1

Manual do Exame Médico

Guia completo e atualizado de recomendações sobre a etapa do exame
médico em concursos (com foco no concurso da Polícia Federal)

Este material não deve ser comercializado em nenhuma
condição. Distribua-o à vontade.

Concurseiro Robson
1

2

Apresentação
O objetivo deste e-book é auxiliar candidatos de concursos públicos na
realização da etapa do exame médico, em especial aqueles dos concursos da Polícia
Federal. Dessa forma, é mais um material dentro de um esforço maior, que conta já com
o Manual do Psicotécnico (1ª e 2ª edição) e o Manual das Lotações (1ª e 2ª edição).
Embora devesse ser uma etapa trivial do concurso, afinal bastaria ter saúde
normal para ser aprovado, na prática o exame médico se mostra uma das etapas mais
estressantes do concurso e boa parte dos candidatos não consegue ser aprovado sem a
ainda mais estressante necessidade de recurso administrativo, após ser reprovado
preliminarmente. A maior parte dessas reprovações provisórias, entretanto, poderia ser
facilmente evitada com um pouco de conhecimento da dinâmica da realização da etapa
do exame médico. É nesse sentido que as principais dúvidas serão aqui esclarecidas e se
traçará um roteiro seguro para a aprovação nessa etapa, de forma a evitar dores de
cabeça nos candidatos.
Este e-book é escrito usando o método de perguntas frequentes (FAQ) e dividido
em capítulos. No Capítulo 1 serão apresentadas as principais regras que o candidato
deve conhecer e as formalidades a serem cumpridas para evitar a reprovação preliminar
no exame médico. Também serão apresentados todos os exames que devem ser
entregues no concurso da Polícia Federal e para ajudar a entender como esses exames
devem ser entregues digitalizei meus exames médicos do concurso da PF de 2012 e os
acrescentei como modelo (fui aprovado sem necessidade de recurso para correção dos
exames entregues usando esses exames). Além disso, os principais erros dos candidatos,
com base em concursos anteriores, são apresentados e se mostra como evita-los. No
Capítulo 2 são apresentadas as condições incapacitantes, de acordo com o edital,
fazendo-se uma análise crítica e mostrando como tais condições são verificadas nos
exames médicos. O Capítulo 3 apresenta as regras e esclarece as dúvidas a respeito do
exame clínico, que é o exame realizado pela junta médica da banca do concurso. O
Capítulo 4 apresenta alguns esclarecimentos sobre o resultado dos exames e os recursos
em caso de reprovação preliminar. Por fim, no Capítulo 5 serão apresentados alguns
comentários a respeito do exame médico para os candidatos portadores de necessidades
especiais (PNEs).
Espero que este material seja útil e permita que mais candidatos deixem de ser
reprovados preliminarmente nesta etapa ­ e às vezes até definitivamente, ensejando
recursos judiciais desnecessários. Faz-se a ressalva para que não possuo formação na
área de Medicina ­ e as dúvidas específicas devem ser, obviamente, resolvidas com os
profissionais. Apesar disso, já fui aprovado em vários exames médicos e acompanhei de
perto outros candidatos em fóruns, de forma que possuo boa experiência no assunto.
Robson Timoteo Damasceno (Concurseiro Robson)
20 de Fevereiro de 2015
2

3

SUMÁRIO
Apresentação ................................................................................................................................ 2
Capítulo 1 ­ Principais Regras do Exame Médico ......................................................................... 5
1.1 ­ Quando é realizado o exame médico? ............................................................................. 5
1.2 ­ Como funciona o exame médico? .................................................................................... 5
1.3 ­ Onde encontrar as regras do exame médico? ................................................................. 6
1.4 ­ De que forma os candidatos são avaliados no exame médico?....................................... 6
1.5 ­ Qual a melhor época para fazer os exames laboratoriais e complementares? ............... 7
1.6 ­ Como não gastar muito com os exames laboratoriais e complementares? .................... 7
1.7 ­ Onde é realizado o exame médico e quem é convocado para esse exame? ................... 7
1.8 ­ Quais exames devem ser apresentados pelo candidato? ................................................ 8
1.9 ­ O que é essencial apresentar no exame médico? .......................................................... 28
1.10 ­ Qual a forma correta de apresentação à banca dos exames laboratoriais e
complementares? ................................................................................................................... 36
1.11 ­ Exemplo de Exames apresentados em concursos anteriores ...................................... 37
1.12 ­ Modelo de recibos da banca para a entrega dos exames médicos ............................. 73
1.13 ­ Quais os principais erros cometidos pelos candidatos na apresentação dos exames à
banca? ..................................................................................................................................... 76
1.14 ­ Quais motivos levam à reprovação no exame médico? .............................................. 81
1.15 ­ Deixei de entregar um exame à banca no dia da avaliação clínica. Serei reprovado? 82
Capítulo 2 ­ Condições Incapacitantes e Dúvidas sobre os Exames ........................................... 83
2.1 ­ Quais as critérios para considerar as alterações como sendo incapacitantes no exame
médico? ................................................................................................................................... 83
2.2 ­ Quais são as condições incapacitantes listadas no edital do concurso da Polícia
Federal? ................................................................................................................................... 84
2.3 ­ Quais alterações nos exames laboratoriais e complementares são toleradas? .......... 127
2.4 ­ Quem é responsável pelo exame médico e pela avaliação dos exames entregues? ... 127
Capítulo 3 ­ Exame Clínico ........................................................................................................ 128
3.1 ­ Como funciona o exame clínico?.................................................................................. 128
3.2 ­ Posso ser reprovado no exame médico apenas por conta do exame clínico? ............ 128
3.3 ­ O que os médicos avaliam no exame clínico? .............................................................. 129
3.4 ­ Como é a avaliação das tatuagens no exame clínico e o que resulta dessa avaliação?
............................................................................................................................................... 129
Capítulo 4 ­ Resultado do Exame e Recursos ........................................................................... 130
4.1 ­ Como e quando fico sabendo se fui aprovado no exame médico? ............................. 130
3

4
4.2 ­ Qual a porcentagem de candidatos que é aprovado no exame médico?.................... 130
4.3 ­ Não fui aprovado no exame médico. Como saber o motivo? ...................................... 130
4.4 ­ Quais os motivos mais comuns de reprovação no resultado preliminar do exame
médico? ................................................................................................................................. 131
4.5 ­ Como proceder para fazer o recurso do exame médico? ............................................ 131
4.6 ­ Quais as principais dicas para reverter a reprovação preliminar no exame médico? . 132
4.7 ­ Quando sai o resultado definitivo do exame médico?................................................. 132
4.8 ­ Como proceder se fui reprovado definitivamente no exame médico? ....................... 132
4.9 ­ Quais as chances de conseguir liminar contra o resultado do exame médico? .......... 132
Capítulo 5 ­ Exame Médico dos Portadores de Necessidades Especiais (PNE) ........................ 134
5.1 ­ Com o funciona a etapa do exame médico para os PNEs? .......................................... 134
5.2 ­ Quais tipos de necessidades especiais são consideradas para os candidatos serem
aprovados na vaga de PNE? Quais levam à reprovação no exame médico? ........................ 135
5.3 ­ Como proceder se sou PNE e não fui considerado como tal pela banca do concurso?
............................................................................................................................................... 137
5.4 ­ Como proceder se sou PNE e fui reprovado no exame médico por conta dessa
condição? .............................................................................................................................. 137

4

5

Capítulo 1 ­ Principais Regras do Exame Médico
1.1 ­ QUANDO É REALIZADO O EXAME MÉDICO?

R: O exame médico (juntamente com a entrega dos exames complementares e
laboratoriais) geralmente é realizado entre 40 a 60 dias após a prova escrita.
Dependendo da pressa com o cronograma, ele ocorre cerca de 30 dias depois (como
em 2009 e 2012). Usualmente ocorre depois da realização do exame de aptidão física
(TAF) e antes da avaliação psicológica (psicotécnico), mas pode ocorrer de haver
inversão na ordem dessas três etapas. No concurso de APF 2014, o exame médico será
realizado entre 17 e 20 de Abril de 2014.

1.2 ­ COMO FUNCIONA O EXAME MÉDICO?
R: Trata-se de uma etapa apenas eliminatória, que serve para aferir se o candidato
goza de boa saúde física e psíquica para suportar os exercícios a que será submetido
durante o Curso de Formação Profissional e para desempenhar as tarefas típicas da
categoria funcional.
A partir do exame médico e da avaliação dos exames laboratoriais e
complementares, o candidato será considerado "apto" ou "inapto". Basicamente, o
candidato tem a obrigação de, por sua própria conta e às suas expensas, realizar uma
série de exames médicos, conseguir o resultado por escrito desses exames e, em um
dia marcado pela banca, deve submeter-se a um exame clínico pela banca médica
avaliadora, momento em que também entrega os laudos e resultados dos exames que
providenciou.
Com base na avaliação realizada pela banca, levando em consideração os
exames entregues e a avaliação realizada, o candidato é considerado apto ou não.
Geralmente ocorre de os candidatos deixarem de entregar os exames como solicitado
pela banca, esquecerem algum exame ou apresentarem alguma alteração médica.
Nesse caso, o candidato fica reprovado provisoriamente no exame médico.
Para ser aprovado, o candidato deve ir até um local marcado pela banca, em
dia por ela determinado, para ter acesso ao motivo de sua reprovação. Com esse
documento, o candidato deve sanar a questão pendente (providenciar o exame
entregue errado ou não entregue, fazer algum exame extra solicitado pela banca, etc.)

5

6

e fazer o recurso. Depois de analisados os recursos, é apresentado o resultado final,
dizendo se o candidato está apto ou não.

1.3 ­ ONDE ENCONTRAR AS REGRAS DO EXAME MÉDICO ?

R: O marco legal que estabelece a avaliação média em concursos envolve os seguintes
diplomas legais: Decreto 6.944/2009 (Art. 19, XVIII), Decreto-Lei 2.320/87 (Art. 8º, II) e
Lei 4.878/65 (Art. 9º, VI).
Por outro lado, as regras da avaliação médica são estabelecidas no edital do
concurso, geralmente em um anexo a ele. Antes do concurso de 2012 era comum se
publicar uma instrução normativa do DPF sobre o assunto, mas de 2012 para cá as
regras tem sido estabelecidas no próprio edital.

1.4 ­ DE QUE FORMA OS CANDIDATOS SÃO AVALIADOS NO EXAME MÉDICO?

R: O candidato é avaliado por, basicamente, dois critérios, para sua aprovação nessa
etapa:




Não apresenta nenhuma alteração clínica que seja prejudicial ao exercício do
cargo, por critério objetivo de análise da junta médica, no dia da avaliação
clínica.
Não apresenta nenhuma alteração clínica nos exames laboratoriais e
complementares que apresentou.

Se houver dúvidas por parte da junta médica, o candidato é reprovado
provisoriamente, para que a dúvida seja esclarecida por ocasião do recurso dessa
etapa. Essa dúvida tanto pode ser material, envolvendo alterações clínicas observadas
no dia da avaliação ou nos exames, como formal, envolvendo a entrega incorreta ou
falta de entrega dos exames solicitados.

6

7

1.5 ­ QUAL

A MELHOR ÉPOCA PARA FAZER OS EXAMES LABORATORIAIS E

COMPLEMENTARES ?

R: A melhor estratégia dependerá das datas marcadas para as etapas pós-resultado da
prova objetiva. Como o candidato precisa ser aprovado em outras etapas para ir para o
curso de formação, como o teste físico, vale a pena adiar os exames médicos até que
se tenha certeza de aprovação no maior número de etapas.
Assim, se houver tempo hábil para fazer os exames médicos apenas depois de
ter feito o Teste de Aptidão Física (TAF), deve-se deixar para começar apenas depois
desse dia, já que os gastos são altos com os exames e não vale a pena ter esses gastos
por nada. Dentro dessa ideia, vale a pena marcar os exames com antecedência para a
data mais conveniente e adiantar os exames que demorem mais para se ter o
resultado, como o exame antidrogas. Deve-se ter bom planejamento nas etapas depois
do resultado das provas escritas, já que há muito para se fazer e o tempo é curto.

1.6 ­ COMO

NÃO

GASTAR

MUITO

COM

OS

EXAMES

LABORATORIAIS

E

COMPLEMENTARES ?

R: O ideal é ter um plano de saúde e conseguir que um médico, preferencialmente
integrante do plano, solicite os exames, de forma que o plano cubra a maior parte dos
gastos. Caso não tenha um plano médico, procure nas diversas clínicas de sua cidade e
região aquela que faz os exames por menor preço e em tempo adequado para a
entrega, e mesmo locais públicos que possam fazer os exames (pouco provável de
conseguir, se não tiver algum conhecido).
Procure informações com os colegas aprovados no concurso que sejam da
mesma região de locais mais baratos e tente se informar nos fóruns sobre essas
informações. Novamente, um bom planejamento, sem ansiedade e com objetividade,
pode poupar um bom dinheiro nessa etapa.

1.7 ­ ONDE É REALIZADO O EXAME MÉDICO E QUEM É CONVOCADO PARA ESSE EXAME?

R: O exame médico, com a entrega dos exames complementares e laboratoriais,
ocorre em locais determinados no edital de convocação para essa etapa, sendo
realizado em todas as capitais dos estados e em Brasília. Os candidatos
7

8

obrigatoriamente devem fazer essa etapa na mesma capital em que fizeram a prova
objetiva. Quanto a quem é convocado para essa etapa, depende de cada concurso. Se
o cronograma está apertado, é usual convocar todos os aprovados na prova objetiva e
dissertativa para essa etapa. Em concursos com o cronograma mais flexível, é usual
convocar para o exame médico apenas os aprovados no Teste de Aptidão Física (TAF),
como ocorreu no concurso de 2013.

1.8 ­ QUAIS EXAMES DEVEM SER APRESENTADOS PELO CANDIDATO?

R: Durante a avaliação médica realizada por junta médica do Cespe deverão ser
apresentados pelos candidatos os seguintes exames médicos (todos com laudos
conclusivos) e avaliações médicas especializadas:


Exames de Sangue: são feitos todos com base em uma coleta apenas de sangue
pelos laboratórios que fazem exames clínicos. Alguns resultados demoram mais
para sair do que outros. Os exames que devem ser realizados nessa categoria são:
o Hemograma completo (com contagem de plaquetas) ­ o hemograma é
composto de duas partes principais e a contagem de plaquetas, assim, os
resultados a serem apresentados são:
Eritograma: é o estudo dos glóbulos vermelhos, ou seja, das
hemácias, também chamadas de eritrócitos. O eritograma deve
conter os seguintes dados:
Eritrocitros: é a contagem de hemácias propriamente. Os
valores de referências são entre 4,5 e 6,0
milhões/mm3(valores masculinos e para pessoas acima de
12 anos ­ atente que os valores aqui referenciados podem
ser alterados dependendo do laboratório e do sexo da
pessoa). Quando estão reduzidos, indicam anemia, isto é,
baixo número de glóbulos vermelhos no sangue. Quando
estão elevados indicam policitemia, que é o excesso de
hemácias circulantes. Na prática, esse valor é avaliado em
conjunto com os valores de hemoglobina e hematócrito.
Hemoglobina: é a molécula central no transporte de
oxigênio no sangue. Na prática, a dosagem de hemoglobina
acaba sendo a mais precisa na avaliação de uma anemia,
quando abaixo do valor. Os valores de referência são entre
13,0 e 20,0 g/dL, sendo que abaixo desse valor é provável
haver anemia.
Hematócrito: é o percentual do sangue que é composto por
hemácias. Um hematócrito de 45% significa que 45% do
sangue é composto por hemácias. Os outros 55% são
8

9



basicamente água e todas as outras substâncias diluídas.
Pode-se notar, portanto, que praticamente metade do
sangue é, na verdade, composto por células vermelhas. Os
valores de referência são entre 36 e 52%.
VCM: o exame Volume Globular Médio (VGM) ou Volume
Corpuscular Médio (VCM) identifica o tamanho das
hemácias. Um VCM elevado indica hemácias macrocíticas, ou
seja, hemácias grandes. VCM reduzidos indicam hemácias
microcíticas, isto é, de tamanho diminuído. Os valores de
referência são entre 80 e 100 µ³. Esse dado ajuda a
diferenciar os vários tipos de anemia. Por exemplo, anemias
por carência de ácido fólico cursam com hemácias grandes,
enquanto que anemias por falta de ferro se apresentam com
hemácias pequenas. Existem também as anemias com
hemácias de tamanho normal. Alcoolismo é uma causa de
VCM aumentado (macrocitose) sem anemia.
HCM: esse dado indica a Hemoglobina Corpuscular Média. É
o peso da hemoglobina dentro das hemácias. Também
ajudam a decifrar casos diferentes de anemias. Os valores de
referência são entre 26 e 34 pg.
CHCM: é a Concentração de Hemoglobina Corpuscular
Média. Tem praticamente a mesma utilidade do HCM. Os
valores de referência são entre 31 e 37 g/dL.
RDW: é um índice que avalia a diferença de tamanho entre
as hemácias. Quando este está elevado significa que existem
muitas hemácias de tamanhos diferentes circulando. Isso
pode indicar hemácias com problemas na sua morfologia. É
muito comum RDW elevado, por exemplo, na carência de
ferro, onde a falta deste elemento impede a formação da
hemoglobina normal, levando à formação de uma hemácia
de tamanho reduzido. Também é um índice usado na
determinação de algumas doenças, mas que exige um
conhecimento mais apurado. Os valores de referência são
entre 10 e 16%.
Leucograma: O leucograma é a parte do hemograma que avalia os
leucócitos. Estes são também conhecidos como série branca ou
glóbulos brancos. São as células de defesa responsáveis por
combater agentes invasores. Os leucócitos são, na verdade, um
grupo de diferentes células, com diferentes funções no sistema
imune. Alguns leucócitos atacam diretamente o invasor, outros
produzem anticorpos, outros apenas fazem a identificação, e assim
9

10

por diante. Existem vários tipos de leucócitos e sua determinação
também é útil no diagnóstico clínico. No leucograma os exames
realizados são:
Leucócitos Totais: indica a quantidade total de leucócitos
presentes no sangue. Os valores de referência são entre
4.000 e 10.000 células por microlitro (4.0 a 10.0 mil/mm3).
Bastonetes: Os bastões são os neutrófilos jovens. Quando
estamos infectados, a medula óssea aumenta rapidamente a
produção de leucócitos e acaba por lançar na corrente
sanguínea neutrófilos jovens recém-produzidos. A infecção
deve ser controlada rapidamente, por isso, não há tempo
para esperar que essas células fiquem maduras antes de
lançá-las ao combate. Em uma guerra o exército não manda
só os seus soldados mais experientes, ele manda aqueles que
estão disponíveis. Normalmente, apenas 4% a 5% dos
neutrófilos circulantes são bastões. A presença de um
percentual maior de células jovens é uma dica de que possa
haver um processo infeccioso em curso. No meio médico,
quando o hemograma apresenta muitos bastões chamamos
este achado de "desvio à esquerda". Esta denominação
deriva do fato dos laboratórios fazerem a listagem dos
diferentes tipos de leucócitos colocando seus valores um ao
lado do outro. Como os bastões costumam estar à esquerda
na lista, quando há um aumento do seu número diz-se que
há um desvio para a esquerda no hemograma. Portanto, se
você ouvir o termo desvio à esquerda, significa apenas que
há um aumento da produção de neutrófilos jovens. Os
valores de referência são de 0 a 7%, ou entre 0 e 700 mm3.
Segmentados: Os neutrófilos segmentados são os neutrófilos
maduros. Quando o paciente não está doente ou já está em
fase final de doença, praticamente todos os neutrófilos são
segmentados, ou seja, células maduras. Os valores de
referência são entre 47% e 67% (ou entre 1.900 e 6.700
mm3).
Linfócitos: Os linfócitos são o segundo tipo mais comum de
glóbulos brancos. Os linfócitos são as principais linhas de
defesa contra infecções por vírus e contra o surgimento de
tumores. São eles também os responsáveis pela produção
dos anticorpos. Quando temos um processo viral em curso, é
comum que o número de linfócitos aumente, às vezes,
ultrapassando o número de neutrófilos e tornando-se o tipo
10

11



de leucócito mais presente na circulação. Os linfócitos são as
células que fazem o reconhecimento de organismos
estranhos, iniciando o processo de ativação do sistema
imune. Os linfócitos são, por exemplo, as células que iniciam
o processo de rejeição nos transplantes de órgãos. Os
linfócitos também são as células atacadas pelo vírus HIV.
Este é um dos motivos da AIDS (SIDA) causar
imunossupressão e levar a quadros de infecções
oportunistas. Os valores de referência são entre 20 e 35%(ou
entre 800 a 3.500 mm3).
Monócitos: Os monócitos normalmente representam de 3 a
10% dos leucócitos circulantes. São ativados tanto em
processos virais quanto bacterianos. Quando um tecido está
sendo invadido por algum germe, o sistema imune
encaminha os monócitos para o local infectado. Este se ativa,
transformando-se em macrófago, uma célula capaz de
"comer" microorganismos invasores. Os monócitos
tipicamente se elevam nos casos de infecções,
principalmente naquelas mais crônicas, como a tuberculose.
Os valores de referência são entre 4 e 8% (ou entre 100 a
800 mm3).
Eosonófilos: Os eosinófilos são os leucócitos responsáveis
pelo combate de parasitas e pelo mecanismo da alergia.
Apenas 1 a 5% dos leucócitos circulantes são eosinófilos. O
aumento de eosinófilos ocorre em pessoas alérgicas,
asmáticas ou em casos de infecção intestinal por parasitas.
Os valores de referência são entre 1 e 4% (ou entre 100 a
400 mm3).
Basófilos: Os basófilos são o tipo menos comum de
leucócitos no sangue. Representam de 0 a 2% dos glóbulos
brancos. Sua elevação normalmente ocorre em processos
alérgicos e estados de inflamação crônica. Os valores de
referência são entre 0 a 1% (ou entre 0 a 200 mm3).
Plaquetas: importante lembrar de constar esse valor no
hemograma, para o concurso. As plaquetas são fragmentos de
células responsáveis pelo início do processo de coagulação. Quando
um tecido de qualquer vaso sanguíneo é lesado, o organismo
rapidamente encaminha as plaquetas ao local da lesão. As plaquetas
se agrupam e formam um trombo, uma espécie de rolha ou tampão,
que imediatamente estanca o sangramento. Graças à ação das
plaquetas, o organismo tem tempo de reparar os tecido lesados sem
11

12

que haja muita perda de sangue. O valor normal das plaquetas varia
entre 150.000 a 450.000 por microlitro (µL). Porém, até valores
próximos de 50.000, o organismo não apresenta dificuldades em
iniciar a coagulação. Valores baixos de contagem de plaqueta
ocorrem, por exemplo, na dengue hemorrágica. Quando os valores
se encontram abaixo das 10.000 plaquetas/µL há risco de morte,
uma vez que pode haver sangramentos espontâneos. Os valores de
referência são entre 140 a 400 mil/mm3. Também é usual vir o valor
de VPM (Valor Plaquetário Médio), que representa a média dos
volumes de todas as plaquetas contadas e avaliadas
volumetricamente em um número de 10.000 células. Os valores de
referência são entre 8.0 a 11.0 µ3.
o Glicemia de jejum: A glicemia de jejum é um exame de sangue que mede a
taxa de açúcar no sangue e precisa ser feito com 8 horas de jejum, de
alimentos e água. O exame de glicemia de jejum tem o objetivo de verificar
se a glicemia está normal, alta ou baixa e serve para diagnosticar diabetes.
No caso de indivíduos diabéticos, a glicemia de jejum serve para controlar
os níveis de glicose no sangue e monitorizar ou ajustar o tratamento com
insulina ou hipoglicemiantes orais. Os valores de referência da glicemia de
jejum variam, mas é usual ser aceito o seguinte:
Glicemia de jejum normal: entre 60 e 99 mg/dL
Glicemia de jejum alta ou hiperglicemia: igual ou superior a 100
mg/dL. Quando os valores de glicemia em jejum se encontram entre
os 100 e os 125 mg/dL, o indivíduo pode ter pré-diabetes, ou seja,
ainda não tem diabetes, mas tem um risco aumentado de a
desenvolver.
Diabetes: igual ou superior a 126 mg/dL.
Glicemia de jejum baixa ou hipoglicemia: igual ou inferior a 60
mg/dL.
o Ureia: Ureia e creatinina são duas substâncias presentes na corrente
sanguínea, que podem ser dosadas através de exames de sangue quando se
pretende fazer uma avaliação da função dos rins. Elevações dos valores
dessas duas substâncias são a principal forma de se diagnosticar
precocemente doenças renais. Mesmo a ureia não tendo a boa
especificidade para diagnosticar mudanças da função renal geral, ela é mais
sensível a alterações primárias das condições renais que a creatinina, por
isso é um marcador que tem forte importância em casos que envolvam esta
condição. Os valores da ureia estão aumentados em casos de insuficiência
renal aguda ou crônica, choque, insuficiência cardíaca congestiva,
desidratação acentuada, catabolismo proteico aumentado, perda muscular,
alguns medicamentos também podem causar aumentos da ureia
12

13

(tetraciclinas com uso de diuréticos, é um caso).Já valores reduzidos da
ureia são referidos em casos de gravidez (segundo trimestre), diminuição
do consumo de proteínas, uso de reposição de fluidos intravenosa,
insuficiência hepática severa, infância, desnutrição, certos medicamentos,
entre eles, hormônios anabolizantes, estreptomicina, cloranfenicol. Os
valores de referência para ureia, no exame por dosagem sérica são entre 10
e 45 mg/dL.
o Creatinina: Como já destacado acima, a medida da creatinina é um
importante indicador para doenças dos rins. A creatinina é uma substância
inócua no sangue, sendo produzida e eliminada de forma constante pelo
organismo. Se o paciente mantém sua massa muscular mais ou menos
estável, mas apresenta um aumento dos níveis de creatinina sanguínea, isso
é um forte sinal de que o seu processo de eliminação do corpo está
comprometido, ou seja, os rins estão com algum problema para excretá-la.
Se os rins não estão conseguindo eliminar a creatinina produzida
diariamente pelos músculos, eles provavelmente também estarão tendo
problemas para eliminar diversas outras substâncias do nosso metabolismo,
incluindo toxinas. Portanto, um aumento da concentração de creatinina no
sangue é um sinal de insuficiência renal. Perceba que é necessária a perda
da função renal em pelo menos 50% para que ocorra elevação dos níveis de
creatinina, desidratação e choque, obstrução do trato urinário, intoxicação
com metanol, doenças musculares (rabdomiólise, gigantismo, acromegalia,
etc.). Valores diminuídos de creatinina são indicativos de debilitação,
gravidez, massa muscular reduzida, etc. Os valores de referência para esse
exame são de 0,6 a 1,5 mg/dL.
o Ácido úrico: A dosagem de ácido úrico no sangue é pedida para detectar
níveis altos observados em pessoas com gota, um tipo de artrite. O exame
também é usado para monitorar o nível de ácido úrico em pessoas
submetidas à quimioterapia ou à radioterapia. Níveis altos de ácido úrico no
sangue (hiperuricemia) podem ser causados por produção excessiva de
ácido úrico ou por eliminação deficiente. Causas de produção excessiva
incluem câncer metastático, mieloma múltiplo, leucemias, linfomas,
anemias hemolíticas, policitemia, quimioterapia, radioterapia, alguns
medicamentos, dieta rica em proteínas e alguns distúrbios hereditários.
Diminuição da excreção ocorre com doenças renais, acidose, toxemia da
gravidez, alcoolismo e com o uso de alguns medicamentos, em especial
diuréticos. O aumento da concentração de ácido úrico no sangue está
relacionado com a formação de cristais em articulações (gota) ou nos rins
(nefropatiaúrica). Níveis baixos de ácido úrico são observados com menos
frequência e não têm importância clínica. Podem estar associados a alguns
distúrbios, como determinados tipos de doença hepática ou renal, como a
13

14

síndrome de Fanconi, exposição a algumas substâncias e alguns erros do
metabolismo, como a doença de Wilson. Mesmo assim, a dosagem de ácido
úrico não é usada nesses casos para diagnóstico nem para
acompanhamento. Os valores de referência para dosagem sérica são entre
3,4 e 7,0 mg/dL(masculino) e 2,4 e 5,7 mg/dL (feminino).
o Colesterol (total e frações ­ LDL, HDL e VLDL): Exame de sangue que mede
as taxas de colesterol e de suas frações ­ HDL (o "colesterol bom"), LDL (o
"colesterol ruim") e triglicerídeos ­ na corrente sanguínea. Produzida pelo
fígado, essa substância está envolvida em diversos processos vitais do
organismo e seu excesso no sangue está relacionado a um maior risco de
desenvolvimento de doenças cardiovasculares. É necessário jejum (de 3 a
12 horas, dependendo da idade). É recomendável evitar excesso de comida
gordurosa nas últimas 48 horas e o uso de álcool nas últimas 72 horas antes
do exame. O uso de remédios deve ser informado. No exame, vários
resultados são apresentados:
Colesterol Total: O colesterol é o principal componente associado à
avaliação de risco da doença coronariana. Níveis elevados se
associam a maior risco de aterosclerose. Está aumentado na
hipercolesterolemia primária e nas secundárias: síndrome nefrótica,
hipotireoidismo, diabetes mellitus, cirrose biliar, hipoalbuminemia,
etc. Poderá estar diminuído na desnutrição e no hipertireoidismo.
Os valores de referência mudam, mas é aceito como recomendável
até 200 mg/dL. Acima de 239 mg/dL é considerado colesterol
elevado. O colesterol total e as suas frações podem ser agrupados
através da fórmula de Friedewald (válida apenas para valores de
triglicerídeos abaixo de 400mg/dl): Colesterol total = LDL+ (
Triglicerídeos / 5 + HDL)
Colesterol HDL: A fração alfa (HDL) do colesterol é protetora contra
doença arterial coronariana segundo grande número de estudos
populacionais, portanto, avalia o risco de doença aterosclerótica.
São aceitos como valores aceitáveis acima de 40 mg/dL.
Colesterol VLDL: é a sigla para lipoproteínas de densidade muito
baixa. Seu valor de referência aceitável é abaixo de 40 mg/dL.
Colesterol LDL: Os níveis elevados de LDL colesterol estão
associados com risco aumentado da doença arterial coronariana. As
lipoproteínas de baixa densidade são as principais proteínas de
transporte do colesterol. Seus níveis também se elevam na
síndrome nefrótica, hipotireoidismo e icterícia obstrutiva. Não tem
valor quando os triglicérides estiverem acima de 400 mg/dL. Os
valores de referência aceitos são abaixo de 129 mg/dL, sendo que
acima de 160 mg/dL é um valor elevado.
14

