CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA ­ UniCEUB
FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS ­ FASA
CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA
DISCIPLINA: MONOGRAFIA
PROFESSOR ORIENTADOR MARCELO GODOY

A história da evolução da mídia no Brasil e no
mundo

Gustavo Lima de Miranda
20266495

Brasília, maio de 2007.

Gustavo Lima de Miranda

A história da evolução da mídia no Brasil e no
mundo
Trabalho apresentado à Faculdade de
Ciências Sociais Aplicadas, como
requisito parcial para a obtenção ao
grau de Bacharel em Comunicação
Social,
com
habilitação
em
Publicidade e Propaganda no Centro
Universitário de Brasília ­ UniCEUB.
Prof . Marcelo Godoy

Brasília, maio de 2007.

Gustavo Lima de Miranda

A história da evolução da mídia no Brasil e no
mundo
Trabalho apresentado à Faculdade de
Ciências Sociais Aplicadas, como
requisito parcial para a obtenção ao
grau de Bacharel em Comunicação
Social,
com
habilitação
em
Publicidade e Propaganda no Centro
Universitário de Brasília ­ UniCEUB.

Banca Examinadora

_____________________________________
Prof. Marcelo Godoy
Orientador

__________________________________
Profa. Flor Marlene
Examinador

__________________________________
Profa. Tatyanna Castro
Examinador

Brasília, maio de 2007.

AGRADECIMENTOS

Em primeiro lugar quero agradecer a Deus pelo dom da vida e por todas as
graças alcançadas nela.
Aos meus pais por todo amor, carinho e atenção dedicados a mim.
A toda a minha família e aos meus queridos amigos do coração pela torcida,
apoio e companheirismo durante toda a minha história.
A todos vocês, muito obrigado!

"Eu vou a qualquer lugar, desde que seja em frente".
(Dr. Livingstone)

RESUMO

Ao longo do tempo a mídia atravessou diversos estágios de desenvolvimento. Tal
evolução sempre esteve diretamente relacionada com o desenvolvimento das
economias e sociedades à sua volta. Dessa forma os livros, os jornais assim como
as revistas a seu modo transformaram a civilização, e de certa maneira moldaram a
esfera pública, conseqüentemente modificaram a cultura. Um dos fatores marcantes
que contribuiu diretamente nas grandes mudanças políticas e sociais da
humanidade, ressaltando a Revolução Francesa entre outros. Entender a evolução
da mídia leva a compreensão do próprio comportamento humano. Portanto esta
pesquisa científica buscou como objetivo geral abordar a evolução histórica da mídia
no Brasil e no mundo, ressaltando como objetivos específicos: analisar as
transformações da evolução da mídia; abordar a influência da mídia no
comportamento das pessoas e analisar as possibilidades futuras da mídia. Por meio
de uma revisão bibliográfica junto aos principais teóricos que abordam o tema em
questão buscou-se a fundamentação teórica para a pesquisa.
Palavras-chave: Evolução, mídia, Brasil e mundo.

Sumário

1 INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 8
1.1 Tema .................................................................................................................... 8
1.2 Justificativa ........................................................................................................... 8
1.3 Objetivos............................................................................................................... 9
1.3.1 Objetivo geral..................................................................................................... 9
1.3.2 Objetivos específicos......................................................................................... 9
1.4 Problema de pesquisa/Hipóteses ......................................................................... 9
1.5 Metodologia ........................................................................................................ 10
2 A TRAJETÓRIA DA MÍDIA IMPRESSA................................................................. 11
2.3 A revolução da tipografia .................................................................................... 13
2.4 A mídia impressa na modernidade ..................................................................... 14
2.5 A trajetória da mídia impressa no Brasil ...................................................................17
3 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE RÁDIO E DA TELE-DIFUSÃO ...........................21
3.1 Os Primórdios da Radiofonia .............................................................................. 21
3.2 A Radiodifusão no Brasil .................................................................................... 23
3.3 A evolução das rádios nas décadas de 1920 - 1940 .......................................... 24
3.4 A distribuição das concessões de radiodifusão no brasil do novo século........... 26
3.5 A origem da televisão ......................................................................................... 26
3.6 As Primeiras Emissoras de Televisão na Europa ............................................... 27
3.7 A implantação da televisão no Brasil .................................................................. 28
3.8 A audiência e a renda publicitária na televisão................................................... 29
3.9 Evolução da televisão......................................................................................... 30
4 A INTERNET ......................................................................................................... 32
4.1 Origem ................................................................................................................ 32
4.2 Correio Eletrônico ............................................................................................... 33
4.3 O Desafio da Mídia ............................................................................................. 34
5 PROPAGANDA E MARKETING............................................................................ 35
5.1 Origem e Evolução ............................................................................................. 35
5.2 A propaganda na internet ................................................................................... 38
6 CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................... 40
REFERÊNCIA .......................................................................................................... 43

8

1 INTRODUÇÃO
Conhecer a história da evolução da mídia no Brasil e no mundo é ao mesmo
tempo entender a história e a evolução do comportamento humano.
A mídia atravessou vários estágios de desenvolvimento e esta evolução ocorreu
em grande parte devido ao desenvolvimento das economias e das sociedades à sua
volta. Livros, jornais e revistas transformaram a civilização, moldaram a esfera pública e
modificaram a cultura. A circulação massiva de textos impressos foi um dos fatores que
mais contribuiu para as grandes mudanças políticas e sociais.
A utilização de meios de comunicação de massa como o rádio e a televisão e
posteriormente a chegada da internet, foram e continuam sendo determinantes para
novos desenvolvimentos e novas propostas de divulgação da informação. Esse
conjunto de ferramentas e recursos tecnológicos coloca a disposição do cidadão meios
de comunicação como televisão a cabo ou um computador conectado a internet, que
possui uma quantidade nunca antes imaginada de informações e de serviços
diferenciados.

1.1 Tema

A história da evolução da mídia no Brasil e no mundo.

1.2 Justificativa
A partir do telégrafo de Morse até atualmente, onde já se tem conexões sem fio,
a mídia absorveu as inovações para a difusão do conteúdo produzido. O código Morse
trouxe a imprensa para a idade moderna, até então as notícias circulavam com atraso
de dias e semanas. Com esse advento, o fluxo das notícias passou a ser quase
instantâneo e uma nova fase da comunicação foi instaurada.
Entre as funções que freqüentemente se atribuem aos meios de comunicação,
incluindo a internet, têm-se a eliminação do tédio, o entretenimento, o de servir de

9

passatempo, estimular a imaginação, proporcionar conhecimentos sobre o cotidiano,
alimentar a autoconfiança por meio de conteúdos que ressaltem a importância do papel
individual, assim como fortalecer os valores e as normas vigentes na sociedade e
possibilitar a eliminação de tensões físicas ou sociais.

1.3 Objetivos

1.3.1 Objetivo geral

Abordar a evolução histórica da mídia no Brasil e no mundo.

1.3.2 Objetivos específicos

- Analisar as transformações da evolução da mídia;
- Abordar a influência da mídia no comportamento das pessoas;

1.4 Problema de pesquisa/Hipóteses

A comunicação entre os homens surgiu devido a seus instintos de
autopreservação, quando perceberam que trabalhando em conjunto as chances de
sobrevivência seria, maiores. Com a vida em comunidades, veio à necessidade de
diversificação de tarefas e conseqüentemente os primeiros passos de evolução
tecnológica.
Cada vez que a humanidade dava um passo significativo em sua evolução como
espécie, outras evoluções a acompanharam, como a de caráter social, técnicocientíficos, etc. O último grande salto nas ciências ­ incluindo-se as telecomunicações ­
transformou a maneira como as pessoas se comunicam, derrubando fronteiras e
aproximando todos os povos do planeta. Frente aos últimos progressos nas áreas da
comunicação ­ e em especial, pelo advento da internet, nos faz levantar o seguinte

10

questionamento: Como se dará no futuro transformação da mídia e o que a sociedade
pode dela esperar?

