HUGO CAMPOS OLIVEIRA SANTOS
WALDEMAR NAVES DO AMARAL

A HISTÓRIA DA
ULTRASSONOGRAFIA
NO BRASIL

2012
1

Copyright © 2012 by Hugo Campos Oliveira Santos, Waldemar Naves do Amaral e
demais autores.
Capa e Projeto Gráfico: Contato Comunicação

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação ­ CIP

A xxxm

Amaral Waldemar Naves do.
A História da Ultrassonografia no Brasil / Hugo Campos Oliveira Santos
Waldemar Naves do Amaral ­ Goiânia: Contato COMUNICAÇÃO
1. História 2. Ultrassonografia 3. Ultrassom 4. Obstetrícia

xxx/2012

CDU: xxx

DIREITOS RESERVADOS ­ É proibida a reprodução total ou parcial da obra, de
qualquer forma ou por qualquer meio sem a autorização prévia e por escrito do autor. A
violação dos Direitos Autorais (Leis n.º 9610/98) é crime estabelecido pelo artigo 48 do
Código Penal Brasileiro.

Impresso no Brasil - Printed in Brazil
2012

2

Nossos sinceros agradecimentos aos pioneiros da
ultrassonografia Brasileira, à Sociedade Brasileira de
Ultrassonografia - SBUS, aos diretores, aos associados,
aos médicos e aos colaboradores que ajudaram, de
forma magnífica, a executar esta importante obra
histórica para nosso querido país.

3

AUTORES
- Dr. Paulo Gonçalves Costa: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Francisco Mauad Filho: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Sérgio Luis Simões: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Luiz Eduardo Machado: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dra. Lucy Kerr: Médica Ginecologista e Obstetra
- Dr. Carlos Antônio Barbosa Montenegro: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Sang Choon Cha: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Pedro Pires Ferreira Neto: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Claudio Rodrigues Pires: Médico Ginecologista e Obstetra
- Dr. Waldemar Naves do Amaral: Médico Ginecologista e Obstetra
- Ms. Kelly Cristina Borges Tacon ­ Fisioterapeuta
- Ms. Hugo Campos Oliveira Santos ­ Farmacêutico
- Ana Paula Machado - Jornalista
AGRADECIMENTO
À Sociedade Brasileira de Ultrassonografia ­ SBUS e seus Col.

HOMENAGEM ESPECIAL:
Ao querido Professor Dr. Fernando María Bonilla-Musoles

CORPO EDITORIAL
- Waldemar Naves do Amaral
- Hugo Campos Oliveira Santos
- Sang Choon Cha
- Lucy Kerr
- Pedro Pires Ferreira Neto
- Francisco Mauad Filho
- Rui Gilberto Ferreira

4

SUMÁRIO

CONTEÚDO

PÁG

PREFÁCIO

6

1. SOM E ACÚSTICA

7

2. AS RAÍZES DO ULTRASSOM

12

3. A HISTÓRIA DO ULTRASSOM NA MEDICINA

17

4. EFEITO DOPPLER

31

5. A HISTÓRIA DA ULTRASSONOGRAFIA BRASILEIRA
5.1 ­ O primeiro Ultrassom do Brasil
5.2 ­ Pioneiros do Ultrassom no Brasil
5.3 ­ Maternidade de São Paulo
5.4 ­ Maternidade Escola do Rio de Janeiro
5.5 ­ Pioneirismo do IPERBA
5.6 ­ História da SUSEM
5.7 ­ Sociedade Brasileira de Ultrassonografia

38

6. PROFESSOR FERNANDO BONILLA

69

7 . HISTÓRIAS DE SUCESSO

74

8. ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DA SBUS

85

9. REFERÊNCIAS

96

5

PREFÁCIO
Em virtude do compromisso com o saber científico e com a formação médica, a
Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (SBUS), que nasceu para abraçar e apoiar
todas as especialidades que atuam com ultrassom, entrega à comunidade médica
nacional a obra História da Ultrassonografia no Brasil evidenciando, assim, a história e
os fantásticos avanços desta tecnologia em nosso país e no mundo.
Rever a história da ultrassonografia no mundo e no Brasil é voltar ao tempo e
fascinar-se com os relatos profissionais dos pioneiros desta tecnologia no país.
Construir assim, um documentário histórico e um jornalístico para compreender como
se formou e de que maneira se expandiu a prática da ultrassonografia.
Essa obra resgata valores históricos da implantação e da expansão da
ultrassonografia no país; considera-se uma investigação pioneira e esclarecedora para o
entendimento de como uma tecnologia diagnóstica se expandiu, adquirindo sentidos tão
divergentes de sua proposta original, assim como em outra direção, lançar luz sobre o
contexto no qual esta tecnologia foi introduzida no Brasil.
O presente livro está inserido no campo da medicina, das ciências da saúde e do
conhecimento, que entende que não apenas a história é fundamental na determinação
dos caminhos do desenvolvimento tecnológico da ultrassonografia, como considera que
a tecnologia modela diversos aspectos da própria sociedade médica que a construiu.

Hugo C. O. Santos

6

1- Som e Acústica

7

Hugo Campos Oliveira Santos
Waldemar Naves do Amaral
Kelly Cristina Borges Tacon

Som e Acústica
A História pode recuar até o momento em que a seleção natural originou um ser
com a faculdade de "ouvir", permitindo-lhe, assim, uma maior capacidade de
sobrevivência. Os primeiros vertebrados surgiram em meio aquático há cerca de 500
milhões de anos e já se sabe que os dinossauros comunicavam, entre si, mediante sons.
Existem evidências de que a música era conhecida e praticada pelo homem desde a
Préhistória; provavelmente, devido à observação dos sons da natureza (1,2).
O som é resultado da vibração dos corpos, que provoca uma onda mecânica e
longitudinal. Ela se propaga de forma circuncêntrica (em todas as direções) em meios
com massa e elasticidade; sejam eles meios sólidos, líquidos ou gasosos (3).

Aparelho de Som - Fonte: www.agenciadeeventos.net

Para que as ondas sonoras sejam transmitidas, deve haver uma substância (ou
meio) que seja comprimida; por isso, o som não se propaga através do vácuo. Quanto
mais denso for o meio, mais rápido ele transmite a onda sonora. Os líquidos transmitem
melhor o som que o ar. O som viaja rapidamente através de meio sólido, e algumas
substâncias conduzem melhor o som que outras (3,4)

8

O ECO, no âmbito da Acústica é o processamento de sinal de áudio (uma
reflexão de som) que chega ao ouvinte pouco tempo depois do som direto. O ECO é o
resultado de uma reverberação múltipla das ondas sonoras e o Hertz é a medida
utilizada para medir o número de vibrações por segundo de uma onda sonora. Quanto
maior o número de hertz, mais agudo será o som, quanto menor o número de hertz, mais
grave será o som (3)

Ecolocalização do Morcego - Fonte: www. https://darwinismo.wordpress.com

A Acústica é o ramo da física que estuda o som, cria instrumentos e ferramentas
de forma a fornecer dados necessários aos mais diversos ramos da ciência para a
utilização dos sons, de seus meios de propagação e efeitos (1,3,4).
A ciência do som iniciou-se na Grécia, com os antigos gregos. Pitágoras,
conhecido por seu teorema sobre triângulos retângulos, inventou o sonômetro, que foi
usado para estudar os sons musicais.

Pitágoras e o Sonômetro ­ Fonte: http://concepcionabraira.wikispaces.com

9

O filosófo Romano Boécio

é considerado na história como o primeiro a

comparar as ondas sonoras de ondas produzidas por jogar uma pedrinha na água calma
(1,2,3,4)

Boécio (480-524) ­ Fonte: http://www.diariodocentrodomundo.com.br
Em 1687, a primeira teoria matemática da propagação sonora no ar surge no
magistral livro The Principia: Mathematical Principles of Natural Philosophy (1686) de
Isaac Newton.

Isaac Newton ­ Fonte: http://www.crystalinks.com

O inglês escreveu seus princípios matemáticos de filosofia natural que incluem o
primeiro tratado de som

(1)

. A formulação de Newton foi aperfeiçoada e corrigida, em

alguns pontos, por Euler, d'Alembert e Lagrange, com base na mecânica dos meios
Contínuos (1,2,3,4).
Em 1793, o italiano, sacerdote católico, biólogo e fisiologista Lazzaro
Spallanzani realizou as primeiras observações sobre os morcegos, sua ecolocalização e
sistema de sonar.

10

Lazzaro Spallanzani (1729­1799) ­ Fonte: http://en.wikipedia.org

Ele constatou que os morcegos, mesmo impedidos de enxergar, desviavam-se de
obstáculos e apanhavam as suas presas no ar. E que, quando eram impedidos de ouvir,
mesmo com a visão mantida, perdiam completamente a capacidade de orientação em
voo (4).
REFERÊNCIAS
1 ­ BRAY, J.P.; LIPSCOMBE, V.J.; WHITE, R.A.S.et al. Ultrasonographic
examination of the pharynx and larynx of the normal dog.Veterinary Radiology and
Ultrasound. v.39,n.6 , p.566-571, 1998.
2 ­ LANGÉVIN, M.P. (1928) Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626.
Firestone, F.A. (1945) The supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr,
48:505-512.
3 - SEOANE M. P. R, GARCIA D. A. A. FROES T. R. A história da ultrassonografia
veterinária em pequenos animais. Archives of Veterinary Science, v.16, n.1, p.54-61,
2011.
4 - WOO, Joseph. History of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology, Part 1. Last
revised March, 2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/
history1.html. em 17/12/2011.

11

2- As Raízes do Ultrassom

12

Hugo Campos Oliveira Santos
Waldemar Naves do Amaral
Kelly Cristina Borges Tacon

As Raízes do Ultrassom
Em 1877, a "Teoria do Som" foi publicada pela primeira vez esse tratado, que
praticamente, inaugurou a física acústica moderna, iniciada por um cientista inglês John
William Strutt, também conhecido por Lorde Rayleigh. Esta teoria foi posta em prática
Durante a Primeira Guerra Mundial, por meio da utilização de geradores de sons de
baixa frequência facilitava a navegação submarina, permitindo a detecção de icebergs.

John William Strutt ­ Fonte: www.google.com/imagens

13

A maioria dos pesquisadores e dos historiadores consideram a descoberta físico
francês Pierre Curie de Piezoeletricidade (1877) como o momento em que o ultrassom
foi concebido (1).

Pierre Curie ­ Fonte: www.google.com/imagens

Em 1880, os irmãos Curie descobriram o efeito piezelétrico. Este efeito resulta
da aplicação de uma pressão mecânica sobre a superfície de certos cristais que são
capazes de gerar um potencial elétrico entre superfícies opostas, produzindo som numa
frequência superior a 20KHz, conhecido como ultrassom.
Estes cientistas perceberam também, que a aplicação do ultrassom nos cristais
resultava na conversão de energia mecânica em eletricidade e quando um pulso de
ultrassom é direcionado a uma substância, uma parte deste som é refletida de volta a sua
fonte com informações sobre o tipo de estrutura que penetrou (1,2).
Durante a Segunda Guerra Mundial, foi aprimorado o estudo da utilidade do
ultrassom para fins militares com o desenvolvimento do SONAR (Sound Navigation
and Ranging) para a navegação e a determinação da distância pelo som.
O RADAR (Radio Detection and Ranging) ou detecção de distâncias por meio
de ondas de rádio utilizava-se do eco de ondas de rádio para a determinação de
distâncias e localização de objetos no ar. Nesse período, inicia-se o desenvolvimento
14

dos ultrassons para fins não-militares, principalmente na metalurgia que foram
considerados precursores dos aparelhos de ultrassonografia utilizados em medicina

(2, 3,

4)

.

RADAR

SONAR

O físico soviético Sergei Sokolov (1928) sugeriu o uso de energia ultra-sônica
para fins industriais, incluindo a detecção de falhas em metais, por meio da emissão de
um pulso ultrassônico que, chegando a um objeto, retorna como um eco, cujas
características possibilitam determinar a localização, o tamanho, a velocidade e a
textura deste objeto. As ondas acústicas podem ser classificadas em infra-sons, sons e
ultra-sons (1,2,3,4,5,10).
Nas décadas de 1920 e de 1930, o ultrassom foi utilizado para a terapia física,
principalmente para membros de equipes da Europa (de futebol). Na medicina, a
utilização de ultra-sons iniciou-se na em âmbito terapêutico, de forma empiricamente,
em várias áreas, desde o tratamento de artrite reumatóide até tentativas de remissão da
Doença de Parkinson em neurocirurgia (5,6,7,8,9,10).
REFERÊNCIAS
1 - WOO, Joseph. History of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology, Part 1. Last
revised March, 2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/
history1.html. em 17/12/2011.
2 - WOOD A. B., From the Board of Invention and Research to the Royal Naval
Scientific Service, Journal of the Royal Naval Scientific Service Vol 20, No 4, pp 1-100
(185-284).
15

3 - CHILOWSKY C.M. LANGÉVIN. M.P. (1916) Procídés et appareil pour production
de signaux sous-marins dirigés et pour la localsation à distances d'obstacles sonsmarins. French patent no. 502913.
4 - DESCH, C.H., SPROULE, D.O. AND DAWSON, W.J. (1946) The detection of
cracks in steel by means of supersonic waves. J. Iron and Steel Inst. (1964):319.
5 - HOLMES, J.H., HOWRY, D.H., POSAKONY, G.J. AND CUSHMAN, C.R. (1954)
The ultrasonic visualization of soft tissue structures in the human body. Trans. Am.
Clin. Climatol. Assoc. 66:208-223.
6 - LANGÉVIN, M.P. (1928) Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626.
Firestone, F.A. (1945) The supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr,
48:505-512.
7 - Tanaka, K. (1952) Application of ultrasound to diagnostic field. Electr. Ind.
3.Miyajima, G., Wagai, T., Fukushima, Y., Uchida, R. and Hagiwara, I. (1952)
Detection of intracranial disease by pulsed ultrasound. Tokyo Med. J. 72:37
8 - TANAKA, K., MIYAJIMA, G., WAGAI, T., YASUURA, M. KIKUCHI, Y AND
UCHIDA, R. Detection of intracranial anatomical abnormalities by ultrasound. Tokyo
Med. J. (1950). 69:525.
9 - DONALD, I. (1962) SONAR: A new diagnostic scho-sounding technique in
obstetrics and gynaecology. Proc. Roy. Soc. Med. 55:637-638.
10 - DONALD, I. (1974) SONAR. The Story of an experiment.Ultrasound Med Biol
1:109-117.

16

3 - A História do Ultrassom na Medicina

17

Hugo Campos Oliveira Santos
Waldemar Naves do Amaral

A História do Ultrassom na Medicina
O desejo de ver dentro do corpo levou muitos cientista ao longo dos séculos 19 e
20, desenvolver sondas e escopos para diagnostico e tratamento de doenças utilizando
imagens.
No ano de 1838, o inglês Michael Faraday (físico-químico) realizou inúmeros
experimentos com descargas elétricas em gases rarefeitos, associando seu nome à
descoberta dos raios catódicos. Ao longo desses 40 anos, muitos pesquisadores como
Thomson e Hertz estiveram muito próximos à descoberta dos Raios-X, que foram
descobertos pelo físico alemão Willian Conrad Röntgen em 1895.

Willian Conrad Röntgen
Röntgen ganhou o prêmio Nobel de Física (1901), sendo considerado o pai da
Radiologia de Diagnóstico, abrindo caminho para a medicina diagnóstica por imagem.
Em medicina diagnóstica, o ultrassom foi utilizado pela primeira vez em 1940,
na época, visto inicialmente como uma panacéia.
O neuropsiquiatra Karl Theodore Dussik, da Universidade de Viena, realizou
trabalhos de ultrassonografia para localizar tumores e verificar o tamanho dos
ventrículos cerebrais, por meio da mensuração da transmissão dos sons pelo crânio (1) (5)
(6) (7) (8)

.
18

Em 1946, o inglês John Wild emigrou para os Estados Unidos, onde foi
concebida a ideia de utilizar o ultrassom como um meio não-invasivo para determinar o
nível de ferimentos sofridos nos intestinos de pacientes. Nesta época, utilizava-se um
equipamento que operava na faixa de 15 MHz, proporcionando digitalizar internamente
e distinguir entre tecido sadio e canceroso.
A equipe de John Wild foi capaz de tirar a ultrassonografia de tecido mamário,
como um meio não invasivo, sendo capaz de identificar e diagnosticar os tumores de
mama.
Entre os heróis da ultrassonografia, destacam-se John Wild e seu parceiro John
Reid, que em 1950, construiram uma linear de mão; instrumento do modo B para os
tumores de mama e José Holmes, que, em 1951, juntamente com engenheiros Howry e
outros, produziu o primeiro 2D B-mode scanner composto linear (1, 5, 6).

19

Cover of the March issue of "ELECTRONICS" in 1955 reporting Wild and Reid's work on
ultrasound diagnosis of Breast tumors.

Em 1957, Douglas Howry (médico Americano) e sua esposa (também médica),
Dorothy Howry, foram considerados pioneiros na utilização da ultrassonografia
diagnóstica.
Nesta época, o paciente tinha que ficar submerso e imóvel dentro de uma
banheira com água para a realização do exame. Um procedimento nada prático e que
produzia imagens de baixa qualidade e resolução (1,12).

