1. Física Médica
1.1-Estado da Arte

A Física Médica é o ramo da Física que compreende a aplicação dos
conceitos, leis, modelos, agentes e métodos da Física para o diagnóstico e
tratamento

de

doenças,

desempenhando

uma

importante

função

na

assistência médica, na pesquisa biomédica e na otimização da proteção
radiológica. A Física Médica proporciona a base científica para a compreensão
e desenvolvimento de modernas tecnologias que têm revolucionado o
diagnóstico e a terapia, estabelecendo os critérios para assegurar a correta e
efetiva utilização dos agentes físicos na Medicina. Em colaboração com a
Bioengenharia, fornece ainda as bases necessárias para a medida das
variáveis biomédicas e aporta, junto com a biofísica, os fundamentos
necessários

para

o

desenvolvimento

de

modelos

que

explicam

o

funcionamento do corpo humano.
A Física Médica foi criada quando avanços da física puderam ser
incorporados à área médica. Leonardo da Vinci, no século XVI, pode ser
considerado como o primeiro físico médico devido a seus estudos de
biomecânica, como a locomoção humana e o movimento do coração, e do
sangue no sistema cardiovascular.
Os conhecimentos físicos de óptica possibilitaram a invenção do
microscópio, que por sua vez ajudou os médicos a compreenderem melhor as
estruturas

biológicas,

assim

como

a

descobrir

a

existência

dos

microorganismos no século XVII.
No século XVIII, o cientista e médico italiano Luigi Galvani descobriu que
músculos e células nervosas eram capazes de produzir eletricidade. A partir
dessa relação entre eletricidade e corpo humano, e com o avanço da ciência
do eletromagnetismo no século XIX, novas contribuições ao tratamento e ao
diagnóstico médico puderam ser feitas por cientistas como D'Arsonval. O
desenvolvimento da eletrocardiografia e da eletroencelografia só foi possível

com

tecnologias

como

voltímetros

gravadores

de

sensibilidade

e

o

galvanômetro criado por Einthoven. Esses conhecimentos deram origem a
novas áreas, como a bioeletricidade e o bioeletromagnetismo.
Um exemplo notável de cientista cujos trabalhos em física e em
medicina se confundiam é Hermann von Helmholtz. Seu primeiro trabalho
científico foi sobre a conservação de energia, inspirado em seus estudos sobre
o metabolismo muscular. Também revolucionou o campo da oftalmologia
quando inventou o oftalmoscópio e realizou estudos sobre acústica e audição.
Um dos últimos objetos de estudo de Helmholtz foi o eletromagnetismo, sendo
o primeiro a demonstrar a radiação eletromagnética.
A descoberta dos raios X pelo alemão Wilhelm Conrad Röntgen, em
1895, é um marco da Física que teve grande impacto na Medicina. Além de
render-lhe o primeiro Prêmio Nobel de Física, o trabalho de Röntgen abriu
caminho para estudos que renderiam o terceiro prêmio, dado a Antoine Henri
Becquerel, Pierre e Marie Curie pelas observações e interpretações de
resultados sobre as emissões de partículas provenientes de corpos radioativos
(radioatividade). Em 1908, por formular hipóteses sobre substâncias
radioativas, Ernest Rutherford foi laureado com o Nobel de Química.
Além desses, muitos outros pioneiros cientistas receberam o Nobel
pelos seus trabalhos com a radioatividade. Apesar de sua utilização na
Medicina ser datada desde sua descoberta, com a utilização da substância
rádio no tratamento de câncer de pele, os perigos de uma utilização não
controlada foram rapidamente evidenciados, com a doença e morte de alguns
desses cientistas. A partir dessa preocupação, foram criadas as primeiras
organizações internacionais responsáveis pelas recomendações de proteção
radiológica.
A utilização de raios X e radioatividade no diagnóstico e na terapia foram
responsáveis pela introdução dos físicos em hospitais. O físico e matemático
suíço Theophil Friedrich Christen doutorou-se em Medicina em 1905. Por
razões de treinamento médico, visitou importantes hospitais em Londres e nos
EUA. Depois de retornar dos EUA, abriu em Berna uma clínica médica, onde
se ocupou principalmente da recente Radiologia e se preparou para o exame

