MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

HISTÓRIA
E

EVOLUÇÃO
DOS

HOSPITAIS

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

Capítulo

1

HOSPITAL ­ ESBÔÇO HISTÓRICO
"A individualidade mais importante do hospital não é
o seu diretor, nem o contribuinte, nem o médico, nem a
enfermeira, nem o secretário; a individualidade mais
importante do hospital é, sem dúvida, o enfêrmo".
GOLDWATER.

AOS DIRETORES, CHEFES, TÉCNICOS, A TODOS OS PROFISSIONAIS DA
ADMINISTRAÇÃO DE INSTITUIÇÕES HOSPITALARES E DE ASSISTÊNCIA
SOCIAL
Com a presente edição desejamos iniciar a publicação de uma série de
livros e folhetos, instruções e sugestões, sôbre assuntos técnicos e práticos,
referentes à organização e administração hospitalares e para-hospitalares, com o
fim de levar a todos os recantos do Brasil, igualmente, o conhecimento atualizado,
e o mais completo possível, acêrca de uma nova especialidade e da sua plena
adoção entre nós.
Esta contribuição constitui o seguimento natural do primeiro Curso de
Organização e de Administração Hospitalares, que acabamos de encerrar a 2 do
corrente, com excelente êxito, tendo sido conferido o certificado de especialização
a vinte e cinco médicos que são assim os primeiros especialistas formados
oficialmente, na América do Sul.
O conceito do hospital moderno, designação que resume individualizando,
uma nova orientação sistematizada, alcançou, com efeito, em outros países, e
particularmente nos Estados Unidos, os foros de uma especialidade definida, e já
hoje de consagrado prestígio.
Compreendendo desde a formação do especialista, o planejamento das
edificações e instalações, a seleção do equipamento, as normas da organização e
de funcionamento, o regime econômico-financeiro, a assistência social, jurídica,
cultural, religiosa e recreacional, o estudo da padronização em geral, a legislação
específica, a cooperação profissional e associativa ou de classes; abrangendo,
desta sorte, todo o domínio da assistência médico-social na comunidade, tanto
para doentes, e de tôdas as classes, como para indigentes, e desajustados sociais,
eis, em súmula, todo um programa, que é também a própria finalidade da Divisão
de Organização Hospitalar, órgão federal especializado de coordenação,
cooperação, orientação e contrôle das atividades dêste setor, no serviço
permanente da organização nacional.
Prevaleceu na denominação do serviço oficial, a designação "hospitalar",
porquanto é o hospital o problema por excelência, e de preferência, nesta primeira
fase; sendo o nosso objetivo máximo contribuir para a criação de uma ampla rêde
de instituições hospitalares, convenientemente

4

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

construídas e aparelhadas, e uniformemente, por todo o território nacional, permitindo,
tanto quanto possível, a distribuição dos necessários cuidados médicos e referidas
assistências, com a íntima colaboração das instituições particulares e
governamentais.
Inclui a longa e árdua tarefa por nós assumida a determinação de
promover, criar, ampliar, melhorar, modernizar, com tôda a cooperação possível,
não só os hospitais, como as entidades para-hospitalares, desde as clínicas e as
policlínicas isoladas, dispensários e ambulatórios, as estâncias de cura até aos
asilos, os abrigos e os albergues.
Com êste plano no que concerne à assistência médico-social, completamse, nas cidades e na zona rural, os serviços de saúde da União, do Estado, e do
Município, existentes ou em projeto.
Esta primeira publicação, atendendo à ordem cronológica dos assuntos,
encerra, outrossim, uma primazia de propósito conferida do Autor, como
homenagem pela sua já longa e valiosa contribuição no domínio médicohospitalar, entre os raros especialistas que já possuímos da Organização e
Administração Hospitalares.
Traçando com erudição de paciente e ilustrado pesquisador, que é, a
história das instituições médico-sociais, desde a origem mais remota, o Autor nos
oferece, de algum modo, e paralelamente, um interessante esbôço da própria
evolução da Medicina e da Cirurgia, e suas especialidades.
Apresentada, assim, a obra, excusado seria dizer que é o Professor Ernesto
de Souza Campos, médico e engenheiro, cujo nome de cientista, microbiologista,
se acha ligado também à criação e autoria do plano da modelar Faculdade de
Medicina de S. Paulo, de que é catedrático, autor igualmente de alguns dos mais
modernos estudos e projetos de hospitais de São Paulo, Pôrto Alegre, Salvador da
Bahia, Belo Horizonte e alhures.
Que a nova série de publicações, que ora se inicia com um tão distinto
patrocínio, cresça e frutifique em prol do nosso desideratum técnico, humanitário
e patriótico, para a vitória da campanha por nós empenhada há mais de dois anos
de constantes esforços, após três lustros de prática pessoal na especialidade.
Divisão de Organização Hospitalar, dezembro de 1943.
THEÓPHILO DE ALMEIDA
Diretor

PROÊMIO
Êste trabalho foi escrito durante o tempo de exercício do autor na
"Comissão do Plano da Universidade do Brasil", em seguimento a outros três
livros já publicados sob os títulos de Estudos sôbre o Problema Universitário",
"Educação Superior no Brasil", e "Instituições Culturais do Brasil", os dois últimos
editados pelo Ministério da Educação e Saúde.
Como nos trabalhos anteriores, teve o A. a intenção de focalizar um
problema nacional, como é o hospitalar, na hora atual. É incontestável que, nesta
última década, entramos em um período de renovação hospitalar. Nossos velhos
hospitais sob o impulso desta corrente progressista e modernizadora que se vai
avolumando nos últimos tempos, vão sendo gradualmente substituídos por outras
instalações, algumas verdadeiramente modelares, sob o ponto de vista da sua
construção e equipamento. Novos edifícios, em projeto, em construção, ou
concluídos, sob linhas de regular ou perfeito ajustamento técnico, oferecem um
quadro animador. Algumas vêzes, porém, os projetos são mal conduzidos,
indicando ou falta de literatura específica ou que a questão ainda não foi
considerada com a importância que merece ter, pois, é impossível adaptar um bom
conteúdo em um mau continente.
Por outro lado é preciso ponderar que, havendo já em nosso meio algumas
instalações materiais de bom potencial, apresentamos grande deficiência quanto ao
funcionamento dessas organizações, à luz da técnica hospitalar moderna. A leitura
das mais recentes publicações sôbre a moderna organização hospitalar mostra à
evidência, quanto temos ainda que trabalhar para nos aproximarmos da eficiência
dos grandes hospitais da nossa época.
O A. desta obra, não obstante considerar-se o menos autorizado entre os que
se puseram à frente desta salutar campanha, julgou do seu dever trazer esta
modesta contribuição, fruto da sua pequena experiência, neste campo da assistência
médico-social.

6

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Na confecção dêste trabalho algumas citações foram traduzidas, outras
conservadas no original, conforme o critério do relêvo a ser assinalado em cada
caso.
O A. procurou ser exato no tratamento do assunto. Além dos livros e artigos
publicados que teve a oportunidade de compulsar, empreendeu pesquisas, em
outras fontes, na rica coleção de manuscritos do Instituto Histórico e Geográfico
Brasileiro, da Biblioteca Nacional e do Arquivo Nacional. Examinou também,
quanto possível, o arquivo de algumas das nossas Misericórdias.
O A. agradece especialmente ao Exmo. Sr. Ministro da Educação, Dr.
Gustavo Capanema, a oportunidade que lhe deu para escrever e publicar êstes
estudos e os outros acima mencionados.
Ernesto de Souza Campos.

CAPÍTULO PRIMEIRO
BREVE NOTÍCIA HISTÓRICA SÔBRE OS HOSPITAIS EM GERAL
A palavra hospital é de raiz latina (Hospitalis) e de origem relativamente
recente. Vem de hospes ­ hóspedes, porque antigamente nessas casas de
assistência eram recebidos peregrinos, pobres e enfermos. O têrmo hospital tem
hoje a mesma acepção de nosocomium, de fonte grega, cuja significação é ­ tratar
os doentes ­ como nosodochium quer dizer ­ receber os doentes. Outros vocábulos
constituíram-se para corresponder aos vários aspectos da obra de assistência:
ptochodochium, ptochotrophium, asilo para os pobres; poedotrophium, asilo para
as crianças; orphanotrophium, orfanato; gynetrophium, hospital para mulheres;
zenodochium, xenotrophium, refúgio para viajantes e estrangeiros; gerontokomium,
asilo para velhos; arginaria, para os incuráveis.
Hospitium era chamado o lugar em que se recebiam hóspedes. Dêste
vocábulo derivou-se o têrmo hospício. A palavra hospício foi consagrada
especialmente para indicar os estabelecimentos ocupados permanentemente por
enfermos pobres, incuráveis e insanos. Sob o nome de hospital ficaram designadas
as casas reservadas para tratamento temporário dos enfermos. Hotel é o têrmo
empregado com a acepção bem conhecida e universal.
No concílio de Orleans, ocorrido em 549, o Hôtel Dieu de Lyon, criado em
542, por Childebert, foi designado sob o nome de xenodochium. Era destinado a
receber pobres, órfãos e peregrinos. Vários "hospitais" para escolares e peregrinos
foram criados em Paris ­ o hospital dos escolares de São Nicolau do Louvre, em
1187; o hospital do Santo Sepulcro, em 1326, para receber peregrinos de
Jerusalém; o hospital de Santa Catarina, para abrigar apenas por três dias os
desocupados. O têrmo hospital era, pois, impreciso, nesta época, em relação ao
conceito atual.
O hospital tem sua origem em época muito anterior à era cristã, não
obstante a opinião de autores que se têm esforçado para demonstrar o contrário.
Não há dúvida, porém, que o cristianismo impulsionou e desvendou novos
horizontes aos serviços de assistência, sob as mais variadas formas.

8

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

ROUBAUD procurou estabelecer provas em favor da origem cristã dos
hospitais. O Larousse do Século XX, erradamente, assinala o primeiro hospital
como tendo sua origem no fim do século IV com o hospital de São Basílio fundado
em 368. Os templos de Saturno considerados como primórdios da escola médica
existiram muitos séculos antes de Cristo. Segundo MAC EACHERN, tais templos
caracterizaram os hospitais egípcios.
O Larousse do século XX cita e apresenta a estampa de um templo de
Saturno, situado no Forum romano. Sua origem dataria dos tempos de Tullus
Hostilius ou de Lucius Tarquinius. Tudo isso é muito confuso pois Hostilius
morreu no ano 630 A.C. e Tarquínio ­ o Soberbo ­ em 44 A.C. O templo citado
não teve, entretanto, finalidade hospitalar.
NA BABILÔNIA, a prática da medicina começou no mercado. Pode-se dizer
que o mercado foi o hospital daquela época. Segundo HERÓDOTO, o grande
historiador de Halicarnassus (Livro I-197):
"Os doentes eram conduzidos ao mercado, porque não existiam médicos. Os que passavam
pelo doente interpelavam-no com o intuito de verificar se êles próprios tinham sofrido o mesmo mal ou
sabiam de outros que tivessem tido. Podiam assim propor o tratamento que lhes fôra eficaz ou eficaz na
cura de pessoas de suas relações. E não era permitido passar pelo doente em silêncio. Todos deviam
indagar a causa da sua moléstia."

Não é verídica a primeira asserção de HERÓDOTO negando a existência de
médicos naqueles tempos primitivos, nem é exata a afirmativa que gozavam os
sacerdotes das duas grandes ordens dos salmistas e mágicos e dos profetas ou
adivinhadores. Mas no último período da história assírio-babilonesca começaram a
tomar corpo os estudos médicos. Versaram principalmente sôbre preparados
vegetais e minerais sôbre antídotos contra venenos de serpente e escorpiões e sôbre
tratamentos diversos em que o "encantamento" era tido em grande conta. A
profissão médica foi, destarte, estabelecida naquela região do globo. Segundo
GARRISSON (Código Hammurabi ­ 2.250 A.C.), a remuneração dos médicos estaria
mesmo cuidadosamente regulamentada por lei, em certa época daquela civilização.
A abertura de um abcesso no ôlho com lanceta de bronze, por exemplo, custava 10
"shekels" de prata para os ricos, 2 a 5 para os pobres. Se o paciente falecia ou
perdia o órgão visual era o operador severamente castigado: tinha sua mão cortada,
no caso do cliente rico e, no caso de um escravo, era obrigado a dar-lhe substituto
quando morria ou metade do valor da operação, ocorrendo a inutilização do ôlho.
Os médicos assírio-babilonescos exerceram sua atividade até no Egito, onde
eram chamados para consulta. Existiam especialistas e a remuneração era farta.
Conhecem-se os nomes de alguns entre os que exerceram a profissão no primeiro
milenário antes de Jesus Cristo.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

9

Arad Nanâ, médico de Asarhaddon (681-669 A.C.), deixou escrita a história
do tratamento ocular de um pequeno princípe:
"Arad Nanâ ao rei meu senhor. Arad Nanâ é teu servidor; mil e mil votos pelo rei meu senhor.
Possam o deus Ninourta e a deusa Goula trazer felicidade e saúde ao rei meu senhor. Mil votos para a
criança cuja ôlho está doente. Eu coloquei um penso sôbre o seu rosto. Ontem, à tarde, retirei o penso e
também a compressa que estava em baixo. Havia sangue ou pus no penso apenas do tamanho da
extremidade do dedo mínimo. Qualquer que seja o deus, entre os teus, responsável pela melhora, sua
ordem foi bem executada. Mil votos. Que o coração do rei meu senhor esteja apaziguado. Em 7 ou 8
dias o doente ficará bom".

Textos médicos ou para médicos dos tempos assírio-babilonescos, os mais
remotos da história da medicina, oferecem documentos sôbre a atividade médica na
Mesopotânia, desde três mil anos antes da era cristã. Consistem de peças de argila
sôbre os quais foram traçados, com estilete, sinais cuneiformes da escritura assíria.
A maior parte, conservada no Museu Britânico, é oriunda da bliblioteca do
palácio de NINIVE e foi reunida pelo rei ASSUBANIPAL (668-625 A.C.).
Missões americanas e alemãs encontraram grande número dêsses preciosos
documentos.
Mais de um milhar dessas peças completas ou fragmentadas descrevem
casos clínicos e terapêuticos ou estabelecem prognósticos. Encontram-se
prescrições, formulários e até tratados, compostos de várias peças. Algumas datam
de dois mil anos antes da nossa era. Receitas simples ou mais complexas indicam
sobretudo a puridicação por meios físicos e o encantamento.
***
O sacrifício de animais (cabrito) estava em voga já nessa época.
Não pretende êste trabalho traçar a história da medicina e sim esboçar,
muito sumàriamente, as origens dos hospital. As referências históricas que não se
enquadrem perfeitamente neste programa visam apenas entrosar aspectos
interessantes dos estudos e do exercício profissional com a história particular das
organizações nosocomiais.
***
A história da medicina tem suas origens em época bem mais remota que a
dos hospitais. O homem preocupado, a princípio, apenas com o bem estar de sua
família, foi obrigado, com o correr dos tempos e para sua própria defesa, a se
interessar pela saúde dos seus semelhantes, quando o aumento da população e a
intensificação do trafégo demonstraram a necessidade de proteção coletiva.

10

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Com o progresso da civilização e o desenvolvimento das religiões,
principalmente a cristã, êste movimento foi tomando corpo até atingir, em curva de
ascensão rápida, a culminância dos tempos atuais em que se multiplicam, sob as
mais variadas formas, os serviços de assistência social, pública e privada.
Em duas das mais antigas civilizações encontramos as raízes mais remotas
das instituições hospitalares ­ as do Egito e da Índia.
NO EGITO o hospital foi representado pelo templo de Saturno já
mencionado. Ao tempo da fundação de Alexandria, com sua universidade e
biblioteca, seu intercâmbio com a Grécia, existiram os templos de Serapis e IsisSerapieia e Isieria, segundo o modêlo das Asclepieia gregas. Herophilus e
Erisitrastus foram os dois grandes antomistas do Egito. Criaram os processos de
dissecção e fizeram notáveis verificações como as das relações dos nervos com o
cérebro e medula espinhal, a do 4.º ventrículo, do "calamus scriptoris", da retina,
etc.
O médico era tido em alta conta no Egito. Na Odisséia (Livro IV-182)
HOMERO assinala que êles excediam a todos os homens.
"De fono Egípcia espôsa, cuja terra
Os reproduz saudáveis ou nocivos
E onde o médico excede os homens todos
E de Peon descende. Helena exclama,
Preparada a poção: "De heróis procedem,
Sim, divo Menelao; mas poderoso
Dispensa o Eterno as máguas e os prazeres.
Discursando o festim saboreemos;"

A especialização era notável, no dizer de HERÓDOTO:
"a medicina no Egito está subdividida de modo que cada médico cura apenas uma enfermidade; o país
está repleto de médicos dos quais uns são médicos dos olhos, outros da cabeça, outros dos dentes,
outros do abdome e outros também (sic) para as moléstias invisíveis".

Durante a guerra e as viagens no interior os doentes eram tratados
gratuitamente por médicos mantidos pelo Estado. A concepção hepática assíriobabilonesca situando no fígado a sede da circulação, atribuindo-lhe a máxima
importância vital, foi substituída, entre os egípcios, pela concepção pneumática em
que a respiração ocupava o primeiro pôsto, bem que soubessem ser o coração o
órgão circulatório central.
Conheciam os egípcios os métodos propedêuticos de inspeção, palpação e
até de auscultação, pois no "papyrus" de EBERS há a seguinte referência: "o ouvido
sente aqui em baixo"... Os papiros descobertos em várias épocas trouxeram
excelentes conhecimentos sôbre a medicina dos tempos antigos.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

11

O mais famoso dêsses preciosos documentos é o chamado "papirus de
Ebers", datado de 1550 antes de Cristo. Pertence à biblioteca de Leípzig. Compõese de 108 páginas com 25 linhas em média, cada uma e 875 prescripções sôbre
afecções viscerais, oculares, ginecológicas, verminosas.
O papiro adquirido pelo egiptólogo americano EDWIN SMITH é o mais
antigo, pois é retraçado até 3.000 anos antes de Cristo. Entre outros papiros
conhecidos podem ser mencionados: o Hearst, descoberto pela expedição
americana da Califórnia; o Koboun, encontrado por F. PETRI, o de Londres
pertencente ao Museu Britânico; o Brugsb, de Berlim; o Harris, o Leyden.
Os médicos egípcios formavam casta perfeitamente organizada, cabendolhes títulos sacerdotais. Possuíam as escolas médicas de Sais e de Osiris, esta
última, em Heliolópolis.
Ao chefe da escola de Sais, cujas origens recuam até 4.000 anos antes de
Cristo, cabiam os títulos de "maior dos médicos" e sacerdote supremo da deusa
Neith. A escola de Osiris possuía um sanatório dirigido por um clínico que
ostentava o título de "grão vidente".
As escolas funcionavam junto aos templos, mas parece que eram
administrativamente independentes. (CASTIGLIONE).
A medicina egípcia acompanhou a decadência da ciência e das artes que se
sucedeu ao domínio persa, como ocorreu, também, com a civilização assíriobabilonesca sob a invasão das hordas bárbaras no VII século antes da nossa era.
A medicina JUDAICA sofreu a influência da assírio-babilonesca. Ao conceito
teúrgico com muitas divindades responsáveis pelos casos clínicos sucedia, porém,
a teocracia monoteísta israelita, firmada na mística de purificação (higiene), com
todo o ritual de preservação de certos alimentos, do banho das mulheres e da
circuncisão cuja origem, aliás, se perde na noite dos tempos.
Como a medicina dos hebreus nos é conhecida pela bíblia e pelo talmude, a
do Iran chegou aos tempos modernos pelos antigos livros do Zendavesta.
Os mais remotos documentos literários da ÍNDIA são os textos médicos, em
sânscrito, tais como o Rig Veda, com seus hinos litúrgicos (1500 A.C.) e o Atharva
Veda. Do mesmo modo que entre os outros povos antigos, continuava-se, na Índia,
a prática da medicina teúrgica dos milagres e encantamentos contra os demônios
causadores das moléstias. Progrediu, porém, a cirurgia. O elemento característico
da arte médica da época foi mesmo a cirurgia, como, entre os israelitas, a higiene.
No exercício da prática cirúrgica o profissional indú revestia-se de cuidados
higiênicos, tomando um banho diário, usando roupas brancas aparando as unhas e
cabelos.

12

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Não conheciam os indús a ligadura dos vasos, mas eram exímios em
numerosos processos operatórios, como os de amputação, excisão de tumores,
remoção de hérnias, extração de catarata, cirurgia plástica etc. Dispunha de mais de
uma centena de instrumentos cirúrgicos.
Considerável foi a influência do budismo na propagação das instituições
hospitalares.
O príncipe Gautama, seu fundador, construiu hospitais e nomeou um
médico para cada dez cidades. Seu filho Upatise seguiu-lhe as pègadas. É o que
consta da literatura indú, segundo MAC EACHERN.
VITOR ROBINSON refere-se aos bens equiparados hospitais da Índia budista.
Relata êste autor que na Pali, narrativa conhecida como Maharansa, a grande
crônica de mil anos da história de Ceilão, é relatado o seguinte episódio: Dutha
Gamoni, sentindo que os seus dias na terra estavam por findar (161 A.C.), pediu
que fôssem lidos, perante êle, os documentos dos fatos de seu reinado. As últimas
palavras que o rei ouviu foram as seguintes:
"Eu tenho mantido em diferentes lugares hospitais
providos de dieta conveniente e de medicamentos, para os enfermos,
preparados por médicos".
Em um trabalho do professor LUIZ DE REZENDE PUECH (A hospitalização
através dos tempos) encontra-se uma referência aos hospitais anexos aos mosteiros
budistas no ano 543 A.C.
A.C.

O mesmo A. cita 18 hospitais, em Ceilão, mantidos pelo rei Gamari em 61

No opúsculo de REZENDE PUECH é mencionada a construção de vários
hospitais pelo rei Budhadara em 341 A.C., assim como a visita de Khorsóes à
Índia, em 500 A.C. Estudando a medicina budista, trouxe Khorsóes plantas
medicinais e drogas, fundando uma escola médica e hospitais.
Segundo GARRISON, o Ceilão possuiu hospitais nos anos de 437 e 137 antes
de Cristo. O mesmo autor relata a existência de uma inscrição, em uma rocha na
Índia, assinalando a criação de hospitais pelo rei Asoka, cêrca de 226 anos antes de
Cristo. Realmente a história nos conta que Asoka, integrado no budismo, como
membro da Ordem, mandou gravar inscrições realçando os ensinamentos de
SIDDHATTHA GAUTAMA. Trinta e cinco dessas inscrições persistem até hoje (H. G.
WELLS).
Para WELLS, Asoka foi o maior dos reis:
"Amidst the ten of thousands of monarchrs that crowd the columns of history their magesties
and graciousnesses and erenities and royal highenesses and the like, the name of Asoka shines almost
alone, a star".

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

13

Asoka, impressionado pelos horrores e crueldades da guerra, verificados em
uma por êle desencadeada (Kalinga ­ 255 A.C.), e da qual foi vencedor, deliberou
orientar suas novas conquistas nos domínios do bem e da religião. Influenciado
pelo budismo, devotou-se ao empreendimento de obras que o conduzissem a
Nirvana.
Ocupou-se de atos de caridade, fundou hospitais, cavou poços, criou jardins
públicos, plantou árvores de sombra, estabeleceu hortos para cultivo de plantas
medicinais, educou as mulheres, intentou a educação de todo o seu povo, dentro de
um ponto de vista comum em relação aos fins e meios da vida, etc.
Diz WELLS:
"Tivesse Asoka um Aristóteles para inspirá-lo e daria, sem dúvida, um grande
desenvolvimento às investigações científicas".

MAC EACHERN, no seu livro "Hospital Organization and Management",
refere que eram 18 as instituições construídas pelo rei Asoka em 226 A.C.:
"The most outstanding of the early east India Hospitais were 18 institutions build by king
Asoka about 226 A.C. They are historically significante because they possessed characteristics similar
to those of the modern hospital. The attendants were ordered to give gentle care to the sick, to furnish
them with fresh fruits and vegetable, to prepare medicine, to give massage, and to keep their own
persons clean".

Não houve oportunidade de encontrar documentação sôbre a existência dos
primitivos hospitais da CHINA. Apesar dos seus numerosos tratados e enciclopédias
escritas nos períodos das dinastias Chow (1122 A.C.), Ming, Ching, a medicina
estêve na China em grande atraso.
A saúde para os médicos chineses dependeria do perfeito equilíbrio entre
dois fatôres polares opostos: um princípio masculino positivo (yang) céu, luz,
fôrça, calor, etc. e outro feminino negativo (yin) (lua, terra, obscuridade,
debilidade, frio, etc.).
Existiriam, no organismo humano cinco órgãos e cinco vísceras. Os cinco
órgãos regulariam tôdas as atividades do corpo humano: o fígado armazenaria o
sangue que conteria a alma; o braço, a nutrição responsável pelo pensamento; o
coração, o pulso, o espírito; o pulmão, a respiração, a energia; o rim, o princípio
germinativo.
As cinco vísceras seriam o estômago, o intestino delgado, o intestino
grosso, o uréter, a bexiga.
Êsses órgãos e vísceras obedeceriam a uma hierarquia fisiológica na qual o
coração desempenharia o papel de rei, o fígado o de general, etc., sendo todos,
aliás, aparentados entre si; o coração seria filho do fígado, pai do estômago, amigo
do baço e inimigo do rim.

14

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Com seu proverbial caráter de minúcia, determinariam os chineses 10.000
variedades de febres e 14 de disenterias. Davam grande importância ao exame do
pulso e da língua dos seus clientes.
Na sua terapêutica, muito complicada, empregavam, como outros povos
antigos, escrementos diversos. Em tratados médicos lusitanos de data remota,
encontram-se receitas em que escrementos entravam na composição do receituário.
Entretanto, eram avançados os conhecimentos farmacológicos dos chineses, como
se deduz de uma obra escrita no século XVI e composta de 152 volumes ­ o Pen
Ts'ao Kang Mu. No excelente tratado de CASTIGLIONI, sôbre a história da medicina
figura (pág. 100) a reprodução fotográfica de uma receita escrita em caracteres
chineses e cujo papel deveria ser engulido pelo cliente! Acrescenta o referido A.
que esta prática muito se difundiu na China.
Na dinastia Ming foi estabelecida a escola médica de Pekin para ensino dos
médicos da côrte.
No JAPÃO parece que o hospital mais antigo foi criado pela imperatriz
Komyo, em 758.
No livro Ishinho, escrito em 982 por Yasuyori Tamba, existem referências
aos hospitais para variolosos.
Quando os navegantes portuguêses Mota, Zaimoto e Peixoto (1542), foram
ter às costas do Japão, arrastados por uma tempestade e revelaram, no ocidente, a
existência daquêle país, São Francisco Xavier na sua faina de missionário, para ali
se dirigiu, implantando uma igreja católica e hospitais para tratamento gratuito.
Isto ocorreu em 1549. Expulsos os missionários, cessou tôda a atividade
estrangeira no país do sol nascente. Com a abertura dos portos, conseqüente à
penetração da esquadra norte-americana de Perry, na baía de Uraga (1853) cessou
o secular isolamento do Japão. Novamente logo se fêz sentir a influência médica
européia, agora por intermédio dos holandeses que, em Iedo (atual Tokio),
fundaram uma escola médica, em 1857, adquirida pelo govêrno nipônico três anos
mais tarde.
Por obra de KITASATO, um discípulo de KOCH, estabeleceu-se, depois, a
influência da ciência alemã (1892).
Na GRÉCIA, a instituição hospitalar encontra suas raízes nos tempos
devotados ao culto de Esculápio, Filho de Apolo e da ninfa Coronis. Esculápio
(nome latino de Asclépio ­ o deus grego da medicina), tornou-se tão hábil na arte
de curar, aprendida com o centauro Chiron, que foi acusado, por Plutão, como
responsável pela redução do número de espíritos. Zeus destruiu-o com um raio,
temendo que Esculápio tornasse os homens imortais. Surgiram então os templos
dedicados à sua memória ­ Asclepéia. Entre êstes templos tornaram-se mais
famosos os de Cós, Epidaurus, Cnidus e Pergamus.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

15

HOMERO cita Esculápio como habilíssimo médico, cujos filhos Machaon e
Podalírio também exerceram a mesma profissão, no campo grego, durante a guerra
de Tróia. Foram os dois principais médicos do exército daquêle país.
No livro IV da Ilíada narra HOMERO o ferimento de Menelau, o temor de
Agamemnon e seu urgente apêlo ao filho de Esculápio, para que ministrasse o
tratamento:
"Ao roxar do sangue, o rei dos homens
Horrorizou-se e Menelau com êle;
Mas, fôra vendo a seta e o nervo e as barbas,
Alento cobre o generoso peito.
Com máguas dos consórcios, Agamemnon
Tem-no e grave suspira: "Irmão dest'alma,
Sagrei-te à morte com selar por todos
Pugnasses tu. Feriram-te e calaram
Os troianos a fé; mas vãs não foram
Hóstias, nem libações, nem destras dadas:
Se do Olimpo o senhor hoje os não pune,
Há-de os punir, com suas vidas próprias
De esposas, filhos, pagarão de sobra.
Cuido próximo o dia em que Ilio sacra
E o rei beloso e o povo seu pereçam:
Lá das alturas, da perfídia em ódio,
A égide horrenda agitará Satúrnio;
Nem fútil de seu ódio. Mas, se a Parca
Tronca-te a vida, ó Menelau, que luto!
A argos sequiosa voltarei, de infame
Labéu marcado; que, na pátria os Graios,
Só tendo a mente, a Priamo e aos Priameos
Deixaremos a palma e Hel na Argiva.
Podres em Tróia jazerão teus ossos,
Sem concluir-se a emprêsa; e um dêsses feros,
Do claro, Menelau sôbre o sepulcro
Motejará ­ Sacie o rancor sempre
Dêste modo Agamemnon, que infinitas
Falanges trouxe em balde às nossas plagas;
Abandonado a Menelau valente,
Já vogou sem despojo ao doce ninho ­
Antes que eu ouça tal, me engula a terra!"
O herói flavo o assegura: "Nem te assustes,
Nem aterres o exército; que a seta
Letal não foi: meu boldrié salvou-me,
E o cinturão e a malha obra de mestre."
E ainda Agamemnon: "Oxalá, direto;
Mas adestrada mão tente o golpe.
Com bálsamos te aplaque as testras dôres."
Nisto, virando-se ao divino arauto;
Já, já, Talthybio, a Manchaon procures
Peritíssimo filho de Esculápio;
Que presto acuda a Menelau, que um Lício
Ou Tróico archeiro de frechá-lo acaba,
Por glória sua e pesadume nosso."
O arauto logo, às lorigadas linhas

16

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Lustrando, o heróico Machaon procura.
No meio estava de escudadas hostes.
Que o seguiram de Trica em poldros fértil.
Aproxima-se, e rápido: "Agamemnon
Chama-te, Esculapiada; não tardes,
Acode, acode a Menelau, que um Lício
Ou Tróico archeiro de frechá-lo acaba.
Por sua glória e pesadume nosso."
Sobressalta-se o médico; atravessam
O exército, e em redor acham do louro
Maioral vulnerado os chefes Danaos.
Extrai da parte Machaon a seta,
E no extrair as farpas reviraram;
Saca o balteo listado, a cinta, a malha
De primor, e à ferida já patente
Chupa o sangue e lhe asperge os lenimentos
Que ensinara a seu pai Chiron amigo."

Outro trecho da Ilíada (Livro XI) mostra o aprêço pelas habilidades
cirúrgicas de Machaon. Ferido na espádua direita por uma flecha de três pontas,
cuidaram logo os gregos de pô-lo a salvo:
"Remete Ajax ao Priameiro espúrio
Doriclo e o mata; a Pandaco vulnera,
Mais a Lisandro e Piraso e Pilarte.
Quando o imbrífero nume das montanhas
Torrentes rola, a cheia o campo inunda,
Secos leva lariços e carvalhos,
E o lôdo arroja ao mar; Ajax destarte
Vai cavalos talhados e cavaleiros.
Isto ignorava Heitor, à esquerda e às ribas.
Do Scamandro a pugnar, onde as cabeças
Bastas caindo, há grita imensa em tôrno
Do grande Pilio e Indomeneu mavórcio.
Lá, de hasta e carro, Heitor passeia ardido.
E hostes brilhantes façanhonso arrasa;
Mas brecha entre êsses bravos não se abrira,
Se o raptor da pulcricoma não fere
Com trifarpada seta no ombro destro
Ao bellaz Machaon pastor de povos.
Desanomam-se os Danaos, receando,
Inclinado o conflito, ali perdê-lo;
E à pressa Tolomeu: "Monta Nelides,
Honra da Grécia; a Machaon recolhe,
Para a frota os unguissonos dirige:
Por muitos vale um médico; êles os dardos
Extrai, unge a ferida e acalma as dôres."
Sem demora Nestor sobe a seu carro.
E do exímio Esculápio o digno filho;
Toca os ginetes, que de grado arrancam,
De volta para as naus contentes voam."

Machaon não era médico apenas, pois diante de Tróia, comandou um grupo
de guerreiros da Tessália. Figura mesmo como um dos pretendentes de Helena.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

17

Sôbre esse período da história da medicina existem muitas lendas e versões.
Conta-se, por exemplo, que os dois filhos de Esculápio, regressando de Tróia,
separam-se definitivamente em conseqüência de uma tempestade ocorrida no mar.
Podalírio atirado nas costas de Carie foi salvo pelo pastor Babyssus. Êste o
conduziu à casa do rei Dalmetas, cuja filha Syrnas se achava enfêrma. Médico e
cliente casaram-se, tendo Podalírio, depois disso, fundado duas cidades e
conquistado a ilha de Cós, onde foi o arquiteto do templo em que mais tarde
floresceu a ciência de Hipócrates. Machaon, o outro filho de Esculápio e de
Hépione, com uma história menos romântica, teve cinco filhos médicos que
construíram, com êle (em Geremien) templos em honra de Esculápio: Alexanos,
em Titanus; Shyrus, em Argus; Polemócrates, em Eva; Gargassus e Nicomaque em
Phéres. Segundo MAC EACHERN o de Titanus existiu em 1134 antes de Cristo.
Nesses templos a serpente era o símbolo da divindade e de seu poder
curativo. Eram sagradas e consideradas como dotadas de poder mágico. O culto de
Asclépio foi introduzido em Atenas, em 429, antes de Jesús Cristo. Os sacerdotes
de Epidaurus que era o templo central do culto enviavam a serpente sagrada para as
cidades onde se instalavam novos santuários. Em 293 antes de Cristo, quando a
peste invadiu Roma, mensageiros foram buscar a serpente no templo de Epidaurus
para ser erigida uma nova casa na ilha Tiberina.
Os santuários eram edificados em locais apropriados ao tratamento médico.
Os autores que se têm ocupado do assunto quase que invariàvelmente tecem
elogios às regras higiênicas seguidas pelos arquitetos das Asclepiéia: PAUSANIAS,
SPENGEL, LECLERC, CABANIS, CAUTIER, LITRÉ, GARRISON, CASTIGLIONE. Apenas,
MALGAINE e ROUBAUD são de opinião diversa.
De acôrdo, porém, com a maioria, os templos primavam pelo ambiente
favorável à cura dos doentes. Erigiam-se nas colinas ou nas fraldas das montanhas
abrigadas contra os ventos maléficos. Eram localizados ao lado das florestas e de
uma fonte de águas minerais, de termas ou, pelo menos, de água puríssima.
Consistiam de uma cobertura assente sôbre colunas dóricas. Cada um dêstes
santuários tinha um altar. Os serviços eram ministrados por sacerdotes (médicos).
As práticas eram impregadas de misticismo e superstição.
Os enfermos submetiam-se, fora do templo, a uma dieta severa, obrigatória.
Deviam abster-se de vinhos e certas iguarias. Purificavam-se com banhos,
massagens e unções, antes de lhes ser permitido transpor os umbrais do santuário.
Ouviam a narração dos feitos de Esculápio, do sucesso das medicações empregadas
no templo. Sacrificava-se um animal, geralmente cabra ou galo, oferecido pelo
enfêrmo para tornar favorável o espírito da divinidade. Seguiam-se preces
fervorosas e cânticos compostos, segundo Platão, por poetas ligados ao

18

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

culto de Esculápio. Vestidos de branco, passavam os enfermos a se submeterem a
um rito especial de "incubação", que os levava ao sono. Deitavam-se sôbre a pele
do animal sacrificado e esperavam a visita do sacerdote que transmitia de viva voz,
se o paciente estava acordado ou em sonho, se estava dormindo, a sugestão para o
tratamento médico. Se o enfêrmo recuperava a saúde êste fato era atribuído a um
milagre, se morria, isto ocorria por ser indigno de viver. Além dos medicamentos
(sal, mel, águas minerais), os enfermos eram submetidos a fisioterapia (banhos) e
ginasioterapia. Havia bibliotecas, salas para os visitantes, para os sacerdotes, para
seus auxiliares.
Na "tabernae medicae" eram tratados os doentes externos. Foram os
primórdios dos ambulatórios ou policlínicas de hoje.
Na "asclepiéia" multiplicavam-se na Grécia e mais tarde implantavam-se
em Roma. Esta simbiose da prática médica e religiosa deu provàvelmente origem a
ser considerado o exercício da medicina como sacerdócio. Aliás houve tempo em
que a Igreja teve o monopólio da prática médica:
"Moines clergé, ordre religieux, tout le membre de la famille
sacerdotale se livrait à l'art de guérir".
O enfêrmo curado oferecia ao templo, como prova de gratidão, um modêlo
em cêra, prata, ouro ou mármore, da parte afetada, acompanhado de um quadro
votivo onde era relatada a história do seu caso. Deixavam os óbulos junto à fonte
sagrada. Hipócrates, sacerdote de uma dêstes templos, em Cós, sistematizou e
interpretou esta biblioteca de casos clínicos que é considerada como a fonte
principal de onde o pai da medicina extraiu os elementos para sua vultuosa obra
médica. Esta opinião é contrariada por ROUBAUD que se refere, com indignação, à
versão de ter Hipócrates incendiado a Asclepiéia de Cós a fim de fazer desaparecer
as fontes onde colheu ensinamentos.
A prática dos modelos e quadros votivos é, ainda hoje, largamente seguida
no catolicismo.
O seu uso vem dos templos assírio-babilonescos e propagou-se durante os
períodos da medicina intuitiva, empírica, mágica e sacerdotal.
Nessa fonte formaram-se as raízes dos ritos antropiátricos, observados nos
cultos antigos como a dança sacra; o exorcismo; as súplicas gravadas sôbre argila,
fôlhas ou pergaminho; os amuletos, dentes e unhas suspensos ao colo; a
representação de órgãos verdadeiros ou figurados, de inimigos ou animais, para
curar ou ativar órgãos idênticos ou semelhantes; os desenhos coloridos sôbre a
pele.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

19

Nas escavações de Epidouros encontram-se algumas dessas inscrições, as
quais, segundo PAUSANIAS, continham o nome dos enfermos, a indicação da sua
moléstia e a da terapêutica empregada.
Informa CASTIGLIONE que a Sociedade Aqueológica Grega encontrou
muitos dêstes quadros votivos: quarenta e quatro, possìvelmente, datáveis do IV
século antes de Csisto.
Conta um dêles que um certo Gaius que era cego readquiriu a vista depois
de ter feito suas orações diante do altar e de ter atravessado o templo da direita para
a esquerda. Colocando cinco dedos no altar e depois nos olhos, voltou-lhe a visão. O
fato ocorreu a tempo do imperador Antonino na presença e sob aclamações do povo.
Outro cego fêz colírio, por sugestão do Deus da saúde, e friccionando com
êste medicamento os olhos recobrou a vista. O colírio constava de sangue de galo
branco com mel. Era um soldado chamado Valerius Apev.
Um terceiro cego, depois de curado, não quis pagar ­ Esculápio cegou-o de
nôvo; voltando a dormir no templo, foi outra vez curado.
Lucius tinha uma dôr de lado muito pronunciada. Vindo ao templo o Deus da
saúde ordenou-lhe, por um oráculo, aplicar, no ponto doloroso, cinza misturada
com vinho que se achava sôbre o altar. A cura foi instantânea.
Juliano tinha um escarro de sangue e esperava a morte. Esculápio ordenoulhe comer durante três dias mel com grãos de resina. Salvou-se.
Com o correr dos anos construiram-se, em tôrno das fontes e dos santuários,
amplos teatros e ginásios destinados aos exercícios físicos. Surgiram, também,
locais de permanência para os doentes.
No Pluto de Aristophanes, representado em Atenas no ano 388 A.C., é
mencionada do modo jocoso, uma cura miraculosa de Asclépio.
Pluto, deus da riqueza, cegado por Zeus, por favorecer os homens justos,
readquire a vista no templo para onde foi conduzido por Carion escravo do
camponês Chrémyle. Expulsa a pobreza de sua casa, ordena êste último a Carion
que tome Pluto pela mão e o leve a Asclepiéia:
"620 ­ Chrémyle. Estamos desembaraçados; o maldito partiu. Tu e eu ràpidamente
conduziremos o deus (Pluto) para que se deleite no templo de Asclépio.
Blepideme. E não percamos tempo pelo receio de que nada venha impedir de tomar algumas
medidas úteis.
625 ­ Chrémyle (chamado à porta da sua casa). Jovem Carion deverá sair das cobertas e
conduzir o próprio Pluto, como é usual, com tudo que foi preparado".

Carion obedece, e no seu regresso, tendo observado o milagre, faz grande
alarde, dizendo:
625 ­ Chrémyle (chamado à porta da sua casa). Jovem Carion deverás sair Pluto. Cego como
era êle vê claramente e seus olhos tornaram-se brilhantes por arte de Asclépio e seus benévolos
cuidados".

20

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Tangendo a corda do ridículo o poeta grego pôs, nos lábios de Carion, uma
extravagante narrativa de acontecimento. Conta o escravo à sua espôsa que,
chegados ao local do templo, fôra Pluto submetido a um banho em fonte de água
salgada. Entraram depois no recinto depositando as dádivas sôbre o altar.
Deitaram-se em seguida. Neste ponto da conversa pergunta a mulher a Carion:
havia outras pessoas em súplica?
"655 ­ Carion. Sim, um notadamente. Néoclides que é cego, mas que para roubar excede os
videntes; depois outros, em quantidade, com tôdas espécies de moléstias. Apagadas as luzes, o servidor
de deus nos ordenou que dormíssemos, e para guardar silêncio se algum ruído fôsse percebido; todos
em boa ordem nos deitamos. Eu não podia dormir. Certa marmita de caldo posta não longe da cabeça de
uma velhinha deixava-me fora de mim e eu tinha um grande desejo de escorregar naquela direção.
Depois, elevando os olhos eu vi o sacerdote escamoteando os bolos redondos e os figos secos da mesa
sagrada. Depois disso foi êle visitar todos os altares em tôrno, para o caso de algum dinheiro que ali
tivessem deixado; o que era encontrado era... consagrado metendo-se em um saco.
Eu, convicto da grande santidade do meu ato, levantei-me para tomar a marmita de caldo".

Na sua descrição minuciosa e chula da disputa com a velha, terminada ao
beber-lhe uma boa parte do caldo, fala Carion das suas abomináveis aventuras com
Jaso e Panacéia.
O sacerdote, passando a examinar pormenorizadamente todos os casos,
Carion, pelos buracos do seu manto tudo foi observado.
Viu o sacerdote chegar-se ao malicioso Néoclides e introduzir-lhe nas
pálpebras pernicioso ungüento, na hora preparado, em almofariz, no qual foram
trituradas três cabeças de alho, suco de figueira e vinagre. O pobre diabo saiu
correndo, louco de dôr. E ficou mais cego do que era.
Outro proceder teve com Pluto.
"730 ­ Carion. Depois sentou-se perto de Pluto, tateou-lhe a cabeça e com um pano muito
limpo enchugou-lhe as pálpebras em tôrno. Panacéia cobriu-lhe cabeça e rosto com um véu de púrpura.
Então o deus assobiou: e do tempo lançaram-se duas serpentes de um tamanho prodigioso.
Introduzindo-se docemente sob o véu de púrpura puseram-se a lamber em tôrno das pálpebras,
ao que me parecia; em menos tempo que tu empregarias a esvasiar dez "cotylos" de vinho nosso Pluto,
mulher, estava de pé vendo claro. Eu bati as mãos de alegria e acordei o mestre. Quanto ao deus,
eclipsou-se no templo as serpentes".

Em Epidaurus (CASTIGLIONI) encontram-se ainda os restos dos magníficos
propileus do edifício construído por Pólicles no século IV A.C. e um teatro, com
assentos de mármore, para mais de dez mil espectadores. No centro do santuário
havia o lugar destinado ao sono.
Ao lado eleva-se a estátua de Esculápio.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

21

Tratados de história da medicina reproduzem fotografias de ruínas ou de
reconstituição dêsses templos, com muitos objetos do culto, ainda conservados em
museus. As ruínas de Epidaurus figuram nas obras do professor LAVASTINE e do
professor ARTURO CASTIGLIONI.
Êste último apresenta, ainda, o grande anfiteatro da Asclepiéia de Epidauros
e reconstituição do frontispício dêsse santuário. O templo de Cós, em ruínas ou em
reconstituição, aparece entre as ilustrações dêsses autores. LAIGNEL-LAVASTINE
ainda nos mostra as ruínas da Asclepiéia sôbre a Acrópole de Atenas.
Entre os baixos relevos mais divulgados contam-se os seguintes: um estôjo
cirúrgico do templo de Atenas com duas ventosas e vários instrumentos (Atenas); o
médico Jason, palpando o fígado de um cliente e tendo ao lado um enorme ventosa
(Museu Britânico); Machaon fazendo um curativo em Menelau (Berlim); a prática
de uma operação na cabeça (Atenas); oferta de um enfêrmo a Asclépio (Atenas);
um grupo de adoradores sacrificando um touro a Asclépio (Atenas); família
sacrificando um touro a Asclépio e sua filha Higéia; ex-voto de um enfêrmo que
sofria de varices em que se vêem as veias salientes em uma perna de grande
dimensão (Atenas); adoração de um médico heróico (Berlim); a serpente curadora
(diversas); Asclépio sentado (Atenas); Asclépio e sua filha Tigéia (Atenas); Apolo
e Artemisa guiando um carro puxado por servos e atirando flechadas sôbre a peste.
Como bustos e esculturas vêem-se Asclépio, a deusa das serpentes, o onfalo de
mármore, etc. Pinturas e cerâmica constituem documentação mais farta, notandose, como mais interessantes, as seguintes: Aquiles confiado ao centauro Chiron
(Louvre); o centauro e Asclépio (Nápoles); Aquiles fazendo um curativo no braço
de Patroclo (Berlim); Hipócrates, na sua cátedra, com seus discípulos (Vaticano);
reduções de luxação, etc.
Kabbadias da Sociedade de Arqueologia da Grécia, publicou em Atenas
(1900) uma obra, no seu idioma, que segundo CASTIGLIONI, é uma fonte preciosa
para investigação da história dêsse culto na antiguidade.
A história da medicina grega pode ser sistematizada em três períodos:
anterior a Hipócrates, hipocrático e aristotélico.
Na primeira fase, que vem dos tempos primitivos até o surgimento do
grande mestre de Cós, floresceram os templos dedicados a Esculápio, com todo seu
ritual de magia.
A mitologia confundia-se com a realidade: a sucessão mística de Apolo,
Artemisa, centauro Chiron, Esculápio, Higéia, Panacéia, com os heróis gregos,
Aquiles, Machaon, Podalírio, Patroclo.
Apolo e sua irmã Artemisa ensinaram a medicina ao centauro Chiron filho
de Saturno. Chiron transmitiu êstes conhecimentos a Hércules. Aquiles e
principalmente Esculápio. Aquiles foi mestre do seu amigo Patroclo.

22

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Dante, em companhia de Virgílio (Divina Comédia), indo visitar, no sétimo
círculo, os violentos, é interceptado pelos centauros, que lhe querem tolher o passo.
Chiron, interpelado, concede passagem aos poetas:
"19. No espaço, a que o penhasco é sobranceiro,
Centauros correm, setas agitando,
Como soíam no viver primeiro.
20. Descer nos vendo, para o ardido bando.
Três dentre êles então nos demandaram.
Os arcos e arremessos preparando.
21. Os brados de um de longe nos soaram:
­ "Vós, que desceis, dizer a pena vossa;
De lá falai, ou tiros se disparam!" ­
22. Virgílio respondeu: ­ "Resposta nossa
Terá Chiron de perto, sem demora.
Sempre te dana a pressa, que te apossa." ­
23. Tocou-me e disse: ­ "Quem nos fala agora
É Nesso, o que morreu por Djanira;
Mas se vingou de quem fatal lhe fôra.
24. "Êsse do meio, que o seu peito mira,
Aio de Aquilles, é Chiron famoso;
Êsse outro é Folo, sempre acesso em ira." ­

Virgílio consegue de Chiron que prossiga a viagem:
33. Chiron volveu-se à destra e a Nesso forte
"Torna atrás" disse ­ "e serve-lhe de guia:
Que outro bando o caminho lhes não corte!" ­
E partem... "na fida companhia,
As ondas costeando rubras, quentes,
Donde agudo estridor ao ar subia."

Esculápio desdobrou-se nos seus descendentes Machaon e Podalírio. No
final do livro XI da Ilíada de HOMERO é narrado o apêlo a Patroclo para retirar e
curar a flecha que atingiu Euripilo:
"Dize; ao longo da praia, comovido
Corre em busca do Eacida Patroclo.
A nau se apropinquou do sábio Ulisses,
Onde era a cúria e o foro e as santas aras:
Ia ali da frechada coxeando
O destemido Eurípilo Evemônio.
Em suor testa e espádua, negro o sangue
A marejar, mas inconcusso o peito.
Exclamou condoído o herói Menécio:
Ai! tristes nossos príncipes e cabos.
Que assim, longe da pátria e amigos lares,
Cães cevareis em Tróia! Inda os Aquivos,
Dize, aluno de Jove, inda resistem,
Ou do lanço de Heitor serão domados?"
E êle: "Excelso Patroclo, é sem refúgio,

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

23

Vêm cair ante a frota os gregos todos.
Quantos bravos havia estão feridos;
Cresce a fôrça troana e cresce a fúria.
Mas tu salva-me e leva ao meu navio;
Tira-me a seta, em banho morno a chaga,
Asperge os lenimentos que de Aquiles
Aprendeste, e que afirmam lhe ensinara
Chiron d'entre os Centauros o mais justo:
Pois dos médicos dois, se não me engano,
Na tenda sua Machaon de auxílio
De mão hábil carece, e Podalírio
O atroz marte sustém no campo Teucro".
"Herói, torna o Mesécio, que nos cumpre?
Que será? Com recado para Aquiles
Vou do Gerêncio, dos Argeus custódio;
Mas deixar-te não quero ao desamparo"
Ei-lo, ao colo o transporta e o põe na tenda,
Onde em coiro aurino o deita o pagem;
Sacando-lhe o punhal a acerba farpa,
O cruor tetro lava, e machucada
Amargosa raiz à coxa aplica;
Veda o sangue, a dôr acalma, o golpe seca".

Neste período, a medicina, na expressão de OSLER tinha "tríplice relação
com a ciência, com a gramática, e com a teologia".
Realmente a arte médica praticada pelos sacerdotes dos templos, começou a
ser objeto de estudo dos filósofos, a ponto de ser considerada pelos ginastas que
banhavam, ungiam e até tratavam de casos clínicos, um ramo da filosofia.
Com Hipócrates (46-370 A.C) a medicina grega passou a tomar orientação
científica e ética. Além do seu gênio, o pai da medicina teve, a seu favor,
excepcionais condições de ambiente pois foram seus contemporâneos grandes
figuras da história da civilização como Sócrates, Platão, Eurípedes, Heródoto, etc.
Na vultosa e preciosa obra científica (53 escritos, em 72 livros) que de suas
mãos saiu, Hipócrates, descendente de uma família de esculápios, cuja profissão
aprendeu, com seu pai e em Atenas, adquirindo, ainda, larga experiência em suas
viagens pela Trácia, Tessália, Macedônia, Egito, Líbia, etc., abandonou os antigos
processos de cura miraculosa, assentando sôbre o método indutivo, a inspeção e a
observação, as bases da medicina atual, de que foi o fundador. Criou a patologia
humoral, pois, para êle, as moléstias provinham do desequilíbrio dos fluídos do
organismo: sangue, bilis amarela, bilis negra.
PLATÃO (Protágoras ­ 311, b, c,) conta que Hipócrates, um amigo de
Sócrates foi solicitar sua intervenção para tomar Protágoras por mestre, Sócrates
procurou saber qual a intenção real do seu amigo: se desejava ser sofista. Eis o
trecho referido:

24

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

"Sócrates: Eu procurei sondar Hipócrates e lhe dirigi algumas questões para conhecer o fundo
do seu pensamento. "Vejamos, disse-lhe, êste Protágoras que te empenhas de abordar e a quem queres
dar dinheiro para pagar as aulas que é êle e o que dêle desejas? Eu suponho que de maneira análoga
tivesses a idéia de encontrar teu homônimo. Hipócrates de Cós, o asclepíade, para oferecer-lhe dinheiro
a fim de que se ocupasse de ti; se te perguntassem: "Diga-me Hipócrates a que título êste Hipócrates
recebia teu dinheiro, que responderias? Eu responderia, disse êle, a título de médico. E que deseja ser?
Médico".
"E se tivesse a idéia de procurar Policleto, de Argos ou Fídias, de Atenas, oferecendo dinheiro
para se ocuparem de ti, e que perguntassem: A que título Policletos e Fídias receberiam êsse dinheiro?
Eu responderia: a título de escultores. E o que desejas ser? Escultor, evidentemente".

Assim prossegue o diálogo no qual Hipócrates é comparado a Policleto,
Fídias e Protágoras.
Em Fedro (20 A.C.) Hipócrates é citado neste trecho do diálogo:
Sócrates. Mas a natureza da alma, pensa que seria possível concebê-la de modo que venha
independentemente da natureza do todo.
Fedro. Por certo se é Hipócrates que faz acreditar, êle que é Asclepíade, não se pode mesmo
tratar do corpo sem recorrer a êsse método.
Sócrates. Êle tem razão de dizer isto, meu camarada. É preciso, portanto, de acôrdo com
Hipócrates, indagar junto da razão e examinar se a voz desta última soa de acôrdo com seu dizer.
Fedro. Sim, é isto.
Sócrates. Pois bem. Examine então o que sôbre a natureza podem dizer Hipócrates e a razão.

.................................................................................................................
E continua o diálogo.
O juramento ao sábio Hipócrates atribuído parece provir de época anterior,
como obra das antigas Asclepiéia.
Eis o texto dêste juramento hierárquico dos antigos templos:
"Juro, por Apolo, o médico, por Higéia e Panacéia, por todos os deuses e tôdas as deusas cujo
testemunho solicito, que eu, com tôdas as minhas fôrças e com pleno conhecimento, cumprirei
inteiramente meu juramento: que respeitarei meu Mestre, nesta arte como a meus progenitores, que
partilharei com êle o sustento e que lhe darei tudo aquilo de que tiver necessidade; que considerarei seus
descendentes como meus irmãos corporais e que por minha vez os ensinarei esta arte sem compensação
e sem condições; que deixarei participar das doutrinas e instruções de tôda a disciplina, em primeiro
lugar a meus filhos, depois aos filhos do meu Mestre, depois àqueles que com escrituras e juramentos se
declararam meus escolares e a ninguém mais para êstes. No que respeita à cura dos enfermos, ordenei a
dita segundo meu melhor juízo e manterei afastado dêles todo o mal e inconveniente.
Não me deixarei induzir pelas súplicas de quem quer que seja de modo a administrar veneno ou
dar conselhos em semelhante contingência. Não introduzirei em qualquer mulher uma prótese na vagina
para impedir a concepção ou o desenvolvimento do feto. Considerarei santas minha vida e minha arte;
não praticarei a operação da pedra e quando entrar em uma casa fá-lo-ei sòmente para o bem dos
enfermos e me absterei de tôda ação injusta e não me mancharei por voluptuosidade

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

25

os espíritos cheios de temor: "O que viestes procurar aqui, Romano, deverieis ir procurar em lugar mais
próximo, agora vá procurá-lo em lugar mais perto. Para diminuir o vosso luto, terei necessidades não de
Apolo mas do filho de Apolo (* Esculápio). Caminhai sob felizes auspícios e fazei vir à vossa casa
aquêle que eu gerei".
"Quando a sábia assembléia do senado foi informada das ordens de deus, indagou qual era a
cidade habitada pelo jovem filho de Febo e enviou deputados que os ventos conduziram às margens de
Epidauro. Apenas abordaram com seu navio de flancos recurvos, apresentaram-se perante o conselho
dos antigos da cidade grega, rogando-lhe que lhes dessem o deus cuja presença deveria pôr têrmo às
perdas da nação ansônia, como havia declarado um oráculo seguro.
Discute-se e as opiniões se dividem; uns acham que não se pode recusar o socorro; muitos
outros aconselham resistência a fim de se não privarem, cedendo o deus, de sua presença tutelar.
Enquanto hesitavam, o crepúsculo expulsou a luz do sol e a noite envolveu a terra com suas trevas,
quando vês em sonho, Romano, o deus compassivo se levantar diante do teu leito, mas tal como êle está
sempre no seu templo; sua mão esquerda empunhava um bastão rústico, sua mão direita, acariciava sua
longa barba; em voz clara pronunciou então estas palavras: "Nada temais; irei e deixarei minha imagem.
Olhai sòmente esta serpente que cerca meu bastão com seus nós; considerai-a com atenção para poder
reconhecê-la. Eu tomarei sua forma mas serei maior; tu me verás neste grande tamanho conveniente aos
corpos divinos quando se metamorfoseiam". Em seguida a voz calou-se, o deus desapareceu, ao mesmo
tempo desvaneceu-se o sono e o dia benfeitor mostrou-se desde que o sono fugiu. A nova aurora tinha
expulso o fogo dos astros; não sabendo tomar uma resolução, os chefes da cidade vão ter a magnífico
templo do deus que lhes pedem; êles suplicam a indicação por sinais divinos em que lugar deseja êle
residir. Mal acabaram de falar o deus, sob a forma de uma serpente dourada, trazendo uma alta crista,
anuncia-se por um sibilo; na sua chegada, a estátua, o altar, a porta, o pavimento de mármore, o fato
revestido de ouro, tudo é abalado; levanta-se até o peito no meio do edifício e lança em tôrno olhares
cintilantes. A multidão é tomada de pavor, o sacerdote, cuja venerável cabeleira é cingida por uma tira
branca, reconheceu a divindade; exclama: "Eis o deus! Eis o deus! que vossos pensamentos, que vossas
línguas me secundem, todos aqui presentes. Possa teu aparecimento, ó deus todo poderoso, ser para nós
um feliz presságio! Protegei os povos que honram teus altares". Todos os assistentes adoram o deus que
se oferece à sua vista; todos repetem a prece do sacerdote e os enviados do povo de Enéias o
acompanham piedosamente com o pensamento e a voz. O deus faz um sinal de assentimento; agita sua
crista para dar um penhor certo da sua benevolência e sua língua vibrante lança silvos repetidos. Então
desliza sôbre os degraus resplandecentes, vira a cabeça para trás e, antes de partir, lança um olhar sôbre
o antigo altar; saúda seu lugar habitual e o tempo que habitava. Depois seu corpo imenso rasteja sôbre a
terra, coberta de flôres, que se lhe atiram, desenrola seus anéis e, atravessando a cidade, dirige-se para o
pôsto onde uma muralha protege os contornos. Para; parece de um ar afável despedir-se do seu cortejo e
da multidão que o segue para lhe fazer honra; enfim toma lugar no navio ansaniano; a quilha sentiu que
suportava um deus e curvou-se sôbre o seu pêso. Os Eneidas regozijaram-se; depois de imolarem um
touro sôbre a praia, desatavam as cordas bem torcidas que retinham o navio coroado de flôres. Já uma
brisa leve tinha-lhe dado impulso; o deus ergue-se em todo o seu porte e, apoiando sua cabeça sôbre a
poupa recurvada, contempla a onda azulada; impulsionado pelos doces zéfiros (* ventos brandos,
aragem) sôbre o mar ioniano, o vaso, quando a filha de Pallas (* aurora, filha do Titan Pallas) levantavase pela sexta vez, atingiu a Itália; passa diante das praias de Lacínio, célebre pelo templo de sua deusa (*
Juno- ..............................................................................................................................................................
........................................................................................................................................................................

26

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

enfim, a praia sólida de Antium. Os marujos dirigem para êsse lado o navio de velas infladas (porque o
mar tinha se tornado encapelado); então o deus desenrola seus anéis e seu corpo sinuoso rastejando
forma mil pregas imensas; entra assim no templo de seu pai (* Apolo), vizinho da praia de areias
louradas. Mas, tendo o mar se apaziguado, o protetor de Epidauro deixou os altares de seu pai e, depois
de ter sido hóspede do deus ao qual o uníam os laços de sangue, sulcou as areias da praia, onde
deslizavam suas escamas crepitantes; subiu novamente ao longo do leme do navio e pousou sua cabeça
sôbre a poupa elevada; enfim chega-se a Castrum, aos campos sagrados de Lavinium e à embocadura do
Tibre. Todo um povo confundido precipitou-se ao encontro do deus; as mães, os pais, as virgens (*
Vestais) que velam sôbre teus fogos, da troiana Vesta (* fogo sagrado levado de Tróia para Enéa); todos
o saúdam com gritos de alegria; por tôda a parte em que o navio rápido sobe a corrente do rio; sôbre
os altares erguidos ao longo das duas margens, o incenso crepita e enche o ar de fumaças odorantes; por
tôda a parte as vítimas degoladas aljofram com sangue quente as faces que as ferem. Agora tinha-se
entrado, na capital do mundo, na cidade de Roma; a serpente ergue-se, agita seu pescoço no vértice do
mastro e olha em tôrno qual é a habitação que lhe convém. No ponto em que o curso do Tibre divide-se,
em duas partes, existe um lugar que se chama ilha; o rio estende braços iguais sôbre os dois flancos
dêsse terreno que êle envolve. Ao sair do navio latino é para lá que se dirige a serpente, nascida em
Febo; retomando sua figura divina, põe um têrmo ao flagelo; sua presença salvou a cidade".
O sinal (*) representa explicações que não fazem parte do texto.

Alinham-se entre as obras meritórias dos gregos as instituições que
mantinham para proteção da infância e da velhice desamparadas:
"Herculis templum, quiz vero nothus putabatur Hercules, ideo nothi que neque paterno neque
materno genere cives erant, exercebantur".
"Croesi lomus una Sardiani civibus ad requiescendum oetatis otio, seniorum collegio Gerusian
dedicaverunt".

Em ROMA, de par com a suspeição sôbre os primeiros médicos ali
chegados, foi se estabelecendo a tradição que interditava o exercício dessa
profissão aos patrícios romanos. Essa prática era considerada da alçada,
ùnicamente, de escravos, libertos e estrangeiros.
Por influència dos legisladores e escritores, êste preconceito foi
desaparecendo. Com o tempo medicina e médicos gregos conquistaram
importância social considerável, triunfando em Roma.
Aliás em 46, Júlio César deu grande dignidade à profissão, concedendo a
cidadania romana a todos os médicos. VITRUVIO, no seu livro de arquitetura, pôs
em foco a questão da importância das condições sanitárias na escolha do local para
edificações. As cidades deveriam ser localizadas em ponto elevado; porém ao
abrigo dos ventos, das grandes variações de temperatura, dos nevociros. A luz do
sol que penetrasse em um quarto deveria ser regulada conforme a utilização dêste.
Quanto deveriam nossos arquitetos aprender com a leitura do Capítulo IV do "DE
ARQUITETURA!"
MARCO TERENCIO VARRÓN chama a atenção sôbre a possibilidade da
existência, nos lugares palúdicos, de pequenos animais, não visíveis a

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

27

com o contacto de mulheres ou de homens, de libertos e de escravos. Tudo que tiver visto ou ouvido
durante a cura ou fora dela, na vida comum, calarei e conservarei sempre como segrêdo se não me fôr
permitido contar. Se mantiver perfeita e intacta a fé a êste juramento, que me seja concedida uma vida
afortunada e a futura felicidade no exercício da arte, de modo que minha fama seja proclamada em
todos os tempos; se faltar ao juramento, porém, ou houver jurado em falso, que aconteça o contrário".

Aristóteles (38-322 A.C) ampliou e fortificou as bases científicas,
principalmente pelo ângulo da filosofia, como Hipócrates o havia feito pelo da
patologia e da clínica. A zoologia, a anatomia comparada, a fisiologia, a
embriologia, a botânica, ocuparam essencialmente a sua atenção.
Entre as personalidades interessantes ou eminentes do chamado período
­ pela influência da medicina grega e dos médicos dessa
nacionalidade que passaram a exercer sua profissão em Roma, sob os olhos pouco
hospitaleiros ou suspeitos dos habitantes dêsse império, citaremos Archagatus ­ o
Carnifex (220 A.C.), cirurgião que primeiro ali se implantou e das duas máximas
figuras da época: Asclepíades, de Bethynia (124 A.C.), e Galeno (131-291 A.C.).
Asclepíades, adversário da teoria humoral de Hipócrates, advogou outra ­ a do
solidismo, em que as partículas sólidas, contrariando-se ou relaxando-se,
provocariam processos mórbidos. Com o advento da teoria pneumática, três
concepções se apresentaram: a humoral, a do solidismo e a pneumática.

GREGO-ROMANO

Galeno (131-201 D.C.) foi o grande fundador da fisiologia experimental.
No período grego-romano praticavam, além dos médicos, outros
profissionais satélites, cooperadores ou charlatanescos, como os archiatri médicos
do imperador ou do Estado; os medici cahortis, medicilegionais, cirurgiões do
exército; os medici oculares, os pharmacopalae, os ungentaru, os iatroliptae
(atentes de banhos); os sagae e obstetricae, etc.
Ovídio, em "As Metamorfoses" ­ Livro XV ­ 622-744 ­, conta como o
culto de Asclépio (Esculápio) foi introduzido em Roma:
Esculápio ­ Dizia-me agora, Musas, divindades tutelares dos poetas, por que bem sabeis que o
passado remoto não tem segrêdo para vós, como o filho de Coronis (* Esculápio) foi recebido na ilha
cercada pelas águas profundas do Tibre e pôsto no número dos deuses de Roma. Outrora um horrível
contágio tinha infeccionado o ar do Lácio e os corpos exângues descorados pelas moléstias, ofereciam
um aspecto hediondo. Quando, desencorajados pelos numerosos funerais, os Romanos viam que os
esforços dos homens e a arte dos médicos eram impotentes, imploraram a assistência do céu; enviaram
o oráculo de Febo a consultar Delfes ­ centro do mundo (* Delfes ­ o umbigo do mundo ­ representado
por uma pedra cônica ­ o ônfalo); suplicaram ao deus que os socorresse na sua aflição por uma resposta
salutar pondo fim aos males de uma cidade tão grande. O templo, os louros e a aljava das setas que o
próprio deus conduz, tudo treme de uma vez; a trípode (* assento de três pés onde se instalava a sibila
de Delfes ­ quando proferia os seus oráculos) fêz ouvir do fundo do sanatório estas palavras que
impressionam

28

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

ôlho nu, que causariam grande dano ao organismo, passando através da cavidade
bucal e fossas nasais, na respiração.
AULO CORNÉLIO CELSO, enciclopedista de vasta cultura, escreveu sôbre a
medicina, agricultura, filosofia, retórica, jurisprudência, arte militar.
Amigo dos médicos estruturou o seu "DE MEDICINA", sexto livro da sua
Enciclopédia. É considerada a primeira obra impressa sôbre medicina (1478). Seu
título exato é o seguinte: A CORNELLI TELSI ARTIUM LIBER SEXTUS, IDEM
MEDICINICALI PRIMUS.
Nessa obra os têrmos técnicos gregos foram traduzidos para o latim, pela
primeira vez.
CAIO PLINIO SEGUNDO continuou a série coroada por Galeno ­ o grande
médico de Pérgamo ­ no razoável equilíbrio que êste último estabeleceu entre os
conceitos da observação e da experiência.
Os exércitos romanos exigiam cuidados médicos. Em certa época cada
legião e cada navio de guerra possuía o seu profissional. Oficial não combatente
tinha o pôsto de "principal", dependendo diretamente do comandante ou do tribuno
das legiões. Os hospitais militares romanos constavam de enfermarias que se
comunicavam por corredores com um pátio central quadrangular. Possuíam
cozinha e farmácia. Ruínas destas instituições romanas foram encontradas nas
margens do Danúbio. Outras análogas foram observadas em Viena, em Baden
(Suíça) e em Boon (Alemanha).
Os "valetudinari" eram hospitais geralmente destinados a escravos. Um
médico, "medicus commensalis", era encarregado dos cuidados profissionais.
Outros valetudinários seriam os atletas, gladiadores feridos e mesmo às legiões
militares, por meio de tendas dispostas junto aos acampamentos.
***
As Asclepiéia transportadas para Roma e os valetudinários ali instituídos
constituíram as primitivas organizações de assistência médica hospitalar na
península itálica.
As termas tiveram um grande desenvolvimento, havendo algumas imensas
com mais de cem mil metros quadrados e dotadas de jardins, salas de repouso e
conservação, ginásios, biblioteca e até museus.
As instalações públicas ou privadas comportavam um "caldarium" para o
banho quente, o "frigidarium" para os frios e o "tepidarum" como peça
intermediária.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

29

Os médicos livres de Roma congregaram-se em associações intituladas
"collegia medicarum". Reuniam-se em "scholae" ou "curiae" presididas por um
"tabularius". Essas reuniões aristocráticas não eram freqüentadas pelos "medici
servi", médicos escravos de famílias ricas.
***
Nos tempos remotos e mesmo depois do Cristianismo a prática da medicina
fundia-se com a prática religiosa. Ocorreu esta circunstância com o paganismo; o
politeísmo; o budismo, fundado no VI século antes de Cristo; o cristianismo; o
maometanismo. Os hospitais confundiam-se com os santuários que se erigiam na
vizinhança dos mosteiros sob inspiração e direção religiosa. As seitas religiosas
determinavam que, ao lado da igreja, das habitações de comunidades religiosas, se
construíssem enfermarias ou organizações de assistência aos enfermos.
Êste sistema assentava suas bases na tradição oriental e no tipo das
primeiras organizações bizantinas.
Constituiu-se destarte a medicina monástica ou conventual.
A influência religiosa foi predominante, sobretudo na idade média. O corpo
humano, feito à imagem de Deus, não podia ser aberto: era sacrilégio. Só a alma
precisava de tratamento.
O advento da era cristã trouxe grande incremento e multiplicidade das
instituições hospitalares. O decreto de Constantino em 335 depois de Cristo fechou
as Asclepiéia e estimulou a criação dos hospitais cristãos que durante o IV e V
séculos. Surgiram tais organizações cristãs no Oriente, de onde se transportaram
para Roma. Foram o ptochotrophium, e o xenodochium. Revela Santo Epifânio que
Eustachio, arcebispo de Sebaste, erigiu um estabelecimento dêste gênero:
"Nam et presbyterum hune postea creavit, et xenodochii, quod ptochotrophium in Porto
vocatur, curam ei (Aerio) commisist; ejusmodi quippe domicilia proe erga hospites ab eclesiarum
antistibus excitari solent; in quibus mutilates et impecillos collocant, iisque ad victum necessaria pro
virili upperitant".
O ptochotrophium do arcebispo São Basílio, fundado cêrca do ano 372, 370
ou 368, fora do perímetro da sede do seu arcebispado, em Cesaréia, tomou tais
proporções que foi considerado como nova cidade. Em Constantinopla surgiu um
hospital cristão. Sampron e Eubule, ricos e piedosos habitantes de Bizâncio,
fundaram um hospital, cada um, ao tempo do reinado de Constantino. A primeira
repercussão em Roma destas criações pias parece ter sido a casa de assistência
médica erigida

30

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

em 380-400, por uma dama opulenta chamada Fabíola. Os valentinários ­
primitivos eram apenas enfermarias onde, em regra, eram tratados os escravos das
famílias ricas. Na mesma época de Fabíola estabeleceram-se os hospitais da
imperatriz Eudóxia, em Jerusalém. Seguiram-se muitos outros, como os fundados
por Sapamaco, por Symaco (500), por Childebert (Lyon-542), por Casona
(Mérida), por São Landry, bispo de Paris (Hotel Dieu ­ 641-69). E vieram depois,
o hospital de Milão (777); o asilo do arcebispo Datheus (787); o hospital Santo
Albano, na Inglaterra (794); o Santa Maria de Scala, em Siena, fundado por Soror
(898); o de Santa Elisabeth da Hungria; o das irmãs de Santa Catarina; os da
Ordem de São João de Jerusalém; os da Ordem Teutônica; o São Gregório em
1084; o São Bartolomeu de Londres, em 1137; o São Tomaz, de Londres, antes de
1207; o Santa Maria de Belém, de Londres, em 1247; o do Espírito Santo, de Guy
de Montpellier (1145); o de Sassia (1204). Com a fundação de Sassia, pelo papa,
difundiram-se os hospitais do Espírito Santo. Os grandes da época começaram a se
interessar pela fundação de um xenodochium pauperum, debilium et infirmarium.
Concílios católicos impuseram aos bispos a obrigação de recolherem os
doentes em suas dioceses. O 4.º concílio de Cartagena ordenava que os hospitais
fôssem erigidos ao lado da igreja, como no maometanismo surgiam junto às
mesquitas.
O mosteiro de São Gall, iniciado por êste eremita irlandês que em 614
construiu a sua cela em plena floresta, transformou-se, no século VIII, de
eremitério em monastério beneditino. Durante três séculos, foi uma das principais
sedes do movimento educativo na Europa. Possuía hospital, com enfermaria,
unidades de isolamento, farmácia, banheiros, instalações para os dirigentes e para
os médicos.
Naqueles sítios privilegiados muitas lutas se travaram entre monges e
habitantes circunvizinhos e, assim, foi se construindo a capital de um cantão suíço.
O "xenodochium" de Monte Cenis é de 825.
O "hospício" de São Bernardo foi fundado (962) ou reconstruído por São
Bernardo de Menthon (1081) na passagem através de uma das principais cadeias
dos Alpes. São conhecidos os seus desvelos pelos extraviados recolhidos pelos
cães. Os "Parabolani" foram primeiro organizados em Alexandria, nos moldes da
instituição dos monges de São Bernardo. As Cruzadas muito contribuíram para a
ascendência religiosa nas casas de assistência médica e para o desenvolvimento de
hospitais, principalmente a partir de 1096.
O deslocamento de grandes massas humanas exigia a instalação de abrigos
para repouso e tratamento.
Criaram-se as ordens dos Cavaleiros Teutônicos Templários, de São João,
de Santo Antônio, do Espírito Santo.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

31

Os Cruzados da Ordem de São João erigiram na terra santa um grande
hospital de 2.000 leitos, em 1099. O hospital São João da Inglaterra vem de 1084.
A ordem do Espírito Santo, fundada em 1145 por Guy Montpellier, que abriu um
hospital com êsse nome aprovado pelo papa em 1198, exerceu grande atividade em
tôda a Europa, onde se diz chegou a estabelecer 900 hospitais em dois séculos.
Foi uma conseqüência do reconhecimento da ordem pelo papa Inocêncio
III, em 1198. Além dêsse ato Inocêncio concitou os habitantes das mais
importantes cidades a subscreverem as somas que pudessem para fundação dos
hospitais do Espírito Santo. Dando o exemplo, êle mesmo criou uma destas
instituições, em Sassia, como já foi dito, no ano 1204. Terminada, sua construção
atraiu a atenção de nacionais e estrangeiros. Sómente em Roma construiram-se
nove hospitais análogos. Conta-se que Roma possuiu quatro hospitais no XI
século, seis no XII e 10 no XIII. Berlim teve o seu hospital do Espírito Santo em
1070. A Alemanha possuiu 155 instituições congêneres.
O problema da lepra acelerou a construção hospitalar pela necessidade de
defesa pública sanitária. Segundo GARRISON hospitais para leprosos foram
mencionados por Gregório de Tours, no ano 560. Ao tempo de Luiz XIII êles
existiam na França em número de 2.000. Na Inglaterra e Escócia eram em número
de 220.
As congregações religiosas formaram um grande contigente em favor da
associação da assistência religiosa, com a assistência médica, convindo lembrar a
que se organizou sob a égide de São Vicente de Paulo.
Os beneditinos, na sua faina admirável de curar os enfermos, criaram
enfermarias e hospitais na Itália, na França, na Alemanha, na Inglaterra,
conseguindo instalar um elevado número de casas de assistência médica.
Parece que na sua primitiva organização estas enfermarias conventuais eram
reservadas exclusivamente aos religiosos. Logo se estendeu, porém, a concessão
aos leigos, criando-se hospitais anexos. Os serviços nas enfermarias eram prestados
por um médico e um infirmarius.
Em Montecassino fundou S. Bento o hospital da sua Ordem. A instituição
transformou-se em um centro de estudos, sobretudo médicos. Grande influência
exerceu Casidoro, que, depois de brilhante vida pública, recolheu-se ao claustro
(Squillace ­ 558), levando uma coleção de antigos códices. Recomendava a seus
irmãos a leitura dos livros de Hipócrates, Galeno e outros, como o de Aureliano
Cólio e o do herbário de Dioscórides, devendo-se, entretanto, conservar tôda a
esperança em Deus. A doutrina de São Bento e sua prática multiplicou-se em
outros monastérios, de modo que "pouco a pouco surgem hospitais, asi-

32

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

los e hospitais, asilos e hospícios, junto aos conventos", difundindo-se entre os
monges o interêsse pelos estudos.
Contém a biblioteca da abadia de Montecassino uma valiosa coleção de
códices médicos.
A feição religiosa das organizações hospitalares parece ter tomado maior
vulto no período decorrido entre os séculos XII e XVI.
Nos monastérios dos séculos XII e XIII os frades aprendiam noções de
medicina.
Com o correr dos anos os monges passaram a exercer a prática médica fora
dos conventos, atendendo ao chamado de clientes.
Os Concílios de Clermont, de 1130 e de Letrau, em 1139, proibiram aos
monges e canônicos regulares o exercício da prática médica. Em 1219 era
ordenada severa proibição de saída dos religiosos AD PHISICAM LEGESVE
MONDANAS LEGENDAS.
Honório III (1216-1227) proibiu aos clérigos seculares o exercício da
medicina.
O Concílio de Viena, reunido em 1312, decidiu que o tratamento dos
enfermos seria feito pelos leigos. Aos religiosos competia o direito de assistência
espiritual.
Secularizada a administração pelas ordenações de 1566, 1579, nem por isso
desapareceu a contextura religiosa dessas instituições.
***
A medicina maometana (GARRISON) deve seus primeiros conhecimentos às
circunstâncias resultantes da perseguição de cristãos que se filiaram a Nestorius,
patriarca de Constantinopla, em 428. Expulsos com Nestorius, por propagarem a
sua doutrina de que Maria não era mãe de Deus e sim mãe de Cristo, penetram no
deserto e, como fizeram os judeus, depois dêles, dedicaram-se ao estudo da
medicina. Apossando-se da escola de Edessa, na Mesopotânia, com seus dois
grandes hospitais organizaram notável instituição para ensino médico. Repelidos
pelo bispo ortodoxo Cirus, em 489, fugiram para a Pérsia, onde suas doutrinas
teológicas eram aceitas. Estabeleceram, então, a famosa escola de Gandisapor,
ponto de partida da medicina maometana.
Nestes têrmos narra GARRISON esta passagem, que é assim descrita por
VITOR ROBINSON:
"The hunted Nestorians migrated to northwestern Mesopotania, in the Baby lonian: Assyrian:
Israelita town of Edessa ­ where, the hittities were ancient before the Hellenes came here in the
Christian era, we meet St. Ephraim, the Syrian hermit, who learned to speak Coptic and Greek, not by
study but through a miracle ­ according to his annonymous biographer. This saint had wandered far from
his pagan fathers; small bald and beardless, he neves smile; again quotting his first biographer: "water
was his only drink, and his only

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

33

food barby bread and sometimes pulse and vegetables. And his flesh was dried upon his bones, like a
potter's sherd. His clothes were of many pieces patched together, the calor of dirt". After him followed
Rabbula, son of a hearthen priest and a Christian mother. Rabbula did not adot his mother's faith until
converted by an example of miraculous healing; as a Christian he sold all he owened, left his wife and
family, and lived in solitude. His fame as a holy man caused him to be chosen bishop, and he who had
been silent on the hill ­ slopes now preached uncessantly abain hereties, especially the Nestorians.
These men are of medical interest because Ephraim built the first larbe hospital in Edessa; and
upon the ruins of paban temples, Rabbula erected an infirmary exclusively for women. It is this
apparent that Christianity early prometed the hospital system, but to claim is as a Christian invention is
to forget the asylums of the Egyptians at Heliopolis, the iatreia of the Greeks, the valentudinaria and
the militar hospitals of the Romans, the numerous and fully equiped hospitals of Budhistic India".

MAC EACHERN menciona hospitais de grandes proporções, fundados pelos
cristãos em Edessa, Hippo, Epheus. O califa El Welid fundou um hospital em
Damasco, no ano 707. Harum-al Raschid (786-801) ordenou que cada mesquita
tivesse um hospital anexo. No seu califado surgiu um em Bagdad, modelado pelo
de Gondisapur. Esta afamada instituição teve na direção em certa época, o
celebrado médico Avicena (890-1036), cognominado o "príncipe dos médicos". É
também chamado o "pai da geologia" pela sua descrição da origem das montanhas.
Em 918, Bagdad possuía dois hospitais. No Cairo um foi instituído em 874. Misr,
no Egito, teve três, mais ou menos no período (925, 957, 977). Ainda na mesma
época Abud-al-Daula (970) organizou um grande hospital onde vinte e cinco
médicos prestavam serviços. Além disso ensinavam, examinavam e conferiam
diplomas.
Um concílio (Aquisgrana) traçou as regras para construção do hospital. O
edifício devia ser colocado na vizinhança da catedral e dos conventos. Cada sala
teria um altar. As camas dos enfermos seriam dispostas segundo uma posição
capaz de permitir a observação dos ofícios divinos. Exigia-se uma grande
importância para a capela e reserva de espaço para enterramento dos benfeitores e
administradores da obra. Dispensários e enfermarias foram se multiplicando nos
califados.
Conta-se que no ano de 1160 existiam sessenta instituições dêsse gênero
sòmente em Bagdad. CASTIGLIONI diz que, em conjunto, se conservam notícias de
cêrca de trinta e quatro hospitais nas terras ocupadas pelo Islan.
Eis o que escreve êste autor sôbre êste período da história dos hospitais
(edição espanhola):
"Optimos y perfectamente organizados eran los hospitales de Egito. Los más célebres eran los
de Bagdad, y muchos médicos de persia y de Epaña acudian a ellos para estudiar medicina: a menudo
llevaban consigo nuevos medicamentos y preciosos escritos de medicina y de filosofia. Importa notar
que desde los más

34

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

antigos tiempos ero obligatorio para los estudiosos musulmanos hacer largos viajes y que la
peregrinación a La Meca y a Medina, que los fieles debian emprender por los menos una vez en su vida,
se ligaba a menudo con fines científicos.
Los hospitales estaban ya generalmente bien organizados: el de El Cairo, fundado em 1283, era
considerado como ejemplar; había en el secciones especiales para heridos, para enfermos de los ojos, para
febricitantes, en cuyas salas el aire se refrescaba con funentes, salas para mujeres, cocinas, etc. El
hospital era dirigido por un médico que tenía a otros médicos bajo su dependencia y cada dia daba
lecciones a los discípulos; habia enfermeros de ambos sexos; una gran biblioteca y un orfanato estaban
anexos al hospital, que formaba parte, como siempre en Oriente, de un conjunto de edificios erigidos en
torno a la mezquita que constituía el centro. Los discípulos despuées de haber seguido las lecciones
debian examinar antes médicos ancianos. Por consiguiente se puede considerar que, sin que se pueda
hablar de una verdadera y propicia organización médica el ejericio de la medicina se reservaba para
aquellos que habian seguido un curso de estudios, aunque contemporaneamente, como ocurre hoy
todavia, la medicina se venía ejerciendo abusivamente por empíricos y charlatantes".

Em geral os melhores hospitais maometanos parecem ter sido os existentes
em Bagdad, em Damasco (1160) e no Cairo (1276-1283). O Hospital Al mansur
(1283) formava grande massa construtiva (para a época) de aspecto quadrangular.
Possuía enfermarias separadas para mulheres, para convalescentes, para
especialidades médicas, ambulatórios, cozinhas dietéticas, biblioteca, capela, asilo
de órfãos. Dispunha de enfermeiros dos dois sexos e dava aos que tinham alta uma
soma de dinheiro capaz de atender às primeiras necessidades, fora do hospital.
Era boa a alimentação e aos doentes que sofriam insônia ofereciam música
suave e contadores de história para os adormecer.
Um verdadeiro paraiso, segundo nos conta GARRISON. Bagdad era o
principal centro de oftalmologia e psiquiatria.
A fundação das universidades, começada e desenvolvida na idade média, a
descoberta da imprensa e do microscópio, a intensificação do tráfego entre nações
foram fatôres de grande magnitude no desenvolvimento da ciência médica.
Bolonha desde eras primitivas constituiu-se o centro para onde convergiam
escolares de tôdas as partes do mundo a fim de estudar direito civil e canônico,
filosofia, gramática, notariado.
O acúmulo de estudantes e as disputas que se travavam, determinou a
necessidade de dividir a cidade em duas partes, uma freqüentada pelos legistas,
outra pelos artistas. Os legistas compreendiam a escola de direito cuja fama
decorreu dos grandes mestres que ali lecionaram. Os artistas abrangiam os
docentes e discentes de filosofia, medicina, cirurgia, astrologia, matemática. Entre
os seus mestres notabilizaram-se, nestes tempos primitivos, Taddeo Alderotti que
ensinou medicina e filosofia, durante 55 anos.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

35

O valor da sua escola levou o senado bolonhês a conceder aos artistas os
mesmos privilégios de que gozavam os legistas. Morreu em 1295.
Dante, no canto XII do Paraiso a êle se refere, juntamente com Henrique de
Sousa, cardeal e bispo de Óstia que, no século XIII, começou os Decretais:
"28.

29.

Não pelo amor do mundo que se engana
Do Ostiense e Thaddeu nos livros lendo
Mas de Jesús pelo maná se afana,
Sapiente doutor em breve sendo,
Da santa minha guarda vigilante
Que presto seca pouco zelo havendo".

Notabilizaram-se, também, Mandino e Luzzi (1326), cuja anatomia
comparada, serviu ao ensino até o século XVI, e Alberto de Zancari, a quem
Bocácio classifica de: "profundíssimo medico e di chiara fama quasi a tutto il
mondo..."
Com o desenvolvimento dos estudos em Bolonha, houve necessidade de
construir um edifício próprio para o ensino. Surgiu, destarte, a escola nova ou
"archigimnasio" terminada em 1563.
A inauguração foi festiva e entusiástica. Um dos oradores (Lupi) lembrou a
variedade de estudantes estrangeiros que se preparam no Stúdio de Bolonha. Outro
(Regoli), num ímpeto de entusiasmo comparou aquêle ato ao da criação do mundo,
ao fiat lux, da Bíblia: "Dixit et factum est".
Em um arroubo de sua eloqüência disse que o papa, o legado Borromeio, e
o vice-legado Cési seriam, nos tempos do paganismo, proclamados deuses, pelo
empreendimento realizado.
Uma medalha com a efígie do papa, de um lado, e a fachada do arquiginásio
do outro, foi cunhada para comemorar a calorosa cerimônia.
A nova escola teve, entre seus mestres, um de nacionalidade portuguêsa ­
Tomás Correia, professor de humanidades. A primeira aula de anatomia proferida
por Giulio Cezare Aranzio teve imensa assistência que o anfiteatro não pôde
conter. Ao lado dêsse grande mestre abrigou as figuras gerais de Marcelo Malpighi
e Valsalva. Malpighi, chamado o Galileo da medicina, manteve com serenidade
suas triunfantes teorias contra Montalbin e outros que impuseram ao colégio
médico o juramento de fidelidade às tradições contra as novas idéias. Não
contentes de obrigarem os laureados a um tal compromisso, insultaram o mestre e
invadiram sua casa para destruir documentos da sua obra...
No pátio do arquiginásio, fabricava-se a teriaca, medicamento bom para
todos os casos, conhecido pelos antigos e usado pelos gregos e

36

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

romanos. Compunha-se de 40 a 50 ingredientes adicionados de carne de serpente.
Era sobretudo considerado específico contra picada de animais venenosos e eficaz
para as feridas e tôdas as enfermidades.
Sua fabricação efetuava-se com cerimonial adequado. No centro ferviam
dois grandes caldeirões, tendo em tôrno mesas, filtros, alambiques, retortas etc. Ao
lado vasos de barro vidrado esperavam a droga preciosa.
O teatro anatômico do arquiginásio de Bolonha, hoje, um monumento do
Estado, guarda as mais caras recordações dos grandes homens de ciência que ali
exerceram o magistério.
Suas paredes e teto são revestidos de madeira, ricamente decoradas com
requadros, nichos, balaústres. Doze estátuas de tamanho natural esculpidas por
Giovannetti, representam os mais célebres médicos e anatomistas da antiguidade.
Numerosos bustos homenageiam os doutores que discorreram sôbre
anatomia, ainda que sòmente sob o ponto de vista filosófico, como Irnério, filósofo e
professor de direito.
Na decoração do teto figuram Apolo e o signo do zodáico, trabalho
realizado em 1645.
As lições anatômicas eram ministradas sob um ritual que dava ao
cerimonial um caráter de grande solenidade.
Missa especial era celebrada no dia da aula, em sufrágio da alma do cadáver
a ser dissecado.
Tôda Bolonha acudia para presenciar o espetáculo, inclusive o cardeal
legado, as autoridades da comuna, senadores, conselheiros, professôres, estudantes,
fadas de damasco.
O cadáver era colocado sôbre mesa de mármore, ao meio da sala, com duas
velas acêsas.
Quando o mestre proferia a sua primeira aula, o cerimonial era mais
complicado. Devia prestar homenagem ao prior dos médicos. Constava a oferta de
oito círios de cêra branca de Veneza, dois pães de açúcar e um par de finas luvas de
Roma. O presente era ofertado em um prato de porcelana.
De um modo geral a medicina medieval pode ser classificada, de acôrdo
com NEUBERGER, em quatro períodos; quinto ao décimo século, de caráter
monástico; décimo primeiro ao décimo segundo séculos, influenciada pela grande
escola de Salerno, a "cívitas hipocrática"; décimo terceiro século, de entrosamento
da cultura árabe com a do oeste; neste período os hospitais começaram a passar das
mãos das autoridades eclesiásticas para as da municipalidade; décimo quarto
século ­ pré-renascença. No nono século foi estudada como parte da física, ao lado
da aritmética, geometria, mecânica, astronomia e música. Daí o

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

37

título de "physicus" dado ao médico. Na língua inglêsa é ainda conservada a
denominação de "physician". Em Portugal e no Brasil colonial usava-se
oficialmente o título de físico-mor.
Nesse período não é possíivel silenciar o nome de Roger Bacon, o "doctor
mirabilis" que era ao mesmo tempo médico, filólogo, matemático, astrônomo,
físico, geógrafo e químico.
A idade média foi assolada por grandes epidemias, exigindo a organização
de lazaretos para quarentenas, parecendo que o primeiro foi estabelecendo em Pisa,
junto à igreja de S. Lázaro, em 1464.
Na renascença as organizações hospitalares foram, cada vez mais,
adquirindo o caráter municipal. Era a conseqüência do movimento que a partir do
século XIII começou a subtrair os hospitais da influência monástica medieval.
O progresso da ciência foi, naturalmente, determinando o aperfeiçoamento
gradual dessas casas de assistência. Principalmente a cirurgia tomou bom impulso
não só pelo melhoramento dos conhecimentos anatômicos, como, também, pelo
abandono da obediência ao édito da igreja, de 1163, que proibia ao clero (lembra a
influência monástica da época), a realização de operações que demandassem
derramamento de sangue.
É oportuno recordar, neste particular, "mutatis-mutandi", ­ defesa de Portia
contra o judeu Shiloc, no Mercador de Veneza", de Shakespeare: que seja retirado
um pedaço de carne perto do coração de Antônio mas... sem a perda de uma só
gôta de sangue!
A execução do édito fizera a cirurgia cair nas mãos dos barbeiros. E vemos,
já no século XVI, os cirurgiões inglêses, de longas e de curtas vestes se agruparem
em uma instituição chamada "Companhia dos Barbeiros ­ Cirurgiões de Londres".
Ocorreu êste fato em 1540, depois da existência do "Royal College of Surgeous",
de Edinburgo (cirurgiões de longas vestes), criado em 1506 e do "Royal College of
Physicians of England", estabelecido por Linacre em 1528. Os cirurgiões de longas
vestes, constituiam um pequeno grupo, educado nas universidades e autorizado
praticar todos os processos operatórios; os de curtas vestes eram os barbeiros
encarregados de fazer a barba e outras atividades médico-cirúrgicas.
O advento da Reforma prejudicou o progresso hospitalar no século XVI.
Henrique VIII ordenou que os hospitais católicos fôssem secularizados ou
destruídos (MAC EACHEN). Os doentes foram lançados à rua. Os londrinos
solicitaram ao rei entrega de um ou dois edifícios e suficiente auxílio financeiro,
para mantê-los. O rei, acendendo ao pedido, restaurou o hospital de São
Bartolomeu, entregando sua direção ao cirurgião Tomás Vicary, seu médico
pessoal.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

38

Em 1634, constituiu-se a ordem das irmãs de caridade de São Vicente de
Paulo, originada no Hotel Dieu, de Paris, por um pequeno grupo de moças que
aprenderam enfermagem.
Durante a renascença grandes homens de ciência trouxeram magnífica
contribuição ao progresso da medicina.
Basta citar os nomes de Paracelsus, (AUREOLUS THEOPHRASTUS BOMBASTUS
Von Hohmheim) Leonardo da Vinci, Andréa Vesalius, Bartolomeu Eustachi,
Sylvius, (JÁCQUES DUBOIS) Gabriele Fallopio, Fabricius ad Aquapendente,
Sonstanzo Varolio, Ambroise Parré, Andréa Cesalpino, Girolamo Fracastoro, etc.
A Espanha beneficiou-se da magnífica influência da medicina árabe. A
academia de Córdoba (960) teve uma biblioteca de trezentos mil volumes e, em
outros pontos, como Toledo, Sevilha e Múrcia, instituições de ensino se
organizaram.
Na Espanha um dos mais notáveis hospitais da antiguidade foi o
xenodóquio que MAUSONA edificou em MÉRIDA durante a dominação visigoda.
Entre os mais remotos hospitais da Espanha citam-se o de Oviedo, fundado por
Afonso Ely Casto, em 802; o de Córdoba (873), e os de Toledo, Sevilha e
Algéricas estabelecidos pelos muçulmanos; o de Barcelona, restaurado (1045) por
Guilart; o "Domus Dei", em Pôrto Marin, em 1126; o de Santiago, ampliado por
Gelmirez 1126; o del Rey, em Burgos; o Colon ou Santa Cruz, em Barcelona
(1238); o de Valência, em 1238. Os tipos dêstes edifícios foram classificados por
LOMPEREZ Y ROMEA em basilical, cruciforme e palaciano.
Tipo basilical:
"Un gran edificio de piedra, extensas naves abobedadas sostenidos por macizas columnas;
estreches ventanas; galeria claustral, circumdante; em el fondo, uma capilla; fran chimenea en el otra
frente; en las paredes, al lado de las camas, nichos para lamparas y otros á moda de mesas de noche".

Era o caráter dos hospitais da idade média de que foi exemplo, na Espanha a
hospital de Burgos.
Tipo cruciforme:
"Consiste en dos grandes crujias de igual longitud, que formam una cruz griega con dos pisos;
en el encuentro de los brazos hay un crucero con la altura de ambos, coronado por una linterna. Los
brazos de la cruz abrazan cuatro patios cuyo perimetro se cierra con crujias que continem los servicios.
El edificio, en totalidad, ten planta quadrada. La capilla se colocaba en el crucero ó en el extremo del
brazo en la cabecera. Los enfermos, desde las camas a assomndose à las balaustradas presenciaban los
divinos oficios".

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

39

Exemplos: os hospitais de Santiago, de 1501; de Toledo, de 1504; de
Granada, de 1511.
Tipo palaciano;
"Un conjunto cuadrado ó rectangular, cuyo nucleo es un patio ó dos con variantes, en la
colocación de la iglesia en el fondo del patio ó en un lado".

Nestes três tipos podem ser incluídos todos os edifícios hospitalares da
Europa meridional e do Renascimento.
Em princípio do século XVII começam a aparecer novas disposições como
a adotada por Cláudio Vellepaux no Hospital São Luís, de Paris, e que serviu de
modêlo a um grande número de construções hospitalares.
A principal inovação consistia em não superpor os doentes por andares. No
pavimento térreo eram localizados os serviços gerais. O pavimento seguinte era
reservado para os enfermos. As enfermarias eram cobertas com abóbadas.
Em cima do pavimento reservado aos doentes não deveria haver outro nem
para pessoas sãs, nem para contagiosos, nem para qualquer outro fim.
Cada doente no Hospital São Luís dispunha de uma grande cubagem de ar.
O plano de São Luís foi adotado por muitos hospitais. Renunciou-se, porém, ao
princípio e diminuição do seu comprimento, tornou-se escassa a ventilação do
pátio. Suprimiu-se, então, um dos lados do que resultou a forma em C. Esta forma
foi adotada principalmente nos hospitais militares. Vouban foi quem mais
empregou êsse tipo. O Hospital Militar de Vincennes, acabado em 1858, derivou
dêsse plano, porém, com um aperfeiçoamento: as três partes do C. ficaram isoladas
umas das outras, como três retângulos independentes, de modo a facilitar insolação
e arejamento de cada peça.
O século XVII, um século de gênios, que produziu homens como Newton,
Leibnitz, Descartes, Spinoza, Shakespeare, Milton, Cervantes, Moliére, Bach,
Velasquez, Rembrandt etc., foi também fértil no aparecimento de grandes figuras
da ciência médica. Bastaria William Harvey (1578-1657), (De Moto Codis) para
preencher o século.
Não foram, porém, menos notáveis outros homens de ciência que, nesse
período de tempo, fizeram, pelas suas genias pesquisas, notáveis decobrimentos, no
campo da biologia e ciências correlatas.
Bastará citar o grande jesuíta ATHANASIUS KIRCHER (médico, matemático,
físico, musicista, orientalista) com seu "Serutinium Pestis"; Robert Hooke; Jan
Swammerdan; Antony von Leeuwenhock; Marcelo Malpighi; René Descartes; (De
Homine); Regner de Graaf; Thomaz Sydenham.

40

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

No século XVIII houve grande progresso na construção hospitalar,
motivado pelo incêndio do Hotel Dieu, de Paris, ocorrido em 1772. A Academia de
Ciências foi encarregada de elaborar o programa para a nova construção.
Colaboraram neste trabalho, Lavoisier, Laplace, Tenon, Bailly, Coulon, Tillet,
Lassone, Daubenton e d'Arcel. A situação dos hospitais era lúgubre, a êsse tempo,
como se verifica pelo seguinte relatório:
''Ils ont vu les morts mêlés avec les vivants, dit le mémoire; des salles dont les passages sont
étroits, ou Pair croupit faute de pouvoir se renouveler, ou la lumiére ne pénétre que faiblement et
chargée de vapeurs humides. Les commissaires ont vu les convalescents mêles dans les mêmes salles
avec les malades, les ourants el les morts... la salle de fous contigue à celle des malheureux qui ont les
plus cruelles opérations et qui ne peuvent espérer de repos dans le voisinage de ces insensés, dont les
cris frénétiques se font entendre jour et nuit... des linges que l'on chauffe en grand monbre, et qui retirés
d'un malade, sont passés á un autre; des pots á boire rincés à la háte, et qui dans la distribution passent
d'un malade galeux à un qui ne l'est, pas, un malade arrrivant placé souvent dans le lit et dans les draps
d'un galex qui vient de mourir. La gale est presque génerale, elle est perpétuelles à I'Hôtel-Dieu; les
chirurgiens, les religieuses, les infirmiers la contractent ou en pansant les malades ou en maniant leurs
linges. Les malades guéris qui l'ont contractée la portent dans leurs familles, et I'Hôtel-Dieu est une
soure inépuisable d'ou cette maladie se répand dans Paris... La salle des opérations ou I'on trépane, oú
I'on taille, ou I'on ampute les membres contient également et ceux que I'on operé, et ceus qui doivent
être operés, et ceux les sont déja. Les opérations s'y font au millieu de la salle même; on y voit les
préparatifs du supplice, on y entend les cris des suppliciés, celui qui doit I'etre le lendemain a devant lui
le tableau de ses souffrances futures; et celui qui a passé par cette terrible épreuve, qu'on juge comme il
doit être profundement remué par ces cris de douleur! ces terreurs, ces emotions, il les reçoit au milleu
des accidentes de I''inflammation ou de la suppurations, au prejudice de son rétablissement et au hasard
de sa vie... La salle Saint-Joseph, est consacrée aux femmes enceintes: légimes ou de mauvaises
moeuses, elles y sont toutes ensemble: trois ou quatre en cet état couchent dans le même lit, exposées à
insommie à la contagion de voisines, et en danger de blesser leurs enfants. Ls femmes accouchées sont
aussi réunis quatre et plus dans un seul lit, á diverses epoques de leurs couches. Le coeur se souléve á la
seule idée de cette situation, ou elles s'infectent mutuellement. La plupart périssent ou sortent
languissantes. Indépendammente de toutes les causes qui tendent à corrompre I'air de cet hõpital,
lorsqu'il faut changer la paille des lits, il n'y a point de place particuliére pour se rechange: il se fait au
milleu des salles et lorsqu'on ouvre ces paillasses ou tant d'infirmités se sont reposées, on conçoit
I'odeur qui s'en exhale. Il a y plus chaque salle contient pleusieurs lites à la paille pour les agonisants et
pour ceux qui gatent leurs lits. On les réunit sur cette paille quelques fois cinq ou six; elle est
simplemente amoncelée sur la couchette et bridée par un drap. C'est quelquefois lá, ou milieu de ces
agonisants, au milieu de ces malades salis, que I'on met pour temps ceux qui arrivent de bonne heure et
qu'on ne sait encore ou placer... Il faut voir ces horreurs pour s'en convaincre, ou plutôt il fraudrait les
fuir, les éloigner de sa pensée, si Ion I'on n'était pas obligé de les connaitre, afin d'en montrer les
terribles incovênients et les prévenir".

As conclusões da commissão, acima mencionada, serviram durante mais de
um século de guia para quase tôdas as construções hospitalares.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

41

O Hôtel de Dieu continha 1.100 leitos para um doente, cada um, e 600 leitos
grandes, para mais de uma pessoa, cada um, podendo, assim a instituição abrigar
cêrca de 2.500 doentes, em total. Para o programa de reconstrução era exigida a
capacidade de 5.000 leitos. A Academia rebelou-se contra esta previsão:
"Um hospital de 5.000 leitos, esclareceu a Comissão, é uma cidade e
uma cidade mais populosa que as três quartas partes das cidades da
França".
"
Constitui um grande inconveniente esta aglomeração em um
espaço desproporcionado já que um hospital, por bem disposto que
seja é sempre um receptáculo de males e misérias; e um quadro
espantoso considerar êstes males acumulados em número de 5.000
imergidos em um mesmo volume de ar repleto de miasmas e
emanações fétidas" (sic.)
Sôbre o número de leitos tinha razão a Academia de Ciências de Paris.
Muito judiciosa foi a sua proposta de construir quatro hospitais de 1.200 leitos,
cada um, ao invés de um de 5.000. Tratou também, de reduzir o número de doentes
em cada enfermaria. Muitos projetos foram apresentados sôbre a forma de cruz, de
estrêla, etc.
Em resumo, a comissão da Academia de Ciência propôs:
1. redução do número de leitos de cada hospital ­ 1.200 leitos;
2. redução do número de leitos de cada enfermaria;
3. maior isolamento das salas, umas das outras;
4. condenação das salas contínuas do Hospital São Luís;
5. disposição das salas de modo a se constituirem aberturas de todos
os lados, para renovação do ar;
6. colocação dos pavilhões em ordem, paralela e orientados no
sentido mais favorável;
7. exposição das fachadas uma ao Norte e outra ao Sul;
8. construção de um só pavilhão destinado aos enfermos, dois
pavimentos em caso de escassez de terreno;
9. concessão para 3 andares; em certos casos, o mais elevado para os
empregados, o térreo e o intermediário para os enfermos.
As idéias propostas não foram bem aproveitadas na ocasião pois o programa
da Comissão só foi seguido completamente 70 anos mais tarde, por ocasião de ser
construído o H. Lariboisière, em 1854.

42

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Quanto ao Hôtel de Dieu, foi reconstruído quase que nas mesmas condições
do hospital incendiado. Todavia, os pianos da Academia de Paris exerceram
notável influência na construção hospitalar de tempos idos.
É interessante passar em revista alguns dos planos apresentados.
IBERTI propôs um edifício em cruz com cúpula central, segundo as linhas do
H. de Florença, muito conceituado na época. Os pavilhões seriam de dois
pavimentos, o inferior para os serviços gerais e o superior para as enfermarias. Sob
a cúpula central situava-se a cozinha.
Petit preconizava uma disposição das salas em forma de estrêla, com cúpula
central e uma capela sob esta. Payet, queria, também, a forma estrelar, porém, com
galerias periféricas ligando os raios.
Paris:

Eis a reprodução das principais características do plano da Academia de

"On construira suivant des lignes parallèles, avec des intervalles suffisants, les différents corps
de logis destiné à composer l'Hôpital. Celui-ci comprendra quatorze pavillons rangés sur des files, l'uns
à droite et l'autre à gauche, l'une pour les hommes et l'autre pour les femmes. Ces deux files seront
séparées par une vaste cour de 28 toises le large sur plus de 120 de longueur; c'est une grande masse
d'air placée au centre et répandue sur un espace d'environ 4 arpents. On pourra placer dans cette cour un
jardin de plantes médicinales, en réservant au pourtour une rue de 24 pieds de large. Il contiendra
encore près de 3 arpents, et, outre son utilité. Il sera d'un aspect plus agréable qu'une cour sèche et nue
gui blesse le plus souvent la vue par la forte réflexion des rayons solaires.
Chaque pavillon sera séparé des autres par un espace ou jardin, de 12 toises de large sur toute
la longueur du bâtiment, c'est à dire sur 28 toises environ. Cet espace, où il n'y aura des d'arbres, sera le
promenoir a part pour ses convalecents; il aura ses registres et sa mortalité sera connue et déterminée;
on pourra fermer ce pavillon et son promenoir, et ils nauront jamais avec le reste re l'hôpital que la
communication bue l'on voudra.
Les malades seront divisés par catégories. Les fous seront à 1'hôpital Sainte-Anne et on y
placera les apareils et le traitement particulier qu'ils exigent; il sera bon d'aménager une salle et un
traitement pour les hydrophobes; il sera à propos d'atribuer dans tous les hópitaux une salle particulière
aux pulmoniques".

É interessante notar a influência que tiveram estas idéias em Portugal.
Em 1890 a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra nomeou uma
comissão para estudar o plano de um nôvo hospital de ensino. Em suas reuniões os
encarregados dessa tarefa foram determinando as diretivas a que se deveria
subordinar o projeto. Estabeleceram as bases de pavilhões isolados, enfermarias de
30 leitos, sem superposição de pavimentos, três quartos de isolamento, "uma casa
para distração de doentes de pé", diferentes "casas para enfermeiros", pequena
cozinha, banhos, lavatórios e latrinas. A área média seria de 80 a 100 metros
quadrados por leitos. Um dos membros da comissão apresentou dois ante-projetos
e vangloriava-se de ter em 1833 indicado a necessidade

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

43

de pavilhões separados, sistema que observou, posteriormente, na exposição de
Paris de 1878, em que figuravam projetos de pavilhões, isolados por tôdas as
quatro faces", como o sistema Tollot e do hospital do Havre.
Êste membro de Comissão, A. A. da Costa Simões, era favorável ao
pavilhão de um só pavimento e defende-se de ter propôsto dois pavimentos, em
uma reconstruçãao, porque verificou tal circunstância no H. de Carabouchel, em
Madrid e nos hospitais de Berne, Aorau, Vichy, Saint Etiene e Urbau, de Berlim.
Por motivos econômicos havia recorrido a dois pavimentos mas concordava
em que o verdadeiro sistema deveria ser o de pavilhões isolados de um único
andar.
Houve polêmica sôbre os projetos de Costa Simões que se acreditava um
grande conhecedor do assunto, tendo escrito um livro sôbre "Construções
hospitalares" e outro sob o título "Hospitais da Universidade de Coimbra".
Discorrendo sôbre as reformas que empreendeu no H. da Universidade,
Costa Simões empenha-se em demonstrar o estado lamentável em que se achavam
as edificações principalmente sob o ponto de vista sanitário.
O sistema de pavilhões separados propagou-se, o mesmo não ocorrendo
com o plano de um só piso para doentes. O H. de Bordéus seguiu êste preceito
mas, o Larisboisière, o Tenen (1875), o Hôtel Dieu (1876), todos em Paris, tiveram
três pavimentos superpostos para enfermarias.
A Sociedade de Cirurgia de Paris admitiu os seguintes princípios: cinqüenta
metros cúbicos de ar por leito; enfermarias com o máximo de 15 a 20 camas e
arejadas naturalmente; uma sala de repouso para os convalescentes; salas
suplementares para permitir a evacuação e desinfecção periódica das enfermarias;
cada pavilhão com dois andares apenas, um térreo e outro superior.
O êxito dos norte-americanos, com o tratamento dos feridos e enfermos, na
guerra de Sucessão, mantendo-os em barracões de madeira, levou alguns médicos a
preconizar a construção de pavilhões dêste material a fim de serem queimados
todos os anos. Intentou-se, também, revestir as paredes das enfermarias de material
rigorosamente impermeável e resistente à ação do fogo. A superfície assim
preparada seria queimada com auxílio de lâmpadas de álcool. O custo destas obras
desencorajou os seus preconizadores:
"Fué preciso, pues volver á la construción ordinaria, pero se buscó el evitar in infección
exponiendo al aire la superficie extrena de cada pared, muro, techo é suelo. Hase demonstrado, en
afecto, que se produce en el interior del muro, en los pores de la piedra ó del ladrillo, una verdadeira
combustiós quimica que destruye ràpidamente todos los gérmenes".

44

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Êste conceito foi naturalmente um consôlo para os que preocupavam com
tão rigorosos preceitos de assépsia.
A Enciclopédia Universal Ilustrada, edição de 1925, determinou as
seguintes disposições gerais para construção dos hospitais:
1.ª) O hospital deve situar-se, sempre que possível, fora das cidades,
em terreno sêco e salubre.
a
2. ) A área média deve alcançar 100 a 150 metros quadrados por
leito.
3.ª) É preciso dar grande importância à adução de água e drenagem
dos produtos residuais e fluviais.
4.a) Os pavilhões devem ser paralelos e orientados de modo mais
vantajoso, tendo em conta o clima e a direção dos ventos
reinantes.
5.ª) Devem ser separados, entre si, por pátios que tenham a
amplitude de uma vez e meia a altura do pavilhão.
6.ª) Entre os pavilhões devem existir avenidas ou jardins.
7.ª) Os serviços que possam ser causa de infecções devem ser
colocados de maneira a que os ventos não conduzam as
emanações às enfermarias.
8.ª) O prédio deve ser exposto à ação saneadora das correntes áreas.
9.ª) Devem ser evitados os pátios fechados e saliências disponíveis.
10.ª) Deve ser evitada a superposição de enfermarias.
11.ª) As enfermarias de contagiantes e cirúrgicas em nenhum caso
devem ter mais de um piso com enfermos.
12.ª) As enfermarias não devem sofrer a umidade do solo, por isso
devem ser erigidas sôbre arcos de 2,00 de altura para circulação
inferior de ar.
13.ª) As superfícies exteriores devem ser submetidas quanto mais
possível à ação saneadora do ar.
14.ª) Cada enfermaria deverá ter no máximo 20 doentes de cirurgia e
30 de medicina.
15.ª) Os doentes de cirurgia devem ter uma cubação de ar de 60 a 70
metros cúbicos, os de medicina de 45 a 50 metros.
16.ª) O ar viciado deve ser expulso pela parte superior da sala.
17.ª) Serão suprimidas nas salas todos os salientes inúteis.
18.ª) Deve ser feito o saneamento por meio de W.C., bidets, com água
abundante e sifões.