Em 1961, Richard Siemens Soldner, Walter Krause e colaboradores (Paetzold,
Kresse e Otto) desenvolveram o sistema que deu origem ao equipamento Vidoson.
20

Aparelho testado, pela primeira vez, em ensaios clínicos, em 1965, por Hans-Jurgen
Hollander na Universidade de Muenster.

Essa inovação mudou completamente a prática da ultrassonografia por meio dos
scanners, em tempo real, mais conhecido como B-rápidos scanners, fabricados
posteriormente pela Siemens Medical Systems da Alemanha.
Hofmann e Holländer Weiser publicaram o uso do equipamento em Ginecologia
e Obstetrícia em 1966, no idioma alemão. Em 1968, publicaram o "Diagnóstico intrauterino do feto hidropisia universalis com ultrassom", também em alemão. É
provavelmente o primeiro estudo na literatura médica que descreve formalmente o
diagnóstico de uma malformação fetal com ultrassom.

Vidoson. Fonte: www.siemens.com
"Its working mechanism and the resultant image of a fetal face and hand.The transducer housing is
mounted on a mobile gantry and rigidly connected to the main console. The scanning frequency was 2.25
MHz. Scaling and caliper functions were not present".

21

Malte Hinselmann, usando o Vidoson, demonstrou a visualização universal de
ação cardíaco-fetal a partir de 12 semanas. O Vidoson se popularizou nas décadas de 60,
70 e 80 sendo utilizado em trabalhos científicos publicados a partir de muitos centros na
Bélgica, na Itália, na Alemanha, em Viena e na América do Norte.
A popularidade inicial não foi baseada em sua resolução de imagem (em preto e
branca), mas sim, na sua capacidade de permitir ao operador visualizar e estudar
movimentos, tais como o movimento cardíaco-fetal, os movimentos corporais graves e
os movimentos respiratórios fetais.
Em 1964, Citters Franklin, Watson e Van publicaram, na "Nature", o sistema de
telêmetro, em que o dispositivo implantado doppler transmitia os sinais de fluxo para
um receptor nas proximidades.
Donald Baker, associado a Rushmer e à equipe de Citters Franklin,
desenvolveram a partir da análise espectral, o Doppler contínuo, baseando-se no método
histograma - intervalo de tempo (11).

Outros médicos, tais como Wayne Johnson trabalharam com Rushmer e
relataram a detecção de pulsações cardíacas-fetais com Doppler contínuo em 1964.

22

A tecnologia foi transferida para Smith Kline Instruments e foi produzido o
primeiro detector-pulso fetal, o Doptone comercializado em 1965. Com esse
instrumento, era possível detectar pulsações cardíacas, no formato de áudio, em 100%
dos fetos vivos após 12 semanas de gestação (11).
Em 1967, Rushmer, Johnson e Strandness publicaram no JAMA: "Aplicações
clínicas de um Detector de fluxo ultrassônica transcutânea", que descreveu a detecção
de vida fetal e o fluxo sanguíneo através da vasculatura uterina dos movimentos fetais e
localização placentária, utilizando Doppler contínuo em uma situação obstétrica (11).
A onda contínua Doppler, no entanto, não fornecia informações explícitas sobre
a distância entre o transdutor de ultrassom e a do alvo em movimento. Então, Baker
estudou artigos sobre o movimento de neve e de chuva, nas nuvens, usando um radar
pulsado doppler, o que o inspirou a começar a trabalhar no doppler pulsado. Baker
publicou a fase coerente do sistema de pulso Doppler para medição cardiovascular, em
1967, seguido de Fluxo de Sangue Pulsed Ultrasonic Sensor, em 1969 (11)..
Posteriormente o grupo de Baker recrutou John Reid, pioneiro que trabalhou
com John Wild (Universidade da Pensilvânia), que trouxe junto com ele a tecnologia
para escala de cinza de imagem 2D e de modo-M (11).
Don Baker, Dennis Watkins e John Reid desenvolveram o Doppler pulsado, o
que permitiu a detecção de fluxo de sangue a partir de diferentes profundidades no
coração. Don Baker, que também era um membro da equipe de engenharia,
desenvolveu, mais tarde, o Doppler colorido com digitalização duplex.

23

Em 1970, o primeiro 2D e modo M (máquina cardíaca ecográfica) foram
desenvolvidos. Em 1972, eles foram capazes de publicar imagens 2D doppler das
artérias femorais e das carótidas (11).
Reid e George Tomé ajudaram a desenvolver o primeiro "rotor-mecânico"
(scanner duplex em 2D imagem) e o pulsado doppler interrogatório. Podendo, à época,
ser realizado em conjunto, embora não simultaneamente.
Em 1974, Frank Barber descreveu a versão refinada do scanner duplex, e o
grupo de Thurstone trabalhou com imagens de velocidade de onda e fluxo, que foram
codificadas em cores e superpostas à M-mode; e em escala de cinza 2-D com imagens
anatômicas(11).
O primeiro ATL Doppler pulsado do scanner apareceu ainda em 1974. O
aparelho Mark (ATL) foi logo disponível comercialmente em 1975.
A unidade de pulso-doppler (400B) desenvolveu-se um pouco mais tarde e se
tornou parte da marca ATL conhecido scanner duplex V, que estreou em 1978, o
Duplex doppler de fato à frente de seu tempo (11).

O ultrassom em tempo real com doppler apareceu no início de 1980. Importantes
fabricantes pioneiros de equipamentos de ultrassom em tempo real incluem a Aloka ®,
Hitachi ®, Toshiba ® e Shimadsu ®, EMI ®, diagnóstico Sonar ®, Siemens ®,
24

KretzTechnik ®, Bruel e Kjaer ®, GEC ®, Philips ®, Rohe ® e Roche-Kontron ®,
ADR, Diasonics ®, Dynex ®, Ecoscan ®, Elscint ®, Hewlett-Packard ®, Irex ®, SKI
®, Phosonic Searle ®, Technicare ® (adquirida Unirad ®) e Xonics ®.

No início dos anos 80, havia mais de 45 grandes e pequenos fabricantes de
scanner de ultrassom em todo o mundo. A aplicação de ultrassonografia em Obstetrícia
e Ginecologia esteve, desde então, submetido a uma proliferação explosiva.
Antes de 1990, as imagens de ultrassom B-scan haviam passado por progressos
constantes na resolução e na qualidade. A Acuson Coporation ®, uma empresa fundada
na Califórnia, desenvolveu seu primeiro modelo comercializado (Acuson 128), em
1983, empregando um 128-canal: plataforma computadorizada ultrassonografia;
baseada principalmente em um processo de formação controlado por software de
imagem. A máquina abalou a comunidade de ultrassonografia com a sua excelente
resolução, a clareza e o preço.
Daí por diante, ocorreu o aumento do número de cristais transdutores, ou canais
(de 64 a 128); o que trouxe melhorias à tecnologia de cristal transdutor (entrando em
banda larga e uma gama dinâmica de altura), aumentou a abertura de matriz (mais
cristais de queima em um único espaço de tempo) e melhorou a capacidade
computacional melhorando, também, a técnica para focar e receber (aumentando o

25

número de zonas focais ao longo da viga), o que gerou ganho de controle e,
progressivamente foi substituindo partes analógicas pelas digitais.
Posteriormente na década de 1990, o campo caminhou um passo adiante, com
imagens 3D e até 4D, em que o público poderia interpretar (1).
Hoje, o exame ultrassonográfico acomoda-se, confortavelmente ao paciente, em
que o transdutor é o responsável por transformar os ecos refletidos pelo interior do
corpo humano em sinais que serão decodificados eletronicamente em uma imagem que,
por sua vez, será interpretada pelo médico que estiver realizando o exame (1).
Este método é largamente difundido mundialmente e em praticamente todas as
áreas médicas, devido à simplicidade, seu baixo custo em relação a outros métodos
diagnósticos, por ser inócuo, dinâmico, e não promover alterações secundárias à sua
aplicação.
O ultrassom é um exame que pode ser utilizado na área preventiva para
diagnosticar lesões no organismo ou para controlar lesões que estejam sendo tratados na
clínica, na cirurgia ou com outros métodos. Existem hoje, basicamente sete exames de
ultrassom em ginecologia e em obstetrícia. Entre os diferentes tipos de procedimentos,
incluem-se:
- O ultrassom padrão: exame de ultrassom tradicional que utiliza um transdutor sobre
o abdome para gerar imagens 2-D do feto em desenvolvimento;

Imagem de ultrassom ­ Fonte: www.google.com/imagens

26

- Scans transvaginal: transdutores da sonda especialmente concebidos são usados
dentro da vagina para gerar imagens de ultrassom. Mais frequentemente utilizado
durante as fases iniciais de gravidez;

Transdutores ­ Fonte: www.google.com/imagens

- O ultrassom avançado: Este exame é semelhante ao de ultrassom padrão, mas o
exame tem como alvo um problema, ou suspeita e utiliza equipamento mais sofisticado.

Ultrassom Portátil ­ Fonte: http://www.shopveterinario.com.br

27

- O ultrassom Doppler: Procedimento de imagem que mede leves mudanças na
frequência das ondas de ultrassom e que saltam fora objetos móveis, tais como as
células sanguíneas.

Ultrassom Doppler ­ Fonte: http://olx.com.br

- Ultrassom 3-D: Utiliza sondas especialmente concebidas e software para imagens 3-D
do feto em desenvolvimento;

Imagem do feto em desenvolvimento ­ Fonte: www.google.com/imagens

28

- Ultrassom dinâmico 4-D ou 3-D: Utiliza-se scanners especialmente concebidos para
olhar para o rosto e os movimentos do bebê antes do parto;

Equipamento de Ultrassom 4D ­ Fonte: www.google.com/imagens

- Ecocardiografia Fetal: A ultrassonografia é um exame de imagem que usa ondas de
som para criar a imagem do bebê, da placenta, do útero e de outros órgãos e
praticamente não tem contra-indicações. Na ecocardiografia fetal utiliza-se de ondas
(ultrassom) para avaliar a anatomia do bebê e a função do coração para ajudar a avaliar
suspeitas de defeitos cardíacos congênitos.
REFERÊNCIAS
1 - WOO, J. History of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology, Part 1. Last revised
March, 2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/ history1.html.
em 17/12/2011.
2 ­ WOOD, A. B., From the Board of Invention and Research to the Royal Naval
Scientific Service, Journal of the Royal Naval Scientific Service Vol 20, No 4, pp 1-100
(185-284).
3 - CHILOWSKY C.M. LANGÉVIN. M.P. (1916) Procídés et appareil pour production
de signaux sous-marins dirigés et pour la localsation à distances d'obstacles sonsmarins. French patent no. 502913.

29

4 - DESCH, C.H., SPROULE, D.O. AND DAWSON, W.J. (1946) The detection of
cracks in steel by means of supersonic waves. J. Iron and Steel Inst. (1964):319.
5 - HOLMES, J.H., HOWRY, D.H., POSAKONY, G.J. AND CUSHMAN, C.R. (1954)
The ultrasonic visualization of soft tissue structures in the human body. Trans. Am.
Clin. Climatol. Assoc. 66:208-223.
6 - LANGÉVIN, M. P. (1928) Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626.
Firestone, F.A. (1945) The supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr,
48:505-512.
7 - TANAKA, K. (1952) Application of ultrasound to diagnostic field. Electr. Ind.
3.Miyajima, G., Wagai, T., Fukushima, Y., Uchida, R. and Hagiwara, I. (1952)
Detection of intracranial disease by pulsed ultrasound. Tokyo Med. J. 72:37
8 - TANAKA, K., MIYAJIMA, G., WAGAI, T., YASUURA, M. KIKUCHI, Y AND
UCHIDA, R. Detection of intracranial anatomical abnormalities by ultrasound. Tokyo
Med. J. (1950). 69:525.
9 - DONALD, I. (1962) SONAR: A new diagnostic scho-sounding technique in
obstetrics and gynaecology. Proc. Roy. Soc. Med. 55:637-638.
10 - DONALD, I. (1974) SONAR. The Story of an experiment.Ultrasound Med Biol
1:109-117.
11 - http://www.ob-ultrasound.net
12 - CHAZAN, L. K., CAETANO, R. Pioneiros da ultrassonografia obstétrica no Brasil.
Relatório de pesquisa de pós-doutorado, Universidade do estado do Rio de Janeiro, Instituto
de Medicina Social, 2008.

30

4 - Efeito Doppler

31

Hugo Campos Oliveira Santos
Waldemar Naves do Amaral

Efeito Doppler
Johann Christian Andreas Doppler nasceu na Áustria (1803), filho de um
pedreiro, realizou seus primeiros estudos em Salzburgo, sua cidade natal. Os estudos
secundários foram realizados em Linz e mais tarde, em 1825, formou-se em matemática
na Universidade Técnica de Viena, onde estudou matemática, mecânica e astronomia e
foi director do Instituto de Física e professor de Física Experimental na Universidade de
Viena.
Em 1842, editou a obra Sobre as Cores da Luz Emitida pelas Estrelas Duplas
(Über das farbige Licht der Doppelsterne, onde descreve o efeito Doppler. Em 1850 foi
nomeado diretor do Instituto de Física Experimental da Universidade de Viena. Doppler
observou que o comprimento de uma onda sonora produzida por uma fonte em
movimento se altera (1,2,3).

Johann Christian Doppler

O Efeito Doppler é uma característica observada nas ondas quando emitidas ou
refletidas por um objeto que está em movimento com relação ao observador. Foi-lhe
atribuído este nome em homenagem a Johann Christian Andreas Doppler, que o
descreveu teoricamente pela primeira vez em 1842. A primeira comprovaçao foi obtida
pelo cientista alemão Christoph B. Ballot, em 1845, numa experiência com ondas
sonoras (3,4).
32

Em ondas eletromagnéticas, este mesmo fenômeno foi descoberto de maneira
independente, em 1848, pelo francês Hippolyte Fizeau. Por este motivo, o efeito
Doppler também é chamado efeito Doppler-Fizeau. Cada onda emitida está mais
próxima da onda anteriormente emitida, logo seu comprimento de onda tem um valor
diferente, dependendo do ponto onde se observe a onda. O comprimento de onda
observado é maior ou menor conforme sua fonte se afaste ou se aproxime do
observador. Se o comprimento de onda variar, a sua frequência varia também.
O efeito Doppler permite medir a velocidade de objetos através da reflexão de
ondas emitidas pelo próprio equipamento de medida, que podem ser radares, baseados
em radiofrequência, ou lasers, que utilizam frequências luminosas. Sendo muito
utilizado para medir a velocidade de automóveis, aviões, bolas de tênis e qualquer outro
objeto que cause reflexão, como, na mecânica dos fluidos e na Hidráulica.
Na medicina, um ecocardiograma utiliza este efeito para medir a direção e
velocidade do fluxo sanguíneo ou do tecido cardíaco. O ultrassom Doppler é uma forma
especial do ultrassom, útil na avaliação do fluxo sanguíneo do útero e vasos fetais. Pode
ser mostrado de várias formas: com som audível, com espectro de cores dentro do vaso
ou na forma de gráficos que permitem a mensuração na velocidade sanguínea nos
tecidos normais.
Doppler contínuo é um método utilizado para determinar se a velocidade do
fluxo é muito alta, determina também, a direção do fluxo, porém, não determina a sua
localização. Isto, porque, no Doppler contínuo o feixe ultra-sônico é constante, portanto,
todos os alvos em movimento dentro do feixe produzem sinais Doppler. Então, não há
possibilidade de saber onde estão os alvos individuais e nem determinar se há mais de
um alvo em movimento.
Para obter imagens ótimas, usam-se transdutores de baixa freqüência. Como a
velocidade também é uma função da freqüência transmitida, é muito difícil registrar
velocidade baixa com transdutor de baixa freqüência. Essa situação é oposta àquela
utilizada para obtenção da imagem eco uni ou bi.

33

O Doppler contínuo tem mais aplicação na obstétrica, precisamente para a
ausculta dos batimentos cardíacos fetais e para avaliar o fluxo do sangue nos vasos
periféricos. O transdutor tem dois cristais, um dele sendo transmissor e outro receptor,
feitas de forma contínua. Tem as vantagens de alcançar todos os movimentos no eixo
longitudinal; avaliar o espectro Doppler de análise qualitativa, representar as
freqüências Doppler e conhecer o perfil de velocidades de determinado fluxo. As
analises quantitativas pode medir as frequências sistólicas e diastólicas necessárias para
calcular parâmetros circulatórios.
O Doppler pulsátil usa somente um cristal, a emissão do ultrassom fazendo-se
em pulsações, entre os intervalos dos pulsações recebendo-se os ecos (os sons
refletidos). Trata-se do sistema chamada de Doppler - duplex. Ele facilita muito a
analise do fluxo vascular, a seleção do vaso estará feita automaticamente e representada
em cores de cinza, não importando em nada a profundidade do vaso. É um método e
engenhoso porque exclui, praticamente, ecos emitidos pelas outras estruturas.
Existe um problema de disponibilidade do Doppler pulsátil, enquanto ele está
limitado a uma capacidade máxima de detectar velocidades. (a limite de Nyquist). Isto
faz que, se uma velocidade sanguínea é elevada, logo a freqüência máxima de
deslocação excede a metade da freqüência de repetição é expressa com polaridade
inversa (aliasing), representando-se no lado oposto da linha de base na análise espectral,
e, se for associada ao Doppler em cores, pela cor oposta.

