Stein Ricardo - Esteróides Anabolizantes, Marcadores Aterotrombóticos e Função Endotelial

QCVC

Autoridades

Areas Temáticas
Arritmias e Eletrofisiologia
Bioengenharia e Informática
Médica
Cardiologia do Exercício
Cardiologia Nuclear
Cardiologia Pediátrica
Cardiologia Transdisciplinar e
Saúde Mental em Cardiologia
Cardiopatia Isquêmica
Cardiomiopatias
Ciências Básicas
Cirurgia Cardiovascular
Cuidados Intensivos no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca
Ecocardiografia
Doençã de Chagas
Doençãs Vasculares Cerebrais e
Periféricas
Enfermagem Cardiovascular
Epidemiologia e Prevenção
Cardiovascular
Farmacologia Cardiovascular
Hemodinâmico -
Intervencionismo Cardiovascular
Hipertensão Arterial
Insuficiência Cardíaca
Técnicos em Cardiologia

Atividade Científica

Hall Central

Informação Geral

FAC

Simpósio Argentino-Brasileiro de Exercícios,
Ergometria e Rehabilitação
Esteróides Anabolizantes, Marcadores
Aterotrombóticos e Função Endotelial

Ricardo Stein, Anderson Donelli da Silveira,
Cátia Boeira Severo *

Laboratório de Fisiopatologia do Exercício (LaFiEx),
Serviço de Cardiologia Hospital de Clínicas, Porto Alegre, UFRGS,
Brasil

Introdução
A testosterona e seus derivados vêm sendo usados como substâncias terapêuticas para uma série de
condições clínicas como impotência, depressão, criptorquidia, grandes cirurgias e queimaduras desde
1932 [1]. Passados alguns anos começaram a ser descritos estudos sobre a melhora do desempenho
atlético em soldados durante a II Guerra Mundial. No Campeonato Mundial de Levantamento de Peso,
realizado 1954, o uso de esteróides anabolizantes (EA) começou a ser descrito como uma ferramenta
de auxílio ergogênico [2]. Nas Olimpíadas de 1964, é fato conhecido que diversos atletas de diferentes
nações faziam uso de EA de forma muito liberal. Conforme o exemplo da década de sessenta
evidencia, o uso de EA proliferou nas competições internacionais, tomando proporções epidêmicas. No
entanto, somente nas Olimpíadas de Montreal (Canadá/1976), tais substâncias foram formalmente
proibidas, sendo consideradas Doping. Cabe salientar que mesmo com a ação intensa do Comitê
Olímpico Internacional (COI), assim como de diferentes organismos. Desportistas de diferentes
modalidades competitivas vêm lançando mão deste recurso ilícito com o objetivo de melhora da
performance. Outro problema atual é o uso crescente destas substâncias dentre adolescentes e jovens
que participam de competições esportivas ou que freqüentam centros físicos/academias.
Muitos dos efeitos tóxicos dos EA podem ser atribuídos à dosagem excessiva e técnicas de
administração equivocadas [3]. Burkett e Falduto [4] descreveram que a dose usada por levantadores
de peso geralmente excedia entre 10 e 100 vezes a dose terapêutica normal destas substâncias.
Outros autores descrevem doses tão aumentadas quando 1000 vezes a dose terapêutica [2].

Uso de esteróides anabolizantes no Brasil e no exterior
Segundo o COI, os EA pertencem à classe dos agentes anabólicos que, somados a estimulantes,
narcóticos, diuréticos e hormônios peptídicos, glicoprotéicos e análogos, compõem as substâncias
proibidas no esporte [5]. O National Institute Drug Abuse (NIDA) [6], em 2001, listou os EA mais
consumidos, que estão listados no tabela 1

Em 2001, Ribeiro [7] listou algumas características dos EA mais usados em âmbito nacional, como o
decanoato de nandrolona, que é um esteróide injetável com grande efeito no ganho de massa
muscular. Os derivados da testosterona: propionato, fenilpropionato, isocaproato e decanoato de
testosterona (4 tipos diferentes de testosterona sintética), também são bastante empregados com o
mesmo intuito. A oximetolona é o esteróide oral que tem o maior poder no ganho de massa e força
muscular entre todos os EA que existem no Brasil e no exterior, mas também é o mais tóxico,

