HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO
1. (Fuvest 2016) Examine o gráfico.

O gráfico fornece elementos para afirmar:
a) A despeito de uma ligeira elevação, o tráfico negreiro em direção ao Brasil era pouco
significativo nas primeiras décadas do século XIX, pois a mão de obra livre já estava em
franca expansão no país.
b) As grandes turbulências mundiais de finais do século XVIII e de começos do XIX
prejudicaram a economia do Brasil, fortemente dependente do trabalho escravo, mas
incapaz de obter fornecimento regular e estável dessa mão de obra.
c) Não obstante pressões britânicas contra o tráfico negreiro em direção ao Brasil, ele se
manteve alto, contribuindo para que a ordem nacional surgida com a Independência fosse
escravista.
d) Desde o final do século XVIII, criaram-se as condições para que a economia e a sociedade
do Império do Brasil deixassem de ser escravistas, pois o tráfico negreiro estava estagnado.
e) Rapidamente, o Brasil aderiu à agenda antiescravista britânica formulada no final do século
XVIII, firmando tratados de diminuição e extinção do tráfico negreiro e acatando as
imposições favoráveis ao trabalho livre.
2. (G1 - ifba 2016) Neste país, que se presume constitucional e onde só deverão ter ação
poderes delegados, responsáveis, acontece, por defeito do sistema, que só há um poder ativo
onímodo, onipotente, perpétuo, superior à lei, e à opinião, e esse é justamente o poder
sagrado, inviolável e irresponsável. (Trecho do Manifesto Republicano, publicado no Jornal A
República, do Rio de Janeiro, em dezembro de 1870.)
Disponível em: . Acesso em 20.09.2015.

A crítica apresentada pelo Manifesto Republicano de 1870 pode ser associada:
a) ao despototismo de D. Pedro II, no desrespeito à Constituição Imperial.
b) aos amplos e ilimitados poderes garantidos ao Imperador pelo Poder Moderador.
c) à irresponsabilidade de D. Pedro II no trato com o dinheiro e com as finanças públicas.
d) ao estado de corrupção e fraudes que envolvia D. Pedro II e grande parte de seus
assessores.
e) aos prejuízos econômicos do país nas negociatas que D. Pedro II realizou com a Inglaterra.
3. (Ufsc 2016) Sobre o Primeiro Reinado brasileiro (1822-1831), é CORRETO afirmar que:
01) o rápido crescimento econômico do país após a independência, baseado na consolidação
do café como principal produto nacional de exportação, garantiu a estabilidade política que
caracterizou o reinado de D. Pedro I.
02) ao estabelecer o sufrágio censitário, a primeira Constituição brasileira, promulgada em
1824, sustentava a tese liberal de que "todos os homens nascem livres e iguais".
Página 1 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO
04) a Confederação do Equador, que eclodiu no Nordeste em 1824, foi um movimento
revolucionário de tendência liberal, separatista e republicana.
08) a oposição interna contra D. Pedro I reduziu-se com a conquista da província Cisplatina,
ocorrida após a guerra travada entre 1825 e 1828 que resultou na separação da República
da Banda Oriental do Uruguai.
16) após a ruptura definitiva com Portugal em setembro de 1822, grupos políticos alinhados
com a Corte portuguesa resistiram ao comando de D. Pedro I em algumas províncias do
império.
4. (G1 - ifba 2016) Os negros livres e libertos preocuparam os observadores do acaso do
Império português no Brasil, mas foi, sobretudo, pensando nos escravos que eles distinguiram
a atuação de um "partido negro". Um anônimo informante da Coroa portuguesa escreveria
numa data entre 1822 e 1823: (...) embora havendo no Brasil aparentemente só dois partidos
[portugueses e brasileiros], existe também um terceiro: o partido dos negros e das pessoas de
cor, que é o mais perigoso, pois se trata do mais forte numericamente falando. Tal partido vê
com prazer e com esperanças criminosas as dissensões existentes entre os brancos, os quais
dia a dia têm seus números reduzidos".
Fonte: REIS, João José. O Jogo Duro do Dois de Julho: o "Partido Negro" da Independência da
Bahia. In: REIS, João José & SILVA, Eduardo. Negociação e Conflito. A resistência negra no
Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. p. 79-98.

A denúncia da existência de um perigoso "partido negro", no contexto da luta pela
independência na Bahia, pode ser explicada pela:
a) ameaça dos negros, escravizados e libertos, de se revoltarem contra os brancos e lutarem
pela continuidade do domínio lusitano sobre a colônia.
b) existência de uma organização partidária de negros livres e escravizados, que regulava
ações conjugadas em toda a colônia pela extinção do trabalho escravo.
c) participação de grande número de escravizados e negros livres na guerra de independência
do Brasil, que poderia evoluir para uma luta contra o regime de escravidão.
d) Ameaça de união entre as organizações antiescravistas brasileiras e os grupos
revolucionários que estabeleceram uma República de negros no Haiti, no final do século
XVIII.
e) aliança firmada entre os negros libertos e os portugueses contra os proprietários de terras
brasileiros, que poderia resultar num decreto do governo lusitano extinguindo o trabalho
escravo na colônia.
5. (Espm 2016) ...uma Constituição não é outra coisa que a ata do Pacto Social que fazem
entre si os homens, quando se juntam e associam para viver em reunião ou sociedade.
(Frei Joaquim do Amor Divino Rabelo Caneca. Citado por Adriana Lopez e Carlos Guilherme
Mota in História do Brasil: uma interpretação)

As palavras do Frei Caneca foram proferidas a propósito de crítica ao modelo autocráticoimperial de Pedro I.
Assinale a alternativa que apresente a revolução republicana e separatista que eclodiu no
nordeste, ocorrida contra o governo de Pedro I:
a) Revolução Pernambucana de 1817;
b) Sabinada;
c) Cabanagem;
d) Balaiada;
e) Confederação do Equador.
6. (Uece 2016) No que concerne à Confederação do Equador de 1824, analise as afirmações
a seguir, e assinale com V o que for verdadeiro e com F o que for falso.
(

) A Confederação costuma ser considerada um prolongamento da Revolução
Página 2 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO

(
(
(
(

Pernambucana de 1817.
) As propostas liberais, republicanas e federativas serviram de bandeira política para os
insurretos.
) Os revoltosos propunham a organização de uma república nos moldes dos Estados
Unidos da América.
) A adesão dos segmentos populares foi fundamental para unir todos os revoltosos.
) A imprensa, infelizmente, atuou contra o movimento e nenhum jornal nas províncias
envolvidas quis apoiar a causa.

A sequência correta, de cima para baixo, é:
a) F, V, V, V, F.
b) V, F, F, V, V.
c) V, F, F, V, V.
d) V, V, V, F, F.
7. (Puccamp 2016) República ou monarquia? Esse dilema esteve presente em todo o
processo de Independência do Brasil. Mas a monarquia acabou sendo o sistema adotado em
terras brasileiras, ao contrário do que ocorreu em outras nações americanas, pois, para essas
novas nações surgidas na América espanhola, a república
a) promovia uma relativa descentralização do poder, uma vez que o regente deveria ser eleito
pelo povo.
b) significava um rompimento maior com a metrópole e a fragmentação do antigo império
colonial.
c) facilitava a manutenção de um vasto território nas mãos dos chefes de Estado e dos
proprietários rurais.
d) garantia a implantação do princípio da soberania popular e da igualdade de direitos na
América.
e) atendia o desejo de políticos liberais e conservadores de libertar as províncias do poder
metropolitano.
8. (Cefet MG 2015) Com a naturalidade de um soberano que sabia usar da autoridade em sua
plenitude, D. Pedro criou a Ordem do Cruzeiro. Não será certamente coincidência que o ato
aproximava-se daquele de Napoleão Bonaparte ao estabelecer a legião de Honra (1802).
Também a coroação de 10 de dezembro tivera como modelo, em grande medida por
intermédio da competência de Jean-Baptiste Debret, a cerimônia de sagração do imperador
francês.
Fonte: NEVES, Lúcia Bastos Pereira. A vida Política. In: COSTA E SILVA, Alberto (coord.)
Crise Colonial e Independência: 1808-1930. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011 (Adaptado)

A criação da honorífica Ordem do Cruzeiro por D. Pedro I representava a
a) limitação do imperador em remunerar financeiramente os feitos públicos.
b) preocupação em disseminar os ideais revolucionários franceses no Brasil.
c) concessão de privilégios sociais em oposição ao modelo estamental europeu.
d) inspiração nos ideais liberais divulgados pela imprensa dos radicais jacobinos.
e) manutenção de práticas típicas das monarquias absolutistas na nação independente.
9. (Uepg 2015) Entre 1808 e 1822, o Brasil viveu um momento singular. A presença da Família
Real em solo brasileiro, a elevação de colônia a Reino Unido, a transformação do Rio de
Janeiro em sede do Reino lusitano mudou a configuração política e econômica brasileira. Após
a volta de D. João VI para Portugal, as ideias emancipatórias ganharam força e levaram a
independência no dia 07 de setembro de 1822, dando início ao período imperial que duraria até
1889, quando foi proclamada a República. A respeito do Primeiro e do Segundo Reinados,
assinale o que for correto.
01) A escravidão, uma das bases de sustentação do regime de produção durante os séculos
coloniais, foi mantida ao longo de quase todo período imperial brasileiro, tendo seu fim
decretado em 1888, pouco mais de um ano antes do fim do regime.

Página 3 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO
02) A partir de meados do século XIX são verificadas algumas mudanças importantes na
sociedade e na economia brasileira. O início da construção de ferrovias, a chegada de
levas de imigrantes europeus, o início de um lento processo de industrialização e
urbanização são alguns dos fatores que alteraram as feições do Segundo Império.
04) O período imperial foi marcado pelo enfrentamento a conflitos internos (como a Sabinada)
e externos (como a Guerra do Paraguai), os quais produziram considerável agitação na
sociedade brasileira do século XIX.
08) Outorgada em 1824, a Constituição que vigorou durante todo o período imperial
estabelecia um governo monárquico e hereditário, a existência de 4 poderes (Executivo,
Legislativo, Judiciário e Moderador), o voto censitário e o catolicismo como religião oficial
do Brasil.
16) Num período de 9 anos (1831­1840), que vai da renúncia de D. Pedro I à posse de D.
Pedro II, o Brasil viveu o chamado Período Regencial.
10. (Fuvest 2015) Considerando-se o intervalo entre o contexto em que transcorre o enredo da
obra Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, e a época de sua
publicação, é correto afirmar que a esse período corresponde o processo de
a) reforma e crise do Império Português na América.
b) triunfo de uma consciência nativista e nacionalista na colônia.
c) Independência do Brasil e formação de seu Estado nacional.
d) consolidação do Estado nacional e de crise do regime monárquico brasileiro.
e) Proclamação da República e instauração da Primeira República.
11. (Uece 2015) Dentre as afirmações a seguir, assinale aquela que está INCORRETA no que
diz respeito à Confederação do Equador (1824).
a) A Confederação do Equador estava afinada com os ideais de federação que serviram de
base para a implantação da República dos Estados Unidos da América.
b) A revolta começou com a exigência de que o Presidente da Província de Pernambuco,
indicado por D. Pedro I, renunciasse ao cargo em favor do liberal Manuel de Carvalho Pais
de Andrade.
c) A Confederação do Equador uniu Pernambuco e as Províncias da Paraíba, Ceará e Rio
Grande do Norte.
d) Cedendo às forças de repressão comandadas pelo Brigadeiro Francisco Lima e Silva, após
cinco meses de resistência, os rebeldes se entregaram, sendo, por este motivo, anistiados.
12. (Imed 2015) A Constituição de 1824, primeira Constituição do Brasil, estabelecia:
I. Estado unitário, monárquico e hereditário.
II. Independência da Igreja Católica em relação ao Estado.
III. Voto indireto, censitário e aberto.
Quais estão corretas?
a) Apenas II.
b) Apenas I e II.
c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.

Página 4 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO
Gabarito:
Resposta da questão 1:
[C]
A despeito da pressão inglesa para que ocorresse o fim do tráfico negreiro para o Brasil, o
mesmo manteve-se em alta entre 1810 e 1830, o que contribuiu para a formação escravista da
nossa sociedade.
Resposta da questão 2:
[B]
A questão faz uma crítica ao poder moderador instituído na constituição brasileira de 1824. De
acordo com este poder, o imperador poderia interferir nas demais esferas de poder, ou seja, o
regime era uma monarquia constitucional, mas com uma fachada absolutista. Esta constituição
foi muito centralizadora desagradando às elites locais. No mesmo ano em que a carta foi
outorgada, ocorreu a Confederação do Equador em Pernambuco com caráter separatista e
republicano. Muitas críticas foram feitas a este documento como sugere o Manifesto
Republicano de 1870.
Resposta da questão 3:
04 + 16 = 20.
[01] Incorreta. Após a independência do Brasil em 1822 começou o Primeiro Reinado, 18221831, caracterizado por uma grave crise econômica acompanhada de uma instabilidade
política.
[02] Incorreta. A constituição de 1824 foi outorgada e não promulgada. Ela foi imposta para os
brasileiros. Estabeleceu o voto censitário e restringiu drasticamente a cidadania. Menos de
1% da população brasileira participava da vida pública.
[08] Incorreta. Com a "Questão da Cisplatina", que culminou com a independência do Uruguai
em 1828, intensificou ainda mais a crise política, desgastando a frágil imagem de do imperador
D. Pedro I.
Resposta da questão 4:
[C]
A questão aponta para a participação dos negros no processo de independência do Brasil, em
especial na formação do "Partido Negro" na Bahia em 1822 e 1823. A elite branca brasileira
tinha medo do "haitianismo", ou seja, na luta pela independência do Haiti o negros aderiram ao
movimento, porém imprimiram um caráter social muito forte tomando o poder e exterminando
muitos brancos que eram associados à exploração. Desta forma, na guerra de independência
do Brasil a participação dos negros representava um risco aos interesses da elite.
Resposta da questão 5:
[E]
A Confederação do Equador (1824) eclodiu em razão do autoritarismo de d. Pedro I, que, no
ano anterior, fechou a Assembleia Constituinte, prendeu os deputados que a compunham e
autorizou a escritura de uma Constituição claramente absolutista para o país.
Resposta da questão 6:
[D]
A quarta afirmação é falsa, porque a Confederação era, originalmente, popular. Esse, aliás, era
seu grande diferencial;
A quinta afirmação é falsa, porque a imprensa esteve presente na Confederação. Líderes do
movimento, como Barata e Frei Caneca, tinham periódicos em Pernambuco.
Página 5 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO

Resposta da questão 7:
[B]
Basicamente, o grande diferencial entre a Independência do Brasil e as Independências da
América Espanhola foi a LIDERANÇA: no Brasil, um membro da Família Real portuguesa e na
América Espanhola, a classe social criolla, excluída durante o período colonial. Daí os
diferentes caminhos políticos seguidos após as independências.
Resposta da questão 8:
[E]
A criação da Ordem do Cruzeiro reflete uma prática comum do Absolutismo europeu: a criação
de estruturas e homenagens aos Monarcas ou Imperadores.
Resposta da questão 9:
01 + 02 + 04 + 08 + 16 = 31.
[01] Correto. A escravidão no Brasil só foi abolida no dia 13 de maio de 1888 quando a
princesa Isabel assinou a Lei Áurea.
[02] Correto. A partir da segunda metade do século XIX, no Segundo Reinado, o Brasil passou
por um processo de modernização associado ao café e a Revolução Industrial.
[04] Correto. Ao longo do século XIX ocorreram inúmeros conflitos internos no Brasil como a
Balaiada, Sabinada, Cabanagem, Farroupilha, entre outros. O Brasil se envolveu em um
conflito externo, a Guerra do Paraguai, que imprimiu mudanças internas significativas.
[08] Correto. A Constituição de 1824 foi a primeira do Brasil e vigorou até o fim da monarquia
em 1889. Esta Magna Carta estabeleceu os quatro poderes, o voto censitário (só os
homens ricos votavam), a religião católica era a oficial, senado vitalício, entre outras
medidas importantes.
[16] Correto. No dia 7 de abril de 1831 D. Pedro I abdicou ao trono transferindo o poder para
seu filho de 5 anos, o futuro D. Pedro II, que assumiu em 1840. Entre 1831 e 1840, o Brasil
viveu o chamado Período Regencial, caracterizado por muita tensão social e revoltas.
Resposta da questão 10:
[C]
[Resposta do ponto de vista da disciplina de História]
A história do livro citado se passa no Rio de Janeiro do início do século XIX e a obra foi
publicada, em forma de folhetim, originalmente, na década de 1850. Logo, esse período de
tempo engloba a Independência do Brasil e a formação do Estado nacional brasileiro.
[Resposta do ponto de vista da disciplina de Português]
Memórias de um Sargento de Milícias inicia-se com a célebre colocação: "Era no tempo do
Rei"; dessa forma, ao apresentar o período joanino, percebe-se que o autor faz referência ao
processo de Independência do Brasil. Já a publicação da obra se deu entre 1852 e 1853,
momento de apogeu do Império brasileiro, cuja preocupação era modernizar o país ­ inclusive
com a proibição do tráfico negreiro ­ contribuindo para a formação do Estado nacional.
Resposta da questão 11:
[D]
Os envolvidos na Confederação do Equador não receberam nenhum tipo de anistia, tendo sido
submetidos a pesados castigos e a penas de morte.
Resposta da questão 12:
[C]

Página 6 de 7

HISTÓRIA DO BRASIL - PRIMEIRO REINADO
A questão se refere à primeira constituição do Brasil, outorgada em 1824. Por meio dela o
Brasil tornou-se um Estado unitário, monárquico e hereditário, com voto direto, censitário (de
acordo com a renda) e aberto. Estabeleceu o Padroado e o Beneplácito, ou seja, a Igreja
católica era submissa ao Estado. Não havia independência da Igreja diante do Estado, isto
surgiu apenas na constituição brasileira de 1891.

Página 7 de 7