BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE - UNICAMP
ESTUDO (Turma 2012)

Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/BE310

INSTALAÇÃO DE BIODIGESTORES EM PEQUENAS
PROPRIEDADES RURAIS: ANÁLISE DE VANTAGENS
SOCIOAMBIENTAIS.
GUILHERME DE LUCA BONTURI *& MICHEL VAN DIJK *
Curso de Graduação ­ Faculdade de Engenharia Mecânica/UNICAMP
* E-mail dos autores correspondentes: [email protected] e [email protected]
RESUMO: O objetivo foi fazer um estudo sobre a viabilidade ambiental da construção de bidigestores
em pequenas propriedades rurais, para isso se comparou os diversos tipos de modelos de biodigestores
que existem, mostrando suas principais vantagens e desvantagens. Seu modo de operação, seus produtos e
subprodutos. Também se fez a estimativa de produção de biogás produzido na propriedade, utilizando
como base um biodigestor construído num assentamento rural que utilizava principal insumo produtos
descartado pela própria propriedade. Após isso se fez uma estimativa do tempo para o retorno do capital
investido na construção do biodigestor.
Segundo dados do Balanço Energético Nacional referente ao ano de 2004, as principais fontes de
energia para o consumo no segmento agropecuário foram óleo diesel (58%), lenha (26%), energia elétrica
(15%) e outros (1%) (BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL, 2005). No triênio 2002-2004, dados
oficiais disponíveis mostraram elevação dos preços pagos pela energia, pois os preços do óleo diesel
apresentaram aumento de 41%, da lenha aumento de 52% e da energia elétrica aumento de 36%, em
média, nesse período.
Os impactos da elevação do custo de energia fazem-se sentir com maior intensidade no setor rural
de mais baixa renda, em geral, menos capitalizado e com menores condições de arcar com essa elevação
de custos, tanto no que diz respeito ao consumo doméstico quanto para as atividades de produção. Nesse
sentido, o desenvolvimento de alternativas tecnológicas com vistas à geração de energia a custos
reduzidos para esse segmento podem gerar impactos socioeconômicos positivos. Uma das alternativas
tecnológicas mais promissoras diz respeito ao aproveitamento da biomassa para geração de energia, que
propicia uso mais racional dos recursos disponíveis na exploração agrícola, reduz a transferência de renda
para outros agentes e diminui a dependência de fontes externas de energia.
Existem hoje diversas alternativas tecnológicas de aproveitamento da biomassa para geração de energia,
tecnicamente viáveis para a agricultura familiar. Uma das alternativas que vem despertando grande
interesse é a tecnologia de biodigestão anaeróbia de resíduos dos animais, e particularmente de resíduos
gerados com a criação animal, pela implantação de biodigestores. Conforme apontado pela literatura, a
tecnologia de biodigestão anaeróbia de dejetos animais, principalmente de suínos, apresenta diversas
vantagens. Uma delas é a produção de biogás e biofertilizantes, produtos de elevado valor agregado,

