7

Artigo

Educação a distância: conceitos
e história no Brasil e no mundo
Distance learning: concepts and
history in Brazil and in the world
Lucineia Alves 1
Universidade Federal do Rio de Janeiro
[email protected]

RESUMO

ABSTRACT

A Educação a Distância, modalidade de educação efetivada através do intenso uso de tecnologias de informação e comunicação, onde professores e alunos estão separados fisicamente no espaço
e/ou no tempo, está sendo cada vez mais utilizada
na Educação Básica, Educação Superior e em cursos abertos, entre outros. O objetivo deste artigo é
apresentar uma breve revisão dos conceitos desta
modalidade de educação, elaborados por alguns
autores e enumerar alguns acontecimentos e instituições que se tornaram marcos históricos para
a consolidação da atual Educação a Distância no
Brasil e no mundo, haja vista que a importância
desta modalidade de educação está crescendo glo-

Distance Learning, an educational modality carried out through intense use of information
and communication technologies (ICT), where teachers and students are physically separated in space and/or time, is being increasingly used on basic
education, higher education and opened courses,
among others. The aim of this article is to present
a brief revision on the concepts of this educational
modality worked out by some authors and to enumerate some events and institutions which turned
to be historical records of the consolidation of the
current Distance Learning placed in Brazil and
throughout the world, given that the importance of
this modality is globally increasing and have been

balmente e tem se tornado um instrumento fundamental de promoção de oportunidades para muitos
indivíduos.

turned to be a fundamental instrument on promotion of opportunities for many individuals.

Palavras-chave: Educação a Distância. Conceitos de Educação a Distância. Educação a Distância
no Brasil. Educação a Distância no mundo.
1

Key-words: Distance Learning. Distance
Learning concept. Distance Learning in Brazil.
Distance Learning in the world.

Doutora e Mestra em Ciências pelo Instituto Oswaldo Cruz ­ Fiocruz ­ RJ. Especialista em Ensino de Ciências pela
Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Rural do
Rio de Janeiro. Endereço profissional: Av. Prof. Rodolpho Rocco, 255 ­ Universidade Federal do Rio de Janeiro ­ CCS ­ ICB
­ Bloco F ­ 2º andar ­ Sala 12 ­ Ilha do Fundão ­ Rio de Janeiro ­ RJ ­ CEP: 21.941-902 ­ Tel/fax. (21) 2562-6431. E-mail:
[email protected]
Volume 10 ­ 2011

INTRODUÇÃO

Associação Brasileira de Educação a Distância

84

Atualmente, podem ser consideradas as seguintes modalidades de Educação: presencial e a
distância. A modalidade presencial é a comumente
utilizada nos cursos regulares, onde professores e
alunos encontram-se sempre em um mesmo local
físico, chamado sala de aula, e esses encontros se
dão ao mesmo tempo: é o denominado ensino convencional. Na modalidade a distância, professores e
alunos estão separados fisicamente no espaço e/ou
no tempo. Esta modalidade de educação é efetivada através do intenso uso de tecnologias de informação e comunicação, podendo ou não apresentar
momentos presenciais (MORAN, 2009).
De acordo com Nunes (1994), a Educação a
Distância constitui um recurso de incalculável importância para atender grandes contingentes de
alunos, de forma mais efetiva que outras modalidades e sem riscos de reduzir a qualidade dos serviços oferecidos em decorrência da ampliação da
clientela atendida. Isso é possibilitado pelas novas
tecnologias nas áreas de informação e comunicação que estão abrindo novas possibilidades para
os processos de ensino-aprendizagem a distância.
Novas abordagens têm surgido em decorrência da
utilização crescente de multimídias e ferramentas
de interação a distância no processo de produção
de cursos, pois com o avanço das mídias digitais e
da expansão da Internet, torna-se possível o acesso a um grande número de informações, permitindo a interação e a colaboração entre pessoas
distantes geograficamente ou inseridas em contextos diferenciados.
Somando-se a isso, a metodologia da Educação a Distância possui uma relevância social
muito importante, pois permite o acesso ao sistema àqueles que vêm sendo excluídos do processo
educacional superior público por morarem longe
das universidades ou por indisponibilidade de tempo nos horários tradicionais de aula, uma vez que

a modalidade de Educação a Distância contribui
para a formação de profissionais sem deslocá-los de
seus municípios, como salientado por Preti (1996):
A crescente demanda por educação, devido não somente à expansão populacional
como, sobretudo às lutas das classes trabalhadoras por acesso à educação, ao saber
socialmente produzido, concomitantemente
com a evolução dos conhecimentos científicos e tecnológicos está exigindo mudanças
em nível da função e da estrutura da escola e
da universidade (PRETI, 1996).

