Exercícios de História do Brasil cobrados
no ENEM
1) (ENEM-2007) A identidade negra não surge da tomada de
consciência de uma diferença de pigmentação ou de uma
diferença biológica entre populações negras e brancas e(ou)
negras e amarelas. Ela resulta de um longo processo
histórico que começa com o descobrimento, no século XV,
do continente africano e de seus habitantes pelos
navegadores portugueses, descobrimento esse que abriu o
caminho às relações mercantilistas com a África, ao tráfico
negreiro, à escravidão e, enfim, à colonização do continente
africano e de seus povos.
K. Munanga. Algumas considerações sobre a diversidade e a identidade negra no
Brasil. In: Diversidade na educação: reflexões e
experiências. Brasília: SEMTEC/MEC, 2003, p. 37.

Com relação ao assunto tratado no texto acima, é correto
afirmar que
a) a colonização da África pelos europeus foi simultânea ao
descobrimento desse continente.
b) a existência de lucrativo comércio na África levou os
portugueses a desenvolverem esse continente.
c) o surgimento do tráfico negreiro foi posterior ao início
da escravidão no Brasil.
d) a exploração da África decorreu do movimento de
expansão européia do início da Idade Moderna.
e) a colonização da África antecedeu as relações comerciais
entre esse continente e a Europa.

2) (ENEM-2006) A moderna democracia brasileira foi
construída entre saltos e sobressaltos. Em 1954, a crise
culminou no suicídio do presidente Vargas. No ano
seguinte, outra crise quase impediu a posse do presidente
eleito, Juscelino Kubitschek. Em 1961, o Brasil quase
chegou a guerra civil depois da inesperada renuncia do
presidente Jânio Quadros. Três anos mais tarde, um golpe
militar depôs o presidente João Goulart, e o pais viveu
durante vinte anos em regime autoritário.
A partir dessas informações, relativas a historia republicana
brasileira, assinale a opção correta.
a) Ao termino do governo João Goulart, Juscelino
Kubitschek foi eleito presidente da Republica.
b) A renuncia de Jânio Quadros representou a primeira
grande crise do regime republicano brasileiro.
c) Apos duas décadas de governos militares, Getulio
Vargas foi eleito presidente em eleições diretas.
d) A trágica morte de Vargas determinou o fim da carreira
política de João Goulart.
e) No período republicano citado, sucessivamente, um
presidente morreu, um teve sua posse contestada, um
renunciou e outro foi deposto.

3) (ENEM-2003) A primeira imagem abaixo (publicada no
século XVI) mostra um ritual antropofágico dos índios do
Brasil. A segunda mostra Tiradentes esquartejado por
ordem dos representantes da Coroa portuguesa.

A comparação entre as reproduções possibilita as seguintes
afirmações:
I. Os artistas registraram a antropofagia e o esquartejamento
praticados no Brasil.
II. A antropofagia era parte do universo cultural indígena e
o esquartejamento era uma forma de se
fazer justiça entre luso-brasileiros.
III. A comparação das imagens faz ver como é relativa a
diferença entre "bárbaros" e "civilizados", indígenas e
europeus.
Está correto o que se afirma em:
a) I apenas.
b) II apenas.
c) III apenas.
d) I e II apenas.
e) I, II e III.

1 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

4) (ENEM-2003) A seguir são apresentadas declarações de
duas personalidades da História do Brasil a respeito da
localização da capital do país, respectivamente um século e
uma década antes da proposta de construção de Brasília
como novo Distrito Federal.
Declaração I: José Bonifácio
Com a mudança da capital para o interior, fica a Corte
livre de qualquer assalto de surpresa externa, e se chama
para as províncias centrais o excesso de população vadia
das cidades marítimas. Desta Corte central dever-se-ão
logo abrir estradas para as diversas províncias e portos de
mar.
(Carlos de Meira Matos. Geopolítica e modernidade:
geopolítica brasileira.)
Declaração II: Eurico Gaspar Dutra
Na América do Sul, o Brasil possui uma grande área que se
pode chamar também de Terra Central. Do ponto de vista
da geopolítica sul-americana, sob a qual devemos encarar
a segurança do Estado brasileiro, o que precisamos fazer
quanto antes é realizar a ocupação da nossa Terra Central,
mediante a interiorização da Capital.
(Adaptado de José W. Vesentini. A Capital da geopolítica.)
Considerando o contexto histórico que envolve as duas
declarações e comparando as idéias nelas contidas,
podemos dizer que
a) ambas limitam as vantagens estratégicas da definição de
uma nova capital a questões econômicas.
b) apenas a segunda considera a mudança da capital
importante do ponto de vista da estratégia militar.
c) ambas consideram militar e economicamente importante
a localização da capital no interior do país.
d) apenas a segunda considera a mudança da capital uma
estratégia importante para a economia do país.
e) nenhuma delas acredita na possibilidade real de
desenvolver a região central do país a partir da mudança da
capital.

