Histórico da Educação
A história da educação no Brasil começou em 1549 com a chegada dos primeiros padres
jesuítas, inaugurando uma fase que haveria de deixar marcas profundas na cultura e civilização
do país. Movidos por intenso sentimento religioso de propagação da fé cristã, durante mais de
200 anos, os jesuítas foram praticamente os únicos educadores do Brasil. Embora tivessem
fundado inúmeras escolas de ler, contar e escrever, a prioridade dos jesuítas foi sempre a
escola secundária, grau do ensino onde eles organizaram uma rede de colégios reconhecida
por sua qualidade, alguns dos quais chegaram mesmo a oferecer modalidades de estudos
equivalentes ao nível superior.

Em 1759, os jesuítas foram expulsos de Portugal e de suas colônias, abrindo um enorme vazio
que não foi preenchido nas décadas seguintes. As medidas tomadas pelo ministro D. José I, o
Marquês de Pombal, sobretudo a instituição do Subsídio Literário, imposto criado para
financiar o ensino primário, não surtiu nenhum efeito. Só no começo do século seguinte, em
1808, com a mudança da sede do Reino de Portugal e a vinda da família Real para o BrasilColônia, a educação e a cultura tomaram um novo impulso, com o surgimento de instituições
culturais e científicas, de ensino técnico e dos primeiros cursos superiores, como os de
medicina nos estados do Rio de Janeiro e da Bahia.

Todavia, a obra educacional de D. João VI, importante em muitos aspectos, voltou-se para as
necessidades imediatas da corte portuguesa no Brasil. As aulas e cursos criados, em diversos
setores, tiveram o objetivo de preencher demandas de formação profissional. Esta
característica haveria de ter uma enorme influência na evolução da educação superior
brasileira. Acrescenta-se, ainda, que a política educacional de D. João VI, na medida em que
procurou, de modo geral, concentrar-se nas demandas da corte, deu continuidade à
marginalização do ensino primário.

Com a independência do país, conquistada em 1822, algumas mudanças no panorama sóciopolítico e econômico pareciam esboçar-se, inclusive em termos de política educacional. De
fato, na Constituinte de 1823, pela primeira vez se associou apoio universal e educação
popular - uma como base do outro. Também foi debatida a criação de universidades no Brasil,
com várias propostas apresentadas. Como resultado desse movimento de idéias, surgiu o
compromisso do Império, na Constituição de 1824, em assegurar "instrução primária e gratuita
a todos os cidadãos", confirmado logo depois pela lei de 15 de outubro de 1827, que
determinou a criação de escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e vilarejos,
envolvendo as três instâncias do Poder Público. Teria sido a "Lei Áurea" da educação básica,
caso tivesse sido implementada.

Da mesma forma, a idéia de fundação de universidades não prosperou, surgindo em seu lugar
os cursos jurídicos em São Paulo e Olinda, em 1827, fortalecendo o sentido profissional e
utilitário da política iniciada por D. João VI. Além disso, alguns anos depois da promulgação do
Ato Adicional de 1834, delegando às províncias a prerrogativa de legislar sobre a educação

primária, comprometeu em definitivo o futuro da educação básica, pois possibilitou que o
governo central se afastasse da responsabilidade de assegurar educação elementar para
todos. Assim, a ausência de um centro de unidade e ação, indispensável, diante das
características de formação cultural e política do país, acabaria por comprometer a política
imperial de educação.

A descentralização da educação básica, instituída em 1834, foi mantida pela República,
impedindo o governo central de assumir posição estratégica de formulação e coordenação da
política de universalização do ensino fundamental, a exemplo do que então se passava nas
nações européias, nos Estados Unidos e no Japão. Em decorrência, se ampliaria ainda mais a
distância
entre
as
elites
do
País
e
as
camadas
sociais
populares.
Na década de 1920, devido mesmo ao panorama econômico-cultural e político que se delineou
após a Primeira Grande Guerra, o Brasil começou a se repensar. Em diversos setores sociais, as
mudanças foram debatidas e anunciadas. O setor educacional participou do movimento de
renovação. Inúmeras reformas do ensino primário foram feitas em âmbito estadual. Surgiu a
primeira grande geração de educadores, Anísio Teixeira, Fernando de Azevedo, Lourenço Filho,
Almeida Júnior, entre outros, que lideraram o movimento, tentaram implantar no Brasil os
ideais da Escola Nova e divulgaram o Manifesto dos Pioneiros em 1932, documento histórico
que sintetizou os pontos centrais desse movimento de idéias, redefinindo o papel do Estado
em matéria educacional.

Surgiram nesse período as primeiras universidades brasileiras, do Rio de Janeiro em 1920,
Minas Gerais em em 1927, Porto Alegre em em 1934 e Universidade de São Paulo em 1934.
Esta última constituiu o primeiro projeto consistente de universidade no Brasil e deu início a
uma trajetória cultural e científica sem precedentes.

A Constituição promulgada após a Revolução de 1930, em 1934, consignou avanços
significativos na área educacional, incorporando muito do que havia sido debatido em anos
anteriores. No entanto, em 1937, instaurou-se o Estado Novo concedendo ao país uma
Constituição autoritária, registrando-se em decorrência um grande retrocesso. Após a queda
do Estado Novo, em 1945, muitos dos ideais foram retomados e consubstanciados no Projeto
de Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, enviados ao Congresso Nacional em 1948
que, após difícil trajetória, foi finalmente aprovado em 1961, Lei nº 4.024.

No período que vai da queda do Estado Novo, em 1945, até a Revolução de 1964, quando se
inaugurou um novo período autoritário, o sistema educacional brasileiro passou por mudanças
significativas, destacando-se entre elas o surgimento, em 1951, da atual Fundação CAPES, que
é a Coordenação do Aperfeiçoamento do Pessoal do Ensino Superior, a instalação do Conselho
Federal de Educação, em 1961, campanhas e movimentos de alfabetização de adultos, além da
expansão do ensino primário e superior. Na fase que precedeu a aprovação da LDB/61,
ocorreu um admirável movimento em defesa da escola pública, universal e gratuita.
O movimento de 1964 interrompeu essa tendência. Em 1969 e 1971, foram aprovadas

respectivamente a Lei 5.540/68 e 5.692/71, introduzindo mudanças significativas na estrutura
do ensino superior e do ensino de 1º e 2º graus, cujos diplomas vieram basicamente em ardor
até os dias atuais.

A Constituição de 1988, promulgada após amplo movimento pela redemocratização do País,
procurou introduzir inovações e compromissos, com destaque para a universalização do
ensino fundamental e erradicação do analfabetismo.1

2
HISTÓRIA EDUCAÇÃO

HISTÓRIA EDUCAÇÃO

o

História da Educação

História da Educação
INTRODUÇÃO
A História da Educação Brasileira não é uma História difícil de ser estudada e
compreendida. Ela evolui em rupturas marcantes e fáceis de serem observadas. A
primeira grande ruptura travou-se com a chegada mesmo dos portugueses ao
território do Novo Mundo. Não podemos deixar de reconhecer que os portugueses
trouxeram um padrão de educação próprio da Europa, o que não quer dizer que as
populações que por aqui viviam já não possuíam características próprias de se fazer
educação. E convém ressaltar que a educação que se praticava entre as populações
indígenas não tinha as marcas repressivas do modelo educacional europeu. Num
programa de entrevista na televisão o indigenísta Orlando Villas Boas contou um fato
observado por ele numa aldeia Xavante que retrata bem a característica educacional
entre os índios: Orlando observava uma mulher que fazia alguns potes de barro.
Assim que a mulher terminava um pote seu filho, que estava ao lado dela, pegava o
pote pronto e o jogava ao chão quebrando. Imediatamente ela iniciava outro e,
novamente, assim que estava pronto, seu filho repetia o mesmo ato e o jogava no
chão. Esta cena se repetiu por sete potes até que Orlando não se conteve e se
aproximou da mulher Xavante e perguntou por que ela deixava o menino quebrar o
trabalho que ela havia acabado de terminar. No que a mulher índia respondeu: "Porque ele quer." Podemos também obter algumas noções de como era feita a

1

http://intra.vila.com.br/sites_2002a/urbana/marina_paes/historico_da_educacao.htm

educação entre os índios na série Xingu, produzida pela extinta Rede Manchete de
Televisão. Neste seriado podemos ver crianças indígenas subindo nas estruturas de
madeira das construções das ocas, numa altura inconcebivelmente alta.
Quando os jesuítas chegaram por aqui eles não trouxeram somente a moral, os
costumes e a religiosidade européia; trouxeram também os métodos pedagógicos.
Este método funcionou absoluto durante 210 anos, de 1549 a 1759, quando uma
nova ruptura marca a História da Educação no Brasil: a expulsão dos jesuítas por
Marquês de Pombal. Se existia alguma coisa muito bem estruturada em termos de
educação o que se viu a seguir foi o mais absoluto caos. Tentou-se as aulas régias o
subsídio literário, mas o caos continuou até que a Família Real, fugindo de Napoleão
na Europa, resolve transferir o Reino para o Novo Mundo. Na verdade não se
conseguiu implantar um sistema educacional nas terras brasileiras, mas a vinda da
Família Real permitiu uma nova ruptura com a situação anterior. Para preparar
terreno para sua estadia no Brasil D. João VI abriu Academias Militares, Escolas de
Direito e Medicina, a Biblioteca Real, o Jardim Botânico e, sua iniciativa mais
marcante em termos de mudança, a Imprensa Régia.
Segundo alguns autores o Brasil foi finalmente "descoberto" e a nossa História
passou a ter uma complexidade maior. A educação, no entanto, continuou a ter uma
importância secundária. Basta ver que enquanto nas colônias espanholas já existiam
muitas universidades, sendo que em 1538 já existia a Universidade de São Domingos
e em 1551 a do México e a de Lima, a nossa primeira Universidade só surgiu em 1934,
em São Paulo. Por todo o Império, incluindo D. João VI, D. Pedro I e D. Pedro II, pouco
se fez pela educação brasileira e muitos reclamavam de sua qualidade ruim. Com a
Proclamação da República tentou-se várias reformas que pudessem dar uma nova
guinada, mas se observarmos bem, a educação brasileira não sofreu uma processo de
evolução que pudesse ser considerado marcante ou significativo em termos de
modelo. Até os dias de hoje muito tem se mexido no planejamento educacional, mas
a educação continua a ter as mesmas características impostas em todos os países do
mundo, que é a de manter o "status quo" para aqueles que freqüentam os bancos
escolares.
Concluindo podemos dizer que a Educação Brasileira tem um princípio, meio e fim
bem demarcado e facilmente observável. E é isso que tentamos passar nesta Home
Page. Cada página representa um período da educação brasileira cuja divisão foi
baseada nos períodos que podem ser considerados como os mais marcantes e os que
sofreram as rupturas mais concretas na nossa educação. Está dividida em texto e
cronologia, sendo que o texto refere-se ao mesmo período da Cronologia. A
cronologia é baseada na Linha da Vida ou Faixa do Tempo montessoriana. Neste
método é feita uma relação de fatos históricos em diferentes visões. No nosso caso
realçamos fatos da História da Educação no Brasil, fatos da própria História do Brasil,
que não dizem respeito direto à educação, fatos ocorridos na educação mundial e
fatos ocorridos na História do Mundo como um todo. Estes períodos foram divididos
a partir das concepções do autor em termos de importância histórica. Se

considerarmos a História como um processo em eterna evolução não podemos
considerar este trabalho como terminado. Qualquer crítica ou colaboração será
sempre bem vinda.
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERÍODO JESUÍTICO (1549 · 1759)
A Companhia de Jesus foi fundada por Inácio de Loiola e um pequeno grupo de
discípulos, na Capela de Montmartre, em Paris, em 1534, com objetivos catequéticos,
em função da Reforma Protestante e a expansão do luteranismo na Europa. Os
primeiros jesuítas chegaram ao território brasileiro em março de 1549 juntamente
com o primeiro governador·geral, Tome de Souza. Comandados pelo Padre Manoel
de Nóbrega, quinze dias após a chegada edificaram a primeira escola elementar
brasileira, em Salvador, tendo como mestre o Irmão Vicente Rodrigues, contando
apenas 21 anos.
Irmão Vicente tornou·se o primeiro professor nos moldes europeus e durante mais
de 50 anos dedicou·se ao ensino e a propagação da fé religiosa. O mais conhecido e
talvez o mais atuante foi o noviço José de Anchieta, nascido na Ilha de Tenerife e
falecido na cidade de Reritiba, atual Anchieta, no litoral sul do Estado do Espírito
Santo, em 1597. Anchieta tornou·se mestre·escola do Colégio de Piratininga; foi
missionário em São Vicente, onde escreveu na areia os "Poemas à Virgem Maria" (De
beata virgine Dei matre Maria), missionário em Piratininga, Rio de Janeiro e Espírito
Santo; Provincial da Companhia de Jesus de 1579 a 1586 e reitor do Colégio do
Espírito Santo.
Além disso foi autor da Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil. No
Brasil os jesuítas se dedicaram a pregação da fé católica e ao trabalho educativo.
Perceberam que não seria possível converter os índios à fé católica sem que
soubessem ler e escrever. De Salvador a obra jesuítica estendeu·se para o sul e em
1570, vinte e um anos após a chegada, já era composta por cinco escolas de instrução
elementar (Porto Seguro, Ilhéus, São Vicente, Espírito Santo e São Paulo de
Piratininga) e três colégios (Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia). Todas as escolas
jesuítas eram regulamentadas por um documento, escrito por Inácio de Loiola, o
Ratio ataque Instituto Studiorum, chamado abreviadamente de Ratio Studiorum. Os
jesuítas não se limitaram ao ensino das primeiras letras; além do curso elementar eles
mantinham os cursos de Letras e Filosofia, considerados secundários, e o curso de
Teologia e Ciências Sagradas, de nível superior, para formação de sacerdotes. No
curso de Letras estudava·se Gramática Latina, Humanidades e Retórica; e no curso de
Filosofia estudava·se Lógica, Metafísica, Moral, Matemática e Ciências Físicas e
Naturais.
Os que pretendiam seguir as profissões liberais iam estudar na Europa, na
Universidade de Coimbra, em Portugal, a mais famosa no campo das ciências jurídicas
e teológicas, e na Universidade de Montpellier, na França, a mais procurada na área
da medicina. Com a descoberta os índios ficaram à mercê dos interesses alienígenas:
as cidades desejavam integrá·los ao processo colonizador; os jesuítas desejavam

convertê·los ao cristianismo e aos valores europeus; os colonos estavam interessados
em usá·los como escravos. Os jesuítas então pensaram em afastar os índios dos
interesses dos colonizadores e criaram as reduções ou missões, no interior do
território. Nestas Missões, os índios, além de passarem pelo processo de
catequização, também são orientados ao trabalho agrícola, que garantiam aos
jesuítas uma de suas fontes de renda.
As Missões acabaram por transformar os índios nômades em sedentários, o que
contribuiu decisivamente para facilitar a captura deles pelos colonos, que
conseguem, às vezes, capturar tribos inteiras nestas Missões. Os jesuítas
permaneceram como mentores da educação brasileira durante duzentos e dez anos,
até 1759, quando foram expulsos de todas as colônias portuguesas por decisão de
Sebastião José de Carvalho, o marquês de Pombal, primeiro-ministro de Portugal de
1750 a 1777. No momento da expulsão os jesuítas tinham 25 residências, 36 missões
e 17 colégios e seminários, além de seminários menores e escolas de primeiras letras
instaladas em todas as cidades onde havia casas da Companhia de Jesus. A educação
brasileira, com isso, vivenciou uma grande ruptura histórica num processo já
implantado e consolidado como modelo educacional.

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1500

o

Sai de Portugal a esquadra de Pedro Álvares Cabral com destino à
Índia.

o

· Chega às costas brasileiras a esquadra de Pedro Álvares Cabral.
1501

o

· Américo Vespúcio percorre a costa do Brasil, do Rio Grande do
Norte até Cananéia, em São Paulo, nomeando os acidentes
geográficos litorâneos. 1502

o

· É concedida a Fernando de Noronha o direito de exploração do paubrasil.

o

· Montezuma torna-se chefe dos Astecas, no México. 1503

o

· Morre o Papa Pio III. Em seu lugar assume Giuliano della Rovere, que
adota o nome de Papa Júlio II. 1513

o

· Morre o Papa Júlio II e assume Leão X. 1517

o

· Martinho Lutero divulga suas 95 teses contra as indulgências da
Igreja, dando início à Reforma Protestante.

o

· Os espanhóis ocupam Yucatán, na América Central. 1526

o

· Frei Pedro de Gante funda a Escola de São Francisco, no México.
1532

o

· Martim Afonso de Souza funda a vila de São Vicente, depois de
comandar a primeira expedição para defender o litoral brasileiro
contra o contrabando de pau-brasil pelos franceses. 1534

o

· São criadas as Capitanias Hereditárias.

o

· Ignácio de Loyola funda a Companhia de Jesus. 1536

o

· Frei João de Zumárraga funda o Colégio Imperial de Santa Cruz de
Tlateloco, consagrado à educação superior dos índios.. 1538

o

· O Colégio dos Frades Dominicanos passa a se chamar Universidade
de São Tomás de Aquino, em São Domingos. 1539

o

· É impresso no México o primeiro livro. 1544

o

· A beata Angela de Mérici funda a Ordem das Ursulinas, em honra de
Santa Ursula, para educação das meninas. 1545

o

·Tem início o Concílio de Trento, formulando diretrizes para a ContraReforma e instituindo o Index Librorum Prohibitorum, lista de livros
proibidos aos católicos, sob pena de excomunhão. 1549

o

· Chega ao Brasil o primeiro grupo de seis padres jesuítas, chefiados
por Manuel de Nóbrega, marcando o início da História da Educação
no Brasil (nos moldes europeus).

o

· Quinze dias após a chegada fundam, na cidade de Salvador, a
primeira escola elementar.

o

· Tome de Souza, primeiro Governador Geral do Brasil, funda a
cidade de Salvador para servir de sede do governo.

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1551 ·

o

São criadas a Real e Pontifícia Universidade no México e a
Universidade de São Marcos, em Lima. 1553

o

· Duarte da Costa é o segundo Governador Geral do Brasil. 1554

o

· São fundadas as escolas jesuítas de São Paulo de Piratininga, tendo
como seu primeiro professor o padre José de Anchieta, e a da Bahia.

1555
o

· Primeira invasão francesa ao território brasileiro na Baía de
Guanabara.

o

· Os franceses fundam a França Antártica, na Baía de Guanabara,
para abrigar calvinistas fugidos da guerra religiosa na Europa. 1556

o

· É fundado o colégio jesuíta de Todos os Santos.

o

· Começa a vigorar as "Constituições da Companhia de Jesus",
incluindo a aprendizagem do canto, da música instrumental e o
estudo profissional agrícola. 1557

o

· Mem de Sá é o terceiro Governador Geral do Brasil.

o

· Mem de Sá, junto com seu sobrinho Estácio de Sá, expulsam os
franceses da Baía de Guanabara.

o

· Estácio de Sá funda a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.
1564

o

· É colocado em execução o "Padrão de Redízimo" que consistia em
que 10% de toda a arrecadação dos dízimos reais, em todas as
capitanias da colônia e seus povoados, ficavam vinculados ao
sustento e à manutenção dos jesuítas. 1567

o

· É fundado o colégio jesuíta do Rio de Janeiro.

o

· Os franceses são expulsos do Rio de Janeiro. 1568

o

· É fundado o colégio jesuíta de Olinda.

o

· Tem início a escravidão africana, onde cada senhor de engenho
teve o direito de adquirir até 120 escravos por ano. 1570

o

· O Brasil conta com cinco escolas elementares (Porto Seguro, Ilhéus,
São Vicente, Espírito Santo e São Paulo de Piratininga) e três colégios
(Rio de Janeiro, Pernambuco e Bahia).

o

· Carlos Borromeu funda a Ordem dos Oblatos para religiosos que
ofereciam e se preparavam para a educação. 1572

o

· Em Paris são assassinados mais de três mil protestantes, entre eles
mulheres e crianças, sob às ordens da Rainha Catarina de Médicis.
Este episódio ficou conhecido como A Noite de São Bartolomeu. 1573

o

· É criada a Universidade de Santa Fé de Bogotá. 1575

o

· No colégio da Bahia já se colava grau de Bacharel em Artes. 1576

o

· No colégio da Bahia formam-se licenciados. 1584

o

· A imprensa chega ao Peru. 1599

o

· Ganha uma elaboração definitiva a "Ratio Ataque Institutio
Studiorum", ou Plano de Estudos da Companhia de Jesus, que
codificava a pedagogia dos jesuítas.

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1600 ·
O vice-rei Dom Gaspar de Zuñiga promulga a Ordenança dos Mestres da Nivíssima
Arte de Ler, Escrever e Contar, uma legislação escolar.

o

· É fundada a Companhia Britânica das Índias Orientais para explorar
o comércio com o Oriente, a Ásia e a Índia. 1613

o

· É criada a Universidade Córdoba do Tucumã. 1618

o

· Os jesuítas possuem 572 colégios espalhados pelo mundo.

o

· O ducado de Weimar regulamenta a obrigatoriedade escolar para
todas as crianças de 6 a 12 anos.

o

· Tem início a Guerra dos Trinta Anos entre protestantes e católicos.
1622

o

· É fundado o colégio jesuíta do Maranhão. 1623

o

· É criada a Universidade de Lá Plata. 1624

o

· Primeira invasão holandesa no Brasil, em Salvador. São expulsos um
ano depois. 1628

o

· É editada Didactica magna, universale omnes ominia docendi
artificium exibens (a magna Didática, que apresenta a completa arte
de ensinar tudo a todos) de João Amós Comênio. 1630

o

· Segunda invasão holandesa no Brasil, em Recife.

o

· Escravos fundam o Quilombo de Palmares.

o

· A imprensa chega à Argentina. 1631

o

· É fundado o colégio jesuíta de Santo Inácio, em São Paulo. 1646

o

· Os jansenistas, conhecidos como os "solitários de Port·Royal",
organizam as "pequenas escolas" que terão importante papel na

formação de líderes para a Igreja e para o Estado.
ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1652 ·
É fundado o colégio jesuíta de São Miguel, em Santos, o de Santo Alexandre, no Pará,
e o de Nossa Senhora da Luz, em São Luiz do Maranhão. 1654
o

· É fundado o colégio jesuíta de São Tiago, no Espírito Santo.

o

· Os holandeses são definitivamente expulsos do Brasil. 1675

o

· É criada a Universidade da Guatemala. 1678

o

· E fundado o colégio jesuíta de Nossa Senhora do Ó, em Recife. 1683

o

. É fundado o colégio jesuíta da Paraíba. 1684

o

João Batista de La Salle funda o Instituto dos Irmãos das Escolas
Cristãs, para que os pobres obtenham gratuitamente instrução
elementar. 1686

o

· Madame de Maintenon, esposa de Luiz XIV, funda o Colégio de
Saint-Cyr, para meninas de 7 e 12 anos que permanecem lá até os 20
anos. 1688

o

· A Revolução Gloriosa destrona os Stuarts e encerra o absolutismo na
Inglaterra. 1689

o

· É resolvida a "Questão dos Moços Pardos", surgida com a proibição,
por parte dos jesuítas, da matrícula e da freqüência dos mestiços.
Como as escolas eram públicas, para não perderem os subsídios que
recebiam, são obrigados a readmití·los. 1692

o

· É criada a Universidade de Cusco. 1699 · É fundada na Bahia a
Escola de Artes e Edificações Militares.

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1708
· Guerra dos Emboabas. Emboabas eram os estrangeiros ou pessoas vindas de outras
partes da colônia para procurar ouro em São Vicente, São Paulo. · Os jesuítas
possuem 769 colégios espalhados pelo mundo. 1710 · Guerra dos Mascates, em
Pernambuco. 1712 · Nasce em Genebra Jean·Jacques Rousseau. 1721 · É criada a
Universidade da Caracas. 1722 · Os oficiais da Câmara queixam-se ao Rei, contra
alguns religiosos, sobre a questão do ensino. 1738 · É fundada no Rio de Janeiro a
Escola de Artilharia. · É criada a Universidade de Santiago do Chile. 1739 · São
fundados os Seminários de São José e São Pedro, no Rio de Janeiro. 1740 · É fundada
em Paris a primeira Escola de Artes e Ofícios.

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1750 ·

o

Tratado de Madri anula o das Tordesilhas, resolvendo o problema
das Missões.

o

A introdução da máquina a vapor inicia a Revolução Industrial. 1756

o

Tem início a Guerra dos Sete Anos, motivada pelas disputas de
colônias entre a Inglaterra e a França. 1759

o

Duzentos e dez anos após a chegada e de serem os únicos
responsáveis pela educação no Brasil, deixam a colônia cerca de
Quinhentos padres jesuítas, expulsos pelo Marquês de Pombal,
Ministro de D. José I, paralisando 17 colégios, 36 missões, seminários
menores e escolas elementares.

o

O Alvará de 28 de julho determina a instituição de aulas de gramática
latina, aulas de grego e de retórica, além de criar o cargo de "Diretor
de Estudos". Medidas inócuas para um sistema de ensino
fragmentado.

o

Marques de Pombal extingue as últimas Capitanias Hereditárias.

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERÍODO POMBALINO (1760 - 1808)
Com a expulsão saíram do Brasil 124 jesuítas da Bahia, 53 de Pernambuco, 199 do Rio
de Janeiro e 133 do Pará. Com eles levaram também a organização monolítica
baseada no Ratio Studiorum. Pouca coisa restou de prática educativa no Brasil.
Continuaram a funcionar o Seminário episcopal, no Pará, e os Seminários de São José
e São Pedro, que não se encontravam sob a jurisdição jesuítica; a Escola de Artes e
Edificações Militares, na Bahia; e a Escola de Artilharia, no Rio de Janeiro. Os jesuítas
foram expulsos das colônias por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de
Pombal, primeiro-ministro de Portugal de 1750 a 1777, em função de radicais
diferenças de objetivos. Enquanto os jesuítas preocupavam-se com o proselitismo e o
noviciado, Pombal pensava em reerguer Portugal da decadência que se encontrava
diante de outras potências européias da época. A educação jesuítica não convinha
aos interesses comerciais emanados por Pombal. Ou seja, se as escolas da Companhia
de Jesus tinham por objetivo servir aos interesses da fé, Pombal pensou em organizar
a escola para servir aos interesses do Estado. Marquês de Pombal Através do alvará
de 28 de junho de 1759, ao mesmo tempo em que suprimia as escolas jesuíticas de
Portugal e de todas as colônias, Pombal criava as aulas régias de Latim, Grego e
Retórica. Criou também a Diretoria de Estudos que só passou a funcionar após o
afastamento de Pombal. Cada aula régia era autônoma e isolada, com professor único
e uma não se articulava com as outras. Portugal logo percebeu que a educação no

Brasil estava estagnada e era preciso oferecer uma solução. Para isso instituiu o
"subsídio literário" para manutenção dos ensinos primário e médio. Criado em 1772
era uma taxação, ou um imposto, que incidia sobre a carne verde, o vinho, o vinagre
e a aguardente. Além de exíguo, nunca foi cobrado com regularidade e os professores
ficavam longos períodos sem receber vencimentos a espera de uma solução vinda de
Portugal. Os professores eram geralmente mal preparados para a função, já que eram
improvisados e mal pagos. Eram nomeados por indicação ou sob concordância de
bispos e se tornavam "proprietários" vitalícios de suas aulas régias. De todo esse
período de "trevas" sobressaíram-se a criação, no Rio de Janeiro, de um curso de
estudos literários e teológicos, em julho de 1776, e do Seminário de Olinda, em 1798,
por Dom Azeredo Coutinho, governador interino e bispo de Pernambuco. O
Seminário de Olinda "tinha uma estrutura escolar propriamente dita, em que as
matérias apresentavam uma seqüência lógica, os cursos tinham uma duração
determinada e os estudantes eram reunidos em classe e trabalhavam de acordo com
um plano de ensino previamente estabelecido" (Piletti, 1996: 37). O resultado da
decisão de Pombal foi que, no princípio do século XIX (anos 1800...), a educação
brasileira estava reduzida a praticamente nada. O sistema jesuítico foi desmantelado
e nada que pudesse chegar próximo deles foi organizado para dar continuidade a um
trabalho de educação. Esta situação somente sofreu uma mudança com a chegada da
família real ao Brasil em 1808.
ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1759 ·
Duzentos e dez anos após a chegada e de serem os únicos responsáveis pela
educação no Brasil, deixam a colônia cerca de Quinhentos padres jesuítas, expulsos
pelo Marquês de Pombal, Ministro de D. José I, paralisando 17 colégios, 36 missões,
seminários menores e escolas elementares.

o

O Alvará de 28 de julho determina a instituição de aulas de gramática
latina, aulas de grego e de retórica, além de criar o cargo de "Diretor
de Estudos". Medidas inócuas para um sistema de ensino
fragmentado.

o

Marques de Pombal extingue as últimas Capitanias Hereditárias. 1762

o

Jean-Jacques Rousseau escreve Emílio e Contrato Social. 1763

o

Mudança da capital do Vice-Reino de Salvador para o Rio de Janeiro.
1764

o

Jean-Jacques Rousseau escreve Devaneios de um Passeante e
Confissões. 1765

o

O inglês James Watt aperfeiçoa o motor a vapor que se tornou marco

da Revolução Industrial. 1767
o

A Espanha expulsa os jesuítas e fecha seus colégios.

o

Carlos III lança uma Ordenança Real obrigando todo município
espanhol a ter uma escola de primeiras letras, com freqüência
obrigatória. 1768

o

Carlos III dispõe que deveriam ser fundadas escolas para meninas,
dando preferência para filhas de lavradores e artesãos. 1770

o

A Reforma Pombalina de Educação substitui o sistema jesuítico e o
ensino é dirigido pelos vice-reis nomeados por Portugal.

o

L'Abbé de L'Epée funda em Paris a primeira instituição específica para
a educação dos surdos. 1772

o

É instituído o "subsídio literário", imposto destinado a manutenção
dos ensinos primário e médio.

o

É fundada, no Rio de Janeiro, a Academia Científica. 1774

o

Basedow funda em Dessau o Instituto Filantropinum e tem início o
movimento pedagógico conhecido como filatropismo (philos,
"amigo"; anthropos, "homem"). 1776

o

É criado no Rio de Janeiro, pelos padres Franciscanos, um curso de
estudos literários e teológicos, destinado à formação de sacerdotes.

o

L'Abbé de L'Epée publica A Verdadeira Maneira de Instruir os Surdos.

o

Os Estados Unidos proclamam sua independência. 1777

o

D. Maria I assume o trono de Portugal. 1778

o

Morre Jean·Jacques Rousseau. 1782

o

É criada a Universidade de Havana. 1784

o

É criado no Rio de Janeiro o Gabinete de História Natural. 1789

o

Tiradentes e a Inconfidência Mineira.

o

A Queda da Bastilha é o marco da Revolução Francesa. 1791

o

É criada a Universidade Quito. 1797

o

É criada em Santiago do Chile a Academia de São Luiz, pelo mestre
Dom Manuel de Salas. 1799

o

É criada em Buenos Aires a Escola Náutica, por Manuel Belgrano.

o

Napoleão Bonaparte dá o Golpe do Dezoito Brumário, e assume o
poder na França

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1800

o

O bispo Azeredo Coutinho funda o Seminário de Olinda. 1802

o

D. Azeredo Coutinho funda em Pernambuco o Recolhimento de
Nossa Senhora da Glória, só para meninas da nascente nobreza e
fidalguia brasileira.

o

O educador suíço Felipe Manuel Fallenberg, funda a Escola Prática de
Agricultura. 1807

o

O educador suíço Felipe Manuel Fallenberg, funda o Instituto
Agronômico Superior. 1808

o

É fundado uma escola de educação, onde se ensinavam as línguas
portuguesa e francesa, Retórica, Aritmética, Desenho e Pintura.

o

É criada a Academia de Marinha, no Rio de Janeiro.

o

São criados cursos de cirurgia no Rio de Janeiro e na Bahia.

o

É criada uma cadeira de Ciência Econômica, na Bahia, da qual seria
regente José da Silva Lisboa, o futuro Visconde de Cairu.

o

Chegada da Família Real ao Brasil.

o

Abertura dos portos às nações amigas.

o

Impresso o primeiro periódico do Brasil: Gazeta do Rio de Janeiro.

Referências: PILETTI, Nelson, História da Educação no Brasil. 6. ed. São Paulo: Ática,
1996.
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PERÍODO JOANINO
ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1808 ·

o

É fundado uma escola de educação, onde se ensinavam as línguas
portuguesa e francesa, Retórica, Aritmética, Desenho e Pintura.

o

É criada a Academia de Marinha, no Rio de Janeiro.

o

São criados cursos de cirurgia no Rio de Janeiro e na Bahia.

o

É criada uma cadeira de Ciência Econômica, na Bahia, da qual seria
regente José da Silva Lisboa, o futuro Visconde de Cairu. · Chegada da
Família Real ao Brasil.

o

Abertura dos portos às nações amigas.

o

Impresso em Londres, por Hipólito da Costa, o Correio Braziliense é o
primeiro jornal em língua portuguesa a circular no Brasil.

o

Impresso o primeiro periódico do Brasil: Gazeta do Rio de Janeiro.
1810

o

Desfazendo·se de seus próprios livros (60.000 volumes), D. João VI
funda a nossa primeira biblioteca.

o

É criada a Academia Militar. 1812

o

São criados cursos de Agricultura na Bahia.

o

É criada a escola de serralheiros, oficiais de lima e espingardeiros, em
Minas Gerais.

o

É criado o laboratório de química no Rio de Janeiro. 1814

o

Franqueada a população a biblioteca real torna-se nossa primeira
biblioteca pública.

o

São criados cursos de agricultura no Rio de Janeiro. 1815

o

Elevação do Brasil a Reino Unido ao de Portugal e Algarves. 1816

o

É criada a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios. 1817

o

É criado um curso de química na Bahia.

o

Tem início a Revolução Pernambucana. 1818

o

Surge um curso de desenho com o objetivo de "beneficiar muitos
ramos da indústria".

o

É criado o Museu Nacional no Rio de Janeiro. 1820

o

A Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios muda para Real Academia
de Pintura, Escultura e Arquitetura Civil e depois para Academia de
Artes.

o

História da Educação

História da Educação

PERÍODO IMPERIAL (1822 - 1888)
Para o professor Lauro de Oliveira Lima a vinda da Família Real representou a
verdadeira "descoberta do Brasil" (Lima, [197_], 103). Ainda segundo o professor
Lauro, "a 'abertura dos portos', além do significado comercial da expressão, significou
a permissão dada aos 'brasileiros' (madereiros de pau-brasil) de tomar conhecimento
de que existia, no mundo, um fenômeno chamado civilização e cultura" (Idem) Em
1820 o povo português mostra-se descontente com a demora do retorno da Família
Real e inicia a Revolução Constitucionalista, na cidade do Porto. Isto apressa a volta
de D. João VI a Portugal em 1821. Em 1822, a 7 de setembro, seu filho D. Pedro I
declara a Independência do Brasil e, inspirada na Constituição francesa, de cunho
liberal, em 1824 é outorgada a primeira Constituição brasileira.
O Art. 179 desta Lei Magna dizia que a "instrução primária e gratuita para todos os
cidadãos". Em 1823, na tentativa de se suprir a falta de professores institui-se o
Método Lancaster, ou do "ensino mútuo", onde um aluno treinado (decurião) ensina
um grupo de dez alunos (decúria) sob a rígida vigilância de um inspetor. Em 1826 um
Decreto institui quatro graus de instrução: Pedagogias (escolas primárias), Liceus,
Ginásios e Academias. E, em 1827 um projeto de lei propõe a criação de pedagogias
em todas as cidades e vilas, além de prever o exame na seleção de professores, para
nomeação. Propunha ainda a abertura de escolas para meninas. Em 1834 o Ato
Adicional à Constituição dispõe que as províncias passariam a ser responsáveis pela
administração do ensino primário e secundário. Graças a isso, em 1835, surge a
primeira escola normal do país em Niterói. Se houve intenção de bons resultados não
foi o que aconteceu, já que, pelas dimensões do país, a educação brasileira se perdeu
mais uma vez, obtendo resultados pífios.
Em 1880 o Ministro Paulino de Souza lamenta o abandono da educação no Brasil, em
seu relatório à Câmara. Em 1882 Ruy Barbosa sugere a liberdade do ensino, o ensino
laico e a obrigatoriedade de instrução, obedecendo as normas emanadas pela
Maçonaria Internacional. Em 1837, onde funcionava o Seminário de São Joaquim, na
cidade do Rio de Janeiro, é criado o Colégio Pedro II, com o objetivo de se tornar um
modelo pedagógico para o curso secundário. Efetivamente o Colégio Pedro II não
conseguiu se organizar até o fim do Império para atingir tal objetivo. Até a
Proclamação da República, em 1889 praticamente nada se fez de concreto pela
educação brasileira. O Imperador D. Pedro II quando perguntado que profissão
escolheria não fosse Imperador, respondeu que gostaria de ser "mestre-escola".
Apesar de sua afeição pessoal pela tarefa educativa, pouco foi feito, em sua gestão,
para que se criasse, no Brasil, um sistema educacional.
ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1821
o

Anexação da Província Cisplatina.

o

· D. João VI retorna a Portugal, deixando D. Pedro como Príncipe

Regente. 1822 ·
o

O Decreto de 1o de março criava no Rio de Janeiro uma escola
baseada no método lancasteriano ou de ensino mútuo. Ou seja,
somente um professor para cada escola.

o

· D. Pedro declara a Independência do Brasil, tornado-se o primeiro
Imperador do Brasil com o título de D. Pedro I. 1824 ·

o

A Constituição, outorgada pela Assembléia Constituinte, dizia, no seu
artigo 179, que a instrução primária era gratuita a todos os cidadãos.
1825 · É criado o Ateneu do Rio Grande do Norte.

o

· É criado um curso jurídico provisório na Corte.

o

· Portugal e Inglaterra reconhecem a Independência do Brasil.

o

· Início da luta pela independência do Uruguai. 1827

o

· São criados os cursos de Direito de São Paulo e Olinda.

o

· É criado o Observatório Astronômico.

o

· Uma Lei Geral, de 15 de outubro, dispõe sobre as escolas de
primeiras letras, fixando-lhes o currículo e institui o ensino primário
para o sexo feminino.

o

· Começa a circular o jornal A Aurora Fluminense.

o

· Os brasileiros lutam contra tropas argentinas e uruguaias pela posse
da Província Cisplatina.

o

· Um ano depois é assinado um tratado de paz entre as partes,
reconhecendo a Independência do Uruguai.

o

· O inglês John Dalton apresenta a primeira formulação da teoria
atômica. 1829

o

· O Professor Louis Braille, cego desde os três anos, cria um sistema
de leitura para cegos, em Paris.

o

· O Papa Pio VIII sucede o Papa Leão XII.

o

· Em Maryland, nos Estados Unidos, a Companhia de Estrada de
Ferro inicia a primeira linha de passageiros. 1830

o

· Uma Resolução do Senado declara livres os índios selvagens
prisioneiros de guerra escravizados.

o

· Michael Faraday, cientista inglês, descobre a indução magnética.

o

· Distúrbios de operários têxteis na Inglaterra.

o

· Morre Simon Bolívar, herói da Independência de vários países
hispânicos. 1831

o

· Noite das Garrafadas.

o

· D. Pedro I abdica em favor de seu filho D. Pe·dro II, então com oito
anos.

o

· Em Recife eclode as rebeliões conhecidas como Setembrizada e
Novembrada, em função da abdicação de D.PedroI.

o

· Constituição da Primeira Regência Trina Provisória, composta pelos
Senadores Carneiro de Campos, Campos Vergueiro e pelo Brigadeiro
Francisco de Lima e Silva.

o

· Uma Lei declara livres todos os escravos que entrassem no Brasil
após a data da Lei.

o

· O botânico inglês Robert Brown descobre o núcleo das células.

o

· Morre de cólera o filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel.
1832

o

· Convertem·se em Faculdades de Medicina, as Academias MédicoCirúrgicas do Rio de Janeiro e da Bahia.

o

· Ainda em função da abdicação de D. Pedro I, eclode em Recife a
revolta conhecida como Abrilada e a Guerra dos Cabanos. 1834

o

· O Ato Adicional da reforma constitucional dizia que a educação
primária e secundária ficaria a cargo das províncias, restando a
administração nacional o ensino superior.

o

· O Ato Adicional estabelece a eleição de um só Regente.

o

· Revolta da Cabanagem, no Pará. · Revolta das Cameiradas, em
Recife.

o

· A escravidão é abolida em todo o Império Britânico.

o

· Morre em Portugal D. Pedro I. 1835 · É criada uma escola normal
em Niterói. A primeira do Brasil.

o

· Regência Una com a eleição de Diogo Antônio Feijó

o

. · Tem início a Guerra dos Farrapos, no Rio Grande do Sul.

o

· Eclode a Revolta do Malês, na Bahia. 1836 · É criada uma escola

normal na Bahia.
o

· São criados os Liceus da Bahia e da Paraíba. 1837

o

· Tem início a revolta conhecido como Sabinada, na Bahia.

o

· Em substituição a Feijó, assume a Regência Pedro de Araújo Lima.
1838

o

· O Colégio Pedro II é fundado no Rio de Janeiro.

o

· Tem início a revolta conhecida como Balaiada, no Maranhão.

o

· Surgem na Inglaterra os primeiros sindicatos (trade union) 1839

o

· É criada uma escola normal no Pará.

o

· Inglaterra e China envolve·se no conflito conhecido por Guerra do
Ópio. Vencida a guerra pelos Ingleses a China é obrigada a transferir a
posse de Hong Kong para os britânicos.

o

· As mães inglesas, separadas ou divorciadas, passam a ter acesso aos
seus filhos.

o

· As mulheres conquistam o direito de ter propriedades nos Estados
Unidos.

o

· É construída a primeira locomotiva elétrica pelo americano Charles
Page. 1840

o

· Aos 14 anos de idade D. Pedro II torna-se Imperador do Brasil. 1844

o

· Samuel Morse cria a mensagem telegráfica através de um código de
sinais de sons. 1845

o

· É criada uma escola normal no Ceará.

o

· A Inglaterra promulga a Bill Aberdeen, que lhe dá o direito de
aprisionar qualquer embarcação que traficasse escravos. · Karl Marx é
expulso da França e muda-se para Bruxelas. 1846

o

· É criada uma escola normal em São Paulo.

o

· O dentista William Morton utiliza pela primeira vez uma anestesia
local numa cirurgia. 1848

o

· É criada uma escola normal em São Paulo.

o

· Setores radicais do Partido Liberal pernambucano inicia a Revolta
Praieira.

o

· Karl Marx e Friedrich Engels publicam o Manifesto do Partido
Comunista. 1849

o

· Gonçalves Dias, encarregado de estudar as condições do ensino nas
Províncias do Norte dizia que "os nossos liceus são escolas
preparatórias da academia e escolas más".

ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL
DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO 1850
A Lei Eusébio de Queiroz acaba com o tráfico de escravos.
o

· Chegam no Rio de Janeiro os bondes puxados por cavalos. 1852

o

· Gonçalves Dias, em seu relatório de inspeção, dizia: "Quero crer
perigoso dar·se·lhes (aos aldeados) instrução".

o

· Inauguração das primeiras linhas telegráficas no Brasil. 1854

o

· O Decreto 1331A, de 17 de fevereiro, reforma os ensinos primário e
secundário, exigindo professores credenciados e a volta da
fiscalização oficial; cria a Inspetoria Geral da Instrução Primária e
Secundária.

o

· É criada uma escola normal na Paraíba.

o

· Barão de Mauá constrói a primeira ferrovia brasileira, no Rio de
Janeiro. 1857

o

· No Rio Grande do Sul, no Colégio de Artes Mecânicas, a lei mandava
recusar matrículas às crianças de cor preta e aos escravos e pretos,
"ainda que libertos e livres". 1864

o

· No Rio Grande do Sul, no Colégio de Artes Mecânicas, a lei mandava
recusar matrículas às crianças de cor preta e aos escravos e pretos,
"ainda que libertos e livres".

o

· Paraguai declara guerra ao Brasil.

o

· É criada a Internacional dos Trabalhadores, dirigida por Karl Marx.
1870

o

· A Reforma Paulino de Souza pretendia imprimir, aos estudos
realizados no Colégio Pedro II, um caráter formativo, habilitando os
alunos não só para os estudos superiores, mas para a vida, além da
instituição ser capaz de competir com os estabelecimentos
particulares no aliciamento de candidatos às Academias.

o

· É criada a Escola Americana, o Colégio Piracicabano, escola primária
de cunho protestante. · É criada uma escola normal no Rio Grande do

Sul.
o

· Tem início a imigração italiana.

o

· Nasce em Chiaravalle, província de Ancona, na Itália, Maria
Montessori.

o

· Acontece a unificação italiana. 1871

o

· A Lei do Ventre Livre liberta os filhos de escravos.

o

· É instituída a Comuna de Paris que dura 72 dias. 1872

o

· O Brasil contava com uma população de 10 milhões de habitantes e
apenas 150.000 alunos matriculados em escolas primárias. O índice
de analfabetismo era de 66,4%.

o

· Fanáticos religiosos do Rio Grande do Sul iniciam o que ficou
chamado como a Revolta dos Mucker. 1873

o

· Com o objetivo de estimular o desenvolvimento dos estudos
secundários nas províncias e de facilitar aos candidatos das províncias
o acesso aos cursos superiores, o Ministro João Alfredo Correia de
Oliveira instalou nas capitais das províncias do Império bancas de
exames gerais preparatórios. 1874 · É criada a Escola Politécnica.
1878

o

· O Conselheiro Leôncio de Carvalho realiza uma reforma do ensino
que permitia "a cada um expor livremente suas idéias e ensinar as
doutrinas que acredite verdadeiras, pelos métodos que julgue
melhores". Além disso manteve as matrículas avulsas e introduziu a
freqüência livre e os exames vagos no Externato do Colégio Pedro II.
1879

o

· O Senador Oliveira Junqueira dizia: "certas matérias, talvez, não
sejam convenientes para o pobre; o menino pobre deve ter noções
muito simples". · Começa a funcionar a Companhia Telephonica
Brasileira. Em 1876 D. Pedro II conheceu o telefone, na Exposição de
Filadélfia, e no ano seguinte instalou a primeira linha, na cidade do
Rio de Janeiro. 1880.

o

· Surge a primeira escola normal da Capital do Império, mantida e
administrada pelos Poderes Públicos. 1882

o

· Rodolfo Dantas cria um projeto propondo maior intervenção do
Governo na instrução popular das províncias. Este projeto não
chegou a ser discutido no Parlamento. 1884

o

· É criada a Escola Neutralidade, escola primária de cunho positivista.

o

· A África é dividida pelas potências européias na Conferência de
Berlim. 1885 ·

A Lei Saraiva-Cotegipe ou a Lei dos Sexagenários torna livres os escravos com mais
de 60 anos. 1888
o

· É criado o Instituto Pasteur, no Rio de Janeiro · A Lei Áurea abole a
escravidão no Brasil. 1889 · Ferreira Viana, Ministro do Império dizia
ser fundamental formar "professores com a necessária instrução
científica e profissional".

o

· Em sua última fala do trono Sua Majestade pedia empenho para a
criação de um ministério destinado aos negócios da Instrução Pública.

o

· Com a Proclamação da República, no Governo Provisório do
Marechal Deodoro da Fonseca, torna-se Ministro da Instrução
Pública, Correios e Telégrafos Benjamin Constant Botelho de
Magalhães.

o

· Os alunos matriculados nas escolas correspondem a 12% da
população em idade escolar.

o

· O Marechal Deodoro da Fonseca proclama a República.

o

· D. Pedro II e sua família embarca para a Europa.

Referência: LIMA, Lauro de Oliveira, Estórias da Educação no Brasil: de Pombal a
Passarinho. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasília, [197_].2

2

http://heloisa_c.sites.uol.com.br/hieduc1.htm