HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO NO BRASIL: DO ENSINO DAS
PRIMEIRAS LETRAS À PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA

Juliana Brito de Araújo Cavalcante
UESPI/ São Raimundo Nonato-PI.
E-mail: [email protected]

RESUMO

É recente o interesse de pesquisadores pelo estudo sobre a história da alfabetização,
segundo Maciel (2008). A temática apresentada para este breve estudo, tem como
objetivo conhecer ao longo do processo histórico, como se apresenta a preocupação pelo
ensino das primeiras letras na história da alfabetização no Brasil, e após o processo de
universalização da escola, a alfabetização através dos métodos de ensino e a introdução
dos estudos da Psicogênese no Brasil, no final do século XX, enfatizando a influência
da teoria no ensino da alfabetização no país. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de
cunho historiográfico. O período é justificado por tratar-se de um estudo inicial o qual
deve ter continuidade, entendendo-se que no cenário da História da Educação brasileira,
foram grandes as transformações ocorridas ao longo dos séculos até os dias atuais,
momentos em que ocorreram grandes reformas no cenário da educação brasileira, no
contexto da alfabetização e as discussões entre o tradicional e o moderno persistem até
os dias atuais. Através do estudo historiográfico, observa-se, como em momentos
diferentes da História, vão se configurando novas forma de ensino da leitura e da
escrita, e que há uma grande transformação no pensamento sobre o início do processo
de escolarização, conhecido a partir do século XX como alfabetização, sendo esta
influenciada por diferentes métodos e diferentes teorias ao longo do tempo.
Palavras - chave: História da Alfabetização . Métodos. Psicogênese da Língua Escrita.

Abstract
Is the recent interest of researchers for the study of the history of literacy, according to
Maciel (2008). The theme presented for this brief study aims to know over the historical
process, as shown concern for the education of the first letters in literacy history in
Brazil, and after school universalization process, literacy through methods teaching and
the introduction of Psychogenesis studies in Brazil, in the late twentieth century,
emphasizing the influence of the theory in the teaching of literacy in the country. It is a
literature of historiographical nature. The period is justified because it is an initial study
which should be continued, it being understood that the scene of the history of Brazilian
education, were the major transformations over the centuries to the present day, times
when there were major reforms in the scenario of Brazilian education in the context of
literacy and discussions between the traditional and the modern persist to the present
day. By historiographical study, it is observed, as in different moments of history, will
be setting new form of reading and writing teaching, and that there is a major
transformation in thinking about the beginning of the schooling process, known from

century XX as literacy, which is influenced by different methods and different theories
over time.
Key - words: Literacy history. Methods. Psychogenesis of written language.

Introdução

O

problema

do

analfabetismo

sempre

esteve

presente

no

contexto histórico do Brasil, sendo considerado um dos fatores de subdesenvolvimento,
por vezes denominado como uma chaga, uma doença que impedia o desenvolvimento
econômico do país.
O presente artigo tem como objetivo, conhecer ao longo do processo histórico,
como se apresenta a preocupação pelo ensino das primeiras letras na história da
alfabetização no Brasil, e após o processo de universalização da escola, a alfabetização
através dos métodos de ensino e a introdução dos estudos da Psicogênese no Brasil, no
final do século XX.
É recente o interesse pelo estudo da história da alfabetização, visto que
inicialmente, os trabalhos centravam-se no analfabetismo e no tratamento estatístico do
número de analfabetos no país.
Estudo realizado por Maciel (2008), sobre "História da alfabetização:
perspectivas de análises", nos traz informações relevantes sobre essa temática,
demonstrando através do seu trabalho que a história da alfabetização tem sua
especificidade, e é também um campo interdisciplinar que não se esgota somente na
análise diacrônica dos métodos de alfabetização, mas também no repertório das cartilhas
didáticas, nas políticas de alfabetização de massa, na relação direta de alfabetização e
escolarização, alfabetização e desenvolvimento econômico. Segundo esta autora,