5) (ENEM-2007) Após a Independência, integramo-nos
como exportadores de produtos primários à divisão
internacional do trabalho, estruturada ao redor da GrãBretanha. O Brasil especializou-se na produção, com braço
escravo importado da África, de plantas tropicais para a
Europa e a América do Norte. Isso atrasou o
desenvolvimento de nossa economia por pelo menos uns
oitenta anos. Éramos um país essencialmente agrícola e
tecnicamente atrasado por depender de produtores cativos.
Não se poderia confiar a trabalhadores forçados outros
instrumentos de produção que os mais toscos e baratos. O
atraso econômico forçou o Brasil a se voltar para fora. Era
do exterior que vinham os bens de consumo que
fundamentavam um padrão de vida "civilizado", marca que
distinguia as classes cultas e "naturalmente" dominantes do
povaréu primitivo e miserável. (...) E de fora vinham
também os capitais que permitiam iniciar a construção de

uma infraestrutura de serviços urbanos, de energia,
transportes e comunicações.
Paul Singer. Evolução da economia e vinculação internacional.
In: I. Sachs; J. Willheim; P. S. Pinheiro (Orgs.). Brasil: um século de
transformações. São Paulo: Cia. das Letras, 2001, p. 80.

Levando-se em consideração as afirmações acima, relativas
à estrutura econômica do Brasil por ocasião da
independência política (1822), é correto afirmar que o país
a) se industrializou rapidamente devido ao
desenvolvimento alcançado no período colonial.
b) extinguiu a produção colonial baseada na escravidão e
fundamentou a produção no trabalho livre.
c) se tornou dependente da economia européia por realizar
tardiamente sua industrialização em relação a outros países.
d) se tornou dependente do capital estrangeiro, que foi
introduzido no país sem trazer ganhos para a infraestrutura
de serviços urbanos.
e) teve sua industrialização estimulada pela Grã-Bretanha,
que investiu capitais em vários setores produtivos.

6) (ENEM-2004) Cândido Portinari (1903-1962), em seu
livro Retalhos de Minha Vida de Infância, descreve os pés
dos trabalhadores.
Pés disformes. Pés que podem contar uma história.
Confundiam-se com as pedras e os espinhos. Pés
semelhantes aos mapas: com montes e vales, vincos como
rios. (...) Pés sofridos com muitos e muitos quilômetros de
marcha. Pés que só os santos têm. Sobre a terra, difícil era
distingui-los. Agarrados ao solo, eram como alicerces,
muitas vezes suportavam apenas um corpo franzino e
doente.
(Cândido Portinari, Retrospectiva, Catálogo MASP)
As fantasias sobre o Novo Mundo, a diversidade da
natureza e do homem americano e a crítica social foram
temas que inspiraram muitos artistas ao longo de nossa
História. Dentre estas imagens, a que melhor caracteriza a
crítica social contida no texto de Portinari é
a)

b)

c)

2 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

d)

(A)
Regionalismo (caráter da literatura que se baseia
em costumes e tradições regionais).
(B)
Intolerância (não-admissão de opiniões diversas
das suas em questões sociais, políticas ou religiosas).
(C)
Exotismo (caráter ou qualidade daquilo que não é
indígena; estrangeiro; excêntrico, extravagante).
(D)
Racismo (doutrina que sustenta a superioridade de
certas raças sobre outras).
(E)
Sincretismo (fusão de elementos culturais diversos,
ou de culturas distintas ou de diferentes sistemas sociais).
8) (ENEM-2007)

e)

7) (ENEM-2002) Comer com as mãos era um hábito comum
na Europa, no século XVI. A técnica empregada pelo índio
no Brasil e por um português de Portugal era, aliás, a
mesma: apanhavam o alimento com três dedos da mão
direita (polegar, indicador e médio) e
atiravam-no para dentro da boca.
Um viajante europeu de nome Freireyss, de passagem pelo
Rio de Janeiro, já no século XIX, conta como "nas casas
das roças despejam-se simplesmente alguns pratos de
farinha sobre a mesa ou num balainho, donde cada um se
serve com os dedos, arremessando, com um movimento
rápido, a farinha na boca, sem que a mínima parcela caia
para fora". Outros viajantes oitocentistas, como John
Luccock, Carl Seidler, Tollenare e Maria Graham
descrevem esse hábito em todo o Brasil e entre todas as
classes sociais. Mas para Saint-Hilaire, os
brasileiros"lançam a [farinha de mandioca] à boca com
uma destreza adquirida, na origem, dos indígenas, e que ao
europeu muito custa imitar".

