EXERCÍCIOS SOBRE A PRÉ-HISTÓRIA BRASILEIRA
TESTANDO SUA ATENÇÃO À AULA
1. O que defende a Teoria do Estreito de Bering?
A. Que o homem veio para a América atravessando uma ponte de gelo entre a Ásia e o Alaska.
B. Que o homem veio para a América nadando.
2. O que defende a Teoria da Polinésia?
A. Que o homem veio para a América atravessando o Pólo Norte.
B. Que o homem chegou a América navegando entre ilhas do Oceano Pacífico.
3. Indique alimentos originários da América.
A. Hambúrguer e pizza.
B. Mandioca e milho.
4. Indique animais típicos do Brasil pré-histórico.
A. Glipitodonte e mamute.
B. Preguiça gigante e capivara.
5. Onde foi encontrado o crânio da mulher mais antiga do Brasil?
A. Minas Gerais.
B. Na região sul do Brasil.
Perguntas
6. Por que os homens de umbu são chamados assim?
A. Porque vivam numa floresta cheia de umbus.
B. Porque usavam roupas de umbú.
7. O que são boleadeiras?
A. Um esporte da pré-história.
B. Uma arma de caça.
8. O que são sambaquis?
A. Montanhas de conchas.
B. Uma doença dos homens primitivos.
9. Indique o local do Brasil que mais tem pinturas rupestres.
A. Serra da Capivara.
B. Região sul do Brasil.
10. Onde os Itararés vivam?
A. Em túneis debaixo da terra.
B. Em cabanas.
PREPARANDO PARA O DESAFIO
Leia o texto abaixo e responda à questão.
Desenterrado em 1975, o crânio de Luzia é o mais antigo fóssil humano já encontrado nas
Américas. Transportado de Minas Gerais para o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no
Rio de Janeiro, permaneceu anos esquecido entre caixas e refugos do acervo da instituição. Foi
ali que o arqueólogo Walter Neves, da Universidade de São Paulo, USP, o encontrou alguns
anos atrás. Ao estudá-lo, fez descobertas surpreendentes. Os traços anatômicos de Luzia nada
tinham em comum com o de nenhum outro habitante conhecido do continente americano. A
medição dos ossos revelou um queixo proeminente, crânio estreito e longo e faces estreitas e

curtas. De onde teria vindo Luzia? Seria ela remanescente de um povo extinto, que ocupou a
América há milhares e milhares de anos e acabou dizimado em guerras ou catástrofes naturais?
A hipótese de Walter Neves acaba de ser reforçada por um trabalho feito na Universidade de
Manchester, na Inglaterra. Com a ajuda de alguns dos mais avançados recursos tecnológicos, os
cientistas ingleses reconstituíram pela primeira vez a fisionomia de Luzia. O resultado é uma
mulher com feições nitidamente negróides, de nariz largo, olhos arredondados, queixo e lábios
salientes. São características que a fazem muito mais parecida com os habitantes de algumas
regiões da África e da Oceania do que com os atuais índios brasileiros.
Fonte: TEICH, Daniel Hessel. A primeira brasileira. Disponível em: http://veja.abril.com.br/250899/p_080.html
Acesso em 26/08/2010.

1. Assinale a conclusão correta.
A) Os primeiro habitantes do Brasil não foram os índios vindos do norte.
B) Luzia desfrutou apenas da tecnologia que o período neolítico podia oferecer.
C) Luzia morreu jovem porque era sedentária e não praticava esportes.
D) No tempo de Luzia já existia programas sociais do governo brasileiro de combate a fome,
mas ela não foi ajudada por nenhum desses programas por causa da corrupção.
2. A partir da análise do texto podemos concluir corretamente que
A) a África parece ser o lugar de surgimento de toda humanidade.
B) a tecnologia ainda precisa fazer muitos avanços antes de dizer como Luzia se parecia.
C) o cientista Walter Neves tirou conclusões que opõem-se a dos cientistas ingleses.
D) Luzia é muito parecida com os índios brasileiros.
Observe os quatro número no mapa abaixo.

3. Assinale a alternativa com o número que está no local relacionado com a Teoria do Estreito
de Bering.
A) 1
B) 2
C) 3
D) 4
Observe a imagem abaixo.

Fonte: http://tazloi.blogspot.com/2011_06_01_archive.html Acesso em 04/03/2012.

4. Na imagem há um elemento criado na pré-história brasileira. Assinale a alternativa que indica
esse elemento e esse povo.
A) Botas, homens das conchas.
B) Chapéu, homens do sertão.
C) Caça, homens das cavernas.
D) Boleadeira, homens de umbu.
(SIADE 2010)
Observe as imagens a seguir.

Fonte: Manuela Carneiro da Cunha (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras 1992.

5. As imagens de Albert Eckhout (1610 ­ 1666) mostram certa diferença no que diz respeito à
relações de trabalho. A partir da análise das imagens, observa-se que a divisão do trabalho nas
sociedades indígenas era baseada:

A) Na condição social.
B) No prestígio.
C) No sexo.
D) Na qualidade da pele.
(1ª Olimpíadas Nacional de História do Brasil ­ 2009)
Nos últimos 20 anos vários pesquisadores vêm sugerindo que a ocupação da América seria
mais antiga, mas, há pouco tempo, surgiram provas convincentes. Entre elas está Luzia, cujos
estudos trouxeram ainda outras novidades.
No município de Pedro Leopoldo, região de Lagoa Santa, Minas Gerais, um grupo de
arqueólogos brasileiros e franceses encontrou, em 1975, partes de um esqueleto em uma gruta
chamada Lapa Vermelha IV. As informações iniciais sugeriam que o esqueleto (de uma mulher
entre 20 e 25 anos de idade ­ Luzia) deveria ser muito antigo, mas naquela época não foi
possível datar com precisão o material. (...)
Só a partir das pesquisas feitas [por] Walter Neves, da Universidade de São Paulo, Luzia
teve sua idade revelada. O resultado foi surpreendente: ela tinha vivido em Minas Gerais há
11.500 anos! Essa data, junto com outros vestígios de populações pré-históricas que teria vivido
há mais de 11.000 anos nas Américas do Sul e do Norte, revelou que o povoamento do nosso
continente ocorreu antes do que se pensava. Apesar de existir muita discussão sobre o tempo
necessário para que todo o continente tenha sido ocupado, a presença de humanos na América
do Sul há 11.500 anos indica que os primeiros migrantes teriam chegado no continente
americano há pelos menos 14.000 ou 15.000 anos.
Hoje, muitos cientistas já admitem que a primeira migração deva ter ocorrido entre 15.000 e
20.000 anos. Mas há pesquisadores que admitem até 50.000 anos! Os dados que existem ainda
não são suficientes para que possamos chegar a uma conclusão.
6. Assinale a alternativa incorreta. O texto sobre descobertas arqueológicas no atual território
brasileiro revela que:
A) Existe uma pré-história na América do Sul.
B) Assim como em outras áreas do conhecimento histórico, uma nova descoberta permite novas
interpretações sobre o passado.
C) A datação de Luzia permitiu retroceder a época da presença humana no continente
americano.
D) O conhecimento sobre o passado remoto não tem base científica e por isso as datas podem
apresentar enormes diferenças.
(2ª Olimpíada Nacional de História do Brasil)
Em meados do século XX, era consenso entre muitos arqueólogos que os primeiros
povoamentos das Américas teriam ocorrido durante o período final da Era Glacial, em torno de
12 mil anos atrás. Povos oriundos do norte da Ásia, seguindo a caça de grande porte,
atravessaram o Estreito de Bering até o atual Estado do Alasca, assentaram-se primeiramente
nos planaltos norte-americanos (há cerca de 11.500 anos) e, continuando em direção ao sul,
através da América Central, chegaram aos Andes por volta de 10.500 anos Antes do Presente
(AP)¹ . A colonização completa da América do Sul foi datada em torno de 10 mil anos atrás.
(...)
Porém, as importantes coleções de esqueletos da Lagoa Santa, em Minas Gerais, foram
datadas pelo carbono 14 e também analisadas por antropólogos físicos. Os resultados revelam
que há 10 mil anos AP teria existido na região uma grande população (...). Deste modo, supõese que teria existido quase que simultaneamente uma população humana no norte da América e
no Sul do continente. Os artefatos da Lagoa Santa podem colocar em xeque a proposta do
povoamento da América vindo do norte em direção ao sul do país.
Nota explicativa: 1. Antes do Presente (AP) é uma expressão usada para a datação de
períodos arqueológicos. Convencionou-se como data inicial para o início do Presente o ano de
1950. A indicação a.C (antes de Cristo) continua também a ser utilizada.

7. Assinale a alternativa incorreta.
A) Até o meio do século passado, arqueólogos aceitavam a hipótese de que a América teria sido
povoada há mais ou menos 12 mil anos, a partir da migração de povos oriundos da Ásia.
B) A simultaneidade do povoamento no norte e no sul do continente, pressuposta pela datação
do carbono 14, em Lagoa Santa, enfraquece a hipótese de um foco único de origem do Homem
Americano.
C) As pesquisas arqueológicas realizadas no Brasil não contribuem para a compreensão do
povoamento da América, já que os achados brasileiros são contemporâneos aos encontrados nos
planaltos da América do Norte.
D) Quanto mais distantes os eventos históricos, menos precisas são as informações e maior a
necessidade de recorrer a abordagens interdisciplinares para interpretá-los.
(3ª Olimpíadas Nacional de História do Brasil ­ 2011)
"Aos poucos se vem corrigindo uma série de ideias errôneas, infelizmente enraizadas na
cabeça de muita gente ­ e às vezes ensinadas nas escolas. Uma delas é que os primeiros
ocupantes do território que hoje chamamos Brasil, como qualquer homem pré-histórico, teriam
vivido num mundo frio e povoado por mamutes ou dinossauros. Refugiando-se dentro de
cavernas (mas também nômades, sem domicílio fixo), disporiam essencialmente da pedra para
fabricar seus instrumentos e passariam muita fome. Seriam primitivos que não imaginavam uma
sociedade racionalmente organizada como a nossa. Esta é obviamente, uma fantasia oriunda das
pesquisas realizadas na Europa no século XIX, dentro de uma perspectiva evolucionista.
Com efeito, as regiões tropicais não conheceram glaciações durante o Pleistoceno, e os
mamutes ­ adaptados ao frio ­ nunca existiram no Brasil. Quanto a viver nas cavernas, teria
sido estúpido instalar-se em lugares escuros, pouco arejados e onde não se poderia fazer fogo
sem ficar defumado. Algumas populações utilizaram os abrigos bem abertos ou as entradas de
grutas, mas, mesmo assim, sobretudo para fins ritualísticos ou para preservação de matérias
perecíveis. Em geral, estabeleciam suas moradias a céu aberto. Por outro lado, instrumentos de
pedra são perfeitamente dispensáveis onde há recursos disponíveis suficientemente variados,
como vegetais, conchas e ossos (...) Enfim, em vez de formar grupos numerosos, tornando
difícil a obtenção de alimentos para todos, muitas populações limitaram sua densidade,
garantindo uma relativa abundância dentro de um território fixo, cujos recursos eram
perfeitamente conhecidos."
Vocabulário:
Pleistoceno: Período geológico entre 2.000.000 e 10.000 anos atrás; foi marcado por grandes
mudanças climáticas no mundo todo; nas latitudes altas ocorreram fenômenos conhecidos como
glaciações; nas regiões quentes, as oscilações afetaram sobre tudo a pluviosidade; no final do
Pleistoceno, por exemplo, o clima de Minas Gerais era muito mais seco que o atual, enquanto o
Piauí era bem mais úmido; as temperaturas eram também mais baixas, mas não a ponto de haver
geadas em Minas Gerais, a não ser, talvez, nos pontos mais altos das serras do Mar e do
Espinhaço; grandes animais pastavam então nas imensas extensões de cerrado e de pastos.
Em: André Prous. O Brasil antes dos brasileiros ­ a pré-história do nosso país. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Ed., 2006, pp. 136-137.

8. Assinale a alternativa incorreta.
A) As populações pré-históricas organizadas adaptam-se de diferentes maneiras ao meio em que
vivem.
B) A imagem estereotipada do homem pré-histórico criada no século XIX ainda é difundida
pelos meios de comunicação como cinema e televisão.
C) O estereótipo europeu do homem pré-histórico não é aplicável aos primeiros habitantes do
território hoje chamado de Brasil.
D) O homem pré-histórico de regiões tropicais vivia em um clima ameno, sem inimigos naturais
e com muitos materiais a sua disposição.