redução da poluição dos recursos hídricos, facilidade de implantação e operação, e redução da pressão
sobre as matas pelo consumo de lenha (GASPAR, 2003).
Como o biodigestor, além de produzir gás, limpa os resíduos não aproveitáveis de uma
propriedade agrícola e gera biofertilizante, é considerado por alguns como um poço de petróleo, uma
fábrica de fertilizantes e uma usina de saneamento, unidos em um mesmo equipamento. Ele trabalha com
qualquer tipo de material que se decomponha biologicamente sob ação das bactérias anaeróbias.
Praticamente todo resto de animal ou vegetal é biomassa capaz de fornecer biogás através do biodigestor.
Os resíduos animais são o melhor alimento para os biodigestores, pelo fato de já saírem dos seus
intestinos carregados de bactérias anaeróbicas.
Ocorre que grande parte dos resíduos de animais é simplesmente jogada fora, esses resíduos
podem ser fermentados e formar o biogás, uma fonte não poluidora de energia. O biogás, ao contrário do
álcool da cana-de-açúcar e de óleo extraídos de outras culturas, não compete com a produção de
alimentos em busca de terras disponíveis. Afinal ele pode ser inteiramente obtido de resíduos agrícolas,
ou mesmo de excrementos de animais e dos homens. Assim, ao contrário de ser um fator de poluição,
transforma-se em um auxiliar do saneamento ambiental.
O processo de produção do biogás depende da temperatura e do pH do substrato, da concentração
de nutrientes e de sólidos da solução, segundo MIRKO a produção do gás tem sua ótima velocidade com
pHs entre 7 e 8, e temperatura ao redor de 35º. Em pHs menores que 7, a geração do gás é paralisada, e
em temperaturas abaixo de 15º a produção é muito pequena. A concentração de sólidos indicada é a de 7 a
9 partes de sólidos em 100 partes de líquidos (para fezes bovinas, isso equivaleria a 4 partes de fezes
bovinas misturadas a 5 partes de água). A velocidade da atividade microbiana também é retardada caso a
concentração de nutrientes (nitrogênio, fósforo, potássio, fatores de crescimento, micronutrientes) seja
insuficiente. Pode-se adicionar uréia (presente na urina animal) ou fertilizantes químicos para suprir essa
deficiência.(MIRKO V. TURDERA; DANILO YURA, 2006), além disso as dimensões dos biodigestores
devem levar em conta, também, a produção de resíduos que se tem disponível na propriedade para
abastecê-los.
Nesse estudo foi feito um levantamento da produção de biogás através da decomposição
bacteriana, seus principais produtos e subprodutos e suas possíveis utilizações pelo pequeno produtor. Fez
também levantamentos dos principais biodigestores que existem no mercado, mostrando suas principais
vantagens e desvantagens.
A decomposição bacteriana de matéria orgânica sob condições anaeróbias é feita em 3 fases:
hidrólise enzimática; fase ácida; fase metagênica.
Na fase de Hidrólise Enzimática as bactérias liberam no meio as enzimas extracelulares que irão
promover a hidrólise de partículas (quebra de partículas no meio aquoso), transformando moléculas
grandes em menores e mais solúveis.

Na fase Ácida as bactérias produtoras de ácidos transformam moléculas de proteínas, gorduras e
carboidratos em ácidos (ácido láctico e ácido butílico), etanol, hidrogênio, amônia e dióxido de carbono,
entre outros.
Na fase Metagênica as bactérias metanogênicas atuam sobre o hidrogênio e o dióxido de carbono
transformando-os em CH4 (metano). Esta fase limita a velocidade da cadeia de reações devida
principalmente á formação de microbolhas de CH 4 e CO2 em torno da bactéria metanogênica isolando-a
do contato direto com a mistura.
O Biogás consta basicamente de: gás Metano (CH4) em torno de 50 a 70%; gás carbônico (CO2)
em torno de 35 a 40%; hidrogênio (H2) em torno de 1 a 3%; oxigênio (O 2) em torno de 0.1 a 1%; gases
diversos em torno de 1,5 a 8%.(THOMAS & DELVAL, 1987)
Sendo o gás carbônico incombustível, com sua eliminação através da dissolução em água, é possível a
obtenção de um Biogás com cerca de 95% de metano de poder calorífico de cerca de 8500 Kcal/m³.
O Biogás, contudo só se torna combustível eficiente quando o teor de metano for superior ao de
CO2. É uma fonte de energia de múltipla utilização: em aquecedor de água, geladeiras, fogão, calefação,
iluminação, veículos de grande e pequeno porte, grupos geradores, embarcações, etc.
Sua eficiência é economicamente viável. Como exemplo prático um veículo de 70HP roda 15 Km com
1m³ de Biogás, e uma família de cinco pessoas fazendo três refeições por dia consome apenas 1m³ de
Biogás.
A produção do metano, a partir da biomassa, começa a se processar depois de 20 dias, vai
aumentando até chegar ao máximo na terceira semana quando começa a decrescer lentamente durante o
período de fermentação de cerca de 90 dias.
Para não ocupar o Biodigestor nas fases de produção mínima, na prática costuma-se dimensioná-lo para
um período de produção de 5 a 6 semanas.
Em experiências realizadas na França e na Alemanha, verificou-se que a produção diária para 1m³
de câmara de fermentação é de cerca de 0.6m³ de gás. Para melhor produção de Biogás, o material
utilizado deve apresentar certa relação Carbono/Nitrogênio (C/N) em torno de 30, ou seja, 30 vezes mais
carbono do que nitrogênio. (SEIXAS, J., FOLLE, S.; MACHETTI, D., 1980).
Havendo excesso de carbono, o que ocorre quando se usa muito material celulósico,
principalmente serragem, o Biogás tende a possuir elevado teor de CO2 e pouco metano. O mesmo ocorre
se a matéria-prima é muito rica em nitrogenados (urina, sangue, etc.).
Além da produção de Biogás para a utilização de seu alto poder energético, os resíduos da biodigestão
apresentam alta qualidade para o uso como fertilizante agrícola, pois há o aumento no teor de nitrogênio e
demais nutrientes em consequência da perda de carbono para o biogás, o que melhora as condições do
material para fins agrícolas, maior facilidade de imobilização do biofertilizante pelos micro-organismos
do solo, devido ao material já se encontrar em grau avançado de decomposição, o que aumenta a sua
eficiência e solubilização parcial de alguns nutrientes, diminuindo o custo do pequeno produtor com
fertilizantes químicos.

BIODIGESTOR MODELO INDIANO - Este modelo de biodigestor caracteriza-se por possuir uma
campânula como gasômetro, a qual pode estar mergulhada sobre a biomassa em fermentação, ou em um
selo d'água externo, e uma parede central que divide o tanque de fermentação em duas câmaras. A função
da parede divisória faz com que o material circule por todo o interior da câmara de fermentação.
O modelo indiano possui pressão de operação constante, ou seja, à medida que o volume de gás
produzido não é consumido de imediato, o gasômetro tende a deslocar-se verticalmente, aumentando o
volume deste, portanto, mantendo a pressão no interior deste constante.
O fato de o gasômetro estar disposto ou sobre o substrato ou sobre o selo d'água reduz as perdas
durante o processo de produção do gás.
O resíduo a ser utilizado para alimentar o biodigestor indiano, deverá apresentar uma concentração
de sólidos totais (ST) não superior a 8%, para facilitar a circulação do resíduo pelo interior da câmara de
fermentação e evitar entupimentos dos canos de entrada e saída do material. O abastecimento também
deverá ser contínuo, ou seja, geralmente é alimentado por dejetos bovinos e/ou suínos, que apresentam
certa regularidade no fornecimento de dejetos.
Do ponto de vista construtivo, apresenta-se de fácil construção, contudo o gasômetro de metal
pode encarecer o custo final, e também à distância da propriedade pode dificultar e encarecer o transporte
inviabilizando

a

implantação

deste

modelo

de

biodigestor.

A

figura

1http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000022002000100031&script=sci_arttext&t
lng=pt - f1, mostra a vista frontal em corte do biodigestor, realçando os elementos fundamentais para sua
construção.

Figura 1. Biodigestor modelo indiano
adaptado de LUCAS JÚNIOR, J.,
1987, (H - altura do nível do substrato;
Di - diâmetro interno do biodigestor;
Dg - diâmetro do gasômetro; Ds diâmetro interno da parede superior; h1
- altura ociosa (reservatório do biogás);
h2 - altura útil do gasômetro. a - altura
da caixa de entrada. e - altura de
entrada do cano com o afluente.

BIODIGESTOR
MODELO
CHINÊS - Formado por uma câmara
cilíndrica em alvenaria (tijolo) para a
fermentação, com teto abobado, impermeável, destinado ao armazenamento do biogás. Este biodigestor
funciona com base no princípio de prensa hidráulica, de modo que aumentos de pressão em seu interior
resultantes do acúmulo de biogás resultarão em deslocamentos do efluente da câmara de fermentação para
a caixa de saída, e em sentido contrário quando ocorre descompressão.