Considerando a linha do tempo acima e o processo de abolição
da escravatura no Brasil, assinale a opção correta.
a) O processo abolicionista foi rápido porque recebeu a adesão
de todas as correntes políticas do país.
b) O primeiro passo para a abolição da escravatura foi a
proibição do uso dos serviços das crianças nascidas em
cativeiro.
c) Antes que a compra de escravos no exterior fosse proibida,
decidiu-se pela libertação dos cativos mais velhos.
d) Assinada pela princesa Isabel, a Lei Áurea concluiu o
processo abolicionista, tornando ilegal a escravidão no Brasil.
e) Ao abolir o tráfico negreiro, a Lei Eusébio de Queirós
bloqueou a formulação de novas leis antiescravidão no Brasil.

9) (ENEM-2004) Constituição de 1824:
"Art. 98. O Poder Moderador é a chave de toda a
organização política, e é delegado privativamente ao
Imperador (...) para que incessantemente vele sobre a
manutenção da Independência, equilíbrio, e harmonia dos
demais poderes políticos (...) dissolvendo a Câmara dos
Deputados nos casos em que o exigir a salvação do
Estado."
Frei Caneca:
"O Poder Moderador da nova invenção maquiavélica é a
chave mestra da opressão da nação brasileira e o garrote
mais forte da liberdade dos povos. Por ele, o imperador
pode dissolver a Câmara dos Deputados, que é a
representante do povo, ficando sempre no gozo de seus
direitos o Senado, que é o representante dos apaniguados do
imperador."
(Voto sobre o juramento do projeto de Constituição)

Aluísio de Azevedo, em seu romance Girândola de amores
(1882), descreve com realismo os hábitos de uma senhora
abastada que só saboreava a moqueca de peixe "sem talher,
à mão".
Dentre as palavras listadas abaixo, assinale a que traduz o
elemento comum às descrições das práticas alimentares dos
brasileiros feitas pelos diferentes autores do século XIX
citados no texto.

Para Frei Caneca, o Poder Moderador definido pela
Constituição outorgada pelo Imperador em 1824 era
A) adequado ao funcionamento de uma monarquia
constitucional, pois os senadores eram escolhidos pelo
Imperador.
B) eficaz e responsável pela liberdade dos povos, porque
garantia a representação da sociedade nas duas esferas do
poder legislativo.

3 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

C) arbitrário, porque permitia ao Imperador dissolver a
Câmara dos Deputados, o poder representativo da
sociedade.
D) neutro e fraco, especialmente nos momentos de crise,
pois era incapaz de controlar os deputados representantes
da Nação.
E) capaz de responder às exigências políticas da nação, pois
supria as deficiências da representação política.

10) (ENEM-2004) Em conflitos regionais e na guerra entre
nações tem sido observada a ocorrência de seqüestros,
execuções sumárias, torturas e outras violações de direitos.
Em 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das
Nações Unidas adotou a Declaração Universal dos Direitos
do Homem,
que, em seu artigo 5º, afirma: Ninguém será submetido a
tortura nem a penas ou tratamentos cruéis, desumanos
ou degradantes.
Assim, entre nações que assinaram essa Declaração, é
coerente esperar que
A) a Constituição de cada país deva se sobrepor aos
Direitos Universais do Homem, apenas enquanto houver
conflito.
B) a soberania dos Estados esteja em conformidade com os
Direitos Universais do Homem, até mesmo em situações de
conflito.
C) a violação dos direitos humanos por uma nação autorize
a mesma violação pela nação adversária.
D) sejam estabelecidos limites de tolerância, para além dos
quais a violação aos direitos humanos seria permitida.
E) a autodefesa nacional legitime a supressão dos Direitos
Universais do Homem.

11) (ENEM-2007) Não só de aspectos físicos se constitui a
cultura de um povo. Há muito mais, contido nas tradições,
no folclore, nos saberes, nas línguas, nas festas e em
diversos outros aspectos e manifestações transmitidos oral
ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao
longo do tempo. A essa porção intangível da herança
cultural dos povos dá-se o nome de patrimônio cultural
imaterial.

b)

c)

d)

e)

Internet: .

Qual das figuras abaixo retrata patrimônio imaterial da
cultura de um povo?
a)
Figuras extraídas da Internet.

12) (ENEM-2006) No inicio do século XIX, o naturalista
alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em missão
cientifica para fazer observações sobre a flora e a fauna
nativas e sobre a sociedade indígena. Referindo-se ao
indígena, ele afirmou:
"Permanecendo em grau inferior da humanidade,
moralmente, ainda na infância, a civilização não o altera,

4 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um
nobre desenvolvimento progressivo (...). Esse estranho e
inexplicável estado do indígena americano, ate o presente,
tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo
inteiramente com a Europa vencedora e torná-lo um
cidadão satisfeito e feliz."

