Universidade de Brasília ­ UnB
Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação ­ FACE
Ciências Contábeis e Atuariais

Túllio Ramos de Morais

Tipologia, organização e preservação de arquivos digitais:
o caso da Universidade de Brasília

Brasília ­ DF
2007

Universidade de Brasília ­ UnB
Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação ­ FACE
Ciências Contábeis e Atuariais

Túllio Ramos de Morais

Tipologia, organização e preservação de arquivos digitais:
o caso da Universidade de Brasília

Monografia apresentada ao Programa de
Pós-Graduação em Administração como
requisito parcial para obtenção do grau de
especialista em Desenvolvimento Gerencial.
Orientadora:
Manini

Prof.a Dr.a

Miriam

Paula

Brasília - DF
2007
2

Dedico este trabalho aos colegas
funcionários da Universidade de Brasília
que com esforço e dedicação estão
preservando a história de nossa querida
Instituição.

AGRADECIMENTOS

3

Agradeço a minha esposa e ao meu filho
pela paciência e compreensão, ao meu querido
primo Joaquim Araújo Ramos, que tão
prestativamente me socorreu durante a
elaboração deste trabalho e, em especial, a todos
os meus colegas da 2ª turma do Curso de
Desenvolvimento Gerencial, os quais me
brindaram com o verdadeiro espírito de
companheirismo durante todo o nosso percurso.

RESUMO

4

A quantidade de arquivos digitais gerados e acumulados pelos diversos setores
da Universidade de Brasília durante suas atividades vem aumentando e se acumulando
cada vez mais na medida em que se ampliam os serviços por ela prestados.
Atualmente a situação dos arquivos digitais da UnB é bastante preocupante. Fazse urgente, por parte da UnB, a implantação de uma política de gestão para esses
arquivos. Deve-se criar formas de padronização e organização, além de planos para a
preservação do enorme volume de informação produzida durante o dia-a-dia da
Instituição.
O Estudo procurou levantar as formas de organização e mecanismos de
preservação utilizados nos diversos setores da Universidade de Brasília.

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura nº 01......................................................................................................28
Figura nº 02......................................................................................................28
Figura nº 03......................................................................................................29
5

Figura nº 04......................................................................................................29
Figura nº 05......................................................................................................30

LISTA DE SIGLAS

ACS

Assessoria de Comunicação Social

AHU

Arquivo Histórico Ultramarino de Lisboa

CEAD

Centro de Ensino à Distância

CEDOC

Centro de Documentação
6

CESPE

Centro de Seleção e Promoção de Eventos

CIA

Conselho Internacional de Arquivos

CMD

Centro de Memória Digital

CONARQ

Conselho Nacional de Arquivos

CPCE

Centro de Produção Cultural e Educativa

CPD

Centro de Processamento de Dados

HD

Hard Disc

PROCAP

Coordenadoria de Capacitação do Servidor

SENAC

Serviço Nacional de Comércio

UnB

Universidade de Brasília

WEB

World Wide Web

LISTA DE QUADROS

Quadro nº 01 ­ Vínculo com a UnB........................................................................20
Quadro nº 02 ­ Formação Escolar..........................................................................21
Quadro nº 03 ­ Curso de Técnicas de Arquivo.......................................................22
7

Quadro nº 04 ­ Programas Utilizados.....................................................................23
Quadro nº 05 ­ Tipos de Arquivos...........................................................................23
Quadro nº 06 ­ Temporalidade de Back-Up............................................................24
Quadro nº 07 ­ Forma de Preservação...................................................................24
Quadro nº 08 ­ Mídias Utilizadas para Back-Up.....................................................24

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................1
1.1 Problema da Pesquisa..............................................................................3
1.2 Objetivos...................................................................................................3
1.2.1 Objetivo Geral.............................................................................3
1.2.2 Objetivos Específicos,.................................................................3
1.3 Justificativa...............................................................................................4

8

2 REFERENCIAL TEÓRICO.....................................................................................7

3 METODOLOGIA

16

3.1 Tipo de Pesquisa...................................................................................16
3.2 Participantes da pesquisa......................................................................16
3.3 Instrumentos da coleta de dados...........................................................17
3.4 Procedimentos de coleta de dados........................................................17
3.5 Análise dos dados..................................................................................18
4 ANÁLISE DOS DADOS.......................................................................................19
4.1 Perfil dos servidores...............................................................................19
4.1.1 Vínculo com a UnB...................................................................19
4.2 Tipos de programas utilizados e arquivos gerados................................20
4.3 Formas de Back-Ups empregadas.........................................................22
4.4 Fomas de organização dos arquivos nos microcomputadores..............25
5 CONCLUSÃO......................................................................................................32

REFERÊNCIAS......................................................................................................34

ANEXO A...............................................................................................................38

9

1 INTRODUÇÃO
Nas duas últimas décadas, assistimos a um grande desenvolvimento das
tecnologias da informação, acelerado principalmente pelas rápidas evoluções ocorridas
no campo da Informática, a popularização dos computadores e o surgimento da
Internet.
Um dos novos e variados produtos gerados por esse desenvolvimento
tecnológico é o documento digital.
Muitos autores são unânimes sobre a importância do documento digital, entre
eles Arellano (2004, p. 15), que afirma: "a natureza dos conhecimentos digitais está
permitindo ampla produção e disseminação de informação no mundo atual".
Contudo, a preservação da informação no formato digital começou a apresentar
problemas no tocante aos aspectos sociais, econômicos e culturais e, com isso,
despertou nos profissionais da informação a preocupação em preservar estas
informações para torná-las acessíveis às atuais e futuras gerações, pois a possibilidade
de perda dessas informações em meio digital traz a preocupação com relação aos
problemas irreversíveis que isso acarretará para a sociedade.
Para ilustrar como tais problemas podem afetar uma instituição, temos o exemplo
citado por Passos e Boas (2006, p. 11) em monografia de final de curso do Bacharelado
em Biblioteconomia na Universidade de Brasília (UnB):
Tomamos como exemplo o Banco do Brasil, que registra milhares de transferências por meio
digital. Se acontecer de um cracker enviar um vírus e acabar com todas as informações de
transferências bancárias do Banco, imagine-se o prejuízo que tal ataque poderia oferecer ao
Banco do Brasil, e que atingirá toda a sociedade brasileira. Tal prejuízo não ocorreria
somente no âmbito financeiro, mas em todos os âmbitos sociais. Daí a importância de se
preservar a informação digital.

Sabemos que este é apenas um dos inúmeros problemas que podem surgir em
um acervo em meios digitais.
Durante seus 45 anos de existência a UnB gerou um acervo documental físico
bastante expressivo, sendo que uma parte dele se encontra armazenado nos diversos
Departamentos (Centros de Custos) e outra parte, bastante expressiva, encontra-se sob
a tutela do Centro de Documentação (CEDOC).

