CONTRIBUTO PARA UMA `HISTÓRIA DA CONSTRUÇÃO' NO BRASIL.
NELSON PÔRTO RIBEIRO*.

1. INTRODUÇÃO.
A História da Construção constitui uma disciplina de definição recente que pretende
analisar a evolução do modus faciendi de uma atividade humana milenar, numa
abordagem transdisciplinar. Esforço na constituição desta nova disciplina deve ser
entendido o recente movimento internacional de organização dos pesquisadores da área
em eventos científicos de caráter nacional que se pode observar nos últimos anos em
países como Inglaterra, Espanha, Alemanha e França. A História da Construção
debruça-se sobre os fatos e eventos correlacionados direta e indiretamente à construção
arquitetônica e urbana e tem como pesquisadores, profissionais oriundos de campos
distintos do saber científico como arquitetura, urbanismo, engenharia, história,
arqueologia, geografia, sociologia, pedagogia etc. O objetivo da presente comunicação é
uma tentativa inicial de sistematização da historiografia no Brasil da ,,História da
Construção, não apenas através dos estudos históricos sobre a arquitetura e a
construção brasileira, propriamente dita, mas também através do ato de relacionar uma
documentação técnica impressa que embora sem pretensões historiográficas, em si
constitui-se em material primário para o historiador das construções: livros didáticos,
manuais e tratados de arquitetura. Procurar-se-á também, dentro do quadro geral que foi
o intercâmbio cultural luso-brasileiro, estabelecer-se alguns aspectos relevantes no
quadro da construção arquitetônica, sejam estes de continuidade sejam de ruptura.
A historiografia da ,,História da Construção Brasileira propriamente dita, aquela que diz
respeito ao registro escrito da História, a memória estabelecida através de uma escrita
do seu próprio passado, é tardia e começa apenas no séc. XX. Mas, já há algum tempo
que nós historiadores trabalhamos com um conceito de historiografia que é polissêmico
e que significa também uma ciência da história - no caso, uma ciência da ,,História da
Construção. Dentro deste parâmetro ampliado podemos recuar a nossa pesquisa
historiográfica documental em pelo menos um ou dois séculos.
*

Universidade Federal do Espírito Santo. Doutor em História. Agencias Financiadoras: CNPq e FAPES.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

1

É certo que se faz ciencia da construção na América desde antes do século XVIII, pelo
menos desde quando os portugueses e espanhois começaram a se estabelecer no novo
continente a partir do século XVI. Não fazemos aqui um recuo temporal maior levando
essa afirmação ao período pré-colombino porque acreditamos, tal como Ortega y
Gasset, que "nem toda técnica é científica": e que "quem fabricou os machados de sílex,
no período cheleano, carecia de ciência, e no entanto, criou uma técnica". E que "só a
técnica moderna da Europa tem uma origem científica" (2002, p.141). Ou seja, dentro
desta perspectiva não é incorreto afirmar que no Brasil a ciência da construção começou
com a América portuguesa, mas, se pensarmos numa ciência da construção
propriamente ,,brasileira, seremos obrigados a avançar mais ainda no tempo, como
veremos abaixo.
O desenvolvimento deste conhecimento científico a partir da Idade Moderna deu-se
através da proliferação de uma copiosa literatura técnica desencadeada pelo
redescobrimento durante o Renascimento italiano do Tratado de arquitetura de Vitrúvio,
Tratado este que serviu de paradigma para a quase totalidade das publicações européias
da área nos dois séculos seguintes. Através da imprensa moderna que ajudará a
configurar o saber e a ciência ocidental, a cultura do Renascimento italiano propagou-se
rapidamente nas demais regiões européias, e a literatura técnica parece ter tido papel
fundamental nesta divulgação.
A palavra ,,técne de origem grega, da qual deriva a nossa palavra ,,tecnologia, tinha um
significado bem mais amplo do que esta última, denotando não apenas os
conhecimentos e as habilidades para se fazer, como também a criatividade necessária
para tanto (KATINSKY, 2002, p.17). No Tratado de Vitrúvio encontramos todos os
conhecimentos indispensáveis para a construção arquitetônica, tanto os conhecimentos
técnicos propriamente ditos como aqueles conhecimentos necessários na área da estética
e da composição. Também é assim com os primeiros tratadistas italianos como no caso
de Alberti, contudo, logo em seguida esta literatura técnica na área da construção será
diversificada passando-se a encontrar pelo menos três tipos básicos de escritos, segundo
Sylvia Fischer: o ,,Tratado, obra em geral completa e ambiciosa; o ,,Manual técnico
destinado a um ofício específico; e o ,,Livro de modelo, composto por exemplares de
modelos e de plantas de arquitetura a serem copiados e vulgarizados (FISCHER, 1992,
p.90). Deve-se observar que se trata de obras destinadas a públicos distintos - não