15

o Triglicerídeos: A medida dos triglicerídeos no sangue em geral é
apresentada junto com os valores de colesterol e usada para avaliar o risco
de doença cardíaca. Como parte do perfil lipídico, pode ser usada para
monitorar pessoas com fatores de risco de doença cardíaca e aquelas que
tiveram infarto do miocárdio ou que estão sendo tratadas por causa de
níveis altos de triglicerídeos. Os valores de referência são abaixo de 150
mg/dL, sendo que acima de 200 mg/dL é considerado elevado. Geralmente
se avalia colesterol e triglicérides juntamente.
o Gama-GT: O exame gama GT, gama glutamiltransferase, gama
glutamiltranspeptidase ou GGT é o exame de sangue no qual são dosados
os níveis da enzima gama glutamiltransferase, que é encontrada em vários
locais no organismo como fígado, pâncreas, rins e cérebro. Devido à sua
localização nas células do fígado e dos ductos biliares, essa enzima aparece
elevada em vários distúrbios do fígado (hepáticos). Sendo assim, esse
exame é usado, principalmente, para auxiliar o diagnóstico de alterações
hepáticas, como no caso da hepatite, cirrose, pancreatite, câncer no fígado,
hipertiroidismo e obesidade patológica. Também é usado para avaliação de
desordens no fígado causadas por medicamentos e no acompanhamento
do tratamento do alcoolismo, uma vez que essa enzima eleva-se
rapidamente quando há a ingestão de bebida alcoólica. Existem muitas
causas para o Gama-GT estar alterado a mais frequente e mais importante
é a inflamação (hepatite) no fígado decorrente de uso ou abuso de
substâncias químicas, sendo o álcool (abuso de bebidas alcoólicas) o mais
importante (qualquer droga ou remédio pode causar).Quanto mais alto o
valor de Gama-GT maior é o grau de inflamação hepática (refere-se a
gravidade da lesão, mas não é uma escala linear). Os valores de referência
são entre 10 e 71 u/L para homens e entre 6 e 42 u/L para mulheres
(repita-se novamente que os valores mudam de laboratório para
laboratório).
o Fosfatase alcalina: A fosfatase alcalina (FA) é definida como uma hidrolase,
ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de
uma distinta gama de moléculas, abrangendo nucleotídeos, proteínas e
alcaloides. Como indica o próprio nome, esta enzima é mais ativa em
soluções alcalinas. A desfosforilação o processo de retirada desses grupos
fosfatos. A FA é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por
exemplo, os ossos, fígado e placenta. Produzida por vários órgãos e tecidos,
como o fígado, ossos, intestinos e até placenta, por exemplo, a fosfatase
alcalina é encontrada normalmente no sangue de pessoas sadias. Sua
dosagem é geralmente utilizada para o diagnóstico de doenças hepáticas,
pois o aumento de seus níveis pode indicar lesão hepática canalicular
(colestase, hepatite, etc). A fosfatase alcalina também pode aumentar
15

16

sempre que aumenta a atividade das células ósseas (por exemplo, durante
o período de crescimento ou depois de uma fratura) ou como resultado de
doenças ósseas, que incluem a osteomalacia, o câncer ósseo, e a doença de
Paget. A dosagem de fosfatase alcalina é feita no sangue. Ela possui duas
isoenzimas: uma de origem hepática que avalia de maneira significativa os
casos de obstrução biliar e outra de origem óssea que avalia as doenças que
afetam a atividade osteoblástica. Para a realização do exame, o paciente
deve estar preferencialmente de jejum de quatro horas, evitar ingestão de
álcool 72 horas antes do exame e manter o uso de remédios apenas se não
puderem ser interrompidos. Os valores de referência para a dosagem sérica
são entre 40 e 129 u/L para homens e entre 35 e 104 u/L para mulheres.
o Transaminases (TGO/TGP): Os exames de TGO e TGP têm como utilidade o
diagnóstico diferencial de doenças do sistema hepatobiliar e do pâncreas
(TGO e TGP) ou colaborar com a identificação de infarto de miocárdio e
miopatias (TGP). Sempre que uma célula que contenha TGO ou TGP sofre
uma lesão, essas enzimas escapam para o sangue, aumentando a sua
concentração sanguínea. Deste modo, lesões aos tecidos ricos nestas
enzimas (coração - infarto do miocárdio; fígado - hepatites ou lesões
musculares) causam um aumento dos níveis sanguíneos de TGO e TGP.As
duas enzimas surgem em quantidades bastante semelhantes nas células do
fígado, por isso, as doenças hepáticas decorrem com aumentos de níveis
tanto da TGO quanto da TGP. Os valores de referência são:
TGO: ou Aspartato Aminotransferase (AST/TGO), entre 6 e 38 u/L.
TGP: ou Alanina Aminotransferase (ALT/TGP), entre 11 e 39 u/L.
o Bilirrubinas (total e frações): As bilirrubinas são medidas (dosadas) para
avaliar anemias hemolíticas ou doenças hepáticas e das vias biliares.
Quando os níveis de bilirrubina estão elevados, a pele e a parte branca dos
olhos podem aparecer amarelo (icterícia). Icterícia pode ser causada por
doença hepática (hepatite), desordens hematológicas (anemia hemolítica),
ou bloqueio dos tubos (ductos biliares), que permitem a passagem de bílis
do fígado ao intestino delgado. É útil no diagnóstico e na evolução das
icterícias, das anemias e da obstrução biliar. No exame devem vir os valores
abaixo:
Bilirrubina Direta: ou conjugada, dissolve-se em água (solúvel). É
produzida no fígado a partir de bilirrubina indireta. Seus valores de
referência são até 0,3 mg/dL.
Bilirrubina Indireta: Este tipo de bilirrubina não se dissolve em água
(insolúvel). Percorre a corrente sanguínea até o fígado, onde é
transformada em uma forma solúvel (direta ou conjugada).É
avaliada apenas indiretamente, pela subtração da bilirrubina direta
da bilirrubina total.
16

17

Bilirrubina Total: o valor de referência é entre 0,3 e 1,0 mg/dl.
o Sorologia para doença de Chagas: existem alguns métodos para detectar a
doença de Chagas na fase crônica, sendo estes baseados na presença de
anticorpos contra o Tripanossoma Cruzi (IgG). È recomendável usar duas
metodologias para esse teste, sendo que as mais comuns são
Imunofluorescência Indireta (IFI), ELISA e Hemoaglutinação (HE). O exame
deve vir como não reagente, demonstrando que o candidato não possui a
doença.
o VDRL (ou sorologia para sífilis): O teste VDRL, sigla de Veneral Disease
Research Laboratory, é um teste laboratorial que permite a identificação de
pacientes portadores da sífilis, uma doença de transmissão sexual, causada
pela espiroqueta Treponema pallidium. Comumente, um teste VDRL
negativo significa que o indivíduo nunca entrou em contato com o agente
etiológico da sífilis. Contudo, em indivíduos que se estão em estágio
avançado da moléstia, o resultado do VDRL dará negativo com frequência,
sendo este denominado resultado falso-negativo, devido à presença de
grande quantidade de reaginas, não havendo a ocorrência de uma reação
equilibrada. Contrariamente, também pode acontecer do resultado do
teste fornecer resultado positivo na ausência da doença, chamado de
resultado falso-positivo. Embora esta situação não seja comum, pode
ocorrer em indivíduos que apresentem outro quadro patológico, como:
brucelose, lepra, hepatite, malária, asma, gripe, tuberculose, câncer,
diabetes e doenças autoimunes que também liberam antígenos que
resultam na produção de reaginas. O resultado deve vir como sendo não
reagente.
o Perfil sorológico para hepatite B (incluindo obrigatoriamente: HBsAg,
HBeAg, AntiHBc (IgM e IgG), AntiHBe, AntiHBs): Este é um dos exames que
costumam mais levar a erros dos candidatos, por ser necessário se
apresentar vários testes diferentes e com nomenclatura parecida. Diversos
sistemas antígeno-anticorpo são associados com a infecção pelo vírus da
Hepatite B (HBV). Vejamos então, separadamente, o que é obrigatório
aparecer nos resultados:
HBsAg: formalmente chamado de antígeno austrália, é um
determinante antigênico encontrado na superfície do vírus e que
pode pode ser identificado no soro uma a três semanas após a
exposição ao HBV, persistindo por períodos variáveis. O HBsAg não é
infeccioso; somente o vírus completo é infeccioso. Entretanto,
quando o HBsAg está presente no sangue, o vírus completo também
está e indica que a pessoa está infectada (podendo ser uma infecção
aguda ou crônica) e pode transmitir o HBV. O resultado deve ser não
reagente, que geralmente é equivalente a < 1,0 COI.
17

18





HBeAg: é uma proteína solúvel também contida no centro do HBV. É
detectável no soro de pessoas com altos títulos virais e indica alta
infectividade. Deve vir como não reagente.
AntiHbcIgM: indica infecção recente pelo HBV e é o melhor
marcador sorológico da infecção aguda. Deve vir não reagente.
AntiHbcIgG: também chamado de anti-HBC total. Deve vir não
reagente.
AntiHBe: O anticorpo anti-HBeAg se torna detectável quando o
HBeAg desaparece e é associado a baixa infectividade do soro.
Também deve vir como não reagente.
AntiHBs: O anticorpo anti-HBsAg se desenvolve após a infecção
aguda pelo HBV (durante a convalescência) ou após a vacinação
contra a Hepatite B. A presença do anti-HBsAg indica imunidade à
Hepatite B. Uma titulagem superior a 10 mIU/mL é considerada
indicativa de imunidade. É comum as pessoas se confundirem com o
resultado desse exame, mas se a pessoa teve a doença ou recebeu a
doença, ela aparecerá como reagente. Assim, deve vir como não
reagente, mas caso apena esse venha como reagente é sinal de que
a pessoa se vacinou apenas, não sendo problema.
o Sorologia para Hepatite C (Anti HVC): ao contrário da Hepatite B, somente
um exame e um resultado para a Hepatite C, que deve vir não reagente no
resultado.
o Tipagem sanguínea (grupo ABO e fator Rh): apenas para identificar qual
tipo de sangue o candidato possui (A, B, AB, O) e seu Rh (positivo ou
negativo). Não importa o resultado para a aprovação.
Exames de Urina: De preferência, deve-se colher a primeira urina da manhã, em
recipiente estéril, em geral fornecido pelo laboratório que procederá a análise.
Comumente é usada a primeira urina da manhã, mas isso não é obrigatório e a
urina pode ser coletada em qualquer período do dia. A urina deve ser levada ao
laboratório dentro de uma hora após ser coletada e se isso não for possível deve
ser mantida sob refrigeração, pelo prazo máximo de seis horas. O primeiro jato
deve ser desprezado e serve para eliminar as impurezas que possam estar na
uretra. Colhe-se o jato médio (40-50 ml de urina), desprezando-se também o jato
final. Os homens devem lavar e secar previamente o pênis, com gaze estéril ou
toalha bem limpa eretrair inteiramente o prepúcio. As mulheres devem lavar a
região genital de frente para trás, enxaguar e secar, também usando gaze estéril ou
toalha limpa e, ao urinar, manter os grandes lábios da vagina afastados, de modo
que a urina seja colhida sem contato com o corpo. O ideal é colher a urina no
próprio laboratório, pois quanto mais fresca estiver a amostra, mais confiáveis
serão seus resultados. Apresenta diversos dados, como análise física (Volume,
Densidade, pH, Cor, Aspecto), análise química (Glicose, Proteinas, Corpos
18

19




Cetônicos, Pigmentos Biliares, Urobilinogênio, Hemoglobina Livre, Nitrito) e análise
microscópica (células epiteliais, leucócitos, hemácias, cilindros), mas é importante
conter obrigatoriamente os seguinte dado:
o Elementos Anormais e Sedimentos (EAS): são os elementos acima citados,
que devem sempre estar ausentes (negativo) e/ou dentro das faixas de
referência.
Exame Parasitológico de Fezes (EPF): deve vir com resultado não visualizados, que
indica que nenhum parasita foi identificado no exame.
Exame Antidrogas: Esse é um dos mais complicados de se fazer, por conta do
preço, pelo fato de não ser encontrado em qualquer lugar quem faça e por conta
da demora do resultado, além do fato de que terá que tirar uma amostra
significativa de cabelo ou pelo para fazer (é comum encontrar pessoas que não
tenham a quantidade necessária para alcançar a janela de 90 dias). Quanto maior o
comprimento do cabelo ou do pelo, maior a janela de detecção do exame, sendo
que o comprimento de pelo é, obviamente, menor do que o de cabelo, para uma
mesma janela de detecção. Não deixe para fazer esse exame por último e
principalmente não deixe para fazer em cima da data, sob pena de não ter o
resultado em tempo hábil. Geralmente demora cerca de 20 dias para o resultado,
pois a maior parte dos laboratórios mandam para o exterior para a análise.
Entretanto, existe um laboratório que faz no Brasil o teste, que é o laboratório
Contraprova (http://www.contraprova.com.br/). Assim, se estiver em cima da
data, faça por esse laboratório. Porém, fique ciente de que a coleta do material
para o exame deve ser feita pela equipe do laboratório, não sendo possível coletar
e mandar para a análise. O laboratório possui parceiros em outros locais do país. Já
vi até casos de agendarem para coletar o material no aeroporto e o candidato vir
para isso e depois voltar em seguida. Enfim, não dê bobeira com a realização desse
exame. E fica a dica para quem tem o corpo raspado para começar a deixar os
pelos crescerem. É exigido um exame com janela de detecção mínima de 90
(noventa) dias realizado por meio de amostra de queratina para detecção de:
o Maconha e Metabólicos do delta-9 THC: Desnecessário dizer que o
resultado de todos os exames antidrogas devem ser negativos. Geralmente
aparece como Carboxy THC e outras denominações. O importante é que o
resultado especifique que o resultado foi negativo para Maconha, já que
para chegar a esse resultado é necessário analisar os metabólicos.
o Cocaína: nesse grupo os laboratórios costumam analisar além da própria
cocaína os compostos benzoilecgonina, norcocaína e cocaetileno.
o Anfetaminas (inclusive metabólitos e seus derivados): aqui costuma
aparecer o resultado da análise dos seguintes compostos: ecstasy (MDMA),
ecstasy (MDA), além da descrição genérica de anfetaminas.
o Opiáceos: inclui-se aqui a análise de codeína, morfina e heroína (6MAM).

19

20





o Observação: os exames das substâncias especificadas no edital devem
todos ser apresentados. A apresentação dos resultados muda de
laboratório para laboratório, sendo que alguns analisam ainda substâncias
como PCP (fenilciclidina, pó de anjo ou poeira da lua). Confira com atenção
se no resultado estão listados todos os testes exigidos. De preferência,
antes de pedir o exame leve o edital e certifique-se que o laboratório sabe
o que tem que fazer para o concurso em específico.
Exames Neurológicos: compostos por:
o Eletroencefalograma (EEG): a principal função desse exame é avaliar
epilepsia, mas também atesta a existência de outras doenças neurológicas e
psiquiátricas. No laudo do exame costuma aparecer, quando está tudo
correto, observações como "não foram registrados grafoelementos
patológicos", "a atividade cerebral de repouso mostra-se regular", ou
mesmo simplesmente "sem alterações patológicas". De qualquer maneira,
o exame deve ser analisado pelo neurologista (também neurocirurgiões
podem laudar os exames neurológicos).
o Laudo descritivo e conclusivo de consulta médica realizada por médico
especialista (neurologista), que deve adicional e obrigatoriamente citar o
resultado do eletroencefalograma realizado: após realizar o
eletroencefalograma, deve-se realizar a consulta com o neurologista (ou
neurocirurgião), que deve atestar a saúde do candidato, citando
obrigatoriamente o eletroencefalograma. É suficiente que se ateste, por
exemplo, da seguinte maneira "Declaro para os devidos fins que o
candidato XXX não apresenta alterações neurológicas, como verificado por
exame clínico e pelo eletroencefalograma".
Exames Cardiológicos: contendo o seguinte:
o Eletrocardiograma (ECG), com laudo: além do resultado do exame em si,
que são as linhas registradas no papel, deve vir um laudo, nem que seja no
próprio papel do resultado, dizendo que está tudo regular, sem alterações
patológicas, etc. No eletrocardiograma, obviamente, são detectadas
doenças do coração O exame pode detectar arritmias, aumento de
cavidades cardíacas, patologias coronarianas, infarto do miocárdio, entre
outros diagnósticos. É comum aparecer pequenas variações registradas no
resultado do exame, que devem ser checadas com o médico que fará a
avaliação cardiológica. Lembrando que o médico deve citar o resultado do
ECG e do Doppler no seu laudo.
o Ecocardiograma bidimensional com Doppler, com laudo: A ecocardiografia
ou ecocardiograma bidimensional com doppler é um exame de ultrassom,
no qual as imagens do coração, captadas por um transdutor colocado sobre
o tórax do paciente, são transmitidas para um monitor. É um método
diagnóstico muito utilizado em cardiologia para a detecção de alterações
20

21



estruturais e/ou funcionais do coração. Geralmente se utiliza para detectar
problemas mais sérios, ou para elucidar o resultado do eletrocardiograma.
O laudo deve acompanhar o resultado, que é composto por diversas
imagens do ultrassom. Quando tudo está normal, o laudo apresenta
indicações como "regular", "sem alterações", "dentro do esperado para a
faixa etária", etc. É comum que no laudo venha a análise de diversos fatores
como espessura, função contrátil, valvas, fluxo pulmonar, fluxo mitral, fluxo
aórtico, etc. Espera-se que em cada um desses resultados esteja tudo
atestado como regular.
o Laudo descritivo e conclusivo de consulta médica realizada por médico
especialista (cardiologista), que deve adicional e obrigatoriamente citar os
resultados dos dois exames acima: o laudo deve conter o resultado da
avaliação clínica e dos exames, que devem ser apresentados ao
cardiologista na consulta. É suficiente um texto parecido com este: "Atesto
para os devidos fins que o candidato XXX apresenta-se com condições
cardiológicas normais, como verificado por exame clínico, ECG e
ecocardiograma".
Exames Pulmonares: são dois resultado a serem apresentados. Aqui não é preciso
marcar consulta com o especialista, mas os exames devem vir com laudo.
o Radiografia de tórax em projeções póstero-anterior (PA) e perfil esquerdo,
com laudo (que deve obrigatoriamente avaliar a área cardíaca): o exame
deve ser apresentado com as folhas da radiografia e o laudo, que deve
constar Raio X póstero-anterior (PA, que é a visualização básica do raio x do
tórax - O póstero-anterior refere-se à direção do Raios X atravessando o
paciente da frente para trás e esta imagem é tirada com o paciente na
vertical, praticamente em pé, em plena inspiração, ou seja, com os pulmões
cheios de ar) e o raio x perfil esquerdo (A radiografia torácica lateral é
tirada com o lado esquerdo do tórax do paciente encostado no filme do
raios X - lado esquerdo ao invés do direito para fazer o coração aparecer
mais nítido e menos ampliado, já que ele fica mais próximo do lado
esquerdo do peito). Além das imagens, deve constar o laudo, com o nome
do candidato e a observação de que as radiografias PA e perfil esquerdo
não apresentaram alterações, ou que estão dentro da normalidade, etc.
Como não será feita consulta com o especialista, preste bastante atenção
no que está escrito no laudo. É comum vir da seguinte forma: "RX Tórax PA
e P ­ ausências de lesões pulmonares, seios costo-frênicos livres, área
cardíaca normal".
o Prova de função pulmonar (espirometria), com e sem broncodilatador,
com laudo: A espirometria é um teste que mede quantidade de ar que
entra e sai dos pulmões. Este teste pode ser realizado no consultório do
especialista; é um exame simples na aparência, mas diversos requisitos
21

22



precisam ser preenchidos para um teste adequado. O paciente senta-se em
frente à máquina de espirometria que é ligada a um computador que mede
o volume e o fluxo de ar que passa pela porta de entrada do sistema; o
dispositivo tem um bocal de papelão ligado a um filtro descartável que
retém partículas e bactérias. O paciente coloca o tubo dentro da boca, e
após algumas respirações normais, inala o mais profundamente possível, e
solta o ar o mais rápido que pode, por vários segundos, até que o
computador assinale que não há mais ar para sair. No mínimo três
manobras adequadas devem ser feitas e o melhor resultado é usado para
avaliação. Múltiplas medidas são obtidas desta manobra. As mais usadas
são: a quantidade de ar eliminada após se encher o pulmão ao máximo e
esvaziar o máximo ­ Capacidade Vital Forçada (CVF), o volume eliminado no
1º. segundo da expiração forçada (VEF1) e alguns fluxos instantâneos
obtidos em certos volumes da CVF. Doentes com asma e DPOC com
obstrução dos brônquios esvaziam mais lentamente os pulmões, tendo
VEF1 reduzido. Estes valores são expressos como porcentagens em
comparação a valores previstos derivados para a população brasileira, que
variam com a estatura, idade, raça e sexo. Embora seja exigido pelo edital,
é desnecessário se repetir a espirometria com o broncodilatador se o
resultado do exame sem o broncodilatador não apresentar qualquer
variação. O uso do broncodilatador é recomendado para os casos de asmas,
para determinar a extensão desta. De qualquer maneira, para evitar
problemas, se durante o exame puder solicitar que seja feito com o
broncodilatador, faça assim ­ mas não costumam criar caso com isso no
exame. O laudo deve apresentar alguma indicação como "espirometria
normal".
Exames Oftalmológicos: Este também é fonte comum de erros dos candidatos, por
conta da grande quantidade de exames que deve constar no laudo (e da usual
preguiça dos médicos que o fazem). Antes de sair do oftalmo confira se tudo está
registrado corretamente e se não está marcado nada fora do normal nos
resultados. O resultado deve ser composto por:
o Laudo descritivo e conclusivo de consulta médica realizada por
especialista (oftalmologista) que deve adicional e obrigatoriamente citar o
resultado dos testes abaixo: o oftalmo deve escrever um laudo no qual
atesta que examinou o candidato e que este encontra-se com condições
normais do ponto de vista oftalmológico e, além disso, deve
necessariamente apresentar os resultados dos exames a seguir, todos,
obviamente, dentro dos parâmetros esperados:
o Acuidade visual sem correção: Acuidade Visual é o grau de aptidão do olho,
para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a
forma e o contorno dos objetos. Simplificando mais, seria o nível de
22

23

"nitidez" com que o olho consegue enxergar. O "exame de vista" é realizado
geralmente pedindo-se que o candidato leia algo em linhas nas quais o
tamanho das letra fica cada vez menor (Tabela de Snellen) e determinandose sua acuidade visual baseado na menor letra que ele foi capaz de
enxergar. A acuidade é marcada com dois números (por exemplo, 20/40). O
primeiro número representa a distância de teste em pés entre o quadro e o
paciente, e o segundo representa a fileira menor das letras que o olho do
paciente pode ler. Por convenção, a visão é medida na distância de 20 pés
(6 metros). A acuidade visual sem correção é medida sem lentes, óculos,
etc., mesmo que a pessoa necessite destes para ver. Se o candidato
conseguir 20/20 em ambos os olhos, é desnecessário fazer a medida com
correção, pois, obviamente, ele não precisa de correção nenhuma. O
resultado desse teste não importa ­ eu mesmo consigo ver apenas as
maiores letras (equivalente a 20/200) e mesmo assim fui aprovado mais de
uma vez em exames médicos do CESPE.
o Acuidade visual com correção: só deve ser avaliada para candidatos que
não enxergam 20/20 sem correção. Novamente, o teste é refeito e o
candidato deve enxergar, obrigatoriamente, a linha 20/20 com um olho
pelo menos e no mínimo a linha 20/40 com o outro, para ser aprovado.
Para exemplificar melhor esta questão, que cria várias dúvidas, veja a figura
abaixo. Com correção, é obrigatório enxergar a linha 20/20 com pelo
menos um olho e com o outro deve-se ver, pelo menos, a linha 20/40.
Pessoas que tenham, por exemplo, 7 graus de miopia, ainda assim devem
enxergar o suficiente, com correção, para passar no teste. Logo, se seu grau
é alto, não é motivo de preocupação, desde que enxergue bem de óculos. O
resultado deve obrigatoriamente constar os valores para o olho direito e
olho esquerdo.

23

24

o Tonometria: Tonometria é a medição da pressão interna do globo ocular.
As variações da pressão intraocular são devidas ao humor aquoso, um
líquido que fica contido entre a íris e a córnea, constituído por 98% de água
e 2% de sais, o qual é continuamente produzido e eliminado pelo
organismo. É a quantidade desse líquido que dá a pressão intraocular. Se
houver um desequilíbrio no mecanismo de produção/eliminação dele a
pressão intraocular varia, geralmente aumentando. O teste indica
possibilidade de doenças como glaucoma e outras enfermidades como
tumores de íris, por exemplo, nas quais a pressão intraocular costuma ser
elevada. Também no caso de a pessoa ter passado por cirurgias, como as de
catarata, o valor pode estar alterado. O resultado do exame é fornecido em
milímetros de mercúrio (mmHg). A pressão normal varia entre 10 e 20
mmHg. Se o exame indicar pressão muito alta, isso requererá providências
médicas urgentes porque as células nervosas receptoras da retina podem
ser danificadas por compressão e deixarem de funcionar, levando à
cegueira.
o Biomicroscopia: Realizado com o auxílio do biomicroscópio, também
conhecido como lâmpada de fenda. É parte integrante do exame de rotina
e permite a inspeção das estruturas do segmento anterior (íris, aquoso,
cristalino e suas cápsulas) e parte do segmento posterior (vítreo anterior e
retina) através de lentes apropriadas, com excelente aumento e iluminação
adequada. É parte integrante do exame oftalmológico de rotina. Deve-se
dilatar a pupila para o correto exame. O resultado deve vir como normal,
sem alterações, etc.
24

25

o Fundoscopia: a análise do fundo do olho deve ser feita durante a
biomicroscopia, sendo que o resultado deve ser explicitado como sendo
normal para o fundo do olho (F.O.) também. Atente-se para esse detalhe,
pois alguns oftalmos podem achar que seja suficiente dizer que a
biomicroscopia está normal, mas é melhor explicitar o resultado da
fundoscopia.
o Motricidade ocular: O exame de motricidade ocular tem como objetivo
detectar alterações da movimentação ocular podendo diagnosticar o
estrabismo (desvio ocular) e/ou déficit de convergência. O teste também é
chamado de motilidade ocular, que é a mesma coisa. Logo, o médico deve
escrever no laudo que sua motricidade ocular (ou sua motilidade ocular) é
normal.
o Senso cromático (teste completo de Ishihara): teste que verifica se o
candidato não possui daltonismo, ou seja, se enxerga adequadamente as
cores. O daltonismo e doenças do nervo óptico causam confusão no eixo
verde/vermelho e as doenças adquiridas na mácula tendem alterar a
percepção de azul/amarelho. O exame consiste na exibição de uma série de
cartões coloridos, cada um contendo vários círculos feitos de cores
ligeiramente diferentes das cores daqueles situados nas proximidades.
Seguindo o mesmo padrão, alguns círculos estão agrupados no meio do
cartão de forma a exibir um número que somente será visível pelas pessoas
que possuírem visão normal. Vide a figura abaixo. Deve ser registrado no
laudo que o candidato possui o senso cromático normal.

o Medida do campo visual por meio de campimetria computadorizada, com
laudo: este exame é novidade nos concurso da PF, tendo sido exigido pela
primeira vez no concurso anterior. Por isso, atente-se para não esquecer de
fazê-lo, pois precisa ser realizado às vezes em momento anterior à consulta
com o oftalmo. A campimetria computadorizada avalia os defeitos do
campo visual e escotomas (áreas sem visão) causadas por algumas
patologias. A indicação mais frequente é para avaliação do dano do nervo
óptico pelo glaucoma. Além do próprio resultado do exame, deve vir o
laudo dizendo que está tudo normal. E o laudo deve ser citado pelo
oftalmologista no laudo da avaliação oftalmológica.

