2014

© 2014 Tribunal Superior Eleitoral
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a autorização expressa dos autores.
Secretaria de Gestão da Informação
Setor de Administração Federal Sul (SAFS), Quadra 7, Lotes 1/2, 1° andar
70070-600 ­ Brasília/DF
Telefone: (61) 3030-9225
Secretária-Geral da Presidência: Claudia Dantas Ferreira da Silva
Diretor-Geral da Secretaria: Athayde Fontoura Filho
Secretária de Gestão da Informação: Bianca do Prado Pagotto
Concepção do projeto: Ane Ferrari Ramos Cajado (Seção de Acervos Especiais)
Pesquisa histórica e elaboração de textos: Ane Ferrari Ramos Cajado
Thiago Dornelles

Amanda Camylla Pereira
Revisão de conteúdo histórico: Ministro Costa Porto
Editoração e revisão editorial: Coordenadoria de Editoração e Publicações (Cedip/SGI)
Editoração: Seção de Editoração e Programação Visual (Seprov/Cedip/SGI)
Capa e projeto gráfico: Clinton Anderson
Revisão editorial: Seção de Preparação e Revisão de Originais (Seprev/Cedip/SGI)
Revisão e padronização: Emanuelly Araújo
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Tribunal Superior Eleitoral ­ Biblioteca Professor Alysson Darowish Mitraud)

B823 Brasil. Tribunal Superior Eleitoral.
Eleições no Brasil : uma história de 500 anos / Ane Ferrari Ramos Cajado, Thiago
Dornelles, Amanda Camylla Pereira. ­ Brasília : Tribunal Superior Eleitoral, 2014.
100 p. ; il.
1. Eleições - história. 2. Império (1822-1989). 3. República (1989-). 4. Quinta
República. 5. Democratização. I. Cajado, Ane Ferrari Ramos. II. Dornelles, Thiago.
III. Pereira, Amanda Camylla. IV. Título.
CDD 324.981

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL
Presidente
Ministro Marco Aurélio

Vice-Presidente
Ministro Dias Toffoli

Ministros
Ministro Gilmar Mendes
Ministra Laurita Vaz
Ministro João Otávio de Noronha
Ministro Henrique Neves
Ministra Luciana Lóssio

Procurador-Geral Eleitoral
Rodrigo Janot Monteiro de Barros

Apresentação
Eis o móvel desta obra: quase cinco séculos de eleições,
desde 1532. Em quinhentos anos de história, houve disputas,
conquistas de direitos, momentos de autoritarismo e de gritos
por liberdade.
Foram muitos os obstáculos e os sujeitos atuantes nos
processos eleitorais desenvolvidos no decorrer desse período. O ato
de votar já foi visto como indício de superioridade e instrumento
do controle exercido pelos poderosos. Noutros tempos, nobreza,
renda, gênero e letramento foram alguns dos critérios de exclusão
do seleto grupo de eleitores de outrora.
Com o advento da Constituição Federal de 1988, o direito
ao voto ampliou-se, revelando-se como poder soberano, esteio da
comunidade política e o maior indicativo de estágio democrático
vivenciado por uma nação.
O voto não surge apenas como direito estabelecido
pela Lei Maior, mas instrumento de manifestação do povo,
genuinamente livre, decorrente de convicções e expectativas
sobre o futuro do país.
À Justiça Eleitoral atribui-se papel da maior importância:
garantir ao eleitor o exercício amplo e irrestrito dos ideais
democráticos. Não se limita a viabilizar as eleições, a realizar a
contagem de votos e a proclamar o vencedor. Mantém-se atenta
aos desvios de conduta de candidatos e ocupantes de cargos
públicos eletivos, trabalhando ininterruptamente, e não apenas
no período das eleições. Incumbe-lhe, a partir do Direito posto,
zelar pela correção dos procedimentos anteriores à disputa e
afastar os que, mesmo tendo obtido o mandato, transgrediram a
ordem jurídica.
Avançando-se na leitura do texto, notar-se-á que a
democracia não nasceu pronta e acabada, mas foi construída

a partir dos clamores por justiça. Novos conteúdos foram-lhe
acrescidos a cada geração. A Justiça Eleitoral contribui aprimorando,
continuadamente, os instrumentos para garantir eleições
transparentes, seguras e rápidas. Ao eleitor, figura central do
processo de escolha, cabe aperfeiçoar a democracia por meio de
prática cidadã, aprovando ou rejeitando a atuação do parlamentar
ou do administrador anteriormente eleito. Compete-lhe sinalizar
ao político o necessário agir com fidelidade de propósito.
Este livro materializa o esforço da Justiça Eleitoral
direcionado ao resgate da memória. A equipe responsável pelo
Museu do Tribunal Superior Eleitoral, ao realizar este trabalho,
reconstrói parte importante da história eleitoral brasileira,
reforçando a vocação desta Justiça Especializada de estar a serviço
dos cidadãos brasileiros.
Ministro MARCO AURÉLIO
Presidente

Prefácio
Durante nossa história, o direito de votar e de ser votado
foi garantido e vetado, ampliado e restringido, além de ter sido
instrumento de exercício da cidadania e meio de coerção de
alguns setores sociais sobre camadas da população. A mudança
de Colônia para Império e depois de Império para República não
necessariamente representou um avanço no exercício pleno dos
direitos políticos. Somente com a criação da Justiça Eleitoral, em
1932, iniciou-se a construção das bases para o exercício pleno
desses direitos.
Nas últimas décadas, a urna eletrônica tornou-se símbolo
de democracia e transparência. A informatização do voto é o
coroamento do esforço histórico da Justiça Eleitoral de possibilitar
ao cidadão os meios necessários à plena manifestação da vontade
popular, conferindo segurança, celeridade e confiabilidade ao
processo eleitoral.
A urna, o título e a cédula são ícones da prática do voto
que, no Brasil, tem quase 500 anos. Você poderá conhecer melhor
a trajetória histórica desses objetos e das eleições no Brasil nas
páginas seguintes. Percorreremos os caminhos do voto através
do Brasil Colônia, do Império, passando pelos primeiros anos da
República até chegar aos dias de hoje. Não deixe de conferir as
Informações adicionais ao final de cada texto das seções Colônia,
Império e República. Esperamos que aprecie essa jornada!
Ane Ferrari Ramos Cajado
Thiago Dornelles
Amanda Camylla Pereira

7

Sumário
Marcos Históricos....................................................................................................................................................................11
Colônia................................................................................................................. 11
Eleições das vilas.....................................................................................................................................11
Primeiras eleições gerais do Brasil...................................................................................................15
Império................................................................................................................ 17
O voto nos tempos do imperador ..................................................................................................17
República............................................................................................................ 27
Várias repúblicas......................................................................................................................................27
Primeira República (1889-1930).......................................................................................................27
Refundação da República (1930-1937).........................................................................................35
A República democrática (1945-1964)..........................................................................................43
Regime Militar (1964-1985)................................................................................................................49
Nova República (1985 até os dias atuais).....................................................................................59
Texto complementar: Voto das mulheres....................................................................................71

Referências.............................................................................................................................................................................77
Sítios eletrônicos................................................................................................ 77
Livros e artigos ................................................................................................... 79

Anexos.................................................................................................................................................................................... 83
Urnas.................................................................................................................... 83
Títulos.................................................................................................................. 87
Cédulas................................................................................................................ 93

9

Marcos Históricos
Colônia
Eleições das vilas
Uma tradição portuguesa...
Os colonizadores portugueses mal pisavam o território americano, logo
realizavam votações para eleger os que iriam governar as vilas e cidades que fundavam,

Colônia

obedecendo à tradição portuguesa de escolher os administradores de seus povoados.
Vários cargos eram preenchidos nestes pleitos, dentre eles: vereador, juiz ordinário,
procurador e outros oficiais.
A primeira eleição de que se tem notícia definiu os membros do Conselho
Municipal da Vila de São Vicente1 ­ atual São Paulo ­ em 1532 e ocorreu conforme
as determinações das Ordenações do Reino(A).

Quem podia votar?
Só os homens bons tinham o direito de poder escolher os administradores das
vilas. Na época do Brasil Colônia, eram homens bons os nobres de linhagem, os senhores
de engenho, e os membros da alta burocracia militar, a esses se acrescentando os
homens novos, burgueses enriquecidos pelo comércio.
Para mais informações sobre a história da Vila de São Vicente, acesse o sítio: http://cidades.ibge.
gov.br/xtras/perfil.php?codmun=355100.

1

11

Tribunal Superior Eleitoral

O pelouro(B) guarda os resultados da eleição.
Os homens bons escolhiam, indiretamente, os nomes que exerceriam os cargos
das vilas nos três anos seguintes. O processo era cheio de detalhes e obedecia às
seguintes etapas:

· Homens bons e povo diziam 6 nomes
ao pé do ouvido do escrivão.
ESCOLHA D O S E L E I TO R E S

· Os 6 mais votados seriam os
eleitores.

· O juiz mais velho da comarca dividia
os 6 eleitores em 3 duplas.

12

FORMAÇÃO DA S D U P L A S

· Nessa formação, procurava-se separar
os parentes e era proibida a comunicação
entre as duplas.

ELABOR AÇÃO D E 9 L I S TA S

· Cada dupla elaborava 3 listas contendo:
nomes dos vereadores, dos procuradores
e dos juízes.

· O juiz mais velho rearranjava as 9
listas de forma a definir as composições
da Câmara para cada um dos 3 anos
subsequentes.
REDUÇÃO D E 9 L I S TA S A 3

· Eram formadas 3 listas contendo em
cada uma os nomes dos vereadores,
procuradores e juízes que exerceriam os
cargos durante um ano.

· O juiz mais velho inseria em cada um
dos pelouros uma lista contendo o nome
daqueles que exerceriam os cargos da
Câmara em um ano.

Colônia

P E LO U R O S

· Uma sacola com 4 compartimentos
acondicionava os 3 pelouros e a lista
contendo o nome de todos os eleitos.
· A sacola era guardada em uma arca
com 3 fechaduras, cada chave ficava sob
a guarda de um vereador que exercia o
cargo naquele ano.

SORTEIO

· No início do ano, numa reunião
chamada Janeirinha, a arca era aberta
pelos vereadores e um menino de
até sete anos sorteava o pelouro que
continha o nome dos oficiais que
iriam exercer as atividades na Câmara
naquele ano.

13

Tribunal Superior Eleitoral

Informações adicionais
(A) Ordenações do Reino: refere-se à compilação de leis em Portugal durante o
período de algum rei. Assim, afonsinas, em função de Dom Afonso V (1448-1481);
manuelinas, sob o reinado de Dom Manuel I (1495-1521); filipinas, na época de Dom
Felipe I (1581-1598).
No Brasil, as Ordenações Filipinas foram paulatinamente derrogadas à medida em que se
elaboravam leis brasileiras. Só em 1917 foram excluídas inteiramente do ordenamento
jurídico nacional, quando entrou em vigor o primeiro Código Civil.
(B) Pelouro: bola destinada a guardar a lista dos candidatos escolhidos nas eleições
das vilas.

14

Primeiras eleições gerais do Brasil
Portugal para os portugueses
Como resultado da transferência da família real para o Rio de Janeiro, em 1808,
em função da invasão francesa a Portugal, o Brasil foi elevado, em 1815, de colônia a
Reino do Império Português, oficialmente denominado de Reino Unido de Portugal,
Brasil e Algarves. Com a libertação de Portugal da ocupação napoleônica, em 1815,
iniciou-se um movimento que culminou com a Revolução Liberal do Porto, em 1820.
Entre as reivindicações do movimento estavam: a convocação das cortes para elaborar
uma constituição para o país, o imediato retorno da Corte para Portugal e a restauração

Colônia

do monopólio comercial com o Brasil.

As eleições para as cortes no Brasil
D. João VI(A), ainda no Brasil, decretou, em 1821, a convocação dos brasileiros
para escolha dos deputados às cortes de Lisboa. A Constituição espanhola de 1812 ­
adotada para o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves ­ determinou a realização
do pleito em quatro graus:

4º GRAU
3º GRAU
2º GRAU
1º GRAU

Eleitores de comarca
elegiam os deputados

Eleitores de paróquia designavam
os eleitores de comarca

Compromissários escolhiam
eleitores de paróquia
Cidadãos das freguesias
nomeavam compromissários

15

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: Wikipedia

Informações adicionais
(A) D. João VI: João Maria José Francisco Xavier
de Paula Luís Antônio Domingos Rafael nasceu
em 13 de maio de 1767. Chegou ao Brasil em
janeiro de 1808, em decorrência da invasão de
Portugal por tropas francesas. Em 1815, elevou o
Brasil à condição de Reino. A Revolução do Porto,
movimento constitucionalista, obrigou-o a voltar
para Portugal. Deixou o Brasil em abril de 1821.
Em 1825, reconheceu a independência do Brasil.
Faleceu em 10 de março de 1826.
D. João VI

16

Império
O voto nos tempos do imperador
Uma Constituição para o Brasil independente
Fonte: Wikipedia

Após a declaração de independência, em 1822,
D. Pedro I(A) convocou eleições para a Assembleia
Geral Constituinte e Legislativa. O sistema utilizado
foi o de dois graus: não votavam em primeiro grau
os que recebessem salários e soldos; para a eleição
de segundo grau, exigia-se decente subsistência por
emprego, indústria ou bens. O cálculo do número

Primeira bandeira do Império

Império

de eleitores era feito a partir do número de fogos(B) da freguesia.

Para votar e ser votado no Império
Durante quase todo o período imperial, as eleições eram indiretas, ou seja, os cidadãos
escolhiam os eleitores dos deputados e senadores. Nessas eleições, podiam votar homens

O analfabeto pôde votar quase que livremente
nesse período. Ocorreu apenas alguma limitação quando
foi instituída a obrigatoriedade de assinatura da cédula
eleitoral(D). Só com a Lei Saraiva, em 1881, é que foi
proibido o voto daqueles que não soubessem ler nem
escrever, inaugurando o chamado censo literário,

Fonte: Banco Central/Museu de Valores

com mais de 25 anos(C) que atendessem aos critérios censitários legalmente definidos.

responsável pelo decréscimo no eleitorado à época(E).

O parâmetro censitário definia o eleitorado
durante o período do Brasil Imperial. Este é
Tendo em vista a concepção restritiva de cidadaniaum exemplo de cédula monetária à época
do Império.

(só era cidadão quem tivesse certos atributos econômicos
e morais), os critérios estabelecidos para exercício dos
direitos políticos foram objeto de grande detalhamento
por parte dos textos legais.

17

Tribunal Superior Eleitoral

Para conhecer esses critérios, explore o infográfico a seguir, que condensa,
informalmente, alguns personagens envolvidos nas eleições imperiais.

Personagem 1: (eleitor 1° grau)
A grande massa que constituía os eleitores de primeiro
grau, ou votantes, era formada pelos cidadãos brasileiros do sexo
masculino que tivessem mais de vinte e cinco anos e uma renda
anual de cem mil réis. Em rigor, esse limite de renda não era tão alto
à época, o que possibilitava o direito de votar a considerável parcela
da população livre.

18

Personagem 2: (eleitor 1° grau ­ liberto)
Os libertos, ex-escravos que adquiriram a liberdade, podiam
votar apenas como eleitores de primeiro grau. A situação dos libertos
e dos ingênuos ­ os nascidos do ventre livre da mãe escrava ­ era
controversa e fez correr muita tinta nas discussões da época.
Como a Constituição de 1824 restringiu apenas o direito de
voto dos libertos ­ nada mencionando sobre os ingênuos ­, seria
possível entender que os ingênuos não estavam excluídos do rol
dos eleitores de segundo grau, tampouco proibidos de serem
eleitos. Essa interpretação não era unânime, razão pela qual muitas
discussões ocorreram sobre a situação tanto de uns quanto de
outros, principalmente com a proximidade da promulgação da

Império

Lei do Ventre Livre(F), em 1871.
Se a legislação permitia múltiplas interpretações, a realidade
era ainda mais complexa, ocorrendo situações inusitadas, como
a do fazendeiro João José da Costa, juiz de paz da freguesia de
Jurujuba, que teve sua eleição contestada sob suspeita de ser
um liberto.

Personagem 3: (eleitor 1° grau ­ criminoso)
Aqueles que tivessem sido pronunciados em querela
ou devassa, ou seja, os que estivessem passando por uma
disputa na justiça ou estivessem sendo investigados, definidos
como criminosos pela Constituição de 1824, teriam o poder
de voto na primeira instância das eleições. Já a primeira
lei eleitoral elaborada pelo Legislativo, em 1846, deixa de
qualificar esses indivíduos como criminosos, definindo-os
como "Os pronunciados em queixa, denuncia, ou summario,
estando a pronuncia competentemente sustentada".
(Decreto n° 387, de 19 de agosto de1846, art. 53, § 3°).

19

Tribunal Superior Eleitoral

Personagem 4: (eleitor 1° e 2° graus ­ estrangeiro)
De acordo com a Constituição de 1824, os estrangeiros que fossem
naturalizados, independentemente de sua religião, podiam votar na
primeira e na segunda instância das eleições, mas não podiam ser eleitos
deputados e senadores, além de não poderem "succeder na Corôa do
Imperio do Brazil" (Constituição de 1824, art. 119).

Personagem 5: (eleitor 2° grau)
A Constituição de 1824 estabelecia a renda mínima de 200 mil
réis para se ser qualificado como eleitor de segundo grau, devendo
cumprir também as exigências para ser votante. O mesmo texto legal
excluía libertos e criminosos do rol de eleitores de segundo grau.

Personagem 6: (condição para ser deputado)
Além de estar habilitado para ser eleitor de segundo grau
e ter renda mínima de 400 mil réis, outro requisito era imposto a
quem quisesse ser deputado: professar a religião do Estado, ou
seja, ser católico.

Personagem 7: (condição para ser senador)
Para poder ser senador, de acordo com a Constituição de 1824,
era necessário preencher alguns requisitos: ter renda mínima de 800
mil réis anuais, ser cidadão brasileiro, ter 40 anos de idade ou mais
(com exceção para os príncipes da Casa Imperial, que ganhavam
assento no Senado aos 25 anos). Também deveria ser "pessoa de
saber, capacidade e virtudes, com preferencia os que tiverem feito
serviços á Patria" (Constituição de 1824, art. 45, III).

20

De todo o modo, o texto da Constituição não exigia, expressamente,
que o senador professasse a religião do Estado, o que diferia dos
requisitos para ser deputado, mas restava a condição de, ao tomar
posse, prestar juramento de manter a religião católica apostólica romana.
A escolha dos senadores era feita de um modo particular. Os
eleitores votavam em três vezes a quantidade de cargos de senadores
disponíveis para a respectiva província, e, então, o imperador
designava o terço dessa lista que tomaria posse do cargo vitalício.

Inovações importantes
Durante o Império, foram muitas as alterações na legislação que regulamentava
as eleições, ocorridas, dentre outros motivos, para garantir maioria ao partido que estava

Império

no poder. Somente em relação aos sistemas eleitorais, tivemos sistemas majoritários de
listas completas por províncias, voto distrital com um deputado por província, com três
deputados por província e voto limitado ou de lista incompleta.1
Fonte: Wikipedia

Outras modificações importantes foram
introduzidas com a Lei Saraiva: as eleições
passaram a ser diretas, as juntas paroquiais de
qualificação foram extintas, o alistamento foi
entregue à magistratura, o título de eleitor foi
instituído, substituindo o título de qualificação
criado em 1875, e o analfabeto foi proibido
de votar.(G)

1

Conselheiro Saraiva

Para a definição desses sistemas, consulte o glossário eleitoral no Portal TSE.

21

Tribunal Superior Eleitoral

A seguir, quadro ilustra como o sistema eleitoral foi modificado, em relação às
eleições para deputados:
A Decisão n° 57, de 19 de junho de 1822, regulamentou
1822

Decisão nº 57

a eleição para a Assembleia Geral Constituinte e Legislativa,
a ser realizada em dois graus: os cidadãos de cada freguesia
escolhiam os eleitores de paróquia, que por sua vez escolhiam
os deputados. A eleição indireta seria a regra durante quase
todo o período imperial, só sendo introduzido o voto direto
em 1881, por meio da Lei Saraiva.
O sistema eleitoral utilizado era o majoritário(H), mas
com especificidades para cada um dos graus. Os cidadãos da
freguesia votavam em listas de eleitores, sendo eleitos aqueles
que figurassem na lista que obtivesse a maioria simples dos
votos. Os eleitores, por sua vez, votavam nos deputados por
meio de cédulas que eram repetidas tantas vezes quantos
fossem os deputados a serem eleitos.

O Decreto n° 842, conhecido como a Lei dos Círculos,
1855

Lei dos Círculos

inaugurou no Brasil o voto distrital(I). Por meio de decretos, as
províncias(J) foram divididas em círculos (distritos), devendo
ser eleito um deputado por cada distrito. O deputado que
obtivesse a maioria absoluta de votos no distrito era eleito,
sendo possível se eleger por mais de um distrito, caso em que
escolheria o distrito que queria representar.

O Decreto n° 1.082, também conhecido como a Segunda
1860

2ª Lei dos
Círculos

Lei dos Círculos, manteve basicamente todas as disposições da
lei anterior, realizando duas importantes alterações: ampliação
do número de deputados por círculo, que passou a ser três;

22

exigência de desincompatibilização das autoridades de seus
cargos seis meses antes dos pleitos.

A Segunda Lei dos Círculos foi substituída pela Lei do Terço
1875

Lei do
Terço

(Decreto n° 2.675), que aboliu o voto por círculos, determinando
que as eleições fossem realizadas por províncias. A finalidade
dessa lei foi a de possibilitar maior representatividade das
minorias, tema recorrente nos debates parlamentares. A solução
encontrada foi limitar o voto(K) de cada eleitor a dois terços do
número total de cadeiras em disputa.
Outra mudança importante trazida pela Lei do Terço foi
justiça comum no processo eleitoral.

Império

a criação do título de qualificação do eleitor e a participação da

A Lei Saraiva(L) (Decreto n° 3.029), publicada em 9 de
1881

Lei
Saraiva

janeiro de 1881, decorreu dos anseios da sociedade brasileira
por mudanças na legislação eleitoral. Um dos principais pontos
de inovação foi a introdução do voto direto, reivindicação
constante nos jornais, nas ruas e nos debates parlamentares.
Além do voto direto, a Lei Saraiva estabeleceu o voto
secreto, confiou o alistamento à magistratura e instituiu o
título de eleitor, em substituição ao título de qualificação
criado em 1875.

23

Tribunal Superior Eleitoral

É importante ressaltar que a lei não aboliu o voto censitário, ao
contrário, estipulou rígidos critérios para a comprovação da renda e
instituiu a vedação ao voto do analfabeto.

Informações adicionais
(A) D. Pedro I: Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier
de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de
Bragança e Bourbon nasceu em 12 de outubro de 1798. Em 26 de abril de 1821,
assumiu a regência do Reino do Brasil. Em 7 de setembro de 1822, proclamou a
independência. Em 12 de outubro de 1822, foi aclamado imperador e abdicou
em 7 de abril de 1831. Faleceu em 24 de setembro de 1834.
(B) Fogos: o Decreto n° 1571, de 4 de maio de 1842, em seu art. 6°, assim
definia fogo: "Por fogo entende-se a casa, ou parte dela, em que habita
independentemente uma pessoa ou família; de maneira que um mesmo edifício
pode ter dois ou mais fogos".
(C) 25 anos: podiam votar também homens com mais de 21 anos, se fossem
casados ou oficiais militares e, independentemente da idade, clérigos ou
bacharéis.
(D) Cédula eleitoral: em rigor, não havia cédula eleitoral. No dia da votação,
os eleitores traziam os nomes escolhidos em uma relação que era assinada e
depositada na urna.
Para acessar o inteiro teor desse decreto e dos demais decretos, leis e códigos eleitorais
que aparecerem ao longo do texto, entre no sítio do TSE: http://www.tse.jus.br/internet/
legislacao/eleitoral_blank.htm.

1

24

(E) Decréscimo no eleitorado à época: a vedação imposta em 1881, que
só foi extinta em 1985, teve grande impacto no exercício da cidadania política
no Brasil. Para se ter uma ideia do contingente atingido por essa vedação, em
1880, na paróquia de Irajá, província do Rio de Janeiro, 44% dos votantes eram
analfabetos. É de José Murilo de Carvalho a informação de que "Em 1872 havia
mais de um milhão de votantes, correspondentes a 13% da população livre.
Em 1886, votaram nas eleições parlamentares pouco mais de 100 mil eleitores,
ou 0,8% da população total." (CARVALHO, 2007, p.39).
(F) Lei do Ventre Livre: lei publicada em 28 de setembro de 1871, que
declarou, a partir daquela data, ingênuos e livres os filhos das mulheres
escravizadas.
(G) Vedação ao voto do analfabeto: a Constituição de 1824 não proibiu o
voto do analfabeto que foi, no máximo, dificultado durante um breve período,
quando o eleitor era obrigado a assinar as listas de seus candidatos. A Lei
Saraiva foi o que realmente impôs vedação expressa ao voto do analfabeto,
inaugurando o chamado censo literário, responsável pelo decréscimo no
eleitorado.
(H) Voto majoritário: aquele no qual se considera eleito o candidato que
receber, na respectiva circunscrição ­ país, estado, município ­, a maioria
absoluta ou relativa, conforme o caso, dos votos válidos (descontados os nulos
e os em branco). Fonte: glossário eleitoral, disponível no Portal TSE.
(I) Voto distrital: no voto distrital cada partido político apresenta um
candidato por circunscrição eleitoral e o mais votado é o eleito. Fonte: glossário
eleitoral, disponível no Portal TSE.

25

Tribunal Superior Eleitoral

(J) Províncias: no período imperial, era essa a denominação dada a cada
uma das divisões administrativas que compunham o Império, as quais, com
a República, passaram a ser denominadas estados.
(K) Voto limitado: quando o eleitor, em uma escolha plurinominal, não tem
o direito de votar na totalidade das cadeiras a preencher. Fonte: glossário
eleitoral, disponível no Portal TSE.
(L) Lei Saraiva: o Conselheiro José Antônio Saraiva foi o responsável pela
reforma eleitoral que se materializou na Lei Saraiva, mas a redação coube a
Ruy Barbosa.

26

República
Várias repúblicas
O período que vai de 1889 até os dias atuais foi marcado por inúmeros contextos
políticos, sociais e econômicos. Nesse período, democracias alternaram-se com
ditaduras, o que contribuiu para que o direito de votar e ser votado fosse garantido
em alguns momentos e vetado em outros.

Primeira República (1889-1930)

Fonte: Wikimedia Commons

Os primeiros anos que se seguiram à
Proclamação da República foram de grandes
incertezas quanto aos trilhos que a nova forma de
governo deveria seguir. Numa rápida olhada, se

República

Formação e consolidação da República

identificam dois grupos que defendiam diferentes
formas de se exercer o poder da República: os
civis e os militares. Os civis, representados pelas
elites das principais províncias ­ São Paulo, Rio

Primeira bandeira republicana, criada por Ruy
Barbosa, usada entre 15 e 19 de novembro de
1889.

de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul ­,
queriam uma República Federativa que desse muita autonomia às unidades regionais. Os
militares, por outro lado, defendiam um Poder Executivo forte e se opunham à autonomia
buscada pelos civis. Isso sem mencionar as acirradas disputas internas de cada grupo.
Esse era um quadro que demonstrava a grande instabilidade sentida pelos cidadãos que
viveram naqueles anos. Mas havia cidadãos?
Formalmente, a Constituição de 1891 definia como cidadãos os brasileiros
natos e, em regra, os naturalizados. Podiam votar os cidadãos maiores de 21 anos que
tivessem se alistado conforme determinação legal. Mas o que, exatamente, significava
isso? Em 1894, na primeira eleição para presidente da República, votaram 2,2% da

27

Tribunal Superior Eleitoral

população. Tudo indica que, apesar de a República ter abolido o critério censitário e
adotado o voto direto, a participação popular continuou sendo muito baixa em virtude,
principalmente, da proibição do voto do analfabeto e das mulheres.
No que se refere à legislação eleitoral, alguns instrumentos legais vieram a público,
mas nenhum deles alterou profundamente o processo eleitoral da época. As principais
alterações promovidas foram o fim do voto censitário e a continuidade do voto direto.
Essas modificações, embora importantes, tiveram pouca repercussão prática, já que o
voto ainda era restrito ­ analfabetos e mulheres(A) não votavam ­ e o processo eleitoral
continuava permeado por toda sorte de fraudes.
Para conhecer mais detalhes dessa legislação, explore o infográfico seguinte.