14) (ENEM-2003) O mapa abaixo apresenta parte do
contorno da América do Sul destacando a bacia amazônica.
Os pontos assinalados representam fortificações militares
instaladas no século XVIII pelos portugueses. A linha
indica o Tratado de Tordesilhas revogado pelo Tratado de
Madri, apenas em 1750.

Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones
do Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/EDUSP, 1982.

Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von
Martius
a) apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando
que os índios, diferentemente do que fazia a missão
européia, respeitavam a flora e a fauna do pais.
b) discriminava preconceituosamente as populações
originarias da América e advogava o extermínio dos índios.
c) defendia uma posição progressista para o século XIX: a
de tornar o indígena cidadão satisfeito e feliz.
d) procurava impedir o processo de aculturação, ao
descrever cientificamente a cultura das populações
originarias da América.
e) desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das
sociedades indígenas e reforçava a missão
"civilizadora européia", típica do século XIX.

13) (ENEM-2006) No principio do século XVII, era bem
insignificante e quase miserável a Vila de São Paulo. João
de Laet davalhe 200 habitantes, entre portugueses e
mestiços, em 100
casas; a Câmara, em 1606, informava que eram 190 os
moradores, dos quais 65 andavam homiziados*.

Pode-se afirmar que a construção dos fortes pelos
portugueses visava, principalmente, dominar
a) militarmente a bacia hidrográfica do Amazonas.
b) economicamente as grandes rotas comerciais.
c) as fronteiras entre nações indígenas.
d) o escoamento da produção agrícola.
e) o potencial de pesca da região.

*homiziados: escondidos da justiça
Nelson Werneck Sodré. Formação histórica
do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1964.

Na época da invasão holandesa, Olinda era a capital e a
cidade mais rica de Pernambuco. Cerca de 10% da
população, calculada em aproximadamente 2.000 pessoas,
dedicavam-se ao comercio, com o qual muita gente fazia
fortuna. Cronistas da época afirmavam que os habitantes
ricos de Olinda viviam no maior luxo.
Hildegard Féist. Pequena história do Brasil holandês.
São Paulo: Moderna, 1998 (com adaptações).

Os textos acima retratam, respectivamente, São Paulo e
Olinda no inicio do século XVII, quando Olinda era maior e
mais rica. São Paulo e, atualmente, a maior metrópole
brasileira e uma das maiores do planeta. Essa mudança
deveu-se, essencialmente, ao seguinte fator econômico:
a) maior desenvolvimento do cultivo da cana-de-açúcar no
planalto de Piratininga do que na Zona da Mata Nordestina.
b) atraso no desenvolvimento econômico da região de
Olinda e Recife, associado à escravidão, inexistente em São
Paulo.
c) avanço da construção naval em São Paulo, favorecido
pelo comercio dessa cidade com as Índias.
d) desenvolvimento sucessivo da economia mineradora,
cafeicultora e industrial no Sudeste.
e) destruição do sistema produtivo de algodão em
Pernambuco quando da ocupação holandesa.

15) (ENEM-2004) O movimento hip-hop é tão urbano
quanto as grandes construções de concreto e as estações de
metrô, e cada dia se torna mais presente nas grandes
metrópoles mundiais. Nasceu na periferia dos bairros
pobres de Nova Iorque. É formado por três elementos: a
música (o rap), as artes plásticas (o grafite) e a dança (o
break). No hip-hop os jovens usam as expressões artísticas
como uma forma de resistência política. Enraizado nas
camadas populares urbanas, o hip-hop afirmou-se no Brasil
e no mundo com um discurso político a favor dos
excluídos, sobretudo dos negros. Apesar de ser um
movimento originário das periferias norte-americanas, não
encontrou barreiras no Brasil, onde se instalou com certa
naturalidade -- o que, no entanto, não significa que o hiphop brasileiro não tenha sofrido influências locais. O
movimento no Brasil é híbrido: rap com um pouco de
samba, break parecido com capoeira e grafite de cores
muito vivas.
(Adaptado de Ciência e Cultura, 2004)

De acordo com o texto, o hip-hop é uma manifestação
artística tipicamente urbana, que tem como principais
características
A) a ênfase nas artes visuais e a defesa do caráter
nacionalista.
B) a alienação política e a preocupação com o conflito de
gerações.

5 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

C) a afirmação dos socialmente excluídos e a combinação
de linguagens.
D) a integração de diferentes classes sociais e a exaltação
do progresso.
E) a valorização da natureza e o compromisso com os
ideais norte-americanos.

