O sistema de saúde brasileiro:
história, avanços e desafios
Jairnilson Paim
(Professor Titular da UFBA)

Claudia Travassos ­

(Pesquisadora Titular do ICICT/FIOCRUZ)

Celia Almeida

(Pesquisadora Titular da ENSP/FIOCRUZ)

Ligia Bahia

(Prof. Associada da UFRJ)

James Macinko

(Prof. Associado da NYU)

INTRODUÇÃO
· Propósito de examinar a organização, o
desenvolvimento e o estado atual do sistema de
saúde brasileiro, bem como discutir certos
componentes e desafios do SUS.
· Revisão de estudos publicados e análise de dados
originais provenientes de fontes oficiais, para
apresentar uma visão geral do sistema de saúde
brasileiro.

BRASIL: BREVÍSSIMO RESUMO
· Transformações políticas, econômicas, demográficas e sociais:
crescimento econômico durante a ditadura e aumento das
desigualdades.
· Democracia restaurada num período de instabilidade
econômica, urbanização (80%), redução da fertilidade (1,9) e
envelhecimento (10% de idosos).
· PIB duplicou entre 1991 e 2008, enquanto o Gini caiu 15%
(0,637 para 0,547).
· Índice de pobreza de 31% (2008), desemprego de 8,2%, 43,8%
dos trabalhadores no setor informal e 56% com previdência.

MUDANÇA DO SISTEMA DE SAÚDE
ANTES: dicotomia entre saúde pública e assistência médica,
proteção social fragmentada e desigual (inserção no mercado
de trabalho) e sistema de saúde predominantemente privado,
concentrado nos centros urbanos.
REFORMA SANITÁRIA BRASILEIRA:
· Saúde como questão social e política, não limitada ao
biológico nem à assistência médica.
· Impulsionada pela sociedade civil, não por governos, partidos,
ou organizações internacionais, e com perspectiva distinta das
reformas setoriais que questionavam o Welfare State.

SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO
· Subsetor público: serviços financiados e providos
pelo Estado nos níveis federal, estadual e municipal;
· Subsetor privado (lucrativo ou não): serviços
financiados com recursos públicos ou privados;
· Subsetor de saúde suplementar: diferentes tipos de
planos privados de saúde, contando com subsídios
fiscais.
Componentes público e privado distintos, mas interconectados.

FINANCIAMENTO
· Impostos, contribuições sociais, famílias e empregadores.
· SUS: receitas estatais de impostos (16,7%) e de contribuições
sociais (17,7%) e no federal 30% e 60%, respectivamente.
· Receitas de impostos: União (58%), estados (24,7%) e
municípios (17,3%).
· CPMF (2006): saúde recebeu 40% dos R$ 32.090 bilhões e
proporção considerável destinou-se ao pagamento de juros.
· 8,4% do PIB em saúde (2007): 41% de gasto público.
Reino Unido (82%), Itália (77,2%), Espanha (71,8%), EUA (45,5%), México (46,9%)

Despesa estimada com saúde em 2006
Impostos e contribuições sociais
Federais
Estaduais
Municipais
Setor privado
Despesas das famílias
Despesas das empresas
Total

%
39,05
19,90
8,89
10,25
60,95
47,84
13,11
100,00

PIB
3,14
1,6
0,7
0,8
4,89
3,84
1,05
8,03

Despesa pública com saúde por nível de governo

7 0. 00
6 0. 00
5 0. 00
%

F e d er al

4 0. 00

E s t a d ua l
3 0. 00

M un ic i p al

2 0. 00
1 0. 00
0 .0 0
200 0

2 00 1

2 0 02

200 3
An o

20 0 4

20 05

200 6
F on te: S i o ps ,
20 09

Distribuição das Despesas Diretas com Medicamentos e Planos e Seguros de
Saúde por Classes de Renda (em Reais)
Brasil 2008/2009
80,00
70,00
60,00
50,00
Medicamentos

40,00

Plano/Seguro saúde

30,00
20,00
10,00
0,00
Até 830 Mais de Mais de Mais de Mais de Mais de Mais de
830 a 1.245 a 2.490 a 4.150 a 6.225 a 10.375
1.245
2.490
4.150
6.225 10.375

INFRAESTRUTURA

Tipos de serviços de saúde no Brasil, 1970-2010.

INFRAESTRUTURA
· Cerca de 6.300 hospitais (69% são privados), e a maioria das
unidades de atenção básica é pública.
· Apenas 35,4% dos leitos hospitalares e 6,4% dos SADT são
públicos e somente 38,7% dos leito privados estão disponíveis
para o SUS.
· Crescimento de unidades ambulatoriais especializadas e de
SADT nos últimos 10 anos.
· Entre 1990 e 2010 o número de hospitais ­ especialmente
privados ­ diminuiu (3,3 leitos por 1.000 habitantes, em 1993, 1,9 em 2009)

INFRAESTRUTURA
Equipamentos (2010)

No.