34

O Doppler colorido e utilizado para obter informações sobre a velocidade de um
determinado fluxo, também, para avaliar a direção e a magnitude dele. A técnica
permite avaliar simultaneamente, e no tempo real o sentido de deslocação e a
velocidade(1,2).
O Doppler colorido usa uma escala de cores para representar as diferentes
velocidades do fluido dentro dos vasos. A possibilidade de mapeamento que resulta pela
esta técnica faz ela se tornar superior em relação com as técnicas que representam tudo
em varias tonalidades de cinza (1,2,3).
Estes benefícios tem importância principalmente nos primeiros 3 meses de
gestação quando os vasos de sangue do feto são tão aproximados que quase não
conseguimos distinguir o setor arterial daquele venoso.
As "extremidades" cromáticas são representadas pelas cores vermelho (ondas
que se aproximam de transdutor) e azul (ondas que se afastam), daqui, as tonalidades
diferentes são interpretadas como sendo velocidades diferentes, num sentido ou outro.
As turbulências são, então, representadas em cores misturadas (1).

35

A IMPORTÂNCIA DO DOPPLER EM GINECOLOGIA E
OBSTETRÍCIA
A gestação basicamente apresenta três áreas circulatórias que podem ser alvos de
movimento: Uterina, Placentária e Fetal. O Doppler pode avaliar a circulação uterina e
trazer informações sobre a possibilidade que a mãe terá de apresentar pressão alta na
gravidez. Em relação à circulação fetal e placentária, o Doppler pode indicar sinais de
sofrimento fetal (3,4).
A ecografia endovaginal e uma opção para avaliar a circulação uteroplacentária,
apesar de limitação da sua aplicabilidade prática devido à sobreposição dos índices de
impedância vascular dos vasos miometriais (artérias uterinas, arqueadas, radiais e
espiraladas), retrotrofoblásticos e da região intervilosa(3,4).
As principais indicações do Doppler em ginecologia e obstetrícia relacionam-se
à capacidade de identificar vasos sanguíneos no interior ou na periferia de tumores ou
cistos. Estas observações podem ajudar no diagnóstico presuntivo de benigno ou
maligno (3,4).
As técnicas da ultrassonografia Doppler têm a ver com os ecos de retorno usadas
para determinar a velocidade das estruturas em movimento. A medição das velocidades
sistólicas e diastólicas fornecem dados sobre a resistência vascular(3,4).
A fluxometria colorida Doppler mostrou-se com alta sensibilidade, também na
malignidade ovariana. O Doppler, apesar de oferecer a possibilidade de visualização em
tempo real, pode também descobrir fenômenos relacionado com o desenvolvimento de
tumores (1,2,34)

REFERÊNCIAS
1 - CARTER J, SALTZMAN A, HARTENBACH E, et al: Flow characteristics in
benign and malignant gynecologic tumors using transvaginal color flow Doppler, Obstet
Gynecol 83:125, 1994.
2 - KARLAN BY AND PLATT L. D: The current status of ultrasound and color
Doppler imaging in screening for ovarian cancer, Gynecol Oncol 55:S28, 1994.

36

3 - SLADKEVICIUS P, VALENTIN L, AND MARSÁL K: Endometrial thickness and
Doppler velocimetry of the uterine arteries as discriminators of endometrial status in
women with postmenopausal bleeding: a comparative study, Am J Obstet Gynecol
171:722, 1994.
4 - CHAZAN, L. K., CAETANO, R. Pioneiros da ultrassonografia obstétrica no Brasil.
Relatório de pesquisa de pós-doutorado, Universidade do estado do Rio de Janeiro, Instituto
de Medicina Social, 2008.

37

5 ­ A História da Ultrassonografia no Brasil

38

PAULO GONÇALVES DA COSTA

5 - A História da Ultrassonografia no Brasil
5.1 ­ O PRIMEIRO ULTRASSOM DO BRASIL

Dr. Paulo Gonçalves da Costa ­ Fonte: Diário da Noite/Recife, 1974.

A História do primeiro equipamento de ultrassom no Brasil começou em
Recife/PE, quando eu (Dr. Paulo Costa) acabava de ler um artigo. O artigo dizia que na
Europa existiam aparelhos que proporcionavam ver o feto ainda dentro do útero, e
fiquei bastante interessado.
No ano de 1970, participei do congresso de Ginecologia e Obstetrícia, onde
conversei com um professor de Portugal que veio fazer uma palestra em Recife. O
professor era Castro Caldas e trabalhava na área, então, nessa conversa, ele me chamou
pra fazer um estágio com ele em Portugal e eu aceitei.
Em Portugal, no mesmo ano, ele me colou num rodízio de aprendizado e
conhecimento, cada semana eu passava em um setor e caso eu gostasse eu ficaria lá. Foi
quando eu tive o primeiro contato com a ultrassonografia e quis ficar em Portugal, por
ser algo que eu nunca tinha visto na vida e não tinha registro no Brasil, foi quando eu
iniciei o meu primeiro estágio.
No ano seguinte (1971), eu fiz um trabalho sobre ultrassonografia que tenho até
hoje. Com esse trabalho eu me inscrevi no congresso de Ginecologia e Obstetrícia em
39

Curitiba/PR, o congresso foi em 1973. Quando cheguei, enviei a documentação para
apresentar o trabalho de ultrassonografia e eles olharam aquilo com o pensamento de
que isso não poderia prestar.
Os responsáveis pelo Congresso me colocaram para apresentar o trabalho no
sábado, no horário das 21 horas, pensando que não haveria ninguém para ver. Mas por
acaso, um professor da Espanha (Fernando Bonilla) estava presente, viu o trabalho, e
fez com que eu tivesse uma audiência. Os professores tinham me dado dez minutos pra
falar sobre o ultrassom e isso é humanamente impossível. Então, o professor Fernando
Bonilla mandou que eu falasse sobre obstetrícia e que quando terminasse o tempo, eu
pediria mais tempo para acabar e ele me daria mais dez minutos.
Fizemos isso, e quando eu terminei a apresentação ele me convidou pra ir à
Espanha com ele, já que eu era o único brasileiro que sabia sobre ultrassom na época
(1973). Eu fui para a Espanha, a cidade de Valência, onde o pai de Bonilla era o
catedrático chefe e ele o catedrático. A Espanha foi maravilhosa pra mim, o Bonilha me
deu muito apoio e tornou-se um grande amigo meu. O professor Fernando Bonilla me
deu todo apoio possível, inclusive ele até me citou em seu livro. Outra coisa importante
é que quando eu terminei o estágio lá, eles me ofereceram um emprego no hospital,
mais acabei voltando para o Brasil.
A história do primeiro equipamento de ultrassom do Brasil se dá quando eu
voltei a Recife/PE (1973), onde comecei a apresentar meu trabalho em Maceió, Natal,
Fortaleza, no nordeste todo. Foi muito difícil pra mim, porque sozinho ninguém
acreditava. Foi neste momento que os representantes da Siemens vieram aqui e me
ofereceram o aparelho. Falei com Bonilha e ele disse assim: "não tenha medo não, vai
dar certo".
Eu comprei o aparelho fiado em 1973. Era o equipamento "Vidoson" (não tenho
certeza da grafia). E isso deu um trabalho, o primeiro o técnico não sabia nada, não
sabia fazer funcionar, nem consertar. Um cabeçote do aparelho estragou e eu tive que ir
atrás para arranjar a peça que foi para a UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do
Norte). Eu fui lá falar com o Reitor pra ele me dar àquela peça. Depois de um tempo, o

40

pessoal acreditou no ultrassom, dei até uma palestra pra um jornal aqui na época, era o
Diário de Pernambuco (edição de 31 de agosto de 1974).

Foto: Dr. Paulo Costa utilizando o Vidoson, Fonte: arquivo pessoal.
O primeiro ultrassom do Brasil (Vidoson) veio para Refice/PE, em 1973, onde
eu fazia atendimento no Casarão Rosa e Silva. O aparelho chegou logo após eu voltar
do estágio da Espanha, aí então, comecei a ultrassonografia no Brasil, somente eu aqui
no Recife, aliás, no Brasil todo.
O aparelho custou muito caro, não consegui ajuda da Secretaria de Saúde para
comprá-lo, então, tive que vender muitas coisas, até uma casa. No primeiro
equipamento que comprei realmente o paciente não conseguia entender nada, eu
mesmo, tinha bastante dificuldade.
A gente não conseguia ver nada além da parte de ginecologia e obstetrícia. Fiz
muita divulgação em jornais, palestras e coloquei propaganda na Televisão, mais logo
tive que retirar por conta de orientação do Conselho Regional de Medicina. Daí, resolvi
trocar o aparelho por um melhor, troquei por um da Phillips. Após isso, fui fazer a parte
de medicina interna que me interessava, e eu fui a Paris/França fazer um estágio lá no
Hospital São Joseph.
Sobre os congressos e publicações na época, não havia quase nada no Brasil, o
primeiro trabalho publicado sobre ultrassom foi o meu em Curitiba/PR, publicado pela
41

AMB (Associação Médica Brasileira). Eu publiquei o segundo trabalho na AMB e fui
ao Rio de Janeiro/RJ pessoalmente entregar. Eles (AMB) não entendiam direito,
colocaram as fotos ao contrário do aparelho ao contrário, mas o trabalho saiu e foi
publicado.
Na época, eu fui praticamente autodidata em todos os sentidos, eu sofri muito,
não tinha a quem perguntar nada, Não existia livro, poucos artigos internacionais, eu até
escrevi solicitando informações para um professor na Inglaterra (Ian Donnan), que para
mim foi um dos descobridores da ultrassonografia no mundo.
Em 1974, alguns programas de televisão na época anunciaram o aparelho de São
Paulo/SP, como o primeiro da América Latina, mais eu (Dr. Paulo Costa) tenho uma
revista aqui, que se eu não me engano, é da Bis Siemens (janeiro de 1973 nº25) que tem
uma nota dizendo o seguinte: "O médico brasileiro, Paulo Gonçalves da Costa foi o
primeiro médico a adquirir o aparelho de ultrassom Vidoson (em 1973) no Brasil".
Acontece que quando foram fazer os anais da ultrassonografia, os paulistas com
a sua mania de querer sair na frente, infelizmente disseram que era um médico de lá que
tinha comprado o aparelho. Segundo ele como tinham comprado à vista, teoricamente
teria chegado primeiro que o meu, que foi financiado.
Então, colocaram-me com pioneiro do nordeste, mais isso não é verdade. A
sequencia correta é: o primeiro aparelho do Brasil foi o de Recife/PE (1973), o segundo
de São Paulo/SP (1974), o terceiro foi o do Rio de Janeiro/RJ e o quarto foi o aparelho
da Bahia/BA.
Em meus primeiros trabalhos, já fazia a previsão que em dez anos, as maiores
cidades do Brasil teriam aparelhos de ultrassom. Porém, com muito menos tempo,
várias cidades já estavam utilizando os aparelhos.
No início o CBR (Colégio Brasileiro de Radiologia) queria associar a
ultrassonografia a radiologia e eu achava que não tinha nada a ver, a ultrassonografia
tinha que seguir sozinha com a SUSEM. E hoje eu acho que a SBUS (Sociedade
Brasileira de Ultrassonografia) faz uma boa atuação junto ao CBR. Eu particularmente
42

acho que a ultrassonografia deve ser uma especialidade. Eu acho que deveria sim ser
registrado como especialidade médica.
Para finalizar, digo que realmente sinto orgulho de ser o pioneiro da
ultrassonografia no Brasil. Minha luta não foi nada fácil, no início as pessoas até
desconfiaram que o ultrassom pudesse fazer mal ao feto.
Mais hoje, acho que a ultrassonografia é essencial para o diagnóstico por
imagem em várias áreas de atuação, principalmente para a Ginecologia e Obstetrícia e
Medicina Fetal e pode, sem dúvidas, evoluir sempre mais.

Texto Jornalístico: Dr. Paulo Costa - Fonte: Foto: Vladimir Barbosa e Texto: Vera Ferraz

43

FRANCISCO MAUAD FILHO

5.2 ­ PIONEIRISMO DO ULTRASSOM NO BRASIL

Professor Dr. Francisco Mauad Filho ­ Fonte: http://www.eurp.edu.br
É muito importante contar a história do pioneirismo da ultrassonografia no
Brasil. O país está liderando, cada vez, mais os projetos dentro da especialidade e essa
narrativa vai resgatar valores.
A primeira vez que foi falado sobre ultrassom no Brasil foi em 1972, pelo
professor Dr. Fernando María Bonilla-Musoles que falou em São Paulo/SP sobre o
tema. O Fernando Bonilla foi praticamente o grande mentor da ultrassonografia na
América Latina, principalmente no Brasil.
O primeiro equipamento de ultrassom no Brasil surgiu com Dr. Paulo Costa, em
Recife, em 1973, foi um Vidoson. O segundo aparelho foi para o Dr. Roberto Tadeu
Shigueoka e Edson Martins Passos na Maternidade de São Paulo.
Praticamente na mesma época chegou um terceiro equipamento de ultrassom
para a Maternidade Escola do Rio de Janeiro (UFRJ) para o Dr. Sérgio Simões, o Dr.
Carlos Montenegro, o Dr. Resende e o Dr. Jorge Rodrigues Lima.
O quarto aparelho foi para O professor Dr. Domingos Machado e Dr. Luiz
Eduardo Machado, no IPERBA, na Bahia/BA, em 1974.

44

Ainda em 1974, chegaram os aparelhos de ultrassom para o Dr. José Aristodemo
Pinote e o Dr. Marco Aurélio Pavani, em Campinas/SP, e outro para o Dr. Hamilton
Júlio em Curitiba/PR. Em 1976, nos recebemos o ecógrafo em Ribeirão Preto/SP.
Quase todas as pessoas que desenvolveram ultrassom no Brasil tiveram
aprendizado com Fernando Bonilla, que tinha na época um ultrassom Vidoson. Esse
equipamento era o que tinha de mais moderno, porém, não tinham escala de cinza e
antigamente as imagens eram muito ruins.

Foto: The Vidoson*, its working mechanism and the resultant image of a fetal face and hand. The
transducer housing is mounted on a mobile gantry and rigidly connected to the main console. The
scanning frequency was 2.25 MHz. Scaling and caliper functions were not present. Fonte: http://www.obultrasound.net/history-realtime.html

A medicina fetal começou em 1950, mais foi a partir de 1970, com a entrada da
ultrassonografia que todo o perfil da medicina fetal mudou. Eu já trabalhava com
medicina fetal nesta época e após finalizar o doutorado em 1975, começamos a trabalhar
com o ultrassom na USP (Universidade de São Paulo).
A primeira tese que orientei referente à ultrassonografia foi em 1978, para o
médico Dr. Castanho Machado, que também esteve com o Bonilla. Nós trabalhamos
com um Vidoson, onde o erro das imagens era grande, o erro de uma biometria fetal
proporcionava erro de sete semanas.
O método era bastante impreciso. A resolução das máquinas eram muito ruim,
mais com o aumento dos cristais, a resoluções e frequência dos transdutores
45

aumentaram a resolução vertical. Aí sim, começou a melhorar a ultrassonografia e as
resoluções ficaram mais apuradas.
A ultrassonografia começou praticamente na Europa, por isso demorou a chegar
a América Latina, principalmente porque temos influência Norte-americana. O
reconhecimento do ultrassom como ferramenta para o ginecologista e obstetra veio em
1978 através da Federação Nacional de Ginecologia e Obstetrícia. Nesta época foi
quando começou a grande revolução da ultrassonografia.
Em 1982 surgiu o ultrassom endovaginal, neste período, eu trabalhava com
dedicação exclusiva na USP, viajava bastante e era convidado para participar de bancas
no Brasil todo. As pessoas me perguntavam se poderiam realizar aprendizado sobre
ultrassom na USP, porém, na época a Universidade de São Paulo não tinha muito
espaço para profissionais e pessoas já formadas.
Em 1987, iniciou o ultrassom com Doppler, em 1997, chega o ultrassom 3D, já
em 2003 surge o ultrassom 4D. Na verdade, o Doppler, 3D e 4D são todos software
(programas). Agora estamos na fase da Elastografia, na área do contraste que está
entrando muito forte e promete revolucionar ainda mais o mercado de imagens.
Atualmente, a ultrassonografia está ganhando espaço nos EUA (Estados Unidos da
América), apesar de que, nesse país, tem o problema do técnico fazer o exame de
ultrassom. O que eu particularmente não concordo, pois, este procedimento deve ter
uma correlação clínica e a presença do médico é fundamental.
O setor privado sempre foi mais efetivo do que o público principalmente em
relação à medicina no Brasil. Hoje, o parque de ultrassonografistas no Brasil chega a 30
mil, e o número de equipamentos chega à casa de 25 mil aparelhos. Nós temos hoje no
país quase 12 mil equipamentos com Doppler.
A maioria deles está na iniciativa privada. Os aparelhos da rede pública são
sucateados e são poucas as instituições que possuem aparelho de ponta. Aliás, tudo que
aconteceu em termos de medicina, foi uma falta de gestão pública. Desde 1970, houve o
aumento do número de faculdades de medicina, creio que o Ministério da Saúde
acreditava que aumentando o número de médicos, melhoraria a saúde pública, o que não
46

condiz com a realidade, o que deve aumentar é a qualidade e o atendimento no setor
público.
Quando começou a ultrassonografia no Brasil, foi criada uma sociedade
chamada SUSEM em 1978. O Pavani de Campinas-SP era o presidente. Porém, a AMB
(Associação Médica Brasileira) não reconhecia o título de especialista em
ultrassonografia, pois, o diagnóstico por imagem naquela época já era da radiologia e
pertencia ao Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR).
Em 1981, foi realizado o Congresso da SUSEM para eleição na nova diretoria,
na Bahia/BA, neste Congresso foi eleito Domingos Correia da Rocha. O Dr. Domingos
também era o presidente do departamento de ultrassonografia na Radiologia, e seu
projeto era incorporar a SUSEM junto ao Colégio Brasileiro de Radiologia, pois, era a
única forma de reconhecer o título de especialista que havia sido usado pela SUSEM,
que já havia sido absorvida pelo CBR.
Hoje, a ultrassonografia não é uma especialidade, sendo uma área de atuação
médica. Mas o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) usa um termo inteligentemente.
Este termo denomina que o indivíduo (médico) que faz a prova de atuação na
ultrassonografia recebe uma certificação de título de especialista em diagnóstico por
imagem com área de atuação em ultrassonografia; e o CRM reconhece esse título. A
ultrassonografia acabou sendo absorvida pela radiologia, e eu acredito que isso foi um
passo interessante que o CBR fez e que dificilmente vai mudar.
No entanto, a ultrassonografia é uma área médica de muita abrangência, por
exemplo, faz-se ultrassom na área de ortopedia músculo esquelético, anestesistas para
realizar bloqueio devem ter auxílio do ultrassom, já a Reumatologia tem uma área
específica na ultrassonografia.
O ultrassom está em todas as áreas médicas. Isso é importante porque se
imaginarmos a ultrassonografia como especialidade médica, como ficaria aquele
anestesista que faz um bloqueio? Ele não poderia fazer a anestesia com ultrassom por
não ter o título pelo CBR? Em contrapartida, como nós vamos chamar um radiologista
para fazer um bloqueio para uma cirurgia? Então, a Sociedade Brasileira de
47

Ultrassonografia (SBUS) nasceu para abraçar todas as áreas médicas que utilizam o
ultrassom e deve ser um grande guarda-chuva para todos os departamentos. Para poder
dar uma orientação adequada para o urologista que quer fazer um exame de próstata
com ajuda do ultrassom; para o mastologista que quer fazer biópsia de mama orientada
pelo ultrassom; para o anestesista que quer ter acesso venoso; para o reumatologista, e
outros. O bom ultrassonografista deve ter um bom relacionamento clínico.
Em relação aos processos médicos a ultrassonografia como diagnóstico de
imagem de uma maneira geral, não é vista como uma grande preocupação. Atualmente
a imagem está no vigésimo lugar em número de processos médicos no Brasil. Na
imagem, temos praticamente ultrassom morfológico e mamografia. Acontece que na
Europa e Estados Unidos a ultrassonografia pode ser considerada a terceira grande
causa de processos médicos. Primeiro, por causa da má formação dos indivíduos e
segundo porque o indivíduo não possui aparelho adequado para captar determinadas
informações.
O Brasil é atualmente o segundo país da América em termos de compra de
aparelhos de ultrassom; atrás somente dos Estados Unidos, sendo o quinto do mundo. O
Ultrassom é uma ferramenta importante em qualquer departamento e especialidade
médica, estamos vendo quanta coisa importante que o ultrassom está conquistando.
Dede 1980, toda a minha pesquisa foi feita em cima da ultrassonografia.
A ultrassonografia dentro da área acadêmica e de pesquisa é muito promissora.
Eu particularmente tenho uma escola de medicina há mais 23 anos, somente no ano
passado, passaram mais de 3 (três) mil médicos que fizeram aperfeiçoamento, cursos e
especializações. A escola está se transformando em faculdade e temos três grandes
projetos de ultrassom, nas áreas de cardiologia, vascular e medicina interna. Tenho
orientado doutorados, participado de bancas, tudo que envolve ultrassonografia. Acho
que é uma área promissora, principalmente de ultrassom tridimensional e Doppler
tridimensional.
Na medicina fetal, o ultrassom permitiu que fizéssemos cirurgias fetais, agora
vamos entrar na área da genética, e o psiquismo fetal será mais bem conhecido o que

48

auxiliará nos estudos de distúrbios de comportamento fetais que comprometem o
indivíduo.
A Elastografia irá trazer uma contribuição enorme sobre maneira, mas ainda está
engatinhando, já o contraste venoso será uma grande evolução na oncologia. Teremos
muitas coisas boas pela frente, acredito nos métodos e técnicas cada vez mais
tecnológicas, mas fico preocupado com estão sendo utilizados. Acho que este é o papel
da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia, poder trabalhar com os indivíduos e poder
melhorar a qualidade e também o ganho deles. Pois, são aparelhos caros que não devem
fazer números de exame e sim garantir a qualidade e segurança.

49

HUGO CAMPOS OLIVEIRA SANTOS
SÉRGIO LUIZ SIMÕES
WALDEMAR NAVES DO AMARAL

5.3 ­ MATERNIDADE DE SÃO PAULO
O que despertou o interesse dos pioneiros da ultrassonografia brasileira foram os
ensinamentos e os trabalhos do professor Fernando María Bonilla-Musoles (Espanhol),
na época (1973), o que havia de acessibilidade ao conteúdo uterino no Brasil era o Raio
X, e somente no final da gravidez, onde o esqueleto fetal era identificado. O que trouxe
deslumbramento pelo ultrassom foi o fato de poder ver dentro do útero e analisar a
imagem do feto que estava sendo gerado.
O Vidoson (Siemens) foi primeiro aparelho que tivemos a oportunidade de ter
no Brasil, (Paulo Costa, Recife-PE, 1973), logo em seguida a Siemens trouxe para São
Paulo em 1974 o outro aparelho, que seria o segundo do Brasil. O Professor Dr. Jorge
Rodrigues trouxe juntamente com outros médicos e professores as primeiras imagens de
ultrassom para o Brasil, tiradas de congressos internacionais. Estas imagens, as técnicas
de ultrassom e o aparelho Vidoson foram apresentados em um evento médico na
Maternidade de São Paulo (1974), com a participação do engenheiro eletrônico Kurt F.
Jedlicka e do médico Dr. Roberto Tadeu Yamashiro, na época, assistente do Dr. Jorge
Rodrigues Lima na Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
O professor Dr. Edson Martins Passos, diretor da Maternidade de São Paulo
solicitou que o aparelho Vidoson ficasse em São Paulo. Solicitou também, ao professor
Dr. Rodrigues que o Dr. Roberto Tadeu ficasse em São Paulo e realizasse os exames de
ultrassonografia na Maternidade de São Paulo. O professor Rodrigues aceitou, porém,
fez algumas reivindicações que incluíam carro, um bom salário e moradia para abrir
mão do trabalho do Dr. Roberto Tadeu.
O Dr. Roberto Tadeu se mudou para São Paulo/SP em 1974 e foi efetivamente o
primeiro que publicou um trabalho no Brasil sobre o uso do ultrassom em diagnóstico.

50

Esta publicação foi feita nos Anais de Ginecologia e Obstetrícia, no ano de 1974.
O professor Dr. Rodrigues (UFRJ) também já havia comprado o aparelho de ultrassom
(Echoview/Picker), mas com a demora da importação não havia ainda chegado ao Rio
de Janeiro/RJ.
O aparelho de ultrassom utilizado na época (Vidoson) pela Maternidade de São
Paulo tinha uma característica: a imagem era biestável, mas não era de persistência
variável, era de não persistência. Havia também, um espelho e um transitor que era
rotativo com uma bolha de líquido. O cabeçote era colocado em cima do abdômen da
paciente. Como o equipamento fazia o movimento de rotação, descrevia a imagem
como se fosse a tempo real. Nessa época a imagem tremia muito e não era fixa.
Posteriormente foi possível fazer um upgrade, em relação ao primeiro aparelho
tinha uma imagem absolutamente estática. Estes aparelhos na época chamaram a
atenção da imprensa e da classe médica brasileira. O Vidoson tem uma história
fantástica, em São Paulo não se pedia ultrassonografia, a solicitação do exame era "um
vidoson", logo, muitos hospitais o compraram e o utilizavam.

Foto: Maternidade de São Paulo, após 109 anos de atividades ininterruptas, a maternidade encerrou suas
atividades em 2003. Fonte: http://www1.folha.uol.com.br

51

SÉRGIO LUIZ SIMÕES

5.4 ­ MATERNIDADE ESCOLA DO RIO DE JANEIRO

Dr. Sérgio Luiz Simões ­ Fonte: http://www.cemerj.com.br

Em 1972, o Professor Fernando Bonilla, que foi um dos Papas do ultrassom no
mundo esteve no Rio de Janeiro para visitar a Maternidade Escola da Universidade
Federal do Rio de Janeiro. O professor Bonilla fez uma palestra na cidade de Niterói/RJ
sobre Microscopia Eletrônica, ainda nesta palestra ele mostrou as primeiras imagens de
ultrassom que ele trabalhava na Espanha.
A Maternidade Escola do Rio de Janeiro pode ser considerada o berço da ideia
da ultrassonografia brasileira. Nesta época, o professor Dr. Jorge Rodrigues Lima, o Dr.
Resende e o professor Dr. Carlos Antônio Montenegro que haviam ido a um congresso
no Japão, em busca dos primeiros contatos com o ultrassom e se entusiasmaram muito
com a ideia de trazer equipamentos para o Brasil. Os professores Jorge Rodrigues Lima
e Carlos Montenegro foram para São Francisco na Califórnia (Estados Unidos) e
encontrarem com o Editor Chefe da Revista Americana de Ginecologia e Obstetrícia,
que os ajudaram a conhecer o aparelho Echoview/Picker de fabricação Americana.
Depois de alguma negociação, compraram o equipamento de ultrassom e trouxeram
para o Rio de Janeiro em 1974.
Esse equipamento era de varredura manual, ou seja, a gente deslocava o cristal
na pele da paciente. Em relação à unidade de memória, não existia naquela época
condições técnicas para armazenamento, onde o osciloscópio registrava a imagem à
medida que se deslocava os sensores de posição. Se você deslocasse um centímetro de
espaço, você teria o deslocamento de um centímetro naquela mesma situação na tela e
essa imagem era armazenada por alguns minutos. Então, quando se deslocava, se
construía um corte. Chamávamos essa imagem de biestável, pois tinha ponto ou não
52

tinha ponto. Não existia a imagem na tonalidade de cinza. O que era possível era
aumentar o ganho para "rechear" mais a imagem ou então esvaziá-la diminuindo o
ganho. Esse era o equipamento.
A Maternidade Escola sempre foi pródiga na produção de trabalhos científicos.
O Dr. Jorge Rodrigues tinha, por exemplo, a monitorização do parto, medição do PH, e
assim a medição dos batimentos cardíacos do feto, na época, era feito por eletrodo que
era implantado na cabeça do feto depois da bolsa rota e registrado através de um balão
as contrações uterinas.
Em 3 de setembro de 1974, a Maternidade Escola fez os primeiros exames de
ultrassom, na época, o chefe em pesquisa da Maternidade era o professor Rodrigues
Lima. Eu, Sérgio Simões, era assistente do Dr. Carlos Montenegro, e entrei no lugar do
Roberto Tadeu Shigueoka, que foi para a Maternidade de São Paulo e comecei a fazer
os exames de ultrassom na Maternidade Escola do Rio.

Foto: Maternidade Escola do Rio de Janeiro, mais de 100 anos de atividades ininterruptas, Rua das
Laranjeiras, nº 180, UFRJ - Fonte: http://www.pr3.ufrj.br/pr3/patrimonio.htm

53

Eu (Sérgio Simões) comecei a trabalhar com aparelho antes de ficar um mês e
meio nos Estados Unidos estudando e me aprofundando em ultrassom. Fui para os
Estados Unidos a convite da Dra. Beatriz, que estudou Radiologia e se interessou pela
Ultrassonografia, ela era filha do Professor Dr. Galba Araújo. O Dr. Galba era o titular
de obstetrícia da Universidade Federal do Ceará. Ele era muito querido no Brasil porque
fundou as famosas casas de parto no interior do Ceará que foram muito premiadas na
época.
Eu fiquei pelo menos três meses fazendo exames com nosso primeiro
equipamento (Echoview-Picker) nas pacientes internadas, com um atlas do professor
Gobaiach, que na época era nossa Bíblia sobre o aparelho de ultrassom que tínhamos na
época. Eu fazia um trabalho autodidata, fazendo exames com as pacientes da
Maternidade. Depois a Maternidade comprou nosso segundo aparelho, o Vidoson, que
era um pouco melhor que o primeiro.
Posteriormente a Maternidade comprou o aparelho de ultrassom da ATL, que era
um aparelho com escala de cinza e dinâmico com transdutor único abdominal, como se
tem hoje com o convexo. Mas ele não era convexo,era linear. Então você tinha as
primeiras imagens com aparelho da ATL que desenvolveu depois um outro tipo de
aparelho dinâmico e de melhor qualidade, que competia muito com os lineares. Era um
aparelho que o cristal fazia movimentos não de rotação, de báscula, de lado pro outro, e
o transdutor era chamado de END FIRE.Este transdutor vibrava e você coloca na
barriga e via a imagem dinâmica em V.
A história da Maternidade Escola do Rio de Janeiro já possui mais de 100 (cem)
anos, no início foi difícil, não tínhamos muitos referenciais teóricos e os professores
tiveram que viajar para congressos e eventos internacionais sobre ultrassonografia.
Depois fizeram inúmeras viagens pelo Brasil divulgando as imagens, técnicas e os
aparelhos de ultrassom.
No começo dos trabalhos de ultrassonografia aqui na maternidade as grávidas
ficavam maravilhadas, porém, para saber qual era sexo do bebê foi um pouco tardio. Eu
comecei a divulgar sexo de bebê em 1977, antes não víamos sexo nenhum, depois disso,
já era possível ver o sexo em bebês de sete meses.
54

A Maternidade sempre produziu excelentes profissionais, médicos, professores,
pesquisadores e muitos trabalhos científicos, sendo um exemplo para todo o Brasil e foi
sem dúvida uma grande pioneira da ultrassonografia brasileira.

55

LUIZ EDUARDO MACHADO

5.5 ­ PIONEIRISMO DO IPERBA
A ultrassonografia foi um amor a primeira vista, eu ainda estava fazendo a
residência médica em Ginecologia e Obstetrícia, quando despertou meu interesse pelo
ultrassom. Eu havia visto a montagem do equipamento na Maternidade Escola da
Universidade Federal do Rio de Janeiro, era um Picker Echoview em 1974, foi um fato
histórico para o Brasil.
O primeiro equipamento de ultrassom da Bahia foi um Picker-Echoview 6 e
começou a funcionar em junho de 1974. O ultrassom foi instalado em Salvador/BA, no
Instituto Perinatologia da Bahia ­ IPERBA, trazido pelo Professor Dr. Domingos
Machado, que era o chefe na época.
Nesta época, os engenheiros que faziam a montagem do equipamento de
ultrassom no IPERBA perguntaram-me se eu interessava pela máquina. Então, eu
participei da montagem do primeiro equipamento em nosso estado, o segundo do
nordeste, e neste momento nasceu minha grande paixão pela ultrassonografia. Eu via
naquela máquina algo de novo, um equipamento extremamente promissor para o futuro
da Obstetrícia.

IPERBA ­ Fonte: Http://www.flickr.com

56

O nosso equipamento não tinha escala de cinza. Era biestável preto e branco,
tinha uma tela esverdeada e realmente era muito difícil de conseguirmos ver as imagens,
mas foi ali que aprendemos. Quando chegou a escala de cinza tudo se tornou realmente
fácil, porque eu já conseguia ver no preto e branco, com uma imagem grosseira, quando
começou a chegar à escala de cinza, melhorou demais as imagens.
Nesta época não víamos o sexo do bebê, porém, tínhamos ideia do diâmetro biparental, onde as medidas eram feitas no eclan, quadriculado em centímetros, fazíamos
também, uma paquimetria do feto para poder fazer a curva de bi-parental. Quando o feto
nascia, nós fazíamos a paquimetria para comparar o ultrassom com o recém nascido
para ver se batia certo.
O Professor Dr. Fernando Bonilla foi o grande responsável pela introdução do
ultrassom na América Latina, principalmente no Brasil. Na realidade, quando começou
o ultrassom, foi ele quem veio incentivar, inclusive ele deu a primeira aula que eu vi de
ultrassonografia quando estávamos montando nosso equipamento na Bahia. A
Maternidade estava terminando de inaugurar o Instituto de Perinatologia da Bahia.
O Bonilla veio e deu uma aula para nós em 1974. Minha grande amizade com
ele nasceu aí e até hoje nossas famílias possuem um grau de afeição muito grande. O
Bonilla e eu possuímos mais de 200 trabalhos juntos e cinco livros. Até hoje, sigo com
equipamentos de ponta, escrevendo livros, desenvolvendo trabalho científico, sempre
muito ligado a tecnologia do ultrassom.
Sem dúvidas o ultrassom foi um divisor de águas e nós temos duas obstetrícias:
uma antes e outra depois do ultrassom. Acontece isso também para o Doppler. Foram
fatos históricos bastante marcantes. O ultrassom foi decisivo e fundamental para a
obstetrícia e ele é decisivo até hoje. Hoje eu diria que é inadmissível se fazer um prénatal que não tenha acompanhamento ou possibilidade de se fazer uma exploração com
ultrassom.
O Brasil deve ter mais incentivos para a pesquisa, que é um campo
extremamente vasto. Hoje, podemos dizer que a medicina fetal é uma especialidade e
que a base de toda a medicina fetal é o ultrassom. Se você partir do princípio que
57

antigamente o feto era desconhecido e hoje ele é um paciente, você percebe que a
mudança é significante. Daí a importância do ultrassom que é decisivo e fundamental.

