ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA ­ 2º Trimestre

8º. Ano
DISCIPLINA: História
Observações:
1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como
Estudar.
2 - Os exercícios devem ser resolvidos em folha timbrada e entregues no dia da Prova de
Recuperação.

Conteúdo:

Unidade 8 ­ O Ouro no Brasil
Unidade 9 ­ O Liberalismo contra o Pacto Colonial
Unidade 10 - A família real no Brasil e a Independência

Exercícios:
1)

A Estrada Real, nos dias de hoje, é a reunião dos vários caminhos construídos no Brasil-Colônia, principalmente nos
séculos XVII e XVIII, para o transporte das riquezas do interior para o litoral do Rio de Janeiro, de onde seguiam para a
metrópole portuguesa. São 1.512 km que permitem mergulhar na história brasileira. A circulação de pessoas,
mercadorias e riquezas era obrigatoriamente feita por aqueles caminhos, constituindo crime de lesa-majestade a
abertura de outros não autorizados pela administração metropolitana.
Adaptado de http://360graus.terra.com.br

A expansão da colonização na América portuguesa, nos séculos XVII e XVIII, ocasionou o surgimento de novas
atividades econômicas, de núcleos de povoamento e de caminhos e estradas, como os que compuseram a Estrada
Real.
1

Cite a principal atividade econômica que condicionou o surgimento dos caminhos da Estrada Real e identifique dois
interesses da Coroa portuguesa em controlar esses caminhos, no decorrer do século XVIII.
2) Onde houve escravidão, houve resistência. E de vários tipos. Mesmo sob a ameaça do chicote, o escravo negociava
espaços de autonomias com os senhores ou fazia corpo mole no trabalho, quebrava ferramentas, incendiava
plantações, agredia senhores e feitores. Rebelava-se individual e coletivamente. Aqui a lista é grande e conhecida.
Houve, no entanto, um tipo de resistência que poderíamos caracterizar como a mais típica da escravidão ­ a fuga.
Adaptado de: SCHIMIDT, Mário. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2005. p. 207.

Escreva sobre a vida do escravo negro africano na região das Minas.
3) "Cada ano, vêm nas frotas quantidade de portugueses e de estrangeiros, para passarem às minas. Das cidades,
vilas e recôncavos e sertões do Brasil, vão brancos, pardos e pretos, e muitos índios, de que os paulistas se servem. A
mistura é de toda a condição de pessoas: homens e mulheres, moços e velhos, pobres e ricos, nobres e plebeus,
seculares e clérigos, e religiosos de diversos institutos, muitos dos quais não têm no Brasil convento nem casa".
(André João Antonil, "DAS PESSOAS QUE ANDAM NAS MINAS E TIRAM OURO DOS RIBEIROS", in Cultura e opulência
do Brasil, 1a edição 1711)

A corrida do ouro às minas brasileiras ocorrida nas primeiras décadas do século XVIII, proporcionou significativas
mudanças na economia e na sociedade coloniais. Escreva sobre as principais mudanças ocorridas no Brasil com a
mineração.
4) Baseando-se em seus estudos sobre Inconfidência Mineira e Conjuração Baiana, preencha o quadro abaixo:
INCONFIDÊNCIA MINEIRA
CONJURAÇÃO BAIANA
Causas

Camadas
sociais
envolvidas
Propostas dos
rebeldes

Resultados

2

5) Observe a imagem e responda:

Na história brasileira, a representação de Tiradentes, um dos protagonistas da Inconfidência Mineira (1788-1789),
exemplifica um processo de transformação de alguns de seus personagens em heróis nacionais.
Apresente duas propostas políticas da Inconfidência Mineira e justifique a transformação de Tiradentes em herói
nacional.

6) Em janeiro de 1808, D. João, Príncipe Regente do Império Português, expediu a seguinte Carta Régia:
"Eu, o Príncipe-Regente [...] atendendo à representação que fizestes subir à minha Real presença, [...] sou
servido ordenar [...] o seguinte:
Primeiro ­ Que sejam admissíveis nos portos do Brasil todos e quaisquer gêneros, fazendas e mercadorias,
transportadas em navios estrangeiros das potências que se conservam em paz e harmonia com a minha Real Coroa
[...]. Segundo ­ Que não só os meus vassalos, mas também os sobreditos estrangeiros possam exportar para os portos
que bem lhes parecer, a benefício do comércio e agricultura, que tanto desejo promover, todos e quaisquer gêneros e
produções coloniais [...]. O que tudo assim fareis executar com o zelo e atividade que de vós espero."
(Adaptado de Coleção das Leis do Brasil ­ 1808.)
Com base nesse documento e nos conhecimentos históricos, escreva um texto abordando as consequências dessas
determinações de D. João sobre o pacto colonial.

3

7)

"Houve muita confusão no embarque, e a viagem não foi fácil. Uma tempestade dividiu a frota; os navios estavam
superlotados, daí resultando falta de comida e água; a troca de roupa foi improvisada com cobertas e lençóis fornecidos
pela marinha inglesa; para completar, o ataque dos piolhos obrigou as mulheres a raspar o cabelo. Mas esses aspectos
novelescos não podem ocultar o fato de que, a partir da vinda da família real para o Brasil, transformou as relações
Brasil-Portugal, gerando uma reviravolta".
(FAUSTO, Boris. HISTÓRIA DO BRASIL. 2 ed. São Paulo: Edusp, 1995.p.120)

Com relação ao evento relatado no texto e a caricatura acima, responda às questões abaixo.
a) Por que a Família Real portuguesa resolveu abandonar Portugal e vir para o Brasil?
b) Cite duas medidas adotadas pelo governo português no Brasil e que podem ser associadas à "reviravolta"
assinalada pelo autor.
c) Escreva sobre o processo de independência do Brasil, destacando o retorno de D. João VI à Portugal e as
exigências das Cortes em Lisboa.

4