O SAMBA: cantando a histór ia do Br asil 1
Mara Natércia Nogueira 2

Resumo: neste artigo, pretendese sugerir que o samba, um gênero
musical brasileiro, é capaz de contar a história do Brasil, por meio de um
viés mais original, mais criativo e mais autêntico. Partese da premissa
segundo a qual uma compreensão mais ampla da trajetória e da identidade
do povo brasileiro, pode ser obtida com as letras dos sambas pois, as
mesmas, procuram retratar um " Brasil mais brasileiro" . A pretensão do
artigo é a de mostrar que, se, de um lado, o samba vem cantando o
encontro das diferentes culturas e da miscigenação peculiar que, no Brasil,
foram capazes de produzir uma originalidade típica que deve ser
preservada, de outro lado, o samba também tem sido um modo de contar a
história do povo brasileiro, na perspectiva crítica do modelo de colonização
que nos foi imposto.
Palavraschave: samba, identidade cultural, identidade nacional,
miscigenação, colonização.

Para cantar samba
Não preciso de razão
Pois a razão
Está sempre com dois lados
Amor é tema tão falado
Mas ninguém seguiu
Nem cumpriu a grande lei
Cada qual
Ama a si próprio
Liberdade, igualdade
Onde está?
Não sei
Mora na filosofia
Morou, Maria
Morou, Maria 3

1

Texto elaborado para fins de participação no III Concurso: Negros na Sociedade e na Cultura Brasileiras ­
"Construindo uma nova consciência", sob a orientação da Profª Ms. Carmelita Brito de Freitas Felício,
promovido pelo Centro AfroBrasileiro de Estudos e Extensão ­ CEAB Universidade Católica de Goiás, em
maio de 2006.
2
Graduada em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Goiás ­ UCG.

2

O Brasil e a constr ução de sua identidade
Uma boa via para quem quer conhecer a história do Brasil, à luz dos acontecimentos
que remontam à colonização, chegando até os nossos dias, bem como, compreender o
desenvolvimento político das estruturas governamentais a que este país se submeteu para
chegar a ser uma República e se tornar "independente" com soberania e legitimidade, é aquela
que percorre a trajetória do samba 4 . Retratando os acontecimentos de nossa história de uma
forma a um só tempo criativa e original, o samba canta uma "outra" história, por meio da qual
é possível conhecer o modo de vida de cada povo que aqui se fixou, seus costumes e valores,
suas tradições, sua maneira própria de buscar a garantia da liberdade e de se fazer respeitar a
partir de características de pertencimento que constituem a identidade cultural própria dos
grupos responsáveis pela formação do povo brasileiro.
O samba é um caminho que possibilita uma leitura crítica para conhecermos um
pouco mais as peculiaridades desses povos. A história do samba é uma evocação de um
passado integrado na história do Brasil (ALVES, 1976, p. 13). O encontro desses vários povos
provocou uma miscigenação muito peculiar, pois que, alguns vieram para este país como
mercadorias ­ os escravos outros como conquistadores e donos ­ os senhores portugueses
outros vieram para buscar refúgio em um continente novo, enquanto que, outros aspiravam
encontrar melhores oportunidades de vida em uma terra habitada por numerosos grupos
indígenas, antes de sermos submetidos ao processo colonizador. Assim, como pensar que
esse "encontro" de povos e de culturas tenha propiciado a formação de uma nação, a nação
brasileira, por meio de uma "mistura" um tanto quanto especial e peculiar?
Sobre esta problemática, fazse necessário tecer algumas considerações a respeito do
elemento central que distingue os povos, qual seja, a identidade. O conceito de identidade
funciona como o balizador quando sujeitos diferentes culturalmente passam a conviver em um
espaço comum. À luz do conceito de identidade, é possível perceber as diferenças de cada
cultura, perpassadas pelos valores, costumes e tradição de cada uma.
Para o antropólogo Claude LéviStrauss, "a identidade é uma entidade abstrata sem
existência real, muito embora seja indispensável como ponto de referência" (LÉVISTRAUSS
3