Nesse contexto, a Educação a Distância torna-se um instrumento fundamental de promoção de
oportunidades, visto que muitos indivíduos, apropriando-se deste tipo de ensino, podem concluir um
curso superior de qualidade e abraçar novas oportunidades profissionais (PORTAL DO CONSÓRCIO
CEDERJ/FUNDAÇÃO CECIERJ, 2010).
O desenvolvimento desta modalidade de
ensino serviu para implementar os projetos educacionais mais diversos e para as mais complexas
situações, tais como: cursos profissionalizantes, capacitação para o trabalho ou divulgação científica,
campanhas de alfabetização e também estudos formais em todos os níveis e campos do sistema educacional (LITWIN, 2001).
De acordo com Maia & Mattar (2007), a
Educação a Distância atualmente é praticada nos
mais variados setores. Ela é usada na Educação
Básica, no Ensino Superior, em universidades abertas, universidades virtuais, treinamento governamentais, cursos abertos, livres etc.
2. CONCEITOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
Existem vários conceitos de Educação a Distância e todos apresentam alguns pontos em comum.
Entretanto, cada autor ressalta e/ou enfatiza alguma
característica em especial na sua conceitualização.
Desta forma, destacam-se (BERNARDO, 2009):

RBAAD ­ Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo

· o conceito de Dohmem em 1967, que enfatiza a forma de estudo na Educação a Distância:

· o conceito de Peters em 1973, que dá ênfase
a metodologia da Educação a Distância e torna-a
passível de calorosa discussão, quando finaliza afirmando que "a Educação a Distância é uma forma
industrializada de ensinar e aprender".
Educação/ensino a distância é um método
racional de partilhar conhecimento, habilidades e atitudes, através da aplicação da divisão do trabalho e de princípios organizacionais, tanto quanto pelo uso extensivo de
meios de comunicação, especialmente para
o propósito de reproduzir materiais técnicos
de alta qualidade, os quais tornam possível
instruir um grande número de estudantes
ao mesmo tempo, enquanto esses materiais
durarem. É uma forma industrializada de
ensinar e aprender.

· o conceito de Moore em 1973, que ressalta
que as ações do professor e a comunicação deste
com os alunos devem ser facilitadas:
Ensino a distância pode ser definido como
a família de métodos instrucionais onde as
ações dos professores são executadas à parte
das ações dos alunos, incluindo aquelas situações continuadas que podem ser feitas na
presença dos estudantes. Porém, a comunicação entre o professor e o aluno deve ser
facilitada por meios impressos, eletrônicos,
mecânicos ou outro.

· o conceito de Holmberg em 1977, que
enfatiza a diversidade das formas de estudo:

· a separação física entre professor-aluno e a
possibilidade de encontros ocasionais são destacados no conceito de Keegan em 1991:
O autor define a Educação a Distância como
a separação física entre professor e aluno,
que a distingue do ensino presencial, comunicação de mão dupla, onde o estudante beneficia-se de um diálogo e da possibilidade
de iniciativas de dupla via com possibilidade
de encontros ocasionais com propósitos didáticos e de socialização.

· a separação física e o uso de tecnologias de
telecomunicação são características ressaltadas no
conceito de Chaves, em 1999.
A Educação a Distância, no sentido fundamental da expressão, é o ensino que ocorre
quando o ensinante e o aprendente estão separados (no tempo ou no espaço). No sentido que a expressão assume hoje, enfatiza-se
mais a distância no espaço e propõe-se que
ela seja contornada através do uso de tecnologias de telecomunicação e de transmissão
de dados, voz e imagens (incluindo dinâmicas, isto é, televisão ou vídeo). Não é preciso
ressaltar que todas essas tecnologias, hoje,
convergem para o computador.

