O CONCEITO DE AUTORIA EM REDAÇÕES DE VESTIBULAR
Doutoranda Giovana Dragone Rosseto Antonioi (UNICAMP)
...

Resumo:
A prova de redação exerce um papel de extrema importância nos resultados dos
vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), pois, além de ser eliminatória
na maioria dos casos, tem também grande peso na nota final dos candidatos. Dentro desse
contexto, saber escrever uma boa redação pode ser um diferencial para a aprovação de um
candidato no vestibular, principalmente em cursos de alta demanda. A prática e o ensino da
produção escrita, sobretudo no Ensino Médio, tornam-se, dessa forma, um desafio tanto
para os estudantes quanto para os professores. É nesse cenário que se insere este trabalho,
que tem como objetivo analisar redações produzidas por candidatos do vestibular da
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ­ Unesp, buscando destacar os
indícios de autoria presentes nesses textos. A questão da autoria em textos escolares e,
consequentemente, na redação do vestibular, tem ganhado espaço nas discussões sobre
texto e ensino da Língua Portuguesa, destacando-se os trabalhos de Orlandi (1987) e
Possenti (2002; 2013), que servem de embasamento teórico para este trabalho. Em relação
às redações analisadas, é importante levar em consideração que o vestibular da Unesp,
assim como o de outras universidades e o Enem, solicita a produção de um texto
dissertativo, que tem como uma de suas características a ausência de marcas de
subjetividade. Dessa forma, trabalharemos com as definições de subjetividade e de autoria,
destacando nas redações analisadas o que pode ser, de fato, autoria em textos dissertativos e
em quais aspectos ela se aproxima ou se afasta dos conceitos existentes. Acreditamos que a
análise de redações de vestibular é de grande relevância nesse cenário, dada a importância
da prova de redação no contexto de avaliação e suas implicações em sala de aula.
Palavras-chave: autoria, redação, vestibular.

1 Introdução
A prova de redação exerce um papel de extrema importância no acesso a universidades e a
vagas de emprego, por meio de vestibulares e concursos públicos, respectivamente. Além disso, a
redação está presente em avaliações educacionais, como é o caso do Exame Nacional do Ensino

Médio (Enem), que hoje funciona como mecanismo de seleção para o ingresso em Instituições
Federais de Ensino Superior (IFES) e também como porta de entrada para outros programas
oferecidos pelo Governo Federal, como o Programa Universidade para Todos ­ ProUni.
Nos vestibulares, a prova de redação se tornou obrigatória em 1977, por meio do Decreto nº
79.298, que obrigou as instituições federais a incluírem-na nos exames vestibulares. Posteriormente,
em 2001, por meio do artigo 1º da Portaria nº94/2001 estabelecida pelo Ministério de Educação e
Cultura, a prova de redação passou também a ser eliminatória:
Todos os Processos Seletivos para ingresso nas Instituições Públicas e Privadas
pertencentes ao Sistema Federal de Ensino Superior incluirão necessariamente uma
prova de redação em língua portuguesa, de caráter eliminatório, segundo normas
explicitadas no edital de convocação do processo seletivo (SILVA e ARAÚJO,
2009)

Além de eliminatória, a prova de redação também tem grande peso na nota final dos
candidatos. Tal fato evidencia que saber escrever um bom texto pode ser um diferencial para a
aprovação de um candidato nos concursos e vestibulares mais concorridos. Como consequência, a
prova de redação se torna uma grande preocupação, tanto dos vestibulandos e daqueles que prestam
concursos, quanto dos colégios e cursinhos que preparam alunos para esses processos seletivos.
Dessa forma, é possível estender essa preocupação com a redação de vestibular também para
o meio acadêmico, pois há muitas questões a serem discutidas sobre o assunto, não só no que
concerne à avaliação, especificamente, mas também em relação às questões linguísticas presentes
nos textos produzidos por candidatos de concursos e vestibulares.
Diante desse cenário e tendo em vista minha formação acadêmica e minha experiência
profissional na correção e na coordenação de bancas corretoras de redação de diversos vestibulares,
concursos públicos e avaliações educacionais, esse trabalho tem como objetivo analisar redações de
vestibular, especificamente aquelas produzidas por candidatos do vestibular da Universidade
Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho ­ Unesp.
O recorte específico dessa análise está relacionado ao conceito de autoria em redações de
vestibular, tema que tem ganhado espaço nas discussões sobre texto e ensino de Língua Portuguesa,
destacando-se os trabalhos de Orlandi (1987) e Possenti (2002; 2013), que servem de embasamento
teórico para este trabalho. Nosso objetivo, a partir dessas concepções, é analisar textos que
receberam nota máxima no vestibular, verificando qual o elemento diferenciador neles presentes
que faz com que obtenham essa nota e de que forma esse diferencial está relacionado à questão da
autoria.

2 O conceito de autoria e o processo de avaliação de produção escrita

Como afirmado anteriormente, escrever um bom texto pode ser um diferencial para obter uma
vaga de emprego ou uma vaga na universidade. No entanto, o que é, de fato, escrever um bom
texto? Parece-nos que, popularmente, a qualidade do texto está relacionada às ideias de autoria,
criatividade e originalidade, sendo que para muitas pessoas esses três termos têm o mesmo
significado.
No entanto, em um processo de avaliação de produção de escrita, como é o caso da prova de
redação do vestibular, é muito difícil avaliar aspectos como autoria, criatividade e originalidade.
Para entender essa dificuldade, é preciso conhecer, primeiramente, como funciona um processo de
correção de um vestibular como o da Unesp, por exemplo.
Trataremos aqui, especificamente, do vestibular de final de ano da Unesp, que selecionou
alunos para ingressarem na universidade em 2014, em diferentes cursos e campi. A prova da Unesp
é constituída de duas fases, sendo que a primeira é composta por 90 questões objetivas, sob a forma
de teste de múltipla escolha, e a segunda por 36 questões discursivas e uma redação em gênero
dissertativo. A prova de redação, portanto, só é realizada pelos candidatos aprovados na primeira
fase.
Em 2014, foram convocados cerca de 40.000 candidatos para a segunda fase e, portanto,
havia essa quantidade aproximada de redações para serem avaliadas, eliminadas apenas as provas
dos candidatos ausentes. A partir desse número e da quantidade de dias previstos para o processo de
avaliação no cronograma do vestibular, foi preciso formar uma equipe com 75 avaliadores. As
bancas de avaliação da Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista ­ VUNESP,
que é a responsável por planejar, organizar, executar e supervisionar o concurso vestibular dessa
universidade, são sempre compostas por professores com formação em Letras e todos passam por
um treinamento antes de iniciar o processo de avaliação. Nessa ocasião, são estudadas a grade
específica de correção ­ documento em que são apresentados os critérios de correção e os
descritores de cada nota ­ e algumas redações pré-selecionadas pelo coordenador da banca às quais
são atribuídas notas para que os avaliadores compreendam a aplicação da grade.
Devido à grande quantidade de redações e de avaliadores, é de extrema importância que a
grade de correção seja objetiva, para que todos apliquem os mesmos critérios na atribuição das
notas e para que a avaliação seja justa para todos os candidatos. Cabe informar que todas as
redações são avaliadas por pelo menos dois avaliadores, sendo que um não tem acesso às notas
atribuídas pelo outro, em nenhuma hipótese. Nos casos em que há discrepância entre essas notas, a

redação deve passar por uma terceira correção e até por uma quarta, caso a diferença de notas se
mantenha, sendo que essa última é feita pelos coordenadores da banca.
Tendo em vista, portanto, a complexidade do processo de avaliação e a importância de
realizar uma correção objetiva e confiável, torna-se inviável avaliar aspectos relacionados à
criatividade e originalidade. Isso se deve ao fato de não ser possível elaborar critérios objetivos para
esse tipo de avaliação, fazendo com que ela dependa da subjetividade de cada integrante da banca,
que tem formações e conhecimentos bastante diferentes. Na prática da correção, essa subjetividade
pode se traduzir, por exemplo, na diferente formação e visão de mundo de cada avaliador, pois, o
que para um avaliador pode parecer original, criativo e até autoral, para outro pode ser interpretado
de forma diferente.
Pensando ainda no conceito popular de autoria, parece-nos que muitas pessoas relacionam
autoria com marcas de estilo ou de individualidade, como, por exemplo, optar pelo uso de
determinados adjetivos, marcar algumas palavras com aspas, usar ironia ou primeira pessoa em um
texto, por exemplo. Queremos destacar que esse conceito não é errado e inclusive circula no meio
acadêmico, como veremos mais adiante no trabalho de Possenti (2013). No entanto, no contexto
específico de avaliação de redações da Unesp, essas marcas não são apropriadas, uma vez que é
solicitada a produção de um texto em gênero dissertativo, que é definido da seguinte forma:
A dissertação é um texto que se caracteriza por analisar, explicar, interpretar e
avaliar os vários aspectos associados a uma determinada questão. A finalidade da
dissertação, portanto, é explicitar um ponto de vista claro e articulado sobre um
tema específico. Em alguns casos, além da análise cuidadosa e detalhada de um
tema, espera-se que o texto também apresente os argumentos para a defesa de um
ponto de vista. Quando isso ocorre, tem-se a dissertação argumentativa. (...) É
preciso lembrar que o perfil de leitor com o qual se deve trabalhar, no momento de
produção de uma dissertação, não é o do leitor real. Pela natureza expositiva
associada a esse gênero, espera-se que a dissertação tenha como interlocutor de
perfil universal. Isso ocorre porque um dos objetivos a serem alcançados por seu
autor é fazer com que os leitores encarem a análise exposta como a "voz" do bom
senso, da verdade, da razão. (ABAURRE e ABAURRE, 2007, pp.277-278)

Dessa forma, podemos afirmar que determinadas marcas que são vistas como indícios de
autoria por outros autores, como Possenti (2013), descaracterizam o gênero e, em um processo de
avaliação, podem prejudicar a nota do candidato.
A partir dessa complexidade, surgem os seguintes questionamentos: é possível haver autoria
em textos dissertativos? É possível haver autoria em redações produzidas em contexto de avaliação?
O que diferencia os textos que obtêm nota máxima está relacionado a autoria? Ainda que a pesquisa
no qual esse trabalho se insere esteja em fase inicial, vamos nos debruçar sobre essas questões na
tentativa de respondê-las.

3 A teoria sobre autoria

No item anterior apresentamos aquilo que é visto popularmente como autoria e como
característica de um bom texto. No entanto, a questão da autoria é bastante discutida no meio
acadêmico e apresentaremos agora alguns dos muitos conceitos de autoria, discutindo de que forma
eles se adéquam ou não ao contexto de avaliação de produção escrita de grandes processos
seletivos.
De acordo com Possenti (2002), não é possível discutir autoria sem mencionar Foucault:
Em primeiro lugar, para Foucault, a noção de autor se constitui a partir de um
correlato, a noção de obra. Só temos um autor se temos uma obra que possa
consistentemente ser associada a esse autor. Com aparente circularidade, é a noção
de autor que, entre outros aspectos, permite que se fale de uma obra, especialmente
em decorrência de determinada propriedade que as obras têm (teriam), a de se
caracterizarem por uma certa unidade. Ora, é exatamente a figura do autor que
confere essa unidade a uma obra. Mas fique claro que, para Foucault, a noção de
autor é discursiva (isto é, o autor é de alguma forma construído a partir de um
conjunto de textos ligados a seu nome, considerado um conjunto de critérios,
dentre eles sua responsabilidade sobre o que põe a circular, um certo projeto que se
extrai da obra e que se atribui ao autor, etc.). (POSSENTI, 2002, p.107).

A associação de autor a uma obra faz com que não possamos pensar em autoria em contexto
de avaliação de vestibular, afinal, trata-se de um evento único, ou seja, mesmo que o candidato
tenha uma obra, não temos acesso a ela. Mais do que isso, não podemos sequer saber quem é o
candidato, uma vez que a avaliação é sigilosa e temos acesso apenas ao texto produzido por ele.
Sobre isso, Possenti (2002) afirma que:
Logo, fica claro que essas noções interessam pouco aqui, porque tipicamante, um
vestibulando (um escolar, de maneira mais ampla) nem tem uma obra nem fundou
uma discursividade. Mesmo que tenha uma obra, não será julgado por ela por
ocasião de um vestibular ­ ou seja, seu texto não será lido levando-se em conta sua
obra, que não existe. Assim, de duas uma: ou renunciamos a discutir esta questão ­
textos de vestibulandos e outros textos escolares ­ em termos de autoria (por
exemplo, discutimos somente coesão e coerência), ou descobrimos uma brecha
para introduzir no campo uma nova noção (nova em relação a essa, de Foucault) de
autoria (POSSENTI, 2002, p.108).

Possenti (2002) relaciona a noção de autoria, então, a duas atitudes: dar voz a outros
enunciadores e manter distância em relação ao próprio texto. Essas atitudes são bastante
interessantes no estudo da autoria, inclusive em contexto de vestibular, e apesar de não serem
exploradas aqui, serão trabalhadas ao longo de minha pesquisa de doutorado.

Em um artigo de 2013, por sua vez, Possenti traz uma outra definição de autoria, a partir de
sua experiência na coordenação do processo de correção do vestibular da Universidade Estadual de
Campinas ­ Unicamp:
A questão da autoria tornou-se para mim um problema real quando assumi a
coordenação de uma banca de correção de vestibular. Herdei corretores experientes
que falavam, a propósito de certas redações, em traços de autoria. Analisando com
eles casos concretos, para decidir notas, fui me dando conta, pela prática, de que
tipo de questões se tratava. O que chamava atenção, e caracterizava "autoria",
eram, simplificando um pouco, alguns traços de estilo e certas marcas (aspas,
ironia, citações singulares, jogos com o leitor. (POSSENTI, 2013, p.239).

Algumas dessas definições de autoria, no entanto, como já destacamos, não são apropriadas
para o contexto específico do qual estamos tratando aqui ­ a produção de dissertação em prova de
vestibular da Unesp ­, pelos motivos apresentados anteriormente: o gênero dissertativo não permite
certas marcas de individualidade, como ironia ou jogos com o leitor, por exemplo. Mesmo o uso das
aspas, por exemplo, pode indicar a escolha de uma palavra com sentido figurado, o que também não
é apropriado para o gênero.
Por fim, trazemos a definição de autoria de Eni Orlandi:
Assim, do autor se exige: coerência; respeito aos padrões estabelecidos, tanto
quanto à forma do discurso como às regras gramaticais; explicitação; clareza;
conhecimento das regras textuais; originalidade; relevância e, entre outras coisas,
"unidade", "não contradição", "progressão" e "duração" de seu discurso. É, entre
outras coisas, nesse "jogo" que o aluno entra quando começa a escrever.
(ORLANDI, 1987, p.78).

Essa definição parece a mais adequada em relação ao que observamos nas redações de
vestibular. Ainda que a autora traga a questão da originalidade para sua definição, que, como
dissemos, não é possível ser avaliada, ela trata de outros termos bastante pertinentes, como unidade
e progressão, que parecem estar associados ao que temos encontrado nos textos com nota máxima
no vestibular da Unesp. Para discutirmos isso, apresentaremos a seguir o que é esperado de um
texto na avaliação de redações da Unesp e a análise de um texto com nota máxima.

4 A teoria sobre autoria

Antes de analisarmos uma redação que obteve nota máxima no vestibular da Unesp 2014, é
preciso destacar o que é avaliado nesse processo e quais são as características de um texto para que

ele obtenha essa nota.
Na correção do vestibular da Unesp são avaliados cinco competências que se dividem em três
critérios:
A ­ Proposta e abordagem do tema
B ­ Gênero/Tipo de texto e Coerência
C ­ Elementos linguísticos (Coesão e Modalidade)
Dentre esses critérios, que são avaliados de forma independente, a fuga total ao tema e a fuga
total ao gênero/tipo de texto são motivos suficientes para anulação da prova, eliminando o
candidato do processo.
Para cada uma das notas desses critérios há um descritor que define as notas e que serve como
norteador do trabalho do avaliador. É por meio desses descritores que os avaliadores sabem que
nota atribuir a um texto.
Para que um texto receba nota máxima, então, ele deve apresentar as seguintes características:
·

Abordagem completa do tema apresentado pela proposta;

·

Desenvolvimento de gênero e tipo de texto previstos e sem falha que interfira na
interlocução desejada.

·

Bom desenvolvimento dos argumentos: as partes da estrutura dissertativa devem ser bem
desenvolvidas, de modo que os argumentos sejam justificados/desenvolvidos, convergindo
para o ponto de vista defendido. O texto deve ser estratégico, sem lacunas ou digressões e a
progressão argumentativa deve se dar de forma gradual.

·

Bom domínio das normas e convenções do português padrão: pouquíssimos erros de regra,
com presença rara de coloquialismos/informalidades e de escolhas lexicais imprecisas e uso
adequado dos recursos coesivos: deve haver valorização da relação entre as partes do texto
em virtude do bom uso dos recursos coesivos.
O espaço para autoria, então, para o que Orlandi nomeia como unidade e progressão, está

mais associado ao critério B, em que avaliamos coerência e elementos como seleção e
desenvolvimento de argumentos e progressão textual. É interessante notar que essa competência é
avaliada no mesmo critério que gênero/tipo de texto, o que reforça a ideia apresentada de que o
candidato pode apresentar autoria em seu texto, desde que não descaracterize o gênero solicitado ­
no caso, a dissertação.
Tendo isso em vista, passamos à análise de uma redação produzida por um candidato do

vestibular de 2014 da Unesp que recebeu nota máxima em todos os critérios. Como estamos
pensando, especificamente, na questão da autoria, analisaremos aqui apenas o critério B. Por esse
motivo, também não vamos apresentar a proposta de redação desse vestibular, bastando saber que o
tema solicitado foi: Corrupção no Congresso Nacional: reflexo da sociedade brasileira?
Fenômenos interligados
No contexto das manifestações de junho deste ano, a discussão política foi amplamente explorada na mídia e no
ambiente acadêmico. Ao serem questionados se os protestos realmente acarretariam amenização da corrupção no
Congresso Nacional, muitos manifestantes declararam que a situação de degradação do sistema somente seria
modificada se o povo priorizasse a reforma política constantemente e votasse conscientemente nas próximas eleições,
pois a população também pode ser culpada pela preservação das circunstâncias atuais. Através da análise da sociedade
brasileira, observa-se que o fenômeno da corrupção está enraizado na cultura nacional, portanto, não deve ser estudado
isoladamente, afinal, baseia-se em causas históricas, socioeconômicas e políticas.
Historicamente, verifica-se que, desde a estruturação do Brasil Colônia, são estabelecidas relações de
compadrismo as quais consolidaram o exercício de vias ilícitas para alcançar objetivos pessoais. No livro "Raízes do
Brasil", Sérgio Buarque de Holanda explicita que a dominação dos proprietários de terra sobre a cessão de serviços,
como saúde, moradia e alimentação, incentivou a criação de laços pessoais os quais garantissem ações favoráveis do
poder público. Devido a essa prática, que possui reminiscências até hoje, coronéis ainda obtêm enorme influência sobre
o Congresso Nacional e adquirem favores políticos através de fraudes para benefício próprio.
Sob panorama socioeconômico, nota-se que a corrupção em altos escalões governamentais é uma projeção de
um anseio de manutenção do status quo demonstrado em atos ilícitos cotidianos. Inserido no modo de produção
capitalista, o Estado alia-se ao Mercado e direciona sua atuação e seus holofotes para o asseguramento dos interesses
das classes privilegiadas, de forma a conservar a ordem social vigente. Embora as penitenciárias brasileiras estejam
superpovoadas com indivíduos de classes baixas, são os crimes praticados por ricos que mais prejudicam o país, como
evidencia o fato de a sonegação de impostos retirar dos cofres públicos cerca de 10% do PIB nacional. Contudo, os
"crimes de colarinho branco", dentre os quais a corrupção, são os que mais permanecem impunes.
Ademais, fraudes e roubos políticos são reflexo da sociedade, porque as relações de poder no Congresso
Nacional configuram uma versão ampliada das relações de poder locais e familiares. Segundo pensamento de Michel
Foucault, todos os seres humanos estão inseridos em uma rede de exercício de poder, praticado constantemente entre
todos. Logo, pessoas que, usualmente, manifestam comportamentos ilegais ou antiéticos em pequena escala, já integram
esferas de poder. Dessa maneira, a corrupção em larga escala somente demonstra extensão de um hábito para uma rede
de influência nacional.
Por conseguinte, é possível concluir que a corrupção no Congresso Nacional comporta-se como reflexo da
sociedade brasileira, pois configura um ato inerente à construção histórica da Nação através do compadrismo. Além
disso, a corrupção demonstra o anseio de manutenção do status quo pelas classes dominantes e está inserido em um
contexto de relações de poder intrínsecas aos seres humanos, mostrando que nenhum fenômeno ilícito ocorre
isoladamente.

Em primeiro lugar, queremos destacar, a partir do texto, a dificuldade de avaliar originalidade
e criatividade. A escolha de argumentos feita pelo candidato pode ser considerada um lugar-comum
para alguns leitores, enquanto para outros pode parecer adequada ou até mesmo acima da média.
Além disso, para definirmos o que é original, precisaríamos ter acesso às redações produzidas por
todos os candidatos para, a partir daí, atribuirmos uma nota mais alta àqueles que foram além do
que era comum à maioria. No entanto, como já destacado, isso é inviável, visto que, no caso do
vestibular da Unesp em 2014, foram corrigidas cerca de 40.000 redações.
Além disso, a análise dessa redação poderia seguir diversos caminhos, destacando, por
exemplo, a seleção de palavras ou a referência à voz do outro, em alguns trechos. No entanto, nesse
momento, optamos por observar apenas a questão da unidade do texto como marca de autoria.
Observamos nessa redação que o candidato consegue manter essa unidade, que é marcada
principalmente pela organização do texto. No parágrafo de introdução, por exemplo, ele afirma que
a corrupção está associada a fatores históricos, socioeconômicos e políticos e, ao de sua
argumentação, ele consegue retomar cada um desses elementos de forma bastante satisfatória.
No entanto, é importante ressaltar que não é apenas isso que garante unidade ou uma nota
máxima ao texto. Além da organização, percebe-se que o candidato seleciona bem as informações e
os dados que desenvolvem/justificam seus argumentos. Dessa forma, o texto está adequado em
relação ao que se espera de uma nota máxima: bom desenvolvimento dos argumentos: as partes da
estrutura dissertativa são bem desenvolvidas, os argumentos são justificados/desenvolvidos de
modo a convergir para o ponto de vista defendido. O texto é estratégico, sem lacunas ou digressões
e a progressão argumentativa se dá de forma gradual.
A partir dessa análise, podemos afirmar que o texto que obteve nota máxima, apresenta marca
de autoria no sentido proposto por Orlandi (1987), como unidade e progressão. Essa progressão é
argumentativa e dialoga diretamente com uma solicitação do gênero dissertativo: a defesa de uma
tese. O texto é marcado por um poder de convencimento, pois, quando o leitor chega ao final da
redação, em que o candidato responde à pergunta, afirmando que a corrupção é reflexo da
sociedade, não há dúvidas disso, já que os argumentos selecionados conduziram o leitor a essa
conclusão.
É importante ressaltar que não estamos negando a existência de outras possíveis marcas de
autoria, que poderão ser observadas ao longo da pesquisa, mas, nesse momento, optamos por
observar esse aspecto pontual.
Por fim, gostaríamos de ressaltar que a produção de um texto estratégico, em que há
organização e progressão, é possível por meio da produção de um projeto de texto (Furlan, Abaurre
e Abaurre, 1993), o que inclui a identificação do tema, a seleção de argumentos e o planejamento da

argumentação. Acreditamos que esse seja um ponto de partida para que os candidatos escrevam
bons textos e, por serem aspectos textuais e mais objetivos, podem ser ensinados em sala de aula e
cobrados em processos de avaliação.

5 Conclusão
Esse artigo abordou alguns conceitos de autoria em um contexto bastante específico ­ a
avaliação de produção escrita do vestibular da Unesp. Expusemos aqui algumas complexidades da
utilização de conceitos de autoria presentes no senso comum e até mesmo defendidos por alguns
acadêmicos, uma vez que esses conceitos parecem não ser válidos para um contexto de avaliação de
muitas redações, com uma banca avaliadora igualmente numerosa. Por meio da análise de uma
redação com nota máxima, percebemos que é possível aplicar à correção um conceito de autoria que
leva em conta a unidade e a progressão no texto. Essa análise, no entanto, não elimina a
possibilidade de haver outras marcas de autoria nessa redação, que serão analisadas em outro
momento de minha pesquisa de doutorado.

Referências Bibliográficas
1]

ABAURRE, M.L.M; ABAURRE, M. B. M. Produção de Texto: interlocução e gêneros.

Volume único. São Paulo: Moderna, 2007.

2]

FURLAN, F.A.; ABAURRE, M.B.M.; ABAURRE, M.L.M. Vestibular Unicamp: Redação,

São Paulo: Editora Globo, 2003.

3]

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez: UNICAMP, 1988.

4]

POSSENTI, S. Indícios de autoria. Florianópolis: Perspectiva, v.20, n.01, p.105-124,

jan./jun. 2002.

5]

POSSENTI, S. Notas sobre a questão de autoria. 07/2013, Matraga (Rio de Janeiro), Vol.

33, pp.239-250, Rio de Janeiro, RJ, BRASIL, 2013

i Giovana

ANTONIO, Doutoranda
Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
Instituto de Estudos da Linguagem ­ IEL
[email protected]