TRAJETÓRIA DA MULHER NA HISTÓRIA DO BRASIL:
SUBMISSAS OU ARDILOSAS?
CELMA FARIA DE SOUZA BURILLE1.
RESUMO: Esse artigo pretende refletir sobre os conflitos existentes entre
homens e mulheres nas relações de poder nas diversas esferas sociais. Para
fundamentar esse breve estudo, buscamos a teoria de Foucault, o qual afirma que
o poder está em todas as partes, reprimindo, mas também produzindo efeitos de
verdade e saber, constituindo verdades e práticas. Buscamos também conhecer
um pouco da trajetória e a importância do papel da mulher, sua trajetória na
sociedade brasileira, a fim de discutir a sua organização, bem como as
transformações ocorridas desde o período colonial até a atualidade, visando
compreender as mudanças ocorridas ao longo da história. Diante de tantas
responsabilidades e compromissos (casamento, casa, filhos, trabalho,
responsabilidades sociais, familiares, religiosas, políticas, estéticas, dentre
outras), a grande questão que se coloca hoje para a mulher é: "Ser ou não Ser ­
Amélias, Giseles ou Zildas?!" Através de algumas ideias de três historiadoras
brasileiras: Maria Odila Leite da Silva Dias, Leila Mezan, Mary Del Priori e
auxiliado pela História Oral, importante para perceber outros olhares para o
mesmo processo, na busca de autores e referências que trabalham com essa
metodologia, e que permite uma maior proximidade com o tema proposto. O
uso dessa estratégia "expressa a consciência da historicidade da experiência
pessoal e do papel do indivíduo na história da sociedade" (PORTELLI, 2001,
14). Essa metodologia ajuda a produzir uma "outra história" para além daquelas
consideradas oficiais ou autorizadas, no estudo das memórias, na constituição,
de percepção do "outro", na formação de uma consciência social histórica. Para
isso, realizamos algumas entrevistas e relataremos algumas realidades atuais das
mulheres ­ meninas, jovens e senhoras, estudantes e trabalhadoras ­ com suas
múltiplas responsabilidades e suas lutas contra o preconceito e discriminação
das quais muitas são vítimas diárias.
PALAVRAS-CHAVES: Mulher; Preconceito; Emancipação.

INTRODUÇÃO

1

Graduada em História pela UFMT, Mestre em História pela UFPR, professora PDE da rede estadual de
Ensino Básico do Paraná, na cidade de Cascavel.

2
Atualmente, existe um público interessado em uma História além da
tradicional, pautada em sentimentos e emoções, que têm mais a ver com o cotidiano das
nossas vidas, das nossas realidades. O interesse de muitos historiadores é recapturar
algo do passado, mas de maneira sistemática e científica. É uma nova forma de encarar
a história, de pesquisar o passado. Porque essa história, é importante destacar, é um
prolongamento da história local, uma vez que a global é impossível de abarcar. Mas
através dela ­ da história no sentido mais micro ­ se consegue conhecer a história
global.
Esse artigo se propõe a contribuir para uma breve discussão, a "recapturar" o
passado da história das mulheres, a fim de colocar em xeque a visão da mulher na
sociedade colonial pela Igreja Católica na sua idealização cristã e no projeto de
colonização europeia portuguesa, demonstrando seu poder informal, nas tramas e nas
teias de interesses que teciam ao longo dos espaços a elas determinados, além de
discutir o seu papel na transformação da sociedade ao longo desse tempo, até os dias
atuais.
A primeira parte do artigo é uma discussão a partir das ideias da historiadora
Maria Odila Leite da Silva Dias, que descreve uma São Paulo urbana do século XIX,
desigualmente distribuída, com muito mais homens do que mulheres, principalmente as
brancas de elite. E que essa realidade englobava as regiões mais novas, como o Paraná,
Goiás e Minas Gerais. A autora usa nesse texto documentos como textos dos jesuítas,
manuscritos de escritores da época como Mário de Andrade, as cartas de registros de
viajantes, diários, documentos oficiais, relatórios de autoridades ao rei, testamentos de
mulheres que contradiz a realidade descrita nesses documentos. Ela faz uma abordagem
política sobre o papel da mulher na sociedade colonial paulista e mineradora, que
buscavam seus espaços na vida pública, contradizendo o "mito da mulher ausente", que
não aceitavam seu papel imposto pelo modelo europeu cristão naquela sociedade.
No texto a autora deixa evidente o mito existente da mulher ausente, idealizada
pela sociedade colonial, de valores europeus cristãos e machista, principalmente pelos
jesuítas, bem como ela determinava o seu lugar na sociedade colonial. A autora dá
ênfase às diferenças na sua opressão, da "pobreza recolhida", das mulheres brancas
pobres e solteiras, que se escondiam atrás de mantos negros e que só saiam às ruas à
noite, já que eram proibidas de trabalharem, rejeitadas pela sociedade, pelo sistema de
colonização que existia, que faziam com que elas se tornassem "donas ausentes", como

