínseco, uma interligação que
não se pode desfazer.

Os modos de viver, os gostos, a prática da língua, o relacionamento humano, as formas de
vestir, cozinhar, comer e produzir bens culturais são marcadas por essa troca de
informações entre as sociedades humanas. No caso brasileiro, a hegemonia do colonizador
deu lugar à hegemonia cultural americana, que acaba por ter uma maior influência do que
qualquer outra produção cultural humana de outra nacionalidade, fruto do poder econômico
exercido pelos Estados Unidos sobre todo o mundo. Para alguns pesquisadores, esse
poderio americano sobre a cultura de outros povos é uma ameaça; para outros, é uma
adaptação normal de elementos culturais que são vantajosos para os povos que as
absorvem. Assim se quisermos conhecer a comunicação, precisamos olhar para as práticas
culturais de um determinado grupo social, conhecendo suas crenças, valores, heróis e
líderes, ritos e práticas sociais.
Existe um multiculturalismo? Nas sociedades alfabetizadas, a homogeneização dos hábitos
provocada pela globalização anda junto com as novas tecnologias, dominando os dialetos
locais, as línguas e os costumes próprios. Esconder o sotaque nordestino e o gosto pela
música sertaneja são expressões dessa dominação. A rede de computadores e as novas
tecnologias em geral fragmentam a realidade e garantem o fortalecimento do imperialismo,
antes econômico, hoje cultural. Fala-se em mescla de culturas, mas o que há de fato é um
mosaico, no qual somente "pedras fortes" embelezam o quadro.
Não se vê, por ora, como os líderes sociais poderão encontrar um caminho intermediário
que permita a convivência entre as culturas dominantes sem a prevalência das culturas de
povos dominantes. Embora o poder tente se apropriar da cultura e das relações do homem
no mundo, há o inconformismo que eles crêem que nunca será suplantado. O espaço
doméstico representa um mínimo de liberdade e iniciativa, numa tendência secreta par
fomentar resistência para não se digerir o que vem empacotado pelo imperialismo cultural.
Se existe uma rede virtual participativa, que dá acesso aos povos, é preciso cuidado para
que a ausência de fronteiras eletrônica não transforme a Internet em um sistema de opressão
e alienação. Só há democracia eletrônica se houver livre acesso associado à formação
crítica. Do contrário, teremos o "cibercretinismo" e um mundo dividido entre os
conectados e os não-conectados, aumentando as diferenças entre os governos sociais. De
acordo com Pierre Levy "a difusão de propagandas governamentais sobre a rede, o
anúncio dos endereços dos líderes políticos, ou a organização de referendos pela Internet
nada mais é do que caricaturas de democracia eletrônica" ( LEVY,1999,186).
Somente uma reforma nas mentalidades e nos hábitos políticos pode resultar na colocação
do ciberespaço a serviço do desenvolvimento de regiões desfavorecidas, com a valorização
das competências locais e a troca de conhecimento e experiências entre as comunidades.
Para Levy , a verdadeira democracia eletrônica consiste na expressão dos problemas pelos
próprios cidadãos, a auto-organização das comunidades e a participação dos grupos nas
decisões, com transparência nas políticas públicas. A mudança virá quando houver uma
aliança de governos, empresários e forças de oposição contrários à globalização e à
homogeneização do trabalho, da comida, da cultura popular, em defesa da diversidade.
O ciberespaço é o local de representação dinâmica dos recursos de todas as ordens
(democratização da informação), local virtual de ofertas de competências, de emprego e de
formação, local de controle ecológico, econômico, pedagógico, sanitário, do sistema de
transporte e de comunicação. Segundo Briggs e Burke, "o ciberespaço, diferente da
televisão, mas parecido com a leitura sem censura, não é guardado por porteiros" (BRIGGS
& BURKE, 2004, 325). O acesso para todos não deve ser acesso ao equipamento ou à
conexão, mas acesso aos processos de inteligência coletiva, numa visão do ciberespaço

como local de expressão de singularidades, de confecção de trocas para a aprendizagem
recíproca. Para Levy, "colocar a inteligência coletiva no posto de comando é escolher de
novo a democracia, reutilizá-la por meio da exploração das potencialidades mais positivas
dos novos sistemas de comunicação" (LEVY,199,196).