5to. Congresso Virtual de Cardiologia

Stein Ricardo - Esteróides Anabolizantes, Marcadores Aterotrombóticos e Função Endotelial
podendo causar hepatite instantânea, independentemente da dose. A mesterolona, outro esteróide
citado, apresenta toxicidade mediana e pouco efeito em ganho de massa muscular. Entre os EA
importados, Ribeiro [7] relaciona o estanozolol, que existe nas formas oral e injetável, sendo
extremamente hepatotóxico e amplamente empregado também no Brasil. O emantato de metolona
tem pouco efeito no aumento da massa muscular e é menos tóxico e a oxandrolona não provoca
muitos efeitos colaterais, sendo o preferido entre as mulheres. Seu efeito terapêutico é indicado para
crianças com problemas de peso e para pacientes com síndrome da imuno deficiência adquirida
(SIDA), a fim de minimizar as perdas musculares causadas pela doença. A trembolona é um esteróide
injetável muito tóxico, porém, mesmo assim, é muito utilizado por fisiculturistas e por atletas
profissionais de outras modalidades, sendo usado também por freqüentadores de academias.
Parkinson e Evans [8] realizaram um estudo com 500 usuários de EA. O estudo consistiu em um
questionário anônimo, auto-administrado, aplicado em sites da internet comuns entre usuários de
esteróides. O objetivo foi coletar informações sobre efeitos adversos e tendências atuais entre os
usuários de EA. Oitenta por cento dos usuários tinham entre 16 e 35 anos de idade, e 40% iniciaram
o uso entre os 20 e 24 anos, evidenciando que o uso destas substâncias é um problema importante já
entre adolescentes e adultos jovens. Mais de metade dos entrevistados utilizavam esteróides por um
período de um a três anos e a quantidade de efeitos adversos foi impressionante, como se pode
observar na quadro 2.

Neste mesmo grupo de indivíduos, um grande número de medicamentos também foi utilizado
concomitantemente aos EA. Dentre eles podemos ressaltar agentes anabólicos acessórios como
insulina e hormônio do crescimento; estimulantes e fármacos para perda de apetite como efedrina,
anfetaminas e hormônio tireóideo; e fármacos para tratamento de efeitos adversos como tamoxifeno,
finasterida e clomifeno.
Outro estudo entre alunos universitários californianos [9] investigou o uso de EA entre 1.185
estudantes atletas através de um questionário anônimo. Desses, 3,3% eram usuários de EA
assumidos, sendo mais comum o uso entre homens (4,2% entre os homens e 1,2% entre as
mulheres). Praticamente todos os usuários acreditavam ter conhecimento suficiente sobre os riscos
inerentes ao uso de EA e a fonte de informação deste normalmente era oriunda de colegas de
musculação e outros atletas. O uso de EA foi mais freqüente em ciclos (média de 6,7 semanas) e o
uso de múltiplos agentes foi mais comum. Uma grande variedade de esteróides foi usada pelos
atletas, sendo a maioria obtida de maneira ilegal. Striegel e colaboradores [10] realizaram um estudo
em academias alemãs aplicando questionários entre 113 freqüentadores. Treze porcento admitiram o
uso de EA pelo menos uma vez na vida, e seu uso teve relação positiva com uso de cocaína, anos de
treinamento e freqüência de treinamento. O uso de EA foi negativamente relacionado com grau de
educação e ingesta de álcool.

Esteróides e Marcadores aterotrombóticos
O uso não medicamentoso dos EA têm sido associado à morte súbita, infarto do miocárdio, alterações
no perfil lipídico e hipertrofia miocárdica em humanos. Estudos experimentais em modelos animais,
que foram correlacionados com achados em humanos, sugerem que existam pelo menos quatro
modelos hipotéticos de efeitos adversos cardiovasculares induzidos por EA: 1) um modelo aterogênico
envolvendo o efeito dos EA sobre o perfil lipídico; 2) um modelo envolvendo o efeito dos EA sobre os
fatores de coagulação e plaquetários; 3) um modelo de associação do uso de EA com vasoespasmo,
mediado por uma ação sobre o sistema vascular e por interação com o óxido nítrico e 4) um modelo
de ação direta por dano individual na célula miocárdica [3].

5to. Congresso Virtual de Cardiologia

Stein Ricardo - Esteróides Anabolizantes, Marcadores Aterotrombóticos e Função Endotelial
Diferentes estudos têm evidenciado a relação entre o uso de EA e infarto do miocárdio. Em uma carta
publicada no ano de 1990 [11], foi descrito um relato de caso onde um fisiculturista de 23 anos,
usuário de EA, apresentou um infarto agudo do miocárdio de parede lateral. Aterogênese precoce foi
evidenciada por um cateterismo cardíaco realizado no paciente estando a artéria descendente anterior
ocluída após o primeiro ramo septal, sendo suprida distalmente pela artéria coronária direita. Também
foi encontrado um estreitamento da coronária direita na bifurcação entre a artéria descendente
posterior e os ramos ventriculares esquerdos.
Os atletas de força consumindo EA têm um risco aumentado de aterosclerose em função das
alterações no perfil lipídico, por aumento nas concentrações de LDL colesterol e diminuição do HDL
colesterol. O aumento do risco ocorre por depósito de placas de colesterol na parede dos vasos,
associado ao aumento da agregação plaquetária e provável disfunção endotelial. Tanto a alteração do
perfil lipídico e da coagulação quanto à disfunção endotelial podem levar a um risco aumentado de
espasmo coronariano [1]. Alguns estudos observacionais, relatos de caso e revisões da literatura
associam o uso de EA à alterações importantes no perfil lipídico [12,13,14,15], entretanto, há uma
escassez de estudos com intervenções e ensaios clínicos randomizados sobre esse assunto.
Hartgens e colaboradores [16] investigaram o efeito de dois regimes diferentes de esteróides
anabolizantes nas lipoproteínas e lipídios séricos e a recuperação dessas variáveis após a cessação do
uso de esteróides. Dois estudos diferentes foram delineados. No primeiro os lipídios foram medidos
em 19 indivíduos que se auto-administraram EA por oito ou 14 semanas e em 16 indivíduos nãousuários de EA. No segundo estudo, este um ensaio clínico randomizado duplo cego, foram avaliados
os efeitos do decanoato de nandrolona intramuscular (200mg/semana) em 8 semanas de uso. As
mesmas variáveis agora em 16 atletas voluntários foram examinadas.
Concentrações séricas de colesterol total, triglicerídeos, HDL-colesterol, HDL2-colesterol, HDL3colesterol, apolipoproteína A1 (Apo-A1), apolipoproteína B (Apo-B) e lipoproteína (a) (Lp(a)) foram
medidas. No primeiro estudo o uso de EA levou à uma diminuição nas concentrações séricas de HDL
(de 1,08 para 0,43 mmol/l), HDL2-C (de 0,21 para 0,05 mmol/l), HDL3-C (de 0,87 para 0,40
mmol/l), e Apo-A1 (1,41 para 0,71 g/l), enquanto os níveis de Apo-B aumentaram de 0,96 para 1,32
g/l. A Lp(a) sérica foi reduzida de 189 para 32 U/l. Colesterol total e triglicerídeos não se alteraram
significantemente. As mudanças após 8 e 14 semanas de uso de esteróides foram semelhantes.
Nenhuma modificação ocorreu nos controles. Mesmo após seis semanas do término do uso de EA os
valores ainda não haviam retornado ao nível basal e o uso por 14 semanas esteve relacionado à uma
recuperação mais lenta dos níveis basais. Já no segundo estudo, decanoato de nandrolona nao influiu
nos valores dos triglicerídeos, colesterol total, HDL, HDL2, HDL3, Apo-A1, e Apo-B após 4 e 8
semanas de uso. Entretanto, concentrações de Lp(a) caíram significantemente de 103 para 65 U/l no
grupo que utilizou decanoato de nandrolona. Seis semanas após a intervenção os níveis de Lp(a)
haviam retornado ao valor basal.
Ansell e colaboradores [17], no ano de 1993, através de experimento metodologicamente
questionável, avaliaram os efeitos do uso de EA na coagulação e nos sistema fibrinolítico de 16
fisiculturistas do sexo masculino, com idades entre 20 e 42 anos. O estudo foi conduzido para detectar
se as alterações ocorridas poderiam predispor esses indivíduos a um estado de hipercoagulabilidade.
Somente em 6 indivíduos pode-se observar um pareamento amostral adequado, seja durante o
período de uso dos EA ou nos períodos pré ou pós o uso do mesmo. Nos outros 10 sujeitos, apenas 5
providenciaram amostras durante o uso de EA e 5 em período livre do seu uso. Os valores de
fibrinogênio não diferiram nos 6 indivíduos com ou sem o uso de EA. Quando o grupo inteiro foi
analisado (11 sujeitos durante o uso de EA e 11 sujeitos em período livre de esteróides), uma
contagem elevada de plaquetas foi encontrada em vigência de EA. O colesterol total apresentou uma
pequena, mas significativa redução durante o uso de EA nos 6 indivíduos com amostras pareadas.
Grace e cols. [18], em um estudo de casos e controles, relataram que os níveis de proteína C reativa
eram mais elevados em usuários de EA quando comparados com controles atletas e sedentários.
Severo, Donelli, Stein e colaboradores [19] realizaram um estudo de casos e controles com o objetivo
de avaliar as alterações sobre marcadores aterotrombóticos e a função endotelial em atletas do sexo
masculino usuários de EA quando comparados a controles não usuários. Foram estudados 22 atletas
de força, sendo 10 casos e 12 controles. Pressão arterial (PAS e PAD), peso e horas de
exercício/semana foram aferidos, assim como hemograma, plaquetas, fibrinogênio, perfil lipídico,
proteína C reativa ultra sensível (PCRus), além de hormônios esteróides. A função endotelial foi
avaliada por ecografia braquial em 4 momentos (basal, pós-oclusão, pré e pós nitrato sublingual)
através de protocolo validado. Amostras de urina foram coletadas para confirmar o uso de EA. Os
valores médios da PAS e da PAD (155 vs 119 e 93 vs 77mmHg, p