A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL:
CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EUSÉBIO JUSTINO DE CAMARGO
NOVA OLÍMPIA ­ MT
Luciani Gallo Machado Barreto
Professora da rede pública de ensino,
no município de Nova Olímpia
[email protected]
Neide da Silva
Professora da rede pública de ensino,
no município de Nova Olímpia
[email protected]
Solange dos Santos Melo
Professora da rede pública de ensino,
no município de Nova Olímpia
[email protected]

Resumo:
Este trabalho tem como objeto de estudo a história do Centro de Educação Infantil Eusébio
Justino de Camargo em Nova Olímpia - MT. A expansão da Educação infantil no Brasil tem
ocorrido de forma progressiva nas últimas décadas, acompanhando a intensificação da
urbanização, o trabalho extradomiciliar da mulher e suas repercussões no ambiente familiar.
Hoje a Educação Infantil constitui um segmento importante no processo educativo,
reconhecida como a primeira etapa da Educação Básica na nova Lei das Diretrizes e Bases da
Educação Nacional (LDB, Lei 9394/96). Parte daí a necessidade de se construir um ambiente
voltado ao atendimento institucional à criança pequena, neste caso o Centro de Educação
Infantil Eusébio Justino de Camargo em Nova Olímpia com o objetivo de proporcionar aos
alunos conhecimento e criticidade num contexto interdisciplinar, envolvendo temas voltados
para a sua realidade, alicerçando assim sua aprendizagem, desenvolvimento critico e
participativo. A ideia de elaboração deste trabalho surgiu, portanto, no intuito de proporcionar
informações concretas acerca da história da Educação Infantil no Brasil e principalmente
historiar o Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo na cidade de Nova
Olímpia, bem como apontar a relevância do trabalho pedagógico desenvolvido nesta unidade
de ensino infantil, no que diz respeito ao desenvolvimento das crianças que o freqüentam.
Este texto, apesar de priorizar a história do Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de
Camargo, não ignora aspectos tão importantes quanto ele, como por exemplo, a definição do
que é a Educação Infantil e qual a função pedagógica desempenhada nestas instituições para o
desenvolvimento da criança, aborda também a importância da organização de um espaço
físico adequado ao desenvolvimento de atividades que contribuam para o processo de ensinoaprendizagem das crianças na Educação Infantil, como devem ser organizadas essas
atividades no tempo e no espaço e também sobre as diversificações destas atividades.
Palavras-chave: Educação infantil ­ Espaço - Desenvolvimento

EDUCAÇÃO INFANTIL

O que é a Educação Infantil
A Educação Infantil deve ser entendida em amplo sentido, pois ela pode englobar
todas as modalidades educativas vividas pelas crianças pequenas na família e na comunidade,
antes mesmo de atingirem a idade da escolaridade obrigatória. Diz respeito tanto à educação
familiar e a convivência comunitária, como a educação recebida em instituições específicas
(PROINFANTIL, 2005).
Segundo Kuhlmann, (2003, p.469):
Pode-se falar de Educação Infantil em um sentido bastante amplo, envolvendo toda
e qualquer forma de educação da criança na família, na comunidade, na
sociedade e na cultura em que viva. Mas há outro significado, mais preciso e
limitado, consagrado na Constituição Federal de 1988, que se refere à modalidade
específica das instituições educacionais para a criança pequena, de 0 a 6 anos de
idade.Essas instituições surgem durante a primeira metade do século XIX, em
vários países do continente europeu, como parte de uma série de iniciativas
reguladoras da vida social, que envolvem a crescente industrialização e
urbanização.

Vista num sentido mais restrito, portanto, a Educação Infantil designa a freqüência
regular a um estabelecimento educativo exterior ao domicílio, ou seja, trata-se do período de
vida escolar em que se atende pedagogicamente crianças entre 0 e 5 anos de idade no Brasil,
lembrando que nesta faixa etária as crianças ainda não estão submetidas a obrigatoriedade
escolar. A Constituição de 1988 define de forma clara a responsabilidade do Estado para com
a educação das crianças de 0 a 6 anos em creches e pré ­ escolas sendo como educação nãoobrigatória e compartilhada com a família (art. 280, inciso IV).
A Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/96) denomina a
instituição educacional que atende crianças de 0 a 3 anos de Creche, e a instituição que atende
crianças de 4 a 5 anos de idade de Pré ­ escola. De acordo com a Lei no 11.274, de 6 de
fevereiro de 2006, o ensino fundamental passa a ser de nove anos de duração e não mais de
oito, com isso as crianças de seis anos de idade deverão entrar obrigatoriamente no ensino
fundamental e não mais na pré-escola.
Vejamos o que diz a LDB sobre a Educação Infantil:
No art.29. A Educação Infantil é conceituada como a primeira etapa da Educação
Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até cinco anos de
idade, em seus aspectos físicos, psicológico e social, complementando a ação da
família e da comunidade. No art. 30 a Educação Infantil será oferecida em creches
para crianças de até três anos de idade e em pré- escolas para crianças de quatro a
cinco anos de idade. No art. 31. Na Educação Infantil a avaliação será feita mediante
acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção,
mesmo para acesso ao Ensino Fundamental.

É importante ressaltar que a Educação Infantil tem uma função pedagógica, um
trabalho que toma a realidade e os conhecimentos infantis como ponto de partida e os amplia
através de atividades que tem significado concreto para a vida das crianças, e
simultaneamente asseguram a aquisição de novos conhecimentos.Diante disso é importante
que o educador na Educação Infantil preocupe-se com a organização e aplicação das
atividades contribuindo assim para o desenvolvimento da criança de 0 a 5 anos.
O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998, p.32) relata:
Cabe ao professor individualizar as situações de aprendizagem oferecidas às crianças,
considerando suas capacidades afetivas, emocionais, sociais, cognitivas assim como
os conhecimentos que possuem dos mais diferentes assuntos e suas origens
socioculturais diversas. Isso significa que o professor deve planejar e oferecer uma
gama variada de experiências que responda, simultaneamente, às demandas do grupo
e as individualidades de cada criança.

Em outras palavras, deve-se considerar que as crianças são diferentes entre si, que
cada uma possui um ritmo de aprendizagem. Por isso o professor deve estar preparado para
propiciar às crianças uma educação baseada na condição de aprendizagem de cada uma,
considerando-as singulares e com características próprias.
Portanto, o grande desafio da educação infantil e de seus profissionais é compreender,
conhecer e reconhecer o jeito particular das crianças serem e estarem no mundo. O
Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998, p.23), deixa claro que a
instituição de Educação Infantil deve tornar acessível a todas as crianças que freqüentam,
indiscriminadamente, elementos de cultura que enriquecem o seu desenvolvimento e inserção
social.
ALGUNS ASPECTOS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL

A história da educação infantil é relativamente recente no país. Foi nas últimas
décadas que o atendimento a criança menor de sete anos de idade em creches e pré-escolas
nasceu mais significativa e aceleradamente. Esse crescimento é motivado pelo aumento da
demanda por instituições de educação infantil decorrente da inserção, cada vez maior, da
mulher no mercado de trabalho.
O pesquisador brasileiro Moysés kuhlmann Jr. relata que a primeira creche do país
surgiu ao lado da Fábrica de Tecidos Corcovado, em 1899, no Rio de Janeiro. Naquele
mesmo ano, o Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio de Janeiro deu início a
uma rede assistencial que se espalhou por muitos lugares do Brasil. Vista por este ângulo, as
instituições de educação infantil surgiram com caráter puramente assistencial.

Através de muita luta a partir da Constituição de 1988, é que a Educação Infantil pela
primeira vez na história do Brasil reconheceu um direito próprio da criança pequena que era o
direito à creche e à pré-escola. Há a reafirmação da gratuidade do ensino público em todos os
níveis. A partir daí tanto a creche quanto a pré-escola são incluídas na política educacional,
seguindo uma concepção pedagógica e não mais assistencialista. Esta perspectiva pedagógica
vê a criança como um ser social, histórico, pertencente a uma determinada classe social e
cultural.
Foi na Lei das Diretrizes e Bases da Educação nacional, (LDB Nº 9394/1996), que o
termo Educação Infantil ganhou a forma mais favorável à criança pequena desde que existe
legislação Nacional no Brasil. A LDB declara que a Educação Infantil começa dos 0 aos 3
anos de idade para quem precisa estar numa creche, prosseguindo de 4 a 5 anos de idade
como pré-escola, tornando-se Educação Infantil, também um ciclo de 5 anos de formação
contínua e parte integrante, constituidora, da Educação Básica brasileira.
Foram muitas lutas, conquistas e derrotas. Por hora, é dizer que após uma longa
trajetória, a criança brasileira de 0 a 5 anos é hoje concebida como um sujeito de direitos à
educação, direitos que devem ser atendidos por instituições no âmbito dos sistemas escolares
e no âmbito das esferas do governo. A Educação Infantil é, portanto, um direito da criança,
dever do Estado e opção da família.

A IMPORTÂNCIA DA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA ESCOLA INFANTIL
O espaço físico é o lugar do desenvolvimento de múltiplas habilidades e sensações e, a
partir de sua riqueza e diversidade, ele desafia permanentemente aqueles que o ocupam. Esse
desafio constrói-se pelos símbolos e pelas linguagens que o transformam e o recriam
continuamente (BARBOSA, 2006 p. 120). Para Vygotsky (1987) o espaço físico e social é
fundamental para o desenvolvimento das crianças, já que através da interação com esses
fatores a criança constrói seu conhecimento de si mesma enquanto sujeito.
Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998, p.69):
O espaço na Instituição de Educação Infantil deve propiciar condições para que as
crianças possam usufruí-lo em benefício do seu
desenvolvimento e aprendizagem.
Para tanto é preciso que o espaço seja versátil e permeável à sua ação, sujeito a
modificações propostas pelas crianças e pelos professores em função das ações
desenvolvidas.

O espaço físico e os materiais são componentes ativos do processo educacional, que
auxiliam na aprendizagem, no entanto a melhoria da ação educativa esta relacionada também

ao uso que os educadores fazem deles junto às crianças com as quais trabalham.

ORGANIZAÇÃO DAS ATIVIDADES NO TEMPO E NO ESPAÇO E A
DIVERSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES
A organização do trabalho pedagógico na Educação Infantil deve ser orientada pelo
princípio básico de procurar proporcionar, à criança, o desenvolvimento da autonomia, isto é,
a capacidade de construir as suas próprias regras e meios de ação, que sejam flexíveis e
possam ser negociadas com outras pessoas, sejam eles adultos ou crianças. Para se organizar o
cotidiano das crianças da Educação Infantil se faz necessário antes de tudo, conhecer o grupo
de crianças com os quais se irá trabalhar e conseqüentemente partir para o estabelecimento de
uma seqüência de atividades diárias conforme as necessidades delas. E importante salientar
que o educador deve estar atento aos espaços que as crianças mais gostam de brincar, como
estas brincadeiras se desenvolvem, o que mais gostam de fazer, o que mais lhes chama a
atenção, em quais momentos estão mais tranqüilas e mais agitadas. Este conhecimento é
fundamental para que a estruturação espaço-temporal tenha significado.
De acordo com o Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil (Vol. 1,
1998), o tempo didático pode ser organizado em três grandes modalidades e projetos de
trabalho.
Atividades permanentes: São aqueles que respondem às necessidades básicas de
cuidados, aprendizagem e de prazer para as crianças, cujos conteúdos necessitam de uma
constância.
Seqüência de atividades: São planejadas e orientadas com o objetivo de promover
uma aprendizagem específica e definida. São seqüenciadas com o objetivo de oferecer
desafios com graus diferentes de complexidade para que as crianças possam ir paulatinamente
resolvendo problemas a partir de diferentes proposições.
Projeto de trabalho: São conjuntos de atividades que trabalham com os
conhecimentos específicos construídos a partir de um dos eixos de trabalho que se organizam
ao redor de um problema para resolver ou um produto final que se quer obter. Possui uma
duração que pode variar conforme o objetivo, o desenrolar de várias etapas, o desejo e o
interesse das crianças pelo assunto tratado.

A HISTÓRIA DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EUSÉBIO JUSTINO DE
CAMARGO

O Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo foi criado pelo Decreto
Municipal nº 197/94 originário do projeto de Lei nº 46/96 ao 1º dia do mês de janeiro de
1994. A escola foi construída na gestão de 2001 a 2004 do prefeito Dr. Francisco Soares de
Medeiros. Iniciando seu funcionamento oficial em 07 de abril de 2003, nesta data a instituição
funcionava como extensão da Escola Sagrado Coração de Jesus e atendia 260 crianças. O
prédio possuía cinco salas de aula, um refeitório, três banheiros, cozinha, sala dos professores
e um amplo espaço para atividades ao ar livre.
O Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo está localizado à Rua
Teófilo Barbalho s/n, bairro Jardim Santa Rosa no município de Nova Olímpia. A escola foi
construída com a intenção de funcionar como uma creche municipal, porém foi transformada
em Centro de Educação Infantil através da Lei Municipal nº 619 de 29 de outubro de 2004
pelo prefeito Dr. Francisco Soares de Medeiros, sendo mantida pela Secretaria Municipal de
Educação Esporte Turismo e Lazer. A escola possui o nome de um dos pioneiros desta
cidade, o Sr. Eusébio Justino de Camargo, em virtude do grande trabalho que desenvolveu e
desenvolve até hoje neste município, atualmente trabalha como juiz de paz no Município.
Antes da criação do Centro de Educação Infantil, as crianças eram atendidas nas
escolas municipais da cidade, sendo que funcionavam duas salas de Educação Infantil em
cada uma das escolas de Ensino Fundamental, acrescenta ainda que não existiam móveis
adequados e nem horário diferenciado. "Parecia até mesmo que esta etapa de Educação não
tinha importância para as crianças e seus familiares, pouco se fazia pela Educação
Infantil".Como toda instituição, o Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo,
também passou por inúmeras dificuldades no início de seus trabalhos, a professora Helena
relata como foi a sua experiência como primeira coordenadora deste Centro de Educação
Infantil:

Ao fazer parte da coordenação do Centro de Educação Infantil, gostei muito apesar de
não receber suporte pedagógico e também o apoio necessário por parte da direção já
que a escola funcionava como extensão, e nem da secretaria de educação. Fiz o que
foi possível e o que estava ao meu alcance. Apesar das dificuldades que enfrentei
nessa instituição de ensino, tive um grupo de pessoas maravilhosas que estiveram ao
meu lado durante estes dois anos, isso fez com que superássemos os desafios que
tínhamos aceitado enfrentar. E importante dizer que mesmo com o pouco recurso que
recebíamos conseguíamos realizar os nossos trabalhos e o mais importante é que
dentro do nosso período de gestão vencemos todas as barreiras.
Sabendo
da
importância que desempenha no desenvolvimento da criança esta etapa da Educação,
vejo que nossa cidade ainda deixa muito a desejar no que diz respeito ao espaço
adequado pra o Ensino Infantil. Precisamos equipar o nosso Centro de Educação
Infantil com espaço físico e material pedagógico que vem auxiliar nossos professores
no melhor desempenho de suas funções tornando suas aulas mais atrativas e
dinâmicas.

No dia 10 de janeiro do ano de 2005, por indicação do prefeito José Elpídio de Moraes
Cavalcante assume a coordenação da Escola a professora Rosenilda Lima Almeida e no dia
17 deste mesmo mês assume a direção a professora Neide da Silva, ambas estão até hoje na
instituição.
Em 04 de dezembro de 2005 a escola da início ao processo de credenciamento, que ao
ser analisado, observou-se a necessidade deste estar retornando à Secretaria Municipal para
ajustes nos termos da resolução nº 384/04 em 09/12/2006, conforme informações técnicas nº
147 e 148/05 (fls 169/170). Retornado ao conselho em 08/03/2006 para continuidade de
analise e procedimento de tramite, sendo concluído em 26 de abril de 2006.
Atualmente, a escola atende aproximadamente 500 crianças na faixa etária de 04 e 05
anos de idade nos períodos matutino e vespertino. O prédio funciona com 09 (nove) salas de
aula , somando um total de 18 turmas.
É importante ressaltar que a demanda pela Educação Infantil é muito grande no
município, e que o Centro de Educação Infantil ainda não é suficiente para atendê-la
obrigando assim a escola de Ensino Fundamental Renê Barbour a assumir também a
responsabilidade com o ensino infantil, atendendo hoje a 03 turmas (92 alunos) no total.
Segundo consta Projeto Político Pedagógico ­ PPP do Centro de Educação Infantil, a
escola tem como filosofia propiciar um ensino responsável e construtivo, na certeza de uma
cidadania crítica e participativa, bem como colocar-se contra qualquer discriminação de
classe, de crença, de raça, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais.
Despertar no aluno a apreciação de valores éticos primando pela formação de sua
personalidade em comum acordo com a família, como também o desenvolvimento de sua
auto-estima.
Quanto ao professor, deve assumir o papel de orientador, propiciando a liberdade das
descobertas em grupo, ter uma visão integrada das disciplinas compactuando com a realidade
do educando, respeitando seu nível de desenvolvimento.
No que diz respeito ao seu objetivo geral, é direcionar as ações pedagógicas para
proporcionar o desenvolvimento contínuo do processo educativo em seus aspectos cognitivos,
psicomotor, sócio-afetivo, integrando a família e a comunidade, obtendo a interação com o
ambiente físico e social, com base nos princípios éticos da autonomia, da responsabilidade, da
solidariedade e do respeito ao bem comum.
Quanto às características da população a ser atendida e a comunidade na qual se
insere, a meta principal da escola é favorecer a demanda que em sua maioria é formada por
crianças carentes, na busca de uma ação integrada que incorporem atividades educativas e

cuidados especiais, direcionando trabalhos de qualidade para contribuir com o
desenvolvimento integral de suas identidades, tornando-os capazes de crescer como cidadãos
cujos direitos à infância são reconhecidos.
Em relação ao regime de funcionamento, este é feito conforme a LDB (Lei das
Diretrizes e Bases da Educação) lei complementar nº 9394/96, que diz que a Educação
Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e que deve ser oferecida gratuitamente pela
rede pública. O corpo técnico-administrativo da escola é constituído por uma diretora,
01coordenadora, 01 agente administrativo, 02 merendeiras e 05 agentes de serviços públicos.
Atualmente consta no quadro docente da escola um total de 18 professores, todos com curso
superior.
No que se refere à avaliação, considera-se que não se trata de avaliar a criança, mas
sim as situações de aprendizagens que lhes foram oferecidas. Isso significa a observação das
formas de expressão das crianças, de suas capacidades de concentração, envolvimento nas
atividades, de satisfação com sua própria produção e suas próprias conquistas.
A tendência pedagógica do Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo
esta baseada na pedagogia da Escola Nova, na qual seu princípio norteador é a valorização do
indivíduo como um ser social, livre, ativo e capaz. Seu currículo escolar foi formulado dentro
de uma proposta construtivista e interacionista, seguindo também as determinações dos
Parâmetros Curriculares Nacionais, que permite interpretar a realidade construindo
significados e novas possibilidades de ação, de conhecimentos, por meio de propostas que
conduzem a construção do conhecimento, aprendizagem e interação social.
No que se refere à importância da organização de um espaço físico adequado ao
desenvolvimento de atividades que contribuam para o processo de ensino-aprendizagem das
crianças principalmente em idade pré-escolar, o Centro de Educação Infantil Eusébio Justino
de Camargo deixa muito a desejar por não dispor de uma estrutura física que venha atender
todas as necessidades das crianças que o freqüentam, pois não possui parque infantil no qual
as crianças possam brincar livremente e interagir umas com as outras, não conta com uma
brinquedoteca onde possam ser desenvolvidos jogos diversos, brincadeiras de faz de conta,
casinha de bonecas, fantoches, carrinhos, montagens de pecinhas e outros ampliando assim a
socialização, o desenvolvimento da imaginação e o raciocínio lógico através do brincar, não
possui uma biblioteca onde as crianças possam manusear livros, inventar histórias, "ler
histórias", contar histórias, manusear ficheiros de imagens, enciclopédias, revistas,
fotografias, possui pouca arborização no seu espaço livre, enfim é uma escola que não foi

construída de forma apropriada para o atendimento a esta etapa de ensino que é a Educação
Infantil.
O fato de a escola não possuir todos esses requisitos básicos referentes à estrutura
física ideal para uma escola de ensino infantil, que sem dúvidas seriam relevantes para o
enriquecimento do trabalho pedagógico do professor, bem como para o desenvolvimento do
aluno em todos os seus aspectos não implica dizer que a escola não desenvolva esse tipo de
trabalho. A escola busca trabalhar dentro de suas possibilidades, improvisando espaços, ou
seja, esse trabalho é desenvolvido dentro das próprias salas de aula, no refeitório, na quadra,
seguindo algumas restrições, já que estes não são espaços apropriados para o
desenvolvimento de todas as atividades acima citadas.
Em sua prática pedagógica, a escola procura oferecer diversas possibilidades
educacionais, afim de que as crianças descubram suas potencialidades. Trabalha as diversas
áreas do conhecimento simultaneamente através de projetos didáticos, de forma que a
aprendizagem ocorra de forma significativa e contextualizada. Além do trabalho com
projetos, outras diversas atividades fazem parte do dia-a-dia do Centro de Educação Infantil
Eusébio Justino de Camargo, como artes, movimentos corporais, músicas brincadeiras,
modelagens, pinturas, teatro, além das atividades de iniciação a leitura e escrita.
Espera-se que o Centro de Educação Infantil Eusébio Justino de Camargo possa
adequar a sua estrutura física de acordo com as necessidades da faixa etária atendida pelo
mesmo, e que continue desenvolvendo um trabalho orientado pelo princípio básico de
procurar proporcionar à criança o desenvolvimento da autonomia, isto é, a capacidade de
construir as suas próprias regras e meios de ação, que sejam flexíveis e possam ser negociadas
com outras pessoas, sejam eles adultos ou crianças. Obviamente, esta construção não se
esgota no período dos 0 aos 5 anos de idade, devido às próprias características do
desenvolvimento infantil. Mas tal construção necessita ser iniciada na Educação Infantil

REFERÊNCIAS

AROEIRA, Maria Luisa Campos. Projetos para a educação infantil. Belo Horizonte:
Dimensão, 2004.
A NOVA, pré escola. 2.ed. Curitiba; Bolsa Nacional do livro, 2004
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força: rotinas na educação Infantil. Porto
Alegre: Artemed, 2006.
BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, MEC/SEF, 1998.
vol. I, vol. II.
KRAMER, Sonia (org.) Profissionais da educação infantil: Gestão e Formação. São Paulo:
Ática, 2005.
KUHMANN JR. Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto
Alegre: Mediação, 1998.
_________. Educando a infância brasileira. LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.;
VEIGA, C. G. 500 anos de Educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

MONROE, Paul. História da Educação. 19. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1998
PROINFANTIL, coleção módulo I. unidade 4. livro de estudo - vol. 2. Karina Rizek Lopes
(Org.) Roseana Pereira Mendes (Org.) Vitória Líbia Barreto de Faria, Brasília 2006.
Disponível em: http://portal.mec.gov.br. Acesso em: 06 set. 2008.
RADESPIEL, Maria. Alfabetização sem segredos: coleção cirandinha educação infantil.
Contagem MG: Iemar, 2003.
SANTOS, Clóvis Roberto dos. Educação escolar brasileira: estrutura, administração,
legislação. São Paulo: Pioneira, 1999.