GÁS NATURAL

9

9.1. INFORMAÇÕES GERAIS
De modo similar aos demais combustíveis fósseis, o gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, originados da decomposição de matéria orgânica fossilizada ao longo de milhões de anos. Em seu estado bruto, o gás natural é composto principalmente por
metano, com proporções variadas de etano, propano, butano, hidrocarbonetos mais pesados e também CO2, N2, H2S, água, ácido
clorídrico, metanol e outras impurezas. Os maiores teores de carbono são encontrados no gás natural não-associado(20) (GASNET, 1999).
As principais propriedades do gás natural são a sua densidade em relação ao ar, o poder calorífico, o índice de Wobbe, o ponto de
orvalho da água e dos hidrocarbonetos e os teores de carbono, CO2, hidrogênio, oxigênio e compostos sulfurosos. Outras características intrínsecas importantes são os baixos índices de emissão de poluentes, em comparação a outros combustíveis fósseis, rápida dispersão em caso de vazamentos, os baixos índices de odor e de contaminantes. Ainda, em relação a outros combustíveis
fósseis, o gás natural apresenta maior flexibilidade, tanto em termos de transporte como de aproveitamento (ANEEL, 2000).
Além de insumo básico da indústria gasoquímica, o gás natural tem-se mostrado cada vez mais competitivo em relação a vários outros combustíveis, tanto no setor industrial como no de transporte e na geração de energia elétrica. Nesse último caso, a inclusão
do gás natural na matriz energética nacional, conjugada com a necessidade de expansão do parque gerador de energia elétrica e
com o esgotamento dos melhores potenciais hidráulicos do país, tem despertado o interesse de analistas e empreendedores em
ampliar o seu uso na geração termelétrica.

9.2. RESERVAS, PRODUÇÃO E CONSUMO
A Tabela 9.1 apresenta dados sobre reservas, produção e consumo mundial de gás natural no ano de 2002. Os dados indicam que as
reservas mundiais durariam cerca de sessenta anos, desconsideradas novas descobertas e mantida a produção nos patamares de 2002.
Uma visão das reservas mundiais e do consumo de gás natural em 2002 é apresentada nas Figuras 9.1 e 9.2, respectivamente.
(20) O termo associado é usado quando o gás natural é encontrado em reservatórios que contêm proporções significativas de petróleo

127

9

GÁS NATURAL

TABELA 9.1

Reservas, produção e consumo de gás natural no mundo em 2002
Reservas (R)
9

3

10 m

Produção (P)
9

3

9

R/P*

3

Participação
no total

10 m

Participação
no total

10 m

Participação
no total

Anos

América do Norte

7.150

4,6%

766,00

30,3%

790,30

31,2%

9,33

América do Sul e Central

7.080

4,5%

103,00

4,1%

98,00

3,9%

68,74

Europa e antiga URSS

61.040

39,2%

988,10

39,1%

1.043,80

41,2%

61,78

Oriente Médio

56.060

36,0%

235,60

9,3%

205,70

8,1%

237,95

África

11.840

7,6%

133,20

5,3%

67,40

2,7%

88,89

Ásia (Pacífico)

12.610

8,1%

301,70

11,9%

330,30

13,0%

41,80

Total

155.780

100,0%

2.527,60

100,0%

2.535,50

100,0%

61,63

Brasil

230

0,1%

9,10

0,4%

13,70

0,5%

25,27

Fonte: BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.
(*) Tempo que as reservas durariam, sem novas descobertas e com o nível de produção de 2002.

FIGURA 9.1

Reservas mundiais de gás natural ­ situação em 2002 (trilhões de m3)

Fonte: Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

128

Consumo

GÁS NATURAL

FIGURA 9.2

9

Consumo mundial de gás natural em 2002 (milhões de tEP)

Fonte: Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

Segundo a Agência Internacional de Energia (2003), a participação do
gás natural no consumo mundial de energia é atualmente da ordem de
16,3%, sendo responsável por cerca de 18,3% de toda a eletricidade
gerada no mundo.
No Brasil, as reservas provadas são da ordem de 230 bilhões de m3, dos
quais 48% estão localizados no Estado do Rio de Janeiro, 20% no Amazonas, 9,6% na Bahia e 8% no Rio Grande do Norte. A produção é concentrada no Rio de Janeiro (44%), no Amazonas (18%) e na Bahia (13%) (ANP,
2003). A participação do gás natural na matriz energética brasileira ainda é
pouco expressiva, da ordem de 5,6% do consumo final (MME, 2003).