Públicos (%)

Mamógrafos

1753

28,4

Aparelhos de raios X

15861

58,9

Tomógrafos

1268

24,1

Ressonância magnética

409

13,4

Aparelhos de
ultrassonografia

8966

51,0

FORÇA DE TRABALHO
· Médicos por 1000 habitantes (1,7), enfermeiros (0,9) e
dentistas (1,2), com uma distribuição desigual (2007).
Médicos: Espanha (3,9), RU e EUA (2,9) e México (2,0)
Enfermeiros: Espanha (5,2), RU (9,7), (EUA 10,7) e México (2,4)

· Em 2005, o setor público brasileiro gerou 56,4% dos empregos
em saúde, sobretudo em nível municipal.
· Médicos ocupavam 61% dos empregos, enfermeiros 13%, e
especialistas em saúde pública, apenas 0,2%.
· Precarização e alta rotatividade da força de trabalho,
sobretudo na atenção básica.

ATENÇÃO BÁSICA
· 30.000 ESF, cobrindo 98 milhões (49,5%) em 85% dos
municípios, com 236.000 ACS em 2010.
· 17.807 equipes de saúde bucal, em 2009 (45,3%).
· Atenção básica como serviço de saúde habitual (57% em 2008
contra 42% em 1998), enquanto ambulatórios hospitalares
reduziu a sua participação de 21% (1998) para 12% (2008).
· Busca por atenção básica cresceu 450% entre 1981 e 2008.
· Decréscimo da TMI pós-neonatal, atribuível à redução de
mortes por doença diarréica/IRA, e diminuição de internações
evitáveis (15% desde 1999).

ATENÇÃO SECUNDÁRIA
· Oferta limitada, pouco regulada que prioriza planos de saúde,
SUS dependente do setor privado, especialmente no SADT.
· Crescimento de procedimentos especializados no SUS embora
a "média complexidade" seja preterida em favor dos
procedimentos de alto custo.
· Redução de 20.000 leitos psiquiátricos, CAPS (3x) e SRT (5x).
· SAMU em 1.150 municípios (55% da população), assegurando
74% da assistência domiciliar de emergência em 2008.
· Subsistemas no SUS, dificultando a coordenação e a
continuidade do cuidado.

ATENÇÃO TERCIÁRIA
· Procedimentos de alto custo, predominantemente no setor
privado e hospitais de ensino (SUS - preços de mercado).
· Diminuição de internações pagas pelo setor público (13,1
milhões em 1982 e 11,1 milhões em 2009).
· Taxas de internação mais altas para portadores de planos de
saúde (8 internações por 100 pessoas).
· Obstáculos políticos para a implantação de redes:

diferenciais de poder entre integrantes, falta de responsabilização de
atores, descontinuidade administrativa e alta rotatividade de gestores.

· A regulação tem sido insuficiente para alterar os padrões
históricos da assistência hospitalar.

ACESSO E USO DOS SERVIÇOS
· Melhora considerável: 93% dos que buscaram serviços foram atendidas
em 2008, embora os mais pobres procurassem menos.
· Em 1981, 8% (9,2 milhões) afirmavam ter usado serviço de saúde,
passando a 14,2% (26,8 milhões) em 2008.
· Em 1998, pessoas com planos de saúde tinham 200% mais chances de
usar serviços de saúde, mas a desigualdade se reduziu para 70% em 2008.
· Em 1998, 55% da população consultou um médico, passando para 68% em
2008 (igual aos EUA), variando de 76% entre os de renda mais alta a 59%
entre os de renda mais baixa.
· Em 1981, 17% da população havia consultado um dentista, alcançando
40% em 2008, quando 11,6% afirmavam nunca ter ido ao dentista, mas
permanecem desigualdades (23,4% entre os de renda mais baixa contra
3,6% dos de renda mais alta).

Demanda por serviços de saúde
segundo o tipo de serviço

CRESCIMENTO DO SETOR PRIVADO
· Estado brasileiro estimulou o setor privado e promoveu a
privatização da atenção à saúde.
· Em 1981, o setor público financiou 68% dos atendimentos, os
planos de saúde 9% e o desembolso direto 21%; em 2008, a
proporção financiada com recursos públicos caiu para 56%.
· Em 1981, a previdência pagou 75% das internações e os
planos 6%; em 2008 o SUS pagou 67% e os planos, 20%.
· Os atendimentos financiados pelos planos cresceu 466%.
· 24,5% da população brasileira possuía planos em 1998,
crescendo para 26% (2008): faturamento R$ 63 bilhões.

COMENTÁRIOS FINAIS
· Conquistas: inovações institucionais, descentralização,
participação social, aumento do acesso, consciência do
direito à saúde, recursos humanos e tecnologia em saúde.
· Contradições: crescimento do setor privado (acesso universal
vs. segmentação do mercado), comprometendo a equidade
nos serviços e nas condições de saúde.
· Obstáculos: diminuição do financiamento federal, levando a
restrições de investimento em infraestrutura e RHS.
· Desafios: político (financiamento, articulação público-privada
e desigualdades) e garantia da sustentabilidade política,
econômica, científica e tecnológica do SUS.