de habilitação em fisioterapia. Em 1908, diante da Faculdade de Medicina de
Berna, na área de Física Médica, defendeu uma tese não convencional para a
época: "A Clareza das Chapas Médicas como Problema de Absorção".
Em um hospital em Boston, nos EUA, o físico William Duane iniciou um
trabalho com fontes de radônio para o tratamento de câncer em 1913. No
mesmo ano, outro físico, Sydney Russ, começou a trabalhar no Middlesex
Hospital em Londres. Gioacchino Failla, em Nova York, trabalhava no uso de
radiações em terapia, no ano de 1915.
Como área de atuação, estava criada a Física Médica. Na década de
50, médicos e profissionais de Física Médica já atuavam em conjunto. Nas
décadas de 60 e 70 foram criadas legislações que estabeleceram a presença
deste profissional em algumas áreas médicas, como por exemplo, em
radioterapia e medicina nuclear. No Brasil, esta área foi mais bem estruturada
com a criação, em 1969, da Associação Brasileira de Física Médica (ABFM).
Atualmente a Física Médica é desenvolvida principalmente nas áreas de
radiologia diagnóstica e intervencionista, medicina nuclear, radioterapia,
radiocirurgia, proteção radiológica, metrologia das radiações, biomagnetismo,
radiobiologia, processamento de sinais e imagens biomédicas, clínica e
epidemiológica.
Apesar do surgimento da Física Médica estar associado ao uso da
radiação ionizante, essa área do conhecimento não se restringe a esse tipo de
radiação. Assim, a crescente contribuição da Física Médica é uma
conseqüência natural da evolução da ciência moderna e da tecnologia, com
grande impacto na saúde da população. Como exemplo, há a Biofotônica que
tem apresentado intenso desenvolvimento de novas técnicas de diagnóstico e
terapia.
O físico médico pode atuar em diversos ramos: como professor de
instituição de ensino superior; como pesquisador de centros e instituições,
gerando novos conhecimentos e métodos para serem utilizados em
diagnóstico, tratamento e processos relacionados à área médica; e trabalhando
em centros médicos (clínicas e hospitais), onde atua lado a lado com outros
profissionais da área de saúde, ou em empresas de desenvolvimento e

comercialização de equipamentos médico-hospitalares, atuando na área
técnica.
Pode trabalhar também em empresas especializadas na prestação de
serviços de controle da qualidade de equipamentos de alto teor tecnológico,
em projetos de controle da radiação (transporte de material radioativo, cálculo
de barreira/proteção radiológica), em institutos controladores e reguladores de
radiação ionizante, em órgãos de vigilância sanitária e na indústria de
equipamentos de diagnóstico e terapia. Existe ainda a possibilidade de
ministrar cursos de formação de pessoal técnico qualificado, como técnicos e
tecnólogos em radiologia, entre outros profissionais da área da saúde.
O físico médico é indispensável no planejamento radioterápico, no
desenvolvimento, controle e emprego de equipamentos como mamógrafos,
tomógrafos de raios X, aparelhos de ressonância magnética nuclear,
cintilografia, entre outros, e no uso de técnicas que empregam laser, podendo
atuar ainda na proteção radiológica de trabalhadores da área de saúde e do
público em geral. O físico médico é responsável pela otimização dos protocolos
de aquisição de imagens e dosimetria, garantindo a segurança radiológica dos
pacientes e a qualidade diagnóstica das imagens. Ele é capacitado a avaliar,
por exemplo, a eficiência de blindagens em setores que utilizam equipamentos
com fontes de radiação, e, com pós-graduação, a trabalhar em universidades e
centros de pesquisa. Como o físico médico trabalha sempre com a
interdisciplinaridade de áreas, necessita de conhecimentos sólidos em física,
matemática, informática, química e nas áreas biológicas, principalmente
anatomia, fisiologia, biologia celular e tecidual e farmacologia, entre outras
disciplinas.
1.2-Desafios e perspectivas
Como a Física Médica é uma área multi e interdisciplinar, é essencial
que os físicos que nela atuam tenham uma formação voltada para essas
características. Entretanto, existem poucos cursos de graduação em Física ou
áreas

correlatas

com

currículos

enfocando

as

necessidades

dessa

especialidade e, para dificultar, um número significativo de profissionais tem

atuado em estabelecimentos de saúde diversos, sem o treinamento e
capacitação prévios adequados em ambiente clínico nessa especialidade.
Esse panorama identifica o primeiro desafio geral a ser vencido: a
formação de físicos qualificados para atuarem nas diferentes áreas e funções.
Os cursos de graduação com essa finalidade devem ter, além de uma sólida
base em física, um enfoque dirigido às práticas e aos objetivos da área desde
o início, para que os egressos possam ingressar no mercado de trabalho com
um treinamento dado sob a supervisão, em um hospital ou clínica, por um ou
mais físicos médicos experientes já atuantes na área (relação aluno-preceptor).
Será também importante o estabelecimento de centros de referência e
programas de intercâmbio para treinamento de profissionais provenientes de
regiões nas quais as novas tecnologias não tenham sido implementadas. Não
se pode esquecer da formação de físicos egressos de cursos tradicionais que
queiram entrar na área. Isso pode ser feito com programas de especialização e
treinamento sistematizados em centros clínicos bem equipados e com equipes
com profissionais qualificados de várias áreas. Nesse sentido, é imprescindível
a abertura de programas de residência multiprofissional em Física Médica, nas
suas modalidades tradicionais, nas diversas regiões do país.
Um

segundo

desafio

para

os

físicos

médicos:

a

educação,

principalmente dos diferentes profissionais de saúde - técnicos e tecnólogos
em radiologia, biomédicos, pessoal da enfermagem, médicos, engenheiros
clínicos e biomédicos - sobre os riscos e benefícios das radiações ionizantes e
não-ionizantes. Apesar do esforço dos físicos, as dúvidas e os vícios de
procedimentos, assim como os mitos e os medos, sempre voltam, e há
necessidade de uma contínua atenção na educação dos profissionais, para
que seja garantida a segurança do atendimento aos pacientes e dos próprios
trabalhadores ocupacionalmente expostos à radiação.
Também se faz necessária a divulgação à população em geral dos
riscos e benefícios das radiações ionizantes e não-ionizantes, em especial o
esclarecimento com a apresentação de estudos epidemiológicos para
combater o preconceito decorrente de mitos e medos associados à radiação.
Quando se consideram os resultados de grupos de pesquisas e as
aplicações clínicas, surge um terceiro desafio no âmbito geral da Física
Médica: como melhorar e implementar novas parcerias entre hospitais e

universidades e centros de pesquisa, para que se gere mais conhecimento na
área e se amplie a formação dos físicos médicos? Como mencionado, essa
parceria tem duas vias, e ambas devem ser aproveitadas completamente. Em
geral, a interação se dá no âmbito individual e pontualmente, de pesquisador
com pesquisador e num aspecto particular de comum interesse. Muitas vezes,
uma divulgação com conseqüente discussão mais ampla pode resultar num
melhor aproveitamento do tópico ou da metodologia em pauta. A criação de
espaços acadêmicos congregando profissionais, pesquisadores e estudantes
de diversas áreas do conhecimento para a troca de experiências profissionais
e científicas, seja através de programas de pós-graduação interdisciplinares
stricto e lato sensu nas universidades ou de residência multiprofissional em
hospitais, pode contribuir para aumentar a massa crítica em Física Médica e
fomentar a geração de conhecimento de vanguarda com vistas a aplicações
clínicas.
O quarto desafio envolve a implementação de parcerias entre grupos de
pesquisa e fabricantes de equipamentos e/ou empresas de software da área
da saúde, para que resultados importantes não sejam deixados em prateleiras
dos centros de pesquisa e encontrem uso através da incorporação nos
produtos comerciais, que são dominados por multinacionais. O outro lado
dessa questão não é discutido, pois, em geral, esses fabricantes já financiam
projetos de seu interesse em centros de pesquisa ou universidades em seus
países de origem ou, então, simplesmente implementam algoritmos publicados
em revistas cientificas em seus sistemas. Uma possível solução principalmente, nas áreas de imagens, proteção radiológica e controle da
qualidade - é a instalação de microempresas de desenvolvimento de software
e de prestação de serviços ou, ainda, fabricantes de equipamentos de menor
custo, como os medidores de sinais elétricos e fisiológicos, simuladores e
dispositivos para controle de qualidade. Essa alternativa exige outras
habilidades que fogem do escopo da formação tradicional dos físicos,
necessitando de parcerias com outros profissionais, como engenheiros e
administradores.
O quinto desafio é o pequeno número de egressos do ensino médio que
optam pela carreira de física e, conseqüentemente, optam pela carreira de
físico médico. Desconhecida da maior parte da população, ainda existe um

grande desconhecimento sobre as áreas de atuação do físico médico, mesmo
entre os físicos.
A lista de desafios não se limita a esses cinco, que são os mais
presentes e que requerem reflexões por parte dos físicos. O desenvolvimento
desta área é fundamental para o progresso da tecnologia e atendimento em
Saúde no país. Para isso, precisamos fortalecer a profissão de físico médico
através do estabelecimento de definições precisas das qualificações de um
especialista nessa área; criação de programas de graduação, especialização e
pós-graduação na área; estabelecimento de comitês de supervisão de
atividades de treinamento. Os objetivos futuros incluem estabelecer a profissão
de físico médico como uma das especialidades de uma carreira de física
independente, como ocorre com enfermeiros, dentistas, fonoaudiólogos,
fisioterapeutas e outros profissionais da área de saúde; definir de forma clara
tarefas e responsabilidades do físico médico; estabelecer regulamentos que
evitem a atuação de indivíduos sem qualificação.
Do ponto de vista cientifico, existe um fluxo constante de inovação
advinda do desenvolvimento de novos princípios e técnicas na ciência em geral
e, em particular, da física, possibilitando que com novas técnicas haja
diminuição de custos de tratamento e redução da taxa de mortalidade. Existe
uma preocupação constante em se diminuir os níveis de exposição às
radiações ionizantes nos procedimentos radiológicos, particularmente nos
sistemas com captura digital de imagens. O desenvolvimento e uso de
equipamentos e modalidades de diagnóstico que possibilitam a obtenção
simultânea de imagens anatômicas e funcionais vem crescendo, exigindo
novas competências na área. A radioterapia vem passando por uma grande
revolução com técnicas conformacionais, terapias guiadas por imagem e
futuramente pela fisiopatologia celular. Medidas ultra-sensíveis de campos
magnéticos na ordem de um bilhão de vezes mais fracos que o campo
magnético da Terra permite que se estude a atividade cerebral de forma não
invasiva. De forma análoga a utilização de métodos ópticos não invasivos vem
sendo utilizado no diagnóstico de várias patologias, seja por métodos de
imagens, seja por métodos espectroscópicos de fluorescência ou vibracional.
O laser é cada vez mais utilizado em procedimentos médicos e em algumas
situações é a única opção de tratamento. Atualmente a remoção de caries já

deixou de ser um procedimento desconfortável e desagradável com o advento
de lasers ablativos em tecidos mineralizados. A terapia fotodinâmica
antimicrobiana tem sido uma excelente alternativa de tratamento em medicina
bucal e na pele, assim como nos últimos anos lasers ou LEDS de baixa
potência tem prevenido e tratado a mucosite (efeito colateral da radioterapia ou
quimioterapia), sendo o Brasil líder nestas aplicações clínicas.

Além disso,

técnicas de dois fótons poderão levar a terapia fotodinâmica para o interior do
corpo humano permitindo o tratamento de tumores mais profundos. As
nanopartículas estão na ordem do dia através de agentes de contraste para o
trato gastrointestinal e como possíveis carregadores de agentes para o
aumento da eficácia da radioterapia, da terapia fotodinâmica antimicrobiana, ou
ainda no aumento dos sinais ópticos de espectroscopia Raman ou FTIR para
diagnóstico diferencial de microorganismos, células ou neoplasias. A medida
de pequenos fluxos sanguíneos só é possível com a o laser Doppler, indicando
de forma rápida e não invasiva se um tecido está em processo de necrose. As
ondas acústicas, através do ultrassom, começam a ser utilizadas para o
tratamento de células cancerígenas. A lista é extensa e para que possamos
nos manter atualizados, investimentos contínuos e substanciais se fazem
necessários.

1.3-Brasil na área
Acredita-se que o mercado de trabalho potencial em Física Médica no
Brasil, considerando apenas as áreas tradicionais, está disponível através de
aproximadamente:
·
·
·
·

200 serviços de Medicina Nuclear;
18.000 equipamentos de radiodiagnóstico médico;
Milhares de equipamentos de raios X odontológicos
215 centros de Radioterapia no país.
Novas normas de operação e controle desses serviços estão sendo

implementadas por órgãos municipais, estaduais e federais, resultando na
abertura de mais oportunidades de trabalho para físicos médicos atuando em
empresas e como profissionais liberais. Em Radioterapia há carência de físicos
por falta de um número maior de cursos de especialização na área. Em

Radiologia e Medicina Nuclear os programas de especialização ou residência
são praticamente inexistentes.
Apesar dessa situação, a Associação Brasileira de Física Médica
(ABFM) vem estimulando a formação e execução de programas de residência
médica em Física Médica em hospitais. Concomitantemente foi criado o Título
de Especialista da ABFM nas três especialidades tradicionais de atuação do
físico médico (Radioterapia, Medicina Nuclear e Radiodiagnóstico), como uma
maneira de se avaliar a qualificação de profissionais da área. Até 2009, 324
profissionais já haviam obtido o Título de Especialista da ABFM, sendo 233 em
Radioterapia, 61 em Radiodiagnóstico e 30 em Medicina Nuclear. Esses
profissionais

exercem

suas

atividades

profissionais

em

diversos

estabelecimentos de saúde, distribuídos por todas as regiões do país,
colaborando para manter a qualidade dos serviços de saúde de apoio
diagnóstico e terapêutico prestados à população brasileira.
Na área de dosimetria pessoal estima-se que 12 empresas e centros de
dosimetria atendem cerca de 50.000 usuários/ano. De acordo com a
Organização Mundial de Saúde [OMS], existe a necessidade de 5 a 20
profissionais de Física Médica por milhão de habitantes. Tomando por base o
número médio de 13 profissionais/milhão, necessitamos de aproximadamente
400 profissionais no estado de São Paulo e no Brasil um total de 1800
profissionais na área.

2-Relevância para a Sociedade

2.1-Formação de Pessoal

O Físico Médico é um profissional com sólida formação em Física,
conhecedor do método científico, com desenvolvimento da atitude científica
como hábito para a busca da verdade científica, de postura ética e
perseverante, preparado para enfrentar novos desafios e buscar soluções de
problemas de forma criativa e com iniciativa. O Físico Médico utiliza

prioritariamente o instrumental (teórico e/ou experimental) da Física em
conexão com outras áreas do saber como a Biofísica, Medicina, Biologia,
Química, Comunicação, Economia, Administração e incontáveis outros
campos. Em quaisquer dessas situações, o físico médico passa a atuar de
forma conjunta e harmônica com especialistas de outras áreas, tais como,
químicos, médicos, matemáticos, biólogos, engenheiros e administradores.
É importante lembrar que as pesquisas realizadas por alguns grupos de
biofísica ­ em especial a biofísica molecular e a neurofisiologia ­ trazem
resultados que auxiliam a compreensão de mecanismos celulares e processos
neurológicos, entre outros. Esses conhecimentos podem contribuir para o
desenvolvimento de novas abordagens e metodologias em diagnóstico e
terapia. Por outro lado, os físicos médicos podem fornecer informações de
caráter clínico que venham a indicar futuras patologias causadas por
anormalidades em nível molecular. Assim, a colaboração entre biofísicos e
físicos médicos pode ser bastante enriquecedora para ambos.

2.2-Desenvolvimento científico e tecnológico

Em Física Médica, a demanda por profissionais qualificados é devida,
principalmente, ao avanço tecnológico crescente dos equipamentos utilizados
pelo setor da saúde. Tomografia computadorizada, aplicação de laser no
tratamento dermatológico, medicina nuclear e o tratamento radioterápico do
câncer, entre outros, são exemplos de áreas que necessitam de um
profissional qualificado para sua operacionalização e desenvolvimento.
Segundo dados de 2007 da Associação Brasileira de Física Médica, o Brasil
tem da ordem de 500 físicos médicos atuantes no mercado de trabalho,
principalmente nas grandes capitais do sul-sudeste, o que mostra uma
carência muito grande de profissionais nas regiões menos demográficas do
Brasil. A necessidade da formação de pessoal qualificado é devido à expansão
da tecnologia e da instrumentalização dos hospitais e clínicas especializadas,
crescente necessidade de formação de físicos com uma visão interdisciplinar,
expansão dos cargos de Professores nas IES e IFETS, promoção de uma

formação de Física Aplicada a Físicos com capacidade de absorver e
desenvolver novas tecnologias.

2.3-Impacto na economia
Além

das



conhecidas

atuações

dos

físicos

médicos

em

Radiodiagnóstico, Medicina Nuclear, Radioterapia e Radioproteção, existe
ainda um número reduzido de profissionais da Física Médica contratados por
fabricantes de equipamentos e acessórios em setores de assistência,
treinamento e vendas. Grupos de físicos médicos também formam empresas
de consultoria em informática médica, proteção radiológica, bem como controle
da qualidade em diversas áreas, e realizam atendimento nas diversas regiões
do país.
O desenvolvimento de equipamentos de diagnóstico e terapia com
tecnologia nacional, além de dispositivos de controle de qualidade, a preços
competitivos internacionalmente pode gerar divisas ao país e facilitar o acesso
da população a procedimentos que hoje tem alto custo para o sistema único de
saúde.
A tendência mundial tem sido a de acompanhar a sofisticação das
técnicas de diagnóstico e tratamento com o uso de métodos dosimétricos mais
precisos, simulações computacionais de feixe e de paciente, desenvolvimento
de algoritmos de cálculo mais fieis à anatomia do paciente e a verificação
individual da dose no paciente.
3-Infraestrutura
A

comunidade

de

físicos

médicos

brasileiros

tem

contribuído

principalmente na elaboração e execução de programas de controle e garantia
da qualidade e de proteção radiológica. Grupos em universidades estão
também desenvolvendo pesquisas em processamento de imagens - para fins
de diagnósticos mais precisos em reconstrução tomográfica, com a inclusão de
fatores instrumentais físicos que não são considerados em sistemas
comerciais.
A ultrassonografia tem tido pesquisas associadas há várias décadas.
Porém, devido aos equipamentos clínicos de ultrassonografla serem

relativamente inócuos, e bastante fechados pelos fabricantes, quase não se
encontram físicos atuando na rotina clínica no Brasil. Existem grupos no país,
principalmente em universidades, realizando pesquisas de desenvolvimento de
transdutores e métodos para caracterização de tecidos. Há a perspectiva de
que o aumento na adoção de procedimentos quantitativos pelos médicos
especialistas possa levar a uma procura maior de físicos nessa área.
Os grupos de ressonância magnética do Instituto de Física da
Universidade de São Paulo (campus São Carlos) e da Universidade Federal de
Pernambuco foram pioneiros ao construírem seus próprios tomógrafos de
baixo campo magnético. Com isso, eles mostraram que é possível desenvolver
tecnologia própria nessa área em que dominam os fabricantes multinacionais.
Atualmente, esses e outros grupos associados têm se dedicado à melhoria dos
tomógrafos e à construção de bobinas específicas, assim como a seqüência de
pulsos para a extração de informações que não são fornecidas pelos sistemas
comerciais, dentro de um ambiente mais acadêmico do que clínico.
O físico na área de radioterapia no Brasil não costuma atuar como
pesquisador, pois a pesquisa continua basicamente atrelada a empresas
estrangeiras. Porém, dentro de um serviço de radioterapia, sua tarefa é de
fundamental importância. Dentre suas obrigações, está a garantia da qualidade
de

em

cada

fase

do

processo

radioterápico.

Para

isso,

além

do

comissionamento, da calibração e da dosimetria dos equipamentos de
tratamento, bem como a supervisão de proteção radiológica, sua atuação com
os sistemas de planejamento é de grande responsabilidade, incluindo
implementação dos dados das máquinas de tratamento, a verificação dos
algoritmos para uso clínico, o uso de imagens e os planejamentos de
tratamento. Com as novas técnicas de tratamento, o controle da qualidade
deve ser muito rígido, e a verificação da entrega da dose aos pacientes tem
papel de destaque.
No Brasil, nas rotinas das radioterapias, realiza-se somente a dosimetria
do feixe no ar e em simuladores homogêneos. Há situações ainda raras em
que a parceria de clínicas de radioterapia com universidades e institutos de
pesquisa resulta em desenvolvimento de novas técnicas radioterápicas ou
dosimétricas, por iniciativa individual de algum físico médico ou médico que
deseja avaliar um novo tratamento ou equipamento.

Muitas pesquisas extremamente cuidadosas devem ser realizadas para
verificar a existência de uma correlação entre as radiações não ionizantes e os
efeitos carcinogênicos. No caso da radiação ultravioleta, é preciso estabelecer
metas de esclarecimento do público para evitar exposições excessivas ou
mesmo artificiais com propósitos de bronzeamento. No Brasil, existem
pesquisadores estudando os efeitos das radiações não ionizantes e diversos
grupos se dedicando ao desenvolvimento de equipamentos para a aplicação
de laser em odontologia, oftalmologia e dermatologia e em terapia
fotodinâmica.

4. Inclusão Social
Poderíamos definir a inclusão social no contexto da Física Médica como
universalizar o acesso de toda a população aos bens e serviços que garantam
qualidade de vida ao cidadão. Nesse contexto, o desenvolvimento da Física
Médica no Brasil possibilitaria a propagação de técnicas de terapia e
diagnóstico por todas as regiões do território nacional e classes sociais,
atingindo inclusive as regiões e classes menos favorecidas, com a garantia da
qualidade e da segurança a todos os envolvidos no processo. A Física Médica
compreende uma área do conhecimento fortemente associada à saúde, com
uma estrutura de formação acadêmica e profissional em nível de graduação e
pós-graduação realizada tradicionalmente em instituições formadoras de
reconhecida competência. Os programas de residência, aprimoramento ou
especialização em andamento na área, caracterizados pelo treinamento em
serviço com supervisão de profissionais capacitados, reforçam a vocação do
físico médico como profissional da área da saúde.
Hoje, somente grandes hospitais possuem tecnologia suficiente para oferecer
a seus pacientes um melhor tratamento e técnicas de diagnóstico por imagens
de maior complexidade. No entanto, os grandes hospitais, em sua maioria, são
particulares, e, portanto, somente as classes altas da sociedade usufruem dos
benefícios oriundos das novas tecnologias em Física Médica. Os hospitais
públicos possuem um grande número de pacientes a serem tratados, o que
acaba por gerar uma sobrecarga na execução de tratamentos.

O aumento de Físicos Médicos no mercado de trabalho brasileiro poderia
então facilitar o desenvolvimento de tecnologias nacionais mais baratas em
relação às importadas, além de fornecer mão de obra qualificada para o
monitoramento dos equipamentos, terapias e diagnósticos, garantindo assim
que os benefícios da tecnologia na saúde alcancem a todos, com segurança e
qualidade.

5. Recomendações

Qualificar os cursos de graduação em Física Médica, garantindo a realização
de estágios em hospitais e clínicas com profissionais qualificados;
Capacitar os físicos médicos através de cursos de pós-graduação;
Ampliar o número de cursos de pós-graduação em Física Médica nas
diversas áreas;
Estabelecer metas para o cumprimento das normas e leis que determinam a
presença de físicos médicos qualificados em hospitais e clínicas;
Ampliar a divulgação das áreas de atuação do físico médico e sua
importância na segurança dos pacientes e trabalhadores da saúde, assim como a
garantia da qualidade dos serviços;
Integrar o físico médico às profissões da área da saúde.
Reconhecer a Física Médica como área do conhecimento em saúde
Envidar esforços para a descentralização das atividades de física médica.