3
se realmente inexistissem na colônia. Esse sistema fazia com que se tivessem saudades
de uma mulher que existia somente na visão machista luso-brasileiro.
Era um sistema onde se reforçava sempre esse estereótipo, que se tornava
impossível de as mulheres reais, de carne e osso, pobres, brancas ou negras, seguirem na
colônia da América. Onde ficavam evidentes as tensões racistas, as transgressões e
desordem que se encontravam no dia-a-dia: os concubinatos com mulheres de cor, que
se apresentavam nos espaços públicos. Mulheres mestiças ou negras que eram tratadas
de maneira terrível ­ as "indiadas da terra", as "mulheres de infecta nação reprovada",
consideradas desavergonhadas, segundo a autora. Ou criticadas e altamente
discriminadas quando as escravas e mucamas domésticas, ou mulatas forras se vestiam
ricamente, quando eram sustentadas por homens ricos da corte, como foi o caso de
Chica da Silva. Não se levava em conta em nenhum momento os costumes seculares
dos povos nativos dessa terra.
Aliás, os paulistas como um todo eram criticados e ridicularizados pela forma
de se vestirem, um luxo que contrastava com a pobreza e a sujeira daquele espaço
urbano. A ausência das mulheres se explicava por essa precariedade do espaço público
urbano muito recente, não havia calçadas, o lixo eram amontoados nas ruas, além da
violência dos tropeiros. A mulher que saía para esse espaço, obrigada a enfrentar tudo
isso eram as escravas domésticas. Assim, a ausência da mulher branca era interpretada
como consequência do costume patriarcal. O costume burguês de sair às ruas, às
compras, que já existia em nações europeias, demorou a se estabelecer no Brasil
Colonial. As mulheres eram obrigadas a ficar dentro dos espaços familiares ou dos
conventos e recolhimentos, para se protegerem da violência das ruas. Poucas se
apresentavam nos espaços públicos e com um luxo muito grande. A maioria pobre ia
para os seminários ou serviços domésticos como agregadas e eram obrigadas a se
esconder sob os mantos negros, ao saírem para os espaços públicos. Esses mantos
chegaram a ser proibidos em São Paulo, pois as autoridades afirmavam que as mulheres
se escondiam sob eles para se prostituírem pelas ruas das cidades.
Para além disso, naquela sociedade, o papel da mulher branca era muito claro
­ reproduzir e transmitir propriedades e símbolos dos colonizadores. As mulheres
brancas eram vigiadas constantemente e de perto, sendo criticadas até de falarem a
língua indígena, proibidas de facilitar costumes judaicos ou se relacionar com homens
negros ou mestiços. Como aqui não tinha o tipo de mulher ideal, tratou-se de forjar sua

4
existência. Trazia-se de Portugal órfãs e até mesmo de passado duvidoso e aqui elas se
transformavam em "grandes damas, rezadeiras e virtuosas".
Mas como aqui a sociedade era de homens nômades, as mulheres brancas
passaram a ter papel fundamental na liderança social, de maneira formal ou informal: de
negócios, curadoras, administradoras de fazendas, líderes políticas locais, chefes de
família e de política, tinham direito de heranças, podiam pedir divórcio dentro dos
cânones da Igreja, entre outras coisas. Ou seja, tinha papel ativo na sociedade, distante
da passividade pregada e instituída pela cultura europeia cristã. Como era uma
sociedade em que a presença do homem em casa era rara, a mulher se via obrigada a
assumir papeis masculinos. Como fazer para que as fazendas, casas e famílias
funcionassem, se ficasse passiva dentro dos lares, a espera de seus homens para resolvêlos?
O casamento era outro problema, muito raro naquela sociedade. Os
concubinatos eram muito comuns e isso também era motivo de preconceito e
discriminação. Ainda segundo a autora:

Presença majoritária de mulheres solteiras, pardas e forras... Em São Paulo,
eram as brancas empobrecidas que se multiplicavam num processo
avassalador. A economia não era capaz de absorver o crescimento vegetativo
da população, nem mesmo dos brancos, que seria em princípio parte
integrante do sistema de hegemonia. (DIAS, 1984, p.71)

Já a autora Leila Mezan Algranti discute o grupo de mulheres que não
aceitavam as imposições da sociedade da época colonial, que as tratavam como
submissas e inferiores. Sua abordagem é política e seus referenciais são documentos
como os estatutos e os registros de entrada das casas de recolhimento, as cartas dos
bispos, das freiras, as cartas régias, as memórias, manuscritos e relatos dos padres, os
discursos políticos.
Segundo a autora, havia uma grande resistência da Coroa com a criação de
conventos no Brasil, porque a política real e religiosa era de estimular o casamento, para
a reprodução da sociedade europeia na América.
A autora observa que o lugar de pobreza no Brasil colonial não era apenas nas
famílias, mas também nos conventos e casas de recolhimento que existiram a partir do
século XVII, que tanto eram utilizados por aquelas que iam para a vida religiosa,

5
quanto para aquelas que iam se casar, para "guardar a honra". Mas, longe da família,
esse espaço se revelava lugar de independência, de sociabilidade, de autonomia, de
liberdade maior do que se estivessem com suas famílias.
Mas a falta de cumprimentos de normas internas dos conventos e
recolhimentos era um grande problema para as autoridades da Igreja, como a presença
de padres e de estranhos nos claustros femininos. Mas, no Brasil, como os conventos e
recolhimentos atendiam a outros interesses também, o cumprimento da disciplina e o
respeito às normas internas eram mais difíceis ainda.
Aliados a isso, havia também a falta de verbas ou a má distribuição das rendas,
além do grande número de mulheres que acabava superlotando as casas. A despesa dos
conventos e recolhimentos se tornava muito grande por causa da superlotação, da
isenção de dotes de muitas jovens, das propinas que era concedida a algumas delas, o
grande número de escravas, tanto particulares quanto dos conventos. Mulheres que
recebiam presentes da família por causa das necessidades ou mesmo para decorar suas
celas, mesmo sendo proibidas. E o maior de todos os pecados: a entrada de estranhos na
clausura, o que ocorria até com os padres confessores, muitos acusados de crimes de
solicitações.
Nos conventos, as mulheres podiam exercer até cargos de direção e comando.
Contavam com a ajuda dos homens para auxiliá-las na administração, mas eram elas
que governavam. E dentro deles, a hierarquia da colônia era imposta também.
Reproduziam lá dentro a mesma organização social de fora dos claustros. Faziam
desses, espaços de sociabilidade e cultura feminina. Formavam famílias particulares
dentro dos conventos, com serviços de escravas particulares como se estivesses em suas
próprias casas. Isso atrapalhava a autoridade e a disciplina dentro dos conventos, pois
um lugar que deveria respeitar o claustro e a pobreza contrastava com a ostentação de
algumas mulheres, que se recusavam a obedecer as normas internas.
Muitas dessas mulheres que viviam nos conventos e recolhimentos se
recusavam até a aprender o latim e o ritual, para não serem obrigadas a comparecer ao
coro e obedecer aos rituais impostos lá dentro.
Porém, mesmo os conventos e os recolhimentos sendo lugares de
sociabilidades das diferentes mulheres que viviam ali, eram também lugares de quem
realmente tinha vocação, devoção. Era lugar que recebia aquelas que eram obrigadas a
ficarem lá, e também aquelas abandonadas pelas famílias.

6
A autora afirma que "reuniam-se, portanto, nas clausuras coloniais experiências
múltiplas de vida". (ALGRANTI, 1993, p.238).
A autora também discute uma questão muito controvertida no século XVIII, na
educação das meninas ­ a clausura provisória.
Naquela época, a educação das meninas era muito superficial, diferente da dos
meninos, para que elas pudessem apenas reproduzir a sociedade em que viviam. Os
conventos e os recolhimentos eram as únicas opções de cultura e educação para as
mulheres, além da instrução doméstica, até o século XIX no Brasil colônia. Até porque
o que se esperava das mulheres era que fossem boas esposas e boas mães, e esses
lugares de recolhimentos nada mais era, na realidade, do que centros de correção das
`desonradas', ou de preservação da honra feminina. Então, não se via maior
preocupação além de ensinar a ler e a trabalhar com as agulhas.
Segundo Algranti, somente no fim do século XIX e início do XX, as
instituições de reclusão feminina tomam outras funções.
Por último, a historiadora Mary Del Priore discute os efeitos da pobreza, da
exclusão, que vem se mantendo no Brasil, desde o período colonial até os dias atuais. É
uma pobreza com feição feminina e que tem, que se ajudavam mutuamente, formando
uma rede de solidariedade, mas que também se percebia uma grande solidão nessas
mulheres. A sua abordagem é política e seus referenciais são as documentações usadas
no estudo dos processos de divórcios e eclesiais.
A autora lembra que o Brasil, nos três primeiros séculos, teve uma grande
movimentação interna, principalmente de homens, e isso representou um afrouxamento
dos costumes cristãos ­ religioso, moral e social, pregados pela coroa portuguesa tanto
na metrópole quanto na colônia. Para conseguirem sobreviver aqui, precisaram
desenvolver um "jeito" de burlar essas imposições. Porque, segundo a autora (DEL
PRIORE, 1993, p.44), o único objetivo da metrópole e da Igreja era "o adestramento
social da população na Colônia, adestramento que deveria orientá-la para o trabalho
organizado e produtivo".
À mulher coube o papel de santa-mãezinha para dar a base para a construção da
família ideal, reproduzindo os ideais cristãos e a procriação da população, num projeto
de Estado moderno e de cristianização. Era o controle do invisível sobre o visível no
cotidiano de tantas mulheres, que acabavam ficando sempre sozinhas, uma vez que o
processo de colonização proposto obrigava o nomadismo dos homens. Elas eram
obrigadas a ficar sozinhas e ainda escolher entre ser um exemplo de moral ou se tornar

7
uma desqualificada aos olhos dos outros, demonizada por todos e ainda excluída do
convívio social.
O papel da santa-mãezinha era uma imposição para impedir contravenções e
desordens, para que as autoridades, tanto civis quanto religiosas, sistematizassem a
organização da colônia, de forma a inibirem o comportamento confuso e libidinoso das
negras, mulatas, índias e até das brancas pobres. E nesse papel, elas deram a revanche:
passou a ter poderes discretos e informais, desmentindo a ficção do poder masculino na
sociedade colonial. Aceitando o papel que a Igreja determinava a elas, indiretamente
assumiam grandes poderes naquela sociedade machista. Nesse papel, muitas vezes se
livravam da exploração doméstica e sexual, das humilhações, abandono e violência.
A autora (1993, p.46) afirma que o que igualava a todas era a maternidade racial, cultural e economicamente e servia de instrumento de integração feminina ao
projeto colonial. Mas existiam muitos tipos de maternidade ­ as dentro do casamento, as
solteiras, as concubinas duradoura ou passageira. Mas com todas essas diferenças
sociais, a maternidade fazia surgir entre elas uma rede de solidariedade enorme, que não
se percebia em outras instâncias na vida colonial.
A autora lembra também que no Brasil da era colonial a maioria das famílias
era nuclear, diferentemente do que vários autores mostraram, como Gilberto Freyre. E
ainda com um número enorme de mulheres que chefiavam suas famílias sozinhas, com
seus filhos sendo criadas por irmãs, comadres, vizinhas, etc.
Além disso, como o casamento era raro entre os da classe menos favorecida,
muitas mulheres viviam uniões informais, formadas pelo amor, fato que não ocorria na
nos casamentos da elite, pois a maioria acontecia por interesses econômicos. A Igreja
aceitava, ou melhor, tolerava essas uniões, desde que o casal partilhasse a mesma casa,
vivendo como "marido e mulher" e prometessem casar oficialmente no futuro. Muitos
acabavam oficializando com medo de sofrer as penas do inferno. Ao realizar a
oficialização do matrimônio, as mulheres eram magnificadas e os filhos sacralizados.
Mas mesmo as que não conseguiam oficializar continuavam tendo filhos e se unindo
com outros homens, numa clara afronta ao sistema imposto pela Coroa e a Igreja. Até
porque, a mobilidade dos homens fazia com que as que eram casadas oficialmente e as
que eram concubinas não se diferenciassem muito. Todas elas eram chefes de seus lares
nas duas situações.
Outra coisa comum naquela sociedade de homens nômades que a autora revela
era o costume das mulheres receberem seus maridos com filhos de outros companheiros

8
que passaram por suas vidas, de criarem os filhos de seus maridos com outras, que os
abandonavam, demonstrando grande solidariedade, generosidade, fazendo com que o
amor materno fosse além da questão biológica. Claro que isso ocorria por causa da
extrema pobreza em que essas mulheres viviam. Era necessário que alguém desse um
"estado mais conveniente" às crianças. Mas isso não as impediam de terem ciúmes das
amantes, dos frutos ilegítimos do seu marido, provas constantes da má conduta deles.
Além disso, essa aceitação, esse entrelaçamento e afinidades eram mais importantes
entre os vizinhos, famílias, do que das bênçãos da própria Igreja. Até porque, a elas
interessavam a não exclusão do convívio social dos vizinhos e dos familiares.
A autora esclarece que o poder matrifocal e o sentimento maternal era tão
presente que uma concubina deixava que a esposa cuidasse de seu filho quando no leito
de morte, pondo em xeque a submissão da mulher, apregoado pela Igreja. Muitas
escravas aceitavam ser concubina em troca do status de ter um filho mais claro, da
liberdade, da alforria. Outras mulheres, até brancas, denunciavam a violência que
sofriam de seus maridos, ou até mesmo "calúnias" feitas por eles. Mas ao fazer isso, a
Igreja considerava que elas estavam cometendo uma ilegalidade, colocando em xeque
também o matrimônio. Ele não seria necessário, portanto, para a procriação da espécie.
Isso era grave para a Igreja, era um risco para a sua permanência e controle social. Por
isso, era importante adestrar a mulher, torná-la importante dentro do matrimônio e
demonizar as "pecadoras" que não cumpriam essas normas. Isso reafirmava o poder da
Igreja, com suas regras impostas de cima para baixo. Segundo a autora, modelos a
serem seguidos:

A situação de destaque da mulher no quadro de relações concubinárias
vinha, por outro lado, incentivar a Igreja a irradiar um discurso
normatizador cujo objetivo era valorizar o casamento e, dentro dele, as
funções da maternidade, a fim de converter as populações femininas a um
modelo de comportamento que fosse útil ao projeto civilizatório e
colonizador. (DEL PRIORE, 1993, 66).

Mary Del Priore discute ainda as mulheres seduzidas e mães abandonadas, para
compreender a construção do papel da mãe no período colonial. Muitas mulheres que
eram seduzidas, abandonadas e esquecidas, vítimas de humilhações dos vizinhos,
faziam com que o matrimônio passasse a ser prestigiado e a Igreja convencesse a
população das vantagens do casamento.

9
Nos processos contra os homens que abandonavam suas namoradas, não se
discutia a inocência delas, que muitas não eram mesmo, mas contavam com a
conivência da Igreja para conseguir casar com eles. Elas eram ardilosas nos tribunais
eclesiásticos, sabiam o que queriam e a Igreja as apoiava, porque assim as controlava
melhor, mais de perto.
A autora evidencia como o casamento era visto de forma diferente entre homens
e mulheres no período colonial, numa clara tensão entre os papéis de cada um naquela
sociedade. Os homens o consideravam uma prisão, por causa de sua vida de lugar em
lugar, as mulheres o via como a estabilidade desejada. As mulheres, então, usavam de
seus poderes e estratégias informais com as instâncias superiores (leia-se Igreja) para
conseguir o que queriam. A Igreja usava essa estabilidade do casamento desejada pelas
mulheres para controlá-la e construir os alicerces da "santa mãezinha".
CONSIDERAÇÕES FINAIS
As três autoras contribuem em muito com o debate sobre as representações que
as instituições faziam das mulheres no período colonial, do seu lugar na sociedade. Elas
contribuem para o entendimento da sua existência real, não apenas a formal que essas
instituições faziam delas. Para que conheçamos e entendamos a sua história, é
importante localizá-la no seu espaço e dimensão real, com suas dificuldades e miséria ­
social, sexual, etc.
Para construir o cotidiano das mulheres no período colonial, as autoras
pesquisaram outras fontes as quais mostram as mulheres reais, lutadoras, heroínas de
suas próprias histórias, não aquela imaginária, que não existia, da "santa mãezinha"
imposta pela Igreja Católica.
Mulheres que se revelavam perspicazes, que demonstravam ingenuidade,
aparente obediência, que revertiam em seu próprio benefício, que usavam de
ardilosidade, de esperteza para conseguir casar com os homens que as tinham
abandonado. Mulheres que viviam numa pobreza muito grande, que se viam obrigadas a
aceitar a violência de seus maridos, violência até contra suas próprias filhas, com
incestos que ocorriam debaixo de seus olhos. Mulheres que se viam obrigadas a vender
seus próprios corpos, prostituindo-se para garantir sustento de seus filhos, porque era
mais uma boca para alimentar. Mas que teceram uma rede de solidariedade entre si, para
que pudessem sobreviver naquele mundo selvagem do período colonial.

10
Através dos textos, podemos perceber que conhecer a história da humanidade
passa pela reconstrução da história das mulheres, para localizá-la no seu espaço de
poder informal ao longo da história do Brasil.
Para nós, mulheres do século XXI é importante esse conhecimento e resgate, a
valorização, para dar conta da real história do nosso cotidiano, desde o período colonial
até os dias atuais. Pois hoje as mulheres continuam sofrendo grande pressão social para
dar conta de tantos papeis a ela atribuídos, que se torna praticamente impossível se
realizarem plenamente.
Desde o início do XX, quando elas conseguiram a sua emancipação e foram
para o mercado de trabalho, sofrem com a obrigação de serem perfeitas em tudo ­
mulher, esposa, mãe, trabalhadora, educadora dos filhos e agente social. E nesse mundo
atual existem grandes contradições para o papel da mulher: alguns a vêm pelo lado
romântico como uma Julieta, dos versos e prosas dos artistas medievais. Mas a mulher
precisa ser compreendida a partir da sua integração no cotidiano da sociedade, que vem
conquistando cada vez mais espaço e tem papel fundamental na sua construção.
É importante destacar a valorização da função social da mulher como
companheira do homem, com direito a igualdade de participação, tanto no contexto
social como no econômico, porém ela só conseguirá isso totalmente quando tiver sua
independência política e econômica. No aspecto econômico ainda é necessário ampliar
as ações que promovam a igualdade de gênero, pois no mercado de trabalho a maioria
das mulheres aceita remunerações inferiores com relação à dos homens, para garantir a
manutenção da sua fonte de renda e o emprego formal, porque são chefes ou arrimos de
famílias.
Na sociedade atual, percebemos que as mulheres se libertaram da condição de
submissão social, jurídica e política, mas não conseguiram ainda a autonomia enquanto
indivíduos continuam procurando agradar aos homens.
Com as mulheres pobres, negras e sem escolaridade, ocorreram poucas
mudanças, pois é visível que grande parte delas ainda se encontra nos últimos lugares na
escala social, são as que mais carregam as desvantagens do sistema injusto e racista
existente até hoje no país.
A violência contra as mulheres ainda está muito presente nos dias atuais e,
segundo alguns especialistas na área de segurança, têm aumentado muito. O ciúme, a
rejeição e a independência financeira das mulheres ainda não são bem recebidos por um
grande número de homens nesse início do século XXI. Todo o nosso passado de

11
submissão leva os homens a não aceitarem o fato de que as mulheres conseguem dar
conta da sua própria vida. Muitas mulheres tem dificuldade de manter um
relacionamento amoroso estável porque os homens não admitem o seu sucesso
profissional. Por serem vitoriosas, esclarecidas, encontram dificuldades nos seus
relacionamentos afetivos e preferem ficar sozinhas. Nem que essa escolha seja mais
uma falta de opção.
Por outro lado, muitas ainda se vêm como objetos sexuais, empregadas ou
escravas de seus homens, que deveriam ser seus companheiros, porém agem como seus
algozes, donos ou carrascos. Nesse sentido, muitas ainda não conseguem enfrentar uma
batalha em processo judicial contra eles e continuam dominadas ou submissas.
Mulheres que continuam sendo exploradas em pleno século XXI: social, sexual,
profissional. Mulheres que se deixam levar por projetos de vida "fácil" como fama, de
ser reconhecida apenas pela beleza física e não pelos seus conhecimentos em alguma
área. Atiram-se em busca da fama a qualquer preço, se expõem em programas de
televisão, como "reality shows", servidas como "prato da noite", se exibindo ao vivo
diante de uma nação inteira.
O estereótipo da mulher atual é bonita, magra e bem vestida, o perfeito objeto
do desejo masculino, educada para ser objeto (de desejo, de propriedade, de sexo) do
homem. Quando observamos algumas belas mulheres atuais, como Ivete Sangalo,
Xuxa, Graziela Massafera, etc., inevitavelmente vem a pergunta: será que elas
alcançaram sucesso pela sua capacidade intelectual, apenas porque eram lindas ou
foram espertas, usando dos atributos físicos para chegar à fama, sucesso e dinheiro? E
quem pode condená-las por isso?
No entanto, essas mulheres não representam a maioria da nossa sociedade no
cotidiano. Ao utilizarmos a História Oral que, segundo o historiador Robson Laverdi,
não deve ser uma opção neutra, mas com intenções claras e objetivas de mostrar um
outro lado da história, a não-oficial, numa perspectiva mais crítica, construindo uma
trama histórica mais comprometida com a realidade. (LAVERDI, 2005), em busca dos
silêncios de outros grupos para descobrir outras memórias, e assim entender o processo
de tensão existente entre os lados da história. E a pesquisa realizada com 24 mulheres,
entre 16 e 49 anos, nesse espaço de tempo da construção do artigo, constatamos que a
mulher real na nossa sociedade é diferente, sem o glamour estabelecido pela TV,
Internet, filmes, etc.

12
A maioria é trabalhadora, mesmo antes de terminar o colégio ­ o Ensino
Médio. Mesmo 15 delas sendo solteiras e/ou não tendo filhos, ajudam nas despesas de
casa, enquanto 16 delas, em sua maioria casada ou separada, sustentam a casa. São
mulheres que buscam por um lugar ao sol desde muito cedo, pois não têm uma vida de
princesa como nos contos de fadas. São mulheres que, mesmo sendo sido vítimas da
pobreza ou de outros fatores, como uma deficiência, e por isso mesmo mais excluídas
ainda, como confirmou uma entrevistada com problemas de surdez, precisam trabalhar,
ajudar no sustento de suas famílias.
Entretanto, o mais importante nessa pesquisa foi constatar que o preconceito
sofrido por nossas ancestrais, por serem mulheres e não terem acesso à educação,
liberdade e igualdade de direitos, ficou definitivamente para trás. Por outro lado, o
acúmulo de responsabilidades também se ampliou, com a dupla ou tripla jornada de
trabalho.
Portanto, não é possível afirmar ainda que vivemos em uma sociedade
igualitária, as relações continuam desiguais. Mas as pessoas almejam ser iguais, para
serem diferentes.
E, finalmente, se culturalmente aprendemos as diferenças de gênero na
sociedade, como discriminação e preconceito, elas também podem ser reaprendidas,
ressignificadas e transformadas.
E fica o desafio para construirmos uma sociedade democrática, livre,
emancipadora, heterogênea, na diversidade cultural para que seja mais justa e
democrática.

REFERÊNCIAS:
ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e devotas: mulheres da colônia. RJ: José
Olympio; Brasília: Edunb, 1993, p. 211-261.
DEL PRIORE, Mary. Ao Sul do Corpo ­ condição feminina, maternidade e
mentalidades no Brasil Colônia. Brasília: Edunb, 1993, P. 43-101.
DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São no século XIX ­ Ana
Gertrudes de Jesus. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 62-82.

13

FOUCAULT, Michel. A microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2008.
GINSBURG, Carlo. Mitos, Emblemas e Sinais. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
PORTELLI, Alessandro. História Oral como Gênero. São Paulo: Editora Científica,
2001.
VOSNES, Ana Paula. Artigo: "Convivendo com a Diferença" - independência e
autonomia femininas. 2011. http://www.igeduca.com.br/artigos/convivendo-com-adiferenca/independencia-e-autonomia-femininas.html, acesso em 15.03.2011.
_______________. Convivendo com a diferença: série sobre as mulheres.
http://www.igeduca.com.br/artigos/convivendo-com-a-diferenca/serie-sobre-amulher.htm, ( acesso em 20.04.2012).
_______________. Convivendo com a diferença: liberdade ou escravidão?.
http://www.igeduca.com.br/artigos/convivendo-com-a-diferenca/liberdade-ouescravidao.htmlsso acesso em 20.04.2011.