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

45

Quase tudo quanto está estabelecido nestas regras construtivas de 1925, da
Espasa entrou definitivamente para a história antiga. É incrível que uma
enciclopédia tão famosa como é a editada pela Espasa ­ Calpe ­ S.A. ainda
divulgasse, como divulgou, idéias tão antiquadas no ano de 1925. E admira-se que
em New York houvesse um hospital de sete pisos, com 200 leitos funcionando,
com êxito, sob o ponto de vista da salubridade!
Na época em que a Espasa saiu à luz (1925), percorri grande parte da
América do Norte, onde já se elevavam numerosos hospitais arranha-céus como o
de Ann Arbor, por exemplo.
Cêrca de 1925 eram já numerosos os hospitais com muitos andares, como,
por exemplo, o Henry Ford, de Detroit, Mich., iniciado em 1911 (5 a 6
pavimentos), o Good Samaritan, de Cincinnati, Ohio (7 a 8 pavimentos); o Mt.
Sinai, de New York (7 pavimentos); o Fifth Avenue, de New York (9-10
pavimentos); o Ohio Valley, Wheeling, W. Va (6 pavimentos); o H. Phipps
Psychiatrie Clinic, J. Hopkins H. Baltimore, Md. (5 pavimentos); o Royal Victoria,
de Montreal, Canadá (5 pavimentos), o Notre Dame, de Montreal, Canadá (6
pavimentos); o University College H. de Londres, etc.
E nesse mesmo ano de 1925, abriram-se os terrenos do Centro Médico de
New York para receber as fundações da imensa e concentrada estrutura do H.
Presbyteriano de vinte e dois pavimentos. O êxito dêsse tipo de construção em
monobloco autorizou a sua adoção para o Centro Médico da Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo.
Foi êsse o parecer da Comissão de que fiz parte juntamente com os
professôres Rezende Puech e Benedito Montenegro.
Nestes moldes foram executados os projetos no Escritório de Obras da
Faculdade de Medicina de São Paulo, sob a direção técnica de Rezende Puech e
Souza Campos.
O projeto do edifício para os laboratórios foi executado em 1928-1930. O
plano do hospital, traçado contemporâneamente, só agora vem sendo pôsto em
obra, após algumas modificações na retificação das alas e de um ou outro elemento
de composição interna.
No século XVIII, a ciência médica progrediu sob o vigoroso impulso de
grandes pesquisadores, entre os quais avultam as figuras de Carl von Linné
(Linnaeus), Haller, Galvani, Lavoisier, Monro, Scarpa, J. Hunter, Gaspar F. Wolf,
Jean Louis Petit, Morgagni, Baillie, von Svieten, etc.
Sôbre os hospitais do século XVIII, eis uma relação apresentada por
GARRISON:
"The principal London hospital were the Westminster (1719), Guy's (1725). St. George's
(1733), The London (1740); the Middlesex (1745), and the Small-pox Hospital (1746), and there were
provincial hospitals at York (1710), Salisbury (1716), Cambridge (1719), Bristol (1736), Widsor
(1736), Northampton (1743),

46

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Exeter (1745), Newcastle (1715), Manchester (1753), Chester (1955), Leeds (1767), Stafford (1769),
Oxford (1770), Leicester (1771), Norwich (1771), Birmingham (1778), Nottingham (1782), Canterbury
(1793), and Stafford (1797), In Scoltland hospital were fouded at Edinburgh (Royal Infirmary, (1729),
(1736), Aberdeen (1739), Dunfries (1775), Montrose (1780), Glasgow (1794), and Dundee (1795); in
Ireland, at Cork (1720-22), Limerick (1759), and Belfast (1797), while the earliest of the Dublin
hospitals were the Jervis Street (1726), Sttevens's (1733), Mercer's (1734), and the Math Hospital
((1756). The Royal Sea-Bathing Infirmary for Scrofula, a new departure in the treatment of surgical
tuberculosis, was opened at Margate, in 1791. Children's hospital were foundend at London by George
Armstrong (1769), and at Viene by J. J. Mastalier and L A. Gölis (1787). The Charité at Berlim (1710),
the Alberg dei poveri at Naples (1751), the Allgemeines Krankenhaus at Viena (1784), the Necker
(1779), Cochin (1780), Beaujon (1785), and St., Antoine at paris were among the larger hospital
founded on the continent. To Catherie II, Moscow owed the Catherine, Pavlovski, and Golitzin
Hospitals, and insane asylum and a foudling asylum (1764); St. Petersbourg the Obukhovski Hospital
(1784), a Faunlling Hospital (1770), and a "Secret Hospital" for veneral diseases (1763), the linen of
which was mared "Discretion".

Sôbre as atividades hospitalares do século XVIII, MAC EACHEN dedica um
capítulo de pouco mais de página e meia, no seu livro "Hospital Organization and
Manegement". Focaliza, especialmente, a situação da Inglaterra. Conta que no
comêço do século o "Royal Correge of Physicians" estabeleceu um dispensário,
com serviço médico gratuito e pagamento das receitas pelo preço de custo, para os
pobres. Controvérsias e processos judiciários puseram têrmo ao empreendimento.
Apesar disso a "Westminster Charitable Society" fundou outra instituição análoga,
em 1715, de cuja iniciativa resultou o estabelecimento do Hospital de Westminster,
em 1719. Conservou êste os serviços médicos gratuitos. O sucesso dessa
organização abriu caminho para outros ambulatórios. Em 1729 e anos seguintes,
instalaram-se as "Royal infirmary" em Edinburgo, Winchester, Aberdeen e os
hospitais: "Guy" (1724), "Telvis Street" (1728); "S. George" (1733), "London"
(1740), "Middlesex" (1745), "Lyin In" (1745), "British Lying-In" (1749), "City of
London Lying-In" (1750), "Manchester" (1753). "O Hospital de caridade de
Berlim" é de 1710 e o "Allgemeines Krankenhaus", de Viena, data de 1795.

CAPÍTULO SEGUNDO
EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

O hospital oriundo de épocas remotas, anteriores ao cristianismo, e
desenvolvido por iniciativa de organizações religiosas, converteu-se em instituição
social como obrigação do Estado que passou a fundá-los e mantê-los quando se
estabeleceu a transformação política democrática. Com o advento da nova ordem
começou a administração pública a tomar a seu cargo a assistência médica, em
estabelecimentos hospitalares de freqüência gratuita. A assistência privada não
desapareceu, antes acompanhou o desenvolvimento da obra dos governos que,
reconhecendo-lhes os méritos, entrou a auxiliá-la por meio de subvenções e
regalias.
Eram minguados os recursos pecuniários postos a serviço dessa obra de
assistência. Precaríssimas se apresentavam portanto as condições de confôrto e
higiene. Só indivíduos inteiramente desprovidos de meios de subsistência
socorriam-se dessas casas. O hospital servia apenas para os pobres. Os que podiam
pagar tratavam-se em sua própria residência. Cirurgiões preferiam operar nas casas
de seus clientes, tão mesquinhos eram os setores cirúrgicos do hospital.
Não é difícil admitir quão doloroso deveria ser o quadro, sabendo-se que o
mundo ainda se achava no período prepasteuriano e prelisteriano.
E as salas de cirurgia, sem a preservação asséptica dos nossos tempos,
comportavam simultâneamente os que iam ser operados, os que se submetiam ao
ato operatório e os post-operados.
Era grande a mortalidade. Vieram então as medidas de cooperativismo
destinados a canalizar maiores auxílios monetários para a causa.
Com o melhoramento das condições hospitalares, as classes ativas da
sociedade passaram a dêles se utilizar.
No Brasil, ainda em data não muito longínqua, os abastados não procuravam o
hospital. As maternidades quase só serviam para os pobres.

48

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O aperfeiçoamento das instalações e do equipamento inverteu a orientação
dos médicos e cirurgiões. Passaram êstes a reclamar ou a impor o internamento dos
seus doentes em hospitais e casas de saúde.
O progresso da ciência e da técnica foi desvendando novos horizontes que
se estenderam com o prenúncio da éra bacteriana, descortinada pelas pesquisas e
pelas aplicações dos novos conhecimentos por Lister. E êste podia dizer: "tôda a
questão mudou de aspecto depois que Pasteur provou que o pus dependia de
micróbios capazes de germinar nas feridas".
O receio da contaminação entre os doentes levou os técnicos da época a
descentralizar o hospital que até então era concentrado. Surgiu destarte o hospitaljardim, subdividido em pavilhões, distribuídos em extensa área.
Tivemos, então, o tipo que pode ser caracterizado pelo Eppendorf de
Hamburgo, com seus 1.500 leitos dispersos em setenta edifícios independentes, ou
o Virchow de Berlim, com seus trinta pavilhões, de dois pavimentos, com
capacidade total de 2.000 camas. O tipo de pavilhões dispersos, predominante na
Alemanha, era, também, seguido na França: o Nouvelle Pitié, de Paris, o Edouard
Heriot (La Grange-Blanche), de Lyon. Em forma menos dispersiva o hospital de
Cairo, o Maggiore, de Milão, o de Como, o de Bergamo, o de Bréscia, etc.,
cingiram-se a êste estilo.
Com o melhoramento das instalações e o progresso científico a cirurgia
entrou em rápido progresso. O aperfeiçoamento da técnica operatória foi
determinando a necessidade de instalações e aparelhamentos cada vez mais
complexos e dispendiosos. Apareceram as especialidades cirúrgicas como a
oftalmologia, a otorrinolaringologia, a neuro cirurgia, cirurgia estética, solicitando
novas condições de técnica e de ambiência. E neste particular a guerra de 19141918 foi um grande campo experimental principalmente para a cirurgia.
O custo das instalações cirúrgicas assumiu grandes proporções. Convinha
dar a êstes setores o máximo de rendimento. A fisioterapia e a fisiodiagnóstico
tomaram grande impulso, obrigando os hospitais a uma despesa elevada com a
aquisição e manutenção do aparelhamento indispensável. Os laboratórios com o
desenvolvimento da imunologia, da bacteriologia, da parasitologia, da anatomia
patológica, da química fisiológica, da fisiologia, da farmacologia, da dietética,
impuseram a multiplicidade de serviços e de técncos especializados para seu
desempenho. Todas estas circunstâncias foram indicando a necessidade de retôrno
ao tipo concentrado. A pluralidade dos pavilhões complicou imensamente o
problema dos transportes; transportes de doentes, de medicamentos, de médicos, de
pessoal subalterno, de material de laboratório, de medicamentos, de refeições. As
canalizações de água e esgôtos, a rêde de eletricidade e de sinais luminosos, a
tubulação de

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

49

aquecimento estendiam-se em centenas de metros para se distribuir pelos edifícios
dispersos. Tudo isso exigia pessoal numeroso e grandes despesas de instalação e
manutenção. Todavia, ainda por muito tempo foi se mantendo o "tabú" do
pavilhão. Alegava-se que assim o exigia o nova ciênciabacteriológica. Esta
indicava a necessidade de isolar os contagiosos. Não havia, entretanto, vantagem
em isolar os não contagiosos.
Por outro lado os pavilhões dispersos mais em contacto com o solo, mais
susceptíveis de invasão pelas môscas e pela poeira, antes favoreciam o contágio,
pelo acesso fácil.
As próprias experiências de Pasteur o estavam demonstrando. Colocando
placas de Petri a diversas alturas a partir do nível do solo êle verificou que o
número de colônias microbianas decrescia com a altitude.
Na realidade as precauções de assépsia não passavam de um pretêxto
egoísta dos chefes de clínica, que queriam ter, em edifícios independentes, os seus
próprios institutos. JEAN WALTER no seu trabalho intitulado "renversement des
doutrines en matière de constructions hospitalaires" acentua êste ponto:
"En fait, les theories pastoriennes n'ont été qu'un preaexte: le corps médical, par esprit
individualiste, par gout de faire des recherches à I'abri de tous les yeux, de ne dependre de personne, a
imposé à des architectes trop dociles ces plans monstrueux d'hôpitaux, dont de prix de revient exprimé
en or a augmenté em cinquante ans dans la proportion de 1 a 7 et dont le prix d'exploration est si éleve
qu'aucun budget ne pent le supporter.
Si encore tous ces sacrifices avaient été consentis pour améloirer le sort du malade, les soins
quon liu donne, pour aider le personnel medical dans sa tâche, on pourrait pretendre que les résultats
justifient les dépenses de construction et d'exploration. Mais il n'en est malheureusement rien: tous les
édifices construits de 1880 à 1930 ne sont pas susceptibles d'être équipés utilement avec tout
l'appareillage que la science et l'industrie ont mis à la disposition de ceux qui pratiquent l'art de guerir".

A prática foi demonstrando que os pavilhões dispersos não reduziam o
contágio hospitalar.
Por outro lado, a arquitetura progrediu. Surgiram as construções metálicas e
de concreto armado permitindo a edificação econômica de prédios com muitos
pavimentos ­ os chamados arranha-céus. Os transportes por elevadores tomaram
incremento e popularizaram-se. Entrou no conceito geral a idéia de simplicidade e
economia do transporte vertical pela poupança de pessoal de serviço e do tempo
precioso dos técnicos.

50

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Ouçamos de nôvo os argumentos de JEAN WALTER em favor da
concentração hospitalar em monobloco:
"Du point de vue de 1'equipement, it faut considerer que si l'on arrive à installer dans un
hôpital pavillonné une chaufferie, une baunderie, une cuisine, un service de radiologia modernes, ces
services restent les maillons détaches d'ne grande chaine, leur exploitation est ruineuse et donne, peu de
résultat. En effet, ces installations n'ont d'utilité vue si elles sont à la portée des usages. Or, dans un
hospital pavillonnée, le transport d'un malade à une salle de radiographie ou à un laboratoire se fait
lentement, à travers des galeries interminables, dans lequelles le le malade est dangereusement exposé.
Les relations, entre un service et un autre sont difficiles, la distribution des aliments est interminable, la
nourriture arrive froide. L'importance du personnel que necessitent tous les longs mouvements inutiles
est augmentée par le peu de rendement de Chacun. Toute surveillance est impossible dans le dédale
infini des salles et des galeries.
Le personnel, extenué par des déplacements, est énervé dur pour les malades, 1'impatience de
ceux-ci est grande lorsqu'ils atendent indéfiniment un remède ou les soins d'une infirmière partie pour
une course dans l'hôpital. Cela ne facilite pas les guérisons.
Le malade ne peut recevoir que des soins insuffisants parceque les méthodes de diagnostic et
de thérapeutique qu'il ont été mises au point par la science moderne demandent 1'usage de laboratoire
meublés d'instruments nombreux. Ceux-ci ne peuvent servir que s'ils sent à la portee des malades;
éloignés, ils ne peuvent être d'un usage courant et remplir leur office.
D'un autre point de vue, il faut considérer qu'un malade dépend plus, comme autrefois, d'un
seul spécialiste. Chaque médecin a besoin de connaitre sans cesse et souvent très vite les avis de chefs
d'autres services, des specialistes, des radiographes et des chefs de laboratoire de l'hôpital.
Les chirurgiens, pendant les cours d'une operation, ne reclament-il pas souvent 1'avis
instantané de 1'anatomo-pathologiste? Le bacteriologue n'est-il pas dans l'obligation d'entrer en repport
avec tous les services? Il en est de même de tous ceux qui pratiquent l'art de guérir.
On ne peut assurer, dans un hôpital pavillonné, aucune de ces liaisons nécessaire.
Il faut enfin noter que le développement de la science demande que des relations faciles
s'établissent, non seulement entre chaque service d'un hôpital, mais aussi entre 1'ecole de médicine et
l'hôpital. Les savants qui travaillent, les professeurs qui enseignent, les médicins qui, soignent, doivent
vivre en relation étroites. L'hôpital pavillonné ne se prête à aucune liaison facile avec la Faculté de
Médicine et offre aprés tant d'autres ce nouvel inconvenient.
La conception de l'hôpital construit en surface est, en résumé, le resultat d'une
incomprehension foncière des besoins modernes; elle ne peut subsister.
Combien il est triste de constater qu'avec tous les millions gâchés depuis cinquante ans, on
aurait pu construire partourt des hôpitaux, doter toutes les régions de laboratoires indispensables,
améliorer les conditions de vie, combattre la dépopulation.
La situation que le viens d'exposer s'étant revelee peu à peu aux architectes d'hôpitaux, it leur
a été impossible de perséverer dans les vois tracés par nos prédecesseurs. En renversement des doctrines
en matière de constructions hospitalares, s'est imposé."

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

51

A construção em monobloco com muitos pavimentos originou-se nos
Estados Unidos. Não se tratava de ganhar espaço no solo. Algumas das
organizações que dispunham de grande área lançaram seus hospitais em alutura.
As razões que determinaram a adoção do nôvo tipo construtivo foram
essencialmente as seguintes:
1)

Economia de construção e manutenção.

2)

Facilidade dos transportes e portanto no movimento do hospital, tanto
do pessoal como do material.

3)

Concentração das tubulações hidráulicas, térmicas, de esgôto,
eletricidade, etc.

4)

Possibilidade de bons serviços operatórios, de raios X, radium, de
fisioterapia e fisiodiagnóstico, de laboratórios, etc.

5)

Possibilidade de ter na direção de cada serviço um técnico de grande
valor, bem remunerado, o que não seria possível em serviços
multiplicados.

6)

Melhor disciplina interna e de vigilância.

7)

Melhores condições de isolamento por pavimento do que em
pavilhões dispersos.

8)

Maior afastamento do ruído, da poeira e da môsca, o que faz nos
hotéis serem preferidos, apesar de mais caros, os pavimentos mais
elevados.

9)
10)

Mais íntimo contacto e cooperação do pessoal técnico.
Facilidade de administração.

O progresso elétrico mecânico das construções hospitalares contribuiu para
dar ao conjunto hospitalar monobloco grande eficiência e economia de
funcionamento.
Doentes no seu ingresso, saída ou em procura das seções operatórias, de
fisioterapia, de fisiodiagnóstico, dos laboratórios, são transportados pelos
elevadores.
Não terão mais que se deslocar horizontalmente, passando através
sucessivos corredores, sob temperaturas diversas para alcançar os centros
operatórios, fisioterápicos ou laboratoriais, causa muitas vêzes de pneumopatias.
Médicos, enfermeiros e auxiliares, pelo mesmo processo, atingem
ràpidamente a seção que lhes interessa.
Monta-cargas adequadas transportam camas, colchões, cadáveres de modo
discreto e rápido.

52

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Outros monta-cargas para as refeições as põem imediatamente ao alcance
dos enfermos, partindo de uma cozinha central, de preferência situada no tôpo do
edifício, evitando destarte o cheiro, as môscas, a poeira, como ocorre no transporte
horizontal por meio de carrinhos.
Medicamentos oriundos da farmácia central são postos logo ao alcance das
enfermarias seccionais por meios mecânicos e de pneumáticos.
Roupas limpa e suja correm dentro de tubos de queda, ou elevam-se em
monta-carga, tudo articulado com a lavandaria e desinfetórios centrais. Material
séptico usado em curativos desce também por meios mecânicos. Telefones
internos, sinais de chamada, formam rêde mais compacta e por isso mais
econômica e fácil de manter.
A redução da área total, simplifica e torna mais econômico o serviço de
manutenção da limpeza.
O "contrôle" da superintendência é mais seguro por ter tudo ao alcance das
suas vistas, sob o mesmo teto.
A área de terreno necessária para os grandes hospitais é enormemente
reduzida.
O arejamento é tanto mais perfeito quanto mais alto é o pavimento.
O pessoal técnico, concentrado em grandes instalações pode ser melhor
remunerado, de melhor qualidade e ficar sob a chefia de homens de grande valor
que orientarão com segurança os trabalhos de rotina e de pesquisa.
A construção do edifício sôbre ser mais econômica é, pràticamente,
incombustível pelo emprêgo do concreto armado.
Varandas floridas e solitárias permitirão aos doentes contato com o exterior
o que faz "le séjour à l'air de l'hôpital ­ etre praticable à proximité des salles".
Eis porque todos os técnicos modernos em construção hospitalar indicam,
sem vacilações, o tipo concentrado "em altura".
M. P. FORESTIER discutindo êsse caso disse:
"A ma connaissance, nulle part ou ne construit plus
d'hôpitaux importants sur le systeme de pavillons separés."
MARCEL LATIER, já mencionado, opina de modo idêntico:
"La construction des établissements hopitaliers selon le mode
dit en hauter nous parait representer la tendence actuelle".

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

53

Sôbre êste aspecto da questão, escreve BRUNO MORETTI, no seu livro
"Ospedale":
"La tendanz attuale nelle construzioni ospitaliere è quela di aumentare il numero dei piani: in
America si è guinti a 22 (Medical Center, New York); in Europa il massimo giunge a 12 a 14 piani.
Nelle nostre città, ove non intervengnon speciali caus di limitazone o di aumento, sembrano ancora
consigliabili edifici tra i 4 e i 7 diani. Considerazioni economiche, sia per le spece iniziali che per la
succesiva gastione, miltano a favore di construzioni centralizzate e sviluppate in altezza, con corridoio
centrale".

Na última edição Enciclopédia Britânica, lêm-se, no item Hospital, as
seguintes palavras:
"Present-day Construction ­ While in the arlier period hospital development in the United
States was largely patterned after the developments in Europe, the present trend of large institutions is
toward the "shyscreper hospital" ­ as St. Luke's Hospital Annex, in Chicago, with 19 storeys; the
Jefferson hospital in Philadelphia, with 17 storeys; and the new Presbyterian hospital of the medical
centre (opened march 16, 1828) of New York city, with 22 storeys. This tendency is extending even
into the country districts where the value of land is not a factor, for example, the University hospital at
Anna Arbor, Mich., with its eight storeys, the former being a teaching hospital and he latter a
community hospital serving 35.000 people".

São aqui citadas opiniões européias porque nos Estados Unidos, de onde
partiu êsse movimento, o tipo monobloco é hoje por assim dizer obrigatório. Basta
atentar para os numerosos hospitais americanos dos últimos tempos que se
edificaram seguindo êste critério.
Vencedora a idéia na América do Norte pela eficiência do funcionamento
dêsses monoblocos, êsse tipo construtivo invadiu a Europa e os outros continentes,
nêle se inspirando as construções do gênero na hora atual.
Como exemplos norte-americanos podem ser enumeradas as grandes
massas construtivas concentradas do Los Angeles Country General Hospital, de
Los Angeles, na Califórnia; o centro médico da Universidade de Colúmbia, em
New York; o Harbowiew Hospital, de Seattle, Washington; o New York Hospital ­
Cornell Medical College; o Passavant Hospital, de Chicago, etc.
Na França podem ser mencionados o Hospital Beaujon, de Paris (Clichy) a
cidade hospitalar de Lille, etc.
Na América do Sul o hospital escola de Buenos Aires, o de Montevidéu, o
hospital geral de Bogotá, etc.

54

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

No Brasil, a orientação da construção hospitalar em monobloco já ganhou
raízes e vem imprimindo êste conceito em todos os planos atuais. Tomaram essa
diretiva o Hospital Escola da Faculdade de Medicina, da Universidade de São
Paulo, o Hospital Escola da Faculdade de Medicina da Bahia, o Hospital Escola da
Faculdade de Medicina de Pôrto Alegre, o Hospital Escola da Escola Paulista de
Medicina, o Hospital da Santa Casa de Misericórdia da Escola Paulista de
Medicina, o Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, o
anteprojeto para o Hospital Escola da Faculdade de Medicina da Universidade do
Brasil, o projeto do hospital da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, etc.

CAPÍTULO TERCEIRO
HOSPITAIS DA AMÉRICA

O México tem o privilégio de prioridade em dois setores da civilização: na
educação universitária e na edificação hospitalar.
A primeira universidade a ser construída na América foi a "Real e Pontifíca
Universidade do México", em 1953. O primeiro núcleo universitário a se formar
nos Estados Unidos foi o "Havard College", cuja origem é contada a partir de
1636. Do mesmo modo foi no México que se erigiu o primeiro hospital em terras
americanas. Cortez, levantou-o em 1524.
Conta, pois, cêrca de duas décadas mais do que a primeira instituição
análoga do Brasil ­ a Santa Casa de Misericórdia de Santos, criada por Braz Cubas,
em 1543. O Canadá, em 1637, viu iniciar-se a sua primeira casa de assistència,
terminada dois anos mais tarde.
Foi o Hôtel Dieu du Precieux Sang estabelecido pela Duqueza de Aguilon,
em Quebec (MAC EACHERN). Por iniciativa de Jane Mance construiu-se, ainda, em
Quebec, outro Hôtel-Dieu, onde se originou a ordem das Irmãs de S. José, o
primeiro grupo organizado de enfermagem (MAC EACHERN). Montreal logo
edificou o seu Hôtel-Dieu.
Segundo MAC EACHERN, os Estados Unidos instalaram o seu primeiro
hospital para socorrer soldados enfermos. Teve sua sede em uma das ilhas de
Manhattan. Existiu em 1663. Outro em Nova Amsterdam foi dirigido por uma
senhora holandesa, mas fechou suas portas em 1674.
Na ausência de hospitais, muitas cidades possuiam apenas asílos
"almshouses" ou simplesmente casa de residência onde os doentes eram tratados
pelas mulheres da vizinhança.
O primeiro asilo estabelecido na colônia foi obra de William Penn, em
1713. Era exclusivo dos quakers. A necessidade de uma instituição pública onde
todos pudessem ser aceitos determinou a criação de outro asilo em 1732 ­ a
"Filadelfia Almshouse". Êste parece ter sido

56

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

o ponto de partida do Philadelphia General Hospital. Baseando-se nestas
circunstâncias, êste hospital julga-se o mais antigo dos Estados Unidos.
Êste título é disputado pelo "Pensylvania Hospital" que não quer admitir a
fase primitiva do Filadélfia, porque êste, não tinha os caracteres de uma
organização hospitalar.
F. R. PACKARD, na sua "History of Medicine in the United States" e no
"Some account of the Pennsylvania Hospital of Philadelphia", toma calorosamente
êste partido. Discutindo o caso, chama o testemunho de MORTON, autor da
"History of Pennsylvania Hospital", cujas pesquisas revelaram tentativas para
estabelecer êste hospital desde 1709. O Pennsylvania constituiu-se pelos esforços
conjugados do Dr. Thomas Bound e de Benjamin Franklin. Êste último, devido à
sua grande projeção no cenário universal, foi considerado o fundador da casa. Na
sua autobiografia, entretanto, o sábio generosa e modestamente põe em foco o seu
amigo dr. BOUND. Escreveu:
"In 1751, Dr. Thomas Bound, a particular friend of mine, conceived the
idea of establishing a hospital in Philadelphia (a sery beneficente design, which has
been ascribed to me, but was originally and truly his) for the reception and cure of
por sick persons, whether inhabitants of th eprovince for strangers. He was zealous
and active in endavoring to procure subscriptions to it; but the proposal heing a
novelty in America, and at first not well understood, he met with but little sucess.
At length he came to me with the compliment, that he found there was no such
thing as carrying a publicspirited project througs without my being concerned in it.
"For, he said, I am often asked by those to whom I propose subscribing: Have you
consulted Franklin on this business? And what does he think of it? And when I teil
them I have not (supposing it rather on of your line) they do not subscribe, but say,
they will consider it. I inquired into the nature and utility of the cheme, and
receiving a very satisfactory explanation, I not only subscribed to if myself, but
engaged heartly in the design or procuring subscription from others".
Bound, aliás, tornou, também, parte ativa na organização do "College of
Philadelphia", hoje Universidade de Pennsylvania.
Benjamin Franklin empolgado pela idéia recorreu à propaganda pelos
jornais, processo de que não se lembrava Thomas Bound. Melhorou a situação mas
impunha-se um auxílio governamental. Uma petição foi dirigida à Assembléia, sob
os auspícios de Benjamin Franklin, mas "the country members did not at first relish
the project".
Benjamin Franklin não desanimou e insistiu no projeto sob outra forma:
"On this I formed my plan; and asked leave to bring in a bill for incorporating the
contributors according do prayer of their petition,

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

57

and grating them a blank sum of money; which leave was obtained chiefly on the
consideration that the House could throw the bill out if they did not like it".
O plano estabelecido nestas bases foi aprovado "for the members who had
opposed the grant, and now conceived they might have the credit of being
charitable whithout the expense, agreed to is passage".
Cada contribuinte teve a certeza que o seu donativo seria duplicado e "the
suscription accordingly soon exceeded the requisit sum".
O prédio foi logo construído e começou a funcionar o hospital com pleno
êxito. B. Franklin pôde assegurar: "I do not remember any of my political
manoeuvres, the sucess of which at the time gave me more pleasure".
É interessante reproduzir, na íntegra, a petição dirigida à Assembléia de
Pennsylvania, em 23 de janeiro de 1750.
To The Honourable House of Representative Of The
Province of Pennsylvania.
The Petition of sundry Inhabitants the said Province
Humbly sheweth.
That with the Number of People, the number of Lunatics or Persons
distempered in Mind and deprived of their rational Faculties, hath greatly increased
in this Province.
That some of them going at large are a Terror to their Neighobors, who are
daily apprehensive of the violences they map mommit; And others, are continally
wasting their Substance, that the great injury of themselves and Families, ill
disposed Persons wichkedly taking Advantage of their unhappy Condition, and
drawing them into unreasonable Bargains, & C.
That few or none of them are so sensible of their Condition, as to submit
voluntarily to the Treatment their respective Cases require, and therefore continue
en the same deplorable State during their Lives; Whereas it has been found, by the
Experience of many Yars, that above two Thirds of the mad People received into
Bethlehem Hospital, and there treated properly, have benn perfectly cured.
Your petitioners beg I eave further do represent, that though the good laws
of this Province have made many compassionate and charitable Provisions for the
Relief of the Poor, vet something farther seems wanting in Favour of such, whose
Poverty is made more miserable by the additional Weight of a grievours Disease,
from which they might easily be relieved, if they were not situated at too great a
Distance from regular Advice and Assitance; Whereby many languish out heir

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

58

Lives, tortur'd perhaps with the Stone, devours'd by loathsome Distempers; who, if
the Expense in the present manner of Nursing and Atending them separately When
they come to Town were so discouraging, might abain, by the judicious Assistance
of Physic and sugery, be enabled do taste the blessing of Health, and be made in a
few Weeks, useful Members of the Community, able to provide for themselves and
Families.
The kind Care our Asemblies have heretofore Taken for the Relief of sick
and distempered Strangers, by providing a Place for their Reception and
Accommodation, leaves us no Room to doubt an equal tender Concern for the
Inhabitants. And we hope they will be of Opinion with us, that a small Provincial
Hospital, erected and put under proper Regulations, in the Care of Person to be
appaointed by this House, or otherwise, as they shall thiny meet, with Power to
receive and apply the charitable Benefactions of good People towards en larging
and supporting the same, and some other Provisions in a Law for the Purposes
abose mentioned, will be a good Work, acceptable to God and to all the good
People they represent.
We therefore humbly recommend the premisas that their seriours
considerations.
A. Morris, Jun.
Jona Evans
Joseph Shippen
John Inglis
Reese Meredith
Jos. Richardson
Jos. Sims.
Edward Cathrall
Amos Strettell
John Armitt
Jos'h Fisher

Nath'l Allen
Wm. Coleman
Wm. Atwood
Anth. Morris
Thos. Graeme
John Mifflin
Geo. Spotford
John Reynell
Chas. Norris
William Griffitts
Samuel Stmith

S. Shoemaker
Samul. Sansom
Saml. Hazard
Wm. Plumsted
Luke Morris
Stephen Armitt
Samuel Rhoads
Will Branson
Israel Pemoerton
Joshua Crosby
Will Allen.

Esta petição foi escrita por Benjamin Franklin, que, no seu, "Frief Account
of the Pennsylvania Hospital", disse (PACKARD):
About the end of the year 1750, some Persons, who had frequent
Opportunities of observing the distress of such distemper'd Poor as from Time to
Time came to Philadelphia, for the Advice and Assistance of the Physicans and
Surgeons of that City; how difficult it aeas for them to procure suitable Lodgings,
and other conveinences proper for their respectives cases, and how expensive the
Providing good cadeful Nurses, and other Attendants, for aeant thereof, many must
suffer greathy, and some probably perish, that might other Wise have been restored
to

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

59

Health and Comfort, and become useful to themselves, their Families, and the
Publick, for many years after; and considering moreover, that even the poor
inhabitnts of this city, tho they had homes, yet æere therein but badly
accommadated in Sickness, and could not be seæell and easily taken Care of in
their Separate Habitations, as they might be in one convenient house, under one
Inspection, and in the hands of skiful Practitioners; and several of the Inhabitants
of the Province, æho unhappily became disordered in their Senses, wandered
about, to the terrour of their Neighbours, there being might be confiend, and
subjected to proper treatment for their Recovery, and that House æas by no means
fitted for such Purposes; did charitably consult together, an dconfer with their
Friend and Acquaintances, on the best means of relieving the Distressed, under
those Circunstances; and an Infirmary, or Hospital, being proposed, was so
generally approved, that there was reason to expect a considerable Subscription
from the Inhabitats of this City, towards the support of such a hospital.
Nova York até 1771 possuía hospitais. Nessa data constituiu-se (MAC
EACHERN) a sociedade do "New York Hospital", que edificou esta casa de
assistência, vítima do fogo antes de sua terminação e reconstruída em 1776. É
interessante notar que nessa época já formulara a exigência de oito camas por
enfermaria.

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

EVOLUÇÃO E
PLANEJAMENTO
HOSPITALAR

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

222

Capítulo
Capítulo
Capítulo

EVOLUÇÃO HOSPITALAR NO BRASIL: ONTEM E HOJE
Pelo Dr. Theophilo de Almeida (*)
A realização dêste primeiro Curso de Organização e Administração
Hospitalares em nosso país, no Rio de Janeiro, primeiro nos países da América
Latina, representa um marco definitivo na evolução de uma nova campanha
nacional e, ao mesmo tempo, atende a uma velha aspiração da Medicina e da
Cirurgia no Brasil, manifestada em votos, em projetos e em críticas, muita vez com
a expressão franca de impaciência, de revolta ou de desilusão.
Os anais dos nossos congressos médicos, os arquivos das administrações
médico-sanitárias, as lições, as comunicações e os discursos das cátedras de nossas
faculdades e no seio das sociedades sábias ou de interêsse profissional, revelam
uma ansiedade secular, mal satisfeita, em prol da assistência médico hospitalar,
como deve ser. Estamos empenhados na organização e na difusão dessa
Assistência que deverá atender a tôda classe de doentes e não só aos indigentes,
como outrora; em prol do hospital digno dêsse nome, convenientemente edificado,
instalado, equipado, organizado, como oficina adequada para o pleno exercício da
Ciência e da Arte de Curar, na sua moderna feição atual e consoante os métodos
eficientes da sua pátria, inclusive para Estudo e para Ensino.
A ciência médica brasileira sempre acompanhou, pari passu, os progressos
dos outros povos através das publicações ou abeberando-se nas fontes mesmas,
buscando, pessoalmente, as lições junto dos mestres e nos centros universitários
dos mais notáveis do mundo.
Temos uma medicina nacional com valores inconfundíveis, alguns
consagrados no conceito médico universal, e sua contribuição particularmente no
tocante às doenças ditas dos Trópicos e no domínio da originalidade, da
observação clínica, e da profilaxia, e da terapêutica,
__________________
(*) Aula inaugural do Primeiro Curso de Organização e Administração Hospitalares realizado em
1943, pelo Dr. Theophilo de Almeida, Diretor da Divisão de Organização Hospitalar e Professor
do Curso.

64

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

constituem motivo de um sadio justo contentamento e, para que não dizê-lo, de
orgulho patriótico para todos nós, sendo igualmente, também incentivo e dever
para continuação e para melhoria, e para novas realizações ­ presentes e futuras.
Fôrça é confessar, entretanto, que a êsse aprimoramento médico e científico,
que vem desde os tempos coloniais, e no Império e na República, não
corresponderam, entre nós, ainda hoje os progressos do aparelhamento hospitalar,
no sentido geral, sempre lento e difícil no construir, não bastando nunca, nem na
Capital, nem nos Estados, para satisfazer às exigências da assistência necessária e
às finalidades outras, no Ensino por exemplo. Os nossos hospitais, uns mal
aparelhados, outros bem equipados, que importa, se não lhes assiste uma
sistematização conveniente de organização e de administração; se não dispõem
êsses estabelecimentos de auxiliares técnico-administrativos indispensáveis para
cada setor, que facilitem, melhorem e completem o trabalho do médico e os
cuidados da enfermagem a serviço da Medicina; se não satisfazem a seus fins de
Assistência. Vale referir que desde a origem histórica da assistência hospitalar se
verificou essa disparidade entre o progresso da medicina e o lento evoluir do
hospital, como instituição médico-social de orientação científica, ainda mesma nos
países em que a assistência e sistematização hospitalares constituem, hoje em dia,
uma organização excelente. Registre-se, como exemplo típico dêsse contraste, o
caso dos Estados Unidos, onde foi também bastante tardía a aparição da instituição
hospitalar, que, em compensação, se desenvolveu depois ali mais do que em
qualquer outro país.
O primeiro hospital dêste Continente, de que há notícia, foi fundado por
Cortez em 1524, na cidade do México, e o mais antigo hospital no Brasil é a Santa
Casa de Santos, fundada por Braz Cubas, em 1543. Pois bem, só em 1637
construiu o Canadá o seu primeiro hospital, e sòmente em 1663, mais de um século
depois do México e do Brasil, apareceu a primeira instituição hospitalar norteamericana, situada na Ilha de Manhattan, em Nova York. O ciclo de
desenvolvimento dêste setor do domínio médico e social, embora considerado
como tendo corrido parelha com o progresso da Medicina e com a própria marcha
da civilização, encerra fases áureas e períodos negros; evolução e paradas, e até
involuções repetidas, em vários países e em todos os tempos. Motivos políticos e
de religiões, e preconceitos antigos, tiveram decisiva influência nêsses avanços e
recuos na vida do hospital, como instituição, mesmo nos tempos mais modernos.
(¹)
Quem conhece, na sua intimidade, por exemplo, a história da assistência
hospitalar brasileira, e muitos dos contemporâneos assistimos à
__________________
(1)
Sôbre a história e evolução dos hospitais, em geral, leia-se o trabalho da autoria do Prof. Sousa
Campos contido na Publicação n.º 1, da D. O. H.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

65

sua acidentada existência nestes últimos vinte anos, de uma atuação, aliás, cheio de
esforços, de tentativas, mas de esparsas e isoladas vitórias dignas de menção e,
muita vez, mal compreendidas ou mal apreciadas; testemunha ou participante,
podemos aquilatar qual tenha sido a carreira semelhante no seio de outros povos, o
valor das realizações alhures, do seu adiantamento, e o que custou a inovação e a
criação dos padrões modelares da organização hospitalar moderna.
Aceitemos o progresso alheio com irrestrita admiração, e sem prejuízo de
um falso nacionalismo; sirvam os seus modêlos e normas para uma consciente e
razoável imitação, em adaptações convenientes.
Preciosa, é, entre tôdas, neste particular, a realização norte-americana, e esta
contribuição excelente nos é oferecida com uma acolhida sem restrição, e a mais
cordial, como fruto da generosidade ianque e da cooperação humana e, mais do
que isto, da Ciência, que não tem pátria.
HOSPITAL E ASSISTÊNCIA PÚBLICA
Falemos, agora, de nós mesmos, para ver o que fizemos, o que estamos
fazendo e o que poderemos fazer no Brasil. Vejamos algumas opiniões e
referências das mais autorizadas, acêrca da situação hospitalar, entre nós, em época
relativamente moderna da vida da nacionalidade, pois que seria ocioso remontar a
mais antigos tempos.
Dizia o Professor Miguel Couto, em 1922: "Presentemente a população do
Rio de Janeiro encontra a hospitalização de luxo nas diversas "Casas de Saúde"
particulares, que já são em grande número e irrepreensíveis; a módica, fornecida
pelas Sociedades Beneficientes e Ordens Terceiras, hospitalares, verdadeiras casas
de providência, que só não são mais procuradas, porque é esta uma virtude
desconhecida do nosso povo; e a gratuita, pela Santa Casa de Misericórdia, única
instituição de caridade a qual nunca se pagará em reconhecimento o que se deve
em benefícios.
Mas é pouco, muito pouco; ao govêrno compete, como um dever premente,
construir os grandes hospitais exigidos pelo aumento extraordinário da nossa
capital e seu grau de civilização. Êles compreenderiam enfermarias gratuitas,
pequenas salas para diárias de cinco mil réis e quartos particulares para dez mil
réis."
O saudoso mestre da Clínica Médica, primus inter pares, não foi
pròpriamente da falange dos que, exercendo pràticamente a administração
hospitalar ou como consultores, promoveram ou orientaram a realização do
progresso dos nossos hospitais. O seu prestígio e a sua convivência diária com o
meio hospitalar emprestam-lhe autoridade e justificam essa citação, juntando-lhe
mais êste merecimento particular.

66

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Médico e cirurgião notável, o Dr. José Mendonça, mentor e organizador dos
planos da Assistência e tendo sempre tomado parte em debates, com relação ao
problema hospitalar, assim há tempos se expressou:
"Os hospitais de Santa Casa de Misericórdia, que, espalhados
por todo o Brasil, se incumbem da maior parte da assistência pública,
vivem em pobreza e cumulados de serviço a ponto de nêles
encontrarmos enfermos mal asseiados em leitos mal limpos e até
mesmo em colchões estendidos pelo chão.
Esta antiga e piedosa instituição, cheia de serviços à
humanidade, há de infelizmente definhar, se os seus membros não se
resolverem a reformá-la, pondo-a de acôrdo com as exigências do
meio atual.
Os velhos hospitais, criados e mantidos pelo Govêrno, não
precisam ser aqui criticados, porque têm o seu conceito de há muito
arquivado nas gazetas públicas; os das Ordens Terceiras e
associações chamadas beneficentes, com o serem pequenos, e já
melhores que os de misericórdia não pertencem pròpriamente à
assistência pública".
"Muito mais bem instalados, que quaisquer de nossos
hospitais, acham-se as denominadas ­ Casas de Saúde ­ porém o seu
caráter comercial fá-las inacessíveis à maior parte da população". ­
E conclui: ­ "Não se depreende do que acabamos de afirmar que
nada tenhamos feito em relação ao aumento e melhoria dos leitos
hospitalares, nestes últimos tempos, e com especialidade após a
passagem da gripe espanhola. Cogitam o Congresso Nacional, o
Govêrno executivo e a Municipalidade da criação de hospitais".
O Professor Luiz Barbosa, médico de renome, conhecedor da organização
hospitalar, como diretor de hospital, dissertando sôbre o dever das municipalidades
quanto à assistência médico-hospitalar, disse em trabalho publicado há cêrca de
vinte anos:
"Tôda a grandeza futura do Brasil, com seu extenso território,
ainda em grande parte insaneado, depende da organização metódica
e da disseminação inteligente dos seus serviços de Assistência
Pública, entre os quais avultam os de Assistência hospitalar.
Êsse tipo de assistência constitui, em face do artigo 68 da
Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, um dos
maiores deveres das Municipalidades, porque diz respeito à proteção
da saúde dos habitantes das vilas e das ci-

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

67

dades sob sua jurisdição e cujas particularidades de vida se presume
que elas conheçam a fundo, por constituirem objeto imediato de seu
peculiar interêsse".
Por fim aconselhava, com admirável justeza, "que é
indispensável dar movimento sistematizado e decisivo à organização
de assistência hospitalar nos principais municípios do Brasil,
aproveitando as boas iniciativas já efetivadas nesse sentido,
estreitando mais os laços da iniciativa particular com os poderes
públicos, federais, estaduais e municipais, para a desejada
multiplicação dos hospitais gerais e especializados".
Voz autorizada, médico e professor, ex-diretor de hospital, o Dr. Garfield de
Almeida, assim proclamou, de modo conclusivo, sôbre a situação dos hospitais de
então:
"Não admito mais considerações de ordem técnica, sôbre tal
assunto; de tôdas as lembranças, de todos os projetos, de todos os
programas até hoje apresentados para resolver a questão de nossa
organização hospitalar, certamente uns serão mais científicos, outros
mais práticos, outros mais oportunos, mais econômicos, mas todos,
infinitamente melhores, se executados, porquanto a situação é de
contristadora miséria".
Por último, e entre os primeiros definindo uma época e apontando
horizontes ainda incertos de uma nova era, o Prof. Irineu Malagueta, mestre feito
no convívio diário do hospital, ex-Secretário de Saúde e Assistência do Distrito
Federal e ainda no presente um fervoroso apologista do progresso hospitalar,
relatando, em 1922, diante do Congresso dos Práticos, o tema da organização
hospitalar, ponderava, judiciosamente:
"É óbvio que o problema hospitalar é dos mais complexos
maximé em nosso meio onde quase nada se tem feito para resolvê-lo.
Não é que espíritos esclarecidos não hajam ventilado as questões a
êle atinentes, mas é que a dirigentes e governados não se deparou
ainda em tôda sua magnitude, êste problema que, em uma de suas
componentes, encerra o coroamento da obra abençoada de Oswaldo
Cruz. A organização hospitalar perfeita exige condições especiais".
E referindo-se ao hospital, como um todo, opina com muito acêrto:
"A instalação nosocomial é ponto digno da maior atenção.
Embora digam alguns pessimistas que grandes trabalhos se fizeram
em maus hospitais, entretanto no estado atual da ciência, isso não é
admissível. Longe vai o tempo em que um

68

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

médico, só pelo devotamento e esfôrço, chegava a perfazer trabalhos
consideráveis".
"Não é de admirar que Smith haja escrito: "A administração
hospitalar é uma especialidade; o cargo de administração deve ser
mais atrativo, como carreira; deve ser reconhecido, mais geralmente,
como carreira; deve ser êsse conceito apoiado ou sustentado pelos
nossos professôres nas Escolas de Medicina; carreira tão importante
e igualmente remunerada, como qualquer outra dos serviços de
Saúde Pública".
E ainda merece referência especial a contribuição assás valiosa do Prof.
João Marinho, do Prof. Oscar Clark, Dr. Pedro Ernesto, Prof. Fernando Magalhães,
do atual Prefeito, Dr. Henrique Dodsworth, e outros em favor da solução do
problema hospitalar entre nós.
Poder-se-ia multiplicar estas citações, tão numerosas e fartos foram os
debates em tôrno do tema médico-hospitalar, entre nós. Dispensando comentários
maiores, tal era a situação e o conceito que há duas décadas passadas, espelhavam
uma fase de assistência médico-social no Brasil.
O que ressalta dessas opiniões e apêlos, satisfeitos em parte, ou não
satisfeitos ainda, e de todos os tempos, entre nós, é o interêsse unilateral pelo velho
conceito de assistência pública, que acompanhou e norteou a evolução do hospitalinstituição, durante séculos, a princípio na sua idade embrionária como templo
pagão; depois obra da caridade cristã; e finalmente também como cooperação
social ou serviço de assistência pública, pròpriamente.
HOSPITALIZAÇÃO SEM TÉCNICA
Que progressos fizemos nesses últimos vinte anos, em organização
hospitalar? Qualquer médico interessado nestes assuntos, chefe ou frequentador de
enfermarias ou diretor de hospital, fàcilmente responderá.
Comecemos pela Enfermagem: Temos hoje um núcleo relativamente muito
pequeno de enfermeiras diplomadas de alto padrão a saber: no Rio, pelas Escola
"Ana Neri" e "E. Luiza Marillac"; "E. Carlos Chagas", em Belo Horizonte e
"Escola de Enfermarias" de S. Paulo.
Precisamos de várias escolas de enfermagem técnica, que, de início, seriam
em Belém, Teresina, em Fortaleza, no Recife, em Salvador, em Curitiba, em Pôrto
Alegre, em Cuiabá; existindo Escolas na Capital da República, em Belo Horizonte
(em S. Paulo, em Goiânia, em formação, e em Niterói, esta última prestes a
funcionar.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

69

A "Escola de Enfermeiras Ana Neri", do Rio de Janeiro (glória a seu
criador, Carlos Chagas, nome por excelência entre os realizadores beneméritos
nacionais, como cientista, como sanitarista e como patriota!) foi e é a sementeira
que se deve multiplicar, como modêlo atualizado e igual aos mais adiantados
existentes na América.
As enfermeiras padrão "Ana Neri" e outras são aproximadamente em
número de mil e duzentas diplomadas, incluídas as enfermeiras do tipo "Escola
Alfredo Pinto" para todo o Brasil! Uma enfermeira diplomada para cêrca de
quarenta mil habitantes! Precisamos de 50.000 mais ou menos, uma para cada mil
habitantes! Tal é a situação...
Distribuídos por cêrca de mil e trezentos hospitais, por todo o Brasil
milhares de dedicados e dedicadas auxiliares de enfermagem, com cursos de
emergência vários, leigos ou religiosas, a serviço do govêrno ou de particulares,
aguardam o desejado aperfeiçoamento profissional ou já estão recebendo essa
orientação, de iniciativa oficial ou não, na prática da rotina ou graças aos cursos de
emergência, também úteis e benéficos, enquanto se não provê o bastante ensino da
enfermagem técnica.
Temos bons administradores de hospitais, como sempre os tivemos, sem
curso de organização hospitalar, produto do auto-didatismo, que pela sua
inteligência e pelo seu esfôrço, dedicação e trabalho honesto, procuram, seja como
Diretor, seja como chefe ou gerente, conduzir, como podem, a administração dos
nossos hospitais. Qualquer leigo de situação social serve para provedor e
administra o hospital. Cargo de confiança e não de especialização...
Ainda não é uma profissão definida. Quaquer médico, mais ou menos
ilustre, serve para Diretor de Hospital. Muda-se a administração superior, muda-se
o Diretor...
Excusado seria repetir que os nossos médicos e cirurgiões, e especialistas
mesmo nos lugares mais afastados e de recurso escasso, exercem a profissão com
dignidade e competência, e não raro realizam, sem o aparelhamento necessário,
verdadeiros milagres de técnica. Que não fariam se dispuzessem de equipamento
adequado e de assistência conveniente, sobretudo de enfermagem técnica!
Construímos ou já possuímos grandes e pequenos hospitais de boa
edificação, até luxuosos alguns, e bem instalados e equipados outros; oficiais,
filantrópicos e particulares; nas capitais e mesmo em modestas cidades do interior,
através do vasto território brasileiro. Êsse progresso se verifica particularmente nos
hospitais gerais da Capital da República e em S. Paulo, e ainda pelas rêdes
magníficas de instituições oficiais, especializadas para doentes de lepra e para
tuberculosos, por todo o Brasil, e das melhores do mundo, obra de realce do
Govêrno Getúlio Vargas, como o é, também a nova orientação de organização
hospitalar, técnica, federal, e de âmbito nacional.

70

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A cooperação com os govêrnos, em benefício da indigência e dos menos
favorecidos, se vem acentuando, promissoramente, com o aparecimento de
fundações e de donativos vultosos de filantropos destinados à construção e
manutenção de instituições hospitalares e para-hospitalares.
Tudo isto sabemos, e de apreciável progresso já nos rejubilamos.
DEFICIÊNCIA HOSPITALAR
Sabemos qual a situação da assistência hospitalar em todo o país na
intimidade, em minúcia, e documentadamente, graças ao copioso e precioso
repositório de dados diretamente obtidos nos hospitais, pelo Primeiro Cadastro ou
Censo Hospitalar que foi promovido e realizado sob a orientação da Divisão de
Organização Hospitalar, sob a nossa direção, correspondente a 1941-1942 e que
custou um imenso esfôrço, sem verbas especiais, durante vinte meses de trabalho
feito exclusivamente por médicos oficiais, inspetores hospitalares, que visitaram
1.225 instituições, quer do govêrno, quer filantrópicas, quer particulares, desde as
modestas Santas Casas até às confortáveis Casas de Saúde, em todo o Brasil, de
Norte a Sul; e preencheram a ficha minuciosa da instituição, e colheram
documentos, plantas, fotografias, etc., além dos dados valiosos relativos à
Edificação, Instalação, Equipamento, Funcionamento e Assistências, de todos os
hospitais, gerais e especializados.
Cada hospital, cujo número total atingiu, pelo Censo realizado, a mil
duzentos e vinte cinco possui hoje na D.O.H. a sua Ficha Institucional completa,
preenchida pelo Inspetor-médico, no local; tem cada instituição o seu Prontuário,
individual, dados e referências, ­ dossier êsse que será mantido, sempre atualizado,
no serviço federal de assistência médica e social no Departamento Nacional de
Saúde, como arquivo, por nós organizado e sob constante orientação, precioso e
permanente que deverá ser sempre enriquecido, sob contrôle e em benefício do
progresso da organização hospitalar e para-hospitalar, em tôda vasta extensão do
país, compreendendo hospitais, clínicas e policlínicas ou enfermarias, dispensários,
ambulatórios, estância de cura, asilos, abrigos e albergues.
Temos terminado o cadastro dos hospitais do Brasil, realizado ao cabo de
vinte meses. É o primeiro, entre nós, executado, repito, exclusivamente por
médicos, que visitaram os estabelecimentos e fizeram pessoalmente as inspeções,
de Norte a Sul, em todos os municípios, onde se teve notícia da existência de
qualquer instituição de assistência hospitalar por mais modesta que fôsse. Creio
que também o primeiro assim realizado em tôdas as Américas.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

71

Tendo em vista a sinópse dos resultados colhidos que constituem o
copiosíssimo repositório do acêrvo hospitalar do Brasil, diante dessa exposição de
conjunto sôbre a situação hospitalar do país, perguntar-se-á: que nos falta possuir,
realizar ou completar? Reproduzindo fielmente aquêle mesmo conceito que, há
vinte anos passados, era citado entre nós, como atualidade e como norma a seguir,
pesa-me referir que ainda hoje não existem entre nós a organização e administração
hospitalares sistematizadas, como especialidade, que aliás falta aos demais países
latino-americanos das três Américas; e que há cinco lustros não existia em todo
êste Continente, nem nos Estados Unidos, cujos progressos culminaram nos
últimos anos, sendo modelar ali a organização e administração hospitalares. Faltanos essa consciência hospitalar moderna que, em 1922, reclamávamos cá e lá,
apelando para os professôres das Faculdades e pedindo a cooperação de todos os
médicos em favor da nova orientação, mal esboçada então, e que, destarte, de
início, já se impunha, e se afirmou alhures, a começar pela especificação de
funções. Assim, a profissão de diretor ou administrador, já é consagrada hoje como
técnica, especializada, e que tanto pode ser exercida por um médico, engenheiro,
enfermeira diplomada ou outra pessoa que tenha curso básico satisfatório e curso
especializado de Administração Hospitalar.
Falta-nos, a enfermagem técnica, indispensável, para os cuidados com os
doentes e que nos permita o exercício regular e eficiente da medicina, e
particularmente da cirurgia, e das especializações.
Falta-nos, em suma, o "hospital moderno", conhecido e difundido, que não
é, como alguns erradamente julgam, o hospital rico, luxuoso, que só pode existir
em país de milionários; falta-nos êsse hospital moderno que, entretanto, pode ser
simples e modesto, mas bem organizado e eficiente, e que mantém as mesmas
finalidades da instituição nobre e humana, que sempre foi no passado e que guarda,
no respeito que deve a si mesma e na confiança do público, seja com o objetivo da
caridade ou da filantropia, seja a serviço do doente afortunado ou do indigente,
aquela mesma unção mística primitiva, procedente dos templos pagãos, redimida e
aprimorada mais tarde pelo Cristianismo, que foi o precursor da assistência
pública, oficial e, assim, da assistência médico-social, no seu conceito genérico.
Falta-nos essa orientação hospitalar uniforme, sistematizada, com base na
administração econômica, visando cada instituição primacialmente dar um melhor
agasalho e um mais adequado tratamento ao doente; sim ao "doente" que é ali a
finalidade máxima, e não sòmente ao indigente, mas a todos os doentes de tôdas as
classes sociais.
E para que se não ofenda o melindre nacional, (e no caso não há motivo
para isto), e para atenuar essa declaração de público, cumpre informar, por notícia
direta ou conhecimento autorizado, que nenhum

72

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

país da América Latina nos leva maior vantagem neste particular. Se alguns
possuem edificações e instalações hospitalares excelentes, e nós também as temos,
falta-lhes a organização e administração hospitalares convenientes, segundo
conceito moderno, isto é, a padronização, a sistematização de tipos, e de normas
de serviços; falta-lhe a especialização profissional necessária e acatada, a começar
pela ditas funções especializadas de Diretor ou Administrador do Hospital.
De outro modo, não se pode também silenciar os esforços realizados entre
nós, no passado e no presente, no sentido dêsse progresso em favor da ampliação e
melhoramentos da assistência hospitalar, desde a avançada orientação e legislação
hospitalar do Estado de Minas Gerais, São Paulo e Pernambuco até a recente rêde
de hospitais de Pernambuco e do Distrito Federal, até ao mais recente plano de
aparelhamento hospitalar no Rio Grande do Sul; até a criação do Curso e da
Divisão de Organização Hospitalar.

A NOVA ESPECIALIDADE
O curso oficial de aperfeiçoamento e de especialização sôbre a moderna
organização hospitalar, que ora se inicia, vai esclarecer, definitivamente, entre nós
êste nôvo capítulo de conhecimentos técnicos sistematizados, julgados
indispensáveis, quer para os que exercem a direção e administração dos hospitais,
quer para aquêles que se destinam ao serviço médico-social do govêrno federal,
estadual ou municipal, bem assim aos que terão funções oficiais na tarefa de
coordenar e particularmente, de cooperar, de orientar e controlar o aparelhamento e
as atividades hospitalares do país, desde os planos de construção até
funcionamento e eficiência dos hospitais. Êste Curso, subordinado à Diretoria do
D.N.S. em suas linhas gerais, e mesmo nas suas minúcias, através dos seus cinco
tópicos, subdivididos em noventa pontos, distribuídos a vários professores entre os
nossos mais autorizados conhecedores da especialidade, foi planejado pela Divisão
e encerra o próprio programa da Divisão de Organização Hospitalar, todo o vasto
domínio da assistência médica e social, em todo o país. Serviço em novos moldes,
nìmiamente de cooperação técnica e de âmbito nacional, já há dois anos sob nossa
direção desde a sua criação por efeito da mais recente reforma do Departamento
Nacional de Saúde, vem procurando a colaboração das repartições de assistência
hospitalar e bem assim as instituições particulares, afins ou congêneres, ao mesmo
tempo que já está elevando a sua contribuição, diretamente a centenas de hospitais
oficiais, filantrópicos e particulares, desde as tradicionais Santas Casas até as
Casas de Saúde. Especial atenção recebem da D.O.H. as instituições
subvencionadas pelo Govêrno da União. A Divisão de Coope-

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

73

ração ao Conselho Nacional de Serviço Social no sentido de uma orientação mais
objetiva na partilha anual da subvenção federal e da sua conveniente aplicação
segundo necessidade real do beneficiado e a utilidade do benefício, o que já se vai
conseguindo, graças às repetidas visitas ou inspeções feitas, cada ano,
pessoalmente, às instituições, pelos médicos do Departamento, e por todos os
recantos do país, sob a orientação da mesma Divisão. O laudo dessas inspeções da
D.O.H., acompanha os processos de subvenção, como elemento técnicoinformativo que já pesa na concessão do auxílio.

A NOVA ORIENTAÇÃO HOSPITALAR
Estamos difundindo o preceito de uma nova especialização profissional, que
visa melhorar e ampliar o tratamento e o bem estar do hospital; elevar o padrão de
enfermagem; instituir um conceito econômico-financeiro, básico na administração
hospitalar, estabelecer, para tôdas as regiões do território brasileiro a hospitalização
adequada para todos os doentes e para tôdas as classes sociais, completando a
caridade e assistência pública, cujo benefício assás apreciável, exercida no socorro
do doente necessitado é, muitas vêzes, mesquinho e ilusório, à míngua dessa
mesma orientação especializada. Sòmente uma boa organização poderá conseguir
maiores recursos, prestar melhores serviços, e completar, realmente, uma bela obra
social, integral, de caridade ou de filantropia, promovendo e distribuindo, ao
mesmo tempo, maiores e melhores cuidados hospitalares a todos os enfermos, de
tôdas as classes.
Mas, não é sómente um programa do govêrno, senão uma campanha de
momentoso interêsse nacional esta por nós iniciada há dois anos.
Alguns postulados norteam esta campanha, como sugestões ou primicias de
uma sistematização que, confiamos, há de se implantar entre nós ao cabo de uns
cinco ou dez anos que seja, e por tôda a vasta extensão do Brasil.
O hospital não deve ser em nossa terra, mais "a casa onde se tratam
gratuitamente doentes pobres ou onde se agasalham pessoas pobres" conforme a
definição dos dicionários antigos ou que se lê em edições recentes, como a do
próprio Petit Larousse de 1924. Com pouco mais se completaria, que é o hospital a
casa onde se dá um tratamento pobre e um agasalho mais pobre ainda, ao doente
pobre, consoante a pobreza das instituições e a insuficiência das acomodações e
recursos...
O programa é vasto e complexo igualmente as Edificações, as Instalações,
Equipamento, Administração, Financiamento e Assistência.

74

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A MODERNA CARIDADE E O HOSPITAL MODERNO
Merece especial cuidado a organização econômico-financeira.
Para fazer caridade, o hospital moderno não pode mais esperar só da
caridade pública, nem viver só de subvenções e de rendas patrimoniais, que já não
bastam ao custeio sempre crescente e cada vez mais caro nas instituições
hospitalares.
Antes de tudo o hospital deve ser uma organização econômica, que procura
renda; que a sua situação financeira constitua o objeto de uma vigilante atenção do
seu Conselho Administrativo e do seu Diretor ou Administrador, no sentido da
mais acertada aplicação dos recursos. Assim aquêles que emprestam apenas o seu
nome à provedoria de um hospital, em qualquer função, e não participam
ativamente, auxiliam, não controlam de algum modo, segundo esta orientação
moderna, para a manutenção e prosperidade do seu hospital, que muita vez, vive
abandonado a si mesmo, não fazem caridade, não estão colaborando, estão
prejudicando, perturbando e impedindo o progresso da instituição.
Os hospitais devem ter quartos particulares e leitos para contribuintes de 1.ª
classe e classe média, que melhor se denominará: Classe A, B, C, inclusive em
enfermarias.
Não há leito gratuito; há doente gratuito. O custeio de todos os leitos já está
previsto no orçamento e corresponde a certa despesa. O tratamento dado ao
indigente deve ser o mesmo da classe média. O leito do indigente ou do
desajustado social deve ser pago pela caridade, pela filantropia, pela contribuição
social e dos governos: municipal, estadual ou federal. Não deve haver
característica aviltante, que assinale a condição humilde ou miserável do doente.
A renda deverá servir para melhoramentos e ampliações, a fim de que seja
não só garantida a existência da instituição, como aprimorado o tratamento
adequado e o agasalho conveniente.
O hospital deve ter entradas separadas, sempre que possível, uma para
médicos, enfermagem e administração e para visitantes; outra para doentes e
acompanhantes; e outra para o serviço e seus empregados. A localização do
hospital, no planejamento geral, deve ter merecido exigência especial. Quem faz o
programa é o Consultor Hospitalar e quem o interpreta é o Arquiteto.
As enfermarias devem ter a lotação de quatro (4), seis (6) ou oito (8) leitos
no máximo, permitindo assim, a separação para medicina e cirurgia e suas
especialidades, por sexo e por idade do doente, e até atendendo à gravidade dos
casos.
Quando o hospital receber parturientes, deve possuir uma seção especial,
separada, pessoal especializado, diferente, leitos separados para puerpera e para
gestantes.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

75

Salas de parto e de curativos. Isolamento para infectadas. Berçário.
Ambulatório particular. Facultativamente, bloco cirúrgico.
O Laboratório Clínico de rotina, inclusive para serviço externo de
contribuintes, é necessário a qualquer tipo de hospital e poderá constituir uma fonte
de renda.
A seção cirúrgica terá no mínimo, uma sala asséptica e uma séptica.
Serviço de esterilização e arsenal cirúrgico suficientes, de preferência
próximos, constituindo o bloco cirúrgico. Raios X para radiognóstico (radioscopia
e radiografia). Também para terapêutica, em casos de certas instituições
especializadas como por exemplo, serviços de doenças de pele, etc. Igualmente o
Raio X poderá prestar auxílio à clínica civil, para uso de contribuintes, doentes
externos, como fonte de renda para o hospital. Outros laboratórios. A Farmácia,
como pequeno laboratório anexo, a secção de Fisioterapia com balneoterapia
médica, e outras unidades modernas. Êstes componentes dos Serviços Auxiliares
do Diagnóstico e do Tratamento, completam a organização do hospital,
favorecendo as rendas preconizadas.
São necessários quartos para médicos e para enfermeiros residentes ou
plantonistas, e para auxiliares da Administração, refeitórios especiais para médicos,
enfermeiros e administração, e para acompanhantes e para doentes crônicos e
convalescentes.
Cozinha geral completa, convenientemente equipada, em ligação com
pequenas instalações para dietética, aparelhagem de refrigeração, câmaras
frigoríficas ou simples geladeiras. Fácil transporte e rápida distribuição da comida,
carros térmicos e elevadores, se possível. Bem organizado serviço de orientação
dietética que compreende a administração da cozinha, copas e refeitórios.
Reservatório dágua que baste às necessidades do hospital por 48 horas no
mínimo em caso de cessar o abastecimento. Previsão e aparelhagem para extinção
de incêndios, além do Seguro sempre que possível.
Instalação de banheiros e aparelhos sanitários, de acôrdo com a lotação ou
movimento geral do hospital. Efluentes para destino conveniente, fossa, com
estação depuradora, na falta de rêde geral de esgôto da cidade.
Necrotério com instalação anexa e equipamento especial para necrópsias
inclusive frigorífico para conservação de corpos, capela mortuária ou velório.
Rouparias. Lavanderia mecânica e lavagem manual para complemento.
Incineração do lixo do hospital ou outro destino que atenda a higiene.

76

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Serviço de Admissão, moderno, bem organizado. Regular e permanente
serviço de registro clínico. Serviço de triagem. Ambulatório Geral ou Seção de
Doentes Externos, separado ou afastado da entrada principal do hospital.
Ambulatórios todos dependentes das respectivas clínicas especializadas. Fichário
geral, central, para o qual convergem no original ou em cópia, tôdas as fichas,
enfeixadas sob forma de prontuário ou pasta individual, constituindo a história do
doente, que servirá sempre, única, cada vez que o mesmo indivíduo volte à
instituição.
Na impossibilidade de manter os prontuários, pelo menos uma ficha
completa.
A mesma ficha de registros clínicos deve servir, tanto para doentes de
ambulatórios como para internados. O doente interno e o externo merecem o
mesmo cuidado para diagnóstico e tratamento. Ficha única individual permanente
que deve ser o sumário da história do doente ou prontuário, com indicações de
código que facilite a Classificação. Número único que é o da primeira matrícula do
doente no hospital. É o número geral. Cartões-índices, por ordem numérica ou
alfabética ou por ambas. Assistência médica diária para os doentes internados.
Corpo clínico médico e cirúrgico e de especialidades, se possível. Diagnóstico e
tratamento com interêsse científico.
Serviço Social para investigação sôbre os recursos do doente e da família
para que se possa avaliar o preço da diária ou a contribuição na proporção dos seus
recursos, de cada um, ou para dar-lhe auxílio, assistência social, espiritual, e
educacional, etc.; ao doente, inclusive qualquer amparo à família.
Diretor ou administrador com curso de organização hospitalar de tempo
integral. Se possível, de tempo integral. Administração residente, em parte pelo
menos, e bem organizada. Boletim ou registro diário do movimento de doentes.
Censo das 24 horas para determinação diária do número de doentes-dia. Boletim
diário de serviço de cada seção administrativa. O custo do doente-dia deve ser
preocupação dominante da Administração sem prejuízo do suprimento
indispensável, da boa alimentação e dos necessários cuidados médicos. Salas de
trabalho. Estações ou postos para Enfermeiras. Corpo de Enfermeiras: na
impossibilidade de serem tôdas diplomadas, no mínimo uma para Chefe ou
Instrutora (tipo Ana Néri). Auxiliares de Enfermagem com curso ou Atendentes
licenciadas. Serventes e outros auxiliares em número proporcional à necessidade
dos serviços clínicos do hospital, para atenderem dia e noite, com regime de
plantão ou como residentes.
Êstes são os requisitos mínimos e as sugestões para a organização e
administração do que se convencionou chamar o hospital moderno.
O serviço federal de assistência hospitalar e de assistência para-hospitalar
ou social, a Divisão de Organização Hospitalar, há dois anos

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

77

está levando êsse postulado, êsses conhecimentos, sob a forma de instruções,
exigências ou sugestões, a tôdas as instituições hospitalares do Brasil, por
intermédio dos Médicos Inspetores, oficiais do quadro da Divisão ou distribuídos
pelas várias Delegacias Federais de Saúde, os quais visitam, sistemàticamente e
periòdicamente, os hospitais do país, quer oficiais, quer particulares.

CURSO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
A realização do Curso de Organização e de Administração Hospitalares da
Diretoria dos Cursos do D.N.S., que tem a cooperação integral da D.O.H. é um
prolongamento, ampliação e complemento das atividades da Assistência hospitalar,
visando disseminar êsses conhecimentos sistematizados e criar especialidades,
consultores ou técnicos hospitalares que possam ser aproveitados nos
departamentos de coordenação, orientação e contrôle das instituições médicosociais, nos serviços federal, estadual e municipal; e também nas organizações
particulares. Êsses diplomados ficam habilitados como especialistas, e devem ter
preferência para exercer as funções de Diretores e Administradores de hospitais
oficiais ou particulares.
Êste curso, estendendo-se pelo prazo de dois meses no mínimo, de outubro
até dezembro, cobrirá um período de tempo maior de que o do curso de
Administração e Organização Hospitalares realizado na Universidade de Chicago;
será, entretanto, mais demorado do que os cursos intensivos americanos, que se
denominam "Institutes", destinados ao aperfeiçoamento dos Diretores ou
Administradores e de outros Chefes e profissionais administrativos do hospital,
concorrendo para a formação do especialista: que é o Hospital-Cosultante, o
Consultor-Técnico Hospitalar ou Inspetor-Hospitalar. Até o presente, e desde 1938,
trinta dêsses institutes foram realizados nos Estados Unidos e em várias cidades,
sob o patrocínio de universidades e associações, sendo um apenas dado em
comunidade da língua latina, no território americano de Pôrto Rico. Está planejada
a realização de três Cursos ou Institutes Interamericanos de hospitais: o primeiro
no México, o segundo em Lima e o terceiro no Rio de Janeiro. Êste curso, que ora
tem início, organizado com a nossa contribuição na D.O.H., e refletindo
integralmente a orientação da D.O.H., o seu programa e suas atividades, é bem
mais longo, minucioso e sistemático, para abranger todo o complexo da
especialização, o que não seria necessário, nem é praticado nos ditos cursos nos
Estados Unidos e Canadá, cujo adiantamento técnico-hospitalar atingiu a tal
processo que muita coisa desconhecida neste particular, entre nós, lá já constitui
rotina, que não se precisa ensinar, assunto familiar, conhecimento assás difundido.

78

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O nosso programa, obedecendo, entretanto, às normas e as linhas gerais dos
cursos americanos, compreende desde o histórico da assistência médico social, a
evolução das instituições hospitalares e para-hospitalares, até ao hospital-moderno;
a legislação e tipo da administração pública ou particular; a classificação das
instituições; a definição e terminologia referente a tudo que se relaciona com
assuntos hospitalares, a fim de que possamos nos entender a respeito em tôda a
vasta extensão do território nacional, usando a mesma linguagem técnica,
facilitando dest'arte, também, colheita uniforme dos dados estatísticos.
Estudam-se os diversos tipos de instituições hospitalares desde o hospital
geral, o hospital-colônia, o hospital-escola, o de ensino, até aos hospitais
especializados, considerado cada um separadamente, individualmente; aprende o
aluno os vários padrões de hospitalização e os modêlos de instituições
nosocomiais, inclusive a organização e administração da assistência parahospitalar: policlínicas e clínicas isoladas, dispensários, ambulatórios, estâncias de
cura (hidro-minerais, balneárias e climáticas) até asilos, abrigos e albergues.
A classificação das instituições médico-sociais por nós instituída
compreende a divisão hospitalar e a divisão para-hospitalar, obedece a uma
gradação descrescente dos cuidados médicos e crescente da assistência social.
Entre muitos ensinamentos com relação a edifícios e instalações, o Curso
advertirá preliminarmente que o planejamento de um hospital ou mesmo de
qualquer instituição médico-social, não é problema a ser resolvido sòmente pelo
Arquiteto, ainda que se trate do mais notável na classe, mesmo que seja dos mais
familiarizados com tais construções, porquanto já passou por julgado, entre as
competentes e consagradas autoridades em assuntos de Organização e
Administração Hospitalares, que o estudo inicial, o planejamento baseado na
inspeção prévia do local, compete ao Consultor Hospitalar, especializado, que
apresentará um relatório completo, que será o programa do nôvo hospital,
minucioso, objetivo, com tôdas as verificações e previsões possíveis, que vão
desde o estudo da localidade, clima, meio social, riquezas, possibilidades futuras,
até a escolha do terreno, boa insolação, ventos favoráveis, aprazibilidade, os meios
de comunicação, a economia na escolha dos materiais a usar, etc.
O relatório dèsse trabalho inicial, que foi realizado após entendimento com
os primeiros interessados, seja diretoria, sejam financiadores da futura instituição,
seja govêrno, se entrega a um Arquiteto ou firma de Engenheiros Construtores, de
preferência especializados em construções hospitalares, para o estudo do projeto,
desde o esbôço que será apreciado em conjunto até às especificações e orçamento.
Começa, então, uma obra de constante colaboração até ao final entre as três

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

79

citadas entidades interessadas. A Divisão de Organização Hospitalar, ao mesmo
tempo que colabora na formação de tais técnicos e êste curso o comprova; e que
procura incentivar a especialização dos arquitetos e de construtores, preparou e está
fornecendo, como modêlo, o "Questionário para inspeção prévia", bem assim
plantas de um hospital geral-padrão, plano progressivo e flexível, com 25 ou 50
leitos inicialmente até 300 leitos, em futuro podendo ir até 500 leitos,
excepcionalmente.
Aconselha tipos de repartições internas para grandes enfermarias, fornece
planos de reformas e modernização de antigas edificações, e tôda essa contribuição
é dada a hospitais oficiais, santas-casas ou casas de saúde, a qualquer hospital,
gratuitamente!
Seguindo, fielmente essas normas, já vitoriosas nos países mais avançados
na especialidade, a começar pelos Estados Unidos, se evitarão entre nós, os erros
irremediáveis, e os projetos inviáveis, e os prejuízos sem conta verificados em
estruturas perdidas, em construções paralizadas ou vêzes várias reformadas,
alternadas, e defeituosas ao terminar. Tudo como conseqüência de projetos mal
orientados incialmente, sem a sistematização orgânica, via de regra, frutos das
melhores intenções, quando não assinalam, lamentàvelmente, uma vaidade ou um
afoitamento, em que a ignorância muita vez corre parelha com a presunção e com a
imprevidência. Eis uma lição preciosa, de inapreciável valor e utilidade prática que
êste curso, entre outras, nos ensina.
O programa do Curso inclue ainda certos problemas e atividades gerais de
organização hospitalar nas comunidades, a cargo de repartição especializada, de
associações ou outras entidades, tais como o Censo e Cadastro das instituições que
é fundamental para o estudo dos diversos planos, como, por exemplo da Rêde de
Hospitais Regionais, para um Estado ou País; dá norma para a verificação do custo
do doente-dia, onde convier, para a classificação das instituições, determinação do
que se chama "ocupação hospitalar" numa região, cidade ou instituição, isto é,
índice de internamento de doente ou do número de leitos ocupados, em relação aos
existentes ou lotação do hospital, o que se expressa por certo percentual. A queda
de "índice de ocupação", dado que um certo volume de despesa é constante e
irredutível, denuncia a existência de uma crise econômica no funcionamento da
instituição e mais sensível se se trata de um hospital particular ou uma casa de
saúde onde não deve haver deficit. A não ocupação dos leitos assim como a
superlotação, são fenômenos igualmente nocivos ao equilíbrio orçamentário da
receita e despesa, refletindo-se no custo Per Capita do doente, ou do doente-dia,
em qualquer instituição. A êsses problemas se acha ligada, de algum modo, a
concessão das subvenções oficiais do doente-dia, de terminando-se o auxílio
segundo a eficiência e utili-

80

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

dade verificadas do hospital, de preferência à precariedade ou pobreza da
instituição.
O curso estimulará iniciativas para a fundação e manutenção de associações
de classe, de organização hospitalar, seja federal, estadual e municipal, bem assim
de "cooperativas" e "mútuas" destinadas a garantir hospitalização de contribuintes
ou sócios.
O Curso elucidará êsses problemas e se ocupará ainda, particularmente, de
revelar todos os segredos da administração hospitalar-considerada a instituição
como um todo, desde as atribuições dos conselhos e mesas administradoras, às
funções hoje especializadas do Diretor ou do Administrador; desde a organização
do corpo clínico, de enfermeiras, de dietistas, de anestesistas, de laboratoristas,
etc., até a parte econômica-financeira; o serviço de contabilidade e fichários,
modêlos de balanços, e de orçamentos consoante a previsão de receita ou renda e a
organização da importante secção de Compras. A distribuição dos Serviços
Médicos e da Enfermagem, prima pela sua importância, eficiência e objetivos,
entre os pontos do programa.
A Assistência Social ou Serviço Social do Hospital estudará a assistência
espiritual ou religiosa, jurídica, educacional, recreativa e financeira prestada ao
doente ou a sua família, além dos benefícios diretos, ressalvando ao mesmo tempo
os interêsses do hospital contra possíveis exploradores.
A D.O.H., indica a mais completa literatura sôbre organização hospitalar,
em livros, folhetos, revistas que se acham à disposição dos interessados, para
consultas na sua sede ou na Biblioteca do DNS, e oferece cooperação e
colaboração, além de modêlos e normas sôbre os assuntos referidos.

CONCLUINDO
Pelo bom caminho e com a lição dos êrros do passado, estamos criando e
precisamos multiplicar por todo o Brasil, esta nova especialidade, o nôvo conceito
hospitalar, corporificada naquilo que se convenciona chamar em hospital moderno,
o hospital padrão, confortabilíssimo, sem ser luxuoso; ou simples, mas completo
no seu aparelhamento indispensável. Grande ou pequeno, geral ou especializado,
deve ser o hospital para tôdas as classes, que recebe o doente mais ou menos
afortunado, presta-lhe todos os cuidados médicos sociais, em troca de uma
contribuição razoável e proporcional.
A retribuição pelos serviços médicos-profissionais pode estar incluída ou
separada do custo das diárias, mas tôda contribuição redundará em benefício dos
doentes gratuitos, por quanto a renda beneficia a instituição. A própria retribuição
direta ao médico ainda favorece ao in-

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

81

digente, permitindo e justificando mais longa a permanência dos Clínicos e
técnicos no hospital. Maior receita e melhores recursos são indispensáveis para
completo aparelhamento hospitalar, e indispensável para o tratamento conveniente
que se deve dar tanto ao afortunado, como ao indigente. Não há medicina, nem
cirurgia diferentes para o rico e para o pobre.
Acima de tudo o doente!
Graças a êsses progressos, que visam particularmente só os doentes, que
atribuem ao doente tôdas as preferências e vantagens, considerado êle, como é, o
principal personagem da instituição, o hospital de hoje não deve ser mais aquela
casa primitiva, ungida de bênçãos e de caridade, mas que infundia mêdo, senão
horror, embora sendo o único refúgio do pobre! Hoje o hospital moderno inspira
confiança, cerca o enfêrmo de todos cuidados e de estudado confôrto, de ordem e
de asseio, de ambiente aprazível, e alegre mesmo; o "hospital moderno" é a
garantia e o alívio; o consôlo e a esperança para todos nós na hora incerta da
adversidade e da doença.
É ainda, particularmente, uma organização sôbre base econômica, que exige
administrador técnico e competente.
Sendo êste o primeiro Curso de Organização e Administração Hospitalar
que se realiza no Brasil, terá certamente falhas e senões, a relevar, sôbre ser
assunto nôvo, sem a transcedência que desperte maior interêsse, não obstante a sua
evidente utilidade prática, da sua marcante oportunidade e de seu "desideratum"
humanitário e patriótico.
A sua realização já nos garante, entretanto, uma vitória certa, a começar
pela magnífica e surpreendente inscrição, sem maior anúncio, de cinqüenta e três
médicos, entre êles ilustres diretores de hospitais e distintos nomes, disputando
uma matrícula limitada para trinta lugares apenas.
E porque representa um marco definitivo, de início, na evolução de uma
campanha de âmbito nacional em que estamos empenhados, e empreendida pelo
Serviço Federal especializado, atendendo a velhos e constantes apelos em prol da
organização da Assistência Médico Social, entre nós, êste Curso, ao mesmo tempo
que vai conceder certificado e vantagens, exige, de cada um, antecipadamente, o
compromisso de bem servirem à nova especialidade, que se vai praticar; que é mais
do que uma simples profissão, porque representa a implantação de um progresso
nôvo, uma feição nova em um setor antigo da comunidade brasileira.
É a confirmação de uma nova orientação técnica, sistematizada,
modernizada para todo o país, por iniciativa do Ministério da Educação e Saúde
que há dois anos criou e procura desenvolver êste nôvo domínio como parte do
vasto plano de organização nacional do govêrno Getúlio Vargas.

82

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A Organização e Administração Hospitalares, a instituição do "hospital
moderno" no Brasil, significa por todos êstes motivos, um benefício de valor
inapreciável, não só para nós, brasileiros, como para os estrangeiros que partilham
de nosso convívio, para ricos e para pobres, para todos, enfim, que temos a grande
e inestimável felicidade de viver neste maravilhoso país.
Contribuindo, incentivando ou cooperando, façamos que êsse advento
promissor se realize dentro do mais curto prazo possível.

CLASSIFICAÇÃO GERAL DAS INSTITUIÇÕES
Classificação Clínica e Padronização da Assistência Médica e Social: Instituições
Hospitalares e Para-Hospitalares. Classificação e Administração. Classificação
dos Tipos de Instituições segundo o número de leitos: Capacidade e Lotação.
Classes e Padrões de Instituições consoante a qualidade e quantidade da
Assistência.
A classificação das instituições de assistência médico-social é condição
básica indispensável para a sistematização e para o estudo da organização e
administração hospitalares.
Cumpre estabelecer uma estrutura única, pois, em caso contrário, seria
difícil quiçá impossível, manter uma boa orientação de conjunto e o necessário
entendimento.
Propomos aqui uma nova classificação geral das instituições médicosociais, e particularmente dos hospitais, segundo as diferentes modalidades sob que
seja considerada cada instituição.
São, dest'arte, dez classificações diversas.
PRIMEIRA CLASSIFICAÇÃO
A primeira é a Classificação Clínica de Assistência Médica e Social, que
compreende:
a)
b)

Instituições Hospitalares ou Assistência Hospitalar.
Instituições Para-Hospitalares ou Assistência Para-Hospitalar.

A Assistência médico-social, no seu moderno conceito, inclui tôdas as
instituições que promovem ou mantém os cuidados médicos e sociais, o
tratamento, o bem estar, o agasalho e auxílios prestados a doentes e deficientes
físicos, visando não só o indigente e o desajustado social, como também o
indivíduo em geral, um agrupamento, um povo, enfim.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

84

Assistência, no moderno conceito, significa organização.
Assistência hospitalar: é aquela exercida nos hospitais gerais,
impropriamente também denominados policlínicos e nos hospitais especializados,
atendendo tanto aos doentes internos, como a doentes externos ou de ambulatórios
predominando uma maior soma de cuidados médicos relativamente a uma menor
assistência social.
Hospital geral: é aquèle que recebe tôdas ou várias espécies de doentes de
doenças diversas. É exemplo típico as Santas Casas de Misericórdia e certos
hospitais de assistência pública, como o Hospital São Francisco de Assis, no Rio.
Hospital especializado; é a instituição destinada a determinado tipo de
doente: ex.: para tuberculosos, cardíacos, venéreos, etc. ou a certos grupos restritos
de doenças que constituem especialidades afins.
Dividem-se os especializados em 4 grupos:
a)
b)
c)
d)

maternidades e berçários
hospitais de medicina
hospitais de cirurgia
hospitais de outras especialidades mal definidas.

Como se vê, a classificação, embora seja clínica, tem por base o doente e
não doenças, pois é sabido que hospitais especializados, como por exemplo os
para tuberculosos, são policlínicos, teem várias clínicas: médica, cirúrgica e
outras.
Assistência Para-hospitalar é aquela prestada por instituições de finalidades
semelhantes a dos hospitais ou complementares à assistência hospitalar, tais como:
a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)

clínicas ou policlínicas ou as enfermarias isoladas
dispensários
ambulatórios isolados
as estâncias de cura (hidrominerais, balneárias, climáticas)
os asilos
abrigos
albergues.

Neste grupo há predominância de maior assistência social em relação a uma
assistência médica que decresce de "a" a "g".
Esta nossa classificação obedece, como se vê, a uma ordem decrescente de
assistência médica e crescente assistência social, que vai do hospital geral até ao
albergue.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

85

É oportuno observar que há uma significação vária no que se convencionou
chamar de assistência médico-social, assistência ou serviço social. Não é momento
para discutir os diversos conceitos ou opiniões, que cada dia mais aumentam a
confusão reinante.
Não pretendemos também esclarecer definitivamente, nem convencer, mas
queremos sòmente adotar um significado único que nos parece mais razoável, uma
vez que é indispensável orientar em um determinado sentido a terminologia
fundamental desta classificação geral.
A assistência médica e social ou médico-social, não deve ter mais aquêle
sentido de assistência pública ou obra de caridade oficial. O têrmo "assistência"
aqui é sinônimo de cuidados prestados, que tanto podem ser profissionais, técnicos,
como auxílio, amparo. Não implica na gratuidade de serviços, nem se destina,
necessàriamente, como outrora, a atender só ao pobre, ao indigente.
Vem, igualmente, um apêlo, retificar a significação dada usualmente ao
Serviço Social, que existe organizado no hospital e que ainda se costuma chamar
de "serviços médico social", mesmo em livros recentes americanos.
Essa impropriedade presta-se à confusão. No hospital a maioria dos serviços
tem íntima relação com o médico ou com a medicina. O Serviço Social é tanto
médico como o da Dietética, da Enfermagem. É, portanto, ocioso e impróprio
dizer-se serviço-médico social. É simplesmente "serviço social". Ninguém diria
serviço médico-dietético, nem médico-radiológico...
Há uma seção, divisão ou departamento de "serviço social" em cada
hospital moderno, mas também existe nas fábricas, nas entidades de assistência
pública. Nestes últimos estabelecimentos se justifica a denominação de assistência
ou serviço médico-social, se há também assistência médica.
Serviço social tem hoje a sua significação técnica, como a Assistência
Hospitalar, e o próprio hospital. Representa uma fase na evolução da caridade e da
filantropia, que sem repudiar a concepção primitiva, se ampliou e se modernizou,
estendendo o seu objetivo a tôdas as classes sociais e tôdas atividades humanas, e
não mais sòmente proteção à indigência.
A assistência para-hospitalar ­ constitui o domínio pròpriamente do serviço
social. Introduzindo esta nova designação, o fizemos levado pela determinação
lógica da evolução das instituições. No princípio, as hospedarias, os albergues, os
abrigos, os asilos; mais tarde veiu o hospital. Os velhos, os deficientes físicos, os
abandonados e desajustados ainda em época recente eram internados nos
nosocômios, e ainda hoje, onde faltam recursos, se misturam como os doentes,
impròpriamente, nos hospitais do interior do nosso país.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

86

Uma boa organização hospitalar, entretanto, exige que fique no presente,
bem definida a finalidade das instituições, bem assim a sua individualização. Ora,
tôda instituição ou estabelecimento que não é de assistência médica e social
pertence ao grupo "para-hospitalar" referido. Ou são serviços destacados do
hospital ou são fases da evolução para advento do hospital.
As estâncias hidrominerais e climáticas, as estâncias de repouso e
balneárias, são instituições, originàriamente, de exclusiva finalidade; ninguém nega
que elas existem como fonte de cura, como águas virtuosas ou milagreiras. Os
interêsses, o turismo, desvirtuaram êsses estabelecimentos, etc. Elas são
necessàriamente para tratamento de orientação médica. A nossa classificação
incluindo as estâncias de cura que poderiam ser colocadas logo em seguida a
hospitais especializados, mas que vem depois de enfermarias, dispensários e
ambulatórios, atendendo essa aludida complexa utilização, procurou reabilitar as
fontes e as águas que têm, realmente, qualquer ação curativa. São instituições
médico sociais do grupo: para hospitalar.
SEGUNDA CLASSIFICAÇÃO
As instituições de assistência médico-social, e assim os hospitais, com
relação à propriedade, manutenção e contrôle se dividem em:
1)
2)

Oficiais ou de govêrno
não oficiais ou particulares.

As instituições oficiais podem ser: federais, estaduais e municipais, e
pertencem ou são mantidas ou dirigidas pelo Exército, pela Marinha, pela
Aeronáutica, Polícia, Bombeiros, Saúde Pública, Assistência Pública,
Universidades oficiais, etc.
As instituições não oficiais ou particulares se subdividem em:
a)
b)
c)

filantrópicas
de finalidade não lucrativa
de finalidade lucrativa.

No primeiro grupo estão as instituições de caridade, as de assistência
gratuita; as pertencentes à Igreja, à Irmandade, à Fundações e outras corporações.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

87

As de finalidade não lucrativa, semelhante, de algum modo às filantrópicas,
são instituições mantidas por corporação, fábricas ou núcleos para seus
empregados; são as de cooperativas, de Associação de classe, Beneficências,
Caixas, Ordens Terceiras, etc., isto é, organizações que não distribuem dividendo
ou lucros, e cuja renda se destina exclusivamente à finalidade médico-social, a
manter, e melhorar, e ampliar a instituição; a bem da saúde.
Entre as instituições de finalidade lucrativa se acham as "casas de saúde",
hospitais mantidos por médicos, por sociedades, por quotas, visando uma
exploração industrial ou comercial; de firma, sociedade anônima, etc.
TERCEIRA CLASSIFICAÇÃO
Segundo a sua lotação ou relação ao número de leitos, as instituições, e
assim os hospitais, são de:
a)

tipo pequeno de 25 a 49 leitos

b)

tipo médio de 50 a 149 leitos

c)

tipo grande de 150 a 500 leitos

d)

tipo extra ou especial: com mais de 500 leitos.

Para efeito desta classificação e no sentido de estabelecer um padrão
mínimo, considera-se Enfermaria, e não Hospital, quando a lotação é de menos de
25 leitos, embora se denomine hospital ou designação equivalente.

QUARTA CLASSIFICAÇÃO
Classificam-se ainda as instituições, segundo a quantidade e qualidade de
assistência médica e de assistência social que prestam. Da verificação dos valores
combinados, aquilatados por pesos e pontos, se determina a classe a que pertence a
instituição: A, B, C, D, sendo as da classe D, as mais deficientes e de padrão
mínimo.
Esta classificação, ao mesmo tempo que distingue as instituições no tocante
ao merecimento de cada uma e eficiência, quanto às suas edificações, instalações,
equipamento, funcionamento, financiamento e assistência, permitindo a emulação,
facilita mais justa e conveniente distribuição das subvenções dadas pelos governos
e auxílios particulares.
Estas quatro classificações são fundamentais e de utilidade imprescindível
na formação da organização hospitalar moderna.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

88

QUINTA CLASSIFICAÇÃO
Para fins de ensino médico e particularmente ao Internato de estudantes e
médicos, as instituições hospitalares foram classificadas segundo um padrão
mínimo.
O curso médico em geral, nos Estados Unidos, feito nas faculdades não dá
direito ao exercício imediato da clínica médico cirúrgica ou de especialidades. O
médico termina o curso e é obrigado a ser interno num hospital para estágio de
aperfeiçoamento ou prática, pròpriamente. E não só para o clínico geral, como,
muito particularmente, para o especialista. O médico Americano se forma, mas não
se apresenta ao público em busca de clientela, sem ter feito êsse internato de um,
dois ou três anos. Daí, a classificação de padrões mínimos estabelecida pelo
COLÉGIO AMERICANO DE CIRURGIÕES, que visou, além de constante
sistematização da organização hospitalar, criar e ampliar, objetivamente, uma rêde
de hospitais, em todo o país, aptos a receber os internos.
Estes internos, que seriam os nossos doutorandos, procedem das
Faculdades de Medicina de vários Estados norte-americanos e são encaminhados
para hospitais classificados para o internato, o que, muita vez, concide realizar-se
na própria cidade natal do jovem médico.
Nesses hospitais recebem o diploma de médico consoante o aproveitamento,
controlado pela direção e corpo clínico do hospital, o que é comunicado à
Universidade em relatórios ou notas periódicas.
Os hospitais foram assim classificados pelo Código Americano de
Cirurgiões:
a)
b)
c)

aprovado plenamente
aprovado provisòriamente
não aprovado.

Por meio de inspeções continuadas (surveys) em todo o território
americano, por iniciativa exclusiva do C.A.C. estão sendo selecionados ou julgados
os hospitais com essa finalidade. Esta obra tem plena cooperação das associações e
instituições hospitalares.
SEXTA CLASSIFICAÇÃO
Esta classificação é quanto à prática profissional ou referente ao
procedimento do corpo clínico, no hospital.
Assim, uma instituição pode ser considerada:
a)
b)

fechada
aberta.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

89

Fechada: ­ é aquela instituição que tem um corpo clínico efetivo, que
executa todo o serviço médico ou de especialidade do doentes contribuintes ou de
caridade, não se permitindo a médico estranho exercer ali a profissão, salvo por um
acôrdo especial, eventual.
Aberta: ­ é aquela instituição que tendo ou não um corpo médico efetivo
que se ocupa da assistência clínica geral, permite a outros médicos o exercício da
profissão e tratamento de seus doentes particulares.
SÉTIMA CLASSIFICAÇÃO
De acôrdo com o sistema de edificação, as instituições hospitalares ou parahospitalares, são dos seguintes tipos:
a)
b)
c)

tipo pavilionar ou de várias edificações
tipo monoblóco ou em único bloco
tipo misto: bloco com pavilhões anexos.

No sistema pavilionar os diferentes prédios têm comunicação por galerias
ou pisos cobertos ou por meio de corredores subterrâneos, que não prejudicam o
ajardinamento e a estética da superfície, o que é mais moderno e preferível.
O tipo monoblóco, como já o diz, apresenta o hospital em único bloco de
construção.
Estas modalidades de edificação são completadas pela oitava classificação.
OITAVA CLASSIFICAÇÃO
Segunda a disposição da construção em bloco, a instituição pode ser:
a)
b)

de tipo vertical ou sôbre altura (bloco de vários andares);
de tipo horizontal ou sôbre a superfície (de um ou dois pavimentos
e ocupando uma maior área).
NONA CLASSIFICAÇÃO

Dividem-se as edificações, com relação ainda à planta ou a seu plano de
construção, em:
a)
b)
c)

tipo definitivo ou inalterável
tipo progressivo
tipo flexível.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

90

De tipo definitivo ou inalterável, é aquela planta física, cuja distribuição
interna não permite uma transformação conveniente, presente ou futura, para
obedecer a uma sistematização, ampliação ou alteração.
Hospital-tipo progressivo: ­ é aquêle planejado para ser construído por
etapas, prevendo ampliações consecutivas, e para atender a necessidade num
determinado período de 10, 20, 50 anos.
De tipo flexível: ­ é usada esta palavra no sentido de maleabilidade; quando
a planta de uma instituição permite alterações da finalidade dos compartimentos ou
dependências, sem prejuízo da bôa sistematização das seções ou serviço e da
circulação e interdependência.
É o caso de um hospital, por exemplo, que possui uma grande sala para
reuniões. Se ao cabo de 10 anos fôr necessário modificar ou ampliar as repartições
e sua utilização, está prevista a transformação dessa ala em quartos ou enfermaria,
e vice-versa. Atendendo a essa diferenciação, adotamos, como significado diverso,
o têrmo flexível, significando adaptável.
DÉCIMA CLASSIFICAÇÃO
É segundo a forma do edifício ou arquitetura:
a)

de tipo basilical, lembrando arquitetura de uma basílica ou
catedral.

b)

de tipo cruciforme que ainda hoje se vê, modificada, em forma de
avião, dois pavimentos, uma capela, etc. Tipo em cruz, clássico.

c)

de tipo palaciano ou quadrado, com área fechada. Depois
transformado em U, corrigindo-se a ventilação e assim
modernizado.

Trata-se de antigos modelos que tiveram no passado, há mais de seis
séculos, uma notável influência no planejamento dos hospitais. São formas já hoje
desusadas ou modificadas. Quanto a esta última classificação tem apenas um valor
histórico. Modernamente, adotam-se formas de letras tais como: I, L, T, F, E, U, H,
e outras. O hospital padrão progressivo estudado pela Divisão de Organização
Hospitalar tem essas formas.
Insistimos em ressaltar a utilidade desta classificação. Quando falamos,
sobretudo quando escrevemos, acêrca de assuntos especializados, precisamos usar
uma terminologia técnica; fôrça é, que esta terminologia seja de todos conhecida e
entendida. Precisamos instituir essa linguagem clara, fixa, uniforme, como base de
sistematização e como estrutura da

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

91

Organização e Administração Hospitalares, cujos conhecimentos ora estamos
difundindo em nosso país, como nova especialidade.
Neste terreno, estamos nos guiando pelos modelos e padrões estudados pela
Associação Americana dos Hospitais e o Colégio dos Cirurgiões, notáveis
associações que estabeleceram uma norma tão sistemática, tão normal ao assunto,
que não há mais nada ali para definir ou para organizar, segundo as exigências da
hora atual.
Cumpre dizer, entretanto, que não estamos traduzindo servilmente ou
copiando a Administração e Organização Americanas, nem seria possível
transplantar as instituições ali existentes para um meio tão diverso.
A nossa Classificação Geral das instituições é exemplo. Não se encontra
êsse conjunto e essa orientação em nenhuma publicação americana, mesmo nas
mais completas, nem em outra fonte.
Estamos seguindo a norma da orientação que preparou e realizou o
magnífico progresso e a sistematização do modelar aparelhamento hospitalar
americano.
Tôda realização de arte e ciência é, entretanto, obra de cooperação. Os
Estados Unidos há menos de 3 decadas passadas iniciou o desenvolvimento das
suas instituições de assistência hospitalar, e para atingirem ao esplêndido resultado
do presente, aproveitaram os médicos e os profissionais de hospitais, a evolução, a
experiência e os ensinamentos verificados nesse particular, em alguns dos países da
velha Europa; aperfeiçoaram, completaram os modelos europeus, e criaram uma
obra nacional, a organização hospitalar norte-americana, tão sistemática e bem
ajustada, que se pode considerar original.
Estamos, por nossa vez, e primeiros na América Latina, procurando
transplantar para o nosso país esta nova especialidade, adotando e aperfeiçoando os
modernos padrões mas, a nosso modo, como convém, e dando nova forma à
sistematização, procurando melhorar tudo, se possível, e ampliando.
Esta classificação geral sôbre ser exemplo, é também a prova do nosso
esfôrço, visando êsse "desideratum".

ACOMODAÇÕES E SERVIÇOS HOSPITALARES
ADOTADOS PELA DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO
HOSPITALAR (*)
As acomodações e serviços hospitalares são elementos fundamentais na
eficiência da assistência hospitalar e para justificação do capital empregado, da
receita e da despesa da instituição.
Os orçamentos hospitalares seriam por isso imperfeitos sem uma
discriminação e relação das acomodações e dos serviços nos quais as despesas são
feitas, separadamente.
Uma comissão designada pela Associação Americana de Hospitais, estudou
o assunto, determinando as principais seções ou acomodações e serviços
hospitalares, que devem ter certa autonomia, com inventário próprio, atualizado, e
escrituração que permita relatórios individuais de cada serviço, sempre que
possível.
A classificação e definições envolvem, de preferência, o critério
administrativo, em vez do critério médico, e representam, tanto quanto possível, o
ponto de vista vitorioso na prática das mais modernas instituições hospitalares.
A ­ Acomodações e Repartições Hospitalares
1 ­ Leito hospitalar
2 ­ Bêrço
3 ­ Capacidade máxima de leitos
4 ­ Lotação de leitos (leitos disponíveis)
5 ­ Quarto particular
6 ­ Quarto semi-particular
7 ­ Enfermaria
8 ­ Área ocupada ou área da seção ou do serviço.
__________________
(*) Tradução e adaptação do modêlo americano.

96

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

B ­ Doentes de Hospital
1 ­ Doente interno (nôvo e antigo)
2 ­ Doente externo (nôvo e antigo)
3 ­ Doente particular do ambulatório
4 ­ Adulto (doente)
5 ­ Criança (doente)
6 ­ Recém-nascido ou infante
7 ­ Doente gratuito
8 ­ Doente contribuinte parcial
9 ­ Doente contribuinte integral ou total
10 ­ Doente de serviço particular contribuinte
11 ­ Doente de serviço particular não contribuinte
C ­ Unidades de Serviço Hospitalar
I ­ Serviços profissionais em geral
admissão
rejeição
alta
nati-morto
óbito
óbito institucional
óbito dentro das 48 horas
transferência
leito-dia
doente-dia (doente interno)
infante-dia
casos de emergência (ou pronto socorro)
dias de enfermagem
enfermeira diplomada especializada
enfermeira diplomada
estudante de enfermeira
atendentes ou
auxiliares de enfermagem
horas de médico
médico residente
estudantes internos
doutorando interno
corpo clínico de doentes internos
corpo clínico de doentes externos

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DOS HOSPITAIS

II ­

Salas de operações e salas de parto
alta cirurgia ou cirurgia maior
pequena cirurgia ou cirurgia menor
anestesia

III ­

Serviços de raios X
radiografia
radioscopia
aplicações

IV ­

Serviço de laboratório
material para exame
exame
resultado de laboratório



Serviço de fisioterapia
aplicações

VI ­

Outros serviços especiais
curieterapia
exames de metabolismo basal
eletrocardiografia
receitas
fórmulas aviadas ou farmacêuticas

VII ­ Serviço de dietética
refeição ou dieta normal
refeição ou dieta especial
refeição do pessoal
refeição do visitante
VIII ­ Serviços de lavanderia
pesagem da roupa
roupa (doente interno)
roupa de serviços especiais
roupa de doente externo
roupa de pessoal

97

98

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

IX ­ Pessoal auxiliar
dias de serviço do pessoal (afora serviços médicos e de
enfermagem)
D ­ Medidas de Utilidades Hospitalares:
1 ­ Média do censo diário
2 ­ Percentagem de ocupação
3 ­ Média de estadia no hospital.
A ­ ALGUMAS DEFINIÇÕES PRINCIPAIS
O leito do hospital ­ é um leito ou cama instalado para uso regular dos
doentes internos durante seu período de hospitalização.
Existem duas espécies de leitos:
a) leitos para adultos ­ leitos ou camas de dimensões padronizadas e
instalados para uso dos adultos e também para criança de maior idade.
b) leitos para crianças ­ pequenas camas protegidas com grades laterais
ou guardas para o uso de crianças de menor idade (não incluídos os destinados aos
recém-nascidos no hospital) (Idade: 0 a 14 anos).
Nos casos em que os berços, segundo a definição adiante, sejam instalados
em quartos que não sejam do berçário para recém-nascidos, e sejam utilizados
para crianças enfermas, podem ser classificados como leitos para crianças, e
passam a constar do número de leitos disponíveis ou da lotação do hospital.
Não são leitos de hospitais, os usados temporàriamente para o diagnóstico
ou tratamento, como sejam os utilizados para aplicação de raios X, fisioterapia,
metabolismo basal, os das salas de socorros urgentes, e aquêles usados pelo corpo
médico, enfermeiros, outros empregados ou acompanhantes, para fins de residência
e que também se usam para visitantes do hospital.
Incluem-se, entretanto, os leitos das enfermarias de observações igualmente
aquêles que são utilizados, eventualmente, por enfermeiros quando doentes ou
acidentados e embora instalados nas seções de enfermeiros ou em outros
compartimentos.
Esta definição de leito é indispensável parra que se possa realizar
uniformemente bio-estatística, censo hospitalar e determinação do número de
doentes-dia, custo per-capita ou do doente-dia, etc.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

99

O bêrço ­ é um equipamento instalado no berçário para ser ocupado pela
criança recém-nascida no hospital geral especializado ou especializado ou
maternidade.
Os berços são destinados à criança ou infante recém-nascido no hospital que
permanecem após o nascimento durante o tratamento da mãe.
Em certos casos, o bêrço pode ser usado por uma criança que haja
permanecido no hospital ou foi nêle internado para tratamento independente da
presença materna.
Em tais casos, ou se não estão mais colocados no berçário, devem ser
incluídos como leitos para crianças, na lotação ou no número de leitos disponíveis.
Os berços não incluem as incubadoras, destinadas aos recém-nascidos;
entretanto, um infante durante o período de sua permanência no Incubador é
relacionado como ocupante do bêrço.
Capacidade máxima de leitos ­ representa teòricamente o maior número de
leitos que podem ser colocados no hospital, baseado sôbre a área necessária para
cada leito, estejam os leitos instalados ou não.
A capacidade máxima, está portanto em relação com a área exigida para o
número de leitos e não se deve confundir com o número de leitos disponíveis ou
com lotação. Aproveitam-se tôdas as áreas: salas diversas, exceto o corredor e
áreas destinadas à circulação e fins imutáveis.
A lotação ­ é o número de unidades de leitos do serviço hospitalar; êste
número representa o total de leitos (não incluindo berços) existentes na ocasião ou
disponíveis para hospitalização de doentes em determinada instituição hospitalar.
Assim diz-se:
lotação da instituição
lotação da enfermaria
lotação de quartos particulares, etc.
O número de leitos da lotação em relação aos doentes existentes é a base
para cálculos da disponibilidade de leitos ou vagas: percentagem de ocupação.
O número de leitos da lotação não inclui os leitos de quartos ou outros
aposentos, que nunca foram instalados para uso dos doentes hospitalizados, nem os
leitos que foram instalados para uso dos doentes hospitalizados, nem os leitos que
foram retirados daquele uso e empregados para outros fins, tais como para uso de
enfermeiros e empregados.
O número de leitos de lotação inclui porém os leitos temporàriamente
desmontados por falta de ocupantes, conservados nas enfermarias ou depósitos.

100

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Quarto particular: ­ é aquêle que possui acomodações para um doente
interno, apenas, podendo ter mais uma cama especial, menor, que se oculta durante
o dia e se arma à noite para uso do acompanhante.
Quarto semi-particular: ­ é aquêle que possui acomodações para 2 ou 3, no
máximo.
Enfermarias: ­ são salas contendo acomodações para 4, 5 ou mais doentes.
No hospital geral as enfermarias devem ter no máximo 8 leitos.
Área dos leitos: ­ Mínimo seis metros quadrados; e 7 até 8 m2.
Observação: ­ as definições de quarto particular, semi-particular e
enfermaria são baseadas exclusivamente sôbre o número de leitos e não nas
relações entre os doentes e o corpo clínico do hospital ou classes de doentes.
Quarto particular não significa quarto para "contribuinte" ou de "clínica
particular". Em casos especiais, o próprio indigente poderá ocupar um quarto
particular, se seu caso clínico ou cirúrgico o exigir.
Prefere-se a designação de "contribuinte" a de "pensionista".
ÁREA DE ENFERMAGEM
Algumas vêzes para fins de distribuição, serventia ou de emprêgo de verbas,
para verificação do custo, equípamento, etc., costuma-se determinar a média do
espaço ocupado pelas diferentes seções ou serviços hospitalares, a fim de
estabelecer relações ou base dos cálculos.
Ao calcular a proporção da área ocupada deve-se considerar sòmente o
número de pés quadrados ou melhor de metros quadrados dentro de cada seção.
Não se devem incluir nesta área os espaços ocupados pelos "hall", depósitos
de fornecimentos, corredores, que possam servir a diversas seções em conjunto,
como já ficou referido.
B ­ DEFINIÇÕES DE DOENTES DO HOSPITAL
Doente de hospital ­ é o indivíduo que utiliza os serviços de um hospital
para diagnóstico e tratamento.
E são, assim, doentes internos e doentes externos.
Doente interno ­ é o indivíduo hospitalizado que ocupa regularmente um
leito ou um bêrço do hospital enquanto recebe a assistência hospitalar.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

101

Doente externo ­ é o doente registado e recebendo serviço na instituição,
mas que não ocupa regularmente um leito ou bêrço do hospital.
antigo.

Também se denomina doente de ambulatório e pode ainda ser nôvo ou

Doente externo nôvo: ­ é o indivíduo que é pela primeira vez matriculado
na instituição, não tendo sido anteriormente recebido naquela instituição para
assistência hospitalar de doente externo.
Observação ­ os doente novos externos podem ser classificados segundo a
origem ou fonte de indicação que os encaminhou ao hospital:
a)
b)
c)
d)

Serviço Social
Médico particular
Enfermeira de saúde pública
Outras fontes.

Estas designações visam particularmente fins de estatística. Podem também
ser classificados segundo classe, sexo, raça, ou outras bases determinadas.
Doente externo antigo: ­ é um indivíduo que aparece pela segunda vez ou
em consecutivas inscrições na instituição, de que recebeu serviços anteriormente,
na condição de doente externo.
Doente particular de ambulatório: ­ é um indivíduo que procura a
instituição para utilizar um dos serviços especiais de diagnósticos, de consulta ou
de tratamento, tais como, raios X, fisioterapia, metabolismo basal, etc.
Observação: ­ Tais doentes permanecem sob os cuidados do médico que o
encaminhou ou dos médicos do hospital. Êles usualmente pagam o prêço
estabelecido em tabela pelos serviços prestados e devem ser sempre registrados na
categoria de classe especial.
Doente adulto: ­ é o doente de 14 anos ou de mais idade.
Doente criança: ­ é o doente, que tem menos de 14 anos, não incluindo
recém-nascido no hospital ou ocupante do bêrço no berçário.
Infante ou recém-nascido: ­ é a criança nascida no hospital, enquanto
acompanha a mãe.
Doente infante: ­ é aquêle que permanece após o nascimento para
tratamento subseqüente ou qualquer criança de tenra idade, ocupando um bêrço,
durante o período de hospitalização.

102

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Os doentes podem ser também considerados segundo sua situação
financeira e assim são classificados como:
a) Contribuinte total ou integral e parcial
b) Gratuito.
Esta classificação pode ser também usada para os doentes dos quartos
particulares, semi-particulares e enfermarias e mesmo nos dispensários.
Os acompanhantes, isto é, parentes, amigos e pessoas das relações do
doente que permanecerem durante a noite no hospital, não são contados doentes.
Doente contribuinte: ­ É aquêle que paga ou a que se cobram os preços de
diária ou de tabela, estabelecido o custo médio dos serviços prestados. Em alguns
hospitais usam o custo médio das diárias para determinar o preço de pagamento
dos contribuintes; em outros hospitais, preferem adotar os preços estabelecidos por
serviços prestados.
Os contribuintes podem ser classificados em:
1) de pagamento direto, os que assumem a responsabilidade de suas
próprias contas do hospital ou os seus parentes ou amigos as assumem por êle.
2) de pagamento indireto ­ o de serviços contratados e pagos segundo um
plano de serviços hospitalares ou por uma organização industrial, por uma
companhia de seguros ou outra organização semelhante, por governos, de acôrdo
com as taxas contratuais.
3) doentes de cortesia ­ aquêles que em virtude de relações e
conveniências do hospital estão habilitados e descontos e assim remuneram em
parte ou não pagam os serviços hospitalares.
4) os empregados do hospital ­ que recebem os serviços hospitalares
independente de remuneração, como condição tácita ou por contrato dos serviços.
Doente contribuinte parcial ­ é o que paga ou contribuí em parte, não a
importância integral dos preços estabelecidos ou dos serviços prestados. Uma
concessão especial feita a certos doentes, tal como ao médico ou a uma enfermeira,
não os torna por isso contribuinte parcial.
Doente gratuito ­ é o que não paga pessoalmente nem por intermédio de
parentes e amigos pelo serviço hospitalar recebido.
O indigente e o desajustado social são casos típicos de doentes gratuitos.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

103

C ­ DEFINIÇÕES DAS UNIDADES DO SERVIÇO HOSPITALAR
Admissão ou entrada de doente interno é a aceitação e o recebimento no
hospital de um enfêrmo pela pessoa da instituição autorizada para êsse fim. Isso
compreende a ocupação de um leito ou bêrço da instituição e atualização de uma
ficha ou prontuário durante o período do tratamento.
Conta-se uma admissão hospitalar cada vez que o doente e internado para
um período de permanência no hospital. A primeira admissão dá-se o nome de
matrícula e às demais como registos.
Se após a data, o mesmo enfêrmo se apresenta com nôvo caso clínico para
um tratamento subsegüente, será outra admissão.
Cada criança nascida no hospital, exceto os nati-mortos, é considerada uma
admissão hospitalar, mas separadamente relacionada. Os doentes que se acham em
tratamento no primeiro dia do ano, isto é, que passaram de um ano para outro, não
são incluídos na estatística como admissões durante o novo período, chama-se:
doentes existentes.
A alta hospitalar: ­ é a saída de um doente que permanecera em um leito
hospitalar e para o qual o prontuário clínico ou fichas vinham sendo mantidos.
Os óbitos: ­ serão incluídos entre as altas, mas será separadamente
classificados e anotados. Há ainda: a alta do curado; de cura clínica; e alta por
transferência.
Os nati-mortos: ­ serão incluídos como admissão, mas se contam numa
estatística especial.
Nati-morto: ­ é a criança que não evidencia sinais de vida após o completo
nascimento (não respira, não pulsa o coração, não apresenta movimento muscular
voluntário). O nascimento é considerado completo quando a criança (cabeça,
tronco e membros) se apresenta inteiramente já fora do corpo materno, mesmo que
o cordão umbelical não haja sido cortado e a placenta ainda esteja prêsa. A
definição precedente tem sido adotada pelo "Bureau" da Criança dos Estados
Unidos sob a orientação de uma comissão de notáveis obstretas.
Os nati-mortos serão registados e relacionados em todos os resumos de
atividades mas não serão incluídos no total das entradas e saídas.
Um leito-dia: ­ é um período de 24 horas durante o qual um leito hospitalar,
que faz parte da lotação do hospital se acha disponível para uso dos doentes
internos.