9.3.

GERAÇÃO TERMELÉTRICA
A GÁS NATURAL

A geração de energia elétrica a partir de gás natural é feita pela queima
do gás combustível em turbinas a gás, cujo desenvolvimento é relativamente recente (após a Segunda Guerra Mundial). Junto ao setor elétrico, o uso mais generalizado dessa tecnologia tem ocorrido somente nos
últimos 15 ou 20 anos. Ainda assim, restrições de oferta de gás natural,
o baixo rendimento térmico das turbinas e os custos de capital relativamente altos foram, durante muito tempo, as principais razões para o baixo grau de difusão dessa tecnologia no âmbito do setor elétrico.

129

9

GÁS NATURAL

Nos últimos anos, esse quadro tem-se modificado substancialmente, na
medida em que o gás natural surge como uma das principais alternativas
de expansão da capacidade de geração de energia elétrica em vários países, inclusive no Brasil. Atualmente, as maiores turbinas a gás chegam a
330 MW de potência e os rendimentos térmicos atingem 42%. Em 1999,
os menores custos de capital foram inferiores a US$ 200 por kW instalado, em várias situações e faixas de potência (110-330 MW).
Entre as vantagens adicionais da geração termelétrica a gás natural estão o prazo relativamente curto de maturação do empreendimento e a
flexibilidade para o atendimento de cargas de ponta. Por outro lado, as
turbinas a gás são máquinas extremamente sensíveis às condições climáticas, principalmente em relação à temperatura ambiente, e apresentam
também alterações substanciais de rendimento térmico no caso de operação em cargas parciais.
Apesar dos ganhos alcançados no rendimento térmico das turbinas a
gás operando em ciclo simples, seu desempenho tem sido prejudicado
pela perda de energia nos gases de exaustão. Entre outras tecnologias
empregadas na recuperação dessa energia, destaca-se a de ciclo combinado, por meio da geração de vapor e da produção de potência adicional. Tem-se, assim, uma combinação dos ciclos de turbinas a gás e
turbinas a vapor, por meio de trocadores de calor, nos quais ocorre a
geração de vapor, aproveitando-se a energia dos gases de exaustão da
turbina a gás. Esse processo ainda pode ser melhorado com a queima
de combustível suplementar, principalmente quando há disponibilidade
de combustíveis residuais.
Conceitualmente, os ciclos combinados foram propostos nos anos 60,
mas apenas nos anos 70 é que as primeiras unidades geradoras, de pequena capacidade (a maioria na faixa de 15 MW a 20 MW), foram construídas e postas em operação. O rendimento térmico nominal das
primeiras unidades era apenas da ordem de 40%. Em virtude do aumento da oferta de gás natural e da redução de seus preços, além dos avanços tecnológicos alcançados, os ciclos combinados têm-se tornado uma
alternativa importante para a expansão da capacidade de geração de
energia elétrica.
Atualmente, os ciclos combinados são comercializados em uma ampla faixa de capacidades, módulos de 2 MW até 800 MW, e apresentam rendi-

130

mentos térmicos próximos de 60%. Estudos prospectivos indicam rendimentos de até 70%, num período relativamente curto (GREGORY; ROGNER, 1998). Susta e Luby (1997) afirmam que eficiências dessa ordem
podem ser alcançadas em ciclos de potência que utilizem turbinas a gás
operando com temperaturas máximas mais elevadas ­ da ordem de
1.600°C (atualmente, a temperatura máxima das turbinas atinge
1.450°C). Uma alternativa é o uso da chamada combustão seqüencial, em
que há reaquecimento dos gases de exaustão.
Outros melhoramentos importantes são a redução das irreversibilidades nas caldeiras de recuperação e a redução das perdas térmicas entre os dois ciclos (das turbinas a gás e a vapor). A redução das
irreversibilidades pode ser viabilizada com a geração de vapor em diferentes níveis de pressão. Sistemas de maior capacidade têm sido projetados para dois ou três níveis de pressão, com a possibilidade de
reaquecimento no nível de pressão intermediária. Já a redução das perdas pode ser viabilizada com a diminuição da temperatura dos gases
de exaustão (HORLOCK, 1995).

9.4.

CENTRAIS TERMELÉTRICAS
A GÁS NATURAL NO BRASIL

Com o esgotamento dos melhores potenciais hidráulicos do país e a construção do gasoduto Bolívia ­ Brasil, o gás natural tornou-se uma alternativa importante para a necessária expansão da capacidade de geração de
energia elétrica. Nesse contexto, foi criado o Plano Prioritário de Termelétricas (PPT), pelo Decreto n° 3.371 de 24 de fevereiro de 2000.
Como indicado na Tabela 9.2, em setembro de 2003, havia 56 centrais
termelétricas a gás natural em operação no Brasil (Figura 9.3), perfazendo uma capacidade de geração de cerca de 5.581 MW. Muitas dessas usinas estão sendo operadas e construídas (Tabela 9.3) para fim de
autoprodução, atendendo simultaneamente às suas necessidades de calor e potência elétrica (co-geração), como citado no Capítulo 2. A Figura
9.4 apresenta a localização dos projetos em construção e apenas outorgados, cuja construção não havia sido iniciada até setembro de 2003. A
localização dos gasodutos existentes, em construção e em análise é apresentada na Figura 9.5.

9

GÁS NATURAL

TABELA 9.2

Centrais termelétricas a gás natural em operação no Brasil em setembro de 2003

Nome
da Usina

Potência (kW)

Proprietário

Município

UF

APE

Petróleo Brasileiro S/A

Alto do Rodrigues

RN

484.500

PIE

U.E.G. Araucária Ltda.

Araucária

PR

4.600

APE

Petróleo Brasileiro S/A

Aracaju

SE

Bariri

445.500

PIE

AES Termo Bariri Ltda.

Bariri

SP

Bayer

3.840

APE

Bayer S/A

São Paulo

SP

Brahma

13.080

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Rio de Janeiro

RJ

Camaçari

144.000

SP

Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Dias d'Ávila

BA

Camaçari (Fases I e II)

64.000

PIE

FAFEN Energia S/A

Camaçari

BA

Campos (Roberto Silveira)

30.000

SP

Furnas Centrais Elétricas S/A

Campos dos Goytacazes

RJ

160.573

PIE

Petróleo Brasileiro S/A

Canoas

RS

Administradora Carioca de
Shopping Centers S/C Ltda.

Rio de Janeiro

RJ

Alto do Rodrigues
Araucária
Atalaia

Canoas (Fases I e II)

11.800

Destino
da Energia

Carioca Shopping

3.200

APE-COM

Casa de Geradores
de Energia Elétrica F-242

9.000

PIE

Empresa Brasileira de Aeronáutica S/A

São José dos Campos

SP

Cesar Park Business Hotel/Globenergy

2.100

APE

Inpar Construções e Empreendimentos
Imobiliários Ltda.

Guarulhos

SP

CINAL/TRIKEM

3.188

APE

Trikem S/A

Marechal Deodoro

AL

Copene

250.400

PIE

Petroquímica do Nordeste

Camaçari

BA

CTE II

235.200

APE-COM

Companhia Siderúrgica Nacional

Volta Redonda

RJ

Eletrobolt

379.000

PIE

Sociedade Fluminense de Energia Ltda.

Seropédica

RJ

Energy Works Kaiser Jacareí

8.592

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Jacareí

SP

Energy Works Kaiser Pacatuba

5.552

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Pacatuba

CE

Energy Works Rhodia Paulínia

10.000

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Paulínia

SP

Energy Works Rhodia Santo André

11.000

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Santo André

SP

EnergyWorks Corn Products Balsa

10.800

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Balsa Nova

PR

EnergyWorks Corn Products Mogi

21.400

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Mogi Guaçu

SP

Eucatex

9.800

PIE

Eucatex S/A Indústria e Comércio

Salto

SP

Globo

5.160

APE-COM

foglobo Comunicações Ltda.

Duque de Caxias

RJ

Ibirité

226.000

PIE

Ibiritermo S/A

Ibirité

MG

Iguatemi Fortaleza

4.794

APE

Condomínio Civil Shopping Center Iguatemi

Fortaleza

CE

IGW/Service Energy

2.825

APE

Telecomunicações de São Paulo S/A

São Paulo

SP

Inapel

1.204

APE

Inapel Embalagens Ltda.

Guarulhos

SP

82.000

PIE

Usina Termelétrica Juiz de Fora S/A

Juiz de Fora

MG

Latasa

5.088

APE-COM

Nordeste S/A

Cabo de Santo Agostinho

PE

Latasa Jacareí

2.560

APE

Latas de Alumínio S/A

Pedregulho

SP

Juiz de Fora

Latasa Santa Cruz
Macaé Merchant
Metalurgia Caraíba

2.240

APE

Latas de Alumínio S/A

Rio de Janeiro

RJ

922.615

PIE

El Paso Rio Claro Ltda.

Macaé

RJ

18.000

APE

Caraíba Metais S/A

Dias d'Ávila

BA

131

9

GÁS NATURAL

Centrais termelétricas a gás natural em operação no Brasil em setembro de 2003 (cont.)
Nome

Potência (kW)

Millennium

Proprietário

Município

UF

4.781

APE

Millennium Inorganic Chemicals do Brasil S/A

Camaçari

BA

194.000

PIE

Tractebel Energia S/A

Campo Grande

MS

12.000

APE

Companhia Nitro Química Brasileira

São Paulo

SP

Paraibuna

2.000

APE

Indústria de Papéis Sudeste Ltda.

Juiz de Fora

MG

Petroflex

25.000

APE

Petroflex Indústria e Comércio S/A

Duque de Caxias

RJ

Ponta do Costa

4.000

APE

Refinaria Nacional de Sal S/A

Cabo Frio

RJ

PROJAC Central Globo de Produção

4.950

APE

TV Globo Ltda.

Rio de Janeiro

RJ

Modular de Campo Grande
(Willian Arjona)
Nitro Química

Santa Cruz

600.000

SP

Furnas Centrais Elétricas S/A

Rio de Janeiro

RJ

Souza Cruz Cachoeirinha

2.952

APE

Souza Cruz S/A

Cachoeirinha

RS

Stepie Ulb

3.300

PIE

Stepie Ulb S/A

Canoas

RS

Suape, CGDc, Koblitz Energia Ltda.

4.000

PIE

Suape,CGDe,Koblitz Energia Ltda.

Cabo de Santo Agostinho

PE

38.400

APE

Companhia Suzano de Papel e Celulose

Suzano

SP

158.200

PIE

Termo Norte Energia Ltda.

Porto Velho

RO

5.680

PIE

Companhia de Tecidos Norte de Minas

João Pessoa

PB

Termocabo

48.000

PIE

Termocabo Ltda.

Cabo de Santo Agostinho

PE

Termoceará

220.000

PIE

Termoceará Ltda.

Caucaia

CE

UGPU (Messer)

7.700

PIE

Sociedade Brasileira Arlíquido Ltda.

Jundiaí

SP

Unidade de Geração de Energia -Área II

6.000

APE

Cooperativa dos produtores de Cana, Açúcar
e Álcool do Estado de São Paulo

Limeira

SP

639.900

PIE

AES Uruguaiana Empreendimentos Ltda.

Uruguaiana

RS

Vitória Apart Hospital

2.100

APE

Vitória Apart Hospital S/A

Serra

ES

Vulcabrás

4.980

APE-COM

Vulcabrás do Nordeste S/A

Horizonte

CE

Suzano
Termo Norte II
Termo Toalia

Uruguaiana

132

Destino

GÁS NATURAL

FIGURA 9.3

9

Localização das termelétricas a gás natural em operação no Brasil ­
situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

133

9

GÁS NATURAL

TABELA 9.3

Futuras centrais termelétricas a gás natural Brasil ­ situação em setembro de 2003

Nome
da Usina
Anhanguera
Barreiro
Camaçari Ambev
Capuava
Carioba II
CCBS (Cubatão)

Destino
da Energia

Proprietário

Município

UF

Situação

278.290

PIE

Tractebel Energia S/A

Limeira

SP

Apenas outorgada

12.900

PIE

Central Termelétrica de Cogeração S/A

Belo Horizonte

MG

Construção

5.256

PIE

Companhia Brasileira de Bebidas

Camaçari

BA

Construção

271.830

PIE

Capuava Cogeração Ltda.

Santo André

SP

Apenas outorgada

1.111.120

PIE

InterGen do Brasil Ltda.

Americana

SP

Apenas outorgada

Baixada Santista Energia Ltda.

Cubatão

SP

Apenas outorgada

Companhia Distribuidora de Gás do Rio de Janeiro Rio de Janeiro

RJ

Apenas outorgada

950.000

-

CEG

4.984

APE-COM

CENPES-Petrobrás

3.200

APE

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento

Rio de Janeiro

RJ

Apenas outorgada

Contagem

19.299

APE

Magnesita S/A

Contagem

MG

Construção

Coteminas

99.732

PIE

Companhia de Tecidos Norte de Minas

São Gonçalo do Amarante PI

Apenas outorgada

Cuiabá II

529.200

PIE

Geração Centro Oeste Ltda.

Cuiabá

MT

Apenas outorgada

DSG Mogi Mirim (Fases I e II)

890.800

PIE

D.S.G. Mineração Ltda.

Mogi-Mirim

SP

Apenas outorgada

Eletrobrás (Fases I e II)

500.000

PIE

Centrais Elétricas Brasileiras S/A

Macaé

RJ

Apenas outorgada

EnergyWorks Rhodia Ster

10.700

PIE

Energyworks do Brasil Ltda.

Santo André

SP

Apenas outorgada

Engevix - Blu 4

11.000

PIE

Engevix Engenharia Ltda.

Blumenau

SC

Apenas outorgada

Engevix - Brus 1

7.520

PIE

Engevix Engenharia Ltda.

Brusque

SC

Apenas outorgada

Engevix - Limei 1

6.000

PIE

Engevix Engenharia Ltda.

LImeira

SP

Apenas outorgada

Engevix - Pinhais 1

3.000

-

-

-

-

Apenas outorgada

Engevix-Blu 1

3.000

-

-

-

-

Apenas outorgada

Estância Ambev

4.680

-

-

-

-

Apenas outorgada

Fortaleza

346.630

PIE

Central Geradora Termelétrica Fortaleza S/A

Caucaia

CE

Construção

8.310

APE

Condomínio Shopping Center Iguatemi Bahia

Salvador

BA

Construção

10.500

PIE

Companhia Brasileira de Bebidas

Jacareí

SP

Construção

Jaguariúna

7.902

PIE

Companhia Brasileira de Bebidas

Jaguariúna

SP

Construção

Juatuba

5.250

PIE

Companhia Brasileira de Bebidas

Juatuba

MG

Apenas outorgada

15.045

APE

Klabin S/A

Piracicaba

SP

Apenas outorgada

Klotz Corumbá

176.000

PIE

Alfred Klotz do Brasil Ltda.

Corumbá

MS

Apenas outorgada

Mato Grosso do Sul Power (Fases I e II)

288.150

PIE

El Paso Mato Grosso do Sul Ltda.

Campo Grande

MS

Apenas outorgada

Norte Fluminense

860.200

PIE

Usina Terméletrica Norte Fluminense S/A

Macaé

RJ

Construção

Nova Piratininga (Fases I e II)

856.800

PIE

Petróleo Brasileiro S/A

São Paulo

SP

Construção

Paracambi (Cabiúnas)

511.200

PIE

Usina Termelétrica Paracambi Ltda.

Paracambi

RJ

Apenas outorgada

Paraíba

137.530

PIE

Companhia Paraibana de Gás

João Pessoa

PB

Apenas outorgada

5.256

PIE

Companhia Brasileira de Bebidas

João Pessoa

PB

Construção

552.500

PIE

D.S.G. Mineração Ltda.

Paulínia

SP

Apenas outorgada

23.080

APE

Polibrasil Resinas S/A

Mauá

SP

Apenas outorgada

3.646

APE

Construtora Sá Cavalcanti Ltda.

Vila Velha

ES

Apenas outorgada

357.000

PIE

Termo Elétrica Ribeirão Moinho Ltda.

Andradina

SP

Apenas outorgada

Iguatemi Bahia
Jacareí

Klabin Piracicaba

Paraíba Ambev
Paulínia
Polibrasil Globenergy
Praia da Costa
Ribeirão Moinho

134

Potência
(kW)

9

GÁS NATURAL

Futuras centrais termelétricas a gás natural Brasil ­ situação em setembro de 2003 (cont.)
Nome
da Usina
Rio de Janeiro Refrescos Coca Cola

Potência
(kW)

Destino
da Energia

Proprietário

Município

UF

Situação

4.800

APE

Rio de Janeiro Refrescos Ltda.