Considerações finais: a reconstrução cultural do espaço público
O fazer jornalístico se consagrou historicamente como algo pragmático, resultante do
contato direto com a realidade. Jornalismo é a arte de contar histórias para remover a
construção da história. Os fatos sociais estudados nos livros são frutos de relatos,
documentos, fotografias e fragmentos de materiais que ajudaram a montar o quebra-cabeça
chamado História, que é medida pela imprensa e pelos livros. Jornalismo é história, uma
história contada cotidianamente, em breves textos. O jornalista está envolvido no processo
interpretativo da notícia, não podendo ocupar um lugar contemplativo em sua pesquisa
jornalística, o que marca o texto jornalístico como fruto das relações histórica e ideológicas
do seu autor.
Será irreversível a baixa participação social nos mercados globalizados de bens e
mensagens, a desatualização tecnológica na indústria editorial e audiovisual e a corrida
tardia pelas inovações informáticas? Mesmo com as novas tecnologias globalizadas,
países do Terceiro Mundo fazem ressurgir a sua produção cinematográfica, musical e
televisiva. No Brasil, nossos filmes estão se internacionalizando ( vide Central do Brasil e
Diários de Motocicleta ). Novos profissionais estão surgindo para um mercado de cinema,
jornalismo e comunicação. O espaço público foi transferido para um conjunto de circuitos e
fluxos que extrapolam os territórios e se faz via televisão, rádio, satélite, fax, telefone,
Internet. Nesse espaço público, as controvérsias são debatidas. O novo espaço cultural
exige programas de desenvolvimento para a redução das desigualdades de acesso às novas
tecnologias, garantindo que o espaço virtual atenda aos circuitos comunicacionais de
diversas etnias, povos e grupos sociais. A concepção tecnológica conduz a uma confusão de
valores e idéias, que não se sabe se terá um ponto organizador do novo (ciber) espaço
público que se estabelece.

Referências bibliográficas
BRETON, Philippe & PROULX, Serge. Sociologia da Comunicação. São Paulo: Loyola,
2002.
BRIGGS, Asa & BURKE, Peter. Uma história social da mídia. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2004.
FERRARI, Pollyana. Jornalismo digital. São Paulo: Contexto, 2003.
GIOVANNINI, Giovanni. Evolução na Comunicação: do sílex ao silício. Rio de Janeiro:
Nova fronteira, 1987.
KUNCZIK, Michael. Conceitos de Jornalismo: Norte e Sul. São Paulo: Edusp,1997.
LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de
Janeiro: Record, 2002.

LÉVY, Pierre. O ciberespaço, a cidade e a democracia eletrônica. In ---------.Cibercultura. São Paulo: Editora 34,1990.
MELO, José Marques de. A Opinião no Jornalismo Brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1994 .
MELO, Patricia Bandeira de. Sujeitos sem voz: agenda e discurso sobre o índio na mídia
em Pernambuco. Dissertação de Mestrado, PPGCOM/UFPE. Recife: mimeo, 2003.
MORETZSOHN, Sylvia. Jornalismo em "tempo real": o fetiche da velocidade. Rio de
Janeiro: Revan, 2002.
NOBLAT, Ricardo. A arte de fazer um jornal diário. São Paulo: Contexto,2002.
ORLANDI, Eni P. Terra à vista! Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo:
Cortez, 1990.
SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de Teoria e Pesquisa da Comunicação e dos Media.Porto :
Universidade Fernando Pessoa, 2003.
TEXTO- BASE DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2002. Disponível em
http:www.cnbb.org.br. acesso em 20 jul. 2003.
THOMPSON, John. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis:
Vozes, 1998.
SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.
Patricia Bandeira de Melo. Um passeio pela História da Imprensa: o espaço público dos
grunhidos ao ciberespaço. Comunicação e informação, V 8, nº 1 pág 26 - 38. ­ jan/ jun.
2005.

Ficha Catalográfica
Comunicação & informação / Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Comunicação e
Biblioteconomia. V. 8, n. 1, (jan./ jun. 2005). ­ Goiânia: UFG, Facomb, 1998.
v.
Semestral
1. Comunicação Social ­ Periódicos. 2. Ciência da informação ­ Periódico.
2. Biblioteconomia ­ Periódico. I. Universidade Federal de Goiás. Faculdade de
Comunicação e Biblioteconomia. II. Título.
CDU 659.3:03(05)
CDD 001.5105