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

2

apenas a engenheiros e arquitetos, mas também construtores, mestres de obra e oficiais
­ e que foram responsáveis não apenas pela divulgação da ciência da construção mas
também pela globalização e uniformidade que esta passa a adquirir dentro do espectro
cultural do ocidente a partir de então.
É através de uma abordagem destes documentos técnicos que eu pretendo recuar em um
ou dois séculos a investigação acerca da historiografia da ,,História da Construção no
Brasil.

2. OS PRIMEIROS DOCUMENTOS.
Seria ousado e até mesmo incorreto designar estes primeiros documentos escritos no
Brasil como brasileiros, a meu ver eles são documentos portugueses escritos na
América, contudo, acredito que estudos mais completos ainda a serem desenvolvidos,
poderiam identificá-los como variantes da produção científica produzida na metrópole
com uma coloração própria: por utilizarem referências literárias diversas e/ou ênfases
distintas em determinados aspectos técnicos mais adequados ao cenário ,,brasileiro,
pois sendo a América Portuguesa tão díspar da metrópole em mão de obra assim como
em material de construção, não seria irracional esperar que houvesse na literatura
técnica do período produzida na América uma adequação das técnicas portuguesas, da
mesma forma como houve esta adequação na prática.
Talvez o mais antigo documento produzido no Brasil e que discorra de uma forma mais
sistemática (e não meramente ocasional) sobre práticas construtivas seja um manuscrito
de 1684 intitulado ,,Declarações de obras de Frei Bernardo de São Bento, um
beneditino que foi responsável por uma importante reforma no mosteiro da ordem
situado no Rio de Janeiro. Trata-se de um documento em que o arquiteto, de formação
completamente autodidata como ele mesmo faz questão de informar, descreve não
apenas processos técnicos empregados na obra como também as dificuldades de
percurso encontradas e como as mesmas foram superadas. O documento é o que
chamaríamos hoje um ,,Diário de obras, um documento ideal com o qual os
historiadores da construção vivem sonhando, mas que é tão raro de ser encontrado.
Cabe sinalar que este precioso documento veio à luz através das pesquisas do incansável
historiador beneditino D. Clemente Maria da Silva-Nigra, que o transcreveu, comentou

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

3

e editou (1950). Embora não tenha tido repercussão à sua própria época, pois é um
documento interno da Ordem, que não foi editado nem teve circulação, trata-se de um
documento inestimável, que interessa não apenas ao historiador envolvido com os
procedimentos construtivos luso-brasileiros do século XVII como também àquele que
estuda o processo de formação dos profissionais da arquitetura no período.
Entre os estudos americanos podemos contabilizar manuscritos e desenhos produzidos
pelas Aulas de engenharia militar que se estabeleceram a época em solo americano, tal
como os dois Cadernos de Desenhos da Aula Militar da Bahia dos anos de 1778 e 1779
que se encontram no Arquivo Histórico Ultramarino e que pertenciam a alunos de José
Antônio Caldas; embora desenhos primorosos, são, contudo, meros exercícios
acadêmicos de geometria, das ordens clássicas e de representações de fortificações
ideais.
Mais importante para a História da Construção no Brasil é decerto o manuscrito de 1743
que se encontra na Real Biblioteca da Ajuda de autoria de Diogo da Silveira Velloso e
que foi recentemente editado e comentado pelo Prof. Mario Mendonça de Oliveira da
Universidade Federal da Bahia. O autor, Sargento-mor Engenheiro da Capitania de
Pernambuco, atuou por um longo período no nordeste brasileiro tendo, entre outras
atividades, participado do reparo de fortalezas de outras capitanias; elaborado um
sistema defensivo para o Arquipélago Fernando de Noronha; e atuado como lente nas
Aulas de Fortificação no Recife. Este manuscrito embora nunca tendo sido impresso à
sua época deve ter tido larga circulação entre os partidistas das referidas Aulas onde o
autor foi docente: intitulado ,,Arquitetura militar ou fortificação moderna a obra de
Veloso é um erudito Tratado militar ­ com vasto referencial bibliográfico - que disserta
não apenas sobre o desenho e a elaboração das fortificações, como também sobre os
procedimentos técnicos construtivos.
De maior alcance de público foi decerto a obra do também engenheiro militar
Brigadeiro José Fernandes Pinto Alpoim, que embora tendo nascido em Portugal (1700)
viveu a maior parte da sua vida profissional no Brasil (1738) aonde veio a falecer em
1765, tendo sido responsável por algumas das mais importantes obras civis e militares
da capital da América portuguesa, entre elas a Casa dos governadores, futuro Paço real
de D. João VI. Lente nas Aulas Militares do Rio de Janeiro Alpoim escreveu duas obras
que foram impressas fora do Brasil, e que, a rigor, eram para uso na Academia militar; a

