UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA
FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL
CURSO DE PEDAGOGIA
GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM LEITURA, ESCRITA E LITERATURA: história, políticas e
ensino

PROJETO DE PESQUISA




HISTÓRIA DA LEITURA NO BRASIL:
constituição do campo e formação de leitores

Pesquisadores:
Karina Klinke (coordenadora)
Mical Marcelino Magalhães
Márcio Araújo de Melo (UFT)
Bolsistas:
Karin Ferreira Borges
Loana Martins Ribeiro (E.M./CNPq)

Ituiutaba, MG, Brasil
2010

4

RESUMO
Propõe conhecer as alterações transcorridas nos vinte anos de produção sobre leitura
no Brasil (19902010) com objetivo de compreender como essa produção colabora
para o entendimento da formação de leitores através do conhecimento dos campos de
saber utilizados nessas pesquisas. Questiona a pertinência da constituição de campos
de pesquisa distintos ­ história da leitura e história da alfabetização ­ e sua
intersecção, respectivamente, na história da educação e na história das disciplinas
escolares. É uma pesquisa bibliométrica sobre as publicações que trazem em seu
título o tema da leitura, divulgadas em forma de livros disponíveis nas bibliotecas das
universidades brasileiras; em anais de congressos nacionais e internacionais de
educação e de história qualificados, nos quais participam pesquisadores brasileiros;
em periódicos nacionais existentes no sistema Scielo. Os dados serão catalogados em
forma de tabelas e gráficos e, a partir da verificação sobre a fundamentação teórico
metodológica utilizada nas pesquisas, será feita a interpretação das categorias de
análise propostas, o que possibilita a compreensão da constituição de campos de
saber e da história da formação de leitores no Brasil. Um balanço dessa produção
pode contribuir para o entendimento da situação nacional de frustradas tentativas de
inserção de leitores no mundo letrado, como apresentam incansavelmente as
pesquisas já desenvolvidas no campo da História da Educação.



Palavras-chave: história da leitura, formação, leitor

5

1. Introdução

Nos últimos vinte anos tem crescido sensivelmente a produção de trabalhos, no País, que
tematizam a leitura em vários de seus aspectos.1 Muitos desses estudos, talvez a parcela
mais significativa deles, focalizam, muitas vezes em uma tática normativa, os processos de
formação de leitores por meio da análise do ensino da leitura e da escrita na escola,
sobressaindo-se, nesse grupo, aqueles que prescrevem a leitura de obras literárias em geral
e de literatura infanto-juvenil na sala de aula, no esforço de formar alunos-leitoresescritores ou de formar professores-leitores-escritores.
É crescente também a produção de estudos que, afastados desse olhar letrado buscam
analisar o processo de produção de livros e outros tipos de impressos, focalizando as
estratégias editoriais, estudando as diferentes edições de uma mesma obra ou examinando
os protocolos de leitura com os quais um determinado impresso era dado a ler.
Existe ainda um número significativo de trabalhos que investigam os usos e as
apropriações dos livros e dos impressos em geral. Eles analisam os processos de leitura
propriamente dita, em geral por um grupo específico de leitores investigando, em alguns
casos, as condições de possibilidades de leitura. Entre esses trabalhos sobre a circulação e
os usos do impresso, destacam-se os que adotam uma perspectiva histórica. Alguns
estudam os espaços onde as leituras se davam ou poderiam ocorrer, como as bibliotecas, as
livrarias e os gabinetes de leitura. Destacam-se, ainda neste grupo, trabalhos que focalizam
a história do ensino da leitura e da escrita ou o processo de escolarização da leitura no País,
em alguns casos os relacionando com movimentos educacionais de ampla penetração.
Outros trabalhos buscam realizar a história da recepção e dos usos de obras literárias
específicas. Há, ainda, estudos que buscam, em fontes diversas, representações sobre
leituras e leitores em épocas diferentes. Outros estudos buscam apreender, em momentos
da história brasileira, os processos de letramento de determinados grupos sociais.

1

Para realizar as afirmações que se seguem, o pesquisador proponente deste projeto consultou em pesquisa
independente os resumos e, quando possível, os trabalhos completos publicados nos anais dos Congressos de
História da Leitura e do Livro no Brasil, das últimas dez Reuniões Anuais da Associação Nacional de PósGraduação e Pesquisa em Educação (ANPEd) -- GTs de História da Educação e de Alfabetização, Leitura e
Escrita --, dos Congressos Luso-Brasileiro de História da Educação e dos dez últimos Congressos de Leitura
(COLE).