As últimas décadas do século XX marcaram um crescimento
bibliográfico e acadêmico na área da alfabetização. Até meados
da década de 1980, estudo e pesquisas sobre essa temática,
voltavam-se quase exclusivamente para os aspectos psicológicos
e pedagógicos, ou seja, quase exclusivamente para os processos
por meio dos quais o indivíduo aprende a ler e escrever, os
aspectos fisiológicos e neurológicos, os pré-requisitos para a
alfabetização e para os métodos de alfabetização. (MACIEL,
2008, p.229)

Esta afirmação demonstra como vem se apresentando o estudo historiográfico da
alfabetização, uma vez que os estudos não estavam voltados apenas para a análise
histórica do surgimento da alfabetização na História do Brasil, tendo como maior
preocupação os métodos de alfabetização e os dados estatísticos, e os aspectos por meio
dos quais a criança aprende a ler e escrever.
Percebendo-se, portanto, a complexidade do processo, ainda, segundo Maciel
(2008), os estudos direcionam-se para uma análise mais crítica dos aspectos
sociológicos, antropológicos, econômicos e políticos do processo de alfabetização ao
longo da História da alfabetização.
Em seu trabalho, esta autora toma como referência os resultados de pesquisas de
autores brasileiros que vêm desenvolvendo trabalhos sobre a aprendizagem inicial da
leitura e da escrita, através de teses e dissertações que fazem parte do acervo do CEALE
(Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita), um órgão da Faculdade de Educação da
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), sendo trabalhos que fazem uma
abordagem histórica na área de alfabetização.
A partir da leitura do trabalho de Maciel (2008), entendemos que a preocupação
dos historiadores passa a ser enfatizado na história cultural, na ampliação de uso das
fontes primárias, que traz como possibilidade de aproximarmos dos usos e funções
sociais do aprendizado da escrita em diferentes contextos sociais e, desse modo,
recuperar práticas culturais relativas à leitura e suas sociabilidades, segundo Chartier
(1996).
Atualmente, compreende-se o processo de alfabetização como uma prática
complexa, que deve ser contextualizada, partindo do cotidiano do aluno, ou seja, deve
está associada ao letramento, que conforme Soares (2001), é o estado ou condição de
quem não apenas sabe ler e escrever, mas cultiva e exerce as práticas sociais de leitura e
de escrita.
A alfabetização dissociada do letramento não atende as exigências sociais em
relação ao ler e escrever, pois na contemporaneidade há uma diversidade textual muito
ampla. Assim professor terá que trabalhar para que os alunos adquiram habilidades para
atender as demandas atuais da leitura e escrita.
No entanto, propomos neste trabalho um estudo inicial sobre o surgimento da
alfabetização, inicialmente, como o estudo das primeiras letras, nas escolas criadas
pelos padres jesuítas no período colonial, e após este período no momento de tentativa

de secularização do ensino, durante o século XIX e o desenvolvimento de métodos de
alfabetização através das cartilhas e a influência da Psicogênese da Língua Escrita no
final do século XX, cuja influência foi significativa no processo de ensino no contexto
da alfabetização de crianças.

O Brasil colonial e o ensino de primeiras letras.

Analisando o período histórico do Brasil, a partir da colonização, no século XVI,
com a vinda dos jesuítas em 1549, percebemos que nesse período, inicia-se no Brasil o
processo de alfabetização, ou seja, o ensino de primeiras letras, dos nativos e dos filhos
dos colonos. Com a educação jesuítica, a preocupação era estabelecer escolas e ensinar
as crianças a ler, escrever, a contar e a cantar.
Segundo Azevedo (1976), quinze dias depois de chegarem os jesuítas, já
funcionava uma escola de ler e escrever, início daquela sua política de instrução, que
eles haviam de manter inalterável através dos séculos de abrir sempre uma escola onde
quer que se erigissem uma igreja.
Nesse sentido, o objetivo da alfabetização dos jesuítas era cateczar os índios e
promover o processo de aculturação dos mesmos, incutindo sobre estes a cultura
européia e a religião cristã. Estes tiveram o monopólio da educação colonial durante 210
anos, difundindo a fé entre os pagãos através da alfabetização.
Posteriormente, segundo Paiva (2000), a certa altura da catequese dos índios, os
próprios jesuítas vão julgá-las desnecessárias. E os colégios se voltam para os filhos dos
colonos, sendo os jesuítas responsáveis pela educação das elites da colônia durante dois
séculos seguintes.
Mesmo que os jesuítas tenham concentrado sua política educacional na educação
de uma elite religiosa, eles iniciaram com a alfabetização dos filhos dos índios e dos
colonos. Dessas atividades surgiram dois tipos de escolas: a escola de ler e escrever e o
colégio.
A escola de ler e escrever limitava-se a ensinar aos meninos boas maneiras e a
técnica da leitura e da escrita. O colégio era o seminário, e ensinava-se principalmente
Moral, Filosofia e Línguas Clássicas. Depois, podia-se estudar Teologia, Direito ou
Medicina na Universidade de Coimbra, dirigida pelos jesuítas.