1.5 Metodologia

A pesquisa se constitui num processo formal para a aquisição de conhecimento
sobre a realidade e exige pensamento reflexivo e tratamento científico. Portanto para
atingir os objetivos propostos neste estudo utilizou-se uma revisão bibliográfica.
De acordo com Medeiros (2005) a pesquisa bibliográfica constitui-se em fonte
secundária. É aquela que busca o levantamento de livros e revistas de relevante
interesse para a pesquisa que será realizada.
Dessa forma a revisão bibliográfica coloca o pesquisador diante de informações
sobre o assunto de seu interesse.
A leitura proporciona ampliação e integração de conhecimentos, neste caso, se
realizará junto aos principais teóricos que abordam o tema da história da mídia no Brasil
e no mundo.

11

2 A TRAJETÓRIA DA MÍDIA IMPRESSA
2.1 A origem da escrita

As formas de comunicação dos antepassados estão baseadas na oralidade das
gerações que as sucederam, em símbolos e mensagens gravadas, que serviram para
testemunhar a existência do ser humano e transmitir o seu conhecimento.
Para Milanesi (2002) desde os tempos pré-históricos, a própria natureza
ofereceu ao homem possibilidades e materiais em abundância para fazer seus
registros, como pedra, areia, barro, madeira, casca e folha de árvore.
A linguagem é uma habilidade humana tanto quanto a comunicação em
sociedade, porém somente com a passagem da linguagem oral para escrita é que se
tornou possível à comunicação vencer o tempo e o espaço.
Segundo Sousa (2004), o homem sempre teve a necessidade de procurar
formas de comunicar aos seus semelhantes suas descobertas e as histórias
socialmente relevantes de que tinham conhecimento. O autor afirma ainda que as
necessidades de sobrevivência e de transmissão de uma herança cultural estavam
correlacionadas com essa necessidade primeira.
Nesse sentido, a escrita pode ser considerada como um dos principais alicerces
do processo da comunicação social, uma vez que ela contribuiu com a arte de contar
novas e boas histórias, assim como de transmiti-las.
Para Sousa (2004), a escrita também permitiu o registro, fato importante que
dividiu a história como sendo o período após a invenção da escrita e Pré - História,
período anterior a tal invenção.
A escrita, que foi inventada pelos sumérios, em aproximadamente 3.500 a.C.
possibilitou ao homem transmitir de forma segura e sem alterações de conteúdo, o que
geralmente aconteciam na transmissão oral.

12

2.2 Jornais pré-tipográficos
Sousa (2004) relata que foram os gregos, com as Efemérides e os antigos
romanos, com as Actas, que moldaram uma espécie de jornalismo pré-tipográfico.
O autor afirma ainda que as Actas nasceram no final da República Romana, por
ordem de Júlio César. Elas eram fixadas frente sua residência, mas rapidamente
começaram a circular sob a forma de pergaminho, relatando as sessões do Senado e
alguns outros acontecimentos considerados importantes.
A queda do Império Romano foi importante para o mecanismo de divulgação e
troca de informações entre os povos. O mundo feudal, em diversos sentidos
isolacionistas, e os perigos mortais que envolviam as viagens entre as cidades, foram
aspectos que influenciaram o surgimento de um novo tipo de comunicador, o trovador,
que viajava constantemente entre as cidades, trazendo novidades em forma de poesias
líricas e trovas.
O meio de divulgação mais comum até então era verbal, existindo poucos
documentos escritos, em sua grande maioria releituras.
Com o ressurgimento das artes e do comércio, no período final do Feudalismo e
início do Renascimento, abriram-se novas perspectivas para o jornalismo.
O crescimento econômico vivenciado pelas cidades com a expansão do
comércio, fator capaz de financiar o renascimento das artes e das ciências, fez crescer
a necessidade de informações mais detalhadas sobre o que acontecia nas cidades,
como suas características econômicas. Tal necessidade de informações criou espaço
para uma demanda de instrumental técnico que facilitasse sua divulgação.
Segundo Sousa (2004) nos mosteiros, os monges copistas copiavam e
difundiam textos sagrados, literários e profanos. A falta de papiro na época os obrigou a
busca por outro tipo de material para seus registros até o aparecimento do papel na
Europa, que era proveniente da China pelos mercadores e se tornou uma solução
imediata para os monges.

13

2.3 A revolução da tipografia

A Idade Média foi marcada pela tradição das crônicas históricas e relatos sobre
o presente, assim como relato de viagens e aventuras. Portanto, os livros, revistas e
jornais incentivaram a instrução despertando o hábito e o gosto pela leitura nas
pessoas.
Sousa (2004) afirma que os livros, jornais e revistas transformaram a civilização
e moldaram a esfera pública moderna, modificando a cultura.
Nesse sentido a Revolução Gloriosa Inglesa, a Revolução Francesa e a
Revolução Americana devem muito à imprensa, ainda que os jornais impressos
tivessem uma circulação restrita, já que eram caros e haviam poucos alfabetizadas.
Após a Revolução Francesa, vários fatores contribuíram para a explosão e
sucesso da comunicação social. Conforme Sousa (2004):
-

As vias de comunicação permitiram a circulação de pessoas;

-

Desenvolvimento do turismo;

-

Escolarização e alfabetização (conseqüências do triunfo burguês e

-

das idéias de liberdade, igualdade e fraternidade;

-

Urbanização e o liberalismo político;

-

Desenvolvimento da tipografia.

A máquina a vapor de impressoras proporcionou o desenvolvimento da
tipografia e os processos industriais da fabricação do papel, reduziu os custos da
produção dos jornais e livros, aumentando consideravelmente o número de cópias.
Para Straubhaar e LaRose (2004) a alfabetização e a leitura começaram a
mudar a maneira pela qual as pessoas pensavam e agiam. As pessoas alfabetizadas
dependem menos da memória para preservar culturas, técnicas, histórias épicas, mitos
e imagens para transmitir idéias de uma geração para outra. Tais funções foram
tomadas por histórias escritas, livros didáticos e textos religiosos.

14

Conforme relata Straubahaar & La Rose (2004), Johannes Guttemberg foi um
dos primeiros na Europa Ocidental a conseguir produzir um maquinário capaz de
imprimir grande quantidade de material informativo, no ano de 1450.
A alfabetização e a leitura de textos que se encontravam restritas a
determinados membros das classes dominantes e ao clero ficou cada vez mais
acessível à nova classe dominante e mercantilista, marcando uma nova fase da
civilização ocidental.
A invenção da tipografia proporcionou, ao mesmo tempo, a impressão de uma
grande quantidade de material informativo e a redução de custo. A tecnologia havia
proporcionado a sociedade da época uma nova forma de explorar socialmente e
economicamente o novo meio de comunicação.

2.4 A mídia impressa na modernidade

O acesso à informação modifica a forma como as pessoas pensam e agem as
práticas de preservação históricas da memória dos povos que deixavam de lado seu
caráter oral e foi substituída pela memória escrita.
A mudança comportamental da época também acarretou modificações na área
da literatura, onde as histórias épicas e míticas orais foram perdendo seu espaço para
histórias escritas, textos religiosos e livros didáticos.
Para Almeida (1998) outro fator bastante positivo para a disseminação dos
primeiros jornais foi o desenvolvimento de serviços de correio entre as cidades,
beneficiado por dois fatores:
-

O aumento da segurança das estradas (fator de primordial importância
para o desenvolvimento do comércio);

-

Melhorias técnicas do setor de edição e impressão, percebido como
fruto da Revolução Industrial.