O conceito de Educação a Distância no Brasil
é definido oficialmente no Decreto nº 5.622 de 19
de dezembro de 2005 (BRASIL, 2005):
Art. 1o Para os fins deste Decreto, caracteriza-se a Educação a Distância como modalidade
educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e
tecnologias de informação e comunicação,
Volume 10 ­ 2011

85
Associação Brasileira de Educação a Distância

Educação a Distância é uma forma sistematicamente organizada de auto-estudo onde
o aluno instrui-se a partir do material de
estudo que Ihe é apresentado, o acompanhamento e a supervisão do sucesso do estudante são levados a cabo por um grupo de
professores. Isto é possível através da aplicação de meios de comunicação, capazes de
vencer longas distâncias.

O termo Educação a Distância esconde-se
sob várias formas de estudo, nos vários níveis que não estão sob a contínua e imediata
supervisão de tutores presentes com seus
alunos nas salas de leitura ou no mesmo local. A Educação a Distância beneficia-se do
planejamento, direção e instrução da organização do ensino.

com estudantes e professores desenvolvendo
atividades educativas em lugares ou tempos
diversos.

Associação Brasileira de Educação a Distância

86

Essa definição da Educação a Distância complementa-se com o primeiro parágrafo do mesmo
artigo, onde é ressaltado que esta deve ter obrigatoriamente momentos presenciais, como se segue:
§ 1o A Educação a Distância organiza-se segundo metodologia, gestão e avaliação peculiares,
para as quais deverá estar prevista a obrigatoriedade de momentos presenciais para:
I ­ avaliações de estudantes;
II ­ estágios obrigatórios, quando previstos
na legislação pertinente;
III ­ defesa de trabalhos de conclusão de curso, quando previstos na legislação pertinente e
IV ­ atividades relacionadas a laboratórios
de ensino, quando for o caso.

3. A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
NO MUNDO
Segundo Golvêa & Oliveira (2006), alguns
compêndios citam as epístolas de São Paulo às
comunidades cristãs da Ásia Menor, registradas
na Bíblia, como a origem histórica da Educação a
Distância. Estas epístolas ensinavam como viver
dentro das doutrinas cristãs em ambientes desfavoráveis e teriam sido enviadas por volta de meados
do século I. Considerando à parte esta informação,
é possível estabelecer alguns marcos históricos que
consolidaram a Educação a Distância no mundo,
a partir do século XVIII (VASCONCELOS, 2010;
GOLVÊA & OLIVEIRA, 2006):
· 1728 ­ marco inicial da Educação a Dis-tância:
é anunciado um curso pela Gazeta de Boston, na
edição de 20 de março, onde o Prof. Caleb Philipps,
de Short Hand, oferecia material para ensino e

tutoria por correspondência. Após iniciativas particulares, tomadas por um longo período e por vários
professores, no século XIX a Educação a Distância
começa a existir institucionalmente.
· 1829 ­ na Suécia é inaugurado o Instituto Líber
Hermondes, que possibilitou a mais de 150.000 pessoas realizarem cursos através da Educação a Distância;
· 1840 ­ na Faculdade Sir Isaac Pitman, no
Reino Unido, é inaugurada a primeira escola por
correspondência na Europa;
· 1856 ­ em Berlim, a Sociedade de Línguas
Modernas patrocina os professores Charles Toussaine e Gustav Laugenschied para ensinarem
Francês por correspondência;
· 1892 ­ no Departamento de Extensão da
Universidade de Chicago, nos Estados Unidos
da América, é criada a Divisão de Ensino por
Correspondência para preparação de docentes;
· 1922 ­ inicia-se cursos por correspondência
na União Soviética;
· 1935 ­ o Japanese National Public Broadcasting Service inicia seus programas escolares pelo
rádio, como complemento e enriquecimento da
escola oficial;
· 1947 ­ inicia-se a transmissão das aulas de
quase todas as matérias literárias da Faculdade de
Letras e Ciências Humanas de Paris, França, por
meio da Rádio Sorbonne;
· 1948 ­ na Noruega, é criada a primeira legislação para escolas por correspondência;
· 1951 ­ nasce a Universidade de Sudáfrica,
atualmente a única universidade a distância da
África, que se dedica exclusivamente a desenvolver
cursos nesta modalidade;
· 1956 ­ a Chicago TV College, Estados Unidos,
inicia a transmissão de programas educativos pela
televisão, cuja influência pode notar-se rapidamente
em outras universidades do país que não tardaram

RBAAD ­ Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo

em criar unidades de ensino a distância, baseadas
fundamentalmente na televisão;
· 1960 ­ na Argentina, nasce a Tele Escola Primária do Ministério da Cultura e Educação, que integrava os materiais impressos à televisão e à tutoria;

· 1969 ­ no Reino Unido, é criada a Fundação
da Universidade Aberta;
· 1971 ­ a Universidade Aberta Britânica é
fundada;
· 1972 ­ na Espanha, é fundada a Universidade Nacional de Educação a Distância;
· 1977 ­ na Venezuela, é criada a Fundação da
Universidade Nacional Aberta;
· 1978 ­ na Costa Rica, é fundada a Universidade Estadual a Distância;
· 1984 ­ na Holanda, é implantada a Universidade Aberta;
· 1985 ­ é criada a Fundação da Associação
Europeia das Escolas por Correspondência;
· 1985 ­ na Índia, é realizada a implantação
da Universidade Nacional Aberta Indira Gandhi;
· 1987 ­ é divulgada a resolução do Parlamento Europeu sobre Universidades Abertas na
Comunidade Europeia;
· 1987 ­ é criada a Fundação da Associação
Europeia de Universidades de Ensino a Distância;
· 1988 ­ em Portugal, é criada a Fundação da
Universidade Aberta;
· 1990 ­ é implantada a rede Europeia de
Educação a Distância, baseada na declaração de
Budapeste e o relatório da Comissão sobre educação aberta e a distância na Comunidade Europeia.

No momento, é crescente o número de instituições e empresas que desenvolvem programas
de treinamento de recursos humanos, através da
Educação a Distância. As universidades a distância
têm incorporado, em seu desenvolvimento histórico, as novas tecnologias de informática e de telecomunicação. Um exemplo foi o desenvolvimento
da Universidade a Distância de Hagen, que iniciou seu programa com material escrito em 1975
e hoje oferece material didático em áudio e videocassetes, videotexto interativo e videoconferências.
Tendências similares podem ser observadas nas
universidades abertas da Inglaterra, da Holanda e
na Espanha (BERNARDO, 2009).
4. A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL
Provavelmente, as primeiras experiências em
Educação a Distância no Brasil tenham ficado sem
registro, visto que os primeiros dados conhecidos
são do século XX.
Seguem abaixo alguns acontecimentos que
marcaram a história da Educação a Distância no nosso país (MAIA & MATTAR, 2007; MARCONCIN,
2010; RODRIGUES, 2010; SANTOS, 2010):
· 1904 ­ o Jornal do Brasil registra, na primeira edição da seção de classificados, anúncio
que oferece profissionalização por correspondência
para datilógrafo;
· 1923 ­ um grupo liderado por Henrique
Morize e Edgard Roquette-Pinto criou a Rádio
Sociedade do Rio de Janeiro que oferecia curso de
Volume 10 ­ 2011

87
Associação Brasileira de Educação a Distância

· 1968 ­ é criada a Universidade do Pacífico
Sul, uma universidade regional que pertence a 12
países-ilhas da Oceania;

Todos esses acontecimentos e instituições foram importantes para a consolidação da Educação
a Distância, oferecida atualmente em todo o mundo. Hoje, mais de 80 países, nos cinco continentes,
adotam a Educação a Distância em todos os níveis
de ensino, em programas formais e não ¬formais,
atendendo milhões de estudantes (GOLVÊA &
OLIVEIRA, 2006).

Português, Francês, Silvicultura, Literatura Francesa,
Esperanto, Radiotelegrafia e Telefonia. Tinha início
assim a Educação a Distância pelo rádio brasileiro;

Associação Brasileira de Educação a Distância

88

· 1934 ­ Edgard Roquette-Pinto instalou a
Rádio­Escola Municipal no Rio, projeto para a então Secretaria Municipal de Educação do Distrito
Federal. Os estudantes tinham acesso prévio a folhetos e esquemas de aulas, e também era utilizada
correspondência para contato com estudantes;
· 1939 ­ surgimento, em São Paulo, do Instituto Monitor, o primeiro instituto brasileiro a oferecer sistematicamente cursos profissionalizantes a
distância por correspondência, na época ainda com
o nome Instituto Rádio¬ Técnico Monitor;
· 1941 ­ surge o Instituto Universal Brasileiro,
segundo instituto brasileiro a oferecer também cursos profissionalizantes sistematicamente. Fundado
por um ex-sócio do Instituto Monitor, já formou
mais de 4 milhões de pessoas e hoje possui cerca de
200 mil alunos; juntaram-se ao Instituto Monitor
e ao Instituto Universal Brasileiro outras organizações similares, que foram responsáveis pelo atendimento de milhões de alunos em cursos abertos
de iniciação profissionalizante a distância. Algumas
dessas instituições atuam até hoje. Ainda no ano de
1941, surge a primeira Universidade do Ar, que durou até 1944.
· 1947 ­ surge a nova Universidade do Ar, patrocinada pelo Serviço Nacional de Aprendizagem
Comercial (SENAC), Serviço Social do Comércio
(SESC) e emissoras associadas. O objetivo desta era
oferecer cursos comerciais radiofônicos. Os alunos
estudavam nas apostilas e corrigiam exercícios com
o auxílio dos monitores. A experiência durou até
1961, entretanto a experiência do SENAC com a
Educação a Distância continua até hoje;
· 1959 ­ a Diocese de Natal, Rio Grande do
Norte, cria algumas escolas radiofônicas, dando
origem ao Movimento de Educação de Base (MEB),
marco na Educação a Distância não formal no

Brasil. O MEB, envolvendo a Conferência Nacional
dos Bispos do Brasil e o Governo Federal utilizou-se inicialmente de um sistema rádio-educativo
para a democratização do acesso à educação,
promovendo o letramento de jovens e adultos;
· 1962 ­ é fundada, em São Paulo, a Ocidental
School, de origem americana, focada no campo da
eletrônica;
· 1967 ­ o Instituto Brasileiro de Administração Municipal inicia suas atividades na área de
educação pública, utilizando-se de metodologia
de ensino por correspondência. Ainda neste ano, a
Fundação Padre Landell de Moura criou seu núcleo
de Educação a Distância, com metodologia de ensino por correspondência e via rádio;
· 1970 ­ surge o Projeto Minerva, um convênio entre o Ministério da Educação, a Fundação
Padre Landell de Moura e Fundação Padre Anchieta, cuja meta era a utilização do rádio para a
educação e a inclusão social de adultos. O projeto
foi mantido até o início da década de 1980;
· 1974 ­ surge o Instituto Padre Reus e na TV
Ceará começam os cursos das antigas 5ª à 8ª séries
(atuais 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental), com
material televisivo, impresso e monitores;
· 1976 ­ é criado o Sistema Nacional de
Teleducação, com cursos através de material
instrucional;
· 1979 ­ a Universidade de Brasília, pioneira
no uso da Educação a Distância, no ensino superior no Brasil, cria cursos veiculados por jornais e
revistas, que em 1989 é transformado no Centro de
Educação Aberta, Continuada, a Distância (CEAD)
e lançado o Brasil EAD;
· 1981 ­ é fundado o Centro Internacional
de Estudos Regulares (CIER) do Colégio AngloAmericano que oferecia Ensino Fundamental
e Médio a distância. O objetivo do CIER é permitir que crianças, cujas famílias mudem-se

RBAAD ­ Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo

temporariamente para o exterior, continuem a
estudar pelo sistema educacional brasileiro;

· 1991 ­ o programa "Jornal da Educação ­
Edição do Professor", concebido e produzido pela
Fundação Roquete-Pinto tem início e em 1995 com
o nome "Um salto para o Futuro", foi incorporado à TV Escola (canal educativo da Secretaria de
Educação a Distância do Ministério da Educação)
tornando-se um marco na Educação a Distância
nacional. É um programa para a formação continuada e aperfeiçoamento de professores, principalmente do Ensino Fundamental e alunos dos cursos
de magistério. Atinge por ano mais de 250 mil docentes em todo o país;
· 1992 ­ é criada a Universidade Aberta de
Brasília, acontecimento bastante importante na
Educação a Distância do nosso país;
· 1995 ­ é criado o Centro Nacional de
Educação a Distância e nesse mesmo ano também
a Secretaria Municipal de Educação cria a MultiRio
(RJ) que ministra cursos do 6º ao 9º ano, através de
programas televisivos e material impresso. Ainda
em 1995, foi criado o Programa TV Escola da
Secretaria de Educação a Distância do MEC;
· 1996 ­ é criada a Secretaria de Educação a
Distância (SEED), pelo Ministério da Educação,
dentro de uma política que privilegia a democratização e a qualidade da educação brasileira. É neste
ano também que a Educação a Distância surge oficialmente no Brasil, sendo as bases legais para essa
modalidade de educação, estabelecidas pela Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional n° 9.394,
de 20 de dezembro de 1996, embora somente regulamentada em 20 de dezembro de 2005 pelo Decreto
n° 5.622 (BRASIL, 2005) que revogou os Decretos
n° 2.494 de 10/02/98, e n° 2.561 de 27/04/98, com

· 2000 ­ é formada a UniRede, Rede de
Educação Superior a Distância, consórcio que reúne
atualmente 70 instituições públicas do Brasil comprometidas na democratização do acesso à educação
de qualidade, por meio da Educação a Distância,
oferecendo cursos de graduação, pós-graduação
e extensão. Nesse ano, também nasce o Centro de
Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro
(CEDERJ), com a assinatura de um documento que
inaugurava a parceria entre o Governo do Estado
do Rio de Janeiro, por intermédio da Secretaria de
Ciência e Tecnologia, as universidades públicas e as
prefeituras do Estado do Rio de Janeiro.
· 2002 ­ o CEDERJ é incorporado a Fundação
Centro de Ciências de Educação Superior a
Distância do Rio de Janeiro (Fundação CECIERJ).
· 2004 ­ vários programas para a formação
inicial e continuada de professores da rede pública,
por meio da EAD, foram implantados pelo MEC.
Entre eles o Proletramento e o Mídias na Educação.
Estas ações conflagraram na criação do Sistema
Universidade Aberta do Brasil.
· 2005 ­ é criada a Universidade Aberta do
Brasil, uma parceria entre o MEC, estados e municípios; integrando cursos, pesquisas e programas de
educação superior a distância.
· 2006 ­ entra em vigor o Decreto n° 5.773,
de 09 de maio de 2006, que dispõe sobre o exercício
das funções de regulação, supervisão e avaliação de
instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal
de ensino, incluindo os da modalidade a distância
(BRASIL, 2006).
· 2007 ­ entra em vigor o Decreto nº 6.303,
de 12 de dezembro de 2007, que altera dispositivos
do Decreto n° 5.622 que estabelece as Diretrizes e
Bases da Educação Nacional (BRASIL, 2007).
Volume 10 ­ 2011

89
Associação Brasileira de Educação a Distância

· 1983 ­ o SENAC desenvolveu uma série de
programas radiofônicos sobre orientação profissional na área de comércio e serviços, denominada
"Abrindo Caminhos";

normatização definida na Portaria Ministerial
n° 4.361 de 2004 (PORTAL MINISTÉRIO DA
EDUCAÇÃOa, 2010).

· 2008 ­ em São Paulo, uma Lei permite o
ensino médio a distância, onde até 20% da carga
horária poderá ser não presencial.

Associação Brasileira de Educação a Distância

90

· 2009 ­ entra em vigor a Portaria nº 10, de
02 julho de 2009, que fixa critérios para a dispensa de avaliação in loco e deu outras providências
para a Educação a Distância no Ensino Superior no
Brasil (BRASIL, 2009).
· 2011 ­ A Secretaria de Educação a Distância
é extinta.
Torna-se importante citar que entre as décadas
de 1970 e 1980, fundações privadas e organizações
não governamentais iniciaram a oferta de cursos
supletivos a distância, no modelo de teleducação,
com aulas via satélite, complementadas por kits
de materiais impressos, demarcando a chegada da
segunda geração de Educação a Distância no país.
Somente na década de 1990, é que a maior parte
das Instituições de Ensino Superior brasileiras mobilizou-se para a Educação a Distância com o uso
de novas tecnologias de informação e comunicação. Um estudo realizado por Schmitt et al., 2008,
mostrou que no cenário brasileiro, quanto mais
transparentes forem as informações sobre a organização e o funcionamento de cursos e programas
a distância, e quanto mais conscientes estiveram os
estudantes de seus direitos, deveres e atitudes de estudo, maior a credibilidade das instituições e mais
bem-sucedidas serão as experiências na modalidade a distância.
O Ministério da Educação, por meio da
Secretaria de Educação a Distância (SEED), agia
como um agente de inovação tecnológica nos processos de ensino e aprendizagem, fomentando a
incorporação das tecnologias de informação e comunicação, e das técnicas de Educação a Distância
aos métodos didático-pedagógicos. Além disso,
promovia a pesquisa e o desenvolvimento, voltados para a introdução de novos conceitos e práticas nas escolas públicas brasileiras (PORTAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOb, 2010). Devido à
extinção recente desta secretaria, seus programas
e ações estarão vinculados a novas administrações
(PORTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, 2011).
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A Educação a Distância pode ser considerada
a mais democrática das modalidades de educação,
pois se utilizando de tecnologias de informação e
comunicação transpõe obstáculos à conquista do
conhecimento. Esta modalidade de educação vem
ampliando sua colaboração na ampliação da democratização do ensino e na aquisição dos mais variados conhecimentos, principalmente por esta se
constituir em um instrumento capaz de atender um
grande número de pessoas simultaneamente, chegar a indivíduos que estão distantes dos locais onde
são ministrados os ensinamentos e/ou que não
podem estudar em horários pré-estabelecidos.
Globalmente, é cada vez mais crescente a
oferta de cursos formais e informais através da
modalidade de Educação a Distância. As experiências brasileiras nessa modalidade de educação,
governamentais e privadas, foram muitas e representaram, nas últimas décadas, a mobilização de
grandes contingentes de recursos. Porém, embora
avanços importantes tenham acontecido nos últimos anos, ainda há um caminho a percorrer para
que a Educação a Distância possa ocupar um espaço de destaque no meio educacional, em todos
os níveis, vencendo, inclusive, o preconceito de que
os cursos oferecidos na Educação a Distância não
possuem controle de aprendizado e não têm regulamentação adequada. O governo federal criou leis
e estabeleceu normas para a Educação a Distância
no Brasil (UNIFESP, 2009) e até os cursos superiores da Educação a Distância apresentam diplomas
com equivalência aos dos cursos oferecidos pelas
instituições de ensino superior que utilizam a modalidade presencial. Isso mostra que a modalidade

RBAAD ­ Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo

de Educação a Distância está rompendo barreiras,
criando um espaço próprio e complementando a
modalidade presencial.

AGRADECIMENTOS
A autora agradece a Cibele Schwanke pela
orientação do trabalho de conclusão do Curso de
Pós-Graduação em Ensino de Ciências pela UERJ,
pois o presente artigo foi inspirado neste trabalho e
a Ursula Brazil Rocha pela revisão deste, uma contribuição inestimável.
REFERÊNCIAS
BERNARDO, V. Educação a distância: fundamentos. Universidade Federal de São Paulo UNIFESP.
Disponível em: . Acesso
em: 28 dez. 2009.
BRASIL. Decreto 5.622, de 19 de dezembro de
2005. Regulamenta o artigo 80 da Lei no 9.394, de
20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF,
20 dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2010.
BRASIL. Decreto 5.773 de 9 de maio de 2006.
Dispõe sobre o exercício das funções de regulação,
supervisão e avaliação de instituições de educação

BRASIL. Decreto 6.303 de 12 de dezembro de 2007.
Altera dispositivos dos Decretos nos 5.622, de 19 de
dezembro de 2005, que estabelece as diretrizes e bases
da educação nacional, e 5.773, de 9 de maio de 2006,
que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 13
dez. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2010.
BRASIL. Portaria Nº 10, de 02 de julho de 2009.
Fixa critérios para dispensa de avaliação in loco
e dá outras providências. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 03
jul. 2009. Disponível em: . Acesso
em: 25 jan. 2010.
GOUVÊA, G.; C. I. OLIVEIRA. Educação a
Distância na formação de professores: viabilidades, potencialidades e limites. 4. ed. Rio de Janeiro:
Vieira e Lent. 2006.
LITWIN, E. Educação a Distância: Temas para
o Debate de Uma Nova Agenda Educativa. Porto
Alegre: Artmed. 2001.
MAIA, C.; J. MATTAR. ABC da EaD: a Educação a
Distância hoje. 1. ed. São Paulo: Pearson. 2007.
MARCONCIN, M. A. Desenvolvimento histórico
da Educação a Distância no Brasil. Disponível em:
. Acesso em: 10 maio 2010.

Volume 10 ­ 2011

91
Associação Brasileira de Educação a Distância

Esta modalidade de educação é conceituada
por diversos autores e cada um destes enfatiza alguma característica especial no seu conceito. A ênfase
de cada autor, os diversos acontecimentos históricos e as variadas instituições, mencionadas neste
trabalho, mostram que a Educação a Distância oferece oportunidades que pelo modelo presencial seria difícil ou impossível de atingir, pois possui uma
ampla abrangência e grandiosa magnitude não somente no nosso país, mas em todo o mundo.

superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF,
10 maio 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2010.

Associação Brasileira de Educação a Distância

92

MORAN, J. M. O que é Educação a Distância.
Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em:
14 nov. 2009.

RODRIGUES, M. Universidade Aberta do Brasil.
Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2010.

NUNES, I. B. Noções de Educação a Distância.
Disponívelem:. Acesso em: 31 março 2011.

SANTOS, P. SEED ­ Secretaria de Educação a
Distância. Disponível em: . Acesso
em: 10 maio 2010.

SCHMITT, V.; C. M. S. MACEDO; V. R. ULBRICHT.
A divulgação de cursos na modalidade a Distância: uma análise da literatura e do atual cenário brasileiro. Revista Brasileira de Aprendizagem
Aberta e a Distância, Rio de Janeiro, v. 7, 2008.

SCHMITT, V.; C. M. S. MACEDO; V. R. ULBRICHT.
A divulgação de cursos na modalidade a Distância: uma análise da literatura e do atual cenário brasileiro. Revista Brasileira de Aprendizagem
Aberta e a Distância, Rio de Janeiro, v. 7, 2008.

PORTAL DO CONSÓRCIO CEDERJ/FUNDAÇÃO
CECIERJ. Institucional (histórico da Fundação
CECIERJ) e graduação (metodologia e cursos).
Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2010.

UNIFESP Virtual. Educação a Distância: fundamentos e guia metodológico. Disponível em . Acesso
em: 28 de dezembro de 2009.

PORTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOa. Secretaria de Educação a Distância. Disponível em:
.
Acesso em: 07 jan. 2010.

VASCONCELOS, S. P. G. Educação a Distância:
histórico e perspectivas. Universidade do Estado
do Rio de Janeiro (UERJ). Disponível em: . Acesso
em: 08 jan. 2010.

PORTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOb. Legislação da Educação a Distância. Disponível em:
. Acesso em: 07
jan. 2010.
Portal Ministério da Educaçãoc. Secretaria de Educação a Distância. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2011.
PRETI, O. Educação a Distância: uma prática
educativa mediadora e mediatizada. Cuiabá: NEAD/
IE ­UFMT. 1996.

RBAAD ­ Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo