O RÁDIO NO BRASIL: DO SURGIMENTO À DÉCADA DE 1940 E A
PRIMEIRA EMISSORA DE RÁDIO EM GUARAPUAVA
Yvonete Pedra Meneguel1
Professor Dr. Oseias de Oliveira2
RESUMO
O presente trabalho analisa o período do surgimento do rádio no Brasil até
o fim do Estado Novo. Mais do que um meio de entretenimento e
informação, o rádio foi utilizado como um instrumento político capaz de
formar opiniões e mobilizar a sociedade em prol de determinados
interesses. Tendo inicialmente o objetivo de difundir a cultura e promover
a integração nacional, o rádio logo assumiu um papel de destaque,
tornando-se capaz de alterar hábitos e criar necessidades. Nesse período
o poder público procurou regulamentar o meio radiofônico incentivando o
seu desenvolvimento comercial, técnico e profissional. Este trabalho
também busca entender como ocorria a produção das programações e
que interferências governamentais aconteceram. Por meio de pesquisa
bibliográfica e entrevistas, a pesquisa também procura verificar como
ocorreu o início das transmissões radiofônicas no município de
Guarapuava-Pr, concluindo que também a motivação política foi essencial
para a fundação da primeira emissora de rádio: a Rádio Difusora de
Guarapuava.
PALAVRAS-CHAVE: Rádio. Estado Novo. Censura. Ideologia. Poder.
ABSTRACT
The present work intends to analyze the period when the radio was born in
Brazil until the end of the "Estado Novo". More than a source of the
entertainment and information, the radio was always used as a politic
instrument able to create opinions and to motivate the society on behalf of
some specific interests. Firstly, its aim was diffusing the culture and to
promote national integration the radio sooner assumed an important role,
becoming able to change habits and creating necessities. In this period the
public power decided to settle the radio raising its commercial, technique
and professional development. This work also pursuit the understanding
how occurred the program productions and what kind of governmental
interruptions occurred. Using bibliographic searches and interviews, this
work also intend to verify how radiophone transmissions has started in
Guarapuava a town in state of Paraná, concluding that politic motivation
was also essential to the creation of the first radio station: The "Rádio
Difusora de Guarapuava".
WORD KEY: Radio. New State. Censure. Ideology. Power.
1

Professora PDE, 1ª Edição, Graduada em História pela Universidade Estadual do CentroOeste,
UNICENTRO (1993). Pós-Graduação em Ensino, Teoria e Produção do
Conhecimento Histórico pela UNICENTRO (1998).
2
Docente do Curso de Graduação de História da Universidade Estadual do Centro Oeste,
UNICENTRO, Orientador do Programa de Desenvolvimento Educacional, PDE, 1ª Edição.

2

1. INTRODUÇÃO
No Brasil, a primeira experiência radiofônica ocorreu em 1922,
porém, somente em 1923 foi instalada a primeira emissora. Até o início da
década

de

1930,

o

rádio

permaneceu

em

caráter

experimental.

Organizado em sistema de sociedade, com uma programação voltada para
a elite, o rádio teve um desenvolvimento lento até quando foram
permitidas propagandas comerciais que levaram à organização de
empresas para disputar o mercado.
O desenvolvimento desta reflexão procura mostrar como o rádio
exerceu forte influência na vida das pessoas, sendo capaz de criar modas,
inovar estilos e inventar práticas cotidianas. Os diversos programas, como
as radionovelas, programas de auditório, humorísticos, de variedades, de
calouros e outros, fizeram tanto sucesso que marcaram profundamente a
vida das pessoas, transformando-se em parte integrante do cotidiano.
Além da divulgação de manifestações artísticas, mantinha as pessoas
informadas e integradas, superando os limites físicos. O rádio trazia o
mundo para dentro de casa.
Após o seu lançamento, o rádio passou a fazer parte do cotidiano
das pessoas, tornando-se um companheiro de todas as horas e um
importante meio de informação e entretenimento. E continua presente em
todos os meios, nas mais diversas situações. É utilizado como veículo de
informação, lazer, denúncias e difusão de uma ideologia formadora de
opiniões. Desde os primeiros tempos, a radiodifusão apresentou-se como
algo de fundamental importância em relação à comunicação à distância.
Logo se percebeu a função estratégica que o rádio poderia desenvolver.
Por essa razão, em alguns países somente foi permitida pelos governos a
criação de emissoras de rádios estatais.
A partir da década de 1930, Getúlio Vargas passou a fazer uso desse
meio de comunicação para difundir o projeto político-pedagógico do
Estado Novo, repassando a imagem de uma sociedade unida e harmônica,
sem divisões e conflitos sociais. Por meio de um programa oficial, A Hora

3

do Brasil, que deveria ser retransmitida por todas as emissoras do país,
buscava-se difundir a informação, a cultura e o civismo,

criando uma

unidade nacional.
Ao conhecer a história dos primeiros tempos do rádio no Brasil e a
sua importância para a divulgação de uma ideologia, torna-se possível
entender por que o poder público procurou, desde o início, manter sob
controle os meios de comunicação.
2. O RÁDIO NO BRASIL
Segundo

CABRAL

(1996),

a

radiodifusão

foi

implantada

sistematicamente na Europa e nos Estados Unidos em 1920. Porém, já na
década de 60 do século XIX, o inglês James C. Max-well falou da existência
das ondas de rádio que, vinte anos mais tarde, receberam o nome de
ondas hertzianas, em homenagem ao seu real descobridor, Rudolph Hertz.
A teoria de Hertz foi demonstrada na prática somente no final do século,
por Guglielmo Marconi, um cientista italiano que montou antenas dirigidas
tanto para um transmissor quanto para um receptor.
Após várias experiências, o rádio finalmente chegou ao Brasil. Sua
apresentação à sociedade brasileira, segundo CALABRE (2002), ocorreu
num momento em que o Brasil buscava a modernização e o rompimento
definitivo com o passado.
No início da década de 1920, houve a derrubada do Morro do
Castelo e em seu lugar foram construídos pavilhões para a Exposição
Nacional em comemoração ao Centenário da Independência.
No dia 07 de setembro de 1922, ocorreu a primeira demonstração
pública de transmissão de rádio no país, na qual os visitantes da
Exposição e outros cidadãos, agraciados com 80 receptores, sendo alguns
deles instalados em praças públicas, puderam ouvir o discurso do
presidente Epitácio Pessoa, além de trechos da Ópera O Guarany, de
Carlos Gomes, do Teatro Municipal, onde estava sendo executada.
Essa

primeira

demonstração

pública

de

uma

transmissão

radiofônica, apesar de ser acompanhada de muitos ruídos, causou espanto

4

e curiosidade entre os visitantes da Exposição Nacional. As primeiras
transmissões radiofônicas resultaram em tão grande sucesso que no ano
seguinte, em abril de 1923 foi instalada a primeira emissora de rádio
brasileira: a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, de propriedade do
cientista Henrique Morize e do escritor e antropólogo Edgar Roquette
Pinto.
As primeiras rádios, por serem financiadas por seus associados,
eram sociedades ou clubs que tinham como objetivo difundir a cultura e
promover a integração nacional. É por essa razão que a denominação das
primeiras emissoras era sempre Rádio Sociedade: do Rio de Janeiro em
1923; de São Paulo em 1924; ou Rádio Clube: Pernambuco, Paraná, São
Paulo, sendo estas de 1924.
Grande divulgador do conhecimento por meio de livros, revistas e
jornais, Roquette Pinto entusiasmou-se com o advento do rádio no Brasil,
afirmando em seu livro "Seixos Rolados":
Nós que assistimos à aurora do rádio sentimos
sentido alguns dos que conseguiram possuir
livros. Que abalo no mundo moral! Que meio
homem, em poucos minutos, se o empregar
alma e coração! (MOREIRA, 1991, p. 16).

o que deveriam ter
e ler os primeiros
para transformar o
com boa vontade,

Roquette Pinto era médico e antropólogo, foi membro da Academia
Nacional de Medicina, da Academia Brasileira de Letras e também foi o
fundador

do

Instituto

Nacional

de

Cinema

Educativo.

Defendia

a

necessidade de levar cultura e educação a todos os brasileiros. Henrique
Morize, companheiro de Roquette Pinto, era presidente da Academia
Brasileira de Ciência. Ambos viam no rádio a possibilidade de elevar o
nível cultural do país. Vários intelectuais aderiram às idéias dos pioneiros
e freqüentavam à emissora, prestando sua contribuição por meio de
entrevistas e palestras.
O rádio, em sua primeira fase, tornou-se um meio preocupado em
levar educação e cultura à população. Várias emissoras brasileiras
seguiram essa vocação mesmo quando o rádio comercial passou a se
destacar. Em 1936, mediante a promessa de que os ideais de educação e

5

cultura seriam preservados, Roquette Pinto doou a Rádio Sociedade do Rio
de Janeiro ao Ministério da Educação e Cultura, dando início ao sistema de
Rádios Educativas no Brasil.
Na década de 1920, o rádio era um meio de comunicação ligado às
camadas altas da população devido ao estilo de sua programação: óperas,
conferências e músicas clássicas que agradavam à elite, não atingindo as
camadas populares.
A Rádio Sociedade Rio de Janeiro desenvolvia programas voltados à
formação dos ouvintes, por meio de cursos: aulas, conferências e
palestras. Literatura, lições de português, história, geografia e outras
faziam parte das transmissões radiofônicas. Muitos intelectuais, em visita
ao Rio de Janeiro, eram convidados a participar, tornando evidente a
preocupação com a divulgação do conhecimento. Porém, apesar dos
esforços de Roquette Pinto em oferecer uma programação educativa
popular para a maioria da população, o rádio continuou refletindo um nível
cultural de elite (MOREIRA, 1991).
Em 1924, surgiu também no Rio de Janeiro, a segunda emissora de
rádio, a Rádio Clube do Brasil. Os próprios ouvintes montavam seus
aparelhos receptores, os chamados rádios de galena.
utilização

de

cinco

pequenas

peças:

cristal

de

"[...] com a

galena,

indutor,

condensador variável de sintonia e fones de ouvido." (CABRAL, 2006, p.
9).
As pessoas podiam adquirir as peças para montar seu aparelho. Os
receptores eram caros e o sistema de transmissão, por ser de baixa
potência e de difícil captação, fazia com que a qualidade da recepção
fosse ruim.
A partir do momento em que começaram a chegar ao Brasil rádios já
montados, com alto-falantes, essa situação começou a ser alterada, ainda
no final da década de 1930. Assim como os receptores, as instalações das
emissoras também eram bastante precárias. Até 1926 somente as duas
emissoras radiofônicas funcionaram, quando foi então criada a Rádio
Mayrink Veiga.

6

Em 1930, segundo OLIVEIRA (2003), já havia cerca de 16 emissoras
funcionando no sistema de sociedade. Cada associado pagava uma
mensalidade para poder receber o som. Inicialmente a escuta era
individual, por meio de rádio de galena e fone de ouvido, porém logo a
escuta se tornou coletiva.

No entanto, havia inúmeras dificuldades e,

devido ao pequeno número de receptores, as emissoras transmitiam seus
programas em horários pré-estabelecidos.
Por determinação do Estado, os proprietários deveriam registrar
seus aparelhos para que houvesse controle sobre as transmissões e
captações. Apesar disso, qualquer pessoa que tivesse o aparelho receptor
podia captar o som. Percebendo a possibilidade e a vantagem da escuta
coletiva, o interesse pelo rádio aumentou, dando início ao seu processo de
popularização.
Inicialmente, para que fosse criada uma nova emissora, era
necessário formar uma rádio-sociedade, na qual o estatuto determinava
que houvesse associados que colaborassem com certa quantia mensal. Tal
verba era, às vezes, a única fonte de renda das emissoras. Como os
associados não eram fiéis ao pagamento, muitas emissoras passavam por
dificuldades.
Nesse período também era comum os locutores pedirem, em seus
programas,

que

os

ouvintes

contribuíssem, emprestando

se

inscrevessem

como

sócios

e

seus discos à emissora, para que a

programação pudesse ser feita. A elite que tinha condições de adquirir um
aparelho, também possuía em casa diversos discos que doava ou cedia
temporariamente. Ao anunciar a música, o locutor agradecia ao ouvinte
que tinha emprestado ou doado o disco à emissora. A programação das
emissoras, nesse sistema de sociedade, acabava atendendo as camadas
sociais mais altas e refletia seus interesses, pois eram elas que
mantinham a emissora no ar.
2.1 A LEGISLAÇÃO RADIOFÔNICA E A PROPAGANDA

7

Durante a década de 1920, não foi criado um sistema estatal de
emissoras de rádio, ficando este caminho aberto para a iniciativa privada.
O Decreto nº 16.657, de novembro de 1924, assinado pelo presidente
Arthur

Bernardes

classificou

as

emissoras

de

rádio

destinadas

à

radiodifusão como de tipo experimental e também determinava que
somente sociedades nacionais tivessem concessões e as transmissões
deveriam ser feitas em língua portuguesa.
De acordo com o mesmo decreto, as programações deveriam ter
como finalidade a formação educativa, científica, artística e que trouxesse
benefício ao povo, ficando proibidas notícias de caráter político sem que o
governo autorizasse com antecedência. Em caso de guerra, o decreto
previa que qualquer emissora particular poderia perder o direito de
funcionamento ou poderia passar para o controle do governo ou ter sua
concessão cassada (CALABRE, 2003).
Vários fatores fizeram com que o desenvolvimento do rádio
ocorresse lentamente. Os climas de instabilidade gerados pelas revoltas
tenentistas e as várias declarações de Estado de Sítio fizeram com que o
rádio fosse visto como um instrumento perigoso contra o poder
estabelecido. Nesse período, a falta de investimento no setor fez com que
as programações fossem feitas de maneira simples levando ao ar
informações ou músicas. A fase comercial do rádio demorou um pouco e
assim muitas emissoras iam ao ar somente nos horários da manhã e da
noite.
Segundo CALABRE (2002), não havia regulamentação sobre a
publicidade, ou melhor, de reclames (nome dado para a intervenção
publicitária na época) e o decreto-lei nº 16.657 de 15.11.1924 reservava
ao Governo o direito de anúncios e reclames comerciais. Mesmo assim
havia muitos patrocinadores que tinham seus nomes citados no decorrer
da programação.
Nesse período, o rádio ainda não era visto como um veículo de
comunicação capaz de atrair clientes e vender produtos. Somente no final
da década de 1920 e início da de 1930 começaram a chegar ao Brasil às

8

primeiras agências de publicidade norte-americanas, sendo as primeiras a
Thompson e a McCann-Erickson.
Nos Estados Unidos as agências de propaganda fizeram do rádio um
grande aliado para o qual foram destinados os maiores percentuais das
verbas publicitárias. As agências de publicidade norte-americanas foram,
aos poucos, trazendo para o Brasil essa experiência e na década de 1940
as multinacionais tornaram-se as grandes anunciantes do rádio, passando
a usá-lo como
programas

meio sistemático da venda de produtos. Além de

associados

a

marcas,

tais

empresas

produzem

jingles

associados a produtos.

As agências vendiam produtos, mas também estilos de vida, e se
tornam elas próprias produtoras culturais na medida em que
transmitem a mensagem de que para ser civilizado você deveria
consumir os mesmos produtos que os norte-americanos: seja a
Coca-Cola, a pasta de dente Kolynos (garantia de dentes brancos e
saudáveis) ou o sabonete Gessy (OLIVEIRA, 2003, p. 340).

Durante a década de 1920, houve pouco desenvolvimento da
radiodifusão devido ao alto custo do investimento, à incerteza do retorno e
à instabilidade política. Produziam-se apenas programas informativos ou
musicais, devido à falta de investimentos no setor e à escassez de
aparelhos receptores que, por serem importados, tornavam-se caros.
Somente a parcela mais abastada da sociedade é que poderia adquiri-los.
Nesse período, o rádio caracterizou-se pela produção de programas
simples: musicais ou informativos. Na década de 1930, essa situação
começou a ser alterada. Antonio Nássara, compositor e cartunista,
improvisou um fado que fazia propaganda de uma padaria em Botafogo,
no Rio de Janeiro, e pode ser considerado o primeiro jingle do rádio. O
texto dizia: "seu padeiro não esqueça, tenha sempre na lembrança: o
melhor pão é o da Padaria Bragança" (MOREIRA, 1991).
A legislação de 1931 e 1932 consolidou e profissionalizou o rádio
brasileiro. No período de 1930 a 1937, 43 emissoras foram fundadas. Os
Decretos nº 20.047 de 27/05/1931 e o nº 21.111, de 1º/03/932,
consolidaram

uma conjuntura favorável ao rádio, pondo fim ao seu

período experimental e amadorístico. O Decreto nº 21.111 refere-se várias

9

vezes ao caráter educativo que as programações deveriam ter. O artigo 2º
deste Decreto concede ao Ministério da Educação e Saúde (MES) a
orientação educacional da programação das emissoras de rádio. Porém, a
atuação do MES limitou-se à recomendação de algumas programações e à
premiação de emissoras que desenvolvessem programas educativos.
O mesmo decreto ainda permitia que as rádios fizessem

uso da

propaganda comercial por meio de dissertações que não poderiam
ultrapassar dez por cento do total do tempo de cada programa, sendo que
cada dissertação poderia durar, no máximo, 30 segundos, sendo
intercaladas nos programas (CALABRE, 2003).
O advento da publicidade fez com que as emissoras de rádio
passassem a disputar o mercado e para isso organizaram-se em
empresas. O status da emissora, sua popularidade e o desenvolvimento
técnico constituíam as três facetas da competição.
Apesar de todas as limitações técnicas, cada emissora tinha como
objetivo melhorar a qualidade do som e ampliar o alcance. A permissão de
propaganda comercial foi a grande novidade e as mensagens comerciais
transformaram-se na principal fonte de recursos. A concessão de canais a
particulares ajudava a reforçar a exploração comercial do rádio.
2.2 OS ASTROS E AS ESTRELAS DO RÁDIO E O ENTRETENIMENTO
Tendo

como

empenhavam-se

objetivo

em

atrair

produzir

novos

programas

ouvintes,
populares,

as

emissoras

levando

em

consideração a opinião pública para a sua avaliação. Com a promoção de
concursos,
recebidas

distribuição
avaliava-se

de
o

brindes

programa

e

análise

que

de

poderia

correspondências
passar

por

uma

reformulação ou até ser retirado do ar. O ouvinte tornou-se exigente
devido ao crescimento do número de emissoras que lhe proporcionava
mais opções.
As emissoras, a partir da década de 1930, passaram a receber o
público em seus estúdios, pois os ouvintes não se contentavam mais em
apenas ouvir seus artistas favoritos, queriam vê-los.

10

Para atender ao público ouvinte, além de ampliar auditórios,
algumas emissoras passaram a cobrar ingressos. Nas grandes cidades, os
ingressos tinham como função principal limitar o público; no interior do
país, a cobrança era uma forma de conseguir a verba necessária para
pagar os cachês de artistas que ali faziam suas apresentações. Por volta
de 1930 começou a se tornar comum a contratação de cantores
(CALABRE, 2002).
Vários programas de variedades surgiram com a introdução do
patrocínio de anunciantes, levando o rádio a transformar-se em fenômeno
social e dando-lhe o poder de influenciar comportamentos e ditar modas,
devido à sua capacidade de conquista de milhares de fiéis ouvintes.
Muitos programas lançaram artistas, como Carmem Miranda, Mário Reis,
Francisco Alves, Noel Rosa entre outros.
A música Cantoras do Rádio, gravada pelas irmãs Carmem e Aurora
Miranda, ainda hoje é identificada como um ícone do rádio, sendo uma
composição de Lamartine Babo e João de Barros:
Nós somos as cantoras do rádio, levamos a vida a cantar. De noite
embalamos teu sono, de manhã nós vamos te acordar. Nós somos
as cantoras do rádio. Nossas canções, cruzando o espaço azul, vão
reunindo num grande abraço, corações de Norte a Sul (NOSSO
SÉCULO, 1985, p. 89).

Apresentados por Paulo Gracindo, César de Alencar, Manoel Barcelos
e outros que ficaram famosos, os programas de variedades, em geral, iam
ao ar nos finais de semana com atrações artísticas, apresentação de
calouros, quadros de humor, distribuição de prêmios, etc. Variedades
também fizeram parte do formato, alguns temas, como história da cidade,
folclore, curiosidades e outros. Atores, atrizes e cantores costumavam
participar desses programas. Era comum o público lotar o auditório das
emissoras. Muitas pessoas eram capazes de chegar na véspera dos
programas e passar a noite na fila, dormindo na calçada, para conseguir
um ingresso.
O humorismo, no final da década de 1930, revelou grandes astros
como Castro Barbosa, Lauro Borges, Silvino Netto, Manuel da Nóbrega e

11

Aluísio Silva Araújo. Os programas humorísticos faziam concorrência com
programas de música e com as radionovelas, disputando o título de
campeão de popularidade. Muitos programas, como o PRK-30 e o "Balança
mas não cai", permaneceram vários anos no ar. O retrato e a crítica
cotidiana constituíam o tema da maioria dos programas de humor, sendo
escritos como uma espécie de crônica.
Diversos grupos de profissionais faziam parte do setor de radioteatro
e eram responsáveis pelas novelas e esquetes radiodramatizados dos
diversos programas. Textos teatrais também foram adaptados para o
rádio, contando com o auxílio de profissionais que eram responsáveis
pelos efeitos sonoros e trilhas musicais. Isso ajudava a dar mais emoção e
vida ao texto, ajudando a construir um ambiente imaginário. Surgiram
vários programas desse estilo, que revelaram grandes intérpretes, como
Olga Navarro.
As radionovelas fizeram muito sucesso, sendo lançadas em 1941.
Porém, a popularização desse gênero ocorreu com o surgimento das
novelas transmitidas em capítulos. A primeira "Em busca da felicidade",
estreou na Rádio Nacional, em 5 de junho de 1941. O texto original era de
autoria de Leandro Blanco, um cubano, e adaptado por Gilberto Martins, e
o patrocínio era da pasta dental Colgate. O grande sucesso fez com que
outras emissoras de São Paulo e Rio de Janeiro adotassem o estilo.
Sempre com altos índices de audiência, "Em busca da felicidade" teve
dois anos e meio de duração.
Para conquistar o ouvinte, a radionovela deveria ter uma linguagem
simples, abordando um tema de interesse que fosse capaz de despertar
sentimentos. Da mesma forma que as telenovelas atuais, levavam o
ouvinte a debater o tema e a tomar posição em relação aos personagens,
apoiando-os ou criticando-os.
Os programas de calouros surgiram em meados da década de 1930
nos auditórios das rádios. Celso Guimarães (Cruzeiro do Sul, de SP) e
Edmundo Maia e Paulo Roberto (Cruzeiro do Sul, RJ) estão entre os
pioneiros. Esses programas fizeram muito sucesso e logo se espalharam
por outras emissoras. Destacou-se na Tupy, "Calouros em Desfile", de Ari

12

Barroso; na Rádio Club do Rio, "Papel de Carbono", com Murce; na
Nacional, "A Hora do Pato", de Herber Bôscoli, além de outros. Emilinha
Borba, cantora de sucesso, apresentou-se no programa de Lamartine
Babo, ganhando o prêmio máximo. Havia muitos interessados em
participar desses programas, sonhando em ganhar o prêmio ou um
contrato com uma emissora de rádio.
Muitos maestros também se destacaram, como Spartaco Rossi,
Radamés Gnatalli e Francisco Mignoni, pois toda rádio procurava ter a sua
própria orquestra contratada, que executava, além de músicas eruditas,
adaptações populares e folk-lore que abrangia desde samba, música
sertaneja e erudita de temática nacional, até música caipira e outras
(NOSSO SÉCULO, 1985).
A música, dentro de uma emissora, sempre ocupou um lugar de
destaque e as apresentações eram ao vivo durante as três primeiras
décadas do rádio, quando

havia orquestras e pequenos conjuntos

regionais contratados. Os cantores populares destacavam-se junto ao
público ouvinte. As apresentações geralmente eram feitas em programas
ao vivo e com a presença do público em auditórios.
Os programas de auditório e de calouros conquistaram espaço na
Rádio Nacional, revelando vários talentos. Era comum aproveitar esses
programas para fazer o lançamento de músicas populares, pois se podia
perceber a aceitação ou rejeição do público. Também era um privilégio
apresentar-se numa emissora como a Tupy ou a Nacional, pois isso
possibilitava ao artista tornar-se conhecido no país e vender seus discos.
Concursos para Rainhas do Rádio e Reis da Voz atraíram à atenção
dos fãs de tal maneira que foram lançadas revistas especializadas, como a
revista do Rádio, por meio da qual as pessoas poderiam conhecer um
pouco sobre a vida do ídolo: modo de vida, preferências, etc. O concurso
de 1953 consagrou a cantora Emilinha Borba Rainha do Rádio.
2.3 O RADIOJORNALISMO E A DIFUSÃO DA INFORMAÇÃO

13

A publicidade também influenciou a introdução do jornalismo
radiofônico no Brasil. A primeira edição do Repórter Esso foi ao ar em
agosto de 1941, na Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Tal informativo
permaneceu no ar por 27 anos influenciando os padrões dos jornaisfalados existentes até então. Com base nas notícias distribuídas pela
agência norte-americana United Press (UPI) e elaboradas pelos redatores
da agência de publicidade McCann-Erickson que detinha a conta da Esso
Standard

de

Petróleo,

companhia

multinacional

patrocinadora

do

programa jornalístico, o Repórter Esso iniciou com um noticiário voltado
principalmente para a cobertura de acontecimentos da Segunda Guerra
Mundial.
De acordo com o manual estabelecido, cumpria rigorosamente três
regras: era um programa informativo, não comentava as notícias; e
sempre fornecia as suas fontes. Tendo quatro emissões diárias com cinco
minutos de duração, destacava-se pelos slogans: "O primeiro a dar as
últimas" e "Testemunha ocular da história". Esse noticiário ficou famoso
devido a sua pontualidade a ponto das pessoas acertarem seus relógios
por ele.
O telejornalismo brasileiro anterior ao Repórter Esso não recebia um
tratamento redacional específico. As notícias eram extraídas de jornais e
as emissoras apenas comentavam os fatos que já haviam sido noticiados
pela imprensa. As emissoras só passaram a produzir seus próprios
noticiários na medida em que houve crescimento do setor radiofônico. Era
comum cada rádio ser filiada a uma agência de notícias nacional e
também a uma internacional, as quais forneciam a matéria-prima para a
elaboração dos noticiários.
Algumas

rádios,

na

medida

em

que

aperfeiçoaram

seus

equipamentos de transmissão externa, passaram a contar com equipes de
reportagem que foram desenvolvendo estilos próprios de noticiários.
Algumas destacavam mais as notícias internacionais, outras privilegiavam
comentários políticos e notícias de caráter interno.
O Repórter Esso foi o grande destaque dos noticiários radiofônicos e
serviu de modelo para o jornalismo posterior pelo seu estilo objetivo,

14

imparcial, informativo e moderno. Transmitido pela Rádio Nacional do Rio
de Janeiro, sua primeira transmissão foi ao ar no final de agosto de 1941,
permanecendo até dezembro de 1968.
Funcionando

em caráter experimental, na Rádio Farroupilha de

Porto Alegre, o Repórter Esso foi lançado no Brasil devido ao sucesso
alcançado em outros países onde já era transmitido regularmente.
As regras estabelecidas pelo manual eram cumpridas à risca: cinco
minutos de duração para cada edição, sendo vinte segundos dedicados à
abertura e ao encerramento; quatro minutos a notícias nacionais,
internacionais e locais e quarenta segundos à mensagem comercial.
Romeu Fernandes foi o primeiro locutor do Esso. Porém, Heron Domingues
manteve-se na programação até a década de 1960 como locutor
exclusivo. Com sua voz, considerada ideal a um locutor, transmitia
segurança e otimismo no ambiente inseguro e apreensivo da II Guerra
Mundial.
2.4 A POPULARIZAÇÃO DO RÁDIO
A audiência do rádio começou a crescer na medida em que os
aparelhos

receptores

tornaram-se

mais

baratos.

A

autorização

da

publicidade, também ajudou a alterar este cenário, pois até então a
organização das emissoras em sociedades e clubes, que patrocinavam os
programas, fazia com que as programações atendessem à elite.
Definido como um serviço de interesse nacional e de finalidade
educativa, o rádio teve seu funcionamento regulamentado pelo governo
que procurava proporcionar-lhe bases econômicas mais sólidas. A
veiculação de propaganda pelo rádio foi autorizada em março de 1932.
Isso fez com que tal meio de comunicação, tido como erudito, instrutivo e
cultural, se transformasse em popular, meio de lazer e diversão.
Muitos intelectuais preocupavam-se em manter o rádio com a
finalidade educativa, transmitindo uma produção cultural erudita e por
isso passaram a fazer fortes críticas, à medida que ele se popularizava. A
programação musical era bastante criticada, principalmente os sambas,

15

marchas e canções; o preconceito contra a música popular era muito
grande.
Muitos ouvintes também achavam que o rádio estava se desviando
de sua função educativa e protestavam por esse desvirtuamento,
escrevendo cartas por meio das quais pediam aulas de português para
que o povo falasse melhor a própria língua; outros reclamavam pelo
abandono da tradição erudita; havia os que sugeriam que, para ser
tocado, o samba deveria ter um enredo e sua letra contar uma história
que induzisse à virtude, a exemplo das óperas. Havia os que se
preocupavam com o que pensaria um estrangeiro que ouvisse uma
música, como as que estavam sendo tocadas. Certamente acharia que a
cultura brasileira estava empobrecendo.
Carlos Alberto Ferreira Braga (o Braguinha) fazia parte do Grupo
Tangarás e era filho do diretor da uma das maiores indústrias têxteis do
país: a Fábrica Confiança, de Vila Isabel, e preparava-se para iniciar o
curso de arquitetura. Colocava sempre um substituto quando o grupo se
apresentava

recebendo

remuneração,

pois

preocupava-se

com

a

repercussão negativa da sua atividade na música popular. "Receber
dinheiro por cantar em público, segundo os critérios em vigor, não ficava
bem para um jovem educado." (CABRAL, 1996, p. 24). Vários outros
cantores usavam pseudônimos para manterem-se no anonimato.
Enfim, a grande questão era: afinal, o rádio deveria educar ou
transmitir propagandas e formas inferiores de música, como o samba e
outros gêneros do folclore? As reclamações foram inúmeras e a população
"esclarecida", que tinha o rádio como símbolo de status e erudição, viu-se
inconformada com a sua popularização.
Porém, o rádio passou a ocupar um lugar de destaque nas casas.
Identificado com o bem-estar, a alegria e a facilidade da vida moderna,
contribuía para alterar hábitos e criar novas necessidades. Transmitindo
músicas e informações diversas de utilidade pública, permitia também que
as pessoas ficassem informadas sobre os acontecimentos do Brasil e do
mundo (OLIVEIRA, 2003). Nos esportes, o rádio tornou-se importante com

16

as transmissões de partidas de futebol, atraindo assim a audiência
masculina.
O rádio se tornou tão importante e capaz de influenciar a vida das
pessoas a ponto de despertar nelas o consumismo, ou seja, o rádio
começou a formar hábitos de consumo e comportamentos. Como o
analfabetismo era muito grande no país, o rádio fez uso da linguagem
coloquial, o que permitiu a sua popularização.
2.5 O RÁDIO NA ERA VARGAS
Getúlio Vargas e os vitoriosos da "Revolução" de 1930 criaram uma
legislação que atribuía ao governo o total controle sobre tal veículo de
comunicação. Em 1931, foi criada uma comissão Técnica de Rádio, na
qual o presidente teria o direito de nomear seus integrantes.
Estava aberto o caminho para a formação de uma rede nacional
controlada pelo Ministério da Educação e Saúde que garantia ao governo a
exclusividade para autorizar particulares a criarem novas emissoras. As
concessões, a qualquer momento poderiam ser cassadas, pois eram feitas
a título precário. Dessa forma, o rádio, mesmo sendo um veículo de
comunicação privado, tornou-se um meio controlado pelo Estado.
Em 1937, Getúlio Vargas assinou a Lei nº 385, que estimulava as
atividades artísticas e obrigava que fossem incluídas, em todas as
programações musicais, obras de autores brasileiros natos.
O rádio, durante a década de 1930, despertou sentimentos diversos,
que variavam do fascínio à rejeição. Se por um lado ocupava um lugar de
destaque nas residências, sendo um símbolo de alegria, bem-estar e
comodidade oferecida pela vida moderna; por outro, representava o lugar
da marginalidade e dos marginais, sendo assim proibido às pessoas
consideradas de "boa família".
Ao lançar novos produtos, o rádio criava novas demandas que
alteravam o hábito de vida das pessoas. Muitos que não possuíam rádio
reuniam-se com os vizinhos para acompanhar a sua programação favorita.

17

Era comum estabelecimentos comerciais manterem seus aparelhos de
rádio ligados como um meio de atrair freguesia.
No entanto, a precariedade das instalações domésticas que não
possuíam condições de adquirir aparelhos eletrodomésticos e ainda o
racionamento de energia elétrica que atingiu o país ao longo das décadas
de 1930 a 1950 foram fatores que atrapalharam a expansão do rádio.
Porém, ao lado de aparelhos sofisticados, surgiram várias fábricas que
começaram a produzir pequenos rádios que, com o tempo, passaram a se
tornar acessíveis para muitas pessoas, levando ao aumento da audiência
do rádio.
Além do acesso à informação, o rádio logo tornou visível uma outra
capacidade: a mobilização política que, segundo CAPELATO (2002),
tornou-se evidente na Revolução Constitucionalista de 1932, em São
Paulo. As rádios Philips, do Rio de Janeiro e Record, de São Paulo, que
inicialmente faziam transmissões conjuntas, tornaram-se inimigas e
passaram a ser usadas como armas de luta, demonstrando que o rádio
poderia ser utilizado como um veículo revolucionário, devido a sua rapidez
na divulgação dos fatos e ao seu largo alcance.
Durante a Segunda Guerra Mundial, era o rádio que permitia a
rápida divulgação das notícias, fazendo com que o ouvinte ficasse
informado sobre os últimos acontecimentos. Várias emissoras estrangeiras
produziam programas em português, facilitando a informação ao ouvinte.
Para CAPELATO (2005), os meios de comunicação de massa
passaram a fazer uso de instrumentos técnicos e científicos bastante
sofisticados que facilitaram a manipulação dos ideais coletivos, fabricando
necessidades e se encarregando de satisfazê-las. A propaganda, em
qualquer regime, é estratégica para o exercício do poder, porém, sua força
torna-se maior onde o Estado exerce um controle maior sobre as
informações, manipulando-as a seu favor, como no caso do Estado Novo
no Brasil.
A propaganda política adquiriu grande importância nas décadas de
1930 e 1940, período em que os meios de comunicação tiveram um
considerável avanço em nível mundial. O nazismo, que teve como

18

inspiração a publicidade comercial norte-americana, exerceu grande
influência na Europa e na América, levando também o regime brasileiro a
inspirar-se

em

tal

modelo,

embora

apresentando

características

particulares e produzindo resultados diversos. Em 1934, em visita oficial à
Alemanha, Simões Lopes, assessor de Vargas, escreveu sugerindo a
criação de uma miniatura de tal modelo no Brasil.
"Não há em toda a Alemanha uma só pessoa que não sinta
diariamente o contato do `nazismo' ou de Hitler, seja pela fotografia, pelo
rádio, pelo cinema, através de toda a imprensa alemã [...]." (Jornal da
Tarde, 12 abr. 1997, Caderno de Sábado, p. 1, apud CAPELATO, 2003, p.
203).
Assis Chateaubriand também aconselhou Vargas a seguir o modelo
de propaganda alemã fazendo uso das três poderosas armas ideológicas:
o jornalismo, o rádio e o cinema.
A propaganda no Estado Novo procurou repassar a imagem de uma
sociedade unida e harmônica, livre de divisões e conflitos sociais,
organizada ao redor do grande líder Getúlio Vargas.
2.6 O RÁDIO E A CENSURA
Em dezembro de 1939 o governo criou o Departamento de Imprensa
e Propaganda (DIP), que tinha como objetivo difundir a ideologia do Estado
Novo junto à população.

Diretamente subordinado à presidência da

República, as principais funções do DIP eram centralizar, coordenar,
orientar e superintender a propaganda nacional, interna ou externa. Cabia
ao DIP fazer a censura do cinema, do teatro, de funções esportivas e
recreativas,

da

imprensa,

literatura,

da

radiodifusão,

promover

organizações cívicas e levar ao conhecimento da população os feitos do
governo.
O DIP exercia um forte controle social através da censura, fazendo
uso de diversos meios para construir uma ideologia: desde cartilhas para
crianças, exaltando a figura de Vargas, até jornais e filmes a serviço do

19

governo, além de outros materiais de propaganda. Também substituiu as
caricaturas do presidente por imagens.
O rádio, na década de 1930, teve uma importância fundamental na
propagação nacional da música popular, por meio da qual pretendia-se
forjar uma ideologia que fosse aceita pela população.
Conforme CAPELATO (2003), as transmissões das mensagens de
propaganda foram feitas por meio da imprensa e do rádio. As empresas
jornalísticas só conseguiram se estabelecer mediante registro no DIP e
dessa forma agiam sem nenhuma independência. A imprensa foi,
portanto, o setor mais atingido pelo controle do DIP, ao passo que no rádio
havia espaço para atividades relativamente autônomas.
O

governo

Vargas,

desde

1932,

havia

estabelecido

que

a

radiocomunicação constituísse um serviço público, dependendo, portanto,
da concessão do governo. A legislação de 1932 previa a transmissão de
um programa nacional, denominado Hora Nacional, que abordaria diversos
assuntos, como a questão social, econômica, política, religiosa, artística e
científica. A Hora Nacional deveria ser retransmitida por todas as
emissoras do país, sendo proibida a irradiação de qualquer outro
programa no mesmo horário. Porém, além de problemas técnicos, como a
baixa potência dos transmissores, muitas emissoras resistiram a essa
imposição preferindo manter-se fora do ar a transmitir um programa
oficial.
Com a criação do Departamento de Imprensa e Propaganda ( DIP),
em 1939, o programa oficial, agora denominado Hora do Brasil, passou a
ser transmitido para todo o país, visando integrar todos os lugares, mesmo
os mais distantes, à Capital Federal. Cabia ao DIP produzir material de
propaganda governamental, fiscalizar e supervisionar a aplicação da
legislação referente às atividades culturais e ainda censurar os programas
transmitidos pelas diversas emissoras. Como os programas eram feitos ao
vivo, os censores ouviam os programas e emitiam seus pareceres.
Com duração de uma hora, o programa tinha como finalidade
difundir a informação, a cultura e o civismo. Os discursos oficiais e os atos
do governo eram divulgados nesse programa que também exaltava o

20

patriotismo, destacando feitos gloriosos do passado e procurava estimular
o gosto pelas artes populares.
Os comerciantes eram obrigados a instalar aparelhos receptores de
rádio em seus estabelecimentos para que todos pudessem ouvir o
programa oficial do DIP. Também se colocavam alto-falantes nas praças,
tanto das cidades quanto do interior. Fazia-se questão que todos os
brasileiros ouvissem o programa. (CAPELATTO, 2005). Ainda segundo a
mesma autora, o DIP, por meio da Divisão do Rádio, controlava toda a
programação radiofônica, examinando e proibindo aquilo que não
estivesse de acordo com a ideologia do Estado.
De acordo com o DIP, os diversos programas, além de divulgar as
mensagens e os atos oficiais, deveriam divulgar a cultura, as conquistas
do ser humano, as belezas naturais do país e ainda incentivar as relações
comerciais. Havia também a preocupação de que o rádio deveria atingir o
homem do interior para promover a sua integração na coletividade
nacional.
O DIP também procurava impedir que as injustiças sociais fossem
denunciadas por meio das letras dos sambas. Só em 1940, o DIP vetou
373 letras de músicas e em 1941 proibiu a divulgação do samba "O Bonde
de São Januário", de Ataulfo Alves e Wilson Batista, por considerar uma
exaltação à malandragem.
Em 1940, por meio do Decreto-Lei 2073, Getúlio Vargas criou as
Empresas Incorporadas ao Patrimônio da União, englobando a Rádio
Nacional do Rio de Janeiro que pertencia ao grupo A Noite, a qual serviu
como um modelo de ação política do governo Vargas. Os jornais "A
Manhã" e "A Noite" e a "Revista Carioca" também passaram para as mãos
do governo. Em parceria com agências de publicidade, a Rádio Nacional
passou a criar programas de sucesso permanecendo como a emissora de
maior audiência em todo o país na era de ouro do rádio, com as
radionovelas, Repórter Esso e programas de auditório,
modelo seguido por outras emissoras.
2.7 O INÍCIO DO RÁDIO EM GUARAPUAVA

tornando-se um

21

Em 1947, foi ao ar a primeira emissora de Guarapuava, a Rádio
Difusora. Segundo CAILLOT (2007), um grupo de amigos adquiriu a
concessão de emissora por meio de negociação junto a João Vargas de
Oliveira, deputado federal de Ponta Grossa. Este grupo era formado por
Sebastião Loures Bastos, João Loures Bastos, Manoel Romeu Loures
Bastos, Luis Antonio Ciscato, José Abrão Nasser, Omar Camargo e Renato
Küster, este que se tornou o primeiro diretor e teve como responsabilidade
a construção do prédio e a compra dos equipamentos necessários para o
funcionamento da emissora. Numa viagem a São Paulo, Renato Küster
teria adquirido mais de 2 mil discos dos mais diversos gêneros,
organizando assim a discoteca do rádio.
Porém, em entrevista com o Senhor Rodolfo Chagas Jurchaks, este
afirmou que o proprietário da Rádio Difusora era o Senhor Antonio Lustosa
de Oliveira, que foi um cidadão de intensa atuação política e empresarial
tanto na cidade quanto no campo e tinha como hobby o desenvolvimento
de

atividades na área de comunicação. Isso o teria levado a fundar a

primeira emissora de rádio de Guarapuava, a Rádio Difusora e também o
Jornal "A Folha do Oeste" que mais tarde foi extinta. Como deputado
federal, o Senhor Antonio Lustosa de Oliveira conseguiu a concessão da
emissora porque tinha acesso junto aos poderes da República.
O objetivo, como citei anteriormente, presume-se fosse em função
do hobby, mas há um conflito aí neste ponto porque o Senhor
Antonio Lustosa de Oliveira era líder de um grupo político na
época. Então já se tem aí a idéia de desde a época de sua
fundação, como acontece hoje com a maioria dos meios de
comunicação, sempre há o dedo político na coisa. Então não se há
uma precisão aí, dizer que foi exclusivamente pelo hobby dele e
pelo amor que ele tinha, pela dedicação a Guarapuava e região ou
se foi por motivos futuros políticos. Como acabou acontecendo, ela
se transformou numa emissora de um proprietário político
(JURCHAKS, entrevista, 2008).

Os equipamentos para a montagem da emissora, conforme descrito
por JURCHAKS (2008), foram comprados junto a outras emissoras mais
antigas de São Paulo, do Rio de Janeiro e até do Rio Grande do Sul,
portanto, já de segunda mão. Para a instalação, também se fez necessário

22

que viessem técnicos de São Paulo e do Rio de Janeiro, pois como eram
equipamentos desativados, houve necessidade de recondicioná-los para
que pudessem ser colocados em funcionamento.
Localizando-se à Rua Vicente Machado, ao lado do Colégio Nossa
Senhora de Belém, a rádio surgiu com uma potência de dois mil Watts.
Conforme explicou o Senhor Rodolfo Chagas Jurchaks, tal potência
equivaleria hoje a uns duzentos mil Watts, porque eram escassas as
emissoras. A propagação se dava com mais intensidade porque não havia
interferências como ocorre hoje.
Os primeiros profissionais, tanto técnicos como radialistas a
atuarem, vieram de outras cidades, como São Paulo e Curitiba. Inclusive o
próprio Rodolfo Chagas Jurchaks veio de Curitiba, em 1959, contratado
pelo Senhor Antonio Lustosa de Oliveira. Durante a sua carreira, esteve
ligado a programações de jornalismo esportivo e jornalismo político.
Porém, pessoas da região logo começaram a se destacar como técnicos e
radialistas.
Segundo CAILLOT (2007), a Diocese de Guarapuava cedeu o terreno,
localizado à Rua Saldanha Marinho, em frente à Igreja Ucraniana, onde foi
construída a casa que abrigaria o transmissor e instalada a torre de
transmissão, cujo trabalho foi realizado pelo eletricista Sr. Ricardo Prazell.
O transmissor veio de São Paulo, comprado da fabricante Byingthon. A
rádio foi ao ar em caráter experimental sendo muito bem aceita pela
população que acabou colaborando para a melhoria da programação. Isso
foi um incentivo para que a rádio, por meio de seus representantes,
buscasse aperfeiçoamento.
Em 1947, ano da fundação da Rádio Difusora, haveria eleição para
os poderes executivo e Legislativo dos Estados e Municípios brasileiros,
prevista pela Constituição de 1946, que colocou fim ao Estado Novo,
redemocratizando o Brasil. Assim como Vargas e outros políticos fizeram
uso do rádio para difundir uma ideologia, em Guarapuava não foi
diferente.
A rádio Difusora teve como principal motivo de sua fundação
interesses

políticos.

Nas

eleições

de

1947,

dois

grupos

políticos

23

apresentaram candidatos: o PSD (Partido Social Democrático) apresentou
como candidato Juvenal de Assis Machado, conhecido como Machadinho,
um fazendeiro da região de Pinhão. Partidos das classes empresariais,
como o PRP, indicaram um industrial e comerciante da cidade, Sebastião
Loures Bastos, conhecido como Loli. Embora contando com uma emissora
de rádio para auxiliar na campanha, Sebastião Loures Bastos foi derrotado
pelo adversário. (CAILLOT, 2007).
Conforme o mesmo autor, tal derrota deve-se ao fato da Rádio
Difusora contar com pouco tempo de funcionamento e no interior, onde
Juvenal de Assis Machado venceu com a maioria dos votos, grande parte
da população não possuir um aparelho de rádio. Na cidade, onde o rádio já
fazia parte do cotidiano das pessoas, Sebastião Loures Bastos obteve a
maioria dos votos, porém, não o suficiente para ser eleito.
O rádio foi a grande novidade da época e todos o ouviam, fosse em
casa ou na casa do vizinho. Diversos programas atraíam o interesse da
população, dentre eles, o de utilidade pública no qual muitas pessoas ou
entidades buscavam a emissora para divulgar atividades de utilidade
pública ou comunicados que fossem do interesse da população. O rádio
despertou sentimentos diversos que poderiam ser de fascínio ou de
rejeição. Todo tipo de estereótipo se fazia presente no universo
radiofônico.

Em relação ao radialista, este poderia ser admirado ou

odiado. O Senhor Rodolfo Chagas Jurchaks explica por quê:
À época, o radialista, digamos, ele era admirado e odiado ao
mesmo tempo. Isso é fácil de explicar porque como não haviam
profissionais, então por aqui aportavam muitos aventureiros, né,
que faziam do rádio um instrumento de aventura. Então o
radialista, em si, o radialista bem intencionado, ele era, digamos
assim, visto com um certo distanciamento pela sociedade. O que
só se quebrou aí com o correr do tempo, com o correr dos anos
quando aqueles que de fora vieram conseguiram se consolidar
perante
a
sociedade,
introduzindo-se
na
sociedade
e
demonstrando seus reais interesses para com Guarapuava e para
com a sua situação profissional (JURCHAKS, entrevista, 2008).

Naquela época, era comum que cada emissora de rádio tivesse o
seu auditório onde ocorriam programas ao vivo. A Rádio Difusora também
dispunha de um, onde a participação da população era grande. Um dos

24

programas que atraía uma grande quantidade de gente era o programa
Infantilidades. Muitos pais e crianças vinham tanto do interior quanto da
cidade para participar. A movimentação era grande. Os programas de
auditório também lançavam artistas, como o Zé Mendes que veio do
interior de Guarapuava, encantando a população. Foi convidado a ir para
uma emissora do Rio Grande do Sul, onde fez sucesso.
Se ainda hoje o rádio é um importante meio de comunicação, que
transmite informações rapidamente, sendo companhia e diversão para
muita gente, nos primeiros tempos isso era muito mais significativo. Tudo
o que acontecia era por meio do rádio que se tomava conhecimento. O
rádio unia as pessoas, como bem nos descreve o Sr. Rodolfo Chagas
Jurchaks:
O rádio era um instrumento de utilidade pública na perfeita
acepção da palavra porque ele era, digamos, o portador de
mensagens, da ligação da cidade com o interior e com a região.
Aqui se passavam mensagens para o interior. O interior só tinha
conhecimento do que se passava em Guarapuava através do rádio.
As pessoas só se comunicavam com o interior através do rádio,
mandando suas mensagens para parentes, amigos. Então, tudo
girava em torno desse relacionamento da rádio com os ouvintes e
é claro que dentro desse sistema incluía-se os programas de
auditório, os programas infantis de auditório, os programas para
adultos, lançamento de artistas, etc. Tudo isso acontecia dentro do
rádio. E o pessoal participava. A população participava em massa
né, era o único meio de comunicação a que ela tinha acesso, então
ela participava. As novidades aconteciam no rádio, né, as pessoas
que chegavam na cidade era através do rádio que se sabia. Tudo o
que acontecia na sociedade era o rádio o único instrumento que
tinha a sociedade para tomar conhecimento (JURCHAKS,
entrevista, 2008).

Como se pode perceber, o rádio desempenhou um papel
importantíssimo junto à sociedade, constituindo-se em

elo de ligação

entre a cidade e o campo, unindo a população em torno do mesmo ideal.
Todas as novidades, notícias e acontecimentos eram divulgados por meio
do rádio, que mesmo tendo sofrido grandes mudanças, continua fazendo
parte do cotidiano das pessoas, acelerando as informações e encurtando
distâncias.

25

3. CONCLUSÃO
As primeiras décadas do século XX foram marcadas por inovações
tecnológicas que influenciaram de forma significativa a sociedade e a vida
de cada pessoa. Os meios de comunicação, em especial o rádio, tiveram
um papel importante na divulgação de idéias e na formação de opiniões.
Encurtando distâncias e transmitindo informações e entretenimento, o
rádio mantinha as pessoas a par dos acontecimentos.
A partir de sua chegada ao Brasil, na década de 1920, o rádio, ainda
em caráter experimental, conquistou espaço mostrando a sua força e
capacidade de influência. A partir da década de 1930, o presidente Getúlio
Vargas estabeleceu regulamentação específica para os diversos setores
de produção cultural e o rádio passou a ser utilizado como meio de
propaganda ideológica. Também dele se fez uso para difundir a ideologia
do Estado Novo.
Grande parte da população brasileira tinha o rádio como forma de
lazer. Por meio da música, informações, humor e variedades, o rádio
levava a realidade e o sonho aos lares. As radionovelas, que misturavam o
real e o imaginário, possibilitaram discussões sobre questões morais,
sociais e comportamentais. O rádio unia a cidade e o interior, divulgando
novas formas de comportamento, novos produtos, a última moda, etc.
Durante a Segunda Guerra Mundial, o rádio exerceu um papel
significativo por meio dos jornais radiofônicos, destacando-se o Repórter
Esso, que se tornou modelo para os noticiários que surgiriam e criou o
hábito de se ouvir notícias.
Em Guarapuava, apesar das divergências sobre

o início

da

radiodifusão, não restam dúvidas de que houve interesses políticos
envolvidos. Porém, mesmo com interesses particulares, o rádio sempre foi
de grande benefício para a comunidade que não dispunha de outro meio
de comunicação. Sendo um instrumento de utilidade pública, o rádio era o
portador de mensagens, ligando o interior à cidade, superando as
dificuldades. Também se constituía em meio de lazer através das diversas

26

programações e também em programas de auditório onde ocorria a
revelação de talentos, além do incentivo à cultura regional.
Atualmente, mesmo com o grande avanço ocorrido nos meios de
comunicação, o rádio continua ocupando um lugar de destaque no
cotidiano das pessoas por meio das mais diversas programações, seja de
informações ou de entretenimento.
Conclui-se, portanto, que da mesma forma que o poder público fez
uso do rádio com fins políticos, atualmente não é diferente. Pessoas ou
grupos que detêm concessão de emissoras de rádio contam com um
poderoso

aliado

manutenção

do

pertencendo

a

para

difundir

poder
grupos

suas

hegemônico.
econômicos

ideologias
Tais

que

possibilitam

proprietários,

expressivos

a

geralmente

na

sociedade,

normalmente ocupam cargos de destaque na política ou exercem
influência sobre ela, na maioria das vezes em benefício próprio.
O rádio, com sua linguagem direta, continua sendo um meio de
comunicação indispensável fazendo-se presente em todas as localidades.
Nas casas, nas ruas, nos bares, nos carros, etc o rádio atinge a maioria
das pessoas, mantendo-as informadas sobre os principais acontecimentos,
além de ser um meio de lazer e entretenimento.
4. REFERÊNCIAS
CABRAL, Sérgio. A MPB na era do rádio. São Paulo: Moderna, 1996.
CAILLOT, Adriano Rainitr. A fundação da Rádio Difusora e as
transformações no cenário político de Guarapuava. Guarapuava,
2007.
CALABRE, Lia. A era do rádio. Rio de Janeiro: Jorge Zaar Ed., 2002.
CALABRE, Lia. Políticas públicas culturais de 1924 a 1945: o rádio em
destaque.
2003.
Disponível
em
http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/346.pdf Acesso em Out2008.
CAPELATO, Maria Helena R. Estado Novo: novas histórias. FREITAS, Marcos
Cezar (org.). Historiografia brasileira em perspectiva. 6 ed. São
Paulo: Contexto, 2005.

27

CONSANI, Marciel. Como usar o rádio na sala de aula. São Paulo:
Contexto, 2007
FREITAS, Marcos Cezar (org.). Historiografia
perspectiva. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2005.

brasileira

em

JURCHAKS, Rodolfo Chagas. Entrevista concedida a Yvonete Pedra
Meneguel em 13 de novembro de 2008.
MOREIRA, Sonia Virgínia. O rádio no Brasil. Rio de Janeiro: Rio Fundo
Editora, 1991.
NOSSO SÉCULO. Brasil: 1930 ­ 1945. v. I e II. São Paulo: Abril Cultural,
1985.
OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Sinais da modernidade na Era Vargas: vida literária,
cinema e rádio. In.: FERREIRA, Jorge, DELGADO, Lucilia de Almeida Neves
(org.). O Brasil Republicano ­ O tempo do nacional-estatismo ­ do
início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. V.2. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.