Esquerda para Direita: Dr. Joel Schimilevitch, Dr. Sebastião Zanforlin Filho, Dr. Luiz Eduardo
Machado, Dr. Leandro Fernandez, Dr. Antônio Carlos Matteoni de Athayde, Dr. Renato Ximenes ­
Congresso Latino Americano ­ FLAUS. Fonte: www.centrus.com.br

Vejo a área de atuação e especialidade como coisas paralelas. Há quem faça a
ultrassonografia como especialidade, outros, como área de atuação. Pra mim não muda
muita coisa. Acho que o Obstetra cada vez mais terá uma área de atuação dentro do
ultrassom. Ele não pode estar desligado. Acho que a especialidade vai acabar vindo,
mas está num bojo de imagem em uma série de coisas mais complexas. Por enquanto na
área de atuação daria para trabalharmos com mais tranqüilidade, e o que não se pode
aceitar é técnico fazendo o exame de ultrassom, isso para mim, é completamente
inaceitável.
O que acontece nos Estados Unidos, onde o técnico faz o ultrassom, é que o
médico fica completamente alheio a tudo que está passando, o técnico não pode tomar
nenhuma decisão, o médico também não toma porque a imagem que chegou nas suas
mãos não é o que ele queria ou precisava.
Enfim, é um exame dinâmico, que depende do médico junto ao paciente na hora
do exame. Não tem como ser diferente. Acho até que nos Estados Unidos está mudando.
Encontrei com um médico americano em congresso e ele disse que cada vez mais está
sentando para fazer o exame junto com a paciente. Isso, sem dúvida, é o que deve
58

acontecer. Não podemos ter um retrocesso no Brasil, e jamais entregar para técnico
fazer exame. Nós já temos no Brasil uma dificuldade de formar médicos e de médicos
entenderam o ultrassom, quanto mais formar técnicos para fazerem o ultrassom. Pra
mim é inadmissível esta possibilidade.
Gostaria de elogiar a gestão e a paixão dos trabalhos executados pelo Dr.
Waldemar Naves do Amaral como Presidente da SBUS (Sociedade Brasileira de
Ultrassonografia), que vem fazendo um excelente trabalho. Acho que devemos ter uma
ação mais agressiva e representativa dentro da política em Brasília/DF e principalmente
perante o Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira.

59

SÉRGIO LUIZ SIMÕES

5.6 ­ HISTÓRIA DA SUSEM
O ultrassom no Brasil teve vários pioneiros, e um deles foi o saudoso Dr. Mário
Donicoffi (Professor da Escola Paulista de Medicina) que juntamente com um grupo
significativo de médicos que se reuniram em 23 de abril de 1977, para fundar a
Sociedade Brasileira de Ultrassom em Medicina e Biologia, denominada SUSEM. O
primeiro presidente da SUSEM foi o professor de Oftalmologia Luis Eurico Ferreira,
que trouxe o primeiro aparelho de eco em oftalmologia para o Brasil.
Nós o colocamos porque era um professor reconhecido da UFRJ que tinha
acesso a camada científica. Nós tínhamos o interesse de fazer o primeiro congresso de
ultrassom no Rio de Janeiro. Esse grupo que fundou esta Sociedade era na verdade
principalmente os ultrassonografistas do Rio de Janeiro e os principais de São Paulo. A
Sociedade foi dividida em duas regionais, a Sul e a Norte. A regional (Sul) teve como
presidente Dr. Marco Aurélio Pavani, e a regional (Norte) tinha eu mesmo (Sérgio
Simões) como presidente, e foi fundada na Maternidade Escola em 23 de abril de 1977.
Nós fizemos o primeiro congresso pela regional Norte, sendo o primeiro
congresso de ultrassom, no Rio de Janeiro/RJ, no Hotel Nacional. Esta Sociedade fez
mais alguns congressos em São Paulo, realizou os primeiros exames de habilitação na
Sociedade. No diploma está escrito especialista, mas era um erro grave, pois não existia
a ultrassonografia como especialidade.
A Sociedade foi registrada, tomou assento na Associação Médica Brasileira
(AMB), mas em nenhum momento teve admissão no Conselho Federal de Medicina
(CFM). Esta Sociedade chegou a emitir títulos de especialista em ultrassom. Porém,
eram apenas certificações, como se fosse mais uma qualificação. Nós fizemos o
segundo congresso e creio que não houve o terceiro, pois fomos assumidos pelo Colégio
Brasileiro de Radiologia (CBR).
Em reunião conjunta em São Paulo, depois de ponderações a favor e contra,
fomos assumidos pelo CBR, passando a ser o capítulo de ultrassonografia com a vice60

presidência em ultrassonografia e também o capítulo em medicina nuclear que também
foi agregada pelo CBR. A ultrassonografia nunca obteve certificado como especialidade
ou sub-especialidade, não existe este termo.
Atualmente, o que existe legalmente é área de atuação. O CFM regulamenta as
diversas especialidades e denominam as áreas de atuação. O Ginecologista Obstetra tem
hoje como área de atuação a ultrassonografia. Esta é a definição legal. Apesar de muitas
lutas não conseguimos fazer com que a ultrassonografia tornasse uma especialidade
autônoma. Dentro do CBR naquela época nós não tínhamos voz ativa praticamente.
A parceria com o CBR iria nos ajudar bastante a termos forças de negociação
com as entidades de convênio médico e de saúde. De fato isso não ocorreu. Continua
tendo até hoje total inabilidade e impotência diante de negociações com as entidades
atuais de seguro de saúde. Os convênios sempre dominaram o mercado, pagavam pouco
e ganhavam dinheiro em cima do trabalho médico. Eles passaram a autorizar a
ultrassonografia previamente, afirmavam que o exame era abusivo porque toda grávida
queria fazer para ver o bebê. O que não era verdade, a mãe queria fazer o exame para
ver se estava tudo certo e normal com seu filho.
A Dra. Lucy Kerr encabeçou o movimento médico e fundamos a SBUS
(Sociedade Brasileira de Ultrassonografia) com o intuito principal de fazer os
ultrassongrafistas fossem efetivamente representados. Uma vez que o CBR não estava
nos representando adequadamente, principalmente em relação aos convênios.
Atualmente, sou o vice-presidente da Sociedade de Radiologia da parte de Ultrassom, e
acho que a grande proliferação de eventos, congressos e provas de títulos ficou muito
confusa. Deveria ser tudo unificado ou criado a especialidade em ultrassonografia. Sou
totalmente favorável que estejamos unidos, fazendo questão de ter mais força política
junto a AMB e ao CFM.

61

LUCY KERR

5.7 ­ SOCIEDADE BRASILEIRA DE ULTRASSONOGRAFIA

Dra. Lucy Kerr ­ Fonte: http://lucykerr.wordpress.com

Dra. Lucy Kerr formou-se em 1973 pela Faculdade de Medicina de Ribeirão
Preto, é pioneira no Brasil da Utilização da ultrassonografia como método de
diagnóstico, sendo reconhecida nacional e internacionalmente. Fez especialização no
Bowman Gray School of Medicine - Wabe Forest University North Caroline - Estados
Unidos em 1977. Fez curso de Genética e Biologia Celular em 1995. Fez Doutorado
auxiliar junto ao Departamento de Cirurgia, Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de
Medicina de Ribeirão Preto em 1973. A Dr. Lucy Kerr foi a primeira Presidente da
Sociedade Brasileira de ultrassonografia e descreve sobre a criação e história da SBUS.
Em 1967, meu pai era geneticista e trabalhava em um hospital, e eu sempre
estava com ele, Na época, estávamos em um projeto de pesquisa acadêmico e tivemos
informações sobre o ultrassom, que era uma nova modalidade de diagnóstico. Este
equipamento permitia a visualização interior do corpo humano. Então, poderíamos fazer
diagnósticos de patologias, com uma grande vantagem. Esse novo método utilizava o
feixe ultrassonográfico, que era emitido para os tecidos e não causava dano biológico à

62

célula. Enquanto o feixe do Raio X, a radiação ionizante e os raios gama poderiam
causar algum dano no material genético e problemas de saúde posteriormente.
Falando um pouco de história, compramos o nosso primeiro equipamento de
ultrassom em 1974, porém, ele chegou somente em 1975. Somos um dos pioneiros da
ultrassonografia brasileira, nós recebemos o primeiro equipamento de ultrassom
importado pela Toshiba no Brasil. Na época o aparelho tinha uma imagem apenas preta
e branca. Não tinha contraste de cinza e também não apresentava imagens em
movimento, era estático.
Como a imagem era ruim, nos não tínhamos muita certeza se o feto estava vivo
ou não, pois, não se conseguia ver os batimentos do feto, não se conseguia ver os
movimentos que ele apresentava durante o exame. Neste equipamento dependia-se
muito de outra parte que era o módulo A, para localizar aproximadamente a região do
coração e verificar se tinha um movimento semelhante ao movimento cardíaco.
Ainda em 1977, nós fomos para os Estado Unidos, na Carolina do Norte, onde
fizemos um programa de Pós-graduação e nessa ocasião foram iniciados em todos os
laboratórios do mundo os aparelhos estáticos, mas com escala cinza. Porém, se
pegarmos a descoberta da escala de cinza, ela é anterior, porque sempre a coisa sai no
laboratório de pesquisa antes de ser comercializada. Acredito que em meados de 1973
foi quando se descobriu a escala de cinza. O que quer dizer que se descobriu uma parte
do equipamento que fazia conversão de varredura que era capaz de transformar aquele
final captado em escala de cinza. A partir começávamos a delinear muito bem como era
a morfologia do fígado, distinguido da vesícula, do pâncreas e outros órgãos,
proporcionando que as outras especialidades médicas também fizessem uso da
ultrassonografia, que até então era restrita a Obstetrícia.
Nesse mesmo ano (1977), ocorreu a criação da primeira Sociedade Brasileira de
Ultrassom em Medicina e Biologia (SUSEM). No Brasil, os pioneiros da
ultrassonografia na época eram em torno de 17 pessoas. Quando eu voltei dos Estados
Unidos, eu comecei a ter contato com SUSEM, eles me telefonaram para que eu fizesse
parte e nós assinamos a adesão depois da ata de abertura. E essa entidade permaneceu
até 1984, a Sociedade trabalhou durante 8 anos aproximadamente.
63

Tivemos alguns congressos importantes, um em 1978 no Hotel Nacional (Rio de
Janeiro/RJ), e outro congresso em 1984, na Bahia, ambos foram ótimos. Organizei esse
último congresso a pedido do Dr. Paulo Baltazar, que me convidou para ajudá-lo em
1984. O evento foi um grande sucesso, trouxemos nomes importantíssimos da
ultrassonografia mundial.
No início da década de 1990 foi estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina
(CFM), que a ultrassonografia era ato médico. Eles entenderam que somente um médico
teria condição de compreender e interpretar corretamente as imagens ultrassonográficas,
e que isso exigia um conhecimento de patologia, um conhecimento de fisiologia,
anatomia, muitas vezes de ginecologia/obstetrícia. Era impossível de ser dominados por
um técnico, principalmente técnicos brasileiros que não têm uma formação de nível
universitário, como no exterior.

Aproximadamente nesta mesma época (1991-1992) surgiu a idéia de criar a
SBUS, pois, o CBR (Colégio Brasileiro de Radiologia) começou a fazer restrições ao
exercício do ultrassom para o médico ultrassonografista que não fosse também um
radiologista. O CBR na época fez um verdadeiro feudo, onde eles tinham um
radiologista e eram contratados ultrassonografistas para trabalhar para os radiologistas.
Assim, eram praticados baixos valores para os ultrassonografistas e não era permitido
que os ultrassonografistas tivessem convênios médicos. A justificativa na época era
porque os ultrassonografistas não eram radiologistas. Foi uma perseguição terrível, e
para o médico ultrassonografista fazer a prova de título que o CBR fazia era ainda muito
mais difícil e complicado.

Então, vários fatos foram se acumulando, coibindo os ultrassonografistas de
terem convênio em seus nomes, praticando trabalho quase escravo, ocorriam
impedimentos por parte do CBR e enormes dificuldades referentes ao acesso à prova.
Foi quando o Dr. Waldemar Naves do Amaral e outros ultrassonografistas brasileiros
chegaram ao Dr. Luiz Antônio Bailão e pediram que ele comandasse uma nova
Sociedade Brasileira de Ultrassonografia.

64

Dr. Luiz Antônio Bailão ­ Fonte: www.soladim.org.ar

Em 1992, o Dr. Luiz Antônio Bailão iniciou um primeiro trabalho, convocando
ultrassonografistas para uma reunião sobre a Sociedade Brasileira de Ultrassonografia.
Porém, o CBR descobriu a movimentação e colocou o Dr. Bailão como
presidente do Departamento de Ultrassonografia do Colégio (CBR). Ameaçaram na
época, cortar os convênios que o Dr. Bailão tinha, e de fato o CBR tinha influência
direta nas empresas seguradoras, então o Dr. Bailão não prosseguiu a ideia de criar a
primeira Sociedade Brasileira de Ultrassonografia.

Em 1992, o Dr. Waldemar Naves do Amaral junto com outras pessoas então
vieram conversar Comigo (Dra. Lucy Keer) e me escolheram para ser a primeira
presidente da SBUS (Sociedade Brasileira de Ultrassonografia), justamente porque na
época, eu não tinha convênio e os radiologistas não poderiam fazer uma pressão forte
sobre mim.

Dr. Waldemar Naves do Amaral ­ Fonte: www.fertile.com.br

65

Em 21 de agosto de 1993 foi fundada a Sociedade Brasileira de
Ultrassonografia. Eu, Lucy Kerr, uma das fundadoras, fui eleita a primeira presidente.

A administração da SBUS era formada por Wagner José Gonçalves, vicepresidente; Emilio Marussi, secretário geral; Margarete Bertoletto, tesoureira geral;
Elyane Rangel, diretora científica; Elizabeth Rudner, diretora social; Odivânia
Moscogliato, diretora de comunicação e Elias Mendonça, editor. O Comitê Científico
era formado por: Mariliza Volpe, Luciene Franco, Carlos Shigueoka, Maili Ferner e
Isabel Boing Eastman. O Conselho Editorial era formado por: Sérgio Luiz Simões, Júlia
Maria Gobbo, Mirian Tarraf, Tereza Feldner e Andrea Acairin.

Logomarca SBUS: Sociedade fundada em 21 de agosto de 1993 ­ Fonte: http://www.sbus.org.br

Logo após a fundação da SBUS, recebi uma visita do Dr. Sidney de Almeida (ex
presidente do CBR e ex presidente da Sociedade Paulista de Radiologia). Ele veio falar
comigo em nome no CBR, para que eu desistisse de criar a Sociedade e em troca dessa
desistência ele me daria também um cargo no CBR. Minha resposta foi "Não". Eu não
iria abandonar as pessoas que confiaram em mim e aceitaram meu convite para
entrarem para a Sociedade. Pois estas pessoas acreditaram em mim, no propósito de
criar uma Sociedade independente. Agradeci ao Dr. Sidney e mantive a minha resposta
negativa.

Ainda em 1993, como presidente e fundadora da Sociedade Brasileira de
Ultrassonografia, fui então até a AMB (Associação Médica Brasileira) para saber qual
era a situação da SBUS. Na ocasião gostaria de saber se a SBUS tinha chance de poder
reivindicar algo. Chegando lá, conversei justamente com a pessoa que não estava mais
assinando os diplomas. Era o Dr. Antônio Carlos Lopes, que na época era secretário da
AMB. Então, ele me falou: "Lucy, não existe nenhum processo aqui. Não existe pelo
66

simples motivo porque eles são uma sociedade já reconhecida pela AMB e não podem
ter duas sociedades reconhecidas pela AMB, só um título é concedido para cada
entidade."

Quando descobri que o CBR não tinha feito processo nenhum, que não existia
ninguém que tivesse solicitado até aquele momento para que a ultrassonografia se
tornasse uma especialidade médica, fizemos o processo e coloquei na AMB e no
Conselho de Medicina. Ao longo dos próximos nove anos que estive na sociedade, nós
inundamos o CFM de ofícios solicitando o reconhecimento da especialidade. Chegamos
a mandar abaixo assinados, milhares de ofícios, e sempre mandávamos um novo
documento ou solicitação.

Em 1999, quando eu saí da presidência da SBUS, conseguimos fazer uma
notificação a AMB e ao CFM via judicial, feita pelo advogado Dr. João Marcos da
Silva, especialista em causas médicas, com a datação de todos os processos pedindo
resposta. Após fazermos a notificação, a mesma foi utilizada pelo Dr. Waldemar Naves
do Amaral, que entrou com outro processo de reconhecimento da especialidade junto ao
CFM e a AMB.

Nós tínhamos 11 anos de envio de documentação e eles não tinham respondido
um ofício até então. Foi nessa ocasião, quando entramos na justiça, eles foram
notificados via judicial. O juiz avisou que o documento deveria ser reconhecido pelo
fato de estarem demonstrando perseguição a uma entidade de classe e que nós tínhamos
recebido reconhecimento como representante da classe de ultrassonografistas no Brasil.

A SBUS sempre lutou pelos ultrassonografistas, certa vez, a ABRASP entrou
com um convenio perante a Associação Médica (AMB) e o CBR para pagar 50% a
menos para os ultrassonografistas que não eram membros do Colégio Brasileiro de
Radiologia. Isso foi durante a minha gestão, em meu segundo mandato, e nós
contratamos o advogado Dr. Ailton Ribeiro da Silva. Ele conseguiu uma liminar que
suspendeu o processo. A SBUS enfrentou ainda muitas outras lutas, processos e
batalhas judiciais e tem toda sua história toda pautada na defesa e valorização do
profissional Ultrassonografista.

67

Nestes 20 anos de existência, a Sociedade Brasileira de Ultrassonografia tem
duas importâncias fundamentais, a primeira delas, é defesa de classe, e eu gostaria que
fosse uma entidade mais ativa, no sentido de buscar mesmo o reconhecimento da
especialidade. E a segunda é a qualificação do profissional Médico-Ultrassonografista,
realizando eventos, congressos, publicações, e representando-os sobre os direitos e o
exercício profissional.

A

SBUS

tem

como

missão

representar

o

interesse

de

todos

os

Ultrassonografistas que atuam em território brasileiro, sendo facilitador do
aprimoramento técnico-científico e entidade agregadora profissional. E vamos sempre
lutar incansavelmente pelo Reconhecimento da Ultrassonografia como Ato e
Especialidade Médica. Apresentamos como valores, a transparência administrativa,
ética médica inabalável, excelência, dinamismo e compromisso com os associados.

68

6 ­ PROFESSOR FERNANDO BONILLA

69

HUGO CAMPOS OLIVEIRA SANTOS
ANA PAULA MACHADO

6 ­ PROFESSOR FERNANDO MARÍA BONILLA-MUSOLES

Professor Dr. Fernando María Bonilla-Mussoles ­ Fonte: http://www.diariomedico.com

O professor Dr. Fernando María Bonilla-Musoles nasceu em Valência em
janeiro de 1944, filho de um famoso Ginecologista e Obstetra espanhol que teve 4
filhos, o mais velho, arquiteto, outro economista, e a casula professora de matemática. O
pai de Bonilla foi um dos principais professores de Obstetrícia e Ginecologia da
Espanha, e sua mãe, a filha do Barão Campoolivar (título honorário conhecido). Seu pai
havia se formado em Frankfurt sob a direção do Professor Seitz, de classe mundial e
falava fluentemente alemão, e com apenas 3 anos Ferando Bonilla já aprendia alemão.

Fernando Bonilla estudou e fez o pré-universitário na faculdade dos Jesuítas
(aproximadamente dez anos), onde aprendeu Latin e Inglês. Esta formação foi muito
importante para seu comportamento ético e seundo ele mesmo, o ajudou a resolver
vários problemas da vida. "A ética tem sido fundamental para mim, durante toda a
minha vida.

70

Desde 1984 tenho dedicado muito de Reprodução Assistida e participou na
discussão e resolução de muitas questões éticas levantadas. Minha maneira de fazer
Ética Cristã e Moral têm sido essenciais."

Em 1967, com apenas 21 anos, Fernando Bonilla terminou a faculdade
medicina. Durante a faculdade, ele ganhou dois prêmios e acabou tendo o melhor
registro acadêmico da turma. Ganhou também, o prêmio de melhor desempenho
acadêmico. Imediatamente após se formar em medicina, ele começou a especializar-se
no Hospital Universitário de Valência.

Quando ainda estudante do quarto ano de medicina, Bonilla viu a oportunidade
de começar a trabalhar em microscopia eletrônica de colo do útero, junto com Emilio
Barbera, na época, professor de Patologia e Diretor da Universidade do País Basco. Em
1968, Fernando Bonilla publicou um livro sobre este assunto, que mostrou pela primeira
vez, que cânceres cervicais ocorriam em portadores do vírus.

No ano de 1969, Fernando solicitou a Sandoz o registro acadêmico espanhol,
para investigar cânceres cervicais. A Sandoz é a empresa suíça famosa produção de
drogas e medicamentos. As únicas condições eram aceitação por um professor de
investigação e conduta de lá. A primeira vez não foi concedido, mas Bonilla consegui
ser aceito em 1970. Depois, ele trabalhou com o professor Käser (suíço), professor de
Frankfurt e Basel e aprendeu bastante no escritório do doutor Beger estudando imagens
sobre câncer de colo do útero e publicando artigos científicos.

Logo depois na clínica e acompnhado do professor Käser de Frankfurt e outro
suíço (Hinselmann), começou a estudar a medição do diâmetro biparietal da cabeça dos
fetos com ultrassom, vendo as primeiras imagens. Posteriormente Bonilla chamou seu
pai, e mostrou as imagens de ultrassom, e solicitou seu pai para comprar o aparelho
Vidoson (um protótipo de scanner Siemens), imaginando ser uma tecnologia de muito
futuro. Somente o transdutor do vidoson pesava 5 quilos, estava cheio de água e era
conduzido por roldanas e correntes. Ele tinha uma membrana plástica para aplicar no
abdômen da mulher grávida.

71

Quando Bonilla voltou à Espanha, a primeira coisa que ele fez foi aprender o
funcionamento do dispositivo Vidoson. Chegou a virar noites no trabalho clínico e
estudando. E quando o professor Käser teve uma emergência, Bonilla se ofereceu para
fazer a ultrassonografia e diagnosticar uma gravidez ectópica.

Dai por diante Fernando Bonilla aprimorou seus estudos, fez a publicação de seu
primeiro livro de ultra-sonografia em Obstetrícia e Ginecologia em espanhol e é
considerado o segundo livro sobre este tema na literatura mundial.

Em 1972, a FEBRASGO convidou Fernando Bonilla para vir ao Brasil, para o
Congresso Nacional, em Curitiba/PR. A FEBRASGO, pediu Bonilla para falar de
"Ultra-sonografia em Obstetrícia", viagem esta patrocinada pela Siemens. Assim
iniciou-se a ultrassonografia no Brasil e na América Latina. Na ocasião, os brasileiros
pensavam que "ultrassom" era algo como "eletrocardiograma".

No congresso, Fernando Bonilla começou sua conferência para um público
bastante pequeno, porém, logo a sala ficou cheia. Foi apresentado por ele um filme
bidimensional movendo embriões e fetos no útero. Depois do evento a Siemens pediu
para Bonilla entrar em contato com professores e Seniores Juniores importantes e do
Brasil na área de Ginecologia e Obstetrícia Brasileira: Alípio Augusto Camelo (Rio de
Janeiro), Bussamara Neme (São Paulo), Domingos Machado (Salvador/BA),
Aristodemo Pinotti (Campinas/SP), Baruffi (Ribeirão Preto/SP) e Bossemayer Ronald
(Santa Maria/RS), Paulo Costa (Recife/PE).

Logo depois, Fernando Bonilla ligou para Jorge Resende (Rio de Janeiro) que
havia comprado um dos primeiros aparelhos de ultrassom do Brasil (Echoview/Picker),
juntamente com sua equipe: Rodrigues Lima, Carlos Montenegro e Sérgio Simões.
Destes relacionamentos iniciou-se e expandiu o ultrassom no Brasil e depois para
Argentina, Chile e toda a América do Sul e Central.

Segundo Fernando Bonilla, os primeiros brasileiros que foram para
Valência/Espanha foram o Marco Auréliio Pavani e o José Aristodemo Pinotti, Luiz
Eduarodo Machado (Bahia), considerado seu irmão brasileiro e Paulo Costa. Bonilla
elogia os trabalhos de Chico Mauad, Luiz Bailão, Pepe e as escolas de ultrassom
72

montadas em Ribeirão Preto/SP e diz que a primeira máquina de ultrassom comprada
pelo setor privado foi a de Paulo Costa, em Recife em 1973, porém, o equipamento
(Vidoson) demorou meses para funcionar pois, o equipamento chegou um pouco
danificado.

Fermando Bonilla foi nomeado como Doutor Honoris Causa pela Universidade
de Valência, participou do prêmio Nobel de 2010 e deve ser considerado o pai da
ultrassonografia Brasileira. Quase todos os médicos pioneiros da ultrassonografia no
Brasil estudaram com ele, leram suas publicações, ouviram suas opiniões, dicas e
sugestões. O professor Bonilla foi um pioneiro da ultrassonografia mundial, brasileira e
da américa latina e continua atuante e presente em publicações científicas, livros e
congressos.

73

7 ­ HISTÓRIAS DE SUCESSO

74

7 ­ HISTÓRIAS DE SUCESSO
7.1 ­ Carlos Antônio Barbosa Montegro

Dr. Carlos Montenegro - Fonte: http://www.medicosfnm66.com

Pioneiro da ultrassonografia brasileira, Carlos Antônio Barbosa Montenegro é
Professor Titular aposentado da UFRJ e da Academia Nacional de Medicina. Sua
atenção para a ultrassonografia foi despertada em 1969, quando leu um artigo de revisão
do professor Veláscaro de São Paulo.

Logo depois o Dr. Carlos Montenegro foi a um Congresso Médico Militar em
Osaka/Japão, onde na época esperava-se encontrar trabalhos científicos sobre o
ultrassom. "Fui para o Japão, me frustrei enormemente, pois ninguém falava com
clareza em ultrassom, isso em 1971". "Antes disso, eu havia ido à Los Angeles (Estados
Unidos), que era um centro de Perinatologia, e os médicos de lá, ainda não trabalhavam
com o ultrassom".

O Dr. Montenegro conheceu o primeiro equipamento de ultrassom em 1971, era
um Echoview/Picker, na cidade de São Francisco (Estados Unidos). Tudo ocorreu por
meio do Dr. Bartoluche, em seu consultório. Era um aparelho de ultrassom americano,
biestável, não era dinâmico, o braço corria e varria a barriga da paciente. "A imagem era
preto ou era branco".
Depois disso, segundo Carlos Montenegro foi comprado o primeiro aparelho
Echoview 7 da fabrica americana Picker (1973), o ultrassom chegou no Brasil em 1974.
75

O equipamento foi instalado na Maternidade Escola, na Faculdade de Medicina
da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). "Nosso ultrassom era estável, com o
braço que varria a barriga, com imagens primitivas". "Na época era notável, mas hoje é
considerado muito primitivo". "A imagem tinha péssima resolução, mal se via a
placenta e era muito usado para medir diâmetro biparetal, que na época era um colosso;
porque já se operava muito e errava-se consideravelmente o diagnóstico, principalmente
relacionado com a idade da gravidez".

Logo depois, o Dr. Domingos Machado (Bahia) comprou um Echoview/Picker
(1974) e levou para o IPERBA. Ainda em 1974, o Dr. José Aristodemo Pinoti e o Dr.
Marco Aurélio Pavani (Campinas/SP) compraram um aparelho de ultrassom e daí em
diante, foi pegando fogo no Brasil inteiro, a crescente divulgação e aquisição do
ultrassom no Brasil.

Segundo o professor Dr. Montenegro em 1976, ele e colaboradores publicaram o
primeiro livro brasileiro sobre ultrassom. No livro publicado, o assunto principal era o
ultrassom biestável. Logo vieram os aparelhos dinâmicos e depois, o Doppler,
aproximadamente em 1980. "Nos anos 90, adquirimos na Maternidade do Rio de
Janeiro, o primeiro bidimensional". "O Doppler no início era apenas um pontinho, não
tinha acoplamento e só se via a uterina e o cordão umbilical. Depois, introduziu o
ultrassom com Doppler acoplado, era um Doppler pulsátil. E foram surgindo novos
aparelhos, novos fabricantes, novos softwares, o ultrassom já era uma realidade no
mundo inteiro".
Em nossa entrevista, o Dr. Carlos diz: "o ultrassom foi tão importante para a
obstetrícia que extinguiu a Perinatologia e surgiu a Medicina Fetal. O ultrassom
proporcionou um avanço enorme na obstetrícia, que se divide em antes e depois do
ultrassom. No ponto de vista das grávidas, o ultrassom era um sucesso total, pois era
inócuo (diferente do Raio X). Logo começaram as novas máquinas que identificavam
sexo fetal, media-se o peso, avaliava-se o fluxo umbilical, em fim, era um sucesso. O
método era super aceito e as gestantes sempre solicitavam o exame, tanto para saber
informações sobre seu bebê e ou para verificar se estava tudo bem.

76

"Hoje o ultrassom é um exame obrigatório em Ginecologia/Obstetrícia,
principalmente no primeiro trimestre de gravidez (entre 11 e 13 semanas). Faz-se
também, o exame morfológico (entre 20 e 23 semanas), que cumpre grandes obrigações
como analisar os riscos morfológicos de más formações e localizar a placenta (risco de
placenta prévia). Através do ultrassom faz-se a mensuração do colo, entre 20 e 23
semanas, pelo transvaginal".

O

Dr.

Carlos

Antônio

Barbosa

Montenegro

é

um

dos

principais

ultrassonografistas brasileiros e têm muitas perspectivas sobre a ultrassom. Está
ocorrendo grandes avanços em ultrassonografia, em relação à pesquisa e trabalhos
científicos sobre a mensuração do cólon, placenta prévia, progesterona vaginal,
diagnósticos de sangramentos e novas tecnologias de imagem. A história do ultrassom
no Brasil é vitoriosa e tem um presente e futuro espetacular.

77

7.2 ­ Sang Choon Cha

Dr. Sang Choon Cha ­ Fonte: http://metodomaisvida.com.br

O Dr. Sang Choon Cha terminou o doutorado em 1991 e a livre docência em
1994 pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo). Foi presidente
da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (2005-2008) e Medicina Fetal (2002-2004)
e possui Pós-Doutorado na Universidade McGill, Montreal, Canadá. Ele despertou a
atenção pela ultrassonografia ainda na Faculdade de Medicina (USP), utilizando o
ultrassom, inicialmente, para orientação de punção, para a retirada de líquido amniótico
e como "guia" em procedimentos médicos mais seguros.

Segundo Dr. Sang o seu primeiro contato com a ultrassonografia foi em 1982.
Na época, era "algo" muito avançado, tecnológico e inovador. "A imagem era em preto
e branco, via mais o contorno da cabeça, só para se ter uma ideia ainda mediamos o
diâmetro da cabeça do feto com uma régua. Tinha uma tela, nós congelávamos a
imagem e fazíamos a medição. Ainda nessa época, através do ultrassom, conseguia-se
ver a localização da placenta, podia-se ver se o feto tinha anencefalia; eram grandes
avanços. A Obstetrícia pode ser dividida antes e depois da ultrassonografia".
Conforme Dr. Sang, a ultrassonografia foi uma verdadeira fascinação no meio
obstétrico, pois, a Obstetrícia foi uma das primeiras especialidades a fazer uso dessa
nova tecnologia. O ultrassom se inseriu rapidamente na vida das grávidas, era uma
verdadeira sensação. Porém, no início era um método pouco acessível para a população,
restrito inicialmente as universidades e população de alta renda. Em 1982, estima-se que
10% das grávidas faziam ultrassom, hoje, digo que 100% das mulheres fazem pelo
menos um exame durante o período de gestação.
78

O Dr. Sang Choon diz que no período de implantação do ultrassom houve um
investimento maior do setor público, através das grandes universidades, e aos poucos, o
setor privado foi se fortalecendo e tomando conta do mercado. Atualmente os maiores
centros de sonografia são privados. Quando começou a ultrassonografia no Brasil, os
equipamentos eram muito caros, havia pouco conhecimento, os médicos eram
praticamente autodidatas e o aprendizado era muito difícil. Atualmente, tudo é muito
mais fácil, existem vários cursos, facilidade de adquirir o equipamento e o mercado de
trabalho é crescente.

De acordo com Dr. Sang, no início, como a ultrassonografia era um método
novo, não havia muita regulamentação por parte do CFM (Conselho Federal de
Medicina). Radiologistas, Ginecologistas/Obstetras e outras especialidades médicas
faziam uso dos aparelhos. Aos poucos, foram surgindo regulamentações, cursos e
congressos. Nos Estados Unidos a ultrassonografia é realizada por técnicos. Porém, a
ultrassonografia é uma atividade médica, que envolve conhecimento clínico,
interpretação de imagem e requer um médico capacitado para analisar os resultados em
tempo real; é um exame médico dinâmico, que necessita de precisão no diagnóstico.
"Acho que a SBUS vem fazendo um trabalho importante, e que deve apoiar e
representar todos os profissionais médicos que atuam na ultrassonografia. Promovendo
a reciclagem, treinamentos e aperfeiçoamento. O Brasil tem um lugar de destaque em
tecnologia médica, principalmente relacionando ao ultrassom, o que falta é organizar
melhor a produção científica e os estudos colaborativos. Acho que a ultrassonografia é
um método não invasivo, que é uma tendência mundial, que promove diagnósticos
precisos e que caminha também, para o lado terapêutico (tratamentos de tumores em
estágios iniciais). A ultrassonografia só tem a crescer, e nesse aspecto, a SBUS tem um
papel fundamental, que é garantir a formação profissional e a qualificação adequada e
continuada."

79

7.3 ­ Pedro Pires Ferreira Neto

Dr. Pedro Pires Ferreira Neto ­ Fonte: http://catalago.med.com.br

O Dr. Pedro Pires Ferreira Neto, especialista em Ultrasonografia e Medicina
Fetal, graduou-se em medicina em 1983 pela Faculdade de Pernambuco, fez Mestrado
(Universidade de Pernambuco) e Doutorado pela UNICAMP.

Segundo Dr. Pedro Pires, a tecnologia do ultrassom chegou ao Brasil na década
de 70. Há fortes indícios que o primeiro ultrassom do país foi o equipamento Vidoson
635 do Dr. Paulo Costa (Ginecologista/Obstetra ­ Recife/PE). O Dr. Paulo foi um dos
primeiros brasileiros a fazer um curso com Fernando Bonilla na Espanha. O curso não
era uma especialização; era um aperfeiçoamento que durava em torno de três meses.
Logo após o curso de aperfeiçoamento, o Dr. Paulo Costa haveria adquirido o aparelho
de ultrassom, onde realizava os exames no Casarão Rosa & Silva, na cidade de
Recife/PE.

Em Recife, o pesquisador e psiquiatra Dr. Roberto Vieira fez uma pesquisa
muito interessante sobre o primeiro equipamento de ultrassom no Brasil. Nesta
pesquisa, constam relatos da época (1973/1947). Dentre as histórias, fala-se do primeiro
ultrassom do país, utilizado pela Ginecologia e Obstetrícia. E também, que o primeiro
equipamento do Brasil e da América Latina foi adquirido pelo doutor Paulo Costa,
médico com pouco mais de 30 anos. Aparelho esse, comprado na Alemanha. O
equipamento exigia uma temperatura de 24 graus para sua manutenção, suas válvulas
eram muito caras, sendo todas importadas, e os exames custavam em torno de 50
cruzeiros, em 1974.

80

O doutor Pedro Pires nos explica que na década de 80 a ultrassonografia ficou
mais forte, com equipamentos mais modernos, a escala de cinza e o Doppler. Pedro
Pires teve sua atenção despertada para a ultrassonografia em 1992, quando trabalhava
em uma grande maternidade. "Senti a necessidade de atrelar meu conhecimento como
ginecologista e obstetra com as imagens de ultrassonografia. Fui a Ribeirão Preto/SP
estudar com o Dr. Francisco Mauad Filho e depois a Campinas/SP. Ainda em 1992, fui
a Espanha estudar com Fernando Bonilla e depois viajei para Londres e fiz ainda vários
cursos de aperfeiçoamento".

O Dr. Pedro Pires acha que a ultrassonografia deveria ser uma especialidade
médica. Para isso, deve-se fortalecer a SBUS, principalmente pelo lado político. Vários
presidentes têm lutado por este reconhecimento, principalmente nosso presidente atual,
o Dr. Waldemar Naves do Amaral. "Vejo um futuro positivo, de aproximação e trabalho
conjunto entre a SBUS e o CBR (ambas as instituições muito sérias). O interesse é das
duas partes, e acho importante que trabalhem lado a lado para o benefício da
ultrassonografia brasileira e da radiologia em maneira geral. Acho que estamos
caminhando no sentido certo. A Sociedade Brasileira de Ultrassonografia deve ser
fortalecida".

Conforme Dr. Pedro, o ultrassom é um método de triagem (entrada), de
monitorização (internação) e participa de todo o processo hospitalar até a alta do
paciente (saída). É um exame extremamente operador dependente (laudo feito na hora),
é dinâmico (em tempo real), e requer um conhecimento médico (conhecimento clínico).
Porém, o ultrassom está sendo negligenciado por algumas operadoras de saúde, o que
deve ser revisto. "Também, deve-se dar importância para se evitar processos médicos,
através de uma melhor formação (fortalecer as residência médicas e habilitar melhor os
hospitais universitários), melhorar os recursos e orientar melhor os pacientes. O
ultrassom é um método de imagem que não dispensa o contato médico-paciente, e cada
vez mais, teremos aparelhos com melhor tecnologia e mais sofisticados, com excelentes
perspectivas futuras principalmente na medicina fetal".

81

7.4 ­ Claudio Rodrigues Pires

Dr. Claudio Rodrigues Pires ­ Fonte: http://www.cetrus.com.br

O Dr. Claudio Rodrigues Pires é graduado em medicina e fez residência médica
em Ginecologia e Obstetrícia pela USP (Ribeirão Preto), Mestre em Obstetrícia pela
Escola Paulista de Medicina e Doutor em Medicina (UNIFESP). É especialista, membro
titular do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR), membro honorário da Sociedade
Argentina de Ultrasonido em Medicina y Biologia e professor coordenador do curso de
Pós-graduação do CETRUS (Escola de Ultrassonografia de São Paulo).

Segundo o Dr. Claudio Pires, seu primeiro contato com a ultrassonografia foi
durante a residência em 1989, em Ribeirão Preto/SP, sob a orientação do Professor Dr.
Luiz Antônio Bailão. Durante a residência, ele fez o curso de ultrassonografia pelo
Centro de Estudos e Diagnósticos (Diagnoses). "Tive apoio do Dr. Francisco Mauad e
do Dr. Luiz Bailão; e o primeiro ultrassom que comprei foi em 1992, na época, um dos
mais avançados e com ótima resolução".

Em 1988 o doutor Claudio pires terminou a faculdade de medicina e começou no
ano seguinte a residência em Ginecologia e Obstetrícia. Segundo ele, ainda no primeiro
ano de residência foi quando ele teve o primeiro contato com a ultrassonografia. "O
ultrassom me fascinou muito e estava em franca expansão. Terminada a residência, o
82

Dr. Bailão me convidou para tornar um sócio na empresa Diagnoses. Na época, ele era
sócio da Dra. Maria Cristina, que teve uma participação muito importante na minha
formação. Esses dois profissionais foram os meus pilares. Permaneci em Ribeirão Preto
até 1993, quando fui para São Paulo para fazer pós-graduação na área de Medicina Fetal
e aqui encontrei meu terceiro pilar, que foi o Dr. Antonio Fernandes, que é um dos
responsáveis pelo setor de Medicina Fetal da Escola Paulista de Medicina. Ali também
aprendi muito sobre medicina fetal e medicina obstétrica".
Em 1994, o Dr. Claudio encontrou com Sebastião Zanforlin, que era seu colega
de Ribeirão Preto. "Começamos a planejar uma escola de ultrassonografia, mais ou
menos nos moldes das que havia naquela época. Acabamos formando uma sociedade
(1995) que deu origem a CETRUS (Escola de Ultrassonografia de São Paulo). A escola
foi crescendo e eu, paralelamente, mantive minha atuação dentro do ambiente
acadêmico, que era a Escola Paulista de Medicina. Em 2003 me tornei doutor pela
Escola Paulista de Medicina e depois tornei professor orientador da pós-graduação na
área de medicina fetal. Ao longo dos últimos anos, venho me dedicando cada vez mais à
CETRUS, procurando aprimorar a didática, a técnica ultrassonográfica, sempre
frequentando congressos, cursos, simpósios para me aperfeiçoar e atualizar os
conhecimentos. Sem dúvida nenhuma, hoje minha principal atuação é o ensino de
ultrassonografia.

Segundo Dr. Claudio Pires, a medicina fetal teve na ultrassonografia seu grande
fator catalisador. Hoje, a ultrassonografia constitui-se no principal instrumento de
avaliação do feto, do exame morfológico. "Eu diria que a ultrassonografia foi
simplesmente fundamental para a avaliação da vida humana no período intra-uterino.
Isso se deu especialmente ao longo dos últimos 20 anos, quando os aparelhos de
ultrassonografia melhoraram muito a resolução de imagens. Nós passamos a
compreender de maneira mais precisa a anatomia fetal e passamos a compreender a
vitalidade fetal de maneira mais assertiva. Hoje não se pode falar em medicina fetal sem
ultrassonografia. É preciso que o médico da medicina fetal conheça profundamente a
ferramenta com a qual ele trabalha".
O doutor Claudio explica que a ultrassonografia tem muito a evoluir. "Nós ainda
trabalhamos com técnicas de ensino clássicas, que não estão de acordo com as técnicas
83

desenvolvidas atualmente, ou seja, as faculdades e as residências ainda formam médicos
de maneira muitas vezes insatisfatória. Então, existe um potencial muito grande na área
da ultrassonografia. Assim com qualquer outra área da medicina. Em relação à pesquisa,
existem centros de pesquisa de excelência, existem setores de medicina fetal dentro dos
vários departamentos de ginecologia e obstetrícia Brasil afora. A medicina fetal é
responsável por grande parte dos estudos, que trazem assuntos relevantes para o dia a
dia do médico, o que contribui para um melhor atendimento. A ultrassonografia ainda é
tida apenas como uma área de atuação de outras especialidades. Ela é praticada por
ginecologista/obstetras, radiologistas, cirurgiões, ortopedistas, clínicos. Eu entendo a
ultrassonografia como um método propedêutico e não como uma especialidade. Na
minha ótica, ultrassom é um método que deve fazer parte do exame físico, nas mais
diversas especialidades. É uma área de atuação que merece certificação para ser
aplicada. O importante é que o médico detenha o conhecimento e consiga fazer a
avaliação clínica dos achados".

84

8 ­ ENTREVISTA COM O PRESIDENTE DA SBUS

85

HUGO CAMPOS OLIVEIRA SANTOS
WALDERMAR NAVES DO AMARAL

8 ­ ENTREVISTA COM O DR. WALDEMAR NAVES DO
AMARAL, PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE
ULTRASSONOGRAFIA.

Doutor Waldemar, fale sobre sua formação e currículo.

Terminei a graduação em Medicina pela Universidade Federal de Goiás (1985),
fiz especialização em Obstetrícia e Ginecologia pelo Instituto Nacional de Assistência
Médica da Previdência Social (1988), fiz especialização em Ginecologia e Obstetrícia
pela Associação Médica Brasileira (1988) e especialização em Atuação Exclusiva
Ultrassonografia geral pela Associação Médica Brasileira (1995). Conclui o mestrado
em 2003 e o doutorado em doenças infecciosas e parasitárias pelo Instituto de Patologia
Tropical e Saúde Pública em 2006.

Realizei o aperfeiçoamento e habilitação em

ultrassonografia diagnóstica pela Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (1987).

Atualmente sou professor auxiliar da Universidade Federal de Goiás (Faculdade
de Medicina), sou diretor técnico da Fértile Diagnósticos e membro titular da Sociedade
Brasileira de Videocirurgia- SOBRACIL. Tenho uma vasta experiência na área de
medicina, com ênfase em saúde materno-infantil; atuando principalmente na reprodução
humana (tema Esterilidade) e medicina fetal. Devo destacar que a medicina fetal e a
reprodução assistida são dois campos que cresceram muito com a ultrassonografia, onde
sou o atual presidente da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia ­ SBUS.

86

Como autor de livros e de artigos científicos, qual a importância da obra "A
história da ultrassonografia no Brasil" para a sociedade médica brasileira?

O livro de história possui um significado importante, na cultura brasileira,
embora pouco valorizado. Nos países de cultura espanhola, por exemplo, a história é
sempre forte; isso também acontece na França. A história do povo é referendada e
referenciada. No Brasil, em regra, isso não ocorre. Não há grandes heróis: por isso, há
que se registrar a história da ultrassonografia no Brasil. Registrar os escritos é de suma
importância para que as pessoas possam buscá-los nos bancos de arquivos.

A história pode ser escrita de três formas básicas: a científica, a jornalística e a
popular. O que se tem feito é uma história com cunho jornalístico, na qual, ouviram-se
pessoas pioneiras que foram importantes para o processo de implantação e crescimento
da ultrassonografia no Brasil. Houve um grupo diferenciado que buscou resultados
atendendo às expectativas que existiam no início da formação da entidade.

Diga-nos um pouco da tua história em relação à ultrassonografia. Quais foram os
fatos e as pessoas que te motivaram a trabalhar nessa área?

Formei-me na Universidade Federal de Goiás em 1985; portanto, há 21 anos
exerço a medicina. Em 1986, fiz residência médica em ginecologia e obstetrícia pelo
Ministério da Educação e Cultura. No segundo ano de residência (R2) percebi que o
ultrassom era uma metodologia de grande aplicação.

Nas férias de 1987, fui para Ribeirão Preto fazer um curso. Em vez de descansar,
fiz o curso de 30 dias. Foi em outubro, exatamente na data em que aconteceu o acidente
do Césio em Goiânia. Fui para o centro Diagnoses, do professor, Dr. Luiz Antônio
Bailão, fazer o curso básico de ultrassonografia. Foi quando tive o primeiro contato com
o ultrassom e a oportunidade de praticar o método.

À época, com muita dificuldade financeira, o Dr. Luiz Augusto, que hoje é meu
sócio, era sócio da Clínica Fêmina Diagnóstico, instalada dois ou quatro anos antes. Era
87

uma clínica de ultrassonografia e uma maternidade de referência. A Fêmina Diagnóstico
estava começando com os primeiros aparelhos de ultrassom. A clínica tinha 14 sócios:
um deles, não fazia ultrassom. E comprei do Dr. Domênico a cota de 1/14 da Fêmina
Diagnósticos e comecei a trabalhar na área. Eu trazia os pacientes do Hospital Geral de
Goiânia, onde eu fazia residência, e trabalhava com as grávidas de alto risco. Como o
HGG não tinha o aparelho de ultrassom, eu as atendia na clínica. O que trazia benefício
para a população e aprendizado continuado para mim.

Hoje sou diretor técnico da Fértile Diagnósticos, que é um centro médico de
atendimento relacionado à saúde da mulher, diagnósticos médicos, reprodução humana,
medicina fetal, ultrassonografia e outras especialidades médicas. A clínica possui uma
equipe fantástica de médicos especialistas. A Schola Fértile disponibiliza vários cursos
de pós-graduação (Lato-Sensu) e treinamentos em medicina. Temos experiência de mais
de 20 anos na formação de médicos ultrassonografistas, colposcopistas e
laparoscopistas, oriundos de todo o Brasil e América do Sul. Em 1992, nasceu o
primeiro bebê de proveta do Centro-Oeste brasileiro, feito na Fértile, fruto de um
trabalho sério de nossa equipe. Foi um marco histórico da medicina goiana e temos
bastante orgulho disso.

Qual o primeiro equipamento de ultrassom como o qual trabalhou?

O primeiro foi o ADR 2000, fabricado pela ATL - um aparelho americano
semelhante a um rádio de mesa. Em seguida trabalhei com o ADR 4000, upgrade do
ADR 2000. Esse aparelho era muito caro, custava entre 20 e 30 mil dólares. Após,
chegaram os aparelhos maiores da ATL, o Ultramark 4 e Ultramark 8 (aparelhos de 100
mil dólares).

O ultrassom é fundamental para a medicina fetal?

Sem ele não há condição de praticar a ginecologia e a obstetrícia. É praticamente
impossível exercer a medicina fetal e avaliar a gravidez de alto risco. É inviável fazer a
reprodução humana, trabalhar com doenças do endométrio e doenças do ovário. O
equipamento está incorporado, de maneira absoluta, à vida do ginecologista obstetra.

88

Em medicina fetal, utiliza-se o ultrassom em vários procedimentos: técnicas
invasivas, diagnóstico genético de feto mal-formado, estudos de pré-natal e tratamentos.
A terapia fetal cirúrgica é feita com ajuda do ultrassom. É uma ferramenta simples,
rápida, prática, barata e em tempo real. Não há métodos de imagens que façam isso.
Possui risco zero para o paciente e para o examinador e já foi testado no mundo inteiro.

Fale sobre a história da Sociedade Brasileira de Ultrassonografia - SBUS.

Para toda atividade médica, deve-se desenvolver principalmente a ciência e a
defesa profissional. O grupo que se forma precisa estar protegido e essas formações se
dão em torno de associações. O Brasil permite legalmente a formação de associações no
sentido de dar proteção ao agrupamento.

Com o crescimento da ultrassonografia ocorreu um aumento no número de
equipamentos e de pessoas em torno do ultrassom. Entendeu-se que era preciso ter um
agrupamento em torno da metodologia. E foi criada em 23 de abril de 1997 a SUSEM
(Sociedade Brasileira de Ultrassom em Medicina e Biologia). Depois, a SUSEM foi
absorvida pelo CBR (Colégio Brasileiro de Radiologia) e a ultrassonografia ficou
carente de representação na início da década de 90.

Em 21 de agosto de 1993, foi fundada a Sociedade Brasileira de
Ultrassonografia e a Dra. Lucy Kerr foi eleita a primeira presidente. Hoje, a expectativa
é que mais ou menos 30 a 35 mil médicos no Brasil pratiquem a ultrassonografia de
rotina como método de diagnóstico. Não tem nada igual em termos de agrupamento
médico no Brasil. Só que esses 30 a 35 mil profissionais faziam de maneira liberada,
não tinha uma concentração coletiva. Era preciso uma entidade para representá-los. Até
então o Colégio Brasileiro de Radiologia, que defendia a radiologia tradicional, a
tomografia e a ressonância, entendia, e entende que o ultrassom faz parte do seu arsenal
de proteção.

A Dra. Lucy Kerr me convidou para esta fundação da SBUS e eu abracei a ideia,
entendendo que este era o melhor caminho. À época, havia a necessidade de fundar as
Federadas e eu fiquei com a incumbência de fundar a Federada de Goiás. Cheguei a
89

Goiânia, chamei o Dr. Rui Gilberto. Fizemos uma assembléia e criamos a Associação
Goiana de Ultrassonografia vinculada à SBUS nacional. Foi à primeira federada de
ultrassom do Brasil. Onde fui o primeiro presidente regional.

A Dra. Lucy Kerr e a SBUS começaram a fazer a defesa profissional do
ultrassonografista brasileiro, promovendo proteção científica, eventos e fórmulas de
preparar o médico para ser ultrassonografista. Em seu segundo mandato, fui vicepresidente, e fiquei como vice durante o dois mandatos consecutivos. Após o término da
presidência da Dra. Lucy, em seu terceiro mandato, ela indicou o professor Dr. Sang
Choon Cha e novamente fui vice-presidente.

Participei ativamente de todas as ações da SBUS nacional, com muita
dificuldade de conotação junto às entidades maiores como Associação Médica
Brasileira, Conselho Federal de Medicina e Federação Nacional dos Médicos. Lutamos
muito para que houvesse um reconhecimento da SBUS como representante classista do
ecografista brasileiro.

Em 2002, fui eleito presidente da SBUS pela primeira vez e fui reconduzido por
mais um mandato. Fiquei seis anos na presidência (2002 a 2008). O Dr. Sang me
sucedeu (2008-2011) e novamente fui eleito em 2011 para mais um mandato de três
anos, onde sou o atual presidente.

Nossa ação principal foi fortalecer a entidade, torná-la com representação
nacional. Há um conceito junto às entidades médicas maiores, que para se ter uma
entidade de representação nacional, ela deve ter pelo menos seis representações
estaduais. Quando assumi a presidência em 2002, nossa entidade tinha nove anos de
existência e só tínhamos a federada de Goiás. Nos outros 26 Estados brasileiros não
havia representações. Então, criamos as federadas em todo o Brasil. Nesses seis anos,
fundei todas as federadas no Brasil e visitei todos os Estados brasileiros. Criamos o
evento nacional e o fortalecemos o Congresso Brasileiro de Ultrassonografia.

Foram seis eventos nacionais em São Paulo. Começamos a fazer simpósios,
jornadas regionais e estabelecer federadas com diretorias eleitas em cada Estado. Cada

90

gestão regional deveria realizar pelo menos um evento dentro do Estado. Eram 22 a 24
eventos estaduais. Viajamos o Brasil de ponta a ponta.

Fiquei muito feliz, porque o presidente do Conselho Nacional de Medicina disse
que a SBUS tinha se tornado nacional. Neste período também editamos o tratado de
ultrassonografia da SBUS em quatro volumes, para atender a demanda das ciências da
entidade. Fui autor de quatro livros da SBUS: o tratado número 1 (Ginecologia e
Obstetrícia), o tratado 2 (Medicina Interna), o tratado 3 e o tratado 4 que é de Anomalias
Fetais. Começamos a repassar esses tratados a todos os integrantes da SBUS, os livros
foram vendidos aos associados a preço de custo. Além disso, fizemos uma
representação maior junto ao Conselho Federal de Medicina e Associação Médica
Brasileira e solicitamos um acordo de titulação em ultrassom nacional. Neste período eu
me tornei presidente da Associação Médica de Goiás. Nós fazíamos um título da SBUS,
mas ele não era reconhecido pelas entidades maiores, sendo um título considerado
"frio", com valor moral, mas sem valor de legalidade junto às entidades maiores.

Nós conseguimos em 2005, criar um acordo nacional entre SBUS (Sociedade
Brasileira de Ultrassonografia) e CBR (Colégio Brasileiro de Radiologia) sobre
respaldo da AMB (Associação Médica Brasileira) e com participação do CFM.
Decidimos que a partir daquela data, que as entidades trabalhariam na confecção da
titulação nacional de ultrassom como área de atuação dentro da especialidade
diagnóstica por imagem. Então o título diagnóstico por imagem, teria a área de atuação
em ultrassonografia. A titulação a partir de 2005 era feita por duas mãos, pela SBUS e
CBR, com referendo da AMB e CFM (Conselho Federal de Medicina). Foi um grande
avanço, pois, todos os títulos emitidos previamente, foram reconhecidos pela AMB.

Em 2007, fui indicado presidente da Comissão Nacional de Ultrassonografia da
FEBRASGO (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia). Fiquei um mandato
com presidente. A Comissão Nacional fazia um título e habilitação na área de atuação
de ultrassongrafia para o ginecologista, independente da CBR ou SBUS. Como já
tínhamos feito um acordo entre CBR e SBUS. Como eu ocupava a presidência da
comissão nacional da FEBRASGO, criamos um título nacional conveniando as três
entidades e passou a ser algo interessante, pois, começamos a ter duas provas nacionais.

91

A partir de 2006, começamos então a ter dois títulos nacionais. Um era em
diagnóstico por imagem/ultrassonografia, feito pelo CBR e SBUS, com prova teórica e
prática. As entidades com suas comissões de titulação indicavam três componentes para
fazer a banca da titulação nacional. O segundo, era para a ginecologia e obstetrícia com
o título de área de atuação em ultrassonografia. O indivíduo deveria ser ginecologia
obstetra da FEBRASGO, com área de atuação em ultrassonografia, feita pela CBR,
SBUS e FEBRASGO.

O médico poderia ter o caminho que quisesse. Se viesse pelo CBR poderia
chegar à prova de titulação. O indivíduo poderia fazer a mesma prova pela SBUS e o
pela FEBRASGO. A prova era horizontal e atendia o Brasil inteiro, independente, o
médico fazia a mesma prova. Houve um entendimento que havia uma decência em
torno disso e as entidades maiores aplaudiram esta ação. Isso funcionou bem até o ano
passado. Em 2011, o CBR denunciou e quebrou o acordo do primeiro convênio. Então,
neste momento a prova não está acontecendo. Estamos em negociação, buscando um
entendimento para trazer de volta esse convênio. Esse convênio pode não ser tão bom
para o presidente de entidade, mas é excelente para o médico brasileiro.

Uma situação que lutamos bastante foi quebrada, mas, continuaremos a lutar
para que seja reativada. Penso, que esses meus dois mandatos geraram ações
importantes que foram à criação das federadas, o fortalecimento do Congresso
Brasileiro de Ultrassonografia, o acordo das titulações e a instalação dos tratados para
dar referência básica e de reciclagem ao médico ultrassonografista brasileiro.

Qual o papel hoje da SBUS frente à AMB, CBR e principalmente em relação à
ultrassonografia como especialidade médica?

A ultrassonografia não é uma especialidade médica no Brasil. Apesar do sonho
de um dia sê-lo. Hoje, junto a AMB, a ultrassonografia está no roll de ações do CBR. A
SBUS tinha uma cadeira junto ao CBR e o convênio para o título de área de atuação em
ultrassonografia. Mas junto a AMB, quem tem a cadeira de especialidade é o CBR.
Dentro da FEBRASGO, a SBUS tem uma cadeira como área de atuação. Nossa

92

primeira luta é tentar reativar o convênio para que possamos ter o acesso a AMB oficial,
por meio da CBR e da FEBRASGO.

A fundação de uma especialidade médica no Brasil passa por dois caminhos
distintos. Deve-se ter uma proposta junto a AMB, que controla essas áreas. Hoje, tem-se
54 especialidades médicas. A SBUS luta para que a ultrassonografia se torne uma
especialidade desde 1994, e enviamos inúmeras propostas para a AMB, buscando este
reconhecimento.

Havendo o reconhecimento, a ultrassonografia se torna uma especialidade
médica reconhecida pela AMB e pelo CFM. Este é um acordo nacional entre as
entidades maiores. Há uma dificuldade, principalmente porque a AMB, nos últimos
anos, entende que é preciso restringir as 54 especialidades, evitando ao máximo criar
alguma outra. À única especialidade criada nos últimos 10 anos foi a da acupuntura,
para ocupar espaço, porque a acupuntura está sendo praticada por outros profissionais
de saúde.

A outra via legal de se criar uma especialidade médica é pelo Ministério da
Educação e Cultura, através da Comissão Nacional de Especialidades Médicas. Por aí é
uma via muito política. Mas hoje, a Comissão Nacional do Governo ou da AMB\CFM
são independentes, porém muito próximas. Esta instalação é um sonho, mas é
extremamente difícil nesse momento. Não vamos deixar de sonhar ou perseguir o
sonho. Mas temos que praticar no presente, o que traz benefício ao associado, sem
perder a linha do futuro que um dia a ultrassonografia será uma especialidade médica no
Brasil.

Como o senhor vê o Brasil em referência a ultrassonografia?

O Brasil é um mercado de excelência para todos os fins. Com a globalização, a
Europa, os Estados Unidos e outros países reconhecem que o Brasil ocupa uma posição
de destaque dentro da América Latina. Principalmente pelo mercado econômico que
representa.

93

Falando em ultrassonografia, o Brasil é o segundo país do mundo em aparelhos
de ultrassom, só perde para os Estados Unidos. Também, é o segundo país do mundo
com equipamento avançado, com Doppler 3D. O movimento financeiro em torno dos
equipamentos é um negócio grandioso. Como o país é continental e populoso a
avaliação do ultrassom é realmente um negócio esplendoroso.

Hoje praticamente todos os hospitais e clínicas do Brasil fazem ultrassom,
porque é prático, simples, rápido e de alta correlação clínica. O Brasil ocupa um espaço
de mercado extremamente forte e todas as empresas de ultrassom do mundo ocupam
este espaço aqui no sentido de mercado.

No entendimento científico podemos ver a ultrassonografia como ciência e
pesquisa. Existem várias produções científicas relacionadas ao ultrassom e temos várias
escolas médicas, pós-graduação, cursos, mestrado e doutorado no Brasil. Os professores
e pesquisadores brasileiros participam de eventos internacionais, mostrando a cara do
país junto aos congressos Europeu, Americano e outros.

Com a globalização, tudo que se faz em qualquer ponto do planeta é reproduzido
imediatamente. A população fica bem assistida. Tudo isso com representação
internacional. Parte dos brasileiros ministra aulas na Espanha, Portugal, França,
Inglaterra e Estados Unidos. Publicam em revistas internacionais de grande impacto.
Isso faz do país ocupar uma posição especial junto a ultrassonografia internacional.

Como presidente da SBUS, quais as expectativas para os próximos anos
principalmente em relação à tecnologia e aos novos avanços do ultrassom?

Desde 1987 quando passei a me envolver com a ultrassonografia, eu sempre
ouvia histórias de pessoas pioneiras e de pesquisas americanas dizendo que a
ultrassonografia seria o método de imagem que mais cresceria no mundo. Não foi
diferente.

A ultrassonografia cresceu de forma assustadora, tanto em relação a

tecnologia do equipamento, quanto na correlação clínica e na prestação de serviços. E
ela tem crescido dia após dia. Continua sendo o método de imagem que mais cresce. Os

94

outros métodos de imagem tem tido decrescimento. Ela continua no mesmo ritmo de
crescimento e nós imaginamos que cada dia mais teremos resultados mais fascinantes.

O avanço da tecnologia ocorre na correlação de segurança e a ausência de risco à
saúde, o que é o mais importante. Acho que ela vai caminhar nestas três vertentes: no
avanço do equipamento tecnológico, na transformação desta tecnologia em diagnósticos
cada vez mais profícuos e trabalhando com risco zero.

Do ponto de vista de entidade, nós da SBUS vamos neste período, mantendo em
nossa linha de frente uma ação nacional de proteção ao médico, realizando uma ação
classista e política. Realizando uma manutenção da parte científica por meio da reedição
e elaboração de novos livros, como este, A História da Ultrassonografia no Brasil.

Quando eu assumi a SBUS em 2002 não havia uma independência financeira,
não havia sede própria. No meu mandato nós compramos duas salas em São Paulo. A
SBUS caminha com seus próprios recursos, não depende das indústrias farmacêuticas e
possui sede própria. Para marcar o ponto do entendimento e do conhecimento desta
evolução, vamos lançar o livro sobre o Doppler. E vamos caminhar no sentido de
realizar o nosso sonho, de fazer com que a ultrassonografia tenha reconhecimento
oficial e legal junto às entidades maiores, até que conseguimos torná-la uma
especialidade médica.

95

REFERÊNCIAS
A. B. WOOD, From the board of invention and research to the royal naval scientific
service, Journal of the Royal Naval Scientific Service. v. 20, No 4, pp 1-100 (185-284), em
http://www.ob-ultrasound.net/ history1.html. em 17/12/2011.

BRAY, J.P.; LIPSCOMBE, V.J.; WHITE, R.A.S.et al. Ultrasonographic examination of
the pharynx and larynx of the normal dog.Veterinary Radiology and Ultrasound.
v.39,n.6 , p.566-571, 1998.
CARTER J, SALTZMAN A, HARTENBACH E, et al: Flow characteristics in benign
and malignant gynecologic tumors using transvaginal color flow Doppler, Obstet
Gynecol 83:125, 1994.
CHAZAN, L. K., CAETANO, R. Pioneiros da ultrassonografia obstétrica no Brasil.
Relatório de pesquisa de pós-doutorado, Universidade do estado do Rio de Janeiro, Instituto
de Medicina Social, 2008.

CHILOWSKY C.M. LANGÉVIN. M.P. (1916) Procídés et appareil pour production de
signaux sous-marins dirigés et pour la localsation à distances d'obstacles sons-marins.
French patent no. 502913.
Clay C. S., Medwin H., Acoustical oceanography. Wiley, New York, 1977.

DESCH, C.H., SPROULE, D.O. AND DAWSON, W.J. (1946) The detection of cracks
in steel by means of supersonic waves. J. Iron and Steel Inst. (1964):319.
DESCH, C.H., SPROULE, D.O. AND DAWSON, W.J. (1946) The detection of cracks
in steel by means of supersonic waves. J. Iron and Steel Inst. (1964):319.
DONALD, I. (1962) SONAR: A new diagnostic scho-sounding technique in obstetrics
and gynaecology. Proc. Roy. Soc. Med. 55:637-638.
DONALD, I. (1974) SONAR. The Story of an experiment.Ultrasound Med Biol 1:109117.
FIRESTONE, F.A. (1945) The supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr,
48:505-512.

HOLMES, J.H., HOWRY, D.H., POSAKONY, G.J. AND CUSHMAN, C.R. (1954)
The ultrasonic visualization of soft tissue structures in the human body. Trans. Am.
Clin. Climatol. Assoc. 66:208-223.
KARLAN B. Y AND PLATT L. D: The current status of ultrasound and color Doppler
imaging in screening for ovarian cancer, Gynecol Oncol 55:S28, 1994.
LANGÉVIN, M.P. (1928) Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626.
Firestone, F.A. (1945) The supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr,
48:505-512.
96

LANGÉVIN, M.P. (1928) Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626.
LANGÉVIN, M.P. Lés ondes ultrasonores. Rev Gen Elect 23:626. Firestone, F.AThe
supersonic reflectoscope for interior inspection. Met. Progr, 48:505-512, 1945.
LICHTE H. On the influence of horizontal temperature layers in sea water on the range of
underwater sound signals, 1919.
MORTON A., ARTHUR L. H. ET AL; Comprehensive Gynecology., acessado em 6 de
setembro de 2002.

OB.ULTRASOUND.
17/06/2012.

History

of

ultrasound.

http://www.ob-ultrasound.net.

em

SEOANE M. P. R, GARCIA D. A. A. FROES T. R. A história da ultrassonografia
veterinária em pequenos animais. Archives of Veterinary Science, v.16, n.1, p.54-61,
2011.
SEOANE M. P. R, GARCIA D. A. A. FROES T. R. A história da ultrassonografia
veterinária em pequenos animais. Archives of Veterinary Science, v.16, n.1, p.54-61, 2011.

SLADKEVICIUS P, VALENTIN L, AND MARSÁL K: Endometrial thickness and
Doppler velocimetry of the uterine arteries as discriminators of endometrial status in
women with postmenopausal bleeding: a comparative study, Am J Obstet Gynecol
171:722, 1994.
SLADKEVICIUS P, VALENTIN L, AND MARSÁL K: Endometrial thickness and
Doppler velocimetry of the uterine arteries as discriminators of endometrial status in
women with postmenopausal bleeding: a comparative study, Am J Obstet Gynecol 171:722,
1994.

TANAKA, K. (1952) Application of ultrasound to diagnostic field. Electr. Ind.
3.Miyajima, G., Wagai, T., Fukushima, Y., Uchida, R. and Hagiwara, I. (1952)
Detection of intracranial disease by pulsed ultrasound. Tokyo Med. J. 72:37
TANAKA, K., MIYAJIMA, G., WAGAI, T., YASUURA, M. KIKUCHI, Y AND
UCHIDA, R. Detection of intracranial anatomical abnormalities by ultrasound. Tokyo
Med. J. (1950). 69:525.
WOO, J. History of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology, Part 1. Last revised
March, 2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/ history1.html.
em 17/04/2012.
WOO, J. History of Ultrasound in Obstetrics and Gynecology, Part 2. Last revised
March, 2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/ history1.html.
em 17/05/2012.
WOO, J. History of ultrasound in obstetrics and gynecology, Part 1. Last revised March,
2006. Capturado na Internet em http://www.ob-ultrasound.net/ history1.html. em
26/08/2012.
97

WOOD A. B., From the Board of Invention and Research to the Royal Naval Scientific
Service, Journal of the Royal Naval Scientific Service Vol 20, No 4, pp 1-100 (185284).

98