1
Texto publicado em GÊNERO. Revista do Núcleo Transdiciplinar de Estudos de Gênero - NUTEG V.2-N. 1.
Niterói: EdUFF, 2000, p. 7-30.

A HISTÓRIA DAS MULHERES.CULTURA E PODER DAS MULHERES:
ENSAIO DE HISTORIOGRAFIA*
O longo período de invisibilidade feminina e as formas mais atuais assumidas pela
história das mulheres informam muito sobre o seu lugar na disciplina histórica. Tanto trazem
esclarecimentos sobre a escolha dos objetos tais como se apresentam num dado momento para
a história, como informam sobre a maneira particular de tratá-los. Decorridos dez anos,
ocorreram mudanças importantes na forma de identificar e de analisar os objetos históricos.
No interior deste amplo movimento sobre o qual poucas reflexões foram desenvolvidas, a
história das mulheres oscilou entre sistemas muito variados de exclusão, de tolerância e de
banalização, esse último tema da maior importância no momento. Colocá-los em evidência
responde a um duplo objetivo: o de permanecer crítico com respeito às formulações próprias
à história das mulheres; o de questionar, por outro lado, a necessária relação entre este campo
de estudos e o conjunto da pesquisa histórica. Trata-se de um projeto ambicioso e sabemos da
dificuldade de colocá-lo em prática: sempre é mais fácil formular questões do que resolvê-las.
Mas a história não é somente produção de saber, é também formulação de perguntas. As
questões que suscita e que lhe são propostas são também um campo específico de pesquisa,
espaço de reflexão a sempre aberto a uma impreterível discussão. Escolher para isto esta
revista, os Annales, não decorre do acaso, nem mesmo do desejo de demarcar um território
numa publicação que, sem ignorar a história das mulheres, não lhe tem concedido um grande
espaço1. Trata-se, sobretudo, de colocar abertamente questões concernentes aos modos de
análise dos papéis sexuais, matéria da qual a revista tem freqüentemente se ocupado, e de
suscitar indagações quanto às formas pelas quais uma certa historiografia recente pode
apropriar-se do campo de estudo do masculino e do feminino.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

2
*

ANNALES, ESC. Mars-avril 1986, n. 2, pp 271-293. Este artigo, um resultado de uma

pesquisa interdisciplinar desenvolvida, por vários anos, sobre os problemas do
masculino/feminino, trazido a um seminário realizado no Centro de Pesquisas Históricas, teve
a colaboração de: Cécile DAUPHIN (CRH-CNRS); Arlette FARGE (CRH-CNRS);
Geneviève FRAISSE (Philo-CNRS); Christiane KLAPISCH-ZUBER(CRS-EHESS); RoseMarie LAGRAVE (Sociologie-EHESS); Michelle Perrot (Histoire-ParisVII); Pierrette
PÉZERAT(CRH-EHESS); Yannick RIPA(Histoire-INRP); Pauline SCHMITT-PANILL
(Histoire-Paris VII); Danièle VOLDMAN (IHTP-CNRS). Traduzido por Rachel Soihet,
Rosana.M. Alves Soares, Suely Gomes Costa.

Em poucas palavras, vale lembrar um percurso que ninguém seguiu nessas circunvoluções. A
partir da constatação de negação e de esquecimento, a história das mulheres toma seu impulso
em 1970, apoiada à explosão do feminismo e articulada ao crescimento da antropologia e da
história das mentalidades, incorporando as contribuições da história social e dos aportes das
novas pesquisas sobre memória popular. Esse foi o período chave dessa produção intelectual:
as militantes dos movimentos feministas fazem a história das mulheres antes mesmo que as
próprias historiadoras a façam. Com esse impulso, as universidades abrem-se aos grupos de
pesquisas, reconhecendo seu valor, encorajando trabalhos e temas. Dois pólos de reflexão
estruturam esta efervescência intelectual: um faz surgir as mulheres no seio de uma história
pouco preocupada com a diferenciação sexual; outro demonstra a opressão, a exploração e a
dominação. Nesse contexto particular, onde a ideologia e a identidade são constitutivos do
objeto estudado, a história das mulheres é antes um acréscimo à história geral. Nas suas teses,
os homens escreviam sobre este capítulo suplementar, óbolo simbólico deixado a um
feminismo que os invade. Feminismo, mas não história do feminismo: eis a confusão
sabiamente mantida, quando é necessário destacar uma coisa da outra. São dois objetos
distintos: a história das mulheres e a história do feminismo. Seria uma a sub-parte da outra,
parte de uma parte já difícil de ser reconhecida pela disciplina histórica? Ou, a articulação
entre ambas não seria algo mais complexo, uma vez que o feminismo histórico excede, por

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

3

suas questões singulares, a história das mulheres? De qualquer modo, a história das mulheres
permanece, na verdade e na maior parte, trabalho das mulheres, tolerado ou marginalizado,
mas sem qualquer controle do rumo da disciplina.
Na medida em que se desenvolve um novo campo de pesquisas, mais organizado ou
mesmo mais sólido,

uma parte das historiadoras percebe o grave perigo de isolamento

intelectual posto pela tendência que conduz a estudos, na verdade, muito tautológicos. Se
pretendem dar conta de toda a disciplina histórica, vêem-se obrigadas a afinar seus conceitos
e a dirigir um olhar crítico sobre tudo aquilo que produziram. É a hora de começar os
balanços, constituir grupos críticos2, realizar com a ajuda dos poderes públicos um colóquio3,
criar no CNRS uma Ação Temática Programada específica4. Este reconhecimento oficial da
"questão mulheres" amplia, para algumas, as interrogações que elas formulam, há um certo
tempo, sobre o manejo de seus conceitos. Reativa o temor de que a história das mulheres, por
sua fragilidades, não chegue a ser um elemento importante da disciplina histórica, nem
mesmo uma pedrinha no sapato. Eis, em síntese, estas fragilidades:
- a predileção sempre sensível pelo estudo do corpo, da sexualidade, da maternidade, da
fisiologia feminina e das profissões próximas de uma "natureza" feminina;
- a dialética sempre utilizada da dominação e da opressão que não sai senão do enunciado
tautológico, uma vez que não se tenta analisar por quais mediações específicas, no tempo e no
espaço, esta dominação se exerce;
- uma inflação de estudos sobre os discursos normativos que mal levam em conta as práticas
sociais e os modos de resistência a estes discursos, e que induz, algumas vezes, a uma espécie
de auto-fascinação pela infelicidade;
- um desconhecimento da história do feminismo e de sua articulação com a história política e
social;
- uma falta de reflexão metodológica e, sobretudo, teórica.
Paralelamente a estas incertezas, a própria história muda de fisionomia, segundo
inflexões que não são inteiramente perceptíveis quando surgem. Colocamos à parte a notável
irrupção masculina, na etnologia e na história, na pesquisa sobre a diferenciação dos papéis
sexuais: os trabalhos de M. Godelier e de G. Duby são, neste aspecto, emblemáticos de uma
tomada de consciência geral5. Essa tomada de consciência se faz no interior da tendência
comum ao conjunto da pesquisa histórica a de incorporar as contribuições vindas da história
das mentalidades e da atualização de novos objetos, tais como a sexualidade, a criminalidade,
a morte, a alimentação, o desvio. Este papéis, tão valorizados recentemente, são hoje menos

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

4

atraentes e até mesmo abandonados, embora trate de problemas, na realidade, muito longe de
serem resolvidos. Outros grandes temas - cujo risco é o de nivelar a leitura das relações
sociais - emergiram: o medo, o pecado, as relações entre vida privada e vida pública. Neste
percurso, um novo campo de pesquisas é chamado a desenvolver-se: a história das
representações sociais e culturais (numa menor proporção que aquela das representações
políticas). É neste quadro que uma nova noção encontrou lugar, a da "cultura feminina," lugar
das análises dos gestos e práticas.
Sem dúvida, o sucesso da história cultural e daquela das representações, a contribuição
crescente dos debates etnológico e antropológico concederam aos estudos sobre os papéis
sexuais uma outra fisionomia. Fisionomia a escrutar ainda mais atentamente, à medida em que
se impõe e é também caucionada por uma corrente historiográfica inovadora e brilhante.
Procurando descrever o papéis femininos, chegou-se a traduzir um certo número de práticas
específicas que, por um jogo de compensações, de interferências ou de significações
simbólicas terminam por desenhar os traços de uma cultura feminina sem a qual seu sentido
socia seria diluído6. Nessa mesma perspectiva, o jogo das oposições simbólicas entre o
masculino e o feminino, sempre movediço e com significações diferentes segundo épocas e
motivos, constitui-se n uma maneira de mostrar que os papéis sexuais se construíram
solidamente para lutar contra toda forma de indiferenciação sexual, considerada como
decisiva para as sociedades. Por se deixar de colocar em dúvida uma tal problemática, tornouse necessário salientar os limites e os efeitos perversos dessa abordagem, e propor uma
reflexão metodológica que resgatasse os conhecimentos adquiridos e enfrentasse os seus
impasses.
Ter poder?
A abordagem cultural dos sexos
É justo dizer que pertencer a um ou outro sexo diferencia atitudes, crenças e códigos
numa determinada sociedade. É justo também observar que isto diferencia as sociedades entre
si: graças a este parâmetro, novos campos de pesquisas e estimulantes áreas conhecimentos
foram abertos. Parece interessante ressaltar dois: a identificação de objetos, de lugares e de
condutas femininas; a inflexão do binômio dominação masculina/opressão feminina, antes
subjacente a todo estudo sobre os papéis sexuais.
Nomear, identificar, quantificar a presença das mulheres nos lugares, nas instâncias,
nos papéis que lhes são próprios, aparecem como uma etapa necessária, um justo retorno das

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

5

coisas. São assim iluminadas as categorias do masculino e do feminino, até aqui escondidas
sob um neutralismo sexual, só beneficiando o mundo masculino. Depois de estudados, por
exemplo, os modos de sociabilidade masculina, tais como as abadias da juventude, os
recrutas, os cafés e cabarés, etc., torna-se legítimo examinar a sociabilidade feminina,
segundo este mesmo critério de separação. Decorrem daí frutuosos estudos sobre o lavadouro,
o forno, o mercado e a casa e algumas avaliações sobre os lugares femininos pouco ou
bastante ligados a tarefas de produção, enquanto que os lugares masculinos são, na maioria
das vezes, ligados ao lazer... Do mesmo modo, tempos significativos de períodos da vida,
como o nascimento, o casamento ou mesmo a morte são tomados como objetos de estudos. É
o caso do trabalho etnológico de Y. Verdier7, que decifra, na sua coerência social e simbólica,
os gestos da costureira, da lavadeira e da cozinheira. Apreende-se deste trabalho o laço
(espécie de fio de Ariadne) que tece a coerência dos discursos, dos gestos, das técnicas e dos
papéis que exercem as mulheres numa pequena aldeia de Borgonha. No seio da cultura
feminina, encontram-se os poderes singulares de seus corpos, enunciados como uma série de
interdições e de relações privilegiadas com o tempo.
De forma paralela, os trabalhos de Agnès Fine sobre o enxoval feminino mostram
claramente os processos de identificação da mulher com os objetos que o compõem8. Numa
perspectiva um pouco diferente, a obra recente de J. Gelis9 constrói-se em torno dos ritos do
nascimento do século XV ao século XIX, o que permite inventariar uma infinidade de gestos
individuais e coletivos, encarregados de conduzir à vida e de afastar a ameaça da morte. Neste
reconhecimento dos lugares e das condutas femininas, não são esquecidos os estudos que
concernem à vida conventual ou à existência de associações femininas10.
Por outro lado, certos trabalhos estavam imersos numa problemática ao mesmo tempo
restringida e restritiva, onde somente a dialética da dominação e da opressão organizava o
cenário, sem que jamais fosse concedida qualquer atenção às

variações freqüentes e

complexas ou às formas de poder exclusivamente feminino. As relações entre os sexos não
podiam resumir-se a uma única explicação, invariante e universal: a supremacia masculina.
Fazendo isso, ignoravam-se as numerosas contribuições oriundas dos estudos ditos culturais.
Com efeito, se as mulheres têm sua versão do sentido social, se controlam o uso de práticas
que acompanham a vida e a morte, torna-se evidente que elas possuem "o" poder, cuja análise
deve reorientar o debate geral, abrir novas interseções de leitura. A partir daí, evidencia-se a
oportunidade de construir estudos livres de toda ganga tautológica paralisante e capazes de
dar conta do conjunto sempre movediço das realidades.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

6

Tomemos o exemplo da obra de Martine Segalen11 consagrada à sociedade rural do
século XIX. A autora marca claramente a maneira pela qual a autoridade masculina e os
poderes femininos são os dois vetores que estruturam ao mesmo tempo a vida sexual, o
trabalho, o espaço, as relações do casal com sua comunidade, e como inscrevem-se tão bem
nos rituais e nas representações. Por outro lado, Annette Weiner, retomando um dossiê que se
pode dizer arquetípico (les Iles Trobriands) e voltando para terrenos conhecidos12, observa de
uma nova maneira a troca de objetos tradicionais pertencentes às mulheres (folhas de
bananeiras) por ocasião das cerimônias de luto. Ela reconsidera a interpretação da circulação
das riquezas feita pelos antropólogos que a precederam, e descobre um outro sistema de
explicação social, fundado, desta vez, sobre papéis femininos, até aqui silenciados porque não
entrevistos até então. Esta focalização recente nos poderes femininos representa uma
conquista evidente. Assim, o inventário do domínio privado a que nos tinham habituado os
eruditos e historiadores do século XIX enriqueceu-se de uma leitura em termos de poder e de
uma análise da confrontação, real e simbólica entre a vida privada e a vida pública.
Entretanto, este avanço dos estudos sobre os poderes femininos comportaria o perigo
de deslizar por caminhos muito fáceis ou em direção a usos ideológicos até certo ponto
falaciosos. Reconhecer-se que, em termos de cultura, as mulheres possuem poderes, pode
introduzir tais abordagens numa perspectiva conciliadora, justapondo culturas ao mesmo
tempo plurais e complementares, esquecendo que a relação entre os sexos é muito marcada
pela violência e pela desigualdade. Um esforço de rigor teórico evitaria que nascessem novos
estereótipos dissimulados sob modernas formulações.
Impasses
Utilizado em numerosos estudos rurais13, o tema da complementaridade funcionaria
tão bem que vai impor a imagem definitiva de uma divisão dos espaços, dos tempos, dos
gestos cotidianos, dos rituais entre homens e mulheres e apresentar um modo equilibrado de
papéis e tarefas, nem antagônicas nem concorrentes: a vida social, assim, parece organizada
em torno de dois pólos aparentemente equivalentes, a autoridade masculina de um lado, os
poderes femininos do outro. Mesmo que algumas vezes seja demonstrado que a divisão
sexual das tarefas não é fixa, e que essas tarefas se organizam em zonas de intercessão e de
troca que desordenam a oposição entre trabalho doméstico feminino e trabalho de produção
masculino, a noção de complementaridade não deixa de comportar ambigüidades. Assim, as
tarefas domésticas jamais são mistas. Os gestos em torno da água, do fogo e do preparo dos
alimentos são gestos femininos que os homens não podem praticar sem desvalorização.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

7

Materialmente e simbolicamente, os homens não procuram, por outro lado, conquistar este
domínio. Contrariamente, verifica-se que as tarefas habitualmente masculinas necessitam da
intervenção feminina para serem concluídas. Neste caso, as mulheres não tiram daí nenhum
acréscimo de prestígio, pois a "qualidade" feminina aboliria, naquilo que é tido como próprio
à natureza, todo valor de qualificação adquirida por uma aprendizagem ­ processo encontrado
em todas as classificações do trabalho contemporâneo. Em suma, as mulheres não são
"desqualificadas", jamais são "qualificadas".
Se a complementaridade dá conta de uma realidade em que a associação da mulher e
do homem revela-se necessária, ela apaga o fato de que a distribuição de tarefas possui,
apesar de tudo, um pólo positivo e um pólo negativo e de que contém nela um sistema de
valor hierárquico. Papéis complementares talvez, mas subordinados um a outro. Pelo menos,
o conceito de complementaridade deveria ter integrado a distinção, feita desde 1970 por
Lucienne Roubin14, entre complementaridade de subordinação e complementaridade de
emulação. Tomando-se, por exemplo, o caso da agricultura, a divisão técnica do trabalho
entre homens e mulheres (os homens lavram, semeiam; as mulheres colhem, tiram as ervas
daninhas) pode ser analisada em termos de complementaridade, caso permaneça somente no
nível técnico. Mas no momento em que a sociedade camponesa codifica e valoriza
diferentemente esta complementaridade técnica, "lavrar-semear" são trabalhos nobres,
enquanto "tirar ervas daninhas-colher" são trabalhos subalternos. A complementaridade tornase um princípio de hierarquização dos papéis, e tem-se, na verdade, uma relação com uma
complementaridade de subordinação, ou "de oposição complementar", que não apaga as
divergências e convergências de interesses, as desigualdades de direitos, as relações
contraditórias entre homem e mulher na relação do casal15. Estas pesquisas, e muitas outras,
sugerem que, daqui em diante, não somente a divisão técnica das tarefas, mas também os
valores e símbolos que lhes são vinculados sejam relevantes.
Outros exemplos podem ilustrar este esquema: se o enxoval traça uma longa história
de mãe para filha, se o cozimento do sangue do porco é tão essencial quanto o golpe de faca
aplicado sobre o animal, ninguém pode negar que existe uma diferença hierárquica entre as
práticas masculina e feminina. Diferença que pode também conter uma certa forma de
violência: matar o porco teria essa representação simbólica seguramente. Já a cocção do
sangue representaria o banal, mas também o acolhimento; é também um gesto cuja existência
depende do primeiro e que só tem sentido na dependência da iniciativa e da força deste.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

8

Do mesmo modo, no livro já citado de J. Gélis: para além do inventário erudito dos
ritos e costumes cotidianos envolvendo o nascimento, fica no leitor uma impressão de grande
violência, sem que o próprio autor se dê conta disso. Este nem toma conhecimento, nem
parece percebe-la na sua intensidade. Todavia, essa obra mostra como a mulher em trabalhos
de parto encontra-se regida pelo trabalho que deve acionar sobre si mesma e contra os
elementos naturais e sobrenaturais, para chegar, custe o que custar, a um nascimento bem
sucedido. Assim, parece esmagada por preceitos que, a todo instante, procuram colocá-la
numa sintonia ideal com o cosmos para chegar com sucesso ao seu objetivo, parecendo, ao
mesmo tempo, viver o medo angustiante de não atingi-lo. Deve, pois, entregar-se a uma
atividade incessante para que Deus e a natureza não a traiam. A situação descrita pelo autor
(mas teria sido necessário poder estudar as transgressões e as indiferenças que
simultaneamente, suscita), insinua a leitura de um estado de desequilíbrio permanente que a
mulher deve remediar, uma batalha que conduz sozinha na maioria das vezes para não estar
"em débito". Não há nenhuma complementaridade possível neste nível, mas um medo e uma
violência, estruturando ritos e comportamentos femininos, pouco levados em conta.
A idéia tão tranqüilizadora de complementaridade tem como conseqüência afastar o
espectro da contestação e digerir de antemão tal ameaça, tornando imperceptíveis as
modalidades e os traços específicos dessa experiência. A perspectiva que tolera a inversão
sem que sejam tocados os termos que a fundamentam, cria o império da doçura e da
conciliação. Nela, o estudo do masculino/feminino imobiliza-se num silêncio profundo sobre
as possibilidades de tensão e conflito, de rivalidade ou de tomadas de poder sucessivas. Uma
certa história das mentalidades pode certamente facilitar tal orientação. A partir de uma
definição cultural dos espaços masculino e feminino se edificaria um equilíbrio real e
simbólico entre dois mundos de onde seriam excluídas as confrontações e violências. Daí, os
jogos sociais (compensação, consentimento e oposição, por exemplo) estarão enfraquecidos
pela necessidade constante que as duas posições simbólicas e práticas teriam uma da outra,
no meio de um sistema de valores dados como equivalentes. Assim formulada, a realidade
conflitante e contrastada do cotidiano torna-se mascarada e, como resultado, resvala-se da
noção de diferença dos sexos para a de imposição de uma estrutura binária da sociedade que
exclui o atrito. A perspectiva é tentadora, mas redutora.
O deslocamento da problemática em direção ao reconhecimento de uma "cultura
feminina" efetuou-se após pesquisas pioneiras que privilegiaram os momentos da história em
que esta cultura, admitida em seu lugar próprio, podia ser observada.. Seu terreno de eleição,

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

9

a sociedade rural, é descrito sem nenhuma referência ao contexto histórico, às mudanças
cruciais do século XIX ou dos primeiros anos do século XX ­ estrada de ferro, serviço postal,
escola, sufrágio "universal", migrações, guerras, urbanização ­ ou aos fatores de mutação
interna como as inovações técnicas ou o custo da terra. Uma sociedade imóvel, em equilíbrio,
sem história emerge destas análises, que deixam uma estranha impressão de atemporalidade e
que parecem valorizar uma cultura em vias de desaparecimento.
Os "fatos históricos" que esta história encadeia, purgados de eventos e do conflito,
tiram seu sentido da repetição ­ dos gestos, dos ritos, do dizeres ­ que leva a extrair
invariantes, até mesmo universais, para caracterizar a relação entre os sexos. Colocando-se
uma sociedade camponesa como congelada, o olhar dos pesquisadores escolhe levar em conta
apenas os materiais que realçam um discurso mitológico. Escritos de folcloristas,
representações literárias ou plásticas, discursos normativos, até provérbios situam todos um
problema de estatuto. Eles colocam em cena a cultura camponesa sem deixar escutar, nem
datar a palavra camponesa. Discurso que confunde inocência e natureza, sexualidade animal e
humana, ousadia e submissão da mulher... Nada se interroga sobre a origem destes
estereótipos, sobre a maneira como são veiculados, sobre sua especificidade no quadro da
sociedade rural do século XIX. Alimentada da experiência etnológica, esta visão da cultura
rural e das relações masculino/feminino que aí se desenvolvem prefere descrever estruturas
imóveis, mais do que tempos movediços de evolução, de confrontação,de questionamentos.
No máximo, a história das relações entre os sexos inscreve-se numa história de longa duração.
As raras tentativas para distinguir entre um tempo longo e um tempo curto parecem desviar-se
do caminho. Na conclusão do seu artigo sobre o enxoval pirenaico, Agnès Fine propõe dois
níveis de análise para a história das relações entre os sexos. As condições políticas,
econômicas, sociais do lugar das mulheres numa dada sociedade dependeriam da cronologia
precisa, digamos, do tempo curto; a simbólica sexual, a maneira como os dois sexos pensam
sua relações pertenceriam, ao tempo longo: elas seriam mais do domínio da permanência do
que da mudança. Esta distinção não é sem falha.
A dialética do tempo longo e do tempo curto, familiar aos historiadores destes dois
últimos decênios, concerne, geralmente, a objetos distintos. Neste caso preciso, ela se
desenha, pelo contrário, no interior de um mesmo campo: as relações entre os sexos. Como
então articular uma "simbologia" dos sexos que resiste passivamente com uma prática da
divisão dos sexos sujeita a mudanças? Em boa lógica ­ a lógica de uma teoria das
representações que sublinha as relações do imaginário com as estruturas sociais e políticas,

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

10

qualquer que seja a complexidade dessas relações - uma tal relação não é concebível. Ou
nada muda de lugar ­ nem o lugar das mulheres, nem o pensamento sobre a divisão dos sexos
­ ou tudo muda. De um ponto de vista metodológico, estabelecer esta diferença entre um
tempo real submetido à história, e um tempo das mentalidades mais ou menos fora da história,
é bem pouco satisfatório. A distinção entre os "dois níveis de análise" permanece muito
formal, e é a inserção da "cultura feminina" no tempo longo da história que permanece
privilegiada.
Mesmo deste ponto de vista, o desvendamento permanece insuficiente. Aceitemos a
hipótese desta inserção como verdadeira. Apliquemos a ela as reflexões críticas de Michel
Vovelle que analisa todos os riscos dessa perspectiva16. Verificar-se-á logo que todos os
trabalhos que segundo ele, vinculam-se legitimamente à história da longa duração ­ a história
da família, do amor, do casal, da criança ­ são precisamente aqueles que destacam, o mais
quotidianamente, a "diferença dos sexos"; ora, eles não a tratam como assunto. De outro
modo dito, nossas reticências diante da problemática da longa duração vem de uma
constatação: nenhum dos estudos de história antropológica sobre os temas que tocam à
diferença de sexos, nenhum daqueles que se ocupam mais precisamente das mulheres,
conseguiu, apoiando-se na longa duração, colocar diferentemente e historicamente, a questão
das relações entre os sexos.
Pensar de outro modo a cultura feminina
Não se trata somente de reconstituir os discursos e saberes específicos às mulheres, nem
mesmo de lhes atribuir poderes não reconhecidos. É preciso compreender como uma cultura
feminina constrói-se no interior de um sistema de relações desiguais, como ela mascara as
falhas, reativa os conflitos, baliza tempos e espaços, como enfim pensa suas particularidades e
suas relações com a sociedade global. Duas pesquisas, na nossa opinião, exemplares, nos
ajudarão.
Num estudo sobre as burguesas do Norte da França no século XIX, Bonnie Smith
analisa como, excluídas após 1860 da gestão dos assuntos a que estavam, até então,
associadas, estas mulheres tiveram que modificar profundamente seu papel na sociedade17.
Torna-se necessário, desde então, que administrem toda a casa, composta de numerosa família
e de criadagem. Em conseqüência, constroem uma nova representação de si mesmas., em
particular, no mundo romanesco que domina seu círculo social. Elas são igualmente levadas a
fundar seus próprios valores, sempre em oposição à ideologia masculina da época: assim

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

11

pregam, por exemplo, a fé contra a razão, a caridade contra o capitalismo, o matriarcado
doméstico contra a gestão econômica, a alta consciência moral contra o dinheiro.
A infelicidade das mulheres faz a felicidade dos homens? É a pergunta que se faz
Marie-Elisabeth Handmann a propósito de um pequeno lugarejo grego dos anos de 196018.
Ela mostra como o antagonismo dos sexos é constitutivo de cada identidade, sem criar para
tanto a solidariedade de sexo, notadamente nas mulheres. O confinamento e o isolamento na
casa apenas deixa às mulheres a astúcia para sobreviver à violência dos homens. Numa
sociedade economicamente fechada, encerrada na rigidez dos códigos sociais e culturais, vêse circular a dupla causa da infelicidade humana: a negação de toda liberdade para as
mulheres e o controle sexual permanente a que são submetidas, provas das frustrações
masculinas. Assim se exprime, sempre na violência, uma virilidade que não pode viver na
troca, já que ela obedece ao dever da dominação. Desde então, perpetua-se uma identidade
feminina reduzida ao estatuto obrigatoriamente infeliz, mas obrigatório ainda assim, de esposa
e de mãe, conforme o modelo único. A transgressão se paga com a exclusão ou com uma
violência, às vezes mortal.
Eis duas épocas, duas sociedades, duas culturas, e duas abordagens da história das
mulheres das quais se pode tirar ensinamentos. É necessário, em primeiro lugar, assumir a
herança da dupla acepção da palavra cultura. No uso clássico, esta evoca as faculdades
intelectuais e as produções do espírito. A acepção antropológica, em compensação, remete a
um conjunto de significações que se enunciam nos discursos ou nas condutas aparentemente
as menos "culturais": modelos herdados, enraizados nos símbolos em todas as formas de
expressão que permitem ao indivíduo comunicar, perpetuar e desenvolver seu saber e suas
atitudes sobre a vida19. Nos estudos sobre as mulheres, a passagem da acepção clássica para a
uma abordagem culturalista é uma maneira implícita de retomar uma dificuldade; recusando
situar as mulheres do lado das produções intelectuais, evita-se analisar os mecanismos de
exclusão, e, sobretudo, "pensar as diferenças de sexo no mesmo nível de abstração teórica que
o parentesco, o político e o econômico" 20.
Então... restam as praias abandonadas dos gestos, das técnicas, das maneira de dizer e
de fazer. Valorizar os gestos da vida cotidiana não permite compreender por quais
mecanismos os campos específicos de um ou de outro sexo se constituíram, e como se
operaram as desqualificações, quando um motivo cultural passava de um sexo a outro.
Importa, sobretudo, identificar a maneira pela qual se imbricam as diferentes figuras culturais;

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

12

desde então, saber se é preciso chamar de "feminino" o que é criado pelas mulheres, ou o que
lhes é destinado, torna-se um falso problema.
No estudo da aldeia grega, a pertinência das tentativas de M. ­E. Handmann é clara:
ela analisa os mecanismos pelos quais as categorias de pensamentos fundamentais podem
tornar-se esquemas interiorizados; a dominação masculina perpetua-se de geração em geração
apenas porque ela passa também pela interiorização feminina. Entre as burguesas do Norte,
as figuras triunfantes da mulher reinando na família combinam-se com as fragilidades de um
sistema de signos complexo, rígido, inteligível somente para os interessados. Presença forte,
mas contida na família, invasão do imaginário privado e público: este jogo contraditório
desenvolve-se nas práticas, nas normas e nas representações romanescas. Ele nos convida a
colocar uma questão: como tal imaginário, onde o feminino tem este lugar, pode-se criar
numa sociedade com poder exclusivamente masculino?
O consenso em que vivem os membros de uma comunidade, e que está contido na
definição antropológica da cultura, funda a existência e a vitalidade desta. Neste sentido, a
cultura das mulheres é certamente aquela que interessa a toda a comunidade; mas todo
elemento cultural deve ser pensado em termos de relações e dependências: ao outro sexo, ao
grupo social, ao contexto político e econômico, ao conjunto do domínio cultural. A divisão
jamais é neutra: o importante é qualificar as posições de cada sexo, já que um sistema de
valores fundado na apartação não é necessariamente fundado na equivalência. Assim, o
realce dado à importância do papel das mulheres em certos níveis da vida social não deve
fazer recuar o problema central da dominação masculina. Nessa aldeia grega contemporânea,
como nas cidades do Norte do século XIX, é realmente sobre uma relação desigual que se
focalizam resistências masculinas inconfessadas, e que se cristalizam, de maneira
contraditória, acusações e justificativas-álibis das mulheres afastadas de suas aspirações e de
suas atribuições.
Parece que a história da cultura feminina não pode marginalizar conflitos e tradições.
Eles devem, pelo contrário, tornar-se um ponto nodal. Como toda cultura, esta se desenvolve
dentro de tensões que administram equilíbrios simbólicos, contratos e compromissos mais ou
menos temporários. Os silêncios, as ausências, usos específicos articulam estes conflitos que,
sucessivamente, legitimam, deslocam ou controlam a razão do mais forte21. Deve-se disso
fazer a história.
Ter o poder?

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

13

"As mulheres, que poder!" 22. Este quase-aforismo não exprime uma tática de prêmio
de consolação, mas uma convicção largamente partilhada, pelos cidadãos de ontem como
pelos historiadores de hoje, igualmente persuadidos de que "os costumes" - o privado, a
sociedade civil ­ contam definitivamente mais do que a política e o Estado. As experiências e
as ideologias contemporâneas, atingidas pelo fracasso dos voluntarismos e pela força da
inércia, valorizam, por sua vez, o social oposto à "ilusão do político". Assim, as correntes
ligadas a 1968 sublinhavam o papel motor das periferias ­ marginais, minorias, mulheres ­ e a
invenção criadora do cotidiano. Este tipo de análise, de conteúdo heurístico considerável e
tributária da história sociocultural das longas durações, tem, entretanto o inconveniente de
apagar novamente os conflitos e as tensões: luta das classes e luta dos sexos. O retorno a uma
certa "história-política" ­ sobretudo "história do político" - não significa retorno a uma
narrativa dos fatos, mas reflexão sobre os jogos, os agentes, as formas de mobilização, os
consentimentos, as seduções e as resistências. A dimensão sexual desta análise não é, todavia,
evidente. "Uma relação política, só existe entre grupos sociais", exclamava um interventor por
ocasião de um recente colóquio23. Como introduzir esta dimensão, fazendo-se a história das
mulheres beneficiar-se destas novas contribuições?
As modalidades da dominação masculina
Responder à interpelação precedente implica em lembrar que as relações entre os sexos são
relações sociais. Não são dados naturais, mas construções sociais, e seu estudo é do mesmo
tipo que aquele das outras relações, igualitárias ou não, entre grupos sociais. Nesta
perspectiva, a "dominação masculina" é uma expressão, dentre outras, da desigualdade nas
relações sociais. Esta forma de desigualdade é incluída no funcionamento de numerosas
sociedades, qualquer que seja seu grau de desenvolvimento. Ela não é específica das
sociedades ocidentais e deslocá-la para outros espaços não leva ao risco de um etnocentrismo
exagerado24. Apesar das míticas Amazonas, "não se teve a prova formal até o presente de que
existam sociedades isentas de dominação masculina"25. Falar de "dominação masculina"
decorre de uma constatação científica e não de um julgamento moral: o que é ao mesmo
tempo largamente sabido e regularmente questionado!
Nós exprimimos o receio de que esta noção e seu corolário, as subordinações
femininas, não constituem uma aporia para a história das mulheres, e o desvio pela
problemática da cultura feminina não o fez desaparecer. Ora, eis que esta noção ressurge, em
meio à descrição das relações de sexos como relações sociais: de qualquer modo,
incontornáveis. Entretanto, na perspectiva aqui adotada, a "dominação masculina" não é mais

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

14

uma constante sobre a qual toda reflexão tropeçaria, mas a expressão de uma relação social
desigual da que se pode compreender as engrenagens e marcar as especificidades, segundo os
sistemas históricos. Ela é um instrumento indispensável para captar a lógica do conjunto de
todas as relações sociais. Vamos mais longe. A relação dos sexos e sua expressão, a
dominação masculina, não é dissociável de outros tipos de desigualdades, e é preciso,
incessantemente, dar conta da imbricação de uns com os outros. Se for inútil alimentar o
dossiê farto das manifestações e da dominação masculina in abstracto, alguns exemplos
permitem lembrar as articulações entre este tipo de dominação e outras formas desiguais de
relações sociais.
Quando se analisa por quais mecanismos, por quais mediações concretas e simbólicas,
a dominação masculina se exerce, constata-se que, em geral, esta dominação não se faz de
maneira frontal, mas por meio de definições e de redefinições de estatutos ou de papéis que
não concernem unicamente às mulheres, mas ao sistema de reprodução de toda a sociedade.
Assim por exemplo, no século XIX na Grécia, a atribuição das mulheres à vida doméstica e a
valorização periódica feita disso, passam sub-repticiamente por uma redefinição do estatuto
da infância26 e são inseparáveis das transformações das cidades gregas da época. A
dominação masculina se exerce em lugares e por mecanismos os mais diversos que, à
primeira vista, não tem nada a ver com as relações entre os sexos. Infelizmente, faltam
estudos para aprofundar o conhecimento destes mecanismos que são menos perceptíveis que a
violência do afrontamento direto.
Tanto nas sociedades pré-capitalistas quanto nas sociedades industrializadas, a
dominação masculina é indissociável do modo de produção dos bens, excluindo as mulheres
dos benefícios de seu trabalho. Na produção doméstica as mulheres são exploradas, ao mesmo
tempo, no seu trabalho e na sua capacidade de reprodução: o produto do seu trabalho retorna
ao seu tutor legal e a procriação submete-se ao controle da comunidade. As mulheres tornamse, assim, um "bem de uso", situação que não é própria aos sistemas arcaicos. Este modo de
produção doméstica prolonga-se, com efeito, sob outras formas do sistema capitalista, através
das relações familiares de produção (empresas artesanais, comerciais, agrícolas). Quer seja na
padaria27 ou na agricultura, a dominação se exerce pelo monopólio profissional do ofício, do
regulamento, das técnicas e da herança patrimonial28. A história do dote seria um outro
exemplo de despossessão da mulher que se liga estruturalmente à desigualdade dos sexos e ao
modo de reprodução de uma sociedade. Enfim, cumpre-se lembrar que, no mundo assalariado,
a divisão social do trabalho é ao mesmo tempo uma divisão sexual do trabalho29.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

15

Recolocar a dominação dos homens no interior do conjunto desigual das relações
sociais tendo em vista a especificidade, mas também a banalidade (conjuga-se muito
freqüentemente com a dominação de classe para reproduzir a ordem legítima) permite fazer
disso um objeto de conhecimento, de análise, e assim, ter o controle sobre o que é
freqüentemente considerado como inevitável, inelutável. Não se trata mais de evitar esta
constatação, de tomar caminhos transversos esperando não mais encontrá-la, mas de enfrentála para melhor compreendê-la. Na história, se prestarmos atenção, conhece-se inúmeras
estratégias desse confronto. Destas respostas à dominação masculina, queremos falar agora.
Compensações e resistência
Pelo efeito da dominação masculina, as mulheres, em particular, na qualidade de
agente da reprodução, são o objeto de uma manipulação particular no seio da arte de governar.
Essas artes, nunca constantes, expressar-se-iam por variações dos discursos e das práticas,
ligadas aos interesses da família, da sociedade civil e do Estado. O nível de opressão sobre
elas varia segundo as épocas. Ao mesmo tempo, as mulheres tiram do sistema compensações
de todas as ordens, dentre elas, um certo número de poderes que lhes permite compreender o
grau de consentimento que conferem ao sistema, e sem o qual este não poderá funcionar.
Assim, a "fraqueza" das mulheres (e seu capital maternal) lhes vale, nas sociedades
industriais contemporâneas, uma relativa proteção como, por exemplo, no domínio do
trabalho, através de uma legislação específica. Na França, as mulheres param de trabalhar no
fundo das minas desde a metade do século XIX; não lhes é permitido o trabalho noturno,
limita-se a sua jornada de trabalho, a ponto de excluí-las de numerosos empregos na indústria.
Durante a primeira guerra mundial, a entrada maciça nas indústrias de guerra é acompanhada
da higienização dos locais, da instauração de um controle especial (superintendentes de
indústria). Ambígua, esta proteção tem efeitos perversos porque leva a discriminações sexistas
e, por fim, ao retorno das mulheres em direção aos setores ditos menos nocivos e mais
confortáveis à "natureza" delas, como o trabalho a domicílio. A brutalidade da grande
indústria não foi menos indulgente com elas, como no caso da guerra e do serviço militar.
A estas precauções, formais e informais, provavelmente mais que a uma resistência
biológica ­ bastante regredida quando as mulheres acedem ao modo de vida masculino - as
mulheres devem, sem dúvida, uma longevidade excepcional. O distanciamento entre as taxas
de mortalidade masculina e feminina não cessa de aumentar nas sociedades desenvolvidas; a
taxa na França é de oito pontos, em benefício das mulheres de todas as condições. Seriam "as
mulheres mais modernas que os franceses do sexo masculino? Por que o sexo fraco, em

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

16

nossos dias, a cada ano, em maior número, e especialmente na França, é aquele que a tradição
continua a qualificar de forte?", interroga-se um demógrafo30. Sobreviventes, freqüentemente
administradoras do patrimônio, as mulheres são guardiãs da memória, durante os longos anos
de viuvez, às vezes os de seu maior poder, enquanto que outras conhecem solidão e privação
crescentes31.
A "fraqueza" das mulheres é também a justificativa de uma irresponsabilidade
presumida que lhes vale, pelo menos no século XIX, uma indulgência particular diante da
justiça. A mulher não é punível", diz Michelet. Seguramente não é esta a única razão de uma
menor delinqüência que a criminologia contemporânea (Lombroso, La femme criminelle,
1895) tentou explicar em termos de "natureza". A circulação reduzida das mulheres, a
violência contida em sua formas de expressão ou de vingança concorrem para isso. Contudo,
a idéia de que a mulher é um ser menor e que "merece", neste caso, um tratamento paternal,
pesa sobre as deliberações, como em matéria de infanticídio ou de aborto, onde as taxas de
absolvição são muito elevadas. A percepção do corpo das mulheres como fonte de
fecundidade talvez intervenha também para limitar os castigos que lhes são infligidos: poucas
criminosas condenadas, cada vez menos condenadas à morte; em 1911, uma lei suprime esta
pena para os crimes de infanticídio. Assim, branda criminalidade e branda repressão
caracterizam a situação penal das mulheres nas sociedades desenvolvidas. Tocqueville fazia a
respeito a observação deste fato na América dos anos 1839. A reivindicação feminista
contemporânea da violência e da punição, por surpreendente que seja, compreende-se na
perspectiva de um reconhecimento de igual responsabilidade. Mas para a maior parte das
mulheres, escapar da polícia e da prisão, e mesmo da suspeita, era antes uma vantagem de que
elas tiraram partido e de que, algumas vezes, cujo uso lhes foi pedido, notadamente nos
movimentos de resistência.
A galanterie, esta forma abastardada dos rituais de corte, os mil estratagemas da
sedução, os jogos sutis da homenagem e do amor não são apenas prazeres masculinos. Existe,
na expectativa da declaração de amor, na posição de um ser a conquistar, na situação de
mulher "adorada, mimada, satisfeita"- para recuperar expressões do século de Baudelaire -,
compensações próprias a muitas mulheres que delas fazem sua ocupação, suas delícias e seus
sonhos. "A estes prazeres de escrava" muitas mulheres encontravam ­ encontram sempre ­
atrativo. Mesmo os deveres de representação, para nós tão fastidiosos, proporcionam
satisfação a muitas mulheres. Apalpar tecidos, escolher aqueles do enxoval, usar uma nova
roupa, ser, no mundo negro dos homens, as manchas luminosas tão bem representadas pelos

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

17

impressionistas, numerosas mulheres provaram dessa felicidade, sem contudo perceber as
armadilhas. Pode-se fazer a história do desejo? Há uma certa coragem para empreendê-la
enfim. O silêncio glacial com relação a este assunto pelos movimentos feministas não prestou
serviço a ninguém, sobretudo ao próprio feminismo: será necessário um dia abrir este tema,
até aqui, sempre analisado em termos de mulher-objeto ou de mulher sedudora.
A história da sedução e das formas do desejo masculino e feminino, que ilustram, por
exemplo, aquela da aparência32, da maquilagem, do vestuário, da cozinha, do hábitat ou ainda
da publicidade, deveria mostrar mulheres e homens em luta num jogo complexo. As chaves
não pertencem mais a uns do que a outros, mas o código, preciso e perceptível, transforma-se
rapidamente segundo as épocas, desvelando não somente o estado das relações entre homens
e mulheres, mas aquele das representações que a sociedade faz da conquista e da atração entre
os sexos. Não existe, desde então, nenhuma razão para não colocá-los como objeto histórico,
como se faz com o gosto, a intimidade ou a vida privada.
O reino feminino sobre o imaginário dos homens, a celebração da "mulheres ilustres"
na Renascença, o culto dedicado no século XIX à Musa e a Madona33, a Marianne e a nova
Eva do Modern Style34 são, também, uma compensação pela retirada, senão do espaço
público, pelo menos do espaço político, mais que nunca dominado pela estatura do Pai. Nesta
função de inspiradora ou de fada dos sonhos ­ Rainha da Noite ­ muitas mulheres
encontraram sua vitória, preferindo a doçura da sombra à crueldade da competição (o que
desesperava feministas como Madeleine Pelletier na virada do século).
As compensações femininas não são apenas da ordem da passividade e da recepção.
As mulheres têm também poderes, delegados ou não, de que tiram partido, notadamente na
esfera doméstica, onde enraízam sua influência, ao ponto de provar desprazer ou desconfiança
com a intrusão dos homens na cozinha ou na arrumação. Hoje ainda, muitas operárias repelem
a divisão das tarefas relativas à vida doméstica e buscam conservar a administração do
orçamento familiar, sem dúvida uma conquista de grandes lutas no curso do século XIX. Este
poder se exerce em primeiro lugar sobre as crianças, e especialmente sobre as filhas. Na
mesma medida, em que a infância é revalorizada no século XIX, tornando-se objeto de um
investimento maior, o papel da mãe é reforçado, freqüentemente em detrimento daquele do
pai35. Há uma inflação do poder maternal, personificado em mães tirânicas: aquela dos pares
que constituem Baudelaire e sua mãe, Madame Aupick, Flaubert e a dele, Mauriac e aquela
de quem ele fez a terrível Genitrix, ou ainda as figuras literárias de Madame Vingtras (Julles
Vallès, L'Enfant) ou Madame Lepic (Jules Renard, Poil de Carotte), largamente

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

18

autobiográfico, e que desenham a constelação ­ a Via láctea ­ das mães que fazia tremer
André Breton. Tendo interiorizado, especialmente na pequena burguesia ávida de
reconhecimento e de distinção, os objetivos da ascensão social, estas mães se fazem as
guardiãs escrupulosas da ordem moral e das conveniências. Submersas em códigos e deveres,
de culpabilidade e de vergonha, elas se fazem os modelos de todas as virtudes, as engrenagens
de uma maquinaria de poderes de que elas não podem tirar proveito senão submetendo-se a
eles, pagando-se sua revolta freqüentemente com o preço da loucura.
Este poder maternal, que atingiria seu apogeu talvez na virada do século, serve de
justificativa às rebeliões "viris" contra as mães e à insipidez das mulheres, que se exprimem
tão bem no desenvolvimento de uma literatura masculina própria aos magazines em que a
Mãe está ausente36, como na caso do romance policial, reação contra o sentimentalismo dos
romances de folhetim37; ou ainda, de maneira mais declarada, no caso da literatura antifeminista militante38, e na reflexão teórica que faz do princípio feminino aquele da
delinqüência39, tese retomada a sua maneira por Richard Sennet40.
Este poder se exerce também sobre outras mulheres: sobre a domesticidade das casas
burguesas41, obstáculo no qual a identidade feminina se quebra, sobre as filhas e noras das
grande famílias e agregados42. Trata-se do poder patriarcal apoiando-se sobre uma pirâmide
de poderes subseqüentes ou adjacentes43. Esboça-se aí uma espécie de carreira feminina
doméstica, suscetível de alimentar aspirações e apaziguar rebeliões. Mais tarde, sogra ou
viúva, as mulheres oprimidas reinarão por sua vez. Este "turn over" do poder, propício às
manipulações, rompe a solidariedade feminina. Entre todos, o estatuto das viúvas merece uma
atenção particular. Restif de la Bretogne em seus Gynographes faz delas as detentoras do
poder moral no seio da comunidade. Mas o acesso da mulher a um poder reconhecido passa
por uma dupla morte: aquela de seu próprio sexo (a mulher na menopausa é considerada como
fora do sexo ou fora de jogo) e aquela do homem. Sinistra perspectiva cria-se com esta
cadavérica vitória44.
No século XIX, o que muda nas relações do público e do privado, é a exaltação de um
"poder social", no início, largamente masculino45, depois, concedido de modo progressivo e
parcial às mulheres, convidadas a não mais se contentar com as doçuras do lar, a sair de suas
casas. As Igrejas, a República exaltam "o poder social das mulheres"46 considerado como
fundamental ao desenvolvimento do "Welfare State". Na Alemanha, ele toma a forma de uma
verdadeira "maternidade social"47. Neste quadro, as mulheres burguesas socorrem, educam,
controlam as mulheres pobres e operárias. Sob o estímulo de associações, elas transformam-se

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

19

de "visitadoras do pobre", segundo a velha expressão filantrópica (de Gerando), em
investigadoras voluntárias, de damas patronesses em assistentes sociais, precursoras dos
trabalhadores sociais. Durante a guerra, as superintendentes de fábricas, instituídas pelo
ministro da Guerra, o socialista Albert Thomas, saídas das classes abastadas, serão, a partir de
então mantidas48. Da mesma maneira, os médicos fazem das mulheres suas aliadas na luta
pela higiene que é também uma forma de moralizar a miséria que se esconde por trás da
imundície. Muitas mulheres encontravam nisso uma forma de empregar suas energias e de
expulsar o sentimento de culpa resultante do confronto de sua ociosidade com a valorização
da utilidade do trabalho, crescentes na sociedade.
Como as mulheres servem-se destes poderes e destas falhas, destas porções que lhes
são deixadas, destas missões que lhes são confiadas? Como também se quebra a identidade
potencial do sexo? Como, ainda, as mulheres sabem ­ em tal momento, em tal circunstância ­
contornar a interdição, usar deste astúcia, arma dos dominados, que se lhes fornece de bom
grado. M. E. Handmann e Suzan Rogers indagam como tudo isso termina por esvaziar a
dominação masculina de seu conteúdo real? É a articulação fina dos poderes

e dos

contrapoderes, trama secreta do tecido social, que seria preciso pesquisar com uma conduta
que, largamente inspirada de Michel Foucault, introduziria a dimensão da relação dos sexos.
Sem dúvida, esta via de aproximação é ao mesmo tempo a mais difícil e a mais nova. Ela
daria condições de romper as dicotomias muitos simples, e de fazer, em suma, uma história
interior do poder, familiar, social e política.
Seguramente, a resposta à dominação não reside unicamente num consentimento
indiferente, resignado ou prazeroso. As formas de resistência feminina informam outras
respostas, cujo inventário mal começou. Certamente, com o passar do tempo, as revoltas
frontais contra o poder masculino ficaram raras. A luta dos sexos tem pouco a ver com o
enfrentamento de ordens ou de classes. Exceto em algumas utopias radicais, das quais seria
apaixonante demarcar as aberturas e distinguir os ciclos, a vitória de um sexo não pode passar
pelo extermínio do outro!
As intervenções femininas na vida urbana inscrevem-se ordinariamente no
prolongamento de sua função familiar. É o caso dos motins de subsistência, principal ação
pública das mulheres nas sociedades tradicionais e na França até a primeira metade do século
XIX. As mulheres agem em nome da economia moral como reguladoras de um desequilíbrio
destruidor, introduzido a seus olhos pela avidez dos comerciantes. Elas mantêm este papel. O
desaparecimento destas manifestações, num mercado melhor ordenado, foi contudo uma das

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

20

causas do ocultamento das mulheres do espaço público na segunda metade do século XIX.
Nas manifestações contra a carestia do início do século XX (1910-1911), os sindicatos
freqüentemente pressionaram as mulheres a fazerem silêncio, ou à adoção de métodos mais
formais - e mais viris ­ de organização. Nesse ponto, a rebelião das donas de casa toma então
uma dupla direção: contra os comerciantes, mas, também contra o poder masculino que busca
substituí-las nesses levantes que desde tempos imemoriais foi seu apanágio.
Mas, freqüentemente, as mulheres agem como auxiliares dos homens, às vezes com
alguma esperança, mais ou menos consciente, de tirar disso algumas vantagens quanto ao
reconhecimento de sua identidade e de seus direitos. Isto verificou-se durante períodos de
guerra ou de lutas de independência nacional, quando tal esperança geralmente não se
concretizou49. Mas estas decepções têm um impacto apreciável sobre a tomada de consciência
de sexo e poder-se-ia aplicar às pulsações feministas as teorias de Hirschman sobre o papel
da decepção nos ciclos público/privado50.
Mesmo as intervenções propriamente feministas, expressão direta dos direitos das
mulheres, tão recente quanto as sociedades liberais e democráticas de que elas são, de alguma
forma, o prolongamento lógico (se as mulheres são indivíduos, então elas devem nascer livres
e iguais em direitos), produzem-se, na maioria dos casos, nas brechas abertas pelo abalo dos
sistemas políticos, nas falhas de uma revolução, nas crises do governo. Como se existisse uma
reivindicação latente que discernisse a ocasião de se manifestar.
Retornemos à novidade radical do feminismo e ao seu conteúdo político mais que
social. No passado, é no seio da sociedade civil que se exprimem mais freqüentemente
resistências e revoltas femininas. Elas se revestem de formas privadas, secretas mesmo, ou
encadeiam-se em conivência, suscetíveis de colocar em xeque a dominação. Assim, a
reivindicação da gestão do salário dos maridos pelas donas de casa no século XIX lhes dá um
direito de supervisionar o trabalho dos mesmos. Este "feminismo" informal tem, algumas
vezes, riscos muito grandes; o controle dos nascimentos é um exemplo. No final do século
XIX, na França, o crescimento dos abortos, praticados pelas mulheres casadas, multíparas, é
interpretado por Mc Laren como a emergência de um "feminismo" popular. E se os Argelinos
eram, freqüentemente, tão hostis a que suas mulheres servissem aos Europeus como
domésticas, moviam-se certamente por um sentimento nacional, mas também porque
receavam o acesso de suas companheiras aos "funestos segredos", e, como conseqüência, ao
controle da procriação, considerado como o fundamento, por excelência, do poder viril51.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

21

Conflitos disfarçados, violências abertas ligam a intimidade familiar e as relações
dos sexos. Nas questões de honra, as mulheres são mais freqüentemente vítimas das
vinganças do que os homens52. Mas no fundo da "infelicidade" feminina, existe
freqüentemente o choque de vontades que se enfrentam. Estudando os crimes ditos passionais
no final do século XIX, Joëlle Guillais-Maury discerne a vitalidade e a força do desejo
manifestado pelas mulheres do povo parisiense e as revanches de que são objeto por parte
dos homens por não tolerarem sua liberdade e sua recusa53. Quando o direito, substituindo o
uso da violência privada pela arbitragem do legislador, permite a separação ou o divórcio
(entre 1792 e 1816, e após 1884), os observadores foram surpreendidos com a importância da
demanda feminina, largamente majoritária54.
Introduzir este conjunto de reflexões, é deixar de admitir a relação dos sexos como a
harmoniosa complementaridade da natureza ou do dever: a "mão invisível" nem opera aqui,
nem na ordem econômica ou social.
O jogo político
O jogo político na história das mulheres não é explícito: onde situar o político, e como
qualificá-lo?
Utilizando a idéia de dominação, cristaliza-se a afirmação de que é universal e de que
tem como efeito a necessária exclusão das mulheres da esfera da vida política.. Colocar à
frente o estudo da dominação, pelo viés da opressão, como da rebelião, não permite apreender
a dominação como uma relação dialética. A maior parte do tempo, tal abordagem restringe-se
a um confronto entre dominado X dominante que diz pouco sobre o funcionamento, e nada
sobre as causas da dominação. Entretanto, afirmar que as relações de sexos são relações
sociais, tem levado a uma distinção entre o social e o político, o que permite sem dúvida
refinar o conceito de dominação. Com efeito, se a política encontra sua origem no social, dele
se distingue por sua função específica: determinar as regras comuns que devem reger a vida
coletiva. Se parece possível identificar o poder político, é mais difícil compreender de que
modo, enquanto instância de estruturação, de regulação, de coordenação e de controle da
sociedade, o político define e interliga aquilo que, historicamente, emana do público e do
privado. Basta constatar que os homens foram destinados ao público e as mulheres ao
privado, depois de afirmar que o espaço privado não escapa ao jogo político? É necessário
antes perguntar como a definição e a repartição dos poderes foram tributários das
transformações da esfera política. Neste sentido, não se deve limitar a análise a uma oposição
entre o social e o político que recobriria aquele do privado e do público: estas dualidades

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

22

devem talvez ser apreendidas na sua unidade. Fazer deste problema teórico uma questão
particularmente significativa para a história das mulheres é, em si, uma proposição
metodológica. Reintroduzindo a dimensão política na reflexão sobre o masculino/feminino,
privilegia-se a noção de público, na medida em que esta noção implica numa reflexão sobre o
civil, o econômico e o próprio político, sem para tanto excluir a importância do privado. Ao
contrário, a atitude inversa, aquela em que o privado induziria o público, não mais se afigura
coomo possível. A feminista Jeanne Deroin dizia a Proudhon, célebre partidário da "reclusão"
das mulheres no governo da casa, que o homem já tendo a cidade e a família, a mulher podia,
ela também, juntar a cidade à família55. Ela sublinhava que sua presença na cidade deixa
intacta a realidade familiar, enquanto que o inverso, em compensação, afigura-se sempre uma
representação satisfatória da vida feminina.
Em lugar de ratificar o fato de que a vida política é um espaço de ausência feminina,
ou de seguir as narrativas que minimizam sistematicamente, os momentos em que as mulheres
intervêm, pode-se propor uma reavaliação de diferentes acontecimentos em que as mulheres
participam da história. Reavaliar, isto é, pensar como uma intervenção política, aquilo que
em geral, interpreta-se como um fato social, leva a perceber as mulheres num tempo histórico
em que a singularidade do acontecimento é tão importante quanto a repetição dos fatos
culturais. Pode-se, desse modo, reformular o papel das mulheres num motim no século XVIII,
nas lutas sociais do século XIX ou nas práticas feministas da era contemporânea. Isto teria
como resultado imediato não mais pensar a história das mulheres como a evolução, mais ou
menos progressiva, de uma "condição feminina".
As mulheres são as gestoras de decisões que não tomaram e que não podem tomar. A
cena política construiu-se aceitando a recusa de constituí-las como sujeitos políticos: dizer
isto dá um outro relevo a toda intervenção feminina em qualquer acontecimento do qual as
mulheres participam, fora do lugar que lhes é tradicionalmente atribuído. Fazendo isto, nós
estamos conscientes de voltar a uma concepção do poder que traz à tona os múltiplos poderes
que, Michel Foucault e outros das ciências humanas, procuraram descrever nas sociedades, e
ao "retorno do evento" saudado desde há alguns anos. É um procedimento necessário e
salutar, num campo de pesquisas em que a utilização ambígua dos diferentes sentidos da
palavra poder funciona muito facilmente num sistema de compensação.
É preciso necessariamente, por outro lado, associar a reflexão política ao conceito de
poder? Ainda aí, é uma questão de método: o que aconteceria se, no lugar de questionar o
poder das mulheres, houvesse interrogação quanto ao uso da liberdade? Seria

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

23

verdadeiramente uma exigência trocar o sistema de representação, abandonar as categorias de
hierarquia ou de compensação. Por exemplo, na história do feminismo, encontra-se o
problema do exercício do poder, mas também, aquele da libertação, da emancipação, da
liberação... A que reavaliação do público e do político isto conduziria?
É interessante, com efeito, sublinhar a semelhança que existe entre dois tempos
marcantes da constituição de uma esfera política autônoma, em duas sociedades, tão
diferentes no tempo e no espaço: Atenas e a França ­ ou as sociedades ocidentais no seu
conjunto ­ do século XIX. As duas pensam a vida da cidade a partir da cidadania do indivíduo
e da sua responsabilidade política; as duas representam o direito do indivíduo de participar do
exercício do poder sob a capa de uma universalidade genérica, mas as duas também
"esquecem" as mulheres nessa universalidade: o gineceu não é um lugar de exercício da
cidadania e o sufrágio universal de 1848 não concerne senão à metade da população. Do
esquecimento à exclusão: resta pensar como opera uma universalidade cortada em dois. A
exclusão do político não se faz necessariamente em linguagem política: no século XIX, por
exemplo, é a partir dos direitos civis que se deduz a interdição das mulheres para a vida
política56. É, por conseqüência, o estatuto do universal que funciona como o impensado de
uma bipartição sexual da vida em sociedade. Durante este tempo, a representação da diferença
dos sexos continua a ser efetiva nos diferentes níveis da vida social. Resta problematizar esta
situação paradoxal das sociedades democráticas.
Pode-se também observar um movimento inverso produzido pelo próprio estatuto do
indivíduo na sociedade democrática contemporânea que permite falar da "inclusão" das
mulheres na vida pública e política. Pode-se sublinhar, de uma parte, a melhoria progressiva
da condição feminina nestes últimos séculos, e observar, de outra parte, como as lutas
feministas forçaram a democracia e a sociedade industrial a integrar as mulheres nos seus
campos respectivos, quebrando, assim, a repartição binária de pretensos papéis sexuais, em
proveito do direito de escolha do indivíduo. Isto induz a uma problemática nova: não existiria
doravante uma disposição de neutralizar a diferença dos sexos? Isto provoca vestígios em
Ivan Illitch quando vê na nova sociedade o triunfo do unissex57: recusar a exclusão das
mulheres conduziria à produção de um neutro: obter a igualdade provocaria uma perda da
identidade sexual.
Refletir desta forma é confundir os níveis. Na medida em que se reinterpreta a
categoria do universal, o neutro pode ser pensado como uma chance para as mulheres. Não há
o que temer com relação à diferença dos sexos no que tange a seu interesse e a sua razão, ou

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

24

seja, ao nível da relação entre duas pessoas sexuadas. Trata-se de fazer o caminho inverso do
que foi a história: na construção social da diferença dos sexos, se a desconstruiu,
simbolicamente, no nível do político, pela exclusão e não pela inclusão. Esta categoria do
neutro só pode ser útil na medida em que é provisória e operatória. Ela tem o mérito, em todo
o caso, de suscitar uma reflexão sobre o público e o político, de maneira a reintroduzir, em
seguida, de uma forma menos banal e menos tradicional, a divisão real entre o público e o
privado.
Uma hipótese de trabalho
Como interpretar a diferença do sexos diante de uma transformação histórica? Quando se
produz um fato importante, uma "ruptura" da ordem política, econômica, jurídica ou
tecnológica, como se está representando e redefinindo cada um dos dois sexos, assim como
a relação entre ambos? Tomar alguns exemplos de ruptura e analisar ao mesmo tempo suas
causas e seus efeitos teria como vantagem melhor compreender de que modo as mulheres e a diferença dos sexos ­ inscrevem-se no tempo histórico. Poder-se-ia, em seguida,
estabelecer um encontro operatório entre uma cronologia masculina, até aqui evidente, e a
história da intervenção feminina. Disto decorre que a história das mulheres seria, sem dúvida,
obrigada a se escrever sob uma forma menos global e menos atomizada. Sublinhar o termo de
ruptura ­ mais do que aquele do evento ­ impede de retomar a oposição criticável do tempo
longo e do tempo curto, e daí negligenciar um e seguir em direção à pesquisa do outro. Isto
permite também não se limitar à reflexão que toma a mulher como único agente de um
momento histórico (problema colocado mais especificamente pela história do feminismo58) e
jamais omitir sua intervenção, sua participação ou suas reações no campo social, político,
"cultural", tal como se tentado redefinir.
Esta hipótese de trabalho estabelece de maneira metodológica e teórica várias séries de
questões. A partir do estudo de uma ruptura ­ transformação ou subversão ­ tocando
diretamente ou indiretamente a vida das mulheres, pode-se interrogar sobre a maneira pela
qual evolui ulteriormente a relação entre os sexos, e trabalhar sobre as eventuais modificações
dos sistemas de representação. Isto deveria contribuir para melhor esclarecer o conjunto dos
parâmetros que a compõem (se existe evolução, pode-se dele determinar as causas, as
conseqüências e também os riscos) e decodificar, um a um, todos aqueles que dizem respeito
ao desejo de igualdade, a uma presença da opressão, a um processo de revanche das mulheres
ou aos três ao mesmo tempo... Enfim, esta análise favoreceria, simultaneamente, as mudanças

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

25

na interpretação da história em geral e aquela das mulheres em particular. Alguns exemplos
podem esclarecer esta hipótese de trabalho: eles tocam tanto a vida civil, política, econômica
quanto a profissional.
A instauração do dote no final da Idade Média ou o direito ao divórcio entre 1792 e
1816, através de lei, foram acontecimentos jurídicos que disseram respeito diretamente à vida
das mulheres. Já a Revolução Francesa não se constituiu num fato que interessasse
diretamente à diferença dos sexos, mas que pode ser interpretada de perspectivas diversas do
ponto de vista do Homem, dos homens ou das mulheres. Assim, esta subversão social e
política, pensada e admitida, por alguns, como um progresso, é necessariamente vivida e
interpretada como tal pelas mulheres do século XIX? Introduzir este tipo de contradição, ou
pelo menos de paradoxo na análise, é propor repensar o estudo de um fato histórico. A
instauração do dote foi usualmente reconhecida como um progresso na condição feminina.
Ora, um trabalho sobre as conseqüências da prática do regime dotal exporia um novo aspecto
das coisas: atrás do aparente poder econômico que a mulher tiraria do dote, instalar-se-ia um
uso tendente a despojá-la, através de malversações concretas de gestão e de herança. Percebese, assim, que valorizando, simbolicamente, a pessoa da mulher, introduzem-se mecanismos
sutis de identificação, por conseguinte, de consentimentos das mulheres quanto às estratégias
de dominação nem sempre perceptíveis.
A cronologia segmentada do direito ao divórcio - concedido, retomado, depois
concedido novamente em 1884 - pode permitir uma reflexão sobre as produções simultâneas
de atos de liberdade, ou de consentimento, no espaço de alguns decênios. Por outro lado, estas
hesitações jurídicas mostram, talvez, menos o medo da independência feminina
(estatisticamente, o divórcio é majoritariamente exigido pelas mulheres), do que a inquietude
de um certo "ruído" entre os domínios privado e público, já que se trata de um ato que força o
privado a se transformar em público. Tal discussão, tão acalorada no século XIX, talvez seja
mais que um mero capítulo de história das mulheres. Enfim, o direito ao voto, concedido às
francesas em 1944, admitido como um evento inelutável e retardatário na França, permite
pensar na intervenção das mulheres sobre o domínio político. Se as conseqüências deste
direito são o objeto de debates, suas condições de produção podem nos interessar mais ainda:
concedido numa simples alínea, num projeto de lei sem relação direta com a vida das
mulheres, parece fora das lutas feministas que contribuíram para obtê-la.
Reencontrar o sentido de um acontecimento que leva a uma ruptura, é recusar supostas
evidências. É recolocar em questão a idéia, sempre viva nos espíritos dos historiadore(a)s de