O modelo Chinês é constituído quase que totalmente em alvenaria, dispensando o uso de
gasômetro em chapa de aço, reduzindo os custos, contudo podem ocorrer problemas com vazamento do
biogás caso a estrutura não seja bem vedada e impermeabilizada.
Neste tipo de biodigestor uma parcela do gás formado na caixa de saída é libertado para a atmosfera,
reduzindo parcialmente a pressão interna do gás, por este motivo as construções de biodigestor tipo
chinês não são utilizadas para instalações de grande porte.
Semelhante ao modelo indiano, o substrato deverá ser fornecido continuamente, com a
concentração de sólidos totais em torno de 8%, para evitar entupimentos do sistema de entrada e facilitar
a circulação do material.
Em termos comparativos, os modelos Chinês e Indiano, apresentam desempenho semelhante,
apesar de o modelo Indiano ter apresentado em determinados experimentos, ter sido ligeiramente mais
eficiente quanto a produção de biogás e redução de sólidos no substrato, conforme podemos visualizar na
tabela a seguir.

Tabela 2. Resultados preliminares do desempenho de biodigestores modelos Indiano e chinês, com
capacidade de 5,5 m3 de biomassa, operados com esterco bovino (LUCAS JÚNIOR,1987).
Biodigestor
Chinês
Redução de sólidos (%)
37
Produção Média (m3 / dia)
2,7
Produção média de substrato (kg / m3)
489

Indiano
38
3
538

BIODIGESTOR MODELO BATELADA - Trata-se de um sistema bastante simples e de pequena
exigência operacional. Sua instalação poderá ser apenas um tanque anaeróbio, ou vários tanques em série.
Esse tipo de biodigestor é abastecido de uma única vez, portanto não é um biodigestor contínuo,
mantendo-se em fermentação por um período conveniente, sendo o material descarregado posteriormente
após o término do período efetivo de produção de biogás.
Enquanto, os modelos chinês e indiano são indicados para propriedades em que a disponibilidade
de biomassa ocorre em períodos curtos, como exemplo aquelas que recolhem o gado duas vezes ao dia
para ordenha, permitindo coleta diária de biomassa, que deve ser encaminhada ao biodigestor, o modelo
em batelada adapta-se melhor quando essa disponibilidade ocorre em períodos mais longos, como ocorre
em granjas avícolas de corte, cuja biomassa fica a disposição após a venda dos animais e limpeza do
galpão.
Após discussão sobre os principais tipos de biodigestores, foi feito um levantamento sobre o
orçamento para construção de um pequeno biodigestor, o modelo que se utilizou como base para estudo
foi o construído num assentamento rural no município de Itaberá, de São Paulo, por se enquadrar ao perfil
da análise, nele foi utilizado esterco de suínos com 20% de sólidos totais. Para atingir a mistura de 8% de
sólidos, foram utilizados 123 kg de esterco suíno, aproximadamente 60 animais, e 184 litros de água,

totalizando mistura de 307 l, com Tempo de Retenção Hidráulica (TRH) de 50 dias, capacidade de
produção de 0,35 m3 de biogás por kg de esterco, atingindo-se produção de 43 m3 de biogás por dia.
Abaixo a uma figura com as dimensões do biodigestor, modelo indiano, bem com a tabela de custos para
sua construção.

Figura 3. Figura esquemática do biodigestor construído em alvenaria no assentamento de Itaberá
(ESPERANCINI, 2007)
Tabela 4. Custo para se construir o biodigestor modelo indiano no assentamento de Itaberá no ano de
2005 (ESPERANCINI, 2007)

Tendo sido feito o levantamento do custo para a construção do biodigestor fez-se uma estimativa
do consumo diário de biogás pela propriedade, abaixo a tabela 5 estão listados os principais gastos diários
com biogás na propriedade.
Tabela 5. Estimativa do consumo de biogás
por pessoa na propriedade rural. (MIRKO V.
TURDERA; DANILO YURA, 2006),

Esse consumo corresponde a mais ou
menos um quarto do botijão de 30kg de
GLP. Analisando melhor a tabela de gasto e produção vê se que uma sobra de aproximadamente 34 m3 de
biogás que poderiam ser utilizados pelo pequeno proprietário para os gastos energéticos com o resto da
propriedade ou até uma possível venda dessa energia para a rede de energia elétrica.
Segundo SOUZA, utilizando metodologia e tipo de investimentos diferentes (biodigestores, motor
elétrico e conjunto de irrigação), totalizando R$ 60 mil, apresentaram período de retorno que varia entre
1,80 e 2,65 anos, dependendo do tempo de uso diário do gerador. Outro estudo, de JORDAN, mostra que
um biodigestor com capacidade de produção de 150 m3 diários de biogás apresenta investimento inicial
de R$ 20 mil e tempo de retorno de aproximadamente 15 meses.
Viu-se com isso que é viável a construção de biodigestores em pequenas propriedades rurais,
produzindo produtos e subprodutos que podem ser aproveitados pelo pequeno produtor, com um possível
aumento de renda da propriedade, com um custo mínimo já que os insumos para a produção do biogás
serão produzidos pela própria propriedade. O único custo será a construção e manutenção do biodigestor,
sendo esse o modelo que mais se enquadra ao perfil da propriedade.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALVES, S. M.; MELO, C.F.M., WISNIEWISKI, A. Biogás: uma alternativa de energia no meio rural.
Belém, EMBRAPA/CPATU. (Miscelânea, 4), 1980.
BENINCASA, M.; ORTOLANI, A.F., LUCAS JUNIOR, J. Biodigestores convencionais. Jaboticabal,
FUNEP, 1991. 25p.
BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Balanço Energético Nacional. 2005. Disponível em:
. Acesso em: 12 jan. 2006.
GASPAR, R.M.B.L. Utilização de biodigestores em pequenas e médias propriedades rurais com ênfase
na agregação de valor: um estudo de caso na região de Toledo - PR. 2003. 106 f. Dissertação
(Mestrado em Planejamento e Estratégia Organizacional) - Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis, 2003.
JORDAN, R.A.; CORTEZ, L.A.B.; NEVES FILHO, L.C.; LUCAS JÚNIOR, J.L.; BALDASSIN
JÚNIOR, R. Comparativo econômico do uso de uma bomba de calor para aquecimento e resfriamento
de água em laticínios em relação ao aquecedor elétrico e o sistema de refrigeração convencional.
2004.
LAGRANGE, B. Biomethane: principes-techniques, utilisations. La Calade, EDISUD/energias
alternatives, 1979. 249p.

LUCAS JÚNIOR, J. Estudo comparativo de biodigestores modelos Indiano e Chinês. Botucatu, 114p.
(Tese de Doutorado), Universidade Estadual Paulista, 1987.
MAURA S. T. ESPERANCINI, FERNANDO COLEN, OSMAR DE C. BUENO, ANDRÉA E. B.
PIMENTEL, ELIAS J. SIMON. Viabilidade técnica e econômica da substituição de fontes
convencionais de energia por biogás em assentamento rural do Estado de São Paulo. UNESP,
Botucatu. 2007
TURDERA, M.V. E YURA D. Estudo da viabilidade de um biodigestor no município de dourados.
UEMS, Mato grosso do Sul. 2003
ORTOLANI, A.F., BENINCASA, M., LUCAS JUNIOR, J. Biodigestores rurais: modelos Indiano,
Chinês e Batelada. Jaboticabal, FUNEP, 1991. 3p.
SEIXAS, J., FOLLE, S.; MACHETTI, D., Construção e Funcionamento de Biodigestores. Embrapa,
1980.
SOUZA, S.N.M.; COLDEBELLA, A.; SOUZA, J.; KOEHLER, A.C. Viabilidade econômica de uso do
biogás da bovinocultura para geração de eletricidade e irrigação. 2006.
THOMAS, D. G. et DELVAL, P., Utilization Du Biogaz Dans Les Moteurs Thermiques, Informations
Chimie, 283, 147-149, Paris, France, 1987.