CRISTINE MARIA FRANZ
JOSE ROBERTO VIEIRA SEBERINO
[email protected]

A HISTÓRIA DO TRÂNSITO E SUA EVOLUÇÃO

JOINVILLE
ABRIL/2012

CRISTINE MARIA FRANZ
JOSE ROBERTO VIEIRA SEBERINO

A HISTÓRIA DO TRÂNSITO E SUA EVOLUÇÃO

Monografia apresentada ao Curso de PósGraduação Lato Sensu, como requisito parcial
para obtenção do certificado de Especialista
em Gestão, Educação e Direito de Trânsito.
Prof.a. Orientadora Ma. Denise Raquel Rosar

JOINVILLE
ABRIL/2012
2

FOLHA DE APROVAÇÃO

CRISTINE MARIA FRANZ
JOSE ROBERTO VIEIRA SEBERINO

A HISTÓRIA DO TRÂNSITO E SUA EVOLUÇÃO

Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, como requisito parcial
para obtenção do certificado de Especialista em Gestão, Educação e Direito de Trânsito,
e aprovado pelos seguintes professores:

__________________________________

__________________________________

JOINVILLE
ABRIL/2012
3

AGRADECIMENTOS

A todos aqueles que de uma maneira ou de outra contribuíram para o
desenvolvimento e a realização do presente trabalho.
Muito obrigada.

4

Na vida, quanto mais se vive,
Mais se aprende. No trânsito, quanto
Mais se aprende, mais se vive.
(Anônimo)

5

TÍTULO: A HISTÓRIA DO TRÂNSITO E SUA EVOLUÇÃO
AUTOR(ES): CRISTINE MARIA FRANZ
JOSE ROBERTO VIEIRA SEBERINO
ORIENTADORA: Ma. DENISE RAQUEL ROSAR

RESUMO

O presente artigo foi elaborado a partir de uma pesquisa bibliográfica, tendo como
objetivo contar a história do trânsito no Brasil e a sua evolução até os dias atuais. Visto
que o acervo neste assunto é muito pequeno o que dificulta a pesquisa e conhecimento
da população sobre este tema. Precisamos como usuários do trânsito conhecer e
identificar os problemas atuais para assim entender as dificuldades e colaborar para que
tenhamos um trânsito mais humano, aceitando que se cada um de nós se fizermos a
nossa parte estaremos nos ajudando mutuamente. Muitos problemas que identificamos
no trânsito hoje, são de origem remota, de anos antes de Cristo e que se arrastam até os
dias atuais. Um exemplo é a construção dos caminhos, hoje estradas que levam a
população de uma localidade à outra, e que nesses caminhos já havia trânsito e
congestionamentos mostrando que deveria haver planejamento criando regras de
circulação de pedestres e veículos. Em suma, desde que existe o ser humano sempre
houve problemas com o trânsito.

PALAVRAS-CHAVE: História do trânsito, evolução, construção de caminhos.

6

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Estrada de Peabiru .................................................................................. 12
Figura 2 ­ Mapa do Caminho de Peabiru ................................................................ 13
Figura 3 ­ Caminho do Mar ..................................................................................... 14
Figura 4 ­ Estrada da Estrela .................................................................................. 15
Figura 5 ­ Estrada União e Indústria ....................................................................... 15
Figura 6 ­ Rodovias Radias ..................................................................................... 20
Figura 7 ­ Rodovias Longitudinais ........................................................................... 21
Figura 8 ­ Rodovias Transversais ........................................................................... 21
Figura 9 ­ Rodovias Diagonais ................................................................................ 22

7

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................... 09
2 ORIGEM E EVOLUÇÃO DO FENÔMENO TRÂNSITO ........................................ 10
2.1 O TRÂNSITO.........................................................................................................10
2.2 A HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DO TRÂNSITO.........................................................10
2.3 A CONSTRUÇÃO DAS ESTRADAS NO BRASIL.................................................14
2.4 HISTÓRIA DA LEGISLAÇÃO DE TRÃNSITO NO BRASIL...................................17
2.5 AS SIGLAS DAS ESTRADAS BRASILEIRAS.......................................................19
2.5.1 RODOVIAS RADIAIS..........................................................................................20
2.5.2 RODOVIAS LONGITUDINAIS............................................................................20
2.5.3 RODOVIAS TRANSVERSAIS............................................................................21
2.5.4 RODOVIAS DIAGONAIS....................................................................................21
2.5.5 RODOVIAS DE LIGAÇÃO..................................................................................22
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS.....................................................................................23
4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................................24

8

1 INTRODUÇÃO

Este trabalho resultado da pesquisa bibliográfica é um dos requisitos de avaliação
para aprovação na disciplina de Metodologia Científica do curso de especialização em
gestão, educação e direito de trânsito da Faculdade Dom Bosco.
Tem como objetivo contar a história do trânsito no Brasil e a sua evolução até os
dias atuais. Para atingir o objetivo acima iremos: Escrever sobre a origem e evolução do
fenômeno trânsito; fazer um breve relato da evolução do trânsito no Brasil; fazer a relação
da legislação de trânsito de 1910 até a atualidade.
O tema foi escolhido por ser algo que enfrentamos todos os dias, andando nas
vias, mas não temos o conhecimento de como surgiu ou o porquê existem tantos
problemas e congestionamentos.
O trânsito foi evoluindo muito rápido, quando o primeiro carro chegou ao Brasil já
houve a preocupação em criar regras para regulamentar aos usuários e que não
prejudicassem os pedestres e outros usuários da via.
Após a revolução industrial, os veículos começaram a estar mais acessíveis à
população e com isso houve a necessidade de readequar as leis de trânsito.
Historicamente o trânsito é considerado trânsito pelo simples ato de caminhar, mas podese considerar o início nas civilizações antigas, temos dados de 5.500 anos atrás, enfim,
podemos dizer que desde que existe o ser humano, existe trânsito.
E por fim veremos de forma resumida a evolução da legislação de trânsito e o significado
das siglas das rodovias brasileiras.

9

2 ORIGEM E EVOLUÇÃO DO FENÔMENO TRÂNSITO

2.1 O TRÂNSITO

Pelos dicionários o significado de trânsito é o movimento de veículos e de
pedestres considerado em seu conjunto, corresponde a qualquer movimento ou
deslocamento de pessoas, animais ou veículos de um lugar para outro.
Conforme o art. 1°, § 1° do Código de Trânsito Brasileiro (CTB, 2009, p.21)
"Considera-se como trânsito a utilização das vias por pessoas, veículos, animais, isolados
ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e
operação de carga ou descarga".
Ainda no CTB (p. 184) o termo trânsito recebe a definição: movimentação e imobilização
de veículos, pessoas e animais nas vias terrestres. Vejamos que adicionado o termo
imobilização, disciplina também os veículos estacionados, tratando de igual forma aqueles
colocados em lugares proibidos.
Analisando as definições estabelecidas pelo Código de Trânsito Brasileiro, trânsito
é tudo aquilo que se movimenta, se locomove de alguma forma, através de veículos,
animais, também aquele que se movimenta isolado ou em grupo. A movimentação
constitui o trânsito independente do local em que está. Podemos dizer que para tudo
utilizamos o trânsito, até mesmo para pedir um produto para entregar em casa, ele veio
através do trânsito para suprir a nossa necessidade.

2.2 A HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DO TRÂNSITO

A origem do fenômeno trânsito perde-se no tempo, visto que é primitiva levando em
conta que toda a atividade humana esta relacionada ao deslocamento de um local para
outro. Somente com o desenvolvimento das civilizações antigas passou a haver a
necessidade da implantação de normas para regulamentar a utilização das vias. Mas
ainda o meio de locomoção mais antigo é o próprio ato de caminhar, o homem com sua
força matriz se deslocava por longas distâncias carregando seus bens sobre os ombros
ou arrastando-os, até que perceberam que poderiam domesticar os animais e utilizar sua
força para o transporte de carga.
Nas civilizações antigas a carreta puxada a bois era um meio muito utilizado,
conforme Honorato (p.1, 2004) no Império Romano "criou um sistema rodoviário com mais
de 100.000 Km de extensão", visando o deslocamento das tropas. Por esse motivo ainda
10

se diz, popularmente, que todos os caminhos levam a Roma. O método de construção
dessas vias pode ser assim resumido:
Primeiro, o terreno era estaqueado, para ganhar rigidez. Depois, espalhava-se
sobre ele bastante calcário grosso ­ o rudus -, o qual era bem socado. Por fim,
vinha uma camada de calcário mais fino ­ o nucleus ­ nivelado a capricho. E só
então se assentava o revestimento final: grandes pedras chatas, rigorosamente
ajustadas, que proporcionavam uma superfície lisa, ótima de se pisar. O que era
muito importante, pois, no tempo dos romanos, os exércitos se deslocavam a pé.

O avanço aos meios de transportes ocorreu com a invenção da roda, a primeira
indicação da figura da roda registrada numa placa de argila, auxiliando o meio de
transporte humano foi na Suméira em 3.500 a.C, mas para muitos cientistas a roda é o
maior invento de todos os tempos e acredita-se que seus inventores foram os povos que
habitavam a antiga Mesopotâmia, atual Iraque acerca de 5.500 anos atrás, porém era
utilizado somente por oleiros a exemplo da cerâmica. Há muitos indícios da origem da
roda mas conta-se pela maioria dos autores que a roda foi originada de um tronco de
árvore utilizado como rolo, mais tarde esse rolo foi transformado em disco e posterior a
isso fizeram rodas para antigas carruagens puxadas à cavalo e foram modernizando até
chegar aos dias atuais. À medida que se aperfeiçoava a roda, novos veículos também
eram criados para atender as necessidades de locomoção e transporte do homem, assim
os antigos caminhos eram transformados em verdadeiras estradas permitindo o acesso
cada vez mais rápido entre cidades ou povoados distantes.
Os primeiros sinais de problemas no trânsito iniciaram justamente em Roma, a
dimensão do império e a constante necessidade de deslocamento de tropas impuseram a
"prioridade do trânsito terrestre ao marítimo" (grifos nossos), bem como a construção de
vias terrestres para unir as províncias do império. Com isso foi necessário o imperador
Julio César banir o tráfego de rodas do centro de Roma durante o dia, criou-se também
algumas regras de circulação, como a limitação de peso para os veículos de transporte de
carga e a proibição de determinados veículos na cidade de Roma em virtude de suas vias
não terem sido planejadas para suportar grande quantidade de veículos e pessoas.
(HONORATO, 2004).
Com a queda do império Romano do Ocidente (em 476 d.C) houve uma
progressiva deterioração da rede viária e repentino esquecimento das vias de circulação.
A partir do século VIII, praticamente desapareceram as vias pavimentadas em razão do

11

absoluto abandono, restando somente os caminhos de terra e nenhuma forma de
intervenção na continuação da regulamentação das vias.
Séculos mais tarde, a única preocupação que os Reis da Espanha tiveram foi de
garantir a segurança dos usuários dos caminhos, em especial àqueles que utilizaram o
Caminho para Santiago de Compostella. Nesse período os caminhos foram considerados
bens de uso comum a todos os homens não sendo permitido adquiri-los, passou-se então
a reclamar por segurança e proteção às pessoas que por ali transitavam surgindo então a
Paz do Caminho, ou seja, quem por ali passava era tão importante quanto o Rei e tinha a
proteção das tropas do exército real. (HONORATO, 2004).
A partir do século XVII, os países da Europa retomaram a construção dos
caminhos e criaram uma rede nacional de caminhos cobertos com uma camada de pedra
triturada. No Brasil a estrada mais antiga conforme Basso foi no século XVI chamado de
Caminho de Peabiru, que ligava o Brasil até o Peru (Bolívia) passava pelo Paraná,
Paraguai, Bolívia, a Cordilheira dos Andes e terminava no sul do Peru, onde pegava parte
do Oceano Pacífico, sua principal função era guiar migrações indígenas, mas também
serviu para facilitar a circulação de mercadorias e missões religiosas.

Figura 1: Estrada de Peabiru
Fonte: http://www.historiabrasileira.com/brasil-pre-colonial/caminho-do-peabiru/

12

Figura 2: Mapa do Caminho de Peabiru.
Fonte: http://www.historiabrasileira.com/brasil-pre-colonial/caminho-do-peabiru/

Contudo, grandes problemas relacionados ao trânsito surgiram com a Revolução
Industrial (1760-1830) com a criação do motor a combustão interna e a fabricação do
automóvel, o primeiro carro a chegar ao Brasil foi em 1897, importado da França e
pertencendo ao ativista Jose do Patrocínio. Certo dia emprestou seu carro para o poeta
Olavo Bilac que no Rio de Janeiro mas especificamente na Barra da Tijuca provocou o
primeiro acidente de trânsito no Brasil, perdendo o controle do veículo pois não sabia
dirigir e colidiu com uma árvore.
Em Joinville/SC segundo reportagem do Jornal A Notícia, o primeiro veículo a
desembarcar na cidade através do Rio Cachoeira na Praça Hercílio Luz foi em maio de
1907, pertencente aos irmãos Trinks, pouco mais de uma semana depois acontecia o
acidente envolvendo o veículo, o cãozinho Fox foi atropelado na rua do Príncipe, o
acontecimento foi noticiado pelo jornal da época "Kolonie Zeitung".
Diante disso, o Poder Público e o Automóvel Clube do Brasil começaram a se
esforçar para tornar o trânsito mais seguro, falando-se em regras de circulação para
proteger os pedestres e motoristas. Autoridades municipais de São Paulo e Rio de
Janeiro com o intuito de disciplinar o trânsito, criaram em 1903 a concessão das primeiras
licenças para dirigir, sendo que "em 1906, adotou-se no país o exame obrigatório para
habilitar motoristas". (PONTES, 2009 apud OLIVEIRA, 1986, p. 29)
Em 1954 após a morte de Getulio Vargas, Juscelino Kubitscheck assumiu o poder
do Brasil com o compromisso de "fazer 50 anos em 5", com isso dois fatos mudaram a
cara do Brasil, a construção de Brasília e a criação automobilística nacional. Seu plano de
governo continha metas ousadas na área de infra-estrutura incluindo a construção de
estradas para acompanhar a fabricação dos automóveis.

13

O automóvel antes reduzido a elite, tornou-se artigo de consumo da classe média e
um progresso e desenvolvimento em nível social, multiplicaram-se as estradas, as
avenidas e estacionamentos para acomodar um número cada vez maior de veículos. Em
razão ao crescente número de veículos trafegando na via foram introduzidas regras na
sociedade para organizar o fluxo, várias pessoas dividindo o mesmo espaço de circulação
tornou-se cada vez mais perigoso, as viagens estavam se tornando cada vez mais
rápidas e aumentando com isso o número de acidentes e suas conseqüências.
A evolução do trânsito no Brasil tem causado um aumento significativo, dos
problemas de circulação devido ao acumulo de pessoas em grandes centros, hoje
congestionamentos são comuns em muitas cidades do país, por isso exige que os órgãos
competentes tenham uma observação sempre atenta às mudanças para inovar as leis e
adequar-las à realidade.

2.3 A CONSTRUÇÃO DAS ESTRADAS NO BRASIL

A Estrada Caminho do Mar localizada no estado de São Paulo (SP-148) ligando
Santos ao planalto paulista via ABC, é a estrada mais antiga construída que se tem
registros. Teve início em 1560, quando Mem de Sá (na época Governador geral do Brasil
1558-1572) encarregou os jesuítas de abrir novo caminho ligando São Vicente ao Planalto
Piratininga. Com o tempo a via foi se deteriorando dificultando a passagem e em 1661 o
Governo da Capitania de São Vicente mandou construir a Estrada do Mar com mais de 70
pontes, permitindo então o tráfego de veículos. A estrada foi abandonada de 1844 até
1905 devido à concorrência sofrida na época pela via férrea, em 1913 ela foi reconstruída,
em 1922 foi pavimentada em concreto, atualmente está em fase de recuperação e aberta
somente para fins turísticos.

Figura 3: Caminho do Mar
Fonte: http://www.estradas.com.br/histrod_caminhodomar.htm

14

Em 1841, o major Júlio Frederico Koeler foi encarregado pelo Imperador D. Pedro II
de construir um melhor caminho de Porto da Estrela ligando Rio de Janeiro-RJ a
Petrópolis-RJ onde a família imperial costumava passar temporadas. Surgiu assim a
estrada Normal da Serra da Estrela que pode ser percorrida até hoje.

Figura 4: Estrada da Estrela
Fonte: http://www.estradas.com.br/histrod_uniaoindustria.htm

Em 1854, o Comendador Mariano Procópio Ferreira Lage recebeu a concessão de
50 anos criando a empresa União e Indústria para construir e administrar uma estrada
partindo de Petrópolis-RJ à margem do Rio Paraíba, nascia então mais uma estrada
ganhando o mesmo nome da empresa "Estrada União e Indústria". Mais tarde foram
modificando a estrada conforme as exigências de tráfego da época e em 1861 tinha 144
Km permitindo trafegar a uma fantástica velocidade de 20 Km/h. A importância da estrada
era tanto que virou notícia, o fotógrafo francês Revert Henrique Klum criou o primeiro guia
de viagens do Brasil intitulado "Doze Horas em Diligência ­ Guia do Viajante de Petrópolis
a Juiz de Fora", editado em 1872 descrevendo com palavras e fotografias a fantástica
viagem. A estrada original foi absorvida pela BR-040 obrigando o motorista a alternar
entre a antiga e nova estrada para percorrer a Estrada União e Indústria, restando ainda
muitas pontes e construções da antiga estrada.

Figura 5: Estrada União e Indústria
Fonte: http://www.estradas.com.br/histrod_uniaoindustria.htm

15

As modernizações nas construções das principais estradas brasileiras iniciaram no
século XIX, e muitas rodovias surgiram na década de 20 no Nordeste com o programa de
redução das secas, em 1928 foi inaugurada a primeira rodovia pavimentada ligando RioPetróplis, hoje a atual Washington Luis ou BR 040 como uma das prioridades, já que na
época já noticiavam o abandono e precariedade do caminho à Cidade Imperial, um dos
jornais comentava o retrocesso do País. No dia seguinte à inauguração 1.783 veículos
passavam pela estrada comparando-a com a Avenida Central devido as filas vagarosas
que já formavam, dois dias depois numerosos caminhões trafegavam pela via assustando
os usuários devido ao perigo das alturas da via, obrigando a três anos após concretar os
22Km da serra. Por muito tempo foi considerada a melhor rodovia da América do Sul. Em
1996 foi privatizada pelo prazo de 25 anos.
A partir das décadas de 40 e 50, a construção das rodovias ganhou grande impulso
devido à criação do Fundo Rodoviário Nacional (1946), que estabeleceu um imposto
sobre combustíveis usados para financiar a construção de estradas, em 1954 a fundação
da Petrobrás que passou a produzir asfalto em grande quantidade e em 1957 a
implantação da indústria automobilística nacional. A mudança da capital do Rio de Janeiro
para Brasília levou ao ambicioso plano rodoviário de Juscelino Kubitscheck ligando a nova
capital a todas as regiões do país.
O país ampliou sua rede de malha viária mas de forma desordenada, sem
planejamento, o Brasil nunca conseguiu montar um sistema de trânsito que atendesse
suas necessidades até os dias de hoje. Em 1986 o número de mortos no trânsito do Brasil
havia sido o maior da história, alcançando segundo o Denatran 27.306 vítimas fatais. O
trânsito não era prioridade, o dado não gerou repercussão na sociedade devido à
ignorância ao tema. Em 1987 o GEIPOT (Grupo Executivo de Integração da Política de
Transportes, hoje extinto), órgão do Ministério dos Transportes publicou o livro Acidentes
de trânsito, flagelo nacional evitável, onde especialistas mostravam que as vítimas de
acidentes de trânsito era bem maior, o Denatran computava apenas aqueles que morriam
no local do acidente, desconsiderando aqueles que eram encaminhados ao hospital e
morriam após isso, chegaram à mais de 50.000 vítimas, mesmo assim ainda não teve
repercussão nascendo as expressões "500.000 mortos" e "Vietnam Brasileiro".
Na metade dos anos 80 continuava não sendo importante o tema "trânsito" pois
tinha outra preocupação: a crise financeira, mais uma vez o trânsito deveria esperar, mas
com isso as conseqüências só aumentaram, os custos com atendimentos de vítimas de
acidentes de trânsito eram cada vez maiores. Na época não tinha dados estatísticos

16

confiáveis para impactar e conscientizar a população mas sabíamos que muitas famílias
choravam pela perda de entes queridos.
Historicamente o Brasil nunca demonstrou profundo interesse na segurança do
trânsito. O número anual de mortos, feridos e mutilados no trânsito é algo assustador,
entretanto nunca sequer foi discutida com a devida seriedade a criação de um órgão
específico para a segurança do trânsito com a missão de diminuir as fatalidades. Houve
nuvens passageiras demonstrando um pouco de interesse e divulgaram algumas
campanhas educativas, mas que logo foram dissipadas. O fato mais importante que
ocorreu foi em 1998 com a introdução do novo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), veio
com algumas novidades de peso em relação às multas pelas infrações, e conseguiu dar
uma freada no ritmo galopante dos acidentes.
No entanto, foi só dar uma relaxada na fiscalização para voltar ao ritmo anterior, é
importante mencionar que vários artigos do CTB ainda não foram implantados, deixando
frustrados aqueles que esperavam o rigor da lei. Uma atividade que merecia um cuidado
especial e acabou esquecida foi a educação de trânsito que implantadas nas escolas
formaria a base na educação, o aluno veria desde cedo as regras de trânsito e
incorporaria na sua rotina e principalmente ajudaria os adultos a se disciplinarem. Se nas
escolas não temos a educação de trânsito que precisamos e fora delas os adultos não
mostram comportamento adequado, é difícil acreditar que teremos mudanças positivas
nas próximas gerações.

2.4 HISTÓRIA DA LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO NO BRASIL

Em 27 de Outubro de 1910, treze anos após a chegada do primeiro carro ao Brasil,
foi publicado o Decreto n°8.324 que aprovou o regulamento para o serviço subvencionado
de transportes por automóveis, conforme texto original BRASIL, Departamento Nacional
de Trânsito, 2010 em seus artigos 21, 22 e 23, dentre outras prescrições estabelecia:
Art. 21. O motorneiro deve estar constantemente senhor da velocidade de seu
vehiculo, devendo diminuir a marcha ou mesmo pará o movimento, todas as
vezes que o automóvel possa ser causa de accidentes. A velocidade deverá ser
reduzida o mais possível nos pontos da estrada, onde, por qualquer obstáculos,
não se possa extender á distancia o raio visual, ou quando atravessar caminhos
ou ruas de povoados.
Art. 22. A velocidade commercial mínima para o transporte de mercadorias será
se 6 kilometros por hora e a do transporte de viajantes, de 12 kilometros, devendo
os automóveis empregados satisfazer a essas condições de serviços.
Art. 23. A approximação dos automóveis deverá ser annunciada á distancia por
uma buzina ou trompa.

17

Posteriormente surgiu o Decreto Legislativo n° 4.460 de 11 de Janeiro de 1922 que
fez referência à construção de estradas, proibiu a circulação dos chamados carros de boi,
cuidou da carga e largura máxima dos veículos, além de usar pela primeira vez, a
expressão mata-burros, que significava uma ponte destinada a impedir a passagem de
animais sem embaraçar o tráfego de automóveis.
Durante a gestão do Presidente Washington Luiz, caracterizada pelo grande
incentivo à construção de estradas, criou-se o Decreto Legislativo n° 5.141 de 05 de
Janeiro de 1927, o qual mencionou pela primeira vez os autocaminhões e criou o Fundo
Especial para a Construção e Conservação de estradas de rodagem federais.
O Decreto n° 18.223 de 24 de Julho de 1928 composto de 93 artigos, aprovou a
circulação internacional de automóveis no território brasileiro, trazendo inovações
referentes à sinalização, à segurança do trânsito e à forma de atuação da polícia na
estrada.
Em 17 de Dezembro de 1929 o Decreto n° 10.038 foi promulgada a convenção
internacional à circulação de automóveis, firmada em 24 de abril de 1926 em Paris.
O primeiro Código Nacional de Trânsito foi instituído pelo Decreto Lei n° 2.994 em
28 de Janeiro de 1941, mas teve pouca duração, apenas oito meses depois foi revogado
pelo Decreto Lei n° 3.651 de 25 de Setembro de 1941 que deu nova redação criando o
CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) subordinado ao Ministério da Justiça, e os
CRT (Conselhos Regionais de Trânsito) nas capitais dos Estados.
A Lei n° 5.108 de 21 de Setembro de 1966 promulgou o segundo código nacional
de trânsito composto de 131 artigos. Essa lei vigorou por 31 anos até a aprovação do
atual CTB (Código de Trânsito Brasileiro), Lei 9.503 de 23 de Setembro de 1997, mas
entrou em vigor em 22 de Janeiro de 1998. O novo e atual Código de Trânsito Brasileiro
trouxe muitas inovações, é composta de leis, decretos e resoluções respeitando a
abrangência na posição hierárquica das leis.
As leis estabelecem as normas em caráter geral, os decretos regulamentam,
detalham e disciplinam a aplicação das leis. As resoluções editadas através do Conselho
Nacional de Trânsito (CONTRAN) estabelecem normas detalhadas nas leis. A legislação
que regulamenta o trânsito no Brasil é composta de:
·

Constituição Federal;

·

Código de Trânsito Brasileiro (CTB);

·

Convenção de Viena;

·

Acordo do Mercosul;

·

Resoluções e Deliberações do Contran;
18

·

Portarias do Denatran;

·

Leis, Decretos e Portarias Estaduais;

· Leis, Decretos e Portarias Municipais;
O Código de Trânsito Brasileiro é um código de Paz, um código ao cidadão, traz um
capítulo inteiro destinado ao cidadão, um à condução de escolares, sobre os crimes de
trânsito e um exclusivo para pedestres e veículos não motorizados. Diretamente o Código
de Trânsito atinge toda a população com o intuito de proteger e proporcionar maior
segurança, fluidez, eficiência e conforto. Prevê que o cidadão tem o direito de solicitar, por
escrito, aos órgãos, alterações/sugestões à sinalização, fiscalização, implantação de
equipamentos (ex. fiscalização eletrônica de velocidade) ou alterações em normas.
Seu foco principal é nos elementos do trânsito ­ o homem, o veículo, a via - que
oferecem maior risco do trânsito procurando produzir o equilíbrio entre eles e proporcionar
o desenvolvimento das três áreas: engenharia, esforço legal ou enforcement e educação,
formando o trinômio do trânsito.
Conforme Honorato (2009, p.3) "A Engenharia de Tráfego, como representante das
ciências exatas, é responsável pela segurança, fluidez do tráfego e evolução tecnológica
dos veículos.". É na engenharia que colocamos toda a nossa confiança ao dirigir
prevendo que a via estará em boas condições de conservação acompanhando a evolução
tecnológica dos veículos. Outra área é a educação do ponto de vista de Honorato (2009,
p.5), "Educação para o Trânsito, com seus aspectos pedagógicos e psicológicos, cuja
finalidade é criar uma geração de usuários conscientes da necessidade de adotar
comportamentos mais seguros nas vias terrestres.", a educação para o trânsito exige
reflexão diária para não passar despercebido. E por fim o esforço legal ou enforcement
que pelas palavras de Honorato (2009, p.6), ";é o conjunto de esforços direcionados à
realização do trânsito em condições seguras.", é o esforço de todos nós, usuários do
trânsito, para fazermos a nossa parte, responsabilizando pelas nossas atitudes no trânsito
e colaborando para a igualdade.

2.5 AS SIGLAS DAS ESTRADAS BRASILEIRAS

As siglas de cada rodovia têm um significado, as duas letras significam se ela é
federal (inicia-se com BR) ou se ela é estadual (iniciando com SC,PR...). No caso de
rodovias federais a responsabilidade de manutenção é da União, e das rodovias
19

estaduais a responsabilidade recai sobre o governo do estado. Há também rodovias
municipais mas estas não possuem siglas e sim nomes.
Após a definição se a rodovia é federal ou estadual, segue mais três algarismos, o
primeiro indica a categoria conforme definida no Plano Nacional de Viação e os dois
últimos definem a posição conforme a orientação geográfica da rodovia em relação à
Capital Federal e os limites do País (Norte, Sul, Leste, Oeste).
Abaixo dados do DNIT (Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes):

2.5.1 RODOVIAS RADIAIS

São as rodovias que partem da Capital Federal em direção ao extremo do país, são
apenas oito estradas radiais: BR-010, 020, 030, 040, 050, 060, 070 e 080. O primeiro
algarismo inicia-se em 0 (zero) e a numeração pode iniciar em 05 até 95 no sentido
horário. Ex: BR-040.

Figura 6: Rodovias Radiais
Fonte: http://www1.dnit.gov.br/rodovias/rodoviasfederais/

2.5.2 RODOVIAS LONGITUDINAIS

São as rodovias que cortam o país de norte a sul. Inicia-se com o número 1 (hum)
e os demais variam de 00 no extremos leste do país, de 50 na Capital e de 50 a 99 no
extremo oeste. A numeração é obtida em função da distância da rodovia no meridiano da
Capital. Ex: BR-101, BR-116.

20

Figura 7: Rodovias Longituninais
Fonte: http://www1.dnit.gov.br/rodovias/rodoviasfederais/

2.5.3 RODOVIAS TRANSVERSAIS

São as rodovias que cortam o País na direção leste a oeste. O primeiro algarismo é
2 (dois) e os demais variam de 00 no extremo norte do país, de 50 na Capital Federal e
de 50 a 99 no extremo sul. A numeração é obtida em função da distância da rodovia ao
paralelo de Brasília. Ex: BR-230, BR-280.

Figura 8: Rodovias Transversais.
Fonte: http://www1.dnit.gov.br/rodovias/rodoviasfederais/

2.5.4 RODOVIAS DIAGONAIS

Estas rodovias podem apresentar dois modos de orientação: Noroeste-Sudeste ou
Nordeste-Sudoeste. O primeiro algarismo é 3 (três), o restante varia conforme a
orientação:
·

Noroeste-Sudeste: varia segundo números pares, de 00 no extremo Nordeste do
país a 50 em Brasília, e de 50 a 98 no extremo Sudoeste. Obtém-se o número
21

mediante interpolação entre os limites em função da distância da rodovia a uma
linha com a direção Noroeste-Sudeste, passando pela Capital Federal. Ex: BR-304,
BR-324, BR-364.
·

Nordeste-Sudoeste: varia segundo números ímpares, de 01 no extremo Noroeste
do país a 51 em Brasília, e de 51 a 99 no extremo Sudeste. Obtém-se o número
aproximado da rodovia mediante interpolação entre os limites consignados em
função da distância da rodovia a uma linha com a direção Nordeste-Sudoeste,
passando pela Capital Federal. Ex: BR-319, BR-365, BR-381.

Figura 9: Rodovias Diagonais
Fonte: http://www1.dnit.gov.br/rodovias/rodoviasfederais/

2.5.5 RODOVIAS DE LIGAÇÃO

Estas rodovias apresentam-se em qualquer direção, geralmente ligando rodovias
federais, ou pelo menos uma rodovia federal a cidades ou pontos importantes ou ainda a
nossas fronteiras internacionais. Inicia-se com 4 (quatro) e o restante varia entre 00 e 50
se a rodovia estiver ao norte do paralelo da Capital Federal, e entre 50 a 99 se estiver ao
sul desta referência. Ex: BR-470 (Navegantes-SC ­ Camaquã-RS), BR-488 (BR-116/SP ­
Santuário Nacional de Aparecida-SP).

22

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Neste breve estudo sobre a história da legislação de trânsito procuramos mostrar a
evolução do trânsito desde os temos mais remotos até os dias atuais, identificando com
isso a evolução da legislação que sempre procurou se adaptar a nova realidade. Vimos
também que na antiguidade já havia meios de transporte como, por exemplo, os carros de
boi, com a domesticação dos animais contribuíram para o avanço do trânsito. Após isso
foi dado origem à roda que se tornou indispensável para o transporte de mercadorias,
veio a revolução industrial e a invenção do motor a combustão dando origem aos veículos
movidos à motor.
A legislação não podia ficar atrás, ocorreram muitas mudanças nas leis de trânsito
com o principal objetivo em conter os inúmeros acidentes que estavam ocorrendo em
função da inexperiência dos motoristas, a mudança mais significativa foi em 1998 quando
entrou em vigor o atual Código de Trânsito Brasileiro.
O Código de Trânsito Brasileiro possui 341 artigos, dos quais 17 foram vetados e 1
artigo revogado, temos até a data de 15 de março de 2012, 401 Resoluções do Contran.
A legislação de trânsito deve estar em constante mudança para se adaptar às novas
necessidades. Tentamos mostrar um pouco da legislação de trânsito no Brasil, é um
assunto bem complexo e necessita de uma profunda análise para adquirir bom
entendimento no assunto.

23

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABREU, Fábio. O Pioneiro. Jornal A Notícia. Joinville. 16. Outubro.2011.

ARAUJO, Julyver Modesto de. Código de Trânsito Brasileiro Anotado. São Paulo, Ed.
Letras Jurídicas, 4ª ed., 2009.

BRASIL. MC. Departamento Nacional de Trânsito. Conselho Nacional de Trânsito. 100
anos de legislação de trânsito no Brasil. 1910-2010. Brasília: Ministério das Cidades,
2010.

CORRÊA, J. Pedro. 20 anos de lições de trânsito no Brasil. Curitiba, Ed. Infolio, 2009.

DNIT. Departamento Nacional de Infraestrutura de transportes. Disponível em:
http://www.dnit.gov.br/, acessado em 01/04/2012.

HB,

História

Brasileira,

disponível

em:

http://www.historiabrasileira.com/brasil-pre-

colonial/caminho-do-peabiru/, acessado em 01/04/2012.

HONORATO, Cássio Mattos. O Trânsito em Condições Seguras. Campinas; Ed.
Millennium, 2009.

HONORATO, Cássio Mattos. Sansões do Código de Trânsito Brasileiro. Campinas/SP;
Ed. Millennium, 2004.

PONTES, Marcelo. O papel da polícia no processo de obtenção da autorização para
a realização de eventos e obras em via pública. Florianópolis, 2009. Curso de
aperfeiçoamento de oficiais da polícia militar de Santa Catarina, Universidade do Sul de
Santa Catarina.

São Francisco Portal, disponível em: www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/roda/roda.php,
acessado em 24/03/2012.

24