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

26

que a história das mulheres avança, finalmente, sendo desejável, para tanto que as visões de
contraste e contraditórias sejam consideradas.
NOTAS
1. Une recension systématique des articles concernant les femmes et le masculin/féminin dans
la revue Annales ESC (entre 1970 et 1982) est parue dans l'ouvrage Une histoire des femmes
est-elle possible? (sous la direction de M. Perrot, Paris, Rivages, 1984) dans l'article d'A.
FARGE, "Pratique et effets de l'histoire des femmes", pp. 18-35.
2. En province comme à Paris, de nombreux groupes de réflexion se sont formés, soit greffés
sur des institutions universitaires, soit de façon autonome.
3. Colloque Femme, féminisme, recherche, Toulouse, 1983.
4. Action thématique programmée: Recherches sur les femmes, recherches féministes, 19841988.
5. M. GODELIER, La production des grands hommes, Paris, Fayard, 1982. G. DUBY, Le
chevalier, la femme et le prêtre, Paris, Hachette, 1981.
6. J. REVEL, "Masculin/féminin: sur l'usage historiographique des rôles sexuels", Une
histoire des femmes est-elle possible?, op. cit., pp. 122-140.
7. Y. VERDIER, Façons de dire, façons de faire. La laveuse, la couturière, la cuisinière,
Paris, Gallimard, 1979.
8. A. FINE, "A propos du trousseau, une culture féminine?", Une histoire des femmes est-elle
possible?, op., cit., pp. 156-180.
9. J. GÉLIS, L'arbre et le fruit. La naissance dans l'Occident moderne, XVIe-XIXe, Paris,
Fayard, 1984.
10. "Les associations féminines", Pénélope, nº 11, automne 1984.
11. M. SÉGALEN, Mari et femme dans la société paysanne, Paris, Flammarion, 1980.
12. A. WEINER, "Plus précieux que l'or: relationset échanges entre hommes et femmes dans
la société d'Océanie", Annales ESC, nº 2, 1982, pp. 222-245.
13. M. SÉGALEN, Marie et femme..., op. cit., bibliographie dans "Femme et terre", Pénélope,
nº 7, automne 1982.
14. L. ROUBIN, "Espace masculin, espace féminin en communauté provençale", Annales
ESC, nº 2, 1970, R. M. LAGRAVE, "Bilan critique des recherches sur les agricultrices en
France". Études rurales, nº 92, oct.-déc. 1983, pp. 9-40.
15. Études rurales, nº 92, oct.-déc. 1983,pp. 9-40.
16. M. VOVELLE, "L'histoire et la longue durée", La nouvelle histoire, Paris, Encyclopédie
du savoir moderne, 1978, pp. 316-343
.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

27

17. B. SMITH, The ladies of the Leisure Class, the Bourgeoises of Northern France in the
XIXth Century, Princeton, Princeton Univ. Press, 1981.
18. M. ­E. HANDMANN, La violence et la ruse. Hommes et femmes dans un village grec,
Aix-en-Provence, Edisud, 1983.
19. C. GEERTZ, The interpretation of Culture, New York, Basic Books Inc., 1983, p.89.
20. A WEINER, La richesse des femmes ou comment l'esprit vient aux hommes (îles
Trobiand), Paris, Seuil, 1983.
21. M. DE CERTEAU, L'invention du quotidien, t. I, Arts de faire, Paris, 10/18, 1980, p. 18
ss.
22. Selon la formule de Michelet.
23. Cité par N. MATHIEU, "L'arraisonnement des femmes", Cahiers de l'Homme, 1985, p.
171.
24. Cf. N. MATHIEU.
25. M. GODELIER, préface à M. E. HANDMANN, La violence et la ruse, op, cit., p. 7.
26. E. VARIKAS, Genèse d'une conscience féministe dans la Grèce du XIXe siècle, 18871907, thèse en cours, Université de Paris VII.
27. I. BERTAUX-WIAME, "L'installation dans la boulangerie artisanale", Sociologie du
Travail, 1982, XXXIV.
28. D. BARTHÉLEMY, A. BARTHEZ, P. LABAT, "Patrimoine foncier et exploitation
agricole", Paris, SCEES, Collection de statistiques agricole, Étude, nº 235, octobre 1984. R.
M. LAGRAVE, "Égalité de droit, inégalité de fait entre hommes et femmes en agriculture",
Connexions, nº 45, 1985, pp. 93-107.
29. R. SAINSAULIEU, L'identité au travail, Paris, Presses de la Fondation Nationale de
Sciences Politiques, 1977.
30. M. L. LEVY, "Modernité, mortalité", Population et Sociétés, juin 1985, nº 192.
31. A. FARGE, Ch. KLAPISCH et alii, Madame ou mademoiselle? Itinéraires de la solitude
des femmes, XVIIIe ­XIXe siècles, Paris, Montalba, 1984.
32. Ph. PERROT, Le travail des apparences, Paris, Seuil, 1984.
33. S. MICHAUD, Muse et Madone. Visage de la femme de la Révolution française aux
apparitions de Lourdes, Paris, Seuil, 1985.
34. M. AGULHON, Marianne au combat (1789-1880). L'imagerie et la symbolique
républicaine, Paris, Flammarion, 1979; M. QUIGER, Femmes et machine de 1900. Lectures
d'une obsession Modern Style, Paris, Klincksicck, 1979.
35. Comme le suggère E. BADINTER, L'amour en plus, Histoire de l'amour maternel, XVIIIe
­ XIXe siècles, Paris, Flammarion, 1980.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

28

36. D. BERTHOLET, Conscience et inconscience bourgeoises. La mentalité des classes
moyennes françaises, décrite à travers deux magazines illustrés de la Belle-Époque, thèse de
l'Université de Genève, 1985.
37. A. ­M. THIESSE, Le roman du quotidien. Lecteurs et lectures populaires à la BelleÉpoque, Paris, Le chemin Vert, 1985.
38. A. L. MAUGUE, La littérature antiféministe en France de 1871 à 1914, thèse, Paris III,
1983.
39. J. LE. RIDER, Le cas Otto Weininger, Racines de l'antiféminisme et de l'antisémitisme,
Paris, PUF, 1982.
40. R. SENNETT, Les tyrannies de l'intimité, Paris, Seuil, 1978, plus encore, La famille
contre la ville. Les classes moyennes de Chicago à l'ère industrielle, Paris, Recherches, 1980.
Femmes ambitieuses et acariâtres, maris diminués et anxieux sont, selon lui, la rançon des
familles étroites, repliées sur elles-mêmes et "féminisées".
41. Comme le montre G. FRAISSE, Femmes toutes mains. Essai sur le service domestique,
Paris, Seuil, 1979.
42. Particulièrement convaincante à cet égard la thèse de Loudes MENDEZ PEREZ,
L'évolution de la vie quotidienne des paysannes à l'intérieur du Lugo entre 1940 et 1980.
L'exemple du Municipio d'Abadin, Paris VIII, 1985.
43. E. CLAVERIE et P. LAMAISON, L'impossible mariage. Violence et parenté en
Gévaudan (XVIIe, XVIIIe et XIXe siècles), Paris, Hachette, 1982.
44. Dans Le baiser au lépreux, de F. MAURIAC, la jeune Noémie, veuve de Jean Péloueyre,
ne conserve son pouvoir de gestion des biens qu'à la condition expresse qu'elle ne se remarie
pas: "Petite, elle était condamnée à la grandeur; esclave, il fallait qu'elle régnât. Cette
bourgeoise un peu épaisse ne pouvait pas ne pas se dépasser elle-même: toute route lui était
fermée, hors le renoncement", Pléiade, t. I, p. 499.
45. A cet égard, P, ROSANVALLON, Le moment Guizot, Paris, Gallimard, 1984.
46. C'est le titre même d'un livre d'un disciple d'Auguste Comte, George Deherme, paru en
1912.
47. Communication présentée à Princeton (mars 1985) par Piestov SACHSSE, professeur à
Kassel (Allemagne).
48. A. FOURCAUT, Femmes à l'usine, Paris, Maspero, 1982.
49. Sur le rôle des guerres dans les rapports de sexes, un colloque s'est tenu à Harvard
(janvier 1984): Women and War, à paraître en 1986; voir aussi le livre de F. THÉBAUD,
Femmes au temps de la guerre 14-18, Paris, Stock, 1985.
50. A. HIRSCHMAN, Bonheur privé, action publique, Paris, Fayard, 1983.
51. C. BRAC DE LA PERRIÈRE, Les employées de maison musulmanes au service des
Européens prendant la guerre d'Algérie, thèse de 3e cycle, Paris VII, 1985.

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293

29

52. E. CLAVERIE et P. LAMAISON, op. cit.; J. GOMES FATELA, "Le sang et la rue:
l'espace du crime au Portugal (1926-2946)", thèse de 3e cycle, Paris VII, 1984.
53. J. GUILLAIS-MAURY, Recherches sur le crime passionnel à Paris au XIXe siècle, thèse
de 3e cycle, Paris VII, 1984.
54. D. DESSERTINE, Divorcer à Lyon sous la révolution et l'Empire. Lyon, PUL, 1981; B.
SCHNAPPER, "La séparation de corps de 1837 à 1914, essai de sociologie juridique",
Revue historique, IV-V, 1978.
55. Polémique par journaux interposés en 1849 (le Peuple et l'Opinion des femmes).
56. G. FRAISSE, "Droit naturel et question de l'origine dans la pensée féministe du XIXe
siècle", dans Stratégies des femmes, Paris,Tierce, 1984, pp. 375-390.
57. I. ILLICH, Le genre venaculaire, Paris, Seuil, 1983.
58. G. FRAISSE, "Historiographie critique de l'histoire du féminisme en France", Une
histoire des femmes est-elle possible?, op. cit., pp. 189-204. L. KLEJMAN et F.
ROCHEFORT, "Feminisme, histoire, mémoire", Pénélope, nº 12, pp. 129-138. M. RIOTSARCEY, "Mémoire et oubli", Pénélope, nº 12, pp. 139-168

Annales ESC, mars-avril 1986, nº 2, pp. 271-293