H%RRNV%UDVLO

História do Brasil
Afrânio Peixoto (1876-1947)
Fonte digital
Digitalização da 2ª edição em papel
Biblioteca do Espírito Moderno - Série 3.ª - História e Biografia
Cia. Editora Nacional - 1944

Transcrição para eBook
eBooksBrasil
© 2008 Afrânio Peixoto
USO NÃO COMERCIAL * VEDADO USO COMERCIAL

HISTÓRIA
DO
BRASIL

Suceda o que suceder, o Brasil será
sempre uma herança de Portugal.
ROBERT SOUTHEY -- "História do Brasil".
Londres, 1819, v. 3.º, c. XLIV, págs. 697.

2 $XWRU
Afrânio Peixoto (Júlio A. P.), médico legista, político,
professor, crítico, ensaísta, romancista, historiador literário,
nasceu em Lençóis, nas Lavras Diamantinas, BA, em 14 de
dezembro de 1876, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 12 de
janeiro de 1947. Eleito em 7 de maio de 1910 para a Cadeira n.
7, na sucessão de Euclides da Cunha, foi recebido em 14 de
agosto de 1911, pelo acadêmico Araripe Júnior.
Foram seus pais o capitão Francisco Afrânio Peixoto e
Virgínia de Morais Peixoto. O pai, comerciante e homem de
boa cultura, transmitiu ao filho os conhecimentos que auferiu ao
longo de sua vida de autodidata. Criado no interior da Bahia,
cujos cenários constituem a situação de muitos dos seus
romances, sua formação intelectual se fez em Salvador, onde se
diplomou em Medicina, em 1897, como aluno laureado. Sua
tese inaugural, Epilepsia e crime, despertou grande interesse nos
meios científicos do país e do exterior. Em 1902, a chamado de
Juliano Moreira, mudou-se para o Rio, onde foi inspetor de
Saúde Pública (1902) e Diretor do Hospital Nacional de
Alienados (1904). Após concurso, foi nomeado professor de
Medicina Legal da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro
(1907) e assumiu os cargos de professor extraordinário da
Faculdade de Medicina (1911); diretor da Escola Normal do
Rio de Janeiro (1915); diretor da Instrução Pública do Distrito
Federal (1916); deputado federal pela Bahia (1924-1930);
professor de História da Educação do Instituto de Educação do
Rio de Janeiro (1932). No magistério, chegou a reitor da
Universidade do Distrito Federal, em 1935. Após 40 anos de

relevantes serviços à formação das novas gerações de seu país,
aposentou-se.
A sua estréia na literatura se deu dentro da atmosfera do
simbolismo, com a publicação, em 1900, de Rosa mística,
curioso e original drama em cinco atos, luxuosamente impresso
em Leipzig, com uma cor para cada ato. O próprio autor
renegou essa obra, anotando, no exemplar existente na
Biblioteca da Academia, a observação: "incorrigível. Só o
fogo." Entre 1904 e 1906 viajou por vários países da Europa,
com o propósito de ali aperfeiçoar seus conhecimentos no
campo de sua especialidade, aliando também a curiosidade de
arte e turismo ao interesse do estudo. Nessa primeira viagem à
Europa travou conhecimento, a bordo, com a família de Alberto
de Faria, da qual viria a fazer parte, sete anos depois, ao
casar-se com Francisca de Faria Peixoto. Em 1906, submeteu-se
às provas do concurso em que ganharia as cadeiras de Medicina
Legal e Higiene. Quando da morte de Euclides da Cunha
(1909), foi Afrânio Peixoto quem examinou o corpo do escritor
assassinado e assinou o laudo respectivo.
Ao vir ao Rio, seu pensamento era de apenas ser
médico, tanto que deixara de incursionar pela literatura após a
publicação de Rosa mística. Sua obra médico-legal-científica
avolumava-se. O romance foi uma implicação a que o autor foi
levado em decorrência de sua eleição para a Academia
Brasileira de Letras, para a qual fora eleito à revelia, quando se
achava no Egito, em sua segunda viagem ao exterior. Começou
a escrever o romance A esfinge, o que fez em três meses. O
Egito inspirou-lhe o título e a trama novelesca, o eterno conflito
entre o homem e a mulher que se querem, transposto para o
ambiente requintado da sociedade carioca, com o então
tradicional veraneio em Petrópolis, as conversas do
mundanismo, versando sobre política, negócios da Bolsa,
assuntos literários e artísticos, viagens ao exterior. Em certo
momento, no capítulo "O Barro Branco", conduz o personagem

principal, Paulo, a uma cidade do interior, em visita a familiares
ali residentes. Demonstra-nos Afrânio, nessa páginas, os
aspectos da força telúrica com que impregnou a sua obra
novelesca. O romance, publicado em 1911, obteve um sucesso
incomum e colocou seu autor em posto de destaque na galeria
dos ficcionistas brasileiros. Na trilogia de romances
regionalistas Maria Bonita (1914) Fruta do mato (1920) e
Bugrinha (1922), que foi violentamente criticada pelos
modernistas, é importante a análise psicológica das personagens
femininas.
Dotado de personalidade fascinante, irradiante,
animadora, além de ser um grande causeur e um primoroso
conferencista, conquistava pessoas e auditórios pela palavra
inteligente e encantadora. Como sucesso de crítica e prestígio
popular, poucos escritores se igualaram na época a Afrânio
Peixoto.
Na Academia, teve também intensa atividade. Pertenceu
à Comissão de Redação da Revista (1911-1920); à Comissão de
Bibliografia (1918) e à Comissão de Lexicografia (1920 e
1922). Presidente da Casa de Machado de Assis em 1923,
promoveu, junto ao embaixador da França, Alexandre Conty, a
doação pelo governo francês do palácio Petit Trianon,
construído para a Exposição da França no Centenário da
Independência do Brasil. Ainda em 1923, deu início às
publicações da Academia, numa coleção que, em sua
homenagem, desde 1931, tem o nome de Coleção Afrânio
Peixoto.
Afrânio Peixoto procurou resumir sua biografia o seu
intenso labor intelectual exercido na cátedra e nas centenas de
obras que publicou em dois versos: "Estudou e escreveu, nada
mais lhe aconteceu."
Era membro do Instituto Histórico e Geográfico
Brasileiro, da Academia das Ciências de Lisboa; da Academia

Nacional de Medicina Legal, do Instituto de Medicina de Madri
e de outras instituições.
Principais obras: Rosa mística, drama (1900); Lufada
sinistra, novela (1900); A esfinge, romance (1911); Maria
Bonita, romance (1914); Minha terra e minha gente, história
(1915); Poeira da estrada, crítica (1918); Trovas brasileiras
(1919); José Bonifácio, o velho e o moço, biografia (1920);
Fruta do mato, romance (1920); Castro Alves, o poeta e o
poema (1922); Bugrinha, romance (1922); Dicionário dos
Lusíadas, filologia (1924); Camões e o Brasil, crítica (1926);
Arte poética, ensaio (1925); As razões do coração, romance
(1925); Uma mulher como as outras, romance (1928); História
da literatura brasileira (1931); Panorama da literatura brasileira
(1940); Pepitas, ensaio (1942); Obras completas (1942); Obras
literárias, ed. Jackson, 25 vols. (1944); Romances completos
(1962). Além dessas, publicou obras de outros autores e
numerosos livros de medicina, história, discursos, prefácios.
Fonte: ABL

Ë1',&(
Prefácio
I -- ANTECEDENTES
Cavilização mediterrânea
As especiarias
As navegações
Comércio
II -- REVELAÇÃO
A segunda armada: o Brasil
A data
O descobrimento
O nome
A terra
A gente
Ainda Cabral
Precursores de Cabral
III -- PRIMEIRO SÉCULO
Homens e fazendas
Brasil, sem proveito
Capitanias
Governo Geral
O "Brasil Esquecido"
IV -- PRIMEIRO SÉCULO (II)
Os primeiros governadores

Os Franceses
Entradas e bandeiras; cativeiros, resgates, descimentos
Fim de Nóbrega, Mem de Sá, D. Pedro Leitão
A situação de Portugal
V -- SEGUNDO SÉCULO
Os Franceses no Maranhão
Os Holandeses no Brasil
A restauração de Portugal e a de Pernambuco
Entradas e bandeiras. Escravidão vermelha
Escravidão negra
Monopólio e rebeldia
Remate
VI -- TERCEIRO SÉCULO
Emboabas
Mascates
Os Franceses no Rio de Janeiro
"Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas"
As minas gerais
Limites com Espanha
Jesuítas
Pombal
Sintomas de rebeldia
VII -- QUARTO SÉCULO
A Família Real e a Corte acolhem-se no Brasil, tornado
metrópole do Reino Unido. Desenvolvimento correlato. Torna
D. João VI a Portugal. D. Pedro e a Independência. Abdicação
de D. Pedro I
VIII -- QUARTO (II) E QUINTO SÉCULOS
A Regência
D. Pedro II
Guerra com o Paraguai
Abolição dos escravos

A República

35()È&,2
A história não é um arquivo, ou relicário de memórias
evocadas: seria de pouco préstimo. Ao contrário. A história é
uma criação contínua da vida. Além do documento, que
aparece todos os dias, alterando o juízo, esse juízo, com o
mesmo documento, muda com as gerações, dada a
sensibilidade diferente das gerações sucessivas... A evocação
deve ser animada para ser ressurreição. Daí o dito razoável de
historiador contemporâneo, Jacques Bainville: de vinte em
vinte anos devia-se reescrever a história.
A do Brasil ainda não foi escrita: mas há ensaios. Meio
milhão de documentos, no Arquivo Colonial, em Lisboa, estão à
espera dos pesquisadores. O grande ensaio de Varnhagen e
seus colaboradores, (só porque pesquisou alguns documentos)
de tão bom, já é como missal, de que as notas de Capistrano e
Garcia são como iluminuras. Afonso de Taunay, último
bandeirante, não tornou ainda, rematando a História Geral das
Bandeiras. Só agora aparecem os primeiros tomos das
revelações econômicas de Simonsen. Pedro Calmon ensaia um
sentido da civilização no Brasil. Está começando a História da
Companhia de Jesus no Brasil do Dr. Serafim Leite, S. J., sem a
qual, dissera Capistrano, não se poderia escrever a própria
história do Brasil. Fora longo citar todos os ensaios, volumosos
alguns, de grande mérito. Esse é mais um ensaio...
Exíguo, limitado, como ensaio confessado, que é:
apenas o Brasil vem de Portugal, que está no mundo: coméço
do comêço, como deve ser. Por vezes raio pela moral e pela

sociologia: não inovo, se, para os clássicos, as datas e fatos
faziam apenas documentos, para ser acreditada a história de
"mestra da vida". Isto é velho, mas é renovado, pela opinião de
Benedetto Croce, quando diz que toda história é história
contemporânea. A humanidade não é tão original, que não se
repita.
Mas o ensaio tem razão de existir. Duas vezes, na vida,
obrigaram-me à promissória: a Academia Brasileira,
fazendo-me seu, obrigou-me a escritor; a Academia Portuguesa
da História, elegendo-me, inesperada e surpreendentemente,
obriga-me a cumprir comigo, e é disto culpada. Justificado,
entretanto, o ensaio... Na hora de um duplo centenário, o da
fundação e o da restauração da nacionalidade, o que um
brasileiro patriota, de melhor, pode oferecer, à Pátria da sua
Pátria, é a história mútua, essa história da América
Portuguesa, história do Brasil...
(1940)

,
$17(&('(17(6
CIVILIZAÇÃO MEDITERRÂNEA. -- AS ESPECIARIAS. --
PORTUGAL. -- AS NAVEGAÇÕES. -- COMÉRCIO. -- AS ÍNDIAS.
-- O BRASIL.

&,9,/,=$d2 0(',7(55Æ1($
A comunicação entre homens é a causa primeira da
civilização: nestes contactos, a convivência multiplica ações e
reações psicológicas, que se tornam experiências e colaborações
inovadoras e afinam o homem em sentimento, inteligência,
vontade, como fazem iniciativas, empresas, progresso social.
O maior incentivo da comunicação é o interesse, todos
os interesses, dos mais imediatos e prementes, aos mais
transcendentes e espirituais. O gozo comum das utilidades,
depois a fruição pessoal delas, a troca entre posses, finalmente o
tráfico -- trabalho, indústria, comércio, já civilizado ou
intercâmbio. Montesquieu pôde, pois, dizer: "A história do
comércio é a história da comunicação dos povos".
Antes de um domínio, de qualquer maneira social, os
Gregos disseminados pela bacia do Mediterrâneo, entre si
comunicantes, criaram mais do que a Grécia, -- Creta,
Micenas, Argos, Esparta, Tebas, Atenas... efêmeras expressões
políticas -- fatos apenas mais impressionantes -- criaram o

Helenismo, disperso por todo o Mediterrâneo, fazendo ao
mundo de então, e ainda ao de hoje, uma incomparável
irradiação de poder, indústria, espírito e moral, que
conquistaram a terra. E, do Mediterrâneo, essa cultura
transbordou e penetrou em continentes longínquos: antes de
Alexandre chegar às Índias, traficantes gregos tinham chegado à
China. Antes de os Cruzados nórdicos virem civilizar-se no
Mediterrâneo, ao contacto do Império Cristão do Oriente, já
Fenícios, Cartagineses, Gregos, Romanos tinham devassado o
Mar do Norte, até a última Tule. O périplo de Hamon é meio
circuito da África. Ofir ou Sofira, na Bíblia, é Sofala, na Índia.
A comunicação fora acendendo pequenos focos de cultura,
dispensando o prestígio político, tardio e ineficiente para tanto.
A Europa conheceu o Oriente, que lhe veio, penosamente, pelas
caravanas, da Índia ao Mediterrâneo.

$6 (63(&,$5,$6
Conheceu a Europa, assim, as especiarias dos trópicos.
Esse supérfluo tornou-se necessário. O clima ajudara a religião
a vestir os homens e, demais, a evitar os banhos -- Michelet
pôde dizer, da Idade-Média: nem um banho, em mil anos! -- E,
no corpo não lavado e na roupa não mudada -- a roupa branca
interna, a camisa, começa a aparecer só depois de 1330 -- as
excreções fazem repugnância, incomodidade, repulsão. Os
perfumes tropicais, sândalo, mirra, benjoim, incenso, misturas,
essências, cânfora, tinturas, foram um alívio e um deleite. Com
as essências e os perfumes, o suntuário que agrada à vista,
tapetes, sedas, cetins, telas, damascos, jóias, porcelanas, mil
objetos exóticos invadiram a Europa e tudo era "especiaria".
Mas, as dominantes, eram as do gosto. A Europa não
aprendera ainda a sucessão sazonal das colheitas, nem tinha
como guardar alimento, da estação calmosa para a estação fria.
Por faltar forragem aos bovídeos, durante o inverno, eram
abatidos, os mais deles, em Novembro, aos primeiros frios, em

todo o Norte, e salgada a carne para o consumo dos meses
seguintes. Não havia a batata, que é americana, nem os legumes
já eram do hábito da mesa, nem a estação os permitiria. O
regime alimentar era, pois, severo e ingrato: trigo e carne
salgada. O tempero, as especiarias tropicais, pimenta, cravo,
canela, gengibre, noz moscada... foram bênçãos do céu... festa
do apetite e alegria do gosto. Dado o hábito, tal suntuário
transforma-se na mais exigente necessidade. O parco mel de
abelhas teve o sucedâneo milagroso do açúcar, a princípio nas
boticas, de tão precioso, depois nas mercearias. O chá, o café, o
cacau, como fora o álcool, viriam a ser delícias desse gosto,
tanto e tão severamente tratado durante séculos.
Por isso, o comércio de especiarias do Oriente, das
Índias, pelos desertos da Arábia e da Síria até o Mediterrâneo,
ou por via de cabotagem, pelo Golfo Pérsico, Mar Vermelho,
até o Istmo de Suez, para o mesmo Mediterrâneo, com escalas
medrosas, comércio em que viriam a primar Gênova e Veneza,
destribuidoras das especiarias ao resto da Europa, por
Nurembergue, Lião, Bruges... aos portos, e ao interior da
Europa medieval, esse comércio, digo, era questão tão vital à
humanidade, como é hoje o senhorio dos mares pelo interesse
insular da Inglaterra, que ora permite ao mundo
intercomunicar-se. Antes, o enriquecimento que esse tráfico
trouxera às cidades italianas, provocara o surto de cultura que é
das causas do Renascimento, por isso mesmo ajudando o
estímulo à competição.
Quando os Turcos tomaram Constantinopla (1453),
quando suas armadas dominaram o Mediterrâneo, quando
Veneza se pôs em guerra contra a Turquia, já seria a
necessidade: o comércio no Mediterrâneo entrou em decadência
e a Europa insistiu noutro caminho, outros caminhos
empreendera para conseguir as especiarias que foram o
incentivo das Navegações e da Revelação. "E, se mais mundo
houvera, lá chegara". (Lus., VII, 14).

Haviam as Cruzadas ensinado aos Nórdicos o caminho
marítimo, até o fundo do Mediterrâneo: depois dos périplos
piedosos, vieram os lucrativos tráficos marítimos. As conquistas
religiosas haviam aproximado o Oriente de entrepostos, Rodes,
Chipre, Beirute, Grécia, Egito, antes de Pisa, Gênova,
finalmente Veneza, dominante, onde todo o norte da Europa
tinha armazéns, feitores e representações. Comprava-se e
vendia-se e a mercadoria caminhava via terrestre ou marítima.
Além dos produtos exóticos, as indústrias regionais: vidros,
rendas, drogas farmacêuticas, e com isso o tráfico de escravos,
negros, muçulmanos, dálmatas. A moeda de ouro e prata, o
primeiro banco, que datava de 1141, uma frota de 3 a 4.000
navios, governo de plutocratas servindo ao lucro individual e
coletivo, tinham feito, de Veneza, a cidade cosmopolita,
monopolizadora do comércio das especiarias. Isto despertaria
emulação, incentivo e concorrência: os Turcos no Mediterrâneo
iriam ajudá-las.

32578*$/
Além do Mediterrâneo, nas terras mais ocidentais da
Europa, estava Portugal. Desprendido de Leão, o pequeno
condado por Afonso VI doado a sua filha e genro, Dona Teresa
e Dom Henrique, iria afirmar-se autônomo sob o filho deles,
Dom Afonso Henriques, o primeiro rei, que já em 1137 bate
Afonso VII na batalha de Cerneja: está Portugal independente e
há-de crescer para o Sul... de Guimarães a Leiria, a Lisboa. Os
Cruzados, de passagem (1147), ajudam-no a tomar Lisboa ao
Infiel, como ajudaram Dom Sancho I a tomar Silves, a outra
capital árabe do sul (1189).
Costas a Espanha, a elevada meseta pára aí, e Portugal já
desce vertentes, por onde correm o Minho, o Vouga, o Douro, o
Tejo, o Guadiana, até o mar. Essa descida da serra, através de
degraus e socalcos, que produzem pão e vinho e azeite, e fazem
a Monarquia agrária dos reis Afonsinos, irá dar, ao apelo do

Atlântico, em face, provocando pescadores, ensinando a
cabotagem, com a experiência e a aventura, a navegação do alto
mar. Essa navegação de cabotagem, as colônias fenícias,
cartaginesas, helenas -- Lisboa pretende vir de Ulisses e Viana
de Diómedes... -- romanas, tiveram experiência, à vista, do
longo curso dos mares do Norte e do Sul, nesses Cruzados. Já
no fim do século XII traficantes portugueses são denunciados
em Marselha e Mompilher [=Montpellier-NE]. Em 1194
naufraga no Mar do Norte, nas costas da Holanda, um barco
português, carregado de mercadoria. Em 1213 João-sem-terra já
autoriza mercadores portugueses a levarem a mercância a seus
domínios. A escritura de concórdia de 1238, de Sancho II, o
decreto aos habitantes do norte (Toti populo a minio usque ad
daurium) de Afonso III, em 1253, o foral de Gaia em 1255, o de
Viana em 1258, demonstraram que no inter-século XII e XIII
havia tráfico useiro de comércio, com França, Flandres,
Holanda e Inglaterra. Em 1293 negociantes de Lisboa fundam
em Flandres uma bolsa de comércio para auxílio ao tráfico com
os países setentrionais. Já Dom Fernando, em 1380, protege a
marinha mercante, de naus de mais de cem toneladas, isentas de
direitos sobre madeira, ferro e qualquer importação, e até de
impostos "em fintas e talhas nem em sisas" e para proteger os
armadores e marítimos fundara a Companhia das Naus (1). Em
1383 têm negociantes portugueses casa própria em Bruges,
onde se reuniam, antes de trasladada a Antuérpia.
Se o comércio pacífico olhou o norte, o do sul exigiu a
conquista. Quando Afonso III põe fora do Algarve os últimos
Mouros (1249), surge a sugestão de África, do outro Algarve
africano -- "Alharb" é o poente ou ocidente, donde também,
para os Portugueses, como para os Mouros, "Algarves d'aquém
e d'além mar", como um todo indivisível. -- Este "Algarve
d'além mar em África" é um apelo.
Dom Deniz [=Dom Diniz=Dom Dinis NT] ajuda a
fundar, definitivamente, em Coimbra, o "estudo geral" ou

Universidade, começado em 1290: é um farol espiritual, de
endereço atlântico, no limite ocidental da Europa: símbolo
dessa missão espiritual que ia caber a Portugal, de primeira mão
-- derramar a cultura mediterrânea no mundo, pelas
Navegações.
No mesmo sentido importará marinheiros genoveses
para pilotos e mestres de marinha militar: o Almirante Micer
Manuel Peçagno, de Gênova, sucede, em 1317, ao
almirante-mor lusitano e terá sempre com ele "vynte homens de
Genua sabedores de mar". (Daí esses Dória, Spinola,
Cavalcanti... que passam a ser nomes nossos). É a experiência
do Mediterrâneo, invocada e transplantada. O pontífice Bento
XII, na bula Gaudemus, testifica que ele formava "dentro de
pouco tempo marinheiros tão ousados e dextros como
dificilmente se poderiam encontrar noutra parte". Os pinhais
para conter as dunas, que fizera plantar em Leiria, irão servir de
sementeira às naus, assim previstas por Dom Deniz. Como quer
que seja, já em 1336, sob Afonso IV, os Portugueses
redescobrem as Canárias.
Se a dinastia agrária dos Afonsinos já cede aos apelos
marítimos, a de Aviz far-se-á ao mar e, daí, além do tráfico, as
conquistas. Com Dom João I, satisfazendo as ambições
belicosas da nobreza e de luxo da burguesia, Portugal vai a
África e toma Ceuta (1415): era Infiel a bater, mas o Infiel não
interessa em Espanha, declinando Portugal do auxílio invocado
para o expelir de Granada: Ceuta, tomada, impede a Espanha de
a tomar, e Ceuta é, em Marrocos, centro de caravanas, celeiro
de cereais e base militar para proteger a navegação contra os
ninhos de piratas marroquinos. Dom Henrique, armado
cavaleiro na mesquita muçulmana feita templo cristão, vê, ouve,
pondera, para resolver. O norte de África era sonho, até o Egito,
até o lendário Preste João das Índias, suposto cristão e portanto
aliado natural contra o Infiel e seu comércio, que dominavam o
Mediterrâneo... As especiarias pelo norte de África seriam

possibilidade. Chegou-se e entrar em conversações. De 1402 a
1425 viriam seis embaixadas à Europa e cinco outras no sentido
contrário, foram à Etiópia: a de 52 foi mesmo endereçada a
Dom Henrique(2). Em 87 Dom João II dará o último arranco,
mandando Pero de Covilhã e Afonso de Paiva em busca do
Preste. A boa política exige realidades imediatas.

$6 1$9(*$d®(6
Mas Ceuta foi decepção: posto isolado em meio hostil e,
ao demais, agora trocada por Túnis, pelas caravanas que vêm do
Soldão com especiarias, era entretanto, como disse Dom Pedro,
um dos "inclitos infantes": "sumidouro de gente, de armas e de
dinheiro". O outro caminho, o das navegações, daria mais
resultados. Dom Henrique, com as rendas do seu mestrado de
Cristo, ia dar-se a elas, herdado o impulso do Pai. Ao
Mediterrâneo chegara a galé, com o remo, lenta mas segura na
manobra, pois o objetivo principal era a guerra. O Atlântico ia à
caravela, desde 1440, de trinta metros de comprido, alta para
fender as ondas, arqueação para gente, mantimentos e carga, a
seis milhas ou dez quilômetros à hora, graças ao vento nas
velas. "Os Portugueses inventaram o duplo aparelho: velas
quadradas para o vento de popa, velas latinas para o
barlavento"(3): com isto, o invento português foi este -- a
navegação ao largo: Colombo, que a fizera, foi aluno, e até
genro, de navegante português. Depois, outros aprenderam.
Estabelecendo-se entre Sagres e S. Vicente, onde
recebia os navegantes e pilotos e conversava com astrônomos e
cosmógrafos, preparando seus planos de contornar a África,
estavam aí simbolizados os dois endereços das Navegações: o
continente negro a costear antes das Índias, o outro para o
desconhecido, que será a América. E a realidade vai-se
substituindo à vontade, que foi sonho. Porto-Santo e Madeira
conhecidas e ocupadas em 14-23-25, os Açores em 1432, o
Cabo Bojador é transposto em 34. No ano seguinte atinge-se a

ponta da Galé, a 22º12' lat. N. Em 41 Antão Gonçalves vai até
aí, ao Rio de Oiro, já para carregar azeite e peles de
lobo-marinho e tomar informações "das Índias e terra de Preste
Joham e seer podesse" (Zurara, Crônica... da Guiné, ed. 1854,
cap. XVI, p. 94). Começara a chegar ao reino mercância
africana: peles, malagueta (a concorrente da pimenta
indiana)(5), marfim, ouro em pó, principalmente escravos.
Lançarote de Lagos traz o primeiro carregamento deles, 235
peças, das quais 46, ou o quinto, a vintena, para o Infante. Até
48, quando acaba a Crônica de Zurara, são 927 negros e 125
para o Infante. Os negros invadem Portugal e passam a
Espanha, negociados por traficantes, nobres, príncipes, até por
el-Rei D. Afonso V. Clenardo virá a dizer em 1535: "Os
escravos pululam por toda parte: estou em crer que em Lisboa
são mais que os portugueses de condição livre". (Cf. Gonçalves
Cerejeira, Clenardo, Coimbra, 1918, t. II, p. 14-5, do apêndice).
Não é novidade, pois já dissera Garcia de Rezende na
Miscelânea: "Vemos no reino meter tantos cativos, crescer e
irem-se os naturais, que se assim for, serão mais eles que nós, a
meu ver".
Mas, em 43, alcançava-se a Senegâmbia, passava-se o
Senegal, chegava-se à terra dos Guinéus, atingindo o Cabo
Verde, a 14º,4' lat. N. Em 44 era organizada a Companhia de
Lagos para exploração comercial da costa, arrendado o
monopólio: ainda hoje a tradição mostra, aí, o mercado dos
escravos: a Casa de Guiné foi em Lagos. Em 47 dobra-se o
Cabo dos Mastros. Em 60 exploram-se as ilhas de Cabo Verde.
Quando morre o Infante de Sagres, nesse ano de 1460,
do Cabo Não ao Cabo Mesurado, 1.700 milhas geográficas do
périplo africano estavam reveladas. O Infante não era um
místico, como o romantismo quis fazer dele: era um estadista,
um político, com o trato das realidades: fomentou a cultura do
campo nas terras do seu Mestrado de Cristo; desenvolveu e
criou indústrias novas, a pesca, o coral, a tinturaria, a saboaria,

a moagem; traficou com peles, malagueta, escravos. (Cf. Jaime
Cortesão, História de Portugal, ed. Damião Peres, Barcelos,
1931, t. III, p. 363). Mandou vir a cana do açúcar da Sicília para
a Madeira, onde fez plantar canaviais, fundou um lagar ou
engenho, importou artífices e técnicos, deu privilégio de fabrico
(1452), reservando o terço da produção para o seu erário: o
primeiro doce foi para presente a príncipes e nobres. Depois
chegou-se a prover Lisboa de umas 120.000 arrobas por ano,
para o reino e o restante para Flandres, a Provença, Sul de
França, Veneza. Também fez vir de Chipre a vide doce e seca,
que dá o vinho quente e generoso: dois séculos mais, o vinho
Madeira terá universal renome e substituirá, na pauta, o açúcar,
emigrante para a América. Açúcar, vinho generoso, malagueta,
peles, ouro, escravos eram, antes das Índias, o suprimento
africano das especiarias: o Atlântico já substituindo o
Mediterrâneo.
Depois de Dom Henrique as navegações passam à
Coroa, intensificadas por Dom João II, escoado o interregno de
Afonso V, cujas proezas em África -- Alcácer-Ceguer, Tânger,
Arzila -- são defensivas contra os ninhos de pirataria
marroquina. D. João II, vivendo ainda seu pai, explora, por sua
conta, -- como o pai explorara escravos, a vender para
Espanha, -- o comércio e a pesca na Guiné, proibida a
concorrência. Em 81 dará o apoio militar a esse comércio com o
Castelo de S. Jorge da Mina, fortaleza que era, a um tempo,
também armazém ou depósito de mercadoria, a trocar, vender e
comprar. El-Rei teve até navios a frete. "O dono da nação era
agora comerciante, como tinha sido em outros tempos
lavrador"(6).
Mas as navegações continuaram. Em 71 é a Costa de
Malagueta, a Mina do Oiro, no Rio do Lago, chegam do além
do Cabo das Palmas, feito de João de Santarém e Pedro
Escobar. Em 82 chega-se ao Zaire, onde já se chanta padrão de
pedra; em 84, pelo mesmo Diogo Cão, ultrapassa-se o Equador,

que, em 85, fica atrás, no Cabo Negro alcançado. O arranco
definitivo foi, porém, a expedição de Bartolomeu Dias, para
vingar, em 88, o Cabo que chamou Tormentoso, porque o
dobrou em meio de tempestade, e, só de retorno, teve a noção
do triunfo. Atingira e passara a meta. Dom João II mudou tal
nome em cabo de Boa Esperança,(7) "pela que ele prometia --
diz o cronista João de Barros -- deste descobrimento da Índia,
tão esperada e por tantos anos requerida". Acabada a África, a
caminho para a Índia!
Tanta era a obsessão desse caminho, que não se quis ver
mais. Cristóvão Colombo, que habitara a Madeira, casado com
portuguesa, filha do navegador Bartolomeu Perestrelo,
concebera a idéia de chegar à Índia pelo Ocidente. Andou na
Corte de Dom João II "ladrando" o seu requerimento, diz o
cronista João de Barros, "vaidade" disse, dele e seu plano, um
conselheiro d'el-Rei, o bispo Dom Diogo Ortiz. Foi-se a
Castela, onde esteve anos, combatido e motejado, até que a
piedade de Isabel a Católica lhe deu as jóias empenhadas, para
três caravelas. Em 1492 chegava à América, e lá tornaria outras
vezes, sem dissuadir-se que não havia, por aí, caminho para as
Índias. Não importa: é a América, não se sabe o quê, mas
alguma coisa grande será. Será mesmo pretexto para um ajuste
de contas, dos irmãos contrários, Portugal e Espanha. Um papa
espanhol, Alexandre VI (Bórgia), aproveita o momento para
dividir o mundo, pólo a pólo, em duas bandas, entre Espanha e
Portugal: a Bula Inter Coetera é de 4 de Maio de 1493. O
Tratado de Tordesilhas, em que as duas partes limitam estas
suas posses, assim doadas, é de 1494.
Portugal prosseguiria na sua direção, não mais com Dom
João II, que escolhera Vasco da Gama para a empresa dos
Lusíadas, porque morre, mas recolherá Dom Manuel a glória de
chegar às Índias, em 1497. O Infiel pode dominar o
Mediterrâneo: as especiarias têm outro caminho, finalmente,
para chegar à Europa. O monopólio era de Veneza: passa a

Lisboa(8). A pimenta comprada na Índia a três cruzados o
quintal, chegará no Egito a oitenta, e muito mais em Veneza,
pois vai escasseando tanto, que as expedições tornam vazias,
sem um fardo... Depois de Vasco da Gama custará menos de
trinta cruzados, em Lisboa, e haverá a que se queira...

&20e5&,2
Essa pimenta, rainha das especiarias, não é apenas um
tempero, mas um símbolo: são as Navegações, as Índias,
Portugal que abandona a Europa atrás dela(9), e encontra o
mundo em caminho... É o que diz o Soldado Prático Português,
de um competente contemporâneo, Diogo do Couto: "o
descobrimento da Índia todo foi fundado sobre a pimenta" (Cap.
XXIII, p. 97), "a cousa da Índia em que mais se põe os olhos"
(Cap. XVIII, p. 77). Por isso o pio Gaspar Corrêa diz dela, com
propriedade, "lume dos olhos de Portugal" (Lendas da Índia, t.
II, L. II, Cap. I, p. 7) e o que é mais, atribui o pensamento a
el-Rei e a Afonso de Albuquerque. Todo o reino, do rei ao
menor súdito, sonha com a pimenta ou a riqueza. Único ou
"todo" será exagero: negá-lo, seria esconder a evidência.
A "Casa da Guiné" fora em Lagos; a "Casa da Guiné e
da Mina" já era em Lisboa; a "Casa da Índia" vai suceder às
precursoras, e é principalmente a pimenta sucedendo aos
escravos, ao ouro, às peles, à malagueta, à pimenta africana. A
Casa da Índia não era apenas um entreposto, um armazém, era
um ministério, vários ministérios. A princípio nobres e
comerciantes e a tripulação dos navios eram sócios, depois o
Estado, na regra, chamou tudo a si. Os feitores ou feitorias no
Oriente compravam a especiaria, com dinheiro e mercadoria
que iam do reino, armazenavam-na e, nas armadas,
despachavam a mercância, em fardos do peso de quatro
quintais, além das "quintaladas" da tripulação. Em Lisboa
descarregava na Casa da Índia, armazém, alfândega e bolsa que
negociava por conta própria e dos sócios da empresa, o Estado

ou el-Rei, os mercadores, os donos das quintaladas. Vendia pelo
preço que fixava, fixando a quantidade, para não desvalorizar o
produto. As praças de Flandres e Holanda, Alemanha ou Itália
tinham seus agentes, de grandes firmas, Fuggers, Welser,
Hoschstetter, Affaitati, Gualterotti, Frescobaldi... que possuíam
o privilégio da distribuição. À Casa da Índia convergia tudo;
dela é que tudo saía. O movimento por isso era tal que, diz
Damião de Góes, houve ocasiões em que as partes tiveram de
volver nos dias seguintes, por não haver possibilidade de contar
dinheiro a pagar: fato inaudito -- não receber, por falta de
tempo... O dinheiro, intermediário universal, foi português: se a
Guiné daria o nome dos "guinéus" pelo seu ouro, o cruzado
português foi, como a libra ou o dólar de hoje em dia, moeda
comum. A bolsa de Desdêmona, no Othelo de Shakespeare,
estava cheia de cruzados: my purse full of cruzadoes (Othelo,
III, 4).
O rei era o primeiro negociante(10). Os fidalgos imitam
o soberano. Os da Casa de Bragança foram dos mais diligentes
e ambiciosos. "A Corte era verdadeiramente uma grande casa
de negócio"(11). Não havia desdouro nisso, bem pelo contrário.
Não foi só pela honra, que o comando das armadas e das naus
era dado a homens nobres, que desconheciam a navegação.
Quando um rei quer pôr cobro a isso, atendendo aos desastres
que esses imperitos trazem à marinha, os fidalgos protestam e
dá-lhes razão o Conselho Ultramarino(12).
E não comandam apenas armadas e naus: são armadores
de navios de comércio e transportes. Na armada que descobre o
Brasil, comandada pelo fidalgo Pedro Álvares Cabral,
"marinheiro de primeira viagem", dois dos treze navios são de
nobres comerciantes, um do Conde de Porto Alegre, aio de
el-Rei, o outro de Dom Álvaro, filho do segundo duque de
Bragança, sócio do mercador Bartolomeu Marchioni(13). Na
armada de Tristão da Cunha, uma das naus era propriedade do
Capitão-mor(14). Nas contas da Casa da Índia figura a nobreza

e não se exclui nem o ilustríssimo Afonso de Albuquerque que,
só na frota de 1509, tem mercadoria de mais de um milhão de
reais. Um comandante de armada, Dom Luiz de Almeida,
compra o posto ao Conde da Torre por cinco mil cruzados, e a
Lopo Soares, nomeado Governador da Índia, propõe Dom
Manuel desistir do posto por vinte mil cruzados, ou quatro mil
contos de hoje, que o ambicioso recusou: não seria só pela
honra.
O paço do rei, da família real, da corte, era junto à casa
de negócio: "como qualquer morador da escola antiga, Dom
Manuel estabeleceu a residência no local do seu comércio"(15).
Onde hoje, no Terreiro do Paço, em Lisboa, à direita, olhando o
rio, estão vários ministérios, estavam os Paços da Ribeira e
seguia-se-lhes a Casa da Índia.
A tanto chega "o gosto da cobiça", verberada pelo Épico
(Lusíadas, X, 145), como antes Garcia de Rezende, na
Miscelânea, fizera a esse "muito negociar", que, em 1538,
quando Dom João III pensa em mandar, à Índia, uma armada de
quarenta naus para se opor à dos Turcos, em preparativos para
expelirem os Portugueses de seus domínios orientais, muitos
fidalgos que usufruiam comendas se furtaram e aos filhos.
"Alegavam que o descobrimento se fizera para fins de trato e
comércio e não, como as conquistas de África, de guerrear os
infiéis"(16). À insistência do soberano apelam para a Mesa da
Consciência que lhes deu razão(17). Aliás a política dos homens
e dos Estados sempre foi feita de realidades: a interpretação, à
posteriori, é que é tendenciosa, falsificando, com as idéias, os
fatos. Na época ninguém cuidou em dissimular isto, de que não
há vergonha. Dom Manuel, dando conta aos reis de Espanha da
viagem do Gama, diz: "da dita especearya e pedrarya nam
trouxeram logo tanta soma, como poderam, por nam levarem
pera ello aquella mercadorya, nem tanta, como convynha".
(Alguns documentos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo,
Lisboa, 1892, p. 96). As expedições seguintes levarão mais

dinheiro e trarão mercadoria que farte. Vasco da Gama e Pedro
Álvares levavam intuitos pacíficos e muita recomendação para
isso(18). Foram interesses opostos, de Venezianos, de
traficantes orientais na frente deles, que deram ocasião às
insídias, represálias, desatinos, de parte a parte, que se
descrevem nos Lusíadas e nas Crônicas. Isto é que dá lugar a
que os Portugueses, com os Dom Francisco de Almeida, Duarte
Pacheco Pereira, principalmente Afonso de Albuquerque...
fundem, sobre a violência e a força militar, o Império português
do Oriente, consoante o que disse o Épico: "Quem não quer
comércio busca a guerra". (Lus., VIII, XCII). Entenda-se, não o
querem com os Portugueses, porque o têm tratado com os
Venezianos: ainda hoje é a competição do interesse que decide,
por fim, a guerreira; o imperialismo militar é o nome
"patriótico" da irredutível economia... A mercadoria indiana --
canela, pimenta, cravo, gengibre, noz moscada, sândalo,
benjoim, cânfora, perfumes, porcelanas, pedrarias, sedas -- ia a
Meca, ao Cairo e daí ao Mediterrâneo. Foi isto que os
Portugueses impediram, pelo prestígio da força, baldados os
meios pacíficos.
A fé e a ciência(19) andaram e serviram ao propósito
das Navegações, mas o fito delas foi a Índia. Dom Manuel,
rematando cronistas e historiadores, resume: "entençom e
desejo... de se aver de descobrir e achar a Ymdya" (Alguns
documentos. .. da Torre do Tombo, p. 127-8). Por quê? Por
suprir o Mediterrâneo, então vedado, ou difícil, e, por isso,
caríssimo. Para quê? Para obter as especiarias, mais
vantajosamente, por outro caminho(20). O privilégio muda de
posse: eram Venezianos, são agora Portugueses; era Veneza o
empório do Oriente, passa a ser Lisboa... É o que diz esse
mesmo Dom Manuel, intérprete fidedigno de Portugal, no título
pomposo que vem a tomar: "Senhor da Conquista, Navegação e
Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia"(21). E ninguém
toma títulos senão os que enobrecem: "titulos muyto famosos",
disse Castanheda (Dp. cit. 1. I, Cap. XXIX, p. 71); "tam

honroso quãto ho he ha mesma conquista", disse Damião de
Góes (Op. cit., p. I, fl. 45).
As conseqüências morais ou ideais da ação de Portugal
no Oriente não são por isso menos consideráveis: atacando os
Infiéis no Oriente chama para as Índias as possibilidades
muçulmanas, que já não podem investir contra a Europa e
mesmo se enfraquecem no Mediterrâneo. Já em 1571, com a
batalha de Lepanto, eles entram, esses Turcos, em decadência,
nesse Mediterrâneo(22). Apesar do monopólio, as navegações e
o comércio do Oriente não interessaram só a Portugal, senão a
toda a Europa(23), que mais se enriqueceu do que nós, ao
menos a Flandres, a Inglaterra, a Holanda, a quem dávamos
ouro e nos forneciam as manufaturas a traficar com a pimenta.
Portugal pelas especiarias foi à Índia, e, com as
navegações, conheceu mundos novos, estimulando e dando
benefícios ao mundo antigo. O Brasil foi achado, no meio do
caminho...

5(,6 '( 32578*$/
(Desde o começo das conquistas e navegações):
Dom João I (1385-1423).
Dom Duarte (1423-1438): irmão, o Infante Dom Henrique (1415-1460).
Regência do Infante D. Pedro (1440-1446).
Dom Afonso V (1446-1481).
Dom João II (1481-1495).
Dom Manuel (1495-1521).

*
1415 -- Dom João I toma Ceuta.
1423 -- Bartolomeu Perestrelo vai a Porto-Santo.
1425 -- João Gonçalves Zargo e Tristão Vaz Teixeira vão à Madeira.
1427 -- Achamento dos Açores, pelo piloto Diogo de Sunis (?) ou Gonçalo Velho
Cabral.
1429 -- Gil Eanes vai ao Cabo Bojador.
1432 -- Gonçalo Velho Cabral vai aos Açores (Santa Maria).
1434 -- Gil Eanes dobra o Cabo Bojador e vai até o Rio do Ouro.
1435 -- Afonso Gonçalves Baldaia vai até a Ponta da Galé.
1439 -- Sete ilhas dos Açores já conhecidas.
1449 -- Dom Henrique manda lançar ovelhas nas sete ilhas dos Açores.
1440 -- Antão Gonçalves e Nuno Tristão no Porto do Cavalheiro, Nuno Tristão
vai até o Cabo Branco.
1443 -- Nuno Tristão passa o Cabo Branco e vai à ilha de Gete.
1444 -- Denis Dias descobre o Cabo Verde.
1445 -- Nuno Tristão chega a Senegâmbia.
1447 -- Nuno Tristão e Álvaro Fernandes vão até o Rio Tabete.
1449 -- Já descobertas nove ilhas do Arquipélago dos Açores.
1453 -- Todo o arquipélago dos Açores é reconhecido.
1455 -- Aloísio Cadamosto vai até à costa de Gâmbia, na caravela de Vicente
Dias.
1457 -- Cadamosto e Antônio de Noli vão até o Cabo Roxo na Guiné e
descobrem cinco das ilhas de Cabo Verde (1460).

1460 -- 61 -- Pedro de Sintra atinge a Serra Leoa e vai até o Cabo Mesurado.
1461 -- 2 -- Diogo Afonso descobre as outras ilhas do Arquipélago de Cabo
Verde.
1471 -- João de Santarém e Pedro Escobar descobrem toda a Costa da Malagueta,
a Mina de Ouro, chegando além do Cabo dos Palmas, no Rio do Lago.
1469 -- 71 -- Descobrimento das ilhas do golfo da Guiné: Formosa, Fernando
Pó, Corisco, Ano Bom, São Tomé e Príncipe e da Costa do Gabão.
1481 -- Diogo de Azambuja levanta a fortaleza de São Jorge da Mina.
1484 -- 5 -- Diogo Cão vai até às bocas do Congo e ao Cabo Negro.
1486 -- João Afonso descobre o reino de Benim.
1488 -- Bartolomeu Dias dobra o Cabo de Boa Esperança.
1497 -- Vasco da Gama vai até às Índias.
1500 -- Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil.

,,
5(9(/$d2
A SEGUNDA ARMADA: O BRASIL. -- A DATA. -- O
DESCOBRIMENTO. -- O NOME. -- A TERRA. -- A GENTE. --
AINDA CABRAL. -- PRECURSORES DE CABRAL.

$ 6(*81'$ $50$'$ 2 %5$6,/
Partira Vasco da Gama a 8 de Julho de 1497, com três
naus, São Gabriel, São Rafael, Bérrio e uma barcaça de
mantimentos: depois de mil trabalhos e doenças, tornou,
destroçado, em começo de Setembro de 1499, apenas com dois
navios e um terço da gente. "Avedo dous annos & dous meses q
dali partira (de Lisboa), com cento & corenta & oyto homes, de
que não tornarão mais que cincoenta & cinco & ainda forão
muytos para os immensos trabalhos que passarão, de bravas
tormetas & terríveis doenças... (Castanheda, História da Índia,
1. I, Cap. XXIX). "Os Lusíadas" foram 148, dos quais
morreram de escorbuto e outras misérias 93... Mas o "feito
nunca feito" (Lus., VIII, 71) estava realizado, e conhecido, e
percorrido, o caminho das Índias. Era, agora, aproveitá-lo.
Foi o que imediatamente empreendeu Dom Manuel.
Apresta-se logo a segunda armada, para a qual Vasco da Gama
indica um capitão, outro fidalgo como ele(1). É Pedro Álvares
Cabral, de Belmonte (pedraluarjz de guouuea, diz a "Carta da
Capitanya Moor e poderes"(2), que recebe instruções de el-Rei

e conselhos do Gama. São dez naus e três navios pequenos, "mil
e quinhentos homens", diz Castanheda (op. cit., 1. I, cap. XXX,
p. 72) comandados por Pedralvares, a Capitânia; por Sancho de
Tovar, soto-capitão ou imediato; por Pedro de Ataíde; por Nuno
Leitão da Cunha; por Nicolau Coelho, que fora companheiro de
Vasco da Gama; por Simão de Miranda; por Vasco de Ataíde;
por Bartolomeu Dias, que dobrara o Cabo de Boa-Esperança;
por seu irmão Pero Dias, também da empresa d'"Os Lusíadas";
por Luiz Pires; por Aires Gomes da Silva; por Simão de Pina e
por Gaspar de Lemos.
Bartolomeu Dias e Nicolau Coelho serão a experiência;
mas há um passageiro de categoria, Duarte Pacheco Pereira, que
virá Camões a chamar "o Aquiles Lusitano", autor do
Esmeraldus de Situ Orbis, que negociara o Tratado de
Tordesilhas, privava com el-Rei, conselheiro, cosmógrafo,
marinheiro e, ao demais, herói: viaja na nau. S. Pedro, do
comando de Pedro de Ataíde(3).
O comércio colabora: duas naus são de fidalgos, o
Conde de Porto Alegre, aio de el-Rei e Dom Álvaro de
Bragança, este associado ao banqueiro Bartolomeu Marchioni,
florentino que reside em Lisboa, privado da Corte e com
grandes serviços ao Estado: deles é a nau Anunciada(4), do
comando de Nuno Leitão da Cunha, a primeira das que tornam
a Lisboa.
São princípios de Março de 1500. "...a partida de
Belém... foi segunda feira IX de Março" (Carta de Pero Vaz, in
"Alguns documentos da Torre do Tombo", cit. p. 108). A 14
"amtre as Canareas, mais perto da Gram Canarea"; a 22
"ouvemos vista das ilhas de Cabo Verde"; a 23 "se perdeo da
frota Vaasco d'Atayde com a sua naao, sem hy aver tempo
forte, nem contrairo pera poder seer; fez o capitam suas
deligençias para o achar a huuas e a outras partes, e non
pareceo mais". (Id.) "...e assy seguimos nosso caminho por este

mar de lomgo ataa terça feira d oitavas de pascoa que foram
XXI d Abril, que topamos alguuns sygnaaes de tera... os quaaes
heram muita camtidade d ervas compridas... e aa quarta feira
seguinte pola manhãa topamos aves... e neeste dia, a oras de
bespera, ouvemos vista de tera, saber: primeiramente d huum
grande monte muy alto e redondo, e doutras terras mais baixas,
ao sul dele, e de terra chãa, com grandes arvoredos, ao qual
monte alto o capitam pos nome o monte Pascoal e aa tera de
Vera Cruz" (Id.).
É a certidão de nascimento, lavrada pelo escrivão que ia
para Calecut, Pero Vaz de Caminha, em carta a el-Rei, um dos
raros documentos que nos restam da empresa: o Brasil foi
descoberto a 22 de Abril de 1500, numa quarta-feira...

$ '$7$
Sem tento, há por aí outras datas. Era vigente o
Calendário Juliano. A reforma Gregoriana, de 1582, não
retroage os cômputos cronológicos: se retroagisse, mais nove
dias, seria a 1.º de Maio. A "invenção da Vera Cruz", celebrada
pela Igreja, é a 3 de Maio. Foi Gaspar Corrêa que confundiu as
duas datas: "O capitão pôs o nome de Santa Cruz a esta nova
terra, porque a ella chegarão a tres de mayo, dia de Santa Cruz".
(Lendas da Índia, t. I, p. 152).
Ora Cabral pusera à terra o nome de "Vera Cruz", que
D. Manuel mudara em "Santa Cruz": Santa Helena achara essa
cruz a 3 de Maio. Pareceu certo. Em 1823 sugerira Lara
Ordonhes a Gonçalves Gomide, deputados à Constituinte
Brasileira, e o último por carta a José Bonifácio, o dia 3 de
Maio para a abertura da assembléia, "por ser o do
descobrimento do Brasil", o que foi aceito. Dissolvida a
Constituinte, a Constituição outorgada por D. Pedro I marcou
esse dia para a abertura das Câmaras, durante todo o Império, o
que continuou na República. (Cf. Miguel de Lemos, in Jornal

do Comércio, do Rio, de 27 de Maio de 1899 e Boletim do
Apostolado Positivista do Brasil, n.º 13, de 6 de junho de 99).
Vem daí. Mas Gaspar Corrêa não tinha documento, e
servira-se de ilação. O documento apareceu, em 1817, quando
Aires do Casal publicou, na sua Corografia Brasílica, a Carta
de Pero Vaz de Caminha a el-Rei D. Manuel, e que está na
Torre do Tombo. Ora o documento diz, precisamente, 22 de
Abril de 1500. Os ensaios de conciliação com a reforma
gregoriana do calendário, que ocorreu em 1582, não procedem:
1.º, porque Gaspar Corrêa que faleceu entre 1561 e 1583,
escrevendo antes, desconhecia a reforma: a sua data é "juliana";
2.º, porque não retroagiu o cômputo gregoriano para nenhuma
data da história universal, antes de 1582; 3.º, porque a reforma
gregoriana não recorreu, suprimiu apenas alguns dias do mês de
Outubro, seguindo a quinta-feira 4 de outubro, sexta-feira 15 de
outubro... para acertar o erro então existente, de dez dias, em
1582; 4.º, porque 22 de abril, mais nove dias, que era a
diferença em 1500, dá 1.º de Maio e não 3...; 5.º, porque
contando a diferença no fim do século XVI, ou dez dias, dá
ainda assim 2 de Maio, e não 3...; 6.º, porque contando a
diferença na época de José Bonifácio, começo do século XIX,
seriam doze dias, ou 4 de maio e não 3...; 7.º, porque pela
"conta de chegar", de Varnhagen (História Geral, 2.ª ed.,
1877), esse descobrimento, (não com a vista, o achado da terra a
22 de Abril, porém a 23, com o "primeiro trato" dos índios) não
parece sério e seria então, quando fosse, o descobrimento dos
"brasileiros"(5) e não do Brasil; 8.º finalmente porque não se
atentou que, além da data precisa "terça-feira d oitavas de
pascoa que foram XXI dias d Abril que topamos alguns sygnaes
de terra... hos quaes eram muita camtidade de ervas
compridas"... "aa quarta feira seguinte pola manhãa topamos
aves... e neste dia, a ora de bespora, ouvemos vista de tera"...
Portanto, o Brasil foi descoberto a 22 de Abril,
quarta-feira, à tarde. Três de Maio foi "domingo" e o Brasil foi

descoberto uma "quarta-feira"... Este elemento de identificação,
sobre o qual nunca se insistiu devidamente, parece-me
irretorquível: aa quarta feira, portanto a 22 de abril...
E tanto, que na Relação do Piloto anônimo (outro raro
documento da viagem de Cabral, publicado em italiano nos
Paesi nuovamente retrouati, de Francesco Montalboddo, 1507,
e reproduzido em Ramusio, Delle Navigatione e Viaggi,
Veneza, 1554, t. I, f. 132) se lê: "alli XXIII di aprile che fu il
mercoredi nella ottava di Pascha hobbe la detta armata vista de
una terra di che hebbe grandissimo piacere". (São os mesmos
termos de Cretico, no liv. VI dos Paesi nuovamente retrouati,
Vincentia, 1507, com pequenas variantes, o que leva os
redatores da Racolta Colombiana, parte III, vol. I, p. 83-4, a
escreverem que podem tranqüilamente atribuir a tradução
italiana do "Piloto Anônimo" ao Cretico, que fez, de parte da
relação, carta sua à Senhoria de Veneza...) No texto citado é a
mesma data, 24 de Abril in la octava di Passione. Pode-se
dizer: "Piloto-anônimo" ou Cretico "errados", pois que esse dia
24 de Abril de 1500 foi sexta-feira... e o dia da semana corrige a
data do mês, menos fácil de reter de memória. (A correção
gregoriana respeitou esta decorrência da semana: se 4 de
outubro antecede a 15 de outubro, -- supressos os dias do mês,
de 5 a 14, -- a semana é respeitada e, a quinta-feira, 4, segue-se
sexta-feira, 15 de outubro de 1582. Não se recorreu:
suprimiram-se 10 dias, no mês; não se tocou na semana). O
Brasil foi descoberto uma quarta-feira (concordância de Pero
Vaz e do Piloto-Anônimo-Cretico), portanto, a 22 de Abril...

2 '(6&2%5,0(172
Foi descoberto... O Tratado de Tordesilhas, concluído a
7 de junho, assinado a 2 de julho de 1494 em Arevalo, dizia que
todos os descobrimentos portugueses ao oriente de uma "raya
ou linea derecha de polo a polo... a tresientas & setenta leguas
de las yslas del Cabo Verde", ou que, desde essa data, viriam a

descobrir os Portugueses, seriam deles; para o ocidente seriam
dos Castelhanos. A linha limitante ou divisória das duas bandas
do mundo seria riscada por "pilotos, como astrólogos y
marineros & qualesquer otras personas que convengan", dentro
de dez meses. Isto é ao tempo de Dom João II; Dom Manuel
pede à Santa Sé confirmação do Tratado, o que Júlio II concede,
a 24 de janeiro de 1506. A pedido dos reis de Espanha, um
pontífice espanhol, Alexandre VI (Bórgia), sem audiência de
Portugal, dividira o mundo pelo meio e dera aos Portugueses
um hemisfério limitado até 100 léguas de Cabo Verde. D. João
II não reclamou do Papa, negociou com Espanha: a linha seria a
250 léguas, se os Espanhóis descobrissem novas terras ao
ocidente até 20 de julho de 1494, de 370 se isso não tivesse
ocorrido até esta data. A linha do Pontífice caía no mar,
deixando a Índia, pela África, aos Portugueses; a concessão a
Colombo, até onze dias da assinatura do tratado, dar-nos-ia um
terço, ainda assim, do Brasil; a linha definitiva deu-nos o Brasil
quase todo, da embocadura do Amazonas, ao limite sul de S.
Paulo.
A 370 léguas a oeste da ilha mais ocidental do
arquipélago de Cabo Verde... acabava o hemisfério português
pelo ocidente... Dom João II insistente, tenaz (el Hombre, como
lhe chamava Isabel a Católica) e os seus diplomatas e técnicos
previram o Brasil, aí incluído: a Espanha e a Igreja
concediam-lhe a África e as Índias, supondo que o
contentavam; não, ele queria mais, e exigiu também o Brasil...
Duarte Pacheco Pereira, o grande piloto, escritor,
cosmógrafo e herói que veio com Cabral ao Brasil, e fora dos
negociantes de Tordesilhas, dirigindo-se a el-Rei D. Manuel
escreveu, em 1506, no Esmeraldo: "Por tanto bemaventurado
Principe temos sabido & visto como no terceiro anno de vosso
Reynado do hano de nosso senhor de mil quatrocentos noventa
& oito donde nos vossa alteza mandou descobrir ha parte
oucidental passando alem ha grandeza do mar ociano honde he

achada & navegada huma tam grande terra firme com muitas e
grandes Ilhas ajacentes a ella que se estende a setenta grados
de Ladeza da linha equinocial contra ho polo artico."
(Esmeraldus de Situ Orbis, cit. 1. I, cap. II, p. 7). "É achada e
navegada", traduzem os comentadores: achou-se e navegou-se o
Brasil. Mas, em 1498, Dom Manuel mandara Duarte Pacheco
achar esse Brasil suspeitado em Tordesilhas, em 1494, pelos
Portugueses, um deles esse Duarte Pacheco que, em 1500, vem,
com Cabral, a isso...(6)
O depoimento de Pero Vaz, do Mestre João, físico e
cirurgião, que vinha na Armada, e do Piloto Anônimo, sobre o
descobrimento, em 1500, não revela surpresa e imprevisto... O
Piloto refere "o grandíssimo prazer" do achamento. Achar o que
se procura faz isto. O imprevisto não; esse, surpreende(7).
Nesses documentos, os únicos de testemunhas, não há
tempestades, ao menos a invocada para o desvio da rota. Vasco
da Gama passara também ao ocidente de Cabo Verde,
empegado no mar, para evitar as calmarias africanas e dobrar de
largo o Cabo de Boa Esperança, como fez Cabral, mas não
aportou ao Brasil... Mestre Joham, o físico da armada, diz a
el-Rei D. Manuel:
"Quando, senor, al sityo desta tierra, mande Vossa
Alteza traer un napa-mundi que tiene Pero Vaaz Bisagudo(8), e
por ay podrra ver Vosa Alteza el sityo desta tierra", "en pero,
aquel napa-mundi non certyfica esta tierra ser habytada, o no.
Es napamundi antiguo"... Já o Brasil estava em "napamundi
antiguo": ao menos sabia-o um dos descobridores...
Fundado nestes dois documentos, de Duarte Pacheco e
de Mestre Joham, ambos testemunhas presenciais do achado de
1500, diz o americanista Henri Vignaud: "não poderá haver
dúvida alguma que não é Cabral o primeiro descobridor
português do Brasil". (Americ Vespuce -- ses voyages... Paris,
1911, p. 143-5). Depois disso, continuar-se-á a falar da

"tempestade", "das calmarias", do "acaso"(9), como fizeram, da
quarta-feira, 22 de abril, 3 de maio, que foi domingo...
Ignorância ou teima: ou as duas.
A 22 de abril, à tardinha, houveram vista da terra, o
monte Pascoal, o arvoredo. A 23 navegaram contra a terra e
surgiram na foz de um rio. Viram homens nus, com arcos e
flechas. A 24 navegaram ao longo da costa, buscando abrigo,
aguada e lenha. Acharam um porto, abrigado por arrecifes e aí
ancoraram. A 26, domingo, o franciscano Fr. Henrique Soares,
de Coimbra, ajudado por outros religiosos, celebrou, num ilhéu,
a primeira missa(10). Na sexta-feira, 1.º de Maio, erigiram em
terra firme uma grande cruz de madeira, feita por dois
carpinteiros de bordo, com as armas e divisas de Dom Manuel,
sendo rezada então a segunda missa. Para o reino, a dar notícia
do achado, seguiu o navio de Gaspar de Lemos. Com as araras e
papagaios, arcos, flechas, penas, amostras da terra e da gente,
pretende Castanheda fora um índio: "& mandou-lhe hu home
daquela terra" (op. cit., 1. I, c. XXXI, p. 72). A armada agora de
onze navios, partiu a 2 de Maio, sábado, rumo de África, para
passar o Cabo de Boa Esperança pelo largo, segundo
recomendava a experiência de Bartolomeu Dias e de Vasco da
Gama.

2 120(
Disse Pero Vaz: "ao qual monte alto o capitam pos
nome o monte Pascoal e aa tera a tera de Vera Cruz"(11) (op.
cit.).
Dom Manuel, escrevendo aos Reis de Espanha, diz: "mi
capitan com trece naos partio de Lisboa a nueve de Marzo dei
año pasado. Em las octavas de la pascoa siguiente llegó á una
tierra que nuevamente descubrió, á la qual puso nombre de
Santa Cruz". (Hist. da Colonização Portuguesa do Brasil, vol.
II, p. 155-164).

No regimento dado a João da Nova, capitão da terceira
armada, logo depois da de Cabral, vem o nome de Ilha da Cruz
(Varnhagen, História Geral, 4.ª ed., t. I, p. 78; António Baião,
"O Comércio do Pau-Brasil", Hist. da Colonização Port. cit., t.
II, p. 321).
Portanto, oficialmente, Vera Cruz, Santa Cruz, Cruz...
Houve mais: Terra dos Papagaios, pelas grandes e belas araras,
que impressionavam, e Pedrálvares enviara ao reino por Gaspar
de Lemos, nome que vem em alguns mapas antigos. Cretico
(Giovanni Matteo), agente em Lisboa da Senhoria de Veneza,
escrevendo dali em 22 de Julho de 1501, diz, narrando a viagem
de Cabral: "ha discoberto una terra nova, chiamano la terra
deli Papagá, per esserli papagá longi une brazo e piú, de vari
colori, de li qual ne hanno visto doy". (Paesi novamente
retrouati, t. VI, Cap. CXXV, Vicentia, 1507). Também aí vem
carta de Pietro Pasqualigo (Cap. CXXVI), de 18 de outubro de
1501, em que diz: "com la terra dei Papagá noviter trovate per
le navi di questo re che andarono in Calicut".
Logo, porém, começou o Brasil. Escreveu João de
Barros: "Per o qual nome Sancta Cruz foi aquella terra
nomeada os primeiros annos: & a cruz arvorada algus durou
naquelle lugar. Porem como o demonio per o sinal da cruz
perdeo o dominio que tinha sobre nós, mediante a paixão de
Christo Jesu consumada nella: tanto que daquella terra
começou de vir o pao vermelho chamado brasil, trabalhou que
este nome ficasse na bocca do povo, & q se perdesse o de
Sancta Cruz: Como que importava mais o nome de hum pao
que tinge panos: que daquelle pao que deu tintura a todolos
sacramentos perque somos salvos..." (Décadas, I, 1. V, cap. II).
Recentemente, disse Duarte Leite: "Em 1503 já se
empregava o termo Brasil, porque o diz João Empoli numa
carta transcrita em Ramusio". (Hist. da Colonização
Portuguesa, vol. I, p. 198). Capistrano de Abreu dissera:

"Empoli, em 1504, chamava-a Vera Cruz ou Brasil" (Ramusio,
Navig., I, p. 145). Desde este ano o nome Brasil apareceu em
documentos portugueses e alemães e cada vez se generalizava
mais. (Wieser, Magalhães-Strasse und Austral Continent,
Innsbruck, 1881, ps. 93-94; Materiais e Achegas, I, nota).
"Empoli", não é exato. Duarte Leite e Capistrano foram
induzidos em erro por Ramusio que, na narrativa de Empoli,
introduziu um aposto comprometedor, em 1550-4: depois de
"terra della Vera Croce", esclareceu: "over de Bresil cosi
nominata". O texto autêntico, reproduzido na Racolta
Colombiana, parte III, vol. II, Roma, 1893, p. 180, que faz fé,
diz apenas "Vera Crocie è si nomata". Portanto Giovanni da
Empoli, feitor de Bartolo Marchioni, numa nau de Portugal, não
chama, em documento de 16 de Setembro de 1504, (o 1503, de
Duarte Leite,(12) vem do começo dele: "la partita nostra fu di
Lisbona a di 6 d'Aprile 1503..."), a Vera Cruz, Brasil. Aliás,
atente-se nisto: Ramusio escreve duas vezes "Bresil", e como,
adiante, o documento fala em verzino, não parece admitir
identidade de nome entre a terra e a madeira...
Capistrano cita Wieser, que diz, de fato: "Acho o nome
Brasil já desde 1504 repetidamente em uso" (p. 93). A saber:
Beschreibung der Meerfahrt von Lissabon nach Calacut, vom J.
1504 (Descrição da Navegação de Lisboa a Calacut, do a.
1504): "chama terra nova de Prisilli"; Empoli, no fim de 1504,
e cita Ramusio, Venetia, 1563, etc; um "diário de bordo" de
1505-6, diz: "aos 6 dias de mayo foron leste hoeste com a terra
de Brazil 200 leguas e dhy se foron ao Sul ata 40 grados" (Pbl.
por Schmeller em seu artigo: "Ueber Valentin Fernandez
Alemã,(13) etc." -- Abhandlungen der I cl. d. k., bayrischen
Akademie d. W. Bd. IV Abtheilung, p. 41 f.; finalmente, a
"Gazeta Alemã", Newen Zeytung aufs Presillg Landt, da qual
Varnhagen, op. cit.. p. 98, dissera, citando outrem, que deviam
ser informações "de 1507", e que, na "História Geral", ainda é
mais decisivo e antecipado: "Julgamos de tal importância

alguns períodos dessa relação ou gazeta (que supomos haver
sido escrita em Lisboa por um estrangeiro e publicada pela
primeira vez em 1506"... (Varnhagen, op. cit., II, 4.ª ed., p.
98-9). Ora, o mss. da "Gazeta" foi achado, posteriormente, por
Konrad Haebler, em 1895, no Arquivo dos Príncipes Fuegger,
em Augsburgo, e traz a data de 1514... (cf. Clemente
Brandenburger -- A nova gazeta da Terra do Brasil, São Paulo
-- Rio, 1922). Portanto, Empoli, em 1504, e a Gazeta, em 1506,
afastados...
Chamei a atenção para o modo de Ramusio, ainda em
1550-63, escrever na sua interpolação "Bresil", distinguindo
este nome da terra, do nome da madeira, escrito adiante, em
italiano, "verzinio". É que, aqui, tem cabida a hipótese que
aquele nome é de origem francesa... Os nomes lusitanos
Vera-Cruz, Santa Cruz, não seriam mudados pela piedade
portuguesa: foram os piratas franceses, desde antes de 1504,
(quando vieram, ao dizer de Anchieta, pela primeira vez) que
designaram a terra pela riqueza conhecida, "terre du brésil",
depois daí "le Brésil", como ainda hoje. Nós tivemos, pela
divulgação e aceitação do nome, de traduzi-lo: "Brasil".
Como quer que seja já em 1510 está em Gil Vicente, no
Auto da Fama, "terra do Brasil": mas será mesmo o Auto de
1510?(14) De 1511, talvez: "Llyuro da naao bertoa que vay
para a terra do brasyll... que partiu deste porto de Lixª a 22 de
fevº de 511" é o título de um documento publicado por
Varnhagen. A nau partiu em 11, mas o livro teria sido escrito
nessa data? Tudo leva a crer, mas não é certo.
Certa é a carta de Afonso de Albuquerque, de 1 de Abril
de 1512, da Índia, a el-Rei D. Manuel, "a qual (carta de um
piloto) tinha ho cabo de Bôoa Esperança, Portugal e a terra do
Brasyll..." (Alguns documentos... do Tombo, cit., p. 261). Por
certo é também de 1512 o mapa de Jerônimo Marini -- Orbis
Typus Universalis Tabula Hieronimi Marini fecit Venetia

MDXII -- cujo original possui o nosso Ministério do Exterior,
na Biblioteca do Itamarati, onde se lê pela primeira vez, em
planta: "Brasil". Um ano depois, e é interessantíssimo, é o
próprio Dom Manuel que mudara Vera Cruz em Santa Cruz,
segundo disse aos reis de Castela Fernando e Isabel e agora a
um deles o diz, em 13 de Setembro de 1513: "na teerra... que he
pegada com a nossa teerra do Brasyl" (Carta a el-Rei D.
Fernando, de Castela, in Alguns documentos, p. 292).
Mas é sempre "terra do Brasil", como se dissesse, por
abreviação, "terra do (pau) brasil": o documento escrito em que
primeiro aparece Brasil só, como no mapa de Marini é o de
Dom Rodrigo de Acuña, de 15 de Junho de 27, ao bispo de
Osma, dando conta da perda da armada que mandara Carlos V
às Molucas e pedindo interceda junto de D. João III para lhe
obter a liberdade, preso que está na feitoria de Pernambuco (nos
baixios de D. Rodrigo, onde naufragara, e naufraga, mais tarde,
o primeiro Bispo, comido pelos índios). Diz ele: "nos convino
arrybar al Brrasil"; (nesta carta há ainda "tyerra dei Brrasil" e
"nao cargada de brrazil" (Alguns documentos... do Tombo, cit.
p. 488-9).
O nome Brasil vem de longe. Disse Humboldt, vem de
Samatra, e levou quatro mil anos para nos chegar... É o nome de
uma madeira tintorial, a Cesalpina ecchinata, especiaria trazida
do Oriente à Europa, nome variamente escrito -- braxile,
bresillum, brisilium, bersi, verzi, verzino, como recentemente,
há cinco séculos, o chamavam os Venezianos. Já dele falam o
geógrafo árabe Abuzeid El Hacen (IX século), Endrisi e
Chrestien de Troyes no século XII: este escreve mesmo Braisil,
que dá, em francês, a pronúncia do nome atual nesse idioma.
Teria vindo à Europa depois dos primeiros Cruzados, por volta
de 1140. Tirava-se, do toro, a casca e o líber, e apenas o cerne
vermelho servia para tingir panos e fazer tinta, para iluminar
manuscritos, dando tons róseos às miniaturas. A madeira, dura e
corada, também aproveitava à marcenaria.

A geografia apoderar-se-ia do nome, e terras do Brasil
houve, antes da nossa: Krestchmer encontrou em mapas
medievais as seguintes variantes: Brazi, Bracier, Brasil,
Brasiel, Brazil, Brazile, Braziele, Braziel, Bracil, Braçil,
Braçill, Bersill, Braxil, Braxili, Braxiel, Braxyili, Brisilge...(15).
É uma ou mais ilhas do Ocidente, no grupo dos Açores, ou na
altura da Bretanha, ou não longe da Irlanda. Ainda hoje há uma
pedra Brazil Rock, na Irlanda, e um monte Brasil, junto à cidade
de Angra, na Ilha Terceira, dos Açores. Num mapa de 1351 já
aparece esta "ínsula do Brazil", nesse Açores. Em 1480
partiram de Bristol navios à procura da Ilha Brasil. Em 1497
Ayala, legado de Espanha junto à Corte de Inglaterra, dizia que
de sete anos àquela parte partiam de Bristol, anualmente, navios
à mesma pesquisa. Lá está, no mapa de Toscanelli, (1474) ao
norte e oriente, a ilha Brasil... Até 1875 o Almirantado inglês
manteve nas suas cartas essa "Brasil Rock"(16).
Diz a erudição que os Árabes chamavam ao pau
bakkam, que traduziram em latim brasilium, procurando a
analogia da raiz semítica bakkham (ardente) com a ariana
bradsch, em português brasa, italiano brace, francês braise.
Como se deu tal nome à geografia, é controvertido: Brasil,
indicaria fenômenos vulcânicos notados no arquipélago
açoreano; ou aí se teria encontrado senão o verdadeiro brasil,
pelo menos algum sucedâneo, talvez a urzela. Contudo
Capistrano de Abreu, reparando que nas formas gráficas e
geográficas de Kretschmer não se vêem formas congêneres do
verzi ou verzino, diz poder-se concluir que o Brasil, ilha
ocidental, nada tem com o produto oriental. Conclui que natural
é proceda o nome do celta, e há quem o decomponha braza,
grande, i: em todo o caso Brasil, ilha, aparece sempre no
Atlântico e sempre a W de terras primitivamente habitadas por
Celtas. Os índios chamavam à planta arabutan ou ibirapitanga.

Os Portugueses conheciam o brasil: a 19 de outubro de
1470 Afonso V proibia aos traficantes da Guiné comerciarem
que as tintas do brasil, protegendo talvez o produto das ilhas.
Quando se começou o tráfico com os selvagens de Santa Cruz, a
primeira matéria de exploração foi o brasil. No Esmeraldo,
escrito em 1505, escreveu Duarte Pacheco da terra: "é achado
nela muito e fino brasil com outras muitas cousas" -- (cap. 2,
do I livro). Terre du brésil lhe chamaram os piratas franceses, e,
depois, o menor esforço daria le Brésil, como ainda hoje. Esse
menor esforço foi a causa da troca, que tanto indignou João de
Barros: os políticos e sacerdotes, que batizam e dão nomes, não
advertem que eles prevalecem na ordem da simplicidade. Em
alguns anos apenas, a Terra de Vera Cruz já era pois, o
Brasil....(17). E era -- o que mais admira, na expressão do
próprio Dom Manuel: "na teerra... que he pegado com a nossa
teerra do Brasyl". Piedosamente diríamos: nome mudado na
crisma...
A palavra teve, no começo, várias acepções, que foi
perdendo: Pau-brasil: "Cá ha assuquer e algodão, brasil e
ambre e resgates" (Cartas avulsas de Jesuítas, Rio, 1931, Carta
XLVII). "Pera ali carregarem de brasil". (Id. Carta XXVII). A
terra: "Todo o Brasil, que assim se pode dizer" (Id. Carta LVI).
"Nestas partes do Brasil" (Id. Carta LXIII). A gente: "Para
estudantes -- brasil fazem-no muito bem". (Id. Carta LIV). "Os
que tangiam eram meninos brasis" (Id. Carta LV). A língua:
"Espera em pouco tempo falar tão bem brasil, como agora
italiano; às vezes lhe falava homem português e ele respondia
brasil". (Id. Carta XLVIII).
"Brasileiro" foi, a princípio, o traficante ou o ocupado
em tirar o brasil, como de baleia "baleeiro" (Varnhagen). A
desinência "eiro" é profissional: ferreiro, carpinteiro. Aqui, de
profissional, passou a patronímico: os mineiros que trabalhavam
nas minas gerais ficaram depois, os filhos de Minas Gerais.
Contudo tentou-se "brasiliense", "brasílico", brasiliano", sem

êxito, até agora. Brasileiro ficou o filho do Brasil: que importa
tal dignificação, se brasil ficou também dignificado em Brasil?

$ 7(55$
A 21 de Abril viram os Navegadores sinais de terra:
ervas compridas a que os mareantes chamam botelho, e asy
outras a que tambem chamam rabo d asnos; e aa quarta feira
seguinte pela manhãa topamos aves, a que chamam fura
buchos; e neeste dia, a ora de bespera, ouvemos vista de tera,
saber: primeiramente d'huum grande monte muy alto e
redondo, e d outras terras mais baixas, ao sul d ele e de terra
chãa, com gramdes arvoredos, ao qual monte alto o capitam
pos nome o monte Pascoal, e aa tera a tera da Vera Cruz".
Lançado o prumo, ao sol posto, obra de seis léguas de
terra, deram fundo, ancoragem limpa, diz a carta de Pero Vaz,
que vamos citando. Aí passaram a noite; na manhã seguinte,
quinta-feira, aproaram à terra, até meia légua de distância,
"omde lançamos ancoras em direito da boca de huum rio."
Num bote foi Nicolau Coelho à terra "pera veer aquelle rio",
ao que acudiram selvagens, que tinham já visto de longe. Troca
de afabilidades entre bárbaros e civilizados, o ruído do mar
obstando a que se entendessem. À noite, chuva e vento,
decidindo na sexta-feira seguinte levantar ferro e fazer vela;
"fomos de longo da costa, com os botees e esquifes amarados
per popa, contra o norte pera veer se achavamos alguña
abrigada & bom pouso, onde jouvesemos pera tomar agoa e
lenha". Os navios pequenos iam mais chegados a terra, para a
procura de um pouso seguro e "acharam os ditos navios
pequenos huum arrecife com huum porto dentro muito boo e
muito seguro, con huua muy larga entrada e meteram-se dentro
e amaynaram." Estavam numa baía e nela acharam "huum
ilheeo grande que na baya está, que de baixa mar fica muy
vazio, pero he de todas partes, cercado dagoa". Nesse ilhéu, a
26 de abril, domingo de pascoela, foi dita a primeira missa, sem

índios portanto, apenas para a tripulação.
A carta de Pero Vaz é datada, no fim, "deste Porto
Seguro da vosa ilha de Vera Cruz oje sexta feira primeiro dia
de mayo de 1500", véspera de partida da armada para a Índia.
Ora, tem-se levantado discussão acerca disto, porque o Porto
Seguro de hoje, não corresponde ao de Caminha... A
identificação tem sido contraditória. O rio de Nicolau Coelho é
hoje "rio do Frade". A enseada ao norte a dez léguas, é de Santa
Cruz, hoje dita Baía Cabrália. Identifica-a o ilhéu, em que foi
dita a primeira missa, hoje chamado Coroa Vermelha.
Pretendeu Varnhagen que fosse isso no atual Porto
Seguro, mais atrás, ao sul, onde há arrecife protetor e não ilhéu,
o que fez dizer a Capistrano de Abreu: "Porto Seguro atual não
corresponde à descrição de Caminha, por mais que se queira
fazer de um recife um ilhéu". João Ribeiro -- malícia de
historiadores -- atribui a opinião de Varnhagen à vaidade de
seu título de Visconde de Porto Seguro, (poder-se-ia replicar
que o título veio do nome do historiador, traduzido do velho
alemão originário: Wahr... Haagen... porto verdadeiro ou bom,
ou porto seguro) para tirar ao ilhéu da Coroa Vermelha, na baía
de Santa Cruz, a glória de ponto de desembarque de Cabral.
Além da tradição, vinda com Gandavo, Gabriel Soares,
Anchieta, Cardim... há a descrição de Caminha, com a dos
geógrafos acordes, Aires do Casal, Almirante Mouchez,
Beaurepaire-Rohan, Salvador Pires. Mas haverá causa
"decidida"? A confusão parece ter sido devida a que o nome de
"Porto Seguro" (dado à atual Santa Cruz) foi posto também à
povoação e igreja sede da capitania, o Porto Seguro, que
prevaleceu; o nome de Santa Cruz, reservado à terra depois do
Brasil, só mais tarde seria apenas o da região, baía, ilhéu, dez
léguas ao norte, onde fundearam os navegantes: um nome
mudou de lugar e o outro, genérico, localizou-se. (Cf. Carlos
Malheiro Dias -- A Semana de Vera Cruz in Hist. da Colon.
Port., cit. t. II, págs. 75-154).

A terra produziu boa impressão aos navegantes: "a terra
em sy he de muito boos aares asy frios e tenperados coma os d
antre Douro e Minho, porque neste tempo d agora asy os
achavamos como os de la; agoas sam muitas imfimdas; em tal
maneira he graciosa que querendo a aproveitar, darseá nela
tudo per bem das agoas que tem". (Caminha, "Carta", in fine).
Este primeiro louvor na boca e na pena dos visitantes, e até dos
habitantes, jamais cessou, até agora. O patriotismo brasileiro é
sempre da terra: a gente ainda não conta. Culmina em Vespúcio,
que chegou a escrever: "se o paraíso terreal existe em alguma
parte da terra, não dever ser longe dali". Podia ser improviso
de momento. Os Jesuítas, que aqui padeceram seu apostolado,
não são diferentes. É boa e sã, fértil de tudo, de boas águas e
bons ares, para Nóbrega (Cartas, 89). Anchieta concorda: "O
clima é geralmente muito temperado, de bons e delicados ares e
mui sadios, aonde os homens vivem muito, até oitenta, noventa
e mais anos e a terra está cheia de velhos. Não tem frios nem
calores grandes, os céus são mui puros, maxime à noite".
(Cartas, p. 424). Em São Paulo há uns "Campos Elíseos": foi
Simão de Vasconcelos que lhes deu tal nome: "Estes campos
(de Piratininga) merecem nome de Elísios ou bem
afortunados..." (Crôn. I, I, n. 149).
Chegaram até à comparação. "Saúde não há mais no
mundo, ares frescos, terra alegre, não se viu outra; os
mantimentos eu os tenho por melhores, ao menos para mim que
os de lá (Portugal) e de verdade que nenhuma lembrança tenho
delles, pera os desejar. Si tem em Portugal gallinhas, cá as ha
muitas e mui baratas; si tem carneiros, cá ha tantos animais
que caçam nos mattos, e de tão boa carne, que me rio muito de
Portugal em essa parte. Si tem vinho, ha tantas águas que a
olhos vistos me acho melhor com ellas que com os vinhos de lá;
si tem pão, cá o tive eu por vezes e fresco, e comia antes do
mantimento da terra que delle, e está claro ser mais sã a
farinha da terra que o pão de lá; pois as fructas, coma quem
quizer as de lá, das quaes cá temos muitas, que eu com as de cá

me quero. E alem disto ha cá cousas em tanta abundancia, que,
alem de se darem em todo o anno, dão-se tão facilmente e sem
as plantarem que não ha pobre que não seja farto com mui
pouco trabalho. Pois se fallarem nas recreações, comparando
as de cá com as de lá, não se podem comparar e estas deixo eu
pera os que cá quizerem vir a experimentar. Finalmente,
quanto ao de dentro e de fóra, não se pode viver sinão no Brasil
quem quizer viver no paraiso terreal: ao menos sou desta
opinião. E quem não me quiser acreditar, venha experimentar.
Dir-me-a que vida pode ter um homem, dormindo em uma rede,
pendurado no ar como rédea de uvas? Digo que é isto cá tão
grande cousa que, tendo eu cama de colxões, e
aconselhando-me o médico que dormisse na rêde, e a achei tal
que nunca mais pude ver cama, nem descansar noite que nella
não dormisse, em comparação do descanso que nas redes acho.
Outro terá outros pareceres; mas a experiência me constrange
a ser desta opinião". E por isso o repete Rui Pereira (Cartas
Avulsas de Jesuítas, p. 263-4): "se houvesse paraíso na terra eu
diria que agora o havia no Brasil" (id. p. 263). São todos
assim, estrangeiros e nacionais; não quero citar se não daqueles
e da primeira hora. E a gente?

$ *(17(
No dia 23 avistaram os navegantes sete ou oito homens,
depois mais dezoito ou vinte. Nos dias seguintes muitos, que
vieram às naus.
"A feiçam deles he seerem pardos, maneira d
avermelhados, de boos rostros e boos narizes bem feitos;
amdam nuus, sem nenhua cobertura; nem estimam nenhuma
coussa cobrir, nem mostrar suas vergonhas, e estam açerqua d
isso com tanta inocência como teem em mostrar o rostro;
traziam ambos os beiços de baixo furados e metidos por eles
senhos osos d oso bramcos de compridam de hua maão
travessa e de grossura de huum fuso d algodam, e agudo na

ponta coma furador". "Amdavam hy outrros quartejados de
cores, saber, d eles ameetade da sua própria cor, e ameetade de
timtura negra maneira de zulada, e outros quartejados d
escaques. Aly amdavam antr'eles tres ou quatro moças bem
moças e bem jentis, com cabelos muito pretos compridos pelas
espadoas, e suas vergonhas tam altas e tam çaradinhas, e tam
limpas das cabeleiras, que de as nos muito bem olharmos nom
tinhamos nenhua vergonha..." "Amdava (um) todo per
louçaynha, cheo de penas pegadas pelo corpo, que parecia
aseetadado coma Sam Sebastiam; outros traziam carapuças de
penas amarelas, e outros de vermelhas, e outros de verdes; e
hua daquellas moças era toda timta de fundo a cima daquela
tintura, a qual certo era também feita e tam arredomda, e sua
vergonha que ela nom tinha, tam graciosa, que a muitas
molheres de nossa terra veendo lhe taaes feições fezera
vergonha, por nom terem a sua com eela. Nenhu d eles nom
era fanado, mas todos asy coma nos"...

A impressão era, ou foi, simpática: inocência,
curiosidade, boa índole. As mulheres, pela privação deles, e
pela nudez delas, "bem moças e bem gentis", diz Pero Vaz,
"mui fermosas, que nam ham nenhua inveja às da rua Nova de
Lixbôa" virá a dizer Pero Lopes, alguns anos mais tarde.
(Diário da Navegação, ed. de Eugênio de Castro, Rio, 1927, p.
154). Também elas se agradaram dos Europeus: o romance
exótico da colonização vai começar. "Iracema"(18) será um
símbolo. Vão nascer os mamalucos, os maiores inimigos da raça
primitiva...
Os descobridores não podiam saber mais. Porém, os que
vieram depois, sobretudo os Jesuítas, grandes amigos deles, que
conviveram com eles, para os educarem, e aproveitarem, na
civilização, têm depoimentos cruéis. Diz Nóbrega (Cartas do
Brasil, p. 73, 90, 91): "É gente que nenhum conhecimento tem
de Deus". "Gente tão inculta... regendo-se todos por
inclinações e apetites sensuais, que está sempre inclinada ao
mal, sem conselho, nem prudência. Têm muitas mulheres e isto
pelo tempo em que se contentam com elas e com as dos seus, o
que não é condenado entre eles. Fazem guerra, uma tribo a
outra, a 10, 15 e 20 léguas, de modo que estão todos entre si
divididos. Se acontece aprisionarem um contrário na guerra,
conservam-no por algum tempo, dão-lhe por mulheres suas
filhas, para que o sirvam e guardem, depois do que o matam,
com grande festa e ajuntamento dos amigos e dos que moram
por ali perto e se deles ficam filhos, os comem, ainda que sejam
seus sobrinhos e irmãos, declarando às vezes as próprias mães
que só os pais e não a mãe, têm parte neles." (As mães não são
mais do que uns sacos, em respeito aos pais, em que se criam as
crianças... virá a testificar Anchieta -- "Informações" p. 452,
-- nas Cartas, etc). "É esta a cousa mais abominável que existe
entre eles. Se matam a um na guerra o fazem em pedaços e
depois de moqueados os comem com a mesma solenidade; e

tudo isto fazem com um ódio cordial que têm um ao outro e
nestas duas coisas, isto é, terem muitas mulheres e matarem os
inimigos consiste toda sua honra." "Não se guerreiam por
avareza porque não possuem mais de seu do que lhes dão a
pesca, a caça e o fruto que a terra dá a todos, mas somente por
ódio e vingança sendo tão sujeitos a ira que se acaso se
encontram em caminho logo vão ao pau, a pedra ou à dentada
e assim comem diversos animais, como pulgas e outros como
este, tudo para se vingarem do mal que lhes causam"...
E por aí além. Outros depoimentos não faltam e não
apenas de Jesuítas. Gabriel Soares fala dos Aimorés: "Não
vivem estes bárbaros em aldeias, nem casas como o outro
gentio, nem há quem lh'as visse nem saiba nem desse com elas
pelos matos, até hoje; andam sempre de uma para outra pelos
campos e matos, dormem no chão sobre folhas; e se lhes chove
arrumam-se ao pé de uma árvore, onde engenham as folhas por
cima, quanto os cobre, assentando-se de cócoras; e não se lhes
achou outro rastro de gazalhada. Não costumam estes alarves
fazer roças nem plantar mantimentos... Vivem de frutos
silvestres e caça, de saltear toda a sorte de gentio... comem
carne humana por mantimento não por vingança como os
outros... (Tratado, 47-8).
Outro Jesuíta, António Blásquez, depõe de suas casas,
dos que as têm: "São suas casas escuras, fedorentas e
afumadas, em meio das quais estão uns cântaros como meias
tinas, que figuram as caldeiras do inferno. Em um mesmo
tempo estão rindo uns e outros chorando, tão de vagar que se
lhes passa uma noite em isto sem lhe ir ninguém à mão. Suas
camas são umas redes podres com a ourina, porque são tão
preguiçosos que, ao que demanda a natureza, se não querem
levantar. E dado caso que isto bastara para imaginar em o
inferno"... (Cartas Avulsas, 173). Outro padre, ainda, visita
aldeia já meio civilizada, cujos moradores tinham tornado da
guerra, trazendo despojos dos vencidos: "vi que daquela carne

(humana) cozinhavam em um grande caldeirão e ao tempo que
cheguei atiravam fora uma porção de braços, pés e cabeças de
gente, que era cousa medonha de ver-se e seis ou sete mulheres,
que com trabalho se teriam em pé, dançavam ao redor,
espevitando o fogo, que pareciam demônios no Inferno".
(Azpilcueta Navarro, in Cartas Avulsas, p. 52).
E não só Jesuítas, de moral estrita, repito: todos os
contemporâneos: "Sam muy deshonestos e dados a
sensualidade e assim se entregam aos vícios como se nelles não
houvera razão de homens" (Gandavo, História da província
Santa Cruz, ed. do Anuário do Brasil, 1924, p. 124). Gabriel
Soares depõe: "São muito afeiçoados ao pecado nefando, entre
os quais se não tem por afronta e o que serve de macho se tem
por valente e conta esta bestialidade por proeza e nas suas
aldeias pelo sertão há alguns que têm tenda pública a quantos
os querem, como mulheres públicas" (Op. cit., p. 289).
Todos, todos os depoimentos: para finalizar a do
boníssimo Anchieta: "todos eles se alimentam de carne humana
e andam nus", (Cartas, p. 45); "copiosíssima libação de vinhos,
que fabricam de raízes" (id.); "as mulheres andam nuas e não
sabem se negar a ninguém mas até elas mesmas cometem e
importunam os homens, jogando-se com eles nas redes porque
têm por honra dormir com os Cristãos" (p. 68); "não se pode
nem se deve prometer deles cousa que haja de durar (p. 150);
"os ensinados... tornam-se aos costumes de seus pais" (p. 179).
Rui Pereira conta nas Cartas Avulsas, p. 265, o retorno à
barbárie de toda uma aldeia "se foram fugindo todos pelo
sartão...
Portanto, sem dúvida, dos últimos povos da terra, na
escala sociológica. Nômades quase, sem agricultura, nem
criação, sem propriedade, nem governo, nem religião, pequena
mentalidade sem progresso. La Condamine iria a dizer deles
que envelhecem sem deixar de ser crianças -- antropófagos,

sensuais, intemperantes, perdidos pelas florestas... tais foram os
selvagens do Brasil.
Entretanto, por uma contradição bem humana, a
imaginação dos viajantes e a das viagens, por antítese à Europa,
arranjou -- e com selvagens do Brasil -- a lenda do "bom
selvagem" e a da "idade de ouro"... Montaigne conta que viu
Tabajaras, levados a Ruão e até entrevistou um, que lhe fez a
crítica da monarquia dinástica e da sociedade capitalista...
Ronsard, informado pelo "douto Villegaignon", a quem se
refere, diz deles, os índios do Brasil: "Ils vivent maintenant en
leur âge doré... Vivez joyeusement je voudrais vivre ainsi".
Este "bom selvagem" falsificado no século XVI (1560)
dará com o romantismo nascente no fim do século XVIII e
começo do XIX, a volta à natureza, à primitividade, portanto,
desfazendo o "Contrato Social", para obter a "igualdade" de
Rousseau, a Revolução Francesa e o romantismo literário de
Chateaubriand, -- exótico com Atala e os Natchez, --
"revolução literária das letras".(19)

7UHFKR GD &DUWD GH 0DUWLP :DOGVHHPOOHU
HP TXH SULPHLUR
DSDUHFH R QRPH ³$PHULFD´ GDGR DR VXO GR 1RYR 0XQGR UHJLmR GR
1RUGHVWH GR %UDVLO

*UDYXUD GR OLYUR GH +DQV 6WDGHQ ³9LDJHP DR %UDVLO´
³RV
FKHIHV IXPDP GHOLEHUDQGR DR OXDU VREUH D VRUWH GR SULVLRQHLUR QR
FHQWUR´

*UDYXUD GR OLYUR GH +DQV 6WDGHQ ³9LDJHP DR %UDVLO´
DVVDQGR
XP SULVLRQHLUR 2 DXWRU + 6 p ILJXUDGR j GLUHLWD YHQGR D VRUWH TXH
R DJXDUGD

Tal falsificação produziu aqui o romantismo literário de
José de Alencar: o "Guarani" é um gentleman abnegado; a
"Iracema" é um divino amor de mulher; os "Timbiras", de
Gonçalves Dias, são cavalheiros andantes, "senhores em
cortesia"... E produziu a falsificação patriótica do selvagem
Brasileiro, oposto, como símbolo, ao "maroto", o Português
colonizador, e o negro Africano, cuja servilidade ajudou a fazer
o Brasil. A mestiçagem destas duas raças está e estará, por
muito tempo ainda fazendo a independência do Brasil, com a
glorificação do "bom selvagem", a falsificar e engrandecer,
esquecendo os Europeus, e escondendo os Africanos, exaltados
os Americanos, que entretanto destruíram, e se destruíram... O
que eles foram porém, esses aborígenes, dizem-no os cronistas
contemporâneos, todos os Jesuítas, os Gabriel Soares, Gandavo,
Hans Staden... que os trataram. Dizem-no os nossos
contemporâneos que os estudaram objetivamente, os Couto de
Magalhães, Rondon, Roquette Pinto, Salesianos e Beneditinos
da neo-catequese: depois de os exterminarmos, vem-nos, não a
penitência, a falsificação romântica pretendidamente
patriótica...

$,1'$ &$%5$/
Prosseguindo a viagem, deixando o Brasil, a 2 de Maio,
as 11 restantes embarcações -- a de Luís Pires perdera-se antes
do Brasil, a de Gaspar de Lemos tornara, a levar notícia a
Lisboa -- rumaram para a costa de África para passar, ao largo,
o Cabo de Boa Esperança. A 23 de Maio foram salteados por
uma tempestade, sossobrando quatro navios, por não terem tido
tempo de amainar(20), os de Bartolomeu Dias, Vasco de
Ataíde, Aires da Silva e Simão de Pina, perdendo-se, deles,
tudo. Camões fez dizer ao Adamastor:
Aqui espero tomar, se não me engano,

De quem me descobriu suma vingança. (Lus., V, 44).
Os sete navios que sobraram dividem-se em três grupos:
um, o de Pero Dias, desgarra, vai ao Mar Vermelho, o primeiro
ocidental que tal ousou, e torna a Lisboa, num périplo
aventuroso; dois, o de Tovar e o de Cunha, varam por
Moçambique, onde os vão encontrar os quatro que traz o grupo
de Cabral; reúnem, então, seis. De Moçambique a Quiloa, a
Melinde, na Costa oriental da África, e, daí, a Angediva, a
Calecut, a Cochim. Apesar dos propósitos e recomendações,
porque a empresa é de paz e comércio -- Aires Corrêa leva
mercadorias para vender empregando o dinheiro na compra de
outras, diz el-Rei nas "Instruções" a Pedrálvares -- sobrevêm
insídias, represálias, e a reação violenta de Cabral, que
bombardeia Calecut, seguindo para Cochim e Cananor, onde se
abasteceu de especiarias.
Em 16 de Janeiro de 1501 deixa a Índia, naufragando a
nau de Tovar, já na costa de África: reduz-se a armada a cinco
navios e, como, no menor deles, vai Tovar comissionado a
Sofala, e chega por isso depois, Pedro Álvares torna ao reino
apenas com quatro naus: uma atrasa-se, outra adíanta-se, mas o
capitão, com a capitânia e a nau de Pedro de Ataíde, chega a
Lisboa, a 9 de julho de 1501.
Esta segunda viagem foi a mais importante que até aí se
fizera, 13 naus, o Brasil de permeio, provisão de especiaria, e
apesar das grandes perdas marítimas, de navios e gente, cobriu,
dizem Gaspar Corrêa e Barros(21) duas vezes o custo da
expedição.
Tornado ao reino, Cabral foi ainda nomeado para o
comando da quarta armada, em 1502, depois definitivamente
atribuído a Vasco da Gama. Casou com D. Isabel de Castro,
viveu em Santarém, onde tinha propriedades, sofreu de
maleitas, e, por fim, veio a falecer, por volta de 1520, jazendo
aí, enterrado na Igreja da Graça, onde tem, na lápide rasa, este

epitáfio: "Aquy jaz Pedralvares Cabral e dona Isabel de Castro
sua molher cuja he esta Capella he de todos seus erdeyros
aqual depois da morte de seu marydo foi camareyra mor da
Infanta dona Marya fylha del rey dõ João noso señor hu
terceyro deste nome."

35(&85625(6 '( &$%5$/
Era corrente, nos livros de história do Brasil, falar-se
dos precursores de Cabral, a política nacionalista ajudando. Os
partidos ou palpites tomaram-se, uns por acharem muita sorte a
Pedralvares, outros a Portugal; aqueles outros empenhados na
reabilitação de Américo Vespúcio: as más causas, como as
poderosas, atraem sempre sequazes, como adversários. A
contrariedade é humana.
Recentemente, porém, conscienciosos, pertinentes e
capazes estudos de Duarte Leite, reduziram tudo a bem pouco.
Seria longo detalhar. Para ele, se Duarte Pacheco Pereira passou
o mar oceano a mando de D. Manuel, foi no hemisfério norte, e
"nem descobriu o Brasil em 1498, nem assistiu, dois anos
depois, à sua descoberta, por Álvares Cabral". (D. Leite,
Descobridores do Brasil, Porto, 1931, p. 27).
Quanto a Vicente Yanez Pinzon, que teria vindo ao
Brasil em 1500, antes de Cabral: "despida de ouropéis e
excrescências, da decantada viagem de descoberta limitou-se ao
trecho compreendido entre as Guianas e a costa norte que
defronta a ilha Trinidad". (Op. cit., p. 48).
"Alonso de Hojeda nunca esteve no Brasil", prova ele
(págs. 49-56, op. cit.); os 6 graus ao sul devem trocar-se por 6°
N, o que representaria de fato apenas um erro de 3°, fácil de
cometer pelos pilotos de Hojeda (p. 56, op. cit.).
Também "Diogo de Lepe em 1500 não reconheceu

terras brasileiras" e até o navegante não é o que "morreu de
morte infamante em Portugal, por ter devassado defesos
territórios, senão outro", tomado na Guiné, por causa de certos
pretos que levava furtados. Como Pinzon, Lepe não teria estado
no Amazonas (op. cit., p. 63).
Finalmente, a questão mais difícil de Américo Vespúcio,
que tem protetores qualificados que o defendem, de acusadores
também qualificados. O processo é longo. Duarte Leite põe
revide à viagem de 1497 do florentino ao Brasil e analisando as
"Cartas" do navegador a quem um cartógrafo, Hilacomillus ou
Waldseemüller em 1507, fez doação honorífica do Novo Mundo
"América" (nome a ser dado, não ao continente, senão à parte
nordeste do Brasil(22), que o navegante abordara) chega a
severíssimas conclusões: "esta fátua personagem não passa de
noveleiro mentiroso, astrônomo improvisado, navegador como
os havia em barda, cosmógrafo que repetia conceitos de outrem,
falso descobridor que se apropriou de glórias alheias.
Conseguiu, apesar disto, mistificar gerações de homens cultos,
que se afadigaram em lhe interpretar as fantasias e procurar
sentido aos despautérios". (Op. cit., p. 193).
Aliás não está só neste juízo. Para não citar outro, o de
Sir Clemens R. Markham (The letters of Amerigo Vespucci,
London, 1894) para quem Vespúcio é um ignorante, invejoso,
apropriador de mérito alheio, rancoroso, que nenhuma situação
teve em Portugal, não foi navegador nem cosmógrafo, apenas
negociante, fornecedor de víveres às esquadras...
Enquanto as navegações portuguesas e castelhanas eram
segredo de Estado, como as fortalezas e obras defensivas hoje
em dia, o caixeiro florentino de Marchione em Lisboa, e sócio
de Berard em Sevilha, escrevia para a terra a gabar-se e, pela
publicidade, foi-se enfeitando com as penas alheias... Aliás os
panegiristas chegam às vezes à confissão: "Conhecemos as
viagens de Vespúcio apenas por ele... Viagens que Vespúcio diz

ter feito..." (Vignaud -- op. cit., introd. p. 3.)
Vespúcio gaba-se de solicitado, em Sevilha, por Dom
Manuel, para seu serviço: nos arquivos portugueses não há uma
palavra, em cronista algum, sobre este personagem, citado
apenas pelos seus patrícios, a quem ele dizia, naturalmente, o
que podia fazer para fora, sem responsabilidade. Nas suas cartas
suprime os companheiros e comandantes e dá-se por autor de
tudo. É natural que a Espanha o acreditasse -- se todo o mundo
viria a ser iludido -- nomeando-o piloto-mor, cuidando privar o
competidor português de tão grande piloto. Apesar disso, para
Castela não fez também nada. Mas o que, antes, dissera, foi
acreditado. O essencial, para o mundo, não é fazer, é dizer ou
dizerem que se fez...
Portanto, antes de Pedro Álvares Cabral, não teve o
Brasil nem portugueses nem estrangeiros, visitantes ou
descobridores. Não podia haver certeza, mas, disse o Épico,
"havia sospeita..." (Lus., V, 4).(23)

REI DE PORTUGAL
Dom Manuel (1495-1521).

PRIMEIRAS VIAGENS ÀS ÍNDIAS
Vasco da Gama, 3 navios, partida 7 julho 1497.
Pedro Álvares Cabral, 13 navios -- partida 9 março 1500.

ARMADA DE PEDRO ALVARES CABRAL
Navios Comandos
1. Capitânia: Pedro Álvares Cabral
2. "S. Pedro": Pedro de Ataíde
3. "Anunciada": Nuno Leitão da Cunha
4. .............: Nicolau Coelho
5. .............: Simão de Miranda
(estes cinco partiram, foram à Índia e tornaram a Lisboa).
6. .............: Bartolomeu Dias
7. .............: Vasco de Ataíde
8. .............: Aires Gomes da Silva
9..............: Simão da Pina
(estes quatro naufragaram antes do Cabo das Tormentas).
10. Sota-Capitânia "El-Rei"(?): Sancho de Tovar
(este chegou à Índia e, de torna-viagem, naufragou na costa
oriental da África).
11. .............: Pero Dias
(este, depois da tormenta no Cabo, desgarrou, indo até o Mar
Vermelho, donde volveu a Lisboa).

12. ............. Gaspar de Lemos
(este, navio de mantimentos, esvaziado em Porto Seguro, tornou
daí a Lisboa, a levar a nova do descobrimento).
(estes 12 navios foram os que descobriram o Brasil).
13. ............. Luís Pires (Castanheda, Barros, Piloto
anônimo, Ferreira Paes; ou Vasco de Ataíde (Pero Vaz
Caminha).
(este perdeu-se na vinda, alturas de Cabo Verde).
OUTROS TRIPULANTES DA ARMADA DOS
DESCOBRIDORES
Duarte Pacheco Pereira (Castanheda, Góis, Gaspar Corrêa, etc.)
Mestre Johanes Artium et Medicine Bachalaurius.
sarcerdotes pregadores:
Fr. Henrique Soares, de Coimbra,
Fr. Francisco da Cruz,
Fr. Simão de Guimarãis,
Fr. Luiz Salvador,
Fr. Gaspar.........
Fr. Maffeu, sacerdote organista.
Fr. Pedro Neto, corista com ordens sacras.
Fr. João da Vitória, frade leigo.
Aires Correia, feitor para a feitoria de Calicut.
Pedro Escolar, piloto da Capitânia.
Afonso Lopes, piloto.
João de Sá (que fora escrivão de Paulo da Gama).
Gonçalo Gil Barbosa, de Santarém, escrivão.
Pero Vaz Caminha, escrivão para a feitoria de Calicut.
Gaspar Gama, mouro intérprete, que trouxe Vasco da Gama e

tornava.
Afonso Ribeiro, degredado que foi a terra em exploração.
Mais um degredado e dois grumetes, que ficam em terra.
"E foram feitos para esta armada mil & quinhentos homs"
(Castanheda, Hist. do Descobrimento da Índia, L. I, c. XXX, p.
63).
OS PRIMEIROS DIAS DO BRASIL
3.ª feira, 21 de abril -- Sinais de terra: algas (botelho, rabo de asno); aves (fura
buchos).
4.ª feira, 22 de abril -- Avista-se o Monte Pascoal e a Terra de Vera Cruz.
5.ª feira, 23 de abril -- A armada fundeia, a meia légua da foz de um rio (rio
Cahy). Nicolau Coelho, mandado à terra, não desembarca mas entra em relações
com os selvagens na praia.
6.º feira, 24 de abril -- A armada levanta ferros pela manhã e à tarde fundeia dez
léguas ao norte, numa angra onde há um ilhéu. O piloto Afonso Lopes conduz à
Capitânia dois índios que aí dormem.
Sábado 25 de abril -- A armada penetra na baía de Santa Cruz, que chamaram
Porto Seguro, fundeando na enseada. Vão à terra Nicolau Coelho, Bartolomeu
Dias e Vaz Caminha. É mandado também Afonso Ribeiro, degredado.
Domingo 26 de abril -- Primeira Missa, no ilhéu (recife da Coroa Vermelha), sem
índios.
2.ª feira, 27 de abril -- Visitas e presentes aos índios.
3.ª feira, 28 de abril -- Exploração da terra. Construção da cruz, junto ao rio
Mutarí.
4.ª feira, 29 de abril -- Descarga do navio de mantimentos, para tornar a Lisboa
com a notícia. Na Sota-Capitânia dormem dois índios em lençóis.
5.ª feira, 30 de abril -- Comem índios com os Navegantes.
6.ª feira, 1 de maio -- Hasteada a Cruz e rezada segunda missa, no continente, à
margem do rio Mutarí (Itacumarim) orando Frei Henrique.
Sábado 2 de maio -- Partida da Armada (11 navios), rumo do Oriente, deixando 2
degredados, 2 grumetes, partindo, rumo norte, Gaspar de Lemos, no navio de
mantimentos, esvaziado.

,,,
3ULPHLUR 6pFXOR ,
HOMENS E FAZENDAS. -- BRASIL, SEM PROVEITO E
APROVEITADO. -- PRIMEIRAS NAVEGAÇÕES. -- CAPITANIAS,
GOVERNO GERAL. -- OS JESUÍTAS. -- O BRASIL NÃO
"ESQUECIDO".

+20(16 ( )$=(1'$6
É a expressão de Couto, no Soldado: "este Reyno está
tão desfeito de homens e fazendas" (c. XXIV, p. 99), como se
diria, em vulgar, pouca gente e tão poucos recursos... Por esse
tempo era Portugal escassamente habitado. As pestes, em terra,
e os desastres, no mar, foram sempre desbarato de homens.
Quando as navegações começaram, o mar disputou à terra
ser-lhes o túmulo: João de Barros chegou a dizer fora o
"Oceano a principal sepultura dos Portugueses, depois que
começaram seus descobrimentos" (Décadas, II, 1. VII, cap. I).
Em casa, ficava pouca gente. Em 1527 um censo dá 280.528
fogos, o que a quatro habitantes por lar, daria, ao país,
1.122.112 almas. Se calcularmos que metade eram mulheres,
(deviam ser, mas não eram: sempre sobraram em Portugal, dada
a emigração: além disto, 20% daqueles lares eram de viúvas...)
metade da outra metade menores até quinze anos e maiores de
sessenta, ficam apenas 280 mil homens válidos. Estes ficavam
presos ao reino, a maior parte agricultores, homens de jorna,
marítimos, pescadores, soldados, funcionários, clero, nobreza,

enfermos e inúteis ou parasitas, que sobram em todas as
sociedades. Só as ordens monásticas ocupariam perto de 10.000
homens, feita a proporção de Espanha, que não era mais
piedosa, de 1 homem, para cada 30, ocupado no serviço divino.
Deduzido tudo, que ficaria para as Navegações? Elas
obrigavam, além dos marinheiros que as faziam, às guarnições,
que mantinham entrepostos e conquistas. Sá de Miranda
lamentava: ..."ao cheiro desta canella, o Reyno nos despovoa"
(As obras, ed. 1614, Carta II, pág. 107). Isso os que partiam: os
que chegavam, se chegavam à aventura, era metade e às vezes
metade da metade...
Em 1436 o Infante Dom Pedro, em sessão do Conselho,
que deliberava a expedição contra Tânger, dizia: "Posto que
passassees e tomassees Tanger, Alcácer, Arzila, quereria,
senhor, sabeis que lhes faziees; porque povoarde las com
Regno tam despovoado e tam minguado de gente, como he este
vosso, he impossivel". (Ruy de Pina, Crônica de El-Rei Dom
Duarte, cap. XIX). Daí valerem-se, para soldados e navegantes,
até de criminosos e homiziados, a quem perdoavam as culpas:
Paulo da Gama, irmão de Vasco da Gama, assim foi(1). El-Rei
não podia remir pecados, como o Pontífice fizera aos Cruzados,
mas agraciava aos que embarcassem. Se havia necessidade de
gente e mais gente para as armadas, as fortificações, as
feitorias... E os que iam, atraídos pela ambição ou pela
aventura, deixavam claros sensíveis ao trabalho de mantença da
comunidade.
Os escravos foram, pois, bem-vindos. Desde o tempo de
Dom Henrique que fora achada a justificativa: ficava-se com o
trabalho servil deles, mas salvava-se-lhes a alma(2). E, depois,
civilizava-se o bárbaro, como, outrora, o alarve. Mas a Espanha
também precisava deles e Portugal fornecia-lhos, negócio
imediatamente mais rendoso, embora os campos, insupridos,
ficassem sem braços. Na Lisboa de 1552 um décimo da
população, de cem mil almas, era de escravos: a impressão de

Clenardo exagerou, em 35: parecia que eram mais numerosos
que os forros. Esse comércio de escravos, que às vezes apenas
transitavam pelo reino, foi anterior e geral, e veio do Oriente a
Inglaterra: os ingleses chegaram a vender compatriotas...
Portugal não inventou a escravidão e foi humano com ela,
obrigado a sofrê-la.
Inaugurara um sistema original de colonização que nem
os povos antigos, nem os contemporâneos, ou os sucessores,
imitaram: o povoamento. Fenícios e Romanos tiveram núcleos
coloniais insulados, nas populações autóctonas; Ingleses e
Holandeses têm colônias fechadas, e limitadas, nos países
dominados: as gentes aborígenes trabalham, enquadradas pelos
colonizadores, que as exploram, e vivem, entretanto, à parte. A
Espanha mesma não se parece: foi antes conquistadora, e, às
vezes, exterminadora: o México, ainda hoje, tem apenas um
décimo de hispano-americanos, para noventa por cento de
índios e mestiços. Varnhagen que, à germânica, é pela
exterminação dos outros bárbaros, diz que ao norte os nossos
selvagens não desapareceram, porque foram assimilados.
Portugal colonizou, povoando. Para o grande mundo que
descobriu, como bastar? Povoar, explorar o solo e a floresta,
plantar canaviais na Madeira, dissiminar por toda parte espécies
e frutas exóticas, misturando a flora e a fauna, (os Portugueses
foram os uniformizadores mais eficazes da terra, promovendo a
troca das utilidades), soltar ovelhas nos Açores desocupados,
encher de proveitos todo o mundo ainda traficar, pelejar, manter
o adquirido, como fazê-lo, sem gente para tanto?
A Índia, finalmente achada, realizava longínquo ideal.
Ideal custoso. Gente aguerrida, industriosa, pugnaz e de outra
fé. Para chegar lá, um sorvedouro de dinheiro e de homens. As
naus, que começaram modestas, chegaram a "ha grande
vila"(3), comparou o Padre João de Lucena: "represente cada
hum a si mesmo & pese b consigo que cousa he hua nao de
India posta a vela com seis centas, oito centas & ás vezes mais

de mil pessoas dentro em si, homs, molheres, mininos, livres,
escravos, nobres, povo, mercadores, soldados, gente do mar...
A viagem, quando muyto boa, nem pede menos de cinco meses:
em os quais nam ha necessidade nem trabalho, nem perigo, que
se nam corra, & padeça; na desigualdade dos tempos, nas
calmarias de Guiné, nas tormentas do Cabo, na corrupçam dos
mantimentos na linha, no aperto contino dos gasalhados, nas
postemas, nas febres, nas modorras, na perpetua sombra e
presença da mesma morte". (História da Vida do B. Francisco
de Xavier, 1600, 1. I, c. XI, p. 41-2). Só o que custava em
dinheiro, -- uma tal nau andava por 20 mil cruzados ou 4 mil
contos nossos! Muitas não agüentavam duas viagens inteiras;
dez era vantagem. Estas naus carregavam mercância de 50 mil
cruzados ou 10 mil contos atuais. E como se perdiam naus
carregadas ou imprestáveis! Figueiredo Falcão (Livro... da
fazenda e real patrimônio... de Portugal, Lisboa, 1859, p. 194 e
seg.) diz que, de 1497 a 1612, foram do reino às Índias 806
embarcações: volveram 425; arribaram 10, perderam-se 66,
tomadas por inimigos 4, queimaram-se 6, ficaram na Índia
285(4). O Estado admitia particulares nas Armadas, que
negociavam por conta própria, apenas em Lisboa sob a
intervenção da Casa da Índia. Por isso tudo, disse Diogo do
Couto: "escassamente podia armar quatro naus para a carreira
de Índia" (Décadas, IV, 1. IX, cap. VIII).
O dinheiro era também escasso, como a gente. A
monarquia sob os de Aviz era de príncipes endividados, desde
Dom João I: quando vieram os descobrimentos para obter os
resgates era preciso mercadoria e, para esta, dinheiro. O que se
apurava era pouco e ia-se ao estrangeiro para compras
indispensáveis. Das coisas necessárias para a Índia, dizia o
Soldado Prático, "o principal he levar dinheiro e tres vezes,
dinheiro", (cap. VII, p. 34) e entretanto Afonso de Albuquerque
escrevia a Dom Manuel: "he necessario que o trato comercial
de cá se comece com cabedal e mercadorias de lá e eu não vejo
as mercadorias; as feitorias estão varridas... Vossa Alteza não

tem mercadorias" (Alguns documentos, cit. 242). Nem
mercância, nem dinheiro: nem troca, nem compra. Isto a Índia,
cujo comércio era rendoso e fora a riqueza de Venezianos: que
fazer com o Brasil que não produzia nada ou pouco mais de
nada?

%5$6,/ 6(0 3529(,72
O Brasil, de permeio, não tinha gentes industriosas, nem
produzia nada. Os próprios Padres Jesuítas que haveriam de
dizer, como o Padre Nóbrega: "esta terra he nossa empresa",
discutiam preferência no reino, e cuidavam, como refere um
deles, Rúi Pereira, "que vir ao Brasil era perder tempo". (C.
Avulsas, p. 263). A Índia é que era. Aonde os hereges
endurecidos a confundir? Nenhum interesse, nem temporal nem
espiritual. Contudo, Pero Vaz de Caminha achou a primeira
utilidade, além da terra a aproveitar e a gente a fazer cristã: é
"que hy non ouvesse mais ca teer aquy esta pousada pera este
navegaçon de Calecut abastaria" (op. cit., in fine), o que Dom
Manuel ratifica, na comunicação aos Reis de Espanha: "la qual
(terra) parece que nuestro Senor milagrosamente quiso se
halasse, porque es muy conveniente y necessaria para la
navigacion de la India, porque alli reparo sus navios é tomo
água" (op. cit.). O tempo ensinaria outros proveitos.
Gaspar de Lemos, que tornou a Portugal, de Santa Cruz,
a noticiar o descobrimento, foi o primeiro explorador da terra.
Seguiu ao longo da costa, para o Norte, até ponto indeterminado
do avanço oriental da terra sobre o mar. É o que explica a
notícia citada, de Cretico-Pisani, em julho de 1501, à Senhoria
de Veneza, dando notícia do descobrimento: "indichino questa
terra esser terra ferma, perché corseno per costa duo mila piu
ne mais trovorno fin" (Racolta Colombiana, p. III, v. I, p. 44).
Se, na ocasião, Cabral já estava de regresso em Lisboa, a
exploração, embora exagerada, só podia ter sido feita por
Gaspar de Lemos.

Antes, porém, do retorno de Cabral, Dom Manuel
mandava terceira armada à Índia, apenas de intuito comercial,
comandando João da Nova quatro navios, sendo uma nau por
conta de Dom Álvaro de Bragança e outra armada por
Bartolomeu Marchioni, o mercador florentino. Partiu a 1.º ou 5
de março de 1501 e tornou a 11 de setembro de 1502. Fez
escala pelo Brasil, percorrendo cento e vinte léguas da costa,
diz o Cardeal Saraiva(5) e Duarte Leite(6) atribui a informações
dessa armada o planisfério de Cantino, de 1502, feito por
cartógrafo português e levado ao duque de Ferrara: aí já vem
uma nomenclatura de terras brasileiras: a 29 de Abril de 1501
nomeou-se o Cabo de Sam Jorge. Nesse mapa de Cantino já
vem descoberta e batizada a Baía de Todos os Santos.

0HJDWKHULXP DPHULFDQXP GH -DFRELQD %DKLD
&RO GR 0XVHX 1DFLRQDO ² 5LR

&HUkPLFD GD ,OKD GR 0DUDMy
&RO GR 0XVHX 1DFLRQDO ² 5LR

Teria sido visitada pela armada de 1501, da qual fez
parte Américo Vespúcio e comandante ignorado, (Fernão de
Loronha, para Duarte Leite, op. cit., p. 173, Gonçalo Coelho,
para Fortunato de Almeida, Hist. de Port., Coimbra, 1924, t. II,
p. 255) que, antes da chegada de Cabral, mandara Dom Manuel
a explorar a terra descoberta.
Valentim Fernandes de Moravia, em documento
público, de 20 de maio de 1503, diz: "Passados dois anos (de
1500) uma outra armada do mesmo cristianíssimo rei, destinada
a esse fim, tendo seguido o litoral daquela terra por quase 760
léguas encontrou nos povos uma só língua, batizou a muitos e
avançando para o sul chegou até a altura do pólo antártico, a
53° e tendo encontrado grandes frios no mar voltou à pátria".
Esta viagem de 1502-3 teria sido a em que fora Américo
Vespúcio(7), comandada por Gonçalo Coelho (F. de Almeida)
ou por Fernão de Loronha (Duarte Leite). Fernandes atesta que
o colegiu "mediante a narração de dois homens da terra acima
referida e abaixo assinado que durante 20 meses lá moravam e
afirmo que tudo isto é verdadeiro pelo que vi e me relataram".
Teriam sido estes dois homens dos quatro que no Brasil ficaram
da armada de Cabral (dois degredados e dois grumetes). (Cf. A.
Fontoura da Costa -- Cartas das Ilhas de Cabo Verde de
Valentim Fernandes, 1506-1508, Lisboa, 1939, p. 93.
As coisas teriam passado de outra maneira. Aqui, em
1501 ou 1502, teria estado Fernão de Loronha, que descobrira, a
23 de junho desse ano, uma ilha perto de Santa Cruz, também
explorada. Dom Manuel arrendava-lhe as terras exploradas,
associado a outros, cristãos novos e ricos, obrigados a mandar
todos os anos seis caravelas descobrir 300 léguas de costa
anualmente, fazer uma fortaleza mantida nos três anos do
contrato: no primeiro ano nada pagariam, no segundo um sexto,
no terceiro um quarto; contam trazer brasil e escravos e outras

coisas de proveito que achassem. (Carta de Piero Rondinelli, de
Sevilha, a 3 de outubro de 1502, in Racolta Colombiana, III p.,
vol. II, p. 120-1). No mapa de Cantino vem no cotovelo da costa
brasileira uma ilha com a inscrição Quaresma, posta por
colaborador anônimo. Seria a ilha descoberta por Fernão de
Loronha em 1501 ou 1502, da qual fala um diploma de Dom
Manuel, doando-lhe a ilha de Sam Joham "que ele hora
novamente achou e descobryo cincoenta leguas alla mar de
nossa terra de Santa Cruz que lhe temos arrendada". Essa ilha,
chamada Quaresma no planisfério de Cantino, por Loronha S.
João, por tê-la descoberto no dia deste santo, foi também
chamada S. Lourenço, e, por fim, Fernando Noronha, por
corruptela do nome do descobridor.
De passagem para a Índia, uma armada sob o comando
de Afonso de Albuquerque, quatro navios, Sant'Iago, São
Cristóvão, Espírito Santo e Catarina Dias, toca no Brasil,
segundo depõe em carta Giovanni da Empoli, que descreve os
selvagens e a escassez de produtos da terra (Racolta
Colombiana, Roma, 1893, parte III, vol. II, carta de 16 de
setembro 1504: "La nostra partida de Lisbona..." 6 de abril de
1503).

&DUWD 4XLQKHQWLVWD GD %DtD GH 7RGRV RV 6DQWRV

&DUWD 4XLQKHQWLVWD GD %DtD GR 5LR GH -DQHLUR

O contrato com Fernão de Loronha estipulava a remessa
anual de seis caravelas o que, diz Damião de Góes, "ocorreu no
primeiro ano, 1503, despachando Dom Manuel a Gonçalo
Coelho com seis naus à terra de Santa Cruz, com que partiu do
porto de Lisboa aos dez dias do mês de junho, das quais por
terem pouca notícia da terra, perdeu quatro e as outras duas
trouxe ao reino com mercadorias da terra, que então não eram
outras que o pau vermelho a que chamavam brasil, bugios e
papagaios". (Crôn. de El-Rei D. Manuel, p. 1, cap. LXV, fl. 65).
Vespúcio teria volvido nesta armada. Para exploração e tráfico
dividir-se-ia em dois grupos, e Vespúcio, feitor de Marchioni,
diz Duarte Leite, teria ficado ao norte, nada nos podendo
informar dos descobrimentos de Gonçalo Coelho, a que não
assistiu. Vespúcio teria rumado à baía de Todos os Santos
descoberta na sua precedente viagem, teria construído um
fortim em Porto Seguro, não passara porém de Cabo Frio e,
carregado, tornara a Lisboa, crendo que seu comandante
Gonçalo Coelho se perdera, vítima de "sua muita soberba".
Foi Gonçalo Coelho, para Duarte Leite, que, "calendário
na mão", foi dando os nomes que Varnhagen atribuirá a
Vespúcio, na viagem anterior: "perfeita concordância
cronológica e topográfica que falta a análoga de Varnhagen e
liberta de outros vícios." (op. cit., 182). A saber:
Angra de São Roque -- 16 de agosto.
Santa Maria da Arrábida.
Cabo de Santo Agostinho -- 28 de agosto.
Rio das Onze Mil Virgens -- 21 de outubro.
Rio de São João (de Tiba) -- 14 de novembro.
Ilha de Santa Bárbara -- 4 de dezembro.
Rio de S. Luzia -- 13 de dezembro.
Serra de S. Tomé -- 21 dezembro.
Cabo Frio --

Angra dos Reis -- 6 de janeiro.
Rio Jordão -- 13 de janeiro.
Rio de S. Antão -- 17 de janeiro.
Porto de S. Sebastião -- 20 de janeiro.
Porto de S. Vicente -- 22 de fevereiro.
Pináculo da Tentação -- 25 de fevereiro.
Rio da Cananea -- 29 de fevereiro.
"Varnhagen quere -- diz Duarte Leite -- que o Rio de
Janeiro fosse descoberto a 1 de janeiro de 1501, mas engana-se
no ano e talvez no dia, pois na hipótese era natural escolher-se o
nome de rio de ano bom". "Joaquim Caetano da Silva e
Varnhagen ignorando (como nós) quando Coelho regressou a
Portugal, imaginaram-no estacionado durante anos no Rio de
Janeiro, onde fez arraial: fundavam-se principalmente em que o
mapa Kunstmann II, nas vizinhanças da Guanabara, inscreve
Piñachullo detetio, onde leram Coelho detentio. É fantasia pura:
a verdadeira lição, transtornada pelo cartógrafo italiano, é
Pináculo da tentação (assim no Mapa anônimo de Turim, de
1523), nome imposto a um alto monte a 25 de fevereiro de
1504, pois a este dia se refere o evangelho de S. Mateus à
tentação de Cristo no cume de uma elevada eminência. Dos
evangelhos saíram também os nomes dos rios de Jordão e de
Cananéa, o primeiro imposto em 13 de janeiro, quando se
celebra o batismo de Cristo no rio Jordão; e o segundo em 29 de
fevereiro, dia de 1504 em que se comemorou o encontro de
Cristo com a mulher de Cananéa, cuja filha milagrosamente
sarou" (op. cit. p. 183). (Também Wieser [op. cit.] e o Barão do
Rio Branco [Esquisse de l'histoire du Brésil] por motivos,
paleográfico um, outro lingüístico, discordam de Varnhagen
neste ponto). Deve-se dizer que o sistema de identificar os
descobrimentos portugueses pela folhinha, desde Frei Gaspar da
Madre de Deus (Memórias para a história da Capitania de S.
Vicente, S. Paulo-Rio, 1920, p. 116-19) é às vezes precário: por
ele Gaspar Corrêa errou a data do descobrimento do Brasil...
Hümmerich afirma, por ele ainda, que a 18 de maio de 1502 foi

descoberta, -- pela armada de D. Estêvão de Gama, (cinco
navios atrasados da esquadra de Vasco da Gama, na sua 2.ª
viagem) em trânsito para a Índia, -- a Ilha da Trindade.
A 22 de Setembro de 1502(8) chegara a Lisboa o
primeiro carregamento de pau-brasil, a que se deu o preço de
dois cruzados ou 400$000 nossos, por arroba. Também peles de
animais, bugios, papagaios, algodão, pimenta da terra,
começaram a ser apreciados. Talvez já alguma especiaria. O P.e
Antônio Vieira, em carta de 1675, escreveu: "em tempo de
el-rei D. Manuel e logo no princípio dos descobrimentos do
Brasil, transportaram os Portugueses para lá algumas plantas
da Índia e entre elas a da pimenta, as quais muito
prosperaram; mas que julgando el-Rei, que esta cultura viria a
prejudicar os interesses do comércio oriental, mandara
arrancar as novas plantas, e proibira, sob graves penas, a sua
cultura, que assim se executou, escapando tão somente a este
mal pensado extermínio o "gengive", que, por ser raiz, se
meteu por debaixo da terra, e não pôde ser extinto". (Cartas,
ed. J. Lúcio de Azevedo, Coimbra, 1928, t. III, p. 147).
Com os Portugueses de Fernão de Noronha começaram,
antes de 1504, a concorrer navegantes Franceses; estes entraram
em entendimento com os Índios, que lhes chamavam "Mairs"
para os distinguir dos Lusitanos, a quem chamavam "Peirós". O
brasil era o interesse da terra, além das curiosidades dos
mesmos índios, que não custavam a embarcar, supondo ir, com
eles, ao céu(9). Para estes Franceses a nova terra era designada
pelo seu produto, terre du brésil, donde, por menor esforço, le
brésil ou le Brésil, como vieram a chamar-lhe. Os Portugueses,
diz Varnhagen, chamavam "brasileiros" aos que tiravam e se
ocupavam com o brasil, como baleeiros se diz dos que pescam
baleias, negreiros dos que fazem o tráfico dos negros: o
gentílico substituir-se-ia ao epíteto profissional (o mesmo
dar-se-ia com os "mineiros"). Estaria assim, desde aí, antes de
1504, admitido o Brasil e os Brasileiros, que depois viriam à

escrita e à geral admissão. No seu Esmeraldo, começado a
escrever em 1505, Duarte Pacheco já escrevia "as gentes que
habitam na terra do Brasil". .. (op. cit., cap. II, 2.º 1.).
Portugal soube logo dessas incursões francesas. Binot
Paulmier de Gonneville, em 1505, depôs perante o Almirantado
de Normandia ter estado no Brasil, região que os navegantes de
Dieppe e St. Malo freqüentavam. Anchieta escreveu: "Na era de
1504 vieram os Franceses ao Brasil a primeira vez ao porto da
Baía e entraram em Paraguassú" (Cartas, cit. p. 310). D'Avezac
publicou documentos relativos ao navio "Espoir", de Honfleur,
comandado por Binot Paulmier de Gonneville, que aqui esteve
em 1504 (Annales de voyages, Paris, 1869). Em 1509 foram
levados a Ruão sete índios do Brasil. Dom Manuel protestou,
junto à Corte de França, contra armadores e corsários, que
escapavam à mesma jurisdição do seu país, e foi levado, ao
cabo de transigências e reclamações vãs, à vindita armada
contra esses intrusos.
Em 1508 coloca-se a aventura de João Ramalho, o
aventureiro de S. Paulo que veremos adiante. Dele disse Tomé
de Sousa a el-Rei D. João III, que Martim Afonso aqui o achara:
Varnhagen (op. cit., t. I, p. 115-6) apura que era o homem que
há 60 anos aí estivera em 1568, segundo depôs em carta o P.e
Baltasar Fernandes, escrita por comissão de Anchieta: (1568
-60=1508).
Em 1509 ou 1511 será a de Diogo Álvares, de Viana, o
"Caramurú" dos índios, náufrago nas costas da Baía, a quem a
lenda emprestou uma espingarda, com que assombrou os
íncolas: depois a lingüística interveiu e o "caramurú" foi
assimilado à moreia grande, peixe entocado nas pedras,
comparado ao náufrago encontrado entre os rochedos do Rio
Vermelho. (Um neto, descobridor das minas de Itabaiana,
traduzira no próprio nome a alcunha avoenga, Belchior Dias
Moreia). D. Rodrigo de Acuña achou na Baía, em 1526, um

cristão que havia 15 anos aí estava, de uma nau perdida
(Navarrete, Collecion de los Viages y descubrimientos, Madrid,
1837, t. V, p. 170, nota 231: deve ter sido o Caramurú, diz-nos
Rodolfo Garcia; portanto 1526-15=1511. Mas, no Roteiro de
Pero Lopes [cf. Hist. de Colon. Port., cit. t. III, p. 143] se diz de
"h homem portuguez q avia xxij (22) anos q estava nesta terra"
e seria o Caramurú, dissera Varnhagen. Portanto
1531-22=1509. Portanto ainda, 1509 ou 1511). Diogo Álvares
conseguiu boas relações com os Índios, casando com a filha
dum cacique, chamada Paraguassú. A tradição deu-lhe o nome
de Catarina, mas Frei Vicente do Salvador, que ainda a
alcançou "viúva, mui honrada, amiga de fazer esmola aos
pobres e outras obras de piedade", dá-lhe o nome de Luíza
(Hist. do Brasil, l. III, cap. I). Diogo Álvares e os seus
habitavam onde é hoje o bairro da Graça e seria próximo da
Barra, ou arraial do Pereira (nome do donatário Francisco
Pereira Coutinho) a "Vila Velha", substituída, em 1549, pela
cidade nova, a Baía de Tomé de Sousa, fundada no interior da
baía de Todos os Santos. (Diogo Álvares inspirou o poema de
Santa Rita Durão "O Caramurú", onde vem a lenda de Moema,
balbucio do romantismo nacional).
Publicou Varnhagen o "Llyuro da naao bertoa que vay
para a terra do brazyll... que partio deste porto de Lixª (Lisboa)
a 22 de fevº (fevereiro) de 1511". Essa nau Bretoa (houve mais
de uma com tal nome em Portugal, o que presume ter sido
construída na Bretanha, terra de marítimos), foi armada por
Bertolomeu Merchioni (de Bertô-lomeu não se faria Bertoa?),
Benedito Moselli, Fernão de Loronha e Francisco Martins, e
mandada a Cabo Frio: partiu do Tejo a 22 de fevereiro, fundeou
a 12 de maio na baía de Todos os Santos, a 26 chegou a Cabo
Frio, carregou e a 28 de julho tornou para Portugal, conduzindo
cinco mil toros de brasil, vinte e dois tuins, dezasseis sagüins,
dezasseis gatos, quinze papagaios, três macacos, tudo avaliado
em 4$220 (ou 2:110$000 de hoje), e 40 peças de escravos,
mulheres na maioria, avaliados ao preço médio de 4$000 (2

contos de hoje). Crê Varnhagen que os Índios foram
"resgatados" legitimamente, isto é, trocados por facas,
machados, espelhos, cascavéis e avelórios, artigos de resgate,
como se chamava e se praticava em África. Dessa viagem fizera
parte João Lopes de Carvalho, que demorara quatro anos no
Rio, havendo um filho de uma índia e tornando ao Brasil, como
um dos pilotos de Fernão de Magalhães.
Em 1512, será a viagem da caravela de Cristóvão de
Haro que em requerimento de 1519 lembrava "puede haber seis
años poco más ó menos", armou a embarcação em Lisboa para
resgate no Brasil: Estêvão Fróes, que a comandava, foi levado
do Brasil a Porto Rico, pelos ventos, onde foi preso pelos
Espanhóis e daí pediu proteção a el-Rei. ("As datas
concordam", diz J. F. de Almeida Prado, Primeiros Povoadores
do Brasil 1500-1530, São Paulo, 1935, p. 53, as da viagem de
Fróes e a dos dizeres do requerimento).
Refere-se Damião de Góes (Crônica del-Rei Dom
Manuel, p. I, cap. LVII, fl. 56, verso) a Jorge Lopes Bixorda
que, em 1513, tinha o trato do "pau-brasil" e viera falar a el-Rei
trazendo três índios frecheiros, cujas habilidades o cronista viu.
Será de 1514 a viagem de Dom Nuno Manuel e
Cristóvão de Haro, mercador de Burgos e Antuérpia, então ao
serviço de Portugal, os quais armaram um navio, levando por
piloto a João de Lisboa, o outro da Coroa, pois dela será notícia
a Gazeta Alemã, datada desse ano, segundo o manuscrito
achado por Haebler nos arquivos do Príncipe Fugger, em
Augsburgo. A Zeitung aus Presilig Landt é um fólio escrito da
Madeira para Antuérpia, por feitor de alguma casa importante,
com as notícias da terra do Brasil. O "Nono", do documento,
foi, por Capistrano, identificado a D. Nuno Manuel. (Cf.
Clemente Brandenburger, A nova gazeta da terra do Brasil, S.
Paulo, Rio, 1922).
Em 1515 João Dias de Solis, dito Bofes de Bagaço,

piloto português (cf. Varnhagen, nota de Garcia, op. cit., t. I, p.
122), criminoso e refugiado em Castela, a primeira vez pelo
roubo de uma caravela, a segunda porque matara a mulher no
reino, tendo a Espanha aproveitado os seus serviços, vai
descobrir o Rio da Prata, tocando no Brasil entre os Cabos de
São Roque e Santo Agostinho, que avista, buscando Cabo Frio;
e, pelo Rio de Janeiro e Cananéa, tocando para diante, descobre
o estuário do grande rio do sul. Aí mataram-no os índios em que
se fiara e os companheiros rumaram ao norte, carregando brasil
e tomando onze portugueses de uma feitoria de Pernambuco.
Ao protesto de Portugal, Castela troca esses prisioneiros por
sete espanhóis, presos na baía dos Inocentes, ao norte de
Cananéa.
Varnhagen cita, em 1516, a solicitude de Portugal pelo
Brasil, mandando, por alvará ao feitor e oficiais de Casa da
Índia, que dessem "machados e enchadas e toda a mais
ferramenta às pessoas que fossem a povoar o Brasil". Por outro
alvará, ordem ao mesmo feitor e oficiais que "procurassem e
elegessem um homem prático e capaz de ir ao Brasil dar
princípio a um engenho de açúcar; e que lhe desse sua ajuda de
custo e também todo o cobre e ferro e mais cousas necessárias"
(op. cit. p. 106). Também o espiritual não era descurado: a bula
do Pontífice Leão X, de 1514, tornava as novas terras
sufragâneas do bispado de Funchal, na Madeira. O bispado do
Funchal foi o primeiro de que, depois da vigararia de Tomar,
sede do Mestrado de Cristo a que pertenciam as novas terras, e
consideraram espiritualmente dependentes os primeiros colonos
e índios cristãos do Brasil(10).
Em 1516, diz ainda Varnhagen, haviam chegado tais
notícias das suas navegações (dos Franceses) no Brasil, que
el-Rei Dom Manuel mandava por agentes seus representar
contra elas à Corte de França. A primeira viagem de Cristóvão
Jacques, neste ano, de reconhecimento à costa do Brasil,
prende-se à necessidade de conhecer os meios de vencer os

corsários franceses, que infestavam o litoral, e punham em
perigo a própria soberania de Portugal(11). Nessa viagem
Cristóvão Jacques gastou os dias que vão de 21 de junho de
1516 a 9 de maio de 1519, dois anos, dez meses e dezoito dias,
fundando uma feitoria em Pernambuco, explorando o sul de
Santa Catarina ao Rio da Prata. (Cf. Esteves Pereira, História
da Colonização Portugueza do Brasil, cit. t. II, p. 361-4). Esse
Capitão virá a ser enviado em expedição decisiva mais tarde, a
dar caça aos intrusos.
O fato mais importante de que em seguida temos notícia
é a viagem de circunavegação de Fernão de Magalhães, que
tocou no Brasil, de rota para o Sul, entrando no Rio de
Janeiro(12) a 13 de dezembro de 1519, dia de Santa Luzia,
donde o dar à baía essa invocação. Diz Gaspar Corrêa (op. cit.
II, 628): "Partiu-se das Canárias de Tenerife e foi demandar o
Cabo Verde, donde atravessou a Costa do Brasil e foi entrar em
um rio que se chama Janeiro. Ia por piloto-mor um português
chamado João Lopes Carvalhinho, o qual neste rio já estivera e
levou um filho que aí fizera em uma mulher da terra e daí
foram navegando até chegarem ao Cabo de Santa Maria."
Pigafetta, o escrivão do périplo, diz que João Lopes de
Carvalho, "nosso piloto", passara quatro anos no Brasil;
referiu-lhe os costumes de antropofagia dos aborígenes, e,
certamente, as palavras regionais, os 12 primeiros
americanismos apontados: rei, cacique; bom, tum; casa, boi;
cama (rede), hamac; pente, chipag; foca, tarsi; chocalho,
itanimaracá; tesouras, pirame; anzol, pindá; milho, maiz;
farinha, auí (13). (Francisco António Pigafetta, Viagem ao
redor do mundo, ed. de Carlos Amoretti, trad. em francês do
manuscrito que possui a Ambrosiana, de Milão).
Às reclamações de Dom Manuel, em 1516, a Francisco
I, por seu embaixador Jácome Monteiro, sucederam as de Dom
João III por João da Silveira, relativas às tomadas de naus por
Franceses, em 1521; em 26 Silveira comunicava que uma

armada de dez navios se aprestava para outra agressão. Foi
então nomeado o "Governador das partes do Brasil", sucessor
de Pero Capico, "Capitão de uma das Capitanias do dito Brasil"
(prova de que havia mais de uma, diz muito bem Varnhagen),
cujo tempo terminara e que queria recolher-se ao reino. Assim,
diz Fr. Luiz de Sousa: "No mesmo (ano de 26) despachou
El-Rey (D. João III) a primeira armada que foy em seu tempo
ao Brasil; Capitão-mor Cristóvão Jacques. Foy correr aquela
costa e alimpalla de cossarios, que com teyma a continuavão
pollo proveito que tinhão do pau brasil. E erão os mais dos
portos de França do Mar Oceano" (Anais de El-Rei D. João
Terceiro, Lisboa, 1844, p. 178).
No fim do ano estava Jacques na costa do Brasil,
fundeado no canal que separa a ilha de Itamaracá do continente,
onde fundou uma feitoria, a de Pernambuco, bem necessária à
defesa da região, por muito freqüentada pelos Franceses, que
chegaram a chamar, ao brasil, bois de Pernambouc. Desse pau
carregou a nau, enviada ao reino e, com cinco caravelas,
endireitou rumo do sul, a percorrer a costa. Na baía de Todos os
Santos, diz a tradição que, na ilha dos Franceses, à foz do
Paraguassú, encontrou três navios bretões, que faziam
carregamentos, e com eles travou peleja, vencendo-os, e
fazendo trezentos prisioneiros, que levou à feitoria de
Pernambuco. Recolhido ao reino, além dos prisioneiros e carga,
levou Cristóvão Jacques noções da terra explorada, propondo-se
a colonizador, e oferecendo-se para tornar ao Brasil com mil
colonos. Francisco I reclamaria, contra o dano sofrido,
indenizações e, não atendido, assinava carta de corso, contra
Portugal, a João Angô.
As idéias de colonização de Cristóvão Jacques tiveram o
apoio de Diogo de Gouveia, sábio teólogo, reitor do Colégio de
Sainte Barbe em Paris e, depois, da Universidade de Bordéus,
que escreveu a el-Rei, em reforço desse povoamento por
capitanias. Mas a idéia não amadurecera no ânimo de D. João

III.
Em 1530 parte uma expedição comandada por Martim
Afonso de Sousa, para reconhecimento do Brasil, exploração e
defesa da costa, e primeiro estabelecimento de sesmarias, a
quem as pedisse. Seria evolução para as capitanias hereditárias,
que não eram novidade, já existentes na Madeira e nos Açores.
Com Martim Afonso veio seu irmão Pero Lopes de Sousa, a
quem se deve a obra memorável de um Roteiro da Costa do
Brasil.A 31 de Janeiro de 1531 estavam diante do Cabo de
Santo Agostinho e já na costa de Pernambuco;
encontrando navios franceses deram-lhes caça,
tomando três, um queimado, outro enviado ao reino
carregado de brasil, o terceiro encorporado à
armada, que ia a caminho do Rio da Prata. Na
Bahia foram acolhidos por Diogo Álvares, o
Caramurú, e Pero Lopes achou, das baianas, que
"eram mui fermosas e não haviam nenhuma inveja
às da rua Nova, de Lisboa". (Diário de Navegação,
ed. de E. de Castro, Rio, 1927, p. 154). Depois no
Rio de Janeiro, (p. 174) onde se demoraram, fizeram
desembarque(14) e exploração, terra a dentro: "a gente deste
rio é como a da Baía de Todos os Santos, senão quanto é mais
gentil gente", diz ainda Pero Lopes. Do Rio foram a Cananéa;
em terra encontraram um bacharel português, (p. 205), que
"havia trinta anos que estava degredado" e por aí vivia.
Tocando para o Sul, foram vítimas de pampeiro e tempestade, à
foz do Chui, destacando Martim Afonso a Pero Lopes e outros
destemidos para explorarem o Rio da Prata, subindo o Paraná e
Uruguai.
Martim Afonso tornara do sul a S. Vicente, onde fundou
a colônia, que tão famosa veio a ser, núcleo de povoação dessas
partes e ponto de penetração do litoral ao sertão. Aí
encontraram o português João Ramalho, o Caramurú de S.
Paulo, há longos anos domiciliado na terra, aliado com o gentio

e genro do cacique Tibiriçá. Na colônia interior de Piratininga,
João Ramalho assumiria mando e governo. As colônias
prosperaram, as sementes trazidas do Reino vingaram, a cana de
açúcar foi plantada e daria para o primeiro engenho. Pero Lopes
que, tornado, assistira e colaborara na fundação das duas vilas,
relata a civilização pegava de galho nestas regiões do sul do
Brasil: "repartiu (o Capitão-mor) a gente nestas duas vilas e fez
nelas oficiaes; e poz tudo em boa ordem de justiça; do que a
gente toda tomou muito consolaçom com verem povoar vilas e
ter leis e sacrificios, e celebrar matrimonios e viverem em
comunicaçam das artes; a ser cada um senhor do seu; e vestir
as injurias particulares; e ter todos outros bens de vida segura
e conservavel." (Op. cit., p. 342).

&$3,7$1,$6
Esta experiência, corroborando as opiniões manifestadas
anteriormente, sobretudo a tenacidade e amplitude que os
Franceses estavam dando a suas empresas de corso no litoral
brasileiro, provocaram nova insistência de Diogo de Gouvêa, e
el-Rei decidiu-se a criar as capitanias do Brasil. Vimos que
algumas já existiam sem sistema, e já aludimos ao sistema, que
vingara na Madeira. Desde 1433 que Dom Duarte ratificara ao
irmão, a doação de D. João I ao Príncipe Dom Henrique. Este
dividira a dádiva em duas capitanias, a de Funchal e a de
Machico. A doação é válida pela vida do soberano: Afonso V
corrobora na doação, ao tio. O mesmo acontecerá à sucessão do
Infante Navegador. Dom Manuel doou a Fernão de Loronha a
capitania da ilha de S. João, que ele descobrira. Falou-se em
sistema feudal: Alexandre Herculano combateu tal idéia;
Portugal, que não conheceu o feudalismo, na sua época, não iria
reinventá-lo tardiamente. Como tudo é pretexto a controvérsia,
discute-se... O rei guarda a jurisdição, o cunho de moeda, e a
prestação do serviço militar; apenas a capitania vem a ser
hereditária, para justificar e promover o zelo e o emprego de
capitais, de outra maneira sem compensação. No Brasil a Coroa

reservou o monopólio do pau-brasil, das especiarias, drogas e
escravos, o quinto dos metais preciosos e o dízimo de todos os
produtos da terra. Os donatários não batem moeda, não têm
soldados, nem julgam os criminosos.
Entretanto Diogo de Gouvêa alvitrara em 1529 ao irmão
do Capitão de São Miguel, João de Melo da Câmara e a
Cristóvão Jacques, que se propunham a povoar o Brasil com
dois mil moradores, um, e mil, o outro. Em 32, insiste, dizendo
a el-Rei: "E se vos estorvaram, senhor, por dizerem que
enriqueciam muito. Quando vossos vassalos forem ricos, os
reinos não se perdem por isso, mas se ganham..." (Essa razão
não procede só no Brasil colonial, mas continua no
independente: o ganho possivel de alguns ativos é impedido
pela passividade ciumenta de todos: capitanias, ferro, petróleo.
..).
Martim Afonso, ainda em Pernambuco, recebia a notícia
de divisão do Brasil em grandes capitanias, demarcadas, de
muito ao norte de Pernambuco ao Rio da Prata, cinqüenta
léguas de costa a cada capitania, apartadas logo cem léguas para
o Capitão-mor e cinqüenta para o irmão Pero Lopes, que depois
teve três quinhões. A resolução foi de 32, as primeiras doações
a 33, os diplomas a partir de 34. El-rei confessa a Martim
Afonso que não o esperou, para a deliberação, não só porque
"algumas pessoas me requeriam capitanias", como "algumas
partes faziam fundamento de povoar a terra do dito Brasil e
seria grande trabalho lançar fora a gente que a povoasse depois
de estar assentada na terra e ter nela feitas algumas forças, como
já em Pernambuco começava a fazer"... Não foi deliberação,
senão homologação. Pelo menos, faze, antes que façam. E foi
feito. A colonização fazia-se, sem sistema: tinha agora um
sistema. Os primeiros donatários foram:
Martim Afonso de Sousa, dois quinhões, de doze léguas
abaixo de Cananéa, até pouco acima de Cabo Frio. Só a parte de

S. Vicente foi colonizada, servindo de núcleo as duas vilas
fundadas anteriormente, de S. Vicente e Piratininga. A cana de
açúcar trazida para aí, da Madeira (Gabriel Soares diz que viera
primeiro de Cabo Verde para os Ilhéus) deu o primeiro engenho
de açúcar, que chegou a ser próspero, sob o nome engenho dos
"Erasmos", de uma firma de ricos homens de Flandres, Erasmo
Schetz, a cujos feitores se refere Anchieta. Na futura vila de
Santos, junto a S. Vicente, Braz Cubas estabeleceu o primeiro
monjolo, ou engenhoca, de pilar cereais.
Pero Lopes de Sousa teve três quinhões separados:
Sant'Ana, de Paranaguá a Laguna, não colonizado; Santo
Amaro, da barra de Santos à ponta do norte do canal da ilha de
S. Sebastião; Itamaracá que ia do rio Igarassú a Paraíba: ao todo
somavam 80 léguas de costa. Tanto este, como o irmão, geriram
por delegados.

'HPDUFDomR GDV &DSLWDQLDV

&DUWD 4XLQKHQWLVWD GH 6mR 9LFHQWH H 6DQWRV

Pero de Góes da Silveira, parente do escritor Damião de
Góes, companheiro de Pero Lopes na exploração do Rio da
Prata, sob Martinho Afonso, teve S. Tomé ou Paraíba do Sul, de
Macahé às divisas do Espírito Santo. Veio à sua capitania,
plantou cana que trouxera de S. Vicente, montou engenhocas,
mas sofreu vicissitudes com os índios, matanças de colonos,
abandonando, por fim, suas terras, recolhido ao Reino.
Vasco Fernandes Coitinho teve o Espírito Santo, do
Itapemerim ao Mucuri. Desfrutava seu ócio de fidalgo rico, que
estivera na Índia, quando, à doação, vendeu tudo e saiu da
pátria, sem idéia de retorno; fundou Vitória, plantou cana, fez
engenho, mas demandou-se em maus hábitos e declinou
perdendo tudo, chegando a esmolar.
Pedro de Campos Tourinho teve Porto Seguro, que ia do
Mucuri até o Jequitinhonha. A princípio pacífica e ordeira, a
colônia progrediu com a pesca e o açúcar; sob os herdeiros
decaiu, vendida ao Duque de Aveiro.
Jorge de Figueiredo Corrêa teve os Ilhéus, do
Jequitinhonha ao Jaguaripe. Não veio o donatário ao Brasil: seu
nome foi dado, como invocação, à vila de S. Jorge dos Ilhéus.
Foi das prósperas capitanias até que, rebeldia e revoltas,
invasões de índios, a fizeram declinar.
Francisco Pereira Coitinho, do Jaguaripe, no extremo sul
da baía de Todos os Santos, ao rio de S. Francisco. Pereira
fundou ao lado da Graça, onde morava Diogo Álvares, a Barra,
muito tempo chamada "Arraial do Pereira" e, depois da cidade
nova de Tomé de Sousa, a "Vila Velha". Os colonos
espalharam-se pelo recôncavo e desmandaram-se. Os índios
levantaram-se e o donatário teve de fugir em navios, que
naufragaram na costa de Itaparica, onde os selvagens comeram
o velho donatário... A família, refugiada em Ilhéus, sofreu

penúria.
Duarte Coelho, filho de Gonçalo Coelho, dos primeiros
exploradores, teve Pernambuco, do S. Francisco a Itamaracá.
Fundou Olinda e, aliado aos índios, a "Nova Lusitânia", nome
da colônia, que prosperou com a cana de açúcar. Seu filho Jorge
de Albuquerque Coelho, continuou o prestígio e a riqueza.
Foram ambos inspiradores do poema "Prosopopéa", e da
"Narração" de um naufrágio, o pai e o filho, aquele morto em
África, com D. Sebastião, este escapado do mar, numa travessia
do Atlântico, que conta e canta Bento Teixeira, português
originário do Porto, que assim inaugurou a literatura brasileira.
A João de Barros, o historiador, e Aires da Cunha, foram
dadas cem léguas, da baía da Traição à barra do Mossoró, Rio
Grande do Norte, ou do Jaguaribe, no Ceará. A Fernão Álvares
de Andrade coube a terra que ia do rio da Cruz, no Ceará, ate a
Ponta dos Mangues Verdes, no Maranhão. Da Ponta dos
Mangues à divisa entre Maranhão e Pará, era inda de Barros e
de Cunha. Como João de Barros e Álvares de Andrade não
pudessem vir, associaram-se a Aires da Cunha. A expedição
naufraga e dispersa-se no mar; os colonos sofrem fome e, em
embarcações improvisadas, alguns vão ter ao Haiti, donde não
puderam sequer tornar à pátria. Apenas João de Barros logroí
reaver dois filhos. Partidos em festa e fausto de Lisboa, vieram
encontrar a ruína e a catástrofe.
Antônio Cardoso de Barros, finalmente, teve terras entre
o Jaguaribe e Mundaú, além de Fortaleza, que veio a ser a
capital do Ceará: deste nem se sabe se tentou colonizar sua
capitania.
O "drama e a tragédia" das capitanias, pôde dizer um
historiador (João Ribeiro)... Apenas duas prosperam,
Pernambuco e S. Vicente. As outras tiveram contra si o
naufrágio, no mar, e, em terra, a rebeldia dos índios e a
desordem dos colonos. A penúria do donatário do Espírito

Santo dá tristeza, e o destino inclemente do da Bahia, horror.
Felizes os que não se meteram na aventura. Mas, ainda assim,
sistematicamente, a costa do Brasil ficou conhecida e as suas
possibilidades manifestas. O inimigo externo que as promovera,
os Franceses, ainda não estavam longe. Em 12 de Maio de 48,
de S. Vicente, Luiz de Góes(15) fazia a Dom João III exortação
patética: "Se com tempo e brevidade V. A. não socorre estas
capitanias e costa do Brasil... ainda que nós percamos as vidas e
fazendas, V. A. perderá a terra". "E que nisto perca pouco,
aventura-se a perder muito... queira Deus não se vão (os
Franceses) a dobrar o Cabo de Boa Esperança..." (Hist. de
Colonização Port., t. III, p. 334).
Sem abolir o sistema das capitanias, o remédio seria o
governo geral, provendo ao Brasil, abandonado, com elas, aos
interesses regionais. Alguns donatários se agravariam, mas,
providencialmente, fora um deles, Pero de Góes, presente à
Corte, dos mais persuasivos: viria com o governador geral, por
capitão-mor da costa.

&DUWD 4XLQKHQWLVWD GH 2OLQGD 3HUQDPEXFR

([SDQVmR GRV -HVXtWDV QR 6pFXOR ;9, VHJXQGR R 3 H 6HUDILP /HLWH 6
-

*29(512 *(5$/
A escolha recaiu em Tomé de Sousa, fidalgo já provado
em África e na Índia, a quem se deu regimento datado de
Almeirim, a 17 de dezembro de 1548, que foi a primeira
constituição política do Brasil. O novo governador geral partiu a
1.º de fevereiro de 1549 e chegou à baía de Todos os Santos,
para fundar a Cidade do Salvador, a 28 de março do mesmo
ano.
Escolheu o sítio dentro da baía, (deixando a "Graça" de
Diogo Álvares, a "Barra" de Francisco Pereira Coutinho, que
ficou sendo a Vila Velha), na encosta norte, depois da entrada
da barra, no lugar hoje compreendido entre o Terreiro de Jesus e
a Barroquinha ou largo do Teatro, agora Praça Castro Alves; S.
Bento e Carmo já seriam portas da cidade. Começou-se a
edificar a 1.º de maio (Rodolfo Garcia, Documentos Históricos,
Rio 1937), a princípio cerca de pau a pique, para a proteger
contra invasões dos Índios, arruando e levantando casas
cobertas de palma, paredes de taipa, dois baluartes do lado do
mar e quatro da banda de terra, providos de artilharia. Estava
constituído o Estado do Brasil, com fundação de sua capital e o
seu primeiro núcleo administrativo. Trouxera Tomé de Sousa
consigo os primeiros jesuítas, que viriam servir à educação do
novo Estado.
Ultra equinoxialem non peccatur, além da linha tudo era
permitido, era máxima que traziam todos os aventureiros ao
deixarem a Europa. Largados de Deus e do mundo, nesse
mato-grosso da América, ainda os mais puros se desmandavam:
(o caso do donatário do Espírito Santo depõe...) Ainda agora a
Europa permite certas "facilidades" aos tratos coloniais: como
os anzóis, os negócios exóticos têm direito de ser tortos. Pois
bem, desde meado do século XVI, os Jesuítas aqui pugnaram,

sem um minuto de trégua, e em prol da terra que ajudaram a
fazer moralmente, pelos três princípios que estabeleceram: boa
imigração européia, liberdade dos naturais, identidade moral de
todos.
O Padre Manuel da Nóbrega, o maior deles, e o chefe da
primeira hora, dirá: "esta terra é nossa empresa" (Cartas, p. 82).
Os reinóis viviam em pecado mortal: "o costume da terra é
terem muitas mulheres" (p. 79); "mal empregada esta terra em
degredados que cá fazem muito mal" (p. 85). "Parece-me coisa
mui conveniente mandar S. A. algumas mulheres que lá têm
pouco remédio de casamento a estas partes, ainda que fossem
erradas, porque casarão todas muito bem" (p. 80). "Cá há
clérigos, mas é a escória que de lá vem". "Dos sacerdotes ouço
cousas feas" (p. 75). "Os clérigos desta terra têm mais ofícios
de demônios que de clérigos... Querem-nos mal porque lhes
somos contrários a seus maus costumes" (p. 116). "De quantos
lá vieram nenhum tem amor a esta terra, todos querem fazer em
seu proveito, ainda que seja à custa da terra, porque esperam de
se ir" (p. 131).
Os Índios eram boçais, preguiçosos, indomáveis,
resistentes à servilidade e ao trabalho regular, intemperantes,
viciosos, antropófagos, mas eram "papel branco para neles
escrever à vontade" (p. 125). Havia mister educá-los e
defendê-los para que se educassem. Os Brancos preavam-nos,
ferravam as "peças", vendiam-nos, usando e abusando deles,
como se fossem animais. Para os proteger, chegavam os Padres
a fechar os olhos à escravidão negra. Obedeciam a breve de
Paulo III, de 1537, que declarava os Índios "entes humanos
como os demais homens não podiam ser reduzidos ao cativeiro
(ao Cardeal Arcebispo de Toledo, em 28 de maio). Urbano VIII
faz a doutrina extensiva ao Brasil. Mas, ainda assim, entrariam
em constante conflito com os reinóis predadores até a expulsão
dos Jesuítas de S. Paulo em 1640 e de Vieira e Companheiros,
no Maranhão, em 1661. Finalmente a extinção da Companhia,

mais tarde, prêmio de martírio concedido aos Jesuítas protetores
da raça aborígene. Em vinte anos porém, de apostolado, a moral
está mudada na terra. Os Índios têm sua mulher, sua família, sua
casa, sua roça e já não são antropófagos e têm hábitos
civilizados. Os reinóis começam a entrar na regra. Clérigos e
leigos sofrem a influência contagiante da moral jesuíta, feita de
pureza e tolerância. Amanhece o Brasil.
A identidade moral de todos foi feita pela educação.
Desde 49, na Bahia, que o P.e Vicente Rodrigues tem aula para
reinóis e índios. O P.e Azpilcoeta Navarro traduz, em tupi,
orações e catecismo, para a conversão. O irmão José de
Anchieta institui uma gramática da língua da terra, que todos
aprendem, para a catequese. Aulas de latim e de casos aos
irmãos: o irmão Luiz Carvalho ensina Virgílio, o 2.º livro da
"Eneida", na Bahia dos meados século XVI. Os batismos são
sem conta, como os casamentos. Às vezes tornam à barbárie,
mas não se esmorece: mais catequese, mais exemplos. O P.e
Antônio Rodrigues penetra no sertão e vem, rasgado dos
espinhos dos matos, pés chagados das pedras do caminho, à
frente de centenas de índios, a entoar a ladainha. A educação
dos filhos traz a educação dos pais. À rainha Dona Catarina
quererão escrever esses pais para que lhes mande santas
mulheres, que lhes façam, às filhas, o que os padres fazem aos
filhos.
Esses Jesuítas foram edificadores de casas, igrejas,
colégios, até cidades: Bahia, S. Paulo, Rio são fundações deles,
em grande parte. Em vinte anos, vemos as palhas que eram a
igreja e o colégio da Bahia reconstruídas em taipa, chegarem à
pedra e cal, antes da cantaria da Catedral, no Terreiro de Jesus;
Piratininga saiu de onde era, para se tornar São Paulo, em torno
do Colégio dos Padres, que das alturas de um oiteiro dominava
as várzeas do Tietê e do Anhangabaú. Foram médicos, e a
medicina, ou o remédio; enfermeiros, assistiam aos
abandonados e enterravam os mortos. As epidemias e andaços

coloniais eram calamitosos, em raça de corpo aberto, nova aos
contágios civilizados. Há trechos de cartas que fazem horror,
descrevendo as pestes de 59 a 63. "Contaminou a mor parte da
terra" e apenas "escassamente deixou viva a quarta parte dela",
diz o cronista P.e Simão de Vasconcelos, desta pestilência de
bexigas. A tudo, a tratar, a preparar para morrer, a ajudar na
morte, a enterrar, ocorriam os Padres. E não só contra as
doenças e pestes contra a fome e a míngua, "porque esta pobre
gente é tão miserável e coitada, diz o P.e Baltasar Fernandes,
que espera lhe demos do nosso", que não tinham muitas vezes,
pois, no princípio, viviam de esmolas. Chegavam "a tanta
miséria, esse Gentio, que, de fracos e magros, morriam por
esses matos." "Acontecia, diz ainda o P.e Leonardo do Vale, de
lançar-se um para beber água e ficar ali, sem mais se poder
levantar, e assim morrer." "A causa desta pobreza, disse o P.e
Jorge Rodrigues, é por a terra em si ser pobre." Mas apelavam
para os Padres, que a tudo acudiam.
Eram a "poçanga" da colônia, dizia o gentio, como
quem dissesse: a mezinha, o remédio, a salvação. Os Jesuítas
Portugueses foram a nossa Providência, ao nascer o Brasil. A
epopéia dos "Lusíadas" tem o reverso da "História
Trágico-Marítima", em que se conta o martírio das
Navegações, e tem o das "Cartas Jesuíticas", que são os anais,
sofridos, da Colonização. Quem podia testemunhar,
testemunhou. Tomé de Sousa, tornando a Portugal, confessou:
"o Brasil não era senão os Padres" "que se lá estivessem seria a
melhor cousa que el-Rei teria, e senão que nada teria no
Brasil..." (Cartas avulsas, p. 19).

2 ³%5$6,/ (648(&,'2´
Depois disso, desse meio século contínuo de
preocupações, quase ano a ano, para exploração,
reconhecimento, caça aos invasores, feitorias fundadas, tentame
das capitanias, governo geral e padres jesuítas provendo ao

Brasil, educando a gente para servi-lo... é profundamente
injusto e doloroso ouvir, e ler, de um ingrato nativismo, -- que
vive, ainda hoje, como que a fazer sempre a independência do
Brasil -- ouvir, e ler, que o Brasil foi esquecido.
A evidência foi outra, documentalmente. Nenhuma
nação colonizadora fez mais ou melhor com as suas colônias. A
Espanha, a Holanda, a Inglaterra, ainda hoje, não se podem
comparar a Portugal. Nenhuma assimilou o indígena. Nenhuma
deu identidade moral ao aborígene e ao colonizador, em nação
uma e a mesma, idêntica à mãe Pátria, como Portugal. Vimos
que não podia fazer muito e não poderia fazer mais: fez tudo o
que pôde. Sem gente, sem dinheiro, cercado de invejosos e
inimigos. A terra era escassa e quase nada produzia. Apenas
pau-brasil, mercadoria pobre. Simonsen dá exemplo de uma
nau, do valor aquisitivo de hoje, valendo mais de 1.500 contos,
que carregava apenas 1.000 contos de brasil: de especiarias da
Índia seriam 10.000 contos. Vir ao Brasil negociar era perder
dinheiro e tempo: mas vinham. O mesmo, diz aquele P.e Rui
Pereira aludido, quanto ao moral, mas os Jesuítas vieram. E
havia Franceses: Dom João III alegou, em 1530, que os
prejuízos dados por eles andavam por mais de 100.000 contos,
de hoje. Aquele citado historiador calcula que, de 1500 e 1532,
o valor do trato do pau-brasil orçaria por 120.000 contos, dos
quais a Coroa tinha 30.000. Para Portugal, o Brasil foi
deficitário nas primeiras décadas. Simonsen, que descobriu
secretas ignorâncias de história no Brasil, com a decifração da
economia, diz, cheio de razões e números, que sequer "o lucro
da Coroa não cobria as despesas com a defesa do domínio."
(Op. cit., t. I, p. 98).
E não havia só defender, porém explorar e constituir,
fundar e produzir. Povoar, sobretudo. Para as Índias era defeso
irem mulheres portuguesas(17): mas vieram para aqui, vieram
ricos-homens e fidalgos e a arraia miúda misturou-se com os
portadores dos nomes mais nobres do reino. E isto sem

proveito, como os pais, dignos desse nome, que criam os filhos,
sem sequer pensarem no que vão dar, cuidando apenas em
fazê-los o melhor possível. Como cumprindo um dever.
Portugal, comparado a qualquer das nações
colonizadoras de ontem ou de hoje, foi benemérito; julgado em
si, teve a abnegação que só tem, na linguagem humana, um
epíteto: foi materno... Como essas criaturas divinas que
morrem, ou ficam perpetuamente enfermas, esvaídas de fadiga e
fraqueza, por terem a glória de haver criado um filho muito
grande... Filho às vezes ingrato: também é da natureza.

REIS DE PORTUGAL
(PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XVI)
Dom Manuel (1495-1521)
Dom João III (1521-1557).
VIAGENS AO BRASIL
1500 -- Pedro Álvares Cabral, 2.ª Armada para as Índias.
1501 -- João da Nova, 3.ª Armada para as Índias.
1501 -- Fernão de Loronha, contratador de pau-brasil, de 1502 a 1505.
1502 -- Estêvão da Gama, de passagem para as Índias, da 2.ª Armada de Vasco
da Gama, 4.ª na ordem geral.
1503 -- Afonso d'Albuquerque, de passagem para as Índias (Carta de Empoli, em
Ramusio, parte I, p. 158; Racolta Colombiana, p. III, v. II, p. 180).
1503 -- Gonçalo Coelho, com o qual teria vindo Américo Vespúcio.
1503 -- Binot Paulmier de Gonneville.
150. -- João Coelho, descobre terras entre o Cabo de S. Roque e Maranhão
(Almeida Prado -- Primeiros Povoadores, S. Paulo, 1935, p. 60).
1511 -- Cristóvão Pires, comandante na Nau "Bertoa" na qual viera pela primeira
vez João Lopes de Carvalho.
1512 -- Estêvão Fróes (Varnhagen, Capistrano, A. Prado).
1513 -- A nau que levou os 3 índios de Jorge Lopes Bixorda, confratador do
pau-brasil (Damião de Góes -- Crôn. de D. Manuel, cit. I. p. cap. LVII, fl. 56
verso).
1514 -- D. Nuno Manuel e Cristóvão de Haro: relativa à "Gazeta Alemã".
1515 -- João Dias de Solis, de passagem, indo ao Rio da Prata.
1516 -- 19 -- Cristóvão Jacques.
1519 -- D. Luiz de Gusman, desertor de uma armada para as Índias (Varnhagen).
1519 -- Fernão de Magalhães, do qual era um dos pilotos João Lopes de
Carvalho.
1521 -- Hugues Roger (Varnhagen).
1521 -- Dois navios espanhóis em Santa Catarina.
1525 -- Jean Parmentier (Almeida Prado).
1525 -- Navios Normandos no Rio de Janeiro (Almeida Prado).
1525 -- Garcia Jofre de Loaysa, de passagem para as Molucas, armada espanhola
da qual ficou aqui, abandonado, e depois preso D. Rodrigo de Acuña.
1526 -- As naus encontradas por D. Rodrigo de Acuña no Brasil.
1526 -- Cristóvão Jacques.
1526 -- |Sebastião Caboto.
ou

1527 --|Diogo Garcia
1530 -- Martim Afonso de Sousa.

CAPITANIAS
Antes de 1534
1504 -- Dom Manuel dá a Fernão de Loronha a "ilha de Sam Joam que de ora
novamente achou e descobrio cincoenta leguoas a la mar de nosa terra de Santa
Cruz lhe darmos e fazermos merçeo da capitania dela", o que D. João III
confirma, a 3 de março de 1522 (Alguns documentos... p. 459-6).
1526 -- Cristóvão Jaques é nomeado Governador das partes do Brasil por
sucessor a Pedro Capico, capitão de uma das Capitanias do dito Brasil (provado
que havia mais de uma, diz Varnhagen, op. cit., t. I, p. 127).

Depois de 1534
Doação

Capitanias

Donatários

1534
1534
1534
1534
1534
1534
1534
1534

S. Vicente
Espírito Santo
Porto Seguro
Bahia
Pernambuco
Santo Amaro
Itamaracá
Rio Grande do Norte

1534
1534
1534

Ceará
Juruemará
Maranhão

1535
1557
1567
1590
1592
1603
1612
1615
1615
1620
1620
1633
1634
1637
1665
1654
1764
1709
1720
1744

Ilhéus
Paraguaçu
Rio de Janeiro
Sergipe
Paraíba do Norte
Rio Grande do Norte
Seara
Grão-Pará
Cabo-Frio
S. Pedro de El-Rei
Cumá
Cametá
Caité
Labo do Norte
Marajó
Santa Catarina
Paraíba do Sul
S. Paulo
Minas Gerais
Goiaz

Martim Afonso de Sousa
Vasco Fernandes Coutinho
Pero de Campos Tourinho
Francisco Pereira Coutinho
Duarte Coelho Pereira
Pero Lopes de Sousa
Pero Lopes de Sousa
João Barros e Aires da
Cunha
Antônio Cardoso de Barros
Álvares de Andrade
João de Barros & Aires da
Cunha
Jorge de Figueiredo Corrêa 1761
D. Álvaro da Costa
da Coroa
""
""
""
""
""
da Coroa
""
F. de Albuquerque
F. de Albuquerque Coelho de Carvalho
Álvaro de Sousa
Domingos Maciel Parente
A. de Sousa de Macedo
Visconde d'Asseca
da Coroa
""
""

Reversão
à Coroa em
1791
1718
1759
1548
1654
1709
1743
1540
1556
1540
1540

1630
1752
1753
1642
1754

1748
1755
1807
1817
1820

Mato-Grosso
São José do Rio Negro
Rio Grande do Sul
Alagoas
Sergipe del-Rei.

""
""

,9
3ULPHLUR 6pFXOR ,,
OS PRIMEIROS GOVERNADORES. -- OS JESUÍTAS. -- FRANCESES
NO RIO DE JANEIRO. -- ENTRADAS E BANDEIRAS: CATIVEIROS,
RESGATES, DESCIMENTOS. -- O BRASIL NO PRIMEIRO SÉCULO
COLONIAL. -- A SITUAÇÃO DE PORTUGAL NESSE TEMPO, DE
CRIAÇÃO DO BRASIL.

26 35,0(,526 *29(51$'25(6
Chegara o Governador-geral Tomé de Sousa (1549-53) e
depois de oscilar entre a "Graça", de Diogo Álvares, próxima da
Barra, "a povoação do Pereira", num extremo, e o Bomfim, no
outro extremo da enseada, resolveu-se por um sítio ao meio e
eqüidistante aos dois, onde havia porto, elevação e planalto,
para edificação. A cidade nova foi chamada "do Salvador". Na
bula de criação do bispado, dois anos depois, é chamada "São
Salvador", não com a idéia de um santo desse nome, senão
como epíteto do Salvador, como ainda hoje se diz "Santo
Cristo": do Sanctus Salvator se fez São Salvador, mais
freqüente ou popular, ainda hoje, que o nome primitivo,
"Cidade do Salvador". O menor esforço resolveu-se por Bahia,
que ficou o nome comum na cidade, e da província, ou Estado.
Com o Governador vieram, na esquadra que o trouxe, as
naus Conceição, Salvador e Ajuda e mais três caravelas, 600
homens de armas, 400 degredados, e o funcionalismo

necessário a uma capital. Por ouvidor-mor, Pero Borges; por
pró-curador, Antônio Cardoso de Barros; por capitão-mor da
costa, Pero Góes da Silveira, como se diria hoje, ministério ou
secretariado. Os jesuítas eram os Padres Manuel da Nóbrega,
superior, Azpilcoeta Navarro, Antônio Pires e Leonardo Nunes,
os irmãos Diogo Jácome e Vicente Rodrigues. "Tão grande
parte, -- diz um autor independente, por estrangeiro e
protestante, Roberto Southey, -- tomaram os Jesuítas na
história da América do Sul, que estes primeiros nomes se
tornam dignos de memória." (R. Southey, Hist. do Brasil, Rio,
1862, t. I, p. 303).
Estes e outros. Logo começa o apostolado: Vicente
Rodrigues, primeiro mestre, tem escola de ensinar a ler,
escrever e contar. Leonardo Nunes e Diogo Jácome vão aos
Ilhéus e Porto Seguro. Azpilcoeta Navarro e Antônio Pires
ficam nas aldeias da Bahia. Logo, porém, Nóbrega sai em visita,
recolhendo Jácome doente em Ilhéus, seguindo os dois para
Porto Seguro, e, daí, para S. Vicente, Leonardo Nunes,
acompanhado de dez ou doze meninos e alguns Guaranis,
injustamente escravizados, a pedido de Nóbrega libertos por
Tomé de Sousa, e restituídos à sua gente. "Parece-nos que não
podemos deixar de dar a roupa que trouxemos a estes que
querem ser cristãos, repartindo-lh'a, até ficarmos todos iguais
com eles". (Cartas, 74). Em 50, na armada de Simão da Gama
de Andrade, chegam mais os Padres Afonso Braz, Manuel de
Paiva, Francisco Pires e Salvador Rodrigues. O Pe. Navarro
traduziu em idioma da terra orações e sermões, para a
catequese. Paiva vai para Ilhéus e Braz para Espírito Santo. Aí
se adquire o irmão Mateus Nogueira; em S. Vicente são
recebidos os irmãos-línguas Pero Corrêa e João de Sousa, que
serão os primeiros mártires do Brasil, e Manuel de Chaves. Na
Bahia entraram João Gonsalves e Domingos Picorella.
Na armada desse ano vêm suprimentos de toda a ordem,
armamentos e utilidades, no valor de 300 mil cruzados. No

terceiro ano, a Rainha enviava muitas órfãs de famílias nobres,
que deviam casar com oficiais. Também os Jesuítas receberam
meninos órfãos, a educar. Como a falta de gado era urgente, o
Governador mandou, em serviço de transporte direto, a Cabo
Verde, a caravela Galga, que trocava o gado por madeira, muito
necessário àquelas ilhas.
Nóbrega, com Antônio Pires, vão a Pernambuco, em 51.
Leonardo Nunes, de S. Vicente, organiza a catequese no sertão,
com Diogo Jácome e os irmãos línguas, Pero Corrêa, Manuel de
Chaves, João de Sousa, Fernão Luiz e outros.
A 22 de junho de 52 chega à Baía o 1.º Bispo do Brasil,
-- agora independente do bispado de Funchal, -- Dom Pedro
Fernandes (Sardinha), bacharel pela Universidade de Paris,
antigo vigário geral de Gôa, clérigo, de Évora, cuja experiente
virtude deu esperança a el-Rei fosse a Igreja bem servida. "Nos
primeiros tempos muitas cousas se hão-de dissimular que
castigar, maiormente em terra tão nova", dizia, já daqui, para
Dom João III, o experiente prelado.
Entra o P.e Azpilcoeta Navarro, com doze homens, e
entre eles um língua experimentado, Francisco Bruza de
Espinhosa, ou Espinhoso, de Porto Seguro ao Sertão,
alcançando as cabeceiras do rio Jequetinhonha e o vale do Rio
de S. Francisco, descendo, de torna viagem, ao litoral, pelo rio
Pardo, 350 léguas entre índios ferozes.
Não somente fez Tomé de Sousa viajar os seus
auxiliares de governo, o ouvidor e o provedor-mor, como ele
mesmo empreendeu, ao sul, viagem de inspeção e providências.
E pelourinhos, cadeias, artilharia para fortins, medidas de
segurança, foi distribuindo em seu caminho; nos Ilhéus demitiu
o capitão, nomeando outro; sobre o Rio, embevecido, escreveu
a el-Rei, desejando para o sítio uma povoação "honrada e boa",
como merecia; de S. Vicente aprovou a fundação da Vila de
Todos os Santos, que, ao depois, ficou apenas Santos; a criação

da Vila de Itanhaem, levantando, para defesa contra os
Tamoios, a fortaleza da Bertioga. Subiu a serra do Cubatão, e
elevou a vila a povoação de João Ramalho, Santo André da
Borda do Campo. Do patriarca, diz a el-rei: "tem tantos filhos e
netos bisnetos e descendentes delle ho nom ouso dizer a V. A.
não tem cãa na cabeça nem no rosto e anda nove legoas a pe
antes de jantar". (Hist. da Colonização Port. cit., t. III p. 365).
Tornou à Bahia, à espera do seu sucessor. Foi em tudo
muito prudente e avisado, e, dizia Nóbrega, só ter um defeito:
ser zeloso de mais em tudo que importava à real fazenda. O
castigo severo que infligiu a índios rebeldes que mataram
alguns reinóis -- prendendo-os e atando-os à boca de peças que
fez disparar, -- aproveitou, por impressionante. A maneira forte
é a mais suasória, com os povos fracos...
A esse tempo de Tomé de Sousa prende-se a viagem de
Hans Staden, náufrago de nau espanhola de passagem, que
aceitou do governador geral o posto de artilheiro da Bertioga;
depois, prisioneiro dos selvagens, que o queriam matar, e dos
quais escapou, tornou à Europa num navio francês, escrevendo
um livro célebre: Descrição verdadeira de um país de selvagens
nus, ferozes, canibais, situado no novo mundo, América...
publicado em Francfort-do-Meno em 56, reimpresso em 57 em
Marburgo, e inúmeras vezes mais.
Também Ulrico Schmidl, outro alemão, que assistiu à
fundação de Buenos Aires, esteve no Paraguai e, daí, por terra,
pelo sertão, veio ter a Piratininga e S. Vicente, em 53. Publicou
mais tarde a História verdadeira de uma viagem curiosa na
América ou Novo mundo pelo Brasil e Rio da Prata, desde o
ano de 1534 até 1554, tirada em Francfort-do-Meno, em 1567.
Com o 2.º governador geral, Duarte da Costa (53-58),
vieram, a 13 de Julho, os Padres Jesuítas Luiz da Grã, Braz
Lourenço e Ambrósio Pires, e os irmãos Gregório Serrão,
Antônio Blásquez, João Gonsalves e José de Anchieta, todos

também de celebrada memória. A Companhia de Jesus cria a
sua nova província do Brasil, nomeando provincial o Padre
Manuel da Nóbrega. Morre, nesse ano, o primeiro jesuíta no
Brasil, o Pe. Salvador Rodrigues, mas ingressa na Companhia,
grande língua, o irmão Antônio Rodrigues, dos melhores
conhecedores do idioma indígena e dos mais infatigáveis
missionários. O Pe. Leonardo Nunes, agora com Vicente
Rodrigues, José de Anchieta, Gregório Serrão, Afonso Braz,
acode à catequese no sul, com tanta eficácia, indo e vindo, que
os catecúmenos o chamam Abaré-Bebé, o padre voador.
Entre S. Vicente e Santo André deliberou Nóbrega a
fundação definitiva do Colégio. E no lugar, entendendo-se com
João Ramalho, chefes índios Tibiriçá e Caiubi, escolheu um
sítio junto do Tietê, perto da confluência do Tamanduateí, entre
este e o Anhangabaú, posição de defesa e boa vista, para onde
trouxe os filhos dos índios do Campo, reunindo três aldeias
numa, "onde se ajuntam novamente e a apartam os que se
convertem e onde pus irmãos para os doutrinar e fiz
solenemente uns 50 catecúmenos", diz Nóbrega, em carta que
publica o Dr. Serafim Leite (Os Jesuítas na Vila de S. Paulo,
"Rev. do Arquivo Municipal", n. XXI, S. Paulo, 1936, p. 9): "e
esta carta de Nóbrega é a certidão de idade de S. Paulo de
Piratininga", no dia da degolação de S. João Batista, de 53.
Faz-se a casa. Estabelecem-se os índios. Tibiriçá e Caiubi já aí
estão.
No janeiro seguinte, já preparada a casa, é a inauguração
do Colégio de Piratininga -- "alguns doze irmãos", diz
Anchieta -- (mas não diz os que já estavam)--, que vieram de
véspera, de S. Vicente, e, a 24 de Janeiro de 54, sob a invocação
de S. Paulo, inaugura-se, com missa, o colégio, núcleo da
povoação. Distribuídos por S. Vicente, Maniçoba, Gerebatiba,
acorreriam a Piratininga, nesse ato solene, o provincial e os 13
jesuítas que, certamente, aí estariam a 24 de Janeiro, e foram:
Padres Manuel da Nóbrega, provincial, Leonardo Nunes,

pioneiro de S. Vicente, Vicente Rodrigues, Afonso Braz,
Francisco Pires e Manuel de Paiva, que ficaria por superior;
irmãos José de Anchieta, Gregório Serrão, Antônio Rodrigues,
Manuel de Chaves, Pero Corrêa, Diogo Jácome, João de Sousa
e Mateus Nogueira(1). Se um ou dois pode aí estar demais,
porque ficara a guardar outra casa, não é justo que se lhes omita
o nome ao reconhecimento de uma ação de jesuítas, que ia ter
imenso significado no tempo adiante. Esse colégio de
Piratininga é, descreve Anchieta, "paupérrima e estreitíssima
casinha". "Permanecemos algumas vezes mais de vinte, em uma
pobre casinha feita de barro e paus, coberta de palhas, tendo
quatorze passos de comprimento e apenas dez de largura, onde
estão ao mesmo tempo a escola, a enfermaria, o dormitório, o
refeitório, a cozinha, a dispensa; todavia não invejamos as
espaçosas habitações..." (Anchieta, Cartas, cit., p. 43). É a
célula inicial de São Paulo...
A 8 de Junho morrem, mártires dos Carijós, os irmãos
Pero Corrêa e João de Sousa, admitidos no Brasil, e primeiros
santos, aqui, da Companhia. Também mártir, naufraga, indo a
Roma por procurador da Província, o Pe. Leonardo Nunes, de
tantos serviços em S. Vicente. Igualmente santificado pela
fama, morre na Bahia o irmão Domingos Pecorella. Ao cabo do
ano havia na Província 26 jesuítas: 4 na Baía, 2 em Porto
Seguro, 2 no Espírito Santo, 5 em S. Vicente e 13 em São
Paulo.
Duarte da Costa pouco fez, porque pouco pôde;
reclamou, não obteve. Contudo conseguiu a conquista de todo o
Recôncavo, donde expeliu os selvagens. Por um filho estroina
brigou com o Bispo que reclamou del-Rei: queixas recíprocas.
Mas houve reconciliações, segundo depõe uma carta de jesuíta
(Cartas avulsas, cit. p. 142). Contudo, no ano seguinte seguiu
para o reino o Bispo, na companhia de Antônio Cardoso de
Barros, a bordo da nau Nossa Senhora da Ajuda, que naufragou
nos Baixios de D. Rodrigo (assim chamados do nome de D.

Rodrigo de Acunha, navegante espanhol, deixado por
compatriotas na costa do Brasil e que aí, à foz do Cururipe,
aportara, em 25) e prisioneiros dos Caetés foram por eles
devorados, a 16 de junho de 56. A tribo desses índios,
excomungada, foi votada ao extermínio.
Duas revoltas de índios acentuaram-se: uma na Bahia,
que nas terras de Garcia de Ávila, além de Itapuan, para o norte
da cidade, aprisionaram cristãos, destruíram fazendas e gados:
D. Álvaro da Costa, o filho escandaloso do governador, remiu
os seus pecados, salvando a cidade, investindo contra os
bárbaros, a quem incendiou as tabas e pôs em fuga. Outra
represália de índios contra S. Paulo nascente, defendido por
índios mansos e reinóis, grupados em torno do Colégio, que era
o núcleo da nova capital do sul. Na Bahia morre o Caramurú,
deixando vasta parentela. De Cabo Frio a S. Vicente havia
gentio inimigo dos Portugueses, sobressaindo um, o terrível
Cuñabebe, de Hans Staden, que se cevava em sangue português.
Acaba-se o tempo de Duarte da Costa, que não deixa de
reservar para si, ou para a família, boas sesmarias. A capitania
de Paraguaçu, de 57, é de D. Álvaro da Costa.
O terceiro governador geral, chegado a 28 de dezembro
de 57, é Mem de Sá (1558-72), irmão do poeta Sá de Miranda, e
é verdadeiramente benemérito: letrado em leis, ajuizado, amigo
de Nóbrega, realiza um grande programa: expelir os Franceses
que se haviam estabelecido no Rio de Janeiro e destruir a
aliança que construíram com o gentio, de Cabo Frio à Bertioga.

26 )5$1&(6(6
A 10 de Novembro de 1555 chega à baia do Rio de
Janeiro Nicolau Durand de Villegaignon, cavaleiro de Malta,
Vice-almirante da Bretanha, provado em guerras, e a quem o
poeta Ronsard chama "douto". Talvez já conhecedor da costa
do Brasil por viagem anterior, propusera-se trazer, ao

novo-mundo, huguenotes perseguidos na Europa, para
fundarem aqui uma "França Antártica": dois navios partidos do
Havre, com 600 pessoas, aventureiros e colonos, a 12 de Julho,
andaram por tormenta às costas de Inglaterra, para tornarem a
Dieppe, e, refeitos repartirem em começos de Agosto.
Desembarcaram no ilhéu da Laje, que chamam Ratier e depois
em Serigipe, ilha que virá a ser chamada dos Franceses e, mais
tarde, de Villegaignon, onde constróem o forte Colligny. As
cartas são datadas de Ganabara na França Antártica.
(Guana-pará, enseada, rio-grande, ou lagamar, era o nome
selvagem, que os Franceses escrevem dessa maneira por não
terem necessidade de acentuar o último a, todos longos na sua
língua: lido por Portugueses, sem acento, fez "Guanabara", que
é, assim, um galicismo grafo-prosódico...)
Villegaignon, cavaleiro de Malta, era católico e ainda
aqui se confessava ao franciscano André Thevet, sábio autor de
obras dignas de menção; dois terços dos colonos eram também
católicos, embora gente de maus costumes, apanhados na ralé.
Desejando mais gente, e melhor, dirigiu:se Villegaignon aos
Calvinistas em Genebra, tendo sido mesmo correspondente de
Calvino. Partiram, pois, de Genebra, a 16 de setembro de 56, 14
protestantes, teólogos, pastores e artistas, para a conversão
moral e religiosa dos colonos americanos; com eles, 290
pessoas mais, soldados, marítimos, artífices, a bordo de três
navios, que, de Honfleur, veio comandando Bois-le-Comte,
sobrinho de Villegaignon, e chegaram ao Rio a 7 de março de
57. Veio então João Cointa, senhor de Bolés, muito falado nas
crônicas e cartas do tempo, como relapso e traidor aos seus.
As disputas, católicas e reformistas, agitaram a vida da
jovem colônia, oscilante Villegaignon entre os dois credos. Daí,
vieram a injuriá-lo, Caim da América. Retiraram-se os
Genebreses em 58, depois de algum tempo estabelecidos no
continente, na Briqueterie, ou Olaria, e, por fim, o mesmo
Villegaignon, em 64, para a França. Se falhou com os

compatriotas, teve, ou tiveram, os Franceses, êxito com os
selvagens. Mem de Sá o depõe, escrevendo à Rainha D.
Catarina: "Ele (Villegaignon) leva muito diferente ordem com o
gentio do que nós levamos; é liberal em extremo com eles, e
faz-lhes muita justiça; enforca os franceses por culpas sem
processos; com isto é muito dos seus e amado do gentio:
manda-os ensinar todo o gênero de ofícios e de armas; ajuda-os
nas suas guerras: o gentio é muito e dos mais valentes da costa;
em pouco tempo se pode fazer muito forte." in Balthasar da
Silva Lisboa, Anais do Rio Janeiro, ed. de 1934, p. 199).
De André Thevet publicam-se em Paris, em 57 e 58, as
Singularitez de la France Antarctique, que teve numerosas
edições e traduções, precedida por uma "Cosmografia
Universal". João de Lery, seu êmulo e a quem precedera na
viagem ao Brasil, não perde ocasião de o ridicularizar, oficial
do ofício. Além de plagiado, foi mesmo roubado, pois na
Europa, pelo menos em França, é dele a introdução do tabaco:
Colombo descrevera índios fumando; Hans Staden reproduzira
a cena, em gravura do seu livro; foi Thevet que o levou a
França em 57, chamada "erva de Angoulême" (de onde ele era
originário), e "catherinaire", em honra de sua rainha, Catharina
de Médicis. Entretanto é a Jean Nicot, embaixador de França
em Portugal, que a levou depois, também, a Paris, que cabe a
honra de dar o nome à planta, Nicotiana tabacum e ao princípio
ativo, "nicotina". Diz Damião de Góes (Crôn. del-Rei D.
Manuel, Lisboa, 1566-67, p. I, cap. 56, fl. 32) que foi Luiz de
Góes, de Santos, ao depois jesuíta, o que deu o brado de alarme
contra os Franceses a D. João III, em 48 (Varnhagen, op. cit. t.
I, p. 287) quem "trouxe primeiramente a Portugal" a erva do
tabaco; Luiz de Góes viera do Brasil, com o irmão Pero de
Góes, um dos donatários de capitania, a da Paraíba do Sul.
Mem de Sá, de acordo com o Padre Nóbrega, começara
a pôr ordem no gentio da Bahia, promovendo a concentração
em grandes aldeias, fusão de menores convizinhas,

estabelecendo-se cerca da Bahia as quatro, a de S. Paulo, onde
hoje é Brotas; a do Espírito Santo, a três léguas do Rio de
Joane, depois Abrantes; a de Sant'Iago fundida com S.
Sebastião, a três léguas, perto de Pirajá e a de S. João, no
interior da Bahia, onde hoje é Plataforma. Um índio grande,
principal, meirinho, tinha poderes de polícia e governo;
residentes jesuítas tinham direção temporal e espiritual. A
quando da insurreição dos índios nos Ilhéus e Espírito Santo, o
Governador deu o encargo de os reduzir à obediência a seu filho
Fernão de Sá, flechado e morto por eles no rio Cricaré, em
Porto Seguro: é cumprida, depois a missão de os destroçar.
Em 59 chegam o 2.º Bispo, D. Pedro Leitão e a IV
Missão Jesuíta, com os padres João de Mello e João Dício e os
irmãos Rui Pereira, José Crasto e Vicente Mestre: os religiosos
da província, cujo provincial agora é o Padre Luiz da Grã,
passam de 40, padres e irmãos.
Em Novembro de 59 chega na armada do Capitão-mor
Bartolomeu de Vasconcelos da Cunha, reforço e ordem para o
Governador empreender a expulsão dos intrusos, no Rio de
Janeiro. O cuidado do Brasil não está nele, senão em Lisboa. A
1 6 de Janeiro de 1560, parte o Governador geral contra os
Franceses do Rio, a cuja barra chega a 21 de fevereiro: vinha
com ele o P.e Nóbrega, doente; no dia da chegada tomam uma
nau inimiga, que carregava. Esperam reforços que vinham de S.
Vicente e, estes recebidos, a 15 de Março é dado o ataque aos
Franceses, expulsos de suas posições e refugiados no
continente, arrasado o forte Coligny, defendido por 74 franceses
e alguns escravos. Obtida a vitória, Mem de Sá rumou a São
Vicente, onde deu várias providências. Nova estrada para o
planalto; expedição pelo Tietê, de Braz Cubas e Luiz Martins,
em busca de ouro; mudança da vila de Santo André da Borda do
Campo para São Paulo, pedida pelo povo de São Vicente e
Santos, pelos Jesuítas e pela mesma gente de Santo André, por
motivos de mantença e de melhor defesa. O pelourinho foi

transportado em 60; já tinha foral, que vinha de 58; em 62 João
Ramalho juraria o cargo de capitão-mor de São Paulo,
designado "por vozes e eleição".
Volvera Mem de Sá à Bahia, onde chegou a 29 de
Agosto de 1560, trazendo o P.e Luiz da Grã. No Espírito Santo,
recebendo o ato de renúncia de Vasco Fernandes Coutinho à
capitania, providenciou para a sucessão, aceitando a indicação
do povo, de Belchior de Azeredo, para o governo. Daí mandou,
como exploradores ao sertão, Antônio Dias Adorno, Vasco
Rodrigues Caldas e Antônio Ribeiro; expediu contra os índios
de Porto Seguro Braz Fragoso e escreveu para o reino sobre a
colonização do Rio de Janeiro.
Em 62, índios confederados reuniram-se para o ataque a
São Paulo, defendido pelos Jesuítas, cujos fiéis amigos, Tibiriçá
à frente, obraram proezas contra os canibais. Esse Tibiriça que,
com as suas mãos, levantou o colégio de São Paulo, expondo a
vida, defenderá dos seus parentes a vila em torno construída
pelos seus amigos: vindo a falecer de um andaço, no natal de
62, foi enterrado na igreja do Colégio e está hoje na Catedral de
São Paulo, honrado na vida e na morte pelos seus parciais, os
Padres. A dissenção dos índios esmoreceu e acalmou, com a ida
de Nóbrega e Anchieta a Iperoigue, entre os Tamoios. Na igreja
de Itanhaem, Tupis e Tamoios abraçaram-se. A Piratininga
vieram, para as pazes, 300 Tamoios do Paraíba. Tanto e tão bem
que, dois anos depois, já os Tupis de Piratininga iam, a pedido
dos Padres, bater-se contra os Franceses no Rio de Janeiro
(Serafim Leite, op. cit., p. 30). Neste ano de 65 grande peste de
bexiga na Bahia, andaço para o norte e o sul, "escassamente
deixou viva a quarta parte dos moradores; orçou-se o número
dos mortos a passante de trinta mil almas." (S. de Vasconcelos,
Crônica, liv. III, I).
A Coroa não aprovara o ato de Mem de Sá, vencedor
dos Franceses em 60, no Rio de Janeiro, de logo deixar a terra,

dando ocasião a que tornassem, com os índios fiéis, a tomar
conta das posições abandonadas. A Rainha Regente confiou a
Estácio de Sá a incumbência de os erradicar definitivamente em
64, como Capitão-mor de frota e milícias, recebendo recursos
do Governador Geral seu tio, do Espírito Santo e de S. Vicente.
Acometeu o Rio em 6 de fevereiro e, depois de porfiar por dois
meses, foi a São Vicente. Nóbrega, chamado, acorre com
Anchieta. Em Villegaignon (ilha) celebra-se missa do domingo
de Páscoa. Tornam a São Vicente, a preparar o acometimento
contra Franceses e índios do continente.
No norte, depois da peste de 63, foi em 64 a fome.
Acossados por ela, desertam os índios de suas aldeias,
aconselhados por seus feiticeiros. Assim em N. S. da Assunção
(Camamú), São Miguel (perto de Illhéus), Santa Cruz de
Jaguaripe, perto de Itaparica: os padres residentes vêem-se
arriscados a perder a vida. Fome também no sul, "até todo o ano
de 66", dizem as Informações, de Anchieta.
Em 65 está preparado Estácio de Sá, reforçado de índios
e mamelucos, mandados com ele dois jesuítas, Anchieta e
Gonçalo de Oliveira. A 1.º de Março, na entrada da baía do Rio
de Janeiro onde desembarcaram, funda a cidade de São
Sebastião (nome del-Rei de Portugal), entre o Morro Cara de
Cão (onde está a fortaleza de São João) e o penedo do Pão de
Açúcar. Será a "Vila Velha" mais tarde, "na ilha da Carioca",
diz o P.e Antônio de Matos, pois entre a pedra da Babilônia e a
da Urca, pela Praia Vermelha, entrava o mar. O resto do ano
passa-se na consolidação das posições e cautelosa penetração no
interior da baía. Nóbrega, sobrevindo do sul, envia Anchieta à
Bahia a ordenar-se e pedir auxílio ao Governador. À chegada de
tropas da Metrópole, Mem de Sá, acompanhado do Bispo e do
Visitador Inácio de Azevedo, rumo para o sul e, a 18 de janeiro,
apresenta-se na baía do Rio de Janeiro. O ataque é dirigido
contra o forte dos Franceses no Uruçu-mirim, à foz do rio da
Carioca, perto do Morro da Glória, onde o Capitão Estácio de

Sá é ferido no rosto por uma flecha. Batidos os Franceses, a
perseguição continua no interior da baía, até Paranapecú, a ilha
depois chamada do Governador.
Depois de 20 de janeiro data da vitória da Glória, e da
morte de Estácio de Sá, um mês depois, Mem de Sá muda o
sítio da cidade para o morro depois, ou daí, chamado do
Castelo, "lugar mais forte e acomodado", continuando o nome,
agora sob a invocação do santo daquele dia que era o do nome
del-Rei. Como Estácio de Sá morrera do ferimento recebido, o
outro sabrinho, Salvador Corrêa de Sá, é o capitão-mor da nova
povoação. Southey escreve: "Jamais guerra, de tão pequenos
esforços, e tão poucas forças, de parte a parte, foi tão fértil de
conseqüências... Tivesse Mem de Sá sido menos enérgico no
cumprimento dos seus deveres ou Nóbrega menos incansável,
esta cidade, que é hoje a capital do Brasil, seria agora francesa."
(Op. cit., t. I, p. 424).
Os Franceses que escaparam, com quatro navios que
tinham no porto, fugiram, tentando desembarcar no Recife,
onde foram rechaçados. Diz Rocha Pitta (Hist. do Brasil, II, 63)
que um deles deixou escrita, numa pedra, esta melancólica
confidência: Le monde va de pis ampi, de mal a pior. Doze anos
durara a aventura. No Rio cuida-se logo de fortificar, para
defesa, os dois lados da barra. "Todas estas obras foram feitas
pelos índios, sob a direção dos Jesuítas, sem que o Estado nada
despendesse. No meio da cidade assinou-se à Companhia
terreno para um colégio, dotado, em nome do rei, com bens
suficientes para sustentação de cinqüenta irmãos, dotação que
bem haviam merecido e que, no ano imediato, seria confirmada
em Lisboa" (Southey, op. cit., p. 424). Foi o destino de Nóbrega
ajudar a fundação da Bahia e do Rio, fundar São Paulo, e nelas
instalar os três primeiros colégios da Companhia no Brasil (São
Paulo e Bahia em 63, Rio de Janeiro em 67). Esses colégios
educam reinóis e índios nas aulas de ler, escrever e contar; em
humanidades, os irmãos, órfãos vindos de Portugal e jovens

brasileiros, em estudos teológicos superiores aqueles que vão
ser jesuítas. Neles, desde 60, pela artinha de Anchieta, todos são
obrigados a estudar o "grego", como chamam à língua difícil do
país, livro ainda inédito, e que só em 1595 será impresso.
Ararigbóia, chefe temiminó, acolheu-se a Guanabara,
fundando a aldeia de São Lourenço, na Praia Grande, depois
Niterói, "água escondida", outro nome índio da baía do Rio de
Janeiro, ajudando Salvador de Sá a expulsar os últimos
franceses de Cabo-Frio. Livre de intrusos, o Rio de Janeiro iria
edificar-se e crescer no seu oiteiro, a derramar-se nas encostas.
A cidade de Estácio de Sá ficou, daí, a "Vila Velha". Cristóvão
de Barros, -- filho de Antônio Cardoso de Barros, companheiro
do 1.º bispo no seu naufrágio, -- depois dos cinco anos de
Salvador de Sá, sucedeu-lhe no governo, em 1571.

(175$'$6 ( %$1'(,5$6
&$7,9(,526 5(6*$7(6
'(6&,0(1726
São freqüentes os termos, na história do Brasil: convém
desde logo defini-los. "As entradas eram expedições feitas pelos
colonos à cata de índios, para escravizá-los, ou ainda a busca de
metais e pedras preciosas". (João Ribeiro). A "bandeira" era a
"entrada oficiosa e até aparatosa, apesar das proibições
pontificais e reais, autoridades distantes e só regionalmente
admitidas. Bandeirantes eram partidos de homens empregados
para prender e escravizar o gentio indigente. O nome provém
talvez do costume tupiniquim, referido por Anchieta, de
levantar-se uma bandeira em sinal de guerra". (Capistrano de
Abreu). Esse nome, pelo prestígio moderno das bandeiras ou
símbolos nacionais, misticamente, vai fazendo esquecer o
objeto dos bandos e bandidos que eram caçadores de índios a
escravizar: tais "bandeirantes" eram apenas o mesmo que os
nefandos "negreiros", que operavam contra africanos, enquanto
os "bandeirantes" contra os primeiros e nativos brasileiros,

vergonha e não benemerência. A falsificação se vai fazendo aos
nossos dias, havendo quem pretenda a exclusividade de tais
"bandeiras"... "Eram cativos os indígenas colhidos em justa
guerra, isto é, defensiva, ou para castigo de malefícios
praticados; resgatavam-se a troco de ferramentas e dixes vários,
os que já se achavam presos e amarrados, para serem comidos
por seus inimigos; desciam-se os outros que deixando-se
convencer pelos missionários, abandonavam o sertão, vindo
estabelecer-se na vizinhança dos povoados, de onde os
moradores iam buscá-los para o serviço". (J. Lúcio de
Azevedo). É de Pero de Magalhães (Gandavo) este depoimento:
"A primeira cousa que pretendem acquerir (os colonos) são
escravos para nellas (terras) lhes fazerem suas fazendas e se
uma pessoa chega na terra a alcançar dous pares ou meia
duzia delles (ainda que outra não tenha de seu) logo tem
remedio para poder honradamente sustentar sua familia:
porque hum lhe pesca e outro lhe caça e desta maneira nom
fazem os homens despeza em mantimentos com seus escravos
nem com suas pessoas. Pois daqui se pode aferir quanto mais
serão acrecentadas as fazendas daquelles que tiverem duzentos,
trezentos escravos, como ha muitos moradores na terra que
nom tem menos desta contia e dahi para cima". (Hist. cit., cap.
IV, p. 93).
Desde o princípio era natural apelar para o serviço do
índio, indócil, porém, e pouco prestadio: se as índias buscavam
relações com os brancos, os machos, esses, preferiam morrer de
andaços, alcoolismo, preguiça, do que se prestarem ao serviço
forçado. Só os Jesuítas, principalmente nas Missões do Norte,
tiraram deles, e para o próprio proveito deles, serviço regular.
Por isso, desde 1549, começaram sendo importados de África os
negros, que foram os principais trabalhadores rurais, a desfazer
o mato-grosso do Brasil. Os Jesuítas, protetores dos índios,
fechavam os olhos à escravidão negra, de que não tinham
cuidado. Mas, porque era cara, estavam os reinóis, precisados
de braços, sempre em entradas e bandeiras, a descerem índios

para o litoral: dessas empresas em nada diferentes das dos
"negreiros" de africanos, viria um recente complexo de
inferioridade política a fazer a "gloriosa beatificação" do
bandeirante e das bandeiras. O imperativo da necessidade não é
justificativa e menos ainda orgulho e ufania. No tempo (e em
todos os tempos) era crime punido por lei.
A Mem de Sá escrevera el-Rei: "sou informado que
geralmente nessas partes se fazem cativeiros injustos e correm
os resgates com título de extrema necessidade, fazendo-se os
vendedores pais dos que vendem, que são as causas com que as
tais vendas podiam ser lícitas, conforme ao assento que se
tomou. Não havendo as mais das vezes as ditas causas, antes
pelo contrário intercedendo força, manhas, enganos, com que os
induzem facilmente a se venderem, por ser gente bárbara e
ignorante, e por este negócio, dos resgates e cativeiros injustos"
etc, "encomendo que com o bispo, o provincial, o visitador,
Nóbrega, e o ouvidor, consulteis e pratiqueis este caso, para tais
injustos cativeiros se evitarem". Em conseqüência, acordou-se
em exigir prova da legitimidade da posse ou da escravidão;
correção do ouvidor pelas missões e aldeias; curador nomeado
dos índios -- o primeiro foi o alcaide-mor da Baía, Diogo
Zorilha; resgates apenas consentidos pelas autoridades;
restituição, pelos Jesuítas, dos cativos confessos ou dos que
preferissem servir a este ou àquele colono; liberdade concedida
ao índio escravo, tomado à força, de onde estivesse. A lei
derivada desse acordo produziu tais clamores, entre os colonos,
que foi sustada. As coisas continuam como dantes, mas vão
agravar. Assim, desde 1570, começara a Coroa a preocupar-se
com a escravização dos índios e não cessará por tres séculos:
João Francisco Lisboa contou 61 atos-leis, cartas régias,
provisões, alvarás, éditos, decretos, regimentos, diretórios...
paradeiros inúteis à cobiça e à necessidade criminosa...

),0 '( 1Ï%5(*$ 0(0 '( 6È '
3('52 /(,72

Carregado de trabalhos, depois de um santo ministério, o
1.º santo do Brasil, morreu o Padre Nóbrega, em 1570. Mem de
Sá, que tanto pedira dispensa do cargo onde tantos, e tão
beneméritos serviços prestara, quando foi finalmente atendido,
mais apressada a morte veio, em 72. Dom Pedro Leitão, o 2.º
bispo, seguiu-o de perto, em 1573. Dom Luiz Fernandes de
Vasconcelos vem por governador e traz consigo o P.e Inácio de
Azevedo com 39 padres, e muita gente e carga, em seis naus e
uma caravela. Afasta-se a nau dos padres, a Sant'Iago, para
passar pela Ilha da Palma, e é agredida por uma esquadra da
Rochela de comando do calvinista Jacques Sória, que faz sofrer
o martírio a todos os padres (15 de julho de 1570). Luiz de
Vasconcelos não chegou também a bom porto, errou por Nova
Espanha, pelos Açores e aquém da Madeira foi vítima de uma
esquadrilha anglo-francesa, do comando de João Capdeville,
pirata huguenote: mais 12 padres são vítimas dos hereges.
Martírio pelo Brasil.
Em 72 Dom Sebastião divide o Brasil em dois governos:
o do norte, sede na Bahia, confiado ao Conselheiro Luiz de
Brito de Almeida; o do sul, sede no Rio de Janeiro, ao Dr.
Antônio Salema. A este manda escorraçar os Franceses,
traficantes em Cabo Frio, marchando contra eles à frente de 400
portugueses e 700 índios. Desta vez é definitivo. A experiência
mostrou que não provavam bem os dois governos e o mesmo
Dom Sebastião reuniu-os, sob o mando único de Lourenço da
Veiga, em 78.
Sobrevém o desastre de Alcácer-Quibir e a sucessão de
Dom Sebastião, batido e morto nos areais africanos, nesse 78. O
velho e valetudinário Cardeal Dom Henrique, que já precisa, de
novo, de amas de leite, é rei efêmero de Portugal. Os
pretendentes põem-se em campo: ao duque de Bragança oferece
Filipe II, em 79, o reinado do Brasil e das colônias portuguesas,
se a duquesa D. Catarina desistir dos seus direitos à Coroa de
Portugal. O Brasil virá, por fim, a manifestar-se contra Dom

Antônio, Prior do Crato. A todos se adianta, sob a ameaça da
invasão, corrompendo a dinheiro e intimidando à força, aquele
Filipe II (1580).
Manuel Telles Barreto (82-87) conclui a conquista da
Paraíba do Norte. Cristóvão de Barros conquista Sergipe, contra
os índios e defende a Bahia. O fanático Filipe II é inimigo de
Inglaterra e dos hereges: em 85 embarga nos seus portos todos
os navios ingleses, holandeses, zeelandeses, alemães e
hanseáticos: Lisboa não será mais empório de especiaria. A
Inglaterra responde, embargando nos seus portos os navios
espanhóis e portugueses. Francis Drake pirateia Cabo Verde, os
Açores, finalmente Faro. Será a vez das colônias. Irão às Índias
buscar as especiarias diretamente e tomarão o gosto de
conquistar estas colônias: o fanatismo levou-os até aí, pela mão.
Entretanto, o Brasil sofre o assalto dos Ingleses: Edward Fenton
veio, em 82, a S. Vicente; Robert Withrington à Bahia; Thomas
Cavendish escolheu Santos, em 91; James Lancaster, em 95,
Pernambuco: desembarcam, pilham, escarnecem, e dão à vela,
com algumas perdas. Ainda em vida de Filipe II aparecem naus
flamengas nas Índias. Em 98, Olivier van Hood tenta o Rio e
São Vicente; em 99 é a esquadra de Leynssen; em 604 é Paul
van Carden, depois Spilbergen: é agora o sobressalto contínuo...
Virá mais. Ganhamos os inimigos de Espanha e sofremos
conseqüências do fanatismo dos Filipes. Com a sorte da
"Invencível Armada", destruída nos mares do norte, em 1588,
acaba-se o respeito a Espanha e, o que pior, a Portugal, além
disto conquistado e delapidado.
Dom Francisco de Sousa foi governador de 591 a 602;
chamam-no "Dom Francisco das Manhas", pela muita
prudência com que executou o seu programa, que foi ocupar o
Rio Grande do Norte, fortificar a costa contra os corsários e
descobrir as jazidas de ouro.
Este século XVI não terá sido estudado, ainda a grandes

passadas, sem referência a três livros de grande valor, para
compreender o Brasil quinhentista. São eles: de Pero de
Magalhães (Gandavo), latino, gramático, amigo de Camões, que
lhe reconhece "claro estilo, engenho curioso" e esteve no Brasil
(como auditor de fazenda na Bahia), de onde levou dois estudos
-- Tratado da Terra do Brasil, escrito antes de 73,
provavelmente em 70, impresso em Lisboa em 1826 e a
História da Província Santa Cruz, impressa em 1576, em
Lisboa: são tratados informativos da terra e da gente.
De João de Léry, que veio com Bois-le-Comte, o
sobrinho de Villegaignon, em 57, tornado em 58, há, escrita em
63, a Histoire d'un voyage fait à la terre du Brésil, impressa em
78, que teve numerosas edições, traduzida em latim em 86. Aí
já há ênfase brasileira, na boca de um índio: "Exultemos das
gentes que nos procuram. O mundo é o nosso bem: ele é que
nos dá os seus bens". "Nada devemos aos nossos antepassados.
Botei fora tudo o que meu avô me deixou. Tenho-me por feliz
dos bens que o mundo nos traz. Troca melhor que os nossos
avós, nos sobreveio". O selvagem de Lery já é nacionalista
("ufanista", diríamos agora...).
Livro admirável, documentos inapreciáveis de história
do Brasil, são as Cartas Jesuíticas do 1.º século: de Nóbrega,
que vão até 60; de vinte e tantos apóstolos como ele, nas
"Cartas avulsas", que vão até 68; de Anchieta, que dispensa
qualificativo, que vão até 87; nas quais se vê amanhecer o
Brasil, que eles, os Jesuítas, ajudaram a nascer e a crescer.
Publicadas no século XX por Capistrano de Abreu e discípulos
seus -- Vale Cabral, Rodolfo Garcia, Afrânio Peixoto,
Alcântara Machado, são como que a aurora do grande livro que
se esperava, a História da Companhia de Jesus no Brasil, que
ora publica o Dr. Serafim Leite.
Ainda, de Gabriel Soares de Sousa, vindo ao Brasil em
67, aqui estabelecido, senhor de engenho na Bahia, devassador

curioso da terra e das minas, levando à Metrópole amostras de
ouro, prata, pedras preciosas e um roteiro, que é o Tratado
descritivo do Brasil em 1578. De 84 a 90 esperou despacho em
Madrid, finalmente nomeado "capitão-mor e governador da
conquista e descobrimento do Rio de S. Francisco". Tornou ao
Brasil, naufragou, internou-se no sertão, sofreu dificuldades e
rebeliões com serviçais e, abandonado dos índios que levava,
pereceu perto de Mucugê, na Chapada Diamantina da Baía. O
seu livro é um tesouro de informações brasileiras, um inventário
do Brasil em 1587: publicado em 1825 pela Academia das
Ciências de Lisboa, deu-lhe Varnhagen, em 1879, 2.ª edição,
correta e acrescentada, rematando na atual, de Pirajá da Silva,
Notícia do Brasil, enriquecida de sábias e imprescindíveis
notas.
Os "tratados" do P.e Fernão Cardim, "da terra e da gente
do Brasil", dos quais Rodolfo Garcia fez edição próxima
(1925), são digno livro dos precedentes: memórias da infância
do Brasil. "Este Brasil é já outro Portugal", não lhe falta nada,
tem tudo, "porém está já Portugal... pelas muitas comodidades
que de lá lhe vêm". Se os primeiros engenhos de São Vicente
ficam em 6, os engenhos da Baía já são 36, (confirmando
Gabriel Soares), os de Pernambuco 66, (confirmando Anchieta)
nesse fim de século XVI "e cada um -- disse o jesuíta na
informação -- é uma grande povoação e para o serviço deles e
das mais fazendas terá até 10.000 escravos de Guiné e Angola e
de índios da terra até 2.000." Vêm cada ano 40 navios ou mais a
Pernambuco e "não podem levar todo o açúcar", diz Cardim. "A
gente da terra é honrada: há homens muito grossos de 40, 50 e
80 mil cruzados de seu: alguns devem muito pelas grandes
perdas que têm com escravaria de Guiné, que lhe morrem
muito, e pelas demasias e gastos grandes que têm em seu
tratamento. Vestem-se, e as mulheres e filhos de toda a sorte de
veludos, damascos e outras sedas e nisto têm grandes excessos.
As mulheres são muito senhoras, e não muito devotas, nem
freqüentam as missas, pregações, confissões, etc.: os homens

são tão briosos que compram ginetes de 200 e 300 cruzados, e
alguns têm três, quatro cavalos de preço. São mui dados a
festas. Casando uma moça honrada com um viannez, que são os
principais da terra, os parentes e amigos se vestiram uns de
veludo carmesim, outros de verde e outros de damasco e outras
sedas de várias cores e os guiões e selas dos cavalos eram das
mesmas sedas de que iam vestidos. Aquele dia correram touros,
jogaram canas, pato, argolinha, e vieram dar vista ao colégio
para os ver o padre visitador: e por esta festa se pode julgar o
que farão nas mais, que são comuns e ordinárias. São sobretudo
dados a banquetes em que de ordinário andam comendo um dia
dez ou doze senhores de engenho juntos, e revezando-se desta
maneira gastam quanto têm, e de Ordinário bebem cada ano 50
mil cruzados de vinho de Portugal: e alguns anos beberam
oitenta mil cruzados dados em rol. Enfim em Pernambuco, se
acha mais vaidades que em Lisboa". Em 1587 haveria 60
engenhos em Pernambuco(2).

$ 6,78$d2 '( 32578*$/
Neste pouco mais de século, que vai de 1497, com
Vasco da Gama na Índia, a 1612, com o termo do império
comercial português no Oriente, tem relações muito
interessantes ao Brasil.
Dom João II, com o Cabo de Boa Esperança dobrado, se
morre onerado de dívidas, cujo pagamento pediu ao sucessor,
antevê a fortuna próxima das Índias. No testamento pedia a
Dom Manuel apartasse das rendas do Estado quatro milhões de
reais, anualmente, para amortização de débitos, alguns que
vinham do pai, Afonso V.
Dom Manuel embriaga-se com o Oriente e crê no
otimismo de Afonso de Albuquerque: as especiarias das Índias,
deduzidos os soldos pagos, as perdas do mar e de mercadoria,
valiam um milhão de cruzados. "Veja Voss Alteza, se ha arvore

que este fruyto daa cad ano, se merece sser bem ortado e bem
rregado e bem favorecido". (Carta de I de Abril 1512, in Alguns
documentos, p. 242). "Nam creo que na cristimdade avera rey
tam rico como Voss Alteza". (Id. ib., p. 237). Contudo, as
despesas excediam as rendas, tomava-se emprestado, não havia
nem dinheiro, nem mercadoria, vinha a queixar-se o próprio
Albuquerque, e Dom Manuel morre também endividado. Por
testamento instava ao filho vendesse ou empenhasse, faltando
outros meios, jóias, pratas, móveis, o necessário para resgate do
crédito.
Com Dom João III, desde 1528, pelo menos, Portugal
vende padrões de juros, que são como títulos de empréstimo,
apólices ou obrigações da dívida pública, diríamos hoje, para
pagar, em 30, a Carlos V, o direito -- "possível" -- às
Molucas; para o dote da infanta D. Isabel, raínha de Espanha;
para acudir aos gastos das armadas e das colônias. Em vinte
anos de reinado, confessa el-Rei: para Espanha, consórcios
dinásticos, 1.400.000 cruzados; para despesas extraordinárias
nas Índias, inclusive Maluco, 1.150.000 cruzados; para África,
Mina e Brasil, 560.000 cruzados.
Total: a quebra ou falência inevitável deu-se em 1560,
cessando os credores estrangeiros de ser pagos... Invocou-se,
então, a doutrina da Igreja contra a usura: servia para não pagar
os juros vencidos, porém não impedia os novos empréstimos a
juros, prometidos, e depois condenados. Em 1549 acabara-se
com a feitoria de Flandres, há muito onerosa; em 1570 Dom
Sebastião acaba com o privilégio do comércio das Índias, por
não dar já resultado... O Estado faz contratos, e os contratantes,
estrangeiros ricos, quebram, os Rott, Rovelasco, Welsers,
Höchstellers, Affaitatis...
Dom João III que "viveu sempre em aflições de
dinheiro" (A. Pimenta, D. João III, cit., p. 312), morre na
falência... Dona Catarina continua, na pobreza, como, depois,

Dom Henrique, sem remédio. Entretanto, sobrevém o sonho
heróico e dispendioso de Dom Sebastião, acabado em ruína e
dívidas. Os Filipes são concordes, sem jeito. Em 1585 o porto
de Lisboa é fechado aos hereges inimigos de Espanha: os
Ingleses e Flamengos irão às Índias tomar as colônias de
Portugal, que Espanha, entretanto, não saberá proteger.
Prepara-se o custoso desastre da "Invencível Armada", (1588),
com toda a frota portuguesa, contra a Inglaterra...
É nessa disposição de falência e ruína, que Portugal
empreende a colonização do Brasil, tendo de vencer a ambição
belicosa de Franceses, a inclemência dos reinóis escravizando
os índios que os Jesuítas protegem, tentando uma obra de
missões organizadas, moral e economicamente, que só no
século XVIII e ao Norte dará resultados sensíveis. Ao tempo
das premências de D. João III, diz uma folha feita pelo Conde
da Castanheira, segundo refere Frei Luiz de Sousa, (op. cit., p.
504), do ano de 42: -- "No Brasil tem Vossa Alteza gastado
muyto dinheiro, e começou a gastar no anno de 1530. Mysterio
foy grande fazer-se a primeira despesa afim de cousa que o não
merecia (isto é, sem lucro imediato) e seguir-se della
desarreigarem-se daquella terra os franceses, que já nella se
começavão a prantar e lançar raízes (sc. e mais ainda se gastou
para botar fora os franceses, já estabelecidos)". Gastava para
povoar e defender, o que não rendia...
É nessa disposição de espírito, agoniado pela falência,
repito, que Portugal "a quarta parte nova os campos ara"...
(Lus., VII, 14). "Por não sei que descuido esteve esta terra por
povoar", dirá na frase tão citada Frei Vicente do Salvador;
entretanto ele mesmo reconhece que há pouco "que se começou
a povoar, já se hão despovoado alguns lugares", (op cit., p. 15):
não foi descuido senão falta de gente. Depois, o mesmo
historiador nacionalista acusa o Português de viver no litoral, a
arranhar as praias, como caranguejos... Não é bem assim:
começa a transpor as baixadas e a penetrar no sertão, indo a

Piratininga, descendo pelo Tietê, indo ao vale do São Francisco,
entradas e bandeiras incipientes. E nas praias, em 1548, já há 16
vilas e povoados, fortificados e defendidos contra os intrusos.
Não há dinheiro, mas, para fundar a Bahia, Tomé de Sousa
gasta 300.000 cruzados ou mais de 60 mil contos de hoje.
Em 1583 já se calculam 25.000 brancos, 18.000 índios
civilizados, 14.000 negros cativos. Esse povoamento do Brasil
pelos Portugueses tem mesmo um aspecto tocante, porque é
feito até a contragosto, às vezes, de Portugal e do Brasil.
Simbólico será, no primeiro dia, isto que narrou Pero Vaz de
Caminha: "além destes dous degredados, que aquy ficam, ficam
mais dous grometes, que esta noute se sairam d esta naao no
esquife em terra fogidos, os quaes nom vieram mais, e cremos
que ficaram aquy, porque de manhãa, prasendo a Deos,
fazemos d aquy nosa partida". (In Alguns documentos, cit. p.
121). Nas instruções à nau Bretoa, de 511, cit., já se previne
contra a deserção de marujos.
Provisão régia de 6 de Março de 1565 impediu que as
naus destinadas à Índia, que lá não pudessem chegar, de modo
algum arribassem ao Brasil, mas tornassem a Portugal, além de
outros motivos porque, dessas freqüentes arribadas, resultava
fugir a gente de bordo para terra: marca a preferência dos
Portugueses pelo Brasil, à Índia ou ao Reino. Prefiro crer no
gosto da aventura, do que apenas no medo ao enjôo. Passados
três séculos e mais, não é a mesma coisa? Contra o interesse de
Portugal, que os preferiria nas suas colônias, eles aqui vêm,
vencendo obstáculos. Contra disposições legais do Brasil --
quem o diria?! eles aqui vêm, sem cartas de chamada, seja
como for. É uma cegueira: só amor, que não tem explicação, o
explica.
A princípio era só a exportação de pau-brasil, bichos
raros, alguns índios escravos; depois o pau-brasil continua -- e
vai até o fim do período colonial -- e já Gandavo, nesse século

XVI, fala da grande quantidade de açúcares e do infinito
algodão: "Alem das plantas que produzem de si estas fruitas, e
mantimentos que na terra se comem, ha outras de que os
moradores fazem suas fazendas, convem a saber, muitas canas
de açucre, e algodoaes, que he a principal fazenda que ha
nestas partes, de que todos se ajudam e fazem muito proveito
em cada uma destas Capitanias, especialmente na de
Pernambuco que sam feitos perto de trinta ingenhos e na Bahia
do Salvador quasi outros tantos, donde se tira cada um anno,
grande quantidade de açucares, e se dá infinito algodam, e
mais sem comparação, que em nenhuma das outras" (História
da Província Santa Cruz, cit., cap. V, p. 20). -- O tabaco
prosperou, exportado para a Europa e principalmente para a
África. O Rio de Janeiro exporta farinha de mandioca para
Angola.
Dominou a todos o açúcar: em 1580 já o
exportado orça por dois milhões e oitocentos mil
arrobas. (P. de Almeida, Hist. de Port., t. III, p.
556). Simonsen insiste sobre "o papel decisivo
que desempenhou o açúcar na fixação do
europeu no Brasil e na formação de nossos
primeiros capitais. Foi ele quem gerou os
grandes problemas da mão de obra, cuja solução
imprimiu feição característica ao desbravamento
das terras brasileiras com as variadas
conseqüências..." (Op. cit., t. I, p. 178). A pecuária, mostra este
historiador, o gado é função do açúcar: o sertão ao serviço do
litoral ou o litoral obrigando à ocupação do sertão: o Brasil
intercomunicante.
Ora esse país que se viria a dizer "essencialmente
agrícola", arou-o Portugal, e por engenhos fê-lo produtivo,
povoando-o, defendendo-o, moralizando-o, civilizando-o,
quando não tinha recursos para si. O sonho da Índia passara,
mas o trabalho no Brasil continuou... Esse Brasil foi uma

criação, contínua, de Portugal. No romance simbólico de
Alencar, o filho de Iracema é "filho da dor"... O Brasil esquece,
às vezes, o que custou: o pai andava pelos expedientes da
miséria, mas ao filho nada faltou para se defender, crescer e
prosperar.

REIS DE PORTUGAL
(2.ª METADE DO SÉCULO XVI)
Dom João III (1521-1557).
Regência da Rainha viúva D. Catarina (1557-1562).
Regência do Cardeal D. Henrique (1562-1568).
Dom Sebastião (1568-1578).
Cardeal D. Henrique (1578-1580).
Filipe II (1580-1598).
Filipe III (1598-1621).

GOVERNADORES GERAIS
Tomé de Sousa (1549-1553).
D. Duarte da Costa (1553-1557).
Mem de Sá (1557-1572).
Luiz de Brito e Almeida (1572-1577), na Bahia.
Dr. Antônio Salema (1572-1577), no Rio.
Luiz de Brito e Almeida (1577-1578).
Lourenço da Veiga (1578-1581).
Primeira junta (1581-1582).
Manuel Telles Barreto (1582-1587).
Segunda Junta (1587-1591).
D. Francisco de Sousa (1591-1602).
1500 -- Descobrimento do Brasil por Cabral.
1501 -- Armada de 1501 (Antônio Galvão, Tratado do Descobrimento, cit. p....
1502 -- Mapa de Cantino onde vários pontos do Brasil são marcados e já a Baía
de Todos os Santos. Descobrimento da Baía do Rio de Janeiro.
1507 -- Mapa de Waldseemüller (Hilacomillus) no qual aparece, pela primeira
vez, o nome "America" dado à região nordeste do Brasil.
1508 -- João Ramalho, em S. Paulo.
1511 -- Diogo Álvares, o Caramurú, na Baía.
1512 -- Mapa de Marini, onde aparece o nome "Brasil"; carta de Afonso de
Albuquerque a El-Rei D. Manuel, onde se escreve esse nome, dado à terra.
1519 -- Fernão de Magalhães, toca no Rio de Janeiro.
1522 -- O navio "Vitória", da armada de Magalhães, torna a Espanha, depois de
ter circunavegado o mundo.
1530 -- Viagem de Martim Afonso e seu irmão Pero Lopes de Sousa. Entrada no
Rio de Janeiro. Fundação de S. Vicente e Piratininga.
1531 -- Bandeira de Pêro Lobo às margens do Paraná. Introdução da cana de
açúcar, vinda de Cabo Verde e da Madeira.

1534 -- Divisão do Brasil em Capitanias.
1537 -- Bula de Paulo III, de 2 de Junho, declarando criaturas humanas e livres
anuladas as presas feitas quid quid secus fieri contigerit, irritum et inane...
auctoritate apostolica decernimus et declaramus...
1541 -- Conhecimento do curso do Amazonas por Francisco Orellana.
1542 -- Fundação da Santa Misericórdia, em Santos, por Braz Cubas.
1546 -- Todos os Santos, ou simplesmente Santos.
1549 -- Fundação da Baía. Tomé de Sousa, 1.º governador geral. Chegada dos
Jesuítas.
1550 -- Festa dos selvagens brasileiros em Ruão (França). Calculam-se em 3.000
os colonos no Brasil.
1551 -- Primeiro bispado do Brasil, na Baía.
1553 -- Entrada ou bandeira do Pe. Navarro e Espinhoso até o vale de S.
Francisco.
1554 -- Fundação de S. Paulo, pelos Jesuítas.
1555 -- Villegaignon no Rio de Janeiro.
1556 -- Naufrágio e morte do bispo D. Pedro Fernandes (Sardinha) e seus
companheiros devorados pelos índios.
1557 -- "Viagem ao Brasil", de Hans Staden.
1558 -- "Les singularitez de la France Antarctique", de André Thevet.
1560 -- Os Aimorés ou Botocudos sublevados. Mem de Sá expulsa os Franceses
do Rio de Janeiro. Entrada de Braz Cubas e Luiz Martins, pelo Tietê, em busca de
ouro.
1562 -- Fundação de Itanhaem.
1564 -- Peste de bexigas, que dizima os índios.
1565 -- Fundação do Rio de Janeiro, de Estácio de Sá. Expedição de Manuel
Pires do Rio Negro (65-7).
1567 -- Fundação do Rio de Janeiro, de Mem de Sá.
1569 -- A frota que trazia o 4.º governador Luiz de Vasconcelos cai em poder dos
corsários calvinistas Jacques Sores e João Capdeville, que trucidam tripulantes e
40 Padres Jesuítas.
1570 -- Decreta-se, terminantemente, não podem os índios ser reduzidos a
cativeiro.
1572 -- O Governo do Brasil cindido em dois, Bahia e Rio.
1576 -- "História da Província Santa Cruz", de Pero Magalhães Gandavo.
1579 -- Filipe II oferece ao Duque de Bragança as colônias portuguesas com o
título de rei, desistindo a duquesa D. Catarina dos seus direitos ao trono de
Portugal.
1580 -- Filipe II no trono de Portugal.
1581 -- Cavalos são levados de Cabo Verde à Bahia.
1584 -- Conquista da Paraíba.
1585 -- "Narrativa epistolar", do Pe. Fernão Cardim.
1586 -- Conquista da Paraíba.
1587 -- Lei restritiva de liberdade dos índios. Fundação de Cananéia.
1590 -- Colonização de Sergipe.
1591 -- Cavendish e Cook, piratas ingleses, pilham Santos e incendeiam S.

Vicente.
1594 -- Os Franceses, no Maranhão.
1595 -- Proíbem-se todas as guerras aos índios sem provisão régia (bandeiras) e
declaram-se ilegítimos os cativeiros de tais guerras. Lencaster, pirata inglês, pilha
Pernambuco. "Arte de gramática" (tupi), do Pe. José de Anchieta.
1598 -- Conquista do Rio Grande do Norte.

9
6(*81'2 6e&8/2
FRANCESES NO MARANHÃO. -- HOLANDESES NA BAHIA E
PERNAMBUCO. -- ENTRADAS E BANDEIRAS. -- ESCRAVIDÃO
NEGRA. -- RESTAURAÇÃO DO BRASIL. -- MONOPÓLIO E
REBELDIA.

26 )5$1&(6(6 12 0$5$1+2
A primeira conseqüência do domínio espanhol no Brasil
foi dar-lhe os inimigos de Espanha por próprios. Não perdeu,
por isso, os antigos. E agora, a França que fora por D. Antônio,
Prior do Crato, contra Filipe II, tinha a mais, ser contra
Espanha, no mesmo Brasil. Rechaçados ao sul, em 1555, na
"França Antárctica", ia começar, no Maranhão, a "França
Equinocial".
Desde o fim do século anterior, 1594, que se haviam
estabelecido, na ilha do Maranhão, Jacques Riffault e Charles
des Vaux, armadores de Dieppe, em comunicação com o gentio,
com o qual traficavam. Trataram de interessar a Coroa no
estabelecimento, de onde, já em 1612, nova expedição, sob o
comando de Daniel de La Touche, senhor de La Ravardière, que
funda a cidade de S. Luiz, nome dado em honra do Delfim, que
seria depois Luiz XIII. Vieram fidalgos e homens de guerra,
católicos e protestantes, entre os colonos, e o capuchinho Fr.
Claude d'Abbeville, que escreveu um livro de história da

empresa e de suas observações na terra ocupada. Um dos
chefes, Francisco de Rassily, tornou à França a promover novos
recursos e, com ele, Claude d'Abbeville e alguns índios,
levados por amostra.
O livro do capuchinho, impresso em Paris, em 1614, a
História da Missão dos Padres Capuchinhos na ilha do
Maranhão, é um dos nossos clássicos sobre etnografia indígena.
Seguiu-se-lhe, em 1615, a publicação da obra do superior da
Missão, o Padre Yves d'Evreux, continuando a de d'Abbeville,
informação dos Tupinambás do norte: a edição foi
completamente destruída por interesses domésticos das Cortes
ora parentas, de França e Espanha e, só no século XIX, tirou
Ferdinand Denis, de um raríssimo exemplar achado na
Biblioteca de Paris, edição de 1864.(1)
A colônia, que prosperava, tinha os seus dias contados.
Jerônimo de Albuquerque fundara, próximo, o forte de
Camocim. Martim Soares Moreno havia fundado Fortaleza,
núcleo de colonização no Ceará. Albuquerque, que tornara a
Pernambuco, preparou expedição e desembarcou 500 homens
em Guaxenduba, derrotando os Franceses, com os quais tratou
pedir-se, sobre o litígio, a decisão pelas cortes de França e
Espanha. Ocorreu porém Alexandre de Moura com reforços e
maior patente, que não respeitou o trato e, dando combate,
venceu de novo os Franceses, que tiveram de retirar, sem maior
perseguição, deixando apenas a artilharia. (Os nossos eram
Portugueses e nada tinham com tais Cortes, de França e
Espanha).
Em 1615, estava o porto de S. Luiz adquirido e em 1616
Caldeira Castelo Branco, mandado a colonizar o Pará, com 150
homens e artilharia para forte, fundou Belém. O primeiro
governador do novo Estado do Maranhão (Ceará, Piauí,
Maranhão e Pará) criado em 1521, foi Francisco Coelho de
Carvalho, despachado em 24 e mandado tocar em Pernambuco,

com socorro e tropas e munições para Matias de Albuquerque,
capitão-mor de Pernambuco, receoso de invasão holandesa.
Funcionários para o novo estado, famílias para núcleo de
povoamento e missão de capuchos sob ordens de Fr. Cristóvão
de Lisboa, foram ter ao Ceará e, depois, ao Maranhão. Em 1616
o Brasil atingia o seu limite norte ocupado até o Pará. Os
Franceses teriam de consolar-se, e foi o que fizeram, indo
estabelecer-se além, na Guiana Francesa. Também Holandeses
e Ingleses: mas isso é lá com a Espanha. (Nós, apesar de tudo,
continuávamos Portugal).

26 +2/$1'(6(6 12 %5$6,/
Os inimigos de Espanha, porém, continuavam. Em 1604
sete navios holandeses entram na Bahia, aprisionam um navio
ricamente carregado e põem fogo a outro. A guerra de corso foi
constante, neste período: em 1616 vinte e oito navios nossos,
em 1623 setenta outros, foram presa de Holanda. Além do
confisco mandado fazer, por Filipe II, dos navios ingleses,
flamengos e alemães em Lisboa, que moveu a represália, leis de
1600 e 1627, fechando os portos do Brasil aos estrangeiros,
viriam acirrar a situação. Quando o mundo intercomunicante
dava expansão ao comércio e à indústria internacionais, a
Espanha, atrasada e intransigente, invocava o privilégio e o
monopólio, procurando, como alcançou, a ruína. Portugal, e
colônias, foram arrastados por ela. Uma trégua de 12 anos tinha
sido concertada, em 1609, entre Espanha e a Holanda. Ao
termo, em 21, os Flamengos fundaram a poderosa Companhia
das Índias Ocidentais, que, com a que já possuíam, das Índias
Orientais, ia acabando com o poder português no Oriente. De
26 a 36 os 800 navios que conseguiu armar aprisionaram 500
navios alheios, dando imenso dividendo.
Uma destas armadas rapineiras, de 26 navios, 1.700
soldados, 1.600 marinheiros, quinhentas bocas de fogo, sob o
comando de Jacob Willekens e Pieter Pieterzoon Heyn por

vice-almirante, saiu de Holanda em fins de Dezembro e começo
de Janeiro seguinte, reuniu, em Março de 24, em Cabo Verde,
rumando direta à Bahia. A colônia fora prevenida e preparou-se,
como pôde, até com defensores descalços (sem uniforme nem
sapatos) e esperou a sua sorte. A 8 de Maio apresenta-se a frota
inimiga defronte do porto, a 9 entra e começa o fogo. Mas a luta
era desigual: pouca e má artilharia tínhamos nós, e pouco mais
de mil e cem homens, dos quais apenas oitenta eram soldados
de tropas regulares. Era a cidade de então formada por mil e
quatrocentas casas, duas igrejas, três conventos e três fortalezas,
Santo Antônio, S. Filipe e Itapagipe. O forte de S. Marcelo era
um ilhéu armado com uma bateria. A peleja durou todo o dia,
com grande confusão e desânimo progressivo, buscando os
inimigos o desembarque e sítio das fortalezas. À noite, veio a
calma. E, com o silêncio e as trevas, o pânico. O Padre Antônio
Vieira, então incipiente irmão jesuíta, descreve como
testemunha presencial: "Era já nesse tempo alta noite quando,
de improviso se ouviu por toda a cidade (sem se saber donde
teve princípio) uma voz: já entraram os inimigos, já entraram,
os inimigos já entram; e, como no meio deste sobressalto
viessem outros dizendo que já vinha por tal e tal porta e acaso
pela mesma se recolhesse neste tempo uma bandeira nossa com
mechas caladas, como o medo é mui crédulo, verificou-se esta
temeridade; e assim pelejando a noite pela parte contrária,
ninguém se conhecia, fugiam uns dos outros, e quantos cada um
via tantos holandeses se lhe representavam." (Carta anua ao
Geral da C. de Jesus, in Cartas do Padre Antônio Vieira, ed. de
J. Lúcio de Azevedo, Coimbra, 1925, t. I, pág. 17). Começou a
fuga e a debandada. O governador Diogo de Mendonça
mantém-se no seu posto, quer atear fogo a um barril de pólvora,
quando o inimigo penetra em palácio, e impedido, investe-o à
espada, sendo preso, e ficando prisioneiro.
Não soubera defender, o governo de Filipe III, a capital
da sua colônia, mas providenciou, ferido o orgulho, para a
restauração. As armadas de Portugal e Castela deviam,

passar-se ao Brasil: os povos deviam concorrer: a Câmara de
Lisboa deu 120.000 cruzados em vez de cem, que lhe pediram,
nobres e ricos porfiam em dar muito. A 22 de Novembro partem
26 navios, com cerca de 4.000 homens, de tropas e tripulação.
Como almirante D. Francisco de Almeida, general D. Manuel
de Menezes. Em Cabo Verde junta-se a armada castelhana, de
37 navios, mais de 7.000 homens, sob o mando do Almirante D.
João Fajardo de Guevara. O comando geral foi dado a Dom
Fradique de Toledo Osório.
Da Bahia, saqueada, os despojos reunidos foram
mandados para a Holanda. Entretanto, o bispo D. Marcos
Teixeira, refugiado com muitas outras pessoas, na aldeia do
Espírito Santo, depois vila de Abrantes, redução dos Jesuítas,
encabeçou e deu corpo à resistência para a restauração,
reunindo dois mil homens, entre eles bastantes índios frecheiros
e começou a pôr cerco à cidade. O governador flamengo João
Van Dorth, foi morto, quando inspecionava as fortificações de
Monserrate, por uma emboscada. De Pernambuco chegaram
socorros mandados por Matias de Albuquerque, sob o comando
do seu lugar-tenente Francisco Nunes Marinho, a quem D.
Marcos Teixeira, o bispo animador, passou o governo. De
vários pontos chegavam reforços para apertar o cerco. Já o
inimigo não se aventurava a sair de suas fortificações, embora
tivesse munições e mantimentos fartos e dois mil e oitocentos
homens de armas. D. Francisco de Moura, brasileiro, chegou da
Europa para comandar as tropas do Recôncavo, substituindo a
Nunes Marinho.
A 29 de Março de 25 fundeou a esquadra, ao nordeste da
baía. Combinado o plano de ataque com os de terra, começou o
combate, aceso pelos dois lados. A 30 de abril os Flamengos
assinaram a capitulação. A cidade era restituída "com toda a
artilharia, armas, munições, navios, dinheiro e preciosidades e o
mais que houvesse naquela e nestes, com a garantia da volta
deles a Holanda, com as suas tropas, em navios para esse fim

concedidos, havendo mútua restituição de prisioneiros". A 1.º
de Maio de 1625, aniversário da cidade que fundara Tomé de
Sousa, esta era de novo nossa. Três semanas depois uma
esquadra de 34 navios holandeses, sob o mando de Bondewiyn
Hendrikszoon, retardada por tempestades e que viera em
socorro dos seus, não se animou a recomeçar a luta, e passou
adiante. Contudo, em 27, nova esquadra comandada por Piet
Heyn entrou na baía, e apesar de dois navios encalhados e um
incendiado, pilhou porto e recôncavo, tomando embarcações,
zombando das fortalezas e retirando-se em seguida.
Para a restauração concorreram, com serviços
inestimáveis, Dom Marcos Teixeira, os Padres Jesuítas
recolhidos a Abrantes, Jerônimo de Albuquerque Maranhão e o
Sargento-mor San Felice, mais tarde Conde de Bagnuolo. D.
Francisco de Moura assumiu o governo, sendo, um ano mais
tarde, substituído pelo Conde de Miranda, Diogo Luiz de
Oliveira. A armada restauradora quase não chega à Europa:
incêndios, naufrágios, piratas a dizimaram, e tanto que, dos 26
navios portugueses só um tornou ao Tejo. Portugal sempre deu,
sem contar, ao Brasil e o Brasil ficava restaurado.
Por pouco tempo, porque, em 1629, começaram os
Flamengos a concentrar forças no porto africano de S. Vicente:
mais de 50 navios, 1.200 bocas de fogo e 7.200 homens,
comandados pelo Almirante Loncq; a empresa, agora, era
dirigida contra Pernambuco, cuja riqueza em açúcar cobiçavam.
Olinda era povoada e opulenta, com quatro mosteiros, casas
grandes e ricas; além dela, perto, o porto de Recife, já abastado;
Igarassú, Muribeca, Santo Antônio do Cabo, S. Miguel de
Ipojuca, Serinhaem, S. Gonçalo de Una, Porto Calvo, Alagoas
do Norte, Alagoas do Sul, eram vizinhanças prósperas. Mais de
30.000 habitantes, afora os índios mansos, as habitavam.
Dezenas de engenhos produtivos enchiam de mercadorias os
armazéns do Recife e as armadas de tráfico. Portanto,
preferência justificada para o assalto.

Soube do projeto o governo de Filipe III, mas deu
apenas a Matias de Albuquerque, então na Europa, o auxílio de
3 caravelas e 27 soldados. Contudo a resistência, como se pôde,
preparou-se. O porto do Recife foi obstruído por velhos navios
afundados. A armada desembarca, na enseada de Pau Amarelo,
3.000 homens de tropa, sob o mando de Weerdenburgh e
investe contra Olinda, que entra em pânico. A luta, começada a
15 de Fevereiro, continua, renhida, impossível de ser
sustentada, dada a desproporção das forças, caindo
sucessivamente as posições fortificadas e o Recife, onde se
refugiara, com os últimos dos seus, Matias de Albuquerque, não
sem incendiar, na retirada, os trapiches, para não irem parar às
mãos dos invasores 4 milhões de cruzados.
É a guerra de guerrilhas, arraiais de emboscada, como
esse do Bom Jesus, entre Olinda e Recife, onde guerrilheiros
como Lourenço Cavalcanti, Luiz Barbalho e outros importunam
o inimigo. Os recursos espanhóis, sempre atrasados, vieram na
armada do Almirante D. Antônio de Oquendo, que chegou à
Bahia em Janeiro de 1613 e levou tropas de desembarque para
Pernambuco. A 12 de Setembro a armada de Oquendo, de 53
velas, encontra-se ainda em águas da Bahia com uma frota
flamenga, de 16, sob o comando de Adrião Pater. O ataque à
capitania deu lugar a proeza de cinco naus, dos dois partidos, se
atracarem, sem se poderem desenvencilhar, incendiadas. A
vitória, porém, ficou indecisa. Contudo o flamengo, dizem, não
quis aceitar a possibilidade de prisioneiro, e uma lenda, de
origem portuguesa (damos aos outros quando lhes falta...), fá-lo
enrolar na sua bandeira e atirar-se ao mar, declarando: "O
oceano é o único túmulo digno de um almirante batavo".
Afogou-se, por acidente, disse Laet, um dos seus. A de Dom
Francisco Manuel, o nosso clássico, comentando o sucesso, essa
é autêntica: "Perdeu antes a vida que a vitória". Em 32 tomam
os Holandeses Igarassú. Nesse mesmo ano o mestiço Calabar
deserta, passando-se ao inimigo: a eloqüência literária tem
procurado justificar a traição: deixava "espanhóis" por

"flamengos", não era grande a diferença; contudo, esse
"patriota" não era brasileiro, pois que optava pelos intrusos. Em
34, com Segismundo von Schkoppe à frente, tomaram a
Paraíba. A 8 de Junho de 1635 é assinada a capitulação.
Pernambuco, do Rio Grande do Norte ao rio de S. Francisco
será holandês por 23 anos. Durara cinco anos, de 30 a 35, a
conquista; até 53 irá a porfia para a recuperação.
Matias de Albuquerque, vencido, retirou-se com os seus
últimos fiéis para o sul sem se render: de caminho, tiveram
ainda ocasião de proeza, vencendo, numa emboscada, o chefe
flamengo Picard que entregou para cima de trezentos e oitenta
soldados, mais de metade brasileiros... Entre eles, Calabar.
Todos tiveram liberdade: apenas este "devia ficar à mercê
d'el-Rei". Foi enforcado e esquartejado imediatamente(2).
Uma esquadra espanhola, nesse ano, desembarca em
Alagoas 1.700 soldados, a mando de Dom Luiz de Rojas e
Borja, que vinha render Matias de Albuquerque. Foram
imediatamente derrotados, na Mata Redonda, por Artichofski.
Morto o comandante espanhol, o Conde de Bagnuolo assumiu a
direção das tropas que restaram, e recomeçaram as guerrilhas:
nelas operaram feitos de valor o índio Felipe Camarão, o negro
Henrique Dias, o branco Vidal de Negreiros, simbólicos heróis
das três raças do país que já defendiam, com os Portugueses, o
Brasil. Ainda outros guerrilheiros audazes não devem ser
esquecidos: Dias de Andrade, Sebastião Souto, Francisco
Rebelo. Isso era, porém, a guerrilha, a reação da impotência...
Os Flamengos, traficantes, viram-se na contingência de
organizar a pirataria em conquista, e a conquista em exploração.
Para isso, era preciso uma organização de estado. Fizeram vir
um príncipe da casa de Orange, o Conde João Maurício de
Nassau, senhor esclarecido, soldado experimentado, humanista
tolerante, que veio dar, à Colônia, organização, liberdade e
justiça. Os portugueses e brasileiros têm o gozo de seus bens,

livremente; os negros e índios, escravos, são livres; os católicos
exercem o seu culto, ao lado dos protestantes; os judeus, que
Portugal expulsara e se refugiaram na Holanda, tornaram à
pátria, no Brasil. Entretanto, a cidade, o Recife, tornado em
"Mauritzstadt", aformoseava-se com palácios, pontes, bairros
novos, palmeiras, laranjeiras, árvores preciosas plantadas, e
artistas, naturalistas, astrônomos, etnógrafos, historiadores,
foram importados e deram, à Nova Holanda, apreciada aura
intelectual. Realizam-se as primeiras eleições livres dos
municípios: são os escabinos ou cabinos, à moda de Holanda.
Tanto e tão bem vai tudo, instalação, produção, civilização,
nesse país, que o príncipe considerava "dos mais belos do
mundo", que os Flamengos traficantes suspeitaram estar ele
preparando um estado independente para si. Retiraram-no,
(1637-44) não lhe satisfazendo as exigências, e os sucessores,
incapazes, começaram a obra de demolição do Brasil holandês,
aliás a regra de Holanda, das colônias e coloniais de exploração,
de que Nassau foi rara exceção.
A pacificação que Nassau realizou não excluiu a
conquista sistemática. Chegou até o rio S. Francisco, onde
construiu, em Penedo, o forte Maurício. O almirante Huygens
atacou a Bahia e o Recôncavo, tendo batido, na Paraíba, uma
armada espanhola de oitenta navios, sob o mando de D.
Fernando de Mascarenhas, conde da Torre, que, destroçado,
chegou à Bahia, numa pequena caravela. Com 30 navios Nassau
acometeu a Bahia; tomou alguns fortes, mas, no assalto à terra,
foi batido, recuando e reembarcando, ante a defesa improvisada
pelo governador Pedro da Silva, o Conde de Bagnuolo e Duarte
de Albuquerque.
Nassau tornou a Pernambuco a consolidar o adquirido e
a bem governar. Aos Flamengos, o que mais interessava, era o
açúcar e não o domínio. Empregavam a força, para manter a
exploração. Isto explica como foram justos e equitativos com os
portugueses e brasileiros, dentro das terras conquistadas,

adquirindo-lhes a produção. Queriam comércio e não guerra. A
luta era com a Espanha.
Em 1640, com a Restauração em Portugal, as coisas
mudam. Sobrevém um armistício, para regular a situação
definitiva. O Marquês de Montalvão, que governava o Brasil,
envia a Lisboa seu filho e os Padres Simão de Vasconcelos, o
cronista da Companhia de Jesus, e Antônio Vieira, o grande
orador, admirado por onde andou, na Europa.
No armistício, enquanto a Holanda se estendia para
arredondar a conquista, ao norte até o Maranhão, ao sul até
Sergipe, Portugal reorganizava a resistência e a restauração.
Antônio Moniz Barreto inicia a luta no Maranhão, com recursos
do Pará e outros pontos, e o Flamengo, depois de renhida luta,
abandona S. Luiz, em 44.
André Vidal de Negreiros, a pretexto de ver parentes na
Paraíba, entra, em 42, por Pernambuco, e vai aliciando senhores
de engenho, já desgostosos com a declinante administração de
Maurício de Nassau, prometendo recompensas, quando viesse a
restauração. A maior conquista é a do prestigioso e rico
fazendeiro português, João Fernandes Vieira, que passa a ser
eixo da rebelião, na colônia flamenga. Tudo se faz, porém, não
descobrindo a responsabilidade do Governo Português, que trata
com a Holanda, para impedir a Holanda, em represália, de tratar
com a Espanha, que luta em Portugal contra a restauração:
André Vidal de Negreiros envia Camarão, Henrique Dias e a
sua gente contra os Flamengos e vem queixar-se, oficialmente,
ao governador, de que desertaram... Contudo, a quando da
derrota dos navios de Jerônimo Serrão de Paiva, em 45, pela
esquadra de Lichthardt, os Flamengos encontraram papéis
comprometedores não só do Governador da Bahia, como do
próprio Rei, que os Holandeses traduziram e publicaram, em
Amsterdão, em 47.
O movimento começou a 13 de junho de 45. Foram nove

anos de luta. Reconstituiu-se o Novo Arraial do Bom Jesus,
para emboscadas e escaramuças. O general Francisco Barreto
de Menezes organiza tropas, com armas e munições tomadas ao
inimigo. Põe-se cerco ao Recife. Em 19 de Abril de 48, numa
sortida, os Flamengos encontram-se, na colina de Guararapes,
com os nossos: 4.000 holandeses foram batidos por metade dos
nossos. Fora de combate ficaram quase todos os oficiais
superiores, e, entre mortos e feridos graves, mais de mil
soldados. À calada da noite recolheram ao Recife, em retirada.
Dos nossos escreveram eles "se haviam afeito de tal modo à
guerra que se achavam no caso de poder medir-se com os mais
exercitados soldados", podendo suportar fadigas e privações ao
passo que "os seus apenas serviam vendo perto de si a
bolacha"(3).
Do Rio de Janeiro, Salvador Corrêa de Sá e Benevides,
com recursos locais e donativos de comerciantes e proprietários,
15 navios e 900 homens, tenta uma expedição a Angola,
também na posse do inimigo, obrigando-o a capitular, em
Luanda, a 15 de Agosto de 48.
A retirada de Itaparica, à pressão do Conde de Vila
Pouca de Aguiar e a vitória de Guararapes com os socorros
recebidos da Europa, provocaram entusiasmo para remessa do
terço, ou regimento das ilhas, sob o comando de Francisco de
Figueirôa, que já servira em Pernambuco. Se em terra ficaram
tontos os Flamengos, no mar operavam escaramuças e
piratarias, ousando depredações no Recôncavo da Bahia. Por
fim, numa outra sortida, empenhou-se batalha, com mais
destroços e confusão que a primeira batalha de Guararapes.
Criou-se em Portugal a Companhia Geral de Comércio
para o Brasil, iniciativa e propaganda de Vieira, que viria
concorrer para a reconquista dos portos, com a primeira frota
que equipou e saiu de Lisboa a 4 de Novembro de 49. Daqui os
Holandeses pediam recursos, que não vinham: já desanimavam,

desejando a paz, e se a guerra devia continuar, ponderava Van
Schkoppe, "seria necessário tomar a Bahia, sem o que nunca
teriam finca-pé no Brasil"(4). Os ruídos da compra de
Pernambuco, abatiam mais os Flamengos, do que aos
Portugueses irritavam os inversos, de cessão de Pernambuco:
el-Rei escrevera a João Fernandes Vieira repondo as coisas no
que eram. A ruína das capitanias, que a guerra invalidara e a
seca ultimava na penúria, fazia sem dúvida aos Holandeses esta
lástima, publicada: "Melhor houvera sido tivéssemos aberto
mão desta conquista desde muito, do que nos pretendermos
manter na ruína que nos espera"... A guerra de Inglaterra com a
Holanda seria o golpe de misericórdia, se a prudência dos
nossos não fizesse perdurar o equívoco... Em 52, confessa
Segismundo Von Schkoppe: "Deus nos tem protegido até agora
de um modo evidente, tirando ao inimigo o valor, ou dando-lhe
o excesso de prudência, para não empreender o ataque: pois, se
tal ocorre, é mais que provável esse ataque nos será funesto".
No Brasil, ignorava ele, o tempo é arma mais usada que as de
combate: quem desanima primeiro é o vencido.
Por fim, veio de Portugal, pela Armada de Pedro
Jacques de Magalhães, a ordem de ataque ao Recife: a 20 de
Dezembro de 53 está à mostra de terra e, concertada a ação com
os sitiantes, começa a peleja, para acabar logo, tomados os
primeiros fortes das obras avançadas... Desabou o castelo de
cartas... O inimigo envia emissários pedindo suspensão de
hostilidade e negociações para a paz. A capitulação, da
Campina do Taborda, foi assinada a 26 de Janeiro de 54. Ficou
estabelecido o esquecimento do passado; a segurança de
propriedade aos vencidos; três meses para ultimarem os
negócios; por quatro meses respeitados os navios flamengos que
fossem chegando; que os países, das duas partes, tratassem das
indenizações; a religião dos que ficassem no Brasil seria
respeitada; e mais, munições de boca e transporte para a Europa
dos que quisessem ir: os vencidos entregariam praças, artilharia,
munições de guerra.

Francisco Barreto de Menezes recebeu as chaves da
cidade de Segismundo Von Schkoppe, e as tropas vitoriosas
ocuparam o Recife. Estava findo o Brasil Holandês. A vitória
fora conseguida com o esforço pertinaz da Metrópole, algumas
vezes tardia Espanha, sempre meia, porém, nessa
responsabilidade, toda ela dos Portugueses e dos
neo-Portugueses, até 1640, e, daí em diante, com a diplomacia,
a aquiescência, os socorros constantes, de Portugal. Nos
neo-portugueses está o esforço conjugado dos Portugueses do
Brasil, dos Brasileiros já possuidores de um patriotismo
"nacional", com a colaboração dos índios e dos negros. O
símbolo dessa conjugação de esforços são os nomes associados
na vitória, de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes
Vieira, André Vidal de Negreiros, Henrique Dias e Felipe
Camarão.

$ 5(67$85$d2 '( 32578*$/ ( $ '(
3(51$0%8&2
Como represália aos Espanhóis, aparecem, nas Índias, os
Holandeses. Navios de tráfico foram sendo apresados em
Moçambique, Coulão, Malaca, China e Molucas. Como se não
bastasse, os Ingleses fortificaram-se em Surate e nas ilhas de
Sunda, dominando o estreito de Singapura. No Mar Vermelho,
Quixome, cercada, capitulou aos Persas e Ormuz não tardou em
cair. Acaba-se o domínio português no Oriente.
Entretanto, essas humilhações não chegaram à aflição da
queda da Bahia, em 25. Filipe IV promete ajudar, mas confia ao
Povo Português a restauração: são precisos 234.000 cruzados,
para a armada e tropas. Toda a gente em Portugal concorre: só a
cidade de Lisboa dá 120.000; os homens de negócio de Lisboa
34.000; os de Coimbra 4.000... e vai por aí 2.000, 1.500, 1.000,
até 234.300 cruzados, gasto da armada, além dos gastos da
Coroa... Assim Dom Teodósio, duque de Bragança, 20.000; o
Duque de Caminha, 16.500; o arcebispo de Braga, 10.000;

Tristão de Mendonça Furtado 9.500; o metropolita de Évora,
4.000 e assim, nobreza, clero, povo, todos os Portugueses, que
não pensam mais nas Índias, porém não querem perder o Brasil.
E não dão apenas dinheiro porém sangue e vida: só em tempos
idos para prevenir o primeiro cerco da fortaleza de Dio ou para
defender Mazagão se viu emulação comparável entre a nobreza
e os ricos homens de Portugal e isto para um objetivo de 4.500
léguas distante: poder-se-ia temer despovoar-se o reino de
morgados e fidalgos tantos a viva força, quiseram e vieram
defender a Bahia. A Bahia é socorrida e recuperada,
principalmente por Portugal. Espanha dá também navios que
chegam atrasados, dá o comando e trata a rendição.
Mas isso é Portugal manietado por Espanha, ou apenas
alguns Portugueses. Desde, porém, o dia da Restauração, que
Portugal reclama de Holanda as praças ocupadas pelos
Flamengos no Brasil, que eram da Coroa, que nunca tivera
hostilidade com eles, senão com Espanha, inimiga de ambos.
Grandes oferecimentos foram feitos para isso, ao elaborar-se o
tratado de 1641: a cláusula não foi entretanto admitida, pois que
a independência de Portugal era ainda muito mal segura e o
bem adquirido muito valioso. Não esquecer que os Estados
Gerais não eram os donos do Brasil, senão a Companhia das
Índias Ocidentais, e Portugal devia pactuar com aqueles, para
proveito de suas relações com esta. A Guerra da Restauração
durou 28 anos, depois de 1640, e Portugal não temia só a
Espanha invasora, senão temia que seus inimigos, França,
Holanda, Nápoles viessem a fazer pazes com ela e, então, todos
os recursos de Espanha se volvessem contra ele. Portugal
transigia ou fingia transigir com inimigos, que auferira, devidos
à maldita união ibérica, e que lhe podiam aumentar as aflições.
Um episódio dessa atitude, esclarecedor da situação de
Portugal, vista da Europa, e não apenas do Brasil, é este, que
vale o pormenor. Embora vencedores na escaramuça de
Itaparica, em Agosto de 47, os Flamengos mandam a Holanda

Hendrik Haecx, a apressar socorros. Portugal envia por
governador o Conde de Vila Pouca de Aguiar, com reforços
para a Bahia, e é o medo destes que vai expelir em Janeiro de
48, de Itaparica, o Flamengo. O socorro de Holanda será para
salvar Pernambuco, também por nós ameaçado. É então que
sobrevém a diplomacia de Francisco de Sousa Coutinho,
embaixador de Portugal em Holanda, de concerto com Dom
João IV, dilatando, por discussão, que cederia Pernambuco, por
compra da paz. (A proposta é de 16 de agosto de 47). Seriam
doze navios de guerra, seis mil soldados, que obteria a
Companhia das Índias, confiados a João Maurício de Nassau,
convidado a tornar a Pernambuco. Em Portugal discutia-se a
cessão de Pernambuco, por compra, segundo conselho de
Gaspar Dias Ferreira, influente português da Haia, para o qual o
Padre Vieira escrevia um primeiro papel de 14 de março de 47,
opinando favoravelmente e propondo por 500.000 florins a
aquisição do Brasil, Angola e S. Tomé. Sousa Coutinho, quando
falha a transação da compra, vai adiante: "dá" Pernambuco, sem
ônus, e mostra até nomeação del-Rei para, como governador
geral, ir ao Brasil cumprir o estipulado. Entretanto,
conferenciava à noite, sob chuva, num bosque da Haia, com
Nassau, a quem prometia um milhão de florins, se negociasse
um acordo de trégua larga, a Portugal. Nassau, diante das
ofertas, não se recusou aos apelos da Companhia das Índias,
mas fez tais exigências, que se compreendeu a escusa: queria o
governo soberano pela vida, 500 mil florins para pagar dívidas e
preparar-se, 9 mil soldados dos Estados Gerais e 3 mil da
Companhia, com a gente de mar necessária, e contínuos
subseqüentes socorros. Conseguiu-se a dilação, embora com a
promessa de ceder o Recife. A el-Rei escrevia Sousa Coutinho
pedindo fizesse escrever a Nassau agradecendo e
"segurando-lhe as promessas "feitas" e que terão cumprimento
pelo embaixador que se me seguir, e digo pelo embaixador que
se me seguir, porque se V. M. não julgar o negócio por bom, e
houver de faltar ao essencial dele, pouco vay que se falte aos
accessorios. Senhor, os Reys não estão obrigados a ratificar

tudo o que os embaixadores fazem... senão pera que era falar
em ratificações'?" (Correspondência diplomática de Francisco
de Sousa Coutinho, durante a sua embaixada em Holanda,
publicada por Edgar Prestage e Pedro de Azevedo, 2 vols.
Coimbra, 1926, t. II, p. 192).
Tudo isto para dar a Pernambuco tempo de libertar-se e
não dar à Holanda pretexto de unir-se à Espanha, contra
Portugal, que mal podia com um, quanto mais dois inimigos.
Por fim, a esquadra flamenga do almirante With segue, mas
antes já seguiu a portuguesa, de Francisco de Figueirôa. Sousa
Coutinho ganhara com a contemporização (aqui bem cabe o
termo de gíria "tapeação") ter detido "aquele mar tempestuoso",
diz, em estilo nobre, de 8 de julho a 12 de dezembro de 47. (Id.
p. 266).(5)
A moral pode falar em duplicidade e no escrúpulo de
corromper por compra: não é isso só política, é do tempo, e de
todos os tempos... e, depois, há um matiz que faz distinção entre
Sousa Coutinho que pretendeu ou comprou, e Nassau que foi
tentado, ou mesmo comprado. Só a correspondência do
embaixador, hoje publicada, permite compreender essas
negociações, para as quais, na mesma ordem de idéias, em
Lisboa, se invocava a coragem alarmada do Padre Vieira, para
um "Papel-forte", em Outubro ou Novembro de 48, contudo
"sem lábia", para não fazer, certamente desconfiar(6). Este
papel, submetido aos conselheiros del-Rei, foi geralmente
repelido, e, totalmente, pela opinião pública.
Entretanto, os Espanhóis, tratando com os Flamengos
em Munster, em 48, garantiam-lhes "todos os lugares do Brasil
tomados aos Estados Gerais pelos Portugueses, desde 1641".
É nesta situação de expoliado por Espanha,
sistematicamente empobrecido de gente, dos melhores oficiais e
tropas, que ela fazia gastar na Catalunha e Flandres, e de bens,
levados a Castela, que Portugal, o invasor ainda no solo, e

vendo os tratos que fazia ou tentava fazer por toda a parte, com
a Holanda, França, Inglaterra, Países Nórdicos, até com a Santa
Sé, complacente com os Castelhanos, ou temerosa da sorte dos
Portugueses, que a guerra contra os Holandeses no Brasil deve
ser considerada.
Na arrancada definitiva de 42 a 54, a atuação da política
de Portugal revela os mesmos sentimentos dos Portugueses,
desde 25, pelo Brasil(7). O movimento libertador do Maranhão
em 42 tem a aquiescência da Coroa. Com André Vidal de
Negreiros, que vai a Lisboa expor as condições de Pernambuco,
e torna com promessas de comendas e mercês a distribuir, vem
António Telles da Silva, capitão geral de mar e terra, acorde
com os insurrectos. No fim, a forte armada de Pedro Jacques de
Magalhãis, chegada à vista do Recife, é que dá coragem e
determinação aos sitiantes e apressa os sitiados do Recife à
suspensão das hostilidades e à capitulação do Taborda.
Quando a paz se realiza definitivamente nas Cortes, é
preciso poupá-lo, ao inimigo, porque a Espanha ainda aí está no
território, e não convém ter mais desafeto lá fora. Portugal e
Holanda concordam na indenização de 4.000.000 de cruzados,
em dinheiro, açúcar, tabaco, sal, outros gêneros: o Brasil, para
sua libertação, concorreria com menos de metade, 1.920.000
cruzados, pagos em 16 anos, a 120.000 cruzados de prestação
por ano. Negócio de pai para filho.
Do mesmo modo que certos historiadores esquecem a
situação de Portugal, invadido e armas nas mãos, a defender-se
de Espanha, não podendo, declaradamente, fazer outros
inimigos mais acirrados, também esquecem outro fator da
vitória, que foi o abandono relativo que os traficantes
Flamengos deram a posses que já lhes não valiam tanto. O sítio,
as escaramuças, os engenhos arruinados, os canaviais
incendiados, a seca persistente, os lucros cessantes, a causa que
é "interesseira", de negociantes, e não "nacional", de patriotas,

colaboraram em facilitar a nossa vitória. A guerra de Holanda e
Inglaterra (1653) favoreceu-nos muitíssimo, distraindo o
inimigo, do mais fraco para o mais forte.(8) Então, seria
também injustiça acusar os Estados Gerais de se interessarem
mais pela posse de negociantes, com negócios na América... Só
recentemente as grandes Nações expansivas consideram o
comércio, e até as missões religiosas, como interessados no
prestígio do pavilhão que os protege. Não se pode julgar, em
história, se não ao tempo e nas condições da ocasião. O que não
padece dúvida é que Portugal manteve pelo Brasil os mesmos
sentimentos de sempre, diante da ocupação holandesa, que
ajudou a vencer, com os reinóis e os neo-portugueses.

(175$'$6 ( %$1'(,5$6
(6&5$9,'2 9(50(/+$
As entradas para prear os Índios e as bandeiras que,
além deste fito, devassavam o sertão em busca das minas,
vieram do 1.º século.
A 1.ª será mandada por Cabral para explorar a terra.
"Fomos todos nos batees armados e a bandeira comnosco...
fomos ataa hüa lagoa grande de agoa doce"... diz Vaz Caminha.
Vespúcio também disse que uma expedição mandada por ele
penetrara no interior umas quarenta léguas. Martim Afonso, no
Rio, penetra no interior, durante dias e, de S. Vicente, vai a
Piratininga. A 4.ª será a de Pero Lobo, em 31, às margens do
Paraná. Foram precursões. Agora vai Francisco Bruza de
Espinosa, com o Padre Azpilcoeta Navarro, em 1553, de Porto
Seguro ao Jequitinhonha, ao vale do São Francisco, ao rio
Pardo, 350 léguas entre índios selvagens. Em 60, Mem de Sá
manda do Espírito Santo ao sertão Antônio Dias Adorno, Vasco
Rodrigues Caldas, Antônio Ribeiro. A de 1567, de Martins de
Carvalho, também de Porto Seguro, e de Sebastião Tourinho,
em 1572, ainda de Porto Seguro, a de Antônio Dias Adorno, em
1575, por Caravelas e Mucuri... contam-se nos quinhentos. Nos

seiscentos um certo Marcos Azeredo sobe o Rio Doce e dizem
traz prata e esmeraldas, pelo que é preso e, não querendo
revelar o segredo, morre na prisão. Barbalho Bezerra tenta
reconstituir-lhe o roteiro, mas falece antes da aventura.

&DoDGD KXPDQD SRU %DQGHLUDQWHV
'HVHQKR GH 'HEUHW

Capistrano de Abreu pôde pois resumir num esquema as
"bandeiras" em (a) bandeiras paulistas; (b) bandeiras baianas;
(c) bandeiras pernambucanas; (d) bandeiras maranhenses; (e)
bandeiras amazônicas (cf. Paulo Prado, Retrato do Brasil, S.
Paulo, 1928, p. 67-8, nota l.ª ). Propaganda política regional,
depois de enaltecer o bandeirante tende a fazê-lo apenas de S.
Paulo.
António Raposo Tavares, natural de Beja, parte, em
1629, com mil paulistas e dois mil índios, entram na direção do
Paraguai e caem nas missões de Santo Antônio, exigindo a
entrega de um prisioneiro índio que fugira e aí se asilara. O
padre jesuíta defende o índio e recusa-se a entregá-lo. A
carnificina e o incêndio foram a conseqüência. Outras missões,
S. Miguel, Jesus Maria, S. Paulo, São Francisco Xavier, todas
as do vale do Paraná são devastadas.(10)
As bulas pontificais e os éditos reais contra a
escravização dos índios produziram irritação e rebeldia entre os
escravagistas de São Paulo e até do Rio. Quando veio a
restauração, em 1640, chegaram, em São Paulo, a proclamar
Amador Bueno, "nosso rei". Este ajuizado lavrador, embora
aclamado, deixou correr as coisas, -- o tempo resolve por nós,
-- e todos acabaram aceitando Dom João IV. No Rio, o
lealismo foi imediato, o que promoveu equiparação de títulos e
de honras, como os de Lisboa e Porto.
Entre 1650-60 há as bandeiras de Domingos Barbosa,
Calheiros, Luiz Pedroso de Barros e Antônio Pedroso de Barros
que repetem, em menor, as façanhas de Antônio Raposo. João
Correia de Sá, na direção do Rio Doce, parte em busca das
esmeraldas. De 53 é a bandeira de Álvaro Rodrigues do Prado
em busca de Sabaraboçu ou a "serra resplandecente".
Bartolomeu Bueno, Luiz Castanho, Soares Bicudo, de São
Paulo, atingem Goiaz, entre 70 e 80. Fernão Dias Pais Leme é

de 72, e parte com o título de capitão-mor das minas de
esmeraldas: vai às cabeceiras do rio Doce, do rio de São
Francisco e, tendo como centro o Serro, faz excursões por
quatro anos. Depois de incontáveis tormentos, rebeliões,
morticínios, expira o aventureiro, às margens do rio das Velhas.
Do genro Manuel Borba Gato e do filho Garcia Rodrigues Pais,
fia a continuação do sonho, a descoberta do ouro e das
esmeraldas. As jazidas de Sabará aparecem. Antônio Rodrigues
Arzão, de Taubaté, vai, em 93, ao Rio Doce descendo até
Vitória, no Espírito Santo; seu cunhado Bartholomeu Bueno de
Cerqueira, que em 70 estivera no sertão de Goiaz, vai, em 94, à
região de Vila Rica, ou de Ouro Preto.
O sonho do século XVI, com Gabriel Soares, Roberio
Dias, das minas de prata, realiza-se, passando das esmeraldas ao
ouro. Fora a previsão dessas minas que separara o Brasil em
dois governos. O Governador do Sul, Dom Francisco de Sousa,
já trazia o título de Governador e intendente das Minas. Um
Código Mineiro elaborado em 1603, ficou nas Chancelarias do
reino até 1619, quando foi expedido, e publicado no Brasil, em
1652. Essas entradas e bandeiras, para descer índios escravos e
devassar o sertão em busca de minas, dão endereços ao Brasil
colonial predador, agrário, criador e mineiro. Os objetivos
saíram uns dos outros e misturaram-se. Eles trouxeram a
conseqüência da integração do país, além do litoral possuído.
Entravam as bandeiras para prear e descer índios
escravizados, devassavam o sertão, encontravam minas e
recuavam a fronteira sem dificuldades pois que a posse era
comum hispano-portuguesa... diz o povo. O único benefício que
nos trouxe a ocupação espanhola foi "abolir" a demarcação de
Tordesilhas, podendo o colono ir aos limites do Brasil atual,
pois que tudo era da mesma coroa... Com a Restauração, o fato
consumado do uti possidetis tornou portuguesa e brasileira a
posse, graças às entradas e bandeiras, responsabilidade
entretanto contestada.(11)

As entradas despovoadoras, captando o índio, deixavam
estradas no deserto, para a civilização: evidentemente o manso
processo colonizador dos Jesuítas, de José Bonifácio, do
General Rondon, seria preferível: mas a violência dos
bandeirantes tem justificações de Varnhagen, de von Ihering de
todos os coloniais europeus, que não são amáveis com os povos
bárbaros. Aliás nem sempre eles, selvagens, têm a docilidade
resignada. O mundo é dos capazes; é a lei de ferro da natureza e
da civilização. O mesmo santo e doce Anchieta chegava à
exasperação, para catequizar o índio: "para este gênero de gente
não há melhor pregação do que espada e vara de ferro".
(Cartas, p. 186).
Esses caminhos internos são ainda hoje os nervos e
vasos comunicantes do sertão brasileiro. Simonsen estabeleceu
que a pecuária foi a segunda linha dos engenhos litorâneos. As
entradas, para prear índios e descobrir minas, fizeram a
extensão da fronteira aos limites mais ocidentais. O Brasil foi
andando, em extensão e contiguidade, isto é ocupação. Não
esquecer que chamamos "Paulistas" aos Portugueses e
neo-Portugueses de S. Paulo. A insistência tem razão.

(6&5$9,'2 1(*5$
A escravidão vermelha tinha os impedimentos canônicos
e reais, de que os Padres Jesuítas eram os acérrimos intérpretes
na Colônia: a expulsão dos Padres Jesuítas de São Paulo em
1640 e do Padre Antônio Vieira e seus companheiros, em 1661,
do Maranhão, é a maior finta do duelo que se veio realizando
entre os reinóis é os padres. Por isso mesmo, e por tudo, a
escravidão negra ocorreu. Quando Gil Eanes aprisionou alguns
negros nas Canárias, o Infante Dom Henrique, verberando o
procedimento, mandara restituí-los à liberdade, na terra de
origem. Depois, quisera de Afonso Baldaia e de Antão
Gonçalves que "filhassem alguü" para lhes saber a língua e
tomar informações. Finalmente, com a consciência coletiva, a

consciência individual condescendeu. Salvava-se a alma, aos
negros escravos... Como na antigüidade, a escravidão
continuava, e lícita, portanto. Portugal e D. Henrique
pactuaram: já não recusa os seus 45, vintena dos que trouxe
Lançarote de Lagos... O Infante chegou a negociante de
escravos, como seu sobrinho Afonso V.
À América vieram os negros, desde 1501, à reclamação
de Nicolau Ovando, de Hispaníola. Las Casas que defende o
índio, esse mesmo, aconselha a escravidão negra. Os nossos
Jesuítas fecham os olhos à escravidão africana, apenas
defendendo dela os americanos. Supõe-se que são de 35 os
primeiros, introduzidos em São Vicente: a permissão, contudo,
à importação, é de 1549. Angola torna-se mercado fornecedor e,
de tais interesses, dirá Vieira: "sem negros não há Pernambuco
e sem Angola não há negros." (Cartas, ed. J. Lúcio de Azevedo,
t. I, 243). Com efeito, assim o entendem também os flamengos,
que, tomando Pernambuco, vão logo tomar Angola. E quando
os nossos retomaram Pernambuco, do Rio já tinham ido retomar
Angola. E quando vimos à Independência, Angola quis vir
conosco. Contudo a Bahia preferia os negros da Mina,
Sudaneses, mais fortes, robustos, ativos, aceados e belos do que
os Bantus angoleses, menos rebeldes e mais dóceis à servidão,
revendidos para o norte (Pernambuco, Maranhão, Pará) e para o
sul (Rio, São Paulo). Esta preferência baiana é documentada por
Silva Corrêa, na História de Angola e pelos nossos Nina
Rodrigues e Wanderley Pinho. Talvez, daí, a beleza das negras
baianas a ponto de, no Sul, chamar-se a uma bonita negra uma
"Baiana". Os mestiços delas derivados são tão formosos que
Spix e Martius dizem ter ouvido trova popular que isso
denuncia: "uma mulata bonita, não precisa mais rezar, abasta os
mimos que tem, para sua alma se salvar".
A escravidão seria um rio negro, de África ao Brasil, por
mais de três séculos. Calcula Simonsen (op. cit., t. I, p. 205) que
muito se exagerou a importação deles em número, e que apenas

3.300.000 Africanos foram os importados entre 1530 e
1850.(12) Esses negros, a fração que chegava... trabalhadores
dóceis, deram um contingente à família, pela mestiçagem com
brancos e índios, pelas negras domésticas, as mucamas e as
amas de leite e, principalmente, foram a mão de obra do Brasil
colonial. Nem sempre dóceis, esses negros. Com as guerras
holandesas, enquanto os brancos brigavam, iam eles fugindo
dos engenhos e forrando-se no mato, em colônias ou quilombos
ou mocambos, dos quais o mais notório foi o de Palmares.
Faziam depredações em torno, roubavam gado e utilidades e
abrigados em cercas de pau a pique, sob as ordens de um chefe
ou Zumbi, recomeçavam uma civilização africana na América.
Já pelas ameaças convizinhas, já pela necessidade do braço
escravo, os Pernambucanos, cessada a Guerra, deram combate a
estes quilombos. Apelaram para os Paulistas, caçadores de
índios e com Domingos Jorge Velho e os seus empreenderam a
destruição dos mocambos, desde 1687. O mais famoso, de
Palmares, foi vencido em 1695. Por anos adiante iriam aqui e
ali, em Alagoas e Pernambuco, terminando os derradeiros.
A economia do século XVI funda-se nessa escravidão.
Por essa economia o autor dos Diálogos das Grandezas do
Brasil já tem ênfase brasileira, para declarar: o Brasil "é mais
rico e dá mais rendimento para a fazenda de Sua Magestade do
que todas as Índias Orientais". O principal da riqueza seria o
açúcar. Simonsen informa (Op. cit., p. 169, etc.) que o preço
dele caíra em 1506 a 300 réis por arroba (isto é, 150$000 de
hoje). Alcançou no fim do século XVI preço seis vezes maior, e
sete vezes no começo do século XVII, o do apogeu. As ilhas
portuguesas chegaram a produzir 500.000 arrobas; quando o
Brasil entrou no mercado, aquela produção declinou e o açúcar,
imigrante, aqui ficou. Em 1628 havia 235 engenhos (Fr. Luiz de
Souza, Anais de D. João III, cit.). Nas vésperas da Invasão
Holandesa já a produção devia orçar por 2.000.000 de arrobas.
Esse açúcar iria em tal progresso, que Simonsen assegura: "o
ciclo do açúcar produziu em valores, para o Brasil, mais do que

o da mineração, que está avaliado em menos de 200 milhões de
libras".
Esse açúcar, do qual dissera o Pe. Fernão Cardim: "bem
cheio de pecados vai este doce", tanto o sangue e o suor dos
negros se a juntavam à sensualidade e aos desmandos dos
brancos, "teve o papel decisivo na fixação do europeu no Brasil
e na formação de nossos primeiros capitais. Foi ele quem gerou
os grandes problemas de mão de obra cuja solução imprimiu
feição característica ao desbravamento das terras brasileiras".
(Simonsen, Op. cit., I, 178).
A ocupação holandesa foi um ônus de 20.000.000 de
libras desviadas do comércio português (15 milhões de açúcar e
5 milhões de outros gêneros: Simonsen, op. cit., t. I, 187). Daí a
explicação da gana flamenga e da nossa tenacidade, à
recuperação.

02123Ï/,2 ( 5(%(/',$
A Companhia Geral de Comércio, de 1649, a
Companhia de Comércio do Maranhão, de 1682, teriam
privilégios e fariam exações. A experiência anti-flamenga
dera-nos ousio, uma idéia de autonomia animava os rebeldes: as
Companhias de Comércio locupletavam a estrangeiros, pois são
Ingleses que as financiam e inglesas as suas frotas. O comércio
outrora livre é agora privilégio de estrangeiros. A revolta de
Manuel Beckman no Maranhão, em 1684, inspira-se nesses
postulados: "A duas cousas devemos pôr termo, aos Jesuítas e
ao Monopólio". Os Jesuítas foram, de fato, expulsos, sem
maiores violências, mas compelidos a embarcar, Vieira à frente,
para Portugal, onde chega a notícia da rebelião. Gomes Freire
de Andrade (sobrinho de Jacinto Freire de Andrade, o autor da
Vida de D. João de Castro), é mandado contra eles e, sem
grande esforço, acomoda, julga e só os cabeças, refugiados, têm
os bens confiscados, embora depois restituídos às famílias.

Ausentando para o Sul, Minas de Paranaguá, o Governador
Salvador Corrêa de Sá, deixando no posto Tomé Corrêa de
Alvarenga, foi este deposto por Jorge Ferreira de Bulhão, Diogo
Lobo Pereira e Lucas da Silva, sediciosos que proclamaram
chefe a Agostinho Barbalho. Foram presos os cabeças e
mandados a Lisboa, falecendo o primeiro no cárcere onde
esqueceram o segundo, solto o terceiro por fiança. Barbalho
extranho à conjura teve a doação da ilha de Santa Catarina por
capitania e o governo de Paranaguá. Também na Bahia, em
1682, houve tumulto e assassínio de um militar, o alcaide-mor
Francisco Teles de Menezes, despótico e abusivo, protegido
pelo Governador Antônio de Souza Menezes, que desatinou e,
ante o Povo amotinado em favor do assassino, acusou a
Companhia de Jesus do homicídio, prendeu padres e homens
grados, enchendo as prisões de inocentes. Pela frota desse ano
foram a el-Rei mais queixas que caixas (de açúcar), foi o
desabafo popular que, sempre, no Brasil, consola a pena com o
"humour". Já a cidade ia levantar-se em revolução, quando
chegou, por novo Governador, o Marquês das Minas. Ao acabar
o Século em 1698 eram 528 os engenhos; 246 em Pernambuco;
146 na Bahia; 136 no Rio de Janeiro (Taunay, Sabsídios etc,
etc, p. 102).

5(0$7(
Em um século amadurecia quase o Brasil: na agricultura
próspera; nos caminhos das boiadas; nos caminhos das entradas
e das bandeiras; nos limites recuados para o ocidente; na posse
da terra, que tomam, à cata das minas nas povoações sertanejas;
na rebeldia que já conta consigo, contra estrangeiros, reinóis,
padres, privilégios, monopólios, abusos de força. Em 1600
éramos 100.000 habitantes, um terço de brancos; em fins do
século teríamos o dobro ou 200.000 homens. Dada a produção
dessa gente exígua, diz Simonsen, nunca o país teve tão grande
produção e exportação por cabeça! (Op. cit., t. II, p. 182).

O Brasil, ao meado do século XVII, já é tão importante
para Portugal, que Dom João IV dá ao herdeiro, Dom Teodósio,
("e aos mais Primogênitos, desta Coroa") o título de "Príncipe
do Brasil" (Príncipes do Brasil e Duques de Bragança serão os
primogênitos de uma dinastia "de Bragança", que assim, como
título, passava a segundo plano). Tanto, que el-Rei e depois a
Rainha-regente, Dona Luiza de Gusmão, pensam em abrigar-se
aqui, caso a isso obrigue a Guerra da Restauração.(13)

REIS DE PORTUGAL
(Século XVII)
Filipe III (1598-1621).
Filipe IV (1621-1640).
D. João IV (1640-1656).
Regência da Rainha Viúva D. Luíza de Gusmão
(1656-1662).
D. Afonso VI (1662-1667).
Regência do Infante D. Pedro (1667-1683), depois rei.
D. Pedro II (1683-1706).
GOVERNADORES GERAIS DO BRASIL
D. Francisco de Sousa (1591-1602).
Diogo Botelho (1602-1608).
D. Diogo de Meneses (1608-1612).
D. Francisco de Sousa -- Separação das Capitanias do Sul -- (1609-1611).
D. Luiz de Sousa Henriques (1611-1612).
Gaspar de Sousa -- Capitanias reunidas -- (1612-1617).
D. Luiz de Sousa (de Beringel) (1617-1621).
Diogo de Mendonça Furtado (1621-1624).
Matias de Albuquerque -- Em Pernambuco -- (1624-1626).
D. Francisco de Moura -- Capitão-mor -- (1624-1627).
Diogo Luiz de Oliveira (1627-1635).
Pedro da Silva (1635-1639).
D. Fernando de Mascarenhas, Conde da Torre (1639).
D. Vasco de Mascarenhas -- Na ausência do Conde da Torre -- (1639-1640).
D. Jorge de Mascarenhas, Marquês de Montalvão, 1.º vice-rei (1640-1641).
Antônio Teles da Silva (1642-1647).
Conde de Vila Pouca de Aguiar (1647-1650).
Conde de Castelo Melhor (1650-1654).
D. Jerônimo de Ataíde, Conde de Atouguia (1654-1657).
Francisco Barreto de Meneses (1657-1663).
D. Vasco de Mascarenhas, Conde de Óbidos: 2.º vice-rei (1663-1667).
Alexandre de Sousa Freire (1667-1671).
D. Afonso Furtado de Mendonça, Visconde de Barbacena (1671-1675).
Triunvirato (1675-1678).
Roque da Costa Barreto (1678-1682).

Antônio de Sousa Meneses (1682-1684).
D. Luiz Antônio de Sousa Teles, Marquês das Minas (1684-1687).
Matias da Cunha (1687-1688).
Arcebispo da Bahia interinamente (1688-1690).
Antônio Luiz Gonçalves de Câmara Coutinho (1690-1694).
D. João de Lencastre (1694-1702).

1600 -- Filipe III proíbe a agricultura, o trabalho privado aos estrangeiros,
repatriados e exilados muitos deles, impedindo o acesso de outros ao Brasil: leis
renovadas em 1627.
1601 -- "Prosopopéa", de Bento Teixeira, do Porto, primeiro poema épico
escrito no Brasil. Os Holandeses em Malaca. Bandeirantes Paulistas vão às
cabeceiras do rio de S. Francisco.
1602 -- Funda-se a Companhia das Índias Orientais.
1603 -- Pedro Coelho é mandado em expedição ao Ceará, onde funda a efêmera
Nova Lisboa.
1605-8 -- Os índios são proclamados livres.
1607 -- Cinde-se, de novo, o Governo Geral em dois, Bahia e Rio.
1608 -- Tentativa frustrada de ocupação do Ceará.
1609 -- A condição dos índios, mesmo selvagens, equiparada à dos colonos: os
Jesuítas curadores dos índios.
1610 -- Conquista do Ceará por Martim Soares Moreno.
1612 -- Nova expedição francesa ao Maranhão: fundação de S. Luiz.
1613 -- Fundação de Fortaleza, no Ceará.
1614 -- "Histoire de la Mission de Péres Capucins en l'isle de Maragnon", de
Claude d'Abbeville.
1615 -- Conquista do Maranhão. Fundação de Belém do Pará. Fundação de Cabo
Frio. "Histoire des choses plus memorables advenues en Maragnon", de Yves
D'Evreux.
1618 -- "Diálogo das grandezas do Brasil", publicado de 1887 e 1930.
1621 -- O Estado do Maranhão independente do Brasil. Funda-se em Holanda a
Companhia das Índias Ocidentais.
1623 -- Exploração do Amazonas; reconhecimento do delta, por Vasconcelos,
Maciel e Teixeira, batendo índios e feitorias holandesas e francesas que aí
estavam estabelecidas. Paulistas bandeirantes vão até Aquidauana, destroçando
missões Jesuítas espanholas do Paraguai.
1624 -- A Bahia cai em poder dos Holandeses. Alvará pondo limites à escravidão
dos índios, no Pará e Maranhão. Francisco Coelho de Carvalho, 1.º governador do
Estado do Maranhão (Pará e Maranhão separados do Estado do Brasil).
1625 -- Restauração da Bahia, dos Holandeses.
1627 -- Nova invasão da Bahia pelos Holandeses. Queda de Olinda em poder dos
Flamengos. "História do Brasil", de Fr. Vicente do Salvador, publicada em 1889.
1628 -- Antônio Raposo Tavares, com 900 mamalucos e 2.000 índios, destroça as
missões de Guairá.
1631 -- Batalha naval entre as esquadras de Oquendo e Pater. O bandeirante
Frederico de Melo, com 800 mamalucos e 3.000 índios, torna a atacar as reduções
dos jesuítas do Paraguai em Guairá.
1632 -- Deserção de Calabar.
1635 -- Retirada de Matias de Albuquerque.
1636 -- Batalha de Mata Redonda, morte de D. Luiz de Rojas y Borja.
1637 -- Pedro Teixeira, com 70 soldados e 1.000 índios, sobe o Amazonas, funda

uma colônia à foz do Agaripe, vai até Quito, donde torna ao Pará. Chega João
Maurício de Nassau a Pernambuco. Batalha da Barra Grande.
1638 -- Nassau tenta contra a Bahia, sendo batido.
1639 -- Carta-régia que delimita a jurisdição territorial das ordens religiosas no
Amazonas: Jesuítas, margem; Franciscanos, regiões do Cabo Norte, até o Rio
Urubu; Carmelitas, o Rio Negro.
1640 -- Derrota do Conde da Torre, depois de quatro batalhas navais. Retirada de
Barbalho. Nova invasão da Bahia, pelos Flamengos. Restauração de Portugal e
Brasil, do poder de Espanha. Primeira assembléia legislativa eleita (Cabinos),
reunida por Nassau, no Brasil.
1641 -- Ocupação do Maranhão, pelos Holandeses. "Nuevo descubrimento del
gran rio de las Amazonas", do Pe. Christobal de Acuña.
1644 -- Os Holandeses repelidos do Maranhão. Nassau deixa o Governo do
Brasil Holandês.
1645 -- Insurreição de Pernambuco contra os Holandeses. Batalha do Monte das
Tabocas. Tomada da Casa Forte. Derrota da armada de Serrão de Paiva.
Principado do Brasil.
1646 -- Ordens severas do Rei D. João IV.
1647 -- Ocupação de Itaparica. "Rerum per octennium in Brasilia", de Gaspar
Barlaeus.
1648 -- l.ª Batalha dos Guararapes (19 de Abril). "Historia Naturalis Brasiliae",
de G. Piso e G. Marcgrav. O "Valeroso Lucideno", de Fr. Manuel Calado. Morre,
no Arraial Novo, Antônio Filipe Camarão, chefe índio que pelejou, com os seus,
por nossa causa.
1649 -- 2.ª Batalha dos Guararapes (17 de Fevereiro). Fundação da Companhia
Geral de Comércio.
1651 -- Os Holandeses tomam o Cabo de Boa Esperança.
1652 -- Segundo Tribunal de Relação, na Bahia.
1654 -- Capitulação dos Holandeses na Campina do Taborda: vitória final, 26 de
Janeiro.
1655 -- Os Franceses estabelecem-se na ilha de S. Lourenço ou Madagascar. Os
Jesuítas na Serra de Ibiapaba.
1661 -- Paz de Portugal com Holanda. Expulsão dos Jesuítas do Maranhão.
1662 -- Morre, no Recife, Henrique Dias, chefe negro que pelejou, com os seus,
por nossa causa.
1663 -- "Crônica da Companhia de Jesus do Estado do Brasil", do Pe. Simão de
Vasconcelos.
1664 -- Bandeiras paulistas de Antônio Rodrigues, Arzão e Baião Parente, à
Bahia.
1668 -- Missão de Fr. Teodósio, no Rio Negro. Pelo Tratado de Lisboa, Filipe IV
reconhece a autonomia de Portugal, sem restituir Ceuta.
1673 -- Bandeira de Domingos Afonso, do São Francisco aos Sertões do Piauí.
Bandeira de Fernão Dias Pais Leme, de São Paulo aos Rios Doce e São Francisco.
1676 -- Arcebispado da Bahia; Bispado do Maranhão, de Pernambuco e de Rio
de Janeiro.
1678 -- Fundação da Colônia do Sacramento.

1679 -- "Castrioto Lusitano ou História da Guerra entre o Brasil e a Holanda",
de Fr. Rafael de Jesus.
1680 -- Lei protetora da liberdade dos índios: os Jesuítas, administradores
temporais e espirituais deles.
1682 -- Companhia de Comércio do Maranhão. Anhanguera em Goiaz.
1684 -- Revolta de Bekmann, no Maranhão.
1687 -- Guerra contra os Quilombos de negros fugidos.
1689 -- O poema "Descobrimento de Esmeraldas", de Diogo Grassão Tinoco.
1693 -- Bandeira de Antônio Rodrigues Arzão, de Taubaté ao Rio Doce e Vitória
do Espírito Santo.
1694 -- Primeira fundição de ouro em Taubaté. Bandeira de Bartolomeu Bueno
de Cerqueira, de São Paulo a Vila Rica.
1695 -- Destruição do quilombo dos Palmares.

9,
7HUFHLUR 6pFXOR
EMBOABAS. -- MASCATES. -- OS FRANCESES NO RIO DE
JANEIRO -- "CULTURA E OPULÊNCIA DO BRASIL POR SUAS
DROGAS E MINAS". -- AS MINAS GERAIS -- LIMITES COM
ESPANHA. -- OS JESUÍTAS EXPULSOS. -- POMBAL. --
SINTOMAS DE REBELDIA.

(0%2$%$6
A intrusão dos Filipes, príncipes estrangeiros, no sistema
dinástico português; a experiência holandesa, sobretudo no
período de Nassau (1637-44); os protestos contra a autoridade
dos Jesuítas, protetores dos índios, culminando na prisão e
expulsão de Vieira (1661); a rebeldia aos privilégios e
monopólios, começada com Bekemão, os próprios negros servis
rebeldes em Palmares... fizeram, no século XVII, um tirocínio
de vacilação do lealismo, de enfraquecimento da autoridade, de
vantagens da autonomia, da necessidade de justiça e equidade,
que se prolongaria em mal-estar, rebeliões e graves
conseqüências políticas posteriores.
As bandeiras devassadoras do Sertão, se despovoavam a
floresta, escravizando os índios descidos ao litoral, iam abrindo
caminhos, fundando roças e povoados no percurso, pequenas
explorações felizes, conflitos mortíferos de interesses, sacrifício
de bens, comodidades, saúde, até da vida, em busca da

compensação das minas. Em 1700, precisamente, Manuel de
Borba Gato, genro de Fernão Dias Pais Leme, divulga a notícia
do achado das minas de Sabará, terras altas e centrais ao norte
da Capitania de São Paulo. De toda a parte afluem os
ambiciosos e aproveitadores, adventícios que chegam e levam o
melhor partido. Tais aventureiros estranhos e sem escrúpulo,
povo atraído pelas minas, chamados desprezivelmente
"Emboabas" pelos Paulistas e seus parciais, descobridores das
minas, disputam-lhes a posse destas. É a guerra dos
"Emboabas". Entre estes estão colonos de toda a parte e reinóis.
No primeiro conflito os Emboabas, comandados por Manuel
Nunes Viana, vencem e escorraçam os Paulistas, da bandeira de
Domingos da Silva Monteiro. No recontro do rio das Mortes,
nome que celebra a chacina de Bento do Amaral Gurgel, chefe
emboaba, este antecipa o ataque aos Paulistas, que tornaram,
depois de reforços, e passa os sitiados e vencidos à espada,
coberto o campo de mortos e feridos.
Daí também o nome de Capão da Traição. Com esse
êxitos, proclamam os Emboabas governador das minas a Nunes
Viana, que, confiado, arrosta ao próprio capitão-mor Dom
Fernando de Lencastre, o qual se retira a buscar contigentes
para o castigo. O governador do Rio, Antônio de Albuquerque
Coelho de Carvalho, sobrevém e consegue a submissão de
Nunes Viana, com promessas de paz. Os Paulistas volvem,
doidos da injustiça, aos seus lares, mas, recebidos com desprezo
pelas próprias esposas, resolvem tornar atrás, reorganizados,
sob o mando de Amador Bueno da Veiga. Não consegue
detê-los o Governador, em Taubaté, e manda prevenir os
Emboabas do perigo próximo. Com efeito, a situação vai
ficando desesperada, quando se anuncia que socorros
numerosos chegam para os sitiados. Durante a noite os Paulistas
levantam o acampamento e os Emboabas são salvos. Novos
empreendimentos. Mas o governo acorreu com providências,
pondo o governo na Capitania: foi desligada a Capitania de São
Paulo e Minas da do Rio de Janeiro, e nomeado Capitão-mor o

mesmo Antônio de Albuquerque.
Os Paulistas bandeirantes ficam sem as minas que
descobriram, mas é o Brasil quem vence; afinal, com as minas
achadas e exploradas e as cidades do interior que se fundam, em
torno das catas. É a posse do sertão realizada. Esses Paulistas,
não se esqueça, são Portugueses e neo-Portugueses, de S. Paulo.

0$6&$7(6
Em 1710 é uma reação sedentária, mas parecida, que se
pronuncia ao Norte: são os "Mascates" e a sua guerra. Os
proprietários de bens e engenhos em Olinda não viam com bons
olhos o progresso do Recife, onde negociantes, reinóis a maior
parte, enriqueciam e prosperavam pelo trabalho. Ao ser o
Recife elevado à categoria de vila e ao proceder-se à
delimitação do termo, o procedimento leviano do governador
Sebastião de Castro Caldas provocou censuras, correm boatos
de deposição, alvejam-no mesmo com um tiro, onde prisões e
perseguições. Subleva-se o povo e o governador foge para a
Bahia; os rebeldes ocupam as fortalezas do Recife e fazem
desordem. O Bispo, Dom Manuel Álvarez da Costa, assume o
governo, propondo o perdão das ofensas, que chega com o novo
governador Filipe José Machado, o qual ordena aos do Recife
entreguem as fortalezas e, aos de Olinda, suspendam o cerco, no
que foi obedecido. Mas novo levante começa, com atentado
contra o governador Machado, novas prisões, nova devassa,
principalmente da facção "nobre", de Olinda. Por fim foi
restaurada a vila do Recife, reerguido o seu pelourinho: o que
tem de ser traz força. Olinda continuou sua decadência...
merecida.

26 )5$1&(6(6 12 5,2 '( -$1(,52
Em todos os séculos da história do Brasil temos uma
questão com a França. Repelidos no Maranhão, haviam-se

estabelecido na Guiana e pretendiam agora que o seu limite, o
Oiapoc, ia até o Amazonas. Com o erro de geografia coincidiu
alerta dos nossos, na fronteira e vizinhanças, de modo que em
1700 o Embaixador Rouillé assinou em Lisboa um tratado
provisório e suspensivo, que adiava a solução do litígio.
Obrigada a isso por outras ambições políticas, limitou-se a
França ao Oiapoc e deixou em paz o Amazonas. Esta questão só
no século XX será decidida por arbitragem.
Decorridos alguns anos, tentaria outra fortuna pelas
armas. Em 1695 Des Gennes tenta alguma coisa no Rio e em
1708 Duclerc saqueia povoações em Pernambuco, aprisionando
navios. Em 1710 vem esse Charles Duclerc ao Rio de Janeiro,
entrando a barra com seis navios e, temendo resistência,
retira-se, desembarcando fora da baía, em Guaratiba, mil
homens de combate. Toda uma semana gastaram por matas e
banhados para se aproximarem da cidade, acampando no
Engenho Velho. Daí marcharam, sem grande resistência, até o
centro da cidade, até o porto. A resistência organizou-se com
estudantes e populares, a mando de Gregório de Morais, mestre
de campo e irmão do Governador Francisco de Castro, que,
fraco e incapaz, se ausentara. Metidos num trapiche, à ameaça
de se atirar fogo a barris de pólvora, não vendo chegar por mar
o recurso da esquadra, renderam-se os Franceses. A fácil vitória
amotinou a população, que se entregou ao covarde morticínio
de vencidos ou rendidos. Duclerc, prisioneiro, teve a cidade por
menagem e travou relações de boa amizade: seis meses depois
amanheceu, no leito, assassinado.
Em França, onde chegaram tais notícias, preparou-se
empresa de represália e vindita. René Du Guay Trouin,
reunindo elementos de mercadores e do Estado, armou 16
navios da marinha real, quatro de particulares, com tripulação e
soldados para desembarque, ao todo mais de cinco mil homens,
e a 12 de Setembro de 1711 apresentou-se, oculto pelo
nevoeiro, já dentro da baía de Guanabara. A cidade teve

notificação do assalto pela artilharia. Apesar de prevenidos, as
disposições tomadas foram insuficientes e nas fortalezas e
navios tínhamos apenas dois mil e oitocentos homens mal
armados. A fortaleza de Villegaignon, tendo-se ateado fogo
num paiol de pólvora, explodiu. A ilha das Cobras, abandonada,
foi ocupada contra nós. O governador inoperante, como o
capitão de frota descuidado, pouco puderam fazer.
Desembarcados os Franceses, em três brigadas, atacaram a
cidade pelos lados e centro. Du Guay Trouin, ao som do
tambor, intimou à rendição, exigindo punição para os assassinos
de Duclerc e trucidação dos prisioneiros. O governador
Francisco de Castro Morais declarou que defenderia a cidade
até "a última gota de seu sangue" e, com efeito, fugiu para
Iguaçú, a 10 léguas da povoação. Então, foi o bombardeio à
cidade e o pânico, a deserção, o tumulto, a confusão, o Rio
abandonado à sua sorte, a 22 de Setembro. No saque
colaboraram uns 200 ou 300 prisioneiros de Duclerc, que se
libertaram e chamaram os seus. Du Guay Trouin teve de passar
pelas armas alguns dos mais ferozes depredadores, para manter
a disciplina. O resgate da cidade foi conseguido por 600.000
cruzados em dinheiro, 100 caixas de açúcar, 200 bois, além de
gêneros, pratas, jóias, alfaias, tudo o que saquearam: calculado
em 30 milhões, do Estado, e 12, dos particulares, o esbulho.
Retiraram-se os assaltantes a seus navios, apenas em terra os
que negociavam a paz e esperaram o pagamento.
Confraternizavam e mostravam-se corteses.
Os recursos esperados de Minas, sob o mando de
Antônio de Albuquerque, chegaram uns vinte dias antes da
partida dos Franceses: eram 6.000 homens, mas desprovidos de
munições. Acamparam a quatro léguas da cidade, observando a
retirada do inimigo, que, confiado, comerciava com a
população, comprando o que podia e vendendo até dois mil e
oitenta barris de pólvora... A partida foi a 13 de Novembro.
"Tão namorados foram da terra, diz um correspondente do
tempo, que é de temer voltem para o ano". Com efeito

pensaram nisso. (Southey, Hist. of Brazil, cit. 3, 131). Apesar da
perda de três navios carregados de opimos despojos e dinheiro,
a empresa produziu 25 a 30 milhões de cruzados: tiveram os
sócios um lucro de 92 por cento. Por ironia, o pirata francês
elogia o governador: encarecia sua proeza. Tem sua estátua no
Castelo de Versalhes, logo à entrada. A França vingara, de uma
vez, todas as mal sucedidas empresas anteriores. Castro Morais
teve os bens confiscados e desterro para a Índia. O povo deu-lhe
o apelido de "Vaca".

³&8/785$ ( 238/Ç1&,$ '2 %5$6,/
325 68$6 '52*$6 ( 0,1$6´
De 1711 é este livro, inventário documentado do país no
começo do século XVIII. Escreveu-o o Padre Jesuíta João
Antônio Andreoni, identificado, por Capistrano de Abreu, como
André João Antonil, que o subscreve, usando de criptograma, só
esclarecido em 1886. Impresso com todas as licenças do tempo,
chegando o revisor do Santo Ofício a escrever que se poderá
estampá-lo com letras de ouro, foi tão bem seqüestrado e
supresso, que caiu sobre ele o silêncio, e só ressurgiu, pelos
raríssimos exemplares escapados, mais de século depois. É que
o livro é repositório de informações sobre o Brasil, a causar
cobiça e fazer iniciativas malfazejas... Antonil descreve por
miúdo a lavoura da cana e a indústria do açúcar... "Do que
padece o açúcar desde o seu nascimento na cana, até sair do
Brasil!" E vêm as mais pertinentes informações sobre o senhor
de engenho, a escravatura, os feitores, o produto obtido, seu
trato, acondicionamento, tipos, o que custa e o que produz.
Havia então, em Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro 528
engenhos que produziam 37.020 caixas de 35 arrobas cada uma
(mais de meia tonelada). Mas não fica aí. Antonil trata de
minerações, cujo defeito reconhece, (são "as melhores minas do
Brasil os canaviais e malhadas em que se planta o tabaco"); o
quinto, que justifica, história das entradas e bandeiras, o modo
de tirar o ouro e a prata, não esquecendo a moral, "os danos que

tem causado ao Brasil a cobiça, depois do descobrimento do
ouro nas minas". "Nem há pessoa prudente que não confesse
haver Deus permitido que se descubra nas minas tanto ouro para
castigar com ele ao Brasil, assim como está castigando no
mesmo tempo tão abundantemente de guerras, aos europeus
com o ferro". (Antonil é historiador moderno e clarividente).
Não falta o tabaco. Hábito indígena, levado à Europa, apesar
dos protestos dos moralistas (o bispo Sardinha excomungou o
donatário Vasco Fernandes Coutinho por fumar...). Já em 1693
é tão urgente, que na América, diriam a um piedoso, com
desejos de fundar universidade para salvação de almas: "Damn
your immortal soul. Grow tobacco!" O fumo era a volúpia
universal um século mais e Antonil já estuda a planta, como se
semeia, se limpa, tiram e curam as folhas, as cordas, os modos
de uso, etc. (Fumar era então "beber fumo", tragar a fumaça,
como ainda se diz. O cachimbo, o rapé, os usos médicos do
tabaco, os abusos...)
O seu melhor editor, Afonso de Taunay, conclui
sabiamente: "encerrando o seu trabalho, faz Antonil o resumo
-- de tudo o que vai ordinariamente cada ano do Brasil para
Portugal e do seu valor, discriminando a valia das diversas
grandes verbas, açúcar, tabaco, ouro, couros e pau-brasil, num
total de 3.743:992$800, quase nove e meio milhões de
cruzados. Guardadas as proporções e levando-se em conta a
capacidade de aquisição da moeda, então e agora, e
computando-se a população do país num milhão de civilizados,
talvez, era a exportação brasileira, per capita, muito mais
elevada que hoje". (Afonso de E. Taunay, prefácio, in André
João Antonil -- Cultura e Opulência do Brasil, S. Paulo, 1923,
p. 19). "Não deixará (isso) de causar a maior admiração", diz
Antonil, o que é verificação e profecia.

$6 0,1$6 *(5$,6
A América espanhola havia logo dado à metrópole o

Eldorado que as navegações procuravam, em ouro e prata.
Portugal foi menos feliz. Os índios, parece, indicavam aos
primeiros navegantes haver o precioso metal em terra (Carta de
Pero Vaz, in Alguns documentos... do Tombo, cit. p. II).
Andou-se, depois, à procura. Na divisão em dois governos, o do
sul visava as minas. As bandeiras, por fim, acharam-nas: a
princípio escassas, chegou-se finalmente à abundância, e tantas
que foram as "Minas Gerais"; dois séculos se levaria para isso.
A primeira fundição faz-se em 1694 em Taubaté. Em 1698 é o
triunfo. A fundição reduz o ouro a barras, amoeda-o e cobra o
quinto real, imposto da Coroa. O ouro del-Rei vai na nau dos
"quintos" e o dos particulares gasta-se nas aquisições, no reino
e na colônia, dos produtos estrangeiros que usa o país. O ouro
não faz senão transitar. O beneficiário é a Inglaterra, cujas
indústrias, excedentes ao consumo interno, vêm para Portugal e
Brasil. Pelo Tratado de Methwen, negociado sob Pedro II em
1702, há tarifa preferencial para os vinhos portugueses em
Inglaterra e importação franca de panos ingleses do outro lado.
O ouro da Coroa gastou-se nas obras suntuárias de Dom
João V, das quais basta citar as do colossal e inútil convento de
Mafra; as da riquíssima capela de São João Batista em S.
Roque, feita em Roma, de lápis-lazúli e ouro, cujos paramentos,
da maior riqueza, fazem um museu de indumentária religiosa
incomparável. Gastou-se em embaixadas suntuosas, em
presentes magníficos, remunerações quantiosas, um fausto que
o Museu dos Coches em Lisboa ainda atesta, que atesta a talha
doirada desse relicário, que é a Biblioteca da Universidade de
Coimbra. Dom João V não foge à imitação ou à moda do tempo
-- teve amantes mesmo nos conventos (Odivelas foi retiro
galante) e bastardos, colecionados até num paço -- donde os
meninos de Palhavã -- e Luiz XIV e Versalhes, e as
concubinas (aquelas que Frederico da Prússia chamaria Cotillon
I, II, III, etc.) e seus filhos, -- não deixariam de estar presentes
à Corte de Portugal...

Nesse escândalo de Dom João V esquece-se a proteção
dispensada às artes e às ciências, as escolas, as academias, os
aquedutos e os hospitais, e o que o fausto produz de animação à
sociedade. Esse fausto, porém, tem de ser medido em dinheiro.
O exagero é sempre bem-vindo. Rocha Pita disse: "A cópia de
ouro que as minas lançam das suas veias é infinita, e o número
das arrobas que delas se tiram quase impossível saber-se..."
(Hist. da América Portuguesa, 1. VIII, §§ 58 a 63). "Ilusão da
desordem", diz um economista historiador. .. "achamo-nos em
face de quantias quase modestas: 269 milhões de cruzados em
trinta e três anos; 8 milhões e pouco ao todo, cada ano, para
particulares e para o rei. E como, teoricamente, pertencia a este
o quinto do ouro e diamantes, tocar-lhe-iam menos de 54
milhões, um ano por outro cerca de 655 contos." (J. Lúcio
Azevedo -- op. cit., p. 382).
Esses dados vêm de extrato de publicações oficiais feitas
pelo Visconde de Santarém (Quadro elementar das relações
diplomáticas, t. 5.º, Introdução, p. 248-9 e 262-5). "Da relação
como está organizada, constam, desprezando as frações, 51
milhões para a coroa, 79 para os particulares e 137 sem
designação. É provável acharem-se incluídas na última parcela,
somas pertencentes ao Estado, mas há pouca aparência de
exceder muito o total, os 55 milhões, em que o quinto podia
importar" (J. Lúcio, op. cit., p. 382). Ora, somando as três
parcelas, 51 milhões da Coroa; 79, dos particulares; 137, sem
designação: tem-se 267, de que 51 é pouco menos do quinto;
além desse quinto teria vindo para particulares, no Reino 79; no
Brasil teriam ficado 137 milhões, que viriam, com demora
relativa, ao reino, para pagamentos. O contrabando, que
escapava ao fisco, aumentava a quota que ficava na terra(1).
Parece óbvio: a estatística oficial feita em Portugal refere-se ao
dinheiro ou ouro recebido diretamente. O ouro do Brasil,
portanto, mais de metade, serviria ao próprio Brasil.
Mais perto, e com as responsabilidades de ministro,

dobrando a parada, disse Pombal: "as minas de ouro no Brasil
produzião anualmente vinte e quatro milhões de cruzados".
"Depois do descobrimento das minas, isto é, ha sessenta anos
sahirão do Brasil quasi mil milhões de cruzados. Isto he fato
verdadeiro, os manifestos de cada frota, que trouxerão ouro para
a Europa, desde o reinado do Sr. D. Pedro II, andão em Portugal
entre as mãos de todos". (Cartas e outras obras do Marquez de
Pombal, Lisboa, 1832, t. IV, p. 112, 127).
Esse ouro, na época, diz Simonsen, exerceu influência
sobre as trocas comerciais do mundo e a Inglaterra,
principalmente, o recolheu às suas reservas, depois de transitar
apenas por Portugal. O desenvolvimento capitalista e industrial
da Europa no fim do século XVIII, disse Werner Sombart, teria
sido impossivel sem a penetração impetuosa e estimulante do
ouro brasileiro. De um cálculo global João Lúcio de Azevedo
(op. cit., p. 383) diz: "perfaz tudo (renda dos quintos) 107
milhões de cruzados nos quarenta e quatro anos de reinado (de
Dom João V), quantia de vulto para o tempo, mas de nenhum
modo de proporções fabulosas, como nos habituaram a
imaginá-los, os historiógrafos, fundados na tradição". Ora, 107
é quinto de 535, portanto 428 milhões de cruzados renderiam as
minas do Brasil, para os Brasileiros e Portugueses no Brasil:
mais de metade ficaria na terra de origem: todo entretanto com
relativa demora se iria ao estrangeiro, para a aquisição das
utilidades da vida. Mais dia, menos dia, à Inglaterra. O próprio
citado Pombal (op. cit., p. 112,123-4, etc.) diz que os 24
milhões de cruzados anuais serviam para pagar 28 de
importações inglesas. "À mesma medida que o ouro do Brasil se
vasou na Gran-Bretanha produziu ahi a terra mais". "Os
progressos das artes tiveram a mesma causa. O metal do Brasil
pôs em movimento a indústria desta nação, que antes falecia".
Assegura, finalmente, Pombal, que a moeda circulante em
Inglaterra era menos comum com a efígie de seu rei, do que
com a de D. João V... Já a bolsa de Desdêmona, no "Otelo", de
Shakespeare, publicado em 1622, está cheia de cruzados, my

purse full of cruzadoes (Act. III c. IV) mas esse não seria do
Brasil... Já de antes o ouro português (os guinéus, moeda de
ouro, aludem à Guiné) ia à Inglaterra.

/,0,7(6 &20 (63$1+$
"Tratado de Madrid" (1750). Os Portugueses tinham ido
ao Rio da Prata, antes de Solis: Vespúcio, a mando de Dom
Manuel, segundo disse ou dizem intérpretes por ele, e outros
navegadores da costa do Brasil.
O Tratado de Tordesilhas pusera lealmente Portugal no
respeito à posse de Castela. Dom Pedro II manda fundar uma
colônia limite, entre os dois domínios vizinhos, margem
esquerda e direita do Prata. É o que faz Dom Manuel Lobo,
governador do Rio de Janeiro, lançando as fundações, a 1.º de
Janeiro de 1680, da fortaleza e da Colônia do Sacramento. Mas,
na Guerra-de-Sucessão de Espanha, Portugal, ao lado de
Inglaterra, forma contra a França, e Castela promove um ataque
do governador de Buenos Aires em 1704, sendo os Portugueses,
depois de um sítio de seis meses, obrigados a incendiar suas
posições e a refugiarem-se no interior (1705). Pelo Tratado de
Utrecht (1715), feitas as pazes, Castela obrigou-se a restituir a
Colônia, mas entrega apenas o sítio ocupado, fundando junto
Montevidéu (1724), onde se fortificou. Nova guerra de limites,
entre Espanhóis de Montevidéu e Portugueses do Sacramento,
terminada em 37 com o Tratado de Paris. Finalmente, em 1750,
último ano do reinado de Dom João V, firma-se o Tratado de
Madrid, definidor dos limites das duas potências. Os Espanhóis
conseguem a posse da Colônia do Sacramento, em troco dos
Sete Povos das Missões do Uruguai. Do lado português, fora
um dos diplomatas mais capazes o brasileiro Alexandre de
Gusmão. Parece ter sido boa, ou pelo menos equitativa a
barganha, porque ambos os países, depois, se pretenderam
logrados. A invocação de Tordesilhas já não prevalecia, pois
que os Espanhóis a violaram nas Filipinas, e os Portugueses ao

Norte e Noroeste do Brasil; a ocupação prevaleceu do lado
espanhol, mas não do nosso, e vai dar lugar a conflito, como
veremos. Em todo o caso, Madrid revoga Tordesilhas.
Sobrevindo no trono Dom José I, seu Ministro,
Sebastião José de Carvalho e Melo, depois Marquês de Pombal,
trata de executar o Tratado de Madrid, para evitar futuras
pendências. Para o Norte vem nomeado governador do Pará e
Maranhão Francisco Xavier de Mendonça Furtado, irmão do
Ministro, que não traz propósitos agressivos contra ninguém,
nas determinações do governo da colônia: os limites são a
primeira preocupação.

-(68Ë7$6
Ora, ao sul da Colônia, e no Reino, fator novo vem
complicar tudo e dar aspecto trágico à situação. O
comissionário português enviado para demarcação e posse,
Gomes Freire de Andrade, nada conseguindo, retira-se, em 59,
para o Rio. É que os Sete Povos das Missões do Uruguai,
dirigidos por Jesuítas espanhóis, não podiam ver com bons
olhos uma dominação portuguesa, num sítio, tão cruel e
barbaramente devastado pelos Paulistas de Antônio Raposo,
desde o século anterior (1629) e consecutivamente. O confessor
de Fernando VI na carta ao Cardeal Porto Carrero, embaixador
da Espanha junto à Santa Sé, informava que os Portugueses
(para a atual glorificação dos "bandeirantes" são agora
"Paulistas") saíam todos os anos à caça de índios para escravos
supondo que no espaço de cem anos tinha morrido mais de
300.000 e autores havia que os calculavam em 500.000. Daí a
justa oposição que fizeram esses "povos" e com eles os Padres
seus imediatos missionários. Oposição, pois, dos índios e dos
Jesuítas espanhóis de Guaírá, e, na sombra, oposição de
Espanha. Para Portugal, a oposição era, complexivamente "dos
Jesuítas", o que foi monstruosa injustiça. Ao norte o velho
conflito dos reinóis contra os padres, protetores dos índios,

sempre reaberto pela contínua escravização deles, ia novamente
acender agora, aí também, a oposição a esses Jesuítas,
"culpados" de tudo.
Esta Companhia de Jesus, milícia do Papa, instituída
para fortalecê-lo e como reação anti-herética ao Protestantismo,
adquirira imenso prestígio, fora e dentro da Igreja. Um voto
especial ao Pontífice; confessores dos reis e das cortes; mestres
dos sábios e da nobreza, e de quantos contavam no mundo, --
aos próprios religiosos de outras ordens monásticas eles faziam
sombra. Donde inimigos por toda a parte, os raios que as
eminências desafiam. Os tempos de liberalismo, Aufklärung ou
iluminismo, de falência da autoridade, iam indispor esses
Jesuítas com o mundo moderno. A luta, latente na Europa,
acende-se no Brasil.
Em 55 Pombal anula a jurisdição dos Jesuítas sobre os
índios, acusados os padres de impossibilitarem a execução do
tratado de limites, tanto no Maranhão, como no Paraguai e
Uruguai. Obtém da Santa Sé um breve, de 1.º de Abril,
encarregando o Cardeal Saldanha de visitador e reformador da
Companhia de Jesus em Portugal. A 15 de Maio este Cardeal
ordena que os padres não possam fazer comércio(2). Era
canônica a regra, mas o comércio era das colônias de índios,
elementos vitais a produção e a troca, e isso dava-lhes invejável
prosperidade: é o golpe de morte nas missões jesuíticas do norte
do Brasil. Não eram apenas Jesuítas: eram 60 as aldeias do Pará
e Maranhão: 5 administradas pelos religiosos das Mercês, 12
pelos Carmelitas, 15 pelos Capuchinhos e 28 pelos Padres da
Companhia. (Essa acusação, de comércio, pesou no tempo,
apenas julgadas as colônias jesuítas "religiosamente": como
fazer prosperar um agrupamento humano, organizado e
crescente, sem produção e portanto sem indústria, comércio,
troca e aquisição de bens? É infantil a acusação. Esse escambo
não era para os Jesuítas, senão para os colonos: é toda a defesa
deles). Em Lisboa, é retirada aos Jesuítas a faculdade de

confessar e pregar no Patriarcado. Em 20 de Abril de 59 Dom
José escrevera ao Papa, acusando os Jesuítas "de persuadirem
com as suas doutrinas e de promoverem com os seus conselhos
e promessas o horroroso insulto do atentado contra a vida de
El-Rei, ocorrido a 3 de Setembro de 58, pelo que resolve
mandar sair, sem maior dilação, os sobreditos Religiosos destes
Reynos, Congregação que tantas e tão custosas e decisivas
experiências tem mostrado incompatível com a paz e a
tranqüilidade pública"... É consumada a expulsão dos Jesuítas.
Os do reino e colônia são presos, maltratados, guardados à força
antes de embarcados para Itália; os do Brasil vão por aí: do Pará
e Maranhão, 115; 119 de Pernambuco; da Bahia 117 ou 177; do
Rio e S. Paulo, 199; somam os números de Varnhagen (op. cit.
IV, p. 178) 550 a 610. Que imenso prejuízo, esses mais de
seiscentos professores e administradores, ao Brasil, deles
sempre escasso!
E Portugal, Dom José, Pombal, os Portugueses, seus
colonos, continuavam nas práticas católicas, servidos pelas
outras ordens monásticas e com um clero secular obediente e, às
vezes, exultante. Mas não só em Portugal a tempestade: em 61 a
França, e em 67 a Espanha e Nápoles, expulsam os Jesuítas.
Finalmente, o Pontífice Clemente XIV, em 73, extingue a
Companhia de Jesus... Pombal não seria o autor disso tudo.
Não se podendo cumprir o Tratado de Madrid ao sul, a
posse nominal da Colônia do Sacramento fica portuguesa, pelo
acordo de 61. Ao norte os limites não são mais felizes, mas
Francisco Xavier de Mendonça Furtado empreende, sem
proveito, por leigos, refazer as colônias florescentes dos
Jesuítas: o norte, que teve efêmero prestígio econômico outrora,
pára, em breve decadente. Os Jesuítas foram os educadores do
Brasil infante. "Durante duzentos e dez anos (1549-1759) -- diz
Capistrano de Abreu -- a sua atividade em nossa terra deve ter
sido considerável. Deve ter sido, porque no atual estado de
nossos conhecimentos, é impossível determiná-la com precisão.

Uma história dos Jesuítas é obra urgente(3); enquanto não a
possuirmos, será presunçoso quem quiser escrever a do Brasil.
Pouca, muito pouca inteligência revelam os ataques dirigidos
contra ela, a Companhia de Jesus. Instintivamente a simpatia
volta-se para os discípulos e companheiros de Nóbrega,
Anchieta, Cardim, Vieira, Andreoni, os educadores da
mocidade, os fundadores da lingüística americana". Muito mais:
a moral da colônia nos primeiros dias, a fundação das cidades,
da Bahia, São Paulo, Rio, com o conselho e o auxílio dados a
Tomé de Sousa e a Mem de Sá; a defesa contra os Franceses; a
prosperidade das Missões no Maranhão e no Pará; a penetração
no vale e na selva do Amazonas; sempre, e por toda a parte, a
cultura, o ensino primário, o de humanidades, o superior. "Em
Minas até 1776, diz Pedro Calmon, não havia uma escola,
porque lá não foram os Jesuítas". Vergílio já no século XVI era
ensinado no Brasil e com o que, no começo do século XVII,
aqui aprendeu Vieira, daria para ofuscar os púlpitos da Europa.
Os Jesuítas foram vítimas da inveja universal, bem humana, a
que não escaparam -- quem o diria!? -- os mesmos leigos
católicos, o mesmo clero regular e secular da Igreja... Um
exemplo só e simbólico dessas injustiças: quem queima vivo o
pobre P.e Malagrida, velhinho místico, sem importância política,
é o Santo Ofício da Inquisição. O protestante Southey na sua
História do Brasil não poupa elogios a esses Jesuítas...
O introdutor à tradução brasileira dessa obra, o Cônego
Fernandes Pinheiro, não perde ocasião de os achincalhar e
acusar, nas suas notas (cf. História do Brasil, trad. do inglês de
Roberto Southey pelo Dr. Luiz Joaquim de Oliveira Castro, Rio,
1862, t. VI, págs. 25, 27, 34, 51, 83, 88, 120, etc). A penitência
não deve ser apenas leiga.
Mas,
demos
seguimento
às
pendências
hispano-portuguesas. Em 54 na confluência do Jaurú e do
Paraguai, latitude 16º24', um marco limitante é plantado entre
posses portuguesa e espanhola, mas não acabou. Durante quinze

anos é a guerra (61-77) e é a ocupação do Sul pelas forças de
Cebalos, que chegam ao Rio Grande (62) e Santa Catarina (77).
Enfim, nesse ano, o Tratado de Santo Ildefonso arruma as
coisas: restituem os Espanhóis Santa Catarina e Rio Grande,
mas conservam a Colônia do Sacramento. Não é a última
palavra, mas, ao cabo, será a definitiva.

320%$/
Pombal aboliu a Inquisição e a distinção funesta de
cristãos velhos e novos, que havia arruinado o comércio e a
indústria de Portugal, não somente no reino, senão também nas
Índias. Inglaterra e Holanda, que se substituíram a nós em
prestígio econômico, devem a eles, os Judeus, parte dos seus
capitais e sua competência financeira. Nesse mundo, é
principalmente de pão que vive o homem. Felizmente o Brasil
foi poupado à intolerância religiosa: a última vítima da
Inquisição, mas em Portugal, foi Antônio José, o comediógrafo
brasileiro, acusado de sangue judeu, o que não impediu Southey
de havê-lo como o teatrólogo lusitano que segue a Gil Vicente.
O estadista prestou numerosos benefícios ao Brasil.
Foram extintos os direitos subsistentes dos antigos
capitães-mores, compradas as capitanias que perduravam. Porto
Seguro e Ilhéus foram anexados à Bahia. Os governadores
passam ao Rio, -- agora capital do Vice-Reino, o Conde da
Cunha o 1.º Vice-rei -- centro do extenso país; Bahia e
Pernambuco têm governos especiais. A liberdade dos índios, tão
insistida, e de tanto tempo, pelas leis de 1570, 95,1605, 8, 9, 24,
80, é uma vez, e pela última, proclamada. A falta de braços,
precária com a solução dos índios, onerosa com a escravidão
africana, teve outro recurso, a imigração do reino, das ilhas,
fomentada para o Brasil: só dos Açores se diz que vieram mais
de 20 mil ilhéus. O comércio teve o incentivo das Companhias
do Grão-Pará, de Pernambuco e Paraíba, cujas frotas, não de
comércio apenas, protegeram a troca de produtos das colônias, a

ponto, o fomento, que, em 1777, havia mais gêneros que meios
de transporte. Bancos serviam à indústria e comércio colonial.
Em pouco tempo mais de 200.000 Africanos introduzidos foram
a mão de obra do Norte. As minas foram melhor ou
tecnicamente exploradas. O subsídio literário, imposto sobre
carne verde, 1 real por arrátel ou 459 grs.; bebidas, (1 real por
canada, 2,60 l. de vinho português, 4 réis por canada de
aguardente do reino e 10 de aguardente da terra); vinagre, (160
réis a pipa ou 480 l.), etc. (Carta Régia de 10 de nov. de 1772),
cobrado no Brasil, para instrução pública, deu grande animação
às escolas régias, substitutivas dos colégios jesuítas. Antes da
Convenção Francesa, o dever da instrução popular foi assumido
pelo Estado. Organizou Portugal como nação moderna, com
exército, marinha, fortalezas, artilharia, dando à colônia
bem-estar, que facilitou as boas relações, estremecidas entre os
reinóis e os brasileiros, já preocupados com a rebeldia
autonomista. A justiça, de que tínhamos fome e sede, chegou
aos sertões brasileiros. Procurou reagir contra a absorção
"inglesa" de Portugal, que começara depois da Guerra de
Sucessão-de-Espanha, quando Portugal formava com Inglaterra,
contra França e Castela: o Tratado de Methwen foi o proveito
logo tirado. Para isso fomentara novas indústrias, para a
independência e, com os orçamentos equilibrados, a fuga do
ouro do Brasil, para suprir os deficits e o desnivelamento de
importação e exportação. À Companhia Geral de Comércio do
Grão-Pará e Maranhão, substitutiva das Missões Jesuíticas,
infundiu braços e capitais. Não destruiu só Pombal, reconstruiu.
A partida regular das frotas e, finalmente, a liberdade de
navegação entre Portugal e Brasil facilitou o comércio,
desenvolvendo-o como nunca. Mil pequenas e úteis
providências econômicas mostram o cuidado assíduo com o
Brasil. O erário régio não nos desamparou. "Teve uma
preocupação dominante durante o seu longo governo: defender
a todo o transe a colônia da cobiça estrangeira e assegurar a
posse e o alargamento de suas fronteiras", conclui uma página
apologética de Simonsen (Op. cit., 2.º vol., p. 216). A cegueira

de Portugal por Inglaterra, desde antes de el-Rei Dom Pedro II e
que viria até o Brasil, teve interrupção. (Aliás é a ameaça
constante da Espanha que obriga a isso, contrariando Portugal e
Gibraltar o integralismo peninsular...).

6,1720$6 '( 5(%(/',$
Os monopólios e as vexações fiscais, desde o século
anterior, promoveram os primeiros sinais de um ânimo, rebelde
a Portugal, no Brasil. O Padre Antônio Vieira fora a grande voz
dos púlpitos, ouvida e atendida, dessa rebeldia. No "Sermão
pelo bom sucesso das armas portuguesas contra as de Holanda",
pela restauração de Pernambuco, como no "Sermão da
Visitação" pela defesa econômica da Bahia, como no "Sermão
de Santo Antônio", pelo Maranhão contra Portugal, esquece-se
que é português, tanto é brasileiro: há lugar no rol das vaidades
para o mestre de navios "de Portugal" que, com uns trapos fora
da moda, isca os pobres moradores "de nossa terra"... Chega a
revolucionário, "nessa tromba que chupa na Bahia, e vai chover
em Lisboa", o fisco, e no protesto: "tudo o que se tirar do
Brasil, com o Brasil se há-de gastar !" Vieira é o precursor do
"nacionalismo" brasileiro, antes da hora. Portugal tudo nos deu,
até isso.
Pelas vexações à esquivança no pagamento do quinto do
ouro, devido à Coroa, várias sublevações, das quais a menos
mortífera foi a de mais renome.
A primeira foi em Pitanguí, em 1719, chefiada por
Domingos Rodrigues Prado, paulista de Taubaté, assassinado o
juiz ordinário da vila e, no encontro dos rebeldes com a tropa
legal, mortos vários combatentes dos dois lados. Por anônimos
não são menos mártires.
Outra, em 1720, ocorreu em Vila Rica, submetido o
governador Conde de Assumar pelos Confederados, cujos

principais eram o Mestre de Campo Pascoal da Silva, Sebastião
da Veiga Cabral, Dr. Manoel Musqueira Rosa e Filipe dos
Santos, que padeceu o martírio. Foi a rebelião a 2 de julho, por
um momento vitoriosa, presos os membros da Câmara, impostas
condições ao governo. Mais, destribuiram, entre si, os
conjurados, os cargos públicos. Uma reação do governador,
doze dias após, prendeu os cabecilhas. Filipe dos Santos foi
preso em Cachoeira, quando pregava essas idéias
revolucionárias, enforcado e esquartejado. Por não ser
brasileiro-nato não teve a nomeada de outros rebeldes, mártires
revolucionários de nossa preferência. Direta ou indireta
conseqüência dessa intentona foi a separação da Capitania de
Minas Gerais a 2 de Dezembro de 1720, independente da
Capitania de São Paulo.
A terceira rebelião, embora sem começo de qualquer
execução, é, entretanto, a mais famosa das três, devido aos
homens de letras que nela tomaram parte. Ela é do fim do
século e obedece também à sugestão de exemplo, que viria do
estrangeiro. Com efeito, é de 1776, na América do Norte, a
independência de 13 colônias inglesas, que vão fazer os Estados
Unidos. Estudantes brasileiros, em 86, em Monpilhér, na
França, pensam em obter de Jefferson, então ministro em Paris,
auxílio para uma revolução libertadora no Brasil; a conferência,
realizada em Nimes, acaba em propósitos vagos. Eram
Domingos Vidal Barbosa, José Mariano Leal e José Joaquim da
Maia. Barbosa, volvendo ao Brasil, acha aqui, em Minas,
ânimos preparados. A ele se junta o Dr. José Alves Maciel,
formado em Coimbra. Conspiravam alguns patriotas, o poeta e
advogado Cláudio Manuel da Costa, o poeta e magistrado
Inácio José de Alvarenga Peixoto, o coronel Francisco de Paula
Freire de Andrade, os Padres José Carlos Corrêa de Toledo,
José de Oliveira Rolim, e Manuel Rodrigues da Costa, o Alferes
Joaquim José da Silva Xavier, por alcunha o "Tiradentes",
entusiasta e indiscreto, que entre os outros operava a conexão.
Dizia-se que o ouvidor de Vila Rica, já nomeado

desembargador da Bahia, o poeta Tomás Antônio Gonzaga,
assentira e preparava as leis da futura república, para a qual
Tiradentes tinha já pensado em bandeira, um gênio a quebrar
grilhões, com dístico vergiliano Libertas quae soera tamen, a
liberdade ainda mesmo tardia. A revolta, que irromperia por
ocasião da cobrança dos quintos atrasados de ouro, além de
propalada, como é a sorte das conjurações no Brasil, e em que
por isso mesmo não crêem os governos, teve delatores, Joaquim
Silvério dos Reis, Basílio de Brito Malheiro e Inácio Corrêa
Pamplona, portugueses lealistas que de tudo informaram o
Visconde de Barbacena, Luiz Antônio Furtado de Mendonça
(1789-1797), governador de Minas. Não se dirá o mesmo
Francisco de Paula Freire de Andrade, Francisco Antônio de
Oliveira Lopes e Domingos de Abreu Vieira, conjurados e,
entretanto, denunciantes.
Foi suspensa a ordem de cobrança e foram encarcerados
os conspiradores. No Rio foi preso o Tiradentes. Todos
submetidos a processo, foram condenados a desterro (Cláudio
Manuel da Costa suicidara-se na prisão em Vila Rica) em
África, e o Tiradentes à forca e ao esquartejamento. Antes, para
exemplo, porque por quatro anos se arrastou o processo, sem
nenhuma veemência, a criar mártires e heróis. Capistrano de
Abreu reagiu contra a necessidade "republicana" de mitos
heróicos e escreve uma história do Brasil "Capítulos de
História Colonial", em que omite o alferes Xavier e a
Inconfidência Mineira(4). A 21 de Abril de 1789 foi supliciado,
no Rio, o Tiradentes, pela forca, depois feito em pedaços que
foram espalhados pelos caminhos de Minas Gerais, "para
terrível escarmento dos povos". Se imprudente na conspiração,
procedeu, na prisão, no processo, no martírio, com grande e
heróica dignidade. Os outros faleceram no degredo, exceto José
de Rezende da Costa Filho, que chegou a empregado do
Tesouro Régio em Lisboa, em 1803, deputado às Cortes, e, mais
tarde, à Constituinte do Brasil (1822). Dos eclesiásticos metidos
em fortaleza, depois em convento, só dois tornaram ao Brasil.

Juiz desses feitos em relação, com outros juízes, foi o poeta
Antônio Diniz da Cruz e Silva, autor de Hissope, de cuja
intervenção, como juiz, há prova de benignidade, na intentona
consecutiva, propondo, "sem hesitação", se relaxassem os
presos, o que foi mandado fazer, aproveitando ao poeta Manuel
da Silva Alvarenga. Portugueses e Brasileiros (Teófilo Braga,
Joaquim Norberto, etc.) o julgaram, entretanto, levianamente.
Mais grave foi a Conspiração Bahiana, de 1798. A
"Mineira" não teve começo de execução, arrastou-se o processo
por quatro anos, houve indulto, algumas condenações para a
África e só a execução de Tiradentes. Seu relevo na historia
vem dos homens de letras que nela tomaram parte. O Tiradentes
foi símbolo republicano contra a monarquia; mais política que
reconhecimento. A Conspiração Bahiana bem mais importante
inspirava-se em princípios da Revolução Francesa, igualdade
dos homens, com abolição do cativeiro, liberdade contra os
abusos religiosos, forma republicana de governo. Um dos
conjurados depôs que 676 pessoas conspiraram, sendo 34
oficiais de linha, 54 de milícias, 11 funcionários, 13 graduados
em leis, 48 clérigos, 44 frades, 8 familiares do Santo Ofício,
inferiores, soldados, negociantes, escravos, até um professor e
poeta, autor do hino, Francisco Moniz Barreto de Aragão, que
lecionava em Minas do Rio de Contas. Um começo de ação por
boletins sediciosos afixados em público, prisões, devassas,
ordens da Metrópole para severidade. Quatro condenados à
morte, sendo a 8 de Novembro de 1799 supliciados e
esquartejados e expostos os membros mutilados o alfaiate João
do Nascimento (que deixou 8 filhos menores), o soldado Luis
Dantas de Amorim Torres e o menino, de 16 anos, Manoel
Faustino dos Santos Lira, na praça da Piedade, da cidade do
Salvador. Também morreu Luis Gonzaga das Virgens. Muitos
sentenciados para Angola, Benguela, Fernando de Noronha e
para a Costa da Mina "logares de África não sujeitos à Real
Coroa afim de que o veneno dos seus falsos principios não fosse
jamais contaminar a liais vassalos". Portanto, maior número de

mártires teve a Inconfidência Bahiana de 1798 do que a
Inconfidência Mineira de 1789: apenas esta teve mais homens
de letras e, além deste prestígio, a execução do único mártir, no
Rio de Janeiro, capital do Brasil. Deve confessar-se que a
Conspiração Mineira era de primeira classe, brancos, burgueses,
letrados e funcionários; a Conspiração Bahiana era de segunda
classe, de pardos, artífices e soldados, sem poesia, embora
maior martírio...
O século findava, quase madura a colônia, para
maioridade ou liberdade, começada com a dos Estados Unidos
em 1776 e que se iria alastrar pelas três Américas, norte, centro
e sul. O Brasil tomaria outro rumo, graças a Portugal. Mas a
maioridade seria um fato e, pelo exemplo, um imperativo. Já
são mais de 3.000.000 os habitantes do Brasil. A neutralidade
que tomou Portugal na Guerra entre Inglaterra e suas Colônias
americanas, deu favor à agricultura e à exportação do Brasil,
concorrentes ocupados em se debaterem, e nós com os nossos
negócios. A maioridade se apressa pela prosperidade.
Simonsen (op. cit. t. II, p. 222) calcula que em açúcar,
mineração, couros, pau-brasil, tabaco, algodão, arroz, café,
cacau e especiarias teria produzido 530 milhões de libras em
três séculos: é maturidade quase, dado o roteamento, adubo,
bom clima e bom trato. A exportação total do Brasil
independente não alcançou ainda 3.500 milhões e o café entra
nisso com mais de 2.000 milhões. A exportação por homem
ano, do Brasil colonial, orça por £ 2,5; no Brasil independente
por £ 1,2 (Id. id. nota). O índice econômico é a mais simples
expressão sociológica e a que permite a dedução de todos os
outros complicados índices de cultura. Portugal, com a boa
natureza da terra e a boa gente que aí pusera, criara uma cultura
vivaz. Mas era planta de semente ou de galho: no começo de
século próximo será o transplante da árvore, não apenas
Portugueses, senão Portugal, estabelecido na América: é o
Brasil de Dom João VI.

REIS DE PORTUGAL
(SÉCULO XVIII)
D. Pedro II (1668-1706).
D. João V (1706-1750).
D. José I (1750-1777).
D. Maria I (1777-1816).

GOVERNADORES GERAIS DO BRASIL
D. João de Lencastre (1694-1702).
D. Rodrigo da Costa (1702-1705).
Luiz César de Meneses (1705-1710).
D. Lourenço de Almada (1710-1711).
Pedro de Vasconcelos e Sousa, Conde de Castelo Melhor (1711-1714).
D. Pedro Antônio de Noronha, 3.º Vice-rei (1714-1718).
D. Sancho de Faro e Sousa, Conde de Vimieiro (1718-1719).
Governo interino (1719-1720).
Vasco Fernandes César de Meneses, Conde de Sabugosa, 4.º Vice-rei
(1720-1735).
André de Melo e Castro, Conde das Galvêas; 5.º Vice-rei (1735-1749).
D. Luiz de Ataíde, Conde de Atouguia; 6.º Více-rei (1749-1754).
D. Marcos de Noronha; 7.º Vice-rei, Conde dos Arcos (1754-1760).
D. Antônio de Almeida Portugal, Conde de Lavradio, 8.º Vice-rei (1760).
Governo interino (1760-1766).

VICE-REIS (na Bahia)
1.º -- D. Jorge de Mascarenhas, Marquês de Montalvão (1640-1641).
2.º -- D. Vasco de Mascarenhas, Conde de Óbidos (1663-1667).
3.º -- D. Pedro Antônio de Noronha (1714-1718).
4.º -- Conde de Sabugosa (1720-1735).
5.º -- André de Melo e Castro, Conde das Galvêas (1735-1740).
6.º -- D. Luiz Pedro Peregrino de Carvalho Menezes de Ataíde, Conde de
Atouguia (1749-1755).
7.º -- D. Marcos de Noronha, Conde dos Arcos (1755-1760).
8.º -- D. Antônio de Almeida Soares Portugal, Conde de Lavradio (1.º) (1760:
faleceu no governo a 4 de junho).

VICE-REIS (no Rio)

9.º -- D. Antônio Alvares da Cunha, Conde da Cunha (1763-1767).
10.º -- D. Antônio Rolim de Moura Tavares, Conde de Azambuja (1767-1769).
11.º -- D. Luís de Almeida Portugal, Marquês do Lavradio (2.º) (1769-1779).
12.º -- Luiz de Vasconcelos e Sousa (1779-1790).
13.º -- D. José de Castro, Conde de Resende (1790-1801).
1705 -- "Música do Parnaso", de Botelho de Oliveira, primeira expressão
literária de brasileiro.
1706 -- Sobe ao trono D. João V.
1708 -- Paulistas e Emboabas, no Rio das Mortes.
1709 -- Separação da Capitania de São Paulo e Minas, da do Rio de Janeiro. A
"passarola" de Bartolomeu de Gusmão, precursora dos balões.
1710 -- Duclerc no Rio. "Guerra dos Mascates" em Pernambuco.
1711 -- Du Guay-Trouin, no Rio. São Paulo cidade, pela Carta-Régia de 24 de
Julho. "Cultura e opulência do Brasil", de André João Antonil.
1714 -- Extermínio do Quilombo de Palmares, pelo Paulista Domingos Jorge
Velho.
1715 -- Tratado de Utrecht, entre Luiz XIV e D. João V (11 de Abril) pelo qual a
França renunciava a pretensões sobre o território do Cabo do Norte e margens do
Amazonas, limitando as Guianas Francesa e Portuguesa pelo Rio Oiapoc: o nome
Vicente Pinzon dado também a este rio é futura questão.
1719 -- Pascoal Moreira Cabral em Cuiabá. Começo da exploração das minas de
Mato-Grosso.
1720 -- Separação da Capitania de São Paulo, da de Minas: Capitania de Minas
Gerais. Condenação de Filipe dos Santos, português de Vila-Rica, na rebelião
contra a Casa de Fundição e o quinto do ouro.
1722 -- Anhanguera, o filho, em Goiás. Descobrimento de Goiás. A Bandeira de
Francisco de Melo Palheta, pelo Mamoré, vai a Mato-Grosso.
1723 -- O cafeeiro é importado de Guiana (ou 27, segundo outros autores).
1725 -- Sebastião Leme do Prado encontra diamantes em Minas.
1728 -- "O Peregrino da América", de Nuno Marques Pereira.
1729 -- Descobrem-se diamantes no Tejuco, hoje Diamantina, em Minas.
1730 -- "História da América Portuguesa", de Sebastião da Rocha Pita.
1737 -- Fundação do Rio Grande do Sul.
1739 -- O brasileiro Antônio José, comediógrafo, queimado pela Inquisição,
como judeu.
1740 -- Separação de Goiás, da Capitania de Minas: criação da Capitania (44).
1742 -- De Mato-Grosso, acha caminho para o Amazonas e Pará, Manuel Félix
de Lima, que desce pelo Guaporé a Belém.
1745 -- "Voyage dans l'interieur de l'Amérique Meridionale", de La
Condamine.
1748 -- Separação de Mato-Grosso, da Capitania de S. Paulo: criação da
Capitania.
1750 -- Tratado de Madrid (13 jan.) sobre limites de Espanha e Portugal na
América (Sete Povos e Colônia do Sacramento). No Pará há 63 aldeias de índios,
28 dirigidas por Jesuítas, 15 por Franciscanos, 12 por Carmelitas e 5 por

Merceístas, calculados em mais de 50 mil almas.
1755 -- Terremoto de Lisboa.
1755-8 -- Leis de Pombal dando liberdade aos índios, supostos escravizados
pelos Jesuítas. Companhia de Comércio do Grão-Pará e do Maranhão. Por
Carta-Régia de 4 de Abril aprovam-se os casamentos de brancos e índios.
1756 -- Abolição do regime das frotas de comboio, declarada livre a navegação
para os portos não monopolizados, por Pombal.
1759 -- Expulsão dos Jesuítas: o Brasil perde 600 professores-missionários.
1763 -- O Rio de Janeiro, capital do Brasil.
1769 -- "O Uraguai", de José Basílio da Gama.
1772 -- Imposto do "subsídio literário", sobre carne-verde, aguardente, vinagre,
etc. para subvencionar a instrução pública.
1776 -- A estimativa do Pe. Corrêa da Serra dá ao Brasil 1.900.000 habitantes.
1777 -- Tratado de Santo Ildefonso, sobre limites ao sul do Brasil.
1781 -- "Caramuru", de Santa Rita Durão.
1786 -- Os Condes de Aranda e Florida Branca formam projeto de constituir,
para a Casa de Bragança, uma monarquia, com o Brasil, Peru, Chile, unindo
Portugal a Espanha, sob os reis de Espanha.
1789 -- "Dicionário da Língua Portuguesa", pelo brasileiro Antônio de Morais e
Silva. Conjuração dos Inconfidentes, em Minas Gerais. Já se calculam 2.300.000
habitantes, dos quais 1.500.000 escravos.
1792 -- Execução de Tiradentes, mártir da Conjuração Mineira.
1795 -- "Dicionário português e brasiliano", de Frei Conceição Veloso.
1798 -- Execução de João de Deus do Nascimento, Luis Dantas de Amorim
Torres, Manoel Faustino dos Santos Lira e Luis Gonzaga das Virgens, mártires da
Conjuração Bahiana.

9,,
4XDUWR 6pFXOR
(I: até à abdicação do 1.º Imperador)
A FAMÍLIA REAL E A CORTE ACOLHEM-SE NO BRASIL,
TORNADO METRÓPOLE DO REINO UNIDO. DESENVOLVIMENTO
CORRELATO. TORNA D. JOÃO VI A PORTUGAL. D. PEDRO E A
INDEPENDÊNCIA.
O sismo da Revolução Francesa (1789-93) abalara trono
e altar. Sobre os escombros da sociedade antiga aparece o
aproveitador, Napoleão, que explora e organiza a catástrofe, em
proveito próprio. O adventício leva a França contra a Europa,
distraindo-a de si, e só a Inglaterra, bloquedada pelo continente,
escapa: Portugal está sentenciado, pela amizade inglesa. Às
injunções tergiversa o príncipe Dom João, regente, que, em
nome da mãe, a rainha louca D. Maria I, governa, e entre
Franceses invasores e Ingleses no Tejo, tem de decidir. O
número do Monitor, de 13 de Novembro, o jornal francês
declara, oficialmente, a queda da casa de Bragança: "O Príncipe
Regente de Portugal perde o seu trono: perde-o por causa das
intrigas dos ingleses". Tê-lo-ia visto? É improvável dada a
pequena distância de tempo, mas não importa para a decisão.
A idéia era antiga. Já D. João III dissera a Martim
Afonso de Sousa, "passemo-nos para o Brasil", "entre sizo e
galantaria". Mais, seriamente, Dom João IV, em 1647,
considerou o alvitre de se retirar para o Brasil e o aconselhou à

rainha Dona Luíza de Gusmão, se preciso fosse, em carta
achada em gaveta secreta, marcada com três cruzes, como
imperativo conselho, testemunha Vieira(1). D. Luís da Cunha
diz que o bisavô D. Pedro da Cunha dera a D. Antônio Prior do
Crato, na incapacidade de disputar o reino a Filipe II passasse a
ser Rei de Portugal no Brasil "cuja vastidão e riquezas erão as
que naquele tempo se sabião"(2) e ele próprio sugeriu-o a Dom
João V: "S. M. se acha em idade de ver florentíssimo e bem
povoado aquele imenso continente do Brasil; se nele, tomando o
título de Imperador do Ocidente, quisesse estabelecer a sua
Corte, levando consigo..." Quando Espanha invade Portugal,
sob Dom José, por causa do "Pacto de Família", Pombal
prepara armada para a Família Real e a Corte virem ter ao
Brasil. É o que realiza Dom João VI, combinado por acordo
com Inglaterra, em 22 de Outubro de 1807, ratificado em
Lisboa a 8 de Novembro do mesmo ano(3). O rei de Portugal
não seria prisioneiro, e à discrição, como Fernando VII, de
Espanha. A emigração não foi fuga, senão estratégia política,
assim o entendiam todos, e até o reino abandonado. Em 28 de
novembro de 1807, dia anterior à partida, Mousinho da Silveira
escrevia a amigo: "Deus queira que os últimos cuidados do
nosso soberano influam até que ele volte, sempre do mesmo
modo; e Deus queira que ele seja feliz para nosso bem". (Vd.
Instituto, de Coimbra, quarta série, n.º 3).
Resolve o Príncipe deixar Portugal, partindo com a
Família, a Corte, 15.000 pessoas, o imenso recheio de seus
paços, o que pode salvar em dinheiro, jóias, valores, para o
Brasil, a 29 de Novembro de 1807. Mais um dia, e Junot, em
Lisboa, teria impedido a partida. Os Ingleses comboiam até
certa altura os viajantes, e, até o Brasil vêm ainda quatro naus
inglesas. A esquadra portuguesa separa-se no mar, navios vêm
diretamente ao Rio de Janeiro, mas o Príncipe aporta à Bahia, a
21 de Janeiro de 1808. É bem recebido, desembarca, um mês de
festas, tendo inúmeros pedidos para ficar, a que não acede,
devendo partir para o Rio de Janeiro, melhor abrigado. O Conde

da Ponte, governador, apresenta-lhe José da Silva Lisboa, que
estudara em Coimbra, versara economia política e direito
marítimo, que lhe sugere abrisse os portos do Brasil ao
comércio das nações amigas: seria ato liberal, a dar, à jovem
metrópole, progresso e grandeza dignos da nova situação. Sem
ministros, que haviam seguido em outras naus para o Rio, e
poderiam, na regra, estorvá-lo, convence-se Dom João e, a 28
de Janeiro, assinou a carta régia da abertura dos portos. Silva
Lisboa, depois Visconde de Caírú, virá a dizer: "O Snr. Dom
João resolveu fazer tanto bem sem esperar pelos conselheiros de
Estado, que se tinham desvairarado em rumo, pela dispersão da
tempestade na costa de Portugal. É pois inteiramente obra sua a
carta régia, foral novo do Brasil"(4). A 26 de Fevereiro parte da
Bahia para chegar ao Rio a 7 de Março, desembarcando no dia
imediato, com salvas, repiques, vivas ao "Imperador do Brasil",
indo, antes do Paço, dar graças na Igreja do Rosário. São
nomeados os ministros: Dom Fernando José de Portugal e
Castro, depois Conde e Marquês de Aguiar, que era vice-rei,
para os negócios do Reino; D. Rodrigo de Sousa Coutinho,
depois Conde de Linhares, para os Negócios Estrangeiros e
Guerra; o Visconde, depois Conde de Anadia, para a Marinha.
(Esses Ministros, viria dizer o jornalista brasileiro Hipólito da
Costa, bem se poderiam comparar a três relógios: o Linhares
sempre adiantado; o Aguiar, cada vez mais atrasado; o Anadia,
irremediavelmente parado: se estes contentavam aos
conservadores, aquele punha o governo à frente da revolução,
assim uma evolução apressada). Pouco depois chegava o
Embaixador inglês, Lord Strangford, e era assim que a Corte e
Governo se compunham.
Novas instituições se criam: Supremo Conselho Militar
e de Justiça, Mesa de Desembargo do Paço, Mesa da
Consciência e Ordens, a Casa de Suplicação em que se
transforma a Relação, a Intendência geral da Polícia, o Arquivo
Militar, a Impressão régia, uma fábrica de pólvora, contadoria
da marinha, uma ordem honorífica renovada, a da Torre e

Espada, e a declaração de guerra a Napoleão...
Os portos foram abertos às nações amigas, isto é, à
Inglaterra. Foi permitida a indústria fabril e manufatureira.
Reduções de impostos às mercadorias carregadas em navios
nacionais, a 16%; diminuíram de um terço de direito de entrada
os gêneros molhados. Criou-se o Erário Régio, o Conselho da
Fazenda, o Tribunal de Junta de Comércio, criaram-se casas de
permuta do ouro em pó por moeda ou bilhetes. Fundou-se o
Banco do Brasil, com o capital de 3.000.000 de cruzados e
1.200 ações de um conto de réis cada uma, com faculdade de
emitir bilhetes de curso forçado e garantido pelo Estado.
Abriram-se estradas para o interior e mandaram-se investidas
contra índios ferozes, para conquista e civilização do Rio Doce.
Fez-se melhor: uma formal declaração de guerra a esses
Botocudos. Hipólito da Costa, em Londres, no Correio
Brasiliense, prometia publicar a resposta de S. Ex.ª o Secretário
de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, que teria ido
aprender a ler e escrever, para isso...
Em 9 recomeça a correr água no chafariz do largo da
Carioca, trazida do Corcovado, por Santa Teresa, pelos Arcos;
em oito dias desapareceram todas as rótulas e gelosias das casas
do Rio, mudadas em janelas francas; os agricultores não podem
ser executados na propriedade de engenhos e lavouras, mas
apenas em parte dos rendimentos; o Conde da Ponte, falecido
na Bahia, é substituído pelo liberal Conde dos Arcos. Uma
expedição, partida do Pará, toma Caiena, possessão francesa,
sem combate, retirando o general Victor Hughes, com a sua
guarnição, para a França (14 de Janeiro de 1810). Chegam do
Oriente sementes e plantas de especiaria, a moscadeira, a
mangueira, o abacate, o cravo-da-Índia, a toranjeira (grape-fruit
ou pomelo), que foram hospedados no jardim da Lagoa Rodrigo
de Freitas, logo Jardim Botânico, e na Quinta de São Cristóvão,
doação do particular Elias Antônio Lopes. Chegam notícias da
retirada dos Franceses em Portugal. Imposto acrescido sobre

açúcar, tabaco, couros, algodão. Criação, no Hospital Militar,
de uma escola anatômica e médica, nomeados os professores;
nomeação de um provedor-mor de saúde da Corte, do Estado do
Brasil. Como as moedas de ouro fogem para Inglaterra,
cunham-se patacas que valem 960 réis, ou três patacas
brasileiras. Vilas, estradas, disposições administrativas.
Em 1810 é o tratado de comércio de 19 de Fevereiro,
proveitoso à Inglaterra e até com reduções de soberania: o
Brasil nada lucra e Portugal é sacrificado. Prometeu-se que a
Inquisição não seria estabelecida no Brasil e os Protestantes
conseguiram templos sem sinos. Isenção de décima urbana por
vinte anos, aos construtores de casas nobres e, de dez, aos de
casas de um andar, no Rio. Mandou-se explorar o Tapajós, o
Madeira, o Xingu, o Arinos, e facilitou-se a navegação dos rios
centrais e afluentes do Amazonas. Com os livros de el-Rei, a
livraria da Ajuda, funda-se a Biblioteca Real, ainda hoje a que
temos, a Nacional.
Uma cláusula do tratado de comércio obrigava à
abolição gradual do tráfico de escravos africanos. Em 12, os
Ingleses aprisionam grande número de barcos negreiros. Na
Bahia há protesto, acusando os favorecidos ingleses de
pretenderem a ruína da Colônia: só em 15, virão 300.000 libras
de indenização, do Gabinete britânico, às depredações de
Marinha inglesa. Em 13 o Governo acoroçoa a vinda de
imigração, de ilhéus dos Açores. Estradas, correios regulares,
navegação interior, concessões aos mineradores de ouro,
providências humanitárias sobre o tráfico negreíro.
Em 14, é a vitória dos aliados contra Napoleão. Luiz
XVIII é rei amigo: os Franceses aprendem de novo o caminho
do Brasil, agora negociantes, capelistas, (as modistas e
confecções de então), hoteleiros, livreiros, impressores. Em 15,
no Congresso de Viena, Portugal tem de restituir Caiena, com
os limites do tratado de Utrecht. Os Ingleses, que já não

precisam de Portugal, revogam o tratado de aliança, e
aplicam-se, humanitariamente, a impedir o tráfico e a arruinar o
Brasil; tudo, porém, se recompõe em Viena. Obras e
logradouros públicos no Rio, Bahia, Recife, Reino Unido de
Portugal, Brasil e Algarves: meia independência...
Contrato de Missão Artística Francesa em 16, para
fundação da Escola de Belas Artes. Morre a rainha louca D.
Maria I; o príncipe regente é então Dom João VI, rei do
Reino-Unido. Nesse ano há novo ato da guerra do sul. Com a
guerra entre Espanha e Portugal, em 1801, os Portugueses no
sul do Brasil repeliram os Espanhóis da fronteira e
conquistaram os Sete Povos das Missões, pondo os adversários
para além do Uruguai. Tinham capitulado em Serro Largo, mas,
à morte do general brasileiro Veiga Cabral, tomaram de novo a
ofensiva, recuperaram Serro Largo e iam apoderar-se do Rio
Grande, quando ocorreu a notícia da paz de Badajós.
Rapidamente progridem esses domínios, em vantagens
materiais, e se alguns reconheciam o governo de Fernando VII,
outros sonharam com a independência, antes que submeter-se às
humilhações de Napoleão, em Espanha. Foi quando D. Carlota
Joaquina, mulher do Príncipe Dom João, e filha mais velha de
Carlos IV, pensou em formar uma nova monarquia, dos Estados
do Prata, para si. O irmão, Fernando VII, estando prisioneiro em
França, achou que era de seu direito intervir, dirigindo cartas e
proclamações, a México, Rio da Prata, Chile. O príncipe, seu
esposo, de quem vivia separada, era estranho a tudo isso, que
aliás só serviu para apressar a agitação de independência das
Colônias espanholas. No caso do Uruguai ajudou a Inglaterra,
preferindo a independência, conseguindo o Embaixador inglês
no Rio a retirada do Exército Português, da Banda Oriental do
Uruguai, a 26 de Maio de 12. Começara a independência dos
outros estados espanhóis do Vice-Reinado. Foi então que Dom
João VI resolveu estender sua fronteira ao Rio da Prata. As
tropas ao mando do Marquês de Alegrete, capitão-general do
Rio Grande, do general Carlos Frederico Lecor, do

tenente-general Curado, do tenente-coronel Abreu, venceram os
neo-espanhóis em São Borja, São Gabriel, Carumbé, Catalão,
invadiram Entrerios, entraram em Montevidéu, ocuparam a
Colônia do Sacramento... Em 20, depois de Taquarembó,
desfeito Artigas, será o convênio e, por acordo em 21, a Banda
Oriental é incorporada ao Brasil, com o nome de "Província
Cisplatina". Não ficará nisso.
Em 17, é Pernambuco que se levanta: as rebeldias
andam pela América do Sul. Uma ordem do dia de Caetano
Pinto de Miranda Montenegro, depois Marquês da Praia
Grande, capitão-general, mostra preferência por oficiais
portugueses, e estes vêm a prender oficiais brasileiros; José de
Barros Lima, o Leão Coroado, matara o brigadeiro Manuel
Joaquim Barbosa de Castro; o povo, insurgido, solta os presos e
obriga o capitão-general a retirar-se para o Rio, onde é detido
na Ilha das Cobras. Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas,
aderem à sublevação, que se constitui em governo provisório.
Tropas legais acorrem, do Rio e da Bahia, e, bloqueado o
Recife, são derrotados os insurrectos. Domingos Teotónio
Jorge, proclamado ditador, fugiu, mas as tropas entram no
Recife, mandando o novo capitão-general, Luiz Barreto,
executar sumariamente os cabecilhas. Dom João, para impedir a
justiça sumária, ordena que se institua alçada para julgamento, e
concede, finalmente, a anistia, a 6 de Fevereiro de 1818, data da
sua coroação. Haviam perecido os chefes: Domingos Teotónio
Jorge, José de Barros Lima, Antônio José Henrique e o Pe.
Pedro de Sousa Tenório, enforcados, em Pernambuco;
Domingos José Martins, José Luiz de Mendonça, o Pe. Miguel
Joaquim de Almeida Castro e o Pe. José Inácio Ribeiro de
Abreu e Lima, o Padre Roma, também supliciados, na Bahia.
Mortos os antigos ministros e por último o Conde da
Barca, Antônio de Araújo de Azevedo, foram feitos novos: João
Paulo Bezerra, para o Erário; o Conde dos Arcos, para a
Marinha e Ultramar; e Tomaz Antônio de Vila Nova Portugal

para os Negócios do Reino. Chega a Arquiduquesa D.
Leopoldina, para consorte do Príncipe Dom Pedro, o herdeiro
do Reino-Unido. Chegam sábios austríacos, Mikau, de Praga,
botânico e entomólogo; Pohl, mineralogista; Natterer, zoólogo;
Ender, pintor paisagista; Buchberger, pintor botânico; Schott,
horticultor, principalmente os bávaros Von Spix, zoólogo e Von
Martius, botânico, este também etnógrafo, lingüista, dos
maiores que têm merecido nosso respeito e gratidão: a Flora
Brasiliensis é um monumento científico. Uma convenção
passada entre Portugal e Inglaterra limita o tráfico de escravos
das possessões africanas à possessão americana. Descobriu-se
um caminho novo para Minas, pela Bahia, perto de Canavieiras,
Rio Pardo, Rio da Salsa, Jequitinhonha, Salto Grande, Minas,
sendo a zona limpa dos Botocudos, que a infestavam. Funda-se
a fábrica de ferro de Ipanema, devida ao tenente-coronel
Frederico Luiz Guilherme Varnhagen, o pai do historiador.
Um censo imperfeito de 1818 atribui-nos 3.617.900
habitantes, dos quais 1.930.000 seriam escravos; os negros eram
1.887.500, os mestiços 628.000 e os índios domesticados
259.400.
Em 1820, é a revolução em Portugal contra a dominação
inglesa e a permanência da Corte no Brasil. Depõe-se a regência
e arranja-se uma Constituição, à moda da espanhola: do Porto
os Constitucionais ganham Lisboa. Logo, no Brasil,
repercussões: em Belém do Pará e na Bahia, juntas governativas
que expulsam os representantes do governo. Dom João VI toma
várias medidas paliativas e aprova, em 24 de Fevereiro de 21, a
futura Constituição de Portugal e domínios, demitindo o
ministério e nomeando outro mais popular. Os príncipes,
inclusive D. Miguel, o futuro rei absolutista, juram essa
Constituição, a redigir e votar em Portugal, pelas Cortes. A
autoridade sai do paço... Afinal Dom João VI resolve partir,
deixando Dom Pedro, o príncipe herdeiro, a governar o Brasil.

A 24 de Abril embarcou, com saudades, confessando ter
aqui vivido os mais felizes anos de sua vida; a rainha D. Carlota
Joaquina, no Cais do Faroux, tirava as sandálias dos pés e
sacudia-as, para nem o pó levar; a 26 a Corte partiu, com o
soberano, rumo a Portugal. Em pouco mais de treze anos tinha
feito a maioridade do Brasil. Portugal, dominado pelo
estrangeiro, passara a não contar quase para a monarquia, cuja
metrópole era o Brasil. Depois, apenas contava com dinheiro,
que de lá recebiam os fidalgos e as tropas. Para aqui
transplantara uma corte, uma cultura, uma civilização, enxerto
europeu, em terras da América. O ato da vinda foi executado
com acerto: a Espanha impediu o soberano de partir para o
México: seria aí recebido como Dom João? Isto permitiu
começar, de Portugal, a restauração da Europa contra Napoleão.
Na Europa tinha bastante prestígio para conseguir para o filho
uma arquiduquesa de Áustria, irmã de Maria Luíza, a que
cobiçara esse Napoleão. Aqui, fez a maioridade da colônia em
nação, dotando-a de toda a complexa máquina administrativa de
governo e de todos os órgãos culturais da civilização. Tomou
posse do país e com as leis idôneas ao Brasil, aqui e não de lá,
permitiu a fermentação apressada da vida, que faz suprir o
tempo. Foi uma experiência de governo autônomo a que nos
deu. Na realidade a nossa independência data de 1808. Quase
tudo o que temos foi o que nos concedeu o seu governo, liberal,
tolerante, adaptado ao grande território que lhe proporcionou a
fortuna.
Isso fez, ou deixou fazer, e disso teve consciência; ao
filho disse, à despedida: "O Brasil brevemente se separará de
Portugal; se assim for, põe a coroa sobre tua cabeça, antes que
algum aventureiro lance mão dela". Com isto, esse conselho e
este príncipe, permitiu que o imenso país continuasse unido
como não aconteceu ao domínio espanhol, repartido em vinte e
tantas nações das três Américas, norte, centro e sul. Calculou
Oliveira Martins em 200 milhões de cruzados o valor dos bens
que trouxe Dom João VI, poupando ao saque dos Franceses o

que pôde, e que deixou no Brasil... Simbolicamente, basta, para
atestá-lo, a Biblioteca Nacional. "Uma das causas do
agravamento da crise econômica em que Portugal se debateu
durante a estadia da Corte no Rio de Janeiro era a que derivava
das constantes remessas de numerário, para o Rei e Fidalgos
que o acompanharam ao Brasil, e ali gastavam o produto de
suas rendas". (Francisco Antônio Corrêa, Hist. Econômica de
Portugal). "Entre o que trouxe e o que levou Dom João VI, o
saldo é considerável, e foi a favor do Brasil", conclui Simonsen
(op. cit., t. II, p. 240). Isto, bens materiais, pessoais; o bem
público, material e moral, que ficou, é incalculável. Achou uma
colônia: deixou uma nação. Fez, repito, ou deixou fazer, ou não
se opôs a que fizessem; os nossos atos são dos outros: os destes
foram bons; é o seu mérito. É, assim, Portugal que nos prepara a
autonomia.

,1'(3(1'Ç1&,$
No Brasil, com Dom João VI, o governo antecipa os
reclamos do tempo e da opinião; no Reino o governo que
avançara muito, intenta retroceder e repor, no que eram, as
coisas, antes de Dom João VI. Procede-se à eleição dos
deputados brasileiros à Constituinte Portuguesa, mas as Cortes
não os esperam, e promulgam uma Constituição, que devia ser
observada no Brasil. A tropa portuguesa, sob o comando do
general Jorge Avilez, sai ao Rossio e reclama o juramento dessa
Constituição, deportado para o reino o ministro Conde dos
Arcos. Dom Pedro anui, fazendo eleger uma junta consultiva de
governo.
Mas as Cortes de Lisboa continuam: os governos das
capitanias ficam independentes do Rio de Janeiro; são supressos
a Relação e outros tribunais criados por Dom João VI;
ordena-se ao Príncipe que recolha ao reino, para se educar e
viajar. Em São Paulo, onde os nacionalistas eram mais
numerosos e exaltados, José Bonifácio de Andrada e Silva,

sábio de educação européia, reconhecido à metrópole que o
honrara, mas convencido da "obrigação em que está todo
Portugal, com sua filha emancipada, a que precisa pôr casa,
repartindo com ela luzes, conselhos, instruções", e informado
da próxima retirada do Príncipe, convoca, às onze horas da
noite, uma reunião da Junta Provincial, e consegue assinar uma
representação a Sua Alteza: a sua partida seria o sinal de
separação do Brasil. "Como agora esses Deputados de Portugal,
sem esperarem pelos do Brasil, ousam já legislar sobre os
interesses mais sagrados de cada Província e de um Reino
inteiro? Como ousam roubar a V. A. R. a lugar-tenência que seu
Augusto Pai, nosso Rei, lhe concebera? Como querem despojar
o Brasil do Desembargo do Paço e Mesa da Consciência e
Ordens, conselho de Fazenda, Junta do Comércio, Casa de
Suplicação e de tantos outros estabelecimentos novos, que já
prometiam futuras prosperidades? Para onde recorrerão os
povos desgraçados a bem de seus interesses econômicos e
judiciais? Irão agora, depois de acostumados por doze anos a
recursos prontos, sofrer, outra vez, como vis colonos, as
delongas e as trapaças dos tribunais de Lisboa, através de duas
mil léguas do oceano, onde os suspiros dos vexados perdiam o
alento e esperança? Quem o crerá, depois de tantas palavras
meigas, mas dolosas, de recíproca igualdade e de felicidades
futuras!!"
Enviada a mensagem, preparou-se José Bonifácio para
seguir, reforçando pessoalmente os argumentos. Movimento
semelhante se manifestara em Minas. "Conhecendo os
habitantes do Rio de Janeiro o que se passava naquelas
províncias, dirigiram-se a Câmara Municipal da Capital com o
seu representante, e com mais de oito mil assinaturas
requereram que se representasse a Dom Pedro, contra a
execução dos decretos das Cortes." (John Armitage -- História
do Brasil, -- Rio de Janeiro, 1837). O manifesto fora escrito
por Fr. Francisco de Sampaio e levado ao Príncipe por José
Clemente Pereira, português de nascimento, a 9 de Janeiro de

22. O povo acorrera à Câmara Municipal. Dom Pedro ponderou
e concluiu: "Como é para bem de todos e felicidade geral da
nação, diga ao povo que fico". (Armitage, op., cit., p. 44).
A representação de São Paulo é de 24 de Dezembro; a
do Rio de 29; o "fico", apenas solenidade pública de resposta,
foi a 9 de Janeiro de 22. Mas, já a 2 de Janeiro, escrevia o
Príncipe ao Pai: "Ontem, pelas 8 horas da noite, chegou de São
Paulo um próprio, com ordem de me entregar em mão própria o
ofício que ora remeto incluso, para que V. M. conheça e faça
conhecer ao Soberano Congresso quais são as firmes tenções
dos Paulistas, e por elas conhecer quais são as gerais do Brasil.
Ouço dizer que as representações desta Província (Rio de
Janeiro) serão feitas no dia 9 do corrente; dizem mais que São
Paulo escreveu para Minas: daqui sei que há quem tem escrito
para todas as Províncias, e dizem que tudo se há-de fazer
debaixo de ordem". Em carta, datada de 9, o Príncipe conta que
às 10 horas da manhã as Câmaras reunidas, nova e velha, lhe
pediram audiência e as ouviu: "Veio o Senado (da Câmara)...,
fez uma fala muito respeitosa... e em suma era, que logo
desamparasse o Brasil, ele se tornaria independente: e ficando
eu, ele persistiria unido a Portugal. Eu respondi o seguinte:
"Como é para bem de todos e felicidade geral da Nação, estou
pronto: diga ao Povo que fico".
Nomeou Dom Pedro a José Bonifácio ministro dos
Negócios do Reino e Estrangeiros. "O seu grande saber, o seu
gênio intrépido, o seu carácter pertinaz, que quase chegava a
raiar em defeito, contribuíram a fixar a volubilidade do
príncipe. E o conhecimento especial, que a estadia de tantos
anos em Portugal lhe dera desse País, dos seus recursos, do forte
e fraco dos seus habitantes e especialmente dos que dirigiram a
política de 1821 e 1822, a este respeito pricipalmente, nenhum
outro brasileiro de então lhe levava a palma" (Varnhagen --
Hist. da Independência, "Rev. do Inst. Hist.", 1. LXXIX, 1917,
p. 139). Os atos do ministro seguiram a direção dos do patriota:

foi restabelecida a centralização das províncias que as Cortes
tentaram separar; convocado um conselho de seus
representantes para instruir e representar ao Príncipe sobre
todos os negócios de importância: Rio de Janeiro, Minas, São
Paulo e Rio Grande uniram-se logo nesse desígnio, salvador da
integridade nacional; a Bahia teria de ser defendida contra a
reação portuguesa; Pernambuco também dividido por
dissenções, viria a aderir ao movimento, graças à eficácia dos
esforços de Vasconcelos de Drummond, amigo de José
Bonifácio.
Nesse mesmo mês de Fevereiro, em que foram
convocados os representantes das províncias, outro decreto
submete, à aprovação do Príncipe Regente, as leis portuguesas
referentes ao Brasil, início de soberania. Conformação tácita
dessa conquista é a Convocação, a 3 de Junho, da Assembléia
Geral Constituinte Legislativa, ato íntimo de independência ou
autonomia, do qual o de 6 de Agosto, convidando as nações
estrangeiras a entrarem em relações com o Brasil, é a
proclamação internacional. José Bonifácio dá ordem aos nossos
agentes diplomáticos no Prata para a tentativa, e tentava, com
Rivadávia, a criação de uma liga ofensiva e defensiva, que
opusesse "justa e firme repulsão contra as imperiosas pretensões
da Europa": é a "América dos Americanos", antes de Monroe."
O Príncipe, que em Minas havia escutado os votos do Brasil,
parte para São Paulo a 14 de Agosto, e, diz Varnhagen:
"...quase resolvido a declarar a independência, segundo se vê da
seguinte circular passada por José Bonifácio, nesse dia, ao
corpo diplomático, comunicando-lhe o manifesto: "Tendo o
Brasil, que se considera tão livre como o Reino de Portugal,
sacudido o julgo de sujeição e inferioridade com que o reino
irmão o pretendia escravizar, e passando a proclamar
solenemente a sua independência"... (Op. cit. p. 185).
Essa "resolução", a que chegara o Príncipe, a despeito
dos seus protestos e juras de fidelidade ao Pai e à Nação

Portuguesa, foi movida e promovida por José Bonifácio, que
encarnava o sentimento público: havia porém necessidade de
um ato, a "proclamação solene" da Independência; foi o que se
deu nas margens do Ipiranga. Dom Pedro estava pronto e
preparado para ela, como se preparara para o "Fico", mas a hora
soou, às 4:30 da tarde de sábado, 7 de Setembro de 22, com a
exclamação: -- "Independência ou morte!", depois de receber o
seu correio, despachado com urgência do Rio de Janeiro, por
José Bonifácio. Ao correio, Pedro Bregaro, dissera o ministro,
segundo informa Drummond: "se não arrebentar uma dúzia de
cavalos no caminho, nunca mais será correio". "Não cremos --
diz Varnhagen -- que o conteúdo desta carta, (a que trouxe o
correio), entrasse por parte na resolução do príncipe (de declarar
a Independência) que já, independente dela, viria preparada do
Rio de Janeiro" (Varnhagen, op. cit., p. 185). O correio trouxera
as últimas notícias de Lisboa (até 3 de Julho), chegadas ao Rio a
28 de Agosto, nas quais o Governo Português tomara
disposições, anulava atos do Príncipe, nomeadamente a
convocação dos representantes das províncias a 16 de
Fevereiro, responsabilizava o Ministério do Rio e os membros
da Junta de São Paulo, signatários da representação de 24 de
Dezembro, numa palavra, atingia a Dom Pedro, chamado
depreciativamente lá "o rapazinho", e principalmente, a José
Bonifácio. Em vez da carta do Pai, uma de Antônio Carlos
(irmão de José Bonifácio, então nas Cortes) na qual lhe dava
conta: "não poupavam a real pessoa de V. A. R., de envolta com
ataques ao Brasil. O horizonte nada promete. .. O augusto pai de
V. A. R. é um perfeito escravo de um ministério vendido ao
partido desorganizador das cortes..." Varnhagen pondera:
"Provavelmente José Bonifácio escreveria alguma carta,
insistindo acerca da necessidade de romper, de uma vez, o véu,
e proclamar a independência. A verdade é que, antes de
poderem chegar ao Rio as resoluções do Príncipe tomadas em
São Paulo, já a proclamação da mesma independência se
resolvia também no Rio de Janeiro, no Grande Oriente, de que
José Bonifácio era Grã-mestre, em sessão de 9 de Setembro".

(Varnhagen, op. cit., p. 185).
Tornado ao Rio, ostenta o Príncipe, no teatro, o dístico
no braço esquerdo: "Independência ou Morte". O Senado da
Câmara marcou o dia 12 de Outubro, aniversário do Príncipe, a
data do descobrimento da América, para a aclamação do
"Imperador Constitucional do Brasil". A coroação será a 1.º de
Dezembro. Na Bahia, resistia o general português Pinto
Madeira. Sitiada a cidade, por mar, por Lord Cochrane, e por
terra por tropas do mando do General Labatut, foram vários
recontros favoráveis aos nossos. O Coronel José Joaquim de
Lima e Silva, a quem a Junta Governativa de Cachoeira dera o
comando, apertou o cerco e as tropas de Madeira embarcaram
rumo de Lisboa, entrando os patriotas na cidade, a 2 de Julho de
23. Lord Cochrane, que deixara sair os Portugueses,
perseguiu-os, fazendo algumas presas. Partiu para o Maranhão,
onde, a 27 de Julho, tomou navios e fez embarcar tropas para
Portugal. Seu lugar-tenente, o Capitão Pascoe Grenfell, foi a
Belém do Pará, onde teve sucesso fácil, prendendo 256 pessoas
no porão do brigue Palhaço, fechadas as escotilhas: dos presos
apenas se salvaram 4, da horrorosa asfixia(5). Dom Álvaro de
Sousa Macedo, que resistira em Montevidéu 17 meses, ao cerco
do general Lecor, capitulou a essas notícias, e embarcou com as
tropas fiéis para Portugal. A independência era um fato
consumado.
A Assembléia Constituinte, convocada em junho de 22,
reuniu solenemente a 3 de Maio de 23, aberta pelo Imperador,
que lera a "fala do trono". José Bonifácio abandonara o poder e,
com partidários, fundara o Tamoio e a Sentinela, jornais de
oposição. Diz Armitage: "quando revestidos do poder (os
Andradas) foram arbitrários, e quando decaídos tornaram-se
facciosos". (Op. cit., p. 90). A Assembléia rejeitou projeto
ultraliberal de um deles (Antônio Carlos). Com a agitação
partidária, Dom Pedro mudou o Ministério, dissolveu a
Constituinte (26 de Novembro), prometendo convocar outra e

deportou para França os Andradas e alguns de seus amigos.
Chegara de Portugal a fragata Voadora, com carta de Dom João
VI para o filho: os portadores não foram recebidos, devolveu-se
a carta, confiscou-se o navio. O Brasil era soberano. Dom Pedro
deu-nos então, outorgada, uma Constituição, redigida por dez
membros de uma comissão, e que foi proclamada, a 25 de
Março de 24.
Em Pernambuco é a "Confederação do Equador"
proclamada a 24 de Junho de 24: contra ela têm razão o Coronel
Lima e Silva e Lord Cochrane, que põem sítios e os
republicanos são batidos em Olinda, Couro de Anta, Agreste e
Engenho do Juízo, fugindo o chefe insurrecto Pais de Andrade.
As províncias que aderiram: Paraíba, Rio Grande, Ceará, foram
logo pacificadas. Com isso os vencedores julgaram
sumariamente os cabecilhas, ao todo 17 vítimas, à frente, no
Rio, João Guilherme Radcliff, português de nascimento e Frei
Joaquim do Amor Divino Caneca, perdoados os outros,
passíveis de clemência imperial. No Maranhão, Lord Cochrane,
que ajudara no mar a luta da Independência, dando por finda
sua missão, retirou-se à Europa, escrevendo suas memórias
publicadas em 1859: Naval services in Chile, Peru and Brasil.
Na Bahia, num levante do batalhão dos Periquitos, (assim
chamados pelas cores verde e amarela que tinham nos canhões
dos punhos) foi assassinado o coronel Felisberto Gomes
Caldeira, comandante das armas. As rebeldias nunca são
singulares.
Contudo, a Independência, embora as opiniões opostas
de Espanha, França, Prússia e Rússia, que aconselhavam
Portugal à resistência, -- reconhecida pelos Estados Unidos e
pela Inglaterra, acabou por ser atendida por Portugal, que ouviu
a Lord Canning: o Embaixador inglês que se achava em Lisboa,
de partida para o Brasil, Sir Charles Stuart, teve poderes para
negociar o reconhecimento do Império, pela antiga Metrópole.
Resultou o Tratado de 29 de Agosto de 25, que isso conseguia,

(todavia com dois imperadores, um efetivo, Dom Pedro I, e um
titular(6), Dom João VI), comprometendo-se ao pagamento de
um empréstimo que contraíra Portugal, em Londres, de dois
milhões de libras esterlinas, sem quaisquer outras reclamações,
exceto o transporte de tropas.
No sul, a 19 de Abril de 25, proclama-se a
independência da Banda Oriental do Uruguai. Derrotados os
nossos em Mercedes e Sarandi, declaram os vencedores a
Banda Oriental incorporada às Províncias Unidas do Prata. A
esquadra brasileira, sob o comando de Pinto Guedes, que
bloqueava os portos argentinos, bateu a flotilha do capitão
George Brown. A Colônia do Sacramento resiste a vários
ataques. O Imperador, que acorrera ao sul, foi obrigado a tornar
ao Rio, pela morte da Imperatriz D. Leopoldina. A 20 de
Fevereiro de 27, em Passo do Rosário (Ituzaingo), trava-se
batalha, entre Argentinos sob o mando de D. Carlos de Alvear,
e Brasileiros, comandados por Felisberto Caldeira Brant, depois
Marquês de Barbacena, perdida por ambos(7) porque um recua
e o outro não persegue, "o campo sem vencedor" com as suas
vantagens; depois, as duas partes se proclamaram tais, com os
respectivos troféus, como é fácil(8). A conseqüência real do
fato é que, disputada por dois pretendentes, a Banda Oriental do
Uruguai é declarada independente pelo Tratado de 27 de Agosto
de 28, constituindo a nova nação da República do Uruguai,
tendo por capital Montevidéu, evacuada a 24 de Abril de 1830.
Brasil independente, mas deminuído.
Em 26 morrera Dom João VI, que confirmara a sucessão
portuguesa em seu filho preferido, Dom Pedro. Imperador do
Brasil, (nota do Duque de Palmela a Canning, em 7 de
Dezembro de 25). Resolveu este abdicar da Coroa de Portugal,
na pessoa de sua filha D. Maria da Glória, portanto D. Maria II.
Pensava em casá-la com o irmão, Dom Miguel, que, entretanto,
dissolveu a Câmara dos Deputados, convocou as Cortes, que o
proclamaram rei absoluto, em 28. D. Maria da Glória levada à

Inglaterra, para daí ir à Áustria, confiada ao avô, Francisco I,
tornou ao Brasil com D. Amélia de Leuchtemberg, que seria 2.ª
imperatriz do Brasil, em 29. Foi criada a Ordem da Rosa, civil e
militar para comemorar as núpcias imperiais.
Tratados de comércio, com as nações da Europa e
América em 26, 27, 28. Lei de 23 revigorara as leis portuguesas
em exercício no Brasil. Em 28 abole-se a Mesa da Consciência
e o Desembargo do Paço, mas institui-se o Supremo Tribunal de
Justiça. Tropas estrangeiras, irlandesas e alemãs sublevam-se e,
depois de combate, rendem-se, sendo repatriadas e dispersas
(28). O almirante Roussin entra no Rio, ameaçando bombardear
a cidade, se lhe não dessem satisfação de navios aprisionados
no bloqueio do Rio da Prata: foram entregues os navios e
prometida a indenização (28). Tumultos na Bahia, assassínio do
Presidente da Província, Visconde de Camamú, e revolta
popular em Pernambuco, com arrombamento de prisões. Em 29
criaram-se os cursos jurídicos de São Paulo e Olinda. Em 30 foi
publicado o Código Criminal.
O Imperador não continuara o Príncipe Regente:
desfizera-se dos patriotas brasileiros no governo, e cercara-se de
camarilha sem responsabilidade, -- como o "Chalaça", um fuão
Francisco Gomes da Silva, -- desmandado em amores mais ou
menos públicos. Como reação, acusaram-no de preferir os
reinóis subsistentes, aos nacionais, que o aclamaram. A roupa
nova do regime parlamentar não se acomodava bem, nem ao
Imperador, que queria reinar, nem às Câmaras que pretendiam
governar, sem respeito. Se as províncias recuadas conservavam
o governo antiquado, os centros de eficiência, como Recife,
Bahia, Rio, São Paulo, raiavam pela licença. Armitage condena
à execração um Costa Barros, presidente do Maranhão, que
"chegou até a abrir cartas particulares" e afirmava a
impossibilidade de cumprir, na sua província, a Constituição
(op. cit., p. 228). A imitação, do que sucedia em França a
Carlos X, era propícia. Na noite das garrafadas, houve

distúrbios, entre facções pró e contra o ministro Silva Maia, a
ser reeleito, do agrado do Imperador e do partido português. A
um Te-Deum, na igreja de São Francisco de Paula, pelo
aniversário do juramento da Constituição, a 25 de Março, acorre
Dom Pedro, sem ser esperado e sem convite, acolhido aos vivas,
"enquanto constitucional". "Fui, sou e serei sempre
constitucional". Aos "vivas a Dom Pedro II", responde: "ainda
é muito criança". A 5 de Abril demite todo o Ministério,
nomeando outro, escolhido fora da Assembléia, da facção
áulica. O povo reúne-se no Campo da Aclamação, exaltado à
resposta do pedido que fizera a S. M., para demitir o Ministério:
"Estou pronto a fazer tudo para o povo, nada porém pelo
povo".
Os ânimos estão tensos e prevêem-se recontros
sangrentos entre partidários do Príncipe e dos Políticos: estes
(os chefes) já arrumam as malas, prontos à fuga para Minas,
quando o Imperador, por seu lado(9), entrega ao major Miguel
de Frias a declaração de que abdicara na pessoa do filho,
nomeando José Bonifácio tutor dos príncipes, que deixava no
Rio: foi isto a 7 de Abril de 31. Recolheu-se à nau inglesa
Warspite acompanhado da Imperatriz, D. Maria II, parentes e
fidalgos. O Povo pretendendo depor o Ministério, apeara o 1.º
Imperador; ao 2.º vai acontecer o mesmo, e será a morte do
regime.
Quanto ao julgamento de D. Pedro I, neto de uma louca,
mal educado por mãe descomposta, num tempo de rebeldia,
epiléptico e impulsivo, extremado e contraditório, será este de
contemporâneo e estrangeiro: "Apesar de todos os erros do
Imperador, o Brasil, durante os dez anos de sua administração,
fez certamente mais progressos de inteligência de que nos três
séculos decorridos desde a sua descoberta até a proclamação da
Constituição Portuguesa em 1820" (Armitage, op. cit., p. 312).

REIS DE PORTUGAL
(SÉCULO XIX)
D. Maria I (1777-1816).
D. João, príncipe regente (1799-1816).
D. João VI (1816-1825).
D. Miguel I (1828-1834).

VICE-REIS
(do começo do século à chegada da família real)
13.º -- D. José de Castro, Conde de Resende (1790-1801).
14.º -- D. Fernando José de Portugal e Castro (1801-1805).
15.º -- D. Marcos de Noronha e Brito, Conde dos Arcos (1806-1807).

IMPERADORES DO BRASIL
D. João VI (titular) [1825-1826].
D. Pedro I (efetivo) [1822-1831].
1801 -- Conquista do Rio Grande do Sul.
1804 -- De braço a braço, de escravos, chega a vacina ao Brasil, mandada vir, de
Lisboa, por negociantes portugueses da Bahia.
1807 -- Partida da Família Real Portuguesa para o Brasil (29 nov.).
1808 -- Abertura dos Portos do Brasil ao comércio das Nações Amigas (28 de
Janeiro). Fundação da Imprensa Régia, no Rio. Publicação da "Gazeta do Rio de
Janeiro", primeiro jornal brasileiro. Em Londres, o "Correio Brasiliense", de
Hipólito da Costa (1808-1823). Liberdade das indústrias. Um censo atribui-nos
4.000.000 de habitantes.
1809 -- Criação do Jardim Botânico. Tomada da Guiana Francesa.
1810 -- Criação da Biblioteca Nacional. Fundação da Real Academia Militar,
depois Escola Central, depois E. Politécnica. "History of Brazil", de Robert
Southey, em Londres. "Marilia de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga, primeiro
livro literário impresso no Rio de Janeiro.
1811 -- A "Idade de Ouro", jornal da Bahia (11-13). Alvará que estabelece a
grande navegação de cabotagem.
1813 -- Fundação dos estudos de Medicina e Cirurgia no Rio e na Bahia.
1815 -- Reino do Brasil.
1816 -- Missão artística contratada em França.
1817 -- Revolução em Pernambuco. Restituição da Guiana Francesa.
1818 -- Criação do Museu Nacional. O Brasil, por censo imperfeito, tem

3.617.900 habitantes.
1819 -- Os livros impressos são isentos de direitos. Veloso de Oliveira calcula os
Brasileiros em 4.396.132.
1820 -- Criação da Academia de Belas Artes. Revolução em Portugal.
1821 -- Liberdade de imprensa. Volta Dom João VI a Portugal, com sua Família
(26 de Abril). Incorporação da Cisplatina.
1822 -- O "Fico" (9 de Janeiro). Dom Pedro recebe o título de "Defensor
Perpétuo do Brasil" (13 de Maio). Proclamação da Independência (7 de
Setembro). Decreto da bandeira (18 de Setembro). Aclamação do Imperador (12
de Outubro). Coroação de Dom Pedro I (1.º de Dezembro).
1823 -- Abertura da Constituinte (3 de Maio). Reforma da instrução primária:
introdução do sistema lencastriano, nas escolas públicas. A Bahia independente (2
de Julho). "Voyage dans l'interieur du Brésil", de A. de Saint Hilaire.
1824 -- Juramento da Constituição (25 de Março). Revolução de Pernambuco:
"Confederação do Equador". "Animalia nova...", de J. B. Von Spix (23-29).
1825 -- Tratado de Reconhecimento do Império (25 de Agosto): D. João VI é
imperador titular, e D. Pedro I, efetivo, do Brasil, por bons ofícios de Sil Charles
Stuart, embaixador inglês, a mando de Canning.
1826 -- Lei que mandava abrir escolas públicas primárias nas principais vilas e
cidades do Império. "Aurora Fluminense", de Evaristo da Veiga.
1827 -- Fundação dos Cursos Jurídicos de São Paulo e Olinda. Funda-se o
"Jornal do Comércio", do Rio.
1828 -- Perda da Cisplatina. Instituição do Supremo Tribunal de Justiça.
1829 -- "Flora Brasiliensis", de C. F. P. Von Martius.
1830 -- Código Criminal. Malte Brun calcula em 5.340.000 o total dos
Brasileiros.
1831 -- Abdicação de Dom Pedro I.

9,,,
48$572 ,, (
48,172 6e&8/26
(até os dias de hoje)
A REGÊNCIA, ENSAIO REPUBLICANO. -- A MAIORIDADE DE
PEDRO II. -- A GUERRA CONTRA O PARAGUAI. -- A ABOLIÇÃO
DOS ESCRAVOS. -- A REPÚBLICA. -- APREENSÕES E
ESPERANÇAS.

$ 5(*Ç1&,$
Apesar do malogro das armas brasileiras no Prata, com a
perda de Cisplatina, o Imperador sempre se apoiou no Exército,
do qual fora criador. "A intervenção militar na revolução de 7
de Abril -- diz Nabuco (Um estadista do Império, Rio, 1897,
vol. I, p. 26) -- fora sumamente injusta, porquanto o melhor
amigo do Exército era o Imperador." A imprensa, agitando a
opinião, foi a causa maior da perturbação, no ânimo dos civis e
dos militares: maior responsável, Evaristo da Veiga, no seu
jornal a Aurora Fluminense. Como prêmio, honra lhe seja,
"nunca fez parte do governo e morreu pobre", disse dele Sílvio
Romero: não chega para compensar o sofrimento coletivo. As
revoluções são pecados contra a evolução: o Brasil sofria mais
uma perturbação inútil e perigosa.

Ia seguir-se a anarquia, quando foi conjurada por 26
senadores e 36 deputados, reunidos no Senado, que nomearam
regência provisória, composta dos Senadores Marquês de
Caravelas, Nicolau de Campos Vergueiro e do brigadeiro
Francisco de Lima e Silva. Procuraram restabelecer a ordem,
com o ministério anterior a 5 de Abril. Mas a Assembléia
Legislativa, com 35 senadores e 86 deputados, resolveu eleger a
Regência Permanente Trina, na qual figuravam dois deputados,
José da Costa Carvalho, depois Marquês de Montealegre, João
Bráulio Moniz e o brigadeiro Francisco de Lima e Silva. O
Padre Diogo Antônio Feijó, ministro da Justiça, reprimiu, logo a
seguir, uma revolta de tropas e do povo.
Mas, nas províncias, a anarquia caminhava: na Bahia,
uma sedição militar; em Pernambuco soldados rebeldes, e, logo
depois, outra, que dura quatro anos; no Pará os rebeldes depõem
o presidente antigo, matam o novo presidente nomeado e o
novo comandante das armas, só subjugados depois de tropelias,
em 37; é a Cabanagem no Maranhão, tropa e povo são
reacionários, querem o poder absoluto, e são vencidos; no Ceará
apareceu um partido "restaurador", que o General Labatut
reprimiu, sendo executado, em 34, o chefe, o coronel Joaquim
Pinto Madeira; em Minas, em 33, sedição militar, sem maior
importância; no Amazonas outro levante de soldados em 32, 33,
com morticínio e crimes; em Mato-Grosso revolta de alguns
meses. Foi um andaço: contágio vindo do Rio.
Foi criada a Guarda Nacional; extintos os corpos de
milícia; instalou-se o Tesouro Nacional, cujas sucursais nas
províncias seriam as Tesourarias Provinciais. Assembléias
Provinciais sucedem aos Conselhos Gerais das Províncias. É
sancionado o Código do Processo Criminal. Suprime-se a Casa
de Suplicação e, imitação, a moda liberal do Júri. As Escolas
Médico-Cirúrgicas transformam-se em Faculdades de Medicina
e Cirurgia, da Bahia e do Rio de Janeiro. O Ato Adicional, de
34, corrige a apertada centralização constitucional e devolve, às

províncias, a instrução primária, que a Constituição garantia a
todos os brasileiros, condenando-os ao analfabetismo da
maioria, até hoje; o Município Neutro é o da Capital ou Corte
do Brasil, no Rio de Janeiro.
Os partidos incipientes ensaiam a luta pelo poder: o
"Moderado" era o dos Regentes; o "Restaurador" ou
"Caramurú", sebastianista, queria a volta de Pedro I, que,
morrendo em 34, desfaz vãs esperanças; o "Exaltado" já era
republicano. José Bonifácio, agora culpado de reacionário, é
suspenso da tutoria dos príncipes e preso em Paquetá. Em 7 de
Abril de 35, como ordenara o Ato Adicional, procede-se, em
todo o país, à eleição do regente, sendo eleito o candidato
moderado, Padre Diogo Antônio Feijó. Em 37, o General
Soares Andréa pacifica, enfim, o Pará. Mas há os Farrapos,
revolução no Rio Grande, encabeçada pelo coronel Bento
Gonçalves, que depõe as autoridades. Vencidos pelas tropas,
que a Regência confia a José de Araújo Ribeiro, proclamam a
República de Piratinim; são destroçados e de novo reagem, por
muitos anos, com diverso sucesso. Giuseppe Garibaldi, casado
com uma catarinense, Anita, inaugura sua vida de caudilho,
nessa guerra Farroupilha. Organiza-se nas Câmaras o Partido
Conservador, graças aos esforços e talentos de Bernardo Pereira
de Vasconcelos, o fundador do Colégio, depois de Pedro II, em
37. A oposição é maioria e o Regente Feijó nomeia ministro do
Império ao Senador Pedro de Araújo Lima, para entregar-lhe o
poder, a que renuncia, a 17 de Setembro de 37. Araújo Lima,
depois Marquês de Olinda, é regente eleito, no ano seguinte. Na
Bahia há a repressão da Sabinada, rebelião republicana, que
promovera o Dr. Sabino Álvares da Rocha Vieira; no Rio
Grande do Norte é assassinado o Presidente; no Maranhão,
começa a pacificação (38-41), operada pelo Coronel Luiz Alves
de Lima e Silva, agora Barão de Caxias, que chegará a ser o
maior titular do Império. Funda-se o Instituto Histórico, grande
associação cultural (38). Os Farrapos continuam...

O cansaço da desordem e da rebeldia fez desejar Dom
Pedro II, embora menor. O Exército que derribara Pedro I, fora
dissolvido por Feijó. A paz organizou-se. A 13 de Maio de 40
uma lei declara Dom Pedro de Alcântara "maior", antes de
perfazer os dezoito anos constitucionais (nascera a 2 de
dezembro de 25). Consultado, pronunciou o "quero já" e, no dia
23 de julho de 30, Câmara e Senado reunidos proclamam
Imperador do Brasil a S. M. o Sr. Dom Pedro II, coroado a 18
de Julho de 41.
A Regência foi, num interregno, uma experiência. Não
ousou a reação sebastianista da restauração de Dom Pedro I:
aliás não seria possível, ocupado com as lutas liberais e o trono
da filha, D. Maria II, em Portugal, e falecido em 34; não ousou
também a inovação da República, sugestão coletiva da América,
que adotara geralmente esse regime, lisonjeiro e convidativo
aos políticos e militares, que nele mandam mais
discricionariamente que os príncipes, nas monarquias. Mas
Nabuco repete: "a regência fora uma experiência republicana";
aprendemos a dispensar, com êxito duvidoso embora, a tradição
dinástica. Seria experimentada.

'20 3('52 ,,
Constituído o ministério, de que faziam parte dois
Andradas, Antônio Carlos e Martim Francisco, conspiradores
pela maioridade (José Bonifácio, o ex-tutor, falecera em 38), o
primeiro grande ato do monarca é a anistia geral, de 22 de
agosto de 40. Motins em São Paulo e Minas em 42, contra os
quais é mandado o Barão de Caxias, que consegue vitórias e
pacificação. Mandado contra o Rio Grande, vence em Triunfo e
Camaquan os rebeldes republicanos, que Bento Manuel
desbarata em Ponche Verde, e Marques de Sousa, depois Conde
de Porto Alegre, em Piratinim, e Pedro de Abreu, depois de
Jacuí, também rechaça. Tratam então de paz com o Governo, e
Canabarro, pelos insurrectos, e Caxias, pelo Governo Imperial,

proclamam o fim da revolta: durara mais de nove anos (34-45).
Em Pernambuco, em 48, sublevam-se rebeldes no Pau de Alho,
sendo um dos chefes o Desembargador Joaquim Nunes
Machado, prisioneiro na investida contra a capital da província,
defendida pelo presidente Manuel Vieira Tosta, depois Barão de
Muritiba, e General José Joaquim Coelho.
Com a Cisplatina não se acabaram nossas intervenções
no Prata. Dois partidos ou facções, Colorados e Blancos,
disputam o poder, no Uruguai. João Manuel Rosas, o tirano da
Argentina, é contra os Colorados e os Brasileiros seus parciais,
que lhe contrariam os planos de dominação. Em 51 o Governo
Imperial intervém, associando-se a Rivera e Urquiza, contra
Oribe e Rosas. Caxias, Porto Alegre e o Almirante Grenfell
invadem o território do Uruguai, batem Oribe em Las Piedras e
ocupam Montevidéu; com Urquiza forçam Toneleros, batendo
completamente Rosas em Monte Caseros: o tirano foge num
navio britânico para a Inglaterra (51). O nosso lucro foi apenas
a demarcação da fronteira.
A questão Christie é de 62. No Rio Grande do Sul
naufraga em 61 uma barca inglesa, Prince of Wales, cujos
salvados, atirados à praia, são roubados; na Tijuca, três oficiais
da fragata inglesa Fort, passeando à paisana, são presos: o
Ministro britânico William Dougal Christie pede, a 5 de
dezembro de 62, indenização e satisfação. Julgadas
insuficientes, o Governo Inglês apreende cinco embarcações
brasileiras, levadas para Las Palmas. O brio nacional despertado
agita-se em publicações veementes: a Leopoldo I, rei dos
Belgas, é devolvida a arbitragem, pela qual o Brasil paga 3.200
libras de indenização (63). Aos bons ofícios de Portugal,
restabelecem-se as relações diplomáticas entre a Inglaterra e o
Brasil.

*8(55$ &20 2 3$5$*8$,

O domínio jesuíta no Paraguai fora memorável
experiência, de coesão obediente. Separado de Espanha em
1813, o ditador Francia governa com autoridade; morto em 40,
Carlos Antônio Lopez é o novo ditador, até 62, preparado o
filho, na Europa, para a sucessão. É Francisco Solano López,
que tomou parte na guerra de Rosas, tem grandes bens e sonha
uma glória "napoleônica". Desde 50 o Brasil trata, com a
república, livre navegação no Rio Paraguai (nosso acesso a
Mato-Grosso), que Carlos Antônio López dificulta. No Uruguai,
o Presidente Aguirre maltrata a Brasileiros do território neutro:
o Governo Imperial protesta e depois da missão diplomática
Saraiva, manda Mena Barreto, por terra, com 4.000 homens, e
por mar, diante de Montevidéu, o vice-almirante Marques de
Sousa, depois Marquês de Tamandaré, exigindo, por ultimatum,
cessação dos vexames. Aguirre devolve o ultimatum e os
imperiais violam a fronteira, enquanto a frota exercerá
represália às violências. Aguirre invoca Solano López, que
declara não assistirá impassível à invasão do Uruguai pelos
Brasileiros.
Aguirre, exasperado, comete atos de violência contra o
Brasil: os Brasileiros invasores, reunidos aos insurrectos
Uruguaios, que comanda Venâncio Flores, conseguem as
vitórias de Salto e Paisandú. Montevidéu é bloqueada, por terra
e mar (65); Aguirre foge para Buenos Aires e outros dos seus
parciais refugiam-se no Paraguai. Flores assume o poder, no
Uruguai. O vapor brasileiro Marquês de Olinda, que levava
para Mato-Grosso o presidente Carneiro de Campos, é
aprisionado à passagem em Assunção, e ele encarcerado
cruelmente (11 de novembro de 64), vindo a morrer,
atormentado, em 67. É o começo da Guerra do Paraguai. Ao
mando do General Barrios 6.000 homens tomam Nova
Coimbra, Albuquerque, Corumbá, Miranda, Nioac e Dourados,
ao sul de Mato-Grosso.
O Peru, a Bolívia e o Chile declaram-se neutros. Para

atingir o Paraguai precisamos do Uruguai e da Argentina, no
caminho. Tanto o Brasil como o Paraguai pedem licença à
Argentina, para passagem de tropas no seu território, o que é
recusado. Mas López invade Corrientes, captura dois navios
argentinos e ocupa a margem esquerda do Paraná. Trata-se,
então, em Buenos Aires, a Tríplice Aliança, (1 de Maio de 65)
pela qual a Argentina, o Brasil, o Uruguai, unidos, marchariam
contra o Paraguai: o general em chefe será o presidente da
Confederação Argentina, enquanto as operações, de nosso lado,
tivessem base nesse país; o almirante Tamandaré seria o
comandante da esquadra; as depesas seriam dos três governos; a
guerra não cessaria senão mudando o governo do inimigo. O
Brasil daria o contingente de 45.000 homens; 25.000 os
Argentinos, nunca realizados; os Uruguaios eram apenas 1.600.
López tinha um exército aguerrido e municiado, de 80.000
homens. Por isso a guerra nos vem a custar cerca de 100.000
homens, durante cinco anos, e 500.000 contos. Os sucessos, até
o termo, merecem relevo.
A 11 de junho de 65, na foz do Riachuelo, afluente do
Rio Paraná, perto de Corrientes, oito navios paraguaios,
rebocando seis baterias flutuantes, desceram a corrente a todo
vapor, passaram pela esquadra brasileira, viraram de direção e
romperam o fogo. Com oito navios, o chefe de divisão
Francisco Manuel Barroso, depois Barão do Amazonas, nascido
em Lisboa, enfrenta-os, e inaugura nova tática de ataque,
acometendo com o esporão do seu navio, a fragata "Amazonas",
ao inimigo, ato de grande sucesso náutico, perdendo os
Paraguaios quatro vapores, seis baterias flutuantes e mais de mil
homens: nós apenas perdemos a corveta "Jequitinhonha",
encalhada no começo da refrega. São heróis nossos Pedro
Afonso, Greenhalgh e Marcílio Dias.
Contra os Uruguaios entra López, com 12.000 homens,
ao mando de Estigarribia e Duarte, que saqueiam São Borja,
repelindo Mena Barreto. Flores e Paunero batem Duarte e

cercam Estigarribia em Uruguaiana, cortando-lhe a retirada para
o Paraguai. Estigarribia e suas tropas entregam-se ao Imperador
do Brasil, que, com os genros Conde d'Eu e Duque de Saxe,
haviam acorrido ao teatro da guerra (17 de Setembro de 65): é a
rendição de Uruguaiana. Por solicitação dos Estados Unidos --
a princípio simpáticos aos Paraguaios -- o Peru, o Chile, a
França e a Inglaterra propõem um termo à guerra, que o Brasil
recusa.
Os aliados tomam Corrientes, onde estabelecem base de
operações, hospitais, depósitos de munições. Atravessam o
Paraná em Passo da Pátria, defronte do forte de Itapirú, que é
tomado por forças de Osório e frota de Tamandaré, depois de
duro combate, a 25 de Abril de 66. A 24 de Maio é o triunfo de
Osório em Tuiuti. Porto Alegre toma, com 9 mil homens,
Curuzú. Curupaiti é um completo revés. José Joaquim Inácio
substitui Tamandaré, Caxias é o comandante dos Brasileiros, e,
por ausência de Mitre, chamado a jugular a revolta de um dos
Estados da Confederação, o chefe dos aliados. Contorna então
as linhas fortes de Rojas e avança, por um rodeio de nove
léguas, até a margem esquerda do rio Paraguai, impedindo as
comunicações do inimigo com a sua capital. Caxias
concentra-se em Tuiuti.
O presidente Couto de Magalhães consegue, com os
próprios recursos, libertar a sua província de Mato-Grosso. A 15
de Agosto de 67 a esquadra subia até Humaitá, infranqueável.
Os Paraguaios atacam com 9 mil homens, sendo rechaçados
pelos nossos, em Tuiutí. Caxias é de novo chefe dos aliados,
reclamado Mitre ao sul, onde assassinam Flores, em
Montevidéu. Os navios brasileiros, comandados pelo capitão de
mar e guerra Delfim Carlos de Carvalho, a 19 de Fevereiro de
68, conseguem, corajosamente, franquear a passagem de
Humaitá; nesse ato distinguiram-se Jaceguay, Maurity e
Custódio de Melo, tomando os nossos o forte do Timbó.

A 22 de Março desse ano, o general Argolo toma as
linhas de Rojas. Ocupou-se Curupaiti e Osório ataca a fortaleza
de Humaitá, retirando-se o inimigo pelo Chaco e entregando-se
sem mercê. Caxias segue contra Assunção (26 de Agosto de
68), chega ao Tebiquari, sofrendo dos representantes de
Inglaterra e dos Estados Unidos violação do bloqueio. Contorna
Angostura, acomete os Paraguaios pela retaguarda, vence na
Ponte de Itororó, toma Villeta. Mena Barreto toma Piquisiri e
Caxias Lomas-Valentinas, fato que determina a rendição de
Angostura (30 Dezembro de 68). Distinguem-se nesses sucessos
Mena Barreto, Andrade Neves, Argolo Ferrão, Antunes Gurjão,
Correia da Câmara, Tibúrcio de Sousa. A marcha termina em
Assunção (3-5 Janeiro de 69), abandonada; Silva Paranhos
instala um governo provisório na Capital do Paraguai, a 15 de
Agosto de 69. Segue-se a perseguição a López, fugitivo.
Como a guerra se prolongasse e a impaciência pública
fosse grande pela terminação dela, o Imperador nomeia general
em chefe ao Príncipe Gastão de Orleans, conde d'Eu, que,
estudado no terreno um novo plano de campanha, empreende a
perseguição dos Paraguaios fiéis ao ditador. Vence em
Peribebuí, em Caraguateí, em Campo Grande; López refugia-se
nas montanhas. Mandado no seu encalço o General Correia da
Câmara, depois Visconde de Pelotas, alcança-o em Cerro-Corá,
na margem esquerda do Aquidaban, afluente do Paraguai, a 1.º
de Março de 70: recusando entregar-se, é morto pelo soldado
Chico "o Diabo".
Dessa campanha, -- em que fomos provocados e
tivemos de suportar a aliança, topograficamente indispensável,
de Argentinos e Uruguaios, operamos atos de bravura, sofremos
privações e epidemias, gastamos meio milhão de contos,
derramados no Prata, sem compensação econômica nacional, e
sacrificamos uma centena de milhar de brasileiros, voluntários a
maior parte, recrutados às vezes, -- não há motivo de jactância,
mas há a satisfação do benefício produzido: libertamos o

Paraguai e a América do Sul de um tirano, que armara os seus
Guaranis contra a civilização: pensavam, fanatizados, os que
morriam em campanha, ressuscitar em Assunção.

$%2/,d2 '26 (6&5$926
A escravidão não fora inventada para o Brasil. Os
negros de África foram a mão-de-obra na América, por três
séculos. Só o Brasil recebeu 3.300.000 desses Africanos
(Simonsen). Mas o Brasil foi o último país do mundo a ter
escravos, quando, por toda parte, já existia o trabalho livre.
Precursores da abolição foram Manuel Ribeiro da Rocha,
advogado na Bahia, em 1758; o jornalista de São Paulo, Veloso
de Oliveira, em 1810. No projeto de Constituição, em 1823,
cuidara do assunto José Bonifácio. Ferreira França, em 38, dá
cinqüenta anos para a extinção gradual: coincidiriam, com a
data imposta pela imprevisão. César Burlamaque em 39,
Caetano Alberto Soares em 45, Perdigão Malheiro em 63, o
Visconde de Jequitinhonha e Silveira da Mota no Parlamento,
foram precursores. Tavares Bastos, desde 63, principalmente
Castro Alves, desde 65, agitam a opinião e os versos deste
preparam a geração libertadora, da res sacra, res integra, diz
Joaquim Nabuco, que era a escravidão no seu tempo, e que ele
faz o crime odioso do Brasil. O "Brasil é o negro", dizia, ainda
muito depois, Silveira Martins.
A Inglaterra, desde o começo do século, empreendera a
luta contra o tráfico de africanos. Navios faziam a polícia dos
mares e apreendiam os barcos negreiros: no Congresso de Viena
obtivemos a satisfação de 300.000 libras, indenização dos
prejuízos sofridos por nós, com o infame negócio. Nesses
cruzeiros, até às nossas águas territoriais, vinham as patrulhas
britânicas. A opinião comoveu-se e, por Paulino de Sousa e
Eusébio de Queiroz, o Parlamento votou a lei de 50, abolindo o
tráfico, só em 54 realizado, dadas as sanções.

Estava estancada uma das fontes: havia, agora, os
nascidos escravos. Dom Pedro II recebe da Junta Francesa de
Emancipação um apelo pela liberdade e faz responder que a
abolição da escravidão é questão apenas de tempo. Pimenta
Bueno, depois Marquês de São Vicente, apresenta projetos
sobre o elemento servil: era o nome usado então (66). Em 70, o
deputado Teixeira Júnior provoca o debate e toma parte, com os
abolicionistas João Alfredo e Pereira Franco, no Ministério
Pimenta Bueno, ao qual sucede o do Visconde do Rio Branco,
José Maria da Silva Paranhos, que faz votar a lei do ventre livre
(71), sancionada pela Princesa-Regente D. Isabel, condessa
d'Eu. Em 1885, a libertação proposta dos escravos velhos, de
Rodolfo Dantas, termina na lei Saraiva, da liberdade dos
sexagenários, que é sancionada no Governo Cotegipe. Agitação
abolicionista desencadeou-se no Parlamento, na Imprensa, nos
comícios: Jaguaribe, Nabuco, Ferreira de Menezes, Gusmão
Lobo, José do Patrocínio, Ferreira de Araújo, Rui Barbosa... são
nomes a citar entre tantíssimos. Duas províncias, Amazonas e
Ceará, não têm mais escravos, vendidos quase todos os do norte
para a "mata do café", ao sul. A agitação das ruas levou o
Governo Imperial, no trono a Princesa Regente, a confiar o
poder a João Alfredo Correia de Oliveira, que fez apresentar o
projeto de abolição incondicional, sancionado a 13 de Maio de
88.
Moralmente, foi um sucesso: éramos o último povo da
terra a ter, oficialmente, a escravidão (continua, sob o
eufemismo de "trabalhos forçados", de que se ocupa a
Sociedade das Nações, nas colônias asiáticas e americanas, de
puritanos países da Europa...) Materialmente, uma desgraça:
não tínhamos senão em parte de S. Paulo o trabalho livre,
ocorreu no começo da safra de café, por isso perdida, arruinada
a lavoura da província do Rio, a mais importante no momento,
com esse roubo, propriedade garantida pelo Estado, espoliada
sem indenização e sem sequer assistir aos negros forros, que,
abandonados, incapazes de ganharem a vida, invadiram as

cidades e as capitais. Foi, menos pelos escravos, do que contra
os senhores, a abolição. Depois de decretada, a grande
preocupação, após as festas, foi a queima dos livros, para
impedir a indenização. Arruinaram-se os lavradores e, sem
trabalho livre organizado, a lavoira. Os conservadores
expoliados uniram-se aos liberais na decepção e facilitaram aos
republicanos(1). Custou o trono à Princesa Redentora, que
pagou por todos. O Brasil pagou mais.
A monarquia deixava-nos um país de 14 milhões de
habitantes, 195 mil contos de receita pública, o que era pouco,
mas respeitado na América do Sul, com bom nome na Europa,
tradição e crédito: cada brasileiro devia então 13$500;
crescemos em população e orçamento; infelizmente perdemos a
hegemonia no continente sul-americano e o crédito, por
sucessivas suspensões de pagamento, não é grande, nem na
América, nem na Europa. Com os empréstimos externos
esbanjados e a emissão de apólices e papel moeda para cobrir os
deficits, chegamos, 50 anos depois, a dever, cada brasileiro,
900$000. E não paramos. Do Império se disse que era o
"dificit": a República não mudou... É triste dizê-lo, mas história
não é apologia e o patriotismo não exclui as verdades amargas,
que podem ser tônicas.

$ 5(3Ò%/,&$
O exemplo dos Estados Unidos da América do Norte em
1776, seguido, no começo do século imediato, por todas as
nações do continente, seria imperativo. A Revolução Francesa,
do fim do século XVIII, seria um adjuvante (1789-93).
Contudo, a presença, aqui, de um príncipe liberal, no país feito
metrópole, impediu pensar em autonomia, até 21. Dom Pedro e
José Bonifácio, que fazem a Independência, fazem-na com a
monarquia unitária.
Recordemos, porém, em 1640, o iletigimismo dos

Paulistas, proclamando, se não é lendário, "Amador Bueno
nosso rei". Em 1710, na "Guerra dos Mascates", fala-se em
república. Em 89 e 98, bouvera as aventuras malogradas das
Conjurações Mineira e Baiana e em 1817, em Pernambuco, já é
uma revolução e outra a de 1824. Em 25, é a "república de
Piratinim" no Rio Grande. Em 37, é a "Sabinada", na Bahia.
Castro Alves definira: "República, vôo ousado, do homem feito
condor"... No Rio é publicado o manifesto de 70, onde
aparecem os nomes de Saldanha Marinho, Quintino Bocaiúva,
Aristides Lobo. Funda-se o Clube Republicano, e começa a
propaganda. Na Escola Militar professa Benjamin Constant
Botelho de Magalhães. Em 84, São Paulo elege deputados a
Prudente de Morais e a Campos Sales; Minas, a Álvaro Botelho.
Em geral, os servidores do Império, na oposição ao
partido no poder, trabalham pela república, depondo do
Imperador e da dinastia. Também o Imperador, disse a malícia,
teria caprichos pessoais, julgados severamente. Os preferidos
que sobem ao poder, são os que difamam o Imperador: pode
fazer-se uma antologia "republicana" das ironias e das maldades
com que cobriram Pedro II, em épocas diversas, os Sales Torres
Homem, Antônio Carlos, Holanda Cavalcanti, Alves Branco,
Nabuco de Araújo, Paraná, Olinda, Paranhos, Cotegipe,
Zacarias, Saraiva, Ferreira Viana, Ouro-Preto... Lafayette é
recomendado pelo Manifesto de 70; será Presidente do
Conselho Martinho Campos, que lembra a S. M. que ainda há a
barra, por onde saiu o Pai, e por onde o Filho também pode ir...
Profético. Todos falam do "poder pessoal". Eusébio de Queiroz
dissera que não se podia ser ministro segunda vez, com Pedro
II. O "César caricato" esmaga os homens "como cabeças de
papoila".
Ninguém tem amor à instituição: nem mesmo Pedro II,
cujo desprendimento do trono, como fora o de Pedro I, é
manifesto e declarado: apenas "o país não estava preparado para
a república". É exato que não tem amigos -- e José de Alencar,

na Guerra dos Mascates, o seu romance, sob os traços do
governador, profetizou, em 74, o seu fim: "Foi muito caluniado
em seu tempo, acabando por lhe faltarem os amigos e
defensores, em qualquer dos partidos, até mesmo naquele a
quem por último se entregara. É a sorte dos caracteres dúbios e
perplexos que dirigindo todo seu esforço a manter-se em
equilíbrio entre as idéias e os homens, quando uma vez
falseiam, não acham esteio e despenham-se". Esse, o equilíbrio
que procurava Pedro II, indiferente às pessoas, apenas
preocupado com a imparcialidade de sua magistratura: "A honra
do meu reinado, disse ele, só pode ser cumprir a Constituição
que jurei". Era um soberano condenado... Os seus políticos, que
também não amavam a monarquia, são cruéis com a dinastia:
todos difamam o seberano que a serve. A bonomia imperial, --
aqui, de casaca e chapéu de chuva, em passeio em Paris,
democraticamente no teto dos ônibus; aqui "já sei", "já sei", lá
visitando sábios e suportando ironias de escritores; a "nobreza",
adventícia, que aliás vinha de pai e avô, sem compustura,
recrutada entre os que dão dinheiro para obras imperiais e as
gratificações político-eleitorais, (no fim do Império eram tantos
os fidalgos por decreto, que se dizia, nas ruas: "Foge, cão, que
te fazem barão!" -- "Mas para onde, se me fazem visconde?");
os tempos novos, a "sugestão da América", tudo nos conduz à
República. A erosão e o esgotamento do vale do Paraíba vem
trazendo a ruína da lavoira cafeeira da Província de Rio e do
Norte da de S. Paulo. A esse mal ocorre-se com remédio
contraproducente. O grande impulso é a libertação dos escravos,
imposta aos Conservadores, inopinada, sem indenização, que
arruinou de todo a lavoura, de onde, agudíssima a crise
econômica, mais eficiente porque atinge todas as classes da
sociedade: 13 de Maio foi véspera de 15 de Novembro.
O pretexto imediato, causa ocasional que sempre
aparece, foi uma "questão militar", já em torno do general
Deodoro da Fonseca. À ascenção do Visconde de Ouro Preto,
dois deputados, Cesário Alvim e P.e João Manuel de Carvalho,

declaram-se republicanos. Itinerante, Silva Jardim, propaga a
república pelo Brasil, com as honras da perseguição policial.
Um levante militar está próximo contra o Ministério,
encabeçando a conspiração o general Deodoro, que, entretanto,
"quisera acompanhar o enterro do Imperador". Não lhe espera a
morte, todavia, porque os republicanos o cercam, com Aristides
Lobo, Quintino Bocaiúva, Benjamin Constant Botelho de
Magalhães, que querem a deposição da monarquia. Contudo,
Capistrano de Abreu pretendia que, em 15 de Novembro de 89 e
em face da indecisão -- apenas o ministério, como queria
Deodoro, ou também o trono, como queriam os republicanos?
-- proclamara ele o novo regime, escrevendo no quadro negro,
à porta da Gazeta de Notícias, o jornal onde colaborava, a
informação: "Está proclamada a República". Quem passava
pela rua do Ouvidor, todo o mundo, lia e saía repetindo.
Estava proclamada a república, vieram a saber os
conspiradores contra o governo. Disse Aristides Lobo: "O povo
assistira a tudo bestializado". Não foi assim: assistira,
indiferente. Nas províncias é simbólico o que aconteceu ao
inferior militar que, em Corumbá, recebeu a notícia da
proclamação da república, no Rio, pelo telégrafo: julgaram-no
doido, foi metido em prisão segura e, depois, confirmada a
notícia inesperada, deram-lhe alvissaras...
Proclamou-se a 15 de Novembro de 1889, com um
Governo Provisório, à frente do qual estava Deodoro, feito
"generalíssimo". (A América é superlativa: Lopez, fora "el
Supremo"). Foi banida a Família Imperial. Só houve a efusão de
algum sangue, o do barão de Ladário, ministro da Marinha, que
virá anos depois a ser senador da República. No paquete
"Alagoas" seguiram para a Europa o Imperador deposto -- que
recusa os cinco mil contos que lhe dão por compensação -- e a
sua Família. Faleceu o Soberano em Paris, a 5 de Dezembro de
891. Foi virtuoso, bem intencionado, mas sem poder ou
capacidade para educar o país novo que lhe coube. Contudo, a

monarquia no poder, pacificado o império, por quase meio
século nos privou do caudilhismo, que imperava, ao tempo, na
América Espanhola.
Iremos, na República, desforrar o tempo perdido.
A República, nascente, não teve começos tranqüilos.
Deodoro, chefe do Governo Provisório, forçou a eleição a 1.º
Presidente constitucional. À oposição, dissolveu o Parlamento.
O vice-presidente que lhe deram, o general Floriano Peixoto
que encabeça a reação legal, depõe-no, em 91. Sob a acusação
de querer continuar no governo além do prazo constitucional,
surge a Revolta da Armada em 93, sob a chefia dos almirantes
Custódio José de Melo e Saldanha da Gama, vencidos
finalmente. Floriano é o consolidador da República, mas deixa
o poder no tempo legal. Restabelece-se assim a ordem civil,
sendo eleito 2.º Presidente, Prudente de Morais. Daí para cá tem
vivido em vicissitudes. Da mística abolicionista que esperava o
milagre do Brasil regenerado, caímos, pela decepção, na mística
republicana... a decepção desta onde nos levará?
É natural: não temos e não podemos ter, ineducados,
uma democracia -- que pressupõe governo instruído e livre,
monárquico ou republicano, -- sem educação preliminar do
povo para exercer o direito de escolha dos seus representantes,
para cumprir os deveres de disciplina e tolerância. Pela
estatística "oficial", os analfabetos do Brasil são, em 1872,
84%; em 1890, 85%; em 1900, 74%; em 1920, 75%. A minoria,
se sabe ler e escrever, não tem, toda, a educação cívica
indispensável. O que existe aqui, sob o nome de democracia, é
apenas uma oligarquia político-militar, construída por políticos
profissionais e militares que desdenham sua profisão, para a
qual os nomes "monarquia" ou "república" são vestidos
exteriores, desajeitados e sem medida. O Presidente Garfield
dizia, dos Estados Unidos, em 77: "Um governo como o nosso,
profetizou Macaulay, há-de necessariamente dar na anarquia e

no separatismo; desmentir tal vaticínio só o poderá o
mestre-escola. Se conseguirmos encher o espírito de nossos
filhos, futuros eleitores, de conhecimentos que os habilitem a
votar com acerto, e lhes incutirmos o espírito de liberdade,
estará frustrado o sinistro presságio. Mas, se, pelo contrário, os
deixarmos crescer na ignorância, então essa república se
desmanchará em desastrosa decepção." O mestre-escola
americano respondeu. Com ele, o Povo e o Estado. Nós
marchamos para o abismo. As leis liberais, as Constituições,
não bastam. Já Condorcet, o filósofo e revolucionário francês,
dissera: "uma constituição livre, que não corresponda à
universal instrução dos cidadãos, destruir-se-á por si mesma,
após algumas tormentas e degradação, em forma de governo
inepta para manter a paz num povo ignorante e corrompido".
Nós, prestígio da ineducação, somos mais endurecidos ou
impermeáveis que São Tomé: nem vendo, cremos.
O regime republicano, entretanto, piorou-nos a situação.
A nossa Constituição do Império, de 24, inspirada nas idéias
liberais francesas do século XIX, Benjamin Constant à frente,
era mais liberal do que a Constituição Americana de 1787,
provinda do absolutismo do século XVIII, Montesquieu por
inspirador, constituição que bavia de sugerir a nossa, de 1891.
Retrogradamos. Com efeito, o presidencialismo americano é
uma monarquia absoluta a curto prazo, mitigada pelo
revezamento e pela federação. O Parlamento monárquico --
embora mal imitado e mal exercido -- era uma escola de
administração e de governo: os ministros e presidentes eram
discutidos e a opinião fazia-se pelo debate; o parlamento não
votava só: debatia entre si, era uma escola mútua; chefes de
polícia e presidentes de província eram enviados a pontos
diferentes do país e tinham assim experiência das necessidades
do Brasil, não fixados nas suas pátrias regionais; contudo o
Imperador preocupava-se demais com a Faculdade de Medicina
e o Colégio D. Pedro II, teses de concurso e exames da
humanidades e, embora justo e bom, não tinha educação, que

não recebera, de soberano de país novo, que mais carece de
utilidades imediatas da vida, do que das aquisições suntuárias
da cultura -- hebreu, astronomia, visitas a academias e convívio
com sábios e letrados... -- mas não era impermeável à
experiência, e, ainda na sua última fala do trono, deseja a
transferência do "poder pessoal", o poder moderador, ao
Supremo Tribunal... Esse "poder pessoal"(2) era nulo,
comparado com o que conseguiram, no presidencialismo, os
chefes da nação. Como quer que seja, monarquia ou república,
são formas superficiais de governo, traduções e, portanto,
traições nacionais a tais regimes, principalmente pela falta de
educação popular. A Inglaterra monárquica e a América do
Norte presidencialista, as mais livres nações do mundo, o
atestam. Instrução, educação, não dão felicidade mas permitem
saber melhor onde encontrar a felicidade. Ora, três quartas
partes dos Brasileiros, diz a estatística oficial, não sabem sequer
ler ou escrever, como saberem governar ou escolher os que nos
governam?
A monarquia viveu e vivia a república, graças a uma
condição psicológica, "supletiva", bem compreensível. Com a
"maromba" ou a "gangorra" dos dois partidos monárquicos, que
se revezavam no poder, a necessidade, bem humana, de
mudança, de alívio, vinha, a cada alteração de governo. Quando
a tensão era ameaçadora, o partido Conservador caía e subia o
Liberal (liberal e conservador apenas nos nomes), que ia
acumular nova tensão, para cair, e tornar o outro. Assim viveu o
Império equilibrista, manobrando o Imperador a válvula de
segurança. Na República, sem partidos, dois grandes Estados
substituíram a alternativa, e Minas e São Paulo disputavam o
poder, atrás de cada um deles uns tantos Estados menores,
caudatários. Quando, porém, os Presidentes pensavam em
continuar (continuar para nomeações, demissões, promoções,
emissões... pois não há mais...) por um dos seus amigos ou
prepostos da mesma província, cismos políticos, que foram
crescendo de importância e gravidade (considere-se:

Prudente-Campos Sales: cisão do P. R. P, partido republicano
federal; Rodrigues Alves-Bernardino de Campos: candidatura
mineira
imposta,
presidente
abandonado;
Afonso
Pena-Campista: condidatura militar, abalada a ordem civil;
Washington Luis-Júlio Prestes: revolução do sul ao norte).
Assim foi e será assim, pois que não tivemos a coragem da
Convenção Francesa, nem da grande República Americana, de,
geograficamente, fazer Estados ou departamentos mais ou
menos iguais, para iguais direitos e deveres, na comunidade:
então, inevitavelmente, uma família política, desunida,
desavinda, José e seus irmãos, um mais forte ou mais rico, os
outros espoliados e invejosos. Assim, como vai, é a separação,
se não ocorrer desgraça maior à imprevidência e à ineducação:
não conservaremos o grande legado de Portugal. A prevenção é
patriótica. Quem me avisa...
Durante os quase 50 anos de República poucos fatos
históricos memoráveis. Em 93, a Revolta da Armada, vencida.
A ilha da Trindade, de que se apossara a Inglaterra, é restituída,
por arbitragem de Portugal, representado pelo Marquês de
Soveral, nosso advogado o Ministro Sousa Corrêa. Em 95,
laudo do Presidente dos Estados Unidos, Grover Cleveland, dá
ganho de causa ao Brasil, na questão das Missões com a
Argentina, nosso advogado o Barão do Rio Branco. Em 97,
rebelião de fanáticos no sertão da Bahia, vencidos, depois do
sacrifício de Moreira César, Antônio Conselheiro e seus
jagunços, pelas tropas do general Artur Oscar: valeu-nos, essa
chacina da superstição, a obra vingadora de Euclides da Cunha:
"Os Sertões". Em 1900, decisão arbitral do Presidente da Suíça,
Walter Hauser, da questão do Oiapoc-Amapá, a favor do Brasil,
contra a França, nosso advogado o Barão do Rio Branco, o
grande demarcador das nossas fronteiras. A restauração
financeira com Campos Sales (98-02) e Joaquim Murtinho, é
penitência memorável, que nos repõe no crédito. Sob Rodrigues
Alves vem o saneamento contra a febre amarela, com Oswaldo
Cruz; a urbanização do Rio, ora cidade moderna, com Pereira

Passos; o porto, com Francisco Bicalho; obras que darão
imitação a todo o Brasil, de prestígio econômico, além disso,
pelos cais, docas, e edifícios, estradas. Rio Branco, ministro,
elabora o Tratado de Petrópolis, pelo qual o Brasil, em 1903,
por 2 milhões de libras, adquire à Bolívia a posse do Acre,
povoado por Brasileiros, uti possidetis, território nacional
acrescentado ao país. Em 1904 o rei da Itália resolve contra nós,
dividindo ao meio o território litigioso que nos disputava a
Inglaterra, próximo à Guiana Inglesa, nosso advogado Joaquim
Nabuco. Rio Branco assina com o Colômbia (07), com o Peru
(09), tratados de limites, e, pelo tratado de 09, restitui ao
Uruguai o condomínio de navegação da Lagoa Mirim e Rio
Jaguarão, ato raro de altruísmo internacional.
Miguel Calmon, ministro de 06-09, pela lei do
povoamento do solo, proporciona a maior massa imigratória que
jamais teve o país (quase um milhão de europeus, 927.802
imigrantes de 1906 a 1914, quando o total, de um século, de
1820 a 1920, foi de 3.461.615); pelo serviço de abastecimento
de águas, do Xerém e Mantiqueira, dá ao Rio a boa água que
teve, até um quartel de século depois; pela construção da
Estrada de Ferro do Noroeste do Brasil liga Mato-Grosso à
comunidade nacional, escusando o caminho comprido do Rio da
Prata e Paraná-Paraguai, uma das causas da guerra e à nossa
custa, enriquecimento de vizinhos pelos ônus da campanha
contra o Paraguai: "Seria preciso esperar cem anos!" exclamava
Euclides da Cunha, nas vésperas: mas fê-lo, sem alarde, um dos
nossos raros homens de Estado. As explorações do General
Rondon, para linhas telegráficas, dão o conhecimento da
"Rondônia", e o serviço de proteção dos índios, como o quisera
José Bonifácio. A "Exposição de 1908", que celebrou o
Centenário da abertura dos portos (1808) foi um inventário
industrial, e cultural, do Brasil.
Em 1917 o Brasil quebra a neutralidade na
Grande-Guerra, ao lado dos Aliados: as escolas alemãs e

italianas do sul são nacionalizadas. Com Arrojado Lisboa, o
Presidente Pessoa começa as obras contra as secas do Nordeste,
continuadas, depois, pelo ministro José Américo. A desastrosa
valorização de café, iniciada pelo convênio de Taubaté (1906),
expoliou por mais de trinta anos a lavoira, permitindo imenso
parasitismo burocrático e conseguindo aumentar a concorrência
dos produtores estrangeiros, protegidos à nossa custa. A safra
que seguiu a tal convênio, 1906-7 atribuía-nos 82,5% da
produção mundial; vinte anos depois, a de 1926-7 apenas nos
concedeu 61,1%. Queimou-se café, -- depois de produzido e
transportado custosamente, 63 milhões de sacas, equivalentes a
2 ½ anos de consumo mundial... -- e ainda importamos a
"broca". A borracha iria pelo mesmo caminho, se as plantações
do Extremo-Oriente não tivessem aniquilado a nossa
exploração, depredadora dos seringais.
"Um pânico de bolsa em Nova-York, em Outubro de
1929, bastou para suscitar uma crise internacional, cujo decurso
era fatal, ineluctável, e que não poupou nenhuma atividade,
nenhum país, em toda a extensão do globo" (Laffon-Montels,
-- Les étapes du capitalisme, Paris, Payot, 1938, p. 201). Na
América foram revoluções políticas, por todo o continente
necessariamente, em 29-30, causas ocasionais dissidências
políticas que, em outra ocasião, nada produziriam. A cotação do
café em 28 = 5 £, caiu, em 29, a 2 £ 15 sh. e, em 30, a 1 £ 18 e
veio caindo, por aí abaixo, até 37.
A proteção excessiva à indústria distrai o Brasil de
produtor de matérias primas, mantendo internamente,
privilégios e monopólios abusivos, enquanto nos reduz à
miséria cambial por escassez de exportação. De
"essencialmente agrícola" vamos ficando "essencialmente
industrial"(3): concorre para isso o envilecimento do meio
circulante (Simonsen), três vezes multiplicado, câmbio a 1,5. O
Brasil ficará em pouco apenas com a sua própria economia
interna, "ensimesmado", sem relações exteriores. Infelizmente

não produzimos nem fabricamos tudo o que falta e não
poderemos adquirir. Falta-nos educação popular; faltam-nos
estadistas, que só podem trabalhar nela apoiados. O povo
inculto espera o milagre e não compreende sequer que não há,
no mundo terrestre, boa política sem boas finanças. O café, que
nos proporcionou a prosperidade do século XIX, dando para
tudo, entra em declínio. Como pairam ameaças estrangeiras
sobre Santa Catarina e o Amazonas, recorremos a um paliativo,
restringindo a imigração... A má... e a boa.
*
Portugal adivinhou, com Dom João II, o Brasil, em
Tordesilhas. Descobriu-o, com Dom Manuel.
Colonizou-o e defendeu-o contra intrusos, com Dom
João III. Os Jesuítas foram moral e educação. A dominação
espanhola, que foi castigo no Reino, transformou-se, no Brasil,
em comunidade, para nos estender fronteiras até os Andes e o
Rio da Prata. Com Dom João IV, o Reino ainda ocupado pelo
inimigo, não nos desamparou por isso contra o Flamengo.
Pombal foi comércio e progresso. Com Dom João VI, é
Portugal, uma cultura européia, que se instala na América.
Pedro I, um príncipe português, dá-nos a Independência e Pedro
II, seu filho, meio século de respeito. Independentes
politicamente, é entretanto a mesma língua, raça, fé, sentimento
e inteligência, que nos fazem idênticos. Possamos nós dizer,
como o Épico: "de tal pai tal filho se esperava". O trabalhador
português colabora ainda aqui com o nosso e quando, um em
cem, torna a Portugal, os bens aqui ficam, e o que vai são títulos
brasileiros, a confiança fiel dos Portugueses.
Não quero, porém, que uma ternura suspeita, de
português da América, remate este livro, que documenta,
entretanto, tudo o que este epílogo resume. Dou a palavra a um
insuspeito estrangeiro, que também documentou a sua, a Robert
Southey(4), autor de uma História do Brasil: "Jamais houve

nação que, na proporção dos seus meios, tanto fizesse como
Portugal." Para concluir, com a certeza da minha epígrafe:
"Suceda o que suceder, sempre há-de ser o Brasil uma herança
de Portugal". E isto dá fé. De tal pai, tal filho se há-de esperar.

GOVERNOS DO BRASIL DESDE A ABDICAÇÃO DO 1.º IMPERADOR
REGÊNCIA TRINA PROVISÓRIA (Abril a junho 1831)
Senador Marquês de Caravelas.
Senador Nicolau Pereira de Campos Vergueiro.
Brigadeiro Francisco de Lima e Silva.

REGÊNCIA TRINA PERMANENTE (1831-1835)
Deputado José da Costa Carvalho.
Deputado João Bráulio Moniz.
Brigadeiro Francisco de Lima e Silva.

l.ª REGÊNCIA UNA (1835-1837)
Senador P.e Diogo Antônio Feijó.

2.ª REGÊNCIA UNA (1837-1840)
Senador Pedro de Araújo Lima.

IMPERADOR DO BRASIL
D. Pedro II (1840-18B9).
D. Isabel, Princesa Imperial regente (1871, 1876, 1888).

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (séculos XIX e XX)
Manuel Deodoro da Fonseca -- Chefe do Governo Provisório e 1.º Presidente
(1889-1891).
Floriano Peixoto, vice-presidente (1891-1894).
Prudente José de Morais Barros (1894-1898).
Manuel Ferraz de Campos Sales (1898-1902).
Francisco de Paula Rodrigues Alves (1902-1906).
Afonso Augusto Moreira Pena (1906-1909).
Nilo Peçanha, vice-presidente (1909-1910).
Hermes Rodrigues da Fonseca (1910-1914).
Wenceslau Braz Pereira Gomes (1914-1918).
Delfim Moreira,vice-presidente (1918-1919).
Epitácio da Silva Pessoa (1919-1922).

Artur da Silva Bernardes (1922-1926).
Washington Luis Pereira de Sousa (1926-1930).
Getúlio Dorneles Vargas (1930-.....).
1832 -- Código do Processo. Instituição das Faculdades de Medicina e Cirurgia
de Bahia e Rio de Janeiro.
1834 -- Ato Adicional à Constituição, que atenua a centralização, retirada do
Governo Geral, deixando às Províncias o ensino popular. Voyage pittoresque et
historique du Brésil, de J. B. Debret (34-39).
1835 -- Revolução federalista do Rio Grande. Escola Normal de Niterói.
Regência do P.e Diogo Antônio Feijó, de 12 de Outubro, a 11 de Setembro de 37.
1836 -- A navegação de cabotagem reservada aos navios nacionais. The History
of Brazil, de John Armitage.
1837 -- Fundação do Colégio de Pedro II.
1838 -- Criação do Arquivo Público. Fundação do Instituto Histórico.
1839 -- "Revista do Instituto Histórico".
1840 -- Declaração da Maioridade de Dom Pedro II (23 de Julho). Navegação a
vapor na baía do Rio de Janeiro.
1841 -- Correio: o Brasil adota os selos postais.
1842 -- Rebelião em Minas e São Paulo. Hospício de Dom Pedro II (alienados).
1843 -- Primeira linha de pequetes, entre França e Brasil.
1844 -- Tarifa protecionista Alves Branco.
1845 -- Pacificação do Rio Grande, que lutava desde 35. O "Bill" Aberdeen
proibindo o tráfico negreiro. Primeiros cacaueiros plantados em Canavieiras,
Bahia.
1848 -- Revolução "praieira", de Pernambuco. "Os Tymbiras", de Gonçalves
Dias.
1849 -- Pacificação do Império, por Caxias. Invasão da febre amarela, no Rio.
1850 -- Supressão do tráfico de Africanos. Receita pública, 31.500 contos.
1851 -- Lei de viação férrea. Reforma dos Cursos médicos e cirúrgicos. Guerra
contra Rosas, o tirano de Buenos Aires.
1852 -- Calcula Roberto Simonsen o total dos Africanos introduzidos no Brasil,
de 1535 a 1852, quando cessou o tráfico, em 3.300.000 escravos. Bandeira de
Melo, de 1759 a 1852, calcula os escravos em 2.716.159.
1853 -- Adoção oficial do "Método português de leitura repentina", de Antônio
Feliciano de Castilho.
1854 -- Inauguração dos telégrafos. Iluminação do Rio de Janeiro a gás, por
Mauá. Couto Ferraz calcula os habitantes do Brasil em 7.677.800. Instituto dos
Cegos. "História Geral do Brasil", de Francisco Adolfo Varnhagen.
1855 -- Início da Estrada de Ferro Central. Invasão do cólera-morbus (55-61).
1856 -- Instituto dos Surdos Mudos. "Confederação dos Tamoios", de
Gonçalves de Magalhães.
1857 -- "O Guarany", de José de Alencar.
1858 -- Liceu de Artes e Ofícios, do Rio de Janeiro.
1859 -- "Brasil pitoresco", de Charles Ribeyrolles.
1860 -- "Primeira missa no Brasil", tela de Vítor Meireles.

1862 -- Questão Christie. Intervenção na guerra civil do Uruguai. Código do
Processo. "Diário Oficial". Companhia Ferro Carril do Jardim Botânico, no Rio
(inaug. em 68).
1863 -- "Le Brésil Litteraire", de Ferdinand Wolf.
1864 -- Guerra contra o Paraguai (64-70). "Les côtes du Brésil", de Ernest
Mouchez (63-90).
1865 -- Tratado da Tríplice Aliança, para a Guerra do Paraguai. Decisão por
Leopoldo I, rei dos Belgas, da questão Christie. Batalha de Riachuelo (11 de
Junho). "Iracema", de José de Alencar, o romance das duas raças formadoras do
Brasil.
1866 -- Batalha de Tuiuti. Passagem do Paraná. "O Vale do Amazonas", de
Tavares Bastos.
1867 -- Abertura do Amazonas ao comércio do mundo. Decreto sobre a criação e
regime das colônias do Estado.
1868 -- Batalha de Humaitá.
1869 -- "Voyage au Brésil", de M. e Mme. L. Agassiz. Entrada dos Aliados em
Assunção. Tarifa Itaborahy, com prenúncios de protecionismo industrial.
1870 -- Fim da Guerra do Paraguai. Receita pública: 95.000 contos. Manifesto
republicano. "Rio City Improvements", de águas servidas do Rio. "Geology and
physical geography of Brazil", de C. F. Hartt, em Boston. Morte do tirano
Francisco Solano López. "Guarany", ópera de Carlos Gomes.
1871 -- Tratado de paz com o Paraguai: limites, comércio, navegação e amizade.
Primeira viagem do Imperador à Europa: a Princesa Imperial, regente. O Clube
Republicano. A "República". "La retraite de Laguna", de Alfredo d'Escragnolle
Taunay. "Espumas Flutuantes", de Castro Alves. Lei do Ventre Livre.
Geographia und Stastistik des Kaiserreich Brasilien, de Wappäus, em Leipzig.
Tribunais de Relação no Pará, Ceará, São Paulo, Rio Grande, Minas, Mato-Grosso
e Goiaz.
1872 -- Comunicação do Brasil e Rio da Prata com a Europa, pelo Cabo
Submarino inaugurado em 74. Questão Religiosa (72-75). Primeiro
recenseamento: 10.112.000 habitantes.
1873 -- O Amazonas, a 15 de Janeiro, aberto efetivamente, até Santo Antônio do
Madeira. Permissão de exames de preparatórios em todas as capitais das
províncias. Começa-se a estudar, como disciplina autônoma, a "língua nacional",
eufemismo nativista que significa "língua portuguesa".
1874 -- Inauguração do telégrafo elétrico submarino, ligando as cidades do Norte
do Império (1.º Janeiro). Inauguração do telégrafo submarino entre Portugal e
Brasil. Começa, de 1.º jan., a vigorar o novo sistema de pesos e medidas, "sistema
métrico decimal". Revolta dos "Quebra-quilos", no Rio Grande, Paraíba,
Pernambuco, Alagoas.
1875 -- Fundação da Escola de Minas de Ouro Preto. F. A. Varnhagen reclama e
obtém, no Congresso de Viena, seja a língua portuguesa oficial. Tratado de limites
com o Peru.
1876 -- "A Cachoeira de Paulo Afonso", de Castro Alves. "O Sertanejo", de
José de Alencar. Viagem do Imperador aos Estados Unidos e à Europa (2.ª ). "O
Selvagem", de Couto de Magalhães.

1877 -- "Cartilha Maternal", ou arte da leitura, por João de Deus, o
mestre-poeta português.
1879 -- Início dos telégrafos urbanos. Lei da liberdade do ensino.
1880 -- População: 12 milhões de habitantes. Receita pública, 127.000 contos.
"Faceira", bronze de Rodolfo Bernardelli; estilização da "brasileira". 1883 --
"Parecer sobre o ensino primário", de Rui Barbosa.
1885 -- Libertação dos sexagenários escravos. Abolição do açoite aos escravos.
As províncias do Ceará e do Amazonas declaram-se sem escravos.
1886 -- Tarifa Francisco Belisario francamente protecionista.
1888 -- Lei de 13 de Maio, abolindo a escravidão no Brasil, sem condições,
sancionada pela Princesa Isabel, a Redentora: 434.419 escravos, ou cerca de 500
mil contos. Crise agrícola, financeira, social, devida à Abolição, que desorganizou
o trabalho e a produção.
1889 -- Proclamação da República. "Le Brésil", de Levasseur e colaboradores. A
febre amarela, litorânea, penetra em Campinas e interior de São Paulo. Fim da
Monarquia a 15 de Novembro: papel moeda (meio circulante), 179,364 contos;
câmbio a 29 3/8; libra esterlina ouro 9$075; dívida interna consolidada 445.000
contos; dívida externa 20.931.300 libras.
1890 -- Código Penal. Congresso Constituinte. Recenseamento: 14.333.000
habitantes. Receita pública, 195.000 contos.
1891 -- Constituição da República. Morte de Dom Pedro II, em Paris.
1893 -- Revolta da Armada.
1894 -- Solução da questão das "Missões", entre o Brasil e a Argentina, a nosso
favor, pelo árbitro americano, Presidente Grover Cleveland.
1895 -- Decisão da questão de Trindade, com a Inglaterra, por arbitragem de
Portugal, a nosso favor. "A Ilusão Americana", de Eduardo Prado, confiscada
pelo Governo.
1897 -- Tarifa protecionista Bernardino de Campos. Academia Brasileira de
Letras.
1898 -- Papel moeda (meio circulante) em 21-VIII-98: 788.364 contos.
1899 -- O brasileiro Santos Dumont faz, em dirigível, a volta da torre Efffel, em
Paris.
1900 -- Solução da questão do Amapá entre França e Brasil, a nosso favor, pelo
laudo suíço do Presidente Walter Hauser. Recenseamento: 17.318.000 habitantes.
Tarifa ultra-protecionista, Joaquim Murtinho. Receita pública de 49.000 contos
ouro, 253.600 papel; papel moeda 599.631 contos; câmbio 9 32/64; libra esterlina
24$740.
1902 -- "Os Sertões", de Euclldes da Cunha.
1903 -- Tratado de Petrópolis, com a Bolívia, que deu o Acre ao Brasil, mediante
2 milhões de libras esterlinas.
1904 -- Solução do litígio da Guiana Inglesa, pelo rei da Itália, que deu mais de
metade do território disputado à Inglaterra.
1905 -- A Igreja cria um Cardinalato no Rio.
1906 -- Iluminação elétrica no Rio. 2.ª Conferência Pan-Americana. Tratado
definindo limites com a Guiana Holandesa. "Geologia do Brasil", de John Casper
Branner, de Stanford, Califórnia.

1907 -- Lei Miguel Calmon, do Povoamento do Solo. Estrada de Ferro do
Noroeste, prendendo Mato-Grosso ao resto do Brasil, por Miguel Calmon.
Assistência pública municipal, no Rio. "Biblioteca Brasiliense", de J. C.
Rodrigues. "Capítulos de História Colonial", de Capistrano de Abreu.
1908 -- Início da rádio-telegrafia. Saneamento do Rio de Janeiro (Rodrigues
Alves, Oswaldo Cruz, Pereira Passos) "Dom João VI", de Oliveira Lima.
1910 -- Receita pública: 121.700 contos ouro, 352.000 contos papel; papel
moeda 612.005 contos; cambio 15; libra esterlina 16$000. Primeira Exposição
Nacional, inventário industrial e cultural que preparou Miguel Calmon.
1914 -- Papel moeda (meio circulante) em 31-VII-14, 600.340 contos.
1916 -- Código Civil.
1918 -- Exames de humanidades por decreto.
1920 -- Recenseamento: 30.635.000 habitantes. Receita pública 76.400 contos
ouro, 510.600 papel, papel moeda 1.880.104 contos; câmbio 8 31/32; libra ouro
28$981. Viagem de Alberto I, rei dos Belgas, ao Brasil.
1922 -- Visita do Presidente da República Portuguesa Dr. Antônio José de
Almeida.
1926 -- Reforma da Constituição de 1891.
1928 -- Visita o Brasil o Presidente americano Herbert Hoover.
1930 -- Recenseamento: 40 milhões de habitantes, calculados; receita pública,
cerca de 2.000.000 de contos, papel moeda (meio circulante), 2.713.000; dívida
externa consolidada 2.537.000 contos; libra esterlina ouro 43$992. Revolução,
partida do Rio Grande.
1932 -- Revolução constitucionalista de São Paulo.
1934 -- Constituição, de 16 de julho.
1936 -- Papel moeda (meio circulante) 4.051.000 contos. Dívida externa da
União libs. 104.757.811; dos Estados e das Municipalidades (contraída depois de
1889) 157.435.630 libras. Libra papel 85$500.
1937 -- Constituição, de 10 de Novembro.
1938 -- Orçamento: receita 3.823.623 contos; despesa 3.875.226 contos; papel
moeda 4.550.000 contos; libra 103$000.
1940 -- Papel moeda (meio circulante) em 29-VI-40, 5.040.358 contos.
1941 -- Extinção do Anopheles gambiæ, do Nordeste, para onde imigrara, da
África: com a colaboração da "Rockefeller Foundation".
1943 -- Papel moeda (meio circulante) em 29-XI-43, 10.557.709.000

1RWDV
(1) -- Livro de Marinharia, ed. de Brito Rebelo, Lisboa, 1903,
quer que a Madeira já fosse conhecida dos Portugueses, desde
Dom Fernando (int. XXIII-IV).
(2) -- Diz Duarte Leite: "O Preste mesmo antes de 1452 não
passava de um pretexto atrás do qual o infante encobria outros
planos; na realidade eram negócios que mais o detinham. Eram,
o ouro, o malagueta, o cravo, o açafrão, e outros artigos que
afluíam à feira de Tomboctu, donde os mouros os canalizavam
para os mercados do Mediterrâneo. Este pretexto continuou a
ser invocado pelos portugueses até que Dom João II dele não
mais precisou". (Revista Portuguesa, t. I, S. Paulo, 1930).
(3) Gonzalo de Raparaz -- Historia de la Colonización, t. I, p.
19, acrescenta: "esta revolução na arte de navegar não foi
menos transcendente que... a de transmissão de idéias por meio
da imprensa". De competente espanhol, não é pouco elogio.
Outros competentes, nacional e estrangeiros, ajuntam:
"...os ilustres historiógrafos de marinha, Srs. La Roerie e
Vivielle, em obra recente, dizem: -- "A conquista do Atlântico,
começou com o aperfeiçoamento do veleiro. Esperando que a
nau chegasse ao tipo mais conveniente para as grandes derrotas,
os Portugueses inventam a caravela de aparelho misto: velas
quadrangulares, para a navegação com vento de popa, e velas
latinas, para navegarem contra o vento. Sem esta combinação, é
provável que o navegador não tivesse podido singrar, tanto a
favor, como contra a eterna corrente dos ventos alizados, e os

périplos Africanos, prelúdios das descobertas colombianas,
teriam sido talvez irrealizáveis" -- Querino da Fonseca -- Os
navios do Infante D. Henrique -- Lisboa, 1933, p. 52.
(4) "Os Portugueses ousaram cometer o grande mar oceano.
Entraram por ele sem nenhum receio. Descobriram novas ilhas,
novas terras, novos mares, novos povos, e o que mais é, novo
céu e novas estrelas. E perderam-lhe tanto o medo que nem a
grande quentura da torrada zona, nem o descompassado frio da
extrema parte do Sul, com os antigos escritores nos ameaçavam
lhes pode estornar que, perdendo a estrela do Norte e tomando-a
a cobrar, descobrindo e passando o temeroso cabo de Boa
Esperança, o mar de Ethiopia, de Arábia, de Pérsia, poderam
chegar a Índia. Passaram o Ganges tam nomeado a grande
Trapoana e as ilhas mais orientais. Tirarãnos muitas ignorancias
e amostrarã-nos... aver antipodas que até os Santos ouvidaram e
que nam há região que nem quer quente nem quer fria se deixa
de alertar. E que em um mesmo clima e igual distancia da
equinoxial ha homens brancos e pretos e de mui deferentes
calidades" (Pedro Nunes, Tratado em defensam da carta de
marear, anexo ao Tratado da Sphera, Lisboa, 1537, folha B, r e
v).
(5) -- O entusiasmo pelo gosto da pimenta era tal, que, no
Esmeraldo de Situ Orbis, de Duarte Pacheco Pereira, ed.
Epifânio, Lisboa, 1905, cap. II, I. II, vem: "a malagueta que em
latim se chama grana paradisy, grãos do Paraíso..."
(6) J. Lúcio de Azevedo -- Épocas de Portugal Econômico,
Lisboa, 1929, p. 84.
(7) Ângelo Politianus (1454-94), o célebre humanista italiano,
propõe-se a glorificar D. João II, em carta a el-Rei, em que o
louva "por trazer de trevas eternas e quase diria, do antigo caos,
para a luz que nos ilumina, outras terras, outro mar, outros
mundos e, finalmente outras estrelas".

(8) -- Mais perto dos acontecimentos se tinha perfeitamente
clara esta noção. Veja-se, por exemplo em Diogo do Couto,
Soldado Prático Português, Cap. XVIII, p. 80: "No nosso
descobrimento da Índia e contratação e comércio nela de
pimenta, duas nações de homens receberão perda convém a
saber: os Venezianos, por cuja mão corria para os lugares que
agora tem da nossa, com o qual contrato tinhão feito o seu
senhorio poderoso e rico com tal ordem, e conselho que era de
haver inveja desse que dos proveitos: os outros farão os Mouros
e Malavares da costa da Índia que erão os que por mar lhes
levavão a pimenta pelo Estreito de Meca: daqui nascerão duas
causas de perda e inveja aos Venezianos dessa nossa Conquista
e terem guerra os mouros para negociarem sua fazenda com
mão armada..." Muito antes já Américo Vespúcio em sua Carta
de 4 de junho de 1501 mostrava a ironia do destino trocado:
"Credo que spezierie verrano di queste parti (de Portugal) in
Alessandria e in Italia, secondo la quatità e pregi. Cosi va el
mondo".
(9) -- Basta, para idéia de tudo isto, recordar o título de um
clássico: "Tratado que compôs o nobre & notavel capitão
Antonio Galvão, dos diversos & desvayrados caminhos, por
onde nos tempos passados a pimenta & especearya veyo da
India ás nossas partes, & assi de todos os descobrimentos
antigos & modernos, que são feitos até a era de mil &
quinhentos e cincoenta. Com os nomes particulares das pessoas
que os fizeram: & em que tempos & as suas alturas, obra certo
muy notavel & copiosa." Lisboa. Impr. João Barreira, 1563.
(10) -- "O Rei que fora o principal senhor agrário, era, agora
também, o principal mercador." J. Lúcio de Azevedo, Op. cit. p.
124.
(11) -- J. Lúcio de Azevedo, Op. cit. p. 86.
(12) -- Consulta de 25 de março de 1648 -- Bibl. Nac. Seção
Ultramarina, liv. 2.º de consultas.

(13) -- Jaime Cortesão, A expedição de Pedro Álvares Cabral,
Lisboa, 1922, p. 117.
(14) -- Castanheda, História do descobrimento e conquista da
Índia, liv. 2.º, cap. 30.
(15) -- J. Lúcio de Azevedo, Op. cit. p. 113.
(16) -- Id. Ib. p. 112.
(17) -- Diogo do Couto, Décadas, liv. 3.º, Cap. 8.
(18) -- "Nam farês nenhum nojo, ante as salvarês, e lhe
mostrarês todo boom rostro e synall de paz e booa vontade,
dando de comer e beber e fazendo todo outro boom trauto a
todos aqueles que as ditas nosas naaos vierem", etc., etc.
(Instruções a Pedro Álvares Cabral quando foi por capitão-mor
de uma Armada à Índia), in "Alguns documentos" (cit. p. 97).
Tanta é, porém, a vontade de não ver senão a própria idéia que
Joaquim Bensaúde, "As origens do plano das Índias", Paris,
1930, pág. 7 escreve: "assim se chegou ao dia das claras
instruções guerreiras dadas a Álvares Cabral... " (!)
Joaquim Bensaúde numa série de publicações (Origine
du plan des Indes, Paris, 1929; As origens do plano das Índias,
Paris 1930; Origines du plan des Indes, Coimbra, 1930...)
esforçou-se por demonstrar o caracter místico e religioso das
Navegações. Diante da contradita de Duarte Leite (Talent de
bien faire, Rev. Lusitana, S. Paulo, 1930), faz no segundo
daqueles trabalhos citados, p. 6, algumas concessões
apreciáveis: "a cruzada do Infante resolveu o grave problema: a
ruína do poderio comercial do Islam no Oriente." Já é alguma
coisa. É a tese liberal de Oliveira Martins: o Infiel atacado nas
suas nascentes asiáticas e distraído da Europa. É o que Gabriel
Hanotaux resumiu bem numa frase: prendre 1'Islam à revers.
(19) -- Joaquim Bensaúde, místico no "Plano das Índias", e

patrioticamente objetivo numa série de publicações
(L'Astronomie nautique au Portugal à l'époque des grandes
découvertes, Bern., 1912; Regimento do astrolábio e do
quadrante; Tratado da Sphera do mundo, Munich, 1914;
Histoire de la Science Nautique portugaise, Genève, 1917; Les
Legendes Allemandes sur l'histoire des découvertes
portugaises, Lisboa, 1921, Les Legendes Allemandes, 2.ème part.,
Coimbra, 1927...) prova, documentalmente, que Portugal era, ao
tempo, e por si, perfeitamente ciente da cosmografia, da
geografia, da astronomia náutica, da marinharia, da cartografia,
como nenhum país da Europa. Esta brilhante e justa
demonstração servirá de comentário da frase lapidar de Pedro
Nunes -- um desses sábios lusitanos mestres do mundo:
"descobriram (os Portugueses) novas ylhas; novas terras;
novos Mares; novos povos; & o que mays he: novo ceo, novas
estrelas." É o Cruzeiro do Sul, a "estrela nova" do nosso
Camões (Lus., V, 14.)
(20) -- Sim, porque não é só para se abastecer mais
folgadamente: seria pouco. Garcia de Orta (Colóquios das
Drogas da Índia, edição do Conde de Ficalho, Lisboa, 1891, t.
II, p. 241) refere-se aos "tantos trabalhos os Portugueses levam
por aver toda a pimenta á sua mão, comendo a menos parte, e as
partes de Alemanha e Frandes guastando a mor parte della"...
"Toda", é bom insistir, porque Dom Manuel queixava-se a Dom
Francisco de Almeida que sempre alguma se escapava pelo
levante, ao que o outro respondia "bem sey por onde passa, mas
ainda não pude tolher" (Id. ib. t. II, 254).
(21) -- Iria em aumento. Pedro Barreto de Rezende diz que no
seu tempo (1629-35) do Cabo de Boa-Esperança à ponta de
Nankin, na China, havia 48 fortalezas e cidades de que era
senhor Portugal.
(22) -- A história repete-se. Na Grande-Guerra, a Inglaterra
intensifica o tráfico, por África, para as Índias, pois não basta o

Mediterrâneo, perigoso com os submarinos inimigos nas costas
de Espanha; às ameaças atuais, nesse Mediterrâneo, volta a
Inglaterra, nos nossos dias, a insistir no périplo africano,
"reafirmando" a amizade a Portugal, base naval no Atlântico...
(23) -- Simonsen -- História Econômica do Brasil, S. Paulo,
1937, t. I, p. 71. cf. Lavisse e Rambaud _ Hist. Générale, t. IV
pags. 872-3, Paris, 1894: "nunca será demais o que se disser
sobre a parte que os descobrimentos espanhóis e portugueses
tiveram no grande movimento de emancipação da Renascença."
Espanhóis, isto é, Colombo, genro e aluno de portugueses;
Solis, Magalhães... portugueses...

&DS ,,
(1) -- Entre irônico e convencido está no Soldado prático
português, de Diogo do Couto: "Os Portugueses basta-lhes
serem Fidalgos para prestarem para tudo" (C. XIX, p. 61). Era,
e é, geral: a classe dominante tem todas as virtudes.
(2) -- Pedr'Alvares nascera em Belmonte em 1467 ou 68, de
Fernão Cabral e Isabel de Gouveia, segundo filho do casal. A
Carta Régia de nomeação chama-o "Pedralvares de Gouveia", a
15 de Fevereiro de 1500, mas o próprio Dom Manuel a 1.º de
Março, na carta de crença ao Samorim, já lhe chama "Pedro
Alvares Cabral."
(3) -- Recentemente Duarte Leite põe em dúvida esta viagem
de Duarte Pacheco ao Brasil. Cf. Duarte Leite -- Descobridores
do Brasil, Porto, 1931, p. 7-27. Entretanto os cronistas não são
omissos; basta o que resume Jaime Cortesão: "Todos os
cronistas, incluindo Gaspar Correia lhe referem a presença na
expedição. Além disto Castanheda e Góes, identificando com
aquele herói que em 1504 defende do rei de Calecut a fortaleza
de Cochim, eliminam a hipótese dum erro devido a homonímia.
(Castanheda, op. cit., 1. I, cap. LV; Góes, op. cit., p. I, cap.

LVIII). O probo e fiel Castanheda vai mais longe: identifica-o
novamente por uma ligação mais íntima a fatos individuais ali
passados. Refere com efeito esse cronista que o Rei de Cochim,
quando em Janeiro de 1504 Francisco de Albuquerque lhe
deixa, em apoio contra o Samorim, Duarte Pacheco com um
irrisório número de soldados, não obstante se dá por satisfeito,
pelo que conhecia deste capitão (op. cit., 1. I, cap. LXIII). Quer
aludir, sem dúvida, às provas que ele dera na armada de
Cabral". (História da Colonização Portuguesa do Brasil, cit. II
vol., p. 14).
(4) -- De João de Barros, nas Décadas, I, I. V, cap. VI, sabe-se
o nome de duas naus, a São Pedro e a Anunciada. Na Relação
do Piloto Anônimo vem o nome da terceira, El-rei. Varnhagen
encontrou documento na Torre do Tombo, de naus tornadas da
Índia "que só podemos atribuir a esta expedição"; são elas:
Espírito Santo, Santa Cruz, Fror de la Mar, São Pedro, Vitória
e Espera e galeão Trindade (op. cit., nota III, p. 72, edição
Garcia). Há que opor a Varnhagen, se estas naus "da Índia
regressaram", não são da expedição de Cabral, porque desta
expedição apenas seis e não sete tornaram a Lisboa e uma delas,
até a primeira a chegar foi o Anunciada, que não consta da
lista...
(5) -- "Assim, o primeiro trato com aquela gente se reduziu a
algumas dádivas ou escambos feitos de parte a parte, e mediante
as costumadas prevenções. Isto tinha lugar no dia 23 de abril,
cujo aniversário (em virtude da correção gregoriana em 1582)
se deve celebrar dez dias depois, isto é, a 3 de Maio, conforme
entre nós efetivamente se admite" -- Varnhagen, História
Geral, 1. (4.ª edição), p. 73.
(6) -- Duarte Leite (Descobridores do Brasil, Porto, 1931, p.
27) contesta entretanto uma coisa e outra, isto é, que Duarte
Pacheco houvesse vindo ao Brasil antes de Cabral ou mesmo
com Cabral.

Num portulano do Século XV, de Andrea Biancho,
datado de Londres, 1448, que está na Ambrosiana de Milão, há
no sítio do Brasil uma "ixola otenticha", ilha autêntica, do lado
do poente, a 1500 milhas: o Brasil está de fato a 1520 milhas ao
sudoeste do Cabo Verde e do Cabo Roxo... (P. Batalha Reis,
Brasilia, vol. II, Coimbra 1943, p. 199-225) Será precursão.
(7) -- Cf. Alfredo Pimenta -- Elementos de História de
Portugal, Lisboa, 1934, p. 168, etc.
(8) -- Pero Vaz da Cunha, por alcunha o "Bizagudo" foi
capitão de uma armada mandada (1490) ao rio Çanagá
(Senagal) Cf. Barros Décade I, C. VIII.
(9) -- A tese do acaso parece "brasileira" e já vem no
Brandonio dos "Diálogos das grandezas do Brasil" e em Fr.
Vicente do Salvador: "não se descobriu de propósito e de
principal intento, mas acaso", cap. I da História do Brasil
(1500-1627). (Esta data é a do termo de escrita da obra).
(10) -- Frei Henrique fora, no século, desembargador da Casa
de Suplicação, e fizera-se monge no Convento de Alenquer: de
torna viagem foi confessor de el-Rei, bispo de Ceuta e
inquisidor. Seus companheiros de religião e viagem foram Fr.
Gaspar, Fr. Francisco da Cruz, Fr. Simão de Guimarãis, Fr. Luiz
Salvador, sacerdotes pregadores; Fr. Maffeu, sacerdote
organista, Fr. Pedro Neto corista com ordens sacras e Fr. João
da Vitória frade leigo. Cf. nota de Garcia, à pág. 86 do t. I, da
História Geral, de Varnhagen, citando Fr. Fernando da
Soledade, História Seráfica Cronológica de São Francisco,
Província de Portugal, 3-489-490.
(11) -- Sensatamente diz Varnhagen (op. cit., I v., 4.ª ed., p.
76): "Comemorando, por este nome, a festa que ia celebrar a
Igreja". Capistrano, em nota, comenta: "Mais provavelmente a
cruz da Ordem de Cristo que trazia na bandeira, entregue por
el-rei Dom Manuel. O nome foi dado a 26 de abril". Como o

soube Capistrano? Não há disso alusão documental. Diz
Rodolfo Garcia que deduzira a hipótese da Carta de Caminha,
quando descreve a primeira missa em domingo de Páscoa (26
de abril) e a pregação de Fr. Henrique.
(12) -- Posteriormente, no seu livro Descobridores do Brasil,
Porto, 1931, págs. 201-2 alude à intercalação de Ramusio,
deixando só a Capistrano na atribuição a Empoli do Brasil em
1504.
(13) -- Valentim Fernandes de Morávia, alemão que foi notário
e impressor em Lisboa, em documento oficial sobre a Terra de
Santa Cruz, datado de 20 de maio de 1503, diz: Terra
nemoribus spissis, flumnibus maximis de qua detulerunt nobis
ligna Brasilii et Cassia lignea... a terra é cheia de bosques
espessos, de rios muito grandes e dela nos trouxeram os paus do
Brasil e os paus de Cássia... (Cf A. Fontoura da Costa -- Cartas
das ilhas de cabo Verde de Valentim Fernandes, Lisboa, 1939,
p. 93.)
(14) -- Cf. Aubrey F. G. Bell, A literatura portuguesa, trad. de
Agostinho de Campos e Barros e Cunha, Coimbra, 1931, nota a
pag. 146: "Auto da Fama (Lisboa). Foi-lhe atribuída a data de
1510, mas a evidência mostra que é mais recente,
provavelmente de 1515 ou 1516. Talvez seja em todo caso
anterior à notícia da morte de Albuquerque na Índia
(16-XII-1515), pois tamanhos louvores às vitórias portuguesas
seriam descabidos depois".
(15) -- Cf. Nota de Capistrano, in Varnhagen, Hist. Geral, t. I,
4.a ed., p. 11-2.
(16) -- No mapa de Pareto, de 1455, reproduzido em Konrad
Kretschmer, Die Entdeckung Amerika's Atlas, 1892, tafel V,
entre as muitas ilhas de São Brandão está a Insulla de brasil,
bem defronte do Cabo de São Vicente, no Algarve.

(17) -- Aqui há vários exemplos típicos: da "baía de Todos os
Santos" faz-se "Baía" substituindo as três palavras: "Cidade do
Salvador"; da vila de Todos os Santos faz-se apenas "Santos".
O Rio de Janeiro está ficando, simplesmente, "Rio".
(18) -- Descobri que "Iracema" é anagrama de "América": teria
intenção Alencar? O romance da terra virgem e do colono
devassador na América tem aí o seu símbolo, a epopéia do
povoamento. Rodolfo Garcia observa que não sendo o beijo
elemento de erotismo dos índios, a significação que ao nome
deu Alencar "virgem dos lábios de mel" é translata em idéia e
forma. Confira piracema, peixe sair ou saída do peixe com
irá-cema, abelha ou mel sair, saída da abelha ou do mel... Mas
isso não altera a "intenção" de Alencar, nem nenhuma
interpretação.
(19) -- Vejam-se os livros de Gilbert Chinard: L'exotisme
américain dans la litterature française au XVI Siècle, Paris,
1911; L'Amérique et le rêve exotique dans la litterature
française au XVII et XVIII Siècles, Paris, 1913; L'exotisme
americain dans l'oeuvre de Chateaubriand, Paris, 1918; e
Afrânio Peixoto: Hist. da literatura brasileira. Rio, 1931, p.
157; Missangas, S. Paulo, 1931, p. 220; O exotismo literário,
Revista de Filologia, Rio, 1932, p. 24; Entretiens de La
Cooperation intelectuelle de Buenos Aires, Paris, 1937, p. 41,
etc.
(20) -- Diz Diogo do Couto no Soldado Prático Português,
cap. I, p. 9: "Num fuzil que deu na volta do Cabo de Boa
Esperança na armada de Pedro Álvares Cabral, que por não
amainar logo, por não terem experiência delle, que tanto que dá
naquella paragem, se ajunta hum tempo novo, e tormentoso, se
perderão quatro Naos, humas á vista das outras e as que ficarão
foi porque não levavão traquete de gavea e as mezenas dadas; e
destarte nasceu o aviso que se dá por regimento, que naquella
paragem não dêem as Naos as velas perigosas".

(21) -- "...tão grosso era então o ganho, que esta cinquo naos
que tornarão a salvamento hinda dobrarão o gasto de toda a
armada" (G. Corrêa. Lendas da Índia, Lisboa, 1858, t. I, cap.
XV, p. 230). "... naquela armada de pedralvares q em muytas
cousas, com h se fez de proveito no retorno, cinquo, dez, vinte
& trinta até cincoenta..." (Barros, Ásia", Lisboa, 1552. Década
Primeira, lib. VI, cap. I fl. 68).
(22) -- O nome "America" foi posto por Waldseemüller à parte
nordeste do Brasil, em 1507. Já em 1556 Hans Staden, no Cap.
II do seu livro estende-o a todo o Brasil: "o país America ou
Brasil". Antes Mercator (1544) o havia estendido a todo o
continente. Vai ficando exclusivo dos Estados Unidos, quando
se diz só "América". Se não são eles, determinação é
necessária: do Sul, do Norte, Central, toda a América, etc.
(23) -- Cf. Jordão de Freitas (O descobrimento pre-colombiano
da América austral pelos Portugueses, "Lusitânia", fasc. IX,
1926, p. 315-47), de documento judiciário da Torre do Tombo,
alegações de contrariedade produzidas por quatro navegadores
portugueses, conclui pelo descobrimento e ocupação de certa
parte do território brasileiro (Pernambuco), anteriormente à
primeira viagem de Colombo (3 de agosto 1492 -- 6 de março
93) antes também da bula de Alexandre VI, o que deu a D. João
II razão para exigir a linha de Tordesilhas. Conclui Jordão de
Freitas que "quando, decorridos já 23 anos, em junho de 1514,
Estêvão Frois escrevia de S. Domingos a D. Manuel,
dizendo-lhe -- "vosa alteza pusuhya estas terras a vinte anos e
mays", certamente que conhecia a existência de portugueses
mais de vinte anos atrás no nordeste brasileiro, em
Pernambuco". Tão grande e longa era a costa brasileira, que não
há surpresa tivesse Cabral descoberto uma terra ou ilha de Vera
Cruz, sem saber que era um e o mesmo continente, onde, acima,
ao N. já, andariam Portugueses, em Pernambuco... Muito
depois, ainda se distingue o "Estado do Maranhão"... do
"Brasil"...

&DS ,,,
(1) -- "anda amorado por hum ferimento que se fez ao juiz de
Setuvel em que lhe dão culpa." Gaspar Corrêa, Op. cit., v. I, c.
V, p. 13.
(2) -- "Hora vee que gallardam deve de seer o do Iffante ante a
presença do Senhor Deos por trazer assy a verdadeira salvaçom
nom soimente aquestes mas outros muy muytos:" Zurara,
Crônica da Guiné, Paris, 1854, p. 138-9.
(3) -- E à mesma imagem de Barros: "Em cada huma da quaes
(naos perdida) podemos affirmar que se perde huma mui nobre
Villa deste Reyno em substancia de fazenda e em nobreza de
gente." (Décadas, II, I. VII, cap. I).
(4) -- Estes números parecem exíguos. Uma rubrica não foi
considerada: "navios soltos que andam a furtar os quaes cada
anno nos tomão tres, quatro, cinco navios nossos..." Couto,
Soldado, cap. XVIII, p. 81.
(5) -- Fr. Francisco de S. Luiz, Cardeal Saraiva -- Os
Portugueses em África, t. II.
(6) -- Duarte Leite, op. cit. p. 198-9.
(7) -- Vespúcio diz que estando em Sevilha, e instado por Dom
Manuel, viera servi-lo, a descobrir novas terras: fala como se
fosse o comandante, mas adiante o capitão já é outra pessoa:
nada, nada consta disso nos arquivos portugueses. A
esquadrilha rumara ao sul e, "calendário em mão", diz
Varnhagen, foi Vespúcio nomeando os pontos da costa:
colaboração de Varnhagen com Vespúcio. Tornando a Lisboa a
7 de Setembro de 1502; Capistrano retifica: 22 de julho de
1502. Tudo isto é interpretação de texto de Vespúcio, que
outros intérpretes não crêem fidedigno. Depois de uma vaga de
prestígio, com Varnhagen, Vignaud, Harrisse... Vespúcio

reentra na penumbra, tudo lhe negando Markham, Duarte Leite,
Ispizúa. Malheiro Dias (Descobrimento do Brasil, Porto, 1931,
p. 107, cit., etc).
(8) -- Cf. "Neste mesmo ano de 501 e mez de março partirão 3
navios da Cidade de Lisboa por mandado del-Rei Dom Manoel
a descobrir a Costa do Brasil e foram a vista das Canarias e daí
a Cabo Verde, tomarão refresco em Bezeguiche, passada a linha
da parte do Sul foram tomar terra no Brasil em cinco graos
daltura e forão por ella até trinta e dous pouco mais ou menos,
segundo se conta, donde se tornaram no mez de abril por haver
já frio e tormenta poserão neste descobrimento e viagem quinze
meses por tornarem a Lisboa em setembro". António Galvão --
Tratado dos Descobrimentos, Lisboa, 1731, p. 36-7.
(9) -- É o que refere o informante da "Gazeta Alemã", adiante
citada. Ainda hoje se pode dizer que não vamos a Europa:
tornamos a Europa. E, readquirir o bem perdido, é talvez o
céu...
(10) -- Em 1534, declarada Metropolitana a Sé de Funchal, são
sufragâneos os bispados de Angra, Cabo Verde, S. Tomé e Goa,
e as terras do Brasil que a bula de 8 de junho de 1539, que
reformou a anterior sobre o assunto, chama terras de brasil e
terrarum de Brasil em vez de "Brasiliae". É a consagração
oficial da Igreja, ao nome usado: Brasil.
(11) -- Rodolfo Garcia (nota a Varnhagen, op. cit., t. I, p. 140)
diz: "cujas instruções deviam ser contra os Castelhanos".
Almeida Prado, admite outras viagens de Cristóvão Jacques, em
12, 14, 16, ou 21. A de 14 seria a que se refere a "Gazeta
Alemã" e D. Nuno Manuel, comandante ou armador, senão de
antes de 1514, como depõe a carta do Embaixador Álvaro
Mendes de Vasconcelos a el-Rei D. João III (Op. cit. p. 54).
(12) -- O nome "Rio de Janeiro" viria dos primeiros tempos.
Contudo não o conheço -- nem até agora, os especialistas --,

antes de 1523: nesta data achei-o na Carta de António de Brito a
Dom João III, quando refere informações da viagem de Fernão
de Magalhães: "e vieram ao longo da costa até o ryo que se
chama de Yaneyro, onde estyveram xb (15) ou xby (16') dias; e
dahy partyram costeando a costa e vyeram ter a huum ryo, que
se chama de Soly 2..." A carta, datada de São João de Ternate, a
6 de Maio de 1523, está a p. 467; a citação, em "Alguns
documentos...de Torre do Tombo, cit." Ora, Magalhães tanto
não sabia o nome, que pôs o de Santa Luzia; Pigafetta tão pouco
o escreve, mas de um piloto português que traziam, teve
informações sobre a terra e a gente: "Isto me contou nosso
piloto João Carvajo que havia passado quatro anos no Brasil"
(Pigafetta, Viagem cit., lib. prim.) As informações de Brito
teriam procedência de um navegante. Portanto, muito antes de
1519, o Rio já era assim chamado "Rio de Janeiro".
(13) -- Destas palavras, diz-nos Rodolfo Garcia, apenas três,
maracá, pindá, aui, são tupis; as outras são caraibas.
(14) -- O desembarque devia ter sido na pequena angra entre o
penedo do Pão de Açúcar e a Pedra do Leme, aberta para o mar,
próxima da entrada da Guanabara, por isso chamada "Praia de
Martim Afonso" e depois "Praia Vermelha", pela cor da areia
subjacente à areia branca atual, o que se pode ainda verificar, a
qualquer pequena escavação aí praticada.
(15) -- Damião de Góes (Crônica del-Rei D. Manuel, Lisboa,
1556) atribui a este Luiz de Góes a importação do tabaco na
Europa, e já com o preconício de suas vantagens. "Esta herva
trouxe primeiramente a Portugal Luis de Góes q depois sendo
viuvo se fez na India dos da companhia do nome de Iesu" (fl.
52, cap. LVI, op. cit.). Era irmão de Pero de Góes, donatário da
Capitania da Paraíba do Sul, e com ele viera ao Brasil. Daqui
escrevia a D. João III em 48. A planta do tabaco que levou ao
Reino seria depois disso. Antes de 56, data da publicação da
"Crônica" de Góes, André Thevet também levaria a erva do

tabaco a França, em fevereiro de 56, propagando-a depois disso
"erva Angoumoizine" (de Angoulème, donde ele era) ou
"Catherinaire" (de Catherine de Médicis, a rainha, a quem fazia
homenagem). Mas sic vos non vobis. Jean Nicot, ao tempo
embaixador de França em Lisboa, será o Vespúcio do tabaco,
dar-lhe-á o nome, "Nicotiana", donde "nicotina"...
(16) -- É de João Ribeiro, escritor nativista no seu livro,
"História do Brasil", ed. Alves, l.ª 1900 13.ª , 1935, p. 45).
Entretanto, o próprio, escrevia no "O Jornal", do Rio: "As
explorações do primeiro decênio incrivelmente mais rápidas
que as da África, revelaram quase todo o continente austral
americano. O reconhecimento preliminar das terras... podia
dar-se por acabado." (O primeiro povoamento, n.º de 24 de Set.
1921).
(17) -- "...porque se não defendera, como se defendeo, que não
fossem molheres á India, e com tanto rigor que eu vi o Conde
Almirante mandar açoutar em Goa publicamente doze molheres
Portuguezas moças, e de bom parecer, por se embarcarem na
sua armada contra sua defeza, sem lhes valer serem algumas
casadas com os homens que as levarão..." Couto, Soldado
prático português, cit. c. XXV, p. 190.

&DS ,9
(1) -- Simão de Vasconcelos, Vida de Anchieta, Lisboa, 1672,
p. 21, 40-46 dá 13 nomes, alguns diferentes dos nossos, que são
os mesmos do Dr. Serafim Leite, Op. cit. p. 15, e pelas razões
dele: Leonardo Nunes ainda não tinha partido e Fabiano de
Lucena, Antônio Gonçalves e Gonçalo Antônio não é certo já
estivessem em janeiro.
(2) -- Segundo nota posta à margem do Tratado de Gandavo,
na cópia existente na Biblioteca Municipal do Porto.

&DS 9
(1) -- Na Histoire de la Marine Française, de Charles de La
Roncière, t. III, p. 131, declara-se: "des armateurs de
Saint-Pol-de-Léon révendiquent énergiquement, en 1528, leur
titre de premiers occupants dans la partie nord du Brésil". Cita o
autor a fonte: "Lisbonne, Archives de la Torre do Tombo,
Corpo cronológico, p. I, liasse 41 doc. 80." O historiador
português Sr. Alfredo Pimenta, familiar do Arquivo, correu à
indicação e achou apenas instruções sobre a contribuição para
pagamento à Espanha da compra das Molucas... (Alfredo
Pimenta, Dom João III, Porto, 1936, p. 150). Assim se escreve a
história. Felizmente ela reescreve-se. No tomo IV daquela obra
há interessante resumo sobre a "França antárctica", p. 10-22.
(2) -- São do historiador Hermann Wätjen estes julgamentos:
"Apresentou-se um transfuga, o mulato Domingos Fernandes
Calabar... ganharam (os Flamengos) neste natural do país, um
excelente conhecedor da região, o qual lhe veio a servir nas
operações de guia ousado e ladino, iniciando-os também nos
segredos das guerrilhas brasileiras" (O Domínio Colonial
Holandez no Brasil, S. Paulo, 1938, trad. port. p. 119).
Incompreensível sentimento -- "nativista" -- tem tentado
mistificar de herói, a este traidor, que contribuiu para massacre
de brasileiros, como no ataque de Iguassú. "A sagacidade de
Calabar lhes prestou (aos holandeses) serviços inestimáveis. Ele
ideiou planos contra aldeias, fazendas e plantações de canas e
com incansável zelo instruiu oficiais e soldados na arte de
guerrilhar." Op. cit. p. 120. Estas agressões eram contra
Brasileiros.
(3) -- Varnhagen, op. cit., t. III, p. 63.
(4) -- Varnhagen, op. cit., t. III, p. 63.
(5) -- Este procedimento de Sousa Coutinho daria, na lenda,

semelhança ao de Egas Moniz. Já Fr. Francisco de S. Luiz, o
Cardeal Saraiva, diz: "Dom Francisco de Sousa depois de ter
esgotado todos os recursos da diplomática, vendo que não podia
obstar por outro modo á partida da esquadra prometteo emfim,
em nome de el-Rei seu amo, que se lhe cederia aquella cidade, e
com isto embaraçou a expedição de socorro. Mas ao mesmo
passo escreveo a el-Rei dizendo-lhe: "Vossa Magestade,
Senhor, salve a sua honra desaprovando o que eu fiz em seu
nome; sacrifique a minha cabeça e não aquella praça". (Obras
completas do Cardeal Saraiva, publicadas por António Correia
Caldeira, Lisboa, 1883, t. X, p. 364-5).
A lenda se aproveitaria destas tergiversações, para isto,
que refere um historiador: "Conservava ele (Sousa Coutinho)
consigo, algumas folhas em branco assinadas pelo próprio
punho do Rei, em uma das quais animosamente escreveu a
promessa de abandonar todo o estado de Pernambuco aos
Holandeses, e, obtendo nova audiência daqueles ministros,
pôs-lhes nas mãos aquela declaração, suspendendo a partida da
armada..." (Fr. Giuseppe di S. Teresa -- Historia delle guerre
del regno del Brasile... Roma, 1698, Parte 2.ª, p. 127.
(6) -- Cf. Vieira -- Cartas, ed. J. Lúcio de Azevedo, t. III, p.
561. A psicologia do Pe. Antônio Vieira segundo, se depreende
do mais profundo e informado de seus biógrafos (J. Lúcio de
Azevedo, "História de Antônio Vieira", Lisboa, 2 vols., 2.ª ed.)
leva antes a suspeitar que não tenha sido cúmplice, senão de
uma "sinceridade" fácil na defesa das opiniões que lhe davam,
pela realeza de um talento que não sofre dificuldades. Desses
homens como Erasmo, a quem o gênio dispensa a convicção
própria, homens que os medíocres apodam de "para tudo",
porque são, os mais dos outros, "para nada". Vieira
"convencia-se", aliás, das causas que lhe confiavam como aliás
todos os bons advogados.
(7) -- "Quem não pode, diz a sabedoria popular, trapaceia". A

política internacional não é senão isso. A atitude do Rei, seus
ministros, governadores, embaixadores, capitães, só com essa
"chave" ou decifração se compreende. A duplicidade era
obrigada pela própria razão de viver. Os homens que tratam este
assunto são dignos do momento. Os três embaixadores de
Portugal em Holanda honram à política dos Machiavel e dos
Richelieu: Sousa Coutinho, António de Sousa de Macedo,
António Raposo, "huomo ancor egli de finissima intelligenza
per il manegio di affari cotanto delicato", diz Frei Giuseppe di
S. Teresa (Historia delle guerre... tra la corona de Portogallo e
la Republica di Olanda, Roma, 1698, p. II, lib. VII, p. 183). A
inteligência, como devia, ajudou as armas.
(8) -- As coisas passaram-se assim: em 1651 Cromwell, o
protetor da Inglaterra, promulgou o Navigation Act, pelo qual
qualquer navio estrangeiro só podia trazer às Ilhas Britânicas as
mercadorias do seu próprio país. Era um ato de hostilidade à
Holanda e proteção à marinha britânica, pois que Holanda não
era mais que intermediária ou concessionária de centros
produtores e centros consumidores. Daí a guerra de 1653 em
que os Flamengos foram batidos, o que nos aproveitou. Na
guerra de 65-67 a solução foi indecisa. Finalmente, em 68 os
adversários reconciliaram-se, porque o Stathouder de Holanda,
Guilherme de Orange, se tornou Guilherme III, rei da
Inglaterra... é outra história, que não nos interessa. Apenas, para
nós, a Holanda deixou de contar como rapineira inimiga.
(9) -- Os eufemismos usados, neste caso, da escravidão dos
índios, -- "entradas", "bandeiras", "resgates", "prear", "justa
guerra" etc. pretendem evitar o símile da escravidão negra: essa
"vermelha" era tão cruel como a outra e o vermelho não será só
da cor da raça escravizada, senão da crueldade sangrenta
daquelas empresas de banditismo exaltados hoje a heroísmos
pela perversão patriótica de sentimentos.
(10) -- Capistrano descreve a chacina final: "Por três vezes

tocaram-lhe fogo (à igreja, onde se refugiaram as vítimas), que
foi apagado mas à quarta começou a palha a arder e os
refugiados viram-se obrigados a sair. Abriram um postigo e
saindo por ele a modo de rebanho de ovelha, que sai do corral
para o pasto, com espadas, machetes, alfanges, lhes derribavam
cabeças,
trancavam
braços,
desjarreteavam
pernas,
atravessavam corpos. Provavam os aços de seus alfanges em
rachar meninos em duas partes, abrir-lhes as cabeças e
despedaçar-lhes os membros". (Capítulos de história Colonial,
IX O Sertão, p. 146, Rio 1928). E eram a índios mansos, já
cristãos, das reduções jesuíticas... e civilizados cristãos os que
isso faziam e disso hoje se vangloriam... "patrioticamente".
"Entre a escravidão do índio bravo das selvas, ainda não
civilizado e o índio manso, das reduções jesuíticas já
catequizado, já chamado a si pela civilização, os bandeirantes,
evidentemente, preferem estes". (Alfredo Ellis, Hist. da
Civilização Bras., n.º 1, S. Paulo, 1939, p. 210).
(11) -- "A invasão de terras castelhanas, a conquista de Guairá,
a expansão geográfica paulista não teve lugar guiada por fins
políticos, os paulistas não tiveram como objetivo aumentar as
terras portuguesas. Unicamente eles tinham em mente o
apresamento do gentio. Eles só pensavam em buscar remédio
para suas necessidades econômicas". (A. Ellis -- op. cit. p.
211-2). Há desgraçados casos de fome que têm levado à
antropofagia: não parece que tal horrível necessidade mereça
glorificação. Atenuante é apenas menor castigo. Ou devemos
glorificar também ao "negreiro" que será o autor da economia
do açúcar e depois do café no Brasil? O martírio do índio e o do
negro protestarão contra tais complexos de inferioridade
patriótica, atual ou passageira. A. Ellis diz mais: "Os paulistas
manifestaram a mais absoluta indiferença pelas agruras dos
nortistas quando estes guerreavam os Holandeses. Os interesses
econômicos dos paulistas não se afinavam pelos dos demais
coloniais; pelo contrário, eles tinham interesse em que
demorasse a ocupação batava no nordeste para que tivessem

mercado mais amplo e mais valesse a sua mercadoria com a
supressão do tráfico negreiro em virtude da supremacia naval
flamenga." (Op. cit., p. 212). Depois disto...
(12) -- Afonso D'Escragnolle Taunay -- Subsídios para a
história do tráfico africano no Brasil, S. Paulo, 1941, p. 305,
assenta número aproximado 3.600.000, assim destribuídos:
Século XVI, 100.000; século XVII, 600.000; século XVIII,
1.300.000; século XIX, 1.600.000. A tese de Simonsen tem
assim ratificação.
(13) -- A idéia, pelo menos, parece mais antiga. Um códice da
Biblioteca da Ajuda, Mss. cotado 50-v-33, citado por Jordão de
Freitas (Hist. da Colon. Port., t. III, p. 114-5) refere anedota de
Martim Afonso de Sousa: "contasse delle que tratandosse em
conversação diante del Rey D. João o 3.º da bondade e largueza
da terra do Brasil, estando elle presente e disendolhe El-Rey: q
vos parece Martim Affonso? passemonos para o Brasil?
Respondeo elle, dizendo, entre sizo e galantaria: Por certo Sõr,
que doudisse era ella, que pudera fazer hu Rey sezudo, e não
viver dependente da vontade de seus visinhos podendo ser
monarcha de outro maior mundo".

&DS 9,
(1) -- Todos os documentos publicados revelam que às casas de
fundição escapava grande parte de ouro produzido que não
pagava o "quinto" real. Vol. "Alguns subsídios para a história
da cobrança do quinto na Capitania de Minas Gerais até
1735", por M. de S. Soares Cardoso, Lisboa, 1938.
Em 1700 teria sido a produção de 2,75 toneladas por
ano, atingindo em 1721-40 a 8,85 e em 1741-60 a 14,60, cimo
da curva (Cf. L. de Launay -- The world Gold, New York,
1908, p. 93, cit. por J. F. Normano -- Evolução econômica do
Brasil, trad. port., S. Paulo, 1939, p. 40). Normano resume (p.

41) a produção total de 1691 a 1875 em 1.037 toneladas, o que
não é muito para tanto tempo havendo concorrentes mais
felizes; contudo no século XVIII o ouro do Brasil pesou na
economia do mundo.
(2) -- Esta acusação não era do tempo, senão de muito antes. Já
D. Luís da Cunha, ao tempo de D. João V, nas Instruções
inéditas (1736) publ. pela Acad. das Ciências de Lisboa, em
1929, diz: "Os Jesuítas que fazem outra espécie de companhia
(está falando das de comércio) porque perderiam a mayor parte
do comercio que entretêm com pretexto de sustentarem as
missões; e representarião que a Companhia atenderia somente
ao seu interesse e não cuidaria em prover o Estado de homens
apostólicos para se empregarem na propagação do Evangelho e
na conservação daquela Christandade, que foi o primeiro
objecto de tão gloriosa e tão santa conquista" (p. 160).
(3) -- Fê-la, abertos os arquivos da Companhia, o Dr. Serafim
Leite S. J. nos quatro tomos agora publicados: História da
Companhia de Jesus no Brasil, Lisboa, 1938, e Rio, 1943, tal
como se esperava: é o começo.
(4) -- Em cem brasileiros cultos apenas um, se tanto, atinará
com o sentido exato da palavra. Os mais estarão no caso de
Mendes dos Remédios, sábio lusitano que na sua História de
Literatura Portuguesa, 6.ª ed., Coimbra, 1930, p. 43, muda para
"Conjuração dos Confidentes"... Tanto mudou, a semântica, o
senso da expressão. Está no Dicionário de Morais (2.ª ed.
1813): "Inconfidência s. f. Falta de fé ou da fidelidade devida
ao Príncipe. Tribunal da inconfidência, onde preside um juiz,
para conhecer desse crime".

&DS 9,,
(1) -- Pe. Antônio Vieira -- Cartas, ed. João Lúcio d'Azevedo,
Coimbra, 1928, t. III p. 610.

(2) -- D. Luís da Cunha -- Instruções inéditas... (1936) ed. da
Acad. das Ciências de Lisboa, 1929, p. 208-9, 211.
(3) -- Visconde de Santarém -- Quadro elementar, Lisboa,
1860 t. XVIII, p. 443 etc.
(4) -- Cf.: Tobias Monteiro -- História do Império -- Rio,
Briguiet, 1927, p. 64-5. Num manuscrito da Biblioteca
Nacional, de Tomás Antônio Vila Nova Portugal, está a
confirmação da influência de Caírú na decisão do Príncipe. Cf.
Pedro Calmon -- O Rei do Brasil, Rio, 1935, p. 130.
Aliás a Convenção Secreta entre o Príncipe Regente e
Jorge III, para a transferência da sede da Monarquia Portuguesa
para o Brasil, de 22 de Outubro de 1807, artigos adicionais
previam no caso de fechamento dos portos portugueses à
bandeira inglesa, teria Inglaterra um porto na ilha de Santa
Catarina ou outro lugar da costa para curso de suas mercadorias.
(V. de Santarém, Quadro elementar cit. t. XVIII p. 448).
(5) -- Macaulay no seu ensaio sobre Lord Clive indigna-se até
o patético, porque os Indús de Nabad Surajah Dosad tivessem
feito o mesmo a 146 ingleses, asfixiados durante uma noite,
num exíguo calaboiço, em 1756. Os seus patrícios foram
capazes de outro tanto, vítimas pobres portugueses, em 1823.
Os homens são muito semelhantes.
(6) -- "Art. l.º S. M. Fidelíssima reconhece o Brasil na
categoria de Império independente e separado do Reino de
Portugal e Algarves; e a seu sobre todos muito amado e prezado
filho D. Pedro por Imperador... S. M. F. toma somente e reserva
para sua pessoa o mesmo Título.
Art. 2.º S. M. Imperial em reconhecimento de respeito e
amor a seu augusto Pai, o Senhor D. João VI, anui a que S. M.
F. tome para a sua pessoa o Título de Imperador."

Por alvará de 15 de Novembro de 25 D. João reconheceu
formalmente a D. Pedro, seu primogênito por Príncipe Real de
Portugal e Algarves e Imperador do Brasil. Diante disto, tratado
e alvará, a causa da "legitimidade" de D. Miguel em Portugal
não é legal.
(7) -- É a confissão do Marquês de Barbacena em carta ao
Imperador de 23 de Março de 27: "contra a minha expectativa o
inimigo continua a retirar-se... perdendo eu o campo de batalha
em Ituzaingo... qual não teria sido a sorte do inimigo, sem
aqueles inconvenientes!"
Aliás em documento dirigido à Câmara da Vila de
Cachoeira, no Rio Grande, de 20 de março de 1827, já
publicado por vários historiadores, dá o Marquês de Barbacena
a razão do seu fracasso: "A minha perda no campo de batalha
não excedeu a duzentos e vinte homens entre mortos e
prisioneiros, sendo a do inimigo incomparavelmente maior por
sua própria confissão. O que porém não aconteceu ao inimigo
nem se acha exemplo na história, foi desertarem do meu
exército para cima de 1510 homens desta província no princípio
da ação, sem darem um tiro, ou tirarem pela espada. .. etc. etc."
(8) -- O Barão von Mareschal. ministro austríaco no Rio, dizia,
a 18 de Agosto de 28, para a Europa: "uma guerra em que as
duas partes se cobrem de glórias sem se bater..." An. da Bibliot.
Nacional, vol. LX, 19-38, Rio, 1940. p. 61.
(9) -- Cf. Septe de Abril. Carta do Barão de Daiser, ministro da
Áustria no Rio de Janeiro, em 1831. Revista do Instituto
Histórico e Geográfico, t. 84 (1918), Rio 1919, p. 301: "Nunca
vi, numa crise em que se tratava de uma coroa, repartir-se tão
igualmente o medo como na que precedeu a abdicação de D.
Pedro: enquanto tremiam em S. Christovam, na Cidade os
fautores da bernarda arrumavam suas malas: a covardia
prevaleceu na Quinta e a Coroa perdeu-se."

(1) -- Esses movimentos místicos (ímpetos de sentimentos sem
acordo da razão) são-nos custosos e familiares: eles fizeram a
Independência, o furor Constitucional, a maioridade de Pedro
II, a Abolição, a República...
(2) -- Mesmo sem comparação. O Imperador não podia
condecorar sequer a um grande homem estrangeiro... banalidade
de todos os governos. O maçon Visconde do Rio Branco
opôs-se à condecoração do "materialista" (sic) Ernesto Renan...
Desde aí (1872) tomou Pedro II a resolução de não propor
ninguém a tais honras. (Cf. Heitor Lyra -- Hist. de D. Pedro II,
1939, Vol. II, p. 176-7.) Prova do poder pessoal.
(3) -- Chegamos ao delírio: indústrias que absolutamente não
existem são protegidas por direitos proibitivos. Para que
existam? O bom senso de Campos Sales é este, e não será
atendido: "o que devemos fazer é exportar tudo quanto
pudermos produzir em melhores condições que os outros países
e importar tudo quanto eles possam produzir em melhores
condições do que nós". (Mensagem de 1899). O bom senso não
é o comum.
(4) -- "No nation has ever accomplished such great things in
proportion to its means as the Portuguese... Brazil will always
be the inheritance of a Portuguese people". R. Southey --
History of Brazil, t. 3.º, cap. XLIV, p. 697.
Mais. O historiador norte-americano Herbert E. Bolton
(History of the Américas new ed. New York, 1941, p. 53) diz e
repete: "Brazil is a monument to little Portugal", o Brasil é um
monumento ao pequeno Portugal...

Proibido todo e qualquer uso comercial.

Se você pagou por esse livro
VOCÊ FOI ROUBADO!

Você tem este e muitos outros títulos GRÁTIS
direto na fonte:
www.ebooksbrasil.org
©2008 Afrânio Peixoto
Versão para eBook
eBooksBrasil
_________________
Junho 2008