10

A instituição também vem utilizando as mais novas tecnologias na área da
informática, juntamente com a Internet, a qual, devido à sua rapidez, provocou um
aumento considerável nas aquisições e trocas de informações. Conseqüentemente, ao
aproveitar as facilidades oferecidas por essas novas tecnologias, a UnB passou a
agregar a seus acervos um número ainda maior de documentos, que vieram se juntar
ao já expressivo acervo arquivístico da Universidade.
Hoje temos conhecimento de que os diversos departamentos utilizam uma
variedade de aplicativos e programas. Não se conhece, entretanto, a quantidade de
tipos de documentos digitais existentes na instituição e se esse acervo é tratado e
organizado arquivisticamente ou não, e se os responsáveis por estes acervos estão
tomando alguma providência com o intuito de preservá-los.
Quando o pesquisador atuou como Técnico no Centro de Documentação
(CEDOC), realizou várias visitas técnicas a diversos Centros de Custo da UnB. Apesar
da maioria dessas visitas serem feitas para orientações técnicas junto aos acervos em
suporte papel, começou, de maneira tímida, a adquirir informações a respeito das
formas de preparação, organização, armazenamento, gestão e preservação de
arquivos de documentos digitais gerados por seus setores, através da aplicação de
entrevistas informais aos funcionários desses Centros, com o intuito de conhecer e
entender a cultura arquivística existente nesses locais.
Durante esse tempo, o pesquisador também procurou se informar sobre a
existência de algum trabalho inerente ao assunto realizado no âmbito da UnB. Porém,
sem encontrar resultados.
Ciente dessa lacuna e da importância dessas informações para o gerenciamento
eficaz dos acervos arquivísticos da UnB, o pesquisador decidiu, desde o início do curso
de Especialização em Desenvolvimento Gerencial, levantar e documentar os dados
necessários para auxiliar a instituição nas suas atividades de gerenciamento de
arquivos.
Para fins de estudo, este trabalho pretende identificar e mapear os diversos tipos
de arquivos digitais mais comumente usados pelos Centros de Custo da UnB, bem
como se estão sendo tratados e organizados arquivisticamente e identificar a forma
como é feita a organização e, também, os mecanismos e métodos de preservação
11

adotados por esses acervos. Pretende-se, também, aproveitar o estudo para propor
formas de padronização na organização e métodos de preservação, na tentativa de
unificar procedimentos para facilitar a gestão desses acervos pelo Centro de
Documentação (CEDOC).

1.1 Problema da Pesquisa

Como os servidores da UnB, responsáveis pela criação e guarda dos acervos
eletrônicos de seus departamentos, estão lidando com este tipo de tecnologia e quais
técnicas arquivísticas estão sendo utilizadas para a organização, guarda e preservação
desses acervos?

1.2 Objetivos

1.2.1 Objetivo Geral

Levantar os tipos de documentos digitais mais comumente usados pelos Centros
de Custo da UnB, as técnicas arquivísticas utilizadas no tratamento e na sua
organização assim como os métodos e mecanismos de preservação aplicados nesses
acervos.

1.2.2 Objetivos Específicos

Identificar o perfil do pessoal envolvido na organização dos acervos dos diversos
setores da UnB;
Identificar quais são os softwares mais utilizados na produção de documentos
eletrônicos;
Identificar a tipologia dos documentos digitais existentes na instituição;
Identificar a(s) forma(s) de gerenciamento dos acervos digitais existente(s) nos
diversos setores da UnB;

12

Identificar o(s) mecanismo(s) de preservação aplicado(s) aos acervos digitais
existente(s) nos diversos setores da UnB;
Identificar as ferramentas informacionais, tais como aplicativo(s) de Banco de
Dados contendo informações importantes para a localização e recuperação dos
arquivos digitais existentes na UnB;

1.3 Justificativa

Fundada em 21 de abril de 1962, a Universidade de Brasília (UnB) funcionou,
primeiramente, nas dependências do Ministério da Saúde, na Esplanada dos
Ministérios, onde começou suas aulas para 413 alunos aprovados em seu primeiro
vestibular.
Como uma das melhores universidades do país, a UnB, atualmente abriga mais
de 1.300 professores e cerca de 2.300 funcionários, oferece 63 cursos de graduação,
62 de mestrado, 42 de doutorado e 106 especializações, contando com 20.749 alunos
de graduação, 2.713 alunos de mestrado e 1.282 alunos de doutorado (segundo dados
coletados no sítio da UnB na Internet).
Além dessa estrutura acadêmica, a Instituição possui órgãos complementares
que auxiliam os estudantes no desenvolvimento de trabalhos de ensino, pesquisa e
extensão. O Hospital Universitário de Brasília, a Fazenda Água Limpa e a Editora da
UnB são alguns deles.
Nesses 45 anos de vida, a instituição gerou um acervo documental físico
bastante expressivo, sendo que uma parte dele se encontra armazenado nos diversos
Departamentos (Centros de Custos) e outra parte, nas dependências do Centro de
Documentação (CEDOC).
Nas últimas décadas, a UnB adotou e vem utilizando as mais novas tecnologias
na área da informática juntamente com a Internet, a qual, devido à sua rapidez,
provocou um aumento considerável nas aquisições e troca de informações.
Uma conseqüência deste desenvolvimento tecnológico é a geração de um novo
tipo de documento: o digital, que veio se juntar ao já expressivo acervo arquivístico da
Universidade.
13

Como exemplo, temos o Centro de Ensino à Distância ­ CEAD-UnB que em sua
página na Internet apresenta-se como disseminador de um novo processo de
ensino/aprendizagem onde a comunicação entre cursistas e professores é mediada por
documentos impressos ou alguma outra forma de tecnologia ­ fitas de áudio e vídeo;
CD-ROM; TV ou rádio; computador; Internet. Nos últimos anos, o CEAD tem sido
responsável pela crescente oferta de cursos de extensão universitária e de
especialização, atingindo hoje, aproximadamente, 30 mil pessoas, buscando superar
obstáculos de distância física e temporal por meio dos mais variados veículos de
comunicação, tais como Internet, uso de correio eletrônico e postal, fax e telefone.
Com uma linha de trabalho que prevê a utilização de várias mídias em conjunto,
podemos citar o curso de extensão TV na Escola e os Desafios de Hoje, ofertado via
WEB e com CD-ROM, e o curso de Gerência Policial Rodoviária, em parceria com o
CESPE­UnB, que utilizou Internet, CD-ROM e material impresso. Estes dois cursos
tiveram a adaptação de seu material didático para mídia WEB, coordenada pela equipe
do CEAD­UnB.
Também temos o Centro de Produção Cultural e Educativa ­ CPCE, que hoje é o
responsável pela TV virtual da UnB, onde a produção de material audiovisual segue os
mesmos procedimentos de captura, digitalização e edição que são efetuados por uma
emissora de Televisão. Seus arquivos, após serem codificados e formatados para
veiculação na Internet, são alojados em um servidor na rede da UnB para serem
usados pelo seu público-alvo que são os estudantes universitários. Sua programação
também é bastante interessante para pesquisadores, professores, profissionais de
comunicação e internautas que buscam informação diferenciada.
Outro exemplo é o Centro de Memória Digital ­ CMD, que é integrado por
professores e alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de História, Letras,
Engenharia de Redes, Comunicação e Ciência da Informação. O CMD propõe-se a
preservar e divulgar o patrimônio histórico documental em meio digital, articulando
competências na área cultural e tecnológica para aplicação da tecnologia digital no
resgate da identidade histórico-cultural de nosso país e onde o Projeto Resgate em
Conteúdo Digital desempenha o papel de âncora do CMD.