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

4

primeira é o Exame de artilheiros, impresso em Lisboa em 1744 e como complemento,
ou segunda parte o Exame de bombeiros, impresso em Madrid em 1748. Alguns
supõe, sem contudo fundamentar, que esta obra teria vindo à luz na malograda oficina
carioca de Antonio Isidoro da Fonseca mandada encerrar por ordem régia. A obra de
Alpoim, contudo, apenas tangencialmente toca nas questões pertinentes à ,,História da
construção e poderia ser mais bem classificada como uma obra de artes da guerra e de
pirobolia: onde ensinam-se artifícios de fogo e de foguetes para artilheiros e bombeiros.
Assim, esgota-se o século XVIII com obras de engenharia que se não brasileiras ao
menos escritas por autores que viveram e atuaram profissionalmente por longo tempo
na América portuguesa e destinadas a formação de engenheiros militares servindo no
Brasil.

3. O SÉCULO XIX.
O Século XIX para a historiografia da História da Construção brasileira foi decerto mais
rico que o anterior. Nele aparecem os primeiros documentos que podemos, dentro de
uma análise historiográfica mais criteriosa, intitularmos como brasileiros, ainda que a
tradição construtiva brasileira do século XIX tenha sido estreitamente vinculada à
tradição portuguesa.
Logo que caem as primeiras interdições do Antigo sistema colonial português, como a
interdição de imprensa, surge uma obra dada à luz na Bahia em 1812 sob os auspícios
do Conde dos Arcos, Governador Geral da Capitania, de autoria de Briche e intitulada:
Manual do engenheiro ou elementos de geometria prática, de fortificação de
campanha, (...). Embora não seja uma obra significativamente importante sobre o
ponto de vista das práticas construtivas, pois alude apenas a construções militares
transitórias e à fortificação de construções já existentes, como igrejas, esta obra deixa
sentir, já desde os primórdios do novo século, a presença de novas perspectivas culturais
que irão minar os laços estreitos da tradição luso-brasileira; em especial a influência
francesa.
Não é a chegada da Família real em 1808 ou mesmo a independência do Brasil em 1822
que vai marcar ou impulsionar neste século o desenvolvimento de uma tecnologia
construtiva de caráter nacional, ainda que inscrita dentro de uma tradição maior que é a
da cultura ocidental. Ousaríamos mesmo dizer que sequer é a Missão francesa de 1812

