Série: Debates e perspectivas para a institucionalização da Lei n° 10.639/2003

Brasil-África
Históri a, Hi s torio gr afi a
BRASIL
­ ÁFRICA:
S ér i e: De bat es e p er spect i v as p ara a in st i tu ci on al i za ç ã o da L e i n° 10. 639 /20 03

e a Pr od ução de S aberes

HERANÇAS HISTÓRICAS E

na África e na Di á sp or a

PERSPECTIVAS CONTEMPORÂNEAS

Debates do Seminário de Lançamento da
Coleção História Geral da África em
Belo Horizonte, 13 de abril de 2011

EVELY CRISTINE PEREIRA DE AQUINO1
FERNANDA SILVA DE OLIVEIRA2
Debates do Seminário de Lançamento da
da Edição em português da Coleção da UNESCO
História Geral da África

REPRESENTAÇÃO DA UNESCO NO BRASIL

em São Paulo (SP), 6 de abril de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DO BRASIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

Bebel Nepomuceno
Victor Martins
Representação da UNESCO no Brasil
Ministério da Educação do Brasil
Universidade Federal de São Carlos

1

Publicado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).
© UNESCO 2012. Todos os direitos reservados.
BR/2012/PI/H/9
Revisão técnica: Setor de Educação da Representação da UNESCO no Brasil
Revisão gramatical e ortográfica: Reinaldo de Lima Reis
Revisão editorial: Unidade de Publicações da Representação da UNESCO no Brasil
Projeto gráfico e diagramação: Unidade de Comunicação Visual da Representação da UNESCO no Brasil

Representação
no Brasil
Organização
das Nações Unidas
para a Educação,
a Ciência e a Cultura

SAUS, Quadra 5, Bloco H, Lote 6, Ed. CNPq/IBICT/UNESCO, 9º andar
70070-912 ­ Brasília ­ DF ­ Brasil
Tel.: (55 61) 2106-3500
Fax: (55 61) 2106-3697
Site: www.unesco.org/brasilia
E-mail: [email protected]
facebook.com/unesconarede
twitter: @unescobrasil

Os autores são responsáveis pela escolha e pela apresentação dos fatos contidos neste livro, bem como pelas
opiniões nele expressas, que não são necessariamente as da UNESCO, nem comprometem a Organização.
As indicações de nomes e a apresentação do material ao longo deste livro não implicam a manifestação de
qualquer opinião por parte da UNESCO a respeito da condição jurídica de qualquer país, território, cidade, região
ou de suas autoridades, tampouco da delimitação de suas fronteiras ou limites.
Esclarecimento: a UNESCO mantém, no cerne de suas prioridades, a promoção da igualdade de gênero, em
todas suas atividades e ações. Devido à especificidade da língua portuguesa, adotam-se, nesta publicação, os termos
no gênero masculino, para facilitar a leitura, considerando as inúmeras menções ao longo do texto. Assim, embora
alguns termos sejam grafados no masculino, eles referem-se igualmente ao gênero feminino.

Sumário

Prefácio ...........................................................................................................1

Introdução .......................................................................................................3

Primeiras palavras ............................................................................................4

1. História, Cultura e Legado Civilizatório Africano ...........................................6

2. África e Diáspora: Formação de Profissionais e Produção de
Materiais Pedagógicos .................................................................................9

3. História, Historiografia e a Produção de Saberes na África e na Diáspora ....11

4. Questões do debate ...................................................................................13

Prefácio

A série "Debates e perspectivas para a institucionalização da Lei no 10.639/2003", desenvolvida
pelo Programa Brasil-África: História Cruzadas, tem como objetivo divulgar as contribuições
realizadas pela UNESCO para implementar e institucionalizar a Lei no 10.639, de 2003. A série
se inicia com as discussões desenvolvidas no decorrer dos eventos de lançamento da edição em
português da Coleção História Geral da África da UNESCO (referida como Coleção HGA),
realizados no primeiro semestre de 2011. O lançamento da Coleção HGA é resultado da parceria
da Representação da UNESCO no Brasil com o Ministério da Educação e a Universidade Federal
de São Carlos, no escopo do Programa Brasil-África: História Cruzadas. Nas diferentes regiões
do país, a Representação da UNESCO no Brasil estabeleceu parcerias com renomadas
Universidades para o lançamento da obra. Os eventos contaram com a presença de expositores
nacionais e internacionais, que potencializaram trocas de experiências e discutiram, de forma
profunda, temas de história e cultura africana e afro-brasileira e da educação das relações étnicoraciais.
Essas discussões possibilitaram um mapeamento de necessidades e perspectivas para a
implementação das diretrizes curriculares nacionais para a educação sobre relações étnico-raciais,
história e cultura africana e afro-brasileira no sistema da educação básica do país e, ainda, foram
apresentadas possibilidades de uso da Coleção HGA como um subsídio para a sua efetivação.
O público, composto por pesquisadores, representantes de movimentos sociais, professores e
alunos do ensino superior e da educação básica, teve a oportunidade de participar ativamente,
trazendo contribuições importantes para as reflexões em pauta. A série é composta pelos
seguintes documentos:
· Relatórios dos debates ocorridos durante os eventos de lançamento da Coleção HGA
realizados em vários estados das regiões do Brasil, exceto a região Sul. Os conteúdos dos
relatórios são compostos por falas e discussões sobre temas relacionados à
institucionalização da Lei n° 10.639/2003.
· Vídeos com algumas das exposições realizadas por palestrantes nacionais e internacionais
que participaram das mesas de debates.
· Fotos das mesas de abertura, mesas de debates e públicos presentes nos eventos de
lançamento da Coleção HGA.

Setor de Educação da Representação da UNESCO no Brasil

1

Introdução
"Enquanto os leões não tiverem seus historiadores, a história das caçadas glorificarão os
feitos dos caçadores". Talvez seja o sábio provérbio iorubano, lembrado pelo professor Kabengele
Munanga, que melhor expresse o sentimento presente no evento regional de lançamento da
edição em português da Coleção História Geral da África (HGA), da UNESCO, em São Paulo. A
Coleção, que trata a história da África numa perspectiva africana, configurando-se como
principal referência bibliográfica sobre o tema, foi saudada pelos presentes como instrumento
de vital importância na consolidação da implantação da Lei no 10.639/2003, que tornou
obrigatório o ensino da história e culturas africanas e afro-brasileiras em todos os níveis de ensino
do sistema educacional brasileiro. O lançamento em São Paulo, no dia seis de abril de 2011,
reuniu no auditório do Teatro Tucarena, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), velhas e
novas gerações de estudiosos e pesquisadores da história da África e das questões étnico-raciais.
O evento foi promovido pela UNESCO em parceria com o Ministério da Educação e contou
com a participação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), da Universidade de São
Paulo (USP) e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).
A edição da Coleção História Geral da África em português, com os oito volumes que a
compõem, é uma continuidade do trabalho iniciado nos anos 1980 pela UNESCO, com a
publicação das versões em inglês, francês e árabe. A obra é decorrente dos esforços
empreendidos por centenas de especialistas representados por um Comitê Científico
Internacional formado por 39 intelectuais, dois terços dos quais africanos. No Brasil, a tradução
da Coleção para a língua portuguesa foi realizada pela Representação da UNESCO no Brasil e
contou com a parceria e o financiamento do Ministério da Educação, por meio da Secretaria de
Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi/MEC) e com a assessoria
técnica da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
O evento no estado ancorou-se nas discussões sobre a historiografia e o legado civilizacional
africano, bem como sobre a formação de profissionais e produção de material pedagógico com
vistas ao atendimento da Lei no 10.639/2003, que torna obrigatório o ensino de história e cultura
africana e afro-brasileira nas escolas brasileiras.
Tanto em função da grandiosidade e importância da Coleção quanto pelo momento oportuno
de seu lançamento, foram convidadas para o evento personalidades de notório saber nas áreas
de história da África e das questões étnico-raciais, atuantes nos cenários acadêmico, geopolítico,
ativista e intelectual, tendo em vista a ampliação do acesso da sociedade brasileira a fontes da
cultura africana e afrodiaspórica.
Ao longo do dia, um público de cerca de 300 pessoas, composto em sua maioria por
professores da rede pública de ensino, alunos de graduação, militantes do movimento negro,
sacerdotes de religiões de matrizes africanas, políticos, jovens pesquisadores e a comunidade

3

acadêmica como um todo, marcou presença no Tucarena e enriqueceu os debates com suas
indagações manifestadas por meio do diálogo com os expositores.

Primeiras palavras
O evento teve início às 9h com a sessão solene de lançamento da Coleção HGA, que contou
com as presenças do representante da UNESCO no Brasil, Vincent Defourny, do magnífico reitor
da PUC-SP, prof. Dirceu de Mello, do coordenador geral da Secretaria de Educação Continuada,
Alfabetização, Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação (Secadi/MEC), Antônio Mário
Ferreira, do Diretor do Centro de Estudos Africanos da Universidade de São Paulo (CEA/USP),
prof. Kabengele Munanga, do coordenador técnico da edição em português da História Geral
da África (HGA), prof. Valter Silvério, e da secretária de Políticas de Ação Afirmativa da Secretaria
de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Anhamona Silva de Brito. Em sua
exposição, o reitor Dirceu de Mello falou sobre o grande significado da Coleção HGA para o
Brasil. À guisa de contextualização, Dirceu de Mello ressaltou a significativa expressão africana
em nossa cultura enfatizando a importância do conhecimento acerca dessa cultura para a
constituição das identidades e compreensão do nosso passado. "É indispensável que o povo
brasileiro conheça suas origens". Também enalteceu a Lei no 10.639/2003, que torna obrigatório
o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira. De acordo com ele, a lei não apenas
demanda o conhecimento sobre nossas origens, como também suscita debates acerca dos
problemas étnico-raciais no país.
De forma semelhante, o diretor do Centro de Estudos Africanos (CEA) da USP, prof. Kabengele
Munanga, ressaltou o caráter histórico do lançamento da HGA e observou que a Coleção em
língua portuguesa estará ao alcance não apenas dos brasileiros, mas será disponibilizada
também ao público falante de português dos países lusófonos: Angola, Guiné-Bissau,
Moçambique, Cabo-Verde, Timor Leste, Portugal, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial. Ele
lembrou que a HGA é uma obra de consulta para todas as áreas do conhecimento, mas que
também se destina a especialistas em história da África. Para ele, a Coleção não deve ser vista
como o fim de um processo, mas sim seu conteúdo deve ser empregado em conjunto com
outras obras e traduzido em outros formatos, como livros didáticos.
O coordenador da Secadi, Antônio Mário Ferreira, lembrou que 2011 foi designado pela ONU
o Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes, que, em sua maioria, ainda são privados do
pleno exercício de seus direitos. Por essa razão, considerou que discussões e reafirmações da
africanidade como um legado cultural dos brasileiros, suscitadas pelo lançamento da Coleção
HGA acontecem em um momento bastante propício.
Ferreira enfatizou que a edição em português da obra é uma conquista da militância negra
e das várias instâncias da sociedade civil brasileira que acreditam numa sociedade mais justa e
igualitária, e é fruto, ainda, das políticas de ações afirmativas criadas ao longo dos oito anos de
mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
4

"O racismo não é uma herança do passado, é algo que vem se criando e recriando ao longo
da história. Daí a necessidade de que educadores, governantes e a sociedade somem forças para
coibir as práticas racistas", afirmou. De acordo com Ferreira, o MEC não tem poupado esforços
para reduzir os desníveis ainda existentes entre negros e brancos no ensino brasileiro e entre
saberes de diferentes matrizes. A HGA é, nesse sentido, excelente fonte pedagógica que ajuda
a combater o racismo e a desigualdade que perpassam o ambiente escolar, sendo também a
principal obra de referência sobre a história da África, o que possibilita ao público brasileiro o
acesso aos saberes científicos, culturais e filosóficos africanos. "Isso contribui para pôr fim ao
paradigma preconceituoso em relação à África", enfatizou.
Representando o reitor da Universidade Federal de São Carlos, o professor Valter Roberto
Silvério, que coordenou o trabalho de tradução da HGA para português, afirmou que o
lançamento da obra não significou o fim de um ciclo. A questão étnico-racial naquela
universidade tornou-se, de acordo com ele, uma questão central. Silvério explicou que os
pesquisadores da universidade estão envolvidos com o projeto para a elaboração de materiais
pedagógicos a partir da Coleção HGA, em parceria com a UNESCO e o MEC. Paralelamente, a
instituição atua junto a municípios da região de São Carlos, no interior de São Paulo, visando à
formação de professores no âmbito da Lei no 10.639/2003.
A secretária de Políticas de Ação Afirmativa da Seppir, Anhamona Silva Brito, alertou sobre o
preconceito ao qual os afrodescendentes vêm sendo submetidos ao longo da história e destacou
que o enfrentamento dessa situação passa pela valorização da cultura. Destacou, também, a
importância dos Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros (NEABs) e do Movimento Negro como um
todo para a criação, no presente, de políticas afirmativas.
Para Anhamona Brito, o lançamento da Coleção História Geral da África em português reflete
uma estratégia do movimento negro, que em décadas atrás elegeu a área da educação como
seara principal das ações de combate ao racismo. Citou como exemplo os acalorados debates
do início da década de 1980, quando se discutia a reformulação dos currículos educacionais a
fim de coibir conteúdos discriminatórios. Destacou ainda que as ações antirracistas passam pela
valorização da história dos afrodescendentes e pela eliminação do ranço do racismo dos
parâmetros curriculares brasileiro. "Estamos em um caminho importante de avanços, ainda
temos muito a trilhar", finalizou.
Encerrando a sessão solene, o Representante da UNESCO no Brasil, Vincent Defourny, reiterou
que o lançamento da edição completa em português é resultado de um sonho coletivo e que
há tempos a UNESCO prega o desenvolvimento e a interculturalidade por meio do
conhecimento. Defourny defendeu a importância do conhecimento como base de mudanças
numa sociedade e também afirmou que a promoção e proteção das manifestações culturais só
são possíveis por meio de um trabalho de parceria. Finalizando, afirmou que a edição em
português da HGA obriga os pesquisadores a pensarem em como dar um passo adiante na
dinâmica das relações étnico-raciais.

5

1. História, Cultura e Legado Civilizatório Africano
A mesa intitulada História, Cultura e Legado Civilizacional Africano, coordenada pelo próreitor de Extensão, Cultura e Comunidade da Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC)
e vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), Paulino de Jesus
Cardoso, contou com os seguintes palestrantes: prof. Fernando de Albuquerque Mourão e Kabengele
Munanga, ambos da Universidade de São Paulo (USP), Valter Silvério, da UFSCar, e o historiador
e presidente da Associação dos Historiadores Africanos (AHA), o malinês Doulaye Konate.
Esse colóquio teve a maior parte de suas reflexões efetuadas a partir do processo de
elaboração da Coleção HGA, especialmente as problemáticas relacionadas ao estudo da história
da África e questões heurísticas e teórico-metodológicas, além da importância em se considerar
a diáspora no estudo da história do continente africano. Muito se falou do sentimento de resgate
da história africana que permeou a elaboração da Coleção, em contraponto à visão eurocêntrica,
então predominante, de que o continente africano era sem movimento e, portanto, a-histórico
­ expressada, sobretudo, pelo filósofo alemão Hegel. Como lembrado por Kabengele Munanga,
a África foi o berço da humanidade e, como tal, nela nasceram as grandes civilizações.

1.1 Doulaye Konate
A mesa teve início com a exposição do historiador Doulaye Konate, que tratou de aspectos
gerais no estudo da história da África. Segundo ele, os esforços empreendidos para o estudo da
África não representam somente um movimento de resistência, mas, sobretudo, um
autoconhecimento em relação ao nosso passado, tendo em vista os valores que a cultura africana
tem deixado ao mundo. Dizendo-se impressionado com aspectos da cultura africana com que
se deparou na vida brasileira, principalmente em suas visitas a Salvador e Cachoeira, na Bahia,
destacou a importância da diáspora para o continente africano, lembrando que o panafricanismo e o renascimento da história africana nasceram na diáspora, não à toa considerada
pela Organização Africana como a sexta região da África.
Ao ressaltar a importância do pan-africanismo e da diáspora para as nações africanas
modernas, lembrou a preciosa observação de Joseph Ki-Zerbo, "para a África, a consciência
histórica é de suma importância para a articulação do passado". Segundo Konate, entre as
discussões que envolveram os 39 intelectuais integrantes do Comitê Científico da HGA, estava
a preocupação em articular diversas dimensões da história africana. "Os aspectos metodológicos,
teóricos e interdisciplinares da Coleção contribuíram decisivamente para a propagação de novos
paradigmas em relação à história africana", afirmou.
O historiador malinês destacou as tradições orais, método que permitiu à equipe de
pesquisadores da Coleção HGA reconstituir a história africana. "Além de chave para as pesquisas,
esse também é um aspecto central para se compreender o modo de pensar africano". Konate

6

somou a esse método descobertas de vestígios de antigas civilizações africanas que foram
eclipsadas pela historiografia eurocêntrica, tais como: antigos sistemas de escrita da Etiópia e
do Camarões, técnicas de metalurgia, a riqueza cultural da região do Nilo ­ tão defendida pelo
historiador Cheikh Anta Diop ­ e a cultura do arroz, legado deixado pelos povos núbios à
humanidade há mais de quatro mil anos. "Essas tecnologias surgiram no continente africano, e
suas transformações no decorrer da história foram fundamentais para o desenvolvimento das
sociedades contemporâneas", confirmou.
Chamou a atenção, também, para a questão das resistências empreendidas pelos africanos
contra o escravismo. Reconheceu que o comércio de escravos e a colonização reforçaram a
negação da história da África, mas ressaltou que essas circunstâncias não fizeram com que o
continente rompesse o curso de sua história. Para ele, a resistência das culturas de matrizes
africanas no Brasil é um exemplo da continuidade da história do continente africano apesar do
escravismo. "Todos os dias os africanos inventam e criam. A África é um continente que está
em pé", disse ele, afirmando que a Coleção HGA permitiu à África reintegrar sua história.

1.2 Fernando Mourão
A segunda exposição esteve a cargo do professor Fernando Albuquerque Mourão, o único
brasileiro a integrar o Comitê Científico da Coleção HGA, na década de 1970. Em uma fala bem-humorada e despida de academicismo, Mourão detalhou sua experiência. Contou ter ingressado
no Comitê a convite do historiador, antropólogo e político senegalês Cheikh Anta Diop, passando
a ter contato direto com nomes como Hampâté Bâ e demais intelectuais africanos e afrodiaspóricos. Enfatizou que ficou claro desde as primeiras reuniões que a HGA não era um projeto
ideológico e que não foi construída com a necessidade de negar o que havia sido feito
anteriormente. "O propósito era colocar a historiografia da África em seu devido lugar".
Segundo ele, o Comitê também discutiu bastante sobre um dos objetivos da obra: criar e
fomentar o interesse pela pesquisa da história da África, como uma forma de fazer cair por terra
o olhar enviesado da historiografia europeia (leia-se colonial) acerca do continente africano.
"Peço ao público brasileiro que não encare a Coleção apenas como livros de difusão, mas como
obra destinada a despertar a atenção dos pesquisadores". Ele revelou que a HGA gerou filhotes,
ou seja, uma série de estudos surgiram a partir das discussões do Comitê."Este, até hoje, talvez
tenha sido um dos trabalhos mais notáveis da UNESCO".
Apesar do esforço e do sucesso do Comitê com a publicação da HGA, Mourão acredita que
ainda levará tempo até que a África seja reconhecida pela comunidade internacional e
intelectual. Assinalou que, a despeito da emancipação das ex-colônias africanas, o quadro atual
mostra que a situação não sofreu grandes mudanças, como o comprovam a recente intervenção
estrangeira na Líbia e a realidade conturbada da Costa do Marfim. Porém, reconheceu que o
Comitê foi bem-sucedido em seu propósito de gerar um interesse pela pesquisa, tornando a
HGA base de muitos dos estudos sobre o continente e seus povos surgidos a partir de então.

7

1.3 Kabengele Munanga
Numa fala mais acadêmica, mas não menos emocionada, o professor Kabengele Munanga
fez questão de lembrar o contato inicial com o professor Fernando Mourão, que nos idos de
1970 foi seu orientador na Universidade de São Paulo. Kabengele ressaltou o significado
histórico-intelectual do lançamento da Coleção HGA, que traz à tona tudo aquilo que foi negado
ou não contemplado por uma historiografia de viés eurocêntrico. Em sua acepção, o
descompromisso da historiografia ocidental para com a história africana afetou profundamente
a personalidade coletiva do africano.
Relendo criticamente Hegel, que via a África como um continente a-histórico, bárbaro e
fechado em torno de si mesmo, alertou para o esquadrinhamento da África pelas réguas
ocidentais, manifestado quase sempre pela etnologia, etnografia, etnolinguística, etnomusicologia
etc. A Coleção HGA, segundo o professor, apresenta trabalhos cujas interpretações contestam
a visão homogênea e etnográfica em relação à África.
Para o diretor do Centro de Estudos Africanos da USP, a história da África tem passado,
presente e continuidade, e a HGA, ao trazer a público acontecimentos históricos do continente
africano, recoloca a África na base da história da própria humanidade. De acordo com Munanga,
o projeto inicial da HGA previa um total de 10 volumes, em vez dos atuais oito, com dois volumes
extras versando sobre a diáspora.

1.4 Valter Roberto Silvério
O professor Valter Silvério (UFSCar) lembrou o início de sua trajetória intelectual a partir do Grupo
Negro da PUC-SP em meados da década de 1980, ocasião em que já eram discutidos temas em
torno das questões raciais e de novas propostas pedagógicas incluindo o ensino da história da
África. Ressaltou os esforços empreendidos pela UNESCO e pelo Ministério da Educação no
desenvolvimento do trabalho de lançamento da presente publicação. Contou sobre bastidores dos
aspectos mais técnicos da obra, como o índice remissivo, que passou por uma intensa padronização,
as cartografias, que foram atualizadas, e o minucioso trabalho dos tradutores, que fizeram um
cuidadoso cotejamento com as versões em francês e inglês.
Valter Silvério ressaltou o valioso papel da Coleção neste momento para o país. Isso porque,
segundo ele, por um lado o acesso à Coleção em nosso idioma se configura como a realização de
uma antiga reivindicação dos militantes do movimento negro e antirracista. Por outro lado, ela serve
de base, de agora em diante, para a produção de material pedagógico e editorial, além do
estreitamento de contato entre pesquisadores e especialistas em África com o quadro educacional
da formação básica. "A HGA é, a um só tempo, ponto de partida e chegada", acrescentou.
Para Valter Silvério, o lançamento da Coleção possibilita pensar o negro no Brasil não mais pelo
viés de descendentes de povos sem História, mas, antes, pelo viés de descendentes de povos com
muita história, embora negada. A HGA, assim, de acordo com ele, representa a possibilidade de
reescrita de uma nova história do negro no Brasil.
8

Silvério reiterou a importância de se trabalhar a história da África em qualquer disciplina escolar,
com o uso de novas metodologias e em diálogo inclusive com as orientações curriculares brasileiras.
"A sociedade civil pode ajudar nessa mudança, cobrando reorientações da estrutura curricular",
acentuou.
O coordenador técnico da edição em português da HGA reiterou a necessidade de que o material
seja divulgado de todas as formas possíveis, sendo este um dos objetivos a ser perseguido. Silvério
disse acreditar que a HGA impulsionará uma mudança de patamar nas relações Brasil-África,
incrementando intercâmbios mútuos entre pesquisadores brasileiros e africanos.

2. África e Diáspora: Formação de Profissionais e
Produção de Materiais Pedagógicos
O que fazer para garantir que a Coleção História Geral da África seja, efetivamente, usufruída
pelo público brasileiro? Essa foi uma preocupação que permeou a fala dos palestrantes da
segunda mesa-redonda do dia, intitulada África e Diáspora: Formação de Profissionais e Produção
de Materiais Pedagógicos, coordenada pelo professor Dagoberto Fonseca, da UNESP. A mesa
centrou-se nas perspectivas pedagógica e educacional no que se refere ao ensino de história da
África, tendo em vista os desafios de levar tal disciplina ao nível básico da escola, e do uso da
Coleção HGA para o preparo de materiais pedagógicos.
O tema foi debatido pelos educadores Petronilha Gonçalves, relatora do Conselho Nacional
de Educação e professora da UFSCar; Fúlvia Rosemberg, da PUC-SP e coordenadora, no Brasil,
do Programa de Bolsas de Pós-Graduação da Fundação Ford; Maria Aparecida Bento, diretora
do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), e Jean-Michel Tali,
membro do Comitê Científico da UNESCO para o Uso Pedagógico da Coleção HGA na África.

2.1 Jean-Michel Mabeko Tali
A exemplo do historiador Doulaye Konate, integrante da primeira mesa, Jean-Michel Tali
também expressou sua admiração com o que chamou de reminiscências de África na Bahia, isto
é, aspectos da cultura africana recriados no Brasil, pelos africanos escravizados, que resistem
até os dias atuais. "A cultura afro-brasileira empresta um sopro novo à história da África",
afirmou. Tali acredita que a tradução da Coleção História Geral da África para o português
contribuirá para a expansão do conhecimento mútuo entre africanos e afro-brasileiros. Segundo
ele, na África, a maioria da população ainda desconhece o Brasil. "Até há pouco tempo Pelé era
a principal referência brasileira no continente". Tali ressaltou também a ausência de informações
sobre a diáspora dentro da própria África. O tema é abordado nos programas educacionais
africanos apenas sob o prisma do comércio negreiro.

9

Professor da Howard University, nos Estados Unidos, Tali declarou que sua experiência no
exterior foi fundamental para que tivesse maior compreensão do estranhamento entre africanos
e afrodescendentes da diáspora ­ um não conhece a história do outro ­ reforçando que a
construção da visão da África sobre a diáspora também necessita de um roteiro complexo. Como
alternativa para minimizar tal estranhamento, defendeu a construção conjunta ­ diáspora e
africanos ­ de materiais pedagógicos que possam servir tanto ao continente africano quando
aos afrodescendentes. Citou, por fim, a produção de documentários ilustrativos como excelente
recurso pedagógico que tem sido empregado nos Estados Unidos, ajudando a mudar a visão
dos estudantes daquele país sobre a África.

2.2 Petronilha Gonçalves
Em sua exposição, a educadora Petronilha Gonçalves destacou que o lançamento da Coleção
História Geral da África tem uma dimensão política: ele permite que todos os brasileiros e todos
aqueles que leiam português conheçam a história da África e, por conseguinte, a história da
humanidade. Segundo ela, um dos grandes desafios impostos pela Coleção agora é a integração
da história africana àquela que tem sido difundida até os dias de hoje aos brasileiros. "Temos
que estar atentos", disse ela, "pois fazer essa integração não é uma questão de melhoria de
autoestima da população afrodescendente, mas de reconhecimento".
Petronilha considera fundamental que o ensino da história da África adote a perspectiva dos
africanos, assim como faz a Coleção. Segundo ela, a formação de professores sobre o tema
privilegia a assimilação em vez da comunicação, algo bem diferente da perspectiva africana, que
estabelece outro tipo de relação com a aprendizagem e o conhecimento. Para a educadora, é
necessário abandonar metodologias assimilacionistas em prol de pedagogias diversas que levem
à compreensão da visão do outro sem desqualificação de sua cultura.

2.3 Maria Aparecida Bento
A psicóloga e diretora do CEERT, Maria Aparecida Bento, sem deixar de destacar a conquista
que o lançamento da HGA representa para os movimentos negros, mostrou-se preocupada com
a efetivação desse ganho, ou seja, com a forma de difusão da HGA. Segundo ela é necessário
garantir que ela possa, de fato, ser apropriada pela população brasileira. Além disso, em sua
opinião, a Lei no 10.639/2003 remete à necessidade de políticas públicas e é preciso também
agir politicamente junto ao Estado brasileiro. "Ao trazer a história da África para os currículos,
trazemos também a história europeia, reposicionando tanto o negro quanto o branco,
mostrando o protagonismo dos afrodescendentes", declarou.
Cida Bento apresentou o resultado de pesquisa aplicada pelo CEERT envolvendo duas mil
experiências escolares em torno de questões étnico-raciais. A insuficiência de material
pedagógico apropriado foi um dos principais obstáculos à implantação da Lei no 10.639/2003.

10

O levantamento revelou também uma melhora do desempenho de estudantes negros de escolas
que valorizam a história e cultura africana e afro-brasileira, mostrando ainda que ocorreu maior
participação das famílias negras nas instituições onde esse currículo já está implementado. "Não
basta que a Coleção esteja nas bibliotecas. É preciso pensar caminhos e propostas de ação
afirmativa em torno da HGA", disse, concluindo sua apresentação sugerindo que o Ministério
da Educação seja instigado a assumir uma ação efetiva de disseminação da Coleção.

2.4 Fúlvia Rosemberg
Fúlvia Rosemberg privilegiou em sua exposição suas duas áreas de interesse: o
desenvolvimento de material para crianças e a formação profissional. Apontou a insuficiência
de quadros profissionais qualificados para o ensino das questões étnico-raciais, sejam negros
ou brancos. "Um número ainda muito baixo de formadores elege essa temática como área de
estudos", afirmou.
Rosemberg criticou a inexistência de programas de ação afirmativa na pós-graduação. A
educadora chamou a atenção para o que considera deslizes no Plano Nacional de Pós-Graduação
que, de acordo com ela, podem deixar de beneficiar as populações negras. A meta 14 do plano
propõe a elevação do número de matrículas na pós-graduação, mas no item 14.7, reduz o
acesso a indígenas e populações do campo.
A especialista considera que há, ainda, um longo caminho a se percorrer na área das relações
étnico-raciais. Em sua opinião, um dos maiores desafios nessa seara é o de criar discursos
antirracistas para as crianças. "Produzir material com conteúdo antirracista não é apenas fazer
o reverso do que criticamos", assinalou. Coordenadora do programa de bolsas de pós-graduação
da Fundação Ford no Brasil, observou também que poucos beneficiários do programa
demonstraram interesse pela produção de material pedagógico ou pela abordagem das relações
étnico-raciais a partir da óptica da idade. Ao fim de sua fala, Fúlvia Rosemberg sugeriu à UNESCO
a organização de uma exposição sobre produções infantis no âmbito da diáspora africana na
América Latina, considerando a perspectiva da idade no processo de elaboração de materiais
pedagógicos de temática afro, o que poderia, em sua opinião, estimular um olhar mais crítico
por parte dos profissionais brasileiros.

3. História, Historiografia e a Produção de Saberes na África
e na Diáspora
A última mesa-redonda do dia mostrou que o interesse nos estudos de África continua a mover
tanto veteranos quanto jovens estudiosos. O embaixador e historiador Alberto Costa e Silva, uma
das referências no Brasil no estudo das africanidades, dividiu a mesa com o jovem pesquisador
Muryatan Barbosa, doutorando da USP, que tem como objeto de estudo as cerca de 10 mil

11

páginas da Coleção História Geral da África, e com o diretor do Departamento de Diversidade
Cultural da UNESCO, Ali Moussa Iye.
Na mesa, coordenada pelo professor Acácio Sidinei Almeida dos Santos, da PUC-SP e da Casa
das Áfricas, os debatedores assinalaram questões históricas e historiográficas no estudo da história
da África a partir da perspectiva da diáspora. A opinião dos debatedores foi unânime no que diz
respeito à necessidade da continuidade de pesquisas em história da África que abarquem a
diáspora e que dialoguem com questões suscitadas na Coleção HGA.

3.1 Ali Moussa Iye
O diretor do Departamento de Diversidade Cultural da UNESCO assinalou que a diáspora foi
considerada importante pelo Comitê Científico para a elaboração da Coleção HGA ­ o tema
aparece em cinco dos oito volumes da obra.
Também discorreu sobre o projeto para o uso pedagógico da Coleção em todo o continente
africano, encabeçado pelo departamento que ele dirige. "Em um prazo de dois anos, teremos
desenvolvido materiais pedagógicos sobre história da África para serem utilizados em todo o
continente", afirmou. Atualmente, o Comitê Científico para o Uso Pedagógico da Coleção HGA
na África está na fase de elaboração dos materiais.
De acordo com Moussa Iye, a adoção da Lei no 10.639/2003, que torna obrigatório o ensino
de história e cultura africana e afro-brasileira, serve de inspiração para a África. "Daí vem a
necessidade de estreitar as relações entre as duas regiões, pois é de suma importância o
desenvolvimento de conteúdos pedagógicos que atendam tanto o continente africano quanto
a diáspora". Para ele, a escrita da história da África e sua disseminação por meio de materiais
pedagógicos é um ato político.

3.2 Alberto da Costa e Silva
O ex-embaixador brasileiro em Lagos (Nigéria) e historiador Alberto da Costa e Silva passeou
pela história da África em sua apresentação. Na contramão da afirmação que, regra geral,
aponta a escassez de fontes na história africana, afirmou que a história daquele continente é
rica em fontes para além da escrita e dos documentos oficiais (leia-se coloniais), pondo em xeque
a visão hegeliana acerca da ausência de movimento histórico do continente africano. Segundo
o embaixador, a África sempre teve história e sempre contou a história de suas dinastias por
meio das tradições manifestadas, quase sempre, pelas vozes dos griôs. Nesse sentido, as
tradições servem a propósitos políticos, e cada geração recria sua história parcial ou
integralmente para legitimar e/ou reforçar suas identidades e legitimar o presente.
O embaixador despertou o riso da plateia ao mencionar que a África gerou o ser humano
duas vezes. "Vendo que a primeira não deu certo, gerou-o novamente", reforçando o lugar da
África como berço da humanidade.

12

Numa perspectiva histórica, destacou o olhar colonialista que persistiu durante muito tempo
na historiografia que, até então, priorizava os heróis e as grandes personalidades em detrimento
das pessoas comuns. Citando Virginia Woolf, que certa feita cobrou a biografia de pessoas
comuns, ele afirmou que o mesmo se dá em relação à História: há povos que deixaram pequenas
marcas que nem de longe dizem da grandiosidade dos seus feitos.

3.3 Muryatan Barbosa
O doutorando em História da USP, Muryatan Barbosa, um dos primeiros brasileiros a esmiuçar
a Coleção HGA num viés historiográfico, destacou o que considera os três grandes méritos da
obra: a sua qualidade científica, o prestígio dado aos historiadores africanos e, finalmente, mas
não menos importante, a ruptura epistemológica representada pela predominância da
perspectiva africana na obra. Muryatan afirmou a existência de diferentes correntes na escrita
da Coleção, mas esclareceu que, ao longo de toda a obra, são visíveis os esforços dos
organizadores em consolidar a perspectiva africana. Esse predomínio do que chamou de visão
internalista na elaboração da HGA pode ser percebido, de acordo com ele, por exemplo, no
volume VII, no qual o tema colonialismo é abordado na perspectiva da resistência dos africanos
à presença europeia.
Apesar de a obra trazer o ponto de vista dos intelectuais africanos sobre sua própria história,
Muryatan destacou que havia opiniões divergentes entre os idealizadores da HGA. É pelo menos
isso que mostram as atas de reunião do Conselho Executivo e do Comitê Científico da HGA.
Desse modo, percebe-se que tanto o Conselho quanto o Comitê acompanhavam de perto as
edições, intervindo inclusive quando suspeitavam que o uso de determinadas expressões
pudessem incorrer em ambiguidades no que se refere a aspectos da vida e da história africana.
De acordo com a análise de Muryatan, havia uma preocupação por parte dos organizadores
da HGA em defender uma perspectiva mais internalista e continental da África. O que significa
dizer que os organizadores lutaram para consolidar tal perspectiva africana como posição
hegemônica. A disputa em torno dessa perspectiva mostra que ela estava longe de ser algo
consensual e definitivo na construção da Coleção HGA. Por isso, segundo ele, deve-se analisar
tal perspectiva para além da "visão dos próprios africanos sobre a sua história" ­ um dos méritos
inegáveis da HGA.

4. Questões do debate
O público, que participou ativamente das sessões de debates, endereçou diversas questões
aos debatedores. As principais delas giraram em torno da questão das identidades africanas e
em torno da possibilidade que o conhecimento acumulado na Coleção HGA venha a impulsionar
o tema da diáspora africana.

13

4.1 Identidades
Alberto Costa e Silva disse ser cético em relação a uma categoria única de identidade africana.
Embasado em argumentos históricos, lembrou que o próprio conceito de "africano" foi uma
criação europeia, portanto, externa à África, já que os africanos se identificavam a partir de suas
etnias ou clãs (haussás, ijexas, ewes).
Muryatan Barbosa concordou com o historiador Alberto Costa e Silva no que diz respeito à
questão da identidade numa percepção geral, mas enfatizou a questão da identidade negra.
Citando sua própria experiência, disse ser possuidor de uma identidade negra por ser, antes de
tudo, visto como tal. Por isso destacou que caberia a ele e a todo negro transformar a visão
negativa que está subjacente à identidade negra numa visão positiva. Disse acreditar que a
história da África no ambiente escolar integra esse movimento de afirmação ao construir uma
imagem positiva de África para as crianças e jovens afrodescendentes.
Em posição oposta à do professor Costa e Silva, Kabengele Munanga, a esta altura já na
plateia, evidenciou o fator coletivo na identidade africana, uma vez que a negação da história e
cultura de africanos e afrodescendentes tornou a África uma referência identitária, ainda que
distante ou imaginada, realçando que a identidade africana seria a mais importante a ser
afirmada hoje.

4.2 Diáspora
O professor Valter Silvério salientou que é oportuno pensar na possibilidade de uma história
da diáspora, que já vem sendo feita por alguns historiadores. O Professor Kabengele Munanga
discorreu sobre a necessidade e a complexidade de se trabalhar a história da África a partir de
um viés diaspórico. Segundo ele, a História Geral da Diáspora "não cabe em um volume", pois
para os africanos a diáspora é considerada a sexta região da África. Na acepção de Kabengele,
"falar da diáspora é fazer a história da diáspora". Diante da complexidade do fenômeno
diásporico, o historiador Konate assinalou que, para se empreender tal estudo, é necessário que
se leve em consideração não apenas um continente ou país específico, mas que se abarque
todas as regiões do planeta para onde foram transplantados os africanos.

14