1890

Decreto
nº 200-A

O Decreto n° 200-A promulgou o regulamento para
a eleição do Congresso Nacional Constituinte, manteve o
voto direto e determinou a inclusão de todos os eleitores já
qualificados pela Lei Saraiva.
A qualificação de outros eleitores, ao contrário do que
previa a Lei Saraiva, não era feita pelas autoridades judiciárias,
ficando sob a responsabilidade de comissões distritais, que
iniciavam a elaboração das listas de eleitores, e de comissões
municipais, que finalizavam a qualificação. As comissões
distritais eram formadas por um juiz de paz, um eleitor e
o subdelegado da paróquia; as municipais, por um juiz
municipal, o presidente da câmara de vereadores e o delegado
de polícia. O eleitor insatisfeito com as decisões tomadas por
essa comissão podia recorrer ao juiz de direito da comarca.
Todos os que eram qualificados recebiam título de eleitor.
Vê-se que a estrutura concebida dificultava a realização
de eleições transparentes, posto que o processo de alistamento
e qualificação de eleitores era de total responsabilidade das
autoridades locais.

28

Regulamento
Alvim

O Decreto n° 511, de 23 de junho de 1890, conhecido
como Regulamento Alvim, regulamentou a eleição para o
Congresso Nacional Constituinte. Assim, foram definidas
as seguintes condições de elegibilidade: para o cargo de
deputado, a condição de ter mais de sete anos de cidadania
brasileira; para o de senador, ter mais de nove anos de cidadania
brasileira e ter mais de 35 anos de idade. As imposições
referentes a tempo de nacionalidade justificam-se em razão
da Grande Naturalização, ocorrida em 1889, quando todos os
estrangeiros que residiam no Brasil foram naturalizados, a não
ser que se recusassem oficialmente.
Além disso, revogou o voto distrital e restabeleceu o voto
de lista completa por estado, sendo eleito quem obtivesse a
maioria relativa de votos.
Se pelo Decreto n° 200-A a qualificação dos eleitores era
feita pelas autoridades locais, o Regulamento Alvim conferiu

República

1890

mais dispositivos para o controle dos resultados eleitorais: as
mesas eleitorais ficaram responsáveis por receber e apurar os
votos, além de lavrar as atas.
Sem surpresas, o Governo Provisório garantiu maioria
no Congresso Nacional, que elaborou a primeira constituição
republicana.

29

Tribunal Superior Eleitoral

A primeira constituição republicana criou o sistema
1891

Constituição

presidencialista, em que o presidente e o vice-presidente
deveriam ser eleitos pelo sufrágio direto da nação, por maioria
absoluta de votos.
Além disso, atribuiu ao Congresso Nacional a
competência de legislar sobre o processo eleitoral para
os cargos federais em todo o país, deixando aos estados a
responsabilidade para regulamentar as eleições estaduais e
municipais. Em decorrência dessa autonomia, houve variação
nas regras eleitorais entre os estados, consolidando-se, assim,
a descentralização da dinâmica eleitoral.

A Lei n° 35, de 26 de janeiro de 1892, foi a primeira
1892

Lei nº 35

Lei Eleitoral da República e estabeleceu o processo para as
eleições federais.
Ela instituiu o voto limitado e o voto distrital de três
deputados por distrito. A justificativa, ao estabelecer o voto
limitado, era a mesma desde os tempos do Império: garantir
representação às minorias. Pelos instrumentos legais anteriores,
vê-se que a efetividade dessa medida era no mínimo duvidosa,
tendo em vista os procedimentos eleitorais que asseguravam a
vitória dos candidatos do governo.
Foi a primeira lei que estabeleceu as condições de
elegibilidade para o cargo de presidente, quais sejam: ser
brasileiro nato com mais de 35 anos de idade e estar na posse
dos direitos políticos.

30

O alistamento continuava sendo feito em duas etapas:
as comissões secionais preparavam a lista que era finalizada
por uma comissão municipal. Os integrantes das comissões
secionais eram eleitos pelos membros do governo municipal,
sendo a comissão municipal formada pelo presidente do
governo municipal e um representante de cada uma das
comissões secionais.

A Lei n° 426, de 7 de dezembro de 1896, introduziu a
possibilidade do voto a descoberto. O interessante é que essa
lei (formalmente) não eliminou o voto secreto, mas permitia,
caso o eleitor quisesse, votar a descoberto. Além de declarar seu
voto em público, a lei previa um dispositivo pelo qual o eleitor

República

1896

Lei nº 426

recebia uma segunda via do voto devidamente certificada
pela mesa atestando em quem o eleitor tinha votado. Vale a
pena ler o trecho da lei:
"Art. 8º Será licito a qualquer eleitor votar por voto
descoberto, não podendo a Mesa recusar-se a acceital-o.
Paragrapho unico. O voto descoberto será dado,
apresentando o eleitor duas cedulas, que assignará perante
a Mesa, uma das quaes será depositada na urna e a outra
lhe será restituida depois de datada e rubricada pela Mesa e
pelos fiscaes."
Essa alteração funcionou como uma estratégia legal
para facilitar a articulação do que ficou conhecido como voto
de cabresto, já que o voto a descoberto abria espaço para o
exercício de práticas políticas de controle eleitoral.

31

Tribunal Superior Eleitoral

A Lei n° 1.269, de 15 de novembro de 1904, conhecida
1904

Lei Rosa e Silva

como Lei Rosa e Silva, reformou a legislação eleitoral,
revogando toda a anterior. Manteve o voto limitado e o
distrital ­ agora com cinco deputados por distrito ­, além de
introduzir o voto cumulativo(B).
Embora a influência política não tenha sido mitigada,
a lei mudou a composição das comissões de alistamento
que passaram a ser assim formadas: juiz de direito, dois dos
maiores contribuintes de imposto predial, dois dos maiores
contribuintes sobre a propriedade rural e três cidadãos eleitos
pelo governo municipal. Para ser eleito, o cidadão deveria
saber escrever e ler, fazendo prova disso apondo em livro
especial as seguintes informações pessoais: nome, filiação,
idade, profissão e residência.
O voto continuava secreto à moda da Lei n° 426, de 1896,
ou seja, era possível também o voto a descoberto nos mesmos
termos daquela lei.

A Lei n° 3.139, de 2 de agosto de 1916, confiou o alistamento
1916

Lei nº 3.139

dos eleitores exclusivamente ao Poder Judiciário. Além disso,
aumentou o rigor quanto à comprovação da documentação
exigida para a qualificação, devendo o eleitor provar: idade,
capacidade de assegurar sua subsistência, residência por mais de
dois meses no município e demonstração de saber ler e escrever.

32

Memória sobre as eleições na Primeira República
A memória de um acontecimento passado é sempre construída a partir da
nossa situação no presente. É possível que lembremos um fato de uma forma hoje e
de outra dez anos depois. Com a história é parecido. A memória construída sobre as
eleições na Primeira República foi muito marcada pelo projeto de homens e mulheres
engajados no movimento conhecido como Revolução de 1930. Vejamos.
Essa imagem do voto como instrumento de controle dos coronéis deve-se, em
parte, à memória que se construiu sobre a Primeira República a partir da Revolução de
1930, nos fazendo enxergar somente uma parte da história da época. Assim, as eleições,
os parlamentos, os partidos políticos e os variados tipos de associativismo desse período
foram quase sempre desqualificados ou considerados ineficientes e desnecessários. Dessa
uma República atrasada e dominada pelas oligarquias.
Assim, durante muito tempo, esse período foi visto como uma espécie de idade
das trevas eleitoral. As eleições eram consideradas nada mais do que mera legitimação,

República

forma, a Revolução de 1930 tornava-se o símbolo da modernização em contraposição a

por meio de artifícios fraudulentos, do poder de elites tradicionais. A expressão voto
de cabresto, com suas inúmeras ilustrações, é recorrente ainda hoje para explicar o
período. Entretanto, é bom lembrar que essa imagem ­ eleitores conduzidos à força
às seções eleitorais pelos jagunços de poderosos coronéis ­ não pode ser vista como
uma fotografia da experiência eleitoral do período. É claro que fraudes e violência
eram elementos recorrentes, mas as eleições não se reduziam a isso. Elas tinham um
papel estratégico, permitindo uma relativa circulação de elites, estabelecendo um
mínimo de competição e renovação no mundo político. Elas também eram capazes
de mobilizar ­ mesmo que de forma incipiente ­ os eleitores, fundamentando um
aprendizado político.
Além disso, é preciso reconhecer que a atuação política é maior do que a
experiência eleitoral. E o período conhecido como Primeira República foi palco de
diversas manifestações de atuação popular, dentre as quais: Revolta da Chibata,
Revolta da Vacina, Guerra de Canudos, Contestado, Greve de 1917, para citar algumas.

33

Tribunal Superior Eleitoral

Informações adicionais
(A) Mulheres: o exercício do voto foi associado aos papéis sociais atribuídos às
mulheres. Isso significa que, durante boa parte de nossa história, as mulheres
não puderam votar, conquistando esse direito somente a partir de 1932. Antes,
contudo ­ pelo menos desde 1890 ­, já se discutia sobre a extensão desse direito
às mulheres, e durante as prévias da primeira constituição republicana muita tinta
correu sobre o assunto. As primeiras eleitoras a se alistarem no Brasil eram mulheres
do Estado do Rio Grande do Norte, que, após processo judicial, conseguiram realizar
o registro para a eleição que ocorreria em 1928. Ainda que os votos delas tenham
sido descontados por inapuráveis, eles marcam a maior movimentação que essas
questões causavam na sociedade. Para saber mais sobre o voto da mulher, leia o
texto complementar Voto das mulheres.
(B) Voto cumulativo: aquele em que o eleitor ou votante dispõe de mais de um
voto, podendo dar ao mesmo candidato o número de votos que lhe possam ser
atribuídos, nele cumulando os votos que poderiam ser distribuídos entre vários
candidatos. Fonte: glossário eleitoral, disponível no Portal TSE.

34

Refundação da República (1930-1937)
O fim dos anos 1920 representou uma ruptura institucional, com grandes
consequências para a vida nacional, cujos marcos orientadores foram: maior
participação de novos atores sociais no jogo político e modernização do país por
meio do desenvolvimento industrial. No que interessa à história da Justiça Eleitoral, a
principal bandeira levantada pelo movimento de 1930 foi a moralização das eleições.
Foi nesse contexto que nasceu a Justiça Eleitoral.

Nascimento da Justiça Eleitoral
A ideia de criar um órgão independente para cuidar exclusivamente das eleições é
bem razoável, especialmente quando se tem como tradição a prática de fraudes eleitorais
Poder Judiciário para administrar as eleições e julgar questões relativas à matéria eleitoral?
Fonte: acervo do Museu do TSE

Mesmo antes da criação da Justiça
Eleitoral, havia a sinalização de que a moralização
das eleições passava pela perda de ingerência do
Executivo e do Legislativo e pelo aumento das
atribuições do Judiciário no processo eleitoral.

República

desde o Império. Mas que razões levaram à criação de um ramo especializado dentro do

Tanto isso é verdade que, em 1916, o Presidente
Wenceslau Brás, preocupado com a seriedade
do processo eleitoral, sancionou a Lei n° 3.139,
que entregou ao Poder Judiciário o preparo do
alistamento eleitoral.
Em 1932 é concretizada a ideia
de centralizar no Poder Judiciário (A)

Primeiro prédio a sediar as sessões do Tribunal
Superior de Justiça Eleitoral.

o gerenciamento das eleições. A partir dessa data, a Justiça Eleitoral tornou-se
responsável por todos os trabalhos eleitorais: alistamento, organização das mesas de
votação, apuração dos votos, reconhecimento e proclamação dos eleitos, bem como
o julgamento de questões que envolviam matéria eleitoral.

35

Tribunal Superior Eleitoral

O primeiro Código Eleitoral
A demanda social por eleições limpas e confiáveis era tamanha que um dos
primeiros atos do Governo Provisório foi a criação de uma comissão de reforma da
legislação eleitoral, cujo trabalho resultou na elaboração do primeiro Código Eleitoral
do Brasil.
As principais inovações trazidas pelo código foram o voto feminino facultativo,
a fixação definitiva do voto secreto(B), a instituição do sistema representativo
proporcional(C) e a regulação em todo país das eleições federais, estaduais e municipais.
Apesar de continuar sendo possível a eleição de candidatos sem partido, pela primeira
vez os partidos políticos foram mencionados em legislação eleitoral, sendo obrigatório
o registro prévio de todas as candidaturas. O Código de 1932 não ficou isento de críticas,
especialmente no que se refere ao processo de qualificação(D). Além disso, vale
ressaltar que permaneciam restrições ao pleno exercício da cidadania, dentre as quais

Fonte: acervo do Museu do TSE

a impossibilidade de votarem os analfabetos, mendigos e praças de pré.

Código Eleitoral de 1932

36

Foto: Carlos Humberto

Explore o infográfico para conhecer mais sobre a legislação eleitoral do período.

A Lei n° 21.076, de 24 de fevereiro de 1932, criou a
1932

Código Eleitoral

Justiça Eleitoral para que ela fosse a única responsável por
todo o processo eleitoral: do alistamento à proclamação
dos eleitos.
Além disso, o código possibilitou, pela primeira vez
no país, às mulheres o direito a votar, mas, por outro lado,
manteve grave obstáculo à universalização do voto ao
continuar proibindo o voto do analfabeto.
Um aspecto interessante do código diz respeito à
eleitor ou de ofício.
Apesar de ainda ser possível a candidatura avulsa, o
código já mencionava a possibilidade de os partidos políticos

República

qualificação eleitoral, que podia ocorrer por iniciativa do

registrarem seus candidatos para concorrerem ao pleito. Em
todo caso, era sempre obrigatório o registro prévio de quem
desejava concorrer a cargos eletivos.

O Decreto n° 22.621, de 5 de abril de 1933,
1933

Decreto
nº 22.621

convocou a população a votar em seus representantes
para a Assembleia Nacional Constituinte e fixou o número
de deputados em 251, que deveriam ser eleitos de forma
mista: 214 segundo as normas do Código Eleitoral e 40
representantes de categorias profissionais, o que ficou
conhecido como representação classista(E).

