Série histórica do número de inscrições
de nutricionistas nos CRN - 1985-2007
Gráfico 2

A história do
nutricionista
Fonte: Sistema CFN/CRN

Os CRN-3 (SP, MS) e CRN-4 (RJ, ES, MG) são os que mais cresceram, impulsionados
pelo aumento de IES, que representam metade destas instituições no país. Nas suas áreas
de jurisdição, são também encontrados os maiores mercados de trabalho e os que mais
crescem no Brasil. Os demais CRN têm crescimento de acordo com a expectativa.

w w w . c f n . o rg . b r

no Brasil

A história do nutricionista no Brasil
Em 24 de outubro de 1939, foi criado o primeiro curso de Nutrição do Brasil, na Faculdade
de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, com duração de um ano, ministrado em tempo
integral, dividido em quatro períodos. Em 1966, o período para a conclusão passou para três anos.
Em 1972, o Ministério da Educação estabeleceu que tais cursos teriam a duração de quatro anos,
divididos em oito semestres.

Série histórica das inscrições de nutricionistas e
técnicos no Sistema CFN/CRN ­ 1985/2007
Gráfico 1

A Lei nº 5.276, de 24 de abril de 1967, regulamentou a profissão do nutricionista. Em 20
de outubro de 1978, foi sancionada a Lei nº 6.583, que criou os Conselhos Federal e Regionais
de Nutricionistas com a finalidade de orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício profissional. A
instalação dos Regionais foi feita a partir de 1980.
A criação do primeiro Programa Nacional de Alimentação e Nutrição, em 1972, impulsionou a
criação dos cursos de Nutrição e o mercado de trabalho para os nutricionistas.
Conseqüentemente, a profissão se expandiu dos hospitais e Serviços de Alimentação da
Previdência Social (SAPS) para efetivamente assumir as escolas, os restaurantes de trabalhadores,
docência, indústria, marketing, nutrição em esportes, saúde suplementar, núcleos de assistência à
saúde da família. Esta ampliação de áreas se mantém até hoje.
A formação e o desenvolvimento das habilidades profissionais devem ser alvo de constante
luta das instituições que representam os interesses da sociedade, para assegurar uma saúde de
qualidade e universal. Portanto, a carga horária mínima de 4 mil horas é requisito essencial para a
formação do nutricionista, para que ele adquira os conhecimentos técnicos e científicos necessários
ao desenvolvimento da assistência nutricional à população, expressos na resolução CNE/CES nº 5,
de 2001, que institui as diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Nutrição.
Hoje, corroborando com a evolução do pensamento social, o CFN tem por missão "contribuir
para a saúde da população, assegurando assistência nutricional e alimentar por meio do exercício
ético, por profissionais habilitados e capacitados, como direitos sociais e fundamentais de todos os
cidadãos".
Nutricionistas e Técnicos em Nutrição e Dietética no Brasil
A média de inscrições de nutricionistas no Sistema CFN/CRN, no período de 1996 a 2000, foi
de 1.740 nutricionistas/ano. De 2000 a 2007, houve um incremento superior a 400%. Atualmente,
as taxas médias de inscrições estão em uma curva exponencial de 11,7% ao ano ( 2000 a 2007).
No período de 1985 a 1996, a média das inscrições dos Técnicos em Nutrição e Dietética (TND)
permaneceu estável. No entanto, após a edição da resolução CFN nº 227, de 1999, que regulamentou
as inscrições do TND no Sistema CFN/CRN, foi identificado um aumento de 160%. (Gráfico 1)

Fonte: Sistema CFN/CRN

Antes de 1996, ano em que foi criada a Lei de Diretrizes e Bases, o número de Instituições de
Ensino Superior (IES) no Brasil era de 44 escolas. De 1996 a 2007, essa quantidade passou para
267, expressando um aumento de 507%. Em abril de 2008, esse número era de 311 IES no Brasil. As
vagas nos cursos de Nutrição, que antes de 1996 eram 3.856, hoje são 34.715 vagas, indicando um
aumento da ordem de 800%. (Quadro 1)

Série histórica do número de IES e vagas para
cursos de graduação em Nutrição 1940/2008
Quadro 1