16) (ENEM-2000) O texto abaixo foi extraído de uma
crônica de Machado de Assis e refere-se ao trabalho de um
escravo.
"Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco
anos, João repicava e dobrava,
dobrava e repicava pelos mortos e pelas vitórias. Quando
se decretou o ventre livre
dos escravos, João é que repicou. Quando se fez a abolição
completa, quem repicou
foi João. Um dia proclamou-se a República. João repicou
por ela, repicaria pelo
Império, se o Império retornasse."
(MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo
João, 1897)
A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:
a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas, quando
ocorriam fatos ligados à Abolição.
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Império, visto
que era escravo.
c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos
abolicionistas que vieram libertá-lo.
d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes porque
era costume fazê-lo.
e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemorando a
volta da Princesa Isabel.

17) (ENEM-2006) Os textos a seguir foram extraídos de
duas crônicas publicadas no ano em que a seleção brasileira
conquistou o tricampeonato mundial de futebol.
O General Médici falou em consistência moral. Sem isso,
talvez a vitória nos escapasse, pois a disciplina consciente,
livremente aceita, e vital na preparação espartana para o
rude teste do campeonato. Os brasileiros portaram-se não
apenas como técnicos ou profissionais, mas como
brasileiros, como cidadãos deste grande pais, cônscios de
seu papel de representantes de seu povo. Foi a própria
afirmação do valor do homem brasileiro, como salientou
bem o presidente da Republica.
Que o chefe do governo aproveite essa pausa, esse minuto
de euforia e de efusão patriótica, para meditar sobre a
situação do pais. (...) A realidade do Brasil e a explosão
patriótica do povo ante a vitória na Copa.
Danton Jobim. Última Hora, 23/6/1970 (com adaptações).

O que explodiu mesmo foi a alma, foi a paixão do povo:
uma explosão incomparável de alegria, de entusiasmo, de
orgulho.
(...) Debruçado em minha varanda de Ipanema, [um velho
amigo] perguntava: -- Será que algum terrorista se
aproveitou do delírio coletivo para adiantar um plano seu

qualquer, agindo com frieza e precisão? Será que, de outro
lado, algum carrasco policial teve animo para voltar a
torturar sua vitima logo que o alemão apitou o fim do jogo?
Rubem Braga. Última Hora, 25/6/1970 (com adaptações).

Avalie as seguintes afirmações a respeito dos dois textos e
do período histórico em que foram escritos.
I Para os dois autores, a conquista do tricampeonato
mundial de futebol provocou uma explosão de alegria
popular.
II Os dois textos salientam o momento político que o pais
atravessavam ao mesmo tempo em que conquistava o
tricampeonato.
III A época da conquista do tricampeonato mundial de
futebol, o Brasil vivia sob regime militar, que, embora
politicamente autoritário, não chegou a fazer uso de
métodos violentos contra seus opositores.
E correto apenas o que se afirma em
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

18) (ENEM-2000) Os textos abaixo relacionam-se a
momentos distintos da nossa história.
"A integração regional é um instrumento fundamental para
que um número cada vez maior de países possa melhorar a
sua inserção num mundo globalizado, já que eleva o seu
nível de competitividade, aumenta as trocas comerciais,
permite o aumento da produtividade, cria condições para
um maior crescimento econômico e favorece o
aprofundamento dos processos democráticos.
A integração regional e a globalização surgem assim como
processos complementares e vantajosos."
(Declaração de Porto, VIII Cimeira Ibero-Americana,
Porto, Portugal, 17 e 18 de outubro de 1998)
"Um considerável número de mercadorias passou a ser
produzido no Brasil, substituindo o que não era possível ou
era muito caro importar. Foi assim que a crise econômica
mundial e o encarecimento das importações levaram o
governo Vargas a criar as bases para o crescimento
industrial brasileiro."
(POMAR, Wladimir. Era Vargas ­ a modernização
conservadora)
É correto afirmar que as políticas econômicas mencionadas
nos textos são:
a) opostas, pois, no primeiro texto, o centro das
preocupações são as exportações e, no segundo,
as importações.
b) semelhantes, uma vez que ambos demonstram uma
tendência protecionista.
c) diferentes, porque, para o primeiro texto, a questão
central é a integração regional e, para o
segundo, a política de substituição de importações.

6 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

d) semelhantes, porque consideram a integração regional
necessária ao desenvolvimento econômico.
e) opostas, pois, para o primeiro texto, a globalização
impede o aprofundamento democrático
e, para o segundo, a globalização é geradora da crise
econômica.

19) (ENEM-2001) Os textos referem-se à integração do
índio à chamada civilização brasileira.
I ­ "Mais uma vez, nós, os povos indígenas, somos vítimas
de um pensamento que separa e que tenta nos eliminar
cultural, social e até fisicamente. A justificativa é a de que
somos apenas 250 mil pessoas e o Brasil não pode suportar
esse ônus.(...) É preciso congelar essas idéias
colonizadoras, porque elas são irreais e hipócritas e
também genocidas.(...) Nós, índios, queremos
falar, mas queremos ser escutados na nossa língua, nos
nossos costumes."
Marcos Terena, presidente do Comitê Intertribal
Articulador dos Direitos Indígenas na ONU e fundador das
Nações Indígenas, Folha de S. Paulo, 31 de agosto de 1994.
II ­ "O Brasil não terá índios no final do século XXI (...) E
por que isso? Pela razão muito simples que consiste no fato
de o índio brasileiro não ser distinto das demais
comunidades primitivas que existiram no mundo. A história
não é outra coisa senão um processo civilizatório, que
conduz o homem, por conta própria ou por difusão da
cultura, a passar do paleolítico ao neolítico e do neolítico a
um estágio civilizatório."
Hélio Jaguaribe, cientista político, Folha de S. Paulo, 2 de
setembro de 1994.
Pode-se afirmar, segundo os textos, que
a) tanto Terena quanto Jaguaribe propõem idéias
inadequadas, pois o primeiro deseja a aculturação feita pela
"civilização branca", e o segundo, o confinamento de
tribos.
b) Terena quer transformar o Brasil numa terra só de índios,
pois pretende mudar até mesmo a língua do país, enquanto
a idéia de Jaguaribe é anticonstitucional, pois fere o direito
à identidade cultural dos índios.
c) Terena compreende que a melhor solução é que os
brancos aprendam a língua tupi para entender melhor o que
dizem os índios. Jaguaribe é de opinião que, até o final do
século XXI, seja feita uma limpeza étnica no Brasil.
d) Terena defende que a sociedade brasileira deve respeitar
a cultura dos índios e Jaguaribe acredita na inevitabilidade
do processo de aculturação dos índios e de sua incorporação
à sociedade brasileira.
e) Terena propõe que a integração indígena deve ser lenta,
gradativa e progressiva, e Jaguaribe propõe que essa
integração resulte de decisão autônoma das comunidades
indígenas.

20) (ENEM-2007) São Paulo, 18 de agosto de 1929.
Carlos [Drummond de Andrade],
Achei graça e gozei com o seu entusiasmo pela candidatura
Getúlio Vargas ­ João Pessoa. É. Mas veja como estamos...
trocados. Esse entusiasmo devia ser meu e sou eu que
conservo o ceticismo que deveria ser de você. (...).
Eu... eu contemplo numa torcida apenas simpática a
candidatura Getúlio Vargas, que antes desejara tanto. Mas
pra mim, presentemente, essa candidatura (única aceitável,
está claro) fica manchada por essas pazes fragílimas de
governistas mineiros, gaúchos, paraibanos (...), com
democráticos paulistas (que pararam de atacar o Bernardes)
e oposicionistas cariocas e gaúchos. Tudo isso não me
entristece.
Continuo reconhecendo a existência de males necessários,
porém me afasta do meu país e da candidatura Getúlio
Vargas. Repito: única aceitável.
Mário [de Andrade]
Renato Lemos. Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais. Rio
de Janeiro: Bom Texto, 2004, p. 305.

Acerca da crise política ocorrida em fins da Primeira
República, a carta do paulista Mário de Andrade ao mineiro
Carlos Drummond de Andrade revela
a) a simpatia de Drummond pela candidatura Vargas e o
desencanto de Mário de Andrade com as composições
políticas sustentadas por Vargas.
b) a veneração de Drummond e Mário de Andrade ao
gaúcho Getúlio Vargas, que se aliou à oligarquia cafeeira
de São Paulo.
c) a concordância entre Mário de Andrade e Drummond
quanto ao caráter inovador de Vargas, que fez uma ampla
aliança para derrotar a oligarquia mineira.
d) a discordância entre Mário de Andrade e Drummond
sobre a importância da aliança entre Vargas e o paulista
Júlio Prestes nas eleições presidenciais.
e) o otimismo de Mário de Andrade em relação a Getúlio
Vargas, que se recusara a fazer alianças políticas para
vencer as eleições.

21) (ENEM-2007) Sobre a exposição de Anita Malfatti, em
1917, que muito influenciaria a Semana de Arte Moderna,
Monteiro Lobato escreveu, em artigo intitulado Paranóia
ou Mistificação:
Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que vêem
as coisas e em conseqüência fazem arte pura, guardados os
eternos ritmos da vida, e adotados, para a concretização das
emoções estéticas, os processos clássicos dos grandes
mestres. (...) A outra espécie é formada dos que vêem
anormalmente a natureza e a interpretam à luz das teorias
efêmeras, sob a sugestão estrábica das escolas rebeldes,
surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. (...).
Estas considerações são provocadas pela exposição da sra.
Malfatti, onde se notam acentuadíssimas tendências para
uma atitude estética forçada no sentido das extravagâncias
de Picasso & cia.
O Diário de São Paulo, dez./1917.

