Revista HISTEDBR On-line

Artigo

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL: AVANÇOS,
RETROCESSOS E DESAFIOS DESSA MODALIDADE EDUCACIONAL
Jaqueline Delgado Paschoal1
Maria Cristina Gomes Machado2
UEM
RESUMO:
Este estudo tem como objetivo principal analisar, criticamente, a trajetória histórica das
instituições de atendimento à criança, bem como discutir os avanços e retrocessos dessa
modalidade educacional no Brasil. Entendemos que este trabalho, ao priorizar o
movimento de investigar o passado, permite compreender os desafios que se coloca na
sociedade contemporânea, sobretudo no que diz respeito à ação pedagógica dos professores
que atuam junto a esse nível de ensino. Para o seu desenvolvimento, optamos pela pesquisa
bibliográfica, tomando por base o Método Histórico, por considerar que, por meio dele, é
possível conhecer a origem das primeiras instituições de atendimento à criança na Europa e
suas diferentes funções no decorrer da história até sua propagação pelos outros continentes.
É importante mencionar que as escolas infantis no Brasil sofreram, no decorrer dos
tempos, diferentes mudanças em suas funções, as quais passaram pelo assistencialismo,
custódia e privação cultural até a função educativa. Os resultados da pesquisa apontam
que, do ponto de vista histórico, houve um avanço significativo da legislação quando esta
reconheceu a criança como cidadã, como sujeito de direitos, inclusive o direito à educação
de qualidade desde o nascimento.
Palavras-chave: História da Educação. Fontes e Fundamentos. Educação Pública.
Educação Infantil.
HISTORY OF CHILDREN EDUCATION IN BRAZIL: ADVANCES, BACKSPACE
AND EDUCATIONAL CHALLENGES THAT TYPE
ABSTRACT:
This study has as main objective, to critically analyze the historical trajectory of
institutions for care of children and discuss the advances and setbacks of this type of
education in Brazil. We justify the intention of the work, therefore, the movement to
investigate the past, incorporating the marks of the creation and consolidation of these
institutions, can understand the challenges that arise in contemporary society, especially as
regards the pedagogical action of the teachers who work with that kind of teaching. For the
development of the article, we opted for the literature search, based on the Historical
method, considering that, through that, it is possible to know the origin of the first
institutions for care of children in Europe and its different functions in the course of history
by its spread on other continents. It is important to mention that the children schools in
Brazil have suffered in the course of time, different changes in their functions, through the
care, custody and cultural deprivation to the educational function. The survey results
indicate that from a historical perspective, there was a significant advance of the legislation
when it recognizes the child as citizen, as a subject of rights, including the right to quality
education from birth.
Keywords: History of Education; Sources and Grounds, Public Education, Children
Education.

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

78

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Introdução
Falar da creche ou da educação infantil é muito mais do que falar de uma
instituição, de suas qualidades e defeitos, da sua necessidade social ou da
sua importância educacional. É falar da criança. De um ser humano,
pequenino, mas exuberante de vida. (DIDONET, 2001).

Do ponto de vista histórico, a educação da criança esteve sob a responsabilidade
exclusiva da família durante séculos, porque era no convívio com os adultos e outras
crianças que ela participava das tradições e aprendia as normas e regras da sua cultura. Na
sociedade contemporânea, por sua vez, a criança tem a oportunidade de frequentar um
ambiente de socialização, convivendo e aprendendo sobre sua cultura mediante diferentes
interações com seus pares. Dessa maneira, o presente artigo tem como objetivo traçar a
trajetória histórica da educação infantil no Brasil, analisando, criticamente, os avanços e
retrocessos dessa modalidade educacional e sinalizando para os desafios que se colocam na
busca pela qualidade na organização do trabalho pedagógico dessas instituições.
Este estudo justifica-se porque, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, bem
como a contribuição das ciências ao longo dos anos e o avanço significativo da legislação
brasileira no que diz respeito ao direito da criança à educação de qualidade desde o
nascimento, a realidade denuncia um grande descompasso entre o discurso da lei e o
cotidiano de muitas escolas infantis.
Para investigar esse descompasso, optamos pela pesquisa bibliográfica, tomando
por base o Método Histórico, já que a discussão sobre os avanços e retrocessos desse nível
de ensino no Brasil, pressupõe conhecer, num primeiro momento, as marcas do processo
de criação e expansão dessas instituições na Europa e Estados Unidos, procurando mostrar
que tanto as creches como as escolas maternais tiveram uma preocupação com as questões
pedagógicas e não somente com os cuidados da criança. Este posicionamento derruba o
discurso de que, na sua origem, essas instituições tiveram apenas uma função
assistencialista, diferenciando-se de outros estabelecimentos, como, por exemplo, os
jardins de infância, que, já na sua criação, apresentavam um trabalho voltado não só para
os cuidados infantis, mas para um trabalho eminentemente pedagógico.
Do desenvolvimento desta questão, originou-se o presente artigo, dividido em três
partes. Na primeira, apresentamos a configuração da preocupação com a educação das
crianças em instituições regulamentadas. Na segunda parte, analisamos seu processo
histórico no Brasil, enfatizando sua origem e consolidação. Na última parte, destacamos a
criação da legislação para regulamentar e garantir a oferta da educação infantil às crianças
de diferentes classes sociais.
1. A educação da criança no movimento universal
Na Europa, com a transição do feudalismo para o capitalismo, em que houve a
passagem do modo de produção doméstico para o sistema fabril, e, consequentemente, a
substituição das ferramentas pelas máquinas e a substituição da força humana pela força
motriz, provocando toda uma reorganização da sociedade. O enorme impacto causado pela
revolução industrial fez com que toda a classe operária se submetesse ao regime da fábrica
e das máquinas. Desse modo, essa revolução possibilitou a entrada em massa da mulher no
mercado de trabalho, alterando a forma da família cuidar e educar seus filhos.
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

79

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Marx (1986), ao discutir a apropriação pelo capital das forças de trabalho
suplementares, enfatiza que a maquinaria permitiu o emprego de trabalhadores sem força
muscular e com membros mais flexíveis, o que possibilitou ao capital absorver as mulheres
e as crianças nas fábricas. A maquinaria estabeleceu um meio de diversificar os
assalariados, colocando, nas fábricas, todos os membros da família do trabalhador,
independentemente do sexo e da idade de cada um. Se, até então, o trabalhador vendia
somente sua própria força de trabalho, passou a vender a força da mulher e dos filhos.
Na realidade, apesar do aumento significativo do número de trabalhadores, os
homens foram, em parte, substituídos no trabalho pelas mulheres e pelas crianças, já que a
lei fabril exigia duas turmas trabalhando: uma turma de seis horas e outra de quatro, ou
cada uma, cinco horas apenas. Mas os pais não queriam vender o tempo parcial das
crianças mais barato do que vendiam antes o tempo integral, mesmo que as condições de
trabalho fossem péssimas. A passagem seguinte evidencia a precariedade do trabalho e a
necessidade de sucumbir aos ditames do capital: "[...] o capital achava nelas, as mulheres e
moças despidas, muitas vezes em conjunto com homens, perfeitamente de acordo com seu
código moral" (MARX, 1986, p. 451).
O nascimento da indústria moderna alterou profundamente a estrutura social
vigente, modificando os hábitos e costumes das famílias. As mães operárias que não
tinham com quem deixar seus filhos, utilizavam o trabalho das conhecidas mães
mercenárias. Essas, ao optarem pelo não trabalho nas fábricas, vendiam seus serviços para
abrigarem e cuidarem dos filhos de outras mulheres.
Em função da crescente participação dos pais no trabalho das fábricas, fundições e
minas de carvão, surgiram outras formas de arranjos mais formais de serviços de
atendimento das crianças. Eram organizados por mulheres da comunidade que, na
realidade, não tinham uma proposta instrucional formal, mas adotavam atividades de canto
e de memorização de rezas (RIZZO, 2003). As atividades relacionadas ao desenvolvimento
de bons hábitos de comportamento e de internalização de regras morais eram reforçadas
nos trabalhos dessas voluntárias.
Criou-se uma nova oferta de emprego para as mulheres, mas aumentaram
os riscos de maus tratos às crianças, reunidas em maior número, aos
cuidados de uma única, pobre e despreparada mulher. Tudo isso, aliado a
pouca comida e higiene, gerou um quadro caótico de confusão, que
terminou no aumento de castigos e muita pancadaria, a fim de tornar as
crianças mais sossegadas e passivas. Mais violência e mortalidade
infantil. (RIZZO, 2003, p. 31).

A preocupação das famílias pobres era sobreviver, segundo essa autora, sendo
assim, os maus tratos e o desprezo pelas crianças tornaram-se aceitos como regra e
costume pela sociedade de um modo geral. As mazelas contra a infância se tornaram tão
comuns que, por filantropia, algumas pessoas resolveram tomar para si a tarefa de acolher
as crianças desvalidas que se encontravam nas ruas. A sociedade aplaudiu, uma vez que
todos queriam ver as ruas limpas do estorvo e da sujeira provocados pelas crianças
abandonadas.
As primeiras instituições na Europa e Estados Unidos tinham como objetivos cuidar
e proteger as crianças enquanto às mães saíam para o trabalho. Desta maneira, sua origem
e expansão como instituição de cuidados à criança estão associadas à transformação da
família, de extensa para nuclear. Sua origem, na sociedade ocidental, de acordo com
Didonet (2001), baseia-se no trinômio: mulher-trabalho-criança. As creches, escolas

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

80

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

maternais e jardins de infância tiveram, somente no seu início, o objetivo assistencialista,
cujo enfoque era a guarda, higiene, alimentação e os cuidados físicos das crianças.
Apesar de seu início estar mais voltado para as questões assistenciais e de custódia,
Kuhlmann (2001) ressalta que essas instituições se preocuparam com questões não só de
cuidados, mas de educação, visto se apresentarem como pedagógicas já em seu início.
Exemplifica sua defesa com a "Escola de Principiantes" ou escola de tricotar, criada pelo
pastor Oberlin, na França em meados de 1769, para crianças de dois a seis anos de idade.
Esse pastor criou apenas um programa de passeios, trabalhos manuais e histórias contadas
com gravuras, nos quais suas escolas de tricô tinham como objetivo, por meio do trabalho
de mulheres da comunidade, tomar conta de crianças, ensinando-lhes a ler a bíblia e a
tricotar. De acordo com seus objetivos, nesses espaços, as crianças deveriam aprender
diferentes habilidades, como adquirir hábitos de obediência, bondade, identificar as letras
do alfabeto, pronunciar bem as palavras e assimilar noções de moral e religião.
A escola de Robert Owen, criada no ano de 1816 em New Lanark, na Escócia,
também é um exemplo de que essas instituições foram pensadas na perspectiva
pedagógica, já que sua escola recebia crianças de dezoito meses até vinte cinco anos de
idade e tinha como objetivo trabalhar lições que abordavam a natureza, exercícios de dança
e de canto coral. Os materiais didáticos tinham um propósito educativo, porque
possibilitavam às crianças o desenvolvimento do raciocínio e o julgamento correto diante
das situações propostas pelo professor.
A sala de asilo francesa, desde os primeiros textos oficiais, foi concebida sob uma
perspectiva de prover cuidados e educação moral e intelectual às crianças. "[...] o seu papel
não foi somente o de guardar a pequena infância popular, mas, em nome de um projeto
educativo, de disputar esta clientela às guardiãs de quarteirão" (KUHLMANN, 2001, p. 8).
A intenção dessas instituições era, primeiramente, retirar das ruas as crianças em situação
de risco e dos perigos a que estavam expostas; em seguida, proporcionar-lhes o
desenvolvimento da inteligência e dos bons costumes, segundo o autor citado.
Do ponto de vista histórico, a própria literatura traz o jardim de infância como uma
instituição exclusivamente pedagógica e que, desde sua origem, teve pouca preocupação
com os cuidados físicos das crianças. No entanto, vale ressaltar que o primeiro Jardim de
Infância, criado, em meados de 1840 em Blankenburgo, por Froebel, tinha uma
preocupação não só de educar e cuidar das crianças, mas de transformar a estrutura
familiar de modo que as famílias pudessem cuidar melhor de seus filhos.
Os estudos que atribuem aos Jardins de Infância uma dimensão
educacional e não assistencial, como outras instituições de educação
infantil, deixam de levar em conta as evidências históricas que mostram
uma estreita relação entre ambos os aspectos: a que a assistência é que
passou, no final do século XIX, a privilegiar políticas de atendimento à
infância em instituições educacionais e o Jardim de Infância foi uma
delas, assim como as creches e escolas maternais. (KUHLMANN, 2001,
p. 26).

A partir da segunda metade do século XIX, o quadro das instituições destinadas à
primeira infância era formado basicamente da creche e do jardim de infância ao lado de
outras modalidades educacionais, que foram absorvidas como modelos em diferentes
países. No Brasil, por exemplo, a creche foi criada exclusivamente com caráter
assistencialista, o que diferenciou essa instituição das demais criadas nos países europeus e
norte-americanos, que tinham nos seus objetivos o caráter pedagógico. Essas diferenças
exigem que seja analisada na sua especificidade, para que se possa compreender a
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

81

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

trajetória desse nível de ensino no caso brasileiro e na relação que estabelece com o
contexto universal.
2. A educação das crianças: a particularidade brasileira
Diferentemente dos países europeus, no Brasil, as primeiras tentativas de
organização de creches, asilos e orfanatos surgiram com um caráter assistencialista, com o
intuito de auxiliar as mulheres que trabalhavam fora de casa e as viúvas desamparadas.
Outro elemento que contribuiu para o surgimento dessas instituições foram as iniciativas
de acolhimento aos órfãos abandonados que, apesar do apoio da alta sociedade, tinham
como finalidade esconder a vergonha da mãe solteira, já que as crianças "[...] eram sempre
filhos de mulheres da corte, pois somente essas tinham do que se envergonhar e motivo
para se descartar do filho indesejado" (RIZZO, 2003, p. 37). Numa sociedade patriarcal, a
idéia era criar uma solução para os problemas dos homens, ou seja, retirar dos mesmos a
responsabilidade de assumir a paternidade. Considerando que, nessa época, não se tinha
um conceito bem definido sobre as especificidades da criança, a mesma era "[...] concebida
como um objeto descartável, sem valor intrínseco de ser humano" (RIZZO, 2003, p. 37).
Fatores como o alto índice de mortalidade infantil, a desnutrição generalizada e o
número significativo de acidentes domésticos, fizeram com que alguns setores da
sociedade, dentre eles os religiosos, os empresários e educadores, começassem a pensar
num espaço de cuidados da criança fora do âmbito familiar. De maneira que foi com essa
preocupação, ou com esse "[...] problema, que a criança começou a ser vista pela sociedade
e com um sentimento filantrópico, caritativo, assistencial é que começou a ser atendida
fora da família" (DIDONET, 2001, p. 13).
Enquanto para as famílias mais abastadas pagavam uma babá, as pobres
se viam na contingência de deixar os filhos sozinhos ou colocá-los numa
instituição que deles cuidasse. Para os filhos das mulheres trabalhadoras,
a creche tinha que ser de tempo integral; para os filhos de operárias de
baixa renda, tinha que ser gratuita ou cobrar muito pouco; ou para cuidar
da criança enquanto a mãe estava trabalhando fora de casa, tinha que
zelar pela saúde, ensinar hábitos de higiene e alimentar a criança. A
educação permanecia assunto de família. Essa origem determinou a
associação creche, criança pobre e o caráter assistencial da creche.
(DIDONET, 2001, p. 13).

É interessante ressaltar que, ao longo das décadas, arranjos alternativos foram se
constituindo no sentido de atender às crianças das classes menos favorecidas. Uma das
instituições brasileiras mais duradouras de atendimento à infância, que teve seu início antes
da criação das creches, foi a roda dos expostos ou roda dos excluídos. Esse nome provém
do dispositivo onde se colocavam os bebês abandonados e era composto por uma forma
cilíndrica, dividida ao meio por uma divisória e fixado na janela da instituição ou das casas
de misericórdia. Assim, a criança era colocada no tabuleiro pela mãe ou qualquer outra
pessoa da família; essa, ao girar a roda, puxava uma corda para avisar a rodeira que um
bebê acabava de ser abandonado, retirando-se do local e preservando sua identidade.
Por mais de um século a roda de expostos foi à única instituição de assistência à
criança abandonada no Brasil e, apesar dos movimentos contrários a essa instituição por
parte de um segmento da sociedade, foi somente no século XX, já em meados de 1950, que

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

82

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

o Brasil efetivamente extinguiu-a, sendo o último país a acabar com o sistema da roda dos
enjeitados (MARCÍLIO, 1997).
Ainda no final do século XIX, período da abolição da escravatura no país, quando
se acentuou a migração para as grandes cidades e o início da República, houve iniciativas
isoladas de proteção à infância, no sentido de combater os altos índices de mortalidade
infantil. Mesmo com o trabalho desenvolvido nas casas de Misericórdia, por meio da roda
dos expostos, um número significativo de creches foi criado não pelo poder público, mas
exclusivamente por organizações filantrópicas. Se, por um lado, os programas de baixo
custo, voltados para o atendimento às crianças pobres, surgiam no sentido de atender às
mães trabalhadoras que não tinham onde deixar seus filhos, a criação dos jardins de
infância foi defendida, por alguns setores da sociedade, por acreditarem que os mesmos
trariam vantagens para o desenvolvimento infantil, ao mesmo tempo foi criticado por
identificá-los com instituições européias.
As tendências que acompanharam a implantação de creches e jardins de infância,
no final do século XIX e durante as primeiras décadas do século XX no Brasil, foram: a
jurídico-policial, que defendia a infância moralmente abandonada, a médico-higienista e a
religiosa, ambas tinham a intenção de combater o alto índice de mortalidade infantil tanto
no interior da família como nas instituições de atendimento à infância. Na realidade, cada
instituição "[...] apresentava as suas justificativas para a implantação de creches, asilos e
jardins de infância onde seus agentes promoveram a constituição de associações
assistenciais privadas" (KUHLMANN Jr., 1998, p. 88).
Nesse período, foi criado o Instituto de Proteção à Infância do Rio de Janeiro pelo
médico Arthur Moncorvo Filho, que tinha como objetivos não só atender às mães grávidas
pobres, mas dar assistência aos recém-nascidos, distribuição de leite, consulta de lactantes,
vacinação e higiene dos bebês. Foi considerada umas das entidades mais importantes,
mormente por ter expandido seus serviços por todo o território brasileiro. Outra instituição
importante criada nesse ano foi o Instituto de Proteção e Assistência à Infância, este
precedeu, em 1919, a criação do Departamento da Criança, que tinha como objetivo não só
fiscalizar as instituições de atendimento à criança, mas combater o trabalho das mães
voluntárias que cuidavam, de maneira precária, dos filhos das trabalhadoras
(KUHLMANN Jr., 1998).
Devido a muitos fatores, como o processo de implantação da industrialização no
país, a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho e a chegada dos
imigrantes europeus no Brasil, os movimentos operários ganharam força. Eles começaram
a se organizar nos centros urbanos mais industrializados e reivindicavam melhores
condições de trabalho; dentre estas, a criação de instituições de educação e cuidados para
seus filhos.
Os donos das fábricas, por seu lado, procurando diminuir a força dos
movimentos operários, foram concedendo certos benefícios sociais e
propondo novas formas de disciplinar seus trabalhadores. Eles buscavam
o controle do comportamento dos operários, dentro e fora da fábrica. Para
tanto, vão sendo criadas vilas operárias, clubes esportivos e também
creches e escolas maternais para os filhos dos operários. O fato dos filhos
das operárias estarem sendo atendidos em creches, escolas maternais e
jardins de infância, montadas pelas fábricas, passou a ser reconhecido por
alguns empresários como vantajoso, pois mais satisfeitas, as mães
operárias produziam melhor. (OLIVEIRA, 1992, p. 18).

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

83

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Ao longo das décadas, as poucas conquistas não se fizeram sem conflitos. Com o
avanço da industrialização e o aumento das mulheres da classe média no mercado de
trabalho, aumentou a demanda pelo serviço das instituições de atendimento à infância. Para
Haddad (1993), os movimentos feministas que partiram dos Estados Unidos tiveram papel
especial na revisão do significado das instituições de atendimento à criança, porque as
feministas mudaram seu enfoque, defendendo a idéia de que tanto as creches como as préescolas3 deveriam atender a todas as mulheres, independentemente de sua necessidade de
trabalho ou condição econômica. O resultado desse movimento culminou no aumento do
número de instituições mantidas e geridas pelo poder público.
Essas instituições ganharam enfoque diferente, passando a ser reivindicadas como
um direito de todas as mulheres trabalhadoras e era baseado no movimento da teoria da
privação cultural. Essa teoria, defendida tanto nos Estados Unidos na década de sessenta
como no Brasil já em meados de 1970, considerava que o atendimento à criança pequena
fora do lar possibilitaria a superação das precárias condições sociais a que ela estava
sujeita. Era a defesa de uma educação compensatória.
Kramer (1995, p. 24), ao discutir esse assunto, ressalta que o discurso do poder
público, em defesa do atendimento das crianças das classes menos favorecidas, parte de
determinada concepção de infância, já que o mesmo reconhece esse período da vida da
criança de maneira padronizada e homogênea. A idéia é a de que as crianças oriundas das
classes sociais dominadas são consideradas "[...] carentes, deficientes e inferiores na
medida em que não correspondem ao padrão estabelecido; faltariam a essas crianças
privadas culturalmente, determinados atributos ou conteúdos que deveriam ser nelas
incutidos". Por esse motivo e a fim de superar as deficiências de saúde e nutrição, assim
como as deficiências escolares, são oferecidas diferentes propostas no sentido de
compensar tais carências. Nessa perspectiva, a pré-escola funcionaria, segundo a autora,
como mola propulsora da mudança social, uma vez que possibilitaria a democratização das
oportunidades educacionais.
Ambas as funções podem ser desmistificadas. Ao nível da primeira
função, considera-se a educação como promotora da melhoria social, o
que é uma maneira de esconder os reais problemas da sociedade e de
evitar a discussão dos aspectos políticos e econômicos mais complexos.
A proposta que ressurge, de elaborar programas de educação pré-escolar
a fim de transformar a sociedade no futuro, é uma forma de culpar o
passado pela situação de hoje e de focalizar no futuro quaisquer
possibilidades de mudança. Fica-se, assim, isento de realizar no presente
ações ou transformações significativas que visem a atender às
necessidades sociais atuais (KRAMER, 1995, p. 30).

Enquanto as instituições públicas atendiam às crianças das camadas mais populares,
as propostas das particulares, de cunho pedagógico, funcionavam em meio turno, dando
ênfase à socialização e à preparação para o ensino regular. Nota-se que as crianças das
diferentes classes sociais eram submetidas a contextos de desenvolvimento diferentes, já
que, enquanto as crianças das classes menos favorecidas eram atendidas com propostas de
trabalho que partiam de uma idéia de carência e deficiência, as crianças das classes sociais
mais abastadas recebiam uma educação que privilegiava a criatividade e a sociabilidade
infantil (KRAMER, 1995).
Com a preocupação de atendimento a todas as crianças, independente da sua classe
social, iniciou-se um processo de regulamentação desse trabalho no âmbito da legislação.

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

84

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

3. A educação infantil e a legislação brasileira
Verifica-se que, até meados do final dos anos setenta, pouco se fez em termos de
legislação que garantisse a oferta desse nível de ensino. Já na década de oitenta, diferentes
setores da sociedade, como organizações não-governamentais, pesquisadores na área da
infância, comunidade acadêmica, população civil e outros, uniram forças com o objetivo
de sensibilizar a sociedade sobre o direito da criança a uma educação de qualidade desde o
nascimento. Do ponto de vista histórico, foi preciso quase um século para que a criança
tivesse garantido seu direito à educação na legislação, foi somente com a Carta
Constitucional de 1988 que esse direito foi efetivamente reconhecido.
De acordo com Bittar (2003, p. 30), o esforço coletivo dos diversos segmentos
visava assegurar na Constituição, "[...] os princípios e as obrigações do Estado com as
crianças". Assim, foi possível sensibilizar a maioria dos parlamentares e assegurar na
Constituição brasileira o direito da criança à educação. A pressão desses movimentos na
Assembléia Constituinte possibilitou a inclusão da creche e da pré-escola no sistema
educativo ao inserir, na Constituição Federal de 1988, em seu em seu artigo 208, o inciso
IV: "[...] O dever do Estado para com a educação será efetivado mediante a garantia de
oferta de creches e pré-escolas às crianças de zero a seis anos de idade" (BRASIL, 1988).
A partir dessa Lei, as creches, anteriormente vinculadas à área de assistência social,
passaram a ser de responsabilidade da educação. Tomou-se por orientação o princípio de
que essas instituições não apenas cuidam das crianças, mas devem, prioritariamente,
desenvolver um trabalho educacional.
A Constituição representa uma valiosa contribuição na garantia de nossos direitos,
visto que, por ser fruto de um grande movimento de discussão e participação da população
civil e poder público, "[...] foi um marco decisivo na afirmação dos direitos da criança no
Brasil" (LEITE FILHO, 2001, p. 31). Na realidade, foi somente com a Constituição que a
criança de zero a seis anos4 foi concebida como sujeito de direitos.
Dois anos após a aprovação da Constituição Federal de 1988, foi aprovado o
Estatuto da Criança e do Adolescente5 ­ Lei 8.069/90, que, ao regulamentar o art. 227 da
Constituição Federal, inseriu as crianças no mundo dos direitos humanos. De acordo com
seu artigo 3º, a criança e o adolescente devem ter assegurados os direitos fundamentais
inerentes à pessoa humana, para que seja possível, desse modo, ter acesso às oportunidades
de "[...] desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de
liberdade e dignidade" (BRASIL, 1994a).
Segundo Ferreira (2000, p. 184), essa Lei é mais do que um simples instrumento
jurídico, porque:
Inseriu as crianças e adolescentes no mundo dos direitos humanos. O
ECA estabeleceu um sistema de elaboração e fiscalização de políticas
públicas voltadas para a infância, tentando com isso impedir desmandos,
desvios de verbas e violações dos direitos das crianças. Serviu ainda
como base para a construção de uma nova forma de olhar a criança: uma
criança com direito de ser criança. Direito ao afeto, direito de brincar,
direito de querer, direito de não querer, direito de conhecer, direito de
sonhar. Isso quer dizer que são atores do próprio desenvolvimento.

Nos anos seguintes à aprovação do Estatuto da Criança e do Adolescente, entre os
anos de 1994 a 1996, foi publicado pelo Ministério da Educação uma série de documentos
importantes intitulados: "Política Nacional de Educação Infantil". Tais documentos
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

85

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

estabeleceram as diretrizes pedagógicas e de recursos humanos com o objetivo de expandir
a oferta de vagas e promover a melhoria da qualidade de atendimento nesse nível de
ensino: "Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais
das crianças", que discute a organização e o funcionamento interno dessas instituições;
"Por uma política de formação do profissional de educação infantil", que reafirma a
necessidade e a importância de um profissional qualificado e um nível mínimo de
escolaridade para atuar nas instituições de educação infantil; "Educação infantil:
bibliografia anotada" e "Propostas pedagógicas e currículo em educação infantil". Esses
documentos foram importantes no sentido de garantir melhores possibilidades de
organização do trabalho dos professores no interior dessas instituições.
Além da Constituição Federal de 1988, do Estatuto da Criança e do Adolescente de
1990, destaca-se a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996, que, ao tratar
da composição dos níveis escolares, inseriu a educação infantil como primeira etapa da
Educação Básica. Essa Lei define que a finalidade da educação infantil é promover o
desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, complementando a ação da
família e da comunidade (BRASIL, 1996). De acordo com o Ministério da Educação, o
tratamento dos vários aspectos como dimensões do desenvolvimento e não áreas separadas
foi fundamental, já que "[...] evidencia a necessidade de se considerar a criança como um
todo, para promover seu desenvolvimento integral e sua inserção na esfera pública"
(BRASIL, 2006, p. 10).
Desse modo, verifica-se um grande avanço no que diz respeito aos direitos da
criança pequena, uma vez que a educação infantil, além de ser considerada a primeira etapa
da Educação Básica, embora não obrigatória, é um direito da criança e tem o objetivo de
proporcionar condições adequadas para o desenvolvimento do bem-estar infantil, como o
desenvolvimento físico, motor, emocional, social, intelectual e a ampliação de suas
experiências. Diante dessa nova perspectiva, três importantes objetivos, devem,
necessariamente, coroar essa nova modalidade educacional:
· Objetivo Social: associado à questão da mulher enquanto participante da vida
social, econômica, cultural e política;
· Objetivo Educativo: organizado para promover a construção de novos
conhecimentos e habilidades da criança;
· Objetivo Político: associado à formação da cidadania infantil, em que, por meio
deste, a criança tem o direito de falar e de ouvir, de colaborar e de respeitar e ser
respeitada pelos outros (DIDONET, 2001).
Em consonância com a legislação, o Ministério da Educação publicou, em 1998,
dois anos após a aprovação da LDB, os documentos "Subsídios para o credenciamento e o
funcionamento das instituições de educação infantil" (BRASIL, 1998b), que contribuiu
significativamente para a formulação de diretrizes e normas da educação da criança
pequena em todo o país, e o "Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil"
(BRASIL, l998a), com o objetivo de contribuir para a implementação de práticas
educativas de qualidade no interior dos Centros de Educação Infantil. Este último foi
concebido de maneira a servir como um guia de reflexão de cunho educacional sobre os
objetivos, conteúdos e orientações didáticas para os profissionais que atuam com crianças
de zero a seis anos de idade. Sobre os objetivos gerais da educação infantil, esse
documento ressalta que a prática desenvolvida nessas instituições deve se organizar de
modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

86

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

·
desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez
mais independente, com confiança em suas capacidades e percepção de
suas limitações;
·
descobrir e conhecer progressivamente seu próprio corpo, suas
potencialidades e seus limites, desenvolvendo e valorizando hábitos de
cuidado com a própria saúde e bem-estar;
·
estabelecer vínculos afetivos e de troca com adultos e crianças,
fortalecendo sua auto-estima e ampliando gradativamente suas
possibilidades de comunicação e interação social;
·
estabelecer e ampliar cada vez mais as relações sociais, aprendendo
aos poucos a articular seus interesses e pontos de vista com os demais,
respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e
colaboração;
·
observar e explorar o ambiente com atitude de curiosidade,
percebendo-se cada vez mais como integrante, dependente e agente
transformador do meio ambiente e valorizando atitudes que contribuam
para sua conservação;
·
brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos
e necessidades;
·
utilizar as diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e
escrita) ajustadas às diferentes intenções e situações de comunicação, de
forma a compreender e ser compreendido, expressar suas idéias,
sentimentos, necessidades e desejos e avançar no seu processo de
construção de significados, enriquecendo cada vez mais sua capacidade
expressiva;
·
conhecer algumas manifestações culturais, demonstrando atitudes
de interesse, respeito e participação frente a elas e valorizando a
diversidade (BRASIL, 1998a, p. 63, v. 1).

Para que esses objetivos sejam alcançados de modo integrado, o Referencial
Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998a) sugere que as atividades devem ser
oferecidas para as crianças não só por meio das brincadeiras, mas aquelas advindas de
situações pedagógicas orientadas. Nesse sentido, a integração entre ambos os aspectos é
relevante no desenvolvimento do trabalho do professor, uma vez que:
Educar significa, portanto, propiciar situações de cuidados, brincadeiras
e aprendizagens orientadas de forma integrada e que possam contribuir
para o desenvolvimento das capacidades infantis de relação interpessoal,
de ser e estar com os outros, em uma atitude de aceitação, respeito e
confiança, e o acesso pelas crianças, aos conhecimentos mais amplos da
realidade social e cultural (BRASIL, 1998a, p. 23).

Sobre o cuidar, é importante ressaltar que esse deve ser entendido como parte
integrante da educação, ou seja: "[...] cuidar de uma criança em um contexto educativo
demanda a integração de vários campos de conhecimentos e a cooperação de profissionais
de diferentes áreas" (BRASIL, 1998a, p. 24). Ainda nos anos de 1998 e 1999, o Conselho
Nacional de Educação, aprovou as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
Infantil (BRASIL, 1998), que teve como objetivo direcionar, de modo obrigatório, os
encaminhamentos de ordem pedagógica para esse nível de ensino aos sistemas municipais
e estaduais de educação e as Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

87

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, que também contribuiu para a
melhoria de ambos os níveis de ensino ao discutir a relevância de uma formação altamente
qualificada para esses profissionais.
Barreto (1998) ressalta que, apesar do avanço da legislação no que diz respeito ao
reconhecimento da criança à educação nos seus primeiros anos de vida, também é
importante considerar os inúmeros desafios impostos para o efetivo atendimento desse
direito, que podem ser resumidos em duas grandes questões: a de acesso e a da qualidade
do atendimento. Quanto ao acesso, a autora enfatiza que, mesmo tendo havido, nas últimas
décadas, uma significativa expansão do atendimento, a entrada da criança na creche ainda
deixa a desejar, em especial porque as crianças de famílias de baixa renda estão tendo
menores oportunidades que as de nível socioeconômico mais elevado. Sobre a qualidade
do atendimento, ressalta:
As instituições de educação infantil no Brasil, devido à forma como se
expandiu, sem os investimentos técnicos e financeiros necessários,
apresenta, ainda, padrões bastante aquém dos desejados [...] a
insuficiência e inadequação de espaços físicos, equipamentos e materiais
pedagógicos; a não incorporação da dimensão educativa nos objetivos da
creche; a separação entre as funções de cuidar e educar, a inexistência de
currículos ou propostas pedagógicas são alguns problemas a enfrentar.
(BARRETO, 1998, p. 25).

A busca da qualidade envolve outras questões complexas, segundo essa autora,
como o projeto educativo das instituições, formação e valorização do professor e recursos
financeiros destinados a essa faixa etária, sendo necessário, contudo, garantir que esses
recursos sejam efetivamente empregados nesse nível de ensino. Para que essa finalidade
seja cumprida no âmbito da legislação, foi aprovada, no ano de 2001, a Lei nº 10.172/2001
­ Plano Nacional de Educação, que teve por objetivo principal estabelecer as metas para
todos os níveis de ensino, cuja vigência se estenderá até o ano de 2010.
Um dos objetivos desse documento é reduzir as desigualdades sociais e regionais
no que diz respeito à entrada e à permanência da criança e do adolescente no ensino
público, princípio que se aplica à educação infantil, visto ser a desigualdade de acesso
bastante significativa nas classes menos favorecidas (BARRETO, 2003). Esse documento
estabeleceu originalmente, para a educação infantil, vinte e seis metas para serem
alcançadas no decorrer dos seus dez anos de vigência. Como não é objetivo deste trabalho
analisar todas as vinte e seis metas do PNE, serão priorizadas duas questões fundamentais
para a concretização de todas as demais metas: a oferta e o atendimento à educação
infantil.
Sobre isso, Brandão (2007) ressalta que as metas nº 1,18, 22 e 23 do Plano
Nacional de Educação (PNE) trataram especificamente sobre essas questões. A primeira
meta trata da ampliação da oferta de atendimento às crianças de zero a seis de idade,
dificilmente esta será alcançada, haja vista que a elevação do número de vagas exige um
investimento financeiro bastante elevado para esse nível de ensino.
[...] tais investimentos teriam que ser feitos nos próximos seis anos, o
que, dada a ênfase da política macroeconômica atual, focalizada na
realização de um elevado superávit primário para pagamento de juros,
encargos e serviços da dívida externa brasileira, torna-se difícil acreditar
que os mesmos serão efetivados (BRANDÃO, 2007, p. 81).
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

88

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Como uma das prioridades do PNE (BRASIL, 2001) é a extensão da escolaridade
obrigatória para crianças de seis anos de idade, incluindo-as nos anos iniciais do ensino
fundamental, provavelmente, diminuirá o número de crianças frequentando a educação
infantil; fator que poderá minimizar o impacto de demanda desse nível de ensino. A
segunda meta, nº 18, que propõe a oferta e o atendimento com qualidade, Brandão (2007)
esclarece que, embora não haja dúvida de que o cumprimento só trará benefícios às
crianças, o problema é que a meta que prevê a adoção progressiva do atendimento em
tempo integral inviabiliza tal atendimento, uma vez que "[...] corre-se o risco de nunca
virmos a ter tal atendimento, visto que ainda não conseguimos, sequer, adotá-lo para as
crianças do Ensino Fundamental" (BRANDÃO, 2007, p. 82). A terceira meta, nº 22, que
prevê a ampliação do Programa de garantia de renda mínima associada às ações
socioeducativas, foi vetada pelo presidente na época, Fernando Henrique Cardoso.
A quarta meta, de nº 23, que propõe a realização de estudos sobre o custo da
educação infantil, com o intuito de melhorar a qualidade do atendimento desse nível de
ensino, é analisada por Brandão (2007), o qual chama a atenção para o fato de que, para se
atingir essa meta, necessário se faz, primeiramente, definir quais são os parâmetros de
qualidade e enfatiza que é primordial que se atinja primeiro, "[...] uma série de disposições
postas no conjunto das metas e objetivos estabelecidos por esse PNE para a educação
infantil" (BRANDÃO, 2007, p. 84). No que se refere à questão da oferta e atendimento
desse nível de ensino, assevera o autor que dificilmente serão alcançadas até a vigência
desse documento, mesmo considerando a colaboração das diversas esferas do Poder
Público para o atendimento das mesmas.
Em consonância com a legislação vigente e o processo histórico que acompanhou a
trajetória das instituições de atendimento à infância, seja a creche ou a pré-escola, o
Ministério da Educação, tomando por base seus documentos de 1994 e 1995, já citados
anteriormente, definiu o ano de 2006 como o ano da Política Nacional de Educação
Infantil, com suas diretrizes, objetivos, metas e estratégias para esse nível de ensino.
Recomendando que:
A prática pedagógica considera os saberes produzidos no cotidiano por
todos os sujeitos envolvidos no processo: crianças, professores, pais,
comunidade e outros profissionais; Estados e municípios elaborem ou
adéqüem seus planos de educação em consonância com a Política
Nacional de Educação Infantil; as instituições de educação infantil
ofereçam, no mínimo, quatro horas diárias de atendimento educacional,
ampliando progressivamente para tempo integral, considerando a
demanda real e as características da comunidade atendida nos seus
aspectos sócio-econômicos e culturais; as instituições de Educação
Infantil assegurem e divulguem iniciativas inovadoras, que levam ao
avanço na produção de conhecimentos teóricos na área da educação
infantil, sobre infância e a prática pedagógica; a reflexão coletiva sobre a
prática pedagógica, com base nos conhecimentos historicamente
produzidos, tanto pelas ciências quanto pela arte e pelos movimentos
sociais, norteie as propostas de formação; os profissionais da instituição,
as famílias, a comunidade e as crianças participem da elaboração,
implementação e avaliação das políticas públicas. (BRASIL, 2006, p.
26).

Sobre os profissionais que trabalham com essa faixa etária, é importante ressaltar
que, em função das novas exigências previstas na Lei, faz-se necessário uma formação
inicial sólida e constante atualização em serviço. Em se tratando da criança pequena, a
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

89

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

realidade tem apontado que ambas as formações é uma das variáveis que maior impacto
causa sobre a qualidade desse tipo de atendimento. Essa preocupação é destacada por
Kishimoto (2002) ao tratar dos avanços e retrocessos na formação de profissionais de
educação infantil, porque um dos problemas encontrados na configuração curricular dos
cursos que formam professores no Brasil refere-se à falta de clareza sobre o perfil
profissional daqueles que vão atuar junto à criança pequena. A crítica mais comum está na
natureza disciplinar do currículo, por serem os conteúdos organizados em campos
disciplinares, dificultando qualquer possibilidade de reforma. Na realidade, a formação do
professor que é desenvolvida no interior das universidades se organiza em campos
disciplinares, criando-se tradições, feudos, em que "[...] priorizam-se determinados campos
de conhecimento em detrimento de outros: em uns, saberes históricos e filosóficos,
sociológicos e antropológicos ou organizacionais entre outros" (KISHIMOTO, 2002, p.
108).
Na perspectiva dessa autora, não é possível levar o futuro profissional a
compreender que a criança pequena aprende de modo integrado, quando, no seu curso de
formação, os conteúdos se apresentam de maneira fragmentada e em disciplinas estanques,
que não dialogam entre si. Outro fato muito comum, encontrado na condução da prática
pedagógica dos estágios, é que, geralmente, o aluno é colocado em contato com livros,
proporcionando-lhe pouco contato com a realidade das escolas.
Para tanto, Barreto (1998) enfatiza que a formação de professores é
reconhecidamente um dos fatores mais importantes para a promoção de padrões de
qualidade na educação, qualquer que seja o grau ou modalidade. Destaca ainda que,
embora a chamada formação continuada não deva se caracterizar como algo eventual, nem
apenas um instrumento que se usa para suprir deficiências teóricas e práticas de uma
formação acadêmica mal feita, é importante que esse profissional busque a capacitação em
serviço e a atualização constante, aprofundando as experiências científicas e cotidianas que
está vivendo e as vividas anteriormente. É importante que, ao longo da carreira do
magistério, o mesmo possa frequentar não só os cursos de atualização, grupos de estudos
ligados ao fazer pedagógico na sala de aula, mas, sobretudo, estar atento às questões
políticas, sociais e econômicas, acompanhando as transformações da sociedade como um
todo.
Os resultados da pesquisa apontam que, se muitos foram os avanços previstos na
legislação, inversamente, muitos retrocessos acompanham a trajetória histórica dessas
instituições, já que, do ponto de vista prático, o trabalho realizado no interior de muitas
delas se restringe mais aos cuidados físicos relacionados à higienização e à alimentação do
que propriamente um trabalho voltado aos aspectos educativos. A alta rotatividade no
emprego, a falta de opção em relação a outros serviços, a baixa assiduidade e as
características individuais de personalidade da cada profissional também interferem nesse
processo.
Pesquisas recentes apontam que o cansaço físico das professoras é muito acentuado,
porque o trabalho com as crianças menores exige muita habilidade física e preparo
emocional. Sobre esta questão, Ongari (2003, p. 84) ressalta que o cansaço físico é
percebido como importante se considerarmos que o trabalho com as crianças pequenas
implica um modo de relação centrado na corporeidade, que pode se tornar pesado do ponto
de vista físico. Além de raramente ficar parada, "[...] a educadora também carrega as
crianças no colo, levanta-as, principalmente para a troca; e ainda, permanece sentada ao
lado delas, freqüentemente no chão, o que exige muita energia sempre que for necessário
se levantar". O cansaço psicológico também compromete esse trabalho, pois, a necessidade

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

90

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

de estar sempre atenta e de satisfazer ao mesmo tempo às exigências de muitas crianças
aparece como um interveniente no cotidiano das instituições.
A falta de uma metodologia adequada para o desenvolvimento de cada atividade, a
excessiva escolarização ou a alfabetização precoce e a inexistência de um currículo que
integre os cuidados à educação da criança, a pouca autonomia sobre a própria ação e a
baixa remuneração também são questões que impedem um trabalho de mais qualidade. É
importante destacar que a concretização de um bom trabalho junto às crianças se inicia
pela maneira como os professores apropriam-se de modelos pedagógicos ao longo da
carreira, haja vista que o contexto pedagógico requer estruturas curriculares abertas e
flexíveis. Isso envolve nova concepção de currículo, entendido como trajetória de
exploração partilhada de objetos de conhecimento de determinada cultura, por meio de
atividades diversificadas, constantemente avaliadas (OLIVEIRA, 2002). Nessa
perspectiva, o currículo não pode ser entendido como um plano individual, mas como um
projeto coletivo que deve ser pensado e elaborado para o crescimento tanto do professor
como das crianças. O planejamento do currículo inclui a organização de uma série de
elementos que vai enriquecer o universo da escola infantil. Questões como a rotina, o
tempo, o espaço, os materiais disponíveis, os brinquedos devem permear todo o
desenvolvimento das atividades junto às crianças.
Planejar o currículo implica ouvir os profissionais em suas concepções e
decisões, problematizar a visão deles sobre creches e pré-escolas,
evitando perspectivas fragmentadas e contraditórias, que refletem a
influência das várias concepções educacionais que vivenciaram ou com
que tiveram contato. (OLIVEIRA, 2002, p. 168).

Não é tarefa fácil discutir sobre questões que tratam do trabalho pedagógico em
instituições de educação infantil, uma vez que o cotidiano aponta para as muitas
dificuldades do professor na organização desse trabalho, especialmente no que tange à
rotina das crianças. Em geral, a própria literatura, quando aborda esta questão, centra-se
mais no recorte de um ou outro aspecto que envolve o cotidiano da instituição, mas não
fornece aos professores uma visão mais globalizante dos elementos que constituem o seu
trabalho diário. No entanto, apesar de toda a problemática que ainda permeia uma grande
maioria de instituições de atendimento à criança e apesar de terem tido no seu início uma
função mais voltada para as questões assistenciais, apresentando, ainda hoje, muitos desses
problemas, avançaram ao longo das décadas, apresentando diferentes funções no seu
interior, até se consolidar como um espaço de educação para a criança pequena.
Considerações Finais
Este estudo nos permitiu trazer elementos para pensar a prática pedagógica
desenvolvida no interior das escolas infantis e, sobretudo, chamar a atenção para a
complexidade das relações que ocorrem no interior dessas instituições. Sua consolidação
só aconteceu nas últimas décadas, em função dos movimentos sociais de luta e
reivindicação pelos direitos humanos, dentre eles, o direito de todas as pessoas a uma
educação de qualidade desde a mais tenra idade. As duas últimas décadas significaram um
tempo de conquistas sobre os direitos da criança brasileira, a opção da família em dividir a
educação com os filhos e o dever do Estado na garantia de todos esses direitos (Oliveira,
2002). Para além das questões que envolvem todos os percalços que comprometem uma
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

91

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

educação mais qualitativa para essa faixa etária, consideramos que muitos são os desafios
para o novo milênio. Elencamos aqueles que nos parecem mais relevantes no que tange à
busca pela qualidade no interior das escolas infantis e divididos em grandes eixos, que são:
·
·
·
·
·
·
·
·
·
·

Recursos financeiros aplicados, exclusivamente, nesse nível de ensino;
Universalização do atendimento para todas as crianças de zero a cinco anos de
idade;
Formação inicial e continuada do professor que priorize a integração entre os
cuidados e a educação da criança pequena;
Projeto pedagógico adequado para essa faixa etária, que possibilite o
enriquecimento das experiências infantis;
trabalho coletivo entre a direção, coordenação, professor, demais funcionários da
instituição e família das crianças
ludicidade como elemento fundamental na organização do trabalho pedagógico;
participação das famílias nas escolas infantis;
espaço físico contendo mobiliário e material pedagógico adequado à idade das
crianças;
segurança física e psicológica que garanta o acolhimento a todas as crianças,
inclusive às crianças especiais;
articulação entre esse nível de ensino e os anos iniciais do ensino fundamental.

Ao pensar nos desafios propostos e nos muitos outros que podem contribuir para
uma educação que respeite, efetivamente, o desenvolvimento e aprendizado da criança
pequena, parafraseamos o pensamento de Bujes (2001) ao reconhecer que esse espaço deve
ser muito mais qualificado e que, ao incluir o acolhimento e a segurança, também precisa
ser um ambiente que desperte a emoção e desenvolva a sensibilidade, contemplando,
assim, a curiosidade e a investigação dos pequenos infantes. Para tanto, nos baseamos nos
dez aspectos-chave para uma educação infantil de qualidade, propostos por Zabala (1998,
p. 50), de que, segundo ele "[...] a ordem não é importante, uma vez que a relevância de
cada um dos aspectos mencionados deriva do seu conteúdo, não da sua posição na lista" e
que se constituem: 1) organização dos espaços; 2) equilíbrio entre a iniciativa infantil e no
trabalho dirigido no momento de planejar e desenvolver as atividades; 3) atenção
privilegiada aos aspectos emocionais; 4) utilização de uma linguagem enriquecida; 5)
diferenciação de atividades para abordar todas as dimensões do desenvolvimento de todas
as capacidades; 6) rotinas estáveis; 7) materiais diversificados e polivalentes; 8) atenção
individualizada a cada criança; 9) sistemas de avaliação, anotações que permitam o
acompanhamento global do grupo e de cada uma das crianças; 10) trabalho com os pais e
mães.
É conveniente ressaltar que a qualidade tem muitas leituras e pode ser analisada sob
diferentes perspectivas. O importante é que a educação de qualidade da criança pequena
possa ser reconhecida não só no plano legislativo e nos documentos oficiais, mas pela
sociedade como um todo. Afinal essa modalidade educacional é de responsabilidade
pública e, como tal, deve prioritariamente ser assumida por todos; esse é o nosso maior
desafio.

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

92

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

Referências
BARRETO, Ângela M. R. Situação atual da educação infantil no Brasil. In: BRASIL.
Ministério da Educação e do Desporto. Subsídios para o credenciamento e
funcionamento de instituições de educação infantil. v. 2. Coordenação Geral de
educação infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1998.
______. Ângela M. R. A educação infantil no contexto das políticas públicas. Revista
Brasileira de Educação ­ Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em
Educação, Rio de Janeiro, Campinas, SP: Autores Associados, n. 24, p. 53-65,
set./out./nov./dez. 2003.
BITTAR, M; SILVA, J.; MOTA, M. A .C. Formulação e implementação da política de
educação infantil no Brasil. In: Educação infantil, política, formação e prática docente.
Campo Grande, MS: UCDB, 2003.
BRANDÃO. Carlos da Fonseca. A educação infantil no Plano Nacional de Educação: a
questão da oferta e do atendimento. In: PASCHOAL, Jaqueline. D. (Org.). Trabalho
pedagógico na educação infantil. Londrina, PR: Humanidades, 2007. p.77-86.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado
Federal, 1988, 305 p.
______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de junho de 1990.
_____. Plano Nacional de Educação. Lei nº 10.172/2001, de 09 de janeiro de 2001.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.
Política nacional de educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF/COEDI, 1994a.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Por
uma política de formação do profissional de educação infantil. Brasília, DF:
MEC/SEF/COEDI, 1994b.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Critérios para um atendimento
em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília, DF:
MEC/SEF/COEDI, 1995.
______. Ministério da Educação e Cultura. Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.
Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEF,
1998a.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.
Subsídios para o credenciamento e funcionamento de instituições de educação
infantil. Coordenação Geral de Educação Infantil, v. 1 e 2. Brasília, DF:
MEC/SEF/DPE/COEDI, 1998b.
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

93

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Básica. Política
nacional de educação infantil. Brasília, DF: MEC/SEB, 2006.
BUJES, Maria Isabel E. Escola infantil: pra que te quero?. In: CRAIDY, Carmem;
KAERCHER, Gládis E.(Org). Educação Infantil: pra que te quero? Porto Alegre:
Artmed Editora, 2001. p.13-23.
DIDONET, Vital. Creche: a que veio, para onde vai. In: Educação Infantil: a creche, um
bom começo. Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. v 18, n.
73. Brasília, 2001. p.11-28.
FERREIRA, Maria Clotilde Rossetti (Org.). Os fazeres na educação infantil. São Paulo:
Cortez, 2000.
HADDAD, Lenira. A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 1993.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Avanços e retrocessos na formação dos profissionais de
educação infantil. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (Org.) Encontros e desencontros
em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. p. 107-115.
KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 5. ed. São
Paulo: Cortez,1995.
KUHLMANN JR., Moisés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto
Alegre: Mediação, 1998.
______. O jardim de infância e a educação das crianças pobres: final do século XIX, início
do século XX. In: MONARCHA, Carlos, (Org.). Educação da infância brasileira: 18751983. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. p. 3-30 (Coleção educação
contemporânea).
LEITE FILHO, A. Proposições para uma educação infantil cidadã. In: GARCIA, R. L.;
LEITE FILHO, A. (Orgs.). Em defesa da educação infantil. Rio de Janeiro: DP&A,
2001. p. 29-58. (Coleção O sentido da escola; 18).
MARCÍLIO, Maria Luiza. A roda dos expostos e a criança abandonada na História do
Brasil. In: FREITAS, Marcos Cezar (Org.). História social da infância no Brasil. São
Paulo: Cortez, 1997. p. 51-76.
MARX, Karl. Divisão do trabalho e manufatura. In:______. O Capital. São Paulo: Difel,
l. 1, v. 1, 1982. p. 386-422.
______. O Capital. l.1, v.1. São Paulo: Bertrand Brasil-Difel, 1986. p. 423-550.
OLIVEIRA, Zilma Moraes R. Creches: Crianças, faz de conta & Cia. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1992.
Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

94

Revista HISTEDBR On-line

Artigo

______. Zilma Moraes R. Educação infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez,
2002. (Coleção Docência em Formação).
ONGARI, Bárbara; MOLINA, Paola. A educadora de creche: construindo suas
identidades. Tradução: Fernanda L. Ortale e Ilse Paschoal Moreira. São Paulo: Cortez,
2003.
RIZZO, Gilda. Creche: organização, currículo, montagem e funcionamento. 3. ed. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
ZABALZA, Miguel. A . Qualidade em educação infantil. Trad. Beatriz Affonso Neves.
Porto Alegre: ArtMed, 1998.
1

Mestre em Educação. Doutoranda no Curso de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Estadual de
Maringá/UEM. Docente no Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina.

2

Doutora em Educação. Docente do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá/UEM.
3

Utilizaremos a expressão "pré-escola" e não mais jardim de infância, por consequência da mudança da
terminologia a partir da década de setenta do século XX.
4

Considerando a Lei nº 11.274, de 6 de fevereiro de 2006, que determinou que o Ensino Fundamental no
Brasil passaria a ter duração de nove anos, iniciando-se aos seis anos de idade, a educação infantil, a partir
dessa data, corresponde à faixa etária de zero a cinco anos de idade e não mais até aos seis anos.
5

O presente documento contém 267 capítulos, e dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente
no Brasil.

Artigo recebido em:
Aprovado para publicação em:

Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.33, p.78-95,mar.2009 - ISSN: 1676-2584

95