Samba de Partido Alto de nome Filosofia do Samba , do compositor Candeia, gravado por Paulinho da Viola
em 19 71. Partido Alto ­ sambas com letras improvisadas, que aparecem com linha melódicas pouco variáveis,
reforçadas por estribilho coral e palmas cadenciadas. Segue a estrutura típica das canções do batuque tradicional
angolano, definição referida na Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro RJ, Ano 1, n°08, p.
27, 2006.
4
Gênero musical que nasce numa adaptação das raízes da cultura africana, através dos séculos e da
transplantação do termo umbigada ou semba , chegando ao Brasil onde se estabelece sua forma definitiva
(ALVES, 1976, p.15).

3

apud ORTIZ, 1985, p. 137). Em nível individual, a identidade, nos termos em que Carlos
Rodrigues Brandão a define, é um conceito que expressa a subjetividade do indivíduo que,
por sua vez, é revestida de conteúdo social. Assim, a identidade pode ser vista como um
sentimento pessoal e a consciência da posse do "eu", de uma realidade individual que a cada
um de nós torna, diante dos outros "eus" um sujeito único. A própria codificação social da
vida coletiva se encarna no sujeito e lhe impõe a sua identidade. Assinala para ele um lugar,
um feixe de papéis, um nome que é seu, de sua família, de sua linhagem, daquilo que ele é
como sujeito (BRANDÃO, 1986, p. 37).
A identidade seria, então, um ponto de intersecção entre o "eu" e o "outro", entre o
indivíduo e a sociedade, seria o reconhecimento de ser quem se é, e é esta realidade que
possibilita aos outros reconhecerem no sujeito o que ele é. Para Renato Ortiz (1985), a
identidade constituise numa das principais mediações entre o indivíduo e a estrutura social,
por sintetizar os aspectos psicológicos e sociais que nos permitem dizer: quem é o indivíduo e
que sociedade é esta onde ele vive. A identidade é aquilo que você é, suas características
próprias, exclusivas e conscientes a alteridade é aquilo que você é aos olhos dos outros. A
alteridade compõe a identidade na medida em que as expectativas do outro influenciam ou
determinam o que entendemos por nós mesmos. As identidades são, como se vê,
representações inevitavelmente marcadas pelo confronto com o outro. Assim, ela não é
apenas o produto da oposição por contraste, mas o próprio reconhecimento social da
diferença. É uma categoria que atribui significados específicos a tipos de pessoas em relação
umas com as outras.
O sentimento gerado a partir da construção pessoal e social de um grupo, que resulta
na qualificação que este grupo vai dar a si próprio sintetizando um modo de ser próprio, que
pensa segundo seus valores e preceitos, que sente de acordo com os seus padrões de
afetividade/interatividade e que orienta sua conduta conforme a imagem com que o grupo se
reconhece enquanto unidade social diferenciada (uma tribo, uma nação, uma minoria, um
povo, uma classe ...), é o que a Antropologia denomina de identidade étnica.
Assim, a identidade de um grupo étnico constróise por meio da afirmação de uma
peculiaridade cultural, diferenciada de outros que, por estarem historicamente unidos por
laços próprios de relações como as familiares, as redes de parentes, os clãs, as aldeias e tribos,
e por viverem e se reconhecerem vivendo em comum um mesmo modo peculiar de vida e
representação da vida social, estabelecem para eles próprios e para os outros as suas fronteiras
étnicas, os limites de sua etnia, configurando o fenômeno que, em Antropologia, é chamado
de etnicidade.