Em qual das obras abaixo identifica-se o estilo de Anita
Malfatti criticado por Monteiro Lobato no artigo?

7 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

a)

22) (ENEM-2007)

b)

c)

d)

e)

Um dia, os imigrantes aglomerados na amurada da proa
chegavam à fedentina quente de um porto, num silêncio de
mato e de febre amarela. Santos. - É aqui! Buenos Aires é
aqui! - Tinham trocado o rótulo das bagagens, desciam em
fila.
Faziam suas necessidades nos trens dos animais onde iam.
Jogavam-nos num pavilhão comum em São Paulo. - Buenos
Aires é aqui! - Amontoados com trouxas, sanfonas e baús,
num carro de bois, que pretos guiavam através do mato por
estradas esburacadas, chegavam uma tarde nas senzalas
donde acabava de sair o braço escravo. Formavam
militarmente nas madrugadas do terreiro homens e
mulheres, ante feitores de espingarda ao ombro.
Oswald de Andrade. Marco Zero II - Chão. Rio de Janeiro:
Globo, 1991.
Levando-se em consideração o texto de Oswald de Andrade
e a pintura de Antonio Rocco reproduzida acima, relativos à
imigração européia para o Brasil, é correto afirmar que
a) a visão da imigração presente na pintura é trágica e, no
texto, otimista.
b) a pintura confirma a visão do texto quanto à imigração
de argentinos para o Brasil.

8 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

c) os dois autores retratam dificuldades dos imigrantes na
chegada ao Brasil.
d) Antonio Rocco retrata de forma otimista a imigração,
destacando o pioneirismo do imigrante.
e) Oswald de Andrade mostra que a condição de vida do
imigrante era melhor que a dos exescravos.
23) (ENEM-2005) Zuenir Ventura, em seu livro "Minhas
memórias dos outros" (São Paulo: Planeta do Brasil, 2005),
referindo-se ao fim da "Era Vargas" e ao suicídio do
presidente em 1954, comenta:
Quase como castigo do destino, dois anos depois eu
iria trabalhar no jornal de Carlos Lacerda, o inimigo
mortal de Vargas (e nunca esse adjetivo foi tão
próprio).
Diante daquele contexto histórico, muitos estudiosos
acreditam que, com o suicídio, Getúlio Vargas atingiu não
apenas a si mesmo, mas o coração de seus aliados e a mente
de seus inimigos.
A afirmação que aparece "entre parênteses" no comentário
e uma conseqüência política que atingiu os inimigos de
Vargas aparecem, respectivamente, em:
A) a conspiração envolvendo o jornalista Carlos Lacerda é
um dos elementos do desfecho trágico e o recuo da ação de
políticos conservadores devido ao impacto da reação
popular.
B) a tentativa de assassinato sofrida pelo jornalista Carlos
Lacerda por apoiar os assessores do presidente que
discordavam de suas idéias e o avanço dos conservadores
foi intensificado pela ação dos militares.
C) o presidente sentiu-se impotente para atender a seus
inimigos, como Carlos Lacerda, que o pressionavam contra
a ditadura e os aliados do presidente teriam que aguardar
mais uma década para concretizar a democracia
progressista.
D) o jornalista Carlos Lacerda foi responsável direto pela
morte do presidente e este fato veio impedir
definitivamente a ação de grupos conservadores.
E) o presidente cometeu o suicído para garantir uma
definitiva e dramática vitória contra seus acusadores e
oferecendo a própria vida Vargas facilitou as estratégias de
regimes autoritários no país.

a) a conspiração envolvendo o jornalista Carlos Lacerda é
um dos elementos do desfecho trágico e o recuo da ação de
políticos conservadores devido ao impacto da reação
popular.
b) a tentativa de assassinato sofrida pelo jornalista Carlos
Lacerda por apoiar os assessores do presidente que
discordavam de suas idéias e o avanço dos conservadores
foi intensificado pela ação dos militares.
c) o presidente sentiu-se impotente para atender a seus
inimigos, como Carlos Lacerda, que o pressionavam contra
a ditadura e os aliados do presidente teriam que aguardar
mais uma década para concretizar a democracia
progressista.
d) o jornalista Carlos Lacerda foi responsável direto pela
morte do presidente e este fato veio impedir
definitivamente a ação de grupos conservadores.
e) o presidente cometeu o suicído para garantir uma
definitiva e dramática vitória contra seus acusadores e
oferecendo a própria vida Vargas facilitou as estratégias de
regimes autoritários no país.