Rio de Janeiro

RJ

Apenas outorgada

531.800

PIE

Rio de Janeiro Generation Ltda.

Seropédica

RJ

Construção

S. A. V. - Unisinos

4.600

APE

S.A.V - Unisinos

São Leopoldo

RS

Apenas outorgada

Salinas Perynas

3.000

APE

Companhia Salinas Perynas

Cabo Frio

RJ

Apenas outorgada

Santa Branca

1.112.480

PIE

Eletroger Ltda.

Santa Branca

SP

Apenas outorgada

São Gonçalo

210.800

SP

Furnas Centrais Elétricas S/A

São Gonçalo

RJ

Construção

3.646

APE

TDS Centro Comercial Ltda.

Taboão da Serra

SP

Apenas outorgada

Termoalagoas

143.176

PIE

Usina Termoalagoas Ltda.

Messias

AL

Apenas outorgada

Termobahia Fase I

255.000

PIE

Termobahia Ltda.

São Francisco do Conde

BA

Construção

Riogen Fase I

Shopping Taboão

Termopernambuco

637.500

PIE

Termopernambuco S/A

Ipojuca

PE

Construção

1.162.800

PIE

TermoRio S/A.

Duque de Caxias

RJ

Construção

Termosergipe (Fases I e II)

135.000

PIE

Termosergipe S/A

Carmópolis

SE

Apenas outorgada

Três Lagoas

465.800

PIE

Petróleo Brasileiro S/A

Três Lagoas

MS

Construção

Vale do Açú

347.400

PIE

Termoaçu S/A

Alto do Rodrigues

RN

Construção

Valparaíso

260.800

PIE

Sociedade Valparaisense de Energia Ltda.

Valparaíso

SP

Apenas outorgada

4.680

APE

Companhia Brasileira de Bebidas

Viamão

RS

Apenas outorgada

TermoRio

Viamão Ambev

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ­ ANEEL. Banco de Informações de Geração ­ BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

135

9

GÁS NATURAL

FIGURA 9.4

Termelétricas a gás natural em construção e projetos apenas outorgados
(construção não-iniciada) no Brasil ­ situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

136

GÁS NATURAL

FIGURA 9.5

9

Representação dos gasodutos existentes, em construção e em análise no Brasil

Fonte: Gasenergia. 2003. Disponível em: www.gasenergia.com.br/portal/port/barraservico/mapa/mapa.jsp. (adaptado)

137

9

GÁS NATURAL

9.5. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS
Apesar das vantagens relativas do gás natural, quando comparado ao petróleo e ao carvão mineral, seu aproveitamento energético também produz impactos indesejáveis ao meio ambiente, principalmente na geração
de energia elétrica. Um dos maiores problemas é a necessidade de um sistema de resfriamento, cujo fluido refrigerante é normalmente a água.
Nesse caso, mais de 90% do uso de água de uma central termelétrica
podem ser destinados ao sistema de resfriamento. Embora existam tecnologias de redução da quantidade de água necessária e de mitigação de
impactos, isso tem sido uma fonte de problemas ambientais, principalmente em relação aos recursos hídricos, em função do volume de água
captada, das perdas por evaporação e do despejo de efluentes (BAJAY;
WALTER; FERREIRA, 2000).

Segundo a referida fonte, a demanda média de água de uma central termelétrica operando em ciclo a vapor simples é da ordem de 94 m3 por
MWh. No caso de ciclos combinados, o valor é de aproximadamente 40 m3
por MWh. Esses índices podem variar substancialmente, de acordo com
a configuração adotada. Em geral, os valores são mais baixos nos sistemas de co-geração.
Em termos de poluição atmosférica, destacam-se as emissões de óxidos de
nitrogênio (NOx), entre os quais o dióxido de nitrogênio (NO2) e o óxido
nitroso (N2O), que são formados pela combinação do nitrogênio com o
oxigênio. O NO2 é um dos principais componentes do chamado smog(21),
com efeitos negativos sobre a vegetação e a saúde humana, principalmente quando combinado com outros gases, como o dióxido de enxofre
(SO2). O N2O é um dos gases causadores do chamado efeito estufa e
também contribui para a redução da camada de ozônio (CASA, 2001).

(21) Mistura de fumaça (contendo vários poluentes) e de nevoeiro, que, sob determinadas condições atmosféricas, se forma sobre os grandes centros urbanos e industriais

138