15

Com o aumento no número de pessoas alfabetizadas e com a disponibilidade
de novos produtos e serviços devido a Revolução Industrial, os empresários
perceberam que essa nova mídia poderia ser bastante útil para a divulgação de seus
produtos e serviços.
Surgiu assim uma nova área da comunicação, da Publicidade, que representou
um novo caminho para permitir que os jornais financiassem seus custos de produção,
barateando seu preço final, quanto o acirramento da concorrência entre os
comerciantes e industriais.
Sobre o nascimento da mídia industrial, Straubahaar & La Rose (2004, p. 3334) relatam que:
conforme a Revolução Industrial tomou velocidade, meios de massa com base
industrial, tais como livros e jornais, apareceram e proliferaram. Conforme a
demanda de massa por meios impressos crescia, os meios tendiam a se tornar
mais baratos. A maioria dos países presenciou o crescimento de grandes
jornais urbanos e um aumento da publicação de livros. Entretanto, tanto o
analfabetismo quanto à falta de dinheiro continuaram a limitar a leitura. Muitas
pessoas não podiam dispor do dinheiro para um jornal, nem liam tão bem para
apreciá-lo. (...) Assim, vemos que a classe social está geralmente conectada ao
uso da mídia. A industrialização por vezes aumenta a estratificação social.
Embora muitas pessoas mais pobres avancem ao obter trabalhos industriais, as
lacunas relativas entre ricos e pobres aumentaram em muito em muitos países
em desenvolvimento.

Segundo dados do Observatório da Imprensa (1998) no período entre 1600 e
1630 surgiram diversos jornais e semanários pela Europa Ocidental, entre eles Nieuwe
tydingen (1605) na Antuérpia, o Frankfurter journal (1615), o Gazette van antwerpen
(1619), o Weekly news (1622) e a Gazette de France (1631). Percebe-se que o
jornalismo se desenvolveu com maior velocidade, no início do século XVII, nos países
de língua germânica e francesa.
Sobre essa mesma época, Straubahaar & La Rose (2004) comentam que Oliver
Cromwell, por volta de 1640, foi um dos primeiros líderes políticos a fazer uso
sistemático dos meios de comunicação de massa.
Com a ampliação do número de pessoas com acesso a alfabetização e os
desenvolvimentos técnicos na área da impressão, a idéia de opinião pública começou a

16

tomar uma nova forma, ficando assim exposta a necessidade das classes dominantes
de encontrar um novo caminho para controlar as massas menos privilegiadas.
Sousa (2004) diz que o lançamento da primeira Gazeta em português ocorreu
no ano de 1641, com o nome "Gazeta em que se relatam as novas todas, que ouve
nessa corte, e que vieram de várias partes" ou simplesmente, a Gazeta.
A Gazeta foi impresso até o ano de 1647 de forma errática, sendo suas
interrupções devidas tanto a falhas de impressão quanto a falta de veracidade das
noticias publicadas.
Sousa (2004) complementa afirmando que o primeiro jornal diário chamava-se
Leipziger Zeitung, na Alemanha (1660) e oferecia informações para o público em geral.
O segundo diário com as mesmas características foi o Daily courant, na
Inglaterra, editado por Elizabeth Mallet, no ano de 1704.
Sousa (2004) diz a respeito das Colônias Norte Americanas, em Boston, no ano
de 1690, onde surgiu o Public occurrences both foreign and domestic que foi fechado
após quatro dias de circulação, devido a grande quantidade de notícias do poder
colonial.
Em 1704 outros periódicos foram lançados, como o Boston news-letter, após 14
anos da edição do primeiro diário.
Já no século XIX começam a aparecer nos Estados Unidos alguns jornais
menos opinativos e mais noticiosos, com uma linguagem direcionada a um público
vasto e pouco conhecedor da língua. Em razão do grande número de imigrantes,
procurava-se atingir um número maior de pessoas que pudessem entender as notícias
com facilidade.
A pioneira da época foi o The New York Sun, que optava por publicar menos
política e mais crônicas sobre assuntos de interesse da população, voltado
principalmente para o seu cotidiano.
Segundo Albert e Terrou (1990) o nascimento das agências de notícias ocorreu
devido ao desenvolvimento dos jornais, uma vez que o mercado das notícias conheceu
um progresso que suscitou a criação de agência especializadas.

17

Em meados do século XIX o telégrafo elétrico foi o instrumento de promoção
das agências de notícias, a transmissão rápida de notícias exigiu um esforço
considerável e a imprensa se beneficiava dessa forma.
O surgimento das agências de notícias teve uma importância fundamental para
o desenvolvimento das redes de comunicação global, com a coleta e a disseminação
de notícias em diversas partes do planeta. Ocorreu primeiramente na Europa e logo se
estendeu para outras partes do mundo.

2.5 A trajetória da mídia impressa no Brasil

A vinda da Família Real portuguesa para o Brasil, especificamente para o Rio
de Janeiro ocorreu pois eles estavam fugindo das invasões francesas, esta situação fez
mudar a rotina da vida das pessoas na colônia, seus hábitos e seus costumes, uma
vez que a cidade se tornou a capital do Reino de Portugal e do Brasil.
Segundo Sousa (2004) a Gazeta do Rio de Janeiro surgiu em setembro de
1808, com a abolição da censura régia, em 1821, por influência da Revolução Liberal
de 1820, determinou uma lenta e segura proliferação dos jornais no país.
Em São Paulo, por volta de 1894 foi fundado o jornal A Tribuna de Santos, a
princípio circulava duas vezes por semana, somente em 1896 passou a ser diário até
os dias de hoje.
No Rio de Janeiro, em abril de 1891, surgia o Jornal do Brasil, fundado por
Rodolfo de Souza Dantas e Joaquim Nabuco, que era ligado as causas abolicionistas e
republicanas, que com o objetivo de fazer valer seus pontos de vista tornou-se escritor.
Para Melo e Queiroz (1998) o Jornal do Brasil divide a sua história em sete
fases, conforme o quadro a seguir:

18

QUADRO I
Período

Fase

1891 - 1893

Monarquista

1893 - 1894

Rui Barbosa

1894 - 1919

Populismo

1919 - 1930

Boletim de anúncios

1931 - 1950

Moderna

1950 - 1961

Reforma

1961 - ...

Grande Jornal

No período que foi dirigido por Rui Barbosa, o jornal mudou sua postura política
e passou a valorizar a constituição brasileira, defendo então o regime republicano e
combatendo a ditadura do Marechal Floriano Peixoto.
Melo e Queiroz (1998) afirmam que em 11 de novembro de 1894, o jornal voltou
a circular e em uma fase mais popular, após um período de um ano, interrompido pela
ditadura de Peixoto.
A fase moderna que compreendida entre 1931 até 1950 foi caracterizada por
uma recuperação financeira do jornal, foram anos de matérias prudentes, moderadas e
discretas, mas devido às críticas à Revolução de 30, ele teve sua sede uma vez mais
depredada, deixando desta vez de circular por quatro meses.
De 1950 a 1961, pode-se dizer que as mudanças foram visíveis, como a
inclusão de fotos na primeira página do jornal, um aumento considerável no número de
páginas e a organização de um caderno de esportes.
A última fase a que o próprio jornal se refere como Grande Jornal teve início em
1961 graças às iniciativas de Nascimento Brito, além de marcar época, uma vez que
pôde ser representada pela busca de concorrentes.

19

Segundo Melo e Queiroz (1998), em 1921 surgia a Folha da Noite, em 1925 a
Folha da Manhã, já em 1949 a Folha da Tarde, que originou-se a Folha de São Paulo, a
partir da fusão e com o lema "um jornal a serviço do Brasil".
Desde então a editora deste jornal passou por diversas direções, cuja filosofia
editorial também mudou ao longo dos anos.
Ao longo dos anos muitos fatores contribuíram para o desenvolvimento e
melhor qualidade dos jornais brasileiros, ressaltam-se:
-

a evolução dos transportes e a imprensa;

-

o nascimento das agências de notícias;

-

a evolução das tecnologias de informação e sua transmissão.

Esses fatores contribuíram de forma significativa com a evolução da mídia
impressa no Brasil, porém nada se compara com a revolução que a internet causou,
tanto no exterior quanto no Brasil, os jornais tiveram que se adaptar a uma nova
realidade e velocidade de informações, assim como uma clientela ávida por notícias a
todo o momento.
A primeira empresa jornalística que iniciou sua incursão na internet, não utilizou
um modelo padronizado, porém, foi a partir de iniciativas isoladas, como as do Grupo O
Estado de São Paulo, que já se encontrava investindo em serviços de Tecnologia da
Informação desde a década de 80.
A verdadeira expansão no Brasil, em relação ao jornal na internet ocorreu
somente após a verificação do êxito de versões similares nos jornais norte-americanos
e ingleses, aproximadamente em meados de 1995.
Ressalta-se que o Jornal do Brasil foi o primeiro a fazer uma cobertura ampla
no espaço virtual, em seguida veio o Estado de São Paulo, a Folha de São Paulo e o
Globo. Alguns jornais ofereciam atualizações de seu conteúdo em tempo real e outros
em caráter semanal.

20

Atualmente todos os jornais disponibilizam na internet parte de suas matérias,
suas principais manchetes e muitos já se tornaram provedores, desta forma o usuário
pode acessar ao conteúdo integral das notícias.
Com o aumento de computadores conectados a internet e o elevado número de
compras efetuadas online, tornou-se lucrativo para os jornais manterem os seus SITES
atualizados diariamente, assim como um amplo espaço para a publicidade. Este tema
será aprofundado no terceiro capítulo que trata da evolução da internet no mundo e no
Brasil.

21

3 EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE RÁDIO E DA TELEDIFUSÃO
3.1 Os Primórdios da Radiofonia

Sampaio (1984) relata que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a
realizar experimentações de transmissão de voz humana sem fio, sendo o Padre
Landell de Moura o primeiro a patentear tal instrumento em 1892, que ocorreu
simultaneamente no Brasil e nos Estados Unidos. Este reconhecimento foi realizado em
publicação da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão ABERT, de
dezembro de 1982.
Ainda segundo Sampaio (1984) afirma que Landell, ainda com 16 anos havia
construído um telefone. Merece destaque o comentário de que Graham Bell havia
demonstrado, um ano antes que Landell, um aparelho com as mesmas características,
porém consideram muito difícil que Landell tenha tido acesso a tal aparelho.
A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão também declara
nessa mesma publicação que Landell fora o inventor da Radiotelefonia, o primeiro no
mundo a transmitir a voz humana à distância utilizando aparelhos que não utilizavam
um fio condutor.
De acordo com Sampaio (1984) o Padre Landell também deveria ser
reconhecido como inventor de outros aparelhos como o teletipo, controle remoto pelo
rádio e um dos precursores no desenvolvimento da televisão. Tomas Alva Edison
também é citado por Sampaio (1984) como outro personagem de importância única
para o desenvolvimento da Radiofonia.
Destaca-se na imensa contribuição às ciências os dispositivos que tornaram a
utilização do telegrafo uma realidade nacional nos Estados Unidos, o aperfeiçoamento
do microfone de carvão que possibilitou melhor qualidade das transmissões telefônicas,
a válvula "Edson" (precursora da válvula de rádio) e a transmissão telegráfica com
aparelhos sem fio (para ser utilizada dentro de trens e navios).

22

Quanto à história da expansão do rádio, Sampaio (1984) identifica seis períodos
marcantes entre o ano de 1896, quando ocorreu as primeiras transmissões de rádio
entre navios com estações,
Assim, o autor define os seis períodos e suas características principais,
conforme a tabela a seguir:

QUADRO II ­ PERÍODOS MARCANTES
FASE

PERÍODO

CARACTERÍSTICAS

1a

1896 - 1906

Transmissões de rádio de navios para estações de terra e pelos
primeiros avanços da utilização comercial do novo meio.

2a

1907 ­ 1917

Avanços técnicos dos aparelhos e do surgimento dos primeiros
regulamentos internacionais para a exploração do serviço.

3a

1918 ­ 1927

Implantação da rádiodifusão no mundo e da diversificação dos
serviços.

4a

1927

Conferência de Washington - definição de três bandas padrão
(ondas curtas, medias e longas) e da regularização das
comunicações navais e aeronáuticas por meio das ondas curtas.

1928 ­ 1938

Maiores avanços técnicos e utilização crescente das ondas de
rádio, agora como auxílio à navegação. Surgimento da
freqüência modulada (FM). Neste período começaram a ser
regulados os limites de potência de transmissão (de 60 KW em
1929 para 150 KW em 1933) assim como da abolição das faixas
de freqüência em uso. No Brasil, em 1932, a rádiodifusão foi
regulamentada por meio do Decreto-Lei 21.111.

5a

a

6

Com o advento da Segunda Guerra Mundial as aplicações na
1937 ­ 1947 área das telecomunicações se multiplicaram (radar, projéteis
teleguiados, etc) e a plena utilização das ondas curtas. O Rádio
começa a ser utilizado como instrumento de propaganda.

O advento da era espacial levou a União Internacional de Telecomunicações ­
UIT, instituição especializada da Organização das Nações Unidas ­ ONU, a organizar
diretrizes para cuidar do registro internacional de freqüências e arbitrar questões
relacionadas com a soberania dos países quanto à utilização dessas freqüências.

23

Seus

estatutos

estão

definidos

na

Convenção

Internacional

de

Telecomunicações, cuja redação foi organizada durante a Conferência Plenipotenciária
de Málaga-Torremolinos, em 1973, da qual o Brasil é um dos signatários.
Quanto à popularização do rádio no mundo, Straubhaar & LaRose (2004)
relatam que a experiência norte-americana durante a década de 1920 permitiu as
comunidades rurais o acesso a diversos tipos de manifestação de cultura.
Segundo os autores, os principais programas de rádio nos Estados Unidos
durante essa época atendiam principalmente as comunidades rurais, transmitindo sua
cultura em forma de música (country e gospel), sendo o mais famoso o Grand Ole Pry,
direto de Nashville, o primeiro programa a ser distribuído nacionalmente.
Sabe-se que na década de 1920 muitas comunidades do interior não tinham
acesso aos jornais, revistas, cinema, fazendo com que o rádio fosse a conexão das
pessoas que viviam distante com as novidades transmitidas pelo rádio.
Foi também durante a década de 1920 que o rádio começou a ser utilizado
como meio comercial para serviços de marketing, sendo comum as rádionovelas
patrocinadas por companhias que desejavam expandir seu público consumidor.
Naquela época já se divulgavam os mais variados produtos e o rádio já podia
ser considerado como um instrumento facilitador para venda de bens produzidos em
massa.

3.2 A Radiodifusão no Brasil

Quanto a Radiodifusão em território brasileiro, Sampaio (1984) relata que as
primeiras demonstrações ocorreram na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1922,
durante as comemorações do Centenário da Independência.
O autor afirma ainda que diversos alto-falantes foram instalados pela
Companhia Telephonica Brasileira em diversos pavilhões da Grande Exposição do
Centenário.

24

Posterior a esta demonstração pública, já estavam à disposição da sociedade
em geral diversas publicações que ensinavam a montar receptores, algumas diziam
ainda que seus esquemas iria permitir a construção de rádios tão poderosos que
captariam transmissões de qualquer parte do mundo.
Os kits completos de montagem começaram a aparecer durante este período,
sendo a grande maioria formada por partes importadas dos Estados Unidos ou da
Europa Ocidental.
De acordo com Sampaio (1984), a primeira sociedade de rádio regular no Brasil
foi criada no Rio de Janeiro, a capital do país na época. Tratava-se da Rádio Sociedade
do Rio de Janeiro, sob direção dos professores Roquette Pinto e Henrique Morais.
Pouco tempo depois, em 1924, surgiu uma segunda rádio, a Rádio Club do
Brasil, de propriedade de Elba Dias e associados. Em 1926 surgiu a Rádio Educadora
do Brasil, que posteriormente foi renomeada Rádio Tamoio e no ano seguinte, a Rádio
Mayrink Veiga. No ano de 1933 surgiu a Rádio Cruzeiro do Sul.
O surgimento de estações de rádio não foi um fenômeno exclusivo do Estado
do Rio de Janeiro. Em 1923, em Recife, foi organizada a Rádio Club de Pernambuco, e
em São Paulo, no ano de 1924, foi inaugurada a Rádio Educadora Paulista. No ano
seguinte surge a Rádio Record e um pouco mais adiante, a Rádio Cruzeiro do Sul.
No Rio Grande do Sul foi inaugurada, em 1924, a Rádio Sociedade Rio
Grandense e em 1928 surgiu a Rádio Gaúcha de Porto Alegre, a qual é a precursora da
atual Rede Brasil Sul de Comunicações. Em Minas Gerais foi inaugurada, em 1927, a
Sociedade Rádio Mineira e em 1928, a Rádio Sociedade de Juiz de Fora.

3.3 A evolução das rádios nas décadas de 1920 - 1940

Segundo Sampaio (1984), a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro foi a primeira a
apresentar programas regulares, no ano de 1926, sendo o Jornal da Manhã o primeiro
programa a ser regularmente transmitido por uma rádio carioca.

25

Os outros três noticiosos, o do meio-dia, da tarde e da noite também passaram
a ser transmitidos regularmente. Entre os noticiários a programação era basicamente de
músicas e material instrutivo.
A rádio, nesta época, estava voltada mais para fatores relacionados a cultura e
a erudição, sendo que os custos eram financiados pelos sócios. Com o passar dos
anos, principalmente devido às pressões financeiras, a competição comercial de suas
concorrentes e do desejo do Dr. Roquette Pinto em manter o caráter cultural da rádio
acima do caráter comercial. Porém, este não teve outra opção a não ser transferir a
gestão da rádio para o Ministério da Educação, sob a condição de continuar com sua
orientação voltada para a cultura.
Em São Paulo, as rádios surgiram como suas co-irmãs cariocas, porém não
foram fundadas por personagens relacionados com a elite cultural, estes empresários
buscavam oferecer não apenas cultura, mas também diversão e lazer.
Uma vez sendo a publicidade proibida, o quadro técnico de funcionários e de
artistas era mantido ao mínimo.
A rádio era considerada pela classe artística são-paulina como uma mídia
capaz de faze-los mais conhecidos e populares, porém não como um meio de vida.
O maior problema das primeiras rádios estava concentrado nos aspectos
técnicos, principalmente de manutenção dos equipamentos, pois as tecnologias vinham
dos Estados Unidos e Europa e as rádios não conseguiam captar recursos suficientes
para atender todas essas suas necessidades.
Os maiores financiadores eram os "sócios-contribuintes", que faziam doações
espontâneas. A solução para tal problema havia sido encontrada pelos NorteAmericanos na forma da irradiação de anúncios, porém tal opção ainda estava proibida
em lei.
Frente à impossibilidade das rádios captarem recursos suficientes para
continuar funcionando, o Governo Federal foi obrigado a modificar a legislação vigente
para autorizar esse tipo de serviço. Esse problema não estava restrito apenas a
realidade brasileira. De fato, diversos países europeus também eram proibidos por lei

26

que irradiassem propaganda, mas progressivamente os anúncios foram sendo
liberando, sempre que estes estivessem dentro dos limites fixados em lei.
As transmissões das rádios brasileiras educativas, informativas e de lazer não
contavam com o apoio de profissionais sociólogos e pesquisadores, já que estes não
sabiam exatamente como intervir, de forma positiva nos problemas da sociedade
brasileira como um todo.

3.4 A distribuição das concessões de radiodifusão no brasil do novo
século

Moreira & Del Bianco (2001) relatam que no espaço de tempo entre 1920 e
1999, o rádio atravessou um longo processo de inovações tecnológicas que permitiram
se tornar o meio de comunicação de massa de acesso universal. Elas relatam ainda
que no ano de 1998, o rádio estava presente em mais de 40 milhões de domicílios
brasileiros, sendo o Brasil, neste mesmo ano, o segundo país no mundo em número de
estações de rádios.
Quanto à distribuição das concessões, 45% delas estava sob controle de
políticos, 25% sob controle de seitas evangélicas, 10% sob o controle da Igreja Católica
e os 20% restantes com emissoras comerciais independentes.

3.5 A origem da televisão

O primeiro equipamento de televisão foi patenteado por Paul Nipkow (1885), na
Alemanha, segundo Sampaio (1984) o aparelho era capaz de funcionar a base da
transmissão de imagens em movimento por meio de fio condutor. Alguns anos depois, o
equipamento foi aperfeiçoado e aplicado em transmissões regulares, tanto na Inglaterra
quanto nos Estados Unidos.

27

No período da Segunda Guerra Mundial o progresso da televisão foi lento, em
1941 a televisão era apreciada pela população, com reportagens esportivas, entrevistas
de políticos e lideres militares.
Sampaio (1984) afirma que nos anos da guerra a televisão norte-americana
cooperou bastante, servindo à defesa antiaérea nas cidades, mostrando o
comportamento da população na eventualidade de um ataque.
Com o fim da guerra e o retorno a normalidade do país, a televisão tomou um
grande impulso. No ano de 1945 o cinema entrava em declínio, devido à penetração do
rádio no mercado, que tratava de se adaptar ao modo de vida do povo americano. A
televisão foi aos poucos se apoderando da audiência tanto do cinema quanto da rádio.

3.6 As Primeiras Emissoras de Televisão na Europa

A partir de 1936, na Inglaterra, com a inauguração do transmissor da BBC, as
emissões de TV se tornaram regulares.
Segundo Sampaio (1984) o pioneiro da TV na França foi o físico René
Barthelemy, que aperfeiçoou os inventos de John Baird, na Inglaterra, conseguindo
fazer funcionar um transmissor de TV, em 1930.
Aproximadamente por volta do ano 1935 é que a França teve a sua primeira
estação de TV funcionando regularmente, localizada na Torre Eiffel, em Paris.
Na Itália, a Rádio Audizione Itália RAI representou a consolidação da televisão
no país, renovando o seu contrato com o governo no ano de 1952.
Sampaio (1984) diz que a primeira estação de rádio alemã foi inaugurada em
outubro de 1923, apresentando uma programação regular. A televisão na Alemanha,
ocorreu na capital em março de 1935, que exibia uma programação noturna durante
apenas três dias na semana.

28

Durante a Segunda Guerra Mundial, as exibições continuaram em todo tempo,
mas o mesmo não acontecia nas emissoras dos países aliados, que silenciaram nesse
período de guerra.
Com o fim da guerra as emissoras das nações aliadas voltaram de forma
gradativa ao ar, já para a televisão alemã, houve uma suspensão em 1944, fazendo
com que ela retomasse a suas atividades oito anos depois.
O mesmo aconteceu com as emissoras de rádio, suspensas em 1944, porém
voltaram ao ar no ano de 1945, já com a direção dos países aliados, vitoriosos com o
fim da guerra.
Os alemães somente voltaram a dirigir a rádio em 1948, ou seja, somente três
anos após o início da direção dos países aliados, que ocorria de forma lenta e dispersa.
Desde 1935, as explorações de estações de rádio e de televisão foram se
propagando por toda a Europa, em muitos países o governo participava de forma
efetiva, ajudando as emissoras com diversos equipamentos para a realização da
transmissão e até com a manutenção dos aparelhos, que foi uma contribuição
necessária para as manterem no ar.
Sampaio (1984) afirma que a primeira televisão à cores foi ao ar na Espanha
(1974), mas só em 1982 que uma empresa privada teve sua concessão.

3.7 A implantação da televisão no Brasil

A repercussão da implantação da TV na Europa e nos Estados Unidos
despertou o interesse dos brasileiros, porém o desafio seria o de administrar o novo e
grande empreendimento.
Somente no final da década de 1940 que o empresário brasileiro Francisco
Assis Chateaubriand Bandeira de Melo providenciou o aparelhamento para instalar uma
emissora de televisão em São Paulo.

29

Segunda Sampaio (1984) após uma fase de instalação de incidentes, em
setembro de 1950, inaugurava-se a Tupi Difusora, fazendo com que o Brasil fosse o
primeiro país da América latina a ter uma televisão de caráter regular.
Após um ano da inauguração da difusora em São Paulo, o segundo Estado
brasileiro a ter uma emissora associada foi o Rio de Janeiro, cujo estúdio improvisado
transmitia com aparelhos instalados no alto do Pão de Açúcar.
Dessa forma a televisão surge no Brasil na década de 50 com todas as
dificuldades comuns à época e como qualquer outro início de empreendimento, mas
que com o tempo se transformou em um mecanismo publicitário muito poderoso.
A princípio as verbas eram divididas entre os jornais, revistas e emissoras de
rádios, que eram captadoras de grande audiência popular, mérito obtido em razão de
diversos espetáculos musicais, novelas entre outros, até então a televisão representa
apenas um lazer para a elite.
Apesar da excelente audiência do rádio, o advento da televisão representou
uma concorrência muito forte e intransponível, já que compatibilizava som e imagem ao
mesmo tempo. Portanto o rádio perdeu sua qualidade, muitos de seus funcionários
optaram por trabalhar na televisão, o que contribuiu para sua confirmação do seu
espaço na audiência brasileira.

3.8 A audiência e a renda publicitária na televisão

Após seis anos da inauguração da televisão brasileira, percebeu-se uma
evolução em diversos aspectos, dos quais destacam-se:
-

mais estações;

-

mais telespectadores;

-

mais receptores;

-

maior volume de verbas publicitárias.

30

Sampaio (1984) afirma que em 1956 já havia no Brasil uma audiência de um
milhão e meio de telespectadores, em São Paulo as três emissoras de televisão
passaram a faturar mais em publicidade do que as treze estações de rádio.
O que pode ser considerado como um embrião da Rede Globo foi inaugurado
no Rio de Janeiro em 1965, logo a emissora se impôs à simpatia e aceitação dos
telespectadores.
Com a aceitação dos programas da Rede Globo, como as novelas,
documentários e shows, ela se estendeu por diversos países pelo mundo, o que levou
a emissora não só a compensações financeiras, mas também a homenagens, prêmios
e troféus.
Segundo Straubahaar & La Rose (2004) nos anos 60 e 70 alguns shows de
variedade da televisão, comédias de situação e dramas passaram a ter um ponto de
vista mais crítico e social.
Os anos 70 representaram mudanças significativas nas programações, ela
passou a ter também como público alvo pessoas mais jovens, detendo dessa forma
uma melhor posição nos índices de audiência.
No começo dos anos 80, a programação da televisão começou a sofrer com a
concorrência da televisão a cabo, que representava uma fonte muito atrativa às redes
tradicionais e das fitas de vídeo alugadas.
Como resposta à concorrência, as redes de televisão optaram por uma
programação menos original, cuja concentração era voltada a um fluxo de fórmulas e
gêneros que obtinham uma resposta consistente no horário nobre.

3.9 Evolução da televisão

As mudanças significativas para a televisão não ficaram restritas ao universo da
programação, que foi abalada com a chegada da televisão a cabo e as fitas de vídeos,

31

havia uma preocupação cada vez maior com a resolução de imagem e a
compatibilidade desta com os sistemas de informação.
Straubahaar & La Rose (2004) afirmam que os americanos estão bem
equipados em termos de televisão, quase todos os lares têm ao menos uma televisão
(98,3%) e a maior parte são a cores (98%).
Na busca de uma forma de melhorar a padronização da resolução original para
uma imagem mais clara e detalhada, conhecida atualmente como HDTV (high-definition
television), os japoneses propuseram um novo padrão a partir de 1981,que segundo
Straubahaar & La Rose (2004) permitiu um aspecto da imagem televisiva mais
retangular como o de cinema, no lugar da tela quadrada.
Os Estados Unidos rejeitaram a proposta japonesa do HDTV para favorecer o
desenvolvimento da televisão digital mais avançada, visando uma integração maior com
os equipamentos dos computadores.
Dessa forma a tecnologia digital está baseada no sistema de processamento
por computadores para converter toda informação em sinais que se assemelham ao
ligado/desligado dos números binários, que representam à base das linguagens de
computadores.

32

4 A INTERNET
4.1 Origem

O primeiro sistema civil compartilhado surgiu em 1962 e era o maior e mais
resistente exemplo de um sistema de tempo compartilhado, o SABRE, um sistema de
reserva de passagens da American Airlines, conectava os balcões de venda de
passagens dos agentes de viagens a um computador central via mondens e linhas de
telefone, permitindo dessa forma o controle central de reservas de vôo e emissão das
passagens.
Straubahaar & La Rose (2004) afirmam que fora das salas de comunicações a
transmissão de dados era muito lenta, os mais avançados modens eram capazes de
enviar apenas 1.200 bits por segundo.
Os cientistas de computadores começaram a procurar meios de fazer a
comunicação de dados ser mais rápida e escandi-la de forma mais eficiente sobre
áreas cada vez mais amplas.
Em meados de 1966, iniciou-se experimentos com uma rede de área ampla
(wide are network ou WAN), dedicada a pesquisa nas áreas de defesa e projetos de
desenvolvimento, foi a primeira WAN operacional, em 1973 a precursora da Internet de
hoje.
Para Straubahaar & La Rose (2004) a WAN ­ Wide are network representou um
meio de transmitir dados a longas distâncias de um modo que não exigisse conexões
dedicadas entre cada e todos os pontos da rede.

33

4.2 Correio Eletrônico

Atualmente qualquer indivíduo que tem acesso a um computador com conexão
a Internet, cujo conjunto de recursos tecnológicos coloca à disposição um ponto de
acesso que disponibiliza uma grande quantidade de informação e possibilidades de
acesso a serviços diversificados. O uso e evolução da Internet facilitaram a
comunicação entre empresas e pessoas no mundo todo.
A chegada da internet foi um marco importante para o desenvolvimento e
incremento da informação, por meio da divulgação instantânea de imagens e sons,
além da troca de informações entre computadores e acesso a bancos de dados.
Segundo Straubahaar & La Rose (2004) a disseminação de computadores
pessoais nos anos 80 impulsionou o crescimento meteórico tanto das LANs quanto das
WANs.
A partir da década de 90 as empresas começaram a aposentar os
computadores mainframe para aplicações tais como planejamento financeiro, entrada
remota de serviços, processamento de transações e respostas de pesquisas.
As novas aplicações relacionadas a processamento de textos e correio
eletrônico, que anteriormente eram consideradas como desperdício de recursos
computacionais, se tornaram lugar-comum nos computadores pessoais em rede.
Também conhecido como e-commerce, o comércio eletrônico, engloba todas as
atividades realizadas para vender produtos ou serviços por meio eletrônico.
No mercado da comunicação e da telemática o desenvolvimento de novas
tecnologias, pode disponibilizar um canal de acesso para a realização de prestação de
serviços e representa também um espaço novo e pleno de possibilidades para o
surgimento de novos serviços e produtos.
A sociedade atual já não consegue dissociar o seu desenvolvimento das
tecnologias existentes, as organizações têm na tecnologia sua mais poderosa forma de
controle, comunicação e troca de informação, este deve ser entendido como informação

34

de conteúdos de interesse pessoal ou organizacional que possam ser armazenados ou
transferidos.
A informação na internet passou a representar um recurso econômico e social
em que se percebe ser uma fonte para a satisfação das demandas de informação e
serviços, que é facilitada pelo alcance global e potencial, assim como pela redução dos
custos dos insumos tecnológicos.
A correspondência comercial por e-mail, difere das formas de correio
convencional, já que são sempre endereçadas para uma determinada pessoa, sendo
que o usuário que tem acesso é na maior parte das vezes o próprio destinatário.
Portanto, isto faz com que este tipo de mídia seja mais efetivo que os convencionais.

4.3 O Desafio da Mídia

O avanço do jornalismo na televisão e mais recentemente pela internet,
influencia diretamente na evolução dos jornais impressos, que torna-se um desafio os
jornais atualmente, ou seja, dos jornais impressos será o de priorizar a análise das
notícias, interpretá-las e disponibilizá-las o mais rápido do que os concorrentes.
A internet representa uma excelente oportunidade de reunir o rádio, a tv e o
jornal, em um só ambiente. Nesse sentido o desenvolvimento da TV digital que permite
aos computadores manipularem essas imagens e integrando-as de forma totalmente
compatível.

35

5 PROPAGANDA E MARKETING

5.1 Origem e Evolução

O período que antecede a Revolução Industrial é caracterizado por modelos de
produção essencialmente artesanais. Profissionais como o ferreiro, o alfaiate, o padeiro,
produziam diretamente para o seu consumidor, fosse ele uma pessoa ou uma
organização, o atendimento era feito sob encomenda ou não.
Com a evolução da produção artesanal os produtos passaram a ser vendidos em
lojas, o surgimento das máquinas facilitaram e aumentaram a produção. Dessa forma
criou-se um excedente de mercadorias que representaram um grande problema para os
comerciantes, já que os mesmos necessitam vender os seus produtos.
Cobra (2002) afirma que até meados de 1925, muitas empresas nas economias
mais desenvolvidas do Oeste Europeu e dos Estados Unidos estavam orientadas pela
produção. Não havia preocupação com a venda, o marketing não existia, uma vez que
praticamente tudo que se produzia era vendido. Cobra (2002, p. 28) complementa
dizendo que
[...] entre 1925 e o início dos anos de 1950, as técnicas de produção já estavam
dominadas, e, na maioria das nações desenvolvidas, a preocupação era com o
escoamento dos excedentes de produção. Uma empresa com orientação para
vendas era aquela que assumia que os consumidores iriam resistir em comprar
bens e serviços que não julgassem essenciais.

Dessa forma ressalta-se que o marketing surgiu da necessidade de vender o
excedente e superar a resistência dos consumidores, ou seja, um meio que pudesse
convencê-los a realizar a compra de determinados produtos, principalmente daqueles
que não necessitavam.
Las Casas (2001) afirma que muitas decisões de compra são feitas com base
nos preços dos produtos. A maioria dos consumidores possui desejos e necessidades
ilimitadas, porém recursos limitados.

36

Com a II Guerra Mundial, as indústrias americanas trabalhavam muito e
cresciam exponencialmente devido à debilidade da Europa, principalmente pela
necessidade de produção de material bélico.
Cobra (2002) afirma que após a Segunda Guerra Mundial, surge nos Estados
Unidos a população denominada "baby boomer". A volta dos soldados da Segunda
Guerra Mundial

representou o nascimento de muitas crianças, criando o

cenário

perfeito para o consumo de todos os produtos relacionados ao mundo materno e
infantil, como fraldas, alimentos, medicamentos, roupas, brinquedos.
O marketing surgiu no Brasil após a revolução de 1964, porém somente com o
fim da alta inflação, no governo do presidente Itamar Franco, em 1993, tornou-se mais
importante com a indexação da economia.
O marketing muda o seu foco de atuação com o passar dos anos e de acordo
com as tendências do mercado, ele se tornou ao longo do tempo parte integrante das
atividades de administração de negócios e organizações.
Cobra (1997, p. 33) afirma que:
em todo o mercado, cada vez mais se percebe a importância do marketing
como fator de definição da empresa em relação a seus concorrentes. Nota-se
um significativo nivelamento quanto à qualidade dos produtos. Assim, o
marketing se apresenta como fator na luta de projeção das empresas. O
marketing é objeto de atenção e interesse de diversos tipos de organizações
lucrativas e não lucrativas. De empresas privadas a empresas públicas, de
empresas de grande porte a empresas de microporte, de políticos até as
nações, o marketing permeia a atividade mercantil e não mercantil.

Dessa forma percebe-se que o marketing é um processo muito maior que
apenas propaganda ou promoção. Está diretamente relacionado ao centro de uma
organização auxiliando-a no exercício de sua atividade.
Segundo Dantas (1996), a propaganda é uma das ferramentas utilizadas pelo
marketing para a divulgação e venda dos produtos e serviços. Na tabela a seguir
destacam-se as características de cada termo:

37

QUADRO III ­ FUNDAMENTOS DO MARKETING
VENDAS

MARKETING

Ênfase no produto

Ênfase nas necessidades do cliente

A empresa fabrica o produto e só A ênfase determina, em primeiro lugar, o
então pensa em como vendê-lo de que os clientes desejam e só então pensa
maneira lucrativa

na maneira de vender, com lucro, um
produto que satisfaça às expectativas.

Mentalidade

interna,

voltada

rotinas.

para Mentalidade

externa,

voltada

para

o

mercado.

Ênfase nas necessidades da empresa Ênfase nas necessidades do mercado (do
(do vendedor).

comprador).

Dessa forma o desenvolvimento de mercado não é a mesma coisa que hábitos
no cliente. O conceito de marketing só faz sentido quando a idéia de desenvolver
mercado está presente.
Para Dantas (1996) a propaganda é a comunicação impessoal, paga, de caráter
persuasivo, feita através de veículos de comunicação, por um patrocinador identificado
com a nítida intenção de conquistar o interesse de um segmento de mercado ou de
mercado de massa.
Dessa forma, qualquer tipo de veiculação paga é considerada propaganda,
como o anúncio de uma empresa em jornal, a divulgação de um serviço ou produto com
a logomarca da empresa anunciante.. O mesmo acontece com um comercial de
televisão ou com um anúncio de rádio. Dantas (1996) inclui em sua definição de
propaganda folhetos, folders, outdoors e cartazes, uma vez que são pagos e têm a
clara identificação do anunciante.

38

5.2 A propaganda na internet

A internet surgiu como uma nova mídia para se disseminar a informação de
forma rápida, interativa e constantemente atualizada. Esse novo formato de
comunicação não substitui os formatos tradicionais, porém representam um valor
diferente para o usuário.
Hortinha (2001) afirma que o marketing na internet desempenha um papel
direto no processo de venda e o seu impacto pode ser rigorosamente medido, com a
facilidade de saber quantos clicks foram dados em um anúncio.
Para realizar uma promoção na web e atingir resultados positivos, muitas
ferramentas foram desenvolvidas e devem estar de acordo com o planejamento da
organização, que é exemplificada na tabela a seguir:

QUADRO IV ­ FERRAMENTAS DE PROMOÇÃO NA WEB
FERRAMENTA
BANNER
CORREIO ELETRÔNICO
POP-UP

SITE

FERRAMENTAS DE BUSCA

UTILIZAÇÃO
Normalmente utilizados nas páginas iniciais de portais ou sites.
Não existem restrições a sua utilização. É uma das
ferramentas mais efetivas na promoção na web
Deve ser utilizado para promoção, quando as listas de
distribuição são de grupos de interesses comuns, sendo que, o
item a ser promovido deve fazer parte do contexto do grupo.
Pode ser utilizado para promover um produto, item ou uma
determinada área de um site ou portal web.
Pode ser utilizado para promover produtos ou empresas. A
utilização de um site como "folder" promocional é a forma mais
antiga e primária de se utilizar a web como canal de promoção.
Podem ser utilizadas quando se deseja promover um site ou
portal. Seu retorno nem sempre é dos melhores devido a
quantidade de informações já existentes na web.