25

26





Exames Otorrinolaringológicos: compostos por:
o Laudo descritivo e conclusivo de consulta médica realizada por médico
especialista
(otorrinolaringologista),
que
deve
adicional
e
obrigatoriamente citar o resultado da audiometria: deve-se fazer primeiro
a audiometria e depois marcar a consulta com o otorrinolaringologista para
que ele faça essa avaliação e diga que está tudo normal, inclusive na
audiometria. É usual que o otorrino observe desvios de septo leves, que
podem ser registrados no laudo sem problemas, visto que não se reprova
por desvios leves. Mas desvios acentuados são motivos de reprovação e
darão problema ao candidato se for registrado no laudo.
o Audiometria tonal, com laudo: avalia as respostas do paciente a tons
puros, emitidos em diversas frequências, detectando assim o grau e o tipo
de perda auditiva. É considerado um teste subjetivo porque depende da
resposta do examinando aos estímulos auditivos fornecidos pelo
examinador. Dessa maneira, um mesmo candidato pode ter resultados
diferentes se fizer o mesmo exame duas vezes, sendo que em locais mais
criteriosos é mais provável registrar perdas auditivas. O examinando é
colocado numa cabine acústica que visa isolá-lo dos sons ambientais, a qual
tem uma parede de vidro através da qual o examinador pode vê-lo. Quase
todo o exame transcorre em silêncio, salvo as comunicações entre o
paciente e o examinador, para o quê o examinando deverá colocar um fone
de ouvido, acoplado a um pequeno microfone, através do qual ouvirá
certos sons emitidos pelo examinador e deverá responder a eles mediante
sinais gestuais previamente combinados (levantar uma das mãos, por
exemplo). Em uma parte do exame o examinando deverá repetir palavras
emitidas pelo examinador. O resultado da audiometria geralmente é
expresso num audiograma, um gráfico que informa sobre as respostas do
examinando aos diversos sons emitidos. A audiometria deve ser laudada,
ou seja, deve ter um registro de que está tudo normal. Se a audiometria
indicar perdas auditivas maiores que 25 decibéis nas frequências de 500,
1000 e 2000 Hz (hertz) ou perda auditiva maior que 30 (trinta) decibéis
isoladamente nas frequências de 500, 1000 e 2000 Hz, o candidato será
reprovado. Quem lauda o exame é o fonoaudiólogo geralmente. Atente-se
que depois o otorrino deve citar que o resultado foi normal em seu laudo
de análise clínica.
Exames de Radiografias: além dos exames de raios-X cobrados na parte pulmonar,
devem ser entregues:
o Radiografia das colunas lombar e sacral (lombo-sacra), em projeções
antêro-posterior (AP) e perfil com laudo e medida dos ângulos de Cobbe
(ou) de Ferguson, se e quando houver qualquer desvio nesses segmentos
da coluna vertebral: são duas imagens, uma feita de lado e outra feita
26

27





frontalmente. O laudo deve citar, necessariamente, que foi analisada a
região lombar e a região sacral, ou que foi analisada a lombo-sacra. Atentese para isso, pois em 2012 diversos candidatos foram reprovados
preliminarmente no exame médico por conta desse detalhe, pois embora o
exame tivesse sido feito corretamente, o resultado citou apenas coluna
lombar. O ideal é que não tenha nenhuma alteração, mas se houver desvio
deve ser registrado os ângulos de Cobb e (ou) de Ferguson. O ângulo de
Cobb é uma medida mundialmente utilizada para quantificar a angulação
frontal da escoliose em uma radiografia de incidência A-P. A tomada de
decisão em relação ao tratamento baseia-se no grau e na progressão da
curvatura da escoliose, sendo que a gravidade da escoliose é diretamente
proporcional à angulação da curva. Geralmente se considera normal até 10
graus, sendo que 20 graus é considerado escoliose leve. Para o concurso, o
ideal é não aparecer desvio, mas se tiver, que seja até 10 graus de Cobb (se
tiver dúvidas sobre como esse ângulo é medido, veja essa página
http://fisioterapiahumberto.blogspot.com.br/2009/10/o-angulo-decobb.html). Já o ângulo de Ferguson é outro método de medida da
angulação, que também pode ser usada na determinação de desvios da
coluna. Em resumo, é preciso que os laudos de radiografias apareçam como
sem alteração. Quanto às imagens, nem sempre a banca as pega, sendo que
em 2009, por exemplo, apenas os laudos foram pegos pela banca.
Exame de Ecografia: É preciso entregar também a Ecografia de abdome total, com
laudo. Esse resultado apresenta as imagens do ultrassom (pode aparecer no
resultado ultrassom de abdômen total, que é a mesma coisa) e deve apresentar o
laudo, atestando estar tudo dentro da normalidade. É usual no laudo constar
informações como descrições do baço, rim, vias biliares, fígado, bexiga e outros
órgãos pélvicos.
Exame Psiquiátrico: laudo descritivo e conclusivo de consulta médica psiquiátrica
realizada por médico especialista (psiquiatra), que deve obrigatoriamente citar:
consciência, orientação, atenção, pensamento (curso, forma e conteúdo),
memória, senso-percepção, humor/afeto, cognição/inteligência, capacidade de
tirocínio e juízo crítico, linguagem, uso (ou não) de medicamentos psicotrópicos
(psicofármacos), que deve obrigatoriamente seguir modelo constante abaixo. Este
é mais um dos exames que dão dor de cabeça, pois os psiquiatras dizem que não
podem laudar sem fazer diversas consultas, sem conhecer o candidato, etc. Sendo
pragmático, veja com colegas que já fizeram o exame e que não tiveram problemas
indicações de psiquiatras, de preferências que façam o laudo conforme o exigido,
que está abaixo.

27

28

1.9 ­ O QUE É ESSENCIAL APRESENTAR NO EXAME MÉDICO?

R: É obrigação básica de todo candidato sério fazer um check-list antes de entregar os
exames, seguindo o edital, mas vamos ajudar nessa tarefa. Para ser aprovado direto e
sem ter dor de cabeça, deve-se entregar os seguintes resultados e exames, com as
seguintes condições:
1 - Exames clínicos: Todos devem vir com o nome do responsável, seu número
de registro no órgão de classe e assinatura. Podem laudar esses exames
médicos de qualquer especialidade e biomédicos (o órgão de classe nesse caso
é o CRBM e não o CRM).
o Hemograma Completo: deve ter os exames abaixo listados, de
preferência dentro dos valores de referência, que são colocados no
resultado do exame pelo laboratório, geralmente na forma de uma faixa
de valores aceitáveis. Pequenas variações da faixa de referências são
aceitáveis ­ se tiver grandes variações, procure um especialista e se
necessário repita o teste em outras condições.
Eritograma:
28

29



o
o
o
o
o

Eritrócitros (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Hemoglobina (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Hematócrito (verificar se está dentro dos valores de
referência)
VCM (verificar se está dentro dos valores de referência)
HCM (verificar se está dentro dos valores de referência)
CHCM (verificar se está dentro dos valores de referência)
RDW (verificar se está dentro dos valores de referência)
Leucograma:
Leucócitos Totais (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Bastonetes (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Segmentados (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Linfócitos (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Monócitos (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Eosinófilos (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Basófilos (verificar se está dentro dos valores de
referência)
Plaquetas (verificar se está dentro dos valores de referência)
Glicemia de Jejum: verificar se está dentro da faixa de referência, ou
seja, entre 60 e 100 mg/dL.
Ureia: verificar se está dentro da faixa de referência, mas se aceitam
pequenas variações.
Creatinina: verificar se está dentro da faixa de referência, mas se
aceitam pequenas variações.
Ácido Úrico: verificar se está dentro da faixa de referência, mas se
aceitam pequenas variações.
Colesterol: devem apresentar os seguintes resultados:
Colesterol Total: deveestar abaixo dos 200 mg/dL, de
preferência, mas aceita-se pequenas variações. Pode ser
determinado fazendo uma conta em cima dos valores de tipos
de colesterol e do valor de triglicérides.
Colesterol LDL: deve estar abaixo dos 160 mg/dL, de
preferência, mas aceita-se pequenas variações.
29

30



o
o
o
o

o

o

o
o

o
o
o

Colesterol HDL: deve estar acima dos 40 mg/dL, de preferência,
mas aceita-se pequenas variações.
Colesterol VLDL: deve estar abaixo dos 40 mg/dL, de
preferência, mas aceita-se pequenas variações.
Triglicérides(ou triglicerídeos): deve estar abaixo dos 150 mg/dL, mas
aceita-se variações.
Gama-GT: verificar se está dentro da faixa de referência.
Fosfatase Alcalina: verificar se está dentro da faixa de referência.
Transaminases: compreende dois resultados:
TGO (Aspartatoaminotransferase): verificar se está dentro da
faixa de referência.
TGP (Alanina aminotransferase): verificar se está dentro da
faixa de referência.
Bilirrubinas: compreende os seguintes resultados:
Bilirrubina Total: verificar se está dentro da faixa de referência,
mas pequenas variações são aceitáveis.
Bilirrubina Direta: verificar se está dentro da faixa de referência,
mas pequenas variações são aceitáveis.
Bilirrubina Indireta: verificar se está dentro da faixa de
referência, mas pequenas variações são aceitáveis. Esse
resultado é, na verdade, apenas uma conta baseada nos valores
de bilirrubina total ­ bilirrubina direta.
Sorologia para Doença de Chagas: deve apresentar dois exames, sendo
os mais comuns Imunofluorescência Indireta (IFI), ELISA e
Hemoaglutinação (HE), afirmando que o candidato não possui a doença
(resultado negativo ou não reagente).
VDRL (ou sorologia para Sífilis): resultado deve ser negativo ou não
reagente, para a doença.
Perfil Sorológico para Hepatite B: cuidado para não esquecer de
apresentar alguns desses resultados, que são os seguintes:
HBsAg: deve ser não reagente.
HBeAg:deve ser não reagente.
AntiHBcIgM: deve ser não reagente.
Anti HBC IgG: deve ser não reagente.
AntiHBe: deve ser não reagente.
AntiHBs: deve ser não reagente, mas pode ser reagente, acima
de 10 mUI/mL, caso se tenha recebido vacina para Hepatite B.
Sorologia para Hepatite C (Anti HCV): deve ser não reagente.
Tipagem Sanguínea: apresentando um dos valores usuais (A, B, O ou
AB).
Fator Rh: apresentando ou o valor negativo ou positivo.
30

31

o Exame de urina: deve apresentar os valores medidos dentro das faixas
de referência e com o menor número de elementos anormais e
sedimentos registrados. Alguns elementos fora do valor de referência,
porém, não são problema.
o Exame Parasitológico de Fezes (EPF): com resultado sem alterações,
dentro da normalidade, ou dizendo não ter sido visualizado.
Dependendo da alteração, como vermes sem ofensividade, não é
problema também.
2 - Exame Antidrogas: feito com queratina (cabelo ou pelo, ou seja, não pode
ser por sangue) e com a janela de detecção registrada de 90 dias pelo menos (a
janela de detecção depende do tamanho da amostra retirada para o teste)
deve apresentar os seguintes resultados, necessariamente:
o Maconha: negativo.
o Metabólicos do Delta-9-THC (Carboxy THC): negativo.
o Cocaína: negativo.
o Anfetamina e seus derivados (como MDMA, MDA, Ecstasy,
metanfetamina, etc.): negativos.
o Opiáceos (codeína, morfina, heroína, etc.): negativo.
3 ­ Exames Neurológicos:
o Laudo do Neurologista (ou neurocirurgião) dizendo que está tudo
normal e citando o resultado do eletroencefalograma: aqui, como nos
demais laudos de avaliação dos especialistas, cuidar para que conste o
número do CRM, a assinatura e a especialidadedo médico.
o Eletroencefalograma, com laudo: além da folha com os resultados (os
gráficos gerados), deve ter um laudo do neurologista afirmando estar
tudo normal no exame. È possível pedir para o neurologista que fez a
consulta escrever o laudo na folha do exame, colocando seu carimbo
(com CRM e especialidade).
4 ­ Exames Cardiológicos:
o Laudo do Cardiologista dizendo que está tudo normal e citando o
resultado do eletrocardiograma e do ecocardiograma com Doppler:
aqui, como nos demais laudos de avaliação dos especialistas, cuidar
para que conste o número do CRM, a assinatura e a especialidade do
médico.
o Eletrocardiograma, com laudo: além dos resultados (os gráficos
gerados), deve-se ter o laudo atestando estar tudo regular. O médico
que fizer a consulta para dar o laudo pode atestar isso na folha do
exame, se necessário, carimbando com CRM, especialidade e assinando.
o Ecocardiograma bidimensional com Doppler: além das imagens, devese ter o laudo atestando estar tudo regular. O médico que fizer a

31

32

consulta para dar o laudo pode atestar isso na folha do exame, se
necessário, carimbando com CRM, especialidade e assinando.
5 ­ Radiografias:
o Radiografia de tórax em projeções póstero-anterior (PA):ou apenas
Raio X de Tórax PA. Deve ter o laudo do radiologista, atestando estar
tudo normal. No laudo, deve constar a avaliação da área cardíaca, como
estando normal). O médico radiologista deve assinar, colocar seu nome,
CRM e especialidade no laudo.
o Radiografia de Tórax perfil esquerdo (P): ou apenas Raio X P.
Geralmente o laudo vem junto com o do Tórax PA. São duas imagens
distintas, mas pode ser apenas um laudo, citando as duas imagens do
tórax e dizendo estar tudo normal (lembrar de constar a avaliação da
área cardíaca).
o Radiografia das colunas lombar e sacral (lombo-sacra), em
projeçãoantêro-posterior (AP), com laudo: lembrar de fazer constar o
termo lombar e o termo sacral (ou o termo lombo-sacra) no laudo dessa
radiografia e da abaixo. Deve estar laudado pelo radiologista, afirmando
estar tudo normal, ou sem alterações. Se tiver alterações, como
escoliose, verificar se foi registrado o grau de Cobb ou de Ferguson e se
está dentro do padrão exigido pelo edital. Não deve constar outras
variações, como espondilolistese e espondilólise.
o Radiografia das colunas lombar e sacral (lombo-sacra), em perfil (P),
com laudo: pode ter apenas um laudo, junto com a radiografia da
lombo-sacra em AP, mas o laudo deve citar as duas imagens e que está
tudo normal, sem variações. O radiologista deve assinar o laudo,
constando seu CRM e especialidade.
6 ­Prova da função pulmonar (espirometria):
o Sem broncodilatador: é o exame normal, para pessoas sem problemas
pulmonares (como asma). Deve vir com laudo de um médico, não sendo
necessário ser o especialista, nesse caso. Deve ser apresentado com
resultado sem alterações.
o Com broncodilatador: é exigido para pessoas com asma e outros
problemas. Se deu tudo certo sem o broncodilatador, não faz sentido
refazer com ele. Mas, se tiver pegado um médico com boa vontade,
peça para fazer também com o broncodilatador, para evitar problemas
com a banca (embora tenha que ser um avaliador muito burro ou
legalista para implicar, nesse caso). Vale as formalidades acima citadas
quanto ao laudo, sendo que pode ser apresentado em uma mesma
folha os dois resultados.

32

33

7 ­ Ecografia de abdômen total: ou ultrassom de abdômen total. Deve vir com
o laudo do médico afirmando estar tudo normal, além das imagens e dos
resultados usuais nesse tipo de exame.
8 ­Exames Otorrinolaringológicos: devem conter:
o Audiometria Tonal, com laudo: deve vir com o laudo do fonoaudiólogo
afirmando estar regular ou com perdas pequenas em algumas
frequências (consultar quais perdas são permitidas no edital e em
outras partes desse guia).
o Laudo do otorrinolaringologista dizendo que está tudo normal e
citando o resultado da audiometria tonal: aqui, como nos demais
laudos de avaliação dos especialistas, cuidar para que conste o número
do CRM, a assinatura e a especialidade do médico. Pequenos desvios de
septo podem ser registrados, sem problema.
9 ­ Exames Oftalmológicos: compostos por:
o Medida do campo visual por Campimetria computadorizada, com
laudo: o exame deve vir com os resultados e com o laudo do
oftalmologista, dizendo estar tudo normal, sem variações, etc.
o Laudo do Oftalmologista, constando o resultado da campimetria e
necessariamente os resultados dos testes abaixo (lembrar das
formalidades de constar nome, especialidade, CRM e assinatura do
oftalmo):
Acuidade visual sem correção: não importa o valor para ser
aprovado, mas deve constar.
Acuidade visual com correção: não precisa constar se constar
que enxerga 20/20 com ambos olhos sem correção. Se não for o
caso, deve ser, pelo menos de 20/20 em um olho e no mínimo
de 20/40 no outro.
Tonometria: pressão normal dos olhos (próxima a 10 mmHg).
Biomicroscopia: deve constar que foi realizada e que tudo está
normal, sem patologias.
Fundoscopia: deve constar sua realização, afirmando estar tudo
normal. Cuidado para o médico não esquecer esse resultado, por
já ter marcado o da biomicroscopia.
Motricidade ocular: ou motilidade ocular. Deve ser normal.
Senso cromático (teste completo de Ishihara): deve constar que
o senso cromático é normal.
Observação: já citado acima, mas não é demais repetir ­ não se
esqueça de fazer a campimetria e de fazer o médico citá-la nesse
laudo.
10 ­ Exames Psiquiátricos: basicamente o laudo, escrito de acordo com o que
está no edital. Se necessário, imprima uma cópia do texto e leve apenas para o
33

34

médico assinar e colocar seu CRM e especialidade (psiquiatra). Não deixe o
psiquiatra escrever com suas próprias palavras. Se for necessário, procure com
outros colegas que estão fazendo o concurso um psiquiatra que faça no padrão
do edital.

Resumindo, para ficar mais fácil, é preciso preencher o checklist abaixo, no qual se
considera um exame pronto para a entrega quando ele está materialmente (ou seja,
com os resultados citados corretamente e sem observações que possam comprometer
o candidato, como resultados fora da referência e citações de doenças ou desvios
patológicos) e formalmente (ou seja, com o nome do exame correto, com nome do
médico correto, com especialidade do médico no caso dos laudos de especialistas e
assinados) corretos:
1 - Exames clínicos:
o Hemograma Completo
o Glicemia de Jejum
o Ureia
o Creatinina
o Ácido Úrico
o Colesterol
Colesterol Total
Colesterol LDL
Colesterol HDL
Colesterol VLDL
o Triglicérides(ou triglicerídeos)
o Gama-GT
o Fosfatase Alcalina
o Transaminases
TGO (Aspartatoaminotransferase)
TGP (Alanina aminotransferase)
o Bilirrubinas
Bilirrubina Total
Bilirrubina Direta
Bilirrubina Indireta
o Sorologia para Doença de Chagas: dois entreImunofluorescência
Indireta (IFI), ELISA e Hemoaglutinação (HE).
o VDRL (ou sorologia para Sífilis)
o Perfil Sorológico para Hepatite B
HBsAg
HBeAg
34

35
















AntiHBcIgM
Anti HBC IgG
AntiHBe
AntiHBs
o Sorologia para Hepatite C (Anti HCV)
o Tipagem Sanguínea
o Fator Rh
o Exame de urina
o Exame Parasitológico de Fezes (EPF)
2 - Exame Antidrogas
o Maconha
o Metabólicos do Delta-9-THC (Carboxy THC)
o Cocaína
o Anfetamina e seus derivados (como MDMA, MDA, Ecstasy,
metanfetamina, etc.)
o Opiáceos (codeína, morfina, heroína, etc.)
3 ­ Exames Neurológicos:
o Laudo do Neurologista (ou neurocirurgião) dizendo que está tudo
normal e citando o resultado do eletroencefalograma
o Eletroencefalograma, com laudo
4 ­ Exames Cardiológicos:
o Laudo do Cardiologista dizendo que está tudo normal e citando o
resultado do eletrocardiograma e do ecocardiograma com Doppler.
o Eletrocardiograma, com laudo.
o Ecocardiograma bidimensional com Doppler.
5 ­ Radiografias:
o Radiografia de tórax em projeções póstero-anterior (PA)
o Radiografia de Tórax perfil esquerdo (P)
o Radiografia das colunas lombar e sacral (lombo-sacra), em projeção
antêro-posterior (AP), com laudo
o Radiografia das colunas lombar e sacral (lombo-sacra), em perfil (P),
com laudo
6 ­Prova da função pulmonar (espirometria):
o Sem broncodilatador
o Com broncodilatador
7 ­ Ecografia de abdômen total
8 ­ Exames Otorrinolaringológicos
o Audiometria Tonal, com laudo
o Laudo do otorrinolaringologista dizendo que está tudo normal e
citando o resultado da audiometria tonal
9 ­ Exames Oftalmológicos
35

36

o Medida do campo visual por Campimetria computadorizada, com
laudo
o Laudo do Oftalmologista, constando o resultado da campimetria e
necessariamente os resultados dos testes abaixo (lembrar das
formalidades de constar nome, especialidade, CRM e assinatura do
oftalmo)
Acuidade visual sem correção
Acuidade visual com correção: não precisa constar se constar
que enxerga 20/20 com ambos olhos sem correção. Se não for o
caso, deve ser, pelo menos de 20/20 em um olho e no mínimo
de 20/40 no outro.
Tonometria
Biomicroscopia
Fundoscopia
Motricidade ocular
Senso cromático (teste completo de Ishihara)
10 ­ Laudo do Psiquiatra, conforme o modelo do edital

1.10 ­ QUAL

A FORMA CORRETA DE APRESENTAÇÃO À BANCA DOS EXAMES

LABORATORIAIS E COMPLEMENTARES?

R: Nos termos do edital, temos algumas exigências formais:






Os exames médicos, as avaliações clínicas especializadas e outros exames de
complementação e (ou) correção mencionados acima deverão ser realizados a
expensas do candidato e neles deverá constar onome completo do candidato,
que deverá ser conferido quando da avaliação médica.
Em todos os exames médicos, nas avaliações clínicas especializadas e nos
outros exames de complementação e(ou) correção, além do nome do
candidato, deverá constar, obrigatoriamente, aassinatura, a especialidade e o
registro no órgão de classe específico do profissional responsável, sendo
motivo de inautenticidade destes a inobservância ou a omissão do referido
número.
Os exames médicos terão validade de 180 (cento e oitenta) dias.

Explicando melhor como ocorre na prática, vejamos quais formalidades devem ser
necessariamente observadas:


Em todos os exames, certifique-se de que seu nome está escrito corretamente.
Isso envolve observar se não foram abreviados nomes do meio, principalmente.
36

37







Em todos os exames, deve constar o número do registro de classe do
profissional responsável (CRM para os médicos, CRBM para os biomédicos e
CRF para fonoaudiólogos).
Em todos os exames deve constar a especialidade do profissional responsável.
Atente-se especialmente para isso nos laudos de avaliações (do cardiologista,
do neurologista, do oftalmologista, do otorrinolaringologista e do psiquiatra).
Pode ser escrito a mão pelo médico embaixo do carimbo, caso no carimbo não
conste a especialidade. Outra opção é entrar no conselho de classe (CRM
geralmente), ir na busca de profissionais, colocar o número do CRM e imprimir
a folha onde consta a especialidade, grampeando juntamente com o exame. A
banca não é rigorosa quanto à forma como a especialidade é apresentada, mas
é rigorosa quanto à omissão desse dado, especialmente nos laudos de
avaliações (quase certo que se reprove provisoriamente para corrigir o erro
caso não conste a especialidade nesses laudos).
Pode-se entregar exames feitos até 6 meses antes da data de entrega. Ou seja,
exames feitos de novembro de 2014 para cá são válidos para o concurso de
agente 2014, caso já se os tenha por alguma razão (outro concurso, exames de
rotina, etc.). Apenas atente-se para o fato de que os exames devem estar no
padrão exigido pela banca. Ainda pensando em usar os exames em outro
concurso, quando existe essa possibilidade, vale a pena tirar xerox autenticada
dos resultados e ficar com esses resultados, para concursos futuros.

1.11 ­ EXEMPLO DE EXAMES APRESENTADOS EM CONCURSOS ANTERIORES

De forma a demonstrar exemplos de como os exames devem ser apresentados,
coloco as digitalizações dos exames que entreguei no concurso de 2012, no qual fui
aprovado direto, sem ter de refazer nenhum exame. Observe que algumas exigências
mudaram para esse concurso, como a exigência do exame de campimetria e o modelo
de laudo psiquiátrico. Observe também que se trata apenas de um exemplo e que os
valores de referência tem pequenas variações de laboratório para laboratório.

37

38

38

39

39

40

40

41

41

42

42

43

43

44

44

45

45

46

46

47

47

48

48

49

49

50

50

51

51

52

52

53

53

54

54

55

55

56

56

57

57

58

58

59

59

60

60

61

61

62

62

63

63

64

64

65

65

66

66

67

67

68

68

69

69

70

70

71

71

72

72

73

1.12 ­ MODELO DE RECIBOS DA BANCA PARA A ENTREGA DOS EXAMES MÉDICOS

Como se trata de uma lista grande de exames, é comum a banca apresentar um
comprovante de entrega dos exames no dia do exame clínico. Veja os modelos usados
em 2009 e em 2012 para esse comprovante pela banca CESPE.

73

74

74

75

75

76

1.13 ­ QUAIS

OS

PRINCIPAIS

ERROS

COMETIDOS

PELOS

CANDIDATOS

NA

APRESENTAÇÃO DOS EXAMES À BANCA?

R: Existem alguns erros bem comuns, que podem ser evitados com a devida atenção ­
e que farão com que poupe dor de cabeça no concurso. Listamos a seguir:
1 ­ Deixar de entregar algum exame
Esse é, sem dúvida, o maior motivo de reprovação no resultado provisório, já que o
candidato que deixa de entregar qualquer exame será reprovado preliminarmente. De
tabela, ficará sem saber qual o motivo por uns dias ­ o que traz algum estresse nessa
fase final do concurso. Logo, para evitar isso, siga exatamente as regras do edital e das
dicas já passadas. De qualquer maneira, os exames que mais comumente são
esquecidos de entregar são esses:








Campimetria computadorizada: adotada apenas nos dois últimos concursos,
acaba sendo esquecida, principalmente por quem já fez o exame médico em
concursos anteriores que não pediam esse exame. Também é comum esquecer
de pedir para o médico citar o resultado no laudo da avaliação oftalmológica.
Exames oftalmológicos: além da já citada campimetria, o oftalmologista terá
que fazer e marcar diversos testes na consulta. Assim, tenha o edital em mãos e
só saia do consultório quando tiver conferido item por item. Os mais comuns
de serem esquecidos são os valores de acuidade visual sem correção,
fundoscopia e tonometria.
Exames de sangue: você terá que coletar sangue provavelmente um dia
apenas, mas serão diversos testes a serem realizados. Logo, confirme bem
antes de fazer o pedido na clínica e confira o resultado também. Os mais
comuns que são esquecidos são os subtestes da hepatite B, os testes de
Chagas, e as transaminases (TGO e TGP).
Exame antidrogas: ninguém, em regra, esquece-se de fazer esse exame. O que
ocorre é o candidato deixar para fazer o exame muito em cima da data e não
conseguir o resultado a tempo. Logo, faça esse exame pelo menos 40 dias antes
da entrega dos exames.

2 ­ Entregar os exames fora das formalidades pedidas
Também é um erro clássico. Aqui, atente-se em especial para isso:


Assinaturas em todos os exames: alguns exames são feitos por clínicas que
mandam os testes para outro lugar ­ e recebem os resultados digitalizados.
Lembre-se de pedir que venha assinado por um responsável, que seja
76

77













identificado por registro de classe e especialidade também. Além disso, é muito
comum que a espirometria seja impressa no software próprio e que não venha
assinada. Cheque isso. Também fique de olho nos eletros (ECG e EEG) e nos
ultrassons (Doppler e Abdômen total) para ver se o laudo veio assinado.
Data em todos os exames: lembre-se que os exames têm validade de 180 dias
e se não tiver data em que foi realizado, o exame será desconsiderado, por não
atender essa formalidade.
Especialidade do profissional explicitada nos exames: muitos médicos não tem
o carimbo com sua especialidade ou esquecem de carimbar com esse,
colocando o geral apenas com o CRM. Se isso ocorrer, peça para o médico
escrever sua especialidade, ou procure no site do CRM o profissional e imprima
a folha comprovando a especialidade dele. Fique de olho especialmente nas
radiografias (especialidade é médico radiologista), na ecografia de abdômen e
nos eletros.
Laudo do psiquiatra diferente do modelo do edital: não crie problemas para si.
Procure um psiquiatra que concorde em escrever de acordo com o edital. Se
preciso, combinem candidatos da mesma cidade de irem no mesmo local. Se o
médico não quiser escrever o que está no edital, vá em outro.
Nome do exame diferente do pedido no edital: em geral não costuma ter
problema o nome estar um pouco diferente, quando seja óbvio para qualquer
médico que o mesmo exame (motilidade ocular ao invés de motricidade ocular,
por exemplo). Mas alguns erros causam reprovação, como é o caso de não citar
a região sacral no exame de radiografia (aparecer apenas lombar, ao invés de
lombo-sacra). Na dúvida se não souber se é o exame correto, pergunte ao
médico e não entregue nada errado.
Laudo de avaliações clínicas fora do padrão: os laudos de avaliação devem vir
com as formalidades apontadas no edital. Atente-se em especial para os casos
em que o médico deve citar outros exames na avaliação (o cardiologista deve
citar o ECG e o Doppler, o neurologista deve citar o EEG, o otorrino deve citar a
audiometria e o oftalmo deve citar a campimetria e os demais exames que ele
deve fazer). Além disso, o texto do laudo deve explicitar que o candidato está
em condições normais (ou outra forma de atestar não ter problemas de saúde)
do ponto de vista daquela especialidade.
Nome errado do candidato nos exames: muito comum os exames virem com
nome errado ou com nomes abreviados. Peça para corrigir isso. Não entregue
exames com nome incorreto.

77

78

3 ­ Entregar exames com alterações de saúde registradas
Além de ser formalmente certo, os resultados dos exames devem ser
materialmente adequados, ou seja, atestar sua saúde e aptidão para o cargo. Logo,
evite problemas observando os detalhes abaixo:










Observações inconclusivas em resultados de exames: alguns exames, como os
eletrocardiogramas, ecografias e espirometrias, podem resultar em resultados
duvidosos, que podem levar a banca a ficar em suspeita sobre a condição do
candidato ­ e solicitar um exame extra, após reprovar o candidato
preliminarmente no exame médico. Logo, leia todos os exames com atenção e
se observar algo escrito que pode causar dúvidas, converse com um
especialista e se necessário refaça o exame. Não dê munição contra si,
entregando algo que possa lhe causar problemas posteriormente.
Valores de exames fora dos valores de referência: especialmente nos exames
de sangue, é comum alguns resultados fora dos valores esperados,
especialmente as bilirrubinas, pois com o treinamento para o teste físico o
candidato muda sua rotina e alimentação, podendo sobrecarregar o
metabolismo. Logo, veja com cuidado cada valor e se necessário refaça os
exames. Tomando os devidos cuidados de dieta e outros indicados pelos
médicos, é possível refazer os exames e adequar os valores para a faixa de
referência.
Audiometria com perdas auditivas: a audiometria é um teste muito subjetivo,
de forma que você pode ter como resultado um valor em um dia e outro
diferente em outro, principalmente a depender do rigor da clínica. Logo, se
tiver perdas significativas, fora dos valores do edital, mas na verdade não tiver
problemas de audição, refaça o exame em outras condições que conseguirá um
resultado satisfatório.
Radiografias com observações: fique especialmente atento aos resultados nos
laudos das radiografias. É comum o radiologista olhar o exame procurando por
problemas, já que, em regra, ninguém vai tirar radiografia quando não tem
nada. Logo, explique que é para concurso público e se sair alguma alteração,
refaça a radiografia, se necessário em outro lugar. Ninguém deve se meter em
problemas, quando tem a saúde perfeita para exercer um cargo público,
apenas porque um médico acha que viu algo na radiografia.
Resultados do oftalmologista: o oftalmologista irá realizar diversos exames e
escrever tudo em apenas uma consulta. A chance de ele escrever algo que
pode lhe dar problemas depois é grande, se não prestar atenção no laudo e se
não explicar que é para concurso público. Se não conseguiu um laudo com
todos os resultados adequados, vá em outro oftalmologista.