104

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Um doente-dia: ­ é o período de serviços prestados ao doente entre dois
censos consecutivos; o dia da alta sendo contado sòmente quando o paciente fôr
admitido naquele mesmo dia. A apuração dos números dos doentes-dia se
denomina censo da meia noite ou censo das 24 horas, às 18 horas.
Doentes-dia, adultos e crianças: ­ devem ser separados na estatística, dos
infantes ou recém-nascido. Todos os cálculos de números de dia ou custo por dia,
devem indicar claramente o numero de recém-nascidos nesse dia.
Consulta ou visita clínica: ­ é qualquer serviço profissional médico
prestado a um doente externo ou interno em qualquer subdivisão da clínica ou de
tratamento ou de qualquer outro serviço profissional. Preferimos distinguir: Visita,
quando a domicílio.
Consulta médico ou visita médico: ­ é a unidade do serviço prestado ao
doente externo, que corresponde ao doente-dia ou cuidados com o doente interno.
O indivíduo é atendido em vários serviços no mesmo dia, seja na mesma e em
ações distintas do departamento dos doentes, várias consultas devem ser anotadas.
Serviços de Raio X e Fisioterapia, Farmácia e Laboratório: ­ devem ser
anotados como Radiografia, radioscopia, aplicações terapêuticas ou simplesmente
aplicações, prescrições, exames, etc. Êste proceder diferencia os serviços especiais
de modo mais efetivo e Ohio impede, nem interfere com a sua adição ao total de
consultas ou visitas clinicas se o administrador do hospital considerar isto
necessário.
a) O exame clínico do paciente pelo médico que fizer a admissão deve ser
contado como consulta médica ou visita;
b) Não deve ser contado como consulta médica ou visita, o simples
contato do paciente com o departamento de admissão, mesmo que o ato da
matrícula seja feito por médico, que não examine;
c) Não deve ser contado como consulta médico ou visita, se o paciente
depois de registado, não foi examinado pelo médico.

D ­ DEFINIÇÕES DE MEDIDAS DE UTILIZAÇÃO DO HOSPITAL
A média dos censos diários e o número médio de doentes internos que
recebe tratamento cada dia durante um determinado período de tempo. Também se
diz: média de doentes-dia no período tal. È calculado dividindo o numero de
doentes dias em tratamento durante um dado perÍodo de tempo pelo número de
dias do calendário, dêsse período.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

105

Ex.: 47.940 doentes-dia tiveram tratamento em um hospital durante um ano.
A média de doentes-dia é de 131 doentes, isto é, 47.940 dividido por 365.
Segundo exemplo: ­ Um hospital deu cuidados a 548 doentes-dia durante
um mês (30 dias). A média do censo diário e 38,2 doentes.
A média dos censos diários, pode ser calculada para qualquer seção das
acomodações dos doentes internos do hospital, tais como: quartos particulares,
quartos semi-particulares, camas de crianças e berços.
Ocupação: ­ A percentagem da ocupação de leitos num hospital, é a relação
entre doentes-dia e leitos-dia durante um dado período de tempo. Pode também ser
expresso com a relação da média do censo diário e a lotação.
A média do tempo de permanência de doentes em serviço interno é o
número médio de doentes-dia de serviços prestados individualmente a cada doente
em tratamento durante um período fiscal ou em aprêço.
Há várias fórmulas para verificação de permanência, quase tôdas falhas.
Preferimos, o processo mais rotineiro e mais seguro: determinar o número
de dias de cuidados prestados a cada doente saído durante o período e dividir êstes
números de dias pelo número de doentes saídos durante o mesmo período. Isto é
recomendado para os hospitais de pequeno movimento assim como nos de doenças
crônicas e mentais, mas é o mais correto método para todos.
Ainda outras definições, poderiam ser aqui incluídas. Êstes são, entretanto,
os elementos, os dados indispensáveis como unidades básicas para uma boa
organização e administração, seja dos hospitais, seja de instituições parahospitalares.

FICHA DA INSTITUIÇÃO
Usada para Inspeção Periódica e Cadastro
permanente, atualizado.
(FORMATO: 20 x 26 OU 22 x 28 cms. Papel: GROSSO ou MEIA
CARTOLINA)
Ficha..........................
....................... ....................... .......................
Seção
Pasta
Documento
.......................................................................................................................................
(Nome da instituição)
.......................................................................................................................................
(Outras denominações da instituição)
Estado ...................... Localidade ...................... Fundada
/
/
Município .................. Rua ................. N.º ........... Fichada
/
/
......................................................................................................................................
É ambulatório ?...................... ou dispensário isolado ?........................... É clínica ?.................. ou enfermaria isolada ?.................. Hospital-Colônia ?....................
Hospital Geral ?.................... Hospital especializado ?.......................... Maternidade ?........................ ou clínica obstétrica ?.......................... Hospital de Crianças ?................... ou clínica pediátrica ?.................. De medicina ou clínica
médica ?.................. De cardiologia ?................... Para nervosos ?................... ou
doenças mentais ...................... Doenças transmissíveis agudas ?...........................
Para tuberculosos ?....................... Doentes de lepra ?......................... Dermatologia ?...................... Clínica cirúrgica ?...................... De acidentados ou traumatologia ?................... Ortopedia ?..................... Otorrinolaringologia ?...................
Oftalmologia ?................ Vias Urinárias ?.................. Venereologia ?...................
Ginecologia ?................. Câncer ?................. De crônicos ?.................. Convalescentes ?...................... Deficientes físicos ?...................... de outra especialidade,
qual ?............................................................................................................................
......................................................................................................................................
Nome do Diretor ?.......................................................................... Administrador?
......................................................................................................................................
Atenção: 1) Responder, no máximo possível, com algarismos ou "sim"
ou "não".
2) As informações, aqui pedidas, se referem ao ano de 19.........

108

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

I ­ EDIFICAÇÕES ­ INSTALAÇÕES ­ EQUIPAMENTO
É de construção moderna ?...................... Na zona urbana?........................ Tem
parque ?................. Jardim ?.................. É do tipo "monobloco" ?.....................
Quantos pavimentos ?.............................. Ou do tipo pavilonar ?.......................
Quantos pavilhões ?.......................... Quantas edificações anexas ?.....................
Soma das áreas construídas, inclusive dos pavimentos ?....................................
Tem sala para Diretor ?................... Para Administrador ?........................ Secretaria e contabilidade ?................... para fichário ?...................... Quantas
enfermarias ?............... Quantas com mais de 8 leitos ?....................... Total
dos leitos nas enfermarias ?............................ Capacidade máxima de leitos nas mesmas ?..................... Quantos quartos particulares ?......................
Quantos semi-particulares ?................... (2 ou 3 leitos) ?.................... Total
dos leitos nos quartos ?........................... Quantas salas de operação: séptica ?............... asséptica ?............... Salas para esterilização ?.............. Salas
para anestesia ?.................... Para repouso de operado ?....................... Para
curativos ?.................... Quantos consultórios ?.................... Sala de parto ?
................ Berçário ?................. Quantos bêrços ?................ Tem instalação
para ortopedia ?.................... Para radiologia ?................... sendo: para diagnóstico...............a................. Para tratamento.................... Instalação para eletroterapia ?................ hidroterapia ?.................. gazoterapia ?.............. Para
otorrinolaringologia ?.................... oftalmologia ?.................... cardiologia?
................ Tem solários ?................ Quantos gabinetes dentários ?...............
Quantos para médicos residentes ?................. para estudantes ?.....................
para enfermeiros ?................. para outros auxiliares ?.................... em clausura ?............... Instalação para fotografia ?................... Farmácia ?............
Com laboratório anexo ?..................... Para soluções injetáveis ?...................
Laboratório clínico ?................... bacteriológico ?................... Anátomo-pato
lógico ?............... sorológico ?................ Tem necrotério ?.............. Sala de
autópsia ?................ Sala de capela ?................. Sala para leitura ?..............
Para cursos ?.................... Para reuniões ?..................... Para recreio de menores ?.................. Para projeção ?................... Aparêlho de "projeção fixa"?
.............. de cinema 16mm ?............... do 35mm ?.............. Quantos refeitórios para doentes ?..................................... Para médicos, técnicos e administração ?........................ Para auxiliares e subalternos ?.................... Tem
instalação elétrica ?.................. de gás ?..................... de vapor ?..................
Aquecimentos internos ?........................................ Refrigeradores elétricos ?

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

109

..................... a gás ?..................... Câmaras frigoríficas?................... Tem ar
condicionado ?............... Só filtrado ?.............. Esterilizado ?.............. Tem
telefone ?........................ Inter-comunicação telefônica interna ?...................
De alta voz ?............... de sinal-som ?.............. de sinal-luminoso ?..............
Receptores de rádio ?............................. Rêde interna de rádio-recepção ?
................. Há deservatório dágua ?.................. de quantos litros ?...............
Há instalação para filtragem ?..................... Depuração química ?..................
Quantas cozinhas ?.................... sendo dietéticas ?................... Quantas copas ?................. Há lavanderia mecânica ?................... ou lavagem manual ?
..................... Fôrno para incineração de lixo ?................... O lixo é removido
pela Limpeza Pública ?.............................. Quantos aparelhos sanitários ?
............... Destino do esgôto: Rède geral ?................ Curso dágua ?...............
Fossa ?............. O efluente da fossa é tratado ?............... Clorado ?...............
Quantas ambulâncias ?............................... Tem elevadores para passageiro ?............... Para maca ou camas ?............... Para comida ?................ para
roupas ?................. para outros serviços ?................... Carros térmicos para
conduzir comida ?.................... Carro para roupas ?..................... Há outros
veículos ?............................... Há outras construções e instalações, quais ?
................................... (Queiram juntar plantas, fotografias e quaisquer outros documentos referentes à instituição).
FUNCIONAMENTO E ADMINISTRAÇÃO
Doentes que passaram para 1/1/19.................... ?.................... sendo homens?
............... mulheres ?............... crianças ?............... Quantos entrados durante 19............. ?.............. Quantos saídos durante 19............ ?............... Sendo
por alta ?............... transferidas ?.............. óbitos ?............... Quantos doentes dia ?.................. Quantos gratuitos em 19............ ?............... Pensionistas
ou contribuintes ?................................ Total de doentes de clínica médica
geral?.................. Total de cirurgia geral ?........................ Total de parturientes ?.................... de Infantes ou lactentes ?...................... Meses de maior freqüência ?.............. Total de doentes-dia em 19............... ?................ SERVIÇO DE AMBULATÓRIO ?............................... Total de suas matrículas durante 19.............. ?................. LACTÁRIO ?................. Fornecimento leite ?
.................. outras matrículas durante 19................ ?................ Sexo masculino ?.............. Sexo feminino ?............... CRECHE ?.............. Matrículas em
19............ ?.............. Sexo masculino ?.............. Sexo feminino ?........... Tem

110

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

organizado o serviço de fichas clínicas ?............................... Quantos médicos
efetivos ?.................... sendo: de clínica geral ?.................... de cirurgia geral ?................ obstetras ?................ pediatras ?................ ginecologistas ?
.............. urologistas ?............. dermatologistas ?............. oculistas ?............
otorrinolaringologistas ?.................... neurologistas ?..................... psiquiatras ?............. fisioterapeutas ?............... tisiologistas ?.............. leprologistas ?.............. cancerologistas ?............... ortopedistas ?............. radiologistas ?................ cardiologistas ?............... outros especialistas ?............. Dos
médicos efetivos, quantos residentes ?.............................. ou plantonistas ?
................................. Quantos médicos estagiários durante o ano anterior ?
....................... Quantos são os laboratoristas médicos ?................... Quantos
não médicos ?................................ Quantas enfermeiras ou enfermeiros diplomados (Tipo Escola Ana Neri) ?................................ Quantas Auxiliares
de Enfermagem ?.................... Quantos dentistas ?.................... seus auxiliares ?................ Farmacêutico diplomado ?................ licenciado ?.................
Práticos de farmácia ?.................... Massagistas ?...................... A instituição
tem: Presidente ?.............. Provedor ?............... Diretor ?.............. Administrador ?............... Administração de Religiosas ?............... mista ?...............
Quantas irmãs ?..................... Tem capelão ?...................... Quantos guardalivros ?............... escriturários ?............... datilógrafos ?............... telefonistas ?............ ascensoristas ?............ motoristas ?............. artífices ?............
serventes e trabalhadores ?..................

FINANCIAMENTO E ASSISTÊNCIA
Valor aproximado do terreno ? Cr$................................. Das edificações ?
Cr$.................... Das instalações fixas ? Cr$................... Do equipamento ?
Cr$.................. É propriedade do Govêrno Federal ?.................... Estadual ?
................. Municipal ?................. É mantido pelo Exército ?............... Pela
Marinha ?.................. Pela Aviação ?.................... Outro Ministério, qual ?
................ É de Polícia ?................ de Saúde Pública ?.............. De Bombeiros ?............... De Funcionários ?................ De Ensino ?............... De outra
instituição oficial ?................. De autarquia ?..................... É Instituição Filantrópica ?................. De Irmandade ?................ De Fundação ?..................
De Associação ?................... É instituição particular ?.................. De Ordem
Terceira ?................ De Beneficência ?............... De Cooperativa ?..............

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

111

De grupo ou classe ?.................. De Escola ou Universidade ?.................. De
indústria ?.................... de núcleo rural ?..................... Tem finalidade lucrativa ?............... Pertence à firma ?............... à Sociedade ?................ Quanto
tem de patrimônio ? Cr$..................................... Quanto teve de render em
19...............? Cr$................ De serviços ? Cr$.............. De Produção Industrial ? Cr$................. De Juros ? Cr$................ e de Dividendos recebidos?
Cr$.............. De subvenção federal em 19............... ? Cr$............... Estadual ?
Cr$.............. Municipal ? Cr$.............. Quanto de donativos ? Cr$...............
De outras fontes ? Cr$............................. Qual a despesa de manutenção ?
Cr$................... Discriminar; Com o pessoal afóra médicos ? Cr$.................
Só com médicos ? Cr$................. Com escritório ? Cr$................. Com alimentação ? Cr$...................... Com lavanderia e costuras ? Cr$....................
Com outros serviços de manutenção ? Cr$.............................. Só com tratamento de doentes, afóra médicos e auxiliares ? Cr$............................ Com
Ensino ? Cr$................... Com vestuário e Uniformes ? Cr$................ Com
Transportes ? Cr$............................... Se possível, discriminar: gasto com
Radiologia ? Cr$................. Com Laboratórios ? Cr$................. Com obstetrícia ? Cr$................... Com Farmácia ? Cr.................... Cardiologia ? Cr$
................. Metabolismo basal ? Cr$................. Fisioterpia ? Cr$................
Quantos médicos remunerados ?................................ Qual a taxa de matrícula cobrada de doentes ? Cr$.............................. Prêço de diárias de doentes: Máxima ? Cr$.................. Mínima ? Cr$................... Quantos indigentes atendeu em 19............. ? ................ Sendo internos ?..................... externos ?................... Tem Assistência Social a doentes ?.................. Assistência
jurídica ?............... Religiosa ?............... Educacional ?.............. Recreacional ?................... Outras informações...............................................................
............................................................................................................................
(Data e assinatura do INSPETOR)

NOTA: ­ Queira juntar uma coleção completa das fichas e todos os demais
impressos usados na instituição, bem assim fotografias, plantas, relatórios,
publicações, etc.

112

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

FICHA ÚNICA OU PRONTUÁRIO MÍNIMO DO DOENTE
(FORMATO: 23 x 29 cms. ­ Papel: GROSSO ou MEIA CARTOLINA
­ FÔLHA DUPLA)
(Impresso)
(Impresso)
.....................................................................................................................................
Localidade
Nome do Hospital
.....................................................................................................................................
Nome por extenso do doente
Ficha permanente para doentes internos e doentes externos ou de
ambulatórios. Qualificação médico-social do doente. Resumo da sua vida no
hospital.
1 ­ Último sobrenome
1.º Nome
2.º e 3.º sobrenomes
........................................................................................................................
2 ­ Data da entrada
Gratuito
Contribuintes
........................................................................................................................
3 ­ Idade Data do nc. Sexo Côr Casad. Solt. Viúv. Desq. Sep.
........................................................................................................................
4 ­ Local do nc. Est. Nacional. Há quanto tempo no país
........................................................................................................................
5 ­ End. fixo ou hab. Desde quando na loc.? Neste Estado?
........................................................................................................................
6 ­ Residência N.º. Há quanto tempo mora nessa casa? Fone
........................................................................................................................
7 ­ Profissão Estudante Empre. Desde quando neste emprêgo?
........................................................................................................................
8 ­ Nome e enderêço do empregador
Fone
........................................................................................................................
9 ­ Seg. Soc. Cxa. Nome do marido ou mulher. Empr. Idade
........................................................................................................................
10 ­ Nome do pai
Nasc. em (localidade, Estado, País)
........................................................................................................................
11 ­ Nome de solt. da mãe
Nasc. em (loc., Estado, País)
........................................................................................................................
12 ­ Médico da família ou com quem se tratou ùltim. Ed. Fone
........................................................................................................................
13 ­ Notificado ou enviado por
Enderêço
Fone
........................................................................................................................
14 ­ Nome parente ou am. p/av. em caso de nec. Parentesco
........................................................................................................................
15 ­ Enderêço do amigo ou parente
Rua e n.º
Fone
........................................................................................................................
16 ­ Enc. da adm. ou quem matriculou êste doente (assinatura.)
........................................................................................................................
Assinatura do doente ou do responsável

_________________________
Nome do doente

_________________________________
Número Geral
que é o da 1.ª matrícula

FORMATO 23x29 cms. Imprimir em folha sôlta, papel menos grosso e também, internamente, na ficha fôlha dupla.

Resumo da história do paciente, da
Assinatura do médico
doença e de exames. Diagnóstico
Transferências. Altas
Registros
estudante ou enfermeira
Serviço Clínico provisório, Laboratório, Raio X, etc.
Óbitos (motivos e
Novas Entradas
que fez o registro ou
ou Enfermaria Receituário, Biópsia, Autópsia, Resumo
datas)
Números e Datas
escreveu
ou Inclusão dos resultados. Fisioterapia
e Operações. Diagnóstico definitivo.

(Impresso)
____________________________
Nome do Hospital
____________________________
Localidade

FICHA DE ESTÂNCIA

Questionário para Cadastro e Censo das Estâncias
Hidrominerais e Climáticas
(Modêlo original)

.......................................................................................................................................
Nome da Estância
.......................................................................................................................................
Localidade
Município
........................................................................................................................................
Séde ­ Rua e número
Estado
Foi descoberta em .............../................/............... ­ A instalação data de..................
........................................................................................................................................
Nome do Prefeito

Nome do Insp.-Médico oficial

........................................................................................................................................
Nome do Diretor da Emprêsa
Nome do Diret.-Médico da Emp.
........................................................................................................................................
Nome da emprêsa que explora
Firma individ. sociedade etc.

Atenção: Tanto quanto possível, responder: "sim" ou "não", ou número

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

115

Classificação da Instituição: Hidromineral...................... Termal...................
Balneária.............. Climática............ De montanha............ Beira-mar............
............................................................................................................................
............................................................................................................................
Comunicações: Terrestres (nomes das Estradas).................................................
Aérea............................................... Marítima...................................................
Tem telégrafo?................. Radiotelegrafia?............... Correio diário?...............
Estações de Cura: Épocas.................... Meses de maior freqüência...................
Total de visitantes no ano anterior.................................... Qual o dia de maior
freqüência no ano anterior ?................................ Máximo de freqüência mensal nesse período ?............................ Quais os meses de preços reduzidos nos
serviços ?.................... Também nos hotéis......................................................
............................................................................................................................
Edificações, Instalações, Equipamentos: A séde da estância está situada
na zona urbana ?...................... É de construção moderna ?...................... Em
parte ?.................... Quantos pavimentos.................... prédios ?.....................
Total dos pavimentos n.º............................... Área total construída, incluída as
dos pavimentos.................... Tem parque ?..................... Jardim......................
Tem piscina ?.................................... A piscina para natação é de água mineral ?....................... A água é clorada ?..................... Tem rinque para patinação ?................ Campo para golf ?............... Tênis ?............... Voley-ball ?
............... Bola ao cêsto ?............... Futebol ?.............. Outros campos, quais
............... Tem vaporarium ?............... (Descrever as instalações em separado
indicando se pertence ao Estado ou à Municipalidade ou a particular)
..............................................................................................................................
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Balneoterapia: Locais e instalações, quais ?.......................................................
Banhos de lama ?............ Carbogazotos ?............... Outros, quais ?...............
.............................................................................................................................
Duchas: De chuveiro................ capela............... de chicote............... filiforme
............... rectal.............. vaginal.............. Hamac............ meio banho............
pedilúvio.................. nebulização..................... eletro fisioterapia.....................
para reeducação....................... laborterapia........................... mecanoterapia e

116

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

massagens, quais...................................................................................................
Tem ginásio........................... Tipos de ginástica................................................
..............................................................................................................................
(Além da enumeração e descrição das instalações e equipamentos, juntar
fotografias, tanto quanto possível).
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Clima: Altitude local................................... Ponto mais elevado na vizinhança
................... Sua denominação................. Sua altitude................ Sua distância
da séde da estância........................... Meses de calor, quais ?............................
Temperatura: máxima........................... mínima............................ meses frios,
quais ?.................... máxima................... mínima.................. Nebulosidades;
quais os meses ?.............................. número de dias............................. Chuvas, quais os meses ?........................ número de dias............................. Dias
de sol, quantos de 19.............. ?..............
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Inidicações Terapêuticas: Citar para cada fonte ou sítio, resumidamente, as
observações terapêuticas registadas por médicos, poder anagotóxico, filático
etc. Fornecer exemplares ou citar trabalhos, estudos, literatura a
respeito.................................................................................................................
Urbanismo e Alojamentos: Existe um plano urbanístico ?.......................... Foi
executado ?.................... Todo ?.................... Parte ?...................... Quantos
hotéis ?.................................. Total das casas nos mesmos ou lotação total ?
................... Quantas pensões ?................. sua lotação total............... Quantas
casas particulares recebem hóspedes............................. Camas disponíveis nas
casas..................................
Total geral das camas disponíveis para população
flutuante ou visitantes..................... População loca, residente, fixa.................
No município, população normal.........................................................................
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Esportes e Diversões: Tem pistas para corridas, na localidade ?........................
barco para recreio ?.................... para disputas esportivas ?................ quantos
a remo ?................ a vela ?................ a motor ?............... Existem facilidades
da pesca ?................. Há outros jogos ou entretenimentos, quais ?.................
Quantos teatros ?.............. Cinemas ?............. Estádios para lutas ?...............

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

117

Há na localidade salão especial para concertos ?................... para exposição ?
................. para conferências ?................ Quantos clubes sociais ?................
esportivos-recreativos ?...................... (juntar uma relação nominal).
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Turismo: Quais as festas locais características e datas ?.....................................
Passeios e sítios principais para visitas................................................................
.............................................................................................................................
Outras curiosidades locais...................................................................................
Igrejas, Capelas, Templos....................................... Quantos do culto católico
................ Protestante.............. Israelita.................. Espírita.................. Massons..................... Positivistas................... Outros, quais ?.................
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Assistência Médico-Cirúrgica: Quantos hospitais gerais ?.................................
Especializados ?..................... Enfermarias ou clínicas isoladas ?....................
Quantos dispensários ?.................... Ambulatórios isolados ?................... Asilos ?.................... Abrigos ?................ Albergues ?................... (Juntar uma
relação nominal das instituições e finalidades de cada uma delas)
(Preencher para cada instituição a ficha da D.O.H.).
Quantos
laboratórios clínicos isolados, isto é, além dos existentes nas instituições
acima ?...................... Laboratórios anátomo-patológicos ?....................... De
outras pesquisas médicas................................. Instalações de Raio X além das
existentes nas instituições referidas......................... Instalações de eletro-fisioterapia, afóra as das instituições...................... Quantos médicos na localidade,
que clinicam, inclusive crenologistas..................... Discriminar pelas especialidades................... sendo crenologistas.................. Quantos médicos do serviço
efetivo da estância.................. sendo remurerados..............................................
Fontes: Quantas hidrominerais................................... Quantas já convenientemente captadas...................... em serviço de captação...................... em estudo
................. outras ?................ Total................ (Juntar uma relação nominal e
descrições de cada fonte, fotografias, análises completa das águas, incluindo
termalidade, concentração, formação, vasão, radioatividade, teor metálico, etc.

118

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Financiamento e Economia: Renda da Prefeitura local no ano anterior
Cr$...................... Renda pròpriamente da Estância ? Cr$.....................
Propriedade: Valor aproximado do terreno das Fontes ou Estância
Cr$........................ Valor das edificações da Estância Cr$....................... das
instalações e equipamentos Cr$.................. Valor do patrimônio Cr$................
A Estância é propriedade Federal................... Estadual................... Municipal
.................... é de instituição filantrópica................... de particular com finalidade lucrativa........................ A exploração é feita diretamente pelo govêrno ?
.................... por particular com finalidade lucrativa.................. com finalidade
filantrópica............................... Recebe a estância subvenção Federal, quanto
Emprêsa Cr$................... renda bruta do ano anterior Cr$.................. as águas
são vendidas engarrafadas ?................ Quanto exportou ? Unidades.................
Valor total Cr$........................... Há outros produtos industriais ou medicinais
pertencentes à Estância que produzem renda ?................................... Quais e
quanto.................... ? .........................................................................................
Total anual das despesas gerais Cr$............................. sendo só com pessoal a
saber: com médicos Cr$....................... enfermeiras Cr$........................ Outros
técnicos Cr$........................ Direção e administração Cr$...................... Outros
auxiliares Cr$............................ Sòmente com obras, afóra as de conservação
Cr$.......................... (Juntar por favor: Tabela de prêços, taxas e prêços, taxas
dos serviços terapêuticos, Relatórios-Balanços-Publicações em geral referentes
à exploração das fontes e dependências).
............................................................
(Data)
............................................................
Assinatura do Inspetor da D.O.H
............................................................
Assinatura do informante

PLANEJAMENTO TÉCNICO DE UM HOSPITAL
MODERNO (*)
Pelos Dr. T. Almeida e Dr. A. Silva Jardim, da D.O.H.
Advertência: ­ Os numerosos itens dêste questionário mostram o interêsse
de obter os mais completos elementos que permitam um planejamento seguro para
uma realização viável e conveniente, a fim de evitar construções definitivamente
defeituosas ou alteradas e reformadas repetidas vezes, com despesas imprevistas e
quase sempre sem resultado satisfatório.
É óbvio que nem sempre será possível colher, no local, todos os dados
precisamente, nem mesmo, talvez, a maioria se consiga, ás vezes. Entretanto, pedese que seja respondido o maior número possível de itens. Por outras fontes serão
completados os restantes, inclusive no repositório especializado existente na
própria D.O.H.
NOTA: A maioria das perguntas se responderá com "Sim", "Não" ou algarismos,

A ­ CLASSIFICAÇÃO E FINALIDADE DA FATURA INSTITUIÇÃO
1 ­ Denominação: ........................................................................................................
2 ­ Classificação clínica:...........................................................................................
3 ­ Localidade:.............................................. Estado:..................................................
4 ­ Estudo pedido por: ................................................... Data:....................................
5 ­ Data do início deste planejamento: .......................................................................
6 ­ Data da inspeção do local: .....................................................................................
7 ­ Quem preenche este questionário: Nome: .............................................................
......................................................Profissão:..........................................................
Função ou cargo:....................................................................................................
8 ­ Técnico ou consultor hospitalar que realizou a inspeção do local:
Nome:................................................ Profissão:....................................................
Cargo: ....................................................................................................................
9 ­ Data da conclusão do projeto: ..............................................................................
__________________
(*) Questionário para inspeção prévia e planejamento de edificação hospitalares e para-hospitalares
atendendo à determinação do tipo adequado da instituição, que convém, o estudo da localidade, da
situação do terreno, do financiamento possível, até o projeto para construção e especificações.

120

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

B ­ DO FINANCIAMENTO E ASSISTÊNCIAS
1 ­ Há terreno já destinado?....................... Doado?...................... Já comprado?.................................... Por quem, qual entidade ou instituição?
............................ Valor aproximado do terreno: Cr$............................
2 ­ Qual a importância total já prevista para a construção? Cr$....................
........................................... Não sendo oficial discriminar: De Fundos
da Instituição: Cr$.................................... De contribuição particular:
Cr$............................................. de instituição filantrópica ou de caridade: Cr$.............................................. de auxílio do govêrno Municipal: Cr$................................. do govêrno Estadual: Cr$...................
...................................... do govêrno Federal: Cr$.................................
Quanto já existe disponível, no momento para construção? Cr$............
...........................................
3 ­ Nome das entidades contribuintes ou dos responsáveis pelo financiamento da construção e da instalação: ......................................................
.......................................
4 ­ Quanto já existe destinado para as instalações? Cr$...............................
Para o equipamento, incluídos móveis? Cr$...........................................
.......................................
5 ­ Sendo instituição oficial, é do govêrno Federal?.....................................
Estadual?.................................... Municipal?.........................................
Subordinada a qual Divisão ou serviço?.................................................
Será mantida por instituição filantrópica ou de caridade, qual?
.........................................
6 ­ Será mantida por entidade particular de finalidade não lucrativa?
............................................. ou lucrativa?.............................................
nome............................................
7 ­ Quantos leitos são previstos para doentes contribuintes, em quartos
de 1.ª classe?.............................. de classe média?.................................
Em enfermarias?............................ Destina-se sòmente a indigentes ou
assistência social?...........................................
8 ­ Terá a nova instituição finalidade lucrativa, isto é, visando distribuição de lucros ou dividendos? (Casas de saúde etc.)...........................
...........................................
9 ­ Será a instituição administrada por irmãs ou religiosas?.........................
......................... Qual a congregação?........................................... Terá
assistência espiritual, qual o culto?.......................................... Capelão
residente?................................ terá serviço social?................................
assistências jurídicas?............................. Seção para diversões, quais?
..................... Biblioteca?......................... Ensino, qual?.......................
Restaurantes?........................ Lojas?.........................
10 ­ Terá seção de Doentes Externos ou Ambulatório?..................................
Número de doentes a atender?...................................... Especialidades?
.....................................

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

121

C ­ DADOS REFERENTES À LOCALIDADE
1 ­ O clima é sèco?................................ úmido?.............................. qual a
altitude?................................... qual a direção dos ventos dominantes?
............................ O local é expôsto a vento freqüente?.......................
Predominando em que meses?........................................ Qual a média
pluviométrica anual em mm/m?............................................ Qual foi a
temperatura máxima à sombra?.............................................. Quais os
meses mais quentes?......................................... Qual foi a temperatura
mínima?............................... Quando?.................................. Os meses
mais frios?.....................................
2 ­ Superfície em m2 da região a que o nôvo hospital vai servir, necessàriamente?...................................... E incluindo localidades próximas
que também fornecerão doentes?............................................................
......................................
3 ­ O número de habitantes a que vai servir o nôvo hospital, necessàriamente?.......................................... Eventualmente ou por extensão?
..................................................... Se a instituição se destina a classes,
associações, corporações ou grupos, dar o número total de pessoas,
associados e parentes, que tenham direito à assistência, ou que de
instituição especializada, por exemplo, para doenças mentais, tuberculose, lepra, etc., dar o cálculo aproximado de doentes a internar: Homens....................................... Mulheres..................................
Casados................................... Solteiros................................. Crianças
(por idade)..........................................
4 ­ Situação econômica da população, grupo ou classe?...............................
Qual o padrão de vida da maioria da população local a ser hospitalizada, eventualmente?............................ Alto?...............................
médio?................................ baixo?............................... Qual o salário
mínimo?.................................. Quais as principais atividades da população local? com predominância: Agricultura?.......................................
Pecuária?............................... comércio?.............................. indústria?
....................................... indústria principal?........................................
Outra atividade, qual?.............................................................................
Há indício de crescente prosperidade?....................................................
5 ­ Qual o regime alimentar da maioria da população local: mau?
.............................. sofrível?.......................... bom?.............................
ótimo?......................................... Quais os alimentos mais abundantes
ou utilizados?................................. Carnes: de boi?..............................
porco?............................ carneiro?....................... cabrito?...................
aves?........................ peixes?....................... outras: quais?..................
ovos?.......................... legumes?.......................... cereais?...................
leite?...................... laticínios?....................... conservas?.....................
6 ­ Qual o grau da instrução e organização social da população?
Alto?............................ médio?.......................... baixo?........................

122

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Há possibilidade de colaboração, presente ou futura, em favor da
obra médico-social, em projeto?.................................................... para
construção?............................. para manutenção?....................................
7 ­ É zona saudável?........................................ Quais doenças endêmicas?
.......................... O coeficiente de morbidade geral é alto?......................
médio?............................ baixo?.............................. Qual o número de
casos das doenças infecto-contagiosas, agudas, verificadas no ano
anterior na região a ser servida?.......................................... Número
dos casos de cirurgia geral?............................... Qual a mortalidade
geral do município nos três últimos anos? em 19........... em 19...........
em 19............. qual o índice de mortalidade por doenças infecto-contagiosas agudas?............................. Mortalidade infantil?.......................
Quais os coeficientes, discriminadamente, para as diversas causas
d e mortalidade? (juntar uma relação ou qualquer trabalho publicado)..................................................................
Quantos nati-mortos
no ano anterior?........................... Total de nascimentos no município,
nos três últimos anos, discriminados por ano em 19......... em 19..........
em 19...........
8 ­ Assistência médico-social: citar hospitais e enfermarias ou clínicas
isoladas com leitos, existentes na localidade, sendo: Gerais: nomes;
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
Especialidades: nomes: ...........................................................................
..............................................................................................................................
Total de leitos existentes para clínica médica nessas instituições?
.................................. para cirurgia?........................... para suas especialidades, quais e quantos?........................................ para obstetrícia?
.................................. número de berços?................................. para
pediatria?................................ para tuberculose?................................
para doentes mentais?.......................... nervosos?.......................... para
doentes de lepra?............................... para crônicos?.............................
para outras especialidades, discriminar:....................................................
...............................................................................................................................
9 ­ A localidade tem estação de telégrafo?.................. de rádio?..............
rêde telefônica local?.................... está ligada à rêde telefônica regional ou geral?........................ Quais as estradas de ferro que chegam até
à localidade?........................... Que servem à região?................... Tem
auto-estradas?............................ Estradas de rodagem?.......................
É servida por vias fluviais ou marítimas?................................................
Existe linha de aviação comercial, servindo à localidade?......................
............................ Que outras facilidades ou meio de comunicação e
transporte?...................................... qual a distância às três cidades
mais próximas?.........................................................................................

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

123

Nomes e distância de cada.....................................................................
Distância da capital do estado? Kms.?..................................................
Horas, e via?.............................................................................................
10 ­ Para núcleos de população até 20.000 habitantes: Ambulatórios
simples, sem leito, existem na localidade?...................... Dispensários?
....................... gerais?...................... que especialidades?...................
quantos leitos para cada?........................ Quantos gabinetes de Raio X
na localidade?.................. sendo particulares?.................... de instituições?.................. qual o potencial dos principais?................. Quantos
laboratórios clínicos?..................... anátomo-patológicos?...................
Quantos médicos existem no lugar?............................ no município?
.................... na região?.................. clinicando, quantos?..................
Nome e especialidade de cada um: (juntar relação em separado).
Quantos enfermeiros diplomados?................... Quantos licenciados ou
práticos?.................. quantos farmacêuticos?: diplomados?.................
licenciados?................ quantas farmácias?.................. particulares?
................. de instituições?....................
D ­ SITUAÇÃO DO TERRENO DESTINADO AO HOSPITAL
(Sendo vários os terrenos indicados à escolha; para cada um,
separadamente, deverá ser respondida esta parte do questionário)

1 ­ O local é aprazível?......................... boa ventilação?........................
boa insolação?.......................... ausência de ruídos?.......................
ausência de insetos?...................... de poeiras?....................... de fumaça?..................... de outras novidades ou vizinhança incômoda?
.......................................
2 ­ Está no centro da cidade?........................................ em bairro residencial?................... comercial?...................... industrial?...................
subúrbio?...................... em zona rural?........................
3 ­ É de fácil acesso para os doentes?......................... para os visitantes?
quais os meios de condução?.................................................................
.......................................
Qual a distância do centro urbano?...........................................................
4 ­ Sua distância dos centros comerciais de abastecimento de gêneros
alimentícios?.................................................... Há facilidade para o
abastecimento dágua?.......................... distância do local a construir
até à rède geral de água potável?............................. distâncias para
abastecimento próprio, de rio?..................... de nascente?....................
de poços?...................... será necessário prévio tratamento da água?
.................... qual?.................. (Fornecer análises).

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

124

5 ­ A localidade possui rède de esgotos?........................ Distância entre a
rêde e o local da construção?........................... Distância do local até à
rêde de luz elétrica?....................... à de energia elétrica?....................
à do gás?...................... à de linha telefônica? É preferível instalação
própria?........................... geradora de fôrça e luz?.............................
Quais? ......................................................................................................
6 ­ Área do terreno em aprêço: total em m2 ou hectares?............................
forma e dimensões:.............................. Qual a área plana, aproveitável para as construções?............................ O terreno é acidentado?
......................... é consistente?......................... arenoso?.....................
argiloso?...................... calcáreo?....................... é sêco?......................
alagadiço?......................... de atêrro?..........................
NOTA: ­

Juntar planta com curva de nível, indispensável, do terreno, de metro em metro, caso já exista, ou um croquis,
aguardando-se o levantamento referido. Será também
indispensável determinar na planta ou croquis, de cada
terreno, a linha Norte-Sul. Como simples sugestão, traçar
a lápis, no ponto que pareça conveniente a figura do
prédio a construir; a melhor posição de frente, atendendo
às relações mais indicadas com as ruas principais, estradas ou prédios próximos, obedecendo os preceitos urbanísticos, enfim. Êste primeiro estudo poderá ser alterado.
E ­ CONSTRUÇÃO

1 ­ Há facilidade de aquisição de material de construção, como seja:
saibro?.................... areia?........................ pedra?.................... tijolos?
............................ telhas?.......................... madeira?..........................
cal?............................ cimento?......................... ferro?.........................
No local?......................... no município?......................... fora? a que
distância aproximadamente?.................................. qual o transporte?
........................................
NOTA: ­

Juntar uma lista de custo médio dêsses e outros materiais
necessários para a construção, em estudo. Preços no
local da obra.

2 ­ Há facilidade de mão de obra para construção?......................................
Qual o preço na base do m2 de piso de área construída, em obra
de alvenaria, incluindo material e mão de obra, para prédio de um
pavimento: Mínimo: Cr$......................... Médio: Cr$...........................

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

125

Máximo: Cr$......................... Para prédio de dois e très pavimentos?
......................... mínimo: Cr$..................... médio: Cr$......................
máximo: Cr$.............................
3 ­ Há arquitetos residentes na localidade?......................... Construtores?
............................ Citar as principais firmas construtoras, locais:
..................................................................................................................
..................................................................................................................
Há oficinas competentes, quais?.............................................................
Ordenados Cr$............................... salário Cr$...................................
trabalhadores Cr$..................................................................................
NOTAS COMPLEMENTARES: ....................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................
Local e data: .........................................................................................
Assinatura do construtor ou técnico que fèz a inspeção:
..................................................................................................................
Assinatura do informante
CONCLUSÕES
1 ­ É aconselhável a construção do hospital desejado, como está ideado,
em face dos dados colhidos?....................................................................
2 ­ Qual deve ser a denominação mais característica e qual a especialidade do nôvo hospital?......................................................................
..................................................................................................................
3 ­ Qual o plano, em linhas gerais, da sua edificação, instalação, equipamento, organização médica e administrativa e assistência geral?
..................................................................................................................
Observação: ­ Junte-se um relatório datilografado, o mais completo possível. Só em vista dèsse relatório e dos dados dêste
Questionário, será possível iniciar o estudo das plantas, a começar por esboços, que devem ser analisados conjuntamente
pelo arquiteto, pelo consultor hospitalar e pelos interessados
pelo projeto. Só depois, por fim, será feito o projeto: plantas
e especificações, a serem aprovados pelas autoridades competentes.
Data e assinatura da Comissão dos técnicos e interessados:
..................................................................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................
..................................................................................................................

INSPEÇÃO DE HOSPITAIS
A visita ou "survey" feita periòdicamente, pelos Inspetores hospitalares,
especializados, às instituições, constitui a base para o progresso da organização e
administração hospitalares e para-hospitalares. Há que se distinguir: sugestões e
exigências em cada laudo ou relatório de inspeção. (*)
1 ­ O hospital deve ter entradas separadas, sempre que possível, uma para
médicos, administração e visitas; outra para doentes e acompanhantes;
e outra para os serviços. Três entradas pelo menos.
2 ­ Os hospitais devem ter quartos particulares, semi-particulares, e
receber doentes contribuintes de 1ª classe e classe média, inclusive em
enfermarias especiais. É fonte de renda indispensável.
3 ­ As enfermarias devem ser de quatro (4), seis (6) ou oito (8) leitos no
máximo, permitindo assim, a separação para medicina e cirurgia e suas
especialidades, por sexo, idade, e segundo a gravidade dos casos.
4 ­ Quando o hospital receber parturientes, deve possuir essa seção
especial, separada. Pessoal diferente. Sala de parto. Isolamento para
infectadas. Salas para gestantes e puérperas.
5 ­ Pequeno laboratório clínico de rotina, inclusive para serviço externo
de contribuintes da clínica particular do município.
6 ­ Seção cirúrgica no mínimo, uma sala assética e uma sala sética. Sala
de: esterilização, arsenal cirúrgico, preparo dos médicos, repouso.
7 ­ Aparelho de Raio X para radiodiagnóstico (radioscopia e radiografia).
Também para terapêutica, em casos de certas instituições
especializadas. Igualmente para serviço externo, como fonte de renda.
Sala de negatoscopia anexa.
8 ­ Seção de fisioterapia; de eletricidade médica.
__________________
(*)

O que deve ser sugerido aos hospitais em 1944 ­ A indicação, em cada caso, deve ser ser
condicionada ao tamanho de hospital: pequeno (25 a 50 leitos), médio (51 a 150 leitos), grande
(151 a 500 leitos), grande (151 a 500 leitos) e extra ou especial (mais de 500 leitos) ­ Vide
"Classificação Geral" da D.O.H.

128

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

9 ­ Farmácia com pequeno laboratório para manipulação.
10 ­ Quartos para médicos e enfermeiros residentes ou plantonistas.
11 ­ Refeitórios para médicos, administração e acompanhantes e para doentes
crônicos e convalescentes e pessoal subalterno.
12 ­ Cozinha comum, convenientemente equipada, e instalação adequada para
dietética. Instalação de refrigeração ou simples geladeira.
13 ­ Reservatório dágua que satisfaça as necessidades do hospital por 48 horas
em caso de cessar o abastecimento. Seguro, previsão e aparelhagem para
extinção de incêndios.
14 ­ Instalação de banheiros e aparelhos sanitários, de acôrdo com a lotação ou
movimento geral do hospital. Em conexão com uma fossa ou estação
depuradora, na falta de rêde geral de esgôto da cidade.
15 ­ Necrotério com instalação anexa, equipamento especial para necrópsias.
Capela mortuária ou velório. Câmara frigorífica.
16 ­ Lavandaria mecânica ou lavagem manual, anexa ao hospital pequeno.
Incineração de lixo do hospital.
17 ­ Regular e permanente serviço de registo clínico. Ambulatório geral, e
sempre que possível separado ou afastado da entrada principal do hospital.
Ambulatórios especializados dependentes das respectivas clínicas, com
horários fixos. Fichário geral para o qual convergem no original ou cópia
tôdas as fichas médico-sociais. A mesma ficha de registos clínicos deve
servir tanto para doentes de ambulatórios, como para internados: Ficha
única de registo. Número que é o da primeira matrícula do doente do
hospital. Número geral. Cartões-índices por ordem numérica ou alfabética,
ou por ambas.
18 ­ Assistência médica diária para os doentes internados. Corpo clínico médico
e cirúrgico e de especializados, se possível. Como clinicar quando o clínico
efetivo da instituição presta serviços tanto médicos como cirúrgicos e de
especialidades. Livro ou ficha de registro individual dos Médicos, com
classificação, títulos, atribuições, etc.
19 ­ Serviço social para investigação sôbre os recursos do doente e da família
para a devida contribuição ou para dar-lhe assistência social, espiritual e
outras, inclusive amparo à família.
20 ­ Diretor ou administrador especializado, de tempo integral se necessário.
Administração residente em parte pelo menos, e bem organizada. Boletim
ou registo diário do movimento de doentes de

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

129

18 horas da véspera de meia-noite a meia-noite. (Veja modêlo da D.O.H.).
a)
b)
c)

Existentes no dia anterior
Entrados nas 24 horas
Saídos a saber: alta, transferência e óbito.

Discriminar para cada item, Sexo e lidade: Crianças ou Menor (até 14
anos) (Adulto) (Maiores de 14 anos).
Doentes-dia: Existentes na véspera mais entrados nas 24 horas,
menos saídos no mesmo período, igual a doentes-dia ou número de doentes
que passam para o dia seguinte. Contam-se, a mais, os que entram e saem
dentro de cada período de 24 horas. Exemplo: os que permaneceram horas
apenas internados.
21 ­ Corpo de enfermeiros: impossibilidade de ter tôdas diplomadas no mínimo
uma para cada Chefe ou Instrutora (tipo Escola Ana Néri); pelo menos
Auxiliares de Enfermagem com curso ou atendentes licenciados. Serventes
ou outros auxiliares em número proporcional à capacidade de serviços
clínicos do hospital, para atenderem dia e noite, com regime de plantão.
22 ­ Secretaria: Nos menores hospitais, uma môça no mínimo, que faça também
os registos nas fichas clínicas. Contabilidade: Pelo menos é indispensável
um Guarda-livros, remunerado parcialmente que seja, que servirá de
Procurador, auxiliar na gerência interna e externa, e que deverá manter a
escrituração da receita e despesas rigorosamente em dia.
NOTA: ­ A D.O.H. fornecerá diretamente à instituição que solicitar por
escrito, informes complementares, instruções especiais e modelos para cada
item ou assunto tratado neste trabalho.

COMO SE OBTÉM O CUSTO DO "DOENTE-DIA"
OU "PER-CAPITA"
Obtém-se, dividindo a despesa total de funcionamento ou manutenção
correspondente sòmente a doentes internos, no trimestre, semestre ou ano, etc.,
pela soma dos "doentes-dia" do mesmo período, resultantes dos "Boletins
Diários" do movimento de Doentes ou dos Boletins mensais.
No "per-capita" deve ser declarado se foi excluído ou incluído o número de
lactentes ou recém-nascidos ainda no bêrço ou berçário.
Exemplo:
Total da despesa do funcionamento com Doentes
Internos (ano)..................................................
Número de Doentes-Dia.......................................
(Internos-ano).................................................
Número de diárias de lactentes.............................
Soma:.........................................................
Custo do doente-dia, excluindo lactentes,.............
Cálculo: Cr$ 207.510,00 = 26.508 y 7,82.......
Custo do doente-dia, incluindo lactentes..............
Cr$ 207.510,00 + 28.422 = 7,30......................

Cr$
207.510,00
26.508
1.914

­­­­­­­­­­­­­­­­­­

28.422
7,82
7,30

Não devem ser incluídas as despesas com doentes externos ou de
ambulatório.

RELAÇÃO DO QUE É DESPESA COM CUSTEIO OU
CONSUMO OU DE FUNCIONAMENTO OU
MANUTENÇÃO DA INSTITUIÇÃO
Não devem ser incluídas aqui as despesas com construção, obras novas,
reformas de instalação e equipamentos novos.
DESPESAS C/ PESSOAL E MATERIAL

1)
2)

Administração e Escritório................
Dietética: Alimentação, Cozinha, Copa,
Combustível, Gás, Energia Elétrica..........

TOTAL

DESCRIMINAR

Cr$
­­

Internos
Doentes
Cr$
­­

Externos
Doentes
Cr$
­­

­­

­­

­­

132
3)

4)

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Serviços Domésticos e nas Propriedades. ­
Lavanderia,
Rouparia,
Utensílios,
Aquecimento, Refrigeração, Luz, Fôrça e
Água. ­ Conservação e reparos em geral.
Carros-motores,
inclusive
ambulâncias,
Impostos, Taxas, Seguros, Depreciação de
equipamento e utensílios (10% por ano)............
Serviços profissionais: Médico-Cirúrgicos. ­
Serviço Social. Medicamentos e Produtos
Químicos. ­ Artigo de uso médico em geral. ­
Diversos, de consumo. Enfermagem. Ensino de
enfemagem, Uniformes, Vestuários, Diversos,
Fichário, Livros e Publicações. ­ Discriminar:
com Radiologia, Laboratórios. Serviço de
Obstetrícia,
Farmácia,
Cardiologia,
Metabolismo, Fisioterapia, etc. Nota: ­ Incluir
custo de Pessoal para todos serviços, e gastos
em geral com material, inclusive proveniente
de donativos........................................................
Soma: ..........................................................

­

­

­

­
233.220,00

­
207.510,00

­
17.710,00

BALANÇO E BALANCETE
Verifica-se se houve lucro ou perda: superavit ou déficit, comparando a
receita (Rendas, Donativos, Subvenções, Juros, Dividendos, etc.) com a Despesa
com Funcionamento da Instituição em igual período.
2 ­ A Receita deve cobrir a Despesa; Lucros ou saldos devem ser aplicados
em ampliações e melhoramentos ou fundo de reserva especial. Os donativos são
escriturados com valores aproximados, tanto na receita, como despesa.
Todo e qualquer donativo ou subvenção, seja em dinheiro ou títulos; seja
em material, em gêneros alimentícios, equipamento, etc., deve sempre ser
escriturado depois da avaliação no momento.
3 ­ As despesas feitas com ampliações, construções ou obras novas,
aquisição de aparelhos e outras aplicações de fundos, rendas ou adquiridos a prazo,
etc., tudo que não seja para manutenção, custeio do funcionamento figura apenas
no balanço, mas não entra no cálculo para verificação do custo do doente-dia.

EVOLUÇÃO E PLANEJAMENTO HOSPITALAR

MODELO D.O.H.

Sexo
Masculino
SOMAR

DEDUZIR

SOMAR

85

X

15

X

100

X

48

X

52

Entraram em 24 horas
SOMAR

10

X

2

X

12

X

5

X

SOMAR

X

95

X

17

X

112

X

SOMAR

4

X

1

X

5

X

Transferências
SOMAR

0

X

0

X

0

Óbito

SOMAR

7

X

0

X

SOMAR

X

6

X

Passam, para o período
seguinte
SOMAR

X

89

X

SAIRAM

Altas

TOTAIS
DEDUZIR

DEDUZIR

Passaram do período
anterior
SOMAR

X 100

X

7

X

12

X

53

X

59

X 112

3

X

2

X

5

X

X

0

X

0

X

0

X

2

X

1

X

1

X

2

X

1

X

7

X

4

X

3

X

7

16

X

103

X

49

X

56

SOMAR

......................................
Assinatura

SOMAR

Sexo
Feminino

DEDUZIR

TOTAIS

SOMAR

DATA ......../......../........

CRIANÇAS
até 14
anos

SOMAR

NÚMERO ....................

ADULTOS
maior
14 anos

DEDUZIR

BOLETIM DIÁRIO

Movimento de doentes ­ DOENTES-DIA
Período de 24 hs.: de 1/2 noite à 1/2 noite
...................................
Serviço ou Enfermaria

DEDUZIR

NOME DO HOSPITAL
LOCALIDADE
Modêlo D.O.H.
D.N.S ­ M.E.S

Doentes que entraram e saíram ou faleceram no mesmo período de 24 horas
SOMAR
NÚMERO DE DOENTES-DIA.
Observações: a)
b)
c)

X 105
3

X
108

FORMATO DO PAPEL -- 14 cm. x 22 cm. ­ MARGENS: 1 cm.
Imprimir com os X nos quadrículos onde estão.
MODO DE USAR: Escrever os dados diários nos quadrículos sem
preocupar-se com os cálculos.
Depois de preenchido, fazer as somas e deduções.

......................................................................
Município

.........................................................................
Estado

1

O

/

3

4

3

/

2

2

/

4

5

/

5

6

/

6

8

/

7

9

/

8

4

/
6

/
7

/

9 10 11

4

/

12

5

/

13

3

/

14

2

/

15

1

/

16

9

/

17

4

/

18

2

/
1

/

20

1

/

21

6

/

22

7

/

23

8

/

24

9

/

25

1

/

26

6

/

27

4

/

28

2

/

29

8

/

30

3

/

31

145

30

Totais
Somas

NOTA: ­ Êste quadro não faz a apuração por idade e por sexo. Esta estatística se consegue diretamente dos "Boletins Diários" do período.

MÉDIA DIARIA DE DOENTES-DIA: ­ NUM PERÍODO DIVIDIDO PELO NÚMERO TOTAL DE «DOENTES-DIA» NO MÊS, TRIMESTRE DE DIAS DO PERÍODO
­ MÉDIA NO MÊS OU PERÍODO TAL.
MÉDIA MENSAL: ­ A SOMA DOS «DOENTES-DIA» NOS MESES DIVIDIDO PELO NÚMERO DE MESES
MÉDIA ANUAL: ­ A SOMA DOS «DOENTES-DIA» DE ALGUNS ANOS DIVIDIDOS PELO NÚMERO DE ANOS

«DOENTES-DIA»............

DOENTES
QUE
ENTRARAM E SAIRAM
DENTRO DE UM
MESMO PERÍODO DE
24 HORAS.....................

PASSAM
PARA
PERÍODO SEGTE.

ÓBITOS...................

TRANSFERÊNCIAS.....................

ALTAS....................

PASSARAM DO PE30
RÍODO ANTERIOR
ENTRARAM....................
5

DIAS DO MÊS.................

19

MOVIMENTO DE DOENTES TOTAL MENSAL DE "DOENTES-DIA" ­ MÉDIA DIÁRIA DE "DOENTES-DIA" ­ PERÍODO ESTATÍSTICO
DE 24 HORAS: PERÍODO DE MEIA-NOITE A MEIA-NOITE OU DAS 18 HORAS DA VÉSPERA ÀS 18 HORAS DO DIA, TAMBÉM
CHAMADO CENSO DA MEIA NOITE OU DAS 6 HORAS DA TARDE

.......................................................................
Localidade

MÊS.....................ANO................... (Modêlo da Divisão de Organização Hospitalar) ­ D. N .S ­ M. E .S

BOLETIM
MENSAL

.......................................................................
Nome da Instituição

SAIRAM

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

ESPECIALIZAÇÃO
NA MODERNA
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

Capítulo

3

INTRODUÇÃO
Prosseguindo na execução de um programa nacional que visa difundir, em
todo o país, o conceito da mais moderna assistência médico-social,
particularmente, com o fim de implantar, de Norte a Sul, a mais moderna
organização e administração hospitalares, consoante a sua diretiva atual,
especializada, vamos distribuir mais esta "publicação" de n.º 3, a todos os
hospitais do Brasil e às instituições para-hospitalares, e aos interessados, em
geral, pelo problema e por esta campanha, colaboradores, que somos todos, da
mesma obra.
Estamos vencendo a primeira fase, a mais difícil, em que a cooperação não
foi satisfatória, à míngua de especialistas, que hoje já vamos tendo; e em que o
terreno trabalhado pela rotina ou mal preparado, era ainda impróprio para uma
realização uniforme e ampla, como se deseja.
O segundo qüinqüênio, a seguir, se não advém qualquer solução de
continuidade deverá ser o período da vitória, com a formação definitiva de uma
nova consciência entre nós, objetivada no que se convencionou chamar: o
"hospital moderno", hospital para todos, oficina específica, suntuosa ou modesta,
que permita o bem estar do doente e o exercício técnico da profissão médica e a
prática integral da medicina científica e das especialidades.
A Assistência Hospitalar primitiva evoluiu para a Organização e
Administração Hospitalar, no seu nôvo conceito, através da especialização
autodidática, e daí passando à sistematização, pelo intercâmbio de conhecimentos,
através de publicações, e nas convenções; resultando e atingindo, por fim, a
padronização. A mesma evolução e aprimoramento se observou quanto à
Enfermagem técnica, que é agora profissão especializada e definida, e que ontem
era apenas o cuidado, caridoso ou mercenário, que se prestara ao enfêrmo.
A organização, a administração hospitalar de um país ou de uma
comunidade, assim como a organização e administração de um hospital,
constituem hoje uma especialidade completa, característica, com métodos
estabelecidos, normas padronizadas, conceituação firmada em livros e revistas,
que formam já uma bibliografia, à parte. Transformou-se dêste modo um velho
ofício em uma nova profissão técnica.
As inspeções, tipo, "survey" dos americanos, que médicos especializados,
nossos primeiros "consultores hospitalares" estão realizando em todo o país,
anualmente, há cêrca de um lustro, e levando a todos os

138

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

quadrantes as novas idéias; os quatro cursos de especialização e aperfeiçoamento
sôbre o complexo hospitalar, a que prestamos contribuição e orientação, e que já
formaram centenas de especialistas da nova especialidade; as instruções, modelos
e normas que a D.O.H. já criou ou adaptou; as publicações feitas, e a cooperação
dada até ao presente às instituições particulares e de govêrno, diretamente,
sobretudo dezenas de estudos e plantas de hospitais novos ou de reformas,
fornecidos por nós, grátis, para tôdas as regiões do país; estas e outras atividades
representam uma soma apreciável de esforços coletivos a bem dessa
especialização e para o reconhecimento desta especialidade.
Dia a dia, se verifica sensível e crescente interêsse por êstes assuntos, que
estão grangeando a simpatia, tanto das instituições, como dos profissionais, o que
significa uma segura garantia dada ao plano da grande rêde nacional de
hospitais, orientado nos moldes mais modernos, e que foi estudado pelo serviço
oficial federal, desde o censo e cadastro hospitalares, distribuição de leitos para
cada região até à criação dum tipo de hospital-padrão, progressivo e flexível, já
hoje em construção em várias localidades.
Será obra de cooperação, presente e futuro, de interêsse muito mais das
comunidades do que de governos. E os cooperadores, felizmente, já se
multiplicam, instituições e particulares.
Além da contribuição oficial, se encontra, nesta mesma publicação,
exemplo excelente da colaboração voluntária: as lições do Professor Dr. Ernesto
de Sousa Campos, que é mais do que um cooperador, porque está entre os mestres
e pioneiros das modernas realizações hospitalares brasileiras, como autor de
trabalhos publicados e de alguns dos principais planos e projetos dos maiores e
melhores hospitais construído e em construção, em nosso país.
Editando, em resumo, estas autorizadas aulas, algumas apenas do valioso e
copioso memorial que dariam os noventa pontos do Curso, que periòdicamente é
confiado a um grupo de seletos professôres, julgamos estar contribuindo,
decisivamente, para apressar a nova era que se anuncia, com tão bons augúrios.
Prestamos, ainda, mais uma homenagem ao citado mestre e patriota que,
com sacrifício de atividades particulares e do magistério em São Paulo, acedeu,
entre outras notáveis obras voluntárias, ao convite oficial para vir colaborar nêsse
Curso especial, "sui-generis", que serve tanto ao preparo técnico ou ao Ensino,
como ao idealismo, em pról de uma campanha, que é verdadeiramente de interêsse
nacional.
Dezembro de 1945.
THEOPHILO DE ALMEIDA

Á ASSISTÈNCIA HOSPITALAR E UM PLANO NACIONAL
PARA SUA ORGANIZAÇÃO NO BRASIL
Pelo Dr. Theophilo de Almeida (*)
Conferência pronunciada em Santos por ocasião da inauguração do
nôvo Hospital Geral da Santa Casa, em 2 de julho de 1945 como parte
do Programa Oficial (**)
Quando, ainda há poucos dias, recebí o atencioso convite para comparecer à
inauguração dêste novo e grandioso hospital, fui surpreendido com a incumbência,
assás honrosa, de vir realizar aqui uma conferência, já incluída no programa das
solenidades, confesso sinceramente que hesitei em dar a resposta decisiva, entre
lisongeado com a escôlha e receioso de não corresponder, pessoalmente, à
distinção, nem à magnitude do acontecimento.
Considerei, entretanto, que muito mais do que a mim, particularmente, essa
designação constitui homenagem direta ao serviço federal especializado que
represento, do Ministério da Educação e Saúde, ao qual incumbe a coordenação, a
cooperação e a orientação para as soluções do intrincado problema da assistência
médico-social em nosso país.
Não poderia, dêste modo, furtar-me à honraria, sem quebra do cumprimento
do meu dever, mas não sei, também, como agradeça esta generosa e distinta
oportunidade, que ora se me oferece.
***
Êste hospital geral modèlo, que hoje se inaugura, representa mais do que
uma obra secular de benemerència, já de si notável entre as que mais o forem pelo
favor da caridade e da filantropia e assim igualmente, em pról dos progressos da
medicina e da assistência social.
__________________
(*)
Diretor da Divisão de Organização Hospitalar do D.N.S. ­ Ministério da Educação e
Saúde.
(**)
(Vide "Revista Médico-Social" de S. Paulo, ns. 24 e 25 de 1945).

140

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A mais feliz coincidència de um caprichoso determinismo histórico reune
em esta mesma entidade hospitalar, através uma longa tradição de quatro séculos
de serviços inestimáveis: a primazia de antiguidade, no passado, e a vanguarda de
modernismo, no presente.
A sua existência acidentada, porfíosa e já hoje plenamente triunfante, corre
parelha, no tempo, com a própria vida da nacionalidade: quatrocentos anos!
Êste hospital constituiu o élo-fêcho de uma cadeia, e é uma síntese e um
símbolo.
A sua evolução reflete a mesma história de milènios que nos conta os
motivos e o progresso da Assistência, envolvendo tôdas as modalidades da prática
do bem e da solidariedade no sofrimento.
O Cristianismo organizou e animou essa assistência, desde as diaconias,
ainda no tempo dos Apóstolos, até esta obra aprimorada e ampliada de nossos dias,
que refulge no "hospital moderno" e na assistência modernizada ao indigente, ao
desajustado social, a todo o necessitado; também devida à assistência pública ou
oficial, como à particular ou voluntária.
Desde o albergue, o abrigo, o asilo, o hospício, do ambulatório à clínica até
à estância de cura, à enfermagem técnica e ao tratamento científico, ao hospital,
enfim; todo êsse conjunto de instituições, por nós denominadas para-hospitalares, e
hospitais, guarda na sua vária exteriorização e no seu íntimo, a mesma essència dos
mais nobres sentimentos humanos, que aqui vive e palpita na história de centúrias
desta muito heróica Santa Casa de Misericórdia de Santos, já tão prestigiosa ao
nascer, em 1943, que deu o nome a esta cidade!
Nobilíssima criação a que Braz Cubas insufluou o primeiro alento e que os
seus atuais benfeitores, honrando todos os continuadores da obra pregressa,
dignificaram e sublimam nestas metamorfoses esplêndidas, cujo apogeu ora
festejamos.
Congratulo-me com todos os beneméritos autores desta realização, na digna
pessôa do ilustre Provedor, Snr. Benedito Gonçalves.
AS MISERICÓRDIAS E SANTA CASAS
As Misericórdias do Brasil, como as de Portugal, obras de fé, organizações
piedosas admiráveis para sua época, e ainda no presente, vêm sendo estudadas,
com dedicação e maestria por pesquisadores incansáveis, e entre èles por Souza
Campos, (º) glória do professorando paulista, aqui presente. Não seria azado o
momento, para maior dissertação a respeito.
__________________
(*)
Leia-se a "História e Evolução dos Hospitais", pelo Prof. Dr. Ernesto de Souza Campos ­
Publicação N.º 1 do D.O.H. ­ D.N.S. ­ Ministério da Educação e Saúde.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

141

Cumpre registrar, de passagem, que entre nós, desde os pródromos da
nacionalidade, elas influiram na formação sentimental e social de nosso povo;
beneficiaram a saúde e favoreceram, primacialmente, a observação e o ensino
médico.
Elas espelham virtudes excelentes de nossa raça, provindas de nossos
ancestrais portuguêses. Como motivo religioso, político ou simplesmente "casa de
caridade", sobreviveram como nenhuma outra instituição nacional.
Pelo que registam as cartas de Anchieta e as petições e alvarás de licença, as
primeiras Misericórdias, e assim as Santas Casas das Capitais litorâneas, situavamse nos portos para socorrer o mar e a terra, o navegante e o aborígene; e abrigavam
e hospedavam a asilavam ou davam agasalho e alimento; distribuiam a esmola e
curavam os enfermos.
A sua localização, parece, obedecia à primitiva finalidade da assistência ao
viajante, a hospitalidade, de que se originou, em Jerusalém no tempo das Cruzadas,
a instituição assistencial denominada mais tarde, hospício e hospital, conservando
sempre o radical significativo de hóspede e hospedagem. Foi o mesmo objetivo
que, em outros meios, na Norte América, por exemplo, criou não só a assistência
curativa, como a preventiva, como se infere da história da Saúde Pública,
destinada, de início, a servir a marinheiros e até há poucos anos, naquêle país
admirável e original, conservador e ultra-progressista, subordinada aos
departamentos oficiais da Marinha.
As Misericórdias, no seu complexo, revelam o mais perfeito esquema de
organização da assistência médico-social, segundo ainda o mais moderno conceito,
embora cada setor diferenciado nelas se apresente, no passado, (e ainda, em parte,
no presente), sob a forma embrionária, em relação à sistematização e aos
desenvolvimentos atuais.
As Santas Casas constituem a sua expressão mais evoluída: e o exemplo
máximo é esta que rejuvenece, moderniza, em nova sede, aparelhada para prestar
não uma caridade incompleta, e, às vèzes enganadora de certas Misericórdias
obsoletas, mas para assistir convenientemente o indigente e o afortunado, e
também para prestar a assistência clínica, técnica e científica, a tôdas as classes
sociais, igualmente, e como convêm. Hospital geral e hospital para todos.
Não deve haver uma medicina para o rico e outra para o pobre: como já não
há cirurgias diferentes. Claro é, entretanto, que o indigente merece aqui uma certa
preferência, dada a finalidade dessas casas santas.
***
Por muitos motivos, de muito acèrto foi a deliberação da atual
Administração superior da Misericórdia de Santos, no promover esta celebração
faustosa, de caráter nacional, com a presença do Presidente da República, do Chefe
do Govêrno estadual, e das mais altas autoridades, e

142

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

de pessoas gradas, além de figuras das mais representativas do meio médico e das
profissões ligadas à finalidade da instituição, que todos aqui vieram partilhar desta
festividade.
Era mister realçar êste memorável acontecimento, porque êste nôvo hospital
geral é um paradigma, e, também, um exemplo de realização. Afeiçoado aos mais
modernos preceitos da arquitetura especializada, tanto quanto foi possível, acha-se
instalado e equipado, satisfatòriamente, apesar dos óbices e das restrições do tempo
de guerra. Foi organizado, com a técnica mais cuidada, que exige o padrão que se
convencionou chamar: o hospital moderno, sob a orientação uniforme de um
diretor-administrador especializado, escolhido e designado com longa
antecedência, como deve ser; e que é o Dr. Odair Pedroso, afeito de há muito ao
convívio das atividades médico-sociais, com sólidos conhecimentos da nova
especialidade, abeberados no mais adiantado centro do progresso hospitalar do
mundo.
Benvindo seja o nôvo hospital com êstes e outros privilégios e
aprimoramentos, que ainda mais exaltam o valor da realização e a benemerência
dos seus realizadores, instituição que renasce, a mais nova e a mais antiga, que
ressurge, brotando do velho tronco, como a vergôntea principal, viçosa, cheia de
seiva, de promessas e garantias para a mais esplêndida frutificação.
A SITUAÇÃO: ­ CENSO E CADASTRO HOSPITALARES
Façamos desta celebração mais uma efeméride marcante e decisiva de uma
nova era que se afirma. Êste hospital significa, de modo excepcional, a
confirmação de um precedente, que é incentivo de progresso e desafio, às velhas
Misericórdias das grandes cidades.
Foi, assim pensando que, para corresponder a tão honroso convite, preparei,
pressurosamente, esta contribuição que é, ao mesmo tempo, específica e
congratulatória. Elegí, igualmente, esta oportunidade, e esta elevada tribuna, que
traz em si a fôrça convincente de uma efetivação, a fim de apresentar, em público,
pela primeira vez, embora sumàriamente, através de dados positivos ainda inéditos,
a expressão da situação da assistência hospitalar do Brasil, e também as linhas
mestras de um programa, já em prosseguimento, pretendendo a solução do vasto e
complexo problema da assistência médico-social, em todo o território nacional.
Nenhum ensejo se me afigurou mais apropriado, para lançar a semente;
nenhum outro ambiente mais propício para uma consulta e para um julgamento. É
mister assinalar que vivemos em um país que ainda não dispõe ou não se serve,
satisfatòriamente, das estatísticas e em que os problemas dos mais complexos
embora do maior interêsse, são objeto de discussões acadêmicas intermináveis,
girando em tôrno de fatos iso-

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

143

lados ou de hipóteses ou de cálculos aproximados, sem base sólida, que seja
firmada em dados insuspeitos ou colhidos com a devida precisão.
Há mais de vinte anos que, no seio das sociedades sábias ou de interêsse
profissional, na imprensa diária ou especializada, se agita entre nós o tema, assás
debatido, da falta de hospitais, da carência de leitos, da precariedade ou
insuficiência da assistência pública nas grandes cidades e nos rincões mais
afastados, esquecidos ou não visitados, dêste imenso país.
Salvo esfôrço isolado, mal aproveitado às vêzes ou uma ou outra elaboração
regional ou de maior vulto, tal como a obra notável que se empreendeu em S.
Paulo, sob a orientação do Professor Pusch, com uma pleiade de dedicados
colaboradores, planejada e tentada ao mesmo tempo em Minas Gerais, com uma
legislação anterior e excelente, nunca se procurou saber qual a situação real dos
recursos e falhas da hospitalização no país, em todos os Estados e Territórios, de
Norte a Sul, com o fim de remediar.
O serviço federal, criando em 1941, a nosso cargo, a Divisão de
Organização Hospitalar, cuja denominação realça o "hospital", mas abrange tôda a
finalidade médico-social, realizou o primeiro Censo e Cadastro hospitalares levado
a efeito em todo o BRASIL com orientação especializada, o primeiro de que se têm
notícia realizado, até então, em qualquer outro país, como "SURVEY" geral,
sistemática, executado exclusivamente por médicos, com instruções especiais, que
visitaram tôdas as localidades onde havia hospitais e que inspecionaram tôdas as
instituições, preenchendo "in-loco" uma ficha completa, com mais de duzentos
itens, referentes a edificações, instalações, equipamento, administração,
funcionamento, finanças e assistências. O trabalho durou vinte meses, decorrendo,
aproximadamente, três anos até o término da sua apuração e crítica. Todo êle
planejado e executado sob nossa direção.
Do resultado de cada inspeção se fêz o "prontuário" de cada instituição, o
qual, além da ficha cadastral correspondente, reune dados, publicações, exemplares
de tôdas as fórmulas em branco usadas no hospital, plantas, relatórios, fotografias,
expedientes, laudos de novas inspeções, etc.
Esses "dossiers" estão sendo, sempre que possível, atualizados, ampliados,
enriquecidos dia a dia.
Foram recenseados, diretamente, 1.234 hospitais, que acreditamos eram
quantos existiam; gerais e especializados, santas casas e casas de saúde;
estabelecimentos oficiais e particulares, militares e civis, filantrópicos e religiosos
ou os de caridade; de finalidade não lucrativa e de finalidade lucrativa, enfim,
inclusive hospitais especializados para doentes mentais e nervosos, para
tuberculose e para lepra. Não se incluem neste transunto de estatística, os dados
referentes a clínicas isoladas, enferma-

144

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

rias independentes, ambulatórios e dispensários, e outras instituições parahospitalares.
Para execução de um programa de assistência médico-social êsse cadastro e
censo constituiam um ponto de partida indispensável, como referência para futuros
confrontos.
Vejamos alguns algarismos, os principais, entre as numerosas cifras
apuradas, que respondem às centenas de perguntas do questionário, afora outros
informes complementares.
Verificou-se um total de 116.669 leitos do qual, para nervosos e doentes
mentais, 84 instituições, com 24.322 leitos; para tuberculosos, 64 instituições e
5.561 leitos; para doentes de lepra, 35 instituições, na maioria hospitais-colônias,
com 18.345 leitos. Mentais, tuberculosos e doentes de lepra somam 48.228 leitos.
Os Hospitais Gerais, em número de 885, têm 60.167 leitos; 54 maternidades,
funcionando com 2.126 leitos apenas; Hospitais de crianças, 31 com 1.814 leitos;
81 hospitais diversos a saber: de isolamento, pronto-socorro, otorrino,
convalescentes, etc., compreendendo 4.334 leitos. Total: 68.441 leitos, afora
tuberculose, lepra e doenças mentais.
A estatística é específica e foi apurada para cada tipo de hospital ou
especialidade; e bem assim o número de instituições e de feitos, por Estado ou
Território, resultando de tudo os totais nacionais.
Salienta-se, por exemplo, que S. Paulo possui 310 hospitais ou 25% do
citado total geral, que é de 1.234 hospitais, de tôdas as finalidades.
Dos 885 hospitais gerais de todos os Estados e Territórios, encontram-se em
S. Paulo 206 ou 23%. Em média, de 25 a 30% dos hospitais e leitos
correspondentes, se acham em S. Paulo.
Assim, dos 116.669 leitos gerais inclusive mentais, tuberculosos e doentes
de lepra, 36.075 se acham em território paulista ou 30%.
Dos 5.561 leitos para tuberculosos, existentes no Brasil, 2.508 foram
recenseados no Estado de S. Paulo ou 45% do total nacional.
Mostremos, em rápida sinopse, a situação de hospitais e leitos gerais dos
Estados, com relação às populações, afora mentais, tuberculosos e lepra, que
constituem problema à parte e por isso orientados separadamente pelos serviços
federais especializados do Departamento Nacional de Saúde.
Os dados que estamos resumindo, parcela mínima ou resultados finais de
uma estatística numerosa e complexa, que deverá ser publicada em breve, constam
da ficha institucional da D.O.H., que serviu de ficha cadastral, contendo 237 itens
compreendendo três seções: a) edificações e instalações; b) administração,
pessoal e estatística; c) finanças e assistências diversas; e que foi preenchida por
médicos oficiais que visitaram tôdas as instituições hospitalares então relacionadas,
existentes em todo o país, documentação que se acha arquivada na Divisão.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

145

Assim, dos 1.234 hospitais, são de construção antiga 646, e moderna, 588;
monobloco vertical e horizontal ­ 928, pavilhonar 238. Contavam-se nos hospitais
do Brasil 1.955 salas de operações e 517 instalações de Raio X; havia 621
farmácias e 479 laboratórios clínicos; 279 laboratórios microbiológicos; 66
anátomo-patológicos e 91 laboratórios que produziam soros e soluções injetáveis,
todos pertencentes às instituições.
Dispunham os hospitais de 297 lavanderias mecânicas, afora as utilizadas
por contrato com serviços particulares; havia 700 instalações para refrigeração,
desde as câmaras frigoríficas até simples geladeiras.
Dêsses nossos 1.234 hospitais, em tôda a República, 1.011 têm instalação
elétrica, 106 usam gás, de várias qualidades, e apenas 117 se utilizam de vapor ou
caldeiras; 148 nosocômios dispõem do carros térmicos, 204 têm elevadores e 161
possuem ambulâncias. Verificou-se que têm serviço regular de fichas clínicas ou
fichário médico 456 estabelecimentos; 613 ambulatórios ou serviços de doentes
externos existiam, mantidos por hospital.
A Administração de Religiosas existe em 526 instituições; capelas, 382;
agentes administrativos, assim denominados: Presidentes e Provedores 776;
Diretores e Administradores 696; Gerentes 91; Economos 185; Guarda-livros 356;
Escriturários e Datilógrafos 1.049; Artífices, Auxiliares e Trabalhadores 12.058.
As clínicas ocupavam, na data, 7.127 médicos efetivos, sendo de medicina
geral 2.323; fazem cirurgia, em geral, 1.855; e havia 305 dentistas em serviço nos
hospitais; 337 farmacêuticos diplomados em atividades e 587 práticos de farmácia.
Cumpre assinalar que numerosos outros itens não são aqui referidos, nem
mesmo em resumo, e que foram apurados.
Os 68.441 leitos, divididos por 1.051 instituições fornecem uma média de
65 leitos para cada hospital, do Brasil, e 16 leitos por 10.000 habitantes. Leitos de
hospitais gerais incluem os 885 hospitais gerais e 166 outras instituições afora
tuberculose, lepra e mentais.
Faltam-nos 34 leitos para cada 10.000 habitantes atendendo a que a média
de leitos, satisfatória para um país, deve ser 5 por mil habitantes ou 50 leitos por
10.000 habitantes, consoante os estudos mais autorizados, nos países mais
adiantados em organização hospitalar.
Resultou do censo e cadastro que, para cada 10.000 habitantes, nove
Estados contam com menos de 10 leitos, como média; Maranhão com 5 hospitais e
apenas 301 leitos a serviço de 1.242.271 habitantes, dispunha de 2 leitos para
10.000 habitantes; Goiás, a mesma média de 2 leitos; Ceará, 3 leitos por 10.000
habs.; Piauí, 5 leitos por 10.000, relevando, entretanto, notar que possui Teresina
um dos melhores hospitais e dos mais bem organizados do país; o Rio Grande do
Norte tem 5 leitos para 10.000; a Bahia 5; Paraíba 6; Espírito Santo, 8 leitos por
10.000. Lembre-se que

146

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

seriam necessários 50 leitos para 10.000 habitantes, afora mentais, tuberculosos e
lepra. Oito Estados e Territórios, contam com 10 até 19 leitos, por 10.000
habitantes, e são na ordem crescente do percentual: Acre, Sergipe, Pernambuco,
Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Paraná e Amazonas. Acima de 20 leitos por
dez mil habitantes estão as restantes unidades federadas: Santa Catarina, com 20
leitos por 10.000 habitantes; Mato Grosso 21; S. Paulo 22; Rio Grande do Sul, 29.
Especial referência se deve ao Distrito Federal: dispõe a Capital da
República de 59 leitos para 10.000. Excedendo a média de 5 por mil, que é
recomendada, quando se avaliam grandes núcleos de população, como um país ou
um Estado. A cidade do Rio de Janeiro apesar de 5,9 leitos por mil habitantes está
abaixo do índice que convêm a uma grande "urbs", ainda mais que é a Capital do
país, e que deverá ter mais de 7 leitos por mil habitantes ou melhor ainda ­ 10
leitos por mil ha-habitantes. As capitais exercem ação supletiva para a assistência
regional e a Capital da República para o Brasil.
A média de 5 leitos por mil consagrada pelos mais notáveis técnicos,
representa uma avaliação ou lotação satisfatória que oscila entre 7% no meio
urbano até 3% e mesmo 2% na zona rural, dependendo de estudo particularizado
de cada núcleo da população, se é mais ou menos densa, considerado o seu nível
social, e atendendo ainda à existência de certas endemias locais ou regionais, além
de outros fatôres: como indústrias locais, situação geo-econômica, fácil acesso, etc.
Não é oportuno entrar em minúcias, nem alinhar um sem conta de
algarismos e dados comparativos para caracterizar mais a situação hospitalar do
Brasil. A eloqüência dos números referidos e de muitos outros dados, devidos ao
censo, dispensa por momento mais longa demonstração sôbre a realidade
deficitária da assistência a doentes, em nosso país, em 1941-1942. E tudo isto
quanto à quantidade, e não se referindo à qualidade...
Dispomos de dados completos para cada item, por Estado e por município.
HOSPITAIS E ENFERMAGEM ­ PROFISSÃO ESPECIALIZADA
Não se atenua, com otimismo, por alegar que essa estatística foi colhida há
três anos passados, porquanto o ritmo do nosso progresso hospitalar não tem sido
mais rápido do que o do crescimento da população. Se acaso há hoje maior número
de leitos, aqui ou ali, também aumentou, com o tempo, a necessidade de atender a
maior número de habitantes.
Caso fôsse consôlo próprio mirarmos no espêlho dos males alheios,
diríamos que situações semelhantes, senão piores, afligem os demais países latinoamericanos, no que diz respeito à assistência hospitalar.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

147

Os mais recentes inquéritos nos Estados Unidos, mostram, também, que
mesmo lá, em vários Estados, regiões existem em que se mostra assás precária essa
assistência, em quantidade e qualidade, e o confirmam as mensagens especiais do
Presidente F. D. Roosevelt, durante a guerra, encarecendo a urgência no remediar
essa deficiência.
Graças ao censo e cadastro hospitalar por nós realizado, aos "prontuários"
sempre atualizados, que valem como o repositório, o mais completo, resultante das
visitas que, anualmente, fazem a grande número das instituições hospitalares e
para-hospitalares os nossos médicos-inspetores, especializados em organização e
administração médico-social, seja, diretamente, nos Estados do Rio de Janeiro, de
São Paulo e Minas Gerais, e no Distrito Federal, seja pela colaboração dos
inspetores médicos das Delegacias Federais de Saúde, nos demais Estados e
Territórios, inquérito permanente êste que confirma ou retifica e amplia informes
coletados da estatística anterior, podemos saber com bastante precisão, quais as
virtudes e quais as falhas de nosso aparelhamento hospitalar, e, desde os
Territórios, do extremo Norte, através todo o "interland" e no litoral, até os confins
limitrofes do Sul, em todo o país.
Foram construídos nos últimos tempos, no Brasil, ou já possuíamos,
grandes e pequenos hospitais de sólida ou magestosa edificação, até luxuosos
alguns; bem instalados e equipados, outros; oficiais e particulares, filantrópicos e
de caridade, nas capitais e mesmo em modestas cidades do interior.
Temos uma rêde modelar de instituições hospitalares especializadas,
colônias e sanatórios, construídas ou já em funcionamento, destinadas a doentes de
lepra e para tuberculoses e doenças mentais, obra notável do atual Govêrno da
República, e que se vai completando dia a dia.
A cooperação dos Estados em benefício do indigente e dos menos
favorecidos, e os frutos de uma legislação social federal assás avançada, se vêm
acentuando, com promessas maiores, concorrendo para o aparecimento de
fundações e donativos vultosos, instituídos pela filantropia, mercê da contribuição
privada.
Fôrça é confessar, entretanto, que enquanto a hospitalização especializada
mereceu cuidados especiais e verbas vultosas, a assistência hospitalar estava
relegada, pode-se dizer, inteiramente ao abandono, na quase totalidade dos
Estados, construindo mal ou não construindo, sem organização, sem orientação
sistemática, sem contrôle.
Sabemos, e é motivo de ufania para a Medicina Nacional, que médicos e
cirurgiões, mesmo nos lugares mais afastados e de recursos escassos, exercem a
profissão com dignidade e competência e, improvisam meios; ainda mais,
realizam, sem o necessário aparelhamento, verdadeiros milagres de técnica. Que
não fariam êsses nossos competentes e dedicadíssimos colegas se dispuzesem de
equipamento adequado, de assistência conveniente, e, sobretudo, de enfermagem
técnica?

148

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Onde não há hospital bem aparelhado dificìlmente haverá médicos, e bons
clínicos e especialistas. É na oficina conveniente que se formam ou se aperfeiçoam
os melhores técnicos.
Distribuídos por cêrca de quase um milhar e meio de instituições
hospitalares, um sem número de dedicados e decididos auxiliares de enfermagem,
com cursos rudimentares de emergência ou sem êles, leigas e religiosas, a serviço
do govêrno ou de particulares, aguardavam o desejado aperfeiçoamento
profissional e uma orientação técnica especializada.
Temos hoje um núcleo relativamente muito pequeno de enfermeiras
diplomadas, de alto padrão, formadas pela Escola "Ana Neri" e Escola "Luiza
Marillac de Enfermeiras", do Rio, Escola "Carlos Chagas", de Belo Horizonte e
"Escola de Enfermeiras" de São Paulo. No memento, duas novos Escolas estão em
formação: de Goiânia, e a mais recente, a de Niterói, já funcionando, entre outros
projetos alviçareiros.
Precisamos de várias novas escolas de enfermagem técnica, que, de início,
seriam em Manáus, no Recife, em Salvador, em Curitiba, em Pôrto Alegre, em
Cuiabá.
Junto de cada grande hospital deverá haver, no futuro, uma Escola de
Enfermeiras e, já no momento, pretendemos colaborar para maior difusão de
cursos de "Auxiliares de Enfermagem", obedecendo a um programa padrão, a fim
de que sejam aproveitados em qualquer parte do país, profissionais que se
habilitarem seja pela especialização, seja pelo aperfeiçoamento. Repito aqui, para
que fique bem conhecida a situação da Enfermagem:
As enfermeiras padrão "Ana Neri" são aproximadamente em número de 600
diplomadas, em todo o Brasil! Precisamos de 50.000 enfermeiras dêsse tipo; mais
ou menos, uma para cada mil habitantes, quando tivermos, no país, uma melhor
organização hospitalar e mais completa organização de Saúde.
Temos dedicados e esforçados Diretores e Administradores de hospitais,
leigos ou Religiosos, voluntários ou profissionais, como sempre os tivemos sem
cursos de organização hospitalar, produto de auto-didatismo, que pela sua
inteligência e pelo seu esfôrço e trabalho honesto, procuram conduzir, como
podem, a administração dos nossos hospitais. Cargos mais de confiança do que de
especialização e competências. Ainda não era a administração hospitalar uma
profissão definida ou uma especialidade técnica entre nós, e nem podia ser, à
míngua de exemplo de uma organização e de normas, neste particular. Qualquer
médico mais ou menos notável e outras pessoas cultas, mas sem tirocínio, serviam
para Diretor ou Administrador de tais estabelecimentos médico-sociais. Comprovao o nosso inquérito ou censo hospitalar e os registros anuais, realizados desde
1941-1942.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

149

Muda-se o govêrno ou a Administração, mudam-se os diretores de
hospitais, impedindo-se, assim, a formação da especialidade, além de outros
prejuízos... Êste mau hábito continua!
A administração de um grande hospital atendendo aos valiosos capitais
investidos e vultosos interêsses econômico-financeiros que encerra, é, sob vários
pontos de vista, comparável à gerência de uma fábrica de qualquer instituto
especializado, mais complexa que a administração de um grande hotel, com que
mais se assemelha e que requer conhecimentos sistemáticos, e uma competência
especialíssima. Em futuro, a Divisão e Administração dos hospitais deverá ser
confiada sòmente a profissionais especializados com Curso e tirocínio hospitalar.
Cumpre informar que alguns dos diplomados nos cursos federais de
organização hospitalar já se acham, ùltimamente, na chefia de serviços e na direção
de grandes hospitais, e a novidade, administração hospitalar, como profissão
técnica, provoca sensível interêsse e entusiasmo.
Bem diferenciadas são as atribuições específicas do Diretor-administrador,
que se não confundem com as do Diretor clínico, dos Diretores ou Chefes de
Enfermagem, da Dietética, do Serviço Social e de outros Serviços hoje
especializados, dentro do hospital.
O NÔVO CONCEITO HOSPITALAR
Para aliviar e resolver o problema hospitalar entre nós, que não é sòmente
programa de assistência social ou beneficiária dos Governos, senão uma campanha
de momentoso interêsse nacional, por tratar-se da saúde do trabalhador em geral,
elemento da produção, iniciamos há três anos uma atividade que, dia a dia, toma
nova feição, como serviço federal de cooperação e suplementação. Renovamos
aqui, como o fizemos sôbre enfermagem técnica, (*) a reafirmação de alguns
postulados que norteam esta campanha, como sugestões ou primícias de um
sistema que, confiamos, há de implantar-se entre nós, ao cabo de uns cinco ou dez
anos que sejam, e por tôda a vasta extensão do Brasil.
É mister repetir êstes conceitos, pela imprensa, pelo rádio, no seio das
sociedades sábias ou de classe, em nossas conversas de médicos, a fim de
apressarmos o preparo básico, do ambiente, o clima propício, e assim, a formação
da moderna consciência hospitalar, em todo o Brasil.
O hospital não deve ser mais, em nossa terra, "a casa onde se tratam
gratuitamente doentes pobres ou onde se agasalham pessoas pobres", conforme a
definição dos dicionários antigos ou que se lê até em edições
__________________
(*)
Vide Aula Inaugural, pelo Autor, sôbre "Evolução hospitalar no Brasil, ontem e hoje" ­
Publicação n.° 2 ­ Divisão de Organização Hospitalar, D.N.S. ­ M.E.S. 1944.

150

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

recentes, como a do próprio Petit Larousse, edição de 1944. Com pouco mais se
completaria, definindo: que é o hospital a casa onde se dá um tratamento pobre e
um agasalho mais pobre ainda ou doente pobre, consoante a pobreza da
instituição... Pôsto de miséria, e não hospital.
Há um vasto e complexo programa a realizar, visando igualmente: as
Edificações, as Instalações, Equipamento, Administração, Financiamento e
Assistências, com relação ao aparelhamento hospitalar e para-hospitalar.
Para fazer a verdadeira caridade, o hospital moderno não pode esperar só da
caridade pública, nem viver só de subvenções e de rendas patrimoniais, que já não
cobrem o custeio, sempre crescente e cada vez mais caro nas instituições
hospitalares. Só a prosperidade permite dar a assistência conveniente. A piedade
sòmente não supre, não excusa, nem basta para a assistência conveniente, nem
basta ao dever que tem o hospital com o hospitalizado. Não deve haver medicina
diferente para o rico e para o pobre.
Antes de tudo, o hospital representa uma organização econômica, que deve
ter rendas, e que até pode utilizar os recursos do crédito; a sua situação financeira
constitue o objeto da mais vigilante atenção do Conselho ou Mesa Administrativa e
de seu Diretor, Superintendente ou Administrador, no sentido do equilíbrio da
receita e da despesa.
Assim, aquêles que emprestam apenas o seu nome, por ilustre que seja, à
diretoria de um hospital ou em qualquer função, e não participam ativamente, e não
controlam e não auxiliam, de algum modo, seguindo esta orientação moderna, a
bem da manutenção e prosperidade do seu hospital, não fazem caridade, não estão
colaborando; estão prejudicando, impedindo o progresso da instituição que, desta
sorte, está abandonada, entregue a si mesma.
Durante o último triênio, somos parte ou testemunhas de um renascimento
que se estende por todos os Estados, em prol de novas construções hospitalares,
baseadas em projetos bem estudados, como deve ser.
Modernizam-se as Santas Casas, às dezenas, com a colaboração do Serviço
Federal, da Divisão de Organização Hospitalar e outras repartições especializadas
de Administração hospitalar, com a mesma orientação moderna, nos Estados.
Sòmente em 1944 atendemos, neste sentido, a solicitações de mais de 50
municípios para novos hospitais.
Não há leitos gratuitos, há doentes gratuitos. O custeio de todos os leitos
deve já estar previsto no orçamento e correspondente a certa receita. Alguém ou
algum recurso previsto pagará o leito. O tratamento do indigente ou do desajustado
social deve ser pago, na base do custo do doente-dia pela caridade ou pela
filantropia, pela contribuição social ou dos governos: municipal, estadual ou
federal. Não deve mais haver característica aviltante, que assinale a condição
humilde ou miserável do internado.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

151

Um menor índice de "ocupação" dos leitos, em vez de ser benefício é
malefício, porque os serviços técnicos e as despesas gerais são constantes.
Enfermarias vazias em hospital organizado constituem prejuízo... Aliás, pouca
freqüência, muita vez, significa desorganização e desprestígio do hospital.
A renda deveria servir para melhoramentos e ampliações, a bem de que seja
não só garantida a existência da instituição, como aprimorado o tratamento
adequado e o agasalho conveniente. Assim será, quando as despesas com o
indigente forem cobertas, como acabamos de propôr: paga "per-capita", por
doente-dia.

PLANEJAMENTO E CONSTRUÇÃO DE HOSPITAIS
A localização do hospital, no planejamento geral, deve ter merecido
exigência muitíssimo especial. Quem faz o programa é o Consultor Hospitalar e
quem o interpreta e o afeiçôa é o Arquiteto, de preferência especializado, sendo
ambos, necessàriamente, os autores do projeto. Hospital errado, ao nascer, é o
deficiente físico, cuja eficiência será prejudicada ou inutilizada, definitivamente...
Ainda para tais casos, a prótese e assás precária e caríssima...
As enfermarias devem ter a lotação de quatro (4), seis (6), ou oito (8) leitos,
no máximo; as grandes enfermarias existentes serão divididas, permitindo, assim, a
separação até individual, por leito, repartições para medicina, para cirurgia e para
especialidades, distribuição por sexo e por idade do doente, para atender à
gravidade dos casos aos interêsses sociais relativamente à maior renda.
Os hospitais são classificados em quatro tipos diversos: pequeno, 25 a 49
leitos, médios ­ 5 a 149 leitos, grandes ­ 150 a 500 leitos. Tipo especial como
Hospital de Clínicas ou de Ensino, até 1.000 leitos. Deverão satisfazer a um padrão
mínimo de exigências, já por nós definidas, adaptadas às condições brasileiras, e
não só a um padrão mínimo geral, como estabelecido alhures, mas um padrão
mínimo para cada tipo dos quatro classificados.
Assim por exemplo, um hospital moderno de tipo grande ou especial de
500 a 1.000 leitos ou mais, considerado, no seu todo, como um Departamento, terá
dez Divisões, que se subdividem em seções ou serviços diversos, com um
correspondente e numeroso corpo de executores, compreendendo o pessoal
médico, técnico e administrativo, inclusive auxiliares.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

152

O HOSPITAL COMO UM TODO
É êsse o hospital padrão máximo, considerado como um todo e que
abrangendo o complexo de suas atividades, compreende as dez seguintes divisões:
1)
2)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)
10)

Divisão Econômico-administrativa.
Divisão dos Serviços Auxiliares da Administração.
Divisão da Dietética.
Divisão da Admissão e Registos.
Divisão do Serviço Social.
Divisão do Serviço Clínico Central.
Divisão das Clínicas ou Corpo Clínico.
Divisão Auxiliar do Diagnóstico e da Terapêutica.
Divisão de Enfermagem.
Divisão dos Doentes Externos ou Ambulatórios.

A primeira e segunda divisões integram a Administração pròpriamente,
órgãos de acentuada autonomia, cujas atividades se estendem e se infiltram em
todos os demais setores. Além de renúncia à especialização para as funções
administrativas, ressentem-se os nossos hospitais, em geral, da deficiência e
mesmo da falta de escrituração regular. Sem contabilidade não se consegue o
contrôle, que é indispensável, em todos os domínios da administração; sem a
escrita de guarda-livros, sempre em dia, para o que oferecemos modêlo
simplificado, não se pode saber, mensalmente, ou periòdicamente, o custo do
doente-dia ou per-capita, base hoje consagrada, em tôrno da qual giram a boa
economia e o equilíbrio financeiro do hospital e de que depende a avaliação da
diária de cada tipo de doente e o custo dos serviços até a previsão orçamentária do
trimestre, do semestre ou do ano vindouro. Hospital sem escrituração regular, ainda
que seja de caridade, não merece a confiança do público, e não deve ser ajudado.
O dinheiro da caridade, qualquer que seja, não deve ter menos contrôle e
certas condescendências são injustificáveis e criminosas, porque se trata do
interêsse público.
A Dietética envolve a técnica da nutrição e a aquisição, preparo e
distribuição dos alimentos, o contrôle das cozinhas e copas. A Admissão e Serviço
Social se completam, como funções auxiliares, compreendendo duas divisões
distintas.
Dá-se, modernamente, o maior aprèço à entrada e classificação do doente a
internar. No hospital moderno, oficina do médico por excelência, e que deve servir
igualmente ao estudo e ao ensino da ciência

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

153

e arte de curar, nenhuma divisão merece maior atenção do que a do Fichário
Clínico Central, compreendendo todos os registros diários das clínicas, inclusive
da odontologia. Fichário Central: ficha única resumida nos hospitais pequenos ou
prontuário individual completo, a "história" do doente, como denominam os
Americanos. Está para a eficiência médica, como a escrituração para a economia.
O "prontuário" ou a "ficha única" contèm tôda a vida do paciente;
compareça êle nos ambulatórios ou seja um internado. Dar-se-á caso em que,
iniciados na primeira infância êsses registos, poderá o prontuário i r reunindo
dados comemorativos da mesma pessoa, durante uma longa existência, desde que
recorra ou volte várias vêzes ao hospital. Assim, resultados de exame de Raio X e
de laboratório, que se não repetirão inùtilmente, poupam despesas evitáveis;
facilitam o diagnóstico atual e o tratamento conveniente, cada vez; previnem, para
exemplificar, o contratempo dos fenômenos alérgicos e outros tropeços que
constituem preocupação, sempre. A centralização do fichário, sôbre ter
organização econômica, utilizando menor pessoal e, destarte, mais especializado e
menor número de máquinas e menos espaço, relativamente apresenta sem número
de vantagens, a saber: a) o aperfeiçoamento, que sempre produz mais e melhor
produção; a classificação e codificação dos casos, sem prejuízo do arquivo
particular de cada clínica, porquanto cópias datilografadas ou em resumos serão
fornecidas aos serviços especializados, se fôr necessário; b) franco acesso para
consulta dos médicos e estudantes; c) um repositório científico completo e
preciosíssimo, que, doutra forma, se fracionaria, morreria nos compartimentos
fechados ou seria aproveitado, egoìsticamente, parcialmente, apenas por grupos
mais estreitamente ligados a uma especialidade.
A instalação de correias pneumáticas ou outro meio de transporte mecânico
satisfatório, resolve os inconvenientes e objeções contra essa centralização. A
organização do corpo clínico, dos serviços auxiliares e técnicos, a organização do
corpo de enfermeiras e suas atividades de rotina e de ensino, formam outra
associação de várias divisões afins.
O moderno conceito que, propositalmente, mudou a designação de
"doentes de ambulatório" para "doentes externos", em contraposição a
"doentes internos", consigna o particular interêsse à divisão dos Doentes Externos.
A assistência a doentes externos merece a mesma atenção, e representa um
prolongamento dos serviços especializados para os doentes internados. Ou se faz
diagnóstico e tratamento científico, nos ambulatórios, ou não os tenha o hospital...
A boa organização, a triagem dos casos ditos de ambulatórios, permite que,
atendendo-se embora a número limitado, se exerça de fato a medicina, se faça
diagnóstico e a terapêutica científica com o tratamento precoce, evitando-se
despesas maiores com internamento, presentes e futuros. O "follow up" após a alta
ou transferência, o seguimento dos

154

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

doentes, evita reincidências e a volta onerosa do paciente para nova internação no
hospital...
Por todos êsses preceitos e conceitos se demonstra que a nova
especialização, que é a Organização e Administração Hospitalares, visa
primacialmente, a economia pública e individual e a maior eficiência médicocientífica e assistencial, sendo, desta sorte, de caráter nìmiamente prático.
Seria tarefa ociosa continuar esta exposição de amostra, que reponta apenas
alguns postulados, fatos e exemplos, sôbre uma sistematização, numerosa e vária,
que é ciência e arte; e que já conta com uma numerosa bibliografia, de manuais e
tratados, em vários idiomas e com várias revistas e outras publicações, que se
ocupam exclusivamente da nova especialidade, a serviço de um dos mais velhos
ofícios, a assistência ao doente e ao deficiente físico em geral...
O EXEMPLO AMERICANO E O NOSSO PLANO
Mais de dois mil "hospital consultantes" de consultores ou inspetores
hospitalares, diretores e administradores de hospitais, se reunem anualmente nos
Estados Unidos, em suas notáveis "Convenções" a fim de ajustarem uma
orientação uniforme e atualizarem os seus conhecimentos próprios que a prática
diária e o interêsse e o desejo de melhorarem a sua técnica profissional lhes
facultam.
Realizam-se cursos especializados, a que chamam: "Institute" e em que se
concede o certificado de especialista de organização hospitalar.
O progresso maravilhoso do hospital, na América do Norte, tanto quanto
pude ali observar, estudar e admirar, deve-se muito menos ao ouro, à riqueza do
país, do que o consórcio realizador do espírito de cooperação com a orientação
técnica; e, sobretudo, ao espírito de associação, baseado no acatamento exemplar e
no respeito que se tributa, naquele grande povo, ao valor do especialista, sem
complexos de inferioridade, sem restrições de respeito, sem outras malevolências
de outras terras.
O PLANO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS
Antes que termine èste já longo enunciado, em que se perdeu a minha noção
do tempo, arrastado pelo assunto empolgante, depois de dissertar longamente sôbre
a situação da assistência hospitalar em nosso país e acêrca do hospital, como um
todo, suas virtudes e seus defeitos, como disse, de início, aproveito o ensejo para
oferecer as primícias de um programa de modernização, de ampliação e de
distribuição conveniente

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

155

dos hospitais, no país, que nos permita, dentro do mais breve tempo, sanar as falhas
e realizar um aparelhamento médico-social, como convém, instituindo-se, destarte,
em todo o território nacional, o hospital para todos.
Nosso plano visa, de início, a formação de uma rêde nacional de hospitais,
convenientemente estudados, construídos ou aperfeiçoados, e equipados para o
mais eficiente funcionamento. Constitui um programa nacional, já em experiência,
que abrangerá, na medida de sua execução, todo o problema médico-social,
contribuindo, finalmente na sua evolução, para que se realize a tendência atual da
organização uniforme, cooperativa, de um serviço integral de saúde, em todo o
Brasil.
Os impressionantes progressos da higiene ou das medidas sanitárias durante
a primeira guerra mundial, preceitos preventivos já aplicados, com êxito, na guerra
russo-japonesa, há quarenta anos passados, influiram, parece, na dissociação e
quase separação total entre saúde pública e assistência médica. Depois, a
experiência do sanitarista e, agora, a lição surpreendente da medicina e da cirurgia,
reconhecidas entre os elementos decisivos da nossa grande vitória, na Guerra
Mundial número dois, demonstrou a necessidade da conexão, cada vez mais
íntima, de que deve existir entre a medicina preventiva e a medicina curativa.
Esta tendência já se vem firmando entre nós, e é prova a organização
sanitária-assistencial dos nossos departamentos de saúde, federal e estaduais.
Assim, hoje mais do que ontem, o planejamento, em aprêço, dêste setor de
interêsse vital para a nacionalidade, o da Saúde, deve orientar-se no sentido dessas
afinidades sinérgicas.
A finalidade do plano supera, em relevância, em favor do trabalhador, em
geral, a qualquer outro interêsse de caráter econômico e humano, a bem da
coletividade.
O seu primeiro objetivo consiste em organizar e facilitar a hospitalização
em geral, e tanto a gratuita, como a remunerada, de qualquer modo.
No seu conjunto, sem pretenção de originalidade, êste plano não é cópia,
nem adaptação de qualquer outro similar. Compreende um programa a ser
realizado, em duas fases, estudado objetivamente para o BRASIL.
PREPARAÇÃO E EXECUÇÃO
A fase preparatória já é considerada por nós vencida e se desenvolveu, na
ordem cronológica, através dos seguintes atos, trabalhos e provisões:
a) Legislação básica, específica, iniciada em 1941, continuada e em via de
ser completada, desde que sejam convertidos em lei os ante-projetos
encaminhados, em que colaboramos com a orientação.

156

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

b) Curso Geral e Cadastro hospitalares: terminados, e que esclareceram
uma situação (1941-1942).
c) Classificação das instituições médico-sociais e definições de todos os
assuntos relativos à finalidade, técnologia indispensável, já preestabelecida,
permitindo que se use uma linguagem única, neste particular, para um
entendimento uniforme, em todo o território nacional.
d) Iniciação, na prática, da moderna organização hospitalar, levada
diretamente às instituições hospitalares. Preparo do pessoal médico e técnico
administrativo, graças a cursos de aperfeiçoamento e especialização já realizadas
entre nós, com a nossa estreita colaboração. Bôlsas de estudos no Estrangeiro para
aperfeiçoamento sôbre organização hospitalar: já iniciado. Publicações e Palestras.
e) Elaboração de normas e padrões, abrangendo o complexo hospitalar.
Vários modelos foram por nós particularmente estudados, adaptados ou criados,
sôbre edificações, organização e administração.
Referência especial merece aquêle que mais estimamos, dentre todos os
modelos, e que, sôbre ser original, já se revelou, como se previa, absolutamente
prático e eficiente, e que é: Hospital Padrão Progressivo e Flexível.

CURSOS DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Vejamos o que já se fèz, com relação a êsse projeto.
Dando o exemplo, depois de doze anos de direção e de convívio com a
construção hospitalar, e na prática da administração de um hospital-colônia, fui
estudar a moderna organização hospitalar americana, logo ao assumir a chefia do
serviço federal e frequentei um dêsses cursos que ensinam a nova especialidade,
promovido então alí pela Universidade de Conell, em Nova York, e pelas notáveis
associações médicas e hospitalares. Já se haviam realizado, até 1942, em tôda a
Norte América trinta dêsses "institutos" ou cursos de aperfeiçoamento. Procurei
transladá-los a nosso meio, com a colaboração de poucos mestres da especialidade
de que dispunhamos, então, na Capital da República. Três dêsses cursos já foram
levados a efeito, com a nossa contribuição, até esta data, sendo dois do tipo para
especialização e aperfeiçoamento, destinados a médicos e engenheiros, criado por
lei federal, entre os mantidos pela Diretoria dos Cursos do Departamento Nacional
de Saúde e um "Curso intensivo", só de aperfeiçoamento, de prazo menor,
correspondendo ao modêlo americano, tipo "instituto", com a cooperação privada.
O programa por nós organizado foi adotado oficialmente pela Diretoria dos
Curses do D.N.S., constando de cinco tópicos, noventa pontos ou itens. Cêrca de
dez professôres e assistentes dirigiram o primeiro

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

157

curso anual do Departamento, do mais completo curriculum, em 1943; acorreram
mais de cincoenta médicos, para reduzida matrícula, fixada em trinta inscrições
apenas. Nôvo texto, em 1944; e, em outubro do corrente ano, esperamos iniciar o
terceiro curso de Organização e Administração Hospitalares, de preferência para
inspetores dos Serviços de Assistência-Médico Social, federais e estaduais.
Acabamos de terminar o primeiro curso intensivo, também no Rio de
Janeiro, em abril-maio últimos, de duração aproximada de um mês, tal como os
chamamos "institutos", e foi por nós preparado exclusivamente para Religiosas,
com funções em hospitais e instituições para-hospitalares, e teve o alto patrocínio
da Ação Social Arquidiocesana, o apôio constante do Sr. Arcebispo D. Jaime
Câmara, com a valiosa cooperação da Escola Católica de Enfermeiras "Luiza
Marillac". Inscreveram-se regularmente e frequentaram e receberam certificado,
164 Religiosas, pertencentes a 25 congregações e procedente de 68 instituições
médico-sociais, do Distrito Federal, do Estado do Rio, de Minas Gerais, de São
Paulo, Mato Grosso e Bahia. Êste foi, igualmente, o primeiro curso de organização
hospitalar, do tipo intensivo de aperfeiçoamento, para profíssionais de
administração hospitalar, dado, só por nacionais, em tôda a América Latina, sendo
que apenas um outro curso intensivo dêste tipo foi realizado em terra sulamericana, e ocorrido em Lima, em dezembro último, a que tive o ensêjo de
comparecer, como delegado brasileiro da Associação Inter-Americana de
Hospitais. Pude alí admirar, mais uma vez, a competência e a dedicação
inexcedíveis de vários mestres norte-americanos, "consultores hospitalares" que
vieram ao sul, cooperar, brilhantemente, para pleno êxito daquela reunião,
amparada pelo Govêrno do Perú e promovida pela Associação Inter-Americana de
Hospitais. Foi realizado outro, anteríormente, no México, do mesmo tipo com a
mesma colaboração.
O preparo de técnicos e especialistas indispensáveis às atividades
administrativas no hospital, parece-nos devia ser elemento primordial no
planejamento e execução de um programa nacional de assistência médico-social;
assim como a falta dessa previdência, a falta de especialistas, explicará o insucesso
total ou parcial de planos hospitalares semelhantes, por mais bem elaborados que
tenham sido. A falta de técnicos, na prática, é causa de rotina sem novas iniciativas
e resultará perecimento conseqüente...
O plano, visando o progresso da organização hospitalar, entre nós, permitirá
maior desenvolvimento das especialidades da medicina e melhor ensino médico,
sobretudo facilitando o internato, que deverá ser obrigatório para o doutorando e
para qualquer especialização do médico; e condição para licenciamento e exercício
da clínica, tal como já é nos Estados Unidos.
Faço votos que a próxima reforma no Ensino Médico adote esta norma
salutar.

158

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

TIPOS DE HOSPITAL-PADRÃO
Baseados nos requisitos do que se convencionou chamar ­ o hospital
moderno ­ já criamos tipos do referido hospital-padrão, para orientar, e facilitar a
maneira da "meia confecção" e em qualquer projeto de hospital, permitindo
ampliação e alterações previstos até para um futuro de 10 a 20 anos, e por isso
denominado: "Hospital-padrão-progressivo e flexível". É parte integrante do plano
nacional.
A aplicação dos seus princípios e de seu todo, como guia normativa, é, em
cada caso, precedida do preenchimento de um questionário, respondido pelos
interessados ou por nossos técnicos, "in loco". É o "Questionário para a inspeção
prévia", por nós preparado, que indica as exigências e sugestões no sentido de
determinação da espécie de hospital e da escolha da situação e terreno, as
condições do meio, o tipo da construção a planejar, e tudo mais concernente à
instituição que se deseja, estando previsto até o gênero de administração que vai ter
o futuro nosocômio.
O hospital-padrão prevê de 50 a 500 leitos; a construção horizontal ou
vertical; compõe-se de blocos-padrões, com dimensões sistemáticas, em múltiplos
e submúliplos, estando já estudados por nós cêrca de vinte dêsses blocos diferentes.
Esta planta de unidades, podendo ser executada, tôda ou em parte, favorece o
aproveitamento de recursos eventuais para ampliações consecutivas, à medida que
o hospital obtiver recursos novos. Ainda oferece a vantagem de, atendendo a sua
finalidade, facilitar o estudo dos projetos numerosos e diferentes, que serão
necessários, para uma rêde de hospitais, para o Brasil.
Pretende substituir os velhos modelos e tentativas frustadas de adoção de
certas plantas rígidas, planos de construção inadaptáveis, plantas fechadas, como as
padronizadas e utilizadas para escolas e outros prédios públicos, e para hospitais
regionais, aqui e ali, e que envelhecem precocemente, que não permitem, com o
tempo, o progresso da instituição, a sua ampliação, nem a evolução da arquitetura
hospitalar.
O nosso padrão é como um organismo ou um sistema em evolução;
constitui uma pauta para o arquiteto, mesmo especializado, que seja, segundo o
conceito já emitido de alguns desses técnicos, distintos profissionais, aqui e no
estrangeiro. Não limita a líberdade de criar, nem mesmo a iniciativa da parte do
arquiteto, quanto aos estudos de seus projetos.
Esta contribuição, considerada original, representa um passo e uma
evidência, no sentido da institução e da disseminação da arquitetura hospitalar
especializada, em nosso país; e até como especialidade exclusiva.
O nosso padrão data de 1941, foi publicado no Relatório do Departamento
de 1942 e só em 1943 saiu publicado um padrão semelhante, quanto à finalidade,
nos Estados Unidos, oficializado ali pelo Departa-

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

159

mento Federal de Saúde, denominado "Assembly Hospital", algo diferente quanto
à concepção, entretanto, muito interessante pelos estudos de minúcias
verdadeiramente modelares.
Durante três anos seguidos vimos aperfeiçoando, corrigindo e melhorando
os nossos padrões, que, sôbre serem originais, mostram-se viáveis na prática, em
aplicações e experiências repetidas.
Eis também, um elemento da maior valia a serviço do plano nacional
médico-social ou da rêde nacional de hospitais, porquanto multiplicar edificações
hospitalares impróprias, como se vem fazendo, sem adequação e sem outras
possibilidades, por falta de recursos técnicos, por culpa do capricho ou de vaidade,
de presunção ou da ignorância inconfessada, não será progresso, senão prejuízo,
muita vez irremediável, como tantos hospitais, inacabados ou alterados, vêzes
várias, por todo o Brasil, com despesas evitáveis de milhões, e ainda sempre
defeituosas, mesmo depois de reformados... Estruturas perdidas, prédios alterados,
com enormes gastos, sem solução, de outras feitas, atestam, mesmo no Rio de
Janeiro, o grave inconveniente da falta de especialização! Completam êsse padrão,
os aludidos modelos e normas, já por nós organizados, quanto a edificações,
instalações, equipamento, administração, financiamento e assistência, e atinentes a
hospitais de várias finalidades.
A EXECUÇÃO DO PLANO NACIONAL
O plano geral da Assistência médico-hospitalar, já completado, ao cabo de
afanosa tarefa, uma vez instituído oficialmente, será uma grandiosa obra de
cooperação nacional. Não é oportuno traçar aqui o seu delineamento ou referir a
orientação para sua execução ou a maneira do financiamento.
Não vem ao pêlo, no momento, entrar em pormenor, mas as minúcias já se
acham previstas ou longamente estudadas, e constam de vários in-fólios e um sem
número de documentos e dados.
Acrescentamos alguns conceitos, a mais, de caráter técnico: será uma
realização coletiva, mais particular do que oficial, aproveitando todos os
elementos, fontes e fundos, para tal fim destinados ou aplicáveis ao Estado, zona
ou município. Centralizada apenas no programa, orientada em cooperação, será
realizada segundo a necessidade de cada região que se vai atender.
As possibilidades da vitória de um tal plano estão garantidas na lição do
êrro e da falência de outros meios.
Aproveitar-se-á, melhorando e ampliando, o atual aparelhamento hospitalar
que será classificado para os fins convenientes, deixando a todos a autonomia,
dentro de suas finalidades próprias. Eleger-se-á para

160

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

hospital regional êste ou aquêle hospital geral, ou se edificará para que atenda a
um maior número de população. Representará o hospital regional o papel mais
importante mas serão usadas ainda unidades hospitalares menores ou postos
mistos, como subsidiários ou concomitantes, para atender ao serviço local.
O plano já sugere a localização de hospitais regionais, em todo o território
nacional.
Será decisivo para apressar a execução do plano o apôio dos governos
federal, estadual e municipal, no tocante às construções iniciais que serão os
modelos. Obra de cooperação, nìmiamente.
Com relação à assistência médica, terão possibilidades maiores os
profissionais residentes na zona, inclusive no sentido da especialização. Somos de
parecer que o serviço médico deverá ser pago por unidade, continue livre a
profissão, e livre o exercício das clínicas, livre a escolha do seu clínico, por parte
dos doentes, tanto quanto possível. A burocratização do exercício da medicina e da
cirurgia, retirando o incentivo e igualando valores diferentes, criaria e difundiria
em todo o país a pior das burocracias e a mais danosa de tôdas, porque lida com a
saúde e com a vida humana.
Devemos proteger as profissões técnicas e o justo interêsse do profissional,
o qual, de sua parte, deve compreender, ceder, cooperar, nessa obra coletiva, a que
vai servir.
Só assim haverá indispensável emulação e trabalho por equipe. Devemos
fomentar as pesquisas, como a boa rotina, colimando não só a melhor assistência
para todos, indiferentemente, para gratuitos e para contribuintes, favorecendo,
assim, o maior progresso da ciência e arte de curar e, ainda, cooperando
eficazmente, para o aprimoramento da observação e do Ensino Médico, o que é
dever de todos os hospitais, sem exceção.
Qualquer solução do problema médico-social, tanto hospitalar, como parahospitalar, por grupos isolados ou classes, sem conexão, sem uma orientação
nacional, embora contribua, em parte, aparentemente, para a solução total,
resultaria nociva à comunidade brasileira, porque os não contemplados seriam
privados da cooperação geral, que e indispensável econômicamente, para a
efetivação de um plano coletivo.
As soluções unilaterais redundariam possìvelmente na "duplicacão" de
hospitais e de meios assistenciais para o mesmo fim, superiores à necessidade local
ou regional. É sabido que, neste particular, o excesso de hospitais, gerando a baixa
percentagem da "ocupação" de leitos, que é absolutamente anti-econômica,
produziria conseqüências tão desastrosas, como a deficiência de leitos, ou mesmo a
falta de assistência hospitalar, num município ou numa região.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

161

Êste plano de rêde nacional de hospitais, por nós estudado durante 3 anos
seguidos, estabelece que haverá tipos diferentes de instituições que se poderão
denominar A, B, e C ou n.° 1, n.° 2 e n.° 3.
O de tipo principal será O HOSPITAL GERAL REGIONAL OU
CENTRAL, de aparelhagem mais completa e com os serviços de especialidades
médicas. Para seu paradigma foi estudado o hospital-padrão progressivo e flexível,
que poderá começar com 25 leitos e ser ampliado, anos a seguir, para 50, 100, 300
até 500 leitos.
Os outros tipos serão hospitais intermediários, compreendendo aquelas
instituições que não forem aproveitadas como hospital regional; sendo o terceiro
tipo ou rural ou Pôsto Misto de assistência para-hospitalar e de Saúde Publica.
Todos os tipos são considerados em função, como hospitais de triagem, porque
haverá sempre o recurso superior, que iria até às Capitais e centros médicos, para a
solução de casos de maior gravidade ou de mais difícil diagnóstico.
A localização obedecerá aos interêsses e facilidades de cada zona,
atendendo assim às condições geo-econômicas e satisfazendo a necessidade de
leitos de cada região. Serão incorporados para efeitos de atender não só aos
indigentes e necessitados, como a tôdas as classes sociais, entre gratuitos e
contribuintes, todos os hospitais de assistência ou de filantropia ou caridade e os
particulares de tôda a moralidade.
O financiamento será feito em cooperação, com o auxílio dos governos, das
organizações regionais de assistência, contribuição particular em todo o sentido.
Que se quer é que haja leitos bastantes.
A instituição hospitalar, embora coordenada no interésse comum, manterá o
seu caráter particular, sob a supervisão de um Conselho Administrativo, formado
por pessôa das mais representativas da comunidade. Trata-se, como se vê, de uma
verdadeira organização hospitalar, no sentido do mais amplo espírito de
cooperação.
A determinação do número de leitos, entre aproveitados e a construir,
cingir-se-à a um percentual fixo para todo o país, podendo, entretanto, serem
alterados para satisfazer a qualquer especial situação local.
O estudo do número de leitos também em espécie mereceu o máximo
cuidado, a fim de evitar duplicação de clínica ou de leitos especializados. O
excesso, repetida, neste particular, é tão inconveniente quanto a deficiência, sob o
ponto de vista econômico.
A distribuição de leitos já foi calculada para tôdas as unidades da Federação
e seus distritos, abrangendo um ou vários municípios, cada zona. Adotou-se o
percentual de 5 leitos por mil habitantes, sôbre os núcleos da população.
Instituem-se os Distritos Hospitalares ou de Saúde.

162

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Não sendo possível realizar em todo o país êsse limite de 50 leitos por dez
mil habitantes, propõe o plano a realização por etapa, a título também de prova de
experiência, imediata, uniforme, de metade, isto é, 25 leitos por 10.000 habitantes.
Nas capitais de Estado e maiores cidades do país se alcançarão os 5 por mil
e na Capital da Republica 7 por mil, podendo ir a 10 por mil, no Distrito Federal,
dada a densidade de população, que é uma das causas de exceção. Todos os
cálculos estão terminados.
O plano não é uma norma para ser executada com rigidez ou precisão
matemática; constitui uma guia ou pauta, em que se orientará, com relatividade, a
técnica hospitalar mais moderna, consoante a realidade e o interêsse local.
Como complemento e paralelamente ao programa da hospitalização geral
para todo o país, prevê-se, já estruturado, um plano maior, envolvendo tôdas as
atividades que beneficiam a saúde, visando não só a pessôa, como a coletividade.
Todos os estudos de tabelas e localização já estão prontos na D.O.H.

O HOSPITAL ­ CENTRO MÉDICO
O hospital moderno deverá ser projetado, fiel aos citados preceitos da
sistematização, com a possibilidade de ter que abrigar, hoje ou amanhã, uma seção
de maternidade, uma unidade sanitária, ou de Saúde Pública, como seja, por
exemplo, de tuberculose, de contagiosos agudos, até de doenças mentais, sem
prejuízo de cada especialidade e da orientação dos respectivos serviços, e como
hospital geral.
De estudos feitos por nós do tipo hospital misto ou pôsto misto resultaram
modelos já publicados e que já estão sendo construídos em alguma parte.
Situar-se-á, talvez, no hospital, o centro futuro do serviço de saúde,
completo, regional ou local, tal como já se inicia em alguns municípios mesmo
entre nós ­ tal como é tendência franca nos programas mais recentes, de última
hora, por nós recebidos, ingleses e americanos, para não citar doutros países.
O hospital será a sede. A chefia competirá ao médico-sanitarista que tenha
especialização médico-social. Será, também, o primeiro passo para a
desoficialização dos serviços sanitários, quem sabe, mais tarde, e que serão
subvencionados pelo Estado e deixarão de ser repartição dos governos.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

163

Esta evolução nos levará à vitória definitiva da desejada união e cooperação
das duas medicinas: a preventiva e a curativa. Assistência Sanitária e Assistência
Médico-social. Em uma palavra: Assistência de Saúde, organização de saúde.
***
Concluindo, em linhas gerais, esta exposição sôbre assunto de tão vasta
complexidade e de atualidade palpitante, apresentando sem atavios, como sóe ser
simples uma mensagem no cumprimento de um dever, confio, em primeira mão, a
S. Paulo estas realizações e estas idéias à guisa de consulta e como homenagem de
primeiro a ser ouvido, assim, de público.
Ao Estado pioneiro e vanguarda que é de muitos dos nossos progressos
maiores, trago um apêlo para que colabore na execução dêste plano nacional de
assistência e saúde, a bem da rêde brasileira de hospitais modernos, e para maior
lustre da sábia cultura médica paulista, e para maior proveito de sua já esplêndida
planificação de medicina social.
Permiti que eu convoque o vosso proverbial espírito de cooperação, o vosso
patriotismo histórico, tradicional, rico de aprimoramento e de virtudes, confiado no
vosso progresso, que honra o nosso Brasil e que dignificaria o mais adiantado
centro da civilização entre os povos mais cultos.

PONTOS FUNDAMENTAIS NO PLANEJAMENTO,
LOCALIZAÇÃO, INSTALAÇÃO E EQUIPAMENTO
HOSPITALARES
(Tópico B-Pontos B-1 a B-10, do Programa Oficial do Curso
de Aperfeiçoamento e Especialização de Organização e
Administração Hospitalares, do D.N.S ­ M . E . S . ( * )
Algumas aulas dadas pelo
Prof. Dr. Ernesto de Souza Campos
(Redação e texto, segundo as notas taquigráficas do Curso).
"O problema hospitalar bem merece um trabalho de estudo e de divulgação,
como êste, que ora se pretende fazer, constituindo-se um núcleo de colegas que,
com os seus conhecimento médicos e sua prática profissional, serão capazes de,
nos diferentes pontos do nosso território, proporcionar uma situação de
melhoramento e de progresso para o desenvolvimento da organização hospitalar no
Brasil.
Se considerarmos, como ponto de partida, a obra de Braz Cubas, que, nas
proximidades da barra de Santos, em S. Paulo, fundou o primeiro hospital em
nosso país, e que foi, por felicidade nossa, e sob o ponto de vista sentimental, uma
"casa de caridade, porta aberta ao mar, casa de Deus para o homem", conforme
êle designou; e se considerarmos êsse período, uma vez que êsse fato se passou em
1543, chegaremos à conclusão de que já progredimos, razoàvelmente, em questão
de organização hospitalar.
Muito falta, porém, para atingirmos as condições hoje impostas pelas
técnicas da edificação, instalação, equipamento, organização e funcionamento das
instituições nosocomiais, entre nós.
Aproveitamos a oportunidade para homenagear estas casas de caridade,
essas Misericórdias, que foram justamente centros de educação médica. Dando
agasalho e tratamento aos pobres, trouxeram, também, oportunidade para que os
nossos médicos desenvolvessem a sua técnica.
(*)
(**)

__________________
Veja publicação n.º 2 da D.O.H.
Catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de S. Paulo.

166

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Muito têm elas ajudado às escolas médicas. Foi o que se deu na Bahia, no
Rio de Janeiro, onde o ensino clínico das nossas faculdades quase desde o início se
fêz nas Misericórdias. O mesmo caso ocorre em S. Paulo, Pôrto Alegre, Minas
Gerais, Paraná, Recife, etc. De fato, verificamos que uma grande contribuição tem
sido trazida por essas casas de Misericórdia. É interessante o seu caráter, que
poderemos chamar a sua sistemática, porque tôdas obedecem à mesma
organização, sendo, entretanto, cada uma independente da outra. Fato análogo
ocorre em relação às beneficiências portuguêsas, outros centros que têm
contribuído para a hospitalização no Brasil. Estas, porém, são de caráter privado,
com uma pequena seção de caridade.
Se lançarmos um olhar pouco mais para traz e procurarmos o Mundo
Antigo, observaremos os pródromos do hospital, originados em época muito
remota, alguns milhares de anos antes de Cristo. Na Grécia, são oriundos da época
em que a mitologia confundia-se com a realidade. Foram Machaon e Podalirio,
filhos de Asclépio, o deus da Medicina, os fundadores dos templos dedicados a
Esculápio, mencionados nos versos de Homero.
A princípio, o hospital era disperso; depois, houve uma fase de
centralização. Vamos encontrar um hospital altamente centralizado, o S. Luiz, na
França, ou o Hotel Dieu, êste com 5.000 leitos. Incendiado, pensaram em fraturar
aquêle bloco em tantos elementos. Êste foi o parecer da comissão encarregada de
orientar a reconstrução. Venceu, porém, a corrente centralizadora.
Mais tarde, devido às descobertas de Pasteur, como a era bacteriológica,
voltamos novamente ao sistema disperso. Formaram-se núcleos hospitalares em
pavilhões, sobretudo na Alemanha, onde essa idéia foi dominante. Finalmente,
voltamos ao tipo de hospital monoblóco, novamente, centralizado.
É evidente que hoje ninguém põe em dúvida a necessidade de centralização
nos hospitais. Não há economia no ponto de vista construtivo e do ponto de vista
de administração, como também em hospital de certo porte podem ser
reorganizados serviços mais bem instalados e equipados, que serão entregues a
pessoas da mais alta qualificação técnica e científica.
Vejamos o problema dos serviços técnico-científicos.
Cada enfêrmo, seja pobre ou seja rico, tem direito ao tratamento perfeito, de
acôrdo com o avanço da ciência. Um hospital pequeno pode comportar um
modesto laboratório, um pequeno serviço de fisioterapia e fisiodiagnóstico, uma
biblioteca, médicos competentes, que se reúnem e discutem os problemas e,
portanto, trabalham para o progresso da ciência.
Dificilmente, poderá dispôr de um centro operatório com tôdas as condições
exigidas pela técnica moderna, e de modernos serviços auxilia-

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

167

res, indispensáveis ao progresso da medicina. Organizados êstes serviços com a
amplitude necessária, o custo de construção e manutenção, por leito, será muito
alto, embora indispensável em um hospital moderno de tipo médio ou grande.
Naturalmente, para que seja estabelecido o critério sôbre o hospital que
deva ser localizado neste ou naquele ponto, nesta ou naquela cidade é
indispensável a supervisão de quem esteja habilitado a formar um juizo seguro
sôbre as condições locais.
O ARQUITETO E O CONSULTOR HOSPITALAR
É opinião consagrada nos meios mais adiantados, sôbre organização
hospitalar, que o médico, seja um grande cirurgião, seja um clínico de grande
tirocínio, com longa freqüência hospitalar, nem por isso estará habilitado a
organizar planos de hospital. Na realidade, êle não tem conhecimento do problema,
se não se dedicou a êste estudo, que é hoje considerado uma especialidade. Como
especialistas neste ramo temos no Brasil homens preparados para orientar o
planejamento dessas casas de assistência médica. Fornecerão elementos
indispensáveis para que o arquiteto possa desenvolver um trabalho conveniente e
que, desde o início, e sempre, será de colaboração. Entre nós, os arquitetos
dispensaram o concurso do orientador médico especializado. Apesar de serem
profissionais competentes, tendo feito um longo período de estudos nas escolas em
que se formam, dispondo mesmo de um certo tirocínio em construção de tôda
natureza, não podem, absolutamente, dispensar o concurso do técnico habilitado na
especialidade de orientador, supervisor ou consultor habituado a esta espécie de
instituições.
Neste curso, pretendo dar mais o fruto de minha experiência do que matéria
encontrada nos livros. Em relação aos livros, fornecerei a indicação das fontes
bibliográficas. Recentemente, tive oportunidade de ser consultado sôbre as
condições de um hospital ainda não completado, e que, entretanto, precisa de
remodelação de tal natureza que, se fôsse possível, aconselharia sua demolição e
reconstrução. Esteve nas mãos de um arquiteto absolutamente competente, como
profissional, mas que, infelizmente, não tinha noção exata de problema tão
especializado, como é um hospital moderno.
No tempo em que se construiam pavilhões pequenos, de custo pouco
elevado, os êrros de construção hospitalar não tinham conseqüências tão vultosas
como hoje. Em obras grandes, de 10, 15 ou 50 mil contos, a questão assume um
aspecto muito mais sério. O hospital mal construído, mal organizado, mal
orientado, não mais poderá ser corrigido, a não ser com grande despesa e, mesmo
assim, oferecerá instalação defeituosa. Os cuidados que devem ser tomados na
construção de um hospital são naturalmente numerosos. Em primeiro lugar,
devemos proceder a um inquérito no local onde êle deverá ser edificado.

168

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

É preciso organizar e preencher um questionário. Nesse questionário devem
figurar todos os elementos que se relacionam com o problema, tais como:
população, composição da população, clima, orientação heliotérmica, condições
anemoscópicas (problema dos ventos dominantes, ventos benéficos, rajadas). É
preciso examinar o problema da vizinhança do hospital. O hospital pode ser motivo
de embelezamento da cidade. Devemos nos ocupar das qualidade especiais do
terreno, sua forma, suas dimensões, sua topografia, seja no sentido planimétrico,
seja no sentido altimétrico. E a observação deve abranger um exame das
possibilidades e tendências do corpo médico local, etc.
A Divisão de Organização Hospitalar, sob a direção especializada do Dr.
Theophilo de Almeida, estabeleceu um questionário completo para êsses casos. Os
senhores receberão cópias mimeografadas dêsse "Questionário para inspeção
prévia". O inquérito deve ser feito mesmo quando se trata de uma remodelação, e
não só para hospital nôvo. No caso da Santa Casa de Belo Horizonte, grande
hospital já em funcionamento e no qual se pretendia construir novas instalações,
estabelecemos, também, um questionário. Ontem, por coincidência, recebi uma
carta do Diretor Clínico dessa Casa, acompanhada de outra carta de um nosso
colega, na qual êste último, pretendendo construir um hospital em outra cidade,
indagava se deveria responder a um inquérito análogo ao de Belo Horizonte, de
que êle tivera conhecimento. A idéia de apresentar o inquérito passou para outra
cidade, mais para o interior de Minas, o que já é bom sintoma da moderna
orientação hospitalar.
O PROBLEMA DA ORIENTAÇÃO
O problema, para mim, de maior importância no que se refere ao inquérito,
é o da orientação. O problema da orientação tem importância capital, sobretudo
aqui no Brasil, e se apresenta sôbre dois aspectos: do sol e dos ventos. Um hospital,
colocado de tal forma que venha a sofrer influência direta de ventos maléficos, é
hospital condenado ao nascer ou exigirá corretivos dispendiosíssimos, que seriam
desnecessários...
Em S. Paulo, por exemplo, o vento sudeste (marítimo) é úmido e
desagradável. Numa cidade, como S. Paulo, em que as mudanças de temperatura
são muito bruscas, podemos compreender quanto isto vai influir sôbre o doente que
se acha naturalmente em condições de menor resistência: sudeste frio e úmido,
noroeste sêco e quente. Tudo isto demonstra a necessidade de um exame local do
problema, com cuidado e técnica indispensáveis.
O problema é, às vèzes, de difícil solução para o médico orientador, pois
tem de recorrer a dados meteorológicos e estudos que geralmente escapam à sua
competência. É preferível recorrer a um técnico, quando

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

169

o caso não estiver elucidado na literatura, sôbre o clima local. Para os grandes
empreendimentos, de longo prazo de projeto, é conveniente instalar uma pequena
estação meteorológica no sítio escolhido.
Para a execução do projeto da Faculdade de Medicina de S. Paulo,
adotamos êste critério, o que também mostra que não só os hospitais exigem tais
cuidados. Em certos lugares, freqüentemente nublados e onde o sol, não raro, está
encoberto durante uma parte da manhã, é interessante um estudo especial da
luminosidade nas várias horas do dia e do ano. Iniciamos um estudo desta natureza
com os engenheiros Pujol Júnior e Guilherme Lira, usando um aparêlho imaginado
pelo primeiro dêstes engenheiros. O estudo se processou durante um ano, as curvas
estão esperando interpretação. Aí temos um recurso de poder determinar
exatamente, durante um ano, por meio de aparêlho registrador das curvas de
luminosidade, as condições ocorridas nas diversas estações do ano, e daí tirar as
bases para a orientação conveniente do nôvo prédio.
Considerando a influência do sol sôbre os edifícios hospitalares, não
devemos ter em conta apenas o caso das faces iluminadas ou sombreadas, nas
diversas horas do dia e épocas do ano (solstícios e equinóxios).
Muito mais importante é a questão da quantidade de calor por unidade de
superfície das paredes expostas. Além disso, é preciso não esquecer a proporção
variável da irradiação ultra-violeta.
A tabela seguinte nos dá, para S. Paulo, as condições de insolação nos
solstícios e equinóxios.
Consultando esta tabela, vemos que nas posições voltadas para SE e SO
temos, nos solstícios de inverno duas horas e vinte e dois minutos de insolação, e
no verão, seis horas e quarenta e quatro minutos.
Quando mais precisamos do sol, no inverno, a insolação é muito menor de
que no verão, época em que dêle procuramos fugir.
Paredes voltadas
para

Solstício de
inverno

Equinóxio

Solstício de
verão

NO
SE
NE
SO
TOTAL

8h. 10m.
2h. 22m.
8h. 10m.
2h. 22m.
10h. 32m.

7h. 26,5m.
4h. 33,5m.
7h. 26,5m.
4h. 33,5m.
12h.

6h. 44m.
6h. 43m.
6h. 44m.
6h. 43m.
13h. 27m.

Nas posições NO e NE, ao contrário, temos mais sol no inverno, (oito horas
e dez minutos) do que no verão.

170

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Bastam estas considerações para demonstrar a importância da questão. Mas,
como dissemos, não se trata apenas das horas de insolação, mas principalmente da
quantidade de calor recebida pela parede. Veremos que neste caso ainda mais se
acentua a recusa das fases SE e SO para acomodações de permanência de doentes
ou enfermeiras em S. Paulo. Há cêrca de 15 anos, mais ou menos, um engenheiro,
que se dedicou muito ao problema hospitalar, em S. Paulo, por se diretor da
Engenharia Sanitária do Estado, estudou o problema da insolação, concluindo que
NO seria a melhor orientação para hospital, na capital paulista. Recentemente, um
técnico de alta projeção aqui no Rio de Janeiro, engenheiro que faz parte do
Instituto de Pesquisas Tecnológicas desta capital, o Dr. Paulo de Sá, grande
autoridade no assunto, obteve, em S. Paulo, exatamente, a orientação NO.
Coincidiu a sua conclusão com a do engenheiro Mauro A. S. Camargo, de 15 anos
passados.
Quando nos coube a oportunidade de estudar o projeto da Santa Casa de
Misericórdia de Juiz de Fora, recorremos, para o caso da orientação, a um
engenheiro que, morando na cidade, poderia obter dados suficientes com precisão.
Êsse môço, que já naquela época se evidenciou um grande estudioso, fêz um
notável trabalho, digno de publicação. Concluiu, êsse nosso patrício, hoje
diplomado (engenheiro Antônio Ribeiro de Oliveira), pela orientação NEE. No
trabalho do Dr. Paulo de Sá, intitulado "Orientação nas cidades brasileiras", o
resultado foi idêntico para Juiz de Fora: NNE.
Assim, fiz duas demonstrações: uma referente a S. Paulo e outra a Juiz de
Fora, em que dois técnicos, em épocas diferentes, desconhecendo completamente
um o trabalho do outro, mas dotados de alta competência e sobretudo de grande
amor ao assunto, chegaram aos mesmos resultados.
Logo, podemos dizer que para cada local, para cada região, para cada ponto,
haverá naturalmente uma posição igual. E porque não adotar essa posição ideal?
HOSPITAL, MONOBLOCO E ORIENTAÇÃO
Os hospitais, dispersos em certa época, centralizam-se pela necessidade de
reunir, num só bloco, os elementos capazes de promover o desenvolvimento mais
completo da técnica hospitalar. Depois, com o advento da era bacteriológica, veio
justamente, a orientação no sentido inverso ­ a dispersão em pavilhões, dos
hospitais, para prevenir contra a possibilidade da contaminação entre os doentes.
Mais tarde, os progressos introduzidos na mecânica da construção e com o
progresso, cada vez maior, da técnica bacteriológica e do conceito do contágio,
chegou-se à conclusão de que poderíamos novamente centralizar o hospital em um
único monobloco. Realmente, os elevadores popularizaram-se, facilitando

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

171

o transporte vertical, mais rápido, e menos fatigante, mais prático. Verificou-se,
também, que se pode igualmente isolar por pavimento, como em pavilhões, nos
quais há maior contacto com o exterior, maior probabilidade de contacto com
pessoas que circulam nos jardins e que têm mais facilidade de penetrar nos
pavilhões. No sistema de monobloco é mais fácil, por meio de um porteiro,
estabelecer perfeita disciplina. Não entra no hospital quem não tenha permissão
especial do vigilante, colocado junto aos elevadores e escadas.
A primeira enfermaria, o primeiro hospital que se organizou no reino
português, chamou-se "Enfermaria da Virgem Maria". Depois estabeleceram-se,
naquele país, pequenos hospitais sindicalizados. Depois D. João II, adotando uma
política centralizadora na organização hospitalar, resolveu reunir, em um grande
hospital, os pequenos nosocômios existentes na cidade de Lisboa. Obteve, para
isso, uma bula do Papa e lançou os fundamentos do grande Hospital de Todos os
Santos, concluído, mais tarde pelo seu sucessor ­ D. Manoel, o Venturoso.
Eis uma tendência centralizadora, adotada em época anterior à da
descoberta do Brasil.
Um ponto mais importante deve ser bem determinado, e aqui insistimos:
não se deve começar qualquer trabalho sôbre hospitais sem estudo preliminar
muito cuidadoso e muito minucioso. É portanto, indispensável, como dissemos, um
inquérito bem feito, no sentido de verificar número e composição da população
quanto à idade, sexo, etc., as condições econômicas do lugar, a situação do corpo
clínico, as relações da vizinhança, a zona de influência que os outros hospitais
próximos possam ter, a questão do terreno, e, então, nos referimos especialmente
ao problema da orientação. Êste problema, como muito bem disse o engenheiro Dr.
Paulo de Sá, que nos honra, assistindo a esta palestra, foi um problema descuidado
durante muito tempo. Aliás, o problema hospitalar, entre nós, só recentemente tem
entrado em nôvo surto de progresso. É muito útil, pois, que se divulguem os
conhecimentos a êste respeito por êste curso especializado.
Fizemos referências à questão da insolação, mostrando haver em S. Paulo,
as diferenças de 8 h. e 10 m. para 2 hs. e 22 m. nos solstícios de verão e de inverno.
Mas êste problema é menos importante em relação a outro, que está muito bem
focalizado no livro do Dr. Paulo de Sá: "Orientação nas cidades brasileiras". Êle
demonstra que no mesmo período entre 11 h. e meio dia, em época diversa, no
mesmo local, é enorme a diferença das calorias-quilo, por unidade de superfície. A
unidade "hora de insolação" não serve, portanto, de medida; falta-lhe, como diz o
Dr. Paulo de Sá, o característico de se manter sempre igual à si mesma,
indispensável às unidade. Eis o que diz o autor:
"Com efeito, conforme os cálculos no trabalho relativo
ao "Problema na iluminação e da insolação no Rio de

172

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Janeiro" suplementar a êste, o valor térmico de uma hora e
insolação, é extremamente variável. Assim, por exemplo, nos 6
minutos que decorrem entre 11 e 12 horas de 21 de junho, uma
parede, virada, para o norte, recebe 558 calorias-quilo por metro
quadrado, ao passo que nos 60 minutos que decorrem entre as
mesmas 11 e 12 horas de 23 de dezembro, uma parede, dirigida
para o sul, recebe apenas 9 calorias.
No primeiro caso, uma hora de insolação corresponde a
558 calorias; no segundo, uma hora de insolação corresponde a 9
calorias".
A exemplificação do acatado técnico patrício é decisiva. A unidade "hora de
insolação" é em um caso 60 vêzes maior do que em outro. Não pode servir de
medida.
Sôbre êste ponto de vista particular da orientação, examinemos alguns
casos, constantes destas plantas de hospitais construídos ou em construção. Neste
primeiro caso (mostra uma planta), as enfermarias ficaram viradas para o Sul.
É evidente que não se cuidou dêstes problemas, na execução do projeto.
Aliás, não houve, neste sentido, qualquer justificativa da escolha de
posição! É agora difícil modificar condição tão infeliz em uma região do Brasil em
que o Sul deve ser evitado, como face de habitação, como é o caso presente. Se o
problema fôsse proposto, certamente o hospital teria uma orientação
completamente diversa, voltando-se a sua face de enfermarias para NO e não para
Sul.
Verificamos, ainda, que neste caso particular, esta posição correta em
relação à orientação, corresponderia, como se poderá verificar no desenho, à
melhor situação como urbanização, e em conjugação com os elementos vizinhos.
No desenho (A), foi a posição adotada com exposição das enfermarias para
a face Sul. A posição (B) daria exposição NO e magnífica exibição da massa
hospitalar, que é um monobloco composto de vários pavimentos. Sua fachada
ficaria voltada para quem vem da cidade. O acesso principal seria, assim também
correto.
Em outro caso, o terreno é de topografia acidentada. Limitado por quatro
ruas, tem em uma delas um nível muito superior à outra que lhe é fronteiriça.
A partir da rua (1) o terreno cai sensìvelmente, em declive, até atingir o
nível da avenida, que lhe é bem inferior.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

173

Projetos elaborados para êste caso tomaram as posições (a) e (b); um foi
relacionado com a rua (1) ficando-lhe em posição perpendicular; outro tomou a
posição (b) perpendicular à primeira. Sob o ponto de vista da orientação, nenhuma
das posições foi acertada, sendo que a posição (a) é a pior, porque relacionou o
hospital com uma rua de nível muito mais alto, em virtude do talude que se observa
no corte. Ficaria uma das suas fechadas cortadas para os que se colocarem na rua
(1). A posição certa deveria ser NO ou NNO, que não corresponde a nenhuma das
duas oferecidas pelo projetista. Já o fato de existirem dois projetos, com duas
posições diversas, indica que o caso da orientação não foi elucidado ou não foi o
mesmo considerado...
Vejamos ainda por outro caso, o terreno oferecido tinha a posição indicada
no esquema seguinte:
A situação do hospital seria precária, dispondo-o segundo a linha NE, com
visão de cutelo para a avenida. Ficaria, ainda, o hospital, grande monobloco de 500
leitos embutido em terrenos vizinhos, com visibilidade para uma casaria pobre,
irregular, de quintais maltratados. Urgia obter aquisição de maior área capaz de
permitir melhor posição técnica para o hospital e mais agradável composição
urbanística. Êste desideratum foi conseguido como os senhores poderão verificar
por um artigo publicado na "Revista Médico Social", de S. Paulo (ano I, n.º 11).
Um bom entendimento com o urbanista encarregado da remodelação do
plano urbano, deu como resultado o traçado de uma avenida diagonal, necessária às
condições de comunicações da cidade e que modificou totalmente a situação infeliz
do terreno, como é possível observar no desenho esquemático.
O hospital ficou situado em posição correta. (NE para a cidade em questão)
e com excelente posição estética, oferecendo sua massa imponente de um grande
monobloco de 500 leitos para a nova avenida projetada.
Com êstes exemplos, não quero sòmente chamar a atenção para o problema
da orientação; quero também mostrar que nenhum terreno deve ser recusado antes
de um estudo pormenorizado do seu aproveitamento.
Em Belo Horizonte, propuzeram-nos difícil problema. Desejava a Santa
Casa construir novas instalações. Opinamos pela edificação de nôvo prédio. O
terreno estava todo ocupado pela série de pavilhões estendidos por todos os seus
recantos. A Santa Casa não poderia suspender seu funcionamento, nem queria
mudar de sede.
Examinando acuradamente a questão, verificamos que naquela confusão de
pavilhões antigos havia ficado livre uma zona na qual poderia o hospital crescer,
com a demolição de pequenos trechos de algumas alas. Poderia, pois, ser
construído, sem molestar o funcionamento do hospital,

174

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

a não ser em muito pequena escala, pois essa zona, por felicidade, era paralela à
melhor via pública local (avenida Francisco Salles) e correspondia à boa
orientação local ­ NE. Veja-se a "Revista Médico Social" de S. Paulo, ano I, ns, 3
e 4 ­ 194.
Assim fèz-se o projeto atualmente em construção.
***
Apresentados èstes casos, solicitamos ao ilustre engenheiro Paulo de Sá que
nos honre, dizendo, com sua grande autoridade, algumas palavras sôbre a
importância do problema da orientação.
FALA O PROF. PAULO DE SÁ
O engenheiro Paulo de Sá discorre sôbre o assunto, apontando o valor da
orientação na confecção de projetos. Demonstrou que no Rio de Janeiro
construiram-se vários grupos escolares, sem qualquer estudo de orientação. Os
maus resultados obtidos durante o funcionamento dessas casas do ensino levaram
as autoridades a consultarem-no, mas... a posteriori, sôbre excesso de sol.
Verificou, então, o orador, que havia escolas nas quais as salas não podiam
ser utilizadas para o fim para o qual haviam sido construídas. Os professôres
abandonavam as salas, porque elas eram inabitáveis durante certo período de aulas.
Era um desconfôrto absoluto. As escolas estavam projetadas para dois lados, muito
mal orientadas, de modo que não havia solução a não ser mandar demolí-las. O
outro lado da escola era, durante determinado período do ano, inabitável!
Em S. Paulo, porém, a população evita morar em casas onde não há sol,
porque ficam as casas tão frias que se tornam inabitáveis.
Em resumo, os Senhores veem, que, num mesmo terreno, pode-se habitar
bem e pode-se habitar mal.
Surge sempre a pergunta "como deve ser orientado neste terreno o edifício
que néle se quer construir?"
Uma das maneiras sôbre a qual se pesa o problema é a do cálculo do
número de horas de insolação que deve ser exigido num determinado ponto.
Devemos evitar uma insolação excessiva, como também falta de insolação. Na
Europa, dizem que onde entra o sol não entra o médico. Fixou-se o mínimo de
insolação e tomou-se uma unidade hora de insolação. Se uma hora de insolação
corresponde a 10 calorias por metro quadrado, em um caso, e noutro corresponde a
600 calorias por metro quadrado, evidentemente, a unidade não é a insolação, e,
sim a unidade térmica.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

175

O problema da insolação está ligado a outros problemas, como o da
ventilação. Certas orientações são mais ventiladas que outras. Convém colocar os
edifícios dirigidos nas orientações ventiladas para beneficiar o efeito salutar das
brisas. As brisas do sudeste, que são as mais convenientes, falam no ponto de vista
geral. Tem-se que levar em conta os efeitos benéficos em determinada situação.
O terceiro elemento é o estudo dos raios ultra-violeta.
Os raios ultra-violeta têm ação benéfica sôbre o organismo. Exercem ação
no organismo, na fixação da vitamina D, ação bactericida, em certos casos, etc.
Surge uma questão coletiva que a meu ver os senhores médicos devem
estudar: a reflexão térmica e a sensação de calor. Não se conhece bem ainda quais
são, na zona térmica, ao menos, quais as radiações mais inconvenientes ao
organismo humano. A luz do sol contra a maior parte da energia, na parte visível.
Assim, a quantidade de energia, que a luz solar tem, é relativamente pequena, ao
passo que o calor irradiado tem muito maior energia na parte acima de 800
angstrong. Daí, a desvantagem das paredes distribuídas para o oeste, onde
recebem, durante a tarde, grande quantidade de calor que, concentrado, é depois,
irradiado quando o sol já descambou no ocidente. A parede irradia um calor
obscuro, que é mais pernicioso que o luminoso. A maior parte da energia se
concentra na região acima de 800 angstrong. Seria interessante que os senhores
médicos procurassem a influência dessas várias irradiações sôbre o organismo do
povo brasileiro. É um absurdo queremos traduzir ensaios estrangeiros para as
condições locais. O indivíduo tem condições diferentes. Basta mencionar as nossas
condições de equilíbrio térmico do organismo. A ação do sol no Brasil é muito
diversa da do sol da Europa e da do sol da América do Norte.
Em seguida, o Professor Souza Campos retomou a palavra, agradecendo a
excelente cooperação do Professor Paulo de Sá, e tratou, ainda, do problema do
isolamento da defesa contra os excessos de frio e calor, do estudo especial das
janelas no que se refere ao sol e aos ventos.
O PROJETO DE UM HOSPITAL
Consideremos que um médico ou um sanitarista tivesse sido encarregado
pelo Poder Público de fazer ou de acompanhar o plano de um hospital.
Não sabendo como fazer, poderia procurar, em uma enciclopédia, em livros
ou revista, qual a marca segura no desenvolvimento dêste trabalho.
Veria que, para preparação do projeto, passará pelas seguintes etapas: em
primeiro lugar, preencher um questionário; em segundo lugar,

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

176

a escolha do terreno; em terceiro lugar, o programa; em quarto lugar, o
planejamento; em quinto lugar, o projeto definitivo; em sexto e último lugar, a
instalação e o equipamento.
Esta é a marcha que devemos seguir quando temos responsabilidade na
orientação de um projeto, qualquer que seja o hospital, seja muito pequeno ou de
grande porte.
A primeira parte é a que se refere ao inquérito, para o qual foi elaborado,
pela D.O.H. (Divisão de Organização Hospitalar) um modêlo de questionário.
Em relação à escolha do terreno, é de relevante importância o problema da
orientação.
Para êste objetivo, é aconselhável a consulta aos trabalhos publicados pelo
engenheiro Dr. Paulo de Sá, que é considerado o melhor técnico no assunto, entre
nós.
Em relação à escolha do terreno, existem, também, algumas proposições
que devem ser consideradas de modo a facilitar a solução do caso. Antes de tudo:
área ou extensão satisfatória.
Citaremos alguns exemplos que parecem interessantes. Em relação à
escolha, em primeiro lugar, deveremos considerar o problema da situação. Em
segundo lugar, deveremos estudar a topografia e, sucessivamente, a questão das
redes de água, esgotos, fornecimento de energia elétrica, as qualidades inerentes
ao próprio solo, no sentido das condições que pode oferecer para suportar o
edifício.
Situação. Devemos estudar o problema sob os seguintes aspectos:
a)
b)
c)
d)
e)
f)

vizinhança, ruídos, fumaças, escolas, poeira, mosquitos, etc.;
vias de acesso;
meios de transporte;
articulação com as zonas circunsvizinhas;
urbanização;
orientação hélio e anemoscópica.

Topografia. Devemos observar, em relação à topografia, o relêvo do
terreno, as suas dimensões, nunca preferindo um terreno pequeno.
Há uma série de estatísticas no Ritter e Lorette e outros livros,
determinando a área do terreno em relação ao leito tomado como umidade. Há
ainda a considerar as áreas da construção.
Não é razoável êste critério, porque deve sempre entrar em jôgo uma série
de considerações que um técnico, com sua competência, pode resolver melhor que
o número simplesmente proposto.
A extensão da área, relativamente ao hospital que se pretende construir, e o
número de leitos será de 70 a 100 m2 por leito. Maior área, para hospitais
pequenos. Alguns preconizam para os hospitais grandes

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

177

não utilizar mais de 25% da área. Na escolha do local deveremos pensar sempre
em ter o terreno tão amplo quanto possível.
Esta será a área do terreno.
***
Bruno Moretti, em seu livro "Ospedale" assinala as seguintes bases de
metro quadrado de área de construção por leito:
1 ­ Hospital comum, tipo pavilhonar:
a)
b)

grande ­ 150 a 160 m2 por leito;
pequeno ­ 200 m2 por leito.

2 ­ Hospital comum, tipo monobloco: 100 m2 por leito.
O mesmo autor figura numa estatística alemã feita em 1925 sôbre 95
hospitais:
1
2
3
4

­
­
­
­

Hospital de 150 a 500 leitos, média de 114 m2 por leito.
Hospital de 500 a 1000 leitos, média de 71 m2 por leito.
Hospital de 1000 a 2000 leitos, média de 93 m2 por leito.
Hospital acima de 2000 leitos, média de 98 m2 por leito.

C. A. Erickson, no seu trabalho sôbre os "Elementos de projeto para um
hospital geral" diz o seguinte (1940-1941):
"O terreno deve ser amplo, tanto sob o ponto de vista do
edifício inicial como das possíveis construções futuras. No
mínimo, 75 m2 por cama, para hospitais de 100 camas, e maior
área média, em casos de hospitais menores".
Um estudo antigo de Leon Le Porte (1864), que vai apenas citado como
elemento histórico, estabeleceu a base de 2500 metros quadrados, que multiplica
por 1, 3, 6, 10, 15, 21, 28, 36, dá a área mínima para hospitais de 100, 200, 300,
400, 500, 600, 700 e 800. (*)

__________________
(*)
Estes dados são fornecidos apenas para ilustração do assunto.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

178

Os resultados seriam os seguintes:
N.º de leitos

Área por leito

Área total

100
200
300
400
500
600
700
800

25
37,5
50
62,5
75,0
87,50
100,00
112,20

2.500
7,500
15.000
25.000
37.500
52.500
70.000
90.000

Tollet, mais tarde, propôs as seguintes bases:
N.º de leitos

Área por leito

Área total

100
150
200
250
300
350
400
450
500

100
120
130
136
140
145
145
147
148

10.000
18.000
26.000
34.000
42.000
50.000
58.000
66.000
74.000

Há estudos e tabelas americanas, recentes, sôbre êsses cálculos, traduzidas e
adaptadas pela D.O.H., que estabelecem, por exemplo, área mínima para um
hospital geral ou regional e para outros tipos de hospital.
Concluindo o estudo da situação topográfica, chegaremos agora á questão
do fornecimento de luz, energia elétrica, água, e a questão da rêde de esgôto.
Devemos verificar se existe água abundante no local, 300 a 500 litros por leito é a
base indicada por Bruno Moretti.
A D.O.H. adota outro critério: deve haver sempre água em depósito bastante
para satisfazer o consumo do hospital, durante 48 horas, se faltar o abastecimento.
O problema do esgôto requer, para ser solucionado, um coletor de capacidade
suficiente para o tamanho do hospital.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

179

Em relação ao programa, temos uma fórmula própria. Não sabemos se é
melhor. Não sabemos se será boa. Não nos cabe fazer crítica. Se os senhores forem
pesquisar toda a bibliografia não encontrarão uma norma para facilitar a realização
desta parte do projeto.
Em relação ao programa, é inútil dizer que muitos dos nossos hospitais têm
sido projetados sem programa. O programa é a base essencial.
Em primeiro lugar, devemos solicitar que a parte interessada forneça um
memorial sobre o que deseja, êste memorial será então, estudado e discutido.
Naturalmente, haverá pontos que não estarão dentro da técnica hospitalar, que
precisam ser recusados, outros que merecem ser examinados; até que, finalmente,
sejam assentadas as linhas principais: o número de clínicas gerais e de clínicas
especializadas; se existirão ambulatórios, enfim, uma série de considerações que
podem independer do critério do consultor ou do supervisor. Muitas vêzes, a
instituição tem seus casos particulares. Assim, por exemplo, se consultarmos o
projeto da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, verificaremos que o
número de salas de operações é proporcionalmente maior do que deveria ser em
relação ao número de leitos. Êste fato resultou de um acôrdo com a instituição
privada, que terão tais salas a seu dispor. É pois, necessário que haja êste primeiro
contato entre os interessados no hospital e o consultor especializado em
planejamento de hospitais.
Esta é uma questão muito interessante, a das relações entre o arquiteto e o
elemento consultante. Entre nós, sómente nos últimos anos o problema hospitalar
começou a entrar em fase de renovação construtiva. Não existiam edificações
modelares de funcionamento rigorosamente técnico. Não dispunham, portanto, os
nossos arquitetos, de elementos de observação.
OS PROJETOS NÃO DEVEM SER COPIADOS
A literatura sôbre planejamento de hospitais é escassa, em nosso meio.
Mesmo quando o arquiteto sem sob os olhos uma infinidade de projetos ótimos
para um lugar ou certo tipo de hospital estrangeiro, não servirá para êste país ou
outra cidade. Sem conhecimento do funcionamento hospitalar, das condições do
nosso meio clínico e do caráter especial desta ou daquela instituição, está o
arquiteto embaraçado na escolha. Vai projetar um organismo para funções que
desconhece. Não pode, não deve o arquiteto dispensar o auxílio do orientador
especializado.
Em geral, os nossos arquitetos dispensam o consultor hospitalar, não
procuram e até dificultam a ação de orientador especializado; julgam sua
intromissão indébita. Êles, os profissionais da arquitetura, julgam-se competentes
para realizações desta natureza. É claro que existem exceções. Há arquitetos que
solicitam a intervenção do orientador e aceitam de bom grado a sua cooperação
técnica.

180

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Por falta de boa diretriz em projetos, vemos, freqüentemente entre nós,
hospitais sofrendo continuadas reformas e remodelações. Daí resulta imenso custo
no final do ajuste. O hospital moderno é uma estrutura complexa, delicada, que
precisa ser meticulosamente analisada para que seu perfeito funcionamento seja
realizável. Planejar objetivamente, e sem pressa. Cada hospital é problema
diferente.
Nos Estados Unidos, onde existem numerosos hospitais modelares, de tôdas
as classes gerais e especiais, onde a literatura sôbre o tema é abundante, onde
existem várias firmas especializadas em construção hospitalar, os arquitetos não
dispensam, de maneira alguma, a presença e a opinião do consultor hospitalar. Em
revistas americanas, encontram-se, freqüentemente, artigos escritos por arquitetos
sôbre problemas particulares e hospitais, e muito bem elaborados. Quer isto dizer
que já estudaram o problema, entretanto, não dispensam apesar disto, o "hospital
consult". O problema, entre nós, tem sido mal orientado.
Logo que a administração esteja segura de que existem as bases necessárias
para a construção, deve recorrer a um consultor, o qual será o guia, o conselheiro,
até que o hospital fique completo e pronto para funcionar.
Seu trabalho é de suprema importância e por isto o orientador deve ser
escolhido com o maior cuidado. Deve ser um homem de absoluta integridade, mas
além disso, deve ter experiência que o torne conhecedor das necessidades da
comunidade. Deve ter experiência dos pormenores da técnica da construção e
arranjo das unidades, de tal modo a facilitar perfeito funcionamento do hospital,
quando acabado. Sua habilidade em comunicar suas idéias à administração e ao
arquiteto é de suma importância. O consultor, seja um médico ou não, deve ter
experiência de administração hospitalar e completo estudo dos problemas de
projeto e construção, pois êste curso tende a formar êsses técnicos da nova
especialidade, no Brasil.
Não deve o consultor estar ocupado em outros trabalhos que o afastem do
principal objetivo do emprêgo de seu tempo; seu trabalho de consultar deve ser o
principal. Há um grande êrro em supor que um médico prático ou cirurgião é, só,
por estas qualidades, ainda que notáveis, competente para atuar na qualidade de
consultor. Pode ser um homem de grande projeção na sua profissão, mas seu
contato e seu conhecimento de hospital são limitados ao tratamento dos doentes.
Não conhece a miriade de problemas de administração e, ignorando-os, não serve
como conselheiro no que se refere aos planos dos quais vai depender o eficiente
funcionamento do futuro hospital.
Nos Estados Unidos e Canadá existe um número de pessoas inteiramente
devotas ao trabalho de projetar e construir hospitais. Não demonstram preferência
por um tipo, particularmente. Nos seus arquivos, possuem grande número de
informações necessárias para planejamento

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

181

de um nôvo hospital e seu tempo está inteiramente á disposição dos hospitais de
que são consultores.
O consultor não pode substituir o arquiteto, nem as duas profissões estão em
conflito. O consultor traz, para a nova construção, os seus conhecimentos dos
princípios gerais e a sua experiência em dispor departamentos, quartos, utilidades e
equipamentos, de modo a ser facilitada a administração e que o doente obtenha
melhor tratamento.
O arquiteto, com sua experiência e treinamento de projetos, auxiliado pelo
seu corpo técnico, como o calculista da estrutura, utiliza os conhecimentos do
consultor e põe tudo em forma concreta. Arquitetos, que teem conseguido muito
sucesso em construção hospitalar, reconhecem que os problemas em jôgo estão
além da sua experiência originária, de modo que êles requerem os serviços de
quem possa combinar o conhecimento dos planos e da construção do hospital com
a experiência em administração. Êles desejam a associação com um consultor
competente, cujos deveres consistem em colaborar com êles e conferenciar com o
corpo administrativo, de modo que o plano final e as especificações sejam perfeitas
e ajustadas às necessidades do bem público.
O PROGRAMA E O PROJETO
Na ocasião em que já temos estudado o memorial, estamos em condições de
preparar o programa. Êste programa pode ser formulado antes de entendimentos
com o arquiteto. O outro problema que aparece em relação a êste assunto é o do
projeto. Aqui, surge uma dificuldade enorme. Como vamos escolher o arquiteto?
Por concurso? Êle, para se apresentar, não terá que fazer um esboço do projeto?
Então êle vai fazer isto sem o auxílio do consultor ? Êste, intervindo, será obrigado
a auxiliar a todos igualmente? Poderá auxiliar a dez concorrentes, por exemplo?
A boa norma para a escolha seria estabelecer um critério referente a dois
elementos apenas. Um em relação às obras que o indivíduo já fez, os trabalhos que
já escreveu. Outro elemento seria designar qual o custo de execução do projeto. Êle
pode estabelecer tanto por cento para o esbôço, tanto para o estudo dos serviços de
canalização etc. Finalmente, somando tudo teríamos a percentagem final, sôbre o
valor do projeto.
Fazer com consciência em projeto de hospital, é cousa que dá muito
trabalho, custa muito esfôrço. Um arquiteto consciencioso, para estudar um
hospital, de 100 a 500 leitos, gasta um tempo enorme, uma soma respeitável, para
executar mesmo um ante-projeto. Não poderá, pois, sujeitar-se a ter seu trabalho
rejeitado. O problema da escolha do arquiteto é, portanto, difícil. Em qualquer caso
deve ser um profissional competente, probo e suficientemente arguto por seguir as
normas do orientador.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

182

PRECEITOS INDISPENSÁVEIS
Vamos estabelecer o nosso programa. Um dos especialistas, que se
preocuparam com o problema, concluiu o seu trabalho apresentando um certo
número de regras relativas ao que se deve fazer em um projeto hospitalar. A êste
ajuntamos outros:
1.º ­ Não projete em terreno que seja impróprio para localização e
funcionamento do hospital, ainda que seja muito baixo o custo de aquisição.
2.º ­ Não se pronuncie em favor de áreas que sejam desproporcionadas em
relação ao volume do hospital.
3.º ­ Não se esqueça do problema da expansão futura
4.º ­ Não descuide da questão da orientação
heliotérmica e
anesmocópica.
5.º ­ Não permita uma grande densidade em leitos, em detrimento dos
serviços gerais administrativos, auxiliares e complementares.
6.º ­ Não adianta que o projeto se realize sem perfeito preenchimento das
etapas preliminares, que são:
a)

o inquérito

b) o programa, organizado pelo consultor hospitalar; e
c)

a escolha do arquiteto.

7.º ­ Não se esqueça da proteção contra o fogo, principalmente em se
tratando de grande número de pavimentos.
8.º ­ Cuide especialmente dos acessos e da urbanização, tendo em conta
as zonas vizinhas.
9.º ­ Escolha arquiteto competente, ou melhor, especializado.
10.º ­ Exija íntima articulação do arquiteto com o consultor especializado
em problemas hospitalares.
11.º ­ Não admita a realização do projeto, sem a articulação de ambos
(projetistas e consultor) com o calculista da estrutura e com o técnico das
canalizações.
12.º ­ Não selecione equipamento ordinário, ainda que seja muito barato.
13.º ­ A primeira coisa, na construção de um hospital, é saber se o hospital
é comum ou de ensino. Um hospital de ensino é inteiramente diferente de um
hospital geral comum.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

183

14.° ­ Não podem existir dois hospitais iguais: èles variam de acôrdo com
uma série de circunstâncias. O programa será, portanto, variável, conforme os
casos:
a)
b)

hospital de ensino;
hospital geral ou especializado.

Em cada caso, temos de considerar as variações de capacidade e de lotação,
etc.
Como estudo preliminar de um projeto, costuma-se pedir aos interessados
na construção, ampliação ou reforma de um hospital, um memorial dizendo o que
pretendem fazer, a fim de que se possa discutir bem cada ponto antes de começar a
elaborar o programa. Depois de acertados êstes pontos, estabelecemos um
programa, precedido de um esbôço ou de um programa preliminar. Êste é o trbalho
do consultor.
Êste programa preliminar deve ser mimeografado e entregue a cada um dos
elementos que vão funcionar no hospital. No memorial se definiu bem, o que se
pretende realizar. Assim discutir-se-ão os pontos fundamentais, as boas regras de
uma instituição hospitalar; depois, então, vem a elaboração do êsboço. Agora já
com o arquiteto.
Assim bem organizado o programa, será o mesmo executado. Cada um terá
que recorrer à memória, às suas reminiscências, aos seus conhecimentos, para
organizar um plano de maneira conveniente. Muito melhor, entretanto, é ter, cada
um, uma norma já estabelecida. Na execução do programa será examinado o
modêlo que é conveniente para um determinado hospital, e o que não é
conveniente, de maneira a não esquecer nada. A não ser assim, o único meio seria
recorrer a uma série de planos de hospitais e formar um plano conveniente.

MÉTODOS DE TRABALHO
Em certa época, fomos convidados pelo governo do Estado de São Paulo
para percorrer os Estados Unidos, Canadá e Europa, para ver o que havia de
melhor em matéria de ensino médico e estabelecimentos de ensino médico.
Fazendo centro em New York, nos Estados Unidos e Canadá, e centro em París, na
Europa, organizamos um plano de visitas, através do período de alguns meses, aos
lugares em que houvesse maior interêsse de assuntos a serem estudados.
Realizamos uma viagem com precisão matemática; onde chegávamos, já nos
esperavam com o material preparado: plantas, memórias, regulamentos, etc., de
modo que não perdemos tempo. Na Europa, encontramos organização tão perfeita
como nos Estados Unidos. Juntamos o material que havíamos colhido no Canadá,
nos Estados Unidos e na Europa e o trou-

184

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

xemos para o Brasil. Havia grande quantidade de plantas, projetos estudados,
esbôços, programas, etc. Separamos o material americano do canadense e do
europeu: cada região destas tomamos as diferentes cidades, as diferentes escolas e
depois, finalmente, os diferentes departamentos como por exemplo o de clínicas, o
de cirurgia, o de medicina especializada, o de anatomia patológica, o de fisiologia,
o de bacteriologia. Separamos planos e memórias, em cadernos especiais para cada
departamento a, b ou c. Tínhamos, assim, uma série de elementos para poder saber
o que havia de melhor. Estabelecemos uma tabela onde fomos dispor os elementos
de cada Departamento. Obtivemos, destarte, tôdas as diferentes unidades gerais ou
particulares existentes em todos os departamentos dêste gênero. Em segundo lugar
tínhamos as áreas de cada um dêsses departamentos; em terceiro, a freqüência com
que se apresentava certo número de unidade ou particularidades.
Estabelecida esta tabela, tínhamos possibilidade de formar em critério para
organizar um programa amplo, contendo tôdas as diferentes unidades utilizadas
para determinado departamento, de acôrdo com os aludios môdelos, por nós
visitados.
Examinando a tabela, verificamos que em relação à área havia os números
mais diversos. Mesmo para uma sala de aula teórica, figuravam áreas médias por
alunos desde 0,80 até 2,50 m.
Estudando o mesmo caso em relação aos laboratórios e às enfermarias,
chegamos à conclusão de que melhor seria estudar cada sala de separadamente. E
assim estabelecemos, pelo nosso próprio julgamento,
Êste foi o critério que seguimos para formar um programa-padrão máximo.
Naturalmente, para cada temos de considerar um programa diverso; varia
naturalmente, nos casos de hospital para ensino ou de hospital geral e hospital
especializado. Diversas normas podem ser seguidas.
Estabelecer um programa, com uma série de salas seguidas, sem uma
metodização, sem uma sistematização conveniente, não parece uma coisa prática.
É desejável uma boa sistematização que reuna unidades afins e permita economia
na circulação do edifício, quer no sentido vertical, quer no horizontal. Veremos, a
seguir, um plano de sistematização que facilita a tarefa do arquiteto, na disposição
dos diversos elementos componentes de um hospital geral.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

185

UM MODÊLO DE PROGRAMA E ORIENTAÇÃO
Examinemos um programa e sua sistematização. Os serviços de
administração compreendem:
administração médica;
administração econômica;
A Administração médica requer:
1)
2)
3)

5)

diretor clínico ­ NO;
sala geral dos médicos ­ NO;
biblioteca ­ setor ­ SE ­ SO, que compreende:
recinto, depósito de livro, seminário, sala de leitura,
vestuário e sanitários;
arquivo clínico.

A administração da enfermagem requer:
1)
2)
3)
4)

gabinete da enfermaria-chefe ­ NO;
gabinete da inspetora ­ NO;
sala de espera ­ qualquer;
sanitários e vestiários ­ qualquer.

A administração econômica compreende:
administração econômica geral;
administração econômica especializada.
A administração geral compreende:
1)
2)
3)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)

reunião da Diretoria ­ NO;
salão
nobre para conferências e festividades, com capacidade para
500 pessoas ­ SE ­ SO;
sala anexa ­ SE ­ SO;
sanitários ­ qualquer;
superintendente ­ NO ou NE;
expediente ­ NE ­ NO;
contadoria e tesouraria ­ NE ­ NO;
secretaria e arquivo ­ NE ­ NO;
almoxarifado ­ SE ­ SO.

É sempre aconselhável fazer um programa bastante amplo para que,
destarte, o orientado responsável esteja sempre a coberto de críticas. Depois,
poderá ser suprimido este ou aquele elemento de menor importância, de acordo
com a capacidade do hospital e o fator econômico em apreço.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

186

Administração econômica especializada:
1)
2)

portaria ­ expediente;
alojamento do pessoal superior ­ NO;
a)

serviços comuns médicos:
1) sala de estar;
2) copa;
3) sanitários e chuveiros;

b) serviços privativos médicos:
1) sala de estar e dois dormitórios para médicos;
c)

serviços comuns de enfermagem:
1)
2)
3)
4)
5)
6)

sala de estar;
toilette;
copa;
rouparia;
depósitos de malas;
sanitários e chuveiros.

d) serviços privativos de enfermagem:
1) apartamento da enfermeira-chefe;
2) vinte boxes para enfermeiras;
3) alojamento do pessoal subalterno (em pavilhão
separado ou anexo a qualquer outro elemento do
conjunto hospitalar).
4) inválidos (pavilhão separado com 20 leitos para
homens e 10 para mulheres);
5) cozinha e copa ­ SE ­ SO:
1) cozinha geral (caldeiras e fogões);
2) cozinha dietética;
3) cabines para carnes, verduras, frutas, cereais, leite
e bebidas;
4) sala do encarregado;
5) frigoríficos;
6) copa de distribuição;
7) copa de lavagem;

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

8)
9)
10)
11)
12)
13)
6)

187

arsenal de louças;
arsenal de utensílios;
rouparia;
vestiários e sanitários;
material de limpeza;
dispensa.

refeitório ­ SE ­ SO:
1) restaurante do pessoal superior;
2) restaurante do pessoal subalterno;
3) restaurante do pessoal da cozinha (junto ao depart. da
cozinha);
4) sanitários para homens;
5) sanitários para mulheres.

7)

rouparia ­ SE ­ SO:
1) depósito de roupa limpa, correspondendo verticalmente
com as estações de rouparia dos andares e com montacarga de transporte vertical;
2) depósito de material;
3) oficina de costura;

8)

lavanderia e desinfetório ­ qualquer:
1) Entrada e depósito de roupa suja, correspondendo com a
monta-carga de roupa suja de todos os andares, ou tubos de
queda;
2) desinfetório anexo;
3) lavagem;
4) secagem;
5) sala de engomar;
6) máquinas;
8) vestiários e sanitários;

9)

barbearia, com duas cadeiras;

10)

capela;

11)

serviços funerários ­ qualquer;
1)
2)

duas salas de necrotério;
duas salas de espera;

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

188
3)
4)
5)
6)

conservação e manipulação;
sala de autópsias;
museu de peças anatômicas;
técnica anátomo-patológica;

12) central térmica ­ qualquer:
1) caldeira e condensadores;
2) combustível.
13) central hidráulica ­ qualquer:
1)
2)
3)
4)

reservatório inferior;
geradores de emergência;
salas para bebedouros;
bombas e comando;

14) central elétrica ­ qualquer:
1)
2)
3)
4)

transformadores;
geradores de emergência;
acumuladores de emergência;
quarto do eletricista.

15) central telefônica: telefones internos e externos; avisos
luminosos:
16) central de ar condicionado: junto à seção operatória;
17) oficina de marcenaria, pintura, pintura, vidraria, mecânica,
encanamento, eletricidade, etc., fora do edifício, se possível, ou
localizado em dependência, com cuidados especiais de
construção, para isolar o ruído e outros inconvenientes;
18) biotério ­ hospitais de animais, garage, parque de automóveis
(fora do edifício, idem, idem).

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

189

AUTÓPSIAS E ANÁTAMO-PATOLOGIA
Um hospital bem organizado não pode dispensar um serviço regular de
autópsias. As necrópsias devem ser realizadas diretamente por anátomo-patologista
competente. Um esfôrço deve ser feito para a realização do maior número possível
de exames desta natureza. O trabalho deve ser completo, abrangendo todos os
departamentos, ou melhor, todos os aparelhos órgãos e sistemas. De tudo devem
ser conservadas peças microscópicas, representativas das lesões encontradas;
fragmentos de órgãos e tecidos lesados, fixados para cortes histológicos; inclusões
do mesmo material em parafina; lâminas com seções coloridas, tudo obedecendo
ao mesmo número dos resultados de exame macroscópico. Êste relatório anátomopatológico deve ser incorporado ao relatório da história clínica do doente. Tudo
conservado no arquivo central, não obstante poder o departamento de anatomia
patológica conservar uma cópia do documento.
Os casos mais interessantes da semana sevem ser levados a uma reunião
conjuntiva de clínicos, laboratoristas e anátomo-patologistas, onde haverá uma
demonstração completa do que ocorreu no caso determinado. Em primeiro lugar,
há uma exposição minuciosa do caso clínico, feita pelo médico que teve o doente a
seu cargo. Se houve intervenção cirúrgica, o cirurgião toma a palavra, a seguir.
Segue-se o radiologista, se houve intervenção desse técnico. Os encarregados dos
exames de laboratórios, por sua vez, expõem os seus resultados.
No final, o anátomo-patologista submete as peças macroscópicas ao exame,
passando de mão em mão as bandejas com o material lesado. Segue-se a
demonstração, por intermédio de um projetor, dos cortes microscópicos, com
explicações completas do que foi observado. Terminada esta demonstração, seguese o debate, até perfeita elucidação do diagnóstico final.
Resulta deste prática que clínicos e laboratórios estão continuamente em
contacto. Um não desconhece completamente o que o outro faz. Não haverá este
pernicioso sistema de especialização absoluta em que o clínico faz questão de dizer
que não entende de laboratório e vice-versa.
Em um serviço bem aparelhado, onde se faça um trabalho científico de alto
nível, a autópsia deve ser assistida pelo clínico responsável pelo caso e pelo
bacteriologista do hospital. Em primeiro lugar, o clínico, na presença do anátomopatologista e do bacteriologista, na sala de autópsia, lê a observação clínica.
Em seguida, o bacteriologista tem preferência para qualquer exame que
julgue necessário, antes de se proceder à autópsia. Iniciada a autópsia, o clínico só
poderá retirar-se quando esteja esclarecido diagnóstico anátomo-patológico.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

190

O serviço deve ser aparelhado de modo a ter todos os elementos necessários
para a realização de um perfeito trabalho técnico e científico. Autópsias feitas
superficialmente, muitas vêzes sem intervenção direta do anátamo-patologista, que
se limita apenas a observar de longe, nenhum proveito trazem e não raro induzem a
êrros ­ o que é muito mais grave.
Os serviços médicos podem ser:
1)
2)

gerais;
departamentais.

Os serviços médicos gerais:
a) admissão do doente ­ qualquer:
1)
2)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)

informações;
sala de espera;
exame médico;
registro;
serviço social;
banheiros e sanitários para homens e mulheres;
vestiários para homens e mulheres;
rouparia;
depósito de roupas de indigentes;

NOTA: Os doentes são examinados e quando admitidos tomam banho e vestem
a roupa do hospital. Na saída, deixam esta roupa e retomam as suas
vestes. Este exame dos doentes responderá às seguintes perguntas: se o
doente deve ser posto em observação, se deve sofrer um isolamento ou
se não deve ser internado. Depois de matriculado no hospital ele não
passa mais por esta parte.
b) Observação ­ NO:
1)
2)
3)

três quartos de observação (H, M e C);
copa;
sanitários;

c) isolamento de emergência (NO);
1)
2)
3)

três quartos;
copa (em combinação com a de observação);
sanitário (em combinação com a de observação);

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

d)

191

serviços técnicos científicos:
a)

Serviços técnicos científicos comuns (qualquer):

1) sala de espera;
2) gabinete de médicos;
3) comando da enfermagem secional;
4) copa;
5) vestiários;
6) sanitários;
7) material de limpeza da seção.
b) serviços técnicos científicos especializados SE ­ SO:
Roentgendiagnóstico e terapia:
1) duas salas de técnica com comando intermediário;
2) câmara escura;
3) radiografia profunda;
Eletroterapia:
1) eletrocardiógrafo;
2) câmara escura;
3) salas de exames.
Curie e fototerapia:
Técnica e aplicação.
Electroterapia:
10 boxes.
Mecanoterapia e massagem;
Hidroterapia
Metabolismo basal;
Fotografia e microfotografia;
1) atelier fotográfico;
2) câmara escura.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

192

Laboratório central:
1)
2)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)

laboratório de imunologia;
laboratório de microbiologia, parasitologia e histologia;
laboratorio de bioquímica;
técnica geral de preparação de meios, etc.;
lavagem de vidros, etc.;
depósito de material;
sala de espera;
colheita de material;
sanitários.

Farmácia
1)
2)
3)
5)
6)
7)

laboratório geral;
hipodermia;
técnica geral;
depósito de drogas com câmara escura;
expediente;
entrega ou expedição.

A farmácia poderá ficar localizada em algum dos primeiros pavimentos mas
é indispensável que se corresponda com a sala de distribuição de medicamentos do
ambulatório e com os compartimentos e estações farmacêuticas dos diversos
andares.
Centro cirúrgico, que compreende:
serviços comuns;
serviços especializados.
Chegamos ao final na elaboração do programa. Nêsse trabalho, acentuamos
especialmente, os serviços gerais. Os serviços gerais são, mais ou menos para
todos os casos. Constituem uma chave que pode ser aplicada a qualquer hospital,
com maior ou menor extensão.
Conhecendo-se discriminação pormenorizada, é fácil, conforme o volume
ou objeto especial do hospital poderemos suprimir elementos dispensáveis ou
desnecessários ao problema particular. É uma questão de estudo e interpretação,
que depende do orientador avisado.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

193

HOSPITAIS DE TIPO PROGRESSIVO
Em muitos casos, surge a questão de ser projetado o hospital, para uma
expansão futura, seja definida ou indefinida.
Se indefinida, complica-se o problema dos serviços gerais.
Em primeiro lugar, devemos fixar a idéia da impossibilidade de harmonizar
o conjunto dos serviços gerais com a possibilidade de uma expansão indefinida. Os
serviços gerais dependem da lotação do hospital. Uma cozinha, um serviço
cirúrgico, o serviço de canalização e reservatório de água, etc., não será o mesmo
para um hospital de cem leitos ou duzentos leitos. Em caso de expansão futura, é
preciso definir, desde logo, qual deverá ser o limite; o plano então estabelecerá o
programa dos serviços gerais para o total futuro. Naturalmente teremos, no
comêço, isto é, antes da expansão, um plano desarmônico, em que os serviços
gerais serão desproporcionados ao número de leitos. Por outro lado o custo será
bem maior, no comêço, conseqüência da maior área média, por leito. Em caso
contrário, teríamos de aumentar os serviços gerais na ocasião do acréscimo da
capacidade em leitos. Como fazer tal aumento, sabendo-se que os serviços são
interrelacionados? Só poderíamos alcançar resultados expandindo cada elemento
ou unidade pela invasão de unidades próximas ou pela duplicação de serviços. A
invasão das unidades, uma pelas outras, trará um problema anti-econômico de
demolição e reconstrução. A duplicação de serviços exige não só que haja espaço
para isso reservado como também maior custo de manutenção. Em hospitais
modernos, os serviços gerais devem ser bem cuidados.
Hoje não podemos compôr um hospital só com leitos e alguns elementos
mais indispensáveis.
Nos Estados Unidos, têm sido calculados os serviços gerais na base de dois
terços da áreas para um têrço reservado aos leitos.
Como elemento informativo, vejamos alguns dados fornecidos por Charles
Neegard, técnico construtor de hospitais, em New York.

194

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

DADOS FORNECIDOS POR CHARLES NEEGARD
Áreas

50 leitos

100 leitos

200 leitos

1 ­ enfermarias..................

1.300

2.600

5.100

2 ­ administração..............

405

655

1.095

3 ­ partos...........................

90

170

260

4 ­ operação......................

150

300

450

5 ­ acidentados..................

80

135

175

6 ­ farmácia.......................

20

50

100

7 ­ laboratório...................

30

50

100

8 ­ radiografia...................

40

90

225

9 ­ fisioterapia...................

70

175

175

10 ­ lavandeira....................

120

150

250

12 ­ refeitórios....................

40

90

195

13 ­ caldeiras.......................

85

110

140

14 ­ elevadores e escadas....

50

325

650

TOTAL....................

3.275

6.430

11.660

Área por leito.......................

66

64

58

11 ­ cozinha........................

15 ­ corredores e solário.....

Não foram consideradas as ambulatoriais.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

195

DEPARTAMENTO OU DIVISÃO DE OPERAÇÕES, SEGUNDO
C. NEEGARD
Áreas
Operações maiores..............
Operações menores.............
Esterilização........................
Expurgo...............................
Lavabos...............................
Serviços cirúrgicos..............
Rouparia..............................
Arsenal cirúrgico.................
Enfermaria...........................
Anestesia.............................
Armário pessoal...................
Cirurgião-chefe....................
Armários das enfermarias....
Enfermeira-chefe.................
Depósito..............................
Citoscopia............................
Osteoplastia.........................
Quarto escuro......................
Armários..............................
Laboratório..........................
TOTAL.................

50 leitos

100 leitos

200 leitos

25
20
15
10
15
15
­
­
20
15
15
­
­
­
5
­
­
­
­
­

55
20
15
10
15
15
6
10
30
25
20
­
10
15
10
15
15
5
10
10

110
20
25
10
15
15
15
10
40
40
35
15
10
15
15
15
20
5
10
10

­­­­­­­­

­­­­­­­­

­­­­­­­­

311

450

155

SERVIÇOS DEPARTAMENTAIS OU SEÇÕES DE DIVISÃO
Êstes serviços constam de dois setores: um para os doentes, outro para os
serviços técnicos e auxiliares.
A)

Setor reservado aos doentes.

É o principal. Para êles é feito o hospital. Constará de enfermarias ou
quartos privados e semiprivados, conforme o tipo adotado. Lògicamente todo êste
setor deve ter a mesma orientação. Não é razoável que uns doentes fiquem bem
colocados e outros mal.
Assim, êste setor deverá ocupar um só lado do corredor em galeria de
acesso. Esta posição, como vimos, é variável, de acôrdo com a orientação ótima,
para cada local. Em conformidade com os trabalhos de Paulo de Sá, a melhor face,
no Rio de Janeiro, é a voltada para o NE e em S. Paulo para o NO. Já discutimos
largamente êste assunto, em outra ocasião.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

196

As enfermarias deverão ter, preferentemente, seis leitos, no máximo.
A área média, por leito, tem variado, nos hospitais, de 6 a 8 metros
quadrados. Geralmente, adotam 7 metros. Julgamos que 6 metros quadrados são
suficientes em hospital bem orientado e bem conduzido. Esta área média é tomada
dividindo-se a área total da enfermaria pelo número de leitos que se deverá conter.
A área média, por leito, pode também, ser avaliada em relação à área total do
hospital, compreendendo tudo, os serviços gerais e departamentais. O seu valor
alcança, então, cêrca de três a cinco dezenas de metros quadrados.
Êstes cálculos e outros semelhantes são convenientes. Servem para avaliar a
bôa preparação do hospital em relação à sua capacidade em leitos, e ainda, para
verificar a harmonia de proporções entre os vários setores, departamentos, seções,
etc.
Em grupos de enfermarias é indispensável haver quartos de isolamento,
para moribundos ou agitados.
QUARTOS PARTICULARES OU PRIVATIVOS
Quartos privativos ­ São os destinados a um só doente. Sua área será de 10
metros quadrados. Poderão ter sanitários próprios ou servirem-se de sanitários
comuns. Em alguns casos, constituem apartamento como dormitório, sala anexa e
sanitários.
Quartos semi-privativos ­ São para dois enfermos. Sua área deve atingir o
mínimo de 16 metros quadrados.
Na avaliação do espaço ocupado por leito preferimos determinar área em
vez de volume. É que estas áreas conformam-se bem com o pé direito, geralmente
adotado de 3,m20 a 3,m50 para os hospitais bem orientados e bem conduzidos.
B)

Setor dos serviços técnicos e auxiliares.

Ficará situado na outra face do corredor. Não há inconveniente que tenha
má orientação, porque suas salas não são de permanência.
Êste setor compreende dois tipos de serviços: os técnicos (a) e os auxiliares
(b):
a)

serviços técnicos:

Constam do seguinte: gabinete do médico-chefe do serviço; sala e vestiário
de médicos-auxiliares; enfermeira-chefe, podendo aí haver pequeno depósito de
medicamentos, sala para exames médicos, sala para tratamento, com cabine de
esterilização anexa.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

197

É conveniente que êstes serviços disponham de uma ou duas salas, ainda,
para técnicas especializadas. Isto, naturalmente afetará o custo do hospital.
Dependerá dos recursos reservados para construção, equipamento e manutenção.
b)

serviços auxiliares:

Copa de serviço; sala de refeições; sala de espera (em certos casos);
rouparia; rejeição de roupa suja (tubo ou monta-carga) e recepção de roupa limpa
(monta-carga); serviço (baldes, vassouras); sanitários e despejo.
Vejamos agora algumas idéias sôbre localização de certos serviços.
SETOR DE CIRURGIA
Centro operatório: Deve ser disposto no tôpo do edifício. Fica mais
independente, mais isolado, mais reservado das môscas e poeiras.
Isolamento perfeito é necessário. No centro operatório só devem ter
ingresso os técnicos empenhados nos trabalhos operatórios, auxiliares e de
limpeza. Visitantes, aí não devem penetrar. Poderão observar através de cortinas de
vidro ou outro material transparente que isole a galeria de observação, seja lateral
ou superior. Eis porque êste serviço deve ser localizado em zona terminal do
hospital, longe das vias de trânsito intenso como são as galerias nos vários
pavimentos.
O centro operatório pode ser centralizado em um só pavimento, ao alto, isto
é, no sentido horizontal ­ ou por superposição de grupos de duas salas operatórias,
formando um conjunto em sentido vertical.
No primeiro caso, a central de esterilização ficará no mesmo plano, em
posição tão central quanto possível, em relação aos grupos operatórios, se houver
muitos. Por grupo operatório compreendemos duas salas de operação conjugadas
por serviços anexos, em conformidade com os já apresentados.
Quando a disposição dos grupos operatórios se fizer no sentido vertical, a
central de esterilização ocupará o nível mais alto do conjunto, distribuindo o
material por meio de pequena monta-carga.
Cozinhas ­ Devem também ser isoladas, por causa da fumaça, do cheiro da
comida e por motivo de disciplina. Refeitórios de pessoal do hospital devem ficar
próximo, para evitar transporte e oferecer refeições imediatamente, quando ainda
quentes e agradáveis. Prefere-se a localização das cozinhas no solo: menos acesso,
menos poeira, menos môscas, melhor disciplina. Parece haver conflito na
localização do centro operatório e da cozinha, ao alto. No projeto da Santa Casa de
Miseri-

198

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

córdia de Belo horizonte, como em outros que orientamos, foi encontrada solução.
Evidentemente, é mais econômica a colocação da cozinha no pavimento térreo
porque evita um elevador de serviço especial e o transporte vertical de gêneros e
combustível, assim como a subida do pessoal de serviço, numeroso, no caso. Desde
que a cozinha esteja convenientemente planejada, com os recursos modernos, será
preferível a localização baixa.

MONOBLOCO OU PAVILHÃO SEPARADO
No momento atual, todo hospital moderno obedece ao tipo concentrado. Os
primeiros hospitais, que surgiram no primórdios da era da medicina, foram
naturalmente esparsos, constituindo-se sob a forma de pequenos templos, como os
de Saturno, nos primeiros templos da civilização egípcia, ou as de Asclépidas dos
gregos. Seguiu-se, depois, uma tendência centralizadora, que culminou com os
hospitais de Paris ­ o São Luiz e principalmente o Hotel Dieu, que chegou a 5.000
leitos. Em Portugal, a centralização se deu, ao tempo de D. João II e D. Manoel, no
final do século XV e comêço do XVI, com o grande Hospital de Todos os Santos,
onde se reuniram pequenos nosocômicos então existentes em Lisboa. Com o
advento da era bacteriana, o movimento centralizador cessou, passando-se ao tipo
de pavilhões destinados a prevenir contatos e contaminações.
Os progressos da bacteriologia da higiene, da medicina preventiva, vieram
demonstrar que a preservação poderia ser perfeita, com o hospital em bloco. É uma
simples questão de disciplina e de serviço de boa enfermagem. Por outro lado,
mais seguro é o isolamento por andares do que em pavilhão, posto êste em
imediato contato com o solo e com os que nêle transitam. A técnica de construção
evoluiu. Os elevadores popularizaram-se. Assim, voltamos, nos tempos
contemporâneos, ao tipo concentrado, em monobloco. Em trabalho publicado na
"Revista Médico Social" de S. Paulo, discutimos absolutamente êste tema.
Não se esqueçam da eficiência e rapidez do transporte vertical em relação
ao horizontal, agravada êste pela dispersão dos pavilhões em vários pontos. O
transporte das refeições, que em um monobloco se faz simplesmente por meio de
um monta-carga, no sistema de pavilhões se fará através de longos caminhos, em
galerias ou subterrâneos, a não ser que se multipliquem as cozinhas, uma para cada
pavilhão.
Por outro lado, vejamos a simplicidade de comunicações com os serviços de
fisioterapia e fisiodiagnóstico, oferecida pelo tipo concentrado. Não me alongarei
nestas considerações. Basta um simples exame de modernos projetos para dar
inteiro ganho de causa ao monobloco.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

199

Iniciando êste movimento nos Estados Unidos, os resultados obtidos com o
tipo concentrado logo o transplantaram para o velho continente. A Alemanha, que
parecia irredutível no seu conceito de hospital-pavilhão, hospital-jardim, acabou-se
convencendo de que a verdade estava no tipo concentrado. Seus modernos
nosocômios, antes da atual guerra, estavam obedecendo a êste tipo. Na França
basta contemplar a massa imponente do Bonjon, de Paris, se não quisermos
examinar outros hospitais-arranha-céu, ali projetados ou construídos com Lille, por
exemplo.
MORFOLOGIA HOSPITALAR (1)
Existe uma série de trabalhos sôbre a forma a se adotar para um hospital. O
tema é discutido de maneira muito pormenorizada, em
A forma, entretanto, deve ser dada de acôrdo com o terreno. A forma ideal,
num terreno grande, plano e bem localizado, é a de um forma H (agá), C (cê) e L
(éle).
prisma reto, de base retangular. Além do terreno, seu tamanho, sua localização, sua
topografia, temos, como já vimos, a questão do vento, da orientação, da insolação
etc., etc. As enfermarias devem ficar colocadas tôdas do lado melhor, porque é nas
enfermarias que os doentes vão ficar a maior parte do dia. Pode haver um corredor
longo que acompanhe a enfermaria e então do outro lado ficarão os serviços
anexos, técnicos e auxiliares, já mencionados. Um grande arquiteto alemão, Dr.
Kopp, publicou um livro, no qual defende a forma do hospital em V. Estudando o
trabalho do Dr. Kopp, é fácil verficiar que êle só teve uma preocupação: a do
Transporte. Esqueceu o resto. Em seu trabalho, define esta morfologia, com
enfermaria de um lado, salas anexas de outro e tratamento no centro. Façamos
crítica sôbre estas formas anexas de hospitais. Vejamos a forma H. A forma em H
tem sido considerada, por alguns que a estudaram, como a melhor; a meu ver,
entretanto, é uma das piores. Complica o problema da orientação e oferece, nas
zonas de entrecruzamento de alas, regiões mal ventiladas. Além disso, permite
visibilidade de uma ala sôbre outras, principalmente em edifícios de muitos
pavimentos. Um pequeno esquema servirá de melhor explicação. Damo-la sob a
forma de um H gemeado, que é o pior caso. Estão assinaladas as áreas mal
iluminadas e mal ventiladas.
Tomando em consideração a orientação: as enfermarias deverão ser
dispostas em uma só face, por exemplo, a que está assinalada com dupla linha no
esquema. Por aí se vê como ficarão mal colocadas as letras a, b, c e d. Pior posição
terão as que se aproximam da ala de cruza__________________
(1) Orientação ótima: Em relação às outras formas, aconselhamos a leitura do trabalho publicado pelo
Prof. E. de Souza Campos, intitulado ­ Morfologia ­ inserto nas páginas da "Revista Médico
Social" de São Paulo.

200

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

mento por terem menos luz, menos sol, (sombra projetada pela ala vizinha), mais
visibilidade. Porque não preferir a forma retangular, em que as enfermarias,
dispostas de um só lado, o da ótima orientação, oferecerão melhor face, nenhuma
visibilidade?
A circulação vertical facilita o transporte de pessoal, do serviço de roupa,
de medicamentos, demonstrando a vantagem do sistema, pela superposição, nos
vários pavimentos, de serviços idênticos, copas, rouparias etc. Neste particular é
interessante observar o plano da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, cuja
exposição consta da "Revista Médico Social" de São Paulo.
Acentuamos a questão da circulação não só vertical como horizontal, no
sentido de proporcionar fácil movimento do hospital, no que se refere aos
enfermos, visitantes, pessoal técnico, pessoal de serviço, etc.
Convém citar o estudo feito para o Hospital Geral da Faculdade de
Medicina da Universidade do Brasil, no qual a circulação está plenamente
trabalhada, no sentido de permitir fácil e independente movimento para os diversos
setores.
Organizado e aprovado o programa é indispensável elaborar ante-projeto.
Neste momento é indispensável que o orientador, o arquiteto, o calculista da
estrutura e encarregado das canalizações se ajustem, se articulem e marchem,
simultâneamente, na execução do ante-projeto e do projeto definitivo. Muitos
insucessos e remodelações resultam da falta de articulação dêsses elementos, pelo
que temos clamado incessantemente, quase sem resultado. O projeto deve ser
minucioso, com indicação da estrutura, canalizações, equipamento. Terminado,
deve ser executado sem modificações que acarretem despesas elevadas. (1) .
OUTROS ASPECTOS DO PROGRAMA PARA CONSTRUÇÃO DO
HOSPITAL
A relação entre o número de privadas e o número de leitos é variável,
segundo o critério de vários autores. Vejamos, em primeiro lugar, o que está
consignado na legislação da Prefeitura do Distrito Federal.
Decreto nº 6.000 de 1º de julho de 1937 ­ Estabelece o Código de Obras do
Distrito Federal e dá outras providências.
__________________
(1) Há que evitar, na zona rural e mesmo no interior o problema que representa um elevador, que é
caro, exigindo pessoal competente, mecânico e recursos para pronto reparo e para regular
funcionamento.
Assim e por isso, se deve planejar hospital monobloco, mas horizontal. Rampas de
declive suave, monta-carga, manual ou mecânica resolvem a dificuldade do transporte (D.O.H.).

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

201

Art. 409 ­ Quanto às instalações sanitárias, serão obrigatórias nos hospitais,
os seguintes mínimos:
a) instalações destinadas ao pessoal: em cada pavimento, um W.C. e um
lavatório para trezentos metros quadrados de pavimento;
b) instalações destinadas aos doentes: em cada pavimento um W.C. e um
lavatório para setenta e dois metros quadrados de dormitório e um chuveiro ou uma
banheira para noventa metros quadrados de dormitório (ou fração dessas áreas).
§1º ­ Nos hospitais de qualquer espécie, mas destinados exclusivamente à
assitência gratuita, as últimas relações podem ser modificadas; um W.C. e um
lavatório; uma banheira ou um chuveiro para cento e oito metros quadrados de
dormitórios (Ou fração de áreas).
§2º ­ Os compartimentos destinados a W.C., lavatórios e banheiros, deverão
satisfazer às seguintes condições:
a) terem os pisos revestidos de material resistente, liso e impermeável não
sendo tolerado o simples cimentado e sendo consentido o ladrilho de cimento em
ZR-3 e AZ;
b) terem as paredes revestidas até a altura mínima de um metro não sendo
consentido o simples cimento e sendo tolerado o ladrilho de cimento em ZR-3 e
ZA.
Vejamos agora os dados fornecidos por G.S. Holdeness, do serviço de
arquitetura de J. Russel Pops (Arquitectural Records).
Uso geral ­ 1) Toilettes e banho em compartimentos separados; um
lavatório em cada sala de toilette; um cubículo para cada 10 doentes; um banheiro
para cada 20 ou 30 doentes, exceto convalescentes e de ambulatório, que requerem
maior número.
Acomodações privadas ­ banheiro privado, com lavatório e W.C., etc.
No livro "A construção dos hospitais modernos e suas instalações", editado
por M. Schaerer-Berne, pág.454, consta o seguinte:
"A instalação deve compreender um certo número de cabines, uma para
cada 10 pessoas. Nas instalações para homem deve-se acrescentar o mictório.
Bruno Moretti, no "Ospedale" (U. Hoepli - Editora Milão), dá o seguinte
cálculo para privadas:
"Privadas" ­ É indicada a ocorrência média em hospital comum de um
pôsto para cada 8 leitos. O local deve ser subdividido em tantos gabinetes quantos
são os pontos necessários.
Dimensões mínimas:
a) para homens, 1m,50 x 1m,00;
b) para mulheres, 2m,00 x 1m,00.

202

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O pré-gabinete deve ser usado para mictórios na proporção de 1 para 15
leitos.
Lavatórios: ­ 1 para cada 5 doentes, que se levantam da cama, e um para
cada 10 dos que geralmente permanecem no leito.
Banheiros: ­ 1 banheiro para cada grupo de 15 a 20 leitos, e com área
aproximada de 10 metros quadrados. As vêzes há conveniência de instalar
semicúpio e pedilúvio.
ESTUDO PARA UM PROGRAMA DE HOSPITAL
DE 10 LEITOS
Examinaremos, em primeiro lugar, os elementos ­ base para o programa,
isto é, suas unidades principais.
A) Unidades construtivas ­ As dimensões adotadas servem apenas de base
de estudo.
I ­ Unidade (a) ­ É a unidade de enfermaria. Consideramos um tipo
econômico com seis leitos, tendo as dimensões de 6,30m x 5,8m x 36,54m. A
média, por leito, será de 6,09m2, seis e trinta é a dimensão da face externa e cinco e
oitenta a da profundidade da sala.
A dimensão de 6,30m, foi adotada tendo em vista a possibilidade de
superposição de quartos individuais em número de três, cada um com 2,00m,
livres. Os trinta centímetros correspondem à espessura de duas paredes, de 0,15
cent. Cada uma necessárias para a separação dos quartos individuais, que serão
superpostos em andares superiores.
II ­ Unidade (b) ­ É a unidade de quarto semi-privado, com 2 leitos,
podendo comportar 3 leitos em casos de necessidade.
Como admitimos que êstes semi-privados possam corresponder às
enfermarias em pavimento superposto, figuramos as dimensões de 18,27 m2.
A área será de 18,27m2. Para dois leitos a média será de 9,19m2 e para três
leitos, 6,09m2.
III ­ Unidade (c) ­ É a unidade de quarto individual (privado).
consideramos as dimensões de 2,00m X 5,8m, admitindo que possam 3 dessas
unidades corresponder a uma enfermaria. A profundidade de 5,80m pode ser
aproveitada para subdividir a área em quarto 5,00m e vestíbulo 0,80 m. A área total
do quarto, incluindo pequeno vestíbulo, será de 14,00m, mas o quarto sòmente terá
10m2.
IV ­ Unidade (d) ­ É a unidade das privadas na mesma face das
enfermarias. Tomamos a base de 5,80m X 3m, para colocar uma unidade destas de
permeio entre duas enfermarias de 6 leitos, cada uma ­ M 2 ­ 17,40m2.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

203

V ­ Unidade (e) ­ É a unidade de um grupo operatório composto de duas
salas de 25,m2 (5,00m X 5,00m) cada uma. Cada uma com duas ante-salas, uma de
anestesia e outra de repouso (as duas representando 14,15m), uma sala de expurgo
de 2m X 3m, e um vestiário de 2m X 3m, o total será:
1) ­ Duas salas de operações 2 m X 25m .....................
2) ­ Quatro antes-salas (duas de repouso e duas de
anestesia).............................................................
4) ­ Expurgo...............................................................
5) ­ Vestiário..............................................................

50
30
6
6
107

Adotamos, para esta unidade, a área de 110 m2, tomando em consideração
espessura de paredes, etc.
VI ­ Unidade (f) ­ são unidades auxiliares que ficam de lado do corredor
oposto ás enfermarias e dos quartos privados e semi-privados. Como tipo
econômico, consideramos cêrca de 3 m X 3,30m ou aproximadamente, 10,m2.
VII ­ Unidades heterogêneas ­ As áreas, sem dimensões bem fixadas, serão
expressas em dezenas de metros quadrados.
B) Lotação ­ Suponhamos que em um pavimento consigamos dispor 6
enfermarias de 6 leitos, cada uma assim disposta:

6 leitos

W
C

6 leitos

6 leitos

W
C

6 leitos

6 leitos

W
C

6 leitos

­­­­­­­ 56,m ­­­­­­­
m

O edifício será de 60, de extensão, contando com algum hall central.
Teremos neste pavimento, 36 leitos e dispondo dos leitos silenciosos, na
outra face do corredor. O total por pavimento será de 38 leitos.
Em dois pavimentos iguais teremos setenta e seis leitos.
Em outro pavimento, mais ao alto, colocaremos de um lado, quartos
privados e de outro, semi-privados, o que dará um total de 12 leitos semi-privados
e 9 privados.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

204

Deixando o pavimento térreo para os serviços gerais e o do tôpo para o
centro operatório e alojamento, podemos ter:





pavimento (térreo) ­ serviço gerais.
pavimento ­ enfermarias com 38 leitos (homens)..........
pavimento ­ enfermarias com 38 leitos (mulheres)........
pavimento ­ quartos semi-privados.................................
quartos privados.........................................

OUTRO PROGRAMA
1 ­ SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO
A)

ADM. MÉDICA
1)
2)
3)
4)
5)
6)
7)

B)

C)

diretor clínico.......................................
sala geral de médico.............................
vestiário e sanitários entre meio...........
sala de espera.......................................
pequena biblioteca com depósito de
livros e sala da biblioteca, em
conjunto................................................
seminário, sala de leitura......................
arquivo clínico.....................................

ADM. DE ENFERMAGEM:
1) gabinete da enfermeira-chefe...............
2) gabinete da inspetora............................
3) sala de repouso das enfermeiras com
copa anexa...........................................
4) vestiário e sanitários............................
5) Sala de espera......................................
ADM. ECONÔMICA:
a) Geral
1)
superintendente.........................
2)
secretaria...................................
3)
expediente.................................
4)
contadoria..................................
5)
almoxarifado.............................
6)
vestiário-sanitários....................

Unidades
1
2
1
1
2
2
1
­

10

1
1
3
2
1
­

1
1
2
2
2
1
­

8

9

12 leitos
9 leitos
21 leitos

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

b)

4)

5)

6)

7)

especializado:
1) portaria e centro telefônico.....................
2) dependências de enfermagem: ..............

Unidades
1

1

1) rouparia...................................................
2) depósito de malas....................................
3) pequena lavanderia..................................

1
1
1

1
1
3

3) alojamento de pessoa superior:
apartamento de médico interno, com
dormitório, sala de estar e sanitários.......
alojamento de pessoa subalterna de
preferência fora do edifício.....................

3

cozinha e copa:
1) cozinha geral............................................
2) cozinha dietética......................................
3) capa de lavagem......................................
4) capa de distribuição.................................
5) arsenal de cozinha....................................
6) preparação e frigorífico...........................
7) dispensa...................................................
refeitório:
1) pessoal superior.......................................
2) pessoal subalterno....................................
3) sanitários do pessoal superior..................
4) sanitários do pessoal subalterno..............
rouparia:
1) roupa limpa, em correspondência com as
estações de rouparia dos andares e com
monta-carga
de
transporte
vertical.....................................................
2) oficina de costura.....................................
lavanderia:
1) entrada depósito de roupa suja,
correspondendo com o tubo de queda
dos andares..............................................
2) desinfetório anexo...................................

3
­
4
2
2
2
1
2
­
2
3
1
1
­

1
2
­

2
1

6

15

7

3

205

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

206
3)
4)
5)
6)
7)

lavagem...................................................
secagem...................................................
engomagem..............................................
depósito....................................................
sanitários..................................................

8)

barbearia.........................................................

9)

serviços funerários:
1) conservação
e
manipulação
de
cadáveres.................................................
2) autópsia....................................................
3) técnica anátomo-patológica.....................
4) museu de peças........................................
5) necrotério.................................................
6) sala de espera...........................................

10) oficina de reparação........................................
11) centrais:
hidráulica, elétrica, telefônica, avisos
luminosos,
emergência,
esterilização,
térmica de ar condicionado, conforme as
conveniências..................................................
12) biotério fora do edifício para servir aos
laboratórios de exame.....................................

Unidades
4
2
2
1
1
­
1

2
2
1
1
3
2
­
2

6
­
0

Total dos serviços de administração...............

1

11
2

6
0
95 unidades de
10m2 = 950 m2

2 ­ SERVIÇOS MÉDICOS GERAIS:
A) serviços médicos gerais:
a) admissão de doentes:
1) sala de espera...........................................
2) informações..............................................
3) exame médico..........................................
4) registro.....................................................
5) serviço social...........................................
6) banheiros e sanitários (H)........................
7) banheiros e sanitários (M)........................

13

2
1
1
1
2
1
1

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

207

Unidades
8)

vestiário e depósito de roupa
(H)............................................................
9) vestiário e depósito de roupa
(M)...........................................................
10) copa e serviço..........................................
B) enfermaria de observação ou emergência com dois
quartos (H) e (M) e com um sanatório anexo..........

1
1
1
1
­
3

12

3

C) serviço técnico científico:
I.

Seção comum:
1)
2)
3)
4)
5)
6)

II.

sala de espera...........................................
médicos....................................................
copa.........................................................
vestiário...................................................
sanitários (H e M)....................................
comando de enfermagem.........................

Seção especiaizada:
1)

2)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)

Roentgendiagnóstico e terapia:
a) duas salas de técnica com comando
intermediário.....................................
b) câmara escura...................................
Eletro-cardiografia
­
técnica
e
exame.......................................................
Curie e foterapia ­ técnica e
aplicações................................................
Eletroterapia............................................
Mecanoterapia e massagem.....................
Hidroterapia.............................................
Metabolismo basal...................................
Fotografia e microfotografia....................
Laboratório central:
a) lab. de bioquímica............................
b) lab. de microscopia...........................
c) técnica geral......................................
d) depósito e sanitárioss........................

1
1
1
1
1
1
­

3
1
­

6

4

2
2
2
2
3
1
2
2
2
1
1
­

2
2
2
3
1
2

6

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

208
10) Farmácia:
a)
b)
c)
d)
e)
f)

Unidades

laboratório farmacêutico..................
técnica geral.....................................
lavagem de vasilhames.....................
depósito............................................
expedição..........................................
sanitários...........................................

3
1
1
1
1
1
­

8

11) Centro cirúrgico:
a) servços comuns:
1) sala de espera com sanitários
para homens e mulheres...........
2) sala de médicos, com vestiário
e sanitários anexos....................
3) enfermeira-chefe.......................
4) arsenal cirúrgico........................
5) rouparia.....................................
6) carrinhos e macas......................
7) material de limpeza...................
b) grupo
cirúrgico
definido
e
especializado na unidade..................

3
3
1
1
1
2
1
­
1

TOTAL DOS SERVIÇOS MÉDICOS GERAIS:
I)
II)

unidades (f)..............................................
unidades (c)..............................................
1 unidades de 110m2 = 110m2
65 unidades de 10m2 = 650m2
760m2

SERVIÇOS MÉDICOS DEPARTAMENTAIS:
SEÇÃO DE ENFERMARIAS:

I)

para o sexo masculino, compreenderá
um pavimento completo, metade para
medicina e metade para cirurgia:

65
1

12

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A) Medicina:
1)
2)
3)

Unidades

três enfermarias de 6 leitos cada
uma.........................................................
privadas anexas......................................
estação:
a) enfermeira-chefe.............................
b) rouparia...........................................
c)
d)
e)
f)

209

3
2
1
1

copa e refeitório..............................
sanitários.........................................
exame médico.................................
tratamento médico...........................

3
1
1
1

três enfermarias......................................
privadas anexas......................................
estação
como
no
caso
anterior...................................................

3
2

B) cirurgia:
1)
2)
3)

8
­

26

II) para o sexo feminino:
idêntico ao sexo masculino
S EÇÃO SEMI - PRIVADA E PRIVADAS

I) seis quartos com dois leitos para enfermos,
conforme a unidade (b)............................................

6

II) nove quartos com um leito apenas para
doentes:
1)
2)
3)
4)

enfermeira-chefe...............................................
rouparia.............................................................
copa...................................................................
sanitários (seria conveniente diminuir o
número
de
quartos
privados,
com
aproveitamento dos espaços para dar um
sanitário para cada um).....................................

1
1
2

­
10

4
­
4

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

210

TOTAL DOS SERVIÇOS MÉDICOS DEPARTAMENTAIS:
ENFERMARIAS:

Unidades
Unidades
Unidades
12 unidades
8 unidades
32 unidades

(a)
(f)
(d)
(a)
(d)
(f)

= 12
= 32
= 8
X
X
X

36,54m2 = 438,48m2
17,40 m2 = 139,20m2
10,00m2 = 320,00m2
897,68m2

8 unidades

(f)

PRIVADOS E SEMI-PRIVADOS:

Unidades (b)
Unidades (d)

­ a 16 X 18,27 =
­ a 8 ­ 17,40 =
Enfermarias..................................
Privada e semi-privada.................

292,32
139,20

Privada e semi-privada.................

252,30

897,68
252,30

RESUMO GERAL DAS ÁREAS ÚTEIS:

1 ­
2 ­

Serviços de administração................
Serviços médicos:
a)
b)

gerais.........................................
departamentais..........................

40% para hall, galerias, etc...............
Aproximadamente............................

920,00 m2
760,00m2
1.149,00m2
2.829,00m2
1.131,00m2
3.960,00m2

Senado a lotação de 97 leitos, a média geral por leito é de 40,00m2. É a
média razoável para um pequeno hospital de 100 leitos.
Admitindo o custo de mil cruzeiros por metro quadrado, na hora atual, o
custo subirá a Cr$ 4.000.000,00 ou Cr$ 40.000,00 por leito.
Se forem considerados três leitos no quarto semi-privado, a média baixará.
Não foram considerados serviços de ambulatório.

áreas de doentes e enfermagem........................
setor de cirurgia...............................................
setor de obstetrícia............................................
berçário............................................................
pronto socorro..................................................

6) Área Total Geral...............................................

5) Circulação........................................................

Total...................................................................

a) laboratórios clínico e anatómo-patológico........
b) radiologia.........................................................
c) metabolismo basal, eletrocardiografia e
fisioterapia........................................................
d) farmácia...........................................................

4) Serviços Auxiliares do Diagnóstico e do
Tratamento.......................................................

Total...................................................................

a)
b)
c)
d)
e)

3) Serviços clínicos

Total..................................................................

a) cozinhas, copas, refeitórios e escritórios..........
b) conservação e limpeza, rouparia, lavanderia e
escritório..........................................................
c) caldeiras e máquinas, oficinas...........................

2) Dietética e Serviços Auxiliares da Administração

Total..................................................................

a) administração, escritórios.................................
b) dependências dos subalternos...........................
c) depósito central.................................................

1) Serviços Econômico-Administrativos

SEÇÕES

51,60

_17,0_
115,5

_0,34_
2,31 ou
4%
10,73 ou
21%
2 580,0

536,5

46,5
37,0
15,0

0,93
0,74
0,30

813,0
171,5
89,5
45,0
_42,5_
1 161,5

115,5
_96,0_
429,0

2,31
_1,92_
8,58 ou
17%
16,26
3,43
1,79
0,90
_0,85_
23,23 ou
45%

217,5

174,5
54,6
_109,0_
337,5

TOTAL

4,35

3,49
1,08
_2,18_
6,75 ou
13%

Por leito

H.de 50 leitos

43,47

_0,35_
1,73 ou
4%
8,96 ou
49%

0,65
0,56
0,17

16,31
2,65
1,07
0,72
_0,49_
21,24 ou
20%

1,65
_1,38_
6,13 ou
14%

3,10

2,46
0,87
_2,08_
5,41 ou
13%

Por leito

4 347,0

896,0

_35,0_
173,0

65,0
56,0
17,0

1 631,0
265,0
107,0
72,0
_49,0_
2 124,0

165,0
_138,0_
613,0

310,0

246,0
87,0
_208,0_
541,0

TOTAL

H. de 100 leitos

40,67

_0,34_
1,52 ou
4%
8,57 ou
21%

0,53
0,53
0,12

16,17
2,27
1,04
0,77
_0,38_
20,63 ou
50%

1,40
_1,12_
5,12 ou
13%

2,60

1,95
0,82
_2,06_
4,89 ou
12%

Por leito

6 100,5

1 285,5

_51,0_
228,0

79,5
79,5
18,0

2 425,5
340,5
156,0
115,5
_57,0_
3 094,5

210,0
_168,0_
768,0

290,0

292,5
123,0
_309,0_
724,5

TOTAL

H. de 150 leitos

39,65

_0,29_
1,39 ou
3%
8,16 ou
21%

0,47
0,51
0,12

16,22
1,97
0,80
0,70
_0,30_
19,99 ou
52%

1,29
_0,91_
4,55 ou
12%

2,35

1,75
0,77
_2,04_
4,56 ou
12%

Por leito

7 730,0

1 632,0

_58,0_
278,0

94,0
102,0
24,0

3 244,0
394,0
160,0
140,0
_60,0_
3 998,0

258,0
_182,0_
910,0

470,0

350,0
154,0
_408,0_
912,0

TOTAL

H. de 200 leitos

VIII

VI, VII, IX, X

II e III

I, IV e V

DivisõesCorrespondentes no
organograma
do D O H

DISTRIBUIÇÃO DE ÁREA ÚTIL NA CONSTRUÇÃO HOSPITALAR
TABELA EM M2 POR LEITO PARA AS VÁRIAS SEÇÕES DE UM HOSPITAL GERAL
(Adaptação do padrão Norte Americano pela Divisão de OrganizaçãoHospitalar)

ENFERMAGEM TÉCNICA
Trataremos de um assunto que já foi ligeiramente esboçado anteriormente: o
problema da enfermagem.
A Escola de Enfermeiras Ana Neri, que é a primeira instituição do gênero
que se organizou no Brasil, funciona desde o ano de 1823 sendo, atualmente, sua
diretora, D. Lais Neto dos Reis.
Realmente, o ensino regular da enfermagem, no Brasil, surgiu em 1922,
com o precioso auxílio da Fundação Rockefeller, ao tempo em que Carlos Chagas
dirigia o Departamento Nacional de Saúde Pública.
O histórico dêste empreendimento não cabe no tópico relativo ao
planejamento do hospital é indispensável, porém, cogitar da questão da
enfermagem, e não raro, de uma escola de enfermagem.
Eis porque êste assunto tem seu perfeito lugar na esplanação do problema
que nos cabe tratar. Não há hospital que possa funcionar, convenientemente, dentro
da técnica moderna, sem dispor de um corpo de enfermeiras habilitadas, em curso
reconhecido, isto é, em cursos estabelecidos dentro das normas técnicas
indispensáveis ao bom e eficiente exercício da profissão. Sem êste auxílio técnico,
disciplinado e inteligentemente preparado, não há organização que funcione bem
por melhor que seja o edifício do hospital, por mais perfeitas que sejam suas
instalações e equipamento, por mais sábio e diligente que seja o seu corpo clínico.
A enfermagem, como organização disciplinada, parece ter partido das Irmãs de São
Vicente de Paulo, em Paris, se não nos falha a memória. Trataram apenas de
sistematizar a organização, dando-lhe diretrizes gerais e um alto espírito
profissional. Anteriormente o trabalho se realizava de modo empírico e sem regras
que lhe dessem caráter profissional, verdadeiramente.
Quem, porém. lançou as verdadeiras bases da enfermagem regular e
profissional, foi, sem dúvida, Florence Nightingale. Com sua experiência na
Griméia, tomou a deliberação de criar uma escolha de enfermagem, o que realizou
no seu retôrno a Londres. Na grande metrópole englêsa, Florence Nightigale
estabeleceu a primeira escoa no velho e reputado hospital de São Tomás.

214

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A questão foi tomando relêvo. Outras escolas se formaram e principalmente
nos Estados Unidos e Canadá estas escolas proliferaram e tomaram grande
incremento. A do Rio de Janeiro estabeleceu-se em prédios adaptados, que estão
pedindo nova edificação, e teve a seu cargo o hospital de São Francisco de Assis,
primitivamente.
Depois, criaram-se outras, uma em Belo Horizonte (escola Carlos Chagas),
outra em S. Paulo (Escola Paulista de Medicina), mais duas aqui no Rio e agora,
está se organizando a da Universidade de S. Paulo.
Entre os que freqüentam êste curso, existem colegas de vários Estados do
Brasil, sendo alguns diretores de hospitais. É, portanto, muito oportuno tratar dêste
assunto, na esperança que em breve se organizem novas escolas em nosso vasto
território. Elas se fazem necessárias cada vez mais, como a guerra nos está
demonstrando.
Vejamos agora o problema construtivo.
Em primeiro lugar, convém acentuar as finalidades da escola de
enfermagem:
1)
2)
3)
4)
5)

fornecer ensino teórico e prático de enfermagem;
promover acomodações indispensáveis para residência das enfermeiras;
estabelecer ambientes que permitam recreação e vida social;
fornecer meios para repouso das enfermeiras de serviço, em condições de
silêncio durante o dia;
facultar um aparelhamento de enfermaria para as enfermeiras, doentes, com
consultório médico, etc.
PLANEJANDO A ESCOLA

1)
2)
3)
4)
5)
6)

Para satisfazer tais condições a escola deve contar com:
salas de aulas teóricas;
laboratório de dietética;
laboratório de bacteriologia e microscopia em geral;
laboratório de química;
laboratório para trabalhos de anatomia e fisiologia;
enfermaria para demonstração de enfermagem, com uma seção de
demonstração e tratamentos.

Êstes programas assim delineado, é amplo. Os laboratórios, em certos casos,
podem ser reduzidos a dois, apenas; um para química, outro para microscopia. De
um modo geral, vemos que a escola comporta duas grandes partes, uma destinada
ao ensino, outra para servir de residência. Êstes dois elementos podem ser
reunidos, em um só edifício ou separados.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

215

A escola poderá por exemplo, funcionar no hospital, no que respeita ao
ensino e laboratório. A residência pode comportar um prédio separado.
Em certos casos tudo poderá ficar reunido no próprio hospital, no que
respeita ao ensino e laboratório. A residência pode comportar um prédio separado.
Em certos casos tudo poderá ficar reunido no próprio hospital. Não é,
evidentemente, uma boa prática, pois que enfermagem deve residir em outro
edifício, próximo, porém separado do hospital. Terá assim, um ambiente diferente
de mais repouso. Se pretendermos reunir escola e residência diferente de mais
repouso. Se pretendermos reunir escola e residência em mesmo edifício, que é a
nosso ver, a melhor escola, devemos compreender que há muitas vantagens em
sistematizar bem êstes dois elementos.
De preferência, devemos construir, duas alas independentes: uma contendo
as salas de aulas, teóricas e práticas, e a outra, a parte social e residencial. Estas
duas podem ser reunidas por intermédio e um hall comum.
Esta vantagem de separar as duas alas não é apenas de natureza disciplinar.
Nesta composição, podemos ainda dar a cada uma destas duas alas, a orientação
conveniente.
Realmente, a orientação é bem diversa nos dois casos.
A residência necessita orientação idêntica à das enfermarias do hospital,
digamos NE para o Rio de Janeiro, e NO para São Paulo.
Os laboratórios ao contrário, devem fugir da insolação, quanto possível.
Se colocarmos uma ala perpendicular a outra, sob a forma total de L, para o
edifício, os laboratórios poderão ficar voltados para SE, quando a ala residencial
olhar para NE.
Se a ala residencial estiver voltada para NO, os laboratórios olharão para
SO.
Um hall comum facilitará a conjugação das duas partes do L. Professôres
que penetrem neste hall, encaminhar-se-ão apenas para a ala das salas de aula e
laboratórios. Nenhuma interferência terão na seção residencial. Esta será apenas
freqüentada pelas enfermeiras diplomadas ou alunas. Um estudo desta natureza
poderá ser observado nos dois primeiros números da "Revista Médico Social" de S.
Paulo (ano 1, ns. 1 e 2). No folheto "Centro Médico da Bahia", há outro plano
semelhante.
Merece preferência especial a questão da enfermagem, pois precisamos
muito no Brasil desta preciosas auxiliares de serviço hospitalar. Nos trabalhos já
mencionados, encontraremos elementos para estudo. Além dos vários ante-projetos
de escolas de enfermagem, tais como o da Bahia, o de S. Paulo e o de Pôrto
Alegre.
Antes de terminar solicitamos a D. Lais Neto dos Reis que diga algumas
palavras, focalizando êste assunto, que lhe é tão familiar, pois, além de diretora da
Escola Ana Neri, a senhora Neto dos Reis é uma pioneira na prática da
enfermagem no Brasil, visto que fêz parte da primeira turma diplomada pela
referida Escola Ana Neri.

216

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O PROBLEMA DA ENFERMAGEM NO BRASIL
Palavras da Sra. Diretora da Escola Ana Neri
"Senhores Médicos:
Antes de começar, quero exprimir o prazer de me encontrar neste ambiente,
de médicos que desejam trabalhar, que vieram de suas terras para fazer o Curso de
Organização e Administração Hospitalares, dirigido pelo Dr. Thophilo de Almeida,
técnico competente e dedicado, que tem como colaborador, o Dr. Souza técnico
competente e dedicado, que tem como colaborador, o Dr. Souza Campos, êste
homem cujo interêsse de apóstolo e comprovada competência, têm sido postos a
serviço, muitas vêzes, não só da medicina, mas também da enfermagem, êste
espírito devotado que não mede sacrifícios e que vem batalhando, sem se cansar
nem esmorecer, pelos planos da Cidade Universitária.
Quero ainda aproveitar esta feliz oportunidade para convidar os
excelentíssimos senhores médicos aqui presentes para uma visita à Escola Ana
Neri, que é a escola padrão oficial de enfermagem no país.
Não poderei, neste momento, dizer muito sôbre escolas de enfermagem,
porque o tempo não é suficiente, apenas desejo focalizar um ponto que é de
interêsse para os senhores médicos e para nós, enfermeiras. Florence Nightingale,
criadora da concepção de enfermagem, sôbre quem já se referiu o Dr. Souza
Campos, declarou, certo dia que a enfermagem é "a mais bela das artes". E eu
acrescento, é dos mais delicados trabalhos. Faz-se mister ressaltar o papel da
enfermeira. A enfermeira, na sua concepção moderna, é um fator de grandeza
nacional. Hoje, é um elemento de defesa nacional. Ora, se a enfermagem é uma
profissão que torna os seus agentes fatôres de grandeza nacional, ela deve ser
apreciada no seu justo valor. Se a enfermagem faz os seus membros elementos da
defesa nacional, ela deve ser classificada em seu justo lugar. Tem sido assim em
nossa terra? Não.
No Brasil, em 1922, Carlos Chagas, que jamais será bastante lembrado por
enfermeiras e brasileiras, querendo organizar o Departamento Nacional de Saúde
Pública, sentiu, imediatamente, que nada poderia fazer sem os soldados dessa
campanha da saúde, soldados que o Brasil não possuía, soldados que vão executar
os planos que os senhores higienistas elaboram.
Carlos Chagas sentindo a necessidade dêsse exército, fundo, em
colaboração com a Fundação Rockefeller, um centro preparador dêsses elementos.
Assim, nasceu a Escola Ana Neri. Seu curso, desde então, se organizou com o
objetivo de dar enfermeiras, na verdadeira acepção da palavra, enfermeiras que
soubessem, ao mesmo tempo, prestar cuidados ao doentes e aplicar os meios de
defesa da saúde, meios de proteção da vida.

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

217

Assim organizou-se esta escola, com êsse fim de preparar enfermeiras
capazes de dar cuidados ao doente e defender, por todos os meios, a vida do
homem nacional.
Pois bem: esta profissão, que nasceu assim, bem amparada, de braço tão
ilustre, não encontrou clima para se desenvolver, pois, após 20 anos, de 1922 a
1942, se percorrermos as estatísticas, veremos que existem apenas 4 escolas de
enfermagem, no Brasil, do tipo criado por Carlos Chagas, a escola padrão e mais
três, que lhe foram equiparadas.
A escola padrão, fundada em 1922, iniciou as suas atividades em 1933. Dez
anos depois, que tive a honra de fundar, recebeu o nome dêsse eminente cientista
patrício, como prova de gratidão da mulher brasileira pelo homem que lhe dera
essa nobre profissão.
Em 1939, as Irmãs de Caridade criaram a Escola Luíza de Marillac, tendo
como sua fundadora uma irmã enfermeira, diplomada pela Escola Carlos Chagas.
Mais tarde, era criada a Escola de Enfermagem do Hospital S. Paulo, anexa
à Escola Ana Neri.
Temos também a Escola de Enfermagem da Cruz Vermelha, que agora está
seguindo o programa da "Ana Neri", mas é dirigida por médico. Numa estatística,
feita por nós, há pouco tempo, mas é dirigida as diplomadas dessas escolas,
encontramos, aproximadamente, 1.200 enfermeiras. Para uma população de
45.000.000 habitantes, a percentagem é de uma enfermeira para 37.500 pessoas.
Isto quer dizer que, práticamente, não existe assistência de enfermagem para nossa
gente, enquanto que os Estados Unidos possuía, há 3 anos atrás, uma enfermeira
para 375 pessoas. Os seus soldados seguiam com uma enfermeira para 200
homens; agora, estão com 7 milhões de homens em combate e têm 70.000
enfermeiras, acompanhando essas tropas.
Nós ao contrário, estamos na penúria conhecida e quem justamente
focalizar a responsabilidade dessa situação. Peço licença para usar de franqueza,
porque estamos em família, os médicos são os comandantes de nosso exército e por
isso faço um apêlo aos senhores médicos a respeito da situação que nos cerca. A
falta de compreensão dos médicos, quanto ao valor da enfermeira, é um dos
motivos da pouca expansão da profissão entre nós. E a falta de enfermeiras é causa
de grandes males.
Por que cresce a mortalidade infantil, em vez de diminuir? Por que morrem,
ainda, mulheres de parto?

218

ESPECIALIZAÇÃO NA MODERNA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

MÉDICOS E ENFERMEIRAS
Todos somos responsáveis e permita-me os senhores, que eu diga que aos
médicos cabe uma responsabilidade maior. São os médicos que podem impedir que
os trabalhos de enfermagem sejam executados por leigas, muitas vêzes ignorantes e
falhas de cuidados. Que êsse tesouro precioso, que não se reconstitui, essa saúde
que a sua consciência profissional exige, que por ela trabalhe até o último instante
­ a vida dos seus doentes, seja entregue a mãos habilitadas para tal mister.
Olhemos para o Brasil, para a capital do país, e se percorremos as Casas de Saúde,
onde vão ser tratadas as nossas famílias, talvez não encontremos senão uma ou
outra servida de assistência técnica. Nas maternidades, onde se passa êsse ato
sumamente importante, nascer de uma criança, a quem estão entregues êsses
cuidados? A leigos sem formação. Falta de pessoal técnico, falta de escolas, tudo
isso porque a engrenagem técnica vive órfã, sem apoio e por alguns até guerreada.
Os senhores médicos poderiam trabalhar, lutar para que nos hospitais, nas
casas de saúde, que eles dirigem ou onde trabalham, contratem enfermeiras
técnicas. Se a classe médica apoiar a sua companheira, aquela que anda solidária
com êle, a enfermagem, que é a profissão auxiliar e colaboradora da medicina,
tanto no campo clínico, quanto dá os cuidados necessários aos doentes, ou de
higiene e da profilaxia, aplicando os meios de defesa da saúde; se a medicina
caminhar amparando a enfermagem, a vida da nossa gente, esta gente tão boa, tão
nobre, será defendida. É preciso, portanto, que o médico dê à enfermeira o seu
justo valor. É necessário que cada Estado possua uma escola, onde se formem
enfermeiras, dêsse tipo de profissão que exige ser de uma educação aprimorada,
que não pode ser tirada do meio inferior, porque a missão é grande demais,
delicada demais.
É o mais delicado dos trabalhos.
Prestar cuidados ao corpo, penetrar no espírito, levantar a alma, dar
horizontes diferentes a um ente arruinado, aperfeiçoar a raça, exercer uma função
social profunda, defender o país, em hora como a presente, para a recuperação dos
defensores da pátria, indo com êles à luta, é tarefa das mais nobres e merece a
compreensão e o apoio da ilustre e distinta classe médica, como a de todos os
brasileiros.
E termino, deixando aos senhores médicos êsse apêlo, que a idade e os anos
de serviço a uma cousa permitem e autorizam".

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO
2)
3)
4)

DIVISÃO
ECONÔMICO
ADMINISTRATIVA

(D.E.A.)

7)

5)
6)

1)

I

DIVISÃO
Conselho ou Mesa Administrativa ­
Provedoria.
Direção ou Supervisão ­ Mordomia ­
Administração ou Gerência geral.
Secretaria ­ Relações com o público ­
Educação ­ Propaganda ­ Publicidade.
Tesouraria ­ Contabilidade ­ Arquivo
geral.
Propriedade ­ Rendas e Despesas.
Serviço de Compras ­ Economato ­
Almoxarifado ou Depósitos.
Portaria ­ Comunicações e Informações
­ Centro Telefônico e de InterComunicação.

SEÇÃO OU SERVIÇO

Pelo DR. THEOPHILO DE ALMEIDA

7)

5)
6)

4)

3)

1)
2)

Presidente ou Provedor da Corporação.
Diretor geral ou Superintendente ­
Mordomo
­
Administrador
­
Assistentes.
Secretários ­ Escriturários ­ Auxiliar
de escrita ­ Estenógrafo ­ Datilógrafo.
Tesoureiro ou Caixa ­ Auxiliares ­
Contabilidade ou Guarda-livros ­
Arquivista.
Procurador ou Advogado.
Chefe de Compras ­ Ecônomo ­
Almoxarife ou Chefe de Depósitos.
Porteiro ou Encarregado da Recpção e
de Comunicações ­ Telefonista-Chefe e
Telefonistas.

EXECUÇÃO

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO HOSPITAL GERAL DE PADRÃO MAXIMO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

e
8)

7)

6)

3)
4)
5)

2)

1)

Necrotério e Velório
9)
Transporte ­ Condução Correio e 10)
Vigilância geral.

Biotério e Criação em geral

8)

9)
10)

Terrenos e culturas: Hortas
Jardins, Parques e Pomares.

6)

(D. A. S. A.)
7)

3)
4)
5)

Rêde de Água e Esgotos, de Gás e
Vapor.
Luz e Fôrça elétricas.
Telefones e Rádios.
Máquinas e Oficinas ­ Refrigeração
e Aquecimento.
Lavandaria ­ Rouparia ­ Costura.

2)

DIVISÃO
AUXILIAR
DE
SERVIÇOS
DA
ADMINISTRAÇÃO

Instalação e Equipamento
Conservação e Limpeza.

1)

II
­

EXECUÇÃO

DIVISÃO

Eletricistas.
Rádio-Técnico.
Mecânicos ­ Pintores ­ Carpinteiros
e Auxiliares ­ Artífices.
Encarregado ­ Lavadeiras e
Passadeiras
­
Costureiras
e
Ajudantes ­ Serzideiras ­ Marcação
Encarregado de terras e plantações ­
Jardineiros
e
Hortelões
­
Trabalhadores.
Encarregado
do
Biotério
e
Tratadores.
Encarregado e Auxiliares.
Encarregado ­ Condutores ­
Motoristas ­ Ascensoristas ­
Mensageiros e Guardas.

Chefe da Divisão ou Engenheiro ­
Chefes dos Serviços Auxiliares da
Administração.
Bombeiros ­ Gazistas ­ Foguistas.

SEÇÃO OU SERVIÇO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

2) Escolha e Classificação de Gêneros
alimentícios ­ Depósitos e Frigorificação.
3) Tabelas e Padrões de Cardápios.
4) Preparação de Alimentos (Cozinha e
dependências).
5) Açougue.
6) Padaria ­ Confeitaria.
7) Distribuição das Dietas (Transportação,
Copas, Refeitórios).

1) Técnica da Alimentação ou Nutrição.

SEÇÃO OU SERVIÇO

1) Qualificação ­ Matrículas.
2) Admissão de Doentes Internos e externos
DIVISÃO
­
Exames
do
Pessoal
Técnico
DA
Administrativo.
ADMISSÃO
3) Identificação
­
Classificação
­
E
Arrecadação.
REGISTROS
4) Registros Pessoais ­ Entradas e Saídas.
(D. A. R.)

IV

DIVISÃO
DA
DIETÉTICA
(D. D.)

III

DIVISÃO

4) Escriturários e Datilógrafos.

3) Fotógrafos ­ Datilocopista ­ Auxiliares.

1) Chefes da Divisão de Admissão.
2) Assistentes e Auxiliares ­ Médico ­
Enfermeiras ­ Auxiliares de Enfermagem.

3) Dietistas especializadas.
4) Mestre-Cozinheiro ou Cozinheiro-Chefe
­ Cozinheiro e Ajudantes de Cozinheiro.
5) Açougueiro ou Cortador.
6) Padeiro e Confeiteiro.
7) Auxiliares de Cozinha e Serventes ou
Auxiliares de Enfermaria ­ Copeiros.

1) Chefe da Divisão ou Diretoria da
Dietética.
2) Chefes de Serviço ­ Dietistas diplomadas.

EXECUÇÃO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

(D. F. C. C.)

DIVISÃO
DO
FICHÁRIO
CLÍNICO
CENTRAL

2)

1)

Fichário Central para Doentes Internos
e Externos ­ Biblioteca Médica ­
Filmoteca.
Fichas ­ Prontuário ou História do
Doente
­
Documentos
de
Comprovação ­ Registros ­ Anamnese
­ Exames Físicos ­ Clínica ­ Exames
Auxiliares
e
Laboratório
­
Diagnósticos: Provisório ou Definitivo
­ Tratamento Médico-Cirúrgico e Te-

Assistência Recreacional.
Assistência Funerária.

6)
7)

VI

Assistência Financeira.
Assistência Judiciária.
Assistência Espiritual.
Assistência Educacional.

2)
3)
4)
5)

DIVISÃO
DO
SERVIÇO
SOCIAL
(D. S. S.)

Investigação e Assistência Social.

1)

SEÇÃO OU SERVIÇO

V

DIVISÃO

2)

1)

6)
7)

2)
3)
4)
5)

1)

Médicos e Internos ­ Enfermeiros e
Auxiliares
de
Enfermagem
­
Bibliotecários (Executores nos serviços
clínicos).

Chefe da Divisão ou Diretora.

Chefe da Divisão ou Diretora-Chefe de
Serviço ­ Assistentes.
Agente Social e Esmoleres.
Advogado ­ Curador.
Sacerdote ou Capelão.
Professores ou Mestres ou Instrutores ­
Bibliotecário e Auxiliares.
Diretores de Grêmios e Artistas.
Cooperadores e Benfeitores em geral.

EXECUÇÃO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

DIVISÃO
DAS
CLÍNICAS E
CORPO MÉDICO
(D.C.C.M.)

VII

DIVISÃO

2) Medicina Geral-Cirurgia Geral ­
Obstetrícia ­ Ginecologia ­ Pediatria
­ Ortopedia ­ Traumatologia ­
Otorrinolaringologia ­ Oftalmologia
­ Neurologia ­ Psiquiatria ­
Endocrino-

1) Serviços Médicos Cirúrgicos e Corpo
Clínico.

rapêutica Auxiliar ­ Observações ­
Causa da Transferência ou Motivo da
Alta ­ Laudo da Necropsia ou Causamortis ­ Diagnóstico final resultante.
3) Revisão e Resumo de cada história
ou prontuário do doente ­
Sistematização ­ Classificação d
eDiagnósticos
­
Código
da
nomenclatura das Doenças ­
Bioestatísticas ­ Intercomunicação
Mecânica e Pneumática ­ Ditafones e
estenografia.

SEÇÃO OU SERVIÇO

1) Chefe ou Diretor da Divisão ou
Diretor ­ Médico ou Diretor do
Corpo Clínico.
2) Chefes de Clínica ou de Serviço ­
Assistentes ­ Auxiliares ­ Médicos
Clínicos ou Internistas ­ Cirurgiões ­
Especialistas.

3) Ficharistas ­ Auxiliares de Fichário ­
Escriturários ­ Datilógrafos ­
Estenógrafos.

EXECUÇÃO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

(D.A.D.T)

DIVISÃO
AUXILIAR DO
DIAGNÓSTICO
E DA
TERAPEUTICA

VIII

DIVISÃO

1) Laboratório de Análises Clínicas ­
Laboratório Anátomo-Patológico ­
Necropsias
­
Laboratório
Microbiológico ou Biológico ­
Laboratório das soluções injetáveis e
químico.
2) Radiologia e Roentgenterapia ­
Metabolismo Basal ­ Alergia ou
Imologia ­ Odontologia para
Diagnóstico
e
Tratamento
­
Anestesia e Gazoterapia.

logia
­
Cardiologia
­
Gastroenterologia ­ Protologia ­
Urologia
­
Dermatologia
­
venereologia ­ Cancerologia ­
Leprologia ­ Tisiologia ­ Doenças
Transmissíveis Agudas e outras
Especialidades.
3) Corpo Clínico ­ Conferências ­
Congressos ­ Reuniões.

SEÇÃO OU SERVIÇO

2) Radiologista ­ Dentista ­ Anestesista
(Chefe e Auxiliares) ­ Especialistas.

1) Diretor ou Chefe ­ Chefes de Serviço
­
Técnicos
Diplomados
­
Laboratoristas e Auxiliares ­
Laboratoristas e Auxiliares ­
Práticos.

3) Médicos e Estudantes: Residentes ou
Internos ­ Médico Honorário ­
Efetivo ­ Consultor ­ Estagiário ou
de Cortesia.

EXECUÇÃO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

(D. E.)

DIVISÃO
DA
ENFERMAGEM

IX

DIVISÃO
3) Farmacêutico
­
Ajudantes
­
Auxiliares ­ Doadores Matriculados ­
Técnicos.
4) Massagista
­
Ortopedista
­
Fisioterapêutas ­ Banhistas ­
Auxiliares especializados.

1) Chefe da Divisão ou Diretora ­
Supervisoras de Enfermagem ­
Enfermeiras
­
Chefes
­
Especializadas
­
Enfermeiras
Diplomadas
­
Estudantes
de
Enfermagem ­ Auxiliares de
Enfermagem.
2) Diretora da Escola de Enfermagem ­
Professôres da Escola ­ Enfermeiras
­
Instrutoras
­
Enfermeirasmunitoras.
3) Zeladoras ­ Auxiliares e Servents.

3) Farmácia
com
ou
sem
Laboratório ­ Banco de Sangue e
Transfusão.
4) Mecanoterapia ou Massagem ­
Prótese ­ Fisio-eletroterapia e
Curioterapia ­ Hidro-balneaterapia ­
Solários ­ Praxiterapia ­ Reeducação
­ Reabilitação.
1) Enfermagem Técnica de tipo Padrão.

3) Serviços Auxiliares de Enfermagem.

2) Ensino da Enfermagem em Geral.

EXECUÇÃO

SEÇÃO OU SERVIÇO

H
O
S
P
I
T
A
L

DEPARTAMENTO

(D. D. E.)

DIVISÃO
DOS
DOENTES
EXTERNOS
AMBULATÓRIOS

X

DIVISÃO

2) Chefes de Serviços e Assistentes dos
Ambulatórios
­
Médicos
ou
Especialistas
­
Dentistas
­
Enfermeiros e Dietistas ­ Ficharistas
e Datilógrafos ­ Serventes.
3) Visitadores ­ Auxiliares

2) Exames ­ Triagem ­ Tratamento dos
Doentes Externos nos Ambulatórios
­ Educação Sanitária do Doente
Matriculado ­ Assistência Médica no
Domicílio.
3) Cuidados com os Egressos ­
Convalescentes e Curados ou
guimento (Follow up) ­ Cuidados
Sanitários na Coletividade.

1) Diagnóstico e Tratamento
Doentes
Externos
ou
Ambulatórios.

1) Chefes ou Diretor da Divisão de
Doentes Externos.

EXECUÇÃO
de
de

SEÇÃO OU SERVIÇO

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

APERFEIÇOAMENTO
TÉCNICO NA
ADMINISTRAÇÃO
HOSPITALAR

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

Capítulo

4

APRESENTAÇÃO
A "Publicação nº 4" que ora é dada a lume e que será distribuída grátis,
como os anteriores, a todos os hospitais do Brasil e aos serviços oficiais, dos
particulares interessados de algum modo nos problemas vários da assistência
médico-social, representa uma nova etapa na campanha nacional em que há
quatro anos estamos empenhados no sentido de cooperar na criação e ampliação,
e na melhoria das edificações e dos serviços hospitalares e para hospitalares em
nosso país, e por todo o território nacional.
Iniciadas estas publicações em 1944, já as edições ns. 1 e 2 estão
esgotadas, e possìvelmente se fará uma reimpressão de ambas para atender a
numerosos pedidos insatisfeitos.
A série deverá continuar anualmente, porfiando-se, destarte, em disseminar
conhecimentos técnicos especializados, normas e padrões, para que se esclareça e
se pratique o conceito, hoje vitorioso, do que se convencionou chamar "hospitalmoderno"; e a fim de que se oriente em novos rumos e se firme definitivamente,
entre nós, a consciência da mais moderna organização e administração
hospitalares.
Sem êste trabalho prévio e concomitante, improfícuo senão prejudicial
resultaria qualquer iniciativa de realização material, e assim, desaconselhável e
inoportuno todo auxílio e a cooperação filantrópica, que mal aplicada, em vez de
beneficiar, prejudicará, muita vez definitivamente, o problema local ou regional a
resolver.
A presente publicação está dedicada à tradicional e numerosa participação
de "Religiosas": irmãs de caridade, madres, freiras, e de outras designações pias,
que, como profissionais, prestam em todo o país, valiosos serviços assistências à
administração e à enfermagem nos hospitais, nas clínicas e policlínicas, nos
ambulatórios e dispensários, nas estâncias de cura, nos asilos, abrigos e
albergues.
Damos, desta feita, à publicidade a notícia completa e o texto de algumas
aulas do Curso Intensivo de Aperfeiçoamento sôbre Organização e Administração
Hospitalares, destinado exclusivamente para IRMÃS; uma das realizações
maiores, das que mais estimamos pela eficiência obtida e como exemplo promissor
entre as atividades, até o presente, do serviço federal de orientação e assistência
técnica a nosso cargo, no Ministério da Educação e Saúde.
Comprovam-no, bastantemente, a leitura do programa minucioso do Curso,
executado todo com o mais feliz êxito, a escolha dos distintos professores, a
assistência assás numerosa de Irmãs, e a bem estudada ex-

230

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

posição dos assuntos, ora técnico, ora de caráter prático, do que constituem
amostra as primeiras aulas aqui publicadas. Consagra-o sobretudo o alto
patrocínio que lhe deu a Arquidiocese do Rio de Janeiro e, "magna pars", o
Exmo. Sr. Arcebispo D. Jaime de Barros Câmara, e, bem assim, D. Aloísio
Masella, Eminente Núncio Apostólico, que coroou a vitória dêsse tentamen,
presidindo ao ato final da distribuição dos diplomas.
A demora inevitável desta publicação, permitiu, na data e nesta
apresentação, mais êste registro da gratíssima coincidência da ascensão dos dois
egrégios referidos patronos e benfeitores do Curso, poucos meses depois, à insigne
e privilegiada distinção do Cardinalato, entre os nossos cardiais italianos e
brasileiros.
Conforta-nos e anima para novos empreendimentos ainda, de outro modo,
uma lisonjeira notícia, através excelente artigo escrito por Monsenhor Alphonso
M. Schwitalla, nome aureolado de grande benemerência na moderna organização
hospitalar nos Estados Unidos, e que nos dá conta dos "institues" ou cursos
intensivos realizados na Norte América, nestes últimos anos sob o patrocínio da
Associação Católica de Hospitais, com a mesma finalidade, e só para Religiosas,
como o aqui levado a efeito, para o aperfeiçoamento técnico na administração
hospitalar.
Está publicado na revista "Hospital Progress" de Milwaukee, Wisc. E.U.A.
de abril de 1945, órgão oficial da Ass. Cat. de Hospitais, que aqui chegou,
justamente, durante o nosso primeiro Curso Intensivo para Irmãs de Caridade,
ocorrido em fins do mesmo mês de abril e em princípio de maio.
Informa Monsenhor Schwitalla, e nós o desconhecíamos, totalmente, até
aquela data, que já se haviam realizado nos Estados Unidos, sob o citado
patrocínio, cinco dêsses Institutos ou Cursos Intensivos de Administração
Hospitalar só para religiosas, sendo um em 1939, comparecendo 49 Irmãs; outro
em 1940 com 40 Irmãs matriculadas, em 1941 com 17 matriculadas; em 1942 com
19, sendo que o de 1940, o mais freqüentado, teve a presença de 50 irmãs. Em
1943 não houve. Até a data, assim, 175 irmãs gozam das vantagens deste Curso
básico sôbre os princípios da moderna organização e administração hospitalares,
na América do Norte.
O programa inserto no longo artigo em aprêço e também o primeiro,
parece, submetido à publicação com os temas e nomes dos professores, muito se
assemelha ao de nosso Curso, que fôra distribuído mimeografado e é agora
incluído na presente edição.
Essa citação tem por objetivo único assinalar as vantagens, confirmadas,
assim alhures em experiência anterior, da nossa iniciativa brasileira em benefício
da prática hospitalar, e de sua finalidade humana, que é universal, e não tem
pátria.
Semelhante a êste, de duração de quatro semanas, que é o primeiro curso
regular sôbre organização hospitalar para Religiosas, no Brasil, e na América
Latina, e que é o nosso quarto "instituto" anual nacional, em

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

231

prol da melhor técnica de nossos hospitais, realizámos três outros, êste de dois
meses, só para médicos e engenheiros, cursos oficiais anuais para formar
inspetores ou administradores hospitalares.
Seja-nos permitido juntar alguns dados interessantes para evidenciar a
eficiência desta iniciativa. São dados colhidos em um inquérito feito junto às 164
Religiosas que freqüentaram o curso nesta Capital, contando ainda a Irmã
Diretora da Escola de Enfermeiras Luiza de Marillac, pertencentes a 24
congregações, procedentes de dezenas de instituições e de vários Estados da
União, dos mais próximos.
O questionário foi distribuído em cópias mimeografadas, não endereçadas,
e as respostas não deveriam conter assinatura, deixando, assim, plena liberdade
de opinião a tôdas diplomadas. No momento já algumas irmãs haviam regressado,
daí que apenas 143 tomaram parte na consulta. O inquérito foi ideado e
promovido pela Ação Social Arquidiocesana, a A.S.A.
Ao primeiro quesito, sôbre a oportunidade e utilidade do Curso, 141
responderam "sim", uma declarou: "em parte", e outra: "útil por causa do
diploma"; e a maior parte das 141 favoráveis, classificaram de "ótimo", "muito
útil", "muito vantajoso" o Curso que acabavam de freqüentar. ­ À pergunta, se
notaram algum defeito de organização do curso, responderam "não", 114 Irmãs, e
as demais apenas fizeram restrições ou apresentaram sugestões.
Ao quesito: "Como foi organizado e realizado o curso, houve qualquer
inconveniente, por tratar-se de Religiosas", a resposta foi unânime: "Não". Uma
Irmã apenas fêz restrição.
Finalmente, sôbre as vantagens que encontraram no Curso, várias foram as
opiniões, mas pode-se dizer, todas favoráveis: "processo pessoal e coletivo",
"vantagens imensas", "dependerá o nosso êxito da Administração ou Direção do
hospital", "promessa de adotar as novas idéias", "melhor compreensão
hospitalar e social", etc.
Concluindo, submetemos o trabalho por nós realizado, com tão preciosa
colaboração e altíssimo apôio à livre apreciação dos especialistas e de todos
interessados no aprimoramento das nossas instituições hospitalares; e, para nós,
nos declaramos satisfeitos com os magníficos resultados obtidos dentro da
realidade de nossos recursos nacionais.
Confiamos e prometemos, com a lição e com o incentivo da aludida
experiência americana e com a nossa, que novos dêstes cursos se hão de realizar e
se multiplicar, nesta Capital e nos Estados, a fim de que seja uma realidade,
difundida no Brasil, a mais moderna organização e administração hospitalares.
THEOPHILO DE ALMEIDA

HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL ATÉ AO
HOSPITAL MODERNO
Pelo DR. THEOPHILO DE ALMEIDA (*)

Reverendas Madres, Senhora Irmãs:
Saudando-vos com as mais atenciosas congratulações de boas vindas, ao
encetar as palestras e demonstrações práticas deste Curso, quero prestar, de início,
por um grato dever e muito honroso privilégio, a mais alta e respeitosa reverência a
S. Exa., o Sr. Arcebispo D. Jaime Câmara, que se dignou patrocinar e dirigir para
êxito seguro que esta iniciativa promissora, que coordena e convoca vontades
realizadoras, que atende os reclames atuais e os ditames de uma nova prática, no
velho e sempre nôvo domínio da assistência médico-social.
Cumpre-me referir o interêsse e a participação eficiente que tem nesta
realizado a Ação Social Arquidiocesana, sob a direção devotada e espírito
esclarecido do Cônego José Távora, que incluiu, dêste modo, a moderna
organização hospitalar no programa de ampliação e atualização das obras sociais
da A.S.A.., e que, ainda mais, nos acolhe generosamente, oferecendo-nos esta sede
confortável.
A maneira dos cursos congêneres, que são filiados a instituições
universitárias, êste que ora começa, organizado pelo serviço especializado federal,
a nosso cargo, foi promovido sob os auspícios e máxima cooperação da Escola
Católica de Enfermeiras Luiza Marillac, desta Capital, equiparada, como se sabe, à
do tipo padrão ­ a Escola de Enfermeiras Ana Neri.
Louvores e agradecimentos se devem à sua Diretora, Irmã Matilde Nina,
que assumiu a direção, deu pleno desempenho aos atos preparatórios e à
convocação, brilhantemente vitoriosa, no seio das comunidades religiosas.
__________________
(*)
Aula inaugural do Curso Intensivo de Aperfeiçoamento de Organização e Administração
Hospitalares para Religiosas com Atividades nos Hospitais.

234

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Menção de pura justiça merece, igualmente, o Diretor Espiritual das Irmãs
de Caridade, Padre Tobias Dequidt, meu sábio mestre aqui presente, que conheci
no verdor de sua mocidade sacerdotal, já em plena frutificação na seara de S.
Vicente de Paulo, honrando a cátedra tradicional do Colégio do Caraça, como
professor excelente, entre os que mais fôssem.
Perdoe-me a sua modéstia, que eu ainda represente e objetive, na sua
pessoa, a minha gratidão e admiração, a minha mais respeitosa estima pessoal aos
Padres Lazaristas, aos quais tanto deve o ensino e a evangelização de nosso país.
***
Já vitorioso, na sua origem, graças ao mais valioso e autorizado apoio a que
correspondeu a mais alviçareira e numerosa matrícula, sobrexcedendo em número
as inscrições e solicitações a tôda expectativa, e mesmo à possibilidade normal de
atendimento mais conveniente, êste Curso, a que os americanos dariam o nome de
"institute", é o terceiro da especialidade que se realiza no BRASIL, o primeiro do
tipo-intensivo, e não tenho notícia de que outro haja sido levado a efeito, em outro
país latino-americano destinado, como êste, exclusivamente para Religiosas.
Já realizamos até ao presente, com programa maior e mais longo tempo,
dois cursos anuais de Especialização sôbre Organização Hospitalar, para médicos,
engenheiros, de outro tipo, instituído oficialmente por Decreto-lei, e a cargo da
Diretoria dos Cursos do Departamento Nacional de Saúde; cursos êsses que têm
por fim preparar consultores e inspetores técnicos, e diretores de hospitais, de
preferência para os serviços oficiais.
Está, desta sorte, reconhecida e autorizada entre nós a nova especialidade:
Organização e Administração Hospitalares; já sistematizada e na prática há anos
em outros países, como uma copiosa bibliografia própria, que se enriquece, dia a
dia, particularmente na América do Norte.
Coube, assim, ao Brasil a primazia em tôda a América do Sul, na realização
do primeiro curso, que teve lugar, nesta Capital, em 1943. Os americanos já
haviam feito trinta dêsses "institutes". Tive oportunidade de acompanhar, em Nova
York, durante uma quinzena de horário intensíssimo, um dos tais cursos, sob os
auspícios da Universidade de Cornell, destinado a diretores e administradores,
chefes e auxiliares com exercício nos hospitais.
Ainda em dezembro último tomei parte em Lima, no Perú, em outro dêsses
cursos intensivos levado a efeito com a cooperação brilhante de professôres
americanos, promovido pela Associação Interamericana de Hospitais, e que foi,
assim, o primeiro interamericano da Sul América.
São cursos de duas ou três semanas no máximo. Pois bem, em cada uma
dessas reuniões, a que compareci, como representante de nosso país, entre os
numerosos alunos havia médicos, engenheiros, enfermeiras di-

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

235

plomadas, diretores e chefes, e outros profissionais leigos da Administração de
Hospital, e que havia igualmente dezenas de religiosas pertencentes a vossas
irmandades, procedentes de vários hospitais e de vários Estados.
***
Não nos envaidecem essas citações e primazias, nem essas, nem outras
realizações inovadoras.
A todos nós, aqui reunidos pelo mesmo espírito, tanto humanitário, como
profissional, nos anima apenas a satisfação do cumprimento do dever, o anseio
pelo progresso técnico de nossas instituições, pelo bem-estar, sempre maior, do
doente de nossos hospitais.
Adverte-nos a lição milenar do Eclesiastes sôbre a vaidade das vaidades:
Nihil novi sub sole. Com efeito, na essência, nada há de nôvo debaixo do Sol ou
neste vasto mundo sublumar. Nada se cria; mas tudo se transforma, se aprimora ou
se amplia.
A evolução da Assistência, e assim a história do Hospital, constitui um
exemplo infinito dessas mutações e exteriorizações que, no fundo, encerram a
gema dos eternos princípios, que o esfôrço humano procura lapidar, afeiçoar,
melhorar, enfim, tal como neste momento procuramos nos aperfeiçoar a nossa
experiência e ajustar os nossos conhecimentos.
A Assistência, sôbre ser uma necessidade objetiva, guarda o seu motivo na
essência mesma da natureza humana, e encontra a sua razão na piedade e na
compaixão, e assim assistência se confunde com caridade, e responde também ao
primeiro cristão do "Ajudai-vos uns aos outros".
Na sua evolução até nossos dias, a Assistência atende ao sentimento de
solidariedade no sofrimento, à incerteza no infortúnio, à prevenção diante do
perigo, da ameaça das doenças, e sempre sob a orientação das místicas: religiosa,
cívica e social, e consoante o progresso das ciências e das artes.
Fiel a seu étimo latino, Assistência vem de ad-sistere, assistir, ajudar e é,
assim, sinônimo de cuidado, de socorro, e envolve tôdas as atividades na prática
do bem. Não é privilégio de raças, nem de povos, e existiu em tôdas as eras, sob
formas mais várias.
Nos tempos primitivos, entre os indús, os persas, e depois na própria
Turquia, se estabeleceu uma quota ou dízimo, obrigatòriamente, para socorrer a
pobreza. Esboçava-se, a moderna taxa de assistência pública de nossos dias...
Nada de nôvo sôbre a terra!
A educação poderá desviar ou obliterar êsses sentimentos genuínos da
solidariedade humana, dando-lhes interpretação diversa.

236

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Os Gregos e Romanos, na era pagã, imbuídos na idéia de que o Estado era
tudo, e tudo dependia do Estado, como em certos regimes modernos, considerava o
ser humano como um valor apenas: o indigente, o doente, o velho, o incapaz, as
crianças e até a mulher, julgados impróprios, então, ao Serviço do Estado, nada
podiam esperar dos governos. Era a doutrina de Platão.
Escravos e estrangeiros eram considerados fora da humanidade. Para
Sêneca, piedade, misericórdia, comiseração, significavam inferioridade, doença...
Cita-se que Plauto endossava o conceito de que dar de comer ao pobre
representa mau serviço por ser o indigente uma utilidade perdida. Não se
conheciam os prodígios da recuperação física e social, de nossos dias. O
patriarcado, em Roma, a seu modo, com o fim de evitar a igualdade social, que era
a esperança do pobre, protegia a indigência para manter êsses infelizes sob a tutela
e seu constante domínio e vigilância.
Mais tarde, ao lado do socorro da solidariedade humana e da influência da
caridade, ou diante da ameaça de revolta dos oprimidos, a instituição das leis ditas
sociais, começou a favorecer os necessitados. Também em nossos tempos
modernos, política semelhante, doutrinas filosóficas e ideologias existem que
consideram certas virtudes como inferioridade, e há homens, e até países, que
exploram os seus tutelados à guisa de proteção à liberdade, e de nivelamento social
ou democrático.
Outrora, em Roma, a proteção social, para usar a expressão moderna, tomou
feição positiva com a instituição das sportula, congiarium e annoma, sendo esta
última a repartição encarregada do aprovisionamento e da alimentação da cidade,
tal qual certas legislações ora em moda, em vários países, que tratam da
coordenação e do racionamento de gêneros alimentícios com tabelas de preços
especiais visando proteger os menos favorecidos da população.
As atuais Caixas e Institutos de pensões e a legislação sôbre salário e o
auxílio à família numerosa, acaso não se parecem com as pensões alimentares e
proteção aos filhos de indigentes do tempo do Antoninos, Nerva e Trajano?
A maior parte das instituições de beneficência que ainda hoje vivem ou
prosperam tiveram a sua origem e amparo na caridade cristã.
As conferências de S. Vicente e as damas de caridade exercem essa nobre e
penosa missão de assistência que é pedir ou receber esmolas e donativos, visitar os
enfermos e encarcerados, e distribuir o benefício aos domicílios do indigente e do
desajustado social, tal como já faziam, no tempo dos Apóstolos, o Servidor ou
Diácono, os Acólitos ou Auxiliares.
As próprias diaconias, mais tarde, não se transformaram, evoluiram, como
verdadeiras corporações, assim como hoje as repartições de assistência pública?

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

237

A assistência era, no começo, mista e indistinta, cuidando indiferentemente,
e conjuntamente de todos e ao mesmo tempo do velho e do doente; do peregrino e
do simples romeiro, do deficiente físico e do indigente; e até daqueles que, outrora,
expunham por qualquer motivo à arriscada contingência das viagens.
Nasciam, assim, o albergue e o abrigo, o hospício e o asilo. Pergunto: ainda
hoje não é quase assim em nosso país, infelizmente, a Casa de Caridade, pobre,
mal cuidada, de certos lugares mais atrasados ou de menos recursos, que tanto
recebe o doente, como o aleijado; o velho, o idiota, e a qualquer desamparo?
Lá pelo ano 325, o Concílio de Nicéa prescreveu a construção de pelo
menos um xenodóquio em cada cidade, casas para hospedar estrangeiros e
viajantes e também para outros necessitados, e multiplicaram-se êsses
estabelecimentos de assistência social. Não temos nós, no Brasil, em 1945, uma
nova lei que protege, isenta de impostos durante dez anos os hotéis, que se
construirem ou se adaptarem segundo determinadas prescrições legais com o fim
evidente de favorecer o viajante e o estrangeiro?
A lei justiniana, em seguida, diferenciou as instituições consoante à
finalidade especial de cada uma, e lhes fixou uma terminologia específica de
radical grego; nosocômio para doentes, ptocotrófios para crianças abandonadas;
orfanotrópios, para ófãos; gerontocômios para velhos; paramonórios ­ destinados
a trabalhadores inválidos.
Uma boa organização de assistência pública na época atual, precisaria de
aparelhamento mais adequado, e a tecnologia da assistência médico-social de uma
classificação mais erudita para a solução de seus problemas e finalidades
específicas?
Nosocômio ou hospital, como entidade diferenciada, aparelhado para sua
múltipla finalidade médico-assistencial é, entretanto, relativamente uma instituição
moderna, embora tendo os seus pródromos nos mais antigos tempos.
A assistência e tratamento dos doentes, teve a sua origem na magia e na
cura dos tempos pagãos; depois nas casas destinadas ao culto da superstição. Pois
não é assim, ainda hoje, que se pretende curar os enfermos entre os selvagens e
entre os semi-civilizados, e mesmo entre pessoas que sabem ler? Não se pratica
ainda no momento a medicina abusiva, sem ser médico, à guisa de culto religioso e
agora até a cirurgia sem cirurgião, como demonstração da habilidade dos espíritos?
Não há mesmo uma nova seita protestante que se vai espalhando assustadoramente
pelo interior do país, a qual nega a higiene, a medicina, a cirurgia, a saúde, enfim,
acreditando na cura espontânea por fôrça da sua crença, e assim favorecendo as
doenças, e multiplicando os óbitos?

238

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A Assistência e o hospital, como causa e efeito, foram companheiros
inseparáveis através a longa e acidentada travessia na vida dos povos e representam
índices das fases diversas na marcha da civilização, das ciências e das artes,
refletindo, de certo modo, o progresso da humanidade.
As instituições hospitalares pròpriamente, se desenvolveram no ano 1000,
maximé no tempo das Cruzadas, como obra pia, mantida e exercida como
privilégio religioso até 1311, quando o Papa Clemente V, pela constituição dita
Clementina, entregou aos leigos a administração dos hospitais.
À criação de um grande hospital modêlo, por Luiz XIV, o Hospital Geral
de Paris, lá pelo ano de 1646, com administração leiga, civil, estendendo-se esta
organização de assistência por tôda a França seguiu-se a tentativa frustrada de
Daguesseau, um século depois, para converter em bem público os hospitais e seus
patrimônios. Esta idéia, que foi formulada por Necker, no édito de 1780, que aliás
ficou sem execução no mesmo sentido da apropriação pelo Estado, das
propriedades dos hospitais, consumou-se mais tarde aqui e ali. A história se repete
em parte ou totalmente e se verificou mesmo em países da América Latina. Pois
não é a recente organização hospitalar do Chile, o mais completo padrão nesse
sentido, da centralização de tôda assistência médico-social nas mãos do Estado?
O govêrno arrolou ali tôdas as propriedades patrimoniais de Assistência,
públicas e particulares, e constituiu um serviço nacional, tipo autárquico, de
beneficência pública; que administra tôdas as instituições, com a colaboração
também das Religiosas conservadas nos hospitais em que já exerciam suas
atividades embora sob orientação e com atividade mais especializada.
Como é sobejamente sabido, há quase dois séculos, a Revolução Francesa
teve influência radical na administração dos hospitais, mudando o curso das coisas,
e, então, mais uma vez foram afastados os católicos, as corporações religiosas com
seus recursos, e criou-se uma legislação de assistência pública, compreendendo
tôda uma rêde de instituições médicas e sociais, com as denominações várias, que
ainda hoje conservam embora com um nôvo espírito.
Já então instituíam regulamentos do trabalho dos menores nas Indústrias, a
criação das Caixas de Aposentadorias, Montepio, etc., etc.
Tantas vêzes afastadas as Religiosas, outras tantas a sua cooperação se
tornou necessária no mundo, e voltaram a servir com a mesma devoção e com o
mesmo devotamento.
***
A evolução da instituição hospitalar nas Américas tem uma história digna
de um especial registo.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

239

O primeiro hospital do continente Americano, de que há notícia foi fundado
por Cortez, em 1524, na cidade do México; o mais antigo hospital do Brasil é a
Santa Casa de Santos, criada por Braz Cubas, em 1543. Pois bem, só em 1634
construiu o Canadá o seu primeiro estabelecimento hospitalar, e com administração
religiosa, e, o que é mais para se admirar, sômente um século depois do México e
do Brasil, em 1663 surgiu o primeiro hospital nos Estados Unidos, na ilha de
Manhathan na Cidade da Nova Iorque.
Os últimos serão os primeiros, ainda aqui se confirma o conceito
evangélico... E também mais uma vez se verifica a sabedoria da advertência bíblica
referida no início sôbre a vaidade das primazias...
A Norte América, que foi tardia no construir e no possuir o seu primeiro
hospital, séculos depois adiantou-se sobremaneira nesse terreno, sobrepujou a
todos demais países americanos neste progresso, realizando durantes êstes últimos
trinta anos a mais admirável organização e administração hospitalares, que hoje
vivem nas suas modelares instituições; criou mesmo uma nova especialização
completa, sistemática, abeberada nos modelos europeus, é verdade, mas ampliada e
aprimorada, excelentemente, como especialização, cujos ensinamentos estamos
procurando adotar e disseminar no Brasil.
Como símbolo, objetivo dessa especialidade, se nos depara o padrão já
consagrado, que se convencionou denominar: o hospital moderno.
***
A Assistência Pública, e assim a administração do hospital, tem conceito
vário em cada país. O regime adotado, por exemplo, pela adiantada República do
Chile, neste particular, aliás com apreciável êxito, não conviria, a meu ver, ao
nosso meio, data a vastíssima extensão territorial do Brasil, ao número muitíssimo
maior de nossos hospitais, cuja manutenção, em conjunto, sôbre se dificílima como
administração centralizada, seria assás onerosa ao Govêrno, pelo vulto enorme das
despesas e complexidade da execução.
Uma política bem diversa é a nossa e que poderá ter a mesma eficiência;
expressa nas leis e regulamentos federais existentes e com futura ampliação no
sentido da técnica, da sistematização, segundo os seus pontos cardiais: a
coordenação, a cooperação, a orientação e o contrôle das instituições hospitalares
e para-hospitalares, sem prejuízo da primitiva finalidade sentimental e de motivo
religioso; e também sem o exagero domínio da autonomia oficial ou particular,
sem a intangibilidade que defendem muitos administradores hospitalares norteamericanos, ciosos do progresso assombroso que ali, também, neste domínio se
deve à iniciativa particular.

240

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A realização dêste Curso e de outros que se vão organizar, aqui e em outras
regiões do país, e aquêles que já realizamos mais completo e anualmente, por lei
expressa, federal, a fim de preparar Inspetores e profissionais especializados em
organização e administração hospitalares; a visita periódica que os nossos
inspetores fazem aos hospitais, e em todo o Brasil, e os laudos ou relatórios de
inspeção, cujo único objetivo é levar a cada instituição a contribuição técnica
moderna, modelos e normas que constantemente os nossos serviços estão
preparando e distribuindo, sem qualquer ônus para o beneficiado, abrangendo a
assistência de especialistas, que a Divisão de Organização Hospitalar facilita ou
fornece, para o planejamento de novos hospitais inclusive, quando possível, a
presença do próprio arquiteto, in loco, e, acima de tudo, a boa acolhida e mesmo a
colaboração efetiva que já estamos sentindo e recebendo das instituições, e também
dos Diretores, Administradores e auxiliares, enfim, de tôda essa legião de
profissionais abnegados, que não cuidam, às vêzes, da sua própria saúde,
preocupados tão sômente em aliviar o sofrimento alheio, mal remunerados ou sem
honorários, eis o conjunto de atividades e de esforços individuais que estão
contribuindo, construindo uma grande obra nacional; ampliando, aprimorando,
modernizando os nossos hospitais; preparando e completando uma vasta e modelar
rêde hospitalar e assistencial para servir e satisfazer a todo o território nacional.
É a moderna Assistência, a Assistência pública e particular, sinônimo de
organização hospitalar.
***
Êste curso que ora se inicia sôbre ser o primeiro intensivo, que realizamos, é
o primeiro exclusivamente para Religiosas.
Até o presente, e desde 1933, mais de trinta dêsses cursos, intensivos ou
Institutes foram realizados nos Estados Unidos e em várias cidades, sob o
patrocínio de universidades, escolas, e associações, sendo um apenas dado em
comunidade da língua latina, no território americano de Pôrto Rico até 1943.
Foi planejada a realização de três Cursos ou Institutes interamericanos de
hospitais: o primeiro no México, o segundo em Lima, ambos já realizados e o
terceiro será no Rio de Janeiro.
O nosso programa, obedecendo, entretanto, as normas e as linhas gerais dos
cursos americanos, compreende desde o histórico da assistência médico-social a
evolução das instituições hospitalares e para-hospitalares, até ao hospital-moderno;
a legislação e tipos de administração pública ou particular; a classificação das
instituições; a definição e terminologia referente a tudo que se relaciona com
assuntos hospitalares, a fim de que possamos nos entender a respeito em tôda a
vasta extensão do território nacional, usando a mesma linguagem técnica,
facilitando destarte a colheita uniforme dos dados estatísticos.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

241

Estudamos os diversos tipos de instituições hospitalares, desde o hospital
geral, o hospital-colônia, o hospital-escola ou de ensino, até aos hospitais
especializados, considerando cada um separadamente, individualmente; aprende o
aluno os vários padrões de hospitalização e os modelos de instituições
nosocomiais; inclusive a organização e administração da assistência parahospitalar; policlínicas e clínicas isoladas, dispensários, ambulatórios, estâncias de
cura (hidro minerais, balneárias e climáticas) até asilos, abrigos e albergues.
A classificação das instituições médico-sociais por nós instituída
compreendendo a divisão hospitalar e a divisão para-hospitalar, obedece a uma
gradação decrescente do cuidados médicos e crescente da assistência social.
Entre muitos ensinamentos com relação a edificações e instalações, o Curso
advertirá preliminarmente que o planejamento de um hospital ou mesmo de
qualquer instituição médico-social, construção nova ou reforma não é problema a
ser resolvido sômente pelo Arquiteto, ainda que se trate do mais notável da classe,
mesmo que seja dos mais familiarizados com tais construções, porquanto já passou
por julgado, entre as competentes e consagradas autoridades em assuntos de
Organização e Administração Hospitalares, que o estudo inicial, o planejamento
baseado na inspeção prévia do local, compete ao Consultor Hospitalar,
especializado, que apresentará um relatório completo, que será o programa do nôvo
hospital, minucioso, objetivo, com tôdas verificações e previsões possíveis, que
vão desde o estudo da localidade, clima, meio social, riquezas, possibilidades
futuras, até a escolha do terreno, bom ensoleiramento, ventos favoráveis,
aprazibilidade, os meios de comunicações, a economia na escolha dos materiais a
usar e ainda outras condições peculiares.
O Relatório dêste trabalho inicial, que fôr realizado após entendimento com
os primeiros interessados, seja diretoria, sejam financiadores de futura instituição,
seja govêrno, se entrega a um Arquiteto ou firma de Engenheiros Construtores de
preferência especializados em construções hospitalares, para o estudo do projeto,
desde o esbôço, que será apreciado em conjunto, até às especificações e orçamento.
Começa, então, uma obra de constante colaboração até o final entre as três
entidades interessadas. A Divisão de Organização Hospitalar, ao mesmo tempo que
procura incentivar a especialização dos arquitetos e de construtores, preparou e está
fornecendo, como modêlo, o "Questionário para inspeção prévia", bem assim
plantas de um hospital geral-padrão, plano progressivo e flexível, com 25 ou 50
leitos inicialmente até 300 leitos em futuro. Aconselha tipos de repartições internas
para reduzir as grande enfermarias, fornece planos de reformas e modernização de
antigas edificações, e tôda essa contribuição é dada a hospitais oficiais, santascasas ou casas de saúde, a qualquer hospital, gratuitamente.

242

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Seguindo, fielmente, essas normas, já vitoriosas nos países mais avançados
na especialidade, a começar pelos Estados Unidos, se evitarão entre nós, os erros
irremediáveis, e os projetos inviáveis e os prejuízos sem conta verificados em
estruturas perdidas, em construções paralizadas ou várias vêzes reformadas,
alteradas, e defeituosas ao terminar. Tudo como conseqüência de projetos mal
orientados inicialmente, sem a sistematização orgânica, via de regra, frutos das
melhores intenções, quando não assinalam, lamentávelmente, uma vaidade ou um
afoitamento, em que a ignorância, muita vez corre parelha com a presunção e com
a imprevidência. Eis uma lição preciosa, de inapreciável valor e utilidade prática
que êste curso, entre outras, nos ensina neste particular.
O programa do Curso inclui ainda certos problemas e atividades gerais de
organização hospitalar nas comunidades, a cargo da repartição especializada, de
associações ou outras entidades tais como o Censo e Cadastro das instituições que
é fundamental para o estudo dos diversos planos, como, por exemplo, da Rêde de
Hospitais Regionais, para um Estado ou País; dá norma para a verificação do custo
do doente-dia, onde convier, para a classificação das instituições, determinação do
que se chama índice de "ocupação hospitalar" numa região, cidade ou instituição,
isto é, índice de internamento de doentes ou do número de leitos ocupados em
relação aos existentes ou lotação do hospital, o que se expressa por certo
percentual. A queda de "índice de ocupação", dado que um certo volume de defesa
é constante e irredutível, denuncia a existência de uma crise econômica no
funcionamento da instituição e mais sensível é ela se se trata de um hospital
particular ou uma casa de saúde onde não deve haver deficit. A não ocupação dos
leitos, assim como a superlotação, são fenômenos igualmente nocivos ao equilíbrio
orçamentário da receita e despesa, refletindo-se no custo Per-Capita do doente, ou
do doente-dia, em qualquer instituição. A êsses problemas se acha ligada de algum
modo, a concessão de subvenções oficiais anuais, para manutenção, que devem ser
condicionadas à base do custo do doente-dia, e determinado êsse auxílio segundo a
eficiência e utilidade verificadas do hospital, de preferência à precariedade ou
pobreza da instituição.
O curso estimulará iniciativas para a fundação e manutenção de associações
de classe, de organização hospitalar, seja federal, estadual e municipal, bem assim
de "cooperativas" e "mútuas" destinadas a garantir hospitalização de contribuintes
ou sócios.
O curso elucidará êsses problemas e se ocupará ainda, particularmente, de
revelar todos os segredos da administração hospitalar, conselhos e mesas
administrativas, as funções hoje especializadas de Diretor ou de Administrador;
desde a organização do corpo clínico, do corpo de enfermeiras, de dietistas, de
anestesistas, de laboratoristas, o funcionamento da cozinha e da lavanderia.
Especial cuidado merece até a parte econômico-financeira; o serviço de
contabilidade e fichários, modelos e

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

243

balanços e de orçamentos, a constante previsão de receita ou rendas e da despesa
quanto a pessoal e material; o contrôle da renda e da organização importante da
seção de Compras. A distribuição dos serviços Médicos e da Enfermagem, prima
pela sua importância, eficiência e objetivos, entre os pontos do programa. Tratará
das relações com o púbico e até como se fazem as compras para o hospital.
Com a Assistência Social ou Serviço Social, do Hospital, estudar-se-á a
assistência espiritual ou religiosa, judiciária, cultural, educacional, recreativa e
outras, prestadas ao doente ou à sua família, além dos benefícios diretos,
ressalvando ao mesmo tempo os interêsses do hostpital contra possíveis
exploradores para investigação sôbre os recursos ou rendas do doente e família.
A D.O.H., indica a mais completa literatura sòbre organização Hospitalar,
em livros, folhetos, revistas que se acham à disposição dos interessados, para
consultas na sua sede ou na Biblioteca do D.N.S., e oferece cooperação e
colaboração, além de modelos de normas sôbre os assuntos referidos.
***
Pelo bom caminho e com a lição dos erros do passado, estamos criando e
precisamos multiplicar por todo o Brasil, esta nova especialidade, em nôvo
conceito hospitalar, corporificada naquilo que se convencionou chamar o "hospital
moderno", o "hospital padrão", confortabilíssimo, sem ser luxuosos; simples, mas
completo no seu aparelhamento indispensável. Grande ou pequeno, geral ou
especializado é o hospital para tôdas as classes, que recebe o doente mais ou menos
afortunado, presta-lhe todos os cuidados médicos e sociais, em troca de uma
contribuição razoável e proporcional. Só assim o indigente, o doente gratuito, terá
o tratamento conveniente. Não deve haver medicina e cirurgia diferentes para o
rico e para o pobre.
Eis também o programa da moderna assistência hospitalar, que precisamos
implantar no país, consoante os novos modelos de organização e administração
hospitalares, abrangendo: edificações, instalações, equipamentos, funcionamento,
financiamento e assistência diversas, e igualmente nos domínios oficiais.
E como sempre, e cada vez mais, podemos todos cooperar nesta organização
grandiosa, humanitária e patriótica? Pela sistematização e pela especialização,
sobretudo aperfeiçoando cada um os seus conhecimentos, e trabalhando, sempre
que possível, dentro do setor da sua especialidade ou de sua habilitação, no
hospital. Este apêlo se dirige

244

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

muito especialmente às sras. Irmãs e Religiosas de tôdas as congregações,
tradicionalmente beneméritas e devotadas à administração hospitalar.
***
Concluindo, ouçamos ainda a advertência do passado no exemplo do Santo
Patrono das Obras de Caridade. S. Vicente de Paulo, de algum modo precursor,
também, da orientação técnica e especializada.
A doença, a miséria, de maneira impressionante, assaltaram a choupana de
um pobre na sua paróquia de Chatillon, lá pelo ano de 1617. O padre na missa de
domingo apelou, com expressiva exortação, para o coração bondoso de seus fiéis,
os quais, pressurosos encheram de alimentos e de outros presentes a casa
necessitada, levando um confôrto efèmero àquele lar numeroso, vítima do
infortúnio. "Grande caridade exclama Vicente de Paulo, porém, mal praticada".
"Charité bien grand, mais à coup sûr, mal reglée". E observa que, tendo hoje
demasiado, como viverá amanhã, essa família? "Ces pauvres leur manquerà?"
Felicidade de um dia!...
E ensinou, desta maneira, a técnica de como coletar a esmola e donativos, e
de como aplicar, proveitosamente, os benefícios. Já não era esta uma preciosíssima
lição de organização?
Fixou o Santo organizador um certo vocabulário e definições e normas
especiais; estabeleceu determinação minuciosa e o regime de ordens escritas. Tudo
isso, não revela, acaso, o espírito de sistematização na administração e
padronização igualmente?
Cria a associação das "servas da pobreza", aprovada pelo Arcebispo de
Lyon. Tempos depois verifica que as damas da caridade, as Senhoras de sociedade,
de Paris, confiavam a terceiras pessoas, sob pagamento, aquêle piedoso ofício da
assistência, que voluntàriamente haviam assumido para exercer como devoção.
A substituição indevida desgostou a Vicente Paulo. E daí resultou a
convocação daquelas modestas camponesas, que foram as primeiras Irmãs de
Caridade; e dentre elas selecionou 3 ou 4 das melhores, das mais capazes, que já
foram 12 no ano seguinte, em 1634; e as confiou a Luíza Marillac, procurando,
assim, pela instrução, remediar, os inconvenientes da técnica improvisada. Não era
isto, já evidentemente, o preceito da especialização?
Ontem e hoje, eis o mesmo conceito, a mesma prática, que se renova, que se
completa, que se aprimora, que consagra.
***
A vossa presença neste Curso, Senhoras Irmãs, confirma uma tradição
católica e significa um nôvo e excelente progresso.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

245

Ainda por isto, em meu nome, e em nome de todos os colaboradores para
esta realização, que é o início de uma nova era hospitalar e assitencial em nosso
país, portadora dos mais valiosos benefícios, congratulo-me convosco e agradeço a
presença de cada uma de vós.
Confio, também, plenamente no valor e na eficiência de vossa contribuição
para melhoria da Assistência médico-social entre nós, para a modernização de
nossos hospitais, em prol da mais moderna organização e administração
hospitalares. Sistematização! Padronização! Especialização!

PLANTAS, PROJETOS E CONSTRUÇÃO DE HOSPITAIS
E ESTABELECIMENTOS PARA-HOSPITAIS
Pelo DR. DANIEL VALENTIM GARCIA (*)
SUMÁRIO ­ Estudo do esbôço, em colaboração com os
interessados para confecção do projeto definitivo. Instalação da
água e esgostos, gás e vapor, ventilação mecânica e
condicionamento de ar. Instalação de eletricidade, rêdes de rádiorecepção, intercomunicação em geral. Estudo, em colaboração, do
equipamento e mobiliário dos vários serviços e seções.
Padronização. Distribuição. Projeto definitovo. Especificação e
orçamentos. Plantas e detalhes.

Começaremos por dizer, a fim de esclarecer quaisquer dúvidas, que, apesar
da Divisão de Organização Hospitalar ter planejado um sistema ao qual denominou
"Hospital Padrão de Crescimento Progressivo", não tem êle por objetivo
esteriotipar formas, fossilizar tipos, pois o hospital crescente e evoluindo
constantemente, tal coisa seria, não só contra-producente, como de rsultados
negativos. O que entendemos e pretendemos é generalizar normas mínimas,
sistematizar conhecimentos admitidos e estabelecidos como essenciais. Por
exemplo: sabemos que uma enfermaria não deve comportar mais de oito leitos. É
coisa estabelecida por todos os autores, alemães, italianos, americanos, etc.
Alguns propugnam por um mínimo de 7 leitos, 6 leitos e até de 4 leitos. É
evidentemente, contudo, que nunca poderia ser tolerado um número de 15. Cada
leito de adulto disporá de uma área mínima de 6m2.
Na mesma situação dos exemplos citados se encontram, no hospital
moderno, todos os eus serviços. Baseados nestes conhecimentos é que nos é
permitido reorganizar uma sistematização.
Infelizmente em parte por dificuldades econômicas e em parte por
reconhecimento da sistemática da organização hospitalar, a quase
__________________
(*) Arquiteto da Divisão de Organização Hospitalar

248

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

totalidade dos hospitais, e especialmente os situados no interior do país, carecem
das mais elementares exigências de uma razoável organização. Não pretendemos
fazer obra perfeita, mas, tão sòmente, colaborar para o levantamento das condições
ambientes e, se de alguma forma para isto concorremos, nos daremos por
satisfeitos.
Sendo o hospital um organismo vivo, constituindo obra de arquitetura e
engenharia ìntimamente ligadas à sua função médico-científica, deveria ter, como
ponto de partida do seu planejamento, um programa elaborado por comissão
especializada ou consultor hospitalar ou técnico especializado. Esta comissão para
um consciente e proveitoso trabalho, deverá estar munida dos elementos
informativos completos. Surge aí, então, a necessidade da organização do
"QUESTIONÁRIO" (1), que uma vez preenchido, fornece as bases sôbre as quais
se organizará o programa que dará nascimento ao projeto. População, natureza
desta população, condições climáticas, insolação, ventos dominantes, planimetria e
altimetria são, dentre muitos outros, os mais preciosos conhecimentos necessários.
Consultado o questionário e feita a escolha do terreno é programado o hospital. O
programa entregue ao engenheiro-arquiteto especializado que, tendo conhecimento
da articulação dos diversos serviços inerentes ao hospital, irá dar forma ao corpo da
construção futura.
Tôdas as informações obtidas por meio do questionário têm, então, ampla e
total aplicação. A topografia e área determinarão a localização do bloco hospitalar
no terreno, de forma a facilitar a construção do mesmo, tirando o melhor partido
econômico e estético. A insolação, os ventos predominantes, a latitude e o grau de
umidade local, irão determinar a posição das enfermarias. O número de leitos
(função da densidade da população) determinará as dimensões do hospital.
Feito o esbôço, de acôrdo com as normas do hospital moderno é submetido
novamente à comissão consultora que, após discutir e sugerir as modificações
julgadas necessárias, o remete novamente ao arquiteto, para o planejamento
definitivo, o qual, terminado, não deverá sofrer nenhuma alteração, até o final da
obra. Neste sentido se requer que, ao fornecer ao arquiteto os dados necessários à
execução de seu trabalho, todos os elementos tenham sido cuidadosamente
elaborados, examinados sob os vários ângulos de interêsse particular a cada espécie
de clínica, de per si do interêsse de tôdas elas ligadas e trabalhando em conjunto.
Desta forma se procederá com segurança e máximo rendimento técnico e
econômico.
A circulação, determinando as distâncias entre os diversos serviços e a
posição dos mesmos em relação à sua independência, é fator importantíssimo, e
mesmo essencial, para o bom funcionamento e economia
__________________
(I)
Vide modêlo de "Questionário para a inspeção prévia" da Divisão de Organização Hospitalar.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

249

de tempo e de esfôrço do pessoal que trabalha nos mesmos. Ao estudo preliminar
do conjunto e, a seguir de cada um dos elementos isoladamente segundo êste
critério, chamamos organização racional.
Recapitulando, verificamos que a marcha para a organização e feitura do
projeto definitivo é a seguinte:
1.°)
2.°)
3.°)
4.°)
5.°)
6.°)

Questionário.
Escolha do terreno.
Programa.
Esbôço e anteprojeto.
Projeto definitivo.
Equipamento.

Quanto ao questionário, êste deverá atender, no mínimo às seguintes
questões:
Classificação e finalidade da instituição.
Denominação.
Finalidade: Clínica geral, Clínica Cirúrgica, etc.
Financiamento e assistência: Se possui terreno. Quais os recursos de que
dispõe, qual a natureza dêstes recursos.
Qual o destino, indigentes? Assistência Social? etc.
Dados referentes à localidade.
Climas: Úmido-Sêco?
Altitude? Temperatura?
Região que o nôvo hospital vai servir.
Densidade da população. Natureza desta. Condições sanitárias e econômicas
da população. Doenças predominantes, etc.
Assistência médico-social. Hospitais e pessoal especializado existente.
Situação do terreno: Ventilação, insolação, ruídos, insetos, poeira, fumaças
e outras nocividades, ou vizinhança incômoda.
Posição em relação ao núcleo de população: Zona comercial? Industrial?
Residencial? Facilidades de acesso? Dispõe de rêde de esgôtos? Fòrça?
Eletricidade? A que distância das mesmas se acha situada? É plano? É acidentado?
Construção: Facilidades de aquisição de material.
Pessoal técnico disponível. Mão de obra disponível.
Quanto à escolha do terreno:
Como vimos no comentário do questionário, a escòlha será dirigida pela
resposta aos quesitos referentes á Situação do terreno.
Todos os ítens dêste quesito são importantíssimos. A topografia, relèvo e
dimensões do terreno, nos dirá se é possível, dentro das dimensões fornecidas,
situar o hospital com o número de leitos de que necessita, caso as dimensões
comportem, o relêvo o permitir em condições econômicas e técnicas satisfatórias.

250

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O regime dos ventos e a orientação do hospital em relação a èstes, requer
cuidadoso estudo. Existem ventos maléficos e ventos benéficos. Posso citar aqui
um exemplo dado pelo ilustre Dr. Ernesto Sousa Campos em uma aula do Curso de
Organização e Administração Hospitalar dêste Ministério, em 1943. Com muita
propriedade disse êste eminente médico, referindo-se a São Paulo:
"O vento sudeste (marítimo) é úmido e desagradável. Numa cidade em que
as mudanças de temperatura são muito bruscas, podemos compreender quanto isto
vai influir sôbre o doente que se acha, naturalmente, em condições de menor
resistência: sudeste frio e úmido, noroeste sêco e quente".
Ora, do ponto de vista geral, os ventos sudeste são de natureza salutar,
portanto o exemplo é bem expressivo quanto ao cuidado que se deve ter a observar
a orientação dos ventos, levando sempre em consideração os casos particulares.
Orientação: ­ Èste é o principal problema ao se elaborar um projeto.
Poderemos quase afirmar, a priori, que um hospital é mau, se está mal orientado,
pois todos os seus serviços estarão irremediàvelmente prejudicados. Três fatôres
devem ser levados em conta quando se tratar de insolação ou insolamento (Como
querem outras) para diferenciar do sentido comum de insolação, choque devido ao
sol:
a) Número de horas de insolação nas diversas estações.
b) Número de calorias-quilo por m2.
c) Luminosidade.
O número de horas de insolação deve ser maior no inverno do que no verão,
em que é menos necessário, o que dependerá exclusivamente da orientação dada ao
hospital. Quanto ao número de calorias-quilo por metro quadrado, o mais preciso
elemento para medir a eficiência da boa insolação, estudos deverão ser feitos por
técnico competente, a fim de determinar o número de calorias-quilo absorvido por
um metro quadrado do local previsto para a construção, durante o espaço de uma
hora. Durante um mesmo o período de tempo podemos ter enormes diferenças de
absorção de calorias-quilo, o que demonstra que a umidade hora, isto é, o tempo de
insolação constitui um critério falho.
O excesso de insolação e de calorias-quilo é prejudicial da mesma forma
que a sua falta. Sôbre o assunto, leiam-se os trabalhos publicados pelo Dr. Paulo
Sá, estudados no Brasil.
Luminosidade: ­ Ou a soma das intensidades luminosas do ambiente,
conseqüência da insolação direta, da luz refletida e da luz refratada pela atmosfera,
têm que ser considerada a fim de evitar ofensa ao órgão visual do doente, afetandolhe o sistema nervoso. Tôdas as vêzes em que a boa orientação do sol e dos ventos
colidirem com o excesso de luminosidade, será previsto um sistema corretivo que,
sem prejudicar a insolação e ventilação aconselháveis, remova os inconvenientes
dêstes

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

251

excesso. Venezianas reguláveis, hoje em dia de uso corrente, ou dispositivos
semelhantes, satisfazem esta exigência nos hospitais modernos.
Ruídos: ­ Sendo o hospitalizado um indivíduo orgânicamente depauperado,
de nervos super-sensíveis, deve-lhe ser evitado todo e qualquer choque que possa
concorrer para agravar o seu estado e os ruídos, principalmente os agudos e
estridentes, estariam enquadrados dentre às coisas a se evitar. Nunca se localizará
um hospital em logradouros de grande movimento ou próximo a outros ruidosos.
E, sua posição em relação o núcleo de população, na proximidade de fábricas,
oficinas, escolas, casas de diversões etc., tem que ser rigorosamente eliminada. São
vizinhanças incômodas e trazem inconvenièncias fàcilmente perceptíveis pois entre
as desvantagens dos ruídos, outras graves se reunem como fumaças, poeiras,
insetos transmissores de micróbios agentes de várias moléstias.
Isto não quer dizer que todos os hospitais dever ser levantados fora das
cidades, caso a tuberculose e a lepra e que são de longa permanência para os
doentes. Mas, quando um hospital é munido de clínica geral, pronto socorro e
ambulatório, etc., admite-se a sua utilização intensa pela população local, e é
lógico que, sem afetar os requisitos imprescindíveis à sua higiene e tranqüilidade, o
coloquemos em lugares de fácil acesso, ligados o mais diretamente possível ao
centro populoso na preocupação de se evitar transtornos decorrentes dos meios
escassos de condução, principalmente nas pequenas cidades do interior, e onde há
dificuldade para transportar os doentes e acidentados.
Procuremos, portanto, colocar o hospital em um ponto médio razoável. Nem
muito prejudicado pela vizinhança, nem também isolado do núcleo de população.
Construção: ­ As facilidades e dificuldades que o local escolhido possa
acarretar para a execução desta, tèm que ser pesadas com o devido cuidado, pois
poderão influir funesta ou benèficamente. Se não, vejamos: Lugares existem em
que se encontra a matéria prima (tijolos, areia, cimento, pedra, madeira, etc.), mas
em que há carência absoluta de mão-de-obra e de profissionais e técnicos
habilitados, tais como pedreiros, carpinteiros, estucadores, armadores de ferro,
construtores, engenheiros arquitetos, etc. Ora, nestes casos, á a necessidade de
contratar o pessoal por preço excepcional, em virtude de se terem deslocado de seu
meio habitual, e acarretando comumente, além disto, a obrigação, por parte do
contratador, de garantir-lhes alimento e moradia. É óbvio que nestas condições o
custo da mão-de-obra será anti-econômico e sòmente motivos muito fortes
justificarão semelhante escolha de local. a outra hipótese, falta de matéria prima,
sendo um inconveniente, é contudo menos grave, salvo se a região fôr destituída
dos meios comuns de transporte: Estrada de ferro e de rodagem.

252

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A assistência de técnicos especializados, consultores, arquitetos,
engenheiros, calculistas e instaladores é indispensável. Na impossibilidade desta
assistência permanente deverá existir, pelo menos, a supervisão dos mesmos.
A Divisão de Organização Hospitalar, sentindo as dificuldades de
assistência técnica encontrada por muitos dos que desejam melhorar as condições
hospitalares de regiões afastadas dos recursos que se encontram nos grandes
centros, procurou minorar esta situação, criando e organizando uma sistematização
que permita, em tempo útil, atender aos que solicitem o seu auxílio. É neste sentido
que o nosso chefe e amigo Dr. Theophilo de Almeida tem empregado todos os seus
esforços, viajando por países de adiantada cultura científica e recorrendo ao estudo
de autores especializados e de forma mundial, adaptados seus conhecimentos e
desenvolvendo-se por meio desta Divisão, programando assim, necessidades
hospitalares do nosso país.
Instalações: ­ Os princípios exigidos para uma perfeita instalação de água,
esgôto, gás, eletricidade e ar condicionado em qualquer edificação, são também
aplicáveis aos hospitais modernos; porém, em conseqüência de sua função
especializada, temos que atender a certos requisitos que lhe são peculiares.
Água: ­ O abastecimento de água, como em tôda a construção será
proporcional ao consumo, sendo porém, neste caso, muito abundante.
Esgôto: ­ Os coletores serão proporcionais ao número de leitos levando em
conta o alto consumo de água e os dejetos provocados pelas intervenções
cirúrgicas, curativos, materiais, graxas,etc. Na ausência de rèdes de esgôto, deverão
ser instaladas fossas assépticas, de preferência por firmas especializadas, que lhes
garantam o perfeito funcionamento.
Instalação de gás: ­ Devem ser previstas para as cozinhas, copas,
laboratórios, salas de operação e de esterilização, fisioterapia e farmácia. As
tomadas de gás serão determinadas no projeto de acôrdo com a localização do
aparelhamento que delas se utilizar.
Instalação elétrica: ­ A principal preocupação de ordem especializada que
deve existir na iluminação de um hospital é a de evitar reflexos, para o que serão
estudados os tetos, as paredes, os pisos, a fim de determinar o tipo e a intensidade
de luz convenientes a cada local. As côres serão coordenadas de forma a produzir
efeitos suaves. A luz deve ser suficiente para proporcionar rápida visibilidade,
porém sua difusão será de molde a atenuar o brilho dos focos luminosos e ser
cômoda, fisicamente e convidativa à serenidade mental. De um modo geral, devem
ser evitadas as superfícies brilhantes e de côres excessivamente claras, por serem
demasiadamente refletoras. O branco 100% é condenável. As rèdes de rádiorecepção e intercomunicação, poderosos auxiliares, sobretudo nos grandes
hospitais, devem ser estudadas em completa comunhão com a organização da
administração sendo, como são, colaboradores das mesmas.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

253

Ventilação mecânica e ar condicionado: ­ Certos locais do hospital, pela
natureza de seu trabalho, têm o seu grau de umidade e de temperatura alterados.
Tal, por exemplo, o caso das cozinhas. Êste mal é corrigido pelo uso em pontos
indicados previstos no projeto, de exaustores cuja potência é calculada a fim de
restabelecer as condições normais no ambiente pela renovação contínua do ar.
Ar condicionado: ­ Estas instalações representam inúmeras vantagens para
o hospital que as possui, decorrendo tôdas das duas características de uma boa
instalação dêste gênero; fixação do grau de umidade relativa e da temperatura
média.
Sabido, como é, que o organismo humano é tanto mais sensível ao calor ou
ao frio quanto mais úmido se encontra o ambiente que o envolve, é claro que se
fixarmos êste grau de umidade relativo ao níve1 que lhe é propício, lhe
proporcionaremos bem-estar físico. Se a isto acrescentarmos uma temperatura
conveniente, estaremos fixando as condições ideais. Ora, se constatamos êstes
fatos para as pessoas cujas condições de saúde são normais, com maior razão
obteremos bons resultados para aquelas que se encontram doentes. Se estas
vantagens já não fôssem suficientes, ainda poderíamos acrescentar diversas outras,
como sejam: a ausência quase absoluta de poeira, a maior garantia no
funcionamento dos aparelhos para regular a umidade e a temperatura de acôrdo
com as prescrições clínicas nos vários compartimentos de um mesmo hospital.
Infelizmente o elevado custo da instalação e da conservação dêstes
aparelhamentos, tem dificultado a sua generalização, como seria de esperar.
Ar comprimido: ­ É utilizado nos centros Cirurgicos, nos laboratórios, nos
gabinetes dentários, salas de fisioterapia, e nas cozinhas, devendo ser previstas as
canalizações que os distribuam por êstes serviços.
O vapor tem aplicação como agente mecânico e como agente terapêutico,
nos grandes hospitais a sua produção deve ser central, sendo canalizado para os
diversos fins a que se destina. As canalizações, neste caso, têm que ser protegidas
por material isolante para evitar qualquer perda de calor, o que acarretaria a
condensação.
Equipamento e mobiliário: ­ Tem que ser previsto quando se elabora o
projeto de um hospital, pois as suas dimensões e posições relativas irão influir no
funcionamento do mesmo. Ao situar uma cama numa enfermaria devemos saber
como será aquela isolada de forma a não sacrificar o doente; como se fará a
circulação dentro da enfermaria sem prejuízo do serviço da mesma. O que aí se
verifica, se verificará também na sala de cirurgia, na fisioterapia, e em tôdas as
outras. No laboratório cada peça do equipamento e do mobiliário tem por assim
dizer, a sua situação ideal, de acôrdo com o uso e a função. Com respeito ao
equipamento todo o cuidado será pouco, pois uma grande parte do mesmo

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

254

é fixado no edifício, tal como no caso dos autoclaves, de muitas peças de
fisioterapia e a quase totalidade do aparelhamento das cozinhas.
Padronização: ­ Depois que conhecemos os inúmeros problemas que se
apresentam ao elaborarmos o projeto de um hospital, sentimos a conveniência da
padronização dos elementos básicos que entram na sua composição e da
sistematização da sua distribuição. Poderíamos sintetizar a sistematização da
Divisão de Organização Hospitalar nas seguintes características: O hospital tem um
corpo central que é constituído dos serviços gerais. As enfermeiras se justapõem à
direita e à esquerda dêste corpo, em posição desencontrada, a fim de evitar a
formação de zonas mortas de insolação, permitindo desta forma o crescimento
progressivo do hospital. A circulação vertical é obtida por meio de rampas para
prover ao fácil acesso das macas, na falta de elevadores. (1).
As especificações devem se referir à natureza dos materiais quanto às suas
características como matéria prima em geral; aos materiais fornecidos
especialmente para o hospital (aparelhos sanitários, esquadrias, elevadores etc.), e
ao modo de execução dos serviços. Em suma, serem completas e minuciosas,
contendo, com especial destaque, as instalações e o equipamento.
Orçamentos: ­ Devem ser baseados nas especificações, detalhados ou feitos
especialmente para o hospita1 que se tem em vista construir e nunca, em hipótese
alguma, generalizados.
O critério do custo por metro quadrado, muitas vêzes utilizado como
elemento de apreciação do custo geral, é grosseiro e inteiramente falho. Varia para
cada região ou local.
Plantas e detalhes: ­ Tôda construção deve ser detalhada, e o hospital, dada
a sua complexidade, mais do que qualquer outra.

__________________
(1)

Vide "Hospital padrão progressivo e frexico", plano estudado pela D.O.H., para orientar, ou
faciliar projetos de hospitais regionais

HOSPITAIS ESPECIALIZADOS E SUAS CARACTERÍSTICAS

Pelo DR. JOSÉ AMÉLIO (*)
SUMÁRIO ­ Características dos Hospitais de
Isolamento,
para
doenças
transmissíveis
agudas.
Hospitalização e tipos de instituições para tuberculosos, para
doentes de lepra, de cáncer e para doentes mentais e
nervosos. Maternidade e berçários. Hospitais de crianças ou
de clínica pediátrica. Serviços de Pronto Socorro ou
hospitais de traumato-ortopedia. Hospitalização e assistência
em tempos de guerra.
CAPÍTULO I
Sômente com as conquistas da bacteriologia pôde ser estabelecida em bases
sólidas a noção da contagiosidade de certas doenças.
A hipótese da existência de pequenos sêres contagiosos já tinha sido
aventada na idade antiga. ''Marcos Terentius Varro (nascido no ano 116 antes de J.
C.) opinava que o ar dos pântanos era nefasto por achar-se impregnado de
animálculos que penetram no nariz e em todo o corpo" (F. Paulsen).
Leeuwenhock (1632-1723) penetrando no mundo microscópico desvendou
o terreno de microparasitismo e com isto abriu o caminho para uma nova era.
Teorias então reinantes como a dos "miasmas" e da geração espontânea
impediram aos cientistas de então, ver a verdade. Muitas lutas e discussões se
levantaram.
Mural (1645-1733) mestre de anatomia em Zurich, já nos primeiros tempos
de microscopia suspeitava como muitos outros, da existência de certas bactérias de
pigmentação, que deram origem a estudos de maior transcendência, como sucedeu
com o "bacilos prodigiosus" que mereceu estudos exaustivos de Ferdinand Cohn,
Schroeter. Ehrenborg e outros.
__________________
(*) Diretor do Sanatório Azevedo lima, Niterói, Est. do Rio.

256

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Os estudos de Robert Koch (1843-1910) criando novos métodos de cultura
e descobrindo novos agentes microbianos, e os estudos de Pasteur (1822-1895)
com relação à epidemia que devastava as criações do bicho da sêda foram
decisivos no encaminhamento das descobertas que haveriam de dar como
resultante a ligação de causas e efeitos da transmissibilidade das infecções pelos
agentes microbianos, e a especialidade na produção das enfermidades.
É longa a história, árdua a luta e muitos os protagonistas, que nela tomaram
parte, até a constituição definitiva do moderno edifício, sôlidamente construído das
doenças infecto-contagiosas, sua profilaxia e tratamento.
Os hospitais de isolamento devem ser construídos atendendo à necessidade
de internar os pacientes afetados de moléstias infecto-contagiosas e tendo em vista
os índices de mortalidade e morbidade dessas mesmas moléstias.
Assim, existem razões principalmente de ordem sanitária que comandam a
instalação dêsses hospitais, pois que o isolamento é das práticas mais acertadas na
luta contra as doenças transmissíveis.
TIPOS DE HOSPITAL
Os hospitais gerais diferem grandemente daqueles destinados
exclusivamente às doenças transmissíveis, não sômente em sua construção, como
ainda no pessoal hospitalar, técnicas usadas, custo do doente por dia, etc.
A construção deve satisfazer determinadas condições que possibilitem o
isolamento dos doentes e a prática das medidas de desinfecção indispensáveis e
tendentes a evitar não sômente as infecções entre os próprios pacientes como ainda
a transmissão das enfermidades ao pessoal hospitalar. A Divisão de Organização
Hospitalar do Ministério da Educação e Saúde estudou e elaborou um hospital ou
pavilhão de isolamento padrão para agudos.
***
De preferência cada alojamento de doente deve ser individual; entanto casos
há em que os mesmos podem ser utilizados para dois (2) leitos e ainda pequenas
enfermarias de quatro (4) leitos. Deve ser feita cuidadosamente a localização de
enfermos portadores de infecção idêntica na mesma enfermaria. Essas
dependências podem ser ainda divididas em boxes envidraçados, de preferência
para alojamento de crianças. Cada alojamento deve ter, à entrada, seu
aparelhamento de desinfecção e sanitários próprios. Facilidade de lavabos e
desinfecção devem existir nos corredores.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

257

Deve haver tambores nas entradas do hospital e telas nas janelas. As portas
para o corredor devem ser parcialmente envidraçadas para facilitar a vigilância.
DOENTES
Três tipos de doentes receberão cuidados nesses hospitais suspeitos, agudos
e convalescentes. Para cada uma dessas espécies de pacientes devem existir
serviços próprios onde possam ser atendidos convenientemente, até aclarar o
diagnóstico dos suspeitos, a terminação do tratamento dos agudos e a alta
definitiva dos convalescentes.
PESSOAL HOSPITALAR
Se o pessoal técnico dos hospitais gerais deve ter conhecimentos básicos e
idoneidade profissional para atender aos serviços e orientar a sua execução, com
mais razão essa capacidade técnica deve ser exigida ao máximo para todos aquêles
que lidam com doenças infecciosas, não só porque os doentes portadores dessas
infecções requerem cuidados e atenções especiais como ainda para que o próprio
pessoal hospitalar não seja acometido ou se torne em vectores das mesmas
infecções que ali se combatem.
***
Muitas técnicas têm sido usadas com o fim de evitar a propagação das
infecções, quer sejam de uma enfermaria ou quarto a outra, quer seja do interior
para o exterior do hospital, quer seja ainda do exterior para o interior.
Com êsse objetivo muitos hospitais têm alojamento para o pessoal dentro do
próprio serviço, e além disso cada serviço é pintado de uma determinada côr,
usando pessoal encarregado, roupas com as mesmas côres dos serviços em que
trabalhem.
Não deve haver visitas e quando estas não se possam evitar, não devem os
visitantes penetrar nos alojamentos, e a visita nesse caso ficará do lado de fora da
porta envidraçada, não entrando em contato com os doentes, os quais podem ver e
serem vistas através dos vidros, ou se comunicar por meio de intercomunicação
telefônica ou de alta voz, de galeria exterior, de preferência.
Ao serem admitidos doentes sem diagnóstico positivado, êstes devem ficar
em quartos individuais anexos ao Departamento de Admissão, de onde passarão
para os serviços respectivos, de acôrdo com as enfermidades que forem portadores.

258

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

SERVIÇOS AUXILIARES
Os hospitais de contagiosos devem ser providos de todos os serviços
auxiliares indispensáveis, tais como: laboratórios, Raios X, farmácia, etc., não se
falando nos serviços cirúrgicos que não devem faltar em um bom hospital.
Em casos de epidemia de determinada doença, tal como a febre tifóide, e
não havendo hospital com o número de leitos suficientes, podem ser improvisados
isolamentos de emergência em prédios adaptados e que nestas condições, não
poderão contar com todos os serviços auxiliares de diagnóstico e tratamento de um
bom hospital, mas que no entanto, embora se tratando de isolamento de emergência
deve ser adotado do equipamento indispensável, sendo mesmo de rigor, ainda neste
caso, o emprêgo dos cuidados de assepsia e prevenção.
MÉTODOS DE ISOLAMENTO NO HOSPITAL
1.º ­ Isolamento de doentes em pavilhões especiais.
2.º ­ Isolamento de doentes em boxes individuais.
3.º ­ Isolamento em segmento de pavilhão.
O isolamento individual é o melhor e é o que deve ser executado. Não só dá
melhores resultados como ainda é mais prático e econômico.
Os três pontos capitais para o isolamento segundo Grossi:
1.º ­ Construção apropriada
2.º ­ Pessoal idôneo.
3.º ­ Técnica adequada.
A localização do hospital constitui o primeiro problema.
Isolamento não deve significar afastamento ou degredo...
Dois (2) caminhos a seguir para a instalação de isolamentos:
1.º ­ Construção de Hospitais independentes para infecciosos.
2.º ­ Construção de dependências ou pavilhões anexos aos Hospitais gerais.
Esta segunda solução é a melhor, não só do ponto de vista da economia,
como ainda para o ensino, administração, eficiência, etc.
Nas grandes cidades justifica-se a construção de hospitais de isolamento,
pois há sempre oportunidade: de ocupação de seus leitos, o que não acontece nas
pequenas cidades, a não ser em épocas de epidemias.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

259

A instalação de serviços de isolamento em hospitais gerais, quer seja
construindo pavilhão anexo ao hospital quer seja utilizando um pavimento ou
secção do mesmo hospital, só pode trazer vantagens. Além de facilitar a internação
e isolamento dos casos de diagnósticos duvidosos e que venham a se positivar
depois de internado o paciente, possibilita o tratamento e isolamento de outros
doentes já internados por outras afecções e que venham a ser acometidos de doença
infecciosa aguda bem como aos próprios funcionários, médicos, enfermeiros, etc.,
do próprio hospital.
A única coisa a se exigir, quer se trate de Hospital especializado, quer se
trate de pavilhão anexo ou serviço funcionando dentro do hospital geral, é a
questão da idoneidade e técnica do pessoal e o rigor na prática da desinfecção e dos
cuidados de profilaxia.
Quando o serviço funciona dentro do hospital geral, êsse serviço deve ter o
seu pessoal exclusivo, suas instalações e equipamentos próprios.
Embora devesse ser de rigor o isolamento hospitalar dos casos infecciosos
agudos nem sempre isso se dá devido em grande parte a insuficiência de leitos para
êsse fim, como ainda a precariedade das instalações existentes, o que torna muitas
vêzes difícil a internação sem coação.
Na maioria dos casos não se consegue ir além de 80% de internações nos
casos conhecidos. Isto tratando-se de febre tifóide e paratifóide.
Para outras não se consegue mais de 30 a 40% ­ como é o caso do sarampo,
escarlatina, difteria, etc.
CAPITULO II
Hospitalização e tipos de instituições para tuberculosos, para doentes de lepra, de
câncer e para doentes mentais
e nervosos
TUBERCULOSOS
Atualmente são usados 3 tipos de hospitais para tuberculosos: sanatórios,
abrigos e pavilhões anexos às Santas Casas. Os dois primeiros tipos já estão sendo
usados há muitos anos, entretanto, a introdução do terceiro, isto é, dos pavilhões
anexos às Santas Casas, só agora está se fazendo, entre nós, graças aos esforços e à
sábia orientação que o Prof. Samuel Libânio vem imprimindo à direção do Serviço
Nacional de Tuberculose, o qual desde que assumiu a direção do referido Serviço
vem enfrentando êsse problema, procurando dar-lhe solução adequada e
econômica, pela construção de grandes Sanatórios nas capitais e pavilhões anexos
às Santas Casas do interior do País.

260

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Os pavilhões anexos resolvem o problema da internação dos tuberculosos
nas cidades do interior, onde não seria exeqüível a construção de sanatórios
médico-cirúrgicos, estabelec-mentos de custo elevado e de manutenção onerosa.
Ficando êstes sanatórios médico-cirúrgicos localizados nas capitais,
podem entretanto, atender não sômente aos doentes das próprias Capitais como
ainda àqueles do interior, necessitados de tratamentos especializados que não
possam ser realizados nos respectivos pavilhões ou hospitais.
Êsses pacientes são enviados aos Sanatórios onde se submetem aos
tratamentos necessários e logo que possível retornam ao seu pavilhão se fôr preciso
continuar o tratamento, se possível êsse tratamento no referido pavilhão.
Os abrigos são estabelecimentos mais modestos do que os sanatórios
médico-cirúrgicos, com menor equipamento e instalações mais modestas,
prestando porém relevantes serviços na assistência aos tuberculosos e isolamento
daqueles casos já avançados, que não possam mais se beneficiar do Sanatório.
Qualquer que seja o estabelecimento para tuberculosos não deve fugir à
técnica geral empregada no trato dos contagiosos.
O pessoal hospitalar deve ser preparado convenientemente para a perfeita
execução dos serviços e sua preservação da enfermidade.
Os doentes bacilíferos deverão ser separados daqueles que já estejam ou
sempre tenham sido abacíliferos, ou como se poderia dizer por outras palavras, os
casos "abertos" dos casos "fechados".
Os doentes devem ser convenientemente examinados à admissão a fim de
impedir a entrada de pacientes portadores de outras afecções sem ser tuberculose.
Todo a material de uso dos doentes deve ser escrupulosamente
esterilizado, quer se trate de material de copa, roupa, ou outro qualquer.
O pessoal hospitalar deve ser periôdicamente examinado, e afastado do
serviço todo aquêle que apresentar qualquer indício de enfermidade.
Aos doentes em período de convalescença deverá ser proporcionado um
trabalho adequado para a readaptação do mesmo, tendo em vista o seu regresso ao
meio da sociedade, facilitando destarte o seu reajustamento.
Os hospitais deverão ser convenientemente aparelhados, com equipamento
de raios X, salas de operações, laboratórios de análises, anátomopatologia, salas
para culturas e inoculações, bem como os demais serviços comuns a todos os
hospitais, tais como cozinha, almoxarifado, lavanderia, fôrno para incineração de
lixo e equipamentos especiais, tratando-se de hospital de contagiosos, tais como:
autoclaves para esterilização de material de copa, roupa, enceradeira, aparelhos
para lavagem, etc.
No plano da construção deve ser previsto um certo número de varandas,
galerias de cura, salas de jogos e diversões, biblioteca, etc.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

261

É necessário proporcionar aos pacientes, distrações e recreios, para
amenizar um pouco a sua reclusão, tornando-a mais suportável ao mesmo tempo
por efeito psicológico, moral, os doentes se sentem mais confortados, o que auxilia
a cura, sempre demorada.
Sessões de cinema quando possível, são um passa tempo agradável e útil.
DOENTES DE LEPRA
A lepra é como a tuberculose, em geral de marcha crônica porém em uma
característica que às vêzes se manifesta em certas formas, nervosas ou mutilantes,
tornando incapaz o paciente. Não impede, entretanto, certa atividade física por
parte daqueles menos atingidos pelo mal.
Desde remota antiguidade existe a lepra, e, sempre causou horror, tanto
assim que os leprosos, em tempos idos, eram obrigados a dar sinal por meio de
matracas que levavam consigo, avisando, assim, aos sãos, que se afastavam ou
fugiam à sua passagem.
Os tempos mudaram e hoje se as deformidades causadas pela moléstia ainda
causam horror àqueles não afeitos a êsses quadros, entretanto já tais doentes são
olhados com mais carinho e comiseração e tratados com os cuidados que merecem
como entes humanos que são.
A internação e o isolamento dos doentes se faz em hospitais-colônias onde
são instalados em casas, embora modestas, porém com o confôrto indispensável, e
com os demais membros de sua família que também estiverem atacados da mesma
enfermidade.
Aí podem se dedicar a trabalhos de várias naturezas compatíveis com o seu
estado, em sociabilidade relativa, afastado do convívio dos sãos, sendo retribuído
qualquer trabalho executado.
A vida em colônias ou leprosários, ameniza um pouco o desgôsto de quem
se vê segregado da sociedade, muitas vêzes até o fim de seus dias.
Ao mesmo tempo os doentes têm a assistência e os cuidados médicos de
que carecem e podem se tornar elementos úteis pelo trabalho que realizam. As
edificações típicas, além das residenciais, nos leprosários sãos as seguintes:
Portaria isolada, parlatório, triagem e observação, policlínicas ou ambulatório
interno, incluindo laboratórios, farmácia, etc., hospital, cinema, teatro, igreja,
clubes desportivos e campos, caixa beneficente, Prefeitura, lojas comerciais
diversas, barbearias, etc. Vida de uma pequena cidade do interior com maior
confôrto. Os preventórios ou preservatórios são estabelecimentos onde são
recolhidos os filhos dos leprosos, não afetados pela enfermidade, e onde são
convenientemente cuidados, examinados periôdicamente e educados.
As sociedades de assistência aos lázaros, de que temos várias, têm
contribuído grandemente, auxiliando o govêrno, nessa obra de beneme-

262

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

rência que é assegurar às famílias dos doentes os cuidados e assistência que
necessitem.
Idênticamente os filhos dos tuberculosos, não afetados de tuberculose, são
recolhidos a estabelecimentos dêsse gênero e devidamente assistidos, por
profissionais competentes, e onde lhe são ministrados a par dos cuidados médicos,
a instrução necessária por professôras diplomadas. É um serviço social parahospitalar do mais completo e aprimorado que possuímos no Brasil.
Notas ­ Visitar, no D.F.. o Hospital-Colônia de Curupaiti e o Preventório
Santa Maria.
CÂNCER
As instalações para tratamento e hospitalização dos casos de câncer
necessitam aparelhagem especial não sômente para o diagnóstico preciso e precoce
como ainda para o tratamento dos casos confirmados.
Além de laboratórios completos para exames das peças operatórias e
fragmentos de tecidos retirados por biopsia, instalações de radiodiagnóstico e
demais elementos diagnósticos, torna-se necessário dotá-lo dos elementos de
tratamento que hoje têm dado provas de eficiência, não sômente pela descoberta de
novos, como ampliando a capacidade dos antigos. Assim é que já estão sendo
usados aparelhos de radioterapia penetrante com alta capacidade de 1.000.000 de
volts, e a descoberta recente do rádio veio ampliar as possibilidades de tratamento.
Nem todos os pacientes afetados pelo câncer necessitam internação para seu
tratamento, podendo muitos dêles fazer ambulatôriamente êsse mesmo tratamento.
Essa possibilidade fêz com que se tornasse necessário equipar melhor os
ambulatórios para atender a essas necessidades.
O diagnóstico da enfermidade em início é fator decisivo para o êxito
terapêutico. Também nesse sentido devem os ambulatórios concorrer grandemente
possibilitando com equipamento adequado e pessoal técnico competente êsse
diagnóstico em tempo oportuno de terapêutica eficaz.
Não precisamos falar na necessidade da especialização do pessoal, médico e
não médico, o que se torna óbvio dadas as multiformes características com que a
enfermidade se apresenta, e as várias formas de terapêuticas empregadas.
Os Estados Unidos vêm desenvolvendo uma campanha tenaz contra o
câncer, multiplicando-se os centros de diagnóstico e tratamento, para atender ao
crescente número de casos que têm surgido últimamente, e cada qual com
equipamento mais perfeito e possante. Basta dizer que um dêsses centros, o
"Memorial Hospital", de Nova Iorque, com capacidacle de 170 leitos, possui nada
menos de 14 aparelhos para radiotera-

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

263

pia penetrante sendo que um dèles de 1.000.000 de volts., e o "Chicago Tumor
Institute" possui uma "bomba" de radium com 10 gramas dêsse elemento.
Entre nós pouco se tem feito nesse sentido. Poucos serviços esparsos nas
capitais, e com pequenas possibilidades terapêuticas. Mario Kroeff, notável
cirurgião e cancerologista patrício, diretor do Instituto do Câncer, tendo visitado
recentemente os Estados Unidos, trouxe de lá certa quantidade de radium e ao que
consta, o Govêrno cogita de adaptar o Hospital da Fundação Gaffrée Guinle para
serviço exclusivo do câncer.
DOENTES MENTAIS E NERVOSOS
Os pacientes afetados de doenças mentais e nervosas se muitas vêzes não
necessitam internação, podendo tratar-se ambulatòriamente, outras vêzes a
internação torna-se obrigatória devido aos perigos que pode acarretar a
conservação em liberdade de certos pacientes e pelos desatinos que podem
cometer.
O serviço de neurologia pode, e com vantagem, ficar em hospital geral com
seu respectivo ambulatório. Além disso todo hospital geral deve ter um ou mais
quartos devidamente preparados para receber agudos e destinados a atender a
algum caso que ocorra dentro do hospital e enquanto aguarda a remoção para
hospital especializado.
A hospitalização dos mentais é feita com vantagens em hospitais-colônias e
aí muito dêles se dedicam a tarefas várias sob a orientação e assistência de médicos
especialistas.
O trabalho constitui mesmo em certos casos uma modalidade de terapèutica,
a laboraterapia.
As colônias de psicopatas devem ser instaladas e equipadas
convenientemente de maneira a poder proporcionar o tratamento e assistência
necessários.
Convém frisar aqui a necessidade de separar os casos agudos em pavilhões
ou secções especiais, o que geralmente é feito, com técnica especial, enquanto êsse
período da enfermidade durar. Em outros casos impõe-se o isolamento por
intercorrência de processos contagiosos.
Para atender a êsses casos, isto é, mentais agudos e contagiosos, o hospital
ou colônia deverá estar aparelhado convenientemente.
No caso de mentais agudos deverão ficar em secções ou pavilhão
especialmente preparado para êsse fim. Essa secção ou pavilhão deve ter portas
características e instalações especiais. Assim é que as janelas não devem ser as
comumente usadas, bem como as portas. O leito deve ser fixado, inteiriço, bem
como tôdas as peças e instalações devem ser de tal maneira instaladas e com
material de tal natureza que não possa ser fragmentado e utilizado como
instrumento de agressão.

264

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O hospital deverá dispor de pessoal especializado e facilidades para o
emprêgo da moderna terapêutica, pela malária, eletrochoque, cardiazol, insulina,
etc.
A vigilância deve ser rigorosa e permanente, resultando disso a necessidade
de grande número de funcionários, para poder atender ao serviço.
Uma boa administração em uma colônia, seja de leprosos ou psicopatas
pode baixar o custo dos doentes, pelo aproveitamento dos serviços daqueles
capazes de executá-los.
A D.O.H. estudou dois tipos de hospital-colônia, cujas plantas padrões estão
à disposição dos interessados.
CAPÍTULO III
MATERNIDADE E BERÇÁRIOS HOSPITAIS DE CRIANÇAS OU DE
CLÍNICA PEDIÁTRICA
Tratando-se de maternidade surgem questões, relativas à localização,
comuns a outros tipos de pacientes.
Deve ser construído um edifício especialmente para êsse fim, ou devem as
maternidades ficar em hospitais gerais?
Não vemos a necessidade imperiosa de ser construído edifício
especialmente para maternidade. Essa medida não é prática nem econômica.
Situada em anexo do hospital geral e com ambulatórios e serviço de pré-natal os
serviços serão mais eficientes e econômicos. O que é necessário, isso sim, é que
tenham o seu pessoal próprio e relativa independência dêsses serviços, podendo
entretanto utilizar-se dos serviços gerais do hospital.
Assim situadas as maternidades poderiam atender às parturientes de vários
bairros em que estivessem situados os hospitais, sem necessidade de transportes e
grandes distâncias e de despesas com outra Administração.
Um bom ambulatório com serviço externo de partos a domicílio poderia
reduzir de muitos os casos de internação. Dêsse modo se poupariam os leitos que
ficariam reservados aos casos de partos complicados ou cirúrgicos.
A maternidade deve ter acomodações próprias e necessárias tais como: salas
de trabalho, parto e pós-parto, bem como quartos de isolamento para infectadas.
Sala de distração e leitura. Sala de trabalho-passa-tempo. Cirurgia própria se
convier.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

265

A secção de infectadas deve ficar isolada completamente da de não
infectadas e deve além disso ter seus serviços e equipamento próprios e até mesmo
o pessoal subalterno, cuja prática de assepsia não possa ser garantida não deve ter
interferência nas outras secções.
Tudo o que foi dito com relação ao isolamento e as técnicas tem cabimento
aqui.
O isolamento deve ser perfeito, não sòmente das parturientes infectadas das
demais não infectadas, como, também, das criancinhas.
Não deve haver o menor contato de mães infectadas com crianças e mães
não infectadas.
O berçário é indispensável nas maternidades, e não é preciso encarar a
vantagem dessa medida no que toca aos cuidados de assistência e prevenção das
infecções.
Tôdas as medidas de prevenção e contrôle das infecções devem ser tomdas,
impedindo a entrada das mesmas nas maternidades e evitando a sua disseminação
quando já tenham entrado.
Para as gestantes já infectadas deverá existir uma sala de parto especial para
onde devem ser conduzidas, e não para a sala asséptica.
Os ambulatórios e postos pré-natal facilitam êsses diagnósticos prévios e
quando não tenha sido feito anteriormente o exame deverá ser realizado à
admissão.
Os casos de sífilis e tuberculose devem ser conhecidos e isolados, quando
descobertos a tempo e tratados convenientemente.
Depois de admitida e preparada, quando se inicia o trabalho, a paciente é
conduzida à sala de trabalho. Esta sala deverá ser provida dos lavabos e tudo o que
fôr necessário para a assépsia. Chegada ao têrmo do trabalho é conduzida à sala de
parto.
A técnica da assepsia na sala de partos deve ser rigorosa. Tão rigorosa como
para qualquer grande intervenção cirúrgica.
O recém-nascido requer cuidados especiais para o cordão, pele, olhos, bòca,
naso-faringe.
Depois de terminado o parto a paciente é conduzida ao quarto ou
enfermaria de puérperas e a criança ou o recém-nascido ao berçário.
Uma sala para prematuras, é necessária, perfeitamente equipada com
incubadoras e demais materiais, inclusive aparelhos de respiração artificial.
Na seção de infantes deverá presidir o máximo asseio e assepsia, devendo
como a das parturientes ser dividida em parte pura e parte infectada, com os
respectivos boxes para isolamento, e onde se obedeça a técnica geral dêsses casos.
Pequenas celas envidraçadas, etc.
Como medida preventiva as visitas às secções de crianças não serão
permitidas, bem como as puérperas não deverão ter próximo qualquer visita nas
horas de amamentação.

266

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Às mães devem ser ministrados os conselhos que se fizerem necessários
para os cuidados da criança e os que ela mesma deverá se prodigalizar quando de
regresso ao lar, bem como a maneira de executá-los. Orientação especial sôbre
maternidade e infância é dada pelo Departamento Nacional da Criança.
HOSPITAL DE CRIANÇAS
Os hospitais de crianças são dentre os hospitais especializados aquêles que
têm uma função educativa e social das mais acentuadas.
Ekstein, citado pelo Prof. Paula Sousa, estatui 10 mandamentos que vamos
citar, pois focalizam o que de mais interessante pode haver nesses hospitais:
I ­ O hospital de crianças toma uma posição particular, pelo fato de ter
responsabilidade especial relativa ao doente. A criança separada da família, é
submetida a tratamento, sem poder julgar por si; sua idade a predispõe a numerosas
moléstias, cujos riscos aumentam com a permanência no hospital.
II ­ Há necessidade de ser dirigido por pediatra, sendo que pode contribuir
eficazmente para a formação de médicos e enfermeiras especializadas, assim como
não deve ser descurada a assistência médico pedagógica.
III ­ É sempre onerosa a administração hospitalar para crianças, pois
necessita-se de um médico para 35 a 40 lactentes enfermos, sendo que nos serviço
de cirurgia deve ser maior ainda o número de facultativos. Uma enfermeira para 4
lactentes ou 6 crianças maiores.
IV ­ O hospital só pode empregar enfermeiras especializadas e onde há
crianças em tratamento demorado, torna-se indispensável uma professôra versada
em métodos especiais de brinquedos, por exemplo, para evitar o "hospitalismo".
V ­ O tratamento eficaz das crianças e lactentes só é possível, quando se
pode dispor de um bom número de enfermeiras inclusive para o período da noite.
Sendo reduzido êsse número de esforços terapêuticos feitos durante o dia,
poderiam tornar-se nulos.
VII ­ São indispensáveis seções especiais para tratamento e criação de
recém-nascidos prematuros, dos quais depende a luta contra a mortalidade precoce.
O resultado favorável, obtido com a alimentação de leite de mulher, induz a todo
hospital poder dispor de um certo número de amas.
VIII ­ Tais amas são admitidas, com seus respectivos filhos, que se criam
em seções especiais. Pode-se nos grandes hospitais armazenar leite humano para os
recém-nascidos.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

267

IX ­ A alimentação infantil exige o estabelecimento de cozinha dietética
especial e de lactário.
X ­ Todos os adultos de semelhantes hospitais, deveriam submeter-se
periòdicamente a exames médicos, sobretudo à verificação de não serem
portadores de germes.
No I mandamento de Ekstein, êsse autor faz referência à possibilidade da
transmissão de moléstias infecciosas nos hospitais de crianças.
De fato essa é uma das mais importantes questões a enfrentar, e vale a pena,
a êsse propósito, transcrever o que diz St. Engel de Dortmund, citado também pelo
Prof. Paula Sousa em trabalho apresentado ao Conselho Médico Paulista:
1 ­ Nos limites das possibilidades, deve-se exigir a profilaxia contra a
entrada e disseminação de infecções, no interior do hospital; os hospitais de
crianças que não podem satisfazer estas condições não têm razão de existir.
2 ­ A tuberculose deve ser objeto de cuidados especiais. A criança com
reação positiva deve ser isolada, sempre que possível.
3 ­ A introdução e disseminação de moléstias infecciosas, são impedidas,
principalmente, pela vigilância do pessoal médico e enfermeiro. As medidas de
prevenção são facilitadas pela disposição adequada da construção.
4 ­ Como não se pode, em absoluto, evitar sempre a entrada de moléstias
infecciosas, deve o hospital estar aparelhado para impedir a sua disseminação.
5 ­ Pode-se, sempre que indicados, utilizar os métodos de imunização.
Como se pode verificar nestas citações, que acabamos de fazer, se
consubstancia um programa hospitalar.
Todos os hospitais têm problemas afins e de solução idêntica. A
especialização de um hospital não deve prejudicar a solução adequada das questões
comuns a todos êles.
CAPÍTULO IV
SERVIÇOS DE PRONTO-SOCORRO OU HOSPITAIS DE TRAUMATOORTOPEDIA
Os serviços de pronto-socorro não devem constituir unidades hospitalares
isoladas, porém, anexadas aos hospitais gerais, pois, destarte, podem ampliar
extraordinàriamente o seu campo de ação, beneficiando os vários bairros onde
êstes hospitais estiverem situados. Além disso um serviço de pronto-socorro
funcionando em hospital geral pode contar com o aparelhamento e os recursos do
hospital, não sòmente em material

268

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

como principalmente quanto a pessoal técnico. O hospital por sua vez terá o
benefício de equipes permanentes para atender os casos de urgência que porventura
ocorram entre os internados e do seu próprio pessoal. O serviço de pronto-socorro
assim descentralizado pode ter eficiência maior, dados os recursos materiais de que
pode dispor e à presteza do socorro, pois o hospital dispondo de ambulâncias, estas
se transportam ràpidamente ao local do socorro, o que deve ser feito naturalmente
dentro de sua zona de ação. O serviço poder ser autônomo ou contratado com o
hospital geral.
As grandes cidades seriam, neste caso, divididas em zonas cada uma delas
servida por um dêsses hospitais, providos de um serviço de pronto-socorro.
Sòmente em casos de grande calamidade ou grandes desastres em que os socorros
e ambulâncias do hospital não fôssem suficientes para atender às necessidades,
seriam solicitados os socorros de outros hospitais.
Aliás essa é a tendência moderna. Existem grandes centros onde os socorros
urgentes já têm atingido um grau de perfeição notável.
Feito o chamado ao hospital, sai a ambulância com os primeiros recursos e
pessoal técnico. O caso não pode ser resolvido no local. O próprio médico que
acompanha o paciente ao hospital, na própria ambulância, já faz o socorro de
emergência e pelo aparelho de rádio da própria ambulância põe-se em
comunicação com o hospital, transmite as primeiras informações e solicita as
providências que o caso requer. Ao chegar ao hospital já a equipe cirúrgica está a
postos e o material pronto para as intervenções de extrema urgência. Tudo pronto
em minutos: Sala de operações, Cirurgiões, Raio X, transfusão de sangue, enfim
todos os recursos são mobilizados com a máxima presteza, da qual muitas vêzes
dependem vidas preciosas que se salvam.
Quando são grandes as zonas que o hospital tem de atender, há
conveniência de serem localizados postos de ambulâncias em pontos estratégicos
para maior facilidade e rapidez nos transportes. Os serviços de pronto-socorro
devem ser aparelhados convenientemente com todo material indispensável; além
disso devem estar permanentemente com equipes completas de plantão. Essas
equipes podem ser organizadas entre o pessoal técnico do próprio hospital.
Assim, o serviço de pronto-socorro se reveste de características que o
diferenciam dos demais serviços clínicos comuns nos hospitais gerais.
A sua principal característica consiste na variedade de casos a atender e na
rapidez com que os socorros devem ser prestados. Além disso a gravidade que
muitos casos apresentam, exige uma técnica apurada e material abundante e
variado. São na maioria casos cirúrgicos mas também clínicos em geral.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

269

Além das vantagens que já enumeramos a localização dos serviços de
pronto socorro nos hospitais gerais pode facilitar grandemente ao ensino de sua
técnica e ao aprimoramento de médicos e estudantes os quais familiarizariam com
os diagnósticos muitas vêzes difíceis e com a assistência aos casos urgentes
médicos ou cirúrgicos, especialização essa tão útil na paz como na guerra.
Com relação aos serviços de traumato-ortopedia, são outras tantas
atividades que requerem especialização nas suas técnicas, e no material e
equipamentos usados.
Modernamente já se dividem èstes últimos em serviços de traumatologia os
quais, anexos aos serviços de pronto socorro, atendem aos casos agudos,
traumatismos recentes, fraturas, etc. e serviços de ortopedia, podendo ficar em
qualquer dependência do hospital que se preste a êsse fim, contando que disponha
de instalações adequadas. Neste serviço serão atendidos aquêles pacientes que
necessitem correção de defeitos oriundos de traumatismos anteriores, ou de
afecções médicas ou cirúrgicas.
Cada um dèsses serviços terá o seu pessoal, bem como material, oficina e
equipamento próprio, à exceção de certos meios auxiliares de diagnóstico, tais
como laboratórios, raios X, etc., que poderão ser comuns aos demais serviços.
Um pequeno aparelho portátil de raios X poderá prestar relevantes serviços
na redução de fraturas.
As salas de gêsso e de operações poderão ser contíguas dentro do bloco
cirúrgico do hospital.
Nos grandes hospitais com intenso serviço de pronto socorro e de
traumatologia será conveniente ter duas salas de gêsso próprias; o que não se
justifica nos pequenos hospitais, bastando uma sala de gêsso anexa às salas de
cirurgia geral.
CAPÍTULO V
HOSPITALIZAÇÃO E ASSISTÊNCIA EM TEMPO DE GUERRA
A questão da hospitalização e assistência em tempo de guerra não difere
grandemente daquela que é usada em tempo de paz, a não ser no volume dos
serviços, principalmente os de pronto socorro, em zonas submetidas a
bombardeios.
A organização dêsses serviços, toma nova feição, adaptada às necessidades
e imposições da guerra.
O aparecimento de novas modalidades de explosivos com grande poder de
destruição, tem contribuído para tornar mais graves os acidentes produzidos por
êles.

270

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A prevenção contra os agressivos químicos deve ser conhecida bem como a
assistência que deve ser prestada àqueles que forem atingidos.
A instalação e o funcionamento dos centros de descontaminação deve ser
também do domínio geral e de pleno conhecimento de todos que se dedicam a essa
tarefa.
Felizmente não foram até esta data usados êstes agentes da morte, mesmo
por aquêles que têm primado pela barbaría, contra as populações civis das cidades
nem contra os soldados em frentes de batalha. Consta, entretanto, que os alemães,
segundo notícias transmitidas pelos jornais, usaram êsse meio para dizimar
prisioneiros nos campos de concentração.
O Serviço de Defesa Civil deve ter um plano organizado dos hospitais e
tôda a zona que superintende, capacidade de leitos, possibilidade de ampliações
dos hospitais já existentes e a adaptação de hospitais de emergência, aumento de
equipamento e material. Preparação de voluntários socorristas. Meio de transporte,
tais como: ambulâncias, caminhões, ônibus, etc., são tôdas questões que devem ser
estudadas com cuidado a fim de que no momento preciso não venham a falhar os
elementos indispensáveis.
Todos os hospitais devem ter permanentemente equipes de plantão bem
como as salas de operações e material sempre prontos a atender às emergências.
Cada indivíduo tem uma função a cumprir e deve saber executá-la com
zêlo, presteza e dedicação.
Os hospitais situados em locais sujeitos a bombardeios podem ser obrigados
a evacuar os seus doentes para locais menos perigosos. Para o transporte dèsses
doentes deve ser organizado um serviço especial de transporte. Não devem ser
utilizadas para êsse serviço as ambulâncias de emergência; estas não devem ser
desviadas da sua tarefa normal, para que não venham a faltar no momento preciso.
As vêzes, torna-se necessário organizar trens ou combôios para evacuação de
feridos.
Os estabelecimentos utilizados por ocasião da evacuação de feridos são
chamados hospitais bases de emergência. São preferidos para êsse fim os hospitais
para doentes mentais e convalescentes, entretanto muitos outros estabelecimentos
podem ser aproveitados com pequenas modificações, rápidas e baratas. Colégios,
edifícios públicos, etc.
Bancos de sangue e plasma devem ser instalados em todos os hospitais.
Outros recursos modernos: penicilina, sulfas, etc.
O Serviço de Defesa Civil organizará centros de contrôle e postos de
socorro com as várias unidades de proteção, tais como: bombeiros, polícia, guarda
anti-aérea e o serviço médico de emergência, com o pessoal socorrista, padioleiros,
etc., e as ambulâncias para o transporte aos hospitais dos feridos necessitados de
internação.
Um centro de contròle principal em comunicação com êsses centros de
contrôle distritais, orientará os serviços de socorro e transporte de

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

271

feridos para os hospitais. No centro de contrôle principal haverá uma sala de
contrôle onde deve existir um mapa da zona com a localização dos hospitais,
postos de socorro, etc., e um quadro negro, de contrôle, no qual são afixados a
localização, o tipo e a duração dos acidentes, e os serviços feitos. Na sua parte
superior, encontra-se certa quantidade de alfinetes de côr, demonstrando quais "as
unidades de serviço de emergência em disponibilidade". Por baixo, vem uma
coluna reservada aos "serviços requisitados" e "serviços encaminhados". À medida
que os alfinetes vão sendo movimentados pelo escriturário encarregado, os chefes
dos serviços de emergência e o pessoal do centro de contrôle podem avaliar, por
um golpe de vista, quantas, das várias unidades, ainda se encontram à disposição.
Os alfinetes são vermelhos para as unidades de emergência e brancos para as
ambulâncias. (George Baehr).
As mensagens do alarme aéreo são transmitidas primeiramente ao centro de
alarma distrital e dèste retransmitida para o centro principal de contrôle e para os
centros distritais de contrôle.
Ao primeiro aviso "amarelo" os chefes do pessoal técnico são chamados a
seus postos. A mensagem "azul" é enviada aos encarregados do "Black-Out". A
mensagem "vermelha" significa a iminência de bombardeio, soando então as
sirenas de alarme para que a população se proteja e procure os abrigos. A
mensagem "branca" significa que o perigo passou e as sirenas soam novamente
dando aviso.
Com o que acabamos de dizer procuramos dar uma idéia rápida da
complexidade do problema de assistência em tempo de guerra ao mesmo passo
procuramos situar o hospital dentro dêsse sistema de defesa da população civil,
quando sujeita aos horrores de um bombardeio.
Nas linhas de frente a organização dos serviços é diferente, embora a
natureza dos ferimentos não defira grandemente. Pode haver um número maior de
ferimento por projetis de fuzil e metralhadora.
Não existe linha de demarcação, na guerra moderna, entre as linhas de
frente e retaguarda. Os seus horrores se espalham por tôda a superfície dos países
em guerra e mesmo daqueles que nela não tomam parte.
***
Vamos concluir resumindo tudo o que dissemos, e fixando bem os seguintes
pontos:
1 ­ Todo doente contagioso deve ser isolado da comunidade ou de outros
pacientes não afectados da mesma doença contagiosa, enquanto durar o período de
contagiosidade.
Êsse isolamento poderá ser feito em domicílio, raramente; dentro dos
hospitais gerais, em andares ou seções preparadas para êsse fim;

272

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

em pavilhões anexos aos hospitais; em hospitais especialmente destinados a èsse
fim; em colônias formadas por residências e pavilhões, contanto que se obedeça a
uma técnica perfeita, dando-se ao doente isolado um certo confôrto ou agasalho
conveniente.
2 ­ Qualquer dos hospitais ou serviços por nós estudados deve ter seu
pessoal próprio, idôneo, especialmente preparado dentro da especialidade, de
preferência com curso de organização hospitalar.
3 ­ Em qualquer hospital ou serviço de isolamento a técnica deve ser
perfeita, rigorosamente aplicada, não sendo permitido qualquer deslise.
4 ­ Todo o pessoal hospitalar ou de serviços de isolamento deve ser
devidamente imunizado para as doenças que possam ser evitadas, prevenindo-se
assim contra a infecção cruzada.
5 ­ As visitas aos contagiosos devem ser evitadas, ou quando isso não
possa ser feito deverão ser tomadas as precauções necessárias, sendo as mais
eficientes aquelas previstas no projeto da construção: galerias externas, separações
por vidro, intercomunicação a alta voz.
6 ­ Nas maternidades e berçários, além dos cuidados técnicos
indispensáveis às gestantes, parturientes, puérperas e crianças, deve ser feita
especial vigilância no tocante às infectadas, e isolamento dos casos contagiosos.
7 ­ Nos hospitais e demais estabelecimentos para tuberculosos e leprosos,
além dos cuidados técnicos indispensáveis aos pacientes deve haver cuidado
especial quanto à saúde do pessoal hospitalar e visitantes.
8 ­ Os hospitais e serviços de assistência aos cancerosos, devem ser
equipados com instalações de raios X penetrante, radium, rádio, etc.
9 ­ Os hospitais e estabelecimentos para mentais e nervosos devem ter
instalações adequadas e protetoras para os pacientes. A vigilância deve ser rigorosa
a fim de impedir que os doentes produzam danos a si mesmos ou a outrem.
10 ­ Os hospitais para crianças devem obedecer a técnicos métodos
pedagógicos, quando a permanência dos internados tiver de ser longa. A educação
e instrução das crianças não deve ser descurada nem interrompida.
11 ­ Os serviços de pronto socorro devem ter instalações e equipamento
adequados, além do pessoal técnico adestrado nessa espécie de socorros. Êsses
serviço devem fazer parte dos hospitais gerais e neles serem instalados.

***

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

273

Senhoras Irmãs:
Ao terminar esta nossa palestra desejo congratular-me convosco pelo
interêsse que despertou em vosso meio o curso intensivo de organização e
administração hospitalares especialmente elaborado para vós pela D.O.H. do
D.N.S.
Obra notável essa que vem realizando a D.O.H., chefiada por êsse dinâmico
e incansável preparador da elevação do padrão hospitalar entre nós que é o Prof.
Theophilo de Almeida.
Viestes dos vários recantos do País, atraídas por èste curso, vencendo todos
os obstáculos e distâncias, com o nobre objetivo de tornar ainda mais úteis e
preciosos os cuidados de assistência que prodigalizais aos enfermos entregues nos
vossos desvelos.
Que os vossos sacrifícios sejam compensados.
Que os ensinamentos e a prática adquiridos neste curso intensivo sirvam
ainda mais para exalçar as vossas virtudes na prática do bem e da caridade que são
os vossos escudos.
Várias irmãs já se têm sacrificado, contaminadas pelos males de cujas
garras teimavam em retirar os infelizes; desfalcando com êsse seu desprendimento
pela vida, os efetivos do exército do bem que devem sempre aumentar e nunca
diminuir.
Vidas preciosas, como são tôdas as vossas, têm sido ceifadas.
Que o emprêgo de técnicas rigorosas no trato dos enfermos contagiosos,
sem diminuição, nem restrições, aos sentimentos religiosos na prática da
verdadeira caridade vos possa preservar dos contágios para que por muitos anos
vos tenham os enfermos a assistí-los distribuindo-lhes com prodigalidade que vos
caracteriza as mercês de vossos corações e de vossa bondade.

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE
DIETÉTICA NO HOSPITAL E NAS INSTITUIÇÕES PARAHOSPITALARES
Pela Dra. LIESELOTTE HOESCHIL (*)
SUMÁRIO ­ "Alimentação e dietas ­ Cozinhas, copas,
padaria e confeitaria. Sistemas de transporte da comida.
Escritórios e contrôle".
Se analizarmos o conceito de nutrição na ciência moderna, a sua aplicação
em outros países, veremos que nos encontramos em fase muito aquém dèstes e
ainda em condições tais de não podermos satisfazer as nossas próprias exigências.
Porem, estamos começando a compreender o problema, estamos sentindo a
necessidade imediata da formação de técnicos, por ser èste o caminho lógico da
verdadeira solução. Temos um curso de médicos nutrólogos e nutricionistas no
S.A.P.S. (Serviço de Alimentação da Previdência Social), outro da Prefeitura e
ainda o curso de dietistas do Instituto de Higiene de São Paulo.
De que serviria apontarmos nossas falhas sem procurarmos meios para
corrigí-las? Sei que somos unânimes em afirmar que a alimentação dos nossos
hospitais, mesmo na Capital Federal, é o que há de mais precário, pela má feitoria,
apresentação descurada, e monotonia alimentar, acrescida hoje pela grande
dificuldade de obtenção de gêneros de primeira necessidade.
Se analizarmos as verbas empregadas pelo govèrno, ou instituições
particulares para èste fim, notaremos uma grande desproporção entre preço e o
alimento servido.
Num estudo feito pelo Dr. Rubens Siqueira, antes da guerra, na sua
monografia publicada em 43, sôbre êste assunto, vemos a que cifras absurdas pode
chegar o desperdício alimentar por falta de orientação técnica. Prepara-se em
quantidade excessiva dando margens a sobras. Prepara-se em más condições, e a
alimentação não é aceita dando margens a restos.
__________________
(*) Do corpo Docente da Escola de Enfermeiras "Ana Neri".

276

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O doente fica mal alimentado apesar de haver uma verba suficiente para sua
alimentação. Isto é o mais comum: no entanto pode-se apreciar outro aspecto da
questão. Conhecendo os fatos acima citados, alguns diretores achavam que
poderiam fazer grandes economias, restringindo a verba para alimentação sem
cogitar do problema, principalmente da qualidade, do teor nutritivo e a forma de
preparo do alimento. Mantinha-se o critério empírico das cozinhas familiares.
Comprar quantidades arbitrárias de gêneros, prepará-los, obedecendo em parte aos
hábitos de alimentação e de acôrdo com os poucos recursos de instalação e boa
vontade do pessoal disponível. Depois, dividí-los da melhor forma possível,
atendendo em primeiro lugar ao apetite dos empregados da cozinha, depois às
exigências dos altos funcionários e finalmente às necessidades dos doentes. Para
êstes, se a comida não chegasse seria aumentado o arroz da sopa e a água do feijão.
Se alguma cousa sobrasse, apareceria na outra refeição em forma de farofa ou
croquete. Quando, no entanto, a pessoa mais importante do hospital é o doente.
Como nova tentativa para solução do problema e recorrendo à colaboração
do S.A.P.S., foram instituídos em alguns estabelecimentos, regimes padrões à base
do valor calórico. Limitou-se a quantidade de alimento per capita, calculados em
pêso líquido. Isto poderia parecer uma solução técnica do problema, mas os
resultados foram desastrosos. Por que?
Quantidade em pêso líquido é o alimento livre de cascas, talos, raízes, ossos
e outros desperdícios. É muito fácil compreender que, se fornecidos nas
quantidades estipuladas, ainda em bruto, depois de limpos a redução é sensível,
especialmente nos alimentos frescos, frutas, vegetais em geral e carne.
Muito justos foram os protestos contra a alimentação racional que fornecia
quantidades microscópicas de carne e frutas; além do que, persistia o velho
problema do mau preparo e a apresentação dos alimentos. Era teoria, não era
prático.
Uma das maiores dificuldades nas nossas cozinhas, é o fato de não se poder
prever como sairá uma determinada preparação cujo êxito está entregue ao azar de
um punhado a mais ou menos de condimento.
Ora o arroz sai papa e insôsso, ora duro e sagado. Não existe uniformidade
por não existir técnica. Havendo uma receita para cada preparação com a
quantidade em gramas por pessoa, multiplicando-se pelo número total de
comensais será mantida a proporção dos ingredientes e logo a receita em
quantidade pequena ou grande sairá igual. Existe a idéia errônea de que na
alimentação em grande escala é mais fácil economizar os elementos que melhoram
o sabor e são realmente mais caros. Aumenta-se a farinha do inhoque de batatas e
diminuiu-se o queijo. Eis uma das razões da insossidez da alimentação das nossas
coletividades. Outra razão é a falta de funcionários e aparelhamentos que facilitam
o trabalho. Em lugar dos panelões pesadíssimos deveriam

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

277

ser usados caldeirões com tampas automáticas e torneiras para seu esvasiamento.
Muitas vêzes o combustível usado, não produz o número necessário de calorias,
exigindo maior tempo para cocção dos alimentos e em conseqüência, ou a
alimentação se atraza ou é servida mal cozida. Outra dificuldade são as operações
manuais de descascar e cortar os vegetais, escolher o arroz, o feijão, que são
indispensáveis para uma boa apresentação dos alimentos. Observa-se o seguinte:
Quando a quantidade do arroz excede a uma saca, já não é mais possível escolhê-lo
como seria impossível lavar fôlha por fôlha de 300 pés de alface, preparar com o
mesmo capricho 200 pratinhos de salada ou sobremesa. Às vêzes isto se dá não por
má vontade do funcionário mas por falta de conhecimento dos mesmos no que se
refere à ornamentação, pesagem e distribuição, como também, por exigir um
número maior de funcionários, ou máquinas apropriadas para fazê-lo.
Como fazer compreender a uma cozinheira de longa prática que a balança
só viria facilitar seu trabalho, tornando-o quase automático? Tal receita, tanto dêsse
alimento, tanto daquele, feito em tal forma, estaria sempre bem feito.
Podemos afirmar agora que: ­ dentro das grandes exigências de um hospital
moderno está o Departamento ou Divisão da Dietética. Um serviço especializado
de alimentação abrangendo tudo o que se relaciona com a mesma. Desde a
aquisição, escolha de alimentos, cálculo de regimes, confecção de cardápios,
preparo dos alimentos, e distribuição dos mesmos. A direção do serviço da
dietética no plano de organização hospitalar está diretamente relacionada com a
administração no que se refere à aquisição do material ou gêneros ao Serviço
Médico no que se refere à prescrição dos regimes e finalmente ao Serviço de
Enfermagem quanto à administração do alimento depois de preparado.
A finalidade dêste serviço é dar aos doentes uma alimentação suficiente,
completa, harmônica e adequada. Seu critério é individual, qualitativo e
quantitativo.
Individual porque a alimentação é executada segundo a prescrição do
médico especializado, levando em consideração o estado fisiopatológico do doente.
Atendendo aos gostos de cada um.
Qualitativo porque o técnico necessita conhecer cada alimento, seu valor
nutritivo, sua composição, suas transformações, sua produção, zona, época, preço,
meio de transporte e conservação para adquirir a melhor qualidade pelo menor
preço.
Quantitativa porque o regime é calculado levando em consideração as
exigências individuais de doentes e funcionários. Estabelecidas as quantidades
gerais, os alimentos são fracionados em quantidades determinadas em gramas, o
que consta nas receitas cujos pratos foram escolhidos para as diferentes refeições.
Logo, estabelecendo o número exato de pessoas a servir, quantidades per capita, e
com esta base quan-

278

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

tidades totais dando a margem para o fator de correção, estabelecemos
quantitativamente a alimentação a preparar.
Passemos, agora, à descrição da organização e funcionamento de um
serviço de dietética. Veremos que é complexo na sua engrenagem. É econômico
porque se utiliza totalmente de todo o material e exige o melhor serviço de cada
funcionário. No entanto, empregando gêneros o material de primeira qualidade e
funcionários técnicos, o preço será talvez muito além das verbas atuais previstas
para êste fim. Porém não podemos economizar às expensas da saúde e em prejuízo
do bem-estar dos nossos doentes.
A alimentação adequada é a base de qualquer tratamento, porqne não
sòmente alimenta o doente, mas tem ação preventiva, coadjuvante e até mesmo
curativa de muitas enfermidades.

PESSOAL NECESSÁRIO PARA UM GRANDE HOSPITAL
1
2
3
4
5

­
­
­
­
­

Chefe de divisão.
Chefe de serviço.
Dietistas diplomadas.
Auxiliares de Alimentação.
Mestre cozinheiro, cozinheiros, ajudantes, açougueiro, padeiro, confeiteiro,
auxiliares, serventes.
DEPENDÊNCIAS

Chefia ­ Supervisão e contrôle cle todo serviço.
ESCRITÓRIO DO PESSOAL TÉCNICO
1 ­ Seção de regimes ou dietas.
2 ­ Centralização das prescrições médicas.
3 ­ Organização de cardápios pelas dietistas chefes dos diferentes serviços e da
alimentação do pessoal:
a) Regimes dietéticos normais ou dieta normal;
b) Regimes dietoterápicos ou dietas especiais.
4 ­ Totalização dos regimes pelo grupamento dos enfermos cujas dietas tenham as
mesmas características.
5 ­ Confecção do cardápio da dieta geral por funcionários, visitantes ou
acompanhantes dos doentes que por não terem lesões que afetam ao aparelho
digestivo podem consumir alimento normal.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

279

Diremos aqui, entre parènteses, que segundo o que nos foi relatado pelo Dr.
Theophilo de Almeida, Diretor da Divisão de Organização Hospitalar, de sua visita
aos Estados Unidos e também do Dr. Nelson Muniz, chefe do serviço médico da
Fábrica Nacional de Motores, naquele país o serviço de dietética chegou à
perfeição de atender aos gostos de cada doente. A dietista percorre os quartos e
enfermarias com uma lista de pratos que podem ser escolhidos anotando os
preteridos pelo doente para o dia seguinte. Achamos isto uma coisa notável, porque
nos 5 anos de experiência incluindo os 3 de Curso, nosso maior problema tem sido
êste: ­ Dar ao indivíduo um alimento que èle coma com prazer. Esta é a finalidade,
sem o que todo o trabalho seria vão.
Se o indivíduo escolhe o que lhe apetece, contamos com uma probabilidade
grande para que a alimentação seja aceita e que se diminua a percentagem dos
restos. A preferência recai em menor número de pratos do que o do menu normal; é
econômico e o alimento será consumido de fato.
Com o mesmo critério são elaborados os cardápios para as dietas especiais
líquida, branda, hipercalórica. Também para os regimes de balanço como no caso
do diabético, cardiorenal e obêso;
Os cardápios são feitos escolhendo-se as preparações e alimentos de acôrdo
com a prescrição médica. Levando em consideração as transformações físicoquímicas dos alimentos, e a adequação ao estado fisiopatológico dos enfermos.
Muito diverso é o índice de saciedade e digestibilidade de um ôvo quente,
cozido ou frito. Pelo estudo da técnica dietética podemos prever as transformações
operadas nos alimentos na cozinha e no aparelho digestivo. Estudados todos èsses
aspectos e estabelecidos os cardápios recorre-se ao fichário de receitas para
calcular as quantidades totais e relativas dos alimentos a serem consumidos.
COMPRA DE ALIMENTOS
Em estabelecimentos pequenos a compra pode ser feita diretamente, ou
então por contrato e ainda por concorrencia. Não sendo aconselhá-vel. a compra
diária em vendas e quitandas. O importante neste ponto é que seja feita por um
comprador especializado ou seção de compras, consultados técnicos de
alimentação quanto à qualidade dos gêneros e de administração quanto ao preço
dos mesmos.
A compra depende das possibilidades locais. O ideal seria evitar transportes
e intermediários que além de encarecer o produto o fornecem em condições de
conservação bastante deficiente na maioria das vêzes. Usa-se, também, comprar
em conjunto para vários hospitais; compra-se maior quantidade e mais barato.

280

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O ideal em alguns estabelecimentos do interior, o tipo colônia onde se
produz grande parte dos gêneros a consumir. Hortas, pomares, aviários, criação de
animais como: porcos, coelhos, etc., para abastecimento próprio. Isto naturalmente
já está um pouco fora da nossa alçada, pois o que realmente nos interessa é a
obtenção de gêneros de primeira qualidade, frescos, de origem conhecida, em
ótimas condições sanitárias e ainda, a baixo preço.
Os alimentos chamados frescos, como leite, vegetais, folhudos, carne,
requerem um fornecimento diário porque se alteram com muita facilidade. Nos
casos em que devam ficar de um dia para o outro exigem para sua conservação
geladeiras ou câmaras frigoríficas.
A manteiga, ovos, algumas frutas, queijo, tubérculos e raízes, alguns
legumes não se alteram tão facilmente, sendo suficiente o fornecimento semanal ou
quinzenal.
Os gêneros chamados secos como cereais, farinhas e derivados, açúcar,
podem ser fornecidos mensalmente. Os gêneros enlatados em conserva ou
acondicionados de forma que se assegure sua conservação podem ser adquiridos
trimestralmente ou semestralmente.
Despensas ou depósitos: Devem ser espaçosos, em lugar fresco, arejado e
limpo, munidos de prateleiras, onde será colocado todo material devidamente
classificado. Depósitos de madeira com tampas, arejados, para armazenagem de
farinha, cereais, açúcar. Não achamos prudente os depósitos de grandes estoques.
Representam maior trabalho de conservação e contrôle além do que, facilitam a
alteração da mercadoria. É preferível o estoque variado com grande possibilidade
de movimentação.
Contrôle:
Mapas de consumo.
Èstes mapas permitem o contrôle diário do material usado.
O contrôle do material de limpeza, utensílios de cozinha e combustível pode
ser feito da mesma forma.
A louça e talheres devem ser controlados diàriamente, em cada refeição,
responsabilizando-se os serventes e copeiros que os utilizam.
Cozinha: Fornecido o material passemos agora à cozinha e suas
dependências:
1 ­ Câmara frigorífica com duas divisões: uma para vegetais, frutas, ovos,
manteiga, etc., outra para carnes; ou mesmo quatro seções frigoríficas:
a) Frutas e legumes;
b) Peixes e semelhantes;
c) Carne;
d) Laticínios.
Costuma-se refrigerar ainda o depósito de lixo diário.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

281

2 ­ Dependências para limpeza de verduras, providas de pias, água corrente,
máquinas para expremer facilitando o preparo de sucos de vegetais e frutas,
máquinas para descascar, cortar, diminuindo o trabalho manual.
3 ­ Dependêncais para limpeza e corte de carnes, incluindo aves e peixes,
providas de mesas, pias, cêpos, etc.
Nestas dependências são removidas tôdas as perdas inevitáveis dos
alimentos, transformando os pesos brutos em pesos líquidos. Pode-se assim
estabelecer também o fator de correção para. cada tipo, o que orienta a compra.
Consideremos ainda ràpidamente entre as dependências a confeitaria, padaria e
açougue.
Confeitaria: Exige em primeiro lugar um técnico e bom material. No
serviço de alimentação do Instituto Nacional de Nutrição de Buenos Aires, o
confeiteiro era estimado pelos deliciosos doces que sabia apresentar para
sobremesa e lanches. Tortas, bolos, merendas com creme chantilly, bons bocados e
pudins. A confeitaria aumenta o custo da alimentação mas enriquece os cardápios.
Padaria: É muito aconselhável. Sua instalação não é cara em relação aos
grandes benefícios que oferece. A confecção de pães e biscoitos acloretados, de
farinha integral, hipercelulósicos, sem gordura, necessários a certas dietas, permite
um cumprimento mais restrito da prescrição médica. A fabricação de pães em
pesos determinados facilita a distribuição de regimes padronizados.
Açougues: Só é possível a existência dos mesmos em instituições tipo
colônias, onde pelo maior consumo de carne e maior espaço poderão funcionar.
Havendo um aproveitamento completo do animal abatido, torna-se econômico.
Cozinha pròpriamente dita: Provida de fogões, fôrnos, grelhas, caldeirões,
mesas, pias, etc. Os gêneros são aí levados já devidamente preparados. São pesados
de acôrdo com o mapa de preparação e colocados na panela de acôrdo com a
receita. É um trabalho quase automático que exige do cozinheiro nada mais que o
contrôle da temperatura adequada e tempo de cocção.
Terminada esta etapa, chega o momento que exige maior capricho e arte dos
funcionários da cozinha: a apresentação dos pratos. Ninguém desconhece a
influência dos caracteres organolépticos da alimentação; aroma, agradável sabor,
harmonia de côres, temperatura adequada, como grande estimulante do apetite.
Transporte: Distribuído o alimento, de acôrdo com os mapas já citados,
para as divisões correspondentes, é transportado em carros térmicos ou em
elevadores (spee-system) chegando assim às copas das enfermarias e dos
refeitórios na temperatura adequada.
Copas: Podem ser providas de mesas térmicas ou comuns, pias, armários,
fogão pequeno e especialmente citamos bandejas individuais, para

282

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

regimes normais e dietoterápicos, faz-se a distribuição individual; cada bandeja
deve ter uma ficha com o número do doente. Em primeiro lugar, dos alimentos
chamados de cozinha fria, isto é, pão, queijo, dôce, manteiga, etc.
A distribuição dos alimentos quentes pode ser efetuada por porção ­ por
exemplo: 1 bife, tantas colheres dêste ou daquele prato, ou então, por pesagem, no
caso dos regimes de balanço: diabéticos, cardiorenais, obèsos, etc.
À medida que a comida fôr servida deve ser levada aos quartos dos doentes
ou aos refeitórios das enfermarias. Insistimos na apresentação cuidadosa de cada
bandeja, sendo os alimentos levados em pratinhos separados.
Os pacientes não acamados deverão comer em refeitórios; facilita a
distribuição e proporciona um ambiente familiar ao doente. Os acamados ­ devem
receber os alimentos em posição confortável, sendo necessário para isto mesinhas
apropriadas. Como dissemos no início desta exposição, cabe à enfermaria a
distribuição do alimento.
A distribuição da alimentação nos refeitórios dos funcionários, visitantes e
também dos técnicos deverá ser feita em balcões servindo-se o indivíduo dos
alimentos que prefere, em sua bandeja. Isto se faz por um sistema de fichas ou
talões, registrando-se automàticamente na máquina contrôle o número e tipo de
refeição servida. Èste sistema suprime os garçons ou copeiros, e cada pessoa serve
a gôsto dentro do racional.
A louça usada pelos doentes é recolhida às copas onde é lavada ou
esterilizada. Depois de terminada a refeição os funcionários depositam suas
bandejas com o material usado em balcões onde é encaminhado à dependência
correspondente para efetuar-se a limpeza. A lavagem e secamento dos pratos e
talheres pode ser feito em máquinas apropriadas.
Poderia parecer que está concluída a ação de serviço de dietética; no entanto
falta uma parte aliás muito importante: o contrôle dos restos, sobras e desperdícios.
Da cozinha são enviados os mapas relatando as percentagens dos alimentos
frescos não aproveitados. Observamos no serviço de alimentação da Escola Ana
Neri que estas quantidades atingem às vèzes 50% pesando batatas, xuxu, espinafre,
ao chegar da quitanda e depois de limpos.
Estas perdas, podem ser aproveitadas por galinhas ou animais de
laboratório. Das copas são enviados os relatórios dos alimentos que sobram depois
de feita a distribuição, o que põe em evidência os erros de cálculo.
Finalmente cabe à dietista fiscalizar na bandeja de cada doente a quantidade
dos restos observados o que deve ser registrado na papeleta para conhecimento do
médico assistente. Nos casos de regimes de ba-

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

283

lanço os restos devem ser medidos ou pesados, para que sejam reais os estudos das
curvas ponderais e cifras de eliminação em comparação com o ingerido. Contrôle
médico e econômico.
Da mesma forma é importante o estudo dos restos nos refeitórios dos
funcionários pois conhecendo-se os pratos recusados modifica-se a orientação dos
cardápios até chegar-se a um resultado satisfatório, isto é; a redução absoluta dos
restos pelo aproveitamento total do alimento preparado.
Redução das sobras pela exatidão do cálculo das reações a servir e do
desperdício, empregando material de primeira qualidade.
O trabalho de estatística e contrôle geral é feito com os mapas e relatórios,
enviados à direção pelos chefes das diferentes seções.
Não temos a pretenção de haver dado uma norma precisa para organização
de um serviço de Dietética, isto dependerá de um estudo detalhado de cada caso
em particular, porém, esperamos ter dado uma idéia geral de seu funcionamento e
do seu grande alcance.
NOTA: Os mapas ou modelos citados serão
publicados brevemente; antes, porém, poderão ser
solicitados em cópia mimeografada, diretamente á
Divisão de Organização Hospitalar.

SERVIÇOS AUXILIARES DO DIAGNÓSTICO
E TRATAMENTO
Pelo DR. A. F. DA SILVA JARDIM
SUMÁRIO ­ Planejamento e instalação do setor:
farmácia e laboratórios químico-farmacêuticos
Localização dos serviços de farmácia nos hospitais:
1 ­ Finalidade.
2 ­ Situação mais conveniente: central.
Condições:

a)
b)
c)

Acessibilidade ao ambulatório.
Acessibilidade ao serviço interno.
Acessibilidade ao almoxarifado.

3 ­ Funcionários: lotação mínima, dependências:
a)
b)
c)

Farmacêutico diplomado.
Prático.
Servente.

a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)
h)

sala de mostruários ou depósito dos medicamentos;
laboratório de manipulação;
laboratório de hipodermia;
seção de recepção das receitas ou prescrições;
seção de expedição de medicamentos;
depósito, limpeza e esterilização do vasilhame;
depósito de inflamáveis;
sala dos técnicos.

4 ­ Dependências:

5 ­ Aparelhagem do Laboratório de Manipulação:
a)

balanças:

a) granatária e
b) de de precisão;

286

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

b)
c)
d)
e)
f)
g)
h)

câmara frigorífica para produtos biológicos;
alambique;
autoclaves;
agitadores mecânicos;
bicos de Bunsen, fogareiros elétricos;
densímetros, alcoômetros, termômetros;
percoladores, centrifugadores.
Vidraria:

a)
b)
c)
d)
e)

grais de vidro ou porcelana;
copos e provetes graduados;
cápsula de porcelana;
bastões de vidro;
tubos de ensaio, etc.
Acessórios:
Espátulas, piluleiro, pedras de mármore para pomadas,
fôrmas para lápis, óvulos e supositórios, máquinas para
confecção de cápsulas, bandejas, esterilizadores de
instrumental e de soluções, carros e cestas de entrega,
guarda-roupas, Armários com estojo para serviço de
pronto-socorro, medicamentos e material de curativos
para uso nas grandes catástrofes.

6 ­ Requisitos de construção dos laboratórios:
a)
b)
c)

piso ­ material preferencial: cerâmica clara;
parede ­ revestimento de azulejos brancos ou melhor
cinza-claro até 1,80 m. acima dos quais e no teto,
pintura a óleo cinza-claro;
instalações:
a)
b)
c)
d)
e)
f)

de água;
ar comprimido;
gás;
vácuo;
vapor super aquecido;
eletricidade;

d)

mesas de trabalho:

1)
2)
3)
4)

disposição;
natureza do material;
instalações próprias;
lavatórios;

a)
b)
c)
d)

mármore;
azulejos;
madeira impermeabilizada;
preferencial;

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

287

7 ­ Limpeza do vasilhame e depósito:
a)
b)
c)
d)

tanques de lavagem do vasilhame;
dispositivos automáticos de limpeza;
esterilização do vasilhame;
depósitos de vasilhame limpo.

8 ­ Seção de expedição de medicamentos:
a)

balcão ou guichet para ambulatório e para o serviço
interno;
rêde externa;
instalação telefônica ­
rêde interna

b)
c)
d)

livro de registro de expedição de receitas e arquivo das
receitas aviadas;
carros de expedição.

9 ­ Depósito de medicamentos e mostruários:
a)

b)
c)

classificação dos medicamentos em:
1) injetáveis

oficinais
especialidades

2) diversos

oficinais
especialidades

disposição apropriada dos mostruários;
sistema patenteado Shwartz.

10 ­ Livros de consulta, Biblioteca:
a)
b)
c)
d)
e)

farmacopéia brasileira;
tabelas farmacèuticas diversas;
compêndios de química analítica;
compêndios de indústria farmacêutica;
compêndios de farmácia galênica e farmácia química.

11 ­ Entorpecentes:
a)
b)
c)

balanço do estoque;
caixa forte;
receita visada pelo diretor clínico.

12 ­ Transporte de medicamentos:
a)
b)

monta carga;
carros de transporte.

288

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

13 ­ Proteção contra roubo ou incêndios (alarmas e depósito de
inflamáveis).
14 ­ Outras atividades do pessoal técnico do Serviço de farmácia:
a) preparo de soluções bactericidas, para o serviço de
cirurgia;
b) preparo de soluções de sabão;
c) preparo de líquidos fixadores para o serviço de
radiologia e eletrocardiografia;
d) preparo de proteínas purificadas para verificações de
alergia;
e) preparo de água oxigenada e líquida de Dakin;
f) preparo de solutos injetáveis, etc.

***

CAMPANHAS FINANCEIRAS E MANUTENÇÃO
ECONÔMICA DAS INSTITUIÇÕES HOSPITALARES E
PARA-HOSPITALARES

Pela Dra. RUTH BARCELOS (*)
SUMÁRIO ­ Campanhas financeiras e produção econômica da
instituição. Despesas ordinárias e reservas para melhoramentos
e ampliação. Recursos e processos de economia interna.
Finalidade máxima do hospital moderno: acomodação,
alimentação e tratamento rigorosamente conveniente a todos os
doentes. Orçamento de serviços novos. Estudo comparativo
econômico-financeiro das instituições hospitalares e parahospitalares e congêneres, hotéis, etc.
Reverendíssimas Irmãs:
Antes de ocupar vossa atenção com as considerações que o assunto
escolhido para o dia de hoje nos oferece, seja-me permitido transmitir-vos, como às
demais pessoas aqui presentes, em nome da Escola Ana Neri, que neste momento
represento, uma saudação reverente e amistosa, muito especialmente dirigida a êste
grupo de pioneiras da enfermagem em nossa terra, reunidas e sob a égide da A.S.A.
para um curso intensivo de aperfeiçoamento e especialização sôbre organização e
administração hospitalares. Vossa atuação no setor de enfermagem, antes mesmo
de ter sido reconhecida como profissão técnica, é de natureza a merecer de todos
nós gratidão e respeito muito profundos.
***
O ponto que vamos estudar envolve 2 assuntos importantes:
1 ­ Campanhas financeiras.
2 ­ Manutenção econômica das instituições hospitalares e para-hospitalares.
__________________
(*) Secretária da Escola de Enfermeiras "Ana Neri".

290

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Evidentemente, não poderemos procurar resolver qualquer problema de
natureza econômica, sem partir de um plano concreto de execução.
Desta forma, se o "pivot" de nosso interêsse, no momento, é o estudo dos
elementos da manutenção hospitalar, cabe-nos passar em revista os recursos
indispensáveis para enfrentar-lhe a conservação, o mecanismo dos vários internos,
os processos de assistência aos doentes, os elementos que contribuem para que essa
assistência seja eficiente, etc., etc. Estou certa de que tudo isto já vos foi
amplamente demonstrado, em aulas precedentes, a que infelizmente, não me foi
dado o prazer de comparecer. Tivestes, portanto uma visão panorâmica do hospital
moderno, de suas exigências, de seu mecanismo ultra-dinâmico, de suas
características construtivas e dos elementos que se congregam para sua perfeita
aparelhagem.
Aproveitaremos esta classificação, que já vos foi dada pela D.O.H.,
estudando os processos de que devemos lançar mão, para enfrentar os problemas
financeiros, com que tôdas as instituições lutam, para sua manutenção e
desenvolvimento.
Obedecendo à ordem pré-estabelecida, vamos estudar o que são Campanhas
Financeiras:
São muito conhecidos os processos que poderemos utilizar para obter
recursos em benefício de obras sociais. Citam-se entre èles: as rifas, as ações entre
amigos, os leilões de prendas, os chás-benefícios, as loterias, os festivais artísticos,
a pesca maravilhosa, as exposições artísticas e, concluindo, as campanhas
financeiras que atingiram tanta retumbância nos últimos anos.
Estas campanhas nasceram da necessidade de concentramos a atenção
pública sôbre determinado problema, fixando-lhe os objetivos e necessidades, a
fim de atrair o maior número possível de pessoas interessadas e obter o máximo
resultado, conjugando interêsses, esfôrço, propaganda, dentro de um prazo
definido, para obtenção de recursos financeiros.
Via de regra estas campanhas se estendem por um período de 8 a 15 dias,
ocupados exclusivamente para o movimento de arrecadação e apresentação do
resultado apurado.
Sua realização é precedida de um estudo cuidadoso, no qual se fixa o alvo a
atingir, focalizam-se tôdas as faces do problema de 3 fatôres indispensáveis:
1 ­ Intensidade da publicidade.
2 ­ Integridade dos dirigentes da campanha e da obra a ser focalizada.
3 ­ Eficiência e dinamismo dos organizadores e colaboradores.
Há, também, imposições de caráter técnico a serem respeitadas, isto é: a)
preparação do movimento, boa escolha de uma comissão organizadora e das
demais comissões constitutivas do movimento: as

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

291

comissões Patrocinadoras, a Colaboradora e a Executiva. Cada uma delas tem um
papel saliente. A primeira atrai, pelo seu prestígio moral, social ou econômico a
atenção pública para a campanha; a segunda recolhe os benefícios das fontes
doadoras, a terceira controla e registra o movimento, apresentando os resultados.
Faz parte da técnica, o estudo psicológico do momento propício para o
lançamento do movimento. Seria impraticável recorrer à generosidade pública em
época de crise, ou depois de já se ter ela manifestado para outros fins, ou ao passar
das luzes de um exercício financeiro, quando os meios financeiros já estiverem
comprometidos; ou ainda em época em que os rigores da estação exijam o
afastamento dos grupos de capitalistas para climas mais amenos. Há, portanto, tôda
uma série de considerações a levar em conta. O ideal seria, portanto, aqui no Rio,
lançá-la no princípio do inverno, enquanto, fora daqui, como por exemplo
Petrópolis, ao contrário, no verão.
Já vimos que o resultado da Campanha, depende em grande parte da
objetividade de sua propaganda: folhetos bem apresentados, explícitos, claros,
focalizando a assistência prestada, as necessidades imperiosas a realizar; de
aspecto agradável e de fácil manuseio para que ao menor golpe de vista se
mantenha informado o consulente.
Exemplifiquemos:
"A Associação de Caridade de Rio Bonito deseja obter fundos para
melhorar as condições do Hospital local e tornar mais fáceis suas atividades.
Precisa conseguir uma reserva para aumentar seu patrimônio. Quer mandar
construir um pavilhão para laboratório de pesquisas e um Centro de estudos no
hospital. Das plantas levantadas e dos estudos feitos estimou-se da necessidade de
levantamento da soma de um milhão de cruzeiros para estas realizações".
Seu primeiro cuidado será convocar uma reunião dos elementos mais
representativos do mundo social e financeiro da cidade, durante a qual serão
expostos seus pontos de vista, suas necessidades, os elementos com que conta para
enfrentar sua situação financeira, as credenciais da instituição e outros quaisquer
esclarecimentos por ventura solicitados. Nesta reunião é lançada a idéia da
campanha. Vencedor o projeto, escolhe-se a comissão organizadora, dando início
aos trabalhos.
Cabe à comissão organizadora o planejamento da propaganda, a
organização da secretaria, que é o nervo central para tôdas as atividades do
movimento. A comissão organizadora deve planejar impressos, fichas, material de
expediente, timbres, o local das reuniões, os gastos da comissão executiva, os
membros que a devem constituir, bem como, a patrocinadora e os vários grupos de
colaboradores. É ela, que se encarrega de interessar o mundo oficial e a população
da cidade pelo movimento, de recorrer aos jornais para a propaganda
indispensável, de fixar as datas para a Campanha. É preciso que tudo esteja pronto,
antes

292

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

do início do movimento, inclusive as credenciais apresentando os colaboradores
para as visitas, o cadastro financeiro da cidade, incluindo indústria, bancos, alto
comércio, firmas individuais, enfim, tudo que possa facilitar o mais possível a
tarefa dos pelotões de arrecadação, para que na época prefixada, o trabalho seja
apenas recolher e registrar os donativos, sem o impecilho das visitas reiteradas por
deficiência de fichários informativos ou de publicidade mal orientada.
Para maior facilidade, o trabalho dos colaboradores se faz em grupos ou
pelotões, sob a responsabilidade de um Chefe Capitão, que deve prestar conta
diàriamente de suas arrecadações. A cidade é dividida em zonas, a serem
percorridas na hora de maior movimento, por 2 ou 3 elementos dos pelotões que
recorrem às firmas, para receber o donativo.
A Comissão Executiva também faz suas visitas aos bancos ou firmas mais
fortes, recolhendo as maiores contribuições.
Na Sede da Campanha instala-se o quadro próprio para o registo ou
balancete diário, depois da leitura dos relatórios apresentados. Como medida de
estímulo, salienta-se com uma salva de palmas, o grupo que se destacou pelo maior
levantamento do dia ou maior número de visitas.
Ùltimamente, as campanhas financeiras, entre nós, foram muito exploradas,
multiplicando-se sem o intervalo devido, com o que muito vieram a sofrer em seu
valor. Mas, mesmo assim, ainda são as que mais rendem.
Algumas instituições, para enfrentar êste problema se uniram para uma
campanha única. Exemplo disso temos a Campanha das 3 cruzes: Tuberculose,
Pro-Matre e S.O.S.
Na América do Norte me foi feita uma observação sôbre o assunto que me
pareceu interessante. Dizem êles que a psicologia popular não recebe com agrado
estas campanhas sucessivas. Resolveram, então uma campanha única por ano, na
qual são contempladas tôdas as obras sociais. Cada uma delas fixa seus objetivos,
suas necessidades e tôdas promovem o movimento que é intenso e recolhem
grandes somas. Um ponto, porém, é essencial, cada instituição deve fazer suas
previsões e fixar a sua parte, para evitar as discussões na hora da partilha.
Assinalam com isto duas grandes vantagens:
1 ­ O alívio do incômodo de visitas sucessivas ao comércio e à indústria,
para a coleta de recursos, o que prejudica o movimento dos negócios.
2 ­ Redução de despesas de expediente e de esfôrço dos colaboradores.
Por minha parte ainda vejo outro fator de grande importância, o de se estabelecer
estreita ligação entre as obras sociais, mantendo a

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

293

harmonia e a compreensão das necessidades de cada uma, afastando as
incompreensões, que a distância gera e fomenta.
No período da campanha, não é indispensável que a contribuição se faça
exclusivamente em dinheiro. O donativo pode ser feito em máquinas, móveis,
utensílios diversos e até mesmo gêneros, para os quais se dá avaliação concreta no
balancete. Qualquer contribuição será bem recebida.
Não é preciso dizer que será de boa política, acabando o movimento e
apurados os resultados, dar-lhes ampla publicidade, salientando o valor das ofertas.
Nem sempre, porém, será fácil nas pequenas cidades do interior
conseguirmos um movimento de tal envergadura. Lembraria ainda outro recurso,
que me foi salientado pelo Sr. Diretor da D.O.H., como tendo produzido ótimos
resultados. É o de manterem os hospitais ou instituições médico-sociais, um
boletim mensal informativo, do qual constem os donativos feitos, o movimento
médico social, o trabalho realizado nos vários serviços, os acontecimentos mais
salientes na vida do estabelecimento ou da cidade, e assim por diante. Com isto
obtem-se ampla divulgação na sociedade e chama-se a atenção do público para as
obras sociais e suas necessidades, estimulando novas contribuições.
Vimos, também, na América do Norte as Associações de Assistência
Hospitalar, surgidas com objetivo de promover o bem-estar do Hospital e o bem
comum. É uma instituição que congrega sócios e colaboradores, consegue
recursos, auxilia gratuitamente os serviços internos por vários processos. Ela
mantém um voluntariado para suprir as necessidades internas de pessoas, para os
serviços mais elementares, como por exemplo: na sala de admissão a voluntária
recebe o visitante, presta esclarecimentos, leva-o à autoridade procurada, orienta-o
para o serviço que deseja, auxilia as A. Sociais na busca de dados ou
esclarecimentos sôbre doentes externos, distribui as fichas e as recolhe nos
ambulatórios.
É ela que se encarrega da distribuição dos livros aos doentes acamados,
mantém a biblioteca dos doentes no hospital, faz a leitura para os doentes cegos ou
velhinhos, distrai as crianças que não podem deixar a enfermaria; nas horas
permitidas, assiste os doentes na sua vida econômica, procurando as instituições
que lhes devem auxílio-doença, fazem-lhes a correspondência, testamento, etc.,
levam e trazem mensagens da família, mantém o pequeno bazar instalado no
hospital para as pequenas aquisições dos doentes, fumo, biscoitos, frutas, linhas,
bordados, livros, papel de carta, chinelos, lenços, etc.).
Se ainda o hospital se vir em dificuldade para suprir qualquer falta de
material inutilizado, de aquisição inadiável, recorre à Associação Hospitalar, que
promove o auxílio necessário. Esta pode ainda manter determinado número de
leitos, por contribuição mensal ou anual.
***

294

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Entramos, agora, na 2.ª parte da esplanação de hoje que diz respeito às
despesas ordinárias, processos e recursos de economia interna.
Partiremos da classificação adotada pela D.O.H., isto é, as 2 grandes classes
de hospitais, enquadradas segundo a finalidade:
Hospitais Gerais e Especializados, e prosseguindo, segundo a propriedade e
manutenção, isto é:
Oficial, Federal, Estadual ou Municipal e Não Oficial ou particular.
Compreendendo: filantrópico, lucrativo, ou não lucrativo.
Vejamos na interpretação da D.O.H. o que compreende por Hospital? São
instituições com mais de 25 leitos, quer sejam hospitais-colônia, vila, asilo ou
navio-hospital, sanatório, hospital móvel ou hospital de ensino, hospitais gerais e
especializados.
Aceita esta classificação oficial que nos esclarece os horizontes, vamos
estudar como se processa sua manutenção financeira.
Os Hospitais oficiais, segundo nos informam as últimas estatísticas do
D.N.S., representam o maior grupo entre nós. Encontramos em 1.234
estabelecimentos de assistência espalhados pelos 1.573 municípios brasileiros,
sendo 638 hospitais gerais, fichados em 1942.
Como se mantém estes hospitais? Sabemos todos que a fonte de substância
das dependências oficiais se encontra nas dotações orçamentárias, decretadas
anualmente pelo Govêrno.
É interessante rever o processamento orçamentário.
No 1.º trimestre de cada ano as repartições do governo recebem os
formulários próprios para a proposta orçamentária. Esta inclui inventário das
aquisições nos 3 últimos anos e estimativa da despesa para o ano posterior.
Toma-se a medida dêsses 3 últimos anos e dá-se uma margem para as
necessidades do próximo exercício financeiro. Mas a proposta deve incluir tôdas as
aquisições feitas, tôda a despesa empenhada e a ser empenhada durante o ano, e o
que se pretende adquirir com a verba solicitada. Por êste processo mantêm-se bem
informadas as sub-comissões orçamentárias que, depois de discutirem com os
diretores de repartições os prós e contras das dotações e passarem pelo crivo os
exageros, apresentam o projeto orçamentário à Presidência da República, segundo
os trâmites ordinários. O que é essencial, é que a 31 de dezembro, esteja o
orçamento aprovado para que produza os efeitos legais a partir de 1.º de janeiro,
depois de registrado pelo Tribunal de Contas, e entre em execução imediatamente.
Assim, o orçamento para os hospitais oficiais passam por várias fases:
planejamento ou elaboração, discussão, aprovação e execução, tôdas elas sujeitas a
exigências e formalidades.
Na execução orçamentária, as repartições devem se ater à utilização do
duodécimo da dotação, mensalmente.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

295

Hoje, com a catalogação do D.F.C., determinadas aquisições estão
classificadas para aquisição em grupos bi ou trimensais, o que não vem em
prejuízo do administrador, uma vez que, poderá fazer seus cálculos para utilizar a
verba, em 4 ou 6 períodos durante o ano, sem ultrapassar a dotação global.
O contrôle dos gastos, está afeto ao Tribunal de Contas, segundo as
disposições do Código de Contabilidade Pública, enquanto as aquisições, são
acompanhadas pelas divisões de material das Secretarias e Ministérios, que agem
em perfeita união de vistas com a Divisão de Material do D.A.S.P.
Completando esta rigorosa aplicação dos dinheiros públicos, os relatórios
dos chefes de serviço dizem dos gastos empenhados, das verbas utilizadas, dos
saldos apurados, das suplementações solicitadas e de tudo mais que diga respeito
às necessidades do serviço.
Acabamos de ver, ràpidamente, como se processa a economia interna nos
hospitais e departamentos do govêrno. Mutatis mutandi, poderemos aplicar esta
medida que nos parece ideal, aos estabelecimentos de caráter particular, com a
vantagem de, sem mecanismo burocrático ­ que em certos casos lhe emperra e
retarda o andamento, tirar desse processo o que pode oferecer de vantajoso, isto é:
planejamentos das despesas, seu contrôle e boa execução.
Na impossibilidade de vos apresentar um estudo mais pormenorizado do
que pode fazer um hospital de caráter privado, peço licença para tecer algumas
considerações sôbre o relatório apresentado pela Santa Casa de Misericórdia, na
sessão de 20 de agôsto de 1944, pela palavra do Dr. Ary de Almeida e Silva (obtida
pela gentileza do Dr. Carlos Martins Pena, Mordomo da Santa Casa (Instituto de
Educação Social):
"A Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, que apresenta a maior
rêde de instituições hospitalares e para-hospitalares de caráter beneficente privada,
nesta cidade, naquele ano, manteve em funcionamento 15 dependências, utilizando
uma renda imobiliária de ........................ Cr$ 769.042.000,00 acrescida de exíguas
subvenções oficiais e doações filantrópicas de particulares.
Com esta verba a Santa Casa atendeu a 1 Hospital Geral onde foram
internados 8.766 doentes, um Laboratório, um Instituto anátomo-patológico, um
Centro de Estudos, um hospital para doentes afetados de tuberculose, de sexo
feminino, 3 hospitais para crianças e 4 recolhimentos. Pela leitura de seu relatório,
chegamos à conclusão que seu benefício se estendeu aproximadamente a 6.000
internações anuais, enquanto os ambulatórios atendiam a cêrca de 250.000
consultas.
Sòmente os gastos do Hospital Geral ascenderam a Cr$ 5.801.044,00 o que
calculado entre os doentes assistidos levaria o per capita dessa instituição a menos
de Cr$ 2,00 diários".

296

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Já ouvimos dizer que o ideal do hospital moderno é estabelecer uma reserva
para melhoramento e ampliação, aparelhagem, etc., partindo do pressuposto que a
finalidade do hospital é oferecer ao doente, acomodação, alimentação e tratamento
rigorosamente convenientes.
A criação da Divisão de Organização Hospitalar, não visa outro objetivo do
que a concretização dêste ideal.
Tôda reserva calculada para o hospital, deve ser constituída à base de suas
necessidades imediatas, partindo do indispensável e rigorosamente inadiável para o
ideal realizável. Na estimativa de qualquer utilidade, é óbvio que os cálculos
devem prever: uso, desgaste, reserva e emergência, para que as faltas não venham
em prejuízo do doente. Não pode o administrador pensar em novas instalações ou
novos serviços, quando os saldos orçamentários não justifiquem e garantam uma
margem para seu perfeito mecanismo, sem prejuízo dos que já exista, pois qualquer
fracasso lhe acarretaria o descrédito, uma vez que, as novas teorias da arte de
administrar não endossam justificativa para planos inexequíveis.
Por êste princípio, devemos convir, que não seria aceitável a criação de
ambulatórios, sem a garantia do receituário e recursos para distribuição de
medicamentos, da mesma forma que não seria razoável pensar em instalação de
sala de operações que não pudesse dispor da aparelhagem para esterilização,
repouso, anestesia, preparação de material e vestiário para o pessoal de serviço,
assim por diante.
Sabemos que as despesas hospitalares oficiais incluem:
Verba Pessoal: técnico ou especializado, pessoal de limpeza, de manutenção
e conservação e de serviço doméstico e
Verba Material: destinada ao tratamento dos doentes, à conservação, asseio
e higiene, aos serviços mecânicos, lubrificação, etc., ao preparo de alimentação, ao
serviço de lavanderia e rouparia, aos serviços de administração e expediente e, nos
hospitais privados, ainda à publicidade.
Temos ainda nos serviços oficiais as verbas para serviços e encargos e as
destinadas a eventuais.
A exigüidade do tempo não nos permite um estudo pormenorizado dos
gastos nos hospitais oficiais, porque isto se prende a uma série de circunstâncias
que exigiriam buscas, etc.
É interessante, porém, salientar que no Ministério da Educação e Saúde, no
exercício de 1945, 1/30 aproximadamente na renda global do orçamento da
república foi consumido com pessoal, enquanto a verba material absorvia 1/60
desta mesma renda. A verba eventuais foi calculada aproximadamente em 1/10 da
verba material.
E as instituições particulares de que viverão? De suas rendas de patrimônio,
de imóveis e propriedades, de doações, de subvenções federais, estaduais ou
municipais, da venda de produção interna, da renda de serviços (Partos, Raios X,
Exames de Laboratórios, etc.). Por

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

297

outro lado, têm, às vêzes de enfrentar despesas além dos gastos, de prédios,
impostos, taxas, depreciação de edifícios, restaurações. Para tudo isto terão de
constituir reservas, numa conta de chegar que nem sempre é fácil.
Deixamos, propositadamente, para o fim desta explanação um assunto
capital na economia hospitalar, e do qual depende seu valor real como instituição
médico-social.
Se chegarmos à conclusão de que a finalidade máxima do hospital moderno
é a acomodação e o tratamento convenientes do doente, chegaremos logo à outra
conclusão lógica que é a de que nada se poderá conseguir neste hospital sem o
auxílio e a colaboração de elementos capazes, principalmente em seu corpo
técnico, isto é: que o corpo médico seja secundado de um bom serviço de
enfermagem e de assistência social. Já estamos longe daqueles tempos em que o
hospital via o doente apenas como um ser isolado dos fatôres sociais que o
cercavam e que o levavam à doença. O Hospital de hoje encara o doente
psicológico. O trabalho médico assistencial que se inicia nos Distritos sanitários ou
no ambulatório, como o anamnese, pesquisa nas condições da família do doente,
em seu ambiente social, as causas predisponentes, os fatôres que influem para o
desenvolvimento de seu estado patológico. Esta nova atitude do hospital levou a
sala de admissão a um estado dinâmico construtivo para um tratamento eficiente da
doença em todos os seus aspectos.
Para esta tarefa entram em campo o médico, o higienista, o psiquiatra, a
enfermeira de S. Pública e o Hospital, a nutrisionista, a A. Social, etc., etc. Todos
êstes elementos preciosos na vida de um hospital constituem parte de sua reserva
técnica; são as rodas de uma máquina cuja finalidade é a reconstrução do indivíduo
para uma vida melhor, mais proveitosa, mais útil à coletividade, para que realizem
seus mais altos objetivos como cidadãos, sem se esquecer que aos seus direitos
correspondem também os de seu próximo, que êle é uma parte do todo, dessa
humanidade a que o Criador esperou, confiou e fez multiplicar o talento confiado.
***

O SERVIÇO SOCIAL NO HOSPITAL E SUAS VÁRIAS
ASSISTÊNCIAS
Por MELLE. MARSAUD (*)

SUMÁRIO ­ Assistência social ao doente: Indigente,
contribuinte parcial e contribuinte total. Assistência à família.
Assistência jurídica, espiritual ou religiosa, recreacional,
educativa ou de ensino. Escola ou Curso, Clubes, Biblioteca,
Teatro e Cinema, Lojas, Cantinas, etc.
I ­ PRIMEIRAS BASES DO SERVIÇO SOCIAL:
O espírito de fraternidade cristã, dos primeiros tempos da Igreja Católica.
O espírito da caridade realizadora de São Vicente de Paulo considerado o
iniciador da Assistência.
A utilização dos métodos modernos de trabalho, aplicados à organização,
continuidade, disciplina do Serviço Social, condição da sua eficiência.
Nos tempos atuais o Serviço Social em geral se distingue por duas
características:
a) a observação e o estudo dos casos pela investigação.
b) a realização do trabalho em relação às causas dos flagelos sociais.
Estas duas características estabelecem a diferença entre o Serviço Social e
Assistência Social.
Os dois tratam dos problemas físicos, econômicos, morais e intelectuais ou
religiosos com uma atuação diferente ­ pois a Assistência é uma atuação direta,
imediata, e o Serviço Social age principalmente sôbre as causas estudadas através
das pesquisas.
__________________
(*)

Diretora da Escola de Serviço Social ­ Rio de Janeiro, D.F.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

300

Aplicação ao Serviço Social se faz em diversos campos, como sejam:
Serviço Social da infância,
Serviço Social dos trabalhadores,
Serviço Social dos imigrantes,
Serviço Social dos doentes,
Serviço Social dos presos,
Organização de recreio,
Organização de órgãos de ligação:
Federações,
Secretariados Sociais,
Fichário Central, etc.
II ­ SERVIÇO SOCIAL DE DOENTES:
Esta dissertação visa apenas o item "8" ­ Serviço Social e Assistência
hospitalar, assistência prestada no Hospital ou no Ambulatório. O que há de
comum é sempre a colaboração com o serviço médico. O complemento necessário.
A Finalidade do Serviço Social no Hospital será:
1.º)
2.º)
3.º)
4.º)

Fornecer ao Médico e à Enfermeira e também à Administração do
Hospital informações sôbre a vida e condições do doente;
Levar à família do doente as informações do Médico todo o possível
confôrto;
Cuidar dos problemas causados pela ausência do doente, afastado do
lar;
Preparar a volta, a convalescença e a readaptação do doente, na
família e na sociedade.

Pode êste serviço ser especializado , sendo por exemplo:
­
­
­
­
­

Serviço Social referente a doentes de lepra.
Serviço Social para tuberculosos.
Serviço Social " cancerosos
Serviço Social " cardíacos.
Serviço Social " diabéticos, etc.

No Ambulatório atua o Serviço Social:
1.º)
2.º)

No sentido de estudar as possibilidades do doente externo, obter
tratamento apropriado (a domicílio por ex.), interêsse pela freqüência
do beneficiado.
Transmitir explicações à família com relação ao tratamento, etc.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

301

O Funcionamento requer:
Plantão instalado seja no Hospital, seja no Ambulatório, na hora da visita
médica para o contato com o médico e o doente, e com a família do doente.
As visitas ao lar dos enfermos ­ Providências ­ Cooperação de outras
instituições.
As Diligências em relação aos casos encontrados, etc. e assistência aos
mesmos.
Cooperação: ­ A Organização do Serviço Social pode ser autônoma, no
mesmo plano da administração do Hospital, ou dentro do plano geral. O serviço
social pertence ao Hospital, subordinado ao Diretor em igualdade de condições
como suas várias divisões internas ou seções. Porém, quer num ou outro caso, sua
colaboração será a mesma, sujeira ao mesmo regime de organização interna,
apenas divergindo quanto à orientação administrativa, sendo as mesmas as
finalidade.
O médico e a Assistência Social têm, cada um, uma atuação distinta,
completando-se em benefício do bem comum, sem invadir um o campo do outro.
Apenas, em alguma circunstâncias, a Assistência Social procura suprir a falta da
Enfermeira e vice-versa, principalmente enquanto forem escassos os elementos das
duas profissões.
Bibliografia: ­ "Outras informações sôbre Serviço Social junto aos doentes
poderão ser encontradas em vários livros, jornais e revistas".

ESTATÍSTICA HOSPITALAR
­­­­­­­
UNIDADES E MEDIDAS ESTATÍSTICAS
DE UTILIZAÇÃO NO HOSPITAL
OBERDAM REVEL PERRONE
­ Técnico em Organização e Administração Hospitalares, pelo Departamento
Nacional de Saúde, Ministério da Saúde, 1954.
­ Assessor Técnico da Comissão Especial, incumbida de elaborar Ante-Projeto de
Lei Orgânica de Assistência Médico-Hospitalar no País, 1955.
­ Membro da Comissão de Estatística da Saúde e Bem Estar Social, do Conselho
Nacional de Estatística.
­ Professor do Curso de Organização e Administração Hospitalares, do D.N.S., M.
S., 1959.
­ Professor do Curso de Organização e Administração Hospitalares, da Escola
Nacional de Saúde Pública, M. S., 1959/64.
­ Coordenador e Professor do Curso de Arquivo Médico, do D.N.S., M.S., 1962.
­ Professor do Tópico "Arquivo Médico e Estatística Hospitalar", do Curso de
Planejamento, Organização e Administração Hospitalares, da Escola Médica de
Pós-Graduação, da Pontificia Universidade Católica, GB, 1962/64.
­ Professor do Curso de Arquivo Médico, da Diretoria-Geral de Saúde, do
Ministério da Guerra, Rio de Janeiro, GB, 1964.
­ Da Assessoria Técnica do Hospital dos Bancários, GB ­ 1964.
­ Consultor Hospitalar da SUSEME ­ 1964.
Ao se organizar um plano de coleta de dados no Hospital, é indispensável
ter-se em mente que o método estatístico "é essencialmente uma técnica de
pesquisa científica". Sua aplicação não pode ser improvisada ou levada a termo de
modo arbitrário, mas deve obedecer a um conjunto de regras e critérios
cuidadosamente programados e rigorosamente observados.
Inicialmente, impõe-se uma adequada e racional planificação do sistema de
coleta de informações. Que se pretende pesquisar? Quais os

304

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

objetivos da pesquisa? É preciso estabelecer o que se quer saber, antes de
determinar o que se vai perguntar.
A seguir, cumpre estabelecer como deverá ser feito o levantamento e quais
os instrumentos de coleta a serem utilizados. A formulação dos quesitos deve
merecer a mais acurada atenção. Não esquecer jamais que as informações terão que
ser comparadas, entre si, e que só se podem comparar fatos ou coisas da mesma
natureza, contados ou medidos de maneira uniforme. E só é possível contar ou
medir quando se estabelece prèviamente o que deve ser incluído e o que deve ser
excluído.
Quando se indaga, por exemplo, qual a "lotação do Hospital", deve ficar
claramente definido: a) que deve ser compreendido como "leito hospitalar" e quais
as suas modalidades; b) quais os leitos que devem ser incluídos na lotação do
Hospital; e c) quais os leitos ou camas que não devem ser consideradas nesta
rubrica.
Outro exemplo: ao se indagar pelo número de "óbitos pós-operatórios",
deve-se esclarecer: a) o que é "óbito pós-operatório"; b) quais os óbitos que devem
ser incluídos; c) se no cômputo devem ser incluídos os óbitos que ocorreram
durante as primeiras 24 ou 48 horas, ou se também os que se verificaram dentro
dos primeiros 10 dias, a contar da data da operação.
Ao se caracterizarem êsses e tantos outros aspectos, chega-se à
conceituação do que se conhece como "unidades estatísticas", que se definem
como "fatos ou coisas, contados ou medidos, que se representam por valores
numéricos". Segundo Whipple, "nenhuma parte do estudo estatístico exige maior
cuidado do que a definição das unidades estatísticas a serem empregadas".
"Tôda unidade estatística", afirma Lincoln de Freitas Filho (5), "deve ser
definida com clareza, precisão e rigor absoluto e deve ser fielmente respeitada,
durante todo o decurso da investigação". Na opinião dêsse Autor, as principais
características de uma boa unidade estatística são: a) propriedade ou adequação ao
objetivo da investigação; b) clareza; c) mensurabilidade e d) comparabilidade.
A necessidade de uniformização e padronização das unidades e medidas
estatísticas vem de há muito constituindo preocupação constante de órgãos e
entidades, oficiais ou particulares, de associações científicas, técnicos e diretores
de hospitais. Não obstante, cumpre reconhecer que alguns conceitos não estão
ainda adequadamente padronizados.
Ao elaborar o presente trabalho, em 1964, procurou o Autor reunir, de
maneira sistematizada, conceitos e definições das principais unidades e medidas
estatísticas, comumente utilizadas no Hospital. Em caso de divergências, preferiu
conceitos já consagrados pelo uso ou recomendados por autoridades ou entidades
científicas de projeção internacional.
Como colaboração pessoal, além da sistemática adotada, apresentava à
consideração dos estudiosos algumas sugestões, entre as quais:

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

305

a) a adoção da unidade "óbito operatório", não considerada até o presente; b) a
substituição da expressão "altas (e óbitos)" por "pacientes saídos" e c) uma nova
classificação para "altas" e "óbitos".
Ao rever o trabalho, para reimpressão, o Autor teve oportunidade de fazer
uma revisão da matéria e modificar a apresentação gráfica do texto, além de juntar
algumas sugestões sôbre a conceituação de "mortalidade infantil".
Ao agradecer as sugestões que lhe foram apresentadas, reafirma que
continuará recebendo, com satisfação, sugestões e críticas que visem a aprimorar o
trabalho ora divulgado.

1.ª PARTE ­ UNIDADES ESTATÍSTICAS

Paciente Hospitalar (1)
DEFINIÇÃO: indivíduo que procura o Hospital ou a êle é encaminhado e
nêle é admitido para fins de diagnóstico e/ou tratamento. A primeira admissão
implica na matrícula e na conseqüente abertura do prontuário médico. Nas
admissões subseqüentes, retificam-se apenas alguns "registros" de paciente já
matriculado (2).
MODALIDADES:
a) quanto ao tipo de atendimento:
I ­ PACIENTE INTERNO OU INTERNADO é o indivíduo admitido
no Hospital, que passa a ocupar regularmente um leito hospitalar e
a receber cuidados constantes de enfermagem.
II ­ PACIENTE EXTERNO ou DE AMBULATÓRIO é o indivíduo
admitido no Hospital e que recebe assistência sem ocupar
regularmente um leito hospitalar.
__________________
(1)

A expressão "paciente" nos parece mais adequada do que "doente". De acôrdo com o "Pequeno
Dicionário Brasileiro da Língua Portuguêsa" (9.ª ed., Edit. Civil. Brasil., Rio de Janeiro, 1951),
"doente" é "quem tem doença; enfêrmo; pessoa doente; e "paciente" é "sofredor, pessoa que
padece ou "vai padecer"; doente; o que recebe a ação de um agente". No "Lello Universal &
Irmão, Pôto, Portugal), lê-se: "doente: que tem qualquer alteração da saúde; que sofre
incômodo físico ou moral; pessoa doente". "Paciente; pessoa que suporta uma operação
cirúrgica; pessoa doente; que recebe ou sôbre que vai recair um agente físico.

(2)

A expressão "registro" deve, a nosso ver, ser utilizada para indicar não só o registro inicial do
paciente, mas tôda e qualquer anotação de dados e informações que se façam, no Hospital, para
fins estatísticos. Essa a razão por que propomos a substituição de "número de registro" por
"número de matrícula."

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

308

b) quanto à época do atendimento:
I ­ PACIENTE NÔVO é o indivíduo que procura o Hospital pela
primeira vez.
II ­ PACIENTE ANTIGO é o indivíduo que procura o Hospital no
qual já foi admitido anteriormente.
c)

quanto à categoria:
I ­ PACIENTE CONTRIBUINTE é aquêle que retribui, com
pagamento total ou parcial, direta ou indiretamente, pela
assistência recebida.
II ­ PACIENTE NÃO CONTRIBUINTE é aquêle que não retribui
com qualquer pagamento pela assistência recebida.

d) quanto ao grupo etário (*):
I ­ RECÉM-NASCIDO OU RECÉM-NATO é a criança nascida viva,
dentro dos primeiros 28 dias a contar da data do nascimento:
RECÉM-NASCIDO NORMAL é o produto da concepção que,
após completa expulsão ou extração do corpo materno,
independentemente da duração da gravidez, respira ou apresenta
outra evidência de vida (batimentos car__________________
(*)

É impossível fixar critério único na distribuição dos pacientes em grupos etários. Os grupos
podem ter a mesma amplitude (5, 10 ou 20 anos), ou amplitudes diferentes, na dependência dos
objetivos da pesquisa e das características do hospital. Se se pretende, por exemplo, estudar as
doenças predominantes na infância, é aconselhável o desdobramento dos grupos em anos
sucessivos, até os 10 anos de idade; depois, em grupos de 5 anos, até os 19 anos; finalmente, num
só grupo, compreendendo os de 20 anos e mais. Já para o estudo de doenças que predominam na
velhice, adotar-se-á critério inverso: 0-19 anos; 20-39 anos e, de 40 ou 50 anos em diante, grupar
os pacientes de 5 em 5 anos.
Lincoln de Freitas Filho (2) admite o seguinte grupamento:
Grupos de Idade
1
5
15
25
45
65

­ 1 ano
­ 4 anos
­ 14 anos
­ 24 anos
­ 44 anos
­ 64 anos
anos e mais

Fases da vida
Infância
Pré-escolar
Escolar
Adaptação ou treinamento
1.ª fase de trabalho
2.ª fase de trabalho
Aposentadoria

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

309

díacos, pulsação do cordão umbilical ou nítidos movimentos dos
músculos voluntários), tenha ou não sido descolada a placenta.
IMATURO é o produto da concepção que, ao nascer, pesa 2.500
gramas ou menos. Se o pêso não foi especificado, a criança
nascida viva, após um período de gestação de menos de 37
semanas ou designada como "prematuro", pode ser classificada
como "imaturo".
Geralmente, considera-se como feto viável o que atingiu a 28
semanas de gestação.
II ­ LACTENTE é o paciente de mais de 28 dias e de menos de 1 ano
de idade.
III ­ CRIANÇA é o paciente de 1 ano e mais e de menos de 14 anos de
idade:
PRÉ-ESCOLAR: 1 a 7 anos de idade.
ESCOLAR: 8 a 14 anos de idade.
IV ­ ADULTO é o paciente com mais de 14 anos de idade:
JOVEM: 14 a 39 anos de idade;
MADURO: 40 a 59 anos de idade;
IDOSO: 60 a 79 anos de idade;
ANCIÃO: 8O anos e mais.

__________________
(*)

"Anuário Estatístico do Brasil, 1957", reconhece os seguintes grupos:
Recém-nascido (normal ou prematuro)
Criança ­ até 14 anos
Adulto:
Jovém....................................................................

15 a 39 anos

Maduro..................................................................

40 a 59 anos

Velho.....................................................................

60 a 79 anos

Senil.......................................................................

80 anos e mais

A Classificação proposta parece melhor atender às peculiaridades da clientela do Hospital e ás reais
necessidades de processamento de dados, aí efetuadas. Por outro lado, as definições adotadas obedecem
as recomendações mais recentes dos tratadistas e de entidades que tratam do assunto.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

310
Observações:

a) o número de recém-nascidos será sempre computado em separado, em
qualquer levantamento estatístico;
b) acompanhantes, hóspedes, amigos e parentes do paciente, ainda que
tomem refeições e pernoitem no Hospital, não são considerados
pacientes hospitalares.
Leito Hospitalar.
DEFINIÇÃO: leito ou cama instalado para uso regular dos pacientes
internados, durante seu período de hospitalização.
MODALIDADES:
I ­ LEITO PARA ADULTO é o leito de dimensões padronizadas,
destinado a servir a doente adulto ou a criança maior.
II ­ LEITO PARA CRIANÇA ou LEITO INFANTIL é o leito
pequeno, provido de grades laterais ou guardas, destinado a servir
a criança pequena (exclusive os destinados a recém-nascidos
sadios).
CARACTERIZAÇÃO:
a)

devem ser considerados leitos hospitalares:
1 ­ os leitos ou camas instalados para uso regular dos pacientes
internados, durante seu período de hospitalização;
2 ­ os leitos das enfermarias ou quartos dos pacientes em observação;
3 ­ os leitos utilizados por médicos ou quaisquer outros servidores do
Hospital, quando doentes, mesmo quando estiverem instalados nos
respectivos alojamentos;
4 ­ os leitos das unidades de isolamento, regularmente ocupados por
pacientes acometidos de doenças infecto-contagiosas, de notificação
compulsória;
5 ­ os leitos para isolamento de pacientes de obstetrícia, infectadas ou
doentes;
6 ­ os berços colocados em outras dependências do Hospital que não a
creche ou o berçário, e destinados a crianças enfermas.

b) não devem ser considerados leitos hospitalares:
1 ­ os berços destinados aos recém-nascidos no Hospital, quando sadios.
Tais berços, não incluídos na lotação do Hospital, devem ser
computados em separado.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

311

As incubadoras não são incluídas no total de berços para recém-nascidos,
mas êstes devem ser considerados como pacientes-dia, enquanto estiverem em
tratamento, nos referidos aparelhos.
2 ­ os leitos da Sala de Espera, utilizados por curto espaço do
tempo, enquanto estejam sendo preparados os leitos destinados
aos pacientes;
3 ­ os leitos transitòriamente utilizados para fins diagnósticos ou
terapêuticos (metabolismo basal, punção raquiana. Banco de
Sangue, fisioterapia, etc.);
4 ­ os leitos das salas de socorros urgentes;
5 ­ os leitos instalados nos alojamentos de médicos, enfermeiras e
demais servidores do Hospital;
6 ­ os leitos da Sala de Isolamento, transitòriamente ocupados por
pacientes acometidos de doenças infecto-contagiosas, de
notificação compulsória;
7 ­ os leitos da Sala de Recuperação, transitòriamente ocupados
por pacientes recém-operados.
Bêrço é o equipamento instalado no Berçário e destinado aos recémnascidos no Hospital.
Lotação do Hospital:
I

­ LOTAÇÃO ou CAPACIDADE NORMAL ou de
OPERAÇÃO é o número de leitos efetivamente existentes
no Hospital, respeitadas as normas vigentes.
II ­ LOTAÇÃO ou CAPACIDADE DE PLANEJAMENTO é o
número máxima de leitos que poderão ser colocados em
quartos e enfermarias, respeitadas as normas vigentes.
III ­ LOTAÇÃO ou CAPACIDADE DE EMERGÊNCIA é o
número de leitos que efetivamente poderão ser colocados
no Hospital, com aproveitamento das áreas consideradas
utilizáveis, respeitadas as normas vigentes.
IV ­ LEITO-DIA é o período de 24 horas durante o qual um
leito hospitalar, incluído na lotação do Hospital, se acha
disponível, para uso dos pacientes internados.
Acomodações:
I
II

­ QUARTO é o compartimento destinado à internação de um
ou dois pacientes.
­ ENFERMARIA é o compartimento destinado à internação
de três ou mais pacientes.

Dia Hospitalar é o período de trabalho compreendido entre dois censos
consecutivos.

312

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Tempo de permanência é o número de paciente-dia de serviços prestados a
cada paciente, durante o período em que estève internado. Deve ser computado o
dia da admissão, mas não o da alta, a não ser que o paciente tenha sido admitido no
mesmo dia.
I ­ ADMISSÃO é a aceitação de paciente que procura o Hospital ou
a êle é encaminhado, para diagnóstico e/ou tratamento. Para os
pacientes que procuram pela primeira vez o Hospital, a admissão
implica na matrícula e na abertura do respectivo prontuário
médico.
Os nascimentos, no Hospital, devem ser considerados como
admissões. Não obstante, recomenda-se que sejam computados
em separado.
Quando o indivíduo morre na Sala de Admissão, antes de ser
completada a rotina de internação, deve considerar-se como
inexistente a admissão.
O nascido morto ou natimorto não deve ser considerado
como admissão, embora deva ser computado, para efeito de
levantamento estatístico.
II ­ CONSULTA é a unidade de serviço que representa a assistência
prestada a um paciente externo, no Ambulatório. Corresponde ao
paciente-dia, para os internados.
Considera-se como 1.ª Consulta o primeiro atendimento do
paciente, no Ambulatório. As demais consultas, com o mesmo
médico ou na mesma Clínica, embora seja o paciente atendido
sucessivamente por vários profissionais, serão consideradas como
Consultas Subseqüentes. Se o caso fôr encerrado e o paciente tiver
alta, sua volta à mesma Clínica ou mesmo especialista será
considerada como 1.ª Consulta. Se o paciente, no decurso do
tratamento, fôr encaminhado a outra Clínica do Ambulatório, seu
primeiro atendimento nessa Clínica será também rotulado como
1.ª Consulta. O atendimento de qualquer paciente, no
Ambulatório, em caráter de urgência ou de emergência, será
considerado como Consulta Especial ou Urgente.
III ­ INTERNAÇÃO é a ocupação, por paciente regularmente
admitido, de um leito hospitalar.
IV ­ PACIENTE-DIA é o período de serviços prestados a paciente
internado, entre dois censos diários consecutivos. O dia da alta só
é computado quando o paciente tenha sido admitido nesse mesmo
dia. O número de pacientes-dias é calculado da seguinte maneira:
ao número de pacientes existentes à meia noite (censo da meia
noite), ou

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

313

às 18 horas (censo das 18 horas), soma-se o número de pacientes
admitidos nas 24 horas seguintes e subtrai-se o número de
pacientes saídos (altas e óbitos), no mesmo período. A èste
resultado, acrescenta-se o número de pacientes que entraram e
saíram entre os dois censos.
Pacientes Saídos:
I ­ ALTA ou ALTA HOSPITALAR é a finalização ou interrupção do
tratamento de paciente regularmente admitido, que vinha
recebendo assistència no Hospital.
ALTA DE PACIENTE INTERNADO é a saída de paciente
admitido e que vinha ocupando regularmente um leito
hospitalar.
ALTA DE AMBULATÓRIO corresponde ao encerramento do
caso de paciente regularmente admitido, que vinha sendo
assistido no Ambulatório.
MODALIDADES (*):
a) quanto à condição ou ao resultado do tratamento:
1 ­ Curado
2 ­ Melhorado
3 ­ Estacionário ou inalterado
4 ­ Piorado
5 ­ Não tratado
b) quanto ao tipo;
1 ­ Decisão médica
2 ­ A pedido
3 ­ Indisciplina ou abandono
4 ­ Transferència para outra Instituição
5 ­ Transferència para o Ambulatório
6 ­ Internação
7 ­ Veiu só para diagnóstico
8 ­ Outro.
__________________
(*)

Tradicionalmente, consideram-se as seguintes modalidades de alta: curado, melhorado,
estacionário, piorado, não tratado, só para diagnóstico, a pedido, transferência e óbito. Êsse
critério encontra-se, por exemplo, no livro "Estatística Médica", de Mariano de Andrade e Aloysio
Salles Fonseca (1); no livro "Noções de Bioestatística", de Lincoln de Freitas Filho (2); e em
autores americanos, tais como MacEachern (6) e Edna Huffman (5). Não obstante, temos
verificado que êsse critério pode gerar confusão: o paciente pode ter alta melhorado e a pedido; ou
piorado e por indisciplina ou abandono do tratamento; ou ainda, estacionário e por decisão
médica. Na verdade, a classificação de altas deve considerar dois aspectos distintos: a condição ou
resultado constatado, por ocasião da alta; e o tipo. A classificação apresentada vem sendo
defendida pelo Autor, desde 1950 (3).

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

314

II ­ ÓBITO (**):
a)

quanto ao tipo:
1 ­ sem tratamento; (antes de iniciar-se qualquer tratamento);
2 ­ no decurso de tratamento clínico (independentemente de
operação;
3 ­ como decorrência de tratamento cirúrgico.

b) quanto à causa:
1 ­ ÓBITO OPERATÓRIO é o óbito ocorrido na mesa de
operação, como conseqüência do ato cirúrgico.
2 ­ ÓBITO PÓS-OPERATÓRIO é o óbito por hemorragia,
choque, embolia, infecção, pneumonia pós-operatória, que
ocorra no período de convalescença, ou seja, dentro dos dez
primeiros dias a contar da data da operação ("Scoring
Report", da "Comissão Conjunta para Credenciação de
Hospitais").
Caso haja interêsse, podem ser grupados em
separado os óbitos ocorridos nas primeiras 12, 24, 48 e 72
horas; e na primeira semana após o ato operatório.
3 ­ ÓBITO POR ANESTESIA é o que ocorre na mesa de
operação e causado por agente anestésico, não em
decorrência do ato cirúrgico.
4 ­ ÓBITO MATERNO é o que ocorre em conseqüência de
complicação da gestação, do parto ou do puerpério
("National Office of Vital Statistics"). Dentro dêsse
conceito, devem ser considerados como óbitos maternos: a)
os que ocorrem antes do parto; b) os que ocorrem durante o
parto e c) os que ocorrem após o parto, dentro do período
puerperal.
__________________
(**) A maioria dos autores inclui os óbitos entre as altas. Contudo, tal conceito não parece
estabelecido, em definitivo. A prova é que, quando se menciona "alta", anota-se,
sistemàticamente, ntre parênteses, "(e óbitos)" ou "(óbitos, inclusive)". Temos a impressão de que
se poderia sanar o problema substituindo "alta" por "doentes saídos", correspondendo a
"discharged", dos autores de lingua inglêsa. Sob essa rubrica estariam incluídos, tal como é
propôsto, "alta" e "óbitos".

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

315

5 ­ ÓBITO FETAL é o que ocorre antes da completa
expulsão ou extração do corpo materno, do produto da
concepção, independentemente do tempo de duração
da gravidez. O óbito e indicado pelo fato de, após a
separação, o feto não respirar ou apresentar outra
qualquer evidência de vida (batimentos cardíacos,
pulsações do cordão umbilical ou movimentos dos
músculos voluntários).
Para conveniência do Hospital, os óbitos fetais
devem ser grupados conforme se segue:
Grupo I ­ óbitos ocorridos antes de completarem-se 20
semanas de gestação (mortalidade fetal precoce), antes
considerados como "abortos";
Grupo II ­ óbitos ocorridos após completarem-se 20
semanas e antes de decorridas 28 semanas de gestação
(mortalidade fetal intermediária);
Grupo III ­ óbitos ocorridos a partir da 28.ª semana de
gestação (mortalidade fetal tardia);
Grupo IV ­ óbitos não classificados nos grupos I, II e III.
Os grupos II e III correspondem aos nascidos mortos ou natimortos, tal
como definidos nos Estados Unidos (feto que tenha atingido à 20.ª semana de
gestação); enquanto que só o Grupo III seria adotado em substituição ao conceito
admitido na Classificação Internacional de Doenças e Causas de Morte.
De qualquer modo, devem os natimortos ser computados em separado, quer
como admissão, quer como óbito.
c)

quanto ao grupo etário:
1 ­ ÓBITO NEO-NATAL é o óbito de recém-nascido, ou seja, o que
ocorre dentro dos primeiros 28 dias, a contar da data do
nascimento.
2 ­ ÓBITO INFANTIL é o óbito de criança de menos de 1 ano de
idade (*).
3 ­ ÓBITO DE ADULTO é o óbito de paciente de mais de 14 anos
de idade.

Os óbitos ocorridos antes de completada a admissão do paciente, os que
ocorrem na ambulância ou no caminho para o Hospital, no Setor de Emergência ou
na Sala de Admissão, embora computados, não devem ser considerados no cálculo
das taxas de mortalidade hospitalar.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

316

Ora, de acòrdo com os dicionaristas, "infância é a fase da vida que vai do
nascimento à adolescència'' (Pedro A. Pinto, Dicionário de Têrmos Médicos); e
''infante, o mesmo que criança" (Pedro A. Pinto, "Pequeno Dicionário Brasileiro da
Língua Portuguêsa, Lello etc.). Face a essas considerações, as expressões "óbito
infantil" e "mortalidade infantil" deveriam abranger os óbitos que ocorrem na
infância, ou seja, desde o nascimento até à adolescência.
Assim, seria licito propor a adoção dos seguintes conceitos:
a) óbito infantil é o que ocorre durante a infância, desde o nascimento até
os 14 anos;
b) os óbitos infantis seriam grupados dentro do seguinte esquema:
I ­ óbito neo-natal, o que ocorre entre os recém-nascidos, ou seja,
dentro dos primeiros 28 dias de vida (mortalidade neo-natal).
Caso haja interêsse, êsses óbitos poderão ser distribuidos em:
­ óbitos neo-natal precoce (mortalidade neo-natal precoce), os
que ocorrem dentro da primeira semana de vida;
­ óbito neo-natal tardio (mortalidade neo-natal tardia), o que
ocorre entre o 8.º e o 28.º dias de vida;
II ­ óbito infantil precoce (mortalidade infantil precoce), é o óbito do
lactente, ou seja, de criança de mais de 28 dias e de menos de 1
ano de idade;
III ­ óbito infantil intermediário (mortalidade infantil intermediária) é
o óbito que ocorre entre 1 e 7 anos de idade;
IV ­ óbito infantil tardio (mortalidade infantil tardia) é o óbito que
ocorre entre 8 e 14 anos de idade.
__________________
(*)

Esta é a definição clássica, adotada em Bioestatística. Os autores consideram, também, as
seguintes modalidades de óbitos infantis: o que ocorre na primeira semana de vida (mortalidade
infantil precoce), também chamado primohebdomadário ou primodecadário (2, 154); o que ocorre
no primeiro mês de vida (mortalidade neo-natal); e o que ocorre entre os infantes, ou seja,
crianças de 1 a 11 meses de idade (mortalidade infantil tardia) (2,155 e 14,149). Dentro dêsse
conceito, aliás, a mortalidade infantil precoce representaria um aspecto delimitado da mortalidade
neo-natal.

2.ª PARTE ­ MEDIDAS ESTATÍSTICAS

Utilização dos leitos:
I ­ CENSO DIÁRIO é o levantamento, cada 24 horas, do número de leitos
ocupados.
II ­ MÉDIA DOS CENSOS DIÁRIOS:
DEFINIÇÃO: também chamada média de pacientes-dias, é o número médio
de pacientes internados que receberam assistència em cada dia, durante
determinado período de tempo. Calcula-se, dividindo-se o total de pacientes-dia,
em determinado período de tempo, pelo número de dias dèsse período:
FÓRMULA:
Total de pacientes-dia, durante determinado
período de tempo
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de dias, no mesmo período
EXEMPLO: se, durante o ano, receberam assistència 50.420 pacientes internados,
a média dos censos diários será de:
50.420
­­­­­­­­­­­ = 138 pacientes-dia
365
III ­ MÉDIA DO TEMPO DE PERMANÊNCIA-DIAS:
DEFINIÇÃO: corresponde ao número médio de pacientes-dia de serviços
prestados individualmente a cada paciente, durante determinado período de tempo.
Calcula-se, dividindo-se o total de pacientes-dia, durante determinado período de
tempo, pelo total de pacientes saídos (altas e óbitos), no mesmo período.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

318
FÓRMULA:

Total de pacientes-dia, durante determinado
período de tempo
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes saídos, no mesmo período
Processo mais rigoroso, embora mais trabalhoso, consiste em determinar o
total de pacientes-dia de serviços prestados a cada paciente, em determinado
período de tempo, e dividi-lo pelo número dêsses pacientes. Êste processo foi
adotado em 1950, no Serviço Nacional de Tuberculose, do Ministério da Saúde,
por proposta do Autor, e vem sendo regularmente utilizado em todos os hospitais
que, no Brasil, internam tuberculosos (3).
No cômputo da média do tempo de permanência-dias não devem ser
incluídos os recém-nascidos.
VALORES IDEAIS: 6-10, no máximo 15 dias, para hospitais gerais, de acôrdo
com a experiência americana. No ano de 1951, a média nos hospitais da Suécia foi
de 14,8 dias. No Brasil, no mesmo ano, o Hospital das Clínicas, de São Paulo, SP,
registrou 26 a 28 dias; e o Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro,
21,5 dias.
IV ­ PERCENTAGEM DE OCUPAÇÃO:
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de pacientes-dia e o de
leitos-dia (v. 122.4) em determinado período de tempo; ou relação percentual entre
a média dos censos diários (211) e a lotação do hospital (122).
Para ser calculada por dois processos:
1.° Processo: relação percentual entre o total de pacientes-dia e o total de
leitos-dia.
FÓRMULA:
Total de pacientes-dia, em determinado período
de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de leitos-dia, no mesmo período
2.° Processo: relação percentual entre a média dos censos diários, em
determinado período de tempo, e a lotação do Hospital, no mesmo período.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

319

FÓRMULA:
Média dos censos diários em determinado período
de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Lotação do Hospital, no mesmo período
VALORES IDEAIS: 80% (entre 75 e 80% ­ MacEacher (6.202).
Taxas de infecção:
I ­ Taxa bruta ou global de infecção
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número total de infecções, em
determinado período de tempo, e o total de pacientes saídos, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de infecções, em determinado período
de tempo & 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes saídos, no mesmo período
II ­ Taxa específica de infecção
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de infecções a serem
debitadas ao Hospital, em determinado período de tempo, e o total de pacientes
saídos, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de infecções ocorridas no hospital, durante
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
determinado período de tempo & 100
Total de pacientes saídos, no mesmo período
De acôrdo com as disposições regulamentares do Hospital ou do Corpo
Clínico, caberá ao Serviço onde foi constatada a infecção ou a uma das comissões
do Corpo Clínico, esclarecer se a infecção deve ser considerada como hospitalar ou
não hospitalar. Em outras palavras, deve esclarecer-se se a infecção constatada
após operação asséptica, nascimento ou no decurso do tratamento de um paciente
clínico, já estava presente, na época da admissão. Deve ficar claro que o
esclarecimento dos casos de infecção é feito com o intuito de determinar-lhes as
causas

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

320

e evitar-lhes a repetição, e não para evidenciar possíveis erros por parte do médicoassistente.
Considera-se como infecção hospitalar ou institucional:
a) a infecção que não foi constatada por ocasião da admissão do paciente,
mas foi reativada ou patenteada após a mesma;
b) no caso de infecção pós-operatória, é "a infecção introduzida numa
ferida ou cavidade do corpo, durante o ato operatório ou quando dos
cuidados pós-operatórios, nos casos em que a infecção não existia
anteriormente e quando não tenha sido inadvertidamente penetrada uma
cavidade contaminada, durante a intervenção."
As infecções ocorridas nos serviços de Cirurgia e Obstetrícia são as mais
aparentes e também as mais comumente referidas, embora tôdas as infecções
devessem ser referidas, para estudo e localização, pelo Corpo Clínico.
A base para o cômputo de infecção obstétrica é a constatação de uma
temperatura de 39º C, ocorrida durante dois dos dez primeiros dias após o parto,
excluídas as primeiras 24 horas (definição do "American Committee on Maternal
Welfare").
Taxas de Mortalidade
a)

quanto ao tipo:
I ­ TAXA BRUTA OU GLOBAL DE MORTALIDADE

DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos ocorridos no
Hospital, durante determinado período de tempo, e o total de pacientes saídos, no
mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos ocorridos no Hospital, durante determinado período
de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes saídos, no mesmo período
VALORES MÁXIMOS:
Hospitais de agudos: 3%
Hospitais de crônicos: 4%
Casos cirúrgicos: 1-2%

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

321

II ­ TAXA ESPECÍFICA DE MORTALIDADE ou TAXA DE
MORTALIDADE INSTITUCIONAL
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos ocorridos no
Hospital, a partir de 48 horas a contar da hora da admissão, em determinado
período de tempo, e o total de pacientes saídos, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos 48 horas durante determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes saídos, no mesmo período
VALORES MÁXIMOS: Hospitais de agudos ­ 2.5%.
b) quanto à causa:
I ­ TAXA DE MORTALIDADE OPERATÓRIA
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos operatórios,
ocorridos durante determinado período de tempo, e o total de pacientes operados,
no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos trans-operatórios, em determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes operados, no mesmo período
II ­ TAXA DE MORTALIDADE PÓS-OPERATÓRIA
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos pós-operatórios,
ocorridos durante determinado período de tempo, e o total de pacientes operados,
no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos pós-operatório, em determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes operados, no mesmo período

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

322

VALORES MÁXIMOS: 1% ­ A taxa de 2% deve ser considerada excessiva, a não
ser que haja uma razão ponderável.
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos por anestesia,
ocorridos durante determinado período de tempo, e o total de anestesias
administradas, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos por anestesia, durante determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de anestesias, no mesmo período
VALOR MÁXIMO: 1 óbito em cada 5 anestesias.
IV ­ TAXA DE MORTALIDADE MATERNA
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos maternos,
ocorridos durante determinado período de tempo e o total de pacientes obstétricas
saídas, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos maternos, durante determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de pacientes obstétricas saídas, no mesmo período
VALORES MÁXIMOS: 0,20 a 0,5%.
c)

quanto ao grupo etário:
I ­ TAXA DE MORTALIDADE FETAL

DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos fetais, ocorridos
durante determinado período de tempo, e o total de nascimentos, no mesmo
período.
FÓRMULA:
Total de óbitos fetais, ocorridos durante determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de nascimentos no mesmo período

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

323

II ­ TAXA DE MORTALIDADE NEO-NATAL
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de altos de recémnascidos, em determinado período de tempo, e o total de crianças vivas, no mesmo
período.
FÓRMULA:
Total de óbitos de recém-nascidos em determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de crianças nascidas vivas, no mesmo período
O cálculo da taxa de mortalidade neo-natal é impraticável, na maioria dos
hospitais, de vez que não dispõem èles de um eficiente serviço de "follow-up".
Porisso mesmo, o que se costuma fornecer, sob a rubrica de "taxa de mortalidade
neo-natal", não corresponde à realidade, mas se refere aos óbitos de recémnascidos ocorridos durante os dois ou três primeiros dias, após o nascimento,
durante os quais permanece o recem-nascido no hospital, em companhia da
progenitora.
VALORES MÁXIMOS: a taxa de 2%, indicada pela Comissão Conjunta
para Credenciação de Hospitais ("Scoring Report"), é válida para os 10 primeiros
dias de vida.
III ­ TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL (v. pág. 316, rodapé).
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de óbitos de crianças
nascidas vivas, no Hospital, em determinado período de tempo, e o número de
nascidos vivos que tiveram alta (e óbitos), durante o mesmo período.
FÓRMULA:
Total de óbitos de crianças nascidas vivas, no Hospital
em determinado período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de óbitos de crianças nascidas vivas, no Hospital
que tiveram alta (+ óbitos), no mesmo período.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

324
Taxas de Necrópsias:

DEFINIÇÃO: relação percentual entre necrópsias e óbitos.
Não devem ser incluídas, no cálculo, as necrópsias realizadas em
natimortos, nos casos que chegaram mortos ao Hospital, e nos casos entregues às
autoridades legais, muito embora essas necrópsias possam ser incluídas no
relatório mensal do patologista.
I ­ TAXA BRUTA OU TAXA GLOBAL DE NECRÓPSIAS
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o total de necrópsias realizadas em
determinado período de tempo e o total de óbitos, no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de necrópcias, em determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de óbitos, no mesmo período
II ­ TAXA ESPECÍFICA DE NECRÓPSIAS
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o total de necrópsias realizadas em
determinado período de tempo e o total de óbitos, no mesmo período, menos os
casos médico-legais, não necropsiados no Hospital.
VALORES MÍNIMOS (para hospitais gerais):

25%.

Associação Médica Americana (para hospitais com internos e residentes):
Comissão Conjunta para Credenciação de Hospitais: 20%.

Taxa de complicações:
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de complicações ocorridas
no Hospital e o total de pacientes saídos.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

FÓRMULA:

325

Total de complicações, durante determinado
período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de paciente saídos, no mesmo período

São consideradas como complicações, entre outras, as pneumonias pósoperatórias, flebites, embolias, tromboses e hemorragias, ocorridas nos casos de
cirurgia assética, nos casos obstétricos e nos casos clínicos em geral. É interessante
que se esclareçam tais complicações, em suas relações com os pareceres
solicitados.
VALORES MÁXIMOS: 3-4% dos casos
Taxa de pareceres:
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o total de pacientes para os quais
foram solicitados pareceres e o total de pacientes saídos, em determinado período
de tempo.
FÓRMULA:
Total de paciente para os quais foram solicitados
pareceres, em determinado período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de paciente saídos, no mesmo período
Só devem ser considerados os pareceres formulados por escrito. A simples
troca de opinião entre dois médicos que trabalham juntos não deve ser considerada
como parecer.
Recentemente, a Comissão Conjunta para Credenciação de Hospitais
recomendou como mais interessante considerar, não o número de pareceres, mas o
de pacientes que receberam pareceres.
Os pareceres são recomendados pela Comissão em todos os casos nos quais
o paciente não seja considerado um "bom risco" cirúrgico; nos casos de diagnóstico
obscuro; em tôdas as primeiras cesareanas; nas ligaduras de trompa, curetagens e
outras intervenções que possam interromper uma gravidez conhecida, suspeitada
ou possível, salvo os casos de emergência.
VALORES MÍNIMOS: 15 a 20% dos pacientes internados (Comissão
Conjunta para Credenciação de Hospitais).

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

326
Cirurgia:

I ­ TAXA DE CIRURGIA DESNECESSÁRIA
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de intervenções cirúrgicas
consideradas desnecessárias ou não fundamentadas, em determinado período de
tempo, e o total de intervenções cirúrgicas praticadas no mesmo período.
FÓRMULA:
Total de intervenções cirúrgicas não fundamentadas,
em determinado período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de intervenções cirúrgicas, no mesmo período
Essa taxa se refere, mais comumente, às apendicectomias, amidalectomias,
histerectomias, cesareanas, ligaduras de trompas e outras intervenções
ginecológicas.
VALORES MÁXIMOS: 3-4%, no máximo 5%.
II ­ TAXA DE REMOÇÃO DE TECIDOS NORMAIS
DEFINIÇÃO: relação percentual entre o número de tecidos normais
removidos em atos cirúrgicos, em determinado período de tempo, e o total de
tecidos removidos, nessas intervenções.
FÓRMULA:
Total de tecidos normais removidos em atos cirúrgicos
durante determinado período de tempo X 100
­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­
Total de tecidos removidos, no mesmo período
Sob certos aspectos, os casos de remoção de tecido normal caem no âmbito
da cirugia desnecessária. Não obstante, casos existem em que a remoção de tecido
normal é aceitável: casos de prolapso ou outros deslocamentos de útero, em
mulheres que já ultrapassaram a idade da procreação; apendicectomias, quando um
apèndice íntegro foi removido no decurso de uma retirada de vesícula patológica;
retirada de tecidos normais em hemioplastias, etc.
VALORES MÁXIMOS: 10%.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

327

III ­ GRANDES E PEQUENAS INTERVENÇÕES CIRÚRGICAS
Dos relatórios apresentados pelo Hospital, devem constar informações sôbre
grandes e pequenas intervenções cirúrgicas. A diferenciação entre êsses dois tipos
de intervenções apresenta algumas dificuldades, decorrentes de certos fatôres,
específicos mas variáveis, que podem modificar os critérios geralmente
recomendados. Essa a razão pela qual nenhuma das classificações até hoje proposta
é inteiramente satisfatória.
Segundo Richad Ponton (11), o grau de risco a que pode expor-se um
paciente que vai ser submetido ao ato cirúrgico dependerá dos seguintes fatôres, a
serem cuidadosamente ponderados:
1. natureza da doença ou condição que requer a operação;
2. presença de uma condição anormal no paciente, estranha à que
determinou a operação (diabetes, hemofilia ou qualquer outra discrasia
sangüínea);
3. qualquer dificuldade inerente ao próprio ato operatório;
4. necessidade de emprêgo de agente anestésico;
5. grau de competência e habilidade do cirurgião.
Levando em conta êsses diferentes fatôres, Ponton estabelece cinco
condições básicas, para se classificar como "pequena " uma intervenção cirúrgica:
1. a doença ou condição que determinou a intervenção cirúrgica não
constitui, por si própria, sério risco para a vida do pacinte;
2. o paciente não apresenta outra anormalidade que, ao lado daquela
condição, possa constituir sério risco de vida;
3. a operação não é de natureza tão extensa ou complicada e requer
apenas equipamentos simples, um mínimo de assistência e curto
período de tempo, para ser levada a tèrmo;
4. o cirurgião é suficientemente treinado e experiente no tipo particular de
operação a ser realizada;
5. se fôr necessário ou aconselhável o emprègo de qualquer agente
anestésico, èste será selecionado cuidadosamente e ministrado por
anestesista devidamente qualificado no tipo particular de anestesia, que
deverá ter duração limitada.
O mesmo autor, com base nessas cinco condições, elaborou uma relação das
operações geralmente consideradas como "pequena cirurgia", agrupando-as de
acòdo com a sistemática adotada na "Nomenclatura Padrão de Operações" (*).
__________________
(*) A relação é transcrita nas páginas de número, 188 a 197, do livro "Medical Staff in the
Hospital" (11).

328

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

IV ­ NÚMERO DE PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS
Além de fornecer elementos sôbre o número de grandes e pequenas
intervenções cirúrgicas, deve o Hospital apresentar dados sôbre número de
procedimentos operatórios. Exemplo: numa laparotomia (1 intervenção cirúrgica),
foram praticadas 1 colecistectomia e 1 apendicetomia (2 procedimentos
operatórios).
Despesas de Manutenção
I ­ PERCENTAGEM DA DESPESA COM PESSOAL
DEFINIÇÃO: relação percentual entre a despesa realizada com o
pagamento de salários e o total da despesa de manutenção do Hospital, em
determinado período de tempo.
VALORES MÉDIOS: 60 a 70% (hospitais americanos).
No Brasil, segundo levantamento feito pelo Autor, em diferentes tipos de
hospitais, o percentual fica entre 50 e 76%. Nos sanatórios da antiga Prefeitura do
Distrito Federal, por exemplo, entre 1951 e 1958, o percentual era de 65,7%,
enquanto no Sanatório de Curicica, entre 1952 e 1958, foi de 50,3%. Em 5
hospitais particulares do Rio de Janeiro e São Paulo, o percentual, entre 1956 e
1959, foi de 53,8%; em 4 hospitais da Previdência Social, no mesmo período, a
média foi de 73,5 (10).
II ­ CUSTO DO PACIENTE-DIA:
Também chamado custo "per-capita" corresponde à média dos gastos com
serviços prestados a cada paciente, num dia hospitalar. Obtém-se, dividindo-se a
despesa total de manutenção ou de funcionamento do Hospital, em determinado
período de tempo, relativa apenas aos pacientes internados, pelo total de pacientesdia, no mesmo período.
No cálculo do custo do paciente-dia devem ser observadas, entre outras, as
seguintes recomendações:
a) considerar como despesas de manutenção:
I ­ os salários do pessoal;
II ­ as despesas com material de consumo (suprimentos consumidos na
assistência ao paciente internado e na conservação, limpeza e
manutenção do edifício e dos equipamentos; gêneros, medicamentos,
combustíveis, etc.);

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

329

III ­ as despesas decorrentes da depreciação ou substituição de
equipamentos e aparelhagem médico-hospitalar;
IV ­ os serviços pagos a terceiros;
b) só incluir no cômputo as despesas decorrentes de serviços prestados a pacientes
internados;
c) não incluir no cálculo:
I ­ as despesas com construções, reformas, ampliações, instalações e
novos equipamentos;
II ­ as despesas decorrentes da prestação de serviços aos pacientes do
Ambulatório;
III ­ o número de pacientes-dia referentes aos recém-nascidos, ainda no
Berçário.
d) registrar em destaque:
I ­ as despesas complementares que, em contraposição às demais, não são
comuns a todos os hospitais: Odontologia, Barbearia, Cantina,
Recreação, Ensino e Pesquisa. A caracterização das despesas
complementares tem por objetivo separá-las convenientemente, de modo
a permitir, quando fôr o caso, a comparação das informações entre
diferentes hospitais;
II ­ os salários de médicos e dentistas, para permitir a comparação de custos
entre hospitais que tenham Corpo Clínico próprio e que sejam abertos a
todos os médicos da comunidade, os quais, assim, nada percebem do
Hospital; ou entre hospitais oficiais e hospitais filantrópicos, nos quais
os médicos nada percebem.
Thomaz Raposo, em trabalho apresentado à "I Jornada de Administração
Hospitalar", realizada no Rio de Janeiro, em 1959, sob os auspícios da Associação
de Hospitais do Rio de Janeiro (12), considera os seguintes titulos: despesas de
capital, pessoal, material, medicamentos, gêneros, reposições, servirços e diversos.
Na estimativa que apresenta como exemplo, considerou os seguintes valores
(dados válidos para novembro de 1959):

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

330

CUSTO DE MANUTENÇÃO ANUAL DO PACIENTE-DIA
Discriminação
Despesas de capital (º) ....................................
Pessoal ............................................................
Material ..........................................................
Medicamentos ................................................
Gêneros ..........................................................
Reposições ......................................................
Serviços ..........................................................
Diversos ..........................................................
Total.............................

Despesas
(em cruzeiros)
Cr$ 69.000,00
Cr$ 216.000,00
Cr$ 86.000,00
Cr$ 108.000,00
Cr$ 29.000,00
Cr$ 24.000,00
Cr$ 25.000,00
Cr$ 28.000,00
Cr$ 585.000,00

Custo do paciente-dia: Cr$ 2.030,00
Acreditamos seja pràticamente impossível, à quase totalidade de nossos
hospitais, calcular corn tal rigor o custo do paciente-dia. Ainda assim, não seria
aconselhável abrir mão de, pelo menos, uma estimativa, de vez que essa medida é
o mais precioso índice dos gastos realizados pela Instituição.
Quando não fôr possível catalogar esta ou aquela despesa, o fato deve ser
registrado. Tal orientação permitirá a comparabilidade dos dados obtidos com os
apresentados por outras instituições.

__________________
(*)

As despesas de capital, que representam 11,8% do total, foram estimadas, de acôrdo com o
seguinte esquema:
Terreno: Cr$ 75.000,00, juros de 5% ao ano ­ Cr$ 3.750,00.
Edificações e instalações gerais: Cr$ 600.000,00, 40 anos a 5% ao ano:
Cr$ 34.866,80.
Instalações especiais: Cr$ 90.000,00, 20 anos, a 5% ao ano ­ Cr$ 7.221,00.
Equipamentos: Cr$ 180.000,00, 15 anos, a 5% ao ano ­ Cr$ 17.341,00.
Capital inicial: Cr$ 60.000,00, 15 anos, a 5% ao ano ­ Cr$ 3.780,00.

APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO NA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

331

BIBLIOGRAFIA
1.
2.
3.

4.
4.
6.
7.
8.
9.

10.
11.
12.
13.
14.

ANDRADE, M.A. e FONSECA, A.L. ­ "Estatística Médica", IPASE,
Hospital dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro, 1947.
FREITAS FILHO, L. ­ "Noções do Bioestatística", Gráfica Debret, Rio de
Janeiro, 1952, 2.ª ed.
GALDINO, A., PERRONE, O.R. e TOURINHO, R. ­ "Atividados das
Instituições hospitalares que internaram tuberculosos no Brasil, em 1949".
"Rev. Brasileira do Tuberculose", Ano XIX (133 a 135): 103/154, jan. à jun.
1951.
HEASMAN, M.A. ­ "Borrador del Manual sobre estatísticas hospitalares de
mortalidad" ­ Organização Mundial de Saúde, Washington, USA.
HUFFMAN, E.K. ­ Manual for Medical Record Librarians", Physicians'
Record Comp., Chicago, III., USA. 4ª ed. 1953.
MACEARCHERN, M.T. ­ "Hospital Organização and Manegement",
Physicians' Record Comp., Chicago, III., USA., 3ª ed., 1957.
MORAES, N.A. ­ "Estatística Hospitalar" ­ Trabalbo inédito.
PEDROSO, O.P. e colab. ­ "Organização de um Hospital de 300 leitos"
(índices e coeficientes para uso do Serviço de Arquivo Médico ­ Definições e
convenções sôbre pacientes).
PERRONE, O.R. ­ Notas e apostilas de aulas sôbre Arquivo Médico e
Estatística Hospitalar, no Curso de Arquivo Médico, do D.N.S., M.S., 1962; e
no Curso de Planejamento, Organização Adminiatração de Hospitais, da
Escola de Pós-Graduação, da Pontifícia Universadade Católica, Rio de
Janeiro, GB, 1962/3.
PERRONE, O.R. ­ "Recrutamento e seleção de pessoal hospitalar" ­ Anais
da "I Jornada de Adininistração Hospitalar", A.II.R.J., Rio de Janeiro, 1959,
pgs. 41/3.
PONTON, T.R. ­ "The Medical Staff in the Hospital" ­ Physicians' Record
Comp., Chicago, III., USA., 1953, 2ª ed.
RAPOSO, T. ­ "Problemas Econômico-Financeiros do Hospital" ­ Anais da
"I Jornada de Administração Hospitalar", A.H.R.J., Rio do Janeiro, 1959, pg.
187.
Relatório da Comissão Especial de Assistência Médico-Hospitalar,
encarregada de elaborar auto-projeto de Lei Orgânica de Assistência MédicoHospitalar no País ­ Rev. Téc. Plan. Hosp., Ano II, ns. 3/4, abr./jun. 1956.
SCORZELLI JOR., A. e FREITAS FILHO, L. ­ Estatística Vital", SNES,
M.S., Rio de Janeiro, 1945.

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

CONCEITOS BÁSICOS E
PLANEJAMENTO DA MODERNA
ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

Capítulo

5

O QUE CONTÉM A PUBLICAÇÃO N.º 5

Quando, em 1941, foi criada a Divisão de Organização Hospitalar, como
órgão técnico, do D.N.S. dêste M.E.S. e assumimos como seu primeiro Diretor,
compromisso de estudar o problema nacional da assistência hospitalar e indicar,
fomentar e promover os meios da solução conveniente dêsse problema,
estabelecemos, de início, um programa que constituiu a legislação básica a ser
executada, por etapas, prevendo um trabalho intensivo de um decênio e uma
continuidade e perseverança de ação por tempo indeterminado.
Parece-nos vencido, até a data, o período fundamental, decisivo, desta obra
de coordenação, cooperação, orientação e contrôle de hospitais e de instituições
para-hospitalares em nosso vasto país atingindo e aproveitando a todos setores da
assistência médica-social, oficial e particular, de finalidade filantrópica, nãolucrativa e mesmo de finalidade lucrativa.
O programa se desenvolveu de maneira sistemática: legislação, educação e
propaganda sôbre o nôvo conceito da hospitalização; formação de técnicos e de
especialistas em organização hospitalar; conhecimento real da situação graças ao
primeiro Censo Geral e Cadastro dos Hospitais; plano da Rêde Nacional de
Hospitais Gerais e Regionais, já hoje em plena fase experimental.
Tais são os assuntos publicados neste quinto volume. Nos números
anteriores se fêz inserção esparsa dessa matéria, e mais particularmente sôbre os
Cursos de Especialização e Aperfeiçoamento realizados com a nossa contribuição,
em que se ensina e si pratica a nova especialidade: Organização e Administração
Hospitalares. Continua ainda inédito o volumoso trabalho da D.O.H. que encerra
o estudo completo, município por município, sôbre a situação da deficiência de
leitos e número de leitos a construir, completar ou melhorar em cada Estado e
região.
O Censo-Cadastro revelou uma estatística preciosa que representa o ponto
firme de partida e também de referência para futuro, e positivou, ainda, um sem
número de fatos e falhas assás instrutivos, entre outras, a falta de Arquitetos e
Construtores, e mais ainda, de especializados em

336

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

hospitais, no interior do país. Mostrou ainda, o censo, a carência de recursos de
tôda sorte e quase total quanto à orientação, não só para o planejamento do
hospital, como para seu funcionamento e administração, via de regra entregue a
leigos quando não abandonada em mãos piedosas...
O nosso primeiro cuidado foi estudar não plantas de dois ou três tipos de
hospitais a serem construídos aqui, ali e acolá, êrro do presente e do passado, que
devíamos evitar, mas, sim, procurámos criar um MODÊLO, normativo apenas,
auxiliar de ARQUITETURA FUNCIONAL, plantas parciais e de conjunto a serem
adaptadas a cada caso e a cada lugar, sem pretensão maior, à maneira de meia
confecção, deixando livre a técnica do Arquiteto e do Engenheiro, embora
facilitando o desenho e a construção especializada. O hospital poderá ser pequeno
ou grande, pobre ou rico segundo as possibilidades locais; começar e funcionar
mínimo, e se ampliar para o tipo médio ou máximo na medida da necessidade e
consoante os recursos.
Após um trabalho de longa observação e alterações constantes, realizamos
êsse estudo, já bastante conhecido pela designação de HOSPITAL-PADRÃOPROGRESSIVO-FLEXÍVEL, e que é considerado original pela sua concepção e
conjunto.
Concluindo, quero render uma homenagem de justiça e amizade aos
cooperadores técnicos dêsse estudo, Arquitetos, Drs. Pedro Peixoto Vieira, Daniel
Valentim Garcia e Nicolau Del Negro e ao Dr. Alcides Figueiredo da Silva
Jardim, Chefe da Seção de Edificações e Instalações, e por extensão aos Chefes da
SOA, Dr. Mathias Joaquim da Gama e Silva e da SASS, Dr. A. Odorico Antunes, e
a todos os nossos auxiliares e colaboradores na D.O.H. e nas Delegacias Federais
de Saúde, que concorreram para a obra de conjunto realizada, já publicada ou
não divulgada.
THEOPHILO DE ALMEIDA

POSTULADOS FUNDAMENTAIS SÔBRE ASSISTÊNCIA E
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Pelo Dr. Theophilo de Almeida
1 ­ O conceito da Assistência (do latim "ad sistere" ajudar, assistir), evoluiu
através o seu primitivo sentido, eminentemente cristão, até ao seu significado
atual de socorro e prevenção, cuidado e cooperação, que tem nas várias
modalidades de Serviço Social, seja como Assistência Pública ou beneficência
oficial; seja como Assistência Particular, de grupos e classes, tanto leiga, como
religiosa.
2 ­ A Assistência, oriunda do sentimento de solidariedade humana, socorre no
sofrimento e previne diante do perigo comum; cuida no infortúnio e na doença;
coopera para atenuar os descontentamentos, para satisfazer reivindicações
populares, e, sempre, sob a orientação das místicas: religiosa, cívica e social.
3 ­ A Assistência, de início mista e indefinida, sob a proteção da caridade, desde
as diaconias no tempo dos Apóstolos e ainda durante muitos séculos, serviu
indiferentemente e conjuntamente o peregrino ou simples viajantes; o
indigente e o desamparado; o velho, o deficiente físico, e o doente; e, assim,
nasceram, em épocas diversas, o Albergue, o Abrigo, o Hospício, o Asilo, a
Estância de Cura, o Ambulatório e o Dispensário, as Clínicas ou Enfermarias
isoladas, que são instituições para-hospitalares. Por fim o hospital-instituição
que é relativamente, a mais nova das instituições assistenciais.
4 ­ A Assistência, seguindo a sua evolução milenar, do albergue ao hospital, tem
sido a companheira tutelar da humanidade na acidentada travessia da vida dos
novos; e marcou índice nas faces diversas da marcha da civilização e no
desenvolvimento das ciências e das artes, refletindo, de algum modo, o próprio
progresso dos conhecimentos humanos.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

338

5 ­ As várias instituições de Assistência, já diferenciadas e complementares,
ainda hoje guardam semelhança e afinidades, e interdependência, e a feição
familiar de origem. Sendo elos de uma mesma cadeia, constituem elementos
inseparáveis que visam o tratamento e o bem estar; cuidados médicos e
cuidado social; e formam no seu conjunto a Assistência Médico-Social na sua
mais larga significação, reunindo tôdas as atividades de um tão vasto
domínio.
ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL
6 ­ A Assistência Médico-Social compreende, no todo, o hospital e as demais
instituições assistenciais e, destarte, se divide em dois setores:
a)

Assistência hospitalar;

b)

Assistência para-hospitalar.

7 ­ A estruturação moderna de várias Assistências, do hospital até ao albergue; a
especificação das atividades de cada uma delas; e a padronização segundo as
etapas de seu progresso; as suas normas administrativas e os modelos
aperfeiçoados; os ditames técnico-científicos de uma nova prática no
exercício de um velho e sempre renovado ofício, a sistematização, enfim,
dêsses setores, eis o que hoje se denomina Serviço ou Organização MédicoSocial que abrange a ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR, incluindo ou
dissociando a ORGANIZAÇÃO PARA-HOSPITALAR.
Constitui êsse complexo uma especialidade, já caracterizada, definida,
dispondo de numerosa bibliografia e de cursos reguladores, de técnicos ou
consultores especializados. Eis o que é: ORGANIZAÇÃO E
ADMINISTRAÇÃO HOSPITALARES.
8 ­ A Assistência Hospitalar Moderna, e a sua sistematização, que é a
Organização e Administração Hospitalares, abrange o planejamento e a
execução dos seguintes vários setores: Edificações, Instalações,
Equipamento, Administração, Financiamento e Assistências ou elementos de
cooperação: social, religioso, educativo, etc.
9 ­ Os princípios e fórmulas da Organização Hospitalar, bem assim da
Assistência Social, complementar, no seu nôvo conceito e com orientação
técnica, se aplicam e convêm, igualmente, a um País, a uma Comunidade, a
um grupo ou classe, e se enquadram totalmente, no hospital-instituição, ou
em qualquer unidade médico-social, cada entidade considerada como um
todo.

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

339

10 ­ O Problema da Assistência ou Organização de um país não se resolve hoje
exclusivamente e satisfatòriamente com a assistência pública ou oficial;
nem com a Caridade, nem com a Filantropia, e menos ainda com uma certa
gratuidade falível, ilusória e abusiva, sem a devida previsão, com que certas
corporações e coletividades de previdência e assistência, pretendem
socorrer as necessidades sociais de uma parte ou da massa da população.
Em qualquer que seja a comunidade, todos têm direitos a certo
benefício e quando se favorece parcialmente a alguns e mesmo a muitos,
mas não a todos, resultará um desvio ilícito, sendo uma apropriação indébita
do valor comum. Como conseqüência há o descontentamento, que impede o
bom êxito das instituições e prejudica a aceitação e o desenvolvimento do
plano adotado.
11 ­ A coordenação, a orientação e o contrôle das Assistências e, assim, da
Organização Hospitalar e Para-Hospitalar de um país, convém sejam
centralizados no Govêrno da União ou em Associação ou Fundação com
recursos excepcionais; mas a execução deve ser descentralizada e levada a
efeito, como obra da mais ampla cooperação dos recursos locais e regionais,
e como convier, compreendendo os governos federal, estadual, municipal e
iniciativa ou instituição particular.
PLANO DE UMA RÊDE HOSPITALAR
12 ­ O planejamento da Rêde Nacional de Hospitais para uma país, e também
para um Estado, Província ou Comunidade, exige um trabalho sistemático,
que póde ter as seguintes etapas:
a) Realização do Censo e Cadastro das instituições hospitalares e parahospitalares, feita diretamente, confiada a Inspetores de preferência
com curso de especialização, que preencherão uma ficha institucional
completa, devendo, além do mais, colhêr "in-loco" fotografias, plantas,
publicações e outros informes durante a inspeção ou "survey" de
instituição.
b) Organização do dossier ou "prontuário" de cada instituição e manter
atualizado o mesmo.
c)

Estudo minucioso da distribuição de leitos existentes e a construir, bem
assim a localização das futuras construções.

d) Estudo da arquitetura funcional, de tipos de padrão-progressivo-flexível
para as edificações e criação ou adaptação de modelos de unidades ou
plantas parciais que facilitem o trabalho do Consultor Hospitalar e,
particularmente, do Arquiteto.

340

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

e) Utilizar ou criar em cada região ou em cada localidade destinada à rêde
hospitalar, um instituição como os fundos próprios e necessários e
recursos financeiros disponíveis ou aproveitáveis, servindo-se dos
elementos de grupos ou classes provenientes de doações particulares, de
auxílio dos governos e de contribuições da comunidade.
f) A cooperação poderá ser na seguinte base de contribuição: um têrço
federal; um têrço estadual e municipal e um têrço particular ou
institucional, resultando daí o hospital da comunidade não oficial. Em
certos casos o govêrno construirá o prédio e o doará à instituição
mantenedora.
g) É mister promover a fundação de cooperativa ou sociedade para o
mesmo fim.
h) O hospital ou instituição para-hospitalar deve funcionar com vida
autônoma, com economia própria de preferência como organização
particular, de finalidade não lucrativa ou filantrópica, sob a
responsabilidade de um Conselho Administrativo constituído por
pessoas das mais representativas de várias profissões ou classes.
i) Será de competência do Govêrno da União e da autoridade e órgão
federal especializado, a supervisão geral, segundo uma legislação
especial, que traduza a orientação técnica dêstes postulados.
j) Devem ser determinados os tipos de instituição de acôrdo com a região
ou município, e a conveniente distribuição de leitos, evitando-se a
duplicidade, que é tão prejudicial como a deficiência; atendendo-se ao
mesmo tempo, o índice de ocupação dos leitos.
k) O hospital regional deverá ser o centro das atividades, não só de
medicina curativa, como preventiva, isto é, será o centro da assistência à
saúde.
l) Haverá unidades hospitalares, urbanas e rurais, como contribuição e
colaboração nessa assistência.
m) Serão mantidos cursos sôbre organização e administração hospitalares,
inclusive, e especialmente, para diretores e administradores e Irmãs de
Caridade e Religiosas em geral, a fim de que todos os cargos e funções
sejam exercidos no hospital por pessoal especializado.
n) Terá a instituição de um corpo clínico convenientemente selecionado e
organizado, que se reunirá periòdicamente, por se-

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

341

ções ou conjuntamente, para tratar de assuntos referentes às sua
atividades e de interêsse científico.
o) Serão estabelecidas normas, modelos e padrões mínimos e insções
periódicas ou "survey" para aplicação dessa orientação geral acèrca dos
assuntos e dos vários setores do hospital, estudando como um todo.
p) A instituição terá organização eminentemente econômica, e deverá
procurar rendas, e manter fundos, e ter patrimônio, sempre que possível.
q) A assistência a indigentes e ao doente gratuito em geral, não sendo mais
o único objetivo, como era no hospital antigo, e outras instituições parahospitalares, deverá ser paga na base de "interno-dia" ou "doente-dia" ou
por unidade de serviço, em cooperação, pelos Governos, pela Caridade,
pela Filantropia.
r) A renda proveniente dos contribuintes: particulares, caixas e institutos,
cooperativas e sociedades mútuas, servirá para ampliar e melhorar a
instituição e os serviços.
s) O corpo médico deve ser aproveitado, de preferência o existente ou que
resida na região, dando-se assim possibilidade ao profissional de
continuar a exercer e ampliar sua clínica particular dentro do hospital
com o que cooperará melhor dando uma assistência constante, e
beneficiará a todos os enfermos, e assim a contribuintes e indigentes,
fazendo, enfim, do hospital a sua oficina.
13 ­ Adotar-se-á uma classificação geral de assuntos e de tipos instituições,
igualmente, definições e uma terminologia ou glossário, a fim de que em
todo o país se use a mesma linguagem e seja uniforme e compreensível e
legislação hospitalar e para-hospitalar a ser adotada.
14 ­ Como o objetivo de bem caracterizar a instituição para definir-lhe a
finalidade e as exigências para cada tipo admitiu-se que será considerado
hospital o que tiver 25 leitos no mínimo e classificado como hospital de tipo
pequeno os até 49 leitos; de tipo médio de 50 a 149; de tipo grande de 150 a
500 leitos. O tipo aconselhável de hospital-geral é o de 150 a 500 leitos. O
Hospital-Geral-Regional não convém exceder de 250 a 300 leitos. As
instituições de 500 a 1.000 leitos são consideradas de tipo especial,
destinadas via de regra, para hospital de ensino ou a certas especialidades, e
mais para doentes crônicos.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

342

O HOSPITAL MODERNO
15 ­ Ao Hospital-padrão, protótipo do aprimoramento hospitalar no momento,
se convencionou chamar: o "Hospital-Moderno", bem planejado e bem
construído; grande ou pequeno; geral ou especializado; aprestado para
facilitar o diagnóstico e o tratamento, para favorecer e elevar a profissão
médica e a seus profissionais, que sem o hospital vivem dispersos, sem os
recursos indispensáveis. É, também, hospital para a rotina prática e ensino
de Medicina, cirurgia e especialidades, da Enfermagem e da Dietética nos
seus conceitos técnicos mais avançados.
16 ­ O hospital-moderno, sôbre ser hospital-oficina, é ainda o hospital para
todos, em que o doente constitui o principal personagem e para seu
benefício tudo concorre. É o hospital para todos os doentes, dos mais ou
menos afortunados, contribuintes e gratuitos e que servirá eficientemente,
aos indigentes e desajustados sociais, os quais, só assim, com tais
garantias, terão afinal assegurados o bom agasalho e o tratamento
conveniente, que ainda não tenham até ao momento. Também não deve
haver, no hospital moderno, uma medicina e uma cirurgia diferente, para
o rico e para o pobre, pois o doente, seja qual fôr, será sempre um doente,
e gozará seja como interno ou externo, da primazia de tôdas as atenções
do hospital, pois êle, o doente, representa a razão de ser e o objetivo
máximo da instituição. Dando assistência que fôr indispensável para cada
doente, só poderá variar, para uns e outros, um maior confôrto.
17 ­ O Hospital-Padrão máximo, considerado como um departamento,
compreende dez divisões, incluindo seções, ou serviços, e a respectiva
execução, a saber:
1)
2)
3)
4)
5)
6)
7)
8)
9)
10)

Divisão Econômico-Administativa (D.E.A.).
Divisão Auxiliar de Serviços da Administação (D.A.S.A.).
Divisão de Dietética (D.D.).
Divisão de Admissão e Registos (D.A.R.).
Divisão de Serviço Social (D.S.S.).
Divisão de Fichário Clínico Central (D.F.C.C.).
Divisão das Clínicas e Corpo Clínico (D.C.C.C.).
Divisão Auxiliar de Diagnóstico e da Terapêutica (D.A.D.T.).
Divisão de Enfermagem (D.E.).
Divisão dos Doentes Externos (D.D.E.). (*)

__________________
(*)

A especificação desta
D.O.H.

classificação foi publicada pela Autor na Publicação n.ª 3 da

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

343

18 ­ Edificações e Instalações ­ Constitui ponto básico, fundamental,
indispensável para se estabelecer a rêde nacional de hospitais e uma boa
organização hospitalar o estudo prévio de cada instituição, segundo os
padrões; uma boa construção do hospital consoante a arquitetura de tipo
funcional. Deve-se evitar que o hospital seja projetado por arquitetos não
especializados, sem a colaboração indispensável do consultor hospitalar.
19 ­ Alguns preceitos presidem à mais moderna orientação no tocante à
construção do hospital e aplicáveis para as demais edificações de
instituições para-hospitalares, como e onde convier, e são os seguintes:
a)

Sendo o hospital um organismo vivo, obra de arquitetura e de
engenharia, ìntimamente ligado a seu destino e função médico-social,
deverá ser planejado com a cooperação desde o início, do Consultor ou
Inspetor Hospitalar de preferência que tenha feito curso especializado.
O consultor elaborará o programa do nôvo hospital, estudando in-loco.

b) Inicialmente adotar-se-á um modêlo de "questionário para a inspeção
prévia" da localidade e terreno de que há já um modêlo preparado pelo
serviço federal, a Divisão de Organização Hospitalar, que poderá servir
de guia.
c)

A escolha do terreno é de máximo valor, e uma falha neste particular
ou uma topografia inconveniente, inutilizarão ou prejudicarão
totalmente a futura instituição. Entre os requisitos aconselhados se
apontam: urbanização indicada, área suficiente para ampliações futuras,
local aprazível, saudável, de fácil acesso e de articulação favorável,
sem perturbações de ruído, de poeiras, fumaça e gases nocivos, de
mosquitos e outros insetos, enfim, que não tenha qualquer proximidade
indesejável ou inconveniente.

d) O arquiteto de posse do programa, iniciará os esboços que apresentados
ao Consultor, servirão de base para o estudo pedido, o qual terá a
seguir, colaboração constante dêsses dois técnicos e de outros que
forem indicados para colaborar no planejamento até ao fim.
e)

O plano do prédio e a sua localização obedecerão rigorosamente à
orientação solar e ventos dominantes favoráveis e outras indicações
aconselháveis segundo o clima local.

f)

A construção será de preferência do tipo monobloco, seja no sentido
vertical, aplicável nas grandes cidades e quando haja recursos especiais
para um regular funcionamento de elevado-

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

344

res; seja do tipo monobloco horizontal, destinado êste, via de regra, para
hospital regional e para o interior do país, com um, dois ou três
pavimentos no máximo.
O nosso hospital padrão-progressivo-flexível resolve ou facilita a
solução do problema da arquitetura funcional desejada no interior do
país. Um hall, com galerias e rampas, atende os requisitos da boa
circulação geral, sendo facultativo a instalação de elevadores para o
que, aliás, existe uma área disponível. O corpo central é para os
serviços, e se amplia, à medida das possibilidades; e alas ou blocos
laterais, de vários tipos, prèviamente estudados, são destinados a
enfermarias e quartos. De posse do programa, se estabelece posição
conveniente dos blocos indicados, com as adaptações necessárias. É a
meia confecção...
g) Estudo da distribuição de áreas especiais, para leitos e enfermagem,
para o que já existem tabelas por nós publicadas.
h) A previsão e instalações especiais para evitar e extinguir incêndios são
requisitos primordiais.
i)

as instalações, assim consideradas, as gerais, fixas, come sejam: central
e rêdes de água, de esgôto, de vapor, de eletricidade, de intercomunicações, de gás e outras, merecem estudo e execução por
especialistas oportunamente. São colaboradores do projeto.

20 ­ Equipamento ­ Aparelhos e móveis em geral deverão ter a sua seleção e
localização bem cuidadas, segundo a orientação do diretor e administrador
do hospital, de médicos e engenheiros e outros técnicos a serviço do hospital
e de sua organização, os quais poderão ser ouvidos.
21 ­ Administração e funcionamento ­ O conceito de especialização ainda
domina todo êste setor, que é de importância máxima, fundamental, como
garantia da vida e prosperidade da instituição.
O cargo de Provedor-Diretor ou Diretor e Administrador, deve ser
exercido por quem haja feito curso de Organização e Administração
Hospitalar.
É êste um longo e nôvo capítulo do progresso hospitalar.
O plano sôbre a orientação e direção do hospital em funcionamento se
acha inscrito nas linhas gerais dos postulados que norteiam a assistência e
organização hospitalar moderna. Organogramas completos e normas
padronizadas têm sido elaboradas pelo

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

345

serviço especializado federal e, particularmente, nos programas minuciosos
do curso oficial sôbre organização e administração hospitalar, que vimos
realizando anualmente, desde 1943, com magnífica cooperação de técnicos.
Sem a boa administração não poderão existir a assistência médica e a
enfermagem técnica indispensáveis. Sem êsses conhecimentos técnicos
ninguém poderá superintender um hospital moderno. O cargo de direção
não é mais honraria: é especialidade de tempo total.
22 ­ Financiamento e Assistência diversas ­ Renova-se aqui a mesma indicação
quanto à administração e sôbre normas a seguir.
Insistimos em alguns preceitos:
a)

A caridade e a filantropia já não bastam, no momento, para criar e
manter instituições hospitalares e assistenciais, hoje de alto custo e de
dispendiosa manutenção.

b) Só com a contribuição ampla de particulares e de governos, e com a
mais ampla cooperação de recursos e fundos disponíveis ou
aproveitáveis, nacionais, regionais e locais, se conseguirá criar e manter
o hospital para todos, o hospital que atenderá as necessidades de
grupos, e de tôdas as classes, servindo integralmente, à comunidade, à
coletividade, à família e ao indivíduo; permitindo, ao mesmo tempo, e
fomentando o progresso da medicina, da cirurgia e de suas
especialidades, favorecendo, destarte, os médicos e a profissão médica,
e todos os profissionais, colaboradores de uma grande obra comum,
tanto científica como humana, que é de máximo interêsse nacional. Não
mais o hospital só de caridade, o hospital indústria lucrativa, mas o
hospital de futuro, que já é do presente, o hospital-cooperação, o
hospital de todos para todos.
23 ­ Em resumo, para uma boa organização moderna, hospitalar e parahospitalar, se exige o mais rigoroso contrôle de tôdas as atividades na
instituição, desde as inscrições e qualificações de doentes, na admissão; os
registos clínicos diários, e as estatísticas, até a escrituração minuciosa,
atenta, de tudo que se relacione com a vida econômica e financeira, sôbre a
previsão e gastos diários, quanto à receita e à despesa. E êste preceito e
indispensável para cada uma e para tôdas as instituições médico-sociais,
sem exclusão das modestas ou mais pobres.
24 ­ O Diretor ou Administrador do hospital será o supervisor que para bem
orientar e dirigir a instituição, terá que ser necessàriamente o profissional
competente, com curso e com tirocínio técnico comprovado, médico ou
engenheiro, enfermeira ou irmã de caridade não

346

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

importa, desde que seja o técnico habilitado, e não mais o medalhão, não
mais o notável cirurgião ou clínico como prêmio ou como honraria, mas que
não dispõem de tempo, nem dos conhecimentos, hoje especializados, que
requerem a direção e administração do hospital moderno.
25 ­ Concluindo, eis, entre outros, os postulados ou conceitos que pudemos
formular ou coligir, como contribuição da experiência própria e alheia, a
bem da moderna organização e administração hospitalares, e de modo geral
em prol do progresso, da assistência e da organização médico-social,
completa, atualizada, que desejamos difundida para todo o Brasil.

FICHA INSTITUCIONAL QUE SERVIU PARA O PRIMEIRO
CENSO-CADASTRO NACIONAL DOS HOSPITAIS
REALIZADO PELA D.O.H. E QUE SERVE
PARA AS INSPEÇÕES ANUAIS ÀS
INSTITUIÇÕES
..............................................
M.E.S. ­ D.N.S.
DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO
HISPITALAR

..............................................
Nome da Instituição

Ficha da Instituição n.º ......................................
Seção ........... Pasta............ Documento ..........
Em........../ ........../ ..........
Data desta ficha

Em........../ ........../ ..........
Data da fundação

.....................................................................................................................................
Outras denominações da Instituição

ESTADO ........................................
MUNICÍPIO ..................................

Localidade .............................................
Rua .................................. N.º ...............

É ambulatório ? ........... ou dispensário isolado ? ............ É clínica ? ............
ou policlínica isolada ? ............ Hospital Colônia ? ............. Hospital Geral? ............ Hospital especializado ? ............ Maternidade ? ........... ou clínica
obstétrica ? ............. Hospital de crianças ? .............. ou clínica pediátrica ?
........... De medicina ou clínica médica ? ........... De cardiologia ? ............ Para
nervosos ? ............ ou de doenças mentais ? ............. De doenças transmissíveis agudas ? ........... Para tuberculosos ? .......... De doentes de lepra ?...........
De dermatologia ? ............. De clínica cirúrgica ? ............. De acidentados ou
traumatologia ? ........... De ortopedia ? ........... De otorrinolaringologia ?...........
De ginecologia ? ........... De câncer ? ........... De crônicos ? ............ De convalescente ou oftalmologia ? ............. De vias urinárias ? ............. De venereologia ? ............ De repouso ? ........... De deficientes físicos ? ............ De outra
especialidade, qual ? ...........
.....................................................
.....................................................
Nome do Presidente

.....................................................
Nome do Diretor

Nome do provedor

.....................................................
Nome do Administrador

.....................................................................................................................................
ATENÇÃO: 1)
2)
3)

Responder no máximo possível, com algarismos ou "sim"
ou "não"
As informações, aqui pedidas, se referem ao ano de
194............
Depois de responder se a Instituição é "Ambulatório",
"Clínica", "Hospital Geral" ou "Especializado", sublinhar
as várias clínicas que funcionam, organizadas.

348

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

M.E.S. ­ D.N.S. ­ D.O.H.

II ­ EDIFICAÇÕES ­ INSTALAÇÕES ­ EQUIPAMENTOS
É de construção moderna ? ............ Na zona urbana ? .............. Tem parque ?
............ Jardim ? ........... É do tipo monobloco ? ............ Quantos pavimentos ?
............ Ou tipo pavilonar ? ............ Quantos pavilhões ? ............ Quantas edificações anexas ?............... Soma das áreas construidas, inclusive dos pavimentos ? ............ Tem sala para Diretor ? ............ para Administrador ?............
para Chefe da Enfermagem ? ............ Secretaria ? ............ Contabilidade ?
............. para fichário ? ............ Quantas enfermarias ? ............. Quantas com
mais de 8 leitos ? ........... Total de leitos nas enfermarias ? ............. Capacidade total das mesmas na base de 6 m2 por leito ? ............. Quantos quartos
particulares ? ............. Quantos semi-particulares (de 2 ou 3 leitos) ?..............
Total dos leitos nos quartos ? .............. Lotação ou total de leitos no hospital ? ............ Quantas estações de enfermaria ? ............... Quantas salas de
operação séptica ? ........... assépticas ? ............ para repouso do operado ?
........... para arsenal cirúrgico ? .......... para curativos ? .......... Quantos consultórios ? ........... Salas de parto ? ............ Berçário ? ........... Quantos berços ?
............. Tem instalação para ortopedia ? ............. para radiologia ? ..............
sendo : para diagnóstico ? ............. para tratamento ? .............. Instalação para
eletroterapia ? .......... hidroterapia ? ........... gazoterapia ? ............ para otorrinolaringologia? .......... oftalmologia? ........... cardiologia? ........... Tem solário?
............. Quantos gabinetes dentários ? ............. Quantos quartos para médicos residentes ? ........... para doutorandos ? ........... para estudantes ? ..............
para enfermeiros (as) ? ............ para outros auxiliares e empregados ? ..............
Clausura ? .......... Instalação para fotografia ? ........... Tem farmácia ? ..............
com laboratório anexo ? ........... laboratório para soluções injetáveis ? ..............
Lab. clínico? ............ bacteriológico? ............. anátomo-patológico? ................
sorológico ? ............ Tem necrotério ? ........... Sala de autópsia ? .............. Velório ? ........... Capelas ? ........... Sala para leitura ? ........... para cursos ? ..........
para reuniões ? ............ para recreio de crianças ? .............. para projeção ?
.............. Aparelhos de projeção fixa ? ............. de cinema 16mm ? ............. de
35mm ? ............. Quantos refeitórios para doentes ? .............. para médicos,
técnicos e administração ? ............ para Auxiliares subalternos ? .............. Tem
instalação elétrica ? ........... de gás ? ............ de vapor ? ............. Aquecimento
interno ? ............ Refrigeradores elétricos ? ............. a gás ? .............. Càmaras
frigoríficas ? ........... Tem ar condicionado ? .............. só filtrado ? .............. esterilizado ? ............. Tem telefone ? ............. Correio pneumático interno ?
............ Inter-comunicação : telefônica ? ............ de alta voz ? ............. de sinal
som ? ............ de sinal luminoso ? ............. Mecânica ? ............. Receptores de
rádio ? ........... Rêde interna de rádio recepção ? ............ Há instalação para
filtragem ? ............ depuração química ? ............. Depósitos de água quente ?
Quantas cozinhas ? ............ sendo dietéticas ? ........... Quantas copas ?............
Despensas ? ............... Depósito geral ou almoxarifado ? ............... Rouparias ?

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

349

............. Sala de costura ? ............. Há lavanderia mecânica ? ............ ou lavagem manual ? ............ Há oficinas de que ? ............. Destino do lixo ? .............
É removido pela Limpeza Pública ? ............ Quantos aparelhos sanitários ?
............. Banheiros ou chuveiros ? ............. Destino do esgôto : Rède geral ?
............. Curso dágua ? ............. Fossa ? ............ o afluente da fossa é tratado ?
............. clorado ? ............. Quantas ambulâncias ? ............ Quantos elevadores
só para passageiros ? ............ para maca ou camas ? .............. para serviço ?
............ para comida ? ........... Outros veículos, quais e quantos ? ............ Diversões, campos de esportes, quais? ................ Plantações, criações especificar ............

M.E.S. ­ D.N.S. ­ D.O.H.

FICHA DA INST. N.º ..........

III ­ FUNCIONAMENTO E ADMINISTRAÇÃO
DOENTES INTERNOS : Estatística referente ao ano de 194...............
Doentes que passaram do ano anterior ? .............. sendo Adultos ? ..............
Menores de 14 anos ? ............ s. masculino ? ............ s. feminino ? ...............
Total de doentes entrados, afora de maternidade, em 194............ ? ...............
Quantos saldos em 194........... ? ............. sendo alta ? .............. transferidos ?
............ falecidos ? ........... Total de doentes-dia em 1947........... Quantos doentes-dia pensionistas ............. de contribuição parcial ? ............. gratuitos ?
............... Total de internados em clínicas-médicas, inclusive que passaram
para 1 de jan. ? .............. Total de internados de clínicas cirúrgicas, idem ?
.............. de infantes ou lactentes, idem? ............. Meses de maior freqüência
ou ocupação de leitos em geral ? .............. DOENTES EXTERNOS OU DE
AMBULATÓRIO: Total de matrículas novas durante 194........... ? .............
Total de consultas em 194.............. ? .............. LACTÁRIO ? ............. Total de
matrículas novas em 194............. ? ............. sendo de sexo masculino ? ............
sexo feminino ? ............. Quantos fornecimentos de leite ? ............. de outras
dietas? .............. CRECHE? .............. Matrículas novas em 194...........?............
Sexo masculino ? ............... sexo feminino ? ............. SERVIÇOS MÉDICOS :
Quantos médicos efetivos em 194.......... ? ........... Não efetivos? ............ Quantos de clínica geral ? ............. de cirurgia geral ? ............ obstetras ? ..............
pediatras ? ............ ginecologistas ? ............ urologistas ? ........... venereologistas ? ............dermatologistas ? ............ oculistas ? ........... otorrinolaringologistas ? ............. neurologistas ? .............. psiquiatras ? .............. fisioterapeutas ?
............ leprologistas ? ........... cancerologistas ? ............ ortopedistas ? ............
radiologistas ? ........... cardiologistas ? ............ outros especialistas, especificar
.................... Dos médicos efetivos quantos residentes ? ............. plantonistas ?
.............. Quantos médicos estagiários durante o ano de 194............ ? .............
doutorandos, internos ? ............. Estudantes, internos ? .............. Tem organizado o FICHÁRIO MÉDICO CENTRAL? ............... Quantos laboratoristas

350

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

médicos em 194 ? .............. Quantos não Médicos ? ............. ENFERMAGEM:
Quantas Enfermeiras ou Enfermeiros diplomados (Tipo Escola Ana Neri) ?
............ sendo leigas ? ............ Irmãs ou Religiosas ? ........... diplomados por
Escolas de outro tipo .......... sendo leigas ? .......... Irmãs ou religiosas ? ...........
Enfermeiros licenciados ? .......... MASSAGISTAS ? ........... QUANTOS DENTISTAS ? .......... quantos auxiliares ? .......... FARMÁCIA?: Quantas receitas
aviadas? ......... sendo: para D. Internos? ........... para D. Externos? ........... para
Lactário ........... para Creche? ........... Farmacèuticos diplomados? .......... licenciados? ........... Práticos de farmácia? ........... ADMINISTRAÇÃO tem: Presidente? .......... Provedor? .......... Mordomo? .......... Ecònomo? .......... Almoxarife? ............ É administração leiga? ............ religiosa? ............. mista? ............
Quantas Irmãs? ............ Qual a congregação? ............. Tem capelão? ..............
Quantos guarda-livros? ............. Escriturários? ............ Bibliotecários? ............
Ficharistas? ......... Datilógrafos? .......... Telefonistas? .......... Motoristas? .........
Ascensoristas? ......... Artífices? .......... Serventes? .......... Trabalhadores? ........
OBSERVAÇÕES E IMPRESSÕES : ..................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................

M.E.S. ­ D.N.S. ­ D.O.H.
IV ­ FINANCIAMENTO E ASSISTÊNCIA
Valor aproximado do terreno? Cr$ .......................................... das edificações?
Cr$ .................................. das instalações fixas? Cr$ .......................................
Do equipamento, aparelhos móveis? Cr$ ......................................... É propriedade do Govêrno Federal? .............. Estadual? .............. Municipal? ..............
É mantida pelo Exército? ............... pela Marinha? ............... pela Aeronáutica?
.............. de outro Ministério, qual? ............. É de Polícia Militar? ...............
Civil? .............. de Bombeiros? .............. de Saúde Pública? .............. de Assistência Pública? .............. de Funcionários? ............ Para Ensino oficial? ...........
particular? ............. Qual? .................................. De outra instituição oficial?
............. Qual? ................................. Tem finalidade filantrópica ou de caridade? ............... É de irmandade? ................ de fundação? .............. de associação? ............... É instituição de finalidade não lucrativa? ................... de ordem
terceira? ................. De beneficència? ................. De cooperativa? ..................
De grupo ou classe? .............. De escola ou universidade? ............... De indústria? ............... De núcleo rural? ............... De finalidade lucrativa? ...............
De firma? ............. Soc. Anon.? ............... por quotas? ............. Quanto tem de
patrimônio? Cr$ ..................................... Quanto teve de renda em 194 ............
Cr$ .......................... Especificar: de taxa de matrícula? Cr$ ...............................

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

351

De pensionisas Cr$ ................................ De Serviços Cr$ ..............................
De produto industrial Cr$ .............................. aluguéis? Cr$ .............................
de dividendos ou juros? Cr$ ............................................ De auxílio Federal
em 194........ Cr$ ............................. Estadual? Cr$ ............................ Municipal? Cr$ ................................ De donativo particular? Cr$................................
De outras fontes? Cr$ ...................................... Qual a despesa de manutenção
e conservação? Cr$ ............................. Discriminar: Com pessoal, afora médicos? Cr$ ...................................... Só com médicos? Cr$ ..................................
Somas de despesas de material: de Administração e Escritórios? Cr$.................
.......................... Com alimentação? Cr$ ................................. Com lavanderia
e rouparia? Cr$ .......................................... com outros serviços de manutenção e conservas? Cr$ .............................. Só com tratamento de doentes, afora
médicos e auxiliares? Cr$ ................................... Com Ensino? Cr$ ..................
Com vestuário e uniformes? Cr$ ............................................. Com transporte?
Cr$ ................................ Se possível separadamente: gasto com radiologia?
Cr$ ................................ Com laboratório? Cr$ ............................... com obstetrícia? Cr$ .................................... com farmácia? Cr$ ....................................
Cardiologia? Cr$ ......................... Metabolismo? Cr$ ........................... Fisioterapia? Cr$ ...................................... Total de despesas com obras novas, construções? Cr$ ............................ Quantos médicos remunerados? .......................
Qual a taxa de matrícula cobrada a doentes? Cr$ .................................. Preço
de diárias de doentes: máxima? Cr$ ...................... Mínima? Cr$ .....................
Quantos leitos ocupados com indigentes em 194..............? ............. Tem assistência social a doentes? .............. Assistência judiciária? ................. Religiosa?
............... Educacional? ............. Recreacional? ............. funerária? .................
Outras informações? ................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
..............................................................................................................................
Data e assinatura do Inspetor
Do Informante
..............................................................
....................................................

__________________
NOTA: a) Queira juntar uma coleção completa das fichas e todos os demais impressos usados na
instituição, bem assim, fotografias, plantas, relatórios, publicações e quaisquer documentos ou dados
complementares para enriquecer o prontuário.

352

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

INSTRUÇÕES PARA INSPEÇÃO ANUAL DAS INSTITUIÇÕES
DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL, OFICIAIS E
PARTICULARES DESDE 1941
A Divisão de Organização Hospitalar, do Departamento Nacional de Saúde,
tem por objetivo coordenar, cooperar ou orientar em todo o Brasil, os estudos e a
solução dos problemas que dizem respeito à assistência a doentes e deficientes
físicos e a desamparados, promovendo, entre outros planos gerais para êsse fim, o
planejamento da rêde nacional de hospitais regionais que compreenderá todo o
território do país.
Nesse sentido a D.O.H. fornecerá normas e padrões e tudo fará para
incentivar iniciativas e o desenvolvimento das instituições e dos serviços
existentes, fomentando a criação de hospitais padronizados, sugerindo
melhoramentos, quer nas construções, quer no funcionamento técnico e
administrativo das instituições já existentes: hospitais, clínicas, ambulatórios,
estâncias, asilos, abrigos e albergues.
A D.O.H. manterá sempre atualizado o cadastro dessas entidades
hospitalares e para-hospitalares, repositório indispensável, como fará as inspeções,
para que se possa esclarecer os processos de subvenção federal a essas instituições
e a fim de se verificar a aplicação, anualmente, dos auxílios da União.
Em cada Estado, Capital ou Municípios por meio dos inspetores da D.O.H.
ou através a colaboração das Delegacias de Saúde, serão visitadas as instituições
hospitalares ou para-hospitalares, existentes, para inspeção minuciosa, fichando-as,
caso ainda não tenham sido fichadas, as novas entidades. Preenche-se a ficha em
cada visita.
Informar-se-á o Inspetor, ainda das condições sanitárias da localidade, quais
as endemias predominantes na região e para êste fim devem os inspetores procurar
entendimentos com os Prefeitos, os médicos clínicos, e outras autoridades, a fim de
colhêr dados estatísticos referentes às atividades e incidência.
A Inspeção: ­ O inspetor visitará cada instituição médico-social, se possível
marcando com antecedência dia e hora da visita, à qual deverá estar presente o
Diretor clínico, o Provedor ou Administrador; Gerente, Secretário, Guarda-livros e
Tesoureiro, a fim de que seja informado sôbre a situação, percorrendo em seguida
tôdas as dependências da instituição. De início, visita-se a Secretaria e
Contabilidade, para o indispensável exame da escrituração, da Receita e Despesa e,
bem assim, sôbre o registro e estatística do movimento dos doentes.
O Inspetor pedirá a coleção de fichas clínicas e administrativas, demais
impressos usados no estabelecimento, fotografias, plantas e tôda e

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

353

qualquer publicação e documento que digam respeito à instituição, para enriquecer
os respectivos prontuários já existentes na D.O.H., facilitando-se, destarte, a
manter o cadastro e censo geral das instituições médico-sociais do país.
Os Inspetores das Delegacias colherão em duplicata os exemplares das ditas
fichas e impressos, sendo uma coleção para remeter à D.O.H.
Acompanhando a leitura da ficha desta D.O.H., o Inspetor faz a visita
completa da instituição, tomando notas; e ao terminar, voltará à Secretaria para
receber a documentação pedida no início, e os dados necessários, devendo tomar
nota, se foram executadas as "sugestões" e "exigências" anteriormente feitas.
Durante a visita, antes e depois, o Inspetor a propósito dos assuntos à vista,
fará uma exposição técnica e dará sugestões, indicando as falhas graves que serão
mais tarde repetidas no laudo ou relatório da visita a ser fornecido pelo mesmo
Inspetor, para fins de subvenção, bem assim indicará processos novos para
melhorar a organização e administração.

O QUE DEVE SER SUGERIDO AOS HOSPITAIS (*)
EXIGÊNCIAS E SUGESTÕES
A INDICAÇÃO EM CADA CASO DEVE SER CONDICIONADA AO TAMANHO
DO HOSPITAL: PEQUENO (25 A 49 LEITOS), MÉDIO (50 A 149 LEITOS),
GRANDE (150 A 500 LEITOS) E EXTRA OU ESPECIAL (MAIS DE 500 LEITOS),
VIDE "CLASSIFICAÇÃO GERAL" DA D.O.H.

1 ­ O hospital deve ter entradas separadas, sempre que possível, uma para
médicos, administração e visitas; outra para doentes e acompanhantes; e outra
para os serviços.
2 ­ Os hospitais devem ter quartos particulares, semi-particulares e receber
doentes contribuintes de 1.ª classe e classe média, inclusive em enfermarias
especiais. Também se diz: Classe A, B, C.
3 ­ As enfermarias devem ser de quatro (4) a seis (6), sendo que enfermaria de
oito (8) leitos ainda se tolera, facilitando, assim, a separação pela medicina e
cirurgia e suas especialidades, por sexo, por idade, segundo a gravidade dos
casos, e até mesmo atendendo às condições sociais.
4 ­ Quando o hospital receber parturientes, deve possuir uma seção especial,
separada. Pessoal diferente. Salas de parto. Isolamento para infetadas.
Berçário ­ Ambulatório. Salas de estar.
5 ­ Pequeno Laboratório Clínico de rotina, inclusive para os serviços externos de
contribuintes da clínica particular do município, fonte de renda para auxiliar a
pagar o leito indigente.
__________________
(*)

As instituições com menos de 25 leitos, serão igualmente inspecionadas e cadastradas,
conservando-se a sua denominação, mas aplicando-se a classificação D.O.H. que as considera
como Clínica ou Enfermarias isoladas.

356

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

6 ­ Seção cirúrgica: no mínimo uma sala asséptica, salas de esterilização de
arsenal cirúrgico, de preparo dos médicos, de repouso para operados. Sala de
anestesia.
7 ­ Aparelho de Raio X para radiognóstico (radioscopia e radiografia). Também
para terapêutica, em casos de certas instituições especializadas. Igualmente
para serviço externo, como fonte de renda. Sala de negatoscopia, anexa,
franqueada a todos os médicos.
8 ­ Seção de fisioterapia; de eletricidade médica.
9 ­ Farmácia, com pequeno laboratório para manipulação. Se possível, preparo
de soluções injetáveis.
10 ­ Quartos para médicos e enfermeiros residentes ou plantonistas.
11 ­ Refeitórios para médicos, Administração e acompanhantes; para doentes
crônicos e convalescentes e para pessoal subalterno.
12 ­ Cozinha comum, convenientemente equipada, e pequenas instalações para
dietética. Instalação de refrigeração ou uma geladeira de dimensão
conveniente.
13 ­ Reservatório dágua que abasteça as necessidades do hospital por 48 horas,
em casos de cessar o fornecimento geral. Segundo, previsão e aparelhagem
para extinção de incêndios.
14 ­ Instalação de banheiros ou chuveiros de água quente, e aparelhos sanitários,
de acôrdo com a lotação ou movimento do hospital. Em conexão com uma
fossa ou estação depuradora na falta da rêde de esgôto.
15 ­ Necrotério com instalação anexa, e equipamento especial para necropsia.
Capela mortuária e velório.
16 ­ Lavandaria mecânica. Ou lavagem manual anexa ao hospital pequeno.
Incineração de lixo do hospital, se possível.
17 ­ Regular e permanente serviço de registro clínico. Ambulatório geral e
sempre que possível separado ou afastado da entrada principal do hospital.
Ambulatórios especializados dependentes das respectivas clínicas, horários
fixos.
17-A ­ Fichário geral para o qual convergem no original ou cópia de tôdas as
fichas. A mesma ficha de registro clínico deve servir, tanto para doentes de
ambulatório como para internados: Ficha única de registo. Número único que
é o da primeira matrícula do doente no hospital. Numero geral. Números de
registos para cada nova admissão. Cartões-índices por ordem numérica ou
alfabética, ou por ambas. Doentes internos e doentes externos ou dos
ambulatórios, a mesma ficha, o mesmo tratamento.

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

357

18 ­ Assistència médica diária para os doentes internados. Corpo clínico: médicos
e cirurgiões especializados. Especificar quando o clínico efetivo da
instituição presta serviços, tanto médicos como cirúrgicos e de
especializados, acumulando tais atividades. Médicos efetivos, consultores,
estagiários.
19 ­ Serviço social para investigação sôbre recursos do doente e da família, e para
a devida contribuição ou para dar-lhes assistência social, espiritual e outras,
inclusive amparo financeiro a seus dependentes.
20 ­ Diretor e administrador especializado, de tempo integral, se necessário.
Administração residente, em parte pelo menos, e bem organizada.
21 ­ Boletim ou Censo diário do movimento de doentes: de meia noite. (Veja
modêlo da D.O.H.). (*)
a) Passaram do dia anterior.
b) Entrados nas 24 horas.
c) Saídos, a saber: alta, transferência e óbito.
Discriminar para cada item, sexo e idade: Criança ou Menor (até 14 anos) ­
Adulto (Maiores de 14 anos).
Doentes-dia: Os que passaram na véspera, mas entrados nas 24 horas, menos
os saídos no mesmo período, igual a DOENTES-DIA, ou número de doentes
que passam para o dia seguinte. Contam-se, a mais, os que entram e saem
dentro do mesmo período das 24 horas. Exemplo: os que permaneceram
horas apenas, internados entre meia noite e meio dia.
22 ­ Corpo de Enfermeiras: na impossibilidade de ter tôdas diplomadas, no
mínimo uma para Chefe ou Instrutora (tipo-Escola Ana Neri); pelo menos
Auxiliares de Enfermeira com curso ou Atendentes licenciadas. Serventes e
auxiliares em número proporcional à capacidade de serviços clínicos do
hospital, para atenderem, dia e noite, com regime de plantão.
23 ­ Secretaria: Nos mesmos hospitais, uma moça, no mínimo, que faça também
os registos nas fichas clínicas.
24 ­ Contabilidade: Pelo menos, é indispensável um guarda-livros remunerado,
parcialmente que seja, e que sirva de procurador, auxiliar na gerência interna
e externa, e que deverá manter a escrituração, da receita e despesa,
rigorosamente em dia.
__________________
(*)

A D.O.H. fornecerá diretamente à instituição que solicitar por escrito informes
complementares e instruções especiais e modêlos paar cada item ou assunto, tratados nas
presentes instruções.

PLANO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS
ESTUDADOS PELA DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO
HOSPITALAR DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
Pelo Dr. Theophilo de Almeida (*)
REFERÊNCIA: ­ Decreto 8.674, de 4 de fevereiro de 1942 ­ art. 16 alíneas "a" e
"b" ­ A D.H.O. compete:
a)

encarregar-se do estudo e solução dos problemas referentes à
assistência médico-social a doentes, deficientes físicos e desamparados;

b) organizar o plano geral dessa assistência, aí compreendida a rêde de
hospitais para todo o território nacional.
JUSTIFICAÇÃO:
1) Finalidade assistencial: Assistência Médico-Cirúrgica, parte integrante
da organização nacional.
2) Finalidade econômica: Indispensável na organização do trabalho, na
indústria e comércio, atividades agro-pecuárias, em todo o país.
Recuperação de valores para a produção nacional.
3) Finalidade médico-militar: Aparelhamento de constante oportunidade
para atender à Defesa Passiva, ainda, particularmente quanto à
assistência ortopédica.
__________________
(*)

Êste plano foi publicado, parcialmente, em 1943, com estudo completo para imediata aplicação
nos Estados litorâneos do Norte e Nordeste, com cálculo do custo por leito-construção, e previsão
total para funcionamento, a fim de atender a situação do momento, em tempo de guerra. Não
houve, entretanto, oportunidade de sua execução por parte do Govêrno.

360

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

1 ­ Êste plano se refere a hospitais gerais e especializados, com exclusão
dos destinados à Maternidade, Doenças Mentais, Tuberculose, Lepra, quando
instituição autônoma, considerando que para estas quatro especialidades serão
organizados planos especiais, estudados e apresentados pelos respectivos serviços
federais do D.N.S., M.E.S.
2 ­ O presente plano, que obedece à Terminologia e à Classificação
médico-social adotada pela Divisão de Organização Hospitalar é um esquema
básico, estudado e sistematizado, de feição original, visando a elaboração e
execução de um programa nacional de assistência médico-social, incumbência
confiada à D.O.H. pela citada legislação federal, referente ao Departamento
Nacional de Saúde ­ M.E.S.
3 ­ Para maior esclarecimento e significação uniforme serão neste plano
denominados "leitos gerais" todos os leitos destinados a doentes, nos hospitais,
com exclusão dos para maternidade, para doentes mentais, tuberculose e de lepra,
quando em instituições autônomas, sanatórios ou outra entidade especializada.
4 ­ No sentido de atender à assistência médica e de especialidade, com
exceção das referidas, a determinação do número de leitos gerais em relação à
população, segundo o consenso dos autores e técnicos de organização hospitalar,
pode ser estabelecida em 5 leitos por mil habitantes, como média, em relação à
população de um País ou de um Estado.
Essa relação se distribui, ainda como média na razão de 3 leitos por mil
habitantes na zona rural e de 7 leitos por mil habitantes na zona urbana, sendo que
em certas capitais ou cidades industriais, poderá subir a 10, a 1. e a 20 leitos por
mil habitantes. Isto mostra que o coeficiente por leitos em relação à população,
geralmente adotada, é de valor apreciável só quando se tem de calcular uma grande
massa de população mista, rural e urbana, a fim de estabelecer uma percentagem
média, como ponto de partida. Assim, neste plano nacional, tomando-se a média
entre 7 0/00 e 3 0/00 que é 5 0/00, temos os cinco leitos gerais por mil habitantes,
que é o coeficiente básico já consagrado em estudos congêneres.
5 ­ Sendo o coeficiente de 5 leitos por mil habitantes um ideal que não foi
ainda atingido pelos maiores países do mundo e dos mais adiantados, e também
porque o nosso índice hospitalar-assistencial ainda é baixo, vamos fixar para o
nosso plano a base realizável de 50% dêsse índice ideal, isto é, metade de cinco
leitos por mil habitantes, ou 2,5 leitos por mil habitantes. Esta base está
subordinada ainda a alterações, consoante vários fatôres das condições geofísicoeconômicas e referente à utilização da população regional, meios de comunicação e
transporte, condições sanitárias locais e possibilidade de assistência médica e de
enfermagem técnica. Todos êsses fatôres pesarão quando se tiver a realizar ou
distribuir os benefícios da rêde de hospitais regionais, por todo o território
nacional.

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

361

6 ­ O presente plano se desenvolve em 3 fases ou períodos: Primeira fase
ou fase preparatória; Cadastro e Censo Hospitalares-Estatística ­ Segunda fase ou
fase de aplicação ou adaptação; estudo da população com relação à área habitada;
determinação do número de leitos com relação à densidade demográfica;
localização dos hospitais a construir; modernização e ampliação das instituições
existentes, a aproveitar. ­ Terceira fase ou fase de execução da rêde nacional de
hospitais; em ampla cooperação, com auxílio federal, estadual e municipal,
igualmente com tôda e qualquer contribuição particular. De preferência como
instituição de finalidade filantrópica e de finalidade não lucrativa.
7 ­ Adotou-se, como base para os cálculos aludidos, quanto à superfície e
população dos municípios, o Recenseamento Geral do Brasil, de 1940, segundo, a
"Sinópse Preliminar dos Resultados Demográficos ­ 1941", com o fim de
determinar o número ideal de leitos necessários na razão do coeficiente fixado, 5
por mil habitantes.
8 ­ A realização da Primeira fase compreendeu a verificação da situação
existente, a coleta dos dados relativos a cada instituição hospitalar, conforme
consta dos "prontuários" e preenchimento das "fichas institucionais", assás
completas.
O Censo-Cadastro levantado por nós, expressamente para êste fim, pela
Divisão de Organização Hospitalar, com colaboração de outros serviços oficiais de
Saúde, de novembro de 1941 a dezembro de 1942, se refere ao período 1940-1941.
É o primeiro realizado oficialmente em todo o Brasil, e em tôdas as Américas, de
que temos notícia, com igual ou semelhante objetivo. Foi feito exclusivamente por
médicos oficiais, que visitaram, pessoalmente, todos os municípios onde constatou
a existência de hospital, qualquer que fôsse, e assim fizeram a inspeção, ou
"survey", preencheram, êles próprios, no local, a ficha institucional que encerra um
questionário de cêrca de duzentos itens sôbre edificações, instalações,
equipamento, organização, administração, financiamento, assistências. Coletaram
ainda outros dados, plantas, fotografias, relatórios e publicações sôbre cada
instituição, informes e documentos que serão atualizados, sempre que possível e,
cada ano, graças a novas inspeções, para que êsse arquivo da D.O.H. continue a ser
o repositório mais completo acêrca das instituições hospitalares existentes nos
Estados, no Distrito Federal e Territórios da República.
9 ­ Segunda fase: O número de leitos existentes, para o fim dêste plano, se
refere aos leitos de Hospitais gerais e especializados, com a exclusão das
instituições destinadas à maternidade, doenças mentais, tuberculose e lepra, não
obstante o Censo-Cadastro Hospitalar executado pela D.O.H. haver sido geral,
completo, abrangendo também as excluídas instituições especializadas, em todo o
Brasil. Fizemos para cada Estado ou Município o cálculo dos leitos necessários, na
base de 2,5% por mil habitantes, deduzindo-se, em cada caso, o número dos leitos
existentes,

362

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

daí resultando o número de leitos a construir em novos hospitais ou leitos a
completar, a ampliar, ou a melhorar em hospitais existentes, a serem
modernizados. Foi essa a Segunda Fase realizada, trabalho exaustivo e minucioso,
constando de vários volumes in-folio datilografados, e ainda inéditos.
10 ­ A distribuição dos hospitais regionais, a construir, e a escolha dos a
modernizar e ampliar, constitui objeto de inspeção local minuciosa, complementar
atendendo a zona ou regiões definidas, em conexão com as autoridades estaduais e
municipais e instituições particulares. São atividades de Terceira Fase. Essa Fase
da EXECUÇÃO, em linhas gerais já estudada pela D.O.H. e até no que concerne ao
custo do "leito de construção" e "tipos de hospitais" a adotar, e tudo mais,
inclusive para futuro, no que diz respeito a Edificações, Instalações, Equipamento,
Administração, Financiamento e Assistência será objeto de apreciação minuciosa
no momento oportuno com estudos locais ou regionais, logo que os recursos
necessários estejam disponíveis, para construção.
11 ­ Visa o plano o aparelhamento da Assistência Hospitalar ou MédicoCirúrgica, como parte integrante da organização nacional, não mais, como outrora,
considerada apenas como "leito de caridade" ou "leitos para indigentes" mas
abrangendo, no conceito moderno, os "leitos convenientes disponíveis para
atender a tôdas as camadas sociais, com a cooperação financeira, orientação
técnica e contrôle do govêrno de preferência como organizações civis". E para
benefício do indigente ou do desajustado social, porquanto na cooperação de
contribuintes, maiores e melhores recursos virão favorecer o doente-gratuito.
12 ­ A rêde nacional de hospitais regionais se comporá de hospitais
modernos, estudados como arquitetura funcional e organizados tècnicamente,
hospitais para todos, estabelecendo certa igualdade para leitos destinados a doentes
gratuitos e leitos para "indústrias", "cooperativas" ou "irmandades" e os destinados
a particulares contribuintes, considerados todos como de interêsse da comunidade.
O plano considera e aprecia devidamente as instituições hospitalares, tanto as
filantrópicas e as de finalidade não lucrativa, e mesmo, de algum modo, as de
finalidade lucrativa, as ditas "casas de saúde", que também são necessárias,
porquanto atendem a um setor social, embora tendem a decrescer com o progresso
hospitalar do país. Todos os leitos para doentes, criados e mantidos, representam
um alívio ao encargos dos governos, porque atendem a um núcleo ou certa massa
de população. Se não existisse a contribuição particular e de corporação, maior
seria o ônus do Estado com a assistência a doentes, maior a despesa com a
assistência pública, federal, estadual ou municipal, seja diretamente, seja por meio
de auxílios ou subvenções, não contando o prejuízo que representa a doença e,
portanto, a falta ao trabalho, na economia nacional.

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

363

13 ­ A execução dêste plano geral prevê o longo prazo de um decênio; há,
entretanto, necessidade de realizar uma execução sistemática, coordenando-se
todos os esforços, reunindo verbas, recursos e possibilidades, incentivando-se ao
mesmo tempo, a iniciativa privada nesse sentido. Como se tem observado em
outros países, sempre que o Govêrno intervém para realizar, sòzinho, a assistência
hospitalar, verifica-se a seguir a queda do número de leitos, da assistência
particular gratuita, que se retrái. O hospital deve ser organização particular, com a
cooperação e contribuição financeira dos governos. Só excepcionalmente será
oficial ou de govêrno ou de Assistência Pública.
14 ­ A relação do número de "leitos gerais" disponíveis no Brasil, excluídas
as 4 especialidades citadas, e de acôrdo com o Censo-Cadastro 1940-1941, se pode
considerar para fins dèste plano porquanto se aumenta o número de leitos em um
qüinqüênio, também aumenta proporcionalmente e paralelamente, a necessidade de
leitos hospitalares com o acréscimo da população, que é também constante.
É a seguinte a situação para cada Estado ou Território, falando por si os
algarismos, quanto à superfície e população, leitos existentes por mil habitantes e
leitos necessários na base de 5 mil habitantes e realizáveis no primeiro tempo, na
base de 2,5 leitos por mil habitantes ou de 25 leitos por dez mil habitantes:

364

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

NÚMERO DE LEITOS A CONSTRUIR OU AUMENTAR NO INTERIOR DO
PAÍS, À BASE DE 2,5 LEITOS POR 1.000 HABITANTES, DE 5 LEITOS POR
1.000 HABITANTES NAS CAPITAIS
HOSPITAIS GERAIS E ESPECIALIZADOS, NÃO INCLUÍDAS AS INSTITUIÇÕES
DE MATERNIDADE E INFÂNCIA, DOENTES MENTAIS,
TUBERCULOSE E LEPRA
LEITOS
Estados
e
Territórios

Ter. do Acre..........
Ter. R. Branco.......
Ter. Guaporé.........
Ter. Amapá............
Amazonas..............
Pará........................
Maranhão..............
Piauí......................
Ceará.....................
R. G. do Norte.......
Paraíba...................
Pernambuco...........
Alagoas..................
Sergipe..................
Bahia.....................
Espírito Santo........
Rio de Janeiro........
D. Federal..............
São Paulo...............
Paraná....................
S. Catarina.............
Ter. Iguaçú............
R. G. do Sul...........
Mato Grosso..........
Ter. P. Porá............
Goiás.....................
M. Gerais...............

Superfície
(Recens.
1940)

148.027
148.027
250.927
143.716
1.508.533
1.219.250
346.217
245.582
148.591
52.411
55.920
99.254
28.571
21.552
529.379
42.846
42.404
1.167
247.239
152.668
80.205
61.631
272.179
1.030.756
99.141
661.140
583.804
8.327.145

População
(Recens.
1940)

87.326
13.756
24.918
23.406
410.415
932.975
1.242.721
826.320
2.101.325
774.464
1.432.618
2.694.616
957.628
545.962
3.938.909
758.535
1.862.900
1.781.567
7.239.711
1.207.474
1.140.178
85.263
3.350.120
336.313
87.354
832.869
6.798.647
41.482.290

Existentes
(Cadastro
D.O.H)
89
32
53
0
683
1.441
275
397
373
780
779
2.991
743
546
2.064
594
2.651
9.546
15.582
2.076
2.275
33
9.655
779
68
211
9.556
64.272

Existen-tes
(por mil
habitantes)

A construir
ou ampliar
na base de
2,5 0/000

1,0
2,3
2,1
0
1,7
1,5
0,2
0,5
0,4
0,5
0,5
1,1
0,8
1,0
0,5
0,8
1,4
5,3
2,1
1,6
2,0
0,4
2,9
2,5
0,8
0,2
1,4

153
27
29
73
614
1.411
3.050
1,838
4,927
1.700
3.041
4.628
1.879
966
8.518
1.416
2.363
2.921
5.813
1.299
692
204
Excedente
200
232
1.993
7.970

0/00

57.957

Nota ­ O total de leitos a construir, 57.957, compreende a soma do número
de leitos que faltam, em cada Estado, para atingir, na Capital, 5 por mil habitantes
e, nos municípios, 2, 5 ou 25 por dez mil habitantes. Isto na base da realização de
50% do total necessário para todo o Brasil.

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

365

15 ­ A Divisão de Organização Hospitalar está aparelhada para dar
orientação técnica indispensável à realização dèste plano uniforme e
sistematicamente, com uma orientação central, no sentido do conceito, hoje
consagrado nos países mais adiantados, e muito particularmente nos Estados
Unidos, de que "organização hospitalar" é uma especialização que deve ser
exercida por especialista. O "Hospital moderno", também como unidade,
sistematizado como organismo, obedece a preceitos técnicos, segundo a prática e a
definição vitoriosa, devido, sobretudo, à obra imensa do Colégio Americano de
Cirurgiões, da Associação Médica Americana e da Associação Americana de
Hospitais, entre outras notáveis corporações congêneres da Norte-América, não
citando o trabalho multi-secular do progresso técnico-hospitalar na Europa.
16 ­ Entre nós anualmente se realiza, com a nossa orientação e cooperação,
o Curso Oficial de Organização e Administração Hospitalares, cujos diplomados,
que são já centenas de médicos, constituem o pessoal especializado disponível, e
indispensável para execução do plano. Êsses consultores ou diretores hospitalares
se encontram e já exercem as suas atividades, nesta capital e, pràticamente, em
todos os Estados.
Com a coordenação, cooperação e orientação da D.O.H. esse númeroso
grupo de especialistas está formando a consciência hospitalar moderna em nosso
país à luz dos conhecimentos e da possibilidade nacional, da experiência estranha e
nossa, e adquirida pessoalmente entre nós, e também por nós observada,
pessoalmente, nos países mais aditantados, sobretudo nos Estados Unidos. A
realização do plano da rêde nacional de hospitais, isto é, o aparelhamento médicosocial do Brasil, exige êsse clima atual e o ambiente técnico que aqui se propõe
para justificação dos vultosos recursos que serão aplicados e como garantia
indispensável que é, do grande, do completo êxito que todos desejamos.
17 ­ As instalações hospitalares que constituirão a rêde nacional serão dos
seguintes tipos:
a) Centro Médico: nas capitais e nas grandes cidades, também com
finalidade do ensino médico e das profissões afins.
b) Hospital Geral e Regional: para servir a zona ou distrito sanitáriohospitalar. Hospitais de tipo médio possìvelmente com centro de saúde
anexo.
c) Hospital Geral-Auxiliar: satélites, em conexão com os hospitais
regionais, em cidades menores da região. Hospitais pequenos
possìvelmente com pôsto de saúde anexo.
d) Posto Médico-Hospitalar: compreendendo enfermaria e pequeno pôsto
de saúde anexo, na zona rural.

SUMÁRIO DO PLANO GERAL DE ORGANIZAÇÃO
E ASSISTÊNCIA HOSPITALAR, INCLUSIVE DA RÊDE
NACIONAL DE HOSPITAIS
Pelo Dr. Theophilo de Almeida
Realizações no período de 1942-1946
Programa 1947-1951
1) O plano de organização e assistência hospitalares do país, visando a
formação de uma rêde nacional de hospitais gerais que satisfaçam a necessidade da
medicina curativa e da medicina preventiva, de que carece a população do Brasil
foi exaustivamente estudado pela Divisão de Organização Hospitalar do D. N. S.
desde 1942.
2) Constitui esse trabalho a principal finalidade desse órgão especializado
normativo federal como consta do Decreto 8.674, de 4-2-1942, artigo 16, que
aprovou o Regimento do D.N.S.
3) O plano não inclui o aprestamento de instituições para maternidades,
tuberculosos, doenças mentais e lepra, porquanto há serviços especializados e
estudos e verbas especiais para atenderem essas assistências.
4) O plano previa, de início, a realização por etapas, em dois qüinqüênios,
sendo uma Primeira Fase (1942 a 1946) preparatória ou básica e Segunda Fase
(1947 a 1951). Execução: experimental e definitiva.
Prevè-se uma Terceira Fase, complementar e de aprimoramento, porquanto
na 2ª Fase será realizada apenas metade ou 50% do plano total, atendendo a
dificuldades várias.
O plano está sendo realizado como foi previsto, embora parcialmente, a
título de experiência, enquanto se aguarda recurso suficiente para a sua mais ampla
execução.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

368

5) PRIMEIRA FASE ­ Qüinqüênio de 1942-1946 ­ caracterizado já pelas
seguintes realizações:
a) Formação de técnicos: viagens a países estrangeiros para estudar a
moderna organização hospitalar, em 1941 e a criação por decreto-lei, do
Curso de Organização e Administração Hospitalares, em 1942.
b) Uniformização da linguagem técnica: classificação geral de instituições
hospitalares e para-hospitalares assim como fixação de uma
terminologia e definições dos assuntos.
c) Levantamento do Censo e Cadastro Nacional de Hospitais, feito
exclusivamente por médicos oficiais que visitaram todos os hospitais do
país, tantos quantos se soube existirem, durante vinte meses de 19411942.
Para haver possibilidade de cooperação indispensável, tomando-se por base
as superfície e população de cada município, e dos Estados e Territórios, e do
Brasil, segundo o Recenseamento da República de 1940 (Sinopse dos Resultados
Demográficos ­ publicação 1941) o Censo feito pela D. O. H. colheu dados
contemporâneos, que serviram para base do Plano.
Resguardando o método aqui adotado das críticas fáceis, considera-se que o
plano representa apenas uma norma geral, e que os dados utilizados são uma
referência, e a mais segura que se pôde adotar. Considerando que, de algum modo,
pode haver crescido o número de leitos existentes, e sabe-se que não foi tão
sensível êsse aumento nos anos decorridos até 1947, e sabendo-se que o número de
habitantes também cresceu durante o mesmo período, admite-se que se manteve a
mesma constante dos anos próximos anteriores a 1940 na relação do número de
leitos para o número de habitantes.
d) Terminação do estudo do Plano da Rêde Nacional de Hospitais e sua
primeira publicação. Obra que abrange vários volumes in-folio (19421943).
e) Para cada Estado ou Território foi estabelecido o seguinte método para
determinação do número de leitos a construir ou ampliar e modernizar:
I)
II)
III)
IV)
V)

Superfície;
População;
Cálculo de 5 leitos por mil habitantes;
Número de leitos existentes;
Leitos a construir ou aumentar ou diferença entre número de leitos na
base de 5/1.000 habitantes menos leitos existentes;

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

VI)
VII)
VIII)
f)

369

Proposta de realizar 50% do plano geral ou 2,5 leitos por mil ou
25 leitos por 10.000 habitantes na primeira fase (1947-1951);
Deduzem-se os leitos existentes no número de leitos a construir na
base de 50% do total;
Número de leitos a construir e aumentar na Capital,
separadamente, o município.
Desenvolvimento do plano no sentido de sua execução principal;
estudo e instituição de modelos para construções hospitalares,
sobretudo a criação do tipo de hospital geral-padrão-progressivoflexível trabalho considerado original pelo seu conjunto técnico,
adaptabilidade ­ Criação de outros tipos também do plano
progressivo-flexível: Hospital-Colônia-Monobloco; Hospital ou
pavilhão de isolamento para contagiosos agudos; Hospital para
contagiosos-crônicos (tuberculose, etc.).

Retardada a Execução do Plano: ­ Não havendo conseguido verba para
execução do Plano da Rède Nacional de Hospitais, a D.O.H. incentivou e
aumentou a cooperação para construção de hospitais nos municípios, fornecendo
numerosas plantas, pareceres e modelos, de Norte a Sul do País (1943-1946).
g)

Rêde:

Estudo, município por município, depois em grupos por distritossanitários-hospitalares: superfície, população, leitos na base de 5 por
mil e 2,5 0/00 ­ leitos a aumentar.

6) SEGUNDA FASE ­ Execução experimental e definitiva do plano da
a)

Aplicação das primeiras verbas, mínimas, destinadas à construção de
hospitais com cooperação federal.

b) Aperfeiçoamento dos tipos hospital-padrão-progressivo-flexível, com a
criação de novos blocos e revisão geral.
Já estão sendo construidos cêrca de trinta hospitais do tipo padrão em vários
Estados do Brasil com as primeiras verbas do auxílio federal do "Plano de Obras",
"Fundo de Assistência Hospitalar" e pela verba especial para construção de
unidades hospitalares (1947).
O hospital padrão-progressivo é um estudo de hospital que pode ser
construído com maior ou menor custo, para cidade e para zona rural, pequeno de
25 leitos, até 250 leitos ou mais, crescendo, na medida da necessidade local e dos
recursos disponíveis. Será o Hospital da Comunidade; não deverá ser oficial,
exceto em casos especiais que se apresentem, e assim forem julgados. Hospital
particular, de preferência organizado do tipo Santa Casa ou Hospital filantrópico,
podendo ser também

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

370

dos tipos de finalidade não lucrativa. O hospital é um bem comum, como a Igreja,
o Clube Social e outras entidades de interêsse público local ou regional.
c)

A cooperação da União começa com o fornecimento do estudo das
plantas ou mesmo do projeto para o novo hospital ou remodelação.

d)

Financiamento: ­ A cooperação federal constará de um fundo especial
ou quantia a ser aplicada em auxílios durante 4 anos, até 1951, em
consignações anuais crescentes na razão progressiva de 1, 2, 3 e 4, isto
é, dividido em 10 partes o Fundo destinado, que serão utilizados a
saber, em 1948: 1 décimo, em 1949, 2 décimos; em 1950, 3 décimos e
1952, 4 décimos.

A cooperação financeira da União será feita em ajuste individual ou por
grupos com os governos e instituições hospitalares de finalidades filantrópicas e
não lucrativas, que existem ou venham a se constituir, em todo o país, entrando o
Govêrno Federal com um têrço; os governos estaduais de territórios e municípios
com outro têrço; e a iniciativa privada ou instituição particular, beneficente ou
cooperativa, com a restante parte. Haverá casos em que o auxílio da União será
total ou maior parte, dependendo da aprovação superior e de estudo de cada caso.
Os Institutos e Caixas, as corporações para-estatais serão considerados
como instituição particular, nos respectivos acordos para construção ou ampliação
de leitos hospitalares.
7) A manutenção dos hospitais constitui estudo especial e variará em cada
caso, sendo previsto que a instituição beneficiada manterá além de leitos gratuitos,
leitos para contribuintes, sendo orientada pela D. O. H. a instituição a fim de que a
sua organização econômica seja a garantia e a base complementar do plano
nacional.
8) O Govêrno nomeará uma comissão de técnicos, indicada pelo Sr.
Ministro da Educação e Saúde para o aprimoramento do plano no que fôr
aconselhável e para a sua plena execução em todo o país, em cooperação com o
órgão federal especializado do D.N.S. ­ M.E.S. a que incumbe o estudo e solução
dos problemas médico-sociais.
Extrato do Plano Geral: número de leitos a construir ou aumentar.
Sugestão para base de financiamento.
Demonstração do processo adotado para o plano.

SUGESTÕES PARA FINANCIAMENTO
POR PARTE DA UNIÃO


Os primeiros hospitais, mais de trinta, em construção em vários Estados,
cujos projetos foram estudados à base do hospital padrão-progressivoflexível da D.O.H., demonstram a exeqüibilidade de um plano de cooperação
financeira federal para o aprestamento da rêde nacional de hospitais gerais
ou regionais.



O custo do leito-construção, incluídas instalações, está em média Cr$
25.000,00 a Cr$ 30.000,00 para hospitais até 60 leitos; e o equipamento
mínimo indispensável para funcionamento está avaliado em Cr$ 10.000,000
ou Cr$ 15.000,00 por leito nos hospitais até 64 leitos. Ora, há conveniência
em que os hospitais gerais-regionais tenham um mínimo de 150 leitos, assim
o custo do "leito-construção-instalação-equipamento" ou "leito para
funcionar" poderá ser menor. Tomamos por base o custo do leito para
funcionamento ....................... Cr$ 35.000,00 para êsse tipo de hospitalregional, no interior do país.



Sabendo-se que do total de leitos a construir e a aumentar a maior parte será
em prédios novos, mas em certo número de hospitais, êsses leitos
constituirão acréscimos e reformas casos em que o leito a ampliar ou
modernizar será de menor custo, mais uma vez se justifica a adoção do
promédio de Cr$ 30.000,00 por leito, como mínimo para base de cálculo.
Assim, 57.957 leitos à razão de................................... Cr$ 30.000,00 é igual a
Cr$ 1.738.710.000,000 (um bilhão setecentos e trinta e oito milhões
setecentos e dez mil cruzeiros), total necessário para o aparelhamento
também mínimo da assistência hospitalar em todo o Brasil. Haverá uma
compensação para o Estado do Rio Grande do Sul, onde o número de
hospitais militares é avultado, o que exclui aquèle Estado, porque já atingiu
2,5 leitos por mil habitantes. Na realidade, não representa a verdade com
relação aos núcleos da população civil, por isso a exclusão não se justifica.



Considerando que a União assumiria o compromisso da contribuição de um
têrço do total necessário, ficando os dois terços restantes a serem cobertos
pelos fundos e patrimônios, donativos e doações diversas, contribuição do
Estado ou Território, Município, Institutos, Caixas, etc., vemos que fica
atenuado o ônus do Govêrno Federal, reduzido à têrça parte do total citado,
passando a ser ........................... Cr$ 579.570.000,00, ou arredondando, 580
milhões de cruzeiros.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

372


De acòrdo com a proposta dèste Plano serão aplicados no primeiro ano, 1948,
Cr$ 58.000.000,00 (58 milhões de cruzeiros, ou 1 décimo); em 1949 ­ Cr$
116 milhões; em 1950 ­ Cr$ 174 milhões; e 1951 ­ 232 milhões.



Essas importâncias constituirão um fundo em depósito de Banco à disposição
do Ministério ou da Comissão que fôr nomeada para superintender a
aplicação da contribuição financeira da União.
Cada Estado ou Território receberá uma quota na proporção e correspondente
ao número de leitos de que cada um carece.



DEMONSTRAÇÃO DO PROCESSO ADOTADO PELA D.O.H. PARA
ESTUDO PORMENORIZADO DE TODO O TERRITÓRIO NACIONAL COM
O FIM DA DISTRIBUIÇÃO CONVENIENTE DOS LEITOS, E DE QUE
RESULTOU O QUADRO: "NÚMERO DE LEITOS A CONSTRUIR OU A
AUMENTAR" ­ ASSIM SE FEZ O CÁLCULO PARA TODOS OS ESTADOS,
TERRITÓRIOS E MUNICÍPIOS ­ (TRABALHO INÉDITO) ­ PLANO DA
RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS REGIONAIS
TERRITÓRIO DO ACRE
Superfície...............................................................
População...............................................................
Plano: 5 leitos por mil habitantes...........................
Leitos existentes..........................................
89
Leitos a construir......................................... 315
­­­
Soma......................... 404
­­­­­­­­
Realizar 50 0/0 do plano geral ou 2,5 0/00, isto é,
25 leitos por 10.000 habitantes........................
Leitos a completar na Capital na base de 5 0/00....

148.027
81.326
404

202
40
­­­­­­­
Soma.......................
242
Leitos existentes (deduzir).....................................
89
LEITOS A CONSTRUIR NO TERRITÓRIO
153
a)

CAPITAL
5 leitos por 1.000 habitantes..................................
Leitos existentes....................................................
Leitos a construir...................................................
Leitos a construir...................................................

80
37
43
110

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

373

b) MUNICÍPIOS
25 leitos por 10.000 habitantes.....................................
Leitos existentes............................................................
c)

162
52

A CONSTRUIR NO TERRITÓRIO: 110 mais 43 = 153

PLANO DA RÉDE NACIONAL DE HOSPITAIS REGIONAIS TERRITÓRIO
DO ACRE
DISTRITOS OU REGIÕES HOSPITALARES
Distrito da Capital ­ RIO BRANCO
Superfície...................................................................
População...................................................................
LEITOS: 2,5 por 1.000 habitantes.............................
Existentes...................................................................
A construir.................................................................
Soma..................................

34.339
16.264
80
37
43
­­­­­­­
80

Primeiro Distrito ­ BRASÍLIA, CRUZEIRO DO SUL, FEIJÓ,
SEABRA, SENA MADUREIRA E XAPURÍ
Superfície...................................................................
População...................................................................
LEITOS: 2,5 por 1.000 habitantes.............................
Existentes...................................................................
A construir..................................................................
Soma....................................

113.688
65.062
162
52
110
­­­­­­­
162

NÚMERO DE LEITOS
MUNICÍPIO

SUPERFICIE

POPULAÇÃO

5 p/mil
habitantes

Brasília....................
Cruzeiro do Sul.......
Feijó........................
RIO BRANCO........
Seabra......................
Sena Madureira.......
Xapuri.....................

10.235
29.770
16.218
34.339
19.141
29.453
8.871

7.102
17.907
8.328
16.264
10.188
12.831
8.706

35
90
40
80
50
65
45

17
45
20
40
25
32
22

8
10
­
37
8
8
16

9
35
20
3
24
24
6

148.027

81.326

405

201

89

112

Realizar
50%

Existentes

A Construir

PLANEJAMENTO E CONSTRUÇÃO DE HOSPITAIS
HOSPITAL GERAL: ­ PLANO
PADRÃO-PROGRESSIVO (*)

De acôrdo com a norma vencedora da moderna organização hospitalar,
antes do projeto para a construção de um hospital, é mister estudar ou técnico
especializado em Organização Hospitalar. Em seguida é escolhido o arquiteto. A
D.O.H. preparou um questionário para èsse fim, que é um guia da inspeção prévia,
da localidade e terrenos. Mantém o M.E.S. curso oficial, anual, para especialização
e aperfeiçoamento sôbre Organização e Administração Hospitalar. As plantas do
"plano padrão" servirão para orientar o projeto segundo as exigências e
sistematização do Hospital Moderno.
O nôvo hospital poderá ser construído por etapas, com possibilidade de
ampliações futura até 300 leitos ou mais, acrescentando-se novos blocos ou
unidades. Êsse "Padrão" estudado pela D.O.H. será adaptado para cada caso em
aprêço.
O edifício será de 1 ou 2 pavimentos em regra, podendo ter 3 andares ou
mais. O hospital-mínimo será de um só pavimento.
O andar subtérreo ficará abaixo do nível do terreno 1 metro a 1,50 metro na
parte correspondente ao bloco da frente da administração. aproveitando-se o
material do desmonte para facilitar o nivelamento em tôrno do prédio. A
construção dispensará a estrutura do concreto armado, até 2 pavimentos. Planejada
sob a concepção mais moderna, a obra não requer o aparelhamento caro e
dispendioso de elevadores, sendo o acesso nos pavimentos superiores feito por
meio de rampas de declividade suave, que permitem a circulação de pedestres e de
carros, seja
__________________
(*)

De 25 a 250 leitos. Modélo criado pela D.O.H.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

376

para a condução de doentes, seja dos outros serviços. Essas rampas se acham num
grande "hall", onde haverá vitrais alusivos, e terão além disso, certo efeito estético,
com piso especial e corrimão de cano de ferro galvanizados, de material cerâmico
ou de metal inoxidável. Além das rampas, haverá pequenas escadas para acesso
rápido, como está indicado nas plantas. A diferença de nivelamento entre a ala da
frente e o corpo do edifício, como se vê no corte longitudinal, permite a disposição
original do plano em que cada rampa dando acesso a outro pavimento, sobe apenas
1,60 m.
O grande "hall" central facilitará a circulação geral à maior eficiência,
portanto, dos serviços. O edifício tem 3 entradas diferentes:
a)

Para doentes, ambulatórios e ambulâncias;

b)

Para médicos, administração e visitantes;

c)

Para pessoal do serviço.

Pavimento Térreo: ­ O pavimento térreo se compõe de alas, além de parte
central ou posterior, para cozinha e dependências, caldeiras, instalação de calor e
frio, alojamento e outros serviços e refeitórios. As alas direita e esquerda são
destinadas à entrada dos doentes, enfermarias, ambulatórios, etc. A pequena
cirurgia, farmácia, laboratório clínico e fisioterapia, serão nessas alas ou na parte
mais central; e junto ao "hall", o Fichário Central e Serviço Social.
Aos ambulatórios se denomina hoje de doentes externos.
Na frente, em nível intermediário entre o térreo e o pavimento superior aos
fundos está a entrada principal; Diretoria e Administração; Portarias e
Informações, Gabinete do Diretor, Secretaria, Fichário Médico, Sala de Visitas,
Biblioteca e Sala de Médicos. Tôdas as seções têm sua conveniente instalação
sanitária e vestiários com separação de sexos. No Hospital Mínimo, pode-se deixar
de construir no "hall", que mais tarde será ocupado pelas rampas, quando se quiser
pôr outros andares ou mais.
Segundo Pavimento: ­ Ao centro, as rampas, dada a diferença do nível
referido, entre a parte da frente (Administração) em relação aos dois pavimentos,
foi aproveitado, engenhosamente, êsse desnível de modo que os lances das rampas
não sobem mais do que a metade da altura do pé direito (1,60 m) de cada
pavimento, para se chegar de um andar a outro. O grupo cirúrgico ocupa a frente
ou parte posterior para obedecer a orientação solar, no segundo pavimento, com
duas salas de operação, tipo "assépticas". No andar do Ambulatório está prevista
sala de cirurgia de urgência e de pequenas operações. Ala direita: Enfermarias ou
apartamentos, semi-particulares ou quartos. No fim das alas laterais estão
localizados os solários, que serão mudados para os extremos

MODERNA ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

377

com a ampliação futura e suas áreas transformadas em salão para doentes. As
Enfermarias são de pequena lotação cada peça, a fim de permitir maior número de
serviços clínicos especializados.
Enfermarias de 4, 6 e até 8 leitos, permitem distribuição também de acôrdo
com a idade, sexo e gravidade dos casos. Aí serão locadas as seções independentes
de "Contribuintes", da classe A, B e classe C conforme o preço das diárias. O
hospital moderno deve receber doentes contribuintes. Deve ter rendas, mesmo os
de finalidade filantrópica ou de caridade, até um têrço da sua lotação total.
Terceiro Pavimento: ­ Se fôr construído ocupará também o centro do
prédio; clausura de religiosas ou simples residências se a Administração fôr leiga.
Aí se encontram, além disso, capela e salão para reuniões. Poderá êsse conjunto ser
localizado no corpo central, no pavimento superior. O alojamento das enfermeiras
e auxiliares será em seção anexa às enfermarias ou em quartos no andar térreo.
Se administrarem Irmãs ou religiosas seria conveniente destinar uma
acomodação mais ampla, em futuro, numa das alas de ampliação aos fundos da ala
posterior. Com as ampliações previstas, o hospital tomará as formas das letras: I, L,
U, Z, T, H, e E, podendo ser começado com 25 leitos e ir até 250 leitos apenas com
dois pavimentos.
O padrão permite ainda maior número de leitos. Em cada pavimento há
salas para, Estação de Enfermarias, Copas, Sala de curativos, Depósitos, etc.
Sendo o modêlo D.O.H. um padrão progressivo e flexível com dezenas de
plantas diversas, estudadas para todos os serviços hospitalares, administrativos e
clínicos, cada hospital será diferente, sendo entretanto o mesmo, maior ou menor.
É êste o nosso padrão.
Não é cópia, nem adaptação de qualquer modêlo.

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

CONSTRUÇÃO E
MODERNIZAÇÃO DA RÊDE
NACIONAL DE HOSPITAIS

Rio de Janeiro, 1944.
Reedição de 1965.

Capítulo

6

ENCERRANDO A SÉRIE
Esta é a sexta "Publicação" da série por nós preparada, e destinada a
mostrar um longo e minucioso programa, e a fim de orientar uma realização
sistemática da moderna organização e administração em nosso país, no presente e
para o próximo futuro.
Parece que podemos dar por terminada a nossa tarefa, e por satisfeita a
qualidade educativa e normativa desta publicidade.
A obra de conjunto editada, assim, por partes, em seis capítulos de cêrca de
cem páginas cada um, representa as etapas consecutivas das atividades, dia a dia,
ano por ano, da Divisão de Organização Hospitalar, a nosso cargo de 1941 a
1949, isto é, desde a criação dêste serviço.
A simples enunciação dos títulos destas publicações que foram distribuídas
a todos hospitais e serviços hospitalares do país, comprova a seqüência de um
plano e sua execução: 1 ­ História e evolução dos hospitais; 2 ­ Iniciação da
Moderna Organização Hospitalar; 3 ­ Especialização; 4 ­ Aperfeiçoamento
técnico na administração de hospitais; 5 ­ Conceitos básicos e planejamento da
assistência hospitalar e, por fim, 6 ­ Construção e modernização da rêde nacional
de hospitais.
As alocuções, os artigos, as lições, estatísticas e informes, notas e notícias,
publicados nesta série, revelam o mais nôvo conceito da sistematização ou da
padronização técnica hospitalar moderna, que visa o bem-estar, a economia e a
eficiência.
São, entretanto, apenas amostras do planejamento e do trabalho já longo,
múltiplo e complexo, levado a efeito com a mais ampla cooperação e com o
objetivo de coordenar e orientar os interêsses até então mal servidos ou não
cuidados dos hospitais gerais, particularmente das santas-casas, e, bem assim, os
esforços dispersos de seus provedores, diretor e administradores. em todo o
território nacional, e que são hoje os nossos melhores colaboradores.
A contribuição brasileira neste nôvo domínio da especialização já é
verdadeiramente notável, e formou "escola". Estamos na vanguarda, consoante a
opinião dos mais autorizados consultores e autores sôbre organização e
administração de hospitais.

382

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Uma nova consciência hospitalar se firmou entre nós e uma legião de
especialistas e de colaboradores simpatizantes já está lutando, nesta Capital e nos
Estados, contra os males da improvização e do autodidatismo, responsáveis pelos
erros de planos e plantas, e pela rotina e atrazo na administração dos nossos
hospitais.
Proclamamos, afinal, e estas nossas publicações o confirmam, que se acha
convenientemente traçado o plano da rêde nacional de hospitais. A sua execução
se processa com bom augúrio, embora em malhas largas, sendo já beneficiados
mais de uma centena de municípios com a cooperação técnica e auxílio financeiro
do Govêrno Federal, seja para construção de hospitais gerais, seja para
modernização e ampliação dos existentes. Afora as subvenções federais e auxílios
para construção e hospitalização de doentes mentais, de tuberculose e de lepra, e
maternidades.
O nosso plano desde o início não perdeu de vista as possibilidades
nacionais e embora em alguns pontos seja precursor ou original, via-de-regra
aproveitou estudos feitos em outros povos, inclusive a lição do êrro e nunca
traduzindo, mas adaptando.
Não se trata de um complexo teórico, como poderiam conceber ou exibir
arrivistas apressados ou alquimistas novos, usando e somando estatísticas alheias
e heterogêneas, multiplicando mapas e esquemas vistosos, com localizações
precisas e ousadas das novas instituições, de tipos diversos, embora não
estudados; sem o conhecimento especializado e a prática direta do terreno, tão
vário; sem o preparo prévio da formação dos técnicos, dos modelos e normas para
uma realização eficiente ou mesmo possível.
Um tal programa que pretendesse resolver, assim, literalmente, o problema
da assistência médico-hospitalar de um país vastíssimo como é o nosso, de uma só
vez ou mesmo em prazo certo, com previsão matemática, ficaria no papel, não se
executaria...
Concluindo, fazemos votos para que os Governos Federal, Estadual e
Municipal, as instituições particulares, a caridade e a filantropia, prestem
mùtuamente a necessária cooperação construtiva que êsse plano requer, e que os
serviços especializados, oficiais ou não, sejam dotados dos mais amplos recursos
técnicos e financeiros, em favor da adoção do hospital moderno e para o contrôle
indispensável, e execução continuada e constante da mais bem aparelhada e
orientada rêde nacional de hospitais que, desejamos e confiamos, há de ser, em
futuro, esta por nós planejada e já iniciada para todo o Brasil
T. A..

O NOVO HOSPITAL GERAL DE POÇOS DE CALDAS
O PLANEJAMENTO DE UM HOSPITAL: A IDÉIA; ESTUDO DAS
POSSIBILIDADES
E
SITUAÇÃO
LOCAL;
RECURSOS
E
APROVEITAMENTOS; PROGRAMA E PLANTAS EM COLABORAÇÃO;
COOPERAÇÃO NO FINANCIAMENTO; HOSPITAL-PADRÃO; HOSPITAL
REGIONAL;
PLANO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS;
DESCRIÇÃO DO NÔVO HOSPITAL (*)
Data propícia e promissora é esta em que se inaugura a pedra fundamental,
que confirma e decide a construção da nova sede da benemérita Santa Casa de
Misericórdia de Poços de Caldas.
Feliz coincidência a que, hoje, no dia de Natal, ­ alia dois comemorativos
diversos, oriundos, entretanto, de algum modo, da mesma fonte milenar de crença e
tradição; que assinala o rejuvenescimento de uma velha instituição de caridade,
impregnada que é, igualmente, do mais puro espírito cristão, no dia mesmo em que
se festeja, sempre nôvo, o santo natalício! Data excelsa, a mais estimada de nossos
sentimentos de católicos e de mineiros, e tão cheia das nossas mais afetivas
recordações!
A Assistência, e assim a caridade que cuida dos doentes, que ampara no
infortúnio e que atenua os sofrimentos, teve, com efeito, a sua origem há cèrca de
dois mil anos, com a criação das diaconias que foram as primeiras organizações
destinadas a dar a esmola e socorrer os pobres, os necessitados, e os enfermos.
Abrigavam e curavam, juntamente e indiferentemente, o peregrino e o
desamparado, o indigente e o deficiente físico, o velho e o doente.
Elos de uma longa e mesma cadeia na prática do bem, assim nasceram,
consecutivamente, a serviço da Caridade, o albergue, o abrigo, o asilo, a estância
de cura, o ambulatório, a enfermaria, e por fim o
__________________
(*)

Palavras proferidas pelo Dr. Theophilo de Almeida, Diretor da D.O.H.. no ato solene do início
da construção.

384

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

hospital, a mais nova das instituições médico-sociais e também a que mais se
desenvolveu e se aprimorou, maximé na era presente, sendo, destarte, a última
etapa desta evolução.
A velha assistência hospitalar, da iniciativa particular, de associação ou de
govêrno, cujos valores não devemos subestimar, cujos merecimentos sempre foram
exaltados no passado, evoluiu através o progresso das Ciências e das Artes até ao
seu conceito atual, técnico, objetivo, de organização e administração hospitalares
como especialidade nova, fiel à mais moderna orientação, e a uma sistematização
bem definida.
Índice dêsse progresso e dêsse aprimoramento, eis o que se convencionou
chamar o hospital-moderno. Êste é o hospital que se vai construir em Poços de
Caldas, aqui, neste sítio apropriado, a cavaleiro da cidade magnífica, cuja beleza e
beneficências são orgulho, não só de uma localidade ou de uma região, do
município ou do Estado, porque constituem como excelente fonte da saúde, um
privilégio da mais lídima riqueza de nossa terra comum, uma gema preciosíssima
de patrimônio nacional. Será um Hospital moderno; hospital geral, dispondo de
tôdas as facilidades para o diagnóstico e para o tratamento, e todo êle em benefício
do doente; para a observação e para o ensino; hospital para todos, a serviço da
comunidade. Servirá tão bem ao mais e ao menos afortunado, como ao desajustado
social e ao indigente, assegurando a todos a mesma enfermagem e o mesmo
tratamento médico, cirúrgico e de especialidades.
Hospital-modèlo, em que o doente constitui sempre o principal personagem,
porquanto èle, o doente, e só èle, representa o motivo e a finalidade máxima da
instituição. Hospital-Centro de saúde e Hospital centro-médico.
Será èste o hospital geral, que há de consagrar, o mais moderno princípio,
científico e humano, que nos ensina, que não deve haver medicina e cirurgia
diferentes, para o rico e para o pobre. Devido a suas excelências e à atração
centralizadora que exercerá, até nos municípios vizinhos, tornar-se-á, naturalmente,
o hospital-regional desta adiantada zona su1-mineira.
Hospital, antes de tudo, obra de cooperação e de solidariedade; criado e
mantido com a contribuição de particulares e dos governos; do município e da
região, do Estado e da União. Não deverá ser entretanto, uma instituição oficial.
Esta é, também, a unidade nosocomial típica, que planejamos e desejamos que se
há de construir e multiplicar em todos os rincões do Brasil, através dos tempos.
Bem haja a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia, já por todos os títulos
benemérita, que tem o patrocínio desta assás benéfica e corajosa iniciativa.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

385

De mais amplo significado se reveste ainda esta realização, quando se
considera que aqui, como em outros municípios e em vários Estados, estamos
ensaiando, assim de modo positivo e concreto, a exeqüibilidade do plano da rêde
nacional de hospitais, por nós estudada para todo o país.
Para cada caso se estabeleça um ajuste ou acôrdo tripartite: anualmente os
particulares e a instituição contribuirão com um têrço, do financiamento, no
mínimo; o Município e o Estado com outro têrço, e o Govêrno Federal concorrerá
com outra têrça parte para construção do nôvo hospital, afora o estudo gratuito das
plantas, de uma vez ou em quotas anuais que permitam o prosseguimento das
obras. Como exemplo, para o levantamento dèste hospital geral de Poços de
Caldas, a instituição já dispõe de fundo próprio de cêrca de seiscentos mil
cruzeiros; o Município e o Estado doaram o terreno, uma praça magnífica que vale
outro tanto e o que vai permitir a venda da atual sede e terrenos valiosos no centro
urbano, pertencentes à Irmandade.
O Govèrno da União já destinou, até 31 de dezembro de 1947, quinhentos e
dez mil cruzeiros para serem aplicados nesta construção. E continuará
contribuindo.
Como se vè, a situação é assás animadora neste primeiro ano, e promete que
maior se mostrará em 1948, e para o futuro, assegurando a realização desta
grandiosa iniciativa, que confia igualmente, tanto no interèsse da população, como
na contribuição dos governos.
Está tudo se processando segundo um plano técnico prèviamente
estabelecido pelos interessados e longamente estudado para êxito garantido.
Êste terreno, onde se vai erigir um dos mais importantes edifícios da cidade,
oferece aquelas virtudes requeridas para a conveniente localização de um hospital:
solo firme, aprazibilidade excepcional, clima saudável, ausência de vizinhança
incômoda ou prejudicial à Saúde, proximidade das rèdes gerais de instalações; em
sítio algo afastado, mas acessível; satisfazendo, além disto, os requisitos e as
virtudes urbanísticas de que esta cidade moderna tanto se ufana, e muito
justamente.
O planejamento obedeceu, com rigor, a regra hoje consagrada para o estudo
de um projeto de hospital, para o que é necessário, indispensável, o concurso de
três grupos, em colaboração, a saber:
a) consultores ou técnicos de organização hospitalar;
b) arquitetos e desenhistas;
c) médicos e interessados ou responsáveis pela construção.
O tipo do hospital adotado foi o hospital-padrão-progressivo-flexível,
ideado e criado por nós na Divisão de Organização Hospitalar do D.N.S., do
Ministério da Educação e Saúde.

386

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Trata-se de um modêlo que atende aos precalços e dificuldades de tais
edificações no interior do país, prevendo e provendo o seu desenvolvimento futuro.
Assim, dada a citada cooperação, as plantar da nova Santa Casa, que foram
elaboradas sob nossa orientação; pelos técnicos especializados oficiais, receberam
por três vèzes as sugestões dos médicos ligados à instituição aqui e constituem,
assim, a nosso ver, o trabalho mais completo por nós estudado até ao presente. A
capacidade do hospital está projetada para uma lotação de 150 a 170 leitos de
enfermarias e quartos particulares que poderá ser aumentada para 250 até 300
leitos, o que aliás já está previsto e esboçado no projeto.
Funcionará, entretanto, construindo-se apenas a metade com um mínimo de
70 a 80 leitos, usando-se tão sòmente os recursos referidos e já disponíveis no
momento. Esta é a grande vantagem, porquanto a obra, sôbre ser exequível, poderá
ser realizada por parte, o que representa ainda, a garantia de que funcionará,
certamente! Podemos e devemos confiar nesta realização.
Inicialmente, terá o hospital a forma arquitetônica de uma cruz cujos braços
serão as alas de enfermarias, sobrepostas em três pavimentos, formando a entrada
principal uma fachada imponente, voltada para a cidade, tendo como fundos a serra
e a floresta, e fechando, no alto, uma das avenidas principais do centro urbano.
Há ainda duas outras entradas: a de doentes e de serviço.
No meio do edifício se encontram os serviços e o hall de circulação,
dispondo de rampas suaves e de escadas, estando prevista a instalação de
elevadores, se fôr necessário, mais tarde.
No pavimento térreo, na frente, pela entrada principal se distribuem as
várias salas: Gabinete do Diretor-Administrador, Secretaria e Contabilidade, sala
de visitas, sala da biblioteca e sala de médicos, sala de enfermeiras e de assistentes
sociais, fichário central, componentes todos èsses serviços das Divisões:
Econômico-administrativas; da Admissão e Registos; da Enfermagem, do Serviço
Social e do Fichário Clínico.
Ainda nesse andar e nesse bloco, na ala direita do prédio, que será o
primeiro conjunto a funcionar, seguem-se cinco enfermarias com 32 leitos, tendo
dois leitos para isolamento, em cada ala, setor pertencente à Divisão das Clínicas.
Cada bloco de enfermarias dispõe de um pôsto ou estação de enfermeira, de
sala de utilidade, sala de estar para doentes e visitantes, copa, refeitório, sala de
curativos, pequena rouparia, e outras dependências, o que faz dêsses conjuntos
unidades de funcionamento autônomo, embora partes do mesmo todo.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

387

Do lado esquerdo, no mesmo pavimento, está o serviço de Ambulatórios,
que modernamente se denomina: Divisão ou Seção dos Doentes Externos, com
entrada própria, grande salão de espera e de triagem dos doentes, com seu pôsto de
enfermeira e fichário clínico, vários consultórios. A Divisão Auxiliar de
Diagnóstico e Tratamento, está anexa com a fisioterapia, radiologia ou eletricidade
médica, laboratório clínico e farmácia. Essas seções estão localizadas de permeio
para servir igualmente aos doentes externos e aos doentes internos. Aos fundos, no
sentido longitudinal, a Divisão ou o Serviço de Dietética, compreendendo
cozinhas, copas, refeitórios, câmaras frigoríficas, depósitos, etc. Em anexo, mas
independente, está a lavanderia mecânica, contigüidade indicada para
aproveitamento da mesma forte de vapor.
Primeiro Pavimento ­ Ainda fazendo parte das Divisões Clínicas e do
Corpo Clínico, à frente, se apresenta o bloco cirúrgico, com duas salas de
operação, salas para traumato-ortopedia e outras especialidades. Salas para
anestesia, para instrumental cirúrgico, para repouso de operados e para médicos e
enfermeiras. A disposição estudada do bloco cirúrgico, isolado, independente,
permite a instalação de ar condicionado, se fôr necessário, em futuro.
As alas correspondentes neste andar são dois outros grupos de enfermarias;
um igual ao já descrito e o outro, semelhante, destinado a crianças, que, além do
mais já referido para as enfermarias, dispõe de salas para recreação, que será
completada no jardim anexo. Ainda nesse bloco, à entrada, está o serviço principal
de Raio X, o mais completo.
Cada enfermaria, pequena, moderna, têm áreas para 4 a 6 camas ou seja
lotação total de 30 a 32 leitos. O bloco de enfermarias para crianças se divide em
metade para meninos e metade para meninas, separadamente.
No corpo central do prédio por traz do hall central, está a Maternidade, com
entrada independente pelo jardim, constando, inicialmente de 4 enfermarias e 3
quartos particulares, somando ao todo 22 leitos, incluindo o isolamento.
Ficou previsto que as parturientes contribuintes poderão ocupar os quartos
particulares do andar superior. Há no serviço de obstetrícia ambulatório próprio,
salas para trabalhos e para parto, para curativos, berçário, sala de estar, copas,
refeitório, rouparia, além de postos de enfermarias.
Nos fundos, sem qualquer comunicação com a maternidade, com saída para
outra rua, será erigida espaçosa Capela, com Velório anexo, com franca entrada
para o público, sala de autópsia, câmara frigorífica, etc.

388

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

No Pavimento Superior, correspondendo ao terceiro piso, na frente, haverá
galerias de vidro, que permitem assistir, de cima, as operações. Sala central de
esterilização. Salão nobre ou de reuniões e apartamentos de luxo.
Todo êsse andar é de quartos particulares, assim: para doentes de classe A
ou 1.ª classe são 9 quartos, com varandas próprias, ou sejam 17 leitos, inclusive
isolamento. Anexas, existem as mesmas salas dos serviços auxiliares: copas,
refeitório, postos de enfermeiras, salas de curativos, etc.
leitos.

Ala Esquerda ­ 9 quartos de classe B, sem varanda, correspondente a 18

No corpo central, 7 quartos, com 14 leitos particulares de classe B. Êste
número de quartos poderá ser aumentado. Há ainda leitos da classe C, que são os
de quartos particulares nas enfermarias, seis leitos em cada setor de enfermarias,
com três quartos C.
No hall dêsse andar, há um grande salão para convalescentes e para
visitantes, além das salas de estar de cada setor de quartos particulares.
Finalmente, aos fundos, a Clausura, a residência das religiosas, capaz de
abrigar até 17 irmãs, em dois dormitórios, além de um quarto isolado para a
superiora. Dispõe de tôdas as dependências necessárias e dos serviços auxiliares.
Está situada na parte mais alta do edifício. Uma escada particular serve sòmente à
Clausura, pondo-a em ligação diretamente com os andares inferiores e com a
Capela. A disposição do terreno ascendente torna ainda contíguas as dependências
da Clausura e Serviços.
Nos futuros blocos laterais, cujo projeto está esboçado, um maior número
de quartos particulares dará à instituição possibilidades de maiores rendas,
destinadas à manutenção da instituição, além de novas enfermarias para doentes
gratuitos, seção de doenças contagiosas agudas, etc.
O regime do pagamento por "doente-dia" previsto para indigentes a ser
custeado por parte da caridade e dos governos, constituirá novidade entre outras
primícias da moderna administração e a melhor garantia para a manutenção e para
uma maior e melhor assistência aos necessitados em o nôvo hospital geral. Os
saldos verificados das rendas de contribuintes serão aplicados em ampliação, na
melhoria do equipamento, e outros aprimoramentos.
A organização e funcionamento terão primores condizentes com êsse
padrão adiantado da construção do nôvo hospital, que de tal sorte, não

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

389

terá outro que o exceda tècnicamente, no presente, entre as instituições
nosocomiais-modêlo já existentes, quanto ao seu planejamento e programa.
Tal será o hospital-moderno que Poços de Caldas vai possuir.
Minhas senhoras e meus senhores:
Neste dia de tradições sentimentais, tão queridas aos nossos corações, como
lhes dizia, e nesta hora de exaltação e de entusiasmo por uma grande obra médicosocial, qual seja esta que ora se empreende com tão feliz augúrio, nós estamos
plantando, em terra fértil, uma árvore de Natal sui-generis, que não terá como as
outras, uma existência efêmera ou a duração gloriosa de uma só noite ou de alguns
dias, mas vicejarão perenemente, e florescerá, e frutificará séculos além: não viverá
a sua vida, embora esplêndida, fechada dentro do sublimado egoísmo de uma festa
em família, mas crescerá ao ar livre, franqueada a todos, sem restrição. E se
multiplicará em benefícios de valor inapreciável para tôda uma população ou para
várias populações, ao alcance de tôdas as mãos, como um homem comum!
Que as bençãos de Deus caiam sempre, como o orvalho vivificador, sôbre
esta que será, nestes altiplanos, já tão próximos do Céu, a mais frondosa, a mais
dadivosa e a mais acolhedora de tôdas as árvores de Natal."

O PAPEL DA ENFERMEIRA NA ORGANIZAÇÃO E
ADMINISTRAÇÃO HOSPITALARES
Pelo Dr. Theophilo de Almeida (*)
Considerado o hospital como um departamento ou como organismo, a
Enfermagem representa uma das suas principais divisões, como órgão, que é, de
interèsse vital no funcionamento da instituição.
Na estruturação do hospital moderno, consoante a classificação por nós
estudada e publicada, consideramos o todo dividido em dez partes ou divisões, a
que outros denominam departamentos. No Brasil, na sistematização
administrativa, já hoje consagrada oficialmente no domínio federal, preferimos as
designações de departamento, divisão, seção ou serviço para significarem:
departamento ­ o todo, e divisões as partes componentes; e os setores ou
subdivisões, na gradação decrescente, são seções e serviços.
A Enfermagem constitui a nona Divisão do nosso Hospital ­ padrão
máximo, sendo a décima, a Divisão dos Doentes externos, comumente designada
Ambulatórios. Assim, se distribuem as demais: a primeira, a Divisão EconômicoAdministrativa; a segunda, Divisão Auxiliar dos Serviços de Administração; a
terceira, a Divisão da Dietética; quarta, Divisão da Admissão e Registos; quinta,
Divisão do Serviço Social; sexta. Divisão do Fichário Clínico; sétima, Divisão das
Clínicas e Corpo Médico; e oitava, Divisão Auxiliar do Diagnóstico e Terapêutica.
Êsses elementos formam o conjunto completo do hospital máximo do padrão que
se convencionou chamar hospital moderno.
Esta classificação é adotada no serviço federal a nosso cargo, ao qual
compete a coordenação, a orientação, a cooperação e contrôle, enfim, a
organização das instituições médico-sociais do país, a Divisão de Organização
Hospitalar, um dos órgãos técnicos-normativos do Departamento
__________________
(*)

Tese: apresentada no 2° Congresso Nacional de Enfermagem, reunido no Rio de Janeiro, de 18 a
24 de Julho de 1948.

392

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Nacional de Saúde. Esta é, também, a sistematização seguida no programa do
Curso de Organização e Administração Hospitalares do mesmo Departamento e
Ministério, que realizamos anualmente.
Colocada entre os últimos lugares na série das divisões referidas e estimada
entre as primeiras, logo a seguir às clínicas, corpo médico, diagnóstico e
tratamento, a Divisão da Enfermagem, segundo o nosso conceito, compreende três
seções a saber: a) Enfermagem técnica; b) o Ensino da Enfermagem; c) Serviços
Auxiliares da Enfermagem. A execução dêsses serviços especializados, que
integram a D.E., abrange encargos de denominações as mais várias, como sejam:
Diretora ou Chefe da Divisão, Supervisora da Enfermagem; Enfermeira-Chefe;
Enfermeira especializada; Diretora da Escola de Enfermagem; Professôra,
Instrutora, Monitora, Estudante ou Aluna de Enfermagem; Auxiliar de Enfermeira.
Nesta terminologia hospitalar, reconhecida oficialmente, diz-se Enfermeira
sòmente a do tipo-padrão, a diplomada pela Escola Ana Neri ou das da mesma
classe ou equipamentos.
As atribuições das diversas atividades citadas se acham, igualmente, bem
definidas e qualificadas na classificação por nós estudada.
É tal a importância da Escola de Enfermeiras e da Enfermagem técnica na
organização hospitalar, sendo uma das dez divisões do Hospital Máximo, que não
hesitamos em declarar que a Enfermeira Diplomada, tanto quanto o Médico,
representa o elemento primacial, indispensável entre os requisitos mínimos do
minimum standard para funcionamento do hospital moderno.
Dentro dêstes conceitos, ainda se verifica a identidade entre organização
hospitalares, que constituem, hoje, obra de cooperação técnica e sistematização já
definida, de uma nova especialidade.
Modernamente, Diretor ou Superintendente são sinônimos de
Administrador, e representam um mister comum, que pode ser exercido por
médico, enfermeira ou outro profissional, Religiosas ou leigos, desde que
especializados.
A supervisão ou a gerência de um nosocômio, como deve ser, inclui,
necessàriamente a cooperação da Enfermeira, vigilante e ativa, a quem está
reservada a função não só de assistir, e o mais de perto, o doente, que é o principal
objetivo e a própria razão de existir do hospital, como ainda lhe cabe contribuir
para a maior eficiência da Organização-Administração hospitalares. Seria
deficiente essa cooperação, se não fôra obra comum da convergência de tantas e
tão diversas atividades, visando tôdas o bem estar, o alívio, e a cura do doente;
através um regular ou perfeito funcionamento do hospital, favorecendo o ensino e
o progresso da medicina e da cirurgia.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

393

Embora a estatística ainda não concorde, a Enfermagem foi, é e será uma
profissão nìmiamente hospitalar. Nasceu com o abrigo, com o hospício, no
ambulatório e nas enfermarias isoladas, e, por fim, no hospital, como assistência
religiosa ou sentimental, e evoluiu com a especialização profissional, ao lado da
profissão médica, e servindo as várias especialidades médicas e cirúrgicas. À
medida que progride e se multiplica, como instituição autônoma, o hospital
moderno, o hospital para todos, o hospital da comunidade, oficina apropriada para
o exercício pleno das clínicas e para a cura e maior confôrto dos doentes, e de
tôdas as classes sociais, a Enfermeira cada vez mais servirá o hospital na
enfermagem e, também, de algum modo, na administração, com acêrto e eficiência,
como a experiência vem demonstrando.
A Associação Americana de Enfermeiras publicou em fins de 1940 dados
que aqui vamos reproduzir, e de propósito preferimos esta estatística quando
dispomos de outras mais recentes, justamente por ser de antes da entrada dos
Estados Unidos na segunda Guerra Mundial, uma vez que, como se sabe, a
mobilização militar e o envio de militares de médicos e enfermeiras para os vários
campos de luta dispensaram, alteraram ou transformaram sensìvelmente a modelar
organização de paz médico-hospitalar da Norte América, que ainda não está refeita
totalmente no momento. Contava a Associação com 167.201 associadas,
(Enfermeiras diplomadas) das quais 45% exerciam atividades nas clínicas e
serviços particulares; 38% em hospitais e instituições para-hospitalares; apenas 9%
em Saúde Pública; em outros misteres condizentes com a Enfermagem técnica
3,6% e, finalmente, não exerciam a profissão 4% apenas.
Em um folheto publicado nos Estados Unidos em 1943, citado pela Sra.
Clara Curtis, em 1944, verifica-se que 120.000 Enfermeiras responderam um
inquérito referente às suas ocupações e, aproximadamente, 45,6% trabalhavam em
hospitais e instituições afins; 10% em Saúde Pública, 6,1% em Enfermagem
industrial; 26,1% em Enfermagem privada; 12,2% em outros serviços.
Considerando apenas o número de enfermeiras com atividades em Hospitais
e em Saúde Pública, se conclui que êsses dois campos atraem mais da metade do
número das enfermeiras diplomadas, embora em evidente disparidade, entre si.
No Brasil, como a Escola de Enfermagem-Padrão, teve origem na Saúde
Pública, graças à previsão, à previdência e ao patriotismo de Carlos Chagas, o
grande sanitarista, (nome que nunca será demais referir com saudade e homenagem
especial) ainda prevaleceu, por alguns anos, a preferência das nossas diplomadas
pelos serviços sanitários, federal e estadual.

394

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Ora, a tendência no momento, seja na Inglaterra, seja nos Estados Unidos,
aconselha e prevê a centralização no hospital, da medicina curativa e da medicina
preventiva, e assim da assistência sanitária. Já em 1943 defendemos êsse ponto de
vista, estudando com D.O.S. o hospital-centro de saúde, que foi publicado em
1944 no Relatório do Diretor Geral do D.N.S. O hospital reunirá, desta maneira,
em futuro, a grande maioria das Enfermeiras ou a sua quase totalidade. Precisamos,
portanto, de enfermeiras técnicas ou diplomadas de alto padrão em nossos
hospitais, o que significa, necessàriamente, que precisamos de preparar um grande
número de Enfermeiras. É êste um problema essencial para a organização
hospitalar em nosso país.
Existem, funcionando, no momento, aprovadas pelo Govêrno Federal
apenas onze Escolas de Enfermagem de alto padrão, a saber: "Escola Ana Nery",
"Escola Luiza de Marilac", "E. da Cruz Vermelha Brasileiras", tôdas nesta Capital;
"Escola do Hospital de S. Paulo", "Escola de Enfermagem de S. Paulo", "Escola de
Enfermagem S. Francisco de Assis", no Estado de S. Paulo; "Escola de
Enfermagem do Estado do Rio", no Estado do Rio de Janeiro; "Escola de
Enfermagem Carlos Chagas", em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerias; "Escola
de Enfermagem S. Vicente", "Escola de Enfermagem Florence Nightingale", no
Estado de Goiás; "Escola de Enfermagem S. Vicente de Paulo", no Estado do
Ceará.
A serem reconhecidas de alto padrão enumeramos as seguintes: "Escola
Alfredo Pinto", no Distrito Federal, "Escola Magalhães Barata", no Pará; "Escola
Medalha Milagrosa" e "Escola de Enfermagem de Pernambuco", Recife, ambas em
Pernambuco; "Escola de Enfermeiras da Bahia", "Escola de Minas Gerais";
"Escola Profissional de Enfermeiras do Hospital S. Pedro", "Escola S. Luiz",
"Escola de Enfermagem S. Francisco de Assis", tôdas no Rio Grande do Sul;
"Escola de Enfermagem Rio Verde", "Escola Uberaba", ambas no Estado de Goiás;
"Escola Rachel H. Lobo", no Distrito Federal, e "Escola de Enfermeiras S.
Francisco de Assis", no Maranhão.
Até 1948 existem 1.321 Enfermeiras Diplomadas pelas ditas Escolas de alto
padrão, tendo sido a primeira turma, em 1925, diplomadas pela "Escola Ana Nery",
a mais antiga e modêlo de alto padrão.
Urge criar e multiplicar Escolas de Enfermagem, por iniciativa particular
junto de nossos hospitais, sobretudo nas capitais e nas cidades mais populosas,
acima de 100.000 habitantes para que, também entre nós, as Enfermeiras
Diplomadas, especializadas ou não, religiosas ou leigas, preencham os claros
existentes em nossos hospitais, e não só para orientar e prestar serviços de
enfermagem técnica, como também para cooperarem na administração hospitalar,
facilitando-se à Enfermeira o exercício das funções de Diretor ou Administrador
das instituições nosocomiais, sobretudo no interior do país.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

395

Para favorecer essa utilização, cumpre promover a difusão dos Cursos de
Organização de Administração Hospitalares, abrindo novas oportunidades ou
franca permissão para que as Enfermeiras Diplomadas possam se matricular e fazer
tais cursos.
Cada hospital no Brasil deve ter no mínimo uma Enfermeira diplomada,
tipo padrão, pois só assim poderemos instituir e organizar, em todos os Estados e
Territórios, a prática da boa enfermagem.
A enfermeira, pioneira da arte divina e da técnica moderna da assistência
direta ao doente, colaboradora indispensável do Médico na Arte de Curar, que
consola, que alivia e que também cura, seja a diplomada leiga, seja religiosa,
constitui elemento indispensável, que virá iluminar e clariar, com a sua lâmpada
simbólica, a alvorada já longamente indecisa da Enfermagem técnica entre nós,
fazendo raiar um nôvo dia, na jornada das realizações do nosso progresso
hospitalar.
As enfermeiras, competentes e dedicadas, distribuídas por todos os rincões
do território nacional, contribuirão, destarte, decisivamente, para apressar a
evolução da moderna organização e administração hospitalares no Brasil, a serviço
dos "hospital moderno".
CONCLUSÕES
1 ­ É urgente a cooperação de Governos e instituições particulares no
sentido de criar novas Escolas de Enfermagem, de tipo padrão, junto aos hospitais
de mais de 100 leitos, nas capitais e principais cidades do país, com a garantia de
um completo aparelhamento, e recursos necessários para manutenção e regular
funcionamento.
2 ­ É mister incluir ou ampliar no curriculum do ensino da Enfermagem,
como disciplina obrigatória, a matéria referente à nova especialidade que é
"Organização e Administração Hospitalares", a cargo de Consultores Hospitalares
diplomados.
3 ­ Que um curso especial sobre "Organização e Administração
Hospitalares" seja instituído exclusivamente para enfermeiras diplomadas e que
êsse curso seja mantido e realizado anualmente pelo D.N.S., Ministério da
Educação e Saúde ou com sua cooperação.
4 ­ Com o fim de apressar o progresso médico-hospitalar e tornar vencedor
entre nós o conceito do Hospital Moderno deverá ser exigido, no mínimo, em cada
hospital uma enfermeira diplomada, que além da sua atividade profissional
exercerá, com vantagem, funções de direção e administração do hospital,
particularmente no interior do país.

ORGANIZAÇÃO MÉDICO-HOSPITALAR DAS
ESTÂNCIAS HIDRO-MINERAIS (*)
A despretenciosa contribuição que tenho o grato ensêjo e a subida honra de
vir apresentar a êste convênio de doutos e dos mais consagrados especialistas entre
os que, entre nós versam tais assuntos, não se arrima em credenciais outras que não
seja o sincero empenho de corresponder a um convite oficial, sobremodo
atencioso.
Aproveito também esta oportunidade magnífica para trazer uma
colaboração, igualmente oportuna, sôbre o aparelhamento médico-hospitalar das
estâncias.
Atendo ainda, de algum modo, a um pendor antigo, conhecido de muitos
dos aqui presentes e que de tempos em tempos, me faz voltar a estas incursões nos
domínios da Crenologia movido por uma patriótica devoção de Médico, que nunca
foi ou pretendeu ser profissional nessa especialidade, e de mineiro, que quer apenas
o aprestamento de nossas milagreiras fontes de saúde, da mais lídima das nossas
riquezas, para o uso e benefício de todos os brasileiros, de Norte a Sul.
Desta vez, por dever de ofício, acresce-me a obrigação como chefe de um
serviço federal de vir aqui tratar, em público, sôbre o problema da organização
hospitalar, particularmente no que concerne às estâncias hidro-minerais.
Com efeito o regimento que regula as atividades do Departamento Nacional
de Saúde, no seu artigo 16, no capítulo referente à organização e administração
hospitalares, estabelece que normas e padrões sejam estudados para instalação,
organização e funcionamento de vários serviços técnicos e administrativos de
hospitais em geral, de diversos tipos, casas de saúde ou outras unidades de
assistência, inclusive estabelecimentos de convalescença e repouso, colônias de
férias e estâncias climáticas e hidro-minerais.
__________________
(*)
Durante o Congresso das Estâncias Hidro-Minerais, realizado em Poços de Caldas, o Dr.
Theophilo de Almeida, Diretor da D.O.H., do Departamento Nacional de Saúde, apresentou a
seguinte tese que foi unânimamente aprovada, havendo vários congressistas se manifestado com
as mais elogiosas referências.

398

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O mais moderno conceito sôbre a assistência médico-social consagra essa
filiação, justa e razoável, das estâncias de cura por nós classificadas como
instituições para-hospitalares, ao lado das clínicas, policlínicas, dispensários,
ambulatórios, etc. assemelhados ao hospital pela sua finalidade comum, embora se
distinga do grupo hospitalar, o qual compreende os hospitais pròpriamente gerais e
especializados.
Como instituição médico-social, para-hospitalar, as estâncias pertencem,
necessàriamente, ao domínio da saúde, seja como medicina curativa ou medicina
preventiva, porquanto as fontes de águas virtuosas e todos os seus aprimoramentos
se destinam, necessàriamente, ao tratamento de doentes e bem assim, aos cuidados
e benefícios da saúde, sob orientação médica.
Não se justifica a mínima deturpação dessa finalidade indiscutível, que
ninguém nega, que a história registra através dos séculos e que a ciência, na sua
evolução mais moderna, confirma e encarece, cada dia mais.
A Geologia prevendo e fazendo aflorar a linfa preciosa, a Química e a
Física analisando e controlando, prestam a sua colaboração valiosíssima à
Medicina para êsse desideratum único que é ação curativa das águas e dos climas;
do mesmo modo que a Botânica e ainda a Física e a Química descobrem, preparam
e beneficiam os medicamentos, pondo-os, a critério médico, exclusivamente para
fins terapêuticos.
As estâncias hidro-minerais são e devem ser, essencialmente, institutos
médicos. O turismo, as diversões, os derivativos, recursos econômicos mais ou
menos lícitos, outros que não sejam tirados das mesmas fontes e de sua própria
renda, constituem meios acessórios, e não a finalidade, nem com esta se
confundem.
Se crise ou penúria existem, em alguma parte, ameaçando o hidroclimatismo, o remédio será um só: rehabilitar as estâncias de cura, promover o seu
progresso médico-científico, incentivar a observação e os registros clínicos,
aparelhar, enfim, pela multiplicação das curas e dos benefícios de saúde resultará a
confiança do público, o bom crédito, a restituição total dèsse prestígio
incomparável, que atravessou as eras, das antigas às mais modernas, que
sobreviveu ao empirismo, venceu com a prática e a pesquisa científica, e chegou
até nossos dias, como último elo de uma longa cadeia evolutiva, sob a feição de
uma nova especialidade médica, hoje consagrada, que é a Crenologia.
Algumas rápidas referências históricas atestam èsse prestígio e essa
evolução.
Os primitivos povos que habitavam na Europa Central, entre èles os
germanos, e igualmente os celtas, que precedem os gauleses em

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

399

terras da França, conta-nos o historiador Dr. Paulo Diepgen, concediam acentuada
preferência ao uso medicinal das águas minerais e termais, cujo valor curativo era
de tal modo positivo que atribuiam os benefícios salutares à benevolência de algum
de seus deuses.
Sob a mística religiosa, à maneira dos templos pagãos em princípio,
evoluiram e depois se transformaram essas mesmas fontes sagradas, ao influxo das
ciências médicas, e são elas hoje dos mais acreditados balneários modernos, como
sejam Wiesbaden, Baden-Baden e outros.
De acôrdo com a tradição as fontes termais eram usadas pelos índios norteamericanos muito antes da vinda dos espanhóis. Conta-se que na região que
corresponde ao atual Estado de Arkansas várias tribus disputavam, de tempos em
tempos, em lutas porfiadas o contrôle das "Hot Springs", que em número de mais
de quarenta, são exploradas naquele Estado.
Acreditavam os índios existir um "espírito superior" sempre presente
naquelas águas quentes e que dispensava o favor da saúde aos que procuravam
aquêle recurso milagroso.
Diz ainda a lenda que, antes da posse dêsses tesouros pelo homem branco,
em 1800, já os aborígens se congraçaram para que o uso das fontes fôsse partilhado
pelos doentes de tôdas as tribus.
Na Idade Média, refere o mesmo autor, uma das mais freqüentes prescrições
dos físicos e práticos era o banho.
As pessoas sadias procuravam os balneários pelo prazer do asseio ou para o
uso das águas minerais; enquanto que os médicos recomendavam ou enviavam os
seus doentes às fontes hidro-minerais e termais, porque confiavam nos efeitos
terapêuticos das águas medicinais.
Os próprios médicos da Côrte se exercitaram nesses conhecimentos
especializados, e encaminhavam, com freqüência, as mais altas personagens a êsse
tratamento, com prescrições minuciosas a propósito da viagem e da cura pelos
banhos quentes e das águas minerais.
Esta citação nos faz lembrar as viagens longas em viaturas primitivas,
varando florestas, galgando a Mantiqueira em caminhos ásperos, que afrontava o
nosso Imperador e seus séquitos, em época mais recente, se pagando o monarca e
sua família imperial e a gente da Côrte dêsse sacrifício e desconfôrto com alguns
dias de demora nas estâncias hidro-minerais climáticas do Sul de Minas, onde, à
míngua do aparelhamento e dos progressos urbanísticos que hoje têm, êles se
contentavam, exclusivamente, com os reais benefícios de saúde, que lhes
ofereciam aquelas águas virtuosas.

400

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

ESTÂNCIA DE CURA
Centro Médico ­ Neste conclave de notáveis especialistas diante dessa
tradição milenar a que vimos aludir parecerá ocioso que se pretenda insistir no
pregão das virtudes e vantagens medicinais "das águas, do ar e do sol", e das
estâncias de cura.
Fôrça é confessar, entretanto, que se faz mister rehabilitar o prestígio
médico junto às fontes de saúde; cumpre recuperar para a medicina as estâncias de
cura. Só a ciência e a prática médicas poderão orientar e convencer a opinião
pública neste sentido.
Em conclusão desta exposição, no estado atual dos nossos conhecimentos,
devemos repetir com o Professor Pech, da Universidade de Montpellier, que
sòmente a observação clínica nos ensina quais as indicações e contra-indicações do
complexo da cura hidro-mineral-climática em cada estância, e ninguém melhor o
dirá do que o médico local, de longo estágio, estudioso e observador.
Várias tentativas se têm registrado com o fim de criar por lei, entre nós, uma
sistematização, uma padronização, enfim, a organização médico-científica das
estâncias.
Por várias vêzes tive o prazer de colaborar nesse tentâmen.
Pouco se tem conseguido, entretanto. Tudo nos leva a crer que o momento é
azado; que novos horizontes claros e promissores se abrem. Éste Congresso
oferece o ensêjo mais oportuno.
Considero um grande passo para essa realização a autonomia da Prefeitura
política e da Prefeitura médica, independentes, embora concorrentes nas iniciativas
e nas contribuições para o progresso local, tanto da cidade e do município, como da
estância, pròpriamente.
A criação de órgãos puramente científicos, como Institutos de Crenologia e
de um conselho de prefeitos políticos para orientar o progresso das estâncias,
representaram pontos de vista antípodas e extremados, e não vingaram por isso
mesmo...
O senso médio das coisas ainda aqui se revela como a virtude medianeira; e
èste se apresenta no conceito moderno do Centro Médico, do Instituto de Saúde, da
Instituição Médico-Social, denominações diversas que expressam a necessidade de
atender conjuntamente, com uma orientação uniforme e de cooperação, o
complexo assistencial que é a estância; em que se completam tôdas as atividades
médicas desde o serviço de contrôle creno-terápico, até à assistência médica,
sanitária e hospitalar.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

401

O plano aqui propôsto considera a estância hidro-mineral como um
departamento, a que servem várias divisões com autonomia técnica, como
assistências cooperadoras e interdependentes, compreendendo uma série de
atividades conseqüentes, a começar pelo censo geral das estâncias para um
classificação conveniente, à base de uma Ficha ou Questionário.
ÓRGÃOS MÉDIDO-TÉCNICOS (1)
1 ­ Sede da estância e fontes ­ Compreende edificações, instalações,
equipamento e administração ­ Laboratório de contrôle das fontes ­ Consultórios
médicos ­ Fichário Central médico-clínico (registro geral dos doentes e aquistas ­
Observações) ­ Balneário e salas de tratamento ­ Laboratório clínico, Raios X ­
Clínica: quarto e salas de repouso. Outras dependências inclusive industrialização
dos produtos das fontes.
2 ­ Centro ou Pôsto de Saúde Pública ­ Em prédio isolado ou anexo ao
hospital.
3 ­ Hospital-geral ou regional ­ Tipo padrão progressivo e flexível, por nós
estudado servindo ao mesmo tempo à população local e população vizinha, a
veranistas e aquáticos, instituição tipo misto. Santa Casa de Saúde.
O plano dêsse hospital permite a construção por etapa: Os serviços gerais,
médicos e administrativo, localizados no corpo central, e as clínicas ou enfermarias
nas alas.
Essa disposição em monobloco, horizontal ou vertical, que toma formas
diversas, que lembram as letras I, T, E, F, H, h, U e outras, facilita a incorporação,
no hospital-geral, dos vários serviços clínicos, podendo ter entrada independente
embora sempre ligados ao corpo central do prédio onde estão os ditos serviços
gerais.
Êsse hospital prestará a mais estreita cooperação aos serviços cronológicos
e sanitários, e vice-versa.
As seções de doenças contagiosas, por exemplo, os ambulatórios, os
laboratórios de Raios X e demais elementos indispensáveis ao diagnóstico e
tratamento, inclusive a cirurgia e maternidade, tudo poderá ser de parceria, tanto
para medicina curativa como preventiva, inclusive a assistência médica e tanto será
útil à população como à Estância. O projeto do hospital-padrão-progressivo será
sempre diferente, atendendo às condições locais, e embora sendo os mesmos
modelos, adaptá__________________
(1) Vide modêlo criado pela D.O.H.

402

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

veis, poderá começar com 25 ou 64 leitos e atingir, pelos acréscimos previstos e
estudados antecipadamente, até a 250 leitos ou mais.
Estudamos já cêrca de trinta blocos e modelos diversos, cuja finalidade é
facilitar o trabalho do arquiteto e construção por etapa. As medidas são
sistemáticas em múltiplos e submúltiplos, visando a economia.
Tudo padronizado tanto quanto possível.
O hospital será de preferência instituição de finalidade não lucrativa ou
filantrópica, não oficial. Hospital da comunidade, hospital para todos, para
contribuintes e gratuitos. Será um "hospital-moderno" ­ o mais completo possível,
dirigido por um Conselho ou Mesa Administrativa e por um diretor que tenha
curso de Organização Hospitalar, oficial ou reconhecido.
A situação atual ­ Assistência hospitalar nas estâncias hidro-minerais é
assás modesta. Não convém detalhar.
Há a tradicional Santa Casa, onde existe hospital, imprópria para receber
doentes contribuintes do nível social dos que freqüentam as estâncias. Convidamse nacionais e estrangeiros a visitar e estagiar nas estâncias, assim há que lhes dar
garantia de assistência na doença. Milhares e milhares de pessoas que anualmente
procuram as estâncias em busca de tratamento e repouso e a começar pelo mais
alto magistrado da nação, se acham, muita vez sem o saber, em certas estâncias
inteiramente desprotegidos quanto a um internamento conveniente ou a uma
intervenção cirúrgica de emergência. Faltam os recursos apropriados que permitam
o exercício conveniente da medicina e da cirurgia.
O serviço federal de organização hospitalar do Ministério da Educação e
Saúde, que tenho a honra de dirigir há mais de um lustro, desde que foi criado, está
cogitando e se interessa particularmente pelo problema da assistência médicohospitalar nas estâncias à vista dessa situação e deficiência.
São elaboradas e fornecidas pelo Serviço as plantas, e o govêrno federal já
consigna auxílios, por iniciativa do serviço, para construção dèsse tipo de hospitalpadrão-progressivo, em Poços de Caldas e em São Lourenço, na base de um ajuste
prévio com uma instituição hospitalar existente via de regra, a Santa Casa local, e
sendo solicitada a cooperação dos governos estadual e municipal. Há interêsse no
momento em outras estâncias para essa construção em cooperação: Cambuquira,
Nova Friburgo, Teresópolis e outras.
O acôrdo tripartite estabelece que a instituição e particulares concorram
anualmente com um têrço para a construção correspondendo a um têrço por parte
da União; sendo outra têrça parte solicitada ao Estado e ao Município. É, como se
vê, o "hospital de cooperação", desde o início. Maior ou menor, tôdas as estâncias
devem ter o seu hospital tipo padrão-progressivo flexível.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

403

4 ­ Pôsto de observação meteorológica ­ Excusado é encarecer a
importância dêsse aparelhamento, em clima de altitude e em estância de cura,
qualquer que seja, depois dos trabalhos notáveis já realizados que demonstram a
influência do clima em benefício da saúde e também das mutações atmosféricas
sôbre certos doentes e certas doenças, definindo impropriedade e malefícios. São
êstes os órgãos principais para o aparelhamento médico-técnico dêsse nôvo tipo de
Centro Médico, que é a estância de cura. Esta é a proposta do plano de uma
organização médico-hospitalar que submeto à apreciação do Congresso das
Estâncias de Poços de Caldas e que, parece, atenderá os requisitos de um padrão
nôvo, moderno e o mais avançado e o mais completo, à altura do valor e da grande
estima que desfrutam as nossas excelentes estâncias hidro-minerais e climáticas
igualmente.
Se realizarmos êste passo, aprimorando e completando o aparelhamento
modelar que já temos em certas estâncias, e que deve estender-se a tôdas,
colocaremos o Brasil no primeiro plano, o mais avançado, não só nas Américas,
como em todo o mundo, quanto à organização ou assistência hidro-mineral-termal
e climática.
CONCLUSÕES
1 ­ A tradição milenar e os progressos médio-científicos confirmam o
conceito de que a estância hidro-mineral e climática, pela sua finalidade, pertence
necessàriamente, ao domínio da saúde, seja como medicina curativa, seja como
medicina preventiva.
2 ­ As Estâncias de Cura, consideradas instituição médica, como parte da
assistência médico-social, são classificadas como Instituto Para-Hospitalar, ao
lado das policlínicas e clínicas especializadas, dispensários e ambulatórios e,
devido a essa mesma afinidade, podem ser assemelhadas às entidades do grupo
hospitalar.
3 ­ Os serviços e instalações das estâncias, tanto gerais e locais devem ter
organização autônoma, sob orientação médica, com relação à administração e
política municipal, embora dando e recebendo tôda cooperação possível.
4 ­ As estâncias de cura hidro-minerais climáticas, proporcionando um
complexo terapêutico característico, devem ser organizadas com o Centro Médico,
obedecendo a administração e atividades técnico-cronológicas e compreendendo
ainda assistência médico-hospitalar e assistência sanitária.

404

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

5 ­ A boa organização hidro-climática exige sejam, anualmente, levantados
o cadastro e censo das estâncias por inspetores especializados à base de uma ficha
e de instruções especiais.
6 ­ Como padrão-mínimo, as estâncias de cura deverão dispor de quatro
órgãos diversos, harmônicos e cooperadores, indispensáveis à sua consagrada
finalidade de saúde, a saber:
a) Serviço das fontes e sede da estância ­ Edificações, Instalações,
Equipamentos, Administração, Diretor geral médico, Registro geral dos
doentes e aquistas, Fichário Médico Central.
b) Hospital geral ­ Tipo padrão progressivo-flexível. Hospital moderno
completo, para serviço da população do município e da região, para
aquistas e veranistas. Será Hospital da Comunidade não oficial para
doentes gratuitos e para contribuintes.
c) O Centro ou Pôsto de Saúde Pública ­ Embora conservada sua
autonomia em prédio isolado ou anexo ao Hospital geral.
d) Pôsto de observação metereológica ­ Com o objetivo da assistência à
saúde.

SEXTO CURSO ANUAL DE ORGANIZAÇÃO E
ADMINISTRAÇÃO HOSPITALARES
Sob a presidência do Sr. Ministro Clemente Mariani, realizou-se no dia 13
de dezembro de 1948, às 20 horas, no auditório do Ministério da Educação e
Saúde, a cerimônia de entrega de certificados aos alunos médicos que concluíram
o Curso de Organização e Administração Hospitalares, criado pelo Departamento
Nacional de Saúde.
Foi paraninfo, o Prof. Dr. Theophilo de Almeida (*), tendo sido
homenageado especial o Sr. Dr. Jorge Saldanha Bandeira de Melo e
homenageados, ainda, os Professôres Drs. Alcides Figueiredo da Silva Jardim,
Alfredo Jorge Guimarães Ferreira, Armando Pêgo de Amorim, Ari de Castro
Fernandes, Lincoln de Freitas Filho e Aquiles Ribeiro de Araujo, sendo o orador
da turma Dr. Guilherme Romano.
Naquela oportunidade, o Dr. Theophilo de Almeida, pronunciou o seguinte
discurso:
"Reveste-se de significação especial a cerimônia congratulatória da entrega
dos certificados dêste Curso Anual de Organização e Administração Hospitalares
do Departamento Nacional de Saúde.
É que pela vossa iniciativa e espontânea deliberação, prezadíssimos amigos
da turma de 1948, o ato simples, de caráter familiar da distribuição do nôvo título
profissional, toma uma expressão nova, solene e festiva, com o alto patrocínio da
maior autoridade dêste Ministério, com a presença de personalidades
representativas e distintas pessoas, que aqui vieram participar do nosso júbilo
comum e das justas homenagens que todos vos prestamos.
De início, quero agradecer a generosidade, que nunca esquecerei, com que
me elegestes paraninfo desta festividade, honra insigne que me dá ensejo de
conversar, ainda por alguns minutos mais, êsses assuntos que mereceram, como é
de nosso testemunho, a vossa crescente simpatia e, agora a vossa mais interessada
estima.
__________________
(*) O discurso do Dr. Theofhilo de Almeida foi publicado no "Jornal do Comércio", do Rio de Janeiro
em 17-12-48.

406

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

Êsse propósito e êste aparato, antes de mais nada, traduzem um atencioso
acatamento e grande aprêço, com que ora se consagra, de maneira definitiva, o
valor e a utilidade dêsses cursos, sôbre ser o reconhecimento, de público, dos
esforços conjugados e dedicação de todos que cooperaram para êsse faustoso êxito
e que procuraram disseminar, em nosso vasto Brasil, as idéias novas sôbre o velho
e renovado mistér do amparo e do tratamento aos doentes, e particularmente da
assistência hospitalar.
Mais ainda, e principalmente, representa êste auspicioso ato comemorativo,
o apoio patriótico que trinta e oito médicos, procedentes de todos os quadrantes do
território nacional prestam à campanha da organização hospitalar em que estamos
empenhados para a solução dos problemas da assistência médico-social no país.
Êste Curso, em que se estuda e se pratica a mais moderna especialidade dos
domínios para-médicos, e que forma Consultores ou Inspetores hospitalares, e
Diretores de Hospitais, não é, certamente, daquêles em que se exercitam
ensinamentos de natureza abstrata, ditos de ilustração, sem uma finalidade precisa;
pelo contrário, visa todo êle, o conhecimento de uma sistemática de utilidade
imediata, indispensável, para conseguir o progresso médico-hospitalar, tanto de
uma instituição, como de uma comunidade ou de um povo.
Verificastes, dia a dia, estimados colegas, que a moderna organização
hospitalar, e assim a nova técnica da administração dos hospitais, têm o seu
fundamento e seus objetivos, exclusivamente, numa melhor economia e numa
maior eficiência dos serviços de assistência.
Já realizou a Diretoria dos Cursos do Departamento, desde 1943 até ao
presente, seis dêstes cursos, que lembram, pelo curriculum, o tipo universitário
correspondente norte-amerciano, já havendo recebido êste certificado, ao todo,
cento e cinqüenta e quatro médicos, desta Capital e de todos os Estados da União.
Levámos a efeito outro tipo de curso intensivo, chamado também instituto,
que precisa ser repetido e multiplicado, e que é destinado ao aperfeiçoamento de
diretores e profissionais de administração de hospitais, tendo sido beneficiados
cento e sessenta e quatro Irmãs, pertecentes a vinte e quatro Congregações
Religiosas, procedentes de várias instituições e de vários Estados.
Cabe ao nosso país o privilégio e a primazia de haver sido o primeiro no
mundo, que estabeleceu oficialmente, um serviço técnico normativo de
organização hospitalar, que data de 1941, e já em 1942 foi criado êste curso de
especialização e aperfeiçoamento, o primeiro também de que se tem notícia, aqui e
alhures, mantido por governos, ambos instituídos por lei federal.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

407

A criação da Divisão, e o censo geral e cadastro de hospitais, que marcaram
a primeira etapa da campanha nacional de organização hospitalar, e a realização de
cursos e o preparo dos técnicos ou dos oficiais a quem cabe garantir o êxito
vitorioso desta campanha, representam, com a educação e publicidade, a fase
preparatória e são os elementos fundamentais na formação da moderna consciência
hospitalar, que é o clima indispensável para a implantação das novas diretrizes
dêsses domínios, sendo ao mesmo tempo a garantia para o planejamento
conveniente e para a execução da rêde nacional de hospitais que constitui o seu
principal objetivo.
A solução do problema médico-social em geral e, assim, da assistência
hospitalar e para-hospitalar, segundo os conceitos consagrados nos tempos mais
recentes, nos países mais adiantados neste particular, exige obra de coordenação,
de cooperação, de orientação e de contrôle; uniforme, nacional, planejada no
conjunto e executada igualmente com tôda colaboração possível. Não se
distinguem atividades oficiais e particulares; instituição geral ou particular. Não
comporta isolacionismo, nem improvisações, nem auto-suficiência, essa obra
comum em que a contribuição de cada um em benefício de todos, evita ou retarda o
advento da socialização da medicina, cujas vantagens e inconvenientes pesam na
balança das preferências e dos interêsses contrários.

NA INGLATERRA
Entre os povos mais evoluídos, e basta citar os Estados Unidos e a
Inglaterra já se passou neste particular, da fase da discussão e do planejamento para
o terreno positivo da prática. O povo britânico, depois de uma longa prova de
regimes de experiência, acaba de adotar o sistema mais avançado, que é o seguro
de saúde generalizado, abrangendo assistência médica e a hospitalização gratuita.
O Govêrno Americano, consoante publicações oficiais recentes, enfrenta o
problema, de modo diverso. Depois de levar a efeito um amplo inquérito sôbre as
necessidades e possibilidades nesse setor, resolve aplicar uma dotação de trezentos
e setenta e cinco milhões de dólares que foi destinada ao Congresso a ajudar na
construção de hospitais durante cinco anos, na razão de 75 milhões de dólares por
ano, o que vale um bilhão e quinhentos milhões de cruzeiro anualmente. O
programa prevê, ali, a mais ampla cooperação, na base de um têrço como
contribuição federal, para dois têrços de recursos regionais ou locais, de governos
de comunidades e de instituições a serem beneficiadas pela cooperação técnica e
financeira.

408

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O auxílio só será dado para instituições de finalidade não lucrativa e
filantrópicas, tanto oficiais e particulares, incluindo hospitais gerais e
especializados para tuberculose, doenças mentais e outros tipos de assistência, e
atividade de saúde pública.
O Diretor do Departamento Nacional de Saúde fica constituído responsável
pela aplicação do plano, com a orientação técnica e cooperação direta da Divisão
Hospitalar daquêle Departamento e com a colaboração das agências federais de
saúde nos vários Estados americanos. A cooperação abrange a construção de
hospitais e o estudo e meios de tornar a manutenção mais econômica. Os hospitais
não serão, entretanto, de propriedade do Govêrno Federal.
O hospital regional ou rural será a base da assistência hospitalar, mas
prestará também serviços à organização sanitária, facultando o seu equipamento e
seus ambulatórios para essa utilidade de medicina curativa e de medicina
preventiva e higiene, e até às próximas clínicas privadas.
Um Conselho Hospitalar deverá existir junto a cada instituição, e oficial,
com o fim de controlar os interêsses e as responsabilidades da comunidade e do
hospital.
NA AMÉRICA LATINA
A República Argentina acaba de elaborar um plano quinqüenal semelhante
e, parece, já a executá-lo. Outros países latino-americanos desbravam o mesmo
terreno ou já colhem frutos de tal empreendimento.
Esta longa citação do que se realiza fora de nossas fronteiras não significa
para nós contraste, nem desabono. Estas idéias novas, êsses planos e essa mesma
orientação, constituem, entre nós, objeto de estudo constante e sistemático no
planejamento da Rêde Nacional de Hospitais, que tem tido ampla publicidade
desde 1942-43 quando apresentado por nós o plano inicialmente, ao Sr. Ministro da
Educação e Saúde.
Nos moldes dessa moderna organização e administração hospitalares e
consoante o padrão que se convencionou chamar hospital-moderno, o plano
brasileiro, que coincide em linhas gerais, com os referidos, precedeu, como se vê
de cêrca de um lustro.
Assim, também, não menos generoso e previdente tem sido o Govêrno do
Sr. Presidente General Eurico Gaspar Dutra e o Congresso Nacional, com a muito
valiosa participação do Sr. Ministro Clemente Mariani, dentro da nossa
relatividade de meios, seja aumentando e multiplicando as verbas destinadas à
assistência médico-hospitalar, seja facultando aos Institutos e Caixas mais ampla
aplicação de recursos na construção de hospitais de serviços diversos de
assistência. Basta referir que

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

409

sòmente para hospital-geral, não constando hospitalização e assistência a
tuberculosos; doentes mentais e de lepra, a maternidades, que têm dotações
próprias, destinou o Govêrno Federal em 1947, em algarismo redondo, setenta
milhões de cruzeiros; e em 1948 cento e vinte e seis milhões e quinhentos mil
cruzeiros, em quatro consignações orçamentárias diferentes; enquanto que em 1945
e 1946, para não citar períodos anteriores, essas dotações foram, respectivamente,
de cêrca de sete milhões e quinhentos mil e de oito milhões e seiscentos mil
cruzeiros. Total nos quatro exercícios: duzentos e doze milhões de cruzeiros, do
que resulta uma diferença para mais, no último biênio, em favor do atual Govêrno,
de cento e noventa milhões de cruzeiros! De evidente benemerência é a nova
política hospitalar adotada.
Com os elementos de que dispõe, e que certamente serão ampliados, em
futuro, para a desejada eficiência, presta a Divisão de Organização Hospitalar do
D.N.S do M.E.S. a possível orientação e cooperação técnica aos hospitais gerais de
todo o país, na aplicação razoável ou condicionada das subvenções e auxílios
federais distribuídos em quatro rubricas diversas, embora melhor fôra se
englobadas em duas apenas: construção e manutenção.
O plano de ampliação e modernização da rêde nacional de hospitais, cujo
acêrto teve confirmação a mais autorizada nessa referência de igual estudo feito e
em via de executar no país onde mais se desenvolveu a técnica hospitalar; a
experiência da viabilidade dêsse nosso plano, que é também em cooperação, e de
contribuição tripartite, que localiza no hospital tanto a assistência hospitalar e a
assistência sanitária, de que é um exemplo típico o hospital misto rural, que
estabelece que serão hospitais particulares e não oficiais ou federais, encontra o
ensejo promissor na iniciativa do Govêrno atual, com o projeto SALTE, cujos
fundos magníficos poderão, com orientação conveniente, fomentar o
desenvolvimento da assistência médico-hospitalar, de Norte a Sul e será, por certo,
a realização do máximo interêsse vital para o nosso país.
Mais de trinta hospitais novos do tipo padrão-progressivo-flexível, por nós
estudado, criando novas Santas Casas, modernas e modelares, estão em construção,
em vários Estados, com a cooperação da Divisão numa demonstração positiva
dessa mesma viabilidade e eficiência.
Não vem a propósito citar dados e sugestões que nos foram solicitadas e
fornecidas para o estudo do Plano Salte, no que concerne ao setor de assistência
hospitalar nem reproduzir os algarismos vultosos que são previstos e publicados no
esquema oficial do que será o nosso plano quinqüenal, uma vez que êsse grandioso
projeto ainda não teve a aprovação definitiva e sanção do Congresso Nacional e do
Presidente da República.

410

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

A NOVA ESPECIALIDADE
O concenso unânime a respeito da moderna organização hospitalar criou,
consagrou, como se vê e atesta êsse curso, uma nova especialidade técnica
caracterizada, como ciência e arte, com publicações periódicas próprias e contando
com uma assás numerosa bibliografia especializada.
Há, no momento, da parte dos governos e das autarquias, as quais já se
interessam pela especialidade nas suas organizações e o mesmo quanto às próprias
instituições particulares, um largo e sensível movimento de progresso, de
ampliação e de melhoramento dos nossos hospitais empregando elementos novos
da técnica e sempre maior financiamento.
Os ensinamentos do passado, que é tôda a vida do Brasil, nos adverte que
durante quatrocentos anos muitos e grandes recursos foram aplicados na assistência
pública e em auxílios e subvenções; e que doações e donativos, sem conta, da
caridade e da filantropia, reverteram em favor das santas casas e das misericórdias
que se multiplicaram, acumulando algumas os mais opulentos patrimônios!
Até há pouco, apesar de sua incontestável benemerência, mostraram essas
instituições uma uniformidade impressionante de acentuada deficiência de
organização e de administração. Causa provada do seu menor desenvolvimento é a
falta de orientação e o regime rotineiro em que viveram muitas dessas casas pias.
Viviam quase abandonadas em mãos leigas ou descuidadas, sem qualquer
contribuição dos governos além de modesta subvenção.
A evolução dessas casas de caridade se processa, hoje, à luz do moderno
conceito que transforma abrigos hospitalares em hospital-geral, em hospital para
todos os doentes, para gratuitos e contribuintes, sendo ao mesmo tempo a oficina
convenientemente aparelhada para o pleno exercício da medicina e da cirurgia e
especialidades, servindo, igualmente, a tôdas as classes, e não sòmente aos
indigentes.
A palavra "técnica" não mais deve causar receios ou suspeitas. A
especialização, o respeito aos técnicos e a colaboração dos profissionais
especializados marcam o alto índice de civilização de um povo ou uma
comunidade.
Depois dos Estados Unidos, onde os cursos modeladores, não são oficiais, é
o Brasil o país que já preparou maior número de Consultores técnicos de
administração hospitalar. Urge, portanto, um entendimento geral entre todos os
responsáveis oficiais e particulares, todos igualmente interessados na solução do
problema hospitalar e assistencial, problema êste que não é de classes, nem de
grupos, nem de regiões nem de go-

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

411

vernos; nem de instituições. Abrange todo um setor nacional da organização geral
do país, e que é, no seu complexo, o setor da saúde.
Que se verifique entre nós, cada vez mais, o crescente aproveitamento dos
especialistas, dos Consultores e Inspetores hospitalares, nos serviços oficiais e
particulares, e dos novos Diretores ou Administradores de hospitais; que sejam
providas de maiores recursos e da necessária autonomia as organizações
especializadas da Assistência Médico-Hospitalar, em todo o país. Sobretudo para
que possam dar uma mais ampla contribuição e maior assistência técnica, a
começar pela construção do hospital de tipo funcional, planejado com a
participação do especialista. Enfim, que uma legislação nacional, específica,
uniforme e sistemática neste particular, seja instituída, atendendo o bem coletivo e
a causa comum evite a dispersão e má aplicação dos recursos e a duplicidade tão
prejudicial, como a deficiência, e que permita e facilite essa coordenação, essa
cooperação, essa orientação e êsse contrôle, que são a condição indispensável para
a conquista integral dêsse mais precioso bem coletivo que é a: Saúde da nossa
gente.
Sobretudo, que os nossos hospitais sejam dirigidos e administrados por
profissionais competentes e especializados e não mais continuem vegetando à
sombra do prestígio de nomes ilustres, cidadãos notáveis que não sabem ou não
podem ou não querem cuidar de organização e de administração hospitalar.
São êstes os meus votos e essas as minhas congratulações."

PADRÃO DOS HOSPITAIS DOS ESTADOS UNIDOS
DA AMÉRICA DO NORTE E SUA RELAÇÃO COM
ALGUNS PONTOS DO CURSO DE
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

O American College of Surgeons foi a instituição que teve idéia de
estabelecer um padrão mínimo para reconhecimento dos hospitais.
A iniciativa nasceu em conseqüência das dificuldades encontradas pelos que
desejavam ingressar naquela agremiação. Não podiam apresentar em condições
aceitáveis, os seus casos cirúrgicos. Histórias pouco satisfatórias dos casos clínicos
e, além do mais, conduzidas sob variadas formas impossibilitavam uma
apresentação correta das observações.
O exame do problema revelou que as mesmas circunstâncias ocorriam em
outros setores dos hospitais. As condições eram caóticas (Chaotic conditions), na
sua generalidade. Em virtude destas circunstâncias resolveu o "American College"
promover um movimento no sentido de corrigir as falhas e uniformizar os métodos
de trabalho. Encontrou apoio das associações hospitalares e de outros grupos
médicos, podendo, assim levar a efeito tão útil iniciativa, começada em 1918.
Como resultado das investigações possui hoje o "College" mais de 50.000
relatórios de inspeções sôbre padronização hospitalar.
Imenso foi o progresso das instituições hospitalares em conseqüência desta
avisada e eficiente política adotada, com tanto êxito, pelo Colégio Americano de
Cirurgiões, que publicou um "Manual of Hospital Standardization" últimamente
revisto em 1940. Em 1941 foi publicado o "Twenty-Fourth Annual Hospital
Standardization Report", incluindo a lista dos hospitais aprovados nos Estados
Unidos, Canadá e outros países. São resultados de inspeção feita cm 1941,
divulgados em outubro do mesmo ano.
Eis a súmula dêsse trabalho:

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

414

PADRÃO MINIMO DE HOSPITAIS ESTABELECIDO PELO "AMERICAN
COLLEGE OF SURGEONS" COM SEDE EM CHICAGO, ILLINOIS,
ESTADOS UNIDOS
(CORRESPONDE AOS PONTOS 5, TÓPICO E, DO PROGRAMA DO CURSO
DE ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO HOSPITALARES DO NOSSO
MES-DNS) OUTUBRO ­ 1941
1 ­ Médicos e cirurgiões que tenham privilégio de práticas no hospital
devem organizar-se com um corpo clínico definido. Esta organização independe de
ser o hospital "aberto" ou "fechado" e não afeta os vários tipos de corpo clínico
existentes. O conceito de corpo clínico (staff) é aqui definido como sendo o grupo
de médicos que clinicam no hospital não só os que pertençam ao corpo clínico
efetivo ("regular medical staff") e os associados "associate medical staff".
2 ­ Para ser membro do corpo clínico e indispensável que os médicos e
cirurgiões possam satisfazer as seguintes condições:
a)

ser diplomado em medicina por escola reconhecida ou com o grau de
doutor em medicina, de boa categoria e legalmente licenciado para o
exercício da profissão nos respectivos Estados ou províncias;

b) ser competente na sua especialidade;
c)

ter bom caráter e boa ética profissional. Em relação a êste ponto é
absolutamente proibida a prática de decotomização de honorários, sob
qualquer disfarce ou percentagens.

3 ­ Mediante aprovação do órgão administrativo do hospital, o corpo clínico
estabelecerá e adotará estatutos, regulamentos e regimentos: êste estatutos,
regulamentos e regimentos devem específicamente determinar:
a)

que o corpo clínico realize sessões pelo menos uma vez no mês;

b) que o corpo clínico faça revisão e análise periódica da sua experiência
clínica nos vários departamentos do hospital, tais como medicina,
cirurgia, obstetrícia e outras especialidades; a história clínica dos
doentes gratuitos ou contribuintes, será a base para tal revisão e análise.
4 ­ É necessário que seja escrita a história clínica completa e minuciosa de
todos os doentes, tudo fichado de modo acessível no hospital: história clínica
completa compreende dados sôbre identificação, queixa: história pregressa pessoal
e familiar, história da moléstia atual, exame físico, exames especiais, tais como
consultas, laboratório clínico, raios X e outros exames: diagnósticos provisório ou
em elaboração, tratamento mé-

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

415

dico ou cirúrgico: verificações patológicas micro ou macroscópicas, notas em
andamento, diagnóstico final, condição por ocasião da alta, seguimento (follow up)
e, em caso de morte, exame anátomo-patológico:
a)

laboratório clínico, provido de serviços: químicos, bacteriológico,
sorológico e anátomo-patológico;

b)

de raios X, aparelhado para radiografias e fluroscopia.
***

A aprovação dos hospitais é baseada no seu ajustamento ao padrão
mínimo.
Êste padrão foi formulado tomando por base idéias para que contribuiram
muitas autoridades e foi aplicado pela primeira vez em 1918.
Êste padrão mínimo e considerado ponto fundamental "Gauge for
appraising hospital".
Seus princípios básicos, são em resumo, os seguintes:
1 ­ Construção moderna convenientemente equipada pan confôrto,
segurança e tratamento científico do paciente.
2 ­ Instituição claramente constituída, com estatutos, regulamentos e
regimentos, determinando sua organização, deveres, responsabilidades e relações.
3 ­ Organização administrativa, cuidadosamente
autoridade completa e suprema para direção da instituição.

selecionada,

tendo

4 ­ Oficial executivo ou administrador, bem adestrado, com autoridade e
responsabilidade para dirigir a instituição de acôrdo com as autorizações da
comissão administrativa.
5 ­ Número adequado de pessoal eficiente, apropriadamente organizado e
sob competente supervisão.
6 ­ Corpo clínico organizado, ético, competentes médicos e cirurgiões para
tratamento eficiente dos doentes e para exercer os trabalhos profissionais do
hospital, sujeito à aprovação da comissão administrativa.
7 ­ Facilidade para adequados diagnósticos e terapéutica, com pens
eficiente serviço técnico, sob supervisão médica competente.
8 ­ História clínica completa e acurada, prontamente escrita e classificada
de modo acessível utilizável para estudo, referências, "follow up" e pesquisas.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

416

9 ­ Reuniões coletivas da comissão administrativa e do corpo clínico para
revisão regular e completa das suas respectivas atividades de modo a conservar o
serviço e o trabalho científico no mais alto nível de eficiência.
10 ­ Espírito humanitário no qual a primeira consideração deve ser o
melhor tratamento do doente.
***
Além deste padrão mínimo para hospitais, foram estabelecidos 16 padrões
mínimos para os seguintes setores: laboratório clínico, raio X, cirurgia, anestesia,
obstetrícia, oftalmo-oto-rinolaringologia, tratamento de fraturas, cirurgia
traumática, cancerologia, fisioterapia, ambulatório, farmácia, enfermagem,
dietética, serviço social, biblioteca médico-hospitalar. (*)

***
PADRÃO MÍNIMO PARA A DIVISÃO DE CIRURGIA
TÓPICO E ­ PONTO 5 DO NOSSO CURSO
1 ­ Administração ­ A organização da divisão de cirurgia deve estar sob a
direção de enfermeira competente, registada, com a habilidade executiva e,
especialmente, adestrada no funcionamento da sala de operação, com adequado
número de assistentes e demais pessoal capaz de desempenar eficientemente os
trabalhos do setor.
2 ­ Supervisão ­ A Divisão cirúrgica quanto ao corpo clínico será
organizada de modo a exercer esta adequada supervisão e definido contrôle sôbre a
cirurgia realizada no hospital. Isto pressupõe a existência de um chefe ou diretor da
cirurgia, o qual será responsável pela supervisão geral das atividades profissionais
dêsse setor.
__________________
(*) NOTA ­ A tradução do texto inglês obedeceu, tanto quanto possível à terminologia hospitalar
adotada pelo D.O.H. Assim departamento, originalmente, é traduzido por divisão.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

417

3 ­ Coordenação ­ A coordenação dos esforços entre os membros do
corpo cirúrgico e com o pessoal deve ser de natureza a promover desejável
trabalho de conjunto ou de equipe e serviço altamente eficiente.
4 ­ Enfermagem ­ O hábito de empregar estudantes de enfermagem nas
salas de operação, nos hospitais que possuem escolas dêste gênero, é admitido
como parte fundamental do seu adestramento, porém é essencial, em tôdas as
ocasiões, manter exata supervisão por enfermeiras diplomadas.
5 ­ Estudo pré-operotório ­ Com excecão dos casos de emergência,
nenhuma operação maior deve ser executada até que:
a)

o doente tenha sido cuidadosamente estudado no período préoperatório;

b) a história clínica tenha sido escrita;
c)

exames laboratoriais de rotina completados;

d) diagnóstico provisório tenha sido estabelecido e registrado ou
reconhecido.
6 ­ Conferência médica ­ O corpo cirúrgico não só deve encorajar, mas
preferentemente exigir uma conferência em todos os casos importantes de cirurgia,
e o que se verificar em cada ocasião será devidamente regístrado.
7 ­ Técnica cirúrgica ­ Tôdas as precauções devem ser tomadas de modo a
assegurar completa assepsia e boa técnica: rigorosa investigação será feita de todos
os casos de infecção ocorridos em ferimentos limpos.
8 ­ Arquico clínico -- Descrição completa e acurada das observações e da
técnica operatória deve ser feita pelo cirurgião na sala operatória imediatamente
depois da operação.
9 ­ Anatomia patológica ­ Os tecidos retirados na operação serão
imediatamente enviados ao laboratório clínico para serem examinados e relatados
pelo anátomo-patologista.
10 ­ Reuniões ­ As observações médicas de todos os doentes que no
período pós-operatório, apresentem complicações ou mostrem resultados
desfavoráveis devem ser rigorosamente revistas e analisadas em reuniões regulares
dos clínicos e anátomo-patologistas do corpo médico do hospital.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

418

PADRÃO MÍNIMO PARA O SERVIÇO DE CANCEROLOGIA
TÓPICOS E ­ PONTOS 5 E 6 DO CURSO
1 ­ Organização ­ Haverá definida organização do serviço que
compreenderá um administrador executivo e representantes de todos os setores do
hospital que se ocupam de diagnósticos e tratamento de câncer. Deverá haver um
secretário e um serviço social na clínica.
2 ­ Reuniões ­ Reuniões regulares ou conferências médicas constituem
parte essencial do serviço, devendo ser discutidos o diagnóstico e tratamento dos
casos individuais, por todos os membros da clínica a que possa interessar o caso.
3 ­ Doentes ­ Será voluntária ou obrigatória a referência, na clínica do
câncer, de todos os doentes cujo diagnóstico ou tratamento seja considerado,
consoante o voto do corpo clínico ou do órgão administrativo do hospital.
4 ­ Equipamento ­ Além do equipamento cirúrgico para diagnóstico e
terapêutica como é exigido para qualquer hospital geral, deverá existir um aparelho
para radioterapia de eficiência adequada e uma quantidade de radium suficiente
para tratamento eficaz.
5 ­ Arquico clínico ­ Além das observações clínicas exigidas em todos os
hospitais gerais aprovados, haverá uma história clínica adicional, constando:
a)

pormenores da história e do exame do câncer em várias regiões do
corpo, tais como são indicadas sob forma de observação recomendada
pela Comissão de Câncer do "American College of Surgeons";

b) pormenores do tratamento pelo radium ou raio X, de acôrdo com a
fórmula acima indicada;
c)

exames periódicos por intervalos, durante pelo menos cinco anos
depois do tratamento.

6 ­ Tratamento ­ O tratamento do doente de câncer deve ser realizado
pelos membros do corpo clínico, do serviço de câncer, exceto em casos em que
adequado tratamento, de acôrdo com recomendações coletivas dos clínicos do
serviço, possa ser procurado em outro lugar.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

419

PADRÃO MINIMO PARA O SERVIÇO DE FRATURAS
TÓPICO E ­ PONTOS 5 E 8
1 ­ Equipamento ­ Todo o hospital geral será equipado para tratamento de
fraturas, o equipamento mínimo de ambulância e tratamento de pronto socorro,
devendo ser o seguinte ou seu equivalente:
O padrão determina uma série de aparelhagem americana cuja nomenclatura
reproduziremos no original: "Murray-Jones arm splints; Thomas ful ring splint or a
Keller Blankee hinged half-ring splint or a Keller Blankee hinged half-ring splint,
with traction staps, sling and buckle straps; Hodgen splint; coaptation splints,
(assorted sizes); Cabot wire straight splints; straight pieces of wood (of assorted
length, width, and thickness) for splints; plaster of Paris bandage's; some form of
overhead frame for suspension; and suitable x-ray apparatus, including a portable
machine of praticable".
2 ­ Supervisão ­ É muito desejável que um cirurgião, aliás um único
cirurgião seja responsável pela supervisão do tratamento de fratura em cada
hospital.
3 ­ Arquivo clinico ­ Observações clínicas especiais serão redigidas para
os casos de fratura.
4 ­ Observação do doente ­ Atenta observação será mantida em todos os
casos de fratura durante o tempo necessário para estabelecer um minucioso
conhecimento dos resultados.

PADRÃO MÍNIMO PARA CIRURGIA TRAUMÁTICA
TÓPICO E ­ PONTOS 5, 8 E 13
1 ­ Hospitais ­ Hospitais que recebem casos traumáticos ou acidentados
para tratamento deverão sujeitar-se ao padrão mínimo para hospitais do "American
College of Surgeons".
2 ­ Supervisão ­ Cada hospital deve ter uma comissão responsável pela
supervisão da cirurgia traumática.
3 ­ Corpo clinico ­ O cirurgião aprovado para o tratamento dos casos
traumáticos deverá ser:
a)

diplomado em medicina em bom nível e licenciado para praticar no seu
respectivo Estado ou província;

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

420

b) competente no campo da cirurgia traumática;
c)

bom caráter em matéria de ética profissional, pois nossos casos mais do
que em nenhum outro é rigorosamente proibida a dicotomia de
honorários.

4 ­ Arquivo clínico ­ Cirurgiões que se dediquem aos casos traumáticos
devem manter observação clínica completa de todos os doentes, de acôrdo com as
exigências mínimas do Colégio Americano de Cirurgiões, dando especial atenção à
lesão inicial, descrição minuciosa do aspecto físico observado, do tratamento
empregado, do período de incapacidade física e do resultado final, quando possível
estas observações serão arquivadas de modo a poderem ser submetidas a exame
tôda vez que houver necessidade.
5 ­ Recursos ­ Hospitais em que casos traumáticos sejam tratados devem
possuir recursos suficientes para adequado diagnóstico e tratamento.

PADRÃO MÍNIMO PARA O SERVIÇO DE OFTALMOOTORRINOLARINGOLOGIA
TÓPICO E ­ PONTOS 15 E 16
1 ­ Instalações ­ Deverá existir no hospital uma seção especialmente
destinada a éste fim; quando isto não fôr possível deve ser designada uma parte da
enfermaria geral, para estas especialidades.
2 ­ Tratamento ­ Na seção devem existir salas para operações, exames e
curativos; não sendo possível, deve haver pelo menos uma sala de operação
especial ou uma sala centro operatório designada para estas especialidades.
3 ­ Recursos ­ Devem existir os recursos para diagnósticos e terapêutica
disponíveis no serviço geral e os adicionais que se tornarem necessários.
4 ­ Pessoal ­ São necessários profissionais e auxiliares adequados com
prática especializada e sob apropriada supervisão.
5 ­ Corpo clínico ­ O corpo clínico será constituído exclusivamente por
especialistas em moléstias de olhos, nariz, garganta e ouvido, formando um grupo
organizado, sujeito às regras do corpo clínico geral e seus regulamentos.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

421

6 ­ Reuniões ­ O corpo clínico désse serviço deve realizar reuniões
regulares para revisão e análise completa dos casos ocorridos.
7 ­ Arquivo clínico ­ Deverão ser completas e minuciosas as observações
dos doentes arquivadas de modo acessível e de todos os casos tratados.
8 ­ Ensino ­ Deve ser ministrada instrução teórica e prática dos internos e
enfermeiras, nas especialidades, sempre que possível.
PADRÃO MÍNIMO PARA O DEPARTAMENTO
DE OBSTETRICIA
TÓPICO E ­ PONTO 17
1 ­ Instalações ­ Nos hospitais que tratem de casos obstétricos deve existir
um serviço de obstetrícia, apropriadamente organizado e equipado, com
acomodações adequadas e exclusivas para as mães e recém-nascidos.
2 ­ Isolamento ­ Existirão facilidades e acomodações especiais para todos
os casos de infecção, temperatura elevada, ou outra condição adversa à salvaguarda
e bem estar dos pacientes obstétricos.
3 ­ Recursos ­ Para diagnóstico e tratamento das gestantes deverão existir
laboratórios, raios X e outros recursos, sob competente supervisão.
4 ­ Administração ­ A administração do Serviço Obstétrico ficará sob a
direção da enfermeira registrada, competente, dotada de competência executive
com prática especializada em enfermagem obstétrica, e auxiliada por um número
adequado de assistentes e outras ajudantes, de modo a desempenhar eficientemente
o trabalho do departamento.
5 ­ Supervisão ­ A Seção Obstétrica do Corpo Médico será constituída de
modo a exercer adequado contrôle sôbre o trabalho obstétrico efetuado no hospital.
Haverá um chefe responsável pela supervisão geral das atividades profissionais do
departamento.
6 ­ Ficha clínica ­ De todos os casos admitidos no Serviço Obstétrico será
feita observação cuidadosa e completa, segundo o padrão.
7 ­ Conferência médica ­ Deverá ser realizada conferência médica com
profissional qualificado na especialidade obstétrica, cujas observações serão
cuidadosamente registradas em todos os casos de importância operatória, salvo se o
médico responsável pelo caso fôr um obstetra qualificado, e em casos de
emergência, quando o tempo não permitir exame do especialista.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

422

8 ­ Morbidade ­ Todos os hospitais que recebem casos obstétricos devem
adotar um padrão de morbidade, pelo qual possam exercer melhor contrôle.
9 ­ Reuniões ­ Será feita a análise completa do trabalho obstétrico efetuado
no hospital pelo menos uma vez por mês, com particular consideração sôbre os
casos de falecimento, morbidade, infecções, complicações, resultados de
tratamento, e análise das observações clínicas.
10 ­ Adestramento ou ensino ­ Devem ser oferecidas oportunidades para os
estudantes de enfermagem dos hospitais que disponham de uma escola dêsse tipo,
a fim de que adquiram instruções teórica e prática em trabalho pré-natal,
observação das parturientes em trabalho, técnica da sala de partos, tratamento pósparto e cuidados especiais de enfermagem do recém-nascido.
PADRÃO MÍNIMO PARA AS FARMACIAS DE HOSPITAIS
TÓPICO E ­ PONTO 23
1 ­ Organização ­ O hospital deve ter o serviço farmacêutico:
a)

com tempo integral de um farmacêutico;

b) ou serviço farmacêutico de farmácia vizinha licenciada.
2 ­ Comissão ­ O hospital nomeará uma comissão de farmácia que se
reunirá periódicamente. Os membros da comissão serão escolhidos entre as
diversas divisões do corpo clínico. O farmacêutico será membro da Comissão e seu
secretário escreverá as atas e mandará cópia para a Administração do hospital.
Serão objetivos da comissão de farmácias:
a)

determinar o modo de funcionamento da farmácia e tratar de outros
assuntos de natureza farmacêutica como podem ocorrer de tempos em
tempos;

b) fazer o balanço das drogas usadas;
c)

verificar a aquisição e saída das drogas, substâncias químicas,
preparados farmacêuticos, biológicos e suprimentos profissionais,
dentro do hospital.

3 ­ Biblioteca ­ Deve ser mantida uma biblioteca de assuntos
farmacêuticos:
a)

United States Pharmacopae, National Fosmuary, New and Nonofficial
Remedies, United States Dispensary, referencias sôbre

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

423

trabalhos de química inorgânica e quantitativa, farmacologia e
toxicologia, bacteriologia e dicionário médico (No Brasil ­
Farmacopéia Brasileira).
b) Journal of American Medical Association, Journal of the Amecan
Pharmaceutical Association, Year Book of the American
Pharmaceutical Association, os regulamentos federais relativos ao
consumo do álcool e narcóticos, um exemplar das leis farmacêuticas e
municipais e o código sanitário.
4 ­ Padrões ­ O hospital usará drogas, substâncias químicas e preparados
farmacêuticos, pelo menos da qualidade determinada em: United States
Pharmacopéia, National Formulary, and New Nonofficial Remedies, no tratamento
dos doentes.
5 ­ Supervisão ­ Os farmacêuticos terão supervisão imediata sôbre:
a)

rotina de preparação de medicações injetáveis e esterilização de todos
os preparados farmacêuticos;

b) rotina de manipulação dos preparados farmacêuticos;
c)

aviamento das
farmacêuticos;

drogas,

substâncias

químicas

e

preparados

d) enchimento e etiquetamento dos contingentes de drogas, distribuídas
para as unidades de enfermaria, onde a medicação será administrada;
e)

inspeção quinzenal de todo o material farmacêutico existente nas
unidades da enfermaria;

f)

manutenção de um estoque de antídotos nas seções de emergência;

g)

aviamento de tôdas as drogas narcóticas e um perpétuo inventário
delas;

h)

especificações para compra de tôdas as drogas, substâncias químicas e
preparados farmacêuticos usados em tratamento dos doentes;

i)

especificação para compra e depósito de substâncias biológicas e tôdas
ás operações concernentes à especialidade farmacêutica necessárias,
incluindo pronto conhecimento de pesos e medidas em todos os
sistemas.

424

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

PADRÃO MÍNIMO PARA O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA
TÓPICO E ­ PONTO 25
1 ­ Organização ­ Hospitais que mantenham serviço de fisioterapia
devem ter um serviço organizado, com pessoal adestrado e adequado, sob
competente supervisão médica.
2 ­ Instalação ­ O Departamento de Fisioterapia deve ser projetado e
equipado de acôrdo côm os últimos aperfeiçoamentos.
3 ­ Arquivo clínico ­ Compreensivo sistema de histórias clínicas deve
ser utilizável no serviço de arquivo em lugar accessível.
4 ­ Funcionamento ­ Um processo definido deve ser estabelecido para
recepção, tratamento e alta de doentes.
5 ­ Reuniões ­ Análises periódicas do trabalho do serviço devem ser
feitas para demonstrações dos resultados.
PADRÃO MÍNIMO PARA A DIVISÃO DE DOENTES
EXTERNOS OU AMBULATÓRIO
TÓPICO E ­ PONTO 26
1 ­ Administração ­ O serviço médico será organizado como divisão
definida do hospital sob a supervisão de funcionário administrativo
qualificado.
2 ­ Recursos ­ Instalações e recursos devem ser fornecidos para
confôrto físico e conveniência dos doentes, dos médicos, do serviço e do
pessoal auxiliar, além de equipamento necessário para tratamento
profissional eficiente dos enfermos.
3 ­ Pessoal ­ O ambulatório deve ser provido do pessoal necessário,
de médicos, enfermeiras, trabalhadores sociais e funcionários, de modo a
assegurar tratamento apropriado aos doentes.
4 ­ Qualificações ­ O corpo clínico do servido deve subordinar-se às
mesmas exigências e qualificações que se aplicam ao corpo clínico do
hospital, os requisitos especiais do ambulatório, devendo ser considerados em
relação às nomeações individuais.
5 ­ Organização ­ O corpo clínico de ambulatório deve ser
organizado com uma divisão ou seção do corpo clínico da instituição, ou
então será permitido aos seus membros seguir os seus doentes quando
transferidos para as enfermarias ou hospitalizados.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

425

6 ­ Reuniões ­ Reuniões regulares serão realizadas para revisão e análise
do trabalho clínico da Divisão; além disso serão apresentados nas reuniões de
clínica geral casos apropriadamente selecionados.
7 ­ Arquivo de clínica ­ Observações clínicas completas e minuciosas de
todos os doentes serão aceitas, incluindo dados sociais e científicos e serão
arquivados em índices cruzados, de tal maneira a serem facilmente encontradas,
em qualquer tempo para referência, reexame, estatística e pesquisas.
8 ­ Correlação ­ As observações clínicas do ambulatório serão
correlacionadas com as do hospital pela transferência da história clínica ou de um
sumário da mesma quando o doente passe do ambulatório para as enfermarias ou
vice-versa, ou mais satisfatòriamente levadas a um sistema central, onde as
histórias clínicas sejam reunidas e praticáveis para tôdas divisões do hospital, nas
quais o doente possa ter recebido tratamento.
9 ­ Os serviços de laboratório clínico, raios X e outros de diagnóstico e
terapêutica devem ser postos à disposição do ambulatório em qualquer parte em
que êstes serviços sejam requeridos.
10 ­ Número ­ Deve ser limitado de acôrdo com as acomodações, área de
capacidade numérica do corpo clínico do serviço.
PADRÃO MÍNIMO PARA ENFERMAGEM DO HOSPITAL
TÓPICO E ­ PONTO 27
1 ­ Organização ­ Deverá existir um bom serviço de enfermagem do
hospital sob competente supervisão e direção para a eficiente administração e
realização do serviço de enfermagem e para educação dos estudantes de
enfermagem quando uma escola desta finalidade fôr mantida.
2 ­ Pessoal ­ Haverá um número adequado de pessoal competente e
adestrado para os serviços de enfermagem e para eficiente tramento dos doentes.
3 ­ Recursos ­ Para os serviços de enfermagem devem existir recursos
adequados, modernos e convenientemente dispostos e material padronizado
fàcilmente disponível para fornecimento imediato e eficiente.
4 ­ Educação ­ Quando uma escola de enfermagem fôr mantida em
conexão com o hospital, ela deve ser provida dos requisitos educacionais, definidos
de acôrdo com os padrões nacionais aceitáveis, pessoal de ensino adequado,
recursos e um compreensivo sistema de registros escolares.

426

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

5 ­ Arquivo clínico ­ Deve ser mantido um extensivo sistema de
observações clínicas de enfermagem, incluindo todos os dados pertinentes ao
trabalho da enfermeira, observações dos sinais e sintomas, preceitos executados
por médicos, enfermagem realizada e outras informações relativas que
demonstrarão as condições dos doentes e a responsabilidade do tratamento.
6 ­ Reuniões ­ O corpo de enfermeiros diplomados reunir-se-á,
semanalmente, para revisão e análise do serviço de enfermagem a fim de
determinar a qualidade do trabalho de enfermagem que foi ministrado aos doentes,
com o intuito de melhorar a eficiência do serviço de enfermagem quando
necessário.
7 ­ Relações com os doentes ­ Em todos os mementos grande atenção deve
ser exercida para assegurar eficiente serviço de enfermagem aos doentes por meio
de deveres devidamente determinados, competente supervisão de estudantes de
enfermagem, quando empregados nesse trabalho e uma adequada proporção de
enfermeiros em relação ao número de doentes.

PADRÃO MÍNIMO PARA A DIVISÃO DE ANESTESIA
TÓPICO E ­ PONTO 28
1 ­ Haverá um serviço de anestesia organizado sob a direção direta de um
médico anestesista competente.
2 ­ Pessoal ­ Um corpo adequado de assistentes competentes, qualificados
para administrar anestésicos, deve ser suficiente.
3 ­ Exame pré-anestesia ­ Deverá ser feito um exame físico completo de
cada doente, com resultados de laboratório, tudo registrado na observação clínica
antes da administração de anestésico geral.
4 ­ Ficha clínica ­ Será feita completa observação clínica, de forma
prescrita, de cada anestésico administrado. Serão registrados os dados
concernentes, às condições prévias e durante o ato de anestesia, com a das
condições do doente no fim da operação.
5 ­ Cuidados operatórios ­ Eficiente exame pós-anestesia deve ser
mantido para determinar resultados relativos ao tipo de anestésico empregado.
6 ­ Garantias ­ Serão estabelecidas definidas garantias no uso dos vários
tipos de anestésicos gerais em virtude dos conhecidos desastres na administração
de anestésicos.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

427

PADRÃO MÍNIMO PARA A DIVISÃO DE DIETÉTICA
TÓPICO E ­ PONTO 29
1 ­ Organização ­ A Divisão de Dietética será corretamente organizada
sob a direção de profissional de dietética, competentemente diplomado, cujo treino
se conforme com os padrões aprovados pela "American Dietetic Association". Esta
Divisão será responsável por:
a)

eficiente serviço geral de alimentação;

b)

dieta científica de doentes;

c)

educação dos estudantes de enfermagem e das estudantes de
dietética.

2 ­ Recursos ­ Recursos adequados administrativos e de ensino serão
fornecidos à Divisão de Dietética, incluindo particularmente:
a)

necessárias acomodações e equipamento para o gabinete de dietética,
cozinha, despensa, refrigeração e outros serviços necessários;

b)

laboratório e sala de aula bem equipadas para educação das estudantes
de enfermagem ou de dietética, quando a escola de enfermagem é
anexa ao hospital ou existam estudantes de dietética em treino.

3 ­ Pessoal ­ Haverá corpo técnico e administrativo adequados,
competentes em suas respectivas atividades e de conformidade com os padrões
apropriados: físico, mental e de caráter.
4 ­ Arquivos ­ Haverá um sistema compreensivo de relatórios
administrativos, financeiros, clínicos e técnicos, correlacionados tanto quanto
necessário com as observações clínicas e outros registros hospitalares.
5 ­ Funcionamento ­ O Diretor da Divisão de Dietética, com a aprovação e
cooperação do superintendente ou da direção administrativa do hospital iniciará e
desenvolverá regras e regulamentos pertinentes ao funcionamento profissional e
administrativo da Divisão. Estas regras e regulamentos especificarão as reuniões
departamentais e interdepartamentais com o intuito de aperfeiçoar os serviços e
dar-lhe geral eficiência.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

428

PADRÃO MÍNIMO PARA O SERVIÇO SOCIAL
DO HOSPITAL
TÓPICO E ­ PONTO 31
1 ­ Funções ­ São as seguintes as atividades que a Divisão do Serviço
Social pode apropriadamente desempenhar em íntima colaboração com o corpo
clínico:
a)

trabalho referente a cada caso social;

b) desenvolvimento do programa social dentro da instituição médica.
c)

participação no desenvolvimento dos programas sociais e de saúde na
comunidade;

d)

participação no programa educacional para o pessoal profissional;

e)

pesquisa médico social.

A assistência social envolve o estudo da situação social individual dos
doentes, interesses e necessidades em relação à doença e o tratamento médico e
social do doente em colaboração com êle e seu médico, quando estas necessidades
e interêsses afetam a saúde mental e física do enfêrmo.
2 ­ Organização ­ A Divisão de Serviço Social deve ser intimamente
integrada em relação com as organizações sociais. Haverá um diretor ou chefe
executivo da Divisão de Serviço Social, o qual será responsável pelos oficiais
executivos da instituição e através dêle a Comissão Administrativa. Recursos para
financiar o Serviço Social devem provir dos cofres do hospital. O diretor do
Departamento de Serviço Social administrará e controlará o orçamento por êle
recomendado e distribuído pelo administrador do mesmo. (Êsses recursos poderão
vir de outra fonte).
3 ­ Recursos ­ O Serviço Social deve ter uma Secretaria central e tantos
gabinetes quantos forem os membros do corpo profissional necessário para
exercício das atividades sociais. Êstes gabinetes devem ser acessíveis aos doentes e
enfermos, mas devem permitir entrevistas privadas.
4 ­ Arquivo ­ É essencial que o Serviço Social mantenha um arquivo de
observações do seu trabalho junto aos enfermos, preservando destarte informações
relevantes para estudo médico social e tratamento. Êste arquivo deve estar à
disposição do pessoal profissional empenhado no tratamento dos doentes, pois, tal
arquivo, constitui parte dos dados profissionais do hospital.

CONSTRUÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA RÊDE NACIONAL DE HOSPITAIS

429

PADRÃO MÍNIMO PARA A BIBLIOTECA
MÉDICO-HOSPITALAR
TÓPICO E ­ PONTO 33
1 ­ Conteúdo ­ Todo hospital geral deverá manter biblioteca médica
adequada, compreendendo uma coleção básica de livros médicos de texto, de
autoridade e de referências, e última edição, tudo cuidadosamente selecionado;
fichas dos jornais médicos incluindo os que mais efetivamente refletem recentes
desenvolvimentos em medicina, cirurgia e as especialidades representadas nos
serviços clínicos do hospital.
2 ­ Instalação ­ A biblioteca será conservada em uma sala de leitura ou
terá recinto próprio, com salas de leitura anexas, mas de modo a oferecer condições
de encorajamento ao estudo e pesquisa. Será classificada de modo a se tornar
accessível à biblioteca e membros do corpo clínico.
3 ­ Pessoas ­ A biblioteca estará sob a supervisão de bibliotecária
classificada. Este funcionário promoverá catalogação e índices que permitam ao
corpo clínico a preparação da bibliografia, traduções, resumos e revisão da
literatura para o que haverá um bibliotecário para êsse fim, de tempo integral. De
outro modo devem ser utilizadas as facilidades de extensão oferecidas pelas
grandes bibliotecas.
4 ­ Recursos de extensão ­ A bibliotecária deverá obter informações e
brochuras descrevendo os recursos oferecidos aos membros da profissão médica
pelas outras bibliotecas especializadas que tenham sido instituídas, em bases mais
amplas, de modo a suprir as falhas da biblioteca própria.
5 ­ Comissão da biblioteca ­ Uma comissão permanente da biblioteca será
escolhida cuidadosamente, entre os membros do corpo clínico. Seus deveres
consistirão em desenvolver e fazer progredir os recursos e interêsses.
(Há conveniência na contiguidade entre a biblioteca e o fichário central,
porque um completa o outro. Nota da D.O.H.).
PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS NA PADRONIZAÇÃO
DOS PEQUENOS HOSPITAIS
1 ­ Uma construção estudada e garantida provendo, contra riscos dentro do
hospital ou por filiação com outras grandes instituições, todos os recursos que
sejam praticáveis e possíveis para tratamento dos doentes.
2 ­ Estatutos, regulamentos e regimentos devem ser estabelecidos para o
corpo clínico e outros elementos administrativos, de Diretoria e Administração, de
acôrdo com a capacidade do hospital.

430

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

3 ­ Um corpo clínico, subdividido ou não em especialidades de olhos,
nariz, garganta e ouvido.
4 ­ Reuniões do corpo clínico, mensais ou mais freqüentes, para completa
elucidação e análise do trabalho hospitalar, baseado nas observações do arquivo
clínico, compreendendo os casos de morte, os que não apresentarem melhora, as
infecções, as complicações, erros de diagnósticos, resultados do tratamento e
análise geral das fichas.
5 ­ Arquivo clínico com observações escritas, minuciosas e completas de
todos os doentes admitidos no hospital, cada um contendo suficientes elementos
para justificar o diagnóstico e o tratamento.
6 ­ Laboratório clínico, com boa e completa supervisão, incluindo, no
mínimo, um serviço de emergência dentro da instituição, sendo os serviços maiores
realizados fora, por técnicos de confiança em aceitável filiação.
7 ­ Serviço de Raios X ­ Apropriada supervisão, incluindo no mínimo, um
serviço de emergência, dentro da instituição, podendo os serviços maiores ou mais
complicados se realizarem fora em aceitável colaboração.

CONSTRUÇÃO DE HOSPITAIS E ARQUITETURA
ESPECIALIZADA
Os projetos de hospitais ainda são elaborados para o interior dos Estados
por arquitetos não especializados ou por engenheiros e mais comumente por
desenhistas e práticos sem a indispensável orientação de um Consultor técnico
hospitalar, do que resulta que certo número dessas edificações estão sendo
projetadas ou já se acham em construção, com defeitos irremovíveis, impedindo,
por longo tempo, em tais municípios, o progresso da organização e da
administração hospitalares.
É sabido que, neste particular, já nasce velho ou inadequado o prédio assim
planejado, sem a previsão da localização conveniente dos serviços principais que
caracterizam o aparelhamento de padrão mínimo, segundo o que se convencionou
chamar ­ hospital moderno, grande ou pequeno, rico ou modesto, mas oficina
apropriada para o exercício conveniente da medicina e da cirurgia, e especialidade.
Ainda hoje, mesmo em serviços oficiais normativos, se fazem plantas para
hospitais do tipo absoleto das primitivas Santas Casas, onde não há lugar para a
administração completa, não se prevê a situação das enfermarias, sem copa, sem
sala de curativos, sem rouparia, sem refeitórios, que são elementos de cada bloco
ou unidade de enfermagem; sem quartos particulares, e com enfermarias de muitos
leitos ou acima de seis a oito no máximo; enfim, sem a previsão da ampliação
futura para atender ao crescimento da população e ao possível desenvolvimento da
instituição.
Também não se justifica mais, hoje, a adoção de um, dois, três tipos como
modêlo de hospital para serem construídos, sem as ditas previsões, sem a
adaptação precisa consoante ao clima local, a boa orientação solar dos ventos
favoráveis.
A Divisão de Organização Hospitalar vem, constantemente, há cinco anos,
fazendo uma campanha em favor dos mais modernos conceitos com relação à
arquitetura funcional-hospitalar, e através de sua Seção de Edificações e
Instalações, organizou um questionário para inspeção prévia do local e para
programação do novo hospital, que publicou e distribui. Durante anos seguidos
estudou a D.O.H. e adota um tipo de hospital-padrão-progressivo-flexível, que
prevê a construção inicial desde 25 leitos,

432

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

podendo aumentar até 250 leitos ou mais. Trata-se de uma planta para hospitalpadrão mínimo e dezenas de blocos foram estudados, de dimensões sistemáticas,
com múltiplos e submúltiplos que permitem acrescer na medida da necessidade e
recursos, além das enfermarias e quartos para medicina e cirurgia, outras unidades,
como sejam: a) serviços auxiliares do diagnóstico e tratamento; b) pronto socorro;
c) isolamento de agudos ou crônicos; d) maternidade; e) clínicas de crianças, etc., etc.
Obedecendo a êsses moldes sistemáticos, a Divisão de Organização
Hospitalar do Ministério da Educação e Saúde vem elaborando plantas de novos
hospitais, oficiais e particulares, para todos os Estados, cooperação inteiramente
gratuita. Assim, estão sendo construídas dezenas de novas sedes das nossas
tradicionais Santas Casas e outras indicações nosocomiais, segundo as normas do
"hospital moderno" da D.O.H.

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR

LEGISLAÇÃO

Rio de Janeiro, 1964.
Reedição de 1965.

Capítulo

7

POLÍTICA HOSPITALAR
LEGISLAÇÃO

POLÍTICA HOSPITALAR
Ao ensejo da publicação dêste Capítulo 7, todo êle contendo a legislação
específica de particular interêsse da D.O.H. e das entidades hospitalares e
especialistas na matéria, merecem especial destaque algumas considerações sôbre a
política hospitalar brasileira.
Já é ponto pacífico considerar-se que a política hospitalar mais acertada é a
que recomenda uma atenção maior ao apuro qualitativo da rêde nosocomial
existente, à melhoria de seu padrão assistencial, em moldes técnicos bem definidos,
figurando em segundo plano o equacionamento do problemas pertinentes ao
desenvolvimento quantitativo da mesma rêde.
No âmbito da hospitalização geral, a orientação que vem sendo aceita é
aquela que deriva para a iniciativa particular, de finalidade não lucrativa, a
construção, a organização, a administração e a manutenção da rêde nosocomial do
País.
A hospitalização especializada ­ dos psicopatas, dos portadores do mal de
Hansen, dos tuberculosos e dos cancerosos ­ é vinculada ao Poder Público, através
de órgãos próprios, que se encarregam do seu conveniente contrôle, com
atribuições executivas e dispondo de recursos orçamentários privativos.
Supletivamente, compete à União oferecer ajuda financeira à rêde hospitalar
filantrópica, de todo o País, de acôrdo com a orientação político-administrativa
mais aconselhável, assim como é de sua alçada oferecer cooperação técnica á
mesma rêde, quando para isso solicitada.
Essa é, em linhas gerais, a conceituação dominante, inclusive como
decorrência das conclusões e recomendações emanadas do Primeiro, Segundo e
Terceiro Congressos Nacionais de Hospitais, realizados, respectivamente, no Rio
de Janeiro (1955), em Belo Horizonte (1958) e em São Paulo (1961). O assunto foi
debatido por uma Comissão Especial, constituída para êsse fim específico,
conforme consta do Decreto n.° .. 37.773/55 e essa Comissão, em relatório final ao
Poder Executivo o encaminhamento, ao congresso Nacional, do anteprojeto da Lei
Orgânica de Assistência Hospitalar, definindo precisamente essas bases essenciais,
anteprojeto para o qual fôra apresentado substitutivo, pelo

438

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

II Congresso Nacional de Hospitais acima referido, cabendo aduzir, aqui, que o
anteprojeto original fôra encaminhado à instância superior em 29 de março de
1956, pelos ofícios ns. 93 e 94, da Divisão de Organização Hospitalar.
Cumpre ao Ministério da Saúde, através da Divisão de Organização
Hospitalar (D.O.H.) traçar o rumo adequado ao bom encaminhamento da política
hospitalar do País, quanto aos seus variados e importantes aspectos: planejamento,
construção, organização, administração, manutenção, etc.
É imperioso que seja dada segura orientação, e que se ofereça solução
imediata para os problemas urgentes, elaborando-se plano de ação imediata, para
os problemas urgentes, elaborando-se plano de ação, hábil e objetivo, para
atendimento, a prazo longo, das necessidades futuras.
Criada em 1941, a D.O.H. vem realizando esforços, muitas vèzes árduos,
mas sem resultados compensadores, face a variados e conhecidos entraves:
deficiência de recursos orçamentários, descontinuidade administrativa, burocracia,
implicações políticas.
Impõe-se, sem dúvida, o processamento de uma reformulação políticaadministrativa, que possibilite o adequado atendimento dêsses problemas, em bases
concretas e definitivas.
Em julho de 1963, o Dr. Orestes Diniz, então Diretor da D.O.H.,
encaminhou ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Saúde "sugestões, no sentido
de ser o Ministério da Saúde armado de meios legais para que possa exercer
atuação mais efetiva no planejamento, orientação e contrôle das organizações
médico-hospitalares existentes no País e que recebem auxílios dos cofres
públicos".
Em suas considerações, quis a D.O.H. salientar que problema de tão alta
significação social deveria ser encarado realìsticamente, quanto à penúria da rêde
assistencial.
Constam da aludida exposição os seguintes trechos, que merecem destaque:
"Nunca é demais lembrar que, na extensa e benemérita rêde de hospitais
brasileiros, se vêm muitos dêles atingidos de defeitos que no devido tempo
poderiam ser evitados, os quais vão desde as plantas mal concebidas, não
funcionais, até às locações erradas, instalações inadequadas ou obsoletas, de
conservação difícil e onerosa. É de observação corriqueira a existência de
deficiências de tôda ordem, oriundas umas de planejamentos inadequados, outras
de falhas técnicas e administrativas, trazendo em conseqüência uma série de
aspectos negativos, por todos os títulos lamentáveis. É fácil identificar, ao lado de
hospitais bem organizados, administrativos com todo o acèrto técnico, outros que,
ao inverso, primam pelo descumprimento das normas mínimas necessá-

LEGISLAÇÃO

439

rias ao exato desempenho das relevantes tarefas que devem realizar nas
comunidades. Predomina em muitos uma acentuada ociosidade de leitos, ou de
entidade responsável para dirigí-los ou porque construídos em permanente fase de
construção, mais ou menos desordenada, que nunca chega ao fim. Outros,
concluímos há anos ­ e às vêzes até equipados ­ continuam fechados, não sendo
postos a funcionar por falta de recursos ou de entidade responsável para dirigí-los
ou porque construídos em locais inadequados. Por isso, alguns forem
transformados em escolas. Nêste desdobrar de irregularidades, há ainda a registrar
estabelecimentos novos, bem construídos, com número de leitos às vêzes elevados,
mas situados próximos de localidades onde existem serviços idênticos em pleno
funcionamento ou, o que é pior, onde não existe siquer um médico para nêles
exercer as atividades médico-assitenciais. Ao lado dêsse evidente desperdício,
assinalam-se áreas, com densidade razoável, desprovidas de unidades hospitalares
imprescindíveis ao atendimento das populações que aí mourejam. São assim, às
vêzes, desprezadas as execuções de obras que deveriam ser prioritárias. Seria longo
prosseguir na exposição que a matéria sugere, inclusive no que diz respeito à falta
de estatística que comprovem os trabalhos prestados pelas instituições, as
deficiências de escritas regulares, indisfarçável índice de descontrôle financeiro
que tantas vêzes lhes comprometem o prestígio e a idoneidade.
A par dêsses fatos, de modo especial, deve ser realçado o inexplicável
critério com que são distribuídas verbas para as instituições, as quais se espalham
pelos vários adendos do orçamento, cada um dêles sob contrôle de órgãos
diferentes, que quase sempre não dispõem de meios de fiscalização da justa
aplicação dos recursos de sua responsabilidade.
O que acaba de ser dito, de maneira sumária, basta para justificar a
preocupação da administração e dos especialistas em organização hospitalar, que
em anos sucessivos, vêm procurando corrigir essas anomalias. Por isso vários
documentos têm sido elaborados sem que, no entanto, por via de qualquer dêles se
haja conseguido disciplinar a matéria, por não terem sido transformados em lei.
O objetivos, que se devem ter em vista para obviar a situação exposta,
podem ser resumidas em cinco itens:
A ­ Ampliação dos recursos, com a criação de novas incidências do fundo
de Assistência Hospitalar (Decreto-Lei n° 9.846, de 12 de setembro de 1946), cuja
arrecadação é insuficiente para atendimento das atuais exigências do problema.
B ­ Disciplina do dispêndio de recursos, dentro de rigorosa programação,
de modo a que se atendesse em primeiro lugar o problema de manutenção e depois
o de equipamento, preparo de pessoal e obras (terminação das iniciadas e
programação adequada de n ovas).

440

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

C ­ Rigoroso critério na distribuição e fiscalização dos auxílios
concedidos, de forma a que tenham a devida destinação.
D ­ Orientar a organização e fiscalizar o funcionamento das instituições
beneficiadas, a fim de que possam desempenhar o relevante papel que lhes cabe em
seus programas de assistência médico-social às nossas populações.
E ­ Reestruturação e reaparelhamento da Divisão de Organização
Hospitalar, objetivando colocar o órgão em condições de cumprir
convenientemente os trabalhos de sua competência".
É, portanto, urgente, a reformulação político-administrativa, ora em estudo.
É indispensável que, ao órgão técnico especializado, do Ministério da Saúde
­ D.O.H. ­ sejam oferecidas as condições mínimas necessárias ao bom
desempenho de suas funções.
Certamente, o Ministério da Saúde há de armar-se, agora, dos necessários
instrumentos para essa reformulação e, para isso, foram tomadas com o Conselho
Nacional de Saúde.
A D.O.H. contribuiu, no que lhe competia, no oferecimento de sugestões
entre as quais sobrelevam a relativa ao preparo de normas técnicas especiais, ao
anteprojeto de Lei Orgânica de Assistência Hospitalar e à transformação da D.O.H.
em Departamento Nacional de Assistência Médico-Social.
Rio de Janeiro, dezembro de 1964.
DR. DIRCEU EULÁLIO
Diretor da D.O.H.

LEGISLAÇÃO
ESPECÍFICA DE
INTERÊSSE DA D.O.H.

INSTRUÇÕES BAIXADAS PELO DIRETOR DA D. O. H., CONFORME
DISPÕE O ARTIGO N.º 5.º DO DECRETO N.º 52.461, DE 12-9-63, SÔBRE
"NORMAS TÉCNICAS ESPECIAIS":
O Diretor da Divisão de Organização Hospitalar, do Departamento Nacional
de Saúde, tendo em vista o que dispõe o Art. 5.º do Decreto n.º 52.464, de 12-91963, sôbre "Normas Técnicas Especiais" para orientação, organização e
funcionamento e a fiscalização de instituições de assistência médico-social no País,
baixa as seguintes instruções, elaboradas pelos técnicos dêste órgão, definindo e
conceituando as unidades estatísticas de utilização nos hospitais e nas entidades
para-hospitalares.
No complexo terreno das atividades médico-assistenciais, é mister que não
se pense no estabelecimento de normas rígidas.
É óbvio que o própria evolução da ciência hospitalar, decorrente do
progresso técnico-científico, há de estar proporcionando, sempre, novas idéias,
novas concepções, novas diretrizes, nêsse importante campo de atividades.
O hospital ou a entidade para-hospitalar, pelo seu crescimento natural,
estarão, permanentemente, preocupados em rever as suas rotinas, em melhorar o
seu trabalho; esta evidência, no que se refere ao organismo assistencial, como um
todo, necessàriamente, inclui, na peculiaridade referida, instalações, admissão, alta,
etc.
Isto significa dizer que não se devem estabelecer normas fixas: ­ estas
estariam passíveis, a tôda hora, das mais acirradas controvérsias.
A Divisão de Organização Hospitalar, assim conceituando a matéria,
entende que as presentes "instruções" devam ser compreendidas, para efeito de
aplicação imediata, responsabilizando-se a mesma Divisão pelas alterações que
devam ser sugeridas, oportunamente, de conformidade com os conhecimentos
novos, que se impuserem, por fôrça daquêle indispensável desenvolvimento dos
órgãos assistenciais.
Com essas considerações, passamos a transcrever as definições, ora
aprovadas pela D. O. H.:
ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ­ É tôda assistência médico-social que tem
por base o Hospital, qualquer que seja sua especialização ou denominação.

444

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

ASSISTÊNCIA MÉDICO-SOCIAL ­ É a modalidade de Assistência Social
em que a Assistência Médica constitui o aspecto predominante.
SERVIÇO SOCIAL ­ É o conjunto de técnicos que visam a utilização dos
recursos da comunidade para promover a reintegração ao meio social dos
indivíduos ou grupos necessitados de assistência.
SERVIÇO SOCIAL MÉDICO ­ É o serviço prestado ao doente e sua família
visando a remoção dos problemas sociais que interferem com o tratamento do
doente e a sua reintegração na comunidade.
HOSPITAL ­ É a instituição destinada a internar pacientes para diagnósticos
e tratamento médico, incumbindo-lhe, ainda, atender àquêles não necessitados de
internação.
HOSPITAL GERAL ­ É aquêle destinado a atender pacientes necessitados
de recursos clínicos gerais ou especializados.
HOSPITAL ESPECIALIZADO ­ É aquêle destinado a atender pacientes de
uma ou mais especialidades correlatas.
HOSPITAL-UNIDADE SANITÁRIA ­ (Unidade Médico-sanitária, Unidade
Mista, Unidade integrada de Saúde) é aquêle que compreende em seu programa as
atividades de assistência médica inclusive hospitalização para clínica e cirurgia de
urgência, obstétrica e as de saúde pública.
HOSPITAL LOCAL OU DE COMUNIDADE ­ É aquêle que, em seu
programa de atividade de assistência médica, clínica, cirúrgica, obstétrica e
pediátrica, integra as de saúde pública, de acordo com as possibilidades de pessoal
e equipamento.
HOSPITAL DISTRITAL OU REGIONAL ­ É aquêle que, mantendo
articulação com os Hospitais-Unidades-Sanitárias e Hospitais locais, tem
atividades de saúde pública e presta assistência médica de maior amplitude.
HOSPITAL DE BASE ­ É aquêle que se destina a executar atividades
médico-sanitária e constitui o centro de coordenação e integração do serviço
médico hospitalar de uma zona, devendo estar capacitado a prestar, também,
assistência especializada mais diferenciada, bem como a formar e aperfeiçoar
pessoal hospitalar.
HOSPITAL DE ENSINO ou HOSPITAL ESCOLA ­ É o hospital de base
utilizado para formação e aperfeiçoamento de médicos e profissionais afins.
CASA DE SAÚDE ­ É o hospital geral ou especializado de finalidade
lucrativa.
CASA DE REPOUSO ­ É a instituição destinada à recuperação de pacientes
com estafa física ou mental, sem lesão orgânica.

LEGISLAÇÃO

lepra.

445

SANATÓRIO ­ Hospital especializado para tuberculose, doentes mentais ou

CLÍNICA DE CONVALESCENÇA ­ Instituição para onde são transferidos
os doentes que necessitam uma menor soma de cuidados médicos ou de
enfermagem.
PAVILHÃO ­ É a edificação isolada ou não, onde funcionam um ou mais
serviços do hospital.
INSTITUIÇÃO OFICIAL ­ É aquela que pertence à pessoa jurídica de
direito público.
INSTITUIÇÃO PARTICULAR ­ É aquela que pertence à pessoa jurídica de
direito privado.
INSTITUIÇÃO DE FINALIDADE LUCRATIVA ­ É aquela que visa auferir
lucros, ou distribuir dividendos.
INSTITUIÇÃO DE FINALIDADE NÃO LUCRATIVA ­ É aquela que não
visa lucros, distribuição de dividendos ou vantagens de qualquer natureza, e que
atende, predominantemente, a uma determinada clientela (associados, segurados,
irmãos de sociedades beneficentes, etc).
INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA ­ É a que destina a totalidade de suas
rendas às atividades de assistência médico-social gratuita e que mantém um terço
dos leitos hospitalares no mínimo, para atendimento gratuito do público em geral.
AMBULATÓRIO ­ É um serviço destinado a diagnóstico ou tratamento de
pacientes sem internação.
CLÍNICA ­ É uma instituição ou serviço hospitalar destinado a diagnóstico
e tratamento de doentes de uma só especialidade.
POLICLÍNICA ­ É uma clínica com várias especialidades.
INSTITUTO CLÍNICO ­ É uma instituição destinada a diagnóstico,
tratamento e pesquisas.
INSTITUIÇÃO PARA-HOSPITALAR ­ É aquela em que há predominância
da assistência social sôbre a assistência médica.
ASILO ­ É uma instituição para-hospitalar destinada à internação de
pacientes por longo período.
ABRIGO ­ É uma instituição para-hospitalar destinada à internação de
pacientes por prazo curto.
ALBERGUE ­ É uma instituição para-hospitalar destinada à internação de
pacientes por 24 horas.
INSTÂNCIA HIDRO-MINERAL ­ Climática, termal e balneária, são
instituições destinadas ao tratamento médico através da utilização terapêutica das
águas, do clima e da radioatividade.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

446

QUARTO HOSPITALAR ­ É um compartimento do hospital destinado a
alojar um ou dois pacientes.
ENFERMARIA ­ É um compartimento do hospital destinado ao alojamento
de três ou mais pacientes.
LEITO ­ É a cama destinada ao paciente hospitalizado, adulto ou criança.
BERÇO ­ É a cama para recém-nascido sadio, do parto ocorrido no
hospital.
INTERNAÇÃO ­ É a entrada no hospital do paciente que nêle permaneça ao
menos 24 horas.
MATRÍCULA ­ É o registro do paciente no Hospital para consulta ou
internamento.
ADMISSÃO ­ É a entrada ou internamento do doente no hospital, isto é, a
sua aceitação, preenchimento da respectiva ficha, abertura do prontuário médico e
conseqüente ocupação de um leito.
ALTA HOSPITALAR ­ É a saída do doente internado para o qual se vinha
mantendo um prontuário médico.
MODALIDADES DE ALTA:
1) Quanto ao resultados de tratamento:
a) curado;
b) melhorando;
c) estacionário;
d) piorado.
2) Quanto aos tipos:
a) por decisão médica;
b) a pedido;
c) por abandono;
d) transferência;
e) para tratamento em ambulatório.
3) Óbito hospitalar: ­ é o óbito de paciente internado:
a) Óbito institucional ­ é o que ocorre depois de completada as primeiras
48 horas, após a admissão.
b) Óbito ­ 48 horas ­ é o que ocorre dentro das primeiras 48 horas que se
seguem à admissão.

LEGISLAÇÃO

447

LOTAÇÃO ­ É o número de leitos efetivamente existentes no Hospital,
respeitadas as instruções baixadas pelo órgão técnico especializado.
LOTAÇÃO MÁXIMA ­ É o número de leitos que podem ser colocados em
quartos e enfermarias, respeitadas as normas da legislação em vigor.
LOTAÇÃO DE EMERGÊNCIA ­ É o número de leitos que podem ser
colocados no hospital, aproveitando-se as áreas consideradas utilizáveis.
DOENTE DE HOSPITAL ­ É o que utiliza os serviços do hospital para
diagnóstico e tratamento.
DOENTE INTERNO ­ É o que ocupa regularmente um leito no hospital,
enquanto recebe assistência médico-hospitalar.
DOENTE EXTERNO OU DE AMBULATÓRIO ­ É o que recebe assistência
no hospital, sem ocupar regularmente um leito.
DOENTE NOVO ­ É o admitido no hospital pela primeira vêz
DOENTE ANTIGO ­ É o já matriculado no hospital, onde recebeu
anteriormente serviço de assistência médica ou hospitalar.
DOENTE ADULTO ­ É o doente de 14 ou mais anos de idade.
DOENTE CRIANÇA ­ É o doente de menos de 14 anos de idade.
RECÉM-NASCIDO ­ É a criança nascida no hospital, enquanto acompanha
a mãe.
DOENTE CONTRIBUINTE ­ É o que paga os serviços que recebe no
hospital.
DOENTE GRATUITO ­ É o que não paga os serviços que recebe do
hospital.
PRONTUÁRIO MÉDICO ­ É o conjunto de documentos que identificam o
doente, consignam o diagnóstico, comprovam os tratamentos recebidos e o motivo
da alta.
CONSULTA MÉDICA ­ É serviço médico prestado ao doente externo.
LEITO-DIA ­ É o leito hospitalar, disponível, incluído na lotação do
hospital, para uso do doente interno, durante o período de 24 horas.
DOENTE-DIA ­ É o período de serviços prestados ao doente, entre dois
censos diários consecutivos. O dia de alta não é computado, exceto, quando o
doente foi admitido nesse mesmo dia.
CENSO-DIÁRIO ­ É o levantamento em cada 24 horas do número de leitos
ocupados.
PERCENTAGEM DE OCUPAÇÃO ­ É a relação percentual entre o número
de doentes-dia e leitos-dia num determinado período.

448

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

CUSTO DE DOENTE-DIA ­ É a unidade de despesa hospitalar,
representando a média de gasto por serviço prestado a um doente internado num
dia hospitalar. Esse custo é determinado dividindo-se a despesa total de
manutenção pelo total de doentes-dia num período determinado (geralmente 1
ano).
Despesas patrimoniais e as realizadas com ambulatório devem ser excluídas
do cálculo.
MÉDIA DOS DOENTES-DIA ­ (média do censo diário) ­ é a relação entre
o total de doentes-dia e determinado período de tempo. Assim, no hospital em que
houver 45 doentes-dia num mês, a média será de
450
15 doentes dia ­­­­­­
30.
NÚMERO DE LEITOS-DIA ­ Corresponde ao número de leitos disponíveis
multiplicado pelo número de dias do mês. Assim, um hospital com 50 leitos terá
1.400, 1.500 e 1.550 leitos-dia nos meses de 28 dias (fevereiro), 30 dias (abril,
junho, setembro e novembro) e 31 dias (janeiro, março, maio, julho, agosto,
outubro e dezembro), respectivamente.
PERCENTAGEM DE OCUPAÇÃO ­ É a relação entre o número de
doentes-dia por 100 e o número de leitos-dia, excluindo os berços. Assim, num
hospital de 50 leitos, que houvesse 1.000 doentes-dia no mês de abril, a
percentagem seria:
doentes dia X 100
Leitos-dia

=

1.000 X 100
1.000
=
=
50 X 30
15

66.7

TEMPO MÉDICO DE PERMANÊNCIA ­ É a relação entre o número de
doentes-dia e o total de altas, inclusive óbitos, em determinado período de tempo.
Assim, num hospital de 50 leitos havendo 1.000 doentes-dia e 120 altas, o tempo
de permanência seria de:
1.000
120

=

100
12

= 8,3 dias

NOTA: ­ Os recém-nascidos não são incluídos e o dia de admissão do
doente não é contado, exceto quando é internado e tem alta no mesmo dia.
INSTALAÇÃO ­ É o conjunto de aparelhos ou peças que compõem uma
determinada utilidade hospitalar.
D. O. H., em 10-3-1964.
a) Dr. Dirceu Eulálio,
Diretor-substituto da D. O. H.

SUGESTÕES DO DIRETOR DA D. O. H.
AO DIRETOR - GERAL DO D. N. S.

DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR (*)
Os estudos, planejados e supervisão dos problemas de assistência médico
social do País, são finalidades fundamentais da DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO
HOSPITALAR (D. O. H.), DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE (D.
N. S.).
Dentro dessas finalidades, incluem-se, necessariamente, as medidas
objetivas de cooperação e divulgação, que importem no seu melhor
desenvolvimento e aprimoramento técnico.
A ela compete, sempre que possível, em articulação com outros órgãos
especializados, organizar e manter atualizados o cadastro, prontuários e fichários
de tôdas as instituições hospitalares e para-hospitalares existentes no País,
estabelecendo normas e padrões para a sua construção, reforma, organização e
funcionamento.
Cumpre-lhe promover a distribuição dos auxílios financeiros, concedidos,
anualmente, pelo govêrno federal, fixando-os, ou, sôbre os mesmos opinando,
dentro de normas e instruções regulamentares, para efeito de regular aplicação.
Em sua esfera assistencial, cumpre-lhe prestar diretamente ­ ou, sob seu
contrôle, por intermédio de outros órgãos, para tal fim por ela credenciados ­
assistência e tratamento especializado a mutilados, outros deficientes físicos e
desamparados.
Cabe, ainda, à DIVISÃO promover e sugerir medidas de assistência a
doentes cárdio-vasculares, de poliomielite, de pênfigo foliáceo e outras entidades
mórbidas, para as quais não existam serviços próprios no Ministério da Saúde.
As atividades da DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR serão
exercidas pelas seguintes SEÇÕES:
I
II
III
IV

­
­
­
­

SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO (S.A.)
SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO SOCIAL (S.A.M.S.).
SEÇÃO DE COOPERAÇÃO E DIVULGAÇÃO (S.C.D.).
SEÇÃO DE PLANEJAMENTO (S.P.).

A D.O.H. terá uma Assessoria Técnica (AT), constituída por uma equipe
especializada e que funcionará diretamente vinculada à sua Diretoria.
__________________
(*) Sugestões da D. O. H. remetidas ao Sr. Diretor Geral do D. N. S., em 14-10-1964.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

452

SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO
(S.A.)
À SEÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO compete:
a)

elaborar a proposta orçamentária da D.O.H.;

b) contabilizar os recursos consignados ao órgão;
c)

escriturar os créditos orçamentários e adicionais concedidos;

d) processar o pagamento das respesas realizadas pelo órgão;
e) encaminhar ao órgão competente os elementos necessários ao
pagamento do pessoal;
f) promover a aquisição do material necessário ao serviço, observada a
legislação específica;
g) apreciar questões de ordem disciplinar, nos têrmos da legislação
vigente;
h) manter registros atualizados relativos à vida funcional de seus
servidores;
i) controlar a freqüência dos servidores, remetendo à Divisão do Pessoal,
na época própria, os respectivos boletins;
j)
pessoal;
l)

manter atualizado o ementário da legislação e dos atos referentes a
conferir, receber, guardar, distribuir e controlar o material adquirido;

m) providenciar o abastecimento regular das diversas Sessões e Assessoria
Técnica, mantendo em estoque quantidades suficientes dos materiais de maior
consumo;
n) promover o consêrto e conservação dos bens pertencentes ao órgão,
zelando pela sua segurança;
o) receber, registrar, distribuir, expedir, controlar, guardar e arquivar a
correspondência oficial, processos e demais documentos de interêsse do órgão;
p) executar os trabalhos de vigilância interna das dependências ocupadas
pelo órgão, controlando a entrada e saída de volumes;
q) promover a publicação dos atos e decisões do Diretor.

LEGISLAÇÃO

453

SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO SOCIAL
(S.A.M.S.)
À SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÉDICO SOCIAL compete:
a) encarregar-se das medidas referentes à assistência médico social a
doentes em geral, a deficientes físicos e desamparados;
b) promover junto às instituições assistenciais do País, especialmente as
beneficiadas para tal fim ­ a sua efetiva cooperação com a D.O.H. em relação à
prática de medidas de ordem assistencial, por ela solicitadas;
c) orientar a luta contra as doenças degenerativas e outras entidades
mórbidas, para as quais não haja serviços especializados no D.N.S.;
d) encaminhar, sempre que possível, aos próprios hospitais da região,
todos os pedidos de internamento formulados à DIVISÃO, provindos de
diferentes regiões do País, mantendo, sôbre os mesmos, o necessário contrôle.
SEÇÃO DE COOPERAÇÃO E DIVULGAÇÃO
(S.C.D.)
À SEÇÃO DE COOPERAÇÃO E DIVULGAÇÃO compete:
a) encarregar-se do estudo da situação hospitalar e para-hospitalar de
todo o País, apresentando planos para a sua melhoria e incentivo;
b) organizar e manter atualizado o cadastro e prontuários das instituições
correspondentes;
c) manter, sempre atualizado, fichário completo de tôdas as instituições
hospitalares e assistenciais do País;
d) fixar, anualmente, em relação a cada instituição, o respectivo número
de leitos, para os fins de distribuição do FUNDO DE ASSISTÊNCIA
HOSPITALAR;
e) opinar nos processos de concessão de auxílios e de subvenções
federais, ajustes, acordos, contratos e convênios, instruindo as instituições
contempladas, quanto à sua devida aplicação;
f) cooperar com os órgãos de estatística na atualização do censo das
entidades assistenciais de todo o território nacional;
g)

elaborar normas para a realização de inquéritos e estatísticas;

h) divulgar os trabalhos técnicos, normas e padrões, objetivando o
incentivo e o aprimoramento das instituições assistenciais.

454

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

SEÇÃO DE PLANEJAMENTO
À SEÇÃO DE PLANEJAMENTO compete:
a) estabelecer normas e padrões para instalações, equipamento,
organização e funcionamento dos serviços técnicos e administrativos de hospitais
em geral, casas de saúde, sanatórios, estabelecimentos para convalescença ou
repouso, colônias de férias, estâncias climáticas e hidro-minerais e outras unidades
assistenciais;
b) estudar e fixar, quando necessário, os padrões mínimos, de instalação e
equipamento hospitalares;
c) realizar inquéritos para verificação da necessidade e localização de
novos hospitais;
d) planejar a ampliação e remodelação de hospitais antiquados para o seu
melhor funcionamento e produtividade;
e) emitir parecer técnico sôbre localização, construção, reconstrução,
reforma, ampliações e adaptações dos hospitais e entidades para-hospitalares;
f) fiscalizar, tècnicamente, dentro do estabelecimento nos itens anteriores,
as atividades e as condições gerais das entidades hospitalares e para-hospitalares
do País.
Rio de Janeiro, 14 de outubro de 1964
Dr. Dirceu Eulálio,
Diretor da D.O.H.

SEÇÃO DE
ASSISTÊNCIA
MÉDICO SOCIAL

S.A.M.S.

SEÇÃO DE
ADMINISTRAÇÃO

S.A

DI RETOR

S.C.D.

SEÇÃO DE
COOPERAÇÃO E
DIVULGAÇÃO

S.P.

SEÇÃO DE
PLANEJAMENTO

ASSESSORIA TÉCNICA

ORGANOGRAMA PROPOSTO PARA A DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
(D.O.H.)

ASSISTÊNCIA E RECUPERAÇÃO
DE MUTILADOS
PORTARIAS MINISTERIAIS

PORTARIA MINISTERIAL N.º 359 ­
DE 7 DE JUNHO DE 1943
Constitui Comissão para ultimar os
processos existentes no Ministério, de assistência
aos mutilados.
O Ministro de Estado da Educação e Saúde, tendo em vista a conveniência
de dar maior amplitude e presteza aos trabalhos de restauração anatomo-funcional
dos mutilados, resolve:
Art. 1.º ­ É constituída, em caráter provisório uma comissão para o fim de
examinar e dar imediata execução aos processos existentes no Ministério da
Educação relativos à pedidos de mutilados já atendidos pelo Presidente República.
§ 1.º ­ A Comissão se instalará e funcionará na Séde da Seção de
Assistência Social da Divisão do Pessoal até que possa ser removida para outro
local.
§ 2.º ­ A Comissão se integrará de servidores do Departamento de
Administração designados pelo Diretor Geral, e será chefiada técnica e
administrativamente, pelo Dr. Homero Fortuna Carneiro, extra-numerário
mensalista da Divisão de Pessoal.
§ 3.º ­ Para acompanhar e auxiliar os trabalhos da Comissão o Diretor da
Divisão Hospitalar a quem compete a supervisão dos assuntos sôbre assistência a
mutilados, designará um médico que servirá de elemento de ligação entre os dois
órgãos de serviço.
§ 4.º ­ A Comissão apresentará um plano de organização do definitivo
serviço de assistência a mutilados.
Art. 2.º ­ A Comissão trabalhará em tempo integral, de oito às onze e de
quatorze às dezessete horas, exceto aos sábados, em que o expediente será de oito
às onze horas, utilizando-se da sede, do aparelhamento, do material e dos meios de
transporte da Seção de Assistência Social, podendo, ainda, dispor dos recursos
próprios dos demais órgãos de Administração do Ministério da Educação.
Parágrafo único. ­ Por proposta do chefe da Comissão, poderá ser
antecipado ou prorrogado, na forma da legislação em vigor, pelo Diretor Geral do
Departamento de Administração, o expediente dos servidores da Comissão.

460

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

Art. 3.º ­ A Seção de Assistência Social usará de suas concessões legais
para obter todos os elementos de que necessitar a Comissão, para a realização das
atribuições que a esta competem.
Art. 4.º ­ Em casos especiais, poderá a Comissão providenciar, por
intermédio da Seção de Assistência Social, a vinda ao Rio de Janeiro de mutilados,
correndo a despesa à conta da Verba 3, Sub-consignação 35, item 04, inciso 06, do
orçamento em vigor, do Ministério da Educação, ou pelo crédito especial aberto
pelo Decreto-Lei n.º 4.818, de 8 de outubro de 1942, até a importância de Cr$
20.000,00.
Art. 5.º ­ Uma vez instalada, a Comissão deverá convocar os interessados,
pelos meios mais rápidos, inclusive por editais publicados nos jornais diários, a fim
de dar início aos exames necessários.
Parágrafo único. ­ Sendo preciso, para facilitar a remoção dos mutilados,
poderá a Comissão requisitar do Serviço de Transportes, antecipadamente e por
intermédio da Seção de Assistência Social, condução especial, mencionada a
espécie de carro e o itinerário a ser percorrido.
Art. 6.º ­ A Comissão organizará separadamente, os processos em que são
interessados mutilados residentes fora do Distrito Federal, providenciando para que
a instrução dêsses processos, inclusive os exames dos pacientes, seja feita por
intermédio dos órgãos da administração estadual ou municipal, ou, não sendo isto
possível, por meio de entidades particulares.
Art. 7.º ­ As despesas de aquisição de aparelhos mecânicos e carros
ortopédicos para os mutilados e as imprevistas serão custeadas, no corrente ano,
pelo crédito de 1942, entendendo-se a Comissão para êsse fim, com a Divisão do
Material do Departamento de Administração.
Art. 8.º ­ Os casos omissos serão resolvidos mediante consulta ao Diretor
Geral do Departamento de Administração.
Rio de Janeiro, 7 de junho de 1943. ­ Gustavo Capanema.
("Diário Oficial" de 10 de junho de 1943).

PORTARIA MINISTERIAL N.º 260, DE 26 DE MAIO DE 1944
Incorpora á Divisão de Organização
Hospitalar os serviços da Comissão de Assistência a
Mutilados.
O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E SAÚDE, tendo em vista o
despacho exarado pelo Sr. Presidente da República na Exposição n.º 875, de 31 de
março de 1944, do Departamento Administrativo do Serviço Público, resolve:
Art. 1.º ­ Ficam incorporados à Divisão de Organização Hospitalar, do
Departamento Nacional de Saúde, os serviços da Comissão de Assistência a
Mutilados, constituída, em caráter provisório pela Portaria Ministerial n.º 359, de 7
de junho de 1943.
Art. 2.º ­ A Divisão de Organização Hospitalar assumirá a direção dos
serviços, recebendo do chefe a que se refere o Art. 1.º, § 2.º, da Portaria Ministerial
n.º 359, o acêrvo da Comissão, bem como um relatório da situação em que se
transferem os mesmos serviços.
Art. 3.º ­ O Diretor da Divisão de Organização Hospitalar designará um
médico para chefiar os serviços.
Art. 4.º ­ A Divisão do Pessoal do Departamento de Administração
promoverá as medidas necessárias para regularizar a situação do pessoal que serve
atualmente na Comissão.
Art. 5.º ­ A Divisão do Material do Departamento de Administração,
devidamente articulada com a Divisão de Organização Hospitalar, continuará a
processar as concorrências ou coletas de preços referentes às aquisições
compreendidas no programa de assistência aos mutilados.
Art. 6.º ­ O Serviço de Transportes continuará a prestar tôda colaboração
que fôr solicitada pela Divisão de Organização Hospitalar.
Rio de Janeiro, 26 de maio de 1944.

MINISTÉRIO DA SAÚDE
DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE
DIVISÃO DE ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Of. n.º 281.

Em, 7 de julho de 1964

Do Diretor da Divisão de Organização Hospitalar.
Ao Sr. Diretor Geral do Departamento Nacional de Saúde.
Assunto: solicita providências.
Senhor Diretor Geral:
A Divisão de Organização Hospitalar vem cogitando há vários anos de
reformular suas diretrizes referentes ao atendimento do problema dos mutilados e
deficientes físicos, objetivando, principalmente, a descentralização das atividades
específicas.
2.
Até 26 de maio de 1944, as citadas atividades foram exercidas, no antigo
Ministério da Educação e Saúde, pela Comissão de Assistência a Mutilados, criada
pela Portaria Ministerial n.º 359, de 1 de junho de 1943.
3.
Em 26 de maio de 1944, a Comissão de Assistência a Mutilados foi
incorporada à Divisão de Organização Hospitalar, pela Portaria Ministerial n.º 260,
daquela data, passando a denominar-se Serviço de Assistência e Recuperação de
Mutilados (S.A.R.M.).
4.
Até agora, o S.A.R.M. vinha atuando apenas no Estado da Guanabara, em
regime de entrosamento com a Clínica Ortopédica da Universidade do Brasil,
fazendo convergir para o Rio de Janeiro os interessados de todo o País.
5.
Faz-se mister que se efetivem as medidas, que venham a possibilitar a
indispensável descentralização dessas atividades e que, de fato venham a
caracterizar a ação essencialmente normativa do órgão, de acôrdo com as
atribuições regimentais vigentes.
6.
Entende esta Diretoria, em consonância, inclusive, com o que dispõe o Art.
16 do Decreto n.º 8.674, de 4 de fevereiro de 1942 (Regimento do Departamento
Nacional de Saúde ­ cópia anexa), que a orientação, a fiscalização e a coordenação
dos recursos assistenciais médico-sociais do País, não seja mais cabível com o
critério, até o momento, mantido.

LEGISLAÇÃO

463

7.
Realmente, urge processar-se a adequada reformulação das atividades dêsse
importante setor, através do estabelecimento de planos de ajuda supletiva
financeira, cobrindo todo o Território Nacional; através de uma política de
incentivo ás entidades assistenciais especializadas; através de uma orientação que
objetive alcançar, pelo menos nos grandes centros, uma condição regional de autosuficiência relativa.
8.
Sem dúvida, essa posição poderá ser obtida em muitas capitais, tais como
Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Belo
Horizonte, etc., sem prejuízo do desenvolvimento dos serviços locais do Estado da
Guanabara, que por igual, continuariam a merecer o amparo, o permanente apôio
do Ministério da Saúde e, de modo particular, a Clínica Ortopédica da
Universidade do Brasil, a quem a Nação já tanto deve, no campo de suas atividades
específicas.
9.
Vale dizer que os trabalhos do S.A.R.M., no Estado da Guanabara,
passariam a ser supervisionados pela Seção de Assistência e Seguro de Saúde
(S.A.S.S.), da D.O.H., sem solução de continuidade, de vez que o Decreto nº 8.674,
de 4 de fevereiro de 1942 (Regimento do D.N.S.) citado no item 6, estabelece
também como suas as atribuições pertinentes às atividades assistências em estudo.
10.
Cumpre, ainda, aduzir que o plano de aplicação da verba orçamentária
própria, do atual exercício (D.N.S. ­ Órgãos Centrais ­ Consignação 3.100 ­
Subconsignação 3.1.01 ­ Item 1), devidamente aprovado, já foi publicado no
"Diário Oficial" de 25 de junho último, e que em sua essência, o aludido plano
permite operar, de imediato ou em época posterior, que possa ser julgada mais
conveniente, sem qualquer prejuízo para os objetivos visados.
11.
Com êsses esclarecimentos, a D.O.H. submete à elevada apreciação de V.
Sa. o que propõe, no sentido de serem obtidas a aprovação e a assinatura do Sr.
Ministro da Saúde de uma Portaria tornando sem efeito as Portarias Ministeriais de
n.º 359, de 7 de junho de 1943 e n.º 260, de 26 de maio de 1944 (cópias anexas).
12.
Encerrando a urgência que o assunto possa merecer por parte de V. Sa.,
aproveito o ensejo para reiterar-lhe protestos de consideração e apreço.
a)

Dr. Dirceu Eulalio
Diretor

Ilmo. Sr.
Dr. Achilles Scorzelli Júnior.
DD. Diretor Geral do Departamento Nacional de Saúde.
Nesta.

PORTARIA GB N. 447, DE 12 DE AGOSTO DE 1964
O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,
no uso de suas atribuições

RESOLVE tornar insubsistente a Portaria n.º 260, de 26 de maio de 1944,
para que se restabeleça o cumprimento do disposto no art. 16 do Decreto n.º 8.674,
de 4 de fevereiro de 1942, que atribui á Seção de Assistência e Seguro de Saúde
(S.A.S.S.), a assistência médico social a deficientes físicos e mutilados.
a) Raymundo de Britto.
(Portaria publicada no "Diário Oficial" de 27-8-64).

ANTE ­ PROJETOS SÔBRE
A LEI ORGÂNICA DE
ASSISTÊNCIA MÊDICO ­ HOSPITALAR

1.º ANTE-PROJETO SÔBRE A LEI ORGANICA DE
ASSISTENCIA MÉDICO-HOSPITALAR
Estabelece bases para a organização da assistência
hospitalar no Território Nacional (*)
CAPÍTULO I
Da Finalidade e Definições
Art. 1.º ­ Esta lei institui normas gerais para a assistência hospitalar no
território nacional (art. 5º, inciso XV, letra b da Constituição Federal).
Parágrafo único ­ A aplicação destas normas envolve, em cooperação
material, profissional, técnica e financeira, órgãos do governo e instituições
particulares, para a construção, instalação, equipamento, organização e
administração de hospitais.
Art. 2º ­ Assistência Hospitalar é toda assistência médico-social que corre
para a criação do completo estado de bem estar físico, mental e social dos
indivíduos.
§ 1.º Hospital é a instituição destinada a internar pessoas para diagnóstico
ou tratamento médico, incumbindo-lhe ainda atender doentes não necessitados de
internação, promover a recuperação social dos pacientes, além da educação
sanitária da população, formação e aperfeiçoamento do pessoal hospitalar,
inquéritos e pesquisas.
__________________
(*)

Conforme relatório apresentado ao Exmo. Sr. Ministro da Saúde, em 31-3-1956, pela Comissão
Especial criada para esse fim específico ­ (Decreto n.º 37.773, de 18-8-1955).

468

DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE

CAPÍTULO II
Da Classificação das Instituições de Assistência Hospitalar
Art. 2º ­ A Assistência Hospitalar classifica-se em:
A ­ GERAL, realizada preponderantemente pelas Instituições Particulares,
no atendimento a pacientes de várias especialidades médicas.
§ 2.º ­ São Serviços Complementares, as instituições que se destinam ao
diagnóstico ou tratamento médico, recuperação profissional e médico-social em
geral, articuladas ou não ao hospital.
B ­ ESPECIALIZADA ­ é a executada em hospitais em que predomine
uma especialidade médica, senado que a relativa a tuberculose, lepra, doenças
nervosas e mentais deve caber preponderantemente aos governos.
Art. 4.º ­ Os hospitais e serviços complementares devem classificar-se:
A ­ do ponto de vista da manutenção:
I ­ do ponto de vista da manutenção:
II ­ Para-estatais, os mantidos por entidades de que participem os Poderes
Públicos;
III ­ Particulares, os mantidos por Instituições Particulares ou de
propriedade privada:
a) de finalidade Incrativa;
b) de finalidade não lucrativa.
B ­ Segundo as características técnicas de construção instalação,
equipamento, hierarquia, organização, administração e população a que se
destinam:
I ­ HOSPITAIS GERAIS:
a) Hospital-Unidade Sanitária;
b) Hospital Local ou de Comunidade;
c) Hospital Regional ou Distrital;
d) Hospital de Base;
e) Hospital de Ensino Médico.
II ­ HOSPITAL ESPECIALIZADO:
(Os que realizam assistência especializada).
III ­ SERVIÇOS COMPLEMENTARES Gerais e Especializados:
a) Casa de convalescentes e de doentes crônicos;
b) Institutos ou clínicas de diagnóstico;
c) Ambulatório, policlínicas e clínicas em geral;
d) Centros de reabilitação.

LEGISLAÇÃO

469

CAPÍTULO III
Do Serviço Nacional de Assistência Hospitalar
Art. 5.º ­ A Divisão de Organização Hospitalar, do Departamento Nacional
de Saúde, criada pelo Decreto-lei n.º 3.171, de 2 de abril de 1941, passa a
denominar-se Serviço Nacional de Assistência Hospitalar.
Art. 6.º ­ Ao Serviço Nacional de Assistência Hospitalar compete:
I ­ Funcionar como órgão técnico do Conselho Nacional de Assistência
Hospitalar criado no Capítulo IV desta lei;
II ­ Elaborar os planos de cooperação (Art. 1.º parágrafo único) previstos no
Capítulo V e submete-los à aprovação do Nacional de Assistência Hospitalar;
III ­ Estabelecer, em colaboração com a Divisão de Obras do Ministério da
Saúde e o Instituto Nacional de Tecnologia, as normas gerais de construção,
instalação, equipamento e administração de hospitais e serviços complementares;
IV ­ Aprovar os projetos e especificações de obras programadas por
Insttiuições particulares que obtenham ou pretendam a cooperação da União;
V ­ Colaborar com os órgãos regionais de assistência hospitalar na
elaboração dos projetos de construção, equipamento, organização e administração
de Hospitais, quando solicitado;
VI ­ Solicitar aos demais órgãos da Administração Pública, informações e
dados estatísticos necessários para a elaboração dos planos de cooperação de que
trata o Art. 1.º, parágrafo único;
VII ­ Fiscalizar o funcionamento dos hospitais e serviços complementares;
VIII ­ Manter atualizado o censo hospitalar, inclusive a estatística de
movimento assistencial e nosológico dos hospitais e serviços complementares de
todo o país;
IX