CCBB SÃO PAULO
UM PASSEIO PELA HISTÓRIA

2010

Fachada do Centro Cultural
Banco do Brasil
Foto: Carlos Ferreri
Front view of Centro Cultural
Banco do Brasil
Photograph: Carlos Ferreri

O

objetivo do PROGRAMA EDUCATIVO DO CENTRO
CULTURAL BANCO DO BRASIL é promover o acesso
do público às atividades oferecidas pelo CCBB e
proporcionar ao visitante a oportunidade de conhecer a
história e os detalhes arquitetônicos do prédio que abrigou
a primeira sede própria do Banco do Brasil em São Paulo e
que hoje é palco de inúmeros eventos culturais nas mais
diversas áreas.
O Banco do Brasil, ao realizar o Programa Educativo de seu
Centro Cultural, privilegia iniciativas que contribuem para
expandir a gama de conhecimentos de seus visitantes.
Mais que informar, tem a missão de formar um público
participativo e interessado. Ao oferecer as visitas ao
prédio, busca valorizar o patrimônio histórico e cultural da
cidade, estimulando o interesse pela preservação da
memória do país.
The goal of Banco do Brasil Cultural Center's (CCBB) Educational
Program is to promote the public's access to the activities offered by
CCBB and to present the visitor with the opportunity to learn about the
history and architectural details behind the building that once housed
Banco do Brasil's first-owned headquarters in São Paulo, and which
today is the setting for numerous cultural events in the most varied
areas.
With its Cultural Center Educational Program, Banco do Brasil
encourages initiatives that contribute to broadening the range of
knowledge of its visitors. Rather than just simply providing information,
its mission is to form a participative and interested public. By offering
visits to the building, CCBB seeks to develop an appreciation for the
city's historical and cultural heritage by stimulating an interest in the
preservation of the memory of our country.

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

Partida do Príncipe Regente de Portugal
para o Brazil, aos 27 de Novembro de 1807,
Lith Lopes
Litogravura, 404 x 580 cm
Foto: Ricardo Gama
Acervo Banco do Brasil
Portugal, D. Maria I e
D. Pedro III (1777-1786),
6.400 réis, ouro
Acervo Banco do Brasil
Portugal, D. Maria I and
D. Pedro III (1777-1786),
6,400 réis, gold
Banco do Brasil Collection

Dobrão ­ 20.000 réis, Casa da
Moeda de Minas Gerais, ouro, 1726
Acervo Banco do Brasil
Doubloon - 20,000 réis,
Minas Gerais Mint, gold, 1726
Banco do Brasil Collection

Pataca - 960 réis,
Prata, 1811
Acervo Banco do Brasil
Coin - 960 réis,
Silver, 1811
Banco do Brasil Collection

The Prince Regent's Departure from Portugal
to Brazil, on November 27, 1807,
Lith Lopes
Lithograph, 404 x 580 cm
Photograph: Ricardo Gama
Banco do Brasil Collection

O BANCO

DO

BRASIL

Em 1808, o então príncipe regente de Portugal, D. João, e
sua corte desembarcaram na cidade do Rio de Janeiro,
capital da colônia, motivados por conflitos no território
europeu causados pelas conquistas de Napoleão Bonaparte.
Assim, foi estabelecida no Brasil uma corte provisória, que
trouxe benefícios como: a criação do Jardim Botânico, da
Imprensa Régia, da Escola de Medicina, da Real Biblioteca e
do nosso primeiro banco, o Banco do Brasil, em 12 de outubro
daquele ano. Até então, as pessoas guardavam seus bens em
casa ou investiam em ouro e pedras preciosas. O comércio
também era feito de maneira informal, pois não havia uma moeda
nacional, e por isso usavam-se os réis portugueses ou mercadoriasmoedas, como o açúcar, por exemplo. Sete anos depois, já coroado
rei, D. João VI determina que o Brasil deixe de ser colônia comum,
tornando-o parte do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, fato
que impulsionou seu desenvolvimento econômico.