78

79

Creio que os principais erros já foram cobertos na explicação acima, mas sei
que sempre dá para criar um novo. De qualquer maneira, os candidatos que leiam isso
estão avisados de onde ter mais cuidado. Porém, a título de ajuda extra, vou listar
alguns momentos durante a realização dos exames que se deve ter maior atenção,
para evitar erros depois, e algumas dicas extras:








Sempre que possível avise o motivo que está fazendo os exames: avise
sempre que é para o concurso da Polícia Federal. Isso fará, em regra, as
pessoas terem um pouco mais de cuidado para fazer os documentos ­ embora
nem sempre. Além disso, o meio médico é acostumado a procurar problemas
de saúde, pois geralmente as pessoas vão atrás de exames por conta de estar
se sentindo mal. Logo, é preciso mudar o paradigma no caso de exames para
concursos, pois aqui a ideia é atestar a saúde, não procurar doenças. Por fim,
peça, se for o caso, para o laboratório não anotar nada no seu exame que
apenas venha a criar dúvidas, quando na verdade não há nenhuma doença
naquele caso.
Explique bem as formalidades exigidas pela banca: explique antes de fechar
com o laboratório que precisa que os exames tenham laudo, que o laudo seja
assinado pelo especialista, com carimbo que conste CRM e especialidade. Além
disso, explique o quanto a banca é chata com essas formalidades, que não se
pode abreviar seu nome e nem escrevê-lo errado.
Não vá embora sem olhar o resultado e conferir se está tudo certo: parece
óbvio, mas muita gente na correria dessa fase do concurso deixa para olhar o
exame só depois de ter ido para casa. Ocorre que muitos médicos atendem só
de tempos em tempos em alguns lugares ­ e ir atrás depois para corrigir algo
vai dar dor de cabeça. Logo, antes de ir embora com o resultado sempre confira
os seguintes itens: nome do exame, seu nome nos exames, assinatura do
médico, número do CRM, especialidade, se o resultado está atestando sua
saúde ou se deixa dúvidas, se todos os sub-resultados estão anotados como
deveriam estar, se o laudo está citando os exames que deveria citar e se no
exame consta a data em que foi feito (lembre-se que o exame precisa estar
dentro da validade de 180 dias).
Atenção nas avaliações com os especialistas: o momento mais chato dessa
gincana de pegar resultados de exames pode ser a consulta com os
especialistas. São cinco consultas que você necessariamente terá que fazer:
oftalmologista, psiquiatra, otorrinolaringologista, neurologista e cardiologista.
Os dois primeiros são os com mais potencial de dar problema. O oftalmo
porque tem que fazer muitos exames ­ e nem todos têm paciência para fazer e
escrever tudo no padrão (lembre-se que a campimetria precisa ser feita antes
dessa consulta). O psiquiatra porque não quer colocar no papel que atesta a
sanidade mental de uma pessoa que não conhece e também porque não quer
79

80





escrever no padrão do edital. Quanto aos demais, não se esqueça que: 1 - o
cardiologista precisa ver o eletro e o Doppler e colocar o resultado no laudo; 2
­ o otorrino precisa ver a audiometria (já com o laudo do fonoaudiólogo) e
atestar a regularidade no laudo; 3 ­ o neurologista precisa ver o
eletroencefalograma e atestar a regularidade no laudo.
Cuidado com os caprichos dos médicos: se conseguir terminar os exames sem
se estressar nenhuma vez no processo, parabéns. A chance de conseguir isso é
baixa, especialmente se não tem um médico de confiança. O ideal é ter um
médico que peça os exames e que indique colegas que podem fazer os laudos.
Mas, se não tiver, atente-se para alguns caprichos de médicos que dificultam o
processo, como, por exemplo: 1 ­ não ter o carimbo com sua especialidade; 2 ­
não querer dar o laudo atestando um exame que tenha sido feito em clínica
diferente da que trabalha (muito comum os cardiologista e neurologistas se
negarem a escrever sobre os resultados nos seus laudos se o exame não foi
feito na clínica que trabalham); 3 ­ não querer se comprometer atestando a
saúde do candidato, mas escrever em termos relativos, como "apenas pelo
exame clínico nada foi observado"; 4 ­ fazer questão de anotar dados
irrelevantes, como que a pressão durante a consulta com o cardiologista estava
alta, quando se têm um Doppler atestando que o coração está saudável e 5 ­
abreviar seu nome nos exames ou escrever errado (médico costuma ser
apressado e parte do pressuposto que essas formalidades são irrevelantes, já
que na prática clínica geralmente são).
Seja organizado: anote todos os exames que precisa fazer e mantenha uma
boa organização dos resultados. Em regra, uma boa sequência de organização é
a abaixo apresentada, no qual tarefas que são independentes entre si são
colocadas em itens diversos:
o Faça o exame antidrogas: como o mais caro e demorado (a depender
do local, pois no contraprova é rápido) deve ser feito logo. Mas, como é
um exame caro, não o faça antes de ter certeza que passou nas etapas
anteriores, se for possível. Por exemplo, no concurso de Agente 2014,
um bom tempo foi colocado entre o TAF e o médico, de forma que vale
a pena começar a fazer os exames (e gastar dinheiro) apenas após
passar no teste físico.
o Faça os exames de sangue, urina e fezes: alguns exames de sangue
podem demorar e a chance de vir exames com alterações é significativa,
de forma que é recomendável fazer o quanto antes esses exames
clínicos. Tente conseguir desconto se for fazer particular, por conta do
volume de exames.
o Faça primeiro o Doppler, depois o eletrocardiograma e depois a
consulta com o cardiologista: se possível, tente marcar em uma clínica

80

81

o
o
o

o

o
o

o

só, para evitar que o cardiologista crie caso em fazer laudo com o
exame de outro local.
Faça a audiometria e depois a consulta com o otorrino: a mesma
observação do item anterior.
Faça o eletroencefalograma e depois a consulta com o neurologista
Faça as quatro radiografias: a radiografia também pode ter que se
refeita, de forma que vale a pena não demorar muito para fazer e ter
um resultado satisfatório.
Faça a campimetria e depois a consulta com o oftalmo: lembre-se de
tentar fazer a campimetria e marcar a consulta com oftalmo da mesma
clínica, para evitar problemas.
Marque a consulta com o psiquiatra: de preferência já sabendo, por
outro candidato, que ele fará o laudo nos padrões do edital.
Faça a espirometria: é um exame tranquilo de fazer, mas tenha apenas
o cuidado de não levar um resultado automático do software, sem o
carimbo e assinatura do médico.
Faça a ecografia de abdômen: também é um exame isolado dos
demais. Geralmente é preciso fazer uma preparação com laxantes antes
de fazer esse exame. Precisa ter o laudo do especialista, com as
formalidades de praxe.

1.14 ­ QUAIS MOTIVOS LEVAM À REPROVAÇÃO NO EXAME MÉDICO?

R: Basicamente três:





Deixar de comparecer no dia do exame clínico: motivo de reprovação certa.
Logo, tome cuidado com as datas e não deixe nenhum imprevisto o impedir de
estar presente no horário marcado.
Apresentar alguma situação incapacitante, dentre as descritas no edital: veja
mais explicações na próxima seção de respostas.
Não entregar os exames médicos: em um primeiro momento será reprovado e
terá que entregar posteriormente no recurso. Se cometer um erro no recurso e
deixar de entregar os resultados como esperado, será reprovado e eliminado,
tendo que recorrer à justiça.

81

82

1.15 ­ DEIXEI DE ENTREGAR UM EXAME À BANCA NO DIA DA AVALIAÇÃO CLÍNICA . SEREI
REPROVADO ?

R: Seguindo as regras dos concursos anteriores da Polícia Federal (2009, 2012, 2013),
não será eliminado do concurso por conta disso. Será apenas reprovado
preliminarmente e terá que apresentar o exame faltante no recurso administrativo.
Porém, vale o cuidado de entregar tudo corretamente, pois no concurso da PRF o
CESPE reprovou os candidatos por falta de entrega de exame, o que criou muita
confusão. Logo, entregue tudo ­ e evite dor de cabeça.

82

83

Capítulo 2 ­ Condições Incapacitantes e Dúvidas sobre os
Exames
2.1 ­ QUAIS

AS CRITÉRIOS PARA CONSIDERAR AS ALTERAÇÕES COMO SENDO

INCAPACITANTES NO EXAME MÉDICO ?

R: As condições incapacitantes estão todas listadas no edital do concurso. É uma lista
imensa de doenças, mas apenas algumas costumam criar dúvidas. A primeira regra a
ser seguida na interpretação do edital são os motivos que levam a considerar um
candidato como sendo não recomendado na avaliação médica. Nos termos do edital,
uma alteração de saúde deve ser considerada como motivo de reprovação se for
(comentários meus):
I ­ Incompatível com o cargo pretendido: a incompatibilidade deve ser averiguada
pensando-se em termos das atribuições e funções do cargo. Logo, para um cargo
policial é necessário ter-se a capacidade de fazer as atividades diárias e aquelas
ocasionais, tais como: dirigir viaturas, andar sem dificuldades, enxergar
adequadamente o que ocorre ao seu redor, conversar e ouvir pessoas, redigir
documentos, carregar equipamentos, atirar, etc.
II ­ Potencializada com as atividades a serem desenvolvidas: ou seja, aquelas
alterações da saúde que não causam normalmente problemas na vida diária, mas
podem se tornar um problema quando a pessoa começa a desenvolver as atividades
do cargo. Logo, por exemplo, problemas que sejam agravados caso a pessoa fique um
bom tempo em pé, entre outros.
III ­ Determinante de frequentes ausências: Aqui entram os problemas de saúde que
fazem as pessoas perderem frequentemente dias de trabalho, pedir licenças médicas,
etc.
IV ­ Capaz de gerar atos inseguros que venham a colocar em risco a segurança do
candidato ou de outras pessoas: Um critério aplicável, por exemplo, em problemas
psiquiátricos e dependências de álcool e drogas. Claro que não se pode levar a
extremos esse critério, assim como os outros, mas pensar dentro dos critérios de
razoabilidade.
V ­ Potencialmente incapacitante a curto prazo: Ou seja, aquelas alterações de saúde
que podem levar a graves prejuízos em um curto tempo, aquelas que tem potencial de
levarem a outras alterações. Por esse motivo, alterações como tumores malignos.
83

84

2.2 ­ QUAIS SÃO AS CONDIÇÕES INCAPACITANTES LISTADAS NO EDITAL DO CONCURSO
DA POLÍCIA FEDERAL ?

R: Segue a lista de condições incapacitantes do edital, com os comentários pertinentes,
dentro dos critérios acima estipulados (para maiores informações, obviamente, devese procurar um especialista, que é quem pode passar essas informações com o nível de
certeza necessária para algo tão importante quanto um concurso ­ as informações
abaixo foram tiradas de fontes confiáveis na internet e verificadas em mais de um
endereço, mas servem apenas para uma indicação). Os casos de dúvidas mais comuns
e importantes estão realçados de amarelo:
1 ­ Alterações na cabeça e pescoço: todas as doenças incapacitantes desse grupo são
detectadas no exame clínico, pela observação do médico ou se o candidato relatar
essa situação, com exceção das alterações da tiroide. As condições incapacitantes são:






Tumores malignos na área de cabeça e pescoço: geralmente formam caroços
que o médico pode detectar (como é caso dos linfomas de Hodgkin) e também
podem gerar alterações nos exames de sangue. Dificilmente um candidato terá
esse problema e não será detectado no exame médico, portanto.
Alterações estruturais da glândula tireoide, com repercussões em seu
desenvolvimento: aqui se tem em mente alterações morfológicas (como
tumores, por exemplo) e não alterações fisiológicas, visto que existe um item
específico nesse sentido. Levando-se em conta isso e que o primeiro item
engloba tumores malignos no pescoço, esse item parece desnecessário no
edital.
Deformidades congênitas ou cicatrizes deformantes ou aderentes que causem
bloqueio funcional na área de cabeça e pescoço: Deformidades congênitas são
aquelas presentes no nascimento, ou seja, resultantes de causas genéticas e/ou
ambientais durante a gestação. Cicatrizes deformantes, obviamente, são
aquelas que causam deformação no órgão, ou seja, aquelas de grande
extensão. Já as cicatrizes aderentes são aquelas nas quais o tecido cresce de
forma irregular na região, como por exemplo, aquelas onde a pele fica
repuxada para dentro. Em todos esses casos, o julgamento é feito com base
nessas alterações causarem bloqueio funcional, ou seja, impedir o
funcionamento correto do órgão. Assim, por exemplo, uma cicatriz na região
do pescoço que dificulte a movimentação a ponto de prejudicar as atividades
no cargo. Obviamente, esse tipo de alteração é vista pelo médico no exame
clínico, que fará sua avaliação como sendo incapacitante ou não. Claro que não
é qualquer cicatriz que é motivo para reprovação, mas apenas aquelas que
causem incompatibilidades para o correto exercício do cargo ­ como sempre, o

84

85

julgamento é sempre feito com base nos cinco critérios que comentamos no
início da resposta a essa pergunta.
2 ­ Alterações no ouvido e audição: destacam-se aqui as perdas auditivas.
Interessante observar, porém, que nos termos do Decreto 3.298/99 a perda auditiva
em alguns casos (vide abaixo) é motivo para enquadrar o candidato como PNE. Nesse
item, enquadram-se como alterações incapacitantes:






Perda auditiva maior que 25 (vinte e cinco) decibéis nas frequências de 500,
1000 e 2000 Hz (hertz): em termos bem práticos, o candidato será submetido a
audiometria tonal, que avalia diversas frequências (vide o exemplo de minha
audiometria colocada acima, na qual são medidas as frequências de 250, 500,
1.000, 2.000, 3.000, 4.000, 6.000 e 8.000 Hz). Em cada frequência, o
fonoaudiólogo avaliará se há alguma perda auditiva, ou seja, se a pessoa não é
capaz de ouvir adequadamente, dentro do normal, naquela faixa de frequência.
Nos termos do edital, se for verificada uma perda auditiva acima de 25 dB nas
faixas de 500, 1000 e 2000 Hz, o candidato será reprovado ­ ou seja, é preciso
ter perdas acima de 25 dB em todas essas faixas cumulativamente para ser
considerado não apto (vide, porém, o próximo item). Para ser considerado PNE,
o candidato deve ter perdas acima de 41 dB nas faixas de 500, 1000, 2000 e
3000 Hz. Logo, temos uma estranha zona de valores, entre 25 e 41 dB na qual o
candidato seria reprovado ao contrário do candidato com maior perda, que
seria aceito na vaga de cotas. De qualquer maneira, como já comentado na
ocasião dos comentários sobre a audiometria, trata-se de teste com uma boa
dose de subjetividade, de forma que se o resultado de seu exame apontar para
perdas na faixa de reprovação, vale a pena repetir o exame, se não encontra
dificuldades nas atividades diárias. Se, porém, sua perda é dentro da faixa na
qual se pode entrar como PNE, vale a pena ir por esse caminho (embora, digase de passagem, o entendimento atual da banca do concurso pareça ser pela
reprovação de candidatos, até mesmo nesse caso ­ de forma que talvez seja
preciso ir à Justiça para conseguir a vaga).
Perda auditiva maior que 30 (trinta) decibéis isoladamente nas frequências de
500, 1000 e 2000 Hz (hertz): ao contrário das perdas do item anterior, que
devem ser verificadas em todas as frequências, uma perda acima de 30 dB em
uma das frequências apontadas (500, 1000 e 2000 Hz) é suficiente para a
reprovação. Aqui a faixa é ainda mais apertada entre a reprovação e a condição
de PNE, pois uma perda de 41 dB já enquadra o candidato como PNE pelo
Decreto 3.289/99. Todos os conselhos sobre a subjetividade da audiometria
acima valem ainda mais aqui.
Otosclerose: Otoscleroseé uma doença genética que causa perda auditiva.
Apesar da pessoa já nascer com o gene causador da doença, a perda auditiva
da otosclerose só costuma se manifestar a partir da terceira ou quarta década
85

86





de vida. O portador de otosclerose começa então a apresentar uma perda
auditiva progressiva, em geral assimétrica (mais em um ouvido que em outro),
muitas vezes acompanhada de zumbido e uma leve tontura.A progressão da
perda auditiva quase nunca evolui para surdez completa, mas pode chegar a
70% da audição em algumas frequências. Para verificar que o candidato possui
a doença, somente se o otorrino marcar essa condição no laudo ou se o
candidato afirmar possuir a doença no exame clínico. Além disso, se o
candidato já possuir a perda auditiva, será enquadrado nas situações já
descritas de perda auditiva.
Labirintopatia: popularmente conhecida como labirintite, relaciona-se a
distúrbios na região do labirinto. O labirinto, tem duas grandes funções: a parte
da frente escuta e a parte de trás, sente o equilíbrio. Essas alterações
costumam se manifestar isoladamente por meio de vertigem e/ou tontura ou
mesmo associadas a outros sintomas. Elas têm maior incidência a partir dos 40
anos de idade, porém, é possível ocorrerem em qualquer faixa etária de ambos
os sexos. A doença pode ser detectada pelo otorrino durante o exame para
fazer o laudo de avaliação e, em tese, poderia ser detectada pelo médico da
banca na avaliação do concurso, por conta de alterações da mucosa interna ­
embora seja pouco provável o médico da banca fazer esse tipo de avaliação.
Em resumo, a banca apenas saberá da doença pelo laudo do otorrino ou se o
candidato dizer que a possui durante o exame clínico.
Otite média crônica: Otite média é uma inflamação do ouvido médio: o espaço
atrás da membrana timpânica. É uma das duas condições geralmente referidas
como infecções do ouvido, a outra sendo a otite externa. A otite média possui
condições agudas e crônicas; todas envolvendo inflamação da membrana
timpânica e geralmente associadas com o aparecimento de fluido no espaço
atrás do tímpano, o ouvido médio. Detecta-se essa doença pelo exame com o
otoscópio, assim como a labirintopatia pode ser detectada. Logo, novamente, é
uma doença que pode ser detectada apenas se o otorrino citá-la no laudo ou se
o candidato disser ao médico da banca. Veja que a condição incapacitante é a
da doença crônica, não qualquer inflamação.

3 ­ Alterações nos olhos e visão: uma das maiores dúvidas entre os candidatos, mas
que não costuma trazer problemas. O edital não explica bem essa parte, de forma que
é importante explaná-la melhor. São condições incapacitantes neste grupo:


Baixa acuidade visual (pouca visão), mesmo quando usando óculos e lentes
corretivas: não importa quanto o candidato enxergue sem óculos, desde que
enxergue suficientemente bem com eles ou com lentes. Ou seja, você pode ter
dez graus de miopia, por exemplo, mas será aprovado se enxergar bem de
óculos. A regra é que é necessário enxergar pelo menos a linha 20/20 do exame
de visão com um dos olhos e no mínimo a linha 20/40 com o outro. Esses
86

87

valores referem-se ao tamanho da letra, de acordo com o desenho abaixo (já
explicamos esse teste anteriormente). Logo, não importa qual problema de
visão que você tenha (miopia, astigmatismo, hipermetropia ou presbiopia),
desde que enxergue o suficiente para ler a linha 20/20 com um olho e pelo
menos a linha 20/40 com o outro. Além disso, se tiver feito cirurgia de
correção, não terá nenhum problema em ser aprovado, desde que tenha
atingido essa acuidade visual exigida.





Problemas na mobilidade dos olhos: o edital coloca esse trecho afirmando que
para ser aprovado é preciso que as excursões oculares devem ser normais. Isso
significa que o candidato deve ser capaz de enxergar adequadamente em todas
as direções (costuma-se falar em visualização adequada nas posições cardinais,
ou seja, para cima, para baixo, para a direita, para a esquerda, etc.). Portanto,
casos de estrabismo exagerado (que cause problemas funcionais, mas não
quando é apenas uma questão de estética) e outras alterações impeçam a
movimentação correta dos olhos são motivos incapacitantes. Esse tipo de
alteração pode ser percebida no exame de motilidade ocular extrínseca, feito
pelo oftalmo, e pode ser percebido pelo médico da banca do concurso, se for
facilmente visível em uma consulta clínica normal. Além disso, a campimetria
computadorizada pode indicar algumas dessas alterações.
Daltonismo: O daltonismo é um tipo de deficiência visual em que o indivíduo
não é capaz de reconhecer e diferenciar algumas cores específicas. O
diagnóstico é feito apenas pelo ofatlmo que dará o laudo para o concurso,
através do teste de Ishihara. O edital prevê que mais de três interpretações
87

88











incorretas no teste completo de Ishihara é uma condição incapacitante. O teste
é composto de 32 placas e o número de erros é relacionado a extensão do
daltonismo. Na prática, os oftalmos ao saberem que se trata de teste para
concurso, não fazem o teste completo, se limitando a ver se a pessoa enxerga o
básico de cores. A pessoa com daltonismo pode vir a ter problemas em alguns
testes da avaliação psicológica, como os teste de atenção AD/AS.
Hipertensão intraocular: durante os testes do oftalmo, será medida a pressão
do olho, que deve estar entre os limites de 10 e 18 mmHg. Alta pressão do olho
não é uma doença em si, mas uma consequência de alguma variação, como o
glaucoma, que é previsto como causa incapacitante quando crônico. A única
forma de a banca saber essa alteração é pelo laudo do oftalmologista entregue
pelo candidato.
Infecções e processos inflamatórios crônicos, ressalvadas as conjuntivites
agudas e hordéolo:Aqui não se tem em mente qualquer processo inflamatório
do olho, como as conjuntivites normais e os hordéolos (popularmente
conhecidos como terçóis), que curam em pouco tempo, mas sim outras
alterações, como blefarite e uveítes crônicas. Essas alterações são detectadas
pelo oftalmo na biomicroscopia e levadas ao conhecimento da banca apenas
pelo laudo do oftalmo.
Ulcerações, tumores, exceto o cisto benigno palpebral: aqui são colocados
como condição incapacitante úlceras e tumores que possam causar problemas
funcionais, como carcinoma basicular e outros, que podem levar a
necessidades de cirurgias. Exclui-se, portanto, casos de menor importância,
como o citado cisto benigno palpebral e outros, como molusco contagioso e
cistos epidérmicos. Esses tipos de tumores podem ser facilmente visto, de
forma que se possuir algum tipo de alteração o candidato deve pedir ao
oftalmo para avalia-la como sendo benigna ou não e constar isso no seu laudo,
para evitar problemas com a banca.
Opacificaçõesda córnea: A córnea opaca é um problema caracterizado pela
perda de transparência da córnea. Localizada na parede frontal do globo
ocular, a córnea compõe, juntamente com a esclera, a parte fibrosa do olho.
Transparente, a córnea funciona como uma espécie de lente, focando a luz da
pupila na direção da retina do olho. Ela protege e tem papel fundamental para
a visão. Qualquer alteração no formato ou na transparência da córnea pode
comprometer seriamente a visão de uma pessoa. A opacidade da córnea não é
uma doença em si, mas sim resultado de outra alteração, como glaucoma,
ceratocone, distrofias e processos inflamatórios. Pode ser detectada pelo
oftalmo nos exames de biomicroscopia e pode levar a perda de acuidade visual,
o que se enquadraria nos casos de baixa acuidade visual.
Sequelas de traumatismos e queimaduras: aqui se tem um caso bem genérico,
que deve ser interpretado a luz dos cinco princípios que causam a inaptidão,
88

89









expostos inicialmente. Ou seja, essas sequelas devem causar problemas
funcionais, que serão detectados por perda de visão. Logo, não é qualquer
sequela, mas sim aquelas que geram reais problemas na saúde ocular. Podem
ser detectadas essas alterações pelo oftalmo na biomicroscopia e podem gerar
alterações na campimetria também.
Doenças congênitas e adquiridas, incluindo desvios dos eixos visuais
(estrabismo superior a 10 dioptrias-prismáticas): mais um caso em que o
edital abre demais o leque de doenças, de forma que devemos fechar o
entendimento pensando em termos de prejuízos funcionais. O estrabismo, que
é usado como exemplo, é o defeito de posicionamento binocular, ou seja, o
defeito de posicionamento de um olho, relativamente ao outro. Existe mais de
uma unidade para medição do estrabismo, sendo a medida em dioptrias
prismáticas a mais consagrada. O valor acima de 10 dioptrias prismáticas é
significativo e pode ser percebido pelo médico da banca na avaliação clínica. Se
tiver estrabismo, portanto, certifique-se de estar abaixo desse valor e de
constar isso na laudo do oftalmo. Quanto às demais doenças, que poderiam ser
englobadas pela generalidade desse item, entendo que, na verdade, devem ser
algumas das que constam nos demais tópicos, já que é ilegal fazer previsão tão
genérica como motivo de incapacitação, sendo nula essa cláusula do edital.
Ceratocone: Alteração degenerativa da córnea que a deixa muito fina,
assumindo a forma de um cone. Essa forma irregular assumida pela córnea
resulta na distorção da imagem percebida e em grau elevado de astigmatismo
que não pode ser corrigido com óculos. Geralmente usam-se lentes acrílicas ou
outros tipos especiais para a correção. Pode ser detectada pelo oftalmo que
fará o laudo, sendo esta a única forma de a banca saber dessa alteração.
Lesões retinianas, incluindo aretinopatia diabética: o edital aqui inclui lesões
significativas na retina, que podem causar problemas funcionais. A retinopatia
diabética é causada como efeito do diabetes e se manifesta quando os vasos
sanguíneos da retina se alteram e desenvolvem pequenos derrames, podendo
causar redução e desfoque de visão.
Glaucoma crônico com alterações papilares e(ou) no campo visual, mesmo
sem redução da acuidade visual: O glaucoma é definido como uma neuropatia
óptica crônica, progressiva, caracterizada por alterações típicas no nervo óptico
e na camada de fibras nervosas da retina, levando ao desenvolvimento de
defeitos característicos no campo visual, que em seu estágio mais avançado,
pode levar à cegueira irreversível. O glaucoma pode ser detectado pela alta
pressão intraocular e, principalmente, pelas perdas visuais em algumas regiões
dos olhos, o que pode ser detectado pela campimetria digital. Quando a pessoa
percebe a baixa visual, a lesão jáé extremamente grave. De modo geral, a perda
da visão é progressiva e lenta, mais periférica do que central, mas a pessoa
continua enxergando e será aprovada normalmente no teste de acuidade
89

90





visual. É preciso muita sensibilidade para perceber o comprometimento em
determinada área do campo visual, quando a área central não está prejudicada.
Em resumo, o glaucoma só será detectado se estiver em um estágio
significativo, que causar perdas perceptíveis na campimetria.
Doenças neurológicas ou musculares: outra previsão com excesso de
generalidade do edital. Diante dessa generalidade, deve-se usar os cinco
critérios de eliminação constantes do edital. Esse tipo de alteração apenas
pode ser detectada pelos testes feitos pelo oftalmo e somente serão
conhecidas, obviamente, se constar em algum dos resultados desses exames.
Na prática, uma previsão genérica da banca apenas para tentar se precaver de
alguma doença que não pensaram especificamente na hora que fizeram o
edital.
Discromatopsia completa: Discromatopsia é a perda do senso cromático,
sendo a discromatopsia congênita o daltonismo, que já comentamos. Como o
edital já prevê a reprovação por erros nos teste completo de Ishihara, temos
mais uma previsão desnecessária no edital, que demonstra falta de cuidado na
elaboração dessa lista de doenças.

4 ­ Alterações na boca, nariz, laringe, faringe, traqueia e esôfago: destacam-se os
problemas de desvio de septo acentuados e os problemas de fonação, que são os
casos mais comuns. Entre os casos tratados pelo edital, temos:




Anormalidades estruturais congênitas ou não, com repercussão funcional:
mais uma vez a banca usa um critério amplo, para tentar se precaver de todas
as situações possíveis. Na prática, esses tipos de previsão nada mais são do que
reafirmar os cinco critérios balizadores da avaliação médica para os órgãos em
questão (ou seja, são condições incapacitantes aquelas incompatíveis com o
cargo pretendido, potencializadas com as atividades a serem desenvolvidas,
determinante de frequentes ausências, capazes de gerar atos inseguros que
venham a colocar em risco a segurança do candidato ou de outras pessoas e
potencialmente incapacitante a curto prazo). Em minha opinião, uma técnica
regulamentar pobre, que demonstra precaução demasiada e uma tentativa de
abrir a chance de reprovar os candidatos, que pode se tornar ilegal se aplicada
nos seus extremos.
Desvio acentuado de septo nasal, quando associado à repercussão funcional:
O desvio de septo pode ser um distúrbio congênito ou manifestar-se na
infância, durante o desenvolvimento dos ossos da face. Ou, então, resultar de
processos inflamatórios, infecciosos ou alérgicos crônicos ou cirurgia. Pode,
ainda, ser provocado por traumatismos. A pessoa fere o nariz numa queda,
num acidente automobilístico ou ao praticar esportes, por exemplo. Desvios de
septo só representam problema, quando a alteração impede o nariz de realizar
suas funções no sistema respiratório. O desvio de septo pode ser assintomático
90

91









ou provocar graus variados de obstrução nasal e, como consequência, retenção
das secreções, rinossinusite crônica e sangramentos. Respiração pela boca,
dificuldade para dormir, apneia do sono, roncos, cansaço, dores de cabeça e na
face são outros sintomas que podem estar associados ao desvio do septo.
Somente o otorrino pode identificar o desvio de septo e se ele registrar que o
desvio é leve, o candidato não terá problemas. Na prática, para ser reprovado
por desvio de septo apenas se o otorrino registrar esse problema no laudo,
como sendo acentuado e causador de problemas de respiração. É um tanto
questionável esse item do edital, ainda mais quando o desvio de septo pode ser
corrigido facilmente com cirurgia.
Mutilações, tumores, atresias e retrações: Mutilação e tumor são dois termos
de amplo conhecimento. Atresia é o termo usado para descrever a condição na
qual um órgão está ausente ou anormalmente fechado. Retração indica a
condição em que o órgão é anormalmente diminuído. O que esse item do edital
quer dizer é que qualquer malformação ou defeito em um dos órgãos do item
(boca, nariz, faringe, laringe e esôfago) que cause problemas funcionais
relevantes (como dificuldade de respiração, por exemplo) é um condição
incapacitante. Tirando os casos facilmente visíveis e aqueles que causam
alterações perceptíveis, somente se o otorrino registrar a alteração para a
banca saber da condição.
Fístulas congênitas ou adquiridas: Fístula é uma patologia causada pela
conexão entre um órgão ou de um vaso sanguíneo com outra estrutura que
normalmente não estão conectados. Geralmente são resultado de lesão,
doença ou cirurgia e causam sério transtorno. No caso em questão, temos, por
exemplo, as fístulas entre traqueia e esôfago. Existem diversos tipos de fístulas
e até mesmo elas pode ser provocadas por motivos terapêuticos. Portanto,
somente os casos que causem problemas funcionais (os já tradicionais cinco
critérios do edital) são levados em consideração.
Infecções crônicas ou recidivantes: A inflamação crônica é aquela de
prolongada duração, de semanas a meses, na qual a inflamação ativa,
destruição tecidual e tentativas de reparação estão ocorrendo
simultaneamente. Embora possa suceder a inflamação aguda, a crônica
geralmente começa de maneira insidiosa, como uma resposta de baixo grau,
latente e muitas vezes assintomática. Infecções recidivantes são aquelas que
cessam e voltam de tempos em tempos (acontece uma recidiva). Esse item é
muito aberto também ­ e precisa ser interpretado no sentido de causar perdas
funcionais, o que não seria o caso de uma simples sinusite, por exemplo. Tais
condições só serão observadas pelo otorrino, em regra.
Deficiências funcionais na mastigação, respiração, fonação e deglutição: outro
item que merece a crítica por sua ilegal abrangência. A banca deveria fechar
mais esse item, sob pena de cair em ilegalidade se não observar os conceitos de
91

92

adequação ao cargo na análise. Destaque para a questão de deficiências
funcionais na fonação, que é o caso de candidatos mudos, que em termos do
edital, deveriam ser eliminados. Mas, novamente, fica o critério demasiado
aberto, pois poderia ser questionado se os casos de gagueira seriam
incapacitantes para o serviço, por exemplo, quando é conhecido que existem
profissionais na ativa no cargo que possuem tal problema. Enfim, é essa a
previsão no edital. Algumas deficiências prevista, como as de mastigação, por
exemplo, não são identificáveis pelos exames, exceto se causarem outras
alterações fisiológicas.
5 ­ Alterações na pele e tecido celular subcutâneo: essas alterações são detectadas
apenas na avaliação médica da banca do concurso, na qual o candidato deve ficar nu,
em regra, e ser examinado pelo médico. Não há exames complementares para esse
grupo de doenças. Como sempre, e não é demais observar, o guia para entender
quando a alteração é incapacitante é analisa-la pelos cinco critérios do edital (ou seja,
são condições incapacitantes aquelas incompatíveis com o cargo pretendido,
potencializadas com as atividades a serem desenvolvidas, determinante de frequentes
ausências, capazes de gerar atos inseguros que venham a colocar em risco a segurança
do candidato ou de outras pessoas e potencialmente incapacitante a curto prazo). São
listadas nessa série:






Infecções bacterianas ou micóticas crônicas ou recidivantes: como já
comentado antes, infecções crônicas são aquelas que se prolongam por muito
tempo e recidivantes aquelas que se manifestam de tempos em tempos. Para
gerar inadequação ao cargo, essa infecção deve ser de grande monta, capaz de
produzir problemas funcionais.
Micoses profundas: As micoses profundas, ao contrário das superficiais,
invadem preferencialmente a derme e/ou a hipoderme, e, também com certa
frequência, os órgãos internos. Geralmente essas doenças fazem com que o
corpo produza anticorpos, que podem causar alterações nos exames de
sangue. Embora previsto no edital, difícil enxergar um caso em que a simples
micose, mesmo que profunda, possa ser o fator de reprovação por si própria, já
que o causaria alterações incapacitantes seriam as consequências nos órgãos
internos, a serem aferidas por exames próprios.
Parasitoses cutâneas extensas: Inúmeros parasitas podem acometer a pele,
porque encontram nela nicho favorável para sobreviver. Os mais comuns são
os ácaros que provocam a escabiose, popularmente conhecida como sarna;
dois tipos de piolhos, que proliferam no couro cabeludo ou em outras áreas do
corpo humano; a fêmea de uma espécie de pulga responsável pelo bicho do pé,
tão prevalente nas cidades do interior; o bicho geográfico cuja infestação
ocorre em solos contaminados pelas fezes de cães e gatos, e o berne. Porém,
não são essas alterações, obviamente, motivo de reprovação, mas, novamente,
92

93











apenas aquelas que cheguem a causar alterações relevantes na saúde.
Dificilmente alguém é reprovado por conta de uma doença como essa, ainda
porque há tempo para fazer o tratamento antes do exame médico.
Eczemas alérgicos cronificados ou infectados: O eczema, também conhecido
como dermatite, é uma inflamação aguda ou crônica na pele que gera sintomas
como coceira, inchaço e vermelhidão, podendo ser causado por uma alergia.
Somente as formas crônicas e de amplo dano à pelo podem ser questão de
inaptidão. Novamente, somente a avaliação clínica pela banca detectará essa
classe de alterações.
Expressões cutâneas das doenças autoimunes: As patologias autoimunes têm
frequentemente expressão na pele. De fato, a partir da observação da pele,
mucosas, unhas ou cabelos podem ser detectadas manifestações de doenças
autoimunes tão diversas, como o lúpus (discóide, subagudo, sistémico), artrite
reumatóide, dermatomiosite, esclerodermia (cutânea ou sistémica), doenças
bolhosasauto-imunes (pênfigo, penfigoidebolhoso, etc), vitiligo, doença de
Behcet, síndrome de Reiter, síndrome de Sjögren, vasculites, livedo reticular,
etc. Novamente, não é desnecessário fazer a observação de que o exame
clínico pode detectar essas alterações e a observação que apenas se houver
problemas reais funcionais é que se pode falar em inaptidão (sendo, por
exemplo, ilegal, em minha opinião, reprovar alguém por ter vitiligo, por
exemplo, se nenhum dano a saúde isso causa).
Ulcerações, edemas ou cicatrizes deformantes que poderão vir a
comprometer a capacidade funcional de qualquer segmento do corpo: no
espírito de todas as explicações que já colocamos, fica claro a teleologia dos
itens do edital, no sentido de que apenas cicatrizes, edemas e ulcerações que
causem problemas funcionais (como dificuldades de movimentação, por
exemplo) são motivos para inaptidão.
Hanseníase: A hanseníase, também conhecida pelo já estigmatizado nome de
lepra,é uma doença infecciosa e contagiosa causada por um bacilo denominado
Mycobacterium leprae. A hanseníase não é hereditária e sua evolução depende
de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada. O edital
prevê a doença em termos absolutos, mas, novamente, tal previsão é carente
de base legal, visto que a doença apresente cura e em alguns casos sequer se
manifesta. Assim, somente os casos extremos (como nos casos de hanseníase
vichowiana), em que há diminuição da força muscular justificariam a
reprovação por essa doença.
Psoríase grave com repercussão sistêmica: Psoríase é uma doença inflamatória
da pele, crônica, não contagiosa, multigênica (vários genes envolvidos), com
incidência genética em cerca de 30% dos casos. Caracteriza-se por lesões
avermelhadas e descamativas, normalmente em placas, que aparecem, em
geral, no couro cabeludo, cotovelos e joelhos. A doença não tem cura, mas tem
93

94









tratamento. Apenas os casos graves, com repercussão sistêmica, ou seja,
aquelas que causam problemas em outras partes do corpo é que são motivo
para incapacidade, a se julgar o caso em concreto. Há jurisprudência ampla no
sentido da não possibilidade de reprovação do candidato com psoríase, exceto
nos casos em que se comprova a lesão à saúde de forma extensiva e clara.
Eritrodermia: afeção cutânea caracterizada por rubor difuso da pele, por vezes
com bolhas, seguida de descamação. Pode ser congênita ou adquirida e, neste
último caso, devida a leucemia, infeção, intoxicação medicamentosa, psoríase,
etc. Somente os casos que levem a inaptidão, nos termos dos cinco critérios do
edital podem ocasionar problemas para o concurso.
Púrpura: Púrpura é uma condição em que há extravasamento de sangue para a
pele ou mucosas, ocasionando manchas arroxeadas indolores, de tamanhos
variáveis. Se essas manchas forem muito pequenas e em grande número são
chamadas petéquias e quando maiores são ditas equimoses. Existem púrpuras
ditas trombocitopênicas, em que há diminuição das plaquetas - também
chamadas de trombócitos - (células sanguíneas que iniciam o processo de
coagulação do sangue, fechando as pequenas hemorragias) e púrpuras nãotrombocitopênicas, em que não há diminuição das plaquetas. Embora,
novamente, o edital faça previsão genérica, somente os casos extremos em que
há perdas funcionais, verificáveis, em regra, pelo hemograma, é que pode ser
considerados casos de possível reprovação, a serem verificados pelo médico da
banca.
Pênfigo (em todas as formas): também conhecido popularmente como fogo
selvagem, é uma doença autoimune. A primeira manifestação clínica é o
aparecimento de bolhas cheias de líquido, intraepidérmicas, de diâmetros
diferentes, primeiro nas membranas mucosas da boca, vagina e pênis, ou na
pele do tórax, rosto e couro cabeludo, mas que depois se espalham pelo corpo
todo. Quando essas bolhas se rompem, surgem no local feridas em carne viva
que podem ocupar grandes áreas e servem de porta de entrada para infecções.
Pênfigo é uma doença grave que, não tratada a tempo, pode levar à morte. A
doença pode ser detectada pelas lesões que causa na pele, durante o exame
clínico.
Úlcera de estase, anêmica, microangiopática, arteriosclerótica e neurotrófica:
uma série de doenças relacionadas. Dermatite e úlceras de estase, ou
simplesmente dermatite de estase, é uma inflamação na pele causada por
acúmulo de sangue nas veias das pernas. Esse acúmulo recebe o nome de
insuficiência venosa ou estase venosa. Nos estágios avançados pode causar
fortes dores na panturrilha. A chamada úlcera anêmica é aquela causada nos
membros inferiores, geralmente, pela anemia falciforme. Os demais tipos de
ulcerações citadas, quais seja, microangiopática, arterioesclerótica e
neurotrófica variam em função de sua origem. Em todos os casos, a grosso
94

95





modo, o que se tem em mente são úlceras, vulgarmente feridas, da pele, que
possam causar lesões significativas, com perdas funcionais. A presença dessa
alteração é verificada no momento do exame clínico e, a juízo do médico
avaliador, ensejará a realização de exames complementares extras.
Colagenose­ lúpus eritematoso sistêmico, dermatomiosite, esclerodermia: A
colagenose é um grupo de doenças autoimune relacionadas à produção
excessiva ou deficiente das fibras de colágeno que podem atingir vários órgãos
e sistemas como pulmão, vasos sanguíneos e tecidos linfáticos, por exemplo. As
doenças citadas no item são os casos dessa alteração que a banca considerou
como relevantes para a constatação da incapacidade para o cargo. Lúpus
eritematoso sistêmico apresenta-se em duas formas, uma cutânea (benigna) e
outra visceral (maligna). A forma cutânea atinge somente a pele, mas as lesões
são de difícil regressão. Acomete principalmente mulheres entre os 30 e 40
anos de vida. Na esclerodermia sistêmica predominam os processos
proliferativos sobre os exsudativos e normalmente é de curso crônico. Sofre
uma nítida influência de emoções reprimidas e é mais comum em mulheres
excessivamente tímidas e emotivas. Dermatomiosite é uma doença
inflamatória que atinge a pele e os músculos. Tem uma incidência um pouco
maior no sexo feminino, sendo comum na infância. Ascolagenoses costumam
apresentar-se com manifestações cutâneas isoladas ou associadas a sintomas
sistêmicos. No lúpus eritematoso, por exemplo, a apresentação varia de
simples manchas cutâneas discoides até formas viscerais, potencialmente
fatais, como o acometimento dos rins e do sistema nervoso central. Logo, a
presença dessa doenças deve ser avaliada caso a caso para o diagnóstico da
inaptidão ou não para o cargo.
Paniculite nodular ­ eritema nodoso: Paniculites são doenças caracterizadas
por inflamação do tecido adiposo subcutâneo. Esses múltiplos nódulos
subcutâneos macios e recorrentes que podem se tornar progressivamente mais
escura e graves. Entre essas paniculites, escolheu o avaliador como citação de
situação incapacitante o eritema nodoso. Eritema nodoso é uma inflamação
dermatológica, caracterizada pelo aparecimento de nódulos dolorosos sob a
pele. O número de nódulos pode variar entre 5 e 50 e geralmente aparecem na
parte inferior das pernas e nos braços, com a coloração avermelhada. O
eritema nodoso é considerado um sintoma de algumas doenças, como a
hanseníase, a tuberculose e a colite ulcerativa, mas também pode ser causado
por uma reação alérgica a determinados medicamentos. A doença pode ser
grave, causando cansaço e dor nas articulações. Como anteriormente dito,
somente casos graves e verificados de maneira adequada ao sistema
administrativo brasileiro, no qual vale o contraditório e o devido processo legal,
podem ensejar incapacitação para o cargo.

95

96



Neoplasia maligna: Vulgarmente, conhecida como "tumor" (embora não seja a
correta descrição), a neoplasia é uma proliferação anormal do tecido, que foge
parcial ou totalmente ao controle do organismo e tende à autonomia e à
perpetuação, com efeitos agressivos sobre o hospedeiro. As neoplasias
malignas (popularmente, câncer) compreendem um grupo de doenças
caracterizadas pelo desenvolvimento incontrolado de células anormais que se
disseminam, podendo acometer outros órgãos, a partir de um sítio anatômico
primitivo. Aqui, parece que o que se tem em mente são os casos de câncer de
pele. De qualquer forma, mesmo em casos assim deve prevalecer o estudo caso
a caso, diante dos critérios de adequação ao cargo e aptidão para o exercício
contínuo e saudável da função de policial.

6­ Alterações no sistema pulmonar: aqui destaca-se apenas a tuberculose (desde que
nos termos descritos abaixo). Em regra, essas alterações são detectadas nas
radiografias do tórax e na espirometria. As radiografias do tórax, portanto, devem ser
normais, sem alterações, excetuando-se alterações de pouca significância e
desprovidas de potencial para agravamento ou perda funcional. Assim, são condições
que podem gerar incapacitação para o cargo nesse grupo:




Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC): DPOC (doença pulmonar
obstrutiva crônica) é um espectro de doenças que inclui a bronquite crônica
(estreitamento das vias aéreas e paralisação da atividade dos cílios) e o
enfisema (danos irreversíveis nos alvéolos).O cigarro é responsável pela
imensa maioria dos casos. A constante exposição a elementos irritantes, como
poeira, poluentes do ar e vapores químicos, também pode contribuir para o
aparecimento da doença. A DPOC é uma doença insidiosa de instalação lenta.
Geralmente, o primeiro sintoma é uma discreta falta de ar (dispneia) associada
a esforços como subir escadas, andar depressa ou praticar atividades
esportivas. Com o passar do tempo, a falta de ar vai se tornando mais intensa e
é provocada por esforços cada vez menores. Nas fases mais avançadas, a falta
de ar se manifesta mesmo com o doente em repouso e agrava-se muito diante
das atividades mais corriqueiras. A alteração pode ser detectada pela
espirometria. Pela melhor exegese do edital, os casos mais avançados da
doença são causas de incapacitação, posto que nestes casos o único
tratamento médico capaz de aumentar a sobrevida dos portadores da doença
é a oxigenioterapia e o paciente tem sua vida abreviada.
Tuberculose ativa pulmonar e em qualquer outro órgão: A tuberculose é
causada pelo Mycobacterium tuberculosis, também conhecido como bacilo de
koch.A tuberculose pulmonar é a forma mais frequente e generalizada da
doença. Porém, o bacilo da tuberculose pode afetar também outras áreas do
nosso organismo, como, por exemplo, laringe, os ossos e as articulações, a pele
(lúpus vulgar), os glânglios linfáticos (escrófulo), os intestinos, os rins e o
96

97







sistema nervoso. As tuberculoses ativas são caracterizadas pela presença do
Mycobacterium tuberculosis ao exame direto e/ou cultura de qualquer
secreção ou material colhido para exame em amostras diferentes e podem ser
caracterizadas pela radiografia como tal. A detecção da tuberculose como ativa
é motivo comum para afastamento de servidores, de forma que a detecção no
concurso é motivo para reprovação.
Sarcoidose: A sarcoidose é uma doença autoimune na qual ocorre a
inflamação de diferentes órgãos e tecidos do corpo humano ao mesmo tempo,
como gânglios linfáticos, pulmões, fígado, olhos, pele, entre outros. Em termos
médicos, a sarcoidose é uma doença glanulomatosa, ou seja, uma forma de
inflamação crônica que o organismo pode desenvolver em resposta à agressão
de diversos agentes. Se a doença já estiver avançada, pode ser detectada pela
espirometria. Nos estágios iniciais pode ser assintomática e não será detectada
pela banca. Somente os casos mais graves são, de qualquer forma, motivo
suficiente para incapacidade para o cargo.
Pneumoconiose:A pneumoconiose é uma doença respiratória causada pela
inalação de substâncias químicas, como silicose, alumínio, grafite ou asbestos,
que provocam tosse frequente ou dificuldade para respirar, por exemplo.
Geralmente, a pneumoconiose afeta indivíduos que estão constantemente em
locais de trabalho com muita poeira, como minas de carvão, fábricas
metalúrgicas ou obras de construção e, por isso, é considerada uma doença
ocupacional. A doença pode ser detectada na radiografia de tórax. Casos mais
graves são motivos de inaptidão, mas não todos os casos, sendo, como
sempre, necessário analisar a doença em termos das condições incapacitantes
do edital. Como curiosidade, pertence a esse grupo a doença
Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose, pequena palavra que ganhou
destaque por ser tida como a maior palavra da língua portuguesa
dicionarizada, ganhando de anticonstitucionalissimamente. Essa foi apenas
para descontrair, depois de falar de tantas doenças.
Tumores malignos do pulmão ou pleura: os cânceres de pulmão e pleura,
grosso modo. O câncer de pulmão é um tumor caracterizado pela quebra dos
mecanismos de defesa naturais do pulmão, a partir de estímulos
carcinogênicos ao longo dos anos, levando ao crescimento desorganizado de
células malignas. O câncer de pulmão é um tumor maligno que pode pegar
desde a traqueia até a periferia do pulmão. É uma das principais causas de
morte entre as neoplasias no Brasil, com 18 mil casos novos em 2012, sendo a
principal causa de morte por câncer entre homens e segunda causa entre as
mulheres. Certamente é, portanto, uma doença grave e um caso de inaptidão
­ e de real preocupação com a saúde. Pode ser detectado o câncer pela
radiografia, até mesmo em estágios iniciais.

97

98

7 ­ Alterações no sistema cardiovascular: são as doenças desse grupo facilmente
descobertas, por conta da necessidade de o candidato se submeter a
eletrocardiograma e, principalmente, ao ecocardiograma bidimensional por Doppler,
que são exames bastante precisos. O caso mais comum é de hipertensão, que costuma
causar dor de cabeça a alguns candidatos. Sem mais delongas, vamos às alterações
citadas no edital:






Doença coronariana: A doença coronariana é o resultado da formação de
placas de aterosclerose, que são placas de tecido fibroso e colesterol, que
crescem e acumulam-se na parede dos vasos a ponto de dificultar ou mesmo
impedir a passagem do sangue. O crescimento desta lesão pode ser acelerado
por fumo, pressão alta, colesterol sanguíneo elevado e diabete. A doença é
mais frequente à medida que envelhecemos, mas não é uma consequência
natural do envelhecimento. Quando o entupimento da artéria pela
aterosclerose envolve mais de 50 a 70% do seu diâmetro, o fluxo sanguíneo
torna-se insuficiente para nutrir a porção do coração irrigada por aquela
artéria doente, especialmente quando a necessidade de oxigênio é maior,
como durante exercício físico. A irrigação inadequada de uma determinada
região, levando-a ao sofrimento e expondo aquele tecido ao risco de morrer
denomina-se isquemia. A isquemia, se prolongada, pode provocar a morte do
tecido e este fenômeno se denomina infarto. Logo, os casos mais avançados da
doença são graves e causam a incapacitação no exame médico. Os casos
iniciais, porém, podem ser facilmente tratados e não devem ser encarados
como condições incapacitantes, nos termos do edital.
Miocardiopatia: Miocardiopatia que literalmente quer dizer doença do
músculo do coração é a deterioração da função do miocárdio (o músculo do
coração) por alguma razão. Pessoas com miocardiopatia estão sempre
sofrendo o risco de uma arritmia ou morte cardíaca súbita ou ambos.
Hipertensão arterial sistêmica, não controlada ou com sinais de repercussões
em órgão alvo: Grosso modo, é a famosa pressão alta. Não é, porém, qualquer
sinal de pressão alta que é condição incapacitante, mas apenas os casos mais
graves, nos quais a pressão alta está descontrolada e próxima de causar outros
problemas de saúde, ou que já os está causando (as repercussões em órgãos
alvos do edital). A hipertensão pode ser dividida em três estágios, definidos
pelos níveis de pressão arterial. Esses números, somados a condições
relacionadas que o paciente venha a ter, como diabetes ou histórico de AVC,
determinam se o risco de morte cardiovascular do paciente é leve, moderado,
alto ou muito alto. Além disso, quanto mais alta a pressão arterial, maior a
chance de o paciente precisar usar medicamentos. O diagnóstico de
hipertensão é feito pela medida da pressão, que será feita pelo cardiologista
para o laudo, e também pelo médico da banca avaliadora. Se o valor medido
98

99







for igual ou maior do que 14 por 9 (140 mmHg x 90mmHg), já é um motivo
para preocupação. Geralmente, porém, há candidatos que ficam nervosos no
momento do exame clínico e ficam com a pressão alterada. Assim, o médico
costuma fazer mais de uma medida da pressão. Se, porém, na segunda medida
a pressão continuar alta, provavelmente o candidato ficará reprovado
preliminarmente na avaliação médica e terá que fazer um teste conhecido
como monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA), com um
aparelho que efetua medidas de seus valores por 24 horas ao longo das
atividades cotidianas e durante o sono.
Cardiopatia congênita, ressalvada a comunicação interatrial (CIA), a
comunicação interventricular (CIV) e a persistência do canal arterial (PCA) ­
desde que corrigidas cirurgicamente, e a presença de valva aórtica bicúspide,
desde que não esteja associada a repercussão funcional: item extenso.
Trocando em miúdos, cardiopatia é um termo geral que pode ser usado no
sentido que englobe todas as doenças do coração. Porém, o item se refere a
doenças congênitas, ou seja, aquelas presentes na estrutura do coração
mesmo antes do nascimento. O edital ressalva algumas dessa doenças, porém,
como sendo não incapacitantes, o que era esperado, por serem condições que
não causam perdas funcionais e nem maiores preocupações à saúde. Apesar
da dupla negativa ("desde que não não esteja", sic), erro de atenção da banca
nesse item, somente as doenças congênitas que causem perdas funcionais ­ e
a respeito das quais certamente o candidato já tem conhecimento -, são
motivos para reprovação.
Valvulopatia adquirida, ressalvado o prolapso de valva mitral que não esteja
associado a repercussão funcional: A valvulopatia é uma doença na qual uma
ou mais válvulas cardíacas não funcionam apropriadamente. O coração tem
quatro válvulas: tricúspide, pulmonar, mitral e aórtica. Essas válvulas têm abas
que abrem a fecham em cada batimento cardíaco. Essas abas fazem com que o
sangue flua na direção correta através das quatro câmaras cardíacas e para o
resto do corpo. Valvulopatia adquirida geralmente envolve as válvulas aórtica
ou mitral. Embora a válvula seja normal a princípio, doença pode causar
problemas com o decorrer do tempo. O edital faz a ressalva, como já seria o
caso mesmo que não fosse citado, que há necessidade de repercussão
funcional para essas doenças serem causas de reprovação, o que não é o caso
dos prolapsos da valva mitral, em regra, por exemplo.
Pericardite crônica: A pericardite é uma inflamação do pericárdio, uma espécie
de bolsa que envolve o coração. O pericárdio tem como função manter o
coração em sua posição e impedir que ele se encha de sangue além de sua
capacidade. Para a maioria dos casos leves de pericardite, o repouso e o uso de
medicamentos vendidos sem necessidade de prescrição médica, como
analgésicos, podem ser usados para aliviar a dor causada pela doença. Os
99

100







casos crônicos, porém, aqueles prolongados e que causam repercussões,
podem ser motivos incapacitantes.
Arritmia cardíaca complexa e(ou) avançada: Em condições normais, o coração
bate entre 60 e 100 vezes por minuto. Em pessoas que se exercitam
rotineiramente ou que recebem medicamentos para diminuir o ritmo cardíaco,
a frequência pode cair para 55 batimentos por minuto. Valores de batimentos
fora dessas faixas são as chamadas arritmias. Batimentos acima dos valores
normais são chamados de taquicardia, enquanto batimentos abaixo do normal
são chamados de bradicardia. As arritmias são causadas por distúrbios na
condução dos impulsos elétricos que coordenam os batimentos do coração.
São casos incapacitantes as arritmias cardíacas complexas, como a taquicardia
ventricular e a fibrilação ventricular, que podem levar à morte em casos de
realização de atividades físicas e os casos avançados, que são aqueles nos
quais a doença provoca perdas funcionais.
Linfedema: Linfedema, mais popularmente conhecido como inchaço crônico, é
uma tumefação de algum órgão do corpo, decorrente da perturbação ou
obstrução na circulação linfática. Consiste em um acúmulo do fluido linfático
no tecido intersticial, o que causa edema, mais frequente em braços e pernas,
quando os vasos linfáticos estão prejudicados. Olinfedema pode ser
diagnosticado pela observação dos sintomas. No entanto, alguns exames
podem ser necessários não só para confirmar o diagnóstico. Com tratamento,
a doença pode ser minimizada, de forma que não se pode enxergar a previsão
editalícia como sendo absoluta, mas sim, como sempre, harmonizá-la com as
balizas colocadas na análise da capacidade funcional.
Fístula arteriovenosa: Como já comentado anteriormente, fístula é uma
patologia causada pela conexão entre um órgão ou de um vaso sanguíneo com
outra estrutura que normalmente não estão conectados. No caso da fístula
arteriovenosa, temos uma comunicação anómala entre uma artéria e uma
veia. Normalmente, o sangue flui das artérias para os capilares e depois para
as veias. Porém, quando existe uma fístula arteriovenosa, o sangue flui
diretamente de uma artéria para uma veia, sem passar pelos capilares. Uma
pessoa pode nascer com uma fístula arteriovenosa (fístula congênita) ou então
esta pode aparecer depois do nascimento (fistula adquirida). As fístulas
arteriovenosas congénitas não são frequentes. As adquiridas podem ser
causadas por qualquer ferida que lesione uma artéria e uma veia que se
encontram juntas. O mais habitual é que se trate de uma ferida penetrante
causada por arma branca ou de fogo. A fístula pode aparecer imediatamente
ou desenvolver-se em poucas horas. A zona pode inchar rapidamente caso se
escape sangue para os tecidos circundantes. A previsão dessa alteração não
pode ser encarada como absoluta, pois a criação de fístulas arteriovenosas
pode ser até um recurso terapêutico. Logo, apenas as fístulas que causem
100

101









problemas funcionais são casos de incapacitação, após a análise de cada caso
em específico.
Angiodisplasia: Angiodisplasia é uma malformação vascular, podendo aparecer
em qualquer orgão. Podem ser arteriais, venosas e linfáticas. O tipo de
complicação e o tratamento depende da localização da angiodisplasia, que
será o que determinará se é caso de inadequação ou não para o cargo.
Arteriopatia oclusiva crônica ­ arteriosclerose obliterante, tromboangeíte
obliterante, arterites: Dá-se o nome de arteriopatia a qualquer doença nas
artérias. Nas arteriopatias oclusivas, as artérias são obstruídas impedindo o
fluxo de sangue. As doenças em que isso ocorre, como exemplificado pelas
doenças citadas no item, são casos de inaptidão, quando crônicos e causadores
de repercussões funcionais.
Arteriopatia não oclusiva ­ aneurismas, mesmo após correção cirúrgica:
neste item, tem-se em mente as alterações nas artérias que não são oclusivas,
ao contrário do item anterior, ou seja, aquelas que não são caracterizadas pela
obstrução do fluxo de sangue. Dentre dessa classe, é citado o aneurisma,
caracterizado pela dilatação anormal de um vaso sanguíneo causado pelo
enfraquecimento das paredes do vaso, por trauma ou por doença vascular,
que podendo ocorrer basicamente em qualquer vaso sanguíneo. A previsão do
edital parece extensa demais, pois há casos de aneurismas que sequer causam
sintomas. Assim, os aneurismas que o edital parece prever são aqueles graves,
como alguns casos de aneurismas da aorta, que podem levar a hemorragia
interna se houver o rompimento. A previsão de que mesmo após correção
cirúrgica trata-se de condição incapacitante me parece ilegal, pois se a
correção foi feita de forma a evitar problemas funcionais e não houve grandes
riscos de a doença se desenvolver em médio prazo, não há porque reprovar
alguém. Mais uma vez o avaliador se mostra por demais cauteloso,
esbarrando, porém, em seu receio na ilegalidade, ferindo o princípio do livre
acesso a cargos públicos.
Arteriopatia funcional ­ doença de Raynaud, acrocianose, distrofia simpático
reflexa: nessas lista de doenças das artérias, temos aquelas caracterizadas por
alterações transitórias, intermitentes, da coloração da pele das extremidades,
acompanhadas por modificações da temperatura e da sensibilidade. Elas são
decorrentes de espasmos das artérias, em regra. Todas as doenças citadas
estão dentro desse grupo. O fenômeno de Raynaud, por exemplo, é uma
condição na qual ocorre um exagero na resposta à temperatura fria. As
manifestações clínicas do fenômeno de Raynaud são causadas pela
vasoconstrição (estreitamento) dos vasos sanguíneos (artérias e arteríolas),
que resulta na redução do fluxo sanguíneo para a pele (isquemia), enquanto a
cianose (arroxeamento da pele) é causada pela diminuição da oxigenação nos
pequenos vasos sanguíneos (arteríolas e capilares) da pele. A pele fica fria e
101

102



gera uma área empalidecida bem demarcada ou uma cianose em dedos de
mãos e pés. Algumas pessoas também sentirão a pele pálida e fria em orelhas,
nariz, face, joelhos, e qualquer área exposta. A previsão desse grupo de
doenças no edital é mais uma vez despropositado. Em primeiro lugar, porque
não é detectado nos exames exigidos esses tipos de doenças. Em segundo
lugar, porque alguns casos são de pouca seriedade e facilmente contornáveis.
Síndrome do desfiladeiro torácico: A Síndrome do Desfiladeiro Torácico (SDT)
ocorre devido à compressão neurovascular. E o que isso significa? Quer dizer
que nervos (neuro) e vasos sanguíneos (vascular) são comprimidos causando
sintomas. Por ser uma síndrome, pode-se dizer que existem diferentes causas
que levam a esse mesmo quadro, e uma somatória de diferentes sintomas.
Mas a quais nervos e vasos se refere essa síndrome? Ela se refere às estruturas
presentes no chamado desfiladeiro torácico, que é a região entre a primeira
costela e a clavícula - esta pode ser palpada do ombro ao centro do corpo, em
ambos os lados do pescoço. Aí também se encontram os músculos escalenos e
o músculo peitoral. Mais uma condição prevista despropositadamente, já que
a síndrome pode ser ocasionada por diferentes situações e, em regra, pode ser
curada com tratamento adequado.

8 ­ Alterações no abdome e trato intestinal: as alterações mais significativas aqui são
as doenças hepáticas a pancreáticas, além da hérnia, que podem causar alguma
dúvida, devido à grande extensão desse termo. Algumas alterações são detectadas
pelo médico da banca no exame clínico, algumas pelos exames de sangue e outras pela
ecografia de abdômen. As alterações nesse grupo são:


Hérnia da parede abdominal com protusão do saco herniárioà inspeção ou
palpação: Hérnia é o escape parcial ou total de um ou mais órgãos por um
orifício que se abriu por má formação ou enfraquecimento nas camadas de
tecido protetoras dos órgãos internos do abdome. As hérnias abdominais se
manifestam como abaulamentos na parede abdominal, contendo estruturas
que saem de dentro de sua cavidade. O conteúdo das hérnias que atravessa a
musculatura da parede abdominal é constituído, habitualmente, por alças
intestinais, especialmente de intestino delgado que é muito mais móvel do que
o intestino grosso. Esse conteúdo é envolvido por um saco herniário revestido
externamente por pele e internamente por peritônio, que é a delgada lâmina
de tecido que recobre a cavidade abdominal internamente. Não existe uma
causa evidente para o surgimento de uma hérnia. Algumas são resultado de
levantar muito peso. Elas podem estar presentes na pessoa desde o
nascimento, mas a protuberância pode ser imperceptível por muitos anos.
Segundo o edital, basta a hérnia estar suficientemente desenvolvida, de forma
a ser percebida na apalpação pelo médico da banca no momento do exame
clínico, para que seja motivo de incapacitação. De fato, o médico da banca fará
102

103







esse exame no dia do exame clínico. Porém, essa previsão se mostra
desproporcional, tendo em conta as questões de capacidade para o exercício
do cargo, de forma que não pode ser qualquer hérnia abdominal que reprove,
até porque essa condição pode ser resolvida por cirurgia. Para evitar
problemas, porém, se possui uma hérnia faça a cirurgia para a correção.
Visceromegalias: É o aumento do tamanho dos órgãos internos do abdômen,
tais como fígado, baço, estômago, rins e pâncreas. Geralmente, faz com que o
abdômen fique com inchaço. Não é propriamente uma doença, mais um
sintoma. Dessa forma, deve ser analisado o caso concreto diante dos cinco
critérios de adequação ao cargo (ou seja, são condições incapacitantes aquelas
incompatíveis com o cargo pretendido, potencializadas com as atividades a
serem desenvolvidas, determinante de frequentes ausências, capazes de gerar
atos inseguros que venham a colocar em risco a segurança do candidato ou de
outras pessoas e potencialmente incapacitante a curto prazo).
Formas graves de esquistossomose e de outras parasitoses (como por
exemplo: doença de Chagas, Calazar, malária, amebíase extraintestinal): aqui
a banca explicita que as doenças citadas devem estar em suas formas graves,
algo que já está implícito ao próprio exame médico, pois não se pode impedir
alguém de entrar para o serviço público por uma doença simples. A
esquistossomose pode ser detectada pela presença dos ovos no exame
parasitológico de fezes e também pode causar mudanças no hemograma. A
doença de Chagas em suas fases mais avançadas causa alterações facilmente
detectadas no ecocardiograma, mas de qualquer forma pede-se um exame
próprio para essa doença (sorologia para Chagas). Calazar ou Leishmaniose
visceral pode ser detectada pelos exames ELISA eimunofluorescência, que
compõem a sorologia para Chagas. A malária tem um exame de sangue próprio
para sua confirmação, mas esse não é pedido pela PF. Porém, a malária
apresenta sintomas que debilitam a pessoa, permitindo que, em casos graves,
seja percebido pelo médico. A amebíase quando chega a causar efeitos
extraintestinais pode ser detectada pelas alterações nos exames de sangue. O
ponto semelhante entre essas doenças é que todas causam, quando em um
quadro avançado e grave, sintomas debilitantes, como febres, dores no corpo,
etc. Ao deixar claro que os quadros graves é que são considerados, fica patente
que deve-se avaliar caso a caso e somente nos casos mais críticos ­ que
provavelmente terão alterações em outros exames ­ é que pode a banca
decidir pela inaptidão.
História de cirurgia significativa ou ressecção importante (quando presente
deve-se apresentar relatório cirúrgico, descrevendo o motivo da operação,
relatório descritivo do ato operatório, além de resultados de exames
histopatológicos ­ quando for o caso): Ressecção é a intervenção cirúrgica
para extração total ou parcial de um órgão ou de uma neoformação patológica.
103

104



Logo, tanto as cirurgias quanto as resseçções devem ser justificadas por laudo
que constate que estas não trouxeram prejuízo funcional. Quem se submeteu a
uma cirurgia que tenha deixado cicatrizes deve, diante dessa ideia, já prepararse para apresentar essa documentação.
Doenças hepáticas e pancreáticas: mais uma vez a banca peca por abrir demais
o item. Logo, cabe a hermenêutica do edital fechar o item, colocando nele
apenas as alterações significativas (ou seja, aquelas incompatíveis com o cargo
pretendido, potencializadas com as atividades a serem desenvolvidas,
determinante de frequentes ausências, capazes de gerar atos inseguros que
venham a colocar em risco a segurança do candidato ou de outras pessoas e
potencialmente incapacitante a curto prazo). Doenças hepáticas (do fígado)
incluem, por exemplo, os vários tipos de hepatites (cada um com uma
gravidade), cirrose hepática, indo de simples processo inflamatórios de menor
gravidade até o câncer de fígado. O caso que gera mais dúvida é o da hepatite.
O edital pede diversos exames para a Hepatite B e a sorologia para a Hepatite
C. A primeira delas, Hepatite B, causa pelo vírus VHB, manifesta-se em uma
fase aguda, que pode passar despercebida, sendo assintomática. Porém, em
uma pequena porcentagem de casos, a doença evolui para a forma crônica. A
hepatite B crônica também pode evoluir sem apresentar sintomas que chamem
a atenção durante muitos anos. Isso não indica que parte dos infectados possa
desenvolver cirrose hepática e câncer de fígado no futuro. Na maioria das
vezes, porém, quando os pacientes procuram o médico, já há sinais de
insuficiência hepática crônica: icterícia, aumento do baço, acúmulo de líquido
na cavidade abdominal (ascite), distúrbios de atenção e de comportamento
(encefalopatia hepática). A evolução dessa forma da doença depende de
fatores, como a replicação do vírus, a resposta imunológica, o consumo de
álcool e a eventual infecção por outros vírus. Salvo melhor entendimento do
edital, que não especifica quais doenças hepáticas são eliminatórias, apenas os
casos em que já se manifestam os sinais da hepatite B (ou seja, os acima
listados e o início de lesões significativas no órgão, que podem levar à cirrose e
a câncer). A hepatite C, por outro lado, causa pelo vírus VHC, é quase sempre
assintomática e a maioria das pessoas que têm a doença não sabem. Porém,
também ela pode evoluir para a forma crônica, com graves lesões no fígado. A
Hepatite C, pelo entendimento melhor das condições incapacitantes, não pode
ser um motivo de inaptidão, pois na maior parte das causas o tratamento leva a
eliminação do vírus do organismo. De qualquer maneira, se tiver diagnóstico
positivo nos exames de hepatite (excetuando-se a observação referente ao
exame anti HBS, que pode vir positivo para os casos de vacinação), procure um
especialista e refaça os testes para ter certeza. Quanto às doenças
pancreáticas, temos diabetes (sendo que diabetes mellitus é causa de
incapacitação para o cargo, nos termos do edital), insuficiência enzimática do
104

105









pâncreas, pancreatites, câncer de pâncreas, etc. Apenas os casos que sejam de
fato incapacitantes, nos termos que já expusemos, são motivos para
eliminação.
Lesões do trato gastrointestinal ou distúrbios funcionais, desde que
significativos: esse item é mais bem redigido do que o anterior, pois especifica
que as lesões devem ser significativas e causarem distúrbios funcionais, algo
que já está implícito na vaga descrição "doenças hepáticas e pancreáticas".
Porém, em vista do todo do edital, que já especifica que qualquer alteração
com essa característica pode ser considerada incapacitante, este item nada
acrescenta. De qualquer forma, lesões gastrointestinais com reflexos funcionais
são motivos de incapacitação.
Tumores malignos: para resumir o assunto, tumores malignos em qualquer
região do corpo, ou seja, câncer, são motivos para a banca investigar a fundo o
caso e decidir pela inaptidão ou não. Em regra, se detectadas essas alterações,
o candidato deve ser reprovado.
Doenças inflamatórias intestinais: Doença Inflamatória Intestinal é um termo
geralmente usado para se referir a um grupo de doenças inflamatórias crônicas
de causa desconhecida envolvendo o Aparelho Digestivo. A Doença
Inflamatória Intestinal (DII) é uma afecção na qual o intestino se torna
vermelho, inchado e com feridas espalhadas pelo intestino. As Doenças
Inflamatórias Intestinais podem ser divididas em dois grupos principais, a
Retocolite Ulcerativa (RCU) e a Doença de Crohn (DC). Ninguém sabe
exatamente as causas da Doença Inflamatória Intestinal, ou por que algumas
pessoas são portadoras dessa doença e outras não. Geralmente a confirmação
dessas doenças deve ser feita por exames não pedidos para o concurso, como
colonoscopia e raio x de bário. Em resumo, dificilmente esse será o motivo de
reprovação de algum candidato, que será antes eliminado por conta de algum
efeito da doença, se causar alterações no exame.
Obesidade mórbida: levando-se em consideração que o exame médico no
concurso atual é realizado depois do teste de aptidão física, que é eliminatório,
parece mais um excesso de cuidado da banca colocar obesidade mórbida como
fato de reprovação. De qualquer maneira, esta é a previsão ­ se alguém com
IMC acima de 40 conseguir nadar, correr, fazer barra e saltar os índices, não
fique contente ainda, pois será reprovado no exame médico se não tiver
emagrecido durante esses testes...

9 ­ Alterações no aparelho genito-urinário: as alterações nesse grupo são, na maior
parte das vezes, detectadas por alterações na ecografia de abdômen, alguns exames
de sangue e no exame de urina. Neste sentido, a orientação do edital é de que este
exame deve vir sem a presença de cilindro renais (cilindruria), proteínas (proteinuria),
sangue (hematúria) e glicose (glicosúria), além dos padrões colocados, quais sejam o +
105

106

+ colocado no resultado, que diz respeito à quantificação dessas alterações. Claro que
não é a simples presença da alteração que é motivo de reprovação, mas sim quando
ela é sinal de alguma doença, como fica claro quando o edital afirma que a presença
de glicose deve ser correlacionada com o exame de sangue de glicemia de jejum e que
a presença de sangue e proteínas nas mulheres pode ser normal a depender do
período do ciclo menstrual. A lista de alterações é a seguinte:








Anormalidades congênitas ou adquiridas da genitália, rins e vias urinárias,
associadas à repercussões funcionais: em resumo, qualquer alteração
anatômica, seja de nascença ou não, nos órgãos desse sistema, que possa
causar alteração funcional ­ o que não mais é do que reafirmar a regra geral
para o caso específico. Além de ser uma previsão desnecessária, ainda mal
redigida, por conta da crase antes de palavra no plural.
Uropatia obstrutiva crônica: Uropatia obstrutiva é uma doença na qual o fluxo
de urina sofre uma inversão de direção. Em vez de fluir dos rins para a bexiga, a
urina "reflui" de volta para os rins. O refluxo da urina na uropatia obstrutiva
deve-se ao bloqueio no ureter, um dos tubos que transporta a urina entre os
dois órgãos. A uropatia obstrutiva pode causar inchaço e outros danos em um
ou ambos os rins. A doença pode ser detectada pelo exame de ecografia.
Somente os casos crônicos, nos quais já existe danos aos rins ou a perspectiva
de ocorrência é alta são motivos para preocupação, nos termos do edital.
Prostatite crônica: Prostatiteé um termo amplo que engloba várias condições
que cursam com inflamação da próstata. A forma crônica da doença
geralmente se caracteriza por queixas de disúria (incômodo ao urinar) e
vontade de urinar frequentemente. O diagnóstico não é simples e dificilmente
essa doença ficará caracterizada pelos exames solicitados pela banca.
Rim policístico: Rins policísticos, ou doença renal policística (PKD, sigla de
Polycistic Kidney Disease) é uma moléstia genética, relativamente comum,
progressiva e hereditária, determinada por mutações nos genes PKD1 (85% dos
casos) e PKD2 (15% dos casos). Ela se manifesta em ambos os sexos, não
importa a idade nem a etnia. Pareça haver fatores ambientais envolvidos. Sua
principal característica é a formação de inúmeras dilatações semelhantes a
bolhas de diferentes tamanhos, em alguma parte do néfron (ou nefrônio), a
unidade funcional dos rins encarregada de filtrar o sangue e eliminar a urina. O
exame de ecografia pode ajudar a indicar a doença. Na grande maioria dos
casos, no início, os cistos são assintomáticos. Com a evolução do quadro,
porém, as queixas mais frequentes são dor nas costas, cansaço, edema
(inchaço), náusea, sangue na urina (hematúria), infecções urinárias, cálculo
renal. Hipertensão arterial, perda de proteínas pela urina que fica espumosa
(proteinúria), doença diverticular do intestino, aneurisma intracraniano são
comorbidades que podem estar associadas aos rins policísticos.
106

107









Insuficiência renal de qualquer grau: Insuficiência renal é a perda das funções
dos rins, podendo ser aguda ou crônica. A insuficiência renal aguda é
caracterizada por redução rápida da função dos rins que se mantém por
períodos variáveis, resultando na inabilidade de os rins exercerem suas funções
básicas. Em muitas ocasiões o paciente necessita ser mantido com tratamento
por diálise até que os rins voltem a funcionar. Em outros casos, os rins não tem
sua função reestabelecida e o paciente precisa ser mantido em diálise.
Insuficiência renal crônica é a perda lenta, progressiva e irreversível das
funções renais. Por ser lenta e progressiva, esta perda resulta em processos
adaptativos que, até um certo ponto, mantêm o paciente sem sintomas da
doença. Até que tenham perdido cerca de 50% de sua função renal, os
pacientes permanecem quase sem sintomas. A partir daí, podem aparecer
sintomas e sinais que nem sempre incomodam muito. Assim, anemia leve,
pressão alta, edema (inchaço) dos olhos e pés, mudança nos hábitos de urinar
(levantar diversas vezes à noite para urinar) e do aspecto da urina (urina muito
clara, sangue na urina, etc). Deste ponto até que os rins estejam funcionando
somente 10 a 15% da função renal normal, geralmente, pode-se tratar os
pacientes com medicamentos e dieta. Quando a função renal se reduz abaixo
desses valores, torna-se necessário o uso de outros métodos de tratamento da
insuficiência renal: diálise (hemodiálise ou diálise peritoneal) ou transplante
renal. Variações no valor de creatinina podem indicar quadros de insuficiência
renal, mas não são um diagnóstico confiável. A previsão de qualquer grau como
sendo incapacitante parece desarrazoável, pois se deve sempre se levar em
conta as questões de aptidão para o cargo, não podendo supor que qualquer
doença que possa, num futuro distante, trazer complicações de saúde possa ser
causa de inaptidão.
Nefrite intersticial: A nefrite é uma inflamação dos rins, geralmente causada
por uma infecção ou por uma reação do sistema imune que acaba atacando os
rins. Nefrite intersticial ou nefrite tubulointersticial, caracteriza-se pela
inflamação ocorrer nos túbulos dos rins e nos espaços entre os túbulos e o
glomérulo. Embora a doença cause mudanças nos exames laboratoriais,
somente uma biópsia renal pode confirmar o diagnóstico e determinar o nível
de gravidade da enfermidade. Logo, trata-se de uma doença de difícil
caracterização, nos termos do edital.
Glomerulonefrite: Glomerulonefrite é um tipo de nefrite, em que a inflamação
afeta principalmente a primeira parte do aparelho de filtragem, o glomérulo. O
comentário sobre o diagnóstico acima aplica-se também aqui.
Sífilis secundária latente ou terciária: detectada pelo exame VDRL, a sífilis ou
lues, é uma doença infectocontagiosa, sexualmente transmissível, causada pela
bactéria Treponema pallidum. Pode também ser transmitida verticalmente, da
mãe para o feto, por transfusão de sangue ou por contato direto com sangue
107

108





contaminado. Se não for tratada precocemente, pode comprometer vários
órgãos como olhos, pele, ossos, coração, cérebro e sistema nervoso. A
enfermidade se manifesta em três estágios diferentes: sífilis primária,
secundária e terciária. Nos dois primeiros, os sintomas são mais evidentes e o
risco de transmissão é maior. Depois, há um período praticamente
assintomático, em que a bactéria fica latente no organismo, mas a doença
retorna com agressividade acompanhada de complicações graves, causando
cegueira, paralisia, doença cardíaca, transtornos mentais e até a morte. As
fases são: sífilis primária ­ pequenas feridas nos órgãos genitais (cancro duro)
que desaparecem espontaneamente e não deixam cicatrizes; gânglios
aumentados e ínguas na região das virilhas; sífilis secundária ­ manchas
vermelhas na pele, na mucosa da boca, nas palmas das mãos e plantas dos pés;
febre; dor de cabeça; mal-estar; inapetência; linfonodos espalhados pelo corpo,
manifestações que também podem regredir sem tratamento, embora a doença
continue ativa no organismo e sífilis terciária ­ comprometimento do sistema
nervoso central, do sistema cardiovascular com inflamação da aorta, lesões na
pele e nos ossos.
Varicocele e(ou) hidrocele em fase de indicação cirúrgica: Varicocele, ou
varizes do testículo, consiste na dilatação anormal das veias testiculares,
principalmente após esforço físico. Essas veias fazem parte do cordão
espermático. Sua dilatação pode dificultar o retorno venoso provocando
disfunção testicular e piora da qualidade do sêmen. Embora seja uma das
causas da infertilidade masculina, varicocele não provoca distúrbios da
potência sexual. Geralmente congênita, aparece na maior parte das vezes na
adolescência e quase nunca na infância. Já hidrocele é a presença de líquido em
quantidades anormais dentro do escroto e envolvendo o testículo. As
hidroceles podem ser congênitas ou adquiridas. A presença da alteração é
verificada pelo médico da banca no exame clínico. O edital coloca como motivo
de inaptidão se já estiver em fase de ser necessária uma cirurgia. De qualquer
maneira, o candidato que tem a doença provavelmente já terá corrido atrás de
tratamento antes.
Orquite e epidemite crônica: A orquite, também conhecida por orqueite, é
uma inflamação nos testículos que pode ser causada por traumatismo local ou
outros fatores, mas que geralmente está relacionada ao vírus da caxumba. A
orquite pode afetar somente um ou os dois testículos e pode ser classificada
como aguda ou crônica, sendo que na forma crônica os sintomas estão
ausentes. Já epidimite é provavelmente erro de digitação, pois a doença é
epididimite, uma inflamação do epidídimo ­ o tubo sinuoso que coleta os
espermatozoides do testículo e os transporta aos ductos deferentes. Nas
formas crônicas essas doenças podem levar a anos de tratamento com
medicação. O diagnóstico dessas doenças só pode ser feito pelo exame clínico,
108

109



se os sintomas estiverem visíveis ­ de forma que o médico da banca venha a
pedir algum exame extra para elucidação.
Criptorquidia: significa a ausência do testículo no local costumeiro, que é a
bolsa escrotal. Em outras palavras, não houve a descida do testículo da
cavidade abdominal (local no qual o testículo desenvolve-se quando o feto
encontra-se em ambiente intrauterino) para o escroto. Essa condição também
é conhecida como testículo ectópico. Pode a doença ser detectada no exame
clínico. A presença dessa alteração como condição incapacitante é duvidosa,
pois na maioria dos casos não há qualquer prejuízo funcional. Normalmente,
não há a presença de manifestações clínicas, com exceção de presença de
alguma complicação no testículo abdominal, como infecções, que já estão
previstas nos itens anteriores.

9 ­ Alterações no aparelho osteomioarticular: outra das grandes fontes de dor de
cabeça no exame da PF, as alterações detectadas nos exames de raios X são fonte de
dúvidas comuns. Bastante comum também são as dúvidas sobre quais casos de
cirurgia podem levar a incapacitação ­ e a ideia é que apenas os casos listados são
incapacitantes, pelo edital. Trata-se da maior lista de alterações previstas, que
esmiuçaremos a seguir. Destacaremos, como antes, os casos que causam mais dúvidas.








Doença infecciosa óssea e articular (osteomielite): Osteomielite é, por
definição, um quadro inflamatório que afeta um ou mais ossos, geralmente
provocado por infecção bacteriana ou fúngica. A osteomielite pode
permanecer localizada ou difundir-se pela corrente sanguínea,
comprometendo outras partes do osso e tecidos do corpo. A osteomielite não
tem cura, mas hoje existem diversos tratamentos para a doença. O exame de
raios X pode indicar alguma alteração e os exames de sangue podem ajudar no
diagnóstico.
Alteração de eixo que comprometa a força e a estabilidade das articulações:
na verdade, muitas das alterações previstas posteriormente nada mais são do
que um tipo de alteração do eixo da coluna. Assim, temos aqui uma má técnica
de redação novamente. De qualquer maneira, está bem delimitado o critério
para a análise, qual seja, se a alteração compromete a força e estabilidade das
articulações.
Alteração óssea que comprometa a força e a estabilidade dos membros
superiores e inferiores: mais um item por demais genérico ­ e assim
desnecessário. Já estão mais do que bem explicitados exemplos de alterações e
já há uma regra geral para a análise das causas de incapacitação.
Escoliose desestruturada e descompensada, associada a ângulo de Cobb
maior do que 10º (tolerância de até 3º): A escoliose se caracteriza por um
desvio da coluna vertebral para os lados quando observamos a pessoa de
frente ou de costas. Antigamente, acreditava-se que a escoliose era somente
109

110









um desvio lateral da coluna, chamada leigamente de "coluna torta".
Atualmente a definição correta é a de que a escoliose é um desvio
tridimensional da coluna vertebral, ou seja, a coluna desvia-se nos três planos
do espaço; Assim, a coluna realmente se torce, não somente para os lados, mas
também para frente /trás e em volta do seu próprio eixo. O grau de desvio, se a
doença for detectada no exame, deve vir explícito no laudo e deve ser abaixo
de 10º Cobb (que é uma das formas de medida adotada). Se tiver alteração no
Raio X desse tipo, procure refazê-lo e certificar-se da condição antes de
entregar desnecessariamente um laudo com alterações.
Lordose acentuada, associada com ângulo de Ferguson maior do que 45º
(radiografia em posição ortostática e paciente descalço): Lordose (ou
hiperlordose) é uma alteração postural que corresponde a um aumento
excessivo das curvaturas da coluna vertebral na região cervical e/ou lombar
quando observamos a pessoa de lado. O edital indica de que forma deve ser
entregue a radiografia extra no caso de detectada a alteração nos raios X que
foram pedidos.
Hipercifose associada a ângulo de Cobb maior do que 45º e com
acunhamento maior do que 5º em pelo menos três corpos vertebrais
consecutivos: Hipercifose é o aumento da curvatura da coluna torácica
também observada de lado; conhecido como "corcunda". Os termos técnicos
vão além da explicação necessária aqui, mas se for detectada a alteração,
certifique-se de verificar se ela está dentro desse quadro.
"Genurecurvatum" com ângulo maior do que 5º além da posição neutra na
radiografia em projeção lateral, paciente em decúbito dorsal com elevação do
calcâneo de 10 cm, em situação de relaxamento: O genu recurvatum é
caracterizado pela hiperextensão do joelho, sendo considerado patológico, e,
portanto, passível de tratamento quando alcança uma angulação acima de 15º.
Somente o médico da banca pode verificar essa alteração no exame clínico ­ e
caso verifique ele pedirá uma exame extra, que é o descrito no item, além de
deixar o candidato provisoriamente reprovado no exame médico. Se sabe ter
essa alteração, portanto, já fique preparado para o caso de o médico anotar
algo a respeito no exame clínico.
"Genuvarum" que apresente distância bicondilar maior do que 7 cm, cujas
radiografias realizadas em posição ortostática com carga, mostrem ângulo de
5º, com tolerância de mais ou menos 3º, no gênero masculino, no eixo
anatômico: Conhecido também popularmente como "perna de cowboy", o
genuvarum é a deformidade que consiste no arqueamento das pernas,
promovendo a projeção dos joelhos para fora da linha média do corpo, o que
caracteriza um afastamento dos joelhos. O indivíduo apresenta abdução do
fêmur e o excesso de rotação da tíbia. Entre as causas mais comuns estão o
raquitismo e as malformações congênitas. Novamente, uma variação que pode
110

111









ser percebida pela junta médica do concurso, que pedirá os exames
complementares para atestar. A banca especifica que essa variação é
considerada apenas para o sexo masculino.
"Genu valgum" que apresente distância bimaleolar maior do que 7 cm, cujas
radiografias realizadas em posição ortostática com carga, mostrem ângulo de
5º, no gênero masculino, no eixo anatômico: As conhecidas "pernas para
dentro", genu valgum é a malformação que consiste na aproximação dos
joelhos e no afastamento dos pés, caracterizando uma angulação medial do
joelho e desvio do eixo longitudinal da tíbia e do fêmur para fora. O indivíduo
apresenta adução e rotação medial do fêmur, associadas ao excesso de rotação
da tíbia. Caso o problema seja bilateral, os membros inferiores apresentam
uma forma típica em X. Novamente é especificado apenas o grau para o sexo
masculino, o que pode ser alegado para não caracterizar mulheres com a
alteração.
Discrepância no comprimento dos membros inferiores observada ao exame
clínico, com encurtamento de um dos membros superior a 10 mm (1,0 cm), o
que deve ser confirmado mediante exame de escanometria dos membros
inferiores: em alguns casos, a diferença entre o tamanho das pernas pode
caracterizar o candidato como PNE. Porém, se for maior do que 1 cm, nos
termos do edital, o candidato será reprovado. Se o médico da banca perceber a
diferença (o que deve ocorrer, pois é um dos aspectos analisados), ele pedirá o
exame extra de escanometria.
Espondilólise, espondilolistese, hemivértebra, tumores vertebrais (benignos e
malignos): Espôndilo é o termo grego para vértebra adjacente. Assim,
espondilolistese significa escorregamento da vértebra adjacente. Já
espondilólise refere-se apenas há um defeito na vértebra sem escorregamento.
Este defeito pode ocorrer em diversas partes da vértebra, principalmente nos
elementos posteriores. Pode ser uma lesão óssea propriamente dita como uma
fratura da pars articulares ou dos pedículos ou pode ser uma alteração da
conformação da vértebra como por exemplo uma deformidades das facetas
articulares que permite o escorregamento de uma vértebra sobre a outra.
Hemivértebra é uma anomalia de desenvolvimento em que um lado da
vértebra é incompletamente desenvolvido. Além dessas anomalias nas
vértebras, os tumores, sejam benignos ou malignos, são colocados como
condição incapacitante. Todas essas variações podem ser detectadas na
radiografia. Atenção para os diagnósticos de espondilolistese, que podem ser
feitos incorretamente pelo radiologista. Por isso, refaça o exame, se for o caso.
Discopatia, laminectomia, passado de cirurgia de hérnia discal, pinçamento
discal lombar do espaço intervertebral; presença de material de síntese
(exceto quando utilizado para fixação de fraturas), desde que estas estejam
plenamente consolidadas e que não exista qualquer déficit funcional do
111

112









segmento acometido, sem presença de sinais de infecção óssea: A discopatia
é sinônimo de doença do disco intervertebral ou doença degenerativa do disco
intervertebral. Laminectomia é o procedimento cirúrgico para a remoção de
uma ou mais lâminas vertebrais. A hérnia de disco ocorre quando parte de um
disco intervertebral sai de sua posição normal e comprime as raízes dos nervos
que se ramificam a partir da medula espinhal e que emergem da coluna
espinhal ­ e o passado de cirurgia para esse problema é a questão apontada.
Pinçamento é a aproximação entre os discos, no caso na região lombar e do
espaço intervertebral. Síntese cirúrgica é o conjunto de manobras manuais e
instrumentais, destinadas a unir os tecidos separados, restituindo sua
continuidade anatômica e funcional ­ pelo bom entendimento do edital,
especifica-se os casos de síntese apenas nessa região dos discos
intervertebrais. No caso do edital, fala-se em presença de material de síntese, o
que seria os materiais usados para esses procedimentos, como fios e metais.
Excetuam-se, nesse último caso, os casos em que haja presença de materiais de
síntese, mas não haja perdas funcionais e nem sinal de infecção.
Presença de artrodese em qualquer articulação: A artrodese é um
procedimento realizado para causar fusão óssea em uma articulação, causando
sua imobilidade. A artrodese é um dos tratamentos mais tradicionais da
cirurgia de coluna. Esta técnica consiste na junção de duas ou mais vértebras e
pode ser feita com ou sem a inserção de parafusos. Na radiografia é facilmente
detectado a presença de articulações que tenham sido submetidas a esse
procedimento.
Próteses articulares de quaisquer espécies: Prótese é o componente artificial
que tem por finalidade suprir necessidades e funções de indivíduos sequelados
por amputações, traumáticas ou não. Uma prótese substitui um membro ou
uma parte do organismo - prótese de mão (mão artificial, prótese de membro
inferior (perna artificial) -, enquanto um implante acrescenta volume ou função
a algo que já existe (implante mamário, implante peniano). Nos termos do
edital, qualquer prótese nas articulações é motivo de incapacitação.
Doenças ou anormalidades dos ossos e articulações, congênitas ou
adquiridas, inflamatórias, infecciosas, neoplásticas e traumáticas; casos
duvidosos deverão ser esclarecidos por Perícia Médica Oficial: mais uma vez
uma previsão genérica demais, que a banca delimita um pouco dizendo que a
junta médica deve esclarecer ­ o que já é o óbvio, pois os casos que não são
claramente incapacitantes devem sempre ser esclarecidos.
Luxação recidivante de qualquer articulação, inclusive ombros; frouxidão
ligamentar generalizada ou não; instabilidades em qualquer articulação: A
luxação, em termos médicos, é definida como a "perda do contato articular".
Isto é, a separação de dois ossos que costumam estar em íntimo e contínuo
contato por meio de uma área lisa e deslizante, chamada de cartilagem. A
112

113







luxação do ombro ocorre quando uma força extrema supera os mecanismos
estabilizadores (lábio, cápsula e manguito) e desloca a cabeça do úmero para
fora da glenóide. Chamamos de subluxação quando o úmero retorna à posição
original sozinho após o deslocamento. Essas circunstâncias podem ocasionar
lesões dos tecidos. Na maioria das vezes, os danos serão no lábio e nos
ligamentos. Em pacientes acima dos 40 anos, além do lábio, os tendões do
manguito rotador também podem ser lesados, o que torna a luxação mais
grave. Chama-se luxação recidivante aquela na qual não há correta cicatrização
e a luxação volta. Na literatura médica, a frouxidão está relacionada à chamada
de Síndrome de Ehlers-Danlos e descrita como uma doença genética
relacionada à síntese de colágeno, que causa hipermobilidade das articulações
e algumas outras alterações corporais. Pelo menos 13 tipos desta síndrome
foram identificados e os tipos são relacionados a distúrbios hereditários mais
comuns do tecido conjuntivo, podendo acometer diferentes articulações e se
manifestar em diferentes graus de severidade. Instabilidades em qualquer
articulação é um termo genérico, que precisa, como sempre, ser analisado
pelas regras de incapacitação do edital.
Fratura viciosamente consolidada, pseudoartrose: Pseudoartrose é a não
consolidação de uma fratura. Também definida como falsa articulação, a
pseudoartrose caracteriza-se então pela falta de consolidação óssea em relação
a uma fratura ou mesmo a uma artrose. É uma subespécie das fraturas mal
consolidadas. Em resumo, as fraturas devem estar recuperadas, sem perdas
funcionais.
Doença inflamatória e degenerativa osteoarticular, incluindo as necroses
avasculares em quaisquerossos e as osteocondrites e suas sequelas: Outra
série extensa de doenças, relacionadas às inflamações e degenerações dos
tecidos. Necrose avascular, também é conhecida como osteonecrose, necrose
asséptica ou necrose isquêmica do osso é uma doença causada pela perda
temporária ou permanente da irrigação de sangue aos ossos. A morte do tecido
ósseo causa seu colapso resultando em dor e deficiência. Osteocondrite é o
nome que se dá para as inflamações conjuntas de osso e cartilagem, podendo
provocar encurtamento ou engrossamento das extremidades ósseas ou
separação estratificada de osso e cartilagem.
Artropatia gotosa, contraturas musculares crônicas, contratura de dupuytren:
Gota é uma condição crônica, não contagiosa, causada pelo depósito de cristais
de ácido úrico nas articulações. O acúmulo de ácido úrico no sangue pode
acontecer tanto pela produção excessiva, quanto pela eliminação deficiente da
substância. Mas é importante saber que nem todas as pessoas que apresentam
aumento de ácido úrico no sangue apresentarão gota. A gota é uma das
principais causas da artrite crônica e está associada a outras patologias como
obesidade, cálculos renais, alterações do colesterol, diabetes e insuficiência
113

114










renal. A contratura muscular ocorre quando o músculo contrai-se de maneira
incorreta e não volta ao seu estado normal de relaxamento. Isso pode
acontecer após um exercício muito forte ou quando um indivíduo está muito
tenso, vivendo situações de estresse e cheio de preocupações. A contratura de
Dupuytrené uma alteração que ocorre na palma da mão que faz com que um
dedo fique sempre mais dobrado que os outros.
Tumor ósseo e muscular: outra previsão genérica, na qual vale os comentários
de praxe.
Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho ou lesões por esforço
repetitivo, incluindo tendinopatias em membros superiores e inferiores: As
famosas LER. Tendinopatia é uma doença no tendão, da qual a tendinite é um
exemplo. A previsão aqui é ampla demais, devendo ser levado em conta apenas
os casos em que há problemas funcionais.
Deformidades congênitas ou adquiridas das mãos, associadas à repercussão
funcional: qualquer alteração anatômica nas mãos que dificulte a prática diária
dentro do cargo de policial.
Deformidades congênitas ou adquiridas dos pés (pé cavo-varo, pé plano
rígido, hálux-valgo, hálux-varo, hálux-rígido, sequela de pé torto congênito,
dedos em garra com calosidade ou não, calosidade aquileia, dedo
extranumerário, coalizões tarsais): A mesma previsão feita para as mãos, aqui
repetida para os pés, mas com uma enumeração dos casos em que, em tese, se
verifica perdas funcionais. Somente podem ser motivo de incapacitação os
casos citados quando comprovadamente houver perda funcional, logo a citação
de joanete, por exemplo, deve ser desconsiderada como sendo de caráter
geral. Pé cavo é o contrário de pé plano (popular, pé chato), ou seja, aquele
que tem a curva do pé muito alta. Hallux valgus ou hálux valgo, popularmente
conhecido como joanete, é um desvio lateral acentuado do primeiro
pododáctilo, o hálux ou dedão do pé. Hálux-varo é o contrário do anterior, ou
seja, o desvio é no sentido oposto do joanete. Hálux-rígido é uma desordem
degenerativa da maior articulação do primeiro dedo do pé (dedão), que leva ao
desgaste da cartilagem (artrose). Calosidade é uma zona da parte superior da
pele, o estrato córneo ou camada de queratina, que se torna anormalmente
grossa e aquileia se refere ao tendão de aquiles. Dedo extranumerário é
aquele, como o nome diz, além da quantidade normal. Coalizão tarsal é a fusão
parcial ou total de dois ossos do pé, formando uma barra óssea, cartilaginosa
ou fibrosa entre eles.
Ausência parcial ou total, congênita ou traumática de qualquer segmento das
extremidades: ou seja, perda de dedos ou de parte deles. Cada caso deve ser
analisado nos termos do edital para a incapacitação, como sempre, não se
podendo pensar em regra absoluta.

114

115



Qualquer diminuição da amplitude do movimento em qualquer articulação
dos membros superiores e inferiores, da coluna vertebral ou pelve:
novamente vai mal a banca. Melhor seria ter escrito "diminuição de amplitude
de movimento das articulações dos membros superiores e inferiores, da coluna
vertebral ou pelve, que cause problemas funcionais", que é o verdadeiro
espírito da regra.

10­ Doenças metabólicas e endócrinas: chamam a atenção as doenças da tireoide e o
diabetes mellitus, como as doenças mais comuns de criarem dúvidas. Esse é um dos
item mais mal redigidos dessa parte do edital, pois depois de listar as doenças é
colocado simplesmente o termo "doenças metabólicas" ­ comentaremos depois. A
maior partes das alterações é descoberta pelos resultados alterados que podem causar
nos exames de sangue ou pelos sintomas visíveis, em alguns casos. Ausentes esses
sintomas, apenas se o candidato afirmar possuir a doença para que ela seja verificada.
As doenças nessa lista são:






Diabetes mellitus: Diabetes Mellitus é uma doença do metabolismo da glicose
causada pela falta ou má absorção de insulina, hormônio produzido pelo
pâncreas e cuja função é quebrar as moléculas de glicose para transformá-las
em energia a fim de que seja aproveitada por todas as células. A ausência total
ou parcial desse hormônio interfere não só na queima do açúcar como na sua
transformação em outras substâncias (proteínas, músculos e gordura).Na
verdade, não se trata de uma doença única, mas de um conjunto de doenças
com uma característica em comum: aumento da concentração de glicose no
sangue provocado por duas diferentes situações. Dessa forma, a previsão de
diabetes é mais um caso de excesso de generalidade. O tipo mais grave da
doença, o tipo I, ocorre mais na infância e adolescência e é
insulinodependente, isto é, exige a aplicação de injeções diárias de insulina ­ e
talvez seria o caso de inaptidão por existir a chance de ser potencialmente
incapacitante a curto prazo. Já o tipo II, que ocorre geralmente depois dos 40
anos de idade, pode ser mais facilmente controlado e não deveria ser caso de
incapacitação.
Tumores hipotalâmicos e hipofisários: O hipotálamo e a hipófise são duas
pequenas estruturas situadas na base do cérebro, as quais regem a atividade
hormonal de todo o organismo. Assim, tumores nessas regiões do sistema
endócrino são colocadas como motivos de incapacitação. Claro que em casos
não avançados é praticamente impossível saber dessas alterações pelos
exames solicitados.
Disfunção hipofisária e tireoidiana sintomática: além dos tumores acima
citados, são colocados como significativas outras alterações na glândula
hipófise e na tireoide, que sejam sintomáticas. A palavra mais correta aqui não
seria sintomática, pois somente se pode cogitar de alterações que tragam
115

116











perdas funcionais. Assim, os casos de hipertireodismo e hipotireodismo devem
ser avaliados dentro dos critérios de razoabilidade, à luz dos critérios
balizadores do exame médico e das regras legais administrativas.
Tumores da tiroide, com exceção dos cistos tireoideanos insignificantes e
desprovidos de potencialidade mórbida: Aqui se tratam especificamente dos
tumores na tireoide. A exceção de que os casos insignificantes e desprovidos de
potencialidade mórbida não são incapacitantes é implícita ao próprio sistema
de avaliação ­ e deve ser estendida também aos tumores citados nos demais
itens.
Tumores de suprarrenal e suas disfunções congênitas ou adquiridas: As
glândulas supra-renais ou adrenal, como também são chamadas, são glândulas
pequenas, componentes do sistema endócrino. Elas estão localizadas acima de
cada rim e na parte mais anterior.
Hipogonadismo primário ou secundário: Hipogonadismo é o termo usado para
descrever a condição de uma diminuição da função das gônadas (ovários ou
testículos). O hipogonadismo pode ser primário ou secundário e afetar tanto os
homens quanto as mulheres. No hipogonadismo primário os testículos, nos
homens, ou os ovários, nas mulheres, são primariamente afetados. No
hipogonadismo secundário eles são atingidos devido a outra doença que afeta
outra parte do corpo. O déficit de hormônios sexuais pode ocasionar um mau
desenvolvimento das características sexuais primárias ou secundárias e resultar
em infertilidade. O termo geralmente é aplicado para os defeitos permanentes
e não para os temporários ou reversíveis, consequentes a uma deficiência
hormonal tratável. Claro que não podem ser todos os casos dessas doenças
incapacitantes, visto que algumas apenas alteram a potência sexual e a
capacidade reprodutiva, por exemplo. Logo, apenas os casos de repercussão
funcional, como sempre, são incapacitantes, a serem atestados nos casos
concretos.
Distúrbios do metabolismo do cálcio e fósforo, de origem endócrina: Existem
diversas alterações nessa classe, como hipercalcemia, hipocalcemia,
hiperfostatemia e hipofosfatemia. Somente os casos sintomáticos graves,
obviamente, são significativos.
Erros inatos do metabolismo: Os Erros Inatos do Metabolismo (EIM) são um
grupo de doenças geneticamente determinadas que afetam de diversas
maneiras o metabolismo, provocando dessa forma sintomas que envolvem
diversos órgãos e sistemas, como o cérebro (convulsões, coma), fígado
(icterícia prolongada, insuficiência hepática), trato digestório (vômitos
recorrentes), causando acidose metabólica e hipoglicemia (baixa taxa de açúcar
no sangue) entre outros, dependendo da doença identificada. Obviamente que
aqui estão sendo considerados apenas essas doenças propriamente, não

116

117





qualquer problema metabólico ­ como seria o caso, por exemplo, dos
albinismos leves.
Desenvolvimento anormal, em desacordo com a idade cronológica: levandose em consideração que apenas pessoas maiores de 18 anos de idade podem
prestar o concurso, desnecessária a previsão de que o desenvolvimento esteja
em desacordo com a idade cronológica. De qualquer maneira, temos aqui os
problemas como nanismo e gigantismo. Vide, porém, que os casos de nanismo
são enquadráveis como PNE ­ o que levaria a conclusão de que, na muito
improvável hipótese, um "anão" que fizesse todos os índices do TAF e passasse
por todas as etapas do concurso deveria ser enquadrado como PNE e aceito ao
cargo.
Doença metabólica: vai muito mal a banca em fazer essa previsão genérica, já
que especificou os casos acima. Se o próprio tópico já é chamado de doenças
metabólicas, qual a necessidade dessa previsão? De novo o excesso de
legalismo e a tentativa de cercar-se de cuidados para evitar questionamentos
judiciais esbarra nos limites da inteligência. Claro que a previsão é sem efeito,
pois somente os casos com repercussão funcional é que podem ser levados em
consideração.

11­ Alterações no sangue e órgãos hematopoiéticos: órgãos hematopoiéticos são
aqueles relacionados à produção dos elementos do sangue, ou seja, medula óssea,
linfonodos (gânglios linfáticos), baço e fígado. A maior parte das alterações desse
grupo são detectadas pelas variações que causam no hemograma. São aqui citados
como condições relevantes:


Anemias, exceto as de etiologia carencial: Anemia é o nome genérico de uma
série de condições caracterizadas pela deficiência na concentração da
hemoglobina (elemento do sangue com a função de transportar oxigênio dos
pulmões para nutrir todas as células do organismo) ou na produção das
hemácias (o mesmo que eritrócitos ou glóbulos vermelhos).Elas podem ser
agudas ou crônicas, adquiridas ou hereditárias. São agudas, quando há perda
expressiva e acelerada de sangue, o que pode acontecer nos acidentes,
cirurgias, sangramentos gastrintestinais, etc. As crônicas são provocadas por
doenças de base, algumas hereditárias (talassemia e anemia falciforme, por
exemplo) e outras adquiridas, como as que ocorrem por deficiência nutricional,
na gestação, por deficiência de ferro (anemia ferropriva, a mais comum), por
carência da vitamina B12 ou de ácido fólico (anemia megaloblástica). O edital
exclui as anemias causadas por má alimentação, mas deveria ter citado que
apenas os casos com repercussão funcional são incapacitantes. Trata-se de
mais um caso em que se deve analisar caso a caso, não cabendo se falar na
legalidade dessas previsões excessivamente genéricas.

117

118









Doença linfoproliferativa maligna ­ leucemia, linfoma: A leucemia é uma
doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos) de origem, na maioria das
vezes, não conhecida. Ela tem como principal característica o acúmulo de
células jovens (blásticas) anormais na medula óssea, que substituem as células
sanguíneas normais. Linfoma é um termo genérico utilizado para designar um
grupo de diversas doenças neoplásicas do sistema linfático que se originam da
proliferação clonal de linfócitos B ou T em qualquer um de seus estágios de
maturação. Os linfomas são classificados em dois grandes grupos: os linfomas
Hodgkin e os linfomas não-Hodgkin.
Doença mieloproliferativa - mieloma múltiplo, leucemia, policitemia vera: As
perturbações mieloproliferativas são doenças em que as células que produzem
células sanguíneas (células precursoras) crescem e se reproduzem
anormalmente na medula óssea ou então são expulsas da mesma devido a um
desenvolvimento excessivo do tecido fibroso. As quatro perturbações
mieloproliferativas principais são a policitemia vera, a mielofibrose, a
trombocitemia e a leucemia mielóide crónica. O mieloma múltiplo é uma
doença hematológica maligna que afeta originalmente a medula óssea e se
caracteriza pelo aumento do plasmócito, um tipo de célula que produz
imunoglobulina, proteína que participa de nosso sistema de defesa. Já a
policitemia vera é diagnosticada pelo excesso de glóbulos vermelhos.
Hiperesplenismo: Entre as funções do baço está a de destruir as células
sanguíneas deformadas ou envelhecidas. No hiperesplenismo, o baço está
aumentado de tamanho e tem aumentada também sua capacidade de reter,
armazenar e destruir células sanguíneas, levando, por consequência, à redução
no número delas (eritrócitos, leucócitos e plaquetas) na circulação. Ele é, pois,
neste caso, um baço demasiado ativo que "sequestra" e destrói as células em
ritmo acelerado. Geralmente, a redução das plaquetas é mais acentuada do
que das demais células. Geralmente essa alteração pode ser detectada na
ecografia, pela variação do tamanho normal do baço.
Agranulocitose: A Agranulocitose é uma doença agudado sangue, que se
caracteriza pela diminuição ou ausência de granulócitos ou leucócitos
granulosos. Estes elementos são os principais agentes contra as infecções. A
doença apresenta um elevado risco do paciente contrair infecções, contra as
quais o organismo não se encontra preparado para defender-se. Existem
diferentes etiologias para a causa dessa doença, como o uso de certos
medicamentos (clozapina, dipirona e metamizol, por exemplo), exposição à
radiação, imunodeficiência adquirida (AIDS), desnutrição, fatores genéticos,
entre outros. Existe também uma forma rara, genética, onde a agranulocitose é
herdada. Claro que deve ser analisado o caso em concreto, dentro da
razoabilidade.

118

119



Distúrbios hereditários da coagulação e da anticoagulação e deficiências da
anticoagulação (trombofilias): temos nesse grupo, por exemplo, a hemofilia e
a Doença de Von Willebrand (vWD). As Trombofilias são caracterizadas por
promoverem alterações na coagulação sanguínea que resultam em um maior
risco para trombose.

12 ­ Doenças neurológicas: o caso que pode causar mais dúvidas é a epilepsia, que é
colocada como condição incapacitante. Temos também a meningite, que pode ser
classificada como infecção do SNC. As doenças desses grupo podem ser detectadas no
eletroencefalograma, que deve vir sem alterações dos padrões de normalidade.
Porém, a simples presença de alterações não pode ser colocada como condição
incapacitante, sendo antes necessário se esclarecer qual a razão dessas alterações e se
trata-se de uma doença com repercussões funcionais. Temos nesse grupo:








Infecção do sistema nervoso central: Doenças infecciosas do sistema nervoso
são doenças causadas por microrganismos na forma de infecções. Apesar de
epidemiologicamente falando encontrarmos um número restrito de infecções
do sistema nervoso, potencialmente, o parênquima, os envoltórios e os vasos
sanguíneos do sistema nervoso, podem ser invadidos, praticamente, por todos
os microrganismos patogênicos. Temos entre os casos mais conhecidos as
meningites e as encefalites. Essas doenças, entretanto, apresentam variados
graus de risco e cada caso deve ser analisado dentro dos critérios de legalidade
e razoabilidade.
Doença vascular do cérebro e da medula espinhal: A interrupção do afluxo de
sangue ao cérebro pode ocasionar a morte das células cerebrais ou lesioná-las
devido à falta de oxigénio. As células cerebrais também podem ser afectadas
por uma hemorragia no cérebro ou à volta do mesmo. As alterações
neurológicas resultantes denominam-se acidentes vasculares cerebrais (AVC)
porque afetam os vasos sanguíneos (vascular) e o encéfalo (cérebro). Esse tipo
de lesão também pode ocorrer na medula ­ e também é aqui explicitada.
Síndrome pós-traumatismo crânio-encefálico: Traumatismo cranioencefálico
(TCE), também conhecido como lesão intracraniana, ocorre quando uma força
externa causa um ferimento traumático no cérebro. TCE pode ser classificado
com base na severidade, mecanismo (ferimento fechado ou que penetra o
crânio), ou outras características (como, por exemplo, ocorrência em um local
específico ou em uma área ampla). Os TCE de uma maneira geral podem
provocar significativas alterações neuropsiquiátricas de curta, média e longa
duração. Somente os casos significativos de lesões, que causem síndromes com
repercussões funcionais devem ser considerados.
Distúrbio do desenvolvimento psicomotor: A área Psicomotora compreende: a
Coordenação Motora ( utilização eficiente das partes do corpo), a Tonicidade
(adequação de tensão para cada gesto ou atitude), a Organização Espacial e
119

120







Percepção Visual (acuidade, atenção, percepção de imagens, figura fundo e
coordenação viso-motora), a Organização Temporal e Percepção Auditiva
(atenção, discriminação, memória de sons e coordenação auditiva-motora), a
Atenção (capacidade de apreender o estímulo), Concentração (capacidade de
se ater a apenas um estímulo por um período de tempo), Memória (capacidade
de reter os estímulos e suas características), Desenvolvimento do Esquema
Corporal (referência de si mesma) e a Linguagem. Logo, trata-se de um item
excessivamente amplo, que deve ser contrabalanceado com as questões de
repercussões funcionais.
Doença degenerativa e heredodegenerativa, distúrbio dos movimentos:
Classe ampla de alterações que levam a degeneração do sistema neurológico,
sendo um exemplo o mal de Parkison. Três critérios são comuns às doenças
heredodegenerativas do sistema nervoso: seu determinismo genético, a
sistematização das lesões e a qualidade do processo patológico: degeneração
lenta, sem necrose nem inflamação.
Distrofia muscular progressiva: A Distrofia Muscular Progressiva (DMP)
engloba um grupo de doenças genéticas, que se caracterizam por uma
degeneração progressiva do tecido muscular. Até o presente momento tem-se
o conhecimento de mais de trinta formas diferentes de DMPs, algumas mais
benignas e outras mais graves, que podem atingir crianças e adultos de ambos
os sexos. Todas atacam a musculatura, mas os músculos atingidos podem ser
diferentes de acordo com o tipo de DMP. A Distrofia Muscular de Duchenne é
uma das formas mais comuns e severa das distrofias. Apresenta incidência de 1
a cada 3.500 nascimentos de meninos e é causada por um distúrbio na
produção de uma proteína associada à membrana muscular chamada
distrofina, que mantém a integridade da fibra muscular. Os portadores de DMD
apresentam um ligeiro atraso no desenvolvimento motor e prejuízos em
algumas atividades como saltar, subir escadas, correr e levantar-se do chão
devido à fraqueza muscular progressiva e simétrica que acomete inicialmente
cintura pélvica, observando o clássico sinal de Gowers ou levantar miopático.
Doenças desmielinizantes e esclerose múltipla: Uma doença desmielinizante é
qualquer doença do sistema nervoso na qual a bainha de mielina dos neurônios
é danificada. Isso prejudica a condução de sinais nos nervos afetados, causando
prejuízos na sensação, movimento, cognição e outras funções dependendo dos
nervos envolvidos. O termo descreve o efeito da doença, ao invés de sua causa;
algumas doenças desmielinizantes tem causa genética, algumas são causadas
por agentes infecciosos, outras por reações autoimunes e outras por fatores
desconhecidos. Dentre as doenças desmielinizantes, a principal e mais
conhecida é a esclerose múltipla, caracterizada por uma reação inflamatória na
qual são danificadas as bainhas de mielina que envolvem os axónios dos

120

121



neurónios cerebrais e medulares, levando à sua desmielinização e ao
aparecimento de um vasto quadro de sinais e sintomas.
Epilepsias e convulsões: A epilepsia é uma disfunção do cérebro que cursa com
descargas elétricas anormais e excessivas do cérebro, que interrompem
temporariamente sua função habitual e produzem manifestações involuntárias
no comportamento, no controle muscular, na consciência e/ou na sensibilidade
do indivíduo. A convulsão acontece por causa de uma falha na condução
elétrica no cérebro, levando à maior atividade elétrica em algum ponto
suscetível deste, o que provoca os sintomas da crise convulsiva (abalos
musculares, perda da consciência, salivação, e em alguns casos perda
esfincteriana ­ diurese e evacuação espontânea durante as crises).O tipo mais
comum e conhecido de convulsões é a crise convulsiva generalizada, onde o
indivíduo desmaia, e começa a ter abalos generalizados, sem nenhuma
consciência, geralmente revirando os olhos e com hipersalivação
acompanhando o quadro. Toda convulsão é uma crise epiléptica, mas além da
convulsão existem várias formas de crises epilépticas. Na convulsão o paciente
apresenta movimentos grosseiros de membros, desvio dos olhos, liberação de
esfíncteres e perda de consciência. E um exemplo comum de crise epiléptica
não convulsiva é a crise de ausência.

14­ Doenças psiquiátricas: falar em doenças psiquiátricas envolve falar de
normalidade psiquiátrica, que é um conceito difícil, ainda mais quando se fala em
transtornos de humor, por exemplo. De qualquer maneira, aqui temos um grupo de
doenças de mais difícil averiguação pela junta médica, ainda mais que a maior parte
delas só pode ser conhecida se o psiquiatra atestar no laudo (algo que o candidato
pode evitar) ou se o candidato afirmar que a possui. De qualquer maneira, são
condições incapacitantes desse grupo:




Transtornos mentais e de comportamento decorrentes do uso de substâncias
psicoativas: os casos mais comuns são as sequelas causadas pelo uso de drogas
ilícitas. Uma categoria de difícil conceituação e de difícil averiguação, que,
entretanto, pode ser motivo de incapacitação se os transtornos se notarem no
cotidiano, já que há um curso de formação de vários meses para ser cumprido
antes da nomeação.
Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes: A esquizofrenia é uma
doença psiquiátrica endógena, que se caracteriza pela perda do contato com a
realidade. A pessoa pode ficar fechada em si mesma, com o olhar perdido,
indiferente a tudo o que se passa ao redor ou, os exemplos mais clássicos, ter
alucinações e delírios. Ela ouve vozes que ninguém mais escuta e imagina estar
sendo vítima de um complô diabólico tramado com o firme propósito de
destruí-la. Não há argumento nem bom senso que a convença do contrário.
Grosso modo, há dois tipos de sintomas: os produtivos e os negativos. Os
121

122







sintomas produtivos são, basicamente, os delírios e as alucinações. O delírio se
caracteriza por uma visão distorcida da realidade. O mais comum, na
esquizofrenia, é o delírio persecutório. O indivíduo acredita que está sendo
perseguido e observado por pessoas que tramam alguma coisa contra ele.
Imagina, por exemplo, que instalaram câmeras de vídeo em sua casa para
descobrirem o que faz a fim de prejudicá-lo. As alucinações caracterizam-se por
uma percepção que ocorre independentemente de um estímulo externo. Por
exemplo: o doente escuta vozes, em geral, as vozes dos perseguidores, que dão
ordens e comentam o que ele faz. São vozes imperativas que podem levá-lo ao
suicídio, mandando que pule de um prédio ou de uma ponte. Delírio e
alucinações são sintomas produtivos que respondem mais rapidamente ao
tratamento. No outro extremo, estão os sintomas negativos da doença, mais
resistentes ao tratamento, e que se caracterizam por diminuição dos impulsos
e da vontade e por achatamento afetivo. Há a perda da capacidade de entrar
em ressonância com o ambiente, de sentir alegria ou tristeza condizentes com
a situação externa.
Transtornos do humor: Transtornos do humor são aqueles nos quais o sintoma
central é a alteração do humor ou do afeto. Afeta diversas áreas da vida do
indivíduo (profissional, familiar, social) e a maioria dos outros sintomas são
menos prejudiciais ou consequência do humor alterado. Tendem a ser
recorrentes e a ocorrência dos episódios individuais pode frequentemente
estar relacionada com situações ou fatos estressantes. Os transtornos do
humor podem ter frequência, gravidade e duração variáveis. Temos nesse
grupo, por exemplo, o transtorno bipolar, os casos de euforia e transtornos
depressivos.
Transtornos neuróticos: A Neurose é uma reação exagerada do sistema
emocional em relação a uma experiência vivida (Reação Vivencial). Engloba
uma série de casos, como transtorno obsessivo-compulsivo, transtornos de
fobia, reações ao estresse grave e transtornos de adaptação. Como em todos
os casos de alterações psiquiátricas apenas os casos sérios e que causem
problemas funcionais devem ser considerados.
Transtornos de personalidade e de comportamento: Os Transtornos de
Personalidade, também referidos como Perturbações da Personalidade,
formam uma classe de transtorno mental que se caracteriza por padrões de
interação interpessoais tão desviantes da norma, que o desempenho do
indivíduo tanto na área profissional como em sua vida privada pode ficar
comprometido. Existem diversas alterações nessa classe, como sociopatia,
borderline, transtornos de dependência, personalidade esquiva, narcisismo,
personalidades paranoides, cleptomania, etc e etc. Somente aqueles
incompatíveis com o cargo podem ser motivo de incapacitação, mas o
diagnóstico é complexo e pouco provável na etapa do concurso. Na prática,
122

123





acaba sendo usada a capacidade de adaptação e convivência durante o curso
de formação como um laboratório para averiguar a presença desses
transtornos, exceto nos casos mais gritantes.
Retardo mental: O retardo mental é uma condição, geralmente irreversível,
caracterizada por uma capacidade intelectual inferior à normal com
dificuldades de aprendizado e de adaptação social, que normalmente está
presente desde o nascimento ou que se manifesta nos primeiros anos da
infância. A previsão de retardo mental como condição incapacitante chega a
ser cômica, diante da necessidade de aprovação em um concurso disputado,
que conta inclusive com prova discursiva, para o qual se exige diploma de nível
superior. De qualquer maneira, está prevista, como mais um caso de excesso
de regulação. Se alguém tem retardo mental e consegue ter diploma de nível
superior, passar no concurso, no psicotécnico e se formar na ANP, por que não
poderia exercer o cargo? A resposta óbvia é que essa pessoa não tem retardo
mental ­ logo, o próprio sistema do concurso serve para eliminar essas
pessoas, de forma que desnecessária a previsão.
Dependência de álcool e drogas: o uso de drogas frequente e atual pode ser
verificado pelo exame antidrogas. Já a dependência de álcool só pode
verificada por alguma alteração que cause nos exames ou pelo comportamento
do candidato durante o curso de formação (embora se possa levantar algo na
investigação social).

15 ­ Doenças reumatológicas: Existem mais de 100 tipos diferentes de doenças que
podem ser classificadas como reumáticas. Os tipos mais comuns de reumatismo, no
Brasil, são a artrite, a artrose, a tendinite, a gota, as dores na coluna e a osteoporose.
Apesar de apresentarem alguns sintomas semelhantes, como dor nas articulações,
cada tipo de doença reumática tem características próprias, as doenças reumáticas
provocam dor e incapacidade, mas raramente são fatais. Algumas doenças já foram
tratadas anteriormente e criou-se um item específico aqui para englobar outras
condições, quais sejam:




Artrite reumatoide: Artrite reumatoide é uma doença inflamatória crônica,
autoimune, que afeta as membranas sinoviais (fina camada de tecido
conjuntivo) de múltiplas articulações (mãos, punhos, cotovelos, joelhos,
tornozelos, pés, ombros, coluna cervical) e órgãos internos, como pulmões,
coração e rins, dos indivíduos geneticamente predispostos. A progressão do
quadro está associada a deformidades e alterações das articulações, que
podem comprometer os movimentos. Somente os casos mais avançados
podem ser detectados nos exames de raios X.
Vasculites sistêmicas primárias e secundárias (granulomatose de Wegener,
poliangiite microscópica, síndrome de Churg-Strauss, poliarterite nodosa,
doença de Kawasaki, arterite de Takayasu), arterite de células gigantes,
123

124

púrpura de Henoch-Shölein: As vasculites constituem processos clínicopatológicos caracterizados pela inflamação e lesão da parede dos vasos
sanguíneos. Nestas doenças, a parede dos vasos sanguíneos é invadida por
células do sistema imunológico, o que pode provocar estenose (estreitamento),
oclusão (fechamento), formação de aneurismas e/ou hemorragias. Podemos
classificar as vasculites em primárias e secundárias. As vasculites primárias são
doenças raras, de causa pouco conhecida, que ocorrem quando o vaso
sanguíneo é o alvo principal da doença. A classificação das vasculites primárias
baseia-se no tamanho do vaso acometido (pequenos, médios e grandes vasos).
Já as vasculites secundárias são aquelas em que se observa o acometimento
dos vasos devido a alguma doença autoimune, infecções, neoplasias, exposição
a drogas, dentre outras. A Granulomatose de Wegener consiste em inflamação
granulomatosa que afeta o trato respiratório, ao lado de vasculite necrosante,
que pode comprometer as artérias, arteriolas, vênulas e capilares, incluindo o
capilar glomerular. Poliangiíte microscópica (PAM) é uma vasculite sistêmica de
pequenos vasos (vênulas, capilares, arteríolas) tipicamente levando a uma
glomerulonefrite crescêntica associada à vasculite sistêmica generalizada.
Síndrome de Churg Strauss é uma vasculite que envolve inflamação de
pequenos e médios vasos. Caracteriza-se por asma e predomínio de eosinófilos
(células brancas do sangue). Pode acometer seios de face, pulmões, coração e
outros órgãos. Poliarterite nodosa (PAN) é uma vasculite sistêmica primária
necrosante que compromete artérias de médio calibre. Apresenta espectro de
manifestação ampla, desde uma forma leve/limitada à progressiva e fatal,
acometendo sistema nervoso central e periférico, rins, músculos, trato
gastrintestinal e cutâneo. A doença de Kawasaki (DK) é uma vasculite
autolimitada e sistêmica que acomete vasos de médio calibre. É conhecida
também por síndrome febril linfonodo-mucocutânea, acomete principalmente
crianças < 5 anos de idade (80 a 90% dos casos) e do sexo masculino. A arterite
de Takayasu (AT) é uma vasculite primária sistêmica que acomete vasos de
grande calibre, ou seja, a aorta e seus ramos principais, além de artéria
pulmonar. É conhecida também por doença sem pulsos, aortite esclerosante,
coarctação reversa, síndrome do arco aórtico, arterite primária da aorta,
aortite estenosante, tromboarteriopatia oclusiva, síndrome da aortite e
aortoarterite medial idiopática. A arterite de células gigantes (ACG) é uma
vasculite que acomete vasos de grande e médio calibre, preferencialmente os
ramos extracranianos das carótidas e, em particular, a artéria temporal
superficial. A púrpura de Henoch-Schönlein (PHS) é uma vasculite sistêmica
primária imunomediada, autolimitada, que acomete principalmente as
crianças, entre 4 e 9 anos de idade. Cursa com púrpuras palpáveis, artrite ou
artralgia, dor abdominal e envolvimento renal.

124

125









Lúpus eritromatoso sistêmico: Lúpus é uma doença inflamatória autoimune,
desencadeada por um desequilíbrio no sistema imunológico, exatamente
aquele que deveria proteger a pessoa contra o ataque de agentes patogênicos.
Lúpus pode manifestar-se sob a forma cutânea (atinge apenas a pele) ou ser
generalizado. Neste caso, atinge qualquer tecido do corpo e recebe o nome de
lúpus eritematoso sistêmico (LES). Estudos recentes mostram que fatores
genéticos e ambientais estão envolvidos no aparecimento das crises lúpicas.
Entre as causas externas, destacam-se a exposição ao sol, o uso de certos
medicamentos, alguns vírus e bactérias e o hormônio estrógeno, o que pode
justificar o fato de a doença acometer mais as mulheres em idade fértil do que
os homens. Os sintomas dependem basicamente do órgão afetado. Os mais
frequentes são: febre, manchas na pele, vermelhidão no nariz e nas faces em
forma de asa de borboleta, fotossensibilidade, feridinhas recorrentes na boca e
no nariz, dores articulares, fadiga, falta de ar, taquicardia, tosse seca, dor de
cabeça, convulsões, anemia, problemas hematológicos, renais, cardíacos e
pulmonares. Portadoras de lúpus eritematoso sistêmico podem ter dificuldade
para engravidar e levar a gestação adiante. No entanto, a gravidez é possível,
desde que sejam respeitadas algumas medidas terapêuticas e mantido o
acompanhamento médico permanente.
Fibromialgia: Fibromialgia caracteriza-se por dor crônica que migra por vários
pontos do corpo e se manifesta especialmente nos tendões e nas articulações.
Trata-se de uma patologia relacionada com o funcionamento do sistema
nervoso central e o mecanismo de supressão da dor que atinge, em 90% dos
casos, mulheres entre 35 e 50 anos. A fibromialgia não provoca inflamações
nem deformidades físicas, mas pode estar associada a outras doenças
reumatológicas o que pode confundir o diagnóstico. Trata-se de doença de
difícil diagnóstico, que não pode ser verificada no exame médico do concurso.
Síndrome de Sjögren: A Síndrome de Sjögren é uma doença autoimune que
afeta as glândulas produtoras de lágrimas e saliva, causando olho e boca seca.
A doença pode, ainda, afetar outras partes do corpo, podendo causar
problemas também aos rins e aos pulmões, por exemplo. Mais uma condição
médica de difícil diagnóstico.
Síndrome de Behçet: A síndroma de Behçet é uma doença inflamatória crónica,
recidiva, que produz, de forma recorrente feridas dolorosas na boca, bolhas na
pele, úlceras genitais e inflamação das articulações. Também se podem
inflamar os olhos, os vasos sanguíneos, o sistema nervoso e o trato
gastrointestinal. A incidência da síndroma é duas vezes superior entre os
homens do que entre as mulheres. Geralmente aparece entre os 20 e os 30
anos de idade, mas pode desenvolver-se durante a infância. Desconhece-se a
causa da síndroma de Behçet, mas não se exclui que os vírus e as doenças autoimunes possam desempenhar um papel no seu desenvolvimento.
125

126








Síndrome de Reiter: síndroma de Reiter é uma inflamação das articulações e
das uniões dos tendões às mesmas, acompanhada com frequência de uma
inflamação da conjuntiva do olho e das membranas mucosas, como as da boca,
do trato urinário, da vagina e do pénis, e por uma erupção cutânea
característica. Somente por sintomas de casos avançados pode-se cogitar da
presença dessa doença.
Espondilite anquilosante: Espondilite anquilosante é uma doença inflamatória
crônica, incurável por enquanto, que afeta as articulações do esqueleto axial,
especialmente as da coluna, quadris, joelhos e ombros. O diagnóstico leva em
conta os sinais e sintomas, os resultados de exames laboratoriais de sangue e
os achados radiográficos nas articulações da região sacroilíaca.
Dermatopolimiosite: A dermatopolimiosite (DPM) é uma doença inflamatória
crônica da musculatura estriada (miosite).
Esclerordemia: A esclerodermia é uma doença inflamatória crônica do tecido
conjuntivo que envolve alterações na pele, nos vasos sanguíneos, nos músculos
e nos órgãos internos. Ela é um tipo de doença autoimune, um problema que
ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do
corpo por engano.

16 ­ Tumores e neoplasias: não satisfeito em já prever tumores em todos os sistemas
anteriormente considerados, a banca faz aqui uma previsão específica para esse caso.
Em resumo, afirma-se que qualquer tipo de câncer é condição incapacitante e que
demais tumores são condições incapacitantes quando causem perdas funcionais.
Resumindo conforme o edital:




Qualquer tumor maligno: prevê-se que todos os tipos de câncer são
incapacitantes. Observe-se que é preciso um exame específico para determinar
de que tipo de tumor se trata.
Tumores benignos dependendo da localização, repercussão funcional e
potencial evolutivo: em resumo, os casos de tumores não malignos serão
analisados caso a caso.

126

127

2.3 ­ QUAIS
TOLERADAS?

ALTERAÇÕES NOS EXAMES LABORATORIAIS E COMPLEMENTARES SÃO

R: Como expusemos em grandes detalhes no item anterior, os exames laboratoriais e
complementares servem para determinar a presença de doenças que possam ser
incapacitantes, nos termos do edital. Logo, quaisquer alterações que não indiquem
alguma condição incapacitante ou que gerem dúvidas são toleráveis. Portanto,
pequenas alterações nos exames de sangue, por exemplo, sem nenhuma outra
alteração nos demais exames, são questões releváveis. De qualquer maneira, para
evitar dúvidas, verifique todos os exames e esclareça as dúvidas com o especialista
antes de entrega-los.

2.4 ­ QUEM
ENTREGUES?

É RESPONSÁVEL PELO EXAME MÉDICO E PELA AVALIAÇÃO DOS EXAMES

R: A banca do concurso contrata alguns médicos para realizar os exames clínicos.
Acima desses médicos contratados existem médicos da banca que são responsáveis
por resolver os casos de dúvidas e também por fazer a posterior análise conjunta dos
exames entregues e da documentação do dia da avaliação médica. O médico que faz o
exame clínico, em regra, portanto, não será o mesmo que conferirá os exames
entregues.

127

128

Capítulo 3 ­ Exame Clínico
3.1 ­ COMO FUNCIONA O EXAME CLÍNICO?

R: Os candidatos são convocados para um horário específico para ser submetido ao
exame pelos médicos contratados pela banca. Geralmente existe mais de uma junta
médica fazendo as avaliações no dia.
O candidato entrega os exames para os funcionários da banca, que irão conferir
se todos foram entregues e geralmente entregar um recibo de que os exames foram
entregues (ou indicando quais exames foram entregues ou indicando quantas páginas
de exames foram deixadas pelo candidato). Depois disso o candidato irá ser pesado e
terá sua altura medida.
Em seguida, o candidato segue para outra sala, na qual será submetido ao
exame clínico propriamente. Esse será realizado geralmente por dois médicos. Serão
feitas avaliações diversas, sem um padrão específico (cada médico avalia como acha
adequado, acontecendo de candidatos na mesma cidade terem diferentes avaliações).
São exames usuais: medição da pressão, mandar o candidato tirar a roupa, caminhar
pela sala, apalpar a barriga para identificar hérnias, auscultar o coração, etc.
Além disso, há um formulário com diversas perguntas, como por exemplo:
histórico de doenças do candidato, histórico de algumas doenças na família, se o
candidato toma alguma medicação, se o candidato já fez cirurgia, etc.

3.2 ­ POSSO
CLÍNICO?

SER REPROVADO NO EXAME MÉDICO APENAS POR CONTA DO EXAME

R: Sim. Algumas doenças, como problemas de joelho, por exemplo, podem ser
identificadas apenas no exame clínico (indicamos outros casos nos comentários sobre
as condições incapacitantes) ­ e se forem caso de incapacitação levarão a reprovação.

128

129

3.3 ­ O QUE OS MÉDICOS AVALIAM NO EXAME CLÍNICO ?

R: Devem avaliar diversas condições que os exames não indicam, como presença de
tumores e outras deformidades no corpo, falta de dedos dos pés e das mãos, membros
inferiores de tamanho diferentes uns dos outros, problemas de pele, etc. e etc. Além
disso, pelo questionário feito serão levantadas outras questões a serem esclarecidas.

3.4 ­ COMO

É A AVALIAÇÃO DAS TATUAGENS NO EXAME CLÍNICO E O QUE RESULTA

DESSA AVALIAÇÃO ?

R: Os médicos da banca irão fazer anotações detalhadas de onde as tatuagens estão
localizadas, seu tamanho e o que está desenhado. Com exceção de tatuagens
ofensivas em locais visíveis (suásticas, mensagens obscenas explícitas, etc.), nenhum
problema terá o candidato com isso. Vários servidores do DPF possuíam tatuagens e
foram aceitos normalmente. A única questão que pode causar problemas são
tatuagens ofensivas, às quais sugere-se cobrir com outra tatuagem, se for o caso, para
evitar problemas.

129

130

Capítulo 4 ­ Resultado do Exame e Recursos
4.1 ­ COMO E QUANDO FICO SABENDO SE FUI APROVADO NO EXAME MÉDICO?

R: Depende do cronograma do concurso, mas o resultado somente será publicado
cerca de 30 dias depois da entrega dos exames e do exame clínico. Antes disso, não há
como saber se foi aprovado ou reprovado, exceto se tiver deixado de entregar exames
­ caso em que certamente ficará reprovado preliminarmente. O resultado é publicado
na internet, indicado apenas os candidatos aprovados na lista.

4.2 ­ QUAL A PORCENTAGEM DE CANDIDATOS QUE É APROVADO NO EXAME MÉDICO?

R: No resultado preliminar a taxa de reprovação é muito alta, chegando até aos 50%
em alguns concursos, pois os candidatos deixam de entregar exames e não prestam
atenção aos detalhes necessários para ser aprovado (que mostramos em diversos
pontos anteriormente). Porém, a imensa maioria das pessoas é aprovada
posteriormente e a taxa de reprovação definitiva é abaixo dos 5% dos candidatos.
Somente a taxa de reprovação entre os PNE é alta, pois é necessário não estar numa
das condições incapacitantes, o que é contraditório à condição da maioria dos PNEs.

4.3 ­ NÃO FUI APROVADO NO EXAME MÉDICO. COMO SABER O MOTIVO ?

R: Logo quando o resultado é publicado o candidato não terá como saber o motivo.
Porém é marcado um horário para que o candidato tenha acesso, geralmente nos
mesmos locais em que fez o exame, ao seu resultado, sabendo de forma motivada
quais os motivos que levaram a sua reprovação provisória.

130

131

4.4 ­ QUAIS OS MOTIVOS MAIS COMUNS DE REPROVAÇÃO NO RESULTADO PRELIMINAR
DO EXAME MÉDICO ?

R: A maior parte das reprovações decorre da falta de entrega de exames e da entrega
de exames de forma incorreta (vide os comentários anteriores). Outra boa parcela
decorre de entrega de exames com alterações, que fazem a banca pedir exames extras
para esclarecer a condição. Ainda outra parcela significativa de candidatos é reprovada
para fazer exames extras para esclarecer algo que o médico ficou em dúvida no dia do
exame clínico ­ o caso mais comum dentro desse grupo decorre das medidas de
pressão alta no dia do exame clínico, que levam a ter de fazer o MAPA. Por fim, a
menor parcela de reprovações decorre de detecção de alguma condição incapacitante
nos exames entregues ou no exame clínico.

4.5 ­ COMO PROCEDER PARA FAZER O RECURSO DO EXAME MÉDICO?

R: Seja direto e completo, esclarecendo exatamente o que foi pedido pela banca nos
motivos que levaram a reprovação provisória. Se foi pedido um exame, faça-o e
entregue cumprindo todos os critérios para a aprovação, ou seja, os formais
(assinatura, carimbo, CRM, nome do candidato, nome correto do exame, etc.) e os
materiais (ou seja, nunca entregue um exame com alterações no recurso, pois não há
recurso do recurso). Se foi pedido que se esclareça uma condição médica, faça os
exames necessários e anexe um laudo de especialista da área afirmando que não há
problemas funcionais. Em resumo, responda de acordo com o que a banca pediu e
demonstre de forma inequívoca que não possui nenhuma condição incapacitante, ou
seja, aquela que tem uma das características abaixo:
I ­ incompatível com o cargo pretendido;
II ­ potencializada com as atividades a serem desenvolvidas;
III ­ determinante de frequentes ausências;
IV ­ capaz de gerar atos inseguros que venham a colocar em risco a segurança do
candidato ou de outras pessoas;
V ­ potencialmente incapacitante a curto prazo.

131

132

4.6 ­ QUAIS

AS PRINCIPAIS DICAS PARA REVERTER A REPROVAÇÃO PRELIMINAR NO

EXAME MÉDICO ?

R: Se não seguiu as dicas dadas nesse material, e cometeu erros na entrega dos
exames, agora é a hora de fazer tudo dentro do padrão esperado. Ou seja, faça os
exames pedidos, confira com atenção, veja se tudo está adequado, redija o recurso de
forma clara e indicando que deve ser aprovado.

4.7 ­ QUANDO SAI O RESULTADO DEFINITIVO DO EXAME MÉDICO?

R: Depende do cronograma do concurso, mas geralmente demora mais de duas
semanas, em regra, depois do fim do prazo dos recursos para o resultado definitivo.

4.8 ­ COMO PROCEDER SE FUI REPROVADO DEFINITIVAMENTE NO EXAME MÉDICO?

R: Os candidatos que são reprovados definitivamente têm o direito de ter acesso ao
motivo da reprovação. Com esse dado e com os demais documentos necessários,
entre com ação judicial.

4.9 ­ QUAIS
MÉDICO?

AS CHANCES DE CONSEGUIR LIMINAR CONTRA O RESULTADO DO EXAME

R: A chance é, no geral, alta. Como tivemos oportunidade de apontar em diversos
momentos nos comentários sobre as condições incapacitantes, não são todas as
condições apontadas que realmente são motivos razoáveis para reprovar alguém.
Logo, se foi reprovado injustamente, por uma condição que não atrapalharia para o
exercício de uma profissão como a de policial, há boas chances de conseguir
judicialmente a reversão da decisão da banca ­ e quase sempre se consegue uma
liminar para o curso de formação, bastando nesse caso demonstrar que há dúvidas
sobre a reprovação.

132

133

Cabe ao advogado questionar o edital, mas colocaremos alguns pontos que podem
ser considerados:




Princípio da ampla acessibilidade aos cargos públicos: a Constituição assegura
que a todos é aberto o acesso aos cargos públicos, desde que preenchidos os
requisitos estabelecidos na lei. Dessa forma, não pode o edital do concurso,
que não é lei, vedar o acesso a um cargo público, devendo, antes, seguir os
parâmetros da lei. Dessa forma, toda previsão excessiva do edital deve ser
revista pela Justiça, garantindo a legalidade do exame médico em concursos.
Vedações discriminatórias e que não sejam razoáveis e proporcionais devem
ser consideradas como sendo não escritas no edital.
Adequação ao cargo: Policial não é super-herói, mas sim um servidor público
com atribuições específicas. Logo, não pode a Administração querer pessoas
perfeitas para seus quadros policiais, devendo, isso sim, controlar apenas para
que não sejam aceitos candidatos que se mostrem incapazes de exercer as
atribuições típicas do cotidiano do cargo. Logo, deve reinar o bom senso e não
o rigorismo cego no exame médico, sob pena de flagrante ilegalidade.
Portanto, um candidato somente pode ser reprovado se a banca conseguir
comprovar de forma clara que este não apresenta condições de saúde que o
permitam exercer satisfatoriamente as funções do cargo. Dessa maneira,
apenas demonstrar que o candidato possui uma alteração de saúde, que,
entretanto em nada prejudica sua vida ou apenas demonstrar que o candidato
tem potencial para num futuro indeterminado desenvolver quadros agravados
de uma doença não é motivo suficiente para uma reprovação. Dessa forma,
deve o candidato que deseja ir a juízo contra a Administração demonstrar que
sua condição de saúde em nada o desqualifica para o cargo em questão,
mostrando, por exemplo, que exerce suas atividades diárias normalmente e
que outras pessoas com condição semelhante são ocupantes do cargo.

133

134

Capítulo 5 ­ Exame Médico dos Portadores de Necessidades
Especiais (PNE)
5.1 ­ COM O FUNCIONA A ETAPA DO EXAME MÉDICO PARA OS PNES?

R: Para os PNEs há uma etapa extra, que é a perícia. Fora isso, o candidato PNE deve se
submeter normalmente ao exame médico, seguindo todas as regras já explicadas. A
diferença fica por conta da Perícia, que é fixada no edital pelas seguintes regras:







Os candidatos que se declararem com deficiência, se não eliminados na prova
objetiva, na prova discursiva e no exame de aptidão física, serão convocados
para se submeter à perícia médica oficial promovida por equipe
multiprofissional de responsabilidade do Cespe, formada por seis profissionais,
que analisará a sua qualificação como deficiente, nos termos do artigo 43 do
Decreto nº 3.298/1999 e suas alterações e da Súmula nº 377 do Superior
Tribunal de Justiça (STJ).
Os candidatos deverão comparecer à perícia médica munidos de documento de
identidade original e de laudo médico (original ou cópia autenticada em
cartório) que ateste a espécie e o grau ou nível de deficiência, com expressa
referência ao código correspondente da Classificação Internacional de Doenças
(CID-10), conforme especificado no Decreto nº 3.298/1999 e suas alterações,
bem como a provável causa da deficiência, de acordo com o modelo abaixo, e,
se for o caso, de exames complementares específicos que comprovem a
deficiência.

O laudo médico (original ou cópia autenticada em cartório) será retido pelo
Cespe por ocasião da realização da perícia médica.
Perderá o direito de concorrer às vagas reservadas às pessoas com deficiência o
candidato que, por ocasião da perícia médica, não apresentar o laudo médico
(original ou cópia autenticada em cartório) ou que apresentar laudo que não
134

135












tenha sido emitido nos últimos doze meses, bem como o que não for
qualificado na perícia médica como pessoa com deficiência ou, ainda, que não
comparecer à perícia.
O candidato que não for considerado com deficiência na perícia médica, caso
seja aprovado no concurso, figurará na lista de classificação geral.
A compatibilidade entre as atribuições do cargo e a deficiência apresentada
pelo candidato será avaliada pela perícia médica oficial, promovida por equipe
multiprofissional, em cumprimento à decisão proferida pelo Supremo Tribunal
Federal, nos autos do Recurso Extraordinário nº 676.335/MG, de 26 de
fevereiro de 2013, a qual expressamente afirmou que: "a banca examinadora
responsável, conforme anunciado acima, respeitando critérios objetivos,
poderá declarar a inaptidão de candidatos inscritos e cujas necessidades
especiais os impossibilite do exercício das atribuições inerentes ao cargo para
qual estiver concorrendo", confirmada pelas decisões de 23 de maio de 2013 e
de 6 de agosto de 2013, no âmbito do mesmo Recurso Extraordinário.
O candidato com deficiência reprovado na perícia médica em razão de
incompatibilidade da deficiência com o exercício normal das atribuições do
cargo será eliminado do concurso.
O candidato que, no ato da inscrição, se declarar com deficiência, se for
qualificado na perícia médica e não for eliminado do concurso, terá seu nome
publicado em lista à parte e figurará também na lista de classificação geral.
As vagas que não forem providas por falta de candidatos com deficiência
aprovados serão preenchidas pelos demais candidatos, observada a ordem
geral de classificação.
Demais informações a respeito da perícia médica constarão de edital específico
de convocação.

5.2 ­ QUAIS

TIPOS DE NECESSIDADES ESPECIAIS SÃO CONSIDERADAS PARA OS

CANDIDATOS SEREM APROVADOS NA VAGA DE

PNE? QUAIS LEVAM À REPROVAÇÃO NO

EXAME MÉDICO ?

R: As condições para uma pessoa ser considerada PNE estão no Decreto nº 3.298/1999
e na Súmula 377 do STJ. Logo, vejamos o que dizem essas normas:
Decreto 3289/99
Art. 3º - Para os efeitos deste Decreto, considera-se:
I - deficiência ­ toda perda ou anormalidade de uma estrutura ou função
psicológica, fisiológica ou anatômica que gere incapacidade para o desempenho de
atividade, dentro do padrão considerado normal para o ser humano;
135

136

II - deficiência permanente ­ aquela que ocorreu ou se estabilizou durante um
período de tempo suficiente para não permitir recuperação ou ter probabilidade de
que se altere, apesar de novos tratamentos; e
III - incapacidade ­ uma redução efetiva e acentuada da capacidade de integração
social, com necessidade de equipamentos, adaptações, meios ou recursos especiais
para que a pessoa portadora de deficiência possa receber ou transmitir informações
necessárias ao seu bem-estar pessoal e ao desempenho de função ou atividade a ser
exercida.
Art. 4º - É considerada pessoa portadora de deficiência a que se enquadra nas
seguintes categorias:
I - deficiência física - alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo
humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a
forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia,
triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, ostomia, amputação ou ausência de
membro, paralisia cerebral, nanismo, membros com deformidade congênita ou
adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para
o desempenho de funções;
II - deficiência auditiva - perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um
decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500HZ, 1.000HZ,
2.000Hz e 3.000Hz;
III - deficiência visual - cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que
0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a baixa visão, que significa
acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os
casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual
ou menor que 60o; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores;
IV - deficiência mental ­ funcionamento intelectual significativamente inferior à
média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou
mais áreas de habilidades adaptativas, tais como:
a) comunicação;
b) cuidado pessoal;
c) habilidades sociais;
d) utilização da comunidade;
d) utilização dos recursos da comunidade; (Redação dada pelo Decreto nº 5.296,
de 2004)
e) saúde e segurança;
f) habilidades acadêmicas;
g) lazer; e
h) trabalho;
V - deficiência múltipla ­ associação de duas ou mais deficiências.

136

137

Súmula 377 STJ
O portador de visão monocular tem direito de concorrer, em concurso público, às
vagas reservadas aos deficientes.

5.3 ­ COMO PROCEDER SE SOU PNE E NÃO FUI CONSIDERADO COMO TAL PELA BANCA
DO CONCURSO ?

R: Entrar na justiça mostrando através de laudos e outras provas que se enquadra nas
condições legais para ser considerado PNE e que a banca não fez corretamente o
enquadramento. O fato de o candidato já ser concursado como PNE em outro órgão e
ter sido submetido à perícia é um forte argumento.

5.4 ­ COMO PROCEDER SE SOU PNE E FUI REPROVADO NO EXAME MÉDICO POR CONTA
DESSA CONDIÇÃO ?

R: Entrar com a ação judicial, apontando que sendo cumprida a decisão do STF, cuja
finalidade é permitir o acesso dos PNE ao cargo, dentro das condições que sejam
compatíveis com o cargo. Logo, não pode a Administração criar regras que, na prática
impossibilitem a decisão judicial de ter efeito. Assim, candidatos que tenham
condições de passar no TAF e cursar normalmente a ANP não podem ser eliminados no
exame médico pela condição que o enquadra legalmente como PNE.

137