4

A identidade cultural do "sujeito", no decorrer da história da cultura ocidental, vem
passando por distintas definições. A concepção Iluminista preconizava a existência de um
sujeito provido de identidade fixa e estável, dotado das capacidades de razão, de consciência e
de ação. Essa identidade se manifestava quando do seu nascimento e durante sua existência
permanecia inalterado. Num outro momento da história, a identidade é definida na relação do
sujeito com outros que se mostrassem importantes a ele ­ o sujeito sociológico, onde o núcleo
interior do sujeito não era autônomo e autosuficiente. Nessa relação, o sujeito passa a
estabelecer seus valores, sentidos e símbolos, denominados de cultura, do mundo que habitar.
A identidade é, portanto, formada na interação entre o eu e a sociedade (HALL, 1997, p.11).
Quanto ao conceito de identidade nacional, fazse necessário ressaltar acerca do papel
que esta cumpre, como conciliadora das diferenças na perspectiva da formação da unidade
identitária de uma nação, a partir de um padrão homogêneo. A cultura nacional é composta de
instituições culturais, de símbolos e representações. Ela se forma a partir de três aspectos
interrelacionados: a narrativa da nação ­ contada e recontada nas histórias e nas literaturas
nacionais e na cultura popular as origens ­ na tradição e na intemporalidade, onde o objetivo
é inspirar valores e normas de comportamentos por meio da continuidade com um passado
histórico adequado e o mito fundacional o qual é responsável por contar a história que
localiza a origem da nação, do povo e do seu passado num imaginário longínquo (HALL,
1997, p. 50).
Um primeiro parâmetro de referência analítica, para tentar compreender a trajetória de
construção da nossa identidade nacional, pode ser encontrado no modernismo brasileiro dos
anos 20. Para Renato Ortiz (1985) são duas as fases que caracterizam esse movimento. Na
primeira delas (19171924), a preocupação é estética e o modelo é a Europa do século XIX,
com o estabelecimento da ordem burguesa, que assim se expressa: i) autonomização de
determinadas esferas (arte, literatura, cultura entendida como civilização) ii) surgimento de
um pólo de produção orientado para a mercantilização da cultura (bens culturais) iii)
mudança semântica no tocante à arte e à cultura.
A arte, antes vista como habilidade/artesão, agora, é a qualificação ligada à noção de
imaginação e criatividade: um novo vocábulo é encontrado para exprimir a arte: estética. A
cultura que, antes, associavase ao crescimento natural das coisas, agora, passa a encerrar uma
conotação que se esgota nela mesma e se aplica a uma dimensão particular da vida social, seja
enquanto modo de vida cultivado, seja como estado mental do desenvolvimento de uma
sociedade.

5

A 2ª fase (a partir de 1924) estendese até os anos 50, com a elaboração de um projeto
de cultura mais amplo que se expressa à luz da questão da brasilidade. Expressam esse
projeto: a arquitetura de Niemeyer o teatro de Guarnieri o desenvolvimento do ISEB
(Instituto Superior de Estudos Brasileiros, fundado em 1956) a literatura de Oswald de
Andrade (Manifesto Antropofágico).
Um outro parâmetro de busca de uma definição da identidade nacional, de tentativa
de definição de nossa brasilidade, pode ser buscado no ideal daqueles que "pensaram" o
Brasil: Sérgio Buarque de Holanda, com as raízes na "cordialidade" do brasileiro Cassiano
Ricardo ("bondade"), Silvio Romero que definiu seu método como "popular e étnico"
(brasileiro como "raça mestiça"). Outros autores tomam eventos como o carnaval ou a índole
malandra para definirem o "ser" nacional. Todas as definições procuram atribuir ao brasileiro
um caráter imutável à maneira de uma substância filosófica.
Mas, a pergunta a ser feita é, qual é a ideologia subjacente ao projeto de construção da
identidade nacional? Segundo Ortiz (1985), a partir dos anos 50, o debate gira em torno da
seguinte questão: "sem ideologia do desenvolvimento não há desenvolvimento". Assim, o
desenvolvimento e a modernização se identificam como elementos de uma identidade que se
pretende construir: uma identidade nacional. No contexto de uma sociedade industrializada,
modernidade e nacionalidade articulados formam a racionalidade capitalista. Mas, se a
construção nacional da identidade, contrapõese às forças oligárquicas e conservadoras do
imperalismo internacional, o que é digno de nota é que, nessa discussão, a ausência da cultura
popular revela claramente que o nacional não é popular.
Segundo Ortiz (1985), se tomarmos como exemplo a obra de Gilberto Freyre, um
crítico da modernidade, veremos que são características da sua obra: a retratação da realidade
brasileira à luz da casagrande/senzala a atitude senhorial opõese à ordem industrial que se
implanta a partir de 30 na polaridade entre o tradicional e o moderno, a valorização da ordem
oligárquica. Há de se notar, também, o contraste entre São Paulo e o nordeste. Enquanto São
Paulo é a representação da cidade, da locomotiva, da burguesia industrial, do gosto pelo
trabalho e da realização técnica e econômica, as imagens do Nordeste são construídas a partir
da terra, do campo, dos habitantes telúricos e tradicionais e por isso representam o tipo
brasileiro por excelência.
À luz dessas considerações, é possível perceber, então, que o "Estado Nacional" 5 ,
fundado na soberania popular é uma totalidade que dissolve a heterogeneidade da cultura
5

