BIOTECNOLOGIA NA OBTENÇÃO DE ATIVOS E EXCIPIENTES
COSMÉTICOS1

Aidiane Emiliano2
Fátima Guimarães3
Daisy Janice Aguilar Netz4
Resumo:A biotecnologia tem sido empregada no cotidiano humano há séculos,
principalmente associada a processos fermentativos, entretanto seu emprego
em produtos cosméticos é relativamente recente,e embora exista uma grande
variedade de ativos e excipientes obtidos por biotecnologia comercializados
nos produtos cosméticos, existe uma lacuna de artigos técnicos e científicos
que abordem esta questão. O termo biotecnologia é amplo, envolvendo
diversas áreas do conhecimento, como a química, biologia, bioquímica,
genética, engenharia genética, entre outras. Dentre os processos mais
utilizados para a obtenção de ativos por biotecnologia, encontra-se a
fermentação, que utiliza-se de diferentes micro organismos, principalmente
bactérias e fungos. Assim, ativos de grande importância comercial, como por
exemplo, o ácido kójico, é obtido através de biotransformação do carboidrato
de arroz, principalmente com Aspergillus orygae e Penicillium spp. Dentre os
excipientes, ilustra-se com a goma xantana, importante biopolímeroobtido por
fermentação com Xanthomonas campestris. Assim,este trabalho visou o
entendimento do termo biotecnologia, e dos processos envolvidos bem como
exemplificar ativos e excipientes cosméticos obtidos por biotecnologia. Para tal,
foi utilizada metodologia descritiva apoiada pela busca em base de dados
científicos, revistas, sites e livros.
Palavras-chaves: Biotecnologia. Micro-organismos. Cosméticos.

1 INTRODUÇÃO
O termo Biotecnologia, partindo das palavras que o compõe: bio +
tecnologia, remete a aplicação prática do conhecimento através do uso de
organismos vivos, ou parte destes, para obtenção de produtos e serviços,
utilizando

desde

processos

fermentativos

até

manipulação

genética

(FIGUEIREDO; PENTEADO; MEDEIROS, 2006).

1

Artigo apresentado como requisito para aprovação no Curso de Especialização Lato Senso em
Estética Facial e Corporal, da Universidade do Vale do Itajaí, Unidade Ilha, Florianópolis, SC,
sob orientação do Prof. Daisy Netz. Dez.2012.
2
Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí ­
UNIVALI, Florianópolis, Santa Catarina. [email protected]
3
Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí ­
UNIVALI, Florianópolis, Santa Catarina.fatiguimarã[email protected]

1

Historicamente, a biotecnologia sempre esteve presente na vida do
homem, que desde os primórdios utilizou-se de processos fermentativos para
fabricação de alimentos tradicionais, como pães, bebidas fermentadas e
laticínios e que nos últimos 30 anos tem sido grandemente expandida, sendo
empregada nas mais diversas áreas, permitindo a obtenção de um grande
número de insumos alimentícios, farmacêuticos, no melhoramento genético de
plantas e animais e em vários produtos industriais (COLWELL, 2002).
No mundo atual o conceito de produto cosmético é muito diferente de
poucas décadas atrás, sendo requeridos destesprodutos não somente a
capacidade de mascarar imperfeições ou promover higienização, mas que
sejam capazes deconferir bem estar e autoestima, que sejam eficazes no que
prometem, e que tenham uma elegante apresentação, com textura agradável,
rica e suave (RIBEIRO, 2010).
Tais requerimentos são possíveis devido aos avanços do conhecimento
em diversas áreas, como na bioquímica e na fisiologia da pele, da química
combinatória, da indústria farmacêutica (na síntese de novas e eficientes
moléculas) e também na biotecnologia, que tem permitido a obtenção de
inúmeros ingredientes inovadores (VIVO-SESÉ; PLA, 2007).
Técnicas como a cultura de células, fermentação e seleção subsequente
permitem a obtenção de biomoléculas de grande interesse no campo da
cosmética, as quais apresentam grande variedade de atividade biológica,
citando como alguns exemplos de ativos, moléculas com efeitoantiglicante do
colágeno (FRANK, 1999 apud VIVO-SESÉ; PLA, 2007), alfa hidroxiácidos
menos irritantes (KERATOLINE®, 2012), agentes reestruturadores da junção
derme-epiderme (MATRIXYL® SYNTHE'®6, 2012), estimulantes lipolíticos
(RHODYSTEROL®,

2012),

antir-radicalares

e

protetores

do

DNA

(Oligophycocorail®, 2012), entre outros.
Entretanto, apesar de amplamente empregada, esta abordagem, ou
seja, odo emprego da biotecnologia não é de domínio, mesmo entre os
profissionais que trabalham diretamente com o produto cosmético, como os
esteticistas e tecnólogos em cosmetologia. Desta forma, este trabalho busca
fornecer subsídios teóricos para o aprofundamento

do conhecimento

relacionado ao emprego da biotecnologia na obtenção de produtos cosméticos.

2

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 Definição e histórico da biotecnologia
Para Oliveira e Fernandes (2010), a biotecnologia refere-se ao emprego
de sistemas biológicos e organismos vivos, aplicando um conjunto de
tecnologias para criação ou modificação de produtos, utilizando técnicas
tradicionais como a fermentação de alimentos, até técnicas mais avançadas,
como a do DNA recombinante, conhecida como engenharia genética.
Complementando, a biotecnologia pode ser definida ainda como toda
tecnologia,processo ou produto que lance mão, em pelo menos uma de suas
etapas, da ação de micro-organismos, células animais ou vegetais, ou de
substâncias produzidas por estes agentes biológicos, sendo caracterizada por
sua multidisciplinaridade(PEREIRA Jr.; 2008 Apud REHN & REED, 1993). Sua
abrangência é ampla, agrupando muitas ciências e áreas (Fig.1), tais como,
bioquímica, genética, microbiologia aplicada e engenharia bioquímica, entre
outras (BORÉM, 2005).
Figura 1­Multidisciplinaridade da biotecnologia

Fonte: http://bioterceiroano.blogspot.com.br/2011_05_01archive.html?m=1

3

Conforme Manfredi (2003), a utilização de meios biológicos se deu
quando o homem do Neolítico começou a plantar e criar animais. Utilizava-se já
nesta época de processos fermentativos para produção de alimentos, como
pão e vinho, tendo já nesta época aprendido a explorar os recursos naturais de
modo a favorecer sua sobrevivência, substituindo o extrativismo pelo cultivo
sistemático e a caça, pela criação, tendo suas florestas cedidoespaço aos
terrenos agrícolas mantidos pelo trabalho humano. Acrescenta Pelczar Jr;
Chan; Krieg (1980), que civilizações antigas como a dos Gregos, Chineses e
Japoneses, produziam produtos fermentados a partir de micro-organismos.
Sendo assim, os historiadores e antropologistas desconhecem sociedades que
não utilizaram a fermentação na produção de alimentos e bebidas.
Em 1665, segundo Tortora; Funke; Case (2003), aconteceu uma das
maiores descobertas da história da biologia, quando Robert Hooke utilizou
lentes de aumento para visualizar as células individualmente, formando a
baseda teoria celular, onde todas as coisas vivas são formadas por células,
sendo esta teoria o fundamento para os estudos subsequentes.
Posteriormente, adentrando na área da microbiologia, conforme, Pelczar
Jr; Chan; Krieg (1980) em 1850, um grupo de mercadores franceses pediu a
Pasteur que descobrisse porque as cervejas e vinhos azedavam, e foi então
desvendado o processo de fermentação, quando se observou que as leveduras
convertiam os açucares para álcool na ausência de ar.
Complementamos autores, que Pasteur, experimentando de técnicas
como aquecimento e resfriamento conseguiu destruir os micro-organismos
existentes no suco de fruta, observando então que o produto final poderia ser
conservado, sendo hoje este processo amplamente utilizado na indústria
alimentícia, denominado pasteurização.
Nos anos 70 teve início o que é conhecido hoje como a moderna
biotecnologia, especialmente pelo emprego da engenharia genética. A
tecnologia denominada de DNA recombinante permite a obtenção de
organismos com natureza distinta da original ou inédita, possibilitando uma
nova alternativa para o melhoramento genético de espécies de valor
biotecnológico. Assim, células de bactérias, leveduras, e mesmo de seres
eucariontes superiores, como as plantas, podem ser programadas com genes
4

exógenos, possibilitando a produção, nestes organismos, de polipeptídeos de
interesse farmacêutico e também cosmético. Como exemplo do primeiro caso,
a produção de interferon, o hormônio do crescimento e a insulina, entre outros
(LIMA, 2001) e em cosméticos, a obtenção de fatores de crescimento e
peptídeos (DRAELOS, 2010).
Na técnica de DNA recombinante, são isoladas enzimas de restrição,
que são enzimas naturalmente produzidas por bactérias, e que são capazes de
cortar o DNA controladamente em determinados pontos levando à produção de
fragmentos contendo pontes adesivas que podem se ligar a outras pontes de
moléculas de DNA, que também tenham sido cortadas com a mesma enzima.
Juntamente com a ligase, que consegue unir fragmentos de DNA, as enzimas
de

restrição

formaram

a

base

inicial

da

tecnologia

de

DNA

recombinante(BORÉM, 2005).
A tecnologia do DNA recombinante associada às novas descobertas de
hormônios e inibidores de enzimas que atuam na pele proporcionou a criação
de produtos cosméticos antienvelhecimento revolucionários, como os fatores
de crescimento, proteínas produzidas por células teciduais, responsáveis pela
comunicação celular. Peptídeos são fragmentos de fatores de crescimento,
com determinado sequenciamento de aminoácidos que confere funções
específicas, sendo capazes de atuar positivamente no processo de
cicatrização, na estimulação da produção de matriz extracelular, na
angiogênese e na proliferação do folículo piloso (PHARMASPECIAL, 2012).
No portfólio da CAREGEN Co. Ltd, fundada recentemente, em 2001,
encontram-se dezenas de ativos obtidos pela bioengenharia genética (site),
compreendendo dezenas de tipos diferentes de peptídeos, citoquinas, fatores
de crescimento, hormônios, neurotransmissores, imunomoduladores, tais como
EGF, IGF-1, bFGF, aFGF, VEGF, TRX, IL-10, entre outros (CAREGEN,
CATALOGUE, 2012).
Na obtenção de fatores de crescimento para uso dermatológico e
cosmético, um sequenciamento de aminoácidos obtidos do DNA humano é
inoculado na bactéria da E.coli, que por processo fermentativo, produz os
diversos tipos de fatores de crescimento. Após o processo de isolamento e
purificação, estes fatores, e seus peptídeos podem ser nanoencapsulados, o
que aumenta a estabilidade e a biodisponibilidade. Com exemplos de fatores
5

de crescimento pode-se citar os fatores de crescimento fibroblástico (FGF),
fator de crescimento epidermal (EGF) e fator de crescimento insulínico (IGF) e
de peptídeos, como Cooper peptídeo® (age como fator de crescimento
nadiferenciação celular ,além de estimular a proliferação de

fibroblastos

dérmicos e elevar a produção de fator de crescimento endotelial vasculare
TGP-2-Peptídeo® é um oligopeptídeo derivado do fator de crescimento
transformador (TGF), cujo sequenciamento de aminoácidos é capaz de
promover o clareamento de manchas decorrentes de melanina. Apresenta
ainda ação antinflamatória, agindo na redução da liberação de citoquinaspróinflamatórias como TNF-, IL-1 e iFN-) (PHARMASPECIAL, 2012).
Outro importante exemplo de produto cosmético obtido por biotecnologia
é o DG-DNA complex®(DERMAGE, 2012), composto por dois ativos: extrato
enzimático lipossomado de Micrococcus lysate e extrato de Artemia. O extrato
de Micrococcus é proveniente do solo de oceanos, apresentando alta
resistência a radiação UV. Contem uma enzima UV-endonuclease que acelera
a recuperação dos danos solares. Quando lipossomada, esta enzima é liberada
na pele, dentro dos queratinócitos, onde atua no reparo ao DNA.
O extrato de Artemia, rico em di-guanosinatetrafosfato (DT), é precursor
da guanidinatetrafosfato (GTP). Ensaios in vitro mostraram que a DT é capaz
de proteger o DNA, ativar o metabolismo celular e promover a regeneração
dérmica e epidérmica, pela estimulação de síntese de colágeno e expressão de
queratina. O mecanismo de reparo ao DNA pode ser descrito na seguinte
sequencia: a fita de DNA danificada é reconhecida. A porção alterada da fita de
DNA (dímeros de pirimidina induzidos pela foto radiação)retirada por enzimas
denominadas de nucleases(T4 endonuclease) é retirada e outra enzima,
chamada DNA polimerase se liga tendo uma cópia de fita intacta e por fim, a
enzima DNA ligase completa o processo de restauração da fita ressintetizada
(YAROSH; TSIMIS; YEE, 1990).
Peptídeos são formados a partir da união de 2 aminoácidos, podendo
então serem denominados de di, tri, tetra ou pentapeptídeo. Já o termo oligo
(2-20 aminoácidos) está associado a poucos aminoácidos presentes e poli,
vários aminoácidos (acima de 20). Exercem muitas funções biológicas
importantes, interagindo com receptores e modulando respostas biológicas,
como por exemplo, regulação da pressão arterial, diurese, regressão da dor,
6

melanização, ação antirradicalar (glutadionaperoxidase), etc... A relevância dos
peptídeos com relação a produtos cosméticos está relacionada com a obtenção
de peptídeos biomiméticos,que atuem auxiliando na manutenção e reparo dos
mecanismos celulares associados a integridade e homeostasia da pele
(DRAELOS, 2010).
Dentre os exemplos mais importantes de peptídeos estão os ativos
denominados de Argireline® e Matrixyl®. Argireline® é um hexapeptídeo
sintético (N-Ac-Glu-Glu-Met-Gln-Arg -Arg -NH2), um fragmento da molécula
SNAP-25, que modula a tensão muscular facial sem alterar a função dos
músculos responsáveis pelos movimentos faciais, mantendo a naturalidade da
expressão, representando uma alternativa cosmética a toxina botulínica.
BLANES-MIRAet al (2002), que sintetizou este hexapeptídeo, comprova que o
emprego, em emulsão O/A, 10% (100.000 ppm) , com aplicações diárias
durante 30 dias, foi capaz de reduzir rugas profundas em até 30%.
Já o Matrixyl® é um tripeptídeo (Gly-His-Lys -GHK) que tem sido
mencionado como um ingrediente de cura de feridas e para a reestruturação da
pele em

fórmulas dermocosmeticas, principalmente quando associadocom

íons cobre. Na sua forma palmitoilada (Pal - GHK) é mais ativo, mesmo na
ausência de cobre, e pode imitar os efeitos do ácido retinóico. A sinergia entre
o tri e o tetrapeptídeo (Pal - GHK + Pal - GQPR) [22] proporcionou o estímulo
da

síntese

de

colágeno

I,

IV,

fibronectinas

e

glicosaminoglicanos,

proporcionando efeitos importantes na definição da junção derme-epiderme e
na redução de linhas finas e rugas (DRAELOS, 2010).
Finalizando, conforme escrevem Pelczar Jr; Chan; Krieg (1980) a
biotecnologia tem contribuído para o beneficio da sociedade com novas origens
de uma grande quantidade de produtos, nas mais diversas áreas, como por
exemplo, a produção de álcool por meio de fermentação de grãos para uma
nova fonte de combustíveis, ou então na área da saúde onde novas variedades
de micro-organismos produzem substâncias importantes, como a insulina
humana conseguida por engenharia genética, quando antigamente utilizava-se
somente a insulina bovina extraída do pâncreas do bezerro, porém não era
aceita por alguns pacientes, entretanto a insulina humana produzida por uma
bactéria geneticamente construída, pode ser produzida em quantidades

7

ilimitadas.

Devido

à

importância

da

microbiologia

nos

processos

biotecnológicos, inseriu-se um subitem sobre este assunto.

2.2 Microbiologia na biotecnologia
De acordo com Nogueira e Silva Filho (2010), a Microbiologia pode ser
definida, sinteticamente, como o estudo de organismos microscópicos, sendo
que essa denominação deriva de três palavras gregas: mikros que significa
"pequeno", bios que significa "vida" e por fim logos que significa "ciência".
O mesmo autor acrescenta que em 1675, Antony Van Leeuvenhoek,
considerado o pai da microbiologia, convenceu o mundo de que os microorganismos existiam, provando isso com o microscópio (NOGUEIRA; SILVA
FILHO, 2010).
Nesse sentido, conforme ensina Harvey; Champe; Fisher (2008) pode-se
encontrar micro-organismos em todos os lugares da natureza, porém ocorrem
abundantemente onde encontrarem condições favoráveis (alimento, umidade e
temperatura adequados) para crescerem e multiplicarem-se.
Embora erroneamente considerados intrinsecamente patogênicos, os
micro-organismos são considerados fonte de inúmeros produtos, com amplas
aplicações. Em decorrência disso, ressalta Pelczar Jr; Chan; Krieg (1980) o
surgimento de um novo campo da microbiologia industrial, a biotecnologia, no
qual foi possível utilizar e até mesmo construir organismos geneticamente
modificados para finalidades específicas.
Conforme observam Tortora; Funke; Case (2003),o termo fermentação
se refere a um conjunto de reações químicas controladas por catalizadores, as
enzimas, obtidas de organismos vivos, em que uma molécula orgânica é
degradada em compostos mais simples, liberando energia. Micro-organismos
como as leveduras, fungos ou determinadas bactérias contem enzimas
invertases, que quebram o açúcar em álcool e gás carbônico. De um modo
geral, o termo fermentação é usado na biotecnologia para definir processos
aeróbios.
O processo de fermentação é empregado para a obtenção de extratos
de plantas com maior biodisponibilidade, uma vez que determinadas moléculas
poderiam ter menor tamanho molecular e menor toxicidade. O trabalho de
Georgetti et al (2009)mostrou que o extrato de soja fermentado por fungos
8

potencializou a ação antioxidante uma vez que apresentaram maior teor de
polifenóis e genisteína (em função da produção de beta glucosidases
específicas para hidrolisar a ligação beta-glicosídica da genisteína). Estudo
semelhante (fermentação de isoflavonas) foi publicado por Park et al (2010),
mas com direcionamento para atividade inibidora da melanogênese, mostrando
que o extrato fermentado de soja foi tão efetivo quanto o ácido kójico mas com
menor sensibilização ou irritação dérmica.
O sucesso de um processo fermentativo depende de vários fatores: tipo
de micro-organismo, pH, meio de cultura, grau de agitação,

presença de

oxigênio, forma de condução do processo fermentativo, os e as etapas de
recuperação do produto.Os fungos e bactérias são os micro-organismos mais
utilizados em processos biotecnológicos para fermentação, sendo que sua
obtenção pode ser realizada pelas seguintes formas: isolamento a partir de
recursos naturais; compra em coleções de culturas; obtenção de mutantes ou
ainda por obtenção de micro-organismos recombinantes por engenharia
genética (VAZ; PRADO; CARVALHO, 2007). Os principais tipos de microorganismos empregados são as bactérias, os fungos e as leveduras e as algas,
os quais são abordados a seguir.

Bactérias
Estes micro-organismos são conhecidos desde o Século XVII, sendo
utilizados nos processos fermentativos primeiro intuitivamente e posteriormente
por Pasteur, sendo logo amplamente empregados na produção de etanol, ácido
lático e gás carbônico e hoje tendo seu uso ampliado para a obtenção de uma
ampla variedade de compostos orgânicos, como ácidos, álcoois, cetonas,
proteínas,

antígenos,

inseticidas,

vitaminas,

aminoácidos,

antibióticos,

esteroides e hormônios (MANFREDI, 2003).
Segundo Nogueira e Silva Filho (2010) as bactérias são organismos
procariontes, com apenas um cromossomo, não envolto por membrana,
possuindo somente parede celular, membrana plasmática e ribossomos em
meio citoplasmático e reproduzem-se por divisão assexuada.
Acrescenta o mesmo autor, que estas são denominadas de acordo com
sua forma, podendo ser esféricas ou elipsoidais, estas chamadas de cocos,

9

cilíndricas e em bastonetes, denominadas bacilus, e espiraladas como as
spirillas.
Para Trabulsi et. al(1999),o que diferencia as bactérias Gram-positivas
das Gram-negativas são, as funções os componentes e as estruturas da
parede celular das mesmas.
Para o mesmo autor as bactérias Gram-positivas, tem suas camadas da
parede celular constituídas principalmente por peptidoglicanos, as quais
circundam a membrana citoplasmática, sendo que

esse peptidoglicano é

poroso justamente para permitir a difusão de metabólitos para a membrana
plasmática, classificando-se também como elemento essencial para estrutura,
replicação e sobrevida das bactérias em condições hostis de crescimento.
São mais complexas as paredes celulares das bactérias Gramnegativas, tanto em nível estrutural quanto químico. Em sua estrutura existem
duas camadas externas à membrana citoplasmática, e é composta por uma
delgada camada de peptidoglicano, observou Trabulsi et. al (1999).
Dessa maneira, Murray et al (1998), afirma que superficialmente à essa
camada econtra-se a membrana externa, considerada elemento exclusivo das
bactérias Gram-negtivas, essa mesma membrana realiza função protetora de
condições ambientais adversas, bem como, uma barreira de permeabilidade
contra grandes moléculas.
Ressalta ainda que, de modo geral as bactérias sintetizam aminoácidos,
carboidratos e lipídios, um exemplo disto é a bactéria Escherichia coli.
Estes micro-organismosnormalmente necessitam de uma fonte de
carbono, nitrogênio, fonte de energia, água e íons para seu crescimento. Da
mesma forma que o ferro é muito importante para algumas bactérias
secretarem proteínas, o oxigênio por sua vez constitui-se um veneno para
muitas bactérias, finaliza Murray et al (1998).

Fungos e Leveduras
Conforme Pelczar Jr; Chan; Krieg (1980) os fungos e as leveduras, são
organismos eucarióticos saprofíticos, pois alimentam-se de matéria orgânica
morta. Produzem e secretam uma variedade de produtos metabólicos dentre
elas enzimas degradativas, como, celulases, proteases e nucleases.

10

Assim, por serem heterotróficos, necessitam de fontes orgânicas de
carbono pré-formadas para seu crescimento e realizam transporte de nutrientes
através de suas membranas, acrescenta Pelczar Jr; Chan; Krieg (1980).
Para Manfredi (2003)os fungos, além da sua diversidade (entre 100.00 e
250.00 espécies), destacam-se pela sua capacidade de atacar tecidos vegetais
através da secreção de enzimas que degradam biopolímeros tais como
polissacarídeos, lignina e proteína.
Os fungos são encontrados em vegetais, animais, no homem, em
detritos e abundantemente no solo. E desenvolvem-se em meios de cultivo,
formando dois tipos de colônias: leveduriformes e filamentosas (TRABUSLI et
al. 1999).Para Burton e Engelkirk, (2005) os fungos tem grande importância
comercial, como por exemplo, fungos produtores de antibióticos, como o
Penicillium e o Cephalosporium.
As leveduras são unicelulares, onde a mesma célula cumpre funções
vegetativas e reprodutivas. Normalmente reproduzem-se por brotamento,
porem podem se reproduzirem por formação de esporo, ou também
porpseudo-hifa(BURTON; ENGELKIRK, 2005).
Manfredi (2003) ressalta que, as leveduras estão em franca expansão
pela sua capacidade de excretar proteínas recombinantes, diferentemente das
bactérias, as quais necessitam ser rompidas para obtenção da proteína de
interesse.

Algas
Para

Engelkirk

(2012),

as

algas

são

organismos

eucariontes,

fotossintéticos, referidos como pertencentes ao reino protista, constituídas por
citoplasma, parede celular, membrana, núcleo, plastídios, ribossomos,
mitocôndrias, e corpúsculos de golgi.
Segundo omesmo autor, são elas semelhantes ao vegetais, mas não
possuem raízes verdadeiras, nem caules e folhas, porém contém celulose.
Variam de tamanho desde organismos microscópicos unicelulares, até grandes
algas marinhas multicelulares e podem ser encontradas em água doce ou
salgada, em rochas ou em solos úmidos(ENGELKIRK,2012).
Derner etal(2006) complementa que as microalgas possuem grande
potencial biotecnológico, devido á sua grande biodiversidade que aliadas ao
11

melhoramento genético, podem ser produzidas em grande escala para fins
comerciais

por

sintetizarem

substâncias

tais

como,

ácidos

graxos,

carotenóides, polissacarídeos, vitaminas e antioxidantes.
Já as macroalgas marinhas são consideradas fontes de uma ampla
gama de compostos de interesse comercial pela indústria de cosméticos, como
por exemplo, os carotenóides e os aminoácidos tipo micosporina de
Graciláriassp. Apresentam ação antioxidante e fotoprotetora(YOKOYA, 2010
apud, CARDOZOet al. 2007).

3. Outros produtos cosméticos obtidos por biotecnologia disponíveis no
mercado
A indústria cosmética emprega inúmeros ingredientes provenientes
debiotecnologia,

tendo

como

exemplos

corantes como flavonóides e

carotenóides, ácidos orgânicos como ácido málico, cítrico e lático, biopolímeros
como goma xantana e o ácido hialurônico e as enzimas, que são proteínas
modificadas, como as proteases, amilases e lípases (COTTE, 1992). Para
melhor visualização, foi elaborada uma tabela (Tabela 1), contendo exemplos
de ativos e/ou excipientes obtidos por biotecnologia e o respectivo microorganismo,

assim

como

a

fonte

bibliográfica.

12

Tabela 1. Ativos/excipientes empregados em produtos cosméticos obtidos por biotecnologia
Microrganismo
E. Coli bacteria
Gluconobacter
Streptococcus/Lactobacillusbacillus
ZimomonasMobilis
Zooepidermicus/streptococcus
Aspergillus Níger
aspergillussp
Aspergillusorygae
certocystismoniliformis
Xanthomonascampestris
Malasseziafurfur
Candidalipolytica
Saccharomycescerevisiae
Dunaliella
D. salina
Cyanophyta
Nannochlorposisoculara
Gracilariatenuistipitata

Ativo/Excipiente
Fatores de cresc.
EGF/IGF/bFGF/VEGF
Vitamina C
Vitamina A
Ácido lático
Sorbitol
Acido hialurônico
Ácido cítrico
Aroma de baunilha
Ácido Kógico
Geraniol
Goma Xantana
Acido azeláico
Lliposan®
Betaglucan
Pró vit A
Betacaroteno
Corante
Pepha-Tight®
Extrato Fotoprotetor

Referências
GOMES, 2010
OLIVEIRA, 2010
CAMPANA, 2012
BARROS, 2002
MACEDO, 2006
PASTORE, 2011
COTTE, 1992
SILVA, 2008
COTTE, 1992
BORGES, 2009
NOBREGA, 2009
NITSCHKE, 2002
MAGNANI, 2008

DERNER, 2006
HOUSEHOLD & COSMÉTICOS,
2006
BARUFI, 2010

13

3 METODOLOGIA
Este estudo caracteriza-se por uma pesquisa de caráter qualitativa, do
tipo descritiva, com universo de pesquisa baseado em sites, livros, periódicos e
teses. Sendo que a pesquisa qualitativa, subjetiva as informações que só
fazem sentido através de tratamento lógico secundário feito pelo pesquisador.
Considerada também descritiva pelos fatos serem observados, registrados,
analisados e interpretados sem interferência do pesquisador (CIRIBELLI,
2003).

4 ANÁLISE DE DADOS
A biotecnologia contribui grandemente para o bem estar da população,
com a obtenção de produtos e serviços nos mais variados setores da
economia, visto que fornece uma ampla gama de produtos, não limitando a
ação desta tecnologia (FIGUEIREDO; PENTEADO; MEDEIROS, 2006).
No âmbito dos produtos cosméticos, a biotecnologia tem proporcionado
à obtenção de uma grande variedade de insumos, os quais são atualmente
amplamente comercializados, sendo que este setor encontra-se em crescente
expansão.
Visto que muitos ativos e excipientes de uso cosmético são obtidos por
processos biotecnológicos,torna-se importante conhecer a fonte dos ativos e
excipientes utilizados em cosméticos, sabendo que estes produtos participam
do cotidiano das pessoas. A partir de busca na literatura disponível,
desenvolveu-se uma tabela demonstrativa, onde alguns ativos e excipientes
considerados mais conhecidos na área da cosmetologia foram listados, bem
como o micro-organismo associado.
Apresentam-se os fungos, bactérias, leveduras e microalgas, como os
principais micro-organismos empregados em processos fermentativos para o
conseguimento de insumos cosméticos. A partir dos micro-organismos
descritos

acima,

obtém-se

compostos

com

diferentes

aplicações:

aromatizantes, espessantes, corantes, antioxidantes, clareadores, anti-sinais
do envelhecimento, tensoativos, hidratantes, entre outros (COTTE, 1992;
DRAELOS, 2002).

14

Buscando exemplificar alguns dos ativos e excipientes obtidos através
de fungos, inclue-se o ácido kójico, obtido com Aspergillus orygaee a goma
xantana, que atua como espessante, sendo obtida a partir de Xanthomonas
Campestris (SILVA, 2008; BORGES, 2009).
Produzidos á partir de bactérias, encontrou-se, por exemplo, os fatores
de crescimento EGF/IGF/bFGF/VEGF, sintetizados pela E. Coli, assim como o
ácido hialurônico, um potente hidratante, obtido através do Streptococcus
Zooepidermicus (GOMES, 2008).
Á partir de leveduras obtém-se o betaglucan, com o emprego de
Saccharomyces cerevisiae, ativo antisséptico e antinflamatório (MAGNANI,
2008).
Por fim, pela espécie de microalga D. salina, obtêm-se o betacaroteno, e
pela Cyanophyta, corante azul.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo deste trabalho foi analisar a abrangência da biotecnologia no
que se refere à obtenção de ativos e excipientes cosméticos.
Destacam-se alguns fatores relevantes os quais direcionaram a base
deste trabalho, sendo o primeiro a grande dificuldade em encontrar conteúdo
teórico específico na área de cosmetologia relacionada à biotecnologia.
Contudo, foram encontrados vários artigos, teses, periódicos, sites, e
livros nacionais e internacionais com a abordagem em biotecnologia, nas mais
diversas áreas de aplicação, que serviram de suporte para o embasamento.
Pode-se relacionar o histórico da biotecnologia e a crescente expansão,
a qual exerce fator importante no desenvolvimento das diversas áreas
tecnológicas, sendo surpreendente o fato deste conhecimento não estar
direcionado para a área da cosmetologia. Assim insere-se a importância deste
trabalho, que buscou a compilação de dados desta área.
Entretanto, devido a grande dificuldade em encontrar literatura científica
específica sobre biotecnologia aliada á cosmetologia, torna-se notória a
importância de novos estudos competentes a esta área.

15

REFERÊNCIAS:

BARROS, Marcio de et al. Produção de Sorbitol por ZymomonasMobilis ATCC
29191 em Meio de Sacarose Pré-Tratado com Invertase. Semina: Ciências
Exatas e Tecnológica, Londrina, v. 23, n. 1, p.89-92, dez. 2002. Disponível em:
.
Acesso em: 30 out. 2012.

BARUFI, José Bonomi. Fotoproteção em Gracilariatenuistipitata
(RHODOPHYTA): uma abordagem fisiológica e molecular. 2010. 339 f.
Tese (Doutorado) - Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, São
Paulo, 2010.
BIOTECHMARINE®.Disponível:http://www.biotechmarine.com/admin/imagesco
mmunication/imagescatalogue/BiotechMarine_Catalogue_2009.pdf. Acessoem:
20 nov. 2012.

BLANES-MIRA, C.et al. A synthetic hexapeptideArgireline with antiwrinkle
activity.InternationalJournalofCosmetics, v. 24, p. 303-310, 2002.

BORÉM, Aluízio. A historia da biotecnologia. Biotecnologia Ciência &
Desenvolvimento, v. 34, Jan/Junho, p. 10-12, 2005.

BORGES, Caroline Dellinghausen; VENDRUSCOLO, Claire Tondo. Goma
Xantana: Caracteristicas e condições operacionais de produção. Semina:
Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 29, n. 2, p.171-188, dez. 2008.
Disponível em:
. Acesso em: 01 nov. 2012.

CAMPANA, Felippe Buck. Monitoramento temporal e espacial de
contaminações bacterianas na produção de bioetanol: caracterização
molecular por T-RFLP e detecção quantitativa por qPCRde comunidades
16

formadoras de biofilmes. 2012. Dissertação (Mestrado em Biologia na
Agricultura e no Ambiente) - Centro de Energia Nuclear na Agricultura,
Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2012.

CAREGEN,CATALOGUE,2012.

Disponível

em: