MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL
PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA
DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL
UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA
FILHO
FACULDADE DE CIÊNCIAS/BAURU
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO ESPECIAL: HISTÓRIA, ETIOLOGIA,
CONCEITOS E LEGISLAÇÃO VIGENTE

BAURU/2008

2
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Vice- Presidente
José Alencar Gomes da Silva
Ministro de Estado da Educação
Fernando Haddad
Secretária da Educação Especial
Claudia Pereira Dutra
Reitor da Universidade Estadual Paulista ­ "Júlio De Mesquita Filho"
Marcos Macari
Vice-reitor
Herman Jacobus Cornelis Voorwald
Diretor da Faculdade de Ciências
Henrique Luiz Monteiro
Vice- Diretor
João Pedro Albino
Coordenadora do Curso: "Práticas em Educação Especial e Inclusiva na área da
Deficiência Mental".
Vera Lúcia Messias Fialho Capellini
DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO
UNESP ­ Campus de Bauru

371.9
R614e

Rodrigues, Olga Maria Piazentin Rolim.
Educação especial: história, etiologia,
conceitos e legislação vigente / Olga Maria
Piazentim Rolim Rodrigues, Elisandra André
Maranhe In: Práticas em educação especial e
inclusiva na área da deficiência mental / Vera
Lúcia Messias Fialho Capellini (org.). ­ Bauru :
MEC/FC/SEE, 2008.
12 v. : il.
ISBN
1. Educação inclusiva. 2. Educação especial.
3. Deficiência mental I. Rodrigues, Olga Maria
Piazentin Rolim. II. Maranhe, Elisandra André.
III. Capellini, Vera Lúcia Messias Fialho. IV.
Título.

Ficha catalográfica elaborada por Maria Thereza Pillon Ribeiro ­ CRB 3.869

3
Prezado professor ou profissional das áreas afins

Este caderno é parte do material didático, produzido por uma equipe de especialistas em
Educação Especial, para subsidiar o desenvolvimento do curso de aperfeiçoamento em "Práticas
em Educação Especial e Inclusiva na área da Deficiência Mental". Esse material objetiva a
veiculação de informações sobre a educação da pessoa com deficiência mental e seus
desdobramentos para a inclusão social desta população.
Os cadernos que compõem o material didático são:
1. Educação a distância: desafios atuais.
2. Educação especial: história, etiologia, conceitos e legislação vigente.
3. Desenvolvimento humano e educação: diversidade e inclusão.
4. Ética profissional: (re) pensando conceitos e práticas.
5. Informática aplicada à educação especial.
6. Família-escola: discutindo finalidades, rupturas e desafios no processo educativo.
7. Sexualidade infantil e orientação sexual na escola.
8. Repensando a avaliação.
9. Práticas educativas: ensino colaborativo.
10. Práticas educativas: adaptações curriculares.
11. Práticas educativas: manejo comportamental e comportamentos pró-sociais.
12. Práticas educativas: criatividade, ludicidade e jogos.
No curso, serão trabalhados temas gerais visando a possibilitar o acesso às informações
sobre as causas da deficiência mental, aspectos conceituais, históricos e legais da educação
especial, além de conteúdos específicos para auxiliar a sua prática pedagógica voltada para a
diversidade, de maneira que, se necessário, você utilize adequações curriculares para garantir o
aprendizado de todos os alunos.
Esperamos que este material possa contribuir a todos os profissionais que participam da
construção de uma sociedade mais justa, mais solidária e mais igualitária para todos.

Bom trabalho!
Vera Lúcia Messias Fialho Capellini
Coordenadora do Curso

4
Sumário
Apresentação
Unidade I ­ História do Atendimento à Pessoa com Deficiência
Unidade II ­ Conceito de Deficiência Mental
Unidade III ­ Etiologia da Deficiência Mental
Unidade IV ­ Legislação Vigente
Referências

3
5
22
26
32
33

5
Apresentação
Quando pensamos no mundo que nos rodeia, vemos-nos às voltas com
mudanças que nos assombram, às vezes nos desafiam, nos encantam, nos
desanimam...
A tecnologia tem nos proporcionado um rol de equipamentos que não
sonhávamos há vinte anos. Falar com alguém por telefone, significava procurar
um "pretinho" básico que estava invariavelmente no mesmo lugar. Hoje, o telefone
anda conosco e, para fazer uso dele, basta sacá-lo da bolsa ou do bolso...
O computador tem facilitado a tarefa de escrever. Nunca foi tão fácil
corrigir. Os erros até são menores, uma vez que ele já avisa que a palavra está
escrita errada. Às vezes, ele mesmo corrige... Porém, quando ele entra em pane,
nós entramos em pânico. Quantas vezes perdemos tudo, porque a máquina
estragou, acabou a energia ou qualquer coisa muito banal...
Não são só coisas materiais que mudam. Conceitos, crenças, modo de
ver as pessoas e o mundo... Isso implica em mudanças nas relações que
estabelecemos com pessoas e com o próprio mundo. Por exemplo, a visão que
se tem da mulher...
Há 50 anos, havia uma expectativa de que a mulher deveria cuidar dos
filhos, da casa, do marido... Parecia depender do homem até para pensar. As que
se aventuravam em trabalhar fora ou exercer profissões pouco apropriadas à vida
feminina, eram vistas como pioneiras ou malucas... Elas ainda não têm igualdade
de situação com o homem, mas cada vez mais mulheres se aventuram na vida
profissional, independentemente da profissão que escolhem... Dobram jornada,
mas estão indo à luta... E, muito importante, estão fazendo a diferença... Estão
conseguindo mostrar que são capazes...
A questão da deficiência também tem sofrido mudanças através dos
tempos. Mudanças em todos os sentidos: na tecnologia disponível para minimizar
seus efeitos (haja vista, o avanço na área de oftalmologia: quem é míope,
hipermétrope ou, aquele que, com o avançar da idade, vai perdendo a visão de
perto ­ a famosa presbiopia ­ já imaginou se não fosse a tal da tecnologia?); na
visão que se tem hoje das pessoas que têm qualquer deficiência (todo um
cuidado para não ter comportamentos que sugiram preconceito...), porque são
pessoas...
Esta disciplina inicia o tema "Deficiência Mental". É aqui que tomaremos
contato com a história da Educação Especial, dos conceitos de deficiência, da
etiologia da deficiência mental e da legislação atual que diz respeito à pessoa
com deficiência.
E onde tais assuntos se cruzam?
A história da Educação Especial mostrará a trajetória da lida da
sociedade com as pessoas com deficiência ao longo do tempo. Uma história que
é dinâmica. Crenças e valores do século passado já não determinam formas de
se comportar diante da deficiência. Estamos construindo uma nova história, em
que a diferença é a tônica e o respeito a ela deve existir na relação entre os
homens. Conhecer as causas da deficiência mental é importante, principalmente
em termos de prevenção. Não há causa que por si só determine formas de
comportamento das pessoas. Pessoas com Síndrome de Down são antes de
tudo, pessoas diferentes entre si. Além de características físicas que as tornam

6
parecidas, cada uma tem formas próprias de responder para o seu ambiente,
construídas na sua relação com ele e com as pessoas que as cercam. O avançar
da história culmina, também, na construção de um corpo de leis que determinam
formas que a sociedade deve obedecer no convívio com pessoas com deficiência.
Considerando o público-alvo do curso, focalizaremos as questões legais
referentes à escola, tanto as que regem o aluno com deficiência, quanto as que
têm relação com seu prestador de serviços, o professor. Vamos, então, iniciar
nossa caminhada.
Tenha um bom trabalho!!!

Olga e Elisandra

7
Unidade I: História do Atendimento à Pessoa com Deficiência

Olá, professor! Eu sou o Sr. Era.
Estarei com você durante todas as leituras deste
caderno. Nesta unidade, você vai conhecer um pouco
da história do atendimento à pessoa com deficiência
mental. Vai poder conhecer e refletir sobre os
principais fatos que marcaram sua trajetória histórica
no Mundo e no Brasil. Vamos nos aventurar?!!!

História Geral do Atendimento à Pessoa com Deficiência

Pré-História
Nas sociedades de cultura primitiva, os povos eram nômades,
sobrevivendo da caça e da pesca. Estavam
sujeitos às intempéries e aos animais selvagens.
Tudo isto dificultava a aceitação de pessoas que
fugiam à rotina da tribo, pois, incapazes de irem à
busca da caça e de sobreviver por si mesmos à
agressividade da vida, essas pessoas mostravamse dependentes da tribo. Por este motivo, eram
abandonadas em ambientes agrestes e perigosos,
o que inevitavelmente contribuía para sua morte.
Embora, não se tenham registros declarados da
existência de pessoas com deficiência nesta
época, estes dados levantam a hipótese de tal
ocorrência.

Antigüidade
O contexto educacional que a sociedade atual oferece àqueles que
apresentam alguma deficiência para se adaptar à expectativa da comunidade em
que vivem é fruto de um processo histórico social que remonta à Idade Antiga.
Em Esparta e Atenas crianças com deficiências física, sensorial e
mental eram consideradas subumanas, o que legitimava sua eliminação e
abandono. Tal prática era coerente com os ideais atléticos, de beleza e classistas
que serviam de base à organização sócio-cultural desses dois locais. Em Esparta
eram lançados do alto dos rochedos e em Atenas eram rejeitados e abandonados
nas praças públicas ou nos campos.