Mais referências sobre a discussão envolvendo o papel do Estado na construção da identidade cultural ver:
ORTIZ (1985), especialmente o último capítulo: "Estado, cultura popular e identidade nacional".

6

brasileira na univocidade do discurso ideológico. É através de uma relação política, portanto
(via Estado), que se constitui assim a identidade nacional, como construção de segunda ordem
que se estrutura no jogo da interação entre o nacional e o popular, tendo como suporte real a
sociedade global como um todo.
Nesse contexto, as características culturais ­ costumes, tradições, sentimentos de
pertencimento a um lugar, língua e religião dos povos que no Brasil se fixaram, provocou
uma mistura de raças original e peculiar. A alegoria às três raças ­ índios, negros, brancos e
o surgimento de uma miscigenação brasileira, se, de um lado, passa a significar a verdadeira
e diferencial riqueza cultural deste país (DAMATTA, 1987, p.37), por outro lado, o mito da
mestiçagem, ao incorporar os elementos ideológicos que estão na base da construção da
identidade nacional, coloca um problema para os movimentos negros:
Na medida em que a sociedade se apropria das manifestações de cor e as integra no
discurso unívoco do nacional, temse que elas perdem sua especificidade. Temse
insistido muito sobre a dificuldade de se definir o que é o negro no Brasil. O impasse
não é simplesmente teórico, ele reflete as ambigüidades da própria sociedade
brasileira. A construção de uma identidade nacional mestiça deixa ainda mais difícil
o discernimento entre as fronteiras de cor. Ao se promover o samba ao título de
nacional, o que efetivamente ele é hoje, esvaziase sua especificidade de origem, que
era ser uma música negra (ORTIZ, 1985, p. 43).

A miscigenação que faz a nossa diferença

A miscigenação que germina no seio de uma convivência não espontânea, passa a
compor um cenário que toca particularmente nas características regionais, quando se trata de
pensar a formação do povo brasileiro. Martinho da Vila, cantor e compositor, por meio de um
sambaenredo 6 intitulado "Quatro Séculos de Modas e Costumes" 7 reportase a esse aspecto:

A Vila desce colorida
Para mostrar no carnaval
Quatro séculos de modas e costumes
O moderno e o tradicional
6

Segundo NAVES, Santuza Cambraia. Almofadinhas e Malandros, p.22 27. In: Revista de História da
Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro RJ, p. 27, 2006 sambaenredo é uma modalidade em que letra e melodia
são criadas a partir de um tema escolhido como enredo de escola de samba. Os primeiros eram feitos no Rio de
Janeiro de maneira livre e tratavam da realidade dos sambistas e de seu meio. A partir dos anos 1930, com a
institucionalização das disputas entre escolas, esses sambas passaram a narrar episódios e a exaltar personagens
da história nacional. Hoje dão o tom aos desfiles do Rio de Janeiro e de escolas de outras capitais do país.
7
Quatro séculos de Modas e Costumes, do compositor e intérprete Martinho da Vila. In: Martinho da Vila, Rio
de Janeiro ­ RJ, RCA S/A, 1969, disco LP, lado 1, faixa 2. Tratase de um sambaenredo que foi para a avenida
com a escola Unidos de Vila Isabel de Nilópoles, em 1969.

