Na "HISTÓRIA SECRETA DO BRASIL", propõe o Sr. Gustavo Barroso desprender da
complexidade das forças que trabalharam na preparação dos acontecimentos políticos do BrasiL
aquela que lhe parece predominante, senão decisiva, e, portanto, suficiente para nos dar, desses
fatos, uma perfeita compreensão. E uma sondagem profunda a que procede, a procura da verdade
histórica ou melhor da "história subterrânea dos acontecimentos". Terá o ilustre escritor encontrado
o fio da meada? Terá o mergulhador conseguido trazer suas sondagens, a pérola da verdade história
ou uma parcela da verdade? Nos dramas, representados por personagens conhecidos, nos largos
cenários das agitações públicas, ou nos palcos dos teatros políticos, terá seu olhar penetrado os
bastidores? A todas essas perguntas que se reduzem, afinal, a uma só, responderão os seus leitores,
que serão muitos e os seus críticos que serão bastante competentes para julgar da imparcialidade,
segurança e penetração do historiador brasileiro.
É certo que, como diz Disraeli, citado pelo próprio autor, "o mundo é governado por
personagens muito diferentes dos que imaginam os indivíduos cujo olhar não penetra os
bastidores". Mas, quantas vezes esses "personagens diferentes" longe de serem "causa", não passam
de "instrumentos" das forças reais e profundas que governam os acontecimentos políticos? E
quantas vezes, dada a com plexidade dos fenômenos sociais, e, daí a dificuldade de ver claro, o que
se aponta como bastidores reais, não é mais do que a armadura de cenários fabricada pela
parcialidade ou erguida pela imaginação? Em todo caso, este livro que representa um grande
esforço de pesquisa, é realmente digno de exame e de reflexão, pela documentação abundante que
nele se recolheu; e das discussões e divergências que suscitar a sua leitura, poderá saltar um pouco
de luz sobre as "zonas de mistério" de nossa história.
A presente é a 1ª de uma série de 6 (seis) volumes que compõe a obra completa da
HISTÓRIA SECRETA DO BRASIL.
O CONCEITO DA HISTÓRIA
A história não é propriamente urna ciência; é antes uma arte. Muitos espíritos avançados do
século XIX se esforçaram para dar à história esse conceito científico. Havia a mais generalizada do
cientificismo. Seus esforços, porém, como que se anularam ante a concepção atual da história. O
espírito do século XX é outro e não admite mais esses exageros do cientificismo generalizado,
querendo impor a todos os departamentos e categorias do pensamento humano seus canones
empíricos ou pragmáticos.
A investigação dos fatos, a fixação das datas, a interpretação das dúvidas, o confronto e a
análise dos documentos, devem certamente obedecer a princípios rigorosamente científicos. Mas a
narração dos acontecimentos e sua fixação precisa no tempo e no espaço, não são a verdadeira
história, não formam completamente a história. Além disso, há coisa mais importante, substancial,
a projeção dos homens e dos acontecimentos no espelho das épocas, como as idéias de cada século,
seu espírito, seu gênio próprio. São as mudanças dos aspectos intelectuais do mundo que
transformam os critérios dos homens.
Para que a história deixe de ser uma cronologia seca, um rol de fórmulas mnemônicas, é
necessário iluminá-la com o esplendor solar das idéias, com a luz maravilhoda da vida espiritual.
Assim, a história se reflete melhor na obra dos pensadores, escritores, poetas, dramaturgos e
críticos do que na enumeração dos governantes, na série das batalhas ou nos salões dos congressos
diplomáticos. Por isso, em geral, o que se aprende na história são movimentos dos corpos sociais,
ignorando-se a ação e a vida das almas sociais, das almas dos povos. A verdadeira história seria a
revelação da vida espiritual dos homens.
"A história é obra representativa - escreve um mestre- e, portanto, deve ser uma obra de
arte. Não nego os méritos da investigação científica no campo da história. Sobre essa investigação
se identificaram os mais belos monumentos da arte, no gênero mais difícil entre os gêneros
literários. Entre a obra de arte histórica e a investigação que lhe serve de base, há a mesma
diferença que entre a anatomia e a escultura estatuária. O escultor precisa conhecer a fundo,

1

cientificamente, a anatomia do corpo humano; entretanto, isso não é o bastante para que sua obra
seja considerada científica. Nas formas humanas representadas no mármore, revela-se um espírito,
na emoção e nos sentimentos expressos pelas atitudes e gestos da estátua".
Esta página do magnífico livro "La Guerre Occult de Emanuel Malynski e Léon de Poncins
termina com essas palavras profundas, que resumem a história da humanidade nos últimos tempos;
"Ainda se tem em vista toda a hierarquia humana, quando o mundo começa a se afastar de Cristo,
no Renascimento. Ainda se têm em vista os Príncipes e os Reis, quando se afasta do Papa e do
Imperador, na reforma. Ainda se têm em vista a burguesia quando se tiram a nobreza Reis e
Príncipes, que são os seus pontos culminantes, na Revolução Francesa. Ainda se têm em vista o
Povo, quando se ultrapassa o plano da Burguesia de 1848 à 1917. E não se têm mais em vista senão
a borra social guiada pelo judeu, quando se vai além das massas em 1917".
Todo esse plano, em todas as nações, foi cuidadosamente elaborado e lentamente executado
pelo judaísmo, raramente descoberto e sempre embuçado nas sociedades secretas. Judaísmo e
maçonarias criaram um meio social propício à guerra do que está embaixo contra o que se acha em
cima, desmoralizando e materializando a humanidade pelo capitalismo mamônico, dividindo-a e
enfraquecendo intimamente pela democracia, separando-a e tornando-a agressiva pelo exagero dos
nacionalismos, dissolvendo-a e descaracterizando-a pelo cosmopolitismo, encolerizando-a pelas
crises econômicas e enlouquecendo-a com o comunismo. Conhecendo isso, é que se pode dar seu
verdadeiro caráter aos acontecimentos históricos e mostrar a verdadeira fisionomia das revoluções.
Até hoje se têm escrito histórias políticas do Brasil. Empreendo, neste ensaio, a história da
ação deletéria e dissolvente dessas forças ocultas. Até hoje se escreveu a história do que se via a
olho nu, sem esforço. Esta será a história daquilo que somente se descobre com certos instrumentos
de ótica e não pequeno esforço. É a primeira tentativa no gênero e, oxalá possa servir de
ensinamento à gente moça, a quem pertence o futuro.
GUSTAVO BARROSO
"Há duas histórias, a oficial, mentirosa, Ad Usum Delphini, e a secreta, em que estão as
verdadeiras causas dos acontecimentos, história vergonhosa".
(Balzac, Les Illusions Perdues ­ t.III)

2

CAPÍTULO I
O monopólio do pau-de-tinta
Amanhecera o dia 25 de setembro do ano da graça de 1498 e o que ia acontecer teria
repercussão mais tarde nos destinos do Brasil, que ainda não fora descoberto. A armada portuguesa
de Vasco da Gama ancorara diante da costa baixa e emoldurada de palmeiras da ilha de Anchediva,
a doze léguas de Goa. Das longas vergas e das inclinadas antenas das naus se desdobravam,
secando lenta mente ao sol matutino, as lonas das velas em que a salsugem dos mares nunca dantes
navegados esmaecera a cor vermelha das cruzes da Ordem de Cristo.
Sobre o castelo de popa, lavrado de douraduras e eriçado de falconetes 1 de bronze, fundidos
nos arsenais de Gênova, o almirante conversava com os capitães, olhando a faina de limpeza a que
se procedia em alguns navios. No seu, a capitânea "S. Gabriel", contra-mestre e maruja preparavam
as espias que deviam puxá-lo até a praia lisa onde morriam, sorrindo em espumas, as ondas do
Oceano Indico, a fim de ser raspada a carena crostada de mariscos e algas na longa travessia dos
mares tenebrosos.
O vigia do "S. Gabriel" assinalou um barco ao longe que se aproximou, arfando sobre a
toalha azul das águas debaixo da concha muito azul do céu. Era um parau que vinha de Goa,
tangido pela sua vela pardusca de esteira. Encostou a nau. Um homem galgou o portaló e saltou no
convés. Vestia-se de maneira hindu: mundaçó à cabeça, terçado à cinta, brincos nas orelhas. O
nariz adunco se encurvava para os beiços úmidos e sensuais.
Queria falar ao almirante a quem abraçou, como se usa no Oriente, com expansões.
Curvando-se em salamaleques, disse em péssimo italiano que era cristão levantisco, viera muito
criança para as terras do mouro Sabayo, senhor da ilha e da cidade de Gôa. Enquanto falava, seus
olhos, miúdos e vivos, como os de um camundongo, espreitavam todo o navio, detendo-se,
sobretudo, na artilharia, como a computar-lhe o número de peças e a força de cada uma.
Vasco da Gama sorria na sua barba açoitada pelo vento. De repente:
- Mestre!
Um português moreno e seminu, de farta bigodeira, de braços peludos e atléticos, levantou a cabeça
dentre us marujos que desenrolavam os cabos de cânhamo. E o almirante deu-lhe esta ordem:
- Amarre este espião ao mastro e meta-lhe o calabrote!
Num abrir e fechar de olhos, o levantino estava nu da cintura para cima, amarrado ao mastro
grande, e um chicote de cabo alcatroado cantava-lhe nas carnes que se tingiam de sangue.
- Eu digo toda a verdade! uivou o supliciado na sua algaravia.
Os açoites pararam, o almirante aproximou-se e o homem disse a verdade: não era cristão nem
levantisco; era judeu e natural da Polônia. Os azares de sua vida aventureira e errante haviam-no
trazido à índia. O Sabayo mandara-o como espião, mas preferia servir aos portugueses. A armada
do Sabayo era grande e poderosa, bem tripulada de rumens2 e bem provida de canhões venezianos...
No dia 26 de setembro, a frota aos Lusíadas fazia-se de vela para Portugal e levava a bordo o astuto
e inescrupuloso judeu polaco, "por ser de grande experiência e muito conhecedor das coisas da
índia, o qual foi, mais tarde, batizado e recebeu o nome de Gaspar da Gama, sendo vulgarmente
1

Pequenas peças de artilharia.
Soldados muçulmanos da India, mercenários leva_n tipos ou turcos, Cf. Alberto 0. de castro, "A cinza dos myrtos",
pág. 193; Dalgado, "Glossário, Luso-Asiático, t. II, págs. 264 e segs.
2

3

conhecido por Gaspar das índias. Este judeu conversava muitas vezes com El Rei D. Manuel, que
folgava de lhe ouvir falar sobre as coisas da índia, e lhe fez muitas dádivas e mercês. A Vasco da
Gama e outros almirantes portugueses, Gaspar das índias prestou inestimáveis serviços3".
Dois anos depois, vestida de luto, como era de praxe na época, quando as armadas iam em
busca de terras desconhecidas, a corte manuelina assistia do eirado da torre de Belém a partida dos
navios de Pedro Alvares Cabral. O judeu Gaspar embarcara na nau do capitão-mor como língua e
conselheiro, hoje diríamos intérprete e técnico, em coisas e negócios das índias. Seus olhos vivos e
espertos, olhos de rato fugido dos ghetos da Polônia, viram o nosso Brasil no primeiro dia de seu
amanhecer. Ao lado de Pedro Alvares Cabral, "de quem não se apartava", avistou o vulto azul do
Monte Pascoal nos longes do horizonte, contemplou a terra virgem e dadivosa, a indiada nua e
emplumada de cocares, assistiu a primeira missa celebrada por frei Henrique de Coimbra e ouviu a
leitura da carta de Pero Vaz de Caminha.
O judeu Gaspar da Gama fez toda a viagem de PedroÁl vares Cabral: Moçambique,
Melinde, Cananor, Calecut, Cochim; tornou às índias em 1502 e 1505 com seu padrinho, Vasco da
Gama. Na última dessas expedições, encontramo-lo com o nome de Gaspar de Almeida, "por amor
de Viso-Rei, de quem era estimadíssimo", declara um panegirista dos judeus4. Por adulação e
baixeza, afirmamos diante dos fatos. Batizado por Vasco da Gama, o israelita tomou, de acordo
com o costume em má hora instituído por D. Manuel e que estragou, na judiaria, os grandes
apelidos da nobreza lusa, o nome de família do seu padrinho; mas, quando a estrela do navegador
se foi empanando ante a glória de Dom Francisco de Almeida, o poderoso Vice-Rei do Ultramar, o
hebreu mesquinho abandonou o nome de Gama e adotou o de Almeida, sem cerimônia...
Ao tempo do governo de D. Francisco de Almeida, o judeu Gaspar da Gama, de Almeida
ou, simplesmente, das índias, casou-se com uma judia, "grande letrada na lei". Veja bem como os
Gama, os Cabral e os Almeida, não seriam ilaqueados na sua boa fé de navegadores rudes e
heroicos batalhadores pela lábia e a solércia do judeu polonês! Batizado, sua conversão era tão
sincera que se unia, não a uma cristã, mas a uma israelita ferrenha, talmudista praticante. Foi ela
quem fez com que os judeus das sinagogas hindus comprassem as bíblias hebraicas que vendia
Francisco Pinheiro, filho do Corregedor da corte de D. Manuel, o doutor Martim Pinheiro, por
mando deste, decerto cristão-novo ou cristão judaizante. O episódio mostra como os judeus
secretamente, influenciavam as decisões dos grandes navegadores5, manobravam nos bastidores da
governação das Indias e até faziam proselitismo e propaganda religiosa através do próprio
Corregedor da Corte magistrado cuja maior atribuição era perseguir ao judaísmo. A história,
referida pelos cronistas, da arca de biblias, EM HEBRAICO, enviadas de Lisboa para a India, é um
tanto escura. Não há, infelizmente, documentação que faça suficiente luz sobre o interessante
assunto.
A vinda do judeu Gaspar ao Brasil está iniludivelmente comprovada pelas instruções dadas
ao capitão-mor Pedro Álvares Cabral, conservadas entre os documentos da Torre do Templo, que
se referem pessoalmente a ele. Fugido às perseguições que, do meado do século XV ao começo do
XVI, se desencadearam na Polonia contra os israeli tas, cortara as gadelhas reveladoras de sua
procedência e afundara-se no Oriente, tendo alcançado às Índias, depois de viver em, Jerusalém e
Alexandria. Segundo o autor das "Lendas da índia", Gaspar Corrêa, o rei Dom Manuel noel
recomendou que ele servisse com Pedro Alvares Cabral, porque lhe havia dado "muita informação
das coisas da India".
3

Solidônio Leite Filho, "Os judeus do Brasil" ed J. Leite & Cia., 1923, pág. 24 e 25. A documentação do resto do
capítulo está em Gaspar Corrêa, "Lendas da India", tomo I. Entre as mercês, segundo Damião de Góis, "Crônica d'E1
Rei D. Manoel", pág. 32. fê-lo cavalheiro de sua casa, deu-lhe tenças, ordenados e ofícios.
4
Solidônio Leite Filho, op. cit., pág. 27.
5
C. Solidônio Leite Filho, op. cit. pág. 25. "A sua voz (do judeu Gaspar) foi sempre acatada nos conselhos dos
capitães". Na índia, até o grande Afonso de Albuquerque, conforme depõe Gaspar Corrêa, "Lendas da India", tomo II.
pág. 177, muito se aconselhava com seu intérprete o judeu Hucefe. A tola confiança do cristão no judeu é que permite a
este dar os seus botes...

4

Em Porto Seguro, quando as naus portuguesas lançaram ferros, no ano da Graça de 1500, o
judeu procurou entender-se com os silvícolas, recorrendo às línguas e dialetos que aprendera no
Oriente. Não se fez entender nem entendeu patavina. Mas compreendeu o que poderia valer a nova
terra, na qual, se quisesse plantar, daria tudo, como anunciava o escrivão da feitoria de Calecut
embarcado na Real Armada.
Para não sermos taxados de fantasista ou parcial, da mos a palavra ao panegirista dos
judeus, Sr. Solidônio Leite Filho, grifando suas afirmações mais importantes:
"Talvez por seu intermédio tivessem os israelitas percebido, desde logo, a importância do
novo descobrimento, que pouco impressionara o ambicioso espírito do Afortunado monarca
português, cujas atenções estavam inclinadas para as riquezas da India. Aproveitando-se desta
opinião conseguiram alguns cristãos-novos, a cuja frente se achava Fernando de Noronha, arrendar
a terra havia pouco descoberta. Sabiam eles PERFEITAMENTE que o comércio do pau Brasil, por
si só, os indenizaria das despesas6.
Estes grifos auxiliam a clara visão do primeiro capítulo da história do Brasil, tão diferente
do que nós aprendemos nas escolas. Aos meninos e rapazes somente se mostra o palco e ninguém
se lembra de levá-los aos bastidores, onde os atores mudam de vestimenta e estão à vontade.
Aprende-se unicamente a aparência da história, que é o melhor meio de ocultar a sua essência. Na
verdade, um judeu aventureiro da Polônia, apanhado por Vasco da Gama em flagrante delito de
espionagem, adere aos lusos que o chicoteiam, batiza-se, toma nome fidalgo, casa com uma judia
talmudista e vem, com Cabral, ao Brasil que examina em primeira mão. Os portugueses estão
hipnotizados pela India, sonham epopéias e conquistas. Ele não sonha nada, olha praticamente a
vida, calcula todas as vantagens materiais. Que lhe importam os açoites amarrado ao mastro do "S.
Gabriel" e a água lustral do batismo? Por esse preço pagou o direito de assoprar informações ao
ouvido de D. Manuel o Venturoso e de dar hábeis pareceres, logo aceitos, nos "conselhos dos
capitães". Sua raça continuará a hipnotizar os lusos na conquista, navegação e comércio da Etiópia,
Arábia, Pérsia e India, a fim de que se possa enriquecer com os produtos que afloram por toda a
vasta extensão da Terra de Santa Cruz, que um esforçozinho de cartógrafos e cosmógrafos judeus,
ou inspirados por judeus mais adiante mudará a Terra do Brasil7 (7).
Compulsemos Capistrano de Abreu em suas notas a Varnhagen e este em suas notas
ao "Diário de Navegação" de Pero Lopes de Souza. O cristão-novo Fernando de Noronha, que
tomara este nome fidalgo com a mesma desfaçatez com que o judeu polônio tomara os de Gama e
Almeida, em 1503 associado a outros cristãos-novos, equipara uma frota e saíra do Tejo, no mês de
maio, rumo ao oeste. Navegação feliz. A 24 de junho, dia de São João, pôs a capa sobre uma ilha
penhascosa, de praias brancas, aqui e ali vestida de vegetação luxuriante. Os marujos deram-lhe o
nomé de São João devido à data do descobrimento. Os israelitas mudaram-no, mais tarde, para o do
próprio armador e comandante da frota, Fernando de Noronha.
Como e por que vinham tão cedo, mal findara a viagem redonda de Cabral e com
eles conversara seu irmão Gaspar das Indias sobre as riquezas da nova terra? O judeu Fernando de
Noronha e seus sócios haviam arrendado o Brasil a D. Manuel, que continuava dentro do sortilégio,
"deslumbrado com as maravilhas da Ásia". Pelo contrato de arrendamento, os judeus deviam
mandar todos os anos seis navios ao Brasil, para explorar ou descobrir trezentas léguas de costa
para além dos pontos já conhecidos, fincando um forte no extremo em que tocassem. Esses navios
poderiam levar qualquer produto para a metrópole sem pagar o menor imposto, tributo ou finta, no
6

Op. Cit., págs 36 e 37. Vejamos como sabiam perfeitamente. A 28 de abril de 1500, as equipagens de Pedro Álvares
Cabral descem à terra para cortar lenha e pela primeira vez o machado dos civilizados retumba nos troncos das virgens
florestas do Brasil. Cf. J. M. de Macedo, "Efeméride Histórica do Brasil", Tip. do Globo, Rio. 1877, pág. 261. Nesse
corte de madeira, com certeza, o judeu Gaspar descobriu o pau-brasil, pois conhecia, como prático das coisas do
Oriente, o verzino colombino de Ceilão. Nada disse à Cabral nem ao Rei; mas informou os cristãos-novos, seus
irmãos. Não é claro como água?...
7
Simão de Vasconcelos. Mônica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil". ed. A. J. F. Lopes, Lisboa, 1765, pág.
XXXII, 9: "...Terra de Santa Cruza título que depois converteu a cobiça dos homens em Brasil,contentes do nome de
nutro pau bem diferente do da cruz e de efeitos bem diversos",

5

primeiro ano; pagando um sexto do valor, no segundo, e um quarto no terceiro. O prazo de
arrendamento, como se vê, era de três anos8.
No dia 24 de janeiro de 1504, D. Manuel fez doação da ilha de S. João a Fernando
de Noronha, a qual foi confirmada por D. João III em 3 de março de 1522. Desta sorte, antes de
dividindo.o Brasil em capitanias hereditárias muito antes das primeiras concessões de sesmarias,
origem dos primitivos latifúndios, a coroa portuguesa alienava uma parte do Brasil, dando-a de mão
beijada a um judeu traficante do pau-de-tinta, que era a anilina daquele tempo.
Terminou o prazo de arrendamento da costa brasileira em 1506. Fernando de
Noronha agenciou, na corte, sua renovação ou prorrogação, obtendo-a por dez anos, em troca do
pagamento anual de quatro mil ducados, o que deixa ver que os lucros auferidos no comércio da
madeira de tinturaria, único no amanhecer da vida brasileira, não tinham sido de desprezar. Além
da prorrogação, os judeus obtinham o monopólio do negócio, pois que o rei se obrigava a não
permitir mais o "trato do pau-brasil com a India". Era, com efeito, do Oriente que vinha o pau-detin ta, berzi, ou verzino, segundo Muratori e Marco Polo. O descobrimento do nosso País, em
verdade, graças às informações levadas pelo astuto judeu que Vasco da Gama açoitara e conduzira
à pia batismal, tivera como resultado a formação, para empregar a linguagem moderna. de um
TRUSTE DAS ANILINAS. Naturalmente, que era o monopólio do comércio da madeira tintória,
desde que o sapang de Java é Ceilão fora corrido dos mercados europeus, senão isso? tan to assim
que os navios do consórcio Fernando de Noronha carregavam por ano de nossas matas litorâneas a
bagatela de "vinte mil quintais da preciosa madeira"! 9. 0 primeiro carregamento foi levado logo em
1503, dois anos após o descobrimento10. A famosa nau "bretôa", que em 1511 veio ao Brasil
carregar o pau, batendo a costa até o Cabo Frio, foi armada e despachada por Fernando de No ronha
e seus amigos11.
Neste primeiro capítulo da nossa história, encarada por um método novo e
verdadeiro, se vêem o palco e os bastidores. No palco: a armada de Cabral com as velas pendentes
em que o sol empurpurava as cruzes heráldicas; a cruz erguida na praia, diante da qual um frade diz
a primeira missa; um padrão cravado no solo virgem da terra descoberta em forma de cruz, a cruz
nos punhos das espadas linheiras que retiniam de encontro aos coxotes de aço fosco; a cruz nas
bandeiras alçadas, os nomes de Vera Cruz e Santa Cruz impostos a toda a nova região americana: o
idealismo cristão, o heroísmo cristão, o sentidõ cristão da vida, a propagação da Fé e a dilatação do
Império que a gesta dos Lusíadas cantaria com o ritmo do rolar das ondas.
Nos bastidores, manobrando os cenários e arranjando as vestiduras, o judeuzinho de
Goa, o cristão-novo Fernando de Noronha, os Cristãos-novos e israelitas do seu consórcio
comercial, inspirados pela sinagoga e pelo kahal, realizando o lucro à sombra do idealismo alheio;
ganhando o ouro à custa do esforço e do sangue dos outros, apagando o nome da Cruz com o nome
do pau-brasil, o que indignou a João de Barros 12; usando a epopéia da navegação e o poema do
descobrimento para a fundação trivial de um monopólio de anilinas...

8

Piero Rondinelli, "Raccolta Colombiana", 3Q pa. te, vol. II, pág. 121.
Solidonio Leite Filho, op. cit. pag. 37: Leona_r do de Chade Messer in "Livro comemorativo do Descobrimento da
América", ed. da Academia de ciência de Lisboa.
10
Melo morais, Mônica do Império do Brasil", 1879, pág. 19.
11
Solidonio Leite Filho, idem, idem. Capristano de Abreu, "0 descobrimento do Brasil", pág. 267, Varnhagen, "História
Geral do Brasil°, 1ê ed., I, págs. 427432 "Diário do Pero Lopes", Rio de Janeiro, 1867.
12
"Décadas"... como que importava mais o nome de um pau que tinge panos que daquele pau que deu tintura a todos os
sacramentos por que somos salvos...
9

6

CAPÍTULO II
O empório do açúcar
Passaram-se muitos anos antes que a coroa portuguesa desse fé do Brasil. Monarca e povo
"tinham os olhos ofuscados pelos resplendores das predirias do Oriente13".
Esse pensamento repete-se de tal modo nos historiadores filo-judaicos que somos forçados a
admitir o propósito por parte dos judeus em conservar as atenções voltadas para outro lado, afim de
poderem, à vontade, não só tirar, sem grande trabalho, à custa de bugigangas dadas ao índio,
milhares e milhares de quintais de pau-brasil, produtor de tintura, ou de canafístula produtora de
mirra14, como de preparar uma espécie de refugio para a sua raça deste lado do Atlântico.
"Aconteceu que os judeus foram obrigados a emigrar, açoitados por uma perseguição feroz (1506).
Seu instinto mercantil adivinhara15 as riquezas naturais do Novo Mundo. Teriam aqui tranqüilidade
e segurança, o Santo Ofício não os inquietaria 16". Tanto assim que a ordem dos Dominicanos, à
qual estava quase sempre afeto este tribunal, nunca logrou estabelecer-se no Brasil.Em todo o nosso
vastïssimo país, não existe um único convento de S. Domingos. O número e a influência dos
cristãos novos impediram o funcionamento da Inquisição entre nós. Houve somente visitações e
quem lê seus processos fica assombrado da persistência do judaísmo nos marranos convertidos e
que viviam dentro da religião católica com o simples fito de auferir vantagens. Aliás, esse sistema
vem do fundo dos séculos: em Roma, já havia os cripto-judeus ou judeus ocultos17 .
Citemos dois exemplos elucidativos dessa persistência: o cristão-novo Jorge Fernandes, que
veio para cá no tempo do segundo Governador-Geral, D. Duarte da Costa, e faleceu em 1567, antes
de morrer pediu que lavassem e sepultassem o cadáver segundo os ritos da sinagoga; o cristão-novo
Afonso Mendes, vindo com Mem de Sá, costumava, às escondidas, açoitar o crucifixo... Até freiras
claustradas judaizavam...18.
No Reino, as Ordenações puniam com rigor os cristãos -novos judaizantes. Num país
bárbaro em vias de colonização, as leis eram, naturalmente, interpretadas com maior benevolência e
liberalidade, permitindo o próprio meio, melhor defesa para os acusados, até mesmo a facilidade da
fuga e da ocultação. Fechavam-se os olhos sobre muita coisa19 (7). "Não admira, pois, que as
famílias hebréias tivessem emigrado para a América Portuguesa, onde, livres dos tribunais do Santo
Ofício, viviam na mais absoluta tranqüilidade, guardando a lei de Moisés20". Vieram, assim, para o
Brasil, nos primeiros tempos, os Guilhens, os Castros Boticários, os Mendes, os Rabelos, os
Antunes, os Valadares, os Bravos, os Nunes, os Sanches, os Diques, os Cardosos, os Coutinhos, os
Montearroios, os Cirnes, os Ximenes, os Peres, os Calaças, os Teixeiras, os Rodrigues, os Barros,
os Siqueiras. Anos e anos deslizaram sobre mui tos deles sem lhes abrandar a impenitência
talmudista. Continuaram, como rezam os documentos coevos, convictos, fictos, falsos, simulados,
variantes, revoltantes, impenitentes, profluentes, diminutos, confluentes, negativos e pertinazes",
merecendo as penas inquisitoriais21. Rodolfo Garcia22, acha que "O Caramuru", João Ramalho,
Francisco de Chaves, o próprio misterioso Bacharel de Cananéia aquele castelhano que vivia no
Rio Grande do Norte, entre os Potiguaras, com os beiços furados como os deles, e tantos outros
13

Solidonio Leite Filho op. cit. pag. 39.
"Livro de Centenário", I, 42 carta de Américo Vespúcio a Pedro Soderini.
15
O grifo é nosso. 0 historiador diz adivinhara, porque não se lembrou do espião Gaspar da Gama, que veio reconhecer
a terra e levou, em 1501, informações à sinagoga lisboeta. Em 1503, o pau-de-tinta já estava sendo carregado!
16
Pedro Calmon, "História da civilização Brasilei ra", ed. da Cia. Editora Nacional, S. Paulo, 1933, pág. 12.
17
Chamberlain,"Die Grundlagen desneunzehnten Iahrhunderts".
18
Rodolfo Garcia, "Os Judeus no Brasil Colonial" in "Os judeus na História do Brasil", págs. 13, 14 e 41, ed. do
vendedor de livros judeu Uri Zwerling. Este isra_e lita fez o livro como propaganda judaica, mas, muito ignorante,
coitado! aceitou o que lhe quiseram dar ea obra é um repositório de documentação anti-judaica.
19
Cf. João Ribeiro, "História do Brasil", pág. 78.
20
Solidônio Leite Filho, op. cit. pág. 46.
21
Vide "Primeira visitação do Santo Ofício às par tes do Brasil" pelo licenciado Heitor Furtado de Mendonça, ed. de
Paulo Prado, 1922, 1925, 1929.
22
Loc. cit. pág. 10.
14

7

desconhecidos - seriam, quem sabe, desse número de judeus, colonizadores espontâneos das terras
de Santa Cruz".
Com efeito, "os navios que, enviados pela coroa portuguesa, aportavam às nossas plagas
duas vezes por ano traziam somente judeus e degredados, com os quais se formou o primeiro
núcleo de população23". Isto confirma a suposição de Rodolfo Garcia, da qual só discordamos
quanto a Caramuru. A religiosidade de Paraguassu, sua mulher, como que demonstra o espírito
profundamente católico do marido, o que não se dá com os cristãos-novos. Vede como João
Ramalho, por exemplo, se obstina em não praticar o culto católico e entra em luta contra os padres
da Companhia de Jesus.
O monopólio da madeira de tinturaria, habilmente con seguido por Fernando de Noronha e
seu grupo, vivia de alimentar a desatenção do rei D. Manuel quanto ao Brasil, levando-o a só dar
tento aos negócios da Índia. Enquanto isso, por via da proibição do comércio do pau-de-tinta com o
Oriente, o consórcio judaico ia se enchendo de ouro. Cada quintal de madeira posto em Lisboa,
ficava com todas as despesas, por meio ducado. Era vendido em Flandres por dois e meio a três
ducados 24. Lucro formidável! Esse lucro atraiu, naturalmente, "a cobiça dos corsários europeus",
sobretudo diepeses e maloínos. Seus barcos percorreram a costa, arribaram as abras e enseadas,
comercializando com o gentio e carregando o Brasil. Não era mais unicamente o judeu luso que
exercia a função comercial de brasileiro. Outros a disputavam: franceses, alemães, espa nhóis,
ingleses, e, entre eles, muitos judeus dessas procedências.
Aí, os sócios de Fernando de Noronha e ele mesmo, de certo, compreenderam que era
necessário reagir contra os piratas audazes, que vinham de Honfleur, Dieppe, Saint-Ma lô, San
Lucar, Corunha e outros portos para a Terra dos Papagaios, considerada res nullius. Para comerciar
e lucrar, os judeus do grupo Noronha estavam sempre prontos; mas, para trocar tiros mortíferos de
bombarda e arcabuz de navio Onavio, no balanço das ondas, ou saltar de terçado em punho nas
abordagens furiosas a bordo do barco inimigo, eles absolutamente não tinham sido feitos. Povo
eleito para tudo, menos para a luta armada, o judeu segue o preceito do ïalmud, que diz: "Na guerra
sê o último a partir e o primeiro a voltar"... Todavia, como expelir aos piratas que prejudicavam o
futuroso negócio da tinturaria? Era preciso apelar para o rei Afortunado, que perseguia o judaísmo,
mas se deixava influenciar pelos conselheiros hebreus, entre os quais o sabido Gaspar da Gama.
Ele, sem dar por isso, ia servir para defender os ino Gentes cristãos-novos que ganhavam o mínimo
de dois ducados em cada quintal de pau-brasil. Era chegada a hora de entrar em cena o cristãovelho -a fim de derramar seu sangue, batendo-se contra os corsários que estavam prejudicando,
grandemente, os lucros opimos do kahal...
Eis porque, logo, o soberano voltou sua atenção para o Brasil. Os hebreus a desviaram,
quando assira, era preciso; agora, a solicitavam."Foi graças aos israelitas - escreve seu panegirista 25
- que Portugal começou já nos últimos tempos de D. Manuel, a perceber a importância da Terra de
Santa Cruz". 0 rei observou também "os esplêndidos resultados colhidos pelos hebreus em prejuízo
do erário (14); e decidiu a colonização do novo país. Desde mais ou menos 1516, começou a tomar
medidas nesse sentido, bem como assecuratórias do comércio do pau-brasil. Naquele ano,
Cristovam Jaques vem com dois navios policiar a costa e fundar uma feitoria em Pernambuco, a
qual floresce. Nela se faz a primeira experiência do plantio da cana-deaçúcar, riqueza que, em
breve, vai suceder à da extração da madeira de tinturaria. O ciclo da indústria extrativa vai
desaparecer e será substituído pelo da indústria açucareira, cujo empório enriquecia aos judeus e
marcava o segundo período da história colonial. Em 1530, Martim Afonso de Souza dá caça aos
corsários franceses, reaviva o vestígio do domínio de Portugal, distribui povoadores, ba te a costa
até o Prata e traça o primeiro contorno políti co da colônia26. Em cananëia, encontra servindo de li
gua ou intérprete, o judeu Francisco de Chaves; em São Vicente, no meio dos goianases, o judeu

23

Solidônio Leite Filho, op. cit. pág. 40. cf.W. Sombart "Oie Juden in des Wirtchafts'eben, pág. 34.
Peragalo, "Memória do Centenário", pags 83-84.
25
Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 40. (14) Idem.
26
Pedro Calmon, op cit págs 13-15.
24

8

João Ramalho. Aí se lançam os fundamentos de uma verdadeira colônia, a primeira que se
construiu à boa maneira portuguesa27".
A coroa dava licença a quem quisesse tentar fortuna no Brasil, com a condição de pagar-lhe
o quinto dos produtos; a Casa da Índia fornecia instrumentos de lavoura a quem desejasse ir povoar
a nova terra; favorecia-se com os meios necessários a quem fosse capaz de dar prin cípio a
engenharia de açúcar28.
No século XVI, o açúcar era raro e caro. Até o achado do caminho das índias, pelos
portugueses, o pouco açúcar que chegava à Europa vinha do Oriente, trazido e distribuído pelos
venezianos. As populações européias, na sua maioria, contentavam-se com o mel das abelhas para
suas comidas e bebidas. Só os ricos conheciam o açúcar oriental. Imagine-se a revolução
econômica produzida pela entrada à larga do açúcar nos mercados em que antes não aparecia.
Já nas ilhas de S. Tomé, Cabo Verde e da Madeira se cultivava cana; porém, na mão dos
judeus, o Brasil iria ser o verdadeiro instrumento dessa revolução, cujas últimas cenas ainda estão
se desenrolando em Cuba.
Morto D. Manuel, D. João III prossegue no intuito de povoar é colonizar o Brasil. Além de
fazer várias doações de latifúndios a fidalgos ilustres e de confirmar outras, do seu antecessor,
como a ilha de S. João ao cristão-novo Fernando de Noronha, dividiu o imenso território em doze
capitanias hereditárias. Esses feudos de cinqüenta a cem léguas de litoral foram concedidos e
escolhidos capitães cobertos de serviços, como Duarte Coelho, Martin Afonso, Pero Lopes, Aires
da Cunha, Pero de Góis e Vasco Fernandes Coutinho; a homens ricos, como Pero de Campos
Tourinho; a altos funcionários do Reino e outros, como Jorge de Figueiredo Correa, Fernando
Álvares de Andrade, Antônio de Barros Cardoso e João de Barros.
A cargo dos donatários das capitanias, deixou o governo real povoação e defesa das novas
terras e dos estabelecimentos que montassem, o que não era coisa fácil pois os piratas costumavam
destruir o que podiam. Em 1530, um galeão francês não arrasou o primeiro engenho de açúcar da
América, o do capitão Pero Capico, em Pernambuco, fundado em 151629? A fazenda real não se
podia consumir nesse serviço e por isso largava em mãos dos concessionários todo o peso da
colonização. Dois deles meteram ombros à empresa e suas capitanias progrediram: Pernambuco e
S. Vicente. Outros abandonaram as doações. Ainda outros apelaram para os judeus ou lhes
venderam suas terras.
"Não podendo recusar trabalhadores, os capitães-mores estenderam às pessoas de origem
hebraica, os favores concedidos às demais. Fundados nos privilégios excepcionais que lhes davam
doações e forais, trouxeram algumas famílias israelitas30, tendo um dos donatários contra tado com
judeus laboriosos a montagem de engenhos em Pernambuco... Quando os capitães-mores chegaram
às suas terras, aí encontraram, exercendo grande influência sobre o gentio, vários cristãos-novos,
vindo durante os trinta anos em que o governo português as deixara em quase completo abandono.
Qualquer perseguição contra eles provocaria o ódio dos índios, o que tornaria dificultosíssima,
senão impossível, toda tentativa de estabelecimento. Para a colonização das capitanias, seu auxílio
era, portan to, precioso e necessário31".
O exemplo de João Ramalho é, desse ponto de vista, o mais concludente possível. "Bastaria
para demonstrá-lo o ódio que sempre teve pelos jesuítas, mantendo contra eles uma luta incessante,
o que naquela época de fanatismo e submissão ao clero era de estranhar". O mesmo autor destas
linhas, que é judeu32, acrescenta: "Mas o que confirma incontestavelmente a origem judaica de João
Ramalho deu origem a inúmeras controvérsias. Grande número de historiadores negava-lhe todo
valor, achando que se tratava de um traço sem sentido; outros afirmavam o contrário, sem
apresentar, porém, argumentos convincentes. No princípio deste século foi publicado um trabalho
27

Idem pag. 14.
Varnhagen, "História Geral do brasil", pág. 145. Solidônio Leite Filho op. cit. pág 41.
29
Pedro Calmon, op. cit. pág. 13.
30
Varnhagen, "Antonio José da Silva" in "Revista do Instituto Histórico", vol. IX pág. 114.
31
Solidonio Leite Filho, op. cit. págs. 41-42.
32
Dr. Isaque Izeckson; "A contribuição judaica na formação da nacionalidade brasileira", in "Almanaque Israelita do
Brasil", 5695-96, 1935 pág. 5.
28

9

em que o Kaf de João Ramalho era apresentado como um signo esotérico, cabalístico, o que, apesar
de não se prender bem ao caso, viria indicar que João Ramalho era um estudioso da Cabala, como a
maioria dos judeus daquela época (!). Hoje, porém, com os recentes estudos do Sr. Ben Israel,
diretor deste almanaque 33, podemos afirmar que a questão se acha ple namente esclarecida e pela
afirmativa. Trata-se de um Kaf, um verdadeiro Kaf sem sentido cabalístico e esse Kaf demonstra
que João Ramalho era judeu, do mais puro sangue.
O Sr. Ben Israel demonstra que todo judeu pertencente a estirpe dos "cohannin", plural de
"cohen" (descendentes de Aarão, sacerdotes hereditários do povo judeu), acrescentam; ainda hoje, à
sua assinatura duas letras hebraicas, um Kaf e um Tzedek, iniciais das duas palavras:
"cohen tzedek", isto é, cohen puro. Destas duas letras formou-se até um nome: Katz, que é hoje o
sobrenome de muitas famílias israelitas. O cohen que por qualquer modo infringe a religião não
pode ser considerado puro e não tem direito a usar o Tzedek. Deve, portanto, limitar-se a assinar
com o kaf, simplesmente. Ora, João Ramalho, que tinha casado com uma gentia, a filha de Tibiriçá,
infringira as regras da proibição (que racismo!) e tinha deixado de ser um cohen puro,"cohen
tzedek", tornando-se, um "cohen" simples, que só tinha direito a assinar com o Kaf. O sr. Israel
demonstra, pois, cabalmente, que João Ramalho era um judeu, tão consciente de seu judaísmo que,
apesar de isolado num mundo distante, não deixa de cumprir, na medida do possível, os preceitos
de sua religião Com isso fica afirmado que o movimento inicial para a formação da grande
metrópole, que é a São Paulo de hoje, foi um movimento promovido por um judeu. Ele não foi,
porém, o único. Tangidos pela inquisição, que então era rigorosa em Portugal, inúmeras famílias
judaicas ou cristãs-novas, como então se chamavam, vieram estabelecer-se na Paulicéia. São de
origem judaica os Pintos, Costas, Silvas, Pereiras, Castros, Salgados, Buenos, Mesquitas, etc.".
A citação é um tanto longa, mas preciosa, não pelo estilo, que é horrível, sim pelo
documento que representa. Vemos por ela a infiltração judaica no Sul, através de S. Vicente,
subindo ao planalto piratiningano, do mesmo modo que a vimos no Norte, em Pernambuco. As
duas capitanias que prosperavam, chamavam logo a judiaria. Mostra ainda essa página judaica seu
racismo até em relação ao gentio, a persistência dos ritos e dos estudos cabalísticos, o ódio ao
missionário jesuíta catequizador do indígena, que o judeu queria tão somente escravizar para
explorar-lhe o trabalho.
A América meridional era um ótimo refúgio para os judeus convictos e para os disfarçados.
Vinham aos milhares Lendo a obra de Argeu Guimarães, verifica-se o perigo social que
representavam; infiltrados no próprio cerne do catolicismo. No ano de 1581, a Inquisição queimou
em Lima dois padres portugueses idos do brasil, porque os mesmos praticavam o judaísmo: frei
Alvaro Rodrigues e frei Antonio Osório da Fonseca. Nos primeiros séculos da nossa história, houve
um grande comércio de ouro e prata, por terra, com o Peru. Os homens que se ocupavam dessa
espécie de contrabando de metais preciosos, na maioria judeus eram até denominados peruleiros34.
Muitos peruleiros judeus ou judaizantes foram pilhados pela rigorosa inquisição espanhola, em
Lima, e levados à fogueira. Entre outros, Baltazar Rodrigues de Lucena e Duarte Nunes, em 1600;
Gregório Dias, Diogo Lopes de Vargas e Duarte Henriques, em 1605; Diogo de Andrade, João
Noronha e Manuel de Almeida, em 1625; Manuel Batista Pires em 1639.
Não se vá pensar que o judeu entrou com entusiasmo na indústria do açúcar que nascia. Do
mesmo modo que veio na sombra dos descobridores, examinar a terra e ver o que nela havia de
mais facilmente aproveitável - o pau-brasil esperou que o negócio do açúcar fosse desbravado por
outros até chegar a um bom ponto. Eis como se explica a falência dos primeiros edificadores de
engenhos. Perdido o capital inicial, o judeu adquiriu os engenhos abandonados e, como neles não
invertera as somas que os cristãos haviam perdido, seus lucros teriam de ser muito grandes. Assim,
agiria, mais tarde, com o ouro: o bandeirante audaz descobriria, após mil tormentos, as lavras; eles
se apoderariam delas, depois, pela traição. Toda a história do Brasil é assim: uma aparência - o
33

"Almanaque Israelita do Brasil": O trabalho sobre o Kaf de João Ramalho a que o autor se refere com essa fingida
displicência é o erudito volume de Horácio de Carvalho "0 Kaf de João Ramaïho" tip. do "Diário Oficial", S. Paulo,
1903, com prefácio de Teodoro Sampaio . É uma obra admirável que revela os segredos da cabala judaica.
34
A obra de Argeu Guimarães intitula-se: "Os cristãos-novos portugueses na América Espanhola". Sobre os peruleiros
e o tráfico da prata, vide "Diálogos da Grandeza ", ed. da Academia Brasileira, pág. 37 e 144;

10

idealismo construtor do português, do mameluco e do brasileiro, dos cristãos; uma realidade - o
utilitarismo oculto do judeu, explorando as obras do idealismo alheio. Os agricultores e os
guerreiros, diz o imparcial João Lúcio de Azevedo, são os elementos produtores e construtores das
pátrias. O judeu não é nem agricultor nem guerreiro.
Vejam o quadro dos desbravadores, dos bandeirantes do açúcar, pintado por Pedro
Calmon35: " ..fracassaram todas as empresas de grandes cabedais, - início do desenvol vimento
mundial do comércio - que se aplicaram a explorá-los: ou porque os portugueses só sabiam
trabalhar para si não para capitalistas, que, à moda da Holanda, esperavam em Lisboa o seu
provento, ou porque não se antecipara aos trabalhos um reconhecimento da terra e sua efetiva
ocupação. Assim, em Ilhéus, Lucas Giraldes, que comprou a capitania ao seu donatário, fez edificar
oito engenhos, e tan to foi roubado pelo feitor (que depois se estabeleceu no Recôncavo com
engenho próprio) como pelos Aimorés, que tudo perdeu ... Em Porto Seguro, o duque de Aveiro,
que adquiriu a capitania ao seu dono, igualmente mandou construir vários engenhos que pereceram.
Vasco Fernandes Coutinho donatário do Espírito Santo e homem opulento, inverteu a riqueza
qrangeada na India em engenhos poderosos, e de tal forma lhes atacou o gentio, que morreu sem
lençol para mortalha. Desgraça maior ocorreu ao capitão da Bahia, que gastou numa boa frota sua
fortuna, começou dois engenhos, teve-os demolidos pelos Tupinambás e acabou trucidado por
eles".
A indústria do açúcar, porém, progrediu admiravelmente em duas capitanias: Pernambuco e
S. Vicente. Os engenhos eram movidos por água ou por bois. A lavoura da cana era feita,
primeiramente, pelos índios escravizados, depois
pela escravaria africana. Maquinário simples, de fácil montagem, de mais fácil reparo e de custo
relativamente baixo. Mão-de-obra abundante e barata. O açúcar começou a criar para o judaísmo
negócio novo e lucrativo: o tráfico dos negros.
O açúcar era negociado com os mercados das Flandres desde 1532, quando Martim Afonso
de Souza se associara ao holandês Erasmo Schetz, cujo engenho sessenta anos mais tarde valeria
quatorze mil ducados36. D. João III via com bons olhos essa nova fonte de riqueza ultramarina e
mandava passar ao Brasil vários lavradores de cana das ilhas da Madeira e Cabo Verde37.
O fidalgo-agricultor, o gentilhomme-compagnard, o hobereau, riqueza social de todos os
países, ligado profundamente à terra pela tradição, pela alma e pelo interesse é encontrado sempre,
no Brasil colonial, encabeçando todas as iniciativas com sua coragem e seu idealismo. A sua
sombra caminha agachado o judeu, negaceando, buscando o proveito de suas conquistas com o
maior e menor risco possíveis. Duarte Coelho é quem manda, em 1549, buscar homens práticos,
isto é, técnicos, no Reino, nas canárias e na Galiza à sua custa, para montar os engenhos38. São
homens de prol os que iniciam o plantio de cana na Bahia,vencendo todas as dificuldades 39. É o
nome usual de senhor de engenho, transmitido até nossos dias, tem um sabor de titulo
nobiliárquico.
35

Pedro Taques, "Nobiliarquia Paulistana", ed. de Escragnolle Taunay, I, 245; Pedro Calmon, "História da Civilização
Brasileira", cap. o caminho do perú, págs. 76 e 77. De acordo com a documentação reunida por Alcibíades Furtado em
"Os Schetz da Capitania de S. Vicente", Rio de janeiro, 1914 creio que há um certo feitor judaico nessa dinastia de
homens de negócios. Tinham casa bancária em Antuérpia sob a firma Erasmus ende Sonen, Erasmo & Filhos, Erasmo
comprou as partes da capitania de 5, Vicente de Martin Afonso e do piloto Francisco Lobo. Os Schetz estavam ligados
ao banqueiro João Venistre ou Wenix de Lisboa. Um filho de Erasmo, Gaspar Schetz foi tesoureiro de Felipe II nos
Paises Baixos. O Rei o enobrecera com títulos e senhorios, o que os reis costumavam fazer com seus ecônomos judeus.
Os filhos de Gaspar manejavam cabedais em Bruxelas.
36

"Publicações do Arquivo NacionaV, vol. xiv, 200; Ferrind Donnet. "Notes à Llhistoire des emigrations des
anversois".
37
Pedro Calmon, "História da Civilização Brasileira", pág. 18.
38
Capistrano de Abreu, nota a Porto Seguro, i, 230-1.
39
Pedro Calmon, op. cit. 19. Valia a pena vencê-las. Os lucros eram convidativos. Em 1699, um quilo de açúcar valia 2
mil réis no porto da Bahia, "preço fabuloso para época". Cf. Escragnolle Taunay, "Na Bahia Colonial", separata da
"Revista do Instituto Histórico Brasileiro", Imprensa Nacional, Rio de janeiro, 1925, pags. 303.

11

Diz o "Diálogo das grandezas" que o soberano o dava em cartas e provisões40. Assim se
formou a nossa primeira aristocracia rural. A esse novo feudalismo não faltou até uma das mais
comuns e interessantes instituições de caráter socialista da Idade Média: a banalidade. Havia os
"engenhos reais", idênticos ao lagar do príncipe" em Portugal ou ao "moulin banal" da França,
destinados a moer a cana da gente pobre, que plantava sem ter engenho41.
O açúcar espalhava-se por toda a Europa que o consumia com avidez, tantos e tantos
séculos fora privada de coisa tão deliciosa, dependendo a sua pastelaria do mel das abelhas! Que
estupendo país esta Terra dos Papagaios, ou do Brasil, surgida do seio do Mar Tenebroso! Dali
vinha a madeira corante que tingia os panos flandrenses. Dali vinha mais o doce, coisa rara, cujo
preço dobrava, triplicava nos mercados flandrinos, onde pontificavam, depois dos judeus do paubrasil, os judeus do açúcar brasileiro. Os Paises-Baixos, como Nova York hoje, eram a Judéia da
época. Pinta o quadro um historiador que ninguém poderá taxar de anti-semita, mas que conhece a
documentação em que alicerça suas afirmativas: Os judeus que vendiam açúcar enriqueciam a
termos de estender-se a cultura pelos Açores e Canárias, febrilmente fomentada, a ocupar grandes
organizações financeiras que teciam, entre as várias praças européias, a rede de crédito 42. Duarte
Coelho contou em Pernambuco com o auxilio daqueles capitalistas comissários43; Subrogavam-se
nas responsabilidades do governo para intensificar, criar uma economia, que lhes devolveu em altos
juros os cruzados do empréstimo44. Não houve melhor negócio na época e aos impulsos dessas
cobiças resolveu João III dar ao Brasil um governo regular. Em 1549, depois de ter comprado aos
herdeiros de Francisco Pereira Coutinho a capitania da Bahia, mandou Tomé de Souza fundar a
capital da colônia.45
Desta sorte, a primeira cidade e o primeiro governo resultam do comércio açucareiro, que os
judeus internacionais manobram das Flandres por meio de uma rede de crédito.
A emigração israelita, que fugia à Inquisição peninsular, bifurcava-se para as Indias e para o
Brasil. Estabelecido o Santo Oficio em Goa, a corrente veio toda para nós. A esse sangue judaico,
que inúmeras vezes se misturou ao sangue cristão, deve quiçá a maioria dos brasileiros os defeitos
que lhes são apontados: falta de fixidez no caráter, inclinação a não levar nada a sério, capacida de
de deformar todas as idéias, indisciplina inata e pri-zer do despistamento. Muitos judeus
permaneceram puros até nossos dias, fingindo-se mesmo de cristãos, mas conservando às ocultas a
fé talmúdica, praticando os ritos, judaizando, como diriam os inquisitores 46. Outros se fundiram na
consciência e na raça, exemplo raro, talvez único no mundo inteiro. O Brasil absorveu-os
completamente. Tantos milhares de hebreus se encaminharam para nossa terra que, em 1532, D.
João III proibiu a saída dos cristãos novos do Reino com mudança de casa e venda de propriedades,
sob graves penas. Eles porém, continuaram a fugir para cá, forçando o governo real a novos alvarás
de mais rigorosa proibição, em 1567. Dez anos mais tarde, premido pelas necessidades de dinheiro
para a infeliz jornada de Africa, D. Sebastião revogou as proibições por duzentos e vinte cinco mil
cruzados que lhe pagou o Kahal de Lisboa, o que motivou uma representação da Inquisição ao
poder real, em 1578. O cardeal D. Henrique revalidou os atos de D. João III47.
A enxurrada judaica encheu o Brasil que amanhecia, atirando-se aos negócios de mascate,
de açúcar e de escravos. Dia a dia, o número de israelitas crescia nos primitivos núcleos da
40

Edição da Academia Brasileira, pág. 33.
Frei Gaspar da Madre de Deus, "Memória para a História da Capitania de S. Vicente", ed.-Taunay, pág171
42
Data de longe o internacionalismo do capital judaico ...
43
É bem claro, manifesto, o papel do judeu como intermediário. os grifos em toda citação são nossos.
44
Velha e conhecidíssima técnica. A história precisa ser lida às vezes, nas entrelinhas. Quanto segredo
escondido! "Fundemo-nos todos em haver dinheiro, porque, quer seja nosso, quer seja alheio, é Deus verdadeiro".
Gil vicente "Obras", ed. Mendes dos Remédios, tomo I pág. 182.
45
Pedro Calmon, op. cit. pág. 19.
46
As visitações do Santo Ofício citadas e o livro de Mário Sáa. "A invasão dos judeus", demostram a permanência do
judaísmo e do judeu dentro das populações de Portugal e do Brasil. Em 1714, o viajante Frezler observa que a devoção
religiosa na Bahia servia "para capear o judaísmo," pois estava a Bahia repleta de judeus. "Havia bem pouco, depois de
longos anos"de falsa devoção exterior, fugira subitamente para a Holanda um vigário carregando as alfaias de sua
igreja e, uma vez ali, chegado, mostrara o que era, correndo à sinagoga". Taunay. "Na Bahia Colonial", pág. 345.
47
Solidonio Leite Filho, op. cit. pags. 47-48.
41

12

população. Suas sinagogas, que o povo denominava esnogas, multiplicavam-se. Havia-as em casas
particulares, como a de Matuim, na Bahia, na residência do cristão-novo muito conhecido Heitor
Antunes. Havia-as nos próprios engenhos, como a do cristão-novo Bento Dias de Santiago, em
Camaragibe, onde, nas luas novas de agosto, em carros enramados, os judeus da terra iam celebrar
o YOM KIPPUR e outras cerimônias do rito judaico"48. As qrandezas do Brasil servem aos
diálogos judaicos. O Brandônio dos "Diálogos das Grandezas do Brasil" era o judeu Ambrósio
Fernandes Brandão, ex-feitor do engenho sinagogal de Bento Dias de Santiago, onde também fora
empregado o cristão-novo Nuno Alvares, "por ventura o interlocutor Alviano dos referidos
diálogos"49, como feitor dos dízimos reais que o seu patrão arrematava, consoante o velho hábito
dos publicanos hebreus.
Essa judiaria do primeiro século do ciclo de negócio do açúcar, adorava trancãilamente,
apesar de batizada, o Deus de Israel50. Eram todos como aquele Diogo Fernandes, natural de Viana,
a quem se referem os documentos, o qual, na agonia, quando lhe diziam que chamasse por Jesus
Oirava sempre o focinho e nunca o quis nomear51.
Depois de caído Portugal sob o dominio Espanhol, o número de familias judaicas no Brasil
não cessou de aumentar52. No reinado de Filipe III, o alvará de 4 de abril de 1601, conseguido pelo
Kahal a peso de ouro, e a bula papal de 23 de agosto de 1604, que custou à judiaria um milhão e
seiscentos mil cruzados, permitiram aos cristãos-novos deixar as terras peninsulares e sair dos
cárceres inquisitoriais. Mal se apanharam soltos, foram vendendo o que tinham e fugindo. Assim,
quando veio a cobrança do que haviam prometido dar pelo alvará e pela bula, o rei não conseguiu
receber nem a metade. Indignado, o soberano revogou a licença de salda e estabeleceu a
obrigatorieda os dos engenhos brasileiros. Da Holanda se mandavam por ano, para o Brasil, 3 a 4
mil Biblias em hebraico, como já vimos que eram mandadas para a India, o que documentam as
denunciações do Santo Oficio.
Para o Brasil e para a Europa, o século XVI fora o do pau-de-tinta, das anilinas, por assim
dizer; o séculoXVII
foi o do açúcar. Nas primeiras décadas do centenário, o desenvolvimento da indústria açucareira se
tornou impetuoso53. Em 1610, segundo um viajante observador, era o único meio de vida 54. Os
preços subiam ao ponto de criar nos senhores de engenho esse delirio de gastos, grandezas e luxo,
que vimos contemporaneamente nos donos de seringais da Amazônia e nos fazendeiros de café ...
É o que dizem os cronistas: Cardim, Soares, Barlaeus, Frei Vicente. Segundo os estudos de
J. Lúcio de Azevedo55 , em 1610, a produção de açúcar foi de 735 mil arrobas, no valor de 1500
contos, soma respeitável para a época.
O trabalho braçal do escravo, a fortuna dos fidalgos e sua iniciativa, bem como as de outros
portugueses cristãos, criaram no Brasil o Empário do Açúcar56. Nas trevas, unidos os de Portugal,
os da colonia nascente e os da Holanda pelos seus Kahals, os judeus exploram essa riqueza como
intermediários, armadores, especuladores, fornecedores de capitais, onzeneiros cruéis57. Mas isso
ainda não é bastante para eles:precisam apoderar-se do empório, dominá-lo completamente, fazer
pesar sua mão-de-ferro sobre os ricos e senhores de engenho, orgulhosos de sua linhagem e de sua
crença, e tirar vingança dos soberanos peninsulares, arrancando precioso florão de sua coroa. Os
48

Rodolfo Garcia, loc. cit. pág. 49
Idem pág. 20.
50
Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 48.
51
Rodolfo Garcia, loc. cit. pág. 18
52
Solidonio leite Filho, op. cit. pág. 49. Os portugueses da Bahia eram geralmente de raça judia, observou o viajante
Froger, no fim do século XVII. Cf. Taunay, "Na Bahia Colonial, pág. 291. Por isso, antes dele, diz outro viajante,
Pyrard de Laval, eram na maioria, criminosos ou falidos. Como a indústria judaica de falência é antiga! Cf. op. cit.
págs. 251.
53
Pedro Calmon, op. cit. pág. 79.
54
Pyrard de Laval, "Voyages", Paris, 1615, pág580.
55
"Épocas de portugal Economica, pág. 271
56
Vide as acusações do judeu João Nunes: Largo de consciencia", me matéria de usura, in Rodolfo Garcia, loc. cit pág.
17.
57
Pedro Calmon, op. cit. pág. 52.
49

13

Estados Gerais da Holanda, regorgitando de ouro judaico58, podiam iniciar a desagregação do
império colonial luso-espanhol, conquistando o Brasil, terra do açúcar, e Angola, terra do escravo
que plantava a cana, aquém e além Atlântico. Que têm sido sempre o judeu senão o fermento
desagregador dos impérios e das civilizações? Ele faltaria ao chamamento do seu destino, se não
tentasse abocanhar o empório do açúcar, com expedições pagas e companhias organizadas com o
dinheiro ganho com o próprio açúcar...

58

"A influência dos negociantes israelitas estendia-se ao engenho produtor, à firma embarcadora, ao
intermediário de Lisboa a quem era consignada a mercadoria, às praças consumidoras do centro e do sul da Europa.
Quando a Espanha se colocou de permeio entre os engenhos do Brasil e os compradores flamengos, estes imaginaram a
organização de uma companhia-mercantil de conquista e empreendem a guerra de 1624-1654". Pedro Calmon,
"Espirito da Sociedade Colonial Companhia Editora Nacional São Paulo, 1935, pág. 36. Cf. Frei Vicente do Salvador,
História do Brasil, 3ª ed. pág. 404.

14

CAPITULO III
O tráfico de carne humana
DEPOIS de haver sido a terra do pau-de-tinta, o Brasil era o açúcar e o açúcar era o negro,
afirma documentado historiador de nossos dias59. Está de acordo com o velho cronista Antonil que
assegura serem os escravos pés e mãos dos senhores de engenho60. É a mesma opinião que se
encontra no Breve discurso sobre o estado daí quatro capitanias conquistadas": sem escravos,os
engenhos não podiam moer. Monocultura latifundiária, a da cana de açúcar, exigia enorme massa
de escravos61. Florescia, pois, o comércio de carne humana à medida que prosperava a Indústria
açucareira. O suor do negro cimentava a riqueza do segundo ciclo da colonização. Ligados, o
comércio de escravos e a produção do açúcar, acabariam caracterizando toda a economia
ultramarina62.
A escravização do indio, tupi ou gé, realizada a principio brutalmente; depois, legalizada
pelas famosas cartas-régias, pelos alvarás e provisões das guerras de corso e pelas condenações ao
cativeiro63, não satisfez as exigências de mão-de-obra para o plantio e moagem da cana.
O indio furtava-se pela fuga, pela resistência, pela selvatiqueza e pela própria morte ao
trabalho braçal, ao papel forçado de coolie a que o colonizador o queria submeter. Era inadaptável e
indomável. Morria aos montões, de clara o padre Antônio Vieira. E sua captura custava maior
desperdicio de gente e de esforços do que a obtenção do transporte dos negros da Africa64.
Demais, o catequizador, alçando a cruz, defendia o indigena e o aldeava. Por isso,
segundo Gilberto Freyre, os jesuitas eram "inimigos terriveis dos senhores de engenho65". A luta
entre padres e escravizadores foi longa e áspera. Começou em Piratininga com o judeu cohen João
Ramalho e terminou, infelizmente, com a vitória dos escravizadores. Foi mais acesa em São Paulo,
porque ali o sitio merecia melhor acolhida à imigração judia66. No Norte, os senhores de engenho
viviam endividados67, presos à usura judaica. O judaismo os manobrava e forçava a lançar mão do
operário africano, que os negreiros, também enfeudados a Israel, iam buscar do outro lado do
oceano Atlântico.
Assim, desde os albores do ciclo do açúcar, começou o emprego da mão-de-obra negra. O
horror à atividade manual e a instituição do trabalho escravo, ambos caracterizadores das
colonizações peninsulares, tiveram como primeiros impulsionadores os judeus de Portugal68.
A metrópole estava sob o dominio judaico, que se exercia através de uma rede de créditos,
do giro de fundos, das alianças de sangue, do exercicio dos cargos técnicos, da usura, da agiotagem,
da corrupção, da própria influência dos médicos, na quase totalidade hebreus, no seio das familias,
influência que contrastava até a dos capelões, curas e confessores69. Ali, desde o recuado tempo das
monarquias visigóticas, os judeus haviam se especializado no comércio de escravos70. O que estava
de pleno acordo com o código judaico CHOSCHEN HAMISCHPOT, em 227,26:

59

Gilberto Freyre, Vasa Grande e Senzala", 22 ed Schimidt, Rio, 1936, pág. 196.
André João Antonil. Vultura da Opulência do Brasil por sua drogas e mina V, ed. Taunay, S. Paulo - Rio, 1923.
61
Gilberto Freyre, op. cit. prefácio, pág. XII.
62
Pedro Calmon, "História da Civilização Brasileiro, pág. 29.
63
Gustavo Barroso, Méias e Palavras", Rio, 1917, cap. Cartas Régias Alvarás e Provisnes, D. Domingos do Loreto
Couto, Mesagravos do Brasil e Glórias de Pernambuco, ed. da Biblioteca Nacional, Rio, 1904 pág. 69.
64
João Lúcio de Azevedo, "Os jesuítas no Grão-Pará
65
Op. cit. prefácio, pág. XVIII, e pág. 135. No seu livro "O templo Maçônico, o maçon Dario Veloso tem a desfaçatez
de dizer que eram os jesuítas que escravizavam os índios ...
66
Paulo Prado, "Paulística".
67
Gilberto Freyre, op. cit. pág. 39.
68
Idem, idem pág. 165.
69
Varnhagen, "História Geral do Brasil".
70
Chamberlain, "Die Grundlagen des neuenzehnten Iahrhunderts".
60

15

"É permitido explorar um não-judeu, porque está escrito que não é permitido
explorar seu irmão71. Como negar ainda a intromissão judaica no tráfico de carne humana, quando
um judeu de nota declara textualmente que:
Não há exagero em afirmar que não há quase fato histórico de importância nos quatrocentos
anos de vida nacional, no qual não tenham influido ou colaborado, ás vezes proeminentemente,
elementos de raça hebraica72. Ora, que fato de maior importância histórica para nós do que a
escravidão? O comércio de escravos é tão fundamentalmente semita que sempre foi denominado
tráfico fenicio".
Visando os lucros fáceis do comércio de escravaria, por si e pelos seus prepostos, a judiaria
de Espanha e Portugal se entregou ao tráfico. Toda a Europa, depois seguiu o horrivel exemplo 73. O
açúcar exigia braços negros para enriquecer o judaismo sem entranhas, que manobrava a sua
produção e seu comércio, tanto nas praças da metrópole lusitana como nas bolsas das cidades
flamengas.
Os judeus portugueses, na quase totalidade, possuiam cabedais nas companhias mercantis
dos Paises-Baixos74. Uma simbiose de interesses e finalidades unia as sinagogas de Lisboa e do
Porto às de Roterdam, Amsterdam, e Antuérpia. As Flandres protestantes e revés à casa de Austria
eram o refúgio natural do ouro judaico e das pessoas judaícas, as quais tinham suspenso sobre a
cabeça, cqntínuamente, na Peninsula, o gládio vingador do Santo Oficio. Há uma correspondência
constante entre o judaismo que age no Mar do Norte e o judaismo que age no estuário do Tejo.
Dentro da história dos tempos coloniais, é impossivel tratar de um sem ter o outro em conta.
Ambos se articulam no sentido vingativo de destruir a riqueza, de abater o prestigio e de minar a
força dos reis católicos. Um dia, quando as circunstâncias se mostrarem favoráveis, com as armas
dos mercenários holandeses, os judeus se lançarão sobre a presa cobiçada. Amsterdam, declara o
escritor judeu E. Eberlin, era uma Nova Jerusalém, onde se haviam acolhido os israelitas expulsos
da Espanha em 1492, de Portugal em 1497 e 1498, de Nápoles em 1519, de Gênova e Veneza em
155075. A sua sinagoga chamava-se Casa de Jacob e foi célebre.
O negócio de escravos se torna o mais lucrativo e amplo da terra" 76. Régulos e sobas de
Dahomey, de Angola, da Serra Leoa, do Congo e da Guiné vendiam os prisioneiros capturados em
suas razzias bestiais ou os próprios compatriotas condenados, por certos crimes, à escravidão.
Vendiam-nos por búzios que serviam de moeda, por fumo em corda, por um galão de aguardente.
Três rolos de fumo bastavam para pagar um negro forçudo. Com essa massa negra se atulhavam os
infectos porões dos horrendos navios negreiros. E cada escravo custava no Brasil, nos primeiros
tempos, 150 a 200 mil réis. Na segunda metade o século XVI, começou o infame negócio, que
durou três séculos. Trouxeram negros da Guiné, do Congo, de Angola, doSenegal, do Sudão, da
Hotentócia e de Moçambique. O grande entreposto era a baía de Cabinda 77. De 1575 a 1591,
somente de Angola vieram 52.053, favorecidos por uma redução de direitos78. Barbinnais calcula as
entradas de escravos em 15 mil anualmente79.

71

Werner Sombart, "Le Bourgeois", pág. 323.
Dr. Isaque Izecksom. "A contribuição judaica na formação da nacionalidade brasileira" in "Almanaque Israelita do
Brasil, ed. Samuel Weiner, Rio 1935.
73
A. Cochin, Mabolition de llesclavege", Paris, 1851, vol. II pág 281
74
João Lúcio de Azevedo, "História dos cristãos novos portugueses, pág 183 e 186.
75
E. Eberlin. Nes juifs dlaujourdhui", ed. Rieder, Paris, 1932, pág. 36.
76
Pedro Calmon, op. cit. pág. 26. Os judeus não podiam deixar de lado negócio tão amplo e lucrativo. E não o
deixaram. Leiam-se estes trechos de um Memorial de 1602 citado de Mário Sáa, "A invasão dos judeus", pág. 75:
"Haverão os da maçam (os judeus) mais o contrato dos negros da Guiné ... feitores cristãos-novos que têm arrendado o
comércio da provincia da Guiné, Santo Domingo, Rio Grande; e estão por senhores destas partes, aonde contratam com
os negros, e haverá nestes dois
pontos e terra, de gente perto de mil vizinhos que resgatam negros para mandarem
às Antilhas ...
77
Visconde de.paiva Manso. "História do CongU, Lisboa, 1877, pág.04.
78
Idem, págs. 84 e 140.
79
"Nouveau voyage autor du monde", Paris, 1728, págs. 111 e 181.
72

16

Segundo o alvará de D. João III, de 29 de março de 1549, cada senhor de engenho
"montado e em estado de funcionar" podia receber 120 negros da Guiné e São Tomé 80. Para mostrar
a quantidade de negros introduzida no Brasil, basta dizer que a população total do pais em1798, era
computada em 3.250.000 habitantes, sendo escravos 1.361.000; em 1818, em 3.817.000, sendo
escravos 1.728.000!
O comércio judaico de carne africana corre parelho com o comércio judaico do açúcar. Pero
de Magalhães Gandavo calcula, no seu tempo, a produção açucareira anual de 6 a 10 mil arrobas81.
No século XVII, o mascavo valia
20 shillings a arroba82. Um negocio da China, obtido pelo braço negro com a direção e iniciativa do
reinol ou do ilhéu agricola, que encheu de ouro a judiaria luso-flamenga!
Desde que o judeuzinho de Goa, o inconstante e ladino Gaspar da Gama, desceu no
primeiro bote da armada de Cabral em Porto Seguro e foi, talvez, o primeiro a desembarcar 83
reconhecendo a nossa terra antes de todos - E com certeza, verificando a existência do lenho que os
naturais chamavam ibirapitanga, o pau-vermelho, já encontrado pelos castelanos nas suas
conquistas84; desde o alvorecer do Brasil, o judaismo o explorava. Primeiramente, tomou conta da
indústria extrativa do pau-de-tinta; depois dominou a do acúcar e o negócio de escravos, do qual ela
dependia. Com este, além de se engorgitar de ouro, ainda conseguiu a formação de uma sociedade
fácil de ser dominada através da depravação social que fatalmente decorre da passividade da
escravidão. Quantos proveitos num saco?
Na sua ânsia de tirar desforra dos reinos católicos da Península, onde eram, de certa maneira
vigiados e, uma vez por outra, perseguidos, os judeus procuraram firmarse bem nos países
protestantes do Norte e, com suas armadas e soldados, desferir golpes mortais no poderio colonial
peninsular. As rivalidades entre Inglaterra e Castela, Holanda e Portugal, foram criadas,
desenvolvidas e exploradas pelo judaísmo. Enquistados, primeiramente, nos Paises-Baixos,
procuraram, depois, penetrar na Inglaterra, de onde outrora haviam sido expulsos por exigência dos
po vos cansados de suas traficâncias. Haviam participado dá revolução de Cromwell por portas
travessas, como sempre, tirando a sardinha com a mão do gato. Aliás, na opinião de grande
publicista judeu, foi o espírito judaico que triunfou com o protestantismo85. As colônias judaicas, de
Hamburgo e da Holanda, compostas de "marranos escapos à Inquisição espanhola", como escreve
Bernard Lazare, acharam meios de se entenderem com o governo do Protetor, a fim de poderem os
judeus voltarem à Inglaterra, de onde, há séculos, tinham sido banidos86.
Encontraram facilidades no caminho. Em primeiro lugar, existiam "incontestáveis
afinidades" entre o espírito mercantil do judeu e o espírito positivo do inglês,"cujo caráter, diz
Emerson, pode ser reduzido a um dualismo irredutível, que fez desse povo o mais sonhador e o
mais prático do mundo, o que igualmente se pode dizer dos judeus87". Depois, que é o puritanismo,
no apogeu do poder de Cromwell? Sombart diz que é o mesmo que o judaísmo88. Macaulay
considera os puritanos judaizantes fanáticos que se encerravam nas doutrinas e práticas do Antigo
Testamento, única fonte, para eles, da vida religiosa, civil e política 89. Taine sente neles o
farizaísmo estreito90, embora lhes reconheça a grave e rude energia semi-bárbara dos nórdicos.
Aliado ao judaismo, o puritanismo setentrional, na opinião de Vermeil, construirá o mundo
80

Perdigão Malheiros. "A escravidão no BrasiV, tomo III, págs. 6-7.
"História da Província de Santa Cruz", Rio, 1924.
82
William Dampier,
"Voyage aux Terres Australes, a la Nouvelle Hollande, etc., en 1699", Amsterdam,
1705.
83
Dr. Izaque Izeckson, loc. cit. pag. 4.
84
Varnhagen, "História Geral do Brasil", vol. I, pág. 21. Os orientais chamavam ao Brasil sapang segundo diz Marco
Polo, V. na ed. Yule.
85
Bernard Lazare, "L'Antisémitisme", ed. Crés, Paris, 1934, tomo I, pág. 225.
86
Idem, idem pág. 240.
87
) Idem, idem, idem.
88
"Le BourgeoM, cap. XI e VO, pág. 292-295.
89
Lord Macaulay, Mstoire D'Angleterre depuis l'avénement de Jacques II", trad. Montégut, cap. I.
90
"Histoire de la littérature anglaise", tomo 14 pág. 7.
81

17

moderno. No seu pensamento dogmático, os bens materiais são um dom de Deus e é a própria
reliqião que inspira e encoraja o espírito empreendedor aventureiro91. E, afinal, Cromwell ia se
tornar o protetor dos judeus e do judaísmo na Inglaterra.
"Nenhum homem no mundo, entre os não-judeus, estava mais imbuído de judaismo do que
Cromwell; nenhum terá, tal vez, contribuído mais para a judaização da civilização mo derna no
mundo inteiro. Cromwell é o profeta no sentido hebraico da palavra, o profeta que não hesita em se
pôr à testa dos descontentes e a dirigir a revolução, buscando suas inspirações e justificações na
bíblia, profundamente convencido de ser o eleito de Deus, o instrumento da Divina Providência92".
O maior instrumento de aproximação entre os judeus holandeses e hamburgueses, quase todos de
origem lusa, e Cromwell foi o célebre Manassé-ben-Israel, que se serviu dos bons ofícios do cristão
Edward Nicolas. Os sentimentos nacionais eram vivamente contrários à entrada dos judeus no país,
apesar do puritanismo das hostes do Protetor e das inclinações pessoais deste. O parlamento opôsse. Depois de dissolvido, Manassé voltou a insistir. Enfim, os judeus "fixados à margem do rio
Tâmisa, tinham amigos, parentes e espiões em todas as comunidades (Kahals) do continente.
Demais, havia-os nas colônias e por toda parte.
Por meio dessas mil inteligências, toda a diáspora estava a serviço de Cromwell. E,
sobretudo, dispunha do poder do ouro93".
Outro judeu que muito serviu nas negociações para a entrada dos israelitas na Inglaterra foi
aquele circuncidado natural da terra portuguesa de nome Manuel Martins Dormido, que emigrara
para as Flandres e lá passara a chamar-se Avid Abravanel. Ele "fez penetrar no convencimento de
Cromwell as vantagens em aceitar os judeus naquele pais, dando-lhes todas as liberdades de culto...
O judeu errante achou acolhimento na Grã-Bretanha. E é hoje a Sinagoga de Londres que exerce
hegemonia em todo o mundo sobre o povo de Israel94". Seu descendente, Salomão Dormido, foi o
primeiro corretor da Bolsa de Londres.
O ouro judaico, obtido em maior parte nos comércios, e indústrias resultantes dos
descobrimentos e conquistas dos peninsulares, mudava de pouso ao sabor dos intereses da gente
sem pátria, criando e desfazendo hegemonias. O século XVII é o grande século do comércio
negreiro. Os judeus vão exercê-lo manobrando habilmente por trás do governo inglês conquistado
desde Cromwell, de cujas boas graças dispusera à vontade o riquíssimo Antônio Fernandes
Carvalhal, o Rotschild da época. Em 1560, escreve Gina Lombroso, de raça judaica, baseando-se
em fontes inglesas, a Inglaterra toma à Espanha "o comércio que mais lucros lhe iria dar", o dos
escravos95! "Os navios ingleses são os navios negreiros por excelência e enxameiam a receber a
carga infame nas abras e enseadas da costa da Guiné. A moeda inglesa Guinéu guarda a memória
do tráfico de carne preta96. 0 governo britânico recompensa com títulos nobiliárquicos os grandes
91

E. Vermeil, "Etudes sur la Reforme", pág. 907.
Georges Batault, °Le probléme juiV, ed. Nourrit Paris, pág. 189.
93
L. Hennebicq. "Genése de I'imperialisme anglais", Paris, 1913, pág. 118.
94
Mario Sáa, "A invasão dos judeus°, 1935 pág. 47.
95
Gina Lombroso, "La rançon du machinisme", ed Pavot, Paris, 1931, pág. 136. A respeito do judeu luso Antonio
Fernandes Carvalhal, o Rotschild do tempo de Cromwell, citado um pouco antes, V. João Lúcio de Azevedo, "História
dos cristãos-novos portugueses", pág. 422. Em 1696, Carlos II de Espanha assinou contrato com a companhia judaicoportuguesa da Guiné para o fornecimento de escravos à América Espanhola, o qual foi rompido em 1701 por abusos.
Os armadores judaico-franceses organizaram a Compagnie Royale de Guiné e contrataram o tráfico com a Espanha. O
testa-de-ferro dos judeus era Bubasse, governador de S. Domingos. Deviam fornecer 4.800 peças por ano. Adiantaram
ao Tesouro 200 mil escudos para fornecer mais 800. Em 1712, o negócio foi feito com o próprio Governo Britânico.
Como, depois, a Espanha o não quisesse renovar, diz o "Grande Dicionário universal do Século XX", a Inglaterra
acendeu a guerra na Europa, obrigando Portugal a entrar nela contra a Espanha, a fim de prejudicar o tráfico francoespanhol. Cf.Taunay "Na Bahia Colonial", págs. 321-322.
96
Cf. Cunnigham, "The growth of english industry and commerce in modern times", Cambridge University
Press, pág 25. Sobre o comércio de escravos exercido pela Grã-Bretanha é conveniente ler o cap. I da obra de Anton
Zishka, "Der Kampf mundie Welmacht Baumwoll". Os ingleses chegaram a organizar fazendas de reprodução de
escravos na Virgínia, verdadeiros Haras de negros! De 1680 a 1700, em vinte anos, tiraram da Africa 300 mil pretos
nos três primeiros decênios do século XVIII, 150 mil. Dizia-se que "Liverpool era calçada com crânios de negros". Era
o monopólio da força motriz, então muscular.
92

18

negreiros. João Hawkins, por exemplo, é elevado a baronete pelo impulso dado ao comércio de
escravos97.
Os cuidados da judiaria inglesa, alarpadada à sombra do governo real, pelo vil e rendoso
negócio, se manifestam a cada passo, durante séculos, nos tratados diplomáticos.
Pelo tratado de Utrecht, em 1713, a Inglaterra consegue o monopólio do comércio de
escravos por trinta anos.
Pelo tratado de Paris, seguido da Paz de Quebec, em 1763, a Inglaterra obtém o direito de
ancorar navios em Porto Franco e Porto Belo, nas Antilhas, bases de contrabando e do "monopólio
do tráfico para América do Sul98" Em 1799, o ministro Cannig declara, sem pejo, ao parlamento,
com todas as letras, que efetivamente, a Grã-Bretanha "exercia o monopólio do tráfico". Mais tarde,
a confissão de Benjamin Disraeli, primeiro ministro, nos dará a conhecer que não era a Inglaterra,
mas os judeus governando-a e servindo-se dela...
No século XIX, mal o Brasil se tornou independente de Portugal, a Inglaterra esqueceu que
havia exercido o infamante monopólio do comércio de carne humana, que o havia advogado e
defendido com unhas e dentes, que o havia consagrado nos tratados internacionais e nas discussões
do parlamento, e começou a fazer da sua supressão, em nome da humanidade,"uma questão de
honra". Contra o Brasil fraco, desarmado, ameaçou até empregar a força99. É que ao judaísmo do
Kahal londrino, dominador do mundo, não convinha se desenvolvesse na América do Sul um
grande império, sendo necessário, para entravar-lhe o progresso desde logo, diminuir-lhe a mão-deobra e desmantelar-lhe a economia.
Nos bons tempos do século XVII, a Inglaterra não fora tão humanitária. O judaísmo angloholandês enchia-se com o ouro do açúcar produzido pelo suor do escravo e com o ouro do preço do
escravo. O açúcar vinha de Pernambuco. O negro que o produzia vinha de Angola. Um e outro lado
do Atlântico tropical davam o mesmo resultado: ouro! Não seria melhor, ao invés de continuar
ganhando como intermediário e fornecedor de mão-de-obra, tornar-se o dono incontestado das duas
fontes de riqueza? Os ganhos se multiplicariam. A esse pensamento, a cobiça do judaísmo se
alvoroçou. Os estados-maiores das sinagogas estudaram a questão e, ajudados da política européia
em que influíam, lançando protestantes contra católicos e vice-versa, decidiram o golpe. A
conquista do Nordeste brasileiro e de Angola e Luanda pela companhia das Indias Ocidentais
revela um plano judaico de grande envergadura. A documentação histórica mostra-o na sua
limpidez. O conde de Nassau, fidalgo alemão a serviço do Kahal, quando toma o lugar de preposto
ou procônsul da colônia judaica de Pernambuco, traz com escopo principal, tornar o Recife "o
centro distribuidor da escravaria100".
Logo em 1640 ou 41, uma expedição mandada do Brasil holandês se apoderava de São
Paulo de Luanda101. Então, o tal centro distribuidor de escravos pode funcionar do seguinte modo:
as urcas holandesas saíam dos portos da Zelândia ou do Texel em demanda da África, enchiam os
infectos porões de escravos e vinham de rota batida para Pernambuco, de onde voltavam à
Holanda, carregadas de açúcar102. Cada viagem redonda, ida e volta, era, assim, admiravelmente
aproveitada para os lucros judaicos. O negócio de escravos rendia por ano aos judeus holandeses a
respeitável soma de 6 milhões de florins!

97

Nina Rodrigues, "Os africanos no Brasil", pág. 13.
Gina Lombroso, op. cit. pág. 163.
99
Armitage, "História do Brasil", págs. 189-191. Todas as misérias, infâmias e violências praticadas pelo governo
judaico da Inglaterra em matéria de tráfico negreiro, que ela explorava, se encontram descritas no panfleto "A liberdade
dos mares ou o governo inglês descoberto", traduzido livremente do espanhol, sem nome de autor, tipografia Miranda e
Carneiro, Rio, 1833.
100
Hermann Watjen, "das Iudentum und die Aufgang der moderno Kolonisation", apud "Der Hollandische
Kolonisation in Brasilien", Gotha, 1921.
101
Barlaeus, "Res Gestae".
102
Dapper, "Description de 1'Afrique°, pags. 370-371; David B. Warden, "Histoire de 1'Empire du Bresil", Paris, 1832,
pág. 425. Cf. Constâncio, "História do Brasil", decalcada da de Warden.
98

19

Em 1703, o tráfico judaico de escravos para o Brasil era de tal importância que, entre a
Bahia e a África, retomada aos holandeses, mais de 200 brigues ou bergantins nele eram
empregados103

103

Taunay, "Na Bahia Colonial", pág. 327.

20

CAPITULO IV
A pirataria e a conquista
A DINASTIA de Ávis sossobrou, morrendo devagar e matando, heroicamente, nos fulvos
areais de Alcácer- Quibir. A poderosa mão de Filipe II, o grande rei católico, o asceta do Escorial,
se estendeu sobre o reino lusitano, e o Brasil passou, em 1580, para o domínio espanhol. Espanha
significava a luta aberta contra a heresia protestante e o judaísmo. Todos os portos brasileiros foram
logo fechados ao comércio das Províncias Unidas. As sinagogas, estremeceram de pavor,
encarando os prejuízos que disso adviriam. Apresentava-se a ocasião de conquistar, usando a
valentia flamenga, os empórios cobiçados do açúcar e do negro.
Já as ambições européias vinham corvejando sobre o vasto Brasil. As tentativas huguenotes
da criação de uma França-Antártica e de uma colônia no Maranhão haviam fracassado diante dos
esforços de Mem de Sá e Jerônimo de Albuquerque. A pequena nobreza provinciana calvinista da
França ensaiara o corso marítimo contra o comércio e as feitorias de Portugal e Espanha 1. Das suas
pretensões, a estabelecimentos definitivos, somente ficaram os nomes de uma ilha na Guanabara e
da capital maranhense. O espírito emprendedor pré-capitalista europeu se projetava, nos séculos
XVI e XVII, no corso e na pirataria, sem que fosse possível traçar uma linha nítida de demarcação
entre essas atividades. A pirataria protestante, insuflada pelo judaísmo, se exercia incessantemente
contra os reinos católicos. Na Inglaterra, houve uma verdadeira idade áurea de piratas: sir Walter
Raleigh, o grande Frobisher,os irmãos William e John Hawkins, o último dos quais foi feito
baronete, como já vimos, pelos serviços prestados ao comércio negreiro, sendo chamado pelos seus
contemporâneos: "a wonderful hater of spaniards"2. Entre eles, estavam os que salteavam nos mares
e costas do Brasil: Lancaster, "agente de uma companhia de Londres" (?), que tomou o Recife em
1595, Drake, Me noble pirate" e Cavendish, príncipe dos ladrões do mar, o qual, de volta das suas
frutuosas expedições, subira o Tâmisa com mastros dourados e velas de damasco nos seus galeões3!
No começo do século XVII, durante o governo de Dom Luiz de Souza, entre 1616 e
1621,os piratas ingleses pretenderam estabelecer-se no Espírito Santo e Rio de Janeiro, desistindo
do intento, porque, avisado a tempo, o governador tomara providências adequadas.
A pirataria, eminentemente protestante, serve como reconhecimento das possessões do
adversário católico e para a obtenção de recursos para o assalto definitivo. É a técnica judaica da
desapropriação forçada em que foram mestres os judeus bolchevistas. A luta que, então, se travava
tinha um que de religioso. Vêde bem os fatos. Os entrelopos huguenotes franceses durante longo
tempo percorrem às costas abandonadas do Brasil que acordava, pilhando as naves abarrotadas de
pau-de-tinta, até que se estabelecem nas ilhas de S. Luiz e de Villegaignon. Os corsários puritanos
ingleses atacam as povoações litorâneas e também pretendem fixar-se. Afinal, os piratas calvinistas
holandeses tomam a frota espanhola da Prata, na baía de Matanzas, a qual lhes fornece meios
pecuniários para o equipamento de grandes expedições, e vêem saltear nossas cidades, como fez
Paulo Van Ceulen, repelido da Bahia de Todos os Santos em 1604. Os próprios bucaneiros e
flibusteiros das Antilhas andam de longada até Santa Catarina.
Tudo isso preludia a conquista das prósperas capitanias do Norte.
Conforme depõe Gabriel Soares, os moradores do extenso litoral brasílico viviam tão
aterrorizados com a pira taria que traziam sempre "a roupa entrouxada", para se fazerem ao mato,
mal avistavam o velame de qualquer nau grande. A acometida de Van Ceulen foi a quarta sofrida
pela Bahia, assegura o autor da "Razão do Estado do Brasil". Os resultados dessas pilhagens são
quase sempre magníficos.
1

H. Pigeonneau, "Histoire du commerce de &rance'' Paris, 1889, tomo II, pág. 170. A pirataria sempre foi
eminentemente protestante.
2
Formidável abominador de espanhóis. W. Sombart, Me Bourgeois", payot, Paris, 1926, pág. 93. J. M. de ma cedo.
Meméride Histórica do Brasil°, typ. do Globo, Rio de Janeiro, 1877, pág. 188.
3
Douglas Campbell, Me Puritans in Holland. England and América°, 1892, tomo II, pág. 120. Cf. Hakluyt, "Histoire
des Voyages".

21

Na frota da prata, por exemplo, os holandeses se apoderaram de quinze milhões de torneses,
por certas libras tornesas ou escudos torneses, que valiam muito mais do que os simples escudos ou
libras parisis, nos velhos sistemas monetários.
O historiador Pedro Calmon andou bem inspirado, quando escreveu: "Por detrás dos
marinheiros flamengos, estava o judeu português de Amsterdam e Haia4". Adivinhou um pedaço da
verdade, mas não a verdade toda. Por detrás de todos os piratas herejes, anticatólicos, estava o
judeu internacional, o homem sem pátria, o mamonista adorador do Bezerro de Ouro. Não houve
expedição de corso ao Brasil que não contasse com as informações dos judeus residentes no seio da
população brasileira. Esses espiões informavam os navios piratas das condições de defesa oas
praças, permitindo-lhes dar os golpes com toda a segurança. O maior defensor dos judeus na nossa
literatura histó rica, Sr. Solidônio Leite Filho, glorifica-os por esse papel infame: os israelitas foram
os mais poderosos auxiliares dos corsários estrangeiros e se aliaram aos ingleses que pretendiam
estabelecer-se entre nós5.
A pirataria foi o prefácio da conquista. O judeu, que tão poderosamente colaborara no
prefácio, melhor ainda colaborou na obra.
Há um fundo religioso e racial nessa luta de heréticos assolados e ajudados por judeus,
contra católicos, papistas, como se dizia, os quais haviam expulso os israelitas da Peninsula, para
não se afogarem na sua invasão. O rancor judaico não conhecia limites contra as coroas de Castela
e Portugal, unidas na cabeça dos Filipes. Confessa-o, quase sem ambages, o judeu Mendes dos
Remédios: "A prosperidade dos judeus lusos na Holanda vingou-os do desprezo do monarca
peninsular que os expulsara6". Em Capítulo anterior, documentadamente, mostramos como a Holan
da estava abarrotada de judeus e de capitais judaicos. Segundo escrevia, em 1644, o embaixador
Souza Coutinho ao conde de Vidigueira, Holanda era a mãe dos cristãos-novos que dali se
derramavam para o Brasil. Era ainda a fonte da trindade invisível do aforisma alemão vulgarizado
por Goethe: Krieg, Handel und Piraterie, dreienig sind sie; nicht zu trenen7. O judeu explorava essa
trindade invisível, valendo-se das disposições guerreiras e aventureiras que o comércio despertaria
nos pacatos holandeses, os quais, já agora, ávidos de pecúnia, quando não tiravam grandes lucros
de uma atividade ou região, se voltavam para outras8.
Na insuspeita opinião de Oshlow Burrish9, as grandes companhias de comércio dos séculos
XVI e XVII não passavam de companhias de conquistas, providas de privilégios e poderes
políticos, que fundavam fortalezas e estabeleciam governos, verdadeiras organizações permanentes
de pirataria, a qual, segundo Sombart, formava um ramo de comércio regular dessas associações. A
das Indias Ocidentais, idealizada por Wilhelm Usselimex, que conquistou o Brasil para os judeus,
entre 1623 e 1636, despendeu 4 milhões e meio de florins, armando 800 navios; mas capturou 540,
cuja carga somente valia 6 milhões, ganhando ainda 3 milhões como que pirateou mares afora aos
portugueses10. A espoliação dos engenhos dos pernambucanos que se opuseram à conquista rendeu
mais de 500 mil florins!
Formaram-se duas companhias de comércio e pirataria na Holanda, com capitais israelitas.
A primeira, das Indias Orientais, nasceu em 1602 e deu tais lucros que inspirou a segunda, das
Indias Ocidentais, em 1621, com privilégio exclusivo do tráfico e navegação na América e na costa
da África, isto é, o domínio dos empórios do açúcar e do negro. Os judeus peninsulares forneceram
para essa última companhia a soma redonda de 18 milhões de florins 11. De posse a companhia de
4

Pedro Calmon, op. cit. pág. 60.
Solidonio Leite Filho. op. cit. pág. 60.
6
"Os judeus em Portugal", pQ. 342.
7
Guerra, comércio e pirataria formam uma trindade invisível...
8
E. Laspeyres, "Geschichte der Volkswirthschaftlichen Anschauungen der Niederlander", 1863, pág. 60.
9
"Batavia ilustrada or a wiew of the Policy and Commerce of the United Provinces", 1728, pág. 333.
10
Werner Sombart, op. cit. pág. 94. A companhia idealizada por Usselimex, foi proposta aos Estados Gerais da
Holanda por Jans Andres Moerthecan, que Frei Rafael de Jesus, no "Castrioto Lusitano, pág. 14, denomina "holandês
de capacidade e esperteza". Substitua-se holandês por judeu e dá no vinte...
11
João Lúcio de Azevedo, "História de Antonio Vieira", tomo I, pág. 135
5

22

suas patentes de exclusividade, seus diretores "movidos pelos hebreus", determinaram fosse o
Brasil o alvo da conquista12.
No capitulo antecedente, fizemos notar como o regime da escravidão, além de proporcionar
grandes lucros aos judeus, permitia o amolecimento da sociedade, facilitando-lhes dominá-la mais
adiante. A decadência moral do Brasil do século XVII chegara ao mais alto ponto. O judeu e o
flamengo aproveitaram-se disso. O panorama da corrupção, da venalidade, do escândalo, da
desmoralização, está pintado em muitos autores. Calado resume-o admiravelmente nesta frase: "os
ricaços não estavam acostumados a morrer". Foi o que contribuiu para favorecer a conquista13.
Judeus impeliram e custearam, de fora, a empresa conquistadora; judeus esperavam, aqui
dentro, os conquistadores, prestes a desempenhar todos os papéis, de modo a aligeirar-lhes a tarefa.
Esperavam melhor sorte receosos da inquisição, declara Solidônio Leite Filho, que vinha assentar
casa naquela capitania14". Do mesmo modo que haviam sido os melhores auxiliares de corsários e
piratas, foram os melhores auxiliares dos conquistadores que lhes sucediam 15. O grave Southey
confirma que, ou faziam causa comum com o batavo ou fraca resistência lhe opunham16.
Os judeus e cristãos-novos do Brasil deram dinheiro', segundo Frei Manuel Calado para "os
gastos da conquista de Pernambuco". Ministraram todas as informações destinadas a permitir os
ataques, desembarques e marchas dos conquistadores. A invasão ainda se aprestava nos portos
zelandeses e já, aqui., informada dos preparativos, a judiaria se entregava à mais terrível
espionagem. "Largas informações sobre as coisas do Brasil" recebia, "por intermédio dos hebreus
brasileiros", o almirante holandês17.
A primeira expedição holandesa visou a Bahia, capital da colônia, em 1624. Portas adentro,
os judeus, muito numerosos, espionavam por conta dos generais batavos18.
Em menos de dois dias, os inimigos se apoderaram da cidade. Segundo documentos do
Instituto Histórico, a esquadra vinha pejada de judeus e judias. A população israelita da Bahia
delirou de contentamento e envidou todos os esforços, o que repetiria em outros lugares e
oportunidades, para induzir os não-judeus a se submeterem ao jugo estrangeiro19. Escrevendo a sua
"Ânua do Estado da Bahia", datada de 30 de setembro de 1626, o padre Antônio Vieira conta que a
cidade foi toda saqueada. Na sua maioria, os cristãos-velhos baianos, temendo não poder resistir ao
ímpeto do agressor, devido à grande quantidade de judeus que existiam na cidade e nos quais
ninguém devia confiar, retiraram-se para os matos e, sob a direção do bispo D. Marcos Teixeira,
prepararam a reação. Atormentaram os intrusos com guerrilhas e emboscadas continuas, até que
vieram os reforços e auxílios da Espanha, na famosa esquadra de D. Fradique de Toledo, composta
de naus lusas, castelhanas e napolitanas. A judiaria deu dinheiro a rodo para a resistência flamenga.
Tudo em vão, porque, dentro da praça, fermentavam dissensões judaicas 20, como na jerusalém
sitiada de Flávio Josefo. Batidos no mar e sem poder manter-se em terra, os ocupantes da Bahia
capitularam no curto espaço de um mês, espanhois, napolitanos e lusos tomaram novamente conta
da capital da colônia e sua reação em contra dos judeus traidores não foi além da condenação à
morte de alguns dos mais comprometidos.
Como os da Bahia, os judeus de Pernambuco incitaram a invasão flamenga e
contribuíram para ela com fundos21. Reconhece João Lúcio de Azevedo que eles "cooperaram grau
demente para facilitar a conquista22". Seria de espantar que, useiros e vezeiros nisso, assim não
12

Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 58.
Rebelo da silva, "História de portugal", nos sé culos XVII e XVIII, tomo II pág. 338. Solidonio Leite Filho, op. cit.
pág. 59. Manuel Calado, "Valeroso Lucideno".
14
Rodolfo Garcia, loc. cit. pág. 33.
15
Solidonio leite Filho, op. cit. pág. 61.
16
Roberto Southey, "História do Brasil", tomo II, pág. 146.
17
Solidonio leite Filho, op. cit. pág. 60.
18
Idem, idem, idem.
19
Roberto Southey, op. cit. tomo II, pág. 156.
20
Barnhagen, "História das lutas com os holandeses no Brasil, Lisboa, 1872, pág. 38.
21
Frei Manoel calado, "Veleroso Lucideno", pág. 10.
22
"os judeus portugueses na dispersão". in "Revista de História", tomo IV, pág. 214.
13

23

procedessem. A guerra da Restauração Pernambucana durou nove anos, em alternativas de derrotas
e vitórias, e durante esse período em que se afirmou um verdadeiro espírito de brasilidade, anterior
à nossa independência política, os judeus, empenharam contra nós "vida e fazenda"23.
A expedição para a conquista de Pernambuco veio quatro anos depois da Bahia, em 1630.
Não se atrevendo a atacar o Recife, diretamente, desembarcou as tropas que trazia, além de Olinda,
na praia do Pau-Amarelo, sob o comando do "coronel-de-guerra", Teodorico Weerdenburg, que
desconhecia completamente a região por onde pisava pela primeira vez. Guiou-o pela costa, pelos
mangues e alagadiços, dos quais era prático, o judeu Antônio Dias Paparobálos, o qual vivera muito
tempo em Pernambuco e fora, depois, para a Holanda 24. Outros judeus serviram constan temente
de guias e intérpretes fiéis aos invasores, entre os quais Samuel Cochim, que guiou a primeira
expedição ao Rio Grande do Norte25.
As tropas que a Companhia das índias Ocidentais pôs em campo durante todo o período da
conquista e ocupação não eram propriamente do que se poderia chamar o exército holandês e sim
compostas de mercenários de toda categoria e procedência. Nem os próprios comandantes eram
todos flamengos. Havia poloneses, como o famigerado Arcizewski; os franceses, como Picard,
Tourlon e La Motte; alguns judeus como Simão Slecht e o cruel Jacob Rabbi; muitos escoceses,
como o Sandalim de João Francisco Lisbôa, quando descreve o combate do Outeiro da Cruz, no
Maranhão, segundo provam as numerosas espadas de highlander, as conhecidas e tradicionais
claymores, da coleção de armas da época da guerra holandesa no Museu Histórico. Nos poucos
canhões de bronze que ainda restam dessa epopéia, bem como nas moedas obsidionais de cobre,
prata e ouro, nunca figura o brasão heráldico das Províncias Unidas, porém o monograma da
companhia judaica: um G, um W e um C entrelaçados, iniciais da Geoctroyeerde Westindische
Compagnie, - Companhia Privilegiada das Indias Ocidentais. Somente em 1647, segundo diz
Netscher, os Estados Gerais resolveram oficializar a guerra.
Os holandeses desembarcados no Pau-Amarelo apoderaram se com relativa facilidade de
Olinda e Recife. Sem recursos suficientes para resistir-lhes, Matias de Albuquerque viu-se obrigado
a retirar-se, estabelecendo-se no arraial do Bom Jesus, onde foram juntar-se aos homens do campo,
mais próprios para a grande luta que se desenhava, e na qual mantiveram acesa com impavidez a
chama da liberdade, do que os da cidade, desacostumados de morrer, como notava Frei Calado.
Vieram mais tarde os socorros trazidos pelo almirante Oquendo, os batavos abandonaram Olinda,
incendiando-a, e se encurralaram no Recife durante um lapso de dois anos 26. Foi a deserção de
Calabar,(1632) que lhes permitiu pôr a cabeça de fora, atacar Afogados, Iguarassu, Rio Formoso,
expelir os luso-brasileiros do arraial do Bom Jesus e obrigá-los ao êxodo para Alagoas.
Nessa retirada de um povo, como que se plasmou a futura nacionalidade, na consciência
nativista formada pela fraternização guerreira de brancos, índios e negros trazidos pelo heróico
Henrique Dias, "governador dos pretos".
A tomada de Porto Calvo pelos retirantes entregou Calabar, que foi enforcado.
Parece que o desertor era a alma das vitórias dos conquistadores, pois que, após a
execução, se encolheram e começaram a perder suas energias em dissensões íntimas e estéreis.
Sendo imprescindivel por-lhes um paradeiro, a Companhia lançou mão de um fidalgo aparentado
ao Estatuder de Orange, o conde João Maurício de Nassau-Siegen, contratado por cinco anos para a
governação da Nova Holanda, pago a mil e duzentos florins por ano e nomeado "governador,
capitão-general e almirante de terra e mar". Como a conquista não passava de um prolongamento
da pirataria, deram-lhe mais 2% sobre as presas que se fizessem.
23

Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 63. A guerra durou nove anos no seu período final; a luta, desde o início, durou
24! A conquista começa em 1630 e termina em 1637; a posse vai de 1637 a 1642; a restauração, de 1642-1654. Cf.
Oliveira Lima, "História de Pernambuxo", pág. 63
24
Varnhagen, op. cit. pág. 51. Solidônio Leite Filho, op. cit. pág. 62. Sobre o nome do "coronel de guerra" há
divergências. Uns escrevem Teodoro; outros Frederico. Netscher, em "Les hollandais au Brésil" pág. 45, grafa
Diederich. Por isso, traduzimos Teodorico.
25
Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 63. Tavares de Lira, "0 domínio holandês no Brasil", tip.do "Jornal do Comércio",
1915, pág. 305.
26
Varnhagen, op. cit. pág. 63.

24

Entrando na posse do governo, o conde deu logo toda a liberdade aos israelitas. Pernambuco
e as outras capitanias conquistadas, pouco a pouco se tornaram "o paraíso dos judeus"27. O "amigo
do peito" do governador, o"homem de maior valia" enquanto esteve à testa do Brasil-holandês foi o
judeu lisboeta Gaspar Dias Ferreira, que vivia no Recife desde 1618 e se tornara possuidor de
"respeitável fortuna 28". Ao retirar-se do Brasil, o conde levou-o consigo. A cada ano do governo de
Nassau mais aumentava a imigração judaica. Só em 1642, quase ao fim, vieram de uma sentada
600, que se faziam acompanhar dos seus rabinos29.
Antes da conquista flamenga, os judeus pernambucanos e os de fora viviam "paliados com a
capa de católicos30", inveterado hábito dos cripto-judeus de todos os tempos e países. "Conquistada
a capitania, declararam-se publicamente por judeus e com os correligionários, adventícios de outras
nações, fizeram sinagogas, e de tal modo se van gloriavam de suas crenças que principiaram a
denominar-se Santa Comunidade, KAHAL KADOSH31". Quem conhece os segredos do judaísmo
sabe que isto quer dizer que organizaram um Kahal ou governo oculto para explorar a sociedade
cristã com a hazaka, o meropie e outras formas de espoliação disfarçada, já proficiente e
documentadamente estudada por Brafmann no seu "Livro do Kahal" e Wolski em Ma Russie
Juive". Do Recife, a judiaria se esparramou pra Itamaracá, onde os chefiava o haham Jacob
Lagarto32
Segundo D. Domingos do Loreto Couto, na sua obra "Desagravos do Brasil e Glórias de
Pernambuco", ed. da Biblioteca Nacional, Rio, 1904, às páginas 234-236, durante o domínio
holandês os sacramentos foram proibidos no Recife e os católicos sofreram torturas de arrepiar.
Frei Rafael de Jesus documenta exaustivamente as perseguições judaicas, sob o pseudônimo de
holandesas, contra os naturais: roubos, morticinios, injustiças, forçamento de cons ciências,
sacrilégios, torturas e até o estabelecimento da chekita, do açougue judaico, proibindo-se a matança
de qualquer rês em qualquer lugar e para qualquer fim. Ninguém podendo abater uma rês, como
relata o "Castrioto Lusitano" (págs. 171-172), toda a gente era obrigada a recorrer ao matadouro
judaico e pagar o tributo denominado imposto da caixa" com que se sustentam as escolas judias é
se completam os impostos devidos ao governo pelos israelitas, segundo informa Brafmann no
"Livro do Kahal".
Graças a essa proteção, dominaram completamente a co lônia, tornando-se logo, como narra
Varnhagen, grandes proprietários urbanos e rurais, donos dos cargos público notários, escrivães, e
procuradores no fórum, corretores dos subornos das venais autoridades flamengas. Os judeus que
vieram com os holandeses "não trazendo mais do que um vestido roto sobre si, em breves dias se
fizeram ricos33". Acresceram-lhes a empáfia, o luxo, a ostentação e o desprezo pela moral pública e
o decoro particular ao ponto de se unirem contra seus desmandos os calvinistas e católicos
irreconciliáveis. As próprias autoridades eclesiásticas protestantes comungaram com o povo em
uma tentativa de reação. O conde de Nassau, porém, não deu ouvidos a ninguém. Quando se
retirou, para fazer uma sinagoga de seu palácio, afirma João Lúcio de Azevedo, a Santa
Comunidade ofereceu por ele seis tonéis de ouro, isto é, 300 mil cruzados!
Lavrava a maior corrupção entre os invasores, devido ao judaísmo que os empeçonhava.
Atingiram a mais de sete e meio milhões de florins, quase o dobro do que custara a expedição
conquistadora, os contratos lesivos e as negociatas obtidos pelos judeus. O dinheiro dos próprios
acionistas da Companhia das índias Ocidentais foi roubado de todos os modos. Os documentos da
época rezam assim: "Os senhores deste governo, desde o principio até hoje, não procuraram outra
coisa senão encher sua bolsa, empregando para isso todos os meios e, em particular, o auxilio dos
judeus e de outros homems inconvenientes e ávidos de lucro torpe... zombando da simplicidade dos
27

Rodolfo Garcia, loc. cit. pág. 33.
Idem, idem, idem.
29
João Lúcio de Azevedo, "História dos cristãos novos portugueses", pág. 431.
30
Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 71.
31
Idem, idem, idem Solidonio Leite Filho tirou isso de João Lúcio de Azevedo, "História dos cristãos-no vos
portugueses e este de Graetz "Volkst. Gesch. der ju den", C. III, pág. 331.
32
Idem, idem, idem.
33
Frei Manuel Calado, "valeroso Luciden pags 53 e 207
28

25

holandeses e do mau governo deste estado, cujos segredos todos eram melhor conhecidos a eles (os
judeus) do que a nós, e, possivelmente, melhor do que aos próprios senhores, que eles diziam
predispôr, por honrarias e presentes, para todas as suas intenções, e até para as coisas mais torpes e
inconvenientes34".

Bandeira do Brasil Holandês. Na faixa branca da tricolor flamenga, o monograma da
Companhia Judaica ou de Nassau (?), encimado por uma corôa aberta. Nada, como se vê, além das
cores, da nação holandesa. Ao lago, a marca registrada da Geortroyed Westindische Compagnie,
conforme aparece nas moedas obsidionais, nas chancelas e nas culatras ou nas boladas dos canhões
de bronze da conqui_s ta que ainda nos restam.
A tricolor flamenga é a mais antiga de todas: vermelho, azul e branco. Vermelho é o sangue
que se têm de derramar para atingir ao azul-branco, cores de Israel.Veremos isso, claramente, na
simbologia das bandeiras revolucionárias do Brasil, em 1794, 1817 e 1824.

O conde chegara ao Recife em 23 de janeiro de 1637, mostrara-se tolerante,
procurava apaziguar os ânimos, promovia melhoramentos e protegia ciências e letras. Era o seu
feitio pessoal. No governo, porém, consentia de bom grado ou forçado pelos amos judaicos na
grande corrupção. Também não se distraiu de seu papel de realizador da conquista dos empórios do
açúcar e do escravo por conta de quem lhe pagava mil e duzentos florins anuais. Seu nome ilustre
já fora dado, como anúncio de expansão conquistadora, a uma feitoria fortificada que os flamengos
tinham encravado na costa da Mina. Em 1637, ele mandou o coronel João Koen apoderar-se do
resto da colônia africana, o que foi feito com a tomada do castelo de São Jorge 35. Há um certo sabor
judaico no nome do chefe da expedição, que a tradução alemã, de Barlaeus, chama de kühn
Netscher grafa kokin36. Todos os entendidos na onomástica israelita sabem de fonte limpa que essas
formas correspondem ao hebraico Cohen.
No Brasil, Nassau levou por diante a conquista de Alagoas, do Ceará e de Sergipe, tentando
mesmo a da Bahia, que redundou em verdadeiro desastre. O Maranhão seria ocupado mais tarde
pelo referido Koin, Koen ou Cohen, que fora à África. Fm 1644, Antônio Moniz Barreiros ali
levantou os povos, expulsando o invasor. A posse do Ceará foi sempre precária. A da Paraíba,
obtida antes da vinda de Nassau, durou o mesmo tempo que a de Pernambuco. A do Rio Grande do
Norte se assinalou indelevelmente pelas atrocidades judaicas, à maneira das de Bela Kun, na
Hungria, e de Jagoda na Rússia. O judeu de origem alemã Jacob Rabbi, que Solidônio Leite Filho
glorifica com o titulo incomparável de "feroz israelita" e que Varnhagen apelida "furibundo",
34

Do panfleto: "Brasilsche Gett Sack waer in dat Klaerlijck Vertoon wort-waer dat de Participanten van de West
Indische Compagnie haer Geldt ghebleven is. Gedruckt in Brasilien op't Reciff inde Bree-Bijil. Ano 1647, "in Revista
da sociedade Geográfica do Rio de Janeiro", tomo XXXVII, 1933 págs. 36 e segs. Em português: "A Bolsa do Brasil e
do roubo dos dinheiros dos acionistas da Companhia das Indias ocidentais, impresso no Recife, no Machado Largo, no
ano de 1647". O exemplar em holandês se encontra custodiado no Arquivo Nacional. Foi publicado em 1647, ams
escrito em 1643, ainda no governo judaico de Nassau. Traduziu-o para o vernáculo o padre Geraldo Pauwels. Portanto,
não somente os conquistados reclamavam contra o judaísmo; os conquistadores também!
35
Varnhagen, op. cit. pág. 179.
36
Netscher, "Les hollandais au Brésil", Haya, 18:3, pág. 123.

26

capitão de um troço de soldados e levando sob sua ordem os índios aliados do chefe Antônio
Paraopeba ou Paraupaba, entre suas façanhas conta a tomada do engenho Cunhau, em julho de
1646. Traindo as condições estipuladas; na capitulação; pelos luso-brasileiros refugiados ali, levou
os prisioneiros para Uruassu e os entregou à selvageria dos indígenas, deliciando-se em presenciar
as torturas que lhes foram infligidas. A uns ataram em postes, na frente dos filhos pequenos,
cortando-os em miúdos pedaços; a outros arrancaram o coração pelas costas; muitos desses
infelizes, a fim de escapar ao suplício em que viam sucumbir os companheiros, mataram-se com as
facas de ponta que ainda traziam37!
O castigo desse monstro, felizmente, não se fez esperar. Numa noite escura do mesmo ano,
Joris Gastrmann, que governara o Ceará e lá sofrera avanias da parte dos selvícolas que o capitão
Jacob Rabbi protegia, o mandou matar, à traição, por dois soldados do alferes Jaques Boulan, perto
de Natal, quando saía da casa de Johan Miller. Foi por isso preso e recambiado para Holanda. Deus
lhe tenha em conta o grande serviço que prestou aos brasileiros!
O monstro judaico deixava grande fortuna adquirida em morticínios e rapinagens,
documenta Tavares de Lira.
Entrementes, preparava-se a grande insurreição dos naturais contra os abomináveis
invasores protestantes-judeus. Da conjura sairia a guerra da independência, talvez a mais bela
página da nossa história, em que um pupilo de heróis apagaria com os altos feitos das Tabocas e
dos Guararapes a derrota da Mata Redonda e o incêndio de Olinda. A espionagem judaica
pressentiu-a e acompanhou-lhe os passos. O opulento cristão-novo da Paraíba, Jorge Homem Pinto,
quis peitar Fernandes Vieira por 200 mil cruzados. Tentaram depois, assassiná-lo! O judeu Gaspar
Francisco da Cunha denunciou Vidal de Negreiros ao Supremo Conselho dos holandeses em
outubro de 164438. Outros judeus apresentaram outras denúncias, como a de Abraão Mercado,
como exemplo. O Conselho não lhes deu importância. Enfim, a 24 de junho de 1645, a revolução
estalou em Ipojuca, num conflito sangrento, entre cristãos e, judeus, rapidamente, se estendendo à
Itamaracá e à Paraíba.
Nassau já se retirara para a Holanda com seu valido, o judeu Gaspar Dias Ferreira,
intermediário de seus negócios. Em 1647, quando a companhia judaica cogitou de mandá-lo
novamente, com muita tropa, dominar os insurretos pernambucanos, alarmado, o embaixador
Souza Coutinho, "por intermédio de Gaspar Dias Ferreira, conseguiu ter com o conde uma
conferência secreta no Bosque de Haia, às dez horas da noite, chovendo à cântaros, e, depois, pelo
mesmo intermédio, mandou prometer-lhe um milhão de florins, se negociasse um acordo com a
inclusão de Portugal em trépua larga, e, sem ela, quatrocentos mil florins. A promessa derrubou
Nassau, que, para conseguir o objetivo de Souza Coutinho, não se escusou de aceitar a proposta da
Companhia e dos Estados, mas pediu tanto, que logo se entendeu que se escusava"39. Assim, o
conde de Nassau se vendeu ao governo português!
Mal Nassau dera as costas, vendo o descalabro em que ia a Nova Holanda, os judeus foram
se raspando do Brasil, em busca de melhor guarida: a própria Holanda, Suriname, as Antilhas,
Nova Amsterdam, que hoje se chama New York e alguns dizem Jew-York! Os que ficaram, à
medida que a sorte das armas sorria aos luso-brasileiros, iam desertando, dos arraiais holandeses e
passando para o outro lado40, como os ratos abandonam o navio que sentem prestes a naufragar.
Não foram poucos, todavia, os que, por isto ou por aquilo, se viram obrigados a permanecer.
Quando da rendição do Recife, última etapa da Restauração de Pernambuco, lá dentro ainda havia
37

Idem, idem, pás. 303 a 306. Solidonio Leite Filho, op. cit. pág. 64. As horrendas crueldades do judeu Jacob Rabbi
estão contadas com o maior luxo de pormenores por D. Domingos de Loreto Couto, op. cit. págs. 238 e 243. Houve
cenas somente iguais às da Tcheka judaica-comunista. São tão revoltantes que não quisemos sobrecarregar o texto com
essas monstruosidades daquele sadismo judaico a que se reportam os irmãos Tharaud, descrevendo a ação de Bela Kun
e seus acólitos na Hungria, em "Causerie sur Israel". Cf. Lopes Machado, "História da Paraíba"; Rafael Galanti,
"História do Brasil", tomo II, págs. 307 e segs.
38
Varnhagen, op. cit. pág. 261. Frei Rafael de Jesus, "Castrioto Lusitano", Aillaud, Paris, 1844, pág. 231.
39
Rodolfo Garcia, loc. AO pág. 34.
40
Varnhagen, op. cit. pág. 219. Frei Manoel Cala lado, op. cit. pág. 302.

27

mais de cinco mil41! No texto da capitulação, os flamengos condicionaram sua anistia. Não
obstante, pouco depois, o Santo Oficio foi sobre os de origem portuguesa, mas encontrou a
impedir-lhe a ação o padre Antônio Vieira, que o panegirista Solidõnio Leite Filho considera "o
maior defensor que jamais tiveram os filhos de Israel em Portugal". Os rudes batalhadores dos
Guararapes, é que nunca se fiaram neles, lembrados das traições com que haviam entregue a terra
brasileira ao hereje invasor.
A perda do Brasil holandês obrigou os filhos de Israel a uma diáspora na América.
Medrosos da volta do Santo Oficio, fugiram para as Guianas, Curaçáu, Barbados, Jamaica,
Martinica e Guadalupe, levando consigo a indústria do rendoso açúcar 42 e continuando a explorar,
por ali, indignamente, o braço dos escravos que carregaram, sem ao menos dar alimento aos pobres
pretos, como costumavam fazer no Brasil, onde o sistema judaico era entregar-lhes apenas um
pedaço de terra, para que dele tirassem seu sustento, cultivando-o com "notável escândalo" nos
poucos momentos de repouso ou nos domingos43. Houve judeus, como Benjamin da Costa que
chegaram à Martinica, conduzindo 1.100 negros44.
Uma expedição ida do Brasil sob às ordens de Salvador Corrêa de Sá e Benevides
recuperou Angola, expelindo, de lá os batavos. Desta sorte, de novo, as duas margens fronteiras do
Atlântico voltaram à coroa de Portugal. Desde 1640, o velho reino se libertara da tutela castelhana,
aclamando o duque de Bragança, D. João IV. Ainda combalido pelos "sessenta anos de letargo"
cantados pelo poeta, em guerra com o vizinho e herdando-lhe as inimizades na política européia,
não podia acudir, como se fazia preciso, às suas terras do Brasil. Foi a energia indomável dos
vencedores dos Guararapes que as conservou libertas do he reje e do judeu, mau grado às fraquezas
da metrópole, à qual a paz custaria três milhões de cruzados. Do campo de batalha, a luta passou
para os biombos da diplomacia, onde continuaram a silvar as serpes dos interesses judaicos. No
fastígio do poder, Cromwell, o grande e dedicado amigo do judaismo, arranjava pretextos seguidos
contra os direitos de Portugal. Os judeus se intrometeram em todas as negociações. O tal Gaspar
Dias Ferreira, que se naturalizara holandês e fora metido na cadeia por se corresponder com os
insurretos de Pernambuco, evadira-se do presídio e escrevia cartas aos chefes pernambucanos,
pretendendo ser seu procurador junto a D. João IV em Lisboa45. Entre os procuradores enviados do
Recife à Holanda, em 1652 figurava o judeu Abraão Azevedo. E no meio de todas essas manobras
aparentes e ocultas, vê-se, às vezes, o perpassar da roupeta negra do padre Antônio Vieira, defensor
dos judeus e organizador de uma companhia de comércio com capitais judaicos e privilégio do
tráfico... Cura-se a dentada do cão com o pelo do próprio cão; mas o padre errou em forma crassa,
pensando que os males do ouro judaico se curam com o próprio ouro judaico... "Celui qui mango
du juif em meurt", diz o adágio francês...
O próprio Antônio Vieira tudo conta em carta ao conde da Ericeira, historiando sua missão
à França e à Holanda: "O primeiro negócio que propus à Sua Majestade, pouco depois de sua feliz
aclamação e restauração, foi: que em Portugal, à imitação da Holanda, se levantassem duas
companhias mercantis, uma oriental e uma ocidental, para que, sem empenho algum da real
fazenda, por meio da primeira se conservasse o comercio da índia, e por meio da segunda o do
Brasil46, trazendo ambas em suas armadas, defendido dos holandeses, o que eles nos tomavam, e
bastaria a sustentar a guerra contra castela. A visto se juntava que, como as nossas companhias
ficavam mais perto de uma e outra conquista, seriam menores os gastos seus e maiores os lucros, os
quais, naturalmente, chamariam e trariam a Portugal o dinheiro mercantil47 de todas as nações, e
41

D. Francisco Manuel de Melo, "Epanáforas", pág. 524.
Dr. izaque Izeckson, loc. cit. pág. 7. M. Sidney, "Históire de la Martinique", Fort Royal, págs. 46, 118 e segs.
43
Solidonio Leite Filho, "Dispersão dos judeus brasileiros in "Os judeus na história do Brasil", pág. 57. D.Domingos
do Loreto.
44
Dr. Izaque Izeckson, loc. cit. pág. 7.
45
Rodolfo Garcia, loc. cit. pág. 36.
46
Equivalia entregar outra vez o Brasil ao judaísmo, que com seus capitais iria dirigir em Portuga as mesmas
companhias que dirigia na Holanda.
47
"Dinheiro mercantil°, isto é, capital de especulação; de "todas as nações°, isto é, internacional.
42

28

muito particularmente dos portugueses48, que em Holanda estavam interessados nas Companhias e
em Castela tinham todos os assentos. E, porque na dita proposta se dizia que o dinheiro aplicado às
Companhias de Portugal estivesse isento do fisco (por quanto de outra maneira nem os mercadores
estrangeiros nem os do mesmo reino, que o trazem divertido por outras partes, o queriam meter nas
nossas companhias sem a dita condição ou segurança), esta condição foi causa de que o Santo
Ofício proibisse o papel da proposta, posto que sem nome49 e que ela por então não fosse aceita.
Depois que os apertos da guerra50 mostraram que não havia outro meio igualmente efetivo, não só
foi abraçada com a mesma condição, senão com outras muito mais largas, consultadas e aprovadas
pelos letrados mais doutos do reino... Quanto fosse a utilidade e eficácia dele, bem o mostrou a
Companhia Ocidental, a qual foi trazendo sempre do Brasil o que bastou para sustentar a Guerra de
Castela, conservar o reino, restaurar Pernambuco, e ainda hoje acudir com prontos e grandes
cabedais às ocorrências de maior importância".
Vai por diante o padre e narra que, depois da tomada de Dunquerque, Jerônimo Nunes da
Costa, judeu e agente do governo luso (!), homem mui poderoso, oferecia quinze fragatas a
Portugal por 20 mil cruzados cada uma. Quando os holandeses ameaçaram novamente a Bahia, fora
ele, o padre, que, com sua "roupeta remendada", arranjara com o cristão -novo Duarte da Silva 300
mil cruzados, e mais um fulano, Rodrigues Marcos, a troco de seis vinténs cobrados sobre cada
arroba de açúcar. Negócio grande!51.
Passaram-se todas essas e outras tranquibérnias e,en fim, no ano da Graça de 1654, o Brasil
se viu definitivamente livre do judaísmo holandês mas recaiu nas unhas do judaísmo lusitano, o
que, no fundo, dava na mesma. Politicamente, porém, a Restauração de Pernambuco e Angola
completava a Restauração de Portuqal, que somente respira mais desafogado, quando o protetorado
de Cromwell desaba na Restauração dos Stuarts.
A companhia de comércio defendida pelo padre Vieira e as que lhe sucederam até o tempo
de D. José I, tinham como símbolo a estrela judaica de cinco pontas, e daí ela passou para a
heráldica brasileira, designando as Províncias e, mais tarde, os Estados. Hoje, é brazão da
República... 52

48

Melhor diria: judeus portugueses, o que é bem diferente...
A proposta era anónima, como a companhia ou sociedade, mas o Santo Ofício cheirou-lhe de longe o judaísmo, que
transparecia das cláusulas.
50
Mais uma vez se tem que reconhecer que Werner Sombart tem carradas de razão, quando afirma: " La guerre est la
moisson du juif!
51
"Cartas do Padre Antonio Vieira", coordenadas e anotadas por João Lúcio de Azevedo Coimbra, Imprensa da
Universidade, 1928, tomo III, págs. 556 e segs.
52
Varnhagen, "História Geral do Brasil", tomo II, pág. 235. Demonstraremos quando tratarmos da República, as
origens maçônicas de seus símbolos, que o dístico ordem e progresso camufla de maneira a se pensar que vieram do
Templo da Humanidade, quando saíram do Templo de Hiram. Aliás, contra a igreja de Cristo, esses Templos se
equivalem...
49

29

CAPÍTULO V
A ladroeira do estanco
O ESTADO do Maranhão, composto por esta capitania e pela do Grão Pará, imensa região
ubérrima que produzia grandes riquezas e ficava mais próxima da metrópole, tentara os
conquistadores franceses e flamengos, que nela não haviam conseguido permanecer. O judaísmo
decidiu-se a tomar conta dela por outros meios mais eficazes e menos custosos do que a guerra.
Como toda sua economia repousasse no trabalho do índio escravizado, era necessário desorganizála, a fim de enfraquecer-lhe as resistências.
Não sei que influências secretas assopraram ao gover no pie Lisboa providências proibitivas
da escravização dos índios, mas estas logo encontraram o bem intencionado apoio dos jesuítas, que
catequizavam, aldeavam e defendiam o gentio. Aquelas providências, de fundamento humanitário e
verdadeiramente cristãs, chocavam-se, entretanto, com as cruas realidades da vida colonial e, além
de minguarem a mão-de-obra a fazendas e engenhos, criavam violento dissídio entre agricultores e
padres, o qual, com o tempo, cada vez mais se agravaria.
Tal divisão entrava, seguramente, nos planos subterrâneos do kahal de Lisboa, cujo fim era
privar primeiro de união e força, às sociedades que pretendia explorar.
Os Senados da Câmara de Belém e S. Luiz desfrutavam de "imenso poder político",
podendo taxar salários e gêneros, regular o curso das moedas, prover cobre a agricultura, a
navegação e o comércio, decidir dos tributos, normear ou suspender as autoridades 53. Os cargos da
governação municipal eram exercidos privativamente pela gente nobre e deles se excluíam os
"peões-mercadores"54, meio esse de evitar a infiltração de cristãos-novos ou de quem quer que
tivesse sangue de "infecta-nação", como rezavam as velhas cartas de brazão de armas.
Essa autonomia municipal fora o apanágio da grande liberdade comunal da idade-média. o
absolutismo real, depois do século XIV, a corrompera ou dominara. No Brasil vasto e desprovido,
ela novamente florescia no grupo natural do município, criado em luta aberta contra o meio, o
silvícola e o pirata.
No estado do Maranhão, a coroa procurara estabelecer um estanco, isto é, como define o
dicionarista Morais, um monopólio organizado de qualquer ramo de comércio. Esse devia fornecer
aos maranhenses objetos de ferro e aço produtos manufaturados do reino, especiarias do Oriente, a
troco de gêneros da terra, que seriam vendidos na Europa, em proveito do erário. Como o negócio
não parecesse dar resultado em mãos do governo, formou-se em Lisboa uma companhia por ações,
a fim de arrendá-lo. Os acionistas ou assentistas, como então se dizia, eram aqueles mesmos
cristãos-novos com cujos cabedais o padre Antônio Vieira contara para a fundação da companhia
de Pernambuco.
Mário Sáa enumera-lhes os nomes: Serrão, Botelho, Carvalho, Silveira... O contrato foi
passado em 1682 bastando ver-lhe as cláusulas principais para se ficar inteirado da obra judaica:
privilégio por vinte anos; isenção de impostos; juízo privativo para reclamações e demandas; 55
exclusividade do tráfico, devendo importar dez mil negros, sendo as entradas de 500 por ano56.
Diante das notícias desse novo estanco, certamente pior que o outro, os brasileiros do Maranhão e
do Pará ficaram de sobre-aviso, pois que algumas cartas do reino informavam que El Rei somente o
53

João Francisco Lisboa, "Obras°, tip. Matos, Moreira & Pinheiro. Lisboa, 1901, tomo 0, pág. 46. Em 1551, o Senado
da Câmara de Belém representava ao padre Antonio Vieira contra a "falta de braços" por estarem desviando os índios à
serviço da ordem; em 1670, o de S. Luiz tratou da "falta e carestia" de escravos índios, porque o negócio era
"monopolizado por homens poderosos". Cf. J.M. de Macedo, "Efeméride", págs. 30 e 31.
54
Op. cit. t. II págs. 51-53.
55
O juízo privativo é uma eterna ambição judaica. Está no livro de Ester. Em Roma, ao tempo de Augusto,
funcionava o seu tribunal particular, o Bet-Dine. A legislação justiniana reservou-lhe no Codex o capítulo De
Judoeis. Em muitas das monarquias bárbaras havia o chamado Foro Judaico. Hoje, ele tem Bet-Dines em muitas
cidades norte-americanas, ucranianas e lituanas, e registram sempre suas companhias nos Estados ianques de leis
favoráveis a seus interesses.
56
João Francisco Lisboa, op. cit. tomo II, págs. 84-85.

30

consentiria com "aprazimento dos povos". A condicional do soberano lhes dava alguma esperança
de salvação.
Quando veio tomar conta de seu cargo o novo governador nomeado, Sá e Menezes, trouxe
em sua companhia o cristão-novo Pascoal Pereira Jansen, grande assentista e administrador do
estanco. Ambos encontraram os povos com pouco aprazimento para engolir a pílula, sendo
obrigados a recorrer a manobras, disfarçes, peitas e ameaças. Dizia o judeu Jansen que, do seu
próprio bolso, tivera que gastar em gorjetas mais de um conto de réis57, quantia apreciável para o
tempo. Antônio de Souza Soeiro, procurador da Câmara, "suspeito de cristão-novo", vendeu seu
assentimento por uma patente de capitão de infantaria com soldo; o vereador Jorge de São Payo
prometeu o seu em troca de fazendas e gêneros.
Segundo todos os documentos contemporâneos e os resultados das devassas ou inquéritos
procedidos, o estanco foi estabelecido em São Luiz pelos recursos da "fraude, terror e corrupção".
O governador Sá e Menezes envolveu-se, em todos esses "vergonhosos manejos". Já viera de
Portugal mancomunado com os judeus. A devassa procedida mais tarde, depois da sublevação dos
maranhenses, revelou "escândalos incríveis". Havia mesmo sociedade entre o governador, o judeu
Jansen, um tal de André Pinheiro e outros.
Os oficiais da câmara chamados à presença de Sá e Menezes e de Jansen, em Belém, para onde
ambos se haviam transportado, após o estabelecimento do estanco no Maranhão, ouviram do
primeiro que Sua Majestade ordenava a introdução do mesmo estanco "sem dependência de
consulta ao povo", não admitindo a menor réplica ou a mais leve objeção58. O rei era, assim,
enganado no seu propósito, porque cuidaria que o povo a tudo assentiria de boa vonta de, consoante
o silêncio deste pelos seus procuradores naturais e os informes que receberia; o povo também era
enganado, julgando que o soberano houvesse dado ordens tão terminantes e despóticas. De parceria
com o governador venal, os cristãos-novos desenrolariam seu plano de assalto às riquezas do
Maranhão e do Pará.
Certos da impunidade, pintaram o sete. Como houvesse crise de mão-de-obra e as entradas de
negros que se destinavam a atendê-la estivessem ao seu alvédrio, pois possuíam exclusivamente do
tráfico, vendiam os escravos por preço muito acima do comum, obrigando o pagamento à vista,
quando anteriormente as vendas eram feitas à prazo, para facilitar a aquisição aos agricultores
sempre baldos de cabedais. As mercadorias de que tinham o monopólio e que ninguém poderia
obter noutra parte, eram de péssima quali dade e alto preço. Usavam, além disso, pesos e medidas
falsificadas. O escrupuloso e eminente João Francisco Lisboa assim descreve a grande roubalheira
judaica: "Impedia-se ou dificultava-se aos moradores a remessa de suas drogas para o reino, ou o
retorno do que elas lá produziam59, se alcançavam mandar algumas. O estanco só recebia em pagamento cravo e pano60, recusando o açúcar, cacau, tabacos e couros61; e daí resultava que não
podendo os moradores dar outras saídas a estes produtos, viam-se obrigados, para não os perderem
de todo, à sacrificá-los por baixos preços a mal disfarçados agentes do mesmo estanco, dos seus
administradores, ou de outros-potentados, que os compravam a poder de barato. Os navios não
vinham ao Estado com a regularidade afiançada62; e, para que nenhum gênero de vexação faltasse
naquela geral opressão, tinham os administradores uma grande aldeia de índios, ocupados em lavrar
farinhas e outros gêneros que, postos à venda em grande escala no estanco, faziam ruinosa
concorrência, aos demais lavradores já extenuadas"63. Chama-se a isso, em boa linguagem, um
verdadeiro saque organizado!
57

Idem, idem pag. 87. Em geral os historiadores, que só vêem as aparências políticas, insistem em apontar a questão da
escravidão dos índios como a causa principal da revolução; mas o exame dos fatos documentados nos mostra que essa
causa foi o estanco judaico.
58
Op. cit. tomo II, pág. 88.
59
Isto é : congelavam os créditos na Europa...
60
) Isto é : a produção menor...
61
Isto é : a produção maior...
62
isto é : transportes e fretes estavam em suas mãos...
63
Op. cit. tomo II, pág. 89.

31

Levantou-se, pois, o "clamor universal" dos explorados por aqueles conversos, os mesmos
que, em Portugal, séculos afora, costumavam tomar os produtos para os vender, depois, a preços
exorbitantes64. O governador permanecia em Belém e regia o Maranhão em seu lugar um tarimbeiro
irresoluto e pusilânime, Baltasar Fernandes. Começaram a aparecer pasquins pregados pelas
esquinas, ameaçando de morte ao rapinante Jansen65. Quando em qualquer roda se falava daquelas
vilanias e ladroagens descaradas, os punhos crispavam-se ameaçadores e odientos. A revolução andava no ar. Bastava aparecer um homem que polarizasse o descontentamento e a cólera para ela
explodir com todas as suas imprevisíveis conseqüências.
Esse homem ia ser um senhor de engenho que já se insurgira antes contra o miserável
governo de Inácio Coelhos antecessor de Sá e Menezes e tão bom como tão bom. Por isso, estivera
deportado dois longos anos na fortaleza de Gurupá. Da devassa a que fora submetido, não resultara
sua culpabilidade e E1 Rei o mandara pôr em liberdade66.
Chamava-se Manuel Bekman e aportuguesara seu nome na forma de Bequimão. Filho de pai
alemão e mãe lusa, "seus detratores, afirma João Francisco Lisboa67, para o macular, diziam ser de
raça judaica". Isso é hábito dos judeus contra seus inimigos. Não têm o desplante de dizer até que
Hitler é judeu? A vida de Bekman, sua franqueza, seu destemor, seu espírito de sacrifício, sua
atitude em presença da morte, por si só, desmentem a calúnia. O judeu Isaque Izeckson, à cata de
glórias judaicas na história do Brasil, não se atreve a tal afirmação e se limita a dizer: "Se bem que
não tenhamos bases exatas para afirmar que os irmãos Bekman, promotores da revolta do Maranhão, fossem judeus, essa hipótese não seria descabida, especialmente se nos guiássemos pelo
nome, que lembra bem o de judeus holandeses ou alemães. Sobre isso não insistimos"68.
É conveniente não insistir, porque a hipótese é descabidíssima. Tudo a põe por terra. Bekman
é o herói de uma reação nativista contra o disfarçado ,judaísmo dos assentistas da maldita
companhia de comércio, que infelicitou, como vimos, o extremo Norte do Brasil. Entretanto, no
"Almanaque Israelita" de 193569, os judeus têm o topete de afirmar com todas as letras que o Norte
foi, por muito tempo, a parte principal do Brasil, graças ao trabalho, a iniciativa e a inteligência
judaica. Felizmente, João Francisco Lisboa nos deixou pintada com a mão de mestre a espantosa
realidade da ladroeira e da espoliação.
Manuel Bequimão viera moço para o nosso país e chegara a uma certa abastança pelo seu
trabalho honrado de agricultor. Nunca se metera em negócios nem com negocistas. Ligara-se à
nobreza da terra, aos cristãos-velhos e ao clero. Não gostava dos jesuítas por causa da questão do
trabalho servil dos índios. De volta do seu desterro, viu-se quase arruinado pelo desamparo em que
deixava seus teres e haveres. O estanco garroteava-lhe as possibilidades de refazer-se, como a todos
seus contemporâneos. O estanco judaico estancava todas as fontes de produção. Era natural que a
revolta lhe lavrasse no íntimo contra os opressores; aliás, ela lavrava no coração de toda a gente.
Teixeira de Morais, cronista parcial da revolução e que nela tomou parte, debuxa-lhe o
retrato em cores negras, dizendo-o "inspirado pelo ódio e pela baixeza"70. Cúmplice na rebeldia,
não se pejou de ultrajar covardemente o sacrificado, não só para fazer olvidar sua participação
como para vingar-se das adulações servis com que o cercara, quando estivera no poder. O
venerável João Francisco Lisboa refuta-o, defendendo aquele "vulto nobre e grandioso"71. Os
documentos oficiais desfazem todos os aleives e protérvias dos inimigos de Bequimão.
Seu irmão mais moço, Tomás, era um tanto turbulento, poeta repentista de veia satírica. Os
principais cabeças da revolta, depois de Manuel Bekman, eram o velho vereador Jorge de São
Payo, homem ativo, inquieto, inconstante, pouco seguro de língua e atitudes, que já recebera pre
64

João Lúcio de Azevedo, "História dos cristãos novos portugueses", pág. 39.
Ofício de Sá e Menezes à Corte, de 26 de agosto de 1683.
66
Carta-régia de 24 de janeiro de 1680.
67
Op. cit. tomo II, pág. 92.
68
Dr. Izaque Izeckson, loc. cit. pág. 20.
69
Pág. 16.
70
"Relação histórica dos tumultos do Maranhão", parte 2a caps. 3° e 4°.
71
Op. cit. tomo II, págs. 94-95
65

32

sentes do judeu Jansen, e um veterano na defesa do povo contra os despotismos e prevaricações das
autoridades e dos mercadores, Francisco Dias Deiró.
Requimão articulou a conjura com sessenta companheiros, que se reuniam à socapa no
convento dos capuchinhos. Desde tempos que seu irmão vinha colando pasquins em prosa e verso
pelas paredes, pois não havia jornais e essa era a imprensa da época os quais pasquins concitavam o
povo à revolta e criticavam a gente do estanco e do governo que o sustentava. Mais violentos e
desabusados ataques faziam os frades capuchinhos e carmelitas nos seus sermões. Todo o clero
"aderiu à revolta", menos os jesuítas, por causa das turras com a nobreza rural desde o caso da
escravização dos índios. O próprio bispo não foi estranho ao sucesso e como que até o favoreceu72.
A incúria do governo do inepto Baltasar Fernandes, que substituía Sá de Menezes, ausente
no Pará e preocupado com seus ganhos, permitiu ao movimento avançar sem encontrar óbices.
Na noite de 23 de fevereiro de 1684, véspera de sexta-feira de Passos, houve a derradeira
reunião dos conjurados na cerca dos capuchos, lugar ermo e retirado. Bequimão falou com
eloqüência, expondo o que pretendia fazer: expelir os assentistas, acabar com o estanco, expulsar os
jesuítas e depor às autoridades. Tudo foi aplaudido, menos a última parte que a todos surpreendeu e
em todos despertou receios. O prestígio do poder real e o medo da grande responsabilidade que iam
assumir assustaram e dividiram aqueles homens. Travaram-se discussões, muitos ameaçaram
retirar-se e parecia ir tudo por águas abaixo. Foi quando o forçudo e decidido ilhéu Manuel Serrão
de Castro arrancou da espada e gritou que o seguissem. O arrojo da atitude destemerosa
entusiasmou os maranhenses, que o acompanharam pelas sombras da noite rumo ao casario
adormecido de São Luiz. Pelo caminho, os moradores despertados iam se armando e engrossando a
turba, que, ao amanhecer, tomou conta da capital, prendendo as autoridades. Não se derramou uma
gota de sangue. O corpo da infantaria paga e os próprios meninos das escolas fraternizaram com os
rebeldes. Era uma grande aspiração popular que se realizava.
Bequimão nada tinha de cesariano e convocou imediatamente a Junta Geral, composta do
clero, da nobreza e do povo, à qual deu conta de todos os sucessos, sendo muito vitoriado.-Não
houve a menor desordem. Aclamou-se novo governo constituído pela câmara, três adjuntos e dois
Procuradores do Povo: Bequimão e Eugênio Ribeiro Maranhão. Nomearam-se novos oficiais e
criou-se uma Guarda Cívica. Malgrado a grande exasperação popular, não sé consentiu no saque
dos bens dos espoliadores. Fechou-se o estanco e se arrecadou em boa forma o que tinha em depósito. Nenhuma pessoa foi morta ou perseguida73. A multidão encheu as ruas e largos em regozijo,
com músicas, cantos e danças. Bequimão falava-lhe constantemente da janela do Senado, com
eloqüencia natural, entusiasmando-a e dando-lhe pormenorizada conta de todas as providências
governamentais.
A revolução triunfante não podia ficar circunscrita a São Luiz. Precisava alastrar-se para se
tornar mais forte e impor a libertação dos povos explorados. Bequimão procurou adesões em
Tapuitapera74 e Belém. Seus enviados encontraram apoio de palavras quanto a extirpação do
estanco, mas a maior frieza quanto à deposição das autoridades reais, ato audacioso que alarmava
toda a gente. Foi esse o primeiro desânimo que turvou a fé do revolucionário maranhense.
Enquanto passava o tempo, elementos internos, inimigos íntimos, solapavam disfarçada e
lentamente a obra da revolução. Os padres da Companhia, a bom recado no seu colégio,
manobravam as inteligências com que contavam lá fora. Só algum tempo mais tarde foram
embarcados para o reino. O povo, fatigado do serviço da milïcia,era hábilmente levado a reclamar
contra o abandono em que estavam ficando engenhos e roças. Os vianenses, bastante numerosos
em São Luiz, conversos de Viana, em Portugal espalha vam boatos e semeavam confusões em
surdina, desanimando a uns e outros. Foi quando Hilário de Souza, provavelmente cristão-novo,
veio de Belém avistar-se com Bequimão, a quem prometeu dar parte de Sá e Menezes, que não
queria complicações e escândalos para a corte, 4 mil cruzados e o indulto com honras e postos, caso
72

Padre Bettendorf, "Crônica da Companhia de Jesus", cap. 1.
Compare-se com o que fizeram os judeus mascates e emboabas, triunfantes em Pernambuco e em Minas, e que vem
descrito nos capítulos seguintes.
74
Alcântara.
73

33

submetesse a ele e ao estanco. O nobre procurador do povo repeliu dignamente a proposta e deu-lhe
publicidade75. Basta este gesto para tornar descabidíssima a hipótese de Isaque Iseckson. Nenhum
judeu até hoje recusou dinheiro.
A retidão observada por Bequimão na venda e repartimento dos escravos antes pertencentes
ao estanco desgostou a muitos que haviam entrado na rebeldia, não por amor ao povo, mas com a
mira na satisfação de interesses imediatos. Estes começaram a falar mal do novo estado de coisas.
Os atos do governo contra o luxo que ostentavam as mulheres mamelucas fizeram com que elas
saíssem pelas ruas alvoroçando a população. Os vianenses murmuravam maliciosamente que
Tomás Bequimão, nomeado para ir ao reino tratar das reclamações maranhenses junto ao soberano,
muito de indústria demorava a viagem, à espera que rompessem corsários do rei de França a quem
seu irmão desejava entregar a capitania. Pouco a pouco, tudo isso ia minando o prestígio do
governo revolucionário.
Como o povo refugasse o serviço da Guarda Cívica, tomou-se a desastrada resolução de
dissolver essa milícia, que era a única garantia da revolução, reorganizando-se o corpo de infantaria
paga, cujo comando foi entregue, - erro ainda mais grave, ao sargento-mor Costa Belo recém vindo
da metrópole, para onde, enfim, partira Tomás Bequimão.
Desgostoso com o rumo que as coisas levavam, Manuel Bequimão retraiu-se em casa até a
chegada do navio que trazia, com alguma tropa, novo governador, Gomes Freire de Andrade. Em
um latacho que se atrasara, voltava o irmão como prisioneiro de Estado. Chegava também um juiz
ou ministro da Alçada que devia julgar os rebeldes. Antes do governador pisar em terra,
desembarcou por sua ordem o cristão-novo Jacinto de Moraes Rego que logo foi enten der-se com
seus patrícios vianenses. Somente depois dos entendimentos desse enviado com os que
trabalhavam para o mesmo fim dentro da praça, é que Gomes Freire decidiu sua ação.
Era no mês de maio. Nas noites lindas, o céu se cravejava de estrelas faulhantes. Numa
dessas noites, Bequimão convocou seus partidários à cerca deserta dos capuchos. Não vieram mais
os sessenta patriotas animosos que a espada do ilhéu destemido conduzira à vitória. Apareceram
pouco mais de vinte, irresolutos, medrosos, assustados. As palavras de fogo do procurador do povo
não os galvanizaram mais como outrora, quando lhes arengava da janela do Senado. Todavia, não
desanimou de todo. Fez outro convite para a noite seguinte. Não veio ninguém. Somente então se
desenganou.
Gomes Freire de Andrade apoderou-se facilmente de São Luiz com o apoio da infantaria
paga de Costa Belo e os vianenses; mas Bequimão continuou a mostrar-se em público, como quem
anda com a consciência tranqüila, até que o governador mandou prender o bravo Manuel Serrão e o
trêfego São Payo, que levara o cinismo ao ponto de ir beijar-lhe a mão76.
Todos os funcionários presos foram postos em liberdade e estabelecidos em suas funções;
reabriu-se o estan co. Os vianenses, "introduzindo-se com os rebeldes, rastreavam os seus mais
ocultos intentos" e disso davam avi so ao governador. Reinaram, assim, a espionagem e a dela ção.
Por esses e outros inestimáveis serviços, foi Jacin to de Morais Rego nomeado provedor-mor da
fazenda. Os cristãos-novos, ensina o erudito Mário Sáa, têm artes de "preterir todos os
concorrentes" e são "particularmente inventivos" nesta matéria de impostos77. Apavorada por tudo
isso e pelos rumores que corriam de graves punições, a gente da povoação começou a evadir-se e
ocultar-se pelos matos. As ruas desertas pareciam um cemitério. Gomes Freire de Andrade
alarmou-se com o êxodo e publicou um bando de perdão geral, uma anistia, diríamos hoje,
excetuando, porém, os cabeças. Prometia, além dis so, recompensas a quem entregasse Manuel
Bequimão e castigos a quem o asilasse.

75

João Francisco Lisboa, op. cit. tomo II, pág. 110. Sobre a gente de Viana e seu judaísmo, chamamos a atenção do
leitor para o que se diz, no capítulo imediato, acerca do chefe emboaba Manuel Nunes, natural de Viana, e gente desse
lugar.
76
Bettendorf, op. cit cap 13
77
"A invasão dos judeus", pág. 78.

34

Abandonado ao seu destino, o chefe da reação contra o estanco judaico vagou pela ilha de
São Luiz, "repelido de uns, esquivado de outros, e mal recebido por toda parte; até que uma
viúva78 , condoída de sua desgraça, lhe forneceu uma canoa bem remada, na qual se transportou ao
seu engenho do Mearim79".
Não faltou, contudo, um Judas para entregá-lo ao sinédrio do estanco. Encarregou-se do
infâme papel Lázaro de Melo, seu amigo íntimo e que lhe devia benefícios, seguindo para o
Mearim, que conhecia bem, com gente armada, numa canoa. Ao avistar a embarcação, Bequimão
meteu-se num esconderijo seguro; porém desde que soube tratar-se do amigo, voltou confiante e
apresentou-se na ânsia de saber notícias. O malvado entreteve-o de maneira que um dos sequazes
pudesse aproximar-se e amarrá-lo pelas costas. Os escravos do engenho acudiram em armas para de
fender o amo benquisto, mas foram intimados a nada fazer em nome de El Rei. Garantido pelo
respeito dos pobres negros à autoridade real, Lázaro de Melo levou o infeliz ajoujado para a canoa,
onde ainda lhe meteu grilhões. De entrada, Bequimão exprobou a infâmia; depois solicitou que o
aliviassem dos ferros e nós, dando palavra de honra que não tentaria fugir, Tal era o prestígio de
sua lealdade e honradez, que o outro o atendeu80.
O processo contra o chefe revolucionário foi fulminante, "mais do que sumário", diz
Teixeira de Morais, insuspeito no caso. Acrescenta que Gomes Freire de Andrade assinou a
sentença cheio de mágoa e com mão tão trêmula que a firma nem parecia sua. Mas o Kahal
mandava e as ordens secretas do Kahal tinham de ser cumpridas.
A página da obra de João Francisco Lisboa que narra circunstanciadamente o fato, o grande
Odorico Mendes ofereceu esta apostila que obriga a meditar: "Gomes Freire de Andrade mandou
injustamente executar Manuel Bek man como inconfidente; e passado século e meio, a 18 de
outubro de 1817, um descendente do governador do mesmo nome, isto é, o general Gomes Freire
de Andrade, foi fuzilado (?) na esplanada da torre de São Julião, em Lisboa, como inconfidente,
também injustamente81. Será verdade que a culpa dos pais recai sobre os filhos até a quarta
geração?".
Com Bequimão, foram condenados também à morte Jorge de São Payo e Francisco Dias
Deiró, que conseguiu fugir e foi executado em efígie. Muitos outros revoltosos receberam penas de
multas, sequestro de bens, açoites e degredo. A forca se ergueu na praça do Armazém, hoje da
Trindade, no dia de finados do ano de 1685. Manuel Bequimão "recebeu a morte catolicamente
animoso", pronunciando estas derradeiras palavras: - Morro satisfeito em dar a vida pelo povo do
Maranhão82.
Deixava viúva e duas filhas na maior miséria, porque seus bens haviam sido confiscados.
Conta-se que Gomes Freire de Andrade praticou o ato generoso de mandar arrematá-los em segredo
por pessoa segura, doando-os às infelizes. Muito lhe devia doer a consciência! O Judas-Lázaro
recebeu a paga de sua felônia: uma mísera patente de capitão. Também em vida recebeu a paga da
Justiça Divina: conta o velho Barredo que, uma feita, consertando seu engenho, teve, de repente, o
pescoço envolvido por cordas e morreu enforcado...
Há quem pense no Brasil, em comemorar o centenário do desembarque de Maurício de
Nassau, preposto de companhia de judeus-portugueses da Holanda; não houve ainda quem se
lembrasse de promover a ereção de uma estátua ao nobre e abnegado Manuel Bequimão, vítima dos
judeus-portugueses da ladroeira do estanco! Os verdadeiros heróis nacionais ainda esquecidos; os
heróis judaico-maçônicos são sempre lembrados...
A mocidade, devidamente esclarecida, compete reagir contra isso.

78

Sempre o generoso óbulo da Viúva... Outra Viúva esconderia Tiradentes...
João Francisco Lisboa, op. cit. tomo II, pág 120.
80
Op. cit, tomo II, pág. 121-122.
81
Op. cit. tomo II, pág. 122, nota. Injustamente também não. Gomes Freire, grão mestre da maçonaria, era chefe de
uma conjura contra o regime em vigor. Morreu enforcado e não fuzilado.
82
Op. cit. tomo II, pág. 123. Cf. Teixeira de Morais, op. cit. parte 22, cap. 13; Bettendorf, op. cit.
79

35

CAPÍTULO VI
A tragédia do ouro
A DISPUTA entre as coroas da Castela e Portugal sobre a posse das novas terras descobertas
na América do Sul forçou ambas a se submeterem ao juízo de Salomão do Papado. O pontífice
traçou na carta do continente o meridiano de Tordesilhas, linha de limites do campo de ação dos
litigantes, destinada a ser o eixo geográfico em tor no do qual giraria a história do Brasil. Ela corria
dá embocadura do Amazonas à Laguna em Santa Catarina. Além, tudo era de Espanha; aquém,
tudo de Portugal. Quando se olha hoje para o mapa do nosso país é que se vê quanto foi recuado o
meridiano papal pela energia dos bandeirantes, construtores da Grande Pátria, e quando o consagrou a doutrina do uti posidetis, habilmente invocada e defendida por Alexandre de Gusmão.
A penetração bandeirante foi realizada aos poucos, aproveitando de início os caminhos dos índios,
segundo ensina Capistrano de Abreu; depois, os sertanistas internaram-se mais, na caça do índio
que escravizavam; afinal o ouro e a pedraria incendiaram-lhes a cobiça. Ao princípio, as instruções
reais, pelo receio de invasão das possessões espanholas que o desconhecimento do território fazia
pressupor mais próximas, peavam os avanços para o interior1. Era inteiramente desconhecido aquilo
que Pero de Magalhães Gandavo chama, com grande propriedade, a "largura" do Brasil para o
sertão. Dos índios que a enchiam vinha uma tradição da existência de metais e esmeraldas, um
sonho amarelo e um sonho verde, que a nos sa bandeira perpetua e que aqueceriam a mente de
muitos homems intrépidos pelo tempo além. Circulavam "notícias vagas, mas insistentes" de
"grandes riquezas naturais jacentes no sertão "serras de ouro e prata"2. Por lhes dar crédito, já no
meado do século XVI, em 1553, conforme narra Aspicuelta Navarro, o castelhano peruleiro
Francisco Bruza Espinosa se internou até o rio Jequitinhonha.
Os primeiros impulsos bandeirantes partem da Bahia. Daí saíra Bruza Espinosa; daí sai o
vereador Dom Vasco Rodrigues Caldas, nas suas pegadas, o qual é desbaratado pelo gentio bravo.
Ao mesmo tempo, por todos os lados os jesuítas iam entrando na catequese, aldeando a indiada
confiante na sua palavra evangelizadora.
Narra Gandavo que, em 1570, Martim de Carvalho, penetrou 200 léguas na largura do sertão
e colheu amostras de metais e pedras, que foram perdidas no naufrágio de uma canoa. Em 1572 e
1573, Sebastião Fernandes Tourinho, subiu o rio Doce e apanhou pedrarias e pepitas. Entrada mais
digna de nota foi a de Antônio Dias Adorno, neto de Caramuru e Paraguassu por sua mãe, filho de
italiano, que se meteu pelo rio das Caravelas, fez ampla colheita de esmeraldas e turmalinas,
adoecendo no Jequiriçá, em casa de Gaspar Soares. O cunhado deste, João Coelho de Souza,
sabendo dos achados de Adorno, encheu-se de desmesurada ambição, seguiu-lhe a trilha e
encontrou "preciosas amostras". De volta, salteado pela morte, entregou seu roteiro ao sobrinho
Gabriel Soares, filho do cunhado3.
Do episódio nasce a lenda histórica das famosas Minas de Prata. Gabriel Soares foi à Espanha e,
depois de muitas delongas, conseguiu falar com Filipe II, em 1586. Obteve provisões e mercês,
regressando em 1591 com mais de 300 pessoas. Naufragou na costa do Vasa-Barris, perdendo tudo,
menos a gente. Não desesperou por isso e fez a sua entrada, morrendo das fadigas que ela lhe
custou. Depois, Belchior Dias Moreia, também descendente do Caramuru, "faz ao sertão baiano,
abrangendo vasta área franciscana, a sua notável viagem de oito anos, a começar em 1595", diz
Urbino Viana. Afinal, aparece o herdeiro do roteiro célebre, Roberto Dias, que quer o título de Mar
1

Diogo de Vasconcelos, "História antiga de Mina Gerais". Imprensa oficial, Belo Horizonte, 1904, pág. 6
Op. e pág, cit. Domingos de Loreto Couto, "Desagravos do Brasil e Glória de Pernambuco". Diogo de Vasconcelos
não é um historiador que mereça inteira fé; por isso, somente o citamos quando comprovadas em fontes mais seguras
as suas informações.
3
) Diogo de Vasconcelos, op. cit. pág. 15. Urbino Viana, "Bandeirantes e Sertanistas Baianos", ed. da Cia.
Editora Nacional, S. Paulo, 1935, págs. 17 e 133. Gabriel Soares foi o autor do "Tratado Descritivo" e teve o título de
capitão-mor e governador da conquista e descobrimento do rio de São Francisco".
2

36

quês das Minas, que vai à corte, que volta em companhia de D. Francisco de Souza, que o extravia
pelas veredas invias do sertão largo e leva para o túmulo o seu segredo...
Para se ter uma idéia nítida do valor desses homens que entravam pelos sertões
hostis, sem fazer literatura recorro a um historiador circunspecto e documentado. Leiamo-lo: "Eram
homens ousados e intrépidos que se embrenhavam pelos sertões das Minas em busca de ouro; de
vontade firme, pertinaz, inabalável. Cegos pela ambição, arrostavam os maiores perigos; não
temiam o tempo, as estações, a chuva, a seca, o calor, os animais ferozes, répteis que davam a
morte quase instantânea, e mais do que todo o indômito e vingativo índio antropófago, que lhes
devorava os prisioneiros e lhes disputava o terreno palmo a palmo, em guerra renhida e
encarniçada. Muitas vezes viajavam por esses desertos, descuidados e imprevidentes como se nada
devessem recear. Para eles, não havia bosques impenetráveis, serras alcantiladas, rios caudilosos,
abismos insondáveis. Se não tinham o que comer, roíam as raízes das árvores; serviam-lhes de
alimento os lagartos, as cobras, os sapos, que encontravam pelo caminho, quando não podiam obter
outra alimentação pela caça e pesca; se não tinham o que beber, sugavam o sangue dos animais que
matavam, mascavam folhas silvestres, ou as frutas acres dos campos 4". O retrato, em largas
pinceladas, do conquistador sertanejo deve ser guardado de memória para o compararmos mais
adiante com o do mercador interesseiro e hipócrita, que lhe vai tirar das mãos minas, depois de
conquistadas pela sua bravura. Esse foi o grande drama brasileiro das Minas,- a tragédia do ouro.
Os sertanistas alcançaram a chamada serra das Vertentes no fim do século XVI, em 1579,
descobrindo as minas de Jaguamimbaba e denominando àquela região, de acor do com o falar do
índio, Amantikira, que se corrompeu em Mantiqueira. Começava o século XVII, quando Marcos de
Azevedo Coutinho, partindo do Espírito Santo, subira o rio doce, achando o primeiro diamante e
penetrando no chamado sertão das Esmeraldas5. Depois dele, João Correa de Sá e Benevides faz
uma tentativa de bandeira, quese malogra ao choque dos índios bravios.
Pelo lado de São Paulo, a penetração começara desde os albores do século XVI, quando a
gente de São Vicente principiou a se estender pelo litoral até Laguna e a escalar os primeiros
pendores da Serra do Mar. Transposta a montanha, iriam pelo Tietê aos sertões do Paraná e do
Paraguai; por Sorocaba, aos campos da Vacaria e do Prata; por Taubaté, à Mantiqueira e aos
Cataguases. Os rumos estavam traçados,esperando a energia bárbara dos bandeirantes paulistas,
que só se vai afirmar de fato com a volta do Brasil à coroa portuguesa pela aclamação de D. João
IV. O século XVII é o grande século das bandeiras.
São Paulo estava fundado no planalto piratiningano e seus sertanistas batiam os matos e
serranias, escravizando a indiada. A progênie dos cristãos-novos, sangue de cohens como João
Ramalho e outros, vivia sempre em luta aberta, por causa dessa escravização, com os jesuítas. Em
1645, um de seus opulentos moradores, Felix Jaques, procurador da condessa de Vimieiro 6, funda o
arraial de Taubaté e entra pelo sertão de Cataguases até o rio Verde, debandando os índios e
abrindo o caminho para o interior de Minas Gerais. Agostinho Barbalho, que era pernambucano 7,
para seguir-lhe o exemplo uns vinte anos depois, traz cartas-régias de D. Affonso VI, mas morre no
Espírito Santo, antes de lograr o seu intento.
As cartas-régias demonstram que já E1 Rei esquecera os escrúpulos acerca do meridiano e
estava resolvido a impelir a avançada para Oeste. É o sexagenário morador paulista, mistura de
sangue brabanção e luso, Fernão Dias Pais Leme, quem toma aos ombros, com oposição de todos
os de sua casa, a tarefa cometida a Barbalho, conseguindo na primeira investida vencer e aldear os
goianenses. Recebeu as cartas-patentes em 1792, preparou a bandeira em 16748, levando consigo o
4

Joaquim Felício dos Santos, "Memória do distrito diamantino", Tipografia Americana, Rio de Janeiro, 186,8, págs. 8
e 9.
5
"Diogo de Vasconcelos", op. cit. págs. 22-23.
6
0 nome, a opulência a procuradoria permitem certa suspeita de cristão-novo... Aliás,"na psique coletiva das tribos de
Israel e do povo paulista há aspectos de uma impressionante semelhança", depõe Paulo Prado, "Cristãos-Novos em
Piratininga" in "os judeus na história do Brasil", pág. 77
7
Pedro Taques, "Nobiliarquia Paulistana", ed Taunay.
8
Diogo de Vasconcelos, op. cit. pág. 34.

37

genro Borba Gato e o filho natural José Dias Pais. Longa foi a trajetória da gloriosa bandeira
Mantiqueira acima, sertões de Cataguases adentro, toda ela "crivada de sepulturas, cortada de combates e misérias", até às margens do Paraopeba, onde se viu, no fim de dois anos de jornada,
abandonada e sem recursos. Era grande humilhação tornar de tão longe a São Paulo de mãos vazias.
Fernão Dias preferiu ficar pesquisando a prata e o ouro pelos ribeirões e córregos da região de
Sabarabussu, fundando o arraial do Sumidouro. Mas os seus companheiros murmuravam
descontentes e o seu próprio filho participou de uma conjuração contra ele. Mandou executá-lo
sumariamente.
Quando voltaram os portadores que mandara a São Paulo buscar recursos, fazia já três anos
que ele andava pelo sertão. O que veio custar as jóias da sua mulher. A miragem, porém, do metal
precioso que ele adivinhara naquelas brenhas o aguentava nas marchas penosas pelos ermos e
socavões. No fundo longínquo do horizonte, o cume azul do Itambé balizava sua rota em busca da
lagoa Vupabussu, onde dormia o velho segredo das esmeraldas. Descobriu-a, mas apanhou a
palustre e foi morrer de regresso, tristemente, à vista do arraial do Sumidouro. Os restos da
bandeira, guiados por Garcia Rodrigues, foram encontrar, em 1681, D. Rodrigo de Castelo Branco,
governador ou administrador das Minas, no velho arraial de Santa Ana do Paraopeba. Garcia
Rodrigues entregou-lhe a metade das esmeraldas trazidas por Fernão Dias.
D. Rodrigo, castelhano e cheio de empáfia de seu cargo, já embriagado pela ambição das
minas lendárias, ainda não achadas, dirigiu-se ao Sumidouro, a fim de entender-se com Borba Gato,
que lá ficara com um troço de gente. Da discórdia e intriga que houve entre ambos, resultou a morte
do fidalgo castelhano a tiros, por dois pajens do bandeirante, numa entrevista com este. A gente que
acompanhava o administrador voltou temerosa para São Paulo. Os paulistas dispersaram-se por
aquela imensidão de terras, estabelecendo-se as primeiras fazendas de gado. E Borba Gato,
receando a justiça de El Rei, afundou-se no sertão.
No ano da Graça de 1640, quando Amador Bueno fora aclamado rei de São Paulo, se
escondeu no mosteiro de São Bento e mandou chamar Lourenço Castanho Taques, sangue dos
Taccen do Brabante, a quem pediu que dissuadisse o povo daquela aclamação. Lourenço Castanho
Taques era homem opulento, maioral da vila e peruleiro9. Sustentava como bom cristão-velho, os
padres da Companhia de Jesus contra os escravagistas e cristãos-novos. Em 1675, entrou pelo
sertão e foi até o Araxá, aniquilando o gentio cataguás e descobrindo o ouro de Goiás, de que se
falava já e Antônio Pedroso buscara até o Paraopeba.
Guiando-se pelos picos azuis que emergem do oceano coagulado das cordilheiras, pelo Itambé ou
pelo Itacolomi, os buscadores de ouro e pedras descortinavam o ser tão imenso e foram os
primeiros a ter a inolvidável sensação de grandeza do interior do Brasil. Uns foram sucedendo aos
outros no mesmo anseio de conquista, na mesma ambição do metal precioso e, por que não dizê-lo,
na mesma emulação de glória. Vede a sua incomparável teoria na "História Geral dos Bandeiras
Paulistas" de Taunav. Alinham-se em série os Souza, os Gomes, os Arzão, os Bueno, os Garcia,
Um Furtado de Mendonça que atinge o Ribeirão do Carmo e um Antônio Dias, que, no fim do
século XVII, em 1698, funda Ouro Preto. O século termina com o reaparecimento de Borba Gato,
que é indultado e nomeado tenente-general. O velho sertanista assenta no Sabarabussu o arraial do
Rio das Velhas. Então, pára o vaivém das bandeiras e começam os estabelecimentos definidos e
definitivos das lavras. As minas haviam sido encontradas. Borba Gato apanhara as primeiras
pepitas de ouro às margens do Rio das Velhas 10. Agora, era fruir os resultados daquilo que custara
tanta canseira, tanta luta e tanta privação.
9

Pedro Taques, op. cit. pág. 245
W. L. Fschwege, "Pluto Bras iliense" de 1833. - Dissertação sobre as riquezas do Brasil em ouro, diamantes e outros
metais". Tradução do judeu Rodolfo Jacob in "Coletânea de Cientistas Estrangeiros". Belo Horizonte, 1922. Na opinião
de Joaquim Felício dos Santos, op. cit. pág. 13, a descoberta do ouro das Minas data de 1695, quando António
Rodrigues Arzão, de Taubaté, que a_n dava à caça de escravos, apresentou três oitavas, que e_x traíra ao capitão-mor
do Espírito Santo. Todavia, o alvará que estabeleceu a cobrança dos quintos data de 18 de agosto de 1618. Essa
cobrança, segundo o mesmo Joaquim Felício dos Santos, loc. cit., somente começou nas Gerais em 1700.
10

38

Mas, consoante o dizer do povo, o bolo não é para quem o faz e sim para quem o come.
Devasso o sertão, localizadas às catas, o bandeirante não recebe o prêmio do esforço heróico,
porque o judaísmo dos emboabas ou pintos-calçudos, com sua organização e, sobretudo, seu dinheiro, vai expulsá-los pela força. Esse conflito entre paulistas e emboabas, simboliza na opinião de
Pedro Calmon, no "espírito da sociedade colonial", a luta pela apropriação do eldorado interior
travada pelo ádvena contra o brasileiro. A carta-régia de 18 de março de 1694, dava aos
descobridores a plena propriedade dos achados, mas os que se queriam aproveitar das conquistas de
seu heroísmo lhes roubariam o fruto de mil sacrifícios. Os guerreiros odiavam os mercadores ou
mascates, acrescenta o mesmo historiador, porque com o seu dinheiro se enobreceriam,
vencendo-os, realizando "a idéia brutal de lançarem pela violência fora das Minas seus
adversários'11.
Desde 6 de fevereiro de 1648, quando foi baixado em Portugal o alvará isentando de confiscação a
fazenda dos cristãos-novos que emigrassem, o qual resultava daquele contrato da Companhia do
Brasil. organizado com capitais judaicos, contrato ao principio condenado pelo Santo Ofício, que o
padre Antônio Vieira agenciara e defendera crescera para cá a emigração de índividuos ativos, na
maioria judeus, ansiosos de se enriquecerem nas minas de ouro de que já muito se falava. Certos
autores até a isso atribuem o início da decadência de Portugal12. Esses forasteiros e mais os da
Bahia - ninho de cristãos novos, correram em aluvião para as minas entrando os últimos, sobretudo,
pelo Espírito Santo, caminho desembaraçado, porque os de São Paulo e Rio eram de algum modo
vigiados pelas autoridades. A árdua conquista bandeirante do Oeste ia, assim, servir às ambições
inescrupulosas do cosmopolitismo litorâneo. "Das cidades e lugares marítimos, diz Simão Pereira
Machado, sobreveio inumerável multidão... Viu-se em breve tempo transplantado meio Portugal a
este empório já célebre por todo mundo13...Assegura Taunay que os moradores "despejavam as
vilas, afundando-se no sertão"14. Emigração colossal15!
A afluência dessa gente às catas e garimpos determinou, como sempre em casos análogos, a
desordem social: vinganças, roubos, furtos, vexações, especulação, jogo, luxo e gastos
desenfreados. As Minas tornaram-se o paraíso de aventureiros de toda casta e de toda parte, vadios
que extorquiam de todos os meios e modos o ouro aos que o bateavam nos córregos e rios.
Quem eram os principais desses adventícios baianos ou reinóis? Diz a História que as Minas
se encheram de mercadores, sobretudo mascates ambulantes, exploradores de vícios e luxúria. A
mascateação e a exploração de mulheres são até hoje profissões eminentemente judaicas. Desses e
outros motivos a profunda ojeriza do paulista guerreiro contra essas homens de negócio a que se
aludem todos os historiadores dos acontecimentos. A acepção atual da palavra tratante trai, na
linguagem usual,o vestígio desse rancor antigo. Sente-se o judaísmo emboaba na descrição de
Diogo de Vasconcelos, e em que vão grifados os pontos essenciais: "Acima dos paulistas gozavam
da vantagem de ser conhecidos e amparados pelos compatriotas das praças marítimas que lhes
forneciam à crédito instrumentos e escravos africanos16, obreiros estes únicos que podiam suportar
as fadigas medonhas de tal indústria desumana e cruel como foi a das minas. Em tais condições, e
em breve tempo, as terras mais ricas, as regiões mais férteis, ficaram pertencendo aos reinóis; e
algumas outras também aos baianos que dispunham de tais elementos"17. Azevedo Marques revela
o que eles pretendiam: a fortuna das minas sós e sem partilha 18. Tomavam judaicamente o resultado
do heroísmo alheio!
11

Diogo de Vasconcelos, op. cit. págs. 200-207.
Eschwege, op. cit. pág. 401
13
Simão Pereira Machado, "Triunfo Eucarístico".
14
Escragnolle Taunay, "Na era das bandeiras", pág. 89.
15
José Pedro Xavier da Veiga, "Efemérides Mineiras" - 1664 - 1897, imprensa oficial, Ouro Preto, 1897, tomo I, pág.
231. Cf. Rocha Pita, "História da América Portuguesa", Imprensa Econômica, Bahia, 1878, pág. 358; "Memória sobre o
Estado da Bahia", publicação oficial, 1896.
16
A eterna "rede de crédito" a que aludiu Pedro Calmon quando os judeus do açúcar pernambucano...
17
Diogo de Vasconcelos, op. cit. pág. 120. 0 pro cesso é do judaísmo de todos os tempos...
18
Azevedo Marques, "Apontamentos Históricos", pág. 243.
12

39

Espoliados e decadentes, os paulistas lançaram-se à procura de novos lavradios de ouro ou se
refugiaram nas roças, vendo, com a mais justa indignação,"o domínio do país passar ao poder dos
seus competidores". Naturalmente, os partidos se extremaram e a luta que se ia travar assumiria um
caráter nitidamente nativista. Mais uma vez, do mesmo modo que na guerra holandesa a
consciência brasileira se insurgira contra a inominável espoliação judaica, que se consumou,
porque, como o faz notar Pedro Calmou, na "História da Civilização Brasileira", o emboaba,
enriquecido pelo negócio, possuía a "superioridade da cooperação" e com o dinheiro podia pagar
mais escravos para o trabalho das lavras e os exércitos mercenários de mamelucos e índios.
Rebentara na Europa a Guerra de Sucessão da Espanha em que Portugal se envolveria
contra a França, não podendo, por isso, dispor de tropas para impor ordem na colônia
sul-americana, que os corsários de Luiz XIV atacavam. Os judeus eram amigos destes, tanto que
houve no Rio de Janeiro cristãos-novos que se abraçaram à bandeira de Duguay-Trouin e foram
embora nas suas naus19.
A nomeação de um paulista, Pedro Morais Raposo, para capitão-mor das Minas pareceu dar,
por um instante, ganho de causa aos brasileiros.
Estalaram os primeiros conflitos entre as duas facções em Caetê, onde o principal dos reinóis
ou emboabas era o potentado Manuel Nunes Viana, filho de Antônio Nunes Viegas, natural de
Viana, em Portugal, antigo caixeiro na Bahia, mercador e monopolista, possuidor de 50 arrobas de
ouro. Dizem os historiadores que era insinuante, amável, mesmo amaneirado com a freguesia e que
procurou fugir da luta, "que não lhe convinha", procurando apaziguar os ânimos 20.
Em uma história secreta, nem sempre é possivel achar a documentação concludente do que
se afirma, sobretudo porque os historiadores estavam desprevenidos em relação à questão judaica;
por essa razão, muitas vezes é necessário recorrer às provas circunstanciais de ler ,ias entrelinhas,
em busca do mistério. 0 caso de Manuel Nunes obriga a esse recurso. Todas as circunstâncias
levam a crer que se tratava de homem de sangue judaico, embora cristianizado, senão sinceramente,
pelo menos na aparência: o oficio de mercador, que o trouxera do balcão à riqueza e florescia num
monopólio, como veremos adiante; o apelido Nunes, muito comum aos cristãos-novos; o acréscimo
do nome da localidade de nascimento, hábito inveterado nos judeus de todos os países; o
amameiramento e o jeito insinuante; a hesitação em face da luta armada; a procedência de Viana,
cidade de onde veio grande número de judeus para o Brasil. Os do Maranhão eram os vianenses.
Diz Urbino Viana, na pág. 51 do livro "Bandeirantes e sertanistas baianos" que, para Capistrano de
Abreu, Manuel Nunes era una interrogação. O homem já fora preso na Bahia e enviado a Portugal,
de onde voltou feito alcaide-mor de Maragogipe. Que força! Houve na Bahia tradição de que até
matara uma das filhas...
Manuel Nunes Viana participava do odioso contrato das carnes, que dava "rios de dinheiro".
Esse monopólio de açougues, coisa em que, como sabem os entendidos, são provectos os judeus e
que detém onde quer que se encon trem em quantidade, pois dele fazem rendosa especulação, tanto
contra os cristãos, com a carne fret ou da rês abatida de maneira comum, quanto contra os próprios
israelitas, com a carne kosher ou da rês sangrada de acordo com as prescrições talmúdicas,
levantava a indignação dos paulistas. É a checkita, que ainda agora está preocupando os
legisladores da Polônia e Dantzig. Eram sócios de Manuel Nunes o reinol Francisco do Amaral
Gurgel, cujos sobrenomes e cuja atuação o fazem suspeito de judaísmo, também senhor do
monopólio do fumo e da aguardente, e o frade goliardo e aventureiro Francisco de Menezes,
religioso da Santíssima Trindade, que Diogo de Vasconcelos denomina "o maior dos apóstatas que
então andavam nas Minas".
Já tinha havido grandes e vigorosos protestos contra o açambarcamento judaico desses ramos
de comércio. Uma rês que custava no sertão de 3 à 9 oitavas de ouro (5$280 a 15$840) era vendida
no Rio das Velhas, no Ribeirão do Carmo e Ouro Preto de 70 a 90 mil réis! Os interessados não
corriam perigo algum de prejuízo, porque "tinham em mão a estabilidade e a segurança dos
preços". Outro encarniçado defensor do monopólio era frei Firpo, "tão bom como frei Francisco".
19
20

Monsenhor Pizarro, "Memória do Rio de Janeiro".
Diogo de Vasconcelos, op. cit. págs. 215-217. Cf. Xavier da Veiga, op. cit. págs 229 e segs.

40

Os monopolistas tinham amigos e parceiros no Rio de Janeiro, que os defendiam perante o
governo. Toda essa trama é positivamente judaica. Não contentes com ela, ainda atravessavam ou
açambarcavam, como se diz hoje, todos os gêneros de primeira necessidade21.
Isso ainda envenenava mais a situação, fazendo redobrar o furor dos paulistas, vilmente explorados
e despojados dos seus bens. Começou, de novembro para dezembro de 1708, a atoarda de que eles
preparavam a chacina de todos os forasteiros que haviam invadido as minas. O eterno boato judaico
para justificar as violências posteriores! Os emboabas fingiram-se amedrontados, congregaram-se e
aclamaram Manuel Nunes Viana capitão ­ regente ou governador, com poderes ditatoriais. "Este
golpe audacioso, a imitação erudita que o sugeriu, a hipocrisia que o traçou, e mais ainda a
iniciação do governo de Manuel Nunes, calculada e ardilosamente concebida, tudo nos leva a
procurar a cabeça pensante, que dirigiu tal obra e tão bem acabada, como o foi para o tempo e para
o sertão. E logo nos apresenta para tanto a figura maquiavélica de frei Francisco de venezes 22..."
Pois em sã consciência vemos aí um plano judaico, igual a todos os planos judaicos postos em
prática por toda a parte e em todas as épocas.
Manuel Nunes foi ajudado por outro homem opulento; Pascoal da Silva, cujos meios de
fortuna e nomes justificam suspeitas de cristandade nova, chefe dos emboabas contrários aos
paulistas de Cachoeira do Campo e Ribeirão do Carmo. Frei Simão de Santa Teresa foi feito secretário do novo governador e o mestre de campo Antônio Francisco da Silva, "aventureiro de
primeira linha", como declara um cronista, assumiu o comando militar.. Em geral, 'os historiadores
elogiam Manuel Nunes, talvez confundindo sua habilidade e disfarce com verdadeira boa intenção.
O conde de Assumar, porém, chama-o em carta ao marquês de Angeja, categoricamente
"facinoroso".
Diante do rumo que as coisas tomavam, os paulistas fortificaram-se em Sabará. O ditador
mandou incendiar o arraial pelos índios ao seu serviço. Na confusão causada pelo fogo, os
emboabas deram o ataque, pondo os brasileiros em fuga. E lá se foram eles, vencidos, sertões afora,
alarmando os moradores inseguros diante daqueles novos conquistadores albergados em suas terras
e que delas de repente se apoderavam, visando unicamente o ouro!
Inferiores na proporção de um para dez, os paulistas de Cachoeira do Campo, se entrincheiravam e
esperavam o choque de seus inimigos. Mas vieram os emboabas de Ouro Preto em auxilio dos
outros e forçaram a entrada do arraial pelo lado menos defendido. Ferido, Manuel Nunes passou o
comando ao apóstata frei Frahcisco. Sobrevindo a noite, cessou a luta. Pela madrugada, quando os
paulistas exaustos estavam mergulhados em profundo sono, o frade lançou sobre eles mamelucos e
índios mercenários, obtendo completa vitória23. Na própria igreja do arraial conquistado, Manuel
Nunes foi sagrado ditador, com as insígnias do governo. Aboletou-se em ouro Preto e mandou
atacar o Ribeirão do Carmo, hoje Mariana, mas a indiada ao seu serviço fugiu ao primeiro contato
com os descendentes dos bandeirantes.
Ainda não estava de todo quebrada, como se vê do episódio a resistência destes. Valentim
Pedroso de Barros juntou os fugitivos de Sabará e Cachoeira no Rio das Mortes. Muitos eram
veteranos das epopéias sertanistas e dá conquista de Palmares, dispostos a uma resistência tenaz.
Amaral Gurgel mandou ataca-los pelo capitão Gonçalo Ribeiro Corço, nome de cristão-novo, que
mal os avistou se pôs em fuga. Então, Amaral Gurgel avançou com mais gente e cercou-os em um
capão, obrigando-os a se renderem pela fome e pela sede. Prometeu-lhes a vida salva, mas violou a
capitulação, como seu êmulo do Nordeste, o feroz judeu Jacob Rabbi, fazendo matar friamente
trezentos deles. Chamou-se àquele local de Capão da Traição em lembrança dessa façanha judaica.
Por esse tempo, já o poder de Manuel Nunes vinha sendo minado pelas dissensões entre os
forasteiros reinóis e baianos. Foi quando o governador D. Fernando de Mascarenhas resolveu ir do
Rio de Janeiro às Minas para pôr cobro ao que lá ocorria. De muito longe, avinda da autoridade foi
21

Cf. Diogo de Vasconcelos, op. cit. págs. 220 e segs.
Diogo de Vasconcelos, op. cit. pág. 218.
23
Claudio Manoel, "memória Histórica da Capitania de minas". Cf. Diogo de Vasconcelos e Xavier da Veiga, ops.
cits.

22

41

anunciada a Manuel Nunes pelas fogueiras que os espiões índios acendiam nas quebradas dos
montes e se reproduziam pelas serranias silenciosas. Os emboabas estavam, pois, prevenidos para
recebê-la, de maneira que, quando chegou ao arraial de Congonhas, encontrou um exército de 4 mil
homens a dar-lhe "morras". O pusilânime" D. Fernando, como o qualifica Xavier da Veiga 24, voltou
para o Rio, de onde escreveu a E1 Rei, dando-lhe conta de tudo. Pela primeira vez no Brasil, a
autoridade capitulava diante da sedição. E da sedição judaica!!!
O esperto Manuel Nunes queria que sua gente se apoderasse das lavras dos paulistas, mas não lhe
convinha desafiar as iras do rei, contra cujas forças não se poderia manter. Por isso, quis mostrar-se
fiel à coroa, arrecadando escrupulosamente os quintos de ouro extraído e mandando frei Francisco
de Menezes a Lisboa, pela Bahia, carregado de dinheiro, presentes e protestos de submissão, a fim
de obter seu indulto.
Em junho de 1709, a capitania de Minas Gerais foi desanexada da de São Paulo, e para ela
veio como capitão-mor Antônio de Albuquerque, homem cheio de serviços a Portugal. Chegando a
Caetê, avistou-se com Manuel Nunes, que lhe submeteu com abjeto servilismo e vileza, diz o
historiador baiano Borqes dos Reis, próprios de um judeu e exilou-se voluntariamente na sua
fazenda de Jequitaí, em pleno sertão. Sua obra de expropriação forçada dos paulistas estava finda e
só lhe restava esperar sossegado a ação de frei Francisco na capital da metrópole.
O frade apóstata não perdera tempo. Ajudado pela burguesia opulenta da Bahia, toda ela
composta de cristãos-novos25 e que dispunha de "todo prestigio na corte" 26, despejando ouro e
angariando empenhos, conseguiu do soberano, em novembro de 1709, um alvará de indulto geral.
Com ele, o poder real sancionou a espoliacão dos sertanistas pelo judaismo dos emboabas.
Os últimos paulistas expulsos das Minas foram recebidos em São Paulo como covardes. Suas
mães, mulheres e filhas nem os quiseram ver. Então, de novo se apresentaram para a guerra sob o
comando de Amador Bueno da Veiga, neto daquele outro Amador Bueno que não quisera ser rei.
Em número de mil e duzentos sitiaram os emboabas no arraial da Ponta do Morro; mas, cheios de
desânimo e apoquentados de dissensões, ao saberem que contra eles marchavam do Rio de Janeiro
as tropas realengas, retiraram-se precipitadamente. Desta sorte terminou a guerra civil e os únicos
que com ela ganharam foram aqueles forasteiros, mascates27, tratantes e açambarcadores chamados
emboabas. Dê-se a palavra a Werner Sombart: "A guerra é a seara do judeu!"
O sacrificio sangrento dos paulistas produziu quase um milhão de quilos de ouro28, que se
escoaram para Portugal, de onde fugiram para a Índia, nos gastos que lá se faziam, e para Inglaterra
pelas mãos do judaísmo. Até 1820, do Brasil se extraíra em ouro o valor de 974.324. 040
cruzados29! O ouro confiscado aos contrabandistas se elevou a 1.136.093.900 cruzados! Avalie-se o
que passou sem ser confiscado, sobretudo ali por 1750, quando atingiu sua maior florescência a
extração do precioso metal30, feita em Goiás, Mato Grosso, Bahia, Minas, São Paulo e até no Ceará!
A produção aurífera do Brasil até a independência foi de 45.700 arrobas e seu rendimento até 1801,
de cinco milhões de contos31. João Lúcio de Azevedo calcula em 100 milhões esterlinos a
"totalidade ou ouro exportado para a metrópole no espaço de um século!" 32.
Toda essa esplêndida riqueza que o judaísmo emboaba queria a "sós e sem partilha", custou
as dores da grande tragédia dos paulistas mortos à traição na defesa do que haviam conquistado!
24

Op. cit. pág. 238.
Cf. "Denunciações da Bahia", ed. Capristano de Abreu, pág. 216; Pyrard de Laval, "Voyage, etc.", pág. 5-39;
Escragnolle Taunay, "Na Bahia Colonial", pág. 291; Paulo Prado , "Paulística" pág. 18
26
Diogo de Vasconcelos, op. cit. pág. 250.
27
A mascateação era privativa dos judeus. Cf. Jorge guerreiro "Os judeus no Rio de Janeiro" in "A Universal", "o 11°-,
n° 53, pág. 311.
28
Eschwege, op. cit. pdgs. 401-402: ao certo, 931.446 quilos!
29
Eschwege, op. cit. loc. cit.
30
Idem, idem, idem.
31
Pandiá Calógeras, "Formação Histórica do Brasil, pág. 75.
32
(32) João Lúcio de Azevedo, "Épocas de Portugal Econômico"; págs. 377 e segs.Pedro Calmon, op. Cit pág. 94 in
nota
25

42

Não contente com isso, a judiaria ainda retirava o ouro em circulação como costumava fazer desde
o tempo dos romanos33, em "farta colheita", exportando-o, do que resultou o "empobrecimento
geral". A criação, pelo governo português, em 1694, antes da vitória emboaba, da moeda
provincial, exclusiva para o Brasil, mais fraca do que a do reino e proibida de ser exportada,
obedeceu à necessidade da defesa contra esse golpe judaico34. E esse ouro arrancado do Brasil mais
tarde, veio a ser emprestado ao mesmo Brasil, com avultado lucro35, escravizando-o desde a sua
independência política à burra dos prestamistas judaicos do Kahal de Londres...

33

Cícero, Mo Flacco".
Padre Antonio Vieira, "Cartas°, ed. De 1885, tomo I, pág. 350; Pedro Calmon, op. cit. págs. 95-96.
35
General Abreu de Lima. "História do Brasil" ed. Làemmert, Rio de Janeiro, 1861, pág. 155; G. Barroso. "Brasil
Colônia de Banqueiros". "0 ouro da América arruinou a Espanha, o ouro do Brasil produziu o mesmo efeito em
Portugal", diz a "Memória analítica acerca do comércio de escravos" de F. L. C. B., ed. da Tip. Comercial Fluminense,
Rio de Janeiro, 1837.
34

43

CAPITULO VII
O drama dos diamantes
ALÉM DE conquistar e definir o amplo território, o heroísmo bandeirante achara o ouro das
Gerais, de Goiás e Cuiabá; além de achar o ouro, encontrara os diamantes. Adiante da Vupabussu
de Fernão Dias, o sertão se estendia vestido de cerrados e matas, e, muito longe, o pico solitário do
Itambé desafiava a curiosidade dos aventureiros reinóis, mamelucos e paulistas. Eles batiam
aquelas solidões povoadas de feras e de miasmas, lavando a cangíca dos ribeirões à cata das pepitas
de ouro. A cada descoberto, como se dizia, avançavam mais, pelo Rio Grande, pelo Piruruca, pelo
Jequitinhonha, fundando os arraiais do Tijuco e do Burgalhau. Na última década do século XVII, a
fama das riquezas auríferas atraiam naquela remota região "grande número de aventureiros"36.
Foram até a serra do Ibiturni, às montanhas frias, varridas ia ventos gélidos, onde estabeleceram o
arraial de Nossa Senhora da Conceição do Serro Frio, depois vila do Príncipe e hoje cidade do
Serro.
As brenhas inóspitas povoaram-se de colmados de minuradores, que se derramavam
sobretudo pelas devesas do ribeirão do Inferno, bateando nos caldeirões. As lavras de Tijuco foram
auríferas até 1729 e não se conhece, ao certo, o lugar onde foi achado o primeiro diamante. Mas,
nessa época, os cristais começam a dar que falar de si e a portaria de D. Lourenço de Almeida, em
1729, se reouve a "pedrinhas brancas que se entende ser diamantes" 37. Em 1731, ainda a busca do
ouro alterna com a das pedras, como um contra-choque da tragédia do ouro tomado pelos
emboabas, os mineiros são despejados pela violência de suas lavras.
Como a região longínqua a hostil começasse a se despovoar, o comércio de diamantes
tornou a ser franqueado, somente se proibindo aos escravos participar dele. Os negros trabalhavam
nas catas com mordaças de ferro, a fim de não furtar as pedras engolindo-as. O Museu Histórico
Nacional possui um exemplar dessas mordaças. Só na mina de Mandanga se empregaram 1.200
escravos. Em 1735, o governo, decerto tangido por influências ocultas, resolveu que a mineração
diamantífera passasse a ser feita "por meio de contrato com alguma companhia"38. É o primeiro
passo do judaísmo para se apoderar dos diamantes como se apoderou do ouro.
Solidônio Leite Filho diz que os judeus "contribuíram para a florescência da indústria das
pedras preciosas" no Brasil39. Veremos qual foi a verdadeira natureza dessa contribuição. A
descoberta das minas brasileiras, trazendo ao mercado pedras mais belas do que as do Oriente, fez
correr risco ao comércio das mesmas, cujo monopólio os judeus detinham desde as mais antigos
tempos. Então, organizaram em Londres é Amsterdam, "um conluio, a fim de aniquilar toda
concorrência, continuando na posse exclusiva do monopólio"40. Um negociante londrino de
diamantes, técnico no assunto, João Mawe, pinta claramente a ação dos monopolistas judeus, que
fizeram extensas especulações na Europa com os diamantes brasileiros. Espalharam o boato
proposital de que o diamante do Brasil era em tudo inferior ao oriental, mantendo nas bolsas a sua
depreciação, a fim de comprá-lo por baixo preço. Negaram a procedência dos que apareciam e
apresentaram os mais ordinários,afirmando que eram refugo dos da India. Compravam barato os
que caíam em mãos de pessoas que não entendiam do negócio, remetiam-nos para Goa e, ao
recebê-los de torna-viagem, garantiam que eram hindus e os vendiam pela mais alta cotação41.
O distrito diamantino, como as Gerais auríferas, se encheu de adventícios de todo quilate,
denominados traficantes, os mascates judeus de sempre; de indivíduos que se diziam munidos de
licenças vocais para a compra das pedras preciosas42. Foram tantos os tais traficantes judeus que
acorreram ao Tijuco, que a vila tomou uma fisionomia absolutamente oriental. Em 1799, essa
36

Joaquim Felício dos Santos, op. cit. pág. 7. (2) Op. cit. pág. 21.
Op. cit. pag 21
38
Idem, pág. 39.
39
"Os judeus no Brasil", pág. 102.
40
João Lúcio de Azevedo, "O marquês do Pombal" pág.130.
41
John Mawe, "Travels in the interior of Brazil".
42
Joaquim Felicio, op. cit. pág. 71.
37

44

povoação, "a mais linda, em outro tempo, de Minas", parecia "o retrato de um pequeno bairro de
Constantinopla"43
Em 1729, Bernardo da Fonseca Lobo achou as grandes lavras do Serro Frio. O primeiro
contrato dos diamantes foi celebrado em 1739, dez anos depois, entre a Fazenda Real, o
desembargador João Fernandes de Oliveira e Francisco da Silva, que formaram uma sociedade com
o nome de Companhia dos Diamantes, pelo prazo de 4 anos. Se fosse possível encontrar a escrita
da mesma, se poderia ver a origem dos capitais
que nela entraram. O segundo contrato foi
dado ao mesmo contratador, em prorrogação. O terceiro e o quarto couberam aos irmãos Caldeira
Brant. Ao tempo do Marquês de Pombal, o mais notável deles, vítima de intrigas, foi dar com os
ossos na prisão do Limoeiro. É bom não esquecer que, no tempo do marquês, judeus e maçons
dominavam em Portugal. O quinto e o sexto contratos tornaram a ser de João Fernandes de
Oliveira, que parecia protegido da sombra pelas influências poderosas que talvez houvessem
afastado os Caldeira Brant.
O desembargador João Fernandes de Oliveira era um verdadeiro príncipe, que se tornou
célebre pelos seus esbanjamentos e pela influência que sobre ele exercia sua amante, a famigerada
Xica da Silva, "Dominadora do Tijuco", ex-escrava de José da Silva Rolim, sem beleza, sem
espírito e sem educação. Ele satisfazia-lhe todos os caprichos, deslumbrando a toda a gente com o
fausto de jantares e representações, chegando a mandar construir grande tanque com um navio em
miniatura, para que ela gozasse a sensação de embarcar44.
O último contrato expirou em 1771. Antes, porém, já o contratador João Fernandes de
Oliveira, cheio de dividas para com os judeus, abandonado de seus deuses tutelares, morrera louco
em Lisboa45.
Findo o prazo do contrato, a extração dos diamantes passou a ser feita pelo governo real,
que contratou a venda das pedras diretamente com os judeus. Ao terminar o século XVIII, o
contrato de venda foi passado com os irmãos Benjamin e Abraão Cohen, de Amsterdam, os quais,
em virtude das crises políticas oriundas da Revolução Francesa, produtoras do desemprego e
paralização dos negócios na Europa, baixaram os preços ao seu talante46, certos de ganho liquido e
vultoso, quando voltasse o bom tempo. Apesar dos pesares, Portugal apurou da venda de
diamantes, até o começo do século XIX, 16 milhões de cruzados47. Nove milhões de esterlinos é o
cálculo de João Lúcio de Azevedo para a exportação diamantífera no período de um
centenario48.Isso produziu para a coroa portuguesa um lucro real de 5.040 contos de réis 49. Os
controladores do contrabando de diamantes do Brasil eram os judeus de Amsterdam; até o começo
do século XIX, os Hoppe50, que compravam por 45 francos o quilate de diamante bruto e vendiam
por 197 lapidado51.
Enquanto Portugal, até o começo do século XIX, apurava 16 milhões de cruzados nos
diamantes do Brasil, os judeus, segundo cálculos de 1858, apuravam anualmente, incluindo o
contrabando, 25 milhões de francos52. Imagine-se o lucro nos 20 primeiros anos em que a produção
diamantifera fora de 3 milhões de quilates, isto é, cerca de 15 quilos anuais53.
O judeu apoderou-se, como vimos, dos resultados das lavras de diamantes achadas pelos
sertanistas. Essa expropriação não custou o sangue dos brasileiros, como a conquista do açúcar
pelos flamengos, seus sócios de empreitada, ou a das minas de ouro pelos emboabas, seus
mercenários traiçoeiros; nem as dores de uma raça infeliz, como o infame comércio de escravos
43

Dr. José Vieira do Couto, "Memória da Capitania de Minas Gerais", 1799.
Joaquim Felício dos Santos, op. cit. pág. 143.
45
Op. cit. pag. 135. Cf. Xavier da Veiga, op. cit.
46
Idem, idem, págs. 229-230.
47
Eschwege, op. cit. pág. 402.
48
"Épocas de Portugal Econômico", pags. 377 e segs.
49
Idem, idem.
50
D'Orbigny, "Voyage pittoresque dans deaus Amériques", Paris, 1936, pág. 180.
51
Charles Sarbot, MAS complet des pierres précieuses", ed. E. Lacroix, Paris, 1858, pág. 221.
52
Charles Barbot opa cit. pág. 222.
53
Op. cit. pág. 220.
44

45

pelos ingleses, seus parceiros no tráfico. Saiu mais barato: custou somente o drama oculto que
levou à miséria e à loucura o faustoso contratador João Fernandes de Oliveira...

46

CAPITULO VIII
A guerra judaica
NA PRIMEIRA década do século XVIII, o judaismo atacou, ao mesmo tempo, os
possuidores da riqueza no Brasil, a fim de se apoderar dela, no Sul e no Norte. Atacou os paulistas,
donos das minas de ouro, e os pernambucanos, donos dos engenhos de açúcar. Emboabas em Minas
Gerais, mascates no Recife, esses inimigos dos brasileiros não eram mais do que judeus
portugueses disfarçados, na grande maioria provenientes do Minho. A voz geral denominava os
forasteiros e os historiadores, todos eles cegos em relação à questão judaica, rotulam-nos como
europeus. Todos esses israelitas ou cristãos-novos se ocultavam sob a capa de católicos e usavam
velhos nomes portugueses, como o gangster judeu Abraão Finckelstein se orna com o antigo nome
russo de Máximo LITVINOF. Tambem desfiguravam os nomes judaicos; por exemplo: Misael se
mudava em Miguel, Hisneque em Henriques, Fungeca em Fonseca, Jacob em Diogo, Barrosch em
Barros. Mas os processos de que lançaram mão, as artimanhas de que usaram e a força oculta de
que dispuseram os revelam à distância. Tanto emboabas como mascates eram meros aventureiros,
mercadores enriquecidos sem escrúpulo, açambarcadores de gêneros, gente corrompida e
corruptora.
"O assalto à riqueza, escreve Mário Sáa54, é a primeira condição de todos os assaltos; daí
descendem naturalmente os outros: assalto ao Estado, assalto à Religião, assalto à Vida mental". Já
vimos na guerra dos emboabas como o judaísmo procedeu ao assalto à riqueza, a fim de preparar os
outros; veremos o desenrolar de idêntico plano na guerra dos mascates. Esta é a réplica daquela. O
que se passou em Pernambuco reproduziu ponto por ponto, exatamente, o que se passou nas Minas.
Uma guerra é a cópia perfeita da outra. Tem-se até a impressão de que estão em cena os mesmos
personagens.
À guerra desoladora dos mascates, "que infelicitou tantos pernambucanos", o documentado
e seguro historiador Fernandes Cama denomina: "movimento sedicioso dos europeus
portugueses"55. Ora, nesse tempo, "os portugueses dividiam-se política e nitidamente em duas
facções: cristãos-novos de um lado e cristãos-ve1hos do outro. Não havia dóvidas, toda a gente o
sabim; o próprio Pombal o confirmou no decreto que abolia as distinções, afirmando que na família
portuguesa não havia maior divergência do que aquela. Nem era possivel havê-la: os hebreus
judaizantes ou católicos, olvidados ou agarrados às tradições, tinham entre si uma enorme coesão 56;
desta maneira, em Portugal, não havia oportunidade para mais apartações sociais ou políticas:
cristãos-novos de um lado, cristãos-velhos do outro. O livro "Sentinela contra judeus"57, em
referência à conhecida coesão entre cristãos-novos, define um vocábulo: "porque entre os
marranos ou marrões [que em Portugal quer dizer porcos], quando se queixa algum deles todos os
demais acudem a seu grunhido, e como assim são os judeus, que ao lamento de um acudem todos,
por isso lhes deram título e nome
de marranos"58.
Consultemos a história para saber se, com efeito, eram cristãos-novos, isto é, judeus, ou
cristãos-velhos, os tais europeus portugueses que acenderam essa guerra injusta. Pernambuco fora
restaurado do domínio judeu-herético dos holandeses pelo próprio esforço de seus filhos, que se
cobriram de glória numa luta heróica. Seus homens de prol, sua nobreza rural, que defenderam e
retomaram o terra ao invasor, que a aravam e fecundavam, entendiam manter seus foros e
privilégio. Havia portugueses limpos, honrados e bem educados, assegura o admirável Fernandes
Cama, que comprendiam isso e tratavam
54

A invasão dos judeus, pag 70
José Bernardo Fernandes Cama, "Memórias históricas da província de Pernambuco", tip. Faria, Recife, 1848, tomo
iv, pags. 54-55.
56
Aquela cooperação que lhes deu a vitória na guerra dos emboabas, como anota Pedro calmor.
57
Ed. de 1732, cap. IX.
58
Mário Sáa, op. cit. pags. 110--111.
55

47

fraternalmente os pernambucanos. Mas - acrescenta - "o turbilhão de aventureiros auri-sedentos
que, todos os anos, aportavam a Pernambuco", que "viviam de vender pelas ruas e freguesias do
interior, arvorados em mascates", "tornavam-se capitalistas" e se julgavam "superiores à nobreza
do país"59. Aqui está excelentemente situada a diferença entre o português sério, decente, cristãovelho, amigo dos pernambucanos, e o português aventureiro, inescrupuloso, cristão-novo,
explorador e inimigo da terra.
Essa cainçalha avançava sobre as posições e distinções com a conhecida avidez judaica
pelas honrarias e pelo mando, avidez de quem longamente foi privado desses gozos. Chegavam até
a arranjar hábitos de Cristo e comendas, "com juramentos falsos, justificando-se parentes (sem o
serem ) daqueles pernambucanos, que por terem caído em pobreza por pouco mais de nada lhes
cederam seus serviços". Não contentes ainda com isso, "tentaram abater e aniquilar a nobreza do
país, para só eles60 gozarem das honras e isenções adquiridas com o sangue pernambucano"61.
Recorro à pintura feita por Fernandes Gama62 da ação nefasta desses novos invasores de
Pernambuco, tão vorazes como os da Holanda e mais perigosos por se infiltrarem com avenças de
paz. Ninguém viu melhor nem melhor
reproduziu o quadro judaico da mascatearia, conjurada para empobrecer a nobreza rural
pernambucana, "fosse por que meios fossem". Todo o comercio residia "em poder desses
forasteiros ou mascates63, que supriam os senhores de engenho, adiantando-lhes dinheiro ou
vendendo-lhes a prazo mercadorias. Eram, além disso, os intermediários, os comissários de todas as
vendas de açúcar. "No fim das safras, cada senhor de engenho devia uma soma considerável ao
mascate que o tinha suprido, e então este inflexível credor instantaneamente o apertava, dando-lhe a
escolher, ou pagar-lhe no ano seguinte o duplo do que devia, ou entregar-lhe o açúcar a 400 réis
cada arroba, açúcar este que ele remetia aos seus correspondentes na Europa, à razão de 1$400.
Qualquer destes dois negócios arruinaria infalivelmente o miserável agricultor; mas, tendo os
mascates monopolizado a compra dos açúcares, outro remédio não tinham os tristes
pernambucanos que se sujeitarem à vontade do opressor europeu!" Substitua-se esta última palavra
europeu pelo termo verdadeiramente justo diante dessa caraterizada usura, o termo judeu, e se
verificará que vai como uma luva.
Esses tubarões dos negócios do açúcar, "que só do comércio cuidavam", reza o
documento, resolveram intrometer-se nos negócios públicos. Assaltada a riqueza particular,
queriam assaltar a riqueza pública. Essa é a eterna marcha do judaísmo em todas as épocas e em
toda a parte. Vede a reprodução exatíssima do que ai está em um autor sério e fundamentado como
Heman: "A riqueza móvel da Península Hispânica residia toda nas suas mãos; os bens de raiz
pouco a pouco passaram para as mesmas mãos pela usura e compra das propriedades da nobreza
endividada. Desde o lugar de secretário de Estado e de ministro das Finanças, todas as funções que
se relacionavam com impostos ou negócios de dinheiro estavam na posse dos judeus"64. Aconteceu,
assim, na Espanha medieval; assim aconteceu em Portugal desde os primórdios do reino, depõe
Mário Sáa; precisamente a mesma coisa teria de acontecer em Pernambuco nos anos que já
anunciavam o advento de Pombal, o grande amigo dos pedreiros-livres e dos judeus. O empobrecimento dos nobres pernambucanos, senhores de engenho, era de tal modo visível, motivado
pela usura judaica, que os próprios mascates lhes puseram uma alcunha depreciativa e
simbolizadora de sua triste decadência: pés-rapados65.
59

Fernandes Cama, op. cit. tomo Iv, pag. 57.
"A sós e sem partilha", disse Azevedo Marques que os emboabas queriam as minas dos paulistas"; "só eles", os
mascates, queriam gozar fortuna e honras dos pernambucanos. É bom comparar...
61
Fernandes Cama op. cit. tomo Iv, pág. 58.
62
Idem, idem, pógs. 57-58.
63
Forasteiros ou mascates, além de emboabas, em Minas. E bom comparar... Os dicionários definem mascate como
vendedor ambulante. É o que hoje chamamos vendedor a prestação, ofício inteiramente judaico.
64
"Die Historiche Weltstellung der ludem", 1882,
pags. 24 e segs.
65
Varnhagen, "História Geral do Brasil", 3a ed. integral, Cia. Melhoramentos de S. Paulo, tomo III, pag.
400.
60

48

O governador da capitania de Pernambuco, Sebastião de Castro Caídas, "homem
despótico, imoral e sem religião", privava com os capitalistas e onzeneiros judeus, que o
cumulavam de presentes e lhe davam gordas propinas nas arrematações dos contratos reais, os
quais eram principalmente os de fornecimentos e cobrança de dízimos, cizas e outros impostos.
Desde o tempo dos romanos que os israelitas se haviam especializado nesses negócios, com os
quais escorchavam as populações e construíam fortunas colossais. Em França, ao tempo da guerra
dos mascates, por exemplo, o judeu Cerfber monopolizara os fornecimentos dos exércitos de Luiz
XIV e uma récua de judeus sem escrúpulos se apoderara da ferme ou arrematação dos tributos e
fintas. Tiveram fama terrível esses fermers-genéraux! Conta-se que em Ferney, na casa de
Voltaire, uma noite, anos mais tarde, os visitantes contavam histórias de ladrões e roubalheiras.
Instado para que também contasse a sua, Voltaire pronunciou somente estas palavras: "Era uma
vez um arrematante de impostos. .
Para terem, sozinhos, sem partilha e com segurança, essas arrematações, seria preciso que
se realizassem no Recife e não em Olinda, capital da capitania. Nesta vila antiga e tradicional, as
famílias nobres, os cristãos - velhos, dominavam de modo incontestável. Ciosos de seus foros, os
fidalgos olindenses haviam pela provisão de 8 de março de 1705 conseguido impedir que do
Senado da Câmara participassem mercadores de "loja aberta"66. No Recife, povoação mais nova,
cheia de judeus, cabeça do herético e judaico domínio holandês, os cristãos-novos formavam talvez
a maioria e poderiam constituir o Senado da Câmara a seu talante. Erigido o Recife em vila, a
arrematação dos contratos seria logo para ali transferida e isso era o que sobretudo importava.
Composto o Senado da Câmara de mascates ou de criaturas suas, e sendo mascates os
arrematadores, os judeus seriam juizes e parentes ao mesmo tempo em esplêndidas negociatas.
Demais, aos almotacéis, nos antigos municípios, competia taxar ou tabelar, como se diz hoje, o
preço dos gêneros alimentícios. Senhores da Câmara, o almotacé seria indicado pelos judeus e,
magistrado obediente e seus senhores ocultos, taxaria a preço baixo os gêneros que os matutos
agricultores apresentassem nas feiras e a preço alto os das vendas dos cristãos-novos 67. O plano
era, em verdade, mascatal, como diria Videant, o panfletário da epoca...
"Desde a época dos holandeses, nota Varnhagen, Olinda - havia decaído, à medida que
levantava o Recife, crescendo muito em pupu1ação"68. Nassau dera grande prestígio e impulso à
capital da Nova Holanda com as obras que ali fez e com o movimento cultural que gerou. A própria
posição do povoado, que gozava de ancoradouro abrigado e seguro, o número de fortalezas que o
defendiam, tudo isso contribuía para essa predominância crescente. A mudança da capital tornarase questão de vida e morte para a mascatearia. Despejaram ouro às mancheias, mobilizaram todos
os empenhos possíveis e usaram à sua vontade o governador Sebastião de Castro Caídas até
conseguirem a execução do seu intento. O Recife foi erigido em vila, com direito ao pelourinho
simbólico. A gente de Olinda sapateou, e não era para menos, enquanto os judeus se tornavam
insuportáveis" e levavam a ousadia69 ao ponto de quererem excluir todos os nobres, os pés-rapados,
das funçães da governança70.
Naturalmente, os ânimos pernambucanos começaram a fermentar e não se faria esperar a
reação nativista. Apressou-a a repartição dos termos das vilas de Recife e Olinda, demarcados no
território que antes pertencera unicamente à última. O governador começou a influir para que, nessa
divisão, Olinda fosse grandemente prejudicada 71. Pouco a pouco, os ódios foram se exacerbando
até que se formaram dois partidos: o dos mascates, tendo à frente o governador, e o dos pésrapados, a cujo lado se pusera o ouvidor José Inácio de Arouche. Então, Sebastião de Castro Caldas
irritou-se e começou a vexar os povos
66

Idem, idem, pag. 393.
Fernandes da Gama, op cli. tomo iv, pag. 60.
68
Varnhagen op. cli. tomo III pag. 393.
69
A isolentia jodoenrum a que se referia o bispo Aqobard em plena Idade-Média...
70
Fernandes Gama, op. cli. tomo IV, p~g. 59.
71
Felipe Lopes Neto. `Guerra civil ou Sedições de pernambuco" in "Revista do Instituto Histórico e Geográfico do
Brasil". Imp. Nac. Rio, 1894, tomo XVI, pag. 8
67

49

para favorecer aos forasteiros. Mandou agarrar por qualquer pretexto e meter na cadeia homens das
mais nobres famílias de Pernambuco: Barbalhos e Cavalcantis. Outros nobres fugiram para evitar
os desacatos.
Foi quando o braço da vingança se estendeu da sombra e o governador se viu ferido a tiro,
de surpresa, na rua da Agua-Verde, sem que fosse possível identificar os autores do atentado 72. Mas
as suspeitas começaram a valer como provas e as grades das prisões se fecharam sobre homens
conceituados e dignos como o capitão--mor Lourenço Cavalcanti Uchôa e o capitão André Dias de
Figueredo. Aproveitando a raiva e o medo do governador, a audácia dos mascates levou-os a acusar
o próprio ouvidor, que correu a refugiar-se na Paraíba.
Sebastião de Castro Caldas e os judeus mascatais tinham, contudo, íntimo pavor de um
motim popular que vingasse tantas violências e afrontas. Resolveram desarmar o povo, como hoje
se fecham as organizações patrióticas e as ligas fascistas antes de dar certos golpes. Reconhece
Fernandes Gama que tirar as armas daquele brioso povo nordestino equivalia a "entregá-lo ao
domínio estrangeiro"73. Cansados de insolências e insultos, os pernambucanos sublevaram-se a 5 de
novembro de 1710. O capitão-mor Pedro Ribeiro não se quis sujeitar a prisão que lhe era imposta
pelo parcial governador e aprisionou o capitão João da Mota, encarregado de prendê-lo74. Cerca de
dois mil homens bateram a infantaria de linha do governo e a fizeram recuar para o Recife. Os
terços de Auxiliares e Ordenanças, milícia territorial do país, na sua maioria fraternizaram com os
seus patrícios em armas75. Os defensores dos mascates foram impotentes para deter o avanço dos
rebeldes, que tomaram a vila. Sebastião de Castro Caldas fugiu por mar para a Bahia, levando em
sua companhia os principais cabeças dos forasteiros, entre os quais talvez o pior deles, que pelo
nome se não perca, Simão Ribeiro Ribas. De posse do Recife, com a nobreza comum aos cristãosvelhos, os pernambucanos não praticaram a menor violência contra seus adversários, limitando-se a
arrancar as insígnias de cargos e postos aos judeus que as ostentavam com alarde e empáfia 76. O
sargento-mor Bernardo Vieira de Melo propôs que Pernambuco se declarasse em república,
"semelhante à de Veneza"; mas a idéia não foi aceita77.
Entre os documentos de Sebastião de Castro Caldas, encontrados em uma secretaria, havia
uma carta-régia provendo sobre a vacância do governo. Vinha nomeado nela em primeiro lugar o
mestre-de-campo João de Freitas Cunha, já falecido, e, em segundo, o bispo D. Manuel Alvares da
Costa. Para demonstrar categoricamente que não estava em rebeldia contra o poder real e sim
contra o bando de mascates, o kahal judaico, conluiado com o injusto e cruel governador, a gente
de Pernambuco deu posse ao bispo no dia 18 de novembro. D. Manuel restabeleceu a ordem e
publicou um perdão, em nome de El Rei, indultando todos quantos tinham participado da justa
rebelião78.
Os mascates judeus não se deram por vencidos. Eles não largariam sem mais aquela
cobiçada presa. Consertaram a desforra, prevenindo-se cuidadosamente! Dos que foram para a
Bahia, com seu testa-de-ferro um governador, Joaquim de Almeida, seguiu para Parelha, em missão
especial, os outros ficaram maquinando planos. Urdiram uma conspiração nitidamente judaica pelo
que narra Fernandes Gama: "Apenas chegaram aos seus destinos, estes conspiradores começaram
sob o título de especulação mercantil, a comprar a todo preço mantimentos, principalmente
farinha, servindo-se nestas compras de seus agentes no interior; e posto que os comprassem por
maior quantia, nem com tudo perdiam, porque as fazendas que davam em troco eram também
vendidas por preço elevado; assim se foram preparando os conspiradores, enquanto os

72

Idem, idem, pag. 9.
Op. cit. tomo iv, pag. 64. Ao domínio estrangeiro! Não é o domínio da metrópole, natural no tempo da colônia. É
outra coisa. O conceituado historiador sentiu o mesmo perigo que sentinos hoje sob a ameaça do comunismo judaico
74
Varnhagen, op. cli. tomo III, pàg. 396.
75
Idem, idem, idem.
76
Fernandes Gama, op. cit. pág. 68.
77
Rio Branco, "Efemérides Brasileira" Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918, pag. 526.
78
Felipe Lopes Neto, op. cit. pag. 14.
73

50

pernambucanos descansados em suas consciências se entregavam às suas privadas ocupações"79. O
plano até parece decalcado dos famosos "PROTOCOLOS DOS SABIOS DE SIAO"...
Caso típico de açambarcamento judaico para perturbar a normalidade da vida e irritar o
povo, a fim de provocar desordens e levá-lo onde se quer. Na opinião de Mario Sáa, "foram sempre
os cristãos-novos os únicos açambarcadores de funções e coisas, que têm havido em Portugal" 80.
Segundo João Lúcio de Azevedo, as matanças ou pogroms de judeus em Lisboa, foram precedidas
de "enormes carestias da vida" que os açambarcamentos causavam e que faziam o povo estourar de
raiva. O atravessamento de gêneros de primeira necessidade por parte de tal gente, para criar
dificuldades, fomentar revoltas e empobrecer os inimigos, está documentado por historiadores
dignos de respeito81 e por si só é suficiente para denunciar o espírito judaico dos mascates.
Com vagarosa tenacidade, levaram seis meses açambarcando os víveres, despendendo com
esse fito o dinheiro "com mão larga" e passando os gêneros escondidos dentro de caixas de açúcar,
a fim de evitar qualquer suspeita. Mostraram-se, dessa maneira, premeditados, fementidos e
cautelosos. Compraram, também, infamemente todos quantos se curvaram ao ouro judaico, traindo
a causa sagrada dos seus irmãos: o capitão João da Mota por 6 mil cruzados; o negro Domingos
Ribeiro Carneiro, mestre-de-campo do terço de Henriques82, por 400 mil réis; o Governa dor dos
índios, D. Sebastião Pinheiro Camarão, descendente do herói da guerra holandesa83, por 3 mil
cruzados; o capitão-mor do Cabo, pelo perdão do que devia aos usurários; Atanásio Gomes e mais
alguns fuões de Goiana, por 14 mil cruzados; o capitão-mor da Paraíba, João da Maia84 da Gama,
que usava este último nome sem direito à ele, como solam fazer os cristãos-novos, tanto que o
historiador Fernandes Gama repele qualquer parentesco com o vilão, por alguns milhares de
cruzados85.
A reconquista de Pernambuco pelos mascates estava preparada para quando rompesse a
frota que anualmente vinha de Portugal. Os infames forasteiros temiam a valentia pernambucana e
queriam todas as seguranças. A fim de preparar os ânimos para o que ia acontecer, de acordo com a
velha técnica dos golpes judaicos, já aplicados com êxito pelos emboabas com a atoarda da
pretensa matança de seus comparsas, espalharam o boato de pretenderem os brasileiros impedir a
tomada de posse do novo governador esperando na frota, caso não trouxesse confirmação real do
indulto concedido pelo bispo. Para isso, - diziam que se apoderariam de quartéis e fortalezas,
entregando a capitania aos corsários do rei da França, com quem Portugal se achava em guerra 86. O
fim disto era causar indignação à tropa e às pessoas fiéis à coroa.
Como a frota tardava aparecer e temessem que fosse descoberta a conjura, decidiram dar o
golpe de surpresa assegurando-se pela traição do bispo-governador. Seus cúmplices convidaram-no
para uma visita ao forte do Mar, onde seria aprisionado; mas, como as ondas se encapelassem no
dia marcado, D. Manuel desistiu do embarque, escapando por felicidade à cilada.
Urgia, porém, uma resolução e, a 18 de junho do ano de 1711, os conjurados saíram pelas
ruas, à frente de soldados amotinados, gritando cinicamente: - Viva E1 Rei D. João V! Morram os
traidores! com o fito de fazer crer à população que os pernambucanos queriam atraiçoar o go-

79

Op. cit. tomo Iv, pag. 69
Idem pag. 76. "Embora encareças o pão e uma medida de trigo custe uma moeda, tudo é boa condição para a
revolução", Henri Rarbusse (judeu), "jesus", in fine,
81
Felipe Lopes Neto, op. cit. pag. 15.
82
Nas nossas antigas milícias territoriais, até 1831, se guardou religiosamente a brilhante tradição dos
soldados pretos de Henrique Dias, nos terços e regimentos de Henriques. Houve Henrique e, depois, caçadoresHenriques em Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro, cf Gustavo Barroso e 3. Wasth Rodrigues, "uniformes dp
Exército", ed. of. Ferroud, Paris, 1922.
83
D. Sebastião era filho de D. Diogo Pinheiro Camarão, primo e sucessor do grande Camarão. Cf. Rodolfo Garcia,
nota 19 a pág. 398 do tomo III da 3a ed. da "História Geral do Brasil" de Varnhagen.
84
Maia é nome comuníssimo entre os judeus portugueses. Foi ele que deu, na dispersão dos sefardim pela Europa, os
Mayer e os Meyer.
85
Fernandes Gama, op. cit. tomo IV, pág. 70; Felipe Lopes Neto, op. cit. pág. 16.
86
Fernandes Gama, op. loc. cit. O mesmo disseram os vianenses de Bequimão.
80

51

verno87. O bispo e o ouvidor Arouche tentaram apaziguá-los, prendendo até o sargento-mor do
terço dos Palmares, Bernardo Vieira de Melo, homem prestigioso, não só para salvá-lo de suas
garras como para "tirar qualquer pretexto" de sublevação. Mas os chefes militares vendidos
guarneceram logo os fortes com oficiais e soldados europeus, suspenderam o bispo das funções do
governo, custodiando-o em companhia do ouvidor, e nomearam "um governo intruso e
monstruoso", verdadeiro soviete, composto do negro mestre-de-campo e do capitão Mota, que se
pôs a expedir ordens. Depois, forçaram o bispo prisioneiro a assinar cartas, que enviavam para o
interior, dizendo que tudo se estava passando com sua anuência, de modo a evitar o revide da gente
da terra88. Afinal, proclamaram novamente governador a Sebastião de Castro Caldas, ainda na
Bahia, e declararam o Recife cidade. A artilharia abocada para as ruas impedia qualquer reação.
Esse "pronunciamento" custou aos judeus 70 mil cruzados89.
Todavia, a 21 de junho, o bispo conseguiu fugir num escaler para Olinda, avisando a gente
dos engenhos e do sertão do que em verdade ocorria. Os capitães-mores mobilizaram seus terços de
Auxiliares e Ordenanças marchan do contra o Recife a vingar o agravo. O bispo organizou os
comandos militares e sitiou a cidade judaica. O Senado da Câmara de Olinda intimou os mascates à
rendição. Repetia-se, embora em menor escala, a luta travada contra o domínio judaico-flamengo.
A guerra desenrolou-se no meio de traições, reveses e vitórias. Camarão sublevou os índios
e João da Maia levantou os paraibanos em favor dos que lhes pagavam.
"Confusa e revolta andava toda a terra; os homems inquietos e arruinados". A "falsa fé" dos
mascates espalhava desconfianças por toda a parte, mesmo dentro dos seus muros, onde estalaram
motins de soldados. As sortidas dos sitiados e as ameaças dos índios e do lado à Paraíba obrigaram
à convocação do clero e dos proprietários de fazendas e engenhos, que se apresentaram com seus
escravos e acostados em armas. Após a derrota do Cabo, Camarão foi aprisionado em um combate,
entre Garapu e São José. Mais tarde, logrou fugir. Felizmente, o governador-geral do Brasil, D.
Lourenço de Almada, prendeu na Bahia, Sebastião de Castro Caldas, quando se preparava para vir
a Pernambuco, remetendo-o para Lisboa. Essa GUERRA JUDAICA, como todas as que se tinham
travado no nosso pais, menos a expulsão dos franceses e a destruição de Palmares, resultara,
conforme diz o autor de uma carta anônima ou panfleto, escrito contra os mascates do Recife, em
1711, da "cavilação mais odiosa que pode inventar a maldade humana!". Será preciso mais alguma
coisa para caracterizá-la?
Enfim, um dia avistaram-se em alto mar as treze velas da frota de Portugal! Trazia novo
governador, Félix José Machado de Mendonça Eça e Castro de Vasconcelos. Há uma esperança de
justiça e paz! Por uma jangada, recebeu fora da barra, longa missiva do bispo, expondo tudo que
acontecera e estava acontecendo. Também recebeu a visita do João da Mota, enviado dos
forasteiros. Fingindo-se cioso do prestigio da autoridade, mas querendo, realmente, tomar as rédeas
do poder sem oposição dos pernambucanos em armas, mandou que as fortalezas fossem entregues
ao bispo, de quem desejava receber regularmente o governo. Os mascates submeteram-se. Então
desembarcou e foi empossado do cargo na Sé de Olinda. Mandou recolher a artilharia e desmanchar
as trincheiras: porém não impos o menor castigo aos provocadores judaicos da luta, nem mesmo
quando tentaram novo tumulto em novembro.
No dia 18 desse mês, foi erigido o pelourinho, símbolo municipal de Recife, com grandes
festas e regozijos por parte dos mascates. Os chefes militares vendidos aos seus cruzados, como
Camarão e outros, voltaram sem ser incomodados e viram-se recebidos sob ovações e flores. O
novo governador, apesar de seus nomes ilustres e nu merosos, não soube resistir ao ouro israelita,
familiarizou-se logo com os mercadores, concedeu-lhes privança em sua casa e aquele que mais lhe
pagava o tinha do seu lado90. Vieram com ele, outros dois flagelos para os "tristes pernambucanos":
o ouvidor João Marques Bacalhau nome de cristão-novo, e o juiz de fora Paulo Carvalho, também,
os quais puseram "a justiça em almoeda", declarando-se "inteiramente pelos mascates".
87

Idem, idem, pág. 71.
Idem, Idem, págs. 72-73.
89
Varnhagen, "História Geral do Brasil", tomo IV, pág. 123.
90
Fernandes Gama, op. cit. tomo IV, pág. 177.
88

52

Estes peitaram mais em seu favor grandes trunfos e empenhos em Lisboa, tal qual os
emboabas, por mediação de um êmulo do apóstata frei Francisco de Menezes, frei Jacomé,
franciscano intrigante, que satisfazia aos judeus pelo que com ele despendiam "para à larga viver
escandalosamente fora do seu convento"91.
Sob a égide dos três flagelos - governador, ouvidor e juiz, fez-se uma devassa, que concluiu
como era de se esperar que concluísse, declarando ter sido JUSTO o procedimento dos mascates, o
qual merecia prêmio e não castigo! Os patriotas começaram a ser vilmente perseguidos. André Dias
de Figueiredo, Bernardo Vieira de Melo e ou tros mais foram humilhados e presos. Alguns fugiram,
amedrontados daquela justiça parcialíssima. A intrigalhada judaica cindiu Pernambuco em
"parcialidades rivais". A solta, campearam abusos, traições, delações e crimes.
Reinou o terror judaico. A própria frota retornou ao reino, levando abundante documentação
forjada contra os pernambucanos; mas, por castigo divino, naufragou nas costas de Galiza e os
espanhóis despojaram de tudo os mascates judeus que nela iam intrigar em Lisboa!
A "confusão geral" provocada por esses sucessos durou até 1714. Encadearam-se ininterruptamente
devassas e prisões. O bispo foi afastado para os sertões do São Francisco. Houve muitas
deportações, inclusive para Angola. Bernardo Vieira de Melo, levado a ferros, em 1713, para
Lisboa, lá morreu nos calabouços da torre de São João92. Os pernambucanos, vencedores leais pelas
ar mas, foram vencidos deslealmente pela insidia judaica e pela corrupção do ouro de Israel. Os
hebreus, que haviam explorado o empõrio do açúcar e o tráfico negreiro, que tinham entregue
traiçoeiramente a terra pernambucana aos piratas flamengos, iam desfrutar ainda suas riquezas, como almejavam, "a sós e sem partilha". Como temos visto e continuaremos a ver, essa
desapropriação, segundo observa João Lúcio de Azevedo93, não se realiza de um momento para
outro e sem encarniçada luta. Começa pelas restrições legais, pelas coligações ocultas, pela força
do poder monetário e vão "em derradeira instância à violência contra pessoas e propriedades".
Verificamos todas a essas fases na guerra judaica dos mascates.
Por causa dela, mau grado a heróica restauração do século XVII, feita com lágrimas e
sangue, Pernambuco, coberto de glórias recaia outra vez, no século XVIII, nas garras do kahal! O
povo ia gemer no ecúleo das extorsões. Ficava muito pior do que na época mais despótica do domínio holandês94. El Rei ordenou pelo Conselho Ultramarino nova devassa pelos fatos posteriores
ao motim contra o governador e seus comparsas mascates, pois para esse confirmara já a anistia
dada pelo bispo. As súplicas das vitimas haviam penetrado na corte, apesar das "intrigas dos
mascates", cujo corifeu em Lisboa era o cristão-novo desembargador Cristovam Reimão95.
A Câmara de Olinda festejou naturalmente com estrondo a resolução de El Rei. A judiaria
mascatal aproveitou se disto para, adulterando os fatos de acordo com as normas da Sinagoga, dizer
que era uma afronta aos moradores do Recife96! A afronta dos vadios e pés-rapados senhores de
engenho aos esforçados, honrados e ativos comerciantes da praça...

91

Idem, idem, pág. 179.
Varnhagen, ed. integral, tomo IV, pág. 405: Borges dos Reis "História do Brasil", Bahia, 1915, págs. 155-156.
93
"História dos cristãos-novos portugueses", pág. 33.
94
Varnhagen, op. cit., ed. primitiva, tomo II, pág. 181.
95
Borges dos Reis, op. cit. pág. 155.
96
Varnhagen op. cit. ed. primitiva, tomo li, pág. 132.
92

53

CAPÍTULO IX
O ninho do contrabando
O meridiano de Tordesilhas foi recuado para o Oeste graças à audácia sem par dos
bandeirantes. Como tocava na Laguna, naturalmente no extremo meridional do território
brasileiro se travaria uma luta tenaz que durou séculos e permitiu a flutuação das fronteiras até que
as circunstâncias históricas trouxeram sua fixação definitiva.
A oeste do meridiano se extendia a enormidade dos sertões que iam esbarrar na muralha dos
Andes, onde ficava o vice-reinado espanhol do Peru, estourando de prata1. Ao sul da Laguna se
alongava o pampa com seus gados alçados, aberto ao corso dos predadores de
rebanhos, cuja
cobiça era despertada pela aventura pastoril e que logo se transformavam em criadores. O predador
de gado fixava-se ao solo como estancieiro2.
A rota do poente fora procurada antes da do meio-dia. Desde 1550 se falava, nos
incipientes núcleos de população do Brasil, nos famosos peruleiros ou
homens que faziam o
Peru. Eram, em grande maioria, judeus aventureiros que iam buscar a prata das minas do Potosí, a
qual, fundida e lavrada na metrópole e devidamente contrastada, passava a chamar-se prata do
Porto. A quantidade de prata contrabandeada nessas viagens clandestinas foi colossal. Em 1622, só
Antônio Castanho Taques trouxe 40 arrobas, isto é, 600 quilos3! Até as moedas espanholas eram
trazidas por essa gente e corriam, recunhadas, no Brasil, dando um lucro formidável pela diferença
de valor. Deviam ser muito grandes os ganhos para os cristãos-novos se arriscarem a freqüentar o
vice-reinado porque a Inquisição de Lima era por demais rigorosa para a judiaria de origem
portuguesa4, que penetrava à cata de metais preciosos até no México5, desafiando os familiares do
Santo Ofício, as delações e a fogueira, com aquela perseverança passiva, "teimosia de mosca do
judeu" a que alude Mario Sáa6. Do Peru, os judeus se espalharam pela audiência de Charcas, a
província de Tucumã e o estuário do Prata, desaguadouro natural das riquezas do Potosi7. Em 1754,
já residiam em Buenos Aires de 5 a 6 mil judeus portugueses8, dando pleno curso à sua jeiteira para
os bons negócios, que "pode não revelar inteligência alguma, mas apenas a índole gananciosa"9.
A Inquisição de Lima começou a funcionar em 1579 e já em 1581 levava ao auto da fé dois
religiosos lusos judaizantes, os freires Álvaro Rodrigues e Antônio Osório. Daí por diante, o
número de cristãos-novos portugueses que figuram nos mesmos autos, para abjurações leves ou
veementes, para serem relaxados, açoitados ou queimados por heresia, falso testemunho, latrocínio,
bigamia e até por dizerem missa sem o poderem, mostra a força da corrente peruleira encaminhada
em busca da prata. Em 1595, são condenados os judeus judaizantes João Fernandes das Heras,
Francisco Rodrigues, Jorge Nunes e Pedro Contreiras. Em 1605, Gregório Dias, Diogo Lopes de
Vargas e Duarte Henrique. Narrando esses e outros fatos, o grande escritor peruano Ricardo Palma
chega a exclamar: "Mala suerte tenian los portugueses con la Inquisisión de Lima10!". Em 1625,
Diogo de Andrade, João da Cunha Noronha e Manuel Nunes de Almeida. Esse tal Diogo de
Andrade era o que hoje se chama um elemento perigoso; já fora agarrado e punido pela Inquisição

1

A prata era a riqueza quase exclusiva do Peru. Cf. Carlos Correa Luna, "Ensaios da HIstória Colonial - D. Baltasar de
Aranda". Buenos Aires, 1914, pág. 109;
A Antonio de Ulloa, "Noticias Americanas", Madrid, 1792, pág. 225.
2
Pedro Calmon, "História da civilização Brasileira", pág. 72.
3
Pedro Taques, "Nobiliarquia Paulistana", ed.Taunay, pág. 245.
4
Argeu Guimarães. "Os judeus portugueses e brasileiros na América espanhola" in "Journal de La Societé des
Americanistes", XVIII, pág. 302.
5
Op. cit. loc. cit. João Lúcio de Azevedo, "História dos cristãos-novos portugueses", pág. 439
6
"A invasão dos judeus", págs. 60-61.
7
Carlos Correa Luna, op. cit. pág. 109. Em 1700, segundo Izaque Izeckson, loc. cit. havia 6 mil judeus refugiados no
Prata!
8
"A invasão dos judeus", pág. 50.
9
Op. cit. pág. 91.
10
Ricardo palma, "Anales de la Inquisición de Lima", 39 ed. Madrid, 1897, pág. 24.

54

do México por vários delitos; seu verdadeiro nome era David e dizia-se descendente de Abraão.
Dessa vez, foi queimado como relapso11.
No ano de 1639, quando ainda o Brasil continuava com Portugal ligado à Espanha, conta o
cronista Pelliza y Tovar que as autoridades espanholas se apoderaram de vasta correspondência
cifrada dirigida aos judeus portugueses, pela qual se descobriu que as sinagogas da América
estavam em íntima ligação com as da Holanda12. O fito era a destruição do império colonial
luso-castelhano pela conquista e desagregação, sendo os agentes diretos da obra os países
marítimos protestantes: Inglaterra e Holanda. Os Kahals forneceriam subsídios e fomentariam as
traições e espionagens. Naturalmente, a Inquisição teve de proceder com o maior rigor contra a
judiaria portuguesa que se irradiava pela América Espanhola, seguindo o caminho dos peruleiros,
contrabandistas de prata. As redes inquisitoriais colheram nessa grande conspiração de caráter
internacional avultado numero de cris tãos-novos e judeus lusos: João Rodrigues da Silva, Diogõ
Lopes da Fonseca, João Azevedo, Luiz de Lima, Rodrigo Vaz Pereira, Sebastião Duarte, Tomás
Quaresma, Domingos Montesid, Simão Osório, Francisco Vasques, Luiz Valência, Pedro Farias,
Rodrigo de Ávila "o .Moço", Manuel Gonçalves, Antonio Cordeiro, Antonio Balseira da Costa,
Amaro Diniz, Bartolomeu Leão, Henrique Nunes de Espinhosa, Henrique Lourenço, Francisco
Mendes, Francisco Luiz Árias, Francisco Montesinos, Francisco Fernandes, Fernando Espinhosa,
Fernando Esteves, Jerônimo Azevedo, Gaspar Fernandes Coutinho, Jorge Silva, Gaspar Nunes
Duarte, Luiz Veiga, Manuel da Rosa, Manuel Álvares, Melquíades dos Reis, Manuel Matos,
Mateus Henriques, Pascoal Dias, Mateus da Cruz , Pascoal Nunes, Paulo Rodrigues e Tomás de
Lima. A enumeração destes quarenta réus é fastidiosa, mas serve para mostrar, além da importância
da trama sinagogal descoberta nas cartas em chave, que a legislação manuelina, permitindo aos
conversos o uso de nomes dos cristãos-velhos lusitanos, fez com que a rafaméia judaica se
embiocasse neles afim de passar desapercebida.
Além desses quarenta, figuravam ainda um tal João da Costa, judeu que, diz o processo, já
nascera no Brasil; o cirurgião Francisco Maldonado da Silva, filho de judeus-portugueses, nascido
em Tucumã, que Ricardo Palma classifica "o maior judeu que já houve no Peru 13"; "e o chefe de
todos, chamado o Capitão Grande, verdadeiro oráculo da religião hebréia", Manuel Batista Peres,
velho negocista e contrabandista, possuidor de várias minas de prata, cuja fortuna era calculada em
meio milhão de pesos, que morava em Lima no famoso paço até hoje conhecido pelo nome de Casa
de Pilatos, e que podia, com justiça, ser chamado o Rei dos Peruleiros.
Perseguidos pela Inquisição limenha, os judeus-portugueses desceram para o Rio da Prata e
daí seu afluxo a Tucumã, centro da vida interior daquela região, e a Buenos Aires, núcleo da vida
exterior. Vimos qual foi sua invasão pelo avultado número deles que, já no meado do século XVIII,
existia nessa última cidade. Na linguagem colonial platina se conservou a memória dos castelhanos
de velho tronco racial, descendentes dos conquistadores germânicos da Península, chamando-os
godos, em contraposição aos crioulos, que eram os nascidos na terra, e aos marranos, que eram
quem nós sabemos14.Nessa designação çoreja a diferenciação étnica do ariano e do judeu, que o
hitlerismo agora põe em foco. O problema é muito mais velho e mais profundo do que pensam os
ignorantes e os mal-avisados.
Os bandeirantes paulistas também haviam continuado a buscar o Oeste em novas e audazes
entradas pelos sertões ignotos, mesmo depois da traição dos judeus-emboabas. Lançaram-se ainda
para o Norte, fundando as primeiras fazendas de gado do Piauí e os primeiros estabelecimentos
agrícolas do Maranhão. Na segunda década do século XVIII, Bartolomeu Bueno, o Anhanguera,
achou as minas de ouro de Goiás e Pascoal Moreira Cabral, as de Cuiabá, cujas riquezas,
11

Op. cit. págs. 113-114.
Cf. D. Fernando de Montesinos, "el castigo de los portugueses"; Ricardo Palma, op. cit. págs. 34 e segs.
13
Op. cit. pág. 39.
14
Pe. Luiz Gonçalves dos Santos, "Memória do Reino do Brasil" Imprensa Régia, Lisboa, 1825, tomo 1, pag.
XXXV, in nota: "Espanhóis, franceses e ingleses tratam os filhos dos europeus, porém, nascidos na América, de
crioulos; somente os portugueses é que souberam aplicar devidamente o nome de crioulo, que em Latim se diz verna;
isto é, escravo nascido na casa de seu senhor ou nela criado de pequeno".
12

55

"arruinando o Estado, iam pejar os cofres estrangeiros"15.Depois do Oeste e do Norte, desceram
para o Sul, onde, no fundo dos vastíssimos pampas verdes, as reduções jesuíticas erguiam faustosas
igrejas e colégios de pedra. Para lá chegar, era necessário trans por os campos de Vacaria, onde
vagueavam índios cavaleiros Areando gados bravios. Era o caminho dos conventos de que fala
Cristovam Pereira, por onde já se arriscara o paulista Manuel Mendes, em trato com os indígenas e
os castelhanos.
Os jesuítas procuravam ganhar terras, estendendo-se para o Norte, pelo interior; os paulistas
pelo Sul, avançando ao seu encontro e também tomando o caminho do litoral. O núcleo da Laguna,
fundação dos Brito Peixoto, era um foco de irradiação bandeirante; a feira de gado de Sorocaba,
outro. O choque entre bandeirantes e padres repercutiria, depois, nas órbitas oficiais, traria guerras
e viria até nossos dias com o litígio das Missões, em um dos pontos nevrálgicos da política do
continente. Os dois avanços determinaram uma série enorme de acontecimentos históricos. No
meio dos quais os judeus refugiados do Peru viriam meter-se com o único fito de ganhar dinheiro.
Segundo as "noticias utilíssimas à coroa de Portugal e suas conquistas", todo o território
compreendido entre o Rio Grande e o Paraguai chamava-se, nas últimas décadas do século XVII,
"país dos paulistas"16. Eles haviam penetrado nele desde 161417. De 1620 a 1640, as bandeiras
ferozes rodopiaram pelas regiões do Guaíra, de Xerez e de Vila Rica, dentro do próprio Paraguai,
arruinando 22 missões guaranis18! No subconsciente dos conquistadores piratininganos, palpitava o
sentido da ne cessidade de pôr uma barreira natural de permeio às possessões das coroas rivais:
grande serra ou grande rio. Daí o anseio de atingir a cordilheira do Maracaju e o Apa, por dentro, o
estuário do Prata, por fora. A posse do Rio Grande, reconhece um jovem sociólogo de talento, é
uma questão de vida ou morte para a conquista lusa19". Essa necessidade dita o pedido da Câmara
da Laguna para a vinda de casais açorianos, a fim de ser povoado o território. Vieram 160,
agricultores e católicos, gente sedentária, trabalhadora e profílica que vai permitir a existência de
uma base povoada na constante flutuação das fronteiras, a qual acaba sendo a linha do Rio Pardo,
eixo de sustentamento da possessão do Rio Grande. Ainda a mesma necessidade leva os
portugueses à fundação de um estabelecimento à margem esquerda do Prata, um tanto esquecida
dos espanhóis, a fim de garantir futuramente sua posse.
Esse marco avançado para o extremo sul será a colônia do Sacramento, destinada ao
controle da embocadura do Prata e a concorrer com Buenos Aires, fundada por Garay na margem
fronteira20. A importância daquela foz era muito grande. Servia de entrada para todo o comércio das
possessões espanholas meridionais e centrais, e de escoadoro para os seus produtos. Ali se poderia
erguer um magnífico empório, no futuro. Se a coroa portuguesa houvesse cuidado de povoar com
certa rapidez as terras compreendidas entre a linha riograndense e a margem orien tal platina, o
Brasil hoje se debruçaria sobre as águas turvas do grande rio. "Fundada a Colônia do Sacramento
em 1680, nota-se uma faina desusada no sentido de se abrirem caminhos terrestres do Norte para o
Sul. Entretanto, estabelecido o presídio do Rio Grande, em 1737, o caminho marítimo toma uma
predominância enorme sobre o terrestre21". Foi isso, sem dúvida, o que mais contribuiu para que,
com o tempo, perdêssemos toda a região em que o elemento povoador luso-brasileiro não penetrara
com força. Todavia, não é possível deixar de compartilhar a insuspeita opinião de Bermejo, de que
Portugal "foi sempre uma sentinela vigilante, que esperou sua hora com paciência e cautela"22.
Em 1676, o Papa Inocêncio XI criou o bispado do Rio de Janeiro e lhe deu jurisdição até o
23
Prata . Dois anos depois, em 1678, o governador do Rio de Janeiro, D.Manuel Lobo, recebia
instruções de E1 Rei para fundar um estabelecimento no estuário platino. Passaram-se mais dois
15

General Abreu de Lima, "História do Brasil", pág. 155.
"Anais da Biblioteca Nacional'°, doc. Nº 1.981.
17
Escragnolle Taunay, "Na era das bandeiras", pág. 91.
18
Alfred de Brossard, "Considérations sur les Républiques de Ia Plata", Guillaumin, Paris, 1850, pág. 34
19
Jorge Salis Goulart, "A formação do Rio Grande do Sul", Livraria do Globo, Porto Alegre, 22 ed., 1935, pág. 161.
20
Alfred de Brossard, op, cit, págs. 34-35.
21
Jorge Salis Goulart, op. pág. 161 in nota.
22
Antonio Bermejo de la rica, "La Colonia del Sacramento", Madrid, 1920.
23
Fernando Nobre, "As fronteiras do Sul", S. Paulo, 1922.
16

56

anos e, em janeiro de 1680, eram lançados os alicerces do ousado baluarte que "deu origem a tantas
guerras, a tantos cuidados, a tantas intrigas, a tantas negociações feitas e desfeitas, e a tantos
gastos", como diz Varnhagen. Fora destinado a "palestra das armas", de clara um cronista coberto
de razões24.
A fundação da Colônia despertou os zelos do governador de Buenos Aires, D. José de
Garro, que pediu reforços ao Vice-Rei do Peru e mandou sitiá-la por D. Antônio de Vera Mujica, o
qual a atacou depois de renhida luta25. A metrópole, porém, não quis assumir a respon sabilidade do
feito e mandou restituir a praça aos portugueses em 1683. Nesse ínterim, D. Manuel Lobo morrera
prisioneiro em Buenos Aires. Um dos seus principais com panheiros, Jorge Soares de Macedo, fora
levado para Lima, onde ainda se achava em 162826. Vê-se que as relações entre o Prata e o Peru
eram seguidas. De lá vinham as ordens e auxílios para a guerra; para lá se mandavam os
prisioneiros de marca.
Foi este o prólogo de uma grande tragédia política, nascida desse pomo de discórdia
plantado no limite que a natureza como que traçara para o Brasil. Durante o drama secular, veremos
como foi infatigável a obstinação portuguesa em conservar a conquista. Aliás, fomos já nós, os
brasileiros, que a perdemos de vez.
Reconstruída e abaluartada em 1683, a Colônia prospera e começa a inquietar ao governo
de Buenos Aires27, cujo cabildo pedia ao rei de Espanha o castigo da ousadia portuguesa. O rei não
o atendeu e, em 1701, Felipe V, querendo obter as simpatias da corte lisboeta, cedeu os direitos que
porventura tivesse sobre o território e a praça da Colônia. O mestre-de-campo, D. Alonso Juan de
Valdez Inclán, capitão-general das Províncias do Rio da Prata, quando a política mudou a obtenção
de simpatias em guerra aberta, recebeu em 1703 ordem para acometer a fortaleza lusitana. Os
judeus manobravam os países protestantes, sobretudo a Inglaterra, contra os países católicos, e a
Inglaterra instigava Portugal e Espanha28, ateando a guerra entre ambos, na Europa e nas Colônias,
para ir recolhendo os despojos. Nas colônias transatlânticas que "buscavam estender-se uma a custa
das outras", como era o caso do Brasil versus Prata, a luta se tornou mais violenta, depois que "o
comércio se apoderou quase exclusivamente da política, multiplicou e engrandeceu to das as
combinações29", isto é, todas as intrigas e conchavos. Isto equivale dizer que os interesses
comerciais judaicos, porque são esses, efetivamente, os que manobram a política, intervinham na
luta, em torno do pomo de discórdia de Colônia. Veremos oportunamente as razões.
Não podendo resistir por falta de munições e recursos à investida inimiga, o governador da
colônia, o valente Sebastião da Veiga Cabral, depois de "formidables y bravos combates 30'', viu-se
obrigado a incendiar e abandonar a praça. As armas espanholas conquistaram ruínas que a
diplomacia espanhola iria perder em breve prazo. O Tratado de Utrecht, em 1715, restituiu-as, de
pleno direito, aos lusitanos. A 11 de novembro de 1716, de novo, sob os baluartes refeitos,
tremulou ao vento a bandeira de Portugal. Outro período de prosperidade logo começou para aquela
feitoria comercial e posto militar, em 1722, chegando sua gente a querer apoderar-se do sítio de
Montevidéu, no ano de 1724.
Em derredor da cidadela, desenvolvia-se a futura cidade, que enriquecia pelo comércio e
sobretudo pelo contrabando31, aumentando mais sua população em "viandeiros" do que em
agricultores32. Os "viandeiros" são os mesmos mercadores, mascates, forasteiros, que vimos em
ação em Minas, Bahia, Recife e Maranhão, enchendo-se de ouro "fosse como fosse". O
contrabando principiara na Colônia logo que crescera a população com os judeus refugiados de
24

Simão Pereira de Sá, "Nova Colônia do Sacramento" Lisboa, 1737.
Francisco Bauzá, "História de la dominación espanhol en el Uruguay".
26
"Anais da Biblioteca Nacional", doc. n° 1.485.
27
Fernando Capurro, "La Colonia del Sacramento", Montevidéo, 1928, pág. 19; Pedro Calmon, "História da
Civilização Brasileira", pág 77.
28
Fernando Nobre, op. cit. pág. 29.
29
Visconde de São Leopoldo, "Anais da Provincia de São pedro", 1839.
30
Fernando Capurro op. cit."pág. 25.
31
Op. cit. págs. 27-28.
32
Ferreira da silva, "Terceira povoação da Colônia do Sacramento", ed. de 1722.
25

57

Lima, vindos de Tucuman e da outra banda do Prata, em ligação constante e oculta com os milhares
deles que iam infestando a nascente Buenos Aires. Ele arruinava o comércio dos estabelecimentos
espanhóis, penetrando com suas mercadorias até o Chile e o Peru33. É o que diz, explicitamente, O.
Araújo: "o contrabando se fazia em grande escala com gente pouco escrupulosa de Buenos Aires.
Enviavam para ali tabaco, açúcar, bebidas e escravos negros, recebendo em troca farinha, carne
seca, pão e outros artigos de que os intrusos tinham falta. A importância desse comércio ilícito se
manifestou em Buenos Aires pela diminuição das rendas públicas e pelo luxo que ostentavam
algumas famílias que faziam praça de fortunas de origem absolutamente desconhecida"34. Como se
vê, com o comércio ilícito, nem ganhava a futura capital da Argentina, nem a própria Colônia do
Sacramento, mas os eternos intermediários judaicos com sua jeiteira para os bons negócios.
Todos os historiadores estão de acordo em proclamar o contrabando da Colônia, desde os
primeiros tempos até sua entrega definitiva aos espanhóis, com Oliveira Lima à frente 35. Aquilo
era, em verdade, segundo um deles, "o ninho do contrabando"36. O conde de Moncloa, Vice-Rei do
Perú, julgava oficialmente "muito lesivos ao monopólio peruano" o comércio e o contrabando que
ali se desenvolviam37. O governo de Buenos Aires declarava aquele "gran canal predispuesto por la
naturaleza para el comercio de contrabando". Além do contrabando, os judeus praticavam os
maiores abusos no tráfico de negros, por trás dos ingleses, a quem uma cédula real de Filipe V o
permitia no estuário, em virtude de uma cláusula imposta pela liberal e judaica Inglaterra no tratado
de Utrecht38. Para o mister de contrabandista, que o judeu praticava, dirigindo e estipendiando,
raramente toman do parte direta por causa do perigo, eram empregados aventureiros capazes de
recorrer às armas em caso extremo39.
O contrabando que ainda hoje se pratica nas fronteiras meridionais mergulha suas raizes
nessa época e nas dinas tias de contrabandistas fronteiriços ainda se podem achar alguns nomes de
judeus que travaram conhecimento com a Inquisição de Lima...
Somente os interesses do contrabando explicam as vitórias da diplomacia portuguesa,
obtendo as restituições da Colônia tomada pelas armas castelhanas. Para haver o rendoso
contrabando, era necessário que fosse uma cunha portuguesa enfiada na porta de entrada das
possessões espanholas. Nas mãos da Espanha, para que serviria? O comércio de Mato Grosso não
existia e era o único lugar do Brasil para onde se poderia ir por aquele canal. Assim, as forças
ocultas manejavam sempre de maneira a Colônia tornar ao poder de Portugal. Uma pequena
reflexão sobre esse ponto permite compreender claramente as razões secretas dos fatos ocorridos na
nossa corrida para o Prata.
No comércio ilícito da Colônia, que se irradiava ,pelo interior das audiências espanholas e
era exercido pelos antigos peruleiros e seus descendentes, tangidos de Lima pela Inquisição,
entrava continuamente muita prata, como já o declarava em 1694 o governador português Dom
Francisco Naper de Lencastre.40. Era também grande o comércio de couros, pelos quais se
cobravam fortes dízimos41, o que fazia a judiaria fugir por meio do contrabando ao seu pagamento;
contrabando de tal modo generalizado e corruptor que, no ano de 1700, até os próprios
governadores da Colônia dele participavam42. Acontecia mais ou menos a mesma coisa no
comércio de madeiras43. Outra fonte de rendas ilícitas deviam ser as famosas verbas secretas
destinadas a comprar amizades e inteligências entre os castelhanos44...
33

G. Keith, "A voyage to South America and the cape of good Hope". Londres, 1810.
0. Araujo, "Resumen de Ia Historia del Uruguay".
35
"D. João VI no Brasí0, tomo I, pág. 112. "admirável ponto de contrabando".
36
Alfred de Brossard, op. cit. pág. 36.
37
Fernando Nobre, op. cit. pág. 31.
38
Eduardo Azevedo, "Manual de História Uruguaya", Montevidéo, tomo I, pág. 33.
39
Fernando Nobre, op. cit. pág. 33.
40
"Anais da Biblioteca Nacional°, doc. nº 1.988
41
Idem, n° 2.063.
42
Idem, n° 2.363.
43
Idem, n° 2.630.
44
Idem n°s 4.494-4.495.
34

58

O governador espanhol D. Bruno de Zabala combatia com todas as forças o contrabando
que lhe minguava as rendas da administração para a engorda de cristãos-novos. De 1724 a 1725, ele
expulsou os portugueses que queriam estabelecer-se no local onde hoje está Montevidéu e fundou
Maldonado, pondo, assim, um anteparo entre a Colônia e o Rio Grande, isolando-a no estuário
platino de tal modo que chegou a ficar sem um palmo de terreno além dos fossos da circunvalação,
o que, com o tempo, motivou sua perda definitiva. Dai em diante, não passou mais de um navio de
pedra ancorado na praia platina. Expansão Lusa pelo interior das terras estava "burlada"45.
Em 1735, rompidas as relações entre os dois reinos rivais da Península Ibérica, D. Alvaro de
Salcedo, governador de Buenos Aires, põe cerco à Colônia durante dois anos, sem dela conseguir
apoderar-se, graças à heróica resistência da guarnição. O armistício de Paris, em 1737; pôs termo às
hostilidades.
A questão, porém, só foi resolvida de vez em 1750 pelo Tratado de Madrid, no reinado de
Fernando VI, sucessor de Felipe V, cedendo Portugal a Colônia em troca das Missões jesuíticas do
Uruguai. A ordem de Santo Inácio entrava em decadência e as sociedades secretas, de parceria com
o judaísmo, lançavam contra ela todas as suas forças. Publicavam-se o Anti-Cotton e as Monita
Secreta, que excediam a tudo quanto os protestantes haviam dito e escrito contra a Companhia de
Jesus46. Porém a execução do pacto suscitou tais dificuldades que teve de renunciar a ele e os
pobres índios vencidos de Caybaté e os jesuítas expulsos acabaram, embora tardiamente, vencendo
as combinações diplomáticas. Demais, enquanto os índios missioneiros se rebelavam contra as
autoridades empenhadas em realizar o combinado, os portugueses não abandonaram a Colônia,
onde o contrabando prosseguia descaradamente. O resultado foi que o tratado não entrou em vigor
e, em 12 de fevereiro de 1761, celebrou-se novo pacto, o de Pardo, que anulou o de 1750 e fez tudo
retornar ao estado anterior47. A resistência dos padres vencera os esforços de Gomes Freire de
Andrade, conde de Bobadela, que se retirara descoroçoado para o Rio de Janeiro. Ia reacender a
luta travada pela posse da margem do Prata, que começara em 1682.
Governava Portugal o pulso forte de Sebastião José de Carvalho, Marquês do Pombal, que
entendera usar dos judeus na sua politica dominadora, esquecendo-se dos perigos que representa a
sua simples aproximação, quanto mais a intromissão desse fermento de decomposição em qualquer
Estado. O padre Vieira acercara-se deles e maus foram os resultados. Os jesuítas franceses
associaramse a eles e disso resultou aquele escandaloso processo Lavalette, que tão grandes danos
causou à ordem, afastando dela a gente culta no momento em que Pombal em Portugal, Aranda na
Espanha e Choiseul em França lhe vibravam os grandes golpes que a enfraqueceriam para sempre48.
Combate-se o judeu, não se usa do judeu; usá-lo equivale a cair-lhe nas unhas mais hoje, mais
amanhã. Por isso, Portugal se aviltou sob o domínio do marquês. A judiaria portuguesa, tão
ferrenha que, mal chegava a terras estranhas de maior tolerância, voltava aos ritos ancestrais e
impunha a circuncisão à prole49, inundou as companhias de comércio por eles formadas, como
antes havia inundado todas as anteriores.
Em todos os capítulos desta história secreta, temos provado com documentação abundante a
verdade do que afirma Houston Chamberlain: "Quando os judeus se acham em grande número em
país estranho, julgam a ocasião propícia para realizar as ameaçadoras promessas dos seus pro fetas
e se dispõem, com a melhor consciência deste mundo, a devorar as nações50". Pombal não tinha
ainda recebido essa lição da experiência e, em 1773, aboliu as últimas separações e distinções entre
cristãos-velhos e cristãos-novos. O judeu, triunfante em toda linha, cheio do ouro conseguido no
pau-brasil, no açúcar, no tráfico, na pirataria, na mineração e no contrabando, entrava de cabeça
45

Fernando Capurro, op. cit. pág. 27.
H. Poehmer, "Les Jesuites", trad. de G. Monod, Paris, 1910, pág 265.
47
Fernando Capurro, op. cit. pág. 31.
48
H. Boehmer op. cit. págs. 268-274.
49
João Lúcio de Azevedo, História dos cristãos-novos portugueses" pág. 358.
50
Houston Chamberlain, " La Genése du XIX Me. Siécle. Payot, Paris, 1913, tomo 1, pág. 346. Cedamos palavra a uma
observação atual, em 1936, do Dr. J. A. Pfister, no Inglaterra: " A Inglaterra vai se tornando dia a dia o paraíso dos
judeus. Chegam como mendigos perseguidos, catem hospitalidade e logo que tomam pé passam a comportar-se como
verdadeiros senhores!...
46

59

erguida na vida pública da nação. Pombal, amigo dos pedreiros-livres, protetor dos judeus, não
poderia ver os resultados da sua política. Teve todo o apoio secreto até o fim. Portugal, porém, no
futuro, pagou na a narqula judaica dos últimos tempos da Monarquia e dos atribulados tempos da
República às suas concessões.
No ano da Graça de 1763, para melhor atender à defesa do Sul do Brasil, o marquês
mandou transferir a capital da Bahia para o Rio de Janeiro. É que, em setembro de 162, D. Pedro
Ceballos, governador de Buenos Aires, depois de receber uma "ordem secreta" 51 para atacar os
estabelecimentos portugueses, investira a Colônia do Sacramento e dela se apoderara, invadira o
nosso territOrio e ocupara a vila do Rio Grande. Era com toda a cer teza sócio da judiaria portenha
nessa pirataria, porque vivia de fraudes e ladroagens no cargo, sendo o contrabando sua
especialidade52. Saqueou o quanto pôde na invasão.
O Tratado de Paris, de 10 de fevereiro de 1763, mandou restituir novamente a praça aos
lusitanos e outra vez judeus e ingleses voltam a ganhar rios de dinheiro no contrabando53. Carlos
III, rei de Espanha, entendendo ser necessário arrancar de vez aos vizinhos a margem esquerda do
Prata, ordenou que o mesmo Ceballos se preparasse o melhor possível para a reconquista. Com
efeito, uma expedição espanhola, formidável para o tempo e o lugar, conquistou em 1777 a nossa
base da ilha de Santa Catarina e retomou a disputada fortaleza do estuário. Seus bastiões e revelins
foram arrasados; os canais do porto, entupidos com os barcos cheios do entulho das demolições)54.
No território rio-grandense, a guerra durara mais ou menos dez anos e só em 1776 os invasores
haviam sido expulsos pelo esforço conjugado de lusos e brasileiros sob o comando do grande
general João Henrique Bohm. O tratado de Santo Ildefonso entregou a plena posse da margem
setentrional do Prata e da Colônia do Sacramento à Espanha. O Rio Grande, evacuado, ficou em
nosso poder até o Chuí.
O Brasil-Reino conquistaria mais uma vez a Colônia, com toda a Banda Oriental. O BrasilImpério a perderia para sempre numa guerra infeliz, manietado por uma política interna, depois de
dez anos de domínio. Todas essas tomadas e retomadas haviam custado o esforço e o sangue dos
homens de vulto ou ignorados que constituíram nossa Pátria. Israel enriqueceu-se no contrabando
sem derramar uma gota de suor ou sangue...

51

Carlos Correa Luna, op. cit. pág. 52.
Op. cit. págs. 55 e segs.
53
D. Antonio Alcedo, "Dicionário Geográfico-Histórico de las índias Occidentales", 1778, art. "La Colonia del
Sacramento".
54
Pedro F. Xavier de Brito, "Memória sobre o assédio e rendição da Colônia do Santíssimo Sacramento".
52

60

CAPÍTULO X
A entrada em cena da maçonaria
VIMOS até agora todos os meios postos em prática pelo judaísmo no Brasil, a fim de se
apoderar da riqueza e ter aquela pecúnia - nervo das guerras - a que se referia Rabelais55. A
acumulação da fortuna e o assalto às fortunas públicas e particulares foram levados a efeito pelo
monopólio do pau-brasil, a especulação sobre os açúcares, o tráfico negreiro, a pirataria, a
conquista, as companhias de comércio e navegação, o açambarcamento de gêneros, o estanco de
produtos, a desapropriação forçada das minas, o contrato dos diamantes e o contrabando.Possuindo
os meios pecuniários, a força do ouro, o judaísmo atacara o segundo setor da sua luta, o Estado. Aí
já não se apresentará tão descoberto e se valerá das sociedades secretas, que organizará em
compartimentos es tanques e superpostos, tornando-as fontes de iniciação nas doutrinas cabalistastalmúdicas, as quais temo dom de transformar os cristãos em "traidores da própria Pátria e da
própria fé, em proveito do judeu cabalista, cuja ambição é conquistar pela astúcia e pela traição o
domínio universal56".
A mais importante de todas as sociedades secretas é, sem dúvida a maçonaria. Seu
verdadeiro papel é estu dar, investigar e dar curso às ordens recebidas, fazer adeptos, realizar a
propaganda, às vezes sutil, das idéias, enfim; procurar e preparar a força de que carecem os judeus
na grande massa do povo. Para isso, o envenenam com idéias de aparência liberal e filantrópica,
verdadeiras utopias na maior parte dos casos, todas, sem ex ceção, destruidoras dos lineamentos da
ordem social e gé radora de ódios. Com tais ideologias, o Governo Oculto de Israel pretende
dominar o mundo. Os que servem a maçonaria, ignoram que, atingido esse desideratum, eles,
meros instrumentos e intermediários do judaísmo, desaparecerão na voragem57. Assim aconteceu na
Rússia bolchevista, onde a maçonaria foi terminantemente proibida logo após o triunfo judaico,
somente sendo permitida a abertura de lojas recentemente, em virtude da pressão de novas
necessidades políticas.
À sombra desse maravilhoso agente preparatório, a dominação judaica se estabelece e vai
passando despercebida do comum dos mortais58. O segredo maçônico disfarça, esconde e protege o
Poder Oculto Internacional, o que, por meio dele, vai provocando em todos os organismos
governamentais e sociais as divisões de que devem resultar todas as suas fraquezas. Divide et
imperas.
A conspiração judaica contra o mundo inteiro é antiquíssima e permanente. Desde o
cativeiro da Babilônia até o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, durante cinco séculos, os
judeus viveram numa "conspiração contínua59". Contra os persas, contra os egípcios, contra os
sírios, contra os romanos.. No seio da Igreja Católica nascente, infiltraram as divisões e heresias 60,
multiplicando-as num "labirinto diabólico". Toda a Gnose dos primeiros séculos do cristianismo
proveio da cabala judaica; quase todos os grandes heresiarcas foram judeus; as sociedades secretas
gnósticas se espalharam pelo oriente e pelo Ocidente61, sobretudo as sociedades secretas
maniquéias a que a bula Humanum Genus de S. S. Leão XIII mui acertadamente compara à
55

"Les nerfs des batailles sont les pécunes", Fran çois Rabelais. "Oeuvres", Garnier, Paris pág. 89.
L. Dasté. "Les sociétes'sécréts et les juifs", ed. da Renassance Française, Paris, 1912, pág. 63. O fim social da
maçonaria é a reconstrução do Templo de Salomão; o Templo de Salomão é a Terra Gloriosa, e os homens reunidos em
uma única e só família, pela ciência, pela fraternização consciente. Extingue, pois, os preconceitos de raças, de
classes", diz o grande maçon Dario Veloso, em "O Templo Maçônico", Curitiba, 1924, pág, 223. Todo esse ideal
utópico esconde simplesmente a construção do Templo Salomônico do Talmudismo do judaísmo de hoje, a construção
do domínio judaico. É o mesmo grande maçon Dario Veloso quem o confessa na op.cit. pag. 44. "Delaunay provou que
os Mistérios Maçônicos eram originários do Egito e foram trazidos para Europa pelos judeus". A tolerância religiosa da
maçonaria não passa de disfarce do seu materialismo positivo. O próprio Dario Veloso nos assegura que o Templo
maçônico é meramente a terra (pág. 24), no qual se professa tão só o "dogma da humanidade" (pág. 39).
57
Duque de la Victoria, "Israel Manda", Madrid, 1935, Prólogo, pag. 10. Cf. "Os Protocólos dos Sábios de Sião", caps.
IV, X, XI e sobretudo XV.
58
Duque de la victoria. Op. cit. pág. 57.
59
L. Daste, op. cit. pág. 7. 1 46
60
Op. cit. págs. 9-10.
56

61

maçonaria. Catáros, patarinos, brabantinos e albigenses saem em plena IdadeMédia, dessa fonte
maniquéia e cobrem a França com "uma rede invisível de sociedades secretas"62.
"Por necessidade ou natureza, os judeus sempre procuraram, utilizaram e amaram o
mistério"; e, desde o tempo dos romanos, têm um governe oculto organizado63. Diretamente,para os
judeus, esse é o Kahal; para os cristãos judaizantes ou judaizados, é a maçonaria, que usa o sistema
dos cabalistas talmúdicos, o qual data do exílio de Babilônia 64. A cabala viveu e vive sempre no
mais profundo seio dos mistérios da maçonaria, destinada à propagação dos seus ensinamentos65.
Michelet, o historiador mais anti-católico deste mundo, confessa que a doutrina maçônica nada
mais é do que o judaísmo cabalista66.
A história afirma íntima ligação entre a célebre Ordem dos Templários e o judaísmo. O fim
secreto dessa ordem de cavalaria, fundada na Palestina em 1118, era "a reconstituição do templo de
Salomão, em Jerusalém, de acordo com o modelo da profecia de Ezequiel"; seu exemplo os maçons
guerreiros de Zorobabel; suas tradições, as "judaicas do Talmud"; sua regra, "a cabala dos
gnósticos; seu ideal, "adquirir influência pela riqueza, intrigar e apoderar-se do mundo". Tinha duas
doutrinas: uma oculta, reservada aos mestres; outra pública, a católica-romana, "enganando, desta
sorte, aos adversários que pretendiam suplantar". Obedecia a esta palavra de ordem: "enriquecer
para comprar o mundo67". Queria, assim, derrubar a autoridade do Papado e o poder da Realeza.
Havia traído São Luiz nas cruzadas e preparava vasta conspiração em toda a Europa 68, quando
Felipe, o Belo, e Clemente V a dissolveram de surpresa. "Os sectários de toda espécie têm, desde
muito tempo, acumulado mentiras sobre mentiras, tentando inocentar a Ordem do Templo,
destruída pelo Papa e pelo rei da França. Todavia, quanto mais se aprofunda a questão, mais
aparece a culpabilidade dos Templários. que, em toda a cristandade, sofrem condenações
infamantes, depois de longos e minucïosos processos, segundo as confissões pormenorizadas
idênticas todas elas nos países mais diversos.
É aos Templários, cujos ritos são os mesmos da maçonaria, que esta se liga em primeira
mão69. Outra corrente formadora da maçonaria, foi a dos ocultistas Rosa-Cruzes do século XVII,
derivados diretamente da cabala judaica70. No século seguinte, eles se infiltraram nas antigas
corporações de pedreiros-livres, muito poderosas pelas franquias que gozavam como construtoras
dos edifícios públicos e das catedrais góticas. Delas veio o nome de pedreiros-livres ou francomaçons. Na Inglaterra, destinada a ser, no século XVIII, a mãe da maçonaria, a infiltração dos
pedreiros-livres ocorreu em 170371.
A maçonaria surgiu em França no reinado de Luiz XV, em 1737, com grande aceitação por
parte dos fidalgos fúteis e cortesãos. Relata um cronista coevo que mantinha "inviolável segredo"
quanto às suas "assembléias ocultas e perigosas para o Estado 72". Vinha importada da Inglaterra e o
cardeal de Fleury, primeiro-ministro, mandou fechá-la manu militari73. Imputavam-lhe, como se vê,
o mesmo propósito dos Templários: destruir a Religião e o Trono, destruindo o Estado 74. Iniciava a

61

Adolf Frank (judeu) Ma Kabballe°, Hachette Paris, 1843, págs. 341-353; Dasté, op. cit. págs. 11-12; Amelineau,
"Essais sur le Gnosticisme", pag. 323.
62
L. Dasté, op. cit. pág. 42.
63
Matter (protestante), "Histoire critique du Gnosticisme", Paris, 1843, tomo I, pág. 154.
64
Ad. Frank, op. cit. pág. 1.
65
"Histoire de France", tomo II, pág. 393.
66
Eliphas Lévi (autor insuspeitíssimo: ocultista apóstata e maçom). "Dogme et rituel de la Haute magie". Bailliére,
Paris, 1861, tomo II págs. 222 e segs. Lembre-se o que disse Dario Veloso sobre a construção ao Templo de Salomão.
67
Henri Robert Petit, "Le drame maçonnique", Nouvelles Editions Latines, Paris, 1936, págs. 35-55.
68
L. Dasté,op. cit. pág. 54. n
69
Pe. Barbier. "Infiltrations maçonniques dans 1'Eglise"; L. Desté; op. cit. pags. 61-63; C. Jannet, op. cit. pags. 22-23.
70
C. Jannet, op. cit. pág. 47; L. Dasté, op. cit págs. 58.
71
Pretton, "Illustration of Masonry", Londres, 1712.
72
Barbier, "Chronique de la Régence et du régne de Louis XV, 1718-1763", Paris, 1885, tomo III, pág. 65.
73
Albert Lantoine, "Histoire de la Franc-Maçonn_e rie.française", Nourry, Paris, 1935, Tomo II, pag. 4.
74
Larudan, "Les francs-maçons ecrasés", Amsterdam, 1746, pag. 63.

62

preparação do terremoto social de 1793. Porque nenhuma revolução, confessa o maior dos técnicos
revoluçionários modernos, pode triunfar sem haver antes destruido os fundamentos do Estado75.
Três lustros depois, com o Marquês de Pombal, principiava no reino lusitano a era dos
maçons, que não passavam de cristãos-novos, "tanto que as duas palavras eram sinônimos e, no
campo, pedreiro-livre era sinônimo de judeu76. No Brasil, as lojas maçônicas datam dos últimos
tempos do regime colonial. Precederam de um quarto de século a transladação da corte. Umas
foram instaladas sob os auspícios do Grande Oriente português; algumas sob os da França; outras,
independentes deles. Todas do rito adonhiramita. Fundaram-se no Rio de Janeiro, na Bahia e em
Pernambuco77.
Embora não tendo à mão o documento maçônico de que extraímos estes dados, o
consciencioso historiador Joaquim Felicio dos Santos declara não saber, ao certo, como se
introduziu a maçonaria no nosso pais; mas, afirma, com razão, que, no meado do século XVIII, "já
funcionava na Bahia o Grande Oriente", começando seu "trabalho lento, oculto, persistente, para a
nossa independência78. Essa independência dos países sul-americanos, na opinião de um dos
homens que melhor estudaram a questão nas suas causas e efeitos, não era propriamente um fim
para a maçonaria, porém um meio de enfraquecer Espanha e Portugal que eram os dois maiores
inimigos do judaísmo: latinidade e catolicidade 79.
Os próprios judeus abertamente cofessam, que, "em todas as grandes revoluções do
pensamento, se encontra a ação judaica, ora visível e retumbante, ora muda e latente, de modo que
a história judaica corre paralela à história universal e a penetra por mil tramas80".
Até aqui, verificamos na nossa história pública os traços inconfundíveis dessa história
secreta. Vamos avivá-los nas conspirações que primeiro tentaram movimentos de independência,
em Minas e na Bahia, regionais e, portanto, separatistas, com o fim visível e retumbante da
libertação dos brasileiros das garras da metrópole, mas com o fim mudo e latente do esfacelamento
do império colonial português, o mesmo fim da conquista flamenga, e do esfacelamento do novo
império que, de certo, com o tempo, se constituiria na América Latina.
Na capitania de Minas, desde a guerra dos emboabas, haviam ficado a "arder às surdas" as
chamas revolucionárias. Certo nativismo orgulhoso se misturava ao regulismo dos descendentes
dos cristãos-novos mascates e forasteiros que se haviam apoderado pela força e pela traição das
lavras de ouro, os quais detestavam o fisco minguador de seus proventos. A cobrança dos impostos
reais e as repressões do contrabando determinavam contínuas agitações. A extração do ouro
aumentava sem que aumentassem os quintos de El Rei81. O estado via-se ali pobre e fraco diante
dos particulares fortes e ricos. Por isso, se estabeleceram as casas de fundição às quais deveria ser
levado todo o metal precioso, o que prejudicava grandemente os magnatas da mineração. Daí o
levante trágico de 1720, chefiado por Pascoal da Silva Guimarães, Manuel Musqueira da Rosa e
Felipe dos Santos82, que o Conde de Assumar reprimiu duramente com o incêndio e o cadafalso83.
O restolho, porém, ficara a "arder às surdas". Oportunamente, a maçonaria se encarregaria
de habilmente soprar o borralho, para de novo atiçar as labaredas 84. Os exemplos de outras obras
maçônicas, lá fora, contribuíram para êxito da empresa. A repercussão do grito da independência
dos Estados Unidos deveria ecoar no sul do continente. Em Portugal, se sentia isso e se temiam
mais os inimigos internos do que os externos, das colorias, que eram, como o reconhecia o próprio
75

Albert Sorel, "L'Europe et la Révolution", tomo II, pag. 3.
Mario Sáa, "A invasão dos judeus", pag. 12. Cf Mario Sáa "Portugal-cristão-nevo".
77
Manoel Joaquim de Menezes Drummond, "Exposição História da Maçonaria no Brasil" in "Arquivo Maçônico", ano
29, nº 13 e segs, Recife, setembro, 1907.
78
"Memória do distrito diamantino", pág. 253.
79
Marius André, Na fin 1'empire espagnol d'Amerique". Nouvelle Libraire Nationale, Paris, 1822, pág. 81.
80
"Univers Israelite", 26 de julho de 1907, pág. 585.
81
Pedro Calmon, "História da Civilização Brasileira", pág. 142.
82
Há sabor de cristão-novo no nome de Musqueira da Rosa...
83
Rio Branco, "Efemérdes Brasileiras", Imp. Nacional, Rio de Janeiro. 198, págs. 346-347.
84
Joaquim Felício dos Santos, op. cit. pag. 253.
76

63

Conselho Ultramarino, "tesouros mal guardados"85. Os moços brasileiros que estudavam na Europa,
sobretudo nas universidades de Montpellier e Paris, regressavam aos lares cheios de entusiasmo
pela grandeza da terra brasileira comparada com a exigüidade européia e cheios de maior
entusiasmo ainda pelo exemplo norte-americano e pela figura do grande maçom Benjamin.
Franklin, que fora ao Velho Mundo levar o angustiado pedido de socorro dos Filhos da Viúva de
sua Pátria às lojas adonhiramitas ou do rito francês, escocesas e iluminadas. Cá dentro do Brasil,
afirmavam-se já alguns vislumbres de consciência nacional, embora ainda adstrita a localismos, no
descontentamento dos brasileiros mais cultos vendo o seu paraíso, tão gabado judaicamente desde
os "Diálogos das Grandezas", conforme o notava, de passagem, o francês Parny, preso à coroa de
Portugal. Na França, começava a lavrar aquela febril agitação, assoprada pelas forças ocultas,
prenunciadora da Grande Revolução, a qual ia incendiando os nossos patrícios em contato com a
juventude revolta das escolas francesas.
Levados por essas idéias e entusiasmos, houve estudantes brasileiros na França que
procuraram entabolar negociações para a nossa independência com potências estrangeiras, como
José Joaquim da Maia, Domingos Vidal Barbosa, José Mariano Leal e José Pereira Ribeiro 86. Maia,
de nome certamente herdado dos forasteiros de 1709, escreveu, em 1786, a respeito de seus
propósitos libertadores, a Tomas Jefferson, embaixador dos Estados Unidos, o qual lhe concedeu
uma entrevista romântica nas arenas de Arles87. Foi bem um quadro em puro estilo do século
XVIII: os conspiradores da liberdade no meio das ruínas clássicas! Jefferson recusou-se
polidamente a entrar na combinação, alegando que seu país não estava ainda em condições de arcar
com as responsabilidades de complicações com outras nações. Maia morreu mais tarde em Lisboa,
sem nada haver conseguido.
A opressão metropolitana fazia-se sentir duramente em Minas, com a venalidade da
magistratura, os vexames do fisco, o monopólio do sal e a proibição dos teares para favorecer a
indústria do reino. A idéia da independência andava, como se diz, no ar. As idéias que andam no ar
nunca nasceram por si. Alguém as sopra de qualquer parte. Não há geração espontânea na natureza
e também não há na vida das sociedades. Corriam boatos desencontrados, como costuma acontecer
sempre, quando as atmosferas sociais estão sobrecarregadas pelas toxinas que agem à socapa. As
esperanças de libertação polarizavam-se em torno da figura prestigiosa do tenente-coronel
Francisco Freire de Andrade, não pelo seu valor intelectual ou pelas suas convicções políticas, mas
porque era o segundo comandante dos famosos Dragões das Minas e os poderia arrastar a um
pronunciamento. Em Vila Rica, sede do governo da capitania, havia uma roda de homens cultos,
participantes duma Arcádia Literária, a qual facilmente se tornaria o centro diretor de qualquer
movimento de idéias a se objetivar em ação. Tornou-se, com efeito, e "envolto em tanto mistério
que mal sabiam os conjurados do que nele se tratava nem ao certo, as pessoas de que se
compunha88".
Filtra-se o segredo maçônico nesta revelação histórica, que vem comprovar de modo
incontestável o que afirma o probo Joaquim Felício: "A inconfidência de Minas tinha sido dirigida
pela maçonaria 89". Um autor judeu assegura que os judeus "tiveram muita influência no preparo
material e espiritual" da conspiração90. Nessa primeira tentativa republicana no Brasil, "o esforço
judaico é inegável91". Vimos, anteriormente, que o Grande Oriente se estabelecera na Bahia. Pois
bem, num capitulo das "Memórias do distrito diamantino", escrito, segundo confessa, em grande
parte com informações hauridas do Senador Teófilo Ottoni, Joaquim Felício declara, textualmente:
85
Antonio Rodrigues, da Costa, "Consulta do Conselho Ultramarino à Sua Majestade no ano de 1732" in
"Re vista do Instituto Histórico e geográfico do Brasil", tomo VII, pág. 489.
86
J. Norberto de Souza e Silva, "História da Cor) juração Mineira", Garnier, Rio de Janeiro, págs. 39-4G.
87
"Extratos da correspondência de Tomás Jefferson" in "Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil", tomo
pág. 289.
88
J. Norberto, op. cit. pág. 60.
89
"Memórias do distrito diamantino", pag. 253.
90
Isaque Izeckson, "os judeus na Independência" In "Almanaque Israelita, 1935, pág. 20 Cf. Bartolomeu de Almeida,
artigos no jornal católico °A Ordem".
91
Izaque Izeckson, loc. cit.

64

"Tiradentes e quase todos os conjurados eram pedreiros-livres. Quando Tiradentes foi removido da
Ahia (?), trazia instruções secretas da maçonaria para os patriotas de Minas. Em Tijuco, o primeiro
que se iniciou foi o padre Rolim, depois o cadete José Vieira Couto e seus irmãos92".
O referido cadete faleceu no Tijuco, hoje Diamantina, em conseqüência de enfermidade
contraída na cadeia de Vila Rica. Em 1868, ainda viviam pessoas que tinham assistido ao seu
enterro e o viram, no caixão mortuário, fardado e revestido das insígnias maçônicas de mestre93.
Da roda arcadiana de conjurados faziam parte o ouvidor Tomás Antonio Gonzaga, já
promovido a desembargador; o velho Cláudio Manoel da Costa, que possuía muitas obras
proibidas, que estudara e comentara a "Riqueza das Nações" de Adam Smith 94 e que se encarregara
de preparar os "códigos fundamentais" da futura república; o poeta Inácio José de Alvarenga
Peixoto; Diogo Pereira de Vasconcelos; o intendente Francisco Gregário Pires Monteiro Bandeira;
os padres Miguel Eugênio da Silva Mascarenhas e Carlos Correa de Toledo, que liam versos e
propagavam a idéia do republicanismo separatista, porque sua atenção não estava voltada para o
todo brasileiro e sim para o torrão natal. As influências judaico-maçônicas manobravam seu
idealismo patriótico.
O anúncio de uma derrama, finta geral do fisco cobrando tributos atrasados, certamente
descontentaria muita gente e aumentaria o número dos prosélitos. A revolução deveria estalar nesse
momento e entre seus planos figurava a queima dos cartórios95, para fazer desaparecer os títulos de
propriedade. Disso, todas as rebeldias assopradas da sombra têm cuidado com o maior empeno:
circun célios, albigenses, jaques, campônios de Maria da Fonte, em Portugal, balaios e quebraquilos do Norte, comunistas russos. Outros revolucionários, como os de 1930, se apoderam dos
cartórios, onde põem gente sua.
José Joaquim da Silva Xavier, alcunhado o Tiradentes por exercer a profissão de dentista,
que se tornaria a figura principal da Inconfidência por todos os títulos, nascera em São João Del Rei
e principiara a vida como mascate nas Minas Novas, onde estivera preso e ficara "sem crédito". Era
filho do boticário Domingos da Silva Santos e de Antônia da Encarnação Xavier. Em lugar do
nome paterno, usava o materno. Tinha dois irmãos, ambos sacerdotes, que traziam nomes
diferentes: Francisco Ferreira da Cunha e Daniel Armo Ferreira. Entrara, como recurso de vida,
para a carreira das armas e, sem proteção, estacionara no posto de alferes da 62ª Companhia dos
Dragões das Minas. As preterições lhe amargavam a alma. Tentara a mineração, sem proveito, e
fizera a campanha do Sul, contra os invasores castelhanos. No Rio de Janeiro, procurara obter da
indiferença do Vice-Rei D. Luiz de Vasconcelos a concessão do abastecimento de água e dos
trapiches96. Fazia o que se chama biscates em medições de terras. Era pouco ou nada simpático de
aparência "feio e espantado", disse dele Alvarenga Peixoto. Quando no Rio, o populacho o vaiava
por causa do físico incomum e por viver perguntando a esmo o que faria Minas feliz, depôs na
devassa o sargento-mor José Joaquim da Rocha.
Diz Isaque Iseckson que era possivelmente judeu, por que entre seus nomes há o de Silva,
"preferido pelos judeus-portugueses, como o de Costa e Pinto97". Indicio vago. Maiores se
encontram na versatilidade de sua vida, na leviandade fanfarrona de seu temperamento, na
inquietação constante de seu caráter, nas tentativas desatinadas de ganhos e concessões, na
onomástica mutável de sua família, na profissão do pai (46) e no seu primeiro meio de existência
como mascate. Nada disso, porém, é bastante para se fazer em sã consciência a afirmação de que
fosse de raça judaica. O papel que assumiu na derradeira etapa da malfadada conspirata demonstra,
pelo contrário, um espírito de sacrifício, um amor da responsabilidade e uma resignação altamente
cristã, sem nada de comum com as atitudes dos judeus nessas ocasiões. Se o sangue de Israel
92

Op. cit. loc. cit. A revelação é notável, devi do ao alto conceito de quem a faz.
Januario da Cunha Barbosa. "Parnaso Brasileiro", tomo II.
94
J. Norberto, op. cit. pág. 70.
95
Op- cit. pág. 71.
96
Loc. cit.
97
É sabida a predileção dos judeus pela arte de curar e sua derivada, a farmácia. Mendes dos Remédios, Castro
Boticário e muitos outros são cognómes que denunciam ainda hoje, pela profissão ancestral a origem judaica de seus
portadores" - Rodolfo Garcia, "Os judeus no Brasil colonial in -Os judeus na história do Brasil", pág. 12.
93

65

porventura lhe corria nas veias, de tal modo o meio o purificara através das gerações que pôde
praticar atos que o imortalizaram, tornando-o uma figura simbólica.
No Rio de Janeiro, Tiradentes pusera-se em contato com um moço mineiro que regressava
formado da Europa, o Dr. José Alves Maciel, o qual, segundo o depoimento de Domingos Vidal,
estivera na Inglaterra, buscando apoio para o levante de Minas Gerais. Durante a ausência do
alferes, a 11 de junho de 1788, tomara posse, em Vila Rica, do governo da capitania, o Visconde de
Barbacena, munido de autorização real para a cobrança da derrama, que os conspiradores
esperavam ansiosamente para se manifestarem.
De torna viagem, Tiradentes passou na fazenda do opulento José Aires Gomes, coronel da
cavalaria auxiliar na Borda do Campo, em companhia do ouvidor que ia substituir Tomás Antonio
Gonzaga, Pedro José de Araújo Saldanha Em conversa, expandiu-se sobre as novas idéias. Fez o
mesmo na fazenda do Registro Velho, com o padre Manoel Rodrigues da Costa. O Dr. Maciel, que
fora antes dele para Vila Rica, iniciara-o no mistério da conjura, afirma Joaquim Norberto98, o que
vai ao encontro da referência de Joaquim Felício sobre as instruções secretas ou a prancha trazida
da Bahia. E impossível deslindar o segredo maçônico das origens da conspiração sem consultar os
arquivos secretos da maçonaria. Por onde andarão os papéis desse tempo, se é que houve alguma
coisa escrita?
O primeiro pensamento de Aires Gomes, medroso de complicações, porque as leis
ordenavam a delação, foi levar o que ouvira ao conhecimento das autoridades. Tentou, sem
resultado, por intermédio do desembargador Luis Beltrão. Por causa de seu involuntário silêncio,
posteriormente se viu envolvido nas teias do processo. Tiradentes continuou a falar no assunto.
Falou ao próprio tenente coronel Freire de Andrade, seu comandante, que não gostou disso, e ao
capitão Maximiano de Oliveira Leite, seu superior hierárquico, que o repeliu.

Bandeira da Inconfidência proposta por Tiradentes, com o Triângulo, do qual a
Linguagem Maçônica, no "Livro Maçônico do Centenário", pág. 161, diz unicamente o seguinte:
"Emblema da Divindade. Em sentido literal - chapéu". Em certas reproduções da Bandeira dos
Inconfidentes, o Triângulo aparece encarnado. Clóvis Ribeiro, na sua obra sobre bandeiras e
brasões do Brasil pinta-o verde.
O triângulo na posição em que aí está, pode ser visto na pág 112 da obra "Compass der
Weisen° de Ketmia Vere, o Barão Proeck, Berlim e Leipzig, 1779.

98

Op. cit. pag. 12. É preciso respigar nos historiadores, todos eles desavisados da questão judaico-maçônica, os
vestígios das atuações das forças ocultas. Sobre o Dr. José Álvares Maciel, lê-se o seguinte em Antônio Augusto de
Aguiar, "Vida do Marquês de Baroacena", Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1896, pag. 7:"... Organizou sociedades
em Minas, Rio de Janeiro e S. Paulo com o intuito de, por meio delas,fazer a propaganda das idéias e preparar
elementos, que na hora oportuna fizessem a revolução°. Esse informe foi dado ao Marquês de Barbacena na sua
mocidade, quando serviu em Angola, por um dos inconfidentes ali desterrados, que ele conheceu.

66