D. João VI Rei, 1818
Aquarela, 18x15,3cm
Acervo Museu Castro
Maya, Rio de Janeiro
D. João VI, King, 1818
Watercolor, 18x15.3 cm
Castro Maya Museum
Collection, Rio de Janeiro

BANCO DO BRASIL
In 1808, D. João, the Prince Regent of Portugal, and his court disembarked in the
Brazilian colonial capital of Rio de Janeiro, due to conflicts in Europe caused by the
conquests of Napoleon Bonaparte. As a result, a temporary court was established in
Brazil, benefiting the colony with the creation of the Botanical Gardens, the Royal
Press, the School of Medicine, the Royal Library, as well as our first bank, Banco do
Brasil, which was founded on October 12, 1808. Prior to that, people kept their
valuable assets at home or invested in gold and precious stones. Since there was no
national currency, trading was informal and Portuguese réis or commodities, such
as sugar, were used. Seven years later, D. João VI, who had by then been crowned
king, determined Brazil to no longer be an ordinary colony, turning into part of the
United Kingdom of Portugal, Brazil and Algarve, a fact that stimulated Brazil's
economic development.

8.000 réis, bilhete, Banco do Brasil, 1ª emissão, 1810
Acervo Banco do Brasil
8,000 réis, bill, Banco do Brasil, 1st issue, 1810
Banco do Brasil Collection

DO

CARRO DE BOI AO AUTOMÓVEL

Imagine andar por uma pequena vila de relevo irregular,
iluminada por poucos lampiões de azeite. Caminhar em ruas
estreitas e sinuosas cercadas de casas baixas com paredes
espessas de barro. Ao longo do percurso, encontram se algumas
carroças puxadas por cavalos, burros ou bois.
Você acaba de viajar para a cidade de São Paulo na metade do
século XIX, onde se concentrava a região do encontro dos rios
Tamanduateí e Anhangabaú, conhecida atualmente como o
Centro Antigo. São Paulo era um importante local de passagem, e
com o aumento da produção do café, a cidade passou a ser o ponto
principal de ligação dos municípios do interior paulista, atraindo
trabalhadores e indústrias. No início do século XX, a cidade crescia
junto às linhas de bonde, levado por animais, e linhas de trem,
recém-construídas para abastecer a cidade.
Em 1900, a The São Paulo Tramway, Light and Power Company
inaugurou a primeira linha de bondes movidos a energia elétrica,
que substituíram os bondes de tração animal. Logo os primeiros
carros movidos a gasolina puderam ser vistos pelas novas ruas
pavimentadas. O progresso era visto nos meios de transporte e
também na arquitetura. Nas décadas de 20 e 30 esse
desenvolvimento se refletiu na região central, com a construção
de novos edifícios, que dariam origem aos futuros arranha-céus.

FROM OX CART TO AUTOMOBILE
Imagine strolling through a small village, situated in a rolling terrain, lit by a
few oil lamps. Imagine walking along narrow, winding streets of low
buildings with thick clay walls. Along the way, you see carts being pulled by
horses, donkeys, or oxen.
You have just visited the city of São Paulo in the mid-nineteenth century,
the area where the Tamanduateí and Anhangabaú Rivers meet, now known
as the Historical Center. The city of São Paulo was an important crossroads
and, with the rise of coffee production, became the main hub connecting
cities in the interior of the state of São Paulo. As a result, the city attracted
workers and industries. In the early twentieth century, the metropolitan
area grew along the animal-drawn tramway lines, and also along the train
lines, which had recently been built to supply the city.
In 1900, the São Paulo Tramway, Light and Power Company launched the
first line of electrical-powered trams, which replaced the animal-drawn
trams. Soon, the first gasoline-powered cars could be seen passing through
the newly-paved streets. Progress could be seen in transportation and also
in architecture. In the 1920's and 1930's, this development could be
observed in the downtown area, with the construction of new buildings,
which would later give rise to future skyscrapers.

Rua do Comércio, atual Álvares
Penteado, c. 1862
Foto:Militão Augusto de Azevedo
Acervo Instituto Moreira Salles
Rua do Comércio, now Álvares Penteado,
c. 1862
Photograph: Militão Augusto de Azevedo
Moreira Salles Institute Collection

Rua 15 de Novembro, a partir da
praça Antonio Prado, c.1929
Foto:Theodor Preising
Coleção Brascan Cem Anos no Brasil
Acervo Instituto Moreira Salles
Rua 15 de Novembro, starting from Praça
Antonio Prado, c. 1929
Photograph: Theodor Preising
Brascan "One Hundred Years of Brazil"
Collection
Moreira Salles Institute Collection

Agên

Cent

O

EDIFÍCIO DA RUA

ÁLVARES PENTEADO

Na década de 20, o café representava cerca de 70% do valor
de nossas exportações. Muitas famílias fizeram fortuna. A
chegada de imigrantes para trabalhar nas plantações
colaborou para que o Estado de São Paulo se tornasse o
principal produtor do país, conquistando grande importância
financeira.

ncia Centro São Paulo, 1929. Balcão

tro São Paulo Branch, 1929. Cashier Counter

Foi então que, em 1927, abriram-se as portas da agência
Centro São Paulo do Banco do Brasil, na esquina da Rua
Álvares Penteado com a Rua da Quitanda. O arquiteto
contratado foi Hippolyto Gustavo Pujol Júnior, cujo projeto,
executado a partir da estrutura do edifício construído em
1901, misturava diferentes estilos europeus em voga, e até
hoje nos dá algumas pistas dos valores socioculturais e
econômicos do período.
A escolha da entrada na esquina foi a solução encontrada
para melhor aproveitamento espacial do prédio, projetado
com cinco pavimentos. O cofre ocupava todo o subsolo, e no
seu interior havia um espaço com gavetas menores usadas
para guardar documentos, joias e pertences pessoais. A
agência ocupava o térreo e o primeiro andar. Já os pisos
superiores eram disponíveis para a locação de escritórios.

Agência Centro São Paulo, 1929. Térreo

Centro São Paulo Branch, 1929. Ground Floor

THE BUILDING ON ÁLVARES PENTEADO STREET
In the 1920's, coffee accounted for nearly seventy percent of the
value of Brazil's exports, and several families made huge fortunes.
The arrival of immigrants to work on the plantations contributed
towards making the state of São Paulo the main coffee producer in
the country, imparting major financial importance.
In 1927, Banco do Brasil's first headquarters opened as Banco
Brasil´s Centro São Paulo branch on the corner of Álvares Penteado
and Quitanda streets. The architect hired for its construction was
Hippolyto Gustavo Pujol Junior, whose project, executed from the
1901 estructural building, blended different European styles that
were in fashion at the time, and which, today, indicates some of the
socio-cultural and economic values of the period.
The decision to have the building's entrance on the corner was the
solution found for better spatial use of the five-storied building. The
vault occupied the entire basement, and inside boasted an area with
small drawers to be used for storing documents, jewelry, and
personal belongings. The branch occupied the ground and first
floors. The upper floors, in turn, were available for office rentals.

EM DIREÇÃO À GRANDE
A TRANSFORMAÇÃO

METRÓPOLE

A partir da década de 30, surgiram novas avenidas que ligavam o
centro de São Paulo às regiões mais afastadas. A população
passou a se deslocar para a periferia, dando início a um processo
de desvalorização da região central, embora continuasse a ser o
foco das atividades comerciais.
Após o final da II Guerra Mundial, a estrutura do prédio de Pujol já
não se adequava ao crescimento da cidade e do banco. Assim, o
edifício permaneceu como agência e a sede se mudou para a
avenida São João em 1954.

O Centro Cultural
Com a intenção de revalorizar o Centro Histórico, na década de 90
houve a transformação da agência bancária em Centro Cultural,
mantido pelo Banco do Brasil. Fundamental para a preservação da
memória da cidade, o prédio passou por um processo de restauro e
adaptação realizado pelo arquiteto Luiz Telles. O CCBB foi aberto
ao público no dia 21 de abril de 2001. Conta com salas de
exposição, teatro, cinema, auditório, cafeteria e espaço para
atividades educativas.

TOWARDS A GREAT METROPOLIS ­ THE CHANGE
Beginning in the 1930's, new avenues linking downtown São Paulo to more
remote regions were constructed. The population began to move to the
outskirts, which caused the downtown area to depreciate in value;
nonetheless, it continued to be the focus of business activities.
After World War II, Pujol's building no longer suited the growth of the city
and of the bank. Therefore, the building continued to serve as a branch
and, in 1954, the Banco do Brasil headquarters moved to São João Avenue.

The Cultural Center
In the 1990's, with the intention of developing appreciation for São Paulo's
Historical Center, the branch was transformed into a Cultural Center,
which is maintained by Banco do Brasil. As a vital element for the
preservation of the city's memory, the building was restored and adapted
by architect Luiz Telles. The CCBB was opened to the public on April 21,
2001. It has exhibition halls, a theater, a movie theater, an auditorium, a
coffee shop, and a space for educational activities.

NEOCLÁSSICO
Movimento artístico europeu baseado em conceitos como
equilíbrio, simetria, clareza e proporção, inspirados na arte
greco-romana. A partir da fachada do edifício, podemos
perceber como os dois lados são iguais. Os capitéis das
colunas apresentam ornamentos de folhas e coloração
dourada, tradicionais do neoclassicismo.
NEOCLASSICIST
European artistic movement based on concepts such as balance, symmetry,
clarity and proportion, inspired by Greek and Roman art. Facing the façade of
the building, one can see that both sides are identical. The columns' heads have
leaf ornaments and are gold-toned, typical of traditional neoclassicism.

ART NOUVEAU
Estilo europeu que se desenvolve entre 1890 e a Primeira
Guerra Mundial, se inspira nas formas sinuosas e assimétricas
da natureza. O vitral localizado na parte superior e as grades
de ferro do mezanino e do primeiro andar apresentam curvas
e motivos florais. Experimente encontrar características desse
estilo em outros detalhes da arquitetura...
ART NOUVEAU
European style developed between 1890 and World War I, inspired by the
sinuous and asymmetric shapes of nature. The stained-glass window at the top
of the atrium and the first floor and mezzanine wrought-iron railings have
curves and floral motifs. Try to find features of this style in other details of the
architecture ...

ART DÉCO
Suas principais características são as formas geométricas, a
exaltação da monumentalidade e sua ênfase no valor
decorativo. O edifício do Banco do Brasil foi um dos primeiros a
empregar este estilo. Observe o lustre, no hall de entrada, e as
luminárias das paredes.
ART DECO
Its main features are geometric shapes, exaltation of grandeur, and emphasis
on decorative value. The Banco do Brasil building was among the first to employ
this style. Notice the chandelier in the entrance hall, and the lamps on the walls.

ECLÉTICO
Caracterizado pela mistura de estilos diferentes, pode ser
considerado no Brasil como uma tentativa de ir além do
modelo neoclássico. Na fachada do CCBB encontramos arcos
romanos, colunas gregas, janelas e portas art déco e art
nouveau.
ECLETIC
Characterized by a mixture of different styles. In Brazil, one can consider it to be
an attempt to transcend the Neoclassical model. On the CCBB building's façade
one can find Roman arches, Greek columns, Art Deco and Art Nouveau doors
and windows.

TRIÂNGULO

HISTÓRICO

Você pode visitar outros edifícios do Pujol na região central,
como o edifício Rolim (Praça da Sé, 89), de 1928, e o edifício
Guinle (Rua Direita, 49), projeto com sete andares,
considerado o primeiro arranha-céu de São Paulo, além de ser o
pioneiro em concreto armado do Brasil.
Aqui no centro você também pode andar pelo triângulo
histórico, região em que nasceu a cidade (Ruas 15 de
Novembro, Direita e São Bento), conhecer o Vale do
Anhangabaú, o Teatro Municipal e o antigo prédio da Light, que
hoje é um shopping center.
Existe uma infinidade de histórias e memórias escondidas no
centro de São Paulo a serem descobertas...

HISTORICAL TRIANGLE
You can visit other Pujol buildings in the downtown area, such
as the Rolim Building (Praça da Sé, 89), dated 1928, and the
Guinle Building (Rua Direita, 49), a seven-floored project,
considered to be the first skyscraper in São Paulo, as well as
Brazil's first reinforced concrete building.
Here in the downtown area, you can also walk through the
historic triangle, the area where the city first started (15 de
Novembro , Direita, and São Bento streets), get to know the
Anhangabaú Valley, the Municipal Theater, and the former
Light (Light and Power Company) building, which is now a
shopping center.
There are endless stories and memories hidden in São Paulo's
historic downtown area yet to be discovered ...

Edifício Guinle
Rua Direita, 49
Foto: Mikio Okamoto
Guinle Building
Rua Direita, 49
Photograph: Mikio Okamoto

Edifício Rolim
Praça da Sé, 89
Foto: Thiago Russi
Rolim Building
Praça da Sé, 89
Photograph: Thiago Russi

PUJOL
Filho de um imigrante francês com uma brasileira, Hippolyto Gustavo
Pujol Júnior nasceu em 1880, em Mendes, no Rio de Janeiro. Estudou
engenharia e arquitetura em São Paulo, na então recém-criada
Escola Politécnica, e na Europa. Dentre suas contribuições está a
ampliação dos materiais utilizados nas construções, como o concreto
armado, e a apropriação de estilos europeus.

PUJOL
Son of a French immigrant and a Brazilian woman, Hippolyto Gustavo Pujol Junior was
born in 1880 in Mendes, in the state of Rio de Janeiro. He studied engineering and
architecture in São Paulo at the then newly-created Escola Politécnica, as well as in
Europe. His contributions include the introduction of new materials used in construction,
such as reinforced concrete, and the appropriation of European styles.

CURIOSIDADES
Você sabia


que a sede do Fluminense Football Club, em estilo
neoclássico, no Rio de Janeiro, é projeto de Pujol?

O vitral separava as atividades bancárias de outras salas. Agora,

mais elevado, permite uma visão geral do prédio e seus detalhes.
Os balcões dos antigos caixas foram adaptados e agora podem ser

vistos no térreo: na Loja, no Café e na bilheteria.

CURIOSITIES
Did you know that the neoclassical headquarters of Fluminense Football

Club in Rio de Janeiro is a Pujol project?
The stained-glass window once separated banking activities from the other

rooms. Now, positioned higher, it provides an overview of the building and
its details.
The former cashier counters were adapted and can now be seen on the

ground floor: in the store, in the coffee shop, and at the box office.

PATROCÍNIO
REALIZAÇÃO
PRODUÇÃO
COORDENAÇÃO GERAL
COORDENAÇÃO

DE PRODUÇÃO

COORDENAÇÃO

DE

AÇÕES EDUCATIVAS

SUPERVISÃO OPERACIONAL
PESQUISA E TEXTOS
Angélica Ferreira . Deise de Brito
Lucas Fabrizzio . Marina Médici
COLABORAÇÃO
Diego Ruiz . Fabiane Del Nero
PROJETO GRÁFICO

Realização