HISTÓRIA DO DIREITO
NO BRASIL

ANTONIO CARLOS WOLKMER
Professor titular de "História das Instituições Jurídicas" da UFSC. Professor nos
Cursos de Graduação e Pós-graduação em Direito da UFSC. Doutor em Direito.
Mestre em Ciência Política. Pesquisador do CNPq.

HISTÓRIA DO DIREITO NO
BRASIL

3ª edição
Revista e atualizada

Rio de Janeiro
2003

Para
STEFAN GABRIELE

História do Direito só alcança real significado
enquanto interpretação crítico-dialética da formação e da
evolução das fontes, idéias norteadoras, formas técnicas e
instituições jurídicas, primando pela transformação
presente do conteúdo legal instituído e buscando nova
compreensão historicista do Direito num sentido social e
humanizador.

SUMÁRIO
Abreviaturas e Siglas Usadas XI
Introdução 1
Capítulo I - PARADIGMAS, HISTORIOGRAFIA CRÍTICA E DIREITO MODERNO11
1.1 Questões Paradigmáticas para Repensar a História 11
1.2 Historiografia Jurídica Tradicional: Natureza e Função 14
1.3 Novos Marcos na Historicidade do Direito 17
1.4 Pressupostos da Modernidade Jurídica Burguesa: Idéias e Instituições 24
Capítulo II - O DIREITO NA ÉPOCA DO BRASIL COLONIAL 35
2.1 Primórdios da Estrutura Político-Econômica Brasileira 35
2.2 A Legislação Colonizadora e o Direito Nativo 45
2.3 Os Operadores Jurídicos e a Administração da Justiça
Capítulo III - ESTADO, ELITES E CONSTRUÇÃO DO DIREITO NACIONAL 73
3.1 O Liberalismo Pátrio: Natureza e Especificidade 74
3.2 O Liberalismo e a Cultura Jurídica no Século XIX 79
3.3 Magistrados e Judiciário no Tempo do Império 90
3.4 O Perfil Ideológico dos Atores Jurídicos: o Bacharelismo Liberal 98
Capítulo IV - HORIZONTES IDEOLÓGICOS DA CULTURA
JURÍDICA BRASILEIRA 105
4.1 Trajetória Sócio-Política do Direito Público 105
4.2. As Instituições Privadas e a Tradição Jurídica Individualista 116
4.3 Historicidade e Natureza do Pensamento Jusfilosófico Nacional 125
Considerações Finais 143
Bibliografia 147
Índice Onomástico 159
Índice de Assuntos 165
Sobre o Autor 169

ABREVIATURAS E SIGLAS USADAS

abr.
bib.
cf.
Cia.
CNPq
coord.
depto.
dir.
ed.
Ed.
ESAF
ESAG
IBEJ
IBF
IDA
IFIL
INL
jun.
mar.
n.
op. cit.
org.
out.
p.
Pe.
PR.
PUC
RS
SBPC
SC

abril
biblioteca
conferir
companhia
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
coordenador
departamento
diretor
edição
Editora
Escola de Administração Fazendária
Fundação de Estudos Superiores de Administração e Gerência
Instituto Brasileiro de Estudos Jurídicos
Instituto Brasileiro de Filosofia
Instituto de Direito Alternativo
Instituto de Filosofia da Libertação
Instituto Nacional do Livro
junho
março
número
Opus citatum
organizador
outubro
página
Padre
Paraná
Pontífica Universidade Católica
Rio Grande do Sul
Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência
Santa Catarina

s/d
t.
UDESC
UFSC
UnB
UNESP
UNIJUÍ
Unisinos
UNISUL
UNOESC
URI
USP
v.

sem data
tomo
Universidade Estadual de Santa Catarina
Universidade Federal de Santa Catarina
Universidade Nacional de Brasília
Universidade Estadual Paulista
Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Universidade do Sul de Santa Catarina
Universidade do Oeste de Santa Catarina
Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
Universidade de São Paulo
volume

INTRODUÇÃO
É inegável o significado da retomada dos estudos históricos no âmbito do Direito,
principalmente quando se tem em conta a necessidade de repensar e reordenar uma tradição
normativa, objetivando depurar criticamente determinadas práticas sociais, fontes fundamentais e
experiências culturais pretéritas que poderão, no presente, viabilizar o cenário para um processo
de conscientização e emancipação. Naturalmente esta preocupação distancia-se de uma
historicidade jurídica estruturada na tradição teórico-empírica construída pela força da autoridade,
da continuidade, da acumulação, da previsibilidade e do formalismo. A obtenção de nova leitura
histórica do fenômeno jurídico enquanto expressão cultural de idéias, pensamento e instituições
implica a reinteração das fontes do passado sob o viés da interdisciplinaridade (social, econômico
e político) e da reordenação metodológica, em que o Direito seja descrito sob uma perspectiva
desmitificadora. Para atingir "esta condição histórico-crítica sobre determinado tipo de sociedade
e suas instituições jurídicas, impõe-se, obrigatoriamente, visualizar o Direito como reflexo de uma
estrutura pulverizada não só por certo modo de produção da riqueza e por relações de forças
societárias, mas, sobretudo, por suas representações ideológicas, práticas discursivas
hegemônicas, manifestações organizadas de poder e conflitos entre múltiplos atores sociais".1
Assim, participa-se da preocupação constantemente evidenciada por alguns
juristas que questionam o conhecimento dogmático e estimulam uma visualização mais sóciopolítica da historicidade jurídica.2 Aceitar a politização das idéias e das instituições jurídicas
significa superar todo e qualquer viés metodológico representado pelo historicismo legal de
cunho formalista, erudito e elitista.
Por conseguinte, nessa renovação crítica da historicidade jurídica, engendrada e
articulada na dialética da vida produtiva e das relações sociais, torna-se imperioso explicitar a
real apreensão do que possam significar as formas simbólicas de "instituições jurídicas",
"cultura jurídica" e "História do Direito", num contexto interpretativo crítico-ideológico.
Nessa perspectiva, parte-se da premissa de que as instituições jurídicas têm
reproduzido, ideologicamente, em cada época e em cada lugar, fragmentos parcelados,
montagens e representações míticas que revelam a retórica normativa, o senso comum
1

WOLKMER, Antonio C. Fundamentos de História do Direito. Belo Horizonte: Del Rey, 1996, p. 7.
Vide, neste sentido: CORRADINI, Domenico. Historicismo y Politicidad del Derecho. Madrid: Editoriales de
Derecho Reunidas, 1982; SCHIAVONE, Aldo. Historiografía y Crítica del Derecho. Madrid: Editoriales de
Derecho Reunidas, 1982; HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Lisboa: Livros
Horizontes, s/d. ____. Panorama Histórico da Cultura Jurídica Européia. S/I: Publicações Europa-América,
1997; T ARELLO, Giovanni. Cultura Jurídica y Política del Derecho. México: Fondo de Cultura Económica,
1995. BERMAN, Harold J. La Formación de la Tradición Jurídica de Occidente. México: Fondo de Cultura
Económica, 1996; BRETONE, Mario. Derecho y Tiempo en la Tradición Europea. México: Fondo de Cultura
Económica, 1999.
2

legislativo e o ritualismo dos procedimentos judiciais. Tal condição se aproxima de uma
primeira noção de instituição jurídica, projetada como estrutura normativa sistematizada e
permanente, atuando e coordenando determinados núcleos de ação que têm funções
específicas (controle social, sanção, administração política e financeira, ordem familiar,
satisfação das necessidades comunitárias), operadores profissionais (juiz, advogado, defensor
público) e órgãos de decisão (tribunais de justiça).
Justifica-se, deste modo, a importância da presente incursão teórica sobre alguns
momentos do processo histórico-evolutivo de nossa cultura jurídica, porquanto o enfoque não
recairá num historicismo meramente linear, assentado numa dinâmica regular do "tradicional"
para o "moderno ou do "religioso" para o "secularizado",3 mas, tem-se a preocupação de
contemplar uma historicidade marcada por crises, rupturas, avanços e recuos, bem como pela
convivência de contradições, desigualdades e conflitos dentro de um espaço capitalista
neocolonial, dependente e periférico.
Ademais, a proposta temática, ao repensar as idéias, as formas oficializadas de
pensamento e as instituições jurídicas nacionais, não só problematiza o Direito como
fenômeno sócio-cultural, mas, sobretudo, redimensiona o conceito de cultura4 sob a luz de
uma contextualização crítico-ideológica. Deixando de lado a concepção elitista de cultura ­
associada à acumulação de conhecimentos, à uniformidade de padrões transmitidos e à
racionalidade individualista - busca-se introduzir a noção de cultura à práxis humana e às
manifestações intelectivas da consciência criadora de um povo. Pode-se, com efeito,
particularizar uma certa prática de cultura, atribuindo maior significado à cultura popular ou à
erudita, à cultura das classes subalternas ou das classes dominantes. Reconhecendo uma
"circularidade" de influências recíprocas entre os dois níveis, Carlo Ginzburg assinala que a
expressão cultura pode definir "o conjunto de atitudes, crenças, códigos de comportamento
próprios das classes subalternas num certo período histórico (...)".5
3

BOSI, Alfredo. "Prefácio". In: MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974),4. ed.
São Paulo: Ática, 1978.
4
Recordando algumas formulações convencionais de cultura, cumpre assinalar que esta pode expressar:
a) "a totalidade das manifestações e formas de vida que caracterizam um povo". JAEGER, Werner. Paidea. A
Formação do Homem Grego. São Paulo: Martins Fontes, 1979, p. 7.
b) "o conjunto de tudo aquilo que, nos planos material e espiritual, o homem constrói sobre a base da natureza,
quer para modificá-la, quer para modificar-se a si mesmo." REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 11.
ed. São Paulo: Saraiva, 1984, p. 25-26.
c) "cultura é o conjunto das práticas, das técnicas, dos símbolos e dos valores que se devem transmitir às novas
gerações para garantir a reprodução de um estado de coexistência social", BOSI, Alfredo. Dialética da
Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992,.p. 16.
Para uma maior precisão, consultar ainda: MALINOWSKI, Bronislaw. Uma Teoria Científica da Cultura. 3. ed.
Rio de Janeiro: Zahar, 1975; GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
5
GINSBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987, p. 16-17.

Com essa preocupação, aparece aqui a opção comprometida do jurista-historiador
por uma narrativa calcada na compreensão de cultura como instrumental de significações
capaz de sublinhar a historicidade das contradições entre alienação/dependência/exploração e
libertação/ emancipação, quer no que se refere aos indivíduos, quer no que se refere às
instituições sociais. Daí se depreende, igualmente, a significação de cultura jurídica como as
representações padronizadas da (i)legalidade na produção das idéias, no comportamento
prático e nas instituições de decisão judicial, transmitidas e internalizadas no âmbito de
determinada formação social.
Uma vez explicitado o marco teórico e o tipo de História do Direito almejado sua interação com instituições e cultura - assinala-se, agora, o espaço para uma preocupação
didático-pedagógica. Cabe referir, de forma convencional, a questão do conceito, da natureza
dos objetivos da área de investigação e a revisão da literatura no âmbito nacional.
Pode-se conceituar a História do Direito como a parte da História geral que
examina o Direito como fenômeno sócio-cultural, inserido num contexto fático, produzido
dialeticamente pela interação humana através dos tempos, e materializado evolutivamente por
fontes históricas, documentos jurídicos, agentes operantes e instituições legais reguladoras.
A natureza da História do Direito é marcada por uma distinção clássica entre
"história externa" e "história interna". A primeira trata do exame formal dos acontecimentos
político-sociais que engendram e influenciam as fontes clássicas do Direito (documentos,
legislação, costumes, jurisprudência). A segunda é um estudo material da vida dos institutos e
das instituições públicas e privadas (família, propriedade, evolução do contrato,
desenvolvimento das corporações etc.).
Quanto aos objetivos da História do Direito, o intento é "fazer compreender como
é que o Direito atual se formou e se desenvolveu, bem como de que maneira evoluiu no
decurso dos séculos".6 Igualmente, a meta é o "exame crítico das legislações passadas com o
fim de expor as suas sucessivas transformações, salientando os modos por que estas se
verificaram, de acordo com as mudanças da consciência, das condições e necessidades
sociais".7 Em suma, a finalidade essencial da História do Direito é a interpretação críticodialética da formação e da evolução das fontes, idéias norteadoras, formas técnicas e
instituições jurídicas, primando pela transformação presente do conteúdo legal instituído e
buscando nova compreensão historicista do Direito num sentido social e humanizador.

6

GILISSEN, John. Introdução Histórica ao Direito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1988, p. 13.
TRIPOLI, César. História do Direito Brasileiro. Época Colonial. vol. I. São Paulo: Revista dos Tribunais,
1936, p. 12.
7

A tradição da literatura sobre o desenvolvimento da História do Direito no Brasil
no que se refere às suas fontes e à sua produção tem sido discreta e pouco satisfatória. Em
grande parte trata de uma historiografia que cobre, do período colonial ao Império, estudos
descritivos e pouco sistemáticos, marcados por um enfoque tradicional e algumas vezes
erudito, mas sem uma contextualização crítica maior. Talvez isso possa ser o sintoma direto
de que a disciplina História do Direito nunca foi correta nem devidamente considerada, desde
a criação dos primeiros cursos jurídicos em 1827. Na verdade, foi somente com a Reforma
Benjamin Constant, em 1891, responsável pela reorganização das faculdades de Direito, que
se implantou a cadeira de História do Direito Nacional. Contudo, a pobreza de pesquisas nesta
área e a falta de maior interesse na produção bibliográfica relegaram quase ao esquecimento a
disciplina História do Direito Brasileiro, nos programas do ensino jurídico das inúmeras
faculdades do país, ao longo da República.8
Uma breve revisão da literatura mostra que a primeira obra de importância foi a
História do Direito Nacional (1895), escrita por José Isidoro Martins Júnior, um dos
principais integrantes da Escola do Recife. Trata-se de trabalho pioneiro que abarca, de forma
sucinta mas ordenada, a evolução do Direito do período colonial até a Independência. Ao par
dessa referência, necessário é recordar que em 1927, a Faculdade de Direito do Rio de
Janeiro, em comemoração ao centenário da fundação dos cursos jurídicos no país, promoveu a
organização de um livro jubilar, aglutinando diversos textos sobre a História do Direito
Brasileiro. Contudo, obra singular pela clareza e sistematização foi a História do Direito
Brasileiro, de César Tripoli, compreendendo, no primeiro volume, a época colonial (editado
em 1936) e, no segundo tomo, parte do Império (edição de 1947). A morte do jurista
inviabilizou avanço maior de seu inventário do Direito Nacional.
Talvez a pesquisa mais minuciosa e abrangente sobre nossas fontes legais, cobrindo
os séculos XVI, XVII e XVIII, esteja registrada nos quatro volumes da História do Direito no
Brasil, publicada nos anos 50, de autoria de Waldemar Ferreira. De outra parte, não pode ser
esquecido o trabalho de Haroldo Valladão, História do Direito, Especialmente do Direito
Brasileiro, caracterizado como exposição um tanto desordenada e acrítica apesar da riqueza de
informações e da grande erudição. Por fim, merecem ainda registro as didáticas Lições de
História do Direito, de Walter Vieira do Nascimento, que reservam seus quatro últimos
capítulos ao Direito Brasileiro, bem como as descritivas e panorâmicas História Resumida do
Direito Brasileiro, de Nilton Duarte Segurado e Direito em História, de Ronaldo Leite Pedrosa.

8

Cf. TRIPOLI, César. Op. cit., p. 16-19.

De todas, merece destaque, pela erudição e pela qualidade da proposta, a obra do Prof. José
Reinaldo de Lima Lopes, O Direito na História. Lições Introdutórias.9
Isso consignado e sem esgotar todas as obras que foram escritas sobre o assunto,
cabe uma vez mais chamar a atenção para a especificidade deste livro como introdução sóciopolítica de alguns momentos da História do Direito no Brasil. Trata-se de uma perspectiva que
busca destacar e entrelaçar a produção cultural de idéias, procedimentos e instituições como
processo dialético de avanços, rupturas e superações. Faz-se assim, a leitura sob um viés
histórico-crítico que compreende, como diz Octávio Ianni, "um questionamento do real a
partir dos movimentos desse real, um modo de vê-lo no âmbito das diversidades e
desigualdades que fundam as suas contradições. Assim, descortina um horizonte diferente,
por meio do qual se pode deslindar o caleidoscópio em que se mesclam e distinguem o
passado e o presente".10
Essas asserções conduzem à imediata explicação dos principais objetivos deste
livro, que se direcionam no sentido de reinventar brevemente a trajetória da historicidade
jurídica nacional, quer apontando seus mitos falácias e contradições, quer evidenciando seu
perfil e sua natureza ideológica. Tais constatações refletem a especificidade de uma tradição
legal profundamente comprometida com uma formação social elitista agrário-mercantil,
antidemocrática e formalista. Mais claramente nos objetivos, procura-se demonstrar que a
transposição e a adequação do direito escrito europeu para a estrutura colonial brasileira
acabou obstruindo o reconhecimento e a incorporação de práticas legais nativas
consuetudinárias, resultando na imposição de um certo tipo de cultura jurídica que
reproduziria a estranha e contraditória convivência de procedimentos burocráticopatrimonialistas com a retórica do formalismo liberal e individualista. A dinâmica dessa
junção eclodiu nos horizontes ideológicos de uma tradição legal - seja no âmbito das idéias",
9

Para comprovação, consultar: MARTINS JÚNIOR, José Isidoro. História do Direito Nacional. 3. ed. Brasília:
Depto. de Imprensa Nacional, 1979; TRIPOLI, César. Op. cit.; FERREIRA, Waldemar. História do Direito
Brasileiro. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, 1962; VALLADÃO, Haroldo. História do Direito, Especialmente
do Direito Brasileiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1980. NASCIMENTO, Walter Vieira do. Lições de
História do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1984; SEGURADO, Milton Duarte. História Resumida do
Direito Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1982; PEDROSA, Ronaldo Leite. Direito em História. 3. ed. Nova
Friburgo: Imagem Virtual, 2000; LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. Lições Preliminares.
São Paulo: Max Limonad, 2000. Devem-se registrar também obras panorâmicas de história das idéias e do
pensamento jusfilosófico brasileiro, como: MACHADO NETO, A. L. História das Idéias Jurídicas no Brasil.
São Paulo: Grijalbo, 1969; MENDES, Antonio Celso. Filosofia Jurídica no Brasil. São Paulo: Ibrasa; Curitiba:
Ed. Univ. Champagnat, 1992. Apontam-se como significativas outras obras de cunho histórico que resgatam
temas, experiências ou instituições jurídicas, particularmente: VENANCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao
Bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, s/d.; SALDANHA, Nelson. A Escola do Recife. 2. ed. São Paulo:
Convívio, 1985; ADORNO, Sergio. Os Aprendizes do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988; DUTRA, Pedro.
Literatura Jurídica no Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 1992.
10
IANNI, Octávio. A Idéia de Brasil Moderno. São Paulo: Brasiliense, 1992, p. 83.

seja no âmbito das "instituições" - marcada pelo que se irá designar como perfil liberalconservador. Essa direção está delimitada, particularmente, em três momentos da produção
jurídica nacional, representados na vigência institucional do "Direito Público", no espaço
conflitivo do "Direito Privado oficial" e no processo de constituição do pensamento
jusfilosófico pátrio.
Nada mais natural que a obra recaia na opção por um procedimento metodológico
histórico-crítico sem descartar aproximações interdisciplinares, pois, além de envolver a
discussão sobre uma totalidade específica e regionalizada, pulverizada por conflitos sóciopolíticos, contradições estruturais e mitificações institucionalizadas, busca instituir,
igualmente, um quadro cultural de reordenação do Direito "no conjunto das práticas sociais
que o determinam".
Por fim, assinala-se que a sistematização da obra compreenderá quatro etapas
intrinsecamente amarradas na lógica seqüencial do tempo e do espaço. Inicia-se o primeiro
capítulo com a problematização das relações entre a História e o Direito, procurando
descrever a natureza e a função da historiografia tradicional, bem como a questão das
mudanças sociais, a crise dos paradigmas e os novos marcos teórico-metodológicos que
possibilitam repensar e alcançar outra historicidade das idéias e das instituições no Direito.
No segundo capítulo, adentra-se pela singularidade do sistema institucional brasileiro durante
o período da colonização, demarcando não só seus traços estruturais, mas, sobretudo, os
primórdios de um Direito nativo desconsiderado pela Metrópole, a imposição da legislação
romano-lusitana, os primeiros operadores jurídicos e a administração da justiça representada
pelo Tribunal da Relação e pelos magistrados portugueses. O capítulo seguinte relata o
processo histórico edificador da produção jurídica nacional a partir da independência do país,
em 1822. Trata-se de precisar a relevância das fontes alienígenas na codificação do sistema
legal brasileiro, especialmente de que modo as diretrizes do liberalismo político e econômico
foram difundidas, adaptadas e exerceram influência na fundação das primeiras escolas de
Direito (Recife e São Paulo) e na formação intelectual de uma elite burocrática composta por
magistrados e por bacharéis profissionais, estes preparados para os serviços da administração
no governo e na vida pública. Em suma, no último momento da obra procura-se descrever
criticamente os parâmetros sócio-políticos da produção jurídica nacional, mediante três etapas
históricas, configuradas na retrospectiva institucional do Direito Público, no espaço legal das
instituições privadas e na problematização evolutiva do pensamento jurídico nacional.
Eis, portanto, os intentos desta investigação histórica: não tem a pretensão de
traduzir uma história geral e completa, tampouco uma tese acadêmica rigorosamente neutra,

sistemática e científica, mas uma breve introdução histórico-crítica acerca de determinados
momentos do Direito pátrio. Enfim, nos marcos de certos limites e possibilidades,
contextualiza-se por meio de uma interpretação crítico-desmitificadora de teor sócio-político,
a releitura e a revisão de nossa cultura jurídica tradicional, apontando para a construção de
nova historicidade no Direito.

Capítulo I

PARADIGMAS, HISTORIOGRAFIA CRÍTICA
E DIREITO MODERNO
1.1 Questões paradigmáticas para repensar a História

Examinar e problematizar as relações entre a História e o Direito reveste-se hoje
da maior importância, principalmente quando se tem em conta a percepção da normatividade
extraída de um determinado contexto histórico definido como experiência pretérita que
conscientiza e liberta o presente. Naturalmente tal preocupação dissocia-se de uma
historicidade do jurídico, marcada por toda uma tradição teórico-empírica assentada em
proposições revestidas pela força da continuidade, da previsibilidade, do formalismo e da
linearidade. Mas, para alcançar nova leitura histórica do fenômeno jurídico enquanto
expressão de idéias, pensamento e instituições, é necessário apurar a distinção das
especificidades inerentes a cada campo científico do que seja História, do que seja Direito,
bem como o sentido e a função de uma interpretação que se reveste do viés tradicional ou
crítico.
Antes de tratar de questões relativas à vinculação mais direta da historiografia,
historicidade e história ao Direito, passamos a considerar a História como área de investigação
com autonomia e características próprias. Neste sentido, a História pode ser visualizada como a
sucessão temporal dos atos humanos dinamicamente relacionados com a natureza e a sociedade.1
A História expressa a complexa manifestação da experiência humana interagida no bojo de fatos,
acontecimentos e instituições. O caráter mutável, imperfeito e relativo da experiência humana
permite proceder múltiplas interpretações dessa historicidade. Daí a formulação, ora de uma
História oficial, descritiva e personalizada do passado, e que serve para justificar a totalidade do
presente, ora da elaboração de uma História subjacente, diferenciada e problematizante que serve
para modificar/recriar a realidade vigente. A postura contrastante entre História tradicional e
História "alternativa" é perfeitamente sentida por historiadores como Peter Burke, identificados
com a "nova História". Utilizando categorias advindas da filosofia da ciência (Thomas Kuhn) e da
Escola dos Annales, Peter Burke observa que a percepção da inconsistência do paradigma
1

Cf. BESSELAAR, José Van Den. Introdução aos Estudos Históricos. 3. ed. São Paulo: Herder, 1970, p. 29;
CARR, E. H. Que é História? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. VEYNE, Paul. Como se Escreve a
História/Foucault Revoluciona a História. Brasília: UnB, 1982; LE GOFF, Jacques. História e Memória. 3. ed.
Campinas: Unicamp, 1994.

tradicional foi motivada por ampla variedade de mudanças que levaram à redefinição dos
conceitos, das fontes, do método e da interpretação da História escrita.2
A análise atenta leva o historiador inglês a indicar alguns pontos essenciais que
distinguem a "antiga" da "nova" História.
Primeiramente, há de se observar que a "nova" História começou a privilegiar toda
a "atividade humana", desde os mínimos detalhes, o trivial e o cotidiano. Tal preocupação
explica um relativismo cultural destruidor de tradicionais hegemonias temáticas que distinguem
acontecimentos importantes e que merecem ser narrados e outros que devem ser postos de lado
e esquecidos. Agora, "tudo tem uma História".3 Um segundo aspecto a considerar é que a
"nova" História não se ocupa mais da narração de acontecimentos, mas, sobretudo, das
mudanças estruturais, mormente no social e no econômico. A terceira constatação é que a
História convencional parte de uma perspectiva de cima, ou seja, tem destacado a obra dos
"grandes homens, estadistas, generais ou ocasionalmente eclesiásticos. Ao resto da humanidade
foi destinado um papel secundário no drama da história".4 Trata-se agora de recuperar a
experiência histórica das bases, das pessoas comuns e das mentalidades coletivas que aspiram
por rupturas sociais. Um quarto ponto que cabe sublinhar é a obrigatoriedade de redefinir as
fontes, ainda muito presas aos registros oficiais e aos documentos preservados em arquivos,
buscando outros tipos de evidências confiáveis. Além da crítica que pode ser feita ao modelo
tradicional de interpretação e explicação histórica, Burke assevera, por último, a presunção do
paradigma tradicional em se ater a uma suposta objetividade dos fatos que não existe, pois a
realidade é sempre visualizada através de representações, preconceitos e estereótipos.5
Essa distinção entre "antiga" e "nova" História, introduzida por Peter Burke,
permite aprofundar a incursão no sentido de ter presente a inadequação de um modelo teórico
tradicional e a consciência do rompimento, estabelecendo com clareza que tipo de perspectiva
histórica é radicalmente rejeitada e que espécie de historicidade se busca. Não mais uma
história de justificações do passado, mas de transgressões e rupturas em relação ao presente.
Daí resulta o desafio apontado por José Honório Rodrigues, quando interpreta a
história da cultura e da sociedade brasileira, ou seja, a recuperação de outro tipo de
historicidade comprometida com a transformação do mundo, e com a salvação do próprio
homem.6 É a recusa de uma historicidade identificada com a verdade dominante, oficial,
2

Cf. BURKE, Peter (org.). A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1993, p. 19-20.
BURKE, Peter. Op. cit., p. 11.
4
BURKE, Peter. Op. cit., p. 12-13.
5
Cf. BURKE, Peter. Op. cit. p. 14-15.
6
RODRIGUES, José Honório. Filosofia e História. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981, p. 29.
3

arcaica e colonizada, e a opção por uma História "criadora e militante, que combate pela
renovação e pela transformação constante do mundo, por sua melhoria, sua paz, sua justiça. A
História está indissoluvelmente ligada à consciência, o que nos leva, ou deve levar, a agir de
modo histórico-político. O passado não deve ser estudado como um objeto morto, como uma
ruína, nem como uma fonte de autoridade, mas como uma experiência apreendida e
consolidada".7 A partir de uma interpretação das raízes históricas de nosso passado, José
Honório Rodrigues utiliza-se da História como uma ciência instrumental que critica a
realidade presente, assumindo papel de subversão ao cenário de opressão, manipulação e
dependência. Tenta demonstrar em seus estudos históricos a missão política do historiador,
que não pode ser de omissão e alheamento aos acontecimentos da realidade presente, mas de
um agente de motivação no sentido de contribuir para capacitar o povo a fazer sua própria
história. Esse engajamento do historiador implica também a reinterpretação das fontes do
passado, a redefinição da pesquisa historiográfica e a reordenação metodológica.8
A mesma preocupação por uma História crítica e flexível é defendida por A. Vivar
Flores quando busca o marco de referência teórica para embasar uma proposta de libertação
latino-americana. Até hoje fez-se uma interpretação elitista da História, impondo-se, como aclama
Leonardo Boff (citado por A. Vivar Flores), a "História dos que triunfaram, dos que chegaram ao
poder. Não é a história dos vencidos, dos humilhados e ofendidos. Estes são esquecidos".9
Há que se fazer uma releitura da História de nosso continente periférico, processo
este que implica "recuperar a verdadeira história da América Latina, feita pelo homem latinoamericano, até agora silenciado pela ,,história oficial, sustentada pelos grupos de poder de
dentro e de fora do território latino-americano".10
Esses subsídios oferecidos por cientistas sociais, como P. Burke, J. H. Rodrigues e
A. V. Flores, possibilitam-nos repensar o campo da História dentro de nova perspectiva
metodológica, bem como sua aproximação e interação com o fenômeno jurídico sob o viés
crítico desmitificador.
1.2. Historiografia jurídica tradicional: natureza e função

Na trajetória da cultura jurídica moderna há consenso de que áreas de investigação,
como História do Direito, História das Instituições Jurídicas e História das Idéias ou do
7

RODRIGUES, José Honório. Op. cit., p. 30.
Cf. RODRIGUES, José Honório. Op. cit., p. 31-32.
9
FLORES, Alberto Vivar. Antropologia da libertação latino-americana. São Paulo: Paulinas, 1991, p. 39. 10
Ibidem.
10
Ibidem
8

Pensamento Jurídico, estão todas identificadas, ora com um saber formalista, abstrato e erudito,
ora com uma verdade extraída de grandes textos legislativos, interpretações exegéticas de
magistrados, formulações herméticas de jusfilósofos e institutos arcaicos e burocratizados.
Todavia, essa longa tradição foi interrompida nas últimas duas décadas por um renovado
interesse de natureza crítico-ideológica por questões metodológicas sobre a História do Direito.
Tal approach reflete também o esgotamento de certo tipo de historiografia jurídica embasada
em valores liberal-individualistas. Essa retomada do viés historicista acerca das idéias ou das
instituições jurídicas busca superar a demasiada crise que se abateu sobre esse campo de
pesquisa. A pouca relevância da disciplina não se deve à falta de especialistas ou aficcionados,
mas muito mais em função de uma crise motivada por sua falta de significado e pela dificuldade
de encontrar uma função que realmente justifique sua existência.11
Na verdade, uma análise mais atenta sobre as razões do exaurimento da História
do Direito realça o fato de que a historiografia jurídica da modernidade, constituída em grande
parte por princípios e valores liberal-burgueses, desempenha, no dizer de Antonio M.
Hespanha, dois objetivos muito claros:
a) primeiramente, "relativizar e, conseqüentemente, desvalorizar a ordem social e
jurídica pré-burguesa, apresentando-a como fundada na irracionalidade, no preconceito e na
injustiça";
b) segundo, realizar "a apologia da luta da burguesia contra essa ordem ilegítima
(Ancien Régime) e a favor da construção de um Direito e de uma sociedade ,,naturais e
harmônicos, isto é, libertos da arbitrariedade e historicidade anteriores".12
Obviamente que a crítica burguesa empregada contra o antigo Direito e as
organizações políticas feudais gerou efeitos e foi eficaz num primeiro momento histórico, mas
acabou perdendo significado com a edificação da ordem e da hegemonia liberalindividualista. Assim, a missão da historiografia tornou-se mecanismo de endeusamento da
ordem jurídica, política e social do modo de produção capitalista, na medida em que o espaço
institucionalizado passa a ser coberto por um "universo ideológico apresentado como uma
situação natural e independente do devir histórico".13 Daí a historiografia jurídica presa aos
textos legais e à exegese de seus corifeus orientar-se rumo, ora a um formalismo técnicodogmático, ora a uma antiquada erudição da vida social.
11

HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Lisboa: Livros Horizontes, s/d., p. 09.
Ver, igualmente do mesmo autor: "Nova História e História do Direito". In: Vértice. Coimbra, v. 46, n° 470/472
(abr./jun. 1986), p. 17-33; Poder e Instituições na Europa do Antigo Regime. Colectânea de Textos. Lisboa:
Calouste Gulbenkian, 1984.
12
Ibidem
13
HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 11.

Dessa forma, como salienta o lúcido investigador do Instituto de Ciências Sociais
da Universidade de Lisboa, alguns juristas-historiadores declinaram para uma narrativa
"conservadora e dogmática, que visava a ,,justificação da ordem social e jurídica vigente,
tentando provar que ela mergulhava na ,,tradição, no ,,espírito nacional, ou que resultava
num paulatino progresso do ,,espírito humano.14 Tal postura negligenciava toda e qualquer
explicitação do Direito por um processo dinâmico, inserido no bojo de conflitos e tensões
sociais. Outra tendência dos operadores do legalismo no meio acadêmico era a
desconsideração a uma historicidade das instituições que possibilitasse, na formação dos
juristas, a prática de condutas eficazes e legitimamente identificadas com os problemas da
sociedade. Com isso favorecia-se a oficialização de uma historiografia "erudita e passadista
que tendia a refugiar-se nas épocas históricas mais remotas"15 e em discussões meramente
teórico-acadêmicas de cunho idealista/abstrato.
O surto do historicismo tradicional, ocultando-se no suposto mito da neutralidade
do saber e da universalidade dos princípios da ciência positivista, expressão da fase
concorrencial do Capitalismo, abnega o "problema crítico do conhecimento histórico" e
ordena-se por uma perspectiva linear, estática e; conservadora. Forja-se, assim, um
conhecimento histórico elitista calcado na construção mútua da "neutralidade da cultura e dos
intelectuais, (...) transformados numa espécie de instância arbitral colocada acima dos
conflitos de classe".16
Na medida em que a historiografia tradicional (liberal-burguesa) passa a ser mera
disciplina de justificação da ordem legal imperante e da acumulação de conhecimentos para a
chamada "cultura superior", sem fins úteis para com a realidade, a História do Direito perde
sua significação e entra em constante descrédito, constituindo-se num campo do saber de
pouca utilidade, acabando, seus pressupostos, por sucumbir numa crise de eficácia. As
profundas mudanças epistemológicas nas ciências humanas, os novos interesses, a insurgência
de conflitos sociais e as recentes transformações por que vêm passando as formas de vida
contemporânea determinam uma renovação metodológica nos estudos históricos das
instituições jurídicas e políticas.
Desta feita, urge redefinir, na historicidade da crise, os novos marcos teóricosmetodológicos que possibilitam alcançar novo paradigma, envolvendo modalidades
alternativas de interpretação, pesquisa e investigação histórica. Não mais uma historicidade

14

HESPANHA, Antonio M. História das Instituições. Coimbra: Almedina, 1982, p. 33
Ibidem.
16
HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 12-13.
15

linear, elitista e acumulativa, mas problematizante, desmitificadora e transformadora. Tendo
em conta esse tipo de preocupação, importa refletir um pouco mais a questão das mudanças
sociais, a crise dos paradigmas e os novos referenciais para repensar a historicidade das idéias
e das instituições no Direito.

1.3 Novos marcos na historicidade do direito

A renovação crítica na historiografia do Direito - no âmbito de suas fontes
históricas, suas idéias e de suas instituições - começa a aparecer em fins dos anos 60 e ao
longo da década de 70.17 Trata-se de substituir os modelos teóricos, construídos de forma
abstrata e dogmatizada, por investigações históricas, engendradas na dialética da produção e
das relações sociais concretas. Sendo assim, há de se apontar que tipo de influências do
pensamento filosófico e da teoria social contribuiu para repensar, quer a compreensão
historicista do universo jurídico, quer o desenvolvimento crítico da historiografia do Direito.
Scm ater-se a uma descrição pormenorizada e exaustiva, cabe assinalar cinco
"eventos epislemológicos" que exerceram e ainda exercem significativa influência como
marco de referência aos novos estudos históricos do Direito na América Latina. A título
exemplificativo, começa-se com o registro dos três primeiros "eventos", também já
mencionados pelo jurista-historiador Antonio M. Hespanha.
1) O primeiro deles é a emergência, principalmente na Europa Ocidental, no final
da década de 60, de uma corrente progressista de cunho neomarxista, que desencadeou
profundas mudanças na teoria social em geral. A este propósito, Antonio M. Hespanha
escreve que a "renovação dos estudos marxistas, possibilitada politicamente pelo fim da
guerra fria, consistiu na revaloração dos próprios textos clássicos e na descoberta das
potencialidades teóricas da interpretação gramsciana do marxismo, mérito de G. Della Volpe
e de L. Althusser e suas escolas".18 A retomada dos escritos de A. Gramsci propiciava o
deslocamento do dogmatismo e do mecanicismo leninista para uma política cultural mais
flexível e aberta à autocrítica. Já Louis Althusser parte da desconstrução estruturalista e
economicista para lançar as bases epistemológicas de uma ciência "pura" do marxismo. O
aumento do debate sobre a teoria marxista, bem como o amplo alcance de uma revisão
necessária de seus cânones, coincidiu com a explosão do movimento de 68, cuja
17

Cf. HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 14-15; ____. Nova História
e História do Direito, p. 21 e segs.
18
HESPANHA, Antonio. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 14-15; ____. Nova História e
História do Direito, p. 22.

manifestação. mais intensa foi o movimento estudantil de Maio de 68 que, imbuído por uma
estratégia antiimperialista e anticapitalista, trouxe consigo o discurso dos "novos sujeitos
sociais e os novos conteúdos da revolução", materializando a crítica ideológica da ciência, das
instituições e da divisão social do trabalho.19 Sob o ângulo da Historiografia, contribuição
importante foi a reação à filosofia analítica por parte do marxismo britânico, representado por
teóricos como E. Hobsbawm, C. Hill e E. P. Thompson,20 no sentido de discutir

e

fundar

uma historiografia social.
2) Outro "evento epistemológico" é a proposta de uma "teoria crítica" de inspiração
neomarxista-freudiana, representada pela Escola de Frankfurt e tendo como ideólogos T.
Adorno, M. Horkheimer, H. Marcuse e J. Habermas. A grande contribuição da escola alemã é
propor uma filosofia histórico-social que possibilite a mudança da sociedade a partir da
constituição de novo tipo de homem. De um homem emancipado de sua condição de alienado,
da sua reconciliação com a natureza não-repressora e com o processo histórico por ele montado.
A meta de alcance utópico está na reconciliação entre o sujeito social, a natureza não-repressora
e a história.21 Naturalmente, a teoria crítica revela-se como instrumental operante que permite a
tomada de consciência dos sujeitos na história e a ruptura de sua condição de opressão,
espoliação e marginalidade. Além desse aspecto relevante da teoria crítica enquanto processo
adequado ao esclarecimento e à emancipação, recuperando todo um conteúdo utópico-libertador
do pensamento ocidental, destaca-se, igualmente, como contundente "crítica dos grandes mitos
da ,,objetividade da filosofia burguesa, nomeadamente o positivismo e o neopositivismo".22
Sendo assim, para efeito de uma Filosofia da História, é, de um lado, a afirmação da "validade
teórica do subjetivismo e do idealismo ,,humanistas"; de outro, sob o aspecto prático, "traz para
a experiência da investigação histórica novos domínios da realidade humana e social, com o que
se abrem novos problemas e se exigem novas sínteses explicativas."23
3) terceiro referencial a considerar como contribuição à renovação da
historiografia ocidental (particularmente da periferia) é o conjunto de critérios de investigação
e análise posto pela Escola francesa dos "Annales". Um recorte bem talhado de seus traços é
delineado na apresentação de obra coletiva, publicada na França em 1980, na revista
Magazine Littéraire:
19

Cf. KALLSCHEUER, Otto. "Marxismo e Teorias do Conhecimento". In: HOBSBAWM, Eric r. (org.).
História do Marxismo. O Marxismo Hoje. Segunda Parte. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989, V. 12, p. 14-15, 17;
ANDERSON, Perry. Considerações sobre o Marxismo Ocidental. Porto: Afrontamento, s/d.
20
THOMPSON, Edward P. Senhores & Caçadores. A origem da Lei Negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
21
WOLKMER, Antonio Carlos. Introdução ao Pensamento Jurídico Crítico. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2001, p. 5-8.
22
HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 15.
23
Ibidem

"Gerada pelo grupo que dirigiu a revista francesa Annales - que teve como figuras
centrais Lucien Febvre, Marc Bloch e Fernand Braudel, a chamada Nova História sofreu um
grande impulso nos últimos quinze anos, ao ponto de tomar-se a expressão mais
características da historiografia francesa dos nossos dias.
De facto, em França (e não só), a história das mentalidades, a história-problema
vieram ocupar o espaço da história-relato. O próprio facto histórico - durante tanto tempo um
valor seguro da ciência positivista - passou a ser um material como qualquer outro, tal como
no caso da Economia Política, da Lingüística, da Demografia ou da Psicanálise".24
Na verdade, desfazem-se liames do paradigma tradicional da narrativa histórica,
envolto na complexidade de grandes estruturas explicativas isoladas, marcadas ora por um
idealismo eclético, ora por um mecanicismo cientificista, optando-se, agora, por uma História
que inter-relaciona os diversos significados da atividade humana. Deste modo, a renovação da
História sob o aspecto da "significação" interdisciplinar proposta pela Escola dos "Annales"
objetiva, segundo o preciso esclarecimento de Antonio M. Hespanha:
a) ultrapassar o positivismo histórico, inclinado "para a pura descrição de fatos
isolados (...), através de um esforço no sentido de surpreender as estruturas mais profundas e
mais estáveis (estruturas demográficas, econômicas, culturais, lingüísticas, etc.) que explicam
a verificação e o encadeamento desses fatos";
b) eliminar os obstáculos "que se levantam entre os diversos setores
especializados da história (...) de modo a estabelecer uma história global, restaurando a
unidade real da vida, em que os diversos aspectos de atividade humana se inter-relacionam";
c) buscar uma História Social que "se socorra dos resultados das ciências humanas
(sociologia, lingüística, economia, semiologia)...";
d) finalmente, ter em conta a "história não só como ciência do passado (...), mas
como ciência do presente, na medida em que, em ligação com as ciências humanas, investiga
as leis de organização e transformação das sociedades humanas".24
Transpondo esses pressupostos da "Nova História" para o campo das fontes, das
idéias e das instituições jurídicas, chega-se à proposta de alinhamento de um modelo
metodológico que venha redefinir as funções dos estudos históricos no âmbito do Direito. Tal
postura implica adesão a uma estratégia interdisciplinar, não uma interdisciplinaridade
24

LE GOFF, Jacques. LE ROY LADURIE, Emmanuel et alii. História e Nova História. Lisboa: Teorema, 1986,
p. 5. Para um panorama geral da Escola Francesa, ver: BURKE, Peter. A Escola dos Annales -1929/1989.2. ed.
São Paulo: UNESP, 1992; DOSSE, François. A História em Migalhas: dos "Annales à Nova História". São
Paulo: Ensaios, 1992; BOURDÉ, Guy; MARTIN, Hervé. As Escolas Históricas. S/I: Publicações EuropaAmérica, s/d.; CARDOSO, Ciro Flamarion S. e VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Domínios da História: Ensaios de
Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997, p. 127-162.

meramente formal, mas que tenha presente a crítica e a transformação do conteúdo
problematizado.
Se os três primeiros fatores - emergência do neomarxismo, da teoria crítica e da
"Nova História" - desempenharam grande motivação e avanços na historiografia ocidental,
importa consignar outras duas propostas que poderão exercer incisiva contribuição para os
estudos histórico-jurídicos na América Latina, qual seja, o pensamento filosófico da libertação
e a corrente da hermenêutica jurídica alternativa.
4) a quarta "linha de força" é a existência de um pensamento libertador latinoamericano que se define por uma luta teórico-prática contra uma situação sócio-política de
dominação, opressão, exploração e injustiça. É o combate à plena adversidade e a busca
incontida por mudanças radicais. Algumas formulações teóricas têm desempenhado uma
função essencial no desenvolvimento do "pensamento libertador" florescente na América
Latina, como a teoria da dependência (vertente econômica/política: Theotonio dos Santos,
Ruy M. Marini, A. Gunder Frank, Anibal Quijano, P. González Casanova), a teologia da
libertação (G. Gutierrez, L. Boff, H. Assman), a pedagogia libertadora do oprimido (Paulo
Freire) e a filosofia da libertação (E. Dussel, J. C. Scannone, Rodolfo Kusch, Arturo A. Roig
e outros).25
Ademais, como escreve corretamente David S. Rubio, múltiplas devem ser
consideradas as matrizes "condicionantes deste ,,boom libertador. Desde o peculiar fenômeno
do populismo latino-americano, espécie de simulada alternativa às vias capitalista e socialista,
passando pelos acontecimentos históricos tão significativos como a Revolução Cubana, a
Guerra Fria, os efeitos do processo descolonizador dos povos do Terceiro Mundo, até a
influência de figuras vinculadas diretamente com a arena política e social do porte de Camilo
Torres, Fidel Castro, Salvador Allende, Frantz Fanon, Velasco Alvarado e Che Guevara".26
O que se deve destacar, como tributo do "pensamento libertador" latinoamericano para a nova historicidade das formas de controle legal e de normatividade social, é
a afirmação de uma alteridade emancipadora, mediante um Direito livre da injustiça e da
coerção, composta por sujeitos-cidadãos autênticos. Introduzem-se, assim, na pesquisa
histórica; os conceitos de "alteridade", "libertação" e "justiça social".
24

HESPANHA, Antonio M. História das Instituições. Coimbra: Almedina, 1982, p. 17.
Consultar neste sentido: SANCHEZ RUBIO, David. Proyección jurídica de la filosofía latino-americana de la
liberación. Aproximación concreta a la obra de Leopoldo Zea y Enrique Dussel. Tese de Doutoramento
apresentada na Universidade de Sevilha, 01.12.1994, 720 p.; CERUTI GULDBERG, Horácio. Filosofia de la
Liberacíón Latino-americana. México: Fondo de Cultura Económica, 1983; FANON, Frantz. Os Condenados da
Terra. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
26
SANCHEZ RUBIO, David. Op. cit., p. 13.
25

5) Por último, a presença mais recente da prática e da hermenêutica jurídica
alternativa. Não se trata rigorosamente de uma escola homogênea, com uma proposta
acabada, mas muito mais de uma corrente que emerge, no final dos anos 80 e início dos 90 no
Brasil, por parte de alguns magistrados (juízes gaúchos da AJURIS, como Amilton B. de
Carvalho) e de professores universitários (Edmundo L. Arruda Jr., Roberto A. R. de Aguiar,
José Geraldo de Souza Jr. e outros). Implica a estratégia de luta dentro da legalidade instituída
(no âmbito dos aparatos institucionalizados) e da legalidade a instituir (esfera da pluralidade
dos grupos e movimentos sociais que têm seus direitos negados e reprimidos). Exploram-se as
fissuras e deficiências da ordem jurídica formal-individualista, buscando recuperar (através de
interpretação crítica e aplicação humanista dos textos legais) a dimensão transformadora do
Direito, pondo-o a serviço da libertação.27
Ainda que não se tenha elaboração sistematizada e definitiva de suas
características, alguns critérios podem ser registrados, em função da proposta teórica de seus
fundadores (Amilton B. de Carvalho, Edmundo Arruda Jr.). Senão, veja-se:
a) o Direito é um instrumento de luta a favor dos menos favorecidos e
injustiçados;
b) rejeitam-se a neutralidade e a apoliticidade dos agentes e das instâncias de
jurisdição;
c) busca-se construir uma sociedade democrática e pluralista;
d) opção metodológica por um instrumental histórico-social dialético;
e) privilegia-se a legitimidade das maiorias e a justiça social.28
Os efeitos inovadores da juridicidade alternativa podem perfeitamente contribuir
para estabelecer novos parâmetros de fundamentação, conceituação e finalidade no estudo
historiográfico das idéias e das instituições jurídicas.
Esses "eventos epistemológicos" aqui destacados revelam-se inesgotáveis
subsídios para compor os novos referenciais metodológicos de uma hermenêutica crítica e
interdisciplinar no estudo histórico das idéias e das instituições no campo do Direito.
Certamente que a meta é alcançar nova compreensão historicista que rompa com o
culturalismo elitista e o dogmatismo positivista, permitindo que as múltiplas e diversas
disciplinas históricas do Direito (História do Direito, História das Idéias e/ou do Pensamento
27

Cf. WOLKMER, Antonio Carlos. Introdução ao Pensamento Jurídico Crítico. 2. ed. São Paulo: Acadêmica,
1995, p. 142-145.
28
Consultar neste sentido: CARVALHO, Amilton B. Magistratura e Direito Alternativo. São Paulo: Acadêmica,
1992, p. 85-96; ARRUDA Jr., Edmundo L. de. Introdução à Sociologia Jurídica Alternativa. São Paulo:
Acadêmica, 1993, p. 115-142; RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Ensino Jurídico e Direito Alternativo. São
Paulo: Acadêmica, 1993, p. 151-167.

Jurídico, História das Instituições) deixem de ter sentido apologético e ilusório da ordem
tradicional dominante, adquirindo sentido desmitificador e libertário. Libertador da verdade
engendrada pela prática social e sintonizado com o "devir histórico" radicado na realização
humana.29 De um "devir histórico" em que o homem seja o ser privilegiado, seu significado
maior, o real sujeito da história. Com isso descarta-se o falso modismo do "fim" da História e
da "morte" do sujeito na história, Repensa-se num novo sujeito (sujeitos coletivos) como
fonte de legitimação de nova historicidade normativa.
Daí que para promover nova concepção histórica das fontes, das idéias e das
instituições impõe-se rever criticamente as ações, os acontecimentos e as produções do
passado no que tange às práticas de regulamentação e de controle social. É o que se verá a
seguir: antes do exame histórico-crítico da cultura jurídica brasileira, cabe problematizar o
tipo de direito que foi transposto e incorporado com a colonização e indagar a natureza do
moderno Direito liberal-burguês, a especificidade ideológica de suas instituições (pública e
privada) e o núcleo caracterizador da historicidade de seu pensamento.

1.4. Pressupostos da modernidade jurídica burguesa: idéias e instituições
A cultura jurídica produzida ao longo dos séculos XVII e XVIII, na Europa
Ocidental, resultou de um complexo específico de condições engendradas pela formação
social burguesa, pelo desenvolvimento econômico capitalista, pela justificação de interesses
liberal-individualistas e por uma estrutura estatal centralizada. Esse entendimento não só
compartilha da idéia de que subsiste em cada período histórico uma prática jurídica
dominante, como, sobretudo, confirma a concepção de que o Direito sempre é produto da vida
organizada enquanto manifestação de relações sociais provenientes de necessidades humanas.
Há que se observar, assim, como essas diferentes estruturas causais
compatibilizaram-se na constituição teórica e instrumental do moderno paradigma jurídico,
marcado por determinadas características (geral, abstrato, coercível e impessoal) principais
institutos (propriedade privada, liberdade de contratar e autonomia da vontade, direitos
subjetivos) e cosmovisões jusfilosóficas hegemônicas (jusnaturalismo e positivismo jurídico).
Antes de tudo importa considerar, a nova visão de mundo que emerge com a
modernidade, fundada numa racionalização ético-filosófica e técnico-produtiva, expressando
valores, crenças e interesses próprios de camadas sociais emergentes em luta contra o
feudalismo aristocrático-fundiário. Fatores como o renascimento, a reforma, o processo de
29

Cf. HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Op. cit., p. 17-18.

secularização, as transformações econômico-mercantis e o progresso científico favoreceram o
advento de uma cultura liberal-individualista. Os princípios norteadores da concepção
político-social liberal-individualista definem-se prontamente com o advento do sistema
comercial capitalista e com a organização social da burguesia individualista.
O liberal-individualismo, enquanto "princípio fundamental" que surge das
condições materiais emergentes e das novas relações sociais, tornou-se proposta ideológica
adequada às necessidades de um novo mundo, bem como à legitimação das novas formas de
produção da riqueza e à justificação racionalista da era que nascia. O individualismo como
expressão da moralidade social burguesa enaltece o homem como centro autônomo de
escolhas econômicas, políticas e racionais; faz do ser individual um "valor absoluto". Nessa
dinâmica histórica, a ordem jurídica é instrumentalizada como estatuto de uma sociedade que
proclama a vontade individual, priorizando formalmente a liberdade e a igualdade de seus
atores sociais. Daí a necessária distinção entre a velha e a nova ordem jurídica. A esse
propósito descreve De La Torre Rangel: o Direito Medieval "reconhece a desigualdade social
e trata de maneira desigual os desiguais. É um Direito que protege aos privilegiados (...)"30,
gerando um modo de produção injusto que tem seus efeitos minimizados pelo próprio
reconhecimento da desigualdade. Assim, é um direito mais vivo e real.
Já o Direito moderno liberal-individualista se assenta numa abstração que oculta
as condições sociais concretas. Tem a pretensão de ser "um Direito igual, supondo a
igualdade dos homens sem tomar em conta os condicionamentos, sociais concretos,
produzindo uma lei abstrata, geral e impessoal".31 Na verdade, tal concepção de legalidade vai
constituindo-se em fins da Idade Média com o crescimento e a influência dos mercadores que,
gradativamente, vão lutando contra a velha estrutura feudal, "primeiro para sobreviver e
depois para converter-se em classe hegemônica". Por sua vez, é natural a emergência de
juristas identificados com os interesses dos estratos burgueses, desempenhando uma função
significativa de desenterrar "as normas jurídicas romanas o as adaptando às necessidades dos
mercadores, pondo especial ênfase em uma reinterpretação do Direito de Propriedade e do
Direito Contratual".32 Mais tarde, indo além do jusnaturalismo teológico defendido pelos
doutores da Igreja, a doutrina laicizada do Direito Natural clássico, cultivada nas
universidades, rompe com o silêncio da tradição jurídica romanística e põe em discussão a
30

DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio, El Derecho como Anna de Liberación en América Latina. México:
Centro de Estudios Ecuménicos, 1984, p. 40.
31
DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 40-41.
32
DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 41. Para um aprofundamento observar também:
TIGAR, Michael E.; LEVY, Madeleine R. O Direito e a Ascensão do Capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

noção dos direitos naturais subjetivos, que alcança seu ápice com a ascensão da burguesia na
eclosão da Revolução Francesa.33 No processo de constituição do liberalismo jurídico
individualista, a escola do Direito Natural clássico consagrou, concomitantemente com a
existência do Direito Privado, a criação de um Direito Público com efetividade para tornar
"reais os direitos naturais do homem e garantir as liberdades da pessoa humana".34 A partir do
século XVIII, a doutrina passa a priorizar não mais o saber legal oficializado pelas
universidades, mas o peso soberano da vontade do legislador.35
Com efeito, o jusracionalismo clássico contribuiu, no dizer De La Torre Rangel,
para três fatores causais que modelam o moderno Direito liberal-individualista:
a) "A igualdade formal de todos os homens, ao consagrar os direitos subjetivos
desconhecidos para o Direito romano";
b) "A codificação do Direito em normas gerais, abstratas e impessoais, ditadas
pelo Estado legislador que chegará a identificar - como no positivismo do século XIX - o
Direito com a Lei, esvaziando o Direito de toda a idéia de justiça";
c) "A criação do Direito Público paralelo ao Direito Privado, como forma de
garantir os direitos subjetivos e a igualdade formal, proclamados do Direito Natural".36
É dentro desses marcos teóricos e operacionais que se pode caracterizar o Direito
Moderno como direito estatal, centralizado, escrito, previsível (segurança e certeza jurídicas)
e normativo. Sua estrutura técnico-formal é constituída por um complexo de normas de teor
geral, abstrato, coercível e impessoal. O princípio da generalidade implica a regra jurídica
como preceito de ordem abrangente, obrigando a um número de pessoas que estejam em igual
situação jurídica. A lei é para todos e não apenas para algumas pessoas. Por outro lado, a
norma de Direito é abstrata (princípio da abstratividade) porque objetiva alcançar maior
número possível de ações e acontecimentos. A disposição legal é indeterminada, pois o
legislador não pode produzir leis e códigos completos acabados, não tem condições de prever
todos os casos concretos frente às contínuas mudanças da vida social. Por sua vez, a
coercibilidade é a possibilidade do uso da coação psicológica e material garantida pelo poder
político estatal. Trata-se do estado permanente da força ou coação, acionado pelo aparato
estatal para constranger ou induzir à obediência de condutas a serviço das instituições em

33

Cf. DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 42. Para aprofundar essa discussão na
perspectiva do Direito Público, confrontar: ENTERRÍA, Eduardo García de. La Lengua de los Derechos. La
Formación del Derecho Público Europeo Tras la Revolución Francesa. Madrid: Alianza, 1994.
34
DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 43.
35
DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 43.
36
DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 43.

geral.37 Por último, o princípio da impessoalidade refere-se à situação de "neutralidade"
diante da particularidade individual, pois a aplicação da norma tem a pretensão de estender-se
a uma quantidade indefinida de pessoas, de modo aleatório e não particularizado. Certamente
que tais princípios de abstração, generalidade e impessoalidade têm no modelo liberalindividualista "um significado ideológico, o de ocultar a desigualdade real dos agentes
econômicos, para desse modo se conseguir a aparência de uma igualdade formal, a igualdade
perante a lei".38
Tal ordenação privativista equipara, com uma mesma medida, as desigualdades e
as diferenças, situa os indivíduos num mesmo patamar, sem questionar as distinções que
fazem da organização social uma pirâmide.39
Importa salientar agora alguns dos principais institutos do Direito liberalindividualista que se desenvolve no contexto da cultura social burguesa e da produção
capitalista da riqueza. O primeiro grande instituto da juridicidade moderna é o direito de
propriedade, simbolizando uma forma de poder qualificado como absoluto, exclusivo e
perpétuo.40 Enquanto na estrutura econômica feudal a propriedade fundiária assume um
caráter fragmentário (instrumento de servilismo), porquanto a mesma porção de terra dividese entre vários proprietários, subordinados uns aos outros (contraprestação), na ordem sócioeconômico capitalista o regime adquire um aspecto unitário e exclusivo, principalmente nos
grandes textos burgueses-individualistas, como o Código Civil Francês. Ao romper com o
sistema de exploração e privilégios feudais e ao dar destaque à propriedade privada, expressão
do domínio absoluto e inviolável, a legislação napoleônica traduziu os interesses
individualistas e os avanços revolucionários dos segmentos sociais que passaram a exercer,
hegemonia, livre, agora, de encargos que oneravam a utilização do solo.41
O sagrado e inviolável direito de propriedade exclui de seu uso e gozo qualquer
outro não-proprietário, sendo para quem dele dispõe um direito pleno e ilimitado. Não se deve
esquecer, como assinala Gustav Radbruch, que para o liberalismo "o direito privado é o
coração de toda a vida jurídica, e o direito público, pelo contrário, apenas uma, leve moldura

37

Cf. DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Del Pensamiento Jurídico Contemporáneo. Aportaciones
Críticas. México: Escuela Libre de Derecho, 1992, p, 60-61; NOVOA MÓNREAL, Eduardo. O Direito como
Obstáculo à Transformação Social. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1988, p. 131-144.
38
FIGUEIRA, Eliseu. Renovação do Sistema de Direito Privado. Lisboa: Caminho, 1989, p. 50-52.
39
GOMES, Orlando. A Crise do Direito. São Paulo: Max Limonad, 1955, p. 86-87.
40
Cf. DE LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. Op. cit., 1984, p. 56-57. Para o exame mais pormenorizado dos
principais institutos do Direito Privado moderno, consultar: GALGANO, Francesco. Il Diritto Privato Fra
Codice e Costituzione. 2. ed. Bologna: Zanichelli, 1983; BARCELLONA, Pietro. Diritto Privato e Società
Moderna. Napoli: Jovene editore, 1996.
41
Cf. GOMES, Orlando. Op. cit., p. 116-118 e 146-147.

que deve servir de proteção ao primeiro e, particularmente, a direito da propriedade".42 Mas
não é só isso. Interessa, igualmente, resaltar que a conceituação "individualista do direito real
de propriedade (a relação entre os sujeitos e os bens) dá-nos uma visão estática desse Direito
subjetivo como poder direto, imediato e exclusivo sobre os bens, escondendo o aspecto
dinâmico de sua inserção na produção e, portanto, a irradiação de interesses centrados no
mesmo bem, quando objecto de relações sociais.43
O contrato é outro símbolo máximo do poder da vontade individual numa estrutura
sócio-econômica capitalista. O exacerbado individualismo da livre contratação e da autonomia da
vontade funciona através do chamado negócio jurídico, um "instrumento de auto-regulamentação
dos interesses dos particulares", que não deixa de ocultar a desigualdade real.44 A construção
jurídica da teoria individualista expressa as exigências de um novo modo de produção,
equilibrando interesses e mediando as relações sócio-econômicas. Esse pacto montado conforme
a declaração de vontade das partes intervenientes é concebido para homens abstratos, livres e que
estejam na condição de igualdade formal, realidade específica dos proprietários burgueses.
Sustenta Ripert que o "contrato é superior à lei como fonte jurídica vinculante, porque é aceito
pelas partes, e não imposto, como a segunda".45 Certamente o individualismo jurídico, que teve
sua materialização plena no Código de Napoleão, consagrou o contrato como instrumento
insubstituível das relações humanas, proclamando, entre os sujeitos iguais e autônomos, a
soberania da liberdade de contratar. Os excessos do liberalismo contratualista não deixam de ser
imperativos das novas conveniências políticas e das novas necessidades materiais da vida social
burguesa.46 Não sem razão, assinala Orlando Gomes que a apregoada liberdade contratual,
enquanto pilar jurídico do sistema capitalista, tem sido uma "fonte das mais clamorosas injustiças.
Em suas malhas se esconde a opressão real com que, veladamente, a classe dominante abroquela
seus interesses materiais. Realmente, a liberdade de contratar é liberdade para o que possui esse
poder; para aquele contra quem se insurge é, ao contrário, impotência. Não tem liberdade, não
pode tê-la, quem possui como bem único a sua força-trabalho. Nesse fundamento do Direito Civil
burguês manifesta-se, também, e sem subterfúgios, o conteúdo de classe que o domina".47
Não é possível compreender totalmente o Direito Moderno enquanto resposta de
regulamentação aos problemas insurgentes da estrutura mercantilista e concorrencial sem
deixar de contemplar algumas categorias nucleares como sujeito de direito e direito subjetivo.
42

RADBRUCH, Gustav. Filosofia do Direito. Coimbra: Armenio Armado, 1979, p. 253.
FIGUEIRA, Eliseu. Op. cit., p. 117.
44
FIGUEIRA, Eliseu. Op. cit., p. 72-73.
45
In: NOVOA MONREAL, Eduardo. Op. cit., p. 138.
46
GOMES, Orlando. Op. cit., p. 113-114 e 267.
47
GOMES, Orlando. Op. cit., p. 88.
43

O conceito de sujeito de direito individual materializa uma abstração formalista e
ideológica de um "ente moral", livre e igual, no bojo de vontades autônomas, reguladas pelas
leis do mercado e afetadas pelas condições de inserção no processo do capital e do trabalho. 48
A questão do sujeito abstrato que dispõe de "personalidade jurídica" mediatiza a condição dos
agentes que exercem o controle e a manipulação dos meios de produção e distribuição na
sociedade, incidindo não apenas na singularidade de pessoas e indivíduos, mas também em
grupos ou instituições, cujos interesses coletivos a norma se propõe tutelar.49 Como se sabe,
foi a partir do século XVIII que a doutrina clássica do Direito Natural reconheceu e fortaleceu
a condição dos direitos subjetivos, encarados como "a possibilidade de fazer ou pretender
fazer algo, de forma garantida, nos limites atributivos da regra do Direito".50 Reconhece
Georges Sarotte que os direitos subjetivos implicam aquelas faculdades físicas e morais
atribuídas às pessoas "que lhes permite agir em defesa dos seus interesses materiais e
morais".51 De qualquer modo, pode-se compreender direito subjetivo como uma noção
metafísica, uma convenção valorativa criada pela doutrina jurídica burguesa para expressar
vontade livre e autônoma que reivindica e que requer direitos negados. Em suma, os direitos
subjetivos estão diretamente vinculados às formulações da "autonomia da vontade" e ao
"interesse juridicamente protegido". É nessa perspectiva que é preciso situar, como faz
Michel Miaille, que a noção de direito subjetivo é inseparável da "concepção de sujeito de
direito revelado claramente pela revolução política de 1789. As reivindicações políticas
trouxeram consigo a utilização do termo direito, embora a palavra desejo ou possibilidade
tivesse sido mais justa. Ter-se-ia transformado em direitos o que não eram mais do que casos
de proteção concedida pela lei a certos interesses".52
Caberia mencionar ainda determinados "princípios-fins" do Direito Moderno,
como a segurança e a certeza jurídicas. Para alguns, a segurança é uma necessidade
fundamental da vida moderna organizada, tendo como fim imediato a realização da justiça, A
doutrina tradicional alude que se trata da garantia dada a um indivíduo, a seus bens e a seus
direitos, de que sua situação não será alterada senão por procedimentos regulares previstos na
legislação.53 Adverte P. Nader para o fato de que segurança e certeza jurídicas não se
confundem, pois a primeira é "de caráter objetivo e se manifesta concretamente através de um
48

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo Jurídico - Fundamentos de Uma Nova Cultura no Direito. São
Paulo: Alfa-Omega, 1994, p. 211.
49
FIGUEIRA, Eliseu. Op. cit., p. 61.
50
BESSA, Paulo. Uma Nova Introdução ao Direito. Rio de Janeiro: Renovar, 1986, p.147.
51
SAROTTE, Georges. O Materialismo Histórico no Estudo do Direito. Lisboa: Estampa, 1975, p. 264.
52
MIAILLE, Michel. Uma Introdução Crítica ao Direito. Lisboa: Moraes, p, 142.
53
NOVOA MONREAL, Eduardo. Op. cit., p. 143.

Direito definido que reúne algumas qualidades; a certeza jurídica expressa o estado de
conhecimento da ordem jurídica pelas pessoas".54 Contrapondo-se às posições formalistas que
encaram tais princípios como verdadeiros fins do Direito e que jamais obstaculizam o
progresso do Direito, juristas como Elías Díaz argumentam que a mera certeza normativa não
é suficiente para demonstrar as exigências contidas no valor segurança. A segurança não pode
identificar-se exclusivamente com a idéia de uma ordem jurídica existente e com o
conseqüente saber público do que está proibido e permitido.55 Na verdade, para Elías Díaz, o
Direito não se esgota na sua função de proporcionar segurança, como sinônimo de ordem,
pois isto seria insuficiente, oferecendo uma idéia superficial de seu conceito. É necessário,
além de um sistema de seguridade-legalidade, um sistema de seguridade-legitimidade, ou
seja, segurança não como fato mas como prática que implique valores considerados
imprescindíveis como "liberdade, paz, igualdade e justiça".56 Assim, a idéia de "ordem
normativa" e "segurança-fim" deve estar subordinada às exigências humanas de legitimidade
e não a uma idealização tecno-formal sem limites, o que se tem revelado numa cultura
individual-positivista, natural impedimento da transformação e do avanço do Direito.
Uma vez delineadas algumas das principais características e instituições da
modernidade jurídica liberal-individualista, importa igual, mente assinalar, em nível das
idéias e/ou do pensamento fundante, as concepções doutrinárias jusfilosóficas que exerceram
hegemonia e que alcançaram o maior êxito. Primeiramente, cabe destacar a doutrina idealista
do Direito Natural que compreende uma grande variedade de teorias e escolas antecedendo a
sociedade burguês-capitalista e tendo suas origens na antigüidade clássica ocidental. O ponto
comum dessas concepções chamadas de jusnaturalismo é admitir uma ordem jurídica a
priori, superior e ideal, o que implica o reconhecimento de um certo dualismo no Direito. As
múltiplas manifestações jusnaturalistas traduzem a crença de um preceito superior advindo da
vontade divina, da ordem natural das coisas, ou mesmo da razão do homem.57
A doutrina clássica do Direito Natural individualista, "produto do liberalcontratualismo e do racionalismo do século XVIII, refletiu as condições sociais e econômicas
da burguesia capitalista ascendente. A função ideológica do jusnaturalismo enquanto proposição
defensora de um ideal eterno e universal nada mais fez do que esconder seu real: objetivo, ou
seja, possibilitar a transposição para outro tipo de relação política, social e econômica, sem
54

NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. Rio de Janeiro: Forense, 19, p. 143-144.
DÍAZ, Elías. Sociología y Filosofia del Derecho. Madrid: Taurus, 19, p. 47.
56
DÍAZ, Elías. Op. cit., p. 46.
57
WOLKMER, Antonio Carlos. Ideologia, Estado e Direito. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995, p.
147-148.
55

revelar os verdadeiros atores beneficiados. Os princípios enunciados por esse jusnaturalismo
mostraram-se extremamente falsos, ao clamarem por uma retórica formalista da igualdade, da
liberdade e da fraternidade de todos os cidadãos. Por sua vez, o processo desencadeado pela
Revolução Industrial (século XIX) e suas conseqüências na modernidade tecno-científica, bem
como: os vastos desenvolvimentos de codificação e consolidação sócio-política da burguesia
acabaram propiciando a expressão máxima do racionalismo formal moderno, ou seja, o
positivismo"58. A concepção positivista diferencia-se da doutrina do Direito Natural, "na medida
em que rejeita toda e qualquer dimensão a priori. Descarta, assim, princípios e juízos
valorativos em função de uma suposta neutralidade axiomática, de um rigoroso
experimentalismo e, ao mesmo tempo, de um tecnicismo formalista. O Direito é explicado pela
sua própria materialidade coercitiva e concreta. Toda a sua validade e imputação fundamentamse na própria existência de uma organização normativa e hierarquizada".59
A mundialidade do positivismo jurídico, "que se manifesta através de um rigoroso
formalismo normativista com pretensões de ,,ciência, torna-se o autêntico produto de uma
sociedade burguesa solidamente edificada no progresso industrial, técnico e científico. Esse
formalismo legal esconde as origens sociais e econômicas da estrutura capitalista de poder,
harmonizando as relações entre capital e trabalho, e eternizando, através das regras de
controle, "a cultura liberal-individualista dominante".60
Em síntese, uma vez demonstrado teoricamente o cenário histórico do moderno
Direito europeu, englobando a constituição de seus pressupostos lógico-formais e
epistemológicos (características, instituições e idéias), há de se ver, agora, a transposição e a
adaptação desse modelo jurídico liberal-individualista à historicidade periférica de antigas
colônias sul-americanas, como o Brasil.
Por conseqüência, na próxima etapa, entra-se numa análise de teor críticoideológico acerca do processo evolutivo de nossa historicidade jurídica, tendo presentes seus
grandes "ciclos", representados pelos períodos colonial (o Direito autóctone é submetido ao
Direito determinado pela Metrópole lusitana), imperial (influência das fontes legais
alienígenas na codificação do sistema jurídico nacional) e republicano (efetividade da
tradição formal-positiva e liberal-conservadora do Direito Brasileiro).
Notabiliza-se

uma

constatação

ao

examinar-se,

comparativamente,

a

especificidade da mesma matriz jurídica em contexto histórico diverso: de um lado, a estável

58

WOLKMER, Antonio Carlos. Op. cit., 1994, p. 59.
WOLKMER, Antonio Carlos. Op. cit., 1995, p. 151.
60
WOLKMER, Antonio Carlos. Op. cit., 1994, p. 60.
59

e criadora formação histórica da legalidade em espaços institucionais favorecidos por um
padrão de desenvolvimento econômico independente e pela difusão da doutrina política do
liberalismo, como é o caso da experiência autônoma das metrópoles colonizadoras européias;
de outro, a consolidação de uma legalidade imposta, sem autonomia própria, inerente à
historicidade da periferia colonizada, orientada para a produção econômica de dependência,
convivendo com a territorialidade do absolutismo político e moldando-se à singularidade local
de práticas institucionais burocrático-patrimonialistas.

Capítulo II

O DIREITO NA ÉPOCA DO BRASIL COLONIAL
2.1 Primórdios da estrutura político-econômica brasileira
Uma vez configurados os principais traços do Direito Moderno na sociedade
liberal-individualista ocidental, há de se verificar, agora, de um lado, que aspectos desta
legalidade (em suas idéias jusfilosóficas e em seus principais institutos) são transpostos e
adequados para o contexto evolutivo das nossas instituições e, de outro, que particularidades
histórico-políticas (patrimonialismo,* burocracia, tradição conservadora,** e herança liberal)
são herdadas, incorporadas e assimiladas a partir do processo de colonização lusitana.
Decorrendo dessa dinâmica histórica, a formação de uma cultura singular, sintetizadora de
idéias e práticas paradoxais, com especificidade própria, deixando de ser, ora um mero
produto de mimetismo cultural, ora a expressão de uma natureza que prima por uma
originalidade ímpar. Para isso, e antes de ater-se ao fenômeno jurídico, é necessária sua
abordagem estrutural que, conduza ao desenvolvimento de situações históricas atravessadas
por diferentes instâncias, como já se fez com o Direito positivo europeu, - o econômico (modo
de produção), o social (formação dos atores), o ideológico (concepção justificadora de
mundo) e o político (estrutura de poder unitário) - que constituem momentos organicamente
interligados entre si, não podendo ser apreciados separadamente enquanto totalidades
completas1. Assim, as raízes e a evolução das instituições jurídicas só poderão realmente ser
*

A categoria "patrimonialismo" deve ser interpretada sob a óptica do referencial, weberiano, ou seja, como um tipo
de dominação tradicional em que não se diferenciam nitidamente as esferas do público e do privado. Sua prática, no
Brasil, ocorre quando o poder público é utilizado em favor e como se fosse exclusividade de um estrato social
constituído por oligarquias agrárias e por grandes proprietários de terras. Nessa contextualização, escreve
Raymundo Faoro, "não é a sociedade civil a base da sociedade, mas uma ordem política em que os indivíduos ou
são basicamente governantes ou são governados. O soberano e seu quadro administrativo controlam diretamente os
recursos econômicos e militares do seu domínio - que é também seu patrimônio. (...) A sociedade, em tal situação,
pode chegar a ser (...) um pouco autônoma, mas nunca independente: não será ela que ditará ao poder público a
política, mas será a política que lhe ditará a conduta. (...) Herdeiro do patrimonialismo português, (o Brasil)
recebeu, com a independência; o impacto do mundo inglês, já moderno, adotando a máscara capitalista e liberal,
sem negar, ou (...) sem superar o patrimonialismo". In: "A Aventura Liberal numa Ordem Patrimonialista". Revista
da USP. Dossiê Liberalismo/Neoliberalismo. São Paulo: n. 17, mar./abr./maio 1993, p, 16-17.
**
O "conservadorismo" compreende, aqui, atitude, condição ou forma de ser, consciente ou não, envolvendo
procedimentos, estratégias e práticas que compartilham uma visão do mundo, cuja dinâmica se processa por
evolução natural da ordem social, engendrada no contexto de uma historicidade assentada na tradição,
experiência, hierarquia, centralização, formalidade legal, propriedade patrimonial e diferenciação social. Para
aprofundar-se no "conservadorismo", ver: NISBET, Robert. O Conservadorismo. Lisboa: Estampa, 1987;
MANNHEIM, Karl. "O pensamento conservador". In: MARTINS, José de Souza (org.). Introdução Critica à
Sociologia Rural. São Paulo: Hucitec, 1986, p. 77-131; TRINDADE, Liana S. As Raízes Ideológicas das Teorias
Sociais. São Paulo: Ática, 1978.
1
Vide: DOWBOR, Ladislau. A Formação do Capitalismo Dependente no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982, p. 14.

compreendidas na dinâmica das contradições e do processo de relações recíprocas, quer sob o
reflexo de um passado colonial, patrimonialista e escravocrata, quer sob o impacto presente da
dominação social de uma elite agrária, da hegemonia ideológica de um liberalismo
conservador e da submissão econômica aos Estados centrais do capitalismo avançado.2 Ao
analisar o processo de formação de nossas instituições e de seus atores sociais, verifica-se que
a herança colonial (patrimonialismo e mentalidade conservadora) marcou profundamente o
desenvolvimento posterior da sociedade brasileira - tanto no Império quanto na República.
Ora, o modo de produção e a formação social surgiram e se consolidaram como
uma etapa da lenta transição que ocorreu na Europa Ocidental, entre aproximadamente finais
de século XV (regime feudal) e o século XVIII (sistema capitalista). As transformações
econômicas e sociais nesse período foram comandadas por grupos ascendentes e
enriquecidos, provenientes do comércio e das práticas mercantis. Lembra Álvaro de Vita que,
enquanto "o trabalho servil - a forma de trabalho obrigatorio própria do feudalismo desaparecia na Europa, os europeus recriaram a escravidão em suas colônias. A produção de
gêneros tropicais para o comércio no Brasil foi organizada com base na exploração do
trabalho escravo".3
Nos primeiros séculos após o descobrimento, o Brasil, colonizado sob a
inspiração doutrinária do mercantilismo e integrante do Império Português, refletiu os
interesses econômicos da Metrópole e, em função deles, articulou-se.4
Nessa perspectiva, o Brasil-Colônia só poderia gerar produtos tropicais que a
Metrópole pudesse revender com lucro no mercado europeu; além disso, as outras atividades
produtivas deveriam limitar-se de modo a não estabelecer concorrência, devendo a Colônia
adquirir tudo o que a Metrópole tivesse condições de vender. Para Portugal, o Brasil deveria
servir seus interesses; existia para ele e em função dele.
2

VITA, Álvaro de, Sociologia da Sociedade Brasileira. São Paulo: Ática, 1989, p, 11.
VITA, Álvaro de. Op. cit., p, 12-13.
4
Observa Ladislau Dowbor (op, cit., p, 20) que, na história do Brasil, o longo período colonial recebeu
interpretações absolutamente contraditórias como: "a tese do feudalismo, defendida por Alberto Passos
Guimarães, entre outros, encontra sólidos argumentos empíricos, mas tem dificuldades para explicar os aspectos
escravistas e capitalistas do sistema; a tese do modo de produção escravista (Nelson Werneck Sodré, por
exemplo), à qual Ciro Flamarion Cardoso objeta com razão que não se pode confundir o sistema econômico da
antigüidade com o Brasil Colonial, pois a escravidão dos dois casos não corresponde em absoluto ao mesmo
nível de desenvolvimento das forças produtivas; a tese capitalista, em torno da qual encontramos os melhores
historiadores da economia brasileira (Caio Prado Júnior, Roberto Simonsen, Celso Furtado), mas que tem
evidentemente dificuldades em digerir uma série de elementos estranhos ao capitalismo, pelo menos ao
capitalismo sob a forma européia ou americana". Igualmente sob essa questão, Antonio C. Mazzeo lembra que
autores como Ciro Flamarion Cardoso, Jacob Gorender e Décio Saes, desenvolvendo e defendendo a teoria do
modo de produção escravista colonial, refutam "as análises que vêem, nas colônias, estruturas produtivas
integradas rio modo de produção capitalista", (MAZZEO, Antonio C. Estado e Burguesia no Brasil. Belo
Horizonte: Oficina de Livros, 1989, p. 60).
3

Efetivamente, o Brasil, sendo colonizado pelo processo de exploração, criou as
condições para agricultura tropical centrada economicamente em tomo do cultivo das terras,
transformando-se numa grande empresa extrativa destinada a fornecer produtos primários aos
centros europeus.
A gestão da Colônia se faria através da Metrópole, cabendo-lhe tomar efetivos os
princípios do mercantilismo, principalmente através da constituição de monopólios. É no sistema
monopolista que reside o núcleo de toda essa conjuntura. O monopólio do comércio pela
Metrópole visava, naturalmente, impedir que outras nações européias pusessem em risco, com a
concorrência, aqueles privilégios advindos da restrição comercial, tão lucrativa aos comerciantes
portugueses que não encontravam, no seu reduzido espaço, satisfação para sua ambição.5
O país se edificou como uma sociedade agrária baseada no latifúndio, existindo,
sobretudo, em função da Metrópole, como economia complementar, em que o monopólio
exercido opressivamente era fundamental para a burguesia mercantil lusitana.6
Por outro lado, o universo da formação social do período colonial foi marcado
pela polarização entre os imensos latifúndios e a massa de mão-de-obra escrava. Em tais
condições, percebia-se a estreita conjunção entre a monocultura empregada nas fazendas
visando à exportação e à sobreposição de relações sociais incrementadas tendo em conta a
escravidão. Deste modo, a organização social define-se, de um lado, pela existência de uma
elite constituída por grandes proprietários rurais, e de outro, por pequenos proprietários,
índios, mestiços e negros, sendo que entre os últimos pouca diferença havia, pois sua
classificação social era quase a mesma.
Para a exploração mais lucrativa dos latifúndios, a alternativa escrava era a que
melhor serviria ao sistema porque, se fossem importados homens livres, estes poderiam
tomar-se donos de um pedaço das terras devolutas que existiam em abundância; além disso,
aos traficantes era lucrativo trocar "negros" por produtos tropicais que comercializavam na
Europa.7 Há de se levar em conta que diante do fracasso da tentativa de escravizar os índios,
os grandes proprietários assentaram seu poder econômico e social no incremento do tráfico de
negros escravos.
5

Cf. WOLKMER, M. F. S. O Caráter Liberal-Conservadorda Constituição de 1824. Mimeo. São Leopoldo,
out. de 1984, p. 31-33.
6
Para a descrição mais pormenorizada do processo de evolução político-econômico do Brasil colonial, consultar:
PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução Política do Brasil, 12. ed. São Paulo: Brasiliense, 1980, p. 13-41; SODRÉ,
Nelson Wemeck, Formação Histórica do Brasil. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1970, p. 59-94; FURTADO,
Celso. Formação Econômica do Brasil. 18. ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1982, p. 41-64; NOVAIS,
Fernando A. "O Brasil nos Quadros do Antigo Sistema Colonial". In: Brasil em Perspectiva. MOTTA, Carlos G.
(Org.). 11 ed, São Paulo: Difel, 1980.
7
Cf. WOLKMER, M. F. S. Op. cit., p. 33-34.

Na verdade, como assinala Darcy Ribeiro, o Brasil nasceu como se fosse "um
proletariado externo das sociedades européias, destinado a contribuir para o preenchimento
das condições de sobrevivência de conforto e de riqueza destas e não das suas próprias".8 O
correto é que o sistema aglutinava certas práticas de base feudal com uma incipiente
economia de exportação centrada na produção escravista.
Já no que se refere à estrutura política, registra-se a consolidação de uma
instância de poder que, além de incorporar o aparato burocrático e profissional da
administração lusitana, surgiu sem identidade nacional, completamente desvinculada dos
objetivos de sua população de origem da sociedade como um todo. Alheia à manifestação e à
vontade da população, a Metrópole instaurou extensões de seu poder real na Colônia,
implantando um espaço institucional que evoluiu para a montagem de uma burocracia
patrimonial legitimada pelos donatários, senhores de escravos e proprietários de terras.9 Com
isso, desenvolveu-se, como lembra Antonio C. Mendes, um cenário contraditório de
dominação política: "de um lado, a pulverização do poder na mão dos donos das terras e dos
engenhos, seja pelo profundo quadro de divisão de classes. seja pelo vulto da extensão
territorial; de outra parte, o esforço centralizador que a Coroa. impunha, através dos
governadores-gerais e da administração legalista. A ordem jurídica vigente, no domínio
privado ou público, marchará decisivamente no sentido de preeminência do poder público
sobre as comunidades, solidificando uma estrutura com tendência à perpetuação das situações
de domínio estatal".10
A aliança do poder aristocrático da Coroa com as elites agrárias locais permitiu
construir um modelo de Estado que defenderia sempre, mesmo depois da independência, os
intentos de segmentos sociais donos da propriedade e dos meios de produção. Naturalmente, o
aparecimento do Estado não foi resultante do amadurecimento histórico-político de uma Nação
8

RIBEIRO, Darcy. Os Brasileiros: Teoria do Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981, p. 112. Para o aprofundamento,
consultar: RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro. A Formação e o Sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das
Letras, 1995; VERDASCA, José. Raízes da Nação Brasileira. Os Portugueses no Brasil. São Paulo: Ibrasa,
1997.
9
A propósito, reforçando a descrição da estrutura política colonial, Alfredo Bosi pontifica que esta incorpora o
intento dos "senhores rurais sob uma administração local que se exerce pelas câmaras dos homens bons do povo,
isto é, proprietários. Mas o seu raio de poder é curto. É o rei que nomeia o governador com mandato de quatro
anos, tendo competência militar e administrativa, enquanto preside os corpos armados e as Juntas da Fazenda e
da Justiça com critérios estabelecidos pela Coroa e expressos em regimentos e em cartas e ordens régias. As
juntas se compõem de funcionários reais: provedores, ouvidores, procuradores e, ao tempo das minas,
intendentes; a sua ação é controlada em Lisboa (a partir de 1642, pelo Conselho Ultramarino). De 1696 em
diante, até as câmaras municipais sofreram interferência da metrópole que passou a nomear os juízes de fora
sobrepondo-se à instituição dos juízes eleitos nas suas vilas. Os historiadores têm salientado a estreita margem de
ação das câmaras sob a onipresença das Ordenações e Leis do Reino de Portugal: a tensão entre as oligarquias e
a centralização crescente da Coroa será um dos fatores da crise do sistema político desde os fins do século
XVIII". In: Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 24.
10
MENDES, Antonio Celso. Filosofia Jurídica no Brasil. São Paulo: Ibrasa; Curitiba: Champagnat, 1992, p. 20.

unida ou de uma sociedade consciente, mas de imposição da vontade do Império colonizador.
Instaura-se, assim, a tradição de um intervencionismo estatal no âmbito das instituições sociais
e na dinâmica do desenvolvimento econômico. Tal referencial aproxima-se do modelo de
Estado absolutista europeu, ou seja, no Brasil, o Capitalismo se desenvolveria sem o capital,
como produto e recriação da acumulação exercida pelo próprio Estado.11
É dessas constatações que se pode auferir a confluência paradoxal, de um lado, da
herança colonial burocrática e patrimonialista; de outro, de uma estrutura sócio-econômica
que serviu e sempre foi utilizada, não em função de toda a sociedade ou da maioria de sua
população, mas no interesse exclusivo dos "donos do poder".12
Isso configura, desde o início da colonização, uma combinação estranha e atípica
de relações político-econômicas marcadas, de um lado, pela passagem de uma situação
agrária semifeudal para um modo de produção capitalista (ora mercantil, ora industrial),
refletindo, regionalmente, as imposições econômicas das metrópoles centrais; de outro, pela
incorporação e adaptação, por parte das instituições políticas, de diretrizes patrimonialistas e
burocráticas inerentes ao modelo conservador de organização administrativa portuguesa.13
Não se pode negar que essas duas concepções, a "econômica" e a "política", são
extremamente importantes e não podem ser deixadas de lado quando se busca, com seriedade,
encontrar as raízes da formação social e política brasileira. Por compreender que o
reducionismo, isoladamente, não consegue explicitar integralmente o fenômeno histórico e
contraditório de nossa organização institucional, impõe-se examinar suas tipicidades dentro de
uma perspectiva mais abrangente.14
Nos primeiros dois séculos da colonização não há que se registrar, com muita
nitidez, uma concepção de idéias justificadoras do mundo autenticamente brasileira. No
plano das idéias, dos valores e das formas de pensamento do colonizador, que eram
condicionados pelo mercantilismo econômico e pela administração centralizadora burocrática,
emergiu uma mentalidade calcada na racionalidade escolástico-tomista e nas teses do
absolutismo elitista português. Herda-se, dessa feita, uma estrutura feudal-mercantil embasada
em raízes senhoriais que reproduziam toda uma ideologia da Contra-Refonna. Esse carácter
romântico-senhorial da cultura portuguesa que predominou no período da expansão
11

Cf. CARRION, Eduardo K. Estado, Partidos e Movimentos Sociais. Porto Alegre: Edipaz, 1985, p. 72-75.
WOLKMER, Antonio Carlos. Elementos para uma Crítica do Estado. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1980, p.
45-47.
13
Ver, a esse propósito, as obras: FAORO, Raymundo, Os Donos do Poder. Porto Alegre: Globo, 1979;
URICOECHEA, Fernando. O Minotauro Imperial. Rio de Janeiro: Difel, 1978; SCHWARTZMAN, Simon.
Bases do Autoritarismo Brasileiro. São Paulo: Campus, 1982.
14
Cf. WOLKMER, Antonio Carlos. Op. cit., p. 44-45.
12

ultramarina estava associado a uma ética inspirada nas cruzadas, na honra cavalheresca dos
antepassados, na subserviência espiritual aos ditames da Igreja e no desprezo pelas práticas
mercantis lucrativas. Toda essa mentalidade senhorial orientada para servir a Deus e ao Rei
não iria favorecer o surgimento de uma classe burguesa enriquecida, capaz de projetar-se e
impulsionar uma "forma capitalista à exploração da riqueza".15 A incapacidade política da
elite lusitana acaba favorecendo maior articulação do Estado e empurrando Portugal para uma
posição secundária no rol do desenvolvimento econômico europeu. Apesar de ter tido um
papel importante durante a expansão marítima e ao longo da conquista, os Estados ibéricos
acabaram absorvendo e implementando a filosofia da Contra-Reforma, distintamente daqueles
países, como Holanda, Inglaterra e Alemanha, em que o ideário da Reforma Protestante
acabou impondo-se.16 Neste sentido, o Concílio de Trento oficializou a divisão de forças,
propiciando que a Península Ibérica se convertesse no principal baluarte de reação ao
protestantismo. Em verdade, como escreve P. Mercadante, "nos países de maior
desenvolvimento capitalista, onde predominavam as idéias de Lutero e Calvino, nenhuma
medida repressiva conteria a revolução científica, iniciada por Galileu e Copérnico. Na
Península Ibérica, recolhe-se a elite numa escolástica decadente, barrando qualquer idéia nova
que viesse dos países adiantados. Temendo a expansão protestante, urgira a reafirmação da
integridade da fé e dos dogmas, (...) teria início o processo de censura inquisitorial, que
aniquilaria o alvorecer do humanismo luso. Neste contexto, a Companhia de Jesus e a
Inquisição vieram configurar os contornos da sociedade".17
Em conseqüência, Portugal distanciava-se do ideário renascentista, da
modernidade científica e filosófica, do espírito crítico e das novas práticas do progresso
material, advindas com o Capitalismo, fechando-se no dogma eclesiástico da fé e da
revelação, no apego à tradição estabelecida na propagação de crenças religiosas pautadas na
renúncia, no servilismo e na disciplina.18
Esses traços são essenciais para compreender o tipo de cultura que foi propagado
pela Metrópole durante os primórdios da colonização lusitana no Brasil.19 Tratava-se de uma

15

MERCADANTE, Paulo. Militares & Civis: a Ética e o Compromisso. Rio de Janeiro: Zahar, 1978, p. 16-17.
Ibidem, p. 18. Estudo mais completo e acurado sobre a herança ibero-americana e o contraste desta com a
cultura anglo-americana encontra-se em: MORSE, Richard M. O Espelho de Próspero - Cultura e Idéias nas
Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
17
MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1978, p. 18-19.
18
Cf. MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1978, p. 19-23. Observar também do mesmo autor: A Consciência
Conservadora no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972, p. 21-26.
19
Sobre a cultura da colonização, escreve Alfredo Bosi que se trata de uma cultura letrada, ou seja, "é
rigorosamente estamental, não dando azo à mobilidade vertical, a não ser em raros casos de apadrinhamento que
confirmam a regra geral. O domínio do alfabeto, reservado a poucos, serve como divisor de águas entre a cultura
16

cultura senhorial, escolástica, jesuítica, católica, absolutista, autoritária, obscurantista e
acrítica. Em tal contexto, o principal pólo irradiador da formação cultural da nova Colônia foi
a solidificação da catequese católica e do ensino do humanismo escolástico, transplantada
predominantemente pela Companhia de Jesus,20 que implicaria, como reconhece Alberto
Venâncio Filho, que "a cultura portuguesa nos séculos XVI e XVII e na primeira metade do
século XVIII conservar-se-ia impermeável às transformações que se processavam no
continente europeu após o Renascimento, com a expansão dos estudos científicos e a
disseminação do método experimental".21 A reconciliação de Portugal com a Europa se
efetivaria com os precursores ensinamentos iluministas de Luis Antonio Verney (expoente
teórico da modernidade lusa do século XVIII) e com a implementação das drásticas reformas
do Marquês do Pombal. A renovação cultural Pombalina que influenciaria ideologicamente a
Colônia forneceria, segundo R. Faoro, "as bases para a modificação do Estado, restaurando a
autoridade pública, fraca, corrupta e atrasada".22 As inovações não alcançam as camadas
populares e o absolutismo continua em vigor, só que agora um absolutismo esclarecido, num
espectro cultural amplo e aberto que minimiza o "peso do ranço imobilista e jesuítico..."23
oficial e a vida popular. O cotidiano colonial-popular se organizou e se reproduziu sob o limiar da escrita". In:
Dialética da Colonização. Op. cit., p. 25.
20
Quanto à ordem religiosa dos jesuítas, assinala Alfredo Bosi que: "empenhados na prática de uma Igreja
supranacional, cumprem o projeto das missões junto aos índios. Essa possibilidade, aberta no início da
colonização, quando era moeda corrente a idéia do papel cristianizador da expansão portuguesa, passaria depois
a exercer-se apenas às margens ou nas folgas do sistema; enfim, a longo prazo sucumbirá sob a pressão dos
bandeirantes e à força do Exército colonial. Aos jesuítas sobraria a alternativa de ministrar educação humanística
aos jovens provenientes de famílias abastadas". Op. cit., p. 25.
Entretanto, o papel da catequese pode ser interpretado como forma de "apaziguamento" ou "prelúdio da
submissão", o que permitia a integração da mão-de-obra indígena para o reforço de uma ordem colonial servil e
inescrupulosa. (Este na p. 43)
A ruptura violenta e a substituição do escravo índio pelo escravo negro como força de trabalho foi inevitável. Com
efeito, a primazia "da conquista das almas da Companhia de Jesus era, como diz Euclides da Cunha, ,,eufemismo
casuístico disfarçando o monopólio do braço indígena. Daí a luta que se travou entre o jesuíta e o colono,
sobretudo no sul, logo no início da colonização, e no século XVII, no Maranhão e no Pará. (...) Dois tipos (...),
aparentemente opostos mas integrados num idêntico sentido de ação, se defrontam na colônia. De um lado, o
jesuíta. empenhado (...), na conquista espiritual e o aventureiro disposto à conquista da terra e dos bens materiais.
(...) Coube ao aventureiro e ao jesuíta a fixação da cultura européia em nossa terra. Um, abrirá caminhos, construirá
aldeias, plantará cidades; o outro, modelará a inteligência brasileira. (...) Aí se esboça, talvez, uma contradição da
nossa história, e, também, o antagonismo dos dois aspectos da cultura no Brasil." In: CRUZ COSTA, João.
Contribuição à História das Idéias no Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956, p. 50-55 e 438.
Acerca da trajetória dos jesuítas no país, o estudo clássico é o do Pe. Serafim Leite: História da Companhia de
Jesus no Brasil. 9ts., Lísboa/Rio de Janeiro: INL, 1949. Já para uma análise crítíco-dessacralizadora das relações
entre os jesuítas e os índios, consultar: NEVES, Luiz Felipe Baêta. O Combate dos Soldados de Cristo na Terra
dos Papagaios: Colonialismo e Repressão Cultural. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1978; GAMBINI,
Roberto. O Espelho Índio: os Jesuítas e a Destruição da Alma Indígena. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1994;
CUNHA; Luiz Antonio. A Universidade Temporã: o Ensino Superior da Colônia à Era Vargas. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1980, p. 18-36. (este na p. 44)
21
VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, 1977, p. 3 e 5.
22
FAORO, Raymundo. Existe um Pensamento Político Brasileiro? São Paulo: Ática, 1994, p. 40; VITA, Luis
Washington. Panorama da Filosofia no Brasil. Porto Alegre: Globo, 1969, p. 32-34.
23
FAORO, Raymundo. Op. cit. 1994, p. 41-44.

Com efeito, as reformas pombalinas limitam largamente a jurisdição do clero (os jesuítas são
expulsos de Portugal, em 1759), restringem os benefícios da nobreza, incrementam o poder
econômico da burguesia e impulsionam a reformulação do ensino e do modelo universitário
(alcançando a Universidade de Coimbra).
Certamente que esse movimento renovador do iluminismo pombalino, centrado na
abertura aos avanços científico-culturais, na reforma do ensino e da máquina administrativa, e
na desestruturação da força jesuítica, favorece as condições para o advento do liberalismo
português. Em fins do século XVIII e ao longo do século XIX, começam a chegar ao Brasil os
ecos do ciclo de idéias representados pelo iluminismo pombalino e pelas primeiras
manifestações do liberalismo engendrados na Metrópole lusitana.
Uma vez delineado ideologicamente o quadro sócio-econômico e político-cultural
da estrutura colonial, passaremos a examinar o processo de formação e desenvolvimento do
sistema jurídico.
2.2 A legislação colonizadora e o Direito Nativo
Na sua globalidade, a compreensão, quer da cultura brasileira, quer do próprio
Direito, não foi produto da evolução linear e gradual de uma experiência comunitária como
ocorreu com a legislação de outros povos mais antigos. Na verdade, o processo colonizador,
que representava o projeto da Metrópole, instala e impõe numa região habitada por
populações indígenas toda uma tradição cultural a1ienígena e todo um sistema de legalidade
"avançada" sob o ponto de vista do controle e da efetividade formal.
O empreendimento do colonizador lusitano, caracterizando muito mais uma
ocupação do que uma conquista, trazia consigo uma cultura considerada mais evoluída,
herdeira de uma tradição jurídica milenária proveniente do Direito Romano.24 O Direito
Português, enquanto expressão maior do avanço legislativo na península ibérica, acabou
constituindo-se na base quase que exclusiva do Direito pátrio.
Analisando as raízes culturais da legislação brasileira, escreve A. L. Machado
Neto que, dos três grupos étnicos que constituíram nossa nacionalidade, somente a do
colonizador luso trouxe influência dominante e definitiva à nossa formação jurídica. Se a
contribuição dos indígenas foi relevante para a construção de nossa cultura, o mesmo não se
pode dizer quanto à origem do Direito nacional, pois os nativos não conseguiram impor seus
"mores" e suas leis, participando mais "na humilde condição de objeto do direito real", ou
24

Cf. MACHADO NETO, A. L. Sociologia Jurídica. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1979, p.307-310.

seja, objetos de proteção jurídica. Igualmente o negro, "para aqui trazido na condição de
escravo, se sua presença é mais visível e assimilável no contexto cultural brasileiro, a sua
própria condição servil e a desintegração cultural a que lhes impelia a imigração forçada a que
se viam sujeitos, não lhes permitiu também pudessem competir com o luso na elaboração do
Direito brasileiro".25
O certo é que Portugal não teve outra saída senão buscar trabalhadores na África,
diante da destruição dos povos nativos e da conseqüente carência da mão-de-obra agrícola.
No entanto, os africanos não vieram como colonos livres, mas sim como escravos, forçados a
trabalhar em fazendas e grandes plantações de cana-de-açúcar, sem nenhum direito e não
podendo recompor suas organizações de origem. É nesse contexto colonial de economia de
exportação e de estrutura social, constituída em grande parte por populações indígenas e por
escravos africanos alijados do governo e sem direitos pessoais, que se deve perceber os
primórdios de um Direito essencialmente particular, cuja fonte repousava na autoridade
interna dos donatários, que administravam seus domínios como feudos particulares.26
Como escreve Nelson W. Sodré, sendo empreendimento planejado que
expressava uma necessidade nova, decorrente da expansão ultrama-marina, a colonização viuse na contingência de criar um Direito especial para a direção e organização da própria
atividade colonial.27
O primeiro momento da colonização brasileira, que vai de 1520 a 1549, foi
marcado por uma prática político-administrativa tipicamente feudal, designada como regime
das Capitanias Hereditárias.28 As primeiras disposições legais desse período eram compostas
pela Legislação Eclesiástica, pelas Cartas de Doação e pelos Forais. As Cartas de Doação e os
forais eram, no dizer de Isidoro Martins Júnior, a engrenagem do "...maquinismo inventado
pela Metrópole para o povoamento e enriquecimento da possessão brasileira. As cartas de
foral constituíam uma conseqüência e um complemento das de doações; mas estas
estabeleciam apenas a legitimidade da posse e os direitos e privilégios dos donatários, ao
passo que aquelas eram um contrato enfitêutico, em virtude do qual se constituíam perpétuos
tributários da coroa, e dos donatários capitães-mores, (...) que recebessem terras de

25

MACHADO NETO, A. L. Op. cit., p. 309-310.
Cf. SHIRLEY, Robert Weaver. Antropologia Jurídica. São Paulo: Saraiva, 1987, p.80.
27
Cf. SODRÉ, Nelson Werneck. Op. cit., p. 77.
28
Ao explicar a expressão "capitanias hereditárias", Wa1ter V. do Nascimento assina1a: "1) capitanias, de
capitão indicando chefia, governança; 2) hereditárias, porque, inalienáveis, só se transmitiam por herança, e
indivisíveis, porque o sucessor era apenas um único herdeiro, mediante o critério de exclusão e com vistas à
legitimidade (preferência dos filhos legítimos), à idade (preferência do mais velho) e ao sexo (preferência aos
varões)". In: Lições de História do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p. 210.
26

sesmarias".29 Com o fracasso da grande maioria das capitanias, tratou a Metrópole de dar à
Colônia outra orientação designada como sistema de governadores-gerais. Surgiu, assim a
utilização de um certo número de prescrições decretadas em Portugal, reunindo desde cartas
de Doação e Forais das capitanias até Cartas-Régias, Alvarás, Regimentos dos governadores
gerais, leis e, finalmente, as Ordenações Reais.30 De fato, o Direito vigente no Brasil-Colônia
foi transferência da legislação portuguesa contida nas compilações de leis e costumes
conhecidos como Ordenações Reais, que englobavam as Ordenações Afonsinas (1446), as
Ordenações Manuelinas (1521) e as Ordenações Filipinas (1603). Em geral, a legislação
privada comum, fundada nessas Ordenações do Reino, era aplicada sem qualquer alteração
em todo o território nacional. Concomitantemente, a inadequação, no Brasil, de certas normas
e preceitos de Direito Público que vigoravam em Portugal determinava a elaboração de uma
legislação especial que regulasse a organização administrativa da Colônia.31
Entretanto, a insuficiência das Ordenações para resolver todas as necessidades da
Colônia tornava obrigatória a promulgação avulsa e independente de várias "Leis
Extravagantes",32 versando, sobretudo, sobre matérias comerciais.
No século XVIII, com as reformas pombalinas, a grande mudança em matéria
legislativa foi a "Lei da Boa Razão" (1769) que definia regras centralizadoras e uniformes
para interpretação e aplicação das leis, no caso de omissão, imprecisão ou lacuna. A "Lei da
Boa Razão" minimizava a autoridade do Direito Romano, da glosa e dos arestos, dando
"preferência e dignidade às leis pátrias e só recorrendo àquele direito, subsidiariamente, se
estivesse de acordo com o direito natural c as leis das Nações Cristãs iluminadas e polidas, se
em boa razão fossem fundadas".33

29

MARTINS JÚNIOR, Isidoro. História do Direito Nacional. 3. ed. Brasília: Depto. de Imprensa Nacional,
1979, p. 104.
30
Cf. SODRÉ, Nelson Werneck. Op. cit., p. 77; MACHADO NETO, A. L. Op. cit., p. 313-314; TRIPOLI,
César. História do Direito Brasileiro. Época Colonial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1936, v.l. p. 62-63, 8081 e 95-96.
31
Cf. MARTINS JÚNIOR, Isidoro. Op. cit., p. 63-84; MONTORO, André Franco. Introdução à Ciência do
Direito. 20. ed. São Paulo: Ed. RT, 1991, p. 565-569: GUSMÃO, Paulo D. Introdução ao Estudo do Direito. 11.
ed. Rio de Janeiro: Forense, 1986, p. 395-397; TRIPOLI, César. Op. cit., p. 56-82. 32
32
Ver, neste sentido: TRIPOLI, César. Op. cit., p. 75.
33
VALLADÃO, Haroldo. História do Direito, Principalmente do Direito Brasileiro. 4. ed. Rio de Janeiro:
Freitas Bastos, 1980, p. 76; MARTINS JÚNIOR, Isidoro. Op. cit., p. 78-80: TRIPOLI, César. Op. cit., p. 154155. Ainda sobre a Lei da Boa Razão, ver: GOMES, Orlando. Raízes Históricas e Sociológicas do Código Civil
Brasileiro. Salvador: Livraria Progresso/Universidade da Bahia, 1958, p. 9-14: WEHLING, Amo e WEHLING,
Maria José. "Cultura Jurídica e Julgados do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro: a Invocação da Boa Razão e
o Uso da Doutrina. Uma Amostragem". In: SILVA, Maria Beatriz Nizze da. Cultura Portuguesa na Terra de
Santa Cruz. Lisboa: Estampa, 1995. p. 235-247; WEHLING, Amo. "Despotismo Ilustrado e Uniformização
Legislativa; o Direito Comum nos Períodos Pombalino e Pós-Pombalino". Revista Ciências Humanas. Rio de
Janeiro, v. 20, n° I, p. 143-159, jun. 1997.

Não resta dúvida de que o principal escopo dessa legislação era beneficiar e
favorecer a Metrópole. A experiência político-jurídica colonial reforçou uma realidade que se
repetiria constantemente na história do Brasil: a dissociação entre a elite governante e a
imensa massa da população. O governo português ultramar evidenciava pouca atenção na
aplicação da legislação no interior do vasto espaço territorial, pois seu interesse maior era
criar regras para assegurar o pagamento dos impostos e tributos aduaneiros, bem como
estabelecer um ordenamento penal rigoroso para precaver-se de ameaças diretas à sua
dominação. Como assinala Robert Shirley, Portugal "... não tencionava trazer justiça ao povo
ou mesmo prestar os serviços mais elementares à sua colônia".34 Numa administração de
cunho neofeudal e patrimonialista, o direito da elite agrária não era o Direito da maior parte
da população, porém existia para proteger os interesses do governo real e manter o poder dos
fazendeiros proprietários de terras."35
O modelo jurídico hegemônico durante os primeiros dois séculos de colonização foi,
por conseqüência, marcado pelos princípios e pelas diretrizes do Direito alienígena - segregador e
discricionário com relação à própria população nativa -, revelando, mais do que nunca as intenções e
o comprometimento da estrutura elitista de poder. Nesse sentido, para Antonio C. Mendes, a
subjugação da população era praticamente completa, pois, "distribuída entre raros colonos livres e
uma maioria de trabalhadores escravos, seus direitos estavam codificados no arbítrio dos donatários
das capitanias, que enfeixavam em si a figura do único proprietário, do único responsável pelos
castigos e pelas penas, chefe industrial e militar, distribuidor de sesmarias e de prêmios".36
Desde o início da colonização, além da marginalização e do descaso pelas práticas
costumeiras de um Direito nativo e informal, a ordem normativa oficial implementava,
gradativamente, as condições necessárias para institucionalizar o projeto expansionista
lusitano. A consolidação desse ordenamento formalista e dogmático está calcada
doutrinariamente, num primeiro momento, no idealismo jusnaturalista; posteriormente, na
exegese positivista. Cumpre ressaltar, nessa trajetória, que os traços reais de uma tradição
subjacente de práticas jurídicas informais não-oficiais podem ser encontrados nas remotas
comunidades de índios e negros do Brasil colonial. Sob tal prisma é essencial o resgate
histórico de um pluralismo jurídico comunitário, localizado e propagado através das ações
legais associativas no interior dos antigos "quilombos" de negros37 e nas "reduções"
34

SHIRLEY, Robert W. Op. cit., p. 80.
Ibidem.
36
MENDES, Antonio C. Op. cit., p. 16.
37
Os "quilombos" se constituíram em pequenas comunidades rurais povoadas por escravos negros fugidos das
fazendas que buscavam defender-se da dominação e repressão colonial. Eram organizados livremente e de forma
35

indígenas38 sob a orientação jesuítica, constituindo-se nas formas primárias e autênticas de um
"Direito insurgente, eficaz, não-estatal".39
Tais concepções desmentem o mito da centralização jurídica ocidental moderna,
fundada na unicidade territorial de um Direito estatal e formal. A historiografia oficial em
geral não reconhece a existência, no período anterior à colonização, de várias nações
indígenas, cada qual com um Direito próprio, base de suas formas de procedimento no âmbito
da propriedade, posse, família, sucessão, matrimônio e delito. Na verdade, a riqueza desses
grupos indígenas revela-se na convivência com a pluralidade de valores culturais diversos,
organizando suas modalidades de comportamento conforme disposições jurídicas "que nada
têm a ver com o Direito Estatal, porque são a expressão de uma sociedade sem estado, cujas
formas de poder são legitimadas por mecanismos diferentes dos formais e legais do Estado".40
Como adverte Carlos F. Marés, o reconhecimento de um direito entre as
comunidades indígenas não é uma discussão contemporânea, pois tem suas origens nas invasões
ibéricas em terras latino-americanas.41 Tal polêmica passa pelo questionamento da natureza
humana, pela legitimidade e pela capacidade jurídica dos índios, levantadas por Francisco de
Vitoria, na Unversidade de Salamanca (1539);42 pela denúncia de Bartolomé de Las Casas em
Valladolid (1547 a 1550) contra a sangrenta conquista espanhola e pela revelação do genocídio

auto-suficiente, baseados na ocupação da terra, na propriedade coletiva, na agricultura de subsistência e na luta
armada. Para maior abrangência, consultar: FREITAS, Décio. Palmares, a Guerra dos escravos. 5. ed. Porto
Alegre: Mercado Aberto, 1987; MOURA, Clóvis. Os Quilombos e a Rebelião Negra. 7. ed. São Paulo:
Brasiliense, 1987.
38
Já as "reduções" consistiam em comunidades indígenas, muitas das quais apoiadas por padres jesuítas, onde as
terras, a propriedade, os bens e os meios de produção eram compartilhados e assumidos em comum, fundados
sobre as bases do coletivismo solidário. Observar a propósito: LUGON, C. A República "Comunista" Cristã dos
Guaranis. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977; BRUXEL, Arnaldo. 2. ed. Os Trinta Povos Guaranis. Porto
Alegre: EST/NovaDimensão, 1987; KERN, Amo Alvarez. Missões: Uma Utopia Política. Porto Alegre:
Mercado Aberto, 1982.
39
ALFONSIN, Jacques Távora et alii. Negros e Índios no Cativeiro da Terra. Rio de Janeiro: AJUP/FASE,
1989, p. 20.
40
MARÉS DE SOUZA FILHO, Carlos F. "Índios e Direito: O Jogo Duro do Estado". In Negros e Índios no
Cativeiro da Terra. Rio de Janeiro: AJUP/FASE,jun. 1989, p. 8. Sobre a temática indígena projetada no e
relacionada com o mundo jurídico, observar: BEVILÁQUA, Clóvis. "Instituições e Costumes Jurídicos dos
Indígenas Brasileiros ao Tempo da Conquista". In: SOUZA FILHO, Carlos Marés. Textos Clássicos sobre o
Direito e os Povos Indígenas. Curitiba: Juruá, 1994, p. 77-92; MENDES JÚNIOR, João. Os Indígenas do Brasil:
seus Direitos Individuais e Políticos. São Paulo: Typ. Hennies Irmãos, 1912; CUNHA, Manuela Carneiro. Os
Direitos do Índio. Ensaios e Documentos. São Paulo: Brasiliense, 1987; COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO/SP. O Índio e
a Cidadania. São Paulo: Brasiliense, 1983; SANTOS, Sílvio Coelho dos (org.) O Índio Perante o Direito.
Florianópolis: Ed. da UFSC, 1982; COLAÇO, Thais Luzia. "O Direito Guarani Pré-Colonial e as Missões
Jesuíticas: A Questão da Incapacidade Indígena e da Tutela Religiosa". Tese de Doutorado em Direito.
Florianópolis: CPGD/UFSC, 1998, 468p.
41
Cf. MARÉS DE SOUZA FILHO, Carlos F. Op. cit., p. 7. Para exposição mais completa, consultar:
WOLKMER, Antonio Carlos (org.). Direito e Justiça na América Indígena: da Conquista à Colonização. Porto
Alegre: Livraria dos Advogados, 1998.
42
Ver: VITORIA, Francisco de. Doctrina sobre los Índios. Salamanca: San Sebastian, 1992.

dos índios;43 pela defesa eloqüente e pela proteção ardorosa dos indígenas (e em alguns
momentos dos escravos negros) contra a cobiça dos colonizadores portugueses impetrada pelo
Pe. Antonio Vieira, no Maranhão e na Bahia, na metade do século XVII.44
Naturalmente, a legalidade oficial imposta pelos colonizadores nunca reconheceu
devidamente como Direito as práticas tribais espontâneas que organizaram e ainda continuam
mantendo vivas algumas dessas sociedades sobreviventes. V ale dizer que o máximo que a
justiça estatal admitiu, desde o período colonial, foi conceber o Direito indígena como uma
experiência costumeira de caráter secundário. Autores como João Bernardino Gonzaga
admitem uma justiça penal indígena, no tempo do descobrimento, ainda que seja impossível
estabelecer um único direito criminal, gerado por uma fonte superior em face das diversidades
existentes entre os incontáveis grupos indígenas (inexistência de homogeneidade até mesmo
em nações nativas maiores, como a dos tupis), tampouco pode-se reconhecer qualquer
influência dessas práticas penais sobre o Direito dos conquistadores lusitanos.45 De qualquer
modo, outra especificidade a ressaltar é que, como assinala Carlos F. Marés, se a legalidade
"de cada uma das nações indígenas é o resultado de uma cultura aceita e professada por todos
os habitantes igualmente, inclusive na aceitação das diferenças, o Direito Estatal Brasileiro é
fruto de uma sociedade profundamente dividida, onde a dominação de uns pelos outros é o
primado principal, e o individualismo, o marcante traço característico".46

43

Constatar: LAS CASAS, Frei Bartolomé de. O Paraíso Destruído. Brevíssima Relação da Destruição das
Índias. 5; ed. Porto Alegre: L & PM, 1991. Sobre o tema, ver: BRUIT, Héctor Hernan. Bartolomé de las Casas e
a Simulação dos Vencidos. Campinas: Unicamp; São Paulo: Iluminuras, 1995; DUSSEL, Enrique. 1492: o
Encobrimento do Outro (a origem do "mito da modernidade"). Petrópolis: Vozes, 1993; LEON-PORTILHA,
Miguel. A Conquista da América Latina Vista pelos Índios. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1991; TODOROV,
Tzvetan. A Conquista da América. A Questão do Outro. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
44
Entretanto, a ação catequista "protetora", dúbia e limitada de Antonio Vieira ou mesmo de Manuel da
Nóbrega, nem sempre irá estender-se à escravidão africana encarada, por vezes, como de utilização necessária e
providencial. Ora, ainda que os jesuítas se interessassem muito pela libertação dos índios, certamente "nada
fizeram em favor dos negros africanos, os quais continuaram, durante mais de três séculos, a sofrer o jugo da
escravidão. Desse modo, não foi considerada comum a sorte dos índios e a dos negros africanos, no Brasil (...)".
In: TRIPOLI, César. Op. cit., p. 108-109.
Para melhor compreensão da postura de Antonio Vieira em defesa do direito dos índios, ver: VIEIRA, Pe.
Antonio. Escritos Instrumentais sobre os Índios. São Paulo: Loyola/EDUC, 1992. Igualmente: BOSI, Alfredo.
Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 119-148; HOORNAERT, Eduardo
"Teologia e Ação Pastoral em Antonio Vieira SJ: 1652-1661". In: História da Teologia na América Latina. São
Paulo: Paulinas, 1981, p. 63-74; MEIHY, Jose Carlos Sebe Bom. "Vieira: a Catequese segundo os Sermões".
Anais do X Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros. UNIJUÍ - Campus Santa Rosa, 1994, I' 250-260;
VILELA, Magno. Uma Questão de Igualdade: Antonio Vieira e a Escravidão Negra na Bahia do Século XVII.
Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997 Sobre aspectos da política colonialista dos portugueses acerca dos
indígenas brasileiros, verificar: THOMAS, Georg. Política Indigenista dos Portugueses no Brasil. 1500-1640.
São Paulo: Loyola, 1982; CUNHA, Manuela Carneiro. Op. cit:, p. 53-101, 103-117; ALMEIDA, Rita Heloísa
de. O Diretório dos Índios: um Projeto de Civilização no Brasil do Século XVIII. Brasília: UnB, 1997.
45
Cf. GONZAGA, João Bernardino. O Direito Penal Indígena: à época do descobrimento do Brasil. São Paulo:
Max Limonad, s/d., p. 11-15.
46
MARÉS SOUZA FILHO, Carlos F. Op. cit., p. 9.

Nesse período que merece destaque a experiência, em terras da bacia platina
(Paraguay, Argentina e Brasil), durante os séculos XVII e XVIII, do sistema comunal
missioneiro de posse da terra (junção de práticas político-legais européias com o solidarismo
das reduções indígenas), utilizado e incentivado pelos "padres jesuítas espanhóis aos povos
Guaranis aí reduzidos. Foi um coletivismo indígena de bases municipais, surgido e
desenvolvido graças à autonomia com que, nessa área, incidiu a legislação da Coroa de
Castela sobre uma realidade nativa suficientemente respeitada".47 Nesse contexto histórico,
como breve ilustração, menciona-se o comentário de A. Bruxel de que toda a estrutura de
controle e punição nas Missões, distintamente da justiça de tradição européia, "não castigava
na proporção do delito, para o restabelecimento da justiça lesada (justiça punitiva), mas na
medida em que o exigia a recuperação do delinqüente (justiça medicinal). Alcançada a
correção, indultava-se o réu."48
Vale, nesse contexto, outra referência extensa mas não menos, ilustrativa sobre o
sistema de controle social e sobre a organização da Justiça missioneira, trazida pelo
historiador Amo A. Kern, que destaca "nas Missões da Província Jesuítica do Paraguai, o
Código Penal estava inserido no Livro de Ordens, onde se registravam todas as determinações
que emanavam quer das autoridades da Companhia de Jesus, quer das próprias da
administração espanhola. O Código Penal proibia as punições privadas, pois o castigo deveria
servir como exemplo aos demais e assim também se impediam os excessos. O pior crime que
Se poderia cometer, o homicídio, era punido com prisão perpétua, não havendo pena de
morte. Cada crime tinha estipulada a pena, não podendo jamais ser aumentada, mas somente
diminuída, pois eram levadas em conta as boas disposições do culpado.
As crianças eram punidas por um máximo de quatro ou cinco açoites, de acordo
com a idade, aplicados por quem estivesse no controle de sua atividade. As mulheres só
podiam ser punidas por um máximo de vinte açoites, sendo a sentença sempre executada por
outra mulher para evitar violência nos golpes. As mulheres grávidas estavam isentas de
castigo. Para os homens, as penas podiam ser maiores, mas jamais ultrapassavam vinte e
cinco chicotadas diárias, mesmo se a pena fosse superior a isso.

47

RUSCHEL, Ruy Ruben. "O Direito de Propriedade dos Índios Missioneiros". In: Veritas. Porto Alegre: PUC,
v. 33, n. 153, março 1994, p. 107. Para aprofundar o estudo da questão indígena nas missões jesuíticas, constatar:
KERN, Arno. Missões: Uma Utopia Política. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982; FLORES, Moacyr.
Colonialismo e Missões Jesuíticas. Porto Alegre: EST/ICHRS, 1983; QUEVEDO, Julio. As Missões: Crise e
Redefinição. São Paulo: Ática, 1993; HAUBERT, Maxime. Índios e Jesuítas no Tempo das Missões. São Paulo:
Companhia das Letras/Círculo do Livro, 1990.
48
BRUXEL, Arnaldo. Op. cit., p. 54.

As referências a prisões nas Missões são inexistentes, ou se referem a prisões
domiciliares. (...) Seguindo os costumes espanhóis, que jamais permitiam a punição de
autoridades em praça pública, os caciques também não sofriam esta pena. Os culpados jamais
eram acorrentados ou algemados, seus casos eram sempre estudados e as testemunhas ouvidas
e acareadas. A punição usual nas Missões era a reprimenda Ocorria também, em casos muito
extremos, o ostracismo de certos criminosos para Missões longínquas e mesmo o banimento.
O fato de ser a punição sempre pública e aplicada pelos próprios índios limitava a
possibilidade de abusos e excessos na aplicação das penas. (...) O sistema penal nunca foi
rigoroso em excesso, o que foi extraordinário para uma época em que as punições, mesmo na
Europa, eram ainda violentas. A coercitividade era, assim, mínima, e durante um século e
meio não fizeram os guaranis nenhuma revolta contra os jesuítas enquanto no mesmo período
as reações contra os encomendeiros foram violentas e freqüentes (...). Só um sistema penal
não-rigoroso pode explicar como apenas dois padres podiam controlar uma Missão inteira. A
disciplina, como bem salientou Sagot, era mais rigorosa do ponto de vista coletivo, social, do
que individualmente, quando era pouco exigente.49
Na verdade, os jesuítas se constituíram, ao mesmo tempo, em juízes e em jamais
superiores das causas indígenas, no interior das reduções. Tendo em vista que as Missões
eram parte da Coroa Espanhola, a legislação aplicada nas reduções eram as Leis das Índias. À
insuficiência ou inadequação das Leis das Índias na resolução de casos concretos, facultava-se
aos jesuítas da América, por concessão do Papa Paulo III, a elaboração de estatutos ou normas
para suprir essa falta. Assim, como escreve B. Fernández Herrero, os jesuítas elaboraram
regras específicas "para a sua circunstância local e estas normas que compuseram o corpo
legislativo das reduções foram recolhidas no Livro de Ordens que cada padre devia ter em sua
redução, e que, seguindo-o, não daria lugar para improvisações que fizessem diferentes os
sistemas administrativos de cada povo, com vistas a alcançar uma uniformidade (...)".50
Mas o tema da justiça e da legalidade paralela durante a colonização não abarca
apenas os esforços de ocupação indígena, pois o projeto escravista senhorial de negação do
"outro" integra também a coerção despersonalizada, a violência física e a discriminação social
da cultura negra. Desde o século XVII, a elite dominante e seus letrados servis buscaram
justificar, sob o aspecto religioso, moral e jurídico, um projeto cristão-colonialista, colocando
49

KERN, Arno A. Op. cit., p. 57-59. Para aprofundar-se no estudo do Direito e da Justiça na experiência das
reduções guaraníticas, examinar: HERRERO, Beatriz Fernández. La Utopía de América: Teoria, Leyes,
Experimentos. Barcelona: Anthropos, 1992; CHASE-SARDI, Miguel. El Derecho Consuetudinario Indigena y
su Bibliografia Antropológica en el Paraguay. Asunción: Biblioteca Paraguaya de Antropología, 1990.
50
HERRERO, Beatriz Fernández. Op. Cit., p. 322-323. Sobre o Livro de Ordens, observar: LUGON, Clóvis. A
República "Comunista" Cristã dos Guaranis, p. 92-95.

em

relevo

a

legitimidade

da

escravidão

e

a

fundamentação

de

normas

que

institucionalizassem o controle. Daí a resposta das massas negras engajadas na resistência à
escravidão.51 Essa luta pela libertação alcança seu momento mais expressivo nos quilombos
do sudeste do Brasil, entre os séculos XVII e XVIII. Tal forma do estrutura políticoeconômica que teve em Palmares o melhor exemplo de organização, florescimento e
resistência, enquanto regime comunitário, manteve-se com base na agricultura e na criação de
animais de subsistência. Assim, os negros de Palmares, tornando-se auto-suficientes, e
criando formas de defesa e sobrevivência ao escravismo colonial, desenvolveram práticas de
convivência respaldadas no igualitarismo e na participação comunitária, dirimindo possíveis
procedimentos causa dores de atritos e confrontos sociais. O fato real é que os quilombos, no
relato de um estudioso do assunto, "ao repudiar o sistema de latifúndio dos sesmeiros,
adotaram a forma do uso útil de pequenos tratos, roçados, base econômica da família livre;
(...) o excedente da produção era dado ao Estado, como contribuição para a riqueza social e
defesa do sistema; (...) a solidariedade e a cooperação eram praticadas desde o início dos
quilombos, que deve remontar aos princípios do século XVII; (...) a sociedade livre era regida
por leis consagradas pelos usos e costumes; (...) não existiam vadios nem exploradores nos
quilombos, mas, sim, uma ativa fiscalização como sói acontecer nas sociedades que se
formam no meio de lutas, contra forma, ultrapassadas de relações de produção (...)".52
51

Escreve Alfredo Bosi (op. cit., p, 24): "A alternativa para o escravo não era, em princípio, a passagem para um
regime assalariado, mas a fuga para os quilombos, Lei, trabalho e opressão são correlatos sob o escravismo
colonial. Nos casos de alforria, que se tornam menos raros a partir do apogeu das minas, a alternativa para o
escravo passou a ser a mera vida de subsistência como posseiro em sítios marginais, ou a condição subalterna de
agregado que subsistiu ainda depois da abolição do cativeiro, De qualquer modo, ser negro livre era sempre
sinônimo de dependência", Para aprofundar a análise da resistência negra, da luta organizada, e dos processos
criminais resultantes da escravidão, examinar: MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e Escravidão: Trabalho,
Luta e Resistência nas Lavouras Paulistas - 1830-1888. São Paulo: Brasiliense, 1987; GRINBERG, Keila.
Liberata - A Lei da Ambigüidade: As Ações de Liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro. Século XIX
Rio de Janeiro: Relume-Dumara, 1994.
52
MOURA, Clovis. Op. cit., p. 38-39. Vide ainda: ROCHA, Osvaldo de Alencar. "O Negro e a Posse da Terra
no Brasil". In: Negros e Índios no Cativeiro da Terra. Op, cit., p. 48. VAINFAS, Ronaldo. Ideologia &
Escravidão: Os Letrados e a Sociedade Escravista no Brasil Colonial. Petrópolis: Vozes, 1986; ROCHA,
Manoel Ribeiro. "Etíope Resgatado". In SUESS, Paulo (ed.). Petrópolis: Vozes, 1992.
Interessante observar o descaso das autoridades coloniais e a inexistência de uma legislação oficial reguladora
das condições, garantias e direitos dos escravos negros. A esse respeito, escreve César Trípoli (op. cit., p. 110144) que realmente a legislação só se preocupou com sua importação: "De fato, foi em virtude do Alvará de 29
de março de 1559 que os senhores de engenhos, no Brasil, ficaram autorizados a mandar vir escravos de S.
Tomé, com licença do Governador Geral. I, (...) Não há vestígio, depois do Alvará de 1559, de qualquer lei com
referência aos negros africanos, cuja importação foi sempre aumentando. Afirma-se que, durante o século XVII,
entraram no Brasil cerca de quarenta mil negros africanos por ano.
-Foi somente nos últimos vinte anos do dito século que se tratou deles na legislação. Os seus inestimáveis
serviços nunca mereceram a consideração dos governadores e muito menos da Metrópole; e a Metrópole
acordou, quando os negros constituíram um Estado no Estado com a implantação da República dos Palmares, e
procurou então obter pelas vias legislativas o que as expedições militares não tinham podido conseguir. De fato,
foi expedido o Alvará de 10 de março de 1682, determinando várias providências para chamar os quilombolas ao
trabalho dos engenhos c das propriedades agrícolas, de onde haviam fugido, e assegurando-lhes a prescrição do

Na busca da real historicidade das instituições, o avanço pelo cenário de uma
legalidade autóctone, como se constatou, também possibilita contemplar o lado da
oficialidade. De fato, importa reconhecer o papel desempenhado pelos operadores
hegemônicos da justiça oficial, considerando a estrutura econômica marcada por práticas
mercantilistas e escravistas, bem como por uma montagem político-administrativa semifeudal,
patrimonialista e elitista, cuja dinâmica histórica nega o direito do "outro" (o filho nativo da
terra) para incorporar e impor o Direito alienígena colonizador. Assim, para que esse
ordenamento colonial funcionasse formalmente, foi necessário um aparato institucionalizado
composto de atores profissionais (juízes, ouvidores, escrivães) e instâncias processuais
(Administração da Justiça, Tribunal da Relação, Casa da Suplicação etc.). Daí a
obrigatoriedade de se examinar, na etapa seguinte, a organização, a competência e os
integrantes da Justiça Colonial.
2.3. Os operadores jurídicos e a administração da justiça
Para entender a dinâmica da justiça no período colonial impõe-se descrever seu
quadro organizacional como um todo, razão pela qual se ressalta a constituição e a
competência das instâncias jurisdicionais, bem como o recrutamento, o comportamento, as
funções e influências dos magistrados na sociedade, enquanto operadores jurídicos.
Analisando o primeiro aspecto, cabe caracterizar que a administração da justiça,
no período das capitanias hereditárias, estava entregue aos senhores donatários que, como
possuidores soberanos da terra, exerciam as funções de administradores, chefes militares e
juízes. Assim, os donatários, detendo os mais amplos poderes para organizar seus domínios,
não dividiam "com outros o Direito de aplicar a lei aos casos ocorrentes, dirimindo os
conflitos de interesses e direitos entre os habitantes a capitania".53
A situação modificou-se consideravelmente com o advento dos governadoresgerais, evoluindo para a criação de uma justiça colonial para a formação de uma pequena
burocracia composta por um grupo de agentes profissionais. Isso foi possível na medida em
que as antigas capitanias se transformaram em espécie de províncias unificadas pela
domínio dos senhores, no prazo de cinco anos, a contar do dia em que voltassem ao convívio do povo. - Em
1687, ainda, foram ajustadas condições entre o governador de Pernambuco e o paulista Domingos Jorge Velho,
para conquistar e destruir os negros levantados dos Palmares". Oportuna é também a releitura crítica da condição
do negro escravo frente à legislação oficial em: SILVA, Dimas Salustiano da. "Direito Insurgente do Negro no
Brasil: Perspectivas e Limites no Direito Oficial". In: CHAGAS, S. D. (org.). Lições de Direito Civil Alternativo.
São Paulo: Acadêmica, 1994, p. 57-71; FREITAS, Décio. Escravidão de Índios e Negros no Brasil. Porto
Alegre: EST/ICP, 1980.
53
MARTINS JÚNIOR, Isidoro. Op. cit., p. 125.

autoridade do mandatário-representante da Metrópole. Tornou-se mais fácil com a reforma
político-administrativa impor um sistema de jurisdição centralizadora controlada pela
legislação da Coroa.
Por orientação das Cartas de Doação, a primeira autoridade da Justiça Colonial foi
o cargo particular de ouvidor, designado e subordinado aos donatários das capitanias por um
prazo renovável de três anos.
Tratava-se, numa primeira fase, de meros representantes judiciais dos donatários
com competência sobre ações cíveis e criminais.
Mais tarde, em 1549, com a implantação do primeiro governo-geral e com o alargamento
das responsabilidades burocráticas e fiscais, os primitivos ouvidores passaram a ser ouvidores-gerais
com maiores poderes e com mais independência em relação à administração política. Neste sentido,
Stuart B. Schwartz escreve que o estabelecimento da função de ouvidor-geral no Brasil "refletiu não
só o desejo da Coroa de melhorar a situação da justiça, mas também sua vontade de aumentar o
controle real centralizado. O interesse da Coroa pela área cresceu a partir de 1550, e o ouvidor-geral,
na qualidade de funcionário real de confiança, a cada passo assumiu novas funções e
responsabilidades em nome do interesse real".54 Não resta dúvida de que o ouvidor-geral acabou
transformando-se num dos cargos mais importantes durante a segunda fase da colonização,
juntamente com o de governador-geral e o de provedor-mor da fazenda. Por resolver as questões de
justiça e os conflitos de interesses, o ouvidor-geral detinha um poder quase sem limites, sujeito ao seu
próprio arbítrio pessoal; de suas decisões, na maioria das vezes, não cabia apelação nem agravo.55
O crescimento das cidades e da população aumentou os conflitos, determinando o
alargamento do quadro de funcionários e autoridades da justiça. A organização judiciária,
reproduzindo na verdade a estrutura portuguesa, apresentava uma primeira instância, formada
por juízes singulares que eram distribuídos nas categorias de ouvidores, juízes ordinários e
juízes especiais. Por sua vez, estes se desdobravam em juízes de vintena, juízes de fora, juízes
de órfãos, juízes de sesmarias etc. A segunda instância, composta de juízes colegiados,
agrupava os chamados Tribunais de Relação que apreciavam os recursos ou embargos. Seus
membros designavam-se desembargadores, e suas decisões, acórdãos. Já o Tribunal de Justiça
Superior, de terceira e última instância, com sede na Metrópole, era representado pela Casa da
Suplicação, uma espécie de tribunal de apelação.56
54

SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial. São Paulo: Perspectiva, 1979, p. 28.
Cf. MARTINS JÚNIOR, Isidoro. Op. cit., p. 114. Igualmente, constatar: TRIPOLI, César. Op. cit., p. 221.
56
Cf. MARTINS JÚNIOR, I. Op. cit., p. 129; NASCIMENTO, Walter V. Op. cit., p. 248-251; CARVALHO,
José Murilo. A Construção da Ordem: a Elite Política Imperial. Rio de Janeiro: Campus, 1980, p. 135. Ainda
sobre a organização judiciária e policial do período colonial, verificar: LEAL, Victor Nunes. Coronelismo,
55

Uma descrição completa do sistema judicial lusitano dos séculos XVI e XVII não
pode deixar de destacar o supremo conselho institucionalizado e a esfera mais elevada de
jurisdição, qual seja, o Desembargo do Paço. Já consagrado pelas Ordenações Manuelinas, o
Desembargo do Paço não tinha função específica de julgamento, mas sim de "assessoria para
todos os assuntos de justiça e administração legal, embora causas de mérito especial que
houvessem exaurido todos os outros meios de acordo pudessem ser levadas até esse órgão".57
De igual modo, cabiam lhe a elaboração e correção da legislação, a designação, promoção e
avaliação do desempenho de magistrados.58 É certo que tais tribunais superiores (Desembargo
do Paço e Casa da Suplicação), mesmo sendo transferidos para o Brasil em 1808, seguiram
sendo sempre "instituições remotas para a maioria dos brasileiros".59
O primeiro Tribunal da Relação, criado em 1587 para atuar na Colônia, não chegou a
entrar em funcionamento, pois o navio que trazia os dez ministros nomeados acabou não podendo
zarpar de Portugal. Posteriormente, o governo da Metrópole constituiu um segundo Tribunal da
Relação, oficializado para ocorrer na Bahia, dando-lhe regulamentação em 7 de março de 1609.
Entretanto, como descreve Rodolfo Garcia, a invasão da Bahia pelos holandeses fez com que
Portugal decidisse abolir, essa Relação temporariamente, por alvará de 5 de abril de 1626, sendo
restaurada, posteriormente, por interesse da Câmara Bahiana, em 12 de Setembro de 1652. O
Brasil teria, quase um século depois, outro Tribunal da Relação, dessa feita no Rio de Janeiro,
pelo alvará de 13 de outubro de 1751.60 Outros Tribunais de Relação seriam ainda criados: no
Maranhão em 1812 e no Pernambuco em 1821, subindo os feitos, nos casos de apelações e
agravos das decisões desses Tribunais, para a Casa da Suplicação.61 A justificação plena da
Relação do Rio de Janeiro deu-se porque a população do Sul do Brasil ficava deslocada e distante,
geograficamente, da Relação de Salvador (sua jurisdição abrangia todo o norte de Porto Seguro
até a capitania do Rio Negro), não podendo permanecer "nela suas causas, e requerimentos, sem
padecer grandes demoras, despesas e perigos, o que só podia evitar-se, criando-se outra Relação

Enxada e Voto. 4. ed., São Paulo: Alfa-Omega, 1978, p. 181,188: ROCHA POMBO, José Francisco da. História
do Brasil. V. IV. O Regime Colonial. Rio de Janeiro/São Paulo: W. M. Jackson Inc. Editores, s/d., p. 144-161;
SEGURADO, Milton Duarte. História Resumida do Direito Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Rio, 1982, p. 11-33.
57
SCHWARTZ, Stuart E. Op. cit., p. 9.
58
Ibidem.
59
FLORY, Thomas. El Juez de Paz y el Jurado en el Brasil Imperial. 1808-1871. México: Fondo de Cultura
Económica, 1986, p. 59.
60
GARCIA, Rodolfo. Ensaios sobre a História Política e Administrativa do Brasil (1500-1810). Rio de Janeiro:
José Olympio, 1956, p. 83-86. Igualmente, ver: TRIPOLI, César. Op. cit., p. 251-252.
61
Cf. CALMON, Pedro. História da Civilização Brasileira. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional,
1935, p. 133-134.

na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro (...)".62 Além, é claro, da hipótese de que o Tribunal
da Relação do Rio de Janeiro surgira para tornar mais eficaz a máquina judiciária, desencadeando
maior "presteza nos litígios". Historiadores do Direito como Amo e Maria José Wehling sugerem
que as mudanças determinantes das "decisões mais rápidas" acerca de demandas judiciais (ligadas
em grande parte às atividades de exploração mineradora) contribuíram para suplantar os efeitos
negativos dos "sucessivos embargos e recursos dilatórios" que paralisavam a produção aurífera e
reduziam a arrecadação.63 Esse segundo Tribunal recursal foi inspirado no modelo do Tribunal da
Relação da Bahia, o que explica o mesmo número de desembargadores, com idênticos
vencimentos. Sua jurisdição compreendia Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e o sul do País.
Como esclarecem os Wehling, os encargos do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro
compreendiam "três situações do ponto de vista jurídico processual. Era uma instância recursal e
enquanto tal recebia dois tipos de recursos: as apelações e os agravos. Recebia ações novas nas
áreas cível, criminal e do patrimônio estatal, em certos casos. Possuía, também, competência
avocatória em situações de juízo criminal. O Tribunal não era, portanto, a despeito de seu caráter
geral revisor, exclusivamente recursal".64
Cabe ainda mencionar, como inerente ao organismo judiciário da época, as Juntas
de Justiça, já referidas pelo Regimento de Tomé de Souza, mas adquirindo maior notoriedade
pelo alvará de 18 de junho de 1765 e tornando-se extensivas a todo o território do Brasil onde
houvesse ouvidores. No dizer de Martins Júnior, as ditas Juntas de Justiça eram "pequenos
tribunais compostos do ouvidor de uma capitania e de dois letrados adjuntos, que (...)
sentenciavam sumariamente em certos pontos do país". 65
Com a criação e o funcionamento do Tribunal da Relação,66 no Brasil,
consolidou-se uma forma de administração da justiça não mais efetuada pelo ouvidor-geral,
mas centrada na burocracia de funcionários civis preparados e treinados na Metrópole. Assim,
o segundo aspecto sobre o qual incide nosso interesse é referente a composição, funções e
62

FERREIRA, Waldemar. O Direito Público Colonial do Estado do Brasil sob o Signo Pombalino. Rio de
Janeiro: Ed. Nacional de Direito, 1960, p. 80.
63
WEHLING, Amo e WEHLING, Maria José. "As Origens do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro". SBPH.
Anais da XIV Reunião. Salvador, 1994, p. 136.
64
WEHLING, Arno e WEHLING, Maria José. "A Atividade Judicial do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro,
1751-1808". Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, 156 (386): jan./mar. 1995, p. 81.
65
MARTINS JÚNIOR, L Op. cit., p. 129; GARCIA, Rodolfo. Op. cit., p. 87.
66
Sobre a composição funcional dos primeiros Tribunais Superiores, escreve Rocha Pombo que "cada Relação
compunha-se de doze membros, sendo: um Governador ou Regedor; um Chanceler; cinco Desembargadores de
agravos; dois Ouvidores Gerais (um do cível, outro do crime); um Procurador da Coroa (promotor da Justiça): e
um Juiz dos Feitos da Fazenda Real. Contava ainda o seguinte pessoal de ofício: nove escrivães; dois
inquiridores (um do crime, outro do cível); um guarda-mor; dois guarda-menores; dois meirinhos; um capelão,
um médico (além de um cirurgião e um sangrador) e um carcereiro. Todos os juízes e oficiais tinham ordenado e
propinas; exceto os escrivães, que só percebiam custas. O Governador Geral do Estado era de direito o Regedor
da Relação, (...)". História do Brasil. O Regime Colonial, V, II, p. 145.

conduta dos principais agentes jurídicos no âmbito do aparelho judiciário colonial. Para
examinar mais de perto a formação social e o comportamento profissional dessa burocracia de
magistrados, tomou-se como fonte o estudo clássico de Stuart B. Schwartz, envolvendo o
primeiro órgão de Justiça Superior, conhecido exatamente como Tribunal da Relação da
Bahia, entre 1609 e 1751, e as pesquisas históricas sobre os magistrados no Tribunal da
Relação do Rio de Janeiro, no século XVIII, desenvolvidas por Amo e Maria José Wehling.
Justifica-se, deste modo, o interesse em examinar a magistratura portuguesa por
ter sido a que compôs, inicialmente, a primeira instância brasileira de apelação e que iria
influenciar o perfil dos juízes nascidos na colônia principalmente, a partir do século XVIII.67
Os magistrados revelavam lealdade e obediência enquanto integrantes da justiça
criada e imposta pela Coroa, o que explica sua posição e seu poder em relação aos interesses
reais, resultando em benefícios nas futuras promoções e recompensas. Na verdade, a
magistratura lusa, de cujo núcleo nasceu a brasileira, ainda que tenha emergido de estrutura
burocrática, adquirira condição de organização moderna e profissional, habilitando-se a
tarefas de natureza política e administrativa.68
A carreira do magistrado estava inseri da na rigidez de um sistema burocrático que
delineava a circulação e a prestação de serviço na Metrópole e nas colônias. Em geral, o
exercício da atividade judicial era regido por uma série de normas que objetivavam coibir
envolvimento maior dos magistrados com a vida local, mantendo-os eqüidistantes e leais
servidores da Coroa. Dentre algumas dessas regras, vale lembrar a designação por apenas um
período de tempo no mesmo lugar, as proibições de casar sem licença especial, de pedir terras
na sua jurisdição e de exercer o comércio em proveito pessoal. Ainda que essas regras se
impusessem em Portugal, no Tribunal Superior da Bahia, sua violação acabava sendo
constante, tanto por parte de desembargadores portugueses (aqueles que pretendiam
permanecer no país) quanto de magistrados brasileiros.69

67

A propósito, em suas investigações sobre o Tribunal da Relação do Rio de Janeiro, Arno Wehling assinala que
o número de desembargadores naturais do Brasil comprova o "papel que a colônia, desde o início do século
XVII (...) veio a desempenhar no Império português. Vinte e nove vírgula quatro por cento dos magistrados eram
nascidos no Brasil, com predomínio casual ou não da região mais ,,nova, a do sudoeste minerador. Na Bahia,
entre 1609 e 1759, dos 168 desembargadores, apenas 9 eram brasileiros. É evidente que, na segunda metade do
século XVIII, aumentou a presença brasileira na burocracia portuguesa colonial ou metropolitana, garantindo-se
sua unidade ideológica pela formação jurídica comum numa única universidade, pela existência de critérios
padronizados de ingresso ao serviço público e por um cursus honorum que garante se iniciava por um juizado de
fora, encerrando-se na magistratura colegiada. A naturalidade em si, colonial ou portuguesa, não distinguia estes
burocratas uns dos outros". In: "O Magistrado do Tribunal da Relação: Origem Geográfica e Social". Sociedade
Brasileira de Pesquisa Histórica (SBPH). Anais da XVI Reunião. Curitiba, 1996, p.154.
68
Cf. CARVALHO, José Murilo. Op. cit., p. 134.
69
Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 139-145; CARVALHO, José Murilo. Op. cit., p. 134.

Por tratar-se da "espinha dorsal" do governo real, o acesso à magistratura,
enquanto função privilegiada, impunha certos procedimentos de triagem, com critérios de
seleção baseados na origem social. Ainda que o apadrinhamento e a venda clandestina não
fossem descartados, impunha-se um processo de recrutamento que assegurasse padrão
mínimo de eficiência, organização e profissionalismo.70
Na descrição de Stuart B. Schwartz, a administração real escolhia os futuros
profissionais da justiça num extenso leque da sociedade portuguesa, com predominância de
indivíduos de origem social específica. A grande maioria dos operadores jurídicos que vieram
para o Tribunal da Relação da Bahia, entre 1609 e 1759, "eram de classe média, e sua
presença no funcionalismo real refletia o uso que faziam da carreira de jurista como canal de
ascensão social".71 Naturalmente que, de todas as camadas sociais, a pequena nobreza (filhos
de fidalgos) e o funcionalismo (filhos de fiscais, inspetores ou tabeliães) foram os que mais
contribuíram, além de filhos e netos de letrados, para a composição de cargos profissionais na
Justiça. Havia restrições aos descendentes de comerciantes ou negociantes, bem como aos
cristãos novos e aos "impuros de sangue", como os mestiços, mulatos, judeus, e outros.72
Para ingressar na carreira, além da origem social, era condição indispensável ser
graduado na Universidade de Coimbra, de preferência em Direito Civil ou Canônico, ter
exercido a profissão por dois anos e ter sido selecionado através do exame de ingresso ao
serviço público (a "leitura de bacharéis") pelo Desembargo do Paço em Lisboa. Sua atividade
profissional começava como "juiz de fora", prosseguindo como ouvidor de comarca e
corregedor. Somente após uma boa experiência na administração judiciária é que o
magistrado era promovido a desembargador, podendo ser designado tanto para a Metrópole
quanto para as colônias. A designação da função de desembargador para o Tribunal da
Relação resultava de nomeação do Rei, através fia Mesa do Desembargo do Paço, devendo o
escolhido "atender a um perfil jurídico-institucional que estava definido em normas de
variada natureza. Tal perfil previa suas características pessoais (morais, psicológicas e
materiais) e a natureza das funções a desempenhar."73 Ainda que, em regra, os juízes fossem
designados para o Brasil, com a promessa de promoção ao término de seis anos, muitos
70

Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 57-62. Ver ainda: WEHLING, Arno e WEHLING, Maria José. "As
Leituras de Bacharéis e o Ingresso à Burocracia Judiciária Portuguesa. O Caso Luso-brasileiro". Revista do
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: 156 (387): 253-263, abr./jun. 1995.
71
SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 227.
72
Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 62, 72 e 232. Observar também: WEHLING, Arno e WEHLING,
Maria José. O Magistrado do Tribunal da Relação: Origem Geografia e Social. p. 151 e 154.
73
WEHLING, Maria José e WEHLING, Arno. "O Magistrado no Tribunal da Relação do Rio de Janeiro - Perfil
Jurídico-Institucional". Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica (SBPH). Anais da XVI Reunião. Curitiba,
1996, p. 157.

ligavam-se pessoalmente de tal forma à colônia - por motivo de casamento ou enriquecimento
- que acabavam adiando a volta por muitos anos ou mesmo recusando as nomeações
posteriores.74
Uma análise da administração da justiça no período colonial revela, segundo
Stuart B. Schwartz, a inter-relação e a convivência de duas modalidades complexas e opostas
de organização sócio-política:
a) relações burocráticas calcadas em procedimentos racionais, formais e
profissionais;
b) relações primárias pessoais baseadas em parentesco, amizade, apadrinhamento
e suborno.75 O entrelaçamento desses dois sistemas de organização - burocracia e relações
pessoais - projetaria uma distorção que marcaria profundamente o desenvolvimento de nossa
cultura jurídica institucional. Essa particularidade reconhecida na sociedade colonial veio a
ser o fenômeno que Stuart B. Schwartz identifica como o "abrasileiramento" dos burocratas,
ou seja, a inserção numa estrutura de padrões rigidamente formais de práticas firmadas em
laços de parentesco, dinheiro e poder. O "abrasileiramento" da magistratura significava a
corrupção das metas essencialmente burocráticas, porquanto os critérios de validade passavam
a ser imputados a pessoas, à posição social e a interesses econômicos. A corrupção cobria um
lastro de desvios da legislação e das regras burocráticas.76 Evidentemente, os magistrados, em
diversas ocasiões, empregaram o "poder e a influência do seu cargo para obter vantagens
pessoais, conveniências ou para proteger suas famílias e dependentes. (...) Freqüentemente o
abuso do cargo se dava para a obtenção de vantagens pessoais diretas",77 o que implicava
favorecimento e suborno capazes de subverter a própria justiça.
Ademais, o comportamento profissional de setores da magistratura era
constantemente afetado por uma gama de relações primárias que iam desde o casamento
colonial (forma de incorporação na sociedade local e de aquisição de riqueza e propriedades)
até os laços de amizade e de compadrio (padrinho de batismo ou de casamento). 78 Esses
contatos pessoais e esses critérios não-burocráticos, que extrapolavam os regula mentos
formais da profissão, abriam o acesso ao dinheiro, prestígio e posse de terras de tradicionais
famílias ligadas à criação de gado e ao plantio da cana-de-açúcar. Conquanto a hegemonia das
oligarquias agrárias nacionais não se tenha constituído por descendência nobre, mas sim pela
74

Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., pp. 142,271-274. Ver igualmente: FLORY, Thomas. Op. cit., p. 60.
Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 251-292.
76
Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 252-261; FLORY, Thomas. Op. cit., p. 62.
77
SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 264-267.
78
Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 271-273-274.
75

riqueza derivada do domínio de terras, não é de causar estranheza a existência de magistrados
que buscavam a aquisição de uma fazenda ou de um engenho de cana-de-açúcar. Na medida
em que a posse da terra possibilitava aos magistrados fortuna e poder social, nada mais
natural que aspirassem permanecer na colônia, desinteressando-se por promoções
funcionais.79 As possíveis irregularidades e os desvios dos objetivos profissionais eram
acomodados pelo controle fiscalizador da Coroa na medida em que esses funcionários
judiciais bem treinados, obedientes e leais, eram símbolo dos interesses reais absolutistas.
Parece muito claro, como sugere Stuart B. Schwartz, que as distorções praticadas pela
Relação bahiana e por seus magistrados eram, na óptica da Coroa "compensadas, em parte,
pelas funções políticas que eles desempenhavam. Na medida em que o governo do Brasil saiu
das mãos dos donatários das capitanias e passou a ser diretamente controlado pela Coroa, os
funcionários judiciais (...) assumiram importantes funções políticas e administrativas".80
Portanto, o magistrado da Relação do Rio de Janeiro, além das funções de
natureza judicial, acumulava-as com outras, como o ministério público e as "atividades
políticas e administrativas que o tornavam de fato um membro do governo colonial".81
O governo imperial favoreceu a emergência de uma elite de funcionários reais que
ocupavam um espaço estratégico no processo de dominação política, exploração econômica e
controle institucional. A natureza de tal dinâmica refletia as contradições entre procedimentos
formais inerentes ao aparato burocrático português e práticas de relações pessoais primárias
próprias da estrutura dependente e subserviente. De fato, esses operadores jurídicos, na maior
parte das vezes, almejavam "objetivos coletivos ou pessoais que conflitavam frontalmente com
os padrões dos cargos que ocupavam. Era este o paradoxo do governo colonial, paradoxo que,
no entanto, dava vida ao regime ao conciliar os interesses da Metrópole com as colônias".82
É indiscutível, portanto, reconhecer que no Brasil-Colônia, a administração da
justiça atuou sempre como instrumento de dominação colonial. A monarquia portuguesa tinha
bem em conta a necessária imperiosa identificação entre o aparato governamental e o poder
judicial. Friza-se, deste modo, que a organização judicial estava diretamente vinculada aos
níveis mais elevados da administração real, de tal forma que se tornava difícil distinguir, em
certos lugares da colônia, a representação de poder das instituições uma da outra, pois ambas
se confundiam.83
79

Cf. SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 266-267.
SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 290.
81
In: O Magistrado no Tribunal da Relação do Rio de Janeiro. Perfil Jurídico-Institucional, p. 16l.
82
SCHWARTZ, Stuart B. Op. cit., p. 292.
83
Cf. FLORY, Thomas. Op. cit., p. 58.
80

Nesta historicidade buscou-se, sobretudo, descrever o processo ideológico de
formação do Direito e da Justiça oficiais ao longo da colonização do país, bem como sua
interdependência com uma ordem institucional político-administrativa, marcada pela
coexistência antagônica e conflitante de formas tradicionais (patrimonialismo) com
procedimentos racionais (burocracia). As expressões "burocracia" e "patrimonialismo" foram
não só tratadas, sociologicamente, por Max Weber, para designar fenômenos distintos, movidos
por "princípios reguladores opostos", como também foram empregadas, concomitante e
hibridamente, para configurar o desenvolvimento de certa prática de organização política prémoderna. É, pois, neste sentido particular que se procurou enquadrar a experiência legalinstitucional brasileira, caracterizada essencialmente por traços pertencentes "em parte à forma
racional de dominação e outros, no entanto, à forma tradicional (...)".84
Trata-se da adequação, no interior da sociedade colonial, de atitudes e relações
não-profissionais de "dominação tradicional" com práticas administrativas profissionais
marcadas pela especialização hierarquia e carreira burocrática. Naturalmente todo esse
aparato jurídico-administrativo, que nada mais foi do que a transposição da estrutura
funcional, da legislação interna e da organização institucional portuguesa na colônia, estava
longe de ser equânime, ampla e eficaz. Tais assertivas são corroboradas pela historiografia
mais recente que rastreia aspectos da cultura jurídica brasileira no século XVIII. É nessa
perspectiva os Wehling reconhecem, com precisão, que "a justiça oficial justapunha-se muitas
vezes à justiça privada, exerci da no interior por proprietários rurais cujo poder não era
contestado pelas autoridades coloniais por absoluta incapacidade de meios. O mandonismo
rural sempre foi, ao longo do século XVIII, um eficiente contrapeso, em vastas regiões do
país, à atuação das políticas de centralização. A própria justiça oficial estava longe de ser
eficiente. Literatos, teólogos e administradores contemporâneos escreveram sobre ela,
lastimando sua morosidade, a venalidade de seus funcionários, a cupidez dos advogados ou a
incapacidade dos juízes ordinários. Houve, também, casos de denúncias de corrupção de
juízes de fora, ouvidores e até desembargadores da Relação da Bahia".85
Além das formas convencionais de administração da justiça, produzidas e
mantidas pelo Estado no período da colonização, cabe aludir, no amplo cenário de
procedimentos históricos legais e na determinante influência da Igreja Católica à época, a
presença da justiça eclesiástica acolhida e resguardada pela Inquisição. Sabe-se que o

84

URICOECHEA, Fernando. Op. cit., p. 14.
WEHLING, Arno e WEHLING, Maria José. A Atividade Judicial do Tribunal da Relação do Rio de Janeiro,
1751-1808, p. 81.
85

Tribunal do Santo Ofício possuía um Regimento Interno, composto por leis, jurisprudência,
ordens e regulamentos, sendo os crimes de maior gravidade aqueles considerados contra a fé e
contra a moral e os costumes, prevalecendo métodos de ação como a "denúncia", a
"confissão", a "tortura" e a "pena de morte" na fogueira.86 Em que pese nunca ter havido um
Tribunal no Brasil, a Inquisição teve atuação marcante na Colônia com as chamadas Visitação
do Santo Ofício. Ainda que se destacassem três tribunais em Portugal (Lisboa, Coimbra e
Évora), sempre que necessário e nos casos de maior gravidade, os acusados brasileiros eram
julgados pelo Tribunal Inquisitorial de Lisboa.
Em face da dependência funcional da Colônia, escreve Anita Novinsky: os
"agentes inquisitoriais foram enviados para o Brasil, (...) para investigar, prender os suspeitos
de heresias. Apesar de em 1580 o Santo Ofício já ter delegado poderes inquisitoriais ao bispo
da Bahia para enviar os hereges a Lisboa, foi somente em 1591 que (...) Portugal nomeou um
visitador, Heitor Furtado de Mendonça, para ir a São Toma, Cabo Verde e Brasil, inquirir in
loco os habitantes e iniciar os processos inquisitoriais. Esse visitador ficou no Brasil de 1591
a 1595, inquirindo primeiro na Bahia e em seguida em Pernambuco, e registrou em seus nove
livros centenas de confissões e denunciações. (...) Perante o visitador são apresentadas as mais
variadas heresias, feitiçarias, bruxarias, sodomia, bigamia, blasfêmias, desacatos, e os crimes
de religião: judaísmo, luteranismo etc".87
As inspeções inquisitoriais ocorreram no Brasil durante toda a época colonial.
Ainda que se possa destacar, num primeiro momento, as Visitações de 1591 e de 1618, o
aumento considerável das "perseguições inquisitoriais no Brasil deu-se na primeira metade do
século XV quando a produção do ouro dominava a economia colonial. Nessa ocasião, a maior
parte dos prisioneiros era composta de cristãos-novos do Rio de Janeiro".88
É no conjunto desses fatos históricos que se há de concluir, não deixando de
apoiar-se, uma vez mais, na caracterização de Anita Novinsky, ou seja, de que o Tribunal
Inquisitorial do Santo Ofício, tanto na Península Ibérica quanto no Brasil, serviu-se da
religião para fundamentar, arbitrariamente, um "sistema político de dominação e onde não
havia lugar para os judeus, cristãos-novos, muçulmanos, negros, mulatos, ciganos,
heterodoxos ou constestadores de qualquer espécie. Através de seu sistema de ameaças, (...)

86

NOVINSKY, Anita. A Inquisição. 2 ed, São Paulo: Brasiliense, 1983, p. 56-60. Consultar ainda: SIQUEIRA,
Sonia A. A Inquisição Portuguesa e a Sociedade Colonial. São Paulo: Ática, 1978, p. 121-122 e 276-305.
87
NOVINSKY, Anita. Op. cit., p. 76. Examinar também: VAINFAS, Ronaldo (org.) Confissões da Bahia - O
Santo Oficio da Inquisição de Lisboa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 05-36.
88
NOVINSKY, Anita. Op. cit., p. 78-79; SIQUEIRA, Soma A. Op. cit., p. 191.

de perseguição, (...) de tortura, a Inquisição garantiu a continuidade da estrutura social do
antigo regime, e a religião preencheu sua função político-ideológica".89
Em verdade, a especificidade da estrutura colonial de Justiça favoreceu um
cenário institucional que inviabilizou, desde seus primórdios, o pleno exercício da cidadania
participativa e de práticas político-legais descentralizadas, próprias de sociedade democrática
e pluralista. Naturalmente, o padrão político-administrativo alienígena, instaurado pela
administração portuguesa e incorporado paulatinamente por nossas instituições, acabaria
assumindo, por seu formalismo retórico e por seu tecnicismo, um perfil de teor
predominantemente exc1udente. Sem dúvida, seria, assim, marcado por ambivalências e
contradições que que sintetizariam, permanentemente, a singularidade de uma cultura jurídica,
formada, de um lado, por procedimentos de raiz conservadora - herança do burocratismo
patrimonial do Brasil-Colônia -, e de outro, por valores de matiz liberal - propagados durante
o Império e nos primórdios da República.
Em síntese, o delineamento dos parâmetros constitutivos da legalidade colonial
brasileira, que negou e excluiu radicalmente o pluralismo jurídico nativo, reproduziria um
arcabouço normativo, legitimado pela elite dirigente e por operadores jurisdicionais a serviço
dos interesses da Metrópole e que moldou toda uma existência institucional em cima de
institutos, idéias e princípios de tradição centralizadora e formalista. Tendo consciência desse
processo, há de se ver, na etapa seguinte, como tais valores priorizados relacionaram-se e
integraram-se ao projeto doutrinário do liberalismo pátrio. E mais: como a especificidade
dessa relação alcançou ressonância nos horizontes do saber jurídico, na atuação dos atores
centrais e na vigência da legislação oficial aplicada.

89

NOVINSKY, Anita. Op. cit., p. 90. Ver: VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos Pecados. Moral, Sexualidade e
Inquisição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997, p. 193-332, BOSCHI, Caio C. "As Visitas Diocesanas e a
Inquisição na Colônia". Revista Brasileira de História. São Paulo: v. 7, n° 14, p. 151-184, mar./ago. 1987.

Capítulo III

ESTADO, ELITES E CONSTRUÇÃO DO DIREITO NACIONAL
Tendo problematizado, inicialmente, que as fontes, idéias e institutos do
moderno legalismo da sociedade burguês-capitalista advieram de uma cultura liberal
individualista, legitimada e formalizada pelo poder estatal soberano, procurou-se, num
segundo momento, apreciar a transposição da legalidade européia, configurada na variante do
Direito Português para o Brasil-Colônia, Com isso, assinalou-se, de um lado, a sufocação do
Direito nativo informal e a imposição de uma regulamentação alienígena; de outro, a
consolidação de um estatuto normativo montado para defender os interesses da Coroa e
colocado em ação por uma elite de profissionais bem treinados que se articularam mediante
práticas "burocrático-patrimonialistas".
Toma-se imperioso, agora, refletir sobre a historicidade da formação de uma
cultura jurídica nacional que se fez necessária e que se impôs a partir da Independência do
país, em 1822, Trata-se de apreciar de que maneira o liberalismo acabou constituindo-se na
mais importante proposta doutrinária de alcance econômico e político, bem como de que
forma suas diretrizes se manifestaram no bojo de um saber irradiado com a fundação das
primeiras escolas de Direito, na criação de uma elite jurídica própria e na construção de um
arcabouço legal positivo, durante o Império e o início da República. Há de se considerar,
primeiramente, a natureza, a especificidade e as contradições desse liberalismo e,
posteriormente, sua presença e contribuição na edificação da ordem nacional e na
profissionalização dos agentes jurídicos.

3.1. O liberalismo pátrio: natureza e especificidade

O liberalismo emergiu como nova concepção de mundo, impregnada de
princípios, idéias e interesses, de cunho individualista, "traduzíveis em regras e instituições" e
vinculado "à condução e à regulamentação" da vida pessoal em sociedade.1
A doutrina global do liberalismo, em grande parte cultivada por segmentos da
burguesia em ascensão contra o absolutismo monárquico, não só reproduziu as novas condições
materiais de produção da riqueza e as novas relações sociais direcionadas pelas necessidades do
1

Cf. BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia: uma Defesa das Regras do Jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1986, p. 116.

mercado, como, sobretudo, tornou-se a expressão de uma liberdade integral presente em
diferentes níveis da realidade, desde o ético até o social, o econômico e o político.
O exame de seu conteúdo conduz, na correta observação de Roy C. Macridis, ao
reconhecimento imperativo de alguns traços essenciais centrados em núcleos "éticofilosófico", "econômico" e "político jurídico".2
A dimensão "ético-filosófica" do liberalismo denota "afirmação de valores e
direitos básicos atribuíveis à natureza moral e racional do ser humano". Suas diretrizes
assentam nos princípios da liberdade pessoal, do individualismo, da tolerância, da dignidade e
da crença na vida. Já o aspecto "econômico" refere-se, sobretudo, às condições que abrangem
a propriedade privada, a economia de mercado, a ausência ou minimização do controle
estatal, a livre empresa e a iniciativa privada. Ainda como parte integrante desse referencial,
encontram-se os direitos econômicos, representados pelo direito de propriedade, o direito de
herança, o direito de acumular riqueza e capital, o direito à plena liberdade de produzir, de
comprar e de vender. Por último, a perspectiva "político-jurídica" do liberalismo está calcada
em princípios básicos como: consentimento individual, representação política, divisão dos
poderes, descentralização administrativa, soberania popular, direitos e garantias individuais,
supremacia constitucional e Estado de Direito.
Tendo presente essas asserções genéricas, melhor se pode compreender as
ambigüidades e os limites do liberalismo brasileiro, porquanto, desde os primórdios de sua
adaptação e incorporação, teve de conviver com uma estrutura político-administrativa
patrimonialista e conservadora, e com uma dominação econômica escravista das elites agrárias.
Não sem razão, comenta Emília Viotti da Costa, não se deve realçar em demasia a
importância das idéias liberais européias nas convulsões sociais ocorridas no Brasil
(Inconfidência Mineira, Revolução Pernambucana etc.), desde fins do século XVIII, pois tais
movimentos não chegaram a ter grande alcance ideológico. Tal realidade é comprovada
porque a nova doutrina era de conhecimento limitado entre determinados segmentos
revolucionários, uma vez que a maioria da população era mantida analfabeta e alienada para
que não viesse a ter verdadeira consciência das concepções importadas.3
O que sobretudo importa ter em vista é esta clara distinção entre o liberalismo
europeu, como ideologia revolucionária articulada por novos setores emergentes e forjados na
luta contra os privilégios da nobreza, e o liberalismo brasileiro canalizado e adequado para

2

MACRIDIS, Roy. Ideologias Políticas Contemporâneas. Brasília: UnB, 1982, p. 38-41.
Cf. VIOTTI DA COSTA, Emília. Da Monarquia à República: Momentos Decisivos. 3. ed. São Paulo:
Brasiliense, 1985, p. 26-27.
3

servir de suporte aos interesses das oligarquias, dos grandes proprietários de terra e do
clientelismo vinculado ao monarquismo imperial. Essa faceta das origens de nosso liberalismo é
por demais reconhecida, indubitavelmente, porque a falta "de uma revolução burguesa no Brasil
restringiu a possibilidade de que se desenvolvesse a ideologia liberal nos moldes em que
ocorreu em países como Inglaterra, França e Estados Unidos".4 Nesses países, o 1iberalismo foi
a doutrina política libertadora que representou a ascensão da burguesia contra o absolutismo,
"tornando-se conservadora à medida que a burguesia se instala no poder e sente-se ameaçada
pelo proletariado".5 Já no Brasil, o liberalismo expressaria a "necessidade de reordenação do
poder nacional e a dominação das elites agrárias" processo esse marcado pela ambigüidade da
junção de "formas liberais sobre estruturas de conteúdo oligárquico", ou seja, a discrepante
dicotomia que iria perdurar ao longo de toda a tradição republicana: a retórica liberal sob a
dominação oligárquica, o conteúdo conservador sob a aparência de formas democráticas.6
Exemplo disso é a paradoxal conciliação "liberalismo-escravidão".
Na verdade, como aponta Viotti da Costa, a principal limitação ao liberalismo
brasileiro foi sua peculiar convivência com a institucionalização do escravismo. Nessa
situação oficial atípica soariam falsos e inócuos os alardes em prol "das fórmulas
representativas de governo, os discursos afirmando a soberania do povo, pregando a igualdade
e a liberdade como direitos inalienáveis e imprescritíveis do homem, quando, na realidade, se
pretendia manter escravizada boa parte da população e alienada da vida política outra parte".7
Eram profundamente contraditórias as aspirações de liberdade entre diferentes
setores da sociedade brasileira. Para a população mestiça, negra, marginalizada e despossuída,
o liberalismo, simbolizado na Independência do país, significava a abolição dos preconceitos
de cor, bem como a efetivação da igualdade econômica e a transformação da ordem social. Já
para os estratos sociais que participaram diretamente do movimento em 1822, o liberalismo
representava instrumento de luta visando à eliminação dos vínculos coloniais. Tais grupos,
objetivando manter intactos seus interesses e as relações de dominação interna, não chegaram
a "reformar a estrutura de produção nem a estrutura da so ciedade. Por isso, a escravidão seria
mantida, assim como a economia de exportação".8

4

WOLKMER, Antonio Carlos. Ideologia, Estado e Direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1989, p. 97.
GANDINI, Raquel C. Tecnocracia, capitalismo e educação em Anísio Teixeira. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1980, p. 134.
6
WEFFORT, Francisco. O Populismo na Política Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980, p. 108-112.
7
VIOTTI DA COSTA, Emília. Op. cit., p. 28-29.
8
VIOTTI DA COSTA, Emília. Op. cit., p. 33; _____. "Liberalismo Brasileiro, uma Ideologia de Tantas Caras".
Folha de São Paulo. 24.02.1985. Folhetim, p. 7-9.
5

Naturalmente superada a fase da luta emancipadora e do ajuste do sistema pósindependência, os segmentos sociais que se apropriaram da ideologia importada canalizaramna num sentido, ora de mudança (setores que serão excluídos e superados), ora de
conservação (facção da restauração e da conciliação). As circunstâncias favorecem o
atrofiamento e o banimento do verdadeiro liberalismo (aos moldes franceses), restando o
"absolutismo mascarado de D. João VI e de D. Pedro I, (que...) desclassificou todas as
concepções liberais autenticamente liberais. (...) o absolutismo reformista assume, com o
rótulo, o liberalismo vigente, oficial, o qual, em nome do liberalismo, desqualificou os
liberais. Os liberais do ciclo emancipador foram banidos da história das liberdades,
qualificados de exaltados, de extremados, de quiméricos, teóricos e metafísicos".9
O Estado liberal brasileiro, como qualifica Trindade, nasceu "em virtude da
vontade do próprio governo (da elite dominante) e não em virtude de um processo
revolucionário". O liberalismo apresentava-se, assim, desde o início, como "a forma cabocla
do liberalismo anglosaxão" que em vez de identificar-se "com a liberação de uma ordem
absolutista", preocupava-se com a "necessidade de ordenação do poder nacional".10
Analisando sua especificidade histórica, Emília Viotti da Costa reconhece no
liberalismo brasileiro uma "ideologia de tantas caras", que se estruturou ao longo do século
XIX, sendo usada em momentos distintos "por diferentes grupos sociais, com intenções
diversas". Das várias facetas assumidas pelo liberalismo, como o "heróico" (próprio dos
movimentos emancipatórios anteriores à Independência), o "antidemocrático" (os
revolucionários da primeira Constituinte), o "moderado" (adeptos da monarquia
constitucional), o "radical" (reformistas do período da Regência), pode-se dizer que acabou
impondo-se o liberalismo de tendência "conservadora", praticado por minorias hegemônicas
antidemocráticas, apegadas às práticas do "favor, do clientelismo e da patronagem".11
Igualmente, a retórica conservadora sobre o liberalismo democrático projetou-se
como imaginário simbólico, destituído de historicidade real, pois na correta advertência de
Décio Saes, o liberalismo político das oligarquias "fundava-se numa concepção de
democracia representativa sem nenhuma relação com a representatividade da vontade
popular; tratava-se, ao contrário, de uma concepção elitista que negava às massas incultas a
9

FAORO, Raymundo. Existe um Pensamento Político Brasileiro? São Paulo: Ática, 1994, p. 82-83. Para
aprofundamento, consultar: BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992,
p. 194-245.
10
TRINDADE, Hélgio. "Bases da Democracia Brasileira: Lógica Liberal e Práxis Autoritária (1822-1945)". In:
Lamounier, Bolivar et alii. Como Renascem as Democracias. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 67.
11
VIOTTI DA COSTA, Emília. "Liberalismo Brasileiro, uma Ideologia de Tantas Caras". Op. cit., p. 7; _____.
Da Monarquia à República. Op. cit., p. 121-138.

capacidade de participação no processo decisório e atribuía aos homens letrados a
responsabilidade exclusiva do funcionamento das instituições democráticas".12 A rigor, tendo
em conta uma leitura conservadora de liberdade, as minorias agrárias enquanto segmentos
hegemônicos concebiam o jogo democrático como "uma espécie de clube aristocrático do
qual as massas rurais e urbanas deveriam ser descartadas em virtude de sua ignorância,
incapacidade e imaturidade".13
De resto, se dermos crédito aos argumentos de Roberto Schwarz, as idéias
estavam "fora do lugar", uma vez que a presença da escravidão e de práticas alicerçadas no
favor e no clientelismo esvaziavam e tomavam inadequadas as concepções liberais. A
escravidão desfazia e desmentia as diretrizes de liberdade e de direitos fundamentais,
permitindo que o discurso oficial, oco e deslocado, refletisse idéias liberais que "não podiam
praticar, sendo ao mesmo tempo indescartáveis. Foram postas numa constelação especial,
uma constelação prática, a qual formou sistema e não deixaria de as afetar".14 Ademais, na
trajetória de sua reprodução social, o Brasil iria pôr e repor "idéias européias, sempre em
sentido impróprio".15
Enfim, a tradição das idéias liberais no Brasil não só conviveu, de modo anômalo,
com a herança patrimonialista e com a escravidão, como ainda favoreceu a evolução retórica
da singularidade de um "liberalismo conservador, elitista, antidemocrático e antipopular",
matizado por práticas autoritárias, formalistas, ornamentais e ilusórias.16
3.2. O liberalismo e a cultura jurídica no século XIX
Com a Independência do país, o liberalismo acabou constituindo-se na proposta
de progresso e modernização superadora do colonialismo, ainda que, contraditoriamente,
admitisse a propriedade escrava e convivesse com a estrutura patrimonialista de poder. Ao
conferir as bases ideológicas para a transposição do status colonial, o liberalismo não só se
tomou componente indispensável na vida cultural brasileira durante o Império, como também
na projeção das bases essenciais de organização do Estado e de integração da sociedade
nacional.17 Entretanto, o projeto liberal que se impôs expressaria a vitória dos conservadores
12

SAES, Décio. Classe Média e Sistema Político no Brasil. São Paulo: T. A. Queiróz, 1984, p. 48.
Ibidem
14
SCHWARZ, Roberto. "As Idéias Fora do Lugar". Cadernos Cebrap. São Paulo, n.3,1973, p. 153-159.
15
SCHWARZ, Roberto. Op. cit., p. 160.
16
NOGUEIRA, Marco Aurélio. As Desventuras do Liberalismo. Rio de Janeiro: paz e Terra, 1984, p. 67.
17
Cf. ADORNO, Sérgio. Os Aprendizes do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, p. 34-35,45; SALDANHA,
Nelson. "Rui Barbosa e o Bacharelismo Liberal". In: As Idéias Políticas no Brasil. CRIPPA, Adolfo (coord.).
São Paulo: Convívio, 1979, v. I, p. 164.
13

sobre os radicais, estando dissociado de práticas democráticas e excluindo grande parte das
aspirações dos setores rurais e urbanos populares, e movia-se convivendo e ajustando-se com
procedimentos burocrático-centralizadores inerentes à dominação patrimonial.18 Trata-se da
complexa e ambígua conciliação entre patrimonialismo e liberalismo, resultando numa
estratégia liberal-conservadora que, de um lado, permitiria o "favor", o clientelismo e a
cooptação; de outro, introduziria uma cultura jurídico-institucional marcadamente formalista,
retórica e ornamental. Além de seus aspectos conservadores, individualistas, antipopulares e
não-democráticos, o liberalismo brasileiro deve ser visto igualmente por seu profundo traço
"juridicista". Foi nessa junção entre individualismo político e formalismo legalista que se
moldou ideologicamente o principal perfil de nossa cultura jurídica: o bacharelismo liberal.19
De fato, a vertente "juridicista" do liberalismo brasileiro teria papel determinante na
construção da ordem político-jurídico nacional. Numa análise mais acurada constata-se que
dois fatores foram responsáveis pela edificação da cultura jurídica nacional ao longo do
século XIX. Primeiramente, a criação dos cursos jurídicos e a conseqüente formação de uma
elite jurídica própria, integralmente adequada à realidade do Brasil independente. Em
segundo, a elaboração "de um notável arcabouço jurídico no Império: uma constituição,
vários códigos, leis"20 etc.
A implantação dos dois primeiros cursos de Direito no Brasil, em 1827, um em
São Paulo e outro em Recife (transferido de Olinda, em 1854), refletiu a exigência de uma
elite, sucessora da dominação colonizadora, que buscava concretizar a independência políticocultural, recompondo, ideologicamente, a estrutura de poder e preparando nova camada
burocrático-administrativa, setor que assumiria a responsabilidade de gerenciar o país. Neste
sentido, os cursos jurídicos surgiram, concomitantemente, com o processo de independência e
a construção do Estado nacional. Tais centros de reprodução da legalidade oficial positiva
destinavam-se muito mais a responder aos "interesses do Estado do que às expectativas
judiciais da sociedade. Na verdade, sua finalidade básica não era formar advogados, mas, isto
sim, atender as prioridades burocráticas do Estado".21 Assim, as escolas de Direito foram
destinadas a assumir duas funções específicas: primeiro, ser pólo de sistematização e
irradiação do liberalismo enquanto nova ideologia político-jurídica capaz de defender e
18

Cf. ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 66,71.
SALDANHA, Nelson. Op. cit., p. 164; VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. São
Paulo: Perspectiva, s/d., p. 271-335.
20
LACOMBE, Américo Jacobina. "A Cultura Jurídica". In: História Geral da Civilização Brasileira. t. II, O
Brasil monárquico. HOLANDA, Sérgio Buarque de (dir). São Paulo: Difel, 1976, v. 3, p. 356.
21
FARIA, José Eduardo. Sociologia Jurídica: Crise do Direito e Práxis Política. Rio de Janeiro: Forense, 1984,
p. 158. Consultar ainda, neste aspecto: AGUIAR, Roberto A. R. de. A Crise da Advocacia no Brasil. São Paulo:
Alfa-Omega, 1991, p.78-79.
19

integrar a sociedade; segundo, dar efetivação institucional ao liberalismo no contexto
formador de um quadro administrativo-profissional.22 Contudo, essas funções distintas, mas
interligadas, não deixam de revelar certa contradição, que, como demonstra Joaquim de A.
Falcão, comprova-se na pretensão de serem, de um lado, defensoras dos princípios liberais, de
outro, de fomentadoras da emergência de uma elite burocrática para o controle do poder.
Ademais, fácil é perceber o paradoxo revelado quando "os ideais liberais, usados para a
libertação da tutela colonial e emancipação nacional, pretendem legitimar e assegurar os
privilégios herdados pela elite na sociedade estratificada, oriunda do período colonial".23
As primeiras faculdades de Direito, inspiradas em pressupostos formais de
modelos alienígenas, contribuíram para elaborar um pensamento jurídico ilustrado,
cosmopolita e literário, bem distante dos anseios de uma sociedade agrária da qual grande
parte da população encontrava-se excluída e marginalizada. Pela importância que essas duas
escolas (Recife e São Paulo) exerceram como redutos encarregados de formar atores jurídicos,
cabe sublinhar algumas diferenciações.
A Faculdade de Direito pernambucana expressaria tendência para a erudição, a
ilustração e o acolhimento de influências estrangeiras vinculadas ao ideário liberal.24 A Escola
do Recife introduziria para a cultura do país, a partir da segunda metade do século XIX, os
mais avançados pensamentos da época, sobretudo a contribuição do germanismo via Tobias
Barreto, limitando a excessiva influência portuguesa e francesa. 25 O intento do Grupo do
Recife foi tratar o fenômeno jurídico a partir de uma pluralidade temática, reforçada por
leituras naturalistas, biologistas, cientificistas, históricas e sociológicas, apoiando-se
fortemente num somatório de tendências que resultavam basicamente no evolucionismo e no
monismo, sem desconsiderar a crítica sistemática a certas formulações jusnaturalistas e
22

FALCÃO, Joaquim de. Os Advogados: Ensino Jurídico e Mercado de Trabalho.Recife: FIN/Massangana,
1984, p. 32; FARIA, José E. Op. cit., p. 159.
23
FALCÃO, Joaquim de A. Op. cit., p. 32.
24
Cf. NEDER, Gizlene. "O Direito no Brasil. História e Ideologia" In: Desordem e Processo. Org. Doreodó
Araújo Lima. Porto Alegre: Sérgio Fabris, 1986, p. 155; _____. Discurso Jurídico e Ordem Burguesa no Brasil.
Porto Alegre: Sergio A.Fabris, 1995, p. 99-130.
Ao pesquisar a história da Faculdade do Direito do Recife, Lilia M. Schwarez destaca que a primeira etapa
decorrida em Olinda "pouco ofereceu enquanto produção intelectual inovadora. O que restou foram sobretudo as
estruturas rígidas dos cursos, as reproduções de obras jurídicas do estrangeiro, as profundas raízes e influências
dos mestres religiosos e do jusnaturalismo católico. Trata-se de uma ciência católica, comprometida com a
revelação divina e com a defesa do caráter imutável da monarquia.
A mudança para Recife em 1854 assinalará, por sua vez, uma guinada tanto geográfica como intelectual. É só a
partir de então que se pode pensar em uma produção original e na existência de um verdadeiro centro criador de
idéias e aglutinador de intelectuais engajados com os problemas de seu tempo e de seu país.
(...) É a partir desse momento que se percebe o surgimento de um novo grupo de intelectuais, cuja produção.
transporá os estreitos limites regionais". In: SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças: Cientistas,
Instituições e Questão Racial no Brasil-1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993, p. 146-147.
25
Cf. VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p. 95-97.

espiritualistas.26 Pode-se registrar, assim, como faz Lilia M. Schwarcz, que "a recepção dessas
teorias científicas deterministas significava a entrada de um discurso secular e temporal que,
no contexto brasileiro, transformava-se em instrumento de combate a uma série de instituições
assentadas. No caso da Faculdade do Recife, a introdução simultânea dos modelos
evolucionistas e social darwinistas resultou em uma tentativa bastante imediata de adaptar o
direito a essas teorias, aplicando-as à realidade nacional. Recife foi talvez o centro que se
apegou de forma mais radical tanto às doutrinas deterministas da época quanto a uma certa
ética científica que então se difundia. Afastados dos centros de decisão política do país, esses
pesquisadores viviam ao menos a certeza de que representavam a vanguarda científica no
Brasil".27
Já a Academia de São Paulo, cenário privilegiado do bacharelismo liberal e da
oligarquia agrária paulista, trilhou na direção da reflexão e da militância política, no
jornalismo e na "ilustração" artística e literária. Aliás, foi o intenso periodismo acadêmico o
traço maior que predominou na tradição do Largo de São Francisco, levando os bacharéis ao
desencadeamento de lutas em prol de direitos individuais e liberdades públicas. Como aponta
Sergio Adorno, naquele espaço se desenrolaram os conflitos entre "liberalismo e democracia",
as disputas "entre liberais moderados e radicais" e as adesões à causa abolicionista
republicana.28 Destaque há que ser feito também a algumas diretrizes filosófico-culturais que
encontrariam guarida no interesse do corpo acadêmico, como o jusnaturalismo, o ecletismo
filosófico, o laicismo e, finalmente, o próprio positivismo.29 Naturalmente que a Escola
paulista vivenciou um ecletismo autodidata, porquanto seus integrantes não se limitaram ao
estudo exclusivo da cultura jurídica, mas aderiram à prática do periodismo e da militância
política. Em função de sua posição estratégica, a Faculdade de Direito tomou-se um dos
centros privilegiados da formação dos intelectuais destinados à cooptação pela burocracia
estatal. De fato, a própria "localização da escola é também em si um dado digno de destaque.
No período que vai de 1870 a 1930, enquanto Pernambuco vivia um período de declínio
financeiro e político, São Paulo conhecia, pela primeira vez, o que significava concentrar
predomínio econômico e político no mesmo local".30
26

Cf. SALDANHA, Nelson. A Escola do Recife. 2. ed. São Paulo: Convívio; Brasília: INL, 1985, p. 101-108;
PAIM, Antonio. A Filosofia da Escola do Recife. 2. ed. São Paulo: Convívio, 1981, p. 2-3. Ainda sobre a Escola
do Recife, consultar: MACHADO NETO, A. L. História das Idéias Jurídicas no Brasil. São Paulo: Grijalbo,
1969, p. 73-175; CHACON, Vamireh. Da Escola do Recife ao Código Civil. Rio de Janeiro: Organização
Simões, 1969; REALE, Miguel. Horizontes do Direito e da História. São Paulo: Saraiva, 1977, p. 215-222.
27
SCHWARCZ, Lilia M. Op. cit., p. 150-151.
28
Cf. ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 92-95.
29
Ibidem, p. 96, 98-100.
30
SCHWARCZ, Lilia M. Op. cit., p. 174.

Por fim, embora longa, a análise comparativa de Lilia M. Schwarcz sobre as duas
escolas de Direito parece lapidar, e merece transcrição:
"Vê-se que, enquanto Recife educou, e se preparou para produzir doutrinadores,
,,homens de sciencia no sentido que a época lhe conferia, São Paulo foi responsável pela
formação dos grandes políticos e burocratas de Estado. De Recife partia todo um movimento
de autocelebração que exaltava ,,a criação de um centro intelectual, produtor de idéias
autônomas; em São Paulo reinava a confiança de um núcleo que reconhecia certas
deficiências teóricas, mas destacava seu papel na direção política da nação (...). Acima das
divergências intelectuais, que de fato existem, está um certo projeto de inserção, este sim,
bastante diverso. De Recife vinha a teoria, os novos modelos - criticados em seus excessos
pelos juristas paulistas; de São Paulo partiam as práticas políticas convertidas em leis e
medidas. (...) Enquanto na Escola de Recife um modelo claramente determinista dominava,
em São Paulo um liberalismo de fachada, cartão de visita para questões de cunho oficial,
convivia com um discurso racial, prontamente acionado quando se tratava de defender
hierarquias, explicar desigualdades. A teoria racial cumpria o papel, quando utilizada, de
deixar claro como para esses juristas falar em democracia não significava discorrer sobre a
noção de cidadania. (...) Em Recife, um público mais desvinculado do domínio oligárquico
rural passava a dominar as fileiras dessa faculdade, por oposição a uma clientela paulista
caracterizada pelo pertencimento a uma elite econômica de ascensão recente. De Recife
partiam mais claramente os gritos de descontentamento (respaldados pela clara mudança do
eixo político-econômico), enquanto São Paulo passava aos poucos de contestador a defensor e
responsável por uma fala oficial. Guardadas as diferenças, o que se pode dizer, no entanto, é
que para ambas as faculdades ,,o Brasil tinha saída. Por meio de uma mestiçagem modeladora
e uniformizadora, apregoada por Recife. Por meio da ação missionária de um Estado liberal,
como tanto desejavam os acadêmicos paulistanos".31 Depois das Escolas Jurídicas, passa-se,
agora, para o segundo fator nuclear que iria contribuir para consolidar a emancipação da
cultura jurídica no Brasil, ou seja, o desencadeamento do processo de elaboração de legislação
própria no Público e no Privado. Inegavelmente, o primeiro grande documento normativo do
período pós-independência foi a Constituição Imperial de 1824, imbuída de idéias e
instituições marcadamente liberais, originadas da Revolução Francesa e de doutrinas do
constitucionalismo francês, associadas principalmente ao publicista Benjamin Constant.
Tratava-se de uma Constituição outorgada que institucionalizou uma monarquia parlamentar,

31

SCHWARCZ, Lilia M. Op. cit., p. 183-184, 186-187.

impregnada por um individualismo econômico e um acentuado centralismo político.
Naturalmente, essa Lei Maior afirmava-se idealmente mediante uma fachada liberal que
ocultava a escravidão e excluía a maioria da população do país. A contradição entre o
formalismo retórico do texto constitucional e a realidade social agrária, não preocupava nem
um pouco a elite dominante, que não se cansava de proclamar teoricamente os princípios
constitucionais (direito à propriedade, à liberdade, à segurança), ignorando a distância entre o
legal e a vida brasileira do século XIX.
Como deixa antever Sérgio Adorno, a Carta Constitucional de 1824 não só
consagrava o "compromisso entre a burocracia patrimonial, conservadores e liberais
moderados", como igualmente instrumentalizava "fórmulas conciliatórias para ajustar o
Estado patrimonial ao modelo liberal de exercício do poder (...)".32 A comprovação de que o
texto assumia teor liberal-conservador, expurgando traços mais radicais e democráticos, e
projetando preceituações legais que se transformavam em meras ilusões discursivas, era
revelada quando retoricamente se proclamavam e ao mesmo tempo anulavam-se as
liberdades, ainda, quando se asseguravam direitos, mas os tomavam "passíveis de serem
suspensos; e a igualdade suscitada era freqüentemente remetida à existência de desigualdades
naturais entre os indivíduos".33
Se a Constituição de 1824 - incluindo as célebres disposições de sua reforma,
como o Ato Adicional de 1834 e a Lei de Interpretação de 1840 - inscreveu-se como a
principal criação do governo imperial sob o ponto de vista da formulação políticoadministrativa do Estado, não menos significativo para a implementação das instituições
nacionais foi o processo de codificação das leis ordinárias. Assim sendo, o segundo arcabouço
legislativo foi o Código Criminal de 1830, advindo das Câmaras do Império e de árdua
realização. Tal estatuto era não só redigido segundo a melhor doutrina clássica penal, como
também, se afinava com o espírito liberal da época. Representava um avanço, se comparado
aos processos cruéis das Ordenações. Ainda que tenha conservado a pena de morte - mais
tarde transformada em prisão perpétua - orientava-se, de um lado, pelo princípio da
legalidade, ou seja, a proporcionalidade entre o crime e a pena; de outro, pelo princípio da
pessoalidade das penas, devendo a aplicação da pena incidir exclusivamente no condenado,
não se estendendo aos descendentes.34

32

ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 61.
Ibidem, p. 63.
34
Cf. NASCIMENTO, Walter V. do. Lições de História do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p. 229231; MACHADO NETO, A. L. Sociologia Jurídica. São Paulo: Saraiva, 1979, p. 326-327; LACOMBE,
33

Ilustrativo, neste sentido, é aludir o pretenso esquecimento e a deliberada omissão
dessas primeiras legislações (Constituição de 1824 e Código Criminal de 1830) sobre o direito
dos índios e dos negros escravos. Tudo demonstra que a legislação oitocentista, ao ocultar o
escravismo colonial, parecia "envergonhada"35 por não considerar o escravo como pessoa civil
sujeita de direitos. O formalismo oficial ocultava uma postura "autoritária e etnocêntrica" do
legislador da primeira metade do século XIX, com relação a certos segmentos marginalizados e
excluídos da cidadania. Tendo em conta essa realidade, assinala Carlos F. Marés que a análise
do Código Criminal "é muito reveladora, porque, por um lado mostra uma omissão em relação
aos índios, não considera sequer sua ,,orfandade. Já em relação aos escravos, omitidos
totalmente na legislação civil, são tratados na lei criminal. É estranho, mas perfeitamente
compreensível dentro do sistema: a lei penal - dedicada integralmente aos marginalizados
sociais - não registra referência à mais marginal de todas as populações, os indígenas, porque ou
estavam fora da sociedade, não lhes alcançando a ação penal o simples revide guerreiro, ou
dentro da sociedade não se diferenciavam dos pobres marginalizados. Em relação aos escravos
diz tão-somente que as penas de trabalhos forçados em galés e as de morte serão substituídas
pela de açoites, para que o seu dono não sofresse prejuízo, isto é, a direção da norma é a
proteção da propriedade do senhor, não a pessoa do apenado.36
A reforma liberal do sistema judicial no período posterior à Independência se
completa com o Código de Processo Criminal. Elaborado por uma comissão conjunta da
Câmara e do Senado, apareceu, logo no ano seguinte, o Código de Processo Criminal que,
aprovado em 1832, veio atestar nossa autonomia no âmbito do controle, ao mesmo tempo que
reforçava as instituições liberais existentes, como o juiz de paz.37 Esses juízes de paz eleitos,
que tinham atribuições policiais e criminais, possuíam igualmente "poderes para atuar na
formação da culpa dos acusados, antes do julgamento, e também de julgar certas infrações
menores, dando termos de bem viver aos vadios, mendigos, bêbados por vício, meretrizes
escandalosas e baderneiros. Além desses crimes, as demais infrações deveriam ser julgadas
pelos juízes criminais. As infrações da alçada dos juízes de paz eram chamadas crimes de
polícia."38 O Código combinava práticas processualistas derivadas do sistema inglês e do
Américo J. Op. cit., p. 356-357; BICUDO, Hélio P. O Direito e a Justiça no Brasil. São Paulo: Símbolo, 1978,
p. 53-54.
35
Expressão usada por Carlos F. Marés de Souza Filho.
36
MARÉS DE SOUZA FILHO, Carlos F. "O Direito Envergonhado (O Direito e os índios no Brasil)". In:
Estudos Jurídicos. Curitiba: PUC, n. 1, 1993, p. 29.
37
Cf. FLORY, Thomas. El Juez de Paz y el Jurado en el Brasil imperial. México: Fondo de Cultura Económica.
1986, p. 175-176.
38
LIMA, Roberto Kant de. "Tradição Inquisitorial no Brasil, da Colônia à República: da Devassa ao Inquérito
Policial". Revista Religião e Sociedade. 16/1-2, 1992, p. 96-113.

francês, o que representava, uma vez mais, a vitória do espírito liberal e a supressão do ritual
inquisitório filipino. Os anseios do novo espírito iriam refletir-se não apenas na inovação do
habeas corpus e na consagração do sistema de jurado, mas na própria modificação da
hierarquia e da composição judiciária. Com isso, extinguiu-se a estrutura colonial portuguesa,
apoiada sobre os ouvidores e os juízes de fora. A magistratura especial da Relação, composta
de juízes municipais, juízes de Direito e de desembargadores, passava agora a integrar uma
nova organização judiciária, eliminando "os restos formais do sistema legal português".39 No
entanto, durante a sua vigência, o estatuto processual foi alvo de uma reforma de caráter
conservador, que introduziu o chefe de polícia nas atribuições da Justiça. No objeto da
Reforma de 1841, ficava nítida a substituição das diretrizes judiciais descentralizadas por uma
centralização rígida, poderosa e policialesca.40 Reforçava-se, com isso, o aparato burocrático
da dominação patrimonialista ao longo do regime monárquico, em que o exercício da Justiça
era sustentado'conservadoramente pelo mais "absoluto policialismo judiciário".41 A etapa
seguinte de evolução jurídica foi o Código Comercial de 1850, que, após ter passado por lento
processo de redação parlamentar, acabou configurando-se num modelo normativo para
diversas legislações mercantis latino-americanas. Na observação de Américo J. Lacombe, o
Código nasceu já envelhecido, "sem conhecer as estradas de ferro nem a navegação a vapor.
Apesar de tudo, refletia, quando elaborado, as melhores idéias a respeito do Direito
Comercial".42 Mais do que ter suas fontes de inspiração nos textos romanos, na doutrina
italiana e na exegese civil napoleônica, reproduzia a conveniência de relações mercantis e os
interesses contratuais e obrigacionais da elite local. As necessidades imediatas, as atividades
negociais e o desenvolvimento comercial fizeram com que a principiante burguesia
latifundiária priorizasse a regulamentação da vida econômica sobre a vida civil. Tendo em
conta que, para a burguesia, a ordenação do comércio e da produção da riqueza era mais
imperiosa do que a proteção e a garantia dos direitos civis, nada mais natural do que o Código
Comercial preceder em 67 anos o Código Civil.43 Acompanhando o Estatuto Comercial
maior, seguiu-se, no mesmo ano, o Regulamento 737, expedido pela Administração Real e

39

FLORY, Thomas. Op. cit., p. 175. Sobre o Código de Processo Criminal do Império escreve Roberto Kant de
Lima (op. cit., p. 102) que, além dos juízes de paz eleitos, constavam os "juízes municipais e juízes de Direito
nomeados e jurados, alistados anualmente por uma junta composta do juiz de paz, do pároco e do presidente da
Câmara Municipal, dentre os cidadãos que podiam ser eleitores. Este Código acabou com as devassas,
transformou as querelas em queixas, tomando-se a denúncia o meio de ação do Ministério Público. A iniciativa
do processo - ex officio - era mantida para todos os casos em que era cabível a denúncia".
40
Cf. LACOMBE, Américo J. Op. cit., p. 257-258.
41
ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 66, 72-73.
42
LACOMBE, Américo J. Op. cit., p. 359.
43
Cf. MACHADO NETO, A. L. Op. cit., p. 1979, p. 327; BICUDO, Hélio P. Op. cit., p. 155-160.

que disciplinava o processo comercial (estendido às causas civis) até o advento da República,
ditando as linhas gerais do processo, da execução e dos recursos cabíveis.44
As três tentativas de Codificação Civil que atravessaram o Império malograram
sem que tivessem obtido sucesso: o avançado esboço de Teixeira de Freitas, publicado em
1860, que exerceu profunda influência na feitura da legislação de outros países,
particularmente da Argentina; o projeto do senador Nabuco de Araújo, de 1872; e, finalmente,
a proposta de Felício dos Santos, de 1881. Com o advento da República, dois novos projetos:
o de Coelho Rodrigues, em 1890, que acabou sendo abandonado, e o de Clóvis Beviláqua,
concluído em 1899.45 Este último, após longa tramitação na Câmara dos Deputados e no
Senado da República, onde recebeu críticas contundentes (principalmente de Rui Barbosa) e
modificações consideráveis, acabou sendo sancionado somente em 1916, vigorando a partir
de 1917. O primeiro e tão esperado ordenamento civil, substituto das Ordenações
Portuguesas, deixa transparecer o espírito que norteava seu redator, Clóvis Beviláqua,
integrante da Escola do Recife e com pendores naturais pela recepção do Direito alemão. O
Código Civil, em que pesem seus reconhecidos méritos de rigor metodológico, sistematização
técnico-formal e avanços sobre a obsoleta legislação portuguesa anterior, era avesso às
grandes inovações sociais que já se infiltravam na legislação dos países mais avançados do
Ocidente, refletindo a mentalidade patriarcal, individualista e machista de uma sociedade
agrária preconceituosa, presa aos interesses dos grandes fazendeiros de café, dos proprietários
de terra e de uma gananciosa burguesia mercantil. Num exame mais atento de caráter críticoideológico constata-se, corroborando A. L. Machado Neto, que foi inegável a penetração de
um "privatismo doméstico sobre a regulamentação da família e da sucessão hereditária",
tratando-se, assim, de acerto legal e conciliador "entre os arrojos individualistas dos
intelectuais de classe média - arrojos bafejados pelo apoio da burguesia urbana e mercantil
que enxergava no liberalismo econômico a ideologia mais compatível com a expansão de seus
interesses - e a ação conservadora dos representantes da burguesia rural e latifundiária (...)".46
Em verdade, a Codificação Civil enquanto uma das primeiras grandes realizações da jovem
República traduzia, em seus avanços relativos, sem muita ousadia, os intentos de uma classe
média consciente e receptiva aos ideais liberais, mas igualmente comprometida com o poder
oligárquico familiar. Essa nota predominante da legislação pátria é assim compreendida,
porquanto seus idealizadores tinham a clara percepção de que ofereciam à Nação um quadro
44

Cf. NASCIMENTO, Walter V. do. Op. cit., p. 234.
Cf. BICUDO, Hélio P. Op. cit., p. 137-140; MACHADO NETO, A. L., 1979. Op. cit., p. 327-328; LACOMBE,
Américo J. Op. cit., p. 359-360;
46
MACHADO NETO, A. L. Op. cit., 1979, p. 328.
45

normativo de "direito privado compatível com as aspirações de uma sociedade interessada em
afirmar as excelências do regime capitalista de produção, propósito que encontrava obstáculos
na estrutura agrária dominante e não recebia títulos de uma organização industrial a que se
somassem o ímpeto libertário da burguesia mercantil".47 Cumpre examinar, agora, sob o
reflexo do legado cultural luso-patrimonialista, o cenário institucional forjado sob o influxo da
matriz liberal, de onde emergem os principais operadores jurídicos, transformados em elite
burocrática do poder, legitimados para o exercício de construção da identidade nacional.
3.3. Magistrados e Judiciário no tempo do Império
Trata-se dos segmentos sociais e dos mecanismos funcionais que compuseram a
máquina de administração da justiça,48 ungidos para interpretar e aplicar a legalidade estatal,
garantir a segurança do sistema e resolver os conflitos de interesses das elites dominantes.
Constata-se, pois, o procedimento profissional e político dos magistrados enquanto atores
privilegiados da elite imperial, sua relação com o poder político, com a sociedade civil e sua
contribuição na formação das instituições nacionais. Para isso, é necessário descrever,
primeiramente, que a Independência do país não encontrou adesão integral na antiga
magistratura, pois enquanto alguns apoiaram a ruptura, muitos outros permaneceram fiéis à
monarquia lusitana.49 Segundo Thomas Flory, não é fácil demarcar o número de juízes que,
por lealdade, abandonaram o país e regressaram a Portugal, bem como os que, por
conveniência, comprometeram-se com as novas condições políticas que se implantaram.
Ademais, determinados fatores contribuíram para dar singularidade à postura da
magistratura no período que se sucede à Independência: o corporativismo elitista, a burocracia
como poder de construção nacional e a corrupção como prática oficializada.
Na análise que faz do legado judicial engendrado a partir de 1822, Thomas Flory
assinala, já naquela época, existência muito forte do exc1usivismo educacional e do espírito
corporativista na magistratura. Esses profissionais formados na erudição e no tradicionalismo da
47

BICUDO, Hélio P. Op. cit., p. 142.
Para relembrar o cenário institucional anterior à Independência, a lição de José Murilo de Carvalho: "Por
ocasião da chegada da Corte, a estrutura judicial da Colônia compunha-se da Relação.da Bahia, que abrangia
(...): os ouvidores-gerais provinciais; os juízes de fora e os ouvidores de comarcas. Em nível municipal havia os
juízes ordinários eleitos. À exceção dos últimos, todos os outros eram letrados, isto é, formados em Coimbra, e
membros da magistratura portuguesa. (...). Alguns juízes de fora e ouvidores que serviram no Brasil foram
promovidos a desembargadores sem terem antes passado por período intermediário em Portugal ou em outra
colônia. Mas isso não era a regra. (...). D. João criou no Brasil os equivalentes da Casa da Suplicação e do
Desembargo do Paço". In: A Construção da Ordem. A elite política imperial. Rio de Janeiro: Campus, 1980, p.
136-137.
49
Cf. FLORY, Thomas. El Juez de Paz y el Jurado en el Brasil Imperial. México: Fondo de Cultura Económica,
1986, p. 63-65.
48

Universidade de Coimbra assumiram, no cotidiano da Colônia, procedimento pautado na
superioridade e na prepotência magisterial.50 O exc1usivismo intelectual gerado em princípios e
valores alienígenos, que os transformava em elite privilegiada e distante da população, revelava
que tais agentes, mais do que fazer justiça, eram preparados e treinados para servir aos
interesses da administração colonial. A arrogância profissional, o isolamento elitista e a própria
acumulação de trabalho desses magistrados, aliados a uma lenta administração da justiça,
pesada e comprometida colonialmente, motivaram as forças liberais para desencadear a luta por
reformas institucionais, sobretudo para alguns, no âmbito do sistema de justiça. Daí resultariam
o processo de constitucionalização (Carta Imperial de 1824), a criação das faculdades de Direito
(1827) e o primeiro código nacional de controle social (Código Penal de 1830).
Nas décadas posteriores à Independência, em função do tipo de educação superior,
dos valores e das idéias que incorporava, a camada profissional dos juízes se constituiria num
dos setores essenciais da unidade e num dos pilares para construção da organização política
nacional. O que distingue a magistratura de todas as outras ocupações é o fato de que ela
representava e desenvolvia formas de ação rígidas, hierarquizadas e disciplinadas que melhor
revelavam o padrão que favorecia práticas burocráticas para o exercício do poder público e
para o fortalecimento do Estado. No dizer de José Murilo de Carvalho, dos segmentos
principais como Judiciário, Clero e Militares, que teriam papel importante na formação das
instituições brasileiras na primeira metade do século XIX, a "espinha dorsal do governo" foi,
indiscutivelmente, a magistratura.51 De todos os setores burocráticos herdados de Portugal é o
que dispunha de melhor organização profissional com estrutura e coesão internas superiores a
todos os outros segmentos, o que a legitimava como força para a negociação. Tratava-se de
uma camada privilegiada "treinada nas tradições do mercantilismo e absolutismo
portugueses", unida ideologicamente por valores, crenças e práticas que em nada se
identificava à cultura da população do país. Entretanto, por sua educação e orientação os
magistrados estavam preparados para exercer papel de relevância nas tarefas de governo. Daí
que, marcados por um sentido mais ou menos político, sua homogeneidade social e ocupação
projetava-os não só como os primeiros funcionários modernos do Estado nascente, mas
sobretudo como os principais agentes de articulação da unidade e da consolidação nacional.52
Temos, assim, a montagem de uma estrutura em que, no dizer de José M. de Carvalho,
"pareceu pacífico supor que o emprego público seria a ocupação que mais favorecia uma

50

Cf. FLORY, Thomas. Op. cit., p. 67-68.
Cf. CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 133.
52
Cf. CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 112, 115 e 178.
51

orientação estatista e que melhor treinava para as tarefas de construção do Estado na fase
inicial de acumulação do poder. A suposição era particularmente válida em se tratando dos
magistrados que apresentavam a mais perfeita combinação de elementos intelectuais,
ideológicos e práticos favoráveis ao estatismo. Na verdade, foram os mais completos
construtores do Estado no Império, especialmente os da geração coimbrã. Além das
características de educação (...), eles tinham a experiência da aplicação cotidiana da lei e sua
carreira lhes fornecia elementos adicionais de treinamento para o exercício do poder
público".53
O quadro dessa elite de servidores letrados, autênticos representantes do
estamento burocrático estatal, com papel decisivo na organização e na unidade das
instituições nacionais, somente se completa quando se leva em consideração o
comportamento desses atores, suas relações e práticas com a sociedade civil. Nesse aspecto,
há que se registrar o aparecimento de práticas revestidas de nepotismo, impunidade e
corrupção em diversos segmentos da magistratura luso-brasileira ao longo do Império. Essa
tradição, condenada por muitos, acentuou-se em razão das amplas garantias, vantagens e
honrarias que os juízes desfrutavam e que se manteve com suas vinculações políticas,
compromissos partidários e subserviências ao poder, principalmente na esfera da
administração local.54 Na prática, o poder judicial estava identificado com o poder político,
embora, institucionalmente, suas funções fossem distintas. O governo central utilizava-se dos
mecanismos de nomeação e remoção de juízes para administrar seus interesses, fazendo com
que a justiça fosse partidária, e o cargo, utilizado para futuros processos eleitorais (fraudes e
desvios) ou mesmo para recompensar amigos e políticos aliados.55 Assim, o juiz deixava de
apreciar conflitos de sua competência (impessoalidade, neutralidade) para entrar numa prática
"antijudiciária", em que só contava o atendimento ao partido aliado e aos chefes no interior.
Daí a duplicidade da conduta do juiz, ora submetido às exigências da legalidade partidária
(aliado ou adversário das facções locais), ora impelido aos deveres funcionais do cargo como
aplicador da lei.56 Naturalmente que tal prática simultânea do exercício de funções
administrativas e judiciais engendrava, no dizer de Andrei Koerner, tensões permanentes que
reproduziam uma certa "limitação dos magistrados no exercício partidário dos seus poderes e
também uma fonte de pressão no sentido da separação entre as atividades judiciária e
53

CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 76.
Cf. LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, Enxada e Voto. 4. ed. São Paulo: Alfa-Omega, 1978, p. 197.
55
Cf. KOERNER, Andrei. O Poder Judiciário na Constituição da República. São Paulo: Dissertação de
Mestrado em Ciência Política - USP, 1992, p. 39. Igualmente, consultar: FLORY, Thomas. Op. cit., p. 285-286.
56
KOERNER, Andrei. Op. cit., p. 41-42; FLORY, Thomas. Op. cit., p. 285-286.
54

política".57 Parece claro, por conseguinte, que, se de um lado a magistratura constituía-se no
modelo privilegiado de ingresso na elite política imperial, de outro, os juízes "eram
controlados pelos poderes de remoção, promoção, suspensão e aposentadoria do governo
central".58
Certamente que esta situação que os agentes da justiça vivenciavam refletiu uma
cultura marcada pela ética colonial-patrimonialista, em que a impunidade, como escreve
Antonio F. Zancanaro, estava "intimamente associada ao modelo jurídico que prevaleceu no
Estado luso. (...). Os vícios crônicos do Reino foram transplantados para a Colônia como
estruturas éticas gravadas nas consciências dos servidores públicos e dos emigrados,
acrescidas, posteriormente, de antivalores desenvolvidos a partir da realidade colonial".59
Assim, implantou-se uma espécie de administração calcada nos critérios de pessoalidade,
"amizade, parentesco, retribuição, privilégio e em disposições legais carentes de
objetividade", sendo que "a ordem pública que se instituiu veio marcada pelo acaso e pelo
arbítrio do Rei e de seus prepostos".60
Deve-se em muito às forças liberais, já a partir da segunda metade do século XIX,
a luta por reformas que viabilizassem maior garantia aos magistrados para exercer a função
jurisdicional e aplicar a lei com autonomia frente ao poder político. Em termos de peso e de
eficácia, as grandes mudanças que atingiram a magistratura e a organização judiciária como
um todo foram trazidas pelo descentralizador Código de Processo Criminal de 1832 (por força
dos liberais), pela reforma desta mesma legislação em dezembro de 1841 (por influência dos
conservadores) e, por fim, pela mais significativa de todas as alterações realizadas no sistema
jurisdicional do Império: a Reforma de 1871.61

57

KOERNER, Andrei. Op. cit., p. 42.
Ibidem.
59
ZANCANARO, Antonio Frederico. A Corrupção Político-Administrativa no Brasil. São Paulo: Acadêmica,
1994, p. 146-147.
60
Ibidem.
61
Sob o ponto de vista institucional, uma sucinta e genérica descrição da organização judicial oitocentista é feita
por José Murilo de Carvalho (op. cit., p. 136): "Após 1841 definiu-se o sistema judiciário que duraria, com
pequenas modificações, até o final do Império. Permaneceu o juiz de paz eleito, mas com atribuições muito
reduzidas. A magistratura togada abrangia desde os juízes municipais até os ministros do Supremo Tribunal de
Justiça. Os juízes municipais e de órfãos eram nomeados entre bacharéis com um mínimo de um ano de prática
forense para períodos de quatro anos. Podiam então ser promovidos a juiz de direito, ou ser nomeados para outro
quadriênio, ou mesmo abandonar a carreira, pois não tinham estabilidade. Já os juízes de direito possuíam
estabilidade e só perdiam o cargo por processo legal, embora pudessem ser removidos de um lugar para outro.
A seguir, vinham os desembargadores, que no final do Império eram onze, e que operavam nas capitais
provinciais. O degrau mais alto da carreira era o Superior Tribunal de Justiça no Rio de Janeiro, cujos membros
tinham honras de ministro.
Ao todo havia, em 1889, 1.576 promotores e juízes distribuídos pela Corte e pelas 20 províncias do Império.
Outros membros da magistratura incluíam os juízes substitutos, criados em 1871, e os promotores que serviam
nas comarcas e em geral não eram juízes de direito.
58

Por sinal, certo está Andrei Koemer ao apontar que a Reforma Judiciária de 1871,
nascida de propostas advindas do programa liberal com o aval- na sua execução - dos
conservadores, nada mais foi do que a tênue estratégia legal de transição do escravismo para a
produção laboral livre, ou seja, efetivou-se em razão do estágio de desenvolvimento das forças
econômicas e sociais, "que exigiam uma crescente profissionalização dos magistrados, e de
transição para o trabalho livre, no qual os fazendeiros defendiam leis que obrigassem ao trabalho,
ao aumento do controle policial sobre os homens livres e pobres, aos libertos e aos imigrantes".62
Entretanto, autores como Thomas Flory entendem que as modificações realmente
importantes, pelo teor inovador, surgem por pressão da filosofia liberal na criação dos juízes
de paz em 1827, e no estabelecimento do sistema participativo de jurado, introduzido pela
Carta Imperial de 1824 e consagrado pelo Código de Processo Criminal de 1832.63
De fato, no período que sucede à Independência do país, a junção de forças
liberais com grupos de aliados nativos determinou alguns avanços político-jurídicos, como o
sistema de júri popular e o de juízes locais eleitos, aptos para a conciliação prévia de causas
cíveis em geral. Ainda que os juízes de paz não fossem juízes pagos e exercessem funções de
menor importância, tratava-se de alteração importante na organização de um judiciário
reconhecidamente exclusivista e centralizador. Em seu clássico estudo sobre o Juiz de Paz
durante o Império, Thomas Flory escreve que "os reformadores liberais fizeram do Juiz de
Paz o porta-estandarte de suas próprias preocupações filosóficas e práticas: formas
democráticas, localismo, autonomia e descentralização. Por outro lado, (...) os conservadores
viram no magistrado local (...) uma ameaça ao controle social no vasto Império. (...) A nova
instituição estava desenhada idealmente para funcionar dentro de uma estrutura legal liberal
compatível; porém, de fato, o Juiz de Paz começou a sua existência isoladamente, sem o
benefício de nenhuma legislação que o apoiasse. (...) O Juiz de Paz encontrou-se, desde o
início, à deriva da estrutura incompleta e hostil de uma judicatura colonial sem mudanças".64
Ademais, como reconhece ainda Thomas Flory, a relevância da figura do Juiz de Paz estava
muito mais no que representava em termos de independência distrital, do que propriamente
como potencial de melhoramento do sistema legal.65 Depois de 1832, os poderes do Juiz de
A última grande reforma judiciária do Império foi em 1871 e seu principal objetivo foi separar as funções
policiais e judiciárias misturadas em 1841 nas atribuições dos delegados e subdelegados de polícia. Quanto à
carreira judiciária propriamente dita, a reforma levou adiante o esforço, que já há algum tempo vinha sendo
tentado, de profissionalizar mais os magistrados, aumentando as restrições ao exercício de cargos políticos".
Observar, ainda: LEAL, Victor Nunes. Op. cit., p. 188-193.
62
KOERNER, Andrei. Op. cit., p. 89.
63
Cf. FLORY, Thomas. Op. cit., p. 81 e 180-181.
64
FLORY, Thomas. Op. cit., p. 81-82.
65
Cf. FLORY, Thomas. Op. cit., p. 84.

Paz foram estendidos à jurisdição penal, adquirindo um perfil mais coercitivo e de controle.
Contudo, se a Reforma de 1841 limitou e reduziu em muito as funções do Juiz de Paz, a
Reforma Judiciária de 1871 alargou-as novamente, atribuindo à sua esfera o chamado
processo sumaríssimo, menos formal e mais simplificado.66
Além dessa experiência renovadora de "magistratura popular" escolhida pela
participação da comunidade, merece atenção, igualmente, a instituição do Tribunal do Júri,67
que representou as aspirações de autonomia judicial e localismo, em maior grau do que as
decisões do Juiz de Paz. Essa instância avançada é também exaltada por Thomas Flory, para
quem o instituto "ameaça diretamente a magistratura profissional e põe à prova suposições
básicas sobre a sociedade brasileira. (...) A criação do sistema de jurado assemelhou-se ao do
Julgado de Paz, em que se ampliou o espaço entre a magistratura profissional e os liberais. Tal
como o magistrado local, o Tribunal do Júri constituiu um ataque frontal à elite judicial".68
Em suma, um ponto que parece importante constatar ao longo da sociedade
monárquica é a ascensão em nível nacional de outros grupos profissionais, diversificados e
dinâmicos. Certamente a plural idade e a passagem de novos atores gerou maior representação
das classes sociais, comprovando o paulatino afastamento dos "burocratas do seio da elite e a
entrada de profissionais liberais".69 Essa realidade, com suas mudanças, é apanhada com
precisão por José Murilo de Carvalho, para quem os dois grupos mais ilustrativos para
amostragem foram os magistrados e os advogados. Estes incorporaram o efetivo
deslocamento, a partir da metade do século XIX, daquela situação que era um "domínio de
funcionários públicos no início para um domínio de profissionais liberais no final (...).70 Em
linhas gerais, numa possível distinção entre ambos, escreve José Murilo de Carvalho, os
magistrados foram formados em grande parte em Coimbra, enquanto os advogados, quase
todos, educados no Brasil. Além disso, a relação do bacharel com o poder público era
completamente distinta daquela assumida pelos juízes, que, como funcionários públicos,
66

Vide: KOERNER, Andrei. Op. cit., p. 92; CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 136; LEAL, Victor
Nunes. Op. cit., p. 193.
67
Especificamente sobre a montagem técnica do sistema de jurado, comenta Andrei Koemer (op. cit., p. 65):
"Os juízes de Direito presidiam o Tribunal do Júri, o qual foi, até o final do Império, o tribunal comum para o
julgamento da maior parte dos crimes. A reforma de 1841 criou restrições para a escolha dos jurados, como o
requisito da alfabetização, e estabeleceu diferenças na renda mínima para a sua qualificação de acordo com a sua
origem, de modo que as rendas provenientes de atividades industriais e comerciais teriam que ser o dobro
daquelas derivadas de empregos públicos ou da propriedade de terras. Ao mesmo tempo, a qualificação dos
jurados deixou de ser atribuição dos juízes de paz, passando aos delegados de polícia, com recurso para uma
junta de revisão, composta pelo juiz de direito, promotor público e o presidente do conselho municipal. O juiz de
direito, presidente do tribunal do júri, podia apelar à Relação de decisões do júri ,,contrárias às evidências".
68
FLORY, Thomas. Op. cit., p. 181-183.
69
CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 176.
70
CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 79.

tinham a missão de aplicar o preceito legal e garantir os intentos da ordem oficial. De todas as
ocupações liberais, o advogado passou a representar os interesses individuais ou coletivos,
tomando-se o "porta-voz" tanto "de oposições quanto do poder público. Seu papel se tomaria
mais importante em relação à construção do Estado em uma fase posterior quando a
participação se tomasse um problema mais básico do que a concentração de poder".71 Em
síntese, foi no cenário instituído por uma cultura marcada pelo individualismo político e pelo
formalismo legalista que se projetou a singularidade de uma magistratura incumbida de
edificar os quadros político-burocráticos do Império.

3.4. O perfil ideológico dos atores jurídicos: o bacharelismo liberal

No cenário instituído por uma cultura marcada pelo individualismo político e pelo
formalismo legalista, projeta-se a singularidade de um agente profissional incumbido de
compor os quadros político-burocráticos do Império e de grande parte da República. Com a
criação dos primeiros cursos jurídicos, o aparecimento do bacharel em Direito acabou
impondo-se como uma constante na vida política brasileira. Tratava-se não só da composição
de cargos a serviço de uma administração estatal em expansão, mas, sobretudo, representava
um ideal de vida com reais possibilidades de segurança profissional e ascensão a um status
social superior. Isso se revestia de demasiado significado numa sociedade escravocrata em
que o trabalho manual era desprezado em função de letrados urbanos que se iam ajustando e
ocupando as crescentes e múltiplas atividades públicas.72
No que se refere à solidificação do imaginário legal oficial, não estão muito
distantes, em termos de equivalência funcional, o magistrado português do período colonial
que servia aos interesses da Metrópole e o bacharel-jurista dos séculos XIX e XX que
expressava, com sua presença, o resguardo dos intentos locais das elites agrárias. Vale
destacar que, na prática, o sucesso do bacharelismo legalista devia-se não tanto ao fato de ser
uma profissão, porém, muito mais uma carreira política, com amplas alternativas no exercício
público liberal, pré-condição para a montagem coesa e disciplinada de uma burocracia de
funcionários.73 É preciso reconhecer que o bacharelismo, não obstante originar-se de camadas
sociais com interesses heterogêneos, pois expressava intentos agrários e urbanos, favorecia,
igualmente, uma formação liberal-conservadora que primava pela autonomia da ação

71

CARVALHO, José Murilo de. Op. cit., p. 78.
Cf. VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p. 276.
73
Cf. VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p. 273-286.
72

individual sobre a ação coletiva. Não menos verdade, o bacharelismo nascido de uma
estrutura agrário-escravista se havia projetado como o melhor corpo profissional preparado
para sustentar setores da administração política, do Judiciário e Legislativo, viabilizando as
alianças entre segmentos diversos e a mediação "entre interesses privados e interesses
públicos, entre o estamento patrimonial e os grupos sociais locais".74
Ao que parece, a iniciação nas academias jurídicas permitia uma identidade
cultural apta ao exercício da advocacia, da literatura, do periodismo e da militância política.
Para além do envolvimento com a política nacional, foi o periodismo universitário a ação
prática que mais absorveu e se incorporou à formação intelectual do acadêmico das leis.
Além disso, há que se fazer menção ao perfil dos bacharéis de Direito mediante
alguns traços particulares e inconfundíveis. Ninguém melhor do que eles para usar e abusar do
uso incontinente do palavreado pomposo, sofisticado e ritualístico. Não se pode deixar de
chamar a atenção para o divórcio entre os reclamos mais imediatos das camadas populares do
campo e das cidades e o proselitismo acrítico dos profissionais da lei que, valendo-se de um
intelectualismo alienígeno, inspirado em princípios advindos da cultura inglesa, francesa ou
alemã, ocultavam, sob o manto da neutralidade e da moderação política, a institucionalidade
de um espaço marcado por privilégios econômicos e profundas desigualdades sociais. Na
verdade, o perfil do bacharel juridicista se constrói numa tradição pontilhada pela adesão ao
conhecimento ornamental e ao cultivo da erudição lingüística.75 Essa postura, treinada no
mais acabado formalismo retórico, soube reproduzir a primazia da segurança, da ordem e das
liberdades individuais sobre qualquer outro princípio.
A compreensão desses profissionais da lei e sua inserção no processo históricosocial possibilita descortinar a singularidade das relações reais entre o fenômeno jurídico e a
formação social brasileira na virada do século XIX para o XX. Não resta dúvida de que, na
construção da ordem burguesa nacional, tais implicações definem um imaginário jurídico
complexo, desdobrado em duas atuações ideológicas muito claras e distintas: a personalidade
do "bacharel strictu sensu" e a notoriedade "respeitável" do jurista.76 Certamente que esses
operadores jurídicos tiveram, cada qual, uma função expressiva no processo de ideologização
do saber hegemônico instituído.
Em suas memórias, Afonso Arinos descreve que a herança luso-coimbrã
favoreceu o desenvolvimento de uma intelectualidade jurídica constituída por juristas e
74

ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 78, 239.
ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 158-159.
76
Cf. NEDER, Gizlene. Op. cit., p. 146-147. Para uma discussão mais completa, verificar: ____. Discurso
Jurídico e Ordem Burguesa no Brasil. Porto Alegre: Sergio A. Fabris, 1995, p. 99-130.
75

bacharéis. O "juridicismo" estaria associado a posturas teóricas, à abstração filosófica e
científica, à inadequação com a política militante e a maior capacidade indutiva, apta a extrair
e criar o Direito a partir da dinâmica social, "sempre aberta às mudanças, às inovações da
realidade vital, seja na direção evolutiva (como Tobias), seja na orientação reacionária (como
Campos)".77 Já o "bacharelismo", por natureza, expressaria um pendor para questões não
especulativas, mais afeito à mecânica exegética, estilística e interpretativa, resultando no
apego às "fórmulas consagradas, à imutabilidade das estruturas",78 aos padrões prefixados e
aos valores identificados com a conservação.
Os princípios liberais conferiram legitimidade à idealização de mundo transposta no
discurso e no comportamento desses bacharéis. De fato, ainda que não tenha sido o único, foi, no
entanto, o liberalismo, em diferentes matizes, a grande bandeira ideológica ensinada e defendida
no interior das academias jurídicas. No bojo das instituições, amarrava-se, com muita lógica, o
ideário de uma camada profissional comprometida com o projeto burguês-individualista, projeto
assentado na liberdade, na segurança e na propriedade. Com efeito, a harmonização do
bacharelismo com o liberalismo reforçava o interesse pela supremacia da ordem legal constituída
(Estado de Direito) e pela defesa dos direitos individuais dos sujeitos habilitados à cidadania sem
prejuízo do Direito à propriedade privada.79 O bacharel assimilou e viveu um discurso sóciopolítico que gravitava em torno de projeções liberais desvinculadas de práticas democráticas e
solidárias. Privilegiaram-se o fraseado, os procedimentos e a representação de interesses em
detrimento da efetividade social, da participação e da experiência concreta. Concomitantemente, o
caráter não-democrático das instituições brasileiras inviabilizava, também, a existência de um
liberalismo autenticamente popular nos operadores do Direito.
Vale dizer que, na construção de sua identidade, os atores jurídicos buscaram
conciliar uma certa práxis cujos limites, nem sempre muito claros, conjugavam idéias liberais
e conservadoras.80 Disso resulta que o ideário do bacharelismo liberal, que iria conformar as
práticas políticas da virada do século XIX para o XX, não determinou, como assinala Sérgio
Adorno, a despatrimonialização do Estado Brasileiro. Com efeito, a especificidade do
processo demonstra que a consagração do liberalismo como a principal ideologia do Estado
burguês nacional não chega a destruir, como poderia acontecer, o legado societário de cunho
burocrático-patrimonial.81
77

FRANCO, Afonso Arinos de Melo, apud VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p.291-292.
FRANCO, Afonso Arinos de Meio, apud VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p.292.
79
Cf. ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 171.
80
Cf. ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 178.
81
ADORNO, Sérgio. Op. cit., p. 245.
78

Aliás, a evolução dessa particularidade no contexto de nossas instituições políticojurídicas permite compreender como a visão liberal dos operadores jurídicos adquiriu
roupagem nitidamente conservadora. Seja como for, a trajetória conduziu igualmente a um
estranho e conveniente ecletismo: à tradição de um patrimonialismo sócio-político autoritário
(de inspiração lusitana) com uma cultura jurídica liberal-burguesa (de matiz francês, inglês e
norte-americano).
Ora, o influxo do liberalismo não deve ser apenas contemplado na formação, no
comportamento e na visão de mundo dos bacharéis jurídicos, uma vez que as premissas
liberais incidiram na formalização técnica das normas positivas, na aplicação dos textos legais
e no exercício da atividade judicial. Neste aspecto, o recorte mais ilustrativo foi Rui Barbosa,
que, corretamente, sintetizou o "bacharelismo liberal" na cultura jurídica brasileira até a
primeira metade deste século.
Certamente, ninguém melhor do que o Águia de Haia para configurar o protótipo
do advogado identificado com uma cultura jurídica tradicional, individualizante e formalista.
Por toda uma geração, Rui Barbosa encamou, quer para as elites, quer para a sociedade em
geral, o advogado erudito que soube, com veemência, viver o idealismo político e o
vernaculismo jornalístico. Seu juridicismo liberal - constituído por extremados dotes
verbalísticos, sólidas leituras literárias e históricas, exagerados e grandiloqüentes apelos
retóricos - só veio reforçar a convicção de que Rui foi um intelectual integrado que expressou
muito bem as necessidades e as contradições de sua época, não deixando de estar sintonizado
com as aspirações e interesses das camadas sociais dominantes.82 Foi a legítima
materialização de um certo padrão clássico de bacharel que, ao fechar-se no proselitismo das
letras, no culturalismo ornamental e na fidelidade rigorosa a um legalismo constitucionalista,
acabou incidindo no que Oliveira Vianna designou de "marginalismo" jurídico. Ou seja: em
que pese todo seu cosmopolitismo de leituras estrangeiras, revelou pouco interesse pela
"brasilianidade". Naturalmente, excluindo a bibliografia de caráter jurídico "(...) e
parlamentar, o Brasil lhe interessava pouco como povo - isto é, como civilização, como
psicologia coletiva, como estrutura. Em boa verdade, nunca o estudou".83
Rui, em seu tempo, e os bacharéis da legalidade, ao longo da história institucional
brasileira, compuseram um imaginário social distanciado tanto do Direito vivo e comunitário
82

Sobre o bacharelismo liberal representado por Rui Barbosa, consultar a análise mais pormenorizada de:
SALDANHA, Nelson. "Rui Barbosa e o Bacharelismo Liberal". Op. cit., 1979, v. 1, p. 163-165 e 168-173. Para
a releitura do projeto e da ação política de Rui Barbosa, ver: ROCHA, Leonel S. A Democracia em Rui Barbosa
- O Projeto Político Liberal-Racional. Rio de Janeiro: Líber Juris, 1995.
83
OLIVEIRA VIANNA, F. J. Instituições Políticas Brasileiras. Rio de Janeiro: Record, 1974, v. 2, p. 34-37;
NEDER, Gizlene. Op. cit., p. 153.

quanto das mudanças efetivas da sociedade. Trata-se aqui do imaginário afastado de uma
legalidade produzida pela população, no bojo de um processo sintonizado com necessidades
reais, reivindicações, lutas, conflitos e conquistas.84 A retrospectiva comprova que, até hoje,
tais agentes se revelaram não só hábeis servidores do ritualizado Direito estatal, afeito mais
diretamente aos intentos dos donos do poder e dos grandes proprietários, como sobretudo
talentosos reprodutores de uma legalidade estreita, fechada e artificial. Esses procedimentos
definem uma atuação em grande parte conservadora, própria para justificar a exclusão de
significativos setores da sociedade e a manutenção da ordem vigente.
Percebe-se, assim, uma tradição advocatícia desvinculada de atitudes mais
comprometidas com a vida cotidiana e com uma sociedade em constante transformação. A
postura técnica e casuística fecha-se frente ao dinamismo dos fatos e resiste a um
direcionamento criativo, não conseguindo mais responder a novas e emergentes
necessidades.85
Mas, se a tradição do bacharelismo juridicista no Brasil foi, predominantemente,
um espaço de manutenção e defesa de uma legalidade dissociada da sociedade concreta e das
grandes massas populares, nada impede de se redefinir, contemporaneamente, o papel do
advogado enquanto profissional e cidadão. Há de se repensar o exercício da prática jurídica,
tendo em conta uma nova lógica ético-racional, capaz de encarar a produção dos direitos
como inerentes ao processo histórico-social, um Direito que transpõe os limites do Estado,
encontrando-se na práxis social, nas lutas cotidianas, nas coletividades emergentes, nos
movimentos sociais etc.

84

Ver, nesse sentido: AGUIAR, Roberto A. R. "O Imaginário dos Juristas". In: Revista de Direito Alternativo.
São Paulo: Acadêmica, n. 2, 1993, p. 18-27.
85
Observar, igualmente: AGUIAR, Roberto A. R. de. Op. cit., 1991, p. 91-100.

Capítulo IV

HORIZONTES IDEOLÓGICOS DA CULTURA JURÍDICA
BRASILEIRA
Nas etapas anteriores, foram demonstrados os traços do moderno Direito
Ocidental, bem como sua transposição e adequação para a estrutura periférica brasileira. No
percurso de um longo processo de colonização portuguesa consolidou-se a singularidade de
uma cultura jurídica que reproduziu historicamente as condições contraditórias da retórica
formalista liberal e do conservadorismo de práticas burocrático-patrimonialistas. A dinâmica
dessa junção resultou nos horizontes ideológicos de uma tradição legal - quer seja em suas
idéias, quer em suas instituições - marcada por um perfil liberal-conservador. Sublinhando
essa perspectiva, importa situá-la, teoricamente, em três momentos da cultura jurídica
nacional, configurados no desenvolvimento institucional do "Direito Público", no espaço
positivado das "instituições privadas" e no cenário das "idéias jusfilosóficas".

4.1. Trajetória sócio-política do Direito Público

A dinâmica histórica do Direito Público nacional tem sua formação autônoma a
partir dos parâmetros institucionais consolidados com a Independência do país. Alguns fatores
mais imediatos podem ser reconhecidos como causas impulsionadoras da doutrina política do
Direito Público emergente desse processo. Dentre elas, a influência das Revoluções Francesa
e Norte-Americana, movimentos do século XVIII que propuseram declarações de filosofias
liberais e individualistas; a vinda da Fanulia Real e a instalação da Corte no Brasil, em face da
ameaça e da invasão napoleônica, abrindo novas direções para a emancipação política e para o
esboço originário de uma consciência nacional;e, finalmente, a eclosão de um exacerbado
nacionalismo aliado à aspiração ardente de independência dos povos latino-americanos.
As idéias e os interesses que, politicamente, dominavam no início do século XIX os
países latino-americanos, fortalecidos pelas guerras de independência, iriam oferecer um campo
propício para o surgimento, no âmbito do Direito Público, de uma doutrina político-jurídica
específica, que demarcava a necessária limitação do poder absolutista das metrópoles européias
e sintetizava a luta lenta, tenaz e histórica do povo periférico, explorado e dominado, em prol de
sua liberdade, emancipação, participação e busca de seus direitos de cidadania.
Tratava-se,

na

verdade,

dos

horizontes

ideológicos

do

chamado

Constitucionalismo, que em seu sentido clássico representava a concepção técnico-formal do

liberalismo político na esfera do Direito. Esta noção, de origem burguesa e que se
universalizava em diferentes experiências históricas, privilegiava a contenção das atividades
dos órgãos estatais nos limites de um Estado de Direito. Naturalmente, o perfil ideológico do
Constitucionalismo, enquanto sustentáculo teórico do Direito Público do período pósindependência, traduziu não só o jogo dos valores institucionais dominantes e as
diversificações de um momento singular da organização político-social, como expressou a
junção notória de algumas diretrizes, como o liberalismo econômico sem a intervenção do
Estado, o dogma da livre iniciativa, a limitação do poder centralizador do governante e a
supremacia dos direitos individuais.1
Como se deixou antever no terceiro capítulo, toda a estrutura sócio-econômica da
sociedade brasileira, ao longo do Império, amparou-se na "monocultura latifundiária" e na
"técnica do trabalho escravo".2 Isso iria refletir-se na construção inicial da ordem políticojurídica do país. Nos marcos delineadores do Direito Público, seus pressupostos liberalconservadores são claramente reproduzidos nos primeiros textos constitucionais pátrios. Um
exame mais atento da Constituição Monárquica de 1824, outorgada pelo próprio Imperador,
pennite assinalar que ela representava não só os intentos do absolutismo real, como,
basicamente, "... os interesses dos grandes proprietários de terras, dos senhores de engenho e
dos latifundiários, que receberam o novo Direito como uma dádiva, sem qualquer sacrifício de
sua parte para conquistá-lo".3
Constata-se a especificidade desse ordenamento constitucional que, em relação
aos demais países latino-americanos, foi o primeiro a ser fixado e sistematizado por um
regime

monárquico.

Seus

fundamentos,

ainda

que

repousassem

fortemente

no

Constitucionalismo francês (Constituição de 1814) não estavam imunes ao liberalismo inglês,
no que aglutinava preceitos que consolidavam uma estrutura de Estado parlamentar, com um
Poder Moderador atribuído ao Imperador, bem como um governo monárquico hereditário,
constitucionalmente representativo. Sedimentava a forma unitária e centralizada de Estado,
dividindo o país em entidades administrativas denominadas de províncias. A divisão clássica
dos poderes também se articulava no funcionamento do Executivo, presidido pelo Imperador
e exercido por um Conselho de Ministros. O Legislativo modelava um bicameralismo
sustentado por Câmara temporária e Senado vitalício. Os direitos políticos eram atribuídos
1

O delineamento da seqüência deste quadro é embasado em reflexões levantadas e já contidas em: WOLKMER,
Antonio C. Constitucionalismo e Direitos Sociais no Brasil. São Paulo: Acadêmica, 1989, p. 28-35.
2
PINTO FERREIRA, Luís. Princípios Gerais do Direito Constitucional Moderno. 5º ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1971, p. 108.
3
LUCAS, Fábio. Conteúdo Social nas Constituições Brasileiras. Belo Horizonte: Faculdade de Ciências
Econômicas da UFMG, 1959, p. 54.

com primazia aos grupos hegemônicos que detinham certo nível de renda. Conseqüentemente,
desvinculava-se do "processo político quase a totalidade da população obreira do país, aqui
compreendendo naturalmente os servos, os escravos, os caixeiros e outros. Igualmente, criouse um complexo processo hierarquizado de eleições através de assembléias, que iam
restringindo paulatinamente o círculo dos cidadãos participantes".4 É natural, nesse aspecto,
que o texto imperial tenha sido incapaz de impulsionar as idéias, fossem elas revolucionárias,
fossem liberais, principalmente no âmbito da cidadania e dos direitos fundamentais.
Politicamente, se o Ato Adicional de 1834 refletiu anseios e disposições mais flexíveis, a Lei
de Interpretação de 1840 restaurou o teor mais conservador da Carta de 1824.
A desagregação da economia agrária e a perda de poder por parte da elite latifundiária
dominante, despojada da propriedade escravista, propiciou o crescimento de concepções
antimonarquistas, favorecendo o clima para a expansão do ideário liberal-conservador, que passou
a valer-se, em certo momento, de diretrizes advindas do positivismo e do republicanismo.
Sob uma perspectiva histórico-política, pode-se nitidamente delinear que, além da
questão abolicionista, de outros fatores institucionais não podem ser olvidados, tais como a
crise militar e o estremecimento das relações entre a Igreja e o Estado, ambos responsáveis
pelo enfraquecimento da monarquia. No entanto, foi a crise econômica uma das razões
principais para o desmantelamento do Império e o surgimento do Estado Liberal Republicano
em 1889. Se, contudo, como assinala Maurício de Albuquerque, "... a mudança na forma de
regime alterou a correlação de forças e a estrutura jurídico-política no interior da formação
social brasileira, [por outro lado] as relações de subordinação com as estruturas dominantes
do Capitalismo Internacional não foram afetadas: o novo Governo declarou que incorporava
os compromissos assumidos com potências estrangeiras e também as dívidas externas do
regime monárquico".5
De qualquer modo, cabe apontar como central, na caracterização das instituições
imperiais, a presença e a preeminência da escravidão (repercutindo principalmente no Direito
Privado) e do Poder Moderador (alcançando doutrinariamente, sobretudo, o Direito Público),
ambas questões que marcaram profundamente as esferas da Sociedade, do Estado e da Justiça.6
Quanto à dinâmica produtiva, convém também assinalar que, enquanto a base
econômica do Império se assentava na produção de cana-de-açúcar, e o monopólio do poder
4

MENDES, Antonio Celso. Filosofia Jurídica no Brasil. São Paulo: Ibrasa; Curitiba: Editora Universitária
Champagnat, 1992, p. 32.
5
ALBUQUERQUE, Manoel Maurício de. Pequena História da Formação Social Brasileira. Rio de Janeiro:
Graal, 1981, p. 514.
6
Cf. DUTRA, Pedro. Literatura Jurídica no Império: Rio de Janeiro: Topbooks, 1992, p. 110.

político se localizava na zona nordestina (compreendendo Bahia e Pernambuco), a
República passou a ter novo produto-chave, o café, que iria deslocar o domínio político
mais para o sul, notadamente para Minas Gerais e São Paulo. A Velha República,
corporificando os interesses do setor agrário-exportador, rompe com práticas de um
feudalismo imperfeito e inacabado, aliado a um incipiente modo de produção escravagista.
A Primeira República, em seus três decênios iniciais, veio representar a emergência da
oligarquia cafeeira e de um republicanismo legal, subordinado e ajustado às condições
político-sociais dos empresários do café.
O arcabouço ideológico do texto constitucional de 1891 expressava valores
assentados na filosofia política republicano-positivista, pautados por procedimentos inerentes
a uma democracia burguesa formal, gerada nos princípios do clássico liberalismo
individualista. Na realidade, a retórica do legalismo federalista, sustentando-se na aparência
de um discurso constitucional e acentuando o povo como detentor único do poder político,
erguia-se como suporte formalizador de uma ordem sócio-econômica que beneficiava
somente segmentos oligárquicos regionais. Em tal contexto, o aparato oficial conferia
"legalidade necessária ao poder hegemônico do Sudeste cafeicultor, sobretudo do seu pólo
dominante, que era São Paulo. Sob a aparência formal de uma igualdade jurídica, na prática, a
autonomia estadual (...) se localizava numa hierarquia dominada pelas desigualdades do
desenvolvimento econômico e financeiro regional e, conseqüentemente, limitando, de fato, o
poder das unidades da Federação".7
A estrutura social sofreu substanciais modificações, na medida em que se dava a
decadência do suporte escravocrata e a ascensão de uma ainda pequena burguesia urbana, que,
sem apoiar-se no mercado interno, valia-se de uma economia agroexportadora. Em
decorrência, o liberalismo político antidemocrático não só beneficiaria os intentos dos grupos
oligárquicos hegemônicos, como, sobretudo, asseguraria que a facção dominante da burguesia
agrária detivesse poder exclusivo até fins da década de 20, sem o incômodo aparecimento de
forças contrárias. Isso, contudo, não descartaria a presença do tenentismo como a mais
significativa reação ao predomínio dos setores agroexportadores, marcada por tipificações que
transcendem a mera contestação liberal-reformista das classes médias.8
As duas primeiras constituições, elaboradas no século XIX (a Constituição
Monárquica de 1824 e a Constituição da República de 1891), foram, portanto, imbuídas
profundamente pela particularidade de um individualismo liberal-conservador, expressando
7
8

ALBUQUERQUE, M. M. Op. cit., p. 518.
WOLKMER, Antonio C. Op. cit., 1989, p. 32.

formas de governabilidade e de representação sem nenhum vínculo com a vontade e com a
participação popular, descartando-se, assim, das regras do jogo, as massas rurais e urbanas.
Na verdade, os fundamentos da prática constitucional incidiam, basicamente, nas
formas clientelísticas de representação política, na conservação rigorosa da grande
propriedade, na defesa desenfreada de um liberalismo econômico, bem como na introdução
"aparente" e "formalista" de direitos civis. A ausência de uma política mais democratizante
do Estatuto republicano de 1891 demonstra que ainda prevalecia a tradicional economia de
fuqdo agrário, e que, conseqüentemente, no campo, "... o latifundiário ainda podia contar com
os processos habituais de controle para assegurar a continuidade de sua dominação".9
Sem sombra de dúvida, os textos constitucionais em questão configuram o
controle político-econômico das oligarquias agroexportadoras, que, enquanto parcelas
detentoras do poder, acabavam impondo seus próprios interesses e moldavam a dinâmica do
Direito Público compreendido entre a Independência do país e o fim da Velha República. Tais
constituições materializaram consensualidades em cujo horizonte sobressaíam a supremacia
de frações definidas da elite dominante e uma ordenação ampla do Estado no sentido de seus
procedimentos burocrático-patrimonialistas.
Parece inconteste, entretanto, que em dado momento da evolução republicana,
ainda na primeira metade deste século, determinadas forças emergentes insatisfeitas
procuraram reagir à máquina político-jurídica da oligarquia cafeeira antinacionalista,
advogando objetivos vinculados às mudanças das instituições e ao desenvolvimento
econômico-industrial, numa clara estratégia por um certo tipo de modernização conservadora.
Isso se explica tendo em conta as profundas e intensas contradições nas relações entre a
estrutura rígida do poder e a estrutura dinâmica da sociedade, que se rompem ao longo dos
anos 20, acabando por instaurar a via que conduziria à crise da Velha República. Os
delineamentos de tais impasses advêm do aparecimento de reivindicações identificadas aos
novos atores, dentre os quais as massas urbanas associadas à principiante atividade fabril e às
pressões de núcleos oligárquicos dissidentes que propugnavam a imediata industrialização e a
modernização das instituições políticas.
O colapso da economia agroexportadora e a falência das instituições da Velha
República, inseridos num cenário conflitivo interagido pela participação de diferentes atores,
pelas propostas antagônicas de mudanças e inovações, pelas cisões nas antigas lideranças e
recomposição de alianças, definiram um quadro político marcado pela incapacidade de

9

LOPEZ, Luiz Roberto. História do Brasil Contemporâneo. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1980, p. 23.

qualquer um dos setores em confronto sobrepor-se aos demais.10 Como resultado dessa
disjunção, o processo histórico se articularia através de singularidade própria, capaz de
reordenar as forças sociais em confronto, dando legitimidade à estrutura de poder. Tratava-se
da entrada em cena do Estado, de um Estado que não deixava de ser oligárquico. Assim,
frente à inércia dos segmentos hegemônicos dissidentes e de uma sociedade fragmentada
pelos poderes regionais, o Estado acabou projetando-se para ocupar o vazio existente, como o
"único sujeito político" apto a unificar, nacionalmente, a sociedade burguesa e de fomentar o
moderno arranque do desenvolvimento industrial.11
É nesse espaço institucional que se verifica a referência de Luiz Werneck Vianna,
acerca da enorme distância existente entre um Brasil real e um Brasil legal, entre a abstração
ideal e a realidade concreta da legislação, entre "um regime constitucional ostensivo e um
regime constitucional concreto".12 Ademais, a ordem jurídica liberal da época decorria, para
Luiz W. Vianna, "... de uma construção arbitrária do legislador, inadequada à tessitura
particular das relações sociais na sociedade. Convinha, então, repensar o universo
constitucional de modo que os níveis legal e real pudessem confluir. A iniciativa de recuperar
a verdadeira trama por detrás da fachada arbitrária legal, bem como a encurtar o espaço entre
a concepção da lei e a sociedade concreta, caberiam ao Estado".13
De fato, nessa historicidade torna-se mais fácil compreender a dimensão política,
e sobretudo social, do Direito Público centrado na doutrina do Constitucionalismo.
Efetivamente, o Constitucionalismo brasileiro, quer em sua primeira fase política
(representado pelas Constituições de 1824 e 1891), quer em sua etapa social posterior
(Constituição de 1934), expressou muito mais os intentos de regulamentação das elites
agrárias locais do que propriamente a autenticidade de movimento nascido das lutas populares
por cidadania ou mesmo de avanços alcançados por uma burguesia nacional constituída no
interregno de espaços democráticos. As demais constituições brasileiras (1937, 1946, 1967 e
1969) representaram sempre um Constitucionalismo de base não-democrática (no sentido
popular), sem a plenitude da participação do povo, utilizado muito mais como instrumental
retórico de uma legalidade individualista, formalista e programática.
A Constituição de 1934, conseqüência da Revolução de 30 e refletindo uma época
de mudanças sócio-econômicas, caracterizou-se por ser um pacto político híbrido, sem
unidade ideológica que, através de seus pressupostos herdados da Carta Mexicana de 1917 e
10

Cf. WOLKMER, Antonio C. Op. cit., 1989, p. 34.
Cf. WOLKMER, Antonio C. Elementos Para Uma Crítica do Estado. Porto Alegre: Sergio Fabris, 1990, p. 48.
12
VIANNA, Luiz Werneck. Liberalismo e Sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: paz e Terra, 1978, p. 109.
13
Idem, Ibidem.
11

da Lei Fundamental de Weimer (1919) introduziu, pela primeira vez, os postulados do
Constitucionalismo social no país. Sua especificidade não resultou em ser necessária e
espontânea, mas em projetar-se como "compromisso" estratégico, manobra política e
imposição de um Estado oligárquico-patrimonialista com pretensões de modernização.
Certamente que o Texto de 1934 permitiria a presença de uma série de reformulações ao
Constitucionalismo liberal-individualista de 1891. Ainda que conservassem os quadros do
federalismo regionalista e elitista, procurou-se, no entanto, delimitar parte das extrapolações
de um presidencialismo "caudilhesco". Num bicameralismo disfarçado, atribuiu-se à Câmara
dos Deputados o exercício efetivo do Legislativo, transformando o Senado Federal em
simples poder colaborador. Pela primeira vez, a Câmara dos Deputados era composta não só
por representantes do povo - eleitos diretamente -, mas surgia a chamada representação
profissional, eleita indiretamente mediante associações profissionais. Introduzia-se a Justiça
Eleitoral no Poder Judiciário, que inovava com o voto feminino. Além dos direitos políticos e
da declaração burguesa de direitos individuais, instituíram-se direitos econômicos e sociais,
em que a Justiça do Trabalho surgia para dirimir, paternalisticamente, conflitos coletivos, e
para manipular quase toda a atividade sindical. Na verdade, com relação ao seu tão decantado
avanço, tal legislação social chegou como instrumento para aparar os choques entre classes.
No dizer de Fábio Lucas, essa "legislação elaborada pelos proprietários realiza o jogo tático
destes, pois agrada o trabalhador sem dar-lhe a participação que lhe deveria caber na riqueza e
na fortuna nacional. (...) A conclusão a que chegamos é que em 1934 tivemos uma grande
reforma da fachada, renovação integral da pintura, embora a estrutura do prédio permanecesse
inabalável".14 Prosseguindo, a Constituição de 1937, inspirada no Fascismo europeu, instituiu
o autoritarismo corporativista do Estado Novo e implantou uma ditadura do Executivo (todos
os poderes concentrados nas mãos do presidente da República) que se permitia legislar por
decretosleis e reduzir arbitrariamente a função do Congresso Nacional, bem como dirigir a
economia do país, intervir nas organizações sociais, partidárias e representativas, além de
restringir a prática efetiva e plena dos direitos dos cidadãos. O texto político-jurídico de 1946,
por sua vez, restabeleceu a democracia formal representativa, a independência aparente dos
poderes, a autonomia relativa das unidades federativas e a garantia dos direitos civis
fundamentais. Essa Constituição do pós-guerra polarizou as principais forças políticas da
época no sentido de um arranjo burguês nacionalista entre forças conservadoras e grupos
liberais reformistas.
14

LUCAS, Fábio. Conteúdo Social nas Constituições Brasileiras. Belo Horizonte: Faculdade de Ciências
Econômicas da Universidade de Minas Gerais, 1959, p. 67-71.

As diretrizes que alimentaram o Direito Público, na década de 60, foram geradas
pelas cartas constitucionais centralizadoras, arbitrárias.e antidemocráticas (1967 e 1969), cuja
particularidade foi reproduzir a aliança conservadora da burguesia agrária/industrial com
parcelas emergentes de uma tecnoburocracia civil e militar.
A tradição de nosso Constitucionalismo, portanto, primou sempre por formalizar
toda a realidade viva da nação, adequando-a a textos político-jurídicos estanques, plenos de
ideais e princípios meramente programáticos. Em regra, as constituições brasileiras recheadas
de abstrações racionais não apenas abafaram as manifestações coletivas, como também não
refletiram as aspirações e necessidades mais imediatas da sociedade. Embora exista a
possibilidade de se admitir que a Constituição de 1988 não escape totalmente desse
enquadramento apriorístico e racional, há de se reconhecer certos avanços que aproximam mais
diretamente suas 315 disposições normativas com o momento histórico e a realidade social
existente no país. Aliás, seu retrato igualmente liberal, formalista e vulnerável não inviabiliza
um alcance múltiplo: afinal, tanto serve "à legitimação da vontade das elites e à preservação do
status quo", quanto "poderá representar um instrumento de efetiva modernização da sociedade",
pois, além de consagrar mecanismos da democracia direta e de maior participação e autonomia
municipal,

novos

direitos

comunitários

foram

previstos,

principalmente

aqueles

instrumentalizados pela figura inovadora dos sujeitos sociais, como entidades sindicais,
associações civis etc.15 Ainda que possa ser acusada de um texto analítico, demasiadamente
minucioso e detalhista, a Constituição de 1988, mais do que em qualquer outro momento da
história brasileira, - além de ter contribuído para enterrar a longa etapa de autoritarismo e
repressão do golpismo militarista -, expressou importantes avanços da sociedade civil e
materializou a consagração de direitos alcançados pela participação de movimentos sociais
organizados. Entretanto, todo esse esforço articulado de múltiplos segmentos sociais começou a
ser minimizado e desconsiderado na metade dos anos 90, quando forças conservadoras da elite
nacional - apoiada na onda neoliberal de prevalência absoluta do mercado e nas mudanças
mundiais

configuradas

pela

globalização

da

economia

-

desencadearam

ações

privativistas/reformistas que tanto objetivaram obstaculizar e enfraquecer os direitos de
cidadania, quanto deflagrar uma precipitada e oportunista "reforma constitucional".
Nessa perspectiva, a atual Constituição é atingida profundamente por restrições na
área social, por fluxos de desmobilização que sacodem a sociedade civil e por diretrizes que
conduzem à supressão do espaço político da cidadania. Isso porque, seguindo a tradição

15

Cf. CARRION, Eduardo K. "A Nova Constituição (II)". DS Porto Alegre, 10.11.1989.

institucional de nosso capitalismo periférico liberal-individualista, a democracia aparece sob a
forma de concessão, não deixando de ser, mais uma vez, controlada. Ora, vê-se, assim, de um
lado, uma democracia manipulada pelo poder econômico das elites dominantes, refletindo a
presente derrocada e insuficiência das forças progressistas; de outro, a cantilena de um
discurso neoliberal, que, operacionalizado pelos segmentos reacionários, reintroduz
hegemonicamente novos valores, categorias e concepções de mundo.16
Antes de encerrar a contextualização histórico-crítica do Direito Público, interessa
introduzir, ainda que de forma sucinta, alguns dos principais agentes que interpretaram e
reproduziram as verdades oficiais na instância do publicismo jurídico. De fato, a trajetória
histórica das idéias e das instituições de Direito Público (aqui englobando as áreas do
Constitucional, Administrativo, Penal e do Trabalho) foi, em muito, construída pelo
alargamento teórico de alguns publicistas (conservadores e liberais, monarquistas e
republicanos, positivistas e ecléticos), identificados com a cultura jurídica dominante ao longo
dos séculos XIX e XX, como o atestam, entre outros, Bernardo Pereira de Vasconcelos (17951850); Zacharias Goes e Vasconcellos (1815-1877); Henrique de Souza Braz Florentino; José
Antonio Pimenta Bueno (1804-1878); Paulino José Soares de Souza, o Visconde do Uruguai
(1807-1866); Rui Barbosa (1849-1923); Francisco José de Oliveira Viana (1883-1951);
Francisco Campos (1891-1968); Nélson Hungria; Antonio de Cesarino Júnior, Santiago
Dantas, Afonso Arinos de Melo Franco e . Paulo Bonavides.
A conclusão que se pode extrair da evolução do Direito Público, caracterizado,
nessa reflexão, basicamente pelas principais constituições do Brasil, é que ele foi marcado
ideologicamente por urna doutrina de nítido perfil liberal-conservador, calcada numa lógica
de ação atravessada por temas muito relevantes para as elites hegemônicas, tais como a
conciliação e o reformismo. O processo histórico nacional evidencia que as instâncias do
Direito Público jamais foram resultantes de urna sociedade democrática e de urna cidadania
participativa, pois a evolução destas foi fragmentária, ambígua e individualista, além de
permanecerem sujeitas a constantes rupturas, escamoteamentos e desvios institucionais.
Em suma, a falta de tradição verdadeiramente democrática nos liames do que se
convencionou chamar de "liberalismo burguês" fez com que inexistisse - na evolução das
instituições do país - a consolidação e a constância de um Constitucionalismo de base
popular-burguesa, pois, tanto o político quanto o social foram sempre construções
momentâneas e inacabadas das oligarquias agrárias. Como já se assinalou em outro
16

Cf. LACERDA, Antonia Denise. Os Direitos Sociais e o Direito Constitucional Brasileiro. Dissertação de
Mestrado em Direito. Florian6polis: CPGD/UFSC, 1995, p. 79-80, 87-92.

contexto,17 o Constitucionalismo brasileiro nunca deixou de ser o contínuo produto da
"conciliação-compromisso" entre o patrimonialismo autoritário modernizante e o liberalismo
burguês conservador.

4.2. As instituições privadas e a tradição jurídica individualista

Além

do

inventário

do

Direito

Público,

projetado

na

doutrina

do

Constitucionalismo, apura-se outro momento da cultura jurídica nacional, relacionado com as
instituições de Direito Privado. Ao adentrarse pela radiografia da legislação privada, constatase sua identificação com a retórica liberal-individualista e com o formalismo discriminador
das preceituações normativas que imperam sobre uma sociedade odiosamente estratificada.
Numa estrutura agrária e escravocrata, como a brasileira do século XIX, não havia
lugar para o abrigo de concepções avançadas na esfera do Direito Privado. Como atenta
Mercadante, enquanto a ordem privatista inviabilizava sua adequação à realidade social, o
Direito Público era alimentado por doutrinadores e publicistas simpatizantes da tripartição dos
poderes e de idéias originadas de Montesquieu e Benjamin Constant.18 Ainda que cingido
pelo monopólio do Poder Moderador e limitado pelas demasiadas prerrogativas do Estado
frente às tênues práticas de direitos do cidadão, inconteste foi o avanço do Direito Público se
comparado com a legislação civil denegri da gravemente pela escravidão.19 Na verdade, os
influxos da legislação napoleônica alcançou o Brasil, mas de forma comedida, a tal ponto que
os "expositores franceses do Código Civil e o próprio Savigny eram estranhos à maioria dos
estudiosos. Aqueles doutrinadores amedrontavam a sociedade escravocrata, que repelia a
introdução de normas modernas no âmbito do Direito Privado, incumbido de regular as
relações internas de produção".20 Dentro desse contexto, Mercadante adverte sobre a
pertinente e necessária proposta conciliatória expressa pelo dualismo do Direito Privado, que
deixa de lado a institucionalização do Código Civil e privilegia a promulgação da legislação
comercial. Enquanto o país independente implementa sua legislação constitucional, penal,
processual e mercantil no período que se instaura com a emancipação política de 1822, sua
regulamentação civil seria norteada pelas ordenações, leis e jurisprudências portuguesas.21
17

Cf. WOLKMER, Antonio C. Op. cit., 1989, p. 35.
Cf. MERCADANTE, Paulo. A Consciência Conservadora no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1972, p. 171.
19
Cf. DUTRA, Pedro. Literatura Jurídica no Império. Rio de Janeiro: Topbooks, 1992, p. 103; MERCADANTE,
Paulo. Op. cit., 1972, p. 134.
20
Cf. MERCADANTE, Paulo. Op. cit., p. 134.
21
Cf. MERCADANTE, Paulo. Op. cit., p. 125.
18

Certamente a legislação comercial, implementada pelo esforço de José da Silva
Lisboa e inspirada nos princípios do liberalismo econômico europeu e nas diretrizes da
codificação napoleônica, não ficava restrita tão-somente a disciplinar as práticas do comércio
em geral. Sua esfera de incidência ampliava-se e cobria atos da vida civil nem sempre
caracterizados pela intervenção específica de comerciantes. Havia, portanto, nesse alargamento,
demasiada valoração de suas normas, bem mais do que elas proclamavam. Como conseqüência
inevitável, a legislação mercantil alcançava o âmbito "das indústrias manufatureiras, de
transporte, e outros auxiliares do comércio. Invadia, ademais, território do Direito Civil, e
introduzia no texto desse diploma a parte geral relativa a obrigações e contratos, mandato,
locação, hipoteca, autênticos institutos de Direito Civil, o que levaria Teixeira de Freitas a
declarar que o Código exorbitara e que os seus redatores tudo mercantilizaram".22 É inegável
que a duplicidade das leis na esfera privada e a passividade do legislador com relação ao
instituto da escravidão encontravam firme guarida nas elites agrárias, que admitiam adaptações
legislativas e introjeções liberais, desde que não modificassem as relações de produção.
Na adequada observação de Pedro Outra, o problema do escravismo era encarado
como legado dos colonizadores lusos, tornando-o manifestação histórica de nosso meio
social. Isso inviabilizava a promoção de desenvolvimento do país, pois enquanto a Europa
atravessava a Revolução Industrial, aqui, economicamente, o braço escravo ditava o modo de
produção da riqueza, assim como, socialmente, a questão servil danava a cultura e repercutia
nefastamente nos mais diversos setores da sociedade.23
Somente em 1855 é que o governo imperial incumbiu o jurista Teixeira de Freitas
de preparar a consolidação de nossas leis civis. Ainda que avesso à duplicidade das relações
de produção do domínio e adversário do escravismo, o maior privativista brasileiro do século
XIX montou um projeto de Código Civil de grande rigor sistemático, que ao longo de seus
mais de 1.300 artigos, aglutinava um texto de preceituações comuns ao Direito Civil e
Comercial. Embora tenha pugnado pela unicidade do Direito Privado, defendeu a precedência
das regras civis sobre as comerciais, mas não conseguiu adequar as idéias liberais com o
escravismo. Considerado repugnante e vergonhoso para a constituição de nossa cultura, o
problema da escravidão passou em silêncio, sendo propositadamente deixado de lado, ou seja,
simplesmente foi classificado à parte em seu projeto final. Em nenhum momento de seus
artigos iria figurar a regulamentação sobre a condição do escravo.24
22

MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1972, p. 135-136.
Cf. DUTRA, Pedro. Op. cit., p. 104.
24
Cf. MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1972, p. 177; MENDES, Antonio Celso. Op.cit., p. 45-46; REALE, Miguel.
Horizontes do Direito e da História. São Paulo: Saraiva, 1977, p. 173; GRINBERG, Keila. Op. cit, p. 47-58.
23

Mesmo que não tenha sido aproveitado, o Esboço, tido como arrojado por muitos,
abriu caminho e foi decisivo para o projeto definitivo de Clóvis Beviláqua, senão ainda
tomou-se a base sul-americana de codificações, inspirando "Velez Sarsfield na redação do
Código Civil argentino e alcançando o Uruguai, o Paraguai, estendendo-se ainda por toda a
região influenciada por Andrés Bello, sobretudo o Chile. Tratava-se de nações que haviam
abolido a escravidão e por conseguinte podiam sentir a repercussão das idéias mais avançadas
no campo do Direito Privado".25 Neste sentido, pode-se dizer que a historicidade brasileira
não foi diferente, pois foi com a abolição do sistema escravocrata e com o advento do regime
republicano que se concretizou, de vez, a extinção das Ordenações.26
Herdeiro dos estudos e das contribuições inacabadas efetivadas pela
jurisprudência imperial, o projeto de Clóvis Beviláqua, elaborado em 1899, só foi promulgado
em 1916, passando a vigorar um ano após.
Influenciado pelo Código Civil alemão de 189627 (que entrou em vigência no dia 1
de janeiro de 1900), sua aprovação passou por inúmeras discussões na Câmara e no Senado da
República, o que não impediu de aproveitar toda a "rica tradição doutrinária nacional, sobretudo
(...) as contribuições de Teixeira de Freitas, cuja idéia de unificação do Direito Privado não foi,
porém, acolhida".28 Impunha-se a orientação conciliadora do legislador pátrio de adaptar as
inovações com as tradições, de adequar seus dispositivos com as novas exigências da realidade
social brasileira; além do que, o germanismo inspiraria a distribuição das matérias, ganhando
força, na esfera da fanu1ia, a pessoa individual; "no direito das coisas, a idéia da propriedade;
no direito das obrigações, a idéia de crédito; no das sucessões, a transmissão hereditária dos
bens. O primado da pessoa como critério de classificação atendia já às novas condições de
produção resultantes do fim da escravatura".29 Ora, esse ímpeto "nem sempre bem sucedido de
se livrar do passado e inaugurar instituições novas"30 encontrava sustentação no ideário liberalindividualista e na tentativa de adequar determinados institutos econômicos a uma sociedade
constituída pela aliança de oligarquias agrárias.
25

MERCADANTE, Paulo. Op. cit, 1972, p. 183. Constatar igualmente: MERCADANTE, Paulo. Militares &
Civis: A Ética e o Compromisso. Rio de Janeiro: Zahar, 1978, p. 136-137; NASCIMENTO, Walter Vieira do.
Lições de História do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p. 240-241; VALLADÃO, Haroldo. História
do Direito, Especialmente do Direito Brasileiro. 4.00. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1980, p. 143-153.
26
Cf. MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1972, p. 182.
27
Sobre a formação e as fontes do Código Civil brasileiro, uma das análises mais completas é a de PONTES DE
MIRANDA, F.C. Fontes e Evolução do Direito Civil Brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1981, p. 1-96.
Também observar: CHACON, Vamireh. Da Escola do Recife ao Código Civil. Rio de Janeiro: Simões, 1969;
GOMES, Orlando. Raízes Históricas e Sociológicas do Código Civil Brasileiro. Salvador: Livraria
Progresso/Universidade da Bahia, 1958, p. 18-67.
28
REALE, Miguel. Op. cit., p. 190.
29
MERCADANTE, Paulo. Op. cit., 1972, p. 137.
30
PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução Política do Brasil. 12. ed. São Paulo: Brasiliense, 1980, p. 197.

Sem desconsiderar o valor e o avanço do processo de codificação em relação ao
anacronismo da legislação portuguesa até então dominante, o Código Civil reproduz em muito
as condições sócio-econômicas do final do século XIX. As características do novo Código
estavam mais próximas de um perfil conservador do que inovador, em razão da ênfase muito
maior atribuída ao patrimônio privado do que realmente às pessoas, admitindo um pátrio
poder rigoroso, que foi diminuído posteriormente com a gradativa concessão de outros
direitos à esposa.31 De qualquer modo, como comenta Antônio Mendes, a legislação civil que
reproduzia as situações históricas da época, condições que permaneceram até os dias atuais,
manteve inalterados os privilégios jurídicos da burguesia agrária, não se adentrando na
regulamentação de avanços efetivados no âmbito principalmente de direitos de natureza
política e social.32
Certamente o Direito Civil brasileiro, tendo suas raízes no velho Direito
metropolitano, que o Império transformou e, em parte, materializou, seria pouco eficaz e
fracassaria em inúmeras questões essenciais. Além desse demasiado apego dos juristas pátrios
ao passado, escondidos sob o manto de uma retórica artificial e de conhecimentos abstratos,
estes não levaram em conta as necessidades reais e nem sempre conseguiram visualizar
corretamente a diversidade e a particularidade das condições brasileiras. 33 Oportuno é trazer
Caio Prado Júnior, que foi quem pontificou pertinentemente sobre tal cenário legislativo
inaplicável e distante das peculiaridades do país diante do imobilismo geral das instituições
sociais. Tem-se, assim, em muitos setores institucionais, um Direito vazio e inoperante,
favorecendo uma ausência de regulamentação jurídica para muitas situações específicas. Um
caso ilustrativo e mais flagrante "é talvez o regime de terras, tão importante num país agrícola
e na maior parte ainda deserto, e que disto nunca foi devidamente tratado nas leis brasileiras.
31

CHACON, Vamireh. Op. cit., p. 177.
Cf. MENDES, Antonio Celso. Op. cit., p. 64. Assinala igualmente Orlando Gomes que, se sob o aspecto da
técnica jurídica aclamou-se a excelência do Código Civil "como obra concisa, de linguagem escorreita, notável
em segurança e precisão", já de outro representou a "sistematização de um Direito da Civilização urbana, mal
adequado às condições de vida do interior do país, (...) tanto econômica como política e socialmente. (...) Em
todo o curso de sua elaboração, nos longos anos em que se arrastou no Congresso Nacional, o Código Civil não
foi acusado, em tempo algum, de ter descurado a questão social. No Brasil daquele tempo não havia clima para
crítica dessa natureza". Orlando Gomes assevera que Clóvis Beviláqua não desconhecia o "desencadeamento da
reação ao individualismo jurídico".
Assumindo "de modo nítido e firme, posição categórica contra as inovações de fundo social que se infiltravam,
desde então, na legislação dos povos mais adiantados. Estava convencido de que as ,,novas formações não
possuíam substantividade, não se lhes devendo injetetar seiva, para que se não processasse uma intervenção funesta
na economia da vida social. Conhecia, portanto, o movimento incipiente de revisão do Direito Privado, mas as
condições sociais do país, seu atraso econômico e a distribuição de sua riqueza, não ensejavam sua assimilação. Por
mais esclarecido que fosse seu pensamento de professor de legislação comparada, não seria possível superar as
limitações do meio". In: Introdução ao Direito Civil. 3ª ed., Rio de Janeiro: Forense, 1971, pp. 84-86.
33
Cf. PRADO JÚNIOR, Caio. Op. cit., p. 197; MENDES, Antonio Celso. Op. cit., p. 55; GOMES, Orlando. Op.
cit., 1958, p. 39-66.
32

O que sempre tivemos na matéria foi copiado de legislações européias, onde naturalmente a
situação é inteiramente outra. A única tentativa séria de regulamentação da propriedade
fundiária no Brasil (a Lei de Terras de 1850) nunca foi efetivamente executada. Somente uma
pequena fração do território brasileiro (...) encontra-se regularmente inscrita e registrada; e
basta para verificá-lo consultar a longa lista de processos e litígios em torno de questões de
terras. Esse é apenas um exemplo, entre muitos outros, para ilustrar as falhas da elaboração
jurídica do Império".34
O mapeamento da historicidade do Direito nacional cobre não só sua legislação,
instituições e idéias, mas também seus principais vultos, responsáveis por engendrar e
reproduzir uma certa especificidade de cultura jurídica no país. Tendo em vista que muitos já
se ocuparam de analisar mais pormenorizadamente a vida e a obra dos chamados "grandes
juristas" do Direito Oficial,35 e não ser tema aqui privilegiado, cabe, tão-somente, mencionar
algumas figuras ilustrativas. Mister é, assim, reconhecer as contribuições que vão desde
Augusto Teixeira de Freitas (1816-1883), certamente o maior civilista brasileiro do século
XIX e que "lançou as bases de nosso Direito Privado", até o nome de José Antonio Pimenta
Bueno (1804-1878), mais tarde Marquês de São Vicente, a principal expressão do Direito
Público do Império, mas que também enveredou, com competência, para as áreas do Direito
Processual Civil e do Direito Internacional Privado.36 Ao lado destes, os privativistas como
José Antonio Souza Lisboa, o Visconde de Cairu, expoente da prática jurídico-mercantil e
divulgador das idéias de Adam Smith; Francisco Paula Batista (1811-1881), com
contribuições para o processo civil e para a hermenêutica jurídica; Cândido Mendes de
Almeida (1818-1881), investigador das ordenações coloniais e doutrinador erudito, profundo
conhecedor da legislação filipina e canônica; Lafayette Rodrigues Pereira (1834-1917), um
dos mais renomados jurisconsultos do século XIX, grande intérprete do Direito de Família e
do Direito das Coisas; Clóvis Beviláqua (1859-1944), renovador do Direito brasileiro, autor
do projeto do Código Civil de 1916 e um dos mais completos jurisconsultos da Escola do
Recife; Francisco Cavalcanti Pontes de Miranda (18921979), possivelmente a maior
expressão do Direito brasileiro neste século, jurista eclético que, em seus inúmeros, densos e
sólidos tratados, discorreu com brilhantismo sobre Direito Privado, Direito Constitucional,
34

PRADO JÚNIOR, Caio. Op. cit., p. 197-198.
Consultar, a propósito: SILVA, Justino Adriano Farias da. Pequeno Opúsculo sobre a Vida e Obra de Pontes
de Miranda. Porto Alegre: EST, 1981; LIMA, Hermes. Tobias Barreto: A Época e o Homem. 2. ed. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 1957; DUTRA, Pedro. Literatura Jurídica no Império. Rio de Janeiro: Topbooks,
1992; MEIRA, Silvio. Teixeira de Freitas: O Jurisconsulto do Império - Vida e Obra. Brasília: 1983; VIANA
FILHO, Luiz. A Vida de Rui Barbosa, 6. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1960; REALE, Miguel.
Figuras da Inteligência Brasileira. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.
36
Cf. REALE, Miguel. Op. cit., p. 173; Idem, Figuras da Inteligência Brasileira. Op. cit., p. 34.
35

Processual, Filosofia e Sociologia Jurídicas; J. X. Carvalho de Mendonça, vulto maior que
modernizou e desenvolveu o Direito Mercantil na primeira República; Orlando Gomes
(19091988), consagrado professor, consultor jurídico e civilista que se empenhou sempre pela
crítica e pela renovação de temas da dogmática legal.37
Não obstante haver conquistado um Direito nacional e codificado, a República
consolidou um modelo privatista de legalidade não muito diverso do período imperial no que
se refere ao alheamento de suas normas às condições histórico-sociais e às reais necessidades
de sua população. A ordem jurídica positiva republicana, por demais individualista,
ritualizada e dogmática em suas diretrizes ordenadoras, quase nunca traduziu as profundas
aspirações e intentos do todo social. Na verdade, tanto a legislação privada quanto as políticas
públicas impostas por um Estado oligárquico e autoritário não conseguiram, na trajetória deste
século, enfrentar e solucionar adequadamente as agudas questões estruturais da sociedade no
Brasil, como a concentração da riqueza nas mãos de poucos, as abissais desigualdades sociais
e a crescente exclusão da moradia e da posse da terra para milhões de pessoas.
Fonte de um dos maiores conflitos contemporâneos de ordem privada, a luta pela
posse, uso e distribuição da terra se efetiva no contexto de uma estrutura agrária, de
privilégios e injustiças, assentada na dominação política autoritária e clientelística, nos
intentos capitalistas especulativos e discriminadores, e na produção de legalidade oficial
comprometida com os interesses das tradicionais elites agrárias. Temos assim toda uma
legislação positivo-dogmática, marcada pela tradição individualista de proteção e de
conservação do Direito de Propriedade (art. 524, do Código Civil Brasileiro) que acaba
reservando para um plano indireto, suplementar e secundário, o Direito da Posse (art. 485, do
Código Civil Brasileiro). Esse caráter subordinativo da posse à propriedade permite entender
que, ainda que não a exerça diretamente, o proprietário tem sido sempre, obrigatoriamente, o
possuidor, podendo reaver a coisa quando for privado de sua posse mediante ações de
reintegração, previstas no próprio art. 524 do Código Civil Brasileiro. Vê-se, dessa forma, que
a posse, de natureza dinâmica e socialmente evolutiva, é restringida e colocada como
decorrência de um patrimônio configurado por uma abstração legal disposta estatisticamente
no Texto de 1916.38

37

Observar: DUTRA, Pedro. Op. cit., p. 53-57, 64-70,75-80 e 82-83; MENDES, Antonio Celso. Op. cit., p. 4346, 62-65 e 81-85; REALE, Miguel. Op. cit., 1977, p. 172-200.
38
WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo Jurídico - Fundamentos de uma Nova Cultura no Direito. São
Paulo: Alfa-Omega, 1994, p. 94-95. A propósito, cabe lembrar que, mesmo excluindo da presente descrição a
discussão acerca dos trabalhos técnicos e das possíveis inovações temáticas (Direito de Família, por exemplo),
está tramitando no Congresso Nacional, há mais de 14 anos, o projeto do novo Código Civil Brasileiro.

Com efeito, todo fundamento desse modelo jurídico liberal-conservador, montado
no início do século para assegurar e proteger os interesses da oligarquia rural, veio privilegiar,
de modo exclusivo, inatacável e absoluto, o Direito Individual de propriedade.
Enfim, em que pesem as profundas e céleres mudanças vivenciadas pela
sociedade brasileira na virada do século XX, basta o exame atento das fontes históricas, da
evolução e da aplicação dos dispositivos do Código Civil, engendrado no ideário da segunda
metade do século XIX e ainda em plena vigência, para se ter com muita clareza um perfil
ideológico e o grau de comprometimento do Direito Privado como um todo. De fato, sua
filosofia tem reproduzido até hoje, de um lado, os princípios do individualismo burguês
advindos da moderna cultura jurídica européia; de outro, o legado colonial de práticas
institucionais burocrático-patrimonialistas que apenas têm favorecido a garantia e a proteção
de bens patrimoniais, deixando de contemplar e resolver os conflitos sociais de massa. Os
limites, o artificialismo e a pouca funcionalidade desse sistema de legalidade formalista e
conservador propiciam as condições favoráveis para a seqüência de confrontos intermináveis
e os horizontes de ruptura com os procedimentos da justiça oficial e estatal. Daí a premência
de se definir novo quadro de auto-regulamentação emanado da e pela própria sociedade.

4.3. Historicidade e natureza do pensamento jusfilosófico nacional

No contexto inicial da colonização e da exploração das riquezas, não houve lugar
para qualquer elaboração de idéias originais, pois toda e qualquer produção teórica ficou
reduzida à propagação missionária e à repetição dos ensinamentos evangélicos, mediatizados
e impostos pelos jesuítas. No mimetismo sacralizado que marcaria os primeiros séculos da
colonização, não comporta registrar uma teoria jurídica secularizada, pois toda concepção
sobre lei, direito e justiça restringia-se às diretrizes ético-religiosas da Igreja Católica, que
refletia um jusnaturalismo tomista-escolástico.
Aponta-se que os primórdios de um trabalho de cunho jusfilosófico, no Brasil,
teria aparecido somente no século XVIII, de autoria do poeta inconfidente de nacionalidade
portuguesa Tomás Antonio Gonzaga (1744-1809). Mas, ao contrário do que se poderia
esperar de um intelectual afinado com certas concepções iluministas, republicanas e liberais,
seu Tratado de Direito Natural, ao refletir, sem muita originalidade de pensamento,

prêssupostos identificados com o jusnaturalismo de inspiração teológica, destinava-se
claramente a não desagradar os meios culturais dominantes na Metrópole.39
Não ocorreram profundas alterações nessa direção do idealismo jusnaturalista
inaugurado por Tomás A. Gonzaga, mesmo depois da Independência do país e da criação, por
D. Pedro I, das duas Faculdades de Direito - a de Olinda (depois Recife) e a de São Paulo. O
que se pode aventar é que o jusnaturalismo foi incorporando, ao longo do século XIX, certos
matizes do racionalismo Iluminista e do individualismo liberal. Durante o Império, a estrutura
ideológica da sociedade brasileira continuou fundada na monocultura latifundiária, no
trabalho escravo e na especificidade institucional de uma monarquia hereditária. Além do que,
a elite intelectual adotou entusiasticamente um sistema filosófico eclético advindo do
historicismo espiritualista francês. Com efeito, o ecletismo se constituiu, como bem diz Luiz
Washington Vita, na principal e na melhor sistematização do pensamento brasileiro em
grande parte do século XIX, "representado por MontAlverne, Gonçalves de Magalhães,
Ferreira França, Morais e Vale e Antonio Pedro de Figueiredo, inspirados em maior ou menor
grau por Victor Cousin, que pretendia conciliar, num sistema pouco definido, o que julgava
verdadeiro em todos os sistemas, considerados como manifestações parciais de uma verdade
única e mais ampla. Nesse sentido, é o ecletismo uma reunião de teses conciliáveis tomadas
de diferentes sistemas de Filosofia, e que são justapostas, deixando de lado, pura e
simplesmente, as partes não-conciliáveis destes sistemas. (...) Portanto, o ecletismo foi a
Filosofia oficial no Brasil entre 1840 e 1880, numa tentativa de hegemonia filosófica única
em toda a nossa história das idéias".40 Reconhece igualmente Antonio Paim que essa opção
pela Filosofia de Victor Cousin não se deve, "pura e simplesmente, pela ausência de tradição
filosófica (...), ou seja, nada teve de fortuita, mas resultou de uma escolha consciente de parte

39

Cf. MACHADO NETO, A. L. História das Idéias Jurídicas no Brasil. São Paulo: Grijabo/EDUSP, 1969, p. 1518. Oportuno é ainda transcrever as observações feitas por Paulo Nader acerca do primeiro lente de filosofia
jurídica na Academia de São Paulo, logo após sua criação: "Se em nossa área de estudo a primeira obra de autor
radicado no Brasil pertenceu a um escritor luso - Tomás Antonio Gonzaga -, há dois séculos, também daquela
nacionalidade foi o nosso primeiro professor de Direito: José Maria de Avelar Brotero (1798-1878), que, por
decreto de 12 de outubro de 1827, foi nomeado pelo Imperador para reger a cátedra de Direito Natural da recémcriada Faculdade de Direito de São Paulo, cabendo-lhe a honra de proferir a aula inaugural dos cursos jurídicos,
em 10 de março de 1828. (...) Seguindo a orientação dos regulamentos então vigentes, publicou, em 1829, um
compêndio da matéria destinado aos alunos - Princípios de Direito Natural -, o qual lhe trouxe amargos
ressentimentos, em face da repercussão negativa alcançada. A Comissão de Instrução Pública emitiu parecer
contrário à adoção da obra, sob o fundamento de que lhe faltavam consistência lógica, clareza, precisão e ser
uma compilação de vários autores. Em conseqüência, o livro foi substituído pelo de Perreau, Éléments de
Législation Naturelle, obra sem maior expressão e que se baseava nos ensinamentos de Burlamaqui, datando de
1831 a sua primeira edição. A velar Brotero não reagiu, nem ficou privado, em contrapartida, do exercício de seu
cargo". In: Filosofia do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro, Forense, 1994. p. 251.
40
VITA, Luiz Washington. Panorama da Filosofia no Brasil. Porto Alegre: Globo, 1969, p. 61-62.

de nossa elite dirigente".41 Ainda que a relevância do ecletismo francês tenha servido aos
setores dominantes da sociedade brasileira, especialmente "como bússola na solução dos
problemas políticos, na concepção e na implantação das instituições, da administração, do
ensino etc., ao longo do Segundo Reinado, a expressão filosófica desse estado de espírito
variou com o tempo".42 Na verdade, um exame mais atento de sua trajetória permite concluir,
com Roberto Gomes, que o nosso ecletismo não foi apenas o primeiro grande movimento
filosófico a se estruturar, tampouco o mero reflexo de uma determinada situação política e
social. Na verdade, foi e tem sido resultado "direto da indiferenciação cultural que até hoje
perdura. (...) É manifestação de alguns traços básicos de nosso caráter intelectual e de nossa
condição política, e continua vivo, ainda encontradiço, prezado e vigente entre nós" (...).43 Em
síntese, o ecletismo representa o que Roberto Gomes designa como o mito brasileiro da
imparcialidade.
No quadro filosófico até aqui descrito, deve-se mencionar que o interior da
formação social foi afetado profundamente, na virada do século XIX para o início do século
XX, por transformações decorrentes da modificação do sistema sócio-político (monarquiarepública), do deslocamento no domínio da correlação de forças (senhores de engenhooligarquias cafeeiras agroexportadoras) e das novas estruturas jurídico-políticas, edificadas a
partir d.a implantação do espírito positivista-republicano e da construção de uma ordem
liberal burguesa.
Ainda que sob o impacto cultural de uma situação colonial e de independência,
reflexo atrasado de modismos alienígenas e da escassa originalidade criativa, o Brasil, em fins
do século XIX, "(...) viu surgir um mundo de idéias novas que viriam romper a tradição
jusnaturalista ainda dominante em nosso país até a entrada do último quartel do século,
quando surgem expressões brasileiras do positivismo e do evolucionismo que representam,
em nosso meio, o influxo de uma relativa urbanização e modernização da vida social que, em
pouco tempo, repercutiria no plano mais visível da vida política com a abolição da escravatura
e a proclamação da República. Positivismo e evolucionismo são, realmente, as duas rubricas
teóricas com as quais se pode resumir um conjunto de idéias novas que povoaram o final do
século com mais significativo influxo sobre a teoria jurídica. (...) Embora muitos pensadores
brasileiros tenham feito uma transição entre o positivismo e o evolucionismo em suas diversas
nuances, tal como ocorreu a Sílvio Romero e a Tobias Barreto, não há que negar que o

41

PAIM, Antonio. História das Idéias Filosóficas no Brasil. 3. ed, São Paulo: Convívio; Brasília: INL, 1984, p. 289.
PAIM, Antonio. Op. cit., 1984, p. 193.
43
GOMES, Roberto. Crítica da Razão Tupiniquim. 3. ed. Porto Alegre: Movimento/UFRGS, 1979, p. 32-33.
42

comtismo ortodoxo ou em suas múltiplas heterodoxias contou com a preferência da
intelectualidade do sul do país, em particular Rio, São Paulo e Rio Grande do Sul, enquanto o
monismo evolucionista montou seu quartel-general na chamada Escola do Recife (...)".44 A
larga influência do positivismo sobre a intelectualidade brasileira, composta, em sua grande
parte, no final do século, por bacharéis e juristas vinculados ao pensamento liberal burguês e
formados para exercer altos postos na administração burocrática do Estado, acabou
produzindo um ambiente renovador de pesquisa e de sistematização das idéias na Escola do
Recife. Esta foi, como já se consignou, o baluarte jurídico mais expressivo de reação às
diversas variantes do idealismo jusnaturalista instituído e o núcleo impulsionador básico à
codificação da legislação privada no país.45 Ultrapassando as dimensões do fenômeno
jurídico, a Escola do Recife, como lembra Alberto Venâncio Filho, consagrava, ainda no bojo
de seu movimento intelectual, a questão da evolução de idéias que sacudiram os horizontes da
filosofia, da produção científica e da crítica literária.46 Certamente que a Escola do Recife47
enquanto núcleo de polarização cultural constituiu-se, ao lado do positivismo e do catolicismo
de Jackson de Figueiredo, "exemplo de um movimento intelectual brasileiro que formou
escola e perdurou além da duração dos fundadores".48 Uma análise detida permite destacar
que não é muito fácil identificar um único e sistemático pensamento ideológico norteador da
Escola do Recife, pois seu processo histórico-constitutivo é marcado por momentos
caracterizadores ("poético-literário", "crítico-filosófico", "jurídico-sociológico") e por perfis
biográficos distintos (Tobias Barreto, Sílvio Romero, Artur Orlando, José Isidoro Martins,
Clóvis Beviláqua). Se, num primeiro momento, para combater o jusnaturalismo, a metafísica
e o ec1etismo espiritualista, incorpora e assimila posturas materialistas, evolucionistas e

44

MACHADO NETO, A. L. "A Filosofia do Direito no Brasil".In CRIPPA, Adolpho (org.). As Idéias
Filosóficas no Brasil. Século XX - II Parte. São Paulo, Convívio, 1978, p. 14; ____. Idem, 1969, p. 46.
45
Cf. NEDER, Gizlene. "O Direito no Brasil. História e Ideologia". In L YRA, Doreodó Araújo (org.).
Desordem e Processo. Porto Alegre: Sérgio Fabris Editor, 1986, p. 147-156. Ver, igualmente, da mesma autora:
Discurso Jurídico e Ordem Burguesa no Brasil. Porto Alegre: Sérgio Fabris, 1995.
46
Cf. VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, s/d., p. 96.
47
Destacando seu caráter de "frente" cientificista que se insere no "surto de idéias novas" dos anos 70 do século
XIX, Antonio Paim (op. cit., p. 378 e 413) esclarece que a Escola do Recife, conjuntamente com o positivismo,
materializou os movimentos culturais mais significativos e complexos: "Sua complexidade advém do fato de que
os pensadores que os integram recorrem às correntes inspiradoras estrangeiras a fim de enfrentar e resolver
determinados problemas, cuja magnitude advinha de nossa peculiar consubstancialidade. Por essa forma não
cabe considerá-los como simples projeções, mas abordá-los de modo autônomo, tomando como referência a obra
local e a problemática que suscita. Assim, carece de maior significação batizar a Escola do Recife de corrente
evolucionista ou contentar-se com a classificação de positivismo ortodoxo e positivismo dissidente, elaborada em
conformidade com o modelo francês. (...) Nos começos do século, entretanto, o abandono da filosofia pela
sociologia, de parte de Sílvio Romero e Artur Orlando, ou pelo Direito, no caso de Clóvis Beviláqua, marcariam
o declínio e o desaparecimento da Escola do Recife como corrente filosófica". Ver, igualmente, do mesmo autor:
O Estudo do Pensamento Filosófico Brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, v. 57, 1979, p. 63-64.
48
VENÂNCIO FILHO, Alberto. Op. cit., p. 96.

positivistas, numa etapa posterior, em nome do monismo, do sociologismo e do cientificismo,
abandona e contesta o positivismo ortodoxo, principalmente aquele de matriz filosófica
francesa.
A supremacia do positivismo jurídico nacional constrói-se no contexto progressivo
de uma ideologização representada e promovida pelos dois maiores pólos de ensino do saber
jurídico: a Escola do Recife e a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (São Paulo).
Produto de concepções consideradas avançadas na Europa, o apelo cientificista do positivismo
surgia como discurso hegemônico e uniforme, identificado com os interesses emergentes da
burguesia urbana liberal e com as novas aspirações normativas da formação sócio-econômica
brasileira daquele momento específico. Neste sentido, é razoável aludir que, diante do
conservadorismo projetado pelo jusnaturalismo tomista-escolástico, a nova proposição jurídica
delineada pelo positivismo (tanto em sua vertente do monismo evolucionista, quanto na do
sociologismo naturalista) representava uma forma de pensamento mais adequada às novas
condições econômicas advindas das transformações trazidas pela República. Múltiplas
implicações para a cultura jurídica brasileira advêm da irradiação positiva e negativa da Escola
do Recife. À parte seus frutos incontestes, de romper com a metafísica e com a lógica
imperantes do período colonial, bem como de estimular a modernização das instituições
político-legais (Código Civil) e de propelir uma ordenação histórico-sociológica da cultura
nacional, impõe-se assinalar sua função ideológica na produção de nova consciência jurídica
burguesa laicizada, mas não menos presa, como no paradigma anterior, à mentalidade legal
dogmática e à manutenção da ordem vigente em face das transformações por que passava a
sociedade, com a derrocada do Império e o aparecimento da República.
Após as primeiras décadas deste século, o processo histórico-evolutivo, motivado
por novas e crescentes necessidades, determinaria não só um conseqüente desgaste da
epistemologia jurídica naturalista-dogmática de largo impacto modernizador, como, sobretudo,
evidenciaria a paulatina insuficiência do discurso cientificista, difundido durante gerações, pela
Escola do Recife e por alguns de seus principais teóricos, como Tobias Barreto,49 Sílvio
Romero,50 Clóvis Beviláqua51 e, posteriormente, Pontes de Miranda, em sua fase inicial.
49

Transcrevem-se aqui as palavras de A. L. Machado Neto, que apresenta Tobias Barreto (1839-1889) como o
"mestiço de extraordinário talento, poeta e orador, jurista, político e filósofo, (...) inegavelmente o líder e
orientador do movimento que se abriga sob a rubrica de Escola do Recife. Em sua evolução espiritual, Tobias
passa por uma fase predominantemente literária de inspiração hugoana e, dali, a uma predominância dos estudos
filosóficos, primeiro sob a influência do ecletismo espiritualista, depois com parcial adesão ao positivismo,
volvendo-se já em violenta crítica ao comtismo brasileiro ou estrangeiro, crítica esta feita do ponto de vista de
um monismo evolucionista, a princípio inspirado na obra de Haeckel, e, pois, de cunho acentuadamente
mecanicista e, mais tarde, por influência de Noiré, transformado ao monismo teleológico que já se permitia
alguma influência da gnosiologia kantiana. A fase final de sua vida, Tobias a dedicou predominantemente aos

O declínio da força cultural irradiadora, representada pela Escola do Recife e a
expansão de um positivismo ilustrado de cunho comtiano, que expressava a legalidade de uma
burguesia cafeeira, repercutem amplamente em alguns autores do centro do país até a primeira
metade do século XX. Nas Arcadas do Largo de São Francisco, transformadas pelas
condições político-sociais como uma das fontes autênticas do bacharelismo liberal e do
formalismo jurídico tradicional, passaram e exerceram prolongada influência os jusfilósofos
Pedro Lessa (1859-1921) e João Arruda (1861-1943) que, como críticos das doutrinas
metafísicas e propugnadores do estudo científico do Direito sob a óptica de um positivismo
ilustrado, contribuíram, como professores de Filosofia do Direito, para a fonnação do
imaginário liberal-individualista no ensino e na aplicação do Direito.52
Além da inegável importância da Escola do Recife e da Academia do Largo de
São Francisco (eixos do iluminismo jurídico tupiniquim), a produção jusfilosófica oficial
estudos filosóficos e científicos a propósito do Direito, como uma conseqüência de sua entrada na Faculdade de
Direito pela porta de um brilhante concurso (...) Sua obra tem um marcado sentido polêmico, quiça uma reação
do mestiço de invulgar talento às restrições da sociedade provincianamente aristocrática e escravista do Recife
de seu tempo (...). Em teoria do Direito, Tobias combinava as concepções de Jhering e Hermann Post, que
refletiam no direito as teorias de Darwin e Haeckel. Neste campo, produziu numerosas obras, todas elas
marcadas pelo rasgo característico de seu espírito polêmico e inovador". In: Teoria da Ciência do Direito. São
Paulo: Saraiva, 1975, p. 199.
50
Seguindo as lições do mestre baiano, Sílvio Romero (1851-1914) é o segundo nome mais importante da
Escola do Recife: "Historiador da literatura e das idéias, folclorista e sociólogo, polemista e pensador, o
pensamento brasileiro muito deve a Sílvio Romero em uma permanente atualização com as idéias vigentes na
Europa, combinada harmoniosamente com um também permanente e incansável interesse pelas coisas
brasileiras. (...) No âmbito da teoria do Direito, a obra fundamental de Sílvio Romero é o livro titulado Ensaios
de Philosophia do Direito, obra que escreveu quando professor dessa cátedra em mais de uma faculdade de
direito no Rio de Janeiro. Antes, como candidato ao doutorado da Faculdade de Direito do Recife, ficou famosa
sua célebre afirmação agressivamente contrária às idéias de seus examinadores jusnaturalistas, de acordo com a
qual a metafísica estava morta.
Depois desse cometimento juvenil, Sílvio Romero apartou-se do Direito, volvendo sua atenção para os estudos
de história da literatura e das idéias no Brasil e, além disso, para os estudos folclóricos (...). Neste empenho
teórico é que Sílvio Romero, em seu compêndio de filosofia jurídica, explica e difunde o espírito novo em
filosofia; a sociologia e sua localização entre as ciências; as criações fundamentais e irredutíveis da humanidade
e o direito entre elas; a extensão das criações políticas do homem até o Estado e o Direito; os elementos natural,
cultural e nacional no Direito e os elementos que o compõem. Como se vê, o sociologismo domina a teoria
jurídica de Sílvio Romero, que nos presenteia com uma espécie de sociologia geral do Direito (...)" Op. cit., p.
200-201.
51
Por fim, a figura do elaborador do Código Civil, Clóvis Beviláqua (1859-]944), reconhecido por A. L.
Machado Neto como o maior jurista da Escola do Recife: "É verdade que a parte mais substancial de sua obra se
situa no campo do Direito Positivo e não especialmente na teoria do Direito. Porém, ainda neste âmbito, além de
uma extensa e cuidada obra histórica sobre a Faculdade de Direito do Recife, publicada em 1927, em
comemoração do primeiro centenário de sua fundação, Beviláqua publicou vários livros de ensaios versando
temas de filosofia, sociologia e história do direito.
Suas influências teóricas predominantes são Jhering e Post, aquele referindo-se como nada menos que ,,o jurista
de seu século e do futuro. De Jhering toma o fim social criador do Direito; e de Post, o naturalismo que faz do
Direito uma expressão social das forças de atração e repulsão que governam o cosmos. (...) Sua visão da
evolução jurídica é otimista e progressista. (...) Pelo visto, embora fosse um jurista prático de significação
internacional, Beviláqua não pôde eludir um influxo sociologista acentuado sobre seu pensamento teórico acerca
do Direito. Tal influxo se manifesta mais visivelmente quando afirma que ,,a sociologia é quem nos pode dar
uma verdadeira concepção do Direito (...)" In: Op. cit., p. 202.
52
PAIM, Antonio. Op. cit., 1984, p. 457-466, 479-484; NADER, Paulo. Op. cit., p.264-269.

brasileira foi enriquecida, contemporaneamente, por outras idéias e por outros matizes
teóricos, distintos, e às vezes isolados, de autores diversos como Francisco Campos, Pontes de
Miranda, Djacir Menezes, Hennes Lima, Sílvio de Macedo, Lourival Vilanova, A. L.
Machado Neto, Goffredo Telles Júnior, Miguel Reate e, mais recentemente, Tércio Sampaio
Ferraz Júnior e Luiz Fernando Coelho.
Muito mais próximo do Direito Público do que da Filosofia do Direito, Francisco
Campos foi o protótipo do jurista que sempre colocou seu saber enciclopédico a serviço das
forças mais retrógradas e mais autoritárias que governaram o Brasil (mentor da Constituição
ditatorial de Vargas e do Ato Institucional n. 1 do golpismo militar de 1964). Em sua tese
Introdução Crítica à Filosofia do Direito (Belo Horizonte, 1918), deixa claro todo seu repúdio
a uma deontologia do Direito, fazendo apelo tanto ao positivismo naturalístico quanto à
orientação cientificista, delegando à filosofia jurídica um papel meramente fenomenológico.53
Provavelmente um dos mais festejados juristas (civilista, processualista,
constitucionalista etc.) do século XX tenha sido Francisco Cavalcanti Pontes de Miranda,
possuidor de vasta erudição que transcende o Direito Positivo (tanto o Direito Privado quanto
o Direito Público) chegando, com competência e profundidade, ao domínio per-feito da
filosofia, da sociologia, da política, das ciências naturais etc. Em sua obra essencial sobre a
teoria jurídica, Sistema de Ciência Positiva do Direito, procurando conciliar o sociologismo
com o empirismo lógico, apresenta o Direito como uma ciência causal descritiva. A natureza
sociológica desta ciência normativa é identificada com a logicidade fática e com o formalismo
empírico que ordenam as leis da cientificidade. Não resta dúvida de que o rigor técnico de seu
pensamento privativista e neopositivista serviu de substrato dogmático para o imaginário
retórico e ornamental de juristas e bacharéis por dezenas de geraçoes.54
Seguindo os passos e a influência de Pontes de Miranda e do pensamento
hegeliano, Djacir Menezes proclama a necessidade da sistematização.da Ciência Jurídica com
base na metodologia indutiva, pois o Direito enquanto fenômeno natural só pode ser
apreciado epistemologicamente através da observação experimental.55 A trajetória culturalista
de Djacir Menezes passa de um apologismo "pontiano" da primeira fase, para o cultivo
ulterior de um hermetismo neo-hegeliano extremamente reacionário. Isso fica notório em seu

53

Cf. MACHADO NETO, A. L. Op. cit., 1969, p. 180-183. Muitas das formulações jurídico-políticas de
Francisco Campos podem ser encontradas em: O Estado Nacional. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940.
54
Observar: PONTES DE MIRANDA, F. C. Sistema de Ciência Positiva do Direito. Rio de janeiro: Borsoi.
1972, t. I e II.
55
MACHADO NETO, A. L. Op. Cito 1969, p. 186-190.

Tratado de Filosofia do Direito, de 1980, cujas incursões por um tecnismo metafísico
escamoteiam sua visão elitista da sociedade e do Estado.56
Ainda há que se mencionar, num amplo leque de abstrações idealistas e variadas
formalizações, as posturas do juridicismo socialista de Hermes Lima, o acentuado egologismo
de fundamentação raciovitalista e sociológica de A. L. Machado Neto, o forte apelo do
jusnaturalismo neotomista e católico (Armando Câmara, Alceu Amoroso Lima, Alexandre
Correia, A. B. Alves da Silva, Benjamim Oliveira Filho, José Pedra Galvão de. Souza, Edgar
de Godói da Matta Machado, André Franco Montoro )57 e a posição original dos juristas do
nordeste (o historicismo clássico de Nelson N. Saldanha, o sociologismo de Cláudio Souto e
as incursões pela lógica jurídica e pela filosofia da linguagem de Sílvio de Macedo e,
principalmente, de Lourival Vilanova).58 Por fim, a necessária alusão às tendências
culturalistas de Paulo Mercadante, Luiz Luisi, Paulo Dourado Gusmão, Renato C. Czema e
Miguel Reale.59
Concomitante com a crise sócio-econômica que sacudiu a estrutura capitalista da
Velha República liberal-positivista e com as contradições sociais decorrentes da emergência
dos novos atores no âmbito da dominação política burguesa oligárquica, sobressaíram novas
teses

como

o

culturalismo,

a

conciliação,

o

nacionalismo

de

esquerda

e

o

desenvolvimentismo. Essas tendências ideológicas materializadas em fins dos anos 30
(Revolução de 30, Estado Novo, integralismo, nacionalismo conservador, etc.) e ao longo dos
anos 40-50 (Segunda Grande Guerra e democratização social do Brasil) deixaram sulcos
também na linearidade do pensamento político-jurídico institucionalizado.
Entende-se, assim, a crise que atravessou o positivismo jurídico liberal (em suas
vertentes evolucionistas, naturalistas, sociológicas e cientificistas) diante das críticas
vigorosas e das renovadoras propostas epistemológicas argüidas pelo ecletismo conciliador e
56

Constatar: MENEZES, Djacir. Tratado de Filosofia do Direito. São Paulo: Atlas, 1980.
Ver: LIMA, Hennes. Introdução à Ciência do Direito. 27. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1983; CÂMARA,
Armando. "Reflexões sobre a Definição do Valor". Estudos Jurídicos. São Leopoldo: Unisinos, n. 4, 1972;
LIMA, Alceu Amoroso. Introdução ao Direito Moderno. 3. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1978; SOUZA, José Pedro
Galvão de. Direito Natural, Direito Positivo e Estado de Direito. São Paulo: RT, 1977; MATA MACHADO,
Edgar de G. da. Elementos de Teoria Geral do Direito. 3. ed. Belo Horizonte: UFMG, 1986; MONTORO, André
Franco. Introdução à Ciência do Direito. 20. ed. São Paulo: RT, 1991.
58
Verificar: SALDANHA, Nelson. O Problema da História na Ciência Jurídica Contemporânea. 2. ed. Porto
Alegre: Escola Osvaldo Vergara, 1978; SOUTO, Claudio. Introdução ao Direito como Ciência Social. Brasília:
UnB; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1971; MACEDO, Sílvio de. Introdução à Filosofia do Direito. 2. ed. São
Paulo: RT,1978; VILANOVA, Lourival. As Estruturas Lógicas e o Sistema do Direito Positivo. São Paulo: RT,
1977.
59
Consultar: MERCADANTE, Paulo. Militares e Civis. A Ética e o Compromisso. Rio de Janeiro: Zahar, 1978;
GUSMÃO, Paulo Dourado. O Pensamento Jurídico Contemporâneo. São Paulo: Saraiva, 1955; CZERNA,
Renato Cirell. Ensaios de Filosofia Jurídica e Social. São Paulo: Saraiva, 1965; REALE, Miguel. Horizontes do
Direito e da História. São Paulo, Saraiva, 1956; _. Filosofia do Direito. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 1982.
57

pela retórica culturalista introduzidas na esfera da teoria jurídica. 60 O Culturalismo
Jusfilosófico, que teve grande impulso no Brasil após a Segunda Grande Guerra, inspirandose em Kant e considerando-se herdeiro de Tobias Barreto, busca reorientar as diversas
tradições filosóficas nacionais rumo a uma interlocução e entrada nos valores, na pluralidade
e no mundo da cultura. Sob I a' condução de Miguel Reale e integrado por muitos pensadores,
dentre os quais Luiz Washington Vita, Renato Cirell Czerna, Djacir Menezes, Paulo
Mercadante, Nelson Saldanha e Antonio Paim, a corrente culturalista fundou o Instituto
Brasileiro de Filosofia (mF), que se projetou como - "instituição devotada a promover o
diálogo entre as diversas correntes de filosofia existentes no país". Desde então, enquanto,
filosoficamente, a Escola Culturalista de São Paulo incorporou posições conectadas com a
problemática axio-lógica e com o transcendentalismo neokantiano (sem deixar de estar aberta
e incluir outras direções, como o próprio idealismo historicista de Cirell Czerna ou o
hegelianismo de Djacir Menezes), politicamente alguns de seus membros gradualmente
propenderam, não só para recuperar, mas, sobretudo, para alinhar-se com a tradição liberal
brasileira.
Ora, se nas últimas décadas o Culturalismo Jusfilosófico tem-se identificado com
posturas idealistas, ecléticas e liberais (com um perfil ideológico conservador), não cabe
desmerecê-lo, pois na metade do século se projetara como alternativa crítica ao jusnaturalismo
metafísico e às variantes dogmáticas do positivismo cientificista que atravessavam os cursos
jurídicos do país.
Provavelmente a crítica mais incisiva e mais séria à realidade de exaurimento e de
derrocada do naturalismo jurídico-sociológico, enquanto estatuto epistemológico hegemônico,
foi a tese de teor culturalista desenvolvida em Fundamentos do Direito, apresentada por
60

A corrente do Culturalismo Jurídico nutrida por um certo historicismo relativista tem, no dizer de Paulo
Dourado Gusmão, como referência inicial, a caracterização de "origem kantiana entre natureza, valor e cultura.
A cultura, como objetivação de valores ou sentidos, exige, segundo os defensores desse posicionamento, método
de conhecimento diverso do empregado nas ciências físico-naturais. O direito, para essa corrente, pertence ao
reino da Cultura, e não ao da Natureza (physis). Está no mundo construído pelo Homem, através da História, em
uma sociedade e civilização, carregado de 'sentido'. Por tal motivo, o seu conhecimento depende de metodologia
própria, diversa da específica das ciências físico-naturais, interessadas em explicar os fenômenos por suas
causas, enquanto as ciências culturais, em compreendê-Ios por seus 'sentidos' ou 'valores' (u.). Por isso, o Direito
não faz parte da 'Natureza', nem é exclusivamente 'valor', pois pertence à 'Cultura', ou seja, ao reino construído
pelo Homem Legislador, jurista, particulares), em função de uma situação histórico-social, realizando um 'valor'
para alcançar satisfatoriamente uma finalidade. (...) Na América Latina, o culturalismo jurídico se fu1nou não só
com Recaséns Siches (teoria vitalista do direito), como também com Carlos Cossio (teoria egológica do direito)
e com Miguel Reale (teoria tridimensional do direito)". In: Introdução ao Estudo do Direito, 16. ed. Rio de
Janeiro: Forense, 1994, p. 412-414.
Igualmente, Luiz Femando Coelho chama a atenção para o fato de que o Culturalismo Jurídico privilegia aqueles
valores específicos do Direito que são basicamente plurilaterais: "Alguns desses valores assumem maior
importância sob o influxo de conteúdos ideológicos em diferentes épocas e também conforme a problemática
social de cada tempo e lugar." In: Teoria da Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1974, p. 60.

Miguel Reale, em 1940, no concurso para a cátedra de Filosofia do Direito.61 Tratava-se de
nova visão do fenômeno jurídico, moldada na aglutinação e na sistematização de uma
tridimensionalidade assentado no fato (sociologismo), no valor (idealismo) e nà norma
(formalismo). Realmente, desde os anos 50, quando amadurece sua epistemologia jurídica
tridimensional e promove o desenvolvimento de um núcleo de pensadores culturalistas das
mais distintas orientações (em tomo do qual surgem não só o Instituto Brasileiro de Filosofia,
mas, igualmente, a Revista Brasileira. de Filosofia), Miguel Reale torna-se, indiscutivelmente,
o mais importante expoente da cultura jusfilosófica brasileira.62 O culturalismo de Miguel
Reale procurou superar as limitações das epistemologias idealistas e empírico-fonnais,
integrando, dinamicamente, os pressupostos nonnativos com o elemento fático e o elemento
axiológico, e inserindo, a partir de um realismo (ontognoseologia) de matiz kantiano, a
experiência da normatividade jurídica no mundo da cultura.63 Se, num primeiro momento, o
tridimensionalismo de Miguel Reale foi um pensamento renovador em relação ao positivismo
ortodoxo e aos múltiplos reducionismos formalistas, decorridas algumas décadas, acaba
transformando-se numa proposta jurídica sem alcance transformador e sem muita eficácia
para as novas necessidades de regulamentação social e para os objetivos político-jurídicos de
uma sociedade de desenvolvimento tardio do Capitalismo periférico, como a brasileira deste
final de século XX. A integração culturalista dos fatores "fático-axiológico-normativo" não
descaracteriza, na totalidade de sua essência, o fenômeno jurídico com uma certa espécie
atenuada e idealista de formalismo legal. Discorrendo sobre tal problemática, Clemerson
Cleve procura demonstrar, com razão, que o saber jurídico em Miguel Reale "...continuará
sendo um saber normativo, ligado à normatividade do Direito Positivo. Entretanto, diferente
do que acontecia em Kelsen, para quem o Direito apenas estudava as normas (cabendo à
sociologia, os fatos, e à filosofia, os valores), a dialética realeana (a qual ele chama de
dialética de implicação-polaridade) não separa a realidade do Direito em domínios estanques.
(...) O tridimensionalismo realeano ultrapassa o formalismo positivista, incorporando, à esfera
61

Cf. CAVALCANTI FILHO, Theophilo. "Papel Desempenhado por Fundamentos do Direito na Filosofia
Jurídica Nacional". In: REALE, Miguel. Fundamentos do Direito. 2. ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais/EDUSP, 1972. p. XXI-LVI.
Aspectos da formação e evolução do pensamento jusfilosófico de Miguel Reale, consultar: Miguel Reale na
Universidade de Brasília. Brasília: UnB, 1981 (coleção Itinerárias);___. Memórias. V. I e II. São Paulo: Saraiva,
1986/88.
62
Sobre a importância da obra de Miguel Reale na cultura brasileira, ver: CAVALCANTI, Teófilo. (Org.).
Estudos em Homenagem a Miguel Reale. São Paulo: Revista dos Tribunais/EDUSP, 1977; VITA, Luiz
Washington. Op. cit., p. 116-120; MACHADO NETO, A. L. Op. cit., 1969, p. 219-225; ACERBONI, Lidia. Op.
cit., p. 70-78; NADER, Paulo. Op. cit., p. 269-274; MENDES, Antonio Celso. Op. cit., p. 98-100.
63
Cf. MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. A Ciência do Direito: Conceito. Objeto. Método. Rio de Janeiro:
Forense, 1982, p. 136-138. Para maior comprovação, verificar: REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do
Direito. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1980.

do saber jurídico, elementos dispensados pela depuração de Kelsen".64 Além da hegemonia e
da incisiva influência do culturalismo axiológico de Miguel Reale na formação jusfilosófica
de várias gerações, cabe registrar, a partir do final dos anos 70 e início dos anos 80, algumas
contribuições teóricas que vão desde o idealismo disfarçado até o rigor de distinções de
alcance analítico, sociológico e zetético, todas marcadas pelo enfoque antidogmático, como o
formalismo retórico da teoria da decisão jurídica de Tércio Sampaio Ferraz, o sociologismo
estrutura/funcionalista de José Eduardo Faria, o culturalismo fenomenológico de Luiz
Fernando Coelho, as tendências epistêmicas de base semiológico-discursiva de Luiz Alberto
Warat e as proposições juspsicanalíticas de Agostinho Ramalho Marques Neto.65
Naturalmente, é significativo ter a percepção correta da predominância de um
"senso comum teórico" tradicional - quer seja jusnaturalista, quer seja positivista, ambos em
suas múltiplas variantes -, quando se procede a uma reflexão crítico-desmitificadora das
origens, da evolução e da funcionalidade do pensamento jusfilosófico brasileiro.
Não sem razão, nesse sentido, assevera José Eduardo Faria que a cultura jurídica
brasileira é marcada por "...uma visão formalista do Direito, destinada a garantir valores burgueses e
insistindo em categorias formuladas desde a Revolução Francesa (como, por exemplo, a
univocidade da lei, a racionalidade e a coerência lógica dos ordenamentos, a natureza neutra,
descritiva e científica da dogmática etc.), reproduz um saber jurídico ret6rico, cuja superação é de
difícil consecução, pois é justificadora e mantenedora do sistema político, entreabrindo a visão do
Direito apenas como um instrumento de poder. Daí, por extensão, seus princípios fundamentais se
identificarem com um dogmatismo que pressupõe verdades perenes e imutáveis, capazes de exercer
o controle social sem sacrifício de sua segurança e aparente neutralidade".66
Tais asserções possibilitam avançar na reflexão de que o conhecimento, a
produção e o discurso jurídico reinantes no Brasil, normalmente calcados na lógica da
racionalidade técnico-formal e nos pressupostos dogmáticos do cientificismo positivista, não
respondem mais com eficácia às reivindicações e às necessidades da etapa de
desenvolvimento sócio-econômico e dos parâmetros de evolução das instituições políticas da
sociedade periférica brasileira.
64

CLINE, Clemerson M. O Direito e os Direitos. São Paulo: Acadêmica, 1988, p. 73-74.
Maiores detalhes, consultar: FERRAZ Jr., Tércio Sampaio. Função Social da Dogmática Jurídica. São Paulo:
RT, 1980; ____. Introdução ao Estudo do Direito. São Paulo: Atlas, 1988; FARIA, José Eduardo. Eficácia
Jurídica e Violência Simbólica. São Paulo: EDUSP, 1988; COELHO, Luiz Fernando. Lógica Jurídica e
Interpretação das Leis. Rio de Janeiro: Forense, 1981; WARAT, Luiz Alberto e colaboradores. O Direito e sua
Linguagem. 2. versão. Porto Alegre: Sérgio Fabris, 1984; MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. "Sujeitos
Coletivos de Direito: Pode-se Considerá-los a partir de uma Referência à Psicanálise?". Palavração. Revista de
Psicanálise. Curitiba: Bib. Freudiana de Curitiba, n. 2, out. 1994, p. 149-166.
66
FARIA, José Eduardo. Sociologia Jurídica: Crise do Direito e Práxis Política. Rio de Janeiro: Forense, 1984, p. 182.
65

Na verdade, o pensamento jurídico nacional em menos de uma década, além de
manter e reproduzir suas grandes matrizes - idealismo e formalismo -, costumeiramente
legitimadoras e encobridoras do Direito oficial e das estruturas de poder, não pode ficar imune
a formulações epistemológicas e metodol6gicas advindas das mudanças e dos avanços
paradigmáticos nas ciências humanas. Reconhece, a esse propósito, Antonio Carlos Mendes
que "o discurso tradicional da experiência jurídica não poderia continuar o mesmo (...) com o
aprofundamento da sociologia marxista e weberiana, bem como das novas bases
epistemológicas de fundamentação do discurso das ciências, com Bachelard, Foucault e
Popper, entre outros, (...). Dessa forma, foi tomando corpo, entre os jusfilósofos, a
consciência cada vez mais nítida do papel conservador e quase sempre reacionário que a
ciência jurídica tradicional, cristalizada sob a forma dogmática, desempenha no processo de
legitimação (...)".67 Justifica-se, assim, colocar em discussão, articular e operacionalizar um
projeto de cunho crítico-interdisciplinar no Direito, ainda que se reconheçam as dificuldades
de sua elaboração política e epistemológica.
Evidentemente que uma filosofia jurídica motivadora do desmascaramento das
contradições entre as classes sociais e da ruptura com a tradição legalista vigente não deve ter
o caráter destrutivo ou niilista, mas se impõe e adquire legitimidade, tomando-se a instância
estimuladora de novos mecanismos, implementadores de avanços e soluções para a presente
historicidade.68
As novas tendências paradigmáticas que compõem o que se convencionou chamar
de "pensamento crítico" ou de "crítica jurídica"69 rompem e desmitificam as dimensões
político-ideológicas

que

sustentam

a

racionalidade

do

dogmatismo

juspositivista

contemporâneo. Mesmo que essas concepções jusfilosóficas contestatórias se estruturem em
suportes epistemológicos distintos (análise sistêmica, dialética, semiológica e psicanalítica),
todas se intertextualizam numa ampla frente de "crítica jurídica", interligadas pela
identificação mínima de alguns de seus pressupostos comuns. Daí que tais correntes
produzidas a partir de perspectivas metodológicas distintas apresentam finalidades
relativamente compatíveis, porquanto se aproximam quando denunciam as funções políticoideológicas do normativismo estatal, quando apontam as falácias e as abstrações técnico67

MENDES, Antonio C. Op. cit., p. 134.
Cf. WOLKMER, Antonio C. Op. cit., 2001, p. 79-81.
69
As expressões "pensamento crítico" ou "crítica jurídica" usadas, aqui, como sinônimas, referem-se à
formulação "teórico-prática" que se revela sob a forma do exercício reflexivo (operacionalizar uma nova
mentalidade) capaz de questionar o que está ordenado e oficialmente consagrado (no conhecimento, no discurso
e no comportamento) em uma dada formação social e a possibilidade de conceber outras formas diferenciadas,
emancipadoras e pluralistas de prática jurídica. Cf. WOLKMER, A. C. Op. cit., p. 18.
68

formalistas dos discursos legais, quando questionam "as bases epistemológicas que
comandam a produção tradicional da ciência jurídica", dessacralizando as "crenças teóricas
dos juristas em torno da problemática da verdade e da objetividade", recolocando, por fim, "o
Direito no conjunto das práticas sociais que o determinam (...)".70 Como conseqüência desse
processo histórico da crescente produção jurídica filosófica e sociológica, na teoria e na práxis
social, emerge uma plêiade de novos e críticos juristas brasileiros.
Nesse horizonte, sob o aspecto da atual produção teórico-prática, verifica-se a
destacada presença, nas últimas duas décadas, de operadores e professores do Direito como,
dentre tantos, Roberto Lyra Filho, José Geraldo de Souza Júnior, José Reinaldo de L. Lopes,
Roberto A. R. de Aguiar, Tarso Fernando Genro, Agostinho Ramalho Marques Neto,
Edmundo de Lima Arruda Jr., João Maurício Adeodato, Willis Santiago Guerra Filho.71 Em
suma, repensar seriamente a trajetória da cultura jusfilosófica tradicional no Brasil, como têm
feito estes e outros intérpretes, desperta para a construção de um pensamento críticointerdisciplinar, marcado por uma racionalidade jurídica emancipadora e por uma ética da
alteridade, expressão de novas práticas sociais participativas.
Evidenciaram-se nesta obra, sem pretensão de exaurir a complexidade temática,
uma descrição crítica e uma releitura sócio-política de determinados ângulos do processo
histórico-evolutivo da cultura jurídica no Brasil, levando em conta seus grandes "ciclos"
demarcadores, percorridos durante a Colônia, o Império e a República.
Demonstrou-se, desde seus primórdios, que a matriz jurídica trazida e imposta às
colônias da América Latina, como o Brasil, advém da implantação e adequação das fontes
históricas luso-romanísticas, bem como do processo posterior de assimilação do legado
institucional regulador colonialista ibérico, para uma estrutura social dependente e periférica.
Particularmente durante o período da colonização portuguesa, prevaleceu a reprodução de um
aparato jurídico-repressivo patrimonialista compatível com a organização produtiva
escravista, ao passo que, com a Independência do país e o rompimento com a Metrópole,
forjaram-se as condições para que uma elite nacional, mantendo o controle sobre a economia
de exportação, incorporasse e difundisse os princípios de uma tradição jurídica, formalmente
70

Cf. WOLKMER, Antonio C. Op. cit., 2001, p. 80-81. WARAT, Luíz Alberto. A Pureza do Poder.
Florianópolis: Ed. da UFSC, 1983, p. 39.
71
Ver: LYRA FILHO, Roberto. O Que é Direito. São Paulo: Brasiliense, 1982; SOUZA Jr., José Geraldo de.
Para uma Crítica do. Eficácia do Direito. Porto Alegre: Sérgio Fabis, 1984; MARQUES NETO, Agostinho
Ramalho. A Ciência do Direito: Conceito, Objeto, Método. Rio de Janeiro: Forense, 1982: LOPES, José
Reinaldo de L. Direito, Justiça e Utopia. Rio de Janeiro: AJUP/FASE, 1988; ARRUDA Ir., Edmundo de L.
Introdução à Sociologia Jurídica Alternativa. São Paulo: Acadêmica, 1993; ADEODATO, João Maurício L.
Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva, 1996; GUERRA FILHO, Willis Santiago. Teoria do. Ciência Jurídica.
São Paulo: Saraiva, 2001.

dogmático-positivista e retoricamente liberal-individualista, sem deixar de ser exc1udente.
Não resta dúvida de que o nascedouro da produção jurídica no Brasil está profundamente
amarrado a um passado econômico colonial e à implantação de um sistema sócio-político
discriminador, marcado por uma historicidade "conciliadora" e por um nível de
desenvolvimento nem sempre compatível com as necessidades e exigências do país.
Certamente, é na origem mercantilista, absolutista e contra-reformista da formação social
portuguesa que se podem buscar, ainda que remotamente, os primeiros fatores geradores de
uma tradição político-jurídica burocrática, individualista, erudita e legalista.
Constatou-se, assim, que a imposição e o favorecimento dos pressupostos do
Direito alienígena, além de discriminar grande parte da própria população nativa,
desconsiderava as práticas costumeiras de um Direito autóctone, largamente exercidas em
incontáveis comunidades de índios e populações negras escravizadas. Naturalmente, tratava-se
dos traços reais de uma tradição subjacente e marginalizada de experiências jurídicas informais,
que não chegaram a influenciar, tampouco foram reconhecidas e incorporadas pela legalidade
oficial. Sufocaram-se, assim, as tradições de um Direito nacional mais autêntico, proveniente
das comunidades indígenas, em função do Direito estrangeiro, trazido pelo colonizador, e que
não expressava as genuínas aspirações da população nativa que aqui vivia. A especificidade do
processo favoreceu a dinâmica de um mimetismo cultural que, ao mesmo tempo que absorveu e
integralizou, acabou distorcendo as matrizes formadoras, tanto o idealismo jusnaturalista, como
o formalismo positivista. Isso possibilita repensar as formas de representação acerca do tipo de
"jusnaturalismo" e "juspositivismo" que se teve. Incentivaram-se o ecletismo e o paradoxo da
internalização inicial de conceitos e diretrizes chaves, mas sem vivenciar, posteriormente, uma
correta reprodução do referencial inspirador; mesmo frente à ruptura, a situação direcionou-se
pela ausência de uma variante autônoma, acabada e plenamente eficaz.
Em tal cenário de produção jurídica personalista; ritualista e erudita, quer o
magistrado português do período colonial, que servia aos interesses da Metrópole, quer o
bacharel-jurista dos séculos XIX e XX, paladino dos intentos das elites agrárias locais, mesmo
vivendo em momentos distintos, desempenharam papéis de destaque na constituição, na
ordenação e na distribuição do poder. A isso há que se acrescer menção ao divórcio entre as
necessidades mais imediatas da população do campo e da cidade e o proselitismo acrítico da
neutralidade e da moderação política, dos operadores da lei, nos limites de um espaço
configurado por privilégios econômicos e profundas desigualdades sociais.
No processo de formação de nossas instituições destacou-se a estranha e
contraditória confluência, de um lado, da herança colonial burocrático-patrimonialista,

marcada por práticas nitidamente conservadoras; de outro, de uma tradição liberal que serviu
e sempre foi utilizada, não em função de toda a sociedade, mas no interesse exclusivo de
grande parcela das elites hegemônicas detentoras do poder, da propriedade privada e dos
meios de produção da riqueza. Destarte, a produção jurídica brasileira esteve quase sempre
associada ao resguardo e à satisfação dos intentos das minorias oligárquicas pouco
democráticas, individualistas e subservientes às forças e imposições do mercado
internacional. Isso permite compreender que o Direito oficial nem sempre representou o
genuíno espaço de cidadania, de participação e das garantias legais para grande parte da
população. A prática do Direito oficial do Estado ensejou longo processo histórico em que a
sociedade brasileira viveu permanentemente a fome, a exclusão e a carência de justiça.
Assim, a constituição estrutural dessa cultura jurídica beneficiou, de um lado, a
prática do "favor", do clientelismo, do nepotismo e da cooptação; de outro, introduziu um
padrão de legalidade inegavelmente formalista, retórico, eclético e ornamental. Incluindo suas
características individualistas, antipopulares e não-democráticas, o liberalismo brasileiro
haveria de ser contemplado igualmente por seu incisivo traço "juridicista". Ademais, o
cruzamento entre individualismo político e formalismo legalista delineou politicamente a
montagem do cenário principal de nosso Direito: o bacharelismo liberal.
Em suma, a conclusão que se pode extrair desta perspectiva histórica e da releitura
questionadora das "idéias" e das "instituições jurídicas" é a imediata necessidade de articular,
na teoria e na prática, um projeto crítico de reconstrução democrática do Direito. Por
conseqüência, redefinir essa trajetória de "idéias" e "instituições jurídicas" (públicas/privadas)
no Brasil envolve, concretamente, a problematização e a ordenação pedagógica de estratégias
efetivas - fundadas na democracia, no pluralismo e na interdisciplinaridade - que conduzem a
uma historicidade social do jurídico, capaz de formar novos operadores e juristas orgânicos,
comprometidos com a superação dos velhos paradigmas e com as transformações das
instituições arcaicas, elitistas e não-democráticas. Uma cultura jurídica que reflita "idéias" e
"instituições", sintonizada com anseios e aspirações dos sujeitos sociais e dos cidadãos de
nova juridicidade.

BIBLIOGRAFIA
ACERBONI, Lidia. A Filosofia Contemporânea no Brasil. São Paulo: Grijalbo, 1969.
ADEODATO, João Maurício L. Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva, 1996.
ADORNO, Sérgio. Os Aprendizes do Poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
AGUIAR, Roberto A. R. de. A Crise da Advocacia no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1991.
_______________. "O Imaginário dos Juristas". In: Revista de Direito Alternativo. São
Paulo: Acadêmica, n° 2, 1993.
ALBUQUERQUE, Manoel Maurício de. Pequena História da Formação Social Brasileira.
Rio de Janeiro: Graal, 1981.
ALFONSIN, Jacques Távora et alii. Negros e Índios no Cativeiro da Terra. Rio de Janeiro:
AJUPIFASE, 1989.
ALMEIDA, Rita Heloísa de. O Diretório dos Índios: Um Projeto de Civilização no Brasil do
Século XVIII. Brasília: UnB, 1997.
ANDERSON, Perry. Considerações sobre o Marxismo Ocidental. Porto: Afrontamento, s/d.
ARRUDA JR., Edmundo de L. Introdução à Sociologia Jurídica Alternativa. São Paulo:
Acadêmica, 1993.
BARCELLONA, Pietro. Diritto Privato e Società Moderna. Napoli: Jovene Editore, 1996.
BERMAN, Harold J. IA Formación de la Tradición Jurídica de Occidente. México: Fondo de
Cultura Económica, 1996.
BESSA, Paulo. Uma Nova Introdução ao Direito. Rio de Janeiro: Renovar, 1986.
BESSELAAR, José Van Den. Introdução aos Estudos Históricos. 3. ed. São Paulo: Herder,
1970.
BEVILÁQUA, Clóvis. "Instituições e CostÍlmes Jurídicos dos Indígenas Brasileiros ao
Tempo da Conquista". In: Souza Filho, Carlos Marés. Textos Clássicos sobre o Direito e os
Povos Indígenas. Curitiba: Juruá, 1994.
BICUDO, Hélio P. O Direito e a Justiça no Brasil. São. Paulo: Símbolo, 1978.
BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia: Uma Defesa das Regras do Jogo. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1986.
BOSCHI, Caio C. "As Visitas Diocesanas e a Inquisição na Colônia". Revista Brasileira de
História. São Paulo: V. 7, n° 14, p. 151-184, mar.lago. 1987.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
BOURDÉ, Guy e MARTIN, Hervé. As Escolas Históricas. SII: Publicações Europa-América,
sld.
BRUIT, Héctor Heman. Bartolomé de /as Casas e a Simulação dos Vencidos. Campinas:
Unicamp; São Paulo: Iluminuras, 1995.
BRUXEL, Arnaldo. Os Trinta Povos Guaranis. 2. ed. Porto Alegre: EST/Nova Dimensão,
1987.
BURKE, Peter. A Escola dos Annales -1929/1989. 2. ed. São Paulo: UNESP, 1992.
(org.). A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1993.
CALMON, Pedro. História da Civilização Brasileira. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 1975. .
CÂMARA, Armando. "Reflexões sobre a Definição do Valor". Estudos Jurídicos. São
Leopoldo: Unisinos, n. 4,1972.
CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940.
CARDOSO, Ciro Flamarion S. e V AINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da História: Ensaios
de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
CARR, E. H. Que é História? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
CARRION, Eduardo K. "A nova constituição (11)". DS. Porto Alegre, 10.11.1989.
_______________. Estado, Partidos e Movimentos Sociais. Porto Alegre: Edipaz, 1985.
CARVALHO, Amilton B. Magistratura e Direito Alternativo. São Paulo: Acadêmica, 1992.
CARVALHO, José Murilo. A Construção da Ordem: A Elite Política Imperial. Rio de
Janeiro: Campus, 1980.
CA V ALCANTI FILHO, Theophilo. "Papel Desempenhado por Fundamentos do Direito na
Filosofia Jurídica Nacional" .In: REALE, Miguel. Fundamentos do Direito. 2. ed. São Paulo:
Revista dos Tribunais/EDUSP, 1972.
CAVALCANTI, Te6filo (org.). Estudos em Homenagem a Miguel Reale. São Paulo: Revista
dos TribunaislEDUSP, 1977.
CERUTI GULDBERG, Horácio. Filosofia de la Liberación Latinoamericana. México: Fondo
de Cultura Económica, 1983.
CLEVE, Clemerson M. O Direito e os Direitos. São Paulo: Acadêmica, 1988.
CHACON, Vamireh. Da Escola do Recife ao Código Civil. Rio de Janeiro: Simões, 1969.

CHASE-SARDI, Miguel. El Derecho Consuetudinario Indigena y su Bibliografia
Antropológica en el Paraguay. Asunción: Biblioteca Paraguaya de Antropología, 1990.
COELHO, Luiz Femando. Teoria da Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1974.
_______________. Lógica Jurídica e Interpretação das Leis. Rio de Janeiro: Forense, 1981.
COLAÇO, Thais Luzia. "O Direito Guarani Pré-Colonial e as Missões Jesuíticas: A Questão
da Incapacidade Indígena e da Tutela Religiosa". Tese de Doutorado em Direito.
Florianópolis: CPGDIUFSC, 1998,468p.
_______________. COMISSÃO PRÓ-ÍNDIO/SP. O Índio e a Cidadania. São Paulo:
Brasiliense, 1983.
CORRADlNI, Domenico. Historicismo y Pqliticidad del Derecho. Madrid: Editoriales de
Derecho Reunidas, 1982.
CRUZ COSTA, João. Contribuição à História das Idéias no Brasil. Rio de Janeiro: José
Olympio, 1956.
CUNHA, Luiz Antonio. A Universidade T emporã: O Ensino Superior da Colônia à Era
Vargas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.
CUNHA, Manuela Carneiro. Os Direitos do lndio. Ensaios e Documentos. São Paulo:
Brasiliense, 1987.
CZERNA, Renato Cirell. Ensaios de Filosofia Jurídica e Social. São Paulo: Saraiva, 1965.
DÍAZ, Elías. Sociología Filosofia del Derecho. Madrid: Taurus, 1980.
DOSSE, François. A História em Migalhas: dos "Annales" à "Nova História". São Paulo:
Ensaios, 1992.
DOWBOR, Ladislau. A Formação do Capitalismo Dependente no Brasil. São Paulo:
Brasiliense, 1982.
DUSSEL, Enrique. 1492: O Encobrimento do Outro (A Origem do "Mito da Modernidade").
Petrópolis: Vozes, 1993.
DUTRA, Pedro. Literatura Jurídica no Império. Rio .de Janeiro: Topbooks, 1992.
ENTERRÍA, Eduardo Garcfa de. La Lengua de los Derechos. La Formación del Derecho
Público Europeo Trans la Revolución Francesa. Madrid: Alianza, 1994.
FALCÃO, Joaquim de. Os Advogados: Ensino Jurídico e Mercado de Trabalho. Recife:
FIN/Massangana, 1984.
FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.
FAORO, Raymundo. Os Donos do Poder. Porto Alegre: Globo, 1979.

_______________. In: "A Aventura Liberal numa Ordem Patrimonialista". In: Revista da
USP.
Dossiê Liberalismo/Neoliberalismo. São Paulo: n. 17, mar./abr./maio 1993.
_______________. Existe um Pensamento Político Brasileiro? São Paulo: Ática, 1994.
FARIA, José Eduardo. Sociologia Jurídica: Crise do Direito e Práxis Política. Rio de Janeiro:
Forense, 1984.
_______________. Eficácia Jurídica e Violência Simbólica. São Paulo: EDUSP, 1988.
FERRAZ JR., Tércio Sampaio. Função Social da Dogmática Jurídica. São Paulo: RT, 1980.
_______________. Introdução ao Estudo do Direito. São Paulo: Atlas, 1988.
FERREIRA, WaIdemar. O Direito Público Colonial do Estado do Brasil sob o Signo
Pombalino. Rio de Janeiro: Ed. Nacional de Direito, 1960.
_______________. História do Direito Brasileiro. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, 1962.
FIGUEIRA, Eliseu. Renovação do Sistema de Direito Privado. Lisboa: Caminho, 1989.
FLORES, AIberto Vivar. Antropologia da libertação Latino-americana. São Paulo: Paulinas,
1991.
FLORES, Moacyr. Colonialismo e Missões Jesuíticas. Porto Alegre: ESTIICHRS, 1983.
FLORY, Thomas. El Juez de Paz)' el Jurado en el Brasil Imperial. 1808-1871. México: Fondo
de Cultura Económica, 1986.
FREITAS, Décio. Palmares, a Guerra dos Escravos. 5. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.
_______________. Escravidão de Índios. e Negros no Brasil. Porto Alegre: ESTIICP, 1980.
FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. 18. ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional,
1982.
GALGANO, Francesco. Il Diritto Privato Fra Codice e Costituzione. 2 ed. Bologna:
Zanichelli, 1983.
GAMBINI, Roberto. O Espelho Índio: Os Jesuítas e a Destruição da Alma Indígena.
Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1994.
GANDINI, Raquel C. Tecnocracia, Capitalismo e Educação em Anísio Teixeira. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.
GARCIA, Rodolfo. Ensaios sobre a História Política e Administrativa do Brasil (1500-1810).
Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
GILISSEN, John.lmrodução Histórica ao Direito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1988.
GINSBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
GOMES, Orlando. A Crise do Direito. São Paulo: Max Limonad, 1955.
_______________. Raízes Históricas e Sociológicas do Código Civil Brasileiro. Salvador:
Livraria Progresso/Universidade da Bahia, 1958.
_______________. Introdução ao Direito Civil. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1971.
GOMES, Roberto. Crítica da Razão Tupiniquim. 3. ed. Porto Alegre: Movimento/UFRGS,
1979.
GONZAGA, João Bemardino. O Direito Penal Indígena: À Época do Descobrimento do
Brasil. São Paulo: Max Limonad, s/do GRINBERG, Keila. Liberata - A Lei da Ambigüidade:
As Ações de Liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro, no Século XIX. Rio de
Janeiro: Relume-Dumara, 1994.
GUERRA ALHO, Willis Santiago. Conceitos de Filosofia. Fortaleza: Casa José de Alencar,
1996.
GUSMÃO, Paulo Dourado. O Petisamemo Jurídico Contemporâneo. São Paulo: Saraiva, 1955.
_______________. Introdução ao Estudo do Direito. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1986. .
Introdução ao Estudo do Direito. 16. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1994.
HAUBERT, Maxime. Índios e Jesuítas no Tempo das Missões. São Paulo: Companhia das
Letras/Círculo do Livro, 1990.
HERRERO, Beatriz Fernández. La Utopía de América: Teoria, Leyes, Experimentos.
Barcelona: Anthropos, 1992.
HESPANHA, Antonio M. A História do Direito na História Social. Lisboa: Livros
Horizontes, s/do . História das Instituições. Coimbra: Almedina, 1982.
_______________. "Nova História e História do Direito".ln: Vértice. Coimbra, V. 46, n°
470/472 (abr.ljun. 1986), p. 17-33.'
_______________. Panorama Histórico da Cultura Jurídica Européia. SII: Publicações
Europa América, 1997.
HOORNAERT, Eduardo. "Teologia e Ação Pastoral em Antonio Vieira S,J.: 16521661". In:
História da Teologia na América Latina. São Paulo: Paulinas, 1981.
IANNI, Octávio. A Idéia de Brasil Moderno. São Paulo: Brasiliense, 1992. .
JAEGER, Wemer. Paidea. A Formação do Homem Grego. São Paulo: Martins Fontes, 1979.

KALLSCHEUER, Ono. "Marxismo e Teorias do Conhecimento" In: HOBSBA WM, Eric I.
(org.). História do Marxismo. O Marxismo Hoje. Segunda Parte. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1989, v. 12.
KERN, Amo Alvarez. Missões: Uma Utopia Política. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.
KOERNER, Andrei. O Poder Judiciário na Constituição da República. São Paulo: Dissertação
de Mestrado em Ciência Política - USP, 1992.
LA TORRE RANGEL, Jesus Antonio. EI Derecho como Arma de Liberación en América
Latina. México: Centro de Estudios Ecuménicos, 1984.
_______________. Del Pensamiento Jurídico Contemporáneo. Aportaciones Críticas.
México: Escuela Libre de Derecho, 1992.
LACERDA, Antonia Denise. Os Direitos Sociais e o Direito Constitucional Brasileiro.
Dissertação de Mestrado em Direito. Florianópolis: CPGD/UFSC, 1995.
LACOMBE, Américo Jacobina. "A Cultura Jurídica". In: História Geral da Civilização
Brasileira. T. II. O Brasil Monárquico. HOLANDA, Sérgio Buarque de (dir.). São Paulo:
Difel, 1976, v. 3.
LAS CASAS, Frei Bartolomé de. O Paraíso Destruído. Brevíssima Relação da Destruição das
Indias. 5. ed. Porto Alegre: L & PM, 1991.
LE GOFF, Jacques. História e Memória. 3 ed. Campinas: Unicamp, 1994.
LE GOFF, Jacques, LE ROY LADURIE, Emmanuel et alii. História e Nova História. Lisboa:
Teorema, 1986.
LEAL, Victor Nunes. Coronelismo. Enxada e Voto. 4. 00. São Paulo: Alfa-Omega, 1978.
LEITE, Pe. Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. 9ts., LisboalRio de Janeiro:
INL, 1949.
LEON-PORTILHA; Miguel. A Conquista da América Latina Vista pelos Índios. 4. 00.
Petrópolis: Vozes, 1991.
LIMA, Alceu Amoroso. Introdução ao Direito Moderno. 3. 00. Rio de Janeiro: Agir, 1978.
LIMA, Hermes. Tobias Barreto: A Época e o Homem. 2. 00. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 1957.
_______________. Introdução à Ciência do Direito. 27. 00. Rio de Janeiro: Freitas Bastos,
1983.
LIMA, Roberto Kant de. Tradição Inquisitorial no Brasil, da Colônia à República: da Devassa
ao Inquérito Policial". Revista Religião e Sociedade. 16/1-2, 1992, p. 96-113.

LOPES, José Reinaldo de L. Direito, Justiça e Utopia. Rio de Janeiro: AJUPIFASE, 1988.
LOPEZ, Luiz Roberto. História do Brasil Contemporâneo. Porto Alegre: Mercado Aberto,
1980.
LUCAS, Fábio. Conteúdo Social nas Constituições Brasileiras. Belo Horizonte: Faculdade de
Ciências Econômicas da UFMG, 1959.
LUGON, C. A República "Comunista" Cristã dos Guaranis. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1977.
LYRA FILHO, Roberto. O Que é Direito. São Paulo: Brasiliense, 1982.
MACEDO, Sílvio de. Introdução à Filosofia do Direito. 2. ed. São Paulo: RT, 1978.
MACHADO NETO, A..L. História das Idéias Jurídicas no Brasil. São Paulo:
Grijabo/EDUSP, 1969.
_______________. Teoria da Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1975.
_______________. "A Filosofia do Direito no Brasil". In: CRIPPA, Adolpho (org.). As Idéias
Filosóficas no Brasil. Século XX - II parte. São Paulo: Convívio, 1978.
_______________. Sociologia Jurídica. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1979:
MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e Escravidão: Trabalho, Luta e Resistência nas
Lavouras Paulistas -1830-1888. São Paulo: Brasiliense, 1987.
MACRIDIS, Roy. Ideologias Políticas Contemporâneas. Brasília: UnB, 1982.
MALINOWSKI, Bronislaw. Uma Teoria Científica da Cultura. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar,
1975.
MANNHEIM, Karl. "O Pensamento Conservador". In: MARTINS, José de Souza
_______________. (org.). Introdução Critica à Sociologia Rural. São Paulo: Hucitec, 1986.
MARÉS DE SOUZA FILHO, Carlos F. "índios e Direito: ° Jogo Duro do Estado". In: Negros
e Índios no Cativeiro da Terra. Rio de Janeiro: AJUPIFASE, jun. 1989.
_______________. "O Direito Envergonhado (O Direito e os índios no Brasil)". In: Estudos
Jurídicos. Curitiba: PUC, n. 1, 1993.
MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. A Ciência do Direito: Conceito, Objeto, Método.
Rio de Janeiro: Forense, 1982.
_______________. "Sujeitos Coletivos de Direito: Pode-se Considerá-los A Partir de Uma
Referência à Psicanálise?". Palavração. Revista de Psicanálise. Curitiba: Bib. Freudiana de
Curitiba, n. 2, out. 1994.

MARTINS JÚNIOR, José Isidoro. História do Direito Nacional. 3. 00. Brasília: Depto. de
Imprensa Nacional, 1979.
MATA MACHADO, Edgar de G. da. Elementos de Teoria Geral do Direito. 3.00. Bero
Horizonte: UFMG, 1986.
MAZZEO, Antonio C. Estado e Burguesia no Brasil. Belo Horizonte: Oficina de Livros,
1989.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom. "Vieira: a Catequese segundo os Sermões". Anais do X
Simpósio Nacional de Estudos Missioneiros. UNIJUí - Campus Santa Rosa, 1994.
MEIRA, Silvio. Teixeira de Freitas: O Jurisconsulto do Império - Vida e Obra. Brasília: 1983.
MENDES JÚNIOR, João. Os Indígenas do Brasil: Seus Direitos Individuais e Políticos. São
Paulo: Typ. Hennies Irmãos, 1912.
MENDES, Antonio Celso. Filosofia Jurídica no Brasil. São Paulo: Ibrasa; Curitiba: Editora
Universitária Champagnat, 1992.
MENEZES, Djacir. Tratado de Filosofia do Direito. São Paulo: Atlas, 1980.
MERCADANTE, Paulo. A Consciência Conservadora no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1972.
_______________. Militares e Civis. A Ética e o Compromisso. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
MIAILLE, Michel. Uma Introdução Crítica ao Direito. Lisboa: Moraes, 1979.
MONTORO, André Franco. Introdução à Ciência do Direito. 20. ed. São Paulo: RT, 1991.
MORSE, Richard M. O Espelho de Próspero - Cultura e Idéias nas Américas. São Paulo:
Companhia das Letras, 1988.
MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da Cultura Brasileira (1933-1974). 4. ed. São Paulo:
Ática, 1978.
MOURA, Clóvis. Os Quilombos e a Rebelião Negra. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.
NADER, Paulo. Introdução ao Estudo do Direito. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1988.
_______________. Filosofia do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1994.
NASCIMENTO, Walter V. do. Lições de História do Direito. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense,
1984.
NEDER, Gizlene. "O Direito no Brasil. História e Ideologia". In: LYRA, Doreodó Araújo
(org.). Desordem e Processo. Porto Alegre: Sergio A. Fabris, 1986.

_______________. Discurso Jurídico e Ordem Burguesa no Brasil. Porto Alegre: Sergio A.
Fabris, 1995.
NEVES, Luiz Felipe Baêta. O Combate dos Soldados de Cristo na Terra dos Papagaios:
Colonialismo e Repressão Cultural. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1978.
NISBET, Robert. O Conservadorismo. Lisboa: Estampa, 1987.
NOGUEIRA, Marco Aurélio. As Desventuras do Liberalismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1984.
NOVAIS, Fernando A. "O Brasil nos Quadros do Antigo Sistema Colonial". In: MOTA,
Carlos G. (org.). Brasil em Perspectiva. 11. ed. São Paulo: Difel, 1980.
NOVINSKY, Anita. A Inquisição. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.
NOVOA MONREAL, Eduardo. O Direito como Obstáculo à Transformação Social. Porto
Alegre: Sergio A. Fabris, 1988.
OLIVEIRA VIANNA, F. 1. Instituições Políticas Brasileiras. Rio de Janeiro: Record, 1974, v. 2.
PAIM, Antonio. O Estudo do Pensamento Filosófico Brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro, 1979, v. 57.
_______________. A Filosofia da Escola do Recife. 2. ed. São Paulo: Convívio, 1981.
_______________. História das Idéias Filosóficas no Brasil. 3. ed. São Paulo: Convívio;
Brasília: INL, 1984. .
PINTO FERREIRA, Luís. Princípios Gerais do Direito Constitucional Moderno. 5. ed. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 1971.
PONTES DE MIRANDA, F. C. Sistema de Ciência Positiva do Direito. Rio de janeiro:
Borsoi, 1972,1. I e 11.
_______________. Fomes e Evolução do Direito Civil Brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro:
Forense, 1981.
PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução Política do Brasil. 12. ed. São Paulo: Brasiliense, 1980. .
QUEVEDO, Julio. As Missões: Crise e Redefinição. São Paulo: Ática, 1993.
RADBRUCH, Gustav. Filosofia do Direito. Coimbra: Armenio Amado, 1979.
REALE, Miguel. Horizontes do Direito e da História. São Paulo, Saraiva, 1956.
_______________. Horizontes do Direito e da História. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 1977.
_______________. Teoria Tridimensional do Direito. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1980.

_______________. Filosofia do Direito. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 1982.
_______________. Lições Preliminares de Direito. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 1984.
_______________. Figuras da Inteligência Brasileira. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro;
Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.
_______________. Miguel Reale na Universidade de Brasília: UnB, 1981 (coleção
Itinerárias);
_______________. Memórias. V. I e 11. São Paulo: Saraiva, 1986/88.
RIBEIRO, Darcy. Os Brasileiros: Teoria do Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981.
_______________. O Povo Brasileiro. A Formação e o Sentido do Brasil. São Paulo:
Companhia das Letras, 1995.
ROCHA, Leonel S. A Democracia em Rui Barbosa - O Projeto Político Liberal-Racional. Rio
de Janeiro; Liber Juris, 1995.
ROCHA, Manoel Ribeiro. Etíope Resgatado. SUESS, Paulo (Ed.). Petrópolis: Vozes, 1992.
ROCHA, Osvaldo de Alencar et alii. "O Negro e a Posse da Terra no Brasil". In: Negros e
Índios no Cativeiro da Terra. Rio de Janeiro: AJUPIFASE, 1989.
ROCHA POMBO, José Francisco da. História do Brasil. v. IV. O Regime Colonial. Rio de
Janeiro/São Paulo: W.M. Jackson Inc. Editores, s/do RODRIGUES, Horácio Wanderlei.
Ensino Jurídico e Direito Alternativo. São Paulo: Acadêmica, 1993.
RODRIGUES, José Hon6rio. Filosofia e História. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.
RUSCHEL, Ruy Ruben. "O Direito de Propriedade dos Índios Missioneiros". In: Veritas.
Porto Alegre: PUC, v. 33, n. 153, março 1994.
SAES, Décio. Classe Média e Sistema Político no Brasil. São Paulo: T.A. Queiróz, 1984.
SALDANHA, Nelson. O Problema da História na Ciência Jurídica Contemporânea. 2. ed.
Porto Alegre: Escola Osvaldo Vergara, 1978.
_______________. "Rui Barbosa e o Bacharelismo Liberal". In: As Idéias Políticas no Brasil.
CRIPPA, Adolfo (coord.). São Paulo: Convívio, 1979, v. 1.
_______________. A Escola do Recife. 2. ed. São Paulo: Convívio, 1985.
SANCHEZ RUBlO, David. "Proyección Jurídica de la Filosofía Latino-Americana de la
Liberación. Aproximación Concreta a la Obra de Leopoldo Zea y Enrique Dussel". Tese de
doutoramento apresentada na Universidade de Sevilha, 01.12.1994, 710 p.

SANTOS, Sílvio Coelho dos (org.). O Índio perante o Direito. Florianópolis: Ed. da UFSC,
1982.
SAROTTE, Georges. O Materialismo Histórico no Estudo do Direito. Lisboa: Estampa, 1975.
SCHIAVONE, Aldo. Historiografia y Crítica del Derecho. Madrid: Editoriales de Derecho
Reunidas, 1982.
SCHWARTZ, Stuart B. Burocracia e Sociedade no Brasil Colonial. São Paulo: Perspectiva,
1979.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças: Cientistas, Instituições e Questão Racial
no Brasil- 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SCHWARTZMAN, Simon. Bases do Autoritarismo Brasileiro. São Paulo: Campus, 1982.
SCHWARZ, Roberto. "As Idéias Fora do Lugar". Cadernos Cebrap. São Paulo, n. 3, 1973.
SEGURADO, Milton Duarte. História Resumida do Direito Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed.
Rio, 1982.
SHIRLEY, Robert Weaver. Antropologia Jurídica. São Paulo: Saraiva, 1987.
SILVA, Dimas Salustiano da. "Direito Insurgente do Negro no Brasil: Perspectivas e Limites
no Direito Oficial". In: CHAGAS, S. D. (org.). Lições de Direito Civil Alternativo. São
Paulo: Acadêmica, 1994.
SILVA, Justino Adriano Farias da. Pequeno Opúsculo sobre a Vida e Obra de Pontes de
Miranda. Porto Alegre: EST, 1981.
SIQUEIRA, Sônia A. A Inquisição Portuguesa e a Sociedade Colonial. São Paulo: Ática,
1978.
SODRÉ, Nelson Wemeck. Formação Histórica do Brasil. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1970.
SOUTO, Claudio. Introdução ao Direito como Ciência Social. Brasília: UnB; Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro, 1971.
SOUZA JR., José Geraldo de. Para uma Crítica da Eficácia do Direito. Porto Alegre: Sergio
A. Fabris, 1984.
SOUZA, José Pedro Galvão de. Direito Natural, Direito Positivo e Estado de Direito. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 1977.
TARELLO, Giovanni. Cultura Jurídica y Política del Derecho. México: Fondo de Cultura
Económica, 1995.
THOMAS, Georg. Política Indigenista dos Portugueses no Brasil- 1500-1640. São Paulo:
Loyola, 1982. .

TIGAR, Michael E.; LEVY, Madeleine R. O Direito e a Ascensão do Capitalismo. Rio de
Janeiro: Zahar, 1978.
TODOROV, Tzvetan. A Conquista da América. A Questão do Outro. São Paulo: Martins
Fontes, 1993.
TRINDADE, Hélgio. "Bases da Democracia Brasileira: Lógica Liberal e Práxis Autoritária
(1822-1945)". In: LAMOUNIER, Bolivar et alii. Como Renascem as Democracias. São
Paulo: Brasiliense, 1985.
TRINDADE, Liana S. As Raízes Ideológicas das Teorias Sociais. São Paulo: Ática, 1978.
TRIPOLI, César. História do Direito Brasileiro. Época Colonial. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 1936, v.I.
URICOECHEA, Fernando. O Minotauro Imperial. Rio de Janeiro: Difel, 1978.
VAINFAS, Ronaldo. Ideologia & Escravidão: Os Letrados e a Sociedade Escravista no Brasil
Colonial. Petrópolis: Vozes, 1986. .
_______________. (org.). Confissões da Bahia - O Santo Ofício da Inquisição de Lisboa. São
Paulo: Companhia das Letras, 1997.
_______________. Trópico dos Pecados. Moral, Sexualidade e Inquisição no Brasil. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
VALLADÃO, Haroldo. História do Direito, Especialmente do Direito Brasileiro. 4. ed. Rio
de Janeiro: Freitas Bastos, 1980.
VENÂNCIO FILHO, Alberto. Das Arcadas ao Bacharelismo. São Paulo: Perspectiva, 1977.
VEYNE, Paul. Como se Escreve a História/Foucault revoluciona a História. Brasília: UnB,
1982.
VERDASCA, José. Raízes da Nação Brasileira. Os Portugueses no Brasil. São Paulo: Ibrasa,
1997.
VIANA FILHO, Luiz. A Vida de Rui Barbosa. 6. ed. São Paulo: Companhia Editora
Nacional, 1960.
VIANNA, Luiz Wemeck. Liberalismo e Sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1978.
VIEIRA, Pe. Antonio. Escritos Instrumentais sobre os Índios. São Paulo: Loyola/EDUC, 1992.
VILA NOVA, Lourival. As Estruturas Lógicas e o Sistema do Direito Positivo. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 1977.
VILELA, Magno. Uma Questão de Igualdade: Antônio Vieira e a Escravidão Negra na Bahia
do Século XVII. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

VIOTTI DA COSTA, Emília. "Liberalismo Brasileiro, Uma Ideologia de Tantas Caras".
Folha de São Paulo. 24.02.1985. Folhetim.
_______________. Da Monarquia à República: Momentos Decisivos. 3. ed. São Paulo:
Brasiliense, 1985. .
VITA, Álvaro de. Sociologia da Sociedade Brasileira. São Paulo: Ática, 1989.
VITA, Luiz Washington. Panorama da Filosofia no Brasil. Porto Alegre: Globo, 1969.
VITORIA, Francisco de. Doctrina sobre los Indios. Salamanca: San Sebastian, 1992.
WARAT, Luíz Alberto. A Pureza do Poder. FIorianópolis: Ed. da UFSC, 1983.
_______________. e colaboradores. O Direito e sua Linguagem. 2. versão. Porto Alegre:
Sergio A. Fabris, 1984.
WEFFORT, Francisco. O Populismo na Política Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
WEHLING, Amo. "Despotismo Ilustrado e Uniformização Legislativa; o Direito Comum nos
Períodos Pombalino e Pós-Pombalino". Revista Ciências Humanas. Rio de Janeiro: v. 20, n°
1, p. 143-159, jun. 1997.
_______________. e WEHLING, Maria José. "As Origens do Tribunal da Relação do Rio de
Janeiro". Sociedade Bras. de Pesquisa História (SBPH). Anais da XIV Reunião. Salvador,
1994, p. 135-139.
_______________. e WEHLING, Maria José. "Cultura Jurídica e Julgados do Tribunal da
Relação do Rio de Janeiro: a Invocação da Boa Razão e o Uso da Doutrina. Uma
Amostragem". In: SILVA, Maria B. Nizza da. Cultura Portuguesa na Terra de Santa Cruz.
Lisboa: Estampa, 1995, p. 235-247.
_______________. e WEHL1NG, Maria José. "Atividade Judicial do Tribunal da Relação do
Rio de Janeiro, 1751-1808". Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de
Janeiro, 156 (386): 79-92,jan./mar. 1995.
_______________. e WEHLING, Maria José. "O Magistrado no Tribunal da Relação do Rio
de Janeiro. Perfil Jurídico-Institucional". SBPH. Anais da XVI reunião. Curitiba, 1996, p.
157-162.
WOLKMER, Antonio Carlos. Constitucionalismo e Direitos Sociais no Brasil. São Paulo:
Acadêmica, 1989.
_______________. Elementos para uma Crftica do Estado. Porto Alegre: Sergio A. Fabris,
1990.
_______________. Pluralismo Jurídico - Fundamentos de uma Nova Cultura no Direito. São
Paulo: Alfa-Omega, 1994.
_______________. Ideologia, Estado e Direito. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

_______________. (org.). Fundamentos de História do Direito. Belo Horizonte: Del Rey,
1996. (org.). Direito e Justiça na América Indígena: Da Conquista à Colonização. Porto
Alegre: Livraria dos Advogados, 1998.
_______________. Introdução ao Pensamento Jurídico Crítico. 3. ed. São Paulo: Saraiva,
2001.
WOLKMER, Maria de Fátima S. O Caráter Liberal-Conservador da Constituição de 1824.
Mimeo. São Leopoldo, out. de 1984.
ZANCANARO, Antonio Frederico. A Corrupção Político-Administrativa no Brasil. São
Paulo: Acadêmica, 1994.

KatMartins