24) (ENEM-2005) Zuenir Ventura, em seu livro "Minhas
memórias dos outros" (São Paulo: Planeta do Brasil, 2005),
referindo-se ao fim da "Era Vargas" e ao suicídio do
presidente em 1954, comenta:
Quase como castigo do destino, dois anos depois eu
iria trabalhar no jornal de Carlos Lacerda, o inimigo
mortal de Vargas (e nunca esse adjetivo foi tão
próprio).
Diante daquele contexto histórico, muitos estudiosos
acreditam que, com o suicídio, Getúlio Vargas atingiu não
apenas a si mesmo, mas o coração de seus aliados e a mente
de seus inimigos.
A afirmação que aparece "entre parênteses" no comentário
e uma conseqüência política que atingiu os inimigos de
Vargas aparecem, respectivamente, em:

9 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br

Gabarito
1) Alternativa: D
2) Alternativa: E
3) Resposta: E
As afirmações I e III estão corretas. A afirmação II deve ser
igualmente considerada correta, tendo em vista os códigos
oferecidos à escolha dos candidatos. Entretanto, ela merece
duas ressalvas:
1) Muitas nações indígenas brasileiras não praticavam a
antropofagia - o que torna exagerada a expressão "universo
cultural indígena".
2) O esquartejamento só era praticado excepcionalmente,
para servir de exemplo e impressionar a população. A
"forma de se fazer justiça entre luso-brasileiros", nos casos
mais graves, consistia usualmente apenas na aplicação da
pena capital (execução do condenado).
4) Resposta: C
Tanto o ministro José Bonifácio como o presidente Eurico
Gaspar Dutra enfatizam a importância estratégica da
interiorização da capital; mas ambos também abordam os
benefícios econômicos daquela medida (de forma bastante
clara no texto de José Bonifácio e implicitamente nas
considerações de Dutra).
5) Alternativa: C
Questão de interpretação de texto. A alternativa correta C, é
a que sintetiza as palavras do texto no enunciado da
questão.
6) Resposta: E
7) Resposta: E
8) Alternativa: D
O processo de abolição da escravidão no Brasil, sofrendo
pressões da Inglaterra, foi um processo lento
(esquematizado na linha do tempo no enunciado na
questão) e marcado por leis inócuas até a assinatura da Lei
Áurea, que concluiu o processo em 1888.
9)
Resposta: C
10)
Resposta: B
11) Alternativa: C
O candidato deveria identificar entre as figuras retratadas,
aquela que não se refere a Cultural material (aquela que
possui elementos culturais concretos). Nesse caso, a figura
C (Bumba-meu-boi) é a única que não faz parte desse
grupo, se referindo à Cultura imaterial.
12) Alternativa: E
13) Alternativa: D
14) Resposta: A
A localização das fortificações assinaladas no mapa mostra
claramente que elas circundam a área da Bacia Amazônica
que os portugueses tencionavam controlar. Nesse contexto,
a posição das fortificações, situadas nos limites do território
em que se praticava a coleta das "drogas do sertão",
destinava-se a repelir possíveis ataques dos espanhóis ou
dos franceses (estes últimos na região do Amapá).

15)
Resposta: C
16)
Resposta: D
17) Alternativa: D
18)
Resposta: C
19)
Resposta: D
20) Alternativa: A
A carta de Mário de Andrade para Carlos Drummond de
Andrade refere-se a um momento político importante da
Republica Velha, a campanha eleitoral para presidente em
1930. Está campanha representou a dissolução da "política
do café com leite", já que São Paulo lançou a candidatura
de Júlio Prestes com apoio do Presidente Washington Luís,
enquanto Minas Gerais e outras oligarquias lançaram a de
Getulio Vargas. Mário de Andrade mostra a sua
preocupação de grupos de posições políticas inconstantes
em torno da candidatura de Vargas, diferente de
Drummond, que mesmo assim apostava na chapa como
sendo o melhor caminho para o país.
21) Alternativa: E
No texto, podemos observar que Monteiro Lobato, usando
uma visão acadêmica, critica os movimentos de vanguarda
artística, dentre eles o Modernismo iniciado no Brasil com
a Semana de Arte Moderna de 1922. Nesse caso, a única
obra de tendência modernista é o da alternativa E, que
retrata "A Boba" de Anita Malfatti.
22) Alternativa: C
O quadro de Antonio Rocco e o texto de Oswald de
Andrade procuram através de linguagens diferentes
descrever as dificuldades encontradas pelos imigrantes
europeus na sua chegada ao Brasil no início do século XX.
Estes grupos saiam de países que passavam por crises e
guerras e aportavam em uma terra desconhecida com
costumes diferentes marcada por quatro séculos de
escravidão.
23)
Resposta: A
24) Alternativa: A

10 | Projeto Medicina ­ www.projetomedicina.com.br