37

Tribunal Superior Eleitoral

A Constituição de 1934, de 16 de julho, manteve a Justiça
1934

Constituição

Eleitoral e estabeleceu o voto secreto e universal, embora a
vedação ao voto do analfabeto fosse mantida.

A Lei n° 48, de 4 de maio de 1935, reformou o Código
1935

Código Eleitoral

Eleitoral de 1932. As principais alterações foram: redução da
idade mínima para votar de 21 para 18 anos; obrigatoriedade
de voto das mulheres que exerciam função pública remunerada
e a limitação à candidatura avulsa: só podia se candidatar sem
partido político quem registrasse sua candidatura mediante
requerimento de um número mínimo de eleitores.
Esse Código Eleitoral nunca foi aplicado, em função da
interrupção da ordem democrática, em 1937, com o golpe
do Estado Novo.

38

Extinção e recriação da Justiça Eleitoral
Fonte: acervo do Museu do TSE

Em 10 de novembro de 1937, sustentado por setores
sociais conservadores, Getúlio Vargas anuncia, pelo rádio, a
Nova Ordem do país. Outorgada nesse mesmo dia, a polaca,
como ficou conhecida a Constituição de 1937, extinguiu
a Justiça Eleitoral, aboliu os partidos políticos existentes,
suspendeu as eleições livres e estabeleceu eleição indireta
para presidente da República, com mandato de seis anos.
Novo, não houve eleições no Brasil. As casas legislativas
foram dissolvidas e a ditadura governou com interventores
nos estados.

José Linhares. Em maio de 1945
passou a presidir o Tribunal Superior Eleitoral. Providenciou a
instalação desse Tribunal no antigo Palácio Monroe, no Rio de
Janeiro, em 1° de junho de 1945.

A exacerbação da contradição vivenciada pelo regime varguista ­ que
impunha, internamente, uma ditadura aos brasileiros, mas, externamente, apoiava
as democracias ocidentais na luta contra o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial

República

Durante o período de 1937 a 1945, conhecido como Estado

­ gerou manifestações de descontentamento com o regime.
Sem conseguir prolongar a ditadura, em 1945, Getúlio anuncia eleições gerais e
lança como seu candidato Eurico Gaspar Dutra, ministro da Guerra. Desconfiados das
reais intenções de Vargas, oposição e cúpula militar se articulam e dão o golpe, em 29
de outubro de 1945, destituindo Getúlio. Como na Constituição de 1937 não havia a
figura do vice-presidente, a Presidência da República foi ocupada pelo então presidente
do Supremo Tribunal Federal1, José Linhares, até eleição e posse do novo presidente da
República, que viria a ser o general Dutra, em janeiro de 1946. Era o fim do Estado Novo.

1

http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.asp?servico=sobreStfConhecaStfInstitucional.

39

Tribunal Superior Eleitoral

A volta da Justiça Eleitoral
Fonte: acervo do Arquivo do Senado Federal

Foi nesse cenário político que
a Justiça Eleitoral foi reinstalada
definitivamente. O Código Eleitoral
de 1945, conhecido como Lei
Agamenon, restabeleceu a Justiça
Eleitoral, regulando em todo o
país o alistamento eleitoral e as
eleições. Sua principal novidade foi
a obrigatoriedade de os candidatos

O Palácio Monroe foi a primeira sede do Tribunal Superior Eleitoral após a reinstalação da Justiça Eleitoral em 1945.

estarem vinculados a partidos políticos.
Esse código orientou a eleição para a Assembleia Nacional Constituinte de 1945 e as
eleições diretas para todos os cargos nos três níveis de governo.
O trabalho que vinha pela frente era grande. Afinal, da data em que foi publicado
o Código Eleitoral (28.5.1945) até o dia do pleito para cargos federais (2.12.1945) eram
menos de 200 dias, pouco mais de seis meses. Além disso, a Resolução-TSE n° 1 fixava
o dia 2.7.1945 como início do alistamento dos eleitores, para o que recomendava que
todos os tribunais regionais estivessem instalados até o dia 16.6.1945. Essa ordem
começou a ser cumprida e os tribunais regionais começaram a ser instalados: em
São Paulo, em 6.6.1945; na Bahia, em 8.6.1945; no Pará, em 6.6.1945; e no Rio Grande
do Sul, em 8.6.1945.
Promulgada a Constituição, em 18 de setembro de 1946, a Câmara dos
Deputados e o Senado Federal passaram a funcionar como Poder Legislativo ordinário.
A Constituição, a exemplo da de 1934, consagrou a Justiça Eleitoral entre os órgãos do
Poder Judiciário e proibiu a inscrição de um mesmo candidato por mais de um estado.

40

Informações adicionais
(A) Poder Judiciário: você sabia que o Brasil não foi o primeiro país a confiar
as eleições ao Poder Judiciário? As eleições estavam relacionadas ao Judiciário
também em outros países, como Inglaterra (desde 1868), Portugal (por lei de
1896), Alemanha, Prússia, Áustria, Grécia, Polônia, Tchecoslováquia, Uruguai
e Argentina. Exemplos internacionais foram lembrados inclusive durante as
discussões para elaboração do Código Eleitoral, como inspiração para o modelo
a ser adotado no Brasil.

República

(B) Voto secreto: os anos 1920 foram marcados no Brasil pela tentativa de
disciplinarização da vida urbana, com ênfase na investigação e higienização
dos corpos. Foi a época da destruição das moradias coletivas (cortiços) por
serem consideradas locais sujos, focos de proliferação de doenças físicas e de
comportamentos moralmente inadequados. O Estado tinha o objetivo de formar um
homem novo: saudável, trabalhador, cumpridor dos seus compromissos como chefe
de família e como cidadão virtuoso. A nova ética eleitoral inaugurada pelo Código
de 1932 concorria para formar esse novo homem. Um exemplo disso foi o novo
caráter do voto secreto, formado a partir de duas estratégias: o envelope uniforme
oficial, que não poderia ter marcas que o identificasse, dentro do qual seria inserida
a cédula; e o gabinete indevassável, uma cabine que isolaria o cidadão no momento
do envelopamento da cédula. Tais estratégias foram responsáveis pela construção
de um simbolismo em torno do individualismo do voto.
O eleitor de massa, sem vontade própria, que servia apenas aos interesses
dos poderosos da Primeira República, passa a ser um cidadão que deveria ser
protegido de qualquer investida externa que maculasse o exercício de expressão
da sua vontade. Além do gabinete indevassável e dos envelopes oficiais, a
previsão no Código de 1932 do uso da máquina de votar aparece como o ápice
desse processo de modelação do cidadão eleitor.

41

Tribunal Superior Eleitoral

(C) Sistema representativo proporcional: o sistema eleitoral proporcional,
segundo a Constituição, é utilizado para a composição do Poder Legislativo,
com exceção do Senado Federal. Assim, as vagas nas câmaras de vereadores,
assembleias legislativas dos estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e na
Câmara dos Deputados serão distribuídas em proporção aos votos obtidos pelos
partidos ou coligações partidárias.
A partir dos votos apurados para determinada legenda, as vagas nas casas legislativas
serão preenchidas pelos candidatos mais votados da lista do partido ou coligação, até
o limite das vagas obtidas, segundo o cálculo do quociente partidário e distribuição
das sobras. Fonte: glossário eleitoral, disponível no Portal TSE.
(D) Qualificação: a qualificação dos eleitores podia ocorrer de duas formas:
por iniciativa do próprio eleitor ou ex officio, por iniciativa dos órgãos públicos.
A segunda forma podia ocorrer sempre que os eleitores fossem magistrados,
militares ou servidores públicos civis. A justificativa utilizada para esse modelo de
qualificação era a necessidade de ampliação do eleitorado brasileiro. Na última
eleição da Primeira República, o eleitorado correspondia a 5,6 % da população
brasileira. (CARVALHO, 2007, p. 40). Por outro lado, a crítica à qualificação ex officio
se baseava na desconfiança de que os órgãos pudessem exercer influência sobre a
vontade dos eleitores. Para corrigir essa falha, dentre outras, é que foi promulgada
a Lei n° 48, de 4 de maio de 1935, o segundo Código Eleitoral brasileiro, que
manteve as várias conquistas do Código de 1932.
(E) Representação classista: você sabia que a Constituição de 1934 foi
elaborada por representantes de diversas classes sociais? Atendendo às
pressões de diversos segmentos sociais, o Governo Provisório, por meio do
Decreto n° 22.621/1933, dispôs sobre a convocação da Assembleia Nacional
Constituinte que, além de elaborar a nova Constituição, teria poderes para
aprovar os atos do Governo Provisório e eleger o presidente da República.
A eleição dos constituintes era híbrida: dos 254 deputados que deveriam
ser eleitos, 214 seriam escolhidos de acordo com o que determinava
o Código Eleitoral e 40 seriam eleitos "pelos sindicatos legalmente
reconhecidos, pelas associações de profissionais liberais e de funcionários
públicos". Inaugurava-se a chamada representação classista.

42

A República democrática (1945-1964)
Era das campanhas eleitorais
Entre o fim do Estado Novo, em 1945, e o golpe militar, em 1964, o Brasil teve
nove presidentes ­ entre titulares, interinos e vices que sucederam a presidentes
­ e passou por alguns episódios que poderiam desembocar em interrupção da
ordem democrática. De forma bem simples, pode-se dizer que o movimento que
conduziu ao golpe de estado ocorrido em 1964 foi tentado antes em 1951(A),
1954(B), 1956(C) e 1961(D). Durante esse período, a legislação eleitoral continuou
a trazer novos elementos à cena política.

somada à obrigatoriedade do voto (E) em sufrágio universal, levou ao
estabelecimento de novas relações entre candidatos e eleitores. Antes limitada ao
convencimento de uma restrita parcela da população que detinha direito ao voto, as
campanhas passaram a ganhar, nesse período, cada vez mais importância. Isso ocorreu

República

A exclusividade dos partidos políticos na apresentação das candidaturas,

num cenário em que, por um lado, o eleitorado se ampliava(F) para incluir novos
atores sociais e, por outro, os partidos políticos(G) se defrontavam com a necessidade
de convencer os eleitores.
Abriu-se então um leque de novas práticas relacionadas a essas necessidades.
Por exemplo, os panfletos de manifestos políticos passaram a ser panfletos de
propaganda, os comícios microfonados se tornaram parte do cenário urbano, os
candidatos começaram a distribuir apertos de mão e sorrisos. Nesse aspecto, nota-se
uma preocupação cada vez maior dos candidatos com suas imagens.

O cidadão-eleitor
A obrigatoriedade do voto, nesse período, fez parte da tentativa de engajar uma
população ­ ainda muito distanciada das estruturas e identidades nacionais ­ a um
projeto de nação. Mas como convencer tal população de que ela deveria integrar um

43

Tribunal Superior Eleitoral

todo maior, uma comunidade imaginária, ou seja, um Estado nacional? Para isso, seria
necessário persuadi-la sobre a ideia de que, na qualidade de cidadãos e cidadãs, todos
precisavam participar do jogo político necessário à construção de um país democrático.
Ser cidadão, nessa época, era o poder-dever de escolher seus representantes. A
superposição desses dois personagens ­ o eleitor e o cidadão ­ num único indivíduo
acarretou a disciplinarização das expressões políticas em torno do calendário eleitoral.
Em outras palavras, buscava-se direcionar as expressões políticas para os aparatos
eleitorais, tornando cada vez mais distante do ideário do Estado daquela época a
possibilidade de entender como cidadãs outras práticas políticas (grandes comoções
populares, barricadas) que não aquelas abrigadas pelo sistema eleitoral oficial.
Explore o infográfico a seguir para conhecer mais sobre a legislação do período.

1945

Decreto-Lei
nº 7.586

O Código de 1945, também conhecido como Lei
Agamenon, mantinha a possibilidade de qualificação e
inscrição do eleitor ex officio, ou seja, estavam autorizados
a realizá-las os chefes de repartições públicas ­ mesmo de
entidades autárquicas, paraestatais ou de economia mista
­ e os titulares das seções da Ordem dos Advogados e dos
conselhos regionais de engenharia e arquitetura.
Além disso, o Código de 1945 trouxe disposições
específicas que visavam garantir o sigilo do voto, dentre as
quais está o emprego de sobrecartas oficiais, uniformes e
opacas. No mesmo sentido de moralizar os pleitos, o código
determinava que o cidadão, caso se inscrevesse mais de uma
vez com vistas a burlar o processo eleitoral, seria submetido à
pena de detenção de três meses a um ano; se tentasse votar
mais de uma vez ou votar no lugar de outro eleitor, a pena
seria de detenção de seis meses a um ano.

44

No que se refere aos partidos políticos, o código trouxe
duas inovações importantes: a exclusividade da candidatura por
meio dos partidos políticos (foi proibida a candidatura avulsa) e a
exigência de que os partidos tivessem caráter nacional.

Na década de 1950, algumas inovações legais foram
1950

Lei nº 1.164

introduzidas. O Código de 1950 inseriu critérios para a
padronização de cédulas e acabou com o alistamento ex officio.

Em 1955, a Lei n° 2.250 criou a folha individual de votação,
Lei nº 2.250

que fixou o eleitor na mesma seção eleitoral e aboliu, entre outras,
a fraude do uso de título falso ou de segunda via obtida de modo
doloso. No mesmo ano, a Lei n° 2.582 criou a cédula de votação
oficial, embora fosse facultado aos partidos políticos fabricar e
distribuir cédulas de acordo com o modelo enunciado pela lei.

República

1955

A cédula oficial guardou a liberdade e o sigilo do voto, facilitou a
apuração dos pleitos e contribuiu para combater a influência do
poder econômico, liberando os candidatos de vultosos gastos
com a impressão e a distribuição de cédulas.

Informações adicionais
(A) 1951: em 1950, após a proclamação da vitória de Vargas, seus adversários
tentaram impedir a sua posse utilizando-se do argumento de que ele não
arregimentara metade mais um dos votos ­ o que, aliás, a Constituição em vigor
não estabelecera.
(B) 1954: no final de agosto de 1954, oficiais da Aeronáutica exigiram, por
meio de um manifesto, a saída do Presidente Vargas. Logo depois, seria a vez
do Exército. Sem sustentação política e progressivamente isolado, Vargas não
admitiria renunciar, optando pelo suicídio no dia 24 daquele mês.

45

Tribunal Superior Eleitoral

(C) 1956: com a vitória de Juscelino Kubitschek e João Goulart, foi iniciada uma
campanha para impedir-lhes a posse. Com o intuito de garantir a posse dos eleitos,
foi organizado o Movimento de 11 de Novembro, no qual se destacou o General
Henrique Teixeira Lott, ministro da Guerra, que se posicionou a favor da legalidade,
ou seja, pela posse dos eleitos. Em janeiro de 1956, a chapa vitoriosa foi empossada.
(D) 1961: em 1961, com a renúncia de Jânio Quadros à Presidência, João Goulart,
vice-presidente eleito, deveria assumi-la, porém os militares iniciaram um
movimento para impedir sua posse. Apesar de terem perdido a batalha, pois Jango
assumiu a Presidência em 7 de setembro de 1961, os militares garantiram que o
presidente governaria com poderes reduzidos, em virtude de o sistema de governo
ter passado de presidencialista a parlamentarista, tendo assim permanecido até
1963, quando, após plebiscito, retornou ao sistema presidencialista. Seu governo
foi marcado pela abertura às organizações sociais, o que levou grande parte da
sociedade brasileira ­ desconfiando que pudesse estar presenciando o início da
instalação de um estado socialista no Brasil ­ a apoiar a movimentação militar que
redundaria no Golpe de 1964.
(E) Exclusividade dos partidos e obrigatoriedade de voto: a exclusividade
dos partidos políticos é inovação do Código Eleitoral de 1945, já a obrigatoriedade
do voto consta desde 1935. Nenhuma eleição, porém, ocorreu sob a vigência
do Código de 1935. Em 1945, a obrigatoriedade foi resgatada no texto da Lei
n° 7.586. Doravante, todos os que fossem aptos para o exercício do voto seriam
obrigados a exercer esse direito, fossem homens ou mulheres (a menos que
fossem mendigos, alguns tipos específicos de militares, inválidos, maiores de
65 anos, magistrados, funcionários públicos que estivessem viajando de férias
ou mulheres que não possuíssem profissão lucrativa ­ art. 4°).
(F) Ampliação do eleitorado: a ampliação do eleitorado se deveu, principalmente,
à redução da idade mínima para votar, de 21 para 18 anos, e à imposição da
obrigatoriedade do voto. Apesar disso, o eleitorado que compareceu às urnas em
1945 para escolher o presidente da República ainda era pequeno (apenas 15 %
da população total), o que talvez fosse explicado pela manutenção da vedação ao
voto do analfabeto1.
Para mais informações sobre a estatística do eleitorado entre 1910 e 1986, acesse: http://
seculoxx.ibge.gov.br.

1

46

República

(G) Partidos políticos: nessas novas circunstâncias, nas quais os meios de
comunicação de massa sobressaem na articulação do relacionamento entre
candidato e eleitor, é importante falar do papel dos partidos políticos, que
também se modifica em razão das novas regras. Assim, os partidos passam a
adquirir progressivamente uma maior participação nas mobilizações políticoeleitorais, tendo em vista que as campanhas trouxeram as questões do momento
para serem discutidas pela sociedade. Além disso, em razão da exclusividade
partidária, seriam os partidos aqueles a promover a aglutinação da movimentação
política em função das plataformas e projetos de cada grupo. Algo interessante
decorreu a partir daí. Essa aglutinação de parcelas da população formou um
verdadeiro universo de identidades sociais, relacionadas às associações políticopartidárias e seus símbolos. Quer dizer, é com base nessa formação de identidades
que é possível, nos tempos mais recentes, pessoas se declararem petistas,
peemedebistas, tucanas, entre outras coisas, e que elas se movam dentro dessas
significações compartilhadas, adotando posturas e práticas de acordo com o seu
alinhamento político-partidário.

47

Regime Militar (1964-1985)
O período que vai de 1964 a 1985 foi marcado, no Brasil, por uma combinação
entre expansão dos direitos sociais(A), redução drástica dos direitos civis(B) e
restrições aos direitos políticos(C). Embora os direitos sociais tenham sido tratados
como concessões por parte do governo, na prática, tais direitos tinham sido resultado
de reivindicações populares.

República

Direitos
Civis

Direitos
Sociais
Direitos
Políticos

Voto no laboratório: as eleições no Regime Militar
Durante o Regime Militar foram realizadas, para todos os cargos, eleições
diretas e indiretas, conforme as hipóteses legais(D). A existência de eleições durante
esse período ­ especialmente para o Congresso Nacional ­ tinha uma dupla função:
legitimar as decisões do governo, já que, pelo menos formalmente, existia oposição;
e servir como uma espécie de laboratório eleitoral(E), no qual a população podia
exercer ­ controladamente ­ o direito de votar.

49

Tribunal Superior Eleitoral

Tentaremos explicar o experimento eleitoral de que falamos há pouco por meio
da análise de dois ingredientes: a ampliação do eleitorado e o papel desempenhado
pelo Congresso Nacional.
Entre os anos de 1966 e 1982, o eleitorado brasileiro aumentou 163%, o
que não pode ser bem compreendido apenas à luz das sanções impostas a quem
não se alistasse, tampouco tendo como referência o crescimento vegetativo da
população(F). Esse aumento, aliado às restrições dos direitos políticos no período,
pode ser entendido como uma estratégia de criação de um ambiente onde o ato de
votar pudesse ser exercido de forma controlada.
Fonte: acervo do Museu do TSE

Vale ressaltar, no entanto,
que a tentativa do Regime
em dar legitimidade às suas
decisões por meio da ampliação
do eleitorado esbarrou no alto
número de abstenções, votos
nulos e brancos(G). Isso pode ter
significado, de algum modo, certo
descrédito por parte dos eleitores
em relação à utilidade prática de
seu voto. Esse comportamento

Quarta sede do TSE. Esplanada dos Ministérios, de 1960 a 1971.

eleitoral seria um reflexo do papel
imposto ao parlamento à época? Qual era esse papel?
O Congresso Nacional deveria, por um lado, legitimar as decisões tomadas
pelo governo e, por outro, ser um espaço onde alguns direitos políticos podiam
ser exercitados, mas sempre dentro dos limites definidos previamente. Para
sustentar esse experimento, um instrumento político foi fabricado:
o bipartidarismo. Por meio dele, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) (H), a quem
cabia exercer uma oposição controlada, se opunha à Aliança Renovadora Nacional (Arena),
cujo papel era o de referendar as decisões tomadas pela cúpula militar.

50

A efetiva realização de oposição era, entretanto, muito dificultada pelas

República

Fonte: Câmara dos Deputados

Fonte: acervo do Museu do TSE

constantes alterações na legislação, especialmente relativa à matéria eleitoral.

Sessão ordinária da Câmara dos Deputados que aprovou o AI-1.
Processo encaminhado pelo TRE da
Guanabara ao TSE em 1968, com sugestões
relativas à máquina Puntel de votação. Ver
máquina de votar ao final do livro (Anexos).

Explore o infográfico abaixo para conhecer mais sobre a legislação eleitoral no
período.
O Ato Institucional n° 1, de 9 de abril de 1964, instituiu
1964

AI-1

alterações à Constituição de 1946. Estabeleceu a eleição
indireta para presidente da República pelo Congresso Nacional.
Determinou a aprovação de projetos por decurso de prazo:
projeto de lei enviado pelo presidente ao Congresso deveria ser
aprovado em 60 dias (30 dias na Câmara e 30 dias no Senado),
caso contrário seria considerado aprovado tacitamente. Fixou
a suspensão de garantias de vitaliciedade dos magistrados e
estabilidade dos servidores públicos por seis meses. Também

51

Tribunal Superior Eleitoral

autorizou o Comando Supremo da Revolução a cassar mandatos
em qualquer nível e suspender direitos políticos pelo prazo de dez
anos, vedada a apreciação judicial. O AI n° 1 teve vigência até 31
de janeiro de 1966.

O Ato Institucional n° 2, de 17 de outubro de 1965,
1965

AI-2

disciplinou as formas de emenda à Constituição. Manteve
a aprovação por decurso de prazo, dilatando para 45 dias
os prazos para os projetos serem aprovados na Câmara e
Senado. Estabeleceu definitivamente a eleição indireta para
presidente e vice-presidente da República, que deveria ocorrer
em votação nominal. Também estabeleceu a extinção dos
partidos políticos existentes e o cancelamento dos respectivos
registros para a organização de novos partidos, devendo ser
obedecidas as determinações da Lei n° 4.740/1965. Permitiu
decretar recesso parlamentar (em todos os níveis) em estado
de sítio ou fora dele, ficando o Poder Executivo responsável
por legislar sobre todas as matérias previstas na Constituição
ou nas leis orgânicas durante o tempo que durasse o recesso.
O AI n° 2 teve vigência até 15 de março de 1967.

O Ato Institucional n° 3, de 5 de fevereiro de 1966,
1966

AI-3

estabeleceu que os governadores fossem eleitos indiretamente
pelas assembleias legislativas estaduais e que eles nomeassem os
prefeitos das capitais, após aprovação das respectivas assembleias
legislativas. Sendo assim, apenas nas cidades que não fossem
capitais os prefeitos seriam eleitos diretamente. Não determinou
limite de vigência como os atos institucionais anteriores.

52

O Ato Institucional n° 4, de 7 de dezembro de 1966,
1966

AI-4

determinou a convocação do Congresso Nacional, que havia
sido fechado, para votar e promulgar a nova Constituição.
Embora o § 1° do primeiro artigo fale em discussão, votação
e promulgação, a intenção era mesmo aprovar a Constituição
sem muitas discussões. É o que dispõe o art. 8° ao afirmar
que a Constituição será promulgada em 24 de janeiro, tendo
sido apresentadas e aprovadas emendas ou tendo sido
apresentadas e reprovadas ou se não tiver sido encerrada a
votação até dia 21 de janeiro.

O Ato Institucional n° 5, de 13 de dezembro de 1968,
AI-5

significou o ponto alto da severidade no Regime Militar.
Determinou a possibilidade de o presidente da República decretar
o recesso parlamentar, só voltando o Congresso a funcionar
quando convocado pelo próprio presidente da República.

República

1968

Manteve a possibilidade da cassação de direitos políticos e
de mandatos por até 10 anos. Quem tivesse sido alvo dessas
cassações, além de não exercer seus direitos políticos, poderia
ter liberdade vigiada, ser proibido de frequentar determinados
lugares, e possuir domicílio determinado. Suspendeu a garantia
do habeas corpus para os acusados de crimes contra a segurança
nacional e das infrações contra a ordem econômica e a economia
popular. Além disso, excluiu a apreciação judicial de todos os
atos praticados de acordo com este Ato institucional e seus atos
complementares, bem como os respectivos efeitos.

53

Tribunal Superior Eleitoral

O Ato Institucional n° 14, de 5 de setembro de 1969,
1969

AI-14

alterou a Constituição de 1967 para possibilitar a pena de
morte para os casos de guerra externa, psicológica adversa ou
revolucionária ou subversiva.

A Lei n° 4.740, de 15 de julho de 1965, também
1965

Lei Orgânica dos
Partidos Políticos

conhecida como Lei Orgânica dos Partidos Políticos,
regulamentou diversos aspectos relativos ao registro e
funcionamento dos partidos políticos. A personalidade jurídica
do partido era de direito público interno, a ser adquirida por
meio de registro junto ao Tribunal Superior Eleitoral, ficando
vedada a existência de qualquer entidade com fim político
ou eleitoral que não fosse um partido registrado. Limitou a
participação nos quadros dos partidos aos brasileiros que
estivessem no exercício de seus direitos políticos. A ingerência
nas atividades partidárias era tamanha que a lei normatizava
a estrutura dos órgãos internos, as condições para a expulsão
dos filiados e, inclusive, a forma de eleição dos diretórios (voto

Foto: Nelson Jr. Fonte: Asics/TSE

direto e secreto).

Quinta sede do TSE. Praça dos Tribunais Superiores, de 1971 a 2012.

54

Abertura lenta e gradual
Os militares não eram um grupo homogêneo, havendo tendências diferentes
dentro da corporação. Com a posse do Presidente Geisel, em 1974, foi iniciada a
distensão política definida como lenta, gradual e segura. Esse processo de abertura
foi cheio de idas e vindas.
Havia um embate entre os segmentos sociais de oposição, que vinham se
unificando na luta contra as arbitrariedades do regime, e a linha dura dos militares que
não queriam a abertura. A meio caminho estava o Presidente Geisel que planejava a
distensão política, sem a imediata tomada do poder pela oposição.

·

Fim do AI-5

·

Fim da censura prévia

·

Restabelecimento do habeas corpus para crimes políticos

·

Atenuação da Lei de Segurança Nacional

·

Permissão da volta de 120 exilados políticos

República

Para atingir essa abertura gradual, foram tomadas algumas medidas:

Essas medidas de abertura, aliadas à vitória da oposição nas eleições para
governador em 1982 e ao próprio esgotamento do Regime Militar culminaram na
eleição, em 1985, do primeiro presidente civil desde 1964. O próximo texto conta
como ocorreu o processo de transição para a democracia. Antes de chegarmos a ele,
explore as leis do período por meio do infográfico a seguir.

1976

Lei
Falcão

A Lei n° 6.339, de 1° de julho de 1976, barrou o acesso
dos candidatos ao rádio e televisão. Os partidos só poderiam
apresentar o nome, número, currículo dos candidatos e uma
fotografia, no caso da TV.

55

Tribunal Superior Eleitoral

1978

Emenda
Constitucional nº 11

A Emenda Constitucional n° 11, de 13 de outubro de
1978, foi responsável pela revogação do AI-5, ficando proibido o
Executivo de determinar recesso parlamentar, cassar mandatos,
demitir servidores públicos e privar os cidadãos dos direitos
políticos. Restaurou em sua plenitude o direito a manejar habeas
corpus e representou um abrandamento das restrições impostas
pelo regime. Apesar disso, criou a figura das salvaguardas, pelas
quais o Poder Executivo poderia decretar estado de emergência
e tomar medidas para restabelecer a paz e a ordem em locais
atingidos por calamidades e fortes perturbações.

O pacote foi um conjunto de medidas baixadas em abril
1977

Pacote de
Abril

de 1977 depois de Geisel ter fechado o Congresso por não
ter conseguido aprovar algumas alterações constitucionais.
Dentre elas, estava a criação do senador biônico com objetivo
de impedir que o MDB conseguisse ter maioria no Senado.
Os senadores biônicos foram eleitos indiretamente por um
colégio eleitoral composto de forma a dificultar a vitória da
oposição. Além disso, o critério de representação foi alterado,
fazendo com que os estados do nordeste elegessem maior
número de deputados do que os do centro-sul. Também
estendeu as restrições da Lei Falcão às eleições para os
legislativos Municipal e Estadual, alterando o mandato do
presidente de cinco para seis anos.

56

Lei Orgânica dos
Partidos Políticos

A Lei n° 6.767, de 20 de dezembro de 1979, modificou
a LOPP anterior (Lei n° 5.682 de 21.7.1971). Extinguiu o MDB
e a Arena, e permitiu o surgimento de novos partidos, que
deveriam incluir a palavra partido em suas denominações. A
designação de partido não poderia ser utilizada com base em
crenças religiosas ou sentimentos de raça ou classe. Também
prescreveu os requisitos para a formação desses partidos,
bem como regulou as estruturas internas de funcionamento.

Informações adicionais
(A) Direitos sociais: os militares foram responsáveis pela universalização da
previdência social por meio da criação, em 1971, do Fundo de Assistência Rural
(Funrural). A partir dessa data, os trabalhadores rurais passaram a ter direito
a aposentadoria, pensão e assistência médica. Embora os valores pagos pela
previdência não fossem altos, eram iguais ou maiores aos recebidos pelo trabalho
no campo. Além disso, foram incorporadas duas categorias profissionais à
previdência: empregadas domésticas e trabalhadores autônomos. Sem dúvida,
a universalização da previdência representou importante avanço para inclusão
social de grupos que, até então, não recebiam atenção do Estado. Por outro
lado, registram-se limitações a alguns direitos, como a proibição de greves e a
possibilidade de intervenção nos sindicatos.

República

1979

(B) Direitos civis: por meio de uma ordem jurídica instalada ­ durante todo o
período do Regime Militar os atos do governo foram revestidos de aspecto legal,
por meio dos atos institucionais ­, muitas garantias civis foram violadas, dentre
as quais: liberdade de expressão, limitação ao direito de ir e vir, e direito à ampla
defesa e ao contraditório.
(C) Direitos políticos: a realização de eleições como método para escolha dos
governantes e representantes não é exclusividade da democracia, tendo ocorrido
em regimes autoritários. Sendo assim, as eleições ocorridas durante o Regime
Militar não devem significar o pleno exercício dos direitos políticos, já que muitos
deles foram cerceados, dentre os quais o de votar e ser votado; o de reunir-se;
o de manifestar livremente o pensamento; e o de organizar partidos políticos.

57

Tribunal Superior Eleitoral

(D) Hipóteses legais: no período do Regime Militar, conviveram eleições diretas
e indiretas. A escolha do presidente da República e governadores dos estados era
realizada pelos membros do Congresso Nacional e das Assembleias Legislativas, com
votação aberta. Eram diretas as eleições para o Legislativo Federal, Estadual e Municipal.
As eleições também eram diretas para a escolha dos prefeitos, exceto na capital dos
estados e nas cidades consideradas de segurança nacional. Para conhecer a cronologia
eleitoral no período, acesse http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores e clique
em Cronologia das eleições.
(E) Laboratório eleitoral: essa noção de laboratório eleitoral reflete uma ideia, há
muito presente no pensamento político brasileiro, segundo a qual a cidadania é algo
a ser ensinado a uma população ainda despreparada que só poderá exercê-la ao final
da sua jornada de alfabetização cidadã. Com isso não se quer afirmar que o objetivo
final dos militares tenha sido o de preparar a população para a democracia, mas sim
que o período entre 1964 e 1985 foi marcado pela ideologia de que o povo não estaria
preparado para o pleno exercício dos direitos políticos, como se a aprendizagem da
cidadania pudesse, de fato, ocorrer sem prática democrática.
(F) Crescimento da população: o incremento populacional não acompanhou o
aumento do contingente eleitoral. Segundo o IBGE, entre as décadas de 1960 e 1970
a taxa média geométrica de incremento anual da população foi de 2,89% e entre
1970 e 1980 o patamar foi de 2,49%. Ver http://seculoxx.ibge.gov.br/images/seculoxx/
arquivos_download/populacao/1981/populacao_m_1981aeb_037.xls.
(G) Abstenção: nas eleições para o Congresso Nacional a abstenção foi 21% de votos
nulos/brancos em 1966 e 30% em 1970.
(H) MDB: impunha-se um dilema ao MDB: atuar politicamente ou retirar-se da cena
política. Ao escolher existir, ocuparia o único espaço de oposição permitida pela ordem
jurídica instituída, mas teria o inconveniente de legitimar as decisões governamentais,
reforçando o discurso oficial de que não existiam imposições. Se, ao contrário, optasse
por se retirar do jogo político, poderia desmantelar a legitimação do governo, mas
retiraria qualquer obstáculo às decisões militares. Enfrentando o dilema, o MDB optou
por permanecer na cena política, atuando no espaço a ele destinado para oferecer
alguma oposição ao regime.

58

Nova República (1985 até os dias atuais)
Diretas já!
O processo da transição democrática no fim do Regime Militar envolveu a
abertura gradual idealizada pelas elites políticas autoritárias. A transição se tornava
inevitável à medida que engrossava o número daqueles que pressionavam e ansiavam
pela mudança. Três forças atuavam nesse momento: a crise no reconhecimento
da legitimidade do regime (em decorrência da crise econômica); a eleição de
governadores oposicionistas em 1982; e a maior manifestação de massas no Brasil:
as campanhas pelas Diretas.

presidente. Foram feitas manifestações públicas (comícios e passeatas) em várias
cidades brasileiras ao longo do ano de 1983 e 1984, que mobilizaram mais de 5
milhões de pessoas.

República

Diretas Já! foi um movimento em favor de eleição direta para o cargo de

Um dos objetivos pontuais era pressionar a aprovação da Emenda Dante de
Oliveira pelo Congresso. A emenda acabou sendo refutada em abril de 1984, mas o
impacto se fez sentir. Em 1985 Tancredo Neves, candidato do partido de oposição
ao governo, foi eleito com a ajuda de desertores do partido governista. Isso acabou
ocasionando um processo de denúncia de infidelidade partidária(A) junto ao TSE,
que a julgou improcedente.
A situação política era tensa e Tancredo escondia estar doente. Temia que
oportunistas e militares linhas-duras não passassem o poder ao vice que havia sido
eleito. Na véspera da posse, a doença se torna insuportável e Tancredo é internado.
Isso gerou a primeira crise constitucional após o Regime Militar: estando o presidente
eleito, mas não empossado, quem o substituiria? O vice, José Sarney, ou o presidente
da Câmara, Ulysses Guimarães?
A solução foi encontrada em Sarney, que era dissidente do partido governista,
e assumiu a Presidência no momento da transição democrática.

59

Tribunal Superior Eleitoral

Duração do mandato presidencial
A duração do mandato presidencial já passou por muitas variações desde que
o cargo foi criado. Considerando somente o período mais recente, ele foi definido
em quatro anos na Constituição de 1967 (Art. 77, § 3°). Essa duração se manteve até
1977, quando a Emenda Constitucional n° 8 (de 14.4.1977) alterou para seis anos o
tempo de permanência do presidente no cargo.
Sarney foi eleito em 1985 e durante seu mandato foi promulgada a nova
Constituição, que estabeleceu o período de cinco anos para os próximos mandatos.1
Entretanto, apenas o governo de Collor-Itamar durou cinco anos, pois em 1994 a
Emenda Constitucional de Revisão n° 5 alterou para quatro anos a duração do mandato
presidencial, tendo sido autorizada a reeleição em 1997 pela Emenda Constitucional
n° 16. De modo que o governo dos presidentes posteriores (FHC e Lula) durou oito
anos cada, devido à reeleição de ambos.

Constituinte de 1988
Uma constituição é o documento fundador de uma comunidade política
dentro do Estado de direito. O seu texto abrange a regulação da autoridade pública,
a proposição de instituições com a finalidade de bem organizar a sociedade e tudo
o mais que for considerado relevante constar nesse documento. Nesse sentido, a
Constituição desponta como um projeto político da sociedade e reflete o conflito de
valores e poderes que caracteriza esta.
Foi para formular uma nova espinha dorsal para a República Federativa do Brasil
que a Assembleia Nacional Constituinte começou a se reunir em 1° de fevereiro de
1987. O Brasil vivia, sob a Presidência de Sarney, um período de transição formal para
um Estado democrático que não se sabia como seria.
De fato, o mandato de Sarney durou 6 anos conforme previa o art. 4° do Ato das Disposições
Constitucionais Transitórias.

1

60

Ela ficou conhecida como a Constituição Cidadã, pelo fato de ampliar o rol dos
direitos sociais e políticos. Assegurou a liberdade de expressão, de reunião, garantiu
o direito à privacidade, à inviolabilidade do domicílio e da correspondência, proibiu a
prisão sem decisão judicial: tudo isso em contraponto a práticas do regime anterior,
das quais se buscava o distanciamento.
Entre as alterações que a Constituição trouxe figuram o reconhecimento da existência
de direitos e deveres coletivos, além dos individuais; a equiparação dos filhos, vedada
qualquer discriminação; a diminuição da idade para a faculdade do voto; a permissão de
voto ao analfabeto; a redução da jornada de trabalho e a afirmação de muitos outros direitos
trabalhistas.
Promulgada em 5 de outubro de 1988, ela previu um plebiscito para a definição da
forma e sistema de governo. A população foi consultada em 21 de abril de 1993 para decidir

República

entre República e Monarquia, e entre presidencialismo e parlamentarismo. O resultado fixou
o Brasil como República presidencialista.
Sem ter existido um projeto inicial, a escrita da Constituição envolveu um longo
debate na Assembleia. É conhecida a pressão de diferentes grupos da sociedade na
Constituinte, que faziam lobby junto aos parlamentares para tentar garantir seus
interesses. Empresários, sindicalistas, ativistas, entre outros grupos, participaram em
certa medida da discussão na assembleia.
Havia também a possibilidade de proposição de emendas de iniciativa popular (petição
enviada por três organizações da sociedade civil, com um mínimo de 30 mil assinaturas).
O contexto histórico que originou a elaboração da Constituição ajuda a explicar
seu caráter abrangente, o que é frequentemente criticado. Nesse sentido, a Constituição
é maior do que um conjunto de regras que define todo o ordenamento jurídico de uma
sociedade. A Constituição de 1988 foi o resultado de lutas travadas em torno de interesses
divergentes e enuncia metas políticas a serem alcançadas pelas futuras gerações.

61

Tribunal Superior Eleitoral

Explore a legislação do período no infográfico a seguir.

1988

Constituição
de 1988

A Constituição de 1988 determinou a realização de
plebiscito para definir a forma (República ou Monarquia
constitucional) e o sistema de governo (parlamentarismo
ou presidencialismo) e prescreveu que o presidente e os
governadores, bem como os prefeitos dos municípios com mais
de 200 mil eleitores, fossem eleitos por maioria absoluta ou em
dois turnos, se nenhum candidato alcançasse a maioria absoluta
na primeira votação.
Nos municípios com menos de 200 mil eleitores, os chefes
do Executivo seriam eleitos, em turno único, por maioria simples.
Estabeleceu, ainda, que o período de mandato do presidente
seria de cinco anos, vedando-lhe a reeleição para o período
subsequente, e fixou a desincompatibilização até seis meses
antes do pleito para os chefes do Executivo (Federal, Estadual ou
Municipal) que quisessem concorrer a outros cargos.
Conhecida como Constituição Cidadã, é de relevância
o papel dos lobistas na sua formulação. Permitiu voto ao
analfabeto, diminuiu a idade mínima da faculdade do voto para
16 anos, ampliou os poderes do Congresso Nacional e também
garantiu novos direitos sindicais.
No que se refere aos partidos políticos, foi ela que, pela primeira
vez, conferiu aos partidos o caráter de pessoa jurídica de direito
privado, outorgando-lhes ampla autonomia do ponto de vista da
sua autorregulamentação e autogestão, sendo livre a criação, fusão e
cancelamento de registros de partidos.

62

1990

Lei das
Inelegibilidades

A Lei Complementar n° 64, de 18 de maio de 1990,
também conhecida como Lei das Inelegibilidades, estabeleceu,
em acordo com o art. 14 da Constituição Federal, casos
de inelegibilidades, prazos de cessação para proteger a
normalidade e a legitimidade das eleições contra a influência
do poder econômico e do abuso do exercício de função, cargo
ou emprego na administração direta e indireta.

A Emenda Constitucional n° 4, de 14 de setembro de 1993,
1993

Emenda
Constitucional nº 4

estabeleceu que a lei que alterasse o processo eleitoral somente

1994

Emenda
Constitucional de
Revisão nº 5

A Emenda Constitucional de Revisão n° 5, de 7 de junho
de 1994, alterou o mandato presidencial de cinco para quatro
anos. Como 1994 foi o ano em que coincidiram as eleições de

República

seria aplicada um ano após sua vigência.

presidente com as de governador, cujo mandato já era de um
quatriênio, a Lei n° 8.713 (de 30.9.1993) regulou as eleições para
todos os cargos.

1995

Lei dos Partidos
Políticos

A Lei n° 9.096, de 19 de setembro de 1995, que disciplina
o art. 17 da Constituição Federal, dispõe, dentre outros assuntos,
sobre a criação, fusão, incorporação e extinção dos partidos
políticos.

1997

Emenda
Constitucional
nº 16

A Emenda Constitucional n° 16, de 4 de junho de 1997,
possibilitou a reeleição para os cargos de prefeito, governador e
presidente.

63

Tribunal Superior Eleitoral

1997

Lei das
Eleições

A Lei n° 9.504, de 30 de setembro de 1997, também
conhecida como Lei das Eleições, estabelece a data das
eleições, os cargos que estarão em disputa, os critérios
para o reconhecimento do candidato eleito, em eleições
majoritárias, e, ainda, normas sobre coligações partidárias,
período para as convenções partidárias de escolha de candidatos,
prazos de registro de candidaturas, forma de arrecadação e
aplicação de recursos, prestação de contas, pesquisas préeleitorais, propaganda eleitoral e fiscalização das eleições; veda
determinadas condutas a agentes públicos. A importância da
lei foi a de disciplinar, de forma geral, a matéria referente às
eleições, não havendo mais necessidade de edição de leis para
regulamentar cada pleito.

A nova democracia
O fim do período de eleições indiretas para a Presidência trouxe muitas novidades para
Fonte: acervo do Museu do TSE

o cenário eleitoral. A partir de então as comunicações sociais passam a assumir um papel cada
vez mais importante na discussão eleitoral. E todos os presidentes
eleitos vão se posicionar e utilizar ­ de alguma maneira ­ esse
instrumento, transformado em primeira necessidade.
Os debates televisionados obrigam candidatos a
confrontar propostas; o acompanhamento da pesquisa
de opinião é feito pelos meios jornalísticos; a imagem
dos candidatos e a propaganda eleitoral passam a receber
massivos investimentos; as campanhas são planejadas
acompanhando a flutuação da tendência da vontade
eleitoral.

64

Diploma de Collor para cargo de presidente da República.

Nesse ambiente, em 1989 foi realizada a eleição para o cargo de presidente na
qual foi eleito Fernando Collor de Mello. Vindo da elite alagoana com propostas em
tons neoliberais, Collor concorreu por um partido pequeno, o Partido da Renovação
Nacional (PRN), vencendo em segundo turno a disputa eleitoral.
Como o partido pelo qual se elegeu não possuía representatividade política,
nem fornecia base no Congresso (ocupando apenas 5% das cadeiras da Câmara dos
Deputados), faltaram condições de governabilidade ao então presidente. O mandato
também passou por uma série de escândalos e foram tomadas medidas que geraram
grande descontentamento. Esses eventos desembocaram numa campanha por parte da
população que pedia o impeachment do presidente, que ocorreu dois anos e meio depois
da posse. O processo foi completado sem violência direta e dentro dos dispositivos legais,
substituindo-o no cargo o vice-presidente Itamar Franco.

República

As eleições seguintes não são abaladas pelo impeachment: a democracia e a
legitimidade do novo regime parecem estar asseguradas. Fernando Henrique Cardoso
se elegeu e se reelegeu, bem como Luiz Inácio Lula da Silva, que exerceu duas vezes
seguidas o mandato para a Presidência. Mais recentemente, Dilma Vana Rousseff
recebeu a maioria dos votos em um segundo turno e assumiu a faixa presidencial.
Fonte: acervo do Museu do TSE

Todas essas eleições tiveram a
propaganda eleitoral em um espaço
cada vez mais virtual e informatizado.
Da panfletagem tradicional, passando
pela televisão e agora pelas redes sociais
na Internet, a discussão política está
definitivamente embrenhada aos novos
meios tecnológicos. Acompanhando as
mudanças da sociedade, outros aspectos

Cerimônia de diplomação de Fernando Collor de Melo,
o primeiro presidente brasileiro a sofrer um impeachment.

da eleição, como o voto, também começam
a se integrar a essas possibilidades. Iniciado
ainda no Regime Militar, esse é o processo
de informatização do voto.

65

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: acervo do Museu do TSE

Diplomação de Fernando Henrique Cardoso, decorrente de sua eleição em 1994.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Diploma expedido pela Justiça Eleitoral para a segunda
investidura de Lula no cargo de presidente da República.

Diploma expedido pela Justiça Eleitoral para a investidura de
Dilma Rousseff no cargo de presidenta da República.

66

Informatização
Fonte: TRE/MA

A informatização eleitoral hoje é um traço
estruturante da prática democrática brasileira. A
urna eletrônica é a grande representante da informatização pela qual passou o sistema eleitoral no
Brasil, mas ela é apenas uma parte de um processo
mais amplo, que envolveu também o recadastramento e a apuração eletrônica dos votos.
Na década de 1980, o desenvolvimento de

Transporte da urna eletrônica para regiões
de difícil acesso no território brasileiro.

novos recursos tecnológicos e a ampliação no uso dos meios digitais possibilitaram as
condições para o recadastramento geral do eleitorado em meio eletrônico feito em
1986. Antes não havia um registro nacional, cada um dos TREs realizava um registro

República

de forma independente, o que abria espaço para a existência de fraudes no cadastramento eleitoral. Eleitores com registro em mais de um estado, pessoas mortas com
cadastros ativos, por exemplo, eram algumas das situações de fraude possíveis, que
foram evitadas com a criação do cadastro único com numeração nacional.
Fonte: acervo do Museu do TSE

Com os eleitores organizados
em um cadastro nacional, a etapa
seguinte se consumou em 1994.
O processamento eletrônico do
resultado das eleições gerais
fo i re a l i z a d o co m re c u r s o s
computacionais da própria Justiça
Eleitoral. Apesar do avanço, o voto

Documento utilizado para realizar a justificação eleitoral, de
1994.

continuava sendo realizado em papel. Estudos começaram a ser realizados em 1995
e, em 1996, um terço do eleitorado votou na urna eletrônica(B).
Em 2000 todos os eleitores votaram eletronicamente. Em 2002, foi feita a experiência
com o Módulo Impressor Externo (MIE), que imprimia os votos depositados na urna para
conferência com o registro digital. A última inovação tecnológica ocorreu em 2008 quando
foi testada pela primeira vez a urna com identificação biométrica do eleitor.

67

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: TRE/SC

Foto da impressão de um boletim de urna, que é um documento
emitido em cada seção após a conclusão da votação, com as seguintes
informações: total de votos por partido; total de votos por candidato;
total de votos em branco; total de comparecimento em voto e total de
nulos; identificação da seção e zona eleitoral; hora do encerramento da
eleição; código interno da urna eletrônica e sequência de caracteres para
validação do boletim.

Fotografia que registra como o eleitor cego
pode votar utilizando a urna eletrônica.

Informações adicionais
(A) Fidelidade partidária do colégio eleitoral: desde 1964 os presidentes da
República foram escolhidos em eleições indiretas, por meio do Colégio Eleitoral,
composto por congressistas e delegados das assembleias legislativas de todo
o país. Na última delas, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)
indicou Tancredo Neves e o Partido Democrático Social (PDS) não conseguiu se
entender sobre o nome a ser indicado, uma parte queria Paulo Maluf e a outra
Mário Andreaza. Como os militares fecharam questão em torno do nome de
Maluf, os dissidentes do PDS criaram um grupo político ­ a Frente Liberal ­ e
apoiaram o candidato da oposição.

68

Afinal, era possível membros de um partido votarem no candidato de outro? Não
seria um caso de infidelidade partidária? Ou seja, não estariam os membros do PDS
descumprindo uma diretriz do próprio partido? Essas mesmas perguntas foram feitas,
numa consulta, ao Tribunal Superior Eleitoral, que decidiu, em 27 de novembro de 1984,
que o princípio da fidelidade partidária não era aplicável ao Colégio Eleitoral, ainda que
tivesse sido editada diretriz partidária nesse sentido, pois seus membros, na qualidade
de eleitores, teriam plena liberdade de manifestação.

(B) Urna eletrônica: ainda que os princípios estéticos gerais tenham se mantido
os mesmos, a urna eletrônica passou por vários modelos. Por exemplo, o modelo de
1996 possuía o teclado em membrana, substituído no modelo de 19981 quando o
teclado passou a ser formado por teclas em relevo. Em 2002, foi acoplado à urna o
Módulo Impressor Externo, vulgo MIE, que imprimia os votos para a conferência ao
final da eleição. Em 2010, foram usadas em alguns municípios urnas com aparelho de
identificação biométrica.

República

Assim, ficaram livres os dissidentes para votar em Tancredo, que foi eleito com 480
votos contra 180 votos recebidos por Maluf. O ano de 1985 marcou o fim da Ditadura
Militar, que durou de abril de 1964 a março de 1985. Para mais informações, ver Julgados
Históricos no Portal TSE.

____________________
1
Segundo Gustavo Cotomacci e Mirella Cristina Fior, no artigo Do papel à biometria, essa alteração
se deu com a urna de 1998. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito,
v. 8, n. 8, 2011, p. 153. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/RFD/
article/view/2596/2541.

69

Texto complementar: Voto das mulheres
Tendo em vista que ocorrem eleições desde que a primeira vila portuguesa
foi fundada na América, em 1532, constatamos que as mulheres exercem direitos
políticos há muito pouco tempo. Como explicar o cenário atual em que as mulheres
ocupam importantes cargos eletivos e representam maioria no eleitorado brasileiro?
Essa pergunta leva a outras: quando esses direitos foram estendidos às mulheres?
O que se discutia nos embates pelo voto feminino? Por que não se lutava por esse
direito em momentos anteriores? Para responder a essas perguntas, é preciso investigar
as diferentes formas pelas quais o exercício do voto foi vivenciado por homens e
mulheres nestes quase 500 anos de história eleitoral.

República

Voto familiar
A independência do Brasil em 1822 iniciou um ciclo de mudanças na legislação
eleitoral. Tivemos voto distrital, voto em listas completas e limitadas; voto direto
(eleições locais); e voto indireto (eleições gerais). Apesar dessas mudanças, a lógica
do sistema eleitoral não sofreu rupturas significativas.
O eleitorado continuava a ser fixado a partir do número de fogos dos municípios,
ou seja, a quantidade de eleitores dependia das unidades familiares. O atrelamento
do contingente eleitoral ao número de famílias refletia a característica de uma época
marcada fortemente pelos laços de parentesco e dependência. Nesse contexto, podemos
dizer que o eleitor era uma pessoa a exercer determinada função dentro de um corpo
social, seja a família, seja a própria sociedade.
Assim, o sufrágio não era um dever e direito de todos, era privilégio de
determinado personagem social, era prerrogativa da cabeça política da família.
Exatamente nisto consistia o voto familiar: o eleitor, no ato de votar, manifestava a
vontade de toda a família. Não se concebia, à época, a necessidade de expressão
individual da vontade, posto que o personagem-eleitor manifestava a vontade de
todo corpo familiar.

71

Tribunal Superior Eleitoral

A lei qualificava esse personagem-eleitor como homem bom, termo que trazia
consigo uma série de distinções sociais: idade, renda, estado civil, escolaridade e
status social (livre/liberto/escravo). Essas distinções definiam as várias gradações do
personagem-eleitor que já se revelavam tanto nas constituições do Império quanto
nas normas que regeram as eleições para as cortes de Lisboa.
E as mulheres? Nessa sociedade, a posição e papel exercido pelas mulheres
também eram bastante determinados pela função que deveriam desempenhar na
família, ou seja, a de mãe, esposa e filha. Em decorrência da definição rígida dos papéis,
às mulheres não era permitido estudar, trabalhar, tampouco exercer atividades políticas
que eram de exclusiva responsabilidade dos chefes de família.

Pipocam contestações: o lugar da mulher
No Brasil, as discussões sobre o papel da mulher se intensificam a partir do final
do século XIX. O panorama mundial era outro: os Estados nacionais começavam a
se estabelecer, o individualismo político e filosófico vicejava. Numa sociedade que
passa a se ver formada por cidadãos, não por grupos, uma questão se coloca: por que
excluir metade dos indivíduos do processo eleitoral?
Nesse sentido, uma contestação teria ocorrido ainda nos anos 1980 do século
XIX. A Dra. Isabel de Matto Dellom, invocando o direito de alistamento dos bacharéis,
requereu sua qualificação como eleitora1. Nessa época, surgem jornais e publicações
nas quais as mulheres reivindicam maior participação política. Por exemplo, Josefina
Álvares de Azevedo, em 1890, escreve uma peça chamada O voto feminino. Essas e
outras mulheres começam a questionar a interdição do voto à mulher.
Contudo, não só mulheres participaram da luta pelo sufrágio feminino.
Intelectuais, políticos, religiosos atuaram no movimento que desembocou no direito
ao voto da mulher em 1932.
Ainda investigamos o caso, a referência consta de SOARES, Carlos Damiro da Silva. Evolução históricosociológica dos partidos políticos no Brasil Imperial.

1

72

Alguns clérigos e organizações religiosas (como a Federação Pernambucana
para o Progresso Feminino, a Liga Eleitoral Católica, e a Cruzada de Educadoras
Católicas) se interessavam pelo voto da mulher, na medida em que as viam como
representantes de valores religiosos e morais que poderiam ajudar a reformar o
cenário político.
No cenário legislativo, alguns parlamentares defenderam o voto feminino e
emendas foram propostas. Apesar disso, a primeira constituição republicana se omitiu
sobre os direitos políticos da mulher, possibilitando os estados a tratarem da matéria.
Assim, a Constituição Política da cidade de Santos (1894)(A) garantiu a capacidade
política do voto à mulher, ainda que tenha sido anulada logo em seguida. Também,
a omissão constitucional ensejou o alistamento de Celina Guimarães Viana e outras
mulheres no Rio Grande do Norte em 1927. Elas votaram na eleição de 1928, mas
a conquista do voto feminino em 1932 foi resultado da atuação de feministas, setores
do clero católico, intelectuais e políticos. Essa demanda indicava uma nova percepção
social sobre o eleitor. Nesse contexto, o eleitor passa a ser identificado como um

República

seus votos foram invalidados pela Comissão de Verificação de Poderes. Dessa forma,

indivíduo cuja expressão da vontade deve ser assegurada.

O voto individual e a Justiça Eleitoral
A criação da Justiça Eleitoral em 1932 faz parte do projeto de modernização
imposto ao país pelo movimento de 1930. Sem dúvida, a inserção do Brasil no rol dos
países civilizados passava pela confiabilidade do sistema eleitoral. Para atingir esse
objetivo, além de um processo eleitoral transparente, era fundamental transformar
os próprios eleitores.
Antes, na Primeira República, o eleitor não era o indivíduo, era uma pessoa
integrante de um corpo social, que na maioria das vezes incluía laços de parentesco
e relações de dependência. Tais relações geravam práticas eleitorais que passaram,
então, a ser duramente atacadas, ficando conhecidas as charges e críticas ao chamado
voto de cabresto. Sendo assim, qualquer experiência eleitoral que não considere o
eleitor como um indivíduo passa a ser classificada como crime.

73

Tribunal Superior Eleitoral

Nesse contexto, o voto feminino pode ser entendido na esteira do processo
de individualização do eleitor. Esse processo consistiu na alteração de uma lógica
grupal para outra individual. Vimos anteriormente que os interesses da família eram
expressos pela vontade de um eleitor, o homem bom. Posteriormente, a vontade
passa a ser expressão exclusiva do indivíduo, não cabendo interferências de qualquer
ordem na sua formação e manifestação. Por isso o grande esforço, na década de 1930,
em assegurar o sigilo do voto (criação das cabines indevassáveis), o voto individual
(inclusão das mulheres) e a soberania da vontade eleitoral (imparcialidade da Justiça
Eleitoral na organização, apuração e proclamação dos eleitos).
Fonte: Wikimedia Commons

Participação feminina para além do voto
Durante as décadas de 1960 e 1970 outras
pautas foram incorporadas à luta das mulheres:
revolução sexual, inserção da mulher em mercados
de trabalho tradicionalmente masculinos e divórcio.
A atuação feminina na política foi ganhando cada
vez mais expressão, a exemplo da participação de
algumas delas nos movimentos de contestação ao
Regime Militar, inclusive na luta armada.

Bertha Lutz participou da redação do
Código Eleitoral de 1932 e também da
Assembleia Constituinte de 1934.

Os avanços seguem com a criação da primeira Delegacia de Defesa da Mulher, em
1985 e, mais recentemente, com a Lei Maria da Penha que, em 2006, criou mecanismos
para coibir a violência doméstica contra a mulher. Em 2004 o número de mulheres que
obtêm título de doutorado supera o número de homens a obter esses títulos.
A bancada feminina na Câmara dos Deputados se estabelece em torno da
porcentagem de pouco menos de 10%1, em comparação ao número de deputados.
Com relação aos cargos políticos, a Lei n° 12.034/2009 define a cota mínima de 30%
e a máxima de 70% das candidaturas para cada um dos sexos. Recentemente, nas
eleições de 2010, a primeira mulher passou a ocupar o cargo de presidente do Brasil.
Para saber mais acesse: http://www2.camara.leg.br/agencia/noticias/POLITICA/150679PROJECOES-ERRAM-E-BANCADA-FEMININA-NA-CAMARA-DIMINUI.html.

1

74

Alzira Soriano, primeira mulher a ser eleita prefeita. Lajes/
RN, 1928.

Fonte: IBGE

Fonte: Prefeitura de Lajes

Fonte: acervo do Museu do TSE

Celina Guimarães, primeira mulher a alistar-se para as eleições
de 1928, no Rio Grande do Norte.

Carlota Queiroz, primeira mulher
eleita deputada federal, 1934.

(A) Constituição política de Santos: "No ano de 1894, foi promulgada a
`Constituição política' da cidade de Santos. Entre as normas legais estava o artigo 42,
que concedia a `capacidade política aos maiores de 21 anos e as mulheres sui juris,
que exercessem profissão honesta, sabendo ler e escrever e residindo no município
há mais de um ano, o direito de voto'. Não concordando com esse diploma legal,
um grupo de cidadãos entrou com recurso no Congresso Legislativo de São Paulo,
tornando-se o Projeto n° 120, de 1895, que solicitava a anulação de alguns artigos,
entre eles o artigo 42. O relator acatou a solicitação, mas o deputado Eugênio Égas
foi mais `pratico': apresentou um projeto de resolução com apenas dois artigos, o
primeiro declarava nula a `Constituição santista' e o segundo artigo revogava as
disposições em contrário...".

República

Informações adicionais

75

Referências
Sítios eletrônicos
http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=355100
http://www.tse.jus.br/jurisprudencia/julgados-historicos/assembleiaconstituinte-1946
http://www.tse.jus.br/institucional/museu-do-voto/historia-e-memoria
http://seculoxx.ibge.gov.br/images/seculoxx/arquivos_download/populacao/1981/
populacao_m_1981aeb_037.xls
http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores
http://www.senado.gov.br/legislacao/BasesHist/
http://www.tse.jus.br/eleitor/glossario
http://jus.com.br/artigos/1503/evolucao-historico-sociologica-dos-partidos-politicosno-brasil-imperial
http://www.al.sp.gov.br/documentacao/eleicoes/mulher-voto/
http://www.cgee.org.br/atividades/redirect.php?idProduto=6401
http://www2.camara.leg.br/agencia/noticias/POLITICA/150679-PROJECOES-ERRAM-EBANCADA-FEMININA-NA-CAMARA-DIMINUI.html

77

Livros e artigos
BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Títulos eleitorais: 1881-2008. Brasília: Tribunal
Superior Eleitoral, Secretaria de Gestão da Informação, 2009.
CAMARÃO, Paulo César Bhering. O voto informatizado: modernização da Justiça Eleitoral
brasileira. São Paulo: Empresa das Artes, 1997.
CANÊDO, Letícia Bicalho. Aprendendo a votar. In: PINSKY, Jaime e PINSKY, Carla
Bassanezi (orgs.) História da Cidadania. São Paulo: Contexto, 2008.
CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2007.
__________ . A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro das Sombras: a
política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Doutores 2010: estudos da demografia da
base técnico- científica brasileira. Brasília: CGEE, 2010.
CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. São Paulo: Companhia das Letras,
2003.
CHAMPAGNE, Patrick. Voto familiarista e voto familiar: contribuição para o estudo
do processo de individualização das mulheres na primeira metade do século XIX.
In: CANÊDO, Letícia Bicalho (org.). O sufrágio universal e a invenção democrática. São
Paulo: Estação da Liberdade, 2005.
FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.
GOMES, Angela de Castro; ABREU, Martha. A nova "Velha" República: um pouco de
história e historiografia. Revista Tempo, n. 26, janeiro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2012.
JOBIM, Nelson; PORTO, Walter Costa (orgs). Legislação eleitoral no Brasil: do século XVI
a nossos dias. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Biblioteca, 1996.

79

Tribunal Superior Eleitoral

PORTO, Walter Costa. O voto no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2002.
ROURE, Agenor de. A mulher e o voto em 1891. In: A cidadania e o voto no Brasil II ­ O
voto. Org. Walter Costa Porto.
SOARES, Carlos Dalmiro da Silva. Evolução histórico-sociológica dos partidos políticos no
Brasil Imperial. Jus Navigandi, Teresina, ano 3, n. 26, 1 set. 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2012.
SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Castelo à Tancredo: 1964-1985. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 2004.

80

ANEXOS

Anexos
Urnas
Durante muito tempo não houve normatização a respeito do modelo de urna
a ser utilizado nas eleições. Por isso, tipos diversos conviveram no mesmo período.
Sabemos, contudo, que os modelos de madeira e de metal antecederam o de lona
para, por fim, chegar à urna eletrônica. Por essa razão, optamos por apresentar as urnas

Urna eleitoral de madeira utilizada no ano de 1893, na
comarca de Itápolis/SP.

Urnas

Fonte: Museu da República

Papeleira originalmente pertencente à Família Imperial. Foi usada
como urna na primeira eleição republicana em 25 de fevereiro de
1891.

Fonte: acervo do Museu do TSE

em seus diversos modelos, ao invés de dispô-las cronologicamente.

83

Fonte: Museu da República

Urna eleitoral de ferro datada da década de 1930. Note-se que a
urna era numerada para facilitar a apuração.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Urna eleitoral de madeira datada do início do século XX.
Possui abertura superior para se depositar a cédula e
fechadura com duas chaves em metal.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

84

A urna de lona foi pensada para substituir a de metal e a de madeira
por ser feita em material mais leve, o que facilitava a fabricação e o
transporte.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Até se chegar ao modelo de urna atual, muitas tentativas foram feitas. Alguns tribunais regionais eleitorais
apresentaram modelos a serem estudados a fim de se
alcançar a melhor solução. Em 1989, no município de
Brusque, Santa Catarina, foi a primeira vez em que os
eleitores puderam votar por meio de um computador.
Em 1995, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais
apresentou protótipos como possível solução para a informatização do voto. Mais tarde, em 1996, foi apresentado, no TSE, o modelo da urna eletrônica atual.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Primeiro modelo de urna eletrônica a ser utilizado nas
eleições municipais de 1996. Possui tela de LCD, bateria
interna e teclado em membrana.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Modelo de urna utilizado nas eleições gerais de 1998.
Aperfeiçoada em alguns detalhes, uma grande mudança foi o teclado, que é constituído de botões para facilitar a votação.

Urnas

Fonte: acervo do Museu do TSE

Concebida em 1958 por Sócrates Ricardo Puntel, a máquina de votar funcionava por meio de teclas e duas réguas,
que indicavam os cargos a serem preenchidos à época.
Por ser de utilização complicada, jamais foi adotada pela
Justiça Eleitoral.

85

Fonte: acervo do Museu do TSE
Fonte: acervo do Museu do TSE

Modelo de urna eleitoral ­ com Módulo de Impressor
Externo (MIE) ­ utilizado nas eleições de 2002. O MIE foi
uma experiência da Justiça Eleitoral em imprimir os votos
dados, de forma a não permitir a identificação do eleitor,
para que fosse conferido o registro eletrônico com a contagem dos impressos. A intenção era verificar a confiabilidade da urna eletrônica. O resultado foi considerado positivo e o MIE foi abandonado nos modelos subsequentes.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Modelo de urna eletrônica de 2004, sem o
Módulo de Impressor Externo (MIE). Possui
alterações nos recursos tecnológicos com relação aos modelos anteriores.

Modelo de urna eletrônica de 2006. A grande
novidade é o leitor biométrico, que permite
a identificação do eleitor por meio de sua digital. Foi utilizado em alguns municípios nas
eleições de 2008 e 2010.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Modelo de urna eletrônica utilizada nas eleições de
2000. Possui sistema de áudio, que permite uso de fones
de ouvido por aqueles que necessitem. Também tornou
possível o recebimento da justificativa eleitoral na própria urna.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

86

O transporte das urnas pelo território nacional não é isento de acidentes. Na foto, urnas
provenientes de um princípio de incêndio em
São Bernardo do Campo, em São Paulo, na
174a Zona Eleitoral.

Títulos
Desde o Império até 2011, já tivemos nove modelos de títulos eleitorais. Durante
o período colonial e imperial, a identificação do eleitor já foi feita por padres, pelas
próprias mesas eleitorais e até por juízes. A partir de 1881, a legislação instituiu
novo método de identificar o eleitor: o título eleitoral. O título, desde então, traz as
informações necessárias à verificação dos requisitos que, em cada período, autorizam
alguém a ser eleitor.
Aqui você poderá conhecer todos os modelos já utilizados no Brasil, de 1881

1° título de eleitor, criado pelas determinações da Lei Saraiva em 1881.

Títulos

Fonte: acervo do Museu do TSE

Fonte: acervo do Museu do TSE

até o modelo atual, criado em 1986.

2° título eleitoral, regulamentado pelo Decreto no 200-A, o chamado regulamento
Lobo, em 1890.

87

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: acervo do Museu do TSE

3° título eleitoral, regulamentado pela Lei Rosa e Silva, em
1904.

4° título eleitoral, regulamentado pela Lei n° 3.139, em
1916.

88

Títulos

Fonte: acervo do Museu do TSE

Fonte: acervo do Museu do TSE

5° título eleitoral, regulamentado pelo Decreto n° 21.076, em 1932.

6° título eleitoral, regulamentado pelo Decreto n° 7.586,
em 1945.

89

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: acervo do Museu do TSE

7° título eleitoral, regulamentado pela Resolução n° 4.357,
em 1951.

8° título eleitoral, regulamentado pela Lei n° 2.550, em 1957.

90

Fonte: acervo do Museu do TSE

Títulos

9° Título Eleitoral, regulamentado pela Lei n° 7.444, em 1986.

91

Cédulas
Cédula é o documento no qual o eleitor registra sua opção no ato de votar. O
registro do voto nem sempre se deu da mesma forma. Houve época em que as cédulas
como conhecemos hoje não existiam, o voto tinha de ser cantado e transcrito por
escrivães ou dado por meio de listas manuscritas e depositadas nas urnas. Também
os santinhos já fizeram o papel de cédula, uma vez que não existia uma padronização
do modelo. A partir de meados da década de 1950, a Justiça Eleitoral instituiu a cédula
única de votação, adotada em todo o território nacional. Recentemente, o registro foi
parar dentro da urna eletrônica, permanecendo a cédula física no caso de o eleitor
não conseguir votar eletronicamente.

para a votação de eleitores cegos da década de 1950 e, posteriormente, cédulas da

Fonte: acervo do Museu do TSE

década de 1980 e 1990.

Cédulas

Nesta seção, você encontrará cédulas das eleições de 1945; modelos em braile

Cédula eleitoral para as eleições da Câmara dos Deputados,
de 2 de dezembro de 1945, com os candidatos: Getúlio Dorneles Vargas e Jeová Alvares da Silva.

93

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral provavelmente para as eleições da Câmara
dos Deputados, de 2 de dezembro de 1945, com o candidato
Gustavo Capanema.

Cédula eleitoral para as Eleições 1945 ­ candidato a presidente da
República: Eurico Gaspar Dutra.

94

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédulas

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1990, para os cargos de governador, deputado
federal e distrital.

Primeira cédula oficial única de votação para presidente e vice-presidente
(1955).

95

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1989, para o cargo
de presidente da República no primeiro turno.

96

Cédulas

Fonte: acervo do Museu do TSE
Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1988, para os cargos de prefeito e vereadores
da cidade de São Paulo.

Guia em braile para preenchimento de cédula, provavelmente do final da década de 1950.

97

Fonte: acervo do Museu do TSE

Tribunal Superior Eleitoral

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1994, para os cargos de presidente da República, governador do Distrito Federal e senador.

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1990, para o cargo de governador do Estado
de Rondônia, disputado por Valdir Raupp e Piana.

98

Fonte: acervo do Museu do TSE

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 2002, para os
cargos de deputado federal e distrital.

Cédulas

Cédula eleitoral, usada nas eleições de 1994, para
o cargo de governador do Distrito Federal, no segundo turno, disputado entre Cristóvam Buarque e
Valmir Campelo.

Fonte: acervo do Museu do TSE

Cédula eleitoral, usada no segundo turno das eleições de 1989, para o cargo de presidente da República, disputado entre Collor e Lula.

99

Esta obra foi composta na fonte de texto Myriad Pro Light SemiCondensed,
corpo 10,5, entrelinhas de 16,6 pontos, em papel Couché Fosco 115g/m (miolo) e
papel Couché Fosco 250g/m (capa).