Essa orientação do sistema educacional, segundo Berger (1972), destinava-se a
oferecer aos filhos das famílias influentes uma educação clássica, humanística,
acadêmica e abstrata, que era o ideal para aquela época. O financiamento e a
administração do sistema escolar eram feitos pelos jesuítas, segundo a Ordem. As
diretrizes pedagógicas baseavam-se nas prescrições ortodoxas do radio studiorum.
Sobre a terminologia de instrução de alfabetização, Maciel (2008) afirma que,

No decorrer de todo o século XIX e nas primeiras décadas do
século XX, o termo mais comum para designar o ensino das
primeiras letras, como também todo o processo de
escolarização, era instrução. O autor afirma que a instrução
atendo aos princípios da instrução primária, proposta no século
XIX, visto que o verbete não significa nem discrimina quais os
conhecimentos e a habilidades a serem adquiridas pelos alunos,
inferindo portanto, que na concepção de instrução estava
implícita a alfabetização como uma das habilidades a serem
adquiridas (MACIEL, 2008, p.243).

O termo instrução inicialmente era utilizado para designar o ensino de primeiras
letras e, posteriormente, no século XX designava todo o processo de escolarização, o
que evidencia uma mudança no sentido da terminologia.
Segundo o dicionário da Língua Portuguesa, alfabetização é o ato ou efeito de
alfabetizar, de ensinar as primeiras letras; processo de aquisição de códigos alfabéticos e
numéricos; ato de propagar o ensino ou difusão das primeiras letras.
Para Soares (2009), alfabetização é a ação de alfabetizar, de tornar alfabeto.
Alfabetizar é ensinar a ler e a escrever, é tornar o indivíduo capaz de ler e escrever.
Conforme Freire (1983), a alfabetização é a criação ou a montagem da expressão escrita
da expressão oral.

Os métodos de alfabetização

A história da alfabetização no Brasil concentra-se no registro sobre os altos índices
de analfabetismo, no fracasso escolar nos primeiros anos de escolarização, além de focalizar
a avaliação dos métodos de ensino da leitura e da escrita. Neste entorno, conforme Mortatti
(2000), o transcurso da história da alfabetização é marcado por disputas entre os métodos
tradicionais e os modernos, enfatizados pelas orientações metodológicas para o ensino da
leitura e da escrita no combate ao analfabetismo.

Segundo Mortatti (2015), com a universalização do ensino, na segunda metade
do século XIX, as práticas de ensino foram sendo sistematizadas através de métodos e
de cartilhas, as quais foram utilizadas com uma variedade de métodos que eram
adotados.
Conforme Mortatti (2000), o transcurso da história da alfabetização é marcado
por disputas entre os métodos tradicionais e os modernos, enfatizados pelas orientações
metodológicas para o ensino da leitura e da escrita no combate ao analfabetismo. A
discussão em torno dos paradigmas da alfabetização articula-se aos estudos e análises
sobre os diferentes métodos do ensino da língua escrita.
Atualmente, os métodos tradicionais são alvos de críticas quanto ao seu aspecto
mecânico e positivista, por enfatizarem apenas os processos de codificação e
decodificação, utilizando a língua escrita como ferramenta didático-pedagógica. Neste
cenário de discussões sobre alfabetizar existem querelas entre diferentes tipos de
métodos. Com advento dos estudos de Ferreiro e Teberosky (1999) sobre a psicogênese
da escrita, essas querelas se fortaleceram fundadas em críticas ao construtivismo e
desmetodologização do ensino da língua escrita.
Por exemplo, no contexto escolar, em diferentes regiões do Brasil, o método
fônico tem ganhado espaço. Entendemos que as discussões sobre métodos de
alfabetização devem ter como eixo os métodos analíticos e sintéticos. Esses dois
métodos assentam-se em pressupostos diferentes, notadamente no que concerne ao
ponto de partida para o processo de alfabetização.
Os métodos sintéticos direcionam o ensino partindo das partes para o todo,
valorizando a correspondência entre som e grafema. São exemplos de métodos
sintéticos: soletração, silabação e método fônico.
Segundo Carvalho (2007), no método de soletração, também denominado
alfabético ou ABC, o ensino decorre da combinação entre letras e sons, baseando-se na
associação entre estímulos visuais e auditivos, voltados para a memorização das sílabas
e para formação de palavras isoladas. O método de silabação, ainda em uso, é
desenvolvido através de processo semelhante ao método da soletração, com ênfase
excessiva nos mecanismos de codificação e decodificação, apelo à memorização e às
famílias silábicas formando palavras e frases. A principal diferença entre estes métodos
é que no método de soletração não aparecem frases, só palavras soltas.
No método fônico, a ênfase é no desenvolvimento da consciência fonológica no
processo de alfabetização, valorizando as contribuições linguísticas e as relações entre

fonema e grafema. Os defensores deste método acreditam que se deve ensinar os sons
das letras para formar palavras e utilizam uma variedade de recursos didáticos e
sentenças descontextualizadas.
O método fônico utilizado no sistema de ensino, sendo alvo de críticas por
tratar-se de um processo mecânico de aquisição do código escrito, distanciado das
exigências de um ensino na perspectiva do letramento. A preocupação inicial é com o
processo de decodificação em detrimento do processo de compreensão e de construção
de significados.
Morais (2010), ao criticar o método fônico, afirma que este método apresenta
várias limitações e que não se justificam as explicações de seus defensores acerca do
princípio alfabético e da consciência fonológica utilizados como princípio básico que o
justificam. Afirma ainda, que a fonetização não é suficiente para levar a criança a
compreender o funcionamento da escrita para conquistar um aprendizado consistente na
construção de conhecimento sobre a escrita. No que concerne aos métodos analíticos ou
globais (palavração, sentenciação e métodos de conto), estes se caracterizam pelo
reconhecimento global das palavras.
O ensino da escrita tem início a partir de unidades significativas como palavras,
sentenças e contos. Segundo Mendonça (2004), os métodos globais surgiram com o
intuito de partir do contexto mais próximo do aluno.
Existem ainda os métodos que envolvem os dois tipos citados, os chamados
analíticos, ecléticos ou mistos. Os métodos ecléticos são descritos por Carvalho (2007)
como métodos que enfatizam a compreensão do texto desde o início da alfabetização e
identificam simultaneamente as relações entre fonema-grafema, características dos
métodos sintéticos.
Os métodos sintéticos e analíticos, apesar de suas peculiaridades e das
diferenças, apresentam semelhanças no tratamento dispensado à leitura e à escrita. Em
relação a este aspecto, Braggio (1992, p. 11) afirma que "[...] em síntese, a leitura e a
escrita são tratadas como mera aquisição da técnica de ler e escrever, com ênfase no
componente grafofônico da língua, como um fim em si mesmas, circunscritas às quatro
paredes da sala de aula [...]". A polêmica em torno dos métodos de alfabetização sobre a
eficiência de um ou de outro método, a chamada "querela dos métodos", caracteriza-se
pela disputa entre os métodos, entre os defensores dos métodos sintéticos e analíticos.
Atualmente, a disputa não está tão explícita, devido à rejeição que algumas abordagens

teóricas fazem dos métodos de alfabetização, principalmente, os tradicionais. Porém, o
método fônico, em voga no contexto atual, é alvo de muitas críticas.