14

O CMD comunga com políticas públicas que têm como princípio a
transversalidade, que facilita a racionalização do uso de recursos humanos e materiais,
anteriormente dispersos e difusos em vários órgãos e instituições, por meio da sua
colaboração e integração sistêmica. Propõe-se, nesse sentido, a otimização dos
recursos públicos existentes, oferecendo-se para integrar iniciativas semelhantes em
níveis e esferas distintas dos poderes públicos. No Brasil de hoje, políticas públicas de
inclusão digital, sobretudo no campo educacional e cultural, compõem ferramenta
preciosa de ampliação da cidadania, pois a aplicação das tecnologias de informação e
comunicação na educação e cultura constitui, por definição, mecanismo de
democratização e barateamento de acesso aos bens culturais.
Segundo informações obtidas no sítio, hoje o CMD possui aproximadamente
340.000 documentos (perto de três milhões de páginas manuscritas) relativos a 18
capitanias da América portuguesa depositados no renomado Arquivo Histórico
Ultramarino de Lisboa (AHU) - o maior acervo de documentação colonial brasileira no
exterior - que foram descritos, classificados, microfilmados e digitalizados. O projeto
encontra-se em fase avançada, com 19 catálogos da documentação publicados em 25
volumes, 3 catálogos em preparação, 3 guias de fontes publicados e número
expressivo de CD ROMs de documentos digitalizados.
Hoje, temos ciência de que os diversos departamentos utilizam uma variedade
de aplicativos e programas. Entretanto, não se conhece a variedade de tipos de
documentos digitais existentes na instituição, se esse acervo é tratado e organizado
arquivisticamente ou não, e também, se os responsáveis pela criação desses acervos,
estão organizando adequadamente seus documentos e tomando alguma providência
com o intuito de preservá-los.
Devido a falta de informações sobre o universo desses acervos digitais e sobre
os tipos de gerenciamento existentes o CEDOC se encontra impedido de propor aos
servidores da UnB ações que visem auxiliá-los na organização e, principalmente, na
preservação desse tipo de acervo.
O presente trabalho visa contribuir para preencher essa lacuna ao levantar
informações sobre o perfil dos servidores envolvidos na criação dos acervos, os tipos
de documentos digitais produzidos pela área administrativa da UnB, como estão sendo
15

tratados, se estão organizados arquivisticamente e que mecanismos de preservação
estão sendo utilizados.

16

2 REFERENCIAL TEÓRICO
Para compreendermos melhor o objeto de estudo desse trabalho, abordaremos a
seguir as diversas definições de autores sobre Documentos de Arquivo e Documento
Digital, além de citar a legislação nacional e o que dizem os especialistas nacionais
sobre a preservação desse tipo de documento.
Sobre o que é Documento, encontramos na literatura diversos entendimentos.
Primeiramente temos Houaiss, Villar e Franco (2001) que, em seu Dicionário, definem o
verbete "documento" como "qualquer escrito usado para esclarecer determinada coisa
[...] qualquer objeto de valor documental (fotografia, peças, papéis, filmes, construções,
etc.)

que

elucide,

instrua,

prove

ou

comprove

cientificamente

algum

fato,

acontecimento, dito etc."
No campo da Arquivologia, temos Schellenberg (2004, p. 41) que define
"documento (records)" da seguinte forma:
Todos os livros, papéis, mapas, fotografias ou outras espécies documentárias,
independentemente de sua apresentação física ou características, expedidos ou recebidos
por qualquer entidade pública ou privada no exercício de seus encargos legais ou em
funções das suas atividades e preservados ou depositados para preservação por aquela
entidade ou por seus legítimos sucessores como prova de suas funções, sua política,
decisões, métodos, operações ou outras atividades, ou em virtude do valor informativo dos
dados neles contidos.

Na WEB, ao pesquisarmos no sítio da Wikipédia, encontramos a seguinte
definição para o verbete:
Em Direito, Documento é um objeto corpóreo, resultado da atividade humana, que pelos
vestígios de confiabilidade, representa, por si só, permanentemente, um fato idôneo.
Institucionalmente, à informação singularizada, isto é, distinguível por um nome ou código,
que trata de assunto específico, de natureza e interesse particular a uma instituição, de
caráter sigiloso, estratégico ou que represente capital intelectual, enfim, plenamente
integralizada aos bens intangíveis da instituição, dá-se o nome de documento.
Podem ser públicos (ou seja, emitidos por autoridade pública ou mediante procuração de
autoridade pública por exemplo, escritura pública de compra e venda emitida em cartório) ou
privados (se emitidos por um particular, ou por autoridade pública fora de suas funções
públicas ou atribuições, ou fora de sua competência).
Tanto documentos públicos quanto privados podem constituir prova de fato jurídico, ato
jurídico ou de negócio jurídico.

Já Rondinelli (2004) cita a definição do Comitê de Documentos Eletrônicos do
Conselho Internacional de Arquivos (CIA) onde a "informação registrada, independente
da forma ou do suporte, produzida ou recebida no decorrer da atividade de uma
17

instituição ou pessoa e que possui conteúdo, contexto e estrutura suficientes para servir
de evidência dessa atividade".
Por meio destas definições podemos observar uma unanimidade no que diz
respeito à importância da informação contida no documento, independente do seu
suporte, para as atividades humanas; isso devido à sua natureza comprobatória de
fatos ocorridos ao longo de uma atividade.
No tocante ao termo Arquivo, Schellenberg (2004, p. 41) define-o como "Os
documentos de qualquer instituição pública ou privada que hajam sido considerados de
valor, merecendo preservação permanente para fins de referência e de pesquisa e que
hajam sido depositados ou selecionados para depósito, num arquivo de custódia
permanente".
No sítio da Wikipédia encontramos a seguinte definição de Arquivo:
Um arquivo é todo e qualquer local em que são custodiados documentos, formados a partir
da atividade de uma organização. Os documentos, também chamados de informação
arquivística, são a geração espontânea da empresa.
O arquivo constitui um repositório de informações que pode provar alguma coisa, é fonte de
evidências de atividades e eventos ocorridos. Isso o diferencia da biblioteca, que é um
repositório de informações que tem por função instruir o usuário acerca de algum assunto.

Quando falamos de arquivos, devemos ter em mente que existem dois tipos: o
de caráter privado (que não é o foco desse trabalho) e o público.
Ao se tratar de Arquivos Públicos, podemos encontrar sua definição no artigo 7º
da Lei nº 8159 de 1991, que dispõe que "Os arquivos públicos são os conjuntos de
documentos produzidos e recebidos, no exercício de suas atividades, por órgãos
públicos de âmbito federal, estadual, do Distrito Federal e municipal, em decorrência de
suas funções administrativas, legislativas e judiciárias".
Ao analisarmos o verdadeiro objeto de um arquivo concluímos que é o conteúdo
dos seus documentos ou o próprio documento, e sua importância está na forma com
que foi empregado dentro de um processo de tomada de decisão.
Para Paes (1991, p. 4), o conceito de arquivo contém três características
básicas:
1. É exclusivo, pois sua criação e recepção são de determinada repartição,
firma ou instituição;

18

2. É probatório, porque os documentos, nele contidos, servem de prova de
transações passadas; e
3. Apresenta um caráter orgânico, pois um documento sozinho significa
muito menos que quando em conjunto.
Uma das finalidades de um arquivo é servir de base para o conhecimento histórico
de uma instituição, cumprindo as funções de guardião e conservador dos documentos
produzidos pelas instituições.
Paes (1991, p. 5) ainda destaca que:
[...] para os arquivos desempenharem suas funções, torna-se indispensável que os
documentos estejam dispostos de forma a servir ao usuário com precisão e rapidez. A
metodologia a ser adotada deverá atender às necessidades da instituição a que serve, como
também a cada estágio de evolução por que passam os arquivos.

Estes estágios de evolução dos arquivos que Paes (1991) cita são as fases de
arquivamento corrente, intermediária e permanente,
Bellotto (1991, p. 5, 6) descreve mais detalhadamente a importância dessas
fases quando nos diz que:
O ciclo vital dos documentos administrativos compreende três idades. A primeira é a dos
arquivos correntes, nos quais se abrigam os documentos durante o seu uso funcional,
administrativo, jurídico, seu trâmite legal, ou seja sua utilização ligado às razões pelas quais
foram criados e permanecendo no seu local de origem por um período determinado,
dependendo de sua tipologia/função.
A segunda fase, a do arquivo intermediário, é aquela em que os papéis já ultrapassaram seu
prazo de validade jurídico-administrativa, mas ainda pode ser utilizado pelo produtor.
Permanecendo em um arquivo que já centralizará papeis de vários órgãos, porém sem
mistura-los ou confundi-los, pelo prazo de até 20 anos para serem submetidos à tabela de
temporalidade, que determinará os prazos de vigência e de vida dos papeis.
A terceira idade, a permanente, aos 25 a 30 anos, segundo a legislação vigente, os
documentos devem ser recolhidos a um local de preservação definitiva onde passam a ter
valor científico, social e cultural.

A organização e gestão de acervos arquivísticos tornou-se bastante problemática
para as instituições nas últimas três décadas, devido à rápida e ininterrupta evolução
tecnológica que a humanidade sofreu. Evolução essa que afetou todos os meios de
produção existentes.
Segundo SANTOS (2002), as tecnologias desenvolvidas para permitir essa
evolução também afetaram diretamente a produção informacional e documental.

19

Para se ter uma idéia do volume de informação disponível nos dias de hoje, ao
fazer uma pesquisa sobre um assunto de seu interesse na Internet, o pesquisador irá
encontrar tanta informação que será praticamente impossível ler todos os documentos
encontrados sobre o assunto. Também iremos encontrar documentos que, apesar de
terem sido indexados para um determinado assunto, ele não contém nada sobre o
termo indexado.
Uma das tecnologias que mais se destacaram nesse desenvolvimento, foi a da
área da informática essa tecnologia, onde acabou criando uma nova forma de
documento: o Arquivo Digital.
Para o Arquivo Nacional, em sua obra Subsídios para um Dicionário Brasileiro de
Termos Arquivísticos, Arquivo Digital é um conjunto de Bits que formam uma unidade
lógica interpretável por computador e armazenada em suporte apropriado.
A Wikipédia trata o termo Arquivo Digital como Arquivo de Computador e o
traduz da seguinte forma:
No disco rígido de um computador, os dados são guardados na forma de arquivos (ou
ficheiros, em Portugal). O arquivo é um agrupamento de registros que seguem uma regra
estrutural, e que contém informações (dados) sobre uma área específica.
Estes arquivos podem conter informações de qualquer tipo de dados que se possa encontrar
em um computador: textos, imagens, vídeos, programas, etc. Geralmente o tipo de
informação encontrada dentro de um arquivo pode ser previsto observando-se os últimos
caracteres do seu nome, após o último ponto (por exemplo, txt para arquivos de texto sem
formatação). Esse conjunto de caracteres é chamado de extensão do arquivo.
Como os arquivos em um computador são muitos (só o sistema operacional costuma ter
centenas deles), esses arquivos são armazenados em diretórios (também conhecidos como
pastas).

No Brasil, o responsável pela regulamentação e práticas de gestão arquivística
no âmbito do poder público é o Conselho Nacional de Arquivos ­ CONARQ. Sua
atribuição é definir a política nacional de arquivos públicos e privados, como órgão
central de um Sistema Nacional de Arquivos, bem como exercer orientação normativa
visando a gestão documental e a proteção especial aos documentos de arquivo.
Para o CONARQ, o termo Documento Digital é o mesmo que Documento em
Meio Eletrônico, ou seja, aquele que só é legível por computador.
O parágrafo 2º, do artigo 1º, da Resolução do CONARQ nº 20, de 16 de julho de
2004, define Documento Arquivístico Digital como:
o documento arquivístico codificado em dígitos binários, produzido, tramitado e armazenado
por sistema computacional. São exemplos de documentos arquivísticos digitais: planilhas

20

eletrônicas, mensagens de correio eletrônico, sítios na internet, bases de dados e também
textos, imagens fixas, imagens em movimento e gravações sonoras, dentre outras
possibilidades, em formato digital.

Atualmente existe uma variedade muito grande de documentos digitais e os tipos
mais comuns que podemos encontrar são:
1) Textos: arquivos com a extensão ".txt", ".doc", ".pdf" etc.;
2) Vídeos: arquivos com a extensão ".avi", ".mov", ".wmv" etc.;
3) Áudio: arquivos com a extensão ".wma", ".mp3", ".midi" etc.;
4) Fotografia: arquivos com a extensão ".jpg", ".bmp", ".tiff", ".gif" etc.;
5) Arquivos de planilhas: arquivos com a extensão ".pps" etc.;
6) Arquivos da Internet: arquivos com a extensão ".htm", ".html" etc.
Porém, ao mesmo tempo em que este tipo de tecnologia vem nos ajudar a
executar nossas tarefas diárias, a sua veloz e constante evolução também está nos
criando um problema muito sério no tocante à sua preservação.
À medida que a tecnologia avança, seus meios (hardware e software) sofrem
mutações consideráveis em suas estruturas a ponto de criarem sérios problemas de
preservação, principalmente quando se pretende abrir arquivos de programas mais
antigos ou de versões ultrapassadas.
No tocante à preservação de acervos digitais, podemos contar atualmente com
a existência de uma vasta e rica literatura sobre o assunto.
Não podemos nos bastar somente na forma de manter o documento digital
através da sua preservação, também temos que organizá-lo para ter acesso às
informações que ele contém.
Schellenberg (2004, p. 68) dá uma idéia do que vem a ser um modo de gestão
de documentos quando nos diz que documentos são eficientemente administrados
quando, uma vez necessários, podem ser localizados com rapidez e sem transtorno ou
confusão
Segundo o autor, a maneira com que os documentos são mantidos para uso
corrente determina a exatidão com que podem ser fixados os valores da documentação
recolhida. Também nos diz que o uso dos documentos para fins de pesquisa depende,
igualmente, da maneira pela qual foram originalmente ordenados (2004, p. 53).
21

Paes (1991, p. 17) diz que devemos ter por base a análise das atividades da
instituição e de como os documentos são solicitados ao arquivo, para podermos definir
o melhor método arquivístico a ser adotado pela instituição.
Para o CONARQ (Resolução nº 25. art. 1), gestão arquivística de documentos é
o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à produção, tramitação,
uso, avaliação e arquivamento de documentos em fases corrente e intermediária,
visando à sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente.
A característica que o documento digital apresenta pode comprometer a sua
autenticidade pois está sujeito à degradação física dos seus suportes, à rápida
obsolescência tecnológica e às intervenções que podem causar adulterações e
destruição.
Na tentativa de se coibir estes tipos problemas, o CONARQ, através da sua
Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos, editou a Resolução nº 25, de 27 de abril
de 2007, onde recomenda aos órgãos e instituições que adotem o "Modelo de
Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos e-ARQ
Brasil", para definir, documentar, instituir e manter políticas, procedimentos e práticas
para a gestão arquivística de documentos, com base nas diretrizes estabelecidas por
ele.
Para o CONARQ, somente com procedimentos de gestão arquivística é possível
assegurar a autenticidade dos documentos arquivísticos digitais.
Para se ter sucesso na implantação deste Sistema nos órgãos públicos e
empresas privadas é necessário que todos os funcionários estejam envolvidos na
política arquivística de documentos e as responsabilidades devem ser distribuídas de
acordo com a função e hierarquia de cada um.
A Constituição Federal de 1988 e, particularmente, a Lei nº 8.159, de 8 de janeiro
de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados,
delegaram ao Poder Público algumas responsabilidades, consubstanciadas pelo
Decreto nº 4.073, de 3 de janeiro de 2002, que consolidou os decretos anteriores - nsº
1.173, de 29 de junho de 1994; 1.461, de 25 de abril de 1995, 2.182, de 20 de março de
1997 e 2.942, de 18 de janeiro de 1999.

22

O artigo 3º, da Lei nº 8.159 de 08 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política
nacional de arquivos públicos e privados, diz que gestão de documentos é o conjunto
de procedimentos e operações técnicas à sua produção, tramitação, uso, avaliação e
arquivamento em fases corrente e intermediária, visando à sua eliminação ou
recolhimento para guarda permanente., e o seu artigo 17, do Capítulo IV, afirma que a
administração da documentação pública ou de caráter público compete às instituições
arquivísticas federais, estaduais do Distrito Federal e municipais.
Tal dispositivo torna claro a importância e a responsabilidade que devemos ter
com o trato da documentação pública.
Dentre estas responsabilidades, a mais discutida pelos autores de hoje é a da
preservação dos documentos.
Hoje, encontramos uma vasta bibliografia que trata especificamente sobre o
tema da preservação de documentos, tanto em suporte de papel quanto em meios
eletrônicos.
A guarda e a conservação dos documentos, visando à sua utilização, são as
funções básicas de um arquivo (PAES, 1991, p. 5).
Para Arellano (2004):
A natureza dos documentos digitais está permitindo ampla produção e disseminação de
informação no mundo atual. É fato que na era da informação digital se está dando muita
ênfase à geração e/ou aquisição de material digital, em vez de manter a preservação e o
acesso a longo prazo aos acervos eletrônicos existentes. O suporte físico da informação, o
papel e a superfície metálica magnetizada se desintegram ou podem se tornar irrecuperáveis.
Existem, ademais, os efeitos da temperatura, umidade, nível de poluição do ar e das
ameaças biológicas; os danos provocados pelo uso indevido e o uso regular, as catástrofes
naturais e a obsolescência tecnológica. A aplicação de estratégias de preservação para
documentos digitais é uma prioridade, pois sem elas não existiria nenhuma garantia de
acesso, confiabilidade e integridade dos documentos a longo prazo.

Na Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital (2004), o
CONARQ diz que:
As facilidades proporcionadas pelos meios e tecnologias digitais de processamento,
transmissão e armazenamento de informações reduziram custos e aumentaram a eficácia
dos processos de criação, troca e difusão da informação arquivística. O início do século XXI
apresenta um mundo fortemente dependente do documento arquivístico digital como um
meio para registrar as funções e atividades de indivíduos, organizações e governos.

Porém, o CONARQ alerta sobre a importância de voltarmos nossas atenções
para os meios de preservar este tipo de acervo, pois essas tecnologias digitais sofrem
23

uma obsolescência muito rápida pois a tecnologia digital é comprovadamente um meio
mais frágil e mais instável de armazenamento, comparado com os meios convencionais
de registrar informações.
A Carta também nos alerta:
A preservação da informação em formato digital não se limita ao domínio tecnológico,
envolve também questões administrativas, legais, políticas, econômico-financeiras e,
sobretudo, de descrição dessa informação através de estruturas de metadados que
viabilizem o gerenciamento da preservação digital e o acesso no futuro. Desta forma,
preservar exige compromissos de longo prazo entre os vários segmentos da sociedade:
poderes públicos, indústria de tecnologia da informação, instituições de ensino e pesquisa,
arquivos e bibliotecas nacionais e demais organizações públicas e privadas.

O CONARQ reconhece a instabilidade da informação arquivística digital e sobre
a necessidade de estabelecimento de políticas públicas, diretrizes, programas e
projetos específicos, legislação, metodologias, normas, padrões e protocolos que
possam minimizar os efeitos da fragilidade e da obsolescência de hardwares, softwares
e formatos e que assegurem, ao longo do tempo, a autenticidade, a integridade, o
acesso contínuo e o uso pleno da informação.
Na UnB ainda não existe uma política de preservação para esse tipo de acervo e
este trabalho tem a pretensão de levantar dados para propor uma unificação de
técnicas de organização visando a minimizar os problemas advindos do gerenciamento
de seus documentos.

24

3 METODOLOGIA
3.1 Tipo de Pesquisa

Para a realização da pesquisa, utilizaremos a taxonomia apresentada por
Vergara (2006), a qual apresenta dois aspectos: quanto aos seus fins e quanto aos
meios.
Quanto aos fins, a pesquisa será de cunho exploratório e descritivo. Exploratório
porque, embora a UnB seja uma instituição tradicional e alvo de pesquisas em diversas
áreas de investigação, ainda não se verificou a existência de estudos que abordem a
tipologia e a organização de documentos em meio eletrônico que a pesquisa tem a
intenção de abordar. Descritivo, porque visa a identificar e descrever as formas de
arquivamento e as sugestões de organização apresentadas pelo pessoal técnicoadministrativo no âmbito de secretarias e diretorias de diversos Centros, Institutos e
Faculdades, acerca do tratamento dado aos acervos eletrônicos gerados por eles.
Quanto aos meios, a pesquisa foi bibliográfica e de campo. Bibliográfica porque
para a fundamentação teórico-metodológica do trabalho foi realizada uma investigação
sobre os seguintes assuntos: definições de termos, legislação vigente e preservação de
acervos digitais. Foi de campo porque pretendeu coletar in loco informações sobre as
metodologias aplicadas na organização de arquivos e sobre as formas de preservação
utilizadas.

3.2 Participantes da Pesquisa

Participaram da pesquisa os funcionários técnico-administrativos do quadro da
instituição e pessoal terceirizado das Diretorias, Secretarias e CPDs, responsáveis pela
elaboração, organização e manutenção dos arquivos digitais desses setores,
selecionados através de sua acessibilidade (VERGARA, 2006), entre aproximadamente
30 dos diversos Departamentos, Institutos, Faculdades e Centros existentes na UnB.

25

3.3 Instrumento da Coleta de Dados

Os dados para identificar a tipologia de arquivos digitais e os tipos de
organização arquivística existentes nos diversos Departamentos dos Centros de Custo
da UnB foram coletados por meio de entrevista individual, de forma semi-estruturada e
informal, a partir de um questionário pré-estabelecido de perguntas abertas que a
orientará, de modo a que sejam cobertos todos os tópicos da pesquisa, tais como: o
perfil dos servidores responsáveis pelo acervo, os tipos de programas e arquivos mais
utilizados, sua forma de organização na máquina e as formas de preservação do acervo
adotadas no setor.
O questionário contém com 11 (onze) perguntas principais listadas no Anexo A
com as respectivas justificativas.
A opção pela entrevista semi-estruturada teve por finalidade de eventualmente
explorar questões não previstas e proceder a eventuais adaptações que venham a ser
necessárias durante a sua aplicação, em função da diversidade de formação, da
experiência e do nível dos entrevistados.
Foram explicados, antes de cada entrevista, os objetivos e a importância da
pesquisa e da colaboração do entrevistado, além de garantir o sigilo das informações
de cunho pessoal.

3.4 Procedimentos da Coleta de Dados

Foram solicitados aos Departamentos selecionados a autorização da entrevista e
indicação dos funcionários a serem entrevistados.
As entrevistas foram realizadas e registradas pelo próprio pesquisador.
As entrevistas foram feitas em horário e local previamente marcados, de acordo
com a disponibilidade e conveniência do entrevistado.
Foi solicitada permissão para a captura de cópias da imagem da tela do
computador com a seqüência de árvores de diretórios utilizadas na organização dos
acervos.

26

3.5 Análise dos Dados

Os dados levantados nas entrevistas foram primeiramente tratados de forma
estatística, onde se analisou os dados referentes ao perfil dos servidores, os tipos de
programas utilizados, os arquivos gerados e as formas de Back-Ups empregados. Em
segundo lugar, foram analisadas as formas de organização dos arquivos nos
microcomputadores dos entrevistados.

27

4 ANÁLISE DOS DADOS
Foram realizadas 34 entrevistas abrangendo 32 setores da Universidade de
Brasília cujos resultados serão descritos a seguir.

4.1 Perfil dos servidores

Conforme Schellenberg (2002, p. 54), todos os problemas com os quais o
arquivista se depara (arranjo, descrição, avaliação e utilização) decorrem da maneira
pela qual os documentos são tratados nas repartições públicas. A pesquisa traçou o
perfil dos funcionários responsáveis pela criação, organização e preservação dos
arquivos eletrônicos de cada seção.
A pesquisa revelou-nos a seguinte situação:
4.1.1 Vínculo com a UnB
Em conversas entre servidores da UnB é comum a citação de que a instituição
está, cada vez mais, contratando pessoal terceirizado para suprir a sua falta de
funcionários e que esse tipo de servidor vem ocupando postos estratégicos nos
diversos setores da UnB.
A pesquisa nos mostrou, como podemos verificar através do Quadro nº 01 Vínculo com a UnB, que a grande maioria dos funcionários (65%) que estão envolvidos
com os arquivos da instituição pertencem ao quadro da instituição, e que, ao contrário
da informação que circula na instituição os servidores com vínculo empregatício
terceirizado representa 29% do total e os estagiários representaram apenas 6%, sendo
que, dentre esses, um deles tinha formação superior completa em Arquivologia na UnB.
É importante ressaltar que dos três estagiários entrevistados dois eram alunos do
próprio instituto e uma era formada no curso de graduação em Arquivologia da própria
UnB e estão suprindo a demanda interna por profissionais com esse perfil devido à falta
de contratação através de concurso público por parte da instituição.

28

Vínculo com a UnB (%)
100
90
80
70
60
50
40
30

64,7

29,4

20
10
0

5,9

Terceirizado

Estagiário

do Quadro

Quadro nº 01 ­ Vínculo com a UnB

No geral, a pesquisa nos mostrou que o tempo de serviço prestado pelos
entrevistados varia de 7 meses a 30 anos na Instituição, sendo que 21 dos 34
entrevistados possuem mais de 10 anos na UnB, o que nos leva a concluir que esses
servidores possuem um conhecimento considerável da estrutura e do funcionamento da
instituição e dos setores onde trabalhão.
Também podemos concluir, através do Quadro nº 02 ­ Formação Escolar, que o
nível de formação intelectual apresentado pelos entrevistados é muito bom. O resultado
apresentado dá uma idéia do potencial de percepção, de capacidade profissional e de
responsabilidade que estes funcionários podem ter pelo fato de possuírem um nível de
escolaridade elevado.
Seguindo a afirmação de Schellenberg (2002, p. 70), onde diz que as atividades
de administração de arquivos são de categoria altamente especializada, a pesquisa
mostrou-nos que a grande maioria dos funcionários entrevistados, envolvidos com
esses tipos de arquivos digitais, além de possuírem uma larga experiência de serviço
também possuem um perfil satisfatório para o desenvolvimento da gestão desses tipos
de documentos.

29

Formação (% )
100
90
80
70

58,8

60
50
40
30

23,5

17,6

20
10
0

Ensino Médio

Superior Completo

Superior Incompleto

Quadro nº 02 ­ Formação Escolar

A pesquisa mostrou-nos também que a grande maioria dos entrevistados, como
demonstra o Quadro nº 03 ­ Curso de Técnicas de Arquivo, nunca fez um curso de
técnicas em arquivo, nem mesmo o de Técnicas de Arquivo oferecido pelo PROCAP.
Porém, nas conversas informais ocorridas durante a entrevista, os que disseram
ter feito curso de arquivo acabaram informando que as técnicas foram adquiridas
durante os seus cursos de graduação, com exceção de um entrevistado que tinha curso
superior em Arquivologia e de outro que alegou ter feito um curso de técnicas de
arquivo no SENAC, no ano de 1996.
Muitos dos entrevistados disseram não saber da existência dos cursos de
técnicas de arquivo promovidos pelo PROCAP/SRH.
Desta forma, a pesquisa nos mostrou a urgente necessidade dos seus servidores
em receber conhecimentos mais atualizados sobre organização e gestão de arquivos,
tanto em suporte papel quanto de arquivos digitais, por parte da instituição.

30

Possui Curso de Arquivo (%)

90

79,4

80
70
60
50
40
30

20,6

20
10
0

sim

nâo

Quadro nº 03 ­ Curso de Técnicas de Arquivo

4.2 Tipos de programas utilizados e arquivos gerados

Inicialmente o pesquisador, também baseado em conversas entre servidores da
UnB, imaginou que iria encontrar uma enorme quantidade de softwares, livres,
licenciados e até sem licença sendo utilizados pelos servidores dos departamentos.
Porém, no decorrer da pesquisa, identificou a utilização de um número muito menor ao
esperado de softwares com predominância da utilização dos programas do pacote
Office fornecidos pela Microsoft (Word, Excel, Power Point e Access), em cópias
licenciadas, além de alguns outros softwares utilizados para seus determinados fins ou
em ocasiões específicas, em cópias licenciadas ou de uso livre, conforme demonstra o
Quando nº 04 ­ Programas Utilizados.
Nos casos do Centro de Produção Cultural e Educativa - CPCE e da Assessoria
de Comunicação Social ­ ACS, além dos programas usuais do pacote Office são
utilizados programas específicos da área de edição de arquivos multimídia.

31

Programas Utilizados em %
100,0
100

85,3

85,3
82,4

80

60
52,9

Word
Excel
Power Point
Acsess

40
32,4

Adobe Acrobat Reader

29,4

Adobe Acrobat Professional
Out-Look

17,6

20

Dream Weaver
Sistemas da UnB

8,8

Corel Draw

5,9
2,9

Fotoshop

2,9

0

Outros Programas

Quando nº 04 ­ Programas Utilizados

Como estamos tratando de acervos de uma Instituição de Ensino Superior, o
pesquisador esperava que grande parte do acervo arquivístico digital fosse de cunho
acadêmico, mas no decorrer da pesquisa, essa expectativa não se concretizou, pois,
como como demonstra o Quadro nº 05 ­ Tipos de Arquivos, a maioria dos acervos
gerados é de cunho administrativo, sendo os acadêmicos gerados pelos próprios
docentes e geridos por eles próprios.
Arquivos Administrativos (%)

100

91,2

90
80
70
60
50
40
30
20

8,8

10
0

sim

não

Quadro nº 05 ­ Tipos de Arquivos

32

4.3 Formas de Back-Ups empregadas

Hoje, ao pesquisarmos sobre acervos digitais, encontramos vasta literatura a
respeito do assunto, onde a grande maioria de seus autores nos alerta para as formas
de preservação desse tipo de acervo.
Segundo Camargo e Bellotto (1996, p. 61 apud SANTOS, 2002, p. 41) a
preservação é uma "função arquivística destinada a assegurar as atividades de
acondicionamento, conservação, armazenamento e restauração de documentos".
O presente estudo procurou identificar as formas empregadas por diversos
setores da Universidade de Brasília para a preservação de seu acervo digital.
Apesar de 71% dos entrevistados afirmarem que o seu setor possuía um plano
de preservação para os seus arquivos, como nos mostra o Quadro nº 05 ­ Plano de
Preservação, a maioria demonstrou no que este planejamento é, na realidade, do tipo
informal, pois quando foram questionados sobre a periodicidade com que realizavam os
Back-Ups, a quase totalidade deles não sabia o que responder e simplesmente
inventava uma periodicidade fictícia, demonstrando que seus Back-Ups eram tirados de
forma aleatória e não através de um planejamento prévio.
Plano de Preservação (%)
100

80
70,6

60

40
29,4

20

0

sim

não

Quadro nº 05 ­ Plano de Preservação

33

Embora não ocorra um planejamento prévio, a utilização dos Back-Ups (diários e
anuais) é recorrente, como demonstra o Quadro nº 06 ­ Temporalidade de Back-Ups.
Temporalidade de Back-Up (% )
100,0
82,4
80,0

60,0

40,0

17,6

20,0

0,0

sim

não

Quadro nº 06 ­ Temporalidade de Back-Up

Foi detectado que, no CPD da Biblioteca Central, onde os arquivos digitais são
armazenados no Hard Disc (HD) de máquina-Servidor, estes arquivos foram totalmente
apagados para dar lugar a novos, assim que os HDs atingiam a sua capacidade total de
armazenamento, não realizando qualquer forma de Back-Up de seu conteúdo,
perdendo-se, assim, todas as informações antigas que neles estavam contidas.
As entrevistas também mostraram que a maioria dos servidores se preocupa em
realizar Back-Ups, não por interesse em preservar a história mas devido ao medo do
risco de ter que "formatar" o HD da máquina por motivo de vírus ou defeitos e, assim,
perder o trabalho realizado.
Isso nos faz lembrar Tocqueville (1990. V.1, p. 213-4 apud SHELLENBERG,
2002, p. 63) quando nos diz que:
A instabilidade da administração penetrou nos hábitos do povo parece até que do agrado
geral. Ninguém se preocupa com o que se passou antes de sua época. Não se busca um
sistema metódico, não se formam arquivos e não se reúnem os documentos quando seria tão
fácil faze-lo; quando existem, pouco valor se lhes dá..." Aléxis de Tocqueville.

34

As formas de Back-Ups externos mais utilizadas são as realizadas através de
gravação direta das árvores de diretórios em CDs, seguidas de hospedagem dos
arquivos nos HDs de Máquinas-Servidor. Apenas uma pequena parcela dos
funcionários entrevistados informou não realizar qualquer tipo de procedimento visando
ao resgate da informação após um sinistro, como demonstra o Quadro nº 07.
Forma de Preservação (%)

100
76,5

80
60

40
14,7

20

8,8

0

Back-up

HD Servidor

Não usa

Quadro nº 07 ­ Forma de Preservação

Os vários mecanismos de mídia utilizados para a preservação dos arquivos
estão descritos no Quadro nº 08, abaixo:
Mídia de Back-Up (%)

100

80
64,7
60

40

20

14,7
2,9

2,9

5,9

2,9

0

CD

HD

Pen-Drive

Fita Betamax

Disquete

Zip-Drive

Quadro nº 08 ­ Mídias Utilizadas para Back-Up

35

As fita magnéticas apresentadas no Quadro nº 08 pertencem ao acervo do
Centro de Produção Cultural e Educativa - CPCE, mais precisamente da UnB-TV, onde
os arquivos são gravados em fitas magnéticas (Betamax) após serem processados
digitalmente.

4.4 Fomas de organização dos arquivos nos microcomputadores

O funcionário, ao assumir a responsabilidade da gestão e organização dos
arquivos digitais do setor, classifica os documentos tendo em vista a maneira pela qual
serão usados pela repartição, pois sua missão é tornar o documento acessível ao uso
(SCHELLENBERG, 2002).
Apesar de todos os entrevistados utilizarem um sistema de organização de
arquivos digitais disposto em "árvores de diretórios e sub-diretórios", todas as formas de
organização encontradas se apresentaram completamente diferentes em sua estrutura,
nomenclatura e nomeação dos arquivos.
Para o CONARQ, após a publicação da Resolução nº 14 em 2001, não mais se
arquiva documentos pela tipologia e sim pelo assunto que ele contém. Porém, para que
essa prática se consolide no âmbito da UnB, ela terá que adotar uma política de arquivo
nos moldes propostos pelo CONARQ e treinar seus funcionários nos métodos de
classificação por ele proposto.
A seguir serão apresentadas as estruturas do tipo "árvore de diretórios" que mais
se destacaram em sua organização.
Os Departamentos que apresentaram as estruturas mais avançadas de
organização e nomeação de arquivos foram os da Pós-Graduação da Faculdade de
Arquitetura e Urbanismo e os de Engenharias da Faculdade de Tecnologia. Dentre eles,
a estrutura que mais se destacou foi a encontrada no Departamento de Pós Graduação
da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo que apresentou uma estrutura mais simples e
eficiente, frente aos outros setores da UnB pois organiza seus arquivos priorizando o
Local, Ano do acervo, Tipologia documental e o Nome do arquivo, como mostra a
Figura nº 01.

36

Figura nº 01

O que mais chama a atenção neste tipo de organização é a nomeação do
arquivo que indica a tipologia de documento, o número do documento e o assunto
principal. Porém, o único problema encontrado foi a falta da data ou ano em que o
arquivo foi criado.
No Caso do Departamento de Engenharia Elétrica da Faculdade de Tecnologia
que, além de utilizarem o Servidor local como o hospedeiro de todos os arquivos da
seção, como mostra a Figura nº 02, priorizam o tipo de atividade exercida no
Departamento, seguido da tipologia dos documentos e, por último, o ano de criação do
arquivo. A nomeação do arquivo eletrônico é confusa pois utiliza abreviaturas e não
indica o conteúdo do arquivo

Figura 02

37

Alguns setores optaram por uma estrutura onde o acesso ao arquivo é mais
complexo; como exemplo temos o caso da Secretaria de Pós-Graduação em Nutrição
que organizou seus arquivos na forma apresentada pela Figura nº 03, onde, para se ter
acesso ao arquivo desejado teremos de abrir quatro níveis de pastas. Podemos
observar que, apesar de estar armazenado na pasta de memorandos do ano de 2007, o
arquivo apenas contém o número do documento e o seu assunto principal. Seria
recomendável que fosse acrescentado o tipo de documento e seu ano de criação.

Figura 03

Somente um arquivo apresentou uma estrutura de organização confusa. É o
caso da secretaria da Assessoria de Comunicação Social ­ ACS que, conforme mostra
a figura nº 04, apresenta uma estrutura onde não existe uma ordem nem local definido
para o armazenamento ou localização de um determinado arquivo e os nomes dado ao
arquivo não contem informações mais detalhadas sobre ele.

Figura nº 04

38

Porém, deve-se aqui ressaltar a excelente organização encontrada na área de
jornalismo que, após a implantação de um projeto arquivístico, passou a contar com um
acervo de fotografias digitais muito bem organizado em uma estrutura de "árvores de
diretórios" bem elaborada, conforme mostra a Figura nº 05, armazenada em máquinaservidor local e contando com um banco de dados referencial gerido por uma estagiária
técnica com graduação em Arquivologia pela UnB.
Além de contar com manuais de indexação de acervo e de organização de
fotografias, o acervo é todo inventariado em documento de Word (.doc).

Figura nº 05

No decorrer da pesquisa não foram encontrados tipos de organização similares.
Cada setor trata seus acervos conforme a sua conveniência e poucos utilizam
conhecimentos de técnicas arquivísticas.
Durante o período de entrevistas foram tentadas várias abordagens junto ao
Centro de Memória Digital ­ CMD, porém o pesquisador não conseguiu agendar
entrevista com os Professores responsáveis pelo acervo.
No âmbito geral, a pesquisa constatou que, apesar do interesse e do esforço
individual dos funcionários envolvidos, a falta de adoção de uma política arquivística
pela instituição, de um apoio técnico, de uma metodologia padrão para a organização

39

de acervos e de um planejamento de preservação para os arquivos, vem colocar em
risco a integridade dos acervos digitais existentes na UnB.

40

5 CONCLUSÃO
A quantidade de arquivos digitais gerados durante as atividades dos diversos
setores da Universidade de Brasília vem aumentando e se acumulando cada vez mais
à medida em que se ampliam os serviços por ela prestados.
Atualmente a situação dos arquivos digitais da UnB é bastante preocupante.
Para evitar a possibilidade de caos deve-se padronizar a organização e preservação
desse enorme volume de informação produzida durante o seu dia-a-dia. Faz-se
urgente, por parte da UnB, a implantação de uma política de gestão para esses
arquivos.
O CONARQ considera que a gestão arquivística de documentos, independente
da forma ou do suporte adotados, tem por objetivo garantir a produção, a manutenção,
a preservação de documentos arquivísticos confiáveis, autênticos e compreensíveis,
bem como o acesso a estes.
Em 27 de abril de 2007, através de sua Câmara Técnica de Documentos
Eletrônicos, o CONARQ editou a Resolução nº 25, onde recomenda aos órgãos e
entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR a adoção do Modelo
de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos e-ARQ Brasil, Versão 1.
O e-ARQ Brasil tem por objetivo orientar a implantação da gestão arquivística de
documentos, fornecer especificações técnicas e funcionais, bem como metadados para
orientar a aquisição e/ou desenvolvimento de sistemas informatizados, independente da
plataforma tecnológica em que forem desenvolvidos e/ou implantados, referidos no
parágrafo 3º do art. 3º da Resolução nº 20, de 16 de julho de 2004 (CONARQ,
Resolução nº 25).
Através da implantação desses requisitos a UnB poderá oferecer subsídios
técnicos aos funcionários responsáveis pelos arquivos de seus setores.
Apesar do quadro de organização não muito satisfatório apresentado por esta
pesquisa, é importante ressaltar o esforço individual dos servidores responsáveis pelos
acervos que, mesmo sem um apoio técnico adequado, vêm se esforçando para
organizar o seu trabalho.
41

Através da pesquisa podemos concluir que a falta de adoção de uma política
arquivística pela instituição, a ausência uma metodologia padrão eficaz para a
organização e gestão de acervos, a falta de apoio técnico aos servidores e de um
planejamento de preservação, vêm colocar em risco a integridade dos acervos digitais
existentes na UnB.

42

REFERÊNCIAS
ARELLANO, Miguel Angel. Preservação de documentos digitais. Ciência da
Informação. Brasília, v.33, n 2, p.15-27, mai/ago. 2004.

BRASIL. Arquivo Nacional. Subsídios para um Dicionário Brasileiro de Termos
Arquivísticos.

2004.

Disponível

em:

http://www.portalan.arquivonacional.gov.br/Media/Dicion%20Term%20Arquiv.pdf.
Acesso em: 8 fev. 2007.

_________. Congresso Nacional. Senado. Lei 8.159 de 8 de Janeiro de 1991.
Disponível em: http://www6.senado.gov.br/sicon/PaginaDocumentos.action. Acesso em:
21 jan. 2007.

_________. Conselho Nacional de Arquivos. Carta para a preservação do patrimônio
arquivístico digital: preservar para garantir o acesso. Disponível em:
http://www.arquivonacional.gov.br/conarq/cam_tec_doc_ele/download/CartaPreservPatr
imArqDigital-Conarq-2004.pdf. Acesso em: 19 jul. 2006.

_________. Conselho Nacional de Arquivos. Resolução nº 20, de 16 de julho de 2004.
Dispõe sobre a inserção dos documentos digitais em programas de gestão arquivística
de documentos dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos.
Brasília, 16 de julho de 2004. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br

_________. Universidade de Brasília. Centro de Educação a Distância - CEAD.
Disponível

em:

http://www.cead.unb.br/index.php?option=com_content&task=view&id=13&Itemid=52.
Acesso em: 2 abr. 2007

_________. Universidade de Brasília. Centro de Produção Cultural e Educativa - CPCE.
Disponível em: http://www.cpce.unb.br/tvunb/index.html. Acesso em 2 abr. 2007.
43

FIGUEIREDO, Nice. As novas tecnologias: previsões e realidade. Ciência da
Informação.

Brasília,

v.

24,

n.

1,

1995.

Disponível

em:

http://scholar.google.com/scholar?hl=pt-BR&lr=&cluster=8134131782537138660.
Acesso em: 11 nov. 2006

GESTÃO e preservação de documentos eletrônicos de Arquivo. Disponível em:
http://dici.ibict.br/archive/00000907/01/AN-2005-31%5B1%5D.pdf. Acesso em 11 nov.
2006

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello.
Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 2922 p.
ISBN 85-7302-383-X

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação
Getúlio Vargas, 1991. 162 p.

PASSOS, Bruno José da Silva; BOAS, Caio Braga Vilas. Preservação da informação
digital: problemas enfrentados pelos profissionais da informação. 2006. 68 f.
Monografia de graduação, Universidade de Brasília, FACE, 2006.

RONDINELLI, Rosely Curi. Gerenciamento do documento eletrônico: uma
abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea. Rio de janeiro, 2002.
171 p.

SANTOS, Vanderlei Batista dos. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão
arquivística. Brasília: ABARQ, 2002. 140 p.

44

SCHELLENBERG, Theodore R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. Tradução
de Nilza Teixeira Soares. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2004. 388 p.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 7.
ed. São Paulo : Atlas, 2006.

WIKIPÉDIA. Arquivos. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquivos. Acesso em:
13 jan. 2007.

___________. Documento. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Documento.
Acesso em: 13 jan. 2007.

45

ANEXOS

46

ANEXO A

1) Cargo do responsável pelo arquivo
A intenção da pergunta era saber qual o vínculo do servidor responsável pelo acervo
com a instituição.

2) A quanto tempo trabalha no departamento?
Teve a finalidade de identificar o nível de conhecimento do servidor sobre a estrutura e
funcionamento da instituição.

3) Há quanto tempo está responsável pelo arquivo?
Teve a finalidade de saber o nível de experiência do funcionário no trato do acervo local
e, no geral, o nível de rotatividade dos responsáveis por eles.

4) Formação profissional
Teve a finalidade de conhecer o grau de formação do servidor responsável pelo acervo.

5) O profissional já fez algum curso de técnicas de arquivo?
Teve a finalidade identificar qual o grau de conhecimento do servidor e sua afinidade
com as técnicas e tarefas da área de arquivo.
·

Em caso afirmativo, onde foi feito o curso e quando?
Objetivou saber onde o servidor fez o curso e o nível de atualização do
servidor.

6) Quais são os tipos de programas eletrônicos são mais usados pelo
Departamento?
Objetivou saber quais programas eletrônicos, originais ou não, são mais usados pelos
funcionários da unidade e serve como complemento para as próximas perguntas.

47

7) Quais são os tipos de arquivos eletrônicos gerados pelo Departamento?
·

Arquivos Acadêmicos?
Teve a intenção de saber quais são os tipos de arquivos eletrônicos mais
utilizados pelos docentes da unidade e da Instituição.

·

Arquivos Administrativos?
Teve a intenção de saber quais são os tipos de arquivos eletrônicos mais
utilizados pelos servidores técnico-administrativos da unidade e da
Instituição.

8) Os arquivos eletrônicos recebem algum tipo de tratamento arquivístico
(seleção, indexação, etc.)?
Teve o objetivo de conhecer o grau de conhecimento que os servidores, responsáveis
pelos acervos, possuem em técnicas arquivísticas.
·

Em caso afirmativo, como é feito?

Teve o objetivo de conhecer a metodologia arquivística empregada para a seleção e
indexação dos documentos.

9) De que forma os arquivos criados durante as atividades do Departamento são
"organizados" dentro do microcomputador?
Procurou saber quais técnicas de organização de arquivo eletrônicos estão sendo
adotadas, ou seja, de que forma a sua armazenagem está sendo feita em ambiente
digital.

10) Existe alguma programação para a preservação desses arquivos?
·

Em caso afirmativo, de que maneira ela é feita?

Procurou saber o empenho do setor no tocante à preservação de seu acervo
e as técnicas empregadas por ele.
·

Em caso negativo, existe algum planejamento futuro para a
preservação dos acervos?

Procurou saber o grau de comprometimento do setor em se responsabilizar
pela gestão e preservação de seus arquivos digitais.
48

11) São feitos Back-ups de arquivos?
·

Em caso afirmativo, como é feito?

Teve a intenção de conhecer quais são os materiais utilizados para a
realização dos back-ups e que técnicas arquivísticas são aplicadas na
organização desses acervos.
·

Onde, como e por quanto tempo são armazenados?

Teve a intenção de conhecer onde e como estão armazenados os Back-ups
dos arquivos produzidos pelas unidades.

49