7

Negros, brancos, índios
Eis a miscigenação
Ditando a moda, fixando os costumes
Os rituais e a tradição
A miscigenação, ao criar modelos identitários que vão compor os elementos culturais
constitutivos das características do povo brasileiro, cria, também como é possível detectar no
samba de Martinho da Vila , as condições para que, costumes, rituais e tradições passem a
conviver com o que é da ordem dos modismos. Assim, o sambista reconhece que a
mestiçagem tanto pode ser um elemento de coesão, como também de disputa entre os tipos
brasileiros:

E surgem tipos brasileiros
Saveiros e bateador
O carioca e o gaúcho
Jangadeiro e cantador
No mesmo samba, Martinho coloca lado a lado as figuras do negro e do branco,
realçando, assim, o caráter da convivência interétnica. Mas, há de se observar que o sambista
chama a atenção, também, para o problema das relações de classe. O que aparece associado
ao branco é um elemento que valoriza a sua condição, qual seja, a elegância das damas,
enquanto que, o que aparece vinculado ao negro é simplesmente a figura da mucama, sem um
adjetivo que possa caracterizála positivamente enquanto tal.

Lá vem o negro
Vejam as mucamas
Também vem com o branco
Elegantes damas
Ainda no mesmo samba, é possível identificar a configuração de outros parâmetros e
elementos que remetem aos costumes regionais caracterizados pela diversidade dos ritos e das
manifestações culturais:

Desfilam modas no Rio
Costumes do Norte
E a dança do Sul
Capoeira, desafios

8

Frevos e maracatu
Laiaraiá, ô
Laiaraiá
Festa da meninamoça
Na tribo dos Carajás
Candomblés lá da Bahia
Onde baixam os orixás
Como conseqüência da mistura de raças, o Brasil se vê confrontado com uma
mestiçagem a um só tempo peculiar e ambígua, como já mencionamos antes. Tratase de
saber, então, em que consiste essa peculiaridade e essa ambigüidade. Na linguagem das
ciências sociais e à luz da compreensão sócioantropológica do conceito de mestiço, desde há
muito, este deixou de ter raízes especificamente biológicas, para aterse aos dados
propriamente sociais das classificações étnicoclassistas usadas por diferentes grupos sociais
em diferentes contextos (DICIONÁRIO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 1987, p.74849). Em que
pese, porém, no contexto brasileiro, uma tendência representada principalmente por Gilberto
Freire, de destacar o papel integrador da mestiçagem, tratandoa como uma característica
específica da colonização portuguesa e tendente a afirmar os valores de uma nacionalidade
que, embora nova, integra os valores das diferentes etnias mestiçadas, o que importa ressaltar
é o fator de integração que a mestiçagem promove, "ao permitir ao brasileiro se pensar
positivamente a si próprio" (ORTIZ, 1985, p. 43).

O samba: expr essão de um canto que r etr ata uma "outra" histór ia

No tocante às aspirações e lutas por liberdade, se recorrermos ao samba, é possível
identificar letras que retratam com maestria a luta dos negros para se livrar do cativeiro. Um
exemplo é o célebre samba de Paulinho da Viola, "Uma História Diferente" 8 :

A história desse negro
É um pouco diferente
Não tenho palavras
Para dizer o que ele sente
Tudo aquilo que você ouviu
A respeito do que ele fez
8

Uma História Diferente, samba do compositor e intérprete Paulinho da Viola. In: Paulinho da Viola, Rio de
Janeiro ­ RJ, EMI ­ ODEON ­ Brasil, 1978, disco LP, lado A, faixa 6. Tratase também de um Sambaenredo.

9

Serve para ocultar a verdade
É melhor escutar outra vez
A imagem do negro, quantas vezes associada à de um povo fadado à submissão e
desprovido de civilidade, é contraposta por Paulinho, ainda neste mesmo samba, de um modo
que retrata nossa herança escravagista e, ao mesmo tempo, as lutas de resistência dos negros
no Brasil:

Foi um bravo no passado
Quando resistiu com valentia
Para se livrar do sofrimento
Que o cativeiro infligia
O significado da resistência aparece, ainda, ligado à contribuição dos negros à história
de formação do povo brasileiro. Por meio da arte, da religião e até da culinária, os negros
foram disseminadores dos valores da tradição, ao mesmo tempo em que imprimiram o
sentimento de liberdade, tal como é cantado neste mesmo samba:

E apesar de toda opressão
Soube conservar os seus valores
Dando em todos os setores da nossa cultura
A sua contribuição
Guarda contigo
O que não é mais segredo
Que esse negro tem história, meu irmão
Pra fazer um novo enredo
O compositor Aurinho da Ilha, em "História da Liberdade no Brasil" 9 , interpretado
por Martinho da Vila, também procura resgatar os fatos históricos ligados às lutas por
liberdade, resgatando as personagens que estiveram à frente da resistência à opressão:

Quem por acaso for folhear a História do Brasil
Verá um povo cheio de esperança
Desde criança
Lutando para ser livre e varonil
Do nobre Amadeu Ribeira
9

História da Liberdade no Brasil, sambaenredo, do compositor Aurinho da Ilha, intérprete Martinho da Vila.
In: Rosa do Povo, São Paulo ­ SP, RCA Eletrônica Ltda, 1976, disco LP, lado A, faixa 4.

10

O homem que não quis ser rei
A Manoel, o bequimão
Que no Maranhão
Fez aquilo tudo que ele fez
Nos Palmares
Zumbi, um grande herói
Chefia o povo a lutar
Só para um dia alcançar
Liberdade
Quem não se lembra
Do combate aos Emboabas
E da chacina dos mascates
O amor que identifica
O herói de Vila Rica
Na Bahia são os alfaiates
Escrevem com destemor
Com sangue, suor e dor
A mensagem que encerra o destino
De um bom menino
O samba "Como Era Verde o Meu Xingú" 10 , ao cantar as belezas da natureza, no
tempo em "o verde era mais verde", numa alusão aos tempos précoloniais, canta, também, a
liberdade dos índios, quando estes ainda eram os senhores das terras.

Emoldurado em poesias
Como era verde o meu Xingú, meu Xingú
Suas palmas que beleza
Onde encantava o uirapurú
Palmeiras, carnaúbas, seringais
Cerrados, florestas e matagais
Oh, sublime
Oh, sublime natureza
Abençoada pelo nosso Criador, Criador
Quando o verde era mais verde
E o índio era o senhor
Camaiurá, calabar e caicurú
Cantavam os deuses livres no verde Xingú

10

Como Era Verde o Meu Xingu, dos compositores: Dico da Viola, Paulinho Mocidade, Tiãozinho da Mocidade
e Adil. In: Recompensa (disco Mix Promocional), Rio de Janeiro ­ RJ, Fonobrás ­ Distribuidora Fonográfica
Brasileira Ltda, 1985, disco LP, lado 2, faixa única. Samba interpretado por Marçal foi para a avenida com a
escola Mocidade Independente de Padre Miguel em 1983.

11

A colonização que nos foi imposta e a referência à aculturação sofrida pelos povos
indígenas é retratada neste mesmo samba que também canta a revolta à invasão sofrida. É
possível, ainda, identificar neste samba um apelo à preservação ambiental e à "união dos
povos da floresta" que, mais tarde, seria o lema de Chico Mendes e do movimento político
pela preservação da Amazônia.

Mas quando
Quando o homem branco aqui chegou
Trazendo a cruel destruição
A felicidade sucumbiu
Em nome da civilização
Mas, mãe natureza
Revoltada com a invasão
Seus camaleões guerreiros
Com seus raios justiceiros
Os caraíbas expulsarão
Deixe a nossa mata sempre verde
Deixe o nosso índio ter seu chão
À luz dos sambas que cantam o que estamos chamando aqui de "outra" história,
valeria interrogar o lugar do termo "civilização", remetido aos acontecimentos históricos da
formação do povo brasileiro, uma vez que, em nome de um projeto de civilização, povos
inteiros foram dizimados, enquanto outros foram totalmente subjugados. Atentemonos,
então, aos dois significados básicos norteadores da definição que estamos buscando:
No primeiro, a civilização é considerada como uma forma de cultura, onde
civilização e cultura são sinônimos, quando a cultura se apresenta com expressivo
grau de complexidade caracterizada por elementos e traços "qualitativamente mais
adiantados e que podem ser medidos por alguns critérios de progresso". No segundo,
civilização e cultura se contrastam, "cultura muda seu significado para passar a ser
as idéias e criações humanas relacionadas com mito, religião, arte e literatura,
enquanto que a civilização fica sendo o campo da criatividade humana relacionada
com tecnologia e ciência". (DICIONÁRIO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, 1987, p.189).

Desde o final do século XVIII e início do século XIX, há um consenso em torno da
idéia de que civilização diz respeito a uma forma de cultura diferente de outras, em termos
qualitativos. Explicase esse fato fundamentandose na justificativa de que civilização
significava o próprio ato de civilizar povos nãoocidentais, levandoos a assimilarem os
mesmos valores e costumes dos europeus. Esse fenômeno que a antropologia denomina de
etnocentrismo, marcou, como bem o sabemos, o processo de colonização do Brasil.

12

Por meio da imposição de modelos culturais europeus, implantouse no Brasil uma
visão de mundo na qual o que era considerado o melhor e o mais correto, estariam ligados aos
valores europeus e, dessa forma, todos os outros passaram a ser avaliados à luz dos
parâmetros da cultura européia. Ora, a tendência do homem em ver o mundo através de sua
cultura ­ visão etnocêntrica ­ traduzse num fenômeno universal, onde há a crença de que a
própria sociedade seja o centro da humanidade. Assim, a humanidade deixa de ser a
referência em detrimento de um grupo particular. O problema é que, "tais crenças contêm o
germe, do racismo, da intolerância, e, freqüentemente, são utilizadas para justificar a violência
praticada contra os outros" (LARAIA, 2003, p. 7273).
Um contraponto, porém, à ideologia do etnocentrismo, pode ser vislumbrada à luz do
samba que traduz, como procuramos demonstrar, o ideal de liberdade, a alegria e a resistência
do povo brasileiro. Contudo, o samba da cidade e o samba do morro, ainda que tenham sido
apropriados como símbolos da identidade nacional, são uma promessa de diálogo
intercultural, no sentido de reciprocidade e de convivência interétnica, capazes de promover
uma manifestação autêntica das culturas populares, enquanto expressão da pluralidade
cultural existente no universo brasileiro.
O samba como um símbolo nacional, na década de 1930 e em várias partes do mundo,
exaltava o sucesso que este gênero musical alcançava na América do Norte, através da voz e
da figura marcante de Carmem Miranda, como se pode ver em "Brasil Pandeiro" 11

O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada
Anda dizendo que o molho da baiana
Melhorou seu prato
Vai entrar no cuzcuz, acarajé e abará
Na Casa Branca
Já dançou a batucada
Com ioiô e iaiá
Brasil
Esquentai vossos pandeiros
Iluminai os terreiros
Que nós queremos sambar
Há quem sambe diferente
Noutras terras, outra gente
Num batuque de matar

11

Brasil Pandeiro, do compositor Assis Valente, intérprete Anjos do Inferno. In: Brasil Pandeiro ­ Anjos do
Inferno, São Paulo ­ SP, RCA S/A Eletrônica, 1971, disco LP, lado 2, faixa 5.