Como foi descrito na tabela anterior são inúmeras as possibilidades de se
trabalhar produtos e serviços na internet, muitas empresas já se beneficiaram com este
novo canal e ainda existe muito a ser feito e desenvolvido.

39

Para Hortinha (2001) os indicadores do e-marketing se dividem em dois tipos:
a) os relacionados com a eficácia do negócio e b) os relacionados com a eficácia de
marketing.
Em relação aos indicadores de eficácia busca-se demonstrar se os usuários
estão ou não aderindo ao site, conforme a seguir:
- visitantes únicos;
- usuários registrados;
- homepages e portais;
- número médio de visualizações por visita;
- freqüência das visitas;
- tempo médio das visitas;
- perfil de tráfego no site por dia e por hora.
Existem ainda diversas ferramentas no mercado que executam as tarefas de
coletar e emitir relatórios de acesso de serviços disponíveis na Web, com a vantagem
de se poder optar por ferramentas gratuitas ou pagas.

40

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Após o invento da escrita as inovações técnicas que permitiram o
desenvolvimento da impressão, foi um marco na história da comunicação, que
possibilitou a ampliação de materiais impressos, utilizados tanto pela Igreja quanto pelo
Estado, passando também pelo setor privado. Os recursos oferecidos pela natureza já
não eram suficientes para suprir a demanda de impressos com o desenvolvimento das
cidades.
No Brasil, a publicidade surgiu da necessidade que os jornais tinham para cobrir
os seus custos. As relações entre os padrões estruturados da comunicação global têm
por um lado condições locais em que os produtos da mídia são apropriados. Por outro
lado, à comunicação e a informação se difundem cada vez mais, os materiais
simbólicos são recebidos pelos indivíduos que vivem em locais e espaços
determinados.
Dessa forma a apropriação dos produtos pela mídia pode ser considerado um
fenômeno localizado, portanto as mensagens são freqüentemente transformadas nesse
processo, mas com o surgimento da Internet houve a necessidade de se pensar nessa
comunicação como sendo universal, já que para ela não existem fronteiras, qualquer
indivíduo em qualquer parte do mundo pode acessar a internet e todo o seu conteúdo.
Ainda que o desenvolvimento das sociedades e a globalização nos leve a crer
que existe uma perda da identidade dos povos e que uma única linguagem possa vir a
ser utilizada, o mundo ainda é o lugar onde se pode criar um conjunto de conceitos,
com significados, valores e crenças individuais e particulares de cada povo. Portanto, o
grande desafio para a mídia do futuro é ser capaz de fazer com que a comunicação
atinja um número cada vez maior de pessoas de países diferentes, porém, respeitando
as diferenças e características de cada um.
Os jornais, as revistas, as televisões, as rádios, a telefonia em geral, os
computadores pessoais, a internet, a World wide web e os serviços de correio

41

eletrônicos não poderão mais ser considerados meios de informação, devendo ser
percebidos como ferramentas para a comunicação.
Da mesma forma o que era conhecido por Comunicação de Massa, frente ao
variado número de opções de ferramentas de comunicação, não poderá manter-se
numa espécie de via única de comunicação.
A variedade de ferramentas de comunicação e as possibilidades tecnológicas a
elas relacionadas estão abrindo cada vez mais seus caminhos para o surgimento de
uma comunicação cada vez mais interativa e interpessoal.
O termo interpessoal aqui utilizado é proposital, pois a tendência futura é da
recuperação dos meios básicos de comunicação do homem, para poder, num segundo
momento, ampliar seu alcance por meio da tecnologia. Esses dois passos se
concretizam cada vez mais no nosso dia a dia, de uma maneira ainda pouco
perceptível.
Os novos meios interpessoais, diferentemente dos meios de comunicação de
massa, poderão levar uma mensagem única, individual e sob medida a cada usuário de
serviços de informação, da mesma forma permitirá que a informação recebida seja
constantemente ajustada e controlada segundo as necessidades do usuário e não
daquele que oferece o serviço.
As tecnologias necessárias para tornar realidade esse tipo de comunicação
interpessoal já se encontram a disposição desde o surgimento das tecnologias digitais
na década de 1940, porém somente com o desenvolvimento dos protocolos de
comunicação como o TCP/IP na década de 1960, do HTTP na década de 1980 e da
internet e dos sistemas operacionais com ambiente gráfico da década de 1990, é que
foi possível começar a desenvolver as ferramentas de comunicação que fizessem um
uso integrado de toda essa tecnologia.
A disponibilidade da informação em um formato único e individual para um
grande número de pessoas e um compromisso mútuo entre o que disponibiliza o
conteúdo de informação e aquele que a consome permite uma melhor compreensão do
que deverá ser o futuro da comunicação. Juntam-se, assim, as vantagens da

42

comunicação de massa com a da comunicação interpessoal, minimizando suas
possíveis desvantagens.
A participação dos atuais empreendedores do setor de comunicação e o futuro
no mercado dependerá apenas da sua visão em transformar o estado das coisas
atuais, de perceber que seus consumidores não mais como simples receptores de
conteúdo e enxergá-los como parceiros que possuem necessidades únicas e
específicas.
O novo caminho da comunicação midiática deixará a relação "de um para
muitos" e se transformará em "de muitos para muitos". Aqueles que não seguirem essa
mudança de paradigma ficará para trás, assim como seus negócios.

43

REFERÊNCIA
ALBERT, P.; TERROU, F. História da imprensa. EDIÇÃO. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

COBRA, Marcos. Marketing básico. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

______. Um resumo do percurso do marketing brasileiro. Revista FAEBUSINESS, n 4, p. 27-37, dez.
2002.
DANTAS, Edmundo Brandão; ROCHA, Leny Alves e COELHO, Cláudio Ulysses. Gerência de marketing.
Rio de Janeiro: EDIÇÃO. SENAC, 1996
HORTINHA, Joaquim. E-marketing, um guia para a nova economia. Lisboa: Edições Silabo, 2001.

LAS CASAS, A. L. Marketing: conceitos, exercícios e casos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 7. ed. São
Paulo: Atlas, 2005.

MELO, José Marques de. A esfinge midiática. EDIÇÃO. São Paulo: Paulus, 2004.

______; QUEIROZ, Adolpho. Identidade da imprensa brasileira no final do século ­ das estratégias
comunicacionais aos enraizamentos e às ancoragens culturais. EDIÇÃO. São Paulo: UMESP, 1998.

MOREIRA, Sonia V., DEL BIANCO, Nélia R. Desafios do rádio no século XXI. São Paulo: INTERCOM;
Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

SAMPAIO, Mario F. História do rádio e da televisão no Brasil e no mundo. EDIÇÃO. Rio de Janeiro: Ed.
Achiamé, 1984.

SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de teoria e de pesquisa da comunicação e da mídia. EDIÇÃO.
Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2004.

STRAUBHAAR, Joseph; LAROSE, Robert. Comunicação, mídia e tecnologia. EDIÇÃO. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2004.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 3. ed.
Petrópolis. RJ: Vozes, 1998.