A alfabetização no final do século XX: a Psicogênese da língua escrita

A Psicogênese da língua escrita surge no contexto educacional, na década de
1980, segundo Mortatti (2000), como uma revolução conceitual em relação às
concepções de alfabetização, fundamentando-se numa perspectiva psicológica e
psicolingüística. Esta teoria considera a alfabetização como um processo de aquisição
da língua escrita, entendida como objeto de conhecimento. A escrita é concebida como
um sistema de representação e sua aquisição remete à formação de conceitos sobre a
representação da língua escrita pela criança, sujeito que interage com o objeto do
conhecimento, denominado como cognoscente.
Os estudos de Ferreiro e Teberosky (1999) contribuíram sobremaneira para o
desenvolvimento de uma nova epistemologia acerca da aquisição da língua escrita.
Porém, cria-se no cenário educacional um questionamento sobre os métodos
tradicionais de alfabetização e a desmetodização do processo de alfabetização, segundo
Mortatti (2015), questionando o uso das cartilhas.
O construtivismo foi muito difundido no país, decorrente dos estudos sobre a
psicogênese da escrita, é considerado um marco na história da alfabetização, não só no
Brasil, mas em vários países da América Latina.
A teoria psicogenética desenvolveu reflexões acerca da alfabetização, definido-a
como processo de aquisição da língua escrita e considerando a escrita como objeto
cultural. O impacto da teoria psicogenética no processo de aquisição da língua escrita
provocou o fortalecimento de novas concepções sobre alfabetização, situando os
aprendizes como sujeitos que constroem seus próprios conceitos acerca da língua
escrita, sem depender dos métodos de ensino.
De acordo com a teoria psicogenética, os métodos por si mesmos não produzem
aprendizagens. O processo de alfabetização, nesta perspectiva, considera os
conhecimentos prévios que as crianças possuem sobre a língua escrita, ativando-os no
decorrer do processo de alfabetização, a partir dos níveis de escrita desenvolvidos pelos
alunos. A teoria psicogenética apresenta importantes reflexões sobre a alfabetização e,
de modo especial, propõe ideias para repensar a prática escolar da alfabetização de

crianças, com o propósito de contribuir com o redimensionamento da intervenção
pedagógica no campo da alfabetização.
O foco das discussões sobre a aprendizagem da leitura e da escrita, antes dos
estudos sobre a psicogênese da escrita, concentrava-se na avaliação dos métodos de
ensino. A partir da psicogênese da língua escrita, as discussões situam-se em torno da
aprendizagem do sujeito, focalizando como a criança aprende a ler e a escrever,
considerando a alfabetização como um processo e a escrita como um objeto cultural.
Sintetizando, a psicogênese da escrita mostra que a alfabetização não depende
exclusivamente do método usado pelo professor. É, em contrapartida, um processo que
envolve o aprendiz como sujeito que produz conhecimento sobre a escrita, interagindo
com este objeto sociocultural.
A concepção da aprendizagem (entendida como um processo de obtenção de
conhecimento inerente à psicologia genética supõe, necessariamente, que existam
processos de aprendizagem do sujeito que não dependem dos métodos (processos que,
poderíamos dizer, passam através dos métodos). O método (enquanto ação específica do
meio) pode ajudar ou frear, facilitar; porém, não pode criar aprendizagem.
(FERREIRO; TEBEROSKY, 1999, p. 31).
Com base na Psicologia Genética, compreendemos que os métodos de
alfabetização não criam aprendizagens, mas podem auxiliar no processo de construção
do conhecimento. Compreendemos, também, que essa abordagem não inviabiliza a
utilização de um direcionamento metodológico, ou seja, que a teria psicogenética não
defende a desmetodização do processo de alfabetização.
Os estudos de Ferreiro e Teberosky (1999) põem em questão o papel da escola
na exclusão de alunos que não conseguem se alfabetizar, lembrando que as escolas não
levam em consideração o fato de que as crianças têm experiências com a escrita,
participando cotidianamente de diversas situações de interação com a língua escrita.
Contudo, a partir dessa teoria, e da negação dos métodos tradicionais, ainda
persistem os problemas referentes às dificuldades de ensino-aprendizagem da língua
escrita nas escolas, o que revela a necessidade de sistematização do ensino.

Considerações Finais

A partir do estudo historiográfico sobre o ensino da leitura e da escrita, durante
os séculos XVI ao século XX, realizou-se uma primeira aproximação sobre a temática
no seu aspecto histórico, percebendo que o ensino das primeiras letras foi uma
preocupação inicial no período colonial, que ocorria de forma assistemática e estava
voltada às classes dominantes.
Percebeu-se que durante este período os jesuítas dominaram o sistema
educacional da colônia, criando um grande número de escolas de primeiras letras,
destinadas à cateczação dos índios e aos filhos dos colonos inicialmente.
Posteriormente, essa preocupação é substituída pelo interesse da companhia em formar
as elites dominantes.
Inicialmente, temos os termos ensino das primeiras letras e instrução para
denominar o início do processo de escolarização da população da Colônia.
Já no século XIX, com o processo de escolarização, sofrido a partir da tentativa
de universalização do ensino e do processo de descentralização da educação, o qual
passou a ter um ensino sistematizado através de diversos métodos de alfabetização
analíticos e sintéticos, e de cartilhas, que foram sendo modificadas ao longo do tempo.
No final do século XX, como o construtivismo ocorrem a negação dos métodos
tradicionais e a desmetodização do processo de alfabetização, gerando discussões
teório-metodológicas até os dias atuais.
O que sabemos, é que ainda persistem as demandas sobre as dificuldades de
ensino-a´prendizagem da leitura e da escrita nas classes de alfabetização, e como afirma
Mortatti (2006), principalmente nas escolas públicas, e enfatizamos que há uma
necessidade de conhecermos a história da alfabetização no país e verificarmos os
avanços científicos que podem auxiliar para uma alfabetização de qualidade.
O que vemos atualmente em nosso país é uma tentativa de repensar a prática
pedagógica do professor alfabetizador, através de políticas de formação de professores,
baseadas em metodologias que possam auxiliar na melhoria da alfabetização em nosso
país. É necessário revisitarmos as nossas práticas e buscarmos avanços teóricosmetodológicos através do processo formativo e reflexivo para que as crianças tenham o
direito de aprender a ler e a escrever com autonomia, seja qual for a sua classe social.

REFERÊNCIAS
ARANHA, M. L. A. História da educação e da pedagogia geral e do Brasil. 3 ed.
São Paulo: Moderna, 2006.
AZEVEDO, F. de. A transmissão da cultura. Parte 3 da 5 ed. da obra. São Paulo:
Melhoramentos, 1976.
BERGER, M. Educação e Dependência. 3. Ed. São Paulo: Difel, 1980.
BRAGGIO, Silvia Lucia Bigonjal. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista
à sociopsicolinguística. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.
BREGUNCI, Maria das Graças de Castro. Construtivismo: grandes e pequenas
dúvidas. Belo Horizonte: Autêntica Editora; Ceale, 2009.
CARVALHO, Marlene. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e a prática. 4
ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua escrita. Tradução de
Diana Myriam Lichetenstein, Liana Di Marco, Mario Corso. Porto Alegre: Artmed,
1999.
FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 4 ed.
São Paulo:Cortez, 1983.
MENDONÇA, Onaide Schawartz. Alfabetização: método sociolingüístico: consciência
social, silábica e alfabética em Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2004.
MACIEL, F. I. P. História da Alfabetização: perspectivas de análise. In: VEIGA, C. G;
FONSECA, T. N. L (Orgs). História e Historiografia da educação no Brasil. Belo
Horizonte: Autêntica, 2008.
MORAIS, Artur Gomes de. Concepções e metodologias de alfabetização: por que é
preciso ir além da discussão sobre velhos "métodos"? Disponível em
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_moarisconcpmetodalf.pdf. .
Acesso em 05 maio 2010.
MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização. São Paulo:
Editora UNSP: CPNED, 2000.
MORTATTI, Maria do Rosário Longo. História dos métodos de alfabetização no Brasil,
2006. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_mortattihisttextalfbbr.pdf. Acesso
em abril/2015.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Letrar é preciso, alfabetizar não basta... mais?
In: ROSING, Tania M. K & SCHOLZE, Lia (Orgs.). Teorias e práticas de
letramento. Brasília: INEP, 2007, p. 155-168.
PAIVA, J. M. de. Educação jesuítica no Brasil colonial. In: LOPES, E. M. T, ; FARIA
Filho, L. M; VEIGA, C. G. (Orgs). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte:
Autêntica, 2000.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica,
2009.
______. Alfabetização e letramento. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2008.