13

Batucada
Reuni vossos valores
Pastorinhas e cantores
Expressões que não têm par. 12
À guisa de conclusão e retomando o nosso ponto de partida, podese afirmar que o
tema da identidade cultural articulado à riqueza das expressões musicais que se revelam por
meio do samba, se por um lado, põe em questão: quem somos nós? por outro, como se
procurou mostrar, as identidades étnicas são um potencial rico de análise, para se entender as
relações entre o particular e o universal, buscandose assim novos caminhos para os
relacionamentos sociais e humanos nestes tempos de "globalização". Por isso, nada melhor do
que esse exercício antropológico de refletir sobre a construção das identidades no Brasil por
meio de uma de suas mais vivas expressões: o samba. Como ensina LéviStrauss,
cada cultura desenvolvese graças a seus intercâmbios com outras culturas, mas é
necessário que cada uma oponha certa resistência a isso, caso contrário, logo não terá
nada que seja propriedade particular para trocar. A ausência e o excesso de
comunicação tem um e outro seus riscos (apud SOUZA, 1998, p. 5051).

É por isso que, calar o samba é apagar a história real, a "outra" história, de paixões e
lutas, de conquistas e perdas, de derrotas e vitórias do povo brasileiro. Calar o samba, por
outro lado, pode obstruir o processo de abertura por meio do qual o nosso país pode
relacionarse com outros e oferecer o que ele tem de melhor: sua arte, sua cultura, seu senso
estético, sua criatividade, "expressão que não tem par".

Refer ências

ALVES, Henrique Losinskas. Sua Excelência ­ O Samba, 1976, 2ª ed.. São Paulo, ed.
Símbolo.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Identidade & etnia ­ construção da pessoa e resistência
cultural. São Paulo : Brasiliense, 1986.

DICIONÁRIO DE CIÊNCIAS SOCIAIS / Fundação Getúlio Vargas, Instituto de
Documentação Benedicto Silva, coordenação geral Antônio Garcia de Miranda Neto . . . / et
al. / 2ª ed. , Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1987. XX, 1422 p.

14

DAMATTA, Roberto. "Digressão: A Fábula das Três Raças, ou o Problema do Racismo à
Brasileira". In: Relativizando: Uma Introdução à Antropologia Social. Rio de Janeiro. Editora
Rocco, 1987, Cap.7, pp. 58 ­ 85.

FREIRE, Gilberto. Casa Grande Senzala. 4ª ed. Rio de Janeiro, José Olímpio, 1943. In:
DICIONÁRIO DE CIÊNCIAS SOCIAIS / Fundação Getúlio Vargas, Instituto de
Documentação Benedicto Silva, coordenação geral Antônio Garcia de Miranda Neto . . . / et
al. / 2ª ed. , Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1987. XX, 1422 p.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na PósModernidade. Tradução de Tomáz Tadeu da
Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro. DP&A Ed., 1997.
LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro:Jorge Zahar
Ed., 2003.
NAVES, Santuza Cambraia. Almofadinhas e Malandros. In: Revista de História da Biblioteca

Nacional, Rio de Janeiro ­ RJ, p. 22 27. Ano 1, n° 08, fevereiro / março 2006.
ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 3 a . ed. São Paulo: Brasiliense,
1985.
SOUZA, Maria Luiza Rodrigues. Globalização: apontando questões para o debate. In:

Memória . FREITAS, Carmelita Brito de (org.). Goiânia : Ed. UCG, 1998, pp. 4954.

12

Ibidem.