8
Assista ao filme "300", que mostra a eliminação de crianças em Esparta.

Aristóteles e Platão admitiam essa prática, coerente com a visão de
equilíbrio demográfico, aristocrático e elitista, principalmente quando a pessoa
com deficiência fosse dependente economicamente.

"Quanto aos corpos de constituição doentia, não lhes
prolongava a vida e os sofrimentos com tratamentos e
purgações regradas, que poriam em condições de se
reproduzirem em outros seres fadados, certamente a
serem iguais progenitores.
[...] também que não deveria curar os que, por frágeis de
compleição não podem chegar ao limite natural da vida,
porque isso nem lhes é vantajoso a eles nem ao Estado"
Platão (429-347 a.C.)

Idade Média
Na Europa, em geral, a atitude para com as pessoas com deficiência
era a mesma, até a difusão do cristianismo. Entre os milagres de Cristo, aparece
em grande número a cura de deficiências física, auditiva e visual. Um exemplo de
influência dos ideais cristãos é a figura de Nicolau, Bispo de Myra, que nos anos
300 d.C. acolhia crianças e pessoas com deficiência
Nicolau: na
abandonadas.
Europa, dia 06 de
Com o cristianismo estas pessoas ganharam alma dezembro, seu
e, eliminá-las ou abandoná-las significava atentar contra os dia, é
desígnios da divindade. Assim, ao longo da idade média são comemorado,
consideradas "filhos de Deus" (anjos retratados em pinturas como se fosse o
da época possuíam características de síndrome de Down). Papai Noel. Em
alguma época foi
Todavia, a igualdade de status moral ou teológico não considerado o
correspondia à igualdade civil e de direitos. A pessoa com Patrono das
deficiência mental passa a ser acolhida caritativamente em Crianças com
conventos ou igrejas, ou, quando a deficiência não era Perturbações do
acentuada, sobrevivia na família, escapando à exposição Desenvolvimento.
(prática do abandono à inanição ou servindo como palhaços ou atrações em
circos).
Sugerimos que leia o livro ou assista ao filme "O Corcunda de Notre Dame". O
personagem principal vivia isolado na torre da Catedral de Paris. Tanto o livro
quanto o filme retratam a influência da igreja no destino das pessoas com
deficiência da época. Vale à pena!!!

9
Na época, Martinho Lutero defendia que pessoas com deficiência
mental eram seres diabólicos que mereciam castigos para serem purificados.
Lutero conheceu um menino de 12 anos, na cidade de
Dessau que se empanturrava de comida, babava e
gritava quando as pessoas se aproximavam. Sugeriu ao
príncipe da cidade que o afogasse no rio.

No século XIII, surge a primeira instituição para
pessoas com deficiência, precursora de atendimento
sistemático. Era uma colônia agrícola, na Bélgica, que
propunha o tratamento com base na alimentação,
exercícios e ar puro para minimizar os efeitos da
deficiência.
Martinho Lutero
No século XIV, surge a primeira legislação sobre
os cuidados com a sobrevivência e com os bens das
pessoas com deficiência mental (Da praerogativa regis, baixada por Eduardo II,
da Inglaterra). O rei era responsável por esses cuidados e recebia a herança
como pagamento. Nessa lei surge a distinção entre a pessoa com deficiência
mental e com doença mental; a primeira, "loucura natural", pessoas que sofriam
de idiotia permanente e, a segunda, "lunática", aquelas que sofriam de alterações
psiquiátricas transitórias. O doente mental tinha direito aos cuidados sem perder
os bens. A lei não deixou de marcar a diferença entre eles.
A Inquisição católica, na Idade Média, foi responsável pelo
sacrifício de pessoas com deficiência mental entre loucos,
adivinhos e hereges. O "Diretorium" de Emérico de Aragão
prescrevia a tortura, a fogueira e o confisco de bens para
qualquer conduta herética ou obscena, além da recusa em
responder ou dar respostas sem nexo quando interrogados.
Durante a Inquisição, foi criado o "Malleus Maleficarum"
(1482), manual de semiologia, capaz de "diagnosticar"
bruxas e feiticeiros; considerava sinais de malformação
física ou mental como ligação com o demônio, o que levou
muitas das pessoas com estas deficiências a fogueira da
inquisição.
Os filmes "O nome da Rosa" e "As bruxas de Salém" retratam as práticas da
Inquisição e a filosofia da Igreja Católica da época.

Idade Moderna
No século XVI, surgiram dois intelectuais: Paracelso, médico e,
Cardano, filósofo. Paracelso, no seu livro "Sobre as doenças que privam o homem
da razão", foi o primeiro a considerar a deficiência mental um problema médico,
digno de tratamento e complacência. Cardano, além de concordar que a

10
deficiência era um problema médico, se preocupava com a educação das
pessoas que apresentavam a deficiência.

Paracelso

Cardano

Ainda neste século, novas leis definem a loucura e a idiotia como
enfermidade ou produto de infortúnios naturais, com o objetivo de disciplinar a
administração de bens e heranças dessas pessoas.
Em Londres, em "Cerebri Anatome", Thomas Willis apresenta uma
postura organicista da deficiência mental, argumentando, cientificamente, como
um produto de estrutura e eventos neurais. Essas explicações, contudo, não
mudam de imediato a visão que a sociedade tem das pessoas com deficiência.
Ainda prevalecem as atitudes religiosas.

"A idiotia e a estupidez dependem de uma
falta de julgamento e de inteligência, que
não corresponde ao pensamento racional
real; o cérebro é a sede da enfermidade,
que consiste numa ausência de
imaginação localizada no corpo caloso
ou substância branca; e a memória, na
substância cortical. Assim, se a
imbecilidade e a estupidez aparecem, a
causa reside na região envolvida ou nos
espíritos animais, ou ambos."

Thomas Willis

No século XVII, John Locke revoluciona as doutrinas vigentes sobre a
mente humana e suas funções. Ele definiu o recém-nascido e o idiota como
"tabula rasa" (o comportamento como produto do ambiente, que possibilita as
experiências) e via, então, a deficiência como a carência de experiências.
Advogava que o ensino deveria suprir essa carência.

11
Locke influenciou Condillac que deu uma formulação psicológica à
teoria de seu mestre. A estátua de Condillac simbolizava a teoria da "tabula rasa"
e como o conhecimento é adquirido, premissa esta que embasaria sua teoria de
aquisição de idéias. A partir daí, sugere-se como aparecem os eventuais atrasos
no desenvolvimento.
Locke propõe que o conceito de mente seja
compreendido como página em branco, passível de ser
preenchida com programas sistemáticos de educação.

Condillac

John Locke
"....todas as idéias devem nascer
das sensações e das operações
mentais, que são as próprias
sensações transformadas".

Idade Contemporânea
No século XVIII, Foderé escreveu o "Tratado do bócio e do cretinismo".
Nesse trabalho, o autor levanta a idéia da hereditariedade da deficiência, o
fatalismo genético do cretinismo. Segundo ele, o cretinismo implica, sobretudo, na
degradação intelectual que será maior ou menor, conforme o acometimento da
doença. Diferentes graus de retardo foram, então, associados a diferentes níveis
de hereditariedade, justificando a segregação e a esterilização dos adultos
afetados pelo bócio.

Conhecida como uma das carências nutricionais cuja
etiopatogenia é das mais esclarecidas na literatura
médica, o bócio endêmico é determinado pela
deficiência de iodo nos alimentos e na água de regiões
afastadas do litoral e, portanto, pobres em iodo
natural. Esta deficiência prolongada desenvolve uma
disfunção na glândula tireóide cuja forma grave é o
"cretinismo" expresso na "idiotia" e surdo-mudez com
o dobro da incidência em mulheres.

Figura mostrando o bócio

12
O século XIX foi marcado pelo trabalho de vários autores como Itard.
Ele apresentou o primeiro programa sistemático de Educação Especial (1800).
Criou uma metodologia que usou com Victor, o selvagem de Aveyron.
Em setembro de 1799, um menino, de cerca de 12
anos de idade, foi encontrado perto da floresta de
Aveyron, sul da França. Estava sozinho, sem roupa,
andava de quatro e não falava uma palavra.
Aparentemente fora abandonado pelos pais e cresceu
sozinho na floresta. O jovem médico Jean-Jacques
Gaspar Itard encontrou um aglomerado de pessoas
observando o menino enjaulado, a quem chamavam de
menino-macaco. Com autorização judicial, o médico o
conduziu à sua residência, onde se propôs a tratá-lo e
educá-lo, tornando-o objeto de investigações científicas.
Aparentando seis a oito anos de idade, surdo e
mudo,
com posturas próximas do animalesco, o menino
Victor d'Aveyron
que fora capturado no mato, onde teria sido abandonado
ainda recém-nascido, quase nada aprendeu. Itard observou meticulosamente o
menino durante três anos, período que teve de sobrevida em ambiente social. Entre
as letras do alfabeto fonético, o menino aprendeu apenas a pronunciar o "ô",
derivando daí o nome Victor e o sobrenome d'Aveyron, região onde foi capturado.
Durante este período, o máximo de imagens que Victor conseguiu reconhecer foi o
desenho de uma garrafa de leite no quadro negro.
Itard levantou comportamentos e reações de Victor, relacionou-os e fez
descobertas importantes, como as relações fisiológicas entre garganta, nariz, olhos e
ouvidos. Assim, criou a otorrinolaringologia. Foi o fundador da Psicologia Moderna e
da Educação Especial; forneceu importantíssimos elementos para o estudo do
significado das aquisições culturais ao funcionamento da inteligência humana. Em
outras palavras, para a dicotomia natureza x cultura. Ao final do trabalho, Victor não
era mais o menino selvagem de quando fora encontrado, mas, também, não se
tornou, de acordo com os parâmetros da época, humano.

Contrariamente ao conceito levantado por Itard, que entendia a idiotia
como insuficiência cultural, Pinel a considerava uma
deficiência biológica. Este conceito fez com que
recomendasse Victor ao asilo de Bicêtre, na França, por não
acreditar na teoria de Itard. A discordância entre estes dois
autores aponta um problema que persiste até hoje, o da
avaliação, pois os fatores biológicos e ambientais podem
estar presentes em um mesmo diagnóstico, o que, muitas
vezes,
dificulta
a
avaliação
dos
especialistas,
impossibilitando-os de determinar com fidedignidade a origem
da deficiência mental.
A visão de Pinel sobre deficiência mental foi
Itard
influenciada pelos estudos de Foderé.

13
Considerado por muitos o pai da psiquiatria, notabilizouse por ter considerado que os seres humanos que
sofriam de perturbações mentais eram doentes e que ao
contrário do que acontecia na época, deviam ser tratados
como doentes e não de forma violenta. Foi o primeiro
médico a tentar descrever e classificar algumas
perturbações mentais.

Philippe Pinel

A multiplicidade de deficiências é considerada como variação de um
único processo patológico. Isto é, acreditava-se que todas as deficiências tinham
uma única causa, mas que se expressavam em graus diferentes. Em 1875, eram
classificados como: semi-cretinos, cretinos e cretinóides, do menos para o mais
grave. Nesta época, o que governa o tratamento da deficiência mental é o dogma
médico, pleno da idéia do fatalismo e da irrecuperabilidade da deficiência.
Esquirol, sob a influência de Pinel, avança
sugerindo que o termo idiotia, que até então era sinônimo
de cretinismo, deveria ser diferenciado deste último. Para
ele, idiotia era resultado de carências infantis ou
condições pré e peri-natais problemáticas, enquanto o
termo cretinismo deveria ser utilizado para os casos mais
graves. A definição de Esquirol é importante porque a
idiotia deixa de ser uma doença (ele a trata como estado)
e o critério para avaliá-la é o rendimento educacional.
Com isso, legitima o ingresso do pedagogo na área de
estudo da deficiência mental, até então envolvido na
Esquirol
educação da criança normal.
No mesmo século, Edouard Séguin, discípulo de Itard, criticava
firmemente a abordagem médica da deficiência de Pinel, Esquirol e outros. Foi ele
quem primeiro sistematizou a metodologia da Educação Especial. Criticava a
classe médica de não ter observado, tratado ou analisado a idiotia, e de ter falado
muito sobre ela.
"A idiotia é uma enfermidade do sistema nervoso
que tem por efeito radical subtrair todo ou parte
dos órgãos e faculdades da criança à ação
regular de sua vontade e se aponta sob duas
formas essenciais:
1- afecção de toda ou parte das massas
nervosas, que dá lugar a idiotia profunda;
2- afecção parcial ou total dos aparelhos
nervosos, que se ramificam pelos tecidos".

Edouard Séguin

14
O livro de Edouard Séguin, "Traitment Moral", está repleto de técnicas
de Educação Especial, com exemplos de sua aplicação a diferentes tipos e níveis
de deficiência e referentes às mais diversas áreas da vida do educando.
Apesar do trabalho de Itard e seus seguidores, a evolução filosófica e
pedagógica não previne e nem cura a deficiência mental, o que dá lugar a
evolução do conhecimento médico. A hegemonia médica na teoria da deficiência
perdurará até as primeiras décadas do século XX, consolidando o conceito
unitário da deficiência atrelado à hereditariedade (visão definitivamente orgânica).
Por influência da concepção destes autores, começam a surgir as
escolas para crianças com deficiência mental. Uma delas, a escola de Abendberg,
criada em 1840, tinha como objetivo a recuperabilidade dos cretinos e idiotas
visando sua autonomia e independência. Seu fundador, Guggenbuhl, não deixou
contribuição metodológica ou doutrinária, mas sim a difusão da idéia da
educabilidade das crianças com deficiência mental.
Nessa época, surge Johann Heinrich Pestallozzi, grande adepto da
educação pública, defendendo que a educação era o direito absoluto de toda
criança, inclusive ­ novidade para a época ­ daquelas provenientes das classes
populares. Para ele, a escola deveria ser como um lar, pois essa era a melhor
instituição de educação, base para a formação moral, política e religiosa. Para
Pestallozzi, todo homem deveria adquirir autonomia intelectual para poder
desenvolver uma atividade produtiva autônoma. O ensino escolar deveria
propiciar o desenvolvimento de cada um em três campos: o da faculdade de
conhecer, o de desenvolver habilidades manuais e o de desenvolver atitudes e
valores morais.
Froebel, visitando uma escola do seu mestre Pestallozzi, aprofunda
seus estudos e cria um sistema de Educação Especial com materiais e jogos
específicos, simples e eficazes, que tornam o ensino mais produtivo, ganhando
um aspecto lúdico e concreto. Os princípios da metodologia de Froebel são: cada
criança tem sua individualidade, é mais executiva do que receptiva e a educação
formal deve começar antes dos seis anos.
Na primeira década do século XX, surgem as escolas montessorianas.
O método criado por Maria Montessori, para crianças com deficiências, parte do
concreto rumo ao abstrato. Baseia-se na observação de que meninos e meninas
aprendem melhor pela experiência direta de procura e descoberta. Para tornar
esse processo o mais rico possível, a educadora italiana desenvolveu os
materiais didáticos que constituem um dos aspectos mais conhecidos de seu
trabalho. São objetos simples, mas muito atraentes e projetados para provocar o
raciocínio. Há materiais pensados para auxiliar todo tipo de aprendizado, do
sistema decimal à estrutura da linguagem.
"A tarefa do professor é preparar motivações
para atividades culturais, num ambiente
previamente organizado, e depois se abster de
interferir".

Maria Montessori

15
Todavia, esse avanço pedagógico voltado para a educação destas
crianças, que começou com Itard e Séguin, ficou confinado à margem do
processo científico, prevalecendo o organicismo como campo exclusivo da ciência
médica. No início do século XX, a organização sócio-cultural assegura
tratamentos diferenciados: abandono, confinamento em instituições, com ensino
ou não de trabalhos ou a colocação no hospício com o objetivo de manter a
ordem social ou o equilíbrio familiar.
Com a obrigatoriedade da educação em massa, ainda no mesmo
século, Alfred Binet foi convidado pelo governo francês a testar crianças para a
formação de classes homogêneas. Isso veio ao encontro de seu objetivo: o do
diagnóstico psicológico da deficiência mental. Se o diagnóstico médico é aceito
para os mais graves, para os mais leves é necessário um conjunto de métodos
que leve em conta a sintomatologia anatomofisiológica ao lado da avaliação
psicológica. Em 1905, por solicitação do governo francês, Alfred Binet publica
uma escala métrica de inteligência que ele havia elaborado com Theodore Simon
que tinha por meta medir o desenvolvimento da inteligência das crianças de
acordo com a idade (idade mental). Este trabalho foi o ponto de partida para
muitos outros testes, em particular o de QI (quociente intelectual).
Assim, o legado que Binet recebe de Séguin é a idéia de que há uma
continuidade de graus de inteligência e cabe a ele defini-la em termos que
permitam comparar, efetivamente, o desenvolvimento normal e atrasado.
Concomitante a esse avanço pedagógico, surge uma propagação
alarmista do perigo social que a pessoa com deficiência representava. Como não
se podia justificar essa posição pela falta de conhecimentos biomédicos e
psicológicos, só restava a explicação da determinação política da produção
científica. Estudos genealógicos foram feitos para provar o caráter hereditário da
deficiência, chamando a atenção dos políticos, dos planejadores e demógrafos
para o problema que as pessoas com este acometimento representavam para a
ordem e saúde públicas. A partir daí, observaram-se esterilizações, em vários
pontos do mundo, como uma medida preventiva.
Apesar dos progressos nas áreas da bioquímica, da genética, do
diagnóstico médico e da psicologia infantil, a deficiência ainda carrega a marca da
maldição ou castigo do céu e do fatalismo clínico da hereditariedade inevitável.

1.2. História do Atendimento à Pessoa com Deficiência no Brasil
A história da Educação Especial no Brasil foi determinada, pelo menos
até o final do século XIX, pelos costumes e informações vindas da Europa. O
abandono de crianças com deficiências nas ruas, portas de conventos e igrejas
era comum no século XVII, que acabavam sendo devoradas por cães ou
acabavam morrendo de frio, fome ou sede. A criação da "roda de expostos" em
Salvador e Rio de Janeiro, no início do século XVIII e, em São Paulo, no início do
século XIX, deu início a institucionalização dessas crianças que eram cuidadas
por religiosas.

16
A Constituição de 1824, outorgada
por D. Pedro I, privava do direito
político o incapacitado físico ou
moral (título II, artigo 8º, item 1).

Constituição de 1824

O Hospital Juliano Moreira em Salvador, Bahia, fundado em 1874 é
considerado como a primeira instituição para atendimento às pessoas com
deficiência mental.
A influência da Medicina na educação destas pessoas perdurou até por
volta de 1930. Atrelada aos pressupostos higienistas da época, o serviço de
saúde do governo orientava o povo para comportamentos de higiene e saúde nas
residências e nas escolas. Dentro desse princípio, a deficiência mental foi
considerada problema de saúde pública e foi, então, criado o Pavilhão
Bourneville, em 1903, no Rio de Janeiro, como a primeira Escola Especial para
Crianças Anormais. Mais tarde, foi construído um pavilhão para crianças no
Hospício de Juquery. A Medicina foi sendo gradualmente substituída pela
Psicologia e a Pedagogia. Agora não mais mortos ou abandonados, mas
institucionalizados.
Entretanto, tais iniciativas aconteciam nos grandes centros. No geral,
as crianças com deficiências continuavam sendo cuidadas em casa ou
institucionalizadas.
Foi um dos primeiros a estudar a Deficiência
Mental no Brasil, enfatizando a necessidade do
atendimento médico-pedagógico criando uma
equipe multidisciplinar para trabalhar com as
crianças com deficiência.

Ulysses Pernambucano de Melo Sobrinho
(1892-1943)

Durante as primeiras décadas do século XX, o país vivenciou a
estruturação da República e o processo de popularização da escola primária.
Neste período, o índice de analfabetismo era de 80% da população. Surge o
movimento da "escola-nova", que postulava: a crença no poder da educação
como ponto de transformação social, o interesse por pesquisas científicas, a

17
preocupação em reduzir as desigualdades sociais e estimular a liberdade
individual da criança. O ideário da "escola-nova" permitiu a penetração da
Psicologia na Educação, resultando no uso de testes de inteligência para
identificar as crianças com deficiências.
Na década de 30, chega ao Brasil a psicóloga e educadora Helena
Antipoff, russa de nascimento, para coordenar os cursos de formação de
professores no Estado de Minas Gerais. Acabou criando os serviços de
diagnósticos e classes especiais nas escolas públicas desse estado, que depois
se estendeu para outros estados.
Fundou a Sociedade Pestalozzi e influenciou
a implantação da Associação de Pais e
Amigos dos Excepcionais (APAE) em 1954.

Helena Antipoff

A influência do movimento escolanovista na Educação, no nosso país,
ainda que defendesse a diminuição das desigualdades sociais, ao enfatizar o
estudo das diferenças individuais e a proposição de ensino adequado e
especializado, acabou contribuindo para a exclusão dos diferentes das escolas
regulares.
Até mais da metade do século XX, o atendimento à pessoa com
deficiência foi implementado através da institucionalização, da implantação de
escolas especiais mantidas pela comunidade e de classes especiais nas escolas
públicas para os variados graus de deficiência mental. Houve, também, pouca
preocupação com a conceituação e a classificação da deficiência. Os critérios de
seleção eram vagos, baseados em desempenho escolar ruim. Para exemplificar o
texto acima: em 1949, havia cerca de 40 estabelecimentos de ensino para
pessoas com deficiência mental no país. Desses serviços, 27 estavam nas
escolas públicas e os demais eram instituições particulares ou beneficentes. Em
1959, o número de instituições para pessoas com deficiência era de 190 e,
destas, 77% eram públicas.
Como o sistema público não dava conta da demanda, observou-se, a
partir de 1960, o crescimento das instituições de natureza filantrópica, sem fins
lucrativos, as APAEs (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) que
ofereceriam atendimento aos casos mais graves de deficiência mental.
Também, por volta de 1960, inicia - se o movimento sobre educação
popular, a tão falada "educação para todos". Ao estender a possibilidade de
matrícula às classes populares, sem que as condições de ensino fossem
reestruturadas, o índice de evasão e reprovação cresceu. A partir daí, começa a
surgir a equação entre o fracasso escolar e a "deficiência mental leve" com a
implantação maciça de classes especiais nas escolas públicas para solucionar o
problema.

18
Esse quadro acabou referendando que a culpa do fracasso escolar
estava na criança, uma vez que o grande número de repetências não significava o
indivíduo adulto improdutivo. Ainda que fossem incompetentes para aprender o
que a escola tentava ensinar, trabalhavam, casavam-se etc. Caracterizava-se,
então, como "deficiência mental escolar".
Por volta de 1970, havia mais de 800 estabelecimentos de ensino
especial no Brasil. Em junho de 1973, é criado o Centro Nacional de Educação
Especial (CENESP), o primeiro órgão oficial para definir a política de Educação
Especial no país, ainda que houvesse nos seus planos uma tendência em
privilegiar a iniciativa privada, marcadamente assistencialista, em detrimento dos
serviços públicos de ensino especial.
Em 1986, é criada a Coordenadoria Nacional para Integração da
Pessoa Portadora de Deficiência (CORDE) que tem como objetivo coordenar as
ações em Educação Especial.
As Diretrizes da Educação Especial, da Secretaria da Educação do
Estado de São Paulo, de 1987, indicava que "[....] o aluno excepcional deve ser
integrado no processo educacional comum para que possa utilizar-se, da melhor
maneira possível, das oportunidades educacionais oferecidas aos alunos em
geral".
O que se observava, no entanto, era a retirada de crianças do ensino
regular, encaminhando-as para o ensino especial1. Nessa época, o
encaminhamento da escola comum para os serviços especiais definia o caminho
para a segregação e a exclusão do sistema regular:
a) Durante os primeiros meses, o professor identificava aquelas
crianças que, segundo suas crenças ou expectativas, iriam fracassar;
b) Já que eram incapazes, eram encaminhadas para avaliação
psicológica ou médica que legitimava o rótulo estabelecido previamente pelo
professor;
c) Eram, então, colocadas nas classes especiais, com a chance
mínima de retorno ao sistema escolar regular.
O aluno tornava-se, então, responsável por um problema que não era
dele, mas do sistema educacional. As avaliações dos alunos feitas por
profissionais fora do sistema escolar (médicos e psicólogos) desconsiderava a
história escolar da criança, utilizando-se de um instrumental fora do contexto
escolar. Em resumo, essa forma de lidar com aqueles alunos que não
conseguiam se apropriar dos conteúdos apresentados pelo professor, mascarava
a incapacidade do sistema de lidar com as diferenças individuais, com a
heterogeneidade da sua clientela. Havia um aspecto social determinante nessa
atuação: as crianças que fracassavam eram, em sua maioria, provenientes de
famílias de baixo nível sócio-econômico.
1

A nova Política Nacional de Educação Especial (2007), na perspectiva da Educação Inclusiva,
compreende o ensino especial como um conjunto de recursos, serviços e atendimento
educacional especializado, disponibilizado aos alunos com deficiência.

19
Em 1988, a Constituição traça linhas mestras visando a democratização
da educação brasileira.
A Constituição Federal (1988) estabelece que a educação é
direito de todos, garantindo atendimento educacional
especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente
na escola regular.

Em 1989, a Lei Federal 7853 ­ que institui a tutela jurisdicional
de interesses coletivos ou difusos das pessoas com
deficiência, disciplina a atuação do Ministério Público e define
crimes ­ no item da Educação, prevê a oferta obrigatória e
gratuita da Educação Especial em estabelecimentos públicos de ensino e prevê
crime punível, com reclusão de um a quatro anos e multa para os dirigentes de
ensino público ou particular que recusarem e suspenderem, sem justa causa, a
matrícula de um aluno.
Em 1990, o Brasil aprova o Estatuto da Criança e do
Adolescente (ECA), que reitera os direitos garantidos na
Constituição: atendimento educacional especializado para
portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de
ensino.
Em 1994, dirigentes de mais de oitenta países se
reuniram na Espanha, inclusive do Brasil, e assinaram a
Declaração de Salamanca, um dos mais importantes
documentos de compromisso de garantia de direitos
educacionais. Ela proclama as escolas regulares inclusivas como o meio mais
eficaz de combate à discriminação, determinando que as escolas devem acolher
todas as crianças, independentemente de suas condições físicas, intelectuais,
sociais e emocionais.
Em 1996, a Lei Federal 9394/96, que estabelece as diretrizes e bases
da educação nacional, ajustou-se à legislação federal e apontou que a educação
das pessoas com deficiência deve dar-se, preferencialmente, na rede regular de
ensino.
Em 1998, o MEC
(Ministério da Educação)
lança documento contendo
as adaptações que devem
ser
feitas
nos
PCNs
(Parâmetros
Curriculares
Nacionais), a fim de colocar
em prática estratégias para a
educação de alunos com
deficiência. E, em 2001, o
Ministério
publica
as
Diretrizes Nacionais para a
Educação
Especial
na
Educação Básica.
Fonte: www.fundacaofia.com.br/ceats/eca gibi/capa.htm

20
Ainda que haja legislação que preconiza o atendimento às pessoas com
deficiência, o mesmo não chega a 40% da população que necessita dos serviços
especializados.
No entanto, a colocação de crianças com deficiência na rede pública
tem aumentado, conforme o Censo Escolar do MEC/INEP (2006), passando,
paulatinamente, a responsabilidade desse atendimento para as esferas
municipais, estaduais e federais e não mais para as entidades beneficentes,
mantidas com o auxílio da comunidade.
Os Avanços da Política de Educação
10 0 %
90%

87,0%

83,1%

80%

78,6%

79,9%

75,4%

71,2%

70%

65,6%

60%

59,0%
53,6%
46,4%

50%
40%
30%
20%
10 %
0%

13,0%
1998

16,9%

21,4%

20,1%

1999

2000

2001

24,6%

2002

28,8%

2003

34,4%

2004

41,0%

2005

2006

Matrículas em Escolas Especializadas e Classes Especiais
Matrículas em Escolas Regulares/Classes Comuns
Fonte: Censo Escolar MEC/INEP (2006)

A situação atual da Educação Especial aponta para a inclusão como um
avanço porque:
· Em vez de focalizar a deficiência na pessoa, enfatiza o ensino e a
escola;
· Busca formas e condições de aprendizagem, em vez de procurar no
aluno a origem do problema.
E o resultado desta nova visão é:
· A escola deve prover recursos e apoios pedagógicos para que o
aluno obtenha sucesso escolar;
· Ao invés do aluno ajustar-se aos padrões de "normalidade" para
aprender, a escola deve ajustar-se à "diversidade" dos seus alunos.
Pessoas com deficiência mental são as que mais necessitam de apoio
educacional porque esse tipo de deficiência é o mais freqüente na população,

21
conforme mostra a tabela a seguir, requerendo, portanto, uma atenção maior do
sistema escolar.

As Matrículas da Educação Básica/ 2006

A educação inclusiva é um processo em que se amplia a participação
de todos os estudantes nos estabelecimentos de ensino regular. Trata-se de uma
reestruturação da cultura, da prática e das políticas vivenciadas nas escolas de
modo que estas respondam à diversidade de alunos. É uma abordagem
humanística, democrática, que percebe o sujeito e suas singularidades, tendo
como objetivos o crescimento, a satisfação pessoal e a inserção social de todos.
Uma escola é inclusiva quando todos da equipe escolar ­ diretores,
professores, secretaria, serviços gerais ­ participam ativamente desse projeto.
É compromisso da escola inclusiva:
· Promover mudança de atitudes discriminatórias ­ a escola deverá trabalhar com
quebra de tabus, estigmas, desinformação, ignorância ­ que levam as pessoas a
terem atitudes negativas em relação aos seus alunos com deficiência.
É papel do professor:
· Valorizar as diferenças ­ ser diferente e único é uma característica de todo ser
humano;
· Descobrir e valorizar as potencialidades ­ cada um tem capacidades próprias;
devem ser descobertas, proclamadas, cultivadas e exploradas;
· Valorizar o cooperativismo ­ promover a solidariedade entre crianças com
deficiência e seus colegas. O aluno sem deficiência aprende a ajudar alguém em
suas reais necessidades e isto diminui tabus, mitos e preconceitos;
· Mudar sua metodologia ­ individualizar o ensino, trabalhar de forma diversificada,
avaliar permanente e qualitativamente;
· Oferecer, quando necessário, serviços de apoio para suprir dificuldades individuais
­ alunos que necessitam devem utilizar outras modalidades de serviços: reforço,
professor itinerante, sala de recursos, desde que associados ao que está
aprendendo na sala regular.

22
O aluno com deficiência, na convivência com seus pares da mesma
idade, estimula seu desenvolvimento cognitivo e social, demonstrando maior
interesse pelo ambiente que o cerca e apresenta comportamentos próprios para
sua idade. O professor deve estar atento à interação estabelecida entre os alunos
com e sem deficiências, promovendo, não só as aprendizagens acadêmicas,
como o relacionamento entre eles e o aumento da auto-estima da criança com
deficiência, auxiliando sua integração na classe. A segregação ou integração
depende do tipo de relação estabelecida entre a pessoa com deficiência e aquela
que não a apresenta.
O que o professor ganha com a inclusão:

· Exercita sua competência em realizar projetos educacionais mais
completos e adaptados às necessidades específicas dos seus alunos;
· Desenvolve a responsabilidade pela aprendizagem de seus alunos.
Pesquisas atuais têm mostrado que há uma tendência de professores e
alunos de classes regulares em aceitarem a inclusão de crianças com deficiência;
todavia, faltam informações sobre elas e suas condições, faltam informações
sobre avaliação, faltam informações sobre práticas pedagógicas...
Não pretendemos resolver tudo. Vamos dividir com vocês o que
sabemos.

23
Unidade II: Conceito de Deficiência Mental

Olá novamente, professor!
Nesta unidade, você vai descobrir as diferentes
definições de deficiência mental e suas implicações.
Vamos lá?!!!

O que é deficiência? À primeira vista, o termo deficiência parece não
envolver problemas quanto à sua definição. Ao vermos alguém em uma cadeira
de rodas, ou usando muletas, logo chegamos à conclusão que estamos frente a
uma pessoa "deficiente", que sofre, de uma forma ou outra, limitações em seus
movimentos. Porém, são limitações visíveis que nem sempre tornam a pessoa
"limitada" em todos os aspectos da sua vida. Se perguntarmos a um cadeirante
que trabalha, estuda etc., se ele é "deficiente", provavelmente ouvirá dele que
não. Se perguntarmos a ele quem é "deficiente", é possível que se refira a alguém
que tem alguma incapacidade diferente da sua.
Na tentativa de resposta às necessidades de se conhecer melhor as
conseqüências das doenças, em 1976, a OMS publicou a International
Classification of Impairment, Disabilities and Handicaps (ICIDH) em caráter
experimental. Ela foi traduzida para o Português como Classificação Internacional
das Deficiências, Incapacidades e Desvantagens (handicaps), a CIDID3. De
acordo com esse marco conceitual, impairment (deficiência) é descrita como as
anormalidades nos órgãos e sistemas e nas estruturas do corpo; disability
(incapacidade) é caracterizada como as conseqüências da deficiência do ponto
de vista do rendimento funcional, ou seja, no desempenho das atividades;
handicap (desvantagem) reflete a adaptação do indivíduo ao meio ambiente
resultante da deficiência e incapacidade (FARIAS; BUCHALLA, 2005). O
processo de revisão dessa classificação, realizado em maio de 2001 (OMS,
2003), apontou falhas como falta de relação entre as dimensões que a compõem,
a não abordagem de aspectos sociais e ambientais, entre outras.
O documento emitido pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas
com Deficiência, da ONU (Organização das Nações Unidas), ratificado pelo
Brasil, em 2006, define, no Artigo 1º, pessoas com deficiência como "(...) aquelas
que têm impedimentos de natureza física, mental, intelectual ou sensorial
permanentes, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua
participação plena e efetiva na sociedade em bases iguais com as demais
pessoas".
Seguindo esta linha de definições, a Associação Americana de Retardo
Mental (AAMR, sigla em inglês), criada em 1876, lidera o campo de estudo sobre
deficiência mental, definindo conceituações, classificações, modelos teóricos e
orientações de intervenção em diferentes áreas. Dedica-se à produção de

24
conhecimentos e os tem publicado e divulgado, em manuais, relatando os
avanços e informações relativos à terminologia e classificação. Editou o primeiro
manual em 1921 e o último em 2002. Embora secular, influencia sistemas de
classificações internacionalmente conhecidos como o DSM-IV e a CID-10. O atual
modelo proposto pela AAMR, o Sistema 2002, consiste numa concepção
multidimensional, funcional e bioecológica de deficiência mental, agregando
sucessivas inovações e reflexões teóricas e empíricas em relação aos seus
modelos anteriores. Apresenta a seguinte definição de retardo mental (expressão
adota por seus proponentes) (CARVALHO; MACIEL, 2003):
A deficiência é caracterizada por limitações significativas no funcionamento
intelectual e no comportamento adaptativo, como expresso nas habilidades
práticas, sociais e conceituais, originando-se antes dos dezoito anos de
idade.
Definição que caracteriza a deficiência mental não como um atributo da
pessoa, mas um estado particular de funcionamento.
Levando-se em consideração tais conceituações, no processo de
diagnóstico é importante observar, portanto, três critérios: (a) o funcionamento
intelectual; (b) o comportamento adaptativo, e (c) a idade de início das
manifestações ou sinais indicativos de atraso no desenvolvimento.
A inteligência é concebida como capacidade geral, incluindo raciocínio,
planejamento, solução de problemas, pensamento abstrato, compreensão de
idéias complexas, rapidez de aprendizagem e aprendizagem por meio da
experiência. As habilidades intelectuais são objetivamente avaliadas por meio de
testes psicométricos de inteligência. A dimensão intelectual é um dos indicadores
de déficit intelectual e, apesar de ainda ter muito peso, sozinho não é suficiente
para o diagnóstico da deficiência. No processo avaliativo da inteligência é preciso
considerar: (a) a qualidade dos instrumentos de medida ­ o teste deve ser
validado para nossa população; (b) o avaliador deve saber aplicar e interpretar os
resultados dos testes empregados; (c) é preciso considerar o contexto ambiental
e sócio-cultural da criança na interpretação dos resultados do processo avaliativo
e; (d) é preciso conhecer a trajetória escolar da criança, avaliando as condições
de ensino a que foi exposta.
O comportamento adaptativo é definido como o conjunto de habilidades
conceituais, sociais e práticas adquiridas pela pessoa para corresponder às
demandas da vida cotidiana. Limitações nessas habilidades podem prejudicar a
pessoa nas relações com o ambiente e dificultar o convívio no dia-a-dia. As
habilidades conceituais são relacionadas aos aspectos acadêmicos, cognitivos e
de comunicação. São exemplos dessas habilidades: a linguagem (receptiva e
expressiva), a leitura e escrita e os conceitos relacionados ao exercício da
autonomia. As habilidades sociais são relacionadas à competência social. São
exemplos dessas habilidades: a responsabilidade, a auto-estima, as habilidades
interpessoais, a ingenuidade (probabilidade de ser enganado, manipulado e alvo
de abuso ou violência etc.); a observância de regras, normas e leis e a
capacidade de evitar vitimização. As habilidades de vida prática são as
relacionadas ao exercício da autonomia. São exemplos: as atividades de vida

25
diária ­ alimentar-se e preparar alimentos, arrumar a casa, deslocar-se de
maneira independente, utilizar meios de transporte, tomar medicação, manejar
dinheiro, usar telefone, cuidar da higiene e do vestuário; as atividades
ocupacionais ­ laborativas e relativas a emprego e trabalho; e, as atividades que
promovem a segurança pessoal. Não há no Brasil instrumentos padronizados
para avaliar o comportamento adaptativo.
A inclusão tem sido marcada pelo conceito de normalização que implica
em oferecer à pessoa com deficiência condições de vida tão normais quanto seja
possível para todas as pessoas, isto é, a sociedade deve organizar-se para
eliminar barreiras e oferecer condições para que todas as pessoas desenvolvam
suas potencialidades. Isso significa:
· Eliminar serviços que criem estigmas. Por exemplo: serviço de
odontologia para pessoas com deficiência. Enquanto pessoas devem usufruir dos
mesmos serviços para qualquer cidadão comum;
· Tratar a pessoa de acordo com a sua idade cronológica. Tratá-la
como criança quando é adolescente, segundo nossa percepção e expectativa,
pode influenciar negativamente sua auto-estima;
· Favorecer
o
desenvolvimento
das
competências
dando
oportunidades para exercê-las;
· Permitir que a criança tenha acesso a bons modelos de
comportamentos. A escola regular é, com certeza, um bom lugar;
· Melhorar a imagem social das pessoas com deficiência;
· Favorecer a integração e a participação social de forma que possa
ter boas experiências, tomar decisões, escolher e assumir papéis sociais
importantes.
A definição proposta pela AAMR (2007), afinada com o princípio de
normalização, ressalta a importância dos apoios como mediadores entre o
funcionamento do sujeito e as demandas ambientais, propiciando estímulo ao
desenvolvimento e à aprendizagem da pessoa com deficiência mental ao longo
da vida. De acordo com sua intensidade, os apoios podem ser classificados em:
(a) intermitentes ­ são episódicos, disponibilizados apenas em
momentos necessários, com base em demandas específicas. Aplicados
particularmente em momentos de crise ou períodos de transição no ciclo de vida
da pessoa, no caso de crianças que permanecem internadas periodicamente para
tratamento;
(b) limitados ­ são caracterizados por sua temporalidade limitada e
persistente. Destinam-se a apoiar pequenos períodos de treinamento ou ações
voltadas para o atendimento a necessidades que requeiram assistência temporal
de curta duração, com apoio mantido até sua finalização, como por exemplo,
quando a pessoa sofre um acidente e fica temporariamente imobilizada;
(c) extensivos ­ são caracterizados por sua regularidade e
periodicidade (por exemplo, diariamente, semanalmente). Recomendados para
alguns ambientes (escola, trabalho, lar), sem limitações de temporalidade, como
por exemplo, pessoas com deficiência mental que precisam de auxilio específico
para aprender habilidades de vida diária, acadêmica ou de vida prática,
possibilitando que desenvolvam repertório que garantam sua independência e,
até mesmo sua sobrevivência.

26
(d) pervasivos ­ são constantes, estáveis e de alta intensidade.
Disponibilizados nos diversos ambientes, potencialmente durante toda a vida. São
generalizados, podendo envolver uma equipe com maior número de pessoas,
como por exemplo, pessoas que necessitam de cuidados constantes e não
sobreviveriam sem supervisão e auxilio.
Todavia, as definições científicas só têm sentido se forem incorporadas
no dia-a-dia das pessoas que convivem com a pessoa com deficiência mental.
Esse movimento significa rever as crenças que se tem sobre deficiência e
deficientes. É preciso acreditar que as pessoas com deficiência mental podem
aprender e, também, acreditar que você professor pode ensiná-las. É o seu
conceito de deficiência que está em jogo quando você o aceita ou não na sua sala
de aula, promovendo ou não condições para que elas aprendam novos
repertórios e se desenvolvam.
Qual é, afinal, o conceito que você tem sobre deficiência mental?

Atividade
A atividade proposta agora corresponderá às Unidades I e II.
Você professor, também está construindo a história da Educação Especial no
Brasil, no seu estado, no seu município, na sua escola e na sua sala de aula.
Se você já teve, na sala de aula, crianças com deficiência mental, conte um
pouco dessa experiência, elaborando uma narrativa de no máximo 15 linhas.
Relate pontos positivos e negativos da mesma. Quanto aos pontos negativos,
tente sugerir soluções para eles.
Mesmo que não tenha tido experiência com crianças com deficiência mental
incluídas, destaque pontos positivos e negativos da inclusão. Quanto aos
pontos negativos procure apresentar soluções para eles.
Após a elaboração desta narrativa, você deverá:
·
·

Primeiro: postá-la no Portfólio do Ambiente TelEduc;
Segundo: fazer comentários sobre sua experiência no Fórum de
Discussão do Ambiente TelEduc.

27
Unidade III: Etiologia da Deficiência Mental

Vamos falar sobre a incidência e as causas e fatores
de risco para a deficiência mental! Fique atento às
palavras novas que aparecerão no texto. Seus
significados encontram-se no Glossário. Boa leitura!

Incidência
Os estudos epidemiológicos documentam que a prevalência da
deficiência mental varia em função da definição adotada e dos critérios de
diagnóstico utilizados, da representatividade da população estudada e da
influência de variáveis como a idade, o nível sócio-econômico e cultural ou as
condições educativas e de saúde da população.
Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS),
aproximadamente 10% de qualquer população apresentam algum tipo de
deficiência. O Brasil possui atualmente cerca de 180 milhões de habitantes, logo,
18 milhões de pessoas possuiriam algum tipo de deficiência. Porém, no Censo
Demográfico Brasileiro de 2001, declararam-se como pessoas com deficiência um
total de 24,6 milhões de pessoas, o equivalente a 14,5% da população brasileira.
O maior percentual se encontra na região nordeste (16,8%) e o menor na região
sudeste (13,1%). Dessa população, 48,1% apresentam deficiência visual; 22,9%
deficiência motora; 16,7% deficiência auditiva; 8,3% deficiência mental e 4,1%
deficiência física (CORDE, 2004).
Enquanto os números de deficiências sensoriais (auditivas e visuais)
presentes na população estão relacionados à idade, acredita-se que o número de
pessoas com deficiência mental esteja relacionado ao grau de desenvolvimento
do país. Países em desenvolvimento mostram porcentagens mais elevadas para
a presença desta deficiência, do que os países desenvolvidos. Um dos fatores
levantados para tal ocorrência seria as ações preventivas aplicadas à população.
Quanto mais cedo forem realizadas as intervenções na busca pela prevenção da
deficiência mental, melhor será a qualidade de vida da população e,
conseqüentemente, haverá um decréscimo no número de casos, em geral.
Causas e Fatores de Risco
A presença de fatores de risco é uma constante durante o
desenvolvimento do homem desde sua concepção. Tais fatores, se presentes,
têm ação desconhecida sobre o desenvolvimento de um embrião, feto ou bebê,
dependendo da idade do mesmo no momento da exposição, da quantidade do
agente, da susceptibilidade genética (predisposição) e do mecanismo patogênico
específico de cada agente teratogênico. Todas essas variáveis têm, então, peso
relativo, dificultando a identificação segura do agente e dos efeitos da sua ação.

28
São várias as causas e fatores de risco que podem levar à deficiência
mental; entretanto, é importante ressaltar que, muitas vezes, mesmo utilizando os
sofisticados recursos diagnósticos atuais, desconhece-se a etiologia (causa) de
40 a 50% dos casos de deficiência mental. Os fatores etiológicos podem
acontecer antes, durante e depois do nascimento.
Fatores de Risco e Causas Pré-Natais:
São aqueles fatores que incidirão desde a concepção até o início do
trabalho de parto. Alguns são gerais, cuja ocorrência e os prováveis efeitos no
bebê são de difícil identificação, como por exemplo, a desnutrição materna e a
assistência médica inadequada à gestante.
Entre os fatores de risco que podem estar presentes antes do
nascimento estão: a) fatores maternos, de ordem somática, como: desordens
genéticas, filhos natimortos, prematuros ou abortos recorrentes, incompatibilidade
sangüínea, fertilidade reduzida, idade da mãe (mais de 40 anos e menos de 15),
doenças infecciosas durante a gravidez, exposição ao Raio X, uso de drogas,
fumo ou álcool, ingestão de remédios em excesso ou de vitaminas A e B, toxemia
gravídica, gravidez múltipla, hipertensão e epilepsia; b) fatores psicológicos:
desordens psiquiátricas, não aceitação da gravidez; c) fatores sociais: renda
familiar muito baixa, falta de assistência médica pré-natal.
As alterações genéticas podem geralmente
resultar de transmissão hereditária, quando
um dos pais é portador, no seu código
genético, do gene causador da desordem, ou
ainda devido a anomalias nos cromossomos.
Estas podem ocorrer durante a divisão
celular. A pessoa pode ter cromossomos a
mais, a menos ou a estrutura destes se
encontrar modificada.
Imagem tridimensional de um cromossomo

Mais fáceis de identificar são os
efeitos das desordens genéticas, tanto por alterações cromossômicas (males
provocados por alteração no número de cromossomos), quanto gênicas (males
associados a alterações em genes específicos). Podem ainda afetar os indivíduos
em nível metabólico, associando a deficiência mental a alterações endócrinas ou
à incapacidade de produzir determinadas proteínas ou enzimas, quando
determinados genes associados a essas substâncias não funcionam. Entre as
alterações genéticas mais comuns estão a Fenilcetonúria e o Hipotireoidismo.
O Hipotireoidismo congênito também é uma doença hereditária, causada pela falta de
uma enzima, impossibilitando que o organismo forme o T4 (hormônio tireoidiano). Esta
falha enzimática impede o crescimento e desenvolvimento de todo o organismo
inclusive do cérebro, sendo a Deficiência Mental uma de suas manifestações mais
importantes. Seu tratamento baseia-se na administração de hormônio tireoidiano, sob
rigoroso controle médico, para que o indivíduo tenha vida normal. Estima-se que um em
cada três mil recém-nascidos é portador de hipotireoidismo congênito.

29
As alterações cromossômicas figuram entre as causas mais freqüentes
de deficiência mental. Entre as alterações cromossômicas, as mais comuns são a
Síndrome de Down e a Síndrome do X-Frágil.
Fatores de Risco e Causas Peri-Natais:
A Fenilcetonúria é uma
doença hereditária e se
caracteriza pela falta
de uma enzima em
maiores ou menores
proporções, impedindo
que o organismo
metabolize e elimine o
aminoácido
fenilalanina. Este, em
excesso no sangue é
tóxico, atacando
principalmente o
cérebro e causando
Deficiência Mental
irreversível. Também
pode levar a
convulsões, problemas
de pele e cabelo,
problemas urinários e
até invalidez
permanente. O
tratamento desta
doença se dá por meio
do controle alimentar
com dieta especial à
base de leite e
alimentos que não
contenham
fenilalanina, sob
rigoras orientação
médica, para que o
bebê fique bom e leve
uma vida normal.
Estima-se que um em
cada dez mil recémnascidos é portador de
fenilcetonúria.

São aqueles fatores que incidirão sobre o
desenvolvimento do bebê do início do trabalho de parto
até o 30º dia de vida do bebê. Entre os fatores de risco
peri-natais estão: a) condições do parto: trabalho de
parto demorado (mais de 18 horas), nascimento
precipitado, apresentação anormal do bebê, uso de
fórceps, prolapso do cordão umbilical, depressão
anestésica, ruptura tardia ou prévia da placenta, etc.; b)
condições do bebê: prematuros extremos com e sem
doença, pós-maturos com características acentuadas
de desnutrição com peso, ao nascer, inferior a 2.500 g.,
hiperbilirrubina nas primeiras 48 horas de vida,
hipotonia, hipertonia, tamanho anormal da cabeça,
presença de convulsões ou de componentes
convulsivos, tremores grosseiros e/ou excitabilidade
acentuada, bebê impregnado de mecônio ao nascer,
com anóxia crônica ou aguda, choro reduzido,
respostas anormais aos
reflexos,
dificuldades
respiratórias, excesso de muco ou salivação, sintomas
gastrointestinais, edemas generalizados, fontanela
tensa e abaolada, icterícia acentuada e/ou com sinais
neurológicos, face sindrômica, anomalias grosseiras,
apnéia ou qualquer outro tipo de problema respiratório
que ocorrer ao nascer, como dispnéia, exigindo o uso
do oxigênio etc.

Fatores de Risco e Causas Pós-Natais:
Os fatores de risco pós-natais são aqueles que incidirão
do 30º dia de vida até o final da adolescência. São eles:
a)
condições
do
bebê:
doenças
intensas,
manifestações clínicas de anormalidades congênitas
que não foram diagnosticadas no período pré-natal,
reação diminuída ao som e ao estímulo visual, atraso no desenvolvimento motor,
verbal ou adaptativo, peso e altura abaixo do normal, desidratação e subnutrição
acentuada; b) condições sociais: abandono e maus tratos, desorganização
familiar, organização inadequada do ambiente físico e temporal do lar, presença
de eventos estressantes da vida e redução das interações positivas da mãe com
a criança na primeira infância.

30
Síndrome Alcoólica Fetal (SAF): está é uma doença não relacionada a alterações
cromossômica ou gênica. Entretanto, é o quadro clínico mais freqüentemente
reconhecido dentre as deficiências mentais e físicas instaladas na gestação. É de
origem gestacional, associado ao consumo de álcool durante a gravidez. A exposição
pré-natal ao álcool não resulta necessariamente em SAF. Ainda assim, não se conhecem
níveis seguros de consumo de álcool durante a gravidez. A síndrome caracteriza-se
como um conjunto de transtornos físicos, mentais, neurológicos e comportamentais
manifestados ao longo da vida. As crianças com SAF têm um padrão distinto de
anomalias faciais e de deficiência de crescimento, como também, evidências de
disfunção do sistema nervoso central. Além da Deficiência Mental podem apresentar
outros déficits de origem neurológica como habilidades motoras comprometidas e uma
pobre coordenação entre a visão e os movimentos das mãos. Podem também ter um
padrão complexo de problemas de aprendizagem e de comportamento, abrangendo
dificuldades de memorização, atenção e julgamento. A prevenção tem sido um fator de
extrema importância para este quadro sindrômico. A SAF pode ser 100% prevenida
quando a mulher se abstém completamente do álcool durante sua gravidez.

Todavia, ao considerar os fatores de risco, é importante salientar que
cada fator tem peso variável na instalação da condição da deficiência; fatores
observados isoladamente podem não possuir validade preditiva. Ele é
probabilístico, aumentando a chance de aparecimento do problema conforme os
fatores de proteção disponíveis no ambiente, como diagnóstico precoce,
programas de estimulação etc. Há também uma interação contínua, ao longo do
tempo, entre fatores biológicos e ambientais no desenvolvimento da criança. Isso
significa que as condições ambientais tanto podem atenuar como agravar os
efeitos de risco, como por exemplo, o baixo grau de instrução dos pais e as
dificuldades inerentes ao serviço de saúde, comumente oferecido a esta
população, seja relacionado ao pré-natal, às condições de parto e ao
acompanhamento do recém-nascido.
A identificação precoce dessas condições e o encaminhamento das
crianças para serviços especializados possibilitam um trabalho preventivo, por
meio de programas de promoção de saúde e de estimulação essencial.
Como prevenção, entendemos um ato ou efeito de evitação da
ocorrência de acontecimentos prejudiciais à vida e à saúde ou minimização dos
efeitos, quando o dano já ocorreu.
A ação preventiva dos atrasos ou distúrbios de desenvolvimento pode
ser conduzida em três níveis:
· Prevenção primária: tem como objetivo promover a melhoria na
condição de vida da população por agências político/sociais de forma a garantir
saúde, educação, trabalho e moradia. Assim sendo, o objetivo é reduzir a
incidência de novos casos. A prevenção primária implica em alterar as condições
para um subgrupo particular considerado como de risco;
· Prevenção secundária: nesta, a criança já foi exposta às condições
adversas e as intervenções são feitas para reduzir e/ou eliminar a duração ou a
severidade dos seus efeitos;
· Prevenção terciária: a condição de atraso no desenvolvimento já
está instalada e os investimentos são feitos para minimizar as condições,
desenvolvendo ações que resultem em maior independência e autonomia do
indivíduo.

31
A Síndrome do X-Frágil é considerada a mais freqüente
entre as doenças de herança ligada ao cromossomo X e a
segunda causa genética de deficiência mental. A síndrome
tende a se repetir nas famílias, com alto risco de
recorrência na irmandade dos afetados. Estima-se que 1
em 2000 homens e 1 em 4000 mulheres sejam afetados
pela mutação completa, sendo, na maioria das vezes, os
homens mais gravemente afetados do que as mulheres. A
expressão "X-Frágil" deve-se a uma anomalia causada por
um gene defeituoso localizado no cromossomo X, que, por
sua vez, passa a apresentar uma falha numa de suas
partes. Essa falha ou "fragilidade do X" causa um conjunto
de sinais e sintomas clínicos (ou uma síndrome). Daí o
nome de Síndrome do X-Frágil. A principal manifestação
dos problemas desta revela-se no comprometimento da
área intelectiva: desde dificuldades de aprendizagem até
graus leve, moderado, severo ou profundo de retardo
mental, mesmo entre indivíduos de uma mesma família.
Entre os homens, este retardo costuma ser severo ou,
predominantemente, moderado, e entre as mulheres
(cerca de um terço), leve ou limítrofe.
Fragilidade do cromossomo X

Síndrome de Down: O nome Síndrome de Down surgiu a partir da descrição de John
Langdon Down, médico inglês que descreveu em 1866, pela primeira vez, as características
de uma criança com esta síndrome. Também pode ser chamada
de trissomia do cromossomo 21 e as pessoas que a possuem de
trissômicos. Esta síndrome pode ser identificada pela alteração
cromossômica. Os cromossomos (veja figura abaixo) são
estruturas que se encontram no núcleo de cada célula e que
contém as características hereditárias de cada pessoa. Em cada
célula existe um total de 46 cromossomos, dos quais 23 são de
origem paterna e 23 de origem materna. As pessoas com
Síndrome de Down apresentam 47 cromossomos em cada célula,
ao invés de 46 como as demais. Este cromossomo extra localizase no par 21; por este motivo, a síndrome poder ser chamada de
Trissomia do 21. Estima-se que em cada 550 bebês que nascem,
um tenha a Síndrome de Down. Geralmente há a presença da
combinação de várias características físicas: os olhos
apresentam-se com pálpebras estreitas e levemente oblíquas,
com prega de pele no canto interno (prega epicântica); a íris
freqüentemente apresenta pequenas manchas brancas (manchas de Brushfield); a cabeça
geralmente é menor e a parte posterior levemente
achatada; a moleira pode ser maior e demorar mais
para se fechar; a boca é pequena e muitas vezes
se mantém aberta com a língua projetando-se para
fora; as mãos são curtas e largas e, às vezes, nas
palmas das mãos há uma única linha transversal,
de lado a lado, ao invés de duas; a musculatura de
maneira geral é mais flácida (hipotonia muscular);
as orelhas são geralmente pequenas e de
implantação baixa; os dedos dos pés comumente
são curtos e na maioria das crianças há um espaço
Trissomia do cromosso 21
grande entre o dedão e o segundo dedo; muitas
têm pé chato.

32
GLOSSÁRIO
·
·
·
·
·
·
·
·
·
·
·
·

Agente teratogênico: agente físico ou químico capaz de produzir alterações
orgânicas em um indivíduo;
Apnéia: parada de respiração;
Cromossomo: unidade morfológica e fisiológica, visível ou não ao microscópio
óptico, e que contém a informação genética;
Dispnéia: dificuldade na respiração;
Fontanela: cada espaço mole encontrado na caixa óssea craniana, antes que
se tenha produzido nela a ossificação completa;
Gene: unidade hereditária ou genética, situada no cromossomo, e que
determina as características de um indivíduo;
Hipertonia: aumento de tônus;
Hipotonia: diminuição de tônus;
Mecanismo patogênico: capaz de produzir doenças;
Mecônio: substância escura ou esverdeada, e viscosa, que constitui as fezes
do bebê;
Tônus: contração muscular leve e contínua;
Toxemia gravídica: grupo de estados patológicos ligados à gravidez, e que se
exteriorizam como pré-eclampsia ou como eclampsia.

Links
Sugerimos, para maiores informações, o acesso aos sites:
http://sites.uol.com.br/gballone/infantil/dm1.html
http://www.xfragil.org.br,
http://www.sindromealcoolicafetal.org,
http://www.fsdown.org.br
http://www.xfragil.org.br
http://www.techs.com.br/apae/

33
Unidade IV: Legislação Vigente

Esta unidade discutirá a legislação atual sobre
deficiência. Para que possamos refletir sobre esta
legislação, será necessário que você realize a
atividade proposta abaixo. Então, bom trabalho!

Atividade

Antes de iniciar a leitura do texto "O que a comunidade quer saber sobre
educação inclusiva", que se encontra disponível para download, item "leituras",
no TelEduc, no formato PDF, elabore as seguintes listas:
· Liste os direitos que você acha que o professor tem com relação
à inclusão;
· Liste os deveres que você acha que o professor tem com relação
à inclusão;
· Liste os direitos que você acha que o aluno com deficiência
mental incluído tem;
· Liste os deveres que você acha que o aluno com deficiência
mental incluído tem.
Após realização desta primeira tarefa, vamos para a segunda tarefa. Leia o
texto e:
· Compare suas listas com o mesmo;
· Dessas listas, assinale em verde o que você não encontrou
descrito no texto;
· Envie-nos as listas completas postando-as no Portfólio do
Ambiente TelEduc, que analisaremos os itens levantados por
você, retornando-os com comentários.

34

Referências
AAMR (American Association on Mental Retardation) Retardo Mental: definição,
classificação e sistemas de apoio. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2007.
BRASIL. Constituição Federal de 1988. Brasilia. FAE, 1989.
CARVALHO, E.N.S.; MACIEL, D.M.M.A. Nova concepção de deficiência mental
segundo a American Association on Mental Retardation-AAMR: sistema 2002.
Temas em Psicologia, v. 11, n. 2, 2003.
CORDE. Relatório sobre a prevalência de deficiências, incapacidades e
desvantagens. Niterói: Ministério da Justiça/CORDE/ AFR, 2004. 53p.
FARIAS, N.; BUCHALLA, C.M. A Classificação Internacional de Funcionalidade,
Incapacidade e Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 8, n. 2, p. 18793, 2005.
MENDES, E.G.; RODRIGUES, O.M.P.R.; CAPELLINI, V.L.M.F. O que a
comunidade quer saber sobre educação inclusiva. Revista Brasileira de
Educação Especial, v. 9, n.2, p. 181-194, 2003.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS), CIF: Classificação Internacional
de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo: Editora da Universidade
de São Paulo ­ EDUSP, 2003.

Bibliografia consultada
ALMEIDA, A.L.J. A pessoa com deficiência em Portugal e Brasil: desafios para
ações em saúde. Hygéia, v. 2, n. 3, p. 47-56, 2006.
ALVES, P.P. et al. O desenvolvimento cognitivo de bebês prematuros e alguns
aspectos neuromotores associados. Pediatria Moderna, v. 33, n. 7, p. 234-241,
1997.
BALLONE,
G.J.
Deficiência
Mental.
Disponível
em
Acessado em: 22 ag. 2007.
BRASIL. Lei nº 9394, de 20/12/96. Estabelece as Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Diário da União. Ano CXXXIV, nº 248, de 23/12/96.
EISENTEIN, E.; SOUZA, R.P. Situações de risco à saúde de crianças e
adolescentes. Petrópolis: Editora Vozes, 1993.
EMMEL, M.L.G. Deficiência mental. In: PALHARES, M.S.; MARINS, S. (Orgs).
Escola inclusiva. São Carlos: EdUFSCar, 2002. p. 141-153.
FERREIRA, J.R. Aprendendo sobre deficiência: um programa para crianças.
São Paulo: Menmon, 1998.
GIACHETI, C. M. Fonoaudiologia e Genética: estudos contemporâneos. In:
FERREIRA, L.P.; BEFI-LOPES, D.M.; LIMONGI, S.C.O. (Orgs.). Tratado de
Fonoaudiologia. São Paulo: Editora Roca, 2004. p. 1040-1053.
JANNUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao
inicio do século XXI. Campinas: Editora Autores Associados Ltda, 2004.
LUCKASSON, R. et al. Mental Retardation: definition, classification, and
systems of support. Washington, DC: American Association on Mental
Retardation. 2002.

35
MAZZOTTA, M.J.S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas.
São Paulo: Cortez, 1996.
MENDES, E.G. História da educação especial para portadores de deficiência
no Brasil. Mimeo, UFSCar, sd.
PESSOTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP,
1984.
RODRIGUES, O.M.P.R. Bebês de risco e sua família: o trabalho preventivo.
Temas em Psicologia, v. 2, p. 34-45, 2003.
SANSEVERINO, M.T.V.; SPRITZER, D.T.; SCHÜLER-FACCINI, L. (Orgs.).
Manual de teratogênese. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, 2003.
SCHWARTZMAN, J.S. Aula completa sobre deficiência mental. Disponível em
Acessado em: 22 ag. 2007.