6
Em pesquisas anteriores desenvolvidas por nós foi constatado que este panorama de
estudos sobre a leitura revela ao menos dois aspectos desse campo de investigação: i) os
estudos sobre a leitura que vêm sendo realizados no Brasil expressam perspectivas
heterogêneas de análise; ii) a produção sobre leitura no Brasil, em vários de seus aspectos,
encontra-se em plena erupção, revelando a tentativa, por parte de um grupo de
pesquisadores, de fornecer subsídios para uma melhor compreensão do ato de ler. Essa
efervescência tem sido acompanhada da tradução de várias obras da literatura acadêmica
de países estrangeiros e também da instalação de grupos de pesquisa e disciplinas em
cursos de graduação e pós-graduação que focalizam a leitura.
Podemos dizer que em ambos os aspectos o interesse atual das ciências sociais pela leitura
reclama uma atenção ao ato de ler mesmo e não apenas aos textos, gêneros e suportes em
torno dos quais essa prática se realiza. Importam, nessa perspectiva, as significações
plurais que, no contato com o texto, os leitores produzem em práticas discursivas que
envolvem o ato da leitura. Já existe, todavia, um exame das categorias que classificam os
textos lidos em estratégias prescritivas utilizadas, principalmente, nos processos escolares,
em todos os níveis de ensino. Por outro lado, os leitores e escritores, socialmente formados,
compartilham um conjunto de interpretações e um horizonte de expectativas em relação
aos textos e à sua leitura que não é, essencialmente, o previsto nas prescrições escolares, e
raramente têm sido investigados.
Diante destas constatações feitas em nossas experiências anteriores de pesquisa no campo
da História da Leitura, consideramos a importância em fazer um balanço da produção
nacional nesse campo, a fim de analisar os aspectos teórico-metodológicos e as categorias
de análise utilizadas nas pesquisas que abordam a história da leitura no Brasil, verificando
a constituição do campo historiográfico dessas pesquisas, bem como sua contribuição para
o avanço da História da Educação e da compreensão dos significados que a leitura vem
tomando no país. Questiona-se, nesta perspectiva, a pertinência desse campo em suas
intrínsecas relações com a história da alfabetização, uma vez que essa vem se confundindo
com a história da leitura, com bem se observou no I Seminário Internacional sobre História
do Ensino de Leitura e Escrita: a constituição do campo da história da alfabetização no
Brasil (I SIHELE), ocorrido no corrente ano na UNESP de Marília.2
Durante o I SIHELE pesquisadores do Brasil e da França constataram a intensificação das
2

Disponível em: < http://www.fundepe.com/novo/sihele/ > Acesso em: 22 set. 2010.

7
pesquisas em história da leitura e da alfabetização interligadas no campo da História da
Educação, fundamentadas na História Cultural e na linguística, a partir da década de 1990.
Questionou-se, ao mesmo tempo, a pertinência da constituição de campos de pesquisa
distintos ­ história da leitura e história da alfabetização ­ e sua intersecção,
respectivamente, com a história da educação e com a história das disciplinas escolares.
Um balanço dessa produção pode contribuir para o entendimento da situação nacional de
frustradas tentativas de inserção de leitores no mundo letrado, como apresentam
incansavelmente as pesquisas já desenvolvidas no campo da História da Leitura. A partir
desta pesquisa podemos encontrar caminhos e perspectivas na compreensão de "como" e
"porquê" as pessoas lêem e colaborar para o desafio da formação de leitores no Brasil.
A pesquisa tem caráter integrado, sendo desenvolvida por pesquisadores da UFU, UFG,
UFT, UFSM.

2. Fundamentação Teórica
Estudos feitos sobre a difusão do hábito da leitura e da escrita numa dada população e
sobre as características de suas escolhas em matéria de títulos e gêneros é tradicionalmente
objeto de investigação sobre a História do Livro. Esses estudos contribuem, segundo
Robert Darnton (1990), para mapear o "quem", "o quê", "onde" e "quando" da leitura. Os
estudos realizados no campo da História da Leitura deslocaram essas preocupações para
responder perguntas mais difíceis sobre "como" e "porquê" se exercem essas práticas, o
que passou a ser sua questão central.3 Produz, assim, uma história das interpretações,
remetidas para as suas determinações fundamentais (que são sociais,
institucionais, culturais) e inscritas nas práticas específicas que as produzem.
Conceder deste modo atenção às condições e aos processos que, muito
concretamente, determinam as operações de construção do sentido (na relação de
leitura) é reconhecer, contra a antiga história intelectual, que as inteligências não
são desencarnadas, e, contra as correntes de pensamento que postulam o
universal, que as categorias aparentemente mais invariáveis devem ser
construídas na descontinuidade das trajetórias históricas. (CHARTIER, 1990,
p.26-27)

Trajetórias que no Brasil também são recentemente historicizadas e que não se
3

Um ponto de inflexão na trajetória dos estudos sobre o livro pode ser encontrado em R.CHARTIER
(1994).

8
constituíram como um campo de estudos autônomo, uma vez que seu objeto foi construído
e parcelado por um conjunto de disciplinas como a História, a Sociologia, a Lingüística e a
Psicanálise. O que impulsionou essas diferentes áreas de conhecimento para a investigação
foi o fenômeno do iletrismo e a necessidade de políticas para enfrentá-lo (principalmente a
partir da década de 1960), ampliando seus resultados e constituindo este campo de estudos
como um grande fórum de debates. Isso não desqualifica o campo, ao contrário, favorece
sua produção devido ao diálogo intenso entre as diversas áreas de conhecimento que se
dedicam ao estudo, beneficiando sua circulação e o inter-relacionamento das pesquisas.4
Destacam-se mais claramente duas tradições de estudos sobre a leitura e a escrita: a dos
estudos sociais e a da difusão do hábito da leitura em uma dada população.
O mecanismo que parece estar na origem da tradição de estudos sobre a leitura, como
apontou CHARTIER & HÉBRARD (1995), é de pensar a "leitura e a escrita dos outros".
Estas pesquisas apontam de um lado, as práticas dos ainda "não-letrados", que,
recentemente, "deixaram de ser iletrados" jovens, crianças, operários, camponeses,
mulheres, negros e imigrantes. De outro lado, daqueles que, em razão de diferentes
processos e mudanças sociais, estão quer no limiar da "verdadeira" cultura letrada, quer se
afastando dela, como os países de terceiro mundo, as sociedades afetadas por graves crises
ou expostas a novas tecnologias de entretenimento, de preservação e de transmissão do
conhecimento e da informação5 ou, ainda, esses grupos profissionais expostos a processos
de desqualificação e proletarização, como os professores.6
É possível, contudo, apreender articulações entre esses diferentes modos da abordar e lidar
com o fenômeno da leitura e da escrita. A principal delas reside no pressuposto de
DARNTON (1990) de que "a leitura tem uma história": é uma atividade humana e, como
tal, criativa e variável, e constituída em torno de um conjunto de condições sociais. Assim,
La lecture nést pás seulemente lê moment où celle-ci s´effectue, mais um

4

A respeito da constituição do campo de estudos sobre a leitura e escrita, cf. SMITH (1989) e GNERRE
(1992).
5
O caso do surgimento dos discursos sobre a leitura infanto-juvenil no Brasil dos anos 60-70, analisado
por PERROTI (1990), evidencia essa preocupação com o desenvolvimento da leitura nos países de
terceiro mundo, ao analisar o papel da UNESCO, por meio de uma instituição a ela associada. Já o
contexto de crise no surgimento dos estudos de cunho social nos EUA e na França é destacado por
POULAIN (1992).
6
Estudos sobre diferentes dimensões das práticas de leitura de docentes podem ser encontrados nos
artigos de CHARTIER (1999) e FRADE (1999), como também na coletânea organizada por MARINHO
& SILVA (1998).

9
ensempble, um "cirps de pretiques": tout ce qui la conditionne, y prepare, y
conduit, la prolonge ou l´annule n´est pás périphérique à la lecture mais em est
radicalemente constitutif. (POULAIN, 1988, p.8)

Da adoção desse pressuposto decorrem os demais pontos de articulação. Primeiro, uma
tendência em se buscar, no estudo das práticas, apreender sua singularidade histórica e
social, ou, em outras palavras, o modo pelo qual condições históricas sociais particulares
fazem emergir modos de ler e de escrever, usos da leitura e da escrita e significações que
não podem ser inferidos de uma essência das práticas mesmas. Na análise e descrição
dessas condições sociais e históricas parece residir um segundo ponto de articulação. Essas
condições tendem a ser apreendidas de acordo com os casos estudados; não se identificam
com estruturas sociais, econômicas ou culturais definidas a priori, mas dizem respeito a
um conjunto complexo de fatores e a seu inter-relacionamento na constituição dos dois
elementos centrais de toda a leitura e escrita ­ os textos e os leitores.
Na perspectiva de investigação sobre as relações entre leitores e seus escritos, mesmo que
dependentes das configurações sociais que os produzem, é importante considerar que
leitores e textos podem desenvolver formas de apropriação que pouco têm a ver com
aquelas visadas nas indicações de obras e podem constituir, desse modo, um novo texto,
com novos objetivos, novos usos, novos significados. Daí a busca, pelos estudos sobre
práticas de leitura, de apreender os traços constitutivos das diferentes comunidades de
leitores (CHARTIER, 1994) ou de intérpretes, na
institutional structure which one hears utterances as already organized with
reference to certain assumed purposes and goals, [...] a structure of assumptions,
of practices understood to vê relevant in relation to purposes and goals. [...] that
structure is not abstract ande independent but social. (FISH, 1995, p.306 e 318)

A História da Leitura deve ser entendida, na perspectiva de apreender suas práticas, como
"o estudo dos processos com os quais se constrói um sentido". (CHARTIER, 1990, p.27)
Deste modo rompe com a antiga idéia que dotava os textos e as obras de um sentido
intrínseco, absoluto, único e se dirige às práticas que, sendo plurais e contraditórias, dão
significado ao mundo. Caracterizam-se, assim, as práticas discursivas (orais e escritas)
sobre a leitura e a escrita como produtoras de ordenamento, de afirmação de distâncias, de
divisões, constituindo-se o reconhecimento das práticas de apropriação cultural como
formas diferenciadas de interpretação. Assim, tanto a apropriação cultural como as
diferentes formas de interpretação têm suas determinações sociais, mas as últimas não se

10
reduzem a uma investigação demasiado simples que a história das sociedades ditou às suas
culturas. "Compreender estes enraizamentos exige que se tenha em conta as
especificidades do espaço próprio das práticas culturais, que não é de forma nenhuma
passível de ser sobreposto ao espaço das hierarquias e das divisões culturais".
(CHARTIER, 1990, p. 28)
A história cultural, neste sentido, propõe um espaço de trabalho entre textos e leituras com
objetivo de compreender as práticas, complexas, múltiplas, diferenciadas, que constroem o
mundo como representação, e porque não dizer, da leitura e da escrita como possibilidades
de construção de si. "Se conseguíssemos entender como se lia, poderíamos vir a
compreender melhor como se entendia a vida, e, por essa via ­ a via histórica ­, quem sabe
chegaríamos a satisfazer uma parte de nosso próprio anseio por um sentido." (DARNTON,
1990, p.172)

3. Objetivos
3.1 Geral
Compreender como a produção sobre leitura no Brasil (1990-2010) colabora para o
entendimento da formação de leitores através do conhecimento dos campos de saber e
categorias de análise utilizados nessas pesquisas.

3.2 Específicos
9 Conhecer e catalogar as fundamentações teóricas utilizadas nas produções
científicas nacionais cuja temática é a leitura;
9 Analisar a constituição de categorias de análise utilizadas nas produções científicas
nacionais cuja temática é a leitura.


4.



Diretrizes metodológicas

Robert Darnton (1990), ao tratar da História da Leitura, explica que já conhecemos
bastante coisa sobre as bases institucionais da leitura e temos algumas respostas sobre

11
"quem", "o quê", "onde" e "quando" ela foi praticada. Mas os "comos" e os "porquês" se
esquivam de nós. Na busca de contribuir para a abordagem deste problema, propomos
seguir nesta pesquisa uma das cinco sugestões de Darnton para historicizar a leitura:
estudar descrições sobre a leitura com objetivo de desvendar algumas noções básicas sobre
o que a pessoa acha que ocorria ao ler.
O instigante nesta sugestão está na consideração que o autor faz ao afirmar que "a leitura
não é simplesmente uma habilidade, e sim uma maneira de fazer sentido, que deve variar
de cultura para cultura". (DARNTON, 1990, p.159) Nesta perspectiva, historicizar a
leitura não significa investigar aspectos cognitivos de uma habilidade individual, mas sim
compreender as interpretações de leituras praticadas em um dado período histórico.
A escolha do período histórico se deve, como já foi dito, à constatação por parte de
pesquisadores da História da Leitura sobre a intensificação da produção neste campo desde
1990, tendo como limite o acesso às mesmas, a saber, 2010. Para tanto, será feita uma
pesquisa bibliométrica de toda publicação que traz em seu título o tema da leitura e que
seja publicada em forma de livros disponíveis nas bibliotecas das universidades brasileiras;
anais de congressos nacionais e internacionais de educação e de história, nos quais
participam pesquisadores brasileiros (levantamento já concluído em pesquisas anteriores);
periódicos nacionais qualificados pelo sistema Scielo.
Os dados serão catalogados em forma de tabelas e gráficos e, a partir da verificação sobre
fundamentação teórico-metodológica utilizada nas pesquisas, será feita a interpretação das
categorias de análise utilizadas, o que possibilita a compreensão da constituição de campos
de saber. Neste sentido, propõe-se conhecer quais campos de saber são utilizados nas
pesquisas sobre leitura e compreender, assim, os avanços transcorridos nos vinte anos de
produção sobre leitura e como essa produção colabora para o entendimento da formação de
leitores no Brasil.

5. Cronograma

Atividades
Levantamento

Mar./Abr./Mai.
2011
X

Jun./Jul./Ago
2011

Set./Out./Nov.
2011

Dez. 2011
Jan./Fev. 2012

12
em livros e
periódicos com
títulos
na
temática
da
leitura
Completar
levantamento
em anais de
congressos com
artigos
na
temática
da
leitura
Catalogação
dos
dados
coletados
Interpretação
dos
dados
catalogados
Escrita
do
relatório final
da pesquisa.

X

X

X
X

X
X

X

6. Orçamento
A pesquisa utilizará como fontes anais disponíveis on line ou doados pelas instituições
promotoras dos eventos; livros existentes em bibliotecas públicas das universidades
brasileiras; periódicos disponíveis no sistema Scielo. Por isso não necessita de
financiamento para acesso às fontes de pesquisa.
A contrapartida da FACIP/UFU é disponibilizar espaço físico e material permanente para a
pesquisa, como a utilização de computadores com acesso à internet e impressora. O
material de consumo disponibilizado se restringirá a papel e toner necessários à impressão
de relatórios.

7. REFERÊNCIAS
CHARTIER, A-M.; HÉBRARD, J. Discursos sobre a leitura 1880-1980. Trad. Osvaldo
Biato e Sérgio Bath. São Paulo: Ática, 1995. (Coleção Múltiplos Olhares)
CHARTIER, A-M. Os futuros professores e a leitura. BATISTA, A.A.G.; GALVÃO,

13
A.M.O. Leitura: práticas, impressos, letramentos. Belo Horizonte: Autêntica, 1999, p.8998.
CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manuela
Galhardo. Rio de Janeiro: Ed.Bertrand Brasil, 1990. (Memória e Sociedade)
CHARTIER, R. A ordem dos livros. Trad. Mary Del Priore. Brasília: Ed. UnB, 1994.
DARNTON, R. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. Trad. Denise Buttmann.
São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
FISH, S. Is there a text in this class? The authority of interpretive communities.Cambridge,
MA: Harvard University Press, 1995.
FRADE, I.C.A.S. Revistas pedagógicas: qual é a identidade do impresso? BATISTA,
A.A.G.; GALVÃO, A.M.O. Leitura: práticas, impressos, letramentos. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999, p.99-118.
GNERRE, M. considerações sobre o campo de estudo da escrita. Linguagem, escrita e
poder. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 25-80.
MARINHO, M.; SILVA, C.R. Leituras do professor. Campinas, SP: Mercado de Letras;
ALB, 1998.
PERROTI, E. Confinamento cultural, infância e leitura.São Paulo: Summus, 1990.
POULAIN, M. (org) Pour une sociologie de La lecture: lectures et lecteurs dans la France
contemporaine. Paris: éditions Du Cercle de La Librairie, 1988.
________. Histoire dês bibliothéques françaises. Les bibliothéques au XXe siècle. Paris:
Promodis; Éditions Du Cercle de La Librairie. Vol.4, 1992.
SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender
a ler. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.