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

5

este motor propulsor: missão tão importante para as artes plásticas mas já tão dentro de
uma nova concepção de arquitetura fruto de uma cisão que houve ao longo do século no
campo do saber da construção civil, e que, a partir de então, reserva para a nascente
Escola Politécnica o saber tecnológico, determinando que à Escola de Belas Artes
(origem da moderna Escola de Arquitetura) caberiam as concepções artísticas,
projetuais e conceituais. Também a partir de então, conhecimento vernáculo e
conhecimento erudito, que tinham tido vínculos estreitos no passado, vão cada vez mais
se distanciar constituindo-se em esferas distintas do mesmo saber.
Essa passagem não se faz sem traumas e rupturas. Já em 1624 um opúsculo publicado
na Inglaterra intitulado "The elements of architecture" de Sir Henry Wotten denunciava
o fato de que "aqueles que têm o conhecimento técnico não tinham ,,Gramática e de
que aqueles que estavam publicando livros não tinham conhecimentos" (APUD:
PETERSON, 1992, p.97), não conseguindo ainda perceber na justeza de sua observação
de que aquilo que designava como ,,Gramática, a partir de então constituía-se em
conhecimento autônomo. Por outro lado, é possível verificar no Tratado do arquiteto
francês Durand - talvez o livro teórico mais influente na construção civil do século XIX,
embora publicado ao final do XVIII - que se trata ainda de um Tratado na acepção
renascentista do termo onde lado a lado com as lições de composição estão também
capítulos que descrevem as técnicas e as práticas construtivas. É possível que se
verifique aqui uma característica francesa, pois segundo Peirce, desde Philibert de
LOrme no século XVI os arquitetos franceses estariam estreitamente vinculados à
tecnologia (IDEM, p.98), de qualquer forma, cada vez mais, o padrão da construção
civil proveniente das Belas Artes terá como modelo um Tratado de ,,Gramática como o
de Vignola enquanto que o padrão da Politécnica optará por um Tratado
predominantemente técnico como o de Reynaud, aumentando o fosso entre o saber
arquitetônico e o saber do engenheiro, criando áreas de saber distintas num
conhecimento que no passado tinha sido uno e indivisível.
A renovação da ciência da construção no Brasil a partir do 2° império dá-se na esteira
da constituição de uma nova classe de profissionais que são justamente os engenheiros
civis, os quais surgem dentro de um contexto maior que é o da implantação de um
projeto de modernização do estado brasileiro eminentemente ideológico nas palavras do
historiador José Murilo de Carvalho (2002, p.16), projeto este que contou - como

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

6

principal vetor das suas transformações - com a modernização do ensino de Engenharia
nos moldes do que se fazia em França: como primeiro passo tivemos a desmilitarização
deste ensino com a criação da Escola Central em 1858 e que teve como sucessora em
1874 a Escola Politécnica do Rio de Janeiro, seguida pelas Politécnicas de Minas
(1876); São Paulo (1894) e Salvador (1897). A engenharia civil no Brasil fez-se na
segunda metade do século XIX e fez-se reelaborando a arte de construir, que a partir de
então deixou cada vez mais os seus aspectos regionais e vernáculos de lado ­ entre eles
a tradição lusa - passando a se constituir em um conhecimento técnico globalizado e
,,científico.
O historiador brasileiro Milton Vargas acredita que ao final do século XIX início do XX
a "execução propriamente dita da obra e os conhecimentos para realizá-la não eram
tanto da alçada dos engenheiros, mas, principalmente, dos mestres-de-obras, aos quais
cabia a direção e realização de todas as técnicas construtivas". Ainda segundo este
autor, aos engenheiros caberia a "aplicação de conhecimentos científicos elementares,
(como) nos cálculos e topografias (...) e aos mestres, a solução de problemas técnicos,
não havendo muita conexão entre os dois" (1994, p.91). Não é o que os nossos estudos
vem indicando, supomos mesmo que as coisas devem ter se passado bastante
diferentemente e que não havia motivos para que um engenheiro civil deixasse o
direcionamento técnico da obra ao encargo de um mestre, profissional muito menos
qualificado e dentro de uma concepção técnica inscrita na ,,ultrapassada tradição lusa,
quando a sua formação de Escola Politécnica, ainda que não tivesse sido adquirida no
exterior, provinha diretamente de uma tradição tecnologicamente mais ,,desenvolvida; a
francesa. É claro que o Mestre de Obras da tradição lusa continuava predominando em
número: na época era ainda ele o responsável pela maior parte das construções do
cotidiano, das pequenas construções do dia a dia, mas as construções de maior porte sob
a responsabilidade de um engenheiro com certeza tinham a sua execução debaixo da
alçada dos conhecimentos técnicos deste profissional, que por sua vez não devia
encontrar pouca resistência para implementar estes conhecimentos através de uma mão
de obra formada na tradição portuguesa: (fosse na execução de alvenarias de tijolos com
seus arcos de descarga travados, fosse na aplicação de revestimentos à base de cimento
Portland).

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

7

Observamos também que estas profundas transformações havidas ao longo do século
XIX na área da construção civil não foi também fruto da propalada contribuição do
trabalho livre do imigrante europeu, que é o que até o momento tem enfatizado a
historiografia brasileira tradicional. Não estamos tentando minimizar o papel do
imigrante europeu na construção do Brasil moderno, mas a imigração não foi fenômeno
que aconteceu por igual em toda a extensão do país, de forma que nem sempre entre as
levas de imigrantes que chegaram ao país houveram artesãos qualificados para a
construção civil. No Espírito Santo, por exemplo, a imigração européia teve pouca
participação na construção civil ao longo do século XIX.
É certo que em cidades como São Paulo, ou ainda Pelotas no Rio Grande do Sul, o
papel da imigração italiana com seus clãs de artesãos, muitos deles qualificados nos
liceus italianos de artes e ofícios foi deveras importante na elevação da qualidade da
mão de obra destes locais, mas esta era ainda uma mão de obra artesanal, ela trouxe
apuros e requintes em cidades que estavam em processo de enriquecimento rápido e que
até então desconheciam este modo sofisticado de vida, mas estas práticas, algumas
vezes tidas por ,,novidade, em termos técnicos não se distanciavam dos procedimentos
dos bons artesãos da tradição lusa que habitavam a corte e que produziram uma
arquitetura com requinte ao longo de todo o século XIX, e mesmo antes. Estes
imigrantes artesãos eram em geral estucadores, canteiros ou marceneiros, dominavam
técnicas construtivas tradicionais em seus países, não foram eles, de certo, os
responsáveis pela ,,revolução que se deu na construção civil na segunda metade do
século XIX. As inovações técnicas do século XIX - as estruturas metálicas, as grandes
estruturas de alvenaria portante em tijolos maciços, o uso diversificado do cimento
Portland, a fabricação industrial e a padronização dos materiais de construção - foram
trazidas pela engenharia e não pela imigração.
O papel dos engenheiros é fulcral neste desenrolar da construção civil brasileira, desde
as primeiras grandes experiências ocorridas, as quais paradoxalmente ocorreram
justamente na corte - uma cidade na qual até o final do século XIX predominou a mão
de obra escrava ­ mas também onde houve uma forte tradição da engenharia militar lusa
e onde, desde 1858 a engenharia civil brasileira desenvolveu-se através da Escola
Central. Experiências como as que foram feitas pelo engenheiro André Rebouças por
volta de 1867 quando nas obras das Docas da Alfândega utilizou pela primeira vez no

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

8

país cimento Portland, importado especialmente para uma obra de engenharia
hidráulica, e onde se fizeram também os primeiros testes de resistência de materiais da
história da engenharia nacional (RIPB, 1867).
O registro desta trajetória de inovações e transformações nos é dado pela literatura
técnica produzida pelo período, coerentemente, toda ela de autoria de engenheiros
militares ou civis. A Missão Artística francesa e seus descendentes - Grandjean de
Montigny (1776-1850), José Maria Jacinto Rebelo (1821-1871), Teodoro de Oliveira,
Joaquim Cândido Guilhobel (1787-1859) - não deixou uma única obra impressa que
fosse, seja ela sobre a arquitetura clássica ou sobre as práticas construtivas brasileiras. O
papel de relevância que a Escola de Belas Artes virá a tomar na produção de estudos
historiográficos brasileiros ocorrerá apenas no século XX.
Vamos tentar ser breve ao comentar a produção científica do século XIX produzida por
engenheiros, ela não é muito extensa, mas bastante desigual, desta forma centraremos os
comentários em três autores que tiveram maior relevância, em especial na formação de
uma mão de obra qualificada.
Ainda na primeira metade do século tivemos de autoria de Pedro de Alcântara
Bellegarde (1807-1864) o Compendio de architectura civil e hydraulica, de 1848.
Este autor foi engenheiro militar e professor na Escola Central, chegou às mais altas
patentes do exército e ocupou importantes cargos na administração do império tendo
sido titular da pasta do Ministério da Guerra. A sua obra, em dois volumes, inscreve-se
já dentro da tradição francesa da engenharia civil: o primeiro volume é dedicado à
arquitetura civil, aos materiais de construção, ao seu emprego e aos processos
construtivos, tudo dentro do âmbito das atribuições de uma ,,École Politechnique; o
segundo volume dedica-se aos estudos das comunicações - pontes e estradas, dentro do
que seria o âmbito das atribuições da ,,École des Ponts e Chaussés.
O segundo autor, César de Rainville, nasceu na Alemanha e naturalizou-se brasileiro
tendo sido "formado pela Escola Politécnica de Hannover e Karlsruhe" (BLAKE,
1883, II, p.104), a sua obra editada em 1880 foi intitulada ,,O Vinhola brasileiro; novo
manual practico do engenheiro, architecto, pedreiro, carpinteiro, marceneiro e
serralheiro, e como o título deixa vislumbrar se inscreve dentro daquela classificação
que esquematizamos atrás, de um manual técnico. Ao contrário de Bellegarde, Rainville
nunca foi professor e passou a vida em cargos de ação - entre outros foi funcionário das

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

9

Obras Públicas da Província do Espírito Santo - homem prático, escreveu uma obra que
não esteve no currículo da Politécnica e que era dirigida principalmente ao construtor e
ao mestre de obras.
Deixei por último a figura de André Rebouças (1838-1898) pela proeminência que este
grande homem das ciências tomou na segunda metade do século, no Brasil. Rebouças
encarnou a figura emblemática do engenheiro policultural do século XIX; político,
urbanista, sanitarista, topógrafo, matemático, físico, químico e, sobretudo, pedagogo:
pois imbuído de uma missão de modernização do Estado através da ciência e da
educação. Professor da Politécnica do Rio de Janeiro a sua obra é extensa, cito como
particularmente interessantes para a ,,História da Construção no Brasil o seu
,,Vocabulário dos termos technicos da arte de construir e das sciencias acessórias
de 1869, e o seu ,,Guia para os alumnos da 1ª cadeira do 1° anno de engenharia
civil de 1885. Este último é bastante interessante para o estudioso das fontes técnicas,
pois inclui o Programa com as bibliografias de todos os anos do curso de engenharia
civil da Politécnica do RJ.
Finalizando o século, cabe, apenas a titulo de referência, relacionar obras de menor
expressão como: ,,Materiais de construção de Adolfo José Del Vecchio editado no
Rio de Janeiro em 1884; ,,Manual do pintor ou Arte de pintar casas de Ferdinand
Lyrio, editado no Rio de Janeiro em 1893; o ,,Auxiliar do constructor de Cornélio
Carneiro de Barros & de Alfredo de Azevedo Marques, editado também no Rio de
Janeiro em 1897; e ,,A architectura classica no Brazil; tratado elementar das cinco
ordens (...) de Alexandre Speltz, de 1898.

4. O SÉCULO XX - CONCLUSÃO.
Na passagem do século XX a proliferação, em especial dos manuais técnicos, atinge o
seu ápice, em geral de coleções com fins profissionais como a dirigida por Thomas
Bordallo Pinheiro e que era editada conjuntamente em Lisboa e no Rio de Janeiro,
demonstrando que até o referido período a classe dos oficiais e mestres ainda se
alimentava dentro da tradição luso-brasileira. Correndo paralelo, o livro de Rebouças
citado acima elenca uma bibliografia para os cursos da Politécnica do RJ formada quase
que exclusivamente por autores franceses nunca traduzidos em português, entre os mais
citados; Reynaud, Rondelet, Durand, Vicat e Boudin.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

10

Não temos a intenção de discorrer mais longamente sobre esta bibliografia de caráter
nacional, embora não devamos esquecer de citar que ainda a essa época as Associações
profissionais de engenheiros começaram a editar periódicos que se constituem em
material rico para os historiadores da construção. Em especial cito a Revista do
Instituto Polytechnico Brazileiro, editada no Rio de Janeiro pelo menos desde a
década de 1860 e a Revista do Grêmio da Polytechnica de São Paulo, editada a partir
do início do século XX.
Mais interessante para a presente comunicação é o fato de que o novo século registra as
primeiras obras que numa perspectiva historiográfica chamaríamos das primeiras obras
da ,,História da Arquitetura brasileira.
Com excessão de alguns textos isolados - em geral opúsculos, resenhas biográficas e
artigos nos Anais do IHGB - antes de 1900 não encontramos nenhuma obra
propriamente dita de ,,História da Arquitetura escrita no Brasil. Barboza Rodrigues com
sua ,,Antiguidades do Amazonas: arte cerâmica, armas e instrumentos de pedra (1876)
e Silvio Romero com a sua ,,História da literatura brasileira (1888) são os únicos
autores que se inscrevem no campo da arte nacional, no levantamento exaustivo da
bibliografia brasileira publicada no início do século XX de autoria de Lee Phillips
(1901).
Também as primeiras décadas do século XX não viram publicações nesta área. Alguns
artigos em jornal de José Mariano Filho e de Adolfo Morales de Los Rios Filho§. De
uma forma mais sistemática os primeiros textos de ,,História da Arquitetura foram os
que o recém criado Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional começou a
publicar na sua revista anual a partir de 1937; de autores como Afonso de Escragnole
Taunay, Lucio Costa, Mario de Andrade, Sergio Buarque de Holanda, Robert C. Smith
etc.
Marcelo Puppi (1988) em um estudo recente dedicado à historiografia da arquitetura
brasileira sugere que esta foi indelevelmente marcada pelos textos seminais de Lúcio
Costa (1902-1998), ora, este arquiteto, é bom relembrar, foi diretor por curto espaço de


Entre outros: Manoel de Araújo Porto-Alegre. ,,Iconografia Brasileira in Revista do IHGB (1856).
Manuel Duarte Moreira de Azevedo. Pequeno panorama ou descrição dos principais edifícios da
cidade do Rio de Janeiro (1861).



Entre outros: ,,A casa brasileira. O Jornal (21.06.1924).

§

Entre outros: ,,Grandjean de Montigny e seu tempo. Jornal do Comercio (17.09.1933).

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

11

tempo da Escola de Belas Artes e apesar de ter sido um renovador do velho ensino
acadêmico neoclássico foi formado dentro da tradição já referida de que à Politécnica
cabia o saber tecnológico enquanto que a Escola de Belas Artes ficava com as
concepções artísticas e projetuais. Se Puppi tem razão é dentro desta perspectiva que
deve ser entendida então a opção que a nascente historiografia da arquitetura brasileira
adotou, ignorando, sobretudo, os estudos das técnicas e dos processos construtivos
como estes tinham sido feitos em países onde a tradição de uma história da arquitetura
era mais antiga, de uma época em que arquitetos e engenheiros trabalhavam mais
próximos, como foi o caso da França, que teve notáveis historiadores da arquitetura no
século XIX dedicados ao estudo das técnicas, tais como Viollet le Duc e Auguste
Choisy. Este último, já no final do século XIX, continuaria defendendo o "conceito
básico de forma arquitetônica como conseqüência lógica da técnica", para Choisy, de
acordo com Rayner Banham, "technique, méthode, procedé e outillage seriam aspectos
da sociedade como um todo" (1979, p.45).
De fato, a obra emblemática de Costa; ,,A arquitetura dos jesuitas no Brasil,
publicada na Revista do SPHAN em 1941 é um paradigma deste modelo ,,Belas Artes
de se fazer história da arquitetura; nela, ensaia-se uma tipologia estilística e cronológica
de plantas-baixas, de fachadas e mesmo de retábulos de altares - tipologias estas que
serão repetidas ao infinito, às vezes com pequenas variações, por todos os historiadores
posteriores que se debruçaram sobre a arquitetura e a arte colonial no Brasil ­ desde
Germain Bazin a Sandra Alvim - e não se elabora um único parágrafo mais consistente
sobre os processos e os materiais utilizados nestas edificações, assim como quem são os
atores que perpetraram estes monumentos: com exceção dos autores do traço ­ ou seja,
dos arquitetos. Este tipo de história parece não se interessar em identificar quem
construiu, porque construiu, como construiu e como aprendeu a construir.
Um autor coevo que parece ter escapado a esta influência e trabalhado dentro de uma
afinidade maior com a História das técnicas é o Prof. Paulo Santos, particularmente
numa obra intitulada ,,A arquitetura religiosa em Ouro Preto editada no Rio de
Janeiro em 1951 e onde se faz um primoroso levantamento cadastral dos templos
religiosos da cidade, neste incluindo plantas, elevações, detalhes técnicos e descrições
minuciosas das fábricas construtivas.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

12

É possível que a tradição historiográfica paulista, ao contrário da carioca, tenha se
mostrado mais permeável ao estudo das técnicas, em especial pela característica da
formação do arquiteto paulista que até 1948 se dava dentro do âmbito da Escola
Politécnica da USP enquanto engenheiro-arquiteto. Entre os historiadores do século
XX, alguns coetâneos de Costa e Santos, cabe ao menos citar uns poucos que têm
significativas contribuições para uma futura História da Construção no Brasil ainda a
ser redigida; Luís Saia, Pedro Carlos da Silva Telles, Carlos Lemos e Benedito Lima de
Toledo.
A historiografia brasileira nas três ultimas décadas vem se enriquecendo bastante e
trabalhos que tangenciam fortemente a história das técnicas e da construção muitas
vezes aparecem dentro de um viés mais amplo como o do Patrimônio Histórico.
Contudo, estes trabalhos são ainda em geral restritos seja por voltarem-se à uma
arquitetura específica de uma determinada região e período seja por possuírem caráter
técnico próprio à restauração do Patrimônio arquitetônico.
Tal como o título indica o propósito deste artigo não é exaustivo, assim como não seria
possível, dentro de um evento científico com as características do II WHPO, que se
apresentasse um trabalho de maior fôlego. O nosso levantamento historiográfico
finalizará, portanto na primeira metade do século XX deixando o relacionar das obras e
autores mais recentes para um futuro complemento.
A conclusão a que se pode chegar é a de que uma ,,História da Construção no Brasil
ainda tem um longo caminho a percorrer antes de ser ainda esboçada, pelo menos uma
,,História da Construção dentro da concepção de uma disciplina que pretende ­ nas
palavras de Mascarenhas Mateus ­ ,,analisar a evolução do modus faciendi de uma
atividade humana milenar, numa abordagem transdisciplinar: disciplinas próximas e
correlatas no campo das ciências sociais tais como a arquitetura, a história, a economia,
a arqueologia, a antropologia, interagindo com disciplinas de outras áreas como as
engenharias em geral.

5. EPÍLOGO.
Esta comunicação insere-se no âmbito de um Projeto de Pesquisa intitulado "A
construção arquitetônica luso-brasileira: século XVI ao XIX" ao abrigo do Edital
PRONEX (Núcleos de Excelência) promovido pelo CNPq (Conselho Nacional de

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

13

Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e pela FAPES (Fundação de Amparo a
Pesquisa do Espírito Santo), e ao longo do qual programa-se um ,,Seminário de História
da Construção Luso-brasileira a acontecer no segundo semestre de 2011 e um ,,I
Congresso Internacional de História da Construção Luso-brasileira a acontecer no
segundo semestre de 2013, ambos na cidade de Vitória. Maiores informações podem ser
obtidas

no

site

do

Projeto

cujo

endereço

provisório

é:

www.historiadaconstrucao.blogspot.com

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS
AHU. Caderno de Desenhos da Aula Militar da Bahia. 1778-1779. Desenho à pena.
21,7 x 33,3 cm. N° 990 a 1028. AHU. Caderno de Desenhos da Aula Militar da
Bahia. 1779. Desenho à pena. 29 x 43,7 cm. N° 1029 a 1034.
BANHAM, Rayner. Teoria e projeto na primeira era da máquina. 2ª edição. São
Paulo : Perspectiva, 1979.
BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento. Diccionario bliographico brazileiro.
Rio de Janeiro, Typographia Nacional, 1883.
CARVALHO, José Murilo de. A Escola de Minas de Ouro Preto: o peso da glória. 2ª
edição revista. Belo Horizonte : UFMG, 2002. p.16.
FISCHER, Sylvia. ,,Introdução a uma introdução in: Ruy Gama (org.). Ciência e
técnica: antologia de textos históricos. São Paulo : T.A. Queiroz, 1992.
KATINSKY, Julio R.. "Preliminares a um estudo futuro de Vitrúvio" in: Vitruvio. Da
arquitetura. 2ª edição. São Paulo ; Annablume, 2002.
ORTEGA Y GASSET, José. A rebelião das massas. São Paulo : Martins Fontes, 2002.
PETERSON, Charles. E. "Introdução ao texto: As regras de trabalho da Companhia de
Carpinteiros da Cidade e Condado de Filadélfia (1786)" in: Ruy Gama (org.). op.cit.
PHILLIPS, P. Lee. A List of Books, Magazines and Maps relating to Brazil: 1800 ­
1900. Washington : Government Print, 1901.
PUPPI, Marcelo. Por uma história não moderna da Arquitetura brasileira:
questões de historiografia. Campinas : Unicamp, 1998.
Revista do Instituto Polytechnico Brazileiro. Rio de Janeiro. 1867.
SILVA, Antonio de Moraes, Diccionario da Lingua Portugueza (...). Lisboa : Simão
Thaddeo Ferreira, 1789. Volume II.
SILVA-NIGRA, D. Clemente Maria da. Frei Bernardo de São Bento, o arquiteto
seiscentista do Rio de Janeiro. Salvador : Tipografia Beneditina, 1950.
VARGAS, Milton. "Engenharia civil na República Velha" in: História da técnica e da
tecnologia no Brasil. São Paulo : UNESP, 1994.
VELLOSO, Diogo da Silveira Velloso. Arquitetura militar ou fortificação moderna.
Salvador : EDUFBA, 2005.

Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ­ ANPUH · São Paulo, julho 2011

14