1
A PRÉ-HISTÓRIA DO BRASIL NOS LIVROS DE HISTÓRIA
PARA 5a a 8a SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL
Isabel Cristina Rodrigues 1
Márcia Cristina Marinoci 2
Este estudo objetivou analisar a abordagem dada pelos livros didáticos à PréHistória do Brasil. Para dar conta do objetivo tomei por referências textos de livros
didáticos de História destinados ao terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental ­ 5ª a
8ª séries ­ (Tabela 1) das coleções recomendadas pelo Plano Nacional do Livro Didático
para 2002 (PNLD/2002) do Ministério da Educação e Cultura (MEC), que atenderam as
recomendações previstas nos Parâmetros Curriculares Nacionais para a área de História.

Autor

Tabela 1: livros didáticos selecionados/fontes
Nome do livro

Nelson Piletti e Claudino Piletti
Andréia Rodrigues Dias Montellato
Conceição Cabrini Roberto Castelli
Junior
José Rivair Macedo Mariley
wanderley de Oliveiveira
Lucy R. Valentine Maria Célia P.
Villela Marlene Odoñez
Marlene Odoñez
Joaci Pereira Furtado
Marco
Antonio Villa
Eliane F. Bittencourt Couto Sonia
Irene de Carmo
José Roberto Martins Ferreira
Kátia Correia P. Alves
Regina
Célia de Moura Gomide Belisário
Mario Furley Schmid
Renato Mocellin
Gilberto Vieira Cotrin
Maria Fernanda Marques Antunes
Ricardo Frota de Albuquerque
Maranhão
Silvia Panazzo Maria Luiza Vaz
Flavio de Campos Lídia Aguilar
Regina Claro
Renon Garcia
Miranda
Joelza Ester Rodrigue
Gleuso Damasceno Duarte

1

Editora

História e Vida Integrada
História Temática

Ática
Scipione

Ano de
publicação
2001
2001

Brasil uma História em Construção

Editora do Brasil

2000

Cultura e Sociedade

IBEP

2001

História
IBEP
História do Brasil ­ História do Moderna
Brasil ­ História Geral
História Passado ­Presente
Saraiva

2000
2000

História
Nas trilhas da História

FTD
Dimensão

2000
1999

Nova História Critíca
Para compreender História
Saber e Fazer a História
Trabalho e Civilização ­ Uma
História Global

Nova Geração
Editora do Brasil
Saraiva
Moderna

2000
2000
2001
2002

Navegando pela História
O Jogo da História

Quinteto Editorial 2001
Moderna
2002

História em Documento
Tempos da História

FTD


2001

2001
2000

Orientadora, professora do Departamento de História; Pesquisadora do Programa Interdisciplinar de Estudos
de Populações/Laboratório de Arqueologia Etnologia e Etno-História/UEM.
2
Acadêmica do 3º ano do curso de História da UEM.

2
O ponto de partida para minha análise de como os autores trabalham a Pré-História
foi considerar que o livro didático tem como finalidade ser um instrumento auxiliar em sala
de aula para o professor e para os alunos.
Assim considerei que para discutir a Pré-História nos livros didáticos foi necessário
me debruçar sobre referências bibliográficas que discutem a Arqueologia e a Pré-história
para depois analisar a forma como os autores dos livros didáticos conceituam, delimitam e
apresentam os conteúdos denominados pré-históricos nas obras didáticas selecionadas.
Discutindo o conceito de Arqueologia e Pré-História
A Arqueologia tem ajudado a ampliar os horizontes históricos de compreensão da
Pré-história. Assim tem figurado cada vez mais nos livros didáticos, principalmente nos
capítulos iniciais dos volumes destinados às quintas séries, que procuram explicar o que é
a história, para que serve, o que são fatos e fontes históricas, a contagem do tempo, ou
seja, nos capítulos que iniciam volumes.
Entretanto, apesar de se ter reservado nos livros didáticos um capítulo sobre a PréHistória, observa-se que esses conhecimentos pré-históricos são transmitidos sem uma
preocupação em estabelecer uma relação com as experiências do aluno, deixando de
lado a sua capacidade de reflexão. Vejamos alguns exemplos:
Desde o século XIX são realizadas pesquisas arqueológicas no Brasil. Entre 1834 e
1846, o dinamarquês Peter Lund, pesquisando na região da Lagoa Santa, no interior
de Minas Gerais, encontrou vestígios de grupos de caçadores que viveram no local
há milhares de anos (Piletti, 2002, p 34).
Vestígios de figuras encontrados em São Raimundo Nonato, Piauí, indicam a
presença humana no Brasil, há 40.000 anos, todavia, não se encontrou a prova
definitiva: fósseis humanos com essa idade (Martins, 2000, p 59).
Além disso, na maioria dos livros o enfoque central dado à Pré-História é num
sentido generalizante, fantasioso, ficcional. Os autores criam uma idéia imprecisa no
aluno sobre a validade dos estudos pré-históricos e reforça um tipo de conhecimento que
as alunos já possuem de arqueologia e Pré-História, abordando assuntos já veiculados
pelos jornais, revistas e canais de televisão (Rodrigues, 2001, p. 95).
A Pré-História, em sentido mais amplo procura explicar o que aconteceu no passado
a determinados grupos humanos através de evidências arqueológicas.
Segundo Trigger (1973) a Arqueologia não é sinônimo de Pré-História. A
Arqueologia é uma disciplina que se refere as técnicas necessárias à recuperação dos

3
restos materiais do passado. Assim sendo, ela forma um corpo de habilidades capazes de
fornecer dados que possam ser usados por várias disciplinas. Enquanto que a PréHistória procura explicar os acontecimentos através da "cultura material".
Todos os dados arqueológicos constituem expressões de pensamento e de
finalidades humanas e só tem interesse como tal (Childe, 1961,p 11).
A Arqueologia estuda todas as mudanças do mundo material provocada pela ação
humana. Essa ciência busca descobrir, pesquisar e reconstituir sinais de povos, seus
restos, culturas desaparecidas, tendo grande importância no fato de fornecer evidências
materiais de grupos humanos ou de indivíduos isolados, portadores de uma cultura
característica.
Através da Arqueologia é possível ampliar nossa compreensão da Pré-História. Mas
é importante percebemos que a Arqueologia não se limite apenas à época pré-histórica.
Segundo Sigfried J. de Laet (1977) a Arqueologia se estende a todos os períodos do
passado, mesmo se este esteja bastante próximo.
O conceito de Pré-História surgiu apenas no século XIX. A Pré-História foi definida
como todo período anterior à invenção da escrita. A Pré-História trata dos últimos 100 a
200 mil anos, período em que existe a espécie humana, o homo sapiens sapiens, mas
também dos milhões de anos anteriores.
Segundo Funari e Noelli (2001) os conceitos de Pré-História na Europa e na
América diferem muito, apesar dos pesquisadores dos dois lados do Atlântico usarem o
mesmo termo "Pré-História" e isto se explica facilmente, se buscarmos a origens desses
estudos lá e cá. Na Europa, a Pré-História foi sempre definido com referência à História,
como o período anterior à escrita, estudado pelos "pré-historiadores".
No continente americano, a definição de Pré-História tem como referência
tradicional a chegada dos europeus ao continente em fins do século XII. Generalizou-se o
uso do termo Pré-História da América para todo o período anterior 1492, data da chegada
de Colombo ao continente.
A Arqueologia na sua modalidade pré-histórica pode demonstrar como o homem se
humanizou estudando o desenvolvimento de suas aquisições.
Para Gordon Childe (1961) a Pré-História é um campo transdisciplinar que visa
especificamente a reconstrução das estruturas sociais, do funcionamento e da
transformação

das

comunidades

humanas

sem

escrita,

reconstrução

baseada

exclusivamente em dados materiais em associação, e o correto posicionamento em

4
função de estruturas ambienciais (humanos e não-humanos) que determinam, se
integram ou intervêm no seu processo evolutivo.
No Brasil, a Arqueologia pré-histórica tem contribuído de forma significativa para
que se amplie o conhecimento dos primeiros povoadores e assim muitos manuais de
História já trazem um capítulo sobre a Pré-História, como é o caso dos livros didáticos
selecionados para esta pesquisa.
No Brasil as pesquisas arqueológicas têm-se desenvolvido consideravelmente,
trazendo relativos conhecimentos históricos e pré-históricos. Isso tem ocorrido com maior
freqüência nos últimos anos, pois tem crescido o interesse de pesquisadores de várias
áreas do conhecimento, o que tem gerado pesquisas interdisciplinares sobre a história da
chamadas "populações sem escrita".
Entretanto, as publicações especializadas não atingem o grande público que,
geralmente, só tem acesso às noticias arqueológicas veiculadas pelos jornais, revistas e
canais de televisão, que geralmente são notícias superficiais.
Segundo Leite (1995) mesmo nos meios universitários o conhecimento arqueológico
é pouco difundido, ficando restrito a alguns profissionais dos departamentos que mantém
disciplinas ou setores de pesquisas em arqueologia e Pré-História, que não é uma
constante nas universidades e faculdades isoladas brasileiras. Essas instituições colocam
todos os anos no mercado muitos profissionais que vão atuar na área de História nas
escolas de ensino fundamental e médio, das redes pública e particular de todo o Brasil,
mas muitos deles não tiveram ou tiveram pouco acesso às bibliografias especializadas de
Arqueologia Histórica ou Pré-Histórica em sua vida acadêmica. No Brasil, mesmo nas
grandes universidades como, apesar de constar nas grades curriculares3 dos cursos de
graduação em História, disciplinas como Pré-História da Universidade de São Paulo,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Federal Fluminense (USP,
UFRS, UFF)América, por exemplo, estas nem sempre são oferecidas porque são
chamadas de disciplinas eletivas ou optativas e que vão sendo ofertadas conforme a
disponibilidade dos professores responsáveis pela ementa, o que não garante que
profissionais formados por essas instituições saiam dos cursos com um preparo melhor
nessa essa área.
A partir da importância do estudo da Arqueologia é que se faz necessário uma
análise da abordagem da Pré-História nos livros didáticos de História. E especialmente

3

As grades curriculares dessas instituições podem ser vistas nos seus respectivos sites, nos links de cada
curso de graduação ou departamentos de História a que pertencem.

5
tratando-se de livros de História, o professor deve selecionar aqueles que possibilitem por
parte do aluno, a compreensão da importância e do significado de seu papel histórico.
Dentre as coleções de livros didáticos analisados, pude constatar que algumas
trabalham a problematização passado/presente. Mas muitos autores negligenciam-na em
seus textos didáticos. Vejamos:
Os achados arqueológicos da Pré-História revelaram que os primeiros artefatos de
nossos antepassados eram feitos de pedra e que, para obter a forma desejada, os
homens lascavam as pedras (Carmo, Couto, 1997, p 20).
Para vários autores o passado é trabalhado separadamente como se fosse
desvinculado do presente e, o aluno não é colocado em situações por ele vivenciadas em
seu cotidiano.
A compreensão da realidade vivida pelo aluno é pouco estimulada, uma vez que a
discussão sobre o passado não parte do estudo do presente, da realidade do aluno,
sendo assim dificulta o entendimento do sentido do estudo da História.
O povoamento da América
No que diz respeito à teoria do povoamento da América, a maioria dos autores se
utilizam da tese do tcheco Alex Hrdluck, na qual sustenta que teríamos uma origem única
do homem, que estes entraram pelo estreito de Behring em pequenas levas, saiam do
leste asiático, eram pessoas de origem mongolóides.
O caminho percorrido é quase certo: as geleiras do estreito de Behring, no extremo
norte do continente americano. Provavelmente, esse foi o trajeto realizado pelos
primeiros grupos humanos que saíram da Ásia rumo à América. Nessa época, os
dois continentes eram interligados por uma camada permanente de gelo
(Piletti,2002, p32).
A passagem de um continente ao outro teria sido feita a pé, pelo estreito de Bering,
que separa a Sibéria do Alasca. Houve época em que aquela travessia se
transformava numa ponte de gelo, unindo os dois continentes (Duarte, 2000, p 51).
Alguns livros didáticos trazem outras possibilidades sobre a teoria do povoamento
da América.4
Existem outras possibilidades: os homens podem ter navegado da Ásia, da Polinésia
ou da Austrália para chegar à América central ou à América do Sul. Eles teriam
usado jangadas ou outras embarcações primitivas. Suas viagens teriam sido
facilitadas pela existência de milhares de ilhas que surgiram com o rebaixamento do
4

Para saber mais sobre o assunto ver: MOREIRA, L. F. VIEL. Palestra História da América. LEMH/
UEM 2002.

6
mar, e hoje estão novamente encobertas pelo Oceano Pacífico" (Maranhão,
Antunes, 2001, p 33).
A linguagem apresentada pelos textos didáticos
A linguagem usada pelos autores para abordar a Pré-História nos livros didático
varia de autor para autor. Várias coleções possuem textos agradáveis que estimulam a
leitura, outras por sua vez, incorporam gírias na intenção de se aproximar mais do aluno.
Contudo vários autores não conseguem explicitar o significado das palavras e conceitos
que se propõem a definir:
Caramba, bilhões de anos são muita coisa, não é mesmo? Veja que um bilhão de
anos corresponde a 10 milhões de séculos! Pois durante uns 14 bilhões de anos
aquela matéria toda sofreu transformações físicas e químicas. A força da gravidade
foi muito importante para a formação das estrelas e dos planetas (Schmidt, 2001,
p.39).
Observei também que várias coleções não possuem sugestões de leitura e
materiais didáticos. Mas também pude constatar de forma satisfatória que algumas
coleções se preocupam com essas questões.
Para conhecer um pouco das primeiras sociedades brasileiras, sugerimos a leitura
de Os primeiros habitantes do Brasil, de Noberto Luiz Guarinello, publicado pela
editora atual e Brasil indígena-quinhentos anos de resistência, de Benedito Prezea e
Eduardo Hoonaert, da Editora FTD ( Panazzo e Vaz, 2001, p.58).
Muitos autores se propuseram a incorporar uma historiografia atualizada sobre
estudos recentes da Pré-História, mas essa historiografia atualizada só aparece
parcialmente ou as vezes não é incorporada nos textos didáticos do livro .
Em várias coleções os autores recorrem a recursos imagéticos como meio para
compreensão do conteúdo da Pré-História e o que tenho constatado é que os recursos
imagéticos utilizados em tais textos são vagos e repetitivos e usados para comprovar o
que o livro traz em seus textos.
Considerações finais
Existe uma variação superficial entre os livros didáticos, mas o que acaba
predominando é uma espécie de "texto único" que se repete nos livros de diferentes
autores, seja através dos documentos textuais ou imagéticos utilizados.

7
Vestígios de fogueiras encontrados em São Raimundo Nonato, Piauí, indicam a
presença humana no Brasil há 40.000 anos. Todavia não se encontrou a prova
definitiva: fósseis humanos com essa idade (Martins, 2000, p. 59).
... cientistas brasileiros Nìede Guidon descobriu, no Piauí, vestígios de presença
humana no Brasil há mais de 40 mil anos. São restos de fogueiras, pedaços de
machado e facas de pedra (Schmidt, 2001, p.51).
Vale mencionar ainda que, o livro didático seja qual for ­ de História, Matemática,
Geografia ­ não é neutro. Nos conteúdos que transmite também se encontram os valores,
as crenças, em fim a visão de mundo dos autores que o produzem.
Isso tudo é absorvido pelo aluno. Daí a importância em considerar que os livros
didáticos podem funcionar como instrumento de reprodução ideológica.
Por outro lado, o livro didático é uma mercadoria e como tal, em uma sociedade
capitalista, está invariavelmente submetido às leis de mercado.
E especialmente tratando-se de livros de História, o professor deve selecionar
aqueles que possibilitem por parte do aluno, a compreensão da importância e do
significado de seu papel histórico.
Com relação à análise de como a Pré-História é apresentada nos livros didáticos, é
preciso considerar que "talvez" o problema mais sério não esteja na simplificação ou
generalização dos livros didáticos, mas na ausência da própria historiografia brasileira,
que não possui uma produção sistemática nessa área. A Pré-História brasileira acaba
sendo tratada como a mesma em todo o mundo, mas ignora-se que exista diferença entre
regiões.
Outra questão importante a se discutir é o papel que as universidades tem na
formação do professor e na sua responsabilidade de produção e transmissão dos
conhecimentos para toda a sociedade, já que os autores dos livros didáticos vão se
pautar no conhecimento produzido pelos historiadores. Mas como explicar a ausência do
conhecimento pré-histórico por professores de História, se estes são frutos do espaço
reduzido ou inexistente de estudos relativos a Pré-História nas universidades?
Não podemos deixar de questionar que estas deficiências refletem-se no
desinteresse de alunos e professores em buscar conhecer mais a respeito de nosso
passado.
Fontes
ALVES, Kátia Correia Peixoto et alli. Nas trilhas da História. São Paulo: Dimensão, 1999.

8
ANTUNES, Maria Fernanda Marques. ALBUQUERQUE MARANHÃO, Ricardo Frota de.
Trabalho e Civilização - Uma História Global. São Paulo: Moderna, 1999.
CAMPOS, Flávio de. et alli. O Jogo da História São Paulo: Moderna, 2002.
COTRIM, Gilberto Vieira. Saber e Fazer a História. São Paulo: Saraiva, 2001.
COUTO, Eliane F. Bitencourt; CARMO, Sonia Irene do. História Passado e
São Paulo: Saraiva, 2001.

Presente.

DUARTE, Gleuso Damasceno. Tempo de História. Belo Horizonte: Lê, 2000.
FERREIRA, José Roberto Martins. História- Edição Reformulada. São Paulo: FTD, 2000.
FURTADO, Joaci Pereira; VILLA, Marco Antônio. História do Brasil/ História Geral. São
Paulo: Moderna, 2000.
MACEDO, José Rivair de; OLIVEIRA, Mariley Wanderley de. Brasil uma História em
construção. São Paulo: Editora do Brasil, 2000.
MOCELLIN, Renato. Para Compreender a História. São Paulo: Editora do Brasil, 2000.
MONTELLATO, Andréia R.D.; CABRINI, Conceição; CASTELLI JR., Roberto. História
Temática. São Paulo: Scipione, 2001.
ORDOÑES, Marlene. História. São Paulo: IBEP, 2000.
PANAZZO, Silvia.; VAZ, Maria Luísa. Navegando pela História. São Paulo: Quinteto
Editorial, 2001.
PILETTI, Nelson.; PILETTI, Claudino. História e Vida Integrada. São Paulo: Ática, 2001.
RODRIGUE, Joelza Ester. História em Documento: São Paulo: FTD, 2001.
SHIMIDT, Mario Furley. Nova História Crítica. São Paulo: Nova Geração, 2000.
VALENTINE, Lucy R, et alli. Cultura e Sociedade. São Paulo: IBEP, 2001.
Referências Bibliográficas
Abud, Kátia. O livro didático e a popularização do saber histórico. In SILVA,
Marcos, A . da. Repensando a história. São Paulo: Marco Zero, 1984.
BRASIL/SEF. Parâmetros Curriculares Nacionais: História. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
CHAUNU, Pierre. A História como ciência social. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.
CHILDE, V. Gordon. Introdução à Arqueologia. Lisboa: Europa. América, 1961.
DIHEL, Astor Antonio; MACHADO, Ironeta A.P; CAIMI, Flávia Eloísa. O livro didático e o
currículo de história em transição. Passo Fundo: EDIUFF, 1999.
FAUSTO, Carlos. Os índios antes do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2000.
FRANCO, Maria Laura P. B. O livro didático no Brasil- A versão fabricada. São Paulo:
Global Editora, 1982.
FREITAG, Bárbara, et alli. O livro didático em questão. São Paulo: Cortez Editora, 1989.
FUNARI, Pedro Paulo. NOELLI, Francisco Silva. A Pré-História do Brasil. São Paulo:
Contexto, 2002.
FUNARI Pedro Paulo. Introdução à Arqueologia. São Paulo: Editora da UNESP, 2002.

9
Glezer, Raquel. Novos Livros e velhas Idéias. In: Revista Brasileira de História, nº 7, Rio
de Janeiro: Marco Zero, 1984.
LAET, Sigfried de. A Arqueologia e a Pré-História. Lisboa, Bertrand, 1977.
LEITE, Nívea. O ensino da Pré-História nas escolas de 1o e 2o graus. IN: KERN, Arno
Alvarez. ANAIS, 8a Reunião científica da SAB ­ Sociedade de Arqueologia Brasileira.
Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.
MENDONÇA, Nadir Domingues. O uso dos conceitos. Petrópolis: Vozes, 1994.
MOLINA, Olga. Quem engana quem ­ Professor X livro didático. Campinas: Editora
Papirus, 1988.
NOSELLA, Maria de Lourdes Chagas Deiró. As Belas mentiras. São Paulo: Moraes, 1978.
OLIVEIRA, Alaíde Lisboa de. O livro didático. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1986.
ORSER Jr, Charles E. Introduccíon a la Arqueologia História. Trad. André Zarankin.
Buenos Aires: Aino, 2000.
PESEZ, Jean M. História da cultura material. In: LE GOFF, Jacques. A História nova. São
Paulo: Martins Fontes, 1990.
PINSKY, Jaime. As primeiras Civilizações. São Paulo: Contexto, 2001.
PROUS, André. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora do UNB, 1992.
RODRIGUES, Isabel Cristina. A temática indígena nos livros didáticos de História do
Brasil do Ensino Fundamental- 5ª a 8ª séries. Maringá: 2001 (Dissertação de Mestrado).
SOARES, André Luiz R. Guarani: organização social e Arqueologia. Porto Alegre:
Edipucrs, 1997.
TENÓRIO, Maria Cristina (org). Pré-História da terra Brasilis. Rio de Janeiro: Editora da
UFRJ, 1999.
TRIGGER, Bruce G. Além da História: Os métodos da Pré-História. São Paulo. EPU,
1973.
TOLEDO, Maria Leopoldino Tursi- Reflexões sobre a crítica feita ao ensino de História no
Brasil nos anos 80. In: Actia Ascientiarum, v.22, nº 1 março/2000. Maringá: EDUEM, 2000.