História da física
Artigos, ensaios e resenhas
Cássio Leite Vieira

História da Física
Artigos, ensaios e resenhas

História da Física
Artigos, ensaios e resenhas

Cássio Leite Vieira
Instituto Ciência Hoje (RJ)

1a edição
Rio de Janeiro, 2015

Para Alicia, João e Elvira.

E para os alunos do CBPF,
na esperança de que esta
coletânea despretensiosa
desperte neles o apreço
pela história da física.

INTRODUÇÃO

Os textos desta coletânea são reportagens, breves entrevistas,
ensaios e resenhas. Todos em linguagem simples; portanto, para o
grande público ­ o que não exclui pesquisadores, dada a compartimentalização do conhecimento na atualidade. Podem ser divididos
em duas categorias (história da física e história da física no Brasil)
e não estão apresentados em ordem cronológica da publicação.
Alguns dos textos foram escritos em coautoria com o Prof.
Dr. Antonio Augusto Passos Videira, do Departamento de Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), amigo e
colaborador de longa data.
As versões aqui reunidas são, em geral, as `brutas', ou seja, as
enviadas para editores das publicações, os quais, não raramente,
as encurtaram e, na maioria das vezes, as aprimoraram. Portanto,
o conteúdo aqui apresentado é de minha inteira responsabilidade.
Alguns títulos foram alterados; informações, acrescentadas; erros
e desatualizações, corrigidos.
Os textos podem ser lidos de forma aleatória. Porém, o preço
dessa autossuficiência é haver irremediavelmente trechos e temas
sobrepostos. De antemão, peço a paciência do(a) leitor(a).
Se julgado como leitura instrutiva e agradável, este livro terá
cumprindo seu papel; se servir para despertar nos graduandos e
pós-graduandos em física o interesse pela história dessa disciplina,
dará satisfação extra a este autor.

Agradeço aos veículos que me deram autorização para reproduzir os textos aqui reunidos. Entre eles, Ciência Hoje, Folha de
S. Paulo, Scientific American Brasil, piauí, Revista de História da
Biblioteca Nacional, Ciência e Sociedade (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas), Revista Pittacos, Caderno Brasileiro de Ensino de
Física e Jornal da Semana de C&T.
Deixo também registrado meu agradecimento ao Prof. Dr.
Ivan dos Santos Oliveira Júnior, do CBPF, cuja iniciativa permitiu
não só a publicação (em formato eletrônico) desta coletânea, mas
também a distribuição gratuita dela aos participantes da Escola do
CBPF 2015.
C.L.V.
Rio de Janeiro (RJ), julho de 2015

SUMÁRIO

MUNDO

-

O centro de todas as coisas um século da descoberta do núcleo atômico / 13
Folha de S. Paulo e Ciência e Sociedade
Ases indomáveis _ 50 anos da proposição dos constituintes dos prótons e
nêutrons / 24
Folha de S. Paulo
Trilogia Bohr _ 100 anos do modelo que levou a física quântica ao interior do
átomo (com Antonio Augusto Passos Videira) / 34
Folha de S. Paulo
Teorema de Bell _ 50 anos da descoberta mais profunda da ciência) / 44
Folha de S. Paulo
Einstein _ paradoxos para além da relatividade / 55
Folha de S. Paulo
Um século do quantum _ a natureza descontínua da energia / 64
(com Antonio Augusto Passos Videira)
Folha de S. Paulo
100 anos do elétron _ a partícula que mudou a história do átomo / 78
Folha de S. Paulo
Neutrinos _ o nascimento da partícula-fantasma / 82
Folha de S. Paulo
Rio+20 _ clima, filosofia e história da ciência / 85
Folha de S. Paulo
Sejamos pragmáticos... _ um bóson de Higgs serve para quê? / 90
questões da ciência, piauí
Tennessee Williams _ influências da cosmologia e relatividade? / 94
questões da ciência, piauí
Meninas de exatas _ para garotas que gostam de números e fórmulas / 100
Folha de S. Paulo

Brasi l
Quando o Brasil ajudou a física do Japão / 104
Scientific American Brasil
Chacaltaya _ um laboratório nas nuvens / 117
(com Antonio Augusto Passos Videira)
Scientific American Brasil
O Eclipse de Sobral _ comprovação científica ou histórica da teoria da
relatividade?) / 130
Revista de História da Biblioteca Nacional, Ciência e Sociedade
e Cosmos e Contexto
Einstein no Brasil _ 90 anos da visita do autor da relatividade à América
do Sul / 137
Folha de S. Paulo
Lattes (1924-2005) _ nosso herói da Era Nuclear... 10 anos depois / 144
Exposição Lattes... 10 anos depois CBPF
Tiomno (1920-2011) _ física, física e... física / 154
CH on-line
Leite Lopes (1918-2006) _ mais do que um físico de renome / 160
Jornal da Semana de C&T
A escada para a medalha _ o `Nobel' de matemática para um brasileiro / 162
CH on-line
Escrete de ouro _ as primeiras gerações de físicos no Brasil) / 167
Ciência Hoje

Resenhas
A revolução de Einstein _ a física do gigantesco / 172
Folha de S. Paulo
Dirac _ o silêncio mais estranho / 180
questões da ciência, piauí
Berlim, década de 1920 _ uma cidade maior que Einstein / 184
Ciência Hoje
Escritos de Einstein _ profecias da maturidade / 187
Folha de S. Paulo
Fermi _ e a formação dos físicos no Brasil / 190
Caderno Brasileiro de Ensino de Física

MUNDO

11

[Versões deste texto foram publicadas em Ilustríssima, da Folha de S. Paulo (13/03/11),
e Ciência e Sociedade, março de 2011]

O centro de todas as coisas
Um século da descoberta do núcleo atômico

No obituário que o New York Times publicou em 20 de outubro de 1937, lia-se que poucos humanos atingiram, em vida, a
imortalidade ­ e, muito menos, o Olimpo. O destinatário de tão
eloquente elogio ­ morto no dia anterior ­ foi um explorador do
infinitamente diminuto e complexo núcleo do átomo, universo que
ele foi o primeiro a penetrar.
As palavras refletem a extensão da fama do físico neozelandês Ernest Rutherford, cuja biografia lembra a de heróis de contos
infantis em que garotos pobres, da periferia, tornam-se nobres e
admirados por seus feitos e seu caráter.

Ernest Rutherford
Crédito: Wikimedia Commons

13

A obra científica de Rutherford impressiona. Mas ele será
sempre lembrado como aquele que escavou o átomo a fundo e, de
lá, trouxe ao mundo o `coração' da matéria, o caroço duro e diminuto que ele batizou núcleo atômico.
O percurso até aí, porém, foi longo e árduo.
Para entender Rutherford e suas descobertas sobre a radioatividade, a estrutura dos átomos e a transmutação dos elementos,
é preciso descrever, ainda que brevemente, a física do final do século 19, da qual ele é fruto. Nas palavras do historiador da ciência
Erwin Hiebert, em um capítulo de Rutherford and the physics at the
turn of century (Rutherford e a física na virada do século; Dawson
and Science History Publications, 1979), esse cenário era marcado:
i) por uma crescente percepção de uma unidade das ciências físicas; ii) pela urgência em abarcar os fenômenos do muito grande e
do muito pequeno em uma só visão do mundo; iii) por uma nova
atitude (mais ousada) em relação à especulação científica; iv) pela
ênfase nas colaborações científicas.
Para Hiebert, os físicos estavam prontos para (se preciso)
construir um mundo radicalmente novo para englobar os novos
(e aparentemente não relacionados) fenômenos: elétrons, raios X
e radioatividade. Esta última ­ radiação cuspida espontaneamente
pelos átomos ­ era um constrangimento para a física e a química
do século 19, que não podiam explicá-la.
Rutherford, depois de um flerte rápido com as ondas de rádio, descobertas em 1887, passou a estudar a radioatividade, que,
então, reunia os elementos básicos para uma (próspera) carreira
científica: intrigante, fascinante, promissora e (principalmente)
ininteligível. Mais: e com pouquíssima bibliografia ­ como justificou, mais tarde, a física polonesa Marie Curie (1867-1934), ao
escolher o tema para seu doutorado naquele final de século.
Esforço e sorte
Nascido em 30 agosto de 1871, em Spring Grove (hoje, Brighwater), área rural ao sul de Nélson (Nova Zelândia), Rutherford
cresceu em família pobre, com pai mecânico e agricultor, e mãe
14

professora primária. Era o quarto de 12 filhos. Foi nesse ambiente
que, segundo o historiador da ciência Lawrence Badash, em "Rutherford (1871-1937)" (Dicionário de Biografias Científicas, Contraponto, 2007), forjaram-se os princípios que levariam o jovem
Ernest da periferia do império britânico ao posto de cientista mais
famoso do início do século passado: simplicidade, retidão, economia, energia, entusiasmo e respeito à educação ­ sempre leu muito
ao longo da vida.
Biografias de Rutherford ­ por exemplo, Arthur Eve, em Rutherford ­ Being the Life and Letters of the Rt Hon. Lord Rutherford,
OM. (Rutherford ­ sobre a vida e as cartas do muito honorável
Lorde Rutherford, O[rdem do] M[érito]; Cambridge University
Press, 1939) ­ costumam extrapolar para sua juventude o talento de sua maturidade. Porém, pesquisas minuciosas feitas pelo físico e biógrafo John Campbell, em Rutherford Scientist Supreme
(Rutherford, cientista supremo; AAS Publications, 1999), mostraram que o estudante ­ talentoso em matemática e física ­ estava mais para esforçado e iluminado pela sorte do que para `gênio'.
Suas oportunidades acadêmicas se concretizaram porque os primeiros colocados acabavam, por algum motivo, não aceitando as
bolsas de estudo.
Foi uma dessas bolsas que levou Rutherford, em 1895, ao
Laboratório Cavendish, em Cambridge (Inglaterra), referência
mundial em física experimental. Em fevereiro do ano seguinte,
ele finalizou um detector que podia captar ondas eletromagnéticas a até 800 m ­ feito tecnológico semelhante a do telégrafo sem
fio. Começava, assim, a manifestar, em continente europeu, sua
grande capacidade de imaginar, projetar e construir artefatos, algo
incutido nele ainda na infância, ao observar essas habilidades no
pai ­ ainda criança, desmontava relógios para construir moinhos
d'água, por exemplo.
Rutherford tentou patentear seu detector ­ talvez, buscando
fama e fortuna, segundo John Heilbron, em Rutherford and the
explosion of atoms (Rutherford e a explosão dos átomos; Oxford
University Press, 2003) ­, mas seus ganhos impossibilitavam essa
15

despesa extra: sua bolsa mal o sustentava, atirando-o no limite entre a pobreza e a miséria. Assim, o desenvolvimento do telégrafo
sem fio ficaria a cargo do italiano Guglielmo Marconi (1874-1937),
que levaria o Nobel de Física de 1909 pela invenção.
O detector e outras habilidades experimentais de Rutherford
impressionaram seu chefe no Cavendish, Joseph John Thomson
(1856-1940), que, em 1897, descobriria a primeira partícula subatômica, o elétron ­ fazendo da palavra átomo (a = não; tomo
= divisível, em grego) uma contradição semântica. Explica-se.
Até então, pelos últimos 2,5 mil anos, vários modelos de átomos
haviam sido idealizados, mas essas entidades diminutas sempre
haviam permanecido obedientes aos ditames do filósofo grego
Leucipo (c. 500-450 a.C), pai do atomismo: "Toda a realidade
consiste em partículas duras e indivisíveis, movendo-se e colidindo no espaço vazio". Raros foram os cientistas ou pensadores
que, até a época de Thomson, arriscaram teorizar sobre um átomo com estrutura interna.
Ao Canadá
Rutherford também desistiu de Cambridge ­ para ele, um
ambiente esnobe. Percebeu que alguém da periferia ­ ele foi, no
Cavendish, um dos primeiros estudantes de pesquisa não formados em Cambridge ­ teria poucas chances de promoção por lá.
A saída foi aceitar, em 1898, uma vaga na Universidade McGill
(Canadá), cujo laboratório de física era um dos mais bem equipados do mundo, graças ao patronato de um dono de uma fábrica
de tabaco que desprezava o hábito de fumar. Ganhou o emprego
indicado por Thomson, que o classificou como o melhor aluno
que já tivera. Os resultados que Rutherford obteria naquele laboratório colocariam a física canadense no mapa-múndi da ciência.
Com o auxílio do competente químico inglês Frederick Soddy
(1877-1956), Rutherford passou a trabalhar intensamente. Agora,
seu objetivo era publicar muito (e bons resultados), para um dia
voltar à Inglaterra, onde poderia não só fazer física de primeira,
mas também (e mais importante) estar ao lado de quem a fazia.
16

A ambição profissional sempre foi traço marcante de sua personalidade. De Montreal, escreveu para sua futura mulher, Mary
Georgina Newton (1876-1945), com quem se casaria, em 28 de
junho de 1900, em Christchurch (Nova Zelândia): "Quero trabalhar bastante e formar uma escola de pesquisa, para ofuscar todo
o brilho dos Ianques!" Décadas mais tarde, o ex-físico e escritor
inglês C. P. Snow (1905-1980), autor do clássico As duas culturas,
caracterizou-o como "exuberante, extrovertido e nada perceptivelmente modesto".
Em pouco tempo, a dupla Rutherford e Soddy apresentou resultados surpreendentes sobre a radioatividade. Um deles: a emissão de radiação fazia com que um elemento químico se transformasse em outro. Ganhou o nome de transmutação nuclear, teoria
que derrubava outra propriedade atribuída ao átomo ainda na Antiguidade: a indestrutibilidade.
A transformação cheirava a alquimia ­ na época, já morta e
enterrada ­, e Rutherford foi cuidadoso em buscar apoio de químicos renomados, como o britânico sir William Crookes (18321919), para a ideia. Com base nessa teoria, calculou a idade de
rochas em bilhões de anos, desmontando assim argumentos geológicos, biológicos e religiosos sobre a idade da Terra.
Esses e outros resultados (por exemplo, a descoberta do gás
radônio) lapidaram a imagem científica e pública de Rutherford
­ que se tornou o `Sr. Radioatividade'­, reforçada pela publicação,
em 1904, de seu livro Radio-Activity, clássico da área. No início do
século, sua fama ultrapassava a de Henri Becquerel (1852-1908), o
descobridor da radioatividade, e do casal Pierre (1859-1906) e Marie Curie, que haviam descoberto dois novos elementos radioativos,
o polônio e o rádio. Esse trio recebeu o Nobel de Física em 1903.
Inicialmente, Rutherford tinha o trio como competidores.
Mais tarde, desentendeu-se (polida e cientificamente) com Becquerel. Com os Curie manteve amizade; e com Marie, admiração
mútua longo da vida.
Os resultados no Canadá renderam a Rutherford o Nobel de
Química de 1908.
17

Química?
Sim, porque o assunto radioatividade, para o comitê do prêmio, pertencia a essa área. Rutherford resumiu seu espanto assim:
"Lidei com várias e diferentes transformações em diversos períodos, mas a mais rápida com que me defrontei foi a minha própria
transformação de físico em químico". Embutida na frase, há seu
preconceito em relação à química ­ para ele, ciência "malcheirosa".
Por sinal, Rutherford classificava todos os outros ramos das ciências naturais como "coleção de selos".
Rumo ao núcleo
O esforço e a perseverança de Rutherford se evidenciaram
naquele ano e meio em que ele se debruçou sobre os resultados
obtidos pelo físico neozelandês Ernest Marsden (1889-1970) entre
1909 e 1910. A ideia do experimento ­ baseado no bombardeio de
uma folha finíssima de ouro com partículas alfa (núcleos de hélio)
­ havia nascido de observação (desconfiada) feita por Rutherford
de um experimento anterior no qual um feixe semelhante de partículas, depois de atravessar uma folha fina de mica, formava, em
um anteparo, uma mancha difusa, um borrão.
A intuição demandava ­ com base no que se concebia ser o
átomo e as partículas alfa (estas últimas, para Rutherford, `gigantescas' como os átomos) ­, que o feixe não sofresse esses desvios. Ou
seja, não deveria haver o borrão.
Esse mistério permaneceu com Rutherford até que ele e seu
assistente, o físico alemão Hans Geiger (1882-1945), resolveram
atacar a questão na Universidade de Manchester (Inglaterra), para
onde Rutherford havia se transferido, ocupando a vaga deixada
especialmente para ele pelo físico anglo-alemão Arthur Schuster
(1851-1934). Para a tarefa investigativa, designaram Marsden, aos
tenros 20 anos de idade.
A engenhosidade ­ lançar partículas contra um alvo ­ foi tamanha que o experimento é base até hoje para perscrutar o interior do átomo. As partículas alfa (formadas por dois nêutrons e
18

dois prótons) vinham de uma fonte radioativa e, transformadas em
feixe, eram lançadas contra a folha finíssima de ouro (0,00006 cm),
que estava circundada por uma tela cintilante.
Em sua esmagadora maioria, as partículas alfa, viajando com
velocidade comparável à de uma bala de fuzil, atravessavam a folha
de ouro, sem praticamente se desviar da trajetória original. Algumas sofriam desvios maiores, atingindo a tela em pontos diversos,
que brilhavam com a colisão.
Mas ­ e aí está o que Rutherford macerou mentalmente por
um ano e meio ­ uma em cada 20 mil partículas, em média, ricocheteava de volta em direção à fonte emissora.
Os cálculos finais de Rutherford com base naqueles resultados experimentais sugerem uma caligrafia trêmula ­ talvez, reação
àquilo que ele começava a entender: toda a massa atômica estava concentrada em um caroço central, responsável por desviar ou
mesmo rebater de volta as partículas alfa. O átomo, portanto, era
um grande vazio. Resumiu seu espanto ao dizer que era como se
canhões de grosso calibre atirassem contra uma folha de papel, e os
projéteis voltassem em sua direção.
O núcleo era diminuto (cerca de 0,0000000000001 cm), aproximadamente 10 mil vezes menor que o diâmetro atômico. Se o
átomo tivesse o diâmetro do estádio do Maracanã, o núcleo seria
mais ou menos do tamanho da cabeça de um alfinete, no centro
do gramado. Se juntássemos todos os núcleos atômicos do corpo
humano, o conjunto não seria maior que um grão de areia.
O modelo atômico nuclear de Rutherford desbancou aquele idealizado por Lorde Kelvin (1824-1907) e aperfeiçoado por
Thomson, o chamado `pudim de passas', no qual os elétrons seriam `passas' incrustadas em uma `massa' de carga elétrica positiva. Esse tipo de átomo, pela disposição de seus elementos, não
explicava por que as partículas alfa batiam contra a folha de ouro
e voltavam.
O modelo de Rutherford não recebeu muita atenção, mas deu
início à viagem da ciência rumo ao centro da matéria. E, de certa forma, confirmou as ideias de 1903 do físico japonês Hantaro
19

Nagaoka (1865-1950) ­ por sinal, citado por Rutherford ­, cujo
átomo tinha um núcleo gigante, rodeado por elétrons, lembrando
os anéis de Saturno.
O alquimista
Em 1919, Rutherford publicou os resultados que o tornariam
o primeiro alquimista da história ­ feito tão impressionante quanto o do núcleo atômico. No experimento, bombardeou átomos de
nitrogênio com partículas alfa, produzindo oxigênio e, de quebra,
o próton, partícula de carga positiva de cuja existência ele já desconfiava desde o núcleo atômico.
A transmutação de nitrogênio em oxigênio foi seguida, no
entanto, de queda significativa de resultados importantes no Laboratório Cavendish, que, desde 1919, estava sob a liderança de
Rutherford ­ herdou-a de Thomson.
Nessa altura, Rutherford ­ que não tinha a física teórica em
grande estima ­ percebeu que precisaria de ajuda para projetar experimentos na área da teoria quântica, que lida com os fenômenos
do mundo atômico e subatômico e que ganhou grande impulso
na década de 1920. Contratou Ralph Fowler (1889-1944), que,
em 1921, casou-se com sua única filha, Eileen Mary Rutherford
(1901-1930).
A essa altura, vale perguntar: se tanto fez Rutherford, então
por que não recebeu um segundo Nobel?
A hipótese mais provável é a de Campbell: o comitê estava
certo de que mais um prêmio nada acrescentaria à já ampla fama
do físico.
Historiadores da ciência veem em Rutherford as origens da
Big Science, o tipo de ciência (principalmente física) feito depois
da Segunda Guerra, com enormes volumes de dinheiro, grande
quantidade de pesquisadores, laboratórios nacionais e temas, por
vezes, ligados a questões militares. Badash (1934-2010), em capítulo de Rutherford and physics at the turn of the century, enxerga os
seguintes elementos pioneiros em Rutherford: formação de equipes
de pesquisa e de laboratórios com numerosos integrantes; no gran20

de fluxo de publicações; na internacionalização dos resultados; nos
esforços de especialização; nos meios de disseminação da informação; e na competição ­ cada um desses itens é moeda corrente na
ciência atual.
A tese de Badash ­ apesar de bem argumentada ­ causa espanto para aquele que conheceu o Cavendish nos tempos heroicos,
em que para um aluno, em busca de um cano de aço para um experimento, era dada uma serra e uma bicicleta velha, da qual ele
devia extrair o que desejava. Era a física experimental no seu modo
mais romântico, com experimentos feitos num prédio úmido, empoeirado, cheio de fios e equipamentos que se distribuíam sem a
menor ordem aparente, empestados pela fumaça dos charutos do
chefe, que fazia, para o temor dos estudantes, a ronda diária. Época
de físicos com mãos e roupas sujas de graxa.
Nêutron
A indiferença de Rutherford em relação à mecânica quântica ­ cuja matemática ia muito além de seus conhecimentos ­ só
foi amenizada com a volta dos grandes resultados do Cavendish.
Em 1932, James Chadwick (1891-1974) descobriu o nêutron,
partícula sem carga elétrica, companheira do próton no núcleo
atômico. Pouco antes (e de modo impressionante), esbarraram
nesse resultado Fédéric Joliot (1900-1958) e Irène Curie (18971956) ­ filha de Pierre e Marie Curie. O casal levaria o Nobel de
Química de 1935 pela obtenção dos primeiros elementos químicos radioativos artificiais.
Chadwick percebeu que aquela partícula, cuspida depois que
átomos de berílio eram bombardeados com partículas alfa, não era
um raio gama ­ como teorizaram Frédéric e Irène ­, mas algo que
seu chefe, Rutherford, já havia proposto em 1920: o nêutron.
Agora, o modelo atômico parecia se completar: prótons,
nêutrons e elétrons. Mas a descoberta ou a proposição de novas
partículas subatômicas (pósitron, múon, píon) na década de 1930
viriam embaralhar o cardápio dos constituintes básicos da matéria, justamente em uma época em que havia muita resistência à
21

aceitação de novos membros nesse clube, cujas portas os físicos
sonhavam em fechar.
Foi uma época da qual Rutherford desfrutou pouco, assoberbado por palestras, compromissos, cargos e tarefas burocráticas.
Aos pés de Newton
Aquele neozelandês de olhos claros, voz grave e tenebrosa,
que metia medo em seus alunos, exigente e com pouca paciência
para experimentos que tardavam a dar resultados foi, no entanto,
respeitado e admirado. Sua humildade foi reconhecida: não pôs
seu nome em artigos importantes, mesmo que a ideia do experimento tenha partido dele. Não pleiteava nem dinheiro, nem equipamento além do que realmente precisava.
Passou por momentos difíceis. O pior foi a morte de sua filha no parto do quarto neto dele. Lutou pela paz mundial ­ pediu
que aviões não fossem usados em guerra ­, participou do esforço
de guerra para deter o avanço nazista, lutou pela liberdade de imprensa e defendeu o direito das mulheres na ciência ­ sua sogra foi
pioneira do movimento pelo voto feminino na Nova Zelândia ­,
concedendo bolsas e oportunidades para físicas.
Diferentemente do improdutivo Nobel de Física Michael
Beard, protagonista de Solar, de Ian McEwan (Companhia das
Letras, 2010), Rutherford seguiu impressionando o mundo científico depois do prêmio de 1908. Além disso, dirigiu o Cavendish
de grandes feitos na década de 1930, como a descoberta do nêutron e a primeira comprovação experimental da fórmula mais famosa da ciência, E = mc2, proposta em 1905 pelo físico de origem
alemã Albert Einstein (1879-1955). Até 1930, praticamente tudo
que havia sido feito sobre a estrutura nuclear havia vindo de Rutherford, escreveu o historiador da física Daniel Kevles (Physics
Today v. 10, pp. 175-181, April 1972). O problema do modelo atômico nuclear (instabilidade, segundo as regras da física clássica)
foi corrigido com base na teoria quântica, em 1913, por um de
seus ex-alunos em Manchester, o físico dinamarquês Niels Bohr
(1885-1962).
22

Tornou-se sir (1914) e 1º Barão Rutherford de Nélson (1931).
Em seu brasão, escolheu homenagear seu país natal, com símbolos
da Nova Zelândia (um pássaro kiwi e um guerreiro maori). Suas
pesquisas em radioatividade e física nuclear hoje levam conforto
e saúde a boa parte da população, por meio de usinas nucleares
e equipamentos de diagnóstico e tratamento para o câncer, para
citar apenas dois casos emblemáticos.
Os restos de Rutherford ­ morto em 19 de outubro de 1937,
aos 66 anos de idade, em Cambridge, por postergar a cirurgia de
sua hérnia umbilical em função dos compromissos ­ estão aos
pés do magnífico altar de Isaac Newton (1642-1727), na Abadia
de Westminster, em Londres. Assim, aquele que quiser chegar a
Newton, para observar o passado, deverá necessariamente passar
por Rutherford.
Muito justo.

23

[Uma versão deste texto foi publicada em Ilustríssima, da Folha de S. Paulo (28/12/14)]

ASES INDOMÁVEIS
50 anos da proposição dos constituintes dos
prótons e nêutrons

Em 14 de dezembro de 1900, o físico alemão Max Planck
(1858-1947) propôs que, na natureza, a energia era gerada e absorvida na forma de minúsculos pacotes (hoje, chamados quanta). Foi
um "ato de desespero" (palavras dele) para resolver um problema
em aberto à época: como os corpos aquecidos emitem luz e calor.
Para ele, no entanto, os quanta eram só um artifício matemático,
sem realidade física. Cinco anos depois, Albert Einstein (18791955), então técnico do Escritório de Patentes da Suíça, aceitaria
a realidade física dos quanta e, com base neles, proporia sua ideia

George Zweig
Crédito: cortesia George Zweig /
arquivo pessoal

24

mais revolucionária: a luz é composta de partículas (hoje, denominadas fótons). Há exatos 50 anos, embate semelhante (real versus
irreal) marcaria a história de um pesquisador estabelecido e a de
um jovem físico. As ideias de ambos permitiram entender do que
prótons e nêutrons são feitos.
Em abril de 1963, aos 27 anos de idade, o doutorando George Zweig passou os olhos em um dos muitos artigos sobre física
de partículas publicados à época. Entre o emaranhado de números, símbolos e gráficos, algo laçou sua atenção: a ausência do
modo como certa partícula se transformava (ou decaía, no jargão
científico) em duas outras. Razão da estranheza: a teoria previa
que tal transformação deveria ser a dominante na transformação
daquela partícula.
Nem mesmo os autores do experimento (P. L. Connolly e colegas) deram muita atenção ao fato. Alegaram que tal ausência se
devia aos erros costumeiros de um experimento daquele tipo, envolvendo aceleradores de partículas e eletrônica sofisticada, típica
da chamada física de altas energias. Zweig, porém, cravou aquela
anomalia na memória.
Por que um jovem teórico conseguiu enxergar o que outros
mais experientes não viram? Parte da resposta: sua primeira tentativa de doutorado ­ com a qual se frustou ­ havia sido em física
experimental. Mas explicação mais palatável talvez seja o fato de
que, desde o final da década de 1940, já se especulava que partículas
consideradas elementares (indivisíveis) poderiam ser compostas por
entidades menores. Esse era o caso, por exemplo, do méson pi, cuja
descoberta, em 1947 e no ano seguinte, contou com papel essencial
do físico brasileiro César Lattes (1924-2005). O físico italiano Enrico
Fermi (1901-1954) e o chinês Chen-Ning Yang levantaram essa hipótese no periódico Physical Review (v. 76, p. 1739, 1949).
Além dessa possível divisibilidade, o início da década de 1960
foi marcado por uma enxurrada de novas partículas. E isso trouxe
confusão ao mundo dos físicos. Anos antes, o físico norte-americano Willis Lamb (1913-2008) já demonstrava preocupação com esse
excesso de constituintes. Em seu discurso de Nobel (1955), pronun25

ciou uma das passagens mais saborosas da história da premiação.
"O descobridor de uma nova partícula elementar costumava ser recompensado com um prêmio Nobel, mas tal descoberta hoje deveria ser punida com uma multa de 10 mil dólares".
As palavras de Lamb têm razão de ser: até o final da Segunda
Guerra, havia grande resistência por parte dos físicos em aceitar
novos itens ao cardápio subatômico. Havia, então, o elétron (descoberto em 1897), fóton (1905), próton (1919), nêutron (1932),
além de dois componentes bizarros: o pósitron (1932), antimatéria do elétron, e o ainda hoje estranhíssimo múon (1937), primo
pesado do elétron.
Com novas partículas pululando às dezenas dos aceleradores,
surgiu, naquele início da década de 1960, quase uma obrigação em
tentar enxergar alguma ordem naquele zoo de fragmentos, na esperança de encontrar similaridades entre seus novos e velhos membros. E, com base nessas semelhanças, classificá-los em grupos.
Buda versus David
A mais famosa classificação à época foi o chamado Eightfold
Way, tipo de tabela periódica cujo nome vem das oito práticas
(compreensão, pensamento, fala etc.) pregadas pelo budismo.
O Eightfold Way pôs ordem na casa e, como sua similar do século 19, pôde fazer previsões. A mais famosa delas foi a ômega menos. Descoberta em 1964, essa partícula deu impulso às ideias ali
propostas, de forma independente, pelos dois idealizadores dessa
classificação, o físico norte-americano Murray Gell-Mann (Nobel
1969) e o físico israelense Yuval Ne'eman (1925-2006), ex-combatente na guerra de independência de Israel (1948).
A referência ao número oito vem do fato de as partículas formarem ­ por um motivo então desconhecido ­ grupos de oito, segundo
certas propriedades. O físico John Gribbin, em Q is for quantum (Q
é para quantum; Weidenfeld & Nicolson, 1998), conta que Ne'eman,
com base em ideias ainda prematuras, alimentou a esperança de ver
aquelas partículas reunidas em grupos de seis, para que pudessem
ser representadas pictoricamente pela estrela de David.
26

Gell-Mann havia sido a primeira opção de Zweig como orientador de sua segunda tentativa de doutorado ­ agora, em física teórica. Gell-Mann, porém, passaria uns tempos fora do Instituto de
Tecnologia da Califórnia (Caltech), mas havia deixado boas recomendações de Zweig para Richard Feynman (1918-1988) ­ pouco
depois, Nobel de Física (1965). "Se Murray diz que você é ok, então
você deve ser ok", foi como Feynman disse `sim'.
Foi nesse momento que a atenção de Zweig foi capturada pela
tal anomalia. Tentou discutir com seu novo orientador as implicações dela, mas Feynman não deu muita atenção ­ alegou que
experimentos podiam estar errados ­, despejando no aluno certa
arrogância, pela qual, anos depois, se desculparia.
Anomalia na cabeça
Em 1963, recém-doutor, Zweig embarcou para um período
de um ano de pesquisa no Centro Europeu de Pesquisas Nucleares
(CERN), na fronteira entre a França e a Suíça, casa do acelerador
mais potente do planeta, o LHC.
Lá, na tranquilidade de um chalé, rodeado de um pasto verde com vacas, ideias sobre a tal anomalia, bem como sobre similaridades entre partículas, começaram a se avolumar. Mas o insight veio de um artigo de 1957 escrito pelo japonês Soichi Sakata
(1911-1970). Nele, esse físico teórico ­ conhecido por ser adepto
do materialismo dialético ­ propunha que boa parte das partículas
então conhecidas era constituída por três `tijolos' básicos: próton,
nêutron e a então recém-descoberta partícula lambda.
Sakata estava equivocado, e havia pontos obscuros em seu
modelo. Porém, para Zweig, estava ali a semente para responder à
pergunta basal: por que certas partículas podiam ser reunidas em
grupos? Mais importante: por que ocorria a tal anomalia?
Zweig havia agora proposto uma reposta: prótons e nêutrons,
bem como tantas outras partículas, seriam formados por `blocos'
ainda menores, que ele denominou aces (como ases, do baralho).
No modelo de Zweig, prótons e nêutrons, por exemplo,
são formados por três aces. Outras partículas, como o méson pi
27

(ou píon), teriam dois aces. Aquelas com três aces são chamadas
bárions; com dois aces, mésons. Em tempo: Zweig ousou criar um
quarto ace, para o qual não deu nome. Hoje, ele é denominado
charm. Portanto, quatro aces, como os quatro ases do baralho.
"Como uma criança, eu estava brincando novamente, mas
agora com ideias e não blocos. Como na minha infância, foi uma
época maravilhosa", disse Zweig em entrevista à Folha. E qual a
influência do Eightfold Way para a construção do modelo de aces?
"Foi incidental. Fui realmente influenciado pelo modelo de Sakata", respondeu.
O modelo de aces vinha com um bônus: explicava a anomalia que havia chamado a atenção de Zweig. A tal partícula (phi)
não se transformava em duas outras (pi e rô), porque os aces que a
formavam eram diferentes daqueles presentes em seu subproduto.
Portanto, a reação (phi pi + rô) era proibida.
Tudo se encaixava com elegância ­ critério importante para
um modelo. Mas Zweig conta que, dada a crueza do modelo, "era
um milagre" que os aces explicassem tão bem a classificação e as
propriedades dos bárions e mésons.
A principal peculiaridade dos aces era o fato de eles terem carga
elétrica fracionária (mais 2/3 e menos 1/3) quando comparada à do
elétron. Para muitos, uma esquisitice e tanto. Para outros, heresia ­ afinal, havia 50 anos que se acreditava que a carga elétrica era indivisível.
Puro lixo"
Para apresentar o modelo de aces, Zweig preparou dezenas de
páginas, com cálculos e muitos desenhos feitos à mão, na esperança de tornar aquelas novidades mais palatáveis a seus colegas.
Mas, como conta Zweig em artigos recentes, o aspecto social
da ciência começou a mostrar seus caninos: i) o chefe da divisão
de física teórica do CERN, o belga Leon Van Hove (1924-1990), o
proibiu de enviar o calhamaço para um periódico científico norteamericano; ii) instruiu a secretária a não datilografar nada que fosse dele ­ e Zweig não sabia datilografar; iii) cancelou um seminário
em que Zweig explicaria o modelo de aces.
28

O físico britânico Frank Close, em seu livro Infinity Puzzle
(Quebra-cabeças infinito; Basic Books, 2013), escreve (p. 226) que
Van Hove considerava a ideia dos aces "puro lixo".
Mesmo assim, dois reports acabaram sendo publicados pelo
CERN ­ hoje, são históricos. Num deles, Zweig esboça o modelo
de aces; no outro, discute suas implicações. "Quando Van Hove publicou um livro reproduzindo artigos sobre [o tema], não incluiu
nenhum de meus dois reports [...] Van Hove deliberada e sistematicamente tentou manter meu trabalho alheio à opinião pública",
disse Zweig em entrevista recente ao CERN.
Outra lição dos meandros sociológicos da ciência: tão importante quanto ter uma boa ideia é saber propagandeá-la adequadamente. Na chance em que teve de apresentar seu modelo de aces,
em Erice, na Sicília (Itália), perante a nata da física da época, Zweig
não se saiu bem, como relata, em entrevista de 2002 para o arquivo de história oral do Caltech, o físico húngaro Valentine Telegdi
(1922-2006), que estava na plateia, "Ele não vendeu muito bem
suas ideias", diz o renomado experimental.
Real versus irreal
Do outro lado do Atlântico, de forma independente, GellMann chegava a conclusões muito semelhantes sobre a constituição
de bárions e mésons. No caso, os constituintes básicos ganhariam
o nome quarks ­ palavra extraída do romance Finnegans wake, do
escritor irlandês James Joyce (1882-1941).
A essência dos dois modelos era basicamente a mesma: bárions e mésons são formados por constituintes menores. Mas havia, pelo menos, uma diferença crucial: Zweig sempre acreditou na
realidade de seus aces. "Sempre tratei os aces como partículas reais.
Eles tinham dinâmica", explica o físico nascido na Rússia em 1937,
de pais que haviam ido da Alemanha para lá cinco anos antes, fugindo do nazismo, e com avós que morreram em um campo de
concentração na Letônia.
Dinâmica, no caso, significa que os aces saltavam de uma partícula para outra; giravam e rodavam um em torno do outro etc.
29

"Qual seria o significado de tudo isso caso os aces não fossem reais?", relembra Zweig.
Em 1967, começariam a brotar os primeiros resultados de
um experimento que se estenderia pelos próximos cinco anos. Feitos no SLAC, acelerador linear da Universidade de Stanford, na
Califórnia (EUA), eles chocavam elétrons ultraenergéticos contra
prótons. E a conclusão parecia ser clara desde o início: prótons são
formados por estruturas menores.
Segundo Zweig, mesmo depois de cinco anos de resultados
do SLAC, Gell-Mann ainda não aceitava a realidade dos quarks.
Em palestra de 1972, Gell-Mann parece realmente não crer na realidade desses constituintes. Ele diz, por exemplo, que "os hádrons
[grupo que reúne bárions e mésons] comportam-se como se fossem feitos de quarks, mas quarks não precisam ser reais." E mais
adiante: "hádrons agem como se eles fossem feitos de quarks, mas
quarks não existem".
Zweig conta que, ainda no fim de 1964, recém-chegado do
CERN, tentou explicar o modelo de aces para Gell-Mann, mas a reação deste foi: "Oh, quarks concretos [reais]. Isso é para estúpidos".
A Folha contatou Gell-Mann para que ele desse sua versão da
história. No entanto, a assessoria de imprensa do Instituto Santa
Fé, no Novo México (EUA), instituição à qual ele está vinculado,
alegou que Gell-Mann não poderia responder às perguntas, por
estar com a saúde fragilizada ­ ele está com 84 anos. Mas acrescentou que as respostas poderiam ser achadas em seu livro O quark e
o jaguar (Rocco, 1996).
No livro, lê-se a seguinte passagem (p. 182, edição norte-americana): "Numerosos autores, ignorando minhas explicações dos
termos "matemático" e "real" [...], têm alegado que eu realmente não
acreditava que os quarks estavam lá! Uma vez que tal mal-entendido
se torna estabelecido na literatura popular, ele tende a se perpetuar,
porque vários autores frequentemente copiam uns aos outros".
Telegdi, no entanto, na mesma entrevista ao arquivo de história oral, é peremptório: "Pessoalmente, acho que é preciso ser muito cauteloso, porque Murray [Gell-Mann] tem certa tendência a
30

reescrever a história. Ele, claro, agora, diz que considerava os quarks como objetos físicos, e eu não acho que isso seja inteiramente
verdade. Acho que ele os considerava como objetos matemáticos."
"Que ele [Einstein], às vezes, tenha errado o alvo em suas especulações, como, por exemplo, em sua hipótese dos `quanta de
luz', não pode ser levado muito a sério, pois não é possível introduzir ideias verdadeiramente novas, mesmo nas ciências exatas, sem
correr alguns riscos de vez em quando". Essas são palavras da carta
escrita por Planck em 1913, para recomendar Einstein para a prestigiosa Academia Prussiana de Ciências. Planck ainda acreditava
que seu quantum era um mero artifício matemático. E Einstein,
talvez, tenha sido o único físico a acreditar na realidade dos fótons
entre 1905, quando os propôs, até 1925, quando eles passaram a
ser aceitos como reais.
Reação não benigna
Zweig conta que, por vezes, a reação ao modelo de aces "não
foi benigna". Ao tentar uma posição na Universidade da Califórnia,
em Berkeley, sua candidatura foi barrada por um físico teórico sênior da instituição, Geoffrey Chew. Alegação: o modelo de aces era
obra de um "charlatão".
Hoje, passados exatos 40 anos da chamada `Revolução de Novembro', ninguém mais duvida da existência dos quarks (ou aces).
Em 1974, foi descoberta a partícula J/ (jota/psi) que fincou na
mente dos físicos a realidade desses constituintes da matéria.
Hoje, "quarks são aces disfarçados", nas palavras de Zweig. Há
seis deles: up, down, charm, strange, top e bottom. E suas cargas são
fracionárias: mais 2/3 (up, charm e top) e menos 1/3 (down, strange
e bottom) ­ o top, o último a ser descoberto, em meados da década
de 1990, contou com a participação de físicos brasileiros.
Os dois mais famosos bárions ficam assim: o próton é formado
por dois up e um down (carga elétrica positiva), e o nêutron por dois
down e um up (sem carga). Mésons são formados por um quark e um
antiquark. Sabe-se hoje que quarks nunca são vistos livres ­ as forças
que os mantêm unidos é tão forte que eles não podem ser separados.
31

Atualmente, há linhas de pesquisa que tentam saber se os
quarks são ou não divisíveis, tentando responder ao que talvez seja
a mais fascinante pergunta do intelecto humano: do que são feitas
as coisas?
E a esta altura vale ressaltar que o físico britânico Donald
Perkins, em artigo recente, conta como, por "falta de imaginação e
de confiança" dos físicos, os quarks (ou aces) não foram descobertos no CERN em... 1963!
Ainda é cedo
Em maio de 1968, Zweig encontrou Feynman na The Greasy (`Sujinho', na tradução mais tentadora), histórica lanchonete
do Caltech. Perguntou a Zweig sobre novidades. E este, pacientemente, repetiu a ladainha de anos: aces. Para a surpresa de Zweig,
Feynman diz: "Certo, vou dar uma olhada nisso". Cerca de três
anos depois, em outro encontro, Feynman dispara para Zweig:
"Parabéns, você estava certo". O físico norte-americano ­ que trabalhou no Brasil e visitou o país várias vezes ­ agora acreditava
que bárions e mésons tinham subestrutura, batizando esses constituintes pártons.
Em 1977, Feynman indicaria Zweig e ­ surpreendentemente,
dado o notório choque de egos entre os dois ­ Gell-Mann para
o Nobel. Não é pouca coisa, levando em conta que Feynman era
conhecido por não indicar ninguém para prêmios.
Segundo Andrew Pickering, autor de Constructing quarks ­ a
sociological history of particle physics (Construindo quarks ­ uma
história sociológica da física de partículas; University of Chicago
Press, 1999), quarks foram um elemento importante na transição
entre a `velha' e a `nova' física de altas energias. A primeira buscava
fenômenos corriqueiros, e os resultados experimentais costumavam guiar a teoria. A outra era orientada por esta e focada em fenômenos raros (entre eles, quarks).
Em 1972, Zweig alterou radicalmente sua carreira: neurobiologia. E passou a se dedicar a entender como o som é representado
no cérebro. Ganhou destaque internacional nesse campo.
32

Diz-se que o diplomata norte-americano Henry Kissinger perguntou ao líder do Partido Comunista chinês Xu Enlai (1898-1976)
o que este achava da Revolução Francesa. A resposta teria sido: é
muito cedo para dizer. Talvez, meio século depois da proposição
das ideias que mostraram que os prótons e nêutrons são divisíveis,
resposta semelhante seja prudente ­ afinal, os dois principais protagonistas estão vivos, e suas histórias têm divergências importantes.
Mas o fato de comemorarmos o 50º aniversário de entidades
que ficaram conhecidas como quarks ­ e não aces ­ é emblemático de como a história se constrói como um jogo de influência,
poder, hierarquia, prestígio e preconceito contra novas ideias.
E de esquecimento.
E a física, claro, está cheia de casos assim.

33

[Uma versão deste texto foi publicada em Ilustríssima, da Folha de S. Paulo (02/06/13)]

A TRILOGIA BOHR
100 anos do modelo que levou a física quântica
ao interior do átomo
com Antonio Augusto Passos Videira, UERJ

A identidade
Em 19 de junho de 1913, uma carta partiu de Manchester
(Inglaterra) para a Dinamarca. Nela, havia a passagem: "Talvez, eu
tenha feito uma pequena descoberta sobre a estrutura dos átomos.
Não conte isso para ninguém."
De pequena, a descoberta nada tinha. Marcava o início da
conquista do interior do átomo pela teoria quântica. O remetente
era o jovem dinamarquês e recém-doutor em física teórica Niels

Niels Bohr
Crétido: Wikimedia
Commons

34

Bohr (1885-1962), que, naquele momento, acabava um período de
estudo com Ernest Rutherford (1871-1937), descobridor, dois anos
antes, do núcleo atômico, caroço central onde se estocam 99% da
massa do átomo. O mundo científico não levou a sério o modelo.
Nem mesmo Rutherford achava ter feito algo importante.
Antes de Manchester, Bohr havia passado pouco tempo na
então catedral mundial da física, o Laboratório Cavendish, em
Cambridge (Inglaterra), para trabalhar com o descobridor do elétron, Joseph Thomson (1856-1940). Porém, seu inglês precaríssimo e alguma falta de tato social criaram dificuldades de relacionamento por lá.
Bohr decidiu aceitar convite de Rutherford. Depois de curto
período de laboratório trabalhando com radioatividade ­ manualmente, o dinamarquês era desajeitado ­, Bohr voltou sua atenção para o modelo atômico com núcleo, que, no entanto, tinha um
problema sério: segundo o eletromagnetismo, elétrons, por terem
carga elétrica (no caso, negativa), perderiam energia ao orbitar o
núcleo e acabariam engolidos por este. Átomos, portanto, seriam
instáveis e não deveriam existir.
O início da jornada de Bohr para livrar o átomo dessa `incoerência' começou ainda em fevereiro de 1913, quando ele tomou
conhecimento de resultados relativos ao modo como os átomos
devolvem ao meio a luz (energia) que incide sobre eles. Vista com
lentes especiais, a energia expelida se apresenta como raias (linhas
paralelas) com cores (frequências) diversas. Esse é o chamado espectro atômico (ou raias espectrais). E cada átomo tem seu conjunto de raias, de `risquinhos' coloridos, como um tipo de identidade.
Desde que os primeiros espectros atômicos começaram a ser
medidos, partir da década de 1860, permanecia um mistério: por
que raias e não uma faixa contínua de cores? A resposta a essa pergunta levaria quase 60 anos. E o feito seria de Bohr.
Abandonando o laboratório, Bohr, de volta à teoria, iniciou
sua jornada rumo à estrutura atômica, depois de ouvir de um colega, o físico-químico húngaro Georg Von Hevesy (1885-1966), sobre
os chamados isótopos ­ variações de um mesmo elemento químico,
35

cujo núcleo tem o mesmo número de prótons, mas diferente quantidade de nêutrons. Bohr logo percebeu que, na radioatividade, o
núcleo, ao expelir parte nacos de si mesmo, mudaria de posição
na Tabela Periódica, ou seja, os elementos se transformariam. Mais
importante: a radioatividade tinha que ser um fenômeno nuclear.
Comprovar essas ideias seria ratificar o modelo de Rutherford.
Entusiasmado, Bohr foi cinco vezes a Rutherford. Este ­ nutrido, talvez, pela má compreensão, incredulidade ou contumaz
falta de tempo ­ não se entusiasmou. No ano seguinte, a lei do deslocamento radioativo entraria para o currículo de outros pesquisadores, dois químicos. No entanto, nessa primeira decepção científica de Bohr há a marca de algo que lhe acompanharia pela vida:
a agudeza para relacionar fenômenos aparentemente desconexos.
Segundo subsídio importante para Bohr: seu contato com
Charles Galton Darwin (1887-1962), neto do famoso naturalista Charles Darwin (1809-1882). Esse colega tentava entender
como partículas alfa (dois prótons unidos a dois nêutrons) perdem energia ao atravessar a matéria, chocando-se quase exclusivamente contra os elétrons ­ o papel do núcleo nessas colisões
é desprezível.
As contas de Darwin não batiam com os resultados experimentais. Bohr percebeu que o problema era seu colega ter tratado
os elétrons como entidades livres no interior atômico. Bohr, porém, assumiu que essas partículas se comportavam como entidades vibratórias (osciladores) que absorviam e expeliam energia e
estavam ligadas ao núcleo.
Para isso, Bohr usou as ideias do físico alemão Max Planck
(1858-1947), que, em 1900, inaugurou a física quântica, ao propor
que, na natureza, a energia é gerada ou absorvida em diminutos
grânulos (batizados quanta). Bohr conjeturou que os elétrons só
poderiam irradiar energia na forma de `pacotinhos'.
O físico holandês Abraham Pais (1918-2000), em seu livro
Niels Bohr's times (Os tempos de Niels Bohr; Oxford University
Press, 1994), escreve: "Assim, a teoria quântica penetrou o interior
do átomo pela primeira vez nos escritos de Bohr".
36

O modelo atômico quântico começava a se desenhar. Bohr
consolidava sua identidade como físico.
A supremacia
O terceiro (e mais importante subsídio) a Bohr foi seu contato, em 6 de março de 1913, com uma fórmula que descrevia o
espectro do átomo de hidrogênio, a chamada fórmula de Balmer
­ homenagem a um professor de uma escola de meninas na Basileia, o suíço Johann Balmer (1825-1898), que teve essa ideia aos 60
anos de idade e só publicaria mais dois artigos em vida.
A fórmula de Balmer descrevia e previa, com precisão, as raias
coloridas no espectro do átomo de hidrogênio. Mas o que a fórmula
significava? Três décadas de mistério se acumulavam até 1913.
Ao vê-la, Bohr ­ com aquela capacidade em juntar fenômenos aparentemente díspares ­ entendeu o porquê das raias do espectro. Segundo Pais, Bohr assumiu que a fórmula estava correta.
E some-se a isso a convicção do jovem físico de que não seria possível explicar os átomos com a física clássica.
A composição básica do modelo quântico do átomo de hidrogênio estava completa. Sua essência: o elétron, ao girar em torno
do núcleo, só pode fazer isso caso se mantenha em órbitas prédeterminadas. Se o elétron receber luz ­ ou seja, um quantum de
energia ­, ele salta para uma órbita mais energética, passa fração
de segundo lá e, ao voltar à sua órbita original, expele a energia na
forma de um quantum.
É esse processo, repetido continuamente, que dá origem às
raias espectrais. O espaçamento dessas linhas (a descontinuidade) é explicado, então, pelo fato de a luz expelida pelos átomos ser
quantizada, ter valores discretos.
Cerca de 30 anos de mistério desaparecem.
No artigo em que descreve essas ideias, publicado em julho de
1913, Bohr propõe um dos postulados mais corajosos da física: em seu
estado fundamental (de energia mínima), a órbita do elétron é estável,
o que evita que ele seja `engolido' pelo núcleo. Estados mais energéticos (excitados) são instáveis ­ daí, o elétron expelir a luz absorvida.
37

Contexto histórico necessário: a ideia de usar o quantum de
Planck para entender o átomo estava mais ou menos no ar por
volta de 1910. Nessa época, esse enfoque foi usado, por exemplo,
pelo físico austríaco Arthur Haas (1884-1941), o britânico John
Nicholson (1881-1955) e o químico dinamarquês Niels Bjerrum
(1879-1958). Portanto, Bohr deve ser visto como produto de sua
época. E não um gênio atemporal. Mas nenhum outro foi tão longe
quando ele nesse tema.
Naquele mesmo ano, em setembro e novembro, Bohr publicaria dois outros artigos, desdobramentos do de julho. No primeiro, aplica as ideias quânticas para átomos mais pesados que o hidrogênio; no outro, para moléculas. Importantes, sem dúvida, até
mesmo para a química, mas sem o impacto do primeiro.
Diferentemente do modelo de Rutherford, o de Bohr teve
boa recepção e repercussão ­ apesar de para muitos a ideia central
ainda parecer bizarra: quando a energia é mínima, a órbita do elétron é estável. Mas resultados experimentais foram se acumulando
nos anos seguintes. O principal deles foi a confirmação dos saltos
quânticos, ou seja, a ida do elétron para uma órbita mais energética
e seu retorno para a órbita inicial.
O átomo ­ assim como imaginado na Antiguidade ­ voltava
a ser uma entidade estável. Mais tarde, o físico de origem alemã
Albert Einstein (1879-1955), idealizador da teoria da relatividade,
classificaria o modelo de Bohr como a "mais alta forma de musicalidade na esfera do pensamento".
Visto de hoje, porém, o desdobramento mais importante
da trilogia Bohr (aqueles três artigos de 1913) estava nas entrelinhas: Bohr percebeu que a física clássica ­ na qual os fenômenos são descritos no espaço e no tempo ­ não serviria para
sistemas atômicos. Seria preciso um profundo reajuste nesse sentido. Mas, mesmo limitada, aquela física era indispensável para
o entendimento da física quântica. Chamou a isso princípio da
correspondência.
A essa altura, vale questão intrigante: se a matéria ordinária
é formada por átomos, e estes são entidades discretas, por que o
38

mundo é percebido como contínuo? O princípio da correspondência ajuda a responder: "Onde o mundo parecer contínuo, as
`regras' da mecânica quântica correspondem às da física clássica",
nas palavras do físico Fred Alan Wolf. E isso explica por que as páginas desta Ilustríssima, da Folha de S. Paulo, são percebidas como
extensas e não como grânulos de matéria e energia.
Estava aí a semente de um dos capítulos ­ a mecânica quântica ­ mais fascinantes de toda a história da física.
A fama de Bohr se consolidou com sete palestras dadas em
1922 em Göttingen (Alemanha). Na plateia, físicos e matemáticos
da mais alta estirpe. Foi o encontro da então `Santa Trindade Teórica': Bohr, de Copenhague; Arnold Sommerfeld (1868-1951), de
Munique; Max Born (1882-1970), de Göttingen. Até hoje, as palestras são conhecidas como `Festival Bohr'. Muitos jovens físicos
­ por exemplo, Werner Heisenberg (1901-1976), que anos depois
daria contribuições importantíssimas para a teoria quântica ­ foram influenciados pelas ideias ali discutidas.
O relato de, pelo menos, um desses jovens, que estava presente às palestras, dá a Bohr a supremacia nos debates com Sommerfeld e Born.
O ultimato
Bohr será para sempre lembrado por seu modelo de 1913.
Mas, a partir da década de 1920, a imagem de filósofo da natureza
se consolida nele. Daí para frente, cada vez mais, seus artigos traziam conceitos em vez de números e fórmulas. Hoje, analisar as
ideias filosóficas de Bohr tornou-se uma indústria acadêmica.
Três eventos principais marcam a faceta filosófica de Bohr.
O primeiro é a apresentação do princípio da complementaridade,
em setembro de 1927, em Como (Itália), encontro no qual ele afirma que as visões das partículas subatômicas como corpúsculos e
ondas devem ser vistas como complementares (e necessárias) para
o entendimento do mundo microscópico, mas não há experimento
que force uma entidade quântica a revelar simultaneamente esses
dois comportamentos.
39

O segundo evento ocorre um mês depois. Na Conferência
Solvay, em Bruxelas, Bohr debate com Einstein a mecânica quântica, a teoria recém-elaborada que, baseada na ideia inicial do
quantum de energia, descreve fenômenos do universo atômico e
subatômico. No encontro, Einstein imagina experimentos com os
quais tenta mostrar que aquela teoria estava equivocada, pelo fato
de indicar apenas a probabilidade e não a `certeza' ­ como na física
clássica ­ de um fenômeno ocorrer. Bohr responde com sua característica agudeza mental, desbancando ­ ironicamente, com base
na relatividade, teoria de Einstein ­ cada um dos argumentos de
seu colega alemão.
O terceiro grande momento da visão filosófica de Bohr se dá
em 1935, quando Einstein e dois colaboradores esboçam um experimento igualmente imaginário ­ hoje, conhecido como paradoxo
EPR ­ cujo argumento central era mostrar que havia `realidades
ocultas' das quais a mecânica quântica não dava conta. Ou seja, a
mecânica quântica seria uma teoria incompleta.
No paradoxo EPR, duas partículas interagem e depois se afastam bastante. Para Einstein e colegas, se a mecânica quântica fosse
aceita como uma descrição completa da realidade física, surgiria,
então, um tipo de comunicação instantânea entre essas partículas.
E, segundo Einstein, essa "fantasmagórica ação a distância" violaria
sua teoria da relatividade, que prevê que não pode haver comunicação com velocidade superior à da luz no vácuo (300 mil km/s).
A resposta de Bohr, meses depois, é um primor: seu foco não
é o experimento em si. É, na verdade, uma réplica de natureza filosófica que concluiu que uma partícula `sentiria' instantaneamente
o que acontece com a outra, mesmo que estivessem separadas por
distâncias astronômicas. A explicação era mais ou menos a seguinte: depois de interagirem, as duas passariam a fazer parte de um só
sistema ­ grosso modo, seriam inseparáveis. Hoje, o emaranhamento, fenômeno bizarro que permite essa `telepatia' entre dois objetos
quânticos, é corriqueiro nos laboratórios ­ inclusive, no Brasil.
A resposta de Bohr ao paradoxo EPR deu ares de vitória à
chamada interpretação de Copenhague. A partir daí, aceitaram-se
40

com mais naturalidade as esquisitices da mecânica quântica, segundo a qual entidades quânticas (elétrons, prótons, fótons, átomos etc.) podem estar em dois lugares ao mesmo tempo; podem
ora se comportar como ondas, ora como partículas; podem se
`comunicar' com velocidade acima da luz; e, estranhamente, só se
tornam fenômenos (portanto, realidade física) depois de observadas. "Será que a Lua existe quando não estamos olhando para ela?",
ironizou certa vez Einstein.
E, talvez, o ponto central da interpretação da mecânica quântica pela Escola de Copenhague: objeto e observador integram o mesmo sistema. Einstein nunca aceitou isso, pois acreditou, até a morte,
no princípio da separabilidade: coisas distantes no espaço podem
ser descritas individualmente, têm realidades independentes ­ em
termos simples, o que acontece aqui não influencia o que ocorre ali.
Eis aí o coração da discordância entre ele e Bohr.
É comum atribuir ­ inclua-se entre esses Einstein ­ a Bohr
características do pensamento positivista ­ não se pode falar do
que não se pode observar (ou medir) ­ ou de um kantismo ­ a essência das coisas não pode ser conhecida. Segundo o filósofo da ciência Henri J. Folse, isso é uma visão equivocada. Para ele ­ e seus
argumentos são convincentes ­, Bohr foi um realista ­ a associação
de suas ideias ao positivismo deram equivocadamente um matiz
antirrealista a elas. Elétrons e todas as outras entidades quânticas
­ apesar da limitação de conhecimento imposta pela teoria ­ têm
realidade física.
O realismo de Bohr, segundo Folse, decorre de sua mais profunda crença no fato de a mecânica quântica ­ cuja precisão hoje
chega a mais de uma dezena de casas decimais ­ ser uma teoria
completa. E a principal consequência disso ­ árdua para muitos,
inclusive Einstein ­ é a de que seria (e ainda é) preciso um novo
conceito de realidade física em harmonia com a teoria do quantum.
Para Einstein, aceitar essa completude seria afirmar consequências
inaceitáveis, como um objeto interferindo em outro, mesmo que
afastados por distâncias astronômicas.
Bohr nunca esboçou essa nova concepção de realidade física,
41

por achar que os problemas fundamentais da ciência diziam respeito não à realidade, mas, sim, à comunicação, ou seja, transmitir
experiências e ideias a outras pessoas. Portanto, para ele, a tarefa
da física não era descobrir como a natureza é. "Física é sobre o que
podemos dizer sobre a natureza".
Para os ainda pouco interessados no assunto, a visão de Copenhague é a mais popular até hoje ­ em geral, alunos aprendem
mecânica quântica na base do "cale boca e calcule". Para Pais, Einstein e Bohr promoveram o maior debate filosófico do século passado. Afirmação forte, sem dúvida. Mas a esmagadora maioria dos
físicos e filósofos da atualidade ­ por praticamente ignorarem a
essência da questão ­ nem mesmo tem condições de concordar ou
discordar dessa afirmação.
O ultimato Bohr sobre uma nova realidade continua em aberto, portanto.
Em um mar de cientistas com comportamentos estranhos ­ o
caso emblemático é o do físico britânico Paul Dirac (1902-1984) ­,
Bohr soava como a normalidade em sua mais límpida plenitude. Pai
carinhoso de seis filhos ­ dois morreram prematuramente ­, marido
dedicado, bom amigo, pessoa simples e admirada por todos. Herói
nacional da Dinamarca, a menção a seu nome na alfândega era
suficiente para abreviar a conversa com as autoridades, como lembrava o físico austríaco Guido Beck (1903-1988), um dos pioneiros
da pesquisa em física no Brasil. Táxis, muitas vezes, nem cobraram
pela corrida até o Instituto de Física Teórica.
No entanto, Bohr era obsessivo ao extremo com o trabalho e a
clareza dos artigos ­ reescrevia-os doentiamente. Paradoxalmente,
nunca foi grande palestrante: sua dicção era ruim, e seu pensamento mais rápido que as palavras.
Sua personalidade impressionava. O então jovem físico brasileiro César Lattes (1924-2005) encontrou-se com Bohr, em dezembro de 1947, em Copenhague, depois de ter feito palestra na
Sociedade Dinamarquesa de Física. Lattes, mais tarde, contou que,
depois de seu próprio pai, Bohr foi a figura masculina que mais o
impressionou na vida.
42

Bohr foi competente administrador da ciência, defensor de
refugiados de guerra, fundador da física biológica e da medicina
nuclear, incentivador de jovens talentos. E pacifista convicto na Era
Nuclear ­ apesar de ter trabalhado no projeto da bomba atômica.
Sempre reconheceu seus (muitos) erros científicos ­ um deles, uma
heresia: abrir mão da conservação da energia em meados da década
de 1920, para tentar mostrar que o fóton não tinha realidade física.
Seu agora centenário modelo atômico ­ que Bohr denominava "panqueca", por causa das órbitas circulares dos elétrons ­ é hoje
um arremedo do que a mecânica quântica sabe sobre o interior do
átomo. Pertence à chamada velha teoria quântica.
Sua morte, em 18 de novembro de 1962, causou comoção
mundial ­ talvez, tenha sido mais impactante que a de Einstein.
Ele sempre viveu publicamente; Einstein, em reclusão nos últimos
20 anos de vida.
A síntese de Pais deveria ser considerada: Einstein foi o maior
físico do século passado; Bohr, o maior filósofo. As discussões entre ambos não eram sobre um fenômeno, uma crença, um aspecto
da vida ou detalhe do conhecimento. Foram uma batalha pelo que
talvez seja a mais penetrante das questões filosóficas: por que a realidade física é do jeito que é?
Eram discussões sobre a `alma' da natureza e da linguagem.
Nada pode ser mais profundo.

43

[Uma versão deste texto foi publicada em Ilustríssima, da Folha de S. Paulo (28/12/14)]

TEOREMA DE BELL
50 anos da descoberta mais profunda da ciência

Um país da América do Sul quer manter a privacidade de
suas informações estratégicas, mas se vê obrigado a comprar os
equipamentos para essa tarefa de um país bem mais avançado tecnologicamente. Mas esses aparelhos podem estar `grampeados'...
Surge, então, a dúvida quase óbvia: haverá, no futuro, privacidade 100% garantida? Resposta: sim. E isso vale até mesmo para
um país que compre a tecnologia antiespionagem do `inimigo'.
O que possibilita a resposta afirmativa acima é o resultado
que já foi classificado como o mais profundo da ciência ­ repita-se,
da ciência: o chamado teorema de Bell, que trata, por sua vez, de

John Bell
Crédito: Wikimedia
Commons

44

uma das perguntas filosóficas mais agudas e penetrantes feitas até
hoje e que alicerça o próprio conhecimento: o que é a realidade?
O teorema de Bell ­ que completa agora 50 anos ­ garante
que a realidade, em sua dimensão mais íntima, é inimaginavelmente estranha.
Ação fantasmagórica
A história do teorema, de sua comprovação experimental e
suas aplicações modernas tem vários começos. Talvez, aqui, o mais
apropriado seja um artigo de 1935 do físico de origem alemã Albert
Einstein (1879-1955) e de dois colaboradores, o russo Boris Podolsky (1896-1966) e o norte-americano Nathan Rosen (1909-1995).
Conhecido como paradoxo EPR (iniciais dos sobrenomes
dos autores), o experimento teórico ali descrito resumia uma longa insatisfação de Einstein com os rumos que a mecânica quântica
(teoria dos fenômenos na escala atômica) havia tomado. Inicialmente, causou amargo no paladar do autor da relatividade o fato
de aquela teoria, desenvolvida na década de 1920, fornecer apenas
a probabilidade de um fenômeno ocorrer. Isso contrastava com a
`certeza' (determinismo) da física dita clássica, a que rege os fenômenos macroscópicos.
Einstein, na verdade, estranhava sua criatura, pois havia sido
um dos criadores da teoria quântica. Por exemplo, em 1905, havia
proposto que a luz é formada por fótons, ou seja, diminutos pacotes (ou quanta) de energia.
Com alguma relutância inicial, o indeterminismo da mecânica quântica acabou digerido por Einstein. Porém, algo nunca lhe
passou pela garganta: a não localidade, ou seja, o estranhíssimo
fato de algo aqui influenciar instantaneamente algo ali ­ mesmo
que esse `ali' esteja muito distante. Einstein acreditava que coisas
distantes tinham realidades independentes.
Einstein chegou a comparar ­ e, para os místicos de plantão,
vale salientar que é só uma analogia ­ a não localidade a um tipo
de telepatia. Mas a definição mais famosa de Einstein para essa
estranheza foi "fantasmagórica ação a distância".
45

A essência do paradoxo EPR é a seguinte: sob condições especiais, duas partículas que interagiram ­ e, depois, se separaram
­ acabam em um estado denominado emaranhado, como se fossem `gêmeas telepáticas'. De forma menos pictórica, diz-se que as
partículas estão conectadas (ou correlacionadas, como preferem os
físicos) e permanecem assim, mesmo depois da interação.
A estranheza maior vem agora: se uma das partículas desse
par for perturbada ­ ou seja, sofrer uma medição qualquer, como
dizem os físicos ­, a outra `sente' essa perturbação instantaneamente. E isso independe da distância entre as duas partículas. Podem
estar separadas por anos-luz, isto é, trilhões de quilômetros.
No artigo EPR, os autores diziam que era impossível imaginar que a natureza permitisse a tal conexão instantânea entre dois
objetos. E, por meio de argumentação lógica e complexa, Einstein,
Podolsky e Rose concluíam: a mecânica quântica tem que ser incompleta. Portanto, provisória.
Superior à luz?
Uma leitura apressada (porém, muito comum) do paradoxo
EPR é dizer que uma ação instantânea (não local, no vocabulário
da física) é impossível, porque violaria a relatividade de Einstein:
nada pode viajar com velocidade superior à da luz no vácuo (cerca
de 300 mil km/s). E isso inclui informação.
No entanto, a não localidade não pode ser usada para mandar ou receber mensagens, pois ela atuaria apenas na dimensão
microscópica. No mundo macroscópico, se quisermos fazer isso,
teremos que usar sinais que nunca viajam com velocidade maior
que a da luz no vácuo. Ou seja, relatividade é preservada.
A não localidade tem a ver com conexões persistentes (e misteriosas) entre dois objetos: interferir com (alterar, mudar etc.) um
deles, interfere com (altera, muda etc.) o outro. Instantaneamente.
O simples ato de observar um deles interfere com o estado do outro.
Einstein não gostou da versão final do artigo de 1935, que só
viu impressa ­ a redação ficou a cargo de Podolsky. Imaginou um
texto menos filosófico. Pouco meses depois, viria a resposta do fí46

sico dinamarquês Niels Bohr (1885-1962) ao EPR. Einstein e Bohr,
poucos anos antes, haviam protagonizado o que para muitos é um
dos debates filosóficos mais importantes da história. Assunto: `a
alma da natureza', nas palavras de um filósofo da física.
Em sua resposta ao EPR, Bohr reafirmou tanto a completude da mecânica quântica quanto sua visão ­ classificada como
antirrealista ­ do mundo universo atômico: não é possível dizer
que uma entidade quântica (elétron, próton, fóton etc.) tenha uma
propriedade antes que esta seja medida. Isto é, tal propriedade não
seria real, não estaria oculta no objeto, à espera de um aparelho de
medida ou qualquer interferência (até mesmo o olhar) do observador. Quanto a isso, Einstein, mais tarde, ironizaria: "Será que a Lua
só existe quando olhamos para ela?".
Apesar de ter sido reescrita várias vezes, a resposta de Bohr
é obscura e tortuosa ­ talvez, reflexo do modo como ele sabidamente se expressava. Conta-se que entender suas palestras era um
desafio. Mesmo assim, foi classificado pelo físico e historiador da
física holandês Abraham Pais (1918-2000) como o maior filósofo
do século passado.
Argumento de autoridade
Um modo de entender o que seja uma teoria determinista é o
seguinte: é aquela na qual se pressupõe que a propriedade a ser medida está presente (ou `escondida') no objeto e pode ser determinada com certeza. Os físicos denominam esse tipo de teoria com um
nome bem apropriado: teoria de variáveis ocultas.
Em uma teoria de variáveis ocultas, a tal propriedade (conhecida ou não) existe, é real. Daí, por vezes, os filósofos classificarem
esse cenário como realismo ­ Einstein gostava do termo `realidade objetiva', isto é, as coisas existem sem a necessidade de serem
observadas.
Mas, na década de 1930, um teorema havia `provado' que seria impossível haver uma versão da mecânica quântica como uma
teoria de variáveis ocultas. O feito era de um dos maiores matemáticos de todos os tempos, o húngaro John von Neumann (190347

1957). E, fato não raro na história da ciência, valeu o `argumento
da autoridade' em vez da `autoridade do argumento'.
O teorema de von Neumann era perfeito do ponto de vista matemático, mas "errado, tolo" e "infantil" ­ como chegou a ser classificado ­ do ponto de vista físico, pois partia de uma premissa equivocada. Sabe-se hoje que Einstein desconfiou dela: "Temos que aceitar
isso como verdade?", perguntou a dois colegas. Mas não foi além.
O teorema de von Neumann serviu, porém, para praticamente pisotear a versão determinista (portanto, de variáveis ocultas) da
mecânica quântica feita, em 1927, pelo físico e nobre francês Louis
De Broglie (1892-1987), Nobel de Física de 1929, que, por conta
disso, acabou desistindo dessa linha de pesquisa.
Por exatas duas décadas, o teorema de von Neumann e as
ideias de Bohr ­ que formou em torno dele uma influente escola
de jovens notáveis ­ dissuadiram tentativas de buscar uma versão
determinista da mecânica quântica.
Mas, em 1952, o físico norte-americano David Bohm (19171992), inspirado pelas ideias de De Broglie, apresentou uma versão
de variáveis ocultas da mecânica quântica ­ hoje, denominada mecânica quântica bohmiana, homenagem ao pesquisador que trabalhou na década de 1950 na Universidade de São Paulo (USP),
quando perseguido nos EUA pelo macartismo, período conhecido
como `caça aos comunistas'.
A mecânica quântica bohmiana tinha duas características em sua
essência: i) era determinista (ou seja, de variáveis ocultas); ii) era não
local (isto é, permitia a tal ação a distância). Esta última fez Einstein
(um localista convicto) perder o interesse inicial por essa nova versão.
Protagonista
Entra em cena a principal personagem desta história: o físico
norte-irlandês John Stewart Bell, que, ao tomar conhecimento da
mecânica bohmiana, teve uma certeza: o "impossível havia sido
feito". Mais: von Neumann estava errado.
A mecânica quântica de Bohm ­ ignorada logo de início pela
comunidade de físicos ­ acabava de cair em terreno fértil: Bell,
48

desde a universidade, remoía, como um hobby, os fundamentos
filosóficos da mecânica quântica (EPR, von Neumann, De Broglie
etc.). E tinha tomado partido nesses debates: era um einsteiniano
assumido e achava Bohr obscuro.
Bell nasceu em 28 de junho de 1928, em Belfast, em uma família anglicana sem posses. Deveria ter parado de estudar aos 14
anos, mas, por insistência da mãe, que percebeu os dotes intelectuais do segundo de quatro filhos, foi enviado a uma escola técnica
de ensino médio onde aprendeu coisas práticas (carpintaria, construção civil, biblioteconomia etc.).
Ao se formar, aos 16 anos, tentou empregos em escritórios,
mas o destino quis que terminasse como técnico preparador de experimentos no Departamento de Física da Universidade Queen's,
também em Belfast.
Os professores do curso logo perceberam o interesse do técnico pela física e passaram a incentivá-lo, com indicações de leituras e aulas. Com uma bolsa de estudo, Bell se formou em 1948
em física experimental e, no ano seguinte, em física-matemática.
Ambos com louvor.
De 1949 a 1960, Bell trabalhou no AERE (Estabelecimento
para a Pesquisa Energia Atômica), em Harwell (Reino Unido),
onde conheceu sua futura mulher, a física Mary Ross, que se tornaria sua interlocutora em vários trabalhos sobre física. "Ao olhar
novamente esses artigos, vejo-a em todo lugar", disse Bell, em homenagem recebida 1987.
Defendeu seu doutorado em 1956, depois de um período na
Universidade de Birmingham (Reino Unido), sob orientação do físico teuto-britânico Rudolf Peierls (1907-1995). A tese inclui uma
prova de um teorema muito importante da física (teorema CPT),
mas a prioridade acabou ficando com outro físico da época. Mary
já era doutora há cerca de 10 anos.
O teorema
Por discordarem dos rumos que as pesquisas no AERE haviam
tomado, o casal decidiu trocar empregos estáveis por posições tempo49

rárias no Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN), em Genebra (Suíça). Ele na Divisão de Física Teórica; ela na de Aceleradores.
Bell passou 1963 e o ano seguinte trabalhando nos EUA. Lá,
encontrou tempo para se dedicar a seu hobby intelectual e gestar o
resultado que marcaria para sempre sua carreira e lhe daria, décadas depois, fama.
Bell se fez a seguinte pergunta: será que a não localidade da
teoria realista (entenda-se, de variáveis ocultas) de Bohm seria uma
característica de qualquer teoria realista da mecânica quântica?
Em outras palavras, se as coisas existirem sem serem observadas,
elas teriam que necessariamente estabelecer aquela fantasmagoria
ação a distância?
O teorema de Bell, publicado em 1964, é também conhecido
como desigualdade de Bell, designação que reflete sua essência, pois
trata de uma inequação ­ na verdade, sua matemática não é muito
complicada. Mas, de modo muito simplificado, podemos pensá-lo
assim: B 2 ­ o `B' é simplesmente homenagem nossa a Bell.
Para nossos propósitos aqui, a forma de interpretá-lo pode
ser esta: se os dados de um experimento mostrarem que `B' é maior
do que 2, a desigualdade, então, será violada. E, se isso ocorrer,
teremos que abrir mão de uma das duas suposições: i) realismo (as
coisas existem sem serem observadas); ii) da localidade (o mundo
quântico não permite conexões mais velozes que a luz).
O artigo do teorema não teve grande repercussão ­ Bell havia
feito outro antes, mas, por erro do editor do periódico, acabou publicado só em 1966. A supremacia das ideias de Bohr e o teorema
de von Neumann ainda assombravam a área.

Hippies em cena
A retomada das ideias de Bell ­ e, por conseguinte, do EPR e
de Bohm ­ ganhou momento com fatores externos à física: hippies;
geração paz e amor; luta pelas liberdades civis; oposição à guerra
do Vietnã; movimento estudantil; maio de 1968; filosofias orientais; telepatia; consciência humana; drogas psicodélicas etc.
Em resumo: rebeldia.
50

Uma das personagens desse cenário, o físico norte-americano
John Clauser, disse anos depois: ``A guerra do Vietnã dominava os
pensamentos políticos da minha geração. Sendo um jovem físico
naquele período de pensamento revolucionário, eu naturalmente
queria `chacoalhar o mundo'".
Traduzida para a física, essa rebeldia significava ­ talvez, para ir
contra o `sistema' ­ dedicar-se a uma área herética na academia: interpretações (ou fundamentos) da mecânica quântica. Mas fazer isso
aumentava consideravelmente as chances de um jovem físico arruinar sua carreira, pois EPR, Bohm e Bell eram considerados assuntos
filosóficos; portanto, não físicos. Some-se a isso a crise do petróleo
de 1973, que diminuiu a oferta de postos para jovens físicos.
A alquimia estava completa: rebeldia e recessão.
Clauser, juntamente com três colegas, Abner Shimony, Richard Holt e Michael Horne, publicaram suas primeiras ideias sobre o assunto em 1969, com o título `Proposta de experimento para
testar teorias de variáveis ocultas'. E, em parte, fizeram isso porque
perceberam que a desigualdades de Bell poderiam, naquele momento, ser testadas com fótons ­ até então, pensava-se em arranjos
experimentais mais complicados.
Em 1972, a tal proposta virou experimento ­ feito por Clauser e
Stuart Freedman (1944-2012) ­, e a desigualdade de Bell foi violada.
O mundo parecia ser não local ­ ironicamente, Clauser era
um localista. Apenas parecia, pois o experimento continuou por
cerca de uma década incompreendido e, portanto, desconsiderado
pela comunidade de físicos. Mas aqueles resultados serviram para
reforçar algo importante: fundamentos da mecânica quântica não
eram só filosofia. Eram também física experimental.
Mudança de cenário
O aperfeiçoamento de equipamentos de óptica (incluindo,
lasers) permitiu que, em 1982, um experimento se tornasse um
clássico da área.
Pouco antes, o físico francês Alain Aspect havia decidido iniciar a um doutorado tardio, mesmo sendo um físico experimental
51

experiente. Escolheu como tema o teorema de Bell. Foi ao encontro do colega norte-irlandês no CERN. Em entrevista ao físico Ivan
dos Santos Oliveira Júnior, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, no Rio de Janeiro (RJ), e ao autor deste texto, Aspect contou o
seguinte diálogo entre ele e Bell. "Você tem uma posição permanente?", perguntou Bell. "Sim", disse Aspect. Caso contrário, "você
seria muito pressionado a não fazer o experimento", disse Bell.
A leitura da conversa acima é a seguinte: quase duas décadas
depois do artigo seminal de 1964, o tema continuava revestido de
preconceito.
Em um experimento feito com pares de fótons emaranhados,
a natureza, mais uma vez, mostrou seu caráter não local: a desigualdade de Bell foi violada. Os dados mostraram B > 2. Em 2007, por
exemplo, o grupo do físico austríaco Anton Zeilinger verificou a
violação da desigualdade, usando fótons separados por... 144 km.
Na entrevista dada no Brasil, Aspect disse que, até então, o
teorema de Bell era pouquíssimo conhecido pelos físicos, mas ganharia fama depois de seu experimento, por conta, em parte, dos
vários convites que Aspect recebeu para falar de seus resultados.
Bell participou da banca de doutorado de Aspect.
Não local
Afinal, por que a natureza permite que haja a tal `telepatia'
einsteiniana? É, no mínimo, estranho pensar que uma partícula
perturbada aqui possa, de algum modo, alterar o estado de sua
companheira nos confins do universo.
Há várias maneiras de interpretar as consequências do que
Bell fez. De partida, algumas (bem) equivocadas: i) a não localidade não pode existir, porque viola a relatividade; ii) teorias de
variáveis ocultas (Bohm, De Broglie etc.) da mecânica quântica
estão totalmente descartadas; iii) a mecânica quântica é realmente
indeterminista; iv) o irrealismo ­ ou seja, coisas só existem quando
observadas ­ é a palavra final. A lista é longa.
Quando foi publicado, o teorema ganhou a seguinte leitura
rasa (e errônea): isso não tem importância, pois o teorema de von
52

Neumann já havia descartado as variáveis ocultas, e a mecânica
quântica é mesmo indeterminista. Hoje, entre os que não aceitam
a não localidade, há aqueles que chegam ao ponto de dizer que
Einstein, Bohm e Bell não entenderam o que fizeram.
O filósofo da física norte-americano Tim Maudlin, da Universidade de Nova York, em dois excelentes, artigos `What Bell did'
(O que Bell fez; http://arxiv.org/abs/1408.1826) e `Reply to comments on What Bell did' (Resposta aos comentários sobre o que
Bell fez; http://arxiv.org/abs/1408.1828), oferece uma longa lista
de equívocos.
Para Maudlin, renomado na área de filosofia da física, o teorema de Bell e sua violação significam uma só coisa: a natureza é não
local (`fantasmagórica') e, portanto, não há esperança para a localidade, como Einstein gostaria ­ e, nesse sentido, pode-se dizer que
Bell mostrou que Einstein estava errado. Assim, qualquer teoria determinista (realista) que reproduza os resultados experimentais obtidos até hoje pela mecânica quântica ­ por sinal, a teoria mais precisa da história da ciência ­ terá que necessariamente ser não local.
De Aspect até hoje, desenvolvimentos tecnológicos importantes permitiram algo impensável há poucas décadas: estudar
isoladamente uma entidade quântica (átomo, elétron, fóton etc.).
E isso deu início à área de informação quântica, que abrange o estudo da criptografia quântica ­ aquela que permitirá a segurança
absoluta dos dados ­ e dos computadores quânticos, máquinas extremamente velozes. De certo modo, é filosofia transformada em
física experimental.
E muitos desses avanços se devem à rebeldia de uma geração
de físicos jovens que queriam contrariar o `sistema'. História saborosa desse período está em How the hippies saved physics (Como
os hippies salvaram a física; W. W. Norton & Company, 2012), do
historiador da física norte-americano David Kaiser. E uma análise histórica detalhada no livro The quantum dissidentes ­ rebuilding the foundations of quantum mechanics (1950-1990) (Springer,
2015), do historiador da física Olival Freire Júnior, da Universidade Federal da Bahia.
53

Para os mais interessados no viés filosófico, os dois volumes
premiados de Conceitos de física quântica (Editora Livraria da Física), do físico e filósofo Osvaldo Pessoa Jr., da USP.
Privacidade garantida?
A esta altura, o(a) leitor(a) talvez esteja se perguntando sobre o que o teorema de Bell tem a ver com uma privacidade 100%
garantida. No futuro, é (bem) provável que a informação seja enviada e recebida na forma de fótons emaranhados. Pesquisas recentes em criptografia quântica garantem que bastaria submeter
essas partículas de luz ao teste da desigualdade de Bell. Se a ela
for violada, então, 100% de certeza de que a mensagem não foi
bisbilhotada indevidamente. E o teste independe do equipamento
usado para enviar ou receber os fótons. A base teórica para isso
está, por exemplo, em `The ultimate physical limits of privacy' (Os
limites físicos finais da privacidade), dos físicos Artur Ekert e Renato Renner (http://bit.ly/1GHZ7kP).
Em um futuro não muito distante, talvez, o teorema de Bell se
transforme na arma mais poderosa contra a espionagem. E isso é
tremendo alento para um mundo que parece rumar à privacidade
zero. E isso será mais uma linha no currículo de um teorema que
é, segundo o físico norte-americano Henry Stapp, especialista em
fundamentos da mecânica quântica, "o resultado mais profundo
da ciência". Merecidamente, tudo indica. Afinal, por que a natureza
optou pela `ação fantasmagórica a distância'?
A resposta é um mistério. Pena que a pergunta nem mesmo
seja citada nas graduações de física no Brasil.
Bell morreu de hemorragia cerebral em 1 de outubro de 1990.

54

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo (05/06/05)]

EINSTEIN
Paradoxos para além da relatividade

A primeira impressão que Albert causou em sua mãe, Pauline
Koch Einstein (1858-1920), foi espanto. Ela achou que tivesse dado
à luz uma criança deformada. Porém, a cabeça pontiaguda do recém-nascido voltaria ao normal pouco depois daquela sexta-feira,
14 de março de 1879, 11h30 da manhã, no endereço Bahnhofstrasse 135 B, em Ülm, sul da Alemanha ­ prédio que não sobreviveu
aos bombardeios da Segunda Guerra Mundial.
O pequeno Einstein era rechonchudo, tímido e gostava de
brincar sozinho ­ sua diversão predileta era fazer castelos de cartas. Quando participava de jogos, preferia ser o juiz. Tinha acessos
de raiva violentos. Num deles, abriu a cabeça da irmã, Maja (1881-

Albert Einstein, na
infância e maturidade
Crédito: Wikimedia
Commons

55

1951), com uma bola de boliche. Em outra, atirou uma cadeira em
uma professora particular ­ que desistiu do aluno.
Por volta dos seis anos, Einstein começou a ter aulas de judaísmo. Nessa época, entrou para uma escola pública e católica
de Munique, para onde a família havia se mudado em 1880. Era o
único judeu da classe. Foi um excelente aluno. Em agosto de 1886,
Pauline escreveu para a mãe: "[Albert] foi novamente o melhor; o
boletim é brilhante".
Os problemas escolares de Einstein começaram no Ginásio
Luitpold. O autoritarismo de alguns professores o desagradava
muito. Porém, a pedagogia alemã ­ militarista, segundo Einstein
­ não conseguiu destruir seu interesse pelos estudos. Por volta dos
dez anos, começou a ler sobre física, matemática e filosofia. Mais
tarde, passou a estudar sozinho matemática avançada.
Em 1894, a família se mudou para a Itália, depois de os negócios de seu pai, Hermann (1847-1902), falirem em Munique­ falências seriam um constante na vida de Hermann. Einstein ficou
na cidade morando numa pensão. Passou, então, a articular um
plano. Conseguiu dispensa da escola com um atestado médico que
alegava estafa mental ­ sim, Einstein mentiu ­ e pediu uma carta
de recomendação ao professor de matemática, que escrever que
nada mais tinha a ensinar àquele aluno brilhante. Largou o Luitpold e foi para Pavia (Itália), onde passeou por museus e aprendeu
um pouco de italiano.
Depois dessas `férias' prolongadas, decidiu entrar para a
universidade. Conseguiu convencer um diretor da Escola Politécnica de Zurique (Suíça) de que tinha condições de prestar o
exame de ingresso. Foi reprovado. Principalmente, nas disciplinas de humanas. Porém, duas justificativas a seu favor: ele era
dois anos mais novo que a idade regulamentar para aquela admissão, e sua matemática e física impressionaram bastante a banca examinadora. Recebeu, então, duas propostas: i) assistir a aulas de matemática e física naquela facultada; ii) terminar o ensino
médio em uma escola suíça e, depois disso, ingressar diretamente
na Politécnica.
56

Einstein ficou com a segunda opção. Matriculou-se, ainda em
1895, na escola de Aarau, no cantão de Argóvia. Um ano depois,
formou-se (em primeiro lugar de sua turma) e seguiu para a Politécnica. Nessa época, tomou uma decisão aparentemente madura
para um jovem: renunciou à cidadania de seu estado natal, Württemberg ­ e, consequentemente, à alemã ­, argumentando discordar da mentalidade militarista germânica.
Até o segundo ano do curso de formação de professores do
ensino médio de matemática e física, Einstein foi excelente aluno.
A partir daí, passou a matar aulas para estudar tópicos de seu interesse. Leu os clássicos da física ­ e até Darwin. Mas, com isso, só
passou nos exames finais porque estudou com as anotações de aula
de um colega, Marcel Grossmann (1878-1936), e da sérvia Mileva
Maric (lê-se `Máritchy'), sua futura mulher.
Em 1900, Einstein estava assim: formado, desempregado, sem
a mesada familiar e sem cidadania. Para sobreviver, deu aulas em
escolas secundárias e aulas particulares ­ estas últimas acabaram
por não lhe render nada, pois tornou-se amigo dos alunos, e juntos formaram a chama Academia Olímpia, em cujas reuniões liam
sobre física, literatura, filosofia, entre outros tópicos. As obras filosóficas do matemático francês Henri Poincaré (1854-1912) foram
as que mais impressionaram Einstein
Em 1902, conseguiu, por indicação do pai de Grossmann, um
emprego como técnico de 3ª classe no Escritório de Patentes em
Berna (Suíça), onde permaneceria por sete anos.
Em 1905, produziu uma tese de doutorado e cinco artigos que
mudariam a face da física. Por conta dessa impressionante tempestade mental, 1905 se tornou o Ano Miraculoso da física. Mas
são três trabalhos daquele ano que deram fama inicial a Einstein
­ mesmo que ela tenha inicialmente ficado restrita à comunidade
à então pequena de físicos mundial: o efeito fotoelétrico, no qual
ele propõe que a luz tem uma natureza corpuscular; e dois sobre a
relatividade restrita (ou especial), em que ele alterou para sempre a
noções de espaço e tempo, tornando essas duas grandezas relativas
­ ou seja, elas dependem de cada observador.
57

Brilho que ofusca
O brilho de Einstein levou a resultados paradoxais. Enquanto
iluminou aqueles que, às vezes, por mero oportunismo, aproximavam-se dele, criou uma penumbra sobre sua mulher e seus filhos.
Sobre Mileva, talvez tenha recaído o peso maior da `sina' de
ser uma Einstein. Ela nasceu, em 1875, em Titel, no então Império Austro-Húngaro. Além da língua sérvia, dominava o alemão,
o francês, o húngaro e o inglês. Estudou piano e teoria musical.
Na escola, era excelente aluna. Suas habilidades em matemática e
física eram excepcionais.
Em 1894, foi para um seleto colégio de meninas em Zurique.
Dois anos depois, passou brevemente por medicina, antes de optar
pelo curso de formação de professores de física e matemática da
Escola Politécnica de Zurique, onde conheceu Einstein. Era a única mulher de uma turma de cinco. Algumas de suas notas foram
melhores que as de Einstein.
Nos exames finais, Mileva, paradoxalmente, repetiu em matemática. Um ano depois, tentou de novo, mas falhou. Mas, agora,
havia uma boa explicação: estava grávida de Lieserl, filha que nasceu
em 27 de janeiro de 1902, antes do casamento formal (1903), e cujo
destino se desconhece ­ supõe-se que a menina ou tenha morrido de
escarlatina ainda com poucos anos de vida, ou tenha sido colocada
para adoção e nunca tenha sabido de quem era filha. Esta última hipótese parece a mais provável, indicam investigações mais recentes.
Mileva e Einstein certamente discutiam física. Porém, o fato
de Mileva não ter sido a `autora injustiçada' da relatividade ­ como
foi defendido mais de uma vez ­ não tira em nada seu mérito. O físico e historiador da ciência Dord Krstic afirma que ela foi uma das
primeiras mulheres do Império Austro-Húngaro a conseguir autorização para assistir a aulas de física em uma classe só de meninos.
Vai além: defende que, assim como Marie Curie (1867-1934), Mileva foi uma das primeiras mulheres físicas da história.
Nascido em 1904, Hans Albert formou-se em 1927 em engenharia civil pela Escola Politécnica de Zurique e obteve seu dou58

Mileva Maric
e Albert Einstein
Crédito: Wikimedia
Commons

torado em hidráulica em 1936 ­ desde criança, água era sua grande paixão. Diferentemente da mãe, Hans Albert recebeu o devido
reconhecimento pelo alcance de sua obra. É considerado um dos
maiores especialistas do século passado em transportes de sedimentos em rios e canais.
Morreu do coração aos 69 anos. Em seu túmulo, lê-se: "Uma
vida dedicada a seus estudantes, à pesquisa, à natureza e à música".
Excluída a palavra `estudantes', poderia ser a lápide de seu pai.
Eduard, filho mais novo, foi um aluno excepcional. Aprendeu a ler aos três anos e aos nove devorava livros em quantidades
assustadoras. Tinha memória fotográfica, o que o permitia repetir
praticamente tudo o que lia. Essa atividade mental alucinada fez
com Einstein tentasse frear esse ímpeto. Ganhou conhecimento
profundo sobre autores como Kafka, Shakespeare, Goethe, Schiller
e especialmente Rilke. E, em 1931, alguns de seus escritos foram
publicados. Nascido em 1910, reclamou de dores de cabeça e zumbido nos ouvidos desde cedo.
No final da adolescência, seu distúrbio mental se tornou sério. Entrou para a faculdade de medicina, mas a abandonou no
terceiro semestre ­ ia às aulas acompanhado de um enfermeiro.
Passou parte da vida internado. Morreu num hospital psiquiátrico,
em 1965, na Suíça. O pai o visitou pela última vez em 1933; escreveu-lhe a última carta em 1944.
59

Rumo à geral
Em 1907, Einstein dá um passo decisivo rumo à generalização de sua teoria da relatividade restrita (ou especial) publicada
dois anos antes. Em 1915, a relatividade geral, uma nova teoria da
gravitação, estava pronta. De 1906 a 1911, Einstein praticamente
deixou a relatividade para se dedicar à teoria quântica. A alternância entre ambas marcaria sua carreira.
A partir de 1909, Einstein começou a ganhar prestígio. Passou pela Universidade de Zurique, Universidade Alemã de Praga
e retornou (ironicamente) para a Politécnica. Em 1913, aceitou ser
membro da Academia Prussiana de Ciências. Era, agora, integrante de elite da física alemã.
Em 1914, seguiu para Berlim, com a família. Foi lá que sua
faceta política floresceu. Assinou um manifesto contra a entrada
da Alemanha na 1ª Guerra Mundial.
Logo depois da relatividade geral, apresentou ao mundo um
modelo para explicar o universo. E, tão impressionante quanto, um
livro de popularização sobre as teorias da relatividade. Em 1917,
com três artigos, voltou à teoria quântica. Esses resultados seriam
a base para a construção do laser, quatro décadas depois.
A comprovação histórica da relatividade geral, em 1919, tornou Einstein um fenômeno da mídia. Com a fama (quase mundial), vieram as primeiras manifestações nazistas contra ele e sua
obra. Ameaçou deixar a Alemanha, mas foi dissuadido por colegas.
Resolveu, no entanto, se afastar de Berlim, iniciando um período
de viagens pelo mundo.
Fuga para os EUA
Na década de 1920, as homenagens cresceram na mesma proporção dos ataques nazistas contra Einstein. Em 1932, a situação
tornou-se insustentável, e ele resolveu aceitar oferta para trabalhar
em Princeton (EUA). Ele e a segunda mulher, a prima Elsa, partiram com a intenção de voltar. Porém, sua cabeça foi posta a prêmio
por radicais ­ achou o valor, US$ 5 mil, surpreendentemente alto.
60

Depois de se estabelecer nos EUA, no início de 1933, nunca mais
voltaria à Europa.
Seu último trabalho importante ­ encerrando um ciclo de
quase um quarto de século como um dos maiores especialistas do
mundo em mecânica estatística ­ foi feito em 1925. Nele, previu
que um aglomerado de partículas poderia se comportar como um
`átomo gigante'. Em 1935, já em Princeton, publicou um artigo que
punha em dúvida os rumos tomados pela teoria quântica e que
foi fundamental para dar fôlego ao debate que ele e o físico dinamarquês Niels Bohr (1885-1962) travavam desde 1927 ­ e que se
estendeu até a morte de Einstein, em 1955. Nos EUA, dedicou-se
à unificação dos fenômenos eletromagnéticos e gravitacionais. Até
hoje, essa tarefa atormenta os físicos.
Disse o físico alemão Max Born (1882-1970): Einstein poderia nunca ter escrito uma só linha sobre a relatividade, e mesmo
assim seria um dos maiores físicos deste século. Agora, a ciência,
foco de sua vida emocional, cedia parte de seu tempo para a militância política. As bombas nucleares lançadas sobre o Japão o deixaram arrasado. Passou, então, a defender uma base política supranacional para fortalecer a paz mundial. Foi chamado de ingênuo e
atacado por capitalistas e socialistas.
Einstein também foi paradoxal. Como internacionalista, defendeu a identidade do povo judeu, mas recusou a presidência do
Estado de Israel quando esta lhe foi oferecida, em 1952. Como
pacifista, disse que o nazismo deveria ser enfrentado com armas;
como humanitário, deu pouca atenção à própria família.
Não há biografia definitiva de Einstein. E provavelmente
nunca haverá.
EXTRA
Fracassos: pai e marido
Em 16 de abril de 1955, Hans Albert chegou a Princeton, para
visitar o pai. Dois dias depois, seu pai, já internado, morreria, às
primeiras horas da manhã.
61

O encontro pode ter sido um tipo de reconciliação. Ou melhor: talvez, a chance de Einstein se redimir de seus equívocos
como pai e marido. "Viver em duradoura harmonia com uma mulher foi uma tarefa na qual falhei desgraçadamente por duas vezes",
lamentou em carta à viúva de Michele Besso (1873-1955), amigo e
único mortal a receber um agradecimento no texto final da teoria
da relatividade especial, publicada em 1905.
A separação de Mileva veio em 1914 ­ mãe e filhos voltariam
para Zurique. O divórcio viria em 1919. Dificuldades com Tete levariam Mileva, nas décadas seguintes, a um tipo de paranoia.
Mileva morreu em 1948, acumulando no colchão uma pequena fortuna: parte dos então US$ 32 mil, quantia que Einstein
havia recebido pelo prêmio Nobel de 1921.
Hans Albert declarou: "Provavelmente, sou o único projeto
do qual meu pai desistiu em toda sua vida". Einstein sabia disso.
Certa vez, resumiu com triste genialidade: "Devo procurar nas estrelas o que me é negado na terra".
EXTR A
Doutorado: mais citado que a relatividade
Qual o trabalho Einstein mais citado na literatura moderna?
Teoria da relatividade geral, já classificada como a maior obra intelectual feita por um só homem no século passado? Não. O efeito
fotoelétrico, seu artigo mais revolucionário, no qual introduz o conceito de quantum de luz (mais tarde, batizado fóton)? Também não.
Antes da resposta certa, vale citar um trecho de Sutil é o Senhor (Editora Nova Fronteira, 1955), do físico holandês Abraham
Pais (1918-2000), a mais ampla biografia científica de Einstein. "É
evidente que as frequências relativas de citação não são uma medida da importância relativa. Quem não desejou um dia escrever
um artigo tão fundamental que rapidamente fosse conhecido por
todos e não fosse usado por ninguém como citação?"
Entre 1970 e 1974, a tese de doutorado, também de 1905, figura em primeiro lugar entre os artigos mais citados de Einstein.
62

Segundo Pais, "quatro vezes mais que o artigo de revisão de 1916
sobre a teoria da relatividade e oito vezes mais que o de 1905 sobre
o quantum de luz".
Como explicar que um trabalho que aparece pouco ­ mesmo
em livros que têm o foco na vida e obra de Einstein ­ seja o mais
citado? Pais dá um dos motivos: a tese, que trata das propriedades
volumétricas de partículas em suspensão, tem mais aplicações práticas que qualquer outro artigo de Einstein. O trabalho é relevante
para a área da construção civil (movimento de partículas de areia
na preparação do cimento); na indústria de alimentos (movimento
de micelas de caseína no leite de vaca); na ecologia (movimento de
aerossóis nas nuvens), entre outros.
"Einstein gostaria de ouvir isto, visto que lhe agradava intensamente poder aplicar a física a situações práticas", revela Pais.

63

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo (17/12/00)]

UM SÉCULO DO QUANTUM
A natureza descontínua da energia
com Antonio Augusto Passos Videira, UERJ

Em 14 de dezembro de 1900, em um passeio matinal por
Grünewald, bosque no subúrbio de Berlim, o físico alemão Max
Planck disse a seu filho mais velho, Karl, que havia chegado a um
resultado científico tão importante quanto os alcançados dois séculos antes por sir Isaac Newton (1642-1727).
Na tarde daquele dia, na Sociedade Alemã de Física, Planck,
ao anunciar esse resultado, inaugurava a teoria quântica, que rege
os fenômenos naturais na escala dos átomos e das moléculas. Juntamente com a teoria da relatividade, ela forma as duas colunas

Max Planck
Crédito: Wikimedia Commons

64

que sustentam a física contemporânea. A hipótese de Planck era
simples, mas se mostrou revolucionária: na natureza, a energia só
é gerada e absorvida em diminutos pacotes denominados quanta
(no, singular, quantum). Ao propor essa descontinuidade, Planck
rompia com uma tradição de séculos que tinha a energia como um
tipo de fluxo contínuo.
Cientista conservador, Planck não achou que seu quantum
de luz fosse algo mais que um `artifício' para resolver a questão
sobre a qual ele e parte significativa da comunidade de físicos
da época se debruçavam. O problema passou a lhe interessar em
meados da década de 1890. Em 1931, em carta ao físico inglês
Robert Wood (1868-1955), Planck relembrou que a proposição
do quantum "foi um ato de desespero, porque, por natureza, sou
pacífico e contra aventuras dúbias [...] Porém, o problema tinha
de ser resolvido a qualquer preço. Eu estava pronto para qualquer
sacrifício das minhas convicções físicas [...] Eu tinha de chegar a
um resultado positivo".
O problema a que Planck se referia diz respeito a como a
energia (ou a radiação) interage com a matéria. À época, a física já
enfrentava com dificuldades fenômenos então recém-descobertos,
como a radioatividade, os raios X, o elétron e a chamada radiação
do corpo negro ­ este último, o alvo de Planck. Pode-se imaginar
um corpo negro como um forno aquecido, com as paredes internas pintadas de preto e um pequeno orifício em sua estrutura. A radiação que escapará pelo buraco é semelhante àquela emitida por
qualquer material aquecido (metal, porcelana, vidro etc.).
Quando a temperatura está por volta de 100 0C, sente-se a
radiação emitida apenas na forma de calor (ou infravermelho).
Quando elevada para cerca de 600 0C, passa-se a ver a cor vermelha, até que, ao atingir a casa dos 2 mil 0C , o branco (ou seja,
a mistura de todas as cores visíveis) torna-se predominante, como
acontece com o filamento de uma lâmpada caseira.
No final do século 19, já se sabia que, para cada temperatura,
havia uma cor (ou frequência) predominante. E mais: sabia-se que
essa cor predominante se deslocava em direção a ondas mais ener65

géticas, à medida que aumentava a temperatura do corpo. Ainda
em 1859, o físico alemão Gustav Kirchhoff (1824-1887) havia demonstrado que a intensidade da radiação emitida era a mesma
para qualquer material, independentemente da geometria do corpo ­ uma barra de ferro ou um pedaço de porcelana se comportam
de modo semelhante. E isso intrigava físicos como Planck, já um
renomado especialista em termodinâmica (estudo dos fenômenos
físicos que envolvem calor).
À época, duas leis tentavam dar uma explicação para a radiação emitida por um corpo negro. A primeira, proposta empiricamente em 1896 pelo físico alemão Wilhelm Wien (1864-1928),
conseguia descrever a intensidade de radiação na faixa das frequências mais altas. Porém, apresentava discrepâncias em frequências
mais baixas. Esse trecho do espectro emitido era bem explicado
por outra lei, a de Rayleigh-Jeans, batizada em homenagem a seus
criadores, John Strutt (1842-1919) ­ mais tarde, lorde Rayleigh ­ e
James Jeans (1877-1946), ambos britânicos.
Catástrofe ultravioleta
No entanto, a lei de Rayleigh-Jeans levava a um tipo de incoerência que incomodava os físicos à época: a catástrofe ultravioleta.
Segundo essa lei, a energia irradiada por qualquer corpo aquecido
seria infinita e, assim, seria extremamente perigoso se aproximar
até de uma inofensiva xícara de chá quente. A física dita clássica
­ na qual a lei Rayleigh-Jeans se baseava ­ previa que esses objetos emitiriam, em intensidade significativa, radiação ultravioleta
(daí o nome), ou mesmo radiações ainda mais energéticas, como
os raios X e os raios gama.
E a experiência do dia a dia, claro, desmentia essa previsão.
Nessa altura, vale uma pausa para um comentário relevante.
É comum que os livros-texto relatem a origem da teoria quântica
a partir de uma `crise' da física clássica ­ incluída aí a tal `catástrofe
ultravioleta' ­, que não conseguiria explicar a interação da matéria
com a energia. Para o historiador da física dinamarquês Helge Kragh, essa versão é totalmente infundada. Segundo ele, o início da
66

física quântica se deve ao imenso conhecimento de Planck sobre
a área da termodinâmica "Essa história [de crise da física clássica]
é um mito que tem muito mais de um conto de fadas do que de
verdade histórica. A teoria quântica não deve sua origem a qualquer falha da física clássica, mas, sim, à profunda intuição [insight]
de Planck em relação à termodinâmica", escreveu Kragh em `Max
Planck: the reluctant revolutionary' (Max Planck: revolucionário
relutante; Physics World, dezembro de 2000, pp. 31-35).
Planck resolveu abordar o problema num sentido inverso.
Primeiro, deduziu uma expressão matemática que descrevia corretamente a distribuição de energia de um corpo negro, sem, naquele momento, entender muito bem suas implicações. Ele anunciou
essa fórmula para a Sociedade de Física de Berlim, ainda em 19 de
outubro de 1900. O físico alemão Heinrich Rubens (1865-1922)
assistiu à apresentação de Planck e passou a noite em claro, comparando a proposta com seus dados experimentais. No dia seguinte,
levou suas conclusões para o colega.
A fórmula tinha grande poder de previsão.
Nos dois meses seguintes, Planck mergulhou em trabalho
árduo para tentar revelar o significado de duas constantes que
apareciam em sua fórmula. "Depois de algumas poucas semanas
do mais extenuante trabalho de minha vida, a escuridão se iluminou", relatou Planck em conferência de 1920, ao receber o Nobel
de Física.
Inicialmente, Planck atacou a questão a partir da teoria eletromagnética do físico escocês James Clerk Maxwell (1831-1879)
e da termodinâmica. Confessou mais tarde que, se tivesse usado
a teoria dos elétrons, do físico holandês Hendrik Lorentz (18531928), os cálculos teriam sido simplificados. "Eu não acreditava na
existência dos elétrons", disse o então antiatomista convicto.
Mas o ponto decisivo no intenso trabalho foi a escolha da mecânica estatística criada no século 19, principalmente pelo físico
austríaco Ludwig Boltzmann (1844-1906). Não foi uma decisão fácil para Planck: em cerca de 40 trabalhos publicados, nunca havia
usado essa interpretação probabilística da termodinâmica.
67

Com esse novo ferramental teórico, Planck, então, formulou
sua hipótese mais ousada: a energia seria gerada e absorvida em
pacotes, os quanta, e não de forma contínua. Cinco anos depois, o
então jovem físico Albert Einstein (1879-1955) notaria que, sem a
hipótese do quantum, nenhuma teoria para explicar a radiação do
corpo negro conseguiria escapar da catástrofe ultravioleta.
Nos primeiros cinco anos, o quantum de energia praticamente
não foi usado pelos físicos para tentar resolver problemas relacionados à estrutura da matéria e da radiação. Em entrevista à Folha, por
e-mail, o historiador da ciência Jonh Heilbron, autor da principal
biografia de Planck, The Dilemmas of an Upright Man (Os dilemas
de um homem correto; Harvard University Press, 1986), diz que, até
1905, a hipótese de Planck "não tinha significado especial, a não ser
seu uso no cálculo da constante de Boltzmann, a partir de medidas
da radiação do corpo negro". Além disso, o quantum disputava o reconhecimento com descobertas feitas pouco antes: os raios X (1895),
a radioatividade (1896), o elétron (1897) e o elemento rádio (1898).
"Planck lançou ao solo uma semente de dúvida. Dela, haveria
de nascer uma nova física", afirmou a historiadora da ciência Barbara Lovett Cline. Aos cem anos, a teoria quântica passou por severos
testes experimentais e foi confirmada a distâncias impensavelmente pequenas. É a mais bem-sucedida teoria física da história.
Revolucionário relutante
Em seu livro Thematic Origins of Scientific Thought (Origens
temáticas do pensamento científico; Harvard University Press,
1988), o físico e historiador da ciência norte-americano Gerald
Holton afirma que as profundas implicações do quantum só começaram ser entendidas "com mais abrangência, em intensidade que
variava de país para país, depois do Congresso de Solvay [1911]",
um dos mais importantes deste século.
As dificuldades em aceitar alguns dos desdobramentos de sua
hipótese inicial transformaram Planck em um "revolucionário relutante", como ele é comumente classificado. "As minhas tentativas
fúteis de encaixar de alguma forma o quantum elementar de ação
68

[como Planck o batizou em 1900] na teoria clássica continuaram
por um certo número de anos, e elas me custaram um esforço
imenso. Muitos de meus colegas viram isso como sendo algo na
fronteira de uma tragédia. Mas eu vejo isso de uma forma diferente. [...] Agora, no entanto, sei que o quantum elementar de ação
desempenhou um papel muito mais significativo na física do que
aquele que eu estava inicialmente inclinado a suspeitar", confessou
Planck em sua autobiografia científica, de 1948.
Holton vê essa relutância como `agonia'. Planck, cuja visão de
mundo se baseava nos princípios da física clássica, foi obrigado a
rever tudo em que acreditava. "Planck não pensou que tivesse feito
algo de revolucionário, ou peculiar, ao introduzir [o quantum] e,
mesmo depois que Einstein, Lorentz e Ehrenfest [Paul, físico austríaco, 1880-1933] demonstraram a incompatibilidade com a física
clássica, Planck procurou minimizar a inovação", disse o historiador John Heilbron à Folha.
Curiosamente, a revolução que Planck renegava acontecia em
uma época em que se acreditava que a física era um corpo quase
completo, acabado, de conhecimento humano. Nesse sentido, ficou famoso o discurso feito pelo físico escocês William Thomson
(1824-1907), mais tarde lorde Kelvin, na Royal Society, em 27 de
abril de 1900.
Em sua palestra, Kelvin dizia que "apenas" duas nuvens obscureciam o céu cristalino da física do final do século 19. A primeira
dizia respeito à existência do éter, um sólido então pensado como
inelástico, que serviria de suporte para a transmissão das ondas
eletromagnéticas (ondas de rádio, micro-ondas, infravermelho, luz
visível, ultravioleta, raios X e raios gama). A segunda nuvem eram
discrepâncias que a física clássica se mostrava incapaz de tratar,
ao se aplicarem as teorias de Maxwell e Boltzmann à emissão de
radiação pela matéria.
Não há consenso entre historiadores da física sobre o significado e alcance dessas palavras de Kelvin. Mesmo assim, é interessante notar que da primeira nuvem nasceria a teoria da relatividade
restrita, proposta por Einstein em 1905, que dizimaria a possibili69

dade de existência do éter. Da segunda, surgiria a teoria quântica,
com Planck, poucos meses depois do discurso de lorde Kelvin.
Em 1905, Einstein, ao generalizar a hipótese do quantum,
transtornou ainda mais as já abaladas convicções de Planck, para
quem o quantum nada tinha a ver com as propriedades ondulatórias da radiação, mas, sim, com propriedades internas da matéria.
Einstein, então um técnico de patentes em Berna (Suíça), publicou
artigo mostrando que a luz era formada por quanta, isto é, por
partículas (mais tarde, denominadas fótons).
Planck, reticente, rejeitou esse resultado de Einstein. Um
exemplo dessa recusa está na recomendação, em 1913, para ingresso
de Einstein na Academia Prussiana de Ciências. A carta, elogiosa,
dizia que não havia quase problema da física moderna para o qual
Einstein não tivesse dado contribuição notável. Mas, em relação ao
fóton, havia uma ressalva: "Que ele, às vezes, tenha errado o alvo em
suas especulações, como em sua hipótese dos `quanta de luz', não
pode ser levado muito a sério, pois não é possível introduzir ideias
verdadeiramente novas, mesmo nas ciências exatas, sem correr alguns riscos, de vez em quando".
Aceitar a hipótese do quantum ­ que Planck denominou "intrusa, monstruosa e, para a imaginação, de uma arrogância quase
insustentável" ­ era renunciar "a todos os frutos do grande trabalho de Maxwell", que estariam perdidos, caso se levasse a sério algo
que não passava "de uma especulação dúbia".
Em relação à radiação do corpo negro, Planck confessou ter
tido, por certo tempo, a esperança de que "as leis da eletrodinâmica clássica, se aplicadas de modo suficientemente geral e acrescidas de hipóteses apropriadas, seriam suficientes para explicar os
pontos essenciais do fenômeno estudado e levariam ao objetivo
desejado".
Repúdio às próprias ideias
Essa busca incessante levou Planck a várias reformulações de
sua teoria inicial. Até 1912, viu com profundo ceticismo a ideia que
criara ­ a descontinuidade o repugnava desde o início. A partir daí,
70

mudou sua abordagem: os quanta só estariam envolvidos na emissão da energia. A absorção deveria mesmo ser contínua, como se
pensava antes de seu trabalho de 1900. Dois anos depois, foi ainda
mais severo: chegou a abrir mão da descontinuidade nos processos
de absorção e emissão de energia, deixando-a apenas para a interação entre "partículas de matéria", ou seja, interação entre átomos.
Para Lorentz, o físico mais importante da época, Planck desabafou, em carta de 1910: "Coloquei a descontinuidade onde ela
poderá causar menos danos". E para o colega Ehrenfest: "Odeio
a descontinuidade da energia, mais ainda a descontinuidade da
emissão".
Essa resistência acontecia em um cenário que se mostrava
contrário a Planck. Em 1907, Einstein, mais uma vez baseando-se
em Planck, inaugurou a teoria quântica da matéria, ao descrever o
chamado calor específico dos sólidos, ou seja, a quantidade de calor necessária para fazer um grama de matéria aumentar sua temperatura de um grau. Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr
(1885-1962) aplicou a hipótese do quantum para explicar a estabilidade do átomo.
Mais evidências vieram, mas Planck ainda se mostrava incrédulo e insatisfeito. Edwin Kemble (1889-1984), nos EUA, em uma
tese pioneira naquele país, mostrou que a absorção de energia também deveria ser descontínua, refutando a revisão de Planck. Em
1915, o físico norte-americano Robert Millikan (1868-1953) provou que os fótons têm realidade física ­ a contragosto, já que pretendia chegar ao resultado contrário. Porém, esses resultados não
conseguiram dizimar as dúvidas sobre a existência das partículas
de luz. As provas cabais viriam em 1925, depois dos resultados de
dois experimentos, um nos EUA e outro na Alemanha.
Ao estudar a radiação do corpo negro, Planck foi motivado pela
crença na busca do absoluto, "a mais seleta tarefa científica", que classificava como aquilo que "manteria seu significado para a eternidade,
para todas as civilizações, mesmo extraterrestres e não-humanas".
O significado físico de sua descoberta nunca chegou a tocar
profundamente sua alma de cientista e filósofo. O criador estra71

nhou sua criatura e, por vezes, tentou livrar-se dela. Sua constante,
h (6,67x 10-32 Js), cuja pequenez faz dos fenômenos quânticos algo
sem valor no mundo dos objetos macroscópicos de nosso cotidiano, pareceu-lhe deslocada no interior da "amada ciência".
Com resignação serena, Planck, ao final da vida, sintetizou o
modo como o quantum se tornou uma das ideias mais fundamentais da física: "Uma inovação científica importante raramente se
impõe, vencendo gradualmente e convertendo seus oponentes [...]
O que acontece é que seus oponentes gradualmente vão morrendo,
e a geração seguinte se familiariza, desde o início de sua formação,
com as novas ideias."
Conservadorismo e tragédias
Max Karl Ernst Ludwig Planck nasceu em Kiel (norte da Alemanha), em 23 de abril de 1858. Aos nove anos, mudou-se com
sua família para Munique (sul), mas sempre disse que Kiel era sua
"autêntica pátria".
Fez seus estudos superiores na Universidade de Munique.
Foram três anos de graduação. No ano seguinte, foi para Berlim,
estudar com renomados cientistas de sua época: Hermann von
Helmholtz (1821-1894) e Gustav Kirchhoff (1824-1887). Em Berlim, Planck leu os trabalhos de Rudolph Clausius (1822-1888), que
seria sua principal influência na termodinâmica, área na qual se
tornou um dos maiores especialistas de seu tempo.
De volta a Munique, Planck obteve, em 1879, seu doutorado,
com uma tese sobre a segunda lei da termodinâmica. Em 1885,
tornou-se professor extraordinário na Universidade de Kiel, para,
quatro anos depois, assumir o mesmo posto na Universidade de
Berlim. Passou a catedrático em 1892, em uma época em que só
havia duas cátedras para teóricos na Alemanha. Manteve esse
cargo até os 70 anos, quando se aposentou e passou a dar palestras pela Europa sobre um tema que lhe era muito caro: ciência
e religião.
Suas aulas, apesar de meticulosamente bem preparadas,
não entusiasmavam os alunos. Tinha preferência por orientar es72

tudantes dos primeiros anos dos cursos de graduação, mas teve
poucos discípulos e formou poucos doutores. Apesar de ocupar
postos importantes na estrutura acadêmica, Planck dedicou parte
de seu tempo a reformular o currículo de física das escolas médias alemãs, defendendo o fortalecimento das aulas de laboratório
nessa disciplina.
Planck foi educado em um ambiente religioso, mas liberal e
ecumênico. Era profundamente religioso, porém nunca se vinculou
a nenhuma igreja. Ao longo de sua vida, norteou-se por "respeito à
lei, confiança nas instituições estabelecidas, obediência ao dever e
honestidade absoluta", como escreveu o historiador da física John
Heilbron na biografia Dilemmas of an upright man (Dilemas de um
homem correto; Harvard University Press, 1986).
Planck nunca deu sinais de genialidade, seja na física, seja em
qualquer outro domínio. "Aliás, nunca acreditou ter um talento especial para a física", diz Heilbron. Mas ia bem na escola, em todas
as disciplinas, especialmente em música, o que fez dele um exímio
pianista, tendo acompanhado várias vezes Einstein ao violino.
Foi um conservador que promoveu a carreira de revolucionários, como a de Einstein, a de Max von Laue (1879-1960), seu
principal discípulo, e a da física Lise Meitner (1878-1968), codescobridora da fissão nuclear.
Apesar de inicialmente cético quanto à entrada de mulheres
na universidade, Planck foi um dos primeiros catedráticos alemães
a defender publicamente o direito de as mulheres ingressarem na
vida universitária, o que ficou evidenciado por sua escolha de Meitner como assistente, no início da década de 1910.
As reticências de Planck em aceitar os desdobramentos radicais de sua obra não o impediram de reconhecer o valor de novas
teorias. Ainda em 1906, promoveu um seminário para discutir as
alterações dos conceitos de tempo e espaço propostas pela teoria
da relatividade especial, publicada um ano antes por Einstein. Foi
Planck quem lhe deu o nome de `teoria da relatividade' ­ Einstein
preferia, então, `princípio'.

73

Sob Hitler
Seu conservadorismo ia além da física. "Lealdade ao Estado e
orgulho patriótico eram valores inquestionáveis", segundo o historiador Fritz Stern, em Einstein's German World (O mundo alemão
de Einstein; Princeton University Press, 1999).
Mesmo tendo sido admirado pela extrema integridade pessoal, Planck adotou no regime nazista posições que foram criticadas
por colegas e amigos, como Von Laue e Einstein. Considerava que
a Alemanha e sua cultura estavam acima do regime de Hitler, o que
o levou a permanecer no país para tentar salvar o que fosse possível da ciência germânica. A amizade entre Planck e Einstein ficou
irremediavelmente abalada.
Sua vida pessoal foi marcada por tragédias. Na Primeira
Guerra, seu filho mais velho, Karl, morreu em combate. Perdeu
duas filhas gêmeas por complicações no parto. Mas seu maior infortúnio foi o fuzilamento do filho mais novo, Erwin, acusado de
ter colaborado com os responsáveis pelo atentado frustrado (Operação Valquíria) contra Hitler em 1944. Tentou desesperadamente
salvar Erwin, que acabou executado no início de 1945. Em carta ao
físico alemão Arnold Sommerfeld (1868-1951), de 23 de janeiro
daquele ano, Planck exprimiu seu estado de espírito: "Tiraram de
mim o amigo mais querido e mais próximo. Minha dor não pode
ser expressa em palavras".
Planck morreu em 4 de outubro de 1947, após um longo período de doença. No ano anterior, o governo alemão fundou a Sociedade Max Planck para o Avanço da Ciência, para prosseguir com
seus ideais científicos. Sua imagem foi estampada na moeda de 2
marcos em 1958.
Em cerimônia da Academia de Ciências dos EUA de 1948,
Einstein prestou-lhe uma homenagem. Escreveu: "Um homem a
quem foi dada a oportunidade de abençoar o mundo com uma
grande ideia criativa não precisa do louvor da posteridade. Sua
própria façanha já lhe conferiu uma dádiva maior". No entanto,
o obituário é, de certo modo, frio e contido, apesar de Planck ter
74

sido o grande incentivador da carreira de Einstein. Mas este nunca
conseguiu perdoar o holocausto e o fato de Planck nunca ter enfrentado o governo nazista, como fez, por exemplo, Max von Laue,
com quem Einstein manteve amizade até o fim da vida.

EXTRA
David Cassidy: a física e a política
David Cassidy é hoje um dos mais importantes historiadores da física. Professor de Ciências Naturais na Universidade de
Hofstra, em Nova York (EUA), é autor de Uncertainty: the life and
science of Werner Heisenberg (Incerteza: a vida e a ciência de Werner Heisenberg, W.H. Freeman, 1992), a mais completa biografia já escrita do físico alemão Werner Heisenberg (1901-1976), e
de Einstein and our world (Einstein e o nosso mundo, Humanity
Books, 1998), análise informativa e acessível sobre a vida e o impacto da obra de Einstein em outros campos da cultura ­ uma pequena obra-prima.
Cassidy é o responsável por uma página na Internet (http://
www.aip.org/history/heisenberg/) cujo foco principal é Heisenberg. Em entrevista à Folha, ele comenta o relacionamento entre
Planck, Einstein e Heisenberg nos anos do regime nazista na Alemanha (1933-1945).
Como foi a relação entre Einstein e Planck na década de
1920, período no qual houve um crescente preconceito na Alemanha contra os judeus e contra as ideias de Einstein?
O preconceito público contra os judeus na década de 1920
envolveu principalmente pessoas que não pertenciam à academia.
No entanto, dois ganhadores do prêmio Nobel estavam entre elas:
Philipp Lenard (1862-1947) e Johannes Stark (1874-1957). Mas
homens de princípio, como Max Planck e Arnold Sommerfeld, defenderam Einstein.
75

Logo depois da Segunda Guerra Mundial, Einstein, então
vivendo nos EUA, foi convidado a retornar à Alemanha e recusou o convite. Isso implicaria que Einstein tinha certo ressentimento contra cientistas alemães, inclusive Planck?
Einstein manteve alguns ressentimentos em relação a muitos
cientistas alemães. Sabe-se que, quando alguém viajava para a Alemanha e perguntava a Einstein a quem ele gostaria de enviar felicitações, o único nome mencionado era o de Max von Laue. Minha
impressão é que Einstein sentia que Planck deveria ter feito mais.
Mas, como Planck já era um homem idoso, Einstein percebeu que
havia limites para o que um homem da idade de Planck poderia
fazer. Assim, quando Planck morreu, Einstein escreveu um obituário, elogiando-o pela sua grande ideia criativa, isto é, o quantum, e
por sua dedicação em prol do ideal da busca pela verdade.
Qual foi a natureza da relação entre Planck e Heisenberg
durante o regime nazista? E depois da Segunda Guerra?
A relação entre Planck e Heisenberg foi muito próxima no
que diz respeito a consultas sobre como proceder em relação ao
regime nazista. Mas eles não eram próximos, nem profissionalmente, nem pessoalmente. Como descrevo em meu livro sobre
Heisenberg, Planck era o físico mais importante da Alemanha e a
autoridade moral mais respeitada entre os físicos. Heisenberg era
um jovem pesquisador em busca de conselhos de uma autoridade
moral sobre como proceder frente ao regime nazista. Depois da
Segunda Guerra, Planck já estava muito velho e doente. Heisenberg procurou se aconselhar politicamente com outros, quando
isso se fez necessário.
Heisenberg teria procurado se aconselhar com Max Planck
sobre o programa alemão da bomba atômica durante a Segunda
Guerra Mundial?
Planck não tinha nenhuma informação a dar sobre a bomba
atômica, uma vez que ele não trabalhou nessa área. Ele já estava
aposentado. Não conheço nenhum indício de que Heisenberg tenha ido a Planck em busca de aconselhamento moral sobre a pesquisa atômica, embora isso possa ter acontecido.
76

Quando Planck recomendou Einstein para a Academia
Prussiana de Ciências, ele descreveu as contribuições de Einstein para a física teórica como muito importantes. No entanto,
ele alimentava algumas reservas quanto à ideia do fóton. Mais
tarde, Planck tentou se livrar do conceito de descontinuidade no
processo de absorção. Como Einstein reagiu a essas tentativas?
Einstein acolheu bem as tentativas de Planck de deixar de
lado o conceito de descontinuidade, já que Einstein também não
gostava dele. Einstein sempre achou que as teorias daquela época
eram incompletas, porque elas permitiam a existência do quantum, e que, no futuro, uma teoria completa não teria esse conceito
de descontinuidade. No entanto, Einstein percebeu que não havia
nenhuma possibilidade de se livrar da descontinuidade sem uma
nova teoria ainda mais radical que a mecânica quântica, e ele e
muitos outros físicos achavam que todas as tentativas de Planck
eram inadequadas.
Nos últimos anos, alguns autores vêm reexaminando o papel de Heisenberg no período nazista. Eles sugerem que Heisenberg era ambicioso, egoísta ­ negando-se a ajudar colegas em dificuldades ­ e colaboracionista. A posição política de Heisenberg
no nazismo deveria ser revista?
Muito se tem debatido sobre a posição de Heisenberg no regime nazista. Escrevi uma biografia de 600 páginas sobre ele, que
inclui uma análise detalhada sobre sua posição política. Muitos
acham que minha versão é convincente e que não há necessidade
de revisão.

77

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo, em 04/05/97]

100 ANOS DO ELÉTRON
A partícula que mudou a história do átomo

Provar que o átomo podia ser dividido em partículas menores
não foi tarefa fácil para a ciência. A descoberta do elétron, a partícula de carga negativa que habita o interior do átomo, foi resultado
de quase cem anos de construção de parafernálias experimentais,
muita tinta, papel e raciocínio de vários cientistas.
Tudo isso para entender fenômenos intrigantes que surgiam
quando a eletricidade interagia com sólidos, líquidos e gases. Desde a Antiguidade, os fenômenos elétricos despertaram interesse.
Mas foi só nos séculos 18 e 19 que a eletricidade se tornou um
campo avançado de estudos.

J. J. Thomson
Crédito: Wikimedia Commons

78

Entretanto, os fenômenos naturais elétricos eram incontroláveis e difíceis de serem estudados. Portanto, era preciso bolar
instrumentos para reproduzi-los e controlá-los nos laboratórios.
Dentre as aparelhagens criadas, uma foi vital para a descoberta do
elétron. Esse instrumento era um tipo de `bisavô' dos tubos de televisão modernos. Seu formato lembrava uma lâmpada caseira com
um bulbo na ponta e um `pescoço' alongado, de quase dois metros
de comprimento. Em seu interior, vácuo.
Logo se notou que, quando esse tubo era ligado a uma bateria, uma luz esverdeada aparecia perto do polo negativo.
À medida que se aprimorava a aparelhagem e se idealizavam
novas experiências, a natureza dos raios catódicos ­ como a luz esverdeada foi batizada ­ mostrava-se mais intrigante. Por exemplo,
os raios catódicos pareciam ser sempre iguais, independentemente
dos metais usados nos polos do tubo. Viajavam em linha reta, mas
essa trajetória era entortada quando eles passavam perto de um
ímã potente colocado nas proximidades do tubo.
Experiências e cálculos foram feitos, mas a natureza dos raios
catódicos estabeleceu um dilema na comunidade científica. Para os
britânicos, eles eram formados por corpúsculos. Para os alemães,
eram ondas, resultado da vibração do éter ­ um meio invisível que
se acreditava permear o espaço.
Para acirrar mais o debate, várias experiências, algumas malfeitas e outras mal interpretadas, davam sustentação às duas hipóteses. Nesse clima de disputa e incerteza, os experimentos de
Joseph John Thomson (1856-1940) foram decisivos para mostrar
que os raios catódicos eram partículas negativas menores do que
o átomo.
Por volta de 1895, Thomson, diretor do Laboratório Cavendish, em Cambridge (Reino Unido), era um cientista experiente.
Estudava a passagem da eletricidade por tubos com gás havia cerca
de dez anos, porque acreditava que essa linha de pesquisa ainda
acabaria revelando um segredo sobre a estrutura da matéria.
Não está claro por que Thomson resolveu estudar os raios catódicos, mas com certeza ele se dedicou com afinco à tarefa. Como
79

o debate sobre a natureza dos raios ainda estava quente, Thomson,
engenhoso, resolveu repetir dois experimentos importantes, mas
de resultados contraditórios.
Ele desconfiou das conclusões de uma experiência feita por
Heinrich Hertz (1857-1894). Nela, o físico alemão mostrou que
a trajetória dos raios catódicos não era entortada por uma placa
de metal ligada ao polo positivo de uma bateria. Segundo uma lei
básica da física, cargas elétricas de sinais trocados se atraem. Já que
nada aconteceu, Hertz concluiu que os raios catódicos não eram
corpúsculos elétricos, mas deveriam ser um tipo de onda.
O primeiro experimento que Thomson repetiu foi o do físico
francês Jean Baptiste Perrin (1870-1942). Concluiu que os raios catódicos eram partículas carregadas negativamente, provavelmente
menores do que o átomo. Ao refazer os experimentos de Hertz,
Thomson mostrou que o feixe de raios catódicos era, sim, atraído
pelo polo positivo da bateria. Ele mostrou ainda que o mesmo fenômeno acontecia quando os raios passavam nas proximidades de
um ímã poderoso.
A essa altura, Thomson já estava convencido de que os raios
eram partículas negativas, menores do que o átomo. Mas isso não
bastava. Era preciso fazer medições que provassem sua hipótese.
Se os raios eram corpúsculos, eles tinham massa. Se eram
carregados de eletricidade, tinham uma carga elétrica. Thomson
montou um experimento cuidadoso e percebeu que, se medisse a
velocidade das partículas, conseguiria deduzir um número equivalente à divisão da massa pela carga dos corpúsculos.
Depois de muito esforço, Thomson chegou à velocidade e,
consequentemente, à relação entre a massa e a carga. Os resultados
eram muito semelhantes, independentemente dos metais usados
como polos no tubo. Tudo indicava que os raios catódicos eram
um tipo de unidade básica que formava todo tipo de matéria.
Em 30 de abril de 1897, em uma palestra na Royal Society,
em Londres, Thomson anunciou seus resultados: i) o átomo era
divisível, formado por corpúsculos de carga negativa; ii) os corpúsculos tinham sempre a mesma massa e carga elétrica, indepen80

dentemente do tipo de material que os emitia; iii) essas partículas subatômicas eram cerca de mil vezes menores do que o átomo
de hidrogênio.
A existência do elétron estava comprovada. Mas anunciá-la
não foi decisão fácil para Thomson. Na verdade, foi uma hipótese desesperada para explicar os resultados de suas experiências.
"Poucos acreditavam na existência de corpúsculos menores do que
o átomo. Eu mesmo aceitei essa hipótese com grande relutância",
lembrou Thomson em suas memórias.
O anúncio de uma nova partícula incomodou muita gente.
O químico russo Dmitri Mendeleiv (1834-1907), pai da tabela periódica dos elementos químicos, chegou a escrever um livro satirizando a hipótese do elétron.
Mas, se o átomo era divisível, faltava explicar como os elétrons
estavam distribuídos dentro dele. `JJ', como era conhecido entre os
amigos, propôs seu próprio modelo, com base em ideias que já circulavam à época: o átomo parecia um `pudim' de passas, sendo os
elétrons as passas incrustadas numa massa de cargas positivas.
O `pudim' de Thomson permaneceu como modelo até 1911,
quando o físico neozelandês Ernest Rutherford (1871-1937) mostrou que o átomo parecia mais com um sistema solar, com um
núcleo de cargas positivas (prótons), fazendo o papel do Sol, e os
elétrons girando em volta dele, como planetas.
Hoje, a física conhece várias outras partículas, e o modelo do
átomo já foi muito aprimorado. Prótons e nêutrons não resistiram
à força dos grandes aceleradores de partículas e foram estilhaçados
em partículas menores, os quarks. Mas o elétron resiste bravamente e permanece inquebrável.
Até sua morte, em 1940, Thomson manteve-se afinado com
a física de seu tempo. Seu nome permanecerá na história como o
cientista que corajosamente dividiu o `indivisível' e transformou
cerca de 2 mil anos de história.

81

[Uma versão deste texto foi publicada em Ciência, da Folha de S. Paulo, em 20/02/2005]

NEUTRINOS
O nascimento da partícula-fantasma

"Caros Senhoras e Senhores Radioativos." Começava assim a
carta de 4 de dezembro de 1930 do físico austríaco Wolfgang Pauli
(1900-1958) à sua colega e compatriota Lisa Meitner (1878-1968).
Aquela página deveria ser lida para os participantes de um encontro científico em Tübingen (Alemanha). Pauli se desculpava pela
ausência ­teria de ir a um baile em Zurique (Suíça) ­ e aproveitava
para propor uma hipótese e, com isso, solucionar um mistério que
molestava a física da época.
A hipótese proposta: a existência de uma nova partícula, além
das três então conhecidas: o elétron (carga elétrica negativa), o próton (positivo e habitante do núcleo atômico) e o fóton (partícula de

Wolfgang Pauli
Crédito: Wikipédia/ Nobel foundation

82

luz). O mistério que estava sendo resolvido: o decaimento beta, um
tipo de radioatividade emitida por certos núcleos atômicos.
Desde 1914, já se notava algo estranho com esse fenômeno,
no qual ­ como se observava à época ­ um elétron era `cuspido' do
núcleo. Porém, as contas do balanço energético não fechavam. Ao
somar a energia do elétron expelido com a do novo núcleo produzido pelo decaimento, faltava ainda um `naco' ­ quase imperceptível, é verdade ­ de energia.
Isso intrigava os especialistas. O físico dinamarquês Niels Bohr
(1885-1962), num ato de desespero, chegou a defender que a conservação de energia ­ um tipo de Santo Graal da física ­ não valeria
para o decaimento beta. Só se redimiu dessa heresia em 1936.
Acreditou-se, inicialmente, que, em conjunto com o elétron,
um raio gama era emitido. Porém, dois experimentos, em 1927 e
1930 ­ o segundo deles feito pela própria Meitner ­, não comprovaram a suspeita. E a crise se avolumou.
Na carta, Pauli perfilou a nova partícula. Ela seria neutra
(sem carga elétrica), praticamente sem massa e expelida juntamente com o elétron, carregando com ela o filão de energia faltante.
Dois anos depois, o nêutron (companheiro do próton no núcleo e
também sem carga) foi descoberto. Porém, foi logo destronado do
posto de candidato à partícula de Pauli, pois sua massa era `enorme', praticamente igual à do próton.
Batismo
O físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) decidiu, então,
batizar a partícula de Pauli como neutrino (em italiano, pequeno
nêutron). E usou-a para elaborar uma teoria elegante ­ válida até
hoje ­ para explicar o decaimento beta. O fenômeno, assim, passou
a ser o seguinte: um nêutron decai (transforma-se) em um próton,
sendo emitidos do núcleo um elétron e um neutrino ­ na verdade,
um antineutrino, uma antipartícula.
De quebra, a teoria de Fermi extirpou pela raiz a crença de
que os elétrons ­ e para alguns também os neutrinos ­ viviam no
núcleo atômico.
83

Fato pouco divulgado: apesar da total falta de evidência sobre a realidade dos neutrinos, os físicos teóricos se sentiram muito
confortáveis com a nova partícula. "Foi um caso único na história
das partículas elementares", resumiu Abraham Pais, em sua monumental obra Inward Bound (algo como Rumo ao interior [do
átomo]; Oxford University Press, 1988).
Ainda em 1934, cálculos mostraram que seria praticamente
impossível detectar o neutrino. Para fazê-lo interagir com a matéria, seria necessário fazê-lo atravessar quantidade de água equivalente a dezenas de milhões de vezes a distância Terra-Sol. Porém, a
engenhosidade humana driblou o problema, e, em 1955, um experimento nos EUA detectou indiretamente o primeiro dos três tipos
de neutrino conhecidos hoje. A partícula-fantasma se revelava a
uma comunidade de físicos assombrada pela descoberta.
Pauli estava certo.
Em 2002, nova surpresa: um experimento no Canadá mostrou que os neutrinos têm massa. E isso tem implicações profundas para entender a constituição e o próprio destino do universo.
Hoje, a pesquisa em neutrinos é uma das mais instigantes da física,
e vários experimentos tentam desvendar propriedades da partícula
que nasceu em uma carta bem-humorada. Dois problemas atuais:
saber o valor exato da massa e, mais intrigante, descobrir se o neutrino e o antineutrino são ou não a mesma partícula.
Se as dezenas de partículas elementares conhecidas hoje (elétrons, quarks, fótons etc.) formassem um tipo de liga de super-heróis, o neutrino seria certamente eleito pelos fãs o mais cool deles
(bacana, em inglês). Afinal, ele pode atravessar incólume trilhões
de quilômetros de chumbo, por exemplo. Neste exato momento,
o(a) leitor(a) está sendo perfurado por trilhões de neutrinos. Isso
também ocorre à noite, quando eles, vindos do Sol, onde são produzidos, atravessam a Terra sem se chocar com nada. Sem contar
que um ser humano gera outros 20 milhões de neutrinos por hora,
por causa da presença de elementos radioativos no organismo.
Sem dúvida, cool.

[Uma versão deste texto foi publicada no Especial Rio+20, da Folha de S. Paulo, em
05/06/2012]

RIO+20
Clima, filosofia e história da ciência

Talvez, às vésperas da Rio+20, a história da ciência e a filosofia possam ensinar algo sobre o planeta e os humanos.
Se uma pesquisa tivesse sido feita no final do século 19 entre
os grandes nomes da física, é bem provável que aqueles luminares aceitassem, como realidade incontroversa, a existência do éter
(meio com propriedades tanto esquisitas quanto paradoxais que
serviria de suporte para a propagação da luz).
Em 1905, Albert Einstein (1879-1955), com sua teoria da relatividade, descartaria, como desnecessária, essa `propriedade' do
espaço. Cerca de 20 anos depois, porém, ainda havia cientista que
acreditasse em tal suporte.

85

Conceitos científicos arraigados são difíceis de matar. O físico
alemão Max Planck (1859-1947) dizia que uma verdade científica não
triunfa pelo convencimento de seus oponentes, mas, sim, porque estes
últimos acabam morrendo, e ela se torna familiar a uma nova geração.
O historiador marxista britânico Eric Hobsbawm (1917-2012)
põe a ciência como a forma de cultura mais influente do século 20.
Para o bem e para o mal.
Ao longo da história, cientistas obtiveram resultados grandiosos ­ um deles é, sem dúvida, a teoria da relatividade, que permitiu o primeiro modelo cosmológico de base científica. Mas produziram fraudes e pseudociência ­ esta última quando o cientista
crê que aquilo que obteve é verdadeiro.
Ciência está longe de ser pura, imaculada, como, às vezes, é
vendida. Ciência tem muito de marketing.
Quando um novo campo científico nasce (por exemplo, engenharia genética e nanotecnologia), ele traz sua carga de promessas.
Nessas horas, cientistas, incensados pela mídia, desfilam futurologias (do bem, obviamente), pois sabem que isso traz visibilidade (e
financiamento) para seus laboratórios ou seus projetos.
A história da ciência, no entanto, ensina: o cemitério das promessas científicas está cheio de covas profundas e esquecidas ­ grande parte delas preenchidas com medicamentos e vacinas contra males ainda incuráveis.
Rio+20
Fraudes, pseudociência, aceitação forçada de paradigmas, medo
da discordância e do debate franco... todas mazelas criadas em nome
do prestígio, da vaidade, de egos exacerbados, da competição, do
medo de macular a carreira, da pressa em publicar etc.
Mas o que tudo isso tem a ver com a Rio+20?
Vejamos.
O filósofo alemão Jürgen Habermas diz que um dos traços das
democracias modernas é que o público tem que lidar com políticas
como "pacotes fechados", dizendo apenas se é a favor ou contra
eles, sem discussões mais aprofundadas.
86

Se pudermos estender essa característica política às tendências ambientalistas, então, o caso emblemático de `pacote fechado',
talvez, seja a questão do aquecimento global ou das mudanças climáticas ­ a escolha vai depender dos interesses políticos e econômicos do sujeito, como já revelaram pesquisas.
O(a) leitor(a) acredita em qual pacote? Crê no aquecimento
global ou é cético?
A impenetrabilidade de Habermas aponta um caminho perigoso: grandes teorias científicas, por sua complexidade, acabam
sendo aceitas como dogma. Ou rejeitadas como um.
Na questão climática, o `sim' (aceitação) preponderou até
agora ­ afinal, é difícil, mesmo para um cientista, levantar a voz
contra um documento, o relatório do IPCC (sigla, em inglês, para
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), que traz a
assinatura de mais ou menos 2,5 mil especialistas com doutorado.
Ceticismo
Mas, agora, parece brotar certo desconforto entre os próprios
cientistas. Caso emblemático: 16 deles, todos renomados, publicaram manifesto nas páginas do The Wall Street Journal (26/01/12)
com o sugestivo título `Não é preciso se apavorar com o aquecimento global'. Basicamente, dizem que não é necessário tomar medidas drásticas, no curto prazo, contra o aquecimento global; que
o gás carbônico não é poluente; e as evidências do fenômeno não
podem ser consideradas incontroversas ­ essas últimas são palavras de um Nobel de Física.
Respostas a esses céticos já são encontradas a granel na internet. Uma delas é a de William D. Nordhaus, professor de economia
na Universidade Yale (EUA), "Por que os céticos do clima estão
errados" (New York Review of Books, 22/02/12).
A mídia tem culpa na solidificação de paradigmas na ciência.
Costuma ­ pela própria essência do jornalismo sobre ciência ­ privilegiar resultados e profecias em detrimento de dúvidas e reveses. Ciência, por sinal, nas palavras do filósofo britânico John Gray, é, hoje,
o terreno das certezas; as dúvidas, diz ele, ficaram para a religião.
87

Nos jornais, há crítica de teatro, literatura, cinema, artes, música, gastronomia... E de ciência? Afinal, ela não é uma forma de
cultura, a mais influente do século passado, segundo Hobsbawm?
Parte do esclarecimento (certezas e, principalmente, dúvidas)
deveria vir dos próprios cientistas. Mas a verdade é que eles são
resistentes em falar com um público que mal entende um fenômeno básico do cotidiano e titubeia perante matemática simples.
O debate darwinismo versus criacionismo (e também ciência versus esoterismo) corrobora o dito acima.
À beira da Rio+20, o `Manifesto dos 16' foi pancada forte.
Mas o que fraquejou pernas e esvaziou pulmões científicos foi a revelação, há poucos anos, de mensagens de um especialista da área
em que estava confessa a manipulação de dados pró-aquecimento ­ é o lado humano (sem aspas) dessa atividade. O vazamento
abalou profundamente a crença pública (e a de cientistas) em um
conhecimento reunido arduamente nas últimas décadas.
É improvável que 2.500 especialistas estejam errados. Mas
vale ter em mente o caso do éter, que abre este texto.
Para finalizar, retome-se Gray, com seu magistral e impressionante Cachorros de Palha (Record, 2005). O filósofo defende que o
movimento verde sofre, nas origens, do mesmo mal do cristianismo e da própria ciência, a saber: o humanismo, este no sentido de
que o homem é superior a outras espécies animais, é senhor de seu
destino, pode controlar a tecnologia que cria e acredita na ilusão
de progresso ­ por sinal, progresso é algo que o britânico diz fazer
sentido só no âmbito da ciência e não na ética, na política, nas
artes, na literatura...
Natureza humana
Gray defende que a espécie humana é dominadora e destrutiva. E não adianta tergiversar, diz ele: somos assim, é a nossa natureza humana, algo negado, na política, ao longo da história, pela
direita e pela esquerda, e que está, para ficar num só exemplo, na
raiz das guerras e genocídios.
O alento em todo o pessimismo de Gray é que a Terra, como
88

sistema robusto que é, resistirá à infecção por humanos. Mas a um
preço: destruição da fauna e da flora.
Seguindo o pessimismo de Gray, é possível que tudo o que
foi dito até aqui seja algo de menor importância. "A destruição do
mundo natural não é o resultado do capitalismo global, da industrialização, da `civilização ocidental' ou de qualquer falha nas instituições humanas. É consequência do sucesso evolucionário de um
primata excepcionalmente rapinador. Ao longo de toda a história
e pré-história, o avanço humano tem coincidido com devastação
ecológica", escreve ele.
Neste momento de Rio+20, a reflexão mais profunda, talvez,
não deva ser sobre essa ou aquela política, esse ou aquele dado
científico, isso ou aquilo da economia. Mas, sim, sobre quem (realmente) somos, se valemos a pena.
E uma das análises mais profundas sobre essa questão está em
Cachorros de Palha. Vale ler, mesmo que seja para discordar.

89

[Uma versão deste texto foi publicada em questões da ciência, piauí (06/07/12)]

SEJAMOS PRAGMÁTICOS...
Um bóson de Higgs serve para quê?

Favor: toque a tela na qual você está lendo este texto. Ou, tanto
faz, leve o indicador à ponta de seu nariz. Ou perceba o contato do
assento em que você talvez esteja. Ou a sola de seu calçado contra
seus pés. Ou mesmo o ar passando por suas narinas... A sensação
táctil resultante dessas experiências ­ sem graça, é verdade, depois
dos primeiros anos de vida ­ deve-se a algo comum a todos os
objetos (visíveis ou não) em nosso cotidiano: massa. Esta semana,
os físicos finalmente anunciaram, depois de décadas de elucubrações, rabiscos abstratos para a maioria dos mortais e construção de
aparelhos complexos e titânicos, a entidade responsável por fazer a
esmagadora maioria das coisas ao nosso redor existir.

Peter Higgs
Crédito: Wikimedia Commons

90

A partícula recém-descoberta ­ cuja função é justamente conferir a propriedade massa a suas colegas subatômicas ­ tem nome
e sobrenome: bóson de Higgs. O primeiro termo denomina que
ela tem personalidade gregária: gosta de se aglomerar com suas
semelhantes ­ e veremos a importância disso adiante. Já `Higgs' é
homenagem a Peter Higgs, físico teórico britânico que, na década de 1960, lançou a hipótese sobre a existência desse corpúsculo,
para tentar resolver um grande embaraço do chamado Modelo Padrão, a teoria que lida com os fenômenos relativos a cerca de uma
dúzia de `tijolinhos' básicos que formam os 5% de matéria ordinária do universo, que constitui de buracos negros e galáxias a seres
humanos e vírus [Em tempo: desconhece-se a natureza dos 95%
restantes (sim, 95%!), o que talvez seja a questão mais profunda da
ciência deste século.].
O Modelo Padrão ­ que pode ser entendido como uma tabela que divide as partículas em famílias, segundo o que elas fazem
ou formam ­ é um monumento à inteligência humana. Ali, está a
explicação para a constituição daquela tríade que aprendemos na
escola: prótons, nêutrons e elétrons, para ficarmos com apenas três
das centenas de partículas que se conhecem hoje.
Mas havia no Modelo Padrão pelo menos um embaraço pontiagudo e afiado: aquela teoria não explicava por que certas partículas eram `gordinhas' (por exemplo, top quark), outras verdadeiras `sílfides' (neutrinos), e algumas nem mesmo tinham massa
(fótons ou partículas de luz). Ou seja, não explicava de onde vinha
a tal propriedade massa. Se os físicos sabiam os valores para essa
grandeza, foi porque, por meio de experiências, capturavam e `pesavam' essas entidades liliputianas.
Mas como o bóson de Higgs faz surgir a massa em outras
partículas? A melhor analogia que este signatário conhece sobre o
tema foi idealizada pelo físico David Miller, do University College,
em Londres: imagine uma convenção de devotados membros de
um partido político. Eles estão distribuídos quase uniformemente
num grande salão. De repente, o grande líder trabalhista adentra
o recinto. Em torno dele, quase que imediatamente, juntam-se
91

vários partidários. E, à medida que o político famoso se desloca
pelo ambiente, ele vai `arrastando' consigo aquele amontoado de
admiradores. Pois bem, o líder é a partícula que acabou de adentrar o chamado campo de Higgs (no caso, membros do partido).
Esse acúmulo de bósons é o que dá a massa a uma partícula.
Agora, imagine que entrou no salão um líder sobre o qual recaem acusações sérias de corrupção e que o levaram a cair em desgraça
perante a opinião pública. Os partidários nem mesmo olharão para
ele. Bem, nesse caso, o líder poderia ser um fóton, partícula que, por
não aglutinar bósons de Higgs ao seu redor, não adquire massa.
Nota-se que o papel do bóson de Higgs é para lá de importante ­
afinal, ele faz a grande maioria das coisas existirem para nós. Essa função fez com que um grupo de físicos passassem a chamá-lo `partícula
de Deus' ­ por sinal, epíteto para lá de infeliz, que dá a falsa ideia de que
a ciência está fornecendo argumentos que corroboram a religião.
Sejamos pragmáticos: um bóson de Higgs serve para quê?
Na prática, nada, além do fato de gerar massa e de ter acrescentado um pingo no cabedal de conhecimento dos humanos sobre a natureza.
Mas, então, por que gastar bilhões e bilhões de dólares para
detectar algo que não serve para nada e nem mesmo se vê? Resposta: não, sua vida não mudará um milímetro por causa do Higgs.
Mas mudará ­ e já mudou muito ­ por causa do que foi feito para
descobrir o Higgs e outras partículas.
Vejamos por quê.
Em grandes experimentos científicos (principalmente, os de
física), o foco deve ser (também) outro: tecnologia ­ ou seja, riqueza e bem-estar. Explicando. O CERN, laboratório europeu onde
está aquele acelerador gigante, o LHC, em que partículas batem de
frente para gerar outros fragmentos de matéria (entre eles, o Higgs)
talvez seja a máquina mais complexa construída pela humanidade.
E, para fazê-la, foi preciso desenvolver conhecimento ­ principalmente, em engenharia ­ que acaba em nossos carros, geladeiras,
aparelhos de ar-condicionado, computadores, edifícios, aviões, celulares... Diz-se que o desdobramento mais importante de se ter ido
92

à Lua foi o aprimoramento do transistor. Impossível relatar o que
esse diminuto componente eletrônico já fez pela humanidade.
E, claro, no caso do LHC, o desenvolvimento da `www', cujo objetivo inicial era melhorar a comunicação entre os físicos do CERN
­ você consegue imaginar o mundo sem as páginas da internet?
E se o Higgs não fosse detectado?
Ironicamente, parte significativa dos físicos torcia por isso.
Seria mais ou menos como querer ver o circo queimar. Assim, a
física tomaria uma chacoalhada das grandes ­ o que é bom, de
tempos em tempos ­, obrigando seus praticantes teóricos a voltar
às folhas de papel em branco para imaginar outro mecanismo (entenda-se, partícula misteriosa) e seus experimentais passariam a
bolar novos modos de capturar a nova entidade. Seria uma injeção
de ânimo comparada a trocar o mesmo reme-reme do chá da sessão da tarde pelo ecstasy das baladas noturnas.
Mas... o fato é que o Higgs apareceu ­ e a probabilidade de
não ser ele é desprezível, coisa de uma chance em milhões. E, aí, o
que resta fazer, depois que se capturou o `Último dos Moicanos'? A
física no LHC é bem, bem mais do que a partícula de Deus ­ apesar
de ela ter sido `a' garota-propaganda do CERN desde o início. Lá,
outros experimentos continuarão buscando respostas para questões até mais importantes que o Higgs. Para ficar em apenas duas:
i) será que existem dimensões extras, para além do comprimento,
altura e largura nas quais vivemos?; ii) por que a natureza privilegiou a matéria em detrimento da antimatéria na formação do
universo, há cerca de 14 bilhões de anos? ­ reformulando: por que
não nos defrontamos com antiuniversos, antigaláxias, antiplanetas, antipessoas, anticães, antipulgas, antibananas etc.?
Questões profundas, sem dúvida.
Para finalizar, Higgs ganhará o Nobel? Bem, não se sabe. Mas
esse britânico ­ que chorou, no CERN, no anúncio da existência
de sua criação mental ­ tem um requisito que, muitas vezes, diz-se
fundamental para o consagrado prêmio: idade avançada (83).
Portanto, se for para ser, que seja rápido. Ele merece.
P.S.: Foi rápido. Higgs ganhou o Nobel de Física de 2013, juntamente com o francês François Englert.
93

[Uma versão deste texto foi publicada em questões da ciência, piauí (28/03/12)]

TENNESSEE WILLIAMS
Influências da cosmologia e relatividade?

Folheio uma edição antiga (n. 57) de piauí. Num texto sobre
o fechamento da última fábrica de máquinas de escrever do mundo, da jornalista Dorrit Harazim, fixo o olhar, sem razão consciente, em uma foto de 1946 do dramaturgo norte-americano Tennessee Williams. Ele de pijama ­ ou, pelo menos, parece um ­, em
frente à sua máquina, cigarro e piteira na mão, olhar pensativo.
Sobre a mesa, óculos, (talvez) fósforos, xícara (café?), papéis e três
livros empilhados.
Reconheço a lombada de um deles. Tiro os óculos (seis de miopia). Aproximo os olhos e... Theory of Relativity (1917), de Albert

Tennessee Williams
Crédito: Orlando Fernandez,
World Telegram staff photographer
Wikimedia Commons

94

Einstein. Outra lombada: The Mysterious Universe (1930), de sir James Jeans, astrofísico britânico.
Por que o autor de sucessos como Um bonde chamado desejo e Gata em teto de zinco quente teria sobre sua mesa dois clássicos
da divulgação científica do século passado? Primeira conclusão:
foi um cenário montado para a foto, para dar ares de intelectual ao
fotografado. Assunto morto.
No dia seguinte, a curiosidade persistia. Tennessee Williams (pseudônimo de Thomas Lanier Williams) teria tido formação científica? Vou ao Google Books e à Amazon. Faço buscas por
`Tennessee Williams' junto com termos como physics, cosmology,
Einstein ou Jeans.
Até que encontro cartas em que Williams citava os termos
procurados ­ talvez eu tenha um tema de reportagem. Chego a
vislumbrar, como historiador da física, um artigo acadêmico para
um periódico estrangeiro. Algo como `A influência da física e cosmologia na obra de Tennessee Williams'. Na internet, nenhum paper nessa linha. Bom.
"Estou, no momento, muito entusiasmado por assuntos científicos", escreveu Williams a um colega em carta de 1948. Se o ano
da foto publicada em piauí está correto (1946), ciência foi assunto
longevo para nosso protagonista.
"Levo comigo uma pequena biblioteca, a maioria [dos livros]
sobre assuntos atômicos [sic] e astronômicos muito estimulantes",
escreveu o dramaturgo. Disse haver páginas que ele precisava ler
"duas vezes, e mais duas". Prosseguiu: "Relatividade e teoria quântica estão ainda, de algum modo, além de minha compreensão,
mas estou adquirindo [com eles], no mínimo, um conceito poético. Eles [os cientistas?] parecem achar que, no presente, o universo
é apenas uma abstração na mente de um matemático puro. Acho
difícil reconciliar isso com minhas experiências pessoais."
Naquele mesmo ano, Williams escreveu para outro destinatário: "Você gosta de física? Estou lendo muito sobre astrofísica e relatividade, e é como se, até agora, isso realmente exercitasse minha
mente e imaginação para pensar sobre essas coisas, como espaços
95

curvos e partículas elétricas das quais a matéria é feita, todas elas
se movendo à nossa volta numa taxa de milhares de milhas a cada
segundo, e sendo tudo feito delas."
Os extratos acima são de Tennessee Williams Notebooks, de
Margaret Bradham Thornton (2006).
Também achei algo em Selected Letters of Tennessee Williams, vol. 2, 1945-1957, organizado por Albert J. Devlin e Nancy
Marie Patterson Tischler (2004). Outra dica importante: a revista Saturday Review perguntou a Williams sobre o que ele estava
lendo no momento. Na resposta, curta, o escritor citou, além de
Jeans e Einstein, Explaining the Atom, do biofísico norte-americano Selig Hecht.
Cultura e relatividade
A relatividade de Einstein ­ ou teoria da gravitação de Einstein, nome que a tornaria bem menos misteriosa ­ foi finalizada em 1915. Com sua comprovação histórica, por meio de um
eclipse solar observado em 1919, principalmente em Sobral
(sim, no Ceará), o físico de origem alemã tornou-se celebridade
internacional.
A partir da década de 1920, artistas passaram a se interessar
pela relatividade e a digeri-la a seu modo. A `gravidade' passou
a ser trabalhada por escultores (os móbiles de Alexander Calder
são caso emblemático). Pintores (Kandinsky, Mondrian, Chagall)
criaram sob essa influência. Tempo, espaço e gravidade tornaram-se ingredientes (por vezes, subliminares) de romances (O
Som e a Fúria, de William Faulkner, por exemplo). Poetas (como
Archibald MacLeish e William Carlos Williams) dedicaram longos tributos a Einstein e alteraram a métrica de seus poemas.
Supõe-se até que Kafka tenha lá macerado conceitos da relatividade, ao assistir, em Praga, a palestras de Einstein, ainda na década anterior. Depois da Segunda Guerra, com a física nuclear se
tornando vedete, a ficção científica usou e abusou da relatividade
e de Einstein.
96

Tudo isso está no excelentíssimo ­ mas, infelizmente, não traduzido para o português ­ Einstein as Myth and Muse (Einstein
como mito e musa; Cambridge University Press, 1989), de Alan
J. Friedman e Carol C. Donley (1989). E, em forma reduzida, na
pequena obra-prima Einstein and our World (Einstein e o nosso
mundo; Humanity Books, 1998), do historiador da física norteamericano David Cassidy.
É plausível que um estilhaço tardio dessa relação entre física
e arte tenha respingado em Tennessee Williams e em sua obra. Afinal, por que enfrentar um tema maçudo, lendo e relendo a mesma
página, se não fosse para despejar algo em seus escritos?
Com a palavra, os estudiosos
Seleciono, com base em critérios pessoais, alguns especialistas internacionais de calibre no assunto. A primeira mensagem
vai para David Kaplan, diretor teatral consagrado e fundador de
um festival dedicado a peças de nosso protagonista. "Sim, astronomia é uma metáfora em Summer and Smoke [no Brasil, Verão
e Fumaça ou Anjo de Pedra], de Tennessee Williams", me escreveu Kaplan. "Te mandarei, daqui a pouco, o trecho em questão
da peça".
De repente, até meu artigo científico vai tomando forma.
Recebo a resposta de Donald Spoto, biógrafo de Tennessee
Williams. Pergunto se ele vê alguma influência da física ou astronomia na obra do dramaturgo. "Física e astronomia não tinham
nenhum interesse para ele, tanto quanto eu saiba. Ele era escritor,
não cientista". Noutra mensagem, ele relativizou as opiniões iniciais e acrescentou: "Ele podia ser algo comparável a um curioso
ou diletante nesses assuntos".
Também aterrissou em minha caixa postal mensagem de Robert Bray, considerado `o' especialista em TW, professor da Universidade Estadual do Médio Tennessee que passou uma temporada
na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, como pesquisador
visitante. "Sim, ele menciona essas disciplinas em suas cartas e
cadernos de anotações, mas não conheço nenhuma discussão
97

extensa [sobre esses temas] em suas peças ou textos de ficção. No
último número do [periódico] Tennessee Williams Annual Review,
publicamos peça até então inédita em que ele satiriza professores.
É muito engraçada."
E, por fim, Annette Saddik, professora de inglês e teatro da
Universidade da Cidade de Nova York. "Não vejo qualquer evidência de que a física ou a astronomia tenham tido algum papel
nas peças de Williams, apesar de ele se interessar por física de um
ponto de vista filosófico, como outros dramaturgos modernos."
A essa altura, pensei comigo mesmo, a relação entre TW e a
física havia esmaecido.
Salvação
Por que Tennessee Williams, por anos, leria sobre relatividade, teoria quântica e cosmologia? Só para falar mal de professores
numa peça inédita por décadas? Só? Também me soa improvável
que busque aguçar sua visão filosófica com algo tão... pesado.
Certo, meu artigo acadêmico esfumaçou-se. Posso aceitar isso.
Uma cena (apenas uma) salvaria a reportagem.
Ato 2, cena 3.
John: Eu estava lendo na cama. Um físico chamado Albert Einstein. Vou apagar esta luz.
Alma: Oh, não!
John: Por que não? Você tem medo do escuro?
Alma: Sim...
John: Não ficará muito escuro. Vou abrir essas venezianas e
você pode olhar para as estrelas, enquanto digo o que estou
lendo. (Ele desliga a lâmpada sobre a mesa. Vai em direção à
janela e faz o movimento de abrir as venezianas. Um brilho
tênue, azulado, penetra o palco.) Eu estava lendo que o tempo
é um dos lados de um contínuo quadridimensional no qual vivemos. Eu estava lendo que o espaço é curvo. Ele se curva sobre
98

si mesmo, em vez de fluir indefinidamente como costumamos
acreditar, e está vagando à deriva em algo que é menos que o
espaço; está vagando como uma bolha em algo que é menos que
o espaço...

Foi Kaplan quem me mandou esse trecho ­ a tradução é
minha. Disse que havia confundido, e que a cena estava na peça
Eccentricities of a Nightingale (Excentricidades de um rouxinol),
narração alternativa de Summer and Smoke. Anexou também um
ensaio de 1948 do próprio TW sobre o pintor Hans Hofmann em
que Einstein é citado. "Essas são coisas de que me lembro de cabeça", acrescentou, antes de se despedir. "Há mais, estou certo."
Com a palavra, Tennessee Williams:
"[Hofmann] pinta como se ele entendesse Euclides, Galileu e
Einstein, e como se sua visão incluísse a constelação de Hércules
em direção à qual o Sol se move. Em seu trabalho, há um entendimento dos conceitos fundamentais de espaço e matéria e das
forças dinâmicas da natureza, identificadas ­ mas não explicadas ­ pela ciência, da qual a matéria brota. É um pintor de leis
físicas, com uma intuição espiritual. Sua arte é um sistema de
coordenadas na qual se sugerem o infinito e a causalidade além
da influência do acaso.
Agora, no início de uma era mecânica insensata, toda a arte plástica é criada sobre a ameaça de destruição material, já que, na
base do pigmento, estão os elementos explosivos do átomo. Hans
Hofmann pinta como se ele pudesse observar o interior dessas
partículas infinitesimais de violência que podem cindir a terra
como uma laranja. Ele nos mostra a vitalidade da matéria, sua
criação e sua destruição, seus anjos da escuridão e da luz. Filosoficamente, seu trabalho pertence a esta era de aterrorizante iminência, pois ele contém um trovão de luz oriundo da matéria."

Kaplan é o cara. Não, aqueles anos de leitura não foram em
vão. O artigo acadêmico volta à minha mente. Como Kaplan, tenho uma certeza: há mais sobre ciência em Tennessee Williams.
99

[Uma versão deste texto foi publicada em Equilíbrio e Saúde, da Folha de S. Paulo
(22/01/13)]

Meninas de exatas
Para garotas que gostam de números e fórmulas
Para Lígia M. C. S. Rodrigues, CBPF

Este texto é para meninas que gostam de física e matemática.
E querem ser cientistas. É também uma mensagem para os familiares delas.
Na década de 1980, minha adorável experiência como professor de matemática e física no ensino médio me deu algumas
certezas. Uma delas: meninas, na média, são melhores que meninos nessas duas disciplinas. Mas um estranho viés cultural sempre
alçava um menino a `gênio' das exatas da escola. Mesmo que houvesse meninas com notas melhores. Injustiça.
Outra certeza: em geral, minhas alunas eram mais atentas,
meticulosas, organizadas e intuitivas que os meninos ­ boas qualidades para a resolução de problemas científicos (ou do cotidiano).
Incentivei muitas alunas ­ algumas, brilhantes ­ a fazer física,
matemática ou engenharia. Em vão. Razão: falta de apoio ou resistência
familiares. Ouvi pais dizerem que essas eram profissões de homem.
De lá para cá, certamente o cenário mudou. Arrisco dizer
que, na biologia e na química, as mulheres talvez já tenham ultrapassado os homens.
Se você, menina para quem escrevo este texto, tiver momentos de dúvida, lembre-se dos percalços vencidos por pioneiras.
A francesa Sophie Germain (1776-1831), que assinava cartas como
100

`Sr. Leblanc' para ser aceita entre matemáticos, tornou-se a primeira cientista a frequentar as sessões da Academia de Ciências da França; a alemã
Emmy Noether (1882-1935), que teve
coragem de seguir a profissão do pai, é
tida como a matemática mais notável
do século passado. Na física, a francopolonesa Marie Curie (1867-1934),
que passou boa parte da graduação na
França a pão e chá, acabou no seleto
clube de cientistas com dois prêmios
Nobel (Física, 1903; Química, 1911).
Como Noether, a austríaca Marietta Blau (1894-1970) e a alemã
Maria Goeppert-Mayer (1906-1972)
trabalharam por anos sem pagamento ­ comum para mulheres cientistas
no início do século passado. Blau,
quando pediu um cargo permanente
a seu chefe, escutou: "Mulher e judia... Aí, já é demais!" Daria parte de
meus vencimentos para ver a cara dos
homens que negaram salário a Goeppert-Mayer quando ela ganhou... o
Nobel de Física de 1963.
Gosto, porém, do exemplo Mileva Maric (1875-1948). Brilhante em
matemática e física, foi uma das pri-

Sophie Germain, Marietta Blau,
Marie Sklodowska-Curie,
Mileva Maric
Crédito: Wikimedia Commons

101

meiras mulheres do Império Austro-Húngaro a receber licença do
governo para cursar essas disciplinas entre os meninos. Na graduação, suas notas eram tão boas ou superiores às de seu futuro marido: Albert Einstein (1879-1955). Sabemos que ela lia e corrigia os
artigos dele, antes de serem enviados para publicação. Seu brilho,
no entanto, foi obscurecido pela fama dele. E sua carreira prejudicada pelo tratamento insensato que ele dedicou a ela.
Há, no Brasil, várias pioneiras. Mas uma delas sempre me
impressionou. Sonja Ashauer (1923-1948) fez o doutorado ­ o segundo obtido por um físico brasileiro ­ com o britânico Paul Dirac
(1902-1984), Nobel de 1933. Mas morreu jovem e de forma misteriosa, meses depois de voltar ao Brasil.
Essas e muitas outras cientistas facilitaram o ingresso das mulheres nas universidades e nos laboratórios de pesquisa.
A ciência, aqui e lá fora, sempre precisará de pesquisadores
bem formados. Além disso, ser cientista é bacana. Meus argumentos: ninguém vai se importar com sua roupa; os salários hoje são
bem razoáveis para alguém com doutorado; não precisa bater ponto; e nem sempre se tem chefe. Você será aquilo que produzir.
Portanto, não se deixe convencer de que profissões com símbolos abstratos e equações são para meninos. Mesmo que sua família
diga isso. Siga sua vocação. E, para finalizar, peço licença para uma
última opinião pessoal: meninas com um cérebro cheio de fórmulas
e números sempre me pareceram mais atraentes que as outras.

Maria
Goeppert-Mayer,
Sonja Ashauer
Crédito: Wikimedia
Commons e Acervo
do CAPH - USP

102

BRASIL

103

[Uma versão deste texto foi publicada em Scientific American Brasil, janeiro 2014]

Quando o Brasil ajudou a física
do Japão

A foto que abre este texto captura o desfecho de uma história
praticamente desconhecida que envolve, de um lado, a iniciativa
de parte da colônia de imigrantes no Brasil e, de outro, a gratidão
de cientistas japoneses.
A imagem ­ cuja autoria se perdeu no tempo ­ destaca Mituo
Taketani (1911-2000). O momento registrado parece ser o de uma
coletiva de imprensa ­ evidência disso é o fotógrafo que aparece à

Mituo Taketani
Crédito: Cortesia IFT/
Unesp

104

esquerda. Ano provável: 1959. O motivo: a despedida, depois de
um ano e três meses no Brasil, desse físico e filósofo japonês do
cargo de diretor do Instituto de Física Teórica (IFT) ­ então, uma
fundação, com sede à rua Pamplona 145, centro de São Paulo (SP).
Hoje, o IFT, em novo prédio, no bairro da Barra Funda, é unidade
complementar da Universidade Estadual Paulista (Unesp).
A hipótese da despedida é reforçada por três nomes rabiscados entre cálculos complexos na lousa: [Tatsuoki] Miyazima, [Daisuke] Iito e [Jun-ichi] Osada, que viriam ocupar, pelos dois anos
seguintes, os cargos deixados por Taketani e seu auxiliar, Yasuhisa
Katayama. Osada, que optou por ficar mais tempo no Brasil, se
tornaria auxiliar de Taketani, quando este voltou ao país em 1961,
para trabalhar na Universidade de São Paulo (USP), a convite do
físico teórico brasileiro Mário Schenberg (1914-1990). Ao todo,
Taketani viria quatro vezes ao país, a última delas em 1981.
Desde o começo das atividades, em 1952, até o da chegada de
Taketani, cinco anos depois, o IFT havia sido dirigido por físicos
alemães.
Por que Taketani aceitou o convite para dirigir o IFT, já que,
até então, ele não havia expressado o desejo de ocupar cargos de
professor em nenhum outro país?
Resposta muito provável: gratidão.
E aqui começa uma história ­ praticamente desconhecida
­ da relação de solidariedade entre Brasil e Japão.
Vitória ou derrota?
Para se entender a vinda de Taketani ao Brasil na década de
1950, é preciso deslocar o foco para a colônia de japoneses no estado de São Paulo logo depois do final da Segunda Guerra Mundial.
Lá, ocorria uma enorme divisão. De um lado, estavam os kachigumi (ou triunfalistas), que alegavam que o Japão havia ganhado o
conflito. Em geral, eram gente pobre, sem muita instrução, que se
tornara vítima de pessoas espertas que ­ mesmo sabendo da derrota japonesa ­ lucravam financeiramente com a ignorância dos mais
humildes, vendendo a estes, por exemplo, bônus de guerra já sem
105

valor, alegando bom investimento. De outro lado ­ em significativa minoria numérica ­, estavam os makegumi, que, em geral, mais
esclarecidos, sabiam da derrota. Eram chamados pelos kachigumi
de derrotistas ou `corações sujos'.
O conflito entre essas duas alas ­ que acabou com cerca de 20
mortos, 150 feridos e centenas de presos ­ está relatado no livro
em Corações sujos, de Fernando Morais (São Paulo: Companhia
das Letras, 2011, 3ª ed.), que recentemente virou filme. Com a
intervenção de autoridades e da polícia, as mortes e atentados se
findaram no início de 1947.
Porém, permaneceu a dúvida em uma colônia com alto grau
de isolamento em relação à sociedade brasileira, à língua portuguesa e mesmo a notícias da terra natal: o Japão havia ganhado ou
perdido a guerra? "Havia pouquíssimos visitantes do Japão naqueles dias e, quando chegava um, ele era convidado para encontros
com a colônia japonesa e intimado a contar a verdadeira história
[sobre o final da guerra]. Mas o visitante acabava ameaçado pelos
fanáticos [kachigumi], e, nessa atmosfera de conflito, ele mantinha a boca fechada, sem tocar no assunto sobre quem havia sido o
vencedor", escreveu, ainda em 1955, o físico experimental japonês
Yoichi Fujimoto, que, mais tarde, participaria de uma colaboração
na área de física entre Brasil e Japão e seria um dos beneficiários da
ajuda vinda da colônia japonesa em São Paulo.
Entende-se tal dúvida durar tanto tempo quando se lembra
que as crianças japonesas aprendiam na escola que seu país nunca
havia perdido uma guerra externa ­ o que era verdade até o final da Segunda Guerra. Outra das lições dos bancos escolares era
doutrinar os alunos com uma visão nacionalista: na guerra contra
os mongóis, por exemplo, um `vento divino' (kamikaze) aniquilou
aquele povo, que tentava invadir o Japão. Some-se a isso o fato de
se ensinar aos cidadãos, segundo a tradição japonesa, que o imperador é uma figura divina, descendente da deusa do Sol.
Em sua Pequena História do Japão, o jornalista José Yamashiro escreve que, antes da Segunda Guerra, "costumava-se iniciar a
história nipônica com a mitologia. Havia interesse do governo em
106

confundir a mente do povo. Criou-se, assim, o mito do povo divino,
da terra dos deuses, com seus derivados naturais, como, por exemplo, a crença na invencibilidade absoluta do país das cerejeiras."
"Tendo sido educado nesse ambiente, quando ouvi falar [na
década de 1950] de imigrantes japoneses no Brasil que não acreditavam na derrota do seu país na guerra do Pacífico, apesar de
criança, entendi muito bem por que isso acontecia", diz o físico teórico Yogiro Hama, do Instituto de Física da USP (IF/USP). Hama,
que passou a infância no Japão durante a Segunda Guerra, iria, no
início da década de 1960, voltar àquele país para seu doutorado,
em convite motivado pela gratidão de um dos maiores físicos do
século passado.
Doyo-kai
Logo depois do fim da guerra, foi fundado, em São Paulo (SP),
o chamado Clube do Sábado (Doyo-kai), frequentado por cerca de
15 makegumi esclarecidos ­ médicos, engenheiros, intelectuais,
empresários etc. ­, que se reuniam na casa de um deles, Sen-ichi
Hachiya. Foi nesse ambiente ­ provavelmente, no final daquela década ­ que surgiu a ideia de arrecadar dinheiro entre membros
da colônia para trazer ao Brasil personalidades do Japão. Vieram,
por exemplo, o ator Den Obinata e os Peixes-Voadores, nadadores,
então, com fama mundial pelos recordes batidos.
Esse era o objetivo revelado, público, da iniciativa. A finalidade velada e silenciosa era outra: o convencimento dos kachigumi
sobre a derrota do Japão. Membros do Clube do Sábado peregrinaram São Paulo em busca de potenciais doadores. Ao todo, conseguiram algo em torno de 50 deles.
Naquele momento, despontou uma celebridade no Japão de
primeira linha: o físico teórico Hideki Yukawa (1907-1981), que,
em 1949, havia se tornado o primeiro japonês a ganhar um prêmio
Nobel. "Acredito que meu pai [Yoshinori Motoyama] teve papel
importante [na sugestão do nome de Yukawa], porque ele era um
dos poucos que conheciam o estado da arte da ciência japonesa,
107

juntamente com o físico Shigueo Watanabe [do IF/USP], que não
pertencia ao Doyo-kai, o engenheiro Takeo Kawai e o [também
engenheiro Ayami] Tsukamoto", diz o historiador da ciência Shozo
Motoyama, da Universidade de São Paulo.
Yukawa foi convidado para vir a um encontro internacional, o
Simpósio sobre Novas Técnicas de Pesquisa em Física, que ocorreria entre 15 e 29 de julho de 1952, em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Como celebridade do momento no Japão ­ quase uma figura mítica
depois do prêmio ­, ele se aproximava bastante da condição imposta pelos kachigumi para discutir a questão do conflito: a vinda
de um representante pessoal do imperador para dizer o que havia
acontecido com o Japão na guerra. Os jornais japoneses da época
noticiaram o prêmio, ressaltando, porém, as condições miseráveis
da física no país naquele momento em que o país se reconstruía.
Os makegumi esclarecidos acreditavam que Yukawa, por ser
um cientista, não se furtaria a dizer a verdade sobre o final do conflito. Mas o físico não pôde vir ao Brasil. E não há consenso sobre a
razão. Alega-se desde carga pesada de compromisso, a responsabilidade de reconstruir a física em seu país e até problemas de saúde
na família.
O movimento dos makegumi esclarecidos decidiu, no entanto, que o dinheiro devia ser enviado mesmo assim. Só que agora
o propósito seria outro: ajudar a física do Japão. Em especial, os
físicos de partículas e nucleares.
A ajuda brasileira, porém, contrasta com um dos primeiros
atos das autoridades norte-americanas depois da rendição japonesa: jogar ao mar dois aceleradores de partículas usados pelos
físicos japoneses, temendo que essas máquinas pudessem dar continuidade ao programa (ainda que tímido) de desenvolvimento de
armas nucleares que o Japão manteve antes da derrota.
Em 16 de agosto, foram remetidos 100 contos para o Japão,
por meio do jornal Mainichi, com cuja diretoria, em Tóquio, Taketani tinha boas relações. Esse montante equivalia a um ou dois milhões de ienes à época. Grosseiramente, um milhão de ienes em
1952 equivaleria a 6 ou 7 milhões de ienes hoje ­ ou seja, algo com
108

o poder aquisitivo atual de US$ 70 mil no Japão. "O dinheiro doado
pela colônia japonesa em São Paulo foi uma grande soma na escala
japonesa do início da década de 1950", lembra Fujimoto ­ hoje,
professor emérito aposentado da Universidade Waseda. Katsunori
Wakisaka ­ um dos articuladores da iniciativa dos makegumi esclarecidos e hoje um renomado especialista em língua japonesa e
na tradução dela para o português ­, diz que "não era uma grande
quantia, mas também não era desprezível".
Em seu doutorado no Japão, Hama presenciou a gratidão dos
físicos japoneses. "Eles diziam unanimemente que estavam muito agradecidos pela contribuição inestimável, numa época em que
faltava tudo para o povo em geral e, em particular, para os cientistas e seus trabalhos de pesquisa".
No Japão, o dinheiro passou a ser administrado pelo Yukawa
Hall, organização fundada em 1951 e, pouco depois, transformada
no Instituto para a Física Fundamental. Mas há evidências de que
a pessoa responsável, de fato, pela alocação das verbas era Taketani. "A primeira binocular [para meu microscópio de pesquisa] foi
fornecida pelo Yukawa Hall ­ disseram-me que o equipamento foi
comprado com parte do dinheiro dado pela colônia japonesa em
São Paulo, no Brasil", lembra Fujimoto.
O que fazer com o dinheiro?
O grosso do dinheiro foi usado para pagar as despesas da preparação dos trabalhos que os físicos japoneses da área de partículas
iriam apresentar no primeiro encontro científico internacional que
ocorreria no Japão: a Conferência de Física Teórica, em Quioto, em
1953. Fujimoto se lembra de uma das reuniões preparatórias para a
conferência ­ caso emblemático da penúria da física e dos físicos no
Japão naquele momento. Ao saberem que essa pré-reunião ocorreria
em Karuizawa, famoso balneário japonês, frequentado por turistas
de alto poder aquisitivo, os participantes ficaram entusiasmados.
No entanto, o local reservado a eles era do lado oposto do
balneário, em um ex-campo militar. "Finalmente, chegamos ao
109

prédio denominado `Edifício do Seminário', que seria o local tanto do encontro quanto dormitório. Eram barracões de madeira.
Achamos curioso o fato de as janelas serem altas, e, portanto, não
conseguíamos olhar através delas. Depois, as pessoas descobriram
que nosso prédio era uma velha baia de cavalos que havia sofrido
uma reforma. A altura das janelas era adequada para cavalos, mas
não para nós", relembra Fujimoto.
A importância da conferência em Quioto para o posterior
desenvolvimento da física japonesa fica patente na declaração do
físico norte-americano Robert Marshak, que dela participou: "Arrisco dizer que a conferência foi extremamente importante para o
progresso que se daria na física japonesa. Os cientistas japoneses
tiveram a chance de, pela primeira vez, ouvir alguns dos resultados
mais recentes de teóricos de várias partes do mundo. Eles ainda
estavam reconstruindo seu país depois da guerra, superando a devastação da guerra, e eles haviam começado a estabelecer programas científicos mais amplos."
Outra parte da doação foi usada para publicar um número
especial do periódico científico Soryuushi-ron Kennkyu (Estudos
em teoria das partículas elementares), cujo espírito era o de reunir
uma coleção de pré-prints, sem avaliação pelos pares, para dar agilidade à publicação dos resultados.
Em 1955, foi criado outro periódico japonês da área de física, o Supplement of the Progress of Theoretical Physics, cujo número inaugural traz as seguintes palavras do físico teórico japonês
Shin-ichiro Tomonaga (1906-1979), dez anos depois Nobel de
Física: "É um prazer para nós o fato de sermos capazes de iniciar
essa iniciativa [...] em dívida com o importante apoio financeiro
de japoneses que vivem no Brasil. Aquelas pessoas gentilmente
coletaram cerca de 1 milhão de ienes, com o propósito de contribuir financeiramente com o desenvolvimento da ciência em sua
pátria. Sem a contribuição deles, os Editores não poderiam ter
promovido esta iniciativa. É nosso agradável dever nesta ocasião
expressar nossos mais calorosos agradecimentos àqueles japoneses no Brasil"
110

O Apelo
A decisão de fazer uma campanha para juntar dinheiro para
trazer Yukawa ao Brasil foi comunicada, em 17 de agosto de 1952,
à colônia japonesa no estado de São Paulo, por meio de um documento de uma página, escrito em japonês, com o título `Apelo'.
"Naquele ano, o Brasil reata relações com o Japão, por meio do
Tratado de San Francisco. A partir daí, vieram para cá mais cerca
de 60 mil japoneses ao país", explica Wakisaka. O tratado entrou
em vigor em 28 de abril daquele ano, assinado oficialmente por 49
nações, incluindo o Brasil. Naquele mesmo ano, as forças de ocupação deixaram o Japão.
No `Apelo', lê-se também que, apesar da desistência de Yukawa, decidiu-se ampliar a campanha de arrecadação de fundos e
que, em cerca de um mês e meio, chegou-se a cento e poucos contos, sendo 100 deles remetidos ao Japão, para um comitê responsável por receber lá a quantia. Esse comitê era "organizado pelos
mundialmente famosos físicos de partículas Professores Hideki
Yukawa, Minoru Kobayashi, Shoichi Sakata, Shin-ichiro Tomonaga, Seitaro Nakamura e Mituo Taketani."
O objetivo da iniciativa era ajudar o estudo da física de partículas elementares ou da teoria relativa à energia atômica, "áreas do
mais alto nível no Japão, porque se espera imensamente, em nível
mundial, quando esses estudos estiverem completos, que uma revolução ocorra por meio da energia atômica e que a paz entre os
seres humanos seja verdadeiramente estabelecida por essa revolução. Assim, nós acreditamos que o progresso no estudo dessas
áreas não é apenas uma questão relativa à sociedade acadêmica
japonesa, mas também diz respeito ao desenvolvimento da civilização mundial e do bem-estar do ser humano".
E o `Apelo' finaliza com a intenção de continuar com as doações. "Já que estamos pensando em prolongar esse apoio, tanto
quanto possível, incluindo uma segunda, terceira partes e assim
por diante, gostaríamos de contar com sua colaboração e apoio." No
entanto, não há evidências de que tenha havido mais remessas.
O `Apelo' foi enviado do `QG' do movimento dos makegumi
111

esclarecidos, no centro de São Paulo (SP), à rua 15 de novembro, 1.228, 14º andar, sala 1.425, escritório da empresa de um dos
principais apoiadores do movimento, o engenheiro Ayami Tsukamoto, que fez fortuna também como fazendeiro. Tsukamoto se
tornaria um tipo de mecenas, ao financiar os estudos de jovens
da colônia japonesa que quisessem entrar na universidade. Em
seu escritório, chegou a criar uma biblioteca aberta a todos que
quisessem estudar.
Clube do Méson
Em 1952, o chamado Clube do Méson ­ que incluía Yukawa,
Tomonaga, Taketani e Sakata, só para citar alguns de muitos nomes ­ já havia adquirido fama internacional por seus feitos, principalmente na área de física teórica de partículas.
O Nobel foi dado a Yukawa, em 1949, por um artigo de 1935
em que ele propunha que a força que mantém prótons e nêutrons
`colados' no núcleo atômico era mediada por uma nova partícula,
que ele denominou méson (meio, em grego), pelo fato de ela ter
uma massa intermediária entre a do elétron e a do próton ­ este
quase 2 mil vezes mais pesado que o primeiro.
Dois anos depois, uma partícula com essas características
­ batizada mésotron ­ foi descoberta pelos físicos experimentais.
E até mesmo Yukawa achou se tratar de seu méson. Mas seriam a
mesma partícula? Essa pergunta iniciou um dos debates mais instigantes da história da física do século passado, e dele participaram
as principais mentes teóricas e experimentais da época.
O Clube do Méson deu contribuições inéditas e importantes para esclarecer a questão. Resultados obtidos por seus membros naqueles 10 anos que separam o artigo de Yukawa e o fim
da Segunda Guerra foram impressionantes. Por exemplo, Tomonaga indicou como diferenciar o comportamento de um méson de
Yukawa positivo daquele com carga negativa. Sakata, por sua vez,
mostrou que o méson de Yukawa não era aparentado do mésotron
­ este, na verdade, seria um parente mais massivo do elétron, sem
a propriedade de manter o núcleo atômico coeso.
112

Esses resultados, porém, permaneceram praticamente desconhecidos pelo Ocidente, principalmente pela falta de comunicação
entre os países em conflito. Pior: alguns deles foram redescobertos
mais tarde, sendo a primazia atribuída (injustamente) a físicos de
outras nacionalidades.
Em 1947, o grupo do físico inglês Cecil Powell (1903-1969)
­ do qual participava o jovem físico brasileiro César Lattes (19242005) ­ detectou o decaimento de um méson de Yukawa em um
mésotron. Esse resultado ­ um dos mais importantes da física do
século passado ­ mostrava claramente que havia dois mésons, e
eles tinham naturezas diferentes. No ano seguinte, Lattes seguiu
para Berkeley, na Califórnia. Lá, em companhia do físico norteamericano Eugene Gardner (1913-1950), mostrou que o então
maior acelerador de partículas do mundo, o chamado sincrociclótron de 184 polegadas, estava produzindo os mésons de Yukawa.
Foi outro resultado com grande repercussão na comunidade de
físicos e, desta vez, na mídia.
Outra característica do Clube do Méson: parte de seus membros ­ marcadamente Taketani e Sakata ­ eram marxistas ou, mais
precisamente, adeptos do materialismo dialético. Por conta de suas
ideias, Taketani, por exemplo, amargou períodos na prisão, por ser
considerado `comunista' por um regime autoritário e policialesco.
Saber em todas as partes
O Clube do Méson foi o amadurecimento de uma física que
se iniciou no Japão ainda no século 19, quando físicos como Aikitsu Tanakadate (1856-1952), Kenjiro Yamagawa (1854-1931) e,
principalmente, Hantaro Nagaoka (1865-1950) deixaram de lado
a filosofia de Confúcio ­ uma tradição ainda feudal na educação
­ para aderir à física moderna. Saíram do país para trabalhar no
exterior na chamada Restauração (ou Revolução) Meiji, iniciada
em 1868 e na qual houve grandes mudanças na política, na educação, economia e religião do país.
Nagaoka ­ o mais famoso dessa geração ­ foi o propositor,
em 1904, do chamado modelo atômico saturniano, no qual o
113

núcleo ­ no caso, de grandes proporções ­ era orbitado por elétrons. Esse modelo foi citado pelo físico neozelandês Ernest Rutherford (1871-1937) em artigo que inaugurou a física nuclear,
em 1911.
Foi nesse contexto que o Japão começou a se abrir para o
mundo e no qual ocorreu ­ como relata o filme `O último samurai', de 2003 ­ a ocidentalização forçada do país, com a entrada de
novas tecnologias (correio, telégrafo, trens, navios a vapor etc.) e a
contratação de cientistas ocidentais. Na "modernização do país no
século 19, durante a Revolução Meiji, os dirigentes levaram muito
a sério a educação geral do povo, estabelecendo um sistema obrigatório de educação básica ­ foi o primeiro país do mundo a criar
tal sistema. Um pouco depois, no início do século 20, o número de
analfabetos já era praticamente zero", diz Hama.
Na Era Meiji, as principais influências culturais vinham dos
EUA e da Inglaterra. E o imperador foi obrigado a fazer um juramento contendo cinco artigos. O 5º deles dizia que o Japão ­ país
até então fechado ­ deveria buscar o saber em todas as partes do
mundo, para divulgar as glórias do regime imperial.
A Universidade de Tóquio ­ a primeira das sete nacionais
do país ­ foi fundada na década de 1870. Antes disso, a física
praticamente inexistia no país. No entanto, mesmo no início do
século passado, pesquisa era algo raro, dada a profunda escassez
de verbas.
Nas primeiras décadas do século passado, uma segunda geração de físicos japoneses trabalhou na Europa. Dois casos emblemáticos: Yoshio Nishina (1890-1951), que colaborou com o físico
dinamarquês Niels Bohr, em Copenhague, e lá desenvolveu uma
equação que leva seu nome, e Jun Ishiwara (1881-1947), que interagiu na Alemanha com Albert Einstein (1879-1955) e o alemão
Arnold Sommerfeld (1869-1951) e foi o introdutor da teoria quântica no Japão, por volta de 1915.
O Clube do Méson, no entanto, foi a primeira geração de físicos japoneses a dar contribuições importantes para física mundial
sem que seus membros tivessem saído do país.
114

Reciprocidade
O méson aproximou Yukawa e Lattes. Em 1959, o primeiro
escreveu uma carta ao brasileiro, propondo que físicos experimentais dos dois países montassem em conjunto um laboratório no
monte Chacaltaya (Bolívia), a cerca de 5,5 mil metros de altitude,
onde Lattes já desenvolvia pesquisas. Mas, talvez, as raízes da chamada Colaboração Brasil-Japão (CBJ) sejam até anteriores à troca
de cartas. "A presença de Taketani em São Paulo, na USP, quando
Lattes também estava na mesma universidade, em minha opinião,
foi fundamental, embora oficialmente se diga que a conversação
aconteceu com o Yukawa", defende Motoyama.
O objetivo da CBJ era estudar propriedades dos raios cósmicos, núcleos atômicos que, a todo instante, bombardeiam a Terra
e, ao se chocarem contra átomos da atmosfera, geram um chuveiro
extenso de subprodutos ­ entre eles, mésons.
A CBJ só deslanchou em 1961, quando Lattes e seu ex-professor na USP, Giuseppe Occhialini (1907-1993), foram a Quioto para
uma conferência sobre raios cósmicos. No ano seguinte, a CBJ entrou em funcionamento em Chacaltaya e se estendeu por cerca de
30 anos.
Quando finalmente veio ao Brasil ­ chegando aqui no início
de junho de 1958, acompanhado de sua mulher ­ para a comemoração dos 50 anos da imigração japonesa, Yukawa fez questão de
visitar a diminuta Mizuho, perto de São Bernardo do Campo (SP),
como forma de agradecimento pela ajuda financeira. Motivo: era
dali Zempati Ando, escritor, marxista, filósofo diletante e agricultor, que cortou e vendeu seus pés de eucaliptos naquela vila para
iniciar a arrecadação de dinheiro para trazer o Nobel ao Brasil. Segundo Fujimoto, Taketani aceitou o convite do IFT "para encontrar
as pessoas [responsáveis pela doação] e para expressar sua gratidão.
O convite do IFT foi motivado por decisão do próprio instituto,
sem influência [da iniciativa] da colônia japonesa. Mas, na cabeça
de Taketani, acho que os dois estavam ligados", conclui Fujimoto.
Pouco depois de sua visita de um mês ao Brasil ­ que incluiu
breve passagem pelo Rio de Janeiro (RJ) ­, Yukawa fez o convi115

te para que um estudante brasileiro fosse estudar física no Japão.
Hama foi o escolhido por uma comissão de físicos brasileiros que
consultaram Taketani, à época de volta ao Brasil. Hama passou de
1963 a 1966 no Japão, onde concluiu seu doutorado. "Fui a Quioto
consciente de que o convite do professor Yukawa havia sido uma
retribuição do Grupo de Física de Partículas Elementares do Japão, de modo que eu devia muito também ao grupo da colônia
japonesa no Brasil, que idealizou esse auxílio. Aliás, o convite do
professor Yukawa foi feito para um pesquisador jovem brasileiro,
sem nenhuma restrição quanto à sua origem", diz Hama.
A relação entre a física do Brasil e do Japão ainda é uma história por se escrever. Mas dela, certamente, deverá constar a iniciativa daqueles membros esclarecidos ­ alguns bem humildes ­ da
comunidade de japoneses do estado de São Paulo, bem como o fato
de que o dinheiro enviado aos físicos japoneses acabou, no final
das contas, rendendo dividendos para a física brasileira.
Portanto, a gratidão tem que ser recíproca.

116

[Uma versão deste texto foi publicada na Scientific American Brasil, janeiro de 2015]

Chacaltaya
Um laboratório nas nuvens
com Antonio Augusto Passos Videira, UERJ

Ao fazer o balanço de um encontro científico ocorrido em
julho de 1953, em Bagnères de Bigorre (França), o físico francês
Louis Leprince-Ringuet (1901-2000) escreveu que o destino da
pesquisa na área de raios cósmicos dependia dos aceleradores de

Portal de entrada do Laboratório de Física Cósmica, no monte Chacaltaya,
a 5,2 mil metros de altitude, no início das obras de infraestrutura
Crédito: CBPF (MCTI)

117

partículas. Dois anos depois, tal previsão seria confirmada em um
encontro em Pisa (Itália). Lá, a predominância dessas máquinas foi
tamanha que levou um dos participantes, o físico argentino Juan
G. Roederer, a resumir a quantidade de dados que os norte-americanos trouxeram para a reunião com o adjetivo "toneladas". Segundo ele, isso marcaria "o fim dos raios cósmicos para o estudo
de partículas elementares".
O contraste descrito por Roederer era evidente. Enquanto os
físicos experimentais de raios cósmicos ­ os chamados cosmicistas
­ chegavam a Pisa com dados sobre poucos mésons ­ por vezes,
menos de 10 dessas partículas com massa intermediária entre a do
elétron e a do próton ­, os físicos de aceleradores apresentavam
milhares desses eventos.
Os aceleradores ofereciam não só abundância na produção
de mésons, que, até então, só haviam sido produzidos e detectados nos raios cósmicos ­ núcleos atômicos altamente energéticos, de origem espacial, que, ao adentrarem a atmosfera terrestre,
geram uma chuveirada de partículas elementares que chegam ao
solo. Aquelas máquinas ­ cujos tamanhos e custos cresciam rapidamente, restringindo o número de países capazes de realmente
alimentar a pretensão de tê-las ­ permitiam aos físicos algo tão
ou mais valioso que a quantidade: o controle sobre a produção de
tais eventos.
E quantidade e controle tornavam as análises mais confiáveis
e seguras.
Por sua vez, um cosmicista sempre esteve à mercê da sorte.
Com um pouco dela, ele conseguiria fazer com que um ou mais
mésons do chuveiro cósmico atravessassem seu detector. E, com
mais sorte ainda, o fragmento de matéria capturado seria um integrante ainda desconhecido do universo subatômico. A natureza
oferece fenômenos ainda hoje mais energéticos do que as colisões
geradas nos aceleradores, mas o preço a se pagar é a incerteza.
As máquinas tornavam realidade um anseio dos cientistas de
longa data, ainda do século 19: reproduzir a natureza em laboratório. Feito isso, a natureza poderia ser dispensada.
118

Além da radioatividade
Pode-se atribuir o começo da história dos cerca de 30 mil aceleradores de partículas que hoje existem no mundo ­ cerca de 200
deles, como o LHC, do CERN, usados para pesquisa ­ a um discurso feito por Ernest Rutherford (1871-1937), na Royal Society,
em Londres, em 30 de novembro de 1927. Nele, o físico de origem
neozelandesa dizia ser fundamental obter partículas mais energéticas que as emitidas naturalmente pelos elementos radioativos.
A ideia era usar esses projéteis artificiais para penetrar e, portanto,
estudar o núcleo atômico ­ por sinal, descoberto por ele mesmo,
em 1911.
Em 1931, o físico norte-americano Ernest Lawrence (19011958), inspirado pela leitura de um artigo do engenheiro norueguês Rolf Wideröe (1902-1996), construiria, com a ajuda de um
assistente, o primeiro acelerador circular de partículas (cíclotron)
da história ­ nesse tipo de máquina, um núcleo, a cada volta, ganha
energia. Pelo feito desse diminuto equipamento (13 cm de diâmetro), Lawrence ganharia o Nobel de Física de 1939.
A partir daí, aceleradores maiores seriam propostos e construídos. Mas essas máquinas ganhariam relevância com o Projeto
Manhattan, que coordenou a grande mobilização científico-militar
para a construção das bombas atômicas lançadas sobre o Japão em
agosto de 1945. O projeto marca a origem da chamada Big Science.
Com o final da guerra, houve a retomada do uso dos aceleradores para a pesquisa básica. Em um deles, o físico brasileiro César
Lattes (1924-2005) e o norte-americano Eugene Gardner (19131950) obteriam, em 1948, um resultado de grande repercussão
tanto científica quanto política.
Berkeley
No início de 1948, Lattes chegou ao Laboratório de Radiação, na Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA), chefiado
por Lawrence e que abrigava o então mais potente acelerador de
partículas do mundo: o sincrociclótron de 184 polegadas. Com
119

algumas adaptações, essa máquina havia sido usada para enriquecer urânio da bomba lançada em Hiroshima.
O sincrociclótron havia sido construído com um objetivo:
produzir mésons, partículas até então encontradas apenas na radiação cósmica. Na máquina, foi investido cerca de US$ 1,7 milhão, dinheiro vindo do governo e da iniciativa privada. Para angariar tal quantia ­ vultosa para época ­, Lawrence mostrara-se hábil:
dizia que o méson permitiria uma física intranuclear; combateria
o câncer; seria nova fonte de energia para a humanidade; e, para
chamar a atenção do aparato militar norte-americano, produziria a
bomba `mesônica'. Seu sucesso ­ mesmo que algumas das promessas soassem fantasiosas ­ deve ser entendido em um contexto mais
amplo: o início da Guerra Fria e da Big Science.
Porém, mais de um ano depois do início do funcionamento
do sincrociclótron, em 1 de novembro de 1946, os mésons não haviam sido detectados nos choques das partículas alfa (dois prótons
e dois nêutrons) aceleradas pela máquina contra alvos fixos (por
exemplo, carbono). As partículas geradas nessas colisões tinham
suas trajetórias registradas nas chamadas emulsões nucleares (chapas fotográficas especiais, semelhantes às usadas para fotografias
em preto e branco).
Pode-se supor que Lawrence, naquele momento, estava numa
situação difícil, cobrado pelos financiadores. A ausência de mésons também recaia sobre Gardner, chefe da Divisão de Emulsões
Nucleares do Laboratório de Radiação ­ hoje, Laboratório Nacional Lawrence Berkeley.
A situação sofreria uma reviravolta cerca de 10 dias depois da
chegada de Lattes a Berkeley. O jovem brasileiro, ao examinar as
emulsões ao microscópio, identificaria as trajetórias de píons (um
tipo de méson). Sua conclusão: o sincrociclótron produzia mésons
desde que começou a funcionar. Essas partículas só não estavam
sendo reconhecidas nas emulsões. O píon havia sido proposto
em 1935, pelo físico japonês Hideki Yukawa (1907-1981), como
a partícula responsável por manter prótons e nêutrons unidos no
núcleo atômico.
120

Por ter aspirado vapor de berílio em seu trabalho no Projeto
Manhattan, Gardner sofria de beriliose (perda de flexibilidade dos
pulmões), o que o impedia de ficar mais do que alguns minutos ao
microscópio. Lattes não só aumentou o tempo de varredura ao microscópio, mas também acrescentou à pesquisa o conhecimento que
havia adquirido em 1946 e no ano seguinte em Bristol, trabalhando
no Laboratório H. H. Wills, na Universidade de Bristol, na Inglaterra. Lá, sob a chefia do físico britânico Cecil Powell (1903-1969), as
trajetórias de píons ­ com participação decisiva de Lattes ­ haviam
sido descobertas em emulsões nucleares expostas à radiação cósmica no Pic du Midi (2,9 mil metros), nos Pirineus franceses.
Lattes, portanto, sabia reconhecer os traços de mésons nas
emulsões. Ou seja, sabia o que buscar ao microscópio. Para o historiador da física norte-americano Peter Galison, a ida de Lattes a Berkeley representou a transferência, para os EUA, de uma
técnica que vinha sendo desenvolvida desde a década de 1910
na Europa.
Repercussão
O artigo de Gardner e Lattes com a detecção dos píons no
sincrociclótron sairia na revista Science em 12 de março de 1948.
E o establishment do Laboratório de Radiação tratou de promover
a descoberta na mídia. O resultado foi notícia em New York Times,
Science News Letters, Time-Life, Nucleonics, entre outros veículos,
que enfatizavam não só as promessas dos mésons, mas também
o fato de eles serem os primeiros raios cósmicos produzidos pelo
homem. A importância do feito chegou a ser comparada à "descoberta da América".
Lattes chegou a fazer 15 palestras sobre a chamada produção artificial dos mésons. Em coletiva de imprensa, explicou que a
quantidade de mésons produzida a cada segundo pelo acelerador
era cerca de 10 milhões de vezes superior à obtida pela exposição
de emulsões nucleares à radiação cósmica no alto de uma montanha ­ a cifra dá bem o contexto exato do adjetivo ("toneladas")
usado por Roederer.
121

A produção de raios cósmicos em laboratório foi um feito e
tanto. Pesquisas históricas recentes indicam que, para Lattes, esses
resultados renderam sete indicações para o Nobel de Física (duas
em 1949; uma em 1951; uma em 1952; e uma de 1952 a 1954).
No Brasil, eles foram igualmente enaltecidos, fazendo de Lattes um
tipo de herói nacional da Era Nuclear.
Além do mérito científico, há naqueles resultados um desdobramento sutil, mas de suma importância: o fato de o sincrociclótron ter produzido píons assegurava que a tecnologia usada
naquela máquina (a chamada estabilização de fase) funcionava.
E isso permitiria a construção de máquinas ainda mais potentes.
Para Lawrence, a detecção do píon era a fagulha necessária
para a obtenção de verbas para a construção de uma máquina
mais potente. Com os resultados de Gardner e Lattes, ele conseguiu arrancar da Comissão de Energia Atômica cerca de US$
8 milhões para o Bévatron, que entraria em funcionamento em
1954 ­ até então, o orçamento anual do laboratório era de US$ 80
mil por ano.
Na década de 1950, já havia, nos EUA, dezenas de aceleradores de partículas, de tamanhos variados. Começava a chamada
Era das Máquinas, marcada por financiamento governamental
volumoso, enormes laboratórios nacionais, estreitamento das relações com a indústria e o setor militar. A Europa, com o CERN,
e a então União Soviética, com um laboratório em Dubna, seguiriam esses passos.
Era a Big Science ganhando momento.
Máquina versus montanha
Os feitos de Lattes em Berkeley foram usados no Brasil em
uma campanha em prol da fundação de um organismo dedicado exclusivamente à pesquisa física. Surgiu, assim, em janeiro de
1949, o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), no Rio de
Janeiro (RJ), instituição privada e criada fora da universidade, pois
esta, à época, era refratária à pesquisa científica. Lattes, aos 24 anos
de idade, era seu diretor científico.
122

Ao voltar dos EUA, no início de 1949, Lattes dedicou-se principalmente à construção de um laboratório para o estudo da radiação cósmica a grandes altitudes. A escolha natural do local era
Chacaltaya, com 5,5 mil metros de altitude, onde o brasileiro havia
exposto emulsões nucleares à radiação cósmica ainda no primeiro
semestre de 1947, em busca de mais píons, além dos dois capturados por Bristol no Pic du Midi. Além do mais, o pico fica a apenas
cerca de 30 km de La Paz ­ essa proximidade sempre foi uma das
vantagens da montanha, por facilitar a logística.
Para o Brasil, Chacaltaya seria a chance de continuar a fazer
física de raios cósmicos em condições até melhores do que a de outros observatórios estrangeiros em grandes altitudes no hemisfério
Norte. Havia também a esperança ­ alimentada à época por outros laboratórios nas montanhas ­ de poder competir com a física
de aceleradores. A falta de controle poderia ser compensada pelas altíssimas energias das partículas do chuveiro cósmico ­ essas
energias continuam sendo milhares de vezes superiores às obtidas
em laboratório.
Chacaltaya refletia uma visão pessoal de Lattes, aprendida
com seu ex-professor, o físico de origem ucraniana Gleb Watgahin
(1899-1986): o Brasil deveria fazer uma física adequada à sua realidade científica, econômica e industrial. Ou seja, nada física cara,
à la Big Science. Mas, ironicamente, aquilo que estava para ser feito
no pico andino talvez tenha sido a primeira tentativa brasileira de
­ guardadas as proporções ­ fazer física em grande estilo.
Epopeia
Ainda em 1947, o que havia em Chacaltaya era uma estação
meteorológica muito simples, iniciada em 1942 pelo meteorologista espanhol Ismael Vallejos Escobar (1919-2009), refugiado da
guerra Civil Espanhola (1936-1939), na qual lutou junto às forças
republicanas.
Os planos para um laboratório nas alturas começaram a ganhar momento com a doação, a Lattes, de uma câmara de nuvens,
por seu colega Marcel Schein (1902-1960), da Universidade de Chi123

cago (EUA). A ideia seria levar esse detector ­ no qual, as partículas
carregadas, ao atravessarem um recipiente contendo vapor d'água,
deixam um rastro de gotículas ­ para o pico andino, para estudar os
então recém-descobertos e ainda misteriosos mésons K (káons).
Para isso, Lattes contou com o apoio financeiro da Unesco e
do então recém-fundado CNPq, o que possibilitou trazer ao Brasil o físico italiano Giuseppe Occhialini (1907-1993) e o brasileiro
Ugo Camerini (1925-2014), dois de seus colegas de Bristol ­ Occhialini, codescobridor do píon, havia sido professor de Lattes na
Universidade de São Paulo, no início da década de 1940.
Pelos recursos financeiros, logística (trem, barco, avião e até
carro de boi), número de participantes, infraestrutura e equipamentos mecânicos e eletrônicos envolvidos, a expedição para Chacaltaya marca um salto significativo na história da física experimental
no Brasil. Pouco havia sido feito no país até então nessa área. Exceções que justiçam a regra: os experimentos (de custos modestos)
com radiação cósmica feitos por volta de 1940 por Wataghin e dois
assistentes, Marcello Damy (1914-2009) e Paulus Aulus Pompeia
(1911-1993), em São Paulo. Esses resultados, por sinal, marcam a
inserção da física experimental brasileira no cenário internacional.
E Lattes era produto dessa tradição de raios cósmicos.
A expedição foi precedida por um acordo entre o CBPF, representado por Lattes, e o reitor da Universidade Maior de San Andrés, assinado em 1952. Criou-se, assim, o Laboratório de Física
Cósmica, em Chacaltaya, que, ao longo da década de 1950, foi um
departamento do CBPF ­ com Escobar sendo nomeado professor
titular do CBPF. A assinatura do acordo foi acelerada pelo fato de
Lattes temer perder Chacaltaya para os norte-americanos, que ali
haviam instalado um contêiner com equipamentos científicos em
maio daquele ano.
Objeto do desejo
Por sua altitude, Chacaltaya havia se tornado um ponto de
referência para a comunidade mundial de cosmicistas, depois da
passagem de Lattes por lá em 1947. Na década seguinte, o pico
124

se tornaria `objeto do desejo' para esses físicos: a partir de 1954,
pelo menos 10 países enviariam expedições científicas para aquela
montanha. Por exemplo, em colaboração com físicos e engenheiros
bolivianos, norte-americanos liderados pelo físico italiano Bruno
Rossi (1905-1993) estudaram por anos naquela montanha aspectos da radiação cósmica.
Em 1954, o CBPF foi atingido pelo chamado `Escândalo Difini', referência ao professor da Universidade Federal do Rio Grande
do Sul, Álvaro Difini, que, como diretor-tesoureiro da instituição,
gastou praticamente todo o dinheiro do orçamento do CBPF em
corridas de cavalo. O caso foi parar na imprensa e acabou usado
pelo jornalista e político Carlos Lacerda (1914-1977) para atacar
seu adversário, Getúlio Vargas (1882-1954).
Por conta da situação, Lattes teve um surto psiquiátrico. Brigado com seus antigos amigos, como os físicos José Leite Lopes
(1918-2006) e Jayme Tiomno (1920-2011), e afastado da direção
científica do instituto, foi para os EUA se tratar. Lá, trabalhou na
Universidade de Chicago e na Universidade de Minnesota. Foi um
período difícil, tumultuado e pouco produtivo para o brasileiro, às
voltas com episódios de depressão.
A crise criada pelo escândalo e a instabilidade política causada pelo suicídio de Vargas fizeram com que a cúpula cientifica do
CBPF cogitasse encerrar suas atividades Chacaltaya. Da expedição
brasileira à montanha, sobreviveram várias fotos e um filme. A câmara de nuvens nunca funcionou ­ ou o fez por curto período. As
razões técnicas para a falha nunca ficaram esclarecidas ­ talvez, a
baixa pressão atmosférica local
A montanha permanecia no horizonte dos físicos brasileiros,
mas eles teriam que reaprender a escalá-la.
Brasil-Japão
Em 1957, ao retornar ao Brasil, ainda abatido pela doença,
Lattes passa um período de cerca de três anos no CBPF. Em 1959,
mais uma tragédia se abate sobre ele. Seu laboratório de emulsões
nucleares é completamente destruído pelo fogo, que atingiu parte
125

da rica biblioteca da instituição. Desgastado ­ e com um salário
baixíssimo ­, Lattes aceita proposta do colega e físico teórico Mário Schenberg (1914-1990) para voltar à USP, onde seus ganhos
lhe permitiriam sustentar mulher e as filhas. Era a chance de retomar sua carreira científica em bases mais consistentes. O conselho
técnico-científico do CBPF aprovou a proposta de Lattes: passar
metade do ano no Rio e a outra em São Paulo.
Pouco antes de sua ida para a USP, cosmicistas japoneses
vislumbraram a possibilidade de um acordo com o Brasil para o
uso de Chacaltaya para pesquisas. No Japão, a pesquisa em raios
cósmicos havia começado ainda na década de 1930, com o envio
de detectores (câmara de ionização, contadores Geiger, câmara de
nuvens) para montes como o Fuji e o Syari, cujas altitudes eram
inferiores à do pico andino.
Aqueles físicos experimentais pediram a Yukawa que assinasse carta endereçada a Lattes, propondo o acordo, aceito pelo
brasileiro. Uma primeira tentativa de levar a colaboração adiante
se deu em Moscou, em 1958. Porém, Lattes ­ talvez, por conta de
idiossincrasias pessoais ou estado mental ­ acabou não simpatizando com representante japonês, Jun Nishimura. A colaboração
só evoluiu a partir de um encontro no Japão, em 1962, do qual
também participou Occhialini.
Com a chamada Colaboração Brasil-Japão (CBJ), a física experimental brasileira daria outro salto, com números ainda mais
significativos do que os envolvidos na construção do Laboratório
de Física Cósmica. A CBJ começou na USP, mas, em 1967, por
conta de desentendimentos com colegas, Lattes transfere-se para
a recém-criada Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Pouco depois, o próprio CBPF ingressaria na CBJ, nela permanecendo até praticamente seu final definitivo, no início deste século.
A infraestrutura em Chacaltaya havia agora sido ampliada,
para abrigar detectores volumosos, formados por um chapa de
emulsão nuclear de grandes proporções (cerca de 0,2 m2), coberta
por um filme de raios X e placa de chumbo de igual área. Vários
desses conjuntos formavam as chamadas câmaras de emulsões,
126

que chegaram a ter cerca área de 50 m2. Cada um desses `sanduíches' era, depois de meses de exposição, recolhido e revelado. Primeiramente, as chapas de raios X eram observadas a olho nu, para
a localização dos eventos mais interessantes. Depois, esses locais
eram observados nas emulsões, com a ajuda de um microscópio.
Nossa Big Science
Inicialmente, as despesas para uma colaboração de tal envergadura ficariam divididas basicamente ao meio entre os dois
países: o Brasil se incumbiria do chumbo, e o Japão, das emulsões
e dos filmes de raios X. Mas a maior parte do ônus acabaria por
recair sobre a parte brasileira (chumbo, passagens áreas, construções civis e elétricas, bem como o pagamento pelos filmes etc.),
pois o financiamento para a pesquisa no Japão ainda sofria os
ecos da guerra ­ além disso, a área de raios cósmicos não contava com muito prestígio naquele país. As emulsões e os filmes
de raios X das câmaras maiores chegavam a custar cerca de US$
100 mil, e o projeto só se tornou viável graças ao financiamento
pesado por parte da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado
de São Paulo.
Foram nessas câmaras que surgiram, a partir de 1963, as chamadas bolas de fogo, choque subatômico ultraenergético em que
são produzidos píons em grandes quantidades. O fenômeno ­ ainda mal compreendido ou desacreditado por alguns ­ rendeu várias
publicações internacionais para a CBJ ­ algumas com alto número
de citações.
A CBJ ­ um dos acordos mais longevos da física brasileira
­ representou um segundo salto na física experimental brasileira,
pelo volume de verbas investido, logística e número de pesquisadores envolvidos em um só experimento ­ e também pelos resultados
de repercussão internacional. Desse modo, pode ser denominada
como nossa tentativa de Big Science. Em termos experimentais,
projeto tão grande, custoso e ambicioso só voltaria a ocorrer com a
construção do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, na década
de 1980, em Campinas (SP).
127

Retomada da natureza
A entrada em cena dos aceleradores criou uma elite entre os
físicos e relegou os cosmicistas a um segundo plano científico no
campo da física de partículas. Desde 1950 ­ quando Powell ganhou
seu Nobel pela detecção do píon e pela contribuição à técnica das
emulsões nucleares ­, cerca de duas dezenas desse prêmio foram
dados a resultados obtidos em aceleradores, mas nenhum à área de
raios cósmicos.
Por séculos, a natureza foi sinônimo de `selvagem' ­ portanto,
incivilizada e atrasada. Mas, para países como o Brasil, uma montanha representou a possibilidade de fazer física de partículas de
altas energias em um cenário em que a ecologia da física havia se
transformado espacialmente (grandes laboratórios), socialmente
(líderes chefiando por vezes milhares de pesquisadores) e financeiramente (verbas governamentais volumosas).
A estratégia de apelar para a montanha ­ um acelerador natural e, portanto, gratuito ­ permitiu, por duas vezes, saltos tanto
em quantidade quanto qualidade na física experimental brasileira,
com a geração de recursos humanos importantes para o crescimento que a ciência brasileira viu a partir do final da década de
1960, quando houve a instalação da pós-graduação no país.
Hoje, cerca de sete décadas depois das incursões da física brasileira pelas altitudes dos Andes, nasce um movimento em prol da
criação do que está sendo provisoriamente denominado Instituto
Regional de Astropartículas, uma infraestrutura administrativa
­ "Um CERN Sul sem aceleradores", na definição de um de seus
idealizadores, o físico Ronald Shellard, do Centro Brasileiro de
Pesquisas Físicas, no Rio de Janeiro (RJ) ­ para os grandes projetos
científicos atuais ou futuros que usufruem ou venham a usufruir
da natureza sul-americana: a planície dos pampas argentinos; a
falta de chuva do deserto de Atacama, no Chile; a blindagem proporcionada por quilômetros de rocha da cordilheira dos Andes
para um laboratório subterrâneo; a altitude de Chacaltaya; o céu
do hemisfério Sul etc.
Diferentemente do que representou para os exploradores e
128

militares dos séculos 16 a 18, os Andes não são mais uma barreia
intransponível, um limite para além do qual não se pode ir ­ para
os cientistas, pelo menos, tornaram-se um aliado. Chacaltaya foi
responsável por elevar a física experimental brasileira a patamares
então nunca vistos na história dessa disciplina no país.
É a montanha do Sul que ousou enfrentar as máquinas do
Norte.
EXTRA
Acelerador gigante: projeto irrealista
Paralelamente à montagem do Laboratório de Física Cósmica, surgiu um projeto de construção, no Brasil, de um acelerador
de energia superior à do sincrociclótron de 184 polegadas. A iniciativa foi capitaneada pelo contra-almirante Álvaro Alberto da
Mota e Silva (1889-1976), que ­ reverberando os anseios pelo domínio do ciclo completo da energia nuclear dos nacionalistas brasileiros naquele início da Era Nuclear ­ acabou atropelando oferta
de Lawrence ao país, em agradecimento aos feitos de Lattes em
Berkeley: ensinar uma equipe de físicos brasileiros a construir um
acelerador de pequeno porte, voltado para o ensino e a formação
de pessoal.
Irrealista, o projeto do acelerador de 170 polegadas estava fadado ao fracasso. O Brasil não tinha nem tecnologia, nem recursos
humanos para a construção de máquina tão sofisticada. "Não sabíamos nem mesmo fabricar lâmpadas elétricas", fulminou Lattes
décadas depois. Mas o que soterrou o projeto foi o `Escândalo Difini' ­ por sinal, indicado para o cargo pelo próprio contra-almirante, como indica documentação histórica.
A Era das Máquinas ­ pelo menos, para o Rio de Janeiro ­ havia encontrado um fim ou, pelo menos, uma longa pausa. A partir
da década de 1950, São Paulo, com mais posses e uma universidade desde o início afeita à pesquisa, construiria ou compraria aceleradores, mas voltados para o estudo da física nuclear ­ e não de
partículas elementares.
129

[Versões deste texto foram publicadas em Revista de História da Biblioteca Nacional
(Especial História da Ciência 2), em novembro de 2010, em Ciência e Sociedade, em
2011, e em Cosmos e Contexto, abril de 2012]

O ECLIPSE DE SOBRAL
Comprovação científica ou histórica da teoria
da relatividade?

Conta-se que, pouco antes do início da sessão conjunta da
Royal Society e da Royal Astronomical Society, em Londres, em
6 de novembro de 1919, um cientista renomado levantou-se na
plateia, apontou para um imponente retrato na parede e alertou a
todos sobre o que seria dito naquele encontro.

Imagem do
eclipse solar
de 1919
Crédito:
Wikimedia
Commons

130

A pintura retratava o físico inglês Isaac Newton (1624-1727).
O que estava em jogo era a validade de duas impressionantes contribuições intelectuais: a teoria da gravitação de Newton, que já somava
cerca de 250 anos de sucesso, e a do físico de origem alemã Albert Einstein (1879-1955), mais conhecida como teoria da relatividade geral.
A sessão se encerrou com a validação da relatividade geral.
E, a partir de então, a gravitação de Newton passou a ser um caso
específico da primeira teoria, sendo aplicável apenas a situações
em que as massas são muito menores que a de uma estrela e as velocidades bem inferiores à da luz no vácuo (300 mil km/s).
A relatividade geral, por sua vez, tornou o instrumental matemático para lidar com a física do gigantesco e do ultraveloz. Seu
alvo são estrelas, galáxias, buracos negros, entre outros corpos e
fenômenos cósmicos.
Einstein, ao finalizar a teoria, em novembro de 1915, propôs
três testes para sua validação. Interessa-nos aqui apenas um deles:
o desvio da trajetória da luz quando esta passa perto de corpos
muito maciços (estrelas, por exemplo).
As três tentativas
A ocasião para testar esse encurvamento da luz é em um
eclipse solar. Fotografa-se o Sol e o céu ao redor dessa estrela antes
e depois do evento. Com essas duas baterias de chapas, mede-se
um ângulo mínimo, que representa o quanto a luz se entorta.
Até 1919, três tentativas haviam sido feitas. Uma delas em
1912, em Passa Quatro (MG). Chuva e céu nublado impediram as
medições. A segunda, na Crimeia (Rússia), cerca de dois anos depois, acabou frustrada por causa da eclosão da Primeira Guerra.
O terceiro eclipse ocorreu em 29 de maio de 1919. Foi observado em dois locais: a ilha de Príncipe, na costa ocidental da
África, e em Sobral, no Ceará. Um dos líderes dos trabalhos foi o
astrônomo inglês Arthur Eddington (1882-1944).
Dois números liliputianos se enfrentaram nas medições:
0,87 segundo de arco (teoria de Newton) e 1,75 segundo de arco
(relatividade).
131

Pergunta incisiva
Pergunta incisiva que assombra a historiografia da física desde então: a relatividade geral teria sido realmente comprovada no
eclipse de 1919?
Para muitos artigos e livros, sim. A data é histórica. E desse assento será difícil removê-la. E a mídia da época ajudou a reforçar as
bases desse trono: no dia seguinte, o jornal londrino London Times
estamparia a manchete `Revolução na ciência ­ nova teoria do universo ­ ideias de Newton superadas'. Palavras fortes, sem dúvida.
Pouco depois, o New York Times ­ que até então nunca havia citado
o nome de Einstein ­ traria o poético `Luzes curvam-se nos céus'.
Einstein se tornaria o que talvez tenha sido, entre os cientistas, o primeiro fenômeno de mídia do século passado. Até sua
morte, não houve um só ano em que seu nome não tivesse aparecido na imprensa norte-americana.
Na ilha de Príncipe, choveu, e as medições ficaram prejudicadas. Em Sobral, o sol se abriu, depois de nuvens teimosas serem
dissipadas. Várias fotografias foram feitas.
Nestas quase dez décadas desde o eclipse de 1919, a suposta
comprovação foi atacada pela frente e pelos flancos, por historiadores e cientistas. Um desses protestos é relativamente recente e
está nas páginas do Times Literary Supplement (TLS), de 24 de setembro de 1999. Nele, o físico David Oderberg, do Departamento
de Filosofia da Universidade de Reading (Reino Unido), reclama
de resenha feita pelo radioastrônomo inglês sir Bernard Lovell sobre dois livros tratando de eclipses solares. "Estou surpreso por
essa repetição acrítica de uma afirmação questionável, isto é, de
que os resultados do eclipse de 1919 tenham de algum modo comprovado a teoria da relatividade geral de Einstein", frisa na seção de
cartas, em tom educado, porém indignado.
Oderberg afirma que argumentos contra a suposta comprovação estão no livro Gravitation versus relativity (Gravitação versus relatividade; G.P. Putnam, New York, 1922), de Charles Poor,
professor de mecânica celestial na Universidade de Columbia, nos
Estados Unidos.
132

Depois disso, Oderberg lista oito tópicos que pesam contra a
comprovação de 1919. Por exemplo, cita o uso de telescópios impróprios; a grande margem de erro das medições; chapas fotográficas nas quais o desvio sofrido pela luz ao passar perto do Sol estava
mais próximo do valor de Newton; o fato de Eddington ter desprezado chapas do grande telescópio de Sobral; a distorção causada
pela interferência da atmosfera terrestre nas imagens; e também
que, na média, o valor obtido para a deflexão da luz (o quanto ela
se curva) diferia em cerca de 19% do valor previsto por Einstein.
Ao final, o missivista recomenda a sir Lovell a leitura tanto do
livro de Poor quanto de The Golem: what you should know about
science (O Golem: o que você deveria saber sobre ciência, Canto,
1993), de Harry Collins e Trevor Pinch, que revela máculas da ciência (a comprovação pelo eclipse de 1919 entre elas).
O físico norte-americano Clifford Will, no ensaio `The renaissance of general relativity', parte do excelente New Physics: a
synthesis (Nova física: uma síntese; Cambridge University Press,
1989), também reforça o argumento de que, em média, as chapas
só tinham 30% de precisão. Will é enfático: "[O]s experimentos
com eclipses posteriores não tiveram melhores resultados experimentais; esses mostravam valores que variavam de metade a duas
vezes o de Einstein, e os níveis de precisão eram muito baixos."
Sentiria pelo bom Deus...
É preciso contrastar Einstein e a relatividade no cenário da
época. A teoria da relatividade geral era entendida por poucos
­ sua matemática era complexa; e a fenomenologia, pouco verossímil. Para muitos, era assunto do campo da filosofia ­ daí, em
parte, Einstein ter levado o Nobel de 1921 por outro trabalho, o
efeito fotoelétrico, no qual propôs que a luz é formada por partículas (fótons).
No início da década de 1920, a teoria foi alvo de nazistas de
plantão ­ entre eles, dois Nobel de Física, Johannes Stark (18741957) e Philipp Lenard (1862-1947), o que mostra que o prestígio do prêmio não dá a medida do caráter dos agraciados. Outras
133

críticas, infundadas, vinham dos que resistiam às mudanças de paradigma na ciência, e as medíocres, da ala que via nisso chance de
autopromoção.
Uma pessoa, porém, nunca vacilou sobre a validade da relatividade geral: Einstein. Ainda em 1919, depois da notícia da comprovação, sua assistente, Ilse Rosenthal-Schneider (1891-1960), perguntoulhe o que teria dito se a teoria não fosse confirmada. "Sentiria muito
pelo bom Deus, pois a teoria está correta", teria respondido ele.
Terreno das especulações
Se tão fortes dúvidas pesavam contra a comprovação de 1919,
ficamos, então, tentados a voltar àquela pergunta incisiva: por que
ela foi considerada comprovada?
Adentramos, agora, o solo das especulações. Eddington foi o
maior divulgador em sua época da relatividade no Reino Unido.
Conhecia a fundo as entranhas da teoria. Usou-a em seus trabalhos. É provável que, como Einstein, não tivesse dúvidas sobre sua
validade. Talvez, tenha acreditado que experimentos posteriores,
mais precisos, acabariam comprovando-a ­ em tempo: isso só
ocorreria décadas depois.
Essas hipóteses ficam mais interessantes quando somadas e
mescladas ao cenário social e econômico e político daquele final da
década de 1910. Por conta dos resultados catastróficos da Primeira
Guerra, o mundo sentia-se destruído. Fato. Foi um conflito que,
pouco antes, inimaginável. Envolveu países de tradição cultural e,
pior, matou cruelmente milhões de pessoas. Matou covardemente
um sem-número de soldados nas trincheiras com o uso de gases
tóxicos ­ desenvolvidos por cientistas, vale dizer.
Talvez, Eddington, como quacre (quaker) ­ e, portanto, pacifista ­, soubesse que um herói, também pacifista, não faria mal a
um mundo esfacelado. Ou, talvez, tivesse agido em prol da ciência, mostrando que essa atividade, dita sem fronteiras, poderia dar
sentido transnacional a um mundo que a política havia desunido
­ afinal, a teoria havia sido elaborada na Alemanha e poderia agora
ser comprovada por britânicos, campos opostos da batalha.
134

Talvez, Eddington tenha visto em Einstein, com antecedência, um pouco do que o físico britânico Freeman Dyson descreve
em um trecho de Einstein's 1912 Manuscript on the Special Theory
of Relativity (O manuscrito de Einstein de 1912 sobre a teoria especial da relatividade), iniciativa, no mínimo, louvável da Jacob E.
Safra Philanthropic Foundation.
Dyson relembra Einstein, no início da década de 1920, andando pelas ruas no Japão e sendo reverenciado e tocado por
todos. Décadas mais tarde, no mesmo país, ele mesmo testemunhou fato semelhante: dessa vez, o alvo era o físico britânico Stephen Hawking. O curto depoimento termina de modo elegante:
os japoneses têm bom gosto para escolher seus heróis. "Talvez
eles tenham de algum modo percebido que Einstein e Hawking
são muito mais do que grandes cientistas. São grandes seres humanos", finaliza.
Hipóteses à parte, o fato é que Einstein tinha perfil ideal para
personificar esse herói. Mente assombrosa, pacifista, já preocupado
com a justiça, e homem que se autoproclamava sem nacionalidade.
Além disso, como os assuntos terrenos não iam bem, é possível
que o imaginário público tenha sentido certo prazer em voltar seu
olhar para o cientista que havia desvendado os mistérios de algo
extraterreno, do universo como um todo.
O que vem a seguir está nos bons livros: Einstein foi o primeiro grande herói do pós-guerra. Visitou a França e os Estados
Unidos, sendo recebido com imenso entusiasmo.
Releitura dos fatos
Todas as conjeturas levantadas até aqui ficam, de certo modo,
abaladas por um extraordinário trabalho de pesquisa feito pelo físico e historiador da ciência Daniel Kennefick, da Universidade do
Arkansas (EUA). Ele, como mandam as normas do bom fazer histórico, foi a arquivos, descobriu documentos e cartas, revisou minuciosamente a bibliografia sobre o tema. O resultado foi um artigo (30
páginas, em inglês, disponível em http://arxiv.org/abs/0709.0685)
que deve ser lido por quem se interessa pelo assunto.
135

Para Kennefick, não houve nem bias, nem julgamento enviesado dos dados. Ele revela algo aparentemente novo: Eddington
­ que, no eclipse, seguiu para a ilha de Príncipe ­ não se envolveu
na análise das chapas fotográficas de Sobral, o que ficou por conta
de pesquisadores do Observatório de Greenwich. E vice-versa.
Kennefick, por vezes, tem que admitir algo de tendencioso
nas atitudes e nas escolhas dos cientistas envolvidos. E vale aqui
içar uma sutileza que parece ter escapado a ele ao reproduzir palavras de Eddington, quando este reclama de uma combinação de
dados que faria com que os resultados "ficassem muito perto da
verdade". No caso, a verdade seria: o desvio da luz calculado pela
relatividade geral.
Do ponto de vista da leitura fria dos dados, ele defende, com
excelente argumentação, que a decisão de dar a relatividade como
comprovada foi cientificamente justa.
Porém, isenta?
Sua análise não abarca, como outros autores, o lado subjetivo
que poderia ter permeado as decisões daqueles astrônomos.
Portanto, enquanto não surge nova versão dos fatos, é possível seguir pensando que uma crença profunda, de natureza semelhante à certeza inabalável de Einstein, pode ter feito Eddington e
seus colegas anunciarem ao mundo a comprovação daquilo que
eles acreditavam estar correto.
Se algo a mais do que a frieza dos dados pesou na decisão de
Eddington, talvez nunca saibamos. O fato é que Eddington ajudou
a criar um mito. Mais do que isso: o ícone que acabou eleito personalidade-síntese do século 20.

136

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo (26/02/95)]

EINSTEIN NO BRASIL
90 anos da visita do autor da relatividade
à América do Sul

Há 90 anos, desembarcava no Rio de Janeiro a personalidade
que dará nome a este século: o físico Albert Einstein (1879-1955).
Há 60 anos, o mundo ficava mais sem graça com sua morte, em
Princeton (EUA), nas primeiras horas de 18 de abril.
O navio Cap Polonio atracou no porto carioca na madrugada
de 21 de março. Seu destino era o Uruguai e a Argentina, onde

Einstein no Observatório Nacional
Crédito: Observatório Nacional/MCTI

137

Einstein faria palestras. A primeira visita durou só horas, mas
causou sensação entre cientistas e na imprensa. Jornais da época
­mantendo aqui a ortografia da época ­ não pouparam elogios:
`genio, com parcella de divindade' (O Jornal) e `Albert Einstein, o
emulo de Newton' (O Malho). O Jornal do Commercio atribuiu ao
visitante certa brasilidade, ao chamá-lo `Professor Alberto Einstein', certa brasilidade. As manchetes de O Imparcial e O careta
eram Einstein.
O Jornal, dirigido por Assis Chateaubriand (1892-1968), publicou a primeira entrevista, com `o maior genio que a humanidade
produzio (sic) depois de Newton'. Na pauta, nada de mulheres, natureza ou praias brasileiras. Bem informado, o repórter questionou
Einstein sobre a teoria da relatividade restrita, de 1905, as críticas
dos alemães à comprovação, em 1919, da relatividade geral, finalizada em 1915, e tópicos mais complicados, como a geometria não
planas. Einstein parecia impaciente ­ talvez, cansado ­ e deu respostas lacônicas.
A comitiva de sete carros passeou pela cidade. O Jardim Botânico impressionou o visitante europeu. "Como Deus foi generoso com este país. É lindo!", afirmou em seu mau francês, relataram
os presentes. Para a recepção no porto, vieram Paulo de Frontin
(diretor da Escola Politécnica), Affonso Celso (diretor da Faculdade de Direito), Aloysio de Castro, colega de Einstein na Liga das
Nações, entre outros.
Às 12h15, almoço no Copacabana Palace, com cobertura de
Chateaubriand. Dele, Einstein ganhou um exemplar de O Jornal,
com os textos sobre a teoria da relatividade geral e sua comprovação. "O problema concebido por meu cérebro, incumbiu-se de
resolvê-lo o luminoso céu do Brasil", escreveu, assinou e datou. Foi
o modo gentil de retribuir a comprovação de sua teoria em um
eclipse solar em Sobral (Ceará), em 1919.
À tarde, Einstein passeou de carro e a pé pelo centro do Rio e
admirou-se com a presença de um japonês. Às 16h, do mesmo dia,
voltou ao navio, que seguiu para o Uruguai e Argentina, onde ficou
de 25 de março a 23 de abril. Um dos objetivos da viagem À Amé138

rica do Sul era angariar fundos para a criação de uma universidade
hebraica em Jerusalém.
Einstein voltou ao Brasil em 4 de maio (19h30), agora para
uma semana de estada. Tudo estava previsto: três palestras sobre
relatividade (Clube de Engenharia, Escola Politécnica e Academia
Brasileira de Ciências). E muitas visitas, homenagens e jantares.
A suíte 400 do Hotel Glória hospedou o físico. O passeio começou pelo Pão de Açúcar. No Palácio do Catete, foto ao lado do
presidente Arthur Bernardes (1875-1955). Einstein convidou pessoalmente o ministro da Justiça e o da Agricultura para sua primeira exposição.
Cerca de 200 pessoas lotaram o salão do Clube de Engenharia. Nas cadeiras da frente, políticos, cientistas, generais, almirantes. Um terço de mulheres, noticiou a imprensa. Foram 75 minutos
de silêncio e reverência, com aplausos no final. Exceto iniciados,
poucos com certeza entenderam. Mas valeu pelo momento histórico. Fotos até dos rabiscos na lousa.
Einstein visitou o Museu Nacional e a Academia Brasileira
de Ciências, onde ganhou o título de membro correspondente,
o primeiro da história da ABC e fez uma palestra sobre o então
estado da teoria da luz. Era para falar sobre a relatividade, mas
decidiu, na última hora, mudar o tema para o estado da teoria da
luz, pois o assunto ­ que estava sendo investigado por experimentos na Alemanha e nos EUA ­ incomodava-o naquele momento.
Falou na Rádio Sociedade, exaltando-a como forma de expandir
a cultura.
Na manhã do dia 8, encontrou-se com os cientistas Carlos
Chagas (1879-1934) e Adolfo Lutz (1855-1940), no então Instituto Oswaldo Cruz. A palestra na Politécnica foi para um público
mais restrito, com ênfase em membros de nossa ainda incipiente
comunidade científica. Desta vez, orador deixou a didática de lado.
Jornalistas noticiaram os primeiros sinais de cansaço do visitante.
Depois dos elogios à goiaba, no café da manhã de sábado, Einstein seguiu para o Observatório Nacional. No almoço, a
primeira gafe brasileira: feijoada. O convidado agradeceu, mas
139

rejeitou ­ desde criança não comia carne de porco. Mas apreciou a
`pinguinha', repetindo alguns copos.
Recebeu homenagem das colônias alemã e judaica. No Clube Germânia, foi declarado "embaixador da vida espiritual alemã"
­ ironicamente, oito anos depois, a história trataria de transformar
o `diplomata' em judeu refugiado.
Visitou o Hospital de Alienados, sob direção do médico Juliano Moreira (1873-1932), e pediu para conhecer um caso de "paranoia legítima", influenciado, talvez, pelo triste destino de seu filho
mais novo, Eduard, que desde criança aparentava ser portador de
um transtorno psiquiátrico.
Terminou sua visita na Associação Brasileira de Imprensa,
agradecendo as gentilezas dispensadas. "A todos, de coração, um
abraço", finalizou no livro de visitantes ilustres. Recebeu uma coleção de pedras preciosas brasileiras como presente. Voltou à Europa, no navio Cap Norte.
Para os interessados no tema, há as seguintes publicações em
português: i) Einstein no Brasil, de Aguinaldo Ricieri (Editora Prandiano: S. José dos Campos, 1991), a primeira tentativa de sistematizar material sobre a visita do cientista, reunido boa parte da cobertura da imprensa; ii) Einstein e o Brasil, de Ildeu de Castro Moreira
e Antonio Augusto Passos Videira (orgs) (Rio de Janeiro: Editora
da UFRJ, 1995), coletânea que analisa não só a visita, mas também
o contexto histórico e científico da época; iii) Einstein, o viajante
da relatividade na América do Sul, de Alfredo Tiomno Tolmasquim
(Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2004), a obra mais abrangente sobre
a visita, com ênfase na análise dos diários de Einstein do período e
nos arranjos que trouxeram o físico à América do Sul.
Além disso, há passagens em Formação da Comunidade Científica no Brasil, de Simon Schwartzman (Rio de Janeiro/São Paulo:
Finep/Companhia Editora Nacional, 1979) e uma breve citação em
Einstein lived here (Einstein viveu aqui; Oxford University Press,
1994), do físico e historiador da física holandês Abraham Pais
(1918-2000), que classifica a viagem como uma das últimas de longo percurso feitas pelo autor da teoria da relatividade.
140

O contato de Einstein com o Brasil ressurgiria na década de
1950, por meio da troca de correspondência com David Bohm
(1917-1992). Perseguido pelo macartismo, esse físico norte-americano refugiou-se no Brasil como professor da Universidade de São
Paulo. Nas cartas, Bohm reclama da política e da ciência no país.
Einstein lhe dá conselhos e tenta acalmá-lo. Em 1952, Einstein enviou ainda carta a Getúlio Vargas, intercedendo por Bohm. Temia
que a permanência do colega no Brasil estivesse ameaçada.
Curiosidade: o relógio de pulso de Einstein foi doado para os
fundos de construção do Hospital Albert Einstein (em São Paulo),
em setembro de 1958, por Hans Albert (1904-1973), seu filho mais
velho. Veio também um cheque, nunca descontado.
EXTRA
1925: O estado da teoria da luz
[Uma versão deste texto foi produzida para Einstein no Brasil, exposição do Centro
Brasileiro de Pesquisas Físicas, 2015]

Na noite de 7 de maio de 1925, Einstein fez, na Academia
Brasileira de Ciências, uma breve palestra com o título `Observações sobre a situação atual da teoria da luz'. Ao optar pelo tema ­ e,
assim, surpreender os presentes, pois, até então, ele havia falado
sobre a relatividade ­, o físico alemão demonstrava preocupação
com o rumo que teoria e experimento sobre o assunto haviam tomado pouco antes de ele deixar a Alemanha, no início de março
daquele ano.
O manuscrito (em alemão) da palestra ­ o qual sobreviveu e foi
descoberto por pesquisadores brasileiros em 1996 ­ pode ser visto
como um divisor de águas entre a `velha' e a `nova' teoria quântica,
área da física que lida com os fenômenos atômicos e subatômicos
­ a esse respeito, vale ler `Still shrouded in mystery: the photon in
1925' (Ainda envolto em mistério: o fóton em 1925), de Richard A.
Campos (disponível em http://arxiv.org/abs/physics/0401044).
Em 1923, o físico norte-americano Arthur Compton (18921962) publicou os resultados de um experimento em que a luz, ao
141

se chocar contra elétrons, comportava-se como um feixe de partículas. Recebida com muito ceticismo, a ideia sobre uma natureza
corpuscular da luz havia sido lançada em 1905 pelo próprio Einstein. Segundo o historiador norte-americano David C. Cassidy,
Einstein foi um dos poucos físicos ­ talvez, o único ­ a acreditar
na realidade dos fótons (partículas de luz) nos 20 anos seguintes,
até que ela fosse comprovada experimentalmente.
Para muitos, os resultados de Compton não deixavam dúvidas sobre a realidade dos fótons. Porém, em 1924, surgiu uma
teoria alternativa para explicar esses resultados, proposta pelos
físicos dinamarqueses Niels Bohr (1885-1962) e Hendrik Kramer (1894-1952) e pelo norte-americano John Slater (1900-1976).
Conhecida como BKS, ela seguia tratando a luz com uma onda
­ como a maioria dos físicos fazia desde o início do século 19
­ e atribuía um caráter estatístico à conservação de energia e de
momento em nível atômico. Essas ideias contrariaram Einstein,
que fez anotações a respeito em seu diário em sua viagem rumo à
América do Sul.
Na Alemanha, os físicos Hans Geiger (1882-1945) e Walther
Bothe (1891-1957) decidiram testar as previsões da teoria BKS. Esses resultados, bem como o de um novo experimento de Compton,
foram publicados em abril de 1925, dizimando as dúvidas sobre
a realidade dos fótons e reafirmando a conservação de energia
e momento. Einstein, em sua palestra (em francês) na ABC, demonstrou estar a par de resultados preliminares do experimento
de Geiger e Bothe, afirmando que, se confirmados, "haveria um
novo e importante argumento a favor da realidade dos quanta de
luz [fótons]".
Pouco semanas depois do retorno de Einstein à Europa, o físico alemão Werner Heisenberg (1901-1976) publicaria o artigo
que inauguraria a `nova' teoria quântica (ou mecânica quântica).
Einstein, como afirma Campos, não voltaria a escrever sobre a teoria da luz ­ o que confere ainda mais importância histórica ao
manuscrito. À época, ainda não havia uma teoria que englobasse
as propriedades corpusculares e ondulatórias da luz.
142

É bem provável que, em sua estada de 4 a 12 de maio no Rio de
Janeiro, Einstein não tenha encontrado interlocutores para discutir
a teoria da luz. Quanto à relatividade, o nome mais apropriado seria certamente o de Manuel Amoroso Costa (1885-1928), que, três
anos antes, havia publicado um livro introdutório sobre o tema
(Introdução à teoria da relatividade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ,
1995). Porém, naquele momento, o professor da Escola Politécnica
do Rio de Janeiro estava na França.
Einstein tornou-se o primeiro membro correspondente da
ABC, que, na ocasião, criou o Prêmio Einstein. A tradução de sua
palestra está na Revista da Academia Brasileira de Ciências v. 1,
n.1-3 (1926), e artigo `Um manuscrito de Einstein no Brasil', de
Tolmasquim e Moreira, em Ciência Hoje (v. 21, n. 124, 1996), relata
a descoberta do documento histórico.

143

[Uma versão deste texto foi produzida para Lattes, 10 anos depois, exposição do
Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, de 2015]

LATTES (1924-2005)
Nosso herói da Era Nuclear... 10 anos depois*
"Fiz o possível. Fui empurrado pela história."
César Lattes, 1997

"Sua trajetória é realmente muito impressionante. Arrasta
consigo a física no Brasil." A síntese foi feita, há exatos dez anos,
pela pesquisadora Amélia Império Hamburger (1932-2011), ao se
referir a César Lattes (1924-2005), um nome que se tornou ­ alheio
à sua vontade ­ um mito, ao lado de cientistas como Carlos Chagas
(1879-1934) e Oswaldo Cruz (1872-1917). Certamente, nenhum
outro nome das ciências exatas deste país está tão presente no imaginário do povo brasileiro.

César Lattes
Crédito: César Lattes / arquivo
pessoal

144

Hoje, uma década depois de sua morte, sabemos um pouco
mais sobre a trajetória científica e pessoal de Cesare Mansueto Giulio Lattes, graças à publicação de novos livros e artigos, à descoberta
de entrevistas e documentação em arquivos no Brasil e no exterior,
a depoimentos de amigos, entre outras novidades. Mas um quadro
mais abrangente de sua vida intelectual e o entendimento do alcance de sua obra estão ainda por serem escritos ­ afinal, em história
da ciência, um tema, por mais simples que aparente ser, raramente
se esgota, dada a complexidade do entrelaçamento da ciência com
outras formas de cultura e com o tecido social e econômico.
Para tentar entender Lattes, é preciso iluminar os bastidores
de seu surgimento como cientista. Ele foi produto da fundação da
Universidade de São Paulo (USP) e da vinda para essa instituição
do físico ítalo-ucraniano Gleb Wataghin (1899-1986). Foi naquele
momento que se iniciou, de forma sistemática, a pesquisa em física
teórica e experimental no país. Antes da chegada de Wataghin, a
física no Brasil pode ser resumida a ações isoladas de pioneiros,
sem que estes, em geral, contassem com o apoio do governo ou da
universidade. Um desses marcos se dá, por exemplo, com o engenheiro Henrique Morize (1860-1930), que trabalha, em sua tese de
cátedra, com raios X e catódicos, na Escola Politécnica do Rio de
Janeiro, pouco mais de dois anos depois da descoberta, na Europa,
desses fenômenos.
Ao final do século 19, Morize e outros intelectuais da época
deram início a um movimento em prol da `ciência pura' que desembocou na fundação da Sociedade Brasileira de Ciências, em
1916 (mais tarde, Academia Brasileira de Ciências).
O início dos eventos
Nascido em Curitiba (PR), em 11 de julho de 1924, formado
na USP em 1943 (único graduado em física naquele ano), Lattes
inicia sua carreira em um momento em que a física, no mundo,
sofria grande transformação: passava de uma atividade feita por
grupos pequenos, orçamentos restritos e produção de bancada
para um cenário comumente denominado Big Science: grandes
145

laboratórios, centenas ou milhares de físicos e técnicos, orçamentos milionários e, principalmente, a construção de aceleradores de
partículas de grande porte.
De certa forma, Lattes teve um pé em cada um desses mundos. Começou como teórico com Wataghin e Mário Schenberg
(1914-1990) na USP, para, depois, optar pela física experimental,
por influência, em parte, do italiano Giuseppe Occhialini (19071990), que havia chegado ao Brasil em 1937 e seria professor de
Lattes na graduação.
Nessa guinada experimental, Lattes e mais dois jovens físicos,
Andrea Wataghin (1926-1984) ­ filho de Wataghin ­ e Ugo Camerini (1925-2014), passaram a estudar a radiação vinda do espaço
(os chamados raios cósmicos) com a ajuda de uma pequena câmara de nuvens, detector no qual a trajetória de partículas subatômicas com carga elétrica é vista na forma de diminutas bolhas de
vapor de um líquido (em geral, água).
Provavelmente, no final de 1945, Lattes recebeu de Occhialini
­ agora, trabalhando no Laboratório H. H. Wills, na Universidade
de Bristol (Inglaterra) ­ um novo tipo de detector: chapas fotográficas especiais, denominadas emulsões nucleares. Nelas, a trajetória
das partículas podia ser observada, com a ajuda de um microscópio,
como uma `fileira' de diminutos grãos de prata metálica. A nitidez e
precisão dessas trajetórias impressionaram bastante o jovem físico.
Lattes, então, solicita a Occhialini que lhe consiga uma bolsa
para trabalhar no H. H. Wills, no grupo do físico britânico Cecil
Powell (1903-1969). Pouco depois, embarca em Santos (SP), no navio cargueiro Saint Rosario ­ o primeiro, segundo Lattes, a transportar passageiros para a Europa depois do fim da guerra. Chega a
Bristol no início de 1946.
Começariam aí os eventos que dariam fama Lattes, fazendo
dele `nosso herói da Era Nuclear'.
Questões inquietantes
Lattes chegou à Inglaterra com um projeto pessoal: empregar as emulsões nucleares ­ produzidas sob encomenda dos físi146

cos pela indústria fotográfica ­ para o estudo da radiação cósmica.
Esse objetivo começou aos poucos, com Lattes e colegas jovens do
H. H. Wills tentando, por meio de experimentos, entender as propriedades do novo detector.
Para um desses experimentos, Lattes ­ já tendo em mente o
estudo da radiação cósmica ­ solicita à empresa Ilford, fabricante das emulsões nucleares, que inclua em alguns lotes das chapas
fotográficas o elemento químico boro. O brasileiro suspeitou que
esse incremento possibilitaria a observação indireta de nêutrons
criados pelo choque da radiação cósmica contra núcleos atômicos
da atmosfera terrestre.
No final de 1946, Lattes pediu a Occhialini ­ que naquele
momento saía de férias para esquiar no Pic Di Midi, nos Pirineus
franceses ­ que levasse consigo e expusesse àquela grande altitude lotes (com e sem boro) de emulsões nucleares. Cerca de um
mês depois, já em Bristol, as chapas com boro movimentariam o
cotidiano ­ muitas vezes, monótono ­ do H. H. Wills. Naquelas
chapas, a equipe de físicos e mulheres microscopistas encontrou os
chamados mésons, partículas com massa intermediária entre a do
elétron e do próton. Os trabalhos com esses resultados foram publicados no início de 1947 e deram àquele laboratório inglês fama
mundial nos anos a seguir ­ e um Nobel a Powell em 1950.
Para entender a importância dessa descoberta, é preciso lembrar que, entre 1937 e 1947, uma das grandes questões da física
era saber se havia um ou dois mésons. O primeiro deles havia sido
proposto ainda em 1935 pelo físico teórico japonês Hideki Yukawa
(1907-1981), como a partícula responsável por mediar a força forte
nuclear, aquela que mantém prótons e nêutrons unidos. Porém,
dois anos depois, uma partícula com massa e propriedades semelhantes ­ o segundo méson ­ foi descoberta na radiação cósmica e
ganhou o nome mésotron.
Daí a questão: o mésotron seria o méson de Yukawa? Ou teriam
naturezas distintas? Se sim, quais as propriedades de cada uma dessas
então novas partículas? Essas questões reuniram em torno delas alguns dos mais brilhantes físicos teóricos e experimentais da época.
147

A solução de um enigma
A equipe do H. H. Wills daria a resposta a essas perguntas. As
emulsões nucleares (com boro) expostas no Pic di Midi mostraram
que havia dois mésons: o méson pi (de Yukawa) ­ este, sim, responsável pela força forte nuclear ­ e o méson mi (mésotron), que
é, na verdade, um elétron pesado. Bristol, porém, havia descoberto
apenas dois eventos de um méson pi se desintegrando (decaindo)
em um méson mi. Isso garantiu a primazia da descoberta ao grupo, mas impedia o conhecimento de propriedades dessas duas partículas. Era preciso mais eventos desse tipo.
Com a ajuda de um mapa do Departamento de Geografia da
Universidade de Bristol, Lattes localizou o monte Chacaltaya (Bolívia), a 5,2 mil metros do nível do mar. Com subsídio do governo
inglês, chegou ao pico boliviano por volta de maio de 1947 e lá
expôs emulsões nucleares com boro à radiação cósmica ­ quanto
mais alto o local, maiores a chance de capturar partículas dessa radiação. Cerca de dois meses depois, Lattes retornou ao H. H. Wills,
e naquelas chapas a equipe encontrou mais de 30 novos decaimentos de méson pi em méson mi, o que permitiu a publicação de
dois artigos importantes por ele, Occhialini e Powell em outubro
daquele ano na revista Nature.
As descobertas de Bristol ­ e, hoje, sabemos que a participação de Lattes foi decisiva ­ repercutiram na Europa, o que rendeu
aos membros do H. H. Wills convites para encontros científicos.
Uma dessas oportunidades foi endereçada a Lattes, que seguiu
para Copenhague, em dezembro daquele ano, para uma série de
palestras. Nessa ocasião, ele se encontrou com o físico dinamarquês Niels Bohr (1885-1962), ao qual relatou as descobertas. Disse
também que tinha planos de ir trabalhar em Berkeley (EUA), no
mais potente acelerador de partículas da época, o sincrociclótron
de 184 polegadas.
Bohr estranhou a saída de Lattes de Bristol justamente em
um momento em que, nas palavras de Lattes, "as coisas estavam
quentes por lá". O brasileiro, porém, estava convencido de que seria
possível ­ contando com alguma sorte ­ encontrar mésons entre
148

os estilhaços de partículas produzidos nas colisões do acelerador,
usando emulsões nucleares como detector. Em sua volta ao Brasil,
Lattes casa-se com Martha Siqueira Neto (1923-2002), com quem
teria quatro filhas ­ ao todo, teve nove netos.
Nosso herói nuclear
Cerca de 10 dias depois de sua chegada, Lattes ­ já experiente
na técnica das emulsões nucleares ­ e seu colega norte-americano
Eugene Gardner (1913-1950) encontraram os méson. E, no início
de março de 1948, anunciavam ao mundo ­ com grande repercussão na imprensa dos EUA e do Brasil ­ a produção artificial de
mésons. Pela primeira vez, a ciência produzia em laboratório, de
forma controlada, uma partícula que até então só era conhecida na
radiação cósmica.
Os feitos de Gardner e Lattes foram usados estrategicamente
por Ernest Lawrence (1901-1958) ­ Nobel de Física de 1939 e então diretor do Laboratório de Radiação, que abrigava o acelerador
­ para angariar fundos junto à poderosa Comissão de Energia Atômica dos EUA. Lawrence conseguiu uma quantia vultosa (cerca de
US$ 8 milhões), com a qual construiu um acelerador muito mais
potente, o Bévatron, no qual seria descoberto o antipróton em meados da década de 1950 ­ rendendo um Nobel aos descobridores.
No Brasil, os feitos de Lattes foram usados por uma campanha em prol da fundação de um centro de pesquisa em física e
da implantação do regime de dedicação integral à docência. Essa
campanha foi capitaneada pelo físico José Leite Lopes (1918-2006)
e levou à fundação do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, em
janeiro de 1949. Naquele momento, ciência era parte de um projeto de nação, apoiado não só por cientistas, mas também por intelectuais, artistas, industriais e militares nacionalistas ­ estes esperando dominar o ciclo completo da energia nuclear.
Lattes havia se tornado `nosso herói da Era Nuclear'. Cerca de
10 anos depois dos primeiros trabalhos que deram inserção internacional à física no Brasil ­ feitos pelo grupo liderado por Wataghin e por Schenberg ­, o Brasil via a chance de o país ingressar
149

pari passu em um novo cenário geopolítico, no qual conhecimento
era sinônimo de poder político e econômico.
Lattes se tornaria Doutor Honoris Causa no início de 1948
pela USP. Ele, que sempre criticou a pós-graduação, agora era o
`Prof. Dr. Lattes'. Por sua participação nas duas detecções píon
(principalmente, na de 1948, em Berkeley), seria indicado ­ como
mostram pesquisas recentes ­ sete vezes ao Nobel de Física, entre
1949 e 1954.
Tudo indica ser o maior número de indicações de um físico
brasileiro até hoje.
Laboratório nas nuvens
Lattes havia se tornado Diretor Científico do CBPF, aos 24
anos de idade. Dedicava-se quase integralmente à construção do
que viria a se tornar o então maior projeto de física experimental na
história do Brasil: o Laboratório de Física Cósmica de Chacaltaya
­ montanha que, devido à detecção do méson pi lá ainda em 1947,
passou a chamar a atenção de pesquisadores de vários países.
Em 1952, Lattes decidiu levar para o alto daquela montanha
uma câmara de nuvens que ele havia ganhado de seu colega Marcel
Schein (1902-1960), da Universidade de Chicago (EUA). O projeto
recebeu apoio da Unesco e envolveu a vinda para o Brasil de vários
estrangeiros ­ entre eles, Occhialini e Camerini, que seguia, então,
trabalhando em Bristol, onde chegou logo depois de Lattes.
O laboratório de Chacaltaya começou a se desenvolver no
mesmo momento em que a Europa, destruída pela guerra, dava
início ao Centro Europeu de Pesquisas Nucleares. Foi um salto significativo na história da física experimental no Brasil se medido
pelo montante de verbas, equipamentos, recursos humanos e nível
de gerenciamento exigido. Guardadas as proporções, o Laboratório de Chacaltaya pode ser entendido como ecos da chamada Big
Science, o novo modo de fazer física que marcou o período depois
do fim da Segunda Guerra, no qual se iniciou a Guerra Fria.
Em 1959, Lattes liderou a chamada Colaboração Brasil-Japão
(CBJ), que aproveitaria e ampliaria significativamente a estrutura
150

já existente em Chacaltaya, para dar continuidade ao estudo da radiação cósmica. A CBJ estendeu-se por quase 30 anos e descobriu
fenômenos ­ até hoje mal compreendidos ­ relacionados à produção múltipla de píons.
Arrastado pela história
Apesar de se intitular stalinista ­ por sinal, pouco sabemos o
porquê dessa opção ­, Lattes citava a Bíblia com desenvoltura. Gostava de animais, era apreciador de música clássica ­ Vivaldi era um
de seus compositores preferidos ­, da literatura brasileira ­ havia
gostado particularmente de Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo
Ribeiro (1941-2014) ­ e da própria história da ciência ­ costumava
andar com o Principia Mathematica, de Isaac Newton (1643-1727),
debaixo do braço. Esses interesses moldavam sua pessoa e personalidade para muito além da cultura da física.
Foi portador de um transtorno mental ­ do qual, por sinal,
nunca se envergonhou e sobre o qual falava abertamente ­ que lhe
fazia, por vezes, alternar entre episódios de depressão e euforia.
Seus feitos científicos posteriores à detecção do píon acabaram injustamente ofuscados por sua imagem pública, marcada por esses
momentos de estabilidade/instabilidade. Por exemplo, a partir de
1964, na Itália, iniciou uma linha de estudos em geocronologia,
que se mantém ativa até hoje em universidades brasileiras. Sua
imagem científica também acabou arranhada por conta de suas
idiossincrasias em relação à teoria da relatividade.
Esse quadro mental ­ que o marcou aparentemente desde a
infância ­ foi fortemente agravado em 1954 por um escândalo de
desvio de verbas do CBPF destinadas à construção de um acelerador de partículas de grandes proporções. Nessa tarefa o Brasil,
fracassou fragorosamente. Não tínhamos nem capacidade técnica,
nem recursos humanos. "Não sabíamos nem mesmo fabricar lâmpadas elétricas", sintetizou Lattes, contrário ao projeto.
O `escândalo Difini' ­ referência ao então tesoureiro do CBPF,
Álvaro Difini, professor da então Universidade do Rio Grande do
Sul ­ foi levado à imprensa da época, por decisão de Lattes, e aca151

bou estampado na capa do jornal carioca Tribuna da Imprensa de
18 de janeiro de 1955, em texto assinado pelo jornalista e político
Carlos Lacerda (1914-1977). Essa atitude de Lattes foi duramente
criticada até mesmo por amigos de longa data, como Leite Lopes e
o também físico Joaquim da Costa Ribeiro (1906-1960).
A repercussão dos fatos levou Lattes a deixar o país. Passou,
assim, cerca de dois anos nos EUA, trabalhando na Universidade
de Chicago e na Universidade de Minnesota. Sob tratamento médico, foi um período difícil e pouco produtivo para ele.
Os que conviveram com Lattes não hesitariam em afirmar
que, mesmo nos momentos mais contundentes de uma crise, seus
relatos sempre foram coerentes e apoiados em uma base sólida da
realidade. Suas declarações sempre foram embasadas por tremenda honestidade intelectual e, principalmente, modéstia ­ duas características acentuadas em sua personalidade.
No entanto, como é comum em história da ciência, tentou-se
separar o cientista (público) do homem (privado). Mas houve um
só Lattes. E ele foi o que foi por causa desse binômio indissociável
de sua personalidade: estabilidade/instabilidade.
Apesar de todos os prêmios e as homenagens que recebeu,
Lattes achava (sinceramente) que sua contribuição havia sido modesta. Em 1997, no 50º aniversário da descoberta do méson pi,
respondeu sem hesitar, ao ser perguntado se mudaria algo em sua
vida: "Fiz o possível. Fui arrastado pela história."
Uma história que, aos poucos, tem se revelado e que ajuda a
entender ­ por sua importância, amplidão e momento ­ o placo e
os bastidores da história não só da física, mas da ciência no Brasil
­ afinal, seus feitos estão ligados à fundação do então Conselho Nacional de Pesquisa (hoje, CNPq), para ficar em um só exemplo. Nas
palavras do físico e amigo Alfredo Marques, ex-diretor científico do
CBPF, "O Brasil contraiu com ele [Lattes] uma dívida irresgatável."
É possível que Lattes, na visão que atribuiu à sua trajetória,
tenha sido empurrado por essa força inexorável: a história. Mas
não podemos deixar de reconhecer que seu nome, seus feitos e sua
fama contribuíram para moldar e dar rumo à física no Brasil. Como
152

afirmou, em 1973, o físico austríaco Guido Beck (1903-1988) a seu
colega alemão Werner Heisenberg (1901-1976), "Lattes foi o ponto
fora da curva na física latino-americana".
Dez anos depois de sua morte, em 8 de março de 2005, a homenagem mais justa que podemos fazer a ele é reconhecê-lo em
sua integridade. Como a persona historica que não pode ser dissociada de sua ciência, suas ideias e seus atos.
E, principalmente, de seu tempo.
* Devido ao caráter de divulgação desta coletânea, a vasta
bibliografia consultada para a produção deste texto foi excluída.
Ela, no entanto, pode ser consultada no fôlder que acompanha a
exposição.]

153

[Uma versão deste texto foi publicada em CH on-line, do Instituto Ciência Hoje, em
12/01/11]

JAYME TIOMNO (1920-2011)
Física, física e... física

Hoje (12/01) é um dia excessivamente triste para a história da
ciência no Brasil. Morreu Jayme Tiomno (1920-2011), que pode ser
considerado o mais brilhante físico teórico do século 20 neste país.
Talvez, alguns, logo neste início, protestem com a designação dada a esse carioca, criado em Minas Gerais. Poderiam citar,
por exemplo, Mário Schenberg (1914-1990), que fez trabalhos importantes no início da década de 1940, com o ucraniano George
Gamow (1904-1968) e indiano Subrahmanyan Chandrasekhar
(1910-1995). Esses resultados pertencem àquela primeira leva de

Jayme Tiomno
Crédito: Academia Brasileira de Ciências

154

artigos ­ aqueles de Gleb Wataghin (1899-1986), Marcello Damy
(1914-2009), Paulus Pompeia (1911-1993) ­ que começou a dar
reconhecimento internacional à física feita no Brasil.
A diferença entre esses dois grandes teóricos é que Schenberg,
a partir de certo momento, passou a dedicar boa parte de seu tempo
à política e às artes ­ neste último campo, tornou-se crítico respeitável; no primeiro, foi deputado em 1946 pelo Partido Comunista.
Tiomno foi diferente. A vida para ele era física, física e... física. Aconselhava os jovens que caíam sob sua tutela ­ Sarah Castro
Barbosa, por exemplo ­ a nem mesmo namorar. Na formação, deveriam ter coração e mente voltados apenas à física.
Diferentemente de Schenberg, Tiomno deixou discípulos que
estão hoje fazendo física de boa qualidade ­ aquele físico pernambucano não era muito afeito a orientar alunos. Tiomno, por sua
vez, gastou boa parte do seu tempo para aperfeiçoar o ensino de
física no Brasil, escrevendo textos e modernizando laboratórios,
organizando a pós-graduação.
Tiomno foi um teórico de largo espectro. Passava da física de
partículas para a relatividade geral com facilidade semelhante à de
trocar de sapatos. Em ambas, era magistral. Deu contribuições realmente importantes às duas áreas. Nesse sentido, nos faz lembrar
Paul Dirac (1902-1984), que transitava entre as minúcias do mundo subatômico e as relações entre espaço e tempo com a mesma
naturalidade com que ficava calado.
Tiomno é filho daquele entusiasmo pela ciência ­ principalmente, pela física nuclear ­ que tomou conta do mundo (e do Brasil) depois da Segunda Guerra Mundial. Na segunda metade da
década de 1940, embarcou para um doutorado na prestigiosa Universidade de Princeton (EUA). Lá, trabalhou com John Wheeler
(1911-2008). Em 1948, ao chegar em Princeton, escutou de Wheeler, cuja fama era de `durão', que ele, Wheeler, costumava trabalhar
muito ­ talvez, algum preconceito residual contra um físico que,
afinal das contas, vinha de um país sem tradição científica e com
fama de festeiro e pouco afeito a compromissos sérios. Mais tarde, Tiomno repetiu as seguintes palavras ditas a ele por Wheeler:
155

"Nunca trabalhei tanto na minha vida!".
Esse era o lado `rolo compressor' de Tiomno. Física, física e...
física.
Wheeler magnanimamente atribuiu a Tiomno as principais
ideias que levaram a resultados importantes obtidos pela dupla.
Um deles é conhecido como triângulo de Puppi-Wheeler-Tiomno
­ que, mais tarde e injustamente, virou só `triângulo de Puppi'. O
próprio Wheeler tratou de reparar esse equívoco histórico. Para
ele, como disse em depoimento, o correto seria apenas `triângulo
de Tiomno'.
Palavras de Wheeler: "Eu sempre pensei que esse triângulo
deveria ser chamado Triângulo Tiomno. Ele foi o primeiro a obtêlo. Poucos meses depois de nosso artigo ter aparecido, Giampietro
Puppi (1917-2006) publicou ideias similares em uma revista italiana. Ele, também, viu a grande simplicidade de uma interação
comum entre núcleons, elétrons, múons e neutrinos. Desafortunadamente, o Triângulo Tiomno é agora conhecido como o Triângulo Puppi, mesmo Puppi não tendo incluído um diagrama em
seu artigo."
Essa história está detalhada em dois bons artigos, de autoria
de Olival Freire Júnior, da Universidade Federal da Bahia, e José
Maria Filardo Bassalo, da Universidade Federal do Pará (http://bit.
ly/1L72gO1 e http://bit.ly/1fmwikE)
Posto de modo simples, para nossos propósitos aqui, o triângulo de Tiomno tem a ver com a desconfiança dos físicos, surgida
na década de 1930, de que haveria uma quarta e última força na
natureza, além da gravitacional, eletromagnética e forte. [Em tempo: esta última também proposta na metade daquela década pelo
físico japonês Hideki Yukawa, mas que só ganhou a comprovação
final com trabalhos que contaram com a participação de outro físico brasileiro, César Lattes (1924-2005), em 1947, em Bristol (Inglaterra), e em Berkeley (EUA), no ano seguinte.]
A primeira teoria sobre a força fraca, do início da década de
1930, é a do físico italiano Enrico Fermi (1901-1954), que propôs
um modelo para o modo com um nêutron no núcleo atômico se
156

transforma (decai, no jargão da física) em um próton, um elétron
e um antineutrino (partícula extremamente fugidia). A partir do
início da década seguinte, os físicos começaram a notar que outras
partículas decaíam de modo semelhante, por meio desse mecanismo envolvendo a força fraca. O caso emblemático foi o múon, um
`primo' mais pesado do elétron. Assim, aquela força parecia ser universal e estar por trás de vários fenômenos do mundo subatômico.
Tiomno foi um dos pioneiros a mostrar que isso era verdade: a
força fraca, que só age no âmbito do núcleo atômico, é universal.
Tiomno voltou de Princeton com o terceiro doutorado formal da física brasileira ­o primeiro foi o do pernambucano José
Leite Lopes (1918-2006); o segundo, o da paulista Sonja Ashauer
(1923-1948), que fez o doutorado com Paul Dirac, em Cambridge,
e morreu jovem, de forma misteriosa.
Foi à época um trabalho muito importante, e é certo que
Tiomno nunca mereceu o devido crédito por sua participação decisiva nessa teoria ­ foi o preço pago por ser cientista de Primeiro
Mundo trabalhando no Terceiro Mundo. Menos mal que historiadores da física no Brasil tenham revisitado essa passagem.
Tiomno foi um dos fundadores do CBPF, formando a famosa
tríade Lattes-Leite-Tiomno. A história deste país não fez jus a um
dos vértices desse triângulo. Tiomno não teve a fama que Lattes
ganhou (merecidamente) por seus feitos no pós-guerra, nem tinha
a eloquência que rendia dividendos políticos (e inimizades) a Leite. Era brilhante, porém reservado. Trabalhava calado, publicando
e orientando.
É interessante ver como Lattes e Tiomno eram, na segunda
metade da década de 1940, amigos com certa intimidade. Isso fica
comprovado pelas cartas, em tom bem informal ­ muitas com palavrões contra burocratas norte-americanos no período que Tiomno estava em Princeton ­, que estão depositadas no Arquivo César Lattes, no Siarq, da Unicamp. Era, realmente, uma conversa de
camaradas, amigos do peito, de dois físicos que queriam o melhor
para a ciência e o povo brasileiros.
Pena que essa relação tenha azedado. Parte da culpa está na
157

dificuldade de se lidar com Lattes quando este estava em crise por
conta de seu transtorno mental; parte dela pelo fato de Tiomno
ter se inscrito em um concurso no Instituto de Física da USP que
havia sido aberto para Lattes. Apesar de se falarem de modo cordial, a relação entre esses dois grandes físicos nunca voltou a ser
a mesma.
Tiomno foi cassado pela famigerada ditadura militar, apesar
de não ser `stalinista', como Lattes gostava de se classificar, nem ter
a fala aberta, crítica e direta de Leite ­ este também obrigado a sair
do Brasil por conta de seus ataques ao regime. No caso de Tiomno, quase um apolítico, o que contou foi a mentalidade de `terra
arrasada' daqueles anos de exceção: qualquer ser bem pensante nas
universidades ofendia a burrice de golpistas arrogantes.
A revista Ciência Hoje deve fazer um mea-culpa. Fez o perfil,
ao longo de seus quase 30 anos, dos principais nomes da ciência
do Brasil. Faltou Tiomno. Não por descaso, mas, sim, porque o
gravador usado na longa entrevista teimou em cometer mais uma
injustiça com nosso grande teórico: não registrou sua fala. Várias
outras tentativas foram feitas, mas elas encontravam, por vezes,
um Tiomno sofrendo de depressão ou hospitalizado por conta de
algum outro problema médico. A Ciência Hoje tem por obrigação
entrevistar Elisa Frota-Pessôa, pioneira da física experimental no
Brasil. Ambos se casaram na década de 1950 e, nestes últimos 60
anos de união, realizaram feitos científicos de porte.
Elisa foi chefe da Divisão de Emulsões Nucleares do CBPF. Foi
de lá que saiu o primeiro trabalho (sobre o modo como o méson pi
decaía) no qual se lia `Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas' abaixo
do nome das duas autoras: Elisa e Neusa Amato (1926-2015). Por
sinal, o seguinte relato é contado: se Tiomno tivesse olhado com
mais cuidado os resultados desse artigo, teria chegado à teoria da
força fraca bem antes que seus concorrentes. Se verdadeira, essa
história é então das grandes peças que a vida prega.
Hoje é mais do que um dia triste. É triplamente triste, porque
nos lembra que a grande tríade Tiomno-Leite-Lattes não está mais
aqui. Especialmente triste, porque grande parte dos físicos brasi158

leiros mal sabe quem foi e o que fez cada um dos nomes nos vértices desse triângulo. A razão é que, em muitos casos, não estamos
formando físicos, mas, sim, técnicos com PhD, cujo desconhecimento da história da própria área é tão grande quanto a vontade
de se transformar em um grande cientista.
Poucos, porém, chegarão lá.

159

[Uma versão deste texto foi publicada em Jornal da Semana de C&T, outubro de 2006]

Leite Lopes (1918-2006)
Mais do que um físico de renome
[Uma versão deste texto foi publicada em Jornal da Semana de C&T, outubro de 2006]

Para quem não sabe, o alcance da obra científica de José Leite
Lopes (1918-2006) é suficiente para que a história da ciência do século 20 lhe reserva longas e merecidas linhas. Mas Leite ­ como era
chamado pelos amigos ­ foi bem mais que um cientista de renome.
O destino lhe concedeu o título que todos, sem exceção, deveriam
almejar: o de grande ser humano.
Sua figura é praticamente indissociável de sua constante preocupação com os desígnios da educação e da ciência de seu país. Sem
a mordaça de ideologias limitantes, lançou o vigor de seu discurso
­ e, por vezes, sua ira flamejante, embalada por uma retórica afiada

José Leite Lopes
Crédito: José Leite Lopes / arquivo pessoal

160

­ contra políticos, burocratas e mesmo colegas de profissão que ousavam ameaçar essas duas instituições. A estes, reservava "a lata de lixo
da história". Esse ímpeto lhe valeu a cassação, em 1969, pela ditadura
militar. No exterior, principalmente na França, fez carreira brilhante.
Foi acertadamente classificado como um apaixonado. Sua
paixão se estendia às artes ­ especialmente, à pintura, que praticou,
e à poesia, que gostava de recitar. E às mulheres, que, para ele, eram
"a coisa mais bonita criada por Deus".
Formou-se em química industrial em 1939 no Recife, mas a
Física, pouco depois, lhe abocanhou a alma. Em 1945, retornou dos
EUA com um doutorado, orientado por Wolfgang Pauli (1900-1958),
Nobel de Física daquele ano. Publicou muitos artigos científicos de
impacto, mas seu nome sempre estará associado à proposta corajosa,
ainda em 1958, da partícula Zo (lê-se `Z zero'), envolvida em certos
tipos de radioatividade. Nem sempre mereceu o devido crédito por
esse pioneirismo. Mas justiça lhe foi feita em 1979, quando recebeu
o reconhecimento, no discurso do Nobel de um dos maiores físicos
teóricos do século passado, o norte-americano Steven Weinberg.
No final da década de 1940, ao perceber o momento político e o
alcance das descobertas de seu grande amigo Cesar Lattes (1924-2005),
teve a humildade suficiente para divulgá-las amplamente, enquanto se
mantinha dignamente nos bastidores. Foi o gesto de um grande homem, com repercussões de extrema importância para o estabelecimento da estrutura político-administrativa da ciência no Brasil.
Leite Lopes deixou cerca de 20 livros e uma pilha razoável
de artigos sobre educação e política científica ­ a leitura de parte
desses textos influenciou José Pelúcio Ferreira (1928-2002), grande administrador da ciência deste país, a idealizar a estrutura de
financiamento à ciência e tecnologia no Brasil, por meio de um
fundo criado em 1964, o Fundo de Desenvolvimento TécnicoCientífico (Funtec), no então Banco Nacional de Desenvolvimento
Econômico ­ hoje, BNDES, com `S' de `Social'.
Leite Lopes passou sua última noite no CBPF, que ajudou a
criar em 1949, recoberto pelo símbolo de outra de suas paixões:
a bandeira de seu querido Botafogo.
161

[Uma versão deste texto foi publicada em CH on-line, do Instituto Ciência Hoje, em
13/08/14]

ESCADA PARA A MEDALHA
O `Nobel' de matemática para um brasileiro

A Medalha Fields é, sem dúvida, uma glória para a matemática ­ e a ciência ­ no Brasil. E o nome de Artur Ávila e da

instituição que o formou, o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), no Rio de Janeiro (RJ), estarão para sempre inscritos
na história deste país.
Eis, portanto, a chance de lembrar algo de que muitos se esquecem ou acham que não vale a pena lembrar: a escada que elevou esse jovem carioca a tamanho prestígio internacional começou a edificada há muito tempo. E alguns de seus degraus foram
esculpidos e cimentados por nomes como Joaquim Gomes de Sou-

Artur Ávila
Crédito: Wikimedia Commons

162

za (1891-1864); Otto de Alencar (1874-1912); Theodoro Ramos
(1895-1935); e Manuel Amoroso Costa (1885-1928).
Haverá aqueles que dirão que nenhum deles deixou "contribuição significativa" para a matemática deste país. Quem o fizer
estará meio certo e meio equivocado, pois isso depende do que se
entende pela expressão acima entre aspas.
"Contribuição" seria dedicar-se à pesquisa em matemática em
um ambiente intelectual inóspito à ciência e totalmente isolado da
Europa, como fez Souzinha? Seria combater o positivismo e atacar
os erros da matemática do idealizador dessa doutrina filosófica, o
francês Auguste Comte (1798-1857), em época na qual essa corrente de pensamento era endeusada pela maioria dos intelectuais
brasileiros, como fez Alencar? Ou trazer a matemática feita no Brasil para o século 20, como fez, em sua tese de doutorado, Ramos,
que, por sinal, também foi o introdutor da mecânica quântica no
país? Ou introduzir por aqui a teoria da relatividade e sua complexa matemática (cálculo tensorial, geometria não euclidiana etc.),
como fez Amoroso Costa no início da década de 1920?
Seria de se estranhar (muito) que algum deles demonstrasse um teorema dificílimo ou resolvesse um dos problemas então
em aberto da matemática. Souzinha, Alencar, Ramos e Amoroso
Costa podem ser vistos como meros "engenheiros e diletantes da
matemática" ­ e, nesse caso, nada teriam a ver com a história que
leva a Artur. Ou como pioneiros em um solo árido e infértil para
a pesquisa científica ­ e que, de algum modo, contribuíram com
algo tão ou mais importante do que resultados científicos: mudar a
mentalidade do ambiente.
Haverá quem diga que a citação de tais nomes aqui é só uma
forma de "fazer justiça" a eles. Pergunta-se: haveria algo mais nobre do que fazer justiça?
Há aqueles que gostam de iniciar a história da matemática no
Brasil com a Universidade de São Paulo, para onde vieram, em meados da década de 1930, os matemáticos italianos Luigi Fantappié
(1901-1956) e Giácomo Albanese (1890-1947). Há os que preferem
jogar esse marco para a fundação do IMPA, que, por sinal, nasceu,
163

no início da década de 1950, em uma sala do Centro Brasileiro
de Pesquisas Físicas, para ­ aceitem ou não alguns ­ resolver um
problema de um dos grandes matemáticos que o Brasil já teve, Leopoldo Nachbin (1922-1993), a quem a Universidade do Brasil foi
preconceituosamente refratária ao impedi-lo de prestar concurso.
Como a história não evoca para si a exatidão das ciências,
então, a escolha de onde começar a história de Artur fica por conta
de critérios pessoais, políticos ou do ego de cada um.
Em parte, a medalha de Artur é resultado de uma estratégia formulada e posta em prática há décadas pelo IMPA: pensar
grande ­ e deixar de lado, para citar palavras de Artur a um jornal,
a "autoestima de vira-lata" da ciência no Brasil. E isso envolveu
­ sem conotação pejorativa ­ fazer lobby dos resultados alcançados. Repita-se: não há nenhuma rebarba depreciativa no termo. É
algo que, pelo contrário, deve ser enaltecido.
Nesse sentido, vale citar a introdução da Ciência Hoje (n. 299)
para o especial Nobel que a revista publica anualmente: "A candidatura de brasileiros [ao Nobel] nunca vingou. Este signatário já se
envolveu em campanha para a promoção de cientista nosso ao Nobel. Impressão que ficou ao lidar com academias e autoridades daqui: egos inflados, desunião, incredulidade, falta de interesse pela
promoção do alheio... Lobby, certamente, não decide. Mas é, em
certas categorias do prêmio, essencial. E a promoção de candidaturas cairia bem para um país que, neste momento, almeja posição
destacada no cenário geopolítico internacional. Mas, talvez, haja
outra pergunta (mais incômoda, mais provocativa): o Brasil quer
ganhar um Nobel?"
Não há resposta para a pergunta acima. Mas, certamente, o
Brasil sempre quis ganhar uma Medalha Fields. E trabalhou muito
e duro para isso, formando gente de primeiríssima e obtendo resultados de igual nível. O resultado está aí: um marco ad aeternum
para a ciência brasileira. E também grande mérito para os chamados Institutos de Pesquisa, do Ministério da Ciência, Tecnologia
e Inovação, que, não raramente, sofrem ataques dos que teimam
em não entender a história e o papel da pós-graduação neste país.
164

Se os planos dessas correntes tivessem vingado, o IMPA talvez
nunca tivesse formado Artur. E...
Vale aqui lembrar outro brasileiro indicado para a medalha
anos atrás, Marcelo Viana, também do IMPA e ganhador da primeira edição (2005) de outro prêmio prestigioso, o prêmio Ramanujan. Como Artur, Marcelo também trabalha com os chamados
sistemas dinâmicos não lineares (aqueles que, mesmo minimamente perturbados, podem mudar bruscamente seu comportamento), área em que o Brasil é referência mundial.
E, retrocedendo um pouco mais a linha temporal, tem-se um
nome que está na raiz dos feitos de Artur e Marcelo: o norte-americano Stephen Smale, também Medalha Fields e que tem longa
tradição de cooperação com a matemática brasileira. Smale é um
tipo de `avô matemático' de Artur e Marcelo.
E, para fazer justiça, vale citar que Artur e Marcelo foram alunos de dois outros grandes nomes da matemática brasileira, Jacob
Palis e César Camacho, ambos do IMPA e que, em boa parte, são
responsáveis por promover o nome da matemática brasileira no
cenário mundial.
Se aceitarmos que a história pode começar quando bem entendermos ­ ou quando mais nos convier ­, corremos o risco de,
daqui a 100 anos, nos esquecermos de nomes como Ávila, Viana,
Palis e Camacho, entre tantos e tantos outros que construíram (às
vezes, no anonimato) a história matemática neste país.
Seria, no mínimo, injustiça.
E aqui vale citar algo que a mídia parece não ter dado a ênfase
merecida: a Medalha Fields para uma mulher, a iraniana Maryam
Mirzakhani. É também um marco, pois a história na matemática
mundial pode ser vista como uma sequência de discriminações e
preconceito contra a mulheres. Então, para fazer justiça a duas pioneiras brasileiras, vale mencionar ­ em uma homenagem a todas
as outras matemáticas do Brasil ­ Marília Peixoto (1921-1961) e
Elza Gomide (1925-2013), para ficar com só dois entre vários nomes possíveis.
Escolas e famílias ainda têm o péssimo hábito de dizer para
165

suas alunas e filhas que matemática ­ na verdade, ciências exatas
­ é coisa de menino. Maryam, certamente, servirá de modelo para
muitas meninas no mundo que gostam de números e símbolos.
E seu nome está agora ao lado de outras pioneiras das exatas
(http://bit.ly/1l3skPW).
Talvez, agora, Artur tenha sua biografia no MacTutor, ao lado
da de Paulo Ribenboim (http://cienciahoje.uol.com.br/revistach/2012/289/o-amigo-dos-numeros), o único brasileiro até agora
a constar desse excelente banco de dados sobre a história da matemática mundial.
Artur deve ser longamente saudado ­ e desde já se deposita
nele a esperança de que forme muitos outros matemáticos. O IMPA
merece respeito e os mais efusivos cumprimentos por continuar a
formar pesquisadores tão gabaritados. E por nunca ter deixado de
pensar grande.
Nesse momento de glória para a ciência brasileira ­ algo, talvez, só comparável à detecção do méson pi pelo então jovem físico
César Lattes (1924-2005) ­, não podemos nos esquecer que Artur é, sim, produto de uma luta ­ longa e, por vezes, bem inglória
­ pela instauração e manutenção da pesquisa no Brasil.
De sua parte, Lattes nunca se esqueceu de seus professores
e de citar o valor de pioneiros, como Souzinha, Alencar, Ramos e
Amoroso Costa, entre tantos outros.

166

[Uma versão deste texto foi publicada Memória Hoje v. 2 ­ Ciências Exatas,
Alicia Ivanissevich e Antonio Augusto Passos Videira (orgs.), Rio de Janeiro:
Ciência Hoje (2009)]

ESCRETE DE OURO
As primeiras gerações de físicos no Brasil

Todo torcedor de futebol sempre se lembra ­ não sem certo
saudosismo ­ daquela escalação ideal, `de ouro', de seu time. Não
que as gerações seguintes não tenham trazido jogadores de igual
capacidade técnica, mas, por um motivo ou outro, tende-se a guardar na memória certos lances sensacionais, gols de placa, vitórias
implacáveis.
O fato de a SBPC completar seu 50º aniversário em ano de
Copa do Mundo [1998] traz à mente uma analogia irresistível.
Pode-se dizer que foi na década de 1940 que a física no Brasil formou uma espécie de `escrete de craques' inesquecível.

Joaquim da Costa Ribeiro, César Lattes e Giuseppe Occhialini
Crédito: CBPF (MCTI)

167

Mário Schenberg e
José Leite Lopes
Crédito: CNPq/MAST (MCTI)

Nosso time à época era formado por nomes como Mario
Schenberg, César Lattes, José Leite Lopes, Joaquim Costa Ribeiro, Marcello Damy de Souza Santos, Jayme Tiomno, Paulus Aulus
Pompeia, Sonja Ashauer, Walter Schützer, Plínio Sussekind Rocha, Francisco de Oliveira Castro, Yolande Monteux, Oscar Sala,
entre outros.
A história incumbiu-se de dar ao Brasil a competência de
técnicos brasileiros como Luiz Freire (1897-1963), em Recife, e
estrangeiros como o ítalo-russo Gleb Wataghin (1899-1986) e o
italiano Giuseppe Occhialini (1907-1993), em São Paulo, e o alemão Bernhard Gross e o austríaco Guido Beck (1903-1988), no
Rio de Janeiro.
Assim como a famosa Seleção de 1958, que faturou a Copa
na Suécia, foi essa escalação de cientistas que trouxe pela primeira
vez para a física do país o reconhecimento internacional, cerca de
150 anos depois das primeiras aulas práticas de física, em 1800, no
seminário de Olinda (PE), seguidas pelas aulas no Laboratório de
Física e Química do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em 1820.
Escolher entre tantos gols e vitórias memoráveis é tarefa árdua. Assim, deve-se recorrer então a um tipo de `melhores lances',
lembrando que, como no futebol, os gols da ciência nascem de jogadas coletivas, e as vitórias são sempre do time e nunca de um
jogador isolado.
Vamos a alguns replays. Em 1941, o pernambucano Mário
Schenberg (1914-1990) e seu colega soviético George Gamow
168

(1904-1968), ambos trabalhando na Universidade George Washington (EUA), trataram de explicar a causa da explosão de estrelas gigantes, fenômeno denominado supernova. No final de sua
evolução, o interior dessas estrelas atinge temperatura de bilhões de
graus. Os núcleos dos átomos que formam esse caroço quentíssimo
passam, então, a capturar e emitir sucessivamente elétrons. Essa reação nuclear vem acompanhada também da emissão de neutrinos.
Sem carga elétrica e com massa quase nula, os neutrinos
não têm dificuldade em atravessar as camadas externas da estrela,
roubando grande quantidade de calor de seu centro. Isso leva à
diminuição da pressão em seu interior, o que acaba `puxando' as
camadas externas para a parte central. Para compensar essa perda
de energia, o caroço estelar acaba esquentando e, como esse calor
não tem como escapar, as camadas externas acabam expandindose e produzindo uma explosão luminosa, a supernova.
Conhecido por seu bom humor, Gamow resolveu comparar
essa fuga de neutrinos ao modo como o dinheiro `escapava' das
mãos dos apostadores no então Casino da Urca no Rio de Janeiro
(mais tarde, sede da hoje extinta TV Tupi). Por analogia, o mecanismo descrito em `Neutrino theory of stellar collapse', publicado em Physical Review (59, 539-547, 1941), ganhou nome de
Processo Urca.

Gleb Wataghin, Marcello Damy de Souza Santos, Paulus Aulus Pompeia
Crédito: Arquivo do CAPH - USP

169

Também correto e generoso, Gamow sempre deixou claro
que a ideia de incluir os neutrinos para explicar esse processo havia sido do físico brasileiro.
Outro lance marcante da década de 1940 foi a descoberta de
uma nova partícula, da qual participou o físico paranaense Cesar
Lattes (1924-2005). No início de 1947, então com 22 anos, Lattes, o italiano Giuseppe Occhialini (1907-1993), seu professor no
Brasil, e o inglês Cecil Frank Powell (1903-1969), líder da equipe,
detectaram o chamado méson pi, partícula responsável por `carregar' a chamada força forte, que mantém os prótons `colados' no
núcleo atômico.
A descoberta ocorreu no Laboratório H. H. Wills, da Universidade de Bristol (Inglaterra), e foi publicada sob o título na
edição de 24 de maio de Nature (v. 159, 694, 1947). No ano seguinte, Lattes, nos EUA, também detectou mésons pi produzidos pelo
acelerador de partículas de Berkeley, na Califórnia. O feito ganhou
as páginas de revistas e jornais no Brasil e no exterior, rendendo
notoriedade ao físico brasileiro e à ciência do Brasil.
Outras vitórias da equipe de 40 levam nomes estranhos como
`efeito termodielétrico' (ou `efeito Costa Ribeiro'), `limite Chandrasekhar-Schenberg', `Chuveiros Penetrantes' etc. Mas descrever aqui
tantos trabalhos não menos importantes é impossível nos breves
`90 minutos' deste texto.
Os bons resultados teóricos e experimentais desse pequeno grupo de físicos ­ e principalmente a descoberta do méson pi
­ contribuíram para institucionalizar a ciência no país, o que ocorreu por meio, por exemplo, da fundação de órgãos de fomento à
pesquisa, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (então, Conselho Nacional de Pesquisas), ainda
em 1951.
Daquela Seleção de Ouro dos anos 40, a gente nunca esquece.

170

RESENHAS

171

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo (05/12/99)]

A REVOLUÇÃO DE EINSTEIN
A física do gigantesco

Quase meia-noite, 31 de dezembro de 2000. Alguém decide
fazer um balanço de sua biblioteca pessoal. A ideia é saber quão
bem ela representa o século que acaba. Tarefa, claro, difícil. Mas
vai uma sugestão: se na estante houver um livrinho, com cerca de
cento e poucas páginas, cujo título original em alemão é Über die
Spezielle und die Allgemeine Relativitätstheorie, nossa personagem
poderá desfrutar a festa mais feliz. Aquela biblioteca guarda, em
meros 2 cm de espessura, fração importante da história e da ciência dos últimos cem anos.

Albert Einstein
Créditos: Wikipedia, fotógrafo Oren Jack Turner

172

Antes que se desconfie de tamanho entusiasmo, é preciso tentar mostrar o que é A teoria da relatividade especial e geral, que sai
pela primeira vez no Brasil [1999], editado pela Contraponto (Rio
de Janeiro). Sem contar seu valor histórico, esse livreto é o relato
simplificado do físico alemão Albert Einstein (1879-1955), um dos
maiores cientistas de todos os tempos, sobre a teoria da relatividade geral, já classificada como a maior contribuição intelectual de
um só homem neste século.
Feita essa definição, vale, então, apresentar três pontos: a teoria em si, a linguagem de Einstein e o contexto histórico.
A relatividade geral é hoje uma das duas colunas que sustentam a física moderna. Foi aprovada em testes severos. O mesmo
ocorreu com a chamada mecânica quântica, a segunda coluna, teoria que lida com fenômenos do diminuto mundo dos átomos e
das moléculas. O foco da relatividade são objetos gigantescos, do
mundo do muito grande, como planetas, estrelas, galáxias etc. Assim como a relatividade geral, a mecânica quântica foi testada inúmeras vezes, recebendo o título de teoria mais precisa da história.
Da publicação da versão completa da relatividade geral em
março de 1916 até hoje, a pesquisa nessa área passou por altos e
baixos. Estranho, porém, é que, ainda na década de 1920, logo após
sua confirmação histórica, essa área tenha ficado restrita a poucos
físicos. Alguns dos motivos: os testes experimentais para a teoria
eram ainda difíceis, e a relatividade era uma obra-prima que parecia acabada, só à espera de refinamentos ­ que o próprio Einstein
tratou de apresentar.
Além disso, a atenção dos cientistas na década de 20 estava praticamente voltada para a recém-criada mecânica quântica,
como ponderou o historiador da ciência dinamarquês Helge Kragh, em palestra no Brasil. Segundo ele, era dessa área, acreditavam
então os pesquisadores, que sairiam os próximos prêmios Nobel.
E isso se mostrou correto.
Hoje, reavivada principalmente por trabalhos do início da
década de 1960, a pesquisa em relatividade ganhou força com vasta
quantidade de dados experimentais e com a descoberta de corpos
173

e fenômenos astronômicos, como pulsares (corpos que emitem radiação em intervalos de tempo regulares), radiação de fundo (um
tipo de eco do Big Bang, a explosão que deu origem ao Universo) e
os buracos negros (corpos maciços que sugam luz e matéria). Essa
física do gigantesco é tratada pela relatividade geral.
A relatividade geral está também em cena graças às dificuldades que surgem quando se tenta uni-la com a mecânica quântica
(ou vice-versa). A meta é chegar a um tipo de teoria final, que trataria de todos (ou quase todos) os fenômenos da natureza. Porém,
o mundo do imenso e o do minúsculo teimam em não querer se
juntar facilmente. E o debate continua.
A teoria da relatividade especial e geral não é um livro de divulgação no sentido que se dá hoje às obras de popularização da
ciência. Então, é preciso, ainda que vagamente, tentar esclarecer o
que era a divulgação científica no início do século. Longe dos milhares ou milhões de leitores que vêm atingindo nas últimas duas
décadas, a divulgação científica à época era endereçada a uma elite
bem formada, intelectual. Não é por menos que Einstein se refere
tanto nesse quanto em outro livro seu de divulgação, A evolução
da física (1938), a um leitor esclarecido, mas que não domina o
aparato matemático. Hoje, escrever para tamanho público implica
simplificar ao máximo conceitos ­ e, por vezes, semear uma dose
de sensacionalismo para que deles surjam um glamour.
Einstein não era fã do sensacionalismo. Sua linguagem é um
emblema de como um cientista deveria se reportar ao público não
especializado da época. É clara, elegante ­ Einstein era um artífice da
língua alemã ­, muito simplificada e extremamente pictórica. É prazeroso ser conduzido por Einstein a certos fatos simples, porém paradoxais, do cotidiano. Para isso, ele vai aos poucos construindo um
mundo imaginário com trenzinhos, réguas, relógios, pássaros, seres
achatados que vivem em esferas, mas não têm consciência disso.
O livro guarda um pouco do Einstein professor secundário.
Revela também um pouco do caminho lógico que o levou a rever
as noções de espaço, tempo e gravidade em sua teoria da relatividade especial (1905) e geral (finalizada em 1915).
174

A receita que o próprio Einstein dá é a atenção. Não é preciso
muito mais. Ele começa por conceitos básicos de geometria que
vão dando alicerce para assentar o que vem pela frente. Sua estratégia é interessante: aos poucos, vai incutindo dúvidas no leitor,
mostrando a contradição existente por trás de conceitos simples,
os problemas de encarar espaço e tempo como absolutos.
Por vezes, a explicação toma a forma de diálogos, com Einstein formulando perguntas penetrantes à figura do leitor. Tem-se,
então, a ilusão (prazerosa) de se estar conversando, de igual para
igual, com o autor.
A passagem mais difícil pareceu estar mais ao final, quando
Einstein explica os chamados espaços curvos. Há, realmente, um
sobressalto, exigindo, em um dos capítulos, algum conhecimento
prévio. Mas, ainda no prefácio, há um alerta: "A leitura pressupõe
que o leitor tenha formação equivalente à do ensino médio e ­ apesar da brevidade do livro ­ força de vontade e paciência".
Baseado no conselho de Einstein, supõe-se que o personagem
fictício do início deste texto poderia ser um universitário de ciências exatas. Para este, o livro não trará dificuldades. Mesmo o resíduo matemático que Einstein propositadamente deixou pode ser
desvendado por estudantes de biológicas, porque as passagens são
triviais, bastando um pouco das seis operações matemáticas para
entendê-las. A um estudante de humanas, cioso de conhecer mais
das ciências exatas do século 20, bastará a receita de Einstein.
Além dos 32 capítulos curtos (outro mérito do livreto), há
outros cinco tópicos no apêndice, onde o autor despeja deduções
matemáticas e outros aprofundamentos. O de número cinco traz
uma atualização que Einstein escreveu em 1952 sobre a relatividade e o problema do espaço.
Valem, porém, duas considerações sobre o valor histórico da
obra. Primeiramente, o fato de o livreto ter sido finalizado em dezembro de 1916. De 1911 a 1915, Einstein trabalhou brutalmente.
Em carta a seu amigo Marcel Grossmann (1878-1936), chegou a
pedir ajuda quase em desespero, "caso contrário acho que vou enlouquecer", escreveu. Eram problemas com a teoria.
175

Einstein começou a pensar em escrever esse livro pouco depois de finalizar a relatividade geral ­ trabalho que faria dele merecedor de longas, longas férias; havia oito anos que ele remoía o
assunto. No começo de 1916, em carta ao amigo Michele Besso
(1873-1955), diz estar com dificuldades em começar. "Por outro
lado, se eu não o fizer, a teoria, simples como basicamente ela é,
não será entendida assim." Portanto, causa espanto o fato de Einstein ainda ter guardado forças para popularizar suas ideias.
E aqui vem a segunda consideração. O livreto ajuda a reforçar
a ideia de que Einstein estava profundamente certo sobre a validade da relatividade geral. Ainda em 1917, quando da primeira edição, a teoria tinha basicamente um só ponto a seu favor: explicava
uma anomalia na órbita do planeta Mercúrio ­ o que, sem dúvida,
já era fantástico. Dois outros testes possíveis para ela só viriam em
1919 e em 1960.
A Editora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) publicou Einstein's Miraculous Year - Five Papers That Changed
the Face of Physics (O ano milagroso de Einstein ­ cinco artigos
que mudaram a face da física), coletânea de cinco dos seis trabalhos que Einstein produziu em 1905. Entre eles, o que deduz uma
versão da fórmula mais famosa da ciência, o E = mc2, bem como
aquele que contém a hipótese que Einstein considerava como a
mais revolucionária de sua carreira: a de que a luz é formada por
partículas, mais tarde denominadas fótons.
O prefácio é do físico britânico Roger Penrose, ele mesmo
um dos responsáveis por reanimar a pesquisa em relatividade no
início da década de 1960. A introdução de cada um dos trabalhos
originais é do físico John Stachel, da Universidade de Boston, um
dos maiores especialistas em Einstein do planeta.
Para essa coletânea, com cerca de 200 páginas na versão em inglês, o público muda. E o livro passa a ser interessante para universitários de ciências exatas que quiserem conhecer um pouco da tempestade mental por que passou o autor naquele ano. Os trabalhos são
originais, o que implica matemática intrincada. Se mais esse livro de
Einstein também estiver em sua estante, dê-se ainda por mais feliz.
176

Como já foi dito, já que a palavra gênio existe nos dicionários,
ninguém melhor do Einstein para ser classificado assim. Porém,
este encarava o assunto com certo desdém. Acreditava que duas
de suas melhores qualidades eram trabalhar muito e ser teimoso
como uma mula. Acreditava mais no suor e na criatividade do que
numa suposta genialidade.
A capacidade de trabalho de Einstein sempre foi reconhecida
como brutal. E isso é o que explica em parte seu livro A Teoria da
Relatividade Especial e Geral ainda em 1916 e a produção estonteante de 1905, reunida em Einstein's Miraculous Year. Abraham
Pais (1918-2000), físico holandês e autor de Sutil é o Senhor (Nova
Fronteira, 1995), candidata a biografia científica definitiva de Einstein, descreve num texto curto, porém tocante, essa capacidade.
Meses antes da morte de Einstein, Pais fez uma visita a ele, em
Princeton (EUA), onde Einstein morava desde o início da década
de 1930. Encontrou-o sentado em uma poltrona, colcha no colo,
prancheta, papel e caneta na mão. Conversaram meia hora, e Pais
se despediu. Deu cinco ou seis passos até a porta do quarto e resolveu dar uma última olhada no velho amigo. Einstein já estava de
cabeça baixa... trabalhando.
EXTRA
Denis Brian: 20 anos de trabalho
[Uma versão deste texto foi publicada em Ilustrada, da Folha de S. Paulo (23/05/98)]
O leitor interessado na vida do físico alemão Albert Einstein
(1879-1955) ­ mesmo aquele sem formação científica ­ deve proceder assim: empurre os livros da estante, abra um vão de pelo
menos 3 cm entre eles e reserve o espaço para Einstein - A ciência
da vida (Ática, 576 páginas, 1998), de Denis Brian.
Resultado de 20 anos de trabalho, as pesquisas bibliográfica e
documental impressionam. O conteúdo deixa pouco espaço para
futuros biógrafos tentarem empreitada semelhante.
A modéstia não impede que a voz calma de Denis Brian, 74,
galês de Cardiff, ex-jornalista, ganhe um tom de satisfação ao re177

petir o adjetivo "soberbo". Foi com ele que a resenha do jornal londrino Times qualificou seu trabalho.
Brian confessa que até Robert Schulmann, o responsável pelos
Arquivos Einstein, na Universidade de Boston (EUA), mostrou-se
"satisfeito" com a obra - nada mal, vindo de alguém que, pelo cargo
que ocupa, deve evitar preferências por um ou outro biógrafo do
físico alemão.
De sua casa, em West Palm Beach, na Flórida (EUA), Brian,
que prepara a biografia do jornalista norte-americano Joseph Pulitzer (1847-1911), falou à Folha.
Folha - Não era um grande risco escrever sobre uma personalidade que já contava com dezenas de biografias?
Denis Brian - Foi um desafio interessante. Lembro-me de ler
uma resenha sobre o livro de Clark [Ronald Clark, autor da Einstein - The life and times, 1971] na revista Time. Nela, o autor dizia
que Clark tinha escrito tanto sobre Einstein que parecia que ele estava tentando evitar que qualquer outro biógrafo fizesse o mesmo.
Ele dizia também que Clark parecia conhecer o que Einstein tinha
feito minuto a minuto. Como biógrafo, já tinha escrito sobre Ernest Hemingway e J. B. Rhine, um professor da Universidade Duke
(EUA) que pesquisou parapsicologia. Eu pensei: "Quem é a pessoa
mais interessante do século 20?". Sem dúvida, Einstein.
Folha - Mas o que o motivou realmente a começar a tarefa?
Brian - Quando estava escrevendo a biografia de Rhine, entrevistei sua secretária sobre uma carta que Einstein escreveu para ele.
Na entrevista, ela me contou aspectos de uma viagem que Einstein
havia feito à Califórnia. Foi isso que me motivou a escrever sobre
ele. Pensei: "Esse é o homem sobre o qual gostaria de escrever".
Folha - Por quê?
Brian - Não sabia quase nada sobre ele e, mesmo assim, me
parecia intrigante. Todos o colocavam em um pedestal como um
santo secular sem dizer o porquê. Como biógrafo, sei que as pessoas fazem isso com as celebridades. Então, resolvi descobrir como
era o homem real por trás de Einstein.
178

Folha - O senhor tem alguma formação científica?
Brian - Não estudei física na escola. Sei muito pouco sobre física. Decidi, portanto, que era preciso adquirir um conhecimento básico sobre o trabalho de Einstein. Escrevi, então, um livro, publicado
pouco antes dessa biografia, Genius Talk: conversations with Nobel
scientists and other Luminaries [algo como Papo de gênio: conversas com cientistas ganhadores do Nobel e outro luminares; Plenum
Press, 1995]. Entrevistei cientistas sobre a vida de Einstein, sobre física em geral, física teórica etc. Depois disso, achei que estava pronto
para discutir com os amigos de Einstein e escrever a biografia.
Folha - Onde foi feita a maior parte da pesquisa bibliográfica
e documental? E quantas foram realizadas entrevistas ao todo?
Brian - Passei um tempo na Universidade de Princeton e na
Universidade de Boston, onde há cópias dos Arquivos Einstein.
Conversei na Universidade de Harvard com o último homem que
entrevistou Einstein antes de ele morrer [o historiador da ciência],
I. Bernard Cohen (1914-2003)]. Muito do trabalho foi feito por
telefone. Acho que foram centenas de entrevistas.
Folha - O senhor contou com a ajuda de cientistas para assessorá-lo em partes mais técnicas?
Brian - Entrevistei o professor (Robert) Schulmann, da Universidade de Boston [EUA], responsável pelos Arquivos Einstein
lá. Consultei-o várias vezes, sempre que algum ponto me parecia
intrigante. Um deles foi sobre a filha de Einstein [Lieserl, nascida
antes do casamento formal com Mileva Maric, física e primeira
mulher de Einstein]. Isso foi uma grande surpresa para mim. Para
as partes científicas, assessorei-me com outras pessoas, como o
Abraham Pais [físico e biógrafo de Einstein] e Murray Gell-Mann
[Nobel de Física de 1969].
Folha - Qual ponto lhe deu mais trabalho?
Brian - Acho que foi tentar explicar como um homem com
a personalidade de Einstein teve uma filha que ele aparentemente
esqueceu. Tentei mostrar qual seria a melhor explicação para isso
com base em conversas com pessoas que o conheceram bem.
179

[Uma versão deste texto foi publicada em questões da ciência, piauí (21/07/11)]

DIRAC
O silêncio mais estranho

Não sem razão, o físico inglês Paul Dirac foi batizado por seu
colega dinamarquês Niels Bohr de "o homem mais estranho do
mundo". A alcunha inspirou o título de uma biografia escrita por
Graham Farmelo que permanece inédita no Brasil: The strangest
man ­ the hidden life of Paul Dirac, mystic of the atom [O homem
mais estranho ­ a vida secreta de Paul Dirac, o místico do átomo;
Basic Books, paperback, 2011]. Lá fora, resenhas, elogios e prêmios. Aqui, até onde foi possível apurar, a única menção ao livro
foi numa coluna para adolescentes num jornal paulistano ­ que o
considerou "melhor livro do ano".
De lá para cá, silêncio do meio editorial.

Paul Dirac
Crédito: Wikimedia Commons

180

Num mundo cheio de personalidades esquisitas e transtornos
psiquiátricos cientificamente fundamentados, a personalidade excêntrica de Paul Dirac (1902-1984) poderia ser só mais uma. No
entanto, a seu favor (ou, no caso, contra ele), pesa seu currículo:
trata-se do mais jovem teórico até hoje a ganhar o Nobel de Física
­ isso foi em 1933. E já que a palavra consta dos dicionários: gênio.
Se alguém fizer uma lista dos cinco maiores físicos teóricos
do século passado e não incluir esse inglês de cabeça triangular e
bigodinho irritante à francesa, desconfie. Você não estará diante de
um historiador da física profissional.
Dirac foi o cientista que juntou, num só quadro teórico, os
dois pilares da física contemporânea: a relatividade (no caso, restrita) e a mecânica quântica. A primeira lida com fenômenos que
envolvem velocidades próximas à da luz e massas que viram energia
(e vice-versa), como previsto pela famosa fórmula E = mc2. A outra
trata das profundas estranhezas do mundo atômico e subatômico,
onde entidades ora são corpúsculos, ora são ondas, corpos se comunicam instantaneamente e partículas podem ocupar dois lugares ao mesmo tempo.
Estranhezas comparáveis à personalidade de Dirac.
Mas o inglês será sempre conhecido por ter (não sem resistência) visualizado na equação que hoje leva seu nome a antimatéria ­ no caso, apontou a existência de antielétrons, batizados logo
depois pósitrons. A diferença básica entre matéria e antimatéria é
o fato de suas cargas elétricas serem opostas. Hoje, a física sabe:
toda partícula tem sua antipartícula. Na época, no entanto, aceitar
a existência de um elétron positivo não foi discussão calma.
A antimatéria que brotou da mente de Dirac se mostrou realidade quatro anos mais tarde. Hoje, um dos temas candentes da
física é: por que a matéria preponderou sobre a antimatéria na
criação do universo?
Quadro psiquiátrico
O ponto alto do livro (e, talvez, o mais corajoso) é Farmelo
esboçar Dirac como portador da síndrome de Asperger, tipo de
181

autismo leve. Os argumentos do autor são convincentes, e o leitor
fica fortemente desconfiado de que tamanhas esquisitices só poderiam ter raízes cravadas em um quadro psiquiátrico.
Quando o irmão de Dirac se matou ­ talvez, em resposta a
um quadro mental de depressão, fermentado pela chantagem emocional da mãe e pela mão pesada do pai no destino dos filhos ­, o
físico estranhou o fato de a perda de um filho causar tamanha dor
nos pais. Além de lacônico até a fronteira da antipatia, Dirac era
conhecido por interpretar literalmente as frases ditas a ele. Ele parecia demonstrar (alguma) afeição apenas com os mais chegados
­ com esses, apesar de lacônico, era sempre amigo fiel.
O físico se casou em 1937 com Margit Wigner, irmã do físico
e matemático húngaro Eugene Wigner. Com Mandi, como também era conhecida, teve duas filhas. O Dirac de Farmelo é alguém
que olhava para família, colegas e mesmo mulher e filhos com profunda indiferença, uma insensibilidade emocional patológica.
Três tópicos, porém, despertavam a atenção de Dirac e, com
sorte, o fariam expelir meia dúzia de fonemas ­ e, com mais sorte ainda, uma expressão algo diferente de um rosto desértico em
emoções:
1. Cher. Os programas dessa cantora norte-americana aos domingos à noite eram o ponto alto da semana para aquele físico magro, relativamente alto, de movimentos lentos, entradas profundas.
Quando uma dessas apresentações coincidiu com a cerimônia do
Oscar ­ da qual sua mulher não abriria mão ­, o casal, depois de
alguma tensão, decidiu comprar um segundo aparelho de TV ­ na
época, bem longe dos preços acessíveis de hoje;
2. Mickey Mouse. O camundongo tinha poder suficiente para
fazer Dirac largar o trabalho (uma de suas obsessões) e passar a
tarde em uma sessão especial de cinema;
3. Valsas de Chopin. Aqui, bem, nada de esquisito.
Depois da Segunda Guerra, Dirac ­ mesmo alertado por colegas ­ saiu dos trilhos da física. Algo quase impensável para alguém
que era referência em mecânica quântica até mesmo para Einstein
­ "Onde está meu [livro do] Dirac?", costumava pedir o físico de
182

origem alemã. Por sinal, assim como Einstein, teve dificuldades
para entender os desígnios da estrutura teórica que criou. Como
já foi dito, era o criador estranhando a criatura, esta agora domada
por gerações mais jovens e impertinentes de físicos.
O livro de Farmelo é tremendamente saboroso. Volumoso,
com acesso a documentação inédita, suas 539 páginas dão à obra
exatos 4 cm de altura. É leitura fluida e bem escrita.
Alerta: não é livro para conhecer a obra de Dirac; ou seja,
passa longe das chamadas biografias intelectuais ­ e que Farmelo
seja abençoado por essa escolha. Se o leitor quer se enveredar por
aí, sugere-se Dirac ­ a scientific biography, do competente historiador da física dinamarquês Helge Kragh. Obra de respeito, mas
para pouquíssimos, mesmo para os cevados nas artes dos números
e símbolos abstratos.
Farmelo fez quase um livro sobre estranhezas da mente ­ que,
mesmo assim (ou necessariamente assim), é notável. Nesse aspecto, lembra Uma mente brilhante, da jornalista Sylvia Nasar. A diferença é que Dirac nunca teve, como John Nash Jr., que engolir
psicotrópicos pesados para levar seu dia a dia.
Mas, por enquanto, a melhor definição desse excelente livro
de Farmelo fica por conta de nossas editoras: aquele que ainda não
foi traduzido para o português. O mercado editorial brasileiro já
comeu várias moscas. Mas manter The Strangest Man inédito é falta indesculpável.

183

[Uma versão deste texto foi publicada na revista Ciência Hoje, do Instituto Ciência
Hoje, n. 207, agosto de 2004]

BERLIM, DÉCADA DE 1920
Uma cidade maior que Einstein

Em geral, livros sobre o físico de origem alemã Albert Einstein
(1879-1955) chegam a ser sufocantes de tão centrados na personagem central. Nada mais normal quando se escreve sobre o homem
que foi eleito `a' personalidade do século passado pela revista Time
e que, a partir de 1919, quando sua teoria da relatividade geral foi
comprovada historicamente, passa a ser, pelos próximos 36 anos,
perseguido com voracidade pela imprensa.
Assim, ao se ler suas biografias, a impressão que se tem é que
a vida e obra do protagonista, pela riqueza de conteúdo, não dei-

Desempregados em
Berlim, 1920
Crédito: Seiler /
Wikimedia Commons

184

xa quase espaço para o pano de fundo, para o contexto histórico.
E, assim, a espessura das biografias acaba sendo gasta para tentar
explicar ao leitor dezenas de trabalhos científicos ­ Einstein produziu cerca de 300 ao todo ­, bem como suas incontáveis incursões fora da arena científica.
Porém, Thomas Levenson parece ter optado por um viés
diferente.
Em seu livro, Einstein é quase mais uma personagem ­ a principal, obviamente. Fica, então, a impressão ­ e isso é interessante
­ de que o foco está em outros elementos que, ao longo da obra,
tornam-se maiores que o `biografado'. A saber: Berlim em seu auge;
a desastrosa Primeira Guerra Mundial; as crises financeiras, a fome
e a inflação que se seguiram com a humilhante derrota alemã; os
inovadores movimentos culturais da cidade; e, finalmente, a horripilante ascensão do nazismo.
Não bastasse isso, Einstein tem que enfrentar a concorrência de outras celebridades das ciências, das artes e da política. Por
exemplo: Planck, Freud, Grosz e Hitler.
Levenson impressiona no quesito detalhes e pesquisa histórica ­ basta uma passada de olhos na parte de notas, ao final. Também foi feliz na escolha do chamado corte histórico. Fica a dúvida
se percebeu aí um filão, pois, por algum motivo estranho a este
resenhista, o período berlinense de Einstein, de 1914 a 1932, nunca foi tratado com muito afinco pelos biógrafos. Talvez, pelo fato
de implicar um mergulho profundo em uma Berlim tumultuada,
que, por sinal, se transformou em um tipo de capital mundial das
fantasias sexuais na década de 1920.
Fica, assim, um aviso ao leitor incauto que queira se refestelar
com uma biografia detalhada de Einstein. Ou com um relato intricado de sua obra científica. É improvável que, ao ler Einstein em Berlim,
ele vá se decepcionar com esses dois itens, mas esse não parece ser o
alvo de Levenson, um documentarista que escreve com impressionante desenvoltura, o que torna a leitura fluida e agradável.
Em resumo: Einstein é `apenas' a principal personagem. Berlim está (de certa forma, merecidamente) bem maior que o maior
185

cientista do século passado ou, para alguns, de todos os tempos.
Poucos detalhes devem ser corrigidos para a segunda edição.
Eis alguns: a segunda mulher de Einstein, Elsa ­ que, por sinal,
não veio à América Latina em 1925 (p. 369) ­ só teve duas filhas e
não três (p. 37); Hans Albert, o primeiro filho de Einstein, tinha 10
anos de idade em 1914, e não 12 (p. 17).
Quem disser que são picuinhas acertará. Não chegam nem a
arranhar um trabalho de tamanho brilho.

186

[Uma versão deste texto foi publicada em Mais!, da Folha de S. Paulo (26/02/95)]

ESCRITOS DE EINSTEIN
Profecias da maturidade

O instrumento científico mais preciso deste século tinha a
forma de um cilindro, com cerca de 13 cm de altura e 1,5 cm de espessura. Da caneta tinteiro de Albert Einstein saíram os símbolos
e as palavras que mudaram os destinos deste final de milênio. Não
é por menos que o escritor irlandês George Bernard Shaw (18561950) o classificou como um dos oito criadores de universos da
história, ao lado de Pitágoras, Aristóteles, Ptolomeu, Copérnico,
Kepler, Galileu e Newton.
Escritos da Maturidade é a história contada por quem a
transformou. Traz um Einstein contundente, reformulador do microuniverso atômico, da Terra e do universo. Sua caneta tinteiro

Albert Einstein nos
anos em Berlim
Crédito: Wikimedia
Commons

187

arquitetou um mundo melhor, mas não sem deixar escapar certo
pessimismo por tudo que viu: Segunda Guerra, massacre do povo
judeu, bombas nucleares, Guerra Fria, racismo e perda das liberdades civis nos EUA (macartismo) e na URSS (regime totalitário).
Para ele, o futuro estaria ameaçado, entre outras coisas, pelo
nacionalismo e pelo perigo de uma guerra nuclear devastadora [neste 2015, soa extremamente atual]. Isso talvez explique a busca quase
obsessiva das bases para um governo supranacional que zelasse pela
segurança e liberdade das nações. À primeira leitura (e descontextualizadas), algumas ideias propostas podem soar ingênuas.
Segundo Abraham Pais, em Einstein lived here (Einstein viveu
aqui; Oxford University Press, 1994), seu amigo podia até parecer
uma criança em certos momentos, mas ingênuo nunca. Prova disso é que Einstein foi visionário em certas passagens, prevendo um
mundo cheio de ogivas nucleares, os perigos do nacionalismo exacerbado, o fracasso da ONU para resolver questões internacionais
etc. Todos males das últimas décadas do século [e do início deste,
vale acrescentar]
O segundo capítulo do livro (Ciência) é obrigatório para estudantes de física, matemática e química ­ fica a recomendação
para os demais.
Ali, está a base filosófica que transformou a mecânica (área da
física) e ergueu a mecânica quântica (teoria que lida com o mundo
atômico). `Física e realidade' (texto 13) é indispensável para entender os argumentos de Einstein ao discutir teoria quântica com o
célebre físico dinamarquês Niels Bohr (1885-1962). Juntos promoveram um dos maiores debates filosóficos do século.
Mesmo que Einstein tente vulgarizar conceitos e teorias nesta
segunda parte, o resultado final é mesmo só para iniciados. Aos
aficionados ­ que vão se aventurar de qualquer modo ­ sugere-se
o texto 11 (um tipo de `como chegar a E = mc2') e o seguinte, sobre
a teoria da relatividade restrita, escrito para o The Times.
O resto do livro é o depoimento de quem transformou a história. Guerra atômica ou paz (31) é uma análise soberba do início
da Guerra Fria.
188

A franqueza de Einstein lhe rendeu críticas de comunistas
e capitalistas. Para esses últimos, era `o socialista-padrão'; para
os comunistas, o agente do capital internacional. "Os enganos do
Dr. Einstein", assinado por quatro famosos cientistas da ex-URSS,
ataca a proposta de um governo supranacional. Einstein responde
com delicadeza, mas cutuca feridas do então regime soviético.
Ao término de Escritos da Maturidade, percebe-se que valem
para Einstein as palavras que ele escreveu na morte do amigo e
físico francês Paul Langevin (1872-1946), inventor do sonar: "Seu
desejo de promover uma vida mais feliz para todos os homens talvez fosse ainda mais forte que seu anseio pelo puro entendimento
intelectual. Foi por isso que dedicou muito de seu tempo e energia
vital ao esclarecimento político".

189

[Uma versão deste texto foi publicada em Caderno Brasileiro de Ensino de Física,
v. 31, n. 2, p. 480-485, agosto de 2014]

Fermi
E a formação dos físicos no Brasil*

Restringir esta resenha apenas à análise da recém-lançada
biografia do físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) seria limitar
­ e, portanto, empobrecer ­ o contexto da iniciativa da coleção de
biografias, publicadas pela Editora Livraria da Física (São Paulo) e
assinadas por José Maria Filardo Bassalo, pesquisador aposentado
da Universidade Federal do Pará, e Francisco Caruso, pesquisador
da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas.
Para a contextualização da coleção, será preciso fazer aqui
uma digressão que será desnecessária para alguns, longa para

Enrico Fermi
Crédito: Wikimedia Commons

190

outros e incômoda para a maioria. A ela, portanto: o(a) leitor(a)
conceberia um maestro de uma orquestra sinfônica renomada que
nunca tenha ouvido e estudado Bach, Beethoven ou Mozart? Ou
um pintor célebre que nunca tenha visualizado e observado detalhadamente um Picasso, Rembrandt ou da Vinci?
Certamente, improvável.
No entanto, vem, agora, uma pergunta (para muitos) inconveniente: por que há muitos físicos ­ no caso, o adjetivo `muitos'
é um eufemismo para `a maioria' ­ que nunca leram um original,
por exemplo, de Einstein, Bohr, Dirac, Heisenberg, Schrödinger,
Feynman, entre outros `clássicos'? Não é difícil perceber que a falta desse conhecimento histórico ­ se crônica, mesmo entre pesquisadores experientes ­ é aguda entre jovens pós-graduandos e
recém-doutores.
Talvez, possa-se optar por uma resposta simples para a pergunta do parágrafo anterior: é possível ser um bom pesquisador
na área de física (de ciências, na verdade) sem que se tenha um
mínimo de conhecimento histórico do campo em que se atua.
Achamos, assim, inconcebível que artistas, escritores e músicos não conheçam (bem) as obras dos mestres que os antecederam. Mas consideramos normal que um recém-doutor em física
nem mesmo tenha lido os cinco artigos publicados por Einstein
em 1905 ­ que, não por acaso, é denominado Ano Miraculoso
da Física.
Para dar riqueza ao debate, vale aqui apresentar outra resposta (talvez, incômoda) sobre o porquê dessa estranha assimetria na
formação entre profissionais de ciência e os de outras culturas: formamos `técnicos' (aspas necessárias) com PhD e não físicos (matemáticos, químicos, biólogos etc.) no sentido amplo [Em tempo:
esse diagnóstico, relatado a este signatário há alguns anos em uma
conversa informal, foi feito por um físico com bom conhecimento
em história da ciência].
A assimetria torna-se ainda mais aguda se considerarmos que,
para o historiador marxista Eric Hobsbawm (1917-2012), a ciência
foi a cultura mais importante (e influente) do século passado ­ bas191

ta olhar o papel dela (para o bem e para o mal) nas duas guerras
mundiais, que, sem dúvida, moldaram o mundo contemporâneo.
Essa ausência de conhecimento histórico na formação de
doutores em ciência seria resultado de uma visão pragmática? Ou
seja, formá-los logo para que passem a produzir mais cedo e, portanto, sejam mais produtivos? Ou teria a ver com uma das (várias)
arrogâncias de cientistas em relação às humanidades, isto é, seria
um tipo de efeito colateral invertido (e perverso) do que foi exposto, em 1959, pelo físico e escritor britânico C. P. Snow (1905-1980),
em sua palestra `As duas culturas?'
Seja qual for a resposta (ou respostas), o fato é que, no Brasil,
pelo menos, dá-se ao estudante de física apenas uma das pernas
de apoio dessa disciplina ­ e não é difícil ver que, desse modo, o
equilíbrio é instável. Para que essa cultura se mantenha em pé, seria preciso oferecer àquele jovem (de graduação ou pós) os outros
dois apoios intrínsecos à (e indissociáveis da) física: sua história e
sua filosofia.
Poderiam perguntar os mais (ou os tais) pragmáticos: para
quê? Afinal, isso os tornaria melhores físicos (matemáticos, biólogos, químicos etc.)? Novamente, a resposta é difícil, até porque
uma formação assim nunca foi prioridade no Brasil. E um dos
motivos (talvez, o principal) é que grande parte dos professores/
orientadores não tem essa formação ampla em física ­ ou seja, falta-lhes a porção humanística da cultura que denominamos física.
Portanto, o cenário ideal (porém, muitíssimo improvável) seria o
seguinte: institutos, centros e departamentos terem historiadores
da ciência e filósofos da ciência ­ um de cada já seria suficiente
­ para não só fazerem pesquisa e publicarem em suas respectivas
áreas, mas também para prover os graduandos e pós-graduandos
com tal cultura humanística.
Em meio a tantas dúvidas e perguntas aparentemente sem
respostas, parece haver, pelo menos, uma certeza: uma formação
ampla expandiria o cabedal de cultura dos estudantes, dando a eles
uma visão mais ampla e rica do mundo. E isso, convenhamos, mal
algum faria a esses jovens. Pelo contrário, como fica patente nas
192

(sábias) palavras do físico britânico Freeman Dyson ­ que, por sinal, tem formação cultural ampla e sólida: "Ciência é apenas uma
pequena parte da capacidade humana. Obtemos conhecimento de
nosso lugar no universo não só da ciência, mas também da história, da arte e da literatura." (`Science on the rampage', New York
Review of Books, 5 de abril de 2012).
É justamente nesse sentido que a coleção de biografias lançada por Bassalo e Caruso é um passo louvável: mostrar aos estudantes de exatas ­ e, claro, aos pesquisadores já calejados pela
vida de laboratório ou pelas folhas de papel em branco ­ que eles
pisam sobre história; que ciência é um empreendimento coletivo;
que, se alguns poucos se destacam nessa cultura, é porque ­ para
usar a bela frase atribuída a Newton ­ "apoiaram-se no ombro de
gigantes"; que os frutos colhidos hoje foram semeados por gerações passadas.
Outro mérito da coleção: sua brevidade ­ afinal, isso é bem
conveniente em tempos em que a enxurrada de informação disponível faz faltar tempo aos que buscam cultura de forma sistematizada.
Fermi tem 12 capítulos curtos e um de sugestão de leituras
complementares. O formato de livro de bolso é igualmente apropriado ­ é prazeroso carregar consigo um livreto e poder lê-lo em
qualquer lugar. O livro (e também os outros títulos) não escondem as fórmulas; portanto, são para iniciados no instrumental
matemático.
Fermi também merece aqui uma contextualização igualmente ampla. A segmentação da ciência depois da Segunda Guerra
enfatizou a figura do especialista. Assim, nos anos seguintes ao
conflito, poderíamos classificar ­ ainda que grosseiramente ­ os
físicos em três grandes grupos: teóricos, experimentais e construtores de máquinas (principalmente, aceleradores de partículas),
como aponta o norte-americano Peter Galison, em seu soberbo
(e indispensável) Image & Logic (Imagem & Lógica; University of
Chicago Press, 1997).
Fermi é dito o último dos grandes teóricos e experimentais
­ a afirmação, do ponto de vista da história da ciência, não faz sen193

tido, mas dá algum entendimento do alcance dos trabalhos desse
cientista. Sua obra, nessas duas modalidades de fazer física, sem
dúvida, impressiona. Aprendemos na biografia que seu espectro
de interesses foi tão amplo que se interessou até pela existência (ou
não) de extraterrestres ­ esse tema era efervescente na década de
1950 e na seguinte, e pesquisadores igualmente gabaritados se dedicaram a ele.
Fermi é produto do período entre as duas guerra mundiais ­
portanto, anterior àquela especialização. E um ponto fora da curva
em um ambiente (no caso, Itália) em que a física era pouquíssimo
desenvolvida quando comparada a países como Alemanha, França
e Reino Unido. Sua formação, aprendemos também no livro, foi
a de um autodidata, com enorme pendor para a matemática e as
ciências em geral.
Como apontam Bassalo e Caruso, Fermi destacou-se desde
os bancos escolares: foi aluno brilhante, e suas potencialidades foram logo reconhecidas por seus professores.
No prefácio, Henrique Fleming, pesquisador aposentado do
Instituto de Física da Universidade de São Paulo, destaca uma das
características marcantes do modo com que o italiano fazia sua
física: simplicidade. Dada a magnitude da obra, tal receita chega
a soar paradoxal. Essa simplicidade o qualificou como um grande
divulgador da ciência e, nos ensina a biografia em questão, como,
talvez, o único Nobel de Física com um livro voltado a alunos do
ensino médio ­ por sinal, Caruso e Adílio Jorge Marques, do Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior, publicaram
artigo na revista Estudos Avançados, da USP (v. 28, n. 82, 2014)
sobre a passagem de Fermi pelo Brasil, com ênfase na cobertura da
imprensa dedicada ao físico.
Fermi produziu a chamada estatística quântica ­ hoje, denominada estatística de Fermi-Dirac ­ para uma classe de partículas denominada, em sua homenagem, férmions (dotados de spin
fracionário). Entre tantos outros trabalhos importantes, dele é
também a belíssima teoria do decaimento beta, processo no qual
um nêutron se transforma num próton, num elétron e num an194

tineutrino. Feita em 1934, essa teoria ainda é válida em seu 80º
aniversário.
Porém, Fermi sempre será lembrado pela obtenção da primeira pilha atômica, ou seja, a obtenção da fissão nuclear em regime controlado ­ voltaremos ao tema.
Fica aqui a sugestão à editora de preparar versões digitais da
coleção ­ certamente, isso tornaria os títulos mais atrativos para
uma geração de estudantes e cientistas acostumada a telas e que começa a ver no papel alguma estranheza. Sem contar o fato de que
os custos de produção certamente fariam cair o preço dos exemplares. Outra sugestão: um sumário, no início ou ao final, para facilitar a navegação do leitor.
O físico norte-americano Steven Weinberg, em artigo para a
revista Nature (27/11/2003), oferece, aos mais jovens, quatro regras
de ouro para uma carreira em ciência. A última dela nos interessa
aqui: "Finalmente, aprenda algo sobre a história da ciência ou, no
mínimo, sobre a história de sua própria área de pesquisa". Com
isso, segue ele, "você pode ter grande satisfação ao reconhecer que
seu próprio trabalho em ciência é parte da história".
Mas o que parece ser o ponto central do argumento de Weinberg é o seguinte: a história da ciência permite perceber as implicações culturais dos resultados científicos. E, nesse aspecto, ele cita
um caso emblemático: a descoberta da natureza da radioatividade
pelo físico de origem neozelandesa Ernest Rutherford (1871-1937),
Nobel de Química de 1908, e pelo químico britânico Frederick Soddy (1877-1956), também Nobel de Química (1921). Essa descoberta levou à chamada transmutação nuclear: ao emitir radiação,
um elemento químico se transforma em outro.
Se ficarmos apenas com os detalhes técnicos da radioatividade e da teoria da transmutação ­ como, em geral, é ensinado para
os alunos de exatas ­, perdemos a imensa riqueza das implicações
(científicas, sociais e religiosas) à época dessas ideias: i) a possibilidade de calcular com precisão as idades da Terra e do Sol e,
assim, derrubar argumentos de paleontólogos e geólogos contra
os bilhões de anos de existência desses corpos; ii) facilitar o cami195

nho para aceitação da evolução pela seleção natural; iii) fazer com
que católicos e judeus tivessem que abrir mão do sentido literal
da Bíblia.
Caso semelhante poderia ser aplicado a Fermi: estudar, com
pormenores, a primeira pilha atômica e descrevê-la pela perspectiva apenas do processo científico da fissão nuclear. Deixaríamos
de ver que esse feito, capitaneado por Fermi, está na origem da
construção da bomba atômica e da energia nuclear para fins pacíficos, cujas consequências sociais, políticas e econômicas moldaram
a sociedade desde aquele 2 de dezembro de 1942.
Com sua pilha atômica, Fermi teve papel importante num
cenário que se esboçou depois da Segunda Guerra e que o historiador russo da física ­ no belo Stalin's Great Science (World Scientific,
2004) ­ denomina "metafísica da Guerra Fria": governos de vários
países (inclusive, do Brasil) passam a perceber que poder (político
e econômico) depende do conhecimento.
Os resultados teóricos e experimentais de Fermi ­ sem dúvida, um dos maiores físicos do século passado ­ ajudaram a moldar
um novo mundo. E devemos saudar a iniciativa de Bassalo e Caruso em dar a chance aos mais jovens